Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06259


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXV
Qu.i..si-fera3
|PARIIDAI 01 OOBBZMM.
GoianneeParahlbe.eegunda eaeitas-relra.
Riolo.andc-do.Norte, quinla-felra. o mel-
cibo%rinh*e.n, Ric-Forreojo, Porto-Calvo
Macei. no 1., a II e 21 de cada mex.
Garonhun e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flore. a 13 e 28.
Vlciori, quinta-feiraa.
Olinda, todos os dial.
EPHOCERIDES.
Fumiiuii, -Chela a 4,t 1 h. e 32 ra. da m.
Mlng.all,llh.el3.dam.
Novi al8.s 3h.el3m.-u* t.
Creac.a25, 2h.e36m.d& C
rniiHtn de hoje.
Prlmelraa 2 hora e54 minuto da tarde.
Segunda a 3 hora e 18 minuto da manh.
m
de Agosto del849.
N.' 192-
rREyoi da sobschifoo.
Por tres meze(d'ata Por seis ineze ,fi99
Por um anno 15/000
das da aMA,
27 Seg. S.Rufo. Aud. do J. dos orf.edorn.da 1. y
28 Tere. S. Agoatlnho. Aud. da chae, do J. da 1.
v. do civ. e do do feito da fazenda.
29 Quart. S. Adolfo. Aud. do J. da 2. v. do civ.
30 yuiot. S. Caudencio. Aud. do J. do ort. e do
ra.da 1. v. .
31 sen. S. Raymundo Nonato. Aud. do J.da I. t.
do civ. e do dos feito da azenda.
1 Sab. S. Egidio. Aud. da Chae, e do J.da 2. v.
do crlme.
2 Dom. Nosa Senhora da Pcnh*
CAMBIOS EM 39 DE AGOSTO.
Sobre Londres. 28 d. por 1/000 r. a 60 dia.
. Paria, 380.
> Lisboa, 110 por cento.
Ouro. Onea hcspanhoc's...
31/000 a 31/500
ATo-d..d/8/400ve.h.... 17200 a 17/400
de C/4iK) novas .. l_
. de4*WW........... 9/200* WM
/VaU.-P.laeoe.br.sileiro....... /M0a felf
Pesos coluinnario....... JgJW
Dito mexicano ....... 1/W_a_
2/IMO
i/ao
DIARIO DE PJBMMML
PABTE OFFICIAl.
MINISTERIO DA FAZENDA.
DECRETO N. 687 DE 5 DE ACOST DE 1849.
Marcando as laxas di cunkagim, fundieo e
afinar-do do ouro, e di toqui e tmaio do ouro
e prata.
Il>i por bem ordenar, em virtude do ar-
tigo 31 d lei de 28 de outiibro ele 1818, que
as tasas de cunliagem, fundicSo e afinago
do ouio, e de toque e ensato do ouro e pra-
ta na cas da tnoeds se regule pela tabella
que com este baixa, assignada por Joaquim
Jos Rodrigues Torres, do meu concelho,
senador do imperio, minislro e secretarlo
de estado do negocios o* fazenda e presi-
dente do tribunal do thesouro publico na-
cional, fleando derogadas quaesquer dispo-
sicoes em contrario. O mesmo ministro as-
sim o tenba entendido faca execntar.
Palacio do Rio-do-Jneiro, em 5 de agos-
to de 1849, vigesimo-oilavo da independen-
cia e do imperio. Com rubrica di 8. al-
|. JotwtiH. io Rodrigue! Torra.
Teams que se devem cobrar na cata da moda
pelai oftraeSn abaixo declaradas gui alH -
If seres no ouroi prata.
onito.
se
2 por cento.
1|
1
2,000
500
!
i
Afinar
Fundir
Amodar
Ensaio, cada un
Toque
as lasas desflnar e amoedr esta inciu.-
da a de fundir, e as de fundir, afinar ea-
modar, as de ensaio ou loque.
raMf,
Ensaio, cada um '.M
Toque dito 50
Rio-do-Janeiro, em 5 de sgosto de 1849.
Joaauim Jote Rodrigues Torrit.
MINISTERIO DA GUERRA.
Segunda ttccaS. lllm e Exm. 8r. Sua
Mages ca ''o Francisco de Barros e Silva, cujo ro-
querimento V. Etc. informou em olllcio n.
1 de 16 de julho (indo,- houve por bem, por
aviso do 28 do mesmu mez, dirigido o pre-
sidente ti provincia de San-Pedro-do-Sul,
mamlar dar baixa ans filhos muis velhos do
suppliranlp, Francisco de llarros Silva J-
nior e Manoel Ribeiro de Vasconcellos Bur-
ros. 0 que communico a V. Esc para seu
conhecimenlo.
Heos guarde a V. Exc. Palacio do Rio-de-
Janeiro, reli,ardo de Soma e Millo. Sr presidente
da provincia de Pernambuco.
GOVERNO DA PROVINCIA.
lllm eExm. Sr. Tenho a honra de com-
muniesr V. Exc. que esta provincia con-
tino a go7ar de paz e de tranquillidade.
Dos guarde a V. Exc. Pelacio do guverno
de San-Paulo, 1.de agosto de 1819. lllm.
e Exm. Sr. presidente da provincia de Per-
nambuco. 0 presidente, Pcenle Pires da
Motta.
lllm. e Exm. Sr. Tenho a honra de par-
ticipar a V Exc. que esta provincia goza de
tranquillidade.
Dos guarde a V. Esc. Palacio do governo
da provincia de Minas-Geraes, 5 de agosto
de 1849 lllm. e Exm. Sr. concelheiro Ho-
norio Hernlo Carneiro l.eSo, presidente da
rovincia de Pernambuco. 0 presidente,
ut lldifonu de Sonsa Ramos
lllm. e Exm Sr Tenho a satiafac.lo de
comoiuniear V. Exc. que esta provincia
goza de trat quillidade.
Dos guarde a V. Exc Palacio do governo
da Babia, 24 de agosto de 1849. lllm. e
Exm. Sr. presidente da provincia de Per-
nambuco. Francisco Goncalves Martins.
EXPEDIENTE DO DIA 28 DE AGOSTO.
Olllcio.Ao commandante da praca, ac-
cusando recobido o ofllcio em que S. S. com-
munica quedera parte de doente o coronel
JoSo Francisco de Chaby que presidia o
concelho de guerra que reipondem os
roa militares indiciados no crime de re-
bullido, e declarando que devem ficar para-
usados os trabalhos do referido concelho
al o restabeU'cimenlo do mesmo'coronel,
se nlo fdr prolongada a sua molestia.
DitoAo mesmo, declarando Gcar solan-
te do que diz a respeito do alteres do se-
gundo bfttalhp de caladores Antonio Joa-
quim Fcrreira Pinto, e ordenando que re-
auisite nfio sosulencilios que faltam as
versas guardas como tambera o cartuxa-
me necessario.
.HitoAo inspector da thesouraria da
fazenda, ordenando, em consequencia de
representarlo do contador de marinha,
mande fornecer a quanlia necessaria para
pagamento da g^caficagno aunual de ris
400,000, concedida ao contiguo daquella
repartido Jos dos l'assos Santos at que o
Exm. ministro da n annha resolva o que
fdr servido.--Scientiicou-se o contador da
marinha.
Dito.-Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda proviucinl, remetiendo o orcamento
dos concertos a fazer na casa que serve de
cadeia na comarca do Bonito para que man-
de proceder aos annuncios necessarios alim
de seren arrematados os referidos con-
certqs.- Inteirou-se o chefe de polica.
l\DO
arsenal para serem manufacturados por sua
familia, e que, segundo consta da justifl-
cacuo que ello dra ante o juizo dos feitos
da fazenU, fram rouhados no dia 2 de fe-
verer> prximo paasado.Inteirou-se o
inspector da pagadoria militar.
Dito.-Ao commandante superior interi-
no da guarda nacional de Olinda e Iguaias-
s, recommendando d aslprecisas ordens
para qde o destacamento de guardas nacio-
naes, que deve estacionar na povoacHo de
Beberibe, se componha sempredepracas
pelo menos, e alim de que sejam pref 'ridos
para tal serviqo aquellas guardas a quem se
elle tornar menos incoromodo.Commu-
nicou-se ao subdelegado da referida p<5-
voacSo.
Dito.Ao inspector do arsenal de mari-
nha, para que promova o engajamento de
um pratico da costa para servir no vapor de
guerra Thelii at o porto do MaranhSo. -
Scientificou-se o commandante do mencio-
nado vapor.
Dito.Ao engenheiro II. A. Milrt, orde-
nando proceda aolevantamento da planta e
orcamento da estrada que desta cidade se
dirige a da Viotoria, procurando a mellior
JireccHo della, e autorisando-o a engajar
at oito trabalhadores que o coadjuvem,
certode que o administrador das obras pu-
blicas tem ordem para entregar a Smc. os
instrumentos de que precisar para a execu-
c3o desses trabalhos.Neste sentido oflici-
ou-se ao administrador da sobredita repar-
tic8o.
Dito.Ao commandante do corpo de po-
lica, communicando haver por despacho
desta data nomeado para o lugar vago de
terceiro commandante de companhia do
corpo de seu commando a Joaquim llercu-
lano Pereira Caldas.
Dito.-Ao juz de direito da segunda vara
crime desta cidade.Tendo-me o juta de
direito da primeira vara do crime partici-
pado ero olllcio de hontem que, por estar
orcupadocom o*oncelho de guerra dos reos
militares que lomaram parte na rebellilo,
nlo podia dar nrompto cumprimento or-
dem de 22 pel< qual o incumb de mandar
examinar os lvros da receita, despezn e
caixa da plvora nacional, bem como ou-
tros documentos a cargo do almoxarifedo
ar.-enal de guerra JoSo Bernardino de Vas-
concell >s,alim de couhecer se se com efTeito
lia extravio de dinheiras provenientes da
mesma plvora; resolv remetler a Vmc.
a represenlacflo do mencionado director
acerca de lalobjecto, bem como o parecer
da commisso que elle nomeou para rever
os dilus livms ; e do qual resulta a suspeita
desemelhante extravio,! alim de que Vmc.
face com toda urgencia proceder aos exa-
mes,de que se achava encarregado o referido
juiz de direilo, por empregados que requi-
sitar o inspector da thesouraria de fnzen-
da. Concluidos senielhantes exames e re-
conhecidasquaesquer faltas e irregularida-
des, Vti.c. inedaia parte disso, apressando-
so em verificar a respontaliilida le de quem
a tiveruHiciou-so neste sentido ao ins-
pector da thesouroria de fazenda e ao di-
jector do arsenal de guerra.
Dito.A cmara municipal doRio-Formoso.
Tenho parsenteo ollicio que Vmc. mediri-
giraiu em data de 2 do correle, pediudo es-
clareciinentos sobre as duvidas que occorrem
por occasiau da prxima elclco de senadores,
e "ni resposta se me oirerece dizer-lhe : I.*,
i|ui', se os habitanteaquepassarain a pertencer
a essa frrguezianaorraiu ahiqualilicadoa pela
junta, que, em conforinidade das ordens do
governo, devia reunir-e a 15 de julho prxi-
mo pasiado, devem dirigir suas reclamaces
mesma junta na sua segunda reuniao, deter-
minada pelo art. 22 da iii, e assim qualiflca-
dotdeverao ter convocados, e concarrer para
a eleico de cleitore dos senadores no dia }8
de outubro prximo futuro : ?., que, coinpc-
lindo essa cmara pelo art. 55 da lei do I *
de outubro de 18?8 repartir o sen termo em
districto, cuinpre todavia evitar, quanto eja
postivcl, tae alteracde de districto, deque
nao rcsultam leno embaraco adiuinistra-
cao da justica, c iiicoinmodos aos povos ; con-
vindo, portanto, que se adiem tae alieraces
Siaraaepocadaseleicocagrraesdejuisesdepaz:
.", que nao he oecesiario proce-ter-se nova
rteicao de juize de paz n freguezia de narrei-
rol, e alna menos na de Una, visto que am-
bas ellas linham juize de paz eleito em 3 de
junho ultimo: 4." Analmente, que o juitde
paz dcisa fregueiia do Rio-Formoso he o com-
petente pai* proceder conciliaede entre o
habitantes que boje pertencein essa fre-
guezia.
Dito.A mestna.-Accuso a recepcco do of-
ficio que Vmc. me dirigirn eui data de -;
do corren te, pediudo providencias para ser
restituida ao uso do povo a nica fon te d'agoa
potavel que neis* villa existe em terreno que
o lenle-coronel Jos Luiz de Calda Lio diz
er de iua propriedade, tuipedindo por isso
que o povo se irva de* fonte, apezar de que
de lempo iiumeinoravel e acba ella constitui-
da em ervido publica: e em resposta tenbo
a detlarar-lhe que, m virtude dostari. 4i e
68S d ledo !. de outubro de loio, a
Vine.'compete faier rep6r no antigo estado
o servides publica, nao conaenUndo de mo-
do algum que os puprietario dos predios
usurpem -ues serviddO, e proveodo por mel
de aua delberces acerca da cooservaco das
fonte em benebeio coinmum do habitantes,
para o que devec- requialUr o auxilios pre-
cito* da autoridades policiae*.
Dito. A' mesma. Nao podendo essa
cmara exceder as quotas marcadas no or-
camento municipal para as suas despezas,
n3o pode ter luger a medida.que Vmcs. pro-
poem em ofiiciode 21 do crtenle, de ele-
var-se ao dobro a gralillcacfio de 100,000
rs. arbitrada ao advogado da cmara para
tratar das questOes judiciaes e pendentes.
Desojando, porm, facilitar essa cmara
se poderKo assim nrreesdar, bem como qaal
a porcentagem que se dever* arbitrar ao ad-
vogado para excitar o seu zelo as diligen-
cias precisas para a errecadacao.
Portara. O presidente da provincia ha
por bem dispensar do lugar de prmero
supplenle do juiz municipal e de orphns do
termo de Santo-AntBo o coronel Jos Ca val-
cante Ferraz de Azevedo, por constar docu-
mentalmente que o dito coronel he serven-
tuario vitalicio do ollicio de eserivao do ci-
vel e de orphBos do referido termo, e ser es-
te cargo incompalivel com o de juiz, anda
mesmo que o Individuo que exerca as func-
C6os a elle inherentes nao oceupe elfectiva-
menle aquello, visto ter de contar salarios
para quem o serve interinamente.
Pela secretaria se exnedrao as conveni-
entes ordens para aexecuQSo desta porta-
ra. F.xpedtram-se as communicacoes do
estylo.
Dita. O presidente da provincia, atten-
dendo s necessidades do servico publico, ha
por bem demiltr a Francisco Marinho Wan-
derley do cargo de subdelegado da fregue-
zia de Una e a Francisco da Rocha Barros
Wanderlev de primeiro supplente do mes-
mo cargo."Scientficou-se o chefe de po-
lica. ,
Dita. O presidonte da provincia, usan-
do d attribuicilo que lito fo conferida pe-
lo decreto de 11 de Janeiro do crreme an-
no, ha por bem conceder amnista, em no-
me de S. M. o Imperador, a Jos Antonio
de Menc7.es, residente na comarca do Limo-
eiro, pelos crirnes polticos, ltimamente
commettidos na mesma provincia.
E para sua resalva se Ihe pasas a presente,
em virtude da qual licara sem elTeto qual-
quer pronuncia contra elle proferida pelos
referidos crirnes, ese ''i dar baixa na
culpa, e naopoder m.'^ *er processa.lo
pelos ditos crirnes. Igual a Jos Gomes da
Cunlia.
Commando da praca.
Quartel do commando da praca im 'trnamburo
26 dr josto de |849.
OltDEM DO DIA N. 22.
Faco publico, para conhecimenlo da guar-
nlfio, o nielo do r.xm. Sr. presidente dapro-
viucia, datado de hontem. que se refere a ou-
tro dllieio que o mesmo F.im. Sr. dirigi ao
juiz municipal da villa de Naiarelb. o qual
acompanhou por copia para ter a devida pu-
blicidade, o quaes ate d teor seguinte :
i. Illui. Sr.Tranlniltiiidii a V. S para eu
couheciinento, a inclusa copia do olllcio que
nenia data dirijo ao juiz municipal do termo
de Nazarelh, recomniendando-lhe que o faca
publicar em ordem do dia, mandando proce-
der a concelho de nvcsligaco sobre o procc-
dimento do capitao Come, commandante do
destacamento de Nazarelh. alim de conhecer-
se a veracidade da Iniputacio que Ihe faz o re-
ferido juii municipal no olllcio que dirigi ao
cadete Alexandre Cosme Oamiao, e de que V.
S. me enviou copia.
Dos guarde a V. S. Palacio do governo de
Pernambuco, '5 de agosto de de 1819.Hono-
rio //rmelo C'arnrro leo.Sr. cominandanle
da praca.
lendoVinc. no 1. do corrente mez diri-
6ido um iillii-iu reservado ao cadete Alexandre
osme Dainiao, no qual, reclamando todo o
seu apoio, o Incumbe de ir nentrallaando as
seducor dos soldados, dispertaudo-lhes que
he ao governo e s autorldade que so devem
obedecer, e ordenando que, no caso de roin-
pimenlo, e pozesse elle lente do destaca-
mento, assumisse o commando delle, e em-
pregasse todo os nielo de rcslabelrcer o so-
cego publico, premlendo aos trahidore e car-
regandn contra os que resislirem, tendo o prc-
texlude t.io extraordinaria ordem correr grave
perigoa trauquilidade publica, e nada conliar
Vmc. do i mu m.niil i ule do destacamento dossa
villa, que por sua tibieza e indlll'erenca llnha
deixadoaliciar una grande parle do seu desta-
camento ; eumpre-ine i lranha-lo e repiehen-
d-lo por haver com leinellianle ollicio contra-
riado as rrgras da disciplina militar, e estimu-
lado a insubordinafo, ordenando a um cade-
te que assumisse o commando que Ihe nao
compela, c eriglnslo-o em juiz de seu coniiuan-
dantc e superior para o eucarregar de avallar
se elle cuinpria ou nao seu deveres. Seme-
Ihanle procedimento he tanto mais digno de
reparo e de reprovacao, quanto he ceno que
Vmc. ndala mencionada do 1. de agosto e
dirigir acla preaidencia, pedindo providen-
cia para mantera tranquillidade publica de-
se municipio, e devora operar por ellas, e
bem assim pelo refrco que pedir ao Sr. ma-
jor Uygino Jos i oelho, estacionado em Goi-
anna; accretceudo a ludo parecer-mc Infun-
dados seus recelo
< Deo guarde a Vmc. Palacio do governo
de Pernambuco, 2S de agoito de 1849.Wono-
rio HtrmiUt Carniiro Ledo.ir. Juiz municipal
do termo de NazarelhConforme.O ofBcial
uaior, iVIorianno Correa di lritin.
Assignado. Jos Vieenlt l Amorim Bisirra,
eoronel graduado c commandante.
Quartel do commando da prata im Pernambuco,
2 d aaoilo de i849.
(lltl)KM ADDICCIONAi, A DO DIA.
O lllm. Sr. coronel commandante da praca,
determina que oSr. commandante da guar-
da pnrticipem logo ao Sr capitao de di*
qualquer uovidade que occorrer ; cumprindo
?ue ete se dirija respectiva guarda, se in-
urrae do acontecido e o participe liumediata-
incnie ao momo lllm. Sr., providenciando e
o cao assim exigir e couber em uaa altribui-
res. Outrosim, os hrs. commandante da
guardas da cadeia fiquem na iulelllgeucia que
devem, sob sua iiialur responsabilidade, coin-
muuicar o menor mo vi ment que naja na ca-
deia, ou desordem entre o presos, para que
o Sr. capilo de dia cuiupra cotu o que cima
lica disposto.
Finalmente, que os Sr, commndante das
cuardas da cadeia devem cumprir retricta-
perlor do dia, para conhecimenlo do mesmo
lllm. Sr. coronel commandante da praca.
Pranciuo Cario Rosno Oee ente ajudante d'orden.
TRIBUNAL DA HELAGAO'.
SESSA EM 28 DE AGOSTO DE 1849.
rBF.8IDRNC! DO *XM. SFSnO*
CONCBLBIIRO AZEVEDO.
A' de hora da manhaa, achando-e pre-
lentes o Sr. desembargadores Villares. Ha-
tos, Leao, Souza, Rebello, Luna Freir. Tallan-
do com causa ns Sr. desembargados Ponce
e Ramos, fol aborta a sesSo.
O Sr. presidente apreentou um offlcloa elle
dirigido pelo Exm. Sr. concelheiro de estado
presidente da provincia, em data de 27 do cor -
rente, oommiinlcando-lhe haver nomeado por
portarla da mesma dala a Manoel da Silva e
Souza para o cargo de primeiro aupplente do
jui municipal e de orphos do termo de Ca-
ruar, c a Joao Salvador da Cruz para o de se-
gundo.
1ULOAHENTOI.
//atea-rorpw de JoC Custodio.Mandou-se
ouvir o primeiro supplenle de delegado do Me-
cife.
jtpptUtfttl eitni.
Appellanle, Franclico de Salle de Moraea
Alve ; appellado, Antonto Francisco Pe-
relra.-FOram desprezados os embargos do
appellado. '
Appellantes e appellados D. Mara de Jeu
Teixeira Franco e outroa e Marcrllino Jos
Lope. Foi confirmada a leutenca.
Appellante, Joao Esperante ; appellado, Ro-
sendo Alve da Silva.Foram desprezado
o embargos.
O dia de apparecer em que ao :
Appellantes, Manoel Antonio dos Passos e bil-
va e outro ; appellado, o bacharel Manoel
Jos Pereira de Mello, curador da parda tile-
menta.-Julgou-se a desercao da appclla-
cao.
Designaron.
Fui assignado o 1. da til para ser julga-
da a appella(iio clvel em que sao :
Appellante, Manoel Antonio da Silva Motta;
appellado, Jos Goncalves Torre.
RevitSei.
Passaram do Sr. desembargado! Villares ac
Sr. desrmbargador Hastos as appellacSe ci-
veis em que sao :
Appellantes, os herdeiro de Ca dao Pereira
Goncalves da Cunha; appellado, Chnslovao
Dionisio de llarros.
Appellante, Pedro da Cunha Freir ; appella-
do, Alexandre Jos Ferrelra.
Passaram do Sr. desembaigador Bastos ao
Sr. desembargaiior Leao as appellacdes civei-
cm <|uc sao :
Appellante, Manoel Elias de Moura ; appella
do, Drlphino dos Anjos Telselra.
Appellanle, Joao Goncalves Valente ; appella
do, Antonio Ferrcira do Santo Caminha.
Appellanle. o juizo ; appellado, Luiz liorge
deSlqueira.
Passaram do Sr. desembargador Soma ao
Sr. desembargador llcbcllo as appellares cl-
vcls em que sao :
Apprllaiile, o coronel Joaquim Lavalcante de
Albuquerque; appellados, D. Ambrozia de
Hrilo lleierra e oulros.
Appellante, Carlos Andre.it; appellado, Ju-
liao hrranger.
Appellaules e appellados Bernardo [.as-erres;
C e llernardino Come de Carvalho.
Appellanle, Juvencio de Alcntara ; appella-
do, Firminu Jos Flix da Rosa.
Appellante, Jos Paz l.andim; appellado, Joa-
quim Pereira Lima.
Passaram do Sr. desembargador Rebello ao
Sr. deiembargador Luna Freir a appellace
civeis em que sao ^Kfc
Appellante, F.ixeBrollieWeFappellado, Anto-
nio Domingos de Oliveira.
Appellantes, Mendos & Tarroso, procuradores
de D. lilcna Perpetua de Araujo Vital ; ap-
pellado, Francisco da Silva Medoiros.
Appellantes, Jos Lopes Dinize outro ; appel-
lado, Francisco Pereira da Silva.
JJijfribuicir.
Ao Sr. desembargador Leao a appellafiio cl-
vel do juizo desta cidade em que io :
Appellante. Jos Baria Freir Gamciro ; ap-
pellado, Bernardo FernandeGama.
Ao Sr. desembargador Souza appclla(aoci-
vel do juizo da fazenda do Ceara em que sao :
Appellante, o juizo; appellado, Joao Chrisos-
lomo de Oliveira.
Ao Sr. desembargador Basto a appellacao
civel do juizo do civel desta cidade em que sao:
Appellante, Jos Rodrigues do Paco; appella-
do, Joaquim Francisco de Albuquerque San-
tiago.
Nao fram julgadas as causas que estavam
com dia assignado pela falta do Sr. desembar-
gador Ramo.
Levautou-se a eso depoi de rueio-dla.
EXTER1QH.
JIOTA DIRIGIDA PELO MI.MSTRO HUAGARO
EM PARS AO MINISTRO DOS NECOCIOS
KSTRA.NGEIROS DA REPBLICA FRAN-
CICZA.
Sr. ministro.A iotervenc3o da Russa he
ja urna realidade. A Hungra, depois de
ler gloriosamente resistido aos exerciloa da
Austria, acha-se presentemento a ponto de
ser esmagada dcbaixo do peso de urna nova
santa allianca, reorganiaada sobre princi-
pios cosacos. O manifest do czar Nicolao
iiBodeixa nenbuina duvidaa este respeilo.
O imperador Francisco Jos declarou-ae pu-
blicamente o alliado do eslrangeiro quo in-
vade sous estados. 0 Tacto desta interven-
cio russa, solicitada em o nome do impera-
lor-rei da Hungra,foi o que sobre ludo in-
duzio a assembla nacional da Hungra a
proclamar a depusiuJIo da casa de llapsbur-
go-Lorrena, a qual tinha ja violado todos os
pactos, em virtude dos quaes, ha mais de
tres seculos, posauia i corda da Hungra.
ostrangoiros da repblica franceza em ou-
tubro de 1848 e marco do corrente anno,
sendo tambem de um manifest dirigido em
nome da Hungra s nacoes civillsadasda
Europa, o quablgualmente tivea honra de
presentar ao ministro da repblica em
dezembrode188.
De enlSo para c, esta questSo tem to-
mado maiores dimensoes. e presntente-
mente tem urna importancia europea.
He, portanto, do meu dever resumir em
poucas palavras aquillo que. tero relacSo
com o direito da Hungra na luta mortal
que ella tem da sustentar contra o absolu-
tismo, e que identifica sua causa com a da
civilisacSo e libordade em geral.
1. Direito legal da Hungra.A Hungra
foi sempre independente da Austria, Fer-
nando !, t>rimeiro principo da causa da Aus-
tria que reinou na Hungra, recebeu a coroa
em 1526.em consequencia de urna eieico da
dieta. Elle juroo manter a consttuicSo e
independencia da Hungra. Todos os seus
successores prestaram o mesmo juramento.
A coroa da Hungra comecou a ser heredi-
taria na casi de llapsburgo em virtude da
pragmtico sanceflo. approva la pelos esta-
dos da Hungra em 1687. Em 1723 esta me-
dida foi eslendida pela dieta hngara li-
nha feminina da casa de llapsburgo. (Segun-
gunda pragmtica sancho ) Porm a in-
dependencia da Hungra foi manttda e ga-
rantida nSo menos por estes setos do que
pelos juramentos de todos os reis da casa
deHapsburgo-Lorrena, ainda mesmo at os
nossosdias.
Polo art. 10do anno de 1790, o impera-
dor-rei Leopoldo 11 reconheceu a Hungra
como um estado livree independente em
todo seu systema legislativo e administra
livo. Depois disso o art. 3 do anno de 18*8,
pelo qual um governo parlamentar f-t' es-
tahelecido na Hungra, nlo introdu-
nhuma mudenca as relacfles des
com a Austria. Est lei nao oi mais-o.
um desenvolvimento de todas as leis prece-
demos. Ella fui adoptada por um voto ana
ni me. das duas casas da dieta hngara, <
foi formalmente sauccionada peloreiFer
nandoV.
Tudo o qne reclamamos da casa da Aus
tria foi que nossa carta passssse a ser efTeo
livamente urna verdade ; nossis reclama
co>s nao passaram urna llnha alemdoqu
nos linha sido garantido successivament
por Indos os nossos reis.
2. Conducta da casa da Austria.A cas
da Austria qtiebrou lodos os lagos quo
iiuiam a Hungra, logo que emeonsequer
ciada victoria que alcancou em julho so
breoexerciiode Crlo Alberto, vio-secoi
bastante frca para arriscar este passi
Ella pozem pratica todos os meios quejul
gou proprios para alcanQar o fim quo tnh
em vista, isto he, destruir a constituida
hngara e incorporar a Hungra sua me
naroha austriara.
Ella prgou publicamente a revolta n
oxterior ; excitou odios nacionaes no intr
rior; promoveu a pilhagem, o incendio e
malanca ; despeilou a inimizade dos p<
bres contra o< ricos ; offeroceu a mfio t
amizade a lodos os nossos nimigos ; decr
tou a divsBo da Hungra em nmeros:
provincias ; enviou excercitos conira n;
o declarou rebeldes todos aquellos que pe
maneceram liis a seu paiz e as suas le
Finalmente ella chamuua Russa em s-
succorro, e fez deato mo lo com que os sei
proprios ealados fosseiu evadido! pelos ina
perigosoa de seus rivaeg.
Foi, pois, exeretndo um direito leg
que a dieta hngara decretou a deposic;
da casa do llapsburgo-Lorrena, a qal
tem mostrado inimga rencorosa de nos:
paiz. Estou intimamente convencido qt
a Europa, quo a Franca devem interessar-
por nos, porquanlo somos ao mesmo too
po os campees da liberdade e da orde
legal.
Cum effoito nos defendemos a causa i
ordem e da sociedade, e he a casa da Au
tria, que, relativamente a nos e nos
constituicHo legal mente garantida, se acl
no eslado de rehelliflo.
3.' A Hungra he o campeBo da civls
efloEsta intervencSo russa heinteirame
te contraria aos interesses de toda a E
ropa. A Austria tem sempre sido con:
derada como o melhor baluarte da Euro
contra a Itussia, o esta intervencSo he
morte da Austria. Soria absurdo ima|
nar que a Russia poo em marcha os se
exercitos e despende o seu diuheiro sme
to para o fim de levantar urna barreira co
ir si propr'a. A sua IntervencSo no
senao um meio de subjugar a Austria. I
mais, lodos sauem mu bem quaes sao
inteiiQes reic da Russia a respeito das |
pulacOes slavas do imperio austraco,
autcrata russo considera-se corno o sol
rano legitimo deatas populachos. Portai
quandu a Russia liver conseguido recoi
lituir a Austria a seu modo, marchar
bre a Allemauha ; islo he o que acontece
se formos eamagados. Dobaixo de taes c
cumstancias podara a Turqua resistir
choque docolosso do norte, ella quej
acba ferida pela ocoupaejao da Moldavi
VValacliia ?
NSo; ludo est destinado a ser sub
gado por sua vez. Depois de ter invad
a Austria, a Russia ae ap >ssar do Bospl
ro, e a Europa nao possuir mais nenli
baluarte contra ella. Deue modo co
bateado os Russos, estamos servindoos
toiesses do toda a Europa.
' Nosso exercito sobe a perto de 200,'
homens perfeitamente armados e disoi|
- -. .......i>i fnm nma fArca resc


ua armad, e o contingente egypcio. Esta
forc ho mus que ulHcinnle para resistir
aos Rua >f A inlorvencflo da Russsia nflo
po-eni. xv lugar, ese I i ve se, nflopode'ia
ser lien. SuCCedlda, se se lirasse vanlgcm
del *iTorras, so se toois-c otiabalin.de
cmivda Ks. QuanloFranc, t<.depen-
de somente .le un. rc coiilio que ella d8 olliar com ndifl rauta
par >sta veni-'a pmn(n a poltica da Rus, d'S-
n.ascaraila fln-lmenl- pelo man fost.i di>
car [ticJar, piova siiflirienlenieiite que
ell-a- considera como o inin-igo ii-lur-l do
lods Da poma C'vilisados, e p.>rcnseguin-
le C"mo ii.imigo d Frunc. Ella prova que
a Bussia, at-cando-nns presentemente, so
lem ero vista tomar urna posicao Tone paia
subjeitnr a Austria.
I'eco ao Sr. ministro queira tomar em
consideraco o respcilo que o governo na-
cional da Hungra guarda aos diroitos exis-
tentes at contra seus propiioa inieresses.
entretanto queas tropas austro-russssestflo
violando a neutralizado do territorio turco
na H alachia, o general das forcus hnga-
ras julga de seu dever respeita-lo; elle
manJou fazcr alto aos seus soldados as
lronteiras da Transylvania no momento em
que, soquizesse imitar o cxemplo do ini-
migo, e persegui-lo no territorio turco, po-
derla ter posto os Ausiro-Rusaos em estado
de nao Ihe fazerem mais mal.
OSr ministro queira desculpar-me por
to-Io molestado com tantas partcula.ida-
des, mas isto era para mim um dever sagra-
do, o qual nao podia .leixar do cumprir.
Sou Hngaro, sacrifico me pela caus
do meu paiz, sol orepiesenlantede seus
inieresses, e he i orlanto de m.-u dever
defen, -los, e o f-co intimamente con-
vencido que os inieresses de toda a liuma-
nidade estflo confundi.ios com os nossos
Asympathia do Sr. ministro pela eu que represento assegura-me que recelara
lavoravelmenie estas linbas.
Digna -se V. Esc. de aceitar. &c. O
conde Ladislao Telehi.
Ao Mr. da Tocqueville, minislro dos ne-
gocios estrangeiros da repblica franreza
Aracaty Escuna brasileira Maria-Firmi-
na. ranilflo JoSo Bernardo da Roza, carga
varios gneros. Passageiros, Jos Joa-
qnim da Silva Matulo, Antonio Peroira da
Crac, Jos Rodrigues da Silva. Francisco
Rodrigues da Silvi, Antonio Peroira Pin-
to re Faras com um ecravn, Fr. Jos do
Coracflo de Mara Castro, Manoel Rarbo-
za da Silva, Amaro Rarreiude Alhuquer-
que Uaranliltn, Bragil"ros.
Rio-de-Janeiro pelo Ass Brigue hrasi-
lc>ro Aurora, rapitQo Joaquim Jorge Gon-
c>|ve6, em lastro de arria.
Ruenos-Ayres pelo Ass Polaca sarda
Comante, capitflo Bartholonieu Ramogi-
no, carga agn'ardcnlo.
Parahiha Mirto brasleiro Tres-lrmOs,
capitn Francisco Corroa da Silva, carga
varios gneros
EDITA ES.
-----------------------
Perante a cmara municipal desla ci-
dade irr.oii prar nosdias 17, 18e Ifldesn-
tembro viodouro, para serem arrematados,
porquem mais der. os aluguels das lojas,
ns. 6. 8 e 10, da praca da Independencia, os
.las casinhas da Suledado e da ra Imperial,
chamada casa da plvora, a alericSo de pe-
sos e medidas, os talhos dos acoupues p-
blicos e o imposto das me.lidas de farinha ;
o por quem menos fizer, o forneciment de
luzes para a ca.leia. Osrretendentes com-
parecer3o munidos de fiadores idneos e
lega I manta habilitados, sem o que nao p-
denlo lanzar. E para que cliegue noticia
de quem convier, se mandou ouhlicar o pre-
sente. Paco da cmara municipal do Recife,
em g.-ssflo extraordinaria do 27 de agosto de
1849. Francisco Antonio de liveira, pre-
sidente. Jimo os Ferreira de Ayuiar, se-
cretario.
H
cfe ao sul do pharol. Capitana do porto de
Pernambuco, 28dfl agosto de 1849.-- Ro-
drigo Theodoro de Frenan. capilSo do porto.
O presidente da provincia reaolre :
Arl. 1. A .lispi.sicaodo art. I.* da resolucao
da presidencia de. .6 de agosto correle he ex-
tensiva a to.las e quaesquer abrrturns que
estilara nn recife ao sul do pharol, as quaes se-
rao todas trancadas do inesino modo que esl
determinado para a denominada "arreta.
Art. S.*0 capitn do porto Sea encarrrgado
da exeeuco desta resi.lufffo
Palacio do fcnvrno do Pernambucn,
87 do agosto de 1849. Honorio Htrmto
Carneiro I.eio. a
Avisos martimos.
Deca raides.
wm u TOjjjjjjj.
acorre, as de agosto ds iso
Os Srs. Antonio Henrque de Miranda,
.ourenco Carneiro da Silva, Joflo Antonio
le Miranda, padre Joo llerculano do Reg
/cenle Ferreira da Costa e naudino de Al-
neida Lisboa nao esto amnista los : e fo
>or engao que nserimoj em o n. 188 de
!5 do correnle a portara da qual se deduz
ia' o Exm. Sr. concelheiro de estado e
;le da provincia concedido amnista
ios pronunciados na cidade da Victoria
oram somente amnistiados os Srs. teuente-
oronel Jos Hiendes Carneiro Leflo e l)r
edro Bezerra Pereira de Arauio BeltrBo :
uantoaosoutros nenl.uma deliberasBo fui
Senhoret redactores: Nada mais resta ao
Idadfio braailei o quo quer viver honrado
indeiiendenlemeiite, pois que mesmono
igarde vendelhflo que miiilos de.presam
!-se perseguido de toda a maneira pos-
l'cnsava eu que para ser vendelhiJo basla-
t ter crdito no commercio e firmeza do
ilaira; equeaind* lodos giitam contra o
114,10 clu*' lo nosso commercio, por a-
lar-se entregue a estrangeiros: eu conrea-
re! que, anda que tenha a mesma ideia,
.0 tenho solTrido o menor prejuizo por es-
lado, antes tenho recebido dos senhores
picheiros f.vores e ltenles qu por
rto me t. em pmhorado. Eniretanto ap-
arece alguem em ii.ioha labeina queien.lu
te por fas ou por n,fa$ ,,8gue o imposto da
oar.ienie, ii3o obsUnte ter deca.ado por
le Muri, que, a vista da impo>sibilidade
i que me achava de distinguir os escevos
slivies, nfio quera aubjeitar-me a viver
iiManiemenle multado, .. que resultara
rallivelmeiite. t\iu b-siava isto. Vierm
patrulhas noel urnas, augmentar a lic-
oaoafll.cto,obrigaudi>-m.' a fechar as por-
ida venda as oito horas; e isiu couir as
aturas da cama.a munici,al, aancciona-
s pelo gove no. Ja as p irulnas pdem
is que a le!! p,uiito, se conimuar
.e estado de abandono e peisjguicao, vr-
!-he obrigado a fechar a taberna, e pedir
governo um meio de vida honesto para
sienUcuodc miiha nume.osa familia,
fenliam, senho.es ledactores, a bondade
inserir este artigo, quo Dos queira des-
rte a atleu{ao de quem nos pode reme-
>r Seu constante Uitor e assignanlo
I tendethaO braiileiro.
Olllm. Sr. inspector da thesouraria da
Tazenda provincial, em cumprimento das
ordons do Exm. Sr. presidente da provin-
cia,de 7 e 8 do correle, e em virlude da le
do ornamento vigente, artigo 42, manda fa-
zer publico que, perante ulribunal admi-
nistrativo da mesma thesouraria, se li.in de
arrematar no dia 30 do corrento por ven-
da, a quem mais der, os proprios provin-
ciaes ahaixo declarados :
O sitio na estrada do Espinhero que foi
de Sehasliilo Jos da Silva Braga, avahado
em 3:000,000 rs.
Osilio do jardim botnico na cidade de
Olinda, avahado em 2 000,000 rs.
As pessoas que se propozerem esta
arrematacao, comparefam na sala das ses-
SOes do referido tribunal, no dia cima in-
dicado, pelo meio-da.
E para constar se mandou aflilar o pre-
sente e publicar pelo Mario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernamhuco, 24 de agosto de
1849. O secretario, Antonio Ferreira da
AnnunciarnO.
Perante a administracSo do patrimo-
nio dos orphaos se ho de arrematar, a
3 ti .tu mais der, e pele lempo que decorrer
o da da arrematarlo at o fin de j un lio do
1852, aa rendas do armazem da casa n. 14
da ra do Passeio e as da casa n. 27 da ra
do Vicario ; e bem assim a quem por me-
nos lxer, os concertosde que precisa o col-
legio dos orphSos em Olinda: as pessoas
que se propozerem a arrematar ditas ren-
das e conceitos poderlo comparecerno dia
30 do presente me/ na casa das gesses da
mesma administrado s 4 horas da tarde
com seus fiadores.
TiTi.lo o abaixo assignadn sido oseo-
lindo pelo cnsul geral da confederacao
Argentina no Rio-de-Janeiro, por autori-
saefloque leve da rerpectiva legaeflo ni-
quclla corle, para ae encarregar do expe-
diente do vice-consulado da mesma confe-
deracao ii. sin cidade, emquanto o governo I
supremo da repblica n3o nomeia o nov.i'
Para a Babia sahe em poucos dias, por
se acharcoln Atis de mea carga a bordo,
a sumaca Flor-do-Angelm, mesue Bernar-
do do Souza : para o rstanle e passageiros
trata-se com o mesmo mostr, ou com Luiz
Jos deS \mujo, na ra da Cruz n. 33.
Para o Aracaty rem de seguir com mui-
ta lirt-vidnde o liiate Novo-Ulindm, por estar
muito adiantado em carga, alm da que
te enguada : quem ainda pretender car-
regar e ir de passagem, para oque tem es-
paco sudiciente, se entender com o mea-
tre, Antonio Jos Vianna, no trapiche do l-
godfio, ou na ra da Cadeia-Velha, n. 17,
segundo andar.
A bem conhecida e velera
barca nacional Firmeza, capito
(Narciso Jos de Sant'Anna, sabe
parao Hio-de-laneiro com a rnaior
brevidade poasivel : quem preten-
der carregar, ir de passagem ou
embarcar escravos, trale com o
mesmo cajiitao, na ra da Madre-
de-Deos, n. 3, lerceiro andar.
Para o Rio%rande-do-Norte,.com a
carga que tiver, a barcaca Mligencia : quem
nolla quizer carregar, dirija-se ra do
Vigario, n. 5.
Le loes.
tummnciu.
ALFANUECA.
ndlmento do dia 29.....
CONSULADO GERAL.
idimento do dia 29.......
eraas provincias........
14;596,77
966,046
4,861
970,907
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em virlude da resoluto
do tribunal administrativo, manila fazer
publico que, perante o mesmo tribunal, se
ha de arrematar no dia trinta do cor-
rente por venda, a qunm rnaior pieco olTe-
reeer.ofono da grade velha da ponte da
Boa-Vista, avahado a 3,600 rs. o quintal, e
e sb as cundicoes abaixo transcriptas.
As pessoas que se propozerem esta
arrematoslo, cmnparecam na sala das ses-
ses do sobredito tribunal, no da cima
mencionado, pelo meio-da.
E para constar se mandou afxaro pre-
sente, e publicar pelo Mario.
Secretara da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 24 de agosto de
1849. 0 secretario, Antonio Ferreira da
AnnunciucSo.
Condicdet especiaet.
1 A base da arrematarlo do rerro da
grade velha da ponte da Boa-Vista ser o
precn da avaliacflo, segundo o te.mo res-
pectivo, a tres mil e.seiscentosis o quin-
tal, livre do despeza de remneilo e de peso.
2.* 0 t iti ala ule se 1.1.1 (".rotara no lu-
gar indicado para receber o ferro que fnr
exlrahido, sendo previamente avisado pelo
arrematante da nova grade, ou por esla ad-
minisiracao.
' 3.* A remoc.lo e peso do ferro ser fe!a
empresenc de um agente nomoado pela
administiacao dWliras publicas.
Admiiiistracilo geial das obras publi-
cas, 4 de agosto de 18*9. 'Jos de Hanoi
Fatcaode laecrda, administrador.
vice-consul; assim o participa aos cidid.to
della aqu residentes, ao commercio e a
todas as mais pessoas a quem possa inte -
ressar este aviso, declaran lo-lhes que esta
em exercicio desde o dia 25 do corrente e
queo vice-consulado se acha estibelecido
na casa n. 6 da ra do Trapiche-Novo.
Pernamt.uco, 27 de agosto de 1849.Joa-
quun Uaptitta liortira.
Canas seguras existentes na adminis-
traran do enrreio geral desta provincia pa-
ra os Srs. Berna rd ino Freir do Figueiredo
Abren r Castro, Francisco Antonio da Cu-
nta Pereir, Jo8o Francisco l.niio, J. Jos
do FIspirito-Santo, J. Peixolo da Sdveira,
Jos Das Cuimaraos, J. Ignacio Coimbra
Jnior, J. Piudencio Bilaricourt, Lioncio
Jos Barbosa de liveira, Manoel Jos Lo-
pes, M. J. da Soledade e H Brgida Maria da
Cruz.
Thearo de S.-Francisco.
QUINTA-FEIRA, 30 DE ACOST DE 1849.
A beneficio de um artista, vai scena o
grande drama n
CASTELLO DE UVAL
eo
rti Franeiico l.
A repllete desle lindo drama tem sido
pedida por inmensas pessoas cuja altrnrao
elle angareou na primeira vez que foi leva-
vado a scena neslo theatro : sendo que en-
tro ellas priman) osilluslrados Srs. acad-
micos, a quem o beneficiado tem a honra de
Se i', riniiiiiriiil.il-.
O leilflo de fazendas de Adamson llw-
ie & C. fica tratisferido para quinta-feia,
30 do correnle, e lera lugar no seu arma-
zem, rus do Trapiche-Novo.
Quinla-feira, 30 do corrente, no caes
da Alfandega, armazem do Calaia, llavera
leilao de caixas de massas, em lotes a von-
tade dos compradores.
rao
No lim do mesmo as ditas ovnis danca-
A POLONEZA.
esta, o Sr. Santa-Boza
Finda esta, o Sr. Sar.ta-Boza cantar a
sempre applaudda aria que tem por titulo
ANECItA AFRICANA
ou
A Quintamleira da Bakia.
Terminando o espelaculo co a jocosa
farQa
OS DOS,
na qual o dito Sr. Santa Roza far lodosos
esforcuspara bem desem tenhara parle do
lliglrz.
Principiar as horas do coslume.
Publicaran .Iterar.
i.
CONSULADO PROVINCIAL.
idimento do dia 29 ... .
1:181,787
lovimemo do Poriu.
Navios entrados no dia 29.
liz 37 diaa, barca americana Nnr-Fn-
land. de S39 toneladas, capilo Citarles
. Willian-s, equipagem 9, caiga sal ; a
enrique Foaler & Cooipauhia.
>is 5 dia, patacho, braaileiro hiligen-
i, de 135 toneladas, capitflo Manoel An-
ies Coulinho, equipagetu 9, carga (iol-
oraemaia gneros; a Joaquim Teixri-
< Peixoto. Passageiros, Fr. Joflo da Aa-
umpao Moura com 1 criado, Brasileiro ;
rancheo de Souza Rocha, Poiluguez, e
1 escravos a entregar.
Navios suhidos na mesmo dia.
-de-Janeiro e Baha Barca americana
tw-Fuyland, capitflo Caries S. Williams,
irga a mesma quo trouxe.
O capitflo do porto desta provincia pu-
blica, para conheciinento de tolos os indi-
viduos empregados nos diversos ramos da
vida do mar, a portaria abaixo transciipla,
que pelo EK.ii. Sr. concelheiro de estado c
presidente da provincia Ihe mi remeltida
como (ifllcio de 16 do corrente mez, vedan-
do a enlrada e sabida .le quaesquer embur-
caQors pelo lugar dennmina.lu Barreta,
eappljcando s canoas, la.ixns, jangadas,
etc a dsposirflo do artigo 20 do regula-
mento de 19 de maio de 1846.
Capitana do Porto de Pernambuco, 17 de
agosto de 1849. Rodrigo Theodoro de Fre-
tos, capitao do porto.
O presidente da provincia, julgando
conmina a boa polica do porto o fscali-
sacao dos imposlos geraes eprovnciaes. a
dupla sabida e enlrada que offerece o mes-
mo porto para as embarcacOes, resolve o
seguinte:
Artigo 1. Fica vedada a sahida e enlra-
da de quaesquer embaica(0es pala denomi-
nada Barreta, a qual sera trancada por meio
de correntes de ferro.
Art. 2 O artigo 20 do regulamento de 19
de maio de 1846, que veda a sahida do por-
to a qualquer navio mercante depois de en-
trar o sol, ou anles d^ste nascr, he applica-
vel as canas, launas, jangadas, e quaes
quer outras embarcacOes semelliantes ; os
contraventores incorrerSo na mulla deque
iraia o artigo 19 do mesmo regulamento:
Art. 3. O capitflo do pono Bca encane-
gado da execueflo desta resolucflo.
Palacio do governo de Pernambuco, 16
de agosto de I84V. Uonorio Vrmelo Car-
neiro Ledo >
ndice chronologico. explicoteo e rrmixsivoda
legisluco brusiteira, di-sd/i 1822are 1848.
Sendo da mala reconhecda otldade pu-
blica n confeccJTo de urna obra, que, extre-
mando e aposentando ror extenso a parle
da legisiacflo brasileira que est em vigor,
o mencionando em resumo as leis ou decre-
tos que tiomcam vice-presidentes de provin-
cias, cnam escolas, concodem cartas de na-
turalisacilo, conferem pensfies, estabele-
cem regulamenlos, e urna infnidade de ou-
tras seinelhantes disposicOes legislativas
que so a urna ou outra pessoa, a urna ou
oulra corporaeflo inleressa* saber em toda a
sus exlensflo, reduzsse a oito vnlumes, pou-
co mais ou menos, os vinte e cinco a trinta,
de queja consta a colleccflo das leis do Bra-
sil imprcssas na typographla nacional;
pois que por esse modo, alm da dimlnuicfln
do costo a menos de dous tercos, oblam-se
vanlagem de se adiar com muito rnaior
racihdade urna lei que se procura para ser
consultada, e de se saber ao mesmo lempo
se ella esta em vigor, ou se est revogada
ou alterada por oulra, ao mesmo passoque
urna semelhante colleccflo de leis ae trans-
porta muito mais fcilmente de um para ou-
iro lugar: incumbio-se desse arduo traba-
iho o l)r. juiz de direito Antonio Manoel
Fernandes Jnior, o qual acaba de dar luz
no Rio-de-Janeiro o primeiro volume de tflu
til obr-
Avisos diversos.
Um amigo do Sr. Dr. Jos
Bento da Cunha e Figueiredo es-
l antorisado para afimar querel-
le n5o se prop5e pela provincia
das Alagas deputaco geral.
-- OITerece-se um rapaz do mallo, de 14
a 16 annos para caixeiro de loja ou ar-
mazem iquem o precisar annuncie por esta
rolda.
Precisa-se alugar um sitio perto da ci-
dade que tenha arvoredoade fr'urto e de-
cente casa para morar familia : quem tiver
annuncie.
Iua larga do Rozar o,
n.14.
Piadnes,culile.ro e
armeiro,
tem a honra de prevenir ao respetavel pu-
blico e principalmente aos seus freguezes
que elle acaba de receber um rico sort-
mentode espingardas de caca, de um e
dous canos truachados e adamasquinadoa ;
nestesortrmento ha tambem algumas mui-
to curtas para cafar as maltas e lagns.
Seus freguezes acharSo tambem um rico
sortintento de pistolas tanto de montara
como de tifo edealgiboira muito peque-
as ; boleos de cacadores entroncados ;
formas de Tazer balas de todas al hillas :
bem como concert a faz qualquer obra
petencente ao seu ofllcio ; amla sempre
as tercas, quartas e sabhadns com perfei-
Qfioe brevidade.
Precisa-se de urna mulher idosa parao
sci viro de una casa de portas a dentro : na
ruadeS.-Jos, n. 3.
levar ao engenho Agoas-Claras.de Urut
da viuva do Burgos, ou nesta praca, n
pateo do Carmo, n. 18, segundo andar .
Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce 'de
Len, os dous escravos seguintes que fu.
giram nos das sahbado para domingo, k
a 87 do correnle : Vicente, pardo da 26an-
nos, de altura regular. cabellos creaeidos
carapinhados testa sobresabida olhos pe-
queos, nariz chato, tomador de tabaco de
caco, rosto descarnado e com espinhas
sem nenhuma barba; levou 1 camisa d>ma-
dapolfio, urna calca de casimira usada, una
jaquetadebretanha, um bonete de velludo
azul ja usado, um chapeo de palha, um
dito de pello preto : Joaquim, crioulo bas-
tante preto, de 38 annos, alto, secco, car
pequea bem barbado ; tem o coslume de
levar a mSe barba ; he gago ; andar cont-
passado; dizem ter mSi eif^Pajali-de-Fl-
res; foi escravo do capitflo Yeandro Bande-
ra de Moura do Apody o qual se acha pre-
sentemente na comarca de S -Antao, e tem
um sitio em Cravata; presume-M terem
partido para o Apody ondo ha muitos,p-
renles do dito Moura; comquanto o primei-
ro andasse sempre em viagens dos serloes
do sul ao poenle, com os cobradores dest
casa : este ultimo escravo levou um chapeo
preto de pello eoutro de ooviro, duas ja-
queles brancas, 1 calca do brm pardo l di-
ta de riscado, 1 camisa de madapolSo,
duas ditas de algodflo da trra e ceroulas.
Roga-sea vigilancia neslesdou escravos
que vindo com nraita brevi.tade, serlo'
gratificados aluda con mais Jo que se offe-
rece.
Estando em risco de ser comp-omel-
lid mmiia honra na provincia das Alag.ias
onde ora estou, por suspeias que peloSr.
capitflo do porto Cgram levadas ao conheci-
menlo do Kxm. presdeme da provincia, e
|j Na praca da Independencia,
I n. to, ao voltar para a ra
I dasCruzes, alugam-se, ven-
S* dem-se e tambem se appli
cam as mclhores bixas que
\ he possivel havarem no mer-
cado ; limpam-se e tiram-se denles s^
com toda a perreicflo : tambem se ap g
plicam ventosas com a rnaior delica- w
desa que he possivel e faz-sa ludo :,
o mais que pertence a arte de sangra- ;t
dor: ludo por pirro muitorasoavel. a
Chapeos de sol
Ra do Passeio, n. 5
Nesta fabrica ha presentemento um rico
sor)imento de chapeos de yol de todas ss
dualidades ,e de todas as cores, asmis
flxas que pdem haver; cbapos de sol pa-
ra senhora, dos mais ricos e do ultimo gos-
to de Pars: bem como um rico sorlimento
de sedas e panninJios imitando seda para
cobrir armacOes servidas, chegado lti-
mamente de Franca. Nesta estabelecimen-
lo tambem ha chapeos muito grandes para
fetores de engenho.
Pede-se ao Sr. Joflo Nepomoceno Fer-
reira de Mello morador em Salgadiubo,
que tenha a bondade de ler o seguinte n-
n unco, para saber se serflo os escravos ap-
parecidos em sua casa se toiem dignar-ae-
util oDra, comprehendendoem 200 pac lr.,.in!!a.r n rol.o. leg.sl.cao br.sileir.7e ViXl "" ^l' S'_' ,,r0*
Varios exemplares desse nrimeirn vnl,.m AVIS0 l>lp0r
Conrorme. No impedimento do secreta-
rio, Jos arccllino Alve da Funseca.
O capitflo do porto desta provincia pu-
blica a portaria abaixo transcripta par. co-
nli. Cimento de todos os individuos empre-
| gados na vida do mar,, que pelo Exm.
ra-. Biigue-eseun braaileiro Feliz-Ven-] r.e^de"nle'd "KovVn'oiaT.e'TwT.igi'
ra, capillo Joflo Gira Ivs l.ei'~ -----
piares desse primeiro volume
exisiem ja nesta cidade em mfio do lir Lou-
renco l ngo de Loureiro, actualmente resi-
dente as lojas da caso do lllm. Sr. desem-
bargador Bastos a ra da Aurora, onde os
srs Drs., lentes e estudantes do curso jori-
iico, advogados, juizes municir.es, pro-
motores, delegados, cmaras mnnicipaes e
mais pessoas que quize-em subscrever para
a impressSo de reterida colleccflo podero
mandar por carta declarecSo do seu nome
e resideiiCia ou declar.-lo por este Diaria,
anm de Ibes ser entregue o dito primeiro
olume, a ossubaequentesa proporeflo que
lOrem aalundo da imprenta.
Opreco da colleccflo para os asa i gn a ntes
ne do 31,000 rs."pagos na occasiflo da entre-
na do dito pnn.eiro vnh.mn .d.tAiwu .-
vos
suburbios desta cidade coniniettenito'ron-
bos e sendo a noile lecolhidos em diversos
sitios, por consentimento dos escravos;
portanto previne-se a qualquer que nisto
possa inleressar-se, e para que melhor pos-
sam ser capturados. Adverte-se que, po-
dando conslar-lhes deste aviso, queiram
evadir para mais longe, e assim pois, pe-
de-se toda vigilancia as estradas e lugares
suspeitos, para poderem ser apprehendidoa.
NSo obstante darem a cerlea. de esUrem
lio perto, pedo-se encarecidamente as au-
toridades e a todas outras pessoas dos luga-
res longtncuoa, do continuaren) na inces-
tante diliaenci nira ni >nrl>ln.. ..... .
sendo por esforcos do Sr. Antonio Upes
Vianna, negociante nesl praca, e regular
procedimento do Sr. sub lelegado Domin-
gos Lopes d'Amorim desfeitas todas as sus-
petas que contra mim tinna oSr. capitflo
do porto, n3o posso d.ixar de levar ao co-
nhecimento do publico esto facto para tes-
t'Tiiunliar-i bes mais solemnemente os meus
reconhecimentos e agradecimeolos. Sah
dessa provincia com direccaoa Alagoas em
um navio inglezemqualidade de ealivador
e pratic dessa barra, e como aqu cliegas-
se com algumas pessoas de minha familia
sem trazer lodos os documentos legase em
virlude da pre zendo com tudoa niinlia matricula, e das
pessoas que commigo veram pe capita-
na, o capitflo deste porto por infnitdadas
suspeitas deu parle ao Exm. presidente
desta provincia, que nre|erdo navio n-
glez vinham pessoas susspoilas decrimes;
entretanto osle passo do Sr. capitflo nao
me comproiiieiteu, porque o Sr. Antonio
Lopes Vianna generosamente por mim se
inieressou. preslou flanea pela minha con-
ducta, brando assim satisfeila a exigencia
da lei, e en livre da dita suspeita que ao
compromettesse : a suspeita do Sr. capitflo
lo porto Gcou desvanecida. Por esie ge-
geroso procedimento. a que des jo dar
to.la a publicidadopara fazer conhecer a
generosidade e honradez do Sr. Antonio
Lopes Vianna, eu Ihe dou os meus agrade-
cimenlos, e Ihe protesto minha amuade,
OSr. subdelegado pe d'Amorim receba igualmente os meus
protestos de estima e amizade: e Jhes peco
desculpa deassiui patenteara minha grati-
dflo, mandando inserir esta declaracffo
nessa cidade do Recife, onde sou bem co-
nhrcido. Bernardo Jos Rodrigues Finluiro.
Precisa-sede urna ama para casa de
pouca familia : na ra do Livratnento, n.
38, se dir quem precisa.
-- O Dr. Lourenco Trigo de Loureiro re-
side actualmente as lojas da pasa do lllm.
Sr. desemhargador Bastos, na rita da Au-
rora, ent-ada pelo lado da meama rea; e
ahi se offerece para advngar. tanto no civel
como no criine, e para ensinar as lingoas
latina e franceza a quom se quizer utilisar
do seu prest mo.
Precisa-se alugsr um escravo para o "
servico de um estrangeiro : paga-se bem
na ra do Sol, n. 15.
0 abaixo assignado, sohor do enge-
nho Canauluha faz saber a quem quizer
comprar o engenho Camassaiy-*los-Frdes
que o respiclivo prior, o reveiendo fre
Joflo reconhecendo o abuso e o grande
prejuizoque selhedavam su-s trras com
se haver levantado mais de quatro palmos
a parede do acudo grande do mesmo enge-
nho Camassary Ihe havia prometlido que,
ao passar a respectiva escriptura de veu.it,
se pie venena o comprador doeshulbu que
>c fazia ao abaixo assignado.com se baver.
elevado a paredo do dito acude mais do que
era ordioai jmente, ou poria a condicS de
ser o accrescimo da refeiida paredo domoli-
do e o acudo posto em seu estado natural.
G p^ra que qualquer comprador nflo se ctia-
me a engao enlendeu o abaixo assigna-
do fszet o presente aiinuncio loi^Joa-
uiin das Chagas.
-- O contratante d'agot dos chafarizes e
bicas doaqueducto <[p Prata tem resolvido
arremataros ditos cbafaaizes e. bicas por
bairros ou parcaes : o pretendentes di-
rijan) seso Aterro-da-Bo-Visla n. 44, das
6 s 9 horas do dia e des 8 is 5 da larde ,
queahi serlo patentes as condicOes ou
ra das Larangeir.S, n. 18, primeiro andar.
-Precisa-se de urna mulher par pensar
urna manca de 2 annos : m Cainboa-do-
Carmo, n. 10, primeiro andar.
Deseja-se rallar encarecidamente com
0 Sr. Joflo Estoves Freir de Andr.de na
ra da Cruz venda n. 3!, para o seu ma-
no Ihe fozT entrega das recommendscoes
que tem recebido de seu mestre, pois o sn
llllliAi'i na rvvBnBK a A**.* _*. -f __* -- -. J
IJIPORTAME.
Ac.b.-,e de ter seria noticia, de os esers- r""0 '"?i!,ig,0 T- re9,dencU > or if
abaixo mencionado, and.rem pelos S%^*^ ft^ **
d noticia.
delle
~ O abaixo assignado desde oannopas-
sadoque recebe assucar e mais gneros do
paiz para vender em commissflo : quem do
seu presHmo se quizer utilisar, dirija-se a
ra Dreita, venda n. 93. Joto, Bypolito de
Alcira Lima.
Precisa-se de um bomem, preferindo-
se casado e com pouca familia, que esteja
no caso de leccionar com perfcicflo a cinco
meninos primnias e segundas iellras em
um engenho distante desta praca nove lo-
goa: quemestver neslas circunstancias
queira entrar em i
MUTIL/


('arios Gillain- fa publico
nue mudou o seu estabelec.mento
da roa Nova, n. 9; Pra mp9
n.aJojn n. 30, onde sens fregu-
zea o bario sempre prompto pa-
ra fnr fin SeU ollICIO.
79' qr.d^tr.[n..olle Uto msUu.-
joino saber consultar d'ccl1""r','8tl,S
uVlnoi; porqoanto. seconsultssseosdo
empoemq^osVUiBdpa fr. posSU-
dores de sua Ierra, aoWia a decifr.cSo da
tal oalavra oaquelleque se puhlicou pe
Sptfn.. nS lUipo. do alir.molim Aban,
Jacob..... ,
__ Prrcisa-se alugar um sobra-
do cleum andar cora loja no bair-
ro de Sonto-ntonio, preferindo-
se as ras de San-Francisco,
Crusea eQuarteis: quera o tiver
annuncie,' au drija-se ra da
Cttdeia do rtecife, n. 9, que acha-
ra com qurm tratar, r -
-Pede-seoSr. subdelegado de San-Jos
que queira Janear suas vistas sobre celta
casa, quasi defronte de otra quo se est
levantando na rui de Hurtas, di qual se
costuma bolircom avizinhanca, causando
esea-talo as rnilias honestas, como S.
me. poder* ver se aedoraotrabaiho de in-
dagar.
--OSr. qiie annuncoo querer comprar
nma esnte pTi livros, dirija-se a ra do
Crespo, loja n. 5 A, ao pe do arco de Santo-
Antonio. ..
Precisa-se de urna ama de leite que o
tonda bom e com ibundancia : pag-se
liem : a tratar no botiquim junto ao ihea-
tro.
-mmocochegedo ha pouco nesla ci-
dade leudo concluido seus prepratenos
para entrar em qualquer academiB, o que
prova eom oa aeoa atteatados oflVrece-se
para ensinar meninos nesta praca, ou Tora
della provando seu com parlamento com
pessoaa de capacidade : qoem de eu pres-
timoaequizerutilisar, dirija-se ra das
Ijrangeiras, n. 18, segundo andar, ou an-
nuncie por esta Tuina.
O Sr. que he administrador de urna pa-
daria na ra dejejttalla nflo se oteupe
em corriglr o kvJ*J>haes. pois que o mes-
mo Sr. tambem O Ji ser bem corrigido em
Una cxlensflo di palavra.
Pergunta-se o Snr. Joo Nepomoceno
Ferreira de Mello morador no Snlgadinlio,
que dos dous esclavos que falla em seu an-
nuneiono Diario de 27 do correte, se al-
guifi delles se chama Caetano, denaco Ca-
cange denles limados; tema orelha es-
querda a lina Ja que coslumava a botar brin-
co olhos grandea eafumacentos; tem urna
costura pequea no canto da bocea e nu
barriga de urna perna umi pequea marca
redonda de 28 annos pouco mais ou pe-
nos raso tenha os signaes cima indica
dos, pode manda-lo levar a ra do Livra-
menlo n. 28. que o pagaro todas as des-
uezas que se fizerem.
Km resposia a pergunta fela ao Snr.
Carvalhaes sobre a palavra trompeludo, o
maamoSr responde que a dita palavra he
unta phraze nflo porluguez, mas sim mui-
lo familiar na su* conversa principalmen-
te guando cosluma a fallar ih vida aluoia.
br-seja-ae fallar ao Sr. Ignacio Lopes da
Silva morador em Olinda ou alguo.ro por
elle a negocio de seu inleresse, por isso
annuncie a aua morada.
ulTert'ce-se um moro brasileiro para
caixeiro: quem preci-ar annuncio.
-Pr.cisa-sedo pietas para yenderem pao:
noForie-do-iIatlos, ra do Burgos n. 38.
Deseja-se fallar aos Srs. Carlos llgno
di Silva efedro Celestino Magno da Silva ,
a negocio que Ibes diz rrspeilo a sua fami
lia ni|rua do Crespo, n. 17.
--Precisa-sode un bom oficial de ta-
noeiro, quo seja Captivo dando-so-llie
12.000 is. mensaes e comedorias, (cando
o niesiiiosubjeilodis e noite, tendo s a
usar do i lucio.durante o da: quein qui-
zar fazer tal negocio, dinja-se travs*!
da Concordia, sobrado, n. 5, das 6 as 8 ho-
ras da manh8a.
OITerece-se urna ama para casa de pou-
ca familia, para qualquer servico, menos
lavar, engouiiuar ecozmhar: puf re-so cu-
so eslrangeira : na floa-Vista ra da Sau-
dade casa do coronel Jos de Barros l"al-
ru dn Laccida,
Ain i e.-ta para vender a excellente ca
sa terrea, sita "ro Fra-de-Portas, no largo
do Pilar, com soto e trepeira quintal,
cozinlia lora, por prisco, rusoavel : na ra
da Senjalla-Nova n. 42.
Na ra uo Alecn'm casa da viuva do
Montriro, junio ao inonturo, i recisa de una
ana par casa de punca familia.
Precisa-sede urh caixeiro de 12 a 14
anuos que tunda al^uma ortica de venda,
3ue aeja diligente e d fiador a sua cdn-
uet : cni Fori-de-Porlas ra do Pilar,
n. 8.
Aluga-se urna casa na cidade de Olio-
a nosyuatro-Canlos, n. ?, por 8,000 rs.
meiisars a qual tem arm(;lu para venda e
com modos para familia : a tratar com o seu
\ roprk'taiio, Juflu l.eile Pita Ortigueira na
ra da Cruz. n. 12.
precisa-so de urna mulhcr p>rda ou
preta de meia idade para servir em urna
caaa de pouea familia : no Alcrro-da-Boa-
vista, fabrica Tiova de charuios, &e dir
quem precisa
Tundo chegado ha pouco do MaranhSo
uro moco b/asleiro se 6HVreee para cai-
xeiro- de qualquer eslalielecimento lienta
praca.ou fra della o qual da fiador
sua conducta quem de aeu prestim se
quizer ulilisar, dirjase i ra Nova n. 26,
ou annuncie jor esta folha.
-- Hoga-se ao autur'do annuncio assigna-
do Auijgo viziuho que haja de decla-
rar aeu nume, efioi do ae Ihe perguntar
q ta es os insultoa qqe tem recebido do cai-
xeiro espancado; e, nOu o fazendo, passars
por desacreditur e vil calumniador.
Aluga-se orna casa terrea com o pon-
to batame alto no lugar do Monleiro a
outrodito para despejo, estribara par. = I do o ma s dejado tratament mediante
cavallos. quintnrmurado :. traUr no Ater-1 ummod.co "P*"*0-}* X" Ki?-se
ro-d.-Boa-VIs.a, n. 37, terceiro andar. ^SSFSffSf'^SS^'S!^.
Para as pessas que ten-
cionam seguir viagem.
No paleo de S.-Pe.lro casa terrea n. 8,
liram-se passaportea para dentro e fra do
imperio, correm-sefolhase despacham-se
eseravos, e para este (lm tamben poden
procurar na praga da Independencia livri-
rii ns. 6 e 8.
Roga-se ao Sr. JoSo Nepomoceno Fer-
reira de Mello o favor de ver ae dos dous es-
eravos nnnuneiados um delles tem os Big-
uaes seguinles : de nome Antonio de na-
c^lo Cabind, estatura ordinaria, cor fula,
ppseoco comprdo, pouca barba hombros
descidos, ps grandes com urna falta de
cabellos na cabeca proveniente de urna pe-
drada ou culilada que lbe deram ; tem o
dedo Doileear de urna das mSos defeiluoso.
isto he, sem unha, por causa de um pana- mdicos ate agora mwsuaa "'
r!c?oWteve. andar vagares,,, de 58 .n- **2X+Z1B22E
referida residencia das 2 horas da tarde em
diante. VaimcW/n CaiMbra luntor.
Dflo-so 500.000 rs. a premio de dous
por cento ao mez, sobro penhores de ouro
e praU ou hypolhaca em alguma casa:
quem quizer annuncie.
-Madama Millochaa tom a honra de
participar que mudou a sua casa de molas
francezas do primo andar do Aterro-da-
lioa-Vista n. 1, para a loja da mosma ca-
sa, aonde as s-nhoras echarHo sempre um
grande aorlimenlo de modas como : cha-
peos, manteletes, iencos, I uvas, bicos. filas,
flores, bordados, e em geral ludo que usm
as senhoraa por preco com modo : tam-
bem se fazem chapos, vestidos, camisi-
nhas, etc., tudo na verdadeira moda.
AO PUBLICO.
Em mu crescido
mdicos at agora
numero contavam os
molestias incuraveis,
1 que 1
nos pouco msou menos, eia camroero,e
entre os oulros pretos tnha o appellido de
Muribeca por ter aido ha muito lempo
dessa freguezia e escravo do fallecido vi-
gario Joflo Paulo de Araujo : este escravo
aeha-se ausente d*sde o da 28 de julho do
1838, caso sej o dito, pede-se 10 dito Sr.
de ivisar senhori do dito escrevo viuv
de Antonio Verissimo da Silva Pimenlel,
mofadora na ra Direila desta cidado n.
81, ou manda-lo conduzr, que se pagarSo
todas as despezas. '
-- Um rapaz porluguez se offerece para
caixeiro de venda ou para 'outro qual-
quer negocio, por ter bastante pralica de
commercio e dar dador a sua conducta :
quem de seu prestimo se quizer ulilisar ,
dirija-se ra Direila, n. 35.
Quem tiver um sil 10 com boa casa ,
e que seja perlo do roe com lugar parase
tomar banlio. sendo queira alugar, dirja-
se ao Hotel-Francisco.
Precisa-sede umhomem que emenda
de tratar de um sitio : na estrada que va
para Belm, na primeira casa do lado es-
qunrdo, n. 4
--Aluga-se urna bonita casa nova, para
se passar a festa, sita no PoQO-da-Panella,
ao p dorio e junto a do Sr. Vioira Mon-
leiro: a tratar na ra Imperial, n. 67, ou
na r*ua do Vigario, n. 7, primeiro andar,
onde lambem se alugam eseravos
V Caetano Xavier Pereira de Brito, 4
o> doutor em medicina, annuncia ao <
%, reapeilavel publico, que fixou a sua .?
Qii residencia no Aterro-da-BOa-Visla, fp
(/ n. 43, onde apodera ser procurado a 4
: qualquer hora ; o da consultas gratis 4
m aos pobres, das 6 as 9 horas da Da- <
nhfla.
m ^
^.^^^i^i* ir
Domingos Alves Matheus, agente da fa-
brica de rap superior area preta da Ba-
ha, tem aberto seu deposito na ra da
Cruz do flecfe. primeiro andar da casa 11.
38, onde ae achara sempre deste excellente
e maia acreditado rap que ate o presente
se tem fabricado no Brasil : vende-se em
botes de urna e de meia libra por preco
mais enmatarlo do que em uutra qualquer
parte.
-Manoel de Almeida] Lopes que coslu-
ma comprare vender eseravos mudou sua
residencia da ra do Vigario, n. 24, para a
ra da Cadeia do Recife, n. 40. *
Daniel Osorio de Souza, Porluguez, ro-
lira-se par> fra do imperio.
Precisa-sn de 300,000 rs. a premio so-
bre hypotheca em urna escrava : quem qui-
zer darannuncie.
Quem tiver recebido ha aeis mezes ou
ha 1 anuo a esta parte alguns negocios vin-
dosdacdade do Porto por otando de Do-
mingos Francisco Maia, queira declarar por
esta folha, oudiriuir-se ruada Praia, n.
31, sendo para negocio de seu nj>resse.
Aluga-se urna casa terrea em Olinda,
na ra do Amparo, n. 31 : a tratar na ra da
Cadeia do Recite, 11. 52.
Lotera doajiiadaliipe.
He anda transferido para o da 31 do enr-
rente o andamento das rodas desta lotera,
visto que estse nilo pode realisar no da
13 annunciado. por existir anla por ven-
der um numero tal de bilhetes, que nao ha-
liilitou o respectivo thesoureiro para eftoi-
tuar o dito andamento, que s depende da
prompta venda dos mesmos blhntes.
Na ra dt> Queimado, n. 14, se dir
quem d dinheiro a premio. Na mesma ca-
sa comiwam-s obras de ouro e prata no es-
tado em que estiverem.
Jnflo Ktiicr & Companhia participan)
ao publico e particularmente ao commer-
cio que, tendo o socio I. Ch Keller Rordorf
de fazer urna viagem para a Baha, deixa
uor seus hasianies procuradores aos Srs.
Leonardo Schuler, C. A. Rordorf e A.
Sclilappriz.
Alugaro-se 4 pretos, bons para serven-
tes na pmca da Independencia loja 11. 3
Quem quizer roupa lavada e engomma-
Ja com pe fuieio dirija-se ra Direila ,
n. 29.
Pertence ao Sr..Manoel de Mello Albu-
querque, professor de primeiras lettras do
Brejo-da-MaJre-iie~-Deos, o meio bilhete de
n. 2,664 da segunda paite da terceira lote-
ra favor das obras da igreja de N. S. do
Guadalupe da cidade de Olinda.
Quem quizer dar tres a qualro eontos
de rs. a premio com liypOtiicca em una
propiiedade e com os juros de um a um e
um qiiarto, annuncie: a propriedade he mu-
rada e tem baixa para capim.
E. Rayner retira-ae para fra da pro-
vincia.
Quem annunciou querer comprar o
livro Temporal e eterno querendo a obra
formada em 5 tomos em um s volume, di-
nja-se a ra do Mundo-Novo n. 30. -
- Preciaa-se de um caixeiro para um de-
posito de padaria : no aleo da S.-Cruz, pa-
daria de urna s porta.
Quem annunciou querer lavar roupa de
..;. ...:...
Inr...^
varrella dlrija-se ra do Rlngel, n, 11 ,
primeiro andar,na esquina que volta para
o Iran.
O abaixo assignado, estudante do se-
gundo auno da academia de Olinda, de ac-
cordo com seu pa, tem transferido a sua
residencia para a ra das Florea, sobrado
..4 a -II. .-.. nmMU rj*li>. I.m.nna
ente resignaciio para soffrer um mal de que
ja nflo havia esperanQas do poder librta-
lo, e ao medico philantropico ador de ver
muitos de seu somelhantes victimas de
enfermidades, contra as quaes se deelarava
impotente, podendo apenas lamentar a fra-
qoeza da intellgencia humana. Mas, Bra-
cas aos progressos da medicina, gracas ao
zelo de homens incansaveis, que, nflo des-
esperando da perfectibilidade da sciencia.
se teem dedicado nvestigacio de reme-
dios que possam alliviar humanidadedi
alguns males que a aflligem, o numero das
molestias reputadas incuraveis vai de dia
eai dia dimnuindo. Assim, achar depnis
de longos trabBlhos, de profunda medila-
Cflo reiteradas experioncias, medicamen-
tos que nos restituam o uso dos dous mais
importantes sentidos de que he dotado o
homem, quando estes ja seachavam nosup-
posto estado de incurabilidade e inleira-
mente perdidos, he por cerlo um dos maio-
res servidos que se podia prestar A huma-
nidade; eis o que estBva reservndo um
homem philantrnpo da cidade de Braga, em
Portugal, cuja sciencia, cujo amor de seus
semelhantes se teem feito geralmente eo-
nbecer Os remedios que ora ofTereeomos
ao publico, nflo cntram na classe daquelles
que o vido e ousado charlatanismo incul-
ca com roucos o dascompassados brados, e
que o crdulo vulgo por ignorancia recebe
na boa f e sem discernimenlo, achando-se
depois Iludido; tem, porm, de ocenpar
mui distinelo lugar entre os medicamentos
que maiores benehcios preslam ao homem
constam elles da dissoluQSo aquosa do ex-
tractos de plantas medicinaes, de virtudes
mui reconhecidas e vcrilicndas. O longo
uso, as continuadas e severas experiencias.
k que por toda a parte teem elles sido sub-
meltidos, sem que uma-sA vez hajam falha-
do em seus bons effeitos, e desmcnlido as
esperaucas que sobre elles hava fundado
osen inventor, lhe teem grangeado eons-
tanles e repelidos elogios dos mais sabios e
respeitaveis mdicos, assim da Europa, co-
mo da America, que unsonos abname
proclamam sua aceflo sempre cerla e beni-
gna. Um destes licores he destiuado a
combaler as molestias de olhos, e tem poi
principal virlude restituir aosorgiios da vi-
sflo suas funeces ; reanimar e lazerreap-
parecer em sua natural perfoleflo a vista,
quando esta eslver frac ou quaal extine-
ta ; comtanto, porcm, que nflo haja ceguei
ra absoluta com desorganisaeflo das partes ;
nflo menos til e enrgico he para deata'zoi
as cataratas, destruir as nevoas c de prom-
pto debellar qualquer inflammacflo ou ver
melhidflo dos olhos. Nao causa dr, nem
estimulo na parte.
Oulro liquido restitue a faculdadc de ou-
vir os sons ao ouvido tocado de surdez, an-
da que inveterada, urna vez que o mal nflo
seja de nascenca, sem causar em lempo al-
,11111 o menor ineommo.lo ao doente, e sem
priva-io de cuidar em seus negocros.
INSTRUCgES PARA O USO DOS RE-
MEDIOS.
O dos olhos imprega-se do modo irguinle :
O doente pola manlifla, emjejunk, urna
hora pouco mais ou menos depoisqueei-
guer-sedo leilo, tomara sobre a palma da
inflo pequea porgAo daquella agoa ; e con>
ella molhai bem os olhos, fazendo que al-
gumas gotlas caiam sobre o felobo oceular :
semoslimpar, os conservar moldados al
que naturalmente enxuguom : ao deitar-
se a noite praticar o mosmo : durante o
lempo que usar do remodio evitar o calor,
acr;Io de fumaba eo vento; faia abstinen-
cia de comidas salgadas, azedas, e adoba-
das com especiaras.
O remedio dot nuvidoi ser applicado do modo
que legue :
O doente pela mandila, urna hora pouco
mais ou menos depois de erguer-se, anda
em jejum, far derramar dentro dosouvi-
dos qualro ou cinco guitas do liquido, la-
pando-os depois eom algod3o em rama ; a
noite aodeitr-se repetir a mesma opera-
eflo. Durante o uso do remedio evitar ex-
pr, osouvidos principalmente, acQflo d>
calor e do vento, afim de evitar grande
transpiragflo, havendo cuidado em nflo mo-
ldar os ps em agoa fra; filialmente devi
absler-se de comidas salgadas, azedas e
adubadxs.
Estes remedios eslSo venda na botica de
Barlbolomeu Francisco de Souza, na ra
larga do Rosario, n. 36, nico depos'to em
' Pernambuco, paio preco de 2,240 ris cada
viil.ro.
Aviso.
Quem pretender engenhos para em 2 ho-
ras socar urna caixa, ou 6 barricas de as-
sucar, oceupando urna s pessoa e un ca-
vado, carros para, conduceno de formas
eom assucar, tambero por urna sua pessoa,
nflo querendo serehgauado, dirija-se a ra
do sol, n: 13. Adverte-se que nflosSo carros
de forquilha... por baxo do fundo das for-
mas : destes os acliarflo ha fabrica dos.Srs
Starr & Companhia.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio, n. 10, e no Atierro-
procurando quom a comprasso, por
csUra.itorlsadi.e como nflo levou autori-
s.cflo alguma, o abaixo assignado prev.n-
do estar fuKid, proroete.i-11.0 de Ir fallar
seu mu senhor par. dito ta, pelo prsen-
le narticoa aoSr. doutor Rales para a man-
tCcT, poissenflo respons.b, isa pela
fiaa da dita escrava. '' K'oetro aa
S,'~Precisa -se deum feitor de campo : no
ongenho Amparo distante desta1 praea 12
lesnas e iunto da c dado da Victoria 2 lo-
Sm tratar com o senhor do dito en-
8e?-h?recisa-sedoum rapaz para caixeiro
de ra : na ra da Cruz armazem n. 6.
ou no segundo andar por cima do mes.no
armazem. .__
-preeisa-sedeum caixeiro para entre-
gar pfloem urna freguezia com um preto :
no pateo da S.-Cruz, n. 6.
-- Pede-se por obsequio ao dono do cer-
la loja de fazend.s da Roa-Vista que lance
suas vistas de compaixflo para a so a loja ,
a(im de providenciar, o poder entrar-io
ennhecimento das immensas patifanas qiie
;illi se pratieam por seu c-iiwiro o que he
dse lastimara imprudencia deste rapaz,
o a mesma com que estas pessoaa sem ex-
cerQflo, permittem a dizer-lhe que nflo ser
a SU. envenenada lingos nflo lhe resul-
tavam as'quatro bengaladas que no da 26
dnlcorrentoas reeebeu, sflo miseria, da rra-
Ell natureza que elTeito nenhum produ?,-
ramein abono de sua emenda e se lado
desta maneira razOes para islo tenho, que
a tanto me obrisam porque ja vivo cansa-
do com o peso de suas infamias, cujas co-
mo viznhn na minha presenea sflo prali-
cadas 1 pens com a presente lembranQa
nflo offender ao Sr. do que lhe peco dos-
culpa por ser o seu Amijo vitmho.
- Ainda se aluga a casa da ra da Palma,
n. 6 : a tratar na rna do Mundo-Novo, n. 30.
^a rna Nova. D. 35, lja de
alfiale, precisa-se de costnreiras
para col le tes.______
Compras.
da
.- Compra-so um par de lanternas ou
de mangas de vidro: quem tiver annuncie.
Compra-se urna preta que seja perita
cozinheira : quem tiver annuncie.
Compra-sea historia Militante : na ra
deS.-Cicilia, n. 4. .
--Compra-se um preto que seja bom 0II1-
cial de carpina : na ra estreita do Ro/.ano,
n. 31, armazem de trastes, eu annuncie.
Compra-se urna escrava quo seja
nacflo : na ra do Nogueira, n. 15.
-- Compram-se um cabriole!: na travessa
da Madre-de-Deos, n. 18. 1
-Compra-se effeclivamente ago arden-
te em pipas pelo preco eorrente, anda
mesmo sendo amarella : na fabrica de es-
piritOS. na ra da Praia-de-S.-Rila, n. 17.
Compram-so os livros seguinfes
Flos Sanclorum ; o Desengao dos peeca-
dures ; Difireme entre o temporal e eter-
no ; urna estante pequea : quem tiver an-
nuncie.
Compra-se um relogio de ouro, pa-
lete iiiglez eujo preco nflo exceda de
160,000 rs. ;um aniiclflo dos quo so usa.
rom o peso do 3 a"4 oitavas anda ""*';'"
comalgum fcilio : na ra da Senzalla-ve-
llra n 96, se dir quem compra.
- Compra-se um inolequo de 12 a 18 an-
nos, que seja de bonita figura, e de boa
conducta : na ra Nova, n. 20.
Vendas.
da-Boa-Vista, loja n. 48, continuam-se a ti-
rar passaportes para dentroe forado im-
perio, assim como despacham-se eseravos.
Denles artificiaes.
J. A. 8. Jane, dentista, participa aores-
peitavel publico que contina a exercer 1
in. -.rnfiaciftn o ni polreii dn Hnnrin
Vendem-so 5 lindos moleques de na-
cflo e crioiilo. de 19 a 20 annos, sendo um
delles bom oftieial dtialfaiate; 3 mulati-
nlios, de 11 a a 18 annos, bons para pagem ;
3niulalinlias de16 a20 anuos, rom algu-
mas habilidades ; 4 pretas para lodo o ser-
vico ; 1 dita com todas as habilidades ; 2 di.
las do meia idade e que se vondem em con-
ta 6 1 retos bons para todo o servico ; as
sim como oulros muitos eseravos : na ra
da Cadeia do Recife, n. 10.
Vende-se por preco comino-
do farinlia de mandioca em sue-
cas e superior potase* em barr-
quinhas : no armazem de I lias Fer-
reira, no caes da Alfandega: a
tratar no mesmo armazem, 011 com
Novara & Companhia, na rna do
Trapichet n. 34-
Vendem-se limas proprias para serras
d'apoa : na ra Nova, loja do ferragens, nu-
merold.
Vende-se urna propriedade distante do
Recife menos de una legoa, com djjas boa
casas, sendo urna terrea e outra do sobra-
do do um andar o sotflo, com 3 olarias, com
minio bom barro, dous grandes viveiros e
oulrosquasi promplos, eom ma vertenle
d'agoaque corre tolo anno todo cercado
de espinos e vallas, com alguns arvore-
dos do fructo o proporcOes para se fazei
urna engenbora pela exieosflo que lem
de terreno e fertilidade do mesmo com
sufficiencia para ter muitas vaccas deleite,
por ser muito abundante de pasto de inver-
n e verflo : esta propriedade rene em si
muitas proporcOes ventajosas, pois tanto
serve para recreio con o para se fazer uso
dos eslabelecimentosqueem si tem, como
tambem de oulros muitos que ella offere-;
ce, pois quem a comprar, querendo, pode
india ter"de rendimento anuual para mais
de800,000 rs-, sem empregode capital, co-
mo se fara ver ao comprador : tambem se
vende em separado a casa terrea com os
seus arvoredos olaria e grande lerreno,
tudo a vontade do comprador: tambem se
recebem em pagamento alguns eseravos e
casas ueste i rara : a fallar na ra de S.-
Francisco, palacete junio a maro, com Jos
Fernandos Eiras.
Vende-se por preco coni-
modo superior familia de Soruhy
em birricas, e em saccas da de S.-
(latharina : no armazem do Calaia,
no caes da Afandega : a tratar no
mesmo armazem, ou com Novaes
& Compagina, na ra do Trapi-
Vende-sc nma rica.cado;ia
de bracos : na ra do Queimado,
' vnda-ae-. na loja do Duarte, na ra do
rahusa n (". tocs de Ida para senho-
Lisboa. .
A 5,600 rs. a pe?a de
madapolo.
Vendem-so peC.s de m.d.polflo "HJ
com pequeo defoito de mofo, lP
de 3,600 rs. o 200 rs. vara na ra do
Crespo, ji. 0, o p do lampen". .
-A bordo da escuna Tentadora, chegada
do Rio-Crnde-do-Sul, vende-se sebo em
rama, ror barato preco.
Veude-se urna escrava de 18 annos. com
cria e com todas as habilidades : quomi
pretender, dirija-se ra da Praia, n. .
segundo andar, quo se dir quem venae.
1 Vendem-s duasduzias de cadeirasde
Jacaranda, 2cannaps, dous jo|?olo n-
cas. 2 mesas de meio de sala eom^algum
uso.cadoirasdeoleo, mesas dejogo. aiws
do meio de sala, camas de am"r'"
angico, e oulros diversos trastes, Pr W
commodo : na ra da Cadeia do Santo-An-
l0-"r.ontin'ua-sc a vender a muito "PW'0'"
manteiga ingleza pelo ',i4m'In,ulovP1rl!v.'r;e
640 rs. a libra : no Aterro-da-Boa-Visla, ven-
da n. 51, pegada loja do **""
Vende-se um escravo peca, de 20 annos,
bom para o trabalhode campo oii di Pri?aJ
orna preta de 40 annos, por *>'
OOlinha muilo bem. lava e Taz todo o mais
servido do urna casa: na ra do Collegio,
n. 21, primeiro andar.
!Na loja do Duarte, na ra
do Cabug, n. ijG, vendem-se fi-
tas de setim lavradas, setins de
cores, bicos de linho e seda, e te-
souras fabricadas em Guimaraes.
Na ra das Cmzes. n. 22. segundo an-
dar, vendem-so 5 eseravos. sendo : 2 mole-
coles de 18 a 22 annos, sendo um serradoi
e uutro cozinheiro ; urna cnoula de i an-
nos, com habilidades; 2:pretasde 30 a o
annos, que sito quitandeiras.
Baratissimo.
Vendem-se meias do seda brancas epre-
tas, comprdas o algumas abortas,, do l.oou
at 2,000 rs. o par; luvas de pellica para
homem esenl.ora, de 160 at 1,000 rs. "
par ; uioifardarnento proprio para pagem ao
nalannuim ou cadeirinha. de panno azul,
muito fino e com abotoadura doureda : rja
rui do Crespo, loja n. 5 A, ao po do an
Santo-Antonio.
Vendem-se oeulos do armacSo azues
brancos. para todas as dades, a800rs o
par; luvas de pellica finas, a 1.600 rs. o par ;
bahus para guardar joias, a 800 rs. ; ben-
galas grossas, a 1,000 rs. ; rranjas rJSra cor-
tinados; meias de seda para senhora ; ca-
misas do moa para homem ; lencos de se-
da para algiheira, a 1,600 rs.; filas lavrai as
de seda, proprias para chapeos de pallii-
nda ; suspensorios de seda : ditos de borra-
cha ; meias de laia para padres; capachos,
a 720 rs.; carlciras de algibeira, a 240 rs. ;
e outras muitas miudezas baralas : na ra
larga do llozario, loja n 26.
Vendem-se gales c volantes de todas
asqualidades; l-ina, ospeguilha e rendas
drancaso amarella : tudo por prego com-
modo: no armazem de mol hados, n. 11, por
baixo do sobrado do reverendo vigario do
Recife. ,
Vende-so um pardinho de 13 annos,
por neressidado : na ra do Fogo, n. 23,
se dir quem vende.
Vende-so urna pardinha coB 16 innos,
de linda liguri, propria para mucamba i
no becco do Sarapalel, sobrado, n. 12.
Vendem-se esnadas praleadas para olli-
ciaesda guarda nacional: na ra Nova, loja
de ferragens, n 16, de Jos l.uiz Pereira.
Omeldor culileiro de Londres desco-
hrio una tempera de ac que Teita urna li-
ma delle 0 applicada sobre outra qualque.
o reduz a p, e he deste mesmo ac qu
agora Wraai fabricadas as melhores nava-
Ihas de barba, muito superiores as da t.V.
oa, as quaes se vondem na ra larga do Ro
zario, n. 35, loja de miudezas.
__ Vende-se um bonito carr<
de quatro rodas com assentos pan
G pessoa* e arreios com guarnice:
de metal branco, feito na Europ:
e sem uso algum: ua ra doQuci
inad'i, n. 17.
Vcndo-se urna preta crioula, de 16 a 1
neos, que sabe determinar o servico d
urna casa, engomma, cose e cozmha sottri
velm-nte, a qual he proi'rii para urna la
mida inglcza, por fallar a respectiva Iin
gua : ac comprador so dir o motivo pi
que so vendo : na becco da l.ingota, n.
A *JhO rs. o len$o.
Na na do Queimado, loja de miudeza
do Jos Dias Simes it Companhia, venden
se, por 280 rs. linos lencos de cambraia t
algoiao.com cercadura do mimosas llore
propriospara maos de senhora, o tambo
para homem.
Bicos da ludia M China
Na ra do Queimado, n. 16, loja do md
de/as, de Joa Das SimOes & Companhi
vendem-se bicos de superior qualidade, <
todas as larguras, propros para babade
por pre?o mais barato do qua eaiTiut
qualquer parle.
Franjas para cortinados
Na ra do Queimado, loja de miudeza
n. 16, de Jos Dias SimOes &Companhi
vendem-se franjas, proprias para corlini
dos, do mlhor gosto possivel, e por ma
barato preco'-do que em outra qualqu
parto.
Vendem-se massos de mei
de linho, ltimamente chegadaa d
Porto; ditos de algodao grosse
nmito commodo : n
lor pre?o
i>raca da Independencia, casa a mi
relia, n. i.
Vende-se um excellente cabriol de bi
ADO
I


'
Vendem-s corles de camhriMas ada-
in i (1.1-; proprias para vestidos, a 3,000
rs. ; Hilos 4* talaearga, a 1,600 e 2,500 rs. ;
capoT-chill do core* fixas a 30o rs. ; lan-
ziolias para v.-st .ios, calcas o tnupa de me-
ninos a 320 rs o covado : fazenda de lia
com I iIras de sel, propria para vestido
d senhora a 640 rs. ; ISas para calcas, de
muilo hom costo e 'le superior qualidade ,
n 2,200 rs o corle ; cortes de cassa, a 1.J0O
rs. cada iim ; panninho cnm vra de lar-
gU'a a 2*0 rs a vra, e a 2,500 rs. a poca
com 10 varas e meia ; r-hales de pura lila ,
a 2.000 rs caita um ; fnstes para rolletes,
a 500 'b o corle ; e outras muitas fazendas
por barato preco : na rna do Crespo, loja
ii 15, de Cunha Giiimarles & Companhia.
Corles de brlm de*puro
linho, a l,80.
-- Vendem-se cortes de brim Irangado
pardo de puro linho, pelo diminuto prego
de quatrn patacas : na ra do Crespo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Vendem-se relogios de ouro e prata,
patentes Inglezes na rua da Senzalla-No-
va, n. 42.
Rap roldo francez.
Vende-seo superior rap rolflo francez,
nicamente as lojas dos Srg. Caetano l.uiz
Ferreira no Aterro-da-lloa-Vista n. 46 ;
Thnmaz de Mattos Istima na mesma rua,
n. 54 ; Francisco Joaquim Duarte rua do
Cabuga ; Pinto & IrrnSo ua rua da Cadeia
do Recita, n. 19.
Para escravos.
Vendem-se cobertores de a!god.1o ameri-
cano a 560 rs. cada um; luirle do chadrez,
a 160 rs. o covado; dito trancado, a 200
rs. o eov.do ; pegas de ganga azul da India,
com 4 palmos de largura e 12 covados a
2,400 rs.: na rua do Crespo, loja n. 10.
Queijos londrinns.
Vendem-se, pelo mais barato preco de
6i0 rs. a libra, superiores qunijos londrinos,
chegados recentemente : na rua do Amo-
rini, n. 36.
Cortes de brim entronca*
do de puro linho a
1/280 rs.
Vende-se brim pardo de linho a 1,280 rs.
o corte, ecr de ganga mulio fino a 1,500
rs. : na rua do Queimado, n. 8.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 a/robas,
chagada neste mez pelo brigun Maria-Jtu :
a tratar na rua do Rrum arrajazem de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na rua do
Vifario. n. 19.
FARINHA DE MANDIOCA.
A melhor farinha de mandinra quetem i
venda he a bordo do hrigue Minerva, chega-
ilo deSanta-Catharina, e fiindeado na prais
do Collegio, onde se vende a prego mais
commodo que em qualquer outro barco ; e
tambero se pode tratar na prega do Coin-
mercio, n. 6, primeiro andar.
Deposito da fabrica de
rodos-ns-Santns na Baha
Vende-se em casa de N. O. Ilieher & C.
is rua da Cruz, n. 4, aleodilo trancado
(aquella fabrica, milito p'oprio para saceos
Je assucar e roupa de escravos.
i,a8o res.
Vendem-se superiores cortes de brim
trangadn de puro linho cor de lama de Pa-
ria pelo barato preco do 1,280 rs.: na rua
do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Dias.
A 4oo ris.
Vende-se superior esguiflo de algodSo de
qualro palmosemeio de largura, proprio
para camisas de senhora o jaquetas pelo
barato preco de 400 rs. a vara ; hretanbas
do rolo com 10 varas, a 1,600 rs. ; supe-
riores cortes de fustes alcochoado a
1,28o rs.; ditos miudos a 400 rs. o corto :
na rua do Crespo, n. 14, loja de Jos Fran-
cisco Dias
o!ha de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flan-
dres : em casa de J. J. Tasso Jnior : na rua
do Amorim. n. 35.
Superior cha brasileiro.
Vende-se superior cha de S.-Paulo em
caixinhas de urna e duas libras: na ruada
Cadeia do llccife, n. 51.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias quefram'de
lamilla em p e bem acondicionadas :
na rua do Amorim, n. 35, casa de J. J.
Tasso Jnior. ,
A 640 rs.
Vendem-se cobertores dealgod.lo, muito
encorpados, proprios para escravos a duas
patacas cada um : na rua da Cadeia-VVIha,
n. 33.
O O
O Na loj da rna do Crespo, 9
*x n. (5, ao pedo lampeao, ven- J
q dem-se os acreditados brins a
O trancados de puro linho.
J Corles de brim trancado pardo, a 3
1,280 rs. ; dilocor do ganga, a 1,440 O

vendem-se chitas francezas largas e de pa-
drees muito modernos pelo barato prego
de 280 rs. cada covado.
Vende-se um pardinho de12annos e
um mulatinho de 11, ambos muito bonitos,
proprios para olllcio, ou pagens na rua lar-
ga do Rosario, n. 35, loja.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Sanlos.
Va rua da Cadeia, n. S'i.
vendem-se por atacado tres qualidaiies,
oroprias para saceos de assucar e roupa de
escravos, a 250, 280 e 300 rs. a vara.
Pannos finos pretoeaznl,
a 5.000 rs. cada covado.
Na loja da rua do Crepo, n 5, de Cuima-
rSes & llenriques, vendem-se pannos pre-
to e azul, finos, pelo barato prego de 3,000
rs. cada covado c alm destes ha um com-
pleto sortimento de todas as cores e pre-
goscommodos.
Chales de Roberto do
Diabo.
Na loja deCuimsrflcs & Henriques rua
do Crespo, n. 5, que faz esquina para a rua
do Collegio vendem-se os novos chales
grandes intitulados Roberto do Diabo pe-
lo barato prego de 1,600 rs. cada um : esta
fazenda se torna muito recommendavel ,
porser de padres novos, e de lindas
franjas.
--Vende-se urna halanga completa, de pe-
sar assucar, com ptimo brago novo e o
mais corlo poaaivel : noarmazem de assu-
car por detris do arsenal de. marinha ,, na
rua do Rrum. '
Vende-se urna escrava parda de 20 an-
nos que corta e faz urna camisa de hor
inni e um vestido de senhora e todo o
mais servigo d urna casa do familia ; um
moleque de 16 8nnos de boa conducta e
que he ptimo para o servigo de urna casa,
ou para o servigo de campo: na rua do Col-
legio, n. 21, primeiro andar, se dir quem
vende.
Vendem-se queijos frescaes do Ceara ,
a 320 rs. a libra : na rua estreita do Roza-
rio, venda n. 1.
00O9 O J
O G3T Na rua rio Crespo, JC9
esguiSo de algodSo fino, com quatro pii
mos e meio de largura, proprio para casi.
sas de senhora, a 320 rs. a vara : ta rua do
Queimado, n. 8. Bo-se as amostras.
Noarmazem do barateiro Silva Lopes
na porta da alfandega, vende-se vlnho d
Dordeaux, em quartulas, e da melhor nui.
lidadequevem a este mercado.
Queijos londrinos e pre-
suntos
para fiambre : conservas; latinhas com b,
coutinho inglez : tudo chegado de Liver
pool pelo ultimo navio, por prego mi!
cemmodo do que em outra qualquer parla
atrs do Corpo-Sanlo, armazemde molln '
dos, o. 66.
Relogios de nova invencao.
No A terro-da-Boa-Vista, loja n 48, acabt
Jj> loja da esquina que volta V de receber-seuma pequea porgJo dar-
& 1 j V j loBlos P,r'c,m" dB meM. de muito hom
0 para a cadeia, vendem-se q gosto, os quaes regular muito bem, e sfo
0 os acreditados brins trangados bran- @
q eos,lisos, de listras edo linho puro, q
f\ a 1,500 rs. o corte; ditoamarello, a*.
i 1,440 rs.; dito muito superior, a 5
J? 1,600 rs. ; picote muito encorpado ~
&
Para liquidar-se.' ?
Vendem-se, por barato prego, cor- 4
tes de vestido de cambraia com barra 4
branca e decores, a 1,440 rs. ; meias 4
decores para senhora, a 1,800 rs. a 4
duzia ; ditas para meninas, a 1,000 a
rs. ; suspensorios de meia a 1,000 |
rs. a duzia ; bol Oes de duraque a ?
240 rs. a grosa ; leogos de seda para 4)
algiheira e hombros de senhora, a 0>
400, 500. 800, 1,000, 1 200, 1,400
1,600 e 2.240 rs. : no pateo do Car- f
mo, n. 18, segundo andar. 4
O rs. ; dito muito fino, a 1,600 rs.; di- 3
Vcndem se presuntos inglozes para &. lo branco listrado, a 1,500rs ; pico-
.. .e ; latas com bolachinhas de Lisboa ; O ,e. ,8 rs- covado; chitas escuras 0
jilas de araruta ; ditas de marmelada de ''e cores lisas i 1(0 e 180 rs ; co- Q
l,2e 4 libras ; ditas de sardinhas ; ditas del 0 bcrlores americanos, muito enror- q
hervilhas ; ditas de chMColate de Lisboa;If& pedos, a 640 rs. o cit; cortes de ~
frascos do conservas ; ditos d'agoa de flor f?, cassa'branca pa>n vestidos, a 2,000 X
de laranja; barris com azeitonas brancas de "r.-t rs. ; pegas ile ditas para ha Dados a Sf
Elvas ; garrafas com vinho moscatel de Se-
tuhal e da kladeira ; queijos de prato
frescaes : tudo i
mente de Lisboa
i;eniv, o. 46.
Clnt brasileiro,
Vende-se cha brasileiro no armazem de
moldados, airas rri.'nsexcollente cha produzido em S.-Pau-
lo que lem viudo a este mercado, por
prego muito commodo,
4cs fumantes de bom BOStO.
Noarmazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sol, superio-
res charutos S.-Felix, e de mitras muitss
cualidades que se vendero mais barato do
que em outra qualquer parle : bem como
"igarrilhos hespanhes ditos de palha de
iiilho, que se estilo vendendo pelo diminu-
o prego de500rs. o cento.
AGENCIA
[la fundicao Low-Moor,
RUA D\ 8EHZAI.T.A-IIOVA1 N. 4^
Neste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
uento de moendas enieias moen-
las, para engenho ; machinas de
apor, e tachas de ferro batido t
:o.ido, de todos os tamanhos,
iara dito.
A 6'40 rs. cada niD.
Vendem-se cobertores de algodSo ameri-
ano, encorpados e grandes a duas pata-
as ; chitas escuras de hons pBdres e ro-
es seguras, a meia pataca o covado : na
ua do Crespo, na loja da esquina que vol-
i para a cadeia.
Taixas para engenho.
Na fundigHo de ferro da rua do Rrum,
eaba-se de receber um completo sortimen-
>de taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
uaes acham-se a venda por prego com-
lodo e com promplidSo embarcam-se,
u carrefiam-seem carros sem despezas ao
imprador.
Jadeiras de palliinlia e
de balando,
3m com outros muitos trastes: vendem-se
n casa de Kalkmann lrmSos, na rua da
ruz. n. 10.
-^'einie.-se champanba da mais superior
lalidade que tem viudo a este mercado
i rua da Cruz, n 37, armazem de Crocco
Companhia.
Vende-se urna parte da casa da rua da
-Cruz, que faz esquina para a ruada Ale-
*ia a qual existe com venda e junta-
ente um parte de um terreno junto a
esma casa e com frente para a rua da, S.-
'uz, por prego commodo : na travessa da
incordia sobrado n. 5.
Vendem-se amarras de ferro: na rua
i Senzalla-Nova, n. 43.
Vende-se um carro de 4 rodas de mui-
boa construcgflo, e que accommoda 4 a 6
ssoas muito lifin e pode ser conduzido
>r um s cavado e dous qu*ndo lor pre-
w : ver, na coclieira do Sr. Francos na
X 2,100 rs. e a 32o rs. a vara ; chapos J?
( Jj? de massa a 1,600 rs. ; ditos de seda
novo e chegado ultima-1 Sf a 640 rs. ditos a 400 rs. ; fustOes pa- O
na rua da Cruz, no ,5 racollete, a 480 rs.;,dito superior a >
'O 640 ris. t
ruis.
O o
0O o
('lia rulos de Ha vana
verddeiros: em casa de Kalkmann Ir-
niiios na rua da Cruz n. 10.
llarmelada nova.
''llegada ltimamente do Rio-de-Janeiro,
vende-se por prego commodo: il'sdo Cor-
po-Sanlo armazem de moll.ados, n. 66.
Pecbncba.
Vende-se cha hysson de superior quali-
dade pelo prego de 500 rs. a libra : na rua
do Crespo, n. 23.
A 2,000 rs. a cai*a de
cen charutos.
Vendem-se charutos regala de S.-Felix ,
ditos cegadores, cavalheiros, regalos de lla-
vana eoulros, todos de superior qualida-' #ff#t#ft%
de, pelo mdico prego de 2,000 rs. a caixa m 4
de rem : ua rua Nova casa de comeslives,
n. 69.
Vende-se rap de Lisboa, "
chegado nllimamente, a 3,aoo rs.
a libra : na rua da Caricia do He- *
rife loja de Antonio Joaquim
Vidal.
i
|
I
JSovidade.
Na rua do Collegio taberna de Antonio
Jos Alves da Fonseca, vendem-se bixas no-
vas viudas ltimamente de Lisboa por
prego mm barato do que em outra qual-
quer parte.
Venciem-sc8 escravos de 18 a 25 an-
nos sendo dous cozinheiros; um pardo de
18 annos de elegante (guia e que he pro-
prio para pagem ; 2 escravos proprios para
o servigo de campo, pur entenderem mili-
to desse trahalho um moleque para todo
o servigo; urna parda por commodo pre-
go ; 2 pretns do 20 a 25 annos, com alguns
principios de habilidades: lodos estes es-
cravos vendem-se por prego commodo : no
pateo da matriz de S.-Aiilonio, sobrado n.
, se dir quern ven.le.
\ ,000 rs.
Vendem-se casimiras escuras mu n
palmos de largura e elsticas, proprias para
palitos caigas c jaquetas, a 1,600 rs. o co-
vado : na rua do Crespo, loja n. 5 A, sop
do arco de S.-Antonio.
Ao barato.
Vendem-se, na luja da rua do Crespo,ao p
do arco de S.-Antonio.n. 5 A.crtes de cassa
com sete varas e de cArcs lisas a 2,500 rs.;
ditos superiores a 3,000 rs. ; corles de col-
lete de gorgurSo de seda a 2,500 rs ; ditos
de fUSto branco a 500 rs ; i egas do cas-
sa para bailados, a 2,560 rs. ; corles de cal-
gas de pelle do dalo, fazenda muito en-
corpada a 1,000 rs.: ricas mantas de seda
para senhora e meninas, a 6 c 8,0(>0 rs ; cor-
les de casimira ehistica de una s cor cla-
ra, a 4,000 rs.: bem como tamhem se vcn-
dem oijectos de armador como sejam es -
ueguilhas, rendas, volantes, etc.
Familia barata. 1

Vendem-se saccas com muito boa fa-
rinha de mandioca por barato pre- Hp
go : no srmstem do Racelar, em fren- jf
teda rampa da alfandega, a tratar ?
com Machado & Pinheiro. ?
ag.i da Roa-Vista e tratar, na rua eslrei-J w j frpsn n
Superiores cartas de
Jogar.
Vendem-se superiores cartas de jogar,
em i orrfio e a relalho, por prego muito
commodo: na rua Nova, casa de comeslives,
n.69.
Castorini francez, a 650
rs. cada covado.
Na loja que faz esquina para a rua do Col-
legio n. 5, vendem-se os novos caslorins
francezes muito encorpados, padres no-
vos oscurose com listras pela boira, pelo
barato prego de 560 rs. o covade.
Vendem-se riscados escocezes com
vara de largura, a 290 rs o covado ; cassas
pintadas de cores fixas, a 240 re. o covado;
pegas de panninho de vara de largura, com
12 jardas, a 2,000 re. : na rua do Crespo,
loja n. 10.
A ellas antes que se acabem.
Vendem-se ricas luvas de pellica para
homem e senhora pelo diminuto prego de
1,000 re. o par: na rua do Queimado, n. 17.
Dao-se as amostras.
A 560 rs.
Vende-se bamburgo muito fino, de 3 pal
mos c meio de largura proprio para Un-
ges a ceroulas, pelo barato prego de 360
rs. a vara ; chitas muito (ins, escuras e de
cores muilo fixas, s 200 rs.; ditas lavradas frescaes, chegados' do"ceariTp'el ullimo
de diversas cores, a 180 rs o covado : na i vapor : na praca da Independencia, loia
rua do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco I n. 3. '
I)m,m a / *.i'"" ,v>IM,e-M "> 'o no lugar do Arraial,
- Na rua da Cruz, n. 3, vende-se rere de com boa casa de vivenda e diversos arvo-
carnauba tfe superior qualidade por prego redos o qual fui do fallecido Joto Uulra :
na rua de S -Amaro, n. 10.
Vendem-se 18 barricas promntaa "r
I.iilias de bordar.
Na rua do Queimado, loja de miudezas,
n.16, de Jos Dias SimOes & Companhia,
vendem-se linhas de superior qualidade,
proprias para bordare fazerlavarinto por
prego muito commodo.
-- Vende-se doce de toilas ss qualidsdes,
secco e de calda em porgos grandes e pe-
quenas por baralo prego: na rua Impe-
rial, n. 67. v
Estojse visporas.
Cheguem ao resto antes que se acabe.
Na rua do Queimado, n. 22, vindo do Ro-
zario, segunda loja, vendem-se estojos pa-
ra senhora, com urna caixa de msica e
mais pertences para coslura; es'ojos com
todos os pertences para barba ; bolgas da
China proprias para senhora; grandes e
divertidos jugos de visporas: tudo mais
barato do que em outra qualquer parte.
Madapoles finos a
3,600 rs. a peca.
Vendem-se madapoles finos*com 24 jar-
das com un. pequeo toque de mofo pe-
lo prego de 3,600 re. s pega : na rua do Cres-
po loja da esquina que volta para a
covado;'pannopreto muito fino, a y,'
3,200 rs. o covado ; cassa de quadros J
O para bahados, a 2,000 rs. a pega ; lu-
O vas de algodSo de cor, muito finas, s
240 rs o par ; chitas rouxas com fio-
0 res encarnadas, de tintas seguras, a Q
q 180 rs. o covado ; cassas pretas, pro- Q
f\ prias para luto, a 160 rs. o covado; a
\ pegas de plalilha de algodSo com 25
: varas, a 4,200 rs.; e outras muitss
9 fazendas por prego commodo.
000
Vende-se um moleque de 15 a lean-
nos, de bonita Agora : na rua da Cruz, no
Recife, n 43, loja de barbeiro.
Vendem-se couros miudos de cabra :
na rua Nova, n. 20.
Nectarea bebida.
O melhor vinho do Porto.das colheitas de
32, 36 e 1842, em barris de quatro, sete e
oitoem pipa proprios estes psra mimos ,
vende-se pelo corretor Oliveira, e no ar-
mazem doSr. Jos Rodrigues Pereira : es-
le vinho he do melhor que se bebe ns In-
glaterra e muito apeteclvel para aquellas
que sabem aprecia-lo ; mas quem este pre-
dicado nSo tiver escusado he procura-lo,
porque tambem nflo saliera chegar ao pre
go. cmhora baralo relativamente asua qua
lidade, que por ptima escusado he enea
recer-se.
Vende-se um carro de mSo, de 4 rodas,
muito bem construido, para conduzir toda
e qualquer qualidade de vtumes : na rua
do Brum, armazem de assucar, pon detrs
do arsenal de marinha.
Na venda que foi de Jos da Penha, na
rua Direita, n. 23, vende-se manteiga in-
gleza de 480 a 800 rs. a libra.
Vende-se, na rua Direita n. 27, vinho a
160 rs. a garrafa e a 1,240 rs. a caada ; car-
ne de toucioho nova a 80 rs. a libra ; man-
teiga ingleza muito boa a 640 rs. a libra, e
azeile de peixe a 320 rs. a garrafa.
Na rua do liante!, n. 8,
vende-se aletria boa talharim e macarrSo,
pelo dimiiiiilo prrfo de 140 rs. a libra; ar-
roz de 8 libras para cima, a rasSo de 2,000
rs. a arroba; feijSo superior; farinha da
Ierra ; o outros gneros de boa qualidade :
tudo por prego commodo.
Cbejruem ao barato que
::
muito bons psraoaSrs. de engenho, por
ser fcil a conducgfio: s restam 6.
Vende-e um pardo robus-
to, de n4 annos, perfeitamente en-
tendido no servico de campo e sem
vicios : na loja da rua do Crespo,
n. i.">, de Cunha Gurmures rk
Companhia.
No enligo deposito de cel
virgem e de potassa, na rua do
Trapiche, n. 17, vende-se muilo
nova e superior cal virgem de
Lisboa e potassa da tittssia, por
precos muito"commodos.
Vend-se um superior cavado, proprio
rara cabriole!: na ca val lrice do Sr. David,
na rua de Appollo.
Nos arinazens de Francisco Dias Fer-
reira e no de Leopoldo Jos da Costa Aran-
jo, ha para vender o mais superior vinho do
Porto que tem vindo a esta mercado, ea
barris de 4*. 5U, 7* a 8*: os apreciadores p-
dem sortr-se porque pouoat vates ca vem
fazenda igual.
Vende-se superior fio de
algodSo para velas: em casa de
Geo: Kenworthy & Companhia,
na rua da Cruz, n. 9.
Farinha emilbo.
vendem-se saccas com farinha de man-
dioca editas com milho., por muito bara-
to prego : no armazem ao p do arco ua
Conceigo, n. 64.
Vendem-se relogios psra cima de mesa,
do ultimo goato, chegados pelo ullimo na-
vio do Havre : na rua daCrnz, o. 8, casa de
Didier Calombiez & C.
Vende-se urna escrava da 20 a 92 an-
nos de bonita figura; bem como 4 couros
de cabra grandes e de bom cortume : na
rua do Queimado, n. 8.
Vendem-se barris de 4 e 5 em pipa com
azeite de carrapaio: no armazem ao p do
arco da ConceigSo, n. 64.
Vende-se una preta de nagSo de bo-
nita figura, ile 20 a 35 annos: na rua do
Rangel, n. 27.
Nos Quatro-Cantos da Roa-Vista n. 5,
vende-se um pardo oflicial de sapateiro e
ferreiro, de 26 annos, sem vicios nem acha-
ques
fcairwvo Futriom
poueas vezes a pparece
Na prega da Independencia, cass sma- ," Fu8'0, nodia 26 do corrente, a preta
relia, n. 1, vendem-se corles da fazenda de- M,ri" de "'o Rengela com marcas de
nominada pelle do diaho, de superior qua- ">te no peilo esquerdo o nss cosas;
lidade, a 1,440 re. ; ditos de brim cor de 'em urna marca de queimadura no brsgo e
ganga a 1,5(0 rs. ; ditos de listras, a 1,000, .s1ns ^rossos com gafnos ; levou ves-
rs. ; esguiflo de algodflo fino e do fio roligo t",<1e cnit r a panno da Costa : quem
n 360 rs a vara e a 3,200 rs. a pega ; cober- PePar leve-a a rua do Rangel, n. 27.
tores de algodSo americano, a 560 rs.; -Ter 50.000 rs. de graliicagflo quem
chitas de sssento escuro o de cores fixas, s PPrehendero esersvo Caetano, de cor fula,
160e200rs o covado; s bem conhecidos pouco mais alto do que o regular, de 40
riscadinhos de quadros de puro linho, annos pouco mais ou menos; lem as" per-
400 re. .-ditos do chita proprios para cami-lnas "mbias ps mal fetos, pernas linas,
sa a 180 is. o covado. I .n8S nelas com marcas de feridas; lem
-- Vende-se, para fura da provincia um'8'*?"*''8 escravo de 20anuos, de bonita figura, sem i no <"" (7 do corrente e fuglo na estrada do
vicios nem achaques, perito ofikial de sul no. I,*rr0 : Quem levara J0S0 Xavier
oleiro de toda obra como quartinhas, mo- 'Carneiro da Cunha, nesta praga, ou a Jos
ringos, etc. 1 o motivo por que se vende se i ^e"ir Vellozo da Silveira e na freguesa
dir ao comprador: na.rua doAragSo,n.
15, ou na olaria do Sr. doutor Pereira.
Vendem-se dous caixes para venda
um balcSodeamarelloem bom estado, umi

balanga grande 6 caixasde pinho para de-
posito de alguma couss licores, azeite do-
ce, vinho, ago'ardente branca, de aniz e do
reino, vinagro e outras muitas cousas :
ludo por muito menos de seu valor: oa rua
do Cotovello, n. 31.
Vende-se um jogo de breviarios novos,
por prego muilo commodo; um Horacio
traduzido ao p da lettra i na rua da Ca-
deia do Recife, loja de ferragens, n. 63.
Vendem-se alguns mergulhos de par-
reira moscatel, proprios para serem leva-
dos para qualquer parte : no pateo da S.-
Cruz padaria de urna s porta.
Vende-se vinho engarrafado ha 3 annos,
tanto linio como branco, o mais suieior
3ue ha hoje no mercado; bem como vinho
a Figueira a 160 re. a garrafa : na rua
das Cruzes, n. 20.
Na rua da Cruz, n. 33 armazem de Si
Araujo,\ende-se urna porgo de calgado VIUZ',""
feilo no Arcaty: bem cojno sola e couros Pensaoos.
Pugio, ao amanhecer do da terga-fei-
ra 14 de julho de 1849, do engenho Cau-
da Kscada an engenho Caxang, recebe-
radita gratjficagflo.
Fugio, em das do mez paasado, o es-
cravo Patricio, crioulo, de 30 annos pouco
mais ou menos ; he desdentado na frente;
tem urna fstula no rosto, por causa dos
denles, e de mais a mais he capado de um
grflo ; quando fugio anda nSo poda andar
muilo bem por causa da urna molestia que
teve ; tem espsum tanto incitados quan-
do sahio ia em trajes de pobre de pedir es-
molas, com um pao na inflo e um saccoa ti-
ra-collo branco, mas foi visto na riheirada
Roa-Vista como quem era forro e andava
tirando esmolas, porm como he muilo
manlioso odepoisque se achasse melhor
talvez tomasse a estrada do serillo por elle
muito conlieeida,principalmente daqui at
o li.-da-M.-de-Deos, aonde tem sido preso
pelo lilm.Sr delegado Cordeiro de Carva-
ho por duas vezes, e remellido para esta
praca.'Roaa-se as autoridades policiaca ,
capitfles de campo e pessoas particulares ,
queoapprehendam e levem-no a roa da
Cruz, no Recife, n. 33, que seiflo recom-
miudos.
4 <
deis.
Ca-
Queijosde quallia.
Vendem-se queijos de qualba, muito
commodo.
4t-aV-<

Cera em velas.
Vendem-se caixas pequeas com
cera em velas e muito bem surtidas,
por ser del at 16 em libra, fabrica-
da no Rio-de Janeiro em urna das
melhores fabricas, por prego mais
barato do que em outra qualquer par-
te : trata-se com Machado & Pinheiro,
na rua do Vigario, n. 19.

Chitas a 1*20 rs. o
covado.
Vendem-se chitas de cores escuras, a ISO
rs. o covado ; riscadinhos francezes finos e
le rAri*o IW*a muiin l,ni*>.u oto ~
p na freguezia da lguarass o pardo
escuro, vulgarmente cabra,.com 30 annos,
A grosso do corno, barbado, olhos pequeos,
* 'papudos a embranqu*gados, com falla de
denles na frente, pernas algum tanto linas;
levou bata encarnada debrunhada de um
s lado, duas camisas de algo ISozinho e
chapeo de palha, conduzindo um cavallo
castaiiho capado, com tomadeiraa; foi com-
prado na praga do Recife ao Sr. Raymundo
Carlos l.eile, como procurador do Sr. An-
tonio l.uiz Alves Pequeo Jnior que Iho
remelteu da villa do Crato, em Canrys-No-
vos. Iloga-se as autoaidades pollciaes a ca-
pitfies de cami o, que o apprebrndara a le-
vem-no a seu sen hor, Luiz Antonio da Sil-
va em o sobredito engenho, ou nesta pre-
ga aos Srs. Jos Pereira da Cunha e Balthar
& Oliveira as ras da Cadeia e C
.n.l..
.a -...y.
MUTIL/!


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQPOPNLL1_F3T8OZ INGEST_TIME 2013-04-12T23:43:16Z PACKAGE AA00011611_06259
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES