Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06262


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVI.
Qu arta-fe ira 5
FABTIDAS OOB OOaXJVMO.
Golanoae Parahlba, icgundaieiexlai felras.
Rio Grande-do-Nortc, quintal feiras aoraeio-
Cabo, Serinhaem, Ro-Formoo, Porto-Calvo
e Hacei, no I.', a II, e 21 de cada mez.
Garanbuns e Benito, 8 e 23.
Boa-Vista e Florea, a 13 e 28.
Victoria, a quintal feras.
Olinda, todos o dial.
HBUUBIDU.
MIng. a 4, i 1 h.ei4ra.dat.
Nova a 12, a I0b.e27 m. dani.
Creic.l9,ii 7h.e47m.dam.
Chela a 20, ai 9 h. e 1 m. da m.
PQE AMAR D HOJK.
Prlrnelra a> 9 borai e 18 mlbutoi da manta.
Segunda ai 9horai e 42 minutos da larde.
de AbrH de 1880.
vmEOOa da anacaipgAo.
Portres mezei (mdmlsdoi) 4/000
Porieiimezei MDOO
Por un anno t 15/000
DIA8 DA BOUU.
1 Seg. a* Priinera oitava. S.Macario.
2 Tere. Segunda oitava. S. Francisco de Paula.
3 (Juart. S. Ricardo. Feriado para os negocios fo-
rense pelo resto da lemana.
i Quii. S. Isidoro.
5 Seat. S. Vicente Ferrer.
6 Sab. S. Mareellino.
7 Dora, da Pascoella. S. Eplfanlo.
N. 74.
CAMBIOS EN 2 DE ABRIL.
Sobre Londres. 28'/. d. P<" l/* a W dlM-
. Parii, 316.
Lisboa, 95 por cento.
Otro. Oncas hespanhes.......
Moeda de 6/400 velba
de 6/4UG novas
de 4/000..........
/'rala.Patacoei brasileirus.....
Pesos columnarios......
Ditos mexicanos.......
29/000 a 29/500
16/600 avJ6/800
16/100 a 16#300
9/I00 a 9/30
1/140 a 1/W50
l/40 a 1/160
1/800 a 1/820
(Pl
PARTE OFFIClAi
COVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 28 DE FEVEREIRO.
Ofllcin. Ao presidente fio Para, remet-
iendo copia do olUcio do inspector da paga-
doria militar desta provincia acerca do sup-
prmentode farda monto Coito s pracas do
tarceirn baUllio de artilhnria, que (icaram
naquella provincia, por n3o poderem mar-
char.
Dito. Ao mesmo, aecusando recebido
umeiemplar do relalorio com queS. F.xc
nlirio a sess.i ordinaria da assemhla le-
gislativa daquella provincia.
Dito,-- Ao presidente do Rio-Grande do
norte, declarando que pelo vapor S -Sebas-
i0.ii remelle o lampean, que a requisicSo
de S. Exc. mandou preparar no arsennl de
guerra desta provincia, para servir de plia-
rol na fortaleza da barra daquella, e reeom-
niendsndo que i vista da conta que remel-
le hija de expedir suas ordena para que o
mesmo arsenal de guerra seja ndemnisa-
do da importancia do mencionado lampeSo.
Neale sentido offlciou-se ao agente da
companbia de vaporea, o ao director do re-
ferido arsenal.
Dito. Ao commandante das armas,
communicando ter o Extn. presidente do
llaranhflo particpalo que, ein virtude do
aviso circular do ministerio da guerra do
primeiro do dezembro prximo passado,
determinara que o contigente do quinto
batalhSo de fuzileiros licasse addido ao
corpo fixo dePiauhy, destacado niquella
provincia, para ser por ella abonado de fr-
damento do primeiro de Janeiro desto an-
do en diante ; porquanto, segundo o cita-
do aviso a consignarlo para tardamente he
abonada pela thesouraria, ou pagadoria da
provincia, onde as pregas se acham em ser-
vico.
Ofiiciou-se neale sentido ao presidente
da provincia do MaranhSo, e ao inspector da
pagadoria d'aqui.
Dito. Ao commandante da praca, in-
teirando-o de haver concedido a (cenca
que pedio o particular segundo sargento do
leiceiro batalhiio de artilharia a pe, Luiz
Firniino de Souza Caldas, para continuar
os ostudos de sua arma na escola militar;
e prevenindo-o de que o mesmo particular
deve seguir para a corle no primeiro vapor
que chegr dos portos do nurle.
Dito". Ao commandante superior da
guarda nacional do Recita, para que mand*
postar em frenle da igreja do C^rmo om
Olii'da, urna guarda de honra para acom-
pahhar a procasSo do Senhor lloin Jess
dos I'assos, a qual amanhaa deve ter lugar
naquell. cidade.
Scieniilicou-se ao commandante superior
de Unida elguarass.
Circular. Ao juizes dedireilo do crl-
me e civil da provincia, transmittindo, em
cumprimonlo do artigo sexto do regula-
mento n. CU* de 27 dejunho do anno pr-
ximo pausado,un exemplardosupplemenlo
ao Diario-do-Itio-ile-Juneiro, de 9 do corren-
te, conteni o sogundo edital e rclafSo a
que o mesmo regulan.ento se refere.
INTERIOR.
ALAGUAS.
Extracto do expedan/ do Exm.Sr. preti-
dintiDr, Josi liento da Cunha figueirtdo.
25 DE FEVEREIRO.
OftVrlo. Ao inspector da theiouraiia defa-
zeuda, para informar le haquota para se faze-
rem o reparo! que no incluso rnelo dii o ca-
ritao do porto merino necesiitareio, al duas
anchas de soccorro daquella capitana.
Dito. Ao me sino, para mandar pagar a Su-
te Amonio de Parla a Inclua conta do concer-
t de irte pipai, que por ordein da previden-
cia se flzeraut para oservlco da caijlMnia do
porto."- -
''Dito -Ao commandante da campanilla de
polica, cominunicaodo-lhc que, por despacho
de 18 do crreme, fui concedido ao soldado de
suacompauMa Manoel Ignacio de Faria enga-
jar-ae no segundo batallio de artilharia a p.
Dito. Ao inspector da alfandega, coinuiu-
nlcando-lbe que.alicndendoa grande falta que
faz em iua reparlicao, dando Ihe os psames
pela senlivel peda que acaba de sofl'rer coma
wortc de sua sogra, jolga dever desanoja-lo.
DEM DO DA 26.
Officio. Ao thcaoureiro da subscripeo de
Pernaiubuco, Francisco Antonio de Oliveira,
tomn un cando Ihe que foirecebida a quantia
de 300.000 n que reinflteu e fol (inmediata-j
mente appllcada ao lim destinado pelo Exm.
presidente daquella provincia.
t.ircular. Aos tenentes-coroneis comman-
dantes dus batallics de guardas nacionaes de
Pprto-de-Pedraa, Paco-de-Camaragibe, Ala-
goas. Pitar, (orte, Cururipe e Penedo, orde
nando-lhesque, em cuinpiiiiiento do aviso do
Uiinlsterio da uiarinha de 12 do crreme, pro-
cedam a um rrcrulainento nos individuos que
forem mals proprlos para a vida do mar, de-
vendo para isso eicolher os man robustos, e
cuja idade leja de 16 a 30 annoi, os quaes se-
rao enviados para esta capital dentro do praio
de tres inezcs ao uiais tai dar,a contar Ucsta da-
ta: recoiiiineiidaiidu-se-llies que euiprcguein
lodo o leu elo e acllvldade no desempeuho
desta commisso.
Olflcio. Ao juiz municipal e de orphaos
deste termo, approvando o curador de Africa-
nos por elle Horneado, e que neila d.ta le ex-
pedir ai conveniente! ordens.aliin de Ihe le-
i em fornecidoi o dous llvroi que requiila.
Dito. Ao coinmaudanle de polica, para
dar baixaao soldado desertor Pedro Fernandes
dos Sanios, mandando-o por diposicao do
capito do porto que Ihe dar o conveniente
d atino.
Dito.Ao inspector da thesouraria defa-
zenda, pra mandar fornecer ao Dr. juiz mu-
nicipal e de orphlot deste termo dous Ibrros
de formato ordinario com cen folhaa cada uin
pata os aisenlainentoi e mal tenrios corres-
pondente! arreiuatacao dos lerVicos dos Afri-
canos.
Dilo. Ao capito do porto, dizendo-lhe que
pode fazer o recrutamento das seis ou oito pra
(as para a tripolacao do patacho FetitUniio,
e que nesta data se ordena pira iicar sua dls-
posicu, como recruta, o ex-Mldado de policio
Pedro Fernandes doi Santos.
Dito Ao agente da companhia dos vapo-
re!, para mandar receber a bordo do vapor
San-4'#caii(io e conduzir para Pernambuco a
serentiegue ao Exm. presidente daquella pro-
vincia, os quatro desertores que llic frem
apresentados.
Dito. Aos douiores em medicina Francis-
co Jos da Silva Porto c Roberto Calheiros de
Mello, para proporem j e j quaes os soccor-
ros de botica e ineaicos de que se necessita, -
l'uii de serem reiiuisltadoi provincia de Per-
nambuco, assim como que relatem o numero
de morios que tea havidn, c tambeni a iulen-
cldade do mal para se Ihe oppor a uarreira
que se julgar convenlepte.
Dito. Ao Dr. Jos de Barros Accloli Pimen-
tel, coiivid.indo-o para fazer .parte da commis-
so medica nomeada pela cmara municipal, e
que sem perda de lempo se rena com srus
collegas em conferencia parajndicarem quaes
os soecorrosde que se precisa, aflu de serem
pedidos provincia de Pernambuco.
Dito. Ao agente da companhia dos vapo-
res, dizendo-lhe que at as 10 horas da noite
ao mais tardar, estar fechada a mala.
Ia n3o, a generosidade he umsentimento
nobte, e o governn que possue este elevado
seolimento nSo pode rasoavelmente exigir
de seos proprios aliados polticos o esque-
cimento e a renuncia de um dever, que tan-
to enobrece aquella que o prlica, embora
para com individuos de urna poltica op-
posta.
Senhores do Nortista, desengansi-vos;
n.1o serio porcerlo as vossas calumnias, que
nos condemnariio no juizn do publico, ao
alcance de quem estilo os nossos e os vossos
actos, o nosso e o vosso proceder ; este he
quem nos dev* julgar, e temos pela nossa
partea mais intima conviCQ.Io de que nos
far justica : o triumplm da calumnia he
sempreephemero.enem pode por rnuitotem-
po reagir contra a verdade. ossa rainha do
mundo, que a lodos se costuma mostrar dia-
fana e transparente, como ella he.
Cidade do Natal, 13 de marco de 1850.
Jodo Cario Wanierlty.
KIO-GRANDK DO NOBTE.
AO PUBLICO.
Fallai em ludo verdades
A' quem om tudo as deveis.
.s'i de Uiranda
O desprezo mais soberano deveria ser lal-
vez a resposta mais convinhavel a essa serie
inunda de calumnias, que a gazeta Kortiita,
impressa e publicada na typograpnia do Pe-
dro II do Cear, se tem feilo cargo de der-
ramar contra nos, e contra muitos oulros
ciiiadflos que, merco doco, est3o mui Ion-
ge de serem feridqspor essas iovenenadas
atas, que diariamente IhesSo arromessa-
das ; mas pede a nossa honra, e exige o res-
peito que devenios a verdaile, que n3o dei-
xemos passar desapercebida urna revoltan-
le calumnia contra nos proferida na ultima
parte do dilflTnmalico artigodas du*s
urna IQue se l no Norliita n. u de 8 do
corrente, onde os folicularios dessa immo-
ral gazeta referem, sem a menor ceremonia,
como existente um faci que j mais seden,
ou leve lugar onlre nos o os senhores S-
cundino, e Dr. Pamplona e que somonte fi-
gura na ferlil rflaginacBo do Fiortltla, Para
darmos um solemne desmentido ao que a
este respeilo refero oorgmla fcelo nor-
tista. bastar-nns-ha invocar, corno invoca-
mos, o sincero lestemunho dos honrados
sen More Secmi tillo, e |)r. Pamplona e lia.la
mais sera-preciso para de urna vez confun-
dir nossos gratuitos calumniadorea. Como
esta, s3o todas as de mais calumnias, o alei-
vosias, que esses miseraveis detractores tan-
to se tenm esforzado por derramar contra
nos, pretendendo dest'arte desconceiluar-
nos aos olhos daquelles, que nos n.to conhe-
cem.e do publico, em respeilo quem to-
mamos a deliberarilo de escrever estas pou-
cas linhas.
Desde milito que os inculcados sectarios
da ordem nesla provincia, ou por outra, os
irreconciliaveis inimigos da verdade bus-
cam descobrir na sincera amizade, que con-
sagramos ao Exm. Sr. senador Alencar, 11 s
rclacOes particulares, quesempre com elle
mantivemos, um plausivel fundamtnlo para
fazer crer ao governo, que o pirtido solista,
a que temos a honra de pertencer, u3o es-
posa os verdadeiros sentimenlos de ordem,
comoconsoiencioamenteilllrmaram na tri-
buna os Exms Srs D. Manoel e Dr. Moraes
Sarment e eis a rasflo porque, para tilo
conhecidos fins, ousam asseverar que pelo
Sr. Dr Pamplona enviamos ao Exm. Sr. se-
nador Alencar nossos votos de adhesfto He
mais urna outra calumnia, a respeilo da
qual invocamos igualmente o tostemunho
mui valioso do mesmo Sr. Pamplona : ello
que, sem reserva alguma, declare >e ha a
menor sombra de verdade em tudo quinto
a nosso respeito publicou a gazeta llortista,
a que nos referimos.
Se porque o Sr. senador Alencar he apon-
tado como un dos memhros procmiiieiit \s
daopnsic.no, e Ihe votamos paiticular es-
tima e amizade, ontendem os exclusivos or-
deiros,os saquaremas de especula^So, que
llevemos ser aponlados como oposicionis-
tas, ou retirar-Ihe a nossa amizade, para
deste modo justincarmo-nos perante o go-
verno, cnitanam-se completamente; nem
urna semelhanle justifica^ilo, nem um til
procedimento estara de accnlo com o nos-
so carcter e sentimenlos. Mais do que es-
aes improviados saquarem temos dado,
em dilTerenles pocas, provas asss exube-
rantes de nosso amor a ordem o de nossa
dediraeo aos principios constilucionaes,
principios que mais temos sabido respeitar,
que os jatanciosos nortistas, inimigos ju-
rados da ordem, da paz publica. Que im-
porta que tendamos particular amizade ao
senhor senador Alencar, e que este nos hija
sempre merecido a conservarlo della ? Por-
venlura ser isso um crime aos olhos de il-
guem, a nlo ser aos de eapiritos mesqui-
nhos? -- Pod-lo-ha ser, muito menos, aos
olhos do governo, aquem temos constan-
temente servido com le.ldsde? ABo por
certo ; nem ao governo fazemoa a injustica
d Ihe suppdr sentimentos taos, quaes Iho
prelendem emprestar os horAens do iforiis-
llrl'ilnrin ta autnpiia Jo cadver do Erro, irtii.
denle da provincia, vinte e leif horai depoii da
morle.
No da ludo corrente, das II para as 12 ho-
ras, na matrit desta capital, em presenca do
Sr. chefe de pnlicia, do Sr. promotor publico,
doescrivao c de inultas oulras pessoas fui rol-,
locado sobre nina mesa baixa o cadver do.
Rim. presidente, para ser vestoriado ; e desem-
baracado o tronco das roupas proceden se ao
exanie, e se observou o que passo a referir:
Habito exterior Posicao dorsal, em que ti-,
ol i sido conservado o cadver desde o dia an-
tecedente. A face exprime a calina das pai-
xfles urna larga e considrravel erliymose ro.|
xa oceupa toda acbela, a excepeo da parte
inferior da fronte, pmulos e inei.to ; os labios
de um roxo escuro un liquido s inguinolento
mui ligeiramente espumoso, e exalando mo
cheiro sabe das ventas c dos ngulos dos la-
bios; urna consideravel ecliyuoe cr de vio-
leta sobre a parle supero-anterior do tronco,
mais larga na amelade direita, do que na es-
querdn, e estendendo-se em forma de fita at a
parte inferior do slernon una oulra ecliyino-
se de cor amarrlla, semeadi de pontos lvidos
sobre h espaco supra-claricular esquerdo, che-
gando ate um ponen alvino da clavicula cor-
respondente; as extremidades unguiaes dos
dedos de urna c6raznladi; echymoscs viola-
cea< sobre a face palmar das nios, mais largas
e numerosas sobre a direila, do que sobre a
esquerda ; o ventre meteorisailo; a parle pos-
terior do tronco he oceupada por urna s niosc de um roxo-escuro ; a contractura geial
menor que no dia antecedente, os inembrns se
dobraiido debaixo de sen prnprio peso.
Catidade craneana Ocouro cabelludo con-
gesto e deixando escapar sangue negro pelas
incisdes : ao levautar-se a caixa o^sea o cortan-
te obtuso do inarli lio, que o ajudanle empre-
gou emquanto eu descansava, dividi urna
porco da massa encephaliea, na loogura de
quatro pollegadas, leudo sido as membranas
divididas pelo serrote nesse mesmo ponto ; a
pi i nulo he consideravelinrnle Injectada,
seus vasos fazrm lallencla ; echymoses de um
roxo-negro sobre a superficie da extremidade
posterior do liemisphei o esquerdo. e verme-
llias sobre diversos pontos da superficie das
circunvolucoes do mesmo enilsplierio ; liqui-
dus sanguinolentos na cavidade dos ventrcu-
los; a uiassa de suas paredes amollecidas, re-
duiidas urna especie de papa inconsistente ;
a substancia cortical mais escura que no esta-
do normal; cogulos sanguneos de cr negra'
na parte anterior da porco superior do meso-
cephalo ; nenhuma alieracao sobre o resto de
cerebro. |
A tenda e a superficie do cabello congestas;
a consistencia doheinispherioequerdo menor
queadodirritn ; o volunte e a cor do resto sem
alteraran ; o quarto ventrculo ou o ventruulo
do cerebello apenas humedecido ; lquidos
sanguinolentos as fnsssas occipitaes inferio-
res o ventrculo tendo sido perfurado pelo
escalpello. |
Cavidade torcica. Fortes adherencias dos';
pollones s pleural do lado direito; o voliimc
de lodoi o lobos normal ; a cor de sua supert-
ele he de um negro esverdiado ; a consistencia
natural.
Pericardio e coracao; situaco, ynluiuc, fr-j
na, cor e consistencia sem alieracao ; os ven-
trculo! do coracao vazios; arterial pulmonar
e a orta em estarlo normal.
Cavidade de abdominal. Echymose de c-
rei variada! semeadas nos entestinos, e oceu-
pando toda a espessura dai membranal; urna
larga de um vermelho escuro na parte superior
e direita do estomago correspondente ao liga-
do ; outra tainbem consideravel e de cor ama-
relia sobre lodo o epiploon gastro-hepatico, e
porco correspondente do colon ; outra larga
de um negro tirando sobre o verde oceupa qua-
il lodo o grosso lobo do ligado ; o voluine e for-
ma delta viscera nnrniaes ; toda a porco com-
prebendla pela echymnse nao ringe debaixo
do escalpello, e se desmancha entre os dedos;
o resto sem alteraco.
O baco de urna cor negra riverdinhada tem
o vid nuil', forma c a consistencia normaes.
Rins sem alieracao.
A bexiga ou o reservatorio da ourina. nao
pode ser examinada inleira. por ter sido corta-
da com a paite correipondente da parede ab-
dominal por inadverlf nci^jje quem o lez ; a
porco encontrada se acblHem alieracao mr-
bida.
O estomago depois de ligado com.um cordo
duas ou tres pollegadas cima do orificio supe-
rior do pylorlcn, foi posto dentro de um vaso
de vidro, fechado, envolvido ein papel branco,
ligado com cadarso, rubricado pelo juise pe-
ritos, lacrado, e tai entregue ao Sr. chefe de
polica, para se proceder no da seguinte a arta-
yie chymica das material nclle comidas, o
canal ra indiano nao foi abe rio, por le ter dei
xado para o lim, e nao periuitii-lo a fadiga
cauada pela meta baixa, sobre que ic traba-
Ihava.
No dia 17, na secretarla de poljela, ein pre-
tenda do promotor publico e mais lesleuiu uhas
que linbaui presenci.do o enccri amento do es-
tomago, fol pelo Sr. chefe de polica entregue
o vaso, estando do meiiuo modo, que o rece-
bera aoi perito!, para ler examinado, e ludo
lito as 10 horas da inanha.
Abrio-se o vaso e se enrabio o estomago,
exalava mo cheiro ; acliaraiu-se as ligaduras
do mesmo modo que se linbam feilo e nenhu-
ma perforacao tintn havidn a cavidade desta
viscera le a. lia va um pituco destendida por ga-
zes; a superficie exterior era quasi toda oceu-
pada por una larga echymose de cor negra ;
abrio-se o estomago com uin bistur, encon-
trnu-sc urna especie de massa de cr escura se-
melhanle a borra de vinho, viscosa e da con-
sistencia de gelea; extrahio-sc com urna co-
lln-r de praia, e ie depositou em um copo : la-
vou-se o interior do estomago c se reconheceu
que a echymose oceupava toda a espessura das
membranas, de que a consistencia era normal;
a porco do esophago comprehendlda entre a
ligadura e o orificio superior do estomago,
apresenlava o interior profundamente averine-
Ihecido ; o interior do duodeno tinha a cor ne-
gra, como o exterior.
As materias exlrahidas do estomago fram
dissolvidas no copo, em que se achavam, em
sufiiciente quantidade de agoa quente ; filtrou-
se a soluco, dep iltou-ie em una garrafa
branca o liquido filtrado, e ein dous coplo
residuo eiivolveram-ic em.papel branco estes
vasos, ligaram-se, lacraram-se e fram entre-
gues ao Sr. chefe de polica para, no dia se-
guinte, se analysarem estas materias, visto que
nao estavam promptos os reactivos pedidos.
IV'o dia lanada se fez por iiau estarcm prainp-;
los os reactivos.
No dia 19, o boticario, que os nao podia pre- J
parar, assim o deelarou, duendo nao ter appa- I
relho conveniente, c eu tambem declarei nao
Dedr proceder a analyse sem todos os reacti- I
volque ti uli.i pedido, e assim se termiuou a I
vistorla.
Refl'Xvei. F.raaqin o lugar da coneluso ;
mas que coneluso dada a hypolhese de enve-
nenamento, e faltando a parte a mais interes-
lante da villora, a analyse chvinica ? Q^ne ui-
zo pronunciar ein materia lo grave ? Simeliut
til lictere qradam, quuai progredi >er enebral,
como diz aubio. uiarcbarri al onde me guiar
a luz dos factos conhecidos, e ah larri alto.
As leies orgnicas que acabo de mencionar,
pe-me fra deduvida a existencia de urna for-
te congesto cerebral.
Ao que liea dito crcio dever acrescentar que
no dia 14 fui chamado por S. Ese. para o tratar,
que o achci soffrendo llgeira diarrhea (ia ban-
ca quatro a cinco vezes por dia) acompanhada
de ligeiras clicas, mas o ventre supportava
sem dor a presta em todos os pontos; Inappe-
tencia, a lingua esbranqiiicada ligeiramente ;
ligeira ndisposicao ge ral, alguiu peso supra-
mbitario; o nriz entupido, que prescrevi in-
fuso de llores de borragem para beber de ina-
nha c a noite, c no intervallo agoa de arroz e
dous ou tres banhos de assento em coziinento
de malvas ; que no dia lft de inanhaa S Exc,
se ach iva mellior.
Natal, 22 de marco de 1850. Dr. Thomax
Cardaso de Almeida.
conforme. Manoel Joaquim lleriiues de
Paiva, secretario do governo.
Sr. redactor.I'ira esclarecer a verdade
sobre a carta, viuda da piovincia do Rio-
Crand) do norte, que V. S. publicou etn
sen Diario de 30 do mez prximo passado,
Ihe pedimos a publicaefo das pegas seguin-
tes, que asss demonstran a vontade de se
orcultar a venale sobre o envenenamento
do Exm. ex-presidente Jos Pereira de Arau-
jo Neves, que hoja es mais que prova-
do : asseveramos ao publico, que os exa-
mes nno se concluirn), e tem os mediros
deram seu juzoa tal respeito.-fin Nortista.
liccife, 2 de abril do 1850.
lllm. e Exm. Sr.N3o havondn dado
a parli diaria de quinze e dezaseis do cor-
rete, passo hnje a sstisfizer a esse dever.
Das 8 para as 9 horas do dia i:> ful chamado
de minha casa, para que acudissn, pnis, o
E\m. cx-t residente o Dr. Jos Pereira de.
Aiiuij i Neves, eslava a espirar. Quando
cheguei no palacio, joachei quasi mono,
e um clainor se levantou entre os assisteu-
les, de que tinha sido envenenado. A'vis-
ta do que ouvi do leuento Barros, que tinha
estado com S. Et. pela manli3a, e mesmo
dos orJenanc,as que o serviam, e que todos
me di-seaiii haver o presidente amarilleci-
do boni, e ate dilo, que teoeionava vir
alia no ; e que, depois que tomara meia
chavana de cha da India,fura accomnv tlido
viuli ni itiieiiie (cousas estas todas que me
li/.eiani grand-> |i''S" .ir.iiei de mandar acau-
teilar as bebidas ; islo lie, agoa do arroz,\
que eslava em um copo e um bule com co-
zimeotode borragens, que Ihe tinha rece i-
lulo o Dr. Thomaz Carduzo de Almeida,
que o assistia n'um ligeiro incommodo de
delluMMi; nilo poje sabor que era feilo do
resto do cha, que lomara, nem do bule;
pouco depoischegou o Dr. Carduzo, e Ihe
fui dando parte, de que o clamor era--de
que o presidente fina envenenado,o referido
Dr. para mostrar que desuasreceitus mo
luvla a menor suspeila, bebeo a pACQffo de
agoa de arroz, que eslava, como ja disse,
no copo. A' proporco das pessoas que con-
corriim, as aecusaces de envenenamento
augmenlavam contra varios cidaihlos, e me
reelamavam medidas. No estado melin-
droso da crise, deixei o delegado de polica
O Dr. Jeronv ni i Calmil Hapo/O da Cmara,
e o subdelegado Mafaldo Joaquim de Mello,
para que com os mdicos vissem, se com
elfeitohaviam slguns vestigios, quejusti-
ficassem essa suspeita ; ueterminandolhes,
que me fossem dar paite do resultaJ., no
quaitel militar, paia onde me dirig. All
chegando expuz ao major commandante,
que aliento a esse clamor easordens que
tinha dado, Ihe requisilava que tivesse a
frca reunida para qualquer providencia,
que as circumslancas exigissem em bem da
ordem publica, que pareca agitada pelo
ciso inesperado.
Emquanloo major commandante (") deu
suas ordens para reunir a forja, mandei
(*> Existe no verso da 1.' pagina com a
nota (aja palBvra-commandantcque nSo
tinha o original; no mais porm esi con-
forme.O amanuense da polica Carlos
Joaquim Hereira de Fasoonceltoi..
chamar um dos escrivfles que se enconlras-
se, para me acnmpanhar, caso fosse pre-
cisa alguma deligencia para descobrimento
da verdade ; e assim aguardei o resultado
das pritnetras ndagaQoes. Logo depois do
um quarto de hora veio o delegado partici-
par- me, que os mdicos diziam nSo poder-
se conliecer a causal da morte sem os pre-
cisos exames, os quaes ssefariam vinte
e quatro horas depois do passsmento : in-
mediatamente retirei-me, dizendo ao ma-
jor, que podia deixar ficara tropa reunida,
para garantir a Iranquillidade publica, at
queapparecesse o governo legal, quem
participarse sua estada all.
Itecebi neste mesmo da um nlucio de V.
Ex para proceder corpo de delicto pelas
cinco lloras da tarje, o que cumpr com os
Drs. Carduzo e Joaquim AntSo^ de Sena, e
cirurg3o-mr Lourenqo Antonio do Ama-
ral, c smente fizeram as invesligacOes ex-
teriores. Itelcva aqui expr que o Dr. Car-
il'i/n Iisse-nie s cinco horas, quando veio
para vistoriar o cadever, que a agoa de ar-
roz, que tinha b bulo, lh'o incommodra.
IIontein,i!czaseis,inles do enterramento.re-
cebi outro olllcio, delerminanilo-me que
assislisse a autopsia, s que deu-se princi-
pio, licando por nltimar as investigaeoes
ch i micas sobre o estomago, que continha
lquidos S depois de feilas todas as in-
dagajes, podeiei remetter os resultados
V. Ex., a ser exclarecido o publico e a jtis-
tii;a. Aproveito a ncrasiSo pira pedir a de-
vida autorsajSosldcspezas, quesoteem
de fazer com reagentes e o mais, segn Jo
requsilam os mdicos.
D.iosguarde a V. Ex. Secretaria da po-
lici i da provincia do Ito-Grande do norte,
17 de marco de 1850 lllm. e Exm. Sr. Jo3o
Carlos Wauderley, vice-presidenle da pro-
v'meii.-'Josi Vieira Kotlriguts de Carvalhoe
Silva, juiz de direito e chefe de polica da
provincia.
Termo de entrega que fa% o ex-chefe de poli-
ca o Dr. los T tetra Rodrigues defarcalho
e Silva dos objectos da autopsia frita uo ca-
dver do Exm. ex-presidenlt o Dr. Joti
Pereira de Araufo Neves.
Aos 18 de marco de 1850 nesta ci lado
do Natal, em casa do ex-chefe de rolcia o
Dr. Jos Vieira Rodrigues de Carvalho e Sil-
va, onde aitida existia a secretaria da poli-
ca, eonde veio o Dr. chefe de polica in-
terino Francisco Xavier Per*ira delHito, o
promotor publico, o Dr, Jos llenriqucde
Oliveira, commigo escrivo abaixo assig-
nado, ah presentes os Drs. em medicina
Thomaz Cardozo de Almeida, Joaquim An-
io de Sena o o pharmaceuti'O Manool Joa-
!ni o Brando, foi apresenlado pelo ex-che-
e de polica os vasos, que continham as
materias exlrahiJas do estomago do Exm.
ex-presJente, os quaes vasos s3o dous co-
pos e urna garrafa, que foram adiados en-
volvidos em papel, amarrados e lacrados,
e no mesmo perfeito estado, que Iho t-
nhain sido entregues E para constar man-
dou o juiz lavror esle termo, em que as-
sgnoucom o ex-chefe de polica e as tes-
lumunbas, o Dr. Jeronymo Cabral ftapozo
da Cmara e Carlos Joaquim Pinheiro da
Vaso medios. Eu, Antonio Phladelpho da
lloclla escrvao o escrevi.Urito --Jos Vi-
eira ItoJiigues de Carvalho o Silva,Dr.
i li uin i/ Cardozo de Almeida, Dr. Joaquim
Afilan de Sen, Jos Ilenrique do Oliveira,
Jeronyuo Cabral RapozO da Cmara, Car-
los Joaquim Pinheiro de Vasconcelos, Ma-
noel joaquim Urii 13o. E mais nada con-
tinha dilo termo que qui passei por certi-
ilo do proprio a que me reporto Cdada
do Natal, 18 de marco de 1850. Escrevi o
assignei.Em l de verdade, o escrivSo do
Crme, Antonio Phladelpho da Rocha.--
Est conforme, o escrvao Antonio fhila-
delpho da Rocha.
BECIFE, 3 DE ABBII, BE 1850.
Dasgizelas estrangeira?, cuja recep3o
hontem aecusmos, extractamos mais o se-
guinte :
tosa
Posto que o nosso correspondente de Pa-
rs as cartas que ltimamente publicamos,
nostenhacommuncado que as cortes de
Rerlim e Vienna haviam dirigido ao conce-
liiu federal da repblica helvtica urna no-
ta, a qual tinha especialmente por lim exi-
gir, com Hineaea de intervenirlo armada,
que fossem expulsos da Suissa os chefes dos
refugiados allemSes e austracos, todava
lomos no Times de 2& de feveriro que a
Suisst ( gizeta ) de 19 do mesmo mez allir-
ma, que nenhuma nota ofllcial tinha sido
communicada ao concelho federal por par-
te das referidas corles.
Esta noticia he confirmada pela seguinte
circular diiigida pelo concelho federal aos
goveruos de lodos os cantoes; poraipar-
ticularmeiile aos da fronteira :
a Fi'n'a e charos confederados. Varias
gazelasleem annunciadoque algumas po-
tencias, enlre oulras a Austria eaPrussia,
esl3u concentrando tropas destinadas a
marchar contra a Suissa. e at a invadi-Ia,
alim deextorquirda nfmma certas conces-
M.es ncompaliveis com a sua dignidade a
independencia.
a Comquanlo al ao presente n3o nos te-
uha sido dirigida por parte destas poten-
cias nenhuma nota, escripia ou verbal, nem
nenhuma exigencia, directa ou indirecta,
da nalureza dessas deque fallam os papis
pblicos, islo be, notas ou exigencias rela-


avaatrtM
rasa
>-
tivas aos refutados, eqoe lendam a abu-
sar .as inaliluiges e .lireilos da Suissa ,
comquanlo estas potencias n3o tenham no-
nhuma qucixa conlra a confederac-lo, a
qual lem esponlaneamente rumprido as
suas obrgago s, e continuar a cumpr-
las; comquanlo o.stejamosconseguintemen-
to mui lete do admittir ou mesmo de sup-
por osprojectusallribudos estas poten-
cias, todava, como he do iiosso dever vel-
lar sobre a seguranga da Suissa e a manu-
tcnQiJoassim de sua independencia como
desua neutralidade, rogamo-vos que nos
communiqueis o que souherdes relativa-
mente as concentragOes ou movimentos de
tropas esirnngeiras que possam er dirigi-
das contra a Suissa, alim de que se, contra
toda a expectag3o, os boatos que correm
forem beai fundados, possamos tomar as
medidas necessarias para a defensSo do
paiz.
Vos sabis, charos e fiis confederados,
que, se do urna parte a Suissa nao quer qu
seu solo sirva como o centro de urna pro-
paganda e de projectos que polera causar
inquietaglo aos estados vizinhos, bem co-
mo o concedi federal ha provado por seu
decreto de 16 de julho de 1849 o pelas ou-
tras medidas que ha adoptado relativamen-
te remocho para o interior dos refugia-
dos e expuIsSo dos seus chefes, medidas
que nSo So concessOes, mas sim o cum-
priinenlolivre e voluntario de nossos de-
veres internaeionaes ; por outra parte, for-
to nesta posicSo, a Suissa saber resistir
rom a enogia que d o sentimento de urna
boa causa, a toda a exigencia que poder ex-
ceder os limitos de seus deveres, e a todo o
ataque feito aos seusdireitos: tal hu a fir-
me rosoltico ila nacilo e de soas autorida-
des assim cantonaes como federaes. Pensa-
mos, porlanto, que se a Suissa niio provo-
ca, tambero nSo dove ceder a ameagas ; po
rm repetimos que as hostilidades com as
quaes certas gazetasameagam a Suissa sao
tilo despidas de fundamento, e seriam mes-
mo tSo contrarias rasSo ejustga, etilo
oppostas manutcncSo da tranquilldade
goral, que devemos considerar como um
insulto s potencias suppr que ellas se
deixariam desvairar por um partiJo que
nJo cessa de calumniar a Suissa, na espe-
ranza de que, engaando os governos euro-
peos com soas continuas falsidades. conse-
guir* fazer com que elles sirvam de instru-
mentos aos seus perigosos designios.
Nilocreaes a este partido quando diz
que o concelho federal tem condescendiilo
com asordens da diplomacia, ou tem ame-
cipado suas exigencias. Isto he tilo contra-
rio verdade como quando elles allirmam
que o conreino federal nfio tem frga par
fazer que suas ordenasejam respetadas, ou
que a Suissa he una causa permanente de
perturbaclu para os estados vizinhos Es-
tas nvencoes, como tantas outras, fazem
parte dos projectos do partido revoluciona-
rio, sobre o qual he necessario que tenha-
mosos olhos abertos.
c proveilamos a occasiSo para reeom-
momiar-vos, charos e fiis confederados, e
tambem a nos proorios divina protecgSo.
- Em o nome do concelho fcJeial su-
isso.
(i //. Drury, presdanle da CODfederaoffo.
N. Vtn Moo$, substituto do chanceller
da coiifederag.lo.
Italia
Na l.ombardia o Tosc.ina nada de extra-
ordinario havia (do logar. Segundo um
peridico loscano, o Monitor, o niarquez
Antonio Riario Sforza, ministro plenipoten-
cia) iorie aples, apresenlra no dia 11 de
fevereiro ao grn-doque, parante a gran-
duqueza e a archi luqueza Maria l/.ahel, fi
Iba do mesmo grao-duque, una caria de
seu soberano, pedindo a milo da joven ar-
chiduqueza para o conde de Trapani irm3o
do rei.
A respeito dos estados pontificios, trans-
rrevemos do Times de 19 de fevereiro o so-
guinte artigo rommunicado, que apparece-
ra na gazeta official de liorna de 7 do mes-
ino mez.
Nflo se pode negar que a horrivel do-
magogia msnzziiiana tem partidarios at
mesmo em Roma, a sede querida da chris-
tandarde c da orden publica ; porm be
igualmente verdade que ella couta rnente
um punhado de agentes em comparagao do
grande nunero de amigos da relgiSo, da
raridade christaa e da ordem publica. Al-
guns sedarlos servis de Manzzini l<-m pro-
rurado, por meio di: amebas e escriplos in-
cendiarios, dissuadir o rovo romano de go-
zar do Carnaval para persuadirem ao muido
intciro que os cidadSos sao comprimidos
pela violencia, nito obstante o governo pa-
ternal do soberano pontfice, generosamen-
te protegido pelo exercilo fiai.ccz ; porm
estas ameagas silo urna prova conveniente
de um sentimento inteiramente contrario
entre o povo romano. Nfio ha duvida de que
o presente momento nao he proprio para
diveilimenlos; mas porque? Porque o so-
berano pontfice esla anda ausente de sua
capital em consrquenca dos mos feitosdos
demagogos turbulentos; porque os digna-
tarios da igreja scacham ausentes pela mes-
nia rasiio ; porque o espirito devastador dos
mesmes demagogos tem destruido os con-
tnos de liorna esuasvzinhancas ; porque
as doulrinas dos demagogos tem acabado
com toda a amizade entre os cidadfios ; por-
que o commercio esl paralsado, a conl-
anga destruida, a leligiio espeznhada, ea
n.oralidade, essa vida nica e eterna das
nacOca e da sociedado, anniquilada pela con-
ducta infame de certoa cidadSos. Reflictam
os demagogos que una espada agujada est
suspensa sobre suas cabecas, a qual cedo
ou tardo devei calur e exlennina-los. Es-
ta espada he o bum senso do povo, ha tanto
lempo ultrajado pela insolencia e perversi-
dade oe meia uuzia de malvados se'n (( nein
vergonba.
aples licra tranquillo. O Vesuvio ti-
vera em fevereiro prximo pa.ssa.io urna
nova empello, a qual, segundo urna carta
particular de 9 do mesmo mez, fra mas
magnifica do que todas as anteiiores.
lima outra carta <1o dia 12 contin o se-
guidle paragrapho :
mente, e os sanadores, comecando a tra-
balhar, arrazaram um muro para verse po-
diam anda salvar parle do carvBo qoe o fo-
goainda niio tinha atacado Por outro la-
do o Vesuvio acha-se em plena erupedo, a-
presentando um espectculo mas bello do
que quanlos, ha muitos annos, se tem vis-
to. A lava corre do norte para o leste so-
bre as trras do principe Ottiano, as quaes
lem feito grande destruicOo. Os divertimen-
tos do carnaval esto agora transferidos de
Toledo para osalOes. Uns50paresapparece-
ram com os trajes dos reinados de Luiz XIV
eXVedansaram quadrilhasnos sarausda
marqueza da Ronda, do principe de S.-An-
tonio e da princeza Bentici. Estas brilban-
to partidas cucerraram a estaefo festiva,
entretanto que os trovos do Vesuvio fa-
zem estremecer todas as vidracas de a-
ples.
Na Sicilia urna tentativa de insurrecgffo
teye lugar a 17 de Janeiro na praca Fieravec-
chia.onde ja em 18*8se levantara,o prmeiro
grito de revolta, mas o tumulto fra imme-
diatamente supprimido pela tropa de linha,
a qual nesta occasiSo prendera a seis indi-
viduos. Estes nfelzes fram ulgsdos, con-
demnados e esningardeados: tudo no decur-
so do diaseguinte !.'!
Prusia c Dinamarca.
O parlamento prussi >no fra addiado no
dia 26 de fevereiro pelo presidente do con-
celho, aulorisado pelo rei, o qual por se
achar doente, nao p Je comparecer pessoal-
mente.
O governo tinha determinado levar a ef-
foito a plena iucorporaciio do ducado de Po-
sen com a Prussia. Muitos dos Polacos que
niio qulzeram prestar juramento consli-
luicflo como denotados, ler.lo, pulanlo, de
o fazer como officiies do governo.
O parlamento germnico fra convoca-
do para reunir-se em Erful a -20 da marco.
A convencao militar entre Brunswick e
da Prussia tinha sido plenaaienle con-
cluida.
l.oui Palmcrston, nSo obstante a Dina-
marca e a Prussia terem jrejeita lo a sua
primeira proposta para urna renovando do
armisticio, int"rpozora de novo os seus
bous ollicios, entre estas potencias e desta
ve/ consegoira que o gabinete dinamarquez
accedesse a sua proposta.
VAllfKI>\Dt.
do no mez prximo passado, consignado a
Astley & Companhia, manifestou o .aeguin-
to:
17C toneladas carvo de pedra; aos consig-
natarios.
lame, galera ingleza, vn la de Glasgow,
entrada no mez prximo passado, consig-
nada a R. Jameisson, manifestou o se-
guinte :
11 volumes fizendas de algodo e 670 to-
neladas de carv-lode podra ; aos consigna-
tarios.
Lauretla, brigue americano, vindo de
New-York, entrado no mez prximo passa-
do por franqua, consignado a II. Forster A
Comnanbia, manifestou oseguinte :
1,000 barricas de familia de trigo; a llenry
Forster & Companhia.
8 fardos e 1 embrulho, fazendas de algo-
do, 5 saceos com 5,000 pesos, e 25 caixas
com salsa parrilha ; a Uisph Nowa & Com-
panhia.
RENDIMENTO NO MEZ DE MARCO DE
1850.
Rendimento total......196:922,445
Iteslitiiicoes........ 263.130
196:7J9,3I5
KECHLGIA
t'M* I.AcaiMi BOMASTIC A SESTIOA M0BTR DO
MtU AMIGO O ILLM. SU. M\Nlt' COCO OE
SAUouSA MI.Millil.
Paluda mor l'auperum tabernas, regunque turres.
Horacio.
Oui, Iii mcurs! deja ta dpouille
De la Ierre suldt les lois,
l.t de la fange qui te souille
Deja tu ne seos plus le poids.
1)1 I.amati.m-:.
Direitos deconsumo........192:707,105
Ditos de 1 porcento dereexpor-
tacno para os portos estran-
geiros................
Ditos de 1 por cento de reexpor-
lacllo para os portos do im-
perio ................
Ditos de um porcento de baldea-
gio..........
Kxpcdiente de 5 *u dos gneros
com carta de guia........
Dilo de meio por cento dos gene-
ros do paiz..........
Dito de 1 e meio por cento dos
despachos livres.........
Armazenagem de 1 por cento das
mercaduras...........
Premio dos assignados de meio
por cento .............
Multas calculadas nos despachos
Ditas diversas.como do lvro a (I.
Emolumentos de certidOes co-
mo do livro a II..........
Imposlos dos despachantes ge-
raes, como do livro a (I. .. .
Ditos dos despachantes especi es,
como do hvroa 11.....
11,792
36,036
2,048
310,995
375,502
13,540
380,891
2:239.009
171.926
385,151
101 calxai e 2,150 lceos com 15,941 arrobas
e 9 libras de asaucar.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 2. 862,781
RENDIMENTO NO MEZ DE MARCO DE
1850.
Direitos de 3 % do assucar 24:249,172
Ditos de 5 *|0 5:955,035
Taxa 1:616,140
Cpataza 792.60
Decima dos predios urbanos 5:092,24
Meia siza dos escravos 862,050
Novos e velhos direitos 169,597
Mein sold e sello de patentes de
ofliciaes da guarda nacional 250,500
Emolumentos depassaportes 7,800
Matriculas do lyceu, seminario e
daa aulas de grammalica la-
tina 710,000
Sello de heranca e legados 373.866
5,000 rs. por eacravo despachado 15,000
Impostos sobre lojas de cambios 12,800
Dito dita de vender a retalbo 25,600
Multas 46.371
Juros 13,059
Imposto ije alarias 29,960
20,320
50,000
25,000
196729,315
tas seguintes especies ;
Em diubeiro.....82:539,647
Em assignados. 114:189,668
II- rei ta extraordinaria.
Novos e velhos di-
reitos recebidos
de diversos em-
pregados...... 28.000
Depsitos.
Em balando no ulti-
mo de fevereiro. 5:439,586
Entradas no corrento
mez..... .... 3:760,385
Sabidas. .
Existentes
-Yus seguintes especies :
Em diuheiro..... 3:101,228
Em leilras...... 5.956.776
Oh! das duras Parcas atal violencia!
Atroz decreto dos iniquos fados.' Int"rm-
navel noite, eterno somoo Donadeiro si-
lencio dos vvenles.' Da carreira da vi Ja
ultimo estadio Ah .' Mor, Morte .' I.ibi-
tina cruel, oquefizeste? On! .. Ah!. E
ousasle cortar em flor o estante da vi la do
meu charo amigo, o prest uoso cidadiio, o
inclyto, o cstniavel Man Coco?... L'ma voy.
somelbante briza da larde na lbrega flo-
resta ferio os meus ouvidos, edi/ia-Ah!
Mr. Man Coco se meurt \ Mr. Man Coco est
mort. Oh! pasmo, oh! constornacao.oh! ma-
goa, oh! din!
De redor de seu leto de morto amesqui-
nha-se, e carpe-se desgrenhada a desolada
esposa, qual a viuva solitaria rola com pia-
dosos aisosrosfenndo...Ea chara prole!...
Ah incoiisolavei pranteia a perda do pai,
do protector, do amigo!
Tu lo!... Ah tudo era sensivel ao fatal i
passamenludo meu charo amigo. Ateos
cocos, objectos de seu honesto negocio.es-
talaram de dorso exhalar o seu ultimo sus-
piro; Os abanos embaliam se uns nos ou-
tros, cuino matracas ; e as vassouras, ah !
essas, como se sensiveis fostem, davain-se
descompass|d(,s eucontiOes.
Ah prezado amigo, para ti desfez-se,
como um sonho, loJo o painel de illuses
da le ra ; e tu'alma sulla das cadeias da
carne voou pressurosa mausilo dos justos.
Na fra louza, onde descangaui leus restos...
nessa noile eterna, nesse silencio i O) per-
turbavel ah!... oMn-Mo mais, no mais
veras o variado ijuadro da nalureza, uem
leus ouvidos cerrados pela m1o da morle
ouvirilo mais o descantar das aves, o runio-
rejar dos bosques, o sussurrardas vagas, o
rebombo dos troves, ah! .. nem as docos
iv'uviis da ternura, e de amizade.
Sp leu espirito!... S tu'alma. oh! Um
ceo!... prazeres iiiuffaveis .' Delicias inter-
minaveis.... N.lomais!... Que tudo, quede
terreno em os filhos de Adilo vai ser dssol-
vido na vorageai do sepulciiro! .. S urna
lagrima silenciosa, como o jazigo dos mor-
ios, e consoladora, como urna esperanca' .
O vntuoso Man Ccoj pagou o tributo
de nascido. Nem a veltu e prosaica alo-
pathia, nem a potica, mysleriosa o moder-
na liomceopalhia o podeiam salvar.--Sra-
lutum est hominibus semel mori.--Providen-
cial coincidencia No solitario sitio da illi.i
do Nogueira toda plantada do coqueiros re-
pouxam asciuzasdo meu prezado ami^o o Depsitos sabidos
benemrito Man Coco.' Seja-lhe a tria Ditos existentes,
eve. i'0r *
40:159,035
Mesa do consulado provincial, 30 de
marco de 1850.
Pelo escrivSo, o escripturario,
Jos Cavaleante de Albuquerque.
RECEBEDOR1A DE RENDAS CERAES
I.XTER1AS.
Rendimento do da 2...... 684,630
Importancia do rendimentos arrtcadados pela
recebedoria de rendas internas geraes da
provincia de Pernambuco, em lodo o me: de
marco prximo finio A saber i
Foros de terrenos de marinha 7.750
Siza dos bena de raz 3:581,580
Decima addicional de mflo-morta 633.036
Dita urbana 11,056
Direitos novos e velhos e de
chpncellaria 350,267
Dizima de chancellara 76,191
Matriculas do curso jurdico 6:144.000
Legitimaces 30,400
Sello fixo e proporcional 2:280,694
Premios dos depsitos pblicos 34,732
Emolumentos do certidfles 1,280
Imposto de lojas abertas e casas
de descontos 1:936,600
Dito de cari tollos 22.800
Ta xas de escravos 120,000
Emolumentos de ttulos e fita
para o sello penden'e 73 000
Rs. 15:303,386
Recebedoria de Pernambuco, 1 de abril
de 1850. No impedimento do escrivilo, o
prmeiro tscripturaiio, Jodo Rodrigues de
Miranda.
Vlovimento do Por lo.
9:199 971
659,157
8:540.814
Neste momento o palacio real acha-se
entre dous rogos Ha quinze das sento-se
aqu tremer a ierra durante urna grande
tempestade, e ha poucos das mcendiou se
o deposito de carv.lo, o qual Continlia
.50,000 quiutaes. Este deposito estemle-se
desde 0 aisenal al ao palacio do principe
deSalerno. Todas as pessoasque residam
ueste palacio, evacuaram-no imniediata-
CQMMIEnClO.
ALFANDECA.
Rendimento do da 2.....10:103 364
Pescarregam hoje 3.
Escuna brasileira Haria-l-irmina fo-
rnida de trigo.
Barca Seraphina mercadorias.
B'igue L'iuretha familia.
Barca Conceico-de-Maria ceblas.
Brguo Cuut-Hardig farinhi.
Pa lacho Eclipse mercadorias.
Barca Conrad familia e bolachinha.
Hiato Duvidoso sola.
IMPORTACAO.
'diz, brigue sueco, vindo de Nuil, entra-
Alfandega de Pernambuco, 30 de marco
le 1850.Pelo escrivilo o primeiroescriptu-
rario,.Francisco deiPaula (ionralves da Lilva.
CONSULADO GEUAL.
Rendimento do dia 2.....1:723.546
Diversas provincias...... 399,385
2:122,931
RENDIMENTO NO MEZ DE MARCO
DE 1850.
Consulado dsele por
cenlo 57:672,978
Dito de 2 por cento 1,380
Dito de 112 porcento 123,806
Ancoragem para fra
do imperio. 7:184,550
Dita para dentro do
imperio 235,922
Sello fixo
Ditos >le ttulos
CertidOes
Siza de 5 por cento
Dita do 15 por cento
Capeta lia
Multas
Navios entrados no dia 2.
liio-i.r"tiilc dosnl~36 das, brigue brasilei-
ro Algrele, de 131 toneladas, capitn Ma-
noel Jos daAzevdn Santos, eqnipagem
13, carga carne, aM'noel Concalves da
Silva. Passageiro, Manoel Jos de Car-
valho Guiovares, Porluguez.
llha-da-Assumr-ca'o--9 das, esebna ingleza
Invorce, 'le 159 toneladas, capitn T. We-
lax. equipagem 9. carga lastro a N. O.
Bieberct Cotnpnhia.
Navio sabido no mesmo dia.
Parahiba Mate brasilero Exalacio, cap-
t.lo J is Duartc de Souza, carga varios g-
neros. Passageiros, loto Peora da Sil-
va. II !!'que Souza Mafra e Antonio Jos
. tlalaquias, Brasil, ros.
57:798,164
EDITA L.
7:420.472
78,260
100
8,280
6,000
05,535
6,300
De ordem dolllm. Sr. inspector da tbe-
souraria de fazenda desta provincia se faz
publico, que se vai preencher a vaga de car-
torario da mesma thesouraria. e que no
dia 18 de abril prximo vindouro se ha de
proceder, na forma da le, ao concurso dos
que se propozerem a este lugar. Os pre-
tendentes deverio apresentar os seus re-
quer men tos documentados com folha cor-
rida, certido de idade e estado, e os mas
documentos que julgarem precisos a bem
de sua nreteneflo. Secretaria da thesoura-
ria da fazenda de Pernambuco, 30 de mar-
go de 1850. -- No impedimento doofflcial-
maior. Emilio Xavier Sobreirad Mello.
Diversas provincias.
Dizimo doalgodaoda
Parahiba 165,875
Dito dito do Ro-Gran-
de do norte 5,828
Dilo do assucar dito
dito 11,869
Dito do assucar das
Alagas 3:468,747
66:626,111
3:652,319
70:278,430
1:354.154
3:691,316
Mesa do consultas de Pernambuco, 30 de
margo de 1850. m
O escrivSo,
Jacome Geraldo Maria Lumachi de Millo.
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia 2.
Rio-de-Janeiro, barca nacional Firman, de
244 toneladas : conduz o seguinle :
491 harneas, 13 calxai e 1,450 aaccoa com
11,053 arrobase 14 libras de assucar, 191 mu-
llios de couro de cabra, 32 metas pipas ago'ar-
lt-iiit- com 90 medidas cada uoia. 5 pipas dila
com 185 d las ditas, 124 saccas com 700 arro-
bas e 18 libras de alcodao, 174 mullios de pe
les de cobra com 2.430, 12 ditos de esleirs
300, 24 laboas de vinhallco.
Mein, pallubole Amelia : coudui o seguate :
B70 saceos e 40 barricas coiu 3,652 arrobas e
22 libras de asaucar, 60 saccas cuiu 300 arrobas
de cafe pilado, 350 cocos com casca, 100 caixas
com 100 arrobas de vela de sebo.
DechiraQdes.
O escrivSo servindo de administrador
da recebedoria das rendas internas geraes,
ahaixo assignado, avisa a lodos os collec-
tados pelos diversos impostos que sSo ar-
recadados pela mesma recebedoria, que
achando-se creados os dous cobradores de
que trata o artigo 32 do regulamento de
15 de junho de 1844 n 361, para receberem
amigavelmente no domicilio dos deveni-
res a importancia dos seus dbitos, a elles
poderSo pagar, dando por desobriga os re-
cibos extrahidos dos tales para este fim
organisados, assignados pelo Iheaoureiro,
Joaqum Maria de Carvalho, e osemprega-
dos que os passarem, cujos agentes recebe-
dores nomeados e habilitados para este re-
cebimento, silo : Jos Chrispm d'Assump-
efio e l.uz Gomes Silverio.
Manoel Antonio SimOes do Amoral.
--Todas as pessoas que liverem recla-
maefles contra o finado vice-consul brilan-
nicoterilo ahondada de enva-las no con-
sulado britannico no dia, ou antes de sa li-
bado prximo vindouro, 13 do corrente.
Consulado britannico, 2 de abril de 1850.
//. Auguslus Coieper, cnsul.
Convida-se a todos os individuos li-
vres que se queiram empregar como ser-
ventes as obras do arsenal de marinha, e
as do melhoramenlo do porto, a seenteu-
na conformldade das ordena do Exm. Sr.
presidente da provincia. Ibes garante a
Isenc.lo do recrutament. Tambem se ad-
in i lie os escravos em ta es obras, dando-se
tanto a estes como a aquelles individuos o
jornal de 640 rs. InspeccSo do arsenal de
I marinha de Pernambuco, 30 de margo de
Perante o concelho de administracSo
naval tem de contratar-se por arrenialnga0
por lempo de tres mezes a lindar no ultim
do junho vindouro, o fornecimento dos g-
neros seguintes, para os navios armados e
hospital de marinha : arroz branco pilado,
assucar branco, agoa'ardenlc.azcitedocede
Lisboa, bacalho, caf moido, carne verde,
carne secca, familia de mandioca fe jilo,
toucinho de Santos, vinagre de Lisboa, es-
permaceteamericano.ecarnauba em vellas
pelo quo convida-se a quofn convier fazer
semelhante rorneclmento a comparecer as
12 horas da manli do dia 3 de abril, muni-
do do proposts em que se declare o ultimo
prego, e quem o fiador, que ser para esse
liin pessa competentemente habilitada.
Perante a administraguo do patrimo-
nio dos orphHos se ha do arrematar.a quem
por menos flzer, e por lempo de 3 anuos, o
fornecimento dos medicamentos para os
collegios dos or, baos : as pessoas habilita-
das, que quizerem fazer semelhante for-
necimento pdenlo comparecer na casa
das sessOes da administragBo em o dia 4 do
futuro mez, s 4 horas da tarde.
Secretaria da adminislragSo do patrimo-
nio dos orpbflos, 26 de margo de 1850.
iodo Francisco de Chabg, secretario.
Existe na subdelegada dos Afogados
tim cavallo alazflo, de estribara, e tres mais
de carga, dous pedrez e um castanho, que
pareccm do sertao.
A sabida do vapor San-St-
bastido paraos postos do sul
foi transferida para hoje { 3 )
do corrente, principiando a
fechar as malas ao meio-dia ; e at urna ho-
ra da tarde recebe correspondencias com
o porte duplo.
M'M"M,"aia>M'ajaaMsasjasjsassjsBB
Heparlico da polica.
lllm. Sr.Em resposta ao ofllcio de 22 do
corrente em que V. S. me requisita a soltu-
ra e restituigSo barca portugueza Brocha-
rente da trpolago e passageiros delta, que
diz estarem acorrentados por minha ordem
a bordo da crvela Januaria, o que era urna
perseguigo da parte da polica, pos que
neiihuma suspeita de crime poda sobre
elles receir, conclundo por observar-me
que, ao menos pordiBerencia devra ter s-
do informado deste facto; tenho a signi-
ficara V. S. que, por ora n3o pode sersa-
tisfeita a sua requisigao, por anda senflo
terem concluido os exames a que a polica
esta procelendo, ea que em virtude de re-
presentagBo do inspector da alfandega juI-
gou conveniente nSo dever assistir a mesma
tnpolagSo, qual porisso foi mandada por
em custodia a bordo do corveta Januaria
para onde acompanharam-na de livre vonl
lade alguna passageiros, que alli se acha-
vam, segundo informa o commandante do
destacamento de polica, que os conduzio
medida esta, cujo usosenBo ple contestar
a polica como temiente a chegarsem em-
baragu algn, ao verdadeiro couhecimeoto
do faci, que Taz o objecto de suas investi-
gagoes, sendo que, nao consta que nenhu-
ma daquell.s pessoas lenha tido a bordo da
predita corveta o tratamenlo de que V S
faz u.engflo, e n.uito menos por minha or-
dem, como V. S. tem a facilidade de ase-
verar, sem que jamis o possa provar. ex-
poudo-se assun a ser contradilo, o que no
tica nada bem a quem tem por prmeiro de-
ver respailar a verdade dos factos. matme
em aelos olhciaes.
A polica nao tem necessidade de perse-
guir a niuguem, 0 seu nico fim he averi-
guara verdadn paM fazer cahir a pena da
loi sobre quem a final fr adiado em culpa
qual.ncar.pois.d. perseguigao os meios que
ella emprega para obter esse salular resill-
ado meios alias todos em harmona com a
legislagao vigente, he irrogar-lhe urna gra-
ve injuria, que nSo posso deixar de repel-
lir, como he de meu rigoroso dever. A
observagao com que V S. conclueoseu ci-
tado olhcio, nao me parece digna de aco-
Ihimenlo.
Sabe mui bem a polica que deve guar-
dar, e presume le-lo feito, todas as atlen-
ees para com as diversas autoridades com
quem esl em relagSo, mas eniende tam-
bem que essas attences a nao pdem obli-
gar ao ponto dea ellas sacrificar o bom ro-
sultado de suas diligencias, o que tanto m-
portava a communicagao dellas a aquelle
.que, tendo interesses oppostos, poda por
urna mal entendida proteccao completa-
mente inulilisa-las.
Dos guarde V, 8. Secretaria da polica
de Periiaiiihuco, 16 de margo de 1850.
lllm. Sr. Dr. Joaquim B'ptisla Morera,
vice-consul de S. M F. nesta provincia.
Jos fticolo Rtfueira Costa, ebefe do polica
interino.
M
PbMcaca .llera, a.
Cbegou do Rio-de-Janeiro recentemente
a inlereasanle obra de Mr. de Lamartine,
Raphael, Paginas da Juvontude, traduzida
em portuguez, prego 3,000 rs. : acha-se a
venda na ra da Cadeia do Recife, n. 38,
prmeiro andar.
A veleira escuna nacional Emilia, de
que ho capitSo e pralico Antonio Silveira
IMaciel Jnior, deve chvgar do Para por
1850. -- O secretario, Thom Fernandcs Ha-1 esics das, para onde vollara com esca-
dra de Castro. \ |a (pelo Mafanh3o, com a maor
Puhlicucao religiosa.
Sabio loz um livrinho com o titulo do
DEVOTO CHRISTAO,
o qual conlm a doutrna chrislla, breve
noticia dos misterios da ruissa, obras que
devem fazer o christflo, oragOes para dema-
nhila o a noite, ditas para a confissSo e
communhSo, exercicios para cada dia, no-
venas das almas, assengSo do Scnhnr, Con-
ceigao, Menino Jezus, Santo Antouio, modo
de resar a etag3o, breve emenda dos erros,
signaes de Christo, sentengas de plalos,
melhodo ite resar o rozaio e lergo Oe Nossa
Senhora, mysterios gozosos dulorosos, e
gloriosos, ladainha de Nossa Senhora, ora- '
gao de S. bernardo, dita para pedir paz,
responso de S. Antonio, estada mystca,
iinilagSo dos justos, suspiros pela gloria do
co, ele : vende-se na livraria, ns. 6 c 8, da
praga da Independencia, a 640 rs., em meia
e o cadernugao.________
Avisos uiaritiiuos.
brev
II C7?i\/iri


81
m
dado: quem na mesma pretender carre-
gar, ou ir de passagem, dever entender-se
com JoBo Carlos Augusto da Silva, na ra
di Crui, no Recite, n. 13, armazem.
--Par Lisboa segn viagem com muita
brevidade o bergantn! Tarujo-I, capitao
Mancol de Oliveira Faneco : quem no mes-
mo quizer carregar ou ir de passagem, pa-
ra o que tem exoellntes commodos, diri-
ja-se ao capito ou ao consignatario, Ma-
noel Joaquim Ramos e Silva.
__Para o Cear segu viagem com muila
brevidade o liiite Nooo-Olinda, mestre An-
tonio Jos Vianna, por ter ja boa parte
do seu carregamento a bordo, alm de on-
tras cargasj tratadas: quem nelle mais
quizer carregar e ir de passagem, se enten-
der com o mesmo mostr, ou na ra da
Cadeia-Velha, n. 17, segundo andar.
--Para o Rio-de-Janeiro sahe, impre-
tervelmentenodia 6de abril prximo fu-
turo, o brigue Brasileiro.Snn-Vose, por ter
parte do seu carregamento abordo, faltan-
do smente algum resto, para abarrotar:
quem tiver de carregar, ir de passagem e
remoller escravns a frete, dirija-se ao
escriptoriodeCaudino Agostinho de Bar-
ros, atrs do Corpo Santo, n. 66, ou ao
capt9o Jos Ramos de Souza.
Para e Maranhao,
o bem condecido paiacbo nacional Josephi-
na, capitao o pratico Jos Manoel Barbozi,
segu vlagero para o Para com escalla por
Maranhflo : tem a maior parte de seu carre-
gamento prompto: para o resto e passagei-
ros, trata-se com o capitao na praga, ou
com Jos Baptista da Fonceca Jnior, na
ra do Vigario, n. 23, segundo andar.
Para a Illa de San-Miguel tem de se-
guir viagem oestes 15 dias, com a carga que
tivera bordo, o bergamtim porluguez Oli-
veira, quejido Rio-de-Janeiro conduz par-
te de seu carregamento para o mesmo des-
tino : quem nelle pretender carregar ou ir
de passagem se entender com o respec-
tivo capitBo na praga do Comtnercio, ou
com JoSo Tavares Cordeirp, na ra do Vi-
gario,.n 8. 0 mesmo navio tambem pode
recebo1 carga e passageiros para as ilhas de
Faial e Terceira, apparecendo oui forma que
convidis escalas.
Para Lisboa sabe, no dia 19 do abril, a
barca portugueza tr Antonio Joaquim Rodrigues: para o resto da
carga trata-se com o mesmo capullo, ou
com Francisco Severiano Itahell.i & Filho.
Para o Rio-de-Janeiro sahe, com raui-
ta brevidade, o patacho nacional Curioso,
capitao Domingos Antonio de Azevedo, por
se schar com parte da carga prompla : para
o restante, passageiros e escravos a frete,
trata-se com o mesmo capillo, ou com l.uiz
Jos deS Araujo, na ra da Cruz, n. 33.
Para a ilha de S.-Miguel pretende sa-
bir com brevidade, por ler melado do car-
regamento prompla, o brigue nacional
Eipirilo-Sanio, capitao Alexandre Jos Al-
ves : para o resto da carga e passageiros,
trata-se com Francisco M iriins Ferreira, no
largo do Terco, n. 139, ou com o mesmo
capitao, na praga do Commerrio.
Para as Ibas de S.-Miguel e Tciceira,
segu viagem o briguo portuguez Oliveira,
nesles 15 dias, por ter ja tratado grande
parte de seu carregamento nesta praga,
alm da que ennduz do Itio-de-Janeiro para
o mesmo destino : quem nelle mais pre-
tender carregar ou ir do passagem, se en-
tender com o rosvrelivo capitao na praga
do Commercio, ou ni ra do Vigario, u. 8,
com Jo3o Tavares Cordeiro.
Francisco Paulino Cabra] retira-se pa-
ra Portugal
Di-sedinheiro a premio sobre penho-
res de ouro e prata :'na ra de Sol, n. 9, se
dir quem di.
Aviso aos amadores e
apreciadores de msi-
cas novas c de bom
gosto.
JoBo Vignes, morador na ra larga do
Rozario, n. 28, primeiro andar, acaba de
receberpelo ultimo navio viudo do Franca,
um grande sor tmenlo de msicas, como
sejam valsas, variacOes, polkas, quadri-
Ihas, modinhas brasileiras e outras italia-
nas ; bem como o melhor melhodo para
piano, solfejos para cantoria, ludo pelos
melhores autores da Europa e da mais mo-
derna escola. Na mesma casa vendem-se
os mais ricos pianos que leem vindo a Per-
nambuco, os quaes sSo feitos de proposi-
to e com novo machinismo, para que te-
nliam grande durarlo; assim como tam-
bero acharao na mesma casa pianos ingie-
res, com pouco uso, veodendo-se tudo pe-
lo mais commodo prego.
Severino Jos de Carvalho subdito
brasileiro, vai a Lisboa.
Na ra da Roda, n S, lave-se e engom-
ma-se por prego coramodo.
--QuemsejulgarcreJor Jo fallecido An-
dr<-\v Jackson queira apresentar as suas con-
lasem casa de Litnamdc llibbert, para se-
rem conferidas e pagas.
-- Precisa-se de urna ama deleite: na
botica de Joo Moreira Marques.
Na ra das Agoas-Verdes, n. 37, casa
teirea, existe urna pessoa que se offerece
para ama de casa de um homem solteiro,
ou viuvo, a qual cose, cozinba e faz o ser-
vido interno de nma casa.
Piet, se rato sei,
Piet, signor, di noi:
A tibian castigo i rej,
Ma l'abbiano da te.
Scena, romance, e aria du Santo Princi-
pe Ozia de Betulha para afastar do seu po-
vo o castigo de Dos. Itecommenda-se esta
grande pega as meninas que tocam piano
na poca presente da reinante febre. Acha-
se na casa de Jo3o Vignes, impressa em Pa-
rs, com o retrato do principe, na ra larga
do Rozario, ti. 28, primeiro andar.
&
:*
>
m
i-
i>
Consultorio homoeo-
pathico.
Ra do Trapiche, Hotel-
Francisco,
Dirigido pelos doutores SahinoO. L.
Pinho, J. A. Luz, e C. Chidloe.
Lcilao.
-- O corrotor Oliveira far leilao, por
conta e risco de quem pertencer, dos sal-
vados do brigue Socteiade, naufragado no
dislricto deCaicara, consistindo em ferro*
e amarras, macme, veame, camarotes,
bombas, agoada, leme, cobre de forro, ver-
gas, paos, bolincte, cabrestante e varios
outros objectos miudos : quinta-feira, 4 de
abril, is 10 horas da manhaa, na prenda do
Sr. M I. de O. Lobo, Forte-do-.Mallos.
Avisos diversos.
-- Precisa-se de um caixeiro brasileiro ou
porluguez de 12 a 14 minos de idade, o qual
afiance sua conduela : no becco do Seriga-
do, venda n. 1.
Precisa- se de um cozinlieiro para bor-
do do brigue portuguez Oliveira, prxima-
mente a seguir para a ilha de San-Miguel:
a tratar a bordo do mesmo trigue, tundea-
do defronte do arsenal de marinha, com o
capitao, ou na ra do Vigario, n. 8.
Augustus Brigbt ret ra-st" para forado
imperio: quem tiver contas contra elle
queira manda-las em casa de Ricardo llov-
i dentro do prazo de oito dias da data dos-
te. Recife, 2 de abril de 1850.
-- LuizPereira Raposo vai a Portugal tra-
tar de sua sade.
Ricardo Royle relira-se para fra do
imperio.
Precisa-se de urna pessoa que entenda
de venda o sirva para cobranza, e que d
liador a sua conducta : na travessa do Quei-
mado, venda n. 3.
-- llobert Jamiesson, subdito de S. M.
Brilannica retira-.su para Inglaterra.
Precisa-so de um feitor sollciro ou ca-
sado para trabalharem um sitio pertodes-
ta praga : a fallar na ra do Itangel, < venda
ii.50. *
De boje em diante haver sorvete no
buhardo Patricio, defronte do Uieatro de
S -Francisco a 200 rs., felo pelo fabrican-
te que os fazia na ra da Aurora.
Um rapaz brasileiro com as precisas
hahililages, para bem escrever qualquer
escripia que selhe a prsenle,offerece o seu
presumo para esto mu, dando fiador sua
con o uta : anuuncie.
-- Eusina-se particularmente meninos e
meninas em suas proprias casas : annuncie.
Cobram-se dividas, mediante urna
mdica porcentagein, lendo-se a regala
de seren cobradas mullo depressa : an-
nuncie.
Quem livor contas com o fallecido Au-
gusto Mange, queira as .presentar no es-
cnptorio de Eduardo Bull, para serem
pagas.
A csa cnmmercal debaixo da firma
de Augusto Mxige, fica substabelecida do
boje em (liante pelo seu liq'uidaUno Edu-
ardo Ilolli, o quul continuar o mesmo gy-
ro de negocio comodeaules, debaixo do
seu proprio nomo.
Todos os das, desde as 7 horas da
manhaa at as 3 da tarde, pdem ser <^
procurados qualquer (lestes Snrs. *
As consultas serflo recebidis por*
qualquer dos tres mdicos que se "*
adiar no consultorio.
As pessoas necesitadas enntinua-
rflo a receber graluitaineiite, todos
t> ossoccorros de qua precisaren), a
qualquer hora do dia ; adverlinlo
que, serSo soccorrdos com prefe-
rencia, aquellesque logo no princi-
pio da molestia recorrerem ho-
mceopaihia, sem haver lomado re-
medio algum allopalhico.
>
I Caelannda Costa Moreira, declarando
o annuncin feilo no Diario n. 71, faz publi-
co que o hiate San-Jodo se acha por elle
leserobaragado, podendo sua proprielaria,
D. Anna Thereza de Srnna Couto, navegu-
lo ou negocia-lo, conforme Ihe parecer.
O abaixo assignado, como administra-
dor de sua mulher, sobrinlia e herdeira do
liifbdi tenenie-coronei llenrique Poppe Ci-
rlo, faz scente, pela terceira vez, que exis
lindo urna leltra da quaiilia de 1:886,520
rs. que se diz ser aceita pelo dito cinto,
por isso quem possuir a mesma lettra, baja
dejuslifica-la no inventario dos bens do
referido CirSoque pgnsegue polojuizo mu
nictpalda villa de Iguacass, afim de se
conhecer de sua veracnlade, e prepararapl-
sc bens para seu pagamento. Que a lettra
existe he urna verdade, porque acha-se po-
lo Sr. escrivSo dos protestos apontada e
protestada, mas se he verdadeira he o que
resta conhecer-se a vista da jusliflcacSo, ou
o Sr. bacharel Francisco JoBo Carneiro da
Cunha, como invontariante dos bens do di-
to l'oppe cinto, declarar se he ou mo ver-
dadeira a referida lettra. porque necessa-
riamenle deve de saber da existencia da
mesma. O mesmo abaixo assignado desde
j previne aorespeitavel publico, que todo
e qualquer mal que possa soffrer o mesmo
abaixo assignado nesta cidade, ou fura del
la, ser por causa do metmo abaixo assig-
nado estar pelos tnbunaes pugnando pelos
direitos de sua mulher. como Ihe compre ;
por isso partir smente daquelles que
teeui querido delapidar, e que estiio de pos-
se da Ja/i oda de sua mulher, visto que
outros inlmigos o abaixo assignado nao
tem, como he publico e notorio. Marcel-
lino Joi Lopei.
guem receba em psgaoiorito urna leltra da
qtiantia de 2:043,000 rs., saca la pelo dito
Alves da Silva, o acena pelo finado Henri-
que Poppe Cir3o. vencida em.22 de dezem-
liro de 1847, a qual fui cedida a casa dos
Srs. Le Bretn Schramm & C. pelo sacador,
e que boje por transaeges que os ditos Srs.
Schramm & C. tiveram com a extincta so-
ciedad de Viuva Alves da Silva & Filhos,
da qual era socia anda em lempo de soltei-
ra a mulher do abaixo assignado, esocio
gerente o Sr. bacharel Francisco Jo3o Car-
neiro da Cunnha, om poder do qual pira a
dita leltra ; e nlo obstante esta lettra per-
tencer aos herdeiros do dito Alves da Silva,
j apresentou-se um credor daMita leltra.no
inventario dos bens do (inadoceitante.Pop-
pe Cirio, que prosegue na villa de lguaras-
s,e ao depols declarou que enganadamente
se ii ti a apreseutado credor, porque a let-
tra era pertencente aos ditos herdeiros ; e
como a referida lettra pode anda ser ne-
gociada enganadamente, por isso o abaixo
assignado faz o presente annuncio, para
provenir oulro qualquer engao,queso ap-
pareceu depoisqueos Srs. Schramm & C. fi-
zeram cerlo ao abaixo assignado que a let-
tra pertencia aos berdeiros do dito Alves da
Silva.
Fique corto oSr. bacharel Francisco Joo
Carneiro da Cunha que o abaixo assignado
ha de continuar a defender com intrepidez
os direitos de sua mulher perante os tnbu-
naes, onde ha de obter justiga, para oque
tudo arriscar, e ondo continala a provar,
como j tem provado, que o Sr. bacharel so
tem por fim delapidar a fazcuda da mulher
ilo abaixo assignado ; se isto nio he verJa-
de, contrari pelo presento Diario.
Marcellinn oti Lopes.
O O
0 O abaixo assignado faz sciente ao q
q Sr. Manoel Moreira de Jess que mo m
;rj pague a pessoa alguma o que devia n
0 ao fallecido Francisco Joaquim Ante- ?
ro, por perlencer a melado la divida ?
, ao abaixo assignado, como j fez ver X
'? com documentos a pessoa que diz ~,
j: Ihe pertencer a heranca daquelle ^
& fallecido, sb pena de Ihe pagar a *
? parle que Ihe pertence.
O Francisco da Costa Amida t Mello. O
03QJO0OC50OOO00O0
Em. Bidoulac, tendo de fazer urna via-
gem a Europa, roga as pessoas que se jul-
garemsuascredoras de apresenlarsuas con-
tas, no prazo de oito dias, para serem
pagas
Antonio Joaquim Vidal, como procura-
dor de Antonio da Costa Ferreira, previne
aos devedores deste para que, qualquer
quanlia que devam, vMo pagar, sem que
soja preciso procurar os meios que os o-
brguem.
Roubo.
Na noite de C para 7 do passado, foi lor-
ia.lo a um prcto que venda fazendas, urna
grande lata e um Cirtflo com diversas fa-
zendas finas; pois tendo o mesmo preto,
por motivos de embriaguez, ciiamado um
ganhador para carrregar a l'azenda, o mes-
mo se evadir com todas as fazendas e al-
gum dinheiroque carregava. Itoga-se, por-
lanio, a polica ou a qualquer pessoa que
tenlia noticia do occorndo, .1 dirigir-.- a
ra da Cadeia-Velha n. 24, casa de Manoel
\ m i ni 11, .la Silva A n tu o.'.-, que ser gratifi-
cado com 100.000 rs.
i- No dia 28 de mateo prximo passado
furtatam do engenbo Sepoal um cavallo
alaz.to de meo, bom carregador de pouco a
milito, de 9 a 10 anuos, com os signaes se-
-- A abaixo assignada roga aos credores
de seu (idado marido, Francisco Jos de
Paula, hajam deapresenlar suas contas, no
prazo de oito das, para serem conferidas
Mara Rila de Oliveira Paula.
-- Perdeu-se, s 7 horas da noite de 29
de margo prximo passado, ao sahir da
igreja do Livramento, al o nieio da ra do
mesmo nome, um lenco 0 cambraia de
linho bastante fino, com bordado largo a
roda: quemotiver adiado, querendo res-
tituir, dirija-se ra do Collegio, n. 19,
primeiro andar, que ser gratificado com
4,000 rs., ou annuncie.
Sorvete.
No botiquim junto ao theatro ha muito
bom sorvete, e com asseio; e na quadra ac-
tual muito approvita, em ras3o das febres:
todos os dias das 6 e meias horas da tarde
em diante.
Francisco da Cunha Freir remeto para
o Rio-de-Janeiro o escravo Lzaro, cabra,
pertencente ao Sr. Manoel Francisco Xavier
do Rogo, da Baha.
Na rui do Itangel, n. 71, sobrado, pre-
cisa-se alugar urna casa, sendo nasfregue-
zias do S.-Antonio ou S.-Jos, e que o seu
aluguel seja de oito mil rs. pormez.
-- Antonio Vaz da Silva Pinto, portu-
guez, retira-se para fra do imperio.
Carlos T. Astley retira-se para fra do
mperio.
I'recisa-se alugar um escravo para von-
der fazendas, pagando-se-lhe 14,000 rs.
mensaes : na ra Imperial, n. 49.
Precisa-se ale um mogo brasileiro, ou
portuguez, para caixeiro no Passo-dc-Ca-
maragibe : na praga do Commercio, n. 2,
primeiro andar.
Aluga-se um lerceiro andar e sot8o,
com duas ricas salas forradas do papel e
outra piulada a oleo para janlar, 14 quar-
tos, muito fresco e com riquissima vista da
praga da Roa-Vista e que tambem bota para
a ra do Anigo, e co n o chafarz na fren-
te, por prego commodo: tambem se alu-
gam os segundo e lerceiro andares, uoso
juntos como separados do sobrado da ra
das Agoas-Verdes, quo faz esquina com a
travessa do A mor ni, ha pouco i etlica. I o,
lamben mu tos fresco e com bonita vista e
bastantes commodos : a tratar na ra Nova,
n. 67.
Na ra Nova, armazem n. 67, cont-
nuam-se alugar para festevidades, como
laniliein enlerros e para casas particulares,
comosemprn foi costume, mobilias c ca-
deras a vontade dos pretendentes, e pelo
tempo queconvier, por prego mais commo-
do do que em outra qualquer parte.
-- Ilesappareceu, no da 20 do corrente,
um pardo de no'nc Eustaquio, de estatura
regular, secen do corpo, represeuta ler 24
aun..-; hn official de sapalnirn ; quando
aiida arrebila os dedos dos ps o iraz sem-
pre as ventas ebeias do tabaco.- quemo
pegar leve-o a botica da praga da Boa-Vis-
ta, n. 6, que ser bem recompensado.
Precisa-se de um feitor para um sitio
perto dcsta praga : a fallar no Fortc-du-
Mattos, com Jos Francisco Belm.
--Na ra Nova, toja n. 58, se dir quem
d a juros quanlias de 300, 400, 500 e 600^
rs. sobre hypotlipca em casas terreas. Na
mesma luja vende-se um carro para boj.
Passaportes.
Tiram-se passaportes rara dentro e foa
do imperio, correm-se Ribas, despacham-
seescravos e tiram-se ttulos de residen-
cia para sempre : para este lm, procura-se
na praga da Independencia, livraria ns. 6 e
8, e na ra do Queimndo. n. 25, loj de
miii le/as, do Sr. Joaquim Monteiro da Cruz
-- Apparcceu na ponte da l'assagem-da-
Magdalena, e existe em poder do abaixo as-
Pedro-de-Alcantara do Rio-de-
Jaueiro, sendo os maicres pre-
mios 2o:oooi'ooo e io:ooosooo.
Vendem-se, na ra das Cruzes, n. 22,
segundo andar, 8 escravos, sendo Jmia es-
crava de nag3o, de 20 anqos, porP%ngom-
madeira, e que cose bem chJo, cozinba
bem e lava de sabBo ; 3 ditas da Costa, do
bonitas figuras, que cozinham e lavan de
sabaoes3o ptimas quitandei-as ; ums di-
ta de nagao Angola, com as mesmas habi-
lidades: duas ditas crioulas, com as mes-
mas habilidades; u ai mulatinho de 13 an-
nos, proprio para pagem ou olTicio. "
Vendem-se 2 mulatinhas muito lin-
das, que ji estao adianladas em costuras,
juntas, ou separadas: na ra do Sol,
n. 9. Na mesma casa tambem se vende pan-
no de linho o mais superior que se pode
encontrar, toalhas de mesa, de Guimar3es,
tremoias largas e estreitas, capachos gran-
des e pequeos : ludo por prego commodo.
Vende-se urna linda mulatinha de 14
annos, com mullo bons principios de cos-
tura e engomiTiado, ptima para se fazer
urna dadiva a alguma menina, por ser doti-
zela ; urna dita do 18 annos, quo cose mui-
to bem e engomma ; urna moleca de 15 an-
nos, que cose soffrivel ; urna preta de 25
annos, que engomma o cozinba o diario do
urna casa ptimamente ; dous molecotes de
nagao ; um preto de 30 annos, por 420,000
rs. ; e outros escravos: na ra das Lsran-
geiras, n. 14, segundo andar.
Farinha de m inriioca.
Vende-se farinha do S.-Calharina, muito
superior, por prego commodo : a bordo do
brigue Conceiro tundeado na volta do l-'or
to-do-Matlos, ou a tratar com Manoel Alves
Cuerra Jnior, ou na ra Caleta do Reci-
fe, n. 38.
-- Vendem-se carros de m3o, duas cor-
rogas novas com os competenlesarreios, e
anco- para carga de um cavallo : tambem
se vendem ps do todas as qualidades ..
arvoredus fructferos : tudo por prego mui-
to commodo : na ponte d'Uchs, silio de
Joo Caroll.
guildes : o p esquerdo calgado al a junta, | signado, um cavallo rugo : quem se adiar
Ovas do serlo
He chegado alguna pares deste excel-
lente petsco : na ra do Queimado, loja de
ferragens, n. 14.
Jfe Chapeos de sol.
Ra do Passeio, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente ora rico
sortiment desles objectos de todas as c-
rese qualidades, tanto de seda como de
panulnho, por pregos commodos; ditos pa-
ra senhora, de bom goslo : estes chapeos
s3o feitos pela ultima moda; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mosai-
cas se acha igual sortimenlo de seda e pan-
ninhos imitando sedas, para cobrr ar-
mugos servidas : todas estas fazendas ven-
dem-se em porgSo e a realho : tamben-
concerta qulquer chapeo de sol, tanto d>
hasteas de ferro como de baleia, assim co-
mo umbelas de igrejas: ludo por preci
commodo.
a qual tem um mal de besta, e a junt mais
grossa que a outra; t"m tambem calgada
ate a junta una das nios ; leni no meio do
espinhagn, procurando o lado esquerdo,
urna marca de bexiga ; tem uns cabellos
lira neos nos peilos e urna estrella na testa.
Itoga-se as autoridades policiaca, ou mes-
mo a qualquer pessoa que do dito animal li-
vor noticia, queira por sua bondade embar-
ga-lo, e mandar um proprio ao dito engo-
nho, ou no Recife, casa do Sr. Jos Comes
Leal, que se gratifcala generosamente.
ptimos sorveles.
Ba Nova, n. 6, casa de co-
mesliveis.
Os amadores achar3o nesle eslabeleci-
mento, tudas as noites, os apreciaveis sor-
vetes de boas e dilTereiites fructas ; assim
como tambem ha um completo sortimenlo
de conservas alimentares, conservas de
fi uctas em caldas, ditas de legumes em vi-
nagre, viniins de todas as qualidades, lico-
res muito liuos, queijo suisso, chamado
gieiore ; assim como outros diferentes
gneros de comesliveis, recentemente che-
gados da 1 ranga. Na mesma casa precisa-se
alugar um moleque, que seja iutelligenle
e fiel.
--(I abaixo assignado declara por meio
deste que, durante a sua viagem
gal, tem torneado por sous bastantes pro-
curadores nesta praga aos Srs. Jos Pedro
de Alcntara, Antonio Alves de Miranda
Cuimaraese Antonio Francisco dos Santos
e Silva. iodo Imperante.
--Tilomas C. Masn, subdito britannico,
rotira-se para turopa.
;> HOMOEOPA1IIIA PURA.

Ra do Trapiche,*. 40. J
* .-h
Boticas e livros para otratamen- '
* to dos enfermos tela homccopalhia : "J
'-> acham-se a venda por mdicos *-'
9 pregos. *
7 (il)r. Luz se offerece dar todos ^
* os esclarec montos necessarios para j*
^. o melhor uso dos mesmos. ^
Precisa-se de um feitor que trabalhe,
entenda de horta. arvoredos e vaccas: na
Maglaleua, estrada uova, primeiro sitio de
portSo de ferro.
Deseja-se fallar ao Sr Francisco Alves
Ferreira Gilirana a negocio de seu inleres-
("in direilo a elle procure no silio do mes-
mo abaixo a-signado, na Torre, confronte o
sitio do Sr. Francisco Antonio de Oliveira,
que dando os signaes Ihe ser entregue, de-
pois de pagar as despezas.
/.ui Antonio Rodrigues do Alme.ida.
Precisa-sa alugar urna preta que sai-
ha lavar, engommar e coser, para urna casa
estrangeira: na ra do Torres, n. 34, das
11 horas da manlia s 3 da tarde. Na mes-
ma casa lambem se precisa alugar um pre-
to que entenda do servigo interno e de tra-
tar de cavallo.
Engenho Qiicluz.
Freguezia de Ipojuca.
Traspassa-se o arrendamento do dito en-
genbo, o qual tem a presente safra a tirar,
e Iros a criar. A tratar na ra da Aurora,
n. 26, ou no mesmo engenbo com Miguel
Augusto (leOliveira.
N B.O engenho tem excellente pasto,
he bom li'agoa, e tem bons cercados ; e,
caso baja quem queira comprar a safra,
ser-lhe-ha ella vendida, ontregando-se im-
mediatamente O esta belccicuento.
D. Anua Theresa deSenna Couto, vuva
do finado Manoel de Souza Couto, faz sci-
ente a todos os credores de seu casal, que se
acha prncodendo a inventario dos bens de
Pnrh!" 9"u cas*' Pe,a primeira varadocivel, es-
cn'vo Santos, por onde devem legalisar
sous dbitos para serem attendidos, s -m o
que nao ple salisfazer debito algum em
quanto nao frem para isso separados os
bens as paitilhas; e para que se nao cha-
men! a ignorancia faz o presente.
Precisa-se alugar um preto : na ra da
Cadeia de Santo-Antonio, n. 13, na loja.
Compras.
Compram-se caixas de amarello, anti-
gs : quem liver annuncie.
Compram-se sapalos de todas as qua-
lidades, para homem e senhora, feitos na
ierra : na ra larga do Rozario, n. 35
loja.
Compra-so adragonas o bandas de can-
hotilhos velhas, e de officiaes : na praga da
Independencia, n. 19.
Vendas.
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Vendem-se, na praca da In-
para curar da phlysica em todos os seus
difierentcs graos ou motivada por consti-
pagOes, tosse, asthma, pleuriz, escarns do
singue, dr de costase peitos, palpitag3o
no coragSo, coqueluche, bronchites dr
na garganta e todas as molestias dos igaos
pulmonares.
De todas as molestias que por heranga i-
camao corpo humano, nenhuma ha que
mais deslruitiva tenha sido, ou quo tenba
zombado dos esforgos dos homens mais
eminentes em medicina, do que aquella
que he gcralmente conhecida por moles-
tia no bofe. Em varias pocas do se-
clo passado, tendu-se offerecido ao publi-
co difierentes remedios com attestados das
extraordinarias curas que elle tem feilo;
porm quasi que em todos os casos a ilus.lo
tem sido apenas passageira, e o doente
torna a recaliir em peor estado do que se
acbava antes de applicar o remedio 13o re-
commendado oulro tanto uo aconteco
com este extraordinario.
Xarope do Bo-que.
Novaes & Companhia, os nicos agentes
nesta cidade e provincia, nom. ados pelos
Snrs. R. C. Yates & Companhia, agente-
geraes no Itio-de-Janeiro mudaram o des
psito deste xarope para a botica do Sur.
Jos Maria C. Ramos, na rus dos Quarleis, n.
12, junto ao quarlel de polica, onde sempra
achanto o nico e verdadeiro, a 5,500 rs.
cada garrafa.
Vendem-se por prego commodo urna
mulata de idade do 30 annos, opti na para
o servigo de urna casa, cose, Uva, engom-
nia poi'ieila'i ente, e faz bices de lo.las as
qualidades : quem a pretender, dirija-se a
ra das Cinro-Pontag, n. 70.
I...HIIIII.I-M' a vender o superior algo-
d3o da Ierra, a 200 rs. a vara, em porgo, e
a retalho a 220 rs. ; bem como cobertores
de Ia li am; oos, pelo barato prego de 1,600
rs. : na ra do Queimado, n. 20, loja de J.
J. Pereira de Mendouga.
-- Vende-se um pardo claro de 12 annos :
na ra Velba, n. 80.
Vendem-se pegas de midapol3o com 20
varas, milito largo, e com algum toque, a
2,500 e 2,600 rs limpo a 2,800 rs. ; pecas
de chitas, a 4,200 rs., proprias para escra-
vos : por Irs do theatro velho, n. 20, pri-
meiro andar.
-- Vendem-se dous escravos de bonitas
figuras, ptimos carreiros ; 8 escravascom
habilidades; um moleque de lo annos: na
ra Dneita, n. 3.
Vendem-se duas marcas de sola de
muito boa qualidadee bem curtidas vinda
pelo ultimo navio de Acarac, por pre^o
commodo : na ra do Queimado, n. 46.
Luvas de peea a 1,000 ris.
Vendem-se luvas de pelica rara senhora,
de superior qualidade, a 1,000 rs. o par:
na ra do Queimado, n. 16, loja de miude-
zas, de Jos Das SimOes.
se : na ra Nova, n. 7, loja de ntica.
- Precisa-se de um sitio com bastantes I dependencia, loia n. liilltclcs p
- O abaixo assignado, como administra I frutaras e baixa para capim: quem o qui-L. i-l ,i "': e
dor de sua mulher, (ilha do HnaJo Josl zr alugar, dirija-se ao pateo do Carpi ,c'utelas a[i muito acreditada nona
Antonio Alves da Silva, declara que nin I n. 1, taberna. '| lotera a beneficio do theatro S
Luvas de pelica.
Vendem-se luvas de pelica para senhora,
e igualmente para homem, da melhor qua-
lidade possivel, sendo de c'es brancas e de
cana: na ra do Quemado, n. 16, luja de
miudezas, do Jos Dias SimOes.
I.inli i de carretel de aoo jardas.
Vende-se a superior qaalidade de linha
em carretel de 200 jardas, den. 20a 130:
na ra do Queimado. n. 16, loja de miude-
zas, de Jos Das SimOes.
Vende-so urna preta moga do bonita fi-
gura, ecom habilidades : na ra do Cres-
po, n. 15, primeiro andar.


III II PgB
Venoem-sc dous cavallos par se'.l,
novos e hons, e ntt "dito" fiara-carro : na
ra da Conceic.So. da Roa-Yis.ta, n 60.
Tva ra do Crespo, n. 9,
lnja amarclla,
vendem-se varia? qualidades de
Vuiidas, coniosejnm: cassas; cor-
tes de vestidos de laa ; chales de
seda e de la; lencos de seda;
cortes de colletes de velludo e de
gorgurao; casimiras de cores
pannos pretos ; chapeos de castor
brancos e pretps ; e otras mili-
tas fazendas que por serem de gos
tos antigos, e pelo preco por que
se vendem nao deixara de agradar
ao comprador.
Vendem-se veos pretos de todos os ta-
annos, aflanga-se aos compradores serem
a melhor fazenda que existe no mercado
sarja preta hespauhola, muito superior.
luvasde seda preta, abiertas, com dedos e
sem elles, para senhora ; sapatos de lustro
e borzrguins para senhora ; meias de seda
preta para senhora ; bicos de blonde pre-
to para enfeitesde vestidos; ricos leques
do madre-perola para senhora ; lindas Otas
Invradas para enfeltes ; meias de laia para
padres : pentes de tartaruga para prender
cabello ; ditos para nrrala ; luvasde seda
preta e de cures para liomm ; ditas de pel-
lica para homem ; chapeos pretos francezes
para hnmrm ; e outras muitas fazendas de
gosto : ludo ror prer;o muito commododo,
pela rjrcumslaiicias do lempo, e pela pran-
de falta de dinheiro que ha : na esquina da
rua do Cabug, loja junto a botica do Sr.
Jo3oMoreira Marques.
Vende-se superior fio de al-
godao, proprio para pavios de ve-
las, assim como para redes de pes-
car : em casa de Geo: Kenwor-
thy & Companhia, na rua da Cruz,
n. 3.
Vendem-se superiores sel-
lins elsticos e de como de por-
co, che gado/; ha pouco : em casa
de Geo: Kenworthy & Compa-
nhia, na rua da Cntr, n. a..
Vendem-se arados de ferro de diffe-
rentes modelos : na fnbiica de machinase
fundicSo de ferio, nt rua do Brum,
ns. 6,8e10.
Vende-se arroz, a 50rs. a libra ; agoa-
ardentedo reinos 700 rs. a caada; espi-
rito de 36 graos, a 1,000 rs. a cnida : no
pateo do Paraizo, n. 20.
i i-Vende-se urna preta de nac.lo, de 20
annos, com urna cria de 6 annos, de bonita
figura o sem vicios : na rua Direita, n. 55.
Vende-se ua morada de cata no Ater-
ro-dos-Afosados, da parle da maro peque-
a, de lalpa, com frente de peora e cal,
com 25 palmos de frente e 160 de fundo,
oom 8 portas de frente e dous quartos: a
tratar na mesma casa, n. 186.
--Vendem-se bons queijos londrinds
ditos de prato muito frescaes e de superior
qualidado, presuntos inglezes para fiam-
bra, ditos porlugiiezes para panella, latas
com 2 c* libras de marmelada, ditas com
bolachinha de Lisboa, ditas de sardinha, di-
tas com hervilhas, frascos com conservas
inglezas, queijos de qualha vindos do Cea-
ra, por barato preco, mantas de toueinho
inglez de fumeiro,de 7 a 8-1ibras cadaurns,c
outros muitos gneros de boa qualidade
Da roa da Cruz, no Recito^ n.,4s.
Potassa da Kussia.
Vende-se superior potassa da Rusaia, da
mais nova que ha no mercado, por prego
eommodo : na rua do Trapiche, n. 17.
Deposito de Potassa.
Yende-se muito nova potassa3
de boa qualidade, em barriszinho*
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende: nc Hecife,
rua da Cadeia, armazem n. ir

o
ai
as o
o
rs o
M
CA B
> n
O V
-C "0
i\a pnic.t ili Indepen-
dencia, n. 59.
Vendem-se bilhetes, meios, quartos, o-
tavos e vigsimos da 9.' lotera a benefi-
cio do diestro de S.-Pedro-de-Alcan(ara.
Na mesma lnja existe a lista da 2.a da fa-
brica de tecidos.
PRECOS.
Bilhetes 22,000
Me i os 11,000
Quartos 5,500
OiUvos 2,800
Vigsimos 1,300
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
Na rua da Cadeia, n. 5<2,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
-- Vcndem-se 60 enxameis de sedro, pro-
prios para obras de casas, por prego eom-
modo : na rua do Vigario, n. 5.
A dinheiro oua pn zo.
Vendem-se quatro moradas de casas na
villa do Limoeiro, sendo duas muito boas,
de pedra e cal na rua da Matriz, e outras
duas de taipa, na rua do Fogo : di-se em
conta, e troca-se por escravos, casas no He-
cife, ou outra qualquer cousa : no Ater-
ro-da-Roa-Visla, n. 10, sobrado.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Baha
Vende-se em casa deN.O. Bieber & C.
a roa da Cruz, n! 4, algodSo trancado
daquella fabrica, muito proprio parafaaccos
de assucar, roupa de escravos e flo proprio
para redes de.pescar, por preco muito eom-
modo. *
AGENCIA
un fiiiiu*ao Low-ifoor,
RA DA SBKZALT.-NOVA, N. 42.
Neste estabelecimento conti-
na a haverum completo sorti-
mento de moeodas e meias moca-
das, para engenho; machinas de
vapor, e tachas de, ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
Vende-se, no fin da rua da Aurora
n. 4, um preto crioulo', de me a idade, por-
prio para armazem de assucar, serrara ou
engenho, por ser muito forte esadio.
Bilhetes do hio-de-
Janeiro.
Aos 120:000,000 de res.
NA BA DA CADEIA DORECIFE, N 2,
LOJA DE CAMBIO DA VIUVA VIEIRA
& I II los.
Pelo vapor entrado neste porto no dia 26
do correnle, dos portos do sul, recebmosos
muilo afortunados bilhetes, e cautelas da
9 lotera a beneficio do theatro de S.-
Pedro-de-Alcanlara : bem como a lista da
2.' da fabrica de tecidos de Fructuozo
Loiz da Molla, onde se veos premios ven-
didos na mesma casa.
PREMIOS
3,810 10:000 000
512 400.000
1,578 200,000
1.310 200,000
5,146 100,000
3,390 100,000
1,629 40.000
5,'66 40 000
3,946 40,000
Acham-se a venda sempre os bilhetes c
cautelas pelos prcos seguinles :
Bilhetes 22,000
Meios 11,000
Quartos -' 5,500
Otavos 2,800
Vigsimos 1,300
^--Vendem-se meias barricas de farinha
gallega, a mais nova que ha presentemen-
te no mercado; caixas de velas de esper-
macete : na rua da Alfamlega-Vellia, n.
36, casa de Matheus Austin & Companhia.
Vende-se superior farinha de
trigo da marca SSSF, chegada l-
timamente a este mercado : a Ira-
ti ij e-i i? e o melhor que tem vmdo a este mercado
lar com Manoeldafcilvab no ar-narua da Madre-de-Deos, armazem de Vi-
Jlloendas superiores.
NafundicSode C. Starr & Companhia?,
em S.-Amaro, acham-se a venda, moeodas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construccSo muito 'superior.
Taixas para engenfoo.
Na fuod.ic9o de ferro, da rua do Brum
caba-se de recebar um completo sortimen-
to de taixas de 4 a 8 palmos da bocea a*
quaes acham-se a venda por preco eom-
modo e com promptidjo, enibarcam-se,
ou carregam-seem carrossera despezas ao
aomprador.
Farinha no* de o.-M-
tbe,iis, por, preco mul-
to cooimodo :
vende-se a bordo do patacho na-
cional Jntizafle-.Constontgs entrar
do i ecentemente daquelle porto,
e iundeado em frepte da. escadj-
nha do Collegio, ou a tratar com
Machado & l'inheiro, na rua do
Yigario, n. 19, segundo andar.
O verdadeiro oleo, tic
II i ss i no,
em meias garrafas, para eonimo-
didade das familias, por preco
mais eommodo do que em outra
qualquer parle : vende-se na rua
do Trapiche, n. 44> armazem de
Dowsley & C.
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Na praca da Independencia, n. 3, que
deita para as ras do Quemado e Crespo,
estilo a venda bilhetes, meios, quartos, ni -
tavos e vigsimos da nona lotera a benefi-
cio do theatro de S.-Pedro daquella. pro-
vincia. Na mesma loja est patente a lista
da 2.a lotera da fabrica de tecidos daquella
provincia.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito eommodo.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
Na rua Nova, n. 6, loja
de Moya Ramosa C..
prio para quabaner olTIcio ; um
rmr:
annos : na rer larga do Rozarlo, n. 35,
loja.
rechincha.
Vende urna porefio de madapolOes con
pequeo loque de mofo, muilo largo e fino,
a 3,000 rs. a peca ; e otras muitas fazen-
das por preco eommodo : no Passeio-Pu-
blico, n. 11, loja de Firmiano Joaquim Ro-
drigues Ferreira.
Nos engenhos Aliguahipe
Jurissaca, vendem se animaes ca-
ballar ele roda, novse experimen
tados, por preco eommodo.
Feijp.
Vendem-se, na armazem de
Das Ferreira, no caes da Alfmi-
fiega, saccas com, superior eijo,
a 4ooo rs cada urna ; ditas com
turo, a 1,000 rs. cada urna.
Na rua do Crespo, n. 9,
loja a na re lia,
vendem-se cortes de parisienses,
a 8,ooo,rs. o Ccrte ,; cassa muito
fina e de corea, a 800 rs. a vara;
dita fronceza, a 4oo rs, o covado ;
lita inglexa ; corlea de vestidos
e seda branca e de. cres ; cha-
es de seda e de,l9f., seda..; man-
as de seda ; pannos pretos finos ;
merino preto ; alpaca preta muito
i na ; chapeos de massi francezes;
; outias muitas fazendas, sendo
odas de muijp bom. gOAlO e mui-
lo modernas.
i Vendem-se amarras ae ierro: na rua
da Senzalla-Nova, n. S.
1 Vende-se um sitio ou'.Remedio, i mar-
femdorio, com mais da mil palmos de
lindo, leneno praprio, boa casa e cacim-
ba, com differente fructejras, srca nati-
va : a tratar com Victorino Francisco dos
Santos, propietario do dito silio, na rua do
Kangel, n 51, a qualffqer hora do din.
-- Vende-se urna escrava moca, ptima
para o servirlo de casa : na rua Direita,
n. 54.
Na rua da Cruz, arnmem n. 53, de S
Araujo, vende-se sola, couroi miudos, sa-
patos de couro de lustro, chapeos de pa-
Iha, esleirs, velas de carnauba pura do
Aracaty.
M assas de vapor.
No paUo. do Terco, n. 10, ha diariamente
um completo sortimento de massas finas,
proprias para cha, ou doeules, comosejam:
bolachinhas de ararula, nova regala de di-
ta, e oulras muitas qualidades de massas.
A ellas,a ellas.
Vendem-se riquissimas golas o pescoci-
arham-se a venda duas ricas salas de papel jnhos para senhora, pelo di mi nulo preco de
com paugens, a tomada de Roma pt los 12,000 rs. cada um : na rua do Quemado,
Francezes em 1849, o a balalha de Isijy ;
ricos papis para forrar salas; ricas guar-
niefles e barras, tanto avelludadas como as-
saiinadas; ricos jarros para flores naturaes;
serpentinas com 5 Iu/es; lanlernas com p
de vi Iro, de metal e de casquinas: ludo o
mais barato possivel.
Vendem-se lelhas de vidro de supe-
rior qualidade, em grandes e pequeas por-
c-s, por preco eommodo : na rua da Cruz,
n. 48, armazem.
Farclo a 3,000 rs. a
sacca,
n. 9.
Vende-se urna escrava de ncelo Ango-
la, de meia idade, boa cozinheira e docei-
ra, sadia e sem vicios: na rua Formoaa,
quarla c.isa. da6 as9 lloras da maulia, e
das 3 as 6 da tarde.
Vendem-se 8 lindos moleques de 12 a
18 hiim s, sendo um dellesoptimo cozinhei-
ro ; 8 prnloa de 20 a 25 annos, send > um
delles.bom sapaleiro ; 4 pardoj de 16 a 2Qf
""^"o^ono. d 45 annos po^o
defeUaoso dos pe.tos e coalas, que sSiAsl
tufadaapara fora, e dos quartos que repu-
m para um dos lados; lwou camia? 0
on^f risC?do i9. |8d!|o araaricano
2"em PeSir leve" das Cruzes, n. W
que ser recompensado. '
HV. .8'0' d' C*M de Antonio Valentim .
S va Barroca, em Bemflca, em occasiSoem
queia ser preso pela pTicia. segund.-fe?.
n;,PnT'r0 e?rreWe. um seu escravo
rln'.ie. n??a2' de Dom Domingos, que
rnPmen^,lKrJ'nn08; '0 alto T magro,
r^m C b,"rb'.; lem un> ^elha furada o
nn. h "wJI,d0 de um P*neio, e urna
canna do braco querdo quebrad, de fres-
co. Roga-se as autoridades policiaea, ou
outras quaesquer peawas, g^ appri!naD.
danie evem-no a ru. |,^ &, KRom
n. 39, segundo e terceiro andar, ou a ru
do Brum, armazem n. 2, ou em Bemflca,
no sitio do annunciante.
--Fof uj, no dia prneirdo coirenu, um
cabra quaai negro, dame A-tonlo, de
altura mala que regular, grosao do corpo
rosto redondo, falla descansada; levou ca-
misa de algodSozinho liso, calcas da brim
trancado, levou mais urna trouxa contendo
calcas de casimira, de brim, de algodlo
amercano.riscado,,caniisa da madapolloe
de algodSozinho, dous lencea, um de brim
e outrodealgodSo, urna bata e urna plr-
nahiba : quem o pegar leve-o i rua Direita,
n. 121, ou ao engenbo Pintos, que sera gra-
tificado.
Fugio, no dia 28 do prximo panado,
um moleque de norae Joaquim, de patlo
Beiguell, de 18 anno, de altura regular,
nre.lhas pequeas ; lem um signa! dequei-
madura bem visivel|uo lado direito do rosto,
he parlenlo; levou camisa de algodSozinho
calcas brancas com listras cOr de roaa. Es-
te moleque foi escravo de um cii urgiSo em
Nazareth. Roga-se as autoridades policiaes e
capitiJes de campo, que o appretiendam e
levem-noao silio.que foi de Jos Rodrigues
de .Mello, indo pelo Mpnteiro.e entrando no
becco doQuiaboatc a ladeira do Mudo, que
fer3o gratificados; assim como se protesta
com todo o rigor da le contra quem o liver
oceulto.
Fugiram, do eqjtajjljp Cuararapes, fre-
guezia dalloribepa, ao amanhecer do dia
26 da marco, ^res escravos com os signaes
seguinles : l.uiz, alio, cheio do corpo, pea
apalhetados, rosto benito, de 2-2 annos pou-
co mais oumruoa, cOr. pouco fula, denles
ahertos: Paulo, alto, secco do corpo, ps
seceos e com os dedos rompridoa, de 18 an-
uos pouco mais ou mepps, cOr preta : Job,
alto, corpo espigado e um pouco cheio,
com falta de un) dedo em um dos pea, cor
n'gum tanto fula : todos s3o da Costa, e he
de crer que andem juntos : quem os pegar
leve-os ao dito engenho, que ser recom-
pensado generosamente.
Fugio, no dia 13 do correte, do enge-
nho Penedinho, freguezia de Cpianna, o
preto Manocl, de 25 a 30 aono, alto espa-
da Jo, ps e mSosgrossas, olhoa fundos e
pequeos, nariz chato, testa ovad, com
um cicatriz pequea em cima do olho es-
querdo -. quem o pegar leve- o ao dito en-
genho, e sendo cesta cidadena livrari da
praca da Independencia, n 6 e 8, que ser
recompensado com generosidade. Eale pre-
to foi do Para, e usa do sobre-nomo da di-
ta provincia.
Fugio, do engenho Cuararapes, fre-
guezia da lloribpca, ao amanhecer do dia
20 do correnle, o escravo Juliflo, de 26 an-
nos pouco oais o menos, crioulo, de altu-
ra regular, rorpo'proporcional, cor algum
tanto fula, rosto descarnado e com passa
piolhp; levou chapeo de cou'o, calcas
annos, sendo um delies bom co/inheiro o azues, camisa de riscado; rabio montado
em um cavallo ruco, magro, cauda rapada a
mazcm do Aunes, no caes da Al-
fa ndega.
A dinheiro ou a prazo.
Vende-se um terreno com 80 palmos de
frente e 50 de fundo, j com alicerces feito-
para urna grande armazem, no caes do Ra-
mos quefaz esquina confronte no armas
zem de farinha doSr. JoSo Matheus : d-se
em conta com a condicSn de edificar-se lo
go : no Aterro-da-Boa-Vista, n. 10, so-
brado.
-Vende-se resina de angico, as librase
em porcSo : na rua da Cadeia, loja de Jofio
Jos de Carvallio Moraes.
Novo sortimento de (a-
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. O,, ao p
do lampei.
Vende-se cassa-ebita muito fina, de bo-
nitos padrees, cOrea xas e cm 4 palmos
de laigjaaa, pelo barato preco de 320 rs. o
covado f cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 ra. o covado; rlscadinho de lis-
Iras de Hnho, a 240 rs. o covado,- brim de
algodSo de cores com lislra ao lado e de bo-
nitos padrOes, a 3-20 rs. o covado ; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varase urna quarla; cassa preta com
ramagem branc. para luto, a 140 rs. o co-
vado ; zuarte de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covsdo ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrOese cOres flxas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de larlalana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodSo america-
no, muilo superiores, a 640 rs.
A 2#000 o corle.
Vendem-se corles de cassa-chita, fina, de
bonitos padrOes e com 6 varas e meia, pelo
diminuto preco de 2,000 rs. o corte : na
rua do Crespo, n. 6, lojaao p do lampeo.
Farelo novo a 5,>00 rs.
Vendem-se sacras grande^ com 3 arro-
bas de farelo, chegadas no ultimo uavio
de llamburgo : na rua do Amorim, n. 35,
casa de J. J. Tasso Jnior.
Ovas do serto.
Vende-se este excellenle petisco; na rua
do Quemado. n. 14, loja lite ferra,gens.
cente Ferreira da Costa.
Vendem-se relogics de ou<-
ro, patente inglez, do mais supe-
rior fabricante, chegados ha pou-
co : em casa de Geo : Kenworthy,
& Companhia, na rua da Cruz,
n. i.
Vende-se urna escrava de Angola, de
29 annos, sem vicios, e que engomma sof-
frivclmente e cozinha o diario de urna casa:
outro ptimo sapatoiro; 2 pardas de 18
annos.com algumas habilidades; 5 pre-
tas com algumas habilidades, de 12 a 20 an-
nos ; um pardo de 20 annos, ptimo cozi-
nlieiro, bolieiroe empalhador, o qual tem
boa conduela : na ruado Collegio, n. S.
Vende-se urna preta de 20 annos, de
bonita figura, que engomma, cozinha o
diario de urna casa, cose alguma cousa, la-
va d sabo e van ella, n.lo tem vicios nem
achaques : o motivo por que se vende he
nao querer servir a sua senhora : na rua da
Concordia, passindo a pontezinha, a es-
queida, segunda casa terrea.
Vende-se urna balicira em muito bom
estado, prtferia para brincar pelo rio: a
bordo do brigue portuguez o/-era, Tun-
deado defronle do
arsenal de marinha, a
.. fanar com o capitSo.
emenda, ru. do Amparo, n. ?.jjnto .^ ^^ ft ^^ ^ ,
Vende-se, pelo eommodo preco de 2,400
rs. a libra de cha hysson da melhor quali-
dade que tem vndu a este mercad: na rua
Direita, n 76, taberna.
Veude-ae urna marquexa de pao d'oleo,
urna commoda de amaiello, urna cama de
Brmac.lo, um lavatorio com paca, 6 cadei-
faua al o sabugo. Em companhia deste es-
cravo val urna mulher forro de nome Rita,
de 40 e lantoa annos, baixa, cor clara, ca-
bellos curtos, e para maor aignal lem um
talho na testa : quera o pegar leve-o ao di-
to engenho, que aera recompensado.
Fugio, no dia ao do corren-
le, de bordo do brigue nacional
Sem-Par, o preto Euzebio, criou-
lo, representa ter a& annos pouco
rnaip ou menos, de estatura alia,
sem barba ; levou calcase camisa
de algodao azul, ebonete de panno
azul na cabeca. Hoga-se as auto-
ridades policiaca e capiSra de
Seme nles de hortalice.
Vendem-se scmenles de hortalice de to-
das aaqualidades, muito novase chegadas
de Lisboa na barca ligeira : na rua da Cruz,
no Recife, armazem n. 69.
Vendem-se queijos londrno, chegados
na Serophitia, muito frescos c por preco
eommodo : na ruada Cruz, armazem n. 62.
Vende-se um escravo da Cosa oco,
de bonita figura : na rua do Fogo, n. 14.
Acha-se na cadeia desta cidade um es-
cravo pardo, do nome Joaquim, bonita fi-
gura para ser vendido : quem o pretender,
dirija-so ao armazem da rua da Cadeia de
Santo-Antonio, n. 17, que achara com quem
tratar.
NOVO TREU PARA COSINIIA.
Chaleiras, fregideiras, cassarollas, pa-
ncllas de ferro forradas do porcellana, hulea;!
o cafeleiras de metal, machina para cafe :
na rua Nova, loja de ferragens, n. 16, de
Jos l.uiz Pereira-
-- ChcgoujKuanjcnte gelo ese vender
boje, 28 de marco, pel mesmo preco, ad-
verto-se as pessoas, que maudavam bus-
car com bilhcJ.es, que leudo o vendedor
perdido aiguns, nao ihe convm mais ven-
der assim; c oa portadores trarSo o impor-
te do gelo que quizaren).
~ Chegsram novamente rua da Sen-,
zalla-Nova, n. 49, relogios de ouro e pratai
patente inglez, para bomem e senhora.
Vende-se um lindo casal de molaquaaJ
de 9 a 10 annos, por barato preco, por seu
dono retirar-se para fri: ra rua do tor-
res, n. 6.
Vende-se urna preta moca, que en-
gomma, cose, cozinha e ftnj_ cbm perfeko
omaisservico de urna casa ; urna dita que I
he muito boa cozinheira, e que engomma
SolTrivel, lava bem, e he muito propria Para
ama de casa, mesmo de homem sblteiro,
por ter excellenle conducta, o que se apan-
ga ; um bonito pardiuho de 11 annos, pro-
que o spprehendam e le-
vem-no rua do Trapiche, n. 34,
casa de Novaes ^ Companhia, qua
tcr$o bem,recompensados.
Fugio, no dia 28 do prximo auado,
um moleque denomeJoSo, ciioulo, de 14
raa do Porto com assento de palhinha, lu-' annos, denles limados; lem um lalbo ero
doem muilo bom catado; um apparelho 'cima doollw esqurrdo, pernas finas, mui-
para cha, alguma louca de mesa, um foga-jt ladino; deaconfia-se que fora para 9 '*"
reno, un cundieiro Irancez e mala alguna do de IVdras-de-Kogo. Esle moleqae per-
arrapjos de caaa : ludo i or preco eommodo,! te.ace ap casal 4a fallecida Rita Rosa de.Ma-
por s ter precisSo da dinheiro : na ruado cedo, eque se aelvava em poder do testa-
Sol, n. 9. menteiro, Manoel i'ereira Lanero. Quem o
Pegar ^xajjLirua, do (Jueimad, n. 7, loja,
que ser gralilicado.
Fugifl.n* dia 12 do Icorrente, pelas 9
horas da noite, o prel llenad co, crioulo,
que representa ter 24 annos, de altura re-
ibrcravos Fu?id os
Ft
UglO, de bordo do brigue! guiar, seiiTiarba, caraI redonda, olhos car-
Jacional Sem-Par, no dia a6 do "peumos;tm os pea Jortoft, a hfl.cambado
,.,.,1. .,j t- j |de,umaperna ; levou calca* o camisa de
assado, o preloda Cos,ta, de nq- riscado e esti]* rota, e boaete.; quem o
fie Antonio, de 35 annos pouco pegarleve-o rua da Cadeia.d Recite, n.
mais ou menos, de altura regular, f^^^S^^S fevereir*
levou calcase camisa de 8l^adao|uma mulatjnria de nome Harcellina, mas
azul, chapeo de palha na cabeca : ff/xf e'#fVt:d '""""V""0 cn""
' 7 r j. turna,del3a 14 annos pouCO.plis ou nic-
quem o pegar leve-o a caaa de No- nos hesecea,_do corpo, cabello corrijo
vaes & Companhia, na rua do Tra-
iebe. n, 34, que ser recc-mpeu-
ado>.
-Fugio. no dia 30 do prximo passado,
4 escrava Thrcza, de jiac-To, de 22 annos,
tem urna quebradura no braco esquerdo
que, lcou, muito, fino, por ser mal encna-
pelle foveir* no
do, todo esfplajo.p com a ,
lugar da quebradera ; levou sala da chita
brinca com palmas encarnadas, e urna sua
mana de 9 annos, de nume Antonia, vesti-
da com camisa de riscado azul quem
( e estatura regular, bem fallante : levou '
i calidodechita roiio-claro, um ciixinha I p(g,r ,eve- "? do J,.rdm *' nq"e
ODternlzadi.de a'tul em qu vend, b.nha"'"" reeomPfns,do 'fs,.m- eoT0? "IS,
( uem a pegar leve-a sobr.dinho da um tl'sU eo,n lo-do "*<* a lel conlra t,ue'n
a idr n* praia do Caldeireiro, que faz un-
( i com o sobrado do Sr. Ha noel Fermino
V rreira, que ser gratificado generoaa-
u ente.
a tiver oceulta.
-i
II PCIX/CI I
'u^9t(S9.o.PWi9Mfi Paas. : m. ni, .,WaV-.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1NG06N34_8R0K0Z INGEST_TIME 2013-04-13T02:53:40Z PACKAGE AA00011611_06262
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES