Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06237


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV.
Sexta-fern
[AHTIDAS SOS COBAXlOa.
Ooianna cParaliiba,segundas e textas-feiras.
11 io-( randc-do-Nor le, quinlai-fciras ao meio-
Gdia. ,
Cabo.Scrlnhicm.^io-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no I.*, a 11 c 21 de cada mci.
Garanhum e lio ni lo, a 8 e 2.').
Boa-Vista e Flores, A3 e 28.
Victoria, s quintas-feiras.
Ulinda, todos o* das.
m
ZPHXMXIIIDES.
Puasesdi loa. Chela a 4,s lli.tlim.ilim.
Ming. a 1!, s II h. e 13 in.dam.
Nova a 18, s 3h. c 13 m.da t.
Ciesc.a 2.'i, s 2h.e3liin.da t
pnElNAB DE HOJE.
Prhneira lis 4 horas c 30 minutos da lardo.
Segunda s 4 horas e o*i minutos da manli.
do Agosto de 1849.
pairos d, sB3caiP9Ao.
Por tres mezesVadifl^a,) 4/000
Por seis inezes 8/IMW
Porumanno lbfOOi)
das da siman a.
30 Seg. S.Rufino. Aud. do J.dos orf.edom.da l.v.
31 Tere. S. Ignacio de Loyolla. Aud. da chae, ao
J. da 1. v. do civ. c do dos feilosda fazenda.
1 Quart. S.'Pedrodvineula. Aud. do J.da2.v. clv.
2 Qulnt. N. S. dos Anjos
Aud. do J.dos oil. c do
3 sezt. S.'ljdio. Aud. do J. da 1. v. do el, e
do dos fcilos da fazenda. < '
4 Sab. S. Domingos de (insinu. Aud. da Ldanc.
e do J. da 2. vara do criuie.
5 Dom. N. S. das Ncvcs.
CAMBIOS
Sobre Londres. 25 d. por 1/000
. Pars, 380.
. Lisboa, 115 por cento.
0r0.Oncas llespanlloes........
Mocdasdei400velhas.
,. de 6/4O0 novas.
# de 4/000.........
Pra w.Palaces brasilelros.....
Pesos coluinnarios
Ditos mexicanos
N. 170-
AGOSTO.
rs. a 00 das.
31/000 a 3l#Ti00
17/200 a 17/400
16/200 a 1QI400
9/200 a 9/400
1/J90 a 2/010
1/990 a 2/HO
ftgOOa 1/920
PARTE OFFICIAl
GOVERNO DA PROVINCIA.
Manorl Vlelra losta, presidente da provin-
cia de Pernambuco. Fajo saber a todos os
fus habitantes que a assemblea legislativa
provincial, sb proposta da cmara municipal
da rldade do Recite, decretou as posturas se-
gointes :
TITULO I.
TITULO I!.
Art. 19. Fie prohibido a()S confeiteiros
e doceiras o uso de preparados veneno-
nosas, com o flm de aplioroiosearom os
doces, bolos e confeitos : os infractores
Artigo 1. Ninguem poder abrir botica, ou Iserflo multados etn 10,000 rs., o na perda
Da medicina, cirurgin, phnrmaria I do que
Iht he relativo.
casa de drogas, c ncm manipular remedios
sem licenca da cmara municipal, e sein que
tenli.i carta de pharmacia, resida no esl-'
cimento, e se responsabilise p*'" **
edes mediclnacs: os Infra-- -1'"* _.P-ar'~
inulta de 30,000 r... e na raf\es .a
d,mi H, ...,,i., .,.-* Incidencia al,-,,, do
Saude publica.
Artigo As Inhumacoes deterjo ser fritas
nos ceinilertos logo que estes seaobein estabe-
lecidos e designados pela cmara municipal :
os infractores serio multados em 25,000 ris,
e sollrerio seis dias de prisio : sendo essas pe-
nas applicadas unto a aquelles que estiverem
encarregados de dirigir e administrar os en-
terros, comoaos que se prestarem a dar sepul-
tura cadveres em qualquer outro lugar na-
designado. /*
Art 2. Nao se abrir sepultura em lur- '"
joccupados por outros cadveres se ," r,s
pols de deioito inezes, sendo nasca,-***
ou carneiros dous annos, excepte,
de autoridade criminal: aquellas
,verem a sru cargo as sepultara
\ lufringindo as disposices d
duplo da mulla soilV
Dr>".c
...osis das de priso.
armaceutlco poder ad-
a botica ou casa de dro-
heorrerio as penas do ai-
subjcilasls pena do artig
cumbas
or ordem
ssoas que
catacum-
artigo, fi-
nteceden-
erein suc-
Os cadaredbs de pessnas que
cumbido a quklqaer epidemia
contagiosa r-cartZ ,,,,uludot- .-V" llec?"
Blcm do tempo pr*aw-~
i mezes
bullados as coVas
Tcoui una carnada
spessura, devendo-
i mu cadver, ha-
fin todas as direc,-
'j as covas nao fj-
Bfcradas: aquellas
^i as sepulturas,
artigo, ficaro
HE. l
pro anuos a arela
Por outra que nio
.lo ser lauca,la ao
las covas : aquel-
u cargo as sepul-
o neste artigo, se-
e soll'rerao dous
1 designar em
lIllUHTn silln i-
iil eiile railus OS
corruptas : os In-
n 4,000 ris, e sof-
i tendo com que sa-
i que nao tivcjrcyi.
Art 3- Os cadave
JserSo cobertos pelo n
Fie arela de seis palmos1
|e por em cada sepult
rendo de urna outra o
Iges o espaco de seis
|,ein dividas por pared
Fpessoas que a seu cargo
infringlndo aadlsposlc
I tubjeilas s penas do art
[ Art. 4. De qualro em
das covas sera substitu
I tenha anda servido, <<
mar a que se tirar da?
laspessoasque livcre
turas, infrlngiudo o di
I rio multadas em 25,001
fdiat.de prlso.
Art. 5. A cmara mu
cada urna das freguezias,
lente, lugares para nelles
lanimaes morios e as car
[fraclores sero multado
Ifrerao un dia de priso
Itlsfazera multa. Os ai
[dooos, serio enterrado
i lidade; os outros e as carne corruptas de
[mus respectivos donos.
Art. (5. Morrendo qualquer pessoa repenti-
I mente, o dono da easa onde ella tiverexpi-
Irado, 0u quei< suas vezes flzer, participar
I sein demora o occorrido autoridade de poli-
lela inais prxima do lugar, para dar logo as
provldcucias, e proceder conforme frdedi-
I reilo : os infractores serio multados em 10,000
rs., e so'rerao Ires dias de prisio no caso de
nao pr.irein pagara mulla.
Arl. 7. >o>iliiiin cadver ser sepultado an-
tes de ter decorrido vinle e qualro horas de-
pols de ter a pessoa expirado, nem depois de
triula e seis horas ; excepto em alguns casos
que serio determinados por pessoas autorisa-
das a exercer a arte de curar : aquellas pesso-
as que para o enlerramento i-olieo ITiriii. ni
fringlndo o presente artigo, iucorrcro as
penas do artigo antecedente.
Art 8. Os cnterramentos dos cadveres serio
ifeitot das setc horas (faVo/inhia as oilo da uol
I te, e em cemlterlos, logo^ijue os bouver : a-
quellai pessoas que dirigir "> o enterro, In-
fringlndo as dispusieres deste artigo, sero
I multadas em 20,000 rs.
Art. 9. Nenhum cadver ser conduzidoem
I callao aberto, ou esquife, sem que v coberlo
com un panno preto : aqucdlas pessoas que
Jirigirem o enterro, infringin'do as dlsposlfes
[deste artigo, serio multadas em 25,000 rs.
Art 10. Todas as portas ejanellas internas e
(externas dos templos se xnuservario abenas
[al ao ineo-dia, excepto nos das em que, se-
sgando os ritos e coslumes religiosos, Hevein
los mesmot templos conservar-se fechados,
; se no corpo da igreja, corredores, ou sacris-
tas nao liouvcrein sepulturas: aquellas pes-
oas que aieucaigo tivercm as igrejas, infiin-
tiodo o prsenle artigo, serio multadas em
p2,000rs.
Art ii. Depois do melo-dia os templos s se
Ibririo ; primeiro, ~< frem matrizes ou ca-
bellas curadas para vdnlstra(io dos sa-
prainentos ; segundo, a a cetebrafo das
alssas de madrugada, nWe s (Kio lugar de-
4 das cinco horas, o^s de nataTa incia-
pi(e, derendo nestes casos ser as igrejas
trias urna hora antes;. terceiio, duraule os
tos da semana santa, t)u solemnidades reli-
|os, ou tercos e novenos : aquellas pessoas
He a seu cargo tiverem os mesmos templos,
pfringlndo as ilispusicoes deste artigo, serio
iiuliauai em iD.iniu rs e o duplo na reiuci-
ICncia.
Art 12. As talas em que se edificarem cata-
cumbas serio bein espacosas e arejadas, de-
pendo ler pelo menos sessenta palmos de lar-
jura, e triuta e cinco de altura : aquellas pes-
oas que a seu cargo tiverem a direccao da
reja, Infrlngiudo as disposlcdcs deste artigo,
kerio multadas em 30,000 rs., e a obra demo-
lida a sua cusa.
Art. 13. As salas em queexlstirem catacum-
bas se enmervarao mu liuipas e arejadas,
tein que se sinta mo cheiro ; as actualmente
lstenles serio reformadas de modo que se
onsiga este flm aquellas pessoas que a seu
cargo tiverem a do as disposicoej deste artigo, serio multadas
"11120,000 rs.
Art 14. Todas as catacumbas serio tapadas
pon lijlos de alrenaria : aquellas pessoas que
la seu cargo tlvyem as inesiias catacumbas,
[infringlado a tatbosicio deste artigo, scro
| multadas em 20,000 rs..
Art. 15. Todo* os vigarios serio obrigados i
""nelter i cmara municipal, nos prlmeiroa
ftaJMineies de* Janeiro ejullio de cada anuo,
1 mapna das pessoas que baplizarem, indi*
nd0 a idade, naturalidad*, qualidade, con-
ilad^.se
Art 2. Nenlinr.
ministrar mais d
gas: os infracto
tigo anteceden^
miVlcln,al2^*prt0 ""'**r temfJ \FM
<> i-f iy*s phannaecuticos estabelecidns :
na reUjFret ,cro -,**M ein 25-000 ri- c
-.(.p/jrjipdencia alm do duplo da multa sof-
, /tres dias de prlso.
^ rt. i. Nenhum pharmaeeutico poder ven-
yr remedios sem receita de facultativo com-
petentemente autorisado para exercer a arte
de curar, exeeplo se fr de naluieza Innoccn-
lissima : os infractores serio multados em
.30,000 rs sendo inctade para o denunciante,
c sollrerio alm da inulta tres dias de prisio
Art. 5. Os droguistas s venderio remedios
em partidas aos pharinaceutlcosestabclecldos,
ou aseos agentes, ou aos facultativos que re-
sidircm Pora da cidade, e em lugares onde nio
existam pharmaceuticos estabelecidos : os in-
fractores serio multados em 30,000 rs.
Art 6. Os pharmaceuticos e droguistas te-
rio em lugar seguro e debaixo de chaves, que
comsigo traro, as substancias venenosas, cu-
ja tabella ser publicada poreditaes da cmara
municipal, sb consulta do concelho de salu-
bridade publica, ou urna commisaio de tres
facultativos por ella noineados : os Infractores
serio mudados em 30,000 rs.
Art. 7. Os pharmaceuticos s venderio subs-
tancias venenosas com receita de facultativos,
ou i pessoa de reconhecida probidde, satis-
fazendo a todas as condices do artigo seguin-
te : os infractores serio multados em 30,000
rs., e soOrerii) oilo dias de prisio, e na rein-
cidencia alm do duplo da multa quln'zc dias
de prisio.
Arl. 8. Os pharmaceuticos terin dous llvros
com termos de abertura e cncerramento. nu-
merados e rubricados pelo presidente da c-
mara municipal, sendo um liara nelle lancar
por extenso e em numerario seguida todas as
receilasque frem preparando, declarando o
nome do facultativo, o da pessoa para quein
he e a data ; e o outro para as pessoas que
precisarem de substancias venenosas inscreve-
i em sem entrelinhas ou raspadcllas seus uo-
ines, prolisses, morada, nome da prepara-
cao,quantidade,uso que dclla_pretendeiii_fae|n
30.OC0 rs *por qualquer omissin. na' obser-
vancia das dispusieres deste artigo.
Art. 9. Os pharmaceuticos ou droguistas
que venderem meilicamcntos corruptos ou
com principio de corrupfo, o que ser veri-
ficado por exame competente, serio multados
em 30.000 rs., e na mesma pena ineorreriu os
que venderem medicamentos lio velhos, que
nio produzam o resultado que com elles se
tentar obter.
Art 10. Os pharmaceuticos que substitul-
rein um medicamento por outro, ou augmen-
taron, ou diininuirem a dse sb qualquer
pretexto que eja, sem consentimentu dos fa-
cultativos que tiverem passado as receitas,
ali'm das penas em que Incorrercm pelo mal
physico que d'alii resultar, seria multados em
30,000 rs., e soll'ierao dous dias de prisio, e
na reincidencia a pena de prisio ser dobrada
se da substituicio provier maior gravidade ao
enfermo.
Art. ll. Nenhum pliannacciitico ou dro-
guista poder vender remedios de coiuposlcio
secreta nem apregoar por nielo de annuncios
mpressos nos jornacs, ou alnxados, virtudes
que dlsser te', sem licenca da cmara muni-
cipal, pro&edendo-se anlecedentemente ao
i same competente : os infractores serio mul-
tados em 30,000 rs., e na perda das substan-
cias qne venderem c apregoarem.
Art 12. Todos os pharinaceuticos serio
obrigados a apromptar os remedios que a
qualquer hora Ihcs frem pedidos com recei-
ta de facultativo: os infractores serio mul-
tados em 35,000 rs.
Art. 13. Os pharmaceuticos mandario todot
ot remedios com as receitas transcriptas
grudadas as vasilhas qu>os eoutwerem, de-
clarando se he para uso iuteinouu externo, c
o nome do facultativo, trazendoas copias una
n uniera tan que deve corresponder do li-
vi o numero primeiro de que falla o art 8
deste titulo, e as garrafas ou frascoi, alm
dist, serio tapados por meio de capsulas de
chumbo, ou lacradas: os infractores serio
multados em tO.000 rs. _
ki\. <.*,. xennum pharmacenUro dever avi-
ar receita que Uveras i|ii,nniU.iiles "detonadas
por meio de signaes, c que nio seja cscrlp;;.
em portugus: os infractores serio multados
em 12,000 rs.
Art 15. rvi-. ph-irin.iei.is ou casas de drogas
s se venderio medicamentos on drogas : -
quelh* pessoas que iul'i iugiriui a disposicao
deste artigo, serio multadas em 25,000 js., e
na reincidencia alm do duplo da multa ihes
serio apprehendidoi os gneros cstraulios
sua prolissio.
dos do.
tili--- ,
..^aUOS, lie.iir.
e confeitos n^esm-flo inu-
>ara fnunicinal ohri-
gada .designar po. -,aes quacs sito as
substancias de que se pode fazor uso. ou-
vido prviamenle o conce|h de salubri-
Art. 20. Nos qualro priWfli J'- u,cis
do mez de Janeiro de ctda anno\ t0u0* os
mdicos, cirurgiOes, pharmaceutff')S' !lro"
Riii-tus, partelras, sangradores een,'slas
mandarlo cmara municipal a plsoisrs-
Q.lo de seus nomos, naturalidades" Prol|s-
sos e moradas, afim de que ella pos?* n""'"
dar publicar a lista de todas essas P^**"as :
os infractores soruo multados em 10,i>uU rs
TITtlLO III.
Do ttgolamenlo de atjoat empacada e U^peza
dat ruai. \
Artigo 1 Os propriotnrios de tcrrenns\en1
que lie irru represadas as agoas provenid""
tes dasenchenles da maro sero obrigad.'*4
aterra-los, ou esgota-los, de modo que
as agoas nSo liquem estagnadas : os infrac-
tores sero multados|em 25,000 rs., e Uranio
sulijeitos a pagar as despezas que a cmara
municipal fzer com o c-gotamenlo das di-
tas agoas.
Art. 2. Os propietarios dos predios ty-
banos deverlo dar expcdQo s agoas das
chuvas que se accumulurem em seus quin-
taos, fazendo sumidouros cobertos cum
ralos, mas nunca ahririlo canos que despe-
jen! para n ra, podendo. para evitar isto,
fazer sumidouros as ras : os infractores
soiTrerao as penas do artigo anlecedento. A
camarn municipnl marcar um prazo em
que dever ser foita esta obra.
Att 3. Nenhum morador lngara, nem
mandar lanzar as ras, ou lugares pbli-
cos quo Tiln frem para este iini designa-
dos, I i xos, imm'ihdices, ou qualquer cou-
sa que possa incommodar, ou causar dai-
no ao publico : os infractores serio multa-
dos em 2,000 rs.
Art. 4 Quando para moderar o estrepi-
to que causam os carros que passam as
Art l(i. Ninguem poder vender meilieal
menlos, ou drogas de qualquer uatnreza, teilf
que tenha carta de pliarmacia, c seachecom-
pelenlementc habilitado : os Infractores serio
multados em 75,000 rs., e sollrerio a perda de
lodos os remedios e drogas.
Art 17. Nenhdm meJico, cirurgio, phsr-
maceutico, ou parteirt, poder exercer sua
arlesem*que tenha feito registrar na cma-
ra municipal suas cartas de formalura, ou
de exame, conformando-se como disposto
as leis existentes: os infractores serio
multados em 10,000 rs.
Os eslrangeiros serio obrigados nlosa
se conformaren! com o disposto ueste arti-
go, omo a justilicarem identidade de pes-
soa peranle cmara, com o testemunho de
cidadSos de reconhecida probidde.
Art. 18. Nenhum facultativo poder ler
parceria com os pharmacouticos, ou desig-
nar a botica cm queso prepare a receita :
nfrnctflres serio multados em 30,000 rs.
go tambero compre,hcndea-
ruas calcadas, sAqucira laupar alguma por
Tigo que possa causar a atg\i.-,,, .
so ser permillilo laz-lu com licenca ..
algunia autorulado de polica, sendo remo-
vida a palha, logo que se torno dosnecessa-
ria : os infractores serio multados em 3,000
ris.
Art. 5. Ninguem podara laucar agoa
linip.i na ra das varandus abaixo, de di,
e mesmo noilo s o poder fazor depois
de II horas : os infractores, alm dodnm-
no que causarem, serio multados em 0,000
rs., c se a agoa fr suja c infecta, pagario
a multa de 12,000 rs.
TITULO IV.
Do aueio e regularidade do mnladourot
acouguet, vendas de carnes, currad, tic.
Artigo 1. Ninguem poder malar o es-
quartejar rezes pun o consumo Jo pnvose-
nilo nos matailnuros pblicos, ou particula-
res com lireiii; i da cmara municipal, sb
pena de sor multado em 16,000 rs o na per-
da da ca ne
Ait. 2. Ninguem poder picar rez algu-
ma senio depois de pago o imposto aos
exactores dosdireilos nacionaes, para que
depois seus donos possam vend-la como
" es aprouver, sb pena de 2,000 rs. de mul-
ta por cada rez.
Art. 3 A matanca ser feita das 6 horas
al as 10 pa manhia, o das 4 as 6 da tarde :
os infractores serio multados em 10,000
rs., c na reincidencia alm do duplo dn
multa soiTrerio 3 dias de prisio. A c-
mara municipal poder todava alterar tem-
porariamente a hora da matnnea, quando
alguma medida sanitaria assim o exigir.
Art. ,4. Os exactores do imposto sobre o
gailu d consumo nio pdenlo oppr a me-
nor duvida na malrica das rezes as horas
marcadas, sb pena de screm multados em
2,000 rs., salvo se houvcr molestia as di-
tas rozes. *
Art. 5; Ninguem poder pendurar as car-
nes nos arougucs pblicos, ou particulares,
cm paredes ou portas senio encostadas em
pannos brnncos e I i m pos, os quies deverio
tK mudados tu los os dias para a conserv*^
(o do evido asseio, Picando afondo o uso
do machado que smentu er applicado
nos ossos das artr/AUces, sendo cortadas
as carnes com faca e.sorra; os infractores
das disposices duslu artigo serio multados
em 10,000 rs. /
Ait. 6. As carnes serio conduzidis para
os arrugues em car rocas bemlimps cla-
vadas, coboitas com pannos branco e lim-
pos, Meando absolutamente prohfibiila a
condcelo de oulro qualquer modo/ sb pe-
na de 25,000 rs. de mulla.
Arl. 7. Os administradores dos maladou-
ros pblicos, ou particulares, serio obri-
gados a manda-Ios lavar todos os dias de-
pois da matanca das rezes, alim de se con-
servarem limpos esem mos cheiro, sb
pena de pagarom a multa do 16,000 rs.
Art. 8. Ninguem poder matar rezes
as que upparecerem moras : os donos das
rezes, ou por elles administradores, serio
multados em 30,000 rs.
Art. 9 Todas as rezes que morrerein na
sua couduccfto para a praca, em qualquer
lugar que spja dentro do municipio, de-
verio sor enterradas logo pelo conductor
da boida cusa de seu dono, e nos luga-
res que a cmara municipal bouver des-
tinado : os infractores serio multados em
miitii Ann
Art. 10. Os conductores de boiadas de-
verio entrar com ellas e rccolli-las aos
curraes das Cinco-Pontss da meia-noite ate
at as 6 horas da manhia : os infractores
pagarin a mulla de 4,000 rs.
Art. 11. Nio se poder malar rez alguma
cansada, nem corrida senio depois de 2 dias
lo ropotiso, (cando absolutamente prohi-
bido o lirinquedo de loreamento do bols
em qualquer parte: os infractores das dis-
posices do presento artigo pagario a mul-
ta de 20,000 rs., e soffrerio tres dias de
prisio.
Art. 12. A cmara municipal designar
por editaes os lugares em que serio esta-
belecidos os mntadouros : as possoas quo
edilicarein fra desses lugares serio mul-
tadas em 30,000 rs e a obra demolida
sua custa.
Art. 13 As rezes quo nio frem bem san-
gradas nio pdenlo ser vendidas : os infrac-
tores serio multados em 0,000 rs.
Art. 14. Nio se vender carne, poixe, ou
intestinos do rezes, sem que seja debaixo
de cubera, e quando algum desses gene-
ros fr conduzido pelas roas, dever con-
jCrvar-se coberto com pannos brincos iv
limposv os infractores serio multados em
2,000 rs'. m _
Art. iji Todos os agougues se rechirilo
no verlo ,s boras da tarde, e no invern
as 6 : os 'Miradores serio multados em
10,000 rs. V
Art 1G Too?! os arrugues terio; em lu-
gar de portas, g<"'es le ferro, ou madei-
r. : os infr.clo.es rio multados em 30,000
rs., e na reincid"01 al"m 'lo ,luP|u da
multa soiTrerio 2',l",s 'eprisilo.
Art. 17. Km ca\Ja um ,,os a?01^"6 Pu"
bhecs baverio qu>lr" talho com balanQas
pesos promplC3 l,ara os criadores quan-
do quizercm ta).hilr B;'los- m',n 1ue
nada pagurio i'cando igiialuicnte francos
os referido tlhos aos criadores do porcos,
carneiros o cabras> s administradores
dos acougues e repesadores proverio aos
ditos criadores di8 todos os objeclos nema
expendidos, sb pV>"a le 4,000 rs. do multa
por qualquer falla*
A\. 18 Os re|Ie8a(,or09 (Ios a,;ouB"es
pblicos erio OtVl^Mf repesar a carne
comprada logo qii> ,-l)r ^ qualquer
aquerido, c
liclian
ir dc
lo/a
Ka 110 peso,
pessoa _
avisari logo ao lisCal se esl,ver presonte,
e nio e>aiido, loim>ri, lros tcstoinunhas o
nota ui ,frilcior pira presentar ao fiscal
com a ,%eiuracjio d|os "ornes das loslemu-
nhas, obriB- .1' .. rnciiatimientn ao carni-
ceiro a prcencher a falta da carno : o repe-
sador que assim uo pralicar pagar a /mil-
la de 0,000 rs.,e na reincidencia o duplo,
o o vendedor da carne fraoduda 8 dias de
prisio, e na reincidencia 1C.'
Arl. 19. Os quo vendorem pelas ras a
relulho carneas de porco, carneiro, cabra,
ou toucinbo, deveiio ter balanzas e pesos
alenlos, e as carnes sobre pannos brancos
e limpos, e cobertos com os mesmos, sb
pena de pagarem a multa du 4,000 rs o o
duplo na reincidencia.
Art. 20. A cmara municipal fornecer
aos criadores e marchantes curraes em que
sejam recolhidas as rezes doslinadas ma-
langa para o consumo, sendo os ditos cur-
raes cobertos do telha ou madoir.i, e tendo
em sen recinto tanque do agoa potavel,
percebemlo a municipalidaJe80 rs. porca-
da caliera.
Art. 21. Os fiscaos, lodos os sabhados, e
nos dias que bem Ihes parecer, visitario as
boticas, armazens, tabernas, botiquins o
acougues, e miiltario em 4,000 rs. os do-
nos de taes cstabelecimentos que os tive-
rem em contraveneno, e contra a limpo/a
da casa c inclinas.
Art. 22. As pessoas que venderem gene-
ros alimentares, solidos, ou lquidos, estan-
do falsificados, ou corrompidos, depois de
verificado isto por exame sanitario, serio
multados em 8,000 rs. por cada genoro fal-
sificado, ou corrompido, devenJo serian-
gados ao mar, ou enterrados aquelles g-
neros que dvrem lugar a mulla.
TITULO V.
Dos corlnmts, salgudeiras de aturo, fabricas e
depsitos de mmundices que possam corrom-
per o ar.
Artigo 1. Ninguem poder estabelecer
cortumes dentro da cidade, ou prximo
ella, mas sim em lugares remotos, preco-
u_ '-> semnre licenca da cmara, sb pena
de 10,000 rs.'Je multa, o o duplo na reinci-
dencia.
I) 1 inesn-a forma i."1, baverio salgadoiras
dc eouro dentro da -Jtesiii* cidade, mas sim
nos arrabaldes despovoados, em Ceira-mar,
rio, ou campo, nio se conservando in lias*
siilmouras putrilicadas, debaixo das mes-
mas penas u condieos declaradas 110 pr-
senle artigo.
Art. 2. Nio baverio dentro da cidade
Ionios de tabaco, fabrica de sebo, azeites,
olocis. dcstiliaccs, l'.iii lic.i nio sejam em cadinhos, e preparaces chi
micas de enxofre, oudo outros ingriedente.
cujos vapores prejudicum a side publ.'ca
e inreclam a almuspnera, o os ostabelcci-
nientos que existirem serio tr para os arrabaldes da prac/i, precetfdo li-
cenca do cunara municipal quo iiriprin"? a
CollocaQio, dentro deC mezes depois da piV-i
blicagio desta |*tj5ura : os que depois deste
prazo as consefrviirem, e os que abrir*
taes cstabelecimentos sem a referida liceti-
l/cio di obra a/sua cusa, e na reincidencia
alom dodur j da multa soffrerio 4 das de
prisio.
*/*. 3. Beis inezes depois da publicaQio
desti posffura licatn prohibidas no interior
as olUcinas de caldeireiro, ferret-
ro, ou quilquer outra que Vj*********-
go, fumo, ou estrepito dos martellos pos-
sa incommodar os viz.nhos; os nito-
res serio multados em 25,000 rs., esotTre-
rfio 24 horas de prisflo, e ni reincideDcia
alm do duplo da mults solTrerso 4 das de
prisio e Ihes serio fechadas as offlcinas.
A cmara municipal marciri por meio
dc editaos os lugares em que essss fabricas
se po lorio estabelecer.
Art. 4 Ninguem poder estabelecer do-
ra em liante padarias e refinacOes senio
nos lugares designados pola cmara muni-
cipal por molo de editaes, (cando conser-
vadas as existentes dontro desta cidade, as
quaes terio seus Tornos construidos segun-
do o plano que foi adoptado pela cmara,
oque ser verificado por meio do exame:
eos donos que so nio contormarem com o
disposto neste artigo serflo multados em
25,000 rs. ,
Art. 5. Depois que a cmara municipal
designar es lugares para nelles se faier o
deposito das immunJices, os que as lanca-
rem fra desses lugares, e presentemente
as nio langarem ao mar, pagarflo a multa de
4,000 rs. As vasilhas as quaes se condu-
zirem as mmundices serio cobertas ele-
vadas depois do despejo, e nflo se poder
fazer este servico desde as ste horas da
manhia at as nove da noite, sb pena de
pagarem a multa de. *>0 rs. f.meptua-se
o despejo de agoas dt le roupa,
casa e cozinha, assim com, .anijni o lno.
TITULO VI.
00! di/ferentes objeclos que incommoitn
e prejudicam ao publico.
Artigo 1. Ninguem poder criar porcos
nos quintaes, nem conserva-Ios em casa
dentro da cidade *l*or mais de oito dias, nem
deixa-los vagar pelas mas, sb pena de Ibes
serem tomados e vendidos em leilflo, entre-
gndose aos seus donos o excedente de rs.
30,000, ficando todo o seu producto at esta
quanlia applicado em beneficio dos laxa-
ros, dopois de deduzidas as despezas ; fl-
cando abolido o costume de se espancar ou
matar os porcos%i cacte, ou com qualquer
outro instrumento que moleste suas car-
nes, devendo ser pegados a lago ou mflo,
embora corram para casa de seus dooos,
que serio obrigados a entrega-Ios ou a pa-
gar a multa de 15,000 rs.
Art 2. Tica suspenso desde j as boti-
cas, casas de pasto, botiquins, tabernas e
quitandas o uso de panellas. taixos, caldei-
rOes, medidas, ou mitras quaesquer vasi-
lhas de cobro ou lati, sem que Sfjara estar
nliadas com cuidado ; podendo, porm, ser
.;< ferro, f.ilia de (''landres, barro e madei-
ra : firam comprehendidas na mesma pro-
lii hic. n as balanzas em que se posam os co-
mestives, sb pona de pagarem os infrac-
tores a 1.iiilia de 4,000 rs.
Art. 3. Os donos de estribaras serflo o-
brigados a conserva-las bem limpas das im-
mundices e lavadas, sb pena de 5,000 rs.
de mulla.
Art. 4. As pessoas que derrubaren mal-
los nos lugares por onde passam as agoas
corrontes, 011 langarem pclss estradas ar-
vores, ramos ou espinhos que incommodom
e privem o transito publico, ou posiam em-
Maragar o escoamento das agoas das chuvas,
ou conserva rem as testadas dos seus sitios
maltas ou arvores quo lancera ramos para
as estradas e que possam incommodar ao
publico, serio multadas em 4,000 rs.
Art. 5. Ninguem poder tocar assucar
desde as seis horas da Urde at as seis da
manhia : os infractores serflo multados em
12,000 rs.
Arl. o. Fien prohibido dentro da cidade
uso de roqueiras, bombas e fogo solt
( buscaps): os infractores serflo multados
cm 10,000 rs. o soffrero dous dias de pri-
sio. A cmara por editaes designar os lu-
gares em quo se possam soltar os buscaps,
roqueiras o bombas do que trata este ar-
tigo.
Art. 7. Ficam prohibidos os toques edo-
bros dos sinos desde as sele horas da noite
at as cinco da manhia, excepto as matri-
zes para administraeflo dos sacramentos,
antes da missa do natal e nos casos de in-
cendio ou rebate : os sacristies ou chefes
de orporacos religiosas que infringirn)
este artigo pagario 12,000 rs. de multa.
Art. 8. Nonhuma igreja dar mais do tres
repiques de cada vez lia ves pera de qual-
quer solemnidade/e estes s terflo lugar ao
meio-dia, s tresoras da tarde o s ave-
marias, nflo devemlo cada um durar mais de
Ci o minutos/ os sacristfles e chees de
cr.rporac0.3S rcftShVi '!ue infringirem este
artigo, tanto Ao que diz respailo ao nume-
ro dos reJpiqufe, como ao lempo que devem
Ju-jC*, serio multados em 10,000 rs.
,"- ;,-oicnhuma igrejn dar mus de
dous -obres-* vez por ?*}' fiel qUe
morrer e ",lobres sera d,d?S '1 reCe"
" n.',,cia da morto, na occasiio do en-
U-rVu. os quaes durario smente der minu-
tos os sachrhties ou chefes de corporacOes
religiosas que infringirem as disposu;es
deste artigo serio multados em 10,000 rs.
Art. 10. Nenhuma igreja dar mais de
qualro dobres por occasiio de oflicio de cor-
no presente, e dous as visitacos de covas,
devondo durar smente dez minutos: os
sacristies ou chees de corporacOes religio-
sas que infringirem as disposices d/ste ar-
tigo serio multados em 10,000 r*.
Art. 11. Os dobres e repiques sei floredu-
zidosa metade do tempo proscripto, poden-
do mesmo ser supprimidos s, na vixinlun-
ca da igreja houvcr algum doente do airec-
So. "ravc devenJo os sacristfles e chefes de
co?Poracaes reliKiosas conformar-se com
attestado do faculUtivo assistenle, que
sera rubricado pela autoridade policial do


. -_-, ,
X9K3B
Id^er : os infractores sent multados cm rs.
2.,000.
Art. 12. Fien prohibido o pescar nns pon-
tos o caes com anzoes os infractores scrSo
multados cm 2,000 rs.
Art. 13. Nciihum pescador poder usar
ilo redo de malln miuda, deven.lo elle con-
formar-se com a hitla adoptada pela c-
maro municipal : os infractores sero mul-
tados em 10,000 rs. ea redo sera destruida.
TITULO Vil.
Da archileclura, cdifieacSo, e alinhamen-
lo das ras e estradas.
Artigo 1. A cmara municipal ter um
oh mais contendores ou armadores para in-
dicar o marcar o elinha monto c perfOamen-
to dos predios quoso houvcrem de edificar,
O regular a sua fente na conforn ida plano adoptado pela cmara ; os infractores
do Haiio o posturas soflrerflo, sendo o cor-
deador a multa de 30,000 rs. o dous (lias de
priso, o proprietario a multa de 30,000 rs.
o a demolicao da ohra sua costa, o mos-
tr pedreiro a multa de 10,000 rs. o um dia
de pris.To.
Art. 2. Nlnguem poder edificar, reedi-
hear o demolir qualquer ohra de pedra e
cal, de taipa ou do madeira.que nao seja do
conformidade com a planta da cidade, pos-
turas e tabellas cm vigor, precedendo licen-
ca da cmara, quosera gratuita : os infrac-
tores sero multados om 20,000 rs.
Ait. 3. Aslicencas da cmara municipal
para edificar, reedificar ou demolir qual-
quer obra sero dadas nos inesinos requori-
incntos, depois que por despacho da mosmn
imara o cordeador ou armador der asna
cordeeco, perdlaroento e nlvelamentd, a
mala proporeflea exigidas pelas posturas e
inrormacOes do fiscal, sendo taos cordea-
CO-s c in'ormacdcs escripias no verso da
petlcao. a licenca lloar em poder do pro-
prietarlo, sendo obrigado o cordeador a dar
nina copia fiel do sua cordeaeflo ao |sr>|
para intelligencia deste : os denos da ohra
infractores aoQrerffo a multa do 20,000 rs e
i> Obra demolida a sua cusa.
Ait. 4. Osedilicios que tivcrcm sabido do
alinhanienlo, recuaro quando loroni ree-
dificados ua Irania, assim Umbem entrarflo-
para a frente se ealiverem recuados a to-
das as posaoai que nflo cumprirem esias
o'sposicfles incorrerflo as mesmss penas
(Jo artigo I
Arl ""ido *' lio que tiver na ra
Dlalerirfe dos para qnalquer ohra
sera obri/Vdo : primeiro, a deixar o transi-
to publico e espaco safllciente para passs-
reni as soges e carracas ; segundo, a ter luz
que alunue sufilcientemenle o lugar as
nuiles de cacuro; terceiro, a recollier den-
tro da obra os materiaesde lijlos, cal, arria
barro e o mais quo noscu recinto posas ter
cabimento, sh pena de pagar a inulta do
2,000 is. pda infraccffo de qualquer das
eondicosdo prsenle artigo.
Art. c. Ninguem poder ter em sctfs pre-
cio* lencos rolulas de abrir para fura, sob
pena de pagar 2,000 rs. demola, e na re-
incidencia u duplo da mulla e de seren mu-
dados t sua cus.
Art 7 Ncnhuoi proprietario ou rendeiro
de ierras ou ca-as poden usurpar a Bervi-
dfloidas estradas ou parle deltas, tapando,
mudando nu esireilando-as : o que o con-
trario fleer sera multado em 20.000 rs. a na
I rompa restiluicfioda inesma estrada, sob
pena de a ver fazer sua custa.
i As ras que fe abrirem lerdo
a sua cusa ; e os mestres pagarflo a multa
de 15,000 rs.
Art. 1*. Todas ns cnsasquese edificarem
ou recdilicarem terflo cornija: os contra-
ventores pagaro a multa de 20,000 rs.,
sendo demolida sua custa a obra cometa-
da ; eos mestres sero multados em 15,000
ris.
Art. 15. Quando se requerer cmara l-
cenca para a factura de qualquer obra, re-
querer-se-ha igualmente o nivclamento e
cordeacio, assim como todos os mais pre-
ceilos symelricos ; alm disto se menciona-
r no requerimento o nome do mestro da
obra, o que se far sempro que liouver mu-
ilanca de mestre ; os que nflingircm, no
todo ou em parto, o presente artigo, sero
multados em 20,000 rs., e os mestres da
obras pagarlo a multa de 15,000 rs
Ait. 10. Nos eililieios novos, e nos j
existentes, so pdenlo construir trapeiras
de peiloril recolhiilas da cornija, que tero
qninze palmos do altura do assoalho so fre-
chal ; as janellas tero vivos seto palmos o
moio de altura de homhreira, e cinco e mcio
de largura; essas trapeiras sero guarne-
cidas de cornija : os contraventores sero
multados em 2U.0O0 rs., e na demolieflo da
obra comecada a sua cusa, e os mestres da
obra pagaro a multa de 15,000 rs.
Art. 17. Nflo se poder levantar pavimen-
to sobre os existentes, as casas j edifica-
das, urna vez que oslas se no achem na
forma do plano o dimensfies marcadas pida
cmara : os contraventores pagaro a multa
do 20,000 rs., o a obra comecada ser demo-
lida sua cusata, o os mestres sero multa-
dos om 15,000 rs.
Art. 18. Todas as casas armadas sero
guarnecidas de passeios de dez palmos de
largura as mas, e de seis palmos as tra-
vesas ; os proprietarios sero ohrigndos a
conoc la-Ios todas as vezes quo ficarein ar-
ruinados : os contraventores sero mulla-
dos cm i,000 rs., sendo o concert fcito
cusa delles.
Arl. 1!) Nos passeios j existentes, ser
observado o iiivelamento do niaior numero
das casas que houverem ua ra, sendo os
proprietarios ohrigados a abaixa-losn>ara
que clieguem ao novilamento : os in..,(.r
res licam suhjeitos as penas do arlie/! ,""
cedenie. 0 a obra sera foita sua c '
CONSULAIH
Itondimenlo do dia 2
Diversas provincias
1:140,096
101,683
1:244,779
35.637
3:888,840
IMPOM1ANCIA DOSRKNDIMENTOS AIUIKIJA
dados pea nkcEBR,,0R,A DK Rendas
INTERNAS GERAE'' NO MEZ DE JULIIO
PRXIMO FIN DO.
Foros de terrenos de marinha, .
Sita dos hens do r*'z.....
Novos c velhos dli*"0' de chan-
cpllaria.........
Dizima da dita .......
Legitimarles ......
?rilo lino e proporcional. .
Premios dos depsitos polticos. .
Einoluiiicnlos de ccrtides. .
442,098
257,848
0,600
3:517,370
70.970
4,070
Divida activa.
Dcima addlc'onal de mSo inorta.
Imposto de casas de modas. .
Dito de corrlof"......
Dito de lojasjatiertas.....
Dito de aegf*> .......
Dito de baeaoa do iuterior .
laxa de esravos.......
775,)20
1?0,000
100,000
6:979,149
424,000
316,800
1:407.700
l
Ri
18:379,202
..^
Recehedorla, ..gosto de 184.IVo
impedimento do jCriV*0, o I." escriturario,
Joi'io Rodrigues de Miranda.
tfovimfjnto do Porto.
Conformo. 0 1." amanuense, servindo
do secretario, Franchn Antonio Cavalcanle
Cousseiro.
Declarares,
"|Ci va tuna sera 1011a a sua ex,,..
Arl 20. A cmara municipal/"' '.
quanto antes tirar o nivelameiito/.i' 1', '
0 qual SRra as novas mas que /se |Dr' '
de dez palmos
des maros.
O nivelamcntn
a do preao/iar das gr)n.
c'onvenienlcmento
marcado para co. liedme (lo b|
con el e se conlorinarai,, M proFpr,eMr ,
las edificactfea e raediflej, ,B 'qiie fjer(,m
tls infractores sollrcnu
r^., Sendo a ohra demoli
mestres da obra pagado
ris.
Arl. 21. As porcoes de
vercm de fazer na largura
sas, perteocenles s caa^ajj
sero feilos custa da c
Art. 2:2. Km qualquer o
car, reedilicar, demolirJ
rmu.'ia de 20,000
a sua custa, o OS
i multa de 15,000
pe-
o as
pessoa
lo menos sosenla palmos de largura
travesase guranla: toda aquella r
qu^ediicaTyrf-nmrfo. vj.1r(;11ra que se bou-
ver designado, sol 1 era-^luJla ,, 30 00
is. e a demolicao da ohra a sua custa. \: a
inesma multa de 30,000 rs. sofl'rera o mestro
la ohra.
Art. 9. Todas asmas sero divididas em
quarteirOes, cada um dos quaea no conte-
ra menos de quindenios, nem mais do seis-
centos palmos de Rento; 0 solo de cada
propriedade no poder ser de menos de
Iriulapalmos livres de fenle: osproprio-
tariosqueedilicarem COlllravindo as dispo-
sic;0es deslo artigo pagarflo a mulla do rs.
30,100, e a ohra comecada ser demolida a
sua custa.
Ait. 10, Os predios dos ngulos das ras
A travessas teio duas frentes tetas segun-
do as regras adianto eslalielecidas : os pio-
prlelarioa que os edificarem |orouira for-
ma serSo multados cm 30,000 rs. e ua de-
molico da fiarle da obra que exceder al-
tura da frente principal a sua cusa : e os
11.estrs pagaro a inesma mulla.
Arl. 11. Nenhum proprietario far dentro
da cidade casas com alicorees que no te-
iliam loicas para sustentar um edificio de
dous andares pelo menos, lano nas duas
trentes como*nosoitfles, e estos nunes se-
io singelos osim doblados : os contraven-
tores pagarflo a mulla de 30,000 rs. o a
obra ser demolida sua custa ; e os mes-
tres pagaro a mulla da 15,000 rs.
Ait. 12. Nenbom proprietario peder c-
dlncar casas senfio elevando ao mismo lem-
po as quatro paredes do caixo, sob pena
le ser n tillado em 30,000 is ; e os mestres
por cada ve que forem assim adiados sero
mulladosein 15,0:10 1 s.
Arl. 13. Os predios que, se houvcrem de
eilffiearguardaflo asseguintes dimensOes 1
1. Tero devflo, polo menos, vinte c
'ou* palmos no andar terreo eno primei-
ro, vnte c um no segundo, e violo no ler-
cciro. )
S _>. As portas externas lerflo, pelo me-
i"::, 110 andar terreo dose palmos o meio de
altura limpoaeaelsde largura, no primeiro
. segundo andaros- tozo palmos de altura
ese s de larg'of.
3" Os edificios quo foron do'.sobrajbv
lean no primeiro andar varadlas o^ffitas
nu sacadas, uo segundo ("send. o*l>rediode
tres andaras'terio variadas .sacadas, no
irrceiro andar terflo janellas Ye peiloril,
qurseja de lijlo, qur de grade dff ferro
ou sacadas, tondo as soleiras metade da 1..
gura das dos andares inferiores, as quaes
ostnrflo quatro palmos cima do assoallio, e
ter pelo menos oilo palmos e meio do al-
tura e seis de largura.
4. Todas as soleiras do ediheio tenlo o
n.esmo nivelamcnto.
5. O andar terreo poder ter portas c
janellas, guanlando-se sdimensOes e con-
dit;0es-ja marcadas; as portas cocheiras,
puim, lerflo polo menos ae lionibreiras do-
/e palmos o meio de altura e dez de lar-
gura.
6. Todos*osandares terflo o mesmo nu-
mero do portas : os contraventores de qual-
quer das disposc,(3es dcsle aitigo pagaio
20,000 r. de multa e a demolicao da obra I
canos queso I1011-
das ras traves-
de duas frentes,
amara municipal.
lira que se edifi-
, ou concert que
se llzer nas frentes, oitOe^ 0 muros das ca-
sas, hovera guarmcOes 1 aieraes, que una.
rao toda a largura do pi lSseil)j ,)ara n.
que o transito publico legeuibaracado, e se
evite qualquer accident 0 qiie ,,u s,,u esaba.
ment possa resollar :,os fraclorea Si1o
multados em 20,01. ri. e 0 mesl|> ua o|
pagara a mulla de 10,oL0rs> I
Art. 23. Todas asVljMg au Jretclliar
de novo qm-Uv-- *: 4 .SPda obra
od
Navios entrad t no dia 2.
por Glbraltar 5fi das o do ulii-
orto 29, polaca sarda Candt-dt-Cor-
de947 toneladas, oapitSo Marcos Ri-
'o, equipagem 12, em lastro ; a N. O.
""jber& Companhia.
Ilahjfc 17 djas, barca franceza Casimire-
B'lla-Vigne, da991 toneladas, capito a.
'"flliher, em lastro; a It. I.asserre & Com-
.PJrnhia.
"'/-''"de-do-Sul por Kahia 32 dias e
do ultimo pono", hrigue hrasileiro frin-
cipe-./mericano, de 253 toneladas, capito
Alexandre dos Santos Oliveira,carga car-
ne; a Amorim limos. I'assageiros, Kdw-
ard M. Itacker, Americano; Candido Fer-
uandes Lima ol escravos.
yVnrio.f sahidos no mesmo dia.
Havre pelo Para Barca franceza Mi,
capito Iti.lischanil, carga algodo. I'as-
' sageira, Mara Itareau, Franceza.
Aracaly lliate hrasileiro llor-do-Cururi-
pe, ca pililo Caetano Alves da (iosta, car-
ga varios gneros,
dem Iliale hrasileiro Duvidoso, capito
Jos Joaquim Alves da Silva, carga varios
gneros.
DITAES.
~ Pela inspectora da alfandega so faz
publico que no dia 3 de agosto so hflo de ar-
rematarem hasta publica, na porta da mes-
ma, depois do meio-dia, 4 quadernos de
papel de peso, avahados pela tarifa por 140
rs. 5 dilos de dilo almaco brauco, por 100
rs.; 3 ditos ditos para emhrulhar por 240
rs. ; lOcaixasde papclo com urna libra de
ter
lado de armar gurnicGes, como
,,,. Laso do artigo antecedente : os infracto-
res sero multados em 10,000 rs., e o mos-
tr da ohra em 5,000 rs.
Att. 24. Os que edificarem muros quo
faca ni Ironices para as ras ou travessas
existentes, o\i para as projecladasem vil lu-
do do plano da cidade, os la^am com a al-
tura da frente do urna casa terrea regular,
o com cornija : os infractores pagaro a
multa do 30,000 rs., eos mestres da obra
15,000 rs.
Ait. 25. A cmara municipal marcar
pracas DS cidade, as quaes nunca tero me-
llos de duzentos palmos em' cada face, e
nem distardo irrais do dous mil palmos urna
da oulra, devendo Has ser plantadas do
aivorcdo em una ou duas lionas, segundo a
grandeza das mesmns pracas.
Art, 26. Os proprietarios das Ierras la-
teraes das estradas mais frequeoladas sero
ohrigados a plantar o conservar nas testa-
das oe seus sillos arvorea frondosas de qua-
hdade, e com iuteivallos dele minados pela
cmara o publicados por meios de cditaes :
os infractores sero multados em 10,000
rs., o na reincidencia pagaro o duplo' da
mulla, ((:i>ntnuur-se-ha.
aiivnialacai.
t I v, ] > .,
ALFANDEGA.
I'.endlmento do dia 2..... 7:747,871
ItKNDIMKNTO NO MEZ DE JULIIO DE 1849
Itondimenlo total
Itcslituiccs. .
Liquido.
Ilireilos de consumo.....
Dito de 1|udo reexportadlo |iara
os porlos eslrangeiros .
Dito dito dilo ditos do imperio.
Dito iiiin dito do baldeaoflq .
Expediente de 6*. dos/gencros
com carta de guio.'.......
Dito de iiyit> par tent dos gene-
rtm .'.O 1 ai/......, .
Arniazcnagem de mercadorias,
1 por ceuto.......... ,
Dita da plvora...........
Premio de meio por cento dos
assignatlos...........
Mullas calculadas nos despachos
Jilas diversas romo do livro a II.
Ijjmolumcnlos de certidies .
liiposios dos despachantes gc-
1 pes, como do livro afl. .
SellV dos ttulos dos caixeiros
.esoacjjuntes e ajudantes di-
to-,' coinoVlo livro a 11. .
Fcitio dos tirulos; dos mesmos,
como doltvror.
198:2V0,5I9
112,048
198:1 (8,171
194:392,190
3 onn
if 113
5,760
358,012
150,157
426,228
43,515
2:045,182
141,354
3 6,080
16,560
200,000
1,920
28,800
198:168,471
864
I 1J3.IUB,
Itondimenlo do mez de jull10 tle
1848......*V .162:359,
. 3
mi
guo
no vir manifestado : sendo
livre de direitos.
Alfandega de Pcrnambuco, 30 de jullio de
1849. O inspector. Lui: Antonio de Sampaio
Vianna.
-- O lllm. Sr. inspector da thesouraria
da fazenda provincial, om cumpriinenlo da
ordem do V.\m. Sr. presidente da provincia
ile 9 de o.a,o prximo passado, manda fa-
zer publico que nos dias 7, 8 e 9 do corren-
to, peanle o tribunal administrativo da
inesma thesouraria, se ha de arrematar a
quem por menos fizer o fornecimenlo dos
medicamentos e utensis para a enfermarla
da cadea dosis cidade, pelo lempo que de-
correr do dia da anenmtacflo a 30 de ju-
nlio de 1850.
As pessoas que se propozerem esta arre-
matando, comparecam na sala das sessOes
do sobredito tribunal, nos dias cima indi-
cado, pelo meio-dia, competentemente ha-
bilitadas, que alii acliaro o formulario o
condiefiea da arrematado.
V. para constar se mandn adixar o pre-
sente, e publicar pelo Diario.
I lo--mirara da fazenda provincial de Pcr-
nambuco, 1 de agosto de 1849. 0 primei -
10 amanuense servindo de secretario Fran-
cisco Antonio Cava/cante Cousseiro.
O lllm. Sr:-inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em cumpriinenlo da or-
dem do Kxm. Sr. presidente da provincia,de
l8dejunho prximo passado, manda fazer
publico que no dia 9 de agosto p. futuro,
iro piaca peanle o tribunal administra-
tivo da nicsina thesouraria, para seren ar-
rematados a quem por menos lizer, oscon-
ccrtnsda ponto dos Carvalhos, sob as clau-
sulas especiaes abaixo transcriptas, o pelo
prego de 1:699,500 rs.
As pessoas que se propozerem esta
arrcmalaco, comparecam na sala das ses-
soes do sobredito tribunal, no dia cima
mencionado, pelo meio-dia.
KlB&ra constar se mandou aflxar ffc-
senlfc, e pui,'Car pelo Diario. -^
Sefcrelaria o, ihesourana.>a-fazenda pro-
vincial do Pernanihiuifi, 27 de jullio de
1849.\ O 1. amanuense, servindo de se-
cretario, Francisco Antonio Cavalcanle Cous-
seiro.
--A administraco da consulado geral pre-
cisa de serventes livres e robustos psra ae-
re m empregados no servico da capalazia,
com o jornal do seiscentos e quarenta ris
diarios, e por isso convida as pessoas que
se quizerem engajar hajam de comparecer
na referida adininistraco das nove horas
da nianha s tres da tarde.
A administrarlo geral das obras pu-
blicas, pelo respectivo almoxarifado. tem
de comprar para o concert do torreo da
alfandega onde existe a rcpartico, os se-
8:256,433 guintes objectos : 9-taboasde B8so8lho de
amarcllo, de 30 palmos de comprimento e
9de largo, Nmpiffi; 3 frexacs de 16 palmos;
200 pregos de guarnico; 200 dilos de assoa-
Ihn ; 200 dilos ripaes da Ierra ; 50 lelhas ;
4 alqueires decalpreta; 8 ditos de areia
as pessoas que taes objeelos quizerem for-
necer comparecam al o dia 4 de agosto
cerlos de que, sendo recebidos com appro-
vaco do inspector encarregado da obra, se-
ro immediatamento pagos. Administra-
dlo geral das obras publicas 28 de julho
,l0jg49.!O administrador jote de Barros
Falcaoe~1.S^da-
Piibl.cacoi Hllerarias.
* __
Acha-se no prclo e bevemente Si,hir.a
luz a traducco da secco ,erce1lr daa ins-
lituicOes do diroilo publicoeic.les,"sl,code
Xavier Gmener que contcm ok"ir0|(os jJ0S
imperantes civis cirra sacra, (jompnnha-
da de alguns notas extrahidas de v1r'"s au"
lores e de apontamentosda legislt/i" lie'
cessaria ao conhecimento dos que eslul"1
este direito. Suhscrevc-se na praca da ^
dependencia, loja de livros, ns. 6 e 8.
ndice chronologico, explicativo e remissivo da
legislacao brusileira, desde 1822 at 1848.
Sendo da mais reconhecida utilidade pu-
blica a confecco de urna obra, que, extre-
mando e apresenlando por extenso a parte
da legiMago brasileira que est em vigor,
e mencionando em resumo as leisou decre-
tos que nomeam vice-presiden tes de provin-
cias, criam escolas, concedem cartas de na-
luralisaco, conferem pensOes, estabele-
cem regulamcntos, e urna inlinidade de ou-
tras semelharites disposicOes legislativas
que s a urna ou outra pessoa, a una ou
outra rorporaeflo interessa saber em toda a
sua exlensflo, reduzisse a oito volumes, pou-
co mais ou menos, os vinte. e cinco a ti inte,
ile queja consta a colleccflo das ieisdo Bra-
sil impressas na lypographia nacional;
pois que por esse modo, alm da diminuiefio
do cusi a menos de dous tercos, obtem-se
a vantagem d se adiar com muilo major
facilidade urna lei que se procura para ser
Consultada, e de se saber ao mesmo tempo,
se ella est om vigor, ou se est revogada
ou alterada por oulra, ao mesmo passoque
urna semelhanto collecgo de leis se trans-
porta muilo mais fcilmente de um para ou-
1ro lugai : incumbio-se desse arduo Iraha-
Iho o f)r. juiz de direito Antonio Manoel
ha de dar luz
vulunie de tflo
igo, por Ijitil obra, comprobendendoem 200 paginas
o m --------
'os;
M
clitinibo de inuiiic'A'nftipnj H7rs. ; urna li- ,no "r- juiz de direito A
bra dejx'vi.n.ai |J. ,,,,,[, 1<>,M Fernandos Jnior, o qual ca
tttr r,t Z t, r "'l'regauo. ..' 110 |Uo-de-Janeiro o primeiro
i-iJnTerencia do tingue francez Aruao. or Luill .h. m.i....i...i
Jos Honteiro de Sen
deixou de ser caixeiro do Sr j
Pereira Yianna desde o corrente, e declara nada deyl'
pessoa alguma.
DSo-se 200,000 rs. a joros sobro ki
res de ouro ou prata : na ra da s ,*
n. 18. "-ti
Do-se 400,000 rs. a premio di
por cont ao mez, com penhorej 1 U!
e prata ou boas firmas : em (%,],""
Quatro-Cantos loja da fazeodas "
quem d. K(i
Aluga-se o primeiro andar do mi,
do n. 24, no Aterro-da-Boa-Vista JT*'
salas, 3 quartos, cozinha fra eeiS u
do e pintado de novo : a tratar ni rl.*,,""
Iba, n. 55. ""'
O Sr. Manoel Augusto de fi
queira quanto antes dirigir-so i ^
Amorim, 11. 13, a negocio qua IhedijJ/
pcito.
Precisa-se de um homem qq,a
meslrelecedordo Porto, ou qum
de terer varias fazendaa qua ae fiiaa,
quella cidade : na praca da liulependJ
livraria ns. 6 e 8. !
Sociedde Harmnico.
Theatral.
O primeiro secretario avisa aos 84 -
ciosque os bilhetcs para a recita 44,
do correle se dislribucm nos diiii]
4 no salo do mesmo theatro: leab
aosSrs. socios, que deverflo rubrieufc
verso os bilhetcs de galera ; e qua l rao se reunir no dia 3, s 4 horas diti
para approvacflo de convidados, nlo2
depois admillidas mais proposita.
-- Na ra das l.arangeiras ,n. 15, na,
ma-se roupa de homem e senhori 1
bem se lava do saho o varrella : tudoesa
perfeico e por preco commodo.
-- Do-se 600,000 rs. a premio sobre p*.
flores de ouro e prata,ou boas Ormii
nanlar8 do Rozario, n. 28, -prn
andar. J.
Arn"l'a"so ou venfde-se o aitl
cantado, cm Bebenbe-de\Baixo, eoaa,M
proporc/k8 e casa : a fH|r com u
llacalho. .. I
-- A pe*"'1 que no da \I3 de abril r
comprouluma SBCCa con fHJo na pomf
armazem'tftSr. Das Ferre/ra.querendoij
tituir o seu iff^orte^d/frjs-so ao raen
faz-se o presente ailtmincio por haveratjj
voco de nomes. 1
Urna pessoa de'Conducta regular 1
va^ aqu conbecida, ae offerece ios n
ciantes dissla praca para cobrar dividas]
para os sertOes do I
Itio-do-Peixe, e ootn
La 1 sen presumo se quii
por este Diaria.
Jram do porto doSr.Jo
r detrs da Kibeira, utal
e que pega 600 lijoiul
.lli amarrada >iaa|u!Bi|
orda "> pfassabi.tnj
formflo as letras V.ril
avise ao dito Sr. Brik
ios, na ra do Ran?el, i
neisco dos Sanios,
(.uvytern pralica)
Serria-lo-Teixeiraj
e S--.. 1------:l.: l
Varios exem lares desse primeiro volume
existem ja nesla cidade em mflo do l)r. Lou-
rent;o Tiigo do I.oureiro, actualmente resi-
dente nas lojas da casa do lllm. Sr. desem-
bargador Baslos na ra da Aurora, onde os
Srs. Drs., lentes e estudanlcs do cuiso jur-
dico, advogados, juizes municipaes. pio-
inolores, delegados, cmaras municipaes e
mais pessoas que quizerem subsciever para
a mpresso do referida colhcco podeiflo
mandar por carta a declmelo do seu uome
e residencia ou declara-lo por esie Diario,
liin de Ibes ser entregue o dito primeiro
volume, o os subsequentes a proporeflo que
forem sahindo da imprensa.
O preco da colleccflo para os assignantes
he de 34,000 rs. pagos na occasiflo da entre-
ga do dito primeiro volumo e de 50,000 rs.
para os que no assignarcm, aos quaes so
vende desde j o dito primeiro volume no
lugar cima indicado por 6,250 rs.
annexos: quem
utilisararnuncie
.Ha 8 Jias fr?*
de Brlo Correi
canoa aborta o
de alvenaria; e
mezes, com gr
na poupa a berta'
quemdella SMf
ou ao dono da
54, VicMh-ino' t
bem recompe
Sabio a luz (
lio ofl'erecldo a
vende-i
p;
ca
'!> 1 o
avisos martimos.
Clausulas especiaes da arrematado.
1.', As obras dos concertos da ponto dos
Carvalhos sero fcitas de conformida Je com
o orcanibnlo apre.-entado nesla data ap-
provac do Exm. Sr. presidente da provin-
cia, pe preco de 1:699,500 r.
2.' As obras priucipiarSo no prazo de
um mez, fe sero concluilas no de quatro,
ambos corita dos em conformidado do arti-
go iodo rigulamento das arremalacOcs.
3* Todos os mateiines sero previa-
mente examinados pelo etigenlieiro, e ap-
provados se lavrar um termo
4." O pagamento do importe das obras
rcalisar-so-ha depois de concluidos e exa-
minados pelo engenheiro.
5.* Para ludo o
Fretn-se para qualquer porto a excel-
enle polaca sarda Dina de primeira mar-
cha e de lolo de 3,000 a 4,000 saccas:
quem a pretender, dirija-se aos seus con-
signatarios, N. O. Bicber na ra da Cruz,'
n. 4.
Freta-so para qualquer porto o brigue
francez Armorique, de perto de 3,800 sac-
cas : quem o pretender dirija-se aos seus
consignatarios, N. O. Biebor & C. na ra
da Cruz, n. 4.'
-- Para Maranho e l'ar pretende seguir,
al o dia 8 de agosto prximo futuro, a bem
conbecida escuna Galimle-lUaria : para o
resto da carga e passageiros, Irata-se com
Silva & Grillo, na roa da Moda, n. 11.
--I-ara ji .raraly sabe, no dia l&rtcifgos-
loiiiWrlivelniente, a escuna nacional Afinn-
riTrmina por ter parte de seu carregamenlo
engajado : para o resto, dirijam-se a Jos
Antonio Bastos, na ra du Cadeia do Ite-
cife, 11. 34.
~ Para o llio-de-Janeiro segu, at odia
primeiro do agosto prximo futuro, o bem
conhecido brigue Assombro, \ or ter o seu
carregamenlo promplo : recebe alguma car-
ga miuda e passageiros, para o que lm
aVoiis commodos : os prelendentes dirijam-
se a ra da Cadeia do Itecife n. 61 a fal-
lar com JooJos FernaudesMagalhes
P'slilh3oOlindense,M
xm. presidente di pf
praca da Independa
{t rs. caaa \exj3jnptir.
--Precisa-se mandar fazer urna sata dal
bordado de susto : IJueni se quizer encar-I
regar desle trabalho mnuncio.
Precisa-se de um bom feitor pin uil
engenhu distante desta cidade; prefer!
do-se porluguez, e quo d fiador, ao tneMI
nformaco idnea de sua capaeidida : n|
ra do Itangel, n. 11, segundo andar.
AVISO IMPORTANTE.
Acaba-se de ter seria noticia, de os escra-l
vos abaixo mencionados andarem pelotl
suburbios desta cidade commetlemlorou-l
bosesendoa uoile recolhdos em diversa]
sitios, por consentimento dos eseravos;!
poi lauto previne-se a qualquer que nistel
possa inteiessar-se, e para que mellior pos-1
sam ser capturados. Adverte-so que, po-l
deudo constar-I lies deste aviso, quairaml
evadir-se para mais longe, e assim pois, pe-|
dse toda vigilancia nas estradas alegare
suspeitos, para poderem ser appreh^fl Nao obstante darem a certeaa de es"*0
to perto, pede-se encarecidamenteisM-
toridades e a todas oulras pessoas doijap*
res longincuos, de continuaren! nce*-
santo diligencia paraos-aprlsjp.Tl|pr
que segu este outro annur
200,000 rs.j
Ha -se esta quantia de grs
levar ao engenho Agoas-f
da viuva do Burgos, <
pateo do Carmo, n. 18,
Anlonio'Carlos l'ereira 1
Len, os dous escrave
giram nos dias salibad |
a 27 do corrente : Vicent
nos, de altura regularjj
carapinhados, test>_
quenos, nariz chai
;icicHa1BIB
ns, da Vroto,
ista pn)(*i n0
rilo loJif.
rgos Ponte
Iguintes que ta-
ri domingo,*
l pirdo.de-
.._bello cresr-.'
.resaluda. olhos pj-
omadorde tibico
mais que no est des-
tinado telas prsenles clausulas seguir-so-
la inteiramenle o que disefle o regulamen-
ilTerenca para mais cm 184. 35:808.607 lo das arrematacOes de 11 de julho de 1843
Ocscrivoda airi'ndcga, Obras publicas, 30demaio de1849
Jacome Gerardo Maa Lumach\ Avisos diversos.
--A pessoa que quizer comprar-urna di-
vida de 1:377,000 rs proveniente de, ron-
das do engenho Una em S.-Antflo, ja ven-
cidas, cujo rendeiro anda se cha no mes-
mo engenho e esta cobranca nflo se yffei-
lua porimpossibilidade physica do proprie-
lano, dirija-Be ao paleo do Carmo, o, 18,
primeiro andar, do sobrado do fallecido
l'cixe.
Precisa-sede urna ama para o aorvi-1
50 de urna casa do urna senhora solteira:
na ra do Fogo, p. 13.
- DSo-se 400,000 1 s. a premio of,m hv-
poiheca em una casa nesta pra/ca: quem
pretender anuuncie. H
11.
caco rosto' desdKado e com jspnhas,
sem netihuma haruT; levou I camisa Jo rc*'
dapolo, urna calda de casimira usada, uaj
jaquela de bietanlih, urb bonete de relluno
azul ja usado, uiTn chapeo de palh,
dilo de pello pretb/: Joaquim, crioulo, M
tantepreto, do38fannos, alto, aecco, tsn
pequea bem barWdo ; lem o coslume
levar a mSo barba ; lio gago ; andar com-
uassado; dizem ter m'i em Pajaliu-da-rw-
res ; foi escravo do capito Uandro Banuei
ra deMoura do Apodff o qual se aclia P-
senlemente na comarca deS.-Aniao,ei
um sitio em Cravat; presume-!
partido para o Apody ,'o'nde ha auiw?m^
-toopnmei-
asse sempre em viagens
rentes do dito Moura; comquanto o Pnm.e^
10 andasse sempre em viagens dos ser
do sul ao poente, com os cobradores um
casa : este ultimo escravo levou ua,,c.4
preto de pello e outro de couro, fais>,
quetas brancas, 1 calca do brm pardo, 1
la de riscado, 1 camisa de madapoa.
duas ditas de algodo da trra e a""""'
Roga-se a vigilancia neates dous e,cr*'V '
que vindo com multa brevdade, sera
gratificados anda com mais Jo que se 00 1
- Precisa-se de urna ama para lodo os**
vico de urna casa de pequea famili
Panizo. mjt '
-- 0uer-se alutar mensalmenle uluf
la fiel que sirva para vender na ra: -'gjp.
tiver para esse flm, procure na ra ua
gueira.da Boa-Vista, n. 5,
nuncie.


Aluga-se um sitio em Beberibe-de-
Baixo, coin casa de vivenda, baixa e un
pedaco de malta, cerniendo mnis alguns ar-
voredos fructferos, e urna boa cacimba com
agoa poiavel: quem quizar dirija-sc a Ba-
Yista, n. 37, no terco i ro andar.
I'rocisa-se de urna ama para casa de
urna s possoa : a tratar na ra da Penda
n. 2.
0 Sr. Francisco Antonio da Silva dei-
jou de ser caixeiro do abaixo assignado
desde odia primeiro de agosto do correle
juno. -- Diogo Jos da Costa.
Anna Rila Caetana da Silveira, viuva de
joSo Marinho Fale3o, declara que ha feilo
inventario amigavel dos hers deixados pe-
lo dito seu marido com sua sogra D. Paula
.Cavalcante de Albuquerque nica herdeira.
Aluga-se o sobrado na ra da Uuiflo
onde morou ltimamente o secretario da
presidencia o Sr. Honorio: quem o pre-
tender dirija-se a ra da Aurora, n. 4, a en-
tender-se com Manoel Alves Guerra.
Roga-se ao Sr. Jos Joaquim de Oli-
veiraBaduem queiraquanto antes dirigir-
se ra do Amorim n. 17, a negocio que
lite diz respailo.
Precisa-se de um feilorpara o sitio da
viuva Amorim, na Ponie-de-Ucha.
Precisa-so de urna escrava aue engom-
me e lave sofTrivel : na ra do Vigario ,
fc.
j Precisa-se de ama ama forra, ou es-
crava para urna casa de pouca familia, a
Isaiba engommar, colindare fazer o
ais servico : em Fra-de-Porlas ra do
lar, n. 73, segundo andar.
Constando ao thesoureiroda irmanda-
de de N. S. do Terco que o S. padre Benlo
Manoel de Souza Castro le ni dito que Tora
despedido de capel 13o da mesma irmanda-
de por aua causa e que se Ihe ficaram de-
prendo seismezes de seu ordenado decla-
ra o tnesnio thesoureiro que uada se deve
aoSr. padre Benlo, pois existe recibo de
saldo de contas at odia de sua sabida e
que se foi despedido pela mesa regedora ,
ni por ser omisso no cumprimentode seus
everes, como he pOblico.
Aluga se o segundo andar e sotSo do
brado da ra da Penha n. 9, com os fun-
is para a ra Direita com 9 quartos e 4
las, por barato preco : a tratar na ra Hi-
ta, n. 9.
- Precisa-se alugar um cavado para ir
sella emS.-Amaro-Jaboat&o : quem o li-
erannuncie.
da maliiz
IN
liba em casa do
irlicipa ao publi-
ca de selleiro nu-
il. 30, aonde se
seus freguezes e
o pateo na maiiiz de
5 -Antonio, sobrado n. 4,
iram-so passaportes para dentro e fra do
imperio, despacham-se escravos e ro^-eiii-
|so folhas por preco o mais comm Wpus-
sivcl. ..
Precisa-sede ii m feilor quatrahalhn,
lentemla de arvoredos, de borla ene vaccas:
na Magdalena estrada nova, prHateiro pur-
Bode ferro.
Precisa-sede urna ama paljpima casa
Se pouca familia a qul faciuJf compras e
pozinlie : na ra da Cudeia Aellia n. 41 ,
primeiro andar.
A pessoa que annunrij, no Diario de
hontem querer comprar1, no Aterro-da-
8oa-Vita n. 58 o Bkeo das Damas ns. 1
)9, dirija-se ao Cear ,$iia ra do Halo
104, ouenlSo na\ Par
nieves, pue os chara. '
Fidel is Jos Cor fe
Ico que tem mudado su
Ira a ra larga do Roza
lacha prompto a servir
la qualquer pessoa quede seu presumo se
Iquizerutilisar.
Oalferes do sexto balalh3ode cacado-
Ires Alexandre Augusto de Frias Villar por
causa de seus afazeres nSo podendo des-
Ipedir-se pessoalmente de seus amigos, o faz
I por este jornal, offereccndo-lhes seu pres
llimo na provincia do llio-de-Janeiro para
[onde he seu desUn/^^^^^
Queiir>it*1tr" efe urh administrador
Ipara engenho, o qual enlende de todo o ira -
Ibalho, dirija-se a praca da Independencia,
Hoja de relojeiro do Sr. Moroz, que se dir
|quem he.
D. Francisca Miehaella de Hora es nior-
Irendo deixou sete filhos, e entre estes he o
[padre Joronymo llarreiros Rangel, e leudo
aquella finada deixado um engenho deno-
minado Alto-de-Joflo-Fernsndeg nflo se
em feito inventario e apenas houve a dcs-
fripcilo dos bens e avaliacflo ; mas acon-
ece que, teado a finada dado um papel de
irrendameulo aquello seu filho padre este
lonlina no.-mesmo engenho a fazer bem-
leilorias e levantar casa, som que para isso
losse aulorisado pelos mais herduros;e
porque a abaixo assignada he tambem her-
elra daquelle engenho faz ver ao referi-
lo padre Jeronymo seu irmo, quo n3o
roneorda em taes bemfeitorias, e protesta
nflo levar em conta essas bemfeitorias, vis-
lo que oa herdeiroso nlo autori.saram para
emelhante cousa. Or les Sebauiunu de
Vae.
Em um engenho perto de S.-Ant3o
Iprecisa-se de urna pessoa que enlenda do
ocar piano para ensinar a duus senhoras,
[ese tiver alguns preparatorios para ensinar
la um menino ser melhor por isso que
paior ordenado se ofTerecer : a tratar com
' B"fgos no segundo andar do sobrado
i. 18 do pateo do Carmo.
-OSr. L A. A. 11. F. baja de vir, ou
nandar pagar a quaViia de 20,040 rs. im-
Iporlede effeilos e mk 5,000 rs. em di-
Inheiro, na ra Direita/*? 18'; do contrario,
vera o seu nome publicado por extenso oes
I la folha. ^
.~A,"-e urna) cas
n ruado Amparo/. ,
|u't"^' do Recie, r,
Quinto b
terrea em Olinda
U ; a tratar na ra
t.
ilho de
fuz
0 msico da piimf
l^l.lhflode fuPze^0
l*ife, de pois de p
'' do pausado
'al3 do iunno
f-julho, foi co
1 consla ler-ae t
"su quedaqm s
Sociedad
* direecfio avia.
[jcadeudiaa5
{Hftble oiez,
convidado* a
fas da larde.
iros.
p-conipanhia do 5.
"nano Jos Perei-
nesta cidade do
e fardamenlo al
t e de sold e eta-
. a revista desde
lo desertor no dia
o na fragata /'ara-
ara a Babia.
polnea.
s. socios que tem
orrenle para a par-
tiera as propostas pa-
a no dia 7, pelas fi
a da mesma socie-

Asi
con
~ imi
B. Didier retira-se'para a Europa.
Trlt Wtfflalllflf MK!!**- **"*-"
Na praca da Independencia, '
i n. io, ao voltar para a ra l
1 das Cruzes, alugam-se, ven- m
| dem-se e tambem se appli *
| camas s* .o.es bixas que
he possi.c havarem no mer- j}
i cado; limpam-se e tiram-se denles i'
1 com toda a perfeicSo : tambem se ap H
plicam ventosas com a maior delira- j[j
i desa que he possivel e faz-sa ludo S
% o mais que pertence a arte de sangra- ||
\ dor : ludo por preco muito rasoavel. %
mmmmmmmwm mimimnmmm
AO PUBLICO.
Em mui crescido numero conlaram os
mdicos at agora molestias incuraveis,
contra as quaes s era permittido ao paci-
ente resignacQo para soffrer um mal de que
j mo havia esperancas do poder librta-
lo, eao medico philantropico a dor de ver
muitos de seus scmelhantes victimas de
enfermidades, contra as quaes se declarava
impotente podendo apenas lamentar a fra-
queza da iiilelligeucia humana. Mas, gre-
cas aos progrcMos da medicina, gracas ao
zelo de homens incansaveis, que, n3o des-
esperando da perfuctibilidade da sciencia,
se teem dedicado investigado de rene-
dios que possam alliviar I humanidadede
alguns males quo a allligem, o numero das
molestias reputadas incuraveis vai. de dia
em dia diminuindo. Assim, achar depois
de longos trahalhos, do profunda medita-
dlo reiteradas experiencias, medicamen-
tos que nos restituam o uso dos dous mais
importantes sentidos de que he dolado o
iiniiie.ni, quando estes j se achavam no sup-
poslo estado de incurabilidade e inteira-
mente perdidos, he por certo um dos niaio-
res servicos quo se podia prestar huma-
nidade j eis o que eslava reservado a um
homem philantropo da cidade de Braga, em
Portugal, cuja sciencia, cujo amor de seus
semelhantes se teem Teilo geralmente co-
nheccr. Os remedios que ora olTereconios
ao publico, Dio ontram na classe daquelles
que o vido e ousado charlatanismo incul-
ca ^>m roucos ndescompassados brados, e
que o crdulo vulgo por ignorancia recebe
na boa feo sem discernimenlo, ochando-so
depois Iludido; tem, porm, de orcupar
mui distinclo lugar entro os medicamentos
que maiores beneficios prestam ao homem :
constam elles dadla ic3o aquosa do ex-
tractos do plantas medicinaos, de virtudes
mui reconhecidas e verilicadas. O longo
uso, as continuadas e severas experiencias,
a que por toda a parte 'eem elles siu'o sub-
mcllidos, sem que nina i vez hajam f"/a-
do em seus bous efleiu e desmentido as"
esperancas que sobro elles havia fundado
osen inventor, Ihe teem granjeado cons-
tantes o repelidos elogios dos mais sabios e
respeilaveis mdicos, assim da Europa, co-
mo da America, que unsonos abonam c
proclamam sua ICCBo sempre certa beni-
gna. Um destes licores he destinado a
conihatcr as molestias de olhos, e tem por
principal virtude restituir aosorgflos da vi-
s3o suas funecoos ; reanimar e fazer reap-
parecer em sua natural perfoic&o a visla,
quando esta esliverfraca o. qy --j exlinc-
ta ; comanlo, porm, que ii3o/ f^a ceguei-
r.i h.-oluta com desorganisaeflo das partes ;
nilo menos til e enrgico he para desforcer
as cataratas, destruir as nevoas e de lyrora-
plo dehellar qualquer inflaininac3o riu ver-
melhid3o dos olhos. NSo causa dr.r, ncni
esliinulo na paite. ,'
Oulro liquido eslilue a faculdalue de ou-
vir os lona so Ouvldo locado de si/rdez. in-
da que inveterada, urna vez quijiomal nilo
seja de nnscenc yuw.ausar eim lempo al-
uu... o menor incommodo ao loetito, e som
priva-lo de cuidar em seus negocios.
INSTRUCCES PARA 0 USO DOS RE-
MEDIOS.
OJosollws emprega-sa.do moda seguale :
Odoente pela manha, emjejum, una
hora pouco mais ou menos depois que er-
gucr-se do leilo, tomar sobre a palma da
m3o pequea porcSo daquella Rgoa ; o com
ella moldar bem os olhos, faseudo quo al-
gumasgottascaiam sobro o fclobo oceular :
semoslimpar, os conservara molhadnsal
quo naturalmente enxuguom : ao deitar-
so a noito praticar o mesmo : durante o
lempo que usar do remedio evitar o calor,
ncc3o de fumaca eo vento ; fsr abstinen-
cia de comidas saldadas, szedas, c adula-
das com especiaras.
0 remedio dos ouvidot ser applicado do modo
que segu :
Odoente pela manhSa, urna hora pouco
mais ou menos depois de ergiier-sc, anda
emjejum, far derramar dontro riosouvi-
dos quatro ou cinco grillas do liquido, ta-
pando-os depois com algodHo em rama ; a
noite ao deitar-se repotir a mesma opera-
rio. Durante o uso do remedio evitar ex-
l'i'ir, os ouvidos principalmente, acc3o do
calor e do vento, alim de evitar gramlc
transpira<;3o, havendo cuidado em nflo mo-
ldar ospsemagoa fria ; finalmente deve
abslci-se de comidas Salgadas,. azedas e
adudadas.
Estes remedios estro venda na botica de
Rarlboloineu Francisco de Souza, na ra
larga do Rosario, n. 3G, nico depos'to em
Pcrnambuco, palo preco de 2,240 ris cada
vidro.
Frecisi se de um cstrangei-
ro que seja lomen o e padeiro, pa-
ra ir para Macei : d-se bom or-
denado : quem pretender, dirija-
se ao armazem do Aunes, no caes
da Aifandega, a tratar Cs>m Ma-
noel da Silva Sanios.
5
res, como so pode vor da senienca que exis-
te em poder dos her.leiros, que existem
ainda na ilha de S.-Miguel.
Manoel Ferrcir Tavares.
Par aspessoas que tcncionam
seguir vitigem.-.
No pateo de S.-Pedro, casa terrean. 8,
tiram-se passaportes para dentro e fra do
imperio correm-sa fnlhaso despacham-se
escravos, e para este fim tambem pde-se
procurar na praca da Independencia li-
vraria ns. 6 e 8.
Precisa-se alugar um primeiro e se-
gundo andares no bairro do lenle, "sondo
as ras da Cruz. Cadeia, Vigario, Trapi-
che-Novo Alfandega-Velda ou praca do
Commercio : quem livor annuncie.
O doutor i.DiiiiM'.en Trigo de I.oureiro
reside actualmente ras lojas da casa do
HIiii. Sr. descmbnrgador Bastos, na ra da
Aurora .entrada pelolailo da mesma ra ;
ah se offereco para advogar, tanto no
civel como no crime e para ensinar as lin-
goas latina e franceza a quem se quizer
ulilisar descu presumo.
No dia 15 do abril prximo passado
fiiram seduzidos, e em lempo so 'prova-
r quem osmandou seduzir.do proprieta-
rio do engenho Caer pato, da Treguozia do
llio-Formoso, Francisco Antonio Baudei-
ra, os escravos seguintes : Roberto, prelo,
do gento de Angola de -JO anuos, cheio do
corpo, cara chala o beicos grossos : Anto-
nio, prelo, crioulo de 25 anuos estatura
baixa pos apallietados : quem os pegar,
oudellesder noticia leve-os ao dito en-
genho, ou nesla praca, na ra da Alfande-
ga-Velha armazem n. 3fi, que ser recom-
pensado.
0 Dr. Lobo Moscoso conti-
na a receber doentes em sua ca-
sa, no Aterro-da-Boa-Vista, n. 48,
onde lia commodos siiilicicnles,
nao s para se trataran de suas en-
fermidades, como pira se Ibes fa-
zer qualquer operacao : as pessoas,
portuito, que se qoizerem corar 011
mandar algum escravo, pdem di-
rigir-se ao annunciante em dita ca-
sa, certos de que serao tratados
com todo o desvelo.
Os abaixo assignados, credores do fal-
lido Jos Manoel Monteiro Braga, avisam a
todos os llovedores do mesmo Brega para
que Ido nao pagem qiianliaalgiiiua.visloquc
lodos os seus tena so acliaiii peohorados, e
dito Braga inhabilitado para lser qualquer
transaccao ~ llenrij Gibten. ~ Deant Youle
Si Companhia. Por procurnc3o lia Me. Cal-
inont Compandia Alfred Willcrs.
Eiigoinma-secoiii perfeicilo loda a qua-
Ir.'iade de roupa para homem e sendora, as-
sim ('"un tanihejn se ensadii por commo-
do preo : na ra da Sonzalla-Nova, na loja
da casa 'P. 1H.
#1
i
11
vo pBo de Provenga. ^_
Na padlri" do becco das Barri'ras e :;,
|i un .liii(o*C0 'Ji vueira, no Aterro- JJ
da*Boa-Vista, n. 39, fadrica-se 0110- ;';
vo/piode Provenca, o qual he fabii-
ci'do pelo methodo do seu primei- \'f
ro introductor que vcio esta provin- m
cia e com as melhores farinhasque ;t
ha no mercado, e asseio quo lio pos- j 1
X sivcl: da mesma snrle se fabrican! as m
" fatias da rainda di: llcspanha boli- T
i nbos, blscooto bisroiilinhos, falias, U
cavacas : ludo d meldnr gusto pos- ^
I sivel o proprio para cha ; tambem ha 't
boliichiuba de Lisboa em latas de h
! libras, por proco commmlo ; amen- :
^ doas confeiladas o de varias quali- '.
h dades.
Manojos indopendenlcs para cavallos.
Rodas dentadas.
Aguilhoes, bronzesechumaceiras.
CavilhOcs e parafusos de todos os lama-
nhns.
Taixas, parees, crivos e boceas de forna-
Iha.
Moinhos de mandioca, movidos a mSo ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fog3o e frnos de familia.
Canos de ferro, torneiras de ferro e de
bronze.
Bombas para cacimba e do repucho, mo-
vidas a nin, por animaes ou vento;
Cuindasles, guinchos e macacos.
Prensas hydraulicas o de parafuso.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grades e porles.
Prensas de copiar carias e de sellar.
Camas, carros de mito e arados do ferros,
&c, &c.
Ali'in da suporioriado das suas obras, j
geralmente recorHiecida, Bowman & Me.
Calluin garantom a-mais exacta conformi-
dado com os moldes e dezenbos remettidos
pelos Senhores que se \dignarem de fazer-
llies encommcnilas, aproyeitandoa occasiSo
para agradeccrem aos sen.numerosos ami-
gos e freguezes a preferepia com que teem
sido por elles honrados/ e asscguram-lhes
que n3o pouparHo esforcos e diligencias
para continuaren! a merecer a sua eonfi-
anca.
Aluga-se o armazem, n. 59, da ra do'
Rangel, o qual ha mais de lOannos tem
servido do acougue, c conserva todos os
utensis do mesmo trafico : na praca da In-
dependencia, ns. l'il'S
Precisa-se alugar una preta captiva,
que suida cozinhar o diario de una casa com
pequea familia, o juntamente que faca o
servico exterior da mesma casa : na ra do
Codorniz, casa n. 10, segundo andar.
Lotera do Guadalupe.
As rodas desla lotera andum in-
fallivelmenlene dia i3 do corren-
bilheten que restam
do n. 11; tambem a quarta parlo do sobrado
de dous andares do pateo do Carmo, n. 7.
Jos Joaquim de Freilai Guimariet.
Vendem-se 3 mulatinhos de 13 a 18
annos; 5 ditos do bonitas figuras ; una ne-
grinha d 15 annos ; 2 ditas do 20 annos,
que coziiidam e engommam ; 4 ditas de lo-
do o servico lodos por preco commodo :
na ra Direita, n. 3.
te oiez, e os ounctc-i que
acliam-se venda nos lugares'an-
n unciados.
Aluga-se o sobrado de um andar com
lojas na ra dos Quarteis n. 10 : a tratar
com l.uiz (lomes Forreira no Mundego.
Compra.
O abaixo assignado, vendo no Diario
de Pernambuco n. 161 um annuncio leito
pelosSrs. Jos Vicente Das Trrese Rober-
to Das Torres, respeito a urna vinculo que
dizein herdaram de seu filiado av na ilha
de S-Miguel, declarando que vendem o va-
lor doarreudamenlo vencido, o farSo novo,
declara o abaixo assignado que ninguoiii
faca negocio com tal arreudarorenlo o mes-
mo com os vencidos quo^r/eni; pois que
este vinculo foi vendidos vaiiciaCu Manoei
Tavares, pai do abaixo assignado de cuja
veuda se sucitou haver urna grande deman-
da quo durqu muitos annos, e afina I foi de-
cedido em **> \WUW9 mww&*ts'W3WHm
- Aluga-so, vende-so 011 permuta-se a ca-
sa terrea, n. 20, enlro as duas ponles da
l'assagem, em Chitos proprlot, cujo terreno
tem 40 palmos de frente e ICO do fundo, por
algum sitio pequeo, 011 casa com grande
quintal, no mesmo bairro da Boa-Vista,
comanlo que seja mais perto ao de Santo-
Antonio do quo ao daquella:a quem convier
algum dos referidos negocios, queira an-
nunciar por este Mari; ou dirigir-seao se-
gundo andar da casa da ra Nova, 11. 47, ou
ao Sr. Oliveira, na casa junto ponto pe-
quea da dita Passagcm.
Grande galera ptica-
Vende-so 100 vistas das principaes partes
do mundo obra muito rica pela natu-
reza apropriada dos odjeclos, 12 ptimos
vidros e outros pertences para qualquer
pessoa expo-las.iqui, ou em outra provin-
cia : na ra Bella n. 36.
Denles arlificiaes.
J. A. S. Jane, dentista ..participa ao res-
peilavel publico que contina a exercer a
sua proflssffo, na ra estrella do Rotarlo ,
n. 16, primeiro andar.
Alugam-se os segundo o tercoiro an-
dares da casa do largo da Assembla 11. 6 :
a tratar com Joaquim Francisco de Allm
no Forte-ilo-Mallos.
FMMC.VO DE FERRO
E FABRICA DE MACHINAS NA RA DO
l'.lir.M. Bowman & Me. Callum, engenhei-
ros machinislas t fundidores de ferro, mui
respetosamente annunciam aos Senhores
proprielanos decngonlios, fazendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricanles c ao res-
peilavel publico, que o seu cstahelccimeftito
de ferro movido por maedina do vapor ojjn-
tina em effectivo exercicio, e se aclia
|i|elamento montado com appareldos d
meira qualidade para a perfeita confi
das maiores pecas do maedinismo.
Habilitados para emprebender qua
obras da sua arte, Bowman & Me.
desejam mais particularmente ch
altenc3o publica para a ssrgui
terem dcllas grande sortimonto j.
as quaes construidas na sua fabric
competir rom as fabricadas em
trangeiro, tanto em preco como
lidadedas materias primase mSo
a saber:
Machinas de vapor da melhor con
Moendas do caima para engenl
dos os lamsiidos, movidas a vapo
ou animaes.
Rodas d agoa, moinhos de ve
ras.
Cnmpra-se um tronco em bom estado :
na roa do Vigario, n. 24, se dir quem
compra.
--Compra-sc um sellim em meio usp 1
as Cincn-I'ontas, n. 82.
Cnmpra-se o primeiro o segundo nu-
mero do IIrinco das Damas em hom esta-
do : no Alerro-da-Boa-Vista n. 58.
Paga-se dem.
Compra-se calcado feilo na trra, de
loda a qualidade : na praca d 'idependcn-
cia, n. 33.
Compram-so 30 ps de oirs e
fct&J.r pequeas: na ra do ment,
n. 11. /
Compram so patacilos mexicanos
I,tino rs.: na esquina do U#rament 1
1I0 6 portas.
\
Venda
Na livraria ns. 6 e 8 da praca da Inde
pendencia vende-se o seguinlo :
Manual eljeitoral
contando a le regulamenW das eleigOcse
os decretos e declsesdo gpverno que dio
esclarcoimcntos sodrosua eKecui"lo>exPe,'i_
dos al adnl do corrrento anuo) com -USts"-
explicativas fundadas uestes mesmos escla-
rec ment?.
I.EIS PROVINCIAES DE 1849 ,
vendem-sca 480 rs. o volunte deste onno ,
na livraria da piara da Independencia,
ns. 608.
Vendem-se superiores queijos flamen-
gos a 1,280 ios, ditos a 1,000 ris, letrina
240 ris, dita 1 180 ris, taldarini a 160 ris,
niacarnVia 100 ris, viudo verde a 160 ris
agarrafa, srvela branca multo superior a
3G0 leis a garrafa ; todo por menos do que
em OUtra qualquer parlo : na na Direita,
numero 18.
>3 Vendem-se escravos baratos, na ra $
I das l.arangoiras, n. 14, segundo an-
? dar um iindo moleciln de nac3o 1
4) prcla de nacao de 16 annos, rom
>,) |ii incipios de habilidades ; urna preta
luer
lluiii
lar a
fs, por
ipta,
J pdem
|aiz es-
qua-
J'obra,
^ruccSo.
de fo-
poragoa
e serra
i itii Arvrv
! de 20 annos de bonita figura ; urna
oj dita de 26 minos, ptima eugomma-
w1 deira ecozinheira; urna bonita mu- -S
% latinha de 13 annos, que coso o mar- ^
'> ca muito snll'i ivel ; d ius pelos para t*
..> o servico do campo ; tim molequo *>
9 de 12 annos. (f
1- 4
Vcndc-se urna mulalinha do 20 anuos,
com algumas habilidades: na ra da Mo-
da n. 9, segundo andar de manh3a at as
8 horas e de tarde at as 4.
Vende -se um escravo proprio para todo
o servico, principalmente para trabajhnr de
enxadu : na ra do Queimado loju de fer-
ragens n. 14
Vende-se urna parda de boa conducta,
com algumas habilidades, por prego com-
modo ; um niolequc de nac3, do 18 a 20
nnnos iio boa conducta, tanihem por pre-
co commodo : na ra das Cruzes, n. 20, as
lojas.
Vende-se, por preco muito
commodo, no armazem de ias
l'erreia, no cites da Aifandega,
familia de Santa-C'atharina, em
saceos grandes,e barriquinhas com
polassa, muito superior : trata-se
no mesmo armazem, ou com No-
vaes & Compa /
Vend predios.
O abaixo assign: por ter de ir a Por-
tugal para tratar c/sua sade vende, por
preco commodo ,/s seguintes casas, que
por Ihe n3o terom viudo por heranca de
seu fallecido s-gro estSo livres e desem-
barazadas : a/asa terrea n. 20, na ra Au-
gusta ; na rujl de S.-Cecilia, n. 14 ; na ra
do Mondegas n. 67; na ra Real, melado da
&*" Vende-se superior farinha de man- *|
* dioca, muito nova por preco mais ^
* commodo do que em outra qualquer ^g
> parte: a bordo da sumaca Bella-Krge- ^
*> lina, Tundeada deftonte (Jo caes do ^
P Ramos ou na ra do Vigario, n. 19, ^
f segundo andar, casa'do Machado & ^
i- Pinlieiro.
(3 MA laM 11 ftA'-* AtAftAwO
Vende-se urna loja do muros o sola,
na ra do l.ivramonto, n. 37 : a tratar na
mesma loja.
Salsa-parrilha de Sands
para remover o curar radicalmente to-
das as enfermidades que procedetn da im-
pureza dosnnguc, ou habito do systema.
Isla medicina est operando constante-
ment curas quasi incriveis de molestias
que proceden! da impureza do sangue. A
infeliz victima de molestias hereditarias,
com glndulas incluidas, ervos ncolhi-
dos, e os ossos meio arruinados, ficou resta-
blecida com toda sua saude e frcas. O
iiXcnlc escrofuloso, coberto de chagas, cau-
sauVi nojVa si mesmo, e a quem o servia,
ficou-fitrfeilo. Centenares do pessoas que
tinliam^offrido ( por annos, a ponto de de-
sespremela sua sorte ) molestias cutneas,
glaiiduU^rhounialismo chronico e militas
outras cyfeiinidades procedentes do desar-
ranjo do\org3os de secrocSo e da circula-
c3o, ieem\so erguido quasi milagrosamente
do leilo daaunorte, o boje, com constituic-Ocs
regcneadaiy com prazer atiesta 111 a efiiea-
ciadesta ines\imavel preparagilo.
Comquanlo tenham appareci>lo grandes
curas al aqui produzidas pelo uso desta
cstimavel medicina comtudo a experien-
cia diaria aprsenla resultados mais no
taveis.
Ncw-Fork, 22 de abril de 1818.
Snrs. A. B. e D. Sands. Julgando ser
um dever para com vosco e para com o pu-
blico em geral, remetto-vos esto certifica-
po das grandes virtudes da vossa salsa-par-1
rilha para que outros que boje est3o sof-
frendo eslabelecam melhor a sua confian-
ca e facam sem demora uso da vossa medi-
cina.
Vi-me perseguido com urna grande fer-
ala no tornozelo, que se estendia pela capel-
la cima at ao joclho, lancava grando por-
cSo de nojenta matoria, com comichOes
que meprivavam muitas noitesdo meu des-
canso, e eram muito penosas de supportar.
O Sr. Diogo M. Connel, que havia sido cu-
rado com a vossa salsa-pairilha, recommon-
dou-moquecu li/esso uso dola, o depois
doliavor lomado cinco garrafas fiquei per-
feitamenle curado.
Tenho domorado um nno mandar-vos
esle certificado para conhecer com certe-
za so a cura era permanente, o tenho agora
a maior satisfaced em declarar quo nflo te-
nho visto, nem sentido cousa nlguma du-
rante todo esto lempo, e acho-mo perfeila-
menlo reslabelecido. S011 vosso, ole.
SnraA 4/, /mire.
040, mi Dolancov.
Nesta provincia o nico agente desto ma-
ravilhoso romedio he Vicente Jos do Brilo.
Charutos de Ilavana
veriladeiros: em casa de Kalkmann Ir-
mflos na ra da Cruz n. 10.
Vendem-se 4 escravos com habilida-
des- l1"1 parda de 30 anuos, que entende
detodoosCr?.' do ,,,na ^aS8, Por *
rs.; um pardo de 18 a.
gura, que lio do boa condui.
proprio para psgcm ; um molei...
de 18 a 20 annos bom robusto se.,
nem achaques e que he proprio para .
0 servico : no pateo da matriz de S.-Anlu-
nio, n. 4, se dir quem vende.
Vende-so um engenho sito na fregue-
zia de Serinhflem, 4 Iegoas distante do em-
barque com muito boas obras, moe com
agoa com mcia legoa de trra do frento e
com outra tanta de fundo : a tratar na ra
do Crespo, loja n. 17.
Vendc-se a historia do cerco do Porto,
em 2 grossos voluntes com um mappa das
linhas do defesa quo oceupavam os partidos
uessa poca : na ra do Queimado, 11.11.
Vende-se por 6,000 rs., urna cabra
[ bicho ) com um cabrito sendo a cabra
lina leiteira : na ra Relia, n. 25.
molduras douradas
lo tenias as larguras : vondem-so em casa
de Kalkmann Inultos, na ra da Cruz, n. 10.
Caderas de palhinlia e
de Illanco,
dem com outros muitos trastes: vendem-so
mu casa de Kalkmann Irmflos, na ra da
Ctuz, n.10.
Vendem-se saccas grandes com feiJIO
mulaliuho, fradindo ,gruguluba e mantei-
ga, a 1,500 o 4,000 rs. a sacca de alqueira
raso : na ra do Vigario, armazem u. 11 ,
de I'raucisco A'vos da Cunda.
Barris com azeite de peixe:
vendem-so na ra do Vigario, n. 11.
Vinlio de Bordcaux c de
Champan ha,
de superior qualidade : venJo-se em casa
de Kalkmann lrmflos na ra da Cruz ,
11. 10.
-Vendem-se 3 fortes pianos, chegados
pelo ultimo navio francez do muito boas
vozes, superiores as de outro qualquer que
lenha apparecido, e de novo modello quo
uo deixraflo do agradar ao comprador;
charutos do Ilavana, por preco mais commo-
do do que em outra qualquer parle; un
completo sortimento de instrumentos de
msica, tanto de metal como de madeira ;
bustos do gesso representando muito fiel-
mente a rainha Victoria o o principe Alber-
to; relogiosdeouro e de prata chegados
ltimamente da Suissa. Estes aelogtos que
sSo muito bem acabados, se tornam mul-
to recommendaveis a qualquer particular,
o adverle-so que ha enlro elles alguns quo
andam oito dias sem precisaren de cora :
na ra da Cruz, no llecife, n. 55.
c
K


. '!
\

Vcnde-se farinha de mandio-
ca, milito superior c por preco
commodo, a bordo da sumaca
Pilla-Carolina, entrada de San-
Matheos, a qual se acha Tundeada
defronte do ccs do Collegio : Ira-
ta-se com o capitiio a bordo, ou
com Machado & Pinheiro, na ra
do Vigario,. n. 19, segundo andar.
des fumantes de bom gosto.
PO armazem do molhados Irs do Cor-
po-Santo, r. polo ultimo vapor vimlo do sul, superio-
res charutos S.-Fclix, o do mitras militas
(|iialidades queso vemlerSo mais barato do
quo em outra qiialqnor parle : bem como
cigarrilhns hespanhes ditos de pal ha de
milho, que so estilo vcndeiulo pelo diminu-
to preco do 300 rs. o cento.
Cha barato.
Vende-se milito bom cha, pelo pre;o de
500 rs. a lilira : na ruado Crespo, 11. 23.
Direito das mull eres
e iojusUca dos homens, traduzido por urna
I!raileira : vende-so a 610 rs. na praca
da Independencia, livraiia ns. C o 8.
Corles de brlm de puro
linho, a l.io.
Vendom-so corles de brlm iMncada
pardo ilo pii'o linho, pelo liniinito preco
ile qualro patacas : na ra do Csjfspo, loj I
da esquina que volta para a cadma.
Allencio j
Na ra do Crespo, Inja o- "JA, junto ao
meo de S.-Antonio vend tas de seda do novns lavrof^S'', a 6e 8,000
rs., tanto para senhora romo para meni-
nas ; alm dcstas fazendas lia 11.11 rico sor-
Imenlo de loques com eufeites inleira-
mcnle novos, e quo so vendem maisem
conta do que em outra qnalqucr parte.
Charutos do S.-Fclix.
Na Inja do Antonio Jnaquin Vidal ven-
dem-so supciiores charutos de S.-Flix,
verdadeiros, osquaes se recommenda aos
hons ruinantes.
VenJo-se a casa terrea de pedra e cal
n. 1.10 da ra Imperial ; um terreno junio
mesma para oulra casa j aterrado, ludo
aleono, eem chaos proprioi: na ra do
Collegio, n. 6.
\
esquina da ra do Crespo, que volta para a
cgala.
Vendo-so cal virgem do l.isba de
superior qualidado, em barris de* arrobas,
chegada neste mez pelo hrigue Marta-Jote :
a tratar na rua do Brum armazem de
Antonio Aueusto da Fonseca, ou na rua do
Vigario, n. 19.
Na loja da rua do Crespo, n. G, ao
pe do lampeo continuam-se
a vender iazendas baratas.
Cortes de brim trancado amarello, a 1,440
rs. ; ditos de dito escuro, da melhor qua-
lidade quo tem vindo a este mercado, a
1,280 rs. ; dito branco strndo a 1,500 rs. ;
cobertores de algodiio mais cncorpados
dos quo os de outra parto, a 040 rs.; chitas
para coherta a 200 rs. ocovado ; chitas es-
curas com cores lisas a 160 e 180 rs.; cha-
peos do massa a 1/00 rs. : ditos de seda ,
a 64o rs.; cassa para bailados e cortinados,
a 2,400 rs. a peqa e a 320 rs. a vara.
Vendem so presuntos inglozes para
fiambre ; latas com bolachinhas de Lisboa ;
ditas do aramia ; ditas de marmelada de
1, 2 e 4 libras ; fitas de sardinhas ,- ditas de
hervilbms ; ditas do chocolate de Lisboa ;
fraseos do conservas ; ditos d'agoa do flor
lo Inranja; barris com azeitonas brancas do
Klvas ; garrafas com vinho moscatel do Se-
lulial e la Maileira ; queijos de pralo ,
frescaes : ludo novo e chepado ultima-
monte de Lisboa : na rua da Cruz, no
Itecife, n. 46.
Vendo-so vime, chegada ltimamente
nobrigue Novo-Vencedor: na rua do Apol-
lo armazem de Antonio Augusto da Fon-
seca.
Vendem-se sellins inglezesc
camas de ferro : na rua da Senzalla-
nova, n. lyx.
CJidbrasileiro,
Vende-so cha hrasiloiro no armazem do
molhadns, airas lo Cnrpo-Santo, n. 60, O
mais excedente cha produzldo em s.-Pau-
lo quo lem viudo a esto mercado por
pre?o muito commodo.
AGS-NCTA
da ftindJco Low-lfoor,
RUA DA SINZALTA-NOVA, N. l\2.
Nesle estabclecimento conti-
na i haver um completo sorti-
tnento de moen las e meias moen-
das, par? engenho ; machinas de
vapor, e I>< luis de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
<4
rs. o corle; riscados monstros a 260 rs. o
covado ; loncos decamhraia de linho, mui-
to finos, para senhora : pecas de madapo-
lilo'jno, a 2,800,3,800, 4,000 o 4,500 rs. ;
chitas escuras de cores fixas.a 160, 180 o
200 rs., e muito finas, a 240 rs. ; cortes do
cambrala para vestidos, de ricos padroes ; e
ontras muitaifazendas baratas.
A 0410 rs.
Vendem-se cobntores de algodiio, muito
encorpados, propriosnara escravos a duas
patacas cada um : na ru da Cadeia-Velha,
n. 33.
Bombas de ferro.
Na Cundico de ferro da ru do Urum ,
vendem-se superiores bombas pora cacim-
ba assim como deicpucho para fazer su-
bir agoa i casas ate. altura de 4 a 5 andares.
*&"';>-fc" Farinha de S-lfatheusA
V
fe Vende-sc farinha muito superior, por
proco commodo a bordo da sumaca 8
jl Feliz-Aurora, tundeada em frento do fa
* caos do Collegio : a tratar com o ca- fu
A pililo a bordo ou com Machado & Pi- a
j nheiro, na rua do Vigario, n. 19, se- tr
T gundo andar.
Na rua do Crespo, loja n.
6, ao pe do lampcao, vendem-se
to para curar vista caneada ou curta, como
sejam oculos apropriados, os quaes se
vendem por diversos precos.e muito em
conta, por haver sortimento : na rua larga
doltozaric, loja demiuJczas, n. 35.
A 1,000 rs. o corte.
Vende-se brim l>so escuro muito fino,
proprio para jaqueta a 1,000 rs. o corte ;
dito trancado escuro e muito lino, a 1,280
rs. o corle de caigas ; dito cor de ganga, a
1.500rs. o corte, sendo todos de puro linho;
cortes de cassa do cordilozinbo com 7 va-
ras a 2,000 rs.; fuslio alcochoado para
collete, a 480 rs. o corte ; meias finas para
meninas do varios tamanhos a 320 rs. o
par : na rua do Queimado, n. 8.
ATTENCA0 '.
Vende-se, na rua Jo Collegio, n. 17, vi-
nho da Figuejra muito superior, pelo pre-
go de 160 rs. a garrafa e 1,200 rs. a cana-
da : pede-se os amantes da boa pinga que
apparecam, visto ser esto o mesmo quo
deixou de se vender na rua da Madrc-de-
Deos.
N. 9.
Rua da Madre-de-Deos. '
Puro vinho da l'igueira.
O ni.vo armazem desta pinga deliciosa
acaba de se abrir nesta rua, defronte do ox-
tincto atmazem ao mesmo preco de 180
rs. a gartafa ,e a 1,360 rs. a caada. Os
amantes deste licor all encontrarilo garra-
fas prompiamento lacradas e com o seu
rs. a vara.
Vende-so urna mnbilia do Jacaranda,
obra bem construida, eem bom estado : na
praca la Independencia, n. 1.
~ Vendem-se relogios de nuro o prata ,
patente Inglez: na rua da Senzalla-Nova ,
n. 49.
Vende-so urna parda propria para o
gervico de una casa : na rua da Cruz, n. 28,
a tratar com Lima Junior& C.
He chegada
nova rcmessa dos superiores queijos de
qualha iguaes aos quo vieram pela pri-
meira vez muito frescaes e grandes : na
rua do Queimado, loja de miudezas, n. 25.
Vende-se urna escrava do nac/io, de 24
annos que cozuiha o diario de urna casa,
lava de sabio e varrella e he muito boa
quliandeira : na rua da Cruz, no Itecife, n.
23, se dir quom vende.
Para liquidarlo.
Na loja n. 5 A, da rua do Crespo, ao p do
arco du S -Antonio continuam-se a vender
muito hons cortea do cambraia do cores
Vendo-so ohampanha da mais superior I com 6 varase meia a 2.500e 3,000 rs ; pe-
competente rotulo para Irocarem por outras
pecas de cassa de qnadros, nimio promptamenie ; assim como tambem en-
'nas, por a.ooo rs. a pera c a 320 confrarflo bhrrjs e diversos tamanhos,
por presos hen, rasoaveis ; bem como vinho
branco de Lisboa ( |,600 rs a caada o a
220 rs. a garra fu. o proprieta rio leste esta-
belecime.nto pedi>exame para poderem ava-
har a pureza de sua qualidade e asseio e
que em nada desagradar aos concur-
rentes.
Araujo vendem-se superiores no.
qualha chegados pelo ulliK''0'1
Cear de todos os tamanhos P r'
roba muito frescaes e de superioTi1 '
por serem fetos de encomoienda *
-NaruadasCruzes, n. 22, '.,
dar, vendem-se4escravos, sendo8"
lequedenactlo, de 18 annos; d.... '"&-.
de 40 annos que cozinhanj |" P^J
leque denaefio, de 18
s quitsndeiras,lua,'le,,"-
^ a 1,500 rs. o corte ; dito amarello i
1,440 rs. ; dito muito superior i
X 1,600 rs. ; picote muito encornido '
ATOALIIADO de PURO [LINHO.
qualidade que tem vtulo osle morcado:
ni rua da Cruz, n 27, armazetn de Crocco
& Companhia.
A 10 rs. pqt'i ni.
Ve
cario,
Cas ; Chita
res seguras)
rua do Cresl
cas de madapoliio infestado, a 5,5C0^1S_
muilo boa fazendajleucqs de cassaDffg ra-
vala a160 rs. ; casimira elaslicy7>re|a -a
2,'i00 'ee^T""'0 i-f?ismiras '!e/res pata
.,J/.1J,'?_6ertoe-. "^/"/les do col-
idflo ameri-
j dna '
.. |iaia- |
nolis padrt'ies e ci'i- ,
pataca o covado : na
letess;""o.s>;^s(/e
""">o.s n 500 rs. :"et.nda
, '"'os
ene para senhora f a 2)0oo rs.
para curar da phlyslca em todos os aens
difTerciites graos", ou motivada por al-
guma das seguintes molestias: conslipa-
cocs, tosse, asllima plcuriz escarros de
sangue, coqueluche, dirde costase pei-
tos bronchites dr na garganta e lodas as
molestias dos orgilos pulmonares. Este ex-
cellcnte remedio quo tem gozado de lito b
reputadlo nos Estados-Unidos ''
.ia America
ns nnns efTeltos na cura
.alias cima'mencionadas, m-
uprii'taiios deile a manda-lo pa-
.sil, oinlc a esperanza do suas virtu-
nilo fratn sem fundamento como a
experiencia lem mostrado desde a sua in-
Irnduccilo poisos admiraveis eleitos que
tem produzido aqui so iguaes nos melho-
resquealli lem feito e que silo bem altes-
tado pelos varios lestemunhos e cerlifiea-
dos das pessoasque tcem sido curadas por
este medicamento sem igual, particular-
mente ao sul dcsle imperio ondo ini prl-
meirainento introduzido, e j nesta mesma
provincia receitado pelos mdicos e sem-
pre com bom sucesso. Novaes & Compa-
nhia, os nicos agentes nesta cidade e pro-
vincia, nenvados pelos agentes geraes do
lio-de-Janciro os Srs. K. C. A'alcs & Com-
panhia nudaram o deposito desto xarope
para a botica do Sr. Jos Maria Humos na
ru dosQuarteis, n. 12 junto ao qunrlcl de
polica onde sempro achaiiio o nico ver-
dadero, vindo daquelle deposito, a 5,500
rs. cada garrafa.
A bordo do biale S.-Joo fundeailo
defronte do l'asseio-l'nblico vende-se boa
faiinha de mandioca por prri;o rasoavel: a
tratar com o mestre do niesmo biale ou
com Amorim IrmSos na rua da Cadeia ,
n. 39.
fap roldo franecz.
Vende-se o superior rap rolfio franecz,
nicamente as lojas dos Srs. Caetano I niz
Feneira no Aterro-da-lloa-Vista n. 46 ;
Thnoiaz doMutios Estima na mesma rua,
n.54; Francisco Joaquim Huaito, rua lu
Cabug ; Piolo & Irmio na rua da Cadeia
do Recite, n. 19.
Vende-se a muito acrcdila-
da l.rinlia franceza liaron, chega-
da ullimainenle, e por preco rasoa-
vel : na la da Senzalla-Velha,
n. 38.
A 4oo ris.
Vende-se superior esguio de algodao do
qualro palmse meio le largura, proprio
para camisas de senhora e jaquetas pelo
barato preco de 400 rs. a V8ra ; hrelanlias
do rolo com 10 varas, a 1,600 rs. ; supe-
riores coi tes de fuslOes alcochoado a
1,28o rs.; ditos miudos a 400 rs. o crlo :
na rua do Crespo, n. 14, loja de Jos Fran-
cisco Das
A aoo rs. o covado.
la para a cade, na hija da esquina que vol-
Venda-
da fabrica le-sealgodSo trancado
I" !-.
chapeos de t.
Camisas frattez
Na rua Nova, n. 14, loja de alfa
chcuado um riquissimo sortimcnl
es de col
500 e 3,200
a 800 rs. e
'estani alguns
ea3ooJx' Todos-os-Sanlos BI misas bra nasa e de riscados os mais
h
270
Cadeia, n. 5|- a vara
Taixas
na rua da
engenho.
Na fundicHo |):il'it
acaba-so de r ,|e ferro da rua do Urum,
todo taixas eeeber um completosorlimen-
"ii a es ac' do 4 a 8 palmos le bocea, as
,, .iam-sc a venda por prc^o com-
modo e com promplidilo embarcam-se,
OU carregam-sc em carros sem despezas ao
:omprador.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santosna Itahia.
Vende-se em casa le IV O. liieber & C.
ia rua da Cruz, n. 4, aluodilo trancado
itaquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos,
1,280 ris.
Vendem-se superiores corles de brim
trancado le puro linho ci'ir de lama de Pa-
rs pelo barato preco de 1,280 rs. : na rua
do Crespo n. 14, loja de Jos Francisco
Dias.
tf'clha de Flandres.
Vendem-se ciuxas com folha le Flan-
dres : em casa de .1. J. Tasso Jnior : na rua
do Amorim, n. 35.
Harneas.
Vendem-se barricas vasias queforamdc
farinha em p e bem accondicinnadas :
na rua do Amorim, n. 35, casa de J. J.
Tasso Jnior.
Vendcm-se acroes da com-
panhia de l'ernambuco cl'arahi-
ba : no escriplorio de Olivfira Ir-
mSos & Companhia, ruada Cruz,
n. 9.
O O
jj) FAZEMUS BARATAS. Q
Q Vendem-se corles de brim trancado jc\
jft pardo, a 1,280; ditos de dito bran- q
S coliancadoedelistras, a 1,280; di- p
Q
tos te dito amarello, a 1,500; ditos
~ de maecdonia,
2 2.000 ; ditos
padres de casimira,
O
de casimira do algo
:o
LJ
Vcnde-se zuarte azul trancado, muito en-
corpado e com 4 palcos o meio de largura ,
a melhor fazendn para vestir escravo pelo
barato preo de 200 rs. o covado: na loja da
j*J dio, fazenda escura e muilo encor- v
pada, a 2,000 ; e oulras militas fazen- fi>
3 das baratas : na leja lo stdirado ama- O
O relio da rua do Queimado, n. 29. O
Vendem-se pannos inis.si-
mos cor de caf, verde, prelo, azul
c cor de vinho,a 458oo rs. o cova-
do ; dito mais abaixo e das mes-
mas cores u 1 e 3,6oo rs 5
dito encarnado ito fino, a 3,5oo
rs. : ludo para lie, idar con las na
rua do Queimado, loja n. 5i.
Allenc&o ao uaiato.
Na rua do Livrameulo, n. >d4, vendem-se
corles de laa de bonitos palmes, a 2,100
'1
he
ca-
Lj rulos
padres e cores lixas, por preco conimouo'.
' Taboas de sedro.
Vendem-se 3 duzias de taboas de sedro,
por pre^o commodo : atrs do tbealro, ar-
mazens ns. 16 e 18.
I'echlncha.
Vende-se urna porcio de bolacha para
embarque por pre^o muito em conta : na
rua Dimita pailaria n. 26.
Vende-se 11 m relogio do miro, moiler-
no e bmizontal, que Irahalba sobre diius
llamantes : na rua do Itnntiel n. 54, a fal-
lar con Victorino Francisco dos Santos.
Vendem-se cortes de cambraias ada-
mascadas propriaspara vestidos, a 3,000
rs. ditos de talsgarca, a 1,600 e 2,500 rs. ;
cassa-chila de coros fixas a 300 rs. ; lan-
zinhas para vestidos, calcas o roupa de me-
ninos a 320 rs. o covado ; fazenda de 13a
rnmlistrasde seda, propria para vestido
de senhora a 640 rs. ; lilas para calcas, de
muito bom gosto e de superior qualidade ,
a 2,200 rs. o corte ; corles de cassa, a 1,400
rs. cada um; panninbu com vara de lar-
Cura a 240 rs. a vara, e a 2,500 rs. a pega
com 10 varas e meia ; chales te pura [fia,
a 2,000 rs. caila um ; fuslOes para colletes,
a 500 rs. o corle ; c outras multas fazendas
por barato preqo : na rua do Crespo, Inja
n. 15, le Cunha CuimariTes & Companhia.
Vendem-se resmas de papel de peso
branco, de superior qualidade; ditas de pe-
so azul ; ditas de almajo por preco bara-
to : na pra;a da Independencia n. 4.
Vendem-se 8 casaes de pomhos, bas-
tante grandes, muito hons baledores, bo-
nitos e Je excellente ra^a pnr pre?o com-
modo ; um pnrea deraca buh, muito gor-
da e propria para negocio : na rua da Flo-
rentina n. 16.
-- Vende-so urna carrosa nova, loda pin-
tada a oleo e com fortes rodas de sicupira :
esla obra pela sua constiurcjlo no a melhor
que pido apparecer : na rua da Florenti-
na n 16.
Ainda est por vender a venda do Ater-
ro-da-Uoa-Vista n. 22, com poucos fun-
dos, e com hons commndos para morar
familia : a tratar na mesma venda : beni
cerno um lirado do bataneo grrnde, com 9
arrobascm pesos, proprio para armaxem
dp assucar ou carne do Ccara.
Vendem-se 8 lindes mnlcqurs de 16 a
annos; 3prelosde20a 30 annos, pro-
prlos para todo o servico ; um prelo de 22
anlios perfeilo cosinbeiro, c que nfiotem
vicios; um lindo mulaliiiho do 15 annos,
de Via conducta, oque t.e alianca;2 ne-
gi iulia de 10 a 15 annos com principios de
habilidades ; 2 pardas de 20 annos urna
das quaes he perfeila engommadeira que
cose iem cho cozinha e faz o mais o ar-
iBiijo de urna casa ;2 pretas com algumas
hbil dades; e o u tros mu i tos esciavos:na
ruad ) Vigario, n. 24.
Vende-e um bonito escravo cabra de
25 ardnos proprio para pagem ou para al-
itio (,or ser trab.1lh.1dor de enxada e
erde plantaces; o qual he muito
- e de bonita figura : na rua do Ca-
f 16, segundo andar.
JaUobomalhoje se lia^escober-
i'
^ Vende-se atoallia.io depuro linho,
^ com 6 palmos de largura, a 1,600 rs.
Si a vara ; dito mu|i0 superior, com 8
& palmos. a4,0}; (il0 com 11 pal-
mos, a 5,000 f toalhas da mesma fa- ^
ff zenda, com 7 palmos de comprido e 4
9 6 do largo, a 3,000 ; c guardanapos.
T a 3,000 rs. a dliza |0ja do sobra- 9
C do amarello /Ja rua do Queimado, 2
S 29. 2
&" -*3
OM&MMG
--No arm/em ja rua da Moda, n. 7, con-
linua-;-, a vender superior colla das fabri-
cas do Rio-Grande-do-Sul, por preco ba-
rato.
FARINHA DF. MANDIOCA.
A melhor farinha de mandioca que lem
venda he a bordo do briguc minerva, chega-
do de Santa-Catharina, e funileado na praia
do Collegio, onde se vende a prego mais
commodo ql.e em qualquer oulro barco ; e
tamhem se pode tratar na pra$a do Coin-
mercio, n. 6, primeiro andar.
Cal vir^eni de Lisboa.
.Na rua da Cadeia do Itecife, loja n. 20,
vende-se cal virgeni por pre;o mais com-
modo do queem oulra qualquer parle.
Sementesde hqrlolice.
-Vendem-se sementes de hortalice de to-
daMa cualidades, por prego commodo,
paratfc"'lar omquanlo chove : na rua Direi-
1__'^bnde-se urna duzis de cadeiras, um
sopb Wna cama duas bancas, urna dita
de meinK s*la : lu(, com l'uco uso e em
bom estaw nlis Cinco-Ponas, 11. 66.
iA LIQUOACA.
la do 18 annos que engomma,' ELPi
lava. ^'lnhi(|
-T- Vendem-se no arm.^
1, do Calaia, no caes da Alfand, I
ga, por preco commodo, birria
com farinha de mandioca, mut!i
fina, ( soruhy ) assim como sacca,j
com feijSo novo, muilo grandes.
baratas : trata-se nomesmo ara,.|
zem, ou com NovaesfScC.11
00000 cj- Na rua do Cratpo, ^j*
g loja da esquina que po/to o
0 para a cadeia, vendem-se '
> os acreditados brins trancados bri ^ ,
q eos lisos, de listras e de linho u ^1
? i,buurs. ; picote muito encorpirj
* proprio para escravos a 180 n I
* covado ; panno prelo muito fino 1 (
w 3,200 rs. o covado ; caaaa de quid'ro (
ty para babados, a 2,000 rs. a peca;lu.-J
> vas de algodiio de cor, muilo finas 1 i.
f> 2*0 rs o par ; chitas rouxas com Bofll
ty res encarnadas, de tintas segurii, t*
180 rs. o covado; ctasas preUs, pro 1
0 prias para luto, a 160 rs. o coviV;
q pe;as de plalilha dealgodaocom
^ varas a 4,200 rs.; e outras muiui '
Jjr. fazendas por preco commodo.
Vende-se sal do As- em grandei
quenas porQOes : a,bordo do patacho El
lacio, fundeado no Forte-do-Jtattos.
Espadan
Vendem-so espadas
ferro e prateada : na r
-- Vende-se um
sito na cidade da V
que foi do fallecido'
po e hoje pe ten
I). Josepha Maria da
engenho S.-Jos,
quo
biinhi' 1
n. 37.
de um i,
. na rua di |
s Ignacio do
lilha do ras
}onceic0o :a|._
I UIZ liarbaibo
autorizado a
do, os p*
dongo fd
menos', es
marcas de
nacjilo Co
menos,
fcr&vos Fugtooa
m, nodia 30 do prximo
tos Joaquim, de mean
",de4 annos pouco miiu
.tura regular corn /,ruB
f tosas rio stamago : Jlo, 1
"'annos pouco mis 1
.'SlaturaVefgular, groasodo'c)J
<'111 i! .,',.- ileilus ajfeijados na man direitij
um a cicatriz nafmesma mio, e eumprin
cipio de un: loninho tamhem na mestii
11 o. Roga-se asMuiif i^-.Jt-s polieiaes t
pitiesde i'amiAa qffb.'is apprehendar* 1
levem-os a seu ^Hihor, Hiogo llodriguei|
em I ra-de-l'or^B, venda n. 135.
Fugio, no ^KS /do prximo
do engenho l'ereiras, freguezia de Jaboall
o prelo Filippe, crioulo, de estatura or
naria cheio do corpo, olhos pequenw|
pouca barba falla um tanto roca sen
grossas : quem o pegar leve-o ao dito 1
genho 011 nesta praca ao Sr. J0S0
de Lemos Jnior que recompensar.
~ Fugio, nodia 25 do prximo pissadol
gum
enlend
robuslj
b uga, ]
Vendem-se na rua lo Codorniz,n. II, dif-
ferentes gneros de urna venda, em os quaes
entram urna porcSo de lotiza da trra e urna
poreo do ardiles, a vender em quantiila-
de a vontade do comprador, e a prego o mais
commodo possivel, por ser para concluir.
Vende-se um molequo de naefto de
23 a 24annos, quetrabalha de catraciro, e
he proprio para qualquer servico: vende-
se para fura da provincia ou para engenho:
na rua de Apollo, n. 4.
Vcnde-se superior fio de al-
godao para velas : na rua da Cruz,
n. 2, casa de Geo: Kenworlliy &
Companhia.
Vcnde-se um pardo robus-
to, de il\ annos, perfeitamente en-
tendido no servico de compo esem
vicios : na loja da rua do Crespo,
n. i5, de C'unlia Guian raes &
Companhia.
Vendem-se 3 bonitas eseravas de na-
efo de 15 a 18 annos com boas habilida-
des ; duas ditas mais ordinarias pnr com-
modo proco ; 3 escravos e um moleque: na
rua de Agoas-Verdes, n. 46 se dir quem
vende.
Superior cha hrasileiro.
Vende-se superior clin de S.-I'aulo em
caixinbas de urna e duas libras: na ruada
Cadeia do Itecife, n. 51.
Vcndem-se C lindos moleques de 13 a
20 annos ; 8 prelos de 25 a 30 anuos sen-
do um delles coznbeiro ,outf carreiro e
oulro canoeirn ;,duas'negrinhas de 9 a 12
anuos ; 3 pa^ftis de 20 a 25 annos com al-
gumas habilidades ; 5 pelas di- 20a 25 an-
nos com algumas habilidades : na ruado
Collegio II. 3, se dir quem vende.
Vende-se, por preco commodo, ou
permula-se por catas terreas, ou escravos ,
una tervu parte de um ptimo sobrado de
dous andares esotio, com bom quntale
cacimba, 110 Alerio-da-ltoa-Vista, 11. 24, o
qual rende 700,000 rs. annuaes : no Ater-
ro-da-l!oa-Vista n.17, fabrica de licores,
de Frederico Chaves. <
Vende-se um sobrado de dous atada-
res e sot3o sito na rua de Agoas-Verdes:
no paleo do Carino, n. 9, segundo andar,
das 6 limas da mantiSa as 9 e das 2 da
Urde ef dianta. .
V- -<*. um bonito molnque/de na-
cnMoian,. de 18 anuos, que cozi-
nha muito bem niro-tem vicios njem acha-
ques, o que so ahanqa'&O comprador: na
rua da Concordia, passando 'ponlcziuha ,
direile .segunda casa lcrrea\
Na'ruada Cruz "- "" *" cL
TT"W faz cigarros na ra dos Qifarte, thIS,
vou caigas e camiaa brancas. chapeo pr
representa 18 a 20 annos; tem uns bicos
las fontes ; falla bem desemharacado;
da bastante apressado ; tem cara redonda
heseccodo corpo e haixo ; tem um C *
peito esquerdo :quem o pegar leve-o a dfl
casa que ser gratificado.
-Ausentou-se, no dia 26 do prximo p
sado, urna preta de nacilo Cambinda, jmwi
de 40 annos, de estatura regular, roso
comprido fec,cs grbsseiras dehiluM
da mio dircila : tem um caroco em uou
orelha: consta ter andado a servico de ubi
casanaruadouangcl: quo a pegar l*
ve-a a rua do Collegio. n. 16,1 segundo an-
dar, quesera gratificado.
- Fugio, ha dias. um prelo de ora
Patricio, crioulo, de 30 annos pouco ni
ou menos ; he bstanle prelo, pigro, "
dentado com urna fstula em ur queixo
levou caigas de riscadoja usadas, jaqu"
preta : anda muilo de vagar pff U'.'V!'
do doente; consta andar nos arribiM
desta cidode, com urna mochil pw'"
esmolas como pobre ; tem um pe um a
inchado : quem o pegar leve-o a rui
Cruz n. 33, que ser gratificado.
--Fugio, no dia 31, naUa4 hora MU
de um escravo paido ,1 de nome view
de cor muito clara bello um Uw' 1
chaim ; levou calcas^Oe riscido, ca
branca jaqueta dejfriscado, chapeo porm ellejjf avia ter con
comprar oulro : le
das ; heolliciaU
tenue de carpn'
ser muilo alvo q>.
diz ter mili forra na
da l'arahiba ; he r
andado com o anlif
lodo o serlilo com f
negociava ; foi ven
rio Antonio de
com sigo no vapor,
polieiaes, pessoas
ornsloalgumaif"
.Ifaiate.e tambe...;
naneiras, prov.w
.baquiano, porW
horporS-Anl
emqueo leni"'
o Cear, a l-Mi^
.nda, que o Iro
r(e as autornlaft
f
povo e cap.
lAM i*
campo que o app iiendam e leem-n
rua da Cruz, naKnfe,n. 33. que t!
lili cara com 50,00
Fugio, no di
urna prelada Co.
po ; lem por co,
e quasisempre ai
agora descoufia-se
p.ito da casa de
vaudo ferro no pese
po no \ foi vista 11
lado ; cliama-ae Eva
e i|uusi seinpre da o n
a pegar leve-a ao llor
Fortunato da Silva.
o prximo P"*''.
, grossado to'
11er suS. ful
ruada Cuw.-
sleja guardada i
enlior; P11!0*'.
B trrenle com'
S9 no mesmo '
.mudade non*]
deJosepliaj1)
. 4, a iJ


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4YZHFXEU_TF93YR INGEST_TIME 2013-04-12T23:34:31Z PACKAGE AA00011611_06237
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES