Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06260


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXV
Sexta-fcra51
mbtidas o cpnnMOi.
fiolanna e Parahiba, segundas eieilas-feira..
StoG.aud-do-Norte, quintai-felra. ao meio-
pcelo. ..o l.. II 21 de cada me.
Garanhuoa.Bonitojileil
Boa.Vina e Flores, a 1J e a.
Victoria, quintal-ferai.
Ollud, todoi ai dial.
EPHXKEalDIS.
tutu d im. Cinto a 4, a 1 h. M m. da m.
Mine, a 1!, ai II h. e 13 in. da m.
Nov! alS.i 3h.cl3rn.da t.
Gresca 25, A 2h.e3o w.da t
HiiiMa ion.
Primerea*! 3 horai c4i mlnutoidi .larde.
Segunda ai 4 horai e 8 minuto, da manh.
de Agosto tic 1840.
FRIyOl DA luBSCaivqlo.
Portremeie!(a'tntdo*) 4/000
Ponis ineiei 8/1)00
Por un anno 15/000
das da BKAVA.
27 Seg. S. Rufo. Aud. do J. dos orf. e do ni. da 1. v
28 Tere. S. Agostinho. Aud. da chae, do J. a l.
v. do civ. e do dos fritos da faienda.
29 Quart. S. Adolfo. Aud. do J. d.i 2. v. do civ.
30 yuint. S. Gaudcocio. Aud. do J. doi or. c do
m. da 1. v. i i i i
31 Sext. S. Raymumlo Nonato. Aud. do J. da i. v.
do civ. e do do feltoi da faienda.
1 Sab. S. Egidlo. Aud. daChauc. e do i.mav.
do crime.
2 Dom. Noisa Senhora da Penha.
CAMBIOS M 30 D*
Sobre Londres. 26 d. por 1/000
. Parii, 380.
. Lisboa, 110 por cento.
Ouro. Onca hcspanlioes........
HUiedaf de 6/400 velhaa..
> de 6/4n noval.
de4/000.........
Prato Palaeoei brasileiros.....
Pe sai columnario......
Ditoi uiealcano.......
N. 105-
AGOSTO
rs. a 60 das.
si/ooo a 31/500
17/20( a 17/401)
16/200 a 16*400
U/200 a 9/41K
1/190 a 2/01
1/1)90 a 2/l'H
l/VOua i/J
PARTE OFFICIAl
3
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 29 DE AGOSTO.
Offlclo -Ao coinmandante da praca, decla-
rando que pode engaj.r para continuaren, no
ervlco croque acharo o treundot rBen.
toi Flix Fellcl.no |..rbo.., Joi M.thi.. de
LeiHoi.c o cabo It.y mundo Joao da Lu, enes
dS" baialbo de'ftulleiro. e aqueUc do 2."
de cac.dorei, certo de que tem mMMM
cada uro dellei a gratiricacao de cem mil res,
visto erem favoravei as Inforinacoei por s. n
dada a reiprlto de todoi.-Scientiricou-e o
inspector da pagadoria militar.
Dito.Ao Impector da thesouraria da iazen-
da. tranimitlindo o aviso de urna lelira da
luantia de 278.750 r... lacada pela the.iour.rla
do RIo-Grande-do-Norte lobre etia e a favor
de Maooel Gabriel de Garvalho.-ParticIpou-se
ao preiidente da referida provincia.
nto Aomesmo, remetiendo o tres aviioi
flli ni' 1, 13 c 14 de lettrai lacada pela the-
souraria do Rio-Grnde do Norte lobre ena a
careo de S. S.. iendo duas a ravor de francis-
co Paulino de Caitro Barroca e urna favor de
nioeo t Hcnrlque, esta na Importantla de
4-i9 560 n. e a quellai na de 585.200.Commu-
nicou it ao presidente da mencionada pro-
Dito'.Ao admlniitrador dai obrai publica!,
remetiendo copla do contrato que hontein ce-
lebrou como engenheiro civil H. A. Milete
pelo qual elle le obrigou a deiempenhar du-
rante Mil mezei todo os trabalhoi de enge-
nharla que Ihe rrem determinado pela presi-
dencia, mediante ai condices ahi estipuladas.
Itemelteii-se copia do contrato cima ao ins-
pector da ih.iourarla da fazenda provincial.
Dito.-rAo director do arsenal de guerra,
par. que mande recolher aoi armazeni da-
quelle arsenal, adra de le nao exlravlarein, ai
madeirat das dual tarlmba que se deunan-
cbarain no quartelda Soledade.Inteirou-ie o
inspector da pagadoria militar
Dito.__Ao commandanle superior da guarda
nacional do Bccife, declarando que o lente,
coronel coinmandante do 6.' balallio da guar-
da nacional sb seu coinmando superior deve
proceder a qualiflc.cao do estylo cin Janeiro
vindouro, vlito no o lerfello em Janeiro pr-
ximo panado em consequencia da circunil-
tanciai extraoidlnariai em que esleve a pro-
vincia. ,
Dito.Ao delegado do lermo de Cimbre,
para que informe e com eflelto trocou conv
o trnenle-coronel Joo Lelle Torre G.lindo-
parte do armamento que recbela da Alago-as,
e nao lli'o entregou todo como em outra occa-
siao declamu a presidencia; e ordenando que
no cao de e haver dado tenielhante troca,
faca arrecadar nao so a armas que obteve em
consequencia dclla, se nao tambein quaesquer
outras que eitcjam em eu poder, e remella
tudo para o arsenal de guerra.
I)to.~Ao engenheiro civil H. A: Mllct, or-
denando v examiifar ie ai obras de 12" lanco
da estrada do Po-d'Alho eitao feitai de con-
formldade com ai rondicocs a que ic subjei-
tra o respectivo arrematante, Jos Patricio
Fernandes, devendo para este flm requlsitar
ao administrador dai obrai publica! um exein-
plar das meimai condlcoes.Neite lentldo of-
lieion-se ao admlniitrador da referida repar-
ticao.
Portarla. 0 preiidente da provincia, em
vlrtude do art. 9. do regulamento u 122 de 3
de feverelro de 1842, ha por bein nomear o ha-
chare) Luiz da Ba-Ventura Salerno para o
lugar de segundo tupplente do juiz municipal
e de orphao do termo de lguarassFize-
ram-se ascommunicace do estylo.
Dita. O presiden!" da provincia, usan-
do d altribuicAo que-lite foi conferida pe-
lo decreto de 11 de Janeiro do corrento an-
no, ha por bem conceder amnista, em no-
me deS. M. o Imperador, ao bacliarel Joa-
c]iiim Antonio de Faiia Abreu e Lima, pelo
crime de reaelliflo ltimamente commetti-
do na mesma provincia.
E para sua resalva se Ihe ptssa a presente,
em virluile da qual ficar sem elTuito qual-
quer prohuncia contra elle proferida pelo
dilo crime, e se Ihe dar baixj na culpa,
e nno poiler maia ser procesado pelo re-
ferido crime. Igual a liento los do Reg e
Mello.
PEPiNAMBUCO.
RENDIMENTO DA ALFANDEGA DEPERNAM-
BUCO NO ANNO FINANCEIRO FIND0 DE
18*8 A 1819.
1818 Julho 162:767,590
a Agosto 181:200,663
Setembro 126:979.432
c Ootubro 198.733,989
Novembro 145:793,394
ii Dezembro 152:840,789
1849 Janeiro 165:877,535
Fevereiro 112:705.913
i Mirad 267:973,097
Abril 251:151,556
Maio 278:169,178
Junho 210:251,723
Primcirn semestre.Somma 968:315,866
Segundo 1,286:129,002
2,254:444.868
ResliUiicoes 2:841,967
Liquido.
Emdinbeiro 875:123.109
Emasslgd"!,376:479,792Totil 2,251:602,901
0"BSERVAgi*S.
A maior parte das mercadoriss despacha-
das com cartas de gula, dequepagaram o
expediente de 5 por cento, vieram das me-
sas dos consulados doRio-iie-Janeiro Ba-
hia. Os despachos de reexporUcSo fram
com destino pela maior prte para Lisboa.
Valor dos objectos importados que se des-
pacharan no-dito anno linanceiro livresde
direilos ; a saber :
Ouro em moda
l'iata
Sobresalentes para gasto das
embarca^Oes
Armamento par o estado, por
oITlcios do Exin. presidente
da provincia de 28 de no-
vembro e 19 de dezembro
de 1848
Diversos objectos para o arse-
nal de marinha, emvirlude
de oulcio do inspector da
thesouraria de 13 de feverei-
ro do 1849
Materias primas para a fabrica
nacional de DelP.no Goncnl-
ves l'ereira Lima, em virtu-
de do aviso do tribunal do
thesouro publico nacional
de 30 de dezembro de 1848
Materias primas para a fabrica
estrangeira de liowman Me.
Callum. em virlude do aviso
do tribunal do lliesouro pu-
blico nacional de 11 de de-
zembro de 1848
Canos de ferro, abra^adeiras,
parafusosque vieram para a
companhia de Beberibe, em
virtude da lei do ornamento
de 1842a 1843,. artigo 26
Commaiido da pra<;a.
Qutrttl do commanio da praca tm l'crnambuco,
27 de agoilo de i849.
ORDEM DO DA N. 23.
F.co publico, par. ennhecimento da guar-
nicao, qc por olHclo dotxni. Sr. preiidente
da provincia de 21 do crreme me foi com-
muuicado haver S. M. o Imperador, por avilo
d.i repariicuo da guerra de 18 do paisaito, por
bein determinar qu* n-j condderado como
empregado no corpo de polica da provincia do
Rio-de-Jaheiro Sr. .Ifere do 8." batalhao
di- catadores Jaaquiui d'Azevedo Thoiiipsom.
Oulrosim, que por despacho do ineaino Kini.
Sr., a requerimeotb do Sr. alferr do corpo l'uo
do1 ear Jos Ihiago Dantas, foi este mandado
addir a um dos corpos, tendo principio a li
cenca de doos mrzes-qiie obteve para Ir a Ba-
ha i)ciando seguir seu deslino, pelo que orde-
no que o dito Sr. alferr seja addldo ao 4.' ba-
talhao de artilliaria a p, por aislm trr pedido.
Assignido, tai Vietnto dt Amorim beterra,
coronel graduado e cominandaiite. *
C'uiirlel do comwiando da praca em Perntmlmeo,
27 < ajano de i849.
ORDEM ADD1CCI0NAL A DO DA.
O Illin. Sr. coronel coinmandante da praca
manda recoinmendar a restricta observancia
da ni dcni relativa a nao cstarem fra de aeiis
quarleis as praca de pret depois do toque de
reeulber, bem como que a passeio deverao
_apreifnt.r-e unlforiniaada. sendo prohibido
89:188,000
192.518,800
39.925,093
3.111,000
5:331,567
5:755,026
3:272,187
400,000
339 501,673
DESPEZA DA ALFANDECA NO DITO ANNO.
EMPnEGl.DOS.
Ufficiaei.
Ordenados
Porcentsgem
Guardat.
Ordenados
Graliflcacoes de embarque
Dtveriat despez.}.
Expediente
Obras miudas
Capalazia por contrato
kncoradouro, barcas e escalera.
Salario da gente
Comodonas e Torner-imenlos
Concer.los das barcas e escaleres
Extraordinaria.
Lageamento dos armazens
19:673,415
28:795,218
16:201,633
1:312,440
2.009,360
117,040
11:961,593
8:190,240
878,660
4:085,028
8:000,001
Cera em po e em'grumc
Cha
Chpeos para homens
a senhoras
T de sol
Chumbo em barra e lencol
em lamina
em obras
Cimento romano
Cobre em chapas
em obras
Conservas diversas
Couros preparados
em obras
Doce
Especiaras
Especios roedecinaes e drogas
diversas
Espelhos
Espiritos diversos
Esleirs
Farelo
Farinha do trigo e seus arte-
factos
Ferragens
Ferro
Flores artificiaos
Fogo artificial
Folha de flandr.es
Fruas seccas e gasonadas
Instrumentos de msica
Leguroef
l.ivros e impressos
Lo ufa
M ai; i mes
Machinis diversas
Madeiras
Manteiga
Manufacturas dealgodSO
de linlio
de lila
* de seda
u de seda o algodfo
* de linhoo algndo
de 1:1a e algodflo
Marmore, ardosia e lousa
Obras de ouro
i de prata
de latan
. decasquinha
ii de larlaruga
> de madeira
Oleados
Oleo de linhaca
Papel o papelo
Peixo salgado e conservado
Perfumar ia
l'crlences para cliapoleiios
> relojoeiros
B ii sclleiros
Phosphoros
Plvora
Pomada
Potassa
Pipas vasits e abatidas
Quoijos
Quincaltiarias
Rap
Relogios
lloupa l'eila
SabSo
Sal
Salitre
Sanguisugas
Sel o em velfS
Tintas diversas
Trigo em gro o outros crcaos
Velas de cera
i despermacote etc.
VidlOS
Vinagre
ViOluM diversos
20:889,650
88:896.400
56:677,511
3:344.866
26:206,933
15:304,000
1:575 400
8:614 000
1:410,000
16:528 280
1:653,700
S 9.V2.978
60:467,220
29:696,804
3:276 038
22.829,609
42047.208
7:099,973
2:486,153
5:060,933
.'.204,381
608905. (08
248:649.240
54:175,079
3:904,106
4:750,000
15:220,000
23:218,164
17:042,100
12:798.400
16:876,100
84:74782
13:731,130
15 606,680
19:458.163
254:180,380
2,895 893,891
171 181,567
173381,118
212:669,407
16:318,000
2:171,443
9:748.393
12.693.786
42006,790
17:223,440
6:236.400
1:961,539
4679.933
14014.450
2:030.232
17 053,128
56:178.614
766:257,610
9 933,271
33:565,532
1:215,906
2:453,960
1:400,800
69:187.500
2 916,200
1:508,000
24240,000
52:106,000
56:781,604
6:826.000
10:762,000
1:169,625
1:204,750
8:479,69
454,060
4:100,000
1:432,812
16.027,233
6:793,349
3:894,000
20:352,000
29:353,863
23.185,017
336:926,350
rieanas 5 com 1450 toneladas, austra-
cas 7 com 1:701 toneladas, suecas 14
com 3:120 toneladas, dinaninrquozas 5 com
929 toneladas, francezas 6 com 1:494 to-
neladas, portuguezas 13 com 2:617 tonela-
das, hespanholas 2 com 131 1|2 toneladas,
hollandcza 1 com 187 toneladas, russa 1
com 284 toneladas, rrussiana 1 com 40j
toneladas, c hamburgueza 1 com 106-lone-
ladas.
Viudas dosseguintos portos : Antuerpia
5, Arirht 1. Baha 8, Barcelona o Malaga 10,
Barcelona Malaga eTenerilTe 1, Baltimorc
7, Buenos-Ayrcs 10, Bordeaux 1, Boston 5,
Bristol 1, Belfortl, Cardiff 4, Cork 3, Co-
penhague 4, Falmouth I.Figueira 3. C.a-
bSol, Gaap 2, Greenook 2. t.lle 1, Geno-
va 24, (liliraltar 2. Glasgow 9. C.olhem-
bourg 4, Guornesnv 7, Hallifax 4. Ilamliurgo
7, HarlinRcn 2, Havre 16, llulll, ilha le
AssumpcHo 1, ilha de Cabo-Verde 1. IIM
da Madei a 1, illia de Maio 1, illia de Malla
I, illi;i do Santa-Helena I, lha de S.-Uiguel
1, Jersey 3, Kirkaldy 4, Limerick 2, Lis-
boa 22. Liverpool 49, Loamla 4, Londres
M,Halaga Genova 1, Maroiml, Marsaillo
13, Moslaganen (Argel! 1, Newcaslle I,
Newdeep 1. Ncw-Yorck 4, Newport 1, Ph-
ladelphia 17, Plymoiilh 1, l'orlo 7, Presin
I, Rirhmond 6, Rio-de-J.ineiro 8, Rio-Gran-
de-do-Siil 1, Salem 2, Sanios 1, S.-Juu-de-
Senegal 1, Syra 1, Stockholm 1, Terra-Nova
31, Trapatii 3eTneslo5.
Entraram mais 157 embarcaeOcs nacio-
naes de grande canolagem.com 25:012 to-
neladas, viudas imperio, com gneros estrangeiros despi-
chados com carta de guia e do paiz, sub-
jeitos ao expediente de 1|2"0; sen io do
Para 1 com 119 toneladas, do Marauliilo 8
com 956 1|4 toneladas, do Ceara 3 com 319
3|4 toneladas, do Rio-Granle-do-Norte 3
com 58 toneladas, da Parahiba 19 com 623
1|4 toneladas, das Alagas 8 com 107 to-
neladas, da Bahia 26 com 2014 1|2 tone-
ladas, do Rio-de-Janeiro 47 com 8 911 1|2
lonclaJas, do ltio-('.rando-do-Sul 2 cum
323 toneladas, vapores do norte 16 com
4:830 toneladas, e do sul 24 com 6:720 tone-
ladas. .
Alfandega de Pernambuco, 31 de jumo de
1849. O inspector da alfandega, I.uiz
Antonio de Sumpaio Vianna. -Ooscrivilo da
alfandega, aconte Gerardo Mara I.umachi
de Mello.
OBSERVACES.
As mcrcadorias com caria-de guia silo
procedentes pela maior parte das provincias
do Rio-de-Jnoiro e Bahia ; o as mais do
Rio-Grandodo-Sul, Sanla-Catharina, Ala-
gla, Parahiba, Rio-Grande-do-Norto, Cea-
ra, Maranliilo o Para.
101:224,628
mportacio total de mercaduras ettrangeirat
neta provincia durante o anno financeiro de
1848 a 1849 r$. 7,635:633,549.
Dsilribuida pelas seguinles naqoes :
CrSa-Bretaiiha 4,186:376,801
Kranc.a 998:558.428
Cidades Anseticas 274:381,621
Portugal e suas possessOes 555:899,716
llesuanha 29:073,153
Suri a 33 573.016
i'aizes-Baixos 88 678.503
Dominios Austracos 107:448.000
Kslados Uni.lua 791 891,880
Estados do Rio-da-Prala 269 863,866
Portos do imperio (consumo) 3:620,300
Cartisdeguia 235:457,275
Esta importadlo consta de 137 arligos,
classilicados segunda o modelo enviado
pelo thesouro publico nacional; dos quaes
os mais importantes sSo os seguinles .-
M}0
Alcatrao
Ahimaea
Armamento
Afeite de oliveira
diversos
llanha de porco
Barricas vasias e abatidas
Barrillia
Bebidas espirituosas
I 1,.,..,..,u.-
7:712,000
4:474,000
3:613,000
23:704,400
48 817,364
45.477,341
7:192,180
20:640,426
3:559,775
51:604,658
MH 100
Esta imporlacSo fui foita por 236 embar-
cacOes, viudas de portos eslrangeiros, com
47:611 toneladas; sendo inglezas 43 com
10:870 toneladas ; francezas 25 com 4:276
toneladas ; portuguezas 27 com 5:762 tone-
ladas ; dinamarquezas 7 com 1:188 tonela-
das suecas 8 com 1:415 toneladas; ame-
ricanas 29 com 5:244 1|2 toneladas ; hes-
panholas 3 com 508 toneladas; hollandezas
4 com 567 toneladas; sardas 8 com 1530 to-
ueiad.a; honoveriana 1 com 150 toneladas;
lubeckense 1 com 28 toneladas ; belga I
com 220 toneladas ; hamburguezas 2 cun
356 lonela ias; com gelo; americana 1 com
152 toneladas; com bacilbao; inglezas 27
com 5:213 toneladas ; americanas 5 com
888 toneladas; brasileira t com 154 1|2 to-
neladas; hamburguezas 1 com 250 tonela-
das ; rom fariliha de trigo ; americanas 5
com 1:201 toneladas ; austraca 1 com 273
toneladas ; dinamarquezas 2 com 341 to-
neladas ; sarda 1 com 197 toneladas ; com
carvo de podra; inglezas 12 com 2:611 to-
neladas; dinaoarqueza 1 com 145 tonela-
das; sueca 1 com 167 toneladas; com carne
secca; dinamarquezas 3 com 460 toneladas;
braaileirts 7 com 1:385 tonelaJas; oriental
1 com 160 toneladas; chilena 1 com 246 to-
neladas ardas 2 com. 320 toneladas; br-
mense 1 com 160 toneladas; hamburgueza
1 com 150 toneladas ; e com sal; scilianas
2 com 626 toneladas; sarda 1 com 145 to-
neladas.
IliARIIIItfPERSIiSBliCO.
BECirs, 30 DE AGOSTO DE 1849.
Moje, pela manliia, um individuo dosco-
nhecdo procurou na alfandega ao resDect-
vo inspeclor.o Sr. Luiz Antonio de Sampaio
Vianna, e denunciou-lhe particularmente
que a bordo do patacho Diligente, chegado
hontcm da Bahia, achavam-se 30 a 10 Afri-
canos bucaes, que se pretenda fazer vr
para torra por contrabando.
Receioso de que a denuncia nada moisfos-
se do quo urna urdidura de quom a dava para
obleralgum interrsse, porgiinloii-lh-io Sr.
inspector se elle se senta disposto a conlir-
ma-la ante oExio. Sr. cbncelheiro do esta-
do presidente da provincia; e havendo o in-
terrogado respondido pola allirmativa, S. S.
o encaminhou para palacio com urna confi-
dencial S Exe.: mas.suspeitandoda slice-
ridaile do dcnuncianle.mandou immediata-
mente o Sr. guarda-mr da reparliclo a seu
cargo a bordo do mencionado patacho, com
urdem de proceder ahi mais minuciosa
busca afim de verificar, se com efleilo era
esse navio conductor de Afrlcaooa aofOfl. --- l{"ar-e;priino uo prm0 de i'.u
Obedcccndo a seu chefe, o Sr guarda- g^ gonaDarte. diz.o corresponden
mordemandou para logo o patacho, e pou-
co depois voltou, Irazendo comsigo nilo os
30 ou 40 infelizes i que so referin>Jdeotin. ;"5g-tt,5ii"j estove"preso oeste" meso
oanle, mas sim 23, pcrfeitamenn? luc.aes, i r
excep5o de um que parece cnoulo, e c"1"""-
que, segundo consta do respectivo passa-
porle, pertencoa D. Maria Victoria de Car-
O Corrier d* Gnrd publica o seguate :
Somos informados que um facto vergo-
nhoso, ao qual assistio o ministro da igreja
reformada, acaba de ler lugar na communa
de Olvesson. I'ma crian?a Toi apresen-
lada a pia baptiamal, involta em vestidos
encarna los.o tendo na cabeca um bonete da
mesma cOr. cortejo entrn na ig;eja
onloando cantigas palrioticos.e dando vivas
a Barhs, a Ldiru-Rollin o a Montanha.
O ministro recebeu benignamente esta im-
pa elsodiccosa mascarada; e, sem fazer ne-
nhuma objecc.no, baplUou o menino pelo
nome do l.edru-Rollin que os pas Dio
deram. a
Em Pars corra que o ministerio seria mu-
dado, ou pele menos molificado ; todaviu
muita gente considera este acto como im-
provavel as acluaes crcumstanciag.
Segundo o Siecle o novo gabinete ser
composto da maneira segunto :
Mr. Mole, presidente do concelho sem pas-
ta ; Mr. Tliers, ministro do interior; Mr.
Falloux, ministro dos negocios estrangoi-
ros; Mr Benoitd'Azy, ministro da fa/on la;
Mr. Napoleilo Daru, ministro das obras pu-
blicas; Mr. Morny. ministro do cotnmercio;
o general Rulheres, ministro da guerra ; o
almirante Cecille, ministro da marinha.
A Libert annnncia a creaijilo do urna re-
parligHo de polica.da qual Mr. do Persigny,
ajudanle de ordena do presidente da rep-
blica dever ser nomeado ministro, e Mr.
Carlier e secretario gcral.
Corra tambein em Pars que o governo,
por meio de um membro da assembla na-
cional, pretenda propr o adiamento por
algunsmezes dassesses desta corporac^o;
mas crii-se quenada conseguira,porquan-
to os legltlmistiS assini como os monta-
nhezes estavam determinados a votar oon-
tra semelliante proposta.
F.slo adiamento da assembla junto a va
ras outras medidas tomadas j pelo go
verno eram consideradas por muilos como
provas evidentes do designio formado do
acabar com a repblica, e acclnmar impe-
rador ao actual presidente Luiz Nipoleiio
e al se aflirmava quo esta accIamaQo loria
lugar nodia 15 do correle agosto, anni-
versaro do imperador NapoleSo.
O Piemonte ficra om paz. O ro decre
ton, sobre proposta do ministro do interior
quo o estado do sitio, proclamado na cidadi
de Genova, cessaria acontar de II dejullu
por diante ; mas conferio ao general A (Ton
so dellu Martnora, sen commssionario ex
traordinario, o podr de restabelece-lo m
caso de quo circunstancias imperiosas tur
nassem necessaria esla medida.
Si'gundo a Patrie, o governo francez l'o
informado, por um despacho telegraphco
queapazloha sido'definitivamente con
cluida entre a Austria e o Piemonte, toinl
esta ultima potencia aceitado o ultimatw
do marechal Itadetzky em consequencia <1
urna ola ameacadora do governo austria
co, apresentadn por Mr. Bruck ao minstr
sardo com a declarado de que, so dentro d
quatro dias os ltimos termos ofTereoido
pelo gab'neto do Venna n5o fossem acc
tos, as negocales seram considerada
como quebradas e o enviado austraco ser
revocado. Assogura-se mesmo que o mi
rechai Radetzky tinha declarado lindo o ai
mislioio entre a Austria eo Piomonte, sen
do a consequencia desta medida quo a
hostilidades poderiamser immedatament
renovadas. #
(I prncipe de Cinino, (o filho do Lucan
RonaparteJ ex-presidenlo da assemblt
constituinte romana, foi preso em Orleat
por orden do governo, e o National acere:
cenia que provavelmente elle ser remov
do para o castello de llam. Esla design
rao do lugar do prisfio do primo de Lu
Napoleo Bonaparte, diz.o corresponden
o 7i'me., tillo he lalvez senSo um sarcasn
irigido contra o presidente da republe
valho.
Scenlc desta occu'renca por parlicipa-
CBO do Sr. inspector da alfandega, o Exm.
Sr. concellieiro do esUoo a presidente da
provincia deu as precisas providencias para
que, reculhidos ao quartel do corpo policial
todos os prelos apprehendidos, ah fiquem
disposgno do Sr. chefe de polica, eolli-
ciou a esto afim que, averiguando o facto,
apresse-se a proceder contra quem de direi-
io fOr.
He para notar que parece terem sido bem
fudadas as suspeitas do Sr. Sampaio Vian-
na aceica do denunciante; pois que este,
meia hora depois de haver sahido com a
confidencial que nos reportamos em prin-
cipio, apresentou-se-lhe allegando que a
iiordera, e como S. S. oameaQaslrj como
i,, irr judicial, retirou-se asseverando que
ia procura la para entrega-la ao Exm. Sr.
presidente.
Os leilores achar.lo no lugar competente
o resumo da importuno da provincia, com
o qual nos obsoquiou o Sr. inspector da al-
fandega, e que, smenle por conveniencia
typographica, deixamos do publicar em
forma de mappa.
A barca Colambui, que, procedente de
Liverpool, enlrou hoje o nosso porto, trou-
xe-nos os Time de 17 a 27 do julho proxi-
I mo passado, faltando-nos os do 30 de junho
Roma ficira tranquilla.
Tendo as tropas francezas, bem como
noticiamos em um dos nmeros anterior
desta folha, entrado naquella cidade i
da 3 de julho, no da 4 o general Oudn
declarou-aem estado de sitio, dissoiveu
triunviato, a assembla e a guarda civic
e ordenou o desarmamento de toda a pop
lacao; e, como qur que o cnsul inglez i
americano tivessem dado passaportes
todos que In'os pediram, e promptamei
estendessem sua proteccjlo a quantos a i
clamaram, o general francez ordenouq
todas as pessoas quo tinham obtido pas-
portes deviam sabir de liorna dentro de
lioras, sob pena do seren presas e escoli
das al a fronleira pela polica. O mes
general enviqu depois as chaves' d*9fda
aopapa em Tiaeta, o qual Ihe niandou
resposta a seguinle carta :
Sr. general.o bem conhecido va
das armas francezas, sustentado pela ju:
;a da causa que defendem, alcancou o p
mi quelhes era devido, isto he, avie
ra. Digne-se V. Exc. de aceitar as i
nlias congratulares pela parte principal c
ueste aconteciineulo Ihe cabe; congralu
ces, nao pelo sangue derramado, porc
isto meu coraoio aborrece, porm pelo i
umpho da ordem sobre Ja anarchia, p
hberdade restaurada a pessoas honrada
christSas, para as quaes no ser mais
crime gozar da propriedade que Daos
dignou dividir entre ellas, e adorar c
pompa religiosa, sem correr o perigo
perder a vida ou a lberJade. Quaoto As g
ADO
I


corrido durante o rneu pontificado; elles
ucham-se exi-ostos na minha llorucffo, da
qual seiti duvida V. Exc. tem eonherimen-
to; porem, nao obstante sto, envio-lhe um
certo numeio de copias afim de que sejam
lidas por aquellesque V. Exc jiilgar til que
sejam driles instruidos. Este documento
provar sufficienleinente que o triumpho do
exercito franccz foi aleancado sobre os ini-
migos 'ia sociclaile humana.e despertar por
si mesmo os sedimentos de todo p homem
pensador na Europa, assim como no mundo
inleiro. Ucoronel Niel que com o despacho
le V. Exc. me apresentou as chaves de urna
das portas de Roma,entregar a V. Exc. esta
cart. He com grandosatisfando que apro-
nto a orcasiflo para exprcssar V. Exc. os
meussontimentos de paternal afTeicflo.assim
como para assegurar-lhe que ofleicco con-
tinuamente oiai;0es an Omnipotente por V.
Exc., pelo exercito francez, pelo governo e
por toda a Franca. Iteceba V. Exc. a ben-
Cdo apostlica, a qual Ihe dou de todo o
mcu corarlo.
(Assignado) Pi papa IX
Gaeta. 5 de julho. >
O Senaphore de Mancilles de 20 de julho
publica a segunte noticia :
No da 15 foi proclamada a restauracno
do S. Padre, e a bandefra pontificia fui bas-
teada no caslello de SanfAngelo e salvada
com 100 tiros dados pela aitilharia do for-
te. I m Tc-Dtum foi cantado na igreja de S.-
Pedro em honra dosuccessode nossas ar-
mas e da causa de Po IX ; o general Oudi-
not passou urna brilhantc revista as tro-
pas dos txercitos francez e romano. No
meio dcsta grande solemnidade militar e re-
ligiosa oenlhusiasmo da populando roma-
na se manifestou com um ardor e energa
dignos da cidade eterna, (ritos atroadores
de:\iva a Franca! Viva o general Oudi-
nout/Vival'iolX! se levantaram de todas
as partes por onde passavaru iiossjs tropas
A maior alegra se manifcstava em todos
os semblantes. Nossos soldados, em varios
distiictos, marcharam debaixodeuma chu-
va de llores Uncidas das janellas pelas se-
nhoras romanas 0general Oudinot parti-
cularmente foi o objecto da ovarlo popu-
lar. Aochegar praca de San Pedro, elle
ro obrigado a apear-se de seu cavallo pela
immensa multid.1o que o cercava, e foi car-
regado em triumpho pelo povo al a porta
da igreja. Umadi'SsasilluniinacOts gigan-
tescas, que so em Roma o algumas oulras
idades italianas he permttido ver-sc, cn-
errou tilo memoravel dia.
O general Oudinot, querendo dar maior
ustre a esta solemnidade, ordenou que to-
los os ohciaes do exercito romano, presos
m Civiia-Vtcchia, fssem postos em li-
>erdado.
Em Inglaterra nada de importancia havia
ccorrnlu. O cansis tinham licado de 92
t* a 93; os fundos brasil) iros a 81 os li-
os a 82 :i*
Tern.iui.iido este artigo diremos amda
ue um armisticio fra ullimamenle con-
fuido entes a Piussia o a Dinamarca, eque
eneza contina a esistir -o, Austracos.
2<
ala
cilios geres e o quini-sexlum, reconbece
por spu ct'efe o palriarclia de Constanti-
nnpla. Apelldamete melrliislas os chris-
tos ortUdtxos, que n.lo silo gregos, oas
seguem asdoutrinas desta igreja, que do-
mina sobretodo na Russia, onde sn rene
0 que chamam santo sanado, que adminis-
tra todos os negocios docilito. A igreja
russa di o nome de raskolniks a todas as
seitas cujas renlas dilTerem da igreja or-
thndoxa, taes como o bogomiloi, que se
abandonam a todos osexcessos da sensua-
lidade ese eximem do trahalho; os ma-
lakhans, qu tem alguina analoga com os
quakers; ot philippons, qunaxcitam ao sui-
cidio, e os originisias, que seguem as falscs
doutrinas de Orgenes.
2. A igreja chaldaiea nu nestoriana, rjn
s reconbece os dous pfimeiros concilios
geraes eos padres da igreja que vi vera m
aritos do concilio de Epheso, traque suas
doutrinas fram condemnadas. Os nes-
lorianos estahelecidos na India se chamam
chrisHos de S.-Thom, e dizom ter recebido
a luz da f de.-te santo apostlo ; os quacs
desde o fim do seculo decimo-sexlo pela
maior parte se tem unido e reconhecido
os dogmas da igreja catholica romana, e so
Ihe chamam greijoi unidos.
3. A igreja monophysita ou culichyana,
que segu os erros de Eutchei, ese subJ-
vide em nutras tres, a saber :
A jacobitica, fundada no seculo sexto por
Jacob Raiadai ou Zangalus nn Syria e Me-
sopotsnia, cujo chele se denomina patrr-
archa de Autioquia e reside em Karemid
no Diarbcker, na Asia Atomana. Crande
porefo ilelles se teem convertido para a
Cospoiidencia.
Sn. redactores. Como se approxme o
ia em que os eleitores pernambucanos
rmdtescolher os seus representantes
sembles ger-1 legislativa, n.lo podemos
ixar de lembrar-lhes um Pernambucano,
gno por todos os motivos dos seus suffra-
os, o Exm. Sr. cnnnelheiro presidpnle da
lacOo da corte Manoel Ignacio Cavalcanle
i Lacerda, cuja honrado, e independencia
i carcter silo proverbiaes ; e se os eleto-
s peinambucanos teem de escolher ho-
ens inteirsmenle devotados causa da
ooarchia e da ordem, cortamente que o
nirado Pernambucano, o Exm. concelhei-
Cavaleanlo de Lacerda, nao ser esque-
j- _a r
VvUIEDaDiJ.
groja catholica romana, conservando parte
dasua liihurgia.
Copia, cujos crentes se chamam coplas,
ou christios do Egypto, da Nubia e Ahyssi-
nia. O sen patnarcha reside no Cairo, e
loma o titulo de patriarc/ia de Mexandria e
deJerusalm.
Nomeia para a Abyssinia um Vigario gc-
ral chamado abana.
Armenica, a que pertcncem quasi lodos
os armenios. Tem qualro patriarchas, dos
quacs o principal se Intitula calholico de
lodos us armenios e resida no convento de
Etch-Miadsn, na de antes Armenia postra,
boje perlenccnte liussia. Os oulrostrcs
icsidem em Sis na Caramana, em Giand-
Sasar junio ao lago de Erivan, e em Aga-
thamar, convento situado na ilha do lago
de Van. Alguns armenios se teem reunido
Igreja catholica romana, e lem um arce-
hispo e.n Naclitclnvan sotre o Don, eou-
l'O na ilha do S.-Lzaro as lagas do Vo-
neza. Alcuns militares dclles, que existen)
no imperio oltonano, estilo suboiettidos
jurisdicco do um patriareha independen-
le dos outros qualro, de que cima fal-
lamos.
4. A igrpja maronila, denominada assim
de nomo de Joilo Marn, que no seculo
quinto foi o chefe d'csla crenna. Os maro-
mtas hahiiam as momanhas do Lbano o a
tam a presenrja real, seguem o principio de
predestinando em um pequeo numero de
escolhidos. Nilo admittem imagen, quasi
que nflo teem culto externo, e o seu gover-
no eclesistico he por inleiro republicano.
Os calvinistas sdo mais numerosos na
Suissa, na confederando germnica, em al-
guns departamentos da Frac, na Hungra,
Transilvania, confins militares, etc., no im-
perio austraco, nos I slados-Unidosda A-
morica, e as colonias hollandezas e in-
glezas.
Na Hollanda e nn Holstein urna seita pro-
pria de reformados tomaram o nome de ar-
minianot, ou remoslrantes, ou represen-
tantes.
Na Escocia e Inglaterra, as colonias n-
glezas e confederaco anglo-american, os
calvinistas se distrihuem em pr'sblcrianos,
que sSo governados por urna sorte de podr
aristocrtico, que reside nos synodos; e
independenles ou congregacionalislas, que
rejeilain este poder. A uns e outros se
denomina em Inglaterra naO conformistas
por n.lo rrconhecerem o episcopado, que
a igreja auglicana approva. A maior
parte dos Escocezcs sSo calvinistas. Anti-
gmente chamaram-sn pntanos os qe em
1565 rejeitaram a liturgia anglicana.
Hoje os lutheranos e calvinistas fazer
pouca delferenca em suas doutrinas, eso
difieren! emquanto ao rgimen ecclesiasti-
co ; e j em 1817 se princpiou em Nassau a
fusSo ou confusSo das duas coitas, que de-
pois se tem realisado em mitras partes.
2. Anglicanos, lambem chamados rpic -
fnes, formam oqueelleschamama/'atyri/ft,
Instituida em Inglaterra desde o reinado da
rainba Isabel. Dzem que a igreja anglica-
nn tem 39 artigo* Calvinistas, a liihurgia
catholica romana c clero a-minico. Usan
do nosso kalendario, em que fazern menc,3o
do- santas, solemnsam as festas, usam de
grande parte das oracoes eatholcas roma-
nas, das preces, etc. A igreja anglicana
nos Estados-Unidos da America reduzio a
10 os 39 artlgos da de Inglaterra, e rejeitou
osymbolo de Santo-Athanasio.
Os anglicanos f.irmam a maior parte da
pnpulc"io de Inglaterra, parte consideravel
da de Irlanda e da dos Estados-Dndes. as
pnssessos ingieras fura da Europa silo,
quasi emtoda aparte, os mais numerosos
de. chrisiilos all residentes.
Tamhom em Inglaterra se chamam geral-
mente dissenlers ou no conformistas lodos
aquelles que nilo alKaeam os principios da
igreja anglicana, sejam de que regiflo fo-
rero.
.1.* Uyllicnsou enthusiostas. Reunimos de-
baixo destas duasdeuominacVs mullas coi-
tas formadas entre ba protestantes ou entre
CLASSIFICACAO DOS HA PITANTES DA
TEIthA PELA RELIGlAO.
una de Chipre e admittem os quatro pri-
meiros concilios geraes. Pela maior parte
se tem reunido a igreja cathoLca romana
e o seu metropolitano, que reconbece a
Supremaca do papa, toma o titulo de pa-
triarcha de Antoqnia, e reside em Canuo-
bn, convento do Lbano.
II.Chrisiilos, queseseparram da igre-
ja catholica romana, e que em materia de
fe reconliecein nicamente a antoiidade da
biblia interpretada a seu modo. Esfes di-
vide Schoellem unitarios t trinitarios.
A. Unitarios silo os que nilo reconhecem
o myslerio daSanlissima Trindade. Estes
hereges so devidem em urianas, que, se
existem, he em pequeo numero c seopel-
lidam assim de seu chefe Ano, unitarios
propiamente ditos, que nflo formam scita
paite, mas estSo derramados entio os he
reg sde diversas seitas; e socinianos, cujo
chefe foi Lettio Soisini, nobre de Sienna,
que em 1562 fundou esta seita, que na par-
te dogmtica se aproxima muito das dou-
trinas dos protestantes o qurhojo tem pou-
cos sectarios na Transylvania e anda me-
nos na Hollanda c Inglaterra.
t. Trinitarios, que silo os que reconhe-
cem o dogma da Saniissima Trindado e
podem dvidir-se em protestantes, anstiea-
nos, o diversas sedas mysticas e de enlliu-
siastasenseriadas nopot.staiitissimo.
1. Protestantes, assim denominados, por
que na dicta do imperio, reunida eni pi-
ra em 1529, os i rinches part lisias dos
innovadores herticos prolcstaram contra
le que impedase innovagOes em
Adoptam a biblia
menos alguns livros declarados autheuti-
cos pelo concilio de treuto. Itejctam a
auloridade do papa e dos concilios ad-
mittem smenle os dous sacramentos do
baptismo o cucharistia as duas especies;
porm rejetam a transubsianciacilo. Ten!
feto militase muito dilTerciites IraduccOes
da biblia, ele.
Dividom-se em lutheranos i zwinalios ou
calcinistus.
Os Lutheranos silo chamados assim do no-
me de Martinho Lulhero, frade, nascido em
Withemberg, que em 1517 deu principio a
herisia; comtudo, elles querem antes cha-
mar-se evangtlicos ou adherentes a conliss.1i
de Kugsbury, que he o nome olDcialquese
Ibes d na Allemanha eera Franca, e que se
adoptou em consequencia da famosa coulis-
srto do Augsburg, ledigida por Filippe lle-
lanchtun e a presentada em 1530 ao impera-
dor Carlos V na dieta de Augsburg, pelos
'Traduiido da Revista di Edinhurgo.)
Continuacio don. 181.)
Os dogmas, os preceilos e (Sis da roljgjSo
ristila catholica romana, (nica verda-
ira) tanto pelo que diz respeiio ao cul-
imerno como ao culto externo, sSo.
mpostos dos livros do antigo o novo les-1 matt-ria de religio.
nenio e tradicilo, jultados em forma au- "
ntica pelos concilios geraes ; do corpo
direito canoni o, e das hullas e res-
ptas dos suuimos pontfices. Tal he
groja catholica apostlica romana, que
define : a congrcg*cio dos liis chns-
s dispersos por todo universo, subjei-
aos legtimos pastores, dos quaes o pri-
tro he o papa, hispo de Roma, succe-
de S.-Pedro, vgaiio de Chrislo na
ra.
. igreja catholica dilata o seu suave jugo
re quasi toda a Franca, a Polonia, so-
toda al alia. Hespanha, Portugal, tres
utos da Irlanda, a maior parte do im-
io da-Austria, mais do melade dosPai-
Baixos, quari m-tade da mouarchia
ssiana, da condeferaffio suissa e das
encas secundarias da confcderacSo ger-
lica, lievem-se unir so numero dos
i os chri&tOos de S.-Thom ou ayrios do
abar< niarontas do Lbano, e grande principes e estados que tinham seguido as
tero de Gregos unidos e Armenios, que rencas de Lulhero. Os Lutheranos distin-
ilendoasua liihurgia e alguns usos re-
beOBn influencia suprema do papa e
Ipgmas da igreja catholjeatomana, que
bem impera nos estados formados das
mas portuguezas e hespanholas da
arica, e em todos os destas duas naces
e Franca, bem como na Asia, frica e
ania. Purera como o orgulho humano
repousa em seus desatino*, do seio da
ja catholica romana se tem separado
dilTerentes pocas hornera que, pre-
icoses, vaidosos, ou perversos, teem
amanad doutrina erroneaa, e cujos
arios classificaremos pelo modo se-
nt :
. A igreia grtga ou de Oriente, cujos sec-
os no reconhecem o poner do papa, e
usflo alguns dogmas e muos artigos
guem-se dos outros protestantes pelo modo
myslieo porque fallara do sacramento da
eucharistia. NSo condemiiam sem comli-
co h jwarchia ecclesiaslica. Na Suecia
lem arcebispos obispos, que formam urna
das quatro rdeos do estado Em Dina-
marca, Noroega e Irlanda, ha as mosmas
lignidades, mas sem prerogativa qued in-
fluencia poltica.
O lutheranismo domina nt l'russia, Di-
namarca No/wega, Hanover, axoiiia,
Wuslamberg e outros estados da confede-
racSo germnica, uas provincias blticas
da liussia ; tem muitos sectarios na Hun-
gra, as provincias do imperio da Austria,
na confederscSo anglo-americana, e as co-
lonias diuamarquezas e suecas.
OsZwingliot, assim appellidadosde Zwln-
madas.
A. Os congregacionalislas consideran ca-
da congregaco como urna parte da igreja
visivel e militante. Seus dogmas silo qua-
si os mesmoe que os da igreja presbiteriana
da Escocia, onde bem como nos Estados-
Unidos da America teem muitos sectarios.
Pouco dilTerem dos independenles.
B. Os arminicos au remostrantis, ou repre-
sentantes, assim denominados de Arminios
ou llarnescn, e de urna representacno que
presentaran! aos estados do Hollanda em
1600. Calvinio linda ensinado que desde
toda a eternidado Dos determinen um nu-
mero exacto de homens salvacjlo e outro
coudemnacflo eterna, com independencia
de suas aeces. Arminius refutou esta dou-
trina e tem grande numero de sectarios na
Hollanda e Inglaterra.
C. Os tntnnonitas, que se chamam baplis-
tas, e descendem dos clebres hereges ana-
baptistas. Nilo reconhecem autoridades em
materia de doutrina, e s admtlem a Bi-
blia que cada um interpreta como Ihe con-
ven!, cconcordain nicamente einno bap-
lisarsenloem idade adiantada, em nSo ju-
rar, em reprovar o uso das trinas. Em cos-
tumes e disciplina parecem-se muito aos
quakers ou aos irmos moravios. Silo mais
numerosos nos Eslados-Unidos da America,
na Crila-llrelaiiha, Paizcs-Baxos, provin-
cias mendionaes da Russia, e nos governos
do Dantzick e de Marienweider na Prussia.
D. Os quakers, chamadas igualmente tre-
medores ; sppelli lam-se amigos. Jerge Fox,
sapateiro de Leicesler, foi o seu instituidor
em 1647. Reconhecem um Dos em tres
pessoas, e conseguntemente a divindade do
Verbo. |>ao f queda do primeiro homem.
promessa do Redehiptor, salvacilo por Je-
sus-Chrislo, porm nilo admittem ritos,
noin sacramentos, bem que nSo condem-
nem o baptismo d'agoa. As quatro mxi-
mas do qnakensmo silo: l.o a auloridade
civil nflo tem poder sobre a crenca religiosa;
2.o. os juramentos requeridos pela aulori-
ladc civil nflo sSo lcitos ; 3 o, Kuerra nflo
lie licita, epor consequencia nilo oppde
violencia sendo a resignaco, e antes se dei-
xardo matar do que attent.rflo contra a vi-
da de um ininig,,; 4.0, um eat.belecimeii-
topara estipendiar o clero he prohibido;
por isso ndo pagam dizimos, porm os qud
os ar.ecadam vao a suas casas, lancam inflo
do equivalente dos mesmos dizimos sem
experimentaren! resistencia alguma. Teem
costumes simples, e tratam-se todos por t.
Os quakers silo inclinados ao commercio. e
em geral ricos; estdo derramados pelo rei-
no unido, pnocipalmenle em Inglaterra, e
nos Estados-Unidos da America.
E. Os irmdos moravios, ou herrnhulrrs. A
priniena destas dcnommacOes lembra a sei-
ta dos iudos do bohemia ou de Morarte
K552 e."M Provrei"; e segunda oMlsbei
lecimento que fundaram em 1721 em Uer-
rnAu/.jun oa Bethelsdorr. na AlU-Lusacia,
pertenceute ao conde de Zinzendorf. nue se
Unidos da America. A cabeca dasuaseila
he Herrnhut, cidade pequea do reino de
Saxonia, onde reside o collegio director,
composto de 13 memhros.
Os irmflos moravios sdo dos protestantes
os que teem feito mais progressos as mis-
sOes dos indgenas das diversas partes do
globo.
F. Os sw>ienbor\T,ios, denominados assim
de Swdenborg, seu fundador, visionario
quese imputou cotnmuniedo cornos entes
espirituaps, e revelacOes acerca do culto di-
vino, sentido dasescripluras, co, inferno,
'etc. Os tres arligos essenciaes sdo: a di-
vindade de Jcsus-Christo. a santidade das
esc i ploras, a vida que he carldade. Di-
zem elles que, quaesquer que sejam os erros
lo- homens, so alalham o mal smente por
aversilo, c praticam o bem iinicamente por
amor del le sem vistas algumas de interesse,
podem s'er regenerados e chegar a salvafdo.
Esta seita, posto que nascda na Sueeia,
tem all poneos sectarios. Tambemos ha
em Hollanda e Suissa; mas em Inglaterra
he ondo sdo mais numerosos, e pde-se di-
zer que Manchealer he a sua metropole.
Tambem nos Esjados-Undos existem al-
guns e oa India, e teem enviado missOes
frica na conviceflo de ^ue existe no centro
della orgausada a igreja da nova Jeru-
salm.
G. Os mttrtodistas, seita estabelecida por
John Wesley, esludante da umversidade de
Oxford, em 1730. Ghamaram-lhes por escar-
neo methodistas por causa da regularidade
o rigidez que disfarcavam em seus costu-
mes e exercicios de devocdo. John Wesley
e seu irmdo Caries recoheram como sen so-
cio em 1735 a Jorge Whit fiel.l. O metho-
distas persevera m na depravaedo da nature-
za humana pelo peccado de Alio, redemp-
eSo por Jess-Christo, purillcacdo e salva-
Cao pela f, com a dilTerenga que While-
(ieldjulga as obras menos importantes, sal-
vo como prova de f, e Wesley as avalia de
absoluta necessidade. O methodismo se
divide em dous ramos: os adherentes de
Whilefield, que admittem a predestinando
como os calvinistas rigorosos; e os de Wes-
ley, que abracaram os principios de Armi-
nius, e sdo muito mais numerosos. Apar-
taram-seda igreja anglicana, a que de an-
tes diziam pertencer, no fim do seculo de-
cimo-oilavo, e tem feito grandes progressos
no reino-Unido, nos Estados-Unidos, na In-
dia, noaichipelago de Sandwich, etc.
O sionismo ou mahometismo, Esla rel-
gido foi assim chamada da palana rabe
islam, que significa submissao a lieos : tem
por autor o famoso Mohometou alafoma, a
nasceu na Arabia pelos annos de 611 da
nossa era. Como nesla poca o judaismo
Alfandega de Pernambuco, 27 de agosto
de 1849. O inspector, Lulz Antonio ,/,
Sampaio Vianna.
l>ecl;traeoes.
O annuncio publicado hontem por edi-
taldacamara municipal paia arrematarlo
de medidas de farinha fica sem cfl'eilo.
Tomlo o abaixo assignado sido esco-
Ihido pelo cnsul geral da conteileracflo
Argentina no llio-de-Janeiro, por autori-
saefloque leve da respectiva legando ni.
3uella corte, para se encarregar do expe-
iente do vice-consulado da raesma cnnfe-
deraQdo nesla cidade, emquanto o governo
supremo da repblica ndo nomeia o novu
vicecnsul; assim o participa aos cdaddos
della aqui resideolea, ao commercio e a
todas as mais pessoas a quem possa inte-
ressar este aviso, declarando-Ibes que est
em exercicio desde o dia 25 do correte a
que o vcc-consulado se acha cstabelecido
ua casa n. 6 da ra do Trapiche-Novo.
Pernambuco, 27 de agosto de 1849.Joa.
quim faptisla loreira.
CORREIO.
O Snr. Jos Bezerra Cavalcanle queira
comparecer na administrando do correo
geral desla Cidade a negocio de seu inte-
resse.
BSBMi^asjsasanaasBsjsaaasaBBBa
aviaos martimos.
os anglicanos. O seu numero he grande; fa!-je oclirisiianismo tinham progreJido muito
laremo dassete seguintes por maisderra-Jenlre os rabes, e alm disso, a tribu
que Mahomet pertencia se gabava de des-
cender de Ismael e do Ahraham, pensou elle
dever adoptar parte das crencas do christa-
nismo edo judaismo Reconheceu Moyss
e Jesus-Christo como enviados de Dos;
porm imagnou que as suas doutrinas se
tinham alterado com os lempos, e que elle
Mahomet eslava incumbido por Dos de res-
taurar seu verdadeiro culto sobro a trra.
Os principaes preceilos do islanismo sdo :
1.*, a purificando; 2.', a orando; 3.', oje-
jum durauteo mez do romadan, em quese
ndo deve comer de dia, e que he seguido do
\otyram, em q ue os mahometanos se indem-
iiisain da antecedente abstinencia; 4.% a
esmola legal, que he l|40 dos bens que se
possuem, e que cada crente deve dar aos
pobres alm das esmolas recommendadas
para loda a occasido ; 5." finalmente, a To-
mara da Meca, a qual lodo o musulmano
livro o com saJe deve fazer pelo menos
urna vez na vida.
(Continuar-M-ha.)
i-----------------------------------------------------------------------------------------------
Para a Bahia sahe em poucos dias, pdr
se acharcom mais de meia carga a bordo,
a sumaca ftor-do-Kngelim, mestre Bernar-
do do Souza : para o restante e passageiros
trala-se com o mesmo mestre, ou com Luiz
Jos deS Araujo, oa ra da Cruz n. 33.
Para o Aracaly tem de seguir com mui-
la brevidade O UiaieNovo-Otinda, por estar
muito adiantado em carga, alm da que
lem engajada : quem anda pretouder car-
regar e ir de passagem, para oque tem es-
pado sufllciento, se entender com o mes-
tre, Antonio Jos Vianna, no trapiche do al-
goddo, ou na ra da Cadeia-Velha, n. 17,
segundo andar.
A bem condecida e veli'ira
barca nacional Firmeza, capilSo
Narciso Jos Je Saiit'Anna, alie
para o Hio-:le-Janeiro rom a maior
brevidade poasivel t querh preten-
der carrejar, ir de passagem ou
embarcar cscravos, trate com o
mesmo c ipiliio, na ra da Madre-
de-Deos, n. 3, terceiro andar.
Para o Rio-Crande-do-Norte, com a
carga que tiver, a barcaca IHUgencia : quem
nella quizer carregar, dirija-sei ra do
Vigario, n. 5.____________^^^
COti$fl.j*<;IU.
ALFANDEGA.
Rendimentodo dia 30.....10:318,024
CONSULADO GERAL.
Itendimento do dia 30....... 2:502,587
Diversas provincias ^...... 120,562
2.623,149
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimenlo do dia 30...... 1:689,297
Avisos diversos.
- Um amigo do Sr. Dr. Jos
liento da Cunha e Figueiredo es-
t atitorisado para alTirmar que el-
le nao se prope pela provincia
das Alagas deputaco geral.
O Dr. Pedro de Alhayde Lobo Mos-
coso, sobromaneira reconbeoido aos
seus Ilustres amigos, que se digna-
ran) hon/a-lo em comparecer e acom-
panhar o enlerrameuto do sua muito
prezada esposa, cordialmento Ibes a-
g'adece, pelo presente meio, mais es-
la provade tanta atnizade e reconhe-
cida hnndaile.
vnoviifjeiuo do tirto.
ip/inares da igreja catholica romana, glio, coevo de Luihero.qo eomecou o scis-
lai-mse era quatro seciOos, segundo/ mi na Suf
Ptam o recusaos oa/tn i/ lUtprmiV-.-/../.,../-.. a
-...zendorf, que se
declarou seu protector, deu ao seu sysiema
urna nova forma amalgamando nella o pie
lismo.e veioaser seu hispo ou chefe. Estes
sectarios julgam que chegamaperfeindo
por urna luz interior e urna communicaedo
mata intima com Dos. Servem-se na l.iur-
8i" 5'ernOSm,S'Slicosefin8e,n uraacerU
sens.bilida le religiosa Admittem o pec-
cado original, a jusiificando pelo sacrificio
expiatorio de Jesus-Christo. o governo d
seus anciaos ou cheles ecclesiaslicos dilata-
se a vanas transaccOes da vida civil, como
casamentes, acquisicflo de bens de raz
etc. Nao he-lhes permitiido litigar. .
Os irmdos mor.vios, que por sua analoga
com os quakers sdo chamados quakers de
Allemanha, teem estabelecimenlosem diflo-
renles partes de Allemanha. n* niBm~>a
Navios entrados no dia 30.
Liverpool 33 das, galera mgleza Colum-
bas, de 319 toneladas, capitdo Daniel
Creen, equipag.-m 20, carga blendas;
a Me. Calmonl & Companhia. Ficou om
observando com 6 dias de quarentena.
Santa-Calharina 24dias, briguo brasilci-
ro San-Manael-kuguslo, de 236 toneladas,
capildo Jos da Cunha Jnior, equipagem
16, carga farinha; a Manoel Ignacio de
Olveira. Arribou e segua para o Rio-
Crande-do-Sul.
Rio-Crande-do-Sul pela Bahia 37 das e
do ultimo porto 5, brigue brasilejro Inca,
do 202 toneladas, capildo Malbeus ter-
rena Braga, equipagem 12, carga carne ;
a Caudiuu Agoslinho de Barros.
Navios suhidos no mesmo dia.
Falmonth Paquete ingloz Seagull, com-
mandante o lente Smalle. Conduz
os mesmos passageiros que trouse do
aal.
Ro-de-Janeiro Brigue brasllelro formo-
so, capildo Manoel Gonnalves, carga assu-
careago'ardente. Passageiros, o menor
Joaquim Pedro da Silva, Urasileiro, e um
escravo a entregar.
Ilhas da Reunilo e Maoricias Barca fran-
ceza Chateaubriand, capildo Giroult, car-
ga a mesm* que trouxe.
Rio-de-Jaoeiro Barca americana Crele,
capltdo Joscjih le.Broo, em lastro de
a rer.
OIT.VL
Pela inspecloria da alfandega se faz
publico que, no dia 1 do corrente, se hSo de
arrematar em hasta publica na porta da
mesma dcpois de meo-dia, dous embru-
Ihos com 33 chales de chita com 55 varas
quadradas, aviliadaa vara pela tarifa a 500,
ra., 27/500; 135 lencos de dito com 71 varas
I S \ An .............. ... ^
--Precisa-sode um bom ollicial do ta-
noeiro, que seja captivo dando-so-lhe
12,000 rs. mensaes e comedorias ficando
o mesmo subjeito dia e noite, lendo s a
usar do olllcio durante o. dia : quom qui-
zar fazer tal negocio, dinja-se travessa
da Concordia, sobrado n. 5, das 6 s 8 ho-
ras da manhfla.
Offerece-se urna sma para casa de pou-
ca familia, para qoalquer servico, menos
lavar, engomuiar ecozinhar: prefere-so ca-
sa estrangeira : na Ros-Vista ra da Sau-
dade casa do coronel Jos de Barros Fal-
cOo de Lacerda.
Anda est para vender a excrDente ca-
sa terrea, sita em Fra-de-Portas, no largo
do Pilar, com sold e trepeira quintal,
cozinliH lora por preo rasoavel : na ra
da Senzalla-Nova n. 42.
Na ra no Alecnm casa da uva do
Montero, junto ao montnro, precisa de urna
ama par casa de pouca familia.
Precsa-sc de um caixeiro do 12 a 14
anuos que tenha alguma iratica de venda,
que seja diligente e d fiador a sua con-
ducta: om Fra-de-Portas, rus do Pilar,
n. 86.
Aluga-se urna caa na cidade de Olio-
da nos Ouatro-Canlos, n. 4 par 8,000 rs.
mensaes a qual tem armando para venda e
commodos para familia: aaratir com o seu
proprietario. Judo Leite Pila Orligueira na
ra da Cruz, u. 12. .
Precisa-se de urna mulher parda ou
preta de meia idade, pira servir em urna
casa de pouca familia : no Alerro-da-lloa-
Vista, fabrica nova de charutos, te dir
quem precisa.
Ten Jo ciiegado ha pouco da- llaraobdo
um mocoiasileiro, .seolTerece para cai-
xeiro de qualquer estaheleciinenlo nesla
praca ou fra della o qual d fiador i
sua conduela quem de seu prest mo se
quizer uu'lisar, dirija-se rus Nova n. 28,
ou annuncie por esta folha
Hoga-se ao autor do annuncio assigna-
do Amigo vizinlio que baja de decla-
rar sen nome, afim de se Ihe perguntar
quaes os insultos que teai recebido do cai-
xeiro espancado; e, ndo o fazendo, passar
por desacreditore vil calumniador.
Alug-se urna casa terrea com o pon-
to bastante alto no lugar do Montero, a
beira do rio Capibaribe, com terrado oa
frente, dous corredores, sala bstanle lar-
ga 6 quarlos, sala de letras, cozinha f-
ra um quarlo com tarimba para prelos,
oulro dito para despejo estribara para 3
cavados, quintal murado : a tratar na
MUTIL


P'ra 'J'm^eus atetados oflerecMe
prov com os sei s aiu fni
pira e5'';;0; JoUeoto com
deU,,Pw.n.c& ?uem de seu pres-
pessoas J^WP"^:,,, dirija-se ra das
nUn^e-s p.f c.ixeiro de I.J.. ven
1,1. pX-, ""ao ou lB'U'!'r 0Ulr"
SJ.o."m rap.z portuguez de 16noos:
[nani das Urangeiras, n. 8.
I preeisa-sa de um eaixeiro.de 14 a 16
annos, e que tenha pratica de loja de mio-
dezas ; n rulirg' d Rnzno-n" i
OSr Themoteo Eustaquio Das ile An-
drde queira diriglr-se ru do Queimado,
n. 7. a negnrio de seu interesse, ou annun-
' ci sua morada.
-Precisa-sede um ama secca. Torra,
para o servico interno de urna casa de pou-
c familia: a tratar na ra das Tnncneiras,
"'-- Troca-se urna preta de 18 annos por
um preto que sirva para o trabalho de cam-
po : na ra da Aurora, n. 4. __
-Na ra do Sol, n. 13, aluga-se unmo-
leque muito fifi, que cozmna o diario de
.urna caja e engomma.
Traspassa-se urna hypotheca de 5 bons
escravos mocos e desembalados, liypo-
Ihee.do. por 70,OOOr. wnce* por
rento ao mez cojo* escravos quem 08 hy-
poTKu assiste nVst. cid.de : a quom con-
vrer annuncie ... ._
Precisa-se de um criado para a villa de
N.zareth para casa de um homem soltei-
ro que saina cozinher: no Aterro-da-llo-
Vista. n. 36, primeiro andar.
D-se pao de vendagem a pretas, llcan-
doseussenhoresresponsaveis : na ra lar-
ga do Rozario, n. 48.
Precisa-se alugar urna cscrva para to-
do o seivigo de urna casa.rrgular: no pa-
teo do Terco, venda .7. -* .
-- Precisa-se fallar com o Sr. Manoel An-
tonio da Silva par ae Ihe entregar urna car-
ta vipda de Lisboa ; na ra da Cruz, n. 9,
ou annuncie. ....
Precisa-se de quatro trabalhadorea de
enxada para trabalharem no concert da
estrada nova, danp-ae-lhes a r nxailas :
na ra Dlreita, venda que foi de Jos da Pe-
-'os dous meios bilheles n. 1,495 e 1,501
da segunda parte da terceira lol?ria a favor
das obraa da igreja de N. S. de Guachlure ,
fram comprado por mandado da Sr.* Sil-
vana Maria do Nascimcntoe Silva e seu U
llio Antonio Leocadio Mara da Silva.
l'reeisa-se, para ma de cas de um-
liomem aolteiro, de urna mulher que sai-
lia cozinhar: na ra da Praia, n. 43, pri-
meiro andar.
--Quem liver urna ama de leite que quei-
ra criar, n!io tendo fllho, pode arparecer no
paleo do Panizo, sobrado n. : prefere-
se escrava e que taibem nao tenha fimo.
Prrcisa-se alugar um escravo para o
servico de um estrangeiro : paga-ge bem
na ra do Sol, n. 15.
A meeting will b held t 7o' dock on
Tuesday evening the 4."' sep.lr al the lioo..is
oflhe Brttit.lt Mecbanics' l.ibrary ra
d'Aurora, Sanio Amaro, lo take into consi-
deralion the mean ofext-nding tha bene-
lil of nuil esUblishmenl, by Ihe nnexalion
tbareto o a Scbool, Heading Room, and
Cas lloom, wilh Leclures occasionally :
all persona desirious o encouraglng an
underttking o useful and necessary, are
most respeclfully iuvited lo atlend.
By order ofa general meeting,
Jouph llene, secietary.
|>ao-se 400,000 rs. a premio sobre hyno-
tbeca de predio : quem precisar annuncie.
Roga-se ao Sr. acadmico Filippe Car-
los dos Santos o favor de vir na cocheira que
bem sabe, aflm de concluir o negocio que
nlo ignora : atoantes que regresse para a
sua provincia, como consta.
Precisa-se de un Portuguez que queira
trabalhar cm um sitio perto da praca, e de
dous pretos escravos : na ra da Uniao, e
criplorio do Portocarreiro
-- Aluga-se urna casa para se passar a res-
ta, ouannualmenf, na Casa-Forte, junto a
doSr. major Viilela : quem a pretender,
dirija-se a fundieflo da ra do Urum.
-- precisa-s alugar um preto que emen-
da do servico de paitara : na ra Dircila, n.
27, se dir quem precisa.
__OSr. autor doannuncio do Diario n.
192 ( honteiB ) tanto se eligmatsu e afinal
nao disse a que veio : falla de visigodus o
disso nada pesca : porlanto, algum servico
faria ao publico se desse o significado da
palavra; 'rio de que possuidores ha em
miiihk trra muitas vezas ladrOes, que pos-
suem o que nao he seu.
-- Precisare de um caixeiio de menor
idade, quo ttnha pratica de venda : na ra
da Lingoea, n. 1, "
Precisa-se alugar um sitio perto daci-
ilflde ,que tenha arvoredosde fruclo e de-
cente caa para morar familia : .quem liver
annuncie.
*********** mmmmmmmm*
9
Na pra^a da Independencia,
n. i, ao voliar para a ra
das Cruzes, alugam-se, ven-
dem-se e laniliem Be appli
rain as melhores bixas que
he possivel liavarem no mer-
cado ; limpam-se e tiram-se dente B
com tod a pcrfeicBo: tambem se ap I
plicuin ventolas enm a maior delica- |
des que be possivel, e faz-sa ludo |
o mais que pertence a arte de sangra- I
dor : ludo por preso muito rasoavel. m
mmmmmmmvm mwmwwimw*
O abaiio aseignado desde oannopas-
sadoque recebe nssucar e mais genero de
paiz para vender em commissflo : quem do
seu presumo se quizer ulilisar, dirija-se a
ra Direita, venda n. 23. M* Bypolilo d
Metra Lima.
Chapeos de sol
Ra do Passeio, n. 5
to de Paria: bem comoum rico sortimenlo
de aedas e panninhos imitando seda par
cobrir armaces servidas, chegado lti-
mamente do Franca. Neste estabeieomen-
o tambem ba chapeos muilo grandes para
feitores de engenho. .
O Dr-Lourenco Trigo de Loureiro re-
side actualmente as lojas da casa do llim.
Sr. desembargador Bastos, na ra da Au-
rora, entiada pelo lado da mesma ra; e
ahi se offerece para advog.r. tanto no, clvel
,-omono crime, e para ensinar as Roas
latina e frar.ceza a quem se quizer ulilisar
d.!epUrScM?oae um. mulber p.r. pensar
urna enanca de 2 annos : na Camboa-do-
Carmo, n. 10. primeiro andar.
(arlos Gillain lai publico
nc roudou o seu estabelecimenlo
da ra Nova, n. 19, para a mesma
ra, loja n. 30, onde seus fregue-
zes o acbarSo sempre prompto pa-
ra o for do seu olticio.
Para as pcss<>as que tcn-
cioiiam seguir viagem.
Nopleode.-Pedro cs terrea n. 8,
lirm-se pssportes pr dentro e fora do
imperio, correm-serolhMe despcham-se
escravos e pira este flm tan'.bam pde-ae
procurar na praca da Independencia livra-
ria ns. 6 e 8.
Precisa-se alugar um sobra
do de um andar com loja no bair-
ro de Santo-A ntonio, preferindo-
se as ras de San-Francisco.
Cruzes eQuarteis: quem o tiver
annuncie, ou dirija-se ra da
Cadeia do ({ecifc,n. 9, que acha-
ra com qurm tratar.
~ Precisa-se de urna ama de leite que o
teoha bom e com abundancia : pag-se
hem : a tratar no botiquim junto ao thea-
tro. .
eseja-se fallar ao Sr. Ignacio Lopes da
Silva morador em Ollnda ou alguero por
elle a negocio de seu interesse, por isso
annuncie a sua morada. .
Offerece-se um moso braaileiro par
caixeiro: quem precisar annuncie.
-Precisa-se de pretas par venderem pao:
noForle-do-Mttos, ru do Burgos, n. 38.
Deseja-se fallar aos Srs. Carlos Magno
da Silva e Pedro Celestino Magno da Silva ,
a negocio que Ihes diz respeito a sua fami-
lia na ra do Crespo, n. 17.
Um rapaz portuguez se oucrece para
caixeiro de venda ou para outro qual-
quernegocio, por ter bastante pratica de
commercio, e dar fiador a sua conduela :
3uem de seu prestimo se quizer ulilisar ,
irija-se i ra Direila, n. 35.
Quem liver um sitio com boa casa,
e que sej perto do rioe com lugar para se
tomar banho, sendo queira alugar, dirja-
lo ao Holel Francisco.
--Precisa-sede um homem que entenda
de tratar de um sitio : na estrada que vai
para Belm, n primeir casi do lado es-
querdo,1)
:5
oneenho Amparo, dislanic desla praca 12
legoas o junto da cldade da Victoria 2 le-
goas, a tratar com o senhor do dito en-
genho. .
Precisa-se de 11 m caxeiro para entre-
gar pBo em uro freguezia com um preto :
no palco da S.-Cruz, n. 6.
--Na ra do Queimado, n. 1, e dir
quem d dinheiro a premio. Na mema ca-
sa compram-se obras de ouro o prala no es-
tado em que eitiverem.
J0S0 Keller & Tompanhia participam
ao publico e particularmente ao commer-
cio que, tendo o socio I. Ch Keller Rordprr
de fazer urna viagem para a Babia, deixa
por seus bastantes procuradorea aos Srs.
Leonardo Schuler, C. A. Rotdor e A.
Schlappriz.
Quem quizer dar tres a qualro contos
de rs. a premio com liypollieca em urna
propriedade o com os juros do um aum e
um quarto, annuncie: a propriedade he mu-
rada e tem baixa para capim.
Quem annunciou querer comprar o
livroTemporal eeterno, querendo a obra
formada em 5 tomos em um so volume, di-
rija-se ra do Mundo-Novo, n. 30.
Oabaixoassignado.estudante do se-
gundo anno da academia de Olinda, de ac-
cordo com seu pai tem transferido a. sua
residencia para a ra das Flores, sobrado
n. 1, e all se prope a recebar alumnos
externos o internos para Ihes ensinar as
primeirasletlras, lingoa nacional e fran-
ceia geometra, e rhelorica ,. prometien-
do o mais desvelado tratamenl, mediante
um mdico extipendio. As pessoas que o
quizorem frequentar poderio dirigir-se a
referida residencia das 2 horas da larde em
diante. Va$eoneello$ Coimbra Jnior.
K. Rayner retira-se para fra da pro-
vincia.
Madama Millochau tem a honra de
participar que mudou a sua casa do modas
francezas do primo andar do Aterro-da-
Boa-Vista n. 1, para a loja da mesma ca-
sa, aonde as s-nlioras achirlo sempre um
grande sortimento de modas como: cha-
pos, manteletes, neos, luvas, bicos. lilas,
flores, bordados, a em geral ludo que usan
as senhoras por prego commodo : tam-
bem se fazem chapos, vestidos, camisi-
nlms, etc., ludo na verdadeir moda.
wmmmmBemmm
dos, do melhor gosto possivel
barato prnco do que em outra
parte,
por
qualquer
__. Vendcm-se massos de meias
de linho, uUimamenie chegadas do
Porto; ditos de algodao grosso.
por preco muito commodo : na
praca da'lnlependencia, casa ama-
relia, n. 1. ;
-- Vende-se um excellenle cabriole de bo-
nito molde, pintado do novo, com boas mo-
las e muito forte 1 no Atterro-da-Boa-Vista,
cocheira do Riiymiindo.
--Vendem-secaixascom cera om velas
do Rio-de-Janeira ; charutos do palha
com
e
vertente
cercado
dVwpinhOS e vallas com algn, arvore-
dos do fr.icto o proporcOes Pra ie aier
um. engenhoca, Pfi w on'3o.mqn "
de terreno e fertiliiade do mesmo. c .m
suITlcienci.par. ler mu.Us ecas de Mf,
por ser muito abundante de pasto de inver-
n P verflo: esla prouried.do rene em .1
muitasproporcOes ventajosas, poii tMO
serve para recreio como para se fazer uso
dos esial)lecimentosque em si tem, como
lambom de outros mullos-que ella oirere-
ce, poisquema compiar, querendo, po-w
nellator de rendimento annii.l para mal
do 8OH.00O rs., semom prego de ch pila .co-
mo se fra ver ao comprador: tambem se
vende em .eparado f casa terrea com os
seus arvoredos olaria e grande termo,
Lopes : tildo por preco
do Commercio, n. 6
Aluga-se urna bonita casa nova, para 3^ aritiazein de trasloa eu annuncie.
ella,' .. compram-se um cabriole!: na llave
se passar a reata, sita no Poco-da-Panell
ao p dorio e junio a do Sr. Vioira Mon-
teiro: a Iralar na ra Imperial, n. 67, ou
na ra do.Vigario, n. 7, primeiro andar,
onde tambem se alugam escravos
Compras.
Compra-se prala e ouro sem feilio : na
ra Velha, n. 54.
Compra-se um coelhodo reino, que sp-
ja bom : quem tiver anOuncio.
Compra-se um escravo de 12 a 16 an-
no, que nao tenha virios : profere-so sen-
do conhecido nesla praca ; na ra do Hos-
picio, n. 56.
Compra-se urna bussola de
algibeira : no Aterro da-Boa-Vis-
ta, loja 3.
-- Compra-so um par de lanternas, ou
de mangas de vidro : quem liver annuncie.
Compra-se urna preta que seja perita
cozinlieira :iquem liver annuncie.
Compra-sea historia Militante! na ra
deS.-Cicilia, n. 4.
Compra-se um preto queseja bom 0II1-
cial de carpina : na ra estrella do Rozario,
aven

_ADO
Caetano Xavier Percira de Brito, '^
t doutor em medicina, 8nnunca ao i
l> respeilavel publico, quo fixou a sua
t residencia no Atcrro-da-B6a-Vsta, 4
$ n. 43, onde poder ser procurado a '4
f qualquer hora ; o d consultas gralii 4
aos pobres, das 6 as 9 horas da na- #
m obla-
Domingos Alves Matheus, agente da fa-
brica de rap superior areia preta da Ra-
bia, tem aberlo seu de|>osito na ra da
Cruz do Rece, primeiro andar da casa n.
38, onde se achara sempre deste excellente
e mai acreditado' rap que al o prsenle
se tem fabricado no brasil: vende-se em
botes de urna o do meia libra por preco
mais commodo do que cm oulra qualquer
parlo.
-Manoel de Almeida! Lopes que coslu-
ma rompear o vender escravos mudou sua
residencia da ra do Vigario, n. 24, para a
rus da Cadeia do Recife, n. 40.
Quem tiver recibido ha seis irezes ou
ha 1 anno a esla parle alguns negocios vin-
dosdacidade do Pbrto por mando de Do-
mingos Francisco Maia, queira declarar por
eslatolh, u dirigir-so ruada Praia, 11.
34, sendo para negocio de seu interesse.
Aluga-se urna casa terrea em Olinda,
na ra do Amparo, n. 31 : a tratar na ra da
Cadeia do Recife, n. 52.
Dilo-se 500,000 rs. a premio de dous
por cento ao mez cobre penbores de ouro
e prala ou hypotheca em alguma casa :
quem quizer annuncie.
Precisa-se de um caixeko para um de-
posito du padaria : no pateo da .-Cruz, pa-
llara de urna s porta.
Aviso.
Quem pretender engenho para em 2 ho-
ras ocr um caixa, ou 6 barricas de aa-
sucar, oceupando urna s pesso e um ca-
vlle, cirro para conduceno de formas
cora assucar, tambem por urna sua pessoa,
nao querendo ser engaado, dirija-se i ra
do sol, n. 13. Adverte-so que nao sao carro
de forquilha... por bailo do fundo das for-
mas : desles os acharSo n fabrica dos Sr.
Slarr & Companbia.
Dent(s artificiaos.
i. A. S. Jane, dentista, participa ao res-
peilavel publico que contina a exrcer
sua proflssfio, na ra estreila do Rozario,
n. 16, primeiro andar.
Ao sitio do abaixo aasignado foi ter urna
escrava que diz ser do Sr. doutor Rales ,
procurando quem a comprasse, por assim
estar sotorisada, e como nao levou aulori-
sacao alguma, o abaixo assignado previn-
do estar fgida, pron.cleu-lhe de ir fallara
seu seu senhor par dito fim, e polo presen-
-..lioi.... mn M. 1I/111I111. DmI.b n.r
onif
daMadre-de-Deos, n. 18.
Compra-se um relogio de ouro, pa-
tente inglez cujo preQO nflo exceda de
160,000rs. ; um anneao dos que se usa,
com o peso de 3 a 4 oitavas anda mesmo
com algum eilio : na ra da Senzalla-Ve-
Ilia n 96, se du quem compra.
Vendas.
Vendem-se 5 lindos moleque de na-
Cfloecrioulos, de 12 a 20 annos, sendo um
delles bom official dealfaiate; 3 mulali-
nhos, de 14 a a 18 annos, bons para pagem :
3mulatinhaa de 16 a 20 annos, com algu-
mas habilidades; 4 pretas para lodo o ser-
vico ; 1 dila com todas as labilidades ; 2 di-
las de meia idade e que so vendem em con-
ta ; 6 1 retos bons para lodo o servico ; as-
sim cnmooulros muito escravos : na la
da Cadeia do Recife, n. 40.
Vendem-se limas proprias para serras
d'agoa : na ra Nova, luja de ferragens, nu-
mero 16.
.- A bordo da escuna Tentadora, chegaJa
do Rio-Crande-do-Sul, vende-se sebo em
rama, por baiato preco
Vendem-se g-loes c volantes de todas
as qualidadesj trina espeguilha e rendas
brancas e amarella : ludo por preco com-
modo : nosrmazem de molhados, n. II, por
baixo do sobrado do reverendo vigario do
Recife.
Vende-so um pardinho de 13 annos,
por necessidade: na ra do Fogo, n. 23,
so dir quem vende.
Vende-so urna pardinlia com 16 annos,
de linda figura, propria para mucamba i
no becco do Sarapalel, sobrado, n. 12.
Vendem-se espadas praleadas para ofli-
ciaesda guarda nacional: na ra Nova, loja
de ferragens, n 16, de Jos Luiz Pereira.
O melhor cutileiro de Londres desco-
briouma tempera de ac que feita um li-
ma delle o applicada sobre oulra qualquer
o reduz a 1 e be deste mesmo ac qu
agora fram fabricadas as melhores can-
inas de barba, muilo superiores as da C.l .
na, asquaea se vendem na ra larga do Ro-
zario, n. 35, loja de miudezas.
Vende-se um bonito carro
d* quatro rodas com assentos para
6 pessoas e arrcios com guarniedes
de metal branco, feilo na Europa
e sem uso algum : na ra do Quei-
mado, n. 17*
A 'J80 rs. o lenco.
Na ru do Queimado, loja de miudezis,
de Jos Das .simes & Compsnhi, vendem-
se, por 280 rs., finos lencos de cambraia de
algoJSo, com cercadura de mimosas flores,
proprios para mosde senhora.o tambem
para homem.
Bicos da India o China.
Na ra do Queimado, n. 16, loja de miu-
.i,.-,... lf.- niaa irniV. Timn--hU
u niini^w..". ------- ., anua biiuicjv. i ._K* ,.
milho.muilo superiores; vidros de pos anti-tuiloa vonUde do comprador: UtoWWie
" recebemem pagamento alguns eJ*e
esas neste praca : a Tallar na rui.de S.
Francisco, palacete junto a maro, com Jos.
Fernandos Eiras.
fmmmmmmmmm*mmm*
a\Micao aos baratearos}
do Aterro-da Boa-
Vista.
No Aterro-da-Boa-Vista loja do
miudezas, n. 54, dos bem conhecidos I
baratoiros Eslima & Ramos vende-
> se um rico sortimento de botos de m
1 soda doretrozedometaldourados, I
I do melhor gosto qtie tem vindo a >
1 esto mercado; ricas caixas de costura
3 com realejos para senhora ; supeno-
jg reseslojos com navalhas de mol,
checados .jllimamenle de IngUlerr;
1 ricas fitas de seda lavrada o do todas
5 as larguras; bicos e rendas de linno
I do melhor gosto possivel; supeno-
U res eseovas para dente; toucas de
1 Ifia para meninos o senhora; ppel de
I cores; dito p.r. luto.; dito de peso;
I dito do m.chin ; dito de perlina,
1 pennas muito superiores e de todas
I squalidades; lapis Pra dosenho,
5 creoes finos para canelas ; caivetes
1 finos para pennas; luperlortteiou-
2 ras para unhas ; ditas para atraate1 ;
I ditas para senhora ; bantej.s de lo-
1 das as qualidades; meias de algodSo
H de cores para senhora e meninas;
* ditas brancas; ditas do soda preta;
i eseovas para cabello, casaca e cha-
l peo ; Tacas e garios de cabo do mar-
S lim ditas do cabo de unicorno; leite
1 virginal do rosas para tirar manejas
ti esardas do rosto; lenco trncete
de .IgodDo; suspensorios do todas
I s qualidades; pentes dejn.rOm e de
m. bfalo superiores ; agulhas rance-
fz.s; bengalas de balCia ; outros 1
I muitos objeclos que a vala da boa |
i qualidado e preco commodo nin-
4 guem duixar* de comprar.
*W'Wfi?P^'^*:M^ IWatW
Vende-se urna escrava moca; que cose,
lava dosabao evarredlo, cozinha o dlaric
de urna casa, e nfio tem vicios nem acht
ques, por pre?o commodo : n ra Venia
numero 16.
Salsa- parrilha de Sands
para remover e enrir radicalmente to
das as enfermidades que procedem da im
pureza dosangue, ou habito do systema.
Esta medicina est operando constante
mente curas quasi incriveis de molestia
que procedem da impureza do sangue. ;
infeliz victima de molestial hereditarias
com glndulas inchadaa, ervos incolhi
dos, e os ossos meio arruinados, ficou resta
belecida com toda sua saude e Torcas. 1
doentc escrofuloso, coberto de chagas, cau
sandonojo a si mesmo, e a quemo serna
ficou permito. Centenares do pessoas qu
linham soffrido ( por annos, a ponto de de
sesperem da sua sorte ) molestias cutnea*
glndulas, rheumatismo chronico e muita
outras enfermidades procedentes do desar
ranjo dos orgaos de secrecao e da circula
C.lo, teem-se erguido quasi milagrosament
do leito da morle, e hoje, com constrtMicOf
regeneradas, com prazer atteslam a efnc
ciadesta inestimavel preparaeflo
Comqnanto lenham apparecido grande
curas at aqui produzidas pelo uso desl
estimavel medicin comludo a experier
cia diaria aprsenla resultados mais m
l8VCS
Ni- w-i'ork, 22 de abril de 18*
Sur. A. B. e D. Sanda. Julgando *
um dever para com vosco e para com pi
buco cm gerl, rcmetlo-vos este cartific
po das grande-i viitudesda vossa salsa-p
rillia para que oulros que hoje eslao se
frendo estabelecam melhor a sua confii
c,-a e laca ni sem demora uso da vossa mee
cia.
Vi-me perseguido com urna grande le
da no lornozelo, que se estendi pela cm
la cima at aojoelho, lancavagrando pi
980 de nojenta materia, com comicn
que meprivavam inuilas noilesdo meu d<
canso, e eram muito penosas de support
OSr. DiogoM. Connel, que havia aido c
biliosos de Manoel
rasoavel : na praca
primeiro andar.
Vende-se carne de toucinho, a 80 rs. a
libra ; toucinho do Maranho, a 120 rs.; e-
vada, a 80 rs.; letria, a 200 rs.: na ru Di-
reita, venda n. 18.
Vende-se urna casa terrea meia-agoe,
no largo do Paraizo. n. 41, que d o premio
de 1 por cento ao mez : a fallar na ra das
Cruzes, n. 40.
Vonde-ie urna porcSo de prala de le
em obras de preferencia : na ra Direita,
numero 18.
Vende-se um superior caval-
lo de carro, proprio para cabrio-
let : na cavnllarice do Sr. David,
ra do Apollo.
Vende-se urna escrava de 20 a 22 an-
nos do bonita figura, propria para todo o
servico do casa por ter bons principios de
cozinha ;2 pardos, um de 12a 14 annos,
bom para pagem por ser muito esperto e
de boa figura, e o ouiro para todo o servic",
por ser muito moco e robusto pois ho de
18 a 20 annos ; 400 couros do cabra gran-
des o do bom cortume ; 4 couros do onca ;
boa farinha do mandioca : ludo -por preco
muito barato; bem como um escravo sapa-
teiro, por 350,000rs. : na ra do Queima-
do, n. 14.
Vende-se superior doce de casca de
guiaba muito fino : na ra larga do Roza-
rio venda n. 25.
Yendc-se farinha de mandioca em sac-
cas, de superior qualidade inuito alva e
fina e medida de cuia caeulada a 140 rs. 1
110 pateo do Terco, venda n. 7.
Vcnde-se, na praca da Independencia,
liviana ns. 6 e 8, Manual de direito eccle-
siaslico do Judas as confissOcs ehristas,
porM. Fernando Waller 2 v.,' Extractos ,
accOes, provisOes, assentos e editaos do
Brasil desde 1807 al 1816, por M. Borges
Carneiro.
Vendem-se muilo bons pos para dentes,
quo nao s limpam como fazem conservaros
mesmos : na ra Velha, n. 54.
Vende-so urna preta q> boa figura de
28 annos que cozinha engomma, cose e
faz todo o servico de urna casa,- um molo-
quede 16 annos de bonita figura : na ra
do Hospicio, n 42.
Vende-se urna preta da Costa, com urna
cria de 14 mezes e quo j anda cuj pre-
ta nflo tem vicios, eque engomma, cozi-
nha o diario do una casa e lava : na ra es-
treila do Rozario, n. 4, se dir quom vende.
Vende-se vinho de Champanha, da ver-
dadeira marca cometa : na ra da i'ruz, ar-
mazem n. 27. de Crocco & C.
Vendcm-se 6 linios moloques de 12 a
18 annos .sendo um delles cozinheiiocum
alfaiale; duas negrinhas de9 a 12 annos;
duas pardas de 18 annos com habilidades;
tres pretas de 20 a 30 annos, sendo urna
d'llas de nacflo e com urna cria de dous an-
nos : na ra do Collegio, n. 3, Se dir quem
vende.
Na ra Nova, n. II, loja do J P. da
Fonseca Silva, (anligamente Guerra Silva &
Companhia ) contina a vender-so fila de
lalagurea de seda para bordar suspensorios,
a 800 rs. a vara ; vendem-se tambem per-
itas elaslicss par/i os mesmos suspensorios ,
promplase concluidas, flvelas douradas, as
qualro peinas por 1,600 rs ; e pares das
mesmas fivclas douradas, lisas lavradase
.ollas, a 800 rs. o par.
A 5,600 rs. a pe^a de
. madapoln.
Vendem-se pecas de madapolflo muito fino
com pequeo defeito de mofo, pelo prego
de 3,600 rs. e 200 rs. a vara : D
Crespo, n. 6, ao |do lampean.
Vendem-se duas duzias de cadoiras de
Jacaranda, 2 cannaps, dous jogos de ba-
os, 2 mesas de meio de sala com algum
uso, cailcims de oleo, mesas dejogo, ditas
de meio de sala, camas deamarello e de
angieo, o oulros diversos Irastes, por proco
commodo : na ra da Cadeia do Santo-An-
commodo: na ra
Ionio, n 18. .
Vende-se um escravo peca, de 20 annos,
bom para o trabalho de campo ou da praca ;
urna preta de 40 anuos, por 300,000 rs., que
cozinha muito bem, lava e faz todo o mais
servico de urna casa : na ra do Collegio,
n.21, primeiro andar.
Na loja do Puarte, na ra rad0com B vossa sslsa-parnlha, reoomm
do Cabiie n. 1 C, vendem-se fi- dou-mo quo eu uzease uso della, e dep
do la miga, n. 1 u,,= = j de ha ver lomado cinco garrafas tlqu.".
(as de setim lavradas, setins de
cores, bicos de linho e seda, e te-
souras fabricadas em GuimarSes.
lia fitissi 1110.
Vendem-se meias de seda brancas e pro-
tas, compridase algumas abortas, de 1,000
at 2,000 rs. o par; luvas de pellica para
homem e senhora, de 160 at 1,000 rs. o
par; um /ardamento proprio para pagem de
palanquim ou cadeirinha, de panno azul,
muito fino o com abotoadura dourada : na
ra do Crespo, loja n. 5 A, 0 p do arco de .
Santo-Antonio.
. Vende-se urna rica cadeira
de bracos : na ra do Queimado,
7
feitamenle curado.
Tenho demorado um anno mandar-'
osle certificado, para conhecer com cer
za se a cura era permanente, e techo ag'
a maior salirac,&o em declarar quenSo
nho visto, nem sentido cous alguma t
rante todo esto lempo, e acho-me perfei
mente restbelecido. Sou vosso, etc.
Sara* M, lntire.
240, ra Delancey.
Nesta provincia o nico agente deste n
ravilboso remedio he Vicente Jos de Bri
Vende-se por preco coi
modo superior farinha de Sorul
em barricas, e em saceos da de I
tlatharina : no armasen, do Gala
Vende-se, na loja do Duarte, na ra do 0 ceg ja Afiodega : a
:bue.n. i C. .toucas do Ifla pr senho-,.......------ _..
tratar


Df psito da fabrica de
Todos-os-Santos na Babia
Vende-se em casa deN. O. Bieber & C.
a ra da Cruz, n. 4, algodSo trancado
daquella fabrica, milito proprio para sarcos
de assucar e roupa de osera vos.
i,a8o ris.
Vundem-se superiores cortes de brim
trancado do puro linlio cor de lama de Pa-
rs pelo barato prego de 1,280 rs. : na ra
do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Dial.
A 4oo ris.
Vende-se supesioresguiflo de algodSo de
quatro palmosemeio de largura, proprio
pura camisas de senhora e jaquetas pelo
barato prego de 400 rs. a vara ; bretanhas
do rolocom 10 varas, a 1,600 rs. ; supe-
riores cortea de fustfies alcochoado, a
1,88 rs.; ditos miudos, a 400 re. o corte :
na ra do Crespo, n. 14, loja de Jos Fran-
cisco Das
Folha de Flandres.
Vendem-se canas com folha de Flan-
dres : em rasa de J. J. Tasso Jnior : na ra
do Amorim. n. 35.
Superior cha brasileiro.
Vende-se superior cha de S.-Paulo em
camuas de urna eduis libras: na ruada
Cadeia do Rccife, n. 51.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias que fdram de
farinha em p e bem accondicionadas i
na ra do Amorim, n. 35, casa de J. J.
Tasso Jnior.
A 640 rs.
Vendem-se cobertores dealgodSo, muito
ncorpados, proprios para escravos, a duas
patacas cada un: na ra da Cadeia-Vclha.
n. 33.
Saccas com farinha de
mandioca, a5,000 rs.
Vendem-se saccas com farinha de man-
dioca, a 3,000 rs.a sacca, e sacca grande a
3,500 rs.: na ra' do Codorniz armazem
n. 11.
Na Ioj da ra do Crespo, n. 6,
ao pe do lampean, vendem-se as
seguintes fazendas por nietade de
sen valor;
cortes de brim escuro, a 1,280 rs.; dito cor
do ganga a 1,440, 1,500 o 1,600 rs. ; dito
branco, a 1,500 rs. ; dito lislrado a 1,500
rs. j picote, muito encorpado, a 180 rs. ;
chitas finas e de cores lixas, a 160 e 180 rs ;
cobertores de algodSo americano, os rne-
Ihorcsque ha no mercado, a 640rs.; ma-
lapoliio muito linoe com pouco mofo a
3,600 rs. a prca, e a 200 rs. a vara ; chapeos
de massa a 400, 640 e 1,600 rs. ; fustSo .
r3es& Henriques vendem-se pannos pre-
toe azul, finos, pelo barato preco de 3,000
rs. cada covado, o alm destes ha um com-
pleto sortimento de lodas as cores e pro-
cos com". ocios.
Castorim francez, a 650
rs. cada covado.
Na loja que faz esqu'na para a ra do Col-
logio n. 5, vendem-se os novos castorins
francezes muito encorpados, padres no-
vos oscuros e com li.sir.is pela boira, pelo
barato preco de 560 rs. o covade.
Vendem-se riscados escocezes com
vara de largura, a 290 re. o covado ; cassas
pintadas de cores fixas, a 240 rs. o covado;
pegas de panninho de vara de largura, com
12jardas, a 2,000 rs. : na ra do Crespoj
loja n. 10.
Chales de Roberto do
Diabo.
NalojadeGuimarSes & Henriques, ra
do Crespo, n. 5, que faz esquina para a ra
do Collcgio vendem-se os novos chales
grandes intitulados Roberto do Diabo pe-
lo barato prego de 1,600 rs. cada um: esta
fazenda se torna muito recommendavel ,
porser de padres novos, o de lindas
franjas.
4
9 Para liquidar-se. ?
Vendem-se, por barato prego, cor- 'A
(!> tes de vestido de cambraia com barra <*
branca o de cores, a 1,440 rs.; meias
Ir-
a 480 rs. o covado; dito muito fino e de
cores lixas, a 649 rs.
Charutos de Havana
ver.ladeiros: em casa de Kalkmann
mitos, na ra da Cruz n. 10.
lar melada nova.
"llegada ltimamente do Rio-dp-Janeiro,
vende-se por prego rommodo: rt'sdo Cor-
po-Santo armazem de moldados, u. 66.
Pechincba.
Vende-se cha hysson de superior quali-
lade pelo prego de 500 rs. a libra : na ra
lo Crespo, n. 23.
A MJOOrs. a caixa de
cem charutos.
Vendem-se charuto regala de S.-Felix ,
litoscagadores, cavalheiros, regalos de Ha-
ana eoulros, todos de superior qualida-
le, pelo mdico prego de 2,000 rs. a caixa
le cem : na ra Nova casa de comestives,
i. 69.
Vende-se rap de Lisboa,
liegado ltimamente, a 3,aoo rs.
libra : na ra da Cadeia do lic-
u loja de Antonio Joaquim
7dal.
Superiores cartas de
vendem-se superiores cartas de jogar,
m jiorco e a retalho, por prego muito
ommodo: na ra Nova, casa de comestives,
A ellas antesjque se acabem.
Vendem-se ricas luvas de pellica par
omem e senhora pelo diminuto proco de
,000 rs. o par: na ra do Queimado, n. 17.
So-se as amostras.
A 560 rs.
Vende-se hamburgo muito fino, de 3 pal-
io e meio de largura proprio para len-
es e ceroulas, pelo barato prego de 360
i. a vara ; chitas muito finas, escuras e de
\res muito fizas, a 200 rs.; ditas lavradas
j divergas cores, a 180 rs. o covado : na
la do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
ia.
Na ra da Cruz, n. 3, vende-se cera de
rnauba de superior qualidade por prego
ni modo.
Ra ra do Crespo, n. 5
. qoe faz esquina para a ra do Collcgio,
ndem-se chitas francezas largas e de pa-
Oes muito modernos pelo barato neco
i 280 r. cada covado.
Vende-se um pardinho de 12 annos e
n mulatinho de 11, ambos muito bonitos
oprio para offlcio, ou pageos ; na ra lar-
do Rosario, n, 35, loja.
'eerdos de algodo frau-
da fabrica de To-
dos-os-Santos.
a ra da Cadeia, n. ii.
ndrm-so por atacado tres qualidades,
oprias para saceos da assucar e roupa de
cravos, a 350, 280 e 300 ra. a vara.
e> decores para senhora, a 1,800 rs. a 4
? duzia ; ditas para meninas, a 1,000 <>
a>j rs. ; suspensorios do meia a 1,000 $
#> rs. a duzia ; botles de duraque a
# 240 rs. a grosa ; lengos de seda para
? algibeira o hombros de senhora, a *
fe 400, 500, 800, 1,000, 1,200, 1,400
> 1,600 e 2,240 rs. : no pateo do Car- av
no, n. 18, segundo andar. 4
* A
Novidade.
Na ra do Collegio taberna de Antonio
Jos Alyes da Fonseca, vendem-se bizas no-
vas vindas ltimamente de Lisboa, por
prego meis barato do que em outra qual-
quer parte.
Vemiem-se8 escravos de 18 a 25 an-
nos, sendo dous cozinheiros; um pardo de
18 annos de elegante (guia e que he pro-
prio para pagom ; 2 escravos proprio para
oservigode campo, por entenderem mili-
to desse trabalho ; um moleque para todo
oservigo; urna parda por commodo pre-
go ; 2 pretos do 20 a 25 annos, com alguna
principios de habilidades: todos estes es-
cravos vendem-se por prego commodo : no
pateo da matriz de S.-Antonio, sobrado n.
4, se dir quem vendo.
\ ,600 rs.
Vendem-se casimiras escuras com 6
palmos de largura e elsticas, propriai para
palitos, caigas ejaquetas, a 1,600 rs. o co-
vado : na ra do Crispo, loja n. 5 A, ao p
do arco de S.-Antonio.
Ao barato.
Vendcm-se, na loja da rua do Crespo,ao p
do arco de S.-Antonio,n. 5 A,cortes de cassa
com seto varas e de core fixas a 2,500 rs.;
ditos superiores a 3,000 rs. ; cortes de col-
lele de gorgurSo de seita a 2,500 rs. ; ditos
de fuslflo branco, a 500 rs ; 1 ogas do cas-
sa para babados, a 2,560 rs. ; cortes de cai-
gas de pella do diabo, fazenda muito en-
corpada a 1,000 rs. ; ricas mantas de seda
para senhora e meninas, a 6 e 8,000 rs ; cor-
tes de casimira elstica de urna s cor cla-
ra, a 4,000 rs.: bem como tamlicm se ven-
den) ohjectos de armador como sejam es-
pegullhai, rendas, volantes, etc.
Farinha barata, i
rua Direit, n. 23, vende-se manteiga in-
glcza de 480 a 800 rs a libra.
Vendem-se cortes de cambraia ada-
mascadas proprias para vestidos, a 3,000
rs. ; ditode talsgarga, a 1,600 e 2,500 rs.;
cassa-chita de cores fizas a 300 ra.; lan-
zinhas para vestidos, caigas e roupa de me-
ninos a 320 rs. o covado ; fazenda de Iffa
com lislrasde seda, propna para vestido
de senhora a 640 rs.; ISas para caigas, de
muito bom gosto e de superior qualidade ,
a 2,200 rs. o corte; corte de cassa, a 1,400
r. cada um; panninho com vara de lar-
Kura a 240 rs. a vara, e a 2,500 rs. a pega
com 10varase meia ; chales de pura lila ,
a 2,000 rs. cada um ; fustfies para colletes,
a 500 ra. o. corle ; e outra muitas fazendas
por barato prego : na rua do Crespo, loja
n. 15, de Cunha GuimarSes & Companhia.
Cortes de brim de puro
iinho, a 1,280.
Vendem-se corles de brim trangado
pardo de puro linho, pelo diminuto prego
de quatro patacas i na rua do Crespo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Vendem-se relogios de ouro eprata,
patentes inglezes: na ruada Senzalla-No-
va, n. 42.
ap rolSo francez.
Vende-seo superior rap rolSo francez ,
nicamente as lojasdosSrs. Caetano Luiz
Ferreira no Aterro-da-Roa-Vista n. 46 ;
Thomaz deMattos l.'stima na mesma rua,
n. 54 ; Francisco Joaquim Duarte, ruado
Cabug ; Pinlo & Irmflo na rua da Cadeia
do Rccife, n. 19.
Para escravos.
Vendem-so cobertores de algodSo ameri-
cano a 560 rs. cada um; zuarte de chadrez,
a!60rs. o covado; dito trangado, a 200
rs. o covpdo ; pegas de ganga azul da India,
com 4 palmos de largura o 12 covados a
2,400 rs.: na rua do Crespo, loja n. 10.
O" rijas I endrinos.
Vendem-se pelo mais barato prego de
640 rs. a libra, superiores queijos londrinos,
chegados recentemente : na rua do Amo-
rim, n. 36.
frascos de conservaa ; di toa d'agoa de flor
de laranja; barris com azeitonas brancas de
tolvas ; garrafas com vinho moscatel de Se-
tubal e da Madeira; queijos de prato
frescaes : tudo oovo e chegado ultima-
mente de Lisboa : na rua da Cruz, no
Recife, n. 46.
Chdbrasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
molhados, atrs do Corpo-Santo, n. 66, o
mais excellente cha produzido em S.-Pau-
lo que tem vindo a este mercado, por
prego muito commodo.
V V
^ Cera em velas.
u Vendem-se caixas pequeas com
T cera em velas e muito bem sortidas,
por ser del at 16 em libra, fabric-
is
Ira melhores fabricas
da no
Itto-de-Janeiro em urna das
por prego mais
- ........o iuiii iiu.-> pur prt^u I1IHIS KB
? barato do que em outra qualquer par-
A le trata-se com Machado & Pinheiro, A
V na rua do Vigario, n. 19.

Chitas a t covado.
rs. o
Farinha emilho.
vendem-se saccas com farinha de man I
dioca e ditas com milho, por- muito bar.
to preco : no armazem ao p do arco l
Conceigo, n. 64. '
- Vendem-se relogios para cima de mes
do ultimo gosto, ohegados pelo ultimo n'
vio do Havre : na rua da Crnz, n. 8, casa d
DidierCalombiez&C. '
- Vendem-se barra de 4 e 5 em pipa co*
azeile de carrapato : noarmazeuiao p d
arco da Gonceig.lo, n. 64. '
- Vende-se urna preta de nagSo de bo.
alt;,,fur de20 5 "ios: na rua t
Itagel, n. 27. a'
-- NosQualro-Cantos da Boa-Vista n '
vende-se um pardo olllcial de -:-'
ferreiro, de 26 annos, sem vici
ques. "--...
-Vendem-se 3 forte pianos, chegadoi
pelo ultimo navio francez, do muito
vozes, supenoreg as de outro qualquer au,
tenha apparecido, e de novo modello I.
nao deixraflo de-agradar ao comprador-
Cortes de brim entranya-
, do de puro linlio a
1,280 rs.
Vende-se brim pardo do linho a 1,280 re.
o corte, e cor de ganga mutio fino a 1,500
rs.: na rua do Queimado, n. 8.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
Vendem-ae chitas de core escuras, a 120
rs. o covado ; riscadinhos francezes finos e
de cores fixas, muito lindos, a 240 re. o
covado ; lengos de cassa com cercadura pa-
ra hombros de senhora, a 240 re. cada um;
esguSode algodSo fino, com quatro pal-
mos e meio de largura, proprio para cami-
sas de senhora, a 320 re. a vara : na rua do
Queimado, n. 8. Dao-M as amostras.
40s fumantes de bom gasto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-Felix, e de outras muitas
qualidades que se venderSo mais barato do
que em outra qualquer parte : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
milho, que*seest9o vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
RUA D. SI NZAI.T A-NOVA, N. 1^1.
Neste estabelecimento conti-
na a ha ver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
ttS^3fi^Z^\~ir* e tachas de ferro batido
pelo brigue Uaria-Jot': I '"IX' v .""""j "" '"*". ""u" e
a tratar na rua do Itrum armazem de coado de todos OS taannos,
Antonio Augusto da Fooseca, ou na rua do
Vigario. n. 19.
O S8T Na rua do Crespo, jgi 0
^ loja da esquina que volta <*
(^ para a cadeia, vendern-se S
0 os acreditados brns trangados bran- ^
Vendem-se suecas com muito boa fa- *
rinha de mandioca por barato pre- B
go : no armazem do Itacelar, em fren- A
leda rampa da alfamlega a tratar Z
com Machado & Pinheiro.
?
para dito.
A 640
cada
., proprio para escravos a 180 rs.
*" covado
----------, panno preto muito fino, a &
g 3,200 rs. o covado ; cassa de quadros O
j> para babados, a 2,000 rs. a pega ; lu- O
O vas de algodlo de cor, muito finas, a O
0 240 rs o par ; chitas rouxas com fio- <)
0 res encarnada, de tintas seguras, a j
Q 180 rs. o covado ; cassas pretas, pro- q
fj priaspara luto, a 160 rs. o covado; X
q pegas de platilha dealgodSo com 25 %
^ varas, a 4,200 rs.; e outras muitas V
X fazendas por prego commodo.
rs. cana um.
Vendem-se cobertores de algodSo ameri-
cano, encorpados e grandes, a duas pata-
cas ; chitas escura de bous padres e co-
res seguras, a meia pataca o covado: na
rua do Crespo, na loja da esquina que rol-
la para a cadeia.
Tafeas para eng-enho.
Na fundigSo de ferro da rua do Brum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
to de taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
cu carregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Cadciras de
charuto de Havana, por prego mais conW
do do que em outra qualquer parte ua
completo sortimento de instrumentos d
msica, tanto de metal como de madeirt
bustos de gesso representando muito fiel-!
mente a rainha Victoria e o principe Alber-
lo; relogios de ouro e de prata, chegados
ltimamente da Suissa. Eslea relogios qo
sao muito bem acabado, se tornam mu-
to recommendaveis a qualquer particular
e adverte-e que ha entre elle alguns qu
andam oito das tem precisaren de cori
na rua da Cruz, no Recifa, n. 55.
1. otena do Rio-de-Ja-
neiro
Aos 20:000^000 de ris.i
Na praga da Independencia, loja n. 4, ven-I
dem-se quartos da lotera do Jtio-de-Jane-
roa beneficio das fabrica de vidio* che-
gados pelo paquete inglez. A elles antes
que se acabem pois neates tres das che-
garfio as listas pelo vapor.
Frcgiiezia.
Vende-se vinho da Figueira, de superior
qualidade, a 1.980rs.a caada, e a garra-
fa a 160 re., sendo engarrafado e lacrado
dando o freguex a garrafa vasla; vinh
branco de Lisboa a 200 rs. a parrafa
gr3o de bico a 60 rs. a libra ; bolachiuba
doce e de soda, al 60 rs. a libra ; araruta,
a 200 rs. a libra ; carne de loucinho, a 80
rs. a libra : no paleo do Tergo, venda n. 7.
Vendem-se 2 mulatinhos de 14 a 18 an-
nos ptimos para pagens ; f moleque de
15 annos ; um escraro ptimo carreiro; 2
oscravas que engommam ecosem ; ditas
de lodo o servigo : na rua Direita, n. 3.
Vende-se urna caixa com utensilios
para pianos, por barato prego : na rua da
Cruz, armazem n. 27, de Croeco & C.
scravos tupiaus
b
palhinha e
de balan'*
bem com outros mv" .iasies: vendem-se
em casa de Kalkmann lrmSos, na rua da
Cruz, n. 10.
Vonde-suma
paite da casa da rua da
Vado
Liohas de bordar.
Na rua do Queimado, loja de miudezas,
n. 16, deJos DiasSmOes & Companhia,
vendem-se lindas de superior qualidade,
piornas pura bordar e faer lavarinto por
prego muSto commodo.
-- VendV-se doce de loJas as qualidades,
secco e de calda em porgOcs grandes e pe-
queas tor barato prego: na rua Impe-
rial, n. 671 f v
Esfojose visporas.
Chegufm ao resto antes que se acabe.
Na rua do Queimado, n. 22, vindo do Ro-
zario, segunda loja, vendem-se estojo pa-
ra senhora com urna caixa de msica
masperlenccs para costura; es'ojos com
lodosos peitences para barba; bolgas da
China proprias para senhora; grandes e
divertidos jogo de visporas: tudo mais
barato do que em outia qualquer parte.
Madapoldes finos a
3,600 rs. a peca.
Vendem-se madapolOes finos, com 24 jar-
das com um pequeo loque de mofo pe-
lo prego de 3,600 rs. a pega : na rua do Cres-
po loja da esquina que volta para a ca-
deia.
--Vende-se urna balanga completa, de pe-
sar assucar, com ptimo brago novo e o
mais ceno possivel no armazem de assu-
car por letras do arsenal de marinha na
rua do Brum.
Vendc-se urna oscrava parda de 20 an-
nos que corta e faz urna camisa de to-
men a um vestido de senhora o todo o
mais ervlgo de urna casa de familia ; um
moleque de 16 annos de boa conducta e
que he ptimo para o servigo de urna casa
ou para o servigo de campo na rua do Col-
egio, n. SI, primeiro andar, ae dir quem
na rua
amado Rangel, n, 8,
vende-se aletria boa talharim c macarr.lo
pelo diminuto prego de 140 r. a libra; ar-
roz de 8 libras para cima, a raslo de 2,000
rs. a arroba ; fejSo superior; farinha da
Ierra ; e outros gneros de boa qualidade :
tudo por prego commodo.
Chepuem ao barato que
poucas vezes'apparece.
Na praga da Independencia, casa ama-
rella. n. 1, vendem-se cortes da fazenda de-
nominada pelle do diabo, de superior qua-
lidade a 1,440 rs. ; ditos de brim cOr do
ganga a 1.5C0 rs.; ditos de listras, a 1,000
rs. ; esguiilo de algodflo fino e de fio roligo
a 360 rs. a vara e a 3,200 rs. a pega ; cober-
tores de algod.lo americano a 560 n.
chitas dn assento escuro o de cores lixas, a'
160 e 200 rs. o covado; os bem conhecid'os
riscadinhos de qnadros do puro linho, a
400 rs. ; ditos de chila proprios para cani.
sa a 180 rs. o covado.
- Vende-se, para fra da provincia um
escravo de 20 annos, de bonita figura, sem
vicios nem achaques, perito official de
oleirodeloda obra como quarlinhas, mo
nriRos, etc.: o motivo por que se vende se
dir ao comprador : na rua do Aragflo, n
15, ou na olaria do Sr. doutor Pereira.
Vendem-se dous caixes
gria a qual existe com venda ,e junta-
mente urna parte de um terreno junto a
mesma casa e com frente para a rua da S.-
Cruz por prego commodo : na travessa da
Concordia sobrado n. 5.
-- Vendem-se amarras de ferro
da Senzalla-Nova, n. 42.
Vende-se um carro de 4 rolas de mui-
to boa construcgSo, e que accommoda4 a 6
pessoas muito bem e pode ser conduzido
por ums cavalloe dous quando for pre-
ciso : a ver, na cocheira do Sr. Francoa na
praga da Boa-Vista e tratar, na roa estrei-;
ta do llozario, como Sr. Jos Moreira da I
Silva.
No armazem do barateiro Silva Lopes,
na porta da alfandega, vende-se vinho de
Bordeaux, em quartolas, e da melhor qua-
lidade que vem a esto mercado.
Queijos londri os e pre*
su utos .
para fiambre ; conservas; lalinhascom bis-
coutinho inglez : tudo chegado de Liver-
pool pelo ultimo navio, por prego mais
commodo do que em outra qualquer parte i
atrs do Corpo-Santo, armazem de molha-
dos, n. 66.
Vende-se
vende.
- Vende-se um carro de mfio, da 4 roda
- para venda .
um balcSodeamarclloem bom estado, urna
balanga grande 6 caixas de pinho para de-
posito de alguma cousa licores, azeite do-
ce, vinho, ago'ardenle branca, de aniz e do
reino, vinugre.e outras muitas cousa:
ludo por muito menos de seu valor: na rua
do Cotovello, n 31. *
- Vndese um jogo de breviarioa novo,
por prego muito commodo; um Horacio
traduzdo ao pe da ledra: na rua da Ca-
deia do Itecife, loja de ferragens, n. 63.
-Vendem-se alguns mergulhos de par-
reira moscatel, proprioa para serem leva-
dos para qualquer parte : no paleo da S -
Cruz, padana de urna s porta.
.*;^?nin*.enVnhSeng"rr,fad0 h 3 annos,
tanto tinto como branco, o maia auperio
quehalio;e no mercado; bem como vinho
daF.gueira, a 160 rs. a garrafa
dasCruzes, n. 20.
na rua
- Na rua da Cruz, n. 33, armazem da Si
Araujo, vende-se urna porgo de calcado
faito no Ar.caty: bem como'aol. e couro
Bulaos.
-- Vendem-se
annos finos preto e aznl, K,lnb con?*,;u!,do',p"ra. onduzir tod.'
MUTILADO
presunto >n#U-o n.r.lnx rmi
.
um pardo robus-
to, de a4 annos, pe Teamente en-
tendido no servico de campo eem
vicios na loja da rua do Crespo,
n. i5, de Cunha GuimarSes S
Companbia.
No antigo deposito de col
virgem e de potassa, na rua do
Trapiche; n. 17, vende-se muito
nova e superior cal virgem de
Lisboa e potassa da Mussi, por
precos muito commodos.
Nos armazens de Francisco Dias Fer-
reira e no de Leopoldo Jos da Costa Arau-
jo, ha para vender o mais superior vinho do
Corto que tem vindo a este mercado, em
barri de 4', 5, 7* e 8* 2 os apreciadores p-
dem sortir-se porque poucas vezes ca vem
fazenda igual.
Vede-se superior fio, de
algodSo para velas 1 em casa de
Geo: Kenworthy 6c Companhia.
un la I"lni7 t.
Fuglo, do engenho Mussupinho, no
da 27de agosto, o crioulo Pedro, de 26 an-
nos de estatura regular, cara redonda,
denles abortos,, canallas finas, ps seceos
ebemfeitos; he bem fallante e de bonita
figura; levou camisa demadapolflo ja usa-
da caigas azues chapeo de palha velho,
e mais urna trouxa com panno da Costa e
camisa; foi visto em Iguarass. Koga-soas
autoridades policiaes ecapitfles de campo,
que oapprehendam e lerem-no ao dito en-
Knn2' que sera recompensados com
50,000 re. '
-Fuglo, nodia 26 do corrente a prela
Nana de nagffo Denguela com marcas le
chicote no peito esquordo e as cosas;
lem urna marca de queimadura no brago, e
osi pe grossos com gaforina ; levou ves-
tido de chita rxa e papno da Costa : quem
a pegar leve-a a rua do Rangel, n. 27.
Tera 50,000 re. de gra lificagflo quem
apprehendero escravo Caetano, de cor fula,
pouco mais alto do que o regular de 40
annos pouco mais ou menos; tem as prr-
nas zambias ps mal feitos, pernas finas,
e as canelas com marcas de feridas; tem
signaos de agoites as nadegaa; foi preso
no dia 17 do corrente e fugio na estrada do
sul no Marro : quem o levara Joo Xavier
Carneiro da Cunha, nesta praga, ou a Jos
Pedro Vellozo da Silreira, e na freguezia
da F.scada ao engenho Caxang recebe-
ra a dita gratificagflo.
Fugio, em das do mez passado, o es-
cravo Patricio, crioulo, de 30 annos pouco
mais ou menos; he desdentado na frente;
lem urna fstula no rosto, por cansa dos
denles, e de mais a mais he capado de um
grito ; quando fugio ainda niio poda andar
muilo bem por causa de urna molestia que
leve ; tem os ps um tanto luchados ; quan-
do sahio ia em trajes de pobre de pedir es-
molas, com um pao na mSo e um saceos li-
ra-collo branco, mas foi visto na ribeirada
Moa-Vista como quem era forro a andava
tirando eamolaa, porm como he muito
manhoso e depois que se achaase melhor
talvez tomasse a estrada do serillo por elle
muito conhecida,principalmente daqui at
o M.-da-tl.-de-Deos, aonde tem sido preso
pelo lUm. Sr. delegado Cordeiro de Cam-
ino por duas vezea, e remettido'para esta
praga.jMoga-se as autoridades poliowes ,
capit.tes de campo e pessoas particulares ,
que oapprehendam e lerem-no a rua da
Cruz, no Recife, n. 33, que serflo recom-
pensados.
-- Fugio, ao amanhecer do dia terca-fei-
ra 14 de julho de 1849, do engenho Caia-
p na freguezia de Iguarass o pardo
escuro, vulgarmente cabra, com SO anuos,
grosso do corpo, barbado, olho pequeos,
papudos e embranquigados, com falla de
denles na frente, pernas algum Unto linas;
levou bata encarnada debrunhada de um
solado, duas camisas de algo Jilozinho o
chapeo de palha,conduzindo um cavallo
caslanho capado, com Lomadeiras ; foi com-
prado na praga do Itecife aoSr. Itaymumlo
Carlos Leite, como procurador do. Sr. An-
tooio Luiz Alvos Pequeo Juoior, que Iho
remelteu da villa do Crato, em Carirys-No-
vos. Roga-seas autoaidades policiaes e ca-
pitfies de campo, que oapprebendam e le-
vem-no a seu senhor, Luiz Antonio da Sil-
va em o sobredilo engenho, ou nesta pra-
ga sos Srs. Jos Pereira da Cunha e Balthar


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUSBA87AO_AJKHFH INGEST_TIME 2013-04-12T22:37:32Z PACKAGE AA00011611_06260
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES