Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06254


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXV
Sexta-feira M
PARTIDAS DOS COBB21M.
Ooianna eParahlba, segunda! eseitas-felras.
^Grandc-do-Norte, qulntas-felra. ao mel-
Cho^erinhem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no l., a II e 91 de cada mes.
Garaohaos e Bonito, a 8 e23.
Boa-ViaU e Florea, a l e 16.
Victoria, Siquintai-fclras.
Olinda, todo oa dia.

inmuBiuu,
Ph.sis d loa. Chela a 4, ia 1 h. e 32 m. da m.
Ming. all.stlh.el3m.dam.
Nora al8,ia 3h.cl3ni.da t.
Creac.a25,s 2h.e36m.da t.
rnEiHiK de HOTO.
Primeira m 10horas eOminotoda manh.
Segunda a10 horas e 30 minutoi da tarde.
de Affostodel849.
N. 187-
MECOS DA SUBSCB-IcAo.
Por tres meies (adaaocto) 4/000
Poraeisroezet 8/000
Por gm anno 15/000
DJAS DA firMANA.
20 Seg. S. Bernardo. Aud. do J.dos orf.e dora.l.v.
21 Tere. S. Joanna Francisca. Aud. da chae, do
J. da 1. v. do civ. e do dos feitos da fazenda.
22 Quart. S. Tbemoteo. Aud. do J. da 2. v. do civ.
23 Quint. S. Filippe Beniclo. Aud. do J, doi orf. c
do in. da 1. v.
24 Sexu S. Bartholoineu.
25 b. S. LuU Re de Franca. Aud. da Ch anc. e
do J.da2. vara do crirae.
26 Dorn. Sagrado Coraco de Mari >-i'}U >""
CAMBIOS H 13 DI
Sobre Londres. 26 d. por 1/000
Parli, 380.
Lisboa, 115 por cento.
(uro.Oncas hespanhoes.........
Modas de 6/400 velhas..
. de 6/400 novas..
. de 4/000...........
Prota.PatacOe brasileiros......
Pesos columnarios.......
Ditos mexicanos..........
AGOSTO.
ra. a 60 das.
31/000 a 3I/T.00
17/200 a 17/4011
16/200 a 16/400
9/200 a 9/400
1/990 a 2/010
1/*J90 a 2/!0
1/900 a 1/920
DIARIO !>! H!t\ UIIM (0
PABTE OFFICIAl.
MINISTERIO DA FAZENDA.
Sf.NHoa. -O syalema de promiscuidade do
ouro e prata, como moda de pagamento,
parece haver sido admittido e-n Portugal
de lempos mIs remotos, mas foi a lei de
4 de agosto de 1688 que o regulo, elevan-
do 6* por cento o ralor dos conhos destes
dous metacs que ent9o circulsvam, e tr-
iando entre elle a relaco de 1 para 16.
Quasi pela mosma poca mandou o gover-
no cunhar, par* correrem s no Brasil e
nos dominios da Asia, modss de ouro de
22 quilates, do valor de 4/, com o peso de 2
oitavas e 90 gritos; e de prat, de 11 dinhei-
ros, do valor de 640. com opeso de 5 oitavas
e 90 grSoi.
Assim ficou estabelecida naquelle reino
a relacllo legal de 1 para 16 entre a prata
e ouro, no Brasil a de 1 para 14, 48.
lie de presumir que os inconvenientes
deslas medidas fbssem entilo mais sensiveis
em Portugal do que entre nos, prquanto
parece que, desde o meiado do seoulo 17.
at o comeco do actual, a relaeo rel entre
os dous melaes nao ultrapassou os limites
del para 14a 1 paria15.
As modas de otiro de 4/ fram depois re-
duzidas ao peso de 91|4 oitavas, e as de pra-
ta de 640 a 5 oitavas, o que elevou a relaco
legal entre os dou* melaes a 1 para 13, 88;
mas, como rr*n^>osteriormenle adm i tu-
das no Brasil as modas de ouro de 6/too,
e recunhou-se eth 1810 grande porcSo de
pesos hepanhes de 7 oitavas de prata cora
o valor de 960, licou finalmente filada a re-
latlo de 1 para 19 i|9 entre os dous me-
taes ; dolido ffi|lll||iii rmrnnnT rin niirn e o
predominio da prata eomq moda de paga-
mentos.
Esta legisiaco vigorou al 1833, apezar
de haver desapparrido do mercado toda a
moda metlica, em virtude da invaso do
papel-modaj masnesse anno foi promul-
gada a lei de 8 de outubro, que teve em
vista crear um banco nacional, o fez al-
teragoes radicaos no nosso syslema mone-
tario.
O artigo 1. dessa lei diz : Na receita
e deapeza das estacOes publicas entrarao o
ouro e a prata em parras ou em modas na-
cional ou estrangeiraa a 2/500 por oilava
de ouro de 99 quilates.
Ora, como nesse artigo no so determina
senoo valor lgal do ouro, e em nenliuma
das dispoaices da lei se depara com aulo-
risago ilda ao governo para eunhar mo-
da de prata com valor diOerente do que I tie
dava a legislarlo anterior, he torca con-
cluir ou que a lei Je 8 de setembro desmo-
netisou a prata e adoplou o ouro como ni-
ca moda legal, ou que deverflo conservar-
se as modas de prata com o peso, loque e
valores que Ibes dava essa legisiaco; o que
estabeleceria entre os doos melaes a rola-
eflo del para 19,53. Esta ultima hypolhe-
se, senSo absurda ao menos contraria a to-
dos os principios e Tactos hem conhecidos
na poca em que foi discotida a suprameti-
cionada lei', parece inadmissivpl ; e assim
o entendeu o governo publicando o regu-
lamenlo de 18 de ontobro de 1833, que
mandou receber as estacOes publicas o
ouro e prata, tsnto amoedados como em
barras o pinba, na relscilod 1 para 15,625,
marcando assim o preco por que as referi-
das estarOes receberiam a prata ; n.locomn
moda, que portanto nBo eslava o governo
aii torisapo eno como mercadoria, por en-
tender que a mencionada lei o bavia exau-
torado da categora de numerario. Assim,
sb o imperio da lei de 3 de outubro de
18?3deixoo de existir promiscuidade dos
dous uietaea, ouro e prata, como moda
legal. A de II de setembro de 1849 elevou
o preco da oitava de ouro amoedado de 22
quilates a 4/, autorisando o governo a mar-
car a relaco entro este metal e a prata ;
mas no resolveu se doveria ella continuar
a correr cmo mercadoria ou convenida
em moda. Em 1847 foi finalmente o go-
verno autoriadoa lavrar modas de prata
do varbr de 2/, i/e 500 rs., mas o poder le-
gislativo no decidi se essas modss se-
rian admittidas nos paga ment os, qualquer
que fossea importancia delles, voltando-se
uest'arte ao syslema da lei de 4 de agosto
de 1688, ou se, conservando-se o da de 8 de
outubro de 1333,friam nicamente as func-
hes de troco.
A' vista do qnedeixo relatado, e porque
subsiste a autorisago concedida ao govur-
no para marcar a relaco entre o ouro o a
prata, e esta relagflo nao pode ser Miada
sem que. previamente se decida qual dos
doui systerhas deve seguirse, parece-me
fra de duvida que, sea legislago actual
no veda ao governo admittir a promiscui-
dade dos cunhos de ouro e prata como
moda legal, Ihe da cerlamente faculdade
para no fabrico das novas modas con-
servar systema da lei de 3 de outubro, que
reronbeceu o ouro como uoico padrfio de
valores.
Em taes circo instancias, pois, hedover do
governo adoptar a medida que menos possa
ofTender os interesses da industria e com-
mercio naciona*s, e perturbar as relages
entre ere dores e devedoret.
0 valor dos metaes preciosos, como o de
Udos os productos do trsbalho do homem,
leis indeoendentes das de-
desse fazer seria de continuo contrarjada
pela nalureza das coosas, e produziria o
resultado do alterar constantemente as eon-
Jiees dos contratos o de prejudicar a
parte credora da populac.80 om beneficio da
devedora ou vice-versa.
Aecresce que as modss de ouro o prata
no pdem conservar-se ns circularlo pro-
miscuamente senfio omquanto relaco
litada pela lei entre esses dous melaes
est de accordo com os precos do mercado :
e como essa accordo he, senflo mpossivel
ao menos pouco duradouro, o metal mais
depreciado expelleem breve o outroecons-
titue-se exclusivo da circula;I(o, He esla
a rasio porque dos paizes mesmos que tem
em suas leis estabelecido a promiscuidade
do ouro o prata como moda legal, nSo ha
talvez nenhum ondea circiilacHo monetaria
nfio seja quasi exclusivamente composta de
utn s destes melaes.
He fado averiguado que desde a deseo-
berta das minas da America a prata tom-se
depreciado em urna progresaSo mais rpida
do que o ouro u se o mesmo acontecer de
ora em diante, o no Brasil admittirmos o
systema da promiscuidade, vira a ser por
fin a prata o nico agente metlico de nos-
sas transaccOes commerciaes; salvo se por
frequentes al taraces na relaco legal entro
o valor dalla o do ouro procurarmos corr-
gir esta decidida tendencia de usurpaco
que he propria do metal menos precioso ;
alteraces quo alias pro luiem serios incon-
venientes as fortunas publicas e particu-
lares.
Ora, em um paz como o nosso, por 19o
longo prazo habituado facilidade que pa-
ra o movimenlo de fundos presta o papel-
moda, o onde a populacSo se achadisse-
oinada por to vasta extensSo de territorio,
tornar-se-hia inloleravel o exclusivo domi-
nio da moda de prata. Bem recentes so
anda as quoixas docommercio dollio-de-
Janeiro contra a quo appareceu no mercado
no lim do anno de 1817 o principio de 1848.
Do que succintamente levo exposlo.pare-
ce-me dover concluir aue convm preferir
o systema da lei de 1833 ao da de 1688, cu-
nhando-se modas de prata para fazerem a
respeito do ouro as mesmas limcc/ies que o
cobre a respeito da prata. Nesle caso de-
ver-se-ha dar prata inaior valor legal do
que o intrnseco, admittindo-a nos paga-
mentos at o valor da inaior inocJa do ouro,
o cobrando o estado urna senboriagnm que
compense todas as deapezas que ten de fa-
zer com os novos cunhos, e deixe mesmo
algum lucro a casa da moda. Nao desco-
nlieiM) que a senhoriagem, mrmente quan-
do he exagerada, tem o inconveniente de
no s elevar os pregos dos gneros do paiz,
relativamente aos mercados estraugeiros-e
de dillicullar a exportaco delles, serno
tambera de provocar a ntroduccSo de mo-
da falsificada ; mas o primeiro inconvenien-
te smente diz respeito moJa que tem
curso Ilimitado ; e quanto ao segundo,
nojulgo que um aecrescimo do 9 a 10 por
cento no valor dos cunhos sobre o da prkta
em barras, na hypothesedoque tralo, possa
produzi-ld. He sabido quena Inglaterra a
mlrodurco du moda falsificada diminuio
de 1816 paraca; e entretanto nessa poca
augmenlou-sc 6 14|3I por cenlo a seuhoria-
gi'm sobre os cunhos desse metal; o que
mostra quo elllcaz remedio he contra esse
mal limitar o uso da inuda sobre cujo fa-
brico recabe a senhoriagem. Se naquelle
paiz una diiTerenca de 9 a 10 por ceuto en-
tre os valores legal o intrnseco da prata no
excita a falsilidco, parece-me que mais
diilicil anda ser ella no Brasil se nos linn-
larniosa mesina di llore liga.
Nem pens larabem que possa servir do
obstculo i medida que tenho a honra de
propr a V. M. Imperial a allegaco d; ser o
systema da promiscuidade dos cunhos ad-
niilldo pela mor parte das naces civilisa-
das. Entre estas tem a prata dominado co-
mo quasi nico agente metlico da circula-
co j e be contra idntico resultado, puja?
consequencias seriam perniciosas ao desen-
volvimento de nossi riqueza, queconvm
acaulelarmo-nos ; ao que cumpre a cres-
cenlar que, quanlo se trata de questOes eco-
nmicas e commerciaes, os exemplos da In-
glaterra deven fazer muilo peso nojuizo
daquelles que tiverem de decidi-las.
Releva ainda observar que entre as na-
ces onde domina o principio da promis-
cuidade doa cunhos da ouro o prata foi esse
systema estabelecido jm lempos remotos,
iiuando a experiencia no bavia anda mos-
trado os defeitos que Ibo so inherentes;
quando mesmo principios que se davam en-
tilo por inconcussos, o boje reconbecidos
errneos, aconselhavam a adopco dallo.
Cumpre finalmente ponderar quo em taes
materias nem sempre se pode passar de um
a oulro aystema, ain Ja que mais perfeilo
seja, sem diOlculdade o offensa de legti-
mos interesses, creados anteriormente. A
suspenso do pagamento dos bilheles dos
bancos de Inglaterra de 1797 0 a consecuen-
te expulso do ouro e prata da circularlo
aplanaram o caminho para a reforma do sys-
tema monetario daquella na(So em 1816
Se ouiros paizes, ou por saberem menos
calcular seus interesses ou por noterom
Udo opportunidadedemuda-lo, conservam
o systema da promiscuidade do ou: o e prata
como moda legal, no he raso que o Bra-
sil o siga, mrmente nao militando entre
nos nenhum dos motivos que no-lo pode-
Imperial se digne de approvar o decreto
junt0- ,
Sou, Senhor, com o mais profando aca-
lamento, de V. M. Imperial subdito muito
fiel e reverente. Joaguim Joti Rodriguen
Torres.
Attendendo ao quo disnflam as leis ns. 401
de II do setembro de 1846, e n. 475 de 20
de setembro de 1847, e tondo ouvidn a
aecQo de fazenda do meu concelho de es-
tado, hei por bom ordenar :
Artigo t. As moJas de ouro e prata que
socunharem d'oraom diante toro o peso,
toque e valores seguintes, a saber:
Mafias de ouro.
De S oitavas, de 22 quilates .... 20,000
De 2 119 oitavas, de 92 ditos 10,000
Modas de prata;
De 7oitavas o8grSos, dol dinheiros 2,000
De 3 oitavas e 40 gros, do 11 ditos 1,000
Del oitava o 56 gros, de II ditos. 500
Ait. 2.* As mu las de prata, deque trata
o artigo primeiro, no serflo admittidas,
nem na receita o despoza das estacOes pu-
blicas, nem nos pagamentos entre particu-
lares (salvo o caso de mutuo consentimento
antes) scno at a quantia de 20,000 rs.
Art. 3.* A disposicSo do artigo anteceden-
te no he extensiva as modas de prata na-
cionaes anilladas at agora, asquaes sero
recebidas as estacOes publicas pelos valo-
res que Ihcs deu o decreto de 28 do novem-
bro de 1846 ; (cando revogadas as outras
disposiQes do mesmo decreto. Joaquim
Jos Rodrigues Torres, do meu concelho,
ministro o secretario do estado dos nego-
cios da fazenda e presidente do tribunal do
tbesouro publico nacional, assim o Unlia
oolendido o faga executar.
Palacio do Rio-de-Janeiro, em 28 de julho
de 1849. Com a rubrica do S. M o Impe-
rador. JoaoMm Juie Rodrigues Torres.
MINISTERIO DOS NEGOCIOS ES-
T1UNGEIR0S.
Rio-de-Janeiro, ministerio dos negocios
estrangeiros, em 17 de julho de 1849.
Illm. e Exm.Sr.Referndo-me ao aviso
da repartico a cargo de V. Ex de 2 de ju-
nlio do anno (indo, em cuja conformidade
frara recommemlados legarlo imperial
em ondres os exames sobre as difereiites
especies de cha do jardiin botnico da pro-
vincia de Minas-Geraes, tunho a honra de
passar s mos de V. Ex. por tradcelo o
documento incluso, por onde conhecer a
opinio que sobre ellas forniou um dos pri-
meaos correlores daquelle artigo.
Dos guardo V. Ex. Vconde de Olin-
da.Sr Visconde de Moni' Alegre.
Illm. e Exm. Sr. Marques Lisboa. Te-
nho a honra do remoller a V. Ex., junta
esta, a estimativa das 7 amostras do cha
brasileiru que para este lim me mandou V.
Ex. em 12 do crrenle.
Esta estimativa, frita por um corretor do
cha dosda primeira ordem, he naturalmen-
te baseada na comparar;."o com o cha da
China, o deve por conseguinte ser muito 11-
certa.
Com esla reenvo V. Ex. as 7 amostras
nos mesmos embrulhados em que as recebi.
Tenho a honra, etc.
/'. S. Eslare fra da cidadeatsogunda-
feira de manha, mas terei a honra de mo
apresentar a V. Ex. logo quo estiver de
volta, por causa do papel para sellos que so
esta preparando como amostras.
ESTIMATIVA.
s-p.
.04.
Rs.
160
800
N. 1. Cha 8equim .
N. 2. Cha intermedio
debysson o uxim 14
N. 3. Cha que no podo
ser comprado ....
N. 4. Cha que se asse .
melhaaovolong. 09a 10p...360a 400
N. 5. Cha intermedio
de hysson e uxim 15......680
N. 6. Cha perola OlOals. .400 a 480
N. 7. Cha entre hysson
euxim.......13al6p.600a720
N 1. A nferioridade do prego a quedes-
ceu estecha da China causa grande prejui-
zo aos importadores; devemos comtudo
considera-lo o verdadeiro cha da especie,
mas de nenhum modo convm ao nosso
mercado. Ns. 2,5 o 7. Julgamos boa qual ida-
de de qualquer destes cha, o se fssem con-
venientemente beneficiados alcancariam
presos elevados. N. 3. Parece mais fiordo que
folha, o no ter nenhuma saluda N. 4.
Este consideramos cha de boa qualidade;
mas nestes ltimos annos vendeu-se por
precos to baixos, que no julgamos que
possa convir. 6. Tambera temos este cha
por verdadeiro, mas as folhas silo muito!
grandes; se tvesse melhor beneficio alean- <
caria o prego indicado.Conforme.O se-1
cretario interino, Joaowo Thumas do Ama-
ral. Conformo. Joaguim atara Rscenles
de Xtambuja. j
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 22 DE AGOSTO.
OHtcio.- Ao commandante da praca, com-
mullicando haver o Eim. presidente da l'abia
renieltido para aqu a bordo do vapor 6'uapi-
astii doie desertores perlencentes ao corpos da
gunarnicao detta provincia.
ministerio da fazenda para as despezas a seu
cargo nesta, durante o corrente exercicio,
rxistem fundos para supprimcnlo da mencio-
nada provincia.Particlpou-se ao presidente
da referida provincia.
DitoAo Inspector da thesaurarla de faien-
da provincial, determinando expeca suas or-
dens aos collectores das rendas provlnciaes,
am de que nao fornecam s autoridades lo-
caesqu.intia alguma dos dircitos c impostos
que arrecadarem.Neate sentido omciou-se-
ao inspector da tbesoiir.iria de fatenda.
Dito.Ao mesmo, para que mande entregar
aocbefe de polica a quantia de 10,000 rs em
que Importaran! os concertos fritos ltima-
mente na cadria desta cidade.- -Scientilicou-se
o chefe de polica.
Dito.Aojulz dedlrcitn da primeira vara
crlme, remetiendo Om odelo do director do
arsenal de guerra, acoinpanhado do parecer
de urna commisiao que elle nomeou para exa-
minar os livros de receita e despea, e caxa da
plvora nacional a cargo do alinoxarlfe d'quel-
la repartlcao Joao Hernardlno de Vasconcellos,
e ordenando que, visto resultar do dito pare-
cer a auspeita de haver extravio de dinbcirns
provenientes da venda de plvora, mande
Sino, proceder novos examesporempregados
que requiaitar ao inspector da thesourarla c
no caso de achar faltas c quarsqiier irregula-
ridades verifique a responsabilidade de quein
a liver.P.emelteii-se copla do ollicio cima
ao director do arsenal de guerra e ao inspector
da thesouraria de fatenda.
Dito.Ao director du arsenal de guerra,
autorisando-o a despender a quantia de 312,330
rs. com a compra de aceite de carrapato e de
cuco, fio de algodao, velas de carnauba c pa-
vios para fornecimento de luzrs aos corpos de
linlia, guardas c fortalezas desta provincia no
mez de setembro prximo vindouro.Scientl-
lii'.iu -se o Inspector da pagadoria militar.
Dito.Ao capito do porto, cominunicando
que o cnsul de Portugal nesta provlncia.joa-
.quim llaplista Moreira,acha-se autorisadopelo
cnsul geral da confederaco argentina neste
imperio a referendar os documeutos manifes-
tos dos navios a sabir para aquella repblica e
quaesquer outros actos de omcio que frcm
neerssarios e reclamados.Neste sentido ex-
peIram-se as convenientes parlicipaefies.
Portarla.O presidente da provincia, usan-
do da allribuicao que Ihe foi conferida por de-
creto de II de Janeiro do crrente anno. ha
por hem conceder amnista em nome de S. M.
o Imperador ao coronel reformado da guarda
nacional Marlinho de Mello e Albuquerque.re-
sidente na comarca do Itonito, pelo crlme de
rebelliao, ltimamente commettido nesta pro-
vincia.
V. para sua rcsalva se lhej>assa a presente,
em virtude da qual fica sem- el!rilo qualquer
pronuncia que baja contra elle pelo jlilo cri-
ne, e se Un- dar baixa na culpa ; c nao pode-
mais ser proerssado pelo mesmo crime.
Dita.O presidente da provincia, usando da
auriliuiv.il) que Ihe foi conferida por decreto
de 11 de Janeiro do corrente anno, ha por bcui
conceder amnistia rm nome de S. M. o Impe-
rador a Jone Theodoro Gomes,residente na co-
marca do Liinoeiro, pelos crlm'S polticos l-
timamente cominellidos na mrsma provincia.
E para sua rrsalva se Ihe passa a presente,
em virtude da qual fica sem clicito qualquer
pronuncia contra elle pelos referidos crimes,
e se Ihe dar baixa na culpa, e nao poder mais
ser processado pelos dilos crimes.Iguaes a
Jos llarbosa da Silva e a Joaquim Barbosa da
Silva.
Dita O presidente da provincia, tendo em
vista as disposicoes da lei provincial n. 240 de
16 de jn 11 lu do rm 1 rute aun", ordena que para
sua execucao se observe o seguinte;
llcgulamtnlo.
Artigo I. O cidadio Antonio de Araujo Ker-
reira Jacobina Jnior perceber desde o dia
16 de junho do corrente anuo at concluir os
seus estudos iiiailieinaticos c philosopliicoi na
uuiversidade de Coimbra, e ohter carta de
formatura, urna mesada de 28,000 rs. cin mo-
da do reino de Portugal, paga custa da fa-
zenda provincial de Prrnambuco.
Art. 2. Para ter lugar o pagamento ser ne-
eessario que o referido cidadao tenha celebra-
do contrato pelo qual se obriguc para com o
governo provincial de l'ernanibuco :
Primeiro. A frrquentar otesiudos mathema-
ticos e philosopbieos da universidade de Coiin-
bra sem iuterrupcao at obter carta de bacba-
rel formado em inalhemalicas.
Segundo. A nao se demorar no reino de Por-
tugal aim de dous me/es depois de obtida a
referida carta.
Tcrceiro. A seguir durante o dito prazo vla-
gein para Paris, alim de cursar abl a escola de
pontes e calcadas durante tres annos, satisfa-
:endo todas as obrigacoes dos alumnos inter-
nos da dita escola.
Quarto. A oceupar-se exclusivamente, du-
rante os ditos tres annos,da acquisico dos co-
nhecimentos theoricoi e praticos do cngeuhei-
ro civil.
Quinto. A visitar durante o mesmo eapaco,
tanto quanto opermittiro seguimento asslduo
dos estudos tbenrlcos, a obras notareis de
Franca, especialmeule aa que esliverem em
construcc-o.
Sexto. A viajar,depois de tres annos de resi-
dencia em Franca, pelos principies estados da
AI lemanita e pela Inglaterra, visitando em ato
bos os paizes as oOicinas, os porlos, canaes,
pontes notaveis, estradas de todas as especies,
e quaesquer obras de ulilldadc publica ; exu-
dando as dimcutdades vencidas, os ineios de
conslruccao, e nulo quanto o possa habilitar
para a execucao dos trabalbos mais diltteeis do
engenheiro civil.
Stimo. A no gastar as viagens pela AI-
lemanha e Inglaterra mais de um anno, o a
seguir do ultimo paiz para os Estados-Uni-
dos da.America do norte, o ahi visitar os
principos eslados da Unio, procurando es-
cudar os meios praticos e econmicos com
que so construidas as estradas de todas as
especies,os canaes o outras obras de u tili Ja-
do publica, tendo sempre em vista preferir
os ealudoa que podrom ser proveitosos ao
Brasil.
Oitavo. A nfio gastar as viagens pelos
Estados-Unidos mais de um anno, o a vol-
escols, as notas o memorias descriptiva so-
bre todas as obras o trbalhoa pblicos quo
vesitar o esludar, procurando mostrar a
provar seu aproveitamento.
Dcimo. A dar conta de ana conducta o
aproveitamento aos ministros plenipoten-
ciarios, encarregados de negocios, o em
sual falta aos cnsules do Brasil, acredi-
tados nos paizes onde tem do residir o por
onde livor de viajar, segundo seus conse-
Ihos o ordons, e enviando prosidencia por
seu intermedio as notas o memorias do nu-
mero uniere Ionio.
Decimo-primoiro. A servir a provincia do
Pamambuco no emprego de engenheiro ci-
vilTe por ospaco de 10 annos contados do
da de sua volta dita provincia, devendo
nesse espaco oceupar-so exclusivamente dos
trabalhos de engenheiro que Ihefrem in-
cumbidos, no podondo nella exercer ou-
lro emprego civil ou poltico, nem ausen-
tar-so da provincia, nem oceupar-se em ou-
tra profisso.
Dcimo-segundo. A restituir i provincia
as soturnas despendidas se em qualquer
poca abandonar os estudos referidos, ou
dexardecumprr todas as obrigajOos dos
nmeros antecedentes.
Art. 3. A"s obrigacOes de que trata o arti-
go antecedente correspondero o-n favor do
cidado Antonio de Araujo Ferreira Jacobi-
na Jnior as seguintes vantagens:
Primeiro. Venc ment du urna mesada de
28,000 rs. mensaes nm moda do Portugal a
contar do dia 16 de junho do corrento anno
ora dianle, e a lindar, o mais tardar, dous
mezes depois que livor obtido pela univer-
sidade de Coimbra a sua carta de formatura
cm raathemaloas.
Segundo 0 fornecimento de do
francos destinados sua despeza de
porle de Portugal para a Franca, car-
de livros o primeiro estabelecmento.
Terceiro. O vencimento de urna per
do tresentos francos mensaes, pagos di
te tres annos que devera estudarem Franca,
sb a condigo do aproveitamento e asstdui-
dade nos estudos.
Quarto. A contnuaco da mesma penso
raensal durante os dous annos que deve
viajar polos prncipacs oslados da Allema-
nha, pela Inglaterra o pelos Estados-Unidos.
Quinto. Ofoniecimentodemais rail fran-
cos para ajuda das despezas das viagens aos
estados de Allcmanha, de oulro tanto para
a viagem de Inglaterra, de dous mil para a
viagem dos estalos-Unidos,e do outro tanto
para a volta provincia de Pernambuco.
Sexto finalmente. O direito durante dez
annot,depois da sua volta,ao vencimento do
ordenado que na provincia de Pernambuco
competir aos engenheiros civis a cargo do
preenebimento regular de suas obrigacoes.
Ar'. 4. O Exm. ministro plenipotenciario
do Brasil na corte de Lisboa ser requisita-
do e rogado para que se digne aceitar a in-
cumbencia do celebrar por si ou por procu-
rador bastante e por parte do governo pre-
sidencial da provincia de Pernambuco o
contrato mencionado nos artigos antece-
dentes, que llevara ctinter todas bs estipula-
o("irs ah declaradas.
Art. 5 Feito o contrato, sero logo pa-
gas ao estudante Jacobina Jnior as me-
sadas vencidas, o as que se frem vencendo
sero pagas no principio do cada mez em-
quanlo o referido estudanle bem cumprir as
obrigages contrahidas.
Art. 6. Os fundos necessarios para at
mesadas e para despezas de viagens serfio
enviados adiantados aos ministros pleni-
potenciarios ou aos encarregados dos ne-
gocios do Brasil, que frem incumbidos do
fornecimento, o quando haja qualquer fal-
la os referidos ministros podero saca
sobro a administrago do fazenda da pro-
vincia de Pernambuco pelas soturnas que
frem precisas dentro dos limites du obri-
gages contrahidas pela dila provincia em
virtude do contrato que so celebrar.
Palacio do governo de Pernambuco, 9S
de agosto do 1849.Honorio Hermtlo Car-
neiro teo.
Commando da praca.
Quarlel do commando da praca em Pernambuco
21 dt agmlo de i8)9.
ORDEM DO DIA N. 17.
Devendo embarcar boje para recolher-se 1
sua provincia o corpo II xo do Ceari, ora red 11
sido a uina cotnpanbia sb o commando do Sr
tenentc-ajudaotedo mesmo oorpo Jnsde Sou
ia Lima, faltara o meu dever se nao manlfes
tasse aos Srs. ofliclaes e mais pracas de isa
dislincto corpo os relevantes servlcos qui
prestaram na recente luta contra os perturba
dores da ordem nesta provincia.
Testeinunba preaencial de aeus nobres feito
de armas nos ataques de Maricota e deCatuci
dados pela columna sb meu commando, fot <
vleme corpo tixo do Cear entao commanda
do pelo Sr. lenente-coronel I.uiz Antonio Ka
villa que den o primeiro ataque da Maricota
00 qual muito se distingui o dito Sr. tenent
Lima, e outros bravos, alguna dos quaes suc
cumbiram, e outros conservam honrosas cica
Irizes do combate.
l'oi ainda o Sr. tenente-ajudante Lima qu
no ataque de Catu'c, emquanto o bravo e dis
tlncto Sr. lenente-coronel Feliciano Anconi-
Falco, commandante do 5." batalhao de fuzl
leros.atacava com vigor epels frente as forte
Iriiicbeiras do inimigo, o Sr. Icnenle-ajudau
te Lima, repilo.atacou pela retaguarda, e con
correu efficazmente para a prompta e vergo
nhosa debandada dos ditos rebeldes ; dig
vergonboaa parque, senhores de lio fortes
bem enllocadas poslcdea e alguraas inacessl
....i-- .wl i r*-nt* r-

Receba, pois, o Sr. Iciienlc-ajudai.tc Jos
de Souza I.ima o os sena digno comp.iidiri-
ros (farias o devido elogio c a rxprrssao de
me agraderlmcrto por sens nobres feilos c
por 811,1 disciplina e nuil '(encao.
Ilavcndo o Sr. alfere Jos "miago Dantas ha
ponen promovido para o dito corpo oblido do
r.xni. Sr. presdeme da provincia dous mezes
ile Neones rom sold para ir a provincia dn l!,--
Iila, deixa. jiorlanio, de marchar Assigna-
do Joi Viente Je Amorim Jltterra, coronel
graduado coinmandanle.
EXTERIOR.
CONSTITICAO DA Al.l.KMAMHA.
Seeedo 1.* O imperio.
[', 1." (i ni.'.tio da Allenumha compfie-se
do torritorio dos estados da conrederaeflo
germnica que reconliccem a conslitnicflo
do imperio. Fixar s relaeOes la Austria
coni o imperio da Allemanlia far ohjecto
de urna negocaoslo ulterior.
$ 2 Seum oslado jjllefflffo (ver o mes-
iro soberano que un estado njlo allemflo, o
paizollem/io terii urna constituidlo, um go-
verno o urna adminislracilo dislincla do
paiz nflo alh-m.lo.
S os cidadflos alleirles pdenlo fazer
raitedo governo c da administraeflo dis-
tineta do paiz allemao. A constituic^lo ea
Icgislacflo do imperio tem, em igual paiz
allemilo, n ircsma frtrea obrigatoria que cni
oulros pazes a de infles.
Arl. 3 o Se un paiz allcm.tn livor ornes-
mo sobe ano quo um paiz nflo allemflo, de-
veo soberiino residir em sen paiz allemiip,
nu estabelecer aln constitucin!Imente ut)
regencia composta gmente de cidadflos al-
lemfles e no nllemfles. Nenlium soberano
de um estado n*o ailemflo poder subir ao
inesmo lampo ao guverno de um paiz alle-
mflo, e um principe reinante no imperio
no pode ailar corda estrangeira sem ab-
dicar sen fevemo allemao. Os estados al-
Icmfles natliciilares conservan! sua inde-
pendencia naqmllo que no Mr limitada
pela r'niiftituiciio do imperio. Terso os di-
reiloe e prerogalivas soberanas que nflo lo-
reni ospressamenle reservad ao poder
execulivo.
Sefi;Bo a.* Poirr execulivo do imperio.
*i c. O poder executlvo eierce no exte-
rior n representadlo inlcrnacioiil do impe-
rio c dos estados allemfies ou particulares.
O poder execulivo do imperio nom.a os
nmbafMdores e os cnsules, manltn as re-
lacOos diplomticas, luz llianr;as o tratados
?om os estados eslrangeirns, especialmen-
te os (rilados do coiiirnereo o de nuvega-
fln, assim como os de extradiccOo.
mi lo las .s medidas inteniacionap.
Os governo particulares da Alle-
Iransferem ao poder execulivo do
,io lreilodp receber ou noinear eni-l
.llores; nflo torito cnsules partcula-
j cnsules eslrangeiros recbenlo o
. yiAf/ur do poder do imperio. Os governos
articulares conservam 0 direilo de enviar
deiiii oleiiciarins ao ebefe ilo imperio, ou a
nitros governos allemflcs.
; 8 Os governos particulares estilo au-
nrisados a fazer trillados cun os oulros go-
ernos allemles. Kilos pdein tambem fa-
pr tratados cen os governos nao allemfies,
Drm sobro t>s obiectos que nflo forera da
Itribuicfd do poder do imperio.
S 9.* Todos os tratados nflo privados de
un governo allemOo cun oulro governo al-
.mi iio ou nilo sllemoo, dovem ser submet-
idosaoexame do poder executlvo do iui-
erio, seo imperio forinteressado na sua
onflrtTiacOo,
$ 10. O poder execulivo tem oxclusiva-
neii.te o direilo de lazera paz e dcclaiar a
uerra.
11. Opodrexeculivo comuianda toda
l'rca armada do un erio.
Id. 0 cxercito do imperio compoe-se
a frfe. de Ierra dos estados sllemiles hxa-
ospara 0 fim da guerra. Os estados que ti-
erem menos de 5(10,000 liabitnntes serflo
punidos a agglomeraces militares man-
es, on incorporados em um estado liinttro-
lie iiiaior
(Os paragraphos 13,14, 15,16, 17 e 18
So puramente regulamentarea.)
19. A marinlia pe lenco nicamente ao
mperio. Nenhum estado particular pode
er vasos do guerra nem dar cartas de corso.
5$ 20,21, 22e23. As diapoeicOes parti-
ulares relativas a navegaeflo, sao resrva-
las aos oslados martimos
Os naragraplio 28 a32regulam asatlri-
xiicfles do poder pxenitivo, relativamente
ios cminhos de ferro, canaos, estra-
las, ele.
33. O imperio nlleniflo far um s ter-
itori de alfandegas conunerciaes, cercado
lor um barreira commum, supprimiilos to-
los os'direitos internos. 0 poder execulivo
oder fazer entrar no territorio de alfan-
|pgs uststadosquo nflo perlencerem ao
mperio.
Os paragraphos 34 a 40 silo regulamen-
ares.
Os paragraphos 41 a 47 regulam" as attri-
inirOes do poder execulivo sobre os cor-
reios, tclegra|ibos, o os novos pesos e mo-
lidas, ns bancos, etc.
48. 0 lliesouro do imperio paga as di-
/idas geraes.
49. O podr execulivo pode conlrahir
:inprestimo em casos extraordinarios.
52. O poder execulivo vela na conser-
'a^So da paz do imperio. Toma as medi-
da necessarias para a conservado da or-
lem interna : l. So um estado allemiio
urturba a paz de outro estado allemiio; 2."
Se em um estado allemSo, os nuciouaes ou
.strangeiios ptrlurban, ou cpnipromelteni
i ordem; mas be preciso urna requisicSo
Jo guverno inleressado, salvo se elle o nilo
lodr fazer, ou se a paz geral do imperio
,eja ameacada ; 3.* Se a constiluicao de
im estado ullemflo fr violentamentesupri-
ii ida ou mudada, e se um appello feito ao
ribunal do imperio no der soccorro im-
nediato.
S 53. Para manter a paz do imperio, o po-
lr execulivo pode enviar commissarios e
jmpregar a liirca armada.
54 a 64. Dispusieres regulameutares.
Sccgo 3.'O chtfe do imperio.
65. O governo do imperio he dirigido
or um presidente testa de um collegio
Je principes.
ver, Brunswick, Odenoebourg, Mccklem-
liourg, rdrilles ansiticas ; 6 Ilesse elec-
toral, Ilcsse-Darmsladt, ^assau, llesse-
llambourg, l.unembnurg, Limbourg, Wal-
deck, l.ippe, e Dctmold-Schombourg, Lip-
pp. I'rancfort
68. Os estados que tiverem um plenipo-
tencia commum no collegio dos principes
se enlenderilo sobro a eseolba ; so no po-
dercn enlemler-se, una lei do imperio de-
terminar a cooperado dos interessadns.
68. O presidente do imperio residir
durante a rcuniiloda dieta na sede do go-
verno. Se o presidento nflo estiver na sede
do governo do imperio, um dos ministros
do imperio deve assislir.
$ 69. O presidente exercita o poder por
meio do ministros responsaveis, nomoados
por elle.
70. Todos os actos do governo o do pre-
sidente devem sor referendadoa por um mi-
nistro do imperio, para scrcm validns.
71. (I presidente respresenla o imperio
enseslados particulares da Allemanha no
exterior. Nomeia os embalxadores e cn-
sules, etc., etc.: he cncarrpgado das rela-
((ies diplomticas.
clun a paz.
73 0 presidente conclue as allianeas e
trata com as pot-ncis estrangeiras com a
coopera(Oo da dieta, naquiilo que fr reser-
vado pela constitu co.
S 71. Todos os Iralados silo privados: con-
cluidos polos governos allem.tes entra si,
Ou com os governos estrangeiros, devem S'T
submettiilos ao presidente, e se o imperio
liver interesso nelles, he neepssario que os
ratifiiue.
75. O presidente convoca e eneerra a
dieta, tem o direilo de dissolver a cmara
do povo.
76. O collegio dos principes, soba pre-
sidencia do ebefe do imperio, ou. em sua
ausencia, sh a da lia viera, lem o direilo de
propr leis. Kxcreo o podr legislativo de
aeconlo cm a dieta, segundo as regras
constiluconnes.
7". O collegio dos principes loma reso-
Iii(Oes por maioria dos votos dos plenipn-
Icurisrios perscru los Km caso do empale,
o presidente lem voto preponderante.
i 78, O presidente promulga as leis do
imperio, o as faz execular.
s 79. Ein materia penal, o presidente tem
o_ direilo de agraciar e de commutar; po-
ro m nilo pode suspender, sem consenti-
mento da dieta, nenhum processo |irinci-
piado. (I piesidcnle nflo pode agraciar ns
ministros condemnailos, sem o conseuti-
nii'nt da cmara que fez a aecusa^no.
^ 80. O presidento he encarregado de
mantera paz do imperio.
Elle dispe da fnjs armada.
(Conlinnr-st-hn.)
&
O Senhorti.
Manuel do Santa Anna da Silveira.
Candido Riheiro Pessoa.
Jotlo Capristano Torres falindo.
Antonio Pedro do Mello, ultimo votado com
268 votos.
Seguem-so os 19 supplenlcs que perlen-
cem ao lado legalista, ohlendo os primeiros
votados da opposicflo oilo votos.
Correspondencia.
Senhore redactoret: -- Approximando-se
as eleicps para deputados geraes e provin-
ciacs por esta provincia, e sendo incontes-
tevel que muitos cidadilos.que alias teem as
habilitacOes necessarias para o exercieio de
tilo altas fiinc?0es, nflo sflo escolhidos, j
por causa das preponderancias locaes e i ni -
posices da poltica que por ultimo sabe
vencedora, j lamliem porque o que nflo
pede quasi sempre he esquecido ; aprsenlo
o Ilustre Peruambucano o Sr. Dr. Amaro
Carnalro Hezerra Cavalcante para a de|>ula-
Cflo provincial, esperanzado que a sua can-
didatura ser acollllda pelos benemritos e
ilignissimos senhores eleitnres desta minha
provincia, atiento o distincto merec ment
0 excedentes qualidades quo possue csse
digno cidadflo.
Sendo bacharel formado em sciencits ju-
rdicas o sociacs pela academia de Olinda
desde novembro de 1817, e tendo sido apon-
lado pelos lentes como um dos primeiros
estudantes, reiiue elle a estas habilitares
a sua iutelligencia, que he tanta quanta se
pode desojar, e sua probida le he lana
quanta se. pode po gado, alm de scu reconheci lo patriotismo,
suas maneiras atfaveis e captivadoras, poli-
da rih.c i;jii e servidos provincia us pas-
sadas tremendas lulas senatoriaes.
I'orlanto, pei;D o rogo encarecidamente a
lodos os ineus comprovincianos eleilores
se dignem prestar o seu voto ao Sr. Dr.
Amaro para dcpulado provincial, pelo que
Ibes licara etcrnumenlo reconhucido e grato
o mesmo candidato, e tambem, senhores
reductores, o seu constante leitor
O. s. O.
1 ~ I
trar o sol, ou antes deste nascer, he applica-
vel s canoas, lanxas, jangadas, e quaes-
quer unirs emharcacOes semelhantes ; os
contraventores incorrerSo na multa de que
irata o artigo 19 do mesmo regulamenlo:
Art. 3. O capililo do porto Oca encarre-
gado da execuQflodesta rosolucao.
Palacio do governo de Pernambuco, 16
de agosto de 1819. ttoncrio Bermeto C*r-
neiro Ledo.
Conforme. No impedimento do secreta-
rio, Jos Uarccllino Mees da Fonuca.
mmsesmsmmseBsmamBBmmamm
Dcclaracoes.
OM33E4CIO.
AI.I'AMJEGA.
Ilendlmento do da 23.....13:683,265
CONSULADO CEItAL.
Ilendimenlo do da 23....... 1:837,024
Diversas provincias........ 113,562
1 980,586

ELRITOTES DA PREGUEZIA
OS sus.
DE CARUAIIir.
VOTOS.
Joflo r.uilhprme do Azevndo
Joflo Nunes do Alencar Itrasil
Caetaiio Alvos da l'nnsoca
Joflo Salvador da Cruz
Joflo Vieira 'lo Mello o Silva
Padre l.iliz Carlos Coclho da Silva
Anlonin Le le de Azovodo
Joflo Concia deS Itrasil
Amaro Vieira de Mello
Antonio da Costa Tenorio
Domnaos Eerreira da Costa Romeo
Miguel Romeo Torres Calinda
Alexandre Bezerra da Silva l'chAa
Manoel Cordeiro da Silva Ucha
Manocl Jos da Silva
Manoel Jos da Silva Vieira
Antonio Carlos Coelho da Silva
Manoel Jos de Almeida
Francisco l.eile de AzcveJo
Angelo de Souza Silveira
Jos Alves da Cruz Azevedo
Jos Podro da Silva
Manuel FVrreira do Espirito-Santo
Venceslao Cavalcantede Albuquerque
Francisco l.uiz do Sacramenlo
Manoel l.eile de Azevedo
Agostinho Jos de Olivpira
Bebirminn Fimiino llezerra do Mello
loaquim de Almeida (Puedes
Antonio du Souza braga
SDPPLBNTES,
OS sus.
Joflo Rarboza Maciel
Antonio Alves Maciel
Manoel Francisco da Silva
Manocl Ignacio da Silva Badi
Genuino Coriolano Axiole
Francisco Jos Connives Florencio
Joflo Jos da Silva
Joflo Leandro de Vasconcellos
Joflo Francisco de Ponte
Jos Francisco da Silva Azevedo
Francisco Xavier da Silva Lira
Manoel Caetano Coelho
Joflo Caetano Coelho
Jos Pinto da Silva
Miguel liezerra da Silva
Antonio Jos l'inheiro
Manoel Jos Pedro
Antonio Votro da Silva Vieira
Francisco Jos Ribeiro
iosMara Braincl
Francisco Jos Florencio
Antunio Jordflo Itrasil
Antonio Jorge da Silva
Manoel Jos de Jess
Manoel do Souza Draga
Belurmino Jos da Silva
Francisco Rodrigues da Silva
Josltodiigues da Silva
Antonio Agostinho de Jess
JoilO Jos Fui reir da Silva
350
35
34
344
30
300
300
300
300
i 00
300
300
250
216
200
200
200
200
200
200
200
200
200
200
200
108
KiS
167
166
165
FOTOS.
131
130
129
128
127
126
125
124
123
122
121
120
119
118
117
116
115
114
113
112
111
110
109
108
107
106
105
104
103
102
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimonto do dia
862,533
Hovimento do orto.
Navios entrados no dia 23.
Nova-Holanda 90 das, galera inglesa 5o-
braon, de 379 toneladas, capilflojbhn Ni-
col, oqiiipagem 13. carga Ifla e sebo. Con-
duz 17 passageiros. Vein refiescaro se-
gu para Londres.
NanteS 38das, barca francez* Chateau-
breand, de 18V toneladas, capilflo Lerage,
equipagem 14, carga hezerros. Vem
refrescar e segu para Mauricias.
Philadi'lphia 40 das, barca americana
lohn-l'arnam, de 250 toneladas, capitflo
l.ewis P. Casaan, equipagem 20, caiga ta-
boado, casas de madeira, carros, ferra-
gens o niiiis gneros ; ao capitflo. Vem
refrescar o segu para California.
Liverpool 39 das, barca ingleza Ann-
Baldiven, capitflo Philip Farly, equipa-
gem 18, em lastro ; ajames Crabireei
i o n i aniiia. Ficou em observaQfio com
6 das de quarentena.
Nnvioe abiilos no inesmo dia.
Porln-Alegre Rriguo brasileiro Ft r-do-
Sul, capitflo Ignacio Cimenta, carga
suear e ago'urdentc. Passsgciro, 1 escra-
vo a unlregar.
Parahiba lliate brasileiro Santa-Cruz, ca-
pitflo Eustaquio Alves da Silva, carga va-
rios gneros.
San-Matlicos Sumaca hrasileira Helia-Ar-
gelina, capilflo Deziderio Jos Bastos,
carga varios gneros.
A administraeflo do patrimonio dos or-
phios manda fazer publico que nflo, s% ten-
do efleiluado em o dia 16 do corrente a ar-
rematadlo dos concerlos do collegio dos
or lios, continua a praga no dia 23 do cor-
rente as horas do coslume.
Secretaria da administraeflo do patrimo-
nio dos orphos 20 de agosto de 1849. O
secretario, Joo Francisco de Chaby.
O arsenal de guerra precisa comprar
azeilode carrapato e de coco, fio de algo-
do, velas de carnauba e pavios : quem taes
gneros quizer fornecer, comparecer na
sala da diroctoria do mesmo arsenal no dia
28 do corrente mez, trazendo sua proposta
com os ltimos precos em carta fechada.
Pela subdelegaciada freguezia de San-
to-Antonio foi recolhida cadeia desta ci-
dade ui-.a preta quo diz chamar-se Izabel
e pertencer a D. Anna de tal, quo mora no
lugar denominado Carapina : quem sejul-
gar com direilo referida preta, compre-
la na incsmn subdelegada, que, mostrando
pertencer-lhe, Ihe ser eiitrogue.
--0 fiscal da freguezia de S.-Antonio do
Recifo faz publico, que breve passar a
examinar todos os passeios desta freguezia,
e lodos aquellos que fdrem encontrados
deteriorados serlo os respectivos pro-
pietarios multados como dispOe o art. 18
do titulo 7 das posturas em vigor ; adver-
tindo, porem, que de ora em diante ne-
nhum passeio ser reedificado ou l'eito de
novo sem quo observe o novo nivelamento,
para o que dever cada um proprietario
mandar levantar oo rebaixar os passeios
perlencenles a seus predios, devendo os
mestres pedreiros encarregados de taes
obras entender-se com o fiscal, afim de
Ihos marcar o novo nivelamento ; e todo
aquclle que o contrario lizer ser obrigado
a fazer a obra de novo, subjeitando-se em
tudo ao quo dispoem as citadas posturas.O
fiscal, C. Benicio Machado.
LISTA DOS OFFICIOS DE PARTICULAR 1NTE-
RESSE, EXISTENTES NA AUMINISTRA-
CAO' DO COItltElO.
Ollicio do Exm. presinenle da provincia a
S. M. o Imperador pelo concelho supremo
militar, interesse do Joflo de Almeida.
Dilo do dito ao Exm. ministro do imperio,
interesse de Antonio Mendes Ribeiro.
Dito do dito ao dito da fazenda, interesse
de Manoel Ferreira Mendes Guimarfles.
Dito dodito ao dito da dita, de interesse
de Jos Mara Fernandos Silva.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Florencio Jos Carneiro Monteiro.
Dilo do dilo ao dito da dita, interesso de
Antonio Afionso Ferreira.
Dito do dito ao dilo da marmita, interesse
de Jos de Souza Azevedo.
Dito do dito ao dito ua dita, interesse de
Theatro de nuiles divertidas*.
NA RA DA PRA1A.
Direcco do Sr. Achules.
Amanhi, 25 de agosto.
Abertura,
O ROM EO MAOCKNIO,
pantomima phantastico em quadros,orni-
do com 10 transforma {Oes.
l'ersonagcm.
Cassandre. O Diabo.
Pienot. Um domestico
Fernando Lucelia,
Don Rodrguez. A fada.
Povo e -criados.
O CARO DE ESQUADRA E SUA PATRICIA,
polka cmica pelos Srs. Gobriel eGems.
UMA SESSAO' DE PHYSICA E DE ILLUSAa,
pelos Srs. Achules e Gabriel.
O theatro est preparado de novo : i||u_
minado de gaz e boa msica.
As pessoas que pretenderen bilhetes
( que custam a 1,000 is. cada um, qurde
platea, qnr de galera ) drijam-se a qual-
quer hora ao theatro. O preco dos cama-
rotes ( que reem asiento para 6 pessoas j he
6,000 rs. Quem tomar 6 bilhetes de platea
ou galera os obtera por 5,000 rs.
Principiar chegada de Suas Exceden-
cias.
Avisos martimos.
EDITAES.
ELEITORES DA FREGUEZIA DE BEZERROS.
Os Senhore.
Reverendo vigario Manocl Clemente Torres
Calindo. \
Francisco Bezerra de Vasconcellos Torres.
Joaquim Jos da Silva Vieira.
Ignacio Jos Coelho.
Goncalo Ferreira do Carvalho.
Manoel Franc'sco Vieira.
Manoel Bernardo Ferreira.
(Jos Antonio da Cosa Braga.
S 66 A dignidade de presidente do impe-1 Joflo Bezerra de Vasconcellos Torres
rio fiea reunida a cora da l'russia. / Manoel Antonio Alves da Silva.
-- Pela inspectora da alfar.dega so faz pu-
blico que, no dia 24 do corrente, na porta da
inesma, depoil do meio-dia. se bflo de arre-
matar embasta publica 269 grosas de bo-
tos de seda pura casaca, por factura urna
1,487 rs. total 400,003 rs. ; 30 guarnieres
do ditos de metal lavradosedourados, com
22bot0'S cada una, por factura 500 rs.,
total 16,000 rs.; urna caixa com 7duzias
de ditos de seda, por factura urna duzia
130 rs., total 910 rs.; 10 bolOcs de metal
lavrados e dourados, por factura um 40 rs. ,
total 400 rs : ludo impugnado pelo guarda
Joo Gregorio dos Sanios no despacho por
factura de II do correle, n. 445 : sendo di-
ta arrematado subjeita a diroitos.
Alfandega de Pernambuco, 22 de agosto
de 1819. 0 inspector, Luiz Antonio de
iampaio Vianna.
0 capilflo do porto desta provincia pu-
blica, para conhecimento de todos os indi-
viduos enipregados nos diversos ramos da
vida do mar, a portara abaixo transciipla,
que pelo Ex..i. Sr. concelheiro de estado o
presidente da provincia Ihe foi remetlida
com o ofllcio de 16 do corrente mez, vedan-
do a entrada e sabida de quaesquer embar-
cares pelo lugar denominado Barreta, ~
eapplicando as candas, lanxas, jangadas,
ote a disposic.flo do artigo 20 do regula-
menlo de 19 de uiaio de 1846.
Capitana do Porto de Pernambuco. 17 de
agosto de 1849. Rodrigo Theodoro de Fre-
tas, capilflo do porto.
O presidento da provincia, julgando
contraria a ba polica do porto e liscali-
sac,flodos impostos geraes e provinciaes. a
dupla sabida e entrada queoflereceo mes-
mo porto para as emltarcacOes, resolve o
seguinte:
Artigo 1. Fica vedada asahida centra-
da deauaesauer embrcaees nel denomi.l
Antonio Manoel Estevcs.
Dous ditos do dilo ao dito da dita, inte-
resso de Manoel Ambrozio da ConceicSo
Padilha.
*ito do dito ao dito da lila, interesse de
de Fon tes.
Dilo do dito ao dito da jusilla, interesse
de Pedro Alves das Chagas.
Dilo do dito ao dito.da dita, interesse de
Benedicto da Silva.
Dilo do dito ao dito da dita, interesse de
Jos Francisco de Souza MagalhSes.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Francisco Caetano Poreira Guimarfles.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Manoel Marques.
Dito do dito ao dilo da dita, interesse de
Jos Rodrigues da Silva.
Dito do dilo ao dito da dita, interesse de
Miguel ArchanjO Torres.
Dito do dilo ao dito da dita, interesse de
Jos Vieira.
Dito do dito ao dito da dita, interresse de
Francisco Lopes Castcl-Branco, Francisco
de Siiuz i e Pi Rodrigues.
Dito do dilo ao dilo da dita, interesse de
Manoel Jos da Silva.
_ Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Po Rodrigues dos Santos.
Ditodo dito ao dito da dita, interesse de
Josefa Ayresde Almeida Freitas.
Dito do ditoao dito da dita, interesse de
Jos Joaquim Rezcrra de Mello.
Dito do dito ao dito da dita, interesse do
Dr. Manoel dos Passos llaplsta.
Dito do ditoao dito da guerra, interesse
de Antonio l.uiz de Jezus.
Dito do dilo ao dilo da dita, interesse de
Jos Duarte Guimarfles.
Dilo do ditoao dito da dita, interesse de
Pedro Anlonio de (tarros.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Antonio Jos Luiz.
Dito do dilo ao dito da dita, interesse de
Francisco Duarte Carneiro da Cunda Cama.
Dito do dilo ao dil^ da dita, interesse de
Antonio Francisco de Souza Magalhfles.
Dito do dilo ao dilo da dita, ulerease da
Anna Thomazia Mara da Conceicflo.
Dito do dilo ao dito da dita, interesse de
Jos Joaquim de Moraes Reg.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Ludgero Braulio da Cruz.
Dito do ditoao dko da dita, interesse de
Pedro Alcntara Madureira Veredas.
Dito do ditoao dito da dita, interesse do
Miguel Vieira de Mello.
Dito do ditoao dito da dita, interesse de
Leonor de Albuquerque Mello.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Joflo Gonsalves deMaeedo.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
Jos Emigdio de Amarantes.
Dito do dilo ao dito da dita, interesse de
Anlonio Maria de Castro Delgado.
Dilo do dito ao dito da dita, interesse de
Ludgero Braulio da Cruz.
Dito do dito ao dito da dita, interesse de
-- Para o Aracaty tem de seguir com mu-
ta brevidade o hiale iVono-O/iw/a, por eslar
muito adianlado em carga, alm da qua
tem engajada : quem ainda pretender car-
regar e ir de passagem, para oque tem es-
paco sulliciente, se enleoder com o mos-
tr, Antonio Jos Vianna, ao trapiche do al-
godflo, ou na ra da Cadeia-Velba, n. 17,
segundo andar.
- Para a Parahiba sahiri impreterivel-
mente nu di salibado o Male Espadarte:
quem'na .mesmo quizer carregar ou ir de
passajem, trate na ra do Amorim, numero
:it, a uo trapiche d'algodo com o mostr
o Pera Lisboa o brigue porttiguez Subli-
me capilflo Joflo Francisco da Amor, sa-
lte com a maior brevidade possivel, por ler
o seu carregament quasi prompto : quem
no mesmo quizer carregar, ou ir de passa-
gem, dirija-so aos consignatarios, Olivai-
ra IrraAOs & C., na ra di Cruz, n. 9, ou ao
referido capilflo na praofnb Commercio
Para o Rio-de-Janeire saha cora brevi-
dade a -polaca A.-S.-do-Canaa: para carga
ou passageiros, trata-secom seu- consig-
natario, Francisco Alves da Cuaba, na ra
do Vigario, o. 11.
-- Para a Babia pretende seguir viagem
com brevidade,i or lar ja atguma sarga tra-
tada, a sumaca Flor-4o-s\n$lin\,mostr Ber-
nardo de Souza, para o restante da carga o
passageiros, trata-se com o eaeaano mestre,
ou com Luiz Jos de Sa Araujo,' ua ra da
Cruz, n. 33.
Vende-se a barcada S.-ltmbel, surta
no caes do Ramos, bem construida e nova,
a qual pega em 16 caixasapean de SO : na
ra do I,i vi amento, n. 26,das C as 9 horas da
man hfla e das 2 as 5 da Urda.
Lciio.
- Adamson Ilowie & C. farflo leilflo, por
intervenido do correlor Oiiveira de groo-
do variedade de fazendas inglesas, mui
proprias do mercado : segunda-feira, 97 do
crrenle, s 10 horas da mantona em pon-
to no seu urmazem da ra do Trapiche-
Novo.
Avisos diversos.
Lotera do Guadalupe.
lie anda transferido para o dia 31 do cor-
rente o andamento das rodas desta lotera,
visto que este se nflo pOde realisar no dia
13 anuunciado, por existir ainda por ven-
der um numero tal de bilhetes, que nilo ha-
bilitou o respectivo tbesoureiro para cfTei-
tuar o dito andamento, que s depente da
prompta venda do meamos bilbetes.
Madama .Millochau tem a honra de
paiticipar que mudouasua casa de modas
raucezas do primeiro andar do Aterro-da-
Boa-Vista n. 1, para a toja da mesma casa,
aondeasaenhoras acharfio sempre grande
sortimento de modas, como manteletes ,
lencos, luva, bicos, fitss Dores, bordados e
em geral tudo o que usam as senboras, por
preco commodo: tambem se fazem cha-
peos, vestidos, camisiulias; tudo na verda-
dera moda,
Chapeos de sol
Ra do Passeio, n. 5
Nesla fabrica ha prseotemenlo um rico
sortimento de chapeos, de sol de todas as
qualidades, e de todas ss cores, samis
iixas que pdem haver; chapeos de sol pa-
ra sen hora, dos mais ricos e do ultimo gus-
to de Pars: bem comoum rico sortimento
de sedas e panninhoa imitando seda para
cobrir armacoes servidas chegado lti-
mamente de Franca. Neste estabelecimen-
to tambem ha chapeos muito grandes para
feitores de engenho.
lo Sportsmen.
A fe Canisters of Mesa." John
Hall & Sous celebrated Glass Gua-
powder uiay be liad at M.T Cor-
betts office 48, ra da Cadeia, He-
cife.
- Urna pessoa habilitada se propoe a re-
ceber alumnos internse externos psra en-
sillar primeiras lettras, liogoa nacional
franceza, geometra e rlielurica, prometien-
do o mais desvelado tralamenlo mediante
um modieo estipendio : as pessoas que o
quizerem frequenlar poderfio dirigir-sea
ra das flores sobrado u. 1, das.duas ho-
ras da tarde em diante,
Os ron tratadores do contrato de 2,500
rs. do municipio do Recfe vendem os armos
da freguezia de S. -Amaro, Mor beca, S.-Lou-
rouco e Luz : os pretendenles fallem
ff\rt^t\a\ *l'n.it.l C- lijunl^il^^^^nhUjJ "
ao
MUTIL/s


N ra Nova, n. 6o, preci-
sa se de um oflicial de alfaiate pa-
ra concerlos.
__ Precisa-se de um forneiro :
na padaria defronle do viveiro do
Muniz.
Vascimento& Amorm embarcam para
Cora da provincia o escravo de nomo Jos,
de nacfio Angola, pertencrnle ao Sr. Ma-
nod Gomes Pereira, residente ao Rio-de-
Janeiro.
Os Srs. Antonio Rodrigues de Moraes e
JoSo Riheiro de Soaza 0x> pelo prsenle
convidados a apparocerem no Aterro-da-
Ra-Vista, n. 5, onde se Ihes deseja Tallar
cm negocio que Ibes diz respeito.
~ No dia 81 do crrante perdeu-se da ra
da Concordia at a do Rozario urna ssnlen-
ca civel ile libello : a pessoa que a livor
achado, pode leva-la a mesma ra da Con-
cordia, na casa junto a do procurador Pio-
lo, quesera gratificada.
OITareca-se um rapaz braaileiro para
caixeiro de qualquer eslabelecimento, (me-
nos venda) ou engenho : tem boa conducta,
(o que provari) escreve bem e tem bastante
intelligencia para desempenhar qualquer
negocio de que o incumbam. A fallar na ra
larga do Rozarlo, loja n. 28.
Quem annunciou ter cartas para Jofio
Martina dos Santos Cardoso, queira dirigir-
se 4 roa da Praia, n. 49, casa do Sr. Manuel
Luiz de atollo.
Na ra de A t;oas-Verdes, casa terrea
n. 86, engomma-see lava-seroupa de toda
aquslidade, por preco mais commodo do
que cm outra qualquer parte.
Reseja-se fallar aos Srs. Carlos Magno
da Silva e Pedro Celestiano Magno da Silva,
a negocio que Ihes diz respeito : na ra do
Crespo, n. 17.
Oabaixo assignado declara por este
aos Srs. do Diario N vo e seu confrade Ma-
noel Francisco de Azevedo Lira, que ji se
acha no caJinho e breve ir a moldeado
tvpographica a resposta ao seu aranzel, im-
presso no seu jornal de n. 55, de 8 do cor-
rente. Adverle-se porm, que sem dar o
menor cavaeo com o que n'essa follia Ihe
diz respeito s trata deste negocio para
mostrar que nOo vive dentro de alguma to-
ca e para dar io publico urna ideia de
quetn he esse juiz de paz. Rezerros, 19 de
agosto de 1849. haquim )oi da Silva
titira.
Manoel Matimiano Cuedes embarra
para fra da provincia os seus escravos Ma-
ra Benedicta, de nacflo, e Vicente, crioulo.
Precisarse de urna relacHo de lodosos
engenhos desta provincia como (consta
que existe pessoa que a pos-ue roga-se-
Ihe de mandar aua morada A livraria da pra-
ca da Independencia ns. 6 e 8, para se tra-
tar sobre o referido ohjecto.
OSr. Luiz Antonio Rodrigues Estoves
queira dirigirle a ra doQueimado, n. 7, a
negocio de seu interesse.
Precisa-s de 6:000,000 de rs. sobre
hypotheca em 3 predios silos em bom lu-
gar e que valer o molhor de vinle e qua-
trocontosde ris, porespaende anuos,
a um porcenlo ao mez pagando-se o pre-
mio de 6 em 6 mezes, que importa em 360/
rs. : a quem convier este negocio falle so
Sr. Antonio Francisco Maya, que dir quem
precisa.
a>


i*
Fabrica especial de
adelras na ra
largado Rozario,
n. 10. t
| Henry Dtiman et Jules Imatz teem a honra de avlsirem ao *
respeitavel publico quesea- *
bam de abrir sus tenda de *
marceneria Onde hilo de 2
fabricar especialmente ca- +
i*, deiras franrezas americanas e al- <*
iaV lemflas > sophc e marquezaa. Os an- -ej!
&V nunclantes, chegados lia pouco tem- -el
* po de Franca, trazem os modelos os j? maisndos e mais commodos que **
? se faiem agora, e por isso seacham **
0. habilitados para satisfazer as pessoas Jj;
g. que qoizerem honra-Ios com sua ^
ss> confianza. Osmcsmos lambem se en- 4;
8- csrregam do concert de qualquer
& mobilia de assenlo que se apresen- <5
* lar e os seus freguezos ficarSo con- "jj
i? lentes do modo que serSo servidos, J
5 tanto em promplidilo como em sol i- *:
^. dez e preco barato. ^
Quem annunciou querer saber a mora-
da do Manoel Joaquim de Souza Ramos, di-
rija-se ra da I'raia, n. 15.
Aviso.
<* Quem pretender engenhos para em 9 ho-
ras socar urna caixa, ou 6 barricas de as-
sucr,occui>aodo urna su pessoa e um ca-
vallo, carros para conduceSo de formas
com assucar .Umbeo por urna s pessoa,
nfiuquereiiiioser enganailo, diiija-se A rua
do Sol, 18 Adverte-se que nao sSo carros
deforquilha----por baixo, destes os acha-
rBona fabrica dos Sr.-. SUrr& Companhia
Quem annunciou querer comprar um
violilocm boro estado, dirija-se A rua da
I'raia arma/ern de carne, da urna porta.
n.W A.
Precisa-se de 360,000 rs a premio com
hypothec* em urna escrava: quem quizer
dar annuncie.
-- O abaixo assignado declara que no dia
23 do corrente deixou de ser caixeiro do
Sr. Jos da Fonseca e Silva, e ao mesmo
lempo agradece ao mesmo Sr. o bom Ira-
lamento que Ihe deu. Jos liorges de
Souza.
-- Pergunla-se ao Sr. mostr F. B. V., se
j> baile moustro dado por S. S. na Cruz-do-
Patrflo.he iiifallivelmeute DO dia 24 do cor-
fenle ; isto deseja saber o Pondr.
-O abaixo assignado, tendo de ir ao Para,
ga a todas as pessoas que tiverem contas
rom o abaixo assignado de se diiigirem a
" cas. paraje entendern com elle; assim
tomo, deixa por seus procuradores em pri-
jneiro lugar a sua senhora. em segundo ao
-- Jos Thomaz de Campqa t"*resm ,
tendo de entrar no exercicio 'dsreapatazia
da alfandega desta cidade, no I. de setem-
bro prximo vindouro e sendo urna das
condicOes desso contrato com a thesouraria
empregar no servico da mesma capatazia ,
que ho dentro da alfandega e no trapiche ,
homens livres at o numero de cincoenta,
convida a quem se quizer empregar ero o
dito servico, que comparece na casa da re-
sidencia do annunciante, das 5 as 7 horas
da mandila e das 5 da larde em diante dos
dias uteis com abono de pessoa reconhe-
cida e idnea para ser escriturado sen-
do o jornal do 500 rs. em cada um da de
trabalho. ', .
-- Precisa-se do um caixeiro para pada-
ria : na 5.-Cruz, padaria de urna s porta.
Precisa-se do um caixeiro para venda ,
o qual tenha pratica e d fiador a sua con-
ducta : na rua Augusta, n. 1.
Filippe Froment, subdito francez, re-
tira-se para o Rio-de-Janeiro, ou Babia.
Aluga-se urna casa na rua da Palma ,
n. 6, com cozinha, quintal, cacimba e es-
t pintada e caiada : a tratar na rua Jo S.-
Francisco, n. 30.
Precisa-se de urna ama secca na rua
do Rangel, n. 25.
Aluga-se, pelo lempo da fesla, ou an-
imalmente, urna casa terrea com muilos
commodos, sita no Poco-da-Panella
margem do rio e que foi do doutor Joflo
Lores: a tratar na praca da Boa-Vista, n. 32,
segundo andar.
Precisa-se- de 140,000 rs. com o premio
de um e meio por cenlo pelo tempo de 8
mezes dando-se por garante pessoa abo-
nada : quem quizer dar annuncie.
Aluga-se um excellente escravo para
alguma casa estrangeira, com todas as boas
qualidades, alm de ser bom cozinheiro, he
copeiro e bolieiro: a tratar no Fortc-do-
Mattos, ruada Moda, n. II, segundo an-
dar.
Quem annunciou, no Diario de 22 do
coirente querer tomar rnupa para lavar
do varrolla em alguma casa de familia di-
rija-se rua Bella, sobrado do dous andares
onde mora n vigario de S.-A ntonio.
Precisa-se de um preto para trnbalhar
em padaria ou mesmo branco, dando-se
bom ordenado : na rua da Florentina, n. 3.
O Sr. Jos Pereira Lins, que morn no
Rio-Formoso, tem urna carta de seus paren-
tes na |irac,a da Independencia, livraria
ns. 6e8.
O Sr. que annunciou querer cobrar
dividas em Caruar Altinho e Panellas ,
dirija-so 11 rua laiga do Rozario, loja n. 26.
Furtaram, nodia 19 do corrente, urna
cabra preta com dnuscabritinhos brancos :
quem dola der noticia no largo do Carmo,
11. j, ser recompensado.
A pessoa que annunciou, no Diarlo de
20 do corrente. querer comprar urna cadei-
ra de arruar, dirija- se rua Direita n. 26,
que achara urna quasi nova e de bracos.
Precisa-se alugar urna preta : ns rua
Direita, n. 18, se dir quem precisa.
Precisa-sede urna criada par o servi-
co interno de urna casa : na rua Formosa ,
na esqu'na da rua da liniilo.
Perante o Sr. Dr. juiz municipal da se-
gunda vara na rua das Cruzes, pelas 4 ho-
ras da tarde do dia 29 do corrente ae lia de
arrematar um escravo do gento de Ango-
la penhorado pelo coronel Chaby aos her-
deirosde Francisco Xavier da Fonseca Coi-
tinho, escrivilo Molla.
-- Quem annunciou querer comprar um
lalim, canana e mais alguns ohjeclos em
bom estado proprios para oflicial subal-
terno da guarda nacional, dirija-so a rua da
ConceicSo da Roa-Vista, n. 9. Na mrsma
casa vende-se um rico violdo em muito buin
estado, por precocommodo.
-- Os Srs. coronel Diogo Lopes de Araujo
Salles, Manoel Joaquim de Souza Ramos
IaSVi Pftrpira lia Sa Viinn. InlAnin fnn
civel como no crime c para ensinar as lin-
goas latina e franceza a quem se quizer
utilisar de seu resumo.
Dentes nrtiiciaes.
J. A. S. Jane, dentista participa ao res-
peitavel publico que contina a exercer a
sua profhsSo, na rua estreila do Rozario ,
n. 16, primeiro andar.
Ba larga do Rozario,
n.14.
Pradales,culIeiro e
armeiro,
tem a honra de prevenir ao respeitavel pu-
blico o principalmente aos seus freguezes
que elle acaba de receber um rico sorti-
mento de espingardas de caca de um u
dous canos Irunchados c adamasquinados ;
neste sortimenlo ha tambem algumas mui-
to curtas para ca?ar as maltas e lagas.
Seus freguezes acharSo tambem um rico
sortimenlo de pistolas tanto de montaria
como de tiro e de algibeira muito peque-
as ; boleos de cacadores, entraados;
formas do fazer balas de todas as hitlas :
bem como concerta e faz qualquer obra
pertencente ao seu ofllcio ; amla sempre
as tercas, quartas e sabbados com perfei-
qSoe brevitfade.
C. Starrck Companhia, con-
vencidos de que a condueco das
formas de assncar para a casa de
purgar he sem duvida o servico
ue mais mortifica a escravatura
e um engenho, e desejando quan-
to possivcl he o melhoramenlo dos
senhores agricultores, teem inven*
tado e conseguido construir varios
carros de ferro que facilitan! de
urna mancira admiravel este pesa-
dissimo trabalho. As pessoas inte-
ressadas sao convidadas a inspec-
cionar, na fundic3o d'Aurora cm
Santo-Amaro, esta mu til in-
vencSo.
Precisa-se de urna ama que cozinhe
para urna casa de pouca familia sendo for-
ra ou escrava : na rua do l.ivramento,
n. 20.
Na rua Nova n. 35, loja de alfaiate ,
se deseja fallar com o Sr. Tomotheo Pinto
Leal Jnior, a negocio quo llic diz res-
peito.
O hacha re formado JoBo de Barros
1'nlefo de Alhuquerque Maranhfio advoga
nos juizos criminal, civel e ecclesiaslico :
na rua estreila do Rozario, n. 20, primeiro
andar.
AVISO IMPORTANTE.
Acaba-sede ter seria noticia, de os escra-
vos abaixo mencionados ndarem polos
suburbios desta cidade rommetteu lo mo-
hos e sendo a noite recolhidos em diversos
sitios, por eonsentimento dos escravos;
porta uto previne-se a qualquer que nisto
tes melhoramentos resultado de mais do
20 annos d experiencia e pratica do paiz.
Precisa-sede um feitor quo trabalho,
entenda de arvoredos, de horta e de vaccas:
na Magdalena estrada nova, primeiro por-
tflo de ferro.
Manoel deAlmeida Lopes que costu-
ma comprar e vender escravos mudou sua
residencia da rua do Vigario, n. 24, para a
rua da Cadeia do Recife, n. 40
-- Domingos Al ves Mstheus, sgente da fa-
brica de rap superior areia preta da Ra-
bia, tem aberlo seu deposito na rua da
Cruz do Recife, primeiro andar da casa n.
38, onde se aehar sempre deste excellente
e mais acreditado rap que at o presente
se tem fabricado no Brasil: vonde-se em
boles de urna e de meia libra por proco
mais commodo doqueem outra qualquer
parto.
ICm um engenho pouco distante desta
praca precisa-so de um feitor que enten-
da de bortalicee de jaidun : na rua da Ca-
deia do Recife, n.9.
Agencia de passaportes.
Na rua doCollegio, n. 10, o no Aterro-
da-Boa-Visla, loja n. 48, continuam-se ati-
rar pasaportes para dentro e fra do im-
perio, assim romo despacham-so esclavos.
X
Compras.
-Compra-seum viollo bom: quem ti-
ver annuncie.
Compra-so urna carroca decavalloque
esteja em bom estado, com seus competen-
tes a rreios, esefr comocavallo melhor :
na rua Imperial, n. 25, ou annuncie.
~ Compram-so patacOes mexicanos a
1,900 rs. : na esquina do l.ivramento, loja
de portas.
_ Compra-se um candieiro de latflo que
sirva para loja com duas ou tres luzes, e
com os competentes vidros duas conchas
de pao para batanea de baldo de taberna :
na rua do Queimado venda n 3
-- Compra-se um cabriolot : na travessa
'da Madre-de-Deos. n. 18.
-- Compra-se, effectivamente, ago'anten-
le cm pipas pelo preco correte, anda
mesmo sendo amarella : na fabrica de es-
l'irilos na rua da Praia-de-S.-Rita, n. 17.
Vendas.
$ 6# s$s j #
Vendem-se escravos baratos, na rua
$ das Larsogofraa, n. 14, segundo an-
f dar, como sejam: moleques mole-
.* cas, molecOes, negras e negros de to-
9 do o servido.
f
Na livraria ns. 6e8 da praca da inde-
pendencia vende-se o seguinte :
Manual eleiloral
contendo a lei regulamenlar das eleiQese
os decretos e decises do governo que dSo
esclarecmentos sobre sua execu^So.
Para prsenle.
Fbulas de Lafontoine em
possa interessar-se, e para que molhor pos- francez, riquissima eico Ilustra-'
sam ser capturados. Adverte-se que, po- j __ i ,.
dendo constar-Ibes deste aviso, queiram da5 em voluntes, papel vclm,
Joflo Pereira de Sa Vianna Antonio Gon-
yalves Lopes Macieira, Manoel Jos de Arau-
jo Costa Alexandre Jos Silva Raymundo
Pereira da Costa JoSo Martina dos Santos
Cardozo, Manoel CarneiroLins e Alhuquer-
que queiram annunciar por esta folha suas
moradas, alim de Ihes serem entregues car-
tas.
-- A pessoa que annunciou, no Diario de
92 do corrente ,- precisar de 250,000 is. a
premio dando por garanta urna escrava
dirija-se atrs da matriz da Boa-Vista, n.
24, sobrado de um andar, que se dir quem
faz este negocio.
Offercce-se urna mulher para ama de
casa de porta a dentro do homein solteiro,
ou de pouca familia preferindo-se para o
mallo : na rua do Rangel, n. 55.
I.ava-se roupa de varrella de casa de
familia com zelo, promplidilo & lidelida-
de : qunm precisar annuncie.
Aluga-se o quarto andar do sobrado
da rua larga do Rozario, n. 36 : a tratar com
Rarlholomeu Francisco de Souza.
Aluga-se o armazem do sobrado n. 9,
no largo da matriz de S.-Antonio, oom
quintal e cimba : a tratar na ru; Direita *
n. 29, primeiro andar.
Foi furlado do sillo da viuva de Vieira
& Filhos, residentes na Soledade, um tran-
cen ni de ouro, redondo, com o peso de 14
oitavas, sendo ouro de lei : roga-se aquom
fr olTerecido por pessoa suspeita, de o ap-
preheuder e levar ao dito sitio, ou em sua
loja da rua da Cadeia do Recife, n. 24, que
ser generosamente recompensado.
ffW?Mr"i'-ir'*1fff- ifMTaTlalllaf 1
'^T'JJ^^,a**xttw^w.i. .i. i'.v../.vj, ;v^Tw*VBt^^P*nan^****>^T^aawrt^/
Na praca da Independencia, |
n. io, ao voltar para a rua ]
das Cruzes, alugam-se, ven- 1
dem-se e tamhem se appli- ]
cam as melhores bixas que |
\ he possivcl havarem no mer- 1
cado ; limpam-se e tiram-se dentes 1
com toda a perfei(9o : lambem se ap
plicam ventosas com a maiordeliaav
desa que he possivel e faz-sa ludo
o mais que pertence a arte de sangra-
dor: tudo por preco muito rasoarel.
6M ?)* tti'aaV iyV 'Vr* ajaaVJlail nava '^H*,^*^Mt/aati ^aaftM *i*iia "T"i
mmwmmwwmm wmmwWrWwmw
Precisa-se de um homem que j tenha
servido em primeira linha para servir um
anno por outra praca: quem quizer dirija-
se a rua do Alecrim, sobrado n. 3, ou em-
baixo na venda do dito.
evadir-se para mais longe, e assim pois, pe-
de-se toda vigilancia as estradas e lugares
suspeitos, rara poderem ser apprehenilidos.
Nflo obstante darem a certeaa de estarem
18o porto, pede-se encarreidamento s au-
toridades e a todas outras pessoas dos luga-
res longincuos, de continuaren! na inces-
sante diligencia para os aprisionar, para o
que segu este outro snnuncio:
200.000 rs.
D-se esta quantia de gralilicaco a quem
levar ao engenho Agoas-Claras, de Uruc,
da viuva do Burgos, ou nesta praca, no
paleo do Carmo, n. 18, segundo andar, a
Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce de
Len, os dous escravos seguinles que fu-
giram nos dias sabbado para domingo, 26
a 27 do corrente : Vicente, pardo de 26 an-
nos, de altura regular, cabellos crescidos e
carapinbadoa, testa sobresabida olhos pe-
queos, nariz chato, tomador de tabaco de
caco rosto descarnado e com espinhas,
sam nenhuma barba; levou 1 camisa do ma-
dapolio urna calca de casimira usada, urna
jaqueta de bretanha, um bonete de velludo
azul j' usado, um chapeo de palha, um
dito de pello preto : Joaquim, crioulo bas-
tante prelo, do 38 annos, alto, Secco, cara
pequea, bem barbado ; tem o costume de
levar a mSo i barba ; he gago ; andar com-
Dassado; dizem ter mili em Pajab-de-Flo-
res; foi escravo do capilSo Leandro Baudei-
ra de Moura do Apody o qual se acha pre-
sentemente na comarca de S.-AntSo, e tem
um silio em Craval; presume-so terem
partido para o Apody, ondoha nuitos p-
renles do dito Moura; comquanto o primei-
ro andasse sempre em viagens dos serios
do sul ao poenle, com os cobradores desta
casa : este ultimo escravo levou um chapeo
preto de pello e outro de couro, duas ja-
quetas brancas, 1 caiga do brim pardo 1 di-
ta I* riscado, 1 camisa de madapolao,
duas ditas de algodilo da trra e ceroulas.
Roga-se a vigilancia uestes dous escravos,
que vindo cora muila brevidade, serflo
gratificados anda com mais do que se oCTe-
race.
DAURORA
C. Slarr& Companhia teem a honra de
avisar aos seus fregueses, e ao publico em
geral.quea sua grande fundido em S.-
Amaro alm do sortimenlo que constan-
temente toin acba-se de novo provida de
muitas moendas de canns, e d varios ta-
maitos feitas no mesmo eslabelecimento
pelos mais peritos offlciaes, e com o maior
cuidado e perfeicao ; tanto assim he, que
os annunciantes se ufanam em garanti-las
nelo nriiiii'irii annn io mwnH ^inlr.
propria para presente.
Anna de Grierslein, ou Don-
zella do Nevoeiro, nvella de
WalterScott, excellente traduccao
pprtugueza de Lisboa, \ volumes
in8.
Vende-sc cotia urna destas obras
separadamente por 8,000 rs., na
rua do Hozario larga, loja de J. J.
Lody.
Clicgueni ao barato que
poucasvezes apparece.
Na praca da Independencia casa amarel-
la n. 1, vende-se brim de lislras cor de gan-
ga e de lindo puro", pelo barato pceo de
1,000 rs. o corte ; dito pardo do superior
qualidado, a 1,280 rs o corte ; dito branco
de hstras a 1,600 rs.; dito liancado de al-
godilo a 1,200 rs.; cintas de assento es-
curo e de cores fixas, a 160 rs. o covado,
meias para senhora, muito finas, a 500 rs.
o par; liscadinliosmudosodo cores fixas,
proprios para camisas a 180 rs. o covado;
esguiilo de algodilo lino a 3,600 rs. a peca
com 10 varas o a 360 rs. a vara ; e outras
muitas fazendas. Do-se as amostras subre
penhores.
Vende-se o Plutarcho brasileiro : na
rua da Cruz, loja de livros, n. 56.
Confeitos de Glis
e cont de lactato de ferro, approvado pela
academia de medicina de Pars, conforme
0 parecer de urna commissDo composta dos
Srs. Rouillaud, Fouquiere iiailly.
As preparares ferruginosas se contam
no numero dos.medicamentos, cujas pro-
priedades nao so pdem por em duvida :
com erfeito ha poucas preparafOes medicas
que tenham sido esludadas com tanto es-
mero por observadores sabios.
Os mdicos mais acreditados receitaram
estes confeitos com muitas vantagens, de-
pois do terem analysado sua composicffo.
O benvolo acolliimento que esta prepa-
radlo ohteve da escola de medicina de Pa
ns un, dispensa do fazer seu elogio.
Estes confeitos silo empregadns com gran-
de successo na clorosis ou paludas cores,
as inflamma^Oes chronicas do estomago,
e dos intostinos, na falta doappetile, as
amennrrbeas, ou suppross.to de mentrus,
as enfermidades cscrophulosas, e inconti-
nencia das urinas, proveniente da debili-
dade da bexiga : na leucorrhea ou flores
brancas, opilaclo. abatimento de frcas,
no escorbuto, em lodos os casos de enfra-
quecimenlo do organismo, na animya, vul-
go frieldade, na hydropesia consequoocia
destas molestias, emliin em todos os casos
em que ha alteracilo na composicSo do
sangue.
A respeito da dse que se deve lomar,
hastam tres confeitos pela mandila, eoutros
dias, na idado de C a 12 annos, e 4 aos mai:
jovens.
Km as principaes cidsdes da Europa S'
acham os depsitos dos ditos confeitos, i
em Pernambuco na botica do Sr. Paranho
na rua do llosario estrella, n. 10.
Vende-se fon o para cachim
bosdo fabrico francez o melhor que ten
apparecido : tambem se vendem cachimbo
segundo o gosto allemSo e francez : na fa
brica de charutos do Aterro-da-Ba-Vista
numero 43.
Vende-so urna preta e um moleque d'
bonitas (guras e mocos, por proco com
modo por seu dono retirar-se para fra d.
procincia : na rua da Cadeia do Recife
n. 39.
- Nosarmazensde Francisco Dias Fer
reir o no de Leopoldo Jos da Costa Arau-
jo ha para vender o mais superior vinhi
>lo Porto que tem vindo a este mercado, en
barra de 4.', 5., 7. e 8.*: os apreciadora
pdem sortir-se porque poucas vezes r
vem fazeuda igual.
Vende-se urna balanca grande con
conchas de amarelloe correles de ferro
com porciio do pesos, pouco servidos: ni
rua de Apollo, armazem de assucar, n. 9 B
Vende-so urna casa na rua da Cloris
com 2 salas, dous quartos, bastante gran
des quintal murado o mu grande cacim
ba o porliio pura a rua da Alegra : na ru
da Poeira n. 13.
Vende-se urna porgfln de vidros de um
o duas libras, urnas panellas de lou^a bran
ca : ludo proprio para botica por prec,
jaaito mdico: na rua do Livramenlo
W\\.
Vende-se um bote em bom estado,
diversos objectos para navios, sendo ma
carnes volamos e vergames : tudo em bon
estado : na rua da Cruz, n. 64.
Vendem-so portas, janellas, carros d
mito pedras de cantara, armac/ms par
camas de vento um jogo de gamflo : n
rua da Praia, del'ronle da ribeira, ns. 9 e 12
Vendem-se dous moleques de 12 a 1
anuos; 2 mulatiudos de 14 annos, ptimo
parapagens; 3 escravas mocas com hab
lidades : na rua Direila, n. 3.
Ven de iii-se S escravos de 18 a 25 an
nos, sendo dous cozinheiros; uro pardo d
18 aimni db elegante figura e que he prc
prio para pagem ; 2 escravos proprios par
o servico de campo, por entenderem mui
lo desse trabalho ; um moleque para tod
o servir;o; urna parda por commodo prc
cu ; 2 pretos do 20 a 25 annos, com algn
principios de habilidades : todos esteses
cravos vendem-se por pre?o commodo : n
pateo da niatrtt de S.-Anlouio, sobr '
4, se dir quem vende.
*- Vendum-se dous uixos em mi
uso, por proco commodo : na praca
Vista, deposito de assucar n. 7.
o armazem do barateiro Silva 1/
na porta da alfandega, vende-se vinho
Bordeaux em quarlolas e da molbo
qualidade que vem a osle morcado.
Cortes de sa patos.
Vendem-se ricos corles de sapatos de ta
pete para homem e senhora : na praca di
Independencia ns. 12 e 15, loja do Aran
tes.
Cauro de "lustro.
Vende-se couro de lustro francez c dam
burguez de muilo boa qualidade, e mar
roquim de todas es cores : na praca da In-
dependencia ns. 13 e 15, loja do Arantes
Vende-se urna preta de 16 annos sen
vicios nem achaques e que cozinha o dia
rio de urna casa, lava e engomma: na rua
Imperial, n.25.
tp iiaj
\ Familia barata.
4 Vendem-se saccas com muito boa fa- $
** rinha de mandioca por barato pro* fl
9: co : no armazem do Bacelar, em fren-
% teda rampa da alfandega, a tratar
SS com Machado & Pinhelro.
i...... J.1--I- ... r:
*.' 0
Vende-se o sobrado de um andar n. 78
no Alerro-da-Boa-Vista com bastante:
commodos e grande quintal, para paga
ment da hypotheca que tem a Sr." D. Ma
lia Rita de Quoiroga : a tratar com o Sr. Ito
dolpho JoiTo Barata de Almeida ou com i
Sr. Francisco los da Costa.
Vendem-so bules o cafeteiras da metal
com lindos rr-odellos e machinas para ca
f : na rua Nnva, loja de ferragens, n. 16
de Jos Luiz IVira.
Em casa de Adamson Howie & C, rua d<
Trapiche, n. 42, vendem-se sellins ingleze
da meldor qualidade, com todos os mal
pertences.
Vende-se um pardinho de 19 annos i
um mulatinho de 11, ambos muito bonitos
proprios para ofllcio, ou pageos: na rua lar
ga do Rosario, n. 35, toja.
IIotaba de vento.
Vende-se o monho de vonto estabeleci
do em Fra-de-Portas para o fabrico di
farinha de mildo com as competentes ma-
chinas de peneirar e ventilar, s vantagem
que este eslabelecimento ofTerece s9o tul
manifestas, que intil se torna fazer delta'
aq'ui minuciosa descripco. O moi'nhoaeha
se em estado pcrfeito e em trabalho effec-
tivo o moe para mais' de 9 alqueires ( 11
arrobas) de milito diariamente, ediste
qualquer so pode convencer indo-o exa-
minar ror alguns minutos quando est Ira
balhando. Os pretendenles dirijam-se i
qualquer hora ao mesmo monho que ab
acharSo com quem tratar. Observa-se que
este monho de vento, sendo todo feito de
ferro sobre fortes esteios de madelra, pode
em poucos horas ser lirado do lugar em
que est e collocado em qualquer outro que
mais convelida ao comprador.
.Novidade.
Na rua do Collegio taberna de Antonio
Jos A lvs da Fonseca, vendem-se bixaa no-
vas vindas ltimamente de Lisboa, por
preco mris barato do que em outra qual-
quer parte.
Defronte da casa da polica por baixc
.do saino do convento de|S.-Francisco, ven-
dem-se Irocam-se e alugam-se cavallos.
Vende-se urna lettra de 800,000 rs. ,
vencida em Janeiro do corrente anno, aoei-
ADO


'
Para escravos.
Vendem-so cobertores de algodfio a men-
ino a 560 rs. cada um; zuarle de chadrez,
160 rs. o covado; dito trancado, a 200
>. o covado ; pecas de ganga azul da India,
i>m 4 palmos de largura e 12 covados a
,100 rs.: na ra do Crespo, loja n. 10.
Vendem-se chapos de senhora tanto
c palha como do seda, manteletes de bico
do seda chegados pelo ultimo navio do
ranea : no Aterro-da-Ioa-Vista, loja da es-
uina n. 1.
Na loja da modas francezas, na esquina
o Atcrro-da-Boa-Vista, n. 1, recebou-se ne-
) ultimo navio vindo do Havre um lindo
orlimento de chapeos de seda o de palha
na da nova moda ; ricos manteletes de sc-
a o de bico ; Dores de todas as qualidades;
jvs de pellica curtas e compridas : ricas
tas, plumas, hicos enmbraias de linho,
amisinhas : ludo vende-so por prego mui-
)em conta.
Vendem-se 6 lindos moleques de nagflo
ci ionios sendo um delles bom oflcial de
lfaiale,e ptimo para pagem ; um mula-
inlio de 15 annos ; 6 pretos muito mocos ,
endo um dellcs perfeito cozinbciro ; urna
egrinba de II annos, com principios de
nslura ; urna preta de meia idade, queco-
inha, engnmma Taz doces e d-se acon-
nto ; urna dita do 18annos permita eos-
urcira engommadeira faz lavarinlo co-
iiih, lie rerolhida e de muito boa co-
uda; 3 mulntinlias de 16 a 20 annos, com
Igumas habilidades ; um cabra muito ro-
usto, proprin para campo ; e oulros mui-
os escravos: na ra da Cadeia do ItecifJjk
. 40. **
Chocolate.
Vcndc-se chocolate de varias qualidades,
orno sejam amargo e inglez ; e caf modo:
udo supprinr, por prego commodo : no
ilerro-da-Boa-Vista, n. 68.
Queijos londrinos.
Vendem-se pelo mais barato prego do
10 rs. a libra, superiores qucijns londrinos,
thegados recntenteme : na ra do Amo-
ini, n. 36.
Vende-se um fardamento completo e
linda nilu servido para oflicial, ou inferior
le cavallaria da guarda nacional : lambem
e vender qualquer peca a vontade do com-
prador: na ra Nova, n. 16.
I ii-inli;i superior.
Ycnde-sc a bordo da sumaca
Feliz-siurora, fundeadaem fren-
do caes do Colle
g'.
a farinlia
superior que ha no increado
mais liarato preco : a tratar
.lachado & l'inheiro, na ra
Vigirio, n. 1 0, segundo andar.
-ti com o mestre a bordo.
>
>
>
>
>
>
>
>
Vendo-se superior farinha de man- <<
dioca, muilo nova por prego mais j
commodo do que em oulra qualquer
parle: a bordo da sumaca Bella-Arge- 5
lina, fondeada del'ronte do caes do ]2
Hamos ou na ra do Vigario, n. 19,
segundo andar, casa de Machado i ^
l'inheiro. J
He ii (imli. li.l.i boje universalmente
iue na presenga de um par de oculos adpta-
los ao grao da vista do paciente ca lu-
lo i iian i o os diversos autores qur anli-
os, qur modernos teem escripto em me-
licina tendente a curar vista curta ou
ansada; e tanto islo he certo, que ellos
nesmos usam dclles, e por isso quem os
luizcr bonse baratos, dirijs-se rua larga
lo 0ozario, loja de miudezas, n. 35.
Cortes de brim entraen*
do de puro linlio a
1,280 rs.
Vende-se brim pardo de linho a 1,280 rs.
o forte, e cor de ganga mulio fino a 1,500
rs.: na rua do Queimado, n. 8.
Vendem-se cortes de cambraias ada-
mascadas propriaspara vestidos, a 3,000
rs. ditosde lalagarca, a 1,600 e 2,500 rs. ;
eassa-chita decores fixas a 30o rs. ; lan-
zinhas para vestidos, caigas e roupa de me-
ninos a 320 rs. o covado ; fazenda de 1.1a
comlistrasde seda, propria para vestido
de senhora a 640 rs. lilas para caigas, de
muilo botn gnsto e de superior qualidade ,
a 2,200 rs. o corte ; cortes de cassa, a 1,400
rs. cada um ; panninhocom vara de lar-
gura a 240 rs. a vara, e a 2,500 rs. a pega
com 10 varas e meia ; chales de pura lila ,
a 2,000 rs. cada um ; fustes para colletes,
a 500 rs. o corle ; e nutras muitas fazendas
por barato prego : na rua do Crespo, loja
n. 15, de Cunta Cuimariles & Companhia.
Vende-se superior cal virgeni de Lis-
boa, em barris pequeos; feches do arcos
de paoe rodas de dito para barricas; cu-
nhelos de pinbo abatidos para assucar ;
pregoscaixacsdo Porto, em barris de 10
inilheiros ditos de estuque em barris de
33 a 45milheiros marmelada de Lisboa,
em hilas de I e 2 libras ; pi lulas de familia :
na rua da Cruz, n. 49, primeiro andar a
fallar com Joaquim Ferreira tiendes Cui-
ma riles,
Cortes de brim de puro
linho, a 1,280.
Vendem-se corles de brim trangado
pardn de puro linho, pelo diminuto prego
de quatro patacas : na rua do Crespo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Vendem-se relogios de ouro e prata,
patentes inglezes: na ruada Senzalla-No-
v.-i, n. 42.
Rap roldo francez.
Vende-se o superior rap rolo francez ,
nicamente as loja dos Srs. Caelano l.uiz
Ferreira no Aterro-da-Boa-Vista n. 46 ;
Thomaz de Mallos Estima na mesma roa,
n. 54 ; Francisco Joaquim Duarte, ruado
Calinga ; Pinto & Irmflo na rua -da Cadeia
do Recifo, n. 19.
Vende-se cal virgen) de Lisboa de
superior qualidade, em barris de4 arrobas,;
fiambre ; latas com bolachinhas de Lisboa';
ditas do araruta ; ditas do marmelada de
I, 2 e 4 libras ditas de sardinhas ; ditas de
hervilhas ; ditas de checolate de Lisboa
frascos do conservas ; dilos d'agoa de flor
'le laranja; barris com azeitonas brancas de
F.lvas ; garrafas com vinho moscatel do Se-
tubal e da Madeira; queijos de prato
frescaes: tudo novo e chegado ultima-
mente de Lisboa : na rua da Cruz, no
Recife, n. 46.
--- Vende-se champanha da mais superior
qualidade que tem vindo este mercado :
na rua da Cruz, n. 27, armazem de Crocco
k Companhia.
Cha brasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
mollindos, airas do Corpo-Santo, n. 66, o
mais excedente cha produzido em S.-Pau-
lo que lem vindo a esle mercado, por
prego muito commodo.
-- Vende-se um alambique francez e de
cobre com pouco uso que leva a caldeira
50 caadas, com muilo boa serpentina de
estanto fino que pesa 300 libras: este
alambique trabalha por dous systemas, um
que serve para destilar gazapa e outro pa-
ra restilar ago.'ardente ; par8 este tem tres
ratificadores os quaes fazem com que o
alcool saia sem cheiro muito superior em
grao e muito simples para qualquer pessoa
poder Irabalhar: acha-se montado e promp-
to a Irabalhar cara o comprador ver : lam-
bem se vende urna machina do l'.i/er limo-
nada gazosa, agoas mineraes e vinho
champanha tudo por prego commodo : no
Aterro-da-Boa-Vista n. 17 fabrica de li-
cores, de Frederico Chaves.
4cs (unanles de bom BOStO.
No armazem de molhados airas do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sul superio-
res charutos S.-Flix, e de outras muitas
qualidades que se venderSo mais barato do
que em outra qualquer parle : bem como
(.'arrullos hespanhes ditos de palha de
milho, que se estilo vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
RUA DA. SKNZALT.A-NOVA, N. ^1.
Neste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moudas e meias moen-
das, para engenbo ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
cosdo, de todos os taannos,
para dito.
A 640 rs. cada um.
Vendem-se cobertores de algodfio ameri-
cano, encorpadose grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras de bons padres e co-
res seguras, a meia pataca o covado : na
rua do Crespo, na loja da esquina que vol-
la para a cadeia.
i Taixas para erigenho.
Na unilii;"io de ferro da rua do llriim,
acaba-se de receber um completo sorlimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes achuni-se a venda por prego com-
modo e com promptidflo embarcam-se,
cu cariegani-soctn carros sem despezas ao
camprador.
Cadciras de palhinlia e
de halanco,
bem com outros muitos trastes: vendem-se
em casa de Kalkniann lrmos, na rua da
Cruz, n. 10.
Superior cha brasileiro.
Vende-se superior cha de S.-Paulo em
caixiulias de urna e duas libras: na ruada
Cadeia do Hecife, n. 51.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias queforam!de
farinha em p e bem acondicionadas
na rua do Amorim n. 35, casa de J. J.
Tasso Jnior.
A GAO rs.
Vendem-se cobertores de algodfio, muito
encorpados, proprios para escravos a duas
patacas cada um : na rua da Cadeia-Velha,
n. 33.
4
finos, largos e encorpados proprios para
camisisdehomeme senhora, com 20 va-
ras a 4,500, 5,000, 5,200 e 5,500 rs. ; dilo
ordinario com 20 varas a 3,000 rs.; len-
cosde toquim com franja, proprios para
meninas, a 610 rs.; luvas de pellica, peque-
as, a 500 rs. ; chitas de cores muito fixas,
a 140 rs. o covado e a 5,000 rs. a pega : na
rua do Passeio, loja n. 17.
Vende-se um pardo robus-
to, de ^4 annos, perfectamente en-
tendido no servico de compo e sem
vicios: na loja da rua do Crespo,
n. i5, de Cunha Guimores &
Companhia.
Folha de Flandres.
Vendem-se canas com folha de Flan-
dres : em casa de J. J. Tasso Jnior : na rua
do Amorim. n. 35.
Bombas de ferro.
Na fundigilo de ferro da rua do Brurn ,
vendem-se superiores bombas para cacim-
ba assim como de repucho para fazer su-
bir agoa casas al altura de 4 a 5 andares.
Charutos de Ilavana
verdadeiros: em casa de Kalkmann Ir-
anios na rua da Cruz n. 10.
do Recife n. 24, bllhelese meios ditos da
lotera a beneficio da fabrica de vidros de
S
.-Roque e da fabYica de papel de Zeforino
Ferrer. Na mesma loja existe a listada 19."
lotera do Moote-Pio chegada ltimamen-
te no vapor. ,, ,
- Vende-se um superior avallo de carro,
muilo proprio para cabriole!: na praga do
Commercio n. 2, primeiro andar.
do Aracaty boa
N. 9.
Rua da Madre-de-Deos.
Puro vinho da Figueira.
O novo armazem desta pinga deliciosa
acaba dse abrir nesla rua, defronle do ex-
tincto armazem ao mesmo prego de 180
rs. a garrafa e a 1,360 rs. a caada. Os
amantes desle licor alliencontrarSo garra-
fas promptamento lacradas e com o seu
competente rotulo para trocarem por outras
promptamenle ; assim como lambem en-
rontrarlo barris de diversos tamanhos,
por pregos bem rasoaveis ; bem como vinho
hratico de Lisboa a 1,600 rs a caada o a
220 rs. a garrafa. O proprietario desle esta-
belecimento pedeexame para poderem ava-
har a pureza de sua qualidade e asseio, e
que em nada desagradar aos concur-
rentes.
larmelada nova.
hegada ltimamente do Rio-de-Janeiro,
vende-se por prego commodo: rt-sdo Cor-
po-Santo armazem de molhados, n. 66.
9
O tfST Na rua do Crespo, _r5> 0
? loja da esquina que volta l|
p, para a cadeia, vendem-se q
0 os acreditados brins trancados bran- @
p, eos, lisos, de lislras e de linho puro, a
q a 1,500 rs. o corte ; ditoamarello a
v 1,440 rs. ; dito muito superior, a
O
rs. ; dito
1,600 rs. ; picote muito encorpado
,_, proprio para escravos a 180 rs. o
covado ; panno preto muito fino a
v 3,200 rs. o covado ; cassa de quadros
9 para bahados, a 2,000 rs. a pega ; lu-
U vas de algodfio de cor, muilo finas, a
D 240 rs o par ; chitas rouxas com fio- @
f res encarnadas, le tintas seguras, a 0
Q 180 rs. o covado ; cessas pretas, pro- Q
A prias para luto, a 160 rs. o covado q
A pegas do plalilha dealgodaocom 25 *,
!''.[ varas, a 4,200 rs.; e outras muitas i^
i fazendas pur prego commodo.
G<&oo$0(&>fc6<&(a$
Na loja da rua do Crespo, O
n. G, ao p do lampeo, ven-
dem-se os acreditados brins
trancados de puro linho.
Corles de brim trangado pardo, a
9
r>
O
O
o
2
O 1,280 rs. ; dilocr de ganpa.'a 1,440 O
O rs. ; dilo muito fino, a 1,600 rs.; di- O
O lo branco listrado a 1,500rs.; pico- 0
te, a 180 rs. o covado; chitas escuras
o da cores fixas a ICOe 180 rs.; co-
bertores americanos, muilo encor-
pados a 640 rs. o corle ; corles de
m cassa branca para vestidos, a 2,000
':,v rl r fe, c ,li rllloa niri huli.flne
rs. ; pegas de ditas para babados .
^ 2,400 rs. o a 32o rs. a vara ; chapeos S
?' de massa ,a 1,600 rs. ; ditos de seda C
9 a 640 rs. ; ditos a 400 rs. ; fuslOes pa- >
v 1 a rllele, a 480 rs.; dito superior a O
O 60ris. O
O O
OOOOOOOOO 0 FARINHA DE MANDIOCA.
A melhor farinha de mandioca, que tem i
venda he a bordo do brigue minerva, chega-
do deSanla-Calharina, e fundeado na praia
do Collegio, onde se vende a prego mais
commodo que em qualquer outro barco ; e
lambem se pode tratar na praga do Com-
mercio, n. 6, primeiro andar.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Sintos na Baha
Vende-se em casa de N. O. bieber & C.
a rua da Cruz, n. 4, algodfio trancado
daquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
i,a8o ris.
Vendem-se superiores cortes de brim)
trangado do puro linho cor de lama de Pa-1
A 4oo ris.
Vende-se superior esguiio de algodTo de
quatro palmos emeio de largura, proprio
para camisas de senhora e jaquetas, pelo
baralo prego de 400 rs. a vara bretanhas
de rolo com 10 varas, a 1,600 rs. ; supe-
riores cites de fusloes alcochoado a
1,28o rs.; dilos miudos a 400 rs. o corte :
na rua do Crespo, n. 14, loja de Jos Fran-
cisco Dias
Vende-se urna parda de bonlla figura ,
com atgumas habilidades : na rua da Ca-
deia do Recife, n. 39.
Pechineha.
Vende-se cha hysson de superior quali-
dade pelo prego de 500 rs. a libra : na rua
do Crespo, n. 23.
A '2,(100 rs. a caixa de
cem charutos.
Vendem-se charutos regala de S.-Flix
dilos cagadores, cavalheiros, regalos de Ila-
vana e outros todos de superior qualida-
de, pelo mdico prego de 2,000 rs. a caixa
de cem : na rua Nova casa de comestivrs.
n.69.
Superiores cartas de
jogar.
Vendem-se superiores cartas de jogar
em porfi e a relalho, ror prego muito
commodo: na rua Nova, casa de comestives,
n.69.
Vende-se urna porgSo de bolacha or-
dinaria por prego commodo : na rua I>-
reita padaria n. 26.
Vende-se urna prela crioula moga
bem parecida semdefeitos, c ptima pa-
ra o crvigo do compo : na rua da S.-Cruz,
n. 74.
Queijos de qualha.
Vendem-se os superiores queijos de qua-
lha muito frescaes e chegados do Cear no
ultimo vapor : na praga da Independencia,
1oja n. 3.
-NaruadasCruzes. n. 22, segundo an-
dar, vendem-se 6 escravos sendo : 2 mo-
lecotesdel8a22annos, sendo um aerra-
dorooulrocozinheiro; 3 prelas que cozi-
nham lavam desabSo e vendem na rua ;
urna crioula de 20annos que cozinha co-
se chao, lava de sabo e faz renda.
Vende-se rap d Lisboa,
chegado ltimamente, 3,aoo ra.
libra na rua da Cadeia do Re-
cife loja de Antonio Joaquim
Vidal.
Bilhetes do Rio-de-
-Vendem-se sapatos
obra, por prego commodo : na rua do Tra-
piche-Novo, n. 26.
Aos 20:OO0#0O0 de ris.
Lotera do Itio-de-
Janeiro-
lie chegada a lista da 19.* lotera do Mon-
te-Po e com ella novo sortimenlo de bi-
lhetes, meos, quartoi.oitavose vigsimos:
na rua da Cadeia, n. 5 loja de ferragens.
Vendem-se as obras completas de Ca-
rnees em 3 voluntes, da ultima o mais n-
tida edigSo, por prego muito mdico: na
rua Nova, n. 36.
Alphabeto da malicia das
mulheres :
vende-se a 320 rs. : na praga da Indepen-
dencia, livrarians. 6 e8.
RUA DA CRUZ N. 13.
ARMAZEM DE FORNECIMENTOS PARA
NAVIOS.
Neste armazem vende-se o segunte:
Carne salgada
de porco e vacca em barris, de muito boa
qualidade, e muito nova ;
Remos de faia
de todos os tamanhos ;
Lanfe/nas de patente
de varios tamanhos, propras para navios;
Cabos da Russia, .
de patente, os melhores que ha no merca-
do, e de todas as grossuras ;
Lonas inglezas
e da Russia de varias qualidades, tanto
largas como eslreitas;
Brins da Russia,
de superior qualidade para velas ;
Bonetes escocezes
para marojos;
Bandeiras nacionaes,
de 2 al 6 pannos.
Vende-se um bonito cabriolet; um
bom cavallo ; um preto proprio para o ser-
vigode enxada : na rua do Pires, n. 19 se
dir quem vende.
Bom gosto.
Na rua do Queimado, vindo do Rozarlo,
segunda loja, n. 18, vendem-se lindos esu-
periores cortes de camhraia de seda com
barra, ricos chales de seda matizados de co-
res, cambraias brancas com barras, lengns
de camhraia de linho, e outras muitas fa-
zendas por menos do que em outra parte.
Vendem-se tres rotulas de amarcllo em
bom estado, e por prego commodo : na rua
Imperial, n. 25.
Castorm francez, a 650
rs. cada covado.
Na loja que faz esquina para a rua do Col-
legio n. 5, vendem-se os novos castorins
francezes muito encorpados, padres no-
vos oscuros e com lislras pela boira pelo
baralo prego de 560 rs. o covade.
Vende-se um sobrado de dous andares,
sito na rua da Lapa, n. 3: na rua larga do
Rozario, n. 29.
Vendem-se riscados escocezes com
vara de largura, a 290 rg. o covado ; cassas
pintadas do cores fixas, a 240 rs. o covado;
pegas de panninho de vara de largura, com
12jardas, a 2,000 rs. : na rua do Crespo,
loja n. 10.
A ellas antes'que se acabem.
Vendem-se ricas luvas de pellica para
homem e senhora pelo diminuto prego do
1,000 rs. o par : na rua do Queimado, n. 17.
Dao-se as amostras.
lo e azul, fios, pelo barato prego de 3 <
rs. cada covado, e alm dstes ha um coi
pleto sorlimento de todas as corea e pre
gos commodos.
Vende-se um preto proprio para o ca-
nto, ou qualquer servigo Braga I, por ser
muilo reforcado ; um moleque : na rm di
Cadeia do Recife, n. 39.
Vende-se um terreno com urna peque-
a casa de pedra e cal, no lugar da Capun-
g, foreiro ao doutor Jacobina por prego
commodo : na rua da Senzalla-Velha, cas.
terrea, n. 24.
Chales de Roberto do
Biabo.
Na lojadeGuimares & Manriques rua
do Crespo, n. 5, que faz esquina para a ru,
do Collegio vendem-se os novos chales
grandes intitulados Roberto do Diabo pe'.
lo barato prego de 1,600 ra. cada um : csu
fazenda se torna muito recommendavel,
por ser de padres novs, e de lindas
franjas.
Na rua do Crespo, n. 5.
loja que faz esquina para a rua do Collegio.
vendem-se chitas francezas largaa o de pa-
dres muito modernos pelo barato piego
de 280 rs. cada covado.
Vendem-se S siccadas de pedra da lar-
ra, urna cama de angico, urna marqueza,
8 quadros grandes desala, urna mesa, i
garrafas, 3 compoteras de vidro, urna se-
creta, 1 porta-licor e outro deazeite a tra-
tar na rua das Larangeiraa, n. 20.
Na rua da Cruz, n. 3, vende-se cera de
carnauba de superior qualidade por prego
commodo.
Visporas.
Acabam de chegar pelo ultimo navio vin-
do de Franga, na rua do Queimado, loja de
chapeos, n. 22, pegada esquina do Rosario,
um sortimenlo dos mais divertidos jogos
de vispora os melhores que teem vindo a es-
la praga, assim como um sortimenlo dees-
tojos para costuras de senhora com todos os
seus perlences, conlendo mais urna caixi-
nha de msica com cinco pecas cada urna a
mais lambem o sortimenlo dos ditos esto,
jos para homem, lodos com os seus perlen-
ces para barba : a elles antes que se aci-
bero.
Visporas.
Acaba de chegar pelo ultimo navio da
Franga, rua do Queimado, loja de ferra-
gena, n. 37 A, junto ao boceo da Congrega-
cao um sorlimento dos mais divertidos
jogoa de vispora os melhores que teca
vindo a esta praga; bem como um sorli-
mento de estojos para costura de aenhora ,
com todos oa seus perlences, conlendo mais
umacaixinha com cinco pegaa de msica
cada urna; um rico sortimenlo de estojos
para barba, cora todos os seus perlences. A
elles antes que se acabem,
- Vendem-se 3 fortes pianos, chegido*
pelo ultimo navio francez de muilo boas
vozes, superiores as de outro qualquer que
tetilla apparecido, e de novo modello qua
nfio deixraSo de agradar ao comprador;
charutos do Ilavana, por preco mais commo-
do do que em oulra qualquer parle; un
completo sortimenlo de instrumentos di
msica, tanto de metal como de madeira ;
bustos de gesso representando muito fiel-
mente a rninlia Victoria e o principe Alber-
to relogios de ouro e de prata chegados
ltimamente da Suissa. Estes relogios que
silo muito bem acabados se toraam nui-
to recommendaveis a qualquer particular,
e adverle-se que ha entre elles siguas que
andam oito dias sem precisaren) de corda :
na rua da Cruz, no Recita, n. 55.
isscmvos Faenos
? Para liquidar-se.'
Vendem se, por baralo prego, cor- (9
? tes dn vestido de camhraia com barra
? branca e de cores, a 1,440 rs.; meiaa
> decores para senhora, a 1,860 rs. a 4
? duzia ; ditas para meninas, a 1,000
e> rs. ; suspensorios de meia, a 1,000 I
? rs. a duzia; botos de duraque a a>
4r 240 rs, a prosa ; longos de seda para +
? algibeira e hombros de senhora, a
? 400, 5f0, 800, 1,000, I 200, 1,400
>;. 1,600 e 2,240 rs.: no paleo do Car- >
* mo, n. 18, segundo andar.
i
Teeidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
Na rua da Cadeia, n. 1>*1.
vendem-se por atacado Ires qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos, a 250, 280 e 300 rs. a vara.
-Vende-se urna negra anda moga,que ssbe
lavar, engommar aujuma cousa, lem boa fi-
gura e cozinha o otario de urna casa : na
rua Bella, n. 14, primeiro andar, ss dir
quem vende.
Lotera do Rio-de-Ja-
/neiro.
Na praga da Indegendencia, n. 4, ven-
dem-ke meios bilhetes, quartos, oilavos e
vigsimos a beneficio da fabrica de vidros :
na mesma loja se mostrara as listas das lote-
riaajasassadas.
A 560 rs.
Vende-se hamburgo muito fino, de 3 pal-
mos o meio de largura proptio para len-
ges e ceroulas, pelo barato preg de 300
rs. a vara ; chitas muito finas, escuras e de
cores inulto fixas, a 200 rs.; ditas lavradas
de diversas cores, a 180 rs o covado : na
rua do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Diss. ,
-- Desappareceu, da fundigilo da Aurora,
em S.-Amaro na noito de 20 do correnle,
o preto Antonio, de nagSo Congo de es-
tatura regular, cheio do corpo, com mar-
cas de bexigaa ; tem falta de um dente na
frente ; levou camisa de bata azul e caigas
de algodfio branco transado : quem o pe-
gar leve-o a mesma fundigfio ou no escrip-
torio na rua da Aurora, n. 30, que ser re-
compensado.
Fugio, na madrugada do dia 23 do cor-
rente da casa de Joaquim Lobato Ferreira,
a prela crioula, de nomn Antonia, de 18 an-
nos cheia do corpo estatura regular, cor
e feigea ordinarias; levou vestido de chita
rxa com palmas encarnadas 4em um risco
na face esquerda de alto a baixo por ser
pronostica e capoeira ; usava de vender
quitanda. Esta escrava faltando em casa de
sen senhor, foi vista e pegada na casa de
Sebastiilo Jos lavares na rua do Rangel,
e por isso se protesta contra este e quem
mais der quarlel a dita escrava, pelo jor-
nal, despezase Indo o mais na forma di
le.
- Fugio, no dia 22jje julho prximo pis-
sido um mulstinho.de nome Antonio, da
21 annos pouco mais ou menos; levou cal-
gas de brim azul com quadroa, camisa de
madapolflo, lendo fivela naa calcas, mas
foi visto de trajea mudados, decalcaa e ca-
misa de marujo de pavio de guerra o cha-
peo de seda j he bonito, anda a gingar ; '>
regrita e dado a valen te secco do corpo e
baixo ; tem pelo corpo pannos e pela cos-
tas com grande quantidade, caierfos bem
carapinhados e peuleados pescoco curto,
pes e mllos tegularea, nariz pequeo a
com alguma regularidad. Roga-se as au-
toridades policises e capules de campo,
que o apprehendaan levem-no a venda da
Lingota, de Joaquim Jos Rabello conde-
cido por Joaquim da Lingota que he se-
nhor do dito mulatinbo, e recompen-
sar.
- Fugio, no dia IC do correte, da ci-
deia de Serinhaem a escrava ilargarida,
crioula, de 35 a 40 anuos pouco mais ou
menos; he alia, cor fula, nariz grosso ,
roste redondo j coaluma tomar iab>co des-
confiase ter combinado sua fgida como
caruereiro da mesma cadeia, pessoa da
mesma villa, e existir em algum eogenno
por aquella circunferencia. Roga-se as"
toridades policiaca capitaes de campo o
pessoas particulares, que a apprehendem e
levem-na a mesma villa a seu senhor,
Ionio Joaquim de Mello e Silva ou nesi
cidade a Lino Jos de Castro Araujo,
praea do Commercio, n^S. Que seraoge^
MUTILA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJI0MBPZZ_74NE1X INGEST_TIME 2013-04-12T22:31:45Z PACKAGE AA00011611_06254
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES