Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06247


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV

Quinta-fcira 10
FARVIDAS DOS COHBEIOS.
fioianna e Carabina, segunda e sextas-fciras.
lt o-Graudc-do-Norte, quintas-feiras ao melo-
da.
Cabo.Serinhacm, Rl-Formoso, Porlo-Calvo
M.icrm, no !.", a II c 21 de cada mci.
Garanhunse Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista eFlores, a 13 e 28.
Victoria, l quinta-fciras.
(llirnla, todos o das.
. EPHEMERIDIS
rmsES d> lo. Chela a 4, s 1 h. e 32 m. da m.
Ming. a lt, asi I h.e llliu. da m.
Nova a 18, s '3h. c 13 ni. da t.
Gresca 25,s 2 h. e 3G m. da t.
PREAMAB. SE HOJK.
Prlmeira as 2 hora e M minutos da tarde.
Segunda as 3 hora e 18 minutos da inanb.
de Agosto (!c 1849.
N. 180.
mecos da stjbscrifcAo.
Por tres metes [adianladoi) 4/000
Por seis ine/.es 8/lHK)
Por um anuo 15/000
DAS da skmawa.
13 Seg. S.Helena. Aud. do J.dos orf.edom.dal.v.
14 Tere. S.Euzeblo. Aud. da chae., do J. da 1. v.
do civ. e do dos fcitos da fazenda.
15 Quart. ** ssumpcao deNossa Senhora.
16 Quii. S. Hoque. Aud. do J. dos orf. c do ra.
da 1. v.
17 oext. S. Mainede. Aud. do J. da 1. v. do civ. c
do dos feltos da fazenda.
18 Sal. S. Clara de Monte Falco. Aud. da Chae, e
do J. da 2. vara do crime.
19 Doro. S. Joaquina._______^^____^_____
CAMBIOS KM 1* DE AGOSTO.
Sobre Londres. 23'/, d. por 1/000 rs. a 60 das.
. Pars, 380.
. Lisboa. 115 por cento. ,ljnnA
Ouro. Oncas hespanhoes......... 3lfSSr *
MoedasdeBHOOvelhas.. 17/200 a
. de 6/400 novas.. 16/200 a
. de 4/000........... Wj0
Prala.-PatacSes brasllelros...... roiO a
Pesos columnarios....... *!!!*
Ditos mexicanos.......... 1/900 a
3MB0O
17/400
16*400
!)/40(
2/DIO
2/010
/no
DIARIO
MIMBICO.
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
lllm. e Exm. Sr.Hontem cheguel de Gol-
inna, curapre-me lar conta da conimlssiio
de que V F.xc. me encarregou por seu offlcio
de 3 deste me, fazeodo-me seguir para aquel-
la cldade, onde me achel no dia 4 pelas 9 ho-
ras da xnanhaa, A's mesmas horas que all che-
guel assumi a vara dejulz de dlrelto, e passel
a fsier as Indagacoea relativamente aos facfhs
llegados na representacao, que devolvo i. V.
Esc, de muitos dos habitantes da supradila
eidade; em resultado das informnces que
pude obter das pessoas dos dill'erenles parti-
dos gar, possoassegurar AV. Exc. serverdade
haver por varias noites urna reuniilo de in-
dividuos, em nilo grande numero, percorri-
do as ras di eidade com msica e rogue-
tea do ar, dando vivas s autoridades como
signal.de regozijo pelas eleices que se
iam proceder, e acebam de fazer-se. Alguns
ilisspratn que no meio dessss demonslra-
cOes de regozijo e enthusiasmo publico ap-
parereram alguns gritos domorra a rebel-
da, fra rebeldesetc., mas nem porisso
se poder qualiflcar aos individuo1, que as-
simandaram, de reos de polica, e mal in-
tencionados, porque nada mais fizeram do
que seguir os precedentes e prtica adop-
tada all desde mu tu lempo pelos partidos
das dfTerentes opiniOes, os quaes em vespe-
*ras de elecOes cnstumara percorrras ras
da eidade com msica em grupos de mai'-r
ou menor numero. Assim mesmo, depois
de haver eu remettido ao delegado de poli-
ca o oOlcjo que V. Exc. a respeito Ihe di-
rigir, enlendi-me com o major comman-
dante da Torca all estacionada, para que
pela sua parte, e por ordem/do juiz mu-
nicipal, fizesse dispersar quaesquer reu-
nides que tendesse, a perturbar a ordem
publica e piz das familias ; mas tendo
sabido na noite de mnha cliegada a per-
corree as ras os individuos talvez de
quem se queixaram oacdadilos represen-
tantes, n.e persuado que nada de mi pra-
ticaram, porquo nao hnuve contra elles
Suexas, nem Ibes foi impedido o transito,
como nSo houvesse receio de que a or-
dem publica fosse alterada, e a eidade es-
tivesse em plena paz, passei o czercicio da
vara bo juiz municipal, e voltei para esta
capital a continuar no gozo de minha li-
cenca, cumprindo assim exactamente as
ordena de V. Exc, expedidas em dito seu
cilicio, que por esta forma tenho respon-
dido.
Dos guarde a V. Exc. lenle, li de
agosto ile 1819. lllm. e Exm. Sr. conce-
lheiro de estado Honorio Hermto Carnciro
Lefio, presidenta da provincia. haO Pau-
lo di Miranda, juiz.de direito da comarca de
Goianna.
EXPEDIENTE DO DIA 13 DE AGOSTO.
OIBcio."Ao commandante das armas, decla-
rando que arbllrou a gr.alificar.fio de 100,000
rs. a cada um dos individuos indicados na re-
lacao que remette,dos quaes o 1 se ofl'crcceu
para asseoiar praca nnvamen le na priineira li-
da e oa deinais para contiiiu arein no servido
em que se acham, visto que a todos foi favo-
ravel o parecer da juma de sade que os ius-
peccionou.
RELACsO DOS 4NDIVIDUOS A QUE SE
UKFERK O OFFICIO ACHIA.
Ex-soldado, Jos Gomes Morelra.
Cunto tatalhao de [utileirot.
Particular prlinelro sargento, Jos Francis-
co da Costa.
AVrlo balalho de cacadorrs.
Primeiro sargento, Joo Soarcs do Couto.
int'o batalhio di cacadorti.
Primeiro sargento, Joaquim Jos de Oli-
veira.
Segundo sargento, Filippe Antonio de Mo-
raes.
Cabos, Manoel Vas, FranciscoLourencode
Lima, Antonio Tavaies, Mathias Antonio da
Silva, Mathcus Francisco, Manoel Vicente.
Aucpecadas, Reinaldo Jos dos santos c Jo-
Rodrigues da Cruz.
Primeiro cadete, Joaquim Antonio Dias J-
nior.
Segundo dito, Jos Francisco Soares.
Soldados, Jos Francisco de Oliveira, Mano
el Marques de Oliveira, Pedro Mendes, Fran-
cisco Antonio, Joaquim Alves, Jos Albino,
Florencio Rodrigues de Souza, Bernardo Gon-
calves, Salusliano Lopes, Fraucisco Gomes da
Cruz, Maiimiaiio Ramos, Geraldo de Soma,
Desiderio Pereira, Saturnino Jos, Jos Mar-
lias, Manoel Ignacio da Cruz, Eustaquio Jos
das 'Jhagas, Joaquim Jos Lourenco.
ttcientIHcon-sc o inspector da pagadoria mi
luto.Ao cominandante da praca, ordenan-
do em cumplimento de aviso da secretaria da
guerra de2dejulho ultimo, mande abrir as-
seiitimrnto de praca como voluntarlos do
quinto batalhao de (acadores, ficando aildidos
a> segundo de ai (iDiaria p, aos menores
Francisco Vctor de Mello e Albuquerque Ju-
nior e Miguel Victor de Mello e AlbuqueaW,
mimado major do referido quinto baiatlia",
Francisco Victur de Mella* Albuquerq*e.fc>ciii
como que laca averbarem taes assenUmeVtos
kque riles diipensaram a graliucaco iuarc\da
yi decreto n." 561 de 18 de noveinbro do aisjio
hroijiui, passado ; e declarando que S. M.
Imperador houve por bem conceder aos ditos
'Menores um auno de licenca Be favor para con-
V'Muareru os seus estados.
Dito.Ao mesmo, declarando sem efleito a
ordem dirigida ao marecbal cominaudanU das
anuas em 7 do crreme para dar balsa do ser-
vico do exercito ao msico do sexto balalho
de cacadores Jronynio Emiliano Montelro,
v|sto que elle embarcou para a corte com o
dito batasbao.
Dito.Ao inspector da thesouraria da fazen-
da provincial, ordenando mande satlsfascr o
edido que, oa imporlanciade 30,320 rs., Ihe
Jr apresentado por parte da repartieae das
------- A~ A- "
ta com os concertos que a presidencia deter-
tninou se procedesse com madeira na actual
varanda da ponte da Ba-Vista.--Intelrou-sco
administrador daquella reparticao.
Dito Ao* mesmo, para que mande entregar
a Antonio da Silva Gusmao, procurador do de-
legado do termo de Flores Manoel Pereira da
Silva, a quantia de 58.000 rs. importancia dos
alugucis,vencidos do 1." de abril a 31 de julho
do crrenle anuo, da casa que serve de quar-
tel ao destacamento de polica estacionado
naquellc termo Ncste sentido officiou-se ao
delegado do referido termo.
Dito.Ao Inspector do arsenal de marinha,
determinando mande proceder aos concertos
de que carece o vapor Thttit que tem de se-
guir para o norte.Scienlicou-se o comman-
dante do referido vapor.
Dito.Ao inspector, da pagadoria militar,
para que mande pagar ao bnlicario Luis Pedro
das Nevea a quantia de 366.300 rs. em que im-
portaran! os medicamentos que elle vendeu
paraooitavo batalhao de caladores, segundo
consta dos documentos que remelle.
Dito.-A Francisco de Paula Souza Ledo.
Convimlo regularisar a guarda nacional de
Olinda e Iguarrsss.e sendo necessario.para
que isto se consiga, que os varios chefes'da
mesma guarda nacional enlrcm em exer-
cicio dos respectivos postos ; cumpre que,
dentro do prazo de 30 dias, contado da dala
deste, solicite Vmc o seu titulo de coronel
chefe da legiflo de Olinda. adro de que possa
entrar em efTectivo servico. 0 que decla-
ro a Vmc, para sua intelligencia e execu-
co, prevenindo-o de que ficar sem effeito
a portara de 3 do corrente pela qual o no-
meei para a aqurlle cargo, se, lindo o men-
cionado prazo, Vmc. anda nilo bouvor ti-
rado a sua patente.
Dito.--Ao presidente da assembla paro-
ehal do Bonito.-Em soluefin duvida por
Vmc. proposta em olllcio de 10 do corrente
mez, tenho a declarar-llie : primeiro, que
os eleilores que porqualquer motivo forem
Horneados depois do dia marcado para a
eleiQodevem sor admittiilosa votar para a
mesa do collegio eleitoral, como quaes-
quer oulros. eleilores, urna vez que a sua
eleicHo se lenha concluido anles do da
marcado para a reuniSo dos collegos elei-
torass na forma do artigo 60 da loi regula-
mentar das eleicOes: segundo, que, nilo ha-
vendo dilTerenfii alguma entre os eleilores
assim nomeados e aquellos que sSo eleitos
no dia designado* para a eleicflo, he claro
que elles devem ter voto em todas as mate-
rias da competencia docollegio: terceiro,
finalmente, que pela mesma razo deve a
legitimidade do taes eleilores ser verificada
pelo collegio eleitoral como a dos outros
eleilores, devendo a mesa tomar em sepa-
rado os seus votos, smenlo no caso de ter
sido milla a eleic.no, nitovelo motivo de ser
feita em dia posterior ao marcHo, pois que
esta falta deformulidade no importa nul-
lidadeda eleigSo, mas por falta de outras
formalidades essenciae que aflectem de
nulldade a eleic3o; devendo-so mais em tal
caso fazer de ludo minuciosa declaracHo na
acta para ser prrs-jnte cmara dos depu-
tados.
Portara.-O presidente da provincia,usan-
do da attrH>oCflo que Ihe foi conferida por
decreto de II de Janeiro do corrente auno,
lia por bem lonceder amnista, em nomoile
S. M. o Imperador, ao bacharcl Jos Jorony-
mo Pacheco do Albuquerque Maranhflo pelo
crime de rebelliSo, ullimamenle commelti-
do nesla provincia.
E paia sua resalga se Ihe passa a prsenle,
em virlude da qua' jamaN sera Drocessado
pelo dito crme.Igual a Jos Gomes Co-
imbro.
Dita.Nomeando terceiros commaBdanles
do companliia do corpo de polica a Joilo
Germano de Paula e SebasliHo Antonio uo
llego:esteparaalerceira couipanha.eaquel-
la i ara a quarta. Expediram-se as con-
venientes communicnces.
l)ita."^omeanllo a Jos Francisco Novaes
para o posto de tenente-coronel comman-
dante do corpo de cavallara da guarda na-
cional de Flores. Nesle sentido fizeram-se
as convenientes communcacOes.
querqne, filhos do mnjor do referido quinto
batalhSo Francisco Victor de Mello e Albu-
querque; fazendo V. S. averbar em taes as-
sentos que elles dlspensaram a gratifica-
cilo marcada no decreto n. 562 de 18 de no-
vombro do anno prximo passado, e remet-
lendo-me a competente guia para vista
della se fazer a precisa escriturario no re-
ferido corpo.
tAo concluir declaro a V. S. que, segundo
me foi cemmunicado em o citado aviso, S.
M o Imperador houve por bem conceder aos
ditos menores um anno de licenca de favor
para contnuarem seusestudos.
Dos guarde a V.S. Palacio do governo de
Pernambuco. 13 do agosto do 1849. //ano-
rto I/ermito Carnciro Lto.Sr. commandan-
te da praca.
AssgnaJo, Joti Yietnti de Amorim Btztr-
ra, coronel graduado commandante.
Quarlet do commnndo da praca na eidade do
Recife, 14 deagotlo de 1849.
ORDEM DO DIA N. 14 ADDICIONAL.
O lllm. Sr. coronel commandante da pra-
ca manda fazer publico, para conhecimento
da guarnic^o, a ordem do dia do Exm. Sr.
general commandante das armas de 11 do
corrente, a qual he do teor segulnte :
OMartl-jnraldoeoiman(oo'arsaBa villa
ifAqaa-fititt, 11 de Agoilode |849.
DEM DO DIA.
a Podendo actualmente os corpos que se
acham destacados fra da capital,pela esta-
bilidade que leem nospontosquo oceupam,
organisar as relacOes de mostra dos venci-
mentns das pracas que se deverc entregar
mensalmente pagadoria militar, o que se
nilo pralicava durante a luta passada pela
inobilidade dos mesmos ; o Exm. Sr. ma-
recbal de campo graduado, commandante
das armas, determina que, comquanto os
referidos corpos recebam dinlieiro por cau-
tela da mesma pagadoria, remelam-lhe
mensalmante as ditas relaces de mostra.
Jos Pedro JleiUr, ajudanle de ordens in-
terino.
Francisco Carlos foeno Deschampe, pri-
meiro lente ajudanto de ordens do cam-
inando da praca.
TRIBUNAL DA FlACAO'.
SESSAO EU 14 rJ)E AGOSTO DEjl849.
PRXSIDRNCI*1 DO EXM. SKMIOR
CONCRLHBinO AZEVEDO.
A's dez horas da manhia, achando-se pre-
sentes os Srs. desembargadores Ramos, Villa-
res, Bastos, Leo. Sou^a, Rebello, Luna Frei-
r e o julsde direito Pereira Monteiro, faltan-
do com causa o Sr. desembargador Pone,
o Sr. presidente declarou abena a sessao.
JUI.GAMENTOS. #
Pelice:
Uabeai-corpus de Antonio Duarte Lelte.
Mandousc passar a ordem para informar o
chefe de polica e o delegado de Santo-Ant.o
al o dia 1. de selembro, e ao_ detentor para
apresentar o paciente cm sessao do tribunal
do dito dia.
Aggravo de petic.'o de Nuno liarla de Sei-
xas com Jos Jcroiiymo Montelro.Nao teve
prnvimento.
Pctico de Jos
rida.
/ippellacoes crimei.
Luiz Beltrao.Foi Indcfc-
Commano da pr/^n.
Quartel do eommando da praca na eidade do
Recife, 13 de agosto de 1849.
OIIDKM DO DIA. N. 13.
O lllm. Sr. coronel commandante da pra-
ca manda fazer publico, para conhecimento
da guarnicSo, que por despacho do Exm
Sr. presidente da provincia.de 8 do corren-
te, dado ao requerimento da viuva Severina
Kiaiicisca da Costa, concedeu baixa ilo ser-
vico a seu filho Manoel Severino Marques,
msico do qunt" baUlho de fuzleiros.
Outro sini que por olllcio de 29 do prxi-
mo passado mez do Exm. Sr general com-
mandante das armas se recolheu a capital
por doenle o Sr. tenente-coronel Luiz Jos
Ferreira, commandante do oilavo batalhilo
de cacadores.
Francisco Carlos Roeno Deschampe,
Primeiro lenle ajudante de ordena.
Quartel do eommando da praca na cldnde do Re-
cele em PernambucoM de agosto de l849.
OIIDKM DO DA N. 14.
} Facopoblico.paraconheciisientadaguar- do, Manoe Pereira Maini
iSK&ton de ir o divido elTeito o dispba- ***$ A .ni
to no offlcio do Exm. Sr. presidente da pro- ,;,."
vlpcis, dntadq de hontem, que abaixo se
iiinscrevo: ....
lllm. Sr.-Em cumpnmento de avilo da
secretaria de estado dos negocios da guerra
d#l de julho uliimo, mande V. S. abrir as-
sillametilo de praca corflo voluntarios do
3. wlo batalho de catadores, ficando addi-
#n segn lo de artilharia a p.aos ineno-
-aWrancisco Victor de Mello e Albuquerque
;or o Manoe' Viclor i'
Appellante, a jiistica ; appellado, Miguel Fran-
cisco do Koni-FlmFoi julgada procedente
e mandada a novo julgsinrntn.
o iuiso ; appellado, Pedro Jos d
ApeP- T.ve a mesma decisao.
silva.-- j,-0 appellado, Joaquim Ro-
Appellante.., AJ Sip0.-Teve a mesma de-
drigues de J '
oalo.
Appellante,
Jos Brain
tomou-se
ser causa d
Appellante, J
do, o Julio
mesmo defer|
Appellante, 1.
lado, u juiz
o .(un para su
reos.
a luizo ; appllados, Henrique
r de Souza llangel e outros.Nao
onhecimento da appellaco por
recurso.
o llodrigues Velloso ; appella-
direilo dcsta eidade.Teve o
ment.
iz Roberto Florentino; appel-
.Mandaram dcscer ao juno
ir por traslado por haver cor-
ipellaces civeis.
io Jos da Costa e sua mu-
Apnellantes, Beir Jo, joaui, Bezerra Ca-
Iber; appelladi', mulher f0 confi.madaa
va lean le t sua 1
seotenca. Lco n\i% Ferreira ; appella-
Appellante, Franc Santos.Foi confirmada
do, Joao Paulo d
a senteoca. Sibastlanna por seu cura-
Appellante. apare rallcM;o pereira da Concei-
dor; appellado,! avfrbar 0 imposto.
cao.Mandou-se 0 ciyc| do Aracaty ; appel-
Appellant. ojuizo r 4 Roga_..Fo ju|gado
lado, Antonio J T
nuil.i o processo. \ Goncalves de Medeiros;
cis.f ,,
Barbosa de Miranda.j-
cimento da appellac*.
afoes.
Appellante, Francis appellado. Andr
Nao lomaram conlr
Desld
- ,. lia mil para seremjul-
Fol assignado o 1.' dInM em que ,io .
gadasas appellacOea crf |la Pol.firlo Fer.
Appellante, a jusltca ; k
reir dos Santos. VainPos Barros ; appel-
Appcllanle. Ateixo de Cl '
lado, ojiiizo. Imqueso:
As appellacdes civeis e||0 da Motu e ,UI m.
Appcllantcs, Joao Porlir|| Al0,0 dos Sanios
Ihcr; appellado. ManotV, dopaco; .ppella-
Appellanle, Jos Rdrigura,h-e,
do, Manoel Pereira iMar^nlo d(J| Sintos An.
jnio Bolelho Pinto de
Mesqiiit. ,, Soares ; appella-
Appellaate, Manoel Joaq do fia,do' Ja,
do, o curador a era '
Francisco Collar. ;ac|elra appellado,
Appellante, Joao Diaa M[ **
Manoel Jos Salgado. \
Bt>i'o>
Passaram do Sr. desemb.
Sr. desembargador Villares
veis em que sao : ..lsiquelra e outro
Appellantes, Manoel Jos de ^
A
dor Ramos ao
ppellacOcs cl-
appellados, Jos Francisco do Rcgo Rarros
e outros.
Appellante, Jos MarcellinodeCarvalho ; ap-
pellado, Alcxandre Jos Gomes.
Passou do Sr. dembargador Villares aoSr.
desembargador Bastos a appellaco civel em
que sao:
Appellante, Amador de Araujo Pessoa de Mel-
lo e outros; appellado, Jos Luiz Innoccnclo
Pogges.
Passaram do Sr. desembargador Souza ao
Sr. desembargador Rebello as appellacoes ci-
veis em que silo:
Appellante, Florencio Jos Carneiro Montel-
ro; appellado, Manoel Caetano Soares Car-
neiro Monteiro.
Appellante, o julzo da fasenda da Parahiba ;
appllados. Manoel Valerio de Carvalho e
Francisco Flix do Reg.
Passaram do Sr. desembargador Rebello ao
Sr. desembargador Luna Freir as appellacoes
civeis em que sao : .
Appellantes, Jos Mara da Costa Carvalho,
testamentelro do fallecido Jos Antonio Mar
lins Novaes e outros ; appellado, Jos Anto-
nio Maciel.
Appellantes. Manoel de Souia e outros ; ap-
pellado, Joao Zefirlno d Hollanda Caval-
cante.
Appellante, Manoel Antonio Gomes Ribeiro ;
appellado, Jos Ignacio de Barros Leite.
Passaram doSr. desembargador Luna Freir
ao Sr. desembargador Hamos as appcllac6es
eiveis em que sao :
Appellante, Manoel Alves Guerra; appellado,
Francisco de Paula Pires Ramos.
Appellante, o juizo; appllados, Nicolao O.
Bieber t C.
' DistribuicSes.
Ao Sr. desembargador Villares a appellaco
civel do juizo municipal do Ip comarca do
Sobral em que sao :
Appellantes, Anna Goncalves Vleira e oulros ;
appellado, Pedro Martina de Araujo Veras.
Ao Sr desembargador Bastos a appellaco
civel desla eidade em que sao :
Appellantes. Joao Evangelista da Costa e Silva
i C. ; appellado, Joaquim da Silva Moura.
Ao Sr. desembargador Leo a appellaco ci-
vel do Juizo de direito do Cabo em que sao :
Appellante, D. Raquel laetana Alexandrina
de Mello ; appllados, Joaquim Pedro do Re-
g Cavalcante, sua mulher e outros.
Ao Sr. desembargador Souza a appellacilo
civel do juizo de direito desta eidade em
que silo:
Appellante, Joaquim Antonio do Forno; ap-
pellado, Manoel Francisco da Silva.
Aggravo do juizo dos orphSos desta eida-
de cm que silo:
Aggravanle, Antonio Joaquim de Mello Pa-
checo ; aggravado, l'olicarpo Jos de Al-
buquerque.
Ao Sr. desambargador Rebello a appella-
Qflo civel desta eidade em que silo:
Appellantes, Fox & llrothres; appellado,
Domingos Antonio de Oliveira.*
AoSr. dosembargador l.una Freir a ap-
pellacilo civel desta eidade em que silo :
Appellanto, Domingos Pires Mendanha ; ap-
pellado, Joaquim Ferreira.
Ao Sr. desembargador llamos a appella-
cilo civel do juizo municipal das Alagas
em que silo :
Appellante, Joilo Raptista Alvos Monteiro ;
appellado, Domingos Carnciro Lima.
Ao Sr. desembargador llamos, por subs-
tituidlo, appellacilo civel do juizo muni-
cipal do Porto-Calvo em que silo :
Appellante, Jos Xixis doMoraes; appella-
da, D. Mara Joaquina l.ms.
Levanlou-se a sessilo.
nlmes em seus actos, engenhosos em capi-
tularles do conscienca, culpados mut*s
vezes isenUo de connivencia, ao menos de
fraqueza para com a desordem, e sempre
promptos para sarvrem anticipadamente a
todos os partidos.
Nada ha mais perigoso do que urna tal
siluacno. A sociedade fien merco de to-
das as sorprezas e de todas as violencias.
Um ataque repentino pode entrega-la sem
defensilo a seus inimigog. Para salva-la
silo precisos entflo grandes esforcos egran-
des sacrificias, quando em lempos ordina-
rios (eria sido stifllcente urna resolucAo
enrgica da aulordade. Quantos exem-
plos nilo temos' nos (ido disso, ha 18 me-
zes As desgracas de nossa patria tem-
os ensinado o que un nac.lo pode com
raso temer, quando a desordem cha com-
placenles ou cmplices no proprio seiodo
poder. Caris conservado por espago de i
mezesdebaixo do terror de manifeslacOes
tumultuosas, a asse.nbla nacional invadi-
da e profanada em seu aanetuario., a san-
guinolenta batalha de junhe hSoensinado
<|ii.-iiito cusa a um povo a hesilacilo do po-
der e a improvidencia da administraeflu.
Iloje, louvado seja lieos, a situaeo j nSo
he a mesma ; a ordem impera. A Franca
pode contar com o poder; ha preciso agora
que o podor possa contar com seus agentes.
He, pois, cflegado o momento de esperar
dos empregados pblicos urna conducta
isenta do equvocos e tergiversarles. Sem
duvida nao se exige delles que pratiquem
actos marcados com o cunho da intempe-
ranca do zelo e da injustica da paixiio.
Nilo ; sejam comedidos, juslos, affoicoados
sinceramente a legaldade ; mostrem.se
adversarios leaes e amigos intelligenUs;
seja sua dedicaQo regulada pela pruden-
cia ; mas todas as suas palavras o lodos os
seus actos sejam dictados pelo amor da or-
dom e pelo senttmento dos porigos da pa-
tria. Elles serilo criminosos de improbida-
de poltica; elles se tornarflo os cmplices
da desordem, se obrarem de outra sorte.
(CoMiiwlionne/.)
PEnNAMBUCO.
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
SESSAO EXTRAORDINARIA EM 30 DE JUI.IIO DE
1849.
EXTERIOR.
OS FUNCCI0MARI0S BUBLIC0S.
Paris, Sidejunho.
As revoluefles, terremotos polticos, aba-
latn profundamente assim a admnistraQlo
como a fortuna publica. De urna parte a
desconfianza e a insubordinacHo mvadem
o espirito dos administrados, os quaes, im-
pacientes do jugo, prociiram erigir em dog-
ma a revolta contra todas as manifostacoes
do poder feitss pela autoridade, e oppoem
sua marcha todos os obstculos que p-
dem, ao passo que a inquietaclo he semea-
da entre os proprios administradores. Por
outra parte, homens encanecidos no servi-
co do estado, sao privados repentinamente
de seus meios de existencia. Os ambicio-
sos eos-parsitas, que em taes momentos
surgem sempro em muliuliio, obteem de im-
proviso lugares que em tempos normaes
sSo a reccuiiperisa de longos servicos. To-
das as regis da hyerarchia silo transtorna- sXlbdelegado. .
das, todas as condicOes de um accesso regu-
lar silo invertidas. Os novos empregados,
por falta de experiencia, passam muito lem-
po sem podrem prestar bons servicos, e
osantigos servidores do estado, desconten-
tes por veium frustradas au.as esperanzas,
sentem o ardor resfriar-se-lhes. O resul-
tado nao pode ser duvidoso : o trabadlo
he menos fecundo, o zelo se extingue, e a
administraco allue na languidez e no des-
animo.
Rste no he o nico perigo. As mudan-
cas repentinas da opiniilo, as phases da po-
ltica, as peripecias dos successos aubmet-
lem a crueis provas os funecionarios p-
blicos. Incertos do futuro quasi que nilo
ousam fiar-se no presente. Uos, almas fir-
mes e rectas, cumprem resolutamente sous
deveres ; outros, porm, coraces irreso-
lutos, nilo cuiJam senSo em condescender
com todos, e conservar seus lugares. Em
Franqa, onde os funecionarios as mais das
vezes nilo pdem contar senilo com o pSo
que Ihes d o seu ordenado, preoecupaces
pessoaessSo nimiamente frequenles. Elles
desejam provsr s eventualidades dofutu-
Uiro, e esforcam-ae por* collocarem-se ao
abrigo dos re^ezes inesperados da fortuna.
Daqui vem lima classe inleira de emprega-
dos sem carageui e sem decisBo, pusilla-
A M l-T-ll a%
Presidencia do Sr. Oliveira.
Presentes os Srs. Rarros, Mamado, Bara-
ta, Franca e Carneiro Monteiro, faltando
com causa participada oSr. Dr. Moraes, e
sem ella o Sr. Oliveira, pelo que foi julgado
incurso na multa do artigo 28 da lei do 1.*
de oulobro de 1828, abrio-se a sessao, e foi
lida e apprnvada a acta da antecedente.
O secretario fez menc.no do seguinte ex-
pediente :
Um oflicio do cidadSo Francisco Carneiro
Machado Itios, parlicipando no polr com-
parecer a preslar juramento do cargo de ve-
reador eleito da actual legislatura, por no
o permjttir anda o seu estado de sade
Que so expedisso diploma ao imme.liato em
votos para servir durante o seu impedi-
mento.
Outro do procurador Jorge Victor Ferreira
Lopes, consultando sedevia pagar a Jos da
Silva Morera a importancia de 59,623rs. da
custas criminaos em que foi a municipalida-
de condemnada, as quaes com as da exocu-
co do seotenca que elle promove contra a
cmara tnontam j na quantia de 92,116 rs.
e viio augmentando. Que se atitorisasse
o pagamento no caso de anda existir quota
para despezas desta natureza.
Outro de Francisco Cavalcante de Alliu:
querquo, juiz de paz eleito do segundo dis-
Iricto da Mnribeca, participando que sua
impossibilidade physica nSo Ihe permiti
o exercicio deste cargo, e por isto o nilo a-
reila. Que se coovidasse o immediato em
votos a juramentar-sc.
Outro de Jos Antonio Moreira, juiz de paz
do mesmo districto, pronondo o cidad.to
Francisco Virlssimo de Albuquerque Padi-
llis para servir o cargo de escrivilo de paz
daquelle juizo. Que se respondesse ao
juiz de paz que a cmara approyava o pro-
posto, podendo este solicitar san respectivo
titulo, com tanto que aprsente elle juiz au-
torsacilo para ter escrivo soparado do do
rteiro Francisco
ndo achar-sa d<>-
impededea'Mar.
OutrcTdo fisoal sup>lenle o bairro do Re-
cife, participando ser a importancia das
multas impostas por infraciilo s posturas
do dia 28 dejunho athojaTdo 321,000 rs.
segundo as notas que deraf contadoria.
Inleirada.
Outro do ajudaflg) do
Jos Alves l,ama, pMstici
ente de um leicenco quo
Inleirada. j
O Sr. vereador Barataffcz o seguinte re
querimento que foi uifanimemenle appro-
vado, mandando-e eApodir as convenien-
tes participarlas cdjnlaJoria e ao procu-
rador : M
Tendo a assernala provincial elevado
os ordenados djaa fiafacs, com exccpcHodo da
freguezia da Bol-V/ista, Ignacio Jos Pinto,
iiicunlestavelmetitni com Igual direito ao
mesmo augmenta, porquanto aquella fre-
guezia he boje infria das mais extensas des-
ta eidade, offerettendo por isao maiores dif-
llcul ludes para/a sua llscalisscflo, e pare-
cendo-mequei assembla provincial so por
lapso depennfa deixou de contemplar no
augmento o r/eferido fiscal. "Ju,n,l3*lff-
t. cmara elefve o aeu ordenado na confor-
md-Z do foulro" prestando elle fi.nca
nara tmder /ecebor a difTaronca, a contar da
IJcalSrioeinandouilei pig*r os aug-



mi-
nenlos dos outros, at approvacTo da mes-
iii.i assembla.
Sala das scsses da cimara municipal
do Recife, em 30 do julho de 1849. O vo-
reador, barata. *
OSr.vereador Franca fez o scguinto requr-
rimenlo rcmptler copia Jelloao engenheiro eordca-
eflo :
Innundam-se a tal ponto algumas roas
da frcguezi. deS. Jos, como sejam as de
Santa-Cecilia, Assumpcflo, e outras prxi-
mos estas, que (lea inteiramente vedado o
transito deltas, at mesmo por cima dos
passeios, o dahi resulta que parn as esgotar
faz a municipalidade repetidas despezas
rom ui.i valadoque manda abrir na ra do
Nogueira, tralialho este que, elm de sua
impor(bf(8o, e pouca dura^Do, traz a priva-
dlo do transito de cairos o cavallos por
esta ra, e juntamente o risco que offere-
cein se me I han tes escavanes em uina clda-
de populosa como esta ; pelo que requeiro
que esta r.iniara tome alguma deliheraeflo
aiin de remover taos embarazos : parecen-
do-meser o meio mais fcil a construceflo
le um cano de pedra e cal na dita ra do
Noguofra, que d prompto esglo s agoas
da rbuva, consultando-se em todo o caso o
cngenhei'o da cmara.
Paco da cmara mnninipal, 30 de jullio
de 1849 O vereador, Franca.
(Ifliciou-se ao Exm. presidente da provin-
cia, dando-se as declarares exigidas pelo
aviso ila secretaria de estado (los negocios
do imperio de 30 de maio ultino, transmi-
tido por copia cmara em oflicio da pre-
sidencia de 25 de junlio.
Blandou-se f nviar ao capitflo do porto a
petizo do Manuel Cardozo da Konseca para
que se digne do dizersea prelencflo do re-
querente offende ou nSo o porto da ci-
daje.
Ficou designado o dia 13 de agosto para
sessflo extraordinaria.
l)espacharam-so as petiedes de Antonio
Jos Rodrigues de Souza, de Joaqun Jos
de Faria t C, do Joaquim Claudio Montei-
ro, de Jos dos Anjos Vieira de Amorim, de
Miguel Arcanjo doa Anjos, e de Mara Helena
l'essoa de Mello.
l.evantoii-se a sessflo, F.u, JoSo los fer-
rttra de Aguiar, secretario, a subscrevi.
Uliveira, piesidente. Burros. Barata.
Cc.rnciro Monleiro. Moraei. Uliveira.
franca.Vianna.
consideraefio, ronfenndo-lhe o titulo de so-
cio honorario da hssociaco commerclal d'tla
prora, quando o nosso Ilustre concidadilo
jn nao eslava na admini.trafilo da provincia,
e declarando-lho que o chamava para seu
seio.por ser esto o nico meio que m-ssa oc-
casiflo so Iheoflerecia para testemunhardlie o
seu agradocimento pelo importantissimo
sirvico n qua por ultimo nos referimos ; ~
o i i i'.IMI ,!i .ii i. dizemos, deve tomar a peilo
a candidatura do Exm. Sr. DOMINGOS MA-
LAQIIIAS HE ai.I I Al; PIRES FERREIRA, e
nada poupar quo porvenlura possa influir
para que ella nflo naufraguo ; o quo Ihe
ii.mi ser diflicil de conseguir, atientas as
rela^fles quo os componentes dessa corpora-
Cflo enlreiecm em todos os pontos da pro-
vincia, o as vanlagcns reaes que dessa cir-
cunstancia pode tirar para ocaso vertenle.
Ehotal a confianc.a que depositamos no
COMMERCIO; e contamos tanto com as suas
hiiasdisnosicos, que temos como iufalli-
vel que elle corresponder ao nosso appello,
eenvidara ludo para que o Ern. Sr. 1)0-
M1NGOS UAUQUIAS DE AGUIAR PIRES
FEltltEIHA oceupe urna das cadeiras da c-
mara temporal a em o quatriennio quo ha
de vir.
Recciamos milito que o nosso distinelo
amigo love a mal este nosso trabalho, ese
julgue olfundido em sua modestia pelo quo
ubi lica escripto ; mas, cedendo poderosa
Irc,a da aniizadi,, vencemos seniellianle
receio, o fazemos votos para que as nossas
palavras prnduzam 0 desojado efl'eito nos
nimos daqucllesa quem sao dirigidos.
___________'Hades.
AOS SENHORES ELE1T0RES l).\ PROVINCIA.
l'tn vo lo de consciencia.
ELE1TORES DA FREGIIEZIA DE TI'.ACli-
NIIEM EM NAZARETII.
OS SRMIORES.
Coronel Jos Mara de Barros Burreto.
I)r. Joaquim Manocl Vieira de Mello.
Tenenlo-cornnel Jos Francisco Lopes l.ima.
Juizde paz Manuel Jos de Oliveira Mello.
Dito Manoel Cavalcante de Alhuquerque.
Tenenlc-coronel Joaquim Cavalcante de Al-
biiqurrque Mello.
Capillo Joflo Mauricio Wanderley.
Major Francisco de Borja Vieira de Mello.
Jinz de paz Alexandre Correia de Castro.
Joflo Cavalcante Mauricio Wanderley.
Capitflu Bernardo Doruellas da Cunta Ban-
deira.
Dito Jos Vieira do Mello.
Hilo Jos Pedro de Oliveira Mello.
Reverendo Manoel Jos de Oliveira Reg.
Jos de Hollando Vieira de Mello l.eillo.
Cap 13o Joflo Fernandos Vieira de Mello.
Jlitu Joflo da Cosa Ilenriques.
Hilo Joaquim Cavalcante da Rocha Wan-
d-rley.
Tenento Aureliano Cavalcante da Rocha
Wanderley.
DiUi llerculano Francisco Bandeira de Mello.
Caplflu Francisco Cadena Bandeira de
Mello.
Hito Francisco Antonio Caflo Jnior.
Hito Joflo Marques Bacalho.
Monoel da Cunta Ferreira.
(apuo Joflo da Cunda Ferreira.
sa
Comiminicados.
Pagar tributo ao meiito ; corcOrrer,
ainda que fraramente, para qup o homcm
honesto o con-ciencioso, o anciflo expen-
menladn, o cidadfln \ n'Stimoso, cmfim, ob-
lenha de sua patria um ti'Stemuuhn do a-
preeo em que ella o tem, be dever que cor-
re a qualquer, e ainda mais a quem tem a
honra de pertencer ao circulo iliTs amigos
dessa hoinein, desse ancio,.-- desse ci-
dadflo.
Isto posto, es leitores permiltirflo que
nos, que nos piezanms de ser amgn|dedca-
dodoExm. Sr. DOMINGOS MALAQUIAS DE
AGUIAR PIRES FERREIRA, nos aproveile-
mos deste Diario para recommcnda-lo aos
eleitores da provincia, rogando-lhes que
incluam o seu respcitavel nome em o nume-
ro dos daquellt-s que bouverem de escollier
para representar Pernambuco na cmara
quairiennalemalogislalura prxima futura.
Ameslrado pela experiencia de longos
annos, entre os quaes alguns fram passa-
dos no nosso parlamento, qur na poca
em que se elle reuna la em l.sha, quer na
era em que, constituidos nacflo, Ovemos a
dita de v-Jo funecionar na corlo'do Rlo-
de-Janeiro;--Jotado dosc nhecimentos que
lie de crr tenha adquerido com s viagens
que fez a varios paizes o'o KuVopa, e com a
provetosa e continua leitura a\|ue sabemos
que so elle d ; u'uma idade em que o co-
ra^ilo ja se uo ueixa saltear por essas pai-
xcs arrebaladoras quo*de ordinario nos
desviam da vereda a qne s a prudencia e
a mais seria niediturno sSo capaze* de con-
duzir-nos; cheip de servidos que o tur-
nant-redor da gratidflo dos seus conterr-
neos ; conhccnlo ,e applauddo em lodo o
imperio, e at pelo nobre Pernambucano
'lile boje preside aoctoncelho dos ministros
da cora, con.o o salvador desta capital nos
tenebrosos das 26 o 2'R de junhodo 1848;
apadrinliado poriflo hoSnrnsos precedentes,
o Exm. Sr. DOMINCOSVJMALAQUIAS DEA-
CUiAR PIBES FEltid'.Iltk he um dos ler-
nambucanos cuja caudiiiUlrJN depulafSo
geral cerlo nSo ser replanla por quem li-
ver senlimentos patritico s,e que deve des-
vanecer a qualquer que ao i:ncarregar della.
i. O COHMERCIO, sobretu do, ao qual S.
Ese, na qualidade de prim eiro vice-presi-
dente, que ainda be, presin o grande ser-
vico de garanli-lo nos ref.:i iJo;s das 26 e 27;
o COMMERCIO, que sem asAsabiaa medi-
das, adoptadas ontflo por esse ntosso disnc-
to amigo, talvez.que agora meswio ealivesse
a MUr com invenciveisdifliculldades; o
coitMLncjO que j le deu uuia prova de
Convencidos do que na prxima legisla-
tura teem de tratar-se negocios de vilal in-
leresse ao paiz em lodos os ramos da publi-
ca administraQo; e devendo a provincia
ser representada por diversas classes, lem-
bramosa candidatura do nosso benemrito
patricio o Exm. Sr. general Antonio Correa
Seaia, militar de grande lino, bravo, escla-
recido e amigo da ordem, e por todos os li-
tulos digno de ter as ento pela segunda vez
no parlamento brasileiro; tonto mais quan-
to ha prestado relevantes servidos causa
publica e adquirido longa experiencia dos
negocios militares ; leudo sido um dos que
r.iiiiinaii laiam em chefe o exercito na cai-
pa nlia do Biu-Grande-do-Sul.e leudo com-
mandado as armas om algumas provincias
do imperio. Tomamos, pois, a liberdadcde
apresentar o bravo e distinelo general per-
nambucano como candidato assembla ge-
ral, visto que S. Etc. nflo se aclia na provin-
cia, c sim noroiiiinando das armas da Ba-
bia ; o esperamos dosSrs. eleitorea um voto
de consciencia, ja por gratidflo e patriotis-
mo, j pelo ment do candidato.
Correspondencia.
.Sra. Itedaclores. Tendo ido OlinJa vi-
sitar varios amigos que ah residen), arhci
tito decidido proposito em lodos os eleito-
res para volarcm em o Sr. I)r. Manoel Joa-
quim de Miranda Lobo para depulado pro-
vincial, que resolv prcvalecer-me do seu
acreditado jornal para tornar anda mais sa-
liente a candidatura do mesmo Dr., receio-
so de que o silencio asemelliante respailo
inllua de alguoi modo pora que aquelles
eleitorea nflo vejam cordados de bom suc-
cessoosseus mu louvaveis desejos.
Sim ; sflo louvaveis as intcnrOes desses
meuscollcgi's, porque he sabida a mancira
con-.ooSr. Dr. Miranda Lobo se lia portado
em poltica, esforcando-se sempre por pro-
pogar as ideas que boje dominam, e pug-
nando por ellas ao ponto de por em risco
11>r mais de urna vez a sua existencia.
Esta circuuislancia lalvoz fosse por si s
sullir i'm'.c para jusllicar o procedmonlo
daquelles que, como eu, volarem no Sr. Dr.
Miranda Lobo para depulado provincial ;
mas ella acciesce a de ter esse joven bia-
sileiro basto lite illLSlraqflo, o ser por conse-
guinto um daquelles que | di-m concorrer
para que a nosaa provincia iecpba do res-
pectivo corpo legislativo todos os beneficios
a que tem direito, e que instantemente re-
clama.
Sem offender, poitanlo, assusceptihilida-
des de ninguem, o smente deaojoao de
contribuir para queseja gaianloadu o ote*
reciinento de um particular com vantagem
para a causa publica, auppliCO a todos os
ineus coinpauheiros que, secundando os
ineus esforcos, votem coaimigo no Sr. Dr.
Manoel Joaquim de Miranda Lobo, cellos de
que i.o Compromellerflo suas conscieucias,
eleiflo decongratular-.-e commgo pelua-
certo da esculla. Um elcilor da freijuetia
do Sunliitimo Sacramento da llt-Vinta.
COHIMI^|0.
ALFANHECA.
Rendlmentodo dia 14.....12:601,901
CONSULADO GERAL.
Rendimenlo do dia 14....... 2:083,794
Diversas provincias........ 1,529
B 2 083,323
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimenlo do dia 14...... 1:024,555
viovimcnto do 'orlo.
ft'avips entrad s no dia 14.
Nantuckel 44 das, brigue-escuna ameri-
cano Joseph-llutler, de 192 toneladas, ca-
pilflo Francia F. Gardner, equipagem 24,
carga provises o fazendas para a Califor-
nia ; ao capitflo. Vem refozer-se de
mantimentos o segu pata a California.
Ilha de Fernando-de-Noronha "3 das, br-
' gue-escuna de guerra nacional iegatida-
de, eliminan .lauto o capilflo-tenciilo Joo
Custodio u'lloudein. Conduz 38 passa-
ghiros.
Parobba 8 das, hate brasileiro Espa-
darle, de 21 toneladas, capitflo V. Jos
Pereira, equipagem 4, carga toros de
mangue ; a Joaquim de Oliveira.
mr^-ina, depois do moio-dia, em conformi-
dado do artigo 291 do regularoento, utna
caixa com 10 libras de ovas, avaliada a li-
bra a 500 rs., total 5,000 rs. apprehendi-
da pelo commandanle da primeira barca de
vigia ao capitflo da barca ingleza Kanger
qne tocou neste porto e que a conduzia para
trra sem licenca : sendo a arremataeflo li-
vrc de direitos.
Alfandega, 14 de agosto de 1849. O ins-
pector, Luiz Anto o de Sampaio Vianna.
Pela inspectora da alfar.dega so faz
publico que, no dia 16 do corrente, ao melo-
da, cm hasta publica, se lio de arrema-
tar 5 duzias do cadeados com lettras por
factura duzia 24,000 rs. total 120,000 rs. ,
no despacho n. 249 o 4 bihs do couro es-
tampados, por factura um 11,000 r., total
44,000 rs. no despidi n. 248, impugna-
dos pelo guarda Manuel da Fonseca de Arau-
jo Luna : sendo a arrematado subjeita a
direitos
Alfandega de Pernambuco, 11 de agnslo
de 1849. O inspeclor, luis Antonio de Sam-
pnio Vianna.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico que, no dia 16 do con ente, depois
demeio-dia, na porta da mesma se ha de
arrematar urna eaixa da marca FS, n. *,
contend dous vasos do porcellana para
dores de 8 pnllegadas um 4,000 rs. Sf
rs.; um dito dita de 9 ditas, 4,000 rs. ; 1
jarro do dilo para agoa de n. 6, 1,600 rs. ;
dous casaes de chicaras o pires de dito n.
7 casal 320 rs. 640 rs. ; 3 clices para
cha ni panlia II. 4, duzia 3,000 rs. Tu rs. ;
um dito para cerveja n. 4, duzia 5,000 rs ,
tlii; urna garrafa do vidro n. 5, de mais de
meio qualiilliu, 3,000 rs.; um esquentador
de porcellana arbitramenlo 3,000 rs. ; um
buzio dito2,000 rs.; total 23,406 rs., ap-
prehendida pelos empregados da conferen-
cia ila barca franceza lidie: sendo a arre-
mataeflo livre de direitos.
Alfandega de Pernambuco, 11 de agosto
de 1849.--O inspector, I.uiz Antonio de Sam-
paio Vianna.
-Pela inspectora da alfandega se faz
publico que, no dia 16 do corrente, ao
meio-dia, na porta da mesma, se hflo du
arrematar 106 caixinbas com capsulas de
copagiba valor por factura urna 400 rs. ,
total 42,400 rs. impugnadas pelo guarda
Jos dos Sanios Lages, no despacho por fac-
tura n. 320, de 13 do corrente : sendo a ar-
rematadlo subjeita aos direitos.
Alfandega, 14 de agosto de 1849.O ins-
pector, Luis Xulonio de Sampaio Vianna.
O lllm.Sr. inspector na thesourariada
fozenda provincial, em virtude da resoluto
do tribunal administrativo, manda fazer
publico que, em cumprimento da lei, pe-
roiiic o oiesmo tribunal, vai novamente a
praca no dia 16 do corrente o imposto de
2,500 rs. por cabera de gado vaceum que
for consumido no municipio de Po-d'Albo.
avahado animalmente por 2:560,000.
A anemalacflo ser feita por lempo de um
anno e 10 mezes a contar doprimeiro de
setembrode 1849 a 30de junho de 185.
As pessoas que se propozerem esta
arromataeflo, comparecen) na safa das ses-
soes do referido tribunal, no da cima in-
dicado, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandnu aflixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 6 de agosto de 1819.
O 2. secriptur.irio.servindo de secretario,
francisco Antonio Cavalcante Cousseiro.
O lllin. Sr. inspector da thesouraria
da fazenda provincial, cm cumprimento da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
desta data, manda fazer publico que nos
dios 21, 22 c 23 do corrente, ir a praca,
perante o trbunal administrativo da mesma
thesouraria, para ser arrematada a qu -ni
por menos lizer, a pintura da ponto de San-
lo-Ainaro-Jaboatflo, sb as clausulas espe-
ciaos abaixo transcriptas e pelo pre(o de
290,000 rs.
As pessoas que se propozerem esta arre-
matarlo, conipiirccain na sala das sessOes
do sohredito tribunal, nos dias cima men-
cionados, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandn allixar o pre-
sente, e publicar pelo Diario.
Thesouraria da fazenda provincial de Per-
nambuco, 8 do agosto de 1849.O segundo
escripturario servindo de secreUr0
Cisco Antonio Cavalcante Cousseir '
" Clausulas especiaes da arr/maiaco.
1v* A pintura da ponte (le Sa(0.(\mgro_
Jaboatilo ser feita sb as coiidices e do
modo indicado no ornamento apivseutado
a approvaoflo do Exm. Sr. Presidente da
provincia, pelo prego de 290,0()o ,s.
2.' As obras priocipiarSo ,, p'rM0 (le
qutnze das, e acabarlo no de un, ,ez a,_
bos contados em conformida<|0 j0 a'rl0
iodo regulamentodos orromjtjeOKg
3.' O pagamento da arrema|aqn rea|.
zar-sc-ha depois de concluid^ as 0\rM e ro_
coludas polo engenheiro.
4.a Para tudo o mais q
terminajo pelas presentes
s-la inteiramente o que
ment mencionado do II
Gabinete doengenhei
1819.--o engenheiro,
(Alar,
carga a frete e rsssageiros : trata-se com
o capitflo na praca do Commercio ou com
(Novaos & Companhia na ra do Trapiche,
n. 34.
Para o Rio-Grande e Porto-Alegre pre-
tende sabir breve o briguo flor-do-Sul, ca-
pitflo Jos Ignacio Pimenta, o qual tem bons
enmmodos para recebar a frete alguns es-
cravos, e tambem levar alguns passageiros :
quem pretender pode enlender-se com o
sobredito capitflo, ou com Amorim IrmCos,
ra da Cadeia, n. 39.
-- Para a Bahia pretende seguir viagem
com brevidade.i or ter j alguma carga tra-
tada, a sumaca /-Vor-lo-AJ''in,niestre Ber-
nardo deSouza, para o restante da carga e
passageiros, trat-se com o mesmo mestre,
ou com Luiz Jos de Sa Ara ojo, na ruada
Cruz, n. 33.
Para o Rio-de-Janeiro pretende sabir
com milito brevidade a milito veleira e co-
nhecida barca nacional firmeza : para car-
ga e passageiros, ou escravos a frete, ta-
la-se com o capitflo na praca do Commer-
cio, ou na ra da Madre-de-Deos, n. 3, ter-
cciro andar.
Para o Rio^de-Janeirosahe quinla-fei-
ra, 16 do corrente, o brigue brasileiro Bom-
J(sus,o qual tem exfolenles commodos pa-
ra passageiros e escravos a frete : quem pre-
tender ir de pessagem dirija-se praca do
Commercio a tralar com o capitflo, ou na
ra da Madre-de-Deos, n. 3, terceiro andar.
Para Lisboa sahe impreterivelmente no
dia 18 do corrente o brigue porluguoz /Votio-
Vencedor : para o resto da carga e passagei-
ros, trata-se com os consignatarios, Thomaz
de Aquino Fonseca & Filho, na ra do Vi-
gario, n. 19 primeiro andar, ou com o capi-
tflo na praga do Commercio.
Para o Ara cal y tem de seguir at o fin
do presente moz o hiate Novo-Olinda, mes-
tre Antonio Jos Vianna: quem nelle pre-
tender carregar ou ir de passagem, entcn-
da-se com o mesmo mestre, no Trapiche-
Novo, ou na ra da Cadei-Velha, n. 17, se-
gundo andar.
Para o Rio-de-Janciro sahe com brevi-
dade a polaca N.-S.-do-Carmo : para carga
ou passageiros, trata-se com o seu consig-
natario, Francisco A.lvos da Cunta, na ra
do Vigario, n. 11.
Freta-se para qualquer porto o brigue
francez Armt/rique, de perto de 3,800 sac-
cas : quem o pretender din ja-so aos seus
consignatarios, N. O. Bieber & C. na ra
da Cruz, n. 4.
Para Lisboa pretende sabir por todo o
corrente mez o brigue brasileiro firiato,
por ter a maior parte da carga promlpa: pa-
ra o resto e passageiros, para o que offrece
o< molhores commodos, trota-so com os
consignatarios, Thomaz de Aqu.iuo Fonse-
ca it Filhos, na ra do Vigario, n. 19, pri-
meiro andar, ou com o capitflo na praca.
JLees.
lloje, i io horrV
, liavi'i leilo de
bolachinhas de dilTerentes
da raa-
barrcas
nhaa
com
qualidades : no armazem de Bacel
lar, defronte da csca di tilia da Al-
fandega.
- Scbarheillinci Toblerconlinuarflo, por
nterveneflo do correlor Oliveira o seu lei-
Iflo das fazendas annunciadas poro ulti-
ma co de contas sexla-feira, 17 do corren-
te, s 10 horas da mantilla em ponto, no
seu armazem da ra da O n/
A^ss diversos.
ne nflo est de-
HaUSulaS seguir-
lispe o regula-
do julho de 1843
fu, 19 de julho de
/.. Victur l.ieu-
DecTtft'ucio.
-- Nflo so tendo COOfi
ic/uidi
/cao i
,.-.do no dia 9 do
crrante meza arremala/cao das rendas das
sas da ra do Torro,, n. u (U rua d(J
Vigario, n.27; o beIn assim dos varos
olijectos (|ue perlencei;an, a
olio e a ollicina de m
dos orphflos e dos
ollegioj a prsenle a dni.nistrc manda
fazer publico quo no .;|a ,6 ((0 C()rrcilte as
Moras do costume, oniinna a arremataeflo
dos referidos objecto,S) rendas 0 coucer:u!i.
Secretaria da adm ijsiracao do patrimo-
nio dos orphos ,11 doagoslo de 1849.-
loao Francisco deth uuyi seCreUrio
aula de dese-
rcenaria do collegio
concertos do mesmo
UDlTAK.
Pela inspectora da alfarulega se faz pu-
blico que no dia 16 do coi it'nle se ha de
arrematar em basta publica, na. porta da
AVISOS
n"i Poo i CearVsal,e 'nprelerivelmente
no di. 20 do corre.{lo 0 brigue-escuna fe-
/.i-F/,poriea.u,rte dJ c
ta : par. o restante/ pwsageiI0|F $*
u/ujo "' cua' Lui* Jos de Sa
Para o Mar lllhao e Pa, sah
eos das, o bngiue- 'a, r^,,p
-escuna Laura: recebe u,22.
Ksta typographia precisa do dous com-
positores.
Lotera do Guadalupe.
He ainda transferido para o dia 31 do cor-
rente o andamento das rodas desta lotera,
visto que este se nflo p<'e realisar no dia
13 annunciado por existir ainda por ven-
der um numero tal de tullidos, que nflo ha-
bilitou o respectivo tbesoureiro para effei-
luar o dito andamento, que s depente da
prompta venda dos mesmos bilhetes.
-- A sociadade que tem gyrado nesta pra-
ca com a firma de Guerra Silva & C. ,
na Injada rua Nova n. II, foi dissolvida mi-
gavelmente no diai'-ut julho prximo pas-
sado, (cando delta inteiramente desligado
0 cx-socio Jos Alves Guerra, e responsavel
ao pagamento do passivo o ex-socio Jos
Pinto da Fonseca e Silva, ao qual tambem
lica pertcncendn a aroiacflo, fazendas e di-
villas da dita loja, que contina a gyrarcom
a firma de Jos Pinto da Fonseca eSilva.
D-se at a quantiade 4:000,000 de ris
a premio sobre penborcs de ouro, prata, ou
hypolheca cm bensdo raz ou compram-
se 4 moradas de casis terreas : atrs da
matriz da Boa-Vista sobrado de um andar
n. 24, se dir quem faz este negocio.
Precisa-se alugar um preto canoeiro :
na rua largado Rozario, n 29.
P. KmilioCroccoretira-se para a Ba-
bia.
-Joaquim Frar risco da Cruz, que teve
padaria na Soledade, avisa a todos os seus
credores quo no prato de oilo dias apre-
sentem suas contas : o mesmo aviso faz as
pessoas que Ihe devem para quo no prazo
de 30 dias Ihe vflo pagar ; do contrario, ve-
rflo seu nome por extenso nesta olha.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado
da rus du Trapicho, n. 40: a tratar na mes-
ma rua, armazem n. 19.
Precisase de urna mulher de meia
idade para o servio interno de urna casa
He pouca familia : na rua da Lingola n.
12, ou aununcie.
Custodio Alves Rodrigues da Costa faz
1 ublico qne vendeu sua venda da rua da
Cruz, n. 32, cun tres potos, urnas por den-
tro das outas ; por isso quem s> julgar
seucredorqueira apresentar suas contas .
na rua da Aurora, n. 56.
Quem precisar do urna boa arm.cflo
para venda, dinja-se rua da Cruz, n 17
que se dir onde existe.
-- Quem aiiiiuiicioii querer comprar um
metliodu do piano j usado, dirija-so i ru
da Senzalla-Vciha, venda n. 48.
Pergunta-se ao autor du annuncio da
lellrasintciaes, publicado no Diario Navv
n. 59 F Hamalho I)., se emende com
mingos Francisco Ramalliu.
O bacharel
Vicente Ferreira Comes advoga no foro
vele criminal: as pessoas que o quiz
procurar, dirijam-se rua do iyram
prc
Peta grande prlica, conhecedor d0
grande peso do fabrico do assucar, e nflo
podendo mais cntinua-lo*por mo ach,
fallo de meios, me recolhi i esta cidad-1_
ve ontflo mais descanso para realisar o rne
intento, j de minio tempo projecttdo, p>r,
conseguir o fim de-por meio de mechanij.
mo socar urna caixa de aesucae, sendo mo.
torum ravallo, ou bracalmento por 2p.
sois, assim tambem diversidades de carr<
para facilitar a conducen do assucar n
formas da casa de caldeira para casa 4
purga r,ou do assucar.para ser repartido na,
ta por serem estes servirlos do maior excess
para os escravos.que muito os morljfjcn,e(ja
milita dilliculdade para os senho;es de' en-
genhos que teem .poucoa, bracos; assim, di-
versos arados e outros instrumentos agr.
colas, dos quaes uno ainda nflo teem todo o
conhecinicnto que misler so f.z, dos prin.
cipios de construceflo de charras e diver-
sos instrumentos preprios para abrir, niI
lar, destorroar e li'mpar a trra ; os melga
de diminuir a resistencia destea nstrumei.
tos, e dealliviaros animaes que oacoiidu,
zem ; e outros tudo ignorara. Pela demo-
ro que tem liavido em acabar-ae de fazer
o engenho de socar a caixa de assucar, e 4
ou 6 barricas do mesmo genero assim
como poder ser appliaado a pilar arroz, oti
caf, deu motivo que nflo tivesse ha mais
tempo levado ao conhecimento do publico
os carros de conduzir as formas de assu-
car, que de muito tempo estflo promptos.
Acontece, porm, que os Srs. Starr & C, no
Diario de Pernambuco de 33 de fevereiro de
1849, annunciassem que de sua invoncJo
teom diversos carros para o mesmo fim, a
dizem assim: a C. Starr & Ce,onvencidos da
que a conducho das formas de assucar pi-
ra a casa de purgar, he sem duvida o trri-
co quo mais mortifica a escavatura de ua
engenho, e desojando qiianto possivel he o
melhor.menlo dos senhores agricultores
teem inventado e conseguido construir vi-
rios corros de ferro que racilitam de umi
roaneira admiravel ste pesadissimo traba-
lho. As pessoas interessadas sSo convidj.
das a inspeccionarem na fundjeflo da Aurji-
ra esta muito til h veneno de C. Starr & C.
Eu nflo duvido que os carros de aua inven-
Cflo de receber as formas e conduzi-las Un-
i pelo fundo como pela materia, delicade-
za e elegancia sejam agradaveis, mas o re-
sultado he non bu m, e por esta forma sehw >
tituloni por inventores do que nada be, e
he s de.minho propriedade, nflo obsUntv
terem variado do plano que Ihes apresentei
quando fui a sua fabrica para justar lauto
oseixospara oengonbo, como para ocur-
ro ; nessa occasiflo muito fizeram-me por
dissuadir-me do mcu projecto, dizondo-me
que varios carros tinham j foito, mas qua
nflo linlia- ainda liavido bom resultado
mas isto erb verdode. Os Srs. Starr & f!
estflo om Pernambuco ha mais de 20 anno
s aniuineiaUn de sua invengo moendas da
engenhos devassucar de armar e desarmar
obra som a menor duvida muito til par
os uovos engeuhos de Mossamedes porque,
se a nova colonia se desarmar, ou tiver de
muder-se, com muita facilidade se pdem
desarmar as moendas, o que nSo seria fieil
sendo iixas ; e taes carros nflo tinham ain-
da inventado, mas depois que viram meu
plano, e souberam do meu projecto, logo
Ibes foi possivel a sua nova, mas infeliz in-
voneflo ; ja viram o meu plano, brav tara
tambem o publico engenhos de sua inven-
Co para socar assucar, contra oque pro-
testo, tanto de una, Como de oulra cousa.
Para prova do que levo dito, saibam qua
isto mesmo que os Sis me disseram oliz
logo sabedor a alguns senhores dos que
abaixo faco nieneflo, e al mesmo em seus
livros est lancado o importe de dous eixos
que lizeram para o engenho, nflo fazendo
os eixos dos carros por me ter resolvido a
fazer as minhas obras nquarla parte ser-
vindo de minora. Os Srs. eogenheiros D. W.
Bowmann viram os meus planos,e com eiln
tive conferencia, Mr. Poitier muito antes do
seu annuncio vio o carro feil pelos Sr. ar-
tista Schaler que fez toda a ferragem par
os carros e engenho ; Schroder fez as pecas
de madoira para o carro ; Magno fez tolas
as rodas de madeira para moldes o formas;
llerbter fez o engenho ; muilas outras pes-
soas viram o carro feilo de muito lempo, .
como sejam os Srs. Jur que fundi todas
as pecas de bronze para o engenho, C. Ou-
perrou, Manoel Dellino de Couva, Pedro
Celestino, alguns senhores proprielarios
de engenho, e oulras pessoas sabiau de
meu projecto.
Nflo lenho a encarecer a perfeicflo dss
minhas flacas inventes, porque sou to-
talmente leigo nesta materia; alguma cousa
que tiulia a dizer da ulilidade deltas, os
Srs. agricultores que o avaliem ; servicos
em que alhoje seempregam 18 escravos
pelo novo melhodo tres ser baslaate ; nali
mais tenho a adiantar, s sim que os prelon-
dontes querendu-so aproveilar dcstas tilo
uleis invenciV s, tanto do engenho, como
dos canos para condcelo das formas, p-
dem vir inspeccionar na rua do Sol, n. 11.
as segundas -fe j ras, nflo sendo dias-santos,
das 8 horas al s 11 da manhSa ; mas,
exige, vflo primeiro ver os carros na fundi-
C-1o da Aurora : fallo com toda a Trauque
se nflo lenho preenehldo o fim que me
propuz. tambem nflo digo $* tonho inven-
tado e conseguido ,^#: a estrada est aber-
t, genios mais emprehendedoresqueacul-
tivem.
Carlos Frederteo da Silva Pinto-
Precisa-so alugar tres a + trabalbid"
res para uina refinaeflo foi roa ou capua-
na rua da Concordia, n. 8. ,
Al4ig-se urna casa na rua da Concor-
dia n. 13, con dous quarios, aala Ma-
le e airas, cozinha r. quintal e cacim-
ba : a tratar na rua de San-Francisco, n. se.
38 Chapeos de sol
Jitia do Passeto, n. 5
Nesta fabrica ha prosentemeuto um ricojjj
rtimento de chapeos do sol de lodas ,
ualidaJes.e de todas as cores, as iiii*
s>r
lix^s que pdem haver; chapaos de sol p<
ra senhora, dos mais ricos e do utlimo gos-
to de Paria: bem como um rico sarliinenio -
do sedas e panninhos imitando seda pa
cobrir armares servidas, chegado ui -
mmente de Franca. Neste estabelecinien
to tambem ha chapeos multo grandes pj"
feilores de engenho. _
- Jos Comes dos Santos Pere.ra da Bas-
tos precisa comprar, ou arrendar um en
genho que nflo diste da praa mais do 4"
5 a 6 legoas: a tratar com o mesmo ua o(
ledade, ou annuncio.


Aohou-se um cavallo sellado eenfreia-
I do- oiiern frseu dono comprela noquar-
Ul'de polica, qup, dando os signaes coitos
e papando a despezas, Ihe ser entregue.
SOCIEDAD: HARMOMCO-THEATRAL.
O primeiro secretario scientifica eos se-
Inhores socios que os bilhetes para o espec-
Kiculode 18d*eorrenle distrlbuefh-so nos
[jins 18, 17 e 18 no salfio do mesmo theatro,
ils tres horas I mente se achar reunida a direcgo para
I approvacfio dos convidados, advertindo-so
quo na nolte do espectculo nao se admitli-
r convidado algum que n3o tenha sido pro-
posto, nem tambera ser* epprovndo em
dita noite.
DAURpRA
C. Slarr & Companhia teem a honra de
avisar aos seus freguajes, e ao publico em
geral, qije a sua granie fundicio em S.-
Amaro, alm do sortimento que constan-
temente tom acha-se de novo provida do
muilas moendasdecenna, e de varios ta-
manhos feilas no mesmo eslabelecimonto-
pelos inais.perilos offlciacs, e com o maior
cuidado e perfeigflo; tanto assim he, que
os annunctanlesse ufanam em garanti-las
pelo primeiro anoo. As moendas inteiras
todas de ferro*, construidas as olllcinas
dos annuncianles, s.lo muito superiores a
quaesquer oulras da mesma natureza quo
at agora teem sido aqui offerecidas, pois
aquellas encerram em si certose importan-
tes melhoramentos, resultado de mais de
30 annos de experiencia e pratica do paiz.
Aluga-se o primeiro andar da casa n.
40 da ra da Cadeia do Recife ptimo para
escriplorlo, ou para familia : a tratar no se-
gundo andar da mesma casa.
mmmmmmmmm m.mmmmmmm9>
*
Na prdea da Independencia, p
n. io, ao vallar para a ra |
das Cruzes, alugam-se, ven- ij
t dem-se e tsmhein se appli- j
I cam as melhores bixas que X
ft he possivel havarem no mer- j
* cado; limj am-sc e tiram-se denles |
9. com toda a perteicSo : tambem se ap 9
$ plicam ventosas com a maior delica- 9
3 dfsa que he possivel e f&z-sa ludo |
S o mais que pertence a arle da sangra- |{,
>* uur : tuiio por pirco multo raso., vil. !:
$mwmmmmmmm mqmmmwKr:*-
Aluga-se o sobrado n. 47 da ra Impe-
rial : a tratar na loja do mesmo sobrado.
-- JoSo l.eonhei ret Lewor, cidadfio suis-
so, solteiro, retira-so para a llahia a tra-
tar de seus negocios.
MohMas de alugiiel.
Na roa Nova armazem de trastes, de-
fronte da ra de S.-Amaro, alugam-so ca-
deiras para bailes e olicios fnebres : tam
bem sealugam inobiliaa a vonlade dos pro-
triiiliules por prego commodo.
Precisa-se alugar um prelo captivo pa-
ra todo o spiviro: na ra do Trapiche,
n.8.
Prccisa-se alugar un prelo
diligente para o servico de urna
rasa de pasto : na i ua da Cruz,
numero 18.
Os Srs. Joflo Francisco Nogueira e Ma-
noel Amancio Chaves dirijam-sc ao pateo do
Carmo, sobrado n. 9, segundo andar, a ne-
gocio que Ihes di/ respeito.
I'erante o lllm. Sr Dr. juiz municipal
da segunda vara do civel, na poita dste,
na ra das Cruzes, linio os dias da lei, teem
de ser arrematadas as propriedades sitas,
um sobradiuliode um ailar, u.eia-agon.no
horro da Bomba,e una casa Ierra na esqui-
na -la ra do Fogo que volta fara o becco
da llorrba.
O Sr. Christovlo de Hallan la Cavalcan-
le, morador :m Ipojuca ou algueni por
si, queira dirigir-no ao paleo do Carino
n. 18, segundo andar.
No paleo da mahiz de
S.-Antonio, sobrado n. 4,
tiram-so passaportes para dentro e l'ra do
imperio, despachani-se escravos e correm-
*> folhas por prego o mais commodo pos-
ivel.
Denles artificia&s.
J. A. S. Jane, dentista participa ao res-
Peilavel publico que contina a exercer a
ua profisso, na ra estrella do Rozario ,
n 16, primeiro andar.
O cirurgiSo Miguel Felicio da Silva
niudou a sua residencia para a ra da Pal-
ros sobrado novo de um andar, defronle
do boceo doPocinho.
I'erdeu-se, no domingo, 12 do corr.en-
[c, da ra da Gloria t a da Main*, um
Hidispensavel da velludo bordado conten-
do urnas lloras eduas cotilas de resar en-
fladas em aiame : quem o achou faca favor
restituir na ra da Saudade, por detrs da
l'niflo raa do coronel Jos de Barros Fal-
efio de Lacerda ou na praga da Indepen-
dencia livrarta ns. 6e8.
Desojase fallar com o Sr. Dr. Honorio
riel deSigmaringa Vascurado -.na ra No-
*e, o. 65, ou aniiunc Alugani-seas lojas do sobrado da ra
do llaagel, n. 45, por prego comrkiodo : a
IralarnuAlerro-da-lloa-Visla, n. iK
- O i roprielario da barca dos banbus faz
rime ao respeitavel publico que o seu es-
(belecimenlo se scha prumpto no lugar do
oslume.
Ocoirclor Ollveira.desejando muilo si-
l Oer se existo, ou fallecer nesia cidade, ou
Atovinci* ,o8r. Joflo Anastacio da Cunta,
""Ir'ora escrivflo-deputado no l'aia, muito
Peiiborado leari a quem disso souber e Ihe
qutzer dar inrortnacjlo.
I'recisa-se de um caixelro para entre-
gar pflo com um prelo* a urna freguezia : no
pateo da S -Cruz, padaria n. 6.
-OSr. Joflo Manuel de Araujoqueira pro- .
curar, na ra larga do,Hozario. u. 32, urna I re:
ra v.nds da Bahia. | ru
Desencaminlioii-sc ou
furtaram
unfacadella ingleza, de cor assa e preta a
roda dos olhos : roga-se a qualquer pessoa
que a tiver achado, ou della souber, do a
levar ao sitio do cnsul ingloz, na Capun-
ga, ou no consulado brilannico, na ra do
Trapiche-Novo, n. 12, segundo andar que
ser bem recompensado.
Agencia de passaportes.
Tiram-se passaportes para dentro e fra
do imperio; bem como ttulos do residen-
cia : ludo com muita presteza e prego com-
modo : na ra do Padre-Florianno, sobra-
do de um andar n. 7.
Precisa-se de um homem idoso que
sirva para feilor de um sitio na Ponte-de-
Uchda, e que nio tenha familia : na ra do
Hospicio, n.13. .
AttencBo aos premios vendidos do Rio-de-
Janeiro.
Na loja do cambio da viuva de Vieira &
Filhos, na na da Cadeia do Recife, n. 24,
fram vendidos da 50.a lotera da Santa-Ca-
sa-da-Misericordia os premios seguintes :
869,1400,000 de rs. ; 5,556, 100,000 rs*
5,559,832, 4,692 e 387, 40,000 rs. ; O inultos
de 20,000 rs. Na mesma loja exiatem as lis-
las da 10 lotera das matrizes e da 50." da
Santa-Casa-de-Misericordia.
Precisa-sede urna preta para andar com
oulra veudendo fazendas pelas ras : quem
tiver annuncie por esla folha.
Precisa-se de um homem brasileiro
para receber dividas aqui na praga e arra-
baldes, amigavel ou judicialmente, dan-
do-se-lhe 15 por cento e pagando-se-lhe as
despezasque flzercoma justics : quom Ihe
convier este negocio dirija-se ra Nova,
n. 28. Na mesma casa compra-so I fia do car-
neiro, anda que seja servida dita de fie-
xa de canna.
Precisa-se de um amassador: na ra
larga do Rozario padaria n. 48.
O Sr. Jos Marinbo dos Santos dirija-
se a ra do Queimado, n. 14, a negocio de
seu interesse.
Na ra do Vigaro, n. 22, primeiro an-
dar, fazem-se bolinhos de todus as quali-
dades pilo-de-l, podios, manjar hranco de
(odas as qualidades, pastis de nata, tortas
ile lete armam-se bandnjas e tambem se
fazem almocos, jantares e seas : ludo por
prego maiscomuiodo do que em oulra qual-
quer parle.
- Aluga-se, por Testa, ou mensalmente ,
urna casa na entrada da Casa-Forte, com
bastantes commodos, um sollo com dous
quarlos, quintal murado com rstribaria
pura 4 cavallos e cacimba com boa asoa :
a tratar com o major Jolo Valentim Villela.
-- Carrogou na Baha na sumaca Flor-do-
Angehm Bernardo Jos Pinto 2 barricas com
9 lallias e quartinhassem trazer entrega : I
quem pertencer, queira enlender-sc com
S Araujo, na ra da Cruz, n. 33.
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14
annos : na ra da Concordia, n. 8.
Alugam-se o vendem-s superiores bi-
xas do llamburgo: na ra das Cruzes,
n. 40.
O abaixo assignado continua a ensinar
primeiras I tiras com o mainr zelo e arlivi-
dade possivel, na ra da Roda, sobrado n
32 ; assim como da ligos em casas parlicu -
lares : os pas de familia que de seu presli-
mose qui2erem utilisar, dirijam-se ao mes-
mo. Joo Antonio Leitao.
--Urna pessoa habilitada se projiclo a re-
ceber discpulos internos e externos para
Ihes ensinar as primeiras lettras, lingos na-
cional, francez e rclliorira, prometiendo o
mais desvelado tralamento, mcdianto o
mais mdico estipendio : a Ira lar na ra das
Flores, sobrado n. I, ou na ra da Florenti-
na, n. 16, das II horas do da em diante.
Alexanre Hodrigues dos
Anjos Diudou a sua residencia pa-
ra a casa n. 5a, na run da Cruz,
junto a botica do Sr. Luir. Pedro
pas Neves.
-- Offerece-se um prelo forro para servir
a um homem solteiro, ou a una casa de
pourii familia: na ra da S. nzalla-Vcllia,
n. 58.
Manoel Buarnue de Macedo embarca
para o Rio-de-Jatieiro o escravo Januario ,
propriedade do Sr. T. C. I.uiz Coelbo de
Gusmflo, para ser vendido por cotila e or-
dem do mesmo senhor.
Um rapaz portuguez, que d conheci-
mento de sua conduela, so offerece para
caixeiro de venda ou do nutro qualquer
negocio, por ter bastante pralica de com-
mercio: quem de seu prestio se quizer
utilisar dirija-se a tua da Cadeia, leuda de
carpina, n. 15.
Desappareceu, no da 9 para 10 do cor-
rente, um relogio sbemele com caixa de
prota oqual lema corda quebrada sem
chave e com urna fita preta. Itoga-se a
quem fOr offerecido o dito relogio, que o
apprebenda e leve-o ao Aterro-da-Boa-Vis-
ta venda n. 44, quesera gratificado.
Deseja-se saber se existe neata praca
um ti I lio de Juiio 'lavares, da villa de Oy, rei-
no de Portugal, que se Ihe deseja fallara
negocio de sua familia : na ra da Praia,
armazem n. 2, ou annuncie por esta fulha.
Quem precisar de um preto para cozi-
nhar e fazer o servigo interno de urna casa,
dinjn-sea ra de S.-Fiaacisco, casa apa-
lagada.
Permuta-se por urna casa de sobrado
de dous andares nos bairros de S -Antonio
ou Boa-Vista com commodos suflicienles
para grande familia um sitio muito porto
da praga por ser logo ao sabir da Solla-
do para o Manguind com nao poucos ar-
voredos de fructo chflos proprios, com
grande e decente casa de sobrado, toda en-
vidragada contendn 15 quartes um aln-
grelo na frente, e est murada e engrudada,
com dous elegantes portOes dcpferro com 4
columnas em cima das quaes descansan) 4
magnficos leOos e no fundo outro portflo,
duas gran.les estribaras para sele cavallos,
duascocheiras, casa para pratng, cozinha
grande pogo de agna de beber e tanque
para banho : a quem convier esto negocio,
dirija-se ao mesmo sitio a qualquer hora do
da, a tratar com o seu propietario que
no caso de se effeiluar a permuta vende-
r um carro de 4 rodas e urna parelba de
ca ] Manoel de Almeida Lopes que cuslu-
omprsr e vender escravos mudou sua
<3
0 LIVRO DE NEUS AMORES
poesas erticas de J. Nnrberto do S. Silva,
suhdivi.lidas em tros part->s As visdes
Os bejos Armia 1 vokime in 8..gran-
de, elegante e nitida cdigflo, capa impressa,
ornado com um retrato. Proco 3,000 rs. ra-
da volume. Publica-se no Rio-de-Janeiro
e assigna-se nesta cidade do Recife na livra-
ria ns. 6 e 8 da praga da Independencia.
A Aurora.
Acabamdesahiro 4.e5. nmeros des-
sc peridico eacham-se as livrarias da
esquina do Collegio ; na praga da Indepen-
dencia ns. 6 e8 ecm Olinda, no lugar do
costume.
tm*mmmm*9* mmmemmmf
&
Novo pilo de Provenga.
Na padaria do berco das Barroirase }
no deposito da Estrella, no Aterro-
da-Boa-Vista, n. 39, fabrica-so o no- fi
vo pao do Provenga, oqual he fabri- f
cado pelo methodo do seu primei- 9J
ro introductor que veio esla provn- J$
S^ cia, e com as melhores farinhasque ^
ha no mercado, e asseio que bo pos- jj
sivel: da mesma sorle se fabrican) as j,'.
I faliasdarainha do llespanha boli- .y-
a nhos, biscoutos, bscoutinhos, fatias,
ca vacas : ludo do melhor gosto pos-
R sivel e proprio para cha ; tambem ha j,
I bolachinha de Lisboa em latas de H '
S libras, por prego commodo ; amen- K
jjj doas ronl'cilailas e de varias quali- ^
dades.
i
enca da ra do Vigaro n. 24, para a
"a Cadeia do Recife, n. 40.
O Dr. Lobo Moscoso conti-
na a receber doentes em sua ca-
sa, no Aterro-da-Ba-Vista, n. 48,
onde ha commodos sulicientes,
nao s para se tratarcm de suas in-
terinidades, como para se Ihes fa-
zer qualquer operac5o : as pessoas,
porta uto, que se quizerem curar ou
mandar algum escravo, pdem di-
rigir-se so annunciante em dita ca-
sa, certos de que serao tratados
com todo o desvelo.
AVISO IMPORTANTE.
Acaba-se de ter seria noticia, de os escra-
vos abaixo mencionados andarcm pelos
suburbios desta cidado rommeltendo ron-
bus e sendo a noite lecolhidos cm diversos
sitios, por consentimento dos escravos ;
pulanlo previne-so a qualquer que nislo
possa nteressar-se, e para que mellior pos-
sam ser capturados. Adveite-so que, pu-
liendo ronslar-lhes desle aviso, queram
evadir-se para mais longo, e assim pois, pe-
de se loda vigilancia as estradas e lugares
suspeitos, rara poderem sor apprelieiiiiidos.
Nao obstante darcm a cerlea de eslarem
13o pertu, pedo-se encarrcidaniento.es au-
toridades e a todas oulras pessoas dos luga-
res longincuos, do continuaren) na inces-
ante diligencia para os aprisionar, para o
que segu este outro annunciu :
200,000 rs.
D-se esla quantia de gralilicagiloa quem
levar ao engolillo Agoas-Claras, de Uruc,
da viuva do Burgos, ou nenia praga, no
pateo do Carmo, n. 18, segn lo andar, a
Antonio Carlos Poreira de Burgos Poncc de
l.ooii, os dous escravos seguintes que fu-
giram nos dias sabbado para domingo, 26
a 27 do corrente : Vicente, pardo do 26 an-
nos, de altura regular cabellos crescidos e
carapinhados testa sobresahida olhos pe-
queos, nariz chalo, tomador de tabaco de
caco rosto descarnado e com espinhas,
sem nenhuma barba; levou 1 camisa do ma-
dapolSo, una caiga de casimira usada, urna
jaqueta de bretanlia, um bonete de velludo
azul ja usado um chapeo de pallia, um
dito de pello prelo : Joaquim, crioulo bas-
tante preto, de 38 annos, alto, secco, cara
pequea bem barbudo ; tom o costume de
levar a inflo barba ; be gago ; andar com-
nassado ; dizem ler mili em Pajali-de-Flo-
res ; foi escravo do eapitflo Leandro Bandoi-
ra de Moura do Apody o qual se aclis pre-
sentemente na comarca de S.-AntSo, e tem
um sitio cm Craval; presume-se terem
partido para o Apody onde ha muitos p-
renles do dito Moura; comquanto o primei-
ro andasse sempre em vagens dos serios
dosul ao poenle, com os cobradores desla
casa : este ultimo escravo levou um chapeo
preto de pello e outro de couro duas ja-
quetas brancas, 1 caiga do brim pardo 1 di-
ta do riscado, 1 camisa de madapoln,
duas ditas de algodiloda trra e ceroulas.
Roga-so a vigilancia nestesdou escravos,
que vindo com muila brevidade, sern
gratificados aiuda com mais do que se offe-
rece.
Aluga-se o silio da estrada do Cordci-
ro, bem conhecido, s proprio para nego-
rianie estrangeiro, ou quem lenha trala-
mento, assim como varios sitios e casas
pequeas para passar a festa, tanto na cam-
pia, como na ra da Casa-I'orte : a tratar
na ra do Amorim, n. 15.
Aluga-se uo Monteiro a casa terrea
contigua ao sobrado que flca defronle do
Sr. Joaquim Tiburcio,, cora lodosos com-
modos ,equeho ptima para so passar o
verilo : a tratar n* ra da Aurora n. 48.
Domingos Alves Matheus, agente da fa-
brica de raj superior arria preta da Ba-
bia, tem aherlo seu deposito na ra da
Cruz do Recife, primeiro andar da casa n.
38, onde se achara sempre deste encllente
e mais acreditado rap que al o presente
se tem fabricado no Brasil: vende-so em
botes de urna e de meia libra por prego
mais commodo doqueem oulra qualquer
parte.
Precisa-se de urna criada poitugueza ,
ou das ilhas de bons costumes : na ra da
Cruz, no Recife, n. 2.
--Manoel Joaquim l'sscoal Ramos con-
tinua a receber escravos por commissSo ,
para fazer vendas dclles, por cunta e risco
de s us senborcs: quem de seu proslitno
se quizer utilisar, dirija-se ra do Colle-
gio, n.21 primeiro andar.
Precisa-se de um feitor que trabalbe,
entenda de arvoredos de horla e do vacos:
na Magdalena estrada nova, primeiro pol-
lito de ferro.
O doulor Lourengo Trigo de Loureiro
reside actualmente as lojas da casa do
illui. Sr. desembargador Bastos, na ra da
Aurora entrada pelo lado da mesma ra ;
eahise offerece-para advogar, tanto no
civel como no crime, e para ensinar as lin-
goas latina e franceza a quem se quizor
utilisar do seu prestimo.
OSr. Luiz Moreira de Carvalho queira
annunoiar sua morada para se Ihe ontregar
urna caria.
0 Sr. JoSo Marlins Congalves tem urna
carta de importancia na ra da Cadeia do
Recife. n. 51.*
A mesa regedora de Ncssa Senhora da
Paz dos Afogados avisa a todos os irni.tos
para comparecerem domingo 19 >lo corren-
te com o liin de so proceder eleiglo para
os novos funecionarios.
Compras.
Compram-se "ao a 3o acetas
da companhia de Beberibe : quem
as tiver annuncie para ser pro-
curado.
Compra-se urna moleca de 12 a 14 an-
nos de bonita figura, que lenha princi-
pios de lavarinlo e costura : na ra do l.i-
vramonlo, loja de fazendas, n. 16.
Compra-se ouro e prata em qualquer
estado que esteja : na ra do Queimado ,
n. 14
Compram-se ns Mysterios de Londres,
traduego de Jos Liberato Freife de Car-
valho : na ra estroila do Rozario, n. 4, ou
annuncie.
Compra-se urna preta e um prelo vo-
ltios e que sejam por prego commodo : na
ruado Collegio, n. 21, primeiro andar, se
dir quem compra.

Vendas.
Na livraria ns. 6 c 8 da praga da Inde-
pendencia vende-se o soguinle :
Manual eleitoral
contendoa lei regulamentar das eleigOese
os decretos e dosnos do governo que dfjo
esclarec montos sobre sua execugSo.
Ventem-se milito bous co-
bertores de algodSo broncos, as-
sim como cscuros, proprios para
escravos, e por prreos muito com-
modos : na ra da Senzalla-Ve-
Iha, n. i38.
Vende-se um sobrado do um andar,
em chitos proprios, paredesdohradas, boas
mailnias com 30 palmos de terreno brulo,
porcada lado do dito sobrado em frente,
na mesma cordpagflo o com fundos bas-
tantes para grandes quintaos : os preten-
dcnles dirijam-se a cidade da Victoria, em
S -Antn para ver e para tratar, com Ama-
ro do Reg Barros.
Salsa-parrilha de Sands
para remover e curar radicalmente to-
das as onlrrinidadcs que proceden) da im-
pureza do singue, ou habito do systema.
Isla medicina est operando constante-
mente curas quasi incriveis de molestias
que preceden) da Impureza do sangue. A
infeliz victima de Molestias hereditarias,
com glndulas incluidas, ervos incolhi-
dos, eos ossos ineio arruinados, ficou resta-
I ir ler i ila com toda SUS saude o li ras. O
doeulc escrofuloso, ooberlo de chagas, cau-
sando unjo a si mesmo, e a quem o servia,
ficou perfoito. Centenares do pessoas que
tinham soffrido ( por annos, a ponto de ile-
sespemn da sua surte ) molestias cutneas,
glndulas, rbeumalismn chronico e muitas
oulras enfermidades procedentes do dosar-
ranjo dos orgilos do secrego e da circula-
gao, leom-se erguido quasi milagrosamente
do leito da morte, e hojo, com C0nstitUCO>g
regeneradas, com prazer atiestan! a cflica-
ciadesta inestimavel preparaglo.
Comquanlo lenliah apparecido grandes
curas al aqui produzidas pelo uso desla
estimavel medicina comludo a experien-
cia diaria aprsenla resultados mais no-
laveis.
New-Fork, 22 de abril de 1818.
Snrs. A. B. e D. Sands. Julgando ser
um dovor para com vosco e para com o pu-
blico cm geral rcroetlo-vos esto certifica-
po das grandes virtudes da vossa salsa-par-
rilha para que outros que boje eslfio sof-
frendo eslabelegam melhor a sua conlian-
ga e faga ni sem demora uso da vossa medi-
cina.
Vi-me perseguido com urna grande fer-
ela no tornozclo, que se estendia pela canel-
la cima at ao joollio, laugavu grando por-
gSo de nojeuta materia, com comichees
que meprivavam muilas noites do meu des-
canso, e eram muilo penosas de supportar.
O Sr. Diogo M. Coime!, que havia sido cu-
rado com a vossa salsa-purrilha, recommen-
dou-moquecu lizesse uso della, e depois
dchaver lomado cinco garrafas fiquei per-
feitamenle curado.
Tonho demorado um anuo mandar-vos
este certificado para conhecer com certe-
za se a cura era permanente, e tenho agora
a maior saisfagiio em declarar que nilo te-
nho visto, nem sentido cousa algutna du-
rante todo este lempo, e acbo-mo perfeita-
monto restabelecido. Sou vosso, ele.
Surah M, Intir.
240, ra Delanccy.
Nesta provincia o nico agente desle ma-
ravilloso remedio he Vicente Jos de Bulo.
Corles de briaientranya
do (le puro liiilio a
I,'no rs.
Vende-se brim pardo de linho a 1,280 rs
o coi te, e cor de ganga mulio fino a 1,500
rs. : na ra do Queimado, n. 8.
Vcndeni-s
ba laucas decimaes
para pesar de 100 ate 200 libras.
Cofres
de ferro balido com duas fechaduras e cha-
ves do segredo, muilo bem feilos,
e mais l'errageiis,
como incoes, parnahihas, facas de sapateiro,
serrotes e folhas de sena, 'ludo muilo em
cotila para frenar ron-las : na ra da Alfan-
dega-Velha, u. 5.
Vende-se cera de carnauba de boa qua-
lidade : na ra da Cruz, n. S.
- Wndrm-sc por prego commodo cadeiras
de Jacaranda e de oleo, chegadas pelo ulti-
mo navio do Porto: no armazem, n. 15, de-
fronte da igreja do Corno-Sanio.
Vondc-so urna eserava rrioula de 25 ar-
nos .que cozinha o diario do urna casa,
ho muito boa lavadeira, lano de sabto co-
mo de varrella muito boa vendoileira de
doees, fructas o hortalico : na ra de Apol-
lo, n. 19, segundo anu.r, ou na ra ua
Cruz, armazem n. 55.
BENEFICIO A IIUMANIDADE.
Atphabelopara ot surdoi-mudoi.
He.de grande utilidade para aquellas pes-
soas que quizerem fallar com as mitos, ap-
plicado a prlmeira vez para a instrucgSo dos
mudos de Franga, com signaes Dar JJ-
soantes, vogaes algansmos, alphabelo
maiusculo. .-..
Por meio deste alphabelo pde-se ensinar
a qualquer surdo-mudode nascimento; na
una lingoagem muito fcil e correcU quo
so pode aprender em poucas horas.
O abaixo assignado surdo-mudo, chegado
ha pouco .la America do Norte, vem respei-
tossmonte implorar a protecgSo deste gene-
roso rovo pernambucano.
Cada alphabelo cusa 1,000 rs. c vende-se
na ra da Senzall, n. 38, na casa do Sr.
Ceorge Francisco, ou no Hotel-Francisco,
ra do Trapiche, n. 3. /. K. Baktr.
Na loja do sobrado amarillo, na ra
f$. do Queimado, n. 29. continuam-se a p
"| vender os bem acreditados pannos ti- 4
{$ nos cor de caf, de vinho e verde a ft
;i| 4,000 rs. o covado ; princoza preta 4-
infestada ,| fazenda igual a merino, j*
a 1,000 rs. o covado; sarja de 13a pro- :
5: la lavrada propria para forro de *
'% obras a 600 rs. o covado ; merino jj;
* preto, a 2,500 rs.; dito muito supe-
;| riir, a 3,000 e 3,500 rs.; 6 um com-
4g piolo sortimento de panno preto pa-
M ra todo o prego.
Vendem-se 2 lindos mu la ti nhos de 14-
a 16 anuos ptimos para pagem ou para
aprenderemoflicio; 6 lindos moloques do
12a20annos sondo um delles ofllcial do
alfaiate eque he^plimo para pagem; 4-
pretos do 20 a 30 anuos bons para todo o
servigo ; 2 pretas boas engommadeiras e
cozinbeira sendo urna dolas boa vende-
deira de ra ; 3 mulalinhas de 16 a 80 an-
uos com habilidades ; e outros muitos es-
cravos : na ra da Cadeia, n. 40.
Vendo-so um gamflo em multo bom
oslado : a pessoa que o pretender, dirija-se
a esta typographia quo se dir quemo tem.
Vendem-se manteletas da
ultima moda para senhoras : na
loja de Aflonso Saint-Martn, pra-
ca da Independencia, n. 38.
--Na ra do Queimado, loja n. 37 A, de
Antonio Jos Rodrigues de Souza Jnior ,
vende-se o melhor trein de cozinha con-
sislindoemchaleiras, panellas e fngidei-
ras do difrerentes lmannos: ludo de ferro
e forrado do porcellana e outros muitos
perlences. Na mesma loja compra-se urna
salva de prata sera feitio para 3 copos.
Para escravos.
Vendem-se cobertores de algodSo ameri-
cano a 560 rs. cada um; zuarle de chadrez.
a!60rs. o covado; dito trangado a 200
rs. o covdo ; pegas de ganga azul da India,
com 4 palmos de largura o 12 covados a
2,400 rs.: na ra do Crespo, loja n. 10.
Vendem-se riscada escocezes com
vara de largura, a 290 'S. o covado ; cassas
pintadas de cores fizas, a 340 rs. o covado;
pecas de panninho de vara de largura, com
12jardas,a 2,000 rs. : na ra do Crespo,
loja n. 10.
Pechineha.
Vende-se cha hysson de superior quali-
dade pelo prego de 500 rs. a libra : na ra
do Crespo, n 23.
IIF.C.UI.AMENTO DA ALFANDEGA.
Vende-se o regulamcnto da aifandega ,
com todos os modellos, por 2,000 rs. : na
praga da Independencia liviana ns. 6 e8.
Cebla grada.
Ha para vender urna pequea pargSo da
ceblas em mullios de 25, a 1,280 rs. : ad-
veitc-scque he a melhor cebla que teta
vindo a esto mercado e sem exageragflo
vale a 2,000 rs. o cento; mas vende-se
assim para fechar urna factura : na ra do
Amorim n. 36. A ellas antes que se acabem.
Vende-se um pardo mogo, do bonita li-
gura, proprio para pagem ou outro qual-
quer servigo : na ra da Cadoia-Velha, n. 33,
se dir quem vende.
Nosarmazens ao p da Aifandega, de
Dias Ferreira e Bacellar, vendem-se saccas
com lamilla do mandioca a 2,000 rs. cada
urna.
Vende-se um prelo de boa figura, de
20 annos ; urna parda moga, de 18 annos :
na ra do livramento, n. 7, segundo andar.
A bordo do brigue ero vende-se bom
sebo em rama, por prego commodo.
Vensie-se rotim por preco
commodo : na ra do Trapiche,
n. ii.
Yendem se pelles de couro
de lustro hamburguez, de 3,5oo
a 4)000 rs. ; dito francez, a4,&oo
rs0 ; marroquim preto e de cores,
ai,Q?o rs.: na p^a da UniSo,
loja do Arantes.
Vende-se cera de carnauba, muito
superior, em porg/loe a relalho; seboem
rama : na ra Nova, armazem de trastes
defronle da ra de S.-Amaro.
- Vende-se um Thompson e tambem
um Alias geograpbico por Goujon anda
uovo, por pieco commodo : na ra do Ca-
buga, loja n. 7.
Para prsenle.
As Aventuras de Telemaco em francez ,
em 2 v. pequeos, ricamente encadernados
em peau de chagrn, proprio para presente ;
o Judeu Krranle, por Eugenio Sue, traduci-
do em porluguoz, em 10 v. brochados : ven-
dem-se cada una destas obras separada-
mente por 10,000 rs.: na la larga do
Kozario loja de J. J. I.ody.
Vende-se urna couimenda de ofllcial da
Rosa: na ra do Crespo, n. 17, loja de Sao-
tos Noves & Guimares.
Vende-se urna cadeira de bragos, toda
envidragada e em muito bom estado : na
ra da llni&o casa de Jos Mariano de Al-
buquerque.

t
i ii it-ii a rv


FARINHA DE MANDIOCA.
A melhor farinlu de mandioca quo lem .i
venda he a bordo do briguo minerva, chega-
do de Santa-Catharina, e fiindeado n,i praia
do Collegio, onde so vende a preco mais
commodo que em qualquer outro barco ; o
tamhcm se pdfe tratar na praga do Com-
mercio, n. 6, primeiro andar.
aderas de palhinha e
de balando,
l>em com outros milito-, trastes: vendem-sc
em casa de Kalkmann lrm3os, na ra da
Cruz, n.10.
Superior clin brasileiro.
Vende-se superior cha de S.-Paulo cm
caixinhas de una e duas libras: na ruada
Cadeia do Recife, n. 51.
Vendem-sc no armazcm, n.
i, do Galaia, no caes da Alfande-
ga, por preco commodo, barricas
com farinlia de mandioca, mnito
fina, ( soruhy ) assim como saccas
com feijo novo, milito grandes e
baratas : Irata-se nomesmo arma-
zem, ou com Novaes & 0.
Charutos de flavana
vordadeiros: em casa de Kalkmann Ir-
mflos na ra da Cruz n. 10.
AFolduras douradas
do todas as larguras : vendem-se cm casa
di; Kalkmann Irmios, na ra da Cruz, n. 10.
--Acha-sca venda pelo preco do 3,000
rs. o muito curioso romance cm sote can-
tos -- Palmira ou a Ceguinha Itrasileira,
pele doutor Francisco Bonifacio de Ahreu :
na prac.a da Independencia, livraria ns. C 8.
N. 9.
Ra da Madre-de-Deos.
Puro vinho da Figueira.
O novo armazem desta pinga deliciosa
acaba de se abrir nesta roa, defronle do ex-
melo armaren) ao mesmo preco de 180
rs. a garrafa e a 1,360 rs. a caada. Os
menles deste licor alli enconlrnrflo garra-
fas prnmptamento lacradas e com o sen
competente rotulo para trocarem por outras
promptamonte ; assim como lamhem en-
conlrarilo barris de diversos tmannos,
por precos bem rasoaveis ; bem como vinho
brancode Lisboa a 1,600 rs a caada o a
220 rs. a garrafa. O propietario deste esla-
helccimento pedeexame para poderem ava-
har a pureza de sua qualidado e asseio e
que em nada desagradar aos concur-
rentes.
Vende-se, .por preco muito
commodo, no armazem de Dias
Ferrcira, no caes da Alfandcga,
farinha de Santa-Catharina, em
saccas grandes,e barriquinhas com
potassa, muito superior : trata-se
no mesmo armazem, ou com No-
vaes & 'ompanbia.
Vende-se um alambique francez e de
cobro com pouco uso que leva a caldeira
50 caadas com muito boa serpentina de
estando fino que pesa 300 libras : esle
alambique trabalha por dous systcmas, uin
que serve para destilar garapa e outro pa-
ra restilar ago'urdenle ; para esto tem tres
ratificadores, osquaes fazem com quo o
alcool saia sem cheiro muito superior em
grao e muito simples para qualquer pessoa
poder trahalhar: ochase montado e promp-
toa trabalhar i ara o comprador ver : tam-
ben) se vende urna machina do fazer limo-
nada gazosa agoas mincraes e vinho
champanha : tudo por preco commodo : no
Aterro-da-Doa-Vista,n.17 fabrica de li-
cores, de Frederico Chaves.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sul superio-
res charutos S.-Felix, e de outras muitas
qualidades que se venderSo mais barato do
que em oulra qualquer parle : bem como
ciparrilhos hespanhes ditos de palha de
milho, que se estilo vendendo pelo diminu-
-o preco de 500 rs. o cento.
J 4 oo ris.
Vende-se superior esguilo de algodfo de
qualro palmos emeio de largura, proprio
para camisas de senhora e jaquetas, pelo
baralo preco de 400 rs. a vara ; bretanhas
de rolo com 10 varas, a 1,600 rs. ; supe-
riores cortes de fustes alcochoado a
1,28o rs.; ditos miudos a 400 rs. o corto :
na ra do Crespo, n. 14, loja de Jos Fran-
cisco ])ias.
2 0
O <3T Na ra do Crespo, _r3 0
*? loja da esquina que t'olta J
0 para a cadeia, ve i dem-se |j
0 os acreditados brins trancados bran- >
0 COS. JSOS, de lislras e de linho puro, a
0 a 1,500 rs. o corte; ditoamarello a 5,
a 1,440 rs. ; dito muito superior, a
-? 1,600rs. ; picote muito encorpado ,
'- proprio para escravns a 180 rs. o
Rap roldo francez.
Vede-se o superior rap rolflo francez,
nicamente as lojas dos Srs. Caetan l.uiz
Fnrrcira no Aterro-da-Doa-Vista n. 46 ;
Thomaz deMattos Fstima na mesma ra,
n. 51; Francisco Joaquim Duarte ruado
Cabug Pinto &Irmu"o, na ra da Cadeia
do Uccifc, n. 19.
A 200 rs. o covado.
Vende-se zuarlo azul trancado, muito en-
corpado e com 4 palmos e mero de largura ,
a melhor fazenda para vestir sscravo pelo
barato preco de 200 rs. o covado: na loja da
esquina da ra do Crespo, que volta para a
cadeia.
A 610 rs. a libra.
Que'jos londrinos.
Vcndom-se, pelo barato preco de 640 rs. a
libra queijos londrinos chegados recen-
temente : na ra do Amorim, n. 36.
Vende-se superior cal virgem de Lis-
boa em barris pequeos ; feches de arcos
do pao o rodas de dito para barricas; cu-
nhetes de pinho abatidos para assucar ;
pregoscaixaesdo Porto, em barris le 10
milheiros ; ditos de estuque cm barris de
32 a 45 milheiros ; mermelada de Lisboa,
em latas de 1 e2 libras ; pillas de familia:
na ra da Cruz, n. 4!>, primeiro andar a
fallar com Joaquim Ferrcira Mondes Gul-
marfes.
Vinho de Bordeau\ e de
Champnnia,
de superior qualidade : vend-se em casa
de Kalkmann lrmflos na ra da Cruz ,
n, o.
'4
Corles de brm de puro
iinho, a 1,280.
-- Vendem-se corles de brim tranclo
pardo de puro linho, pelo diminuto preco
de qualro patacas: na ra do Crespo, loja
da esquina que vnlla para a cadeia.
-- Vende-se urna preta com urna filha de
10 ennos : a prela cozinha, lava o vende na
ra ; urna dita boa para o Irabalho de cam-
po por estar a isto ecostumada : na ra do
Collegio, n. 21, primeiro andar, se dir
quem vende.
Vendem-se relogios' de ouro e prat,
patentes inglezes : na ruada Senzalla-No-
|va, n. 42.
~ Vende-se sag de primeira sorte, gnm-
ma de aramia taiioca do Maranhflo, ceva-
dinha de Franca cevuda : na ra das Cru-
zes n. 40.
Vendem-so cadeiras de palhinha pro-
prias para sala de janlar c casa de campo,
a 2, 3 e 4,000 rs. : na ra Nova, armazem
de trastes defronle da ra de S.-Amaro ,
I. 59.
Vende-se cera de carnauba:
na ma da Madre-dc-l)cos, loja
n. 34.
Vende-so um carrinho inglez, de 2 ro-
das eem bom estado, com os competentes
arrcios : na ra de Cadeia do Hecife, n. 57.
Vendem-se cortes de cambraias ada-
mascadas propriaspara vestidos, a 3,000
rs. ditosde talagarca, a 1,600 e 2,500 rs.
cassa-cbila de cores (xas a 300 rs. ; lan-
zinhas para vestidos, calcas e ronpa de me-
ninos a 320 rs o covado ; fazenda de la
com lislras de seda, propria para vestido
Je senhora a 640 rs. ; Iflas para calcas, de
muito bom gnsto c de superior qualidade ,
a 2,200 rs. o corle ; cortes de cassa, a 1,400
rs. cada um ; panninhocom vara de lar-
gura a 240 rs. a vare, c a 2,500 rs. a peca
com 10 varase meia ; chales (!e pura lia ,
2,000 rs. cada um ; fustes para colletes,
a 500 rs. o corte ; e outras muitas fazendas
por barato preco: na ra do Crespo, loja
n. 15, de Cimba Cuimarilcs & Companhia.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
chegada ueste mez pelo brigue Maria-Joi :
a tratar na ra do liruin armazem de
Antonio Augusto da Funscca, ou na ra do
Vigario, n. 19.
VV*VVWW*WVVV1Wf3
cas ; chitas escuras de bons padrees e co-
res seguras, a meia pataca o covado : na
roa do Crespo, na loja da esquina que vol-
ta pira a cadeia.
Vende-se algodo trancado
da fabrica de Todos-os-Santos a
270 e a 3oo rs. a vara : na ra da
Cadeia, n. 5a.
Taixas para engenho.
Na fundic^o de ferro da ra do Brum,
acaha-sc de rereber um completo sortimen-
todo taixas de 4 a 8 palmos do bucea, as
quaes acham-se a venda por preco com-
modo e com promptidSo embarcau-se,
iu earregam-secm carros sem despezas ao
lomprador.
Deposito da lahrica de
Todos-os-Santos na Baha.
Vende-se em casa de N. O. Itieber & fJ.
aa ra da Cruz, n. 4, algodSo trencado
daquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
1,28o ris.
Vendem-se superiores cortes de brim
trancado de puro linho cor de lama de Pa-
rs ,.pelo barato preco de 1,280 rs. : na ra
do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Dias.
<3
9
covado.; panno preto muito lino a
O 3,200 rs. o covado ; cassa de quadros
O para bahados, a 2.000 rs. a peca ; lu- .
0 vas de algodHo de cor, muito finas, a 0
0 240 rs o par ; chitas rouxas com fio- 0
0 res encarnadas, de tintas seguras, a 0
0 180 rs. o covado; cassas pretas, pro- j
0 prias para luto, a 160 rs. o covado ; ,
q pecas de plalilha dealgodSocom 25 Y.
O, varas, a 4,200 rs.; e outras muitas X
-i. fazendas por preco commodo.
llar melad a nova.
-hegada ltimamente do Rio-de-Janeiro
vende-se por preco commodo: r'-sdo Cor-
po-Sanlo, armazem de molhados, n. 66.
Vende-se um pardo robus-
lKde 24 annos, perfeitamente en-
ten vicios :\a loja da na do Crespo,
11. i5, tj Cunta Guimares fc
Companhia.
Vendem-se moleces'dc 16 a 20 en- II
nos de nacflo c crioulos, sendo um W de 16 annos e de nacflo bom cozi- J
. nbeiro ,e de ptima conduela : na 2
S ra das l.arangeiras n. 14, segundo 2
^> andar. -^
t* <
Vcndem se presuntos inglezes para
fiambre ; latas com bolachinhas de Lisboa ;
ditas de eraruta ; diles de mermelada de
1, 2 e 4 libras ; ditas de sardiuhas ; ditas de
hervilhas ditas de cheeolete de Lisboa
frascos ilo conservas ; ditos d'agoa de flor
de laranja; barris com azeitonas brancas de
Elvas ; garrafas com vinho moscatel de Se-
tubel e da Madeira ; queijos de prato ,
frescaes : tudo novo e chegado ultima-
mente do Lisboa : na ra da Cruz no
Itecife, n. 46.
- Vende-se champanha da mais superior
qualidade que tem vindo esto mercado :
i)a ra da Cruz, n. 27, armezem de Crocco
k Companhia.
Vendem-se sellins inglezes e
camas de ferro: na ra da Senzalla-
nova, n. /p.
Chd brasileiro,
Vende-se cha brasileiro no armazem de
> *
fr Vendo-se superior farinha de man- Jj
> dioca, muito nova por preco mais J
&" commodo do quo em oulra qualquer ^
> parle: a bordo da sumaca Rella-Arge- ^
> lina, fundeada defronle do cees do
tt liamos ou na ra do Vigario, n. 19,
^ segundo andar, casa de Machado &
g Pinheiru.
(&iAjlAAAAAQ
So!ha de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flan-
dres : em casa de J. J. Tasso Jnior : na ra
do Amorim. n. 35.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias que foram de
farinha, em p e bem accondicionadas :
na ra do Amorim, n. 35, casa de J. J.
Tasso Jnior.
A 640 rs.
Vendem-se cobertores dealgodSo, muito
enrorpados, proprios pera escravos a duas
patacas cada um : na rus da Cadeia-Velha,
D. 33.
Bombas de ferro.
Na fundic.lo de ferro da ra do Brum ,
vendem-se superiores bombas para carim-
ba assim como do repucho para fazer su-
bir egoe casas al altura de 4 a 5 andares.
<'
?' Vendem-se lindas cambraias de se- (P
# da a 400 rs. o covado; chitas france- 4
9 zas, a 320 rs. ; riscados francezes, 4
i a 200 e 240; lencos de seda para m.to, ?
f a 1,200 rs. cada um : na ra do Cres- "Jf
% po, loja n. 9, de Domingos Guimares. 9
# m
Prcas deesguiao cora 10
varas,a .".200 rs.
Vendem-se pecas de esguilo de algodfo,
com 10 varas a 3,200 rs. e a 360 rs. a va-
ra : na ra do Queimado, loja n. 8.
Cha brasileiro.
Vende-se o melhor cha brasileiro que
lem apparecido neste mercado a retalho
por preco muito commodo : na ra do Sol,
n. 1. cm casa deFlias Baptista da Silva.
Cobre para forro de
navios.
Vende-se cobre para navios : no arma-
zem de A. V. da Silva Barroca : na ra da
ras a 4,500, 5,000,5,200 e 5,500 rs. ; dito
ordinario com 20 varas a, 3,000 rs.; len-
cos de toquim com franja, proprios para
meninas, a 640 rs.; luvas de pellica, peque-
as, a 500 rs. ; chitas de cores muito lisas,
a 140 rs. o covado e a 5,000 rs. a peca : na
ra do Passeio, loja n. 17.
Vende-se rap de Lisboa a 3,600 rs.,
dinheiro a vista : na ra da Cadeia do Ite-
cife, botica de Vicente Jos do tirito, n. 61.
Na ruadoQueimado.n. 8,
vendem-se chitas de cores bons padroes
a 140 rs. o covado; cassas de quadros para
bahados a 2,000 rs. a peca, com sote varas ;
elgodilo muito azul e mesclado para roupa
de escravos a 200 rs. o covado; cortes de
fustao alcochoado para collete a 320 rsj len-
cos de cassa grandes, com cercadura a 240
rs.; meias finas para meninas a 320 -*, o
par; brim pardo liso de linho a 800 rs. o
corle de calca, e outras fazendas por preco
commodo.
Novidade!
Bixas recentemente chegadas de
Lisboa no brigue Sublime a pre-
cos de 32o a 1,000 rs. : na .venda
da ra do Collegio, n. 5, de An-
tonio Jos Alves da Fonseca.
Vende-se urna parda de 26 annos, sem
vicios nem achas : o motivo por que se ven-
de se dir ao comprador: na ra do Roza-
rio da Boa-Vista, n. 44.
#'-'#
diario de urna casa : na roa da Praia m
zem n. Ji rai"
-- Vende-se manleiga inglsia nova, mu
lo superior, pelo diminuto preco de sis
rs. a libra: afianca-se a qualidade : no'i.
.n_4a.ll,.. Viola __n.U -. el _.__ .""'
Madre-de-Deos, n. 26, defronte da igreja.
Vende-se um cavallo assa de cslriba-
rie : no paleo do Cermo, n. 18.
Vende-seo armazem de molhado da
ruada Cruz, n. 17 : a tratar no mesmo ar-
mazem.
Vende-se um relogio do ouro, hori-
zontal moderno e bom regulador : na ra
do Collegio, n. 6.
~ Vende-se um escravo de dado pro-
prio para trahalhar de enxada em algum
sitio : na ra estreita do Itozario, n. 16.
Vende-se urna baiceca de lote de 24
caixas bem construida prompta a nave-
gare bem apperelhada : na ra do Vigario,
i). 5, e para examina-la junto ao trapiche
doalgodilo.
A o hora e barato.
Na ruado Qucimado, vindo do Itozario,
segunda loja n. 18, contina-se a vender
panno fino preto e verde a 2,000 rs. o co-
vcdo; suspensorios de seda a 500 rs. o
par ; lencos pretos de seda, a 200 rs. ; len-
cos brancos de cassa a 160 rs.; pecas de
panninhn com 10 varas e mnia a 2,000 rs.;
chapeos do sol, de seda para meninas, a
2,580 rs. ; e outras muitas fazendas
preco commodo.
Vendem-se atoalhados de puro li- a
nbo com 9 palmos de largura a
a 2,800 rs. a vara ; dito muito supe- i
riore com a mesma largura, a 3,200 ; -?
guardanspos, a 3.000 rs. a duzia ; di- V
los superiores, a 9,600 rs.; toalhes da SI
v1 mesma fazenda, e de varios tamanho, 9
k por preco commodo : na ra do Quei- ,*
y^ mado, loja du sobradoamarello, n. 29. (0)
JaVCa-->" Vendem-se 3 molecotesde 12 a 14 an-
nos ; um mulatinho de 13 annos; 4 ditos
de 25 annos ; 2 escravos de bonitas figuras,
de nac.lo ; duas escravas de naeSo que cn-
gommam ocozinham ; urna dita de 15 an-
nos ; 3 ditas do servio de campo : na ra
Direita, n. 3.
Vende-se urna preta de Angola que
cozinha, engomma e cose : no Aterro-da-
Boa-Vista, n. 22.
-- Vende-se urna burra muito nova, o boa
pera carga por ser muito jiesseira : na
ra do Queimado, n. 14. '
Domingos Antonio Comes Guimares
nove mente offerecea sua loja de (fazendas
da ra do Crespo com um abatimento
nunca menos de 25 a 30 por canlo : a quem
convier, dirija-ses rus Nova, em sua casa,
ou na mesma loja a seu rmflo : igualmente
oflerececom um abatimento nunca menos
de 50 por cento urna reanlo de dividas,
tanto coritas de livros como lettras venci-
das e a vencerem-se em somma de trint e
tantos conloa de ris cuja relacflo epre-
sentar s pessoas que queiram fazer urna
feliz especulado.
Vende-se urna canoa de carreira para
conduzir familia de 30 palmos de compri-
mento c seise meio de bocea : no Forle-do-
Matlos, estaleiro de Jacinlho ElesbHo.
#8$@ ^
# C*
? Na loja do sobrado amarello, na rus 4
* do Livremento n. 29/ vendem-se 4
% cortes de vestido de cambraia de se-
% da de moderno gosto, proprios pe- 4
% re lia i le a 15,000 rs. ; ditos de cam- C
4 braia com lislras de cores imitando 4
*> seda a 4,000 rs.; chitas largas fran- )
, cezas padrOes modernos o de cores 4
(> li vas, a 360 rs. o covado ; lencos do if
f seda da India, para hombros, a 1,800, 4
'*. 2,000 e 2,240 rs. ; ditos brancos de ?
v cambraia de linho, a 800 e 1,000 rs. ; 4
c outras fazendas de gosto a preco 4
4 eoiini.ii :o. ?
f I
ro-ds-Boa-Vista, venda n.5,so p da in
ja do Estima. .
Vende-se urna parda de bonita figur
com lbumes habilidades : na ra di Ula
deis do Itecife, n. 39.
Vende-se, por commodo preco unn
escrava do nac&o Angola da 30 annos i
boa conddcla e que be ptima quitan'dei*
ra : na ra do Padre-Florianno, sobrad
de um andar n. 7. "
-- Vendem-se.por rreco commodo, noiN
mazem do Dias Ferrcira no caes da Alf.
dega, saccas grandes com farinha do m,
dioca vindas'doMaranhSonobrigue-escu.
na Laura ou a tratar com Novaes & Con!
panhia, na ra do Trapiche, n. 34.
Vende-se, na ra do Crespo, n, \\
Atlas de Simoncourt; Diccionario latino d
coroposicSo; Crammatica franceze de Sete-
ne nova; Tilo Livio : Virgilio; Saluitio
Fbulas ; Selecta; arte latina de varios iu.'
lores, por barato preco.
Na ra da Cruz, n. 22, segundo andar
vendem-se 5 escravos sendo dous mole-
cotes de 18 a 22 annos; 2 pretas que cozi-
nhan, Uvam de saHoe sSo ptima* nu.
tandeiras; urna pardinha de 18 annos, pro.
pria para todo o servico.
ooooooooo ooooooooc
O n
0 Cortes de calcase jaquetas.
0 Na ra do Queimado, loja do sobra- q
0 do amarello n 20, vendem-se cortes p>
O de calcas e jaquetas de brim liso par-
g% do, a 1,000 rs.; ditos de dito de que- !?
drinhos, a 1,120 rs. ; ditos de brim

Q uiiiMivp,. i,>via. uitua wo unen J,
^ trancado branco e de lislras, a 1,280
rs.; ditos de dito amarello, a 1,500 0
X rs.; ditos de casimira encorpada de 0
^ algodfo, a 2,000 rs. ; ditos de Ifla a 0
vj 2,000 rs. ; ditos de casimira elstica 0
0 e de cores, a 4, 5, 5,300,6 e 7,000 rs,, Q
O tendo muito sonde escolber. q
OO0O000O0ooooooo!
Vendem-se 3 fortes pianos, chegadoi
pelo ultimo navio francez', de muito bou
vozes, superiores as de outro qualquer que
tenha apparecido, e de novo modello que
nao deixraflo de agradar ao comprador
charutos do Havana, por preco mais comen
2
por
0
O Na loja da ra do Crespo,
X n. 0, ao p do lamneo, ven-
........ovuifl llltIMIt'IIU lili .11 lll.i/.-mi m molhados, atrs do Corpo-Santo, n. 66. o <) aem-se 0B acreditados brins
Q> trancadas de puro linho.
mais excellenle cha prodnzido em S.-Pau-
lo que tem viudo a este mercado por
preco muito commodo.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
BA DA SErZALTA-K0VA,K.,42'
Neste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito. Vv
A 640 rs. ca\J'* um."
V ^^ t ----- r"i*v "* j**!**'* niuiiii
endem-secobertores dealgodSo smeri- finos largos e encorpadoa proprios para
cano, encorpadose grandes ,\a duas pata- camisas de homem e senhora com 20 va-
O Corles di brjm irancado perdo, a O
V 1,280.ra..; dilocr do ganga, a 1,440
V rs.; dito muito lino, a 1,600 rs.; di- 0
f> lo branco listrado, a t,500rs ; pico- 0
0 le, a 180 rs. o covado; chitas escuras
0 e de cores (xas a 10 e 180 rs ; co-
0 bertores americanos muito en cor- *s
q pados, a fl40*s. o corte ; cortes de %
f cassa branca paia vestidos, a 2,000 %
A rs.; pecas de ditas para babados a Sr
2,400 rs. e* 32o rs. a vara ; chapeos J
g* de masse a 1,600 rs. ; ditos de seda
V a 640 rs. ; ditos s 400 ra.; fustOes pa- 0
J ra collete a 480 rs.; dito superior a O
> 6,400 ris. Q
O 0
OQOOOOOOO GOO0
Madapolfies muito linos.
Vendem-se pecas de madapolOes muilo
Na loja n.S, ao p do ar-
co de S.-Antaiiio,
vendem-so meias de se Ja preta curtas, a
1,000 rs. o par; dita delaias, e 800 rs. ; di-
tas brancas para senhora, a 1,500 rs.; cor-
tes de gorgurflo de seda para collete a
1,600 rs. ; ditos de Ifla, a 1,000 rs. ; lilas
para calcas, a 640 rs. o covado; lencos
deselim para grvala, do ultimo gosto;
corles de cassa a 3,200 rs. ; e outras mui-
tas fazendas por barato preco.
Na ra Nova, n. 5,
vendem-se dous moloques pecas; um pre-
to de 25 annos, de muito linda figura bom
trabalbedor de enxada; urna prete boa
quitandeira; duas ditas para o Irabalho de
enxada.
Vendem-se cassarolas e pa-
nellas forradas de porcellana em
completo sortimento : na loja de
lerragens da ra da Cadeia do Ite-
cife, de Antonio Joaquim Vidal
Vende-se urna errava de 22 annos,
crioula, com principios de cozinha, engom-
madoecostura; urna dita de 30 anuos ,
boa lavadeira de sabflo cozinha soffrivel-
menle e be muito diligente para todo o
servico de urna casa : na ra do Brum, no-
terceiro andar do sobrado por cima do ar-
mazem de Reg & Medeiros das 6 s 8 ho-
ras da ir.anh.1a, ou das 2s 4 da tarde.
Vendem-se cortes de brins riscados es-
curos para calcas, a 720 rs. o corte; brim
de linho de quadro, proprios para jaquel,
a 320 rs. o covado ; brim trancado branco
de listres a 910 rs. o covarlo; bretanha de
rolo com 10 varas, a 1,800 rs. ; chitas, a
120 rs. o covado; dilas escuras e de cores
lizas, a 140,160 e 200 rs. o covado ; corte
uo cassa moderna a 2,600 rs. o covad
corles de gorgurflo de seda para collet
a 1,600 rs ; riscados irancezes largos pura
vestidos e jaqueles a 200 rs o covado; ifon-
cosdesedade cores para grvala, akio
rs. ditos de chita, a 140ra.; ditos deW-
sa com cercadura a 200 rs.; e outras r\
tas fazendas que se deixam de mencionl
e a vista dos compradores se dirflo
diminutos precos : na rus do Crospo.
loja de Jos Joaquim da Silva.
-- Vende-se, para fra da provinci
molequede18 a 20 ennos, que cozi
do do que em oulra qualquer parte; ua
completo sortimento de instrumentos
msica, tanto de metal como de madeira
bustos de gesso representando muito fiel-
miento a rainha Victoria e o principe Alher
lo; relogios de ouro e de prata chegadoj
ltimamente da Suissa. Estes relogios que
sSo muito bem acabados se tornain mui-
to recommendaveis a qualquer particular,
e advertese que ha entre elles slguns que
andam oi 10, dias sem precisarem de corda:
na ra da (Jruz, no Recife, n. 55.
Na lom de Meia Ramos & C. vnde-
se pelo dimiputo preco de 500 rs. um doj
mais bellos romances que lem por titulo-
A roseira traduzido do francez por urna
senhora portugueza. ltecommenda-se mui
to a leitura desta obra, principalmente eos
pas de familia; para que, dando-a alera
seus filhos,, couhecam a grande ulilidado
que se lira em derramar por entres mon-
dado lices de tanta moralizada como u
que se conlem em, dito romance. Quem
pretender os ditos livros, dirija-se a ra No-
va, n 6, na indicada loja cima.
Escravos Pugiroos
Fugio. uo dia II do crrante, de Olio-
da um moleque de mime Joaquim, de II
a 19 annos pouco mais ou menos ; he liai-
xo, grossodo corpo ; he um pouco camba-
bado das pernas, e os ps largos ; tem o
denles perfeitos rosto chato; tem um sig-
nal muilo visivel por onde fcilmente ser
condecido que he um talho sobre o narii
j unligo ; falla expedito e alm disto ha
muilo vadio ; levou calcasezues, esmisada
riscado e oulra azul. Roga-se as autorida-
des policiaes o capitSes de campo, que o
aprehndame levem-no a Olinda, ra di
S.-Pedro-Novo, casa do acadmico Jos Vi-
cente Duarte ISrand.to, que gratificar. l
ATTENCAOl
Um pardo claro de alta estatura, cabel-
lo torcido; representa 40 annos pouco mais
ou menos o he escravo do reverendo vigario
de Una tendo sido preso em llarreiros pa
se Ihe tomar um bahuzinho com roupa era
o mez de novembro prximo passado, fui
aodepnis visto nesta praca em fevereiro,
em companhia de um moco de nome Mo-
rses, e como al o presente nilo tenha ap-
parecido dilo pardo, roga-se as autorida-
des policiaes e capitSes de campo, que o
apprenendam e levem-no a ra das Cruzeii
n. 30, ou na ra da Cadeia do Recife, n.
36, ou em Una nos engenhos Parazinhn,
llom-l)ia e. Sei'ia-d'Agoa que serilogene-
resamente gratificados, e se pagarflo todas
as*iespezas.
< Fugio, no dia 8 do eorrente, do eo-
g/enho S.-Jos, um escravo de nome Arito-
'"'o de naeio Mozambique, alio, SfCCO do
criio ps e mos grandes, cor prt, ros-
to cdiniprido ; levou camisa de algodao azul
e calasdealgodilo grosso : quem o pegr
levo-oUo dito engenho, a cese do leador
Jos bernardo de Andrade/ que gratificara
gsneroke mente.
- DoWio de yedra-Molla, engenho Api-
pucos diesrppareceram, na noite do i I
do corretsie 4 escravos : Maria Camuas,
regular, chela do corpo, de 35
,co mais ou menos, olhos abuge-
dro, da mesma nacflo, de altura
sm preto, moco, surdo de um
ouvido: I/faiiciscol'az, alio, secco, mofo,
bem esaferto,e|Jos Bolacha, ambos il
niesmanacflo preto moco bem fallante i
lem ujma cicatriz no tornozello de um y-
lodjifclorain vestidos de roupa branca. H
^Sde presumpcflo que estes escravos q
pertencem a Maria Candida de Mgalhfl fra tu furtados e seduzidos por um escre*
de D Maria Lucia filha do felleciJo tenen-
te-coronel Francisco da Rocha Paz Barrer
Roga-se as autoridades policiaes e capia
de campo toda a vigilancia para os appre-
hender, e ha toda a probabilidade quo e
lea escravos sejam vendidos para o sul ilea-
ta provincia: aera portento bem grup-
eado quem os apprefcender.
de altura1
aiuiuspo
(hados
regular,
PiN.: RA TTP.
db u di nu.
[i
II
1
c
i
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWDR5ZRTF_UIKRXS INGEST_TIME 2013-04-13T00:26:27Z PACKAGE AA00011611_06247
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES