Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06243


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV
Sexta-fe ira 10
partidas dos conaxios.
Oolanna e Parahiba, segunda* eiextas-felras.
lilo-Orandc-do-Norle, quintas-felras ao nicio-
(abo.Serliihcm, Ro-Formoso, Porlo-Calvo
Macei, no 1.*, II c 21 de cada mex.
Caranhuus e Itouito, a 8 c 23.
Boa-Villa e Flore a. a 13 e 28.
Victoria, i quintas-reirs.
Ulinil.i, todo os dias.J
ipbimAidis.
rnSESB mu. Chela a 4,s 1 h. e32m.dam.
Ming. a 11, s II h. e 13 m.da in.
Nova a 18, s 3h.cl3m.da t.
Cresa a 25, tu 2h. e 36 m.da i.
PUEAMAK DE KOJE.
Primeira a9 10 horas e 6 minutoi da manb.
Segunda s 10 horas e 30 minutos da tarde.
de Agosto de 1849.
N. 176
PBXIJOS DA SUBSCaiPQO.
Por tres mezes (adianlados) 4/000
Por seis meze 8/UOO
Por uui anuo 15/1)00
DAS DA SEMANA.
0 Seg. S.Thiago. Aud.doJ.dos orf.e dom.da l.v.
7 Tere. S.Caetano. Aud. dachanc., do J. aa i. v.
do civ. e do dos feilos da fazenda.
8 Quait. S.Cyrlaeo. Aud.duJ.da2. v. do el.
9 Qulot. S. Romao. Aud. do J. dos or. c do in.
da l.v.
10 Sext. -J> S. Lourenco.
11 Sab. Ss. Tiburcio e Susana. Aud. da Chae, e do
J. da 2. vara do crime.
12 Doni. S. Clara.
CAMBIOS EM 9 DE AGOSTO.
Sobre Londres. 25 d. por 1/000 rs. a 60 das.
. Paris, 380.
. Lisboa, 115 por cento.
Pr.U.-Pa'taeae?ebffiVos...... J ||
Pesos columnarlos....... JSno >Mt
Ditos mexicanos.......... '/"
PARTE OFFICUL.
MINISTERIO DA JUSTICA.
Circular.I.* Seccao.Rio-de-Iancro.Mi-
nisterio dos negocios dajustija, em U deju-
lhn de 1849.
Illm. c Exm. Sr.Ilavendo appareeido algu-
mai duvldas sobre a legalidade das licencas
concedidas coin vencimentos a einprcgndns
que apenas teein posse, mas nein principio ao
menos de exercicio, S. M. o Imperador, dignan-
do-se de onvir a eate respeito a aeccao do con-
cedi de estado a que perteocera os negocios
da jusllea, e eooformando-se com o seu pare-
cer, honre por bem ordenar e declarar, por
sua immediata resolucao de 11 do torrente
mex, que oos einpregados desta repartirlo, ou
sejatn magistrados ou no, smente pdem
enneeder-se lic-ncas com ordenado Intelro ou
fraccionado de lis de lerem nao s posse, mas
tambera'exer lo, pnrquanto aquella sem este
ie apenas mu ..'lulo de antiguidade, mas que
nao d dlrelto Tenciinentos, como se deduz
dn art. 103da lei de 4 de outubro de 1831 e as-
tenias de 9 de detembro de 1625. Ptra que os
magistrados removidos possun vencer seus
ordenados sem Interrupciio, foi necessario que
a le de 18 de seteinbro de; 1845 eslabelecesse
no art. 40 urna dlsposicao especial que alias
faz depenpente esse favor da apresentaco do
magistrado dentro do praio marcado, e que
portnto dispensa os que preenchcm essa con-
tliciio, e exclue os oulros das licencas com ven-
cimentos. O que communico a V. Exc. para
seu conhecimento e execucao.
Dos guarde V. V.tc.Entibio ,te Queirot
Coulinho Uatloto da CmaraSr. presidente da
provincia de.....
careno dos nomes-das partes.-dss quanlias
pagas e dos lugares e lempo dos pagamen-
tos ou entregas, sendo dispensado o trasla-
do do teor dos conhecimentos, por nilo ser
tanto trabalho necessario para a conferen-
cia, reservando-se a exigencia de todo o
teor de um ou outro conhecimento para o
caso de especial necessidade.
MINISTERIO DA'FAZENDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DIA 13 DE
JULI10.
Ao presidente de Goiaz. solvendo duvldas
propostas pelojulz de direitoo bacharel Rufi-
no Theolonio Segurado, de que trata o officio
de 19 de Janeiro, dirigido ao ministerio da Jus-
tina e transmitido a este : primeira, se a ex-
prrsso de-que se serve o art. 2." do decreto de
2 de setembro de 1847 n. 463qualquer filhn
naturalse deve entender a respeito dos pro-
piamente taes, ou se tambein dos incestuosos,
sacrilegos e adulterinos ; segunda, se. posto
que prln art. 3 do dito decreto, a declaracao
em testamento, ou escriptura, seja prova suf-
ftciente da fillaco natural, todava, exislindo
cm vigor a dispnsicio da ord. liv. 4 tit. 9', (que
sobre a circunstancia do impedimento diz:
nilo hsvendo entre elles parentesco, ou Impe-
dimento porque nao possain elles casar) o re-
ferido artigo do decreto derogou a ordem do
thesonrode 19 de desembro de 1839 aparle
cm que exige a habilitacao, afun de ficar o her-
delro reconbecido fimo, e isenlo de pagara
dcima da heranca, ou se o declarado lillio he
anda agora obrigado a provar que entre seu
pai e mal nao havia impedimento para casar ;
tereeira. quaes os casos que se acham compre-
hendidos no decreto, eonslderando-se em ge-
ral qii.intn ao lempo para que ella lenha appli-
eacao ; se declara que para snluc.no da segun-
da duvida he preciso fater dislinccSo entre o
filho natural do fallecido abintestado e o da-
quelle que falleceu com testamento, c em que
por tal o declarou e reconlieceu : a respeito
do primen o, anda procede a djsposicao da" or-
dem de 19 de dezembro de 1839. e o pretendi-
do hrrdlro ab-intestado precisa habilitarse
competentemente para havera heranca do fal-
lecido como filho natural dellc ; devendo mos-
trar nao s a Gllacao com exhibicSo da escrip-
tura publica dereconhecmento nos termos do
decreto de 2 de setembro de 1847, mas tam-
bein que he filho simplesmente natural, liavi-
do de ajuntamento de seu pai eom iiiulher sol-
telra, sem impedimento que obstasse o pode-
rem casar, porque s o filho simplesmente na-
tural pode livremente succeder a seu pai ab-
intestado na forma da rxpressa disposicao da
ord. Irv 4 tIL 92, que se nao acha revngada :
a respeito do segundo nao vigora a referida
nrdein, e o pretendido l.eraeiro por testamen-
to, para haver a heranca do fallecido com tes-
tamento, nao precisa habilitar-se, nena para
mostrar a fillaco reconhrclda no testamento,
porque, tendo tdo aquella ordem por funda-
mento o nao ser bastante para o reconheci-
inrnto da filiacao a simples declaracao testa -
meniaria, tal fundamento cessou depois do so-
brrdto decreto de 2 de setembro de 1817, que
qualficou o testamento por prova legal da fi-
liacao; e nem para provar a q ualidade de sim-
ples natural, visto que para haver a heranca
por testamento lhe nao obstar o ser filho Ile-
gitimo de qualquer especie, na conformidade
do decreto de 11 de agosto de is.'ii.
/ DEM DO DA 10.
A' tbesouraria das Alagas, em vista do
officio do procurador-fiscal da thesouraria,
propondo que, para melhor fiscalisac.lo dos
dinheiros pblicos arrecadados pelos admi-
nistradores, colleetores e mais agentes, se
ordene nos juizes de dirello que facam com
que os tabelliSes e escrivilc das execuces
de suas respectivas comarcas-, revendo os
competentes livros e autos, estraiam por
cerlictlo, e remellam thesouraria na ;nes-
nia poca em que tem do lomar conlas a
taes agentes o teor dos conhecimentos das
cisas dos bens de raz que lhes frern dados
e passados pelos ditos administradores e
colleetores, provenientes de arrecadaces
k dos ditos heni, que tenham sido feitas em
\hast publiee, em giode execuc,o ; assim
como o teor dos dilos conhecimetilos de ci-
sa quo devem eslar incorporados tas es
cripturas de compra e venda dos bens
kruiz; e que os escrivSes dos orphSos, r
vendo os autos de inventario, dem por cer-
tido os conhecimentos passados pelos ein-
pregados dos dinheiros dos orphSos reco-
Ihidos s esta^Oeg, em virtudo do decreto
de 13 de novemhro de 1841 e inslruccOe. de
12 de maio de 1842, se approva o que se pro-
p6e, marcando-se o anno de 1810 inclusive
para comecar a revisilo dos livros e proces-
aos para se darem as cerlidOes, podendoses-
las ser om relatorio, com a precisa especili-
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 8 DE AGOSTO.
Officio.A-o commandanle da praca, decla-
rando que tem resolvido elevara lOO.OOO'rs.
a gralifcaeo de 60,000 rs. que arbitrara ao
paisano Lulz Morrira de Carvalho que se offe-
recra para servir no exercito.Intcirou-se o
inspector da pagadoria militar.
Dito.Ao inspector da thesouraria da fazen
da, trinsiiiiltindo o aviso de urna lettra da
quintil de 400,600 rs., sacada pela thesouraria
do Rio-Grande-do-Norle sobre essa e a favor
de Francisco Paulino de Castro flarroca.Pnr-
ticipou-se ao presidente da referida provincia.
Dito.Ao inspector da pagadoria militar,
ordenando mande pagar ao commandanle do
corpo de polica 22,560 rs.,importancia das ra-
ces que elle abonnu de 21 a 29 de julho ulti-
mo aos recrutas existentes as prises do res-
pectivo quartel.Seientificou-se o comman-
danle do mencionado corpo.
Dito.Ao mesmo, para que informe acerca
da conveniencia da obra deque trata o officio,
que remelle, do commandanle das armas, bem
como da moraldade do orcamento que val
junto ao mencionado officio.
Dito.Ao inspector da thesouraria da faien-
da provincial, remetiendo o rcqiierlniento em
que Antonio da Silva Gnsmao se offerece a con-
tratar a lluminacao publica desta cldadc.
Dito.Ao mesmo, transmittindo, competen-
temente approvados, o orcamento da pintura
e alcairoamento a fazer na ponte suspensa de
Jaboalo, bem como as clausulas espeeiaes
que devem servir de base arrcmalacao de tal
obra, aliin de que a ponhaem hasla publica.
Cnmmunicoii-sc ao administrador das obras
publicas.
Dito Ao presidente do concelho geral de
salubridade, aulorisando-o a comprar as subs-
tancias de que precisar para proceder a fuml-
ga^es desinfectantes nl s a bordo da barca
ingleza Hilher-Ann, como no de qualquer ou-
tro navio que,como este, vier de purtos emque
relpe o cholera-morios ; e declarando que val
determinar ao prnvedor da sade que coadju-
ve o mesmo cimcelho em as referidas fumlga-
ees sempre que Smc lhe requlsilar o seu
concurso.Neste sentido oficiou-seao prove-
dor da sade.
Dito.Ao delegado do termo da Ha-Vista,
para que mande organisar por peritos, e Iraga
ao conhecimento da presidencia, o orcamento
da despeas a fazer com a-prompliflcaco do
caes que Smc. julga de necessidade eilificar-se
para impedir que as endientes do rio de San-
Francisco desmoronein a igreja erecta na ilha
d'Assumpcao margem do mesmo rio.
Rito.Ao major Candido Jos da Sllvelra,
ordenando que sem perda de lempo remella
para o arsenal de guerra as 180 armas c algu-
mas miinirea das que foram distribuidas du-
rante a reb'ellian.felizmente extincla,que segun-
do consta de officio do coinmandante superior
do Ronilo Smc. anda conserva sb sua guar-
da. Communlcou-se ao mencionado com-
mandanle superior.
Portara. f) presidente da provincia,
usando da altrihuiciio que lhe foi conferida
pelo decreto de 11 de Janeiro do corrento
anno. b por bem conceder amnista em
nomo de S. M. o Imperador ao padre Vicente
Ferrer de Albuquerque pelo crime de re-
belliio, ltimamente commeltidonesta pro-
vincia.
E pora sua resalva se lhe passa a presente,
em virtude da qual jamis ser processado
pelo dilo crime.
Dita.Nomeandn subdelegado do primeiro
distrieto da freguezia de S.-Lourenco o capitao
Antonio Jos Duarle. -Communicou-scao che-
fe de po|eia.
Rila.Horneando coronel chefe da segunda
legio da guarda nacional dn municipio do Bo-
nito ao lenle coronel do respeclivo 4. bala
Hio Francisco de Mederns Cabral.SlentllP
cou-se o commandanle superior da referida
guarda nacional.
a Tcnho confianc,a que quando mesmo
os deveres que tem a cumprir para com os
Glhos que lhe eu dcxo a nilo ligassem
sorte de minha familia, a lembranca da-
quelle que a amou mais quo a nada no mun-
do a associaria a todas as diversas alterna-
tivas de nosso futuro, e causa que segui-
mos. Helena conhece minhas ideias ar-
dentes e absolutas a este respeto, e sabe
quanto eu deveria soffrer se imaginasie quo
ella se hava desviar da rbita de minhas
sympathiaso deveres. He osta conlan^a,
13o plenamente justificada at ao presente
pelo nobre carcter, espirito elevado o de-
dicarlo de Helena, que ino Taz desojar que
ella fiqtio incontcstavcl e exclustvanietito
oncarregada da educscRO do nossos lilhos.
Nilo deixarei de accrescentar que, se
por fatalidade a autoridade do rei n;To po-
desse velar sobre mcu filho primognito
at sua maioridade, Helena se dever com
todas as suas frcas oppr a qualquor ten-
tativa tendente a colloca-la na regencia,
com oxclusilo de met irmflo Nemours, ou
em falta sua, do mais velbo de meus ir-
isaos.
Deixando, como lie do seu dever e ule-
rease, todos os cuidados lo governo a miios
viris e habituadas a brandir a espada, He-
lena se deJicar toda smente educaco
de nossos filbos com a mcsiria aJbesao que
um consagra.
He una larefa ar.lua o espinliosa pre-
parar o conde de l'aris para o destino que o
espeta: pois que ninguem podo saber des-
de agora o quo ha do ser esto menino
quando se tralardc reconstruir sobre no-
a vas bases una sociedado que existe boje
i edificada sobre os destrozos mutilados e
mal combinados do suas precedentes or-
i ganisar^oes. l'orm, qur lenha 0 con-
de de Paiis do ser um desse iostrumentos
despedazados antes de servirem, qur tonlia
de vir a ser um dos operarios dessa grande
regencraQJo steial, quo ja se deixa entre-
ver alravez de gran.los obstculos, e <|ni-
ca de rios de singue, qur tenha de ser rei,
qur o humilde e obscuro defensor do urna
causa que todos nos peitencemos, he mis-
en] todo caso, um homeiu do
um dia digno de ter entre suas m.los os des-
tinos da mais bella causa, que desde que ha
christianismo tenha jamis sido advogada
peranle o genero humano : possa elle ser o
apostlo desta causa, o, se necessario r,
seu marlvr.
Isto mesmo repetir Helena tambom ao
met filho segundo quo devora dentro om
pouco dar a luz, se fr liomem : o quo acon-
tecendo, devo dizer quo tinha pensado dar
esso menino o nomo do folierio Philippe,
pedir ao rei que lhe dtose o titulo de prin-
cipe de Argel. Se, porm, fr monina, de-
sejo quo so chamo Hara-Jmtlia-Augntta-
l/elena, e que no dia de seu nasoimento re-
coba o livro de horas que eu mandei fazer,
o ao qual s falta accrescentar o escuJo de
armas.
Vou tratar agora de dispr do que me
pertence. Nilo .lenho dividas nem econo-
mias; no possiiindo mais do que a minlia
ilotaclo que era apenas sullii'ienl'', nilo to-
nli i fortuna que deixar a meus lilhos: as
nicas colisas de quo posso dispr silo mo-
vis; di'ixi'.nortanto.lodos os meus quadros,
armas o objeclos d'arte ao cundo de l'aris,
excepto as pecas indicadas ncsla minlia ul-
tima volitado. Se depois do liquidadas to-
das as alindas conlas sobraren! algnns lui-
zes, desejo que essa soturna, qualquer que
possa ser, seja destinada a prodqzir um
rendimento para Helena, pois sei que Iho
ha de ser isto grato, nflo pelo valor, porm
pela inteneflu. Se fr preciso vender parte
dos meus csvallos ecarrusgens, o producto
dessa ven In sera iguslfliente junto ao capi-
tal que quero deixar a minha chara II lena.
Ousnto so estsbelecimento de crlsfffo
cavallar um Meudon, cuj) u'.o-fruto o rei
me havia dado, seria para desojar que so
conservasso, por ser um eslabelecimonto
verdsdeirsmenle bello e til, o me parece
quo a melhor maneira seria deslinar orei
urna somma annual para a sua manulenija'o,
tomando por termo medio as despe/.as feitas
nos seis ltimos anuos, o enes fregando da
administracffo a mcu ir inflo Nemours que lio
entendido e administra coin milita ordem,
o a quem recotnmendo quo conserve no lu-
gar de director do estahelecimenlo ao Sr.
WU Vmpo e da naeflo que seja catholico Cmbis, que sabe de todas as traditcoc.-c
e servidor enthusiasla o exclusivo da I'ran- n
ea eda revolucHu.
Estou cerlo que, emhora fiel s suas
couviccOes religiosas, Helena escrupulosa-
ment educar nossos (llios na religiilu do
seu pai, nesta religiilu que a Tranca sempre.
professou e defendeu, cijos principios es- "" ^ ^ a ,
Lilo Wo perfciatiiente de ac.'rdo com as ldo oidlnlnirade contado que eu^Iver.se-
qii scmp'0 tralou coin desvelo desiji es-
ta!, eleciinento quo se nao deve deixar ir em
decadencia. Como gastei ahi grandes sotu-
rnas para renovar quasi todas as rar-isdo
animses, seria, me parece, justo quo a nova
adminislrnco dosse urna indetnnisar.ro aos
bem como
filho deve consagrar-se.
Sem querer nom po lr tracar de ante-
milo um plano de eduesoflo para meu lilho,
indcarei comtudo alguns pontos principios
da estrada que ello deva seguir. I) sejo
que principie logo cedo a rtriRll lm-, j-- ,. djs,0 |0 ,,, ,,.
coas eslr.nge.ris, e denois a hiatoris, que mM deH. dependa par. conscr-
devera sn.monte profundar. r|, deri
. As prendas de p.ss.tcmpo n0 0 deve- va-lis unto m. i dos d \ s
rHooccupar scnilo como aecessorms, pnn- ir amigos ai ,i..,lenl(K e o Sr de
eip.lmenleemqu.ulo nflo livor concluido a oltaaM que me f"*do e osr de
educaeflo publica de seus contemporneos. Boismilon que n educou. I), s 1 s
Espero' que" daqui al la urna completa re- g&^^Wtot
forma no ensino cadem.co o pora mais cm Helc.ia, ^^^J,^, ,rboti d()
que deixe pensos s pessoas que me leem
sido dedicadas; recommendo-as,portanlo,
com todas as veras do meu coracHo ao rei,
rainha o toda minha familia, afimdeque
I para o futuro nada soffram com a minha
EXTERIOR.
TESTAMENTO H0 DUQUE DE Oftl.EANS.
harmona com as necessidades da soceda-
de. Porm,- como qur que seja, peco quo
meu (llio passe por esta prova de instruc-
eflo publica, que he a nica que, em um se-
culo em que nflo ha outra gerarchia possi-
vcl senflo a da iiitelligenca e da energa,
possa nelle desenvolver complelamente es-
tas duas facublades. Sa bem mo quelra
que meu filho entre na escola pnlyli clinra,
desejo to lavia que Uqtt o exame publico de
admssfo nessa escola Quando comecar
sua cirreira o seus trabalhos militares, de-
sejo que sirva pritneiramcntc na inlantaria,
nessa. arma nacional dos Franceses, ha tan-
tos seculos, ecm cujas lileiras lera de alis-
lar-se lodo o povo no dia emque se tentar
executar contra a Franca, contra as ideias o
a dyn.stis, a sentcnca de ha milito profe-
rida contra esses Ilustres contumazes.
a Porm o que principalmente recotnmen-
do minha querida Helena, e para o que
lambem muilo cont com a rainha, be
CopiVido o 13 de maio de 1848 de urna copia /-ldirecclo moral da educaeflo de meu filho,
rada do original que te achou Tulheriat 5o la impresscs que elle nflo podera achar
a 24 de fevereiro de 1818
Se o dever sagrado que vou preencher de-
ve ser o ultimo do urna carreira sem brilho,
mas sem mancha, estou certo que toda mi
nha familia nilo ver na expressflo de mi-
nhis ultimas vontades senlo mais umi ma-
neira de testemunhar-lhe a affeicflo e rero-
nhecimenlo que lhe consagro, subminis-
trando aos meus, quando en deixar de ex-
istir entro elles. o meio de re.lisar alguns
dos pensamentns q baixaram commigo i
sepultur.. Porm, ai.tes de indicar estes
desejos que eu talvez nilo expenda aqui de
urna frma legal, por saber que entre nos
tal precaueflo lie desnecessaria, sintoserdo
meu dever tributar o meu repeiloso reco-
nhecimento ao rei que sempre me tralou
com tanta bond.de. rainha a quem devo
'tanto, e minha lia que sempre me amou
como a um filho. .
Posto que esteja certo que minha ra-
milla, cuja uniflo indissoluvel m#e conhe-
cida, ha de fazer por mlm 0 que eu em igua
caso faria por qualquer de seus membros,
que se ha de intimamente associar a todi
it minhi arfeicflo para com a minha chara
Blena, nflo obstante, ouso crer que nova-
ento recommendando ao re, rainha, a
mam irniflo Nemours, i minha tu, e lodos
eus irmflos o irmais, squella que me
tao feliz, sera isto um laco de mais
olla e. minh. familia, d. qu.l ella.
capero, comp.rtilh.r inteir.mente os
desllios.
laeler
os
nem nos livros, nem as lices de seus mes-
tres, e que convir dar-lhe o mais cedo pos-
sivel.
Helena sabe que minha fn poltica me he
anda mais chara do que o meu estandarte
religioso; sendo minhas convieces o que
tenho de msis charo no mundo depois de
minhas affeices, tenho todo o empenho de
lega-las a meu filhn, au pelo vflo orgulho
de julgar-meinfallivel, mas por un profun-
do e medalo senlinicnlo do fideiidade :
alem de que boa nica heranca que lhe eu
posso deixar, nao tendo a transmiltir-lhe
nem fortun, nem uiu nome, queeu me te-
nha feito, nem urna espada de que me le-
nha servido. Porm legar-lhc-bci cousa
melhor que tudo isto, deixando-lhe o que
mais deve encantar urna alma elevada;
grandes deveres a desempenhar, e obstcu-
los immensos s superar para ptcench-los.
i egan lo-dliu a defesa do um paiz o de
um principe amea<;ado, devo ao mesmo lem-
po legar-lhe a f do direito e do triumpho
de um e oulro. Possam estes pensamentos
e osta dedicacSo, morios em inini sem que
tivessem sido ^aplicados, germinaron) no
coracao de meu lilho ; saiba elle, possuido
de alIVirn o pe. Franca, ser sem (re o seu
cuniplice, ejm.is o seu tutor, c uo pen-
sar em seus avs senflo para leinbrar-se que
a grandeza de su. ra(a s serve para impor-
lhe maiores deveres. Possa elle nflo sabor
3iio he oriundo da primeira familia do mun-
o senflo yara desvanocer-se, e toru.r-selirmfloso/epoio que tinbaommim
gener. -- ,
coronel Ciard, dosSrs. de Mont-guyon, de
Ch.bsud la Tour. d'Elchingen. Ilertin de
Vaux, Munster, l'asquier, de Catiibis, de
Boismilon, recommendando particularmcn-
le minha familia os Srs. deChahaiid la
Tour cdT.lchingen, por seren aquelles a
quem mais provas desejo dar do meu reco-
nheclmento, e com quem fui mais eslroila-
mente ligado.
No posso indicar o que se deva dar
cada um delles, deixando inleiramente ao
coraefla dos meus a escolha da recompensa
da dedicaefio, cuja lirnieza e coiistancia to-
dos nos tivemos ogtfU de apreciar.
a nccommeni ^cKlcovcr, que me
teem servido lielH H principalmcote o
primeiro que sen^^M moslrou u
rajosa dedicaQo,
a Se nao tivesse escripia tao a pressa esta
nota quo nao terei tempoe passar a Itmpo
deveria, antes de fallar de qualquer outr.
cousa, dizcr.que,nao tendo nada que deixar
ao rei e a rainha, Ibes rogo de escolhcrem
d'entre ludo que me pertence, sem excep-
eflO algum, nem mesmo dos objictos a que
ou j tenho dado oulro deslino, a lembran-
ca quo mais lhes agradar, e que Ibes pec,o
conservern por amor de mim.
.i Quaulo a todos os oulros membros de
minha familia, a quem desejo deixar um
penbor qualquer de minha amizade sem li-
mites para com elles, encarrego Helena de
cscolher do que me pertence o que melhor
Caibl a cada um do'.lcs, mencionando-as
aqui tao st'uncnte para dizer-lhes adeos do
fundo do meu coraeflo, e repclir-lhes por
mais esta vez o interesso que tomo nos seus
destinos. Comeco por Nemours que lera
de ser o che fe da joven familia, e a quem
amei mais do que a um Irmfl'i. He com a
confianc,a quo me inspira seu carcter leal
que ovejo encarregado de um lito grande
futuro, como o que diante delle se abro, c
que sei quo hajJc justificar a divis.
Uno avulio, non dficit aller.
c Agradeco tambera a minha ta todas as
suas bondades o alTeico para commigo.que
estou certo que trusmiltir a Helena e
nossos lilhos.
Digo adeos minha irma Luiza que
foi sempre urna amiga tflo tern e pur. para
mim, e deixo a seu lilho Philippe, meu ah-
lh.de, o pequeo monumento que me es-
culpi Triquely.
< A' minbfc irmfla Clementina, tao digna
de ser feliz, quo ha de encontrar em meus
. A meu irmflo Joioville. a ** co-
mendo que se esforc a cultiva!-as nohres
qualidades que mo tornaram tflo charo.
A meu irmflo Aumale, que, se desen-
volver com seria ppliear,3o o germen que
om si tem. poder prestar bem grandes ser-
vicos Franca. ......
' A meu irmflo Montpcnsier, que deve
tambera tornar-se til .o semeo commum
da famils. ,,, .._
A meu cunbado o duque de Vturtem-
bcrg, a quem amo, por ter feto a felicidad
de minha irma. M.ria ( declarando de pas-
s.gcm que desejo so continu a pensao que
cu dava a meu sobrinho Philippe do Wor-
teinhorg : o qu recommendo a Helena.)
Digo adeos excellente grfl-duquei.. a
quem muito .mo, o encarrego a Helena e
dizer-lhe se eu correspond ou nflo i prova
de conli.nca quo mo deu cntregando-mu
sua filha. Peco a toda familia que, se a gra-
duqueza se quizer estabelecer em Franca, a
adopte como um dos seus membros.
So a princeza Victoria estiver no nume-
ro dos de nossa familia, como eu o desojo
para relied.do de meu querido irmflo, eu
lhe digo lambem um .dos, e desejo que o
primeiro fructo dess uniflo.que tantodese-
jei, receba do Helena um signal ua aireicSo
queeu lhe cons.gr.ri.. '
l'.ecommendo a todos meus irmaos e ir
mitas de sacrilicarem* mutuamente ludo a
conservar;.1o da cstreit uniflo que entro
nos reina, e que eu tanto desejsria msnter;
que tudo seja commum enlre elles, bolsa,
pensamentos, emoces de todo genero ; que
no sejam mais do que os membros de um
mesmo corpo animado por urna so alma.
Que seu principio sej. : Todos p.r. um,
um pan tolos. o que nflo pensem mais
dora em diante cm mim senao p.r. subs-
tituir a frca quo i f.mil. perder com mi-
nh. morle, augmentindo o seu valor in-
dividual pelo seu. trabalho e conducta
honrada. .
a Depois dos membros de minha ramilla,
que acabo de nomear, s pessoas que con-
tribuirn! para o casamenlo que fez a Teli-
cdade da minha vida.
N3o soi se deva pronunciir aqui o nomo
do rei, para quem tenho pesoal adhesSo.' He-
lena far o que lhe parecer melhor. No-
mearei, porm, os Srs. prncipes de \Vt-
rgenstein, de Schilden, deltautzau, Mme.
de Bnnswitt; de liautengs, o Sr. Flouns
que entabolou a negociaeflo, o condo Bres-
son que repulo um amigo distincto, o du-
que de Broglie quetambem teve parte nes-
le negocio, e o conde Mel que o concluio.
Como foi elle que me casou, que presen-
ten a meu filho primognito, como foi elle
que solcnisou o meu catamtnto rom o or.nok
ero-da ammstia, o primeiro p.sso dado
para a fusflo de lodos osFrancozes pelo es-
quecmenlo do pass.do e um inleressso
commum no futuro, quero legar-lhe um
especial lestemunho de meus sentimentos,
e lhe rogo que aceito os dous qu.dros de
Mignon do meu amigo SchelTer, que sflo os
que mais estimo na minha collecQflo.
ii Desejo quo Helena d um. lembranca
minha a Mine. SchelTer, aos Srs. Guilhero,
l.eroy, Bochcr, aoSr. o Sra. Fl.h.ut, .o
Juque do Coigny, a Sra. Assclno que mo
preslou lanos e tao bous servicos, e que es-
pero continuar a prestar a meu filho, e
Sra. d'Audenart. que ha onze anuos que
tom sido para mim urna boa amiga, eque
me lem dado os melhores conselhos.
Se tiesta exposieflo, feita pressa, me
esqtieccr do algum.s pesso.sa quem dese-
jusso deixar urna lembr.n?., Helena, que
conhece todas as minhas relaces de ami-
zade, suppriri cstaomissflo.
l'olgaria muito que o marechal Soult
que sejiipre foi tflo boin para commigo, quo
os marechaes Clausele Vale, sb cujas or-
dens tive a fortuna de servir, quizessem
ler a bondade do aceitar urna lembranca
minha.
Junto esta nota urna carta sellada para
Nemours, que lhe ser entregue com urna
carteira om que se acham lodosos meus
papis, o que Oidor sabe qu.l seja.
Desejo que todas as notas quo tenho
escriplo sojam rotas e queimad.s. Fin.l-
monto, j que he preciso tambem dizer urna
i alavra a meu respeito, desejo que meu en-
L
ierro seja sem pompa,
Eu evitei durante a minha vid., o m.is
quo pude, tudo o que me paroceu cmico,
o n3o quereria depois de minha morle in-
commodaromudo, nem .ind. menos quo
meu cad.vor servisso par. um mascarada
posthuma. cujo resultado seria fazer boce-
ar aos ndiflerentes e divertir aos curiosos.
A ultima linha deste escriplo ser con-
sagrada a pedir perd3o as pessoas a quem
eu possa ter offenddo, dizer mus outro
adeos a minha familia, a quom eu logo meu
espirito de unio, thesouro J^WqMOS
ha de lev.r bem longe se delle se soube-
rem servir para exprimirem meus votos
ardentcs pelo triumpho da causa franceza
n,nM"nh.'ultim. palavr. ser a meus lilhos
na minh char. Helena.
6 Amamle l'hilippe dOrleant.
, Toulon iVar;, 9 de abril de 1840. >
(Prtut.)
(Comi Mercantil.)
PE NAMBUCQ.
SIPPLKNTES HOS ELE1TORES DA FRECl'F-
ZIA DESAN-FR.-PEDRO-GONCALVES.
OSSS. VOTOS.
Antonio Joflo da Resurreicfloe Silva 140
Jos Joaquim de Oliveira 139
Antonio Jos de Castro 131
V i garie Francisco Ferrer Brrelo 103,


.leronymo Jofio Pinto 60
Luiz de Franca o Mello Jnior 5
Francisco Jos Silveira 23
I.uiz Antonio Vieira 21
Dr. Cosme do Si Pereira 17
Maunel Antonio da Silva Antones 16
Jos Joaquina de lima | 16
Jofo Cardoso Ayres 16
Domingos Alves Matheus 10
Bernardo Cardoso Ayres 10
Joaquim Cardoso Ayres 10
Manoel faldas Barreto 10
Salustiano de Aquino Fonseca 10
Luiz Antonio de Siqueira 10
Padre Ignacio Francisco dos Santos 10
Antonio Jos Leal Reis 10
Antonio llenrique Mafia [Jnior 10
Jos Bernardas de Souza 10
ELEITORES DA FRF.CUF3IA DF^SAN-JOSE.
o sai. votos.
]>r. Tliom Fernandcs Madeira de Castro 450
nomo. Cumpre, portanto, fin de esclare-
cer o publico e chamar a attencfio dos de-
ferentes collogios da provincia declarar
miii explcitamente que nfio foi exacta
aquella lista : Monsenhor Muniz Tavares he
nolla incluido, e ncm poda deixar de ser
quem como elle tom prestado tilo relevantes
servidos esta provincia, oque, vendo os
desregramentos do incomparavel Chichor-
ro, nio so pode conter; alcou contra elle no
parlamento a sua voz eloquente amaldico-
ando de todo o coragfio aos quo com tal ho-
mem cobriam de opprobrio ao seu paiz na-
tal. Monsenhor Muniz Tavares honra a
provincia que lite deu o ser; seu 110me nfio
pode ser jamis esquecido pelos seus cos-
patriotas ordeiros.
,2>
Dr. Joaquim Vilclla de Castro Tavares
Antonio Lopes Pereira do Carvalho
Jos Higinio de Souza Peixe
Joaquim l.urio Monteiro da Franca
Manuel Ferrera Accioli
Jos Lucio Monteiro da Franca
Francisco Baptista deAlmeida
Manoel Jos Teixeira Bastos
Amaro Benedicto de Souza
Francisco Martins dos Anjos Paula
Joaquim Pedro dos Santos Bezerra
Joo Baptista deS
Joaquim Clemente dos Santos
Manoel Joaquim Ferreira Estevcs
Concalo Lopes Lima
Antonio Francisco Xavier
Francisco Carneiro da Silva
Torquato llenrique da Silva
Joaquim Antonio de Castro Nanea
Manoel Flix Alves da Cruz
Joo do Brito Correia
Joo Francisco Itegis dos Anjos
Joo Rodrigues-da Silva
Antonio da Silva Cusmfio
Joaquim Francisco de Mr lio Santos
SUPPLENTES.
OSSRS.
Francisco JosVianna
Manoel Fonseca de Medeiros
JoiioMorcira de Mondonga
Jofio Baptista deCaivalho
Antonio Mnreira de Mendonca '
Thomu Pereira Pinto
Antonio Francisco Dias
Joaquim Jos dos Santos
Jnnucencio da Cunta Coianna
Anastacio Xavier do Couto
Francisco do Oliveira Mello e Silva
Miguel Jos da Silva
Justino Pereira doAndrado
Joaquim Antonio de Santiago Lessa
Manoel de Almeidn Lima
Luiz Francisco Moreiaw de Mendonca
Antonio Paulino da Silva
Justiniano Antonio Alves Soares
Jos Carlos de Souza Lobo
Manoel da Silva Couto
Jos Concalves da Silva Bastos
Uaudino Jos Raposo
Joo Saraiva de Araujo Calvilo
l'adra Manoel Adriano de A. Mello
Padre Francisco Joaquim Pereira
J rancisco Epifanio de Souza
456
44G
4(3
440
440
433
432
430
426
421
42-2
422
422
422
421
421
418
418
418
415
415
413
412
412
411
VOTOS.
59
58
57
56
56
55
55
54
53
5<
50
49
48
46
46
46
44
43
42
40
38
35
35
34
32
32
comme-acio.
ALFANOEGA.
Rendlmento do dia 9.....17:274,432
CONSULADO (ERAL.
Rendimento do dia 9....... 686,596
Diversas provincias........ 27,284
recobido da inspectora da alfanJega, sb
pena de incorrerem os infractores na multa
que, por desobediencia,Mlies pdem impr a
capitana e alfandega.
Capitana do porto de Pernambuco, 9 de
agosto de 1849.Rodrigo Tkeodoro de Frei-
tai, can i tro do porto. _______________
Declaracoes.
A cmara municipal desta cidade faz
sessfio extraordinaria no dia 13 docorronte.
OsSra. boticarios Luiz Pedro das Ne-
vos, Francisco Jos da Silva Araujo, Braulio
Rodrigues Teixeira, Vicente Jos de Brito e
Manoel Elias de Moura pdem mandar ver
na cmara municipal os Irnos que deram
para rubricar-se.
dos compradores: terca-feira, 14 do cr-
ranle is 11 horas da manhSa em ponto,
no largo defrqutc da porta da alfandega.
-- Vicente Ferreira da Costa far leilfio
terca-feira 14 do correnta is 10 horas da
mantilla, no seu armazem da ra da Ma-
dre-do-Deos, deSOcaixas de massas, 120
barricas com bolacha e urna por;9o de
charutos.
11 -1-----------1
Avisos diversos.
Publicaran Iliteraria.
713,880
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia !).....
405,436
M o violento do Porto.
Navios 1ahdos no dia 9.
Ilamburgo com escala pelo Canal Escu-
na ingleza An/i, capitfio John Dusell, car-
ga assucar.
Terra-Novabrigne inglez Cynihia, capi-
t.lo Willam Coldsuortty, etn [lastro de
arela.
EDITAES.
ELEITORES DA FRECEZIA DEMARAN-
CUAPE.
OS SRS. VOTOS.
Commandante superior Francisco de
Paula Souza Lelo 382
Coronel J. Cavalcante de Albuquerquo 382
Capitfio Manoel F. de Souza. Lefio 382
Capufiu-mr Joaquim M C. da Cunha 382
lente Jos Lucio T. Cavalcante 251
. ; M?Ilel J>'aquim Carneiro da Cunha 250
Jofio da Cruz Fcruandes Souza 248
Pela inspectora da alfandega se (/
publico que, no dia 10 do correte, se hfio
de arrematar em hasta publica, na porta
da mesma, rlepois do mpio-dia, 50 couros
seceos com 1089 libras, avadadas pela tari-
fa a libra 160 rs. total 174,240 rs. : appre-
bendidos pelos empregados da conferencia
do patacho dinainarquez Apenrad-Packel,
por nao vrem manifestados : sendo a arre-
matarlo lvre dedircilos.
AlfanJega de Pernambuco, 6 d'agosto de
1819. ~0 inspector. Lui? Antonio deSampaio
Vianna.
Pela inspectora da alfandega se faz pu-
blico qujenlo de se lazer o concert do ar-
mazem n. 1, precisn-se paraomesmo de 4
travs de 31 palmos de comprido e 9 polle-
gadas em quadro, 8 travs de 35 palmos de
comprido e 8 pollegtdas em quadro, 10 Ira-
ves enclianicis de 22 palmos de comprido e
7 pollegadas em quadro, sendo das mndei-
ras sapocaia, emberiha, ou massaranduba :
as pessoas que se propozerem a fornecer di-
tas nimlciras comparegam na inesrna das 9
horas da manbfia al as 1 da tarde, aflin de
se tratar da compra deltas pelo menor preco
que seofferecer.
Alfandega, 8 de agosto de 1849 O ins-
pector, Luiz Knloniods Sampaio Vianna.
O lllm. Sr. Inspector da thesouraria da
fazenda provincial manda fazer publico que,
do da 13 do corrento em diante, principia a
mesrna thesouraria a pagar ordenados c
mais despezas vencidas at o mez de julho
prximo lindo.
Secretaria da thesouraria da fazenda
provincial de Pernambuco, 8 de agosto de
1849. O segundo cscripturario, servndo
de secretario, Francisco Antonio Cavalcante
Coutieirn.
Olllm.Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em virtude da resoluto
do tribunal administrativo, manda fazer
publico que, em cumprimento da lei, pe-
rante o mesmo tribunal,
Joaquim Pedro Brrelo de Meilo Reo 94
CapitiloRaymundoJo.se Pereira Belo 24.
<-apil3uJo Joaquina Jorge 24
Dr. Jos Vellezde Guevara aturrante o mesmo tribunal, vai novamente a
SUPPLENTES. praca no dia 16 do correte o imposta de
os sus. votos. 2,500 rs. por cabeca de gado vaceum que
Capitfio Antonio F. de Souza Lefio 173 for consumido no municipio de Po-d'Alho.
Antonio Rufino de A. Cavalcante 167 avahado annualmente por 2:560,000.
11;.-, A arrematarlo ser feita por lempo de um
164 anno e 10 mezas a contar do primeiro de
162, setembrode 1849 a 30de junho de 1851.
1521 As pessoas que se propozerem a esta
9g arrematadlo, comparcr;am na sala das ses-
49 ses do referido tribunal, no dia cima in-
261 dicailo, pelo meio-dia, competentemente
21 habilitadas.
Eduardo HanielC Vellez de Guevara
Padre Manoel Jos do Nasciniento
Jos Xavier C. da Rocha Wanderley
Antonio Sebastifio de Mello llego
Professor Alexandrino Ayres da Paixfio
Francia o Rufino de a. Cavalcante
Jofio Rezerra de Mello
-Manoel Joaquim de Vasconcellos
Major Antonio de Souza Rolim
ELEITORES DA FRECUEZ1A DA ESCADA.
0SSF.M10RES.
Commandante superior Manoel T. de Jess.
Dito Francisco Antonio de Barros e Silva.
Coronel Manoel Concalves Pereira Lima.
Dito Jos Pedro Velloso da Silveira.
Tenente-coronel llenrique Marques Lns.
Dito Eustaquio Velloso da Silveira.
Major Mariano Xavier Carneiro da Cunha.
Dito Candido Jos Lopes de Miranda.
DitoAndre Das do Araujo.
Dito Coriolano Velloso da Silveira.
Capitfio Antonio M.-de llollanda Cavalcante.
salvador dos Santos Monteiro Calvalcante.
Sebastifio Carneiro da Cunha Andrade.
Tenente Manoel da Rocha Lins.
Dr. Jofio da Hocha delIoHanda Cavalcante
Padre Manoel Jos Pereira Pinto de Lemos
Domingos Pereira do Espirito-Santo.
Francisco Cordeiro Falcfio.
Belmino Velloso da Silveira Lins.
Capitfio Francisco Cavalcante de A. Lins
Jofio Claudiano d'lnojosa Varejfio.
Jos Miguel de Lira.
Manoel Filippe de Luna.
Franciscio Velloso da Silveira Tellej.
er.rino Rodolfo Delgado de Borba.
Jos Claudio Cavalcante de Albuquerque.
Jos Concalves da Silva Prado.
Antonio Carneiro de Lacerda.
Pedro Ernesto Rodrigues da Silva
ilV*avV!'e de Lacerd* apello.
Dr. Fabio Velloso da Silveira.
Communicado.
App.receu no Diario-Novo urna lisalos
candidatos i depuUcfio pelo partido go-
vernista : oeata list. flo ,e.ca ncluTdo
o noine do Exm. Monsenbor Muniz Tavares.
Ignoramos dequefonle beberam acuelles
redactores assu.s informacocs, ou sede
proposito quizeram omiltir tfio respeiUvel
o qual he do te-
E para constar se mandou afiliar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 6 de agosto de 1819.
O 2.secripturario,servindo de secretario,
Francisco Amonio (^^cuntc Coussciro.
Pela mesa dagflBlado provincial se
faz publico, pelo I Jb edilal, o arl. 46
da le provincial fiM^
orseguinln :
Fica concedido por 6 mezes o pagamento
da moia cisa del escravos que seeslvera
dever, contando-se este prazo do dia da pu-
blicagfio dos edilaes, e se nulljicarfio as ac-
edes Ja intentadas contra osdevedores des-
te imposto que o pagaran dentro deste lem-
po, s
E para que ebegue ao eonheciinento
de todas as pessoas, a quem possa interessar
o presente, assina o fugo publico Mesado
consulado provincial, 6 de agosto de 1849
Pelo administrador, o escrivfio chefe da se-
gunda secefio, Thtodoro Machado Freir Pe-
reira da Silva.
Rodrigo Thcodtro de Freilat, official da impe-
rial ordem da Rosa, cavalleiro da de S.-Ren-
to-d'Avii, condecorado com n medalka da
restaurando da Dahia,capitdo de mar e guer-
ra da armada nacional e imperial, inspec-
tor do artenal de marinha, e capitao do por-
to deita provincia, por S. M. I. que Dos
guarde, etc., ele.
Faz saber aos praticos das barras, palres
das lanxas empregadas no servico dos ms-
anos, e todos os demais-individuos orcupa-
dos nas embarcarlos do trafico do porto,
que deverfio atracar as barcas de viga da
alfandega tanto quando sahirem a qualquer
sci vico para os ancoradouros do Pogo.l.ami-
nlias e Lameirfio, como quai.iio cnlrarem
de taes lugares ; devendo aquellas einbar-
cacOes que salurem pelo norte atracar a
barca de viga da alfandega que se ada
rundeada confronte aopharol da barra, e as
quo salurem pelo sul na bttc que existe
naquelle lugar, afina de que asWncionadas
barcas possara cumprir as or*ens que lea
ndice chronologico, explicativo e remistivo da
legislando brasileira, desde 1822afe'1848.
Sendo da mais reconhecida utilidade pu-
blica a confecgfio de urna obra, que, extre-
mando e aprasentando por extenso a parte
da legislaQfio brasileira que est em vigor,
e mencionando em resumo as leis ou decre-
tos que nomcaro vice-presidentes de provin-
cias, criam escolas, concodem cartas de na-
turalisacfio, conferem pensOes, eslabele-
cem regulamentos, e urna infinidade de ou-
tras semelhantes disposicOes legislativas
que so a urna ou outra pessfla, a urna ou
outra corporaefio inleressa saber em toda a
sua extonsfio, reduzis.se a oito volumes, pou-
co mais ou menos, os vinte e cinco a tr uta,
de queja consta a colleccfio das leis do Rra-
sil impressas na typographia nacional;
pois que poresse modo, alm da diminuiefio
do custo a menos de dous tercos, obtem-se
a vantagem de se achar com muito maior
facilidade urna lei que se procura para ser
consultada, e de se saber ao mesmo lempo,
se ella est em vigor, ou se est revogada
ou alterada por outra, ao mesmo passo que
urna semelhante colleccfio de leis se trans-
porta multo mais fcilmente de um para ou-
iro lugar: incumbio-se desse arduo traba-
Iho o Dr. juiz de direito Antonio Manoel
Fernandcs Jnior, o qual acaba de dar i luz
no Riode-Janeiro o primeiro volme de tfio
til obra, comprehen.lendo em 200 paginas
in folioalegislacfio brasileira de 1822i 1830.
Varios exemplarcs desse primeiro volunte
exislein ja nesla cidade em mfio do Dr. Lou-
renco Trigo de Loureiro, actualmente resi-
dente nas lujas da casa do lllm. Sr. desem-
bargador Bastos na ra da Aurora, onde os
Srs. Drs., lentos e estudantes do curso jur-
dico, advogados, juizes municipaes, pro-
motores, delegados, cmaras municipaes e
mais pessoas que quizerem subscrever para
a impressfio de referida colleccfio pdenlo
mandar por carta a deelaraefiodo seu nome
e residencia ou declara-lo por este Diario,
lim de Ibes ser entregue o dito primeiro
volume, e os subsequentes a proporgfio que
frem sahindo da imprensa.
O prerjo da colleccfio para os assignantes
he de 31,000 rs. pagos na occasifio da eutre-
ga do dito primeiro volumo e de 50,000 rs.
para os que nfio assignarem, aos quaes se
vende desde j o dito primeiro volume no
lugar cima indicado por 6,25.0 rs.
Avisos martimos.
-- Para o Rio-de-Janeiro sabe com brevi-
dade a polaca N.-S.-do-Carmo : para carga
ou passageiros, trata-secom o sou consig-
natario, Francisco Alves da Cunha, na ra
do Vigario, n. 11.
Freta-se para qualquer porto o brlgue
francez /Irmery-Ke, de perto de 3,800 sac-
cas : quem o pretender dirija-se aos seus
consignatarios, N. O. Biebor & C. na ra
da Cruz, n. 4.
l'aia o 1> io-de-Janciro salir,
por estes oilo dias, o brigne nacio-
nal Bom-Jesus : para o resto da
carga, passageiros e escravos a fre-
le, Irala-se com o capitao na pra
ca do Commercio, ou na ra da
Madre-dc-l)eos, n. 3 terceiro
Jos de Barros Falcfio de Lacerda faz
saber que fica de nenhum olTeito a procura-
cSo bastante que elle declarante deu ao Sr.
Francisco de Moura Acciole para a cidade de
Coianna ; devendo portanto cessar os po-
deres que, em virtude della, fratn conce-
didos ao mesmo Sr. Moura.
Precisa-se de um qaixeiro nacional ou
estrangeiro para urna venda : a tratar na
ra do Trapiche-Novo, n. 28.
AyiSO IMPORTANTE.
Acaba-sede terseria noticia, de os escra-
vos abaixo mencionados ailaren) pelos
suburbios desta cidade rommeltcn lo mu-
llos e sendo a noite recolbidos em diversos
sitios, por consentimento dos escravos;
portanto previne-se a qualquer que nisto
possa interessar-se, e para que mellior pos-
sam ser capturados. Adverte-se que, po-
dando ronslar-lhes deste aviso, queiram
evadir-se para maslonge, eassim pois, pe-
de-se toda vigilancia nas estradas e lugares
syspeitos, para poderem ser apprehendidos.
NSo obstante darern a cerleta de cstarem
tfio perto, podc-se encarecidamente s au-
toridades e a todas mitras pessoas dos luga-
res longincuos, de continuaren) na inces-
sanle diligencia para os aprisionar, para o
que segu este outro annuncio:
200,000 rs.
D-se esta quantia de gralilicacfio a quem
levar ao engenho Agoas-Claras, de Uruc,
da viuva do Burgos, ou nesla praca, no
pateo do Carmo, n. 18, segundo andar, a
Antonio Carlos Pereira-de Burgos Ponce de
Len, os dous escravos seguinles que fu-
giram nos dias sabbado para domingo, 26
a 27 do corrente : Vicente, pardo de 26 a li-
nos, de altura regular, cabellos creacidos e
carapinhados, testa sobresabida olhos pe-
queos, nariz chato, tomador de tabaco de
caco, rosto descarnado e com espinhas,
sem nenhuma barba; levou 1 camisa do ma-
lapolfio, urna caifa de casimira usada, urna
jaqueta de brelanha, um bonete de velludo
azul ja usado, um chapeo de palhe, um
dito de pello preto : Joaquim, crioulo, bas-
tante preto,de38 annos, alto, secco, cara
pequea bem barbado ; tem o costume de
levar a mfio i barba ; he gago ; andar com-
oassado ; di/em ter mfii em Pajah-de-Flo-
res; foi escravo do capitfio Leandro Bandei-
ra de Moura do Apody o qaal se acha pre-
sentemente na comarca de S.-Antfio, e tem
um sitio cm Cravat; presume-se terem
partido para o Apody ondoha muitos pa-
rantes do dito Moura; comquanto o primei-
ro andasse sempre em viagens dos sertOes
do sul ao puente, com os cobradores desta
casa : esto ultimo escravo levou um chapeo
preto de pello e outro de como, duas ja-
quetas brancas, 1 caifa do In un pardo 1 di-
ta de nscado 1 camisa de madapolfio,
duas ditas de algodflo da trra e ceroulas.
Roga-se a vigilancia uestes dous escravos,
que viudo com milita brevidade, serfio
gratificados anda com mais do que se o flo-
rece.
and. r.
Para o Cear sahe impreterivelmonte
no da 20 do corrente o brgue-escuna Fe-
lis-Yentura, por ter parte da carga promp-
ta para o restante i passageiros, trata-se
na 1 na da Cruz, n. 33, com Luiz Jos de Sa
Araujo.
Para Lisboa pretende sabir por todo o
corrente mez o brigne brasileiro tiriatoA
por ter a maior parte da carga promtpa: pa-
ra o restoe passageiros, para o que offerece
os mclhiues commodos, trata so com os
consignatarios, Tliomaz de Aquino Fonse-
ca & Filos, na ra do Vigario, n. 19, pri-
meiro andar, 011 com o capitfio na praca.
Para o Aracaty tem de seguir viagem o
biale Noro-Olinda, mestre Antonio Jos Vi-
anna : quem nelle pretender carregar, se
entender com o niesmo mestre no Trapi-
Nuvo, ou na ra da Cadeia-Vclha, 11. 17, se-
gundo andar.
Para o Maranhfio pretende seguir via-
gem, por estes tres dias, a bem* condecida
escuna Gulante-Maria : anda |de receber
alguma carga e passageiros, para o que tra-
ta-se com Silva & Grillo, na ra da atoa-
da, n. li:
PMBBBBBBaVI
Leudes.
C. J.Astlcy fari leilfio por interven-
Cfiodo correlor Oliveira, de 5caixascom
couro de lustro : sexta-feira, 10 do cor-
rente s 10 horas da manha, no seu arma-
zem da ra do Trapiche-Novo.
Scliafheltlin& Toliler farfio leilfio. por
intervenefiodo correlor Oliveira de gran-
de vanedade de fazendas de seda, linlio, lila
e de algodfio as mais proprias do mercado,
e que serfio vendidas para ulliniacfio de
vanas emitas, antes da prxima retirada
para a Europa do socio Schaflieillin : segn-
da-fera, 13 do correte, is 10 horas da ma-
nbfia em ponto, no seu armaaem da ra
da Cruz.
Machado & Pinheirofarfio leilfio, por
conta e risco de quem pettencer, e por in-
tervenefiodo coiretor Oliveira, de lOOJiar-
risinteirosdemanteiga ingleza, sb duas
dilTerentes marcas, viudos prximamente
do Rio-de-Janeiro
4 I
Na praca da Independencia, fl
; n. 10, ao voltar para a ra
|j das Crtizes, alugam-se, ven- p
I dem-sc e tomnetn se appli- j
^ cam as mclhores bixas que |
I he possivel liavarem no mer-
j; cado; limpam-se e tiram-se denles %
i com toda a perfeicfio: tambein se ap )
i plicam ventosas com a maiordelica- S
i desa que he possivel, e faz-sa ludo P
.!; o mais que pe tence a arte de sangra- ;'
1: dor: ludo por prego muito rasoavel. $t)

Avisa-se ao caixeirinlio muito bonili-
nho de certa loja de fazendas da Roa-Vista,
que mellior ser que continu com os seus
passeios de carro, o frequentar as socieda-
des thealraes, porque com iso nfio incom-
mda ninguem, antes concorre com osco-
brinhos, do que continuar na missfio de
seus namoros tfio clicios de immoralidade e
com tanto escndalo que privam das fami-
lias chegarem is janellas.
-- Aluga-se no Monteiro,a casa terrea
contigua ao sobrado que fica defronte do
Sr. Joaquim Tiburco,, com lodosos com-
modos e que he ptima para so passar o
verfio : a tratar na ra da Aurora n. 48.
O Sr. Pedro Muniz Barreto do Aragfio
e Menezes queira dirigir-so i ra da Cruz,
n. 33, casa de Si Araujo. afim de receber
una carta da Babia, c urnas encommendas
vindas na sumaca Flor-do-Angelim.
Opera da IN orina
Quem annunciou querer comprar a opera
Norma da maneira que exige, dirija se i
ra da Cruz venda n. 32, que achara moi-
to mais em conta do que em outra qual-
quer parte.
Aluga-se a loja do sobrado da esquina
dos Quatro-Canlos, em Olinda muito pro-
pria para venda ou nutro qualquar esta-
belecimento por ser um dos melhores lu-
gares daquella cidade: lambem se vende
urna armaefio que anda nfio foi servida, e
que pode sor transferida para dita loja : as-
sim como se vende urna casa terrea, com
salaegubinelena frente, quintal e cacim-
ba, sita na ra da Bica-de-S -Pedro-Martyr,
junto a casa de sotfio confrontan lo com a
ra que vai para Boa-llora : a tratar na ra
do Livramento n. 8 ou em Olinda ra de
S.-Pedro-Novo, casa terrea da esquina, com
cornija^arella. "*
O Jffaixo assignado faz publico pelo
piesenteque, no dia primeiro do corrente,
yendeu os Srs. Narciso Jos Netlo e Jofio
Jos dos Santos a sua taberna da praca da
Boa-Vista, n. 15, que outr'ora pertenceu a
socieda-Je de Paulo Jnior & C., e ulti.ra-
menle ao abaixo assignado, e por isso/ino
os ditos Srs. os legtimos donos da referi-
da taberna desdo aquello dia em diaite
denles a exlincta firma do Paula Jnior
C. entender-se com O mesmo abaixo assiv
nado conforme i por vezes annunciou
Joaquim de Paula Loptt
Quem livor para arrendar un s(
grande, com casa de vivenda arvoredo.
de fructo terreno para plantarles, ern.
lo permanente para 12 vaccas de leite ttt-
rija-se i ra do;Collegio, n. 3.
Aluga-se urna casa terrea em Olndi
na ra do Amparo, n. 31 :a tratar na rJ
da Cadeia do Recife, n. 52.
Adolfo Schafheillen retira-se para ror,
do imperio.
Precisa-se de urna criada poi tuguen
ou das Unas de bons roslumes : na rui ,
Cruz, no Recife. n. 2.
Manoel Joaquim Pascoal Ramos con-
tinua a receber escravos por commissiQ*
para fazer vendas delles, por conta e riw
de seus senhores : quem de seu prostirno
sequizer ulilisar dirija-se ra do Col|e.
gio n. 21 primeiro andar.
Kngo 111 ma-so roupa mais em conta do
que em outra qualquer parte: na ra des -
Cecilia, antigamente abobada da Pentu
n. 29.
Alugam-se e vendem-se superiores b.
xas de Ilamburgo: na rus das Cruzej
n. 40.
Fugo no dia 5 de agosto corrente oej.
cravo crioulo de nome Jos, official de raIf_
ceneiro, quelrabalhira na ra das Cruiei
de idade, pouco mais ou menos, del7in!
nos, com pona de barba, alto e secco do
corpo; levou vestido camisa e calcas de al-
godfio da Ierra : quem o pegar leve-o m
ra da Cruz do Recife, n. 12,em casa de Joto
Leite Pita Ortigueira, que ser gratificado.
Quem precisar de um administrador
Eara engenho, o qual cntende de todo o Uu
alho dirija-se a praca da Independencia,
loja de relojero do Sr. Meroz, que se dir
quem he.
Precisa-sede um feitor que trabalhe,
entenda de arvoredos, de borla e de vaccis:
na Magdalena estrada nova, primeiro por-
tfio de ferro.
O doutor I,ourenco Trigo de Lnureiro
reside actualmente nas fojas da casa d*
lllm. Sr. desembargador Bastos, na ruada
Aurora entrada pelo lado da mesma rus;
e ahi se offerece para advogar, tanto as
civel como no crime, e para ensinar as lia-
goas latina e franceza a quem se qulnr
ulilisar de seu presumo.
Engomma-secom perfeicfio todas qt>
ldade de roupa para homem e senhora, uJ
sim como tambem seensaba por commo-
do prego : na ra da Sonzalla-Nova, na loja
da casa n. 18.
Fugio, no dia 5 do corrente, um tao-
leque de nacfio Mozambique, de nome Joa-
quim; be baixo e encorpado ; levou cai-
gas e camisa de algodfio azul: quem o pa-
gar leve-o' ra da Cruz, no Recife, n. IS,
ou na ra do Trapiche, n. 15, que ser re-
compensado.
Aluga-se o primeiro andar da casa da
ra da Cadeia do Recife, n. 40, com encl-
lenles commodos para escriptorio, ou fami-
lia : a tratar no segunde andar di mesma.
Aluga-se o sitio da estrada do Cordei-
ro, bem conhecido, so proprio para nego-
ciante estrangeiro, ou quem tenha tra-
mento, assim como varios sitios e catas
pequeas para passar a feata, tanto na cam-
pia, como na ra da Casa-Forte: a tratar
na ra do Amorim, n. 15.
O tubeliiao interino das hy-
polhecas mora na ra Augusta,
n. 66.
Preciss-se de um feitor para o sitio di
viuva Amonita, 11a Ponle-de-Ucha.
;> o pateo da matriz de
S -Antonio, sobrado n. 4,
tiram-se passaportes para dentro e rra do
imperio, despacham-se escravos e correui-
so foi has, por preco o mais commodo pos-
sivel.
Quinto batalho de
fuzileiros.
O msico da primeira companhii do 5.'
ha la I bao de fu/i lei ros Adriano Jos Perei-
ra de Azevedo, destacado neata cidade do
Recife.de pois de pago de fardamento al
o dia 6 do passado Julho, e de sold e eta-
pc aie:i de junho laltou a revista desda
7 de julho, foi Considerado desertor no dia
15; consta ter-se evadido na fragata Para-
guass quedaqui sahio para a Baha.
Denles artificiaos.
J. A. S. Jane, dentista participa ao res-
peitavel publico que contina a exercer a
sua profissfio.na rus estrella do Rozario,
n. 16, primeiro andar.
O cirurgifio Miguel Felicio da Silva
mudou a sua residencia para a ra da Pal-
ma sobrado novo de um andar, defronts
dobecco doPocinho.
No dia 2 do corrente appareceu noea-
genho Pintos freguozia de S.-Amaro-Ja-
hoalo, de propriedade do abaixo assigna-
do procurando ser comprado um preto
que diz chamar-se Luiz a ser escravo do
Sr. Jos Barhoza morador em trras anne-
xas ao engenho Bonito freguezia ou co-'
marca de IVazareth-da-Matta : seu senlior
vrnha recebe-lo ou negocia-lo, sendo que
o queira vender, Meando certo de que o
abaixo assignado nfio se responsabilisa pe-
la fuga do mesmo escravo. Jos Ftrnani-t
da Cruz.
Domingos Alves Matheus, agente da fa-
brica de rap superior areia preta da Ba-
ha, tem aberto seu deposito na ra da
Cruz do Recife, primeiro andar da casa n.
38, onde se achara sempre deste cxcellents
o mais acreditado rap quo at o presenta
se tem fabricado no Brasil: vende-se en
botes de.uma e de meia libra por prego
mais commodo doqueem outra qualquer
parte.
Pommaieau, cutileiro,
no Aterro-da-Bpa-Yiatf, n. i6
recebeu agora mais um sortimonto de
esporas de ago de todas as qualidadas a
feitios ; colheres de metal novo que nfio
desmerecen! com o uso; caxinhas cun espo-
letas das melhores que ha na praca. e ludo
quanto pertence ao seu ollcio.
Precisa-se saber se existe
nesta praca ou lora lella Manoel
Moitinho doa Santos ou a familia
ao iiio-de-J.ne.ro p,l? brigue In ancavel- por Ihes a ter o atalxi .nadoTvcn/ido' .......-"' "- "
Macel, e desembarcados para esta alf.n- i.re e deaembaracaV,^ devendo toda de8le mesmo >r'a negocio de lfl-
deano da 6 do corrale, lolea tontada'qualquer pessso. que tive'r. transacsoS ten re
CQOSs
4% al I I'
'11 a*


L
A quem fr offerecido um chapeo Jo
i0l, de panno cor de caf com barra azul,
caho de o8so, envernizndo de preto, e no-
vo qoeira o apprehender e annunciar, pois
fo furtado.
..Antonio Martina Saldanha declara ro
publico q ue,temi dado llberdade a aeu m-
llalo AntSo, nflo se responsabilisa por qual-
iuer fazenda que ao mesmo se entregue.
O Sr. Christovffo de Hollanda Cavalcan-
le, morador em Ipojoca, ou alguem por
s, queira dirigir-so ao pateo do Carmo ,
n. 18, segando andar.
ff
^. Caelano Xavier Pereira de nrito, #
t Dr. em medicina, annuncia aorespei- ?
tavcl publico que Gxou a sua residen- ?
0 ciano Aterro-da-Ba-Vista n. 43 em
o prioieiro andar, aonde podera ser (S|
procurado a todas as horas ; e tam- >>
bcm adverte s pessoas pobres que k
4> sempreo terloa sua disposigflo das ?
f. seis horas da manhfla at s nove gra- #
a> tuitamente. ?
Quem annuncion querer comprar um
escravo de meia idade que jaiba Ira bal liar
de enxada, e qualquer outro servigo de
campo dirija-se ra estreita do Rozario,
n. 16, segundo andar.
AO PUBLICO.
Eu ahaizo assignado faltara ao meu
rigoroso dever so deixasse no esquecirnen-
loa duplicada benevolencia que recebi do
Sr. Msnoel Joaquim Soares durante o lem-
po que fot seocaixeiro, e a benificenca que
o mesmo Sr. me preslou no decurso da mi-
nha arrumsgflo, cuja hosptaldade tiin
prodiga e benficamente me franqueou em
sua casa. Seria tambera commetter um
absurdo, se deixasse em silencio as manei-
ras benficas e agradaveis com que fui ac-
culhidopor sua.|senhora e mais familia, a
cujas pessoas dedico os tribuios da mirilla
gralidao. Aceite, pois, o Sr. Soares as sin-
ceras expresses de agradecimenlos que
enm submisso respeito Ihe olTerece o seu
obrigadissimo servo e reverente criado
Jos Nogucira da Coila Soarei.
Aluga-se o | rimeiro andar do sobrado
n. 14, no becco da Lingota : a tratar na
ra do Codorniz n. 3.
HEEQJKQ
i
d'aurra
C. Siarr& Companhia teem a honra de
avisar aos seus freguezes, e ao publico em
peral, que a sua grande fundilo em S.-
Amaro alm do sortimento quo constan-
temente tcm acha-se de novo provida de
muitas moendas do carina, e de varios ta-
maitos faltas no mesmo eslabjclecimcnto
pelos mais peritos offlciaes, e com o maior
cuidado e perfeigflo ; tanto assim he, que
osannuncianles.se ufanan) em garati-las
lelo prjmciro anno. As moendas inteiras
todas de ferro*, construidas as ofilcinas
dos annunciani.es, s.1o muito superiores a
quaesquer nutras'da mesma nalureza que
al agora teem sido aqui oflerecidas, pois
aquellas encerram emsi cortos e importan-
tes mol hora men tos multado de mais de
SO annos de experiencia e pratica do paiz
- OSr. ThomazdaCunha Lima Cantua-
ria.dacidade de Olinda dirija-se ra
doCabug, loja de Valentn) do Valle Lobo.
OSr. Jos Bernardino de Mallos Gui-
marfles, dirija-so ra da Cruz, no Iteci-
fe, n. 43, lim de receber urna encommen-
da de aua familia.
W. G. Smith, por seu bastante procu-
rador embarca para o Mararihflo os seus
escravos Miguel o Joflo a entregar ao dito
senlior.
Mobilias de ahignel.
Na ra Nova armazem de trastes de-
fronte da ra de S.-Amaro, alugam-so ca-
deiras para bailes e oflicios fnebres : tam -
bem sealugam mobilias a vontade dos pro-
tendentes por prego commodo.
Custodio Jos da Silva Morcra cida-
Jilo portuguez, vai a Portugal.
Precisa-se de um caixeiro que tenha
pratica de venda o qual d conheciniento
de sua conducta : em Fra-de-Porlas,
n. 135.
-- Perante o Illm. Sr. Dr. juiz de direito
da 1." vara do civel, na audiencia de II do
corrente, linda a mesma, he a ultima praga
da casa terrea de podra e cal sita na estra-
da que vai da Soledade para o Manguind,
aoliaudo-se dita casa cotlocada om um mag-
nifico terreno de 30 palmos de frente e fun-
dos bastantes temi cacimba propria com
excedente agoa, tanque para banho, dver-
sss ps de fruleiras, cercado de limito e es-
pinlio, fechada a frente do muro com grade
de ferro, sendo o solo proprio o avahada
om 900,000 ris, penhorada a seu legi-
t'moproprietaiio e sua mullier por exe-
cucAo de'seu credor e hypolhecario da mes-
ma casa. Os pretenentes dita e sitio p-
dem dirigir-so ao indicado lugar para seu
exime, onde vei fo que boa propriedado por
diminuta quanlia, a qual dara em outro
lempo trescontos de ris.
Jos Thomaz de Campos Quaresma,
lendo de entrar no exerccio da capatazia
da alfandega d'csta cidade, no primeiro de
selembro prximo vindouro, e sendo urna
daa condicoes desse contrato com a thesou-
raria empregar no servido da mesma capa-
taza que he dentro da alf.udega e no tra-
piche honiens livr s at o numero de cin-
cuenta; convida aos quo quizerem empre-
gar-se un dito servico que comparecen) na
oasa da residencia do aununciante, das 5
as 7 horas da mandria e das 5 da tarde em
i!ante, nos dias uteis, com abonagflo de
pcaao.i reconhecida e idnea para ser escrip-
Uirado : o jornal he de 500 rs." em cadt um
da de trabalho.
Pelo juico do clvel da segunda vara se
ha de arrematar nodia sabbado, 11 do coi-
Em mu crescido numero contavam os
mdicos al agora molestias incuraveis,
contra as quaes s era permittido ao pac-
ente resignaeflo para solTrer um mal de que
j nao liavia esperangas do poder librta-
lo, e ao medico philantropico a dor de ver
muitos de seus scmelhantes victimas de
enormidades, contra as quaes se declarava
impotente, podendo apenas lamentar a fra-
queza da intelligencia humana. Mas, gra-
bas aos progressos da medicina, grabas ao
Velo de homens incansaveis, que, nao des-
esperando da perfoclibilidade da sciencia,
se teem dedicado investigar;:"! de reme-
dios que possam alliviar humanidade de
alguns males que a allligem, o numero das
molestias reputadas incuraveis vai de dia
em dia diminuindo. Assim, achar depois
de longos trabalhos, do profunda medita-
rlo f reiteradas experiencias, medicamen-
tos que nos restituam o uso dos dous mais
importantes sentidos de que he dotado o
horneo), quando estes j se achavam no sup-
poslo estado de incurabilidade e inteira-
mente perdidos, be por certo um dos mino-
res servicos que se poda prestar huma-
nidade; eis o que eslava reservado um
hnmem philantropo da cidade de Braga, em
Portugal, cuja sciencia, cujo amor de seus
semelhantes se teem feitogeralmente co-
nheccr. Os remedios que ora oflerecomos
ao publico, nSo cntram na classe daquelles
que o vido e ousado charlatanismo incul-
ca com roucos n descompassaJos lirados, e
que o crdulo vulgo por ignorancia recebe
na boa fe esem discernimento, achando-se
depois Iludido; tem, porm, de oceupar
mui distinelo lugar entre os medicamentos
que maiores beneficios prestam ao homem :
constam ellos da dissolugflo aquosa de ex-
tractos de plantas medicinaos, de virtudes
mui reconhecidas e verificadas. O longo
uso, as continuadas e severas experiencias,
que por toda a parte teem ellessidosub-
medidos, sem que urna s vez hajam falha-
do em seus bons effeitos, e desmentido as
esperanzas que sobre ellos havia fundado
o seu inventor, lhe teem grangeado cons-
tantes e repoli los elogios dos mais sabios e
respeitaveis mdicos, assim da Europa, co-
mo da America, que unsonos abonam e
proclaman) sua acefio sempre coila e beni-
gna. Um destes licores he destiuado a
corphater as molestias de odios, e lem por
principal virtude reslituir aos orgflos da vi-
sflo suas funcgOos ; reanimar e fazerreap-
parecer em sua natural perfeigflo a vista,
quando esta esliver fraca ou quasi exlinc-
ta ; comtanto, porm, que nflo baja ceguei-
ra absoluta com-desorganisagflo das partes ;
nflo menos til e enrgico he para desfazer
as cataratas, destruir as nevoas e de prom-
pto debellar qualquer inflammacflo ou ver-
melhidflo dos odios. N8o causa dr, nem
estimulo na parte.
Outro liquido reslitue a faculdade de ou-
vir os sons ao ouvido tocado de surdez, an-
da que inveterada, urna vez que o mal nflo
seja de nascenca, sem causar em tompo al-
gum o menor incommodo ao doente, e sem
priva-lo de cuidar em seus negocios.
INSTRUCCES PARA O USO DOS RE-
MEDIOS.
O dos olhos tmprega-se do modo iiguinle :
O doente pela manlifla, emjejum, urna
hora pouco mais ou menos depois que er-
guer-se do leito, tomar sobre a palma da
mflo pequea porgflo daquella agoa ; e com
ella moldar bem osolhos, fazeudo que al-
guias gottas caiam sobre o felobo oceular :
semoslimpar, os conservar molhadosal
que naturalmente enxuguom : ao deitar-
se a imite platicara o mesmo : durante O
tempoque usar do remedio evitar o calor,
aceflo de fumaba eo vento ; fura abstinen-
cia de comidas salgadas, azedas, eaduba-
das com especiaras.
O remedio Jos ouvidvt sera applicado do moda
que tegue :
O doente pela mandila, urna hora pouco
mais ou menos depois de erguer-se, anda
m jejum, far derramar dentro dosouvi-
dos quatro ou cinco gottas do liquido, (a-
pando-os depois com algodflo em rama ; a
noite ao deitar-se repetir a mesma opera-
eflo. Durante o uso do remedio evitar ex-
por, osouvidos principalmente, aceflo do
calor e do vento, afim de evitar grande
transpirarlo, havendo cuidado ern nflo mo-
ldar os ps em agoa fra; finalmente deve
abster-se de comidas salgadas, azedas e
adobado.
Estes remedios estilo venda na botica de
Barlholomeu Francisco de Souza, na ra
larga do Rosario, n. 36, nico depos'to em
Pernambuco, pelo preeo de 2,240 res, cada
vidro.
tendo manti de cotiro de onca
selliin e bridas nglezas, e igual-
mente toda a roupa que tinha,
entre ella um fardamento de Loli-
eiro, sendo sohrecasaca de pan-
no azul com galSo de prata e bo-
t5es de metal branco : suppoe-
se ter do para o Cear, donde he
natural : quem o apprehender le-
ve-o ra da Cadeia do Recife,
n. ai, a Luix Aotonio de Siquei-
ra, ou na mesma ra, n. 48, casa
de Augusto S. Corbett, que rece-
ber a gratiflcacao cima.
Oabaxo assignado mudou sua residen-
cia para oterceiro andar da casa n. 147 da
ra do rilar em Fra-de-Portas, a pirmei-
ra contigua a capitana do porto, e que dei-
ta a trazeira para o mar. Francisco de
Paula Pereira de Andrade.
Lotera do Guadalupe.
As rodas desta loteria andam in-
fallivelmentene dia i3 do corren-
te mez, e os bilhetes que restam
acham-se venda nos lugares an-
nunciados.
O LIVRO DE MEUS AMORES
poesas erticas de J. Norberto de S. Silva,
subdivididas em tres partes As visos
Os beijos Anua. 1 volume in 8. gran-
de, elegante e ntida edieflo, capa impressa,
ornado com um retrato. Proco 3,000 rs. ca-
da volume. I'ulil ca-si! no Rio-do-Janeiro
o assigna-se nesta cidade do Recife na livra-
ria ns. 6 e 8 da praca da Independencia.
Aluga-se o armazem e pri-
meiro andar do sobrado da ra do
Trapiche-Novo, proprio para es-
criptorio e armazem de recolher :
quem o 'pretender, dirija-se ao
primeiro andar do sobrado da ra
do Trapiche-Novo, n. i .'j, que a-
char com quem tralar.
C. J. Astley retira-se parafra da "pro-
vincia deixando com a procuraeflo de sua
casa oSr. Rodolpd Kruckenberg.
Compras.
Compra-se ouro a prata em qualquer
estado que esleja : na ra do Queimado ,
n. H
Compram-se e vendem-se escravos: na
ra da Cadeia do Re6ife. n. 40.
-- Compra-se una preta e um preto v-
lhos, e que sejam por pre?o commodo : na
ruado Collegio, n. 21, primeiro andar, se
dir quem compra.
Compram-se algumas canoas de estru-
me de boa qualidade postas em um sitio
na Passagom-da-Magdalena : na ra do l.i-
vramento. n. 33.
Vendas.
inde-
ente, por ser a ultima praca, s 4 doras da
'rde na porta do mesmo juiz, urna inorada
casa terrea no lugar do Giqui, em chSos
foreiroa, avadada em 850,000 rs.. por execu- ] fol ,cc!emni',!.
to d. Amaro Concalvea dos Sanios contra Kete,lderan"u,,c,e-
kviuva
utos.
herdeiros de Joflo Antonio dos
do
Peraolo o Illm. Sr. Dr. juiz de diroit
I da primoira vara do civel na audiencia de
II do corrente, (inda a mesma, he a ulli-
I ni prac,a da casa terrea n. 11, sita no nec-
eo tapado, defronte da matrizdeS.-Antonio,
avadada em 600.000 rs. e penhorada aos
Iberdeiroi de Jos Mauricio de Olireira Ma-I ." ,
Iciel, por execueflo de um seu crador. | tribar
Novo pflo de Provenca. j
Na padaria do becco das Barroiras e '$}
no deposito da Estrella, no Aterro- 6
da-Boa-Vista, n. 39, fabnca-sc o no- 5
vo pflo do Provenga, o qual he fabri- g
cado pelo methodo do seu primei- w
ro introductor que veio esta provin- i
cia, o com as melhores familias que :g
ha no mercado, e asseio que he pos-
sivel: da mesma sorte so fabrican) as
faliasda rainta de llespanha boii-
olios, biscoutos, biscoutinhos, fatias,
cavacas : ludo do melhor gosto pos-
sivel e proprio para cha ; tamhem ha
bnlacbinha de Lisboa em latas de 8
libras, por preco commodo ; amen-
doas confeiladaa e de varias quali-
dades.
Na loja de funileiro, na ra Nova, de-
fronte da Conceicflo, precisa-se de ofliciaes
do mesmo ofllcio e de discpulos.
Dflo-se 400,000 rs. a premio sobre hy-
potheca em urna casa nesta prac.i : quem
100/^000 de gratificaco.
ugio, na madrugada do dia 4
orrenle, o escravo Domingos,
arefpclaro, de iHa 19anuos, bai-
xo. cra larga 'e de corpo regular ;
comsigo um cavallo de cs-
lazao, com um p branco,
Na livraria ns. 6 e 8 da praca da
pendencia vende-se o segunte :
Matinal eleitoral
contendoa lei regulamentar das elocese
os decretos e decises do governo quo dSo
osolaiclmenlos sobre sua execueflo.
Vende-se urna preta de nacflo, de 20
anuos: sabe lavar, engommar, cozinhar : a o
comprador dir-se-ha o motivo da sua venda :
na ra do Brum, n. 5.
Cortes de brim entianca-
do de puro I i n lio a
I,-280 rs.
Vende-se brim pardo de linbo a 1,280 rs
ocrte, fler do ganga mulio lino a 1,500
rs.: na ra do Queimado, n. 8.
Vendem-se 2 casas terreas, urna na ra
da Assumpcflo, n. 60, eoutra na ra do No-
gueira, n. 47 : trala-se na ra da Piaia, ar-
mazem de carne-secca, n. 8.
Vendeni-se
bala ricas decimaes
para pesar de 100 al 200 libras.
Cofres
de ferro batido com duas fechaduras e cha-
ves de segredo, muito bem feitos,
e mais fe Trageos,
comotaces, parnahibas, facas desapateiro,
serrotes e folhas de serra, ludo muilo em
conta liara fechar conlas : na ra da Alian-
dega-Velha, n. 5.
Novidade!
Bixas recentemente chegadas de
Lislia no brigue Sublime a pre-
cos de 3o a 1,000 rs. : na venda
da ra do Collrgio, n. 5, de An-
tonio Jos Alvos da Fonscca.
Vendem-se 10 pretos de nacflo, bonitas
figuras: na ra da Cruz defronte do becco
da Lingota casa da esquina, terceiro andar.
Vende-se caf de esculla por prego
muilo commodo, para acabar : no becco do
Azeite-de-Peixe, armazem n. 16, ou a fallar
no caes da Alfandega com Manuel dos San-
tos Pinto.
Vende-se urna loja e armaeflo na ra
Nova, n. 19: o local he o melhor possivel pa-
ra o negocio : quem a pretender dirlja-se
mesma loja que achara com quem tratar.
Na ra do Queiniadu,n. 8,
vendem-se chitas de cores bons padrdes
a 140 rs. o covado; cassas de quadros para
babadosa 2,000 rs. a pega, com sote varas ;
algodflo muito azul e mearlado para roupa
de escravos a 200 rs. o covado; cortes de
fustSo alcochoado para collete a 320 rs; lon-
gos de cassa grandes, com cercadura a 240
rs.; meias finas para meninas a 320 rs, o
par ; brim pardo liso de linbo a 800 rs. o
corla de calca, o outras fazendas por prego
commodo.
Vendcm-se 8 lindos moloques de 12 a
20 annos ; 10 pretos de 25 a 30 anuos,
sendo um delles ptimo cozinheiro, outro
II
IWITI
carreiro outro canoeiro o outn officiaj de
alfaiate ; 2 negrinhas do 9- a 12^nnos ; 3
pardas com algumas habilidades, de 20 a
24 annos ; 3 pretas de 20 a 30 annos sendo
urna dolas ptima cozinheira : na ra do
Collegio, n. 3, se dir quem vende.
Na rus do Vigario, n. 7, vonde-se urna
bonita preta de nacflo Nago, anda moga.
Vende-se cera de carnauba de boa qua-
lidade : na roa da Cruz, n. 3.
-- Vendem-se 3 sacadas de pedra da trra,
urna cama de angico, 1 mesa, 1 marque2a,
8 elegantes quadros, 12 garrafas, 3 com-
poteras de Yidro : na ra das Larangeiras,
n. 29.
Na ra do Cabug loja de Francisco
Joaquim Duarte, vendem-se ricas toucas
com flores finas e pennas para baptisados
de criangas, por mdico prego.
Vendo-so urna parda de 16 annos, quo
cose, engomma, borda e faz doces de todas
asqualidades, ludo com perfeigflo o da
qual seafianga a conducta : na ra da Ca-
deia do Recife, n. 3!).
Salsa- parrilha de Sands
para remover e curar radicalmente to-
das as enfermidades que procedem da im-
pureza dosangue, ou habito do systema.
Fsta medicina est operando constante-
ment curas quasi incriveis de molestias
que procedem da impureza do sangue. A
infeliz victima de molestias hereditarias,
com gfandulas indiadas, ervos ihcollii-
dos, e os ossos mcio arruinados, ficou resta-
belecida com toda sua saude e frgas. O
doente escrofuloso, coberlo de edagas, cau-
sando nojo a si mesmo, e a quem o servia,
flcou perfeito. Centenares do pessoas que
linliam solTrido por annos, a ponto da de-
sesperen) da sua sorte ) molestias culaneas,
glndulas, rlieumalismo chronico e muitas
outras enfermidades procedentes do desar-
ranjo dos orgos de secregflo e da circula-
gflo, teom-se erguidoquasi milagrosamente
do leito da morte, e boje, com constituigOes
regeneradas, com prazer atteslam a eflica-
ciadesta inestimavel preparagflo.
Comquanto tenham apparecido grandes
curas al aqui produzidas pelo uso desta
estimavel medicina comludo a experien-
cia diaria presenta resultados mais no-
taveis.
New-york, 22 de abril de 1818.
Snrs. A. B. e I). Sands. Julgando ser
um dever para com vosco e para com o pu-
blico em geral, reroetto-vos este cerlifica-
po das grandes vil ludes da vossa sal-a par-
rilha para que outros quo lioje cstflo sof-
frendo esta delegam melhor a sua confian-
ga e fagam sem demora uso da vossa medi-
cina.
Vi-me perseguido com urna grande Ceri-
lla no lornozelo, que se estendia pela cauel-
acima at sojoeldo, langava grande por-
gilo de nojenta materia, com comicdOes
que meprivavam muitas noites do meu des-
canso, e eram muito penosas do supportar.
0 Sr. Diogo M. Connel, que havia sjdo cu-
rado com a vossa salsa-parrilda, recommon-
dou-mequecu lizesse uso dola o depois
de ha ver lomado cinco garrafas fique i per-
feitamente curado.
Tenho demorado um anno mndar-vos
este certificado para conhecer com certe-
za se a cura era permanente, e tendo agora
a maior satisfagflo em declarar qu nflo te-
nlw v+slw, nem sentido cousa alguma du-
rante ludo este lempo, e acho-me perfeila-
monto restabelecido. Sou vosso, etc.
SnraA M, Mire.
240, ra Dclancoy.
Nesta provincia o nico agonto deslo ma-
ravilhoso remedio de Vicente Jos de Itrito.
Vende-se um sobrado de um andar,
silo na cidade da Victoria na ra da Paz,
que foi do fallecido Jos Ignacio do Tem-
plo e hoje pe lenco a lidia do mesmo,
n. JoWpill Mafia da Conceigflo : a tratar no
engcnbo S.-Jos, com Luiz Barbalho de
Vascencellos quo est autorisado a fazer
dita venda.
Para escravos.
Vendem-se cobertores de algodflo ameri-
cano a 560 rs. cada um; zuarte de chadrez,
a li'iiiis. o covado; dito trancado a 200
rs. o covndo ; pegas de ganga azul da India,
rom 4 palmos de largura e 12 covados a
2,400 rs.: na ra do Crespo, loja n. 10.
Vendem-se riscados escocezes com
vara de largura, a 290 rs. o covado ; cassas
pintadas do cores fixas, a 240 rs. o covado;
pegas de panninho de vara de largura, com
12jardas, a 2,000 rs. : na' ra do Crespo,
loja u. 10.
rape1 de Lisboa.
Viudo do llio-de-Janeiro no vapor Impc-
ratri: : vende-so na loja de Antonio Joa-
quim Vidal, ra da Cadeia do llecifo, n.
56 A.
\ endose um U^Bb mogo, de bonita
figura proprio pasfl ^B|, eu para outro
qualquer servigo : Ha Cadeia-Velha,
33, <|iiem^B*.
Vende-se um sitio na cacim-
ba de Jatoba, riacho da volla, ca-
beceiras de l'cje-de-Flores : no
Trapiche-Novo n. i4 se adiar
com quem tratar, por preco ra-
soavel.
Vendem-se as obras seguintes, por pre-
go commodo : as Viagens do Acharsis em
9 volumes; Moral universal, pelo barflo
llolbak, em 8 v. : na ra do Caliug, loja de
Jos Peres da Ci uz, n. 2.
Vende-so um casal de cachorros atra-
vessade-s ; um Ruarda-louga ; urna commo-
da de angico : ludo por prego rasoavel: na
ra da Lingota, n. 6
Vende-so urna fabrica de cera; urna
cama de Jacaranda : ludo por prego com-
modo : na travessa dos Quarteis, n. 29.
Acaba dechegaro Annuario do Brasil,
obra inleressantissiia para lodos os Bra-
sileros que quizerem ter conbecimento dos
factos nacionaes : vende-se naslojasde li-
vros, da praga da Independencia, ns. 6 c 8 ;
dos Srs. Santos & Companhia, na ra da
Cruz n. 56 ; no Atcrro-da-Boa-Vista loja
do Sr. Chardon.
Vonde-se urna escrava de 22 annos,
crioola, com principios de cozinha, engom-
mado ecostura; uina dita de 30 annos ,
boa lavadeira de sabSo cozinha soflrivel-
mente, e ho muito diligente para todo o
servigo de urna casa na ra do Brum, no
terceirc andar do/sobrado por cima do ar-
mazem de llego- ras da mandila J ou das 2 as 4 da tarde.
Vendem*e duas pretas boas vonde-
,^^^"bbbibs1
deiras de ra e quo cozinham o diario d
urna casa : na ra larga do Rozano, n. 40
segundo *ndar a fallar com Antonio dos
Santos Kerreira. Na mesma casa se Irata a
botar canoas de areia e de lijlo em qual-
quer portqjmr prego commodo.
-Vendase urna duzia do cadeira*. un
soph, duas bancas, urna dita de meio do
sala urna cama : ludo em muilo bom esta-
do : as Cinco-Pontas, n. 66.
BENEFICIO A HUMANIDADE.
Alphabeto part o surdif-mudos.
He de grande utilidade para aquellas pes-
soas que quizerem fallarcoin asmaos, ap-
plicado a primena vez para a instrucg3o dos
mudos de Franga, com signaes para con-
soantes vogaes algansmos alpnaDeio
maiusculo. ,. _._
Por meio deste alphabeto pde-so ensmar
aqualquersurdo-mudode nasclanto; ho
urna lmgoagem muito fcil e correcta quo
se pode aprender om poucas horas.
O abaixo assignado surdo-mudo, cnagado
da pouco da America do Norte, vera respe-
tosamente implorar a protecgflo deste gene-
roso povo pernambucano.
Cada alphabeto cusa 1,000 rs. e vndelo
na ra da Senzalla, n. 38, na casa do Sr.
George Francisco, ou no Hotel-Francisco,
ra do Trapiche, n. 3 A. M. Baker.
Agencia de Kdwio Maw.
Na ra de Apollo armazem n. 6, de M. Cal-
montcCompanhia, acha-se constantemente
um grande sortimenlo de ferragens ingiezas
para engenhos de fabricar assucar, bom
como taixas de ferro coado e balido de dir-
ferenles tamanhos e modelos, moendas
de dilo, tanto para armar em madeira como
todas de ferro para animaos o agoa, ma-
chinas de va por do fOrca do 4 cavados, alta
pressflo, repartideiras, espumaderas, etc.
de ferro estanhado. Na mesma agencia acha-
se um sortimenlo de pesos para balangas ,
escovins para navios, ferro om barra, tanto
quadrado como redondo, salra para lerrei-
ro 6 urna porgflo de tinta verde em latas i
tudo por barato prego.
-Vendem-se 3 fortes pianos, chegados
pelo ultimo navio francez de muito boa
VQzes, superiores as de outro qualquer que
teulia apparecido, e de novo modello qu
nflo deixraflo do agradar ao comprador;
charutos do I la va na, por prego mais commo-
do do que em outra qualquer parte; un
completo sortimonto de instrumentos de
msica, tanto de metal como de madeira ;
bustos do gesso representando muito fiel-
mente a rainha Victoria e o principe Alber-
to; relogiosdeouro e de prata, chegados
ltimamente da Suissa. Estes relogios que
sflo muito bem acabados, se tornam mul-
lo recommendaveis a qualquer particular,
e advertc-se que ha entro ellos alguns que
andam oito das sem precisaren) de corda :
nu ra da Cruz, no Recife, n. 55.
Vende-so una boa casa terrea com
grande quintal, cacimba e sulcientes com-
modvs, sila as Cinco-Pontas defronte da
fortaleza : os pretndanles dirijam-serua
da Cadeia de Santo-Antonio, no segundo
andar do sobrado da esquina do Ouvidor.
? O
O Na loj da ra do Crespo, O
^ n. G, ao pedo lampeSo, ven- 9
dem-se os acreditados brins J
0
O trancados de puro linho. &
Cortes de brim trangado pardo, a v
O 1,280 rs. ; dito cor do ganga, a 1,440 t>
O rs.; dito muito fino, a 1,600 rs.; di- j
fj> lo branco listrado a 1,500rs.; pico- 0
r\ te, a 180 rs. o covado; chitas escuras >
q o de cores lisas, a 160 e 180 rs.; co- Q
berlores americanos. muito encor- q
corte; cortes de g,
000 v
O
o
\ pados, a 640 rs. o
J; cassa branca pa>a ves^dos, a 2,0
s? rs. ; pegas de ditas para babados ,
2,400 rs. e a 32o rs. a vara; chapeos 2
9 de massa a 1,600 rs. ; ditos de seda j>
O a 640 rs. ; ditos a 400 rs. ; fustOes pa- w
O racolleto, a 480 rs.; ;dito superior a &
O 6,400 ris. O
>0000>0 ooooooooo
Vendarse urna preta da Costa, muito
moga de bonita figura o sem vicios nem
achaques: o motivo por que se vende so
dir ao comprador : no Aterro-da-Boa-Vis-
ta, n. 17, abrica de licores, de Frederico
Chaves.
Vende-se rap de Lisboa a 3,600 rs.,
dinheiro a vista : na ra da Cadeia do Re-
cife, botica do Vicente Jos do Krito, n. 61.
Vcndem-se 4 lindos moloques de na-
go, do 18 annos; 1 dito de 16 annos,
ciioulo, optinTo para pagem,oque heofil-
cial de alfaiate; 2 mulatinhosde 1G annos,
muito lindos; 3 pardas de 20 annos, mui-
to prendadas ; 4 pretas com algumaa habi-
lidades ; 3 pretos, sendo um delles perfei-
to cozinheiro ; bem como outros muitos es-
cravos : na ra da Cadeia do Recife, n. 40,
segundo andar, se dir quem vende.
Na loja do Maia Ramos & C. vende-
so pelo diminuto prego de 500 rs. um dos
mais bellos romances que tem por titulo
A roscira traduzido do francez por urna
senhora portugueza. Recommenda-se mui
10 a leitura desta obra, principalmente aos
pas de familia; para que, dando-a a lera
seus futios,, conhegam a grande utilidado
3ue se tira em derramar por entre a moci-
ado liges de tanta moralidade como as
quo so conlem em dito romance. Quem
pretender os ditos livros, dirija-so a ra No-
va, n 6, na indicada loja cima.
Vende-se urna bonita commoda de an-
gico com muito pouco uso o por prego
commodo; urna dita velha, propria para
servir em lugar de armario em cozinha; i
baleflo em muito bom estado e proprio pa-
ra qualquer casa de negocio ; 7 caixllnos
envidragados, muito propnos para arma-
gflo#loja de razeodas, miudezas ou cal-
gado, por prego commodo : no Alerro-aa-
Boa-Vista, n. 72. _
MadapolOes muito finos.
Vendem-se pegas de madapoloes muito
finos largos e encorpados proprios para
camisas de homem e senhora, com 20 va-
ras a 4,500, 5,000,5,200 e 5,500 rs. ; dito
ordinario com 20 varas a 3,000 rs.; len-
gos de toquim com franja proprios para
meninas, a 640 rs.; luvas de pellica, peque-
as, a 500 rs. ; chitas de cores multo lixas,
a 140 rs. o covado, e a 5,000 rs. a peca : na
ra do Passeio, loja n. 17.
- Vende-se um cavallo muito bonito
pequeo proprio pra montara do me-
nino, e de senhora, bom carregador, e que
esquipa de carreUlha; ua ra da Praia.n. 2Q-
i
il

i


Vende-se um bom escravo de meia ida-
do, e que entende de campo par trabalhar
de enxada o alguma cousa de plantagOes:
o motivo por que se vende he por haver pre-
csflo : na ra de llortns, n. 120, das C as
9 horas da manhSa, e das 3 4a tarde em
diante.
^@^^* 9^999ff999999Ww
? ,2
>> Vendem-se lindas rambratas do se-
BTda a 00 rs. o covado: chitas Trance-
''* zas, a 320 rs. ; riscados francezes, 4
+ a 200 e 240; loncos de seda para mito, #
n 1,200rs. cada um : na ra do Crcs-
4 po, loja n.9, deDomingoeCuimar5es. '?
i4Jti"4'i'|#@(is'iS'ys^s8'i?^
Vcnde-se um carrinho inglcz, d2 ro-
das e cm,;bom estado rom os competentes
arreic*qpfja ra da Cadeia do Recife, n. 57.
Vendem-se cortes de cambraias ada-
mascadas proprias para vestidos, a 3,000
rs. ; ditos de talagarga, a 1,600 e 2,500 rs. ;
cassa-chtta decores fixas, a 300 rs. ; lan-
zinhas para vestidos, calcas e roupa de me-
ninos a 320 rs. o covado ; fazenda de 19a
oomlistrasde seda, propria para vestido
de senhora a 640 rs.; ISas para calcas, de
mu Ui bom gosto e de superior qualidade ,
a 2,200 rs. o corte; cortes de cassa, a 1,400
rs. cada um ; panninhocom vara de lar-
gura a 240 rs. a vara, e a 2,500 rs! a pega
com 10 varase meia ; chales de pura 18a
a 2,000 rs. cada um ; fustes para rolletes,
a 500 rs. o corte ; e outras muitas fazendas
por barato prego: na rua do Crespo, loja
n. 15. de Cunda Cuimarfles & Companhia.
Nada tilo bom at boje se ha descober-
tajpara curar vista caneada ou curta como
sejam oculns apropriados, os quaos se
vendem por diversos presos e muito em
ennta, por haver sortimento : na rua larga
do Rozarir,, loja demiudezas, n. 35.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
chegada neste mez pelo hrigue Maria-Jntti:
a tratar na rua do Brum armazem de
Antonio Augusto da Fonseca, nu na rua do
Vigario, n. 19.
Vendem se presuntos ingieres para
fiambre ; latas com bolachinhas de Lisboa ;
ditas de araruta ; ditas de mermelada de
1,2 e libras ; ditas de sardnhas ; ditas de
hervilhas ; ditas de checolate de Lisboa ;
frascos do conservas ; ditos d'agoa de flor
de laranja; barris com azeitonas brancas de
Elvas ; garrafas com vitibo moscatel de Se-
inIiiiI o da Madeira ; queijos de prato
frescaes : ludo novo e chegado ltima-
mente de Lisboa : na rua da Cruz no
Recite, n. 46.
- Vene-se champanha da mais superior
qualidade que tem vindo este mercado :
^a rua da Cruz, n 27, armazem de Crocco
A Companhia.
Vendem-se sellins nglezese
camas de ferro: na rua da Senzalla-
nova, n. lyi.
Cha brasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
moltiados, airas do Corpo-Santo, n. 66, o
mais excellente cha produzido em S.-Pau-
10 que lem vindo a esto mercado, por
preco muito commodo.
AGENCIA
da 'uiiclisan Low-Moor,
BA D\ SKNZAI.T A-NOVA, N. !\1.
Neste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, c tachas de ferro batido e
roado, de.todos os tamaitos,
para dito.
A 640 rs. cada um.
Vendem-se cobertores de algodSo ameri-
cano, encorpadose grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras, de honspadres e co-
res seguras, a meia pataca o covado: na
rua do Crespo, na loja da esquina que vol-
ts para a cadeia.
Vende-se algodao trancado
da fabrica de Todos-os-Santos a
270 e a 3oo rs. a vara : na na da
Cadeia, n. 5a.
Taxas para engenho.
Na fundicilo de ferro da rua do Brum,
araba-se de receberum completo sorlimen-
lo de tsixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por preco com-
modo e com promptidSo embarcam-.se,
ou carregam-secm carros sem despezas ao
lomprador.
Deposito da fabrica de
Todos-os-S.il.!<>s na Baha.
Vende-se em cusa deN.O. Bieber & C.
a rua da Cruz, n. 4, alcodfio trancado
da quella fabrica, muito pioprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
1,280 ris.
Vendem-se superiores cortes de brim
trancado do puro linho cor de lama de Pa-
rs pelo barato preco de 1,280 rs.: na rua
do Crespo n. 14, loja de Jos Francisco
Dias.
I o!ha de 1 landres.
Vendem-se canas com folha de Flan-
dres: em casa de J. J. Tasso Jnior : na rua
do Amorim. n. 35.
Barricas.
Vendem-se barricas vssias queframde
ftrinha, em p e bem accoudicionadas:
na rua do Amorim,. n. 35, rasa ik J. J-
Tasso Jnior.
peje doutor Francisco Bonifacio-de Ahreu :
na iraca, da Independencia, livraria ns. 6 8.
N. 9.
Rua da Madre-de-Deos.
Puro vinho da Figueira.
O novo armazem desta pinga deliciosa
acaba do se abrir nesta rua, defronte do ex-
iindo armazem ao mesmo preco de 180
rs. a garrafa e a 1,360 rs. a caada. Os
amantes deste licor alli encontraran garra-
fas promptamento lacradas e com o seu
competente rotulo para trocarem por outras
promptamente ; assim como tambem en-
contrarlo barris de diversos tamanhos
por procos bem rasoaveis ; bem como vinho
brancode Lisboa a 1,600 rs. a caada o a
220 rs. a garrafa. O proprietario deste esta-
belecimento pede exame para poderem ava-
har a pureza de sua qualidade e asseio e
que em nada desagradar aos concur-
rentes.
No armazem da rua da Moda, n. 7, con-
tina-se a vender superior colla das fabri-
cas do Bio-Grande-do-Sul, por prego ba-
rato.
FARINHA DE MANDIOCA.
A melhor farinha de mandioca que tem
venda he a bordo do brigue Minerva, chega-
do doSnnta-Catharina, e tendeado na praia
do Collogio, onde se vende a preco mais
commodo que em qualquer outro barco ; e
tambem se pode tratar na praga do Com-
mercio, n. 6, primeiro andar.
Vende-se um pardo robus-
to, d il\ annos, perfectamente en-
tendido no servico de campo e sem
vicios : na loja da rua do Crespo,
n. i>, de C'unba Guimares &
Companhia.
Superior cha brasileiro.
Vende-se superior cha do S -Paulo em
eaitinhas do urna e duas libras: na ruada
Cadeia do Recite, n. 51.
Vendem-se no armazem, n.
I, do Calaia, no caes da Alfande-
ga, por preco commodo, barricas
com
4
o
o servico: no pateo da matriz" de S.-Anto-
nio, n. 4, se dir quem vende.
9 %
<5^- Na rua do Crespo, _Sr? O
5 loja da esquina que volta ^
para a cadeia, vendem-se
Q os acreditados brins trancados bran- Q
t\ eos, lisos, delistns odelinho puro, 0
a 1.500 rs. o corte ; dito amarello a
1,440 rs. ; dito muito superior, a
. 1,600 rs. ; picote muito encorpado ,
3 proprio para escravos a 180_ rs. o
9 covado; pannopreto muito fino, a
O 3,200 rs. o covado ; cassa de quadros
O para babados, a 2,000 rs. a peca *lu- \3
f> vas de algodSo de cor, muito finas, a O
-> 240 rs o par ; chitas rouxas com Do- O
0 re encarnadas, de tintas seguras, a @
f\ 180 rs. o covado; cessas pretas, pro- Q
priaspara luto, ICO rs. o covado; q
T pegas de plalilha de algodSo com 25 g,
X varas, a 4,200 rs.; e outras multas >.
9 fazendas por prego commodo. q
Vende-se tima escrava de naclo boa
quitandeira engommadeira e que cozi-
nha o diario de urna casa e faz todo o ser-
vico de portas dentro ; representa 22 an-
nos pouco mais ou menos : na rua Direita,
n. 53.
Vende-se una barraca de 'otagSo de
19raixns, nova e promptade ludo; urna pa-
rclha de embonos de sedro ainda em bru-
to ; 2 toneis de madeira de bordo : na rua
Formosa da Boa-Vista na penltima cas
quom vai para o Hospicio.
esfumantes de bom gosto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, ebegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-Flix, e de outras muitas
qualidades que se venderSo mais barato do
que em outra qualquer parte : bem como
cigarrilhos nespanhes ditos de palha de
milho, que se eslSo vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
j4 4oo ris.
Vende-se superior esguiHo de algodlo de
farinha de mandioca, muitoquatro palmse meio de largura7 proprio
fina, (sortihy ) assim como saccas|prcmisas de senhor e jaquotas, pelo
f i barato prego de 400 rs. a vara ; bretanhss
com feijao novo, mtiilo grandes
baratas : trata-se no mesmo arma-
zem, ou com Novaes & C.a
Vendc-se, por preco muito
commodo, no armazem de Dias
Ferreira, no caes da Alfandega,
farinha de Santa-( atharina, em
saccasgrandcs,e barriquinhas com
potassa, muito superior : trata-se
no mesmo armazem, ou com No-
vaes & Companhia.
Vende-se urna parda de boa conducta,
com algumas habilidades, por preco com-
modo ; um moleque de nacflo, de 18 a 20
annos de hoa conducta, tambem por pre-
go commodo : na tua das Cruzes, n. 20, as
fojas.
Charutos de Ilavana
verdadeiros: em casa de Kalkmann Ir-
mSos, na rua da Cruz n. 10.
Afolduras douradas
de todas as larguras : vendem-se em casa
de Kalkmann Irn>Sos, na rua da Cruz, n. 10.
Cadeiras de palhnha
de balanc.0,
bem comoutros muitostrastes: vendem-se
em casa de Kalkmann lrntSos, na rua da
Ciuz, n.10.
Vendem-se alguns escravos e cscra-
vas mocos e sadios o que silo bem pren-
dados : na rua da Cadeia, n. 39.
lia melada nova.
chegada ltimamente do Ri-de-Janeico,
vende-se por preco commodo: atrs do Cor-
po-Sanlo armazem de molhados, n. 66.
Ha loja de selleiro da
rua do Queimado, n. 9,
vendem-se sellins de todas as qualidades,
tanto para ti entuna de homem como para
a de seulinra ; cabreadas Inglezai, religas
o chatas ; ditas de couro de lustro bran-
cas e pretas ; talins e cananas.de todas as
qualidades ; correiames de lustro ; barreti-
nas para ofliciaes
infantaria; ba
da-lamas de t
couro de luslr
botas de criad
duas vcrilhas;
nos ejulili
ol^Hnda
: colchfies
A 640 rs.
Vendem-se cobt-rtores de algodSo, muito
encorpados, proprios para escravos, a duas
patacas cada um : na rua da Cadea-Velhs,
n. 33.
Bombas de ferro.
Na fundigilo de ferro da rua do Brum ,
vendem-se superiores bombas para cacim-
ba assim como de repucho para fazer su-
bir agoa casas at altura de 4 a 5 andares.
Acha-se a venda pelo prego de 3,000
rs. o muito curioso romance em sele can-
tos Palmira ou a Ccguinha Brasileira-,
Idadns de cavallarla e
c; prrneiras e guar-
frilios ; canhOes de
co o amarello, para
das inglezns de urna e
'loes de todos os tama-
nhos e fetios. Na mesma loja se forram sel-
lins com couro de porco inglez licando
como novos, e se faz toda qualidade de
concert : ludo por prego commodo.
Atlengo aos premios vendidos.
Na loja de cambio da viuva Vieira & li-
Ihos na rua da Cadeia do llecife n. 24
fram vendidos da lotera a beneficio das
matrizes do Bio-de-Janeiro, os nmeros se-
guintes : 3,605 10:000,000 de ris ; 820,
200,000 rs. ; 4,069 e 875,100,000 rs. ; 4,873.
4,874 e 5,310 ,40,000 rs. ; e immensos de
20,000 rs.
~ Vende-se um alambique francez o de
cobro com pouco uso que leva a caldeira
50 caadas, com muito boa serpentina de
estanto fino que pesa 300 libras : esto
alambique trabalha por dous systemas, um
que serve para destilar garapa c outro pa-
ra resillar ago'ardenle ; para este tem tres
ratificadores os quaes fazem com que o
alcool saia sem cheiro, muito superior em
grao e muito simples para qualquer pessoa
poder trabalhar: acha-se montado e promp-
to a trabalhar | ara o romprador ver : tam-
bem se vendo urna machina do fazer limo-
nada gazosa, agoas mineraea e vinho
champanha : ludo por prego commodo : no
Aterro-da-Boa-Vista, n. 17 fabrica de li-
cores, de Frederico Chaves.
Vendem-se 4 escravas com habilida-
des ; urna parda de 30 annos, que entende
do lodo o servico de urna casa por 300/
rs.; um pardo de 18 annos, de bonita fi-
gura, que he de boa conducta e por isso
proprio para pagem ; um.molecSo de nagSo,
de 18 a 20 anuos bem robusto sem vicios
nem achaques, e que he proprio para todo
preco
do rolo com 10 varas, a 1,600 rs. ; supe-
riores cuites de testos alcochoado a
1,28o rs. ; ditos miudos, a 400 rs. o corto :
na rua do Crespo, n. 14, loja de Jos Fran-
cisco Itias
A 200 rs. o covado.
Vende-se zuarte azul trancado, muito en-
corpado e com 4 palmos e meio de largura ,
a melhor fazenda para vestir escravo pelo
barato prego de 200 rs. o covado: na loja da
esquina da rua do Crespo, que volta para a
cadeia.
Vende-se a casa terrea de pedra e cal
n. 136 da rua Imperial ; um terreno juntoa
mesma para outra casa j aterrado, ludo
at o rio, eem chaos proprios: na rua do
Collegio, n. 6.
Rap rolofrancez.
Vende-seo superior rap rolo francez,
nicamente as lujas dos Srs. Caelano Luiz
Ferreira no Aterro-da-Boa-Vista n. 46 ;
Tlinmaz de Mallos Fstima oa mesma rua,
n. 54 ; Francisco Joaquim Duarte rua do
Cabug Pinto&lnno, na rua da Cadeia
do Recite, n. 19.
Na travesso da Madre-de-Deos,
aimazem n. 9,
vendem-se quartolas com vinho de Bor-
deaux ; frasqueiras com muito superior ge-
nehra de II >llamia; caixas com superior vi-
nho moscatel ; ditas com azeite doce em
garrafas; papel florete; dito almago de
primeira e segunda sorte ; dito de machi-
na ; dito pardo para botica e rhapeleiros;
han ha de porco, em barris e meios ditos ; e
outros muitos gneros proprios para venda.
mllheiros; ditos de estuque, em barris de
32a45milheiros; mermelada de Lisboa,
em latas de le2 libras; ptelas de familia:
na rua da Cruz, n. 19, primeiro andar, a
fallar com Joaquim Ferreira tiendes Gui-
martes. ..
-Vende-se um bonito mloeque de 12
annos; um bonito mulatinhoide 13 anuos,
ambos proprios para aprenderem officio:
porserem muito espertes : na rua larga do
Kozario, loja n. 35.
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Na praca da Independoncia, n. 4, ven-
dem-se bilhetes, roetes, quartos e vigsi-
mos da 19.'lotera do Monte-Po. Na mes-
ma loja se mostram as listas das loteras
passadas.
Vinho de Bordeaux e de
Champanha,
de superior qualidade : vende-se em casa
de Kalkmann Irmfios na rua da Cruz ,
n. 10.
Vende-se um preto com oficio de sa-
patoiro : na ruado Queimado,n. 14.
A 640 rs. a libra.
Que'jos londrinos.
Vendem-se, pelo barato prego de 640 rs. a
libra queijos londrinos chegados recen-
temente: na na do Amorim, n. 36.
Ceblas.
Vendem-se rebolas; .arcas com farinha ;
ditas com feijflo por muito barato prego :
ao p do arco da Conceigffo, armazem n. 64.
Vende-seo engenho Baixa-Verde, um
dos melhores da Malta siluadn quasi as
estremas das comarcas de Nazarelhe Colan-
na de rujo porto dista 5 legoas de excel-
ente estrada completamente montado pa-
ra tirar-se grandes safras com cercado na-
tivo, mallas suflirir-nles terrenos proprios
para qualquer plantagflo. Este engenho ,
alm de outras vanlagons, tem os princi-
paes partidos em cima das porteiras e fres-
cos para nos annos de grande secca terem-se
certos mil pfles de excellente assursr. O
actual proprietario vendo-se obrigado, por
motivos particulares a vender este enge-
nho todo negocio far. Para mais algumas
intermaces os pretendenles pdem diri-
gir-se ao Aterro-da-Boa-Vista n. 84, pri-
meiro andar ou no dito engenho a Diogo
Velho Cavalcantede Albuquerque.
OfWftffffWftffffWfJ
Vende-se superior farinha de man- j
rimen rumio nova nnr nreeo main '
patentesinglezes: na ruada Senzalla.N.
va, n. 42. I "
Vende-se um pardo mogo, de bonu
figura proprio para pagem, outulro qn,,'
quer servigo : na rua da Cadeia-Velha
33, se dir quem vende.
Vende-se um Thompson e
geographico por Coujon, ainda novo
um AtUj
para curar da ptilysica em todos os seus
il i Hrcules graos, ou motivada por al-
guma das segu utos molestias: constipa-
gOes, tosse, asthma, pleuriz esrarros de
sangue coqueluche, drde costase pe-
tos bronchites dr na garganta e todas as
molestias dos orgos pulmonares. Este ex-
cellente remedio que tem gozado de Lio boa
reputag.lo nos Estados-Unidos da America
do Norte, pelos seus bous effeitos na cura
desvaras molestiasacimafmencionadas, tn-
duzio os i i iiprietai ios dele a manda-lo pa-
ra o Brasil, ondo a esperanga de suas virtu-
des nao fram sem fundamente como a
experiencia tem mostrado desde a sua in-
troducido posos admira veis effeitos que
tem produzido aqu silo iguaes aos melho-
res que all tem feito, e que s3o bem altes-
tado pelos varios lestemunhos e certifica-
dos das pessoas que teem sido curadas por
este medicamento sem igual, particular-
mente ao sul desto imperio onde foi pri-
meramente introduzido, e j nesta mesma
provincia receilado pelos mdicos e sem-
pre com bom suces>o. Novaes & Compa-
nhia, os nicos agentes nesta cidade e pro-
vincia, nonti ados pelos agentes geraes do
Rio-de-Janeiro, os Srs. K. C. Yates & Com-
panhia mudaram o deposito deste xarope
para a botica do Sr. Jos Mara llamos, na
rua dos Quarleis, n. 12, junto ao quartel de
polica onde sempre acharfio o nico ver-
dadero, vindo daquelle deposito, a 5,500
rs. cada garraa. '
-Vende-se superior cal virgem de Lis-
boa .em barris pequeos; feches de arco
de pao e rodas de dito para barricas; cu-
nhetes de pinito; abatidos para assucar
pregos caixaes do Porto, em barris de 10
* dioca, muito nova por prego mais
* commodo do que em outra qualquer
9- parte: a bordo da sumaca Bella-Arge-
** lina, tendeada defronte do caes do
^ Ramos ou na rua do Vigario, o. 19,
r segundo andar, casa de Machado &
>" Pinheiro.
Cortes de brim de puro
linho, a !/20.
-- Vendem-se cortes de brim trangado
pardo de puro linho, pelo diminuto prego
de quatro patacas : na rua do Crespo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Eslo-se acallando
os superiores queijos do prensa : na rua do
Queimado, loja de miudezas n. 25.
Sorte grande de 20:000^
Lotera do'Kio-dc-
Janeiro-
SSo chrgadas as listas da matrizes e da
miserrordia e com ellas grande sortimen-
to de bilhctes. meios, quartos, oitavos e
vigsimos da 19.a lotera do Monte-Pio : na
rua da Cadeia teja de ferragens, de Anto-
nio Joaquim Vidal.
Vinho da Figueira.
Aviso aos amantes da
boa pinga.
No novo armazem deste delicioso licor,
na rua do Collegio, n. 13, vende-se. a 180
rs. a garrafa e a 1,280 rs. a caada : tam-
bem ha em barris. O rroprietario deste es-
tabrlecimenlo assevoia aos seus novos fre-
guezes que este liquido he o melhor e mais
puro que desta qualidade se pode apresen-
lar no mercado o quem tima vez experi-
mentar n.todeixar de continuar.
RUA DA CRUZ N. 13.
ARMAZEM DE FORNECIMENTOS PARA
NAVIOS.
Neste armazem vende-se o seguinte:
Carne, salgada
de porco e vacca ,em barris, de muito boa
qualidade e muito nova ;
fiemos de jaia
de todos os tamaitos ;
La n tem as de patente
de varios tamanhos, proprias para navios;
Cabos da fiussia,
de patente, os melhores que ha no merca-
do, e de todas as grossuras ;
I.anas inglezas
e da Russia de varias qualidades ,' tanto
largas eomo estreilas;
Brins da fiussia,
de supe ior qualidade para velas ;
Bonetes escocezes
para marujos.
VffffVVVffVfffVffVO
prego commodo : na rua do Cabug ) |m '
n. 7.
Vendem-se ricos coeiros de casimira
bordados: no Passeio-Publico, loja n. 11
Vende-se urna preta com urna nih,
10 annos: a preta cozinha, lava e venden,
rita ; urna dita boa para o trabalho de cb.
po, por estar a sto scosturoada : naroai
Collegio, n. 21, primeiro andar, se j^
quem vende.
Vende-se urna barrica com gomnu (|e
engommar, por prego commodo: di rm
das Cruzes, n. 40.
Vende-se sag de primeira sorte, goa,.
roa de araruta tapioca doMaranho, cms.
dinha de Franca cevada : na rua das Cru-
zes n. 40.
Calcados.
Vendem-se sapa toes de couro de hubo
para homem a 5, 6, 7 e 8,000 rs ; borje.
guins a 4,500 rs.; sapatdes de bezerro,
5,000 rs.; ditos do Aracaty, a 1.200 rs.;,'
patos de marroquim para setthora a S.OO0
rs ; ditos a 1,000 rs.; ditos de duraqoa de
Lisboa a 1,200 rs. ; ditos francezes, t y
rs. ditosde lustroe setim a a.SOO rs. -
patos para meninas, a 640 rs.; ditos con
clchete a 400 rs.; pelles de bezerro fran-
cez, a 3,500 rs. ; dilas de lustro, a 4,5to
rs. ; ditas hamhurguezas, muito sunerio.
res a 4,000 rs.; marroquim de lodn i
cores, a 1,920 rs. ; ricos rrtrs de sapatns
(apele para homem e senhora ; charwnj
francezes para homem ; ditos da sol;
sortimento de perfumarlas, por preco coa-!
modo: na praca da Independencia ni. u
15, tejado Arantes.
Na rua das Cruzes, n. 92, segundo u-
dar, vendem-se 6 escravos, sendo: 2 mol*
cotes de nagSo de 18 a 98 annos, sendo un
delles ptimo serrador, e outro cozinhfi.ro
urna linda cabrinha de 16 annos, com tu
blidades ; duas pretas lavadeirase quiln
deiras.
Vendem-se cadeiras depalhinha, iroJ
prias para ssla de jantare casa de campo
a 9. 3 e 4,000 rs. : na rua Nova, armize1
de trastes, defronte da rua de S.-Amir
n.59.
Vende-se, ou aluga-se um preto p'.
prio para todo o servigo, tanto de cantp,
como de casa por ser muito robusto, e ni
regeitar qualquer trabalho que seja
rua: do Collegio, n. 15, segundo andar!
Ao barato.
Vendem-se alguns livros e telhetos : fn
loja da esbuina do arco de S.-Antonio, n. t
--Vende-se um cavallo alazflo muito mu
so, bonitt?,que anda bem baixo, e be optmi
para carrQ,assim como urna carroga nova te
da pintada de oleo,com fortes rodas de licit
pira, eixos',de ferro, etc.: esta obra pela iw
construcgSQ he a melhor que pode appire
cer : na rua da Florentina, n. 16, defronK
da cocheira do Sr. major SebasliSo.
Vende-se cera de camsto
na rua da Madre-de-Deos, \oji
n. 34.
Vendem-se oito cssaes de pombos loJJ
dos juntos, ou separados, sendo elles mm
lo bons batedores, grandes, de excellenl
ragas, muito bonitos, e proprios para quil
querencommenda: najrua da Florenlim
n. 16, defronte da cocheira.
K-scravos Fgidos
Vendem-se molecOes de 16 a 90 an-
nos de nagfio e crioulos, sendo-um
de 16 annos, e de nagSo bom cozi-
eiro e de ptima conducta
rua das Larangeras/n; 14,"egundo % vz; alm de outra roupa lwo calgJ
,<* panno fino azul Js^eU da mesma faze
jj> andar.

OAAAAAAAAAAAO
Anda est por vender a venda duTAler-
ro-da-Boa-Vista n 99, com poucol fun-
dos e com com modos para morar fanilia
tambem se vende um brago de
grande com 9 arrobas em peaoa,
para armazem de assucar, ou
Ceai : a tratar na mesma venda;
~ Vendem-se relogios de 01
tanca
proprio
me do
re|prata,
Fugio, no dia 31, pelas 4 horas da tir
de um escravo pardo de nome Vicente
de cor muito clara cabello um tanto n
chaim; levou caigas de riscado, cimist
branca jaqueta de riscado, deixando
chapeo porm elle havia ter cuidado de
comprar outro ; tem no rosto algumas Mr
das; heofficial de alfaiale, elamliemm
tendede carpina ; he muito de suppor, por
ser muito alvo que se inculque forro, pos
diz ter mili forre as Bananeiras, provine
da Parahiba ; he muito baquiano, por 1*
andado com o antigo senhor por S -Antoi
lodo o sertfto com gados, em que o senhor
negociava ; foi vendido no Cear, a Deside-
rio Antonio de Miranda, que o trovii
comsigo no vapor. Roga-se as autoridad
policiaes, pessoas do povo e cap I des >
campo que o apprchendam e levem-noi
rua da Cruz no Recite, n. 33, que se gn-
tificar com 50,000 rs.
Fugio, ha dias, um preto nomed
Patricio crioulo de 30 annos pouco ai
ou menos ; he bastante preto, magro, de*
dentado com urna lisila em um queixo;
levou caigas de riscado ja usadas, jaqurlt
prets ; anda muito de vagar por ter esta-
do doente ; consta andar noa arrabaldn
desta cidode, com urna mochila pedino
esmolas como pobre ; tem um p um lano
inchado : quem o pegar leve-o rifa <"
Cruz n. 33, que ser gratificado.
-- Fugiram, no dia 30 do prximo pasa-
do, osprelos Joaquim de nagSo Carnun-
dongo fula, de 94 annos pouco mais o*
menos, estatura regular; lem algum
marcas de ventosas no eslamago : Joto,*
nagflo Congo, de 94 annos pouco mais o
menos estatura regular, grosso do rorpo;
tem dous dedos meioaleijadoa na mfloj"'
reita urna cicatriz e principios de um lo-
binlio nss costas de dita mi. Roga-se "
autordades policiaes ecapitaea de cimpo,
que o apprchendam e levem-no a Wra-ue-
Portas, venda n. 135 a seu senhor, lti<>8
Rodrigues, que recompensar com 100/ r*
Fugio, no da 30 de jullto, do Monteiro,
umpBrdo d nome Cornelio perlencente'
X, com cilicio de sapaletro ^~
1, secco do corpo, pernas conp"
, s grandes e largos ; tem os ded
mflos compridos e linos, ollios grano
rgo bocea grande defTtes lar
cabellos crespos ; quando falla gaguej
da com botOes amarellos e bonete; coe*
ta ter procurado servigo nesta praga. w
varias tejas de sapateiro quem o Pe*,r'2
ve-o ao Monteiro, casa onde morou o 01
Jos Camello, ou nesta praga a casa uo i
alferes MaranUflo, que gratificar cu
90,000 rs.
pi*ii.: *a m>. nt m, DI raau.
-184
II rsw #1-1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8W3T5W6F_GF1XI2 INGEST_TIME 2013-04-12T21:53:24Z PACKAGE AA00011611_06243
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES