Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06257


This item is only available as the following downloads:


Full Text
"C
es-1
no I
D.
idej
"' I
ni
IS.
uno
XXV
Ttrya-feira 28
FABTIDA9 SOS COlABElOa.
f,oannaePar.adiKa,egundaeciia-i>lra.
RI<-Giande-do-riortc, qutnlai-feira ao meio-
Cato Serinhiein, Rlo-Formoso, Porto-Cairo
Mii-ci. no l., a 11 e 21 de cada incz.
Garantios c llonlto, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flore, a 13 e 28.
Victoria, quiutai-feirai.
01 inda, l^dus o da
tPHEMiniDII.
l'iuips b> uu. Cheia a 4, s 1 h. e 32 m. da m.
Mine, a11.aillh.el3m.dam.
Nova a 18, a 3h. clSm.da t.
Crec.a25,i 2h.e36ui.da U
rncuiAB DI HOJE.
Primeira a 1 hora e 18 minuto da tarde.
Segunda a 1 hora e 42 minutos da manh.
de Agosto de 1840.
N. 100.
PRECOS DA SBSCmrqAo.
Por tres mezes (adianndo) 4/000
Por seis roezes 8/tMK)
Por uut anuo lbJ/000
das da semana.
27 Seg. S. Rufo. Aud. do J. dos orf. e do ni. da 1. v
28 Tere. S. Agoilioho. Aud. da clianc, do J. da 1.
v. do civ. e do dos feito da fazriida.
29 Qnarl. S. Adolfo. Aud. do J. da 2. v. do clv.
30 Qulnt. S. Gaudenclo. Aud. do J. do or", c do
m. da 1. v.
31 sext. S. Haymumlo Nonato. Aud. do J. da 1. v.
do civ. e do do feitos da fazenda.
1 Sib. S. Egidio. Aud. da Chae, e do J.da2. v
do criine.
2 Iijiii. Nossa Sennora da Penha.
mm
CAMBIOS IM 27 DE AGOSTO.
Sobre Londres. 2(i d. por 1/000 r. a 60 da.
. Paris, 380.
Lisboa. HOporcento.
Ouro.-Onca. "cnpanhoes. ..... 31/000 a 31/WN
,Mocdadc6>IOOvelhas.. 7/200 a 17/400
de 6#4nn novas.- 10 IJtg
. de4#l>00......... 9/200 a 9/40
/.raM.-Paurae,bra0.eiro,...... 1/WO a gO
Peso.columnario........ /90 a ^
Ditos mexicanos.......... 1/WO *.._I/~L
re-
de
ou
ir
de
te;
3m
da
ir-
r,
fl-
or
la
ICO
>er
ler
de
de
J
'"i
r-l
M
I-
'.
IU
PABTE OFnCUt-
GOVEHNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 25 DE AGOSTO.
OQlcio.-Ao commandante da prac, ecla-
rando que deve S. S. fazer por eii liherdado
0 altores do secundo batalhflo de candores,
Jos Ferreira Pinto, que se aeha recolhido
fin taleza do llrum, qnando o julgur puni-
do pela falta que commelleu no da 93 do
corrente por oocasitio de commandr a
guarda da cadeia desta cidade.
Dito.Ao mesmo, para qun fca com que
seja remetldo com urgencia o formulario
de que trata a ordem que Ihe.envinu por
. copia em dala de 17 do corrente, afim de se
proceder ao arbitramento dos preces para
podr ter lugar a arremalacfio do foriiec-
meato dos medicamentos precisos para o
hospital reg mental.
Dito.Ao mesmo, declarando que pode
engsjar de novo para o servido do exercilo
os soldados Antonio Francisco prin.eiro e
Vicente Ferreira da Cunha, este da primei-
ra com anilla fi\a de cavallaria, e aqnelle
da quinta do quinto batalhflo de fuzileiros,
visto terem obtido pareceres favoraveis da
junta de saude que es inspeccionou ; o in-
Icirando-o de que ha arbitrado a cada um
delles a gratficaeflo da 100,000 rs.Soien-
|. tilicoii-st'o inspector da pagadura militar.
Dito.Ao juiz de direilo da comarca de
Garanhuns.Constando pela pariicp*cflo
que ni- l'.-z o rhcfc de polica em dala de 23
do corrente, que Vmc oncejera habeas-
corpus ao preso Joaqun! Jos do Araujo
1 una Rocha quo pelo respectivo delegado
fura iriso em virtude do requisieflo |do
chefe de polica da provincia das Alagas,
dirigida ao Exm. Sr. ministro da Justina, e
por este cuderecada a esta presidencia em
r. aviso de 5 de julho; e sendo constante que o
dito I.una Hocha nao sse acha pionunciado
na provincia das Alagas, mastambem con-
denmado a gales, oque se evadir de una
das prises daquella provincia; compre que
Vmc declare aa rasos do seu proce.lmen-
lo, nSo so pelo quo toca ao facto de liaver
feito soltar a um reo condemnado, mas
Lu I >* ni pela stia falta de competencia para
scnieihante coucessflo, visto ter sido a pri-
sco decretada pelo chefe de polica das Ala-
gas que Ihe he superior, o n3o pelo dele-
gad que apenas compilo a requisc,flo do
dito chefe, como lite loi ordenado por esta
presidencia.
Dito.Ao ohefe de polica.--Constando
de olllco do juiz municipal do termo de
l'ao-d'Alho, que,.leudo olle, a requerimeu-
to de parle, dado principio formacSo de
culpa contra alguna indiciados no crimode
mors perpetrado contra Lourenco Correia
de Mello, assassinado no engenho llanlten-
ga na madrugada do da 28 de Janeiro deste
anuo, e leudo pata esse lim designado o da
17 do corrente, mandando nolilicar no da
16 as leslemunhas e os denunciados autores
do crime, recebera uesse mesmo (lia 16 um
ollicio do delegado de polica, reclamando
a preferencia na furmaeo do snmmario,
em conforroidade do art. 2*6 do regula-
nietito n. 1.0 de 31 de Janeiro de 1842; e
sciiiio de notar que, commetlida a noria
no mez de Janeiro, e formado logo oorpo de
delicio c interrogados os roa presos, nflo
pr. ce lesse inmediatamente o delegado a
suminario comqiianlo lizesso notificar tes-
leniuuhas no mez de abril, e que.agora que
o juiz municipal trata de instaurar o pro-
cessua reauermento de parte, queira ter
preferencia, quando alias pareca ler aban-
donado o conhecinienlo do facto criminoso,
atiento o eepa50.de lempo que tem decor-
rido desde que foi commettido o delicio ;
resolv ordenar a V S. que iinmeiiialaincn-
le se dirija a villa de Pao-d'Alho para proce-
der pessualniente a furmacSo da culpa, e
no caso de que o cumprioienlo de uniros
develes exija imperiosamente a sua presen-
ta na capitel, coa.meil ao juiz municipal
do dito termo do Pao-d'Alho a organisagflo
do pi'uci'sso, determinando ao. delegado
que a elle remella o aulo de corpo de lelie-
to, e o inteirogatorio a que iliz liaver pro-
cedido, e quaaquer outros papis relativos
ao dilu crime, abstendq-se de tomar conhe-
rmenlo ddie Neste, sentido oliciou-se ao
juiz municipal do 1 aterido termo.
D.to. Ao juiz municipal do Nazareth
Tcndo V. me. no primi-irodo corrente mez
dirigido um ollicio reservado ao cadete Ale-
xatioru Cosme D.nnflo, no qual, reclaman-
do todooaeu apolo, o incumbe de ir neu-
tralisando aa sedut\es dos soldados, dis-
pei lando-llies que he ao gnverno e a au-
toridades que > deveoa obed-cer, e orde-
nando que no c .so de roHipiinenlo ge po-
2esse elle a frente do destacamento, assu-
tnisse o romniaii 10 ile I e eirti>regasse to-
dos os iiieios de i'estalieleeer o socego pu-
blico, preii leudo aos Irahi lores, e carie-
gando .unir os que resistiesen!, sendo o
pretexto de i o exlraord maria 01 dem cor-
rer grave iergo a tranquil'iJade .publica,
c nada confiar V. nic. do comm ndanto do
dcslacaniuiito dessa villa, que por sua ti-
bieza e iiidiirereuca linlia deixado alliciar
urna grande parta do seu destaca ment ;
cuiupre-me "Slranha-lo e reprehende-lo
por liaver cun aamelhanle ofllcio contra-
riado as regras da disciplina militar e es-
timulado a iiisuliordiuaco, ordenando a
tim cadete que assumisse o comtnando que
llie uo compela, e engm 0-0 em juiz de
Hy^l^yyU^. ...n,^ ... -o-.-
ADO
data mencionada do primeiro de agosto se
dirigir a esta presidencia pedindo provi-
dencias pra manter a tranquiilidade pu-
blica desse munciiio, o devra esperar por
ellas, ebem assim pelo reforco que pedir
ao majnr Hygino Jos f.oelho, estaciona lo
em Coianna; accrescendo a ludo pareccrem
infundados seus recejos. Transmillio-so
copiado oflicio cima ao comman Innle da
praca para man lar proceder a concelho de
investigaclo sobre O proeedimenlo lio ca-
nitflo Gomes, commandante do desiaca-
mento de Nazareth, afii de ennhecer-se a
veraci.tade da imp. tacilo qu" Ihe faz o juiz
municipal respectivo no ollicio que diri-
gi ao cadete Alejandro Co>ine Jlamio.
Dito.-Ao juiz municipal da se*und va-
ra d.-sia cidade, communicandoque o chefe
de polica tem or lein para entregar a ilil-
posico deS. me. o Africano bucal de nomo
J0S0, que foi apprehenddo pelo subdele-
gado de Santo-Antonio ;e ordenando que
contrate os se> vicos do mesmo Africano
com o tercero commandanle do compa-
nhia do corpo de polica, Jos Alfonso dos
Santos Bastos, me liante o salario de 12/000
rs. annuaes.Officiou-se neste sentido ao
cheto de polica.
Dilo Ao promotor publico doLimoei-
ro, declarando que as amnistas concedidas
pelo coronel Joo Jos da Costa l'imenlel
em virtude do decreto do 11 de Janeiro do
crrenle anno, devem 3er manldas em sen
vijjor. .
Dito. Ao commandante do vapor (>ua-
pian. Convindo ao servico que o s-gun-
do machinisla do vapor TAe.i. Jos Miguel
Fe'reira.que por ora nflo pode viajar em
consequenca do se achar doente, seja subs-
tituido pelo da barca a seu mando, orde-
no-ll.e que o mande apresentar all, rece-
bendo a seu bordo aquello aflm de ser tra-
tado. Mate sentido officiou-so ao com-
mandante do vapor 7"Ael.
Dito. Ao comman lauto do brigoe de
guerra Cm00, declarando que pode man-
dar arreiar os mastarus dos joanetes do
brgueaseu m-ndo, o fazer os concertos
de que ello precisa.
Dito. A' cmara municipal de Seri-
nhilem. Devendo ler desapparecido os
obstculos que at agora se leem opposto
eleigo de vareadores ejuizes d paz desse
municipio, visto haver-se ja procedido a de
eleitores no dia 5 do correte ; ordeno a
Vmcs. que deem as convenientes provi leti-
cias para que nesse municipio se faca a re-
ferida eleicSo de vereadores o juizes de
paz no dia 21 de outubro prximo futuro ;
dovendo servir para 1 organ'MCilo da mesa
os elelores e supplentes que fram ulti-
mamente eleilos. O que Vmcs. cumprro
sol sua responsabilidade.
Piulara. Plomeando a Francisco Uc-
Cerre de Vasconcelloi Torres para o lugar
do subdelegado da fregueza de Bezerros,
termo de Caruar. Communicou-so o
chefe de polica.
Da. Paitando a Joaqum /osa llezerra
da Silva do 5." para primeiro supplenta do
subdelegado de llezerros, termo de Carua-
r. Inteirou-se o chefe fle polica.
Dita.O presidente da provincia, usan-
do da all buieu que Pie foi conferida pe-
lo decreto de II de j-neiro do corrodo an-
uo, ha por bciu conceder amnitlia, 0111 no-
mo deS. M. o Imperador, ao coronel refor-
mado Francisco Jo>de Barros e Silva, pelo
crime de rebelliflo, ltimamente coniuielti-
lo na mesma provincia.
K para sua resalva se Ihe passa a presento,
un virtude da qual lcara sem elfeito qual-
quer pronuncia contra elle pelo referido
crime, ese Ihe dar baixa na culpa, u 11.10
poder mais ser processado pelo dilo cii-
1110.
TRIBUNAL DA UELACAO'.
SF.SSAO EM 25 DE AGOSTO DE 1849.
l'IIF.SIURSCU OO EXM. SFMlOa
coMCRLaeao azeveuo.
A' dez horas da manhaa, achando-se pre-
sentes os Srs. desriiibargadorcs Villares, Bas-
tos. Leo, Soiua, Rcbello, Luna Freir e o Sr.
Dr. juiz de direilo Pereira Monteiro, faltando
fom causa os Srs. desembargados l'once e
Ramos, o Sr. presidente declarou aberta a
scssfn>.
JULOIUENTOS.
Ilibeai cnrpui concedido a Jn Cuitodio a
vista da informafSo do chefe de polica.Man-
doii-se inforinar ao subdelegado do Ucsife t
o dia 28.
Appilla[o crime.
Appellante, o promotor publico ; appellado,
Sebatiao Pereira da Silva. >'andou-se des-
cei ao juizo quo para subir por traslado por
havereiu correo.
AppellacSe ciwii.
Appellante, Rento Jos da Cota e sua 11*1
Iher ; appellado, Jos Joaquini llezerra Ca-
valcante e la niulhcr. Desprezaram os
embargo do appcllautes.
Appellante, o prelo Antonio da Costa por sua
lilha Maria appellado, Ignacio Joaquini
Accioli de Vascoocello.Frain desprea-
dos o embargos do appellado.
Appellante, D. Raquel laetana Alexandrina
de Mello; appellado, Josfo Pedro do Re-
g (.'avalcante. Mandou-se ouvir ao Dr.
procurador dos residuos.
Appellante, Rita Maria daConcelcao ; appel-
lado, Antonio Jos de Mello.Mandou-se
ouvir o curador-geral.
Dnignaein,
Foi asslgnado o l. dl til para seren jul-
gadas a appellaces civeis em que sao :
Annellantrs. o reverendo ru .rdiao do conven-
Appcllante, Jos Noguelra de Oliveira; appel-
lado, Joaqiiim Franciico Diniz.
Appellante. D. Mara de .Jess Trixeira Fran-
co ; appellado, Marcel|lno Jos Lopes.
Appellante, Jos Gonealves Simas ; appellado,
Domingos Jos Pereira Pacheco.
Appellante, Manoel Cavalcante de Albuqner-
que Mello ; appellado, Dr. Clemente Jos
Ferreira da Costa.
RtvisOti. '
Passaram do Sr. desembargado!' Villares ar
Sr. desembargador Pastos as appellaces ol-
j'eis em que sao :
Appellante, Manuel Antonio da Silva Motta ;
appellado, Jos Gonralves Torres.
Appellante, Joan Goncalvcs Valente j appella-
do. Antonio Ferreira dos Santos Caininha.
Appellante, Manoel Elias de Moura ; appella-
do, Delphino dos Aojo Trixeira
Passaram do Sr. descinba gador Raslos ao
Sr. desembargaoor Leao as appellacOcs civeis
em que sao :
Appellante, Manoel Jos de Siqueira e 011-
tro; appellado, Jos Francisco do Reg
Barros.
Appellante, Antonio Fernandes Kihr-lro ; ap-
pellado, Manoel Florencio Alvesxde Morir.
Appellante, Gabriel Germano de A(Oir Mon-
tarroyos ; appellado, Manoel Francisco Di-
nix e uniros.
Appellante, Antonio de Padua Cesar de Mal-
lo ; appellado, Francisco de Paula Fernan-
des Chaves.
Passaram do Sr. desembargador Leao ao Sr.
desembargador Souza asappcllar,cs civeis eiu
que so :
Appellante, Jos Paz l.andim ; appellado, Joa
quiui Pereira Lima.
Appellante, Josefa Kpiphania da Fonseca ; ap-
pellado*, Jos da Fonseca Silva e outros.
Appellante, o coronel Joaquim Cavalcante de
Albuqiierquc appellado, D. Ambroziadc
hrilo llezerra e outros.
Appellai-.te, Carlos Andrcal; appellado, .lu-
liao Heranger.
Appellante e appellado Bernardo Lassrire 8;
C c liernardino Gome deCarralbo
Appellanie, Antonio Lopes Pereira de Mello ;
appellado, Antonio Joaquim de Almeida
Guedes Alcanforado.
Appellante. Jos Pereira Ribas ; appcllada, a
cmara municipal do Pilar.
Appellante, Juvencio de Alcntara appella-
do, Firniino Jos Flix da Rosa.
Passaram do Sr. desembargador Rcbello ao
Sr. desembargador Luna Freir a appellacoc
civeis em que sao :
Appellante, Joo Esperante ; appellado, Ro-
zenilo Alves da Mira.
Appcllanter Joaquim Antonio do Forno ap-
pellado, Manoel Francisco da Silva.
Appellante, Luiz Se ver i OO Marques llacalho ;
appellado, Antonio Jos Mirques llacalho.
Appellante, o coronel Antonio Alves Vianna ;
appellado, Francisco Severiano Rebello.
O dia de appareccr em que sao :
Appellante, Manoel Antonio dos Passose Sil-
va ; appellado, Manuel Jos Pereira de Mel-
lo, curador da parda Clemencia,
Passnu to Sr. desembargador Luna Freir
ao Sr. desembargador Villares a appcllaco ci-
vel eni que sao :
Appellante, o juizo da l'aienda do Ccar ;
appellados, Manoel Valerio de Carvalbo c
outros.
l.cvautou-sc a sesillo depois de meio-dia.
I> t iir-ii com que. 0111 eenrad jury lo termo rto IteelfV rt' I 7 lo
corrente, o Sr. l)r. Francisco
Xavier Paca IJarreto, 11 u qiiall-
iade le promotor publico fo
misino termo, aecusou os indi
> (liso- p'.'iiimni'liKl'i- pelo erime
le reiii lli;><>. pie forniu .lulsa-
los un referlln Neniad.
[Vii Diario 11. 189.)
O Sr. Dr. Promotor: Fall.if-vos-hci
anda das atrocidades commettidas em
Canaviciras, aonde no so respeitou nem
n honra, nem o pudor das familias? Ser
preciso referr-vos circumslaneiadamente
os latrocinios praticados em Ciiambueas,
engenho pertencente aos herdeiros do fal-
li'cido Carvalbo de Medciros ? Ser neces-
aario reenrdar-vos a sempre lamentada
mortc do benemrito commandante supe-
rior da guarda nacional de Coianna, d'cssa
victima Ilustre que suecumhio ao mais
brbaro c cobarde assassmato i' Ser pre-
ciso ler-vos essa ordom do dia, assignada
pelos membros do directorio entre os quaes
figura o arcusado Borges da Fonccca, na
qual so declara que a columna liberal to-
mou a resolueo de nOo dar qunrlelavm t
inimiyo ? Hesoluciio barbara o atroz que
den iugar morte de um infeliz sargento
de Coianna depois do prisonciro, como re-
l'i'i'L'in as testemuuhas coronel Cypriano o
tenente-coroncl Maranhilo, que juram de
vista ? Nflo, senhores ; essas enormidades
fram praticadas luz do dia ; ellas nilo
precisan do ser de novo referidas, para que
as trnhais bem prsenles na memoria
passarei, pois, a tratar de outro ponto de
aecusaeflo.
Senhores, essas secnas abominaveis se
deram em todos os differentes pontos da
provincia por onde se estendeu a rebel-
lio; e desgracadamento ella se estendeu
por quasi toda a provincia. Em seu des-
envolvimenlo o progresso, o movimento
dominou em diversas povoacAes, aonde
conseguio espellir ousupplantar a autori-
dade publica sem a menor resistencia eop-
posiQflo dos habitantes d'essas povoaces,
o que indica claramente o consttue a
adhesflo ou reuniflo das mesmas povoaeOcs
para o referido movimenio. A primeira
povoaeSo aonde a revolta appareceu edo
qtieno destacamento de polica que alli se
achara, o se appossaram dclla, sem que
soffressem a mais leve resistencia ; porten-
to a villa de Ignarasst nflo pode deixar
do ser contemplada no numero d'aquellas
que prestaram adhesflo ao movimohto....
O Sr. fon/es da Fonctca : Adhoro
unanimamenie...
OSr. Dr. Promotor :O ceusado confir-
ma a minlia asserc.flo. A villa de Nazareth
est as mesmas circumstancas : nflo s
ella foi ncnipada por diversas vezes por
forjas rebeldes, sem que jamis alli cn-
enntrassem a menor opposcRo, como at
foi um dos lugares que essas lonjee esCo-
llieram para se fortificaren!, e anude de-
ram um combate, como consta do oflicio
do delegado respectivo; tal era a confl-
anca que deposilavam nos habitantes
d'a(|iielle lugar, mutos dos quaes, como
he sabido, tomaram parto multa activa no
movimento armado. Por consequenica a
villa de Nazareth tamlicm reuni-so, e
adherio an movimento.
O Sr. Dorgtt ila Fonceca : Faz com a
cabeca eignel aDrmativo.
O Sr. I,r. Promotor :A cidade de Coian-
foi como sabis, e como consta dos de-
poimentos das testemunpas, o coronel Cy-
priano e tencnto-coronei Maranhilo, oc-
cupada ditas vezes pelos revoltosos, os
quaes apenas tiveram do lutar com urna
iraca resistencia do destacamento que se
havia intrinchoirado no convento do Car-
mo, masque levo de render-sc em presen-
cada grande siipcrioridadc da turca initri-
ga. F.m Coianna, pns, a autoridado le-
gtima foi supplautnda pela rebelliflo que
ah dominou completamente. Alm d's-
s!, ningucm ignora quo o movimento 1-
chon na cidade grande numero de adhe-
rentes quo se rcuniram s suas furias c
as acompanharam, o que deu lugar 1 or-
gansar-se alli um prncesso contra diver-
sos individuos d'aqtiella cidade, compro-
mettirios na rebelliflo, offquaesfram pro-
nunciados como caberas. A cidade de
Coianna, porlanto, nflo resislindos frrjas
rebeldes, coadjuvando-os, c conscntmdo
que a autoridado legal pordesse a sua
ac^flo, adherio ao movimento, lomou parte
n'elle, e linulmenlo rctinio-se as oulras
para o lint que o referido movimento ti-
11I1.! em vista realisar. As povoaces do Cru-
angy, Tracunhem o Maricola acham-so
no mesmo caso. Todas ellas, como consta
das parlicpaccs ollciaes juntas ao proces-
so, fram oocupadas |iclos rebeldes; sen-
lo que coi dtias d'essas povoaces ,'Cruan-
jy c Maricola] a revolta contava com lano
apoo, quo as escolhcti para n'cllas se for-
tificar, o comba toras frcas da legalidade.
A povoacAo de Maricola foi mesmo o foco
de rebelda na comarca de Iguarasst't...
OSr. Borges da Fonseca :-- Den genio para
o exercilo....
OSr. Dr Promotor:Por conccquencia
essas povoacfle adlicrrain revolta, c li-
zeram parle d'ai|itella.s i|Uo se rcuniram
eoi favor do movimento armado que bou-
ve n'esla provincia de noveinlno 1 marco
d'cste auno.
(Depois de mostrar que as povoaces
de Pillar, llama rac, Caruar, Bar rol ros,
e Agoa-Prota lambom haviam adherido
p tomado parlo na revolta, e do referir
diversos atlenlados conimetlidos n'esses
ligares pelas forjas revoltosas o orador
prosegue nos seguntcs termos )
Se, pois, como arabo de provar, em to-
das essas povoac/ies o movimento domi-
nou completamente c a auloridade legiti-
ma foi desconhecida o supplantada; se
os seus habitantes nflo procuravam sus-
tentar a autoridado c antes protegiam e
apoiavam o movimento, lie claro quo es-
sas povoaces adheriram a revolta, ou,
para fallar a liugoagom da loi, que se reu-
nirain para o lini que a mesma revolta
projectava levar a clleito. Nenlmma d'el-
las proceden como a cidade dq Itecfo
uecombaicu tflo heroicamenteeasa horda
le vndalos que viuhain lalvez renovar
em seu seio a carnificina de Barreirns
iienhuma mostrou como o Poco-da-Panel-
la a sua lidelidade a causa da le, susten-
tando diversos combates, e repellindo
sempre com vantagem os facinorosos do
Caluca, que por militas vezes lentaram
loina-io de assalto : nenhuiua, cinfim,
procurou imitar a heroica poaoacflo de
Bnrciros que combateu ele o fim, e que
pagou tflo caro sua coragem e sua leal-
dade.
S,enborcs, as povoaqes que moncionci
contem evidentemenle urna populacflo su
peror a vinto mil pessoas; para vos, que
coni.eceis Iflo bem todos esses lugares,
julgo desnecessario entrar cm urna de-
monslra^flo sobro esle ponto. Do que lira
dilo ve-soque bouve um movimento ar-
mado ao qual adheriram diversas povoa-
ces, comprehendenJo todas mais de vin-
le mil pessoas. Qual era, prm, o fim
d'esso iiioviineiilo O que tinlia elle em
vista? No lbcllo aecusatorio Ic-se o so-
guinte artigo:
Provar que o referido movimento t-
nha por lim commeller os crimes previs-
to nos artigos 68, 85, 86 o 87 do cdigo
criminal, isto he, quebrar o laco que
uno esta provincia s do sul do imperio,
estabelecer urna Conatltulnt com ampios
poderes para decretar a forma de gover-
no que julgasse mais conveniente, ou pe-
lo menos reformar a conslitui(flo do osla-
cer o apreciar as vistas e os fins do um
movimento armado, he consultar os ma-
nifestos e prorlamaces dos seus cheles;
he n'essas pecas quo os directores do mo-
vimento coa tu mam expender as suas
ideias o manifestar o fim que elles toeni
om vista, lancando mflo das armis : he,
pois, vista dos manifestos e proclama-
rles dos autores do movimento armado
quo den lugar a este processo, que en
prorurarci mostrur-vos que a revolta t-
nha por fim commeller os crimes men-
cionados nos artigos f>8, 85, 86 o 87 do
cdigo criminal.
O artigo 8 diz assim: Tentar direc-
tamente e por fados destruir indepen-
dencia, 011 a inlegridade do imperio, &
Quo a revolla tinha por fim destruir a
inlegridade do imperio, quebrando o laco
que une esta provincia as do sul he um
fado que resulta da existencia mesma da
revolla, e que claramculo so deprehendo
de diversos documeiit.)* que existen no
processo. Scnhorot, o fado de por so
em campo um movi nenio para reformar
a consUtuicno, e alterar, porlanto, as ba-
ses da sociodade brasleira, sem so con-
tar com o npoio c a approviiQflo das ou-
lras provincias, o pelo contrario sem esse a-
poio e approvacflo, o quo so demonstra
pelos promplos soccorros que ossas provin-
cias enviaram om favor da ordeni o das
insttuices ameaeadoa em Pernambuco,
he por si s bstanlo para convencer de
que os autores do movimento prelendiam
separar a provincia da unflOk Supponha-
mos quo a revolta triumphava, o qtie se
seguira ? Que Pernambuco teria de se -
parar-so de todas aquellas provincias (uje
nflo adherissem as suas ideias, e nflo
vessem pelas reformas. Ora, os
da rebelliflo eslavam convencidos di
nada tinbam que esperar das provii
do sul, suas esperancas todas dir6am-so
para o norte. A'penas rompeti a revo-
ItiQflO elles so pozcrain om communcaglTo
com os desgOStOSOS do Ceara, l'arahba o
Vlagas, sendo que al cm duas d'essas
provincias lentaram promover um rom-
pimenlo no mesmo sentido, entrando pe-
lo seu territorio, o escrevendo aos seus
amigos quo se rcunissem a elles, como
consta de militas caitas que existom 110
processo, escripias pelos cx-dcptilados
Flix Pexoto, Villella lavares, &. No
Ceara esperavam igual rompimcnlo : isto
80 depreden Je de diversas cartas que tam-
ben! so acham juntas ao processo, e que
9o attribiiidas a um ex-deputadn d'aqucl-
a provincia. Os cheles da rebelliflo com-
tavam com um rompimcnlo geral no
norlo ; tambem, em suas proclamaces,
elles nflo cessam de excitar a animosi-
dade dos seus habitantes contra as pro-
vincias do sul, principalmente conlra o
Rio-do Janeiro, c de fazer-lhes persuadir
que os seus interesses rcpcllem nina
uiiiflo que al hoje (segundo elles di/.emi
SO tem prodiizdo resultados funestos a
deploraveis. Em una caria assignada por
oilo dnputados, c dirigida aos seus ami-
gos das oulras provincias, le-se o sogunte
tpico :
II1 vinto anuos quo foi proclama-
da a nossa independencia, c durante es-
le longo periodo nflo nos lem dado esta
monaii'bia, sobre ludo s provincias do nor-
te, senSo oppresses, ferros, cadafalsos,
tyrannias, miserias c aviltamento; do
modo que, se alguina cousa temos apren-
dido com o lempo, be sobermos por urna
dolorosa experiencia, que a condc.o do
Brasleiro boje he anda prior de que aquella
que Ihe deu motivos a separarse da metro-
pole.
As provincias do norle silo nesta circular
apresentadas como curvadas sh n jugo
las oppress'S, dos ferros o cadafalsos;
ainda mais, aqu se diz que hoje ha motivos
anda mais fortes para um sepirac.no do
que nquelles que tivemos para separar-nos
da an'iga meiropole. Quem nflo v6 nessas
nativas a mais clara provociiQflo para se
quebrar o laco que liga as provincias do
imperio.' Quem nflo ve que essas palavras
revelam claramenle o pensamento de des-
truir esse laco? Pensamenlo tanto mais
claro quanto nessa mesiia circular so diz
que Pernambuco lancou mo das armas pa-
ra lvrar as ppovucias da enndieflo mesqui-
nlia em que se acham, tratadas com despre-
zo por urna corte madrasta e corrompida ?
Ora, as provincias maltratadas pela corte, e
que ba 26 anuos s leem recebido Julia
ferrse cadafalsos, os signatarios no mani-
fest ja o disseram, sflo as do norte. Mas,
senhores, o que nflo doixa a menor duvida
a. este respeilo he o manifest ao mundo,
assignado entre outrus ch-fes, pelos acen-
sados Itorges da Fonseca, Lucena e Lean-
dro : ah, depois de se declarar os fins da re-
volla, se diz o sogunte :
* Pernambucanos, habitantes das provin-
cias do norte, a causa be commun, he de to-
dos ; corramos as arma?, unaino-nos, ea
victoria sera nossa.
A causa, pois, que se debalia em Pernam-
buco nflo tinha nada com os habitantes do
sul: segundo o manifest ao inundo, essi.
causa ponencia smente aos habitantes das
provincias do norte; era a ellos que se dri-
giam os signatarios do manifest ; smente
elles deviam correr as armas para fazer tri-
uuipliar a bandeira do movimento. As pro-
vincias do sul nflo mereciam os hnneficio.s


Julgo.sonhorcs, desnecessario insistir por
mis lempo ueste ponto: poder anda ana-
2<
tsar alguns tpicos la proclamacflo publi-
a.la no Diario-Novo de 30 do dozcmhro, que
-m por titulo a bandeirn do movimento libe-
il, cm que n ideia de separaeflo tambom
ppaierc; e bem assim o interrogatorio do
ecusado Horres da Fonseca, oqtiul com a
ua costuninda franqueza sustenta ludo
uanto disse no manifest, asseverandoque
s suas ideiaseram approvadas por todos os
liefes com quem esleve. Cuido, porm,
ueoque tenho dito he bastante pura con-
encer-vosdoquo um dosflnsdo movimento
ra destruir ntegridadedo imperio. Pas
uci agora a mostrar que elle tintn tam-
iem por Um commetler o crime especifica-
o no art. 83, que assim se exprime : .. Ten-
ar directamente o por fados destruir a
onslituieflo poltica do imperio,ou a forma
o governo estabelecida.
Srs jurados, tendo a rebelliflo por fim,
oino acabo de moslrar-vos, separaras pro-
incias do norte das do sul, livra-lss como
isseram os directores da mesma rebellilo,
o jugo de urna corte madrasta e corrompi-
a, a consequencia incvilavel era, no caso
elriumpho, a mudenca da forma do go-
erno eslabolccido. Realisada a separaeflo,
esconhecdososdircilos de Sua Magesta-
co Sr I) Pedro II., podis acreditar que o
ovo estado conse vasse a mesma forma tic
oveino eaduptassea monarcliia? Nflo ib-
erio. Oschefes da revolta nfo cscondem
ssuns vistas a este respailo. Depois do
averem dito na circular que dirigirn!
os seus amigos das outras provincias, que
munarchia no Brasil s lem produzdo
ppressflo, ferros, cadafalsos.tyrannias, mi-
rria e aviliamento, elles sflo anda mais ex-
licitos na proclamacflo, que lem por titu-
> n banileirn do movimento liberal, na se-
11111 li" passagem :
Pcrnambucanos, nesta forma degover-
0 que assim como est s vos tem dado
netos amargos, males sobro males, ha
uasi Mannoa, nao pode eixar de haver de-
:tosradraes,qw: cumpre sejam corrigidos.
, pois, declaremos a esse governo iniquo,
ue nos, profundamente convencidos de
ue os nossos malos nflo pdem dcsapparc-
jr, continuando como est a aclw.l orden de
>usas, estamos resolvidos a nflo largar as
rmas sem que so chegue ao aecrdo da
jnvocaco de urna assembla constitu-
ite, que trate do decretar aquellas refr-
las que a experiencia de lanos sojfrimentos
tuvtr de aconsejar.
Nao le tratava, pois, de faier una ou outra
'forma, de promover um ou oulro melliora-
leulo; nao he as bases da COnilltulcIo que
na- -Iteraron se deviam de faier, lie a fr-
i" -vrruo /|ue deiria ser substituida, por-
que existe si) lem dado [rucias amargos
lmales sobre malts. Os cliefes do mo-
. djiciu que uo largaro as armas ein-
.ia..,o nao le convocar una voiisliluinte.
ira que sera rssa consiituinte ? Ser para
odiuoar a coustiiuiao n'iiin ou n'outro pon-
i menos importante Nao, scnborcs : lie para
ecietsr loiias as reformas que a experiencia ile
nlnisnlfrimentoshaurrr de indicar. O asegundo
i directores da revulta, a dolorosa expericn-
a de '.Gaiinus tem mostrado ja, que a inonar-
lia sieui dado oppreno, ferros, cadaf.ilsos.
rala, miseria e aviltamento ; a expeiien-
a trm mostrado (segundo elles) que a actual
i na de governo s tem produjido (rucios
nargoa e males sobre males.
Qual sena, pi.js, a sorle da furnia de gover-
D estabelecida se lrliiinphai.se a rebelliao, se
ronsiituicao tivessedese reformada por cita
seuiblea ConiUlulOte, convocaila sol) a im-
cssao de taei ideias, e nao leudo nutro or
iciiao a sua experiencia '/ l.reio qu nao
ra preciso grande penelracao para recuilie-
r e ler como certo que o resultado inevita-
1 do iriuuiphnda rebelliao seria a deslrui-
io da actual forma de governo e da monar-
lla, c provavelmenle a proclamaco da repu-
Ica, pois que s nessa forma de governo en-
intrariam os autores do iiinviineiilo mais ga-
nlias e mais linerdade do que nas inslilui-
t que nos regrm Nao sendo de esperar
lenshouieiis que te iiiiliulam apostlos da
andado escolliesseiu o governo absoluto,
ndo rrcoiiberido por urna langa c dolorosa
periencia iine a monarcjiia representativa
io be suflicienle para fajer a felicidade do
ivo, sendo i|ue, ao contraria s lem produzi-
> oppressoes, ferros e cadalalsos, nao sci que
itra forma de governo escoll essem se uo a
pnbllcana. K tal era, senhores, a sua I si-
ncao, ella apparree de mu modo bem vlsi-
I nas pecas que acabel de citar vos, e mos-
a-se sem rebuco no manifest ao mundo :
ise manifest se diz que o dia 7 de novem-
ro eslava destinado pela Providencia para
le se apresenlasse o partido liberal, que al
iiao se bavia cnnseivado no silencio. Ora o
irlido liberal de que aqui se trata nao he
Uro se nao o republicano, esse partido do
al o acemado rtorgri da Fousrva se dizia
iefe, e que era lepreieuladn na imprenta
lo periuilico .Vi: m, mi. Ksse partido, ou
lo menos o seu chefe e o seu oigan na lili-
ensasenipre puguou pela repblica, tempre
isienlou que s una forma de governo de-
ocratica poderla faier a felicidade do paiz :
sua apparicau, poii, com ai armas ua mao
io podia ler outro Rui leno derrocar a mu-
irchia, e esiabrlecrr a forma de governo,
le rlleieiupre advogou e defendeu. Demais,
n.r'.un manifest diz que he chegado o lem-
> de reall-ar-ae a promessa, feita pelo Todo*
.c! i i (i, de dipr iu reis eexaltar o povas. Ha
ida mais positivo do que isto f Poda i aluda
iverqueni ponda em tlnvbta que a rebelliao
nha por lim destruir forma de governo es
beletitla, lila he, a uionarchia represenlaii-
I? He ebegado o lempo de depor os rits,
zein os directores da rebelliao ; a ProvMrn-
a desiguou o da 7 de norruibro para apre-
ntar-nos em campo. O que quer Isso di/.er
nao que o seu lim he acabar com a uionar-
ia entre nrh, desiruindo assim a roostitui-
in poltica do imperio e a ma forma dr go-
rno i l>io, senhores, me parece io claro
lao evidente,t]iii' eu nao imistirei mal obre
tamateiia; smente voi recordare! antes
s pausar adianle, que, segundo a cortfissao
jsaccusadoi Leandro e korges, o uianiresto
> inundo Ib i visto peloi mais cheles da rebet-
ao, e todoi riles o approvaraui, e concorda-
iiii com as suas ideias : e asilos devia ser,
pisque, como sabis, ful depoi fu publica
io deisc inaiiifetlo que dous dos seus signa-
rios (llorgese Moraesj forain noinraduainem-
oi do directorio a cujai ordrns obedecalo
das as lrca rebeldes, e ot mais oceupataui
jstos lmporlanles, nao leudo neuhuiii inle-
or ao de brigadeiro. Portauto as ideias con-
das nn manifest ao inundo sao ai verdadei -
.i ideias da revolta, poli que lo as Ideias dos
'Us principaei chrl>i, daqurllrs que mal te
isiiiiguiraiu na lula, que lram o* ltimos
largar ai anuas.
Senhores jurados, lio um ponto admitti-
dn por todos os reos, e que resulta da mais
"imples leitura do processo, que os indivi-
duos que se nrmaram e pozeram em campo,
pretendan) por esse meio obter a convoca-
efiode urna assembla consiituinte para re-
l'mar a constiluigHo ; nesta parln nflo P-
lehaver a menor duvida. Mas, senhores,
osarligos174 e seguntes damesmi cons-
'tuicatcemcstaheleciloos meloso a for-
ma poraue e!la podo ser reformada: ei<-
aqul o que dispOem esses art'gos. (L.)
Querer, pois, obter reformas na constitu-
Cflo, nflo pelo modo aqu estsbelecidn, mas
i'or meio da$armHS,n convoondo urna cons
tituinte, he nullificar intcrametile aquel-
las artigns, e destruir inteiramenle a forma
Melles estahoh'cida. Por cunsequ"ncia
ehelliflo tinha por lim incontestavelmente
'estruir osarligos 174 c seguintes da cons-
t i t ii icSo.
Tambem no manifest ao mundo, que,
como j vos mostrei, he a expressflo liel
las ideias da rebelliflo se aconta como
urna das reformas indispensaveis e que de
vam ser decretadas, o voto livro euniversal
do povo brasleiro. Ora, o sulTragio uni-
versal lie desconhecido pela nossa cousti-
tuiQflo, que no seu artigo 92 nflo permiti o
direito do votar senfloaos cidadSos que reu-
nem certas conlicOes Oestalieicrimento.
pois, o voto universal removendoessas dif-
liriilil-ules postas pelo artigo, O nfloexign-
lu Oulra condieflo para votar senflo a de ser
e Indflo brasleiro, importa o misino que a
deslruicflo do referido artigo 92; islo he
vidente.
.No citado manfeslo so diz igualmente
que urna das reformas exigidas pela expe-
riencia e que ilevnn) serdecroladas pela as-
sembla consiituinte ser a exlinccSo do po-
iltr moderador c do direilo de agraciar. A-
cabar com o poder moderador he sem dtivi-
la alguma d-slniir o artigo 98 di cnns'itui-
Cflo, e he alcm d.so tirar ao Imnerador um
dos seus mais importantes direitos, confe-
ridos pela coustituieflo; o que constitue o
crime previsto no artigo 87 do cdigo cri-
mina"
Senhores, do que tenho dito me parece
resultar de um modo inconlestavel que
hiitive um movimento armado nesta provin-
cia.pra o qual se reumram differentes po-
voacOes conteni todas mais devinto mil
pessoas, e que esse movimento liuha por
fim commetler os crjmos declarados nos
artigos 68. 85, 86 o 87 do cdigo criminal;
o que, vista do artigo 110 do mesnio cdi-
go, constitue o crime de rebelliflo. Agora
cuiupre-me mostrar qun os aecusados to-
mar.ini parta nesta rebelliflo como caberas,
e que co no taes deven) ser nuni los
Seuhoes, a palavra cabeca, empregada
elo artigo 110 cha precisamente explicada c definida na l,e-
gslcfln, e como nflo aoja permitli Ion cada
um exfdica-la a seo molo, e cnlend>-la se-
gundo os seus caprichos, me pareen que nflo
podemos prescindir da inteligencia dada
aquella talavra i elo governo mi.,erial em o
aviso de ldi-julhode 18*3. segundo a qual
a pal. i vi i cilx ni expi une u inesinoquoa pa-
lavraaufor, como csli exnlic-nla edelinida
no artigo 4 do cdigo criminal. Higo que
devemos recorrer a Intolligencia do aviso,
nflo a4 porque parlo ella ele um poder com-
petente, pois que, como sah-'is, ao poder
occasifloem que foi organisado o excrcito
que marchon sobre o Itecifo, c que o ata-
cou no dia 2 de fovereiro. Os aecusados
Antonio f.orrcia Pessoa de Mello o Feli-
ciano Joaquim dos Santos acham-sc no
mesmo c so : ambos elles eram comirian-
duntes de brigada, e u'essa qualulado to-
miiram Tpar'e no ataque da cidade. Sendo
que o arcusado Pessoa de Mello, como cons-
ta de diversos documentos por elle assg-
nados, foi quem organisou a revolta, e fe-
la apparecvr na comarca do Bonito, ata-
cando as pcvoaeOes de ('aruar e Itezerros;
tnmbem em todos os seus ohVios e ordena,
elle se assgna comman lano geral das
forjas Jo luiiniii. O acensado Feliciano
Joaqun) do ifatorio terocenpado pisto algumno exer-
cilo liberal, e diz que unica p re que lo-
mnu na revolta foi acompanharos dopula-
dos Nuncs Machado o Villela ao poni do
Gamella, d'ondo voltra para Teologal, c
d'ahi para esta cidad emeompanhia dos
mesmos deputados. Todo isso, porm, he
urna f.lsidade, ho um miseravel ardil com
que procurou cncohriro seu crime, o es-
capar justa puniefloda le. Aqui est no
processo a ordemdodia dodirectO'io no-
meando-o lrica 'ciro ; aqui est un mappa
por ele assunado, o dala lo d'Agoa-Preta,
declarando o numero da frca do seucom-
mando: aqui estflo, finalmente, os inter-
rogatorios di>s aecusados Lean sa, os qnaes dizem que o reo Feliciano
ociupava o posto de commandnt de bri-
gada cquen'essa quliilado marchara de
Agoa-Prcia para nsla cidade; porlanto a
Crillli ulula le ,1'esse indvidilO he ineon-
lestavel. Oaccusado Fcitosa occtipava tam-
b-m um posto elevado, era tenente-coro-
iil'I commandante do um batalhflo ; alm
d'iss.i foi (|ii(Mii |i imeno prtz cm campo a
rvolta em Aaoa-Prcta ; elle o confessa no
seu mi rrogatorio, quando declara que no
dia primeiro de novembro j eslava em
campo. Alm d'isso. senhores, esseaecu-
sado reuni gentil em favor da revolta :
quasi lodo A seu batalhflo, como consta do
dlOeronle ordens do da, era composto dos
moradores do engenho Verde, que ell*
conseguio seduzir, e armar contra a ordem
publica. Ora, aqu To que conc >rre por esse
molo para a rebelliflo, mo pode duixar de
ser considerado cabera.
rtosia-me fallar do acensado Abren e Li-
ma, o qual, tendo adherido ao movimento,
sen loo presd> ntn da sociedade imperial,
o un dos rcdaclo'csdo Diario-Noro como
nsseveram as t-steinunhas que juraram
n'e.lo processo, nflo podo de^ixar do ser
considerado oheca, nflo s porque a sua
posifflo nflo permiti queso o roosdeie co-
mo um simples agente da revolta, mas
anda por que, sendo ello um dos redacto-
res do peridico Diario-Noro, que era o
or te por outros chefeg, nflo podia deixardo|
t rconhrtciwenlode todos os planos de re-
lielliao, doassislir e lo nar pane cm todos
as comhin Qas e medi las tendentes a le-
var a elle i l 11 a mesma revolta, e do ser po -
tinto um dos seus din clores, ou cabo-
gas
Tendo assim provado que os aecusados
lomaram parte na rebellifln, e que eram
eahecas, o quo os sibjeila s penas du
art. 110 ; cumiire-me anda mostrar quo o
foi
ra
sileiro Dout-lrmtat, do 144 toneladas, ca-
rilSoJeronymo Jos '1 elles, equipagenr
1, carga Carne ;a Antonio Francisco da
Silva Carrisso.
MaCAi 12 horas, galera ingleza Sioorrf-
Fith, de 144 toneladas, ca tilo llichard
Green, equipagem 22, carga algoriilo e as
socar; a Me. Calmonl & Companhia.
Hueims-Avres 22das, brigue argentino
La-Plaid, de 210 toneladas, cap tilo A. F.
Ilroasin, equipagem 10, carga couros ; a
N. 0. Ilieber. Arrihou coro agoa abar-
la e segua para Antuerpia.
Navios tahidos no memo dia.
Liverpool Galera ingleza Sword-Fi$h, ca-
pilflo Richard Oreen, carga a mesma que
trouxe.
Brest Rrguo francoz de guerra Adonis,
commandante o capilSo de fragata Ma-
jis.
EDITAES.
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazonda provincial, em cumprimento das
ordens do Exm. Sr. presidente da provin-
cia,de 7 e8 do correte, e em vjrtude da le
ilo ornamento vigente, artigo 42, manda fa-
zer publico que, peanle o tribunal admi-
nistrativo da mesma thesouraria, se hflo de
arrematar no dia 30 do corrento por ven-
da, a quem mais der, os proprios provin-
ciaes ahaixo declarados :
O sitio na estrada doEspnheiro que foi
le Sehasliflo Jus da Silva Braga, avaliado
em 3:000,000 rs.
Ositio do jlrdim botnico na cidade de
Olio.la, avaliado em 2 000,000 rs.
As pessoas que so propozerem esta
-.rrematacflo,comparec,am na sala das ses-
sfies do referido tribunal, no dia cima in-
dicado, pelo meio-dia.
E para constar se mandou aflixar o pre-
sento e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 24 de agosto de
1819. O secretario, entonto Ferreira da
KnnunciacaO.
execotivo compete a altribuQiio do dar ins- er'"e foi conimeilido con a< crcumstan-
ruccoes pura a lia execuQflo das les ; mas!ci',s agg availcs mencionndas no lilicllo,
inda porque, leudo sido o referido aviso que sflo os dos 2. e 8 a ;/.. J
expedidu em 1841, tem pa-sado a boje
sem encontrar a mciior hostil i lade das ad-
miuislra^oesque s-< seguirn), e, o quo mais
he, o poder legislativo, oncarregado de-ve-
lar nn guarda da coustituieflo e das leis, nflo
achnu uelle motivo para suhmeltc-lna um
Vos sabis, seuuoivs, e consta do< depoi-
mentosde diver-as testera nhas. algumas
das quaes jurain de visti, que no ataque le
l.oianna, leudo a peque i a fri^a do gover-
no, que il|| havia, se refugalo no conv-nto
do Carino, os rebeldes lancaram fugo n'esSB
examo. Se pnrvenlura a inteiligencia da- cnivenio, f.izcudoe.xplusaralguna barris do
la pelo governo p lavra cabera nflo fsse .plvora.
a verdadeira e nflo resultasse iia letlra o es-1 O Sr. forgu da Fonceca :Foi um s
pirilo da lei, dccerlo que o poder legislali-| Sr, Dr. Promotor:tem ; o numeio e vo loria cassadu o aviso de 15 de julho, co- nada altera a gravidnde da ciicumstancia
mo por diversas vezes lem feito com oulios: Portante), senhores, o crime fui pepe rado
o seu silencio, pois. indica, ou pelo menos com a circiim-tauci i aggravante do incen-
faz prevenir, que elle adoptou a inlelligou- dio. Tambem consta de um officin di dc-
cia dada pelo governo. Ora, segundo o ar- legado de JaboaUo, que OO ataque do en-
ligo i do cdigo criminal, autor he nflo s P'iiho Gar.i a, que tefe lugar quando em
aquello que commeite o delicio, mas anda Janeiro os rebeldes do no le pas aquelle que o manda enmmetier; o, sendo s.u'i len^a'eni fogo, e destruirn) por
o mandato urna provocando ao crime, he meio do incendio diversos eiificos d'aquel-
elaro que os acensados u;io pdeindeixar de lo nngonho. Vos sabis alm disso, pois
ser Considerados autores, e por consequen- que este facto se. passou aqui na cida le,
ca eahecas, vislo que lodos elles timaran) 'lu" no dia 2 de feverero parle da fTca re-
parle na revolta, como cnala de unta i m- beld que iuveslo polo lado meosidade de dueumeiilos juntos ao proces- depois de lia ver saqueado comp elamenle
o, e do*seus proprios iuteirogatorios que casa em que hbitva a familia do desem-
vos foratn lidos. piticlamauto-a, rcuuiodo barga tur Avies, lauQou-lhe fogo, conse-
fdrea em seo favor, e di'i.indo es-a frga. guiudo uiseiidiar parte da-mesilla casa. Po-
Seja, porm, qual f\r a intelligeiicia qu se da anida upieseutn-vos alguns faciosse-
prucufe dar a^palavta cabera, por mus res- inelhanles, mas os que (eam aponlados
trela e rigorosa, ella nunca deix ora de sflu sullicienti s, me parece, paia piovara
ciiiDpri'heudei' aquellos que p'anejaraiii o existencia da cuciiuislancia aggravante do
movimento, que o poseram que o dirigirn); ora, todos os acusados se Quanto a piorno litaQflo, julgo intil de-
acham nesas ci'cumsiiincins. Osex-deuu- mon-trar que ella s:i deu. Vos sabeii per-
lados Villela lavares o Filippe Lopes sflo os feiUmenie que urna rebelliflo nflo se or-
mes'iios que assigni'am as \ roclaiua^es e
man i fes tos da revolta, em os quaes suslen-
Mv.hii os seos piiucipins e con vid -ivain a
lodosos Pernambucanos que ella adho-
rissem : esses in lividuos nflo fallavam s
ganisa, e nao se prepara da noite para o
dia. Alein do que ah esiflo os inlerroga-
loiioa do acensado Fritoaa edo Antonio
Loiz do Desterro, dos i|uaes conti que
imito anics do oa 7 do novembro se pre-
Tpnho, pois, provado que o movimento
em seus iiomes, ollcs appari'ciam como che- parava o movirnentu : Aulonio l.uiz refere
fes, como reroseiiiantes do movimento, qu Muraos o convidara para a revolta, e
como seus directores: ambos elles conf's-reuna gente dYsde os lias do oulubro, e
sam queescreveramo Diario-Novo qu>; co- o aecusado Faltosa dizque, antes de ap-
mo sabis, era o orgflo ndlcial da revolta ; parecer a rebelliao no norte, j elle so pre-
amhos elles seenlenliam com os cheles das parava, tanto que no dia primeiro de no-
fArfas, aconselhavam-os e dictavain-lhos a veuibro se pn sentn em campo com a sua
conducta que deviam seguir, etc. Alm frga.
dis.so a posifflo que esses individuos ocupa- Senhores,acho-mcsummameulo fatigado,
vm no partido que se rcbelluu, oseuca-.e em estado de nflo poder prosuguire dar
racler de deputauos escluem toda a ideia doseiivolvimenlo a alguns pontos em que
desubordinaeflo ; urna vez que, como elles lenho apenas tocado: concluirei, pois,
proprios confessain, tomainm parle no mo- aqui.jesperando da vossa reclidfloe patrio-
vimento, nflo podia ser senflo como chefos, l'smo a condemnaeflo dos aecusados.
como Caberas. Os i-censados llorges, l.u-
e, na e Leandro, nflo s assiguaram a pro-
clamafSo ao mundo de que ja vos tenho
fallado, como cominaiidaiaiu IVircjas e oceu-
param postos elevados, sendo que o aecu-
sado IlO'ges da Fonseca e a, como consta
de diffmeuies ordens do dia um dos
lUi'iiituos do directorio; dessa rommissflo
DlWlUCdiCf.
ALFA.MlEOA.
Rendlmenlo do dia 27......
GOISSULADO GEHAL.
Rendimento do dia 27.......
cujas ordens eslavain suhjeilas todas as Inversas provincias
rgas'rebeldes. Alm disso elle commali-
dava no ataque dessa cidade a columna que
taco pelo lado do sul....
O Sr Borgesda Fonseca: --Sitn, Sr., a de
ve por lim, nflo .- destruir a inlegridi.de jSa"l0"A"l0"'-
o imperio, como a forma ilo governo csia- I O Sr. Dr. l'romotT : Os aecusados Lu-
18:233,832
1:666,154
284,453
1 930,607
CONSULADO PROVINCIAL.
Reiidiinento do dia 27...... .811,149
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em virtude da resolucflo
do tribunal administrativo, manda fazer
publico que, perante o mesmo tribunal, se
ha de arrematar no dia trinta do cor-
rente por venda, a quem maior pteco ofle-
recer, o ferro da grade velha da ponte da
Boa-Vista, avaliado a 3,600 rs. o quintal, e
0 sli a. cnndicAes abaixo transcriptas.
As pessoas que se propozerem esta
arrematadlo, comparecam na sala das ses-
sous do sobredi lo tu bu na I, no dia cima
mencionado, pelo meio-dia.
E para constar se mandou afumo pr-
senle, e publicar pelo Diario.
_ Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 24 de agosto de
1849. 0 secretario, Antonio Ferreira da
Annunciacio.
CondicScs especiaes.
1*-A bisada arremataeflo do ferro da
grade velha da ponte da BAa-Vista ser o
1 leen da avallaran, :secundo 0 leimo res-
pectivo, a tres mil e seiscentos ris o quin-
tal, livre do despeza de remocen e do peso.
2 0 arrematante se :> presen i ara no lu-
gar indicado para receber o ferro que for
extrahido. sendo previamente avisado pelo
arrematante da nova grade, ou por esta ad-
ministraeflo.
' 3.' A remocho e peso do ferro ser feila
em preseni;a de um agente nomeado pela
administraeflo das obras publicas.
Administraeflo geial das obras publi-
cas, 4 do agosto de 18(9. Jos de Barros
Falcio de iacerda, administrador.
; O capitflo do porto desta provincia pu-
blica, para conheciinento dollos os indi-
viduos em pregados us diversos ramos da
vida do mar, a portarla abaixo Iransciipta,
que pelo Ex..i. Sr. concelheiro de estado o
presidenta da provincia Ihe foi remettida
como offieio de 16 lo corrente mez, vedan-
do a entrada e sabida de quaesquer embar-
cac,dcs pelo lugar denominailo -- Bairela, --
o applicando s canoas, lanxas, jangadas,
ele a disposieflo do artigo 20 do regula-
mento do 19 ile maro de 1846.
Capitana do Porto de Pernambuco, 17 de
agosto de 18(9. Rodrigo Thtodoro de Frei-
tus. capilflo do porto.
O (residento da provincia, julgando
contraria a boa rllela do porto e fiscali-
saeflo dos imposios geraes e provinciaos. a
dupla sabida e entrada que oITcrece o mes-
mo porto para as embarcares, resolve o
segirfnte :
Ailigo I. Fica velada a sabida o entra-
da de quaesquer embaic icoes [. -1i denomi-
nada liarrea, a qual sera trancada por meio
de coi-rentes de ierro.
Art. 2 0 artigo 20 do regulamento de 19
do niaio de 18(6, que veda a sahida do par-
lo a qualqucr navio mercante depois de en-
trar o sol, ou antes d. ste nascer, he applica-
vel s canoas, lanxas, jangadas, e quaes-
quer outras embarcacOes semelhantes; os
contraventores incorrerflo na multa de que
trata o ailigo 19 do mesmo regulamentu:
Art. 3. 0 capitflo do porto lira encane-
gado da execueflo desta resolucflo.
Pataco do governo de Pernambuco, 16
de agosto de 18(9. Honorio Hermeto Car-
neito Ledo
Conforme. No impedimento do secreta-
rio, Jos Marecllino Alces da Fonseca.
Theatro de S.-FrancUco.
QU1NTA-FEIRA, 30 DE AGOSTO DE 1849.
. A beneficio de um artista, vai a sceo o
grande drama o
CASTELLQ DE LA VAL
eo
re Francisco l.
A repelicflo desle lindo drama tem sido
pedida por iaimensas pessoas cuja atteneflo
elle angareou na primeira vez que foi leva-
vado a scena nesto theatro : sendo que en-
tre ellas primain os Ilustrados Srs. acade-
mices, a quem o beneficiado tem s honra de
se recommendar.
No fim do mesmo as duas jovens danci-
rflo
A POLONEZA.
Finda esta, o Sr. Santa-Roza cantars
sempre applsudids aria que tem por titulo
A NEGRA AFRICANA
ou
A Quintandeira da Bata.
Terminando o. espetaculo co a jocoss
farca
OS DOS,
na qual o dito Sr. Sania Roza far lodos os
esforcos para bem desem penhsra parte do
Inglez.
Principiar ss horas do costme.
p
I*ublicfu;es Iliterarias.'
Publicou-se na Baha, onde lem tido mui-
ta aceitaeflo, e acha-se a venda nesta cida-
de do Recia, livraria da ra da Cruz, n.
56, o escellente livrinho destinado eipe-
cialmento,para a leitura dos discpulos das
escolas nrimariss, o qual tem por titulo o
I10M MENINO, romos de um mestre elemen-
tar, publicados por Osare Cantu, trsduzi-
do da 11.a edicto de Milito, em portuguez,
por Bernardino Carvalho da Silveira l.emos,
1 v. um 12, boa edieflo, encodernaao em
papel, prego 800 rs.
Ilrclarafes.
Parante administraeflo do patrimo-
nial) dos orphiiQs se bflo de arrematar, a
quem mais der, o pelo lempo que decoirer
do dta da airemniac.flo at o fim de junho de
(852, as rendas do aro a/em di Casa n. 14
da ra do Pisseio e as da casa n. 27 ds ra
do Vigsrio ; e bem assim a qufm. por me-
nos fuer, os concertos de que precisa o col-
lego dos orphflos em Olinda : as pessoas
iue se propozerem a arrematar ditas ren-
das e concertos poderflo comparecer no dia
30 do presente mez na casa das sessfles da
mesma adminisliacao as 4 horas da tarde
com seus fiadores.
Pela subdelegaba do segundo dis-
rictoda freguezia dosAfogados foi appre-
hendido um individuo boje pelas 3 hoias e
meia da manhfla conduzindo em um sacco
ndice chronologleo, explicativo e remistivo da
legistaco brasilsira, desde iWIat 1848.
Sendo ds mais reconhecida utilidade pu-
blica a confeceflo de urna obra, que, extre-
mando e aposentando por extenso a parte
da legisiaeflo brasileira que est em vigor,
e mencionando em resumo ss leisou decre-
tos que nomcam vice-presidentes de provin-
cias, cria ni escolas, concodem cartas de na-
luralisaQflo, conferem pensfles, eslabele-
chi regulamonlos, e urna inlinidide de ou-
tras semelhantes dispusieres legislativas
que s a um ou outra pessoa, a urna ou
outra eorporacflo inleressa saber em toda a
sus exleiisflo, reduzsse a oito volumes, pou-
co mais ou menos, os vate e cinco l' inla,
de queja coitsta a colleccflo das leis do Rn-
sil impressas na typographia nacional;
pois que por esse modo, alm di diminuirlo
do cusi a menos d dous tercos, obten,-s
a vantagem de se adiar com inuilu maior
facilidade urna lei que se procura para ser
consultada, e de se saber io mesmo lempo,
se ella est em vigor, ou se esta revogada
ou alterada por oulra, ao mesmo passn que
urna semelhante colleccflo de leis se trans-
porta mullo mais fcilmente de um para nu-
tro lugar: incumbio-so desse arduo traba-
Iho o Dr. juiz de direito Antonio Maioel
Fernandes Jnior, o qual vcaba de dar a luz
no Rio-de-Janeiio o primeiro volme de tflo
til obra, comprehe'ndeudoem 200 paginas
ill folio a legisiaeflo brasileira de 1822 a 1830.
Vatios exemplaies desse primeiro voluine
existem ja nesta cidade em mflo do lr Lou-
lenro 'i rigo de l.oureiro*, actualmente resi-
dente nas lojas da caso do lllm. Sr. desem-
hargador Basios na ra da Aurora, onde os
Srs Drs., lentes e estudanles do cuiso jur-
dico, advogsdos, joizes municipses. pro-
motores, delegados, cmaras municipaes e
nias pessoas quequizeiem subscever para
a mpressflo de referida colhccAo podeiflo
mandar por caria a declaracflo do seu nome
e residencial ou declara-lo por este Diario,
fim de Ihes ser entregue o dito primeiro
volume, e os stibsequetites a propoigflu que
IVireui sahiudoda imprensa.
O io'co da colleccflo para os assignantes
he da 31,000 rs. pigos na occasiflo da entre-
ga dodii'> primeiro volume e de O.OOu rs.
para os que nflo assignarom, aos quaes se
ende desde ja o dito primeiro volume no
ligar cima indicado por 6 250 ra.
Avisos martimos.
-- Para o Aracaty lem de seguir com mui-
ta brevidatle o hiale Novo-Olinda, por eslar
inuito adiafitado em Carga, alm da que
tem engi-jada : quem anda pretender car-
regare ir de passagem, para oque tem es-
pago suflicienle, se enlendor com o mes-
tre, Antonio Jos Vianna, no trapiche du al-
godfio, ou na rus da Cadeia-Velba, n., 17,
segundo andar.
Para Lisboa o brigue portuguez Subli-
me capitflo JpSo Francisco de Amor, Si-
llo com a maior bravidad* possivel, por ler
0 seu carregamento quasi prompto : quem
no mesmo quizer carregar, ou ir de pissa-
gem, dirija-se sos consignatarios, Oliva-
ra Irmflos & C na ra di Cruz, u. 9, ou ao
referido capitflo na pragado Commercio.
. A bem conhecida e veleira
barca nacional Firmeza,' capilao
Narciso Jo^ de.8ant'Anna^ sabe
para o II io -de- Janeiro com a maior
brevidsde possivel ; quem preten-
der carregar, ir de pissigem ou
embircar escravos, trate cnin p
mesnio c ipitao, na ra da Madre-
de-l)eos, n. 3, terceiro andar.
4*ara o Ro-Granile-do-Norte, com a
carga que tiver, burctq Diligencia : quem
nella quizer carregar, dirija-se a rui do
Vigario, n 5.
Pera o Rlo-de-Janeiro sabe com brevi-
dade a polaca N.-S -do-Garmo : para carga
ou paasageiros, trata-se Com o seu consig-
natario, Francisco Alves da Cunha, na rus
do Vigarill, n II.
BHBBP-P________ *
Ltiloes.
MUTIL


5
\>t
oras da manhfla, no largo da frente da ol-
fandega.
James Crabtree & C. farSo leilao, por
ntorvencSo do corrector Oliveir, de variaa
pnrea de fazendas inglezas que serflo ven-
didas para ullimacSo de cerfaa contas :
quarla-feira. 29 do correte, as tO.horas da
mantilla em ponto, no seu ai mazem, ra da
-, leilflo de fazendas de Adanson llow-
ie & C. fioa transferido para quinla-feira,
30 do correnln, e lefa lugar no seu arma-
Zpip, mu HoTranierie-Novo. _______
Avisos diversos.
Na ra do Crespo, loja n. 16, existem
artas para os Srs. El'as f.oelho Cintra, Joa-
uim dos Sanios Fcrreira. Jos Duarte Cou-
nno, Joaquim da Cunha Cavalcante e
ranrisco Ignacio da Cruz Mello
~ Pede-se ao Sr. Joflo NcpomocenoTerr
ira de Mello, morador em Salgadinho,
uetenha a bondadedeler o seguinte an-
uncio, para saber aeserSo os escravos ap-
arecidos em sua cana, se forero dignar-se-
"lia mandar debaixo de toda a seguranca pa-
ra esta cidade a entregar ao Burgos.
AVISO IMPOSTANTE.
Acba-se de ter seria noticia, de os escra-
vos ahaixo mencionados andaroro pelos
suburbios desta cidade. eommelten-lo ron-
e sendo a noite, recclnidos em diversos
06*,' por eonseritimento dos escravos;
portanto previne-se a qualquer que nislo
possa interessar-se, e para que melhor pos-
sam ser ca-pturadus. Adverte-so que, po-
dendo conslar-lhes deste aviso, queiram
evadir-se para maislonge, eassim pois, pe-
de-se toda vigilancia- as estradas e lugares
suspeitos, tara poderem ser apprehenoidos.
Nflo obstante darem a certea do estarem
tflo perto, pede-se encarecidamente s au-
toridades o a todas outras pessoas dos luga-
res longincuos, do continuarem na inces-
sanlo diligencia para os aprisionar, para o
que segu este outro annuncio:
200.000 rs.
D-se esta quantia de gratifcacSo a quem
levar ao engenho Agoas-Claras.de Uruc,
da viuva do Durgos, ou nesta praca, no
paleo do Carmo, n. 18, segundo andar, a
Antonio Carlos l'ereira de Burgos l'once de
l.eon, os dous escravos seguintes qtie fu-
giram nosdias sabbado para domingo, 26
a 27 do crrante : Vicente, pardo de 26 an-
nos, de altura regular cabellos crescidos e
carapnhados testa sobresabida olhos pe-
queos, nariz chato, tomador de tabaco de
caco rosto desramado e com espinhas,
sem nenhuma barba; levou t camisa do mi-
dupolSo, urna calca de casimira usada, urna
jaqueta de bretanha, uiti bonete de velludo
azul ja usado um chapeo de palha, um
dito de pello preto : Joaquim, crioulo bas-
nte preto, de 38 anuos, alto secco, cura
oquena bem barbado-; lem o costume de
levara mflo a barba ; lie gago ; andar com-
iiassado ; dizem ter mSi em Pajah-de-Flo-
res ; foi escravo do rapitflo l.eimdro Bandei-
ra de Moura do Apody o q ta I se aclia pre-
sentemente na comarca de S -AntSo, e tem
um sitio om Cravat; presune-se terem
partido para o Apody onde ha muitos pa-"
rentes do dito Moura; comquntoo primei-
ro andasso sempre em viagens dos aerifica
do mi ao poente, com os cobradores desi
casa : este ultimo cscravo levou um chap
preto do pello e outro de couro duas ja-
quetas brancas, 1 calca de brim pardo 1 di-
ta de riscado, 1 camisa de madapolflo,
duas ditas de algodflo ila trra e ceroulas
Hoga-se a vigilancia uestes dous escravos.
que vindo cum muita breviilade, serfln
gratificados ainda com mais do que se offe
rece.
Q Na prj?a da independencia, 1
% o. to, ao voltar para a ra |
ti das Cruzes, aliigain-se, ven- i
f| dem-se e lamliem se appli
|| c'am as mclhores bixas que |
j he possi*el havarem no ner- $
8 cado ; limpam-se e tiram-se denles 8*
S com toda a perfeicSo: tambein se ap <
j plica* vento-ai. com a maiordelica-
f des que he possivel e faz-sa tudo ifi.
, o mais que pertcnce a arlo de sangra- ;|"
i| dor : tudo por proco muitu rasoavel. i
X lasjMP'>>! B
^mfwwmmwtsm &wmmmwt$t;+
Tendo apparerido no Diarlo de l'ernam-
buco um anniinrio em que se procura en
sinuar, que porsdurao do escravos meus
desaparecerm escravos 'lo po lr de Ma-ia
Candida de Magallifles, deto com toda ener-
ga mpellir tflo injuriosa quanln inexacta
insiii'iacno, pols que irabalhaiido eu como
henleira unlca de meu fallecido pai, o te-
nenie-coronel Francisco da Bocha Paes
llsiivio, para pelos meios juJicies llavero
que hemeu e i|ue ila lieranca de meu pai
nuereni injustamente d-dzir, nflotenho in-
teresse algum em que se subtraiam bens que
me convem exislam quaudo se tiver de
realisar a segunda partilha como espero,
visto como a prrmeira fui julgada nulla o
so quem procura piejuilicar os meus direi-
ts podera iirteressar-se em que vflo oc-
cultamente para qualquer *parte escravos
da heranca, recebando seos valores, para
na occasio da partilha nflo existirem e nao
seren computados em prejuizo da herdei:
ra ligilima. O meu ulerease, o meu proee-
diincnloea minha dignidad repellen es-
sa malvola insiiiuScSo e injuria, que pe-
los meios legaes hade oportunamente ser
vindicada. Itecife, 20 de Aguslo do 1849
Uatia Lucia e Mendonca Fuet Belo.
Vende-se uui completo estojo para bar-
ba : na roa do Crespo n I, na esquina que
volla para i rm das Cruzes.
lUia larga do Uozai o,
n.14.
Pradines.culilciro e
armeiro, .
tem a honra de prevenir ao respcilavel pu-
blico e principalmente aos seus freguozo
que elle acaba de receber um rico soili-
iicntu de espingardas de caca de um <
- ~ -.1...-----..!-. .1-.. .
como de tiro edealgibeira muito peque-
as; boleos de cacadores, entranQados;
formas de fazer balas de todas as hillas |
bem como concerta e faz qualquer obra
pertanceole ao seu ollicio ; amla sempre
as tercas, quartas e sabtjados com perfei-
efloe brevidade.
O bacharel formado Jo8o de Barros
Falcflo de Alhuquerque Maranhflo alyoga
nos iuizos criminal, civel e ecclesiaslico :
na ra estrella do Kozario, n. 20, primero
andar.
Chapeos de sol S
Ra do Passeio, n. 5
Nesta abrica ha presentemenlo um rico
sorlimento de chapeos de sol de todas as
dualidades, e de todas as cores, asmis
lixs que pdem haver; diapeos de sol pa-
ra seohora, dos mais ricos e do ultinio ges-
to de Pars: bem como um rico sorlimento
do sedas e panninhos imitando seda para
cohrir armacoes servidas, chegado lti-
mamente de Franca. Neste estabelecimen-
lo tambem ha chapeos muito grandes para
feitores de engenho.
Quem annunciou ter cartas para Ma-
noel Joaquim de Souza Hamos dirija-se &
ra da l'raia, n. 15, ou annuncic sua mo-
rada.
Quem annunciou ter cartas para Joflo
Pereira de S Vianna dirija-se as Cinco-
Ponlas, n. 110, ou annuncie sua morada.
Precisa-sealugarum sitio perto da ci-
dade que tenha arvoredosde fructo e de-
cente casa para morar familia : quem tiver
annuncie.
Offerece-se um rapaz do matto, de 14
a 16 anuos para caixeiro de loja ou ar-
mazem : quem o precisar annuncie por esta
Tulla.
Precisa-se fallar ao Sr. Francisco An-
tonio CavalcanteCousseiro a negocio dn si.u
nteresse: na ra do Amorim/i. 13, primeiro
andar
~ O abaixoassignado senhor do enge-
nho Canandoba faz saber a quem quizer
comprar o engenho Camassary-dos-Frailes,
que o respectivo prior, o reverendo frei
Joflo, reconhecendo o abuso e o grande
prejuizo que se Ihe dava em suas trras com
se.haver levantado mais de quatro palmos
a parede do acudo grande do mesmo enge-
nho Camassary Ihe havia promettido que,
ao passar a respectiva escriptura de venda,
se preveneria ao comprador do eshulho que
se fazia ao abaixo assignado com se haver
elevado a parede do dito acude mais do que
era ordinariamente, ou poria a condiclo de
ser oaccrescimo da refeiida parede domoli-
do e o acude posto era seu eslado natural.
E para que qualquer comprador nflo se cha-
me a engao entendeu o ahaixo ass'gna-
do fazei o presente annuncio \oti tea-
quim da$hagas.
Aiiiila se aluga a casa da ra da Palma,
n. 6 : a tratar na ra do Mundo-Novo, n. 30.
i'iorisa-s de tima ama para casa de
uouca familia : na ra do 1.mmenlo, n.
38,-se ilna quem precisa.
Prrcisa-se augar um cscravo para
serv ico de um estrangeiro : paga-so bem .'
na ra do Sol, n. 15.
O contratante d'agoa dos chafarizes e
bicas do aqueduclo do l'raia tem resolvido
arremataros diloa chafaaizes e bicas por
han rus ou purciaes : os prelendentes di-
rijan! seao Aterro-da-Boa-Visla n. 44, das
6 as 9 ho as do dia e das 3 < 5 da larde ,
que ah serflo patentes s condicOes ou a
rus das l.arangeirus, n. 18, iirimeiro andar.
O Si', quedeixnu na aduiinislraciio do
correto duus Carlas para os Srs. Alfonso de
Alhuquerque Maranhflo c Joaquith Jos de
Miliu> na Tigicupapo, quena comparecer
na mesilla adinini.tracrio, aiim do recebe-
las por nflo haver all agencia do correio.
I'recise-se de urna pessoa capaz que
fafa um tuco largo de toalha e de oulra
que lave roupa do varrella : na ru estrella
lo Hozar o, n. 43, primeiro andar.
-- Alugam-se 4 prelos, bous "para serven-
tes : na prac da Independencia loja n. 3
Quem quizer roupa lavada e eii|omma
la rom peifeicflo dirija-se ra Direila ,
n. 29.
--Silva & Cosa, tendo de vender asna
taberna na Boa-Vista por isso rogam aos
seos credores que lenliam a hondade de ti-
rar suas cuntas no prazo de tos dias.
Piecisa-sodeuina mulher par pensar
urna crianca de 2 anuos na Camboa-do-
Canno, n. 10, primeiro andar.
Deseja-se fallar encarecidamente com
o Sr. Jofio Estoves Freir de Andiade na
ra da Cruz venda n. 31, para o son ma-
no Ihe fazer entrega das recommen.lacOes
que lem recebido de seu mestre, pois o an-
nuncianto ignora a sua residencia ; por isso
fazo presente annuncio paia ver se mi>
depressa apparece ou alguem que dellc
d noticia,
Precisa-se deum bom amassador : no
paleo do Terco, n. 30.
Quem precisar de urna ama para todo
o servn,o de portas a dentio, dirija-se ra
do Hurtas, n. 28.
Alugam-se, trocam-see vendem-se ca-
va los : defronte da repartieflo da polica,
loja do convento de S. Antonio.
Precisa-se f de Mallos Peixolo GuimarSes, que veio pa-
ra esta cidade em dezembro do 1839, ou Ja-
neiro de 1810 : na ra do Trapiche, n. 34 ,
segundo andar.
O abaxo assignado desde o anno pas-
ando que recebe assucar e mais gneros do
paiz para vender em commissflo : quem do
seu nreslimo se quizer ullisar, dinju-se a
ra Direila, venda n.23. Joo Bypolito de
Metra Lima.
--Precisa-se de um humera, preferinq^-
se casado e com pouca familia, que esteja
no caso defeccionar com perfcicflo a Cinco
meninos primeias asegundas leltras em
um engenho distante desta praca nove le
goas : quem esliver neslas circumstancias
queira entrar em ajusto, drija-se a ra da
Cadeia do Itecife, escnp.toiio oe Jos l'erei-
ra da Cunha. No uiesmo escriplono preci-
sa-sede tima ressoa para caixeiro em um
(iigenbo.
Precisa-se de um preto para trabalhar
em um sitio : a tratar n ra da Cruz, n. 2
Prrgunta-se a quem souber responder,
se as vendas que aniiunciaram por esta fo-
dia que dcixavam de vender ago'ardenle,
jorque nflo cunheciam quaes os escravos o
........ r.-. i > -......- *- -
no retalbo a cu.Ua do seu coViriuhn fazendo
porvver, equeso quer pagar aquella tri-
buto licito e justo
Pede-se aos Srs. subdelegados de San-
to-Antonio e San-Jos que queiram ter a
bondade de ordenar as patru'has nocturnas
para nflo obrigarem tahernsa fecharem-
se as 8 horas e sim as 9, visio a lei provin-
cial j publicada por este Diario. lito pe-
de um vendelhSo liraiileiro.
AI uga-se urna bonita casa nova, para
se passar festa, sita no Poco-da-Pane||a,
ao p dorio ejunto a doSr. Violra Mon-
teiro : a tratar na ra Imperial, n. 67, ou
na ra do Vigario, n. 7, primeiro andar,
onde tambem se alugam escravos.
f
*>'' Caetano Xavier Pereira de Bnto, 4
<"? doutor em medicina, annuncia ao .}
># residencia no Aterro-da-Ba-Vista, 4
? n. 43, onde poderi ser procurado a
?J qualquer hora ; o d consultas gratit i
aos pobres, das 6 as 9 horas da na- 4)
* nhfla. i*
t +
->?*********&-* ****
Offerecese um rapaz brasileiro para
caixeiro de qualquer cstabelecimento, ( me-
nos vctnla) ou engenho : tem boa conducta,
o que provar | escreve bem e lem bastan-
te intelligencia para desempenhar qual-
quer negocio de que o i non m ha m. A fallar
na ra larga dn Rozario, loja n. 28.
Precisa-se de um pequeo para caixei-
ro de venda : na ra Velha, n. 16.
Lotera do Guadalupe.
lie ainda transferido para o da 31 do cor-
rente o andamento das rodas desta loleria,
visto que estese nflo pililo realisar no dia
13 annunciado. por existir ainda por ven-
der um numero tal de bilhetes, que nflo ha-
hililou o respectivo Ihesourciro para effei-
tuar o dilo andamento, queso depende da
prompta venda dos mesmos bilhetes.
Madama Millochau tem a honra de par-
ticipar que mudou a sua casa d modas
IVancezas dn primeiro andar do Alerro-da-
Boa-Visla, n. 1, para a loja da mesma casa,
aond as senhoras acharflo sempre grande
sorlimento de modas, como manteletes,
lencos, luvas, bicos, litas, llores, bordados
e em geral tuJo oque usam as senhoras,
por preco commodo : tambem sn fazem cha-
peos, vestidos, camisinhas : tudo na vorda-
dera moda.
Aluga-seum bom moleque para o ser-
vico de casa : quera o pretender, dirija-se
praca da Independencia, loja n.3.
Na ra das Flores, confronte a cochei
ra, sobrado deum andar, cosem-se costu-
ras de alfaiate, lava se e engomma-se : tu
do por preco.commodo.
Precisa-se de urna prota para andar
com oulra vendendo fazenda, ou mesmo
um preto : quem tiver annuncie por esta
folha.
Aluga-se um preto para trabalhar de
enxada, pagando-se-lhe 10.000 rs. men-
saes: quem o tiver para alugar, drija-se a
rus do Sebo, n. 8, ou annuncie.
Na ra do Qucmado, n. 14, se dir
quem d dinbriro a premio. Na mesma ca-
sa compram-sc obras de o uro e prata no es
lado em quo estiverem.
-
I NOVO PAO DE PROVENGA. $
Na nadara do boceo dU Barreiras
I o no deposito da estrella, no Aterro- |
| da-Boa-Vista, n. 39, fabrica-seo no- |
ft vo pflo de Provenca, o qual he fnbri- j
S cado pelo methodo do seu primeiro f
y Introductor que veio osla provin-
:g ria, o com as melhores farinhas que ^
fi ha no mercado, easseio que lio pos-
ffi sivel : da mesma serese fabricain as
(t latas da raiiiba de llespanha, boli-
3 nhos, liiscoulos, biscoutinhos, falias,
tcavacas : ludo do nelhor goslo pos-
sivel e proprio para cha ; lamliem ha L
I holachinha .Je l.isba em latas do 8 I
libras, por preco commodo ; amen-
doas confeiladas c de varias quali-
K da des.
Precisa-se de um feitor que irabulhe,
entenda de arvoredos, de horta e de vaccas i
na Magdalena, estrada nova, primeiro por-
tflo de ferro.
Aviso.
Quem pretender engenho para om 2 ho-
ras socar urna caixa, ou 6 barricas de as-
sucar, oceupando urna so pessoa e um ca-
vallo, carros para conduceflo de formas
com assucar, tambem por urna sua pessoa,
Hilo querendo ser engaado, dirija-se a ra
do sol, n 13. Adverte-se que nflosflo carros
de forquilha... por baxo do fundo das for-
mas : deslesos acharflo na fabrica dos Srs.
Starr & Companhia.
Agencia de passaport .
Na ra do Collegin, n. 10, e no Alterro-
da-Boa-Vista, loja n. 48, continuam-se a ti-
rar passapnrles para dentro e forado im-
perio, assim como despacham-se escravos.
ATTENCAO* I
Urna pessoa bem conliecida nesta cidade,
equedliador a sua conducta, se olferece
aos Srs. negociantes para cobrar dividas
dentro da cidade e seus arrabaldes, por urna
mdica porcenlagem : tambem lira passa-
porles, ful has corridas e despacha escravos :
quem de seu prestio se quizer utilisar,
dirija-se ra da Cadeia, no segundo an-
dar do sobrado, na esquina do becco do
Ouvidor.
Dentes artificiae.
J. A. S. Jane, dentista, participa ao res-
peilavel publico que contina a exercer -a
sua profssflo, na ra eslreita do Bozario,
n. 16, primeiro andar.
O Dr Lourenco Trigo de l.oureiro re-
side actualmente as lojas da casa do lllm.
Sr. desemhargador Bastos, na ra da Au-
rora, entrada pelo lado da mesma ra; e
Estes remedios estflo venda na botica de
Bar'tholomeu Francisco de Souza, na ra
larga do Rosario, n. 36, nico deposito em
Periumbuco, pelo preco de 2,240 res cada
vidro.

Uent
Fabrica especial de w
cadeiras, na ra
larga do Rozario,
n. 10. I
Dnman e Jules I maz <:.
teem a honra de avisar so *
respeilavel publico que ac- ^
ham de abrir sua ten la de ^
inarceneria. onde hilo do ^
fabricar especialmente ca- ^
deiras francezas, americanas o al- <3
lemflas, sr/phas e marquezas. Os an-
nunciantes, chegados ha pouco tem-
po de Franca, trazem os modelos os ^
mais lindos* mais commodos que
> so fazem agora, e por isso so nenam
habilitados para satisfazer as pessoas
Z. que quizerem hnralos com sua
t* confianca. Os mesmos tambem se en-
;> carregam do concert de qualquer-
mobilia do assento que se apresen- J
lar, eos seus faeguezoi flcarflo con- JJ
lentes do modo que serSo servidos, ^
tanto em promptidflo como em sol-'M
dez e prerjo barato. *(
Compras._______^
Compram-se um caliriolct: na travessa
rara,nwawi poiu muu ui iu*n. .mm, *. -i------- --
ah se offerece para advogar, tanto no civel da Madre-.ie-Dcos, n. 18. ,_.arHPn-
ootnono crime, c para ensinar as lingoas -Compra-so elfecl.vamentaiiROirmn
latina efrancoza a quem so quizer ullisar te em pipas pelo pl$0 Wrronl. 10M
r tmwwF.vtTF-^......r- ^^r
Adverte-se nos conversadores de to-
jas c mu inonlr lquelles de poltica, qwe
osdonos das mesmos loj s tem obrigaces
a cumplir, leltras a pagar 0 familias *
sustentar que, querendo conversar tem
prejudicar a ningunm, oidcni fazer no
largo da Palacio-Velho, Caes do Collegio
h-neos das pontes, 4c, &C-, &c. Adverte-se
niiis aaliins Srs. que j fratn sacudidos
de corta loja que nflo vollcm, e do contra-
rise publirarflo os nomes d'estes alisado-
res de 1). neo*.
THKATRO DE S.-FRVNCISCO.
Tendo-se perdido os bilhetes do ns. 7, 8,
18, 30, 35 e 50 para o beneficio de dous par-
ticulares no dia 6 do selembro ; os bene-
ficiados previnem quu nflo teem valia
taes bilhetes acuna, caso ap aiecam. Os
mencionados bilhetes eram em papel ama-
relio, e seiflo substituidos por outros em
papel branco, e levam mis cosas alm da
firmados beneficiados a declarado seguin-
te : Pursetor perdido outro. Isto en-
tende-se nicamente o.un os mmelos dn.
bilhetes cima mencionados.
Umbelina Wanderley Peixolo, com au-
la de primeiras Ultras na ra da Cadeia,
no segundo andar do obrado da esquina do
becco do Ouvidor, acceita pensionistas,
meias pendonistas e discipulas externas,
pelo preco seguinte:
Pensionistas, commedoria e ensino. 20,(100
Meias ditas, dita dito. 10,000
Discipulas exiernts. 2,000
Serflo tratadas eom todo o desvello, en-
slna-sea lr, escrever, contar, grammatica
porlugueza, lavarinlo, marcar e boidar de
todas as qualilades: e llavera meslies de
msica e llanca
Quem quizer dar 150,000 rs nesta pro-
vincia para receber 160,000 rs. na dol'ara,
annuncie que se procurara.
Manoel de Almeida. Uopes que cos li-
ma comprar o vender escravos mudou su-
residencia da ra do Vigario, n. 24, para a
ra da Cadeia do Itecife, n. 40.
Domingos Alvos Mathcus, agente da fa-
brica de rap superior areia preta da Ba-
bia, tem aberto seu deposito na ra d.
Cruz do Beoil'e, primeiro andar da casa n
38, onde se achara sempre desle excellent
mesmo sendo amarolla : na fabrica de es-
pirlos, na ra da Praia-de-S.-Bila, n. 17,
Compram-se os livros seguintes :
Flos Sanciorum ; o Desengao dos per-cii-
dores; DiiTereiica entre o temporal o eter-
no ; urna oslante pequea : quem tiver an-
nuncie. ...
- Compra-se um relogio de ouro, pn-
tente inglez, cujo pre?o nSo exceda de
160,000 rs.; um annelo dos qne so usa.
com o peso de 3 a 4 oilavas '-> mf
com algum foitio : na ra da Senzalla-\e-
Iha I96, se dir quem compra.
- Compra-se um moleque de 12 a 18 an
nos que soja de bonita figuro e de t
conducta : na ra Nova, n. 20.
Vendas.
na e trance/a a quem SO qUIZ
do seu preslimo.
fou rus Nova, n. 35, loja de
ni!,lialc, precisa-se de cosltireiras
para colletes.
AO PUBLICO.
Em mu crescido numero conlavam os
medteps at agora molestias incuraves,
contra as quaes s era permitlido ao paci-
ente resignadlo para solfrer um mal deque
j nflo havia esperancas do poder librta-
lo, e ao medico philanlropico a dor de ver
muitos de seus scmelhantcs victimas de
enfermidades, contra as quaes se declarava
impotente, pndendo apenas lamentar a fla-
queza ila intelligoncia humana. Mas, gra-
Cas aos progressos da medicina, gracas ao
zelo de honiens incansaveis. que, nflo des-
esperando da pe feolihiliilaile da sciencia,
se teem dedicado investigaeflo do rene-
dios que possam alliviar liumaiiidade de
ilguns-males que a aflligem, o numero das
molestias leputadas iucuraveis vai de da
em dia diminuindo. Assim, achar depnis
de longos trabalhos, do profonda medita-
Cflo e. reiteradas experiencias, medicamen-
tos que nos restituam o uso dos dous mais
importantes sentidos de que ho dotado o
uonieni, quaudo estes ja seachavam no sup-
loslo estado de incurahilidado o inleira-
nonte ponilos, ho po
res snrvi'cos que se pod
inlade; eis o que est
iinmeni pbilanti opn da cidado do Braga, em
Portugal, cuja sciencia, cujo amor de seus
semelhantcs se teem feilo ger.lmenle co-
uhecer Os remedios que ora ofTerecomo-
ao publico, nflo eiilram na classe daquelles
que o vido e ousado charlatanismo incul-
ca com roucos o descom assa los brados, e
que o crdulo vulgo por ignorancia iccebe!
na boa f esem disrernimonto, achinido-se
depois Iludido; tem, purera, de orcupar
mui distinclo lugar entre os medicamentos
que minores hendidos piostam ao hornera : "jlj chegados 'l...
constara elles da dissolucflo aquosa do ex- | | ricas filas de seda lavroda o do lo las
tractos de plantas medicinaos, do virtudes! $ as larguras ; btcose rendas de linlio
mui rtconhecidas e verificadas. O longo i :^ do melhor gusto possivel ^ sil peno-
uso, as continuada* e sevcias experiencias, i$ ros escovas i
a quo por loda a parte teem ellos sido sub-
-Vendem-se 6 lindos moloques de 1.
anuos; oilo prelos do 20n 25 annos, s...i-
do dous cozinhoiros e um ofilcial do allaia-
le; duas negrinhas de 9 a 12 annos ; 3 par-
dasde23 a 24 anno*, cora algumas habili-
dades ; 4 pretas de 20 a 30 annos, sendo
urna dellas boa cozinhoira : na ra do Col-
legio, n. 3, segundo andar, so dtia quem
vende. _^
a so ,C|,am no s-1 &.^mmmMmHm**
rabilidade e inleira-i* i *:,-.'
rcerto um dos maio-' *. 1 t-.'IICaO JlOS Da T te' T118 E
lidia prestar huma- 9 i A*,.pn rio iKn-i.
lava reservado um 3 OO Afei I O-Oa -WO.-l- V
Visfa.
M No AIerro-d-Roa-Visla loja de ip
miudezBS, n. 54, dos bem conhecidos f
$ barateiros Estima & llamos, vendo- i;
f se um i ico sorlimento de boloes do %i
. seda de retroz a de metal dourados, |f
^ do melhor goslo que lem vindo a $
festo mercado ; ricas caixas de costura
v. com realejos para sonnora ; suimrio-
% res estojes cora navalhas de mola ,
llimnmenle de Inglaterra;
meltidos, sem quo nina s voz bajam falha-
do em seus bous olfeilos, o dosmenlido as
esperancas quo sobre elles havia fundado
i sen inventor, Ihe teem grangeado cons-
tantes c ropoli les elogios dos mais sabios o
respeitaveis mdicos, assim da Europa, co-
mo da America, que unsonos abouam e
roclamatn sua aCCdlo sempre corla e beni-
gna. Utn desles licores he destinado a
combater as molestias de olhos, e lem por
principal virlude restituir aos orgflos da vi-
sflo suas funcefles ; reanimar e fazer reap-
parecor em sua natural perfeicSo a vista,
quando es'.a esliver fraca ou quasi extinc-
ta ; comanlo, porm, que nflo baja ceguei-
r.i absoluta eom desorganisacao das partes ;
nflo menos til enrgico he para desfazer
as cataratas, destruir as nevoas e de prom-
plo debellar qualquer inflaran,ac.lo ou ver-
nielhidflo dos olhos. Nfio causa dor, nem
estimulo na parto.
Outro liquido reslitue a faculdade de ou-
vir os sons ao ouvido tocado de surdez, ain-
da que inveterada, urna vez que o mal nflo
soja do nascenca, sem causar em lempo al-
gum o menor incommodoao doente, e sem
priva-lo decuidarem seus negocios.
INSTRUCCOES PARA O USO DOS RE-
MEDIOS.
O dos o/mi emprega-se do mudo eeguinte :
O doente pela manhfla, em jejum, urna
hora pouco mais ou menos depois que er-
guer-se do leito, lomar sobre a palma da
mo pequea poreflo daquella agoa ; e com
ella moldar bem os olhos, fazendo quo al-
gumas gottascaiam sobre o fclobo oceular :
sera os limpar, os conservar moldados al
que naturalmente enxuguem : ao deitar-
se a noite praticar o mesmo : durante o
t.-tnpo que usar do remedio evitar o calor,
aceflo de fuma (a o o vento; fai abstinen-
cia de comidas salgadas, azedas, eaduba-
das com especiaras.
0 remedio dot outidoi ser applieado do modo
que tegut:
O doente pela manhfla, urna hora pouco
mais ou menos depois de erguer-se, ainda
aiu jejum,Tara derramar dentro dosouvi-
dos quatro ou cinco goltas do liquido, la-
.lan.io-iis depois com slgodSo em rama ; a
\. imite aodeitar-se repetir a mesma opera-
eflo. Durante o uso do remedio evitar a ex-
oor, osouvidos principalmente, accSo dn
m liin para meninos o sonhora ; papel de ifej
K ciVes ; dito para lulo ; dito do peso; 'S
dito de machina ; dito de perlina ; |
i pennas muito superiores e do todas j
4 as quididades; lapis para desenho ;
% crefles linos para cariotas ; caivetes I
finos p na pnns ; superiores tosou- g
I raspara unhas; ditas para alfaiate; W
I ditas para sonhora ; bant-jas de to- *;
das asqualidados; meias de algo-Ufo
~ do cores para senhora e meninas ; |
ditos brancas ; ditas do seda preta ; P
_. escovas para cabello casaca e cha- ^
5 peo ; facas e garfos de cabo de. mar- ^
3 lira ; ditas do cabo do unicorne; leite |
I virginal de rosas para tirar manchas |
i- esardas do rosto; lencos francezes
de algodflo; suspensorios de todas
? as qnalidades; penles de marfim e de }
$. bfalo superiores ; agulhas france- 9
zas; bengalas de baleia ; e outros
; \ muitos objectos que a vista da boa p
Squalidade e proco commodo nin- *;
guem deixar de comprar. fc
imwmmwmwmmmm wmmmt
Pechinchas
Na ra Nova, defronte da ConceicSo, ven-
dom-sc lencos de 19a, a 160 rs.; chales do
Ifla, a 560 rs.; cambraias muito finase de
bom goslo, a 600 rs. a vara ; riscadoa em
rassa muito finos, a 280 rs. o covado ; ca-
sas francezas muito finas; apalea de tafeo;
hrins linos; casimiras, a 5,000 rs o corte;
chitas, a 160 e200rs. ; los do algodflo, a
3,000 rs. cada um ; cobertores de algodflo
muito grandes e bons, a 640 rs ; e muttas
outras fazendas por preco commodo.
A 5,600 rs. a peca de
madapolao.
Vendem-se pecas do madapolflo muito Uno
com pequeo deleito de mofo, pelo preco
de 3,600 rs. e 200 rs. a vara: na ra do
Crespo, n. 6, ao pedo lampeSo.
Vndese urna prdinha com 16 annos,
de linda figura, propria para mucamba :
no becco do Sarapatel, sobrado, n. 12.
Vendem-se espadas prateadas para ol-
ctaes da guarda nacional: na ra Nova, loja
de ferragens, n. 16. de Jos Luiz P'/eira.
- Vende-se um excelleute cabriole de bo-
nito molde, pintado de novo, com boas mo-
LADO


~=
--Vpndam-saehapos de senhora tanto
de palha como ilc soda, manteletes de biro
e do seda chegados pelo ultimo navio de
Franga no Aterro-da-Boa-Vista, loja da es-
quina n. 1.
Na luja da modas francezas, na esquina
do Alerro-da-Roa-Vista. n. 1,recebeu-se pe-
lo ultimo uaviovindn do Havre um lindo
sortimento de chapeos de seda e de palh
lina da nova moda ; ricos manteletes de se-
da e de bico ; llores de todas as qualidades;
luvas do pellica curtas e comnridas : ricas
fitas, plumas, bicos, cambraias de linho,
camisinhas : tudo vende-sc por prego mui-
toem conla.
Para escravos.
Vendem-se cobertores de algodffo ameri-
cano a 560 rs. cada um; y na re de chadrez,
a160rs. o covado; dito trancado, a 200
rs. o covdo ,- pec^s de ganga azul da India,
coro palmos de largura e 12 covados,a
2,400 rs.: na ra do Crespo, loja n. lo.
Queijos londrinos.
Vendem-se pelo mais barato prego de
640 rs. a libra, superiores queijos londrinos,
chegados recentemente : na ra do Amo-
rini, n. 36.
gVfWfWffWWfffffffg
9* Vende-se superior farinha de man- J
** dioca, muito nova por prego mais J
9- commododoqueem outra qualquer 2j
i> partera bordo da sumaca Bella-Krge-
* lina, Tundeada deftonle do caes do -,
Ramos ou na ra do Vigario, n. 19,
S segundo andar, casa de Machado &
& Pinheiro. js
i>
OAAAAAAAAiftAAjSiAAiAiO
Cortes de brim (Mili ;iiii;;i.
do de puro lnlio a
1,280 rs.
Vende-se brim pardo de linho a 1,280 rs.
o curte, p cor de ganga mulio fino a 1,500
rs.: na ra do Queimado, n. 8.
Vendem-se cortes de cambraias ada-
mascadas proprias para vestidos, a 3,000
rs. ditosde talagarga, a 1,600 e 2,500 rs. ;
cassa-chita de cores fixas a 300 rs. ; lan-
zinhas para vestidos, calcas o roupa de me-
ninos a 320 rs. o covado ; fazenda de lita
comlislrasde seila propna para vpstiilo
de senhora a 640 rs. ; Illas para caigas, de
muilo bom gesto e de superior qualidade ,
a 2,200 rs. o corte ; cortes de cassa, a 1,400
rs. cada uro; panninhocom vara de lar-
gura a 240 rs a vara, e a 2,500 rs. a peca
com 10 varase meia ; chales a ^0 rs. cada um ; fustoes para rolletes,
S 0 corle ; e outras militas fazendas
ralo prego: na na djO Crespo, loja
, de f.unba Cuimarles & Companhia.
Cortes de brim fie puro
Mu lio. a 1,280.
Vendem-se cortes de brim trangado
pardo de puro linho, pelo diminuto prego
de qiiHirn patacas : na ra do Crespo, loja
da ejquina que vnlia para a cadeia.
Vendem-se relngios de ouro e prala,
patenles inglezes : na ra da Senzallu-No-
va, n. 42.
vapor, e tachas de' ferro batido e
oado, de todos os tamaitos,
para dito.
A 640 rs. cada um.
Vendem-se cobertores de algodffo ameri-
cano, encornados e grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras, de bons padrOes e co-
res seguras, a meia pataca o covado: na
'ua do Crespo, na loja da esquina que rol-
la para a cadeia.
Taixas para eng-enho.
Na fundiglo de ferro da ra do Brum,
caba-se de receber um completo sorlimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidffo embarcam-.se,
o u earregam-se em carros sem despezas ao
3mprador.
Cadeiras de palhinha e
debalanco,
bem com ontros muitos trastes: vendem-se
em casa de Kalkmann lrmffos, na ra da
Cruz,n. 10.
Superior cha brasileiro.
Vende-se superior cha de S.-Pulo em
raixinhas de urna e duas libras: na ruada
Cadeia do ftecife, n. 51.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias qneforam'de
farinha em p e bem acondicionadas :
na ra do Amorim n. 35 casa de J. J.
Tasso Jnior.
A 640 rs.
Vendem-se cobertores de algodffo, muito
enenrpados, proprios para escravos a duas
patacas cada um : na ra da Cadeia-Velha,
$ o
0 Na loja da ra do Crespo, O
x n. 6, ao pedo lampeao, ven- 9
r\ dem-se os acreditados brins q
O trancados de puro linho. 0
9 Corles de brim trangado pardo, a 3
0 1,280 rs. ; ditoenr de ganga, a 1,440 0
O rs. ; dito muito fino, a 1,600 rs. ; di- 0 lo branco listrado.a l.snors ; pico- Q
0 te, a 180 rs. o covado; chitas escuras r,
Q e de cores fixas n 1< 0 e 180 rs ; co- f\ berlores americanos muilo epcor- r\
'4
a libra : na ra da Cadeia do Re-
cite loja de Antonio Joaquim
Vidal.
Superjjores cartas de
jogar.
Vendem-se superiores cartas de jogar ,
em porgao e a retalho, por prego muito
commodo: na ra Nova, casa de comestives,
n.69.
0'
0 53^ Na ra do Cresno, _2* 0
jx loja da esquina que volta 9.
0 para a cadeia, nendem-se q
> os acreditados brins trancados bran- $
0 eos, lisos, de listras ede linho puro, q
rt a 1,500 rs. o corte; ditoamarello a *.
1,440 rs.; dito muito superior, a *
O
o
1,600 rs.; picote muilo encorpado ,
f. proprio para escravos a 180 rs. o
0 covado; pannoprelo muito fino, a
o
3,200 rs. o covado ; cassa de quadros
0 para bahailos, a 2,000 rs. a peca ; lu- O
0 vas de algodffo de cor, muito finas, a O
fi> 240 rs o par ; chitas rouxas com fio- ?
r>, res encarnadas, de tintas seguras, a Q
q 180 rs. o envado ; cassas pretas, pro- Q
pj prias para luto, a 160 rs. o covado; n
A pegas de platilha de algodffo com 25 ,
*y vflrflS 8 4 2'*'1 #ailroa miiiaa **
0
,200 rs.; e outras muitas
fazendas por prego commodo.
pados, a 640 rs. o coi le; cortes de
o
Rap rolclo francez.
Vende-seo superior rap rolffo francez ,
nicamente as lujas dos Srs. Caetsno l.uiz
Feneira, no Alerro-da-lloa-Vist n. 46 ;
Thnn.az ile Mallos rstima na roesma ra,
n. 54 ; Francisco Joaquim huarto ra do
Calinga ; l'inlo &lraiflo, na ra da Cadeia
do Recito, n. 19.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
ehegada nesle mez pelo brigue Haria-Jot :
a tratar na ra do Brum armazem de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na ra do
Vigario. n. 19.
-- Vendem se presuntos inglezes para
fiambre; latas com bolachinhas de Lisboa
ditas de araruta ; ditas de mermelada d
I, 2 e 4 libras ; ditas de sardinhas ; ditas de
he'rvilhas ; ditas de chocolate de Lisboa ;
frascos de conservas ; ditos d'agoa de flor
de laranja; barris com azeitonas brancas de
Klvas ; garrafas com vinho moscatel de Se-
tubal e da Madeira ,* queijos de prato
frescaes : tudo novo e chegado ltima-
mente de Lisboa : na ra da Cruz, no
Recito, n. 46.
Vende-se champanha da mais superior
qualidade que tem viudo este mercado :
a ra da Cruz, n. 27, armazem de Crocco
fc Companhia.
Cha brasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
mol ados, atrs do Corro-Sanio, n. 66, o
mais excedente cha prodozido em S.-Pau-
lo que tem vindo a este mercado, por
prego muilo commodo.
Vende-se um alambique francez e de
cobre com ponen uso que leva a caldeira
50 caadas, com muilo boa serpentina de
estanto fino que pesa 300 libras: este
alambique trabalha pordous systemas, um
que serve para destilar gazapa o outro pa-
ra reslilar ago'ardenle ; para este tem tres
ratificadores os quaes fazem com que o
ilcool saia sem cheiro muilo superior em
ro e muilo simples para qualquer pessoa
oodr Irahalhar: acha se montado e promp-
lo a trahalhar para o rom orador ver : lam-
lem se vendo urna machina de fazer limo-
nada gazosa agoss mineraeg e vinho
champanha : tudo por prego commodo : no
Uerro-da-Boa-Visla n. 17 fabrica de li-
cores, de Frederico Chaves. *
4cs turnantes de bom sosto.
No armazem de mnlhadbs atrs do Cor-
po-Santo, n. 68, ha Dar vender, ebegados
pelo ultimo vapor vindo do aul, superio-
res charutos S.-Flix, e de outras muitas
qualidade que se venderBo mais barato do
que em outra qualquer parle : bem como
cigarrilhoa hespanlies ditos de palha de
milbo, que se esto vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cenlo.
VC.INCIA
da fundicao l.ow-Moor,
BA DA S'iNZALT.A-NOVA, N. 43.
Neate estabelecimento conti-
X cassa branca pata vestidos, a 2,000 ,
~. rs. ; pegas de (lilas para bahados a *
2.400 rs. c a 32o re, a vara ; chapeos Jr
^ de massa a 1,600 rs. ; ditos de seda 9
0 a 640 rs. ; ditos a 400 rs. ; fustoes pa- O
0 racollele, a480rs.; dito superior a 0
0 640 ris. <&
QQ0QQ&QOQ&Q&0%
FABINIIA DE MANDIOCA.
A roelhor farinha de niandioea que tem
venda he a bordo do brigue linerva, chega-
do de Sanla-Catharina, p fumleado na praia
do Ccllegio, onde se vende a prego mais
comn'Odo que em qualquer oulro barco ; e
tanihem se pode trillar na praga do Coin-
mercio, n. 6, primeiro andar.
Deposito da fabrica de
rodos-os-Sutt>s na Itahia
Vende-se em casa de N. O. Ilieber & C.
ia ra da Cruz, n. 4, akiodffo trangado
daauella fabrica, muito proprio para saecus
de assucar e roupa de escravos.
1,300 ris.
Vendem-se superiores corles de brim
trangado de puro linho cor de lama de Ta-
ris pelo barato prego de 1,280 rs. : na ra
do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Dias.
Madapoloes muito finos.
Vendem-se pecas de madapoloes muilo
finos largos e encorpadns proprios para
immis s de hnmem e senhora cun 20 va-
ras a 4,500, 5,000, 5.2H0 e 5,500 rs. ; dito
ordinario com 20 varas a 3,000 rs.; len-
gosdetoquirn com franja, prnpiios para
meninas, a 640 rs.; luvas do pellica, ppque-
nas, a 500 rs. ; chitas de cores muilo fixas,
a 140 rs. o rovado e a 5.000 rs. a pega : na
ra do Passeio, loja n. 17.
J 4oo ris.
Vende-se superior esgtliSo de algodffo de
quatro palmos e meio de laigura, proprio
para camisas de senhora e aquetas, pelo
baralo prego de 400 rs. a vara ; bretauhas
de rolo com 10 varas, a 1,600 rs. ; supe-
riores cortes de fustoes aleochoado a
1,28o rs.; ditos miudos a 400 rs. o corto \
na ra do Crespo n. 14, loja do Jos Fran-
cisco Dias
lofha de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flan-
dres : em casa de J. J. Tasso Jnior : na ra
do Amorim. n. 35.
Iomhas fie ferro.
Na iniiiiii.no de ferro da ra do Brum ,
vendem-se superiores bombas para cacim-
ba assim cono de repudio para fazer su-
bir agua casas at altura de 4 a 5 andares.
RA DA CRUZ N. 13.
ABMAZEM DF. FORNECIMENTOS PARA
NAVIOS.
Nesle armazem vende-so o seguinte:
Carne salgada
do porco e vacca ,ero barris, de muito boa
qualidade e muito nova ;
Remos de faia
do todos oslamanhos ;
Lantemas de patente.
de varios tamandoa, proprias para navios;
Cabos da Russia,
de patente, os melhores que ha no merca-
do, e de todas as grossuras;
Lonas inglrzas
e da Bussia de varias qualidades tanto
largas como estrellas ;
Brins da Russia,
de superior qualidade para velas;
Bonetes escocezes
para marojos;
Bandeiras nacionaes,
de 2 al 6 pannos.
Castorini francez, a 650
rs. cada covado.
Na loja que faz esquina para a ra do Col-
legio n. 5, vendem-se os novos castorina
francezes muilo encorpados, in.liOes no-
vos escu1 ose com lislias pela beira, pelo
baralo prego de 560 rs. o covade.
Vendem-se riscados escocezes com
vara de largura, a 290 rs o covado ; cassas
pintadas de cores (xas, a 240 rs. o covado;
pegas de panniriho de vara de largura, com
18jardas, 2,000 rs. : na ra do Crespo,
loja II. 10.
A ellas antes que se acabem.
Vendem-se ricas luvas do pellica par
hornero e senhora pelo diminuto prego de
1,000 rs. o par : na ra do Queimado, n. 17.
Dao-se as amostras.
fazenda se torna muito recommendavel,
porser de padrOes novos, e do lindas
franjas.
' fta ra do Crespo, n. 5.
loja que faz esquina para a ra do Collegio,
vendem-se chitas francezas largas e de pa-
drees muito modernos pelo barato picgo
de 280 rs. cada covado.
Na rus da Cruz, n. 3, vende-se cera de
carnauba de superior qualidade por prego
commodo.
Vende-se um pardinho de 12 anuos e
um mulatinho de 11, ambos muito bonitos,
proprios para ofilcio, ou pageos: na ra lar-
ga do Rosario, n. 35, loja.
Momlin de vento.
Vende-se o moinho de vonlo estabeleci-
do em Fra-de-Portas para o fabrico de
farinha de milho com s competentes ma-
chinas de peneirar e ventilar. As vantagens
que esle estabeleciment oflerece sSo tilo
manifestas, que intil se torna fazer dellas
aqui minuciosa descripgffo. O moinho adia-
se em estado perfeito e em trabalho elTec-
livo o moe para mais de 2 alqueires ( 12
arrobas) de milho diariamente, e disto
qualquer se pode convencer, indo-o exa-
minar poralguns minutos quando est tra-
balhando. Os pretendentes dirijam-se a
qualquer hora ao mesroo moinho que ah
acharffo com quem tratar. Observa-se que
esle moinho de vento, sendo todo feito de
ferro sobre fortes esleios de madeira pode
em poucos horas ser tirado do lugar em
que est e collocado em qualquer oulro que
mais convenha ao comprador.
1
Farinha barata.
que he ptimo para o servigo de urna casa
ou para o aervigode campo: na ra do Col'
legio, n. 21, primeiro andar, se dir quero
vende.
Vendem-se queijos frescaes do Cear
a 320 rs. a libra : na ra estreita do Roza'
rio, venda n. 1.
Vende-se a Historia do cerco do Porto
em dous grossos volumea com um man-
pa dasposiciiesque oceuparam os partidos
naqnella poca, pelo diminuto prego de
6,000 rs., encadernada: na ra do Quei-
mado, n. 11.
Vende-se um molMue de 15
nos, de bonita figura v\ia ra da Cruz i
Recito, n *3, loja de bajbeiro. '
Vendem-se couros miudos. de cabra
na ra Nova, n. 20.
Ifian-
.fl, Cera em velas.
Vendem-se caixaa pequeas com

Charutos de Havana
verdadeiros: em casa de Kalkmann to-
nillos na ra da Cruz n. 10.
llarmelada nova.
"llegada ltimamente do Bio-de-Janeiro,
vende-se por prego commodo: i fas do Cor-
po-Sanlo armazem de mol!.ados, n. 66.
Pechncha.
Vende-se rh hysson de superior quali-
dade pelo prego de 500 rs. a libra : na ra
do Crespo, n. 23.
A '2,000 rs. a eaixa de
* cem charutos.
Vendem-se charutos regala de S.-Felix ,
ditos cagadores, cavalheiros, regalos de Ha-
vana e nutres, todos de superior qualida-
de, pelo mdico prego de 2,000 rs. a caixa
de rem : na ra Nova casabe comestives,
D. 69.
Vende-se urna poretlo de bolacha! or-
ina i
Cuales de Roberto do
Diabo.
ha ver nm cnmletn i-VL I ?.'""".. .P0'p.'e (S Para liqnidar-se."
# Vendem-se, por bara'o prego, cor- 4
l lesdrt vestido de fimbrala coro barra .'f
(i branca o decores, a 1,440 rs. ; roeias f decores para senhora, a 1,800 rs. a 0
fl*> duzia ; ditas para meninas, a 1,000 (f
eV rs. ; suspensorios de meia, a 1,000 f
% rs. a duzia ; hoiOes de duraque a *
& 240 rs. a giosa ; lengos de seila para (%
9) algiheira e hombros de senhora, a V
O 400, 500, 800, 1,000, 1 200, 1,400 f
1,600 e 2.240 rs. : no pateo do Car- *
? nio, n. 18, segundo andar. ^
#
--Vende-se um prelo proprio para o ga-
ndo, ou qualquer servigo hragal, por ser
muilo reforcado; um rooleque: na ra da
Cadeia do Itecife, n. 39.
Tecidos de al^odo tran-
cado dos-i'S-Saiitos.
Va ra da Cadeia, n. i>2.
vendem-se por atacado Ires qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa do
escravos, a 250, 280 e 300 rs. a vara.
Lotera do Kio-dt -Ja-
neiro
Na praga da Indegendencia, n. 4, ven-
dem-se roeios bilheles. quarlos, oilavos e
vigsimos a beneficio da fabrica de vidros
na mesrna loja se moslram as listas das lote-
ras passadas.
A 560 rs.
Vende-se hamburgo muito fino, de 3 pal-
mos c meio de largura propiio para len-
ges e ceroulas, pelo baralo prego de 360
rs. a vara ; chitas muito finas, escuras e de
cores muilo fixas, a 200 rs.; ditas lavradas
de diversas cores, a 180 rs. o covado : na
ra do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Das.
Pannos finos prctoeaznl,
a 5.000 rs. cada covado-
Na loja da ra do Crepo. n 5, de Guima-
raes & Henriques vendem-ae pannos pre-
lo e azul, finos, p. lo baralo prego de S.OOO
rs. cada covado e alm destes ha um com-
pleto" sortimeulo de todas as cores e pre-
gos coromodos.
# Vendem-se saccas com muilo boa fa-
<) rnha de mandioca por barato pre- a>
# go : no armazem do Bacelar, em.fren- # leda rampa da alfandega a tratar #
* com Machado & Pinheiro. ?
m i
JN o vid a fie.
Na ra do Collegio taberna de Antonio
Jos Alves da Fonseca, vendem-se bixas no-
vas vindas ltimamente .de Lisboa por
prego mis barato do que em outra qual-
quer parte.
Veiuiein-seS escravos de 18 a 25 an-
nns sendo dous cozinheiros; um pardo de
18 annos de elegante liguia e que he pro-
prio para pagem ; 2 escravos proprios para
o servigo de campo, por entenderem mili-
to desse trabalho ; um moleque para todo'
o servigo ; una parda por commodo pre-
go ; 2 pretos do 20 a 25 annos, com alguna
principios de habilidades : loclowstes es-
cravos vendem-se por prego comaaodo : no
pateo da matriz de S.-Antonio, sobrado n.
4, se dir qnem vende.
Vendem-se portas, janellas, carros de
mffo pedras de cantara armages para
camas de vento, um jugo de gamflo : na
ra da Praia, defronle da ribeira, ns. 9e 12.
-\ 1,600 rs.
Vendem-se casimiras escuras com 6
palmos de largura e elsticas, prorrias para
palitos, caigas ejaquetas, a 1,600 rs. o co-
vado : na ra do Crispo, loja n. 5 A, ao p
do arco de S.-Antonio.
A o barato.
Vendem-se, na loja da ra do Crespo.no p
do arco de S.-Antonio.n. 5 A,corles de cassa
com sete varas e de cores fixas a 2,500 rs.;
ditos superiores a 3,000 rs. ; corles de col-
lrte de gorgorito de seda a 2,500 rs ; ditos
de fuslffo branco, a 500rs ; pegas de cas-
sa para habados, a 2,560 rs. ; cortes de cai-
gas de pellc do diabo, fazenda muito en-
corpada a 1,000 rs. ; ricas mantas de seda
para senhora e meninas, a 6 e 8,000 rs ; cor-
tes de casimira elstica de urna so cor cla-
ra, a 4,000 rs. : bem como lamheni se ven-
dem ohjectos de armador como sejam es-
peguilhas, rendas, volantes, etc.
Linhas de bordar.
Na ra do Queimado, loja de miudezas,
n. 16, do Jos Dias Simes & Companhia,
vendem-se linhas do superior qualidade,
proprias para bordare fazerlavanuto por
prego muito commodo.
Vende-se doce de to las as qualidades,
secco e de calda em porges grandes e pe-
queas, por baralo prego: na ruu Impe-
rial, n. 67.
Estojse visporas.
Cheguem ao resto antes que se acabe.
Na ra do Queimado, n. 22, vindo do Ho-
zarlo, segunda loja, vendem-se estojos pa-
ra senhora, com urna caixa de msica e
roais perlences pera costura; es'ojos com
lodosos perlences |ara barba; boleas da
China, proprias para senhora; gnnd-s e
divertidos jogos de vispor< s: ludo mais
barato do que em outra qualquer parle.
Madapoloes finos a
3,600 rs. a peca.
Vendr m-se madapoloes finos*com 21 jar-
das com un pequeo loque de mOfo pe-
lo prego de 3,600 rs. a pega : na ra do Cres-
po loja da esquina que volta para a ca-
deia.
cera ero velas e muito bem surtidas, T
por ser de tal 16 em libra, fabrica-0
da no Itio-de-Janeiro em urna das
-- melhores fabricas, por prego mais w
? barato do que em outra qualquer par- V
A te: trata-se com Machado & Pinheiro, A
Ig? na ra do Vigario, n. 19.
i A
*-- *^
Nectarea bebida
O meilnr vinho do Porlo.das colheilas de
32, 36 e 18*2, em barris de qualro, spU
oiloem pipa proprios estes para mi mol-,
vende-S" pelo corrptnr Oliveira e no ar-
mazem do Sr. Jos Rodrigues Pereira : es-
te vinho he do melhor que se -bebe na In-
glaterra e muito apetecivel para aquellas
que sabem aprecia-lo ; mas quem esto pre-
dicado nflo ti ver escusado he procura-lo
porque lambem nffo aaber ebegar ao pre-
go, embora barato relativamente asua qua-
lidade, que por ptima escusado he enca-
recer-se.
Vende-se um carro de mffo, de 4 rodas
muito bem construido, para1 conduzir toda
e qualquer qualidade de volumea : na ra
do Brum, armazem de assucar, por detrs
doarsenal do marinha.
Na venda que fui de Jos da Penha, na
ra Direita, 11. 23, vende-se manteiga in-
gleza de 480 a 800 rs a libra.
Vende-se, oa ra Direita p. 27, vinho a
160 rs. a garrafa e a 1,240 rs. a ranada ; car-
ne de tnucinho nova a 80 rs a libra ; man-
teiga ingleza muito boa a 640 rs. a libra, e
azeite de peixe a 320 rs. a garrafa.
fcsir&vos tmr-'cco
Fugio, no dia 19 do corrent, o pre-
lo Manoel, por sobre-nome Mendonga, de
nagffo Congo de 20 annos pnuco mais ou
menos ; levou camisa de algodffo com mar-
ca encarnada das lellras M. G., caigas de
algodffo azul chapeo de couro, ou bonete;
he muito ladino que parece crinlo : quem
o pegar leve-o ao becco da Litiguis, venda
n. 8, que ser gratificado.
Fugio, no dia 16 do corrente, da ca-
deia de Serinhffem a escrava Margarida ,
crioula, de 35 a 40 anuos pouco mais ou
menos; lie'alia, cor fula, nariz grosso ,
rosto redondo ; cosluma lomar lab. co; des-
confiase ter combinado su fgida como
carcereiro da roesma cadeia, pessoa da
mesrna villa, e existir em algum engenho
por aquella circumferencia. Boga-se as au-
toridades policiaca, capilfies de campo e
pessoaa particulares que a apprehendam e
levem-na a mearna villa a seu senhor, An-
tonio Joaquim de Mello e Silva ou neala
Queijos de <| nal lia.
Vendem-se queijos de qualha, multo
frescaes, chegados do Cear pelo ultimo
vapor : na praga da Independencia, loja
n. 3.
Vende-se um silto no lugar do Arraial,
com boa casa de vivenda e diversos arvo-
roatos o qual fui do fallecido Joffo Dulra :
na iua de S.-Aroaio, n. 10.
--Vendem-se 18 barricas ji promptaa para
assucar, por baralo prego : na ra do Amo-
rim, n. 13, pridieiro andar.
Vende-se urna balanga completa, de pe-
sar assucar, coro ptimo brago novo e o
mais ccrio possivel : no armazem de assu-
car por detrs du arsenal de marinha na
ra do Brum.
Vendem-ae dou lindos mulatinhosde
14 annos ; um ptimo moleque de 14 an-
nos ; S boas escravas de bonitas figuras,
que eugommam bem ; 4 ditas de todo o ser-
vigo ; um oplimo escravo : na ra Direita,
n. 3.
.-- Vende-se urna escrava parda de 20 an-
cidade a l.ino Jos de Castro raujo, na
praga do Commercio, n. 2, que seio gene-
rosamente recompensados.
Fugio, no dia 24 do corrente, do sitio
da passagem dos Arrombados, o prelo Jus,
de ngffo Mogamhique, de 40 anuos, alio ,
secco qupbrado do embigp cara Iristo-
nha, e linpida ; tem cicatrizes no assento,
com dua argolas de ferro nos ps que as
caigas encobre ; levou roupa em um sacco.
Este escravo perlence a Domingos Jos Cor-
deiroe deste paaiou ao doutor Francisco
Borges Buarque, o primeiro morador em
Una no engenho Arass e ospgundo em
Porto-Calvo Roga-so as autoridades poli-
ciaca ecapilffes de campo, que o apprehen-
dam e levem-no ao dito silio ou nesta pia-
g na esquina do becco do Peixe Frito, que
serio gratificados : bem como se prtesis
contra qualquer pessoa que o lenha oceulto
emsuacasa.
Fugio, aoamanhecer do dia terga-fei-
ra 14 de julho de 1849. do engenho Caia-
p na freguezia de lguarass o pardo
escuro, vulgarmente cabra, cutii 30 an.ios,
grosso do corno, barbado, olhoa pequeos,
papudos e en* branquiados, com falta de
denles na frente,jw-rnas algum tanto linas;
levou huela encarnada dehrunhada de um
solado, duas camisas de Igolflozinho e
chapeo de palha cenduzind-um cavallo
castaiiho capa,10, com toinadeiras; f< com-
prado na praga do Recite, ao Sr. Raymundo
Cailoa l.eite, como procurador do aj^ An-
tonio l.uiz Alves Pequeo Jnior, que- Iho
remelleu da villa do Crato, em Canrya-Nu-
vos. Roga-seas aulnuidades polleiaea'e ca-
pules de campo, que o apprebendam e |e-
vem-no a seu senhor. l.uiz Antonio da Sil-
va em o sobredito engenho, ou neala pra-
ga aos Srs. Jos Pereira da Cunta e BaRhar
oliveira as ras da Cadeia e Cruz ,
onde serffo gratificados.
Atiengffo.
Fugio, no dia 23 do corrente, da rus
estrena do Rozario, n. 26, sobrado de um
andar, detounte de outro de tres ditos, o
preto Cesar, de nagffo NagO ( Costa), de es-
tatura maia que a ordinaria, bem conforma-
do, de 24 a 25 anuos pouco mais ou menos,
pouca barba e esta de cabello fino, com al-
guna riscos na Ca a com todos os denles e
estrs claros, meio bugal, de dizer o seu
nome de Osar por Sergio ; fot comprado ao
Sr. Manoel de Afmeida Lopes, viudo da Ba-
bia por ordem do Sr. Joaquim Jos Baplis-
la ; levou camisa de bi un branco Com ou-
tra por cima de baela encarnada, caigas
pardai de algodffo de listras entrangada.se
por baixo outras de brim branco, e chapeo
de palha ; anda va na ra a traoalhardo que
dava salario ou jornal; nesle mesmo dia
93 trabalhou no aisenal de marinha at ao
meio-diaem desembarcar carvffo de pedra;
levou mais loupa de seu uso : quero o levar
a dita casa cima, sera recompensado com
MUTIL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEN4L4JZ8_RXX0RL INGEST_TIME 2013-04-12T23:01:05Z PACKAGE AA00011611_06257
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES