Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06240


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV.
Tcrga-feira 7
PARTIDA* DOS COHBEIOS.
, Parabiba, segundas e sextas-feiro.
i^oande-do-Nortc, qulnta.-feiras ao mcio-
,-1?iaScriihein, Rlo-Fonno.o, Porto-Calvo
**,%ol.. alie dcada me*
'Craiihunac Bonito. 8 cSM.
-Visie Flores, a IJeffl.
SEtorla. quintas-fclras.
Miada, todos o. d.as. _____________^^
KPBEMXBIDXS.
riusEs D) loa. Chela a 4, as 1 h. e32 m. dam.
Mlng. alt, sll h. e 13 m.dam.
Nova a 18, s 3h. el.lm.da t.
Cresc. a 26, s 2 u. e 36 m. da u
prtEAWAB. DX BOJE.
Primeira s7 horas e42 minutoida maiili.
Segunda s 8 horas e minutos da tarde.
de Agosto tic 1849.
FnECOS DA .UBSCHIPIjAo.
Por tres raezes (odi'l<') 4^000
Por seis mezes 8/000
Por uui anno 10/000
das da man*. J ,
6 Seg. S.Thiago. Aud.doJ.dos orf.cdom.da l.v.
7 Tere. S.Caetano. Aud. da chae., do J. ua 1. v.
do civ. e do dos feltos da fazenda.
8 Ouart. S. Cyrlaco. Aud. do J.da2. v. do civ.
9 Quint. S.honUo. Aud. do J.dosorf.c do .
da l.v.
10 Sext. >1t s- Lourcnco.
11 Sab. Si. Tiburcio e Susana. Aud. da Chae, e do
J. da 2. vara do crime.
12 D0111. S. Liara.
CAMBIO
Sobre Londres. 2Sd. por 1^000
I Sa^O Por cinto.
--Kai'd?0/1fSeVn.;
. de C/400 novas
. de 4/000..fc;"
Prala.-Patareslirasileii-
N- 175.
AGOSTO.
rs. a (Odias.
Pesos coluinnarlt
Ditos iiicticapo'
. 31*000 a 8M800
. 17/200 a 17/400
, Ki/200 a 115/4W
9/200 a 0/40(1
' 1*190 a 2/OHi
1/900 a 1/020
DIARIO
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DOS NEGOCIOS ES-
TRANGEIR0S.
Rio-dt-JtMiro, 29 d< 'ao 1849.
Illm. e Extn.Sr.-TransmiUo V. Exc.
,rs seu conhecimenlo, inclusa copiad'- ----. -kk------------ -
nnia nue o ministro argentino nesta corte nlo estabeleceu como regra
mn dirigi com data de 14 do corrento, de- dessa liceiiQa na gener.lidi.uo ..v-
Zrdo ter o seu governo reconliecido o nSo privou o inspector e gu.rd.-mor da
', :.____.r.iA Hn irnvrrno imoerial para inspeecao do porto e vigia Jos ancoradou-
l'ireito perfeito do governo imperial para
1 fazer a visita domiciliaria que se prattcou na
Icasa do vicecnsul argentino ness capi-
I(a|. Nono Maria de Seixas, e para cassar-lne
lo exequtur imperial, e que nesses actos
I no houve uffensa a bandeira argentina, in-
I rrarC3o *, direito das gentes, nem aggrivo
* neos guarde a V. Exc -Visconde de Olinda.
-Sr. Honorio Itormto Carneiro LeSo.
Legacin argentina ; Viva la confede-
racin argontina! nio-de-Janero, julio 14
de1849.--Anfl*0dele libertad, 34 dla in-
,!e .endensa, y 20 de la confederacin ar-
eentina.-lllm. y Exm. Sr. visconde de Olin-
da. presidento del consejo de ministros, mi-
nistro y .secretario de estailo do los nngo-
kcios extrangeros, etc., ele etc.--El infras-
Vo.Pnviado extraordinariojy ministro ple-
ipotenciario'de la confederacin argenti-
na.tuvo la honra de dar cuenta su gobier-
no, com todos los documentos correspon-
dientes, de haber el de 8. M. casado el ex-
equtur, que dio a la patente do vice-consul
argentino para Pernambuco, expedida a fa-
vor de D. Nuno Maria de Seixas; y el gobi-
erno de la confederacin, contemplando se-
riamente este asunto, ha ordenado al infras-
crito comunicar al Sr. visconde de Olinda
su juicio acerca de l con la lealtad y fran-
queza de todos sus actos.
Considera el gobierno argentino que
aunque no consta probado legalmente; que
Seixas cometiese urna abierta violacin de
la neutralidad, resaltan los poderosos' mo-
tivos que tiene el ministerio imperial de
sospecharla : motivos que S. E. adhiere,
porque ha formado el juicio de que aquel
empleado.no correspondi la confianza
que le dispensarou la legacin y-el consula-
do coral argentino en esta corte.
Lejos de haber sido ofendido el pabelln
argentino por la visita domiciliaria en la
casa del vice-consul por orden do 1 presi-
dencia do Pernambuco, so us por aquella
autoridad en esa medida de un desecho per-
fecto, de qife a su vex usaria el gobierno ar-
gentino en casos idnticos; siondo lisera
de toda cuestin que en esso acto no hubo
la menor infraccin del derecho de gentes,
ni por lo tanto agravi a la repblica,
a Ese mismo acontecimento no hubiera
vas attriouicOes, e evitar contestacOes e
conflictos, sempre prejudiciaes ao serviQO
publico. Quanto segunda portara, de-
terminando ella que quaesquer ordens
que sejam precisas nar. proceder a buscas
a bordo de nayios ja desembarazados pela
alfandega, ou queestejam no ancoradouro
da alfandega, devem ser expedidas pelo ad-
ministrador do consulado, e por elle jul-
gtdas as apprehensOes que se flzerem
nlo estabeleceu como regra a necessidade
dessa lieenc/ na generalidade dos casos,
JnspeecSo do porto e vigia dos ancoradou-
ros, nem os impedio de ordenar as buscas
nos ancoradouros e fazer as apprehensOes
dos gneros suhjeitos a direitos da alfande-
ga, ou a quaesquer outros direitos nacto-
naes, nps termos do regulamentode 22 de
junlio de 1836, mas sim que as apprehen-
sOes feitas a bordo dos navios j desemba-
ragados pela alfandega, ou que estejam no
ancoradouro da carga, posto que o sejam
pelos empregados da alfandega com ou sem
ordem ou cenca do administrador do con-
sulado, devem por este ser julgados confor-
me o seu regulamento, pela obvia rasflo
q'jp, ha vendo a aifandega declarado j nao
existir a bordo desse navio mercadoria ne-
nhuma subjeita ao pagamento de direitos
de consumo, deve entender-se que as que
frem encontradas posteriormente a essa
d.-claracilo fram de trra para bordo, e
por consequencia estilo subjoilas inspec-
ciio do administrador do consulado, e na
forma do art. 198 do regulamento de 30 de
mnio do 1836 pertence-lhe o julgamento
dellas; ficando assim privativo do admi-
nistrador do consulado o julgament-) das
apprehensOes feitas dentro dos navios que
estiverem no ancoradouro da carga ou j
desembarazados pela alfandega. Fica, po-
rm, entendido que todas as vezes que o
administrador do consulado reconhecerque
as mercaderas apprehendidas dentro dos
navios supraoioncionados estilo subinilas
ao pagamento dos direitos que socoram
pela alfandega, dever remell-las con o
respectivo processo ao inspector delta, afim
de que julgue a apprehenso das mesmas
mercadorias.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 4 DE AGOSTO.
OniCIO. ---- AU i.uuiuhiiJw 1m ,....,-, c-
commendando aexpediclo desuas ordens
para que a senlinella enllocada entrada do
collegio tenha a seu cuidado vigiar que no
sejam dilaceradas as listas das carias allixa-
das no salflo do mesmo collegio. Scienli-
licou-se o administrador do corrcio.
Dito. Ao mesmo, determinando baja de
dar as convenientes ordens para que Joao
o acontecimento no hubiera j|0jest0 e joaquim Manoel, que por outros
tenido lugar, si Seixas hubiere cumplido gemaram praQa nocorpo fixo do f.ear, se
" apresentem ao inspector do arsenal de
las ordenes superiores, transmitidas por
el infrascrito, de escrupulosa neutralidad.
v circunspecta absoluta prescindencla todo
asunto domestico del imperio, y principal-
mente de escandalosas rebeliones.
a El gobierno argentino ha sentido un
profundo desagrado al ser informado de las
vituperables opiniones de un agente consu-
lar, que no supo comprender ni aun los
principios elementales do su poltica exte-
rior, y habra adoptat igual medida a la to-
mada por el gabinete brasilero, en virtud
de derecho perfeto. Se complace, portan-
to, en ver la entera consonancia en que am-
bos so bailan sobre este punto.
(i As, habiendo ya el gobierno de S. M. I.
hecho casacin del exequtur que otorgo a
la patento del menciona vice-consul, el
Exm. Sr. governador do Buenos Ayres, ge-
neral D. Juan M. de osas, encargado de las
relaciones exteriores de la confederacin
argentina, ha resuello casar tambin por su
parle la misma patente, mandando sea ro-
cogida de manos de aquel individuo, reti-
rndole toda y cualquiera confianza ahora y
para en adelante, y extendiendo dosis ma-
nera la.pena hasta donde alcanza su dere-
cho y su jurisdiccin.
Dios guarde V. E. muchos anOs.-Io-
rnnj Guidu. Conforme Joaquim Mana
tiatcentttdt Azcmbuja.
MIMSTKtUO DA FAZERDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DA 12 DE
JULIIO.
Ao inspector da alfandega, declarando
que, nfloobsWnte a sua represontac,ao de
20 do jullio, dvem ser cumpridas as dispo-
sieOes das parlaras 3e 16 de dezombro
passado e 1\de maio ultimo. Kas pala-
vras aus barcos da cabolagem nilo lie
applicavel o art. 159 do regulamento das
alfandegas, e sim o art. 184 do consulado,
a cujo admlpstrador compete impO-la <
multa) quando o barco nflo traga manifes-
t quo se lem na primeira das referi-
das portarlas esta a soluclo das duvidas que
propnz o Sr. inspector ; porque, existiado
duas rtsmelas disposges liscaes a respei-
. lo da falta de manifest, urna a do art. 159
do regulamento de 22 de junho de 1830, re-
lativa embarcaces viudas deportoses-
Irangeiros e s mercadorias de fra do paiz,
nutra do art. 184 do regulamento do con-
sulado, relativa s embarcacOes de cabola-
gem aos gneros do paiz, ambas ellas de-
vem ser cumpridas e execuladas opporlu-
namente, quando se verilicarein ascircums-
tanclas a que sao applicaveis ; aquella pelo
inspector da alfandega, e esta pelo admi-
nistrador do consulado ; sendo claro que a
portarla s teve por fin manter a cada um
dos chefes das duas repartieses, alfandega
e consulado, no exercicio de suas respecli-
marinha, afim de que este Ihes d o conve-
niente destino, visto seren desertores da
guarniefloda fragata Paraguass, onde ser-
van comoimperiaes marinberos da ter-
ceira classe. Inteirou-se o referido ins-
pector. .
Dito. Ao chec de polica, communi-
candoqueno da 7 docorrente ten d sa-
bir para a Iba de Fernando o brigue-escu-
na Legalidad, alim do que mande apromptar
para irem nessa occasiilo o sentenciado do
corpo de polica FilippeNery de Iiarcellos e
osdemais presos que cxistirem na cadea
con destino para all- Scientificou:se o
commandante da praQa eo juiz municipal
da primeira vara. .
Dito Ao inspector da thesourarial da
meada, determinando mande fornecer a
contadoria de marinha as quantias indis-
pensaveis para as despezas a fazer com as
rubrcas-forca naval e enfermara de mari-
nha--, at que o governo imperial resolva a
respei'too que fr servido. Communcou-
so ao conrelho de administracao naval.
Dito Ao mesmo, autorisando-o, nos ter-
mos do 9." artigo l. e do artigo 2.' do de-
creto 11. 158 de 7 de maio de 1842, a mandar
proceder com presteza aosconcertos de que
iiecessita o armazem n. 1 da alfandega des-
tacidado, sondo encarregado dessa obra o
engenheiro mechanico Aiidr Wilmer sb
a administracao do inspector daquella re-
parlicao, o qual rubricar as folhas das
ferias.
Dito. Ao mesmo, ordenando expeca as
convenientes ordens para que a rublica pha-
rol cuja quola he inferioras despezas que
Ihe sflo inherentes no corrente annatinan-
ceiro.sejasupprida com oque de mais ha
no cresjilo aberlo para as despezas da rubri-
ca -- capitana do porlo -- emquanlo o go-
verno imperial nflo resol ve a respeito de
urna representacao quo ueste sentido Ihe
dirige o inspector do arsena de marinha.
-Communicou-se ao referido inspector.
Dito Ao inspector da Ihesourana da
hienda provincial, para que mande adian-
t,r ao administrador di theatro a-quanlia
de 3:000,000 rs. para compra de madeira e
nagamento das ferias dos operarios que tra-
balham na obra do referido theatro. Sci-
entilicou-se o administrador do mesmo
theatro
Dito. Ao mesmo, ordenando mande sa-
lisfazer o pedido que pela repartirlo das
obras publicas Ihe fr apresentado na im-
portancia de 88, 220 rs. para pagamento das
despezas que, alm das oreadas, se hieram
com os cotcenos da ponte dos Afogados.
a fechar a conta da receita e despeza do
hospital rogimental do mesmo corpo, rela-
tiva ao semestre decorrido dol. de Janei-
ro 10 ultimo de junho deste anno. Intel-
ligenciou-sc o commandante do menciona-
do corpo. .
Dito. Ao mesmo, pa'a que mande satis-
fazer o pedido que pela repsrticao das obras
publicas Ihe fr apresenUdo na importancia
de 89,720 rs para pagamento das despezas
que, alm das orgadas, se fizeram com os
concertosdacasa dabarreira da Tacaruna
Inteirou-se o administrador daquella re-
partido. ...
Dito. Ao inspector da pagadona-mili-
tar, transmittindo a conta das despezas fei-
tas pelo commandante do corpo de polica
com os roerntas que eativeram detidos no
respectivo, quartel de 11 a 20 de jullio ulti-
mo, afim deque, avista delta, mande pagar
ao referido commandante a quanta de rs.
37,440. Communicou-se ao commandan-
te do mencionado corpo.
Dito. Ao mesmo, ordenando que, a vis-
ta de documento legalisado. mande pagar
ao delegado do termo leCoianna, ou a seu
procurador, a quantia de 22,000 rs. por que
contratara o transporte de seis recrutas da-
quella cidade para esta capital em a narca-
ca Concticao-de-Maria. Scentificou-se O
chefe de polica. ,
Dito. Ao director do arsenal de guerra,
aiilorisando-o a despeoder a quantia de rs.
394,330 com a compra deazeito de carrapa-
to e de coco, velas do carnauba, lio de algo-
dio e pavios par fornecer de luzes os cor-
nos de primeira linha, guardas e fortalezas
da provincia no correle mez. Inloirou-
se o inspector da pagadoria-militar.
Dito. Ao administrador das obras pu-
blicas, declarando que pode mandar exami-
nar pelo engenheiro daquella roparlicSo a
casa da barreira da ponte da Tacaruna, feta
pelo arrematante Joilo Francisco do llego
Dito. Ao commandante do corpo de
polica. Pode Vmc. declarar ao lente
Aotonio Pereira deSouza que fleo inteirado
do seu bom procedimenlo durante o lempo
que esleve destacado na cidado da \ 1 tona,
o quo opporlunamonto lomare as medidas
oue iulgar convenienlcs. .
Portara. O presidento da provincia,
usando da aUribuicSo que Ihe foi conlcnda
pelo decreto delt de Janeiro do correle
inno. iem resolvido conceder rfmnistia en
nomo j.s. i ..n..^.. mV~~~-~> J
Cunha Machado Podrosa pelo crime de re-
bellifio ltimamente commetlido nesta pro-
vincia. .
E para sua resalva se Ihe passa a presente,
em viitudedaqual jamis Sera processado
pelo dito crime. ,
Dita. Ordonando ao commandante do
brigue escuna Canopo quo fa?a por em li-
berdade o preso Claudino Luis de Mello.
Dita. Nomeando praticante addido da
contadoria de marinha a Jotto Pcssoa da Ga-
ma.Scienlilicouse o contador de ma-
rinha.
4dasordenancas de 9 de abril de 1805i las
deserces aggravadas porcircumstsncias.foi
IB. -"sentene. pela junta de1 .usl.C.
em sessSo de 27 na P'fl^!.
o reo. mas mmorando a pena, e reduzmdo a
prisSo seis.nnos de pris.lo com trabalho
nailhadeFernaiido-de-Noronha.
Dito, Manoel Cuill.erme sbsolfido pelo
concelho de guerra em 13 de junho, de 18W.
e confirmada a senten?a pela junta de jus-
tica em sessaodc2". .
Dito, Caetanonaptistada Fonseca, absoI-
vido pelo concelho de guerra em 9 W*W
de 1849, o confirmada a seotenea pela junta
de justQa em sesso de 27.
Dito, Sebastiao Marques, sentenciado pe-
lo concelho de guerra em iOdejunfto la
1849 no artigo nico das dosercoes aggrava-
das por circumstancias.e confirmada a sen-
tenca pela junta de juntica r.m sessilo de 1,
minorando e reduzindo a pena a MHMI
de prsilo com trabalhos na illu de Fernan-
do-dc-Noronha.
Oiiavo balnthdo dt catadora.
Cabo Flix Jos da Silva, absolvido pelo
concelho de guerra em 11 de junho de 1819,
to?pel junta" de juslica confirmada asen-
tenca em sessito de 27.
Anspecada Vicente Antonio da Costa, ab-
solvido pelo concelho de guerra em 22 de
junho de 1849. M confirmada a sentonea
pela junta de justiQa era sessUo de 27.
O mesmo Illm. Sr. coronel commandan-
te da praca tem em data de honto.a posto o
seu-cumpra-sea rogislre-se nos proces-
aos cima declarados.
Finalmente ordena o mesmo Illm Sr. que
o Sr. alferes do segundo batalh;io de cacado-
res Manoel Eloy Mcndos.que se icha addio
ao sexto da mesma arma, servmdo de qoar-
tel-mestre, regresse ao seum"":
po, devenlo todava concluir a preslac.io
de suas cantas.
Francisco Carlos Boeno Deschamps,
Primeira tenante ajudante de ordens.
, ez horas da mantlfft, achando-se pro-
les os Srs. dnembarfadores Hamos, 111-
s Hasts, Lelo, Sou/.a, llrbello. I.ima 1 m-
i.r li/. rrc airelio I'.rclra nrrnrriro, ral-
lo inteirou-se o administrador das obras pu-
Commando da pra^a.
Quartcl do caminando da praca na cidade do
Recife, 1." de agosto dt 1849.
OUDEMDODIA. N. 8.
O Illm. Sr. coronel commandanlo da pra-
ca manda fazer publico, para conhec.mei.lo
da guarnido, as sentencas proferidas pela
junta dejustieaem aaesSodese odeju-
Iho prximo lindo, acerca >"!"
declarados, cujos pareceres fram remeti-
dos pelo Exm. Sr. presidente da provincia
em olllcio de 30 do dilo mez, a saber :
CompanAio di cavallaria.
Soldado Francisco JosdoSouxa, senten-
ciado pelo concelho de guerra em l.de
maio de 1849 no artigo 1 Ululo 4 das orde-
nanzas de 9 do abril de 1805, fo. pela junta
de iustica confirmada a tentones em sessao
de 27. mandando que se Ihe leve em tonta o
lempo de prisSo.
Primeiro baialhdo de catadores.
Dito, Francisco do Espirito Santo, absol-
vido pelo concelho de guerra em 14 doju-
Iho de 1819, foi pela junta de justica em
sessHo de 27 confirmada a dita sentenca.
Dito, Felisberlo Justino, sentenciado pe-
lo concelho de guerra a 29 de junho de 1849
incurso no artigo nico titulo 4 de deser-
ces aggravadas por circunstancias, toi pe-
la junta de justica confirmada a sentenca
emscssIOdeW, levando-se-lhe em conta o
lempo que ten lido de prisilo.
Dilo, JoSo de Serpa, absolvido pelo con-
celho de guerra em-19 de junho de 1849,
foi pela junta de justica confirmada a dita
sentenca em sessao de 27.
Dito, Simplicio llibeiro, sentenciado pe-
lo concelho de guerra era 14 de junho de
1849 incurso no artigo nico titulo 4 das de-
sercOes aggravadas por elrcumstancias, fo.
confirmada a dita sentenca em sessao de 26,
levando-se-lbe em conta o lempo de priso.
Dito, Pedro Mendes, absolvido pelo con-
celho de guerra em 19 de junho de 1849, ro
pela junta do justica confirmada a dita sen-
tenca emsessflo de 27.
Dito. Francisco Roque, absolvido pelo
conceluo de guerra em 19 de junho de 1849,
foi pela junto de jusilla confirmada a sen-
tones em ses3o de 27.
Dito, Tlieodoro Soares,| absolvido peto
concelho do guerra em 19 de junho de 1849,
e confirmada a dita sentenca pela junta Oe
justica em sessao de 27.
Dito, Antonio Francisco da Silva, sentn-
birlas.
Dlo. Ao mesmo, ordenando mande en-
tregW ao commandante do corpo de polica
a qtintia de 3:448,251 rs. para habililaflo av."'J T\f\
TRIBUNAL DA KELACAO'.
SESSAO" EM 4 DE AGOSTO DE 1849.
PHESIDENCU 00 EXM. SF.NIIO
CONCBLHEIRO AZEVEDO.
A's an horas da manhfft, aehando-se pre-
sentes
lares.
tando com causa o Sr. desembargador Pon-
ce, o Sr. presidente declara abcrla a sessao.
rULOAMENTOS.
Ihbeai-corpu de Genuino Celestino da Cruz.
_AgKravo'depclicaodc .los Francisco Bran-
co, aggravado, Francisco Carneiro da Silva.
Teve nroviincnto.
Os dous recursos crimes do bacharcl \ cenle
Pereira do llego com o juizo.liveram pro-
viniento, despronunciando-se o reconeiitc.
Appellai'es riveis.
Appellante, ojnUo; appellado Lulz Rorges
re Mnueira.Mandou-se ouvir ao curauor
da heranca. ao curador-geral c ao hr. des-
embargador procurador da cora emienda.
Appellante, Luii Scvchno Marques 1 acal han ,
appellado, Antonio Jos Marques liacalhao.
--Slandou-se ouvir ao Dr. curador-geral.
Appellantes, J0S6 Manoel Mendes c Kvarlslo
Mmdca da Cunha Azevedo -Foi confirmado
a sentenca quanto ao peculato, e minorada
a pena de prilfo.
Aiiignifei.
Foi assicnado o 1." da ulil para seren jul-
eadas as appellaefiei ornei em que sao :
Appellante, o promotor PP"d,0;|P*,,cUn"
na escravodc Joo Itaplisia Monteiro.
Appclane) o jui.o ; appellado, Francisco Jo-
do Naaciincnto.
Appellante, o juizo appellado, Jo.c I.ou-
renco Martins.
As appeUaCoes civeis em que sao :
Appellante, Jos Rodrigues do Paco ; appella-
do, Jos Fernandes Brasil. ,
Appellantes, os administradores c herdeiros
da casa do fiuado Joao Mana Seve ; appella-
do, tlias Coelho Cintra.
Itcvisiiei.
Passaram do Sr. desembargado! Villares ac
Sr. desembargador Pastos as appellayes ci-
AneVn1" Puedes da Fonseca Cou.inho ;
Vppellada, D. Maria Anna Joaquina da Silva.
Appellante, Antonio Lopes Pereira dei Melle.
appellado, Antonio Joaquim de Alineida
Guedcs Alcanforado. .
Appellante, Jos Nogueira de Olivcira appel-
lado, Joaquim Francisco Diniz.
Appellante, Josefa Epiphania da Fonseca ; ap-
pellados, Manoel da Fonseca Silva e outros.
As appellacocs crimes em que sao :
Appellaiiie. o juizo; appellado, Joaqun Ro-
drigues de Araujo Sipo.
Appellaute, ojuiso ; appellado, Pedro Jos da
Passaram do Sr. desembargador Bastos ao
Sr. desembargador Leo as appcllaces civeis
Ann'i'lantc, D. Anna Joaquina do Nasclmcnto;
appellado, Diniz Antonio de Moraes Silva.
Appellante. Agostinho Fernandes Catanbo de
Vasconcellos ; appellado. Joao Frederico de
ADMlUnle, JoaqaiinJoto do Nascimento ; ap-
ellado, Filippe lucas da Cunha Lima.
Passaram do Sr. desembargador Leao ao Sr
desembargador Sou.a as appellafcs crimes
que sao : ,,
Appellante, Jos Rodrigues Velloso ; appella-
Aptnai.t'o'lulzo; appellado, Mano.. A.ve.
do Nascimento.
ra appellado. Amaro 4osc'do. Prazeres.
Appellanle. ojizo: appellado, Antonio Jos
App.ll.., oJufo;.PPeM.d..l>.AnJoa-
Ap^enanle/o ju1zo ;'aappc..ado. Jofq.im do.
AppeU.GntrAnn. naymunda da Paz appe.la-
desembargador Lun, Freir a appeUac-o <=rl
USSXfii** a"p"ud0-MiKUCl Fra""
cisco do Bom-Fim ..-..
pellado, Antonio Joaqumi da Rosa
Appellante, Manoel Antonio da Silva aioiw
A|aPppe.lado, Jos Gonc.lve. Torres
Appllanle, Francisco Jo. Barbosa appelia
Annrllaiic Antonio Fcrrfira do Valle, ap
APpPe,ladose,' Eugenio Jo..de Santa-Rita e ou-
Pass'ou do Sr. desembargador Luna Freir
ao S. jui.de direito Pereira Montelro a .ppel"
AppetnteslXnto^.e^. Coala esua ,nu-
Ih'r ; appellado.. Jos Joaquim Bezerra Ca-
valcantc e sua inulhcr.
Distribuifei.
Ao Sr. desembargador Ramo, o recur.ocri-
,e do befe de polica dest cid.de em qe
fecorrente. Francl.co dos Reis Nunes Cam-
pello Jnior ; recorrido, o Jlzo- s
A appellacilo civel d juizo municipal de San-
Jos de Mirib cm que_sao : .,
Annellanie, Antonio de Albuquerque aiara
*E valcante ; appellado, Jos Ignac.o
de A,lbuqucrque Maranhao.
Ao Sr. desembargado; Villare.o recurso, cri-
me do julw do chefe de polica dcsta cidade
tocorrcn'teV Ignacio Manoel Viegas recorrl-
O MfmSl Cetta-o do Jui/o do clvel den
S^LSThSm I.'x.da Veig. ; .grava-
do, Antonio da Cunha Soarc. Guimaraes.
Ao-Sr. de.embargador Bastos o recurso cri-
me do juizo de direito desta cidade em que
t'c'correntc, Antonio fcrrclr. da Annunct-
co ; recorrido, o juizo.
0 da de apparecer do julio do civel desta ci-
dade em que sao : _..
Appellante, Manoel Antonio do. Passose Sil-
va appellado. o bacharel Manoel Jos Pe-
reira de Mello, curador da parda Clemen-
oTg'gravo de pelieao do juizo do civel desta
i-iilntli- rin titMm-om t ,
Aggravante, Nuoo Maria de Seixas ; aggrava-
do, De Goussencourt.
AoSr. desembargador Luna Freir a appci-
l.rao civel do juizo de ausentes desta cidad.t
em que sao : .... .
Appellante, Romao de Souza I isbOa; appella-
dos, o curador da herane^ de Jos Anlouio
de Moraes e mu 1.
Lcvautou-se a sessao s 3 horas.
INTERIOR.
ciaXUpeto'cotjceho"d" guerra de 19 de1 ju1 -1
ubo de 1849 incurso ao arUgo nico titulo I
a Rom. 7
Appellante, loo P.relra Lago j appellado,
jierculanb Jo. de FrelU..
SAN-PF.IUtO DO SUL.
Itin-Grande,.16 de ulho.
Cliegou da capital sexta-feira do uole o
vapor Porlo-Alegrense. no qual veode pas-
sagem 0 Sr. Antonio Jos Caetano da Silva,
quo all hava ido tomar assento na assem-
bla provincial.
O vapor sahira de Porlo-Alcgre no da 12,
de cuja dala lio a nossa correspondencia
particular, que por falla de espaco boje,
daremos no primeiro numero.
Tinha sido votada a redaegao da le do
orcamentn provincial par. subir sancclo
da presidencia. Della constam as seguintes
disposiefles: A odministracno da fazenda
provincial foi conveitida desde ja em urna
contadoria da fazenda provincial, composta
deste pessoal: contador, chefe da reparli-
qRo. vencendo annualmcnto 1:800,000 rs.;
oflicial-maior, 1:300,000 rs.; dous primeiros
escriturarios, a 1.000,000 reis. ceda um ;
dous secundes ditos, 6 900,000 rs.; tres ter-
cciros ditos, a 800,000 rs.; oflicial archivis-
ta, 700,000 rs.; Ihesoureiro, 1:600,000 rs.;
fiel do mesmo, 600,000 rs; pprtoiro, liOO.OOi
rs.; continuo, 480,000 rs ; procurador fis-
cal, servindo o da thesourara geral, com a
gralilicacao de 600,000 rs.
A presente lei vigorar ote o ultimo do
dezombro de 1850, e de entilo em_ diantoi
annolinanceiro so contar do primeiro uo
Janeiro 31 de dezombro de cada anno.
Nenhuma obra publica cuja despeza ex-
ceda a 3:000,000 rs. poJera ser feta senao
por arremalacilo.
Aboliram-se os emolumentos de 6V0 rs.
sobre o passe dos pstaclios e liiatcs que na-
vegaren pelo interior da provincia.
Os profesores das aulas publicas de la-
lim, francez, inglez e geometra queleccio-
narm a monos de oito alumnos effectivos
s terao direito melado do respectivo or-
denado, ticando supprim.das as escolas de
primeiras lollras que frem frequentadas
or menos uo 15 alumnos elTect.vos. As
cmaras municip.es exercerSo d'ora avante
as funecOcs que at hoje pertenc.ara .os
"nspeclores e subinspectores das aulas pu-
blicas.
Autorisou-so o presidente da provincia :
Primeiro, a mandar .brir por meio do em-
presa ou arremataQao, a barra de San-Con-
calo, o Sangradouro.e o Cangusau ou Por-
teirinha, eso se possa por all abrir o canal;
segundo, a mandar construir de madeira a
oonle de Pir.tiny ; torceiro, a mandar cons-
5uo trata a lei de 26 do marco de 184o ;


\
quinto, a dar nova organisacio as mesas do
rondas ; sexto, a mandar arrematar desde
jii, por urna tres annos, a cobranza do im-
posto de 25 por cento sobre a agoardente
nacional de consumo, e bem assim todas as
rendas das diversas collectorias, podendo
estas ser arrematadas conjuncta ou separa-
damente.
Supprimio-se a gratitoeflo de 200,000 rs.
eslabelecida para os Messorcs que tives-
sem mais de 100 alumlWs.
Consignou-se a quantia de 6:000,000 de
rs. para a santa casa da misericordia desta
cidade, subjeita ao curativo dos presos po-
bres o crecflo do expostos; dem mesma
santa casa, por empreslimo, a quantia de
dez conlos de ris para rcedificac.ao do res-
rectivo hospital. A" santa casa de Pelotas
6:000,000 rs., subjeita ao curativo dos pro-
nos pobres e criado de expostos.
O municipio de Pelotas lie aquelle que
mais pesa este anno sobre os cofres provin-
eiaes : nada menos que 27:000.000 fram
votados para as suasdifTerentesobras publi-
cas, a saber : 10:000,000 de empreslimo pa-
ra a prnca do mercado, 8:000,000 para a no-
va matriz, 4000,000 para a igreja de San-
Francisco de Paula, 3:000,000 para a groja
do Boqueirflo, o finalmente 2:000,000 para a
do Roquete.
Ao municipio de San-Jos do norte locs-
ram 11:000,000, sendo 4:000,000 para a ma-
triz, oulros 4.000,000 para o cemilcrio, e
3:000,000 para as areias. Alm dlsso, licou
autorisada a presidencia a mandar fazer o
ornamento da quantia precisa para levarem-
se a effeto as medidas propostas no relato-
rio, tanto acerca do aterro de parta das
praias direila, da villa, como a respeito de
um dique ou quebra-agoa do pedras solas
iiaquclla mcsim direeefio.
Ao municipio do Rio-Crande coubcram
apenas 8:000,000 por empreslimo, paraaju-
da da edificado da nova cadeia.
Ao de Piratiny dez conlos, sendo 4:0000
para a matriz, 4:000,000 para a igreja de
Cangass, e 2:000,000 para a do Cerril.
Ao de Jaguarflooilo conlos : 3:000,000 pa-
ra a matriz, 3 000.000 para a igreja do Ar-
roio-Grande, c 2:000,000 para a do llerval
Mandou-se pagar a Timoleon Zillouy a
gratiflcacito de 200,000 rs. annuacs, a con-
tardo primeiro de Janeiro de 1847 ate o dia
emque foi demittido de professor interino
da lingoa franceza desta cidade, e 40,000
rs. de um mez de aluguel de casa.
Creou-se o tributo do 50,000 rs. sobro
cada una casa que venuer bilbetes do lote-
rio de fura da provincia.
A assembla votou cm ullima disous-
sfloalci do orcamento municipal. Foram
nprrnvaJas as cuntas da cmara desta cida-
de, relativa! ao anuo de 1816 a 1847. A mes-
ma cmara foi autorisada a despender no
auno de 1850 o seguinle : Com o secreta-
rio, servindo tambero de contador, 1:000/;
doiis fiscars, a 500,000 rs. cada um ; portei-
ro, 250.000 rs.; continuo, 100,000 rs; qua-
tro guardas municipaes, a 210,000 rs.; gra-
lificaco ao procurador, 200,000 rs; com-
missio ao rnesmo, calculada cm 1:000,000
de rs.; advogado legalmenlo habilitado,
300,000 rs,; festividade de Corpus-Christi,
3HO.O00 rs.; concert e conservado do mi-
tadnuro, 1:200,000 rs.; limpeza da cidade
1:000,000 rs.; jury, cusas, cleiges, luzes
i; ulensis para a cadeia, e eventuaes, 1:200;
factura ecustoio de 4 lampeos no interior
da praca do mercado, 50.000 rsA Alm
,i appficar WvaflOP
quem a visse dizer que era a provincia em
pus que se ergua cm defesa deseusdirei-
tos, cm prol da liberdade, certo que nao
cuidara que poca houvesse em que ella
tanto quizesse diminuir a importancia do
movimento.
Mas deixemos de parte a questao, e in-
daguemos somonte que interesse teem os
constituntcs em .nrovar que n5o houve re-
bellSo.
Que aquellcs que se acham compromet-
idos tenham interesse nlsto, concebemos
perfeitamente, o nem censuramos que se
valham desse meio de defesa ; estflo no seu
direito procurando apartar de sobre si, no
caso de condemnaeflo, u ma pena mais gra-
ve ; mas que o partido, i^omo se inculca a
faceSo, tenha interesse nls0< he justamen-
te o que nfio podemos conc.sber.
He inquestionavel quecoiti a rovolta se
commetteu um crime, e que, leudo ella por
bandeira a convocarlo de um o assembtea
constituintc, esse crime teve ,">or base se
u.10 a destruidlo de toda a constituicSo,
ao menos a de algum, ou algui.s .irtigos da
constituicSo, e urna vez que a revolta se
nlo possa considerar rebelliSo, frca lie
capitula-la no captulo 2" do titulo 2o da
paite 2'do cdigo criminal art. 85, o'i 86,
que assim dispOem :
Tentar directamente e porfactos destru ir
a constituicao polilica do imperio, ou for-
ma do governo eslabelecida.
Penas de prisSo com trabalho por 5 a 15
annos.
Tentar directamente, e por factos'des-
trur algum, ou alguns arligos da consti-
tuicflo.
Ponas do priso com trabalho por 3 a 12
annos.
Ora, bcindubilavelquequalquer deasas
ponas be menor do que acommnada ao
crimo do rebellilo ; mas tambem he indu-
bilavel que ella abrange muito maior nu-
mero de pessoas, o tem conseguintemente
de espalhar-so mais. No crimo de rebelliflo
a lei (O impie pena aos cabecas ; niio ha,
pois, oulros alm delles, que possarn ser
punidos, esobre quem conseguinlemente
tenha d recahir a pena ; mas nos crmes
especificados nosarts. 85 e 86 todos os auto-
res e cumplices estilo subjeitos pena com-
minada, o conseguintemente lodos quan-
los entraram na revolta estflo no caso de
ser punidos, ou como autores, ou como
cumplices. K que ganha com isto a faceflo
cooflituinte i
Por outro lado, sendo o decreto que au-
torisou a presidencia a conceder amnis-
ta, relativo ao crime de rebelliflo, be evi-
dente que, nao sendo a revo ta conside-
rada la I, niio pode a presidencia conce-
der amnista a ninguem, eque por conse-
quencia estilo privados desse beneficio to-
dos quantus lomaram parte na revolta. E
que interesse pode anda ler nisto a facc3o
conslituinlo ?
Parece-nos que o seu maior interesse de-
ve consentir em sublrahir a aceflo da Justi-
na o maior numero possivel de compromet-
idos. Kntretanlo podemos estar engaita-
dos, e como bem pdehaver quem nos es-
clarece expendemos essas considerares
que nos occorreram.
Tr ansporte
vereiro a junho do correte
anno
a thest mraria da fazenda prc-
vinci 1,importancia do subsi-
dio d os estabeleciuientos de
cariditde, vencido em maio o
junho, a saber :
Do grande hospital 1:083,334
Do hosp tal dos lazaros 500,000
Casa dos expostos 516,668
1:020,029
51,675
Do procurador da administra-
cao, importancia do rend-
mentodos predios arrecada-
do nesto mez
Do ex-thesoureiro desta admi-
nistracflo, o lllm. Sr. Manocl
Florencio Alves de Moraes,
pelo saldo de suas conlas, a
saber
------------2:100,002
700,000
Em dinheiro
Em letras
159,097
2:954,945
Saldo a favor do thesoureiro
Detpesa.
Pago a 97 amas que comparece-
ram ao pagamento do da 2
do corrente, suas mensalida-
des at 30 de junho 1
A os empregados da administra-
filo seus ordenados de abril a
junho 2
Ao regente da casa dos expos-
tos, jornal da cozinhera ven-
cido'em junho 3
Ao dito do hospital de cardade,
desbeza do mez de junho di-
to *
Ao dito da casa dos expostos,
idem 5
3:114,042
6:985,748
801,992
7:787,740
1;46l,360
1:242,500
11,250
424,665
514,910
3:054,685
Transporto
Ao dilodo hospital dos laza-
ros', idem 6
A Antonio Ferreira Lima por di-
versos gneros que veudeu
para os estabelecimentos de
caridade nos mezes de abril
a junho, a saber:
Crande hospital 7
Hospital do* lazaros 8
Casa dos expostos 9
A Candido Alberto Sodr da
Mota por 10 saccas com fari-
nha para o hospital dos la-
zaros 10
A Paranhos & C. por 16 libras
de raspas de vado 11*
A Manoel Coelho da Silva por 25
colxoesdelnho 12
A Joflo Francisco da Costa por
diversos reparos feitos no
grande hospital 13
A Marcellino Jos Lopes por 450
telhas que vendeu adminis-
trado transacta 14
A Tiburcio Valleriano Baptisia
por duas saccas com dez ar-
robas de arroz 15
A Santos Nevos & Cuimarfles
por 25 pecas de hambur-
go, 16
Ledras oxister.tes
3:654,685
356,810
131,660
91,300
70,240
50,000
6,400
112,900
60,000
11,250
24,000
Movimento do Porto.
263,550
4:832.795
2:954,945
7:787,740
Administracflo dos estabelecimentos de
caridade, I.* de agosto de 1849.
Joti Pira Ferrtira,
thesoureiro.
Antonio Jote Goma do Comi,
escrivflo.
Navios iakidot no dia 6.
Portos do norte Vapor brasileiro Imptra.
Irit, commandantc o primeiro-lenen
Joaquim Solme Ramos de Azevedo. pas.
sageiros : para a Parahiba, Cypriano A.n-<
tonio dos Res, F.dward Power; pir> n
Ro-Grande-do-Norle, Francisco RodriT;
guesAugusto; para o Maranhflo, 2 offi.
ciaes, 50 pracas de pret do quinto bit>.
Ihflo de fuzileiros e 3 escravo a entregar
para o Par, Gaspar Daniel de SeixtJ,
s Pereira de Vasconcellos e o padre a-
noel da Fooseca liernardes.
Rio-de-Janoiro Barca americana P.-fl
D.-C.-Wright, coptao Joel W. Me. \
nalii, carga parte da quo trouxe. ptSM.
gei-os, Roberto Wright com 2 criados
Lourcnco Me Keever, Americanos.
Rio-Grande-de-Sul Patacho brasilero
Atina, capitflo Joflo Ignacio Ferreira, &r.
ga assucar e ago'ardente. Passageirt, %
escravos a entregar.
Parahiba Hiate brasileiro i-xalacdo, y.
pilo Joaquim Antonio de FigueirUo, I
carga varios gneros.
Rabia Hiate brasileiro Sociedad*, eapu0
Francisco da Costa, carga variogruewajm,
EDITAES.
MAPPA rfo movimento don Ettabcleeimento* de Caridade
no mez de Jnlho de 1849.
GRANDE HOSPITAL.
DOENTES.
di rilo da ova cadeia o saldo da sua receila
A cmara de Pololas : -- Com o secretario,
que lambem servir de contador, 1:000,000
de rs.; dous (iscaes, a 500,000 rs.; um dito
para lora da cidade, 300,000rs; porteiro,
qrc exorcer igualmente as funeces de
continuo, 300,000 rs.; quatro guardas mu-
nicipaes, um dos quaes servir de continuo
e o outro de ajudante do porteiro, a 240,000
rs.; aluguel da casa para assessOes, 384,000
rs.; feslividade de Corpus-r.hri&li, 300,000
rs.; gratificacSo ao procurador, 200,000 rs.;
cemmiss.to ao mes:no, calculada em 850,00o
rs.; advogado legalmeule habilitado, 300/
rs.; gratificacao ao armador, 200,000 rs.;
reparo de ras e estradas, 6:000,000 rs.;
limpeza da cidade, 1:200,000 rs jury, ele,
l:2f 0,000 rs.; conservacOo do rnaladouro
publico, 1:800,000 rs
A cmara de San-Jos do norte. -- Secre-
tario, 540,000 rs.; (iscal, 200,000 rs.; por-
teiro, 120,000 rs ; comii:io ao procura-
dor, calculada em 250,000 rs.; aluguel das
cusas para sessOes e cadeia, 360,000 rs.; con-
cert conservagflo do rnaladouro, 370.000
rs ; limpeza da villa, 50,000 rs.; jury, cria-
c.lo de expostos, ele, 560,000 rs.
A cmara de Piratiny: Secretario, 600/
rs.; fiscal da villa, 200,000 rs.; dito de Can-
guss, 120,OCOrs.; ditodo Cerrito, 100,000
rs.; porten o servindo de continuo, 150,000
rs.; commiss5o ao procurador, calculada
cm 700,000 rs. ; medico de partido, 500,000
rs.; aluguel de casas para sessOes e cadeia,
500,000 rs.; construc$3o de duas fontes,
400,000 rs.; abertura, concert e melhora-
niciito de ras, pracas e pacos, 2.000,000 rs ;
jury, crineja de expostos, etc., 600.000 rs.
ica alm disso autorisada a cmara a ap-
pliesr o saldo da sua receila aos melhora-
mentos do municipio que fortn approvados
pela presidencia, havendo preferencia a ca-
sa para sessOes, audiencias e reunio do
jury.
A cmara de Jaguarffo. Secretario ,
600,000 rs. ; fiscal, 200,000 rs. ; porteiro,
160,000 rs.; guarda municipal servindo de
continuo, 140,(00 rs. aluguel das casas pa-
ra sessOes e cadeia, 600,000 rs. ; posenta-
dora do juiz de drrcilo, 100,000 rs ; coni-
inissaoao procurador, calculada em 500.000
rs,; criaco de expostos, 200.000 rs ; para
duas fontes de agoa potavel, 280,000 rs ;
com a consiruccfio do rnaladouro, 1:000,000
rs ; concertos de ras, pracas e estradas,
3:1)00,000rs.; jury, etc., 1:500,000 rs.
Acamara de Uag. Secretario, 500,000
rs.; fiscal, 160.000 rs ; porteiro, 120,000 rs.;
comu.isaSo ao procurador, calculada em
300,000 rs.; aluguel da casa para as seasOea,
NS4.000 rs.: posenladoria do juiz de direif.,
100,000 rs.; concert do ras e estradas,
00,000 rs,; crueflo de expostos, 176.000
".; jury,ele, 300,000 rs.
(Diario do Rio-Crande.)
Communicado.
He por certo curioso ver o afn com que
a faceSo conslituinte procura provar que a
revolta, que nesta provincia teve lugar, niio
pode ser considerada rebelliSo. Quem a
visse alardear de suas ianumeraveis frc^s,
NECROLOGA
Da lima, fallecida Sra.
/imntljiAn lia If!!
einardino leal.
D. lUaria Favila
Morle. quanto nSo ',s cruel, e inoxora-
vel! '. Quantos estragos terriveis nao faz a
tua fouce, semprc aliada para cortar o lio de
existencias preciosas.'! O pobre e o rico to-
dos te sao subordinados, o nao ha familia
em cujo seio n.lo derrames a desolarlo, o
prantoe as lagrimas.
Aleo dia 29 de julho do corrente anno o
Sr. Jos Uernardino Leal era um esposo
feliz : na idade de cento e um annos, va a
seu lado sua esposa querida, prodigalisan-
do-lhe os aflagos de urna boa consorlo :
mas boje, dor, j nao existe.....
I 'i Um legitima do fallecido Jos Filgucira
de Menezes c de I). Izabcl Mara do Carmo,
nascida em 1786, a tinada I). Maria Fausta
perdeu sua mai de idade de 10 annos, mas
nem por isso seu coracSo deixou de ser um
modello de virtudes.: cm 1804, achando-se
na idade de ISannos, casou-se com o Sr.
Jos Rernardino Leal, c desto matrimonio
resultaram 13 lili,os, dos quaes apenas qua-
tro Ihe sobrevivem. Vivendo na riqueza
e opulencia, ella nunca perdeu occasi3o do
soccorrer aos desvalidos, aloque, cahindo
seu marido erii pobreza no anno de 1834,
procuraram ambos a companhia de seu li-
Iho Francisco Jos Cyrillo l.eal, aonde vi-
van) satisfeitos. Ah aquella virtuosa sc-
nlioia empregava-se na educado de seus
netos, e nos cuidados da familia, quaudo no
da cima mencionado pelas II horas da
noite foi repentinamente accommeltida de
urna apoplcxia l'ulaiinaiite, quo em menos
de meia hora decidi de sua vida, leudo 63
annos de idade e 45 de casada. Foi sem-
pieboallha, excelicnle esposa e canubo-
sa mai : sua familia chuia de saudades la-
menta com ras lo a sua perda. A trra Ihe
seja love!
Existiam............
Entraram............
Curados.......
Melhorados.....
Nao curados.....
) as 24 horas d'enlrada.
Morreranij |)er,0s acssa poca. .
Exstem.............
30
14
6
3
0
0
8
27
24
8
2
1
0
1
3
2fj
22
8
4
0
1
11
MOaTAUDADE.
Homens.
Mulheres.
Com todos
os morios
1:2,
Scm os que
morreram
as 24 horas
1:2,
Com todas
as que mor-
reram
1:1,75.
Sem as mor-
tas as 24
horas 1:2
Gcral.
Toda a mor-
talidades-
1:2
Sem os mor-
ios as 24
horas 1:2,
HOSPITAL DUS LAZAROS.
DOENTES.
Existiam.......
Entraram.......
Curados. ,
N3o curados
Morreram.......
Exisiem........
M0RTALIDADE.
Homens.
i
o
o
0
0
SO
II
o
o
V
o
o
1:>
:tl
1
0
O
0
0
Mulheres.
Ceral
CASA DOS EXPOSTOS.
EXPOSTOS.
Sexos.
Existiam .
Entraram .
Sahiram .
Morrera m.
Existcr
iNas24horas d'enlrada
iDepoisd'esta poca .
106
1
0
o
1
106
MOIITALIUaE.
Sexo
Masculino.
Sexo
Fcminino.
Total.
127 233
4 5
0 0
0 0
0 3
129 235
Administrado dos estabelecimentos de caridade, 1.a de agosto de 1849. Anto-
jte Gomes do Conexo, escrivSo. Jos Piret l'trrtira, thesoureiro.
Publica$&u a pedido.
KALANCO IA RECETA E DESI-EZV DOS
KSTAHELKCIMENTOS DE CARIDADE DE
PERNAMUUCO, VERIFICADO DO 1." A
31 DE JCI.I1U DE 1610
Itcceita.
Por saldo em 30 do passado 735,249
Recebido de Jos Franc;sro R-
beiro de Souza, importancia
que produzlram as amostras
do assucar cxlrahiilo de 1,215
eaixas quosc pesaram no tra-
piche da alfandega volha,de,s-
de fevereiro al o ultimo de
junho prximo lindo 147,280
Do lllm. Sr. Domingos Alfonso
Nery Ferreira, thesoureiro do
patrimonio dos orphBos, im-
porte do semestre vencido em
15 de maio de prximo pas-
sado, do segundo andar da
casa da ra da Aurora,ocupt-
dooelo collegio das orphfias 137,500
De Vtente Alves de Souza Car-
neiro, importancia que pro-
duziram as amostras de assu-
car extrahido de 433 caicas e
17 feixos, que se pesaran no
trapiche da companhia,deV/e-
1:020,029
COMMEHCIO.
ALFANDEGA.
Rendlmento do dia 6..... 9:202,656
IMPORTACiO.
Jeune-Nely, barca franceza, entrada no
corrente mez, viuda do Havre, consignada a
Dedier Colomhicz & Companhia,maiiifeslou
o seguutc :
7 caixas cambraas lisas e bordadas; a C.
J. Astloy.
80 barris e 40 meios ditos manteiga ; a J
Jeronymo Monleiro.
2 caixas tecidos de algodao, 1 dita bijou-
teria de ouro ; a J. Keller.
3caixas com t cano ; a l.uiz Antonio de
Siqueira.
3 caixas alunles ; a Cals Frres.
394 barris e 140 meios ditos manteiga ; a
B. I.asserrc & Companhia.
2 caixas tecidos de algodao; a Gacwly &
Companhia.
1 caixa quadros, 1 dita pellos, 1 dila espe-
Ihos, 3 ditas com 1 carro ; a Le Barn dos
Fiaes.
i caixa lustros de bronze, i dita vldros pa-
ra os mesmos ; a Le liaron de Taraguaner.
8 caixas diversos objeclos, 2 ditas pellos
de bezerro de lustro, 19 ditas porcellana, 9
ditas vidros, 1 dita casticaes, 3 ditas papel
pintado, 1 dita industria, I dita peles pre-
paradas, 2 ditas ferramentas para sapateiro,
2 ditas varios objeclos para sapateiro, 1 dila
bicos, 6 ditas tecidos de algodfio, 10 ditas
chitas, 6 ditas chapeos de homem, 4 ditas
bronze, 1 dita tecidos para chapeo, 1 dila
tecidos de la, 1 ita agoa da Colonia, 1 di-
ta bonetes, 1 dila garrafas vasias, 4 ditas
drogas, 1 dita chapeos deso de panninho,
2 dilas bijouteria de ouro, 1 dita lencos de
algodBo, 1 dita pennas metlicas, 100 ditas
velas, 30 caixas queijos ; a Dedier Colom-
hicz & Companhia.
1 caixa objeclos para armazem : a Rosas
& Braga.
100 barris e 25 meios ditos manteiga: a
A'. O. B. _Companhia.
I caixa litas de seda, 1 dita e um fardo
tecidos de algodao : a Kalkmann Frres.
50 barris e30 meios ditos manteiga; a
N. H. VVitle & Companhia.
1 caixa tecidos de algodao; a Zezlcr&
Companhia.
I caixa agoa de Colonia, 5 dilas papel, 1
dita vidros, 1 dita tecidos de lila, 8 ditas di-
tos de algod.lo, 1 dita objeclos para funilei-
ro,2 ditas calcado,! dita marcenara,2 ditas
pelles preparadas, 2 ditas mercearia, 1 dita
papel, 1 difa bonetes; a Avrial Frres.
1 caixa pelles, 1 dita objeclos de funilei-
ro, 1 dita fazeudas da moda ; a J. II. Mo-
reira.
2 caixas tecidos-de algodao; a E. Bolli.
3 caixas tecidos de algodao e seda ; a C.
Bowie & Companhia.
1 caixa tecidos de algodao ; a J. Soum.
1 caixa com urna prensa do pao e cobre,
6 ditas tecidos de algodao, 3 ditas ditos de
hnhoe algodSo, 2 ditas chapeos de seda, 2
ditas pannos de 13a, 1 dita tecidos de seda
e algodao, 2 dilas chapeos de seda : a S. &
Tobler.
Pela inspectora da alfandega seij
publico que, no dia 7 do corrente, depon
de meio-dia, se bao de arrematar em h*.
la publica, e na porta da mesma, 2 cafiu
com 4,000 bixas, avaliada por factura e*|(
urna em 150rs.,total f>00,000rs.,impugnii
pelo amanuense Domingos da Silva Guia.
r3es no despacho n. 142: sendo a arrea*.
tacSo subjeita a direitos.
Alfandega de Pernambuco, 6 d'agosto fe
1849. O inspector, l.uiz Antonio it Same*
Vianna.
O lllm. Sr. inspector da thesounrii
da fazenda provincial, em cumprmentddi
ordem do Exm. Sr. presidente da provine
de 9 de maio prximo passado, manda fa-
zer publico que nos dias 7, 8 e 9 do crra-
te, perante o tribunal administrativo di
mesma thesouraris, se ha de arrematan
quem por menos Gzer o fornecimento dai
medicamentos e uteosis para a enfermsjii|
da cadeia desta cidade, pelo lempo quede-
correr do dia da arrematarlo a 30 de
nho de 1850.
As pessoas que se propozerem 4 esta ar*>!
mataofo, comparecam na sala das sessta
do sobral i to tribunal, nos dias cima indi-
cado, pelo meio-dia, competentemente tu-
bulladas, que ahi acharSo o formulario i
condicOs da arromataeflo.
Epudronstarse mandn aullar o pre-
sente, e pubjfciar pelo Diario.
Thesouraria da J^ruJjjtrojijncial de..
nambuco, 1 de agosto de 849. Oprimei
ro amanuense servindo de secretario, "
cisco Antonio Cavalcanto Coutteiro.
O Illa. Sr. inspector da thesourariad,
fazenda provincial, em virtude da resolucol
do tribunal administrativo, manda futr
publico que, em cumprimento da lei, ae-
rante o mesmo tribunal, vai novameote i
praca no dia 16 do corrente o Imposto de
2,500 rs. por cabera de gado vaceum que
foi- consumido no municipio de Po-d'Alho,
avallado annualmente por 2:560,000.
A arrematacao ser fe i ta por lempo de um
annn a to mezes a contar do primeiro de
setembro de 1649 a 30 de junho de 1851.
As pessoas que se propozerem esta
arrematacSo, comparecam na sala das ses-
sOes do referido tribunal, no dia cima in-
dicado, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandou aOixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 6 de agostode 1819.
O 2.0 secripturario,servindo de secretario,
Francitco Antonio Cavalcantt Cousseiro.
Pela mesa do consulado provincial u
faz publico, pelo presente edilal, osrt. 41
da lei provincial vigente, o qualhedote-
orseguinto. :
Fica concedido por 6 mezes o pagamento
da mcia cisa dos oscravos que seestivera
dever, coutando-se osle prazododia da pu-
blicado dos editaos, e se nullificarSo as ac-
cOes j intentadas contra osdeveJores des-
te imposto que o pagarera dentro deste lem-
po b
E para que cliegue ao conhecimenlo
de todas as pessoas, a quem possa interesjjr
o presente, assim o fao publico Mesa do
consulado provincial, 6 de agosto de 1849,-
Pelo administrador, o escrivSo chefe daaa-
gundaseceflo. Theodoro Hachado FrtirtPi-
reir da Silva.
Deca races.
20 barris e20 meios ditos manteiga : a
Belenot & Irmao. B '
50 barra o 50 meios dilos manteiga ; a A
F.deLacerda.
1 caixa contas, 1 dita cobre dourado a-
llenry & Berger. '
6 caixas tecidos de algodao : a VV. A. Bic-
hero! Companhia.
Felicite, barca austraca, entrada no (tor-
rente mez, vnda de Fiume, consignada a
N. O. Bieber t Companhia, manifeslou o
seguinle:
40 caixas papel para escrever, 2652 barr-
cas fannha, l caixa tabaco; aos mesmos
consignatarios.
La casa das ses
-s 4 orj*
tfraelteochl-
CONSUDO GERAL.
Rendmento do dia 6.......
Diversas provincias.......'.
1-271,940
CONSULADO PROVINCIAL"."/""
Readimeut do dia (3.....,
- Pela inspectora da alfandega se faz pu-
blico que, tendo de se fazer diversos coi-
certos as barcas de viga, qualqoer cr-
pinteiro quo se achar habilitado, quein
comparecer na alfandega, alm de tratare*
ajuste.
- Perante a administracflo do patrimo-
nio dos orphSos se li.lo de arrematar a
quem mais der, e pelo lempo que decorrer
do dia da arrematacHo ao flm de junho
1852 as rendas das seguintes casas perUM-
centesao dito patrimonio: na rus dea.-
Concalo, do bairroda Boa-Vista n. 24.".nl
ra do Torres n. 14; na tVfi do Vigario.
n.27 : as pessoas queso pfqsozereiu "'
rematar ditas rendas, podlrBo compre"1
no dia 9 do corrente mez,
sesdadita adininistraca
tardo com seus liadorea
administrjcfio do patrio
4 de agosto de 1849.
by, secretario.
- Perante a admiimlrL*
dos orphaojse hilo de IrremsUr q"
mais der varas erramenlas de o"811*,
e enlalhadura, com oacompatenUs bsneos.
a pessoas que se propozerem a *"em*i
las.poderao comparecer na casa das aw
sOes da mesma administracflo, no da f
corrente s 4 horas da larde. S"**1*".
da administiacao do patrimonio doai '
pliflo8, 4 do agosto de 184. J0** "
cisco di Chaby, secretario. .*.
- Pela subdelegacia do Recife foi P
hendido o escravo cabra.de nome Anioi i
que se acha fgido, e diz ser escravo de
noel Vicente Serino Caljado morador m
val de Una, desta provincia, W*0**'
engenho MalloH;rosso: quem fr "> "
dadeiro dono aprsenle seus ttulos i*
,lhe ser entregue. o subdelegado, *"
/51,256 J Joaqun de Oliveira.
1:135,566
1*1,374
d
PJ
XI
le
Ir
14
se
m
er
ei
iu
li3
se
B

o do patrimonio


- Foi recolhido ao deposito pela subde-
lepacia do Recife, um cavallo que vagava
pelas ras desta cidade : quem se- julgar
i'oni direito ao dilo cavallo aprsente os
seus ttulos para lhe ser entregue.
Cartas seguras existentes na adminstra-
cHn do correio para os Srs. :
D. Anna Joaquina Mello Albuquerque,
Brgida Mara da Cruz, Elias" Ignacio de 0-
liveire, padre Francisco Antonio da Cunha
Pereira, Francisco Carneiro da Silva, F.
Iiunrto da Costa Vidal, Dr. F. Paula llodri-
rups Almeida, Ilygino Jos Coelho, JoSo
Cardoso Ayres, J. Francisco Leitfio (em Pon-
ta-de-Pedras), padre J. Jos Espirilo-Santo,
Jos Jnaquim da Costa, J. Antonio da Cu-
nha & IrniSo, J. Prudencio liancourt, Le-
oncio Jos Barbosa de Oliveira. Mannel Jo-
s Lopes, M. Jos da Soledade, Novaes & <:.,
Tristflo Po dos Santos, Dr. Viconte Pereira
do Reg.
Avisos martimos.
Freta-se para qualquer porto a excel-
leote polaca sarda Dina, de primeira mar-
cha e de lote de 3,000 a 4,000 saccas:
quem a pretender, dirija-se aos seus con-
signatarios, N. O. Bieber, na ra da Cruz,
n. 4..
Para Lisboa pretende sabir por todo o
frrente mez o brigue brasileiro f iriato,
por tora maior parte da carga promlpa: pa-
ra o restoe passageiros, para o que oflerece
os mol llores commodos, trata-se com os
consignatarios, Thomaz deAquino Fonse-
ca & Filhos, na ra doVigario, n. 19, pri-
meiro andar, ou com o'capitSo na praca.
Para o Aracaty tero de aeguir viagem o
hiate Noro-Olinda, mestre Antonio Jos Vi-
anna : quem nelle pretender carregar, se
entender com o mcsiuo mestre no Trapi-
Novo, ou na ra da Cadeia-Vclha, n. 17, se-
gundo andar.
Para o Bio-de-Janeiro salie,
por estes oilo dias, o brigue nacio-
nal Bom-JesHs : para o resto da
carga, passageiros e escravos a fre-
ie, trala-se com ocapito na pra
ra do Commercio, ou na ra da
llIadre-de-Deos, n. 3 terceiro
landrr.
--Para o Aracaty sabe, no dia 15 de agos-
to infallivelmente, a escuna nacional Mana-
Firtnina por ter parle de seu carregamenlo
engajado : para o resto, dirijam-se a Jos
Antonio Bastos na ra da Cadeia do Re-
cite, n. 34,
Vende-se o bem conhecido
brigue escuna americano R-F.-
Loper, encavilhado e forrado de
cobre,de superior marcha e promp-
toa seguir viagem para qualquer
parle : os pretendentes dirijam-se
ra do Trapiche, n. 36, a Iratar
com Mathens Auslin &C.
~ Freta-se para qualquer porto o brigue
francez Armorique, de perto de 3,800 sac-
cas: quem o pretender, dirija-se aos seus
consignatarios, N. O. Bieber & C. na ra
da Cruz, n. 4.
Leilao.
Nedia quarta-feira, 8 do corren te, as
lOgosasda mantilla no caes da Alfandega ,
hayer leilao de urna purcHo de Jacaes com
batatas.
Avisos diversos.
A pessoa que quizer comprar urna di-
vida de 1:377,000 rs., proveniente de ren-
das do engenho Una em S.-Ant9o, ja ven-
cidas, cujo rendeiroainda seacha no mes-
mo engenho e esta cobranca nto se effei-
tua porimpossibilidade physica do propie-
tario, dirja-se ao pateo do Carmo n. 18,
primeiro andar, do sobrado do fallecido
Peixo.
100^000 de graliUcacao.
Pugio, na madrugada do dia 4
do correle, o escravo Domingos,
pardo claro, de 18 a pannos, bai-
xo, cara larga e de corpo regular ;
evou comsigo um cavallo de es-
tribara lazao, com um p branco,
tendo manta de couro de onca,
sellini e bridesinglezas, e igual-
mente toda a roupa que tinha,
entre ella um ftrdamento de boli-
eiro sendo sobrecasaca de pan-
no azul com gal5o de prata e bo-
loe.s de metal branco : suppoe-
se ter ido para o Cear, donde be
atural: quem o apprebendcr le-
e-o ra da Cadeia do Recife,
cravo crioulo de nome Jos, ofllcial de mar-
ceoeiro, que trabalhra na ra das Cruzes
de idade, pouco mais ou menos, dban-
nos, com ponta de barba, alloesecco do
corpo; levou vestido camisa e calcas de al-
godlo da trra : quem o pegar leve-o na
ra da Cruz do Recita, n.12,em casa deJoflo
Leilo Pita Ortiguefra, quesera gratificado.
Pommateau, cutileiro,
no Aterro-cTa-Boa-Vista, n. iG,
recebeu agora mais um sortimonto de
esporas de ac de todas as qualidades e
feitios ; colheres de metal novo que nao
desmerecem com o uso; caixinhas com espo-
letas das melhoresque ha na praca, c tudo
quanto pertenco ao seu ollcio.
Um rapaz portuguez, chegado ultima-
mente, se oflerece para caixeiro de venda
por ja ter alguma pratica deste negocio ,'
ou para oulro qualquer astahelecimento :
quem de seu prestimo se quizer utilisarj
dirija-se a ra da Madre-de-Deos, n. 38.
OSr. Joaquim Miguel, com ofllcio de
ourives, queira realisar o negocio da chave
da casa de Olinda na Biquinha, n.ic.se
nilo quer que se faca publico qual o ne-
gocio.
Manoel de Almeida Lopes mudou a sua
residencia da ra do Vigario n. 24 para
a ra da Cadeia do Becife, n. 30.
Quem annunciou querer comprar a
opera Norma em portuguez com os versos
na margem em ilaliauo dirija-so ra da
Cruz, n. 32.
Deseja-sa saber se existe nesta provin-
cia algum rmso, ou prente do fallecido
segundo-lenente do extinco corpo de arli-
Iharia de marinha Joflo Goncalves da Ro-
cha natural do Porto, caso exista, te-
nha a bondado de annunciar sua morada
por esta folln,ou dirija-so ra do Queima-
do, loja de mindezas, n. 25, ou annuncie.
Hojese h.1o de arrematar, por ser a
ultima praca porta do lllm. Sr. doutor
juiz docivcl, i* 4 horas da tarde, a meta-
de de-um sobrad inho muito bom no becco
da Cnmboa-do-Carmo e urna casa na Casa-
Fotte, bastante larga cujo terreno ofTere-
ce boas vantagens : tudo penborado aos
herdeiros de Bento Antonio Domingues por
execueflo do podre Pascoal Corbi.
-- O abaixo assignado faz sciente ao res-
pcitavel publico que pessoa alguma faca no-
socio com o preto Julio Alv.es da Cruz, mo-
rador na Ponte-Velha, com urna canoa
iberia, de lote de 8 toneladas, sem que
este apresante documentos do abaixo as-
signado como lho pertence. Domingos
Dias dot Santus
No dia i do rorrete esappateceu um
preto do gentio de Angola, de nome Jo9o .
de30 anuos pouco mais ou menos ; tem os
denles da lente quebrados; he bastante)
queixudo; levou camisa de algodSozinho e
ceroulas de estopa, desconfia-se ter sido lor-
iado, tal vez pensando- se que he prelo novo,
por elle estar leso e nada tallar depois que
perdeu ojuizo Boga-sea quem fr ollero-
cido como novo em mito de ter boa ligu-
ra, que nilo fue. negocio, pois elle he in-
teiramente lesq. O seu legitimo dono mora
as i. i neo-Pon las.
O ministro da veneravel ordem terceira
de S.-Francisco da cidade de Olinda roga a
ledos os irm.los da mesma ordem que com-
parecen! no dia sexta-feira, 10 do correnle,
no consistorio da mesma ordem pelas 9
horas da manhia paraassistirem a missa
do Espirito -Santo e proceder-sea eleicHo
da nova mesa.
-- Precisa-se alugar urna prela para o ser-
vico de una casa de pequea familia, e que
saiba cozinhar : na ra da Trernpe para o
Mondego, no sitio que tem a casa com a
frente cor de chumbo.
Aluga-se urna casaem Fra-dc-Portas,
ruado Pilar, lado do poente, com com-
modos para pouca familia : a tratar na ra
da Cadeia do Recite, n. 24, loja de cambio
da viuva de Vieira & Filhos.
Jos Monteiro de Sequeira
deixou de ser caixeiro do Sr. Jos
Pereira Yianna desde o dia i do
e declara nada dever a
porque a abaixo assignada he tambem her-
delra daquelle engenho faz ver ao referi-
do padre Jeronymo sen irmo, que nilo
concorda em taes bemfeitorias, e protesta
n3o levar em conta essas bemfeitorias, vis-
to que os herdeiros o nilo autorisaram para
semelhante cousa. Brites Sebastiana de
Maraes.
3t, a ,uz .Antonio de Siquei-
a> ou na mesma ra, n. 48, casa
e Augusto S- Cor be 11, que rece-
er n gratificarlo cima.
O Sr. Dr. Jos Mara Hamos Gorjllo (em
urna carta viuda do Rio : na ra do Huspi-
lal-dos-Coelhos, n. 24.
- Traspassa-se a armacSo e fazendas,
existentes na toja da praca da Independen-
ra, n.fl ; o local he o melhor possivel, r
iroprio para um principiante : quem pro-
endor, pode dirigir-se a mesma. .
Ufferece-se um rapaz que da fiadora
ua couducta, para caxeiru de engenho, ou
BVraa : quem precisar annuncie. I
P- Caetano Xavier Pereira de Brito, Di*.
m medicina, anuuncia ao raspeitavel pu-
uco que iixou a sua residencia no Alterru-
P-Boa-Vista n. 43 em o primeiro andar,
pida podei aer procurado a todas as ho-
Pi tambem adverte as peasoas pobies
pe sempre o terfio a sua disposcSo das seis
oras Ua manda* al s nove gratuitamente.
Joaquim Antonio de San-Tiago Lossa
|".lou a sua residencia da ra deSanU-
[l para atrs da matriz da Ba-Vista, n.
L su tirado de u mandar.
ft* Fugia no da 5 de agosto crtente o es-
cortente,
pessoa alguma.
Precisa-se de um hon.em que seja
mestre tecedor do Porto, ou que enlenila
de tecer varias fazendas que se fazem na-
quella cidade : na praca da Independencia,
livraria ns. 6 e 8.
Quem precisar de um administrador
Sara engenho, o qual enlende de todo o ira-
alho dirija-se a praca da Independencia,
loja derelojeirodoSr. Meroz, que se dir
quem he.
Precisa-se de urna ama para casa de
urna so pessoa : a Iratar na ra da Penha
ii. 2.
-----Aluga-se o sobrado na ra da Unido
onde morou ltimamente o secretario da
presidencia o Sr. Honorio : quem o pre-
tender dirija-se a ra da Aurora, n. 4, a en-
lender-se com Manoel Al ves Guerra.
-- Boga-seao Sr. Jos Joaquim de Oli-
veira liadueni queira quanto antes dirigir-
se ra do Amorim n. 17, a uegocio que
lhe diz respeito.
Precisa-se de um feilor para o sitio da
viuva Amorim na l'onle-de-Ucha.
Precisa-so de una escrava que engom-
te e lavo soflrivel : na ra do Vigario ,
n. 20.
-- Precisa-se de urna ama forra, ou es-
crava para urna casa de pouca familia a
qualsaiba engommar, cozinhar e fazer o
mais servico: em Fra-de-Portas, ra do
Pilar, n. 72, segundo andar.
INo pateo da matriz de
S -Antonio, sobrado ii. 4,
tiram-so passaportes para dentro e fra do
imperio, despacham-se escravos e correm-j O cirurgiflo Miguel Felicio da Silva
so toldas por preco o mais commodo pos- mudou a sua residencia para a ra da Pal-
sivel. i ma sobrado novo de um andar, defronte
Precisa-so de um feitor que trabalhe, I do becco do Pocinlto.
entenda de arvoredos, de borla ede vaccas: \n,\i. o ,tn ,m,ai .....
;'aaoe8?earlreona ""^ "^ PrD'er0 ^Un^^lSSSK Z'ZZ.ToZ
taoae trro. i boatio de propriedade do abaixo assigna-
--D. Francisca Michaella de Moraes mor- do procurando ser comprado, um preto
rendo deixou seto filhos, e eltlre estes he o que diz chamar-seLuiz e ser escravo do
padre Jeronymo Barrelros Rangel, e tendo Sr. Jos Barboza morador em trras anne-
jquella finada deixado um engenho deno-ixasao engenho Bonito freguezia ou co-
Alto-de-Jono-Fcrnslides nilo se marca de IVazareth-da-Matta : seu senlior
~ Em um engenho perto de S.-AnlSo
precisa-se de urna pessoa que entenda de
tocar piano para ensinar a duas senhoras,
e se liver alguns preparatorios para ensinar
a um menino, ser melhor, por sso que
maior ordenado se offerecer : a tratar oom
o Burgos no segundo andar do sobrado
n. 18 do pateo do Carmo.
Aluga-se urna casa terrea em Olinda ,
na ra do Amparo, n. 31: a tratar na ra
da t^leia do Recife o. 52.
Quinto batalhao de
ftizileiros.
0 msico da primeira companhia do 5.
batalhflo de fuzileiros Adriano Jos Perei-
ra de Azevedo, destacado nesta cidade do
Becife de pois de pago de farda ment at
o dia 6 do passado Julho, e de sold e eta-
peal3 de junho lu ton a .revista desde
7 de julho foi considerado desertor no dia
15; consta ter-se evadido na fragata Para-
guau quedaqui sahio para a Bahia.
Sociedade ApolHnea.
A direcco avisa aos Srs. socios que tem
marcado o dia 25 do correnle para a par-
tida deste mez, ereceber as propostas pa-
ra convidados a mesma no dia 7, pelas fi
horas da tarde, na casa da mesma socie-
dade.
-- Aluga-se um sitio em Beberibe-de-
Baixo, com casa de vivenda, baixa e u
pedaco de malta, contendo mais alguns ar-
voredos fructferos, e urna boa eacimba com
agoa polavel: quem quizer dirija-se a Boa-
Vista, n. 37, no terceiro andar.
Na ra dasUrangeiras ,n. 15, engom-
ma-se roupa de homem e senhora i tam-
bem se lava do sabfio o varrella : tudo com
perfeicSo e por preco commodo.
--;0 abaixo astignado, vendo no Diario
de Pertiambuco n. 161, um annuncio leito
pelos Srs. Jos Vicente Dias Trrese Rober-
to Dias Torres, respeito a urna vinculo que
dizem herdaram de seu finado av na ilha
deS -Miguel, declarando que vendom o va-
lor do arrendamenlo vencido, c fariio novo,
declara o abaixo assignado que ninguem
faca negocio com tal arrendamenlo e ines-
mo com os vencidos que dizem ; pois que
este vinculo foi vendido a Francisco Manoel
Tavares, pai do abaixo assignado de cuja
venda se sucitou haver una grande deman-
da que durou muitos anuos, e atinal foi de-
cedido em Lisboa a favor do mesmo Tava-
res, como so pode ver da sentcnca que exis-
te em poder dos hordeiros, que existem
linda na ilha de S.-Miguel.
Slanoel Ferreir Tavares.
Denles arttficiaesv
J. A. S. Jane, dentista participa ao res-
peilavel publico que contina a exercer a
sua profissSo, na ra cstreila do llozario ,
n 16, primeiro andar.
Ao publico.
O abaixo assignado, tendo comprado 4
meios bilhetes da segunda parte da terceira
lotera de N. S. do Guadalupe, por ordem
do Sr Jos Goncalves do Reis residente na
cidade da Paraliiba succede que na noite
dia 21 para 22 do prximo passado foi
roubada a casa de negocio do mesmo Sr.
naquella cidade e juntamente os quntro
meios bilhetes de nmeros 2,917, 1,551 ,
2,908 e 1,583, e assignados por Jos Gon-
calves do Reis Paca, Manoel da Costa Ru-
mos Comprido e Remigio Jos Dias. Roga-
se ao lllm. Sr. major Gusmflo, thesoureiro
desta lotera, que, sendo saia premiado os
ditos bilhetes e lhe sejam apresenlados os
nilo; pague, e faca o favor do avisar as
Cinco-Pontas n. 66 Francisco Tavares
Correia.
Arronda-se um grande sitio com casa
de vivenda, terreno para plantacoes pasto
permanente para dose vaccas de leite: a
tratar na ra do Collegio, n. 3, segundo
andar.
Quem precisar de um rapaz do 16 an-
nos para caixeiro de loja de fazendas, ou
mindezas, o qual chegou no ultimo navio
do Porto, dirija-se la da Cadeia do Reci-
fe, n. 25.
" Sabio a luz o PostilMoOIindense, idyl-
lio olferecldo ao Fxm. presidente da pro-
vincia : vende-se na praca da Independen-
cia n. 6 e 8 a 240 rs. cada exemplar.
Precisa-sede urna ama para urna casa
de pouca familia a qual faca as compras e
cozinhe: na ruada Cadcia-Velha n. 41 ,
primeiro andar.
Quem pretende alugar urna casa de 2
andares no bairro do Recifo as mas que
declara querendo urna na ra da Cadeia ,
n. 40, com bons commodos e asseiada '
dirija-se a loja da mesma casa ou na pra-
Ca do Commercio, n. 6, primeiro andar.
A pessoa que deseja saber quem re-
presenta nes i a cidade pelos herdeiros de
Domingos Antonio Fernandos fallecido na
cidade do Porto pode dirigir-se a praca do
Commercio, n. 6, primeiro andar que ahi
achara pessoa competentemente habilita-
das para Iratar qualquer negocio tendente
ao fallecido.
*> m
O Sr. do engenho Tabalinga, Anto- %
dio Gomes Pessoa queira ter a bou- i
dade de vir ou mandar a ra do Cres-
po, n. II, a negocio que lhe diz res-
no dia 2 do corronto, dous quaitos castra-
dos e urna besta com os soguintes signaos e
cores : um cardilo, pequeo, com algumas
reladuras as costas, marcado nos quartos
trazeiros, de ambas as partes, com a marca
de ferro de tres pernas a maneira de sisc-
dor; um dito da mesma cor o signaes de re-
ladura, ferrado de ambos os lados as per-
nas com a marca Icltra I), tendo cima des-
ta tambem outro ferro quasi semelhanto ao
do outro, com a dilTeronca bem vulgar de
ter o primeiro voltadas as pernas para
tras, e o do segundo para baixo com urna
volla para cima; urna besta ruco-pedrez,
de grande lamanho, com aquolle mesmo
ferro, tendo mais da parte esquerda a Jet-
Ira P, e esta mesma lettra tambem tem o se-
gundo cavallo : quem adiar ditos animaos,
os entregar a Jos Joaquim Bczerra Gaval-
cante em Santo-Amaro, defronle da fortale-1
zadoBrum, que lhe compensar o traba*
lho e despeza respectivamente effeituada.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado
n. 11 da ra do Rangel, por 200,000 rs. an-
nunes, com fiador idonio : a tratar na pra-
Ca do Commercio, n. 2, primeiro andar.
Precisa-se alugar um sitio na Magda-
lena, ou Capunga na margem do rio, an-
da mesmo iio sendo a casa grande: quem
o tiver, dirija-se ra do Trapiche, n. 11.
-- Domingos Alves Malheus, agente da fa-
brica de rap superior areia preta da Ba-
bia, tem aherlo seu deposito na ra da
Cruz do Recite, primeiro andar da casa n.
38, ondese'achar sempre deste cxcollente
e mais acreditado rap que at o presente
se tem fabricado no Brasil: vende-se em
botes de urna e do meia libra por preco
mais commodo do que em oulra qualquer
parte.
0 LIVBO DE MEL'S AMORES
poesas erticas de J. [Sorberlo de S. Silva,
suhdivididas em tres partes As visfles
Os beijos Armia. 1 volume in 8. gran-
de, elegante e ntida edicSo, capa mptossa,
ornado com um retrato. Preco 3,000 rs. ra-
da volume. I'ublica-se no Rio-de-Janeni
e assigna-se nesta cidade do Recife na livra-
ria ns. 6e 8 da praca da Independencia.
A pessoa que tem annuticiado querer
urna saia de bordado do susto, dirija-se a
casa atrs do Corpo-Santo, por cima da loja
delotica, n. 68. Na mesma casi s* fazem
estas c mil as militas obras, e Umbcm j
as ha feitas, ensinam-se meninas, rece-
bcra-ss pensionistas, inda mesmo sendo
pretas, para as dar promplas do qualquer
habilidade; borda-se de branco, do ouro,
de rralo, ii.nli/os, de troco e fio ; vestem-se
anjos, alugam-.se uniformes psra os mes-
mos, vendem-se flores, fazem-se espana-
dores, veudom-sd pennas para os mesmos,
fazem-so llores para castical, chapeos de
todas as qualidades, vestidos de bom gusto,
costuras dulas : tudo muito vonlnde :
tambem abrem-se velas com toda a delica-
deza e brevidade. Quem de algutm dessas
cousas precisar, dirija-se a casa acuna uila.
Oabaixo assignado mudou sua residen-
cia para o terceiro andar da casa n. 117 da
ra do Pilar em Fra-de-Portas, a pirmei-
ra contigua a capitana do porto, c que dei-
ta a trazeira para o mar. Francisco de
Paula Pereira de Andrade.
?:_.*!.,:;.;-...,._..;. v, ,..,,;, J _Li<:.\ :_*
i;
i
m
Compra-so um armazem de canto soc-
ca com todos os seus portoncos: quera tiver
annuncie.
Compra-sc ouro e prata em qualquer
estado que csteja : na ra do Queimado ,
n. 14. ,
.-Compra-se um jogode mangas de vt-
dro lisas ou lavradas com casticaes ou sem
elles em seguik m3o : quem tiver an-
nuncie.
Compram-se e vendem-se escravos: na
ra da Cadeia do Re6ife. n. 40.
-'Compra-se urna taberna em bom local,
que seja bem afreguezada o quo tambem
tenha commodos para morar familia : quom
tiver annuncie._______
_-. JLJglii-uj......--------------
Vendas.
:i;
Na praca da Independencia, S
n. io, ao voltar para a ra S
das Cruzes, altigam-se, ven- $
dem-se c tamlie
i
&
ainado
b-m fcito inventario e apenasbouve a des- venha recebe-lo ou negoca-lo, sendo que
cripctio dos bense avalacao; mas acn- o queira vender, licando certo de que o
lece que, tendo a finada dado um papel de (abaixo assignado uflose responsabilisa pe-
arrendmenlo aquello seu filbo padre este la fuga do mesmo escravo. Jos Fernanda
continuh no mesmo engenho a fazer bem- da Cm:.
teitonasVe levantar casa, sem que para issol -Desappareceram do lugar Agoa-Fria.en-
rossa aujprisado pelos mais herdeiros ; I tro a cidade de Olinda e o engenho Fragoso,
MIITIl Anrt
m se appii- g
cam as melhorcs bixas que |
t. be possivel ltavarcm no mer- 'i
| cado; limpam-se e tram-se denles -t
'4 com toda a perfeicSo : tambem se ap i
I plicam ventosas com a maior delica- %r
"{ drsa que he possivel e faz-sa ludo if
f. o mais que pettence a arte de sangra- ||,''
8 dor : tudo por preco muito rasoavel. I?
H
fnwHiwwiw wmmmmmi
O doutor Lourcnco Trigo de Loureiro
reside actualmente as tojas da casa do
lllm. Sr. dcsembnrgador Bastos, na ra da
Aurora entrada pelo lado da mesma rita ;
e ubi se offereco para advogar, tanto no
cvel como no crime, e para ensinar as lin-
goas latina e franceza a quem se quizer
ulilisar deseu prestimo.
Lotera do Guadalupe.
As rodas desta loteria andam in-
fallivelmente no dia i3 te mez, e os bilhetes que restam
acbam-se venda nos lugares an-
nunciados.
O Dr. Lobo Moscoso conti-
na a receber doentes em sua ca-
sa, no terro-da-Ba-Vista, n. 48,
onde lia commodos suficienlcs,
nao s para se tratarcm de suas en-
fermidades, como para se Ibes fa-
zer qualquer operacao : as pessoas,
porLmlo, quesequizercm curar ou
mandur algum escravo, pdem di-
rigir-se ao annunciante em dita ca-
sa, certos de que serao tratados
com todo o desvelo.
Engomma-secom pe l'eicfin toda a qua-
Iidade de roupa para homem e senhora, as-
sim como tambem se ensalma por commo-
do preco : na ra da Sonzalla-Nova, na loja
da casa n. 18.
Compras.
Compram-se, para urna encoafnienda,
escravos do ambos os sexos de 10"a 40 an-
nos na ra do Ptdre-Florianno, sobrado
de um andar, n. 7.
Paga-sebem.
Compra-se calcado tollo na trra de
toda a qualidade : na praca da Independen-
cia, n. 33.
Compra-se a opera da Norma, traduzi-
da em verso portuguez com o original ita-
liano trente, em um fclhcto impresso no
Ro-de-Janeiro: quom tiver annuncie.
1 Compra-se uut escravo de meia idade,
o qual sirva para/O servico de campo: na
ra Nova n. 59/ Na mesma casa se dir
quem d dinhevo a premio sobre penhoresj baixo a meio, por preco commodo : na ra
deouroepraU. Ibireit, n. 1"
-Na livraria ns. 6e8 da praca da inde-
pendencia vende-sc o seguinte :
Manual eleitoral
contendo a le regulamentar das eleiclos o
os decretos e decisoes do governo que dao
esclarecimentos sobre sua execueflo.
Vende-se tima taberna com poucos
fundos, sita na ra Nova esquina da ra
dasTrincheiras n. 1 um dos melhores lo-
caes desta cidade : a tratar com Narciso Jo-
s da osla no largo do Carmo.
Vende-se urna parda de 16 annos, quo
cose, engomma, borda e faz doces de todas
as qualidades, tudo com perfeicSo e da
qual se afianca a conducta : na ra da Ca-
deia do Itecifo, n. 39.
Para escravos.
Vendem-se cobertores de algodflo ameri-
cano a 560 rs. cada um; zuirlo de chadrez.
a160rs. o covado; dito trancado, a 200
rs. o cov do ; pecas de ganga azul da India,
com 4 palmos do largara e 12 covados n
2,400 rs.: na ra do Crespo, loja n. 10.
Vendem-se riscadoi escocezes, com
vara do largura, a 290 rs. 0 covado ; cassas
pintadas do cores flxas, a 840 rs. o covado;
pecas de paniiinio de vara de largura, com
12 jardas a 2,000 rs. : na ra do Crespo,
loja n. 10.
Vende-se, no Aterro-da-Boa-Vista, n.
75, toda a qunlidade de roseiras, craveiros
e nutras qualidades de plantas : tudo por
preco commodo.
Ainda existo urna pequea porco do
uvas de pellica enfeitadas para senhora as
quaes para se acabarem vendom-se pelo di-
minuto preco do 1,000 rs o par ; bem como
litas sem enfeites para homem e senhora a
mi i rs.; dilas de algodo de cores escuras ,
propras para montara ; ditas de seda do
varias cores, curtas e cmpralas ; dilas
brancas dealgodo, com borracha ; fitas li-
sas de seda e de todas as larguras cor de-
rosa, encarnada azul, verde amarella ,
branca e preta ; ditas de seda lavrada do
varias cores bonitas, bstanlo largase mui-
to propras para enfeites de camas e cha-
pos de senhora ; bcos e rendas francezas
de todas as larguras ; papel de machina e de
peso branco e azul em meias resmas,a 2,800
rs. a resma e a 40 rs. o caderno ; e outras
muitas fazendas por proco commodo : no
Alerro-da-Boa-Vist8, n. 72.
RAPE" DE LISBOA.
Viudo do Ro-dc-Jancro no vapor Impe-
ratrs : vendo-so na loja de Antonio Joa-
quim Vidal, ra da Cadoia do Recifo, n.
56 A.
Vcnde-se superior rape; de
Lisboa : na praca da Independen-
cia, n. 3f).
Vendem-se saccas grandes com feij.lo
mulatinbo, fradinho gruguluba e mantei-
ga, a 1,500 o 4,000 rs. a sacca de alqueirn
raso : na ra do Vigario, armazem n. 11,
de Francisco A'ves da Cunha.
Vende-so um pardo mogo, de bonita
figura proprio para pagem ou para outro
qualquer trrico na ruada Cadeia-Velha,
n. 33, se dir quem vende.
Quer-sc acabar.
Exccllentos ceblas, rhegadas ltima-
mente, vendem-se por proco mais commo-
do do queein oulra qualquer parte ; no ar-
mazem da ra do Codorniz, n. 11.
Vende-se cera de carnatiba :
na na da Madre- de-Dcos, loja
n. 34-
Vende-se rap do Lisboa a 3,600 rs. ,
dinbeiro a vista. : na ra da Cadeia do Re-
cife, botica de Vicente Jos de Brito, n. 61.
Vemdem-se apparelhos oltavados para
cb.i c para mesa do todas as cures : tudo de
muito bom gosto : na ra da Cruz, atrs do
Corpo-Santo, na loja do louca, n. 68.
Aon amantes da loteria do Rio-
de-Janeiro.
' Sauchegadas as listas da 50* lotera da
misericordia e a da 10a das matrizes, o com
pilas novo sortimonto dos muito afortuna-
dos bilhetes e cautelas da 19' loteria do
monte po, cujas listas chegam no primeiro
vapor: na ra da Cadeia do Recife, loja do
fazendas, n. 51, de JoDo da Cunha Maga-
lhlcs : a elles antes quo se acabem.
Vende-se, na ra Velha, n. 127, um es-
cravo de 18 annos, soflrivel cozinheiro, e
proprio para qualquer servico do casa ou
campo.
Vende-so um sitio de coqueiros, no
lugar do Rio-Doce denominado sitio da
Bocca-do-Bio um dos melhores que ha
no dito lugar, j pela localidade em que se
aeha e mesmo por outras vantagens que
offerece como bons lugares de viveiros'.fei-
tospelanaturcza e juntamente para sali-
nas coqueiral todo novo e quo carregam
todo anno oulra planta nova casa de vi-
venda de taipa e cubera de palha mas re-
bocada e caiada, com commodos para urna
familia : este sitio tem duas posses de curral
queso incluem na mesma venda, assim co-
mo_cinco portas de amarello para una boa
casa ; tem mangues para se tirar lenha; em
fin, s a vista do pretndeme podr-so-ha
mostrar ludo quinto tica dito: na ra es-
trella do Rozario, loja de encadcrnac3o ,
n. 2, se dir quem vende.
Vende-se urna preta da Costa muito
moca de bonita figura e sem vicios nem
achaques: o motivo por .que se vende so
dir ao comprador : no Aterro-da-Boa-Vis-
ta, n. 17, fabrica de licores, de Frederico
Chaves.
Vende-se um bom cavallo carregador


T


\
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de arrobas,
chocada neste mez pelo brigue Maria-Joi:
a tratar na ra do Krum, armazem de
Antonio Aupusto da Fonseca, ou na ra do
Vigario, n. 19.
Vendem se presuntos inplczes para
fiambre ; latas rom bolaobinhas de Lisboa ;
litas de ararta ; ditas de marmelada de
1, 2 o 4 libras"; ditas de sardinhas ; ditas de
hervilhas ; ditas de checolate de Lisboa ;
fiascos de conservas ; ditos d'agoa de flor
de laranja; barris com azeitonas brancas de
Klvas ; garrafas com vinho moscatel de Sa-
mba 1 o da Madeira; queijos de prato ,
frescaes: tudo novo e chegado ltima-
mente do Usb: o* ra da Cruz, no
Isecife, n. 4.
Vendem-se sellins inglezes e
camas de ferro: na ra da Senzalla-
nova, n. !\i.
Cha brasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
molinillos, atrs do Corpo-Santo, n. 66,
mais excedente cha prodozido cm S.-Pau-
lo, que iem vindo > este mercado, por
prego muito commodo.
AGENCIA .
da fundidlo Low-Moor,
RA Da. SF.NZAIXA-HOVA, N. l\1. _
Neste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para eogenho; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todo os tamanhos,
para dito.
Vende-se champanha da mais superior
qualidade que tea vindo este mercado :
na ra da Cruz, n. 27, armazem de Cr-
ic Companhia.
A 640 rs. cada um.
Vendem-se cobertores de algodSo ameri-
cano, encorpados e grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras, de bons pidrfjes e co-
res seguras, a meia pataca o covado: na
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Vende-se algodo trancado
da fabrica de Todos-os-Santos a
370 e a 3oo rs. a vara : na rna da
Cadeia, n. 5a.
Tamis para engenho.
Na fundicSo de ferro da ra do Brum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
tode taixas del a 8 palmos de bocea a*
quaes acham-se a venda por preco com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
ou carregam-se em carros sem despezas ao
.comprador.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Baha.
Vende-se em casa de N. O. Bieber & C.
a ra da Cruz, n. 4, algodSo trancado
aquella fabrica, muito ptoprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
i,a8o ris..
Vendem-se superiores cortes de brim
trancado de puro linho cor de lama de Pa-
rs pelo barato preco de 1,280 rs.: na ra
do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Dias.
Folha de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flan-
dres : em casa de J. i. Tasso Junior : na ra
do Amorim. n. 35.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias que fram de
farinha, em pe e bem aecondicionadas :
na ra do Amorim, n. 85, casa de J. J.
Tasso Junior.
JttencSo ao batato.
Na ra do Livramenlo, n. 14, vendem-se
corles de. 15a de bonitos padrees, a 2,100
rs. o corte; riscados monstros a 260 rs. o
covado ; lencos de cambraia de linho, mui-
to finos, para senhora ; pecas de madapo-
13o fino, a 2,800,3,800, 4,000 e 4,500 rs. ;
chitas escuras de cores fixas.a 160, 180 o
200 rs., muito finas, a 240 rs. ; cortes do
cambraia para vestidos, de ricos padres ; e
outras militas faiendas baratas.
A 640 rs.
Vendem-se cobirtores de algodSo, muito
encorpados, proprios para escravos a duas
patacas cada um : na ra da Cadeia-Velha,
n. 33.
Bombas de ferro.
Na fandigSo de ferro da ra do Brum ,
vendem-se superiores bombas para cacim-
ba asslm como de repucho para fazer su-
bir agoa a casas at altura de 4 a 5 andares.
i V
i Farinha de S-!Uatheus *
to para curar vista caneada ou curta, como
sejam oculos aproprlados, os quaes se
vendem por diversos precos.e muito em
conta, por haver sortimento : na ra larga
do Rosario, loja demiuJozs, n. 35.
Para liquidacao.
Na loja n. 5 A, da ra do Crespo, ao p'do
arco de S-Antonio, continuam-se a vender
muito bons cortes de cambraia de cores
com 6 varase meia a 2,500 e 3,000 rs ; pe-
cas de madapolfio infestado, a 5,500 rs.,
muito boa fazends;lencos de cassa para gr-
vala a loo rs.; casimira elstica preta a
5,500 rs. o covado; casimiras de cores para
caigas a 4,000 rs. o corte ; cortes de col-
letos de gorgurSo do seda a 2,500 e 3,200
rs. ; chales -le chita grandes a 800 rs., e
pequeos a 500 rs.; eainda restam alguns
chapeos de crep para senhora a 2,000 rs.
Camisas'francezas
Na ra Nova, n.'14, loja de alfaiate he
chegado um riquissimo sortimento de ca-
misas brancas e de riscados os mais lindos
padrOes e cores fizas, por preco commodo.
A 1,000 rs. o corte.
Vende-se brim uso escuro muito fino,
proprio para jaqueta a 1,000 rs. o corle;
dito trangado escuro e muito fino, a 1,280
rs. o corte de caigas ; dito cor de ganga, a
1,500 rs. o corte, sendo todos de juro linho;
cortes de cassa do cordSozinho com 7 va-
ras a 2,000 rs.; fustSo alcochoado para
collete a 480 rs. o corte ; meias finas para
meninas de varios tamanhos a .320 rs. o
par : na ra do Queimado, n. 8.
N.9.
Ra da Madre-de-Deos.
com muito boa serpentina de
no que oesa 300 libras: esto
pesa
serrador; urna preta de meia idade boa150caadas
lavadeira; umditadelS annos que en- ostanho m- d sy8temas, um
gomm.cozinh.el.va.umadtta da Cos- ^^fi, H* j" -J
&
O
0
O
o
Puro vinho da Fisueira.
I
O novo armazem desla pinga deliciosa
acaba de se abrir nesta ra, defronte do ex-
tincto armazem ao mesmo preco de 180
rs. a garrafa e a 1,360 rs. a caada. Os
amantes deste licor alliencontrarSo garra-
fas promplamento lacradas e com o seu
competente rotulo para trocarem por outras
promptamente ; assim como tambem en-
contrado barris de diversos tamanhos,
por precos bem rasoaveis ; bem como vinho
branco de Lisboa a 1,600 rs a caada, e a
220 rs. a garrafa. O proprietario deste esta-
belecimento pedeexame para poderem ava-
dar a pureza de sua1 qualidade easseio, e
que em nada desagradar aos concur-
rentes.
-No armazem da ra da Moda, n. 7, con-
lina-se a vender superior colla das fabri-
cas do Rio-Grande-do-Sul, por preco ba-
rato.
FABINIIA DE MANDIOCA.
A melhor farinha de mandioca que tem
venda he a bordo do brigue Minerva, chega-
do deSanta-Catharina, e fundeado na praia
do Collegio, onde se vende a preco mais
commodo que em qualquer outro barco ; e
tambem se pode tratar na praga do Coin-
mercio, n. 6, primeiro andar.
Ca virgem de Lisboa.
Na ra da Cadeia do ltecife, loja n. 20,
vende-se cal virgem por prego mais com-
modo do que em oulra qualquer parte
Vende-se superior fio de al-
godo para velas : na ra da Cruz,
n. a, casa de Geo: Kenworthy &
Companhia.
Vende-se um pardo robus-
to, de 24 annos, perfeitamente en-
tendido no servido de campo e sem
vicios : na loj da ra do Crespo,
n. i5, de Cunha Guimaraes ck
Companhia.
Superior cha brasileiro.
Vende-se superior cha do S.-Paulo em
caixinhas de urna e duas libras: na ruada
Cadeia do ltecife, n. 51.
-*- Vendem-se no armazem, n.
1, do Calaia, no caes da Alfande-
ga, por preco commodo, barricas
com farinha de mandioca, muito
fina, ( soruhy ) assim como saccas
com feijao novo, muito grandes e
baratas : Irata-se no mesmo arma-
zem, ou com Novaes Se C.a
Vende-se sal do Ass, em grandes e pe-
quenas porcOea : a bordo do patacho V.mu-
larlo, fundeado no Forle-do-Mattos.
'-- Vende-se um sobrado de um andar,
sito na cidade da Victoria na ra da Paz,
que foi do fallecido Jos Ignacio do Tem-
plo e hoje pertence a filha do mesmo,
D. Josepha Mara da ConceigSo : a tratar no
engenho S.-Jos, com Luiz Barbalho de
Vascencellos quo est autorisado a fazer
dita venda.
Vendc-se, por preco muito
commodo, no armazem de Dias
Ferreira, no caes da Alfandega,
farinha de Santa-Catharina, cm
saccas grandes,e barriqninhas com
potassa, muito superior:
ta ptima qaitandeira.
Cadeiras de palhinha e
de balanco,
bem comoutrosmuitostrastes: ?M*e""
em casa de Kalkmann IrmSos, na ra da
Cruz, n. 10. _,
& 5- Na na fio Crespo, &5 g
jj> loja da esquina que volta g
para a cadeia, vendem-se 3
os acreditados brins trancados oran- Q
cos, lisos, de listras e de linho puro, q
a 1,500 rs. o corto; dito amareiio a ^
1,440 rs. ; dito muito superior, a q
1,600 rs.; picote muito encorpao ^
1 proprio para escravos i'* /
O covado; panno preto muito fino, a g
O 3,200 rs. o covado; cassa de quadros
O para babados, a 2,000 rs. a pega ; Iu- V
O vas de algodflo de cor, muito linas, a J
O 240 rs o iftr ; chitas rouxas com no- O
ft re encarnadas, de tintas seguras, a 0
%, 180 rs. o covado; cassas pretas, pro- Q
a prias para luto, a 160 rs. o covado; q
pecas de platilha de algodSo com 25 3
i? varas, a 4,200 rs.; e outras multas ^
9 fazendas por prego commodd. ^
Vende-se urna cadeira de bracos, to-
da envidracada e em bom estado : na ra
da Unlflo casa de Jos Mariano do Albu-
queque.
Cafdeescolha,
de superior qualidade, em saccas de 5 ar-
robas: no'caes da Alfandega, armazem
'_. Vende-se urna muito linda escrava re-
colhida de 18annos, de boa conducta e
com habilidades proprias de urna mucama :
na ra do Padre-Florianno, sobrado de um
andar n. 7. .'.'.*,
Vende-se urna preta cnoula de 18 an-
nos : na ra Nova, n. 16.
Craxa ingleza.
Vende-se graxa ingleza, a 200 rs. o pote,
e a 2,300 rs. a duzia : na prac,a da Indepen-
dencia, loja n. 3.
Vende-se urna parda de 15 annos, de
bonita figura e que he ptima para muca-
ma : no becco do Sarapalel, sobrado n. 12.
.- Vende-se urna venda com poucos fun-
dos e bem afreguezada na ra da Lingo-
ta n. 5 : ao comprador se dir o motivo
por que se vende: a tratar na mesma
venda.
Vende-se sebo em rama muito supe-
rior na ra Nova, loja de trastes, n. 59,
defronte da ra de S.-Amaro.
#S #@
ra rp^lilar ago'ardente ; para
rtSores. os quaes fazem com que o
Aterro-da-Boa-Vista n. 17 fabrica de li-
cores, de Frederico Chayes.
Vende-se farinha de mandio-
ca, muito superior e por precrj
commodo, a bordo da sumaca
Villa-Carolina, entrada de fcan-
Matheus, a qual se acha fundeada
defronte do caes do Collegio : tra-
ta-e com o capitlo a bordo, oul
da farinha franceza Barn, chega-
da ltimamente, e por preco rasoa-
vel: na la da Senzalla-Velha,
n. 138.
A 400 ris.

Vende-se superior esgui.lo de algodSo da-
quatro palmos e meio de largura, proprio
para camisas de senhora e jaq'uetas, pelo
barato preco de 40ft rs. a vara ; bretaDhis
de rolo com 10 varas, a 1,600 rs. supe-
riores cortes de fuslOes alcochoado a
1,28o rs.; ditos miudos, a 400 rs. o corte
na ra do Crespo, n. 14, loja da Jos Fran-
cisco Dias.
A 300 rs. o covado. .
Vende-se zuarle azul trancado, muito en-
corpado e com 4 palmos e meio de largura
a melhor fazenda para vestir escravo pelo
barato prego de 200 rs. o covado: na loja di
esquina da ra do Crespo, que volta pira 1
I cadeia.
Rap roldo francs 1
com "Machado &Pinheir, na ra I vende-se o superior rap rolSo francez
do Vigario, n. 19, segundo andar.
des fumantes de bota gosto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor .vindo do sul, superio-
res charutos S.-Felix, e de outras multas
qualidades que se venderSo mais barato do
que em outra qualquer parte : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
milho, que se estSo vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
Barris com azeite de peixe
vendem-se na ra do Vigario, n. 11.
Vinho de Bordean* e de
Champanha,
de superior qualidade : vende-se em casa
de Kalkmann Irmflos, na ra da Cruz ,
n. 10.
9 Cheguem, Olindenses, ao bom
e barato.
a> i-'m Olihda taberna docaminhodo
? ltecife vende-se vinho bom e bara-
(|to,a180rs. a garrafa, ea 1,280rs.
a caada.
fj
?
Vendem-se escravos baratos, na ra
das Larangeiras, n. 14, segundo an-
dar ; um lindo molecSo de nagSo ; 1
f> preta de nagSo, dd ^16 annos, com
O principios de habilidades; urna preta {
" de 20 annos, de bonita figura ; urna"
dita de 26 annos, ptima engomma-
deira ecozinheira; urna bonita mu-
m latinha do 13 annos, que cose e mar-
ca mnilo soffrivel; d>us prctos para
o servigo de campo ; um moleque
jRTJe^S-annos. *
no mesmo armazem, ou com
Vende-se farinha muito superior, por
(j? prego commodo a bordo da sumaca V
A Feliz-Aurora, Tundeada em frente do ff,
i- caes do Collegio : a tratar com o ca- U
? pltSo a bordo ou com Machado & Pi- vaes & Companhia.
S nheiro na ra do Vigario, n. 19, se- y
f gundo andar. a
Vendo-se urna mulatinha de 20 anno,
com algumas habilidades: na ra da Mo-
da n. 9, segundo andar de manhSa at as
8 oras, e de tarde at as 4.
Vende-se um escravo proprio para todo
o servigo, principalmente para trabalhar do
enxada : na ra do Queimado loja de fer-
rageaf, n. 14.
Tende-se urna parda de boa conducta,
com algumas habilidades, por prego com-
Vendem-se relogios de ouro e prata ,
patente inglez : na ra da Senzalla-Nova ,
n. 42.
Vendem-ae cortes de cambraias ada-
mascadas proprias para vestidos, a 3,000
rs. ditosde talagarga, a 1,600 e 2,500rs. iww
cassa-chita decores filas a 300 ra. j lan- modo ; um moleque de nagfio, de 18 a 20
zinhaspara vestidos, caigase roupa dme- annos de boa conducta, tambem por pre-
ninoa, a 320 rs. o covado ; fazenda de ISa go commodo: na ra das Cruzes, n. 20, as
com listras de seda., propna para vestido Hojas.
de senhora a 60ra. ; las para calcas,deLtuf'|.ari.fne Ap Havaiia
muito bom gostoe de superior qualidade, ^naruiu Ut *"
a 2,200 rs. o corle ; cortes de cassa, a 1,400 verdaderos : em casa "
Vendem-se alguns escravos e escra-
vas mogos e sadios e que silo bem pren-
dados : na ra da Cadeia, n. 39.
Batatas do Rio-de-
Janeiro.
Vendem-se jacaes com batatas do 2 a 3 ar-
robas cada um a 1,280 rs. a arroba : no
caes da Allandega, armazem do Bacelar.
Marmelada nova.
chegada ltimamente do Rio-de-Janeiro,
vende-se por prego commodo: atrs do Cor-
po-Santo armazem de molhados, n. 66.
Vende-se, na ra da Praia, n. 24, urna
parelha de embonos (fe sedro muito bons
para barcaga; urna canoa de carreira, e
algumas jangadas.
Vende-se a taberna da Passagem-da-
Mngdalena n. 60 com os fundos de 300
rs. : a tratar na mesma taberna.
Ka loja de selleiro da
ra do Queimado, n. 9,
I vendem-se sellins de todas as qualidades,
tanto para rr.ontaria de homem como para
a de senhora ; cabegadas inglezas roligis
e chatas ; ditas de couro de lustro bran-
cas e pretas ; talins e cananas de lodas as
qualidades ; correiames de lustro ; barreti-
nas para officiaese soldados de cavallaria e
infiinlaria; bandas, ele; perneirase guar-
da-lamas de todos os'*ff ilios ; canhOes da
couro ilo lustro branco o amarello, para
botas de criados; fundas inglezas de vuma e
duas verilhas; colchos de lodos os tama-
itos e fetios. Na mesma loja se forram sel-
lins com couro de porco inglez, (cando
comonovos, e se faz toda qualidade de
concert : tudo por prego commodo.
AllengSo aos premios vendidos.
Na loja de cambio da viuva Vieira & fi-
lhos,narua da Cadeia do ltecife. n. 24,
fram vendidos da lotera a beneficio das
matrizes do Rio-de-Janelro, os nmerosse-
guintes : 3,605 10.000,000 de ris ; 820,
200.000 rs. ; 4,069 e 875,100,000 rs.; 4,873.
4,874 e 5,310 40,000 rs.; e immensos, de
k._ 20,000 rs.
Vendem-se cadeiras, marquezas, sofs
e algurras mesas : na ra das Cruzes, n. 37.
OfffVVffVVVVVfVVffVVfO
m
Vende-se superior farinha de man- *
dioca, muito nova por prego mais
commodo do que em outra qualquer
parle: a bordo da sumaca Bella-Krgt-
lina, fondeada defronle do caes do ^
Ramos ou na ra do Vigario, o. 19,
segundo andar, casa de Machado &
Pinheiro.
Cortes de brim de puro
linho, a 1,280.
Vendem-se cortes de brim trancado
pardo de puro linho, pelo diminuto prego
de quatro patacas : na ra do Crespo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Atlen Na ra do Crespo, loja n. 5 A, junto ao
arco de S.-Antonio, vendem-se ricas man-
tas de seda de novos lavrores a 6 e 8,000
rs., tanto para senhora como para meni-
nas ; lm destas fazendas ha u.n rico sor-
timento de leques com enfeites inieira-
mente novos, e que se vendem maisem
conta do que em outra qualquer parte.
~ Vendem-se, no armazem de Francis-
co Dias Ferreira, ao p da alfandega cebo-
las novas do Porto, em resleas ; fumo de ca-
pa superior; charutos regala, muito em
conta. ...
Vende-se a casa terrea de pedra e cal
n. 136 da ra Imperial ; um terreno juntoa
mesma para outra casa j aterrado, tudo
at o rio, e em chSos proprios : na ra do
Collegio, n. 6.
trata-se
de Kalkmann Ir-
rs. cada um; panninhocom vara de lar-
gura a 240 rs. a vara, e a 2,500 rs. a pega
com 10 varas e meia ; chales de pura ISa ,
a 2,000 rs. cada um ; fustoes para colletes,
a 500 rs o corte; e outras mudas fazendas
por .barato prego: na ra do Crespo, loja
n. 15, de Cunha Cuimarfies & Companhia.
Nada ISo bom al hoje se ha descober-
mSos na ra da Cru n. 10.
Molduras douradas
de todas as larguras : vende-se em casa
de Kalkmahn IrmSos, rirua*a Cruz' ,0-
- Na ra das Cruzes, />, 22, segundo an-
dar vendem-se dous nilecotes de nacao,
de 18 a 20 annos, sendo un dellcs ptimo



s>
Vendem-se 4 escravas com habilida-
des; urna parda de30 annos, que cntendo
de lodo o servigo de urna casa por 300/
rs.; um pardo de 18 annos, de bonita fi-
gura, que he de boa conducta e por Isso
proprio para pagem ; ummolecSo denagSo,
de 18 a 20 annos bem robusto, sem vicios
nem achaques, e que he proprio para todo
o servigo: no pateo da matriz de S.-Anto-
nio, n. 4, se dir quem vende.
-- Vende-se um alambique francez e del
cobro, com pouco uso, que leva a caldeira'l
nicamente as lojas dos Srs. Caetano Luiz
Ferreira no Aterro-da-Boi-Vistt, n. 46
Tliomaz do Matos Kstima na mesma roa
n.54; Francisco Joaquim Duarte, ruido
Catinga ; Pinto & Irmflo, na roa da Cadeia
ilo llccife, n. 19.
Na travessa da Madre-de-Deos,
ai mazem n. 9 ,
vendem-se quartolas coa vinbo de Bor-
deaux; frasqueirascom moito superior ge-
nebra de Molienda ; caixascom superior vi-
nho moscatel; ditas com azeite doce em
garrafas; papel florete; dito almago de
primeira e segunda sorte ; dito de machi-
na ; dito pardo para botica e chapeleiroi;
banba de porco, em barris e meios ditos; e
oulros muitos gneros proprios para vend,
Eslaose acabando
os superiores queijos de prensa : na ra C
Queimado, loja de miudeeas n. 25,
Um excellente quarto.
Vende-se um excedente qoartRo:na es-
tribarla por detrs da lojadelouca do Sr.
Fragozo, na ra da Cadeia do Recite, a Ol-
lar com Bernardino Pinto,
Sorte grande de 20:000,^
Lotera do llio-de-
Janeiro
SSo chegadas as listas da matrizes e di
misericordia e com ellas grande sortimen-
to de bilheles, meios, quarlos, oitavos e
vigsimos da 19. lotera do Monle-Pio: na
ra da Cadeia toja de ferragens, de Anto-
nio Joaquim Vidal.
Praca da Independen-
cia, loja n. 5.
lie chegado a este estabelecimento urna
porgBo de papel pautado para msica cor
dase bordOes para violSo e rbeca : tudo
da melhor qualidade possivel.
Vendem-se espedios de parle a 100,
480, 560, 800 e 1,000 rs. cada um; cipa
olios, a 480, 640 e 800 rs : no Aterro-di
Boa-Vista, n. 72.
Vende-se urna bonita commodide an-l
gico, com muito pouco uso o por preco
cemmodo; urna dita vetha propria pira
servir em lugar de armario ero cozinhi; 1
baleflo em muito bom estado e proprio pi-
ra qualquer casa de negocio; 7 caixilb!
envidracados, muito'proprios para arm
cHo de loja de fazendas, miudezas ou cal
gado, por prego commodo: no Aterro-di
Boa-Vista, n. 72. I
--Vende-se superior cal virgem de Lis-I
boa em barris pequeos; feches dm
de pao e rodas de ditoj para barrdflvcu
nhetes de pinbo abatidos para aisucir
pregoscaixaesdo PortoL em barris da 1
inilheiros; ditos de estuue em barril d
32 a 45 milheiros ; marmelada de Lisboa
em latas de 1 e 2 libras ; pilulss de familia
na ra da Cruz, n. 19, primeiro andar,
fallar com Joaquim Ferreira Mendes Gui
manes.
Vende-se um bonito moleque de i
annos; um bonito mulatinho de 13 anuos
ambos proprios para aprenderem ollicio
porserem muito espertos : na ra larga di
Roza rio, loja n. 35.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Na prega da Independencia, n. 4, venf
dem-se bilhetes, meios quartos e
mosda 19.'lotera do Monte-Po. Na mn-f
na loja se mostram as listas das lole
pa asa d as.
Vendem-se superiores redes or
toalha : na ra do Queimado i loja deonu
dozas, n. 25.
para curar da phtysica em todos os scus
differentos graos, ou motivada por al-
guma das seguintes molestias: conalipa-
gOes, tosse, aslhma pleuriz escarros de
sangue coqueluche drde costase pel-
los broncbiles dr na garganta e todas as
molestias dos orgSos pulmonares. Este ex-
cellente remedio que tem pozado de ISo boa
reputagSo nos Estados-Unidos da America
do Norte, pelos seus bons effeitos na cura
das varias molestias acimajmencionadas, in-
duzio os proprietarios dele a manda-lo pa-
ra o Brasil, onde a esperanga de suaa virtu-
des nao fram sem fundamento como a
experiencia tem mostrado desde a sua in-
trodcelo poisus admira veis effeitos que
tem produzido aqu sSo iguaes aos melho-
res que all tem feito, e que sSo .bem altes-
lado palos varios testemunhos e certifica-
dos dat pessoas que teem sido curadas por
este medicamento sem igual, particular-
mente ao sul desto imperio onde foi pri-
meramente introduzido, e ji nesta mesma
provincia receitado pelos mdicos e sem-
pre com bom Sucesso. Novaes & Compa-
nhia, os nicos agentes nesta cidade e pro-
vincia, nomeados pelos agentes geraes do
Rio-de-Janeiro os Srs. K. C. Vates & Com-'
panha mudaram o deposito deste xarope
para a botica do Sr. Jos Mara Ramos, na
ra dos Quarleis, n. 12, junto ao quartel de
policia onde sempre achurSo o nico ver-
dadeiro, vindo daquelle deposito, a 5,500
rs. rada garrafa.
-- A bofdo do hiato S.-JoMo, fundeado
defronte do Passeio-Publico vende-se boa
farinha de mandioca por prego rasoavel: a
tratar com o mestre do mesmo pate ou
com Amorim IrmSos, na ra da Cadeia ,
D. 39.
Vende-se a muito,acredita-
iii it-11 a rN
to/i
abSirftVOS jTUplI'l'r-'
Fugio, no da 28 do prximo paaaii
urna preta da Costa alta e grossa do
po ; tem por costme fazer suas fiigiaas
o quasi sempre anda pela ra da Gui. "
agora desconfia-se.que esleja guardada
perto da casa de seu senhor; porque, h
vando ferro no pescoco e eorrente coa
po no f foi vista no di 29 no rnwm"^
lado ; chama-se Eva mas muda de nmej
e quasi sempre d* o nome de Josepha: que
a pegar leve-a ao Hospicio, n. 4, a Ar "1
Fortunato da Silva. ,]
-Fogio, no dia 20 de abril do cor"!
anno, um moleque ciioolo, de 18 i "'J
de nome Joaquim de c piet. **l~.3
dondo, o!has peqoenoi psemflos grana
tem as costas de cimaiat as ?* '",1
encalombadas de cllicota; oi ^"J
no dia 16 do mesmo o>ez a Antonio o 'J
va Pereira Porlugufez, caixeiro, rt
creta rio do Sr. Vicente Ferreira de i |
quando fugio foi preso ero Capoeiras rj
capiUlade campo Manduca 0Bd*f2
sara que dito Portuguex o liona a
para quo depois de o vender tornas
e procurasse sus companhia e torn rj
fugir das mfios do capilflo de campo,
se dentro da malta de S.-Benedicto. n v,
se a todas as autoridades policiaes c
tSes de campo, qne deem lodas as p
cas que estiverem em seu alC8nC*',k|l
de ser capturado dilo moleque, pois o "i
xoassignado gratificar oom cein mu
qualquer pessoa que o apprehender. I
Jos da Fonteca Silva- I
K1"
ti, i. l F*ai*-
i prvida


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUF1YY752_TH0PET INGEST_TIME 2013-04-12T23:08:35Z PACKAGE AA00011611_06240
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES