Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06255


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A mo XXV
Sabbaclo %>
1 MIlTipAS DOS CORRKIOS. -
Goiauna eParahiba,segundas eaextaa-felras.
Rio-Grande-do-Norlc, qulntaa-felras ao mel-
Cibo^Serinbem, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no l., a II e 21 de cada inci.
C.aranhunse BonMo, a 8 e 23.
Boa-Vista Flores, a 13 e 28.
Victoria, quistas -feiraa.
Uliniia, todos o* dial.
TPWCMZB.IDX3.
rHUESDLT.Chela a 4,s lh.e32m.dam.
Mine, all.sllh. el3m.dam.
Nova a!8,a 3h. o 13 m. da l.
Cresc. a 25, s 2h. edom.da L
rniiHiB dz hoje.
Primeira as 10 horas c 54 minutos da manb.
Segunda as 11 horas e 18 minuto* f(a urde.
de Agosto de 1840.
N. 188.
rceos da subschif(?Xo
Por tres mezes (da tato) 4/000
Porseisn1e7.es 8/000
Por un anno 15/000
das sa szkaka.
20 Seg. S. Bernardo. Aud. do J.dosorf. e dom.l.v.
21 Ter9. S. Joanna Francisca. Aud. da chae, do
J. da I. t. do civ. e do dos fritos da fazenda.
22 Quart. S. Themoteo. Aud. do J. da 2. v. do civ.
23 Quint. S. Fitlppe Benicio. Aud. do J. dos orf. o
do m. da 1. v.
24 Seat. S. Bartholomeu.
25 ab. S. Luli Re de Franca. Aud. da Ch anc. e
do J. da 2. vara do crime.
2u_l)oin._ 0 Sagrado Coracao de Mara Santisslm.i.
CAMBIOS EM 24 D AOOiTO.
Sobre Londres, 26 d. por 1/000 rs. a 60 das.
. Paris, 380.
. Lisboa, 115 por cento.
Oiiro.Oncas hespanhocs......... "5'00 a I4X!
Moedas de 6/400 velhas.. 17/200 a 17/401
. de 6/400 novas .. lffcoO a l6#40t
. dc4/U00.......'... 9/200 a MO
/raa.-PataeOesbrasilelros...... I/W0 a 2/0
Peocolumnarioi....... 1/990 a 2/11
Ditos mexicano.......... 1/900 a 1/2I
DIARIO M m tMBlm.
parte ornciAi.
CONCEUIO SUPREMO MILITAR.
raoviSAfl.
D. Pedro, por graca de Dos e unnime ac-
clamacao do* poto*. Imperador constitucio-
nal e defensor perpetuo do Brasil: laco saber
ao* que esta mlnha provisito vlrem, que tendo
subido minba augusta presenta urna cnsul.
ta do concelho supremo militar, datada de 7
dejulho de 1818, a que niandei proceder sobro
o requerimento dos segundos lenles do Im-
perial corpo de engenhelros. Candido Janua-
rio Pastos e Jos Carlos da Carvalho, ein que
pediain se Ibes conferisse o grao de bacharel,
coin direito ao de doutor ein inathematicas,
qne pelos actuacs estatuto* da escola militar
sao conferidos aos alumnos da mesma escola
que completam os respectivos estudos, visto
liavrreni-os elles concluido era 1844 ; e con-
formando-ine loteiranieole coin o parecer do
concelho, liel por bem, por minba lmmediata
e imperial resoluciio de 23 de junho prximo
pastado, determinar: 1.', que as disposlcdes
do art 17 dos estatutos da sobredita escola de
' t de mareo de 1846 sejam appliraveis aos sup-
pllcantes ; devendo, porni. eatet facer exame
daquellaa materias que parventura delxassem
de otudar, e se acham coudas nos actuaes
estatutos ; e caso elles sejam approvadns pela
mesma forma all eatabelacida, goza rilo das
intimas vantagens que cninpelem nos indivi-
duos que rstudaram depoia da publicacao dos
eitatutol de 1845 ; 2.a, que assim se dever
praticar emgeral coin os mals alumnos que se
achare 111 ein iguaes clrcumstancias, inclusive
os da amiga academia militar. Pelo que,.man-
do s autoridades a quem compete a cuuipraiu
c guardem tao Intelramente como devem c
nefla se conten.
S. M. o Imperador o mandou pelos membros
do concelho supremo militar abalxo assigna-
dos, Joaquim Flix Conrado a fez nesta corte
e cidade do II lo-de-Janeiro, aos >0 do mez de
iilho do anno do nascimento de Nosso Senhor
esus-Christo de 1849. E eu o concelheiru Ma-
noel da Foiiseca Lima e Silva, marecbal de
campo, vogal e secretario de guerra, fiz escre-
ver e tubscre vi./ose Joaquim de Lima e Silva.
Joo C'hrinif lomo Callado.
MINISTERIO DA FAZENDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DA
S3 DE Jll.lK1.
A' thesouraria do Rio-de-Janeiro, con-
sultando se se deve estnder a disposieo do
artigo 37 da lei de 15 do nuvembro de 1827
aos quo so habilitaron) para levantar apo-
lices depositadas tos cofres da lliesouraria
como herancas jaecntes, da mesma Turma
que favorece as herancs o legadas, se de-
clara que aquella disposiro se deve enten-
der e execular lilteral e restrictamente a
regpeitp do imposto de que expressa e tni-
camente trata, sem poder cstender-so a al-
gumoutro de qunlqucr natureza.
A' mesma, em vista do oflicfo de 25 de
junho, sobre a impossibildade em que se
acham a maior parte dos exactores da fa-
zenda nacional, de eflecluar as entradas na
thesouraria dentro dos prazos marcados pe-
lo regulamento de 14 de Janeiro de 1832,
por cuja bita ficam subjeitos porda da
(orcentigem e ao juro de 9 por cento das
quantiasdelidas, na forma da lei de<28 de
outubro do 1848, se ordena que os prazos
devem regular-se pelo que ltimamente so
determinou. E porque do contexto do ofll-
cio, nesss primeira pnrle, se manifesla que
bem nflo lem sido entendidas as disposi-
Ces das ordens do thesouro a respetodos
exactores que nflo liverem entrado para os
cofres at a publicarlo da lei de 28 de outu-
bro pasando, julgamlo-os subjeitos tirilla
da porceiitagem e no pagamento do juro,
contado da,ilata da publicacSu, quando alias
na coiiforniidade da ordem de 28 de abril,
citada no oflicio, s licam subjeitos a essa
perda e pagamento de juros se nao paga-
remas dividas nos prazos que novamente
Ibes frem dados, e rcmeltem-se as copias
de ambas as ordens.
quartos, afim deque o deposito s se faga
a ra, em ultima extremidade.
S com a permiasBo da autoridade poli-
cial poder admittir-se a mudanza dos mo-
vis das casas contiguas para evitar o que o
medo obriga a fazersem necessidade e com
grave emharaco dos trabalhos empregados
para a extinccRo do incendio.
A'mesma autoridade incumbo tambem
auxiliar o fornecimento d'agoa, ja fazendo
apenas as carrocas e barris, e j fazendo
franquear os pocos c execular todas as me-
didas ordenadas pelas posturas municipaes;
providenciando para que fique desembara-
zado de povo todo o esparo necessario pa-
ra o trabalbo dos empregados da extineerto
do incendio.
Alm de todas estas providencias, pelas
repartieres respectivas se ordena que todos
aquellos que se destinarem a esse trabalbo,
e que nflo tiverem uniforme, deverflo usar
de um distinctivo; e cumpre que seme-
Ihantemente Vmc, entendendo-se com os
sohreditos inspectores e directores, deas
suas ordens para que os empregados de po -
licia que comparecerem traga m tambem
um distinctivo.
Toda a lOrca da guarda nacional, exere-
to, mariubaou polica, que estiver presen-
te e nilo fr pela autoridade respectiva em-
pregada no trabalbo de apagar o incendio,
flcar disposico da autoridade policial
para o servico que Ihe he incumbido.
Cumpre mais que Vmc enlendendo-se coin
os directores das companhias de seguro con-
tra o fogo, procure ver se consrgue que ellas
tenham tambem algumas bombas convenien-
temente preparadas < proinptas, depositadas
em lugares apropriados e sabidos, e dispostas
a sahirem ao primelro toque de alarma, esta-
belecendo-se por esta forma urna distribuicao
por todas as freguezias da cidade, por manel-
ra que em cada urna possam haver soccorros
proinptos nos caaos de necessidade : e cabe
aqui lenibrar a Vmc. que be conveniente que
as manguciraa de traspassaco d'agoa devam
ser preparadas' coin bocea de sacco e cordei
para seren atadas s lorneiras ordinarias usa-
das as pipas dos agoadeiros.
Nao ir......arri sem lembrar a Vmc. quanto
er tambem conveniente que por meio dos
sinos e toques de cornetas se possa conhecer
desde logo qual a freguezia em que existir o
incendio, procurando-se por lodos os modos
evitar a demora das providencias pela incerle-
sa do lugar do incendio, e os transtornos que
se se
Dito.Ao administrador das obras pu-
blicas, para qua remelta com toda a urgen-
cia urna copia do orcamento das despezas a
fazer com as obras de que precisa o colle-
gio da extincta compaohia do Jess, sito
nesta cidade, e que a presidencia mandou
proceder por aquella repartirlo, afim de
que se possa transferir para all o lyceu.
Portara. Concedendo quinze dias de
liconca de favor para ir a comarca do Rio-
Kormosn ao a juila ule do corpo de policia,
Manoel Porfirio do Castro Araujo.
Dita. O presidenta da provincia, sen-
lo d attribuicilo que lhe foi conferida pe-
lo decreto de 11 dejsneiro do corrento an-
no, ha por bem conceder amnista, em no-
mo de S. H. o Imperador, ao major Antonio
ilenrique de Miranda, residente na comar-
ca de Santo-Anio, pelos crimes polticos,
ltimamente commetUdos na mesma pro-
vincia.
E para sua resalva se lhe passa a presente,
ein vil-lude da qual fica sem effoto qual-
quer pronuncia contra elle pelos referidos
crimes ese lhe dar baixa na culpa, e nflo
poder mais ser procossailo polo? ditos cri-
mes. Iguaes a Tlioma/ Cavalcanle da Sil-
ve ira l.ins, a l.ouienco Careen o da Silva, a
Joo Antonio de Miranda, ao padre Joo
llerculano do Mego, a Vicente Kerreira da
Cosa e ao major Claudino de Almeida
l.isbti.
Com 111 a mi o da praca.
Quarlel do commando da praca tu 'ernamturo,
22 de agoilode )840.
OllDEM DO DA N. 18.
Kaco publico para conhecimento da guar-
ni^flo que, cm diversos officos do Exm.
Sr. presidente da provincia com data de 20
do corrente, me foi communicado o se-
guinte :
1.* Que, em cumprimentn ao disposto
no aviso da repartirn da guerra de 3 do cor-
rete, deve o religioso franciscano Fr. Jos
de S. I.uiz Hmbert seguir na primeira oc-
casio a reunir-se ao stimo batalho de
caladores existente no Rio-Craude-do-Sul,
para o qual S. M. o Imperador dignou-se
nomea-lo capello por decreto de 31 de ju-
Iho ultimo.
2. Que, por aviso da mesma reparli-
eneVparVlirem as bobs agumas ve- So de igual dala, houve o mesmo augusto
zes, por noticias erradas, para lugares dille-.Sr. por bem mandar dar baixa do servico
" ao primeira cadete do segundo batalho de
artilharia, Uenjamim Peres de Albuquerque
Marauhlo, que se achava addido a uns dos
corpos da guarnicSo da cArte.
3. Que, por aviso da mesma repartirlo
de igual data, houve o mesmo augusto Sr.
por bem mandar passar para aterceira clas-
se dos odicaes do exercito o capilo do se
gundo batalho de caladores Joaquim Jos
dos Santos, por solTrer molestias incuraveis
eachar-se por isso comprohendido nasdis-
posicAes do artigo da lei n. 200 do 1.* de
dezembro de 1841.
4.' Finalmente, que por aviso da mes-
rentes e iniiiio distantes daquelles em que tein
de cinprrg.ir-sr.
O que colnmunlco a Vmc. para sua intclli-
gencia, governo c devida execujao.
Dos guarde a Vine.Euitbio de Qaeirot Con-
in/ni MaUoio da Cmara.Si. desembargador
chefe de policia.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 23 DE AGOSTO.
Oflicio.Ao Exm. presidente da provincia
do Cear, remetiendo copia do ollicio dirigido
pelo inspector da thesouraria de fazenda em o
qual aprsenla algumas observacoes acerca do
aupprliuculo a fazer aquella provincia, em vir-
luile da proviso do tribunal do tbesouro pu-
blico nacional de 33 de julho ultimo, e decla-
rando que mandou pagar o saque deque trata
o referido inspector e ordenou que sejam sa-
mesma repartico de igual data, hoovo o
mesmo Augusto Senhor por bem mandar
dar baixa co servico ao soldado do quinto
balalhao de fuzileiros.Manoel Severino Mar-
ques, por ter sido julgad pela junta do
sa le incapaz de nelle continuar.*
Assignado, ioti Vicente de Amorim Becer-
ra, coronel graduado e commandante.
Quarlel do commando da praca na cidade do
Recife, 23 de agosto de 1849.
ORDEN ADDICCIONAi, A DO DA.

O lljai. Sr. coronel commandante da pra-
Qa ordena que haja inspecijilo em junta do
sanlo extraordinaria no dia 25 do corronte,
na qual deve comparecer o Sr. coronel da
extincta segunda linha Joaquim Bernardo
de Fieueiredo, afim de cumprir o disposto
no oflicio do Exm. Sr. presidente da provin-
cia com dala de 21 do corrente que refere a
provisflo do supremo conceibo militar de
30 de julho ultimo.
Francitco Carlos Boeno Deschampe,
Primeiro lenle ajudante de ordens.
EXTERIOR.
ma repai tieo tambem de igual data, bou-
ye o mesmo augusto Sr. por,bm, por sua
i 111 mediata resolueo de 8 de julho ultimo,
indeferir o requerimento do tenente do pri-
tisfeitas as demais quantias que se sacarcm at meiro batalho de capadores Jos) dos San-
MI1SISTERIO DA JUSTICA.
3.' Secc"0.~Ro-de-Janeiro. Ministerio
dos negocios dajusljca, em 12 de julho de
1849.
Convindo estabelecer desde algumas
regrss quese devam observar as occasiOcs
de incendio para evitar a confuso que cos-
tuma apparecer, cumpre que Vra. d6 aos
seus delegados e subdelegados algumas
inslrucrOes sobre as seguidles bases, que
devera mmedialameule Iransmilter-lhes.
Primeiru que ludo, a autoridade policial
tais graduada que ealiver presente he a
que nicamente dove dar- quaesquer or-
dens. As outrss devem limitar-se a faze-
las execular; e quando em caso urgente
aeja neeessario lomar alguma medida sem
consultar aquella, deve pela menos dar-lbe
parte iinmediatamente para evitar ordens
contradictorias.
As providencias paras exlincco mate-
rial do incendio devero ser dadas pela maior
patente militar denlre os inspectores e di-
rectores dos arsenaes de guerra e marinha
e das obras publicas, vice-directur e aju-
dantes respectivos, oflieiaes de artfices e
imperiaes marinheiros.
Poitanto a essat autoridades exclusiva-
mente compele determinar a posicSo e uso
das bombas, os cortes que se lizerem ne-
cesstrios nos edificios, e a sahida dos mo-
vis existentes Das casas em que ogtiver
aleado o incendio, e mesmo as vizinhas,
quando seestiverem j fazendo cortes.
rjdarln nnlimal incumbe marrarn
o completo da somma designada na sobredita
provis.iu para seuielhantc supprimento, dc-
vendo, porin, S. Kxc. solicitar o augmento
da consignado antes de esgotado o crdito.
(idiriini-sr neste sentido ao inspector da men-
cionada thesouraria.
Hito.--A commandante da praca. Tendo
observado que o servifo das guardas he feito
com n laxaran, r que as si-nHuellas abandonan!
as suas armas e dislraheui-se do servico que
Ibes he destinado, chamo a alienla de V. S.
sobre este ponto para que de as providencias
que julgar opportunas em ordem a que o ri-
gor da disciplina militar seja m unido.
Dito.Ao Inspector da pagadoria militar,
para que mande pagar ao tenente-coronel com-
mandante do 5.a. batalhlo de fuiilcirns liti.niin
rs., Importancia das sepulturas ein iiue foram
enterrados onze cadveres de soldados do re-
ferido balalhao.
Dito.Ao mesmo, remetiendo a conta dos
medicamentos comprados a Piuieota S Cruz
pelo_tenente-coronel commandante do 5.* ba-
lalhao de fuiileiros quando sahio para o Inte-
rior da provincia, anu de que, de conformi-
dade coin sua inforinaeao, mande Smc. pagar
a quem competir a quantia de trinta mil sete-
ceutos e viule rs., em que importa a mencio-
nada coiita.--Pariicipou-.ie ao commaudante
das armas.
Dito.Ao director do arsenal de guerra,
para que d a quitacao do estj lo ao subdelega-
do de Gravita. Manoel Antonio Ferreira, visto
1er elle provado com documentos haver entre-
gue ao major de guardas 'nacionaes Jos Vlei-
ra de Mello c ao capitu Mathias Ferreira de
Mello o armamento^ corrame comanle da
nota que remelle; e declarando que eapedio
ordem aos referidos major e capitao para man-
daren) recolher o mencionado armamento.
Neste sentido expediram-se as convenientes
ordena.
Dito.Ao commandante superior da guarda
nacional de Goianna, communicendo haver .".
Al. o Imperador, por decrelo de 37 de julho ul-
timo, dignado-sede noineara Manoel tertu-
liano de Souza Costa para o poslpde ajudante
de ordens do seu commando superior.
Dito.-Ao commandante superior da guarda
nacional de S.-Anlao, devolvendo 4)s docu-
mentos a que se refere o offlcio que dirigi a
presidencia, solicitando o pagamento dos ven-
clmentos de uina frca de olienta prafas da
guarda nacional que marcharan! para Ipojuca
ao mando do tenente Manoel da Rocha Lins,
afim de que oa reforme, fazendo as diduccors
indicadas pelo inspector da pagadoria militar
oa informaco que remelle por copia.
Dito.Ao administrador das obras do thea-
tro publico desta cidade, ordenando mande
reformar, reduzindo a cinco os bastidores do
los ,\unes Lima, por nao ter provado as pre-
teiifdes allegadas.
Assignado, Je.sc Tcenle de Amorim Bezer-
rj, coronel graduado e commandante.
Quarlel do commando da praca na cidade do
Recife, 23 de agosto de 1849.
ORDEM DO DIA N. 19.
Faco constar a gurnieo para devido co-
nhecimento a execucSo da parte a quom
pertencer,.que, por oflicio do Exm. Sr pre-
sidente da provincia todos com dala de 21
do corrento, me foi communicado o se-
guinle:
1. Quo,por aviso da reparlico da guer-
ra do 14 de piulio prximo lindo, sedignou
S. M. o Imperador prorogar por seis mezes
da llceuca sem sold, com a qual seacha-
va nesta provincia o segundo cadete do pri-
meiro regiriicnto de (-avallara ligeira Fran-
cisco de Carvalho Medniros.
2. Que, por aviso da mesma repartieo
de 20 do mez de julho, houve S. M. o Impe-
rador por bem mandar addir ao primeiro
batalho de artilharia anc al ulterior deli
beraeo, o segundo cadete do segundo ba-
la Mio da mesma arma, Jos Pedro Nolasco
Percira da Cunba, que actualmente se ocha
na corte.
3 Que, por aviso da mesma repartico
datado de 27 do dito mez Iho foi communi-
cado que por imperial resolueo de 21 do
referido mez, houve S. M. o Imperador por
bem indefe ir o requerimento em que o ma-
jor do primeiro batalliSo de caladores Joa-
quim Rodrigues C.oelho Kelly pedia ser pro-
movido a tenente-coronel ou ao menos a
Sraduac,So desse posto, por isso que alm
e nSo ter elle provado as pretcnefles que
allegou, he o deci mo-nono em anliguidade
entre os majorca d'arma a que pertence.
4. Que,por outro aviso da mesma repar-
tico com igual data,(Me 27 de julho, bouve
o mesmo augusto Senhor por bem conce-
der dous mezes de licenca com sold ao pri-
meiro tenente do segundo batalho de arti-
lharia Ignacio Nery da Fonseca, alias Joo
Evangelista Nery da Fonseca.
5. Que.por outro aviso da mesma repar-
tieo de igual data, houve S. M. o Impera-
dor por bem approvar a deliberado que S.
Exc. tomou de fazer seguir com o Exm. Sr.
presidente da provincia das Alagas, afim
He fiear s sinis ordena, o spaimdn tenenle
CONSTITUIC.XO DA AI.I.EMAMHA.
Sessilo 4." a dieta. ,
(Concluso.)
S 83. A dieta se compoem de duas cama-
ras : acamara dos estados e a cmara do
povo.
S 85. A camama dos estados compO-so
dos representantes da Allemanba.
S 85. Emqnantoas pnpulacOes auslriacas
nflo tomarem parto no estado federal, o nu-
mero dos membros da cmara dos estados
he fixado pela maneira seguinle : Prussia
40 membros, liaviera 20, Saxonia 12, llano-
ver 12, Wurtemberg 12, lladem 10. Ilesse-
Eleitoral 7, gro ducado de llesse 7, llols-
tein6, Meklembourg Sckwerin 5, Luxem-
botirg-l.imbourg 3, Nassau ?, llrunswick 2,
(lldenhouru 2, Saxe-Weimar 2, Saxe-Co-
bourg-Gotha l, Bsxe-Ueiningen Hildbour-
ghausen I, Saxe-Allenbourg 1, Mecklon-
bourg-StreliU 1, Anbalt-Besson 1, Anhall-
Bernbourg-ltudolstart I, llohonzollern lle-
cbingen 1, Lichtenstem 1, llobenzollern-
Sigmaringem 1, Waldek 1, Iteuss, ramo
mais velho, 1, Reuss, ramo moco, 1, Schau-
ernbourg-Lippe I, l.ippe Dot mold t, llesse-
llambourg I, l.aiienbourg 1, l.ubeck 1^ Fran-
cfort 1, llreme 1, llambouig2 167 mem-
bros.
80. Os membros da eainara de estado
so escolhidos, nietade pelo governo, e me-
l.idr pola representaco nacional do estado
particular se houvercn duas cmaras; a
meta le ser escoiinda para cada cmara.
Em caso de desigualdade, a cmara do po-
vo nomia a maior parte dos represenlantos.
89. Para ser merahro da cmara de es-
tado, he preciso ser: 1 cidado do estado
quenonir-a; 2.", ler 30 anuos completos
gozar dos direitos polticos e civis.
90. Os mombros da cmara dos estados
so nomeados por seis anuos.
91. Os membros da do povo compfie-
se do povo allemo.
92. SerSo nomeados por quatro anuos,
segundo a lei eleitoral.
!,' 93. Os membros da dieta do imperio
rocebcui urna indomnisaeo.
S 94. Nilo pJem obrigar-sc por instruc-
cGes.
95. Ninguem pdc ser tnembro das
duas cmaras.
97. Cada membro tem o direito do pro-
pr Icis e aecusar os ministros.
no pode ser lomada seno por aecrdo das
duas cmaras.
'. 99. Lima resolueo do imperio no podo
ser adoptada e ter (orea de lei sem o con-
sentimeuto das duas cmaras, do presidente
do imperio e do collegio dos principes.
O 100 determina os diversos casos em
que iie preciso urna resolueo da dieta
O 101 diz que todas as communicaces
dos novemos do imperio, conceriiontes s
(naneas, devem ser feilas primeiramente
na cmara do povo. O budget be votado
por tres annos.
102. A dieta do imperio reune-se todos
os annos na sede do governo; ella pode
ser convocada extraordinariamente pelo
presidente do imperio.
(04. Ochcfe do imperio pode dissolver
a cmara do povo, com a obrigaeo de con-
vocar outra dentro de tres mozos. A disso-
lue.io da cmara do povo importa o adia-
ment da cmara dos estados.
123. A jurisprudencia do imperio he
exercida por um tribunal do imperio.
O 124 determina a competencia deste
tribunal, e flxa os diflereules casos em que
sua inieiveneao be necessaria. 0 tribunal
condece das aeeusaqes feitas contra os mi-
nistros do imperio. Urna lei fixar a com-
posie'io e a organisacao deste tribunal.
Seecdo 5.* Direitos fundamentaes do povo
allemdo.
130. Cada Allemo tem direito de cida-
de no imperio.
131. Pode estabelecer seu domicilio on-
de quizer, adquirir bem de raz, dispor ex-
ercer suas industrias, etc. etc. A pona de
morte civil (lea abolida, o direito de imigra-
fo ho Ilimitado.' Todos os cidados so
iguaes peraute a lei. No ha mais pruvilu-
gio de carta ; todos ao admissiveis aos
empregos. O servico militar be igual para
indos r no bavera substitutos. A liberda-
prehendidassenfioem virtude de ordem i
juiz.
O segredo das cartas be garantido,
liberdade da mprensa he concedida,
censura no poder ser mais restabelecid
Urna lei da imprensa ser feila para o imp
rio para garantir a seguranc publica, e
direito de terceiros. Os delictos da ir
pronsa so julgados pelo jury. A liberda
de conscienci e de crenca he garantida.
religin no exerce nonhuma influencia i
bre os direitos civis e polticos. No hav
r mais igreja do estado. As novas soci'
dades religiosas podero se formar sem co
sentimento do estado. A frmula do jur
ment ser : As'im Dos me ajude. A v
lidade civil do casamento depende na ex
Trueno do acto civil. A beneo religiosa ni
he necossaria seno depois.
A diiTeienra de religio no he imped
ment civil do casamento. Ascienda
seu ensino so livres sb o alto exame i
estado, t) ensino domestico nflo hesul
meltido a nenhum limite. Os pais ni
pdom deixarseus filhos sem a instrucci
dada pelas escolas primarias. Os pobres r
cebero a instruceo gratuita. O direito <
pelieo pertence a todo o cidado allom.1
Os Allemes team direito de se reunir pac
ficamente e sem armas, sem sulorisac
particular, porm as reuniOes om pnirja
etc. pdem ser prohibidas no ioteresse p
blico. Os Allemes teem o direito do l'o
mar associaeOes. Esto direito nflo he sn
mettidoa nonhuma medida preventiva.
A propriedade he inviolavel. S8o supi
midas s mu indomnilade : 1.", as jurisdi
roes patrimoniaes ; 2 as obrigacOes pe
soaes derivando do lugar de subjeirfo.
Todos os encargos territoriaes slorc
gataveis. Um predio uo poder mijs s
sobrecarregado com urna obriga' <
ptua. No baver mais fidei ein
familia. Toilo laeo feudal he sup
No llavera mais coulUc io.mi, To<
diceo vm do estado. Osjuizesso
pendentes e inamoviveis. A Justina ,
publicamente Os debates judiciaes s
pblicos. Os delictos graves assim c
mo os crimes polticos sero julgados pe
jury.
175. Aadministraeo e a juslica ser
separadas e independenles urna da outr
um tribunal particular, estabelccido p
urna lei, pronunciar sobro os Conflictos.
180. No ha .nais tribunaes admin
tralivos. A poltica no poder mais applit
penas.
181. Os julgamentos de um tribu
allemo, tendo torca de cousa julgada, s
exequiveis em todos os estados allemes
182. Direitos das communs. Escol
dos presidentes e representante* Admin
tracao de seus negocios sb a inspeccoi
ral do estado, a publicaeo de suas cont
publicidade dos debates.
184. Cada estado allemo lera u
OOnstiUlieffo. com urna represenlaclo nae
nal. Os ministros so responsaveis para c
a represcntacn nacional.
185. A ropresenlac&o nacional Um
to deliberativo para a legislarn, impost
adminislraeo ; ella tem o direito de p
piir as leis, fazur representae/ies, aci
sar aos ministros. As sessOcs das dietas
publicas.
186. Os povos do imperio que nilo
lam a lingoa allem.ta obtem a garanta
sua nacionalidade, e conservam o uso
suas lingoas na instruceSo, religio, ad
nislraco interna onajustiga.
187. Todo o cidado allemo viajai
em palz estrangeiro esta debaixo da pro!
Co do imperio.
Seccdo'6.' arantia da conslituirJo.
188. 0 presidente do imperio prest
juramento segundo a constiluicilo :J
proteger o imperio e os direitos do povo
lemn, mantera eoustiluiro doimper
cxecuta-la fielmente.
189. O juramento dos plenipotenciai
do collegio dos principes, he assim con
bido : Juro proteger o imperio e os di
tos do povo allemo, e manter a constil
co do imperio, assim Dos me ajude. I
juramento ser prestado em sessfio das d
cmaras.
190, Urna lei particular determinar
responsabilidadodos ministros.
191. A obrigaeo de manter a con
tuieo do imperio precede nos esla
particulares obrigaeo de manter do
tado.
192. As modiflcacOes e alterac,oes
eonsiitnico no pdem ser feitas ser
consent ment das duas cmaras, es api
varando presidente do imperio e do co
gio dos principes. Para tomar urna n
I uro, he necessaria em cada cmara a r
senra dos dous tercos dos membros ;
vem haver duas volaees successivasc
oito dias de intervallo.
195. Em caso de guerra ou de revolta
disposc>s dos direitos fundamentaes
bre os tribunaes, imprensa, prisoes, bus
e direito de reunido pdem ser suspen
pelo governo do imperio, ou pelo gove
de um estado particular, durante certo l<
po, porcm sb as condiroes seguales:
ne preciso que o ministerio todo, quer
imperio, quer do estado particular, tona
medida ; 2.a, o ministerio do imperio
ver ubter o consent ment da dieta
imperio, e o ministerio do estado partii
lar o da dieta particular, se estiverem r
nulas. No caso contrario, as medidas
vero ser communicadas na primeira n
nio, as disposices ulteriores sero e-
(\DO


\Oj
'rptelo depnlados ii enmarado popo.
$1. lio elrlor toJo Alienlo ndepon-
ete, no joto do urna reputadlo nlarta, e
e viole < cinco anuos do dade,
: 8. sno convidado! como iodependntcs
SCidadOoi que ton nm parlo as eleces
ommunaes de sen domicilio, e pagam um
iirosto directo.
He elfgivej como drputado i cmara do
ovo, lodo o Allnmiio ndependente gozan-
ode una reputaclo intacta, temi :to an-
os do idado, o prrtcncendo lia tres anuos
un estado allemilo.
.11. A olcicio he indirecta. Os eleitores
rimarlos nomcam cleitores, o estes depu-
ulos.
(Monitor Prussiano.)
; Diario do Ilio-de-laneiro.
VARIRiMDB.
MF.DIXINA.
i>'nra c curirsa mcdiravUo do cholera.
Ven medico franroz estabelecdo no Egvp-
i dirigi lo Cairo ao redactor em chefe da
Va noiivcllr a curia sepilite, que merece a
llenero dos mdicos o do publico :
ii Meu charo amigo, pedig-nos noticias de
nssos docntes. No l.'gyplo nio tratamos o
tolera como vos ah Irataes ; e sem diffi-
ildade o enmnrelienderes, rellcctindo na
atoren ilo clima, quo tilo singularmente
lodiflca as causas o a marcha da molestia.
Como qur que soja, lia duas grandes
ivisles que se devem estalielecer tanto na
uropa como aqu no estinln dossn enfer-
dade : lie a marcha Una e a marcha fitl-
inanie,
Esta nll una he muilo miis frequenlo no
airo do que cm l'aris ; as vetea he aqni
o violenln que se engaara a lioa IV- pu-
lid lazando acreditar que n gerencia tem
eios curativos ellicazes para oppiir-lhe.
Creio pois. que muilo pnuro ha que dj-
r suliro a cholera fulminante. Tenho, po-
m, que rom mu ni car- vos iiiini drsroherta
nporlante, ininiensa, no caso de cholera
rdinario; creio que se sen modo de arciio
tsso hem ciunprehendido e hem exeeula-
o, far-se-hia una rcvolurflo na therapou-
ca existente, o ouso dize-io no estado ta-
ita rio das popolafOes.
i. O meio, poten, !in lito simples, 13o cx-
ln.l'io punco cusloso, que muilo receio
i-lo mal receido pela opinio scicnlifica
pelo preconceito, invensiveis harreiras a
ido o prngresso real.
k O cholera, a feI.re lyphoidn ealgumas
utras onfermidados do mesmo genero, tem
r '"le principal os intestinos, oqneap-
irla lorgcscencia e nlccracflo asl
> Teyere ilus l'ollicnlos de Hriin-
ebre lyplioide, ou no cholera pelas
n mucosa gaslro-inlcstinal, jejuno,
.irelinlo pelo desenvolv ment (ios fol-
.is llrunner.
hlicoquo, no din 25 do correlo, se hilo de
arrematar em hasta publica, na porta da
mesrna, depois do mcio-dia, 64 lencos do
chita finos, com 3* varas, quadrados, a rs.
53:) cada vara, 18.122 j 4 duzias de lipis
por 500 rs. total 18,622: tudo aprehendi-
do pelo guarda commandanto da terceira
barca do vigia ao commandanto da barca
franceza icune-Neliy : seodo a arrematadlo
livrodedireitos.
Alfaodega de Pernambuco, 20 de agosto
de 18ti). O inspector, Luiz Antonio de
Sampaio Vianna.
-- O capilflo do porto desta provincia pu-
blica, para coohecimeoto do todos os indi-
viduos empregados nos diversos ramos da
vida do mar, a portarla abaixo transcripta,
que pelo Ex.o. Sr. cnncelheii'n do estado o
presidenta da provincia Ihe Coi remettida
com o oflicio de 16 do corrente mez, vedan-
do a entrada o sabida de quaesquer embar-
cados pelo lugar denominado Barreta, -
capplioando s canoas, laoxas, jangadas,
etc a dsposp.flo do artigo 20 do rcgula-
menlo de 19 de maio de 1846.
Capitana do Porto de Pernambuco, 17 de
agosto de 1849/ Rodrigo Theodoro de Frei-
las, capilflo do porto.
O picsdenle dn provincia, julgando
contraria a boa polica do porto e fiscali-
saeflo dos inipiisios pernos e provinciaos, a
dupla sahda centrada quo offereceo oies-
mo porto para as embarcapoes, resolve o
segunle :
Artigo V. Fica velada a sabida o enlra-
da de quaesquer embarrarles p"la denomi-
nnda Brrela, a qual ser trancada por meio
de correles de ferro.
Art. 2 O artigo 20 do regulamento de 19
de maio de 1846, quo veda a sabida do por-
to a qualquer navio mercante depois de en-
trar o sol, on antes diste nascer, lie applica-
vel is canoas, lanxas, jangadas, e quaes-
quer outras emharcaces scmelhantes ; os
conlravcnlorcs incorrerilo oa multa deque
trata o artigo 19 do niesmo regulamento:
Art. S, O captao do porlo fica encarre-
gado da exeeurflo desla resoluclo.
Palacio do governo de Pernambuco, 16
de agosto de 1819. -- Uonorio Ucrmeto Car-
neiro Ledo u
Conforme. No impedimento do secreta-
rio, Josii Varccllino Alvo da Fonseca.
Meca raides.
lra, Indas estas lesOes tem lugar pela
Iroduoeiio no organismo de principios
orhidoa, isto he de principios queprodu-
m a desunido, a decomposifo desses
ixes vivos que ronstitucm os orgilos d-
slivos.
Tem-se, procurado em loda a materia
rdidn, os agentes mais heroicos, directos,
pecifieos ou revulsivos para aliarar forte-
ente o mal e restituir o equilibrio aos or-
os. Creio, porm, que, nflo se preocu-
ndo bastante de Idea geral que emilli,
llcram-so por nlalhosem vez de seguir a
tradi real. Em umi palavra nflo se tem
lo bastante em vista essa distendi dos
"idos, essa deoomposicio que he o essen-
il do nial, e em inhiba opiniflo seu verda-
io carcter.
I is n ngenle llierapeulico que aqu tem
lo emprogndoeom um immenso succosso
empirismo, e que entretanto he dos mais
eis de explicar no modo de sua sepilo,
le agente nuda nns miios de lodos, e, co-
) se diz vulgarmente, se nflo fi/.er hem,
ilntio fara, lie a pedra um ordinaria, o
1| lalo de nlumiiiia e do potaste.
Soa ICfSo adslringeoie lio muilo co-
eeids, mas he incrivel que se mo lenha
Igarisado o scu emprc-go. Ora, basta fa-
r dissolver 15 gritos cm um copo d'agoa
massucar, para que logo depois de sua
lecco no estomago e intestinos, mani-
ilo-se urna mudanca repentina no estado
eiifermidadc. Paran as clicas, dosap-
re a diarrlia, e, como por encanlo, os or-
os da djgesto tornam as suas funccOes
ttnmadas.
\edesqiianlo lie precioso um agente que
ac diroola o efoaziiienlo as causas do
il, slo be a dislencilo das fibras vitaes,
r Ma acefio tnica e adslrngeiilc, sem
modo ulgum imredir a introdcelo de
'dicanientos coi Hirientes, destinados a
mimar a circulado geral entorpecida, ou
mbalerqiialqucr nutra pcrlurliafiosymp-
uatica ou esscucial.
O efleito da pedra hume he positivo, in-
nlrslavel. Tenho visto doenies attaca-
s da mais vilenla dysenleria lcarem al-
iados em nm instante ; tenho frito parar
ssas dysenlerias ror Iros ve/ese mais
mo un sum ii,cm, seinfre queior una
isa peilinaz e pcrsisteole, quera vol-
| Salieodo-se fazer coincidir com esle
lamento oulros agentes, para destruir
principios mrbidos do cholera, o doenle
apara quasi senijie aos horrores d'esse
;ello tef ivel.
: Eis-ahi, meu amigo, o que vos direi por
e de mus importante a respeilo dos nos-
trabadlos scb'iilificos, evos communi-
ei o que sobrevier de novo m nossa
uci e particularmente em minhas exoe-
icias. r
--O arsenal do marinha tendo de com-
prar cm consequencia de ordem do Esm,
Sr. roncclhoiio de estado e presidente da
provincia, duas arrobas do plvora fina pa-
ra o sorvico dos navios da armada surtos
oeste porlo, o lllm. Sr. inspector manda
convidar as pessoas que tal genero tiverem,
a que compareci no niesmo arsenal pelas
11 horas do dia 27 do correte rom as com-
petentes amustias, alim de so eliminar a re-
ferida compra.
Secretaria da inspecclo do arsenal de
marinha, 24 deagoslo do 1849. No impe-
dimento do secretario, ot Ularcelltno Al-
vei da Fon teca.
--0 arsenal de guerra precisa comprar
azeile de cairapalo e do coco, (io do algo-
do, velas de carnauba opavios : quem taes
gneros quizer forneccr, comparecer na
sala da directora do niesmo arsenal no dia
28 do crrante mez, trazendo sua proposta
com os ltimos piceos em carta fechada.
P*ela subdelegada da freguezia deSan-
to-Anlonio foi rccolhidu cadeia desla ci-
dado uu.a prela que diz chamar-se Izabel
e perlencer a I). Auna de tal, quo mora no
lugar denominado Carapina : quem sejul-
gai rom direito referida prela, cooiparc-
(ii oa mesma subdelegada, que, mostrando
pertenrer-lbe, Ihe ser enticgue.
Dito do dito ao dilo da dita, iritores.se de
Roza Mara do Carmo.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Jo.lo de Vargas.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Torquato Alexandrioo dos Santos.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Antonio de AlbuquerquellaranhSo.
Dito pela junta de fazenda publica ao col-
lector das diversas rendas do C.cianna, in-
teresse de Antonio Alves, e oulros.
Dito da dita ao dito da dita, interesse de
Fortunato da Silva Itabello Caneca.
Dito da dita ao juiz de fura pela le de
Goianna, interesse particular.
Correio goral de Pernambuco, 22 de agos-
to de 1849. O administrador, Anionio Joi
Gomes do Correio.
Theatro de noites divertidas.
NA RA DA PRAIA.
Hireeefo do Sr. Achules.
Ho)e, 25 de agosto.
Abertura.
OBOMF.OMAOCENK),
pantomima phantastico em 4 quadros,orna-
do com 10 transforma cues.
I'ersonagens.
Cassaodre. O Diabo.
Pienot. Um domestico.
Feroaodo Lucelia.
Don Rodrguez. A fada.
Povo e criados.
O CABO DE ESQUADRA E SUA PATRICIA,
polka cmica pelosSrs. Cobriel e i.ems.
I"MA SESSAO' DE PIIVSICA E DE ILLUSAO",
pelos Srs. Achules e Gabriel.
O theatro est preparado de novo : illu
minadlo de gaz e boa msica.
As pessoas que pretenderem bilhetes,
(que rusi.iin a 1,000 is. cada um, qur de
platea, qur de galeria ) dirjam-so a qual-
quer hora ao theatro. O proco dos cama-
roles ( que 'cem assento para 6 pessoas ) he
6,000 rs. Quem lomar 6 bilhetes de platea
ou galeria os obter por 5,000 rs.
Principiar ebegada de Suas Excelen-
cias.
Tliearo de S.-Francisco.
QI1INTA-FF.IRA, 30 DE AGOSTO DE 1849.
A beneficio do um arlista, vaiscenao
graude drama o
CASTEI.LO DE UVAL
eo
rti Francisco I.
A repeticilo desle lindo drama tem sido
pedida por inmensas pessoas cuja atlencSo
ello angareou na primeira vez que foi leva-
vado a sreoa oesto theatro ; seodo que en-
tre ellas primam os Ilustrados Srs. arado-
micos, a quem o beneficiado tem a honra de
se recommendar.
No lim do mesmo as duas jovens danra-
rflo
A POLONEZA.
para os que nlo assignarom, aos qusesso
vende desde j o dito primeiro volumeno
lugar cima indicado por ,250 rs.
Avisos martimos.
Para o Aracaty tem de seguir com mui-
ta brevidade o luale Novo-Olinda, por estar
milito adanlado em carga, alm da que
tem engajada : quem ainda pretender car-
regar e ir de passagem, para oque tem es-
pado suflicieote, se eoleoder com -n mes-
tre, Antonio Jos Viaona, no trapiche do al-
godflo, ou na ra da Cadeia-Velha, n. 17,
segundo andar.
Para a Parahiba sahir impreterivel-
meote no dia sabbado o liiate Espadarte:
quem no mesmo quizer ca regar ou ir de
passagem, trale'na ra do Amorim, numero
36, ou no trapiche d'algodao com o mealre
a bordo.
Para Lisboa o brigue portuguez S6/-
tne capitSoJoSo Francisco de Amor, sa-
be com a maior brevidade possivel, por ter
o seu carregamento quasi prompto : quem
no mesmo quizer carregar, ou ir de passa-
gem, dirija-se aos consignatarios, Olivei-
ra lmaos & C., na ra da Cruz, n. 9, ou ao
referido capilflo na praca do Commercio.
Para o Rio-de-Janeiro sabe com brevi-
dade a polaca S.S.-do-Carnxo para carga
ou passageiros. trata-se com o seu consig-
natario, Francisco Aires da Cunta, na rus
do Vigario, n. 11.
Para a Babia pretende seguir viagem
com brevidade,i or ter j algumi carga tra-
tada, a sumaca Flor-do-Auglim,meslre Ber-
nardo de Souza, para o restante da carga e
passageiros, ira la-se com o mesmo oicstre,
ou com Luiz Jos de S Araujo, oa ra da
Cruz, o. 33.
Vendc-se a barraca S.-lsabel, surta
no caes do Rai a qual pega em 16 caixas e peso de 20 : ni
ra do l.i vi amonto, o. 26,das 6 is 9 horas da
manhfla e das 2 s 5 da larde.
Leilao.
Adamson llowie& C. farfo leillo, por
inlorvonc.no do correlor Oliveira de gran-
de variedade de fazendas inglezas, mui
proprias do mercado : segunda-feira, 27 do
crrente, s 10 huras da rnanhfia em pon-
to no seu armazem da ra do Trapiche-
Novo.
Avisos diversos.
( Diario> Rin-de-laneiro. )
Ui
E i j.
AI.FANDECA.
idlmeulo do dia 24.". 28-080 090
CONSULADO (ERAL.
idimonto do dia 24....... 1:569,767
ersas provincias........ 38,217
1:607,984
CONSULADO PROVINCIAL.
idimonto do dia 24
KnfTAsVM
585,082.
rrtp
LISTA DOS OFFICIOS DE PARTICULAR INTE-
RESSE, EXISTENTES NA AD.MINISTRA-
. CAO' DO CORREIO.
' Concluido. )
Iflicio do Exm. presidente da provincia
ao Exm. ministro da gueria, interesse de
Antonio Luiz de Souza.
Dito do dito ao dilo da dila, interesse de
Jos Antonio da Cruz.
Dilo do dito ao dilo da dila, interesse de
Joo Luiz da Serra.
Dilo do dilo ao dito dn dila, interesse de
Luiz de Moura Nascimento.
Dito do dito ao dilo da dila, interesse de
Mu noel Eleulerio Fernandos Soarcs.
Dito un dito ao dito da dita, interesse de
Concalo Jos Das.
Dito do dito ao dilo da dila, interesse de
Manoel Francisco do Nascimento.
Dito do dilo ao dito da dita, interesse de
Candida Anglica de Mello.
Dilo do dito ao dito da dita, interesse de
D. Certrudes Aceiole Lios Feitosa.
Dilo do dito ao dito da dita, oteresse de
Caetaoo Carjieiro Itapozo.
Dito do dilo ao dito da dita, interesse de
Manoel Antonio.
lulo do dilo ao dito da dila, interesse de
Francisco Marques da Fnnsrca.
Dilo do dilo ao dito da dita, interesse de
Antonio Jos oe Rarros.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Joaquim Francisco Curdos.
Dito do dilo ao dito da dila, inlerresse de
Clorindo Borges.
Dito do dilo ao dito da dita, interesse de
Justino de Souza.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Joaquim Machado da Concejero.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Manoel Joaquim Ramos.
Dito do ditoao dito da dila, interesse de
Pedio Luiz de Barros.
Dito do dilo ao dilo da diln, interesse do
Hermenegildo Coelho da Silva.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Joaquim Jos de Sampaio.
Dito do dito ao dito da dita, interesse do
padre Bernardo Lucio Peixoto.
Dito do dito ao dito da dita, interesse do
Manoel Filippe deS.-Tiago.
Ditodo dito ao dito da dita, interesse de
Vnlentini Ferreira.
Dito do ditoao dito da dila, interesse de
Joflo Paulo da Silveira.
Dito do dilo ao dito da dita, interesse de
Manoel Ferreira do Almeida.
Dito do dilo ao dilo da dita, interesse de
Alexindre Fernandes MagalhSes.
Dito do dito ao dito da dila, interesse de
Manoel Cavalcaote da Silveira Bezerra.
Fioda esta, o Sr. Santa-Roza cantar a
sempre applaudida aria que tem por Ululo
A NEGRA AFRICANA
ou
A Quititandeira da Bahia.
Terminaodo o cspetaculo ro a jocosa
farca
OS DOS,
na qual o dilo Sr. Sania Roza far lodosos
esforcospara bem desem renhara parte do
Inglez.
Principiar as horas do cusime.
Monsieur le cnsul de la rpubli-
quefrncaise a l'lionneur de prier ses
roncitoyens de vouloir bien assister
aujourd'hui, onze heures du matin
a l'eglise du Corpo Santo, au service
fnebre et religieux du rommaodant
du Chateaubriand, capitaine L. I.e-
grand, dcd, hicr, 24 du cournt.
l'ublicaces Iliterarias.
I Manoel Lavalcaole da silveira Bezerra.
I Dilo do ditoao dito da dita, interesse de
Publirou-so oa Bahia, oodelcm tido mui-
ta areitac.no e acha-se a venda nesta cida-
de do Recite livraria da ra da Cruz n.
56,0 escolente livrinho destinado espe-
cialmente para a leitura dos discpulos das
escolas primarias o qual tem por ttulo o
ROM MENINO, contosde um mostr elemen-
tar, publicados por Cesare Cantil, Iraduzi-
do da 11." odicio de Muflo, em portuguez,
por llernardino Carvalho da Silveira Lomos,
1 v. em 12, boa cdicSo, encadernado em
papel, prec,o800rs.
ndice chronologico, explicativo e remissivo da
legislando brusiltira, desde 1822 at 1848.
Sendo da mais reconhecida utlidade pu-
blica n ennfeceflo de urna obra, que, extre-
mando e aprascotando por extenso a parle
da legislacflo brasileira que est" em vigor,
e mencionando em resumo as leis ou decre-
tos que nomcam vce-presidentcs de provin-
cias, criam escolas, concodem partas de na-
turlisacio, conferem pensos, estabele-
ooni regulamcutos, e urna infinidade de ou-
tras semelhantos disposifes legislativas
que si. a urna ou outra pessoa, a urna ou
oulra eorponico inieressa saber em toda a
sua extensflo, reduzisse a oito voluntes, pou-
co mais ou menos, os vinte e cinco a ti inla,
de queja consta a colli cofn das leis do Bra-
sil impressas na lypographia nacional;
pois que por esse modo, alm da diminui(flo
do cusi a menos de dous tercos, obtem-se
a vanlagem de se adiar com muilo maior
facilidade urna lei que se procura para ser
consultada, e do se saber ao mesmo lempo,
se ella est om vigor, ou se est revogada
ou alterada por outra, ao mesmo passo que
urna semillante collecgflo de leis se trans-
porta muilo mais fcilmente de um para ou-
tra lugar: iocumbio-sc desse arduo traba-
Iho o Dr. juiz de direito Antonio Manoel
Fernandes Jnior, o qual acaba de dar luz
no Rio-de-Janeiro o primeiro volme de tilo
til obra, comprehendendo em 200 paginas
in folioalegislacflo brasileira de 1822a 1830.
Varios exemplaies desse primeiro volunte
existem j nesta cidade em mflo do Dr.Lou-
renco Trigo de l.oureiro, actualmente resi-
dente naa lojas da casa do lllm. Sr. desem-
bargador Bastos na ra da Aurora, onde os
Srs. Drs., lentes e estudantes do curso jur-
dico, advogados, juizes municipaes, pro-
motores, dolegidos, cmaras municipaes e
mais pessoas qoequizerem subscrever para
a mpressflo de referida collercHo poderflo
mandar por carta a declarae.3odo seu nome
e residencia ou declara-lo por eate Diario,
alim de lhes ser entregue o dito primeiro
volume, e os subsequeutes a proporcSo que
forem sahindo da iroprensa.
Os Srs. Antonio Rodrigues de Moraes e
JoSo Ribeiro de Souza sSo pelo presente
convidados a apparecerem no Aterro-da-
Ra-Vista, n. 5, ondo se lhes desoja fallar
cm negocio que lhes diz respeilo.
Lotera do Guadalupe.
lie anda transferido para o dia 31 do cor-
rente o andamento das rodas desta lotera,
visto que este se nflo polo realisar no dia
13 aouncado, por existir ainda por ven-
der um numero tal de bilhetes, que nflo ha-
biltou o respectivo thesoureiro para effei-
iinir o dito andamento, que s (lpenle da
proHipia venda dos mestnos bilhetes.
Madama Millochau tem a honra de
paiticpar que mudouasua casa de modas
irancezas do primeiro andar do Alerro-da-
Boa-Vista n. 1, para a luja da mesma casa,
sonde s senhoras acbarflo sempre grande
soitmenlo de modas, como manteletes,
lencos, luva, ticos, fitas flores, bordados e
em geral ludo o que usam as senhoras, por
proco commodo : tambem se fazem cha-
peos, veslidos, camsnbas : ludo na verda-
deira moda.
Chapeos de sol
Bita do Passeio, n. 5
Nesta fabrica ha prcscnlemento um rico
sortimento de chapeos do sol de todas as
Dualidades e do todas as cores, asmis
fixas que pdem haver; chapeos de sol pa-
ra soi,luna, dos mais ricos e do ultimo gus-
to de Pars: bem como um rico sortimeoto
de sedase panninhos imitando seda para
cobrr ai macos servidas, chegado lti-
mamente de turnea. Nesta estabelecimen-
lo tambem ha chapeos muilo grandes para
fe lores de engenho.
Uina pessoa habilitada se propoe a re-
ceber alumnos internos e externos para en-
sinar primeiras ledras lingos nacional
franceza, geometra e rhetorca, prometien-
do o mais desvelado traa ment mediaote
um mdico estipendio : as pessoas que o
quizerem frequenlar poderflo dirigir-so
ra das Flores, sobrado u. 1, das duas ho-
ras da tarde em (liante.
OSr. Luiz Antonio Rodrigues Esteves
queira dirigir-se ra do Queimado, n. 7, a
negocio de seu interesse.
To Sportsmeu.
A few Canisters of Mess." John
Hall & Sous celehrated Glasa Gun-
powder niay be had at M.r Cor-
belts office 48, ra da Cadeia, l\e-
cife,
Na ra Nova, n. 6o, preci-
sa se de um olicial de alfaiatc pa-
ra concertos.
l'recisa-se de um forneiro :
na padaria defronte do viveiro do
Alunit.
Nascimento & Amorim embarcan) para
fri da provincia o escravo de nome Jos,
de n ac o Angola, pertenccnle ao Sr. Ma-
noel Comes Per* ira, residente no Rio-de-
Janeiro.
Quem annunciou querer comprar um
AO PUBLICO.
Em mui crescido numero contsvsm os
mdicos at agora molestias incuraveis,
contra as quses s era permittido ao pac-
ente resignac&o para soflrer um mal de que
j nflo hava esperances de poder librta-
lo, e ao medico philantropico a dor de ver
muitos de seus sumelhantes vctimas de
enfermidades, contra as quaes se declarava
impotente, podendo apenas lamentar a fra-
queza da intelligencia humana. Mas, gre-
cas aos progressos da medicina, grapas ao
zelo de horneas incansavels, que, nlo des-
esperando da perfectibildade da scencia,
se teem dedicado i investigarlo de reme-
dios que possam alliviar humanidadede
alguiis males que a allligem, o numero das
molestias reputadas incuraveis vai de dia
em dia dimiouindo. Assim, achar depois
de longos tmbalhos, de profunda medita-
CSo ti reiteradas experiencias, medicamen-
tos que nos restituam o oso dos dous mais
importantes sentidos de que he dotsdo o
nomeni, quando estes JA se achavam no sup-
posto estado de incursbilidade e inteira-
mente perdidos, he por certo uro dos miio-
res servicos que se podis prster huma-
nidade; eis o que eslava reservado um
homem philintropo da cidade de Braga, em
Portugal, cuja scencia, cujo amor de seus
semelhantes se teem feto geralment'e co-
obecer. Os remedios que ora oflerecemos
ao publico, nflo oolram na claase daquelles
que o vido e ousado charlatanismo incul-
ca com roucos n descompsssados brados, e
que o crdulo 'vulgo por ignorancia recebe
na boa f e sem discernimento, achando-.se
depois Iludido; tem, porm, de oceupar
mui distinelo lugar entre os medicamentos
que maiores beneficios preslsm ao homem :
constan clles da dssolucflo aquosa deex-
ii actos de plantas medicinaos, de virtudes
mui reconhecidas e verificadas. O longo
uso, as continuadas e severss experiencias,
a que por loda a parte teem clles sido sub-
mettidos, sem que urna so vez hsjam ralba-
do em seus bous effeitos, e desmentido a.s
e*perancas que sobre elles havia fundado
o seu inventor, Ihe teem grangeado cons-
tantes e repelidos elogios dos mais sabios e
respeitaveis mdicos, assim da Europa, co-
mo da America, que unsonos abonan e
proclamam sua aceflo sempre certa e beni-
gna. Um destes licores he destiusdo a
combater as molestias de olhos, e tem por
principal virtude restituir aos orgilos ds n-
sito suas funecoos ; reanimar e fazer reap-
parecer em sua natural perfeicflo a vista,
quando esta estiver frsca ou quasi exlino-
la ; comlnnto, porm, que nflo hsja ceguei-
ra absoluta com desorganisscBo das partes;
nflo menos til e enrgico be para desfazer
as cataratas, destruir as nevoas e de prom-
pto debellar qualquer infiammacSo ou ver-
iiielhidflo dos olhos. Nflo causa dor, nem
estimulo na parte.
imtro liquido restitue a faculdade de ou-
vir os sons ao ouvldo tocado de surdez, ain-
da que inveterada, urna vez que o mal nflo
soja de nascenca, sem causar em lempo al-
gum o menor incommodo ao doente, e sem
prva-lo de cuidar em seus negocios.
INSTRUCCES PARA O USO DOS RE-
MEDIOS.
O dos olhos emprega-se do nudo seguinle :
O doente pela manhfla, emjojum, urna
hora pouco mais ou menos depois que er-
guer-se do leilo, tomar sobre a palma da
mflo pequea poreflo daquella agoa ; e com
ella molhar bem os olhos, fazeudo que al-
gumss gotlas caiam sobre o ajobo oceular :
sem os limpar, os conservar molhadosalo
quo naturalmente enxuguem : ao deitar-
se a noite praticar o mesmo: durante o
lempo que osar do remedio evitar o calor,
acgflo de fumapa eo vento; far abstinen-
cia de comidas salgadas, azedas, e adula-
das com especiaras.
O remedio dos omvidoi ser applicado do modo
que legue :
O doente pela mantilla, urna hora pouco
mais ou menos depois de erguer-se, ainda
emjcjum, far derramar dentro dosouri-
dos quatro ou cinco guitas do liquido", ta-
pando-os depois rom algodflo em rama ; a
noite ao deitar-se repetir a mesma opera-
eflo. Durante o uso do remedio evitar ex-
piir, os ouvidos principalmente, i scfSodo
calor e do vento, afim do evitar grande
transpnicflo, lia vendo cuidado em nflo mo-
ldar os ps em agoa fria ; finalmente deve
abstor-se de comidas salgadas, azedas e
da badas.
Estes remedios estflo venda na botica de
Rarlholomeu Francisco de Souza, na ra
larga do Rosario, n. 36, nico depos'to em
Pernambuco, pelo preco de 2,240 ris cada
vdro.
Novo pfio de Provenca.
Na padaria do becco das Barre!ras e
no deposito da Estrella, no Aterro-
da-Boa-Vista, n. 39, fabnca-se o no-
vo pilo de Provenga, o qual he fabri-
cado pelo metnodo do aeu primei-
ro introductor que veio esta provin- y
ca, e com as melhores farinhas que
ha no mercado, e asseio que he pos-
sivel : da mesma sorle se fabricam as
filias da rainha do llesianba, boli-
nhos, biscoulos, biscouiiuiius, fallas,
cvicas : tudo do melhor gosto pos-
sivel e proprio para cha ;' tambem ha
bolachinhade Lisboa em latas de *
libres, por preQo commodo ; amen-
doas confeitadas e de varias quali- jk
dades.
tt&WWWWwMmW tPWrwW"JnP*piMP#
-- Prccss-se de um homem que j tonba
servido em primeira lipha para servir um
anuo por outia prapa : quem quizer dirja-
se a ra do Alecrim, sobrado n. 2, ou em-
biixo na venda do dito.
Precisa-se alugar urna prela : na ra
Direita, n. 18, se dir quem precisa.
Perante o Sr. Dr. juiz municipal da se-
gunda vara., na ra das Cruzes, pelas*bo-
ris da tarde do dia 29 do corrente, se hs de
arrematar um escravo do gentio de Ango-
la penhorado pelo coronel Chaby aos her-
deros do Francisco Xavier da Fonseca Coi-
tinho escrivflo Molla.
Foi furlado do sillo da viuva de Vieira
& Filhos, residentes na Soledade, um tran-
celn de ouro, redondo, com o peso de 14
oitavas, sendo ouro de lei : roga-so a quem
fdroffercciJoDori
MUTIL/


Tendo appareedo no Diario de Pernam-
/-ucoumannuncioemque se procura en-
sinuar, que porseduco de escravos meus
desaparecern! escravos do poder de Mana
Candida de Magalhaes, levo com toda ener-
ga repellir tito injuriosa quanlo 'nexaeta
insin-iac.no. pois que Irahalhando eu como
lierdeira nica de meu fallecido pai, o te-
nenle-coronel Francisco da Rocha Paes
nrrelo, para pelos meios judicues haver o
que lie meu e quo da hwaoca de meu pai
querem injustamente dcdzir, nlto tenho in-
teresse algum em guesesubtraiam bonsque
me convem existan quando se tiver de
j-ealisar a segunda pardilla como espero,
visto como a primeira foi julgada nuda o
s quem procura prejudicar os meus direi-
tos, poder interessar-se em quo vu"o oc-
culUmente para qualquer parte escravos
da ueranca, recebendo seus valores, para
na occasiSo da partilha n&o exislirem e nlto
serem computados em prejuizo da lierdei-
ra ligilima. O meu interesse, o meu proco-
(lmenlo es minlia dignidade repeliera es-
as malvola insinuaeflo e injuria, aue pe-
los meios legses hade opportunamepte ser
vindicada.Ilccife, 20 de Agosto do 1849.
Mara Lucia de Uendoiica fiitt Brrelo.
--. Precisa-so de urh caixeiro para venda :
naruada Lingoela,n. 1.
Precisarse de um bom forneiro : na pa-
da/ia delroiite da fortaleza das Cinco-Pun-
tas.
-- Aluga-se urna escrava para criar, por
ter muilo bom e abudaale leile: na ra de
S.-Cecilia, venda n. 2, se dir quem aluga
Aluga-se um sobrado com sotno em
OlinJa .logo ao desembarque da parle da
sombra com um grande banheiro, e nim-
ios corroodo para ramilia : a traUr na lo-
ia do mesmo sobrado.
--Precisa-se de urna preta para andar
com outra vehdendo fazenda ou mesmo
um preto:quem liver annuncie por esta
fllia.
-Aluga-se um bom molequo para o ser-
viso de casa ; quem o pretender, dirija-se
praca da Independencia, toja n. 3
Aluga-se um prelo pra Irabalhsr de
enxada pagando-se-lhe 10,000 ._ men-
sa es : quem o livor para alugar, dirlja-se i
ra do Sebo, n. 8QU annuncie.
Na lu'do Queimado, n. 14, se dir
quem d dinheiro a premio. Na mesma ca-
sa compram-se obras de ouroeprala no es-
tado em que esliverem.
-- Precisa-se de urna mulher idosa para o
servico de ama casa de portas a dentro : na
ra de S.-Jos, n. 3.
Urna mulher casada de bons costumes,
o que da fiador a aua conducta, se oQere-
ce para criar de ama de leile em qualquer
casa, capaz por ter excedente e abundante
leile: quem de seu presumo se quizer uti-
lisar, diria-ae i rua Nova. n. .18, primeiro
andar, defronte da Conceico dos mili-
tares.
Na ra das Flores, confronto a cochei-
ra, sobrado de um andar, cosem-se costu-
ras de alfaiale, lava-se e eogomma-se : to-
do por preco com modo.
Quem aniuinciou querer comprar um
bom violo dirija-se ra do Vigario n.
10, luja de pintor-.
ATTENCAO :
Urna pessoa bem conhecida nesta cidade,
e que di fiador a sua conducta se offerece
ansSrs. negociantes para cobrar dividaa
dentro da cidade e seus arrabaldcs, por
urna mdica porcentagem : tamben tira
passaporles, follias corridas e despacha es-
cravos : quem de seu presumo se quizer
utilisar, dlrija-se i ra da Cadeia no se-
gundo andar do sobrado, na esquina do
becco do Uuvidor.
Tem-se justo e contratado a compra da
vendan. 12, sila na Soledade pertencenle
ao Sr. Antonio Cardczo Caldeira : quem se
acharcom direitoa dita venda, queira de-
clarar por esta fojiia no prazo de 3 dias ,
contados da dala tiesto lindos os quaea, se
concluir o negocio. Recife, 21 de agos-
to de 1819. Jote loiijuim Borget de Catiro.
-- Na ra de Agoos-V'erdes, casa terrea
n 26, engnmnia-se e lava-se roupa de toda
a qualidade por preco mais comino lo do
que em outra qualquer parte.
Quem nnunciou querer comprar um
lalim,canana 0 mais alguns uhjeclos em
bom estado proprios pura oflicial subal-
terno da guarda nacional, dirija-se a r ua da
Conceic,.1o da Boa-Vista, n. 9. Na mesma
casa vende-se um rico vinlo em muitu bom
entailo por preco commodo.
.- Na ra do Caldeireiro, n. 28, recebe-se
roupa lavada pura engommar, o quu se
prometle fazer com toda perfeigSo, e mais
em cnla do que em outra qualquer parte.
Hoje, 26 do correnle, peranle o doutor
juiz da segunda vara se ha do arremar, por
ser a ultima praca urna loja de fazendas
na ra do Queimado pertencenle a heran-
(a do tinado Antonio Joaquim de Azcvedo :
os pKlenduites comparceam em dita
praca.
A pessoa que annunciou, no Diario de
22 do crvente querer tomar roupa para
"avar de vsrrella, de alguma casa de fami-
lia dirija-se ra Nova, n. 41.
AVISO IMPORTANTE.
Acaba-se de ter seria noticia, de os escra-
vos ahaixo mencionados andarom pelos
suburbios dsta cidade commetlcn lo ron-
boa e sendo a noite reeolbidos em diversos
ilion, por onsentimcntu dos escravos;
portanlo- previne-se a qualquer que nislo
possa interessar-se, e para que melhor pos-
sam ser capturados. Adveite-so que, po-
dendo ronslar-lhes desle aviso, queiram
evadir-se para mais longe, e aasim pois, pe-
ile-se toda vigilancia as estradas e lugares
suspeitos, rara poderem ser apprehemlidos.
Nto obstante darem a cerlexa do estarem
t9o perto, pede-ae encarecidamento as au-
toridades e a todas outras pessoas dos luga-
res longincuos, do continuaren) na inces-
sante diligencia para os aprisionar, para o
que segu este oulro annuncio:
900,000 rs.
D-se esta qnantia de gratificado a quem
levar ao engenho Agoas-Claras, de Uruc,
da viuva do Burgos, ou nesta praca, no
pateo do Carmo, n. 18, segundo andar, a
Antonio Carlos Pe re ira de Burgos Ponce de
l.eon, os dous escravos seguintes que fu-
giram nos dias sabbado para domingo, 26
a 27 do eorrente : Vicente, pardo de 26 an-
uos, de altara regular, cabellos crescidos e
carapinhadoa testa sobresabida olhos pe-
queos, nariz chato, tomador de tabaco de
jaqueU de bretanha, um bonete de velludo
azul ja usado, um chapeo de palha, um
dito de pollo prcto : Joaquim, crioulo bs-
tanle preto, de 38 annos, alto, secco, cara
pequea bem barbado ; tem o costume de
levar a m8o 4 barba ; he gago ; andar com-
uassado ; dizem ter mfii em Pajah-de-Flo-
res; foi escravo do capitfio Leandro Bandei-
ra de Moura to Apody o qual se acha pre-
sentemente na comarca de S.-AntSo, e tem
um sitio om Cravat; presume-se terem
partido para o Apody ondo ha muitos pa-
rantes do dito Moura; comquanto o primei-
ro andasse sempre em viagens dos sertoes
dotulaopoeiite.com os cobradores desta
casa : este ultimo escravo levou um chapeo
preto de pello e oulro de couro, duas ja-
quetaa brancas, 1 calca do brim pardo 1 di-
ta de riscado, 1 camisa de madapolSo,
duas ditas de algodo da torra e ceroulas.
Roga-ae a vigilancia nestesdou escravos,
que vindo com muita brevidade, serBo
gratificados anda com mais do que se offe-
rece.
Precisa-sede um feilor que trabalbe.
entenda de arvoredos, de horta e du vareas:
na Magdalena estrada nova, primeiro por-
13o de ferro.
'3

^lMCA()i)K/y.;/(V/0
BOWMAN & MC. CALI.UM engenhei-
ros machinistas e fundidores de ferro, mui
respetosamente annunciam aos Senhores
proprietanos de engenhos, fazendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peitavel publico, quo o seu eslabelecimenlo
de ferro movido por machina de vapor con-
tina em effectivo exercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
meira qualidade para a perfeila confoccQo
das maiores pecas de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arte, Bowman & Me. Callum
desejam mais particularmente chamar a
Httoiicao publica para a sseguintes, por
terem deltas grande sortimento ja proropta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir com as fabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em prego como em qua-
lidade das materias primas e mo d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhor construcg3o.
Moendas de canna para engenhos de lo-
dos os lamanhos, movidas a vapor por agoa
ou animaes.
Rodas d'agoa, moinhos de vento o serra
ras.
Manejos independentes para cavados.
Rodas dentadas.
Aguilhocs, bronzesechumaceiras.
CavilliGes e parafusos de lodos os tama-
itos.
Taixes, pares, crivos e boceas de forna-
Iha.
Moinhos do mandioca, movidos a mito ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fogilo e tornos de familia.
Canos de ferro, torneiras de ferro e de
bronze.
Bombas para cacimba e de repucho, mo-
vidas a mito, por animaos on vento.
Cuindastes, guinchse macacos.
Prensas hydraulica'g e de parafuao.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grades e porloes.
Prensas de copiar cartas e de sellar.
Camas, carros de mSo e arados do ferros,
&c, *c.
Ali'iu da superioriade das suas obras, a
geralmcnte reconhecida, Rowmao & Me.
Callum garantem a mais exacta confonni-
dade com os moldes e dezenhos remedidos
pelos Senhores <|uo se dignarem de fazer-
Ihes encommendas, aproveitando a occasiSo'
para agradeccrem aos seus numerosos ami-
gos e freguezes a preferencia com que team
sido por elles honrados, e asseguram-lhcs
que nSo pouparSo esforcos e diligencias
para conlinuarem a merecer a sua confi-
anza.
--Apessoaqueannunciou.no Diario de
20 do eorrente. querer comprar urna cadei-
ra de arruar, dirija- se ra Direita n. 26 ,
que achara urna i|iiasi nova e de bracos.
4. Na praca da Independencia,
S n. lo, ao voltar para a ra
| das Cruzes, alugam-se, ven-
| dem-se c Umbem se appli-
j cain as mclhorcs bixas que
j he possivel havarem no nier-
^ cado; limpam-sc e tiram-se denles
i com toda a perfeicSo lambem se ap
plicam ventosas com a rcaior delica-
$ desa que he possivel e faz-sa ludo
bem como concerta e faz qualquer obra
pertoncente ao sen oflleio ; amla sempre
as tercas, quarlnse si libados com perfei-
^aoe brevidade.
C. Starrfk Cotnpanhia, con-
vencidos de que a conduccSo das
formas de assucar para a casa de
purgar he em duvida o servico
que mais mortifica a escravatura
de om engenho, e desojando qtian-
to possivel he o melhoramento dos
senhores agricultores, teetn inven-
tado e conseguido construir varios
carros de ferro que facilitara de
una maneira admiravel este pesa-
dsimo trabalho. As pqssoas inte-
ressadas sao convidadas a inspec-
cionar, na fundieao d'Aurora em
Santo-Amaro, esta mui til in-
vencSo.
-- Na ra Nova n. 35, loja de alfaiatc ,
sedeseja Tallar com o Sr. Temotlieo Pinto
Leal Jnior, a negocio que Ihe diz ics-
peilo.
.- 0 bacharel formado JoSo de Barros
Falco de Albuquerque Maranhlto advoga
nos juizos criminal, civel e ecclesiaslico :
na ra eslreita do Rozario, n. 20, primeiro
andar.
Fabrica especial de %
vadciris na rua
largado lio/ario,
n. 10.
&. Henry Duman et Jules Imatz
}> apa\ tcem a honra de avissrem ao *
rrspeitavel publico quo nca- *
bam de abrir sua tema de J
marceneria onde hilo de ^
^' m fabricar especialmente ca- 2
>> deiras francezas, americanas e al- <5
i> leniHas, suplas e marquezas. Os an- S*" nunclantes, chegados hapouco tem- 4|
m pode Franca, trazem os modelos os J
W mais lindse mais commodos que J
Si se fazem agora, e por isso se acham 3
E habilitados para satisfaier as pessoas ^
t. que quizerem lionra-los com su <-;
S. confianqa. Osmesmos tambemseen- <-,
carregam do concert de qualquer -4S
f> mobilia do aasento que se apresen- <
&" tur e os seus freguezes ficarflo con- m
T tentesalo modo que serflo servidos, J
S| tanto em promplidio como em soli- ^
*> dez e preco barato. c
> ^
Precisa-se de 300,000 rs a premio com
hypotheca em una escrava: quem quizer
dar annuncie.
O abaixo assignado declara que no dia
23 do eorrente deixou de ser caixeiro do
Sr. Jos da Fonseca e Silva, e ao mesmo
lempo agradece ao mesmo Sr. o bom tra-
ta ment que Ihe deu. Jos llorges de
Sonta.
Aviso.
Quem pretender engenhos para em 2 ho-
ras socar urna caixa ou 6 barricas de as-
sucar oceupando urna s pessoa e um ca-
vado carros para conduccto de formas
com assucar lambem por urna s pessoa ,
nilo quereudo ser engaado, dirija-se rua
doSul, 13 Adverle-se que nto s5o carros
de forquilha.....porbaixo, desles os acha-
rSona fabrica dosSrs. Storrft Companhia.
0 Dr. Lobo Moscoso conti-
na a receber doentes em sua ca-
sa, no Aterro-da-Ba-Vista, n. 48,
onde ha commodos sullicientes,
nao s para se tra taren de suas en-
fermidades, como para se Ihes fa-
zer qualquer operaco : as pessoas,
portanlo, que se quizerem curar ou
mandar algum escravo, pdem di-
rigir-se ao annunciante em dita ca-
sa, certos de que sero tratados
com todo o desvelo.
Precisa-se de urna relac.lo de todos os
engenhos desla provincia e como consta
que existe pessoa qui a posfue roga-se-
< Ihe do mandar sua murada livraria da pra-
| ca da Independencia ns. 6 e 8, para se tra-
tar sobre o referido olijecto.
O abaixo assignado, lendo de ir ao Para,
ruga a todas as pessoas que tiverem con tas
com o abaixo assignado de se dirigirem a
sua casa parajse enienderem coni ellejassim
Aluga-se, por esta, ou niensalinenlo ,
urna casa na entrada da Casa-Forte, com
bastantes commodos, um sotflo com dous
quartos, quintal murado com estribara
para 4 cavados e cacimba com boa agua .
a tra lar com o major Joo Valentim Villela.
Precisa-sede urna criada para o servi-
co interno de urna casa: na rua Formosa ,
na esqu'na da ruada l'niito.
Manoel deAlmeida Lopes que costu-
ma comprar e vender escravos mudou sua
residencia da rua do Vigario, n. 21, para a
rua da Cadeia do Recife, n. *0
Domingos Alves Mathens, agenle da fa-
brica de rap soperior areia preta da Ba-
hi, tem aberto sou deposito na ua da
Cruz do Recife, primeiro andar da casa n.
38, onde se achara sempre desto excedente
e mais acreditado rap quo Me o presente
se tem" fabricado no Brasil: vende-se em
boles de urna e de meia libra- por preco
mais commodo doqueem outra qualquer
parte.
Km um engenho pouco distante desta
praca precisa-so de um feilor que enlen-
da dehortaliceede jardim : na rua da Ca-
deia do Recife, n. 9.
Agencia de passaporles.
Na ru doCollegio, n. 10, e no Aterro-
da-Boa-Vista, loja n. 18, continuam-se ati-
rar passaporles para dentro e fora do im-
perio assim como despacham-so escravos.
Compras.
Compram-se patscoes mexicanos a
1,900 rs. : na esquina do Livramenlo, loja
de 6 portas.
Compra-seum candieirode lalSo que
sirva para loja com duasou tres luzes, e
com os competentes vidros : duas conchas
de pao para balanca de balcSo de taberna :
na rua do Queimado venda n 3.
Compra-se um cabriolet : na Iravesse
da Madre-dc-Deos. n. 18.
Compra-se, effectivamente. ago'arden-
lo em pipas pelo preco correnle, anda
mesmo sendo amarclla : na fabrica de es-
pirito* na rua da Praa-de-S -Rita, n. 17.
Compra-se um snph, urna cadeira de
lia Unco e um par de consolos ludo de oleo
e em bom estado : nesla typographia se di
r quem compra.
fsajajr
Vendas*
porque o sen dono tem de san, no MhiW
- na rua larga noRo.-i
de o
virgen
Trapiche,
mwmmmmwwm mwmwmmwj
0 doutor Lourenco Trigo de Loureiro
reside actualmente as lojas da casa do
lllm. Sr. desembargador Bastos, na rua da
Aurora entrada pelo lado da mesma rua ;
e alii se oflerece para advogar, lanto no
civel como nocrime, e para ensinar as lin-
goas latina e franceza a quem se quizer
utilisar de seu presumo.
Denles artifciaes.
J. A. S. Jane, dentista participa ao rrs-
peitavel publico que contina a exercer a
sua projissSo, na rua eslreita do Rozario ,
n. 16, primeiro andar.
Ba larga do Rozai io,
n.14.
Ira(Iiiics,cnlIeiro e
armeiro.
tem a honra de prevenir ao resneuavel pu-
blico e principalmente aos seus freguezes
que elle acaba de receber um rico sorti-
menlode espingardas de caca, de um e
dous canos trunchados e adamasqulnados;
neste sortiinento ha lambem algunas mui-
lo curtas para cajar as maltas e lagas.
Seus freguezes acharSo Umbem um rico
sortiinento de pistolas tanto de montara
o mais que pertence a arte de sangra- g como, deixa por seus procuradures em pri-
dor : ludo por prego muito rasoivel. || mer0 |ugtr a sua senhora, em segundo ao
Sr. Manoel Firmino Ferreira c em terceiro
ao Sr. Manoel Duarte Vieira : eoseu esla-
belecimenlo contina no mesmo gyro, diri-
gido pelo seu contra-mestre o Sr. Amaro
Jos Gumes. or SimOes de .VagatMei.
Precisa-se de um caixeiro para pada-
ria : na S.-Cruz, paitara de urna s porta.
Aluga-se, pelo tempo da fesla, ou an-
nualmenle, urna casa terrea com muitos
commodos sita no Poco-da-Panella
margem do ro e que foi do doutor Joito
Lopes: a tratar na praca da Boa-Vista, n. 32,
segundo andar.
Precisa-se de 140,000 rs. com o premio
de um e meio por cento, pelo tempo de 8
mezes dando-se por garante pessoa abo-
nada : quem quizer dar annuncie.
~ Aluga-se um excedente escravo para
alguma casa estrangeira, com todas as boas
dualidades, alm de ser bom cozinheiro, he
copeiro e bolieiro : a tratar no Fortc-do-
Mattos, ruada Moda,n. II, segundo an-
dar.
Quem annuncin, no Diario de 22 do
eorrente. querer tomar roupa para lavar
de varrella em alguma casa de familia di-
rija-se rua Bella, sobrado de dous andares
onde mora o vigario de S.-Antonio.
O Sr. Jos Pereira Lins, que morou nc
Rio-Formoso, tem urna carta de seus paren-
tes na pra^a da Independencia, livraria
ns. fie8.
Furlaram, nodia 19 do eorrente, uina
-Vendem-se 6 lindos moloques de 12 a 18
annos ; oito prelos de 20 a 25 anuos sen-
do dous coznheiroso um oflicial de alfaia-
le ; duas negrnhas de 9 a 12 annos ; 3 par-
das do 20 a 24 anuos com algnmas habili-
dades ; 4 pretas de 20 n 30 annos sendo
urna dellas boa cozinheira : na rua do Col-
lego, n. 3, segundo andar, se dir ^quem
vendo.
Vende-se urna pardinha do 13 annos,
por necessdade : na rua do Fogo, n. 23,
se dir quem vende.
O melhor cutilero de Londres desco-
brio urna tmpora de acoque frita urna li-
ma delleeapplicada sobre oulra qualquor
a reduz a p e hn dcste mesmo ac que
agora foran fabricadas as melhores nava-
Ihas de barba muito superiores as da Chi-
na as quaes se vendem na rua larga do Ro-
zario n. 35, loja de miudezas.
Vendem-so saccas com l'arinha de muir
lo boa qualidade ; couros do oiiim ; um di-
to de lonlra; 4 anneloes ; um cordito; 3
cruzes de ouro : na rua do Queimado, n. 14
Vende-se um burro novo, mullo bom,
chegado lia pouco do sorto: na i ua da Ca-
deia do Recife, n. 51.
"Vendc-se um prelo moco, bom ofli-
cial do sapateiro: no pateo do Terco, n.
20, primeiro andar.
Chilas, a 120 rs. o
covado.
vendem-se chitas de cores escuras a 120
rs. o covado ; riscadinhos francezes linos o
de cores fixas muito lindos, a240rs. o
covado ; lencos de cassa 'om cercadura pa-
ra hombro de senhora, a 240 rs. cada um ;
esgu3o de algodo lino, com quatro pal-
mos e meio de largura proprio para cami-
sas de senhora a 320 rs. a vara : na rua do
Queimado, n. 8. Do-se as amostras.
-- Vcndem-se dous tnixos em muito bom
uso, por preco commodo : na praca da Boa-
Vista, deposito de assucar n. 7.
o armazem do baraleiro Silva Lopes,
na porta da alfandega, vende-so vinho de
Bordeaux em quartolas e da melhor
qualidade que vem a este morcado.
Vende-se una casa na rua da (.loria,
com 2salas, dous quartos, bastante gran-
des quintal murado e mui grande cacim-
ba e portfio para a rua da Alegra : na rua
da Poeira n. 13.
Vendem-se dousmoleques de 12 a 14
anuos; 2mulatnhos de 14 annos, ptimos
para pagens ; 3 escravas mocas com habi-
lidades : na rua lmnla, n. 3.
ro vapor para o snl
rio, loja n. 35.
No antigo deposito
e de potnssa, na na <
n. 17, vende-se mui
nova e superior cal virgen <
Lisboa e potassa da Hussia, pi
procos muito commodos.
- Vendc-se um superior cavado, propr
para cabriolet: na cavallence do Sr. Davl
na rua do Appollo. .
Vende-se um completo para narua
rua do Crespo 11. 1, na esquina quo vo
para a rua das Cruzes.
Salsa-pnrrilha (le Sandi
para remover e curar radicalmente I
das as enfermdades que proeedem da 1
pureza dosangue, ou habito do ayalema.
Esla medicina est operando constan
ment curas quasi incriveis de molesl
que proeedem da impureza do sangue.
Infeliz victima de molestias hercditari
com glndulas indiadas, ervos incol
dos, e os ossos meio arruinados, ficou res
helecidacom toda sua sande e f6reas
duente escrofuloso, coherto de chagas, c
sando nojo a si mesmo, e a quem o ser*
ficou perfeilu. Centenares de pessoas <
tinham soffrido ; por annos, a ponto do
sesperem da sua sorte ) molestias ctilant
glndulas, rheumalismo chronico e mu
outras enfermdades procedentes do des
ranjo dos orgfios de secreco e da circ
Cito, teem-se erguido quasi milagrosamc
do leito da morte, e hoje, com constituc
regeneradas, com prazer alteslam a eOi
ciadesta inestmavel preparaco.
Comquanto tenham appareedo gran
curas al aqu prnduzdas pelo uso d<
estimavel medicina comtudo a experi
cia diaria aprsenla resultados mais
lavis.
New-I'ork, 22 de abril de1.
Snrs. A. B. e 0. Sands. Julgando
um dever para com vosco e para com o
blico em geral, rcroetto-vos este cortil
po das grandes virtudes da vossa salsa-|
rlha para que oiilros que boje esl.to
frendo estahelecam melhor n sua eonfi
Ca e faQum sem demora uso da vossa m
cia.
Vi-me perseguido com urna grande I
da no torno/.elo, que se estenda pela en
la cima al ao joolho, lancava grando
Clo do nojenta materia, com com el
que meprivavam militas noitcs do meu 1
canso, o eram muito penosas de surmni
O Sr. Diogo M. Connel, que havia sido
radocom a vossa salsa-parrilha, recorr.n
dou-moqueeu fizesso uso delta *le
do haver lomado cinco garrafas '
fritamente curado.
Trnlio demorado um anuo n.
esle certificado, para c.onhecer n. ti
za se a cura era permanente, e tenlio n
a maor satisfazlo em declarar quo n.
nho visto, nem sentido cousa alguma
ranto todo este tempo, e aeho-mo perf>
mente restabelecido. Sou vosso, ole.
.Sarna M, Inlire,
210, rua Drlanrej.
Nesta provincia o nico agente dcste
ravilhoso remedio he Vieento Jos de It
t
Vendem-se escravos baratos, na ru
# das l.arangeiras, n. 11, segundo an
dar, como sejam: molcqucs mole
4, cas, molccoes, negras e negros de Ir
do o servico. .
i
Q11 cijos londrinos e
presuntos
para fiambre,- conservas ; latinhas com bis-
coutinho nglez, ludo chegado de Liver-
pool pelo ultimo navio, por preco mais
commodo do que em outra qualquer parte:
atrs do Corpo-Santo armazem de mo-
tilados, n. fifi
-Vende-se urna negra anda moc,a,que sabe
lavar, engommar alguma cousa, tem boa fi-
gura e cozinha o diario de urna casa : na
rua Bella, n. 14, primeiro andar, se dir
quem vende.
K elogios de nova
nvenco.
No Alerro-da-Roa-Vista, loja n. 48, aca-
ba de receber urna pequea porc&o de re-
logioapara cima de mesa, de muito bom
gosto os quaes regulan muito bem e silo
muito bons para os Sis de engenhos, por
ser fcil aconduccao : s restam 6.
Vende-se um carro de mito, de 4 ro-
das muito bem construido para condu-
zir loda e qualquer qualidade de volumea :
da rua do Brum armazem de assucar, por
detrs do arsenal de marinha. m
Vende-se urna balanza completa de pe-
sar assucar, rom ptimo braco novo e o
mais cerlo possivel: na rua do Brum, ar-
mazem de assucar por delta do arsenal de
marinha.
Vende-se um moleque de nacSo, bem
Chegueni ao barato q
poticas vezes apparee
Na praca da Independencia, cata ni
la n. l, vende-so brro de lslras COf de
ga e de Jinlio puro pelo narato prec
1,000 rs. o corte ; dito pardo de Bup
qualidade a 1,280 rs. o corte ; dilo br
de lstras, a 1,600 rs.; dilo trancado d
godflo a 1,200 rs. ; chitas de assent<
curo c decores fixas, a 1<0 rs. o cov
meias para senhora, muito tinas a 5(
o par; riscidinhos miudosn de cores I
proprios para camisas a 180 rs. o coi
esguiHo de algo 13o fino a 3,600 rs. a
com 10 varas e a 360 rs. a vara ; e o
muitas fazendas. Dito-so as amostras >
penhores.-
Agencia de Fdwin IIi
Na rua de Apollo armazem n. 6, de M.
mont<\ Conipanliia, acha-se conslantorr
um grande sortimcnlo do ferragens ing
para engenhos de fabricar assucar,
como taixas de ferro coado e balido de
ferentes tamanhos o modelos, moe
de dito, lanto para armar em madeira 1
todas de ferro para animaes e agoa,
j chinas do vapor de frca de 4 cavados,
pressSo, reparlideiras, espumaderas,
do ferro eslanhado. Na mesma agencia 1
se um sortimento de pesos para balan
escovins paia navios, ferro em barra, I
quadrado como redondo, safra para fe
ro e urna porcto de tinta verde om It
tudo por barato preco.
Vendem-se 3 fortes pianos, chep
pelo ultimo navio francez de multo
vozes, superiores as de oulro qualquei
tonha appareedo, e de novo modello
nSo dexraSo de agradar ao compra
charutos de I la vana, por preco mais con
do do que em oulra qualquer parte
completo sortimento de instrumente
msica, tanto de metal como de mad
bustos de gesso representando muito
mente a rainha Victoria o o principe A
to ; relogios de ouro e de prata, ches
ltimamente da Suissa. Estes relogios
sito muito bem acabados, se lornam
to recommendaveis a qualquer parlie
o adverte-se que ba entre elles algn:
andam oito diaa sem precisarem dero
na rua da Cruz, no Recifa, n. 55.
Vende-se fumo para cacl
boa do fabrico francez o melhor que
apparecido : lambem se vendem cachii
segundo o gosto ademiio e francez : n
brica de charutos do Alerro-da-B6a-\
numero 43.
- Nos armazena de Francisco liias
reir e no de Leopoldo Jos da Costa A
jo ha para vender o mais superior \
do Pono que tem vindo a este mercado
ADO


'III
Vendem-se f> lindos moloques de nagito
rioiilos sendo um dellos bom ofTIcinl de
'aialo e ptimo para pagem ; um rnula-
ilio do 15 annos ; 6 pretos muito mocos ,
ido um tallos perfeito cozinheiro ; urna
grinha de u annos, com principios do
stura ; urna preta de meia ida iha, cngomma faz docPS e d-se acn-
ito ; urna dita de 18annos perfeita eos-
rcira cngomma de ira faz lavarinto co-
ho, lio rorolhida e de muito boa con-
cia ; 3ftiulatinhasde 16 a 20 annos, com
;umas habilidades ; um cahra muitn ro-
sto, proprio para campo; e outrosmui-
escravos: na ra da Cadeia do Recife,
40.
Chocolate.
Vcndc-sc chocolate de varias qualidades,
mo sojam amargo e inglez ; e caf moido:
lo superior, por preco commodo : no
ei ro-da-Boa-Vista, n. 68.
Queijos londi iiios.
Vendem-se pelo mais barato prego de
) rs. a libra, superiores qucijos londrinos,
pgados rocentomcnte : na ra do Amo-
n, n. 3G.
Para escravos.
Vendem-so cobertores de a!god1o ameri-
io a 560 rs. cada um; zuarte dechadrez,
CO rs. o covado ; dito trancado a 200
o covkdo ; pegas de ganga azul da India,
ti 4 palmos do largura e 12 covados a
00 rs.: na ra do Crespo, loja n. 10.
-Vendem-sechapeos de senhora tanto
palha como de seda, manteletes de bico
o seda chegailos pelo ultimo navio do
inca : no Aterro-da-l!oa-Visla, loja da es-
in,i n. 1.
- Vi loja da modas franrczas, na esquina
Aterro-da-Doa-Visla, n. 1,recebcu-se pe-
ultimo navio vindo do Havre um lindo
'tmenlo de chapos de seda c de palha
a da nova moda ; ricos manteletes de se-
e de bico ; flores de todas as qualidades;
.'as do pellica curtas e compridas ; ricas
is^ plumas, bicos cambraias de linho,
tiisinhas : ludo vende-sc por prego mu-
em conta.
- Vende-so um fardamento completo e
ida u'mi servido para oflicial, ou inferior
cavallaria da guarda nacional : lambem
vender qualquer pega a vontade do com-
idor: na ra .Viva, ti. 16.
.Farinha superior.
Vende-sc a liordo da sumaca
eliz'jiurora, fundeadaem fren-
do caes do (.'ol
^10,
a la i i ii lio
ais superior rjuc ha no increado
por mais barato preco : a Ira tur
v "'adiado & Puiheiro, na ra
rio, n. 19, segundo andar.
o mrstre a bordo.

Vendc-se superior farinlia de man- J
dioca, muito nova por prego mais J
commodo do que em outra qualquer j*J
parto: a bordo da sumaca Bella-Xrge- ^
lina, Tundeada dcfronlc do caes do
liamos ou na ra do Vigariu, n. 19,
segundo andar, casa de Machado :
l'iiihciro.
a
<
^A.*A4iAAAAAAAAASiliAAO
- lio reconhocido boje universalmenle
: na prosonga de um par dcoculns adapta-
; ao grao da vista do paciente cai lu-
quanto os diversos autores qur anti-
i, qur modernos teeni escripto em me-
ina lendento a curar vista curta ou
isada ; e tanto sto be certo, que elles
sinos usam delles, e por isso quem os
/.cr honse baratos, dirija-se ra larga
Itozario, loja de miudezas, n. 35.
arles de briin entraen-
(lo de puro linho a
1/280 rs.
'ende-sa britn pardo de linho a 1,280 rs.
rtite, eoAr de ganga mulio fino a 1,500
: na ra do Queimado, n. 8.
- Vendom-se cortes de cambraias ada-
scados propriaspara vestidos, a 3,000
; ditos de talagarca, a 1,600 e 2,500 rs. ;
sa-ebita decores fixas a 300 rs. ; lan-
has para vestidos, caigas e roupa de me-
as a 320 rs o covado ; fazenda de lita
n listras de* seda pmpna para vestido
tenhora a 640 rs. ; litas para caigas, de
Ho bom gesto e de superior qualidade ,
200 rs. o corte ; cortes de cassa, a 1,400
cada um ; panmnhocom vara de lar-
a a 240 rs. a vara, e a 2,500 rs. a pega
i 10 varas e meia ; chales de pura 18a,
000 rs. cada um ; fustfles para colletes,
10 rs. o corte ; e outras minias fazetiilas
liarato prego : na na do Crespo, loja
5, de Cunha GuimarSes & Companhia.
ules de brlm de puro
linho, a 1,1280.
- Vendem-se corles de brim trangado
lo de puro linho, pelo diminuto prego
luatro patacas : na ra do Crespo, loja
squina que volta para a cadeia.
Vendem-se relogios de ouro e prata,
>ntes inglezes : na ra da 8cnzalla-.No-
n.42.
Rap rolao francez.
ende-se o superior rap rolfio francez,
-ament as lojas dos Srs. Caetano Luiz
eir no Aterro-da-Boa-Vista n. 46 ;
maz deMattos Kstima na mesma ra,
4 ; Francisco Joaquim Duarte ra do
ugi ; Piolo & Irmo na ra da Cadeia
tecife, n. 19.
Vende-sc cal virgem de Lisboa de
srior qualidade, em barra de 4 arrobaa,
:ihIii neste mez pelo brigue Maria-Jo$t:
atar na ra do Brum, armazeni de
anio Augusto da Fouseca, ou na ra do Dlas-
trio, d. 19.
Vendem se presuntos inglezes para
ibre ; latas com bolachinhas de Lisboa ;
s de araruta ; ditas do mermelada da
e 4 libras ; ditas de sardinlias ; ditas de
Vende-se champanha da mais superior
qualidade quetem vindo este mercado :
na rna da Cruz, n. 27, armazem de Crocco
k Companhia.
Chdbrasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
molhados, atrs do Corpo-Santo, n. 66, o
mais excellente cha produzido om S.-Pau-
lo, que tem vindo a esle mercado, por
prego muito commodo.
~ Vende-se um alambique francez e de
cobre com pouco uso que leva a caldeira
50 caadas, com muito boa serpentina de
oslanho fino que pesa 300 libras: este
alambique trabalha pordous systemas, um
que serve para destilar garapa, c outro pa-
ra restilar ago'ardente ; para este tem tres
ratificadores os quaes fazem com que o
alcool saia sem cheiro muito superior em
grao e muito simples para qualquer pessoa
poder trabalhar: acha-se montado o promp-
to a trabalhar para o comprador ver : lam-
bem se vende urna machina de fazer limo-
nada gazosa, agoas mineraes e vinho
champanha : tudo por prego commodo : no
Aterro-da-Boa-Vsta n. 17 fabrica de li-
cores, de Frederico Chaves.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 66, ha para vender, erogado!
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-Felz, e de outras multas
qualidades que se venderSo mais barato do
que em outra qualquer parle : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
milho, que se eslflo vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
AGCNCJA
da fuidicao JLow-Moor,
RA DA SFNZAI.T A-NOVA, N. [\1.
Neste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos,
para dito.
A 640 rs. cada um.
Vendcm-se cobertores de algodSo ameri-
cano, encorpadose grandes, a duas pala-
cas ; chitas escuras de hons padrfles e co-
res seguras, a meia pataca o covado : na
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Tai xas para engenho.
Na ruad icio ile ferro da ra do Brum,
acalja-sc de receber um completo sortimen-
lode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo c com promplidao embarcam-se,
ou carregam-secm carros sem despezas ao
camprador.
Cadciras de palliinha e
de bataneo,
bem com outros muitos trastes: vendem-se
em casa de Kalkmann lrmSos, na ra da I
Cruz, n. 10.
Superior cha brasileiro.
Vende-se superior cha de S.-Paulo em
caixinlins de urna e duas libras: na ruada
Cadeia do llecife, n. 51.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias que foram|de
farinha em p e bem acondicionadas:,
na ra do Atnoiim n. 35, casa de J. i
Tasso Jnior.
A 640 rs.
Vendem-se cobertores de algodito, muito
encorpados, proprios para escravos a duas
patacas cada um : na ra da Cadeia-Velha,
n. 33.
f O
O Na loj da rna do Crespo, 9
*x n. G, ao pedo lampeo, ven- 9
j dem-se os acreditados brins j
<> trancados de puro linho.
(5 Corles de brim trancado pardo, a
O 1,280 rs. : dito cor de ganga, a 1,440 O
3?"
qualro palmosemeio de largura, proprio
para camisas de senbora e aquetas, pelo
barato preco de 400 rs. a vara ; bretanhas
do rolo com 10 varas, a 1,600 rs. ; supe-
riores cortea de fustfles alcochoado a
1,28o rs.; ditos miudos, a 400 rs. o corte :
na ra do Crespo, n. 14, loja da Jos Fran-
cisco Diaa
Vende-se um pardo robus-
to, de a4 annos, perfeitamente en-
tendido no ser viro de campo e sem
vicios : na loia da ra do Crespo,
de Cun
15,
n.
Companhia.
rolda de Flandres.
Vendem-se canas com folha de Flan-
dres : em casa de J. J. Tasso Jnior : na ra
do Amorimpn. S5.
Bombas de ferro.
Na fundigfo de ferro da ra do Brum ,
vendem-se superiores bombas para cacim-
ba assim como de repudio para fazer su-
bir agoa casas at altura de 4 a 5 andares.
Charutos de Havana
verdadeiros: em casa de Kalkmann Ir-
infius na ra da Cruz n. 10.
Marmelada nova.
eliegada ltimamente do Bio-de-Janeiro,
vende-se por preco commodo: rt'sdo Cor-
po-Santo armazem de molhados, n. 66.
o o
O t^- ira rna ao Crespo, jfc3 O
5 loja da esquina que volta 9
0 para a cadeia, vendern-se
;.) os acreditados brins trancados tiran- q
vara de largura, a 290 rs. o covado ; cassas f : na ra Nove, loja de ferragens, n. 16
n!nla4ip An nAeoo fine a OA t\ nrtuailn* rio lr\a I til? Poir'.i
pintadas de cores fixas, a 240 rs. o covado;
pegas de pannintio da vara d largura, com
12jardas, a 2,000 rs. : .na ra do Crespo,
loja n. 10.
A ellas antes que se acabem.
Vendem-se ricas luvas de pellica para
homem e senhora pelo diminuto prego do
1,000 rs. o par: na ra do Queimado, n. 17.
Hilo-s as amostras.
Paraliqudar-ie.'.
. 01 Vendem- se, por barato prego, cor-
ra (jUimaraes ck $ tes de vestido de carobraia com barra
i branca e de cores, a 1,440 rs.; meias
V decflreapara senhora, a 1,800 rs. a
m duzfa ; ditas para meninas, a 1,000
>: rs. : suspensorios de meia a 1,000
Vi rs. a duzia ; botfles de duraque a
$ 240 rs. a grosa ; lencos de seda para
Di algibeira e hombros de senhora, a
# 400, 500, 800, 1,000, 1.200, 1,400
3 1,600 e 2,240 ra.: no pateo do Car-
m mo, n. 18, segundo andar.
ff. ,,UWU.O. |HkUlV 1IIUIIV < "' i'iuu -
Js proprio para escravos a 180 ra. o ~J
6> covado; pannopreto muito fino, a jj
O 3,200 rs. o covado ; cassa de quadros O
& para bahados, a 2,000 rs. a pega ; lu- O
O vas de algodSo de cor, muito linas, a O
f> 240 rs o par ; chitas rouxas com flo- Q
fj rey encarnadas, de tintas seguras, a 0
q 180 rs. o covado ; cassas pretas, pro- e
0 priaspara luto, a 160 rs. o covado; q
r\ pegas de platilha dealgodSocom 25 y,
varas, a 4,200 rs.; e outras muitas S?
*; fazendas por prego commodo.
Pechineha.
Vende-se cha hyason de superior quali-
dade pelo prego de 500 r. a libra : na ra
do Crespo, n. 23.
A ,(100 rs. a caixa de
cem charutos.
Vendem-se hartos regala de S.-Felix
ditos cegadores, cavalheiros, regalos de la-
vana o olidos, todos de superior qualida-
de, pelo mdico prego de 2,000 rs. a caixa
de cem : na ra Nova casa de comestives,
[n. 69.
Superiores carias de
jotar.
Vendem-se soperiores cartas de jogar,
em porgo e a rclalho, por prego muito
commodo: na ra Nova, casa do comestives,
n.69.
Vende-se urna porg.to de bolacha or-
dinaria, por prego commodo: na ra l)i-
reita padaria n. 26.
Vendc-se rap de Lisboa,
chegado ltimamente, a 3,ano rs.
a libra : na ra da Cadeia do le-
nle loja de Antonio Joaquim
Vidal.
liilhetes do Rio-de-
Janeiro.
Aos 20:OOO#OOO de ris
Achani-sea venda na loja de cambie da
viuva de Vieira & Filbos, na ra da Cadeia
do Itecifo a. 24 bilhelese meios ditos da
lotera a beneficio da fabricado vidros de
1,280 rs.,
O rs.; dito muito fino, a 1,600 rs. ; di- J!
O lobraricolSlrado,a1,500rs ; pico- O l'n" uo,,e.,ir'0" 'nca ue vmros ue
O te, a 180 rs. o covado; chitas escuras 0 i S.-Roque e da fabrica de papel deZefer.no
Q e de cores fixas a 16(5 e 180 rs. ; co- l fe,rre.r' f ",es1",a, }$* 'Sf 0 19'"
bertores americanos, muilo ecor- loleria do Monle-lio, chegada uil.mamen-
pv pados a 640 rs. o corte ; cortes de jf.
^ cassa branca para vestidos, a 2,000
- rd fi'i"A< Ha Hitan 1131:1 linhaHee o
ni
'r', rs. ; pegas de ditas para babados a / '
? 2,400 rs. e a 32o rs. a vara ; chapeos z?
)| de massa ,a 1,600 rs. ; ditos de seda j
2 a 640 rs. ; ditos a 400 rs. ; fustfles pa- O j
O racolletc, a480rs.; dito superior a O
& 610 ris. {
FAKINIIA DE MANDIOCA.
A melhor farinha de mandioca que tem
venda he a bordo do brigue Minerva, chega-
do de Santa-Calharina, e fundeado na praia
do Collegio, onde se vende a prego mais
commodo que em qualquer outro barco ; e
lambem se pode tratar na praga do Coui-
mercio, n. 6, primeiro andar.
Deposito da Turica de
Todos-os-Sautns na Itahin
Vende-se em casa de N. O. bieber & C.
aa ra da Cruz, n. 4, algodfio trancado
daquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos,
1,280 ris.
Vendem-se superiores cortes de brim
Irangado do puro linho eflr de lama de Pa-
ria pelo barato prego de 1,280 ra.: na rus
do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
leo vapor.
Alphabeto da malicia das
Huillines :
vende-sc a 320 rs. na praga da Indepen-
dencia, livraria ns. 6 e8.
RA DA CRUZ N.c
Madapolfles muito finos.
Vendem-se pegas de madapolfles muito
finos largos e encorpados proprios para
camisas de homem e senhora com 20 va-
ras ; a 4,500, 5,000, 5,200 e 5,500 rs. ; dilo
ordinario com 20 varas a 3,000 rs.; len-
/ilhaa ; ditas de chocolate de Lisboa ,
eos de conservas ; ditos d'agoa de lor i os *? i00."'"' com franja proprioa para
aranja; barra com azeitonas brancas de 1 memn88t "40 ra.; luvas de pellica, pequ-
is ; garrafas com vinho moscatel de Se- n"" a 500 r8- Us de c6res muito n"8
il, e da Madeira ; queijos de prato ,' 14, rA COvad. t e a 5,00 rs' PeC : n
caes : tudo novo e chegado ultima-1 rua do p*ss,>0> l0J '
13.
ARMAZEM DE FOHNECI.MENTOS PAKA
NAVIOS.
Ncsle armazem vende-se o seguinte:
Carne salgada
de porco e varea ,em barris, de muito boa
qualidade, e muito nova ;
Remos de faia
de todos os tamanlins ;
. Lantemas de patente
de varios tamanhos, proprias para navios;
Cabos da Russia,
de patente, os melhores que ha no merca-
do, e de todas as grossuras;
Lonas inglezas
e da Russia, de varias qualidades tanto
largas como estreitas;
Brins da Russia,
de superior qualidade para velas ;
Rmeles escoeezes
para marojos;
Bandeiras nacionaes,
de 2 at 6 pannos.
Castorim francez, a OSO
rs. cada covado.
Na loja que faz esquina para a rua do Col-
legio n. 5, vendem-se os novos castorins
francezes muito encorpados, padrfles no-
tos, escurse com listras pela boira, pelo
barato prego de 560 rs. o covade.
Vende-se um sobrado de dous andares,
sito na rua di Lana. n. 3: na rua tarea iln
Tecidos de algodan tran-
cado da fabrica de To-
dos-ns-Santos.
Na rua da Cadeia, n. 5*1.
vendem-se por atacado tres qualidades,
propriss para saceos de assucar e roupa de
escravos, a 250, 280 e 300 rs. a vara.
Lotera do Rio-de-Ja-
neiro
Na praga da Indegendencia, n. ?, ven-
dem-se meios bilhetes. quartos, oitavos e
vigsimos a beneficio da fabrica de vidros :
na mesma loja se mostram as listas das lote-
ras passadas.
A 560 rs.
Vende-se hamburgo muito fino, de 3 pal-
mos o meio de largura proprio para len-
ces e ceroulas, pelo barato prego de 360
rs. a vara ; chitas muito tinas, escuras e de
cores muito fixas, a 200 ra.; ditas lavradas
de diversas cores, a 180 rs. o covado : na
rua do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Das.
Pannos finos preto eaznl,
a 3,000 rs. cada covado.
Na loja da rua do Crepo, n 5, de Cuima-
rSes & llenriques vendem-se pannos pre-
to e azul, finos, pelo barato prego de 3,000
rs. cada covado e alm destes ha um com-
pleto sorlmento de todas as cores e pre-
goscommodos.
Vende-se um preto proprio para o ga-
nho, ou qualquer servigo braga!, por ser
muito reforgado; um moleque : na rua da
Cadeia do Recife, n. 39.
Vende-se um terreno com urna peque-
a casa de pedra e cal, no lugar da Capun-
ga foreiro ao doutor Jacobina, por prego
commodo : na rua da Senzalla-Velha casa
lerrca, n. 24.
Chales de Roberto do
Diabo.
Na loja deGuimarfles & Henriques rua
do Crespo, n. 5, que faz esquina para a rua
do Collegio vendem-se os novos chales
grandes intitulados Itnberto do Diabo pe-
lo barato prego de 1,600 rs. cada um: esta
fazenda se torna muito recommendavel ,
porser de padrfles novos, e de lindas
franjas.
i\ a rua do Crespo, n. 5.
loja que faz esquina para a rua do Collegio,
vendem-se chitas francezas largas e de pa-
drfles muito modernos pelo barato piego
de 280 rs. cada covado.
Vendem-se 3 saccadas de pedra da tr-
ra, uma cama de angico, urna marqueza,
8 quadros grandes desala, urna mesa, 12
gairahs, 3 compntHras de vidro, urna se-
creta, 1 porta-licor e outro de azeite : a tra-
tar na rua das Larangeiras, n. 29.
--Na rua da Cruz, n. 3, vende-se cera de
carnauba de superior qualidade por prego
commodo.
Visporas.
Acabam de chegar pelo ultimo navio vin-
do de Franga, na rua do Queimado, loja de
chapos, n. 22, pegada u esquina do Itosario,
um sortimento dos mais divertidos jogos
de vispora os melhores que teem vindo a es-
ta praga, assim como um sorlmento dees-
tojos para costuras de senhora com todos os
seus pertences, rontendo mais una caxi-
tilia de msica com cinco pegas cada una e
mais lambem o sortimento dos ditos esto-
jos para homem, todos com os seus perten-
ces para barba : a clles antes que se aca-
bem.
Visporas.
Acaba de chegar pelo ultimo navio de
Franga rua do Queimado, loja de ferra-
gen, n. 37 A, junto ao becco da Cong>ega-
efio, um sortimento dos mais divertidos
jogos de vispora os melhores que teem
vindo a cala praga; bem como um sorti-
mento de estojos para costura de senhora
com todos os seus pertences, contendo mais
uinacaixinha com cinco pegas de msica
cada una; um rico sot tmenlo de estojos
para barba, com todos os seus pertences. A
elles antes que se acabem.
( ores de si patos.
Vendem-se ricos cortes de sapaloa de ta-
pete para homeme senhora: na praga da
Independencia ns. 18 e 15, loja do Aran-
tes.
Couro de lustro.
Vende-se couro de lustro francez e ham-
burguez de muio boa qualidade, e mar-
roqu nido todas s cores : na praga da In-
dependencia ns. 13 e 15, loja do Arantes.
Vendc-se uma preta de 16 annos sem
vicios nem achaques e que coziuha o dia-
rio de uma casa, lava e engomma : na rua
Imperial, n. 25.
Vende-se o sobrado de um andr n. 78,
no Alerro-da-Hoa-Vista com bastantes
commodos e grande quintal, para paga-
mento da hypolheca que tem a Sr." D. ala-
ria Rita de Queiroga: a tratar com o Sr. Ito-
dolpho JoSo Barata de Almeida ou com o
Sr. Francisco los tu Cn de Jos Luiz Peira.
-Em casa d Adamson Howie & C. rua do
Trapiche, n. 42, vendem-se sellins inglezes
da melhor qualidade, com lodos os mais
pertences.
Vende-se um pardinho de 12 annos e
um mulatinhode ii, ambos muito bonitos
proprios para odicio.'ou pageos.- na rua lar-
ga do Rosario, n. 35, loja.
. IIoinho de vento
Vende-se o monho de vonto eslabeleci-
do em Fora-de-Portas para o fabrico de
farinha de mrlho com as competentes ma-
chinas de pctieirar e ventilar. As vantagens
que este estabelecimento offerece sSo 18o
man i Testas, que intil se torna fazer del las
aqu minuciosa desrripeSo. 0 monho adia-
se em estado perfeito e em trabalho atrac-
tivo o moe para mais de 9 alqueirea ( 12
arrobas-) de minio diariamente, e disto
qualquer se pode convencer, indo-o exa-
minar por alguna minutos quando est tra-
balhando. Os pretendemos dirijam-se a
qualquer hora ao mea mo monho que ahi
acharfio com quem tratar. Observa-se que
este monho de vento, sendo lodo feito de
ferro sobro fortes esleios de madeira pode
em poucos horas ser tirado do lugar em
que est e collocado em qualquer outro que
mais convenha ao comprador.
( Farinha barata.
*4 Vendem-se saccas com muilo boa fa-
V rinhade mandioca, por barato pre-
T. go : no armazem do Bacelar, em fren-
te da rampa da alfa ti liega a tratar
com Machado & Pinhelro.
Movidade.
Na rua do Collegio, taberna de Antonio
Jos Alves da Fonseca, vendem-se bisas no-
vas vindas ltimamente de Lisboa, por
prego mais barato do que em outra qual-
quer parte.
Defronte da casa da pplicia por baizo
do salfio do convento deS.-Francisco, ven-
dem-se trocam-se e alugam-sa cavallos.
Vende-se uma leltra de 800,000 rs.,
vencida em Janeiro do correte anno, acei-
ta por pessoa de crdito que lem muilos
bens, e mora distante desta cidade 26 le-
guas : na rua do Queimado, loja n. 14.
- Vende-se urna trave de magsaranduba,
com 47 palmos de com rmenlo e4 em
quadro : na roa do Queimado, n. 14.
Vende-se uma porcSo de vidros de nma
e duas libras, urnas panellasde louga bran-
ca : tudo proprio para botica, por prego
muito mdico: na rua do Livramento,
n. 14.
Vendc-se um bote em bom estado, e
diversosobjectos para navios, sendo ma-
gantes vclaoies e verga mes : tudo em bom
estado : na rua da Cruz, n. 64.
Vendem-se8 escravos de 18 a 95 an-
nos sendo dous cozinheiros; um pardo de
18 annos, de elegante liguia e que he pro-
prio para pagem ; 2 escravos proprios. para
o servigo de campo, por entenderem mui-
to desse trabalho ; um moleque para lodo
o servigo; uma parda por commodo pre-
go ; 2 pretos do 20 a 25 annos, com alguna
principios de habilidades : todos estes es-
cravos vendem-se por prego commodo : no
pateo da matriz de S.-Antonio, sobrado o.
4, se dir quem vende. ,
Na loja do Maia Ramos ce C. vende-
se pelo diminuto prego de 500 rs. um dos
mais bellos romances que tem por titulo--
A roscira trnduzido do francez por uma
senhora portugueza. Recommnda-se mui
to a leilura desta obra, principalmente aos
pas do familia; para que, dando-a a lera
seus filhos,, couliegam a grande utilidado
3uc so lira em derramar por entre a moci-
ado liefles de tanta moralidade como as
que se conlem em dito romance. Quem
pretender os ditos livros, dirija-se a rua No-
va, n 6, na indicada loja cima.
Vendem-se portas, janellas, carros de
m.lo pedras de cantarla armagfles para
camas de vento, um jogo de gamito : na
rua da Praia, defronle da ribeira, ns. 9 e 19.
scravos Fuligos
Fugio, no dia 19 do correte, o pre-
to Manoel, por sobre-nome Mondonga, de
nagflo Congo de 20 annos pouco maia ou
menos; levou camisa de algodito com mar-
ca encarnada das letlras M.C., caigas de
algodito azul chapeo de couro, ou bonete;
he muito ladino que parece crioulo : quem
o pegar leve-oao becco da l.ingoeta, vanda
n. 8, que ser gratificado.
Desappareceu, da fundigSo da Aurora,
em S.-Amaro na noite de 20 do correle,
o preto Antonio, de nagto Congo da es-
tatura regular cheio do corpo com mar-
cas de bezgas ; tem falta de um dente na
frente ; levou camisa de bacta azul e caigas
de algodito branco trangado : quem o pe-
gar leve-o a mesma fundigflo ou no eserjp-
torio na rua da Aurora, n. 30, que ser re-
compensado
Fugio, na madrugada do dia 98 do cor-
rente da casa de Joauuim Lobato Ferreira,
a preta crioula, de nome Antonia, da 18 an-
nos cheia do corpo catalura regular, cor
e feigflea ordinarias; levou vestido de chia
roza com palmas encarnadas ; lem um risco
na face esquerda de alio a haiso por ser
pronostica e capoeira ; ussva de vender
quitanda. Esta escrava faltando em casa de
seu senhor, foi vala e pegada na casa de
SebaatiSo Jos Tavares na rua do Rangel,
e por isso se protesta contra este e quem
mais der quartel a dila escrava. pelo jor-
nal despezas e Indo o mais na forma da
lei.
--Fugio, no dia 16 do rorrenta, da ca-
deia de Sorinliem a escrava Margarida ,
crioula, de 35 a 40 annos pouco mais ou
menos; he alta cor fola, nariz grosso ,
rosto redondo; cosluma tomar tabico; des-
coiifia-se ter combinado sua fgida como
carcereiro da mesma cadeia, pessoa da
mesma villa, e existir em algum engenho
por aquella circumferencia. Hoga-se as au-
toridades policiaca, capitfies de campo a
pessoas particulares, que a apprehendam e
levem-na a mesma villa a sau senhor, An-
tonio Joaquim de Mello e Silva, ou nesla
cidade a Lino Jos de Castro Araujo, na
praga do Commercio, n. 2, que seio gene-

MUTILA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EH5P6Q3AI_Z2K65T INGEST_TIME 2013-04-13T03:37:30Z PACKAGE AA00011611_06255
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES