Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06235


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XX.V.
Quarta-feira i
VABTIOAS SOS COKRXIOS.
Golanna e Parahiba, segundas csextas-felras.
pio-Crandc-do-Norte, qulnlas-fciras ao nielo-
Pdia.
(l,o,Si'iinhcm, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no !., a 11 e 21 de cada mes.
Garanhun* e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feiras.
Olinda, todos os dias.
IPHIBIRIDCS.
Piuses i loa. Chela a 4, s 1 h. e 32 m. da in.
Ming. a 11, as 11 h.c 13 m.dam.
Nova a 18, s 3h.cl3m.da t.
Creso, a 25, s 2 h. e 3G in. da t,
PB.KAMAA DX HOJE.
Prhnelra s2 horas etA minutos da tarde.
Segunda s 3 horas e 18 minutos da manh.
de Agosto de 1849.
N. 168.
PRESOS DA SUBSCRIPCAO.
Por tres mezes (adianadw) 4/000
Por seis tnezes 8/000
Por un anno f5/X)0
DAS sa siman a.
30 Seg. S. Rufino. Aud. do J.dos orf. c do tn.da l.v.
31 Tere. S. Ignacio de Loyolla. Aud. da chae, do
J. da 1. T. do civ. e do dos feitosda fazenda.
1 Quart. S. Pedro ai vincula. Aud. do J.da2.v. clr.
2 Quint. N. S. dos Anjos. Aud. do J. dos orf. e do
tn. da 1. v.
3 Seat. S. Lydlo. Aud. do J. da 1. v. do el, c
do dos IVlos da fazenda.
4 Sab. S. Domingos de GusmSo. Aud. da Cbanc.
e do J. da 2. vara do crline.
5 Doro. N. S. das Nevcs. __________________
CAMBIOS lat 31 E JVJLHO.
Sobre Londres. 25 d. por i/TOO rs. a 60 dias.
. Pars, 380.
. Lisboa. 115 por cento. -l-niOT a |(rlllo
Oaro.-Oucas hespanhocs......... 31/000 a JI/TiW
Moldas de ft/iOO velhas.. 1//200 a 7/400
de 6/400 novas .. 16/200 a 16*400
. te 4/000........... 9/200 *
/W-PaUeMileiros...... J/W0 a g0|.
Pesoscolumnarlos....... /99 a sguo
Ditos mexicanos.......... '#W
DIARIO DE PER\ IIIBl(10.
PARTE OFFICIAL-
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 30 DE JtILHO.
(inicio. Ao presidente do f.ear, devol-
vendo, julgado pela junta de justica, o pro-
cesso verbal do soldado do corpo llxo da-
quella provincis, llsnoel Frsncisco do Nss-
ci ment. ._.,
Dito. Ao presidente do Rio-Grande-Jo-
Norte, transmiltindo, julf-ados pela junta de
justica, os processos verbaes dos soldados*
da companhia flxa dalli, Theodoro Ferreira
Soares, Antonio Pedro, Jacintho Fernandes.
Joflo Damasceno da Silveira e Manoel de
rastro e Silva.
Dito. Aocommsndsnte das armas, de-
volverlo, julgados pela junta de justica,
a fin do que tenham o conveniente destino,
os procesaos verbaes dos soldados do pri-
meiro batalhso de eacadores, Francisco do
Espirito-Santo, Felisberlo Jacintho, JoSo de
Serpa. Shplicio Ribeiro, Pedro Mendos,
Francisco Roque, Theodoro Soares, Antonio
Franciscn.da Silva, Sebastio Marquos, Ma-
noel Cuillierme, Caelano Raptista da Fonse-
ca; bem como os do cabo Flix Jos da Sil-
va e anspecada Vicente Antonio da rosta,
pertencentes ao oitavo da mesma arma, e o
Jo soldado da companhia lisa de cavallaria
Francisco Jos de Sooza.
Dito. Ao inspector da thesouraria da
fazenJs, transtniltindo o aviso de urna let-
tra da quanlia de 130,000 rs sacada pela
(nesoursria da fazenda do Rio-T.rande-do-
Norte sobreessa, e a favor de Joaquim Ito-
mSo Seabra de Mello. Participou-se ao
presidente daquella provincia. ^
Dito. Aojuizrelator da juntr de jusli-
cs, remetiendo para ser apresentadt) nm ses-
silo da referida junta o processo verbal do
soldado do corpo de polica, l.uiz de Franca
doNascimento.
[lito. Ao commandante do^corpo de
polica, devolvendo, julgados pea junta de
justica, os processos verbaes lio tenente-
quarll-mestre Flix Miguis e do soldado
Filippe Nery de Barcellos, pertrfncentes ao
corpo de seu commando.
Dito. Ao agente da companhia das bar-
cas de vapor, para que mande dar passagem
para a Babia no vapor Imperador aoalferes
de cavallaria daquella, llerculano Alexan-
drino de Mello.
Dito. Ao mesmo, ordenando baja de
expedir suas ordens afim deque o commao-
daote do vapor Imperador receba a seu bor-
do e transporte para a corte i disposico do
l\m. Sr. ministrada marinba o soldado de
fuzileiros navaes, Andr*>Rodrigues de Men-
donca. Scientilicou-ae o commandante
do brigue-escuna Legalidad.
Dito. Ao inspector da pagadoria-mili-
tar, determinando masado adiantaraos olli-
ciaes do sexto bitalfiflo de cegadores, que,
lendo de marchar para o Rio-de-Janeiro,
pedirem os mezes de agosto e setembro pr-
ximos futuros, para Ibes screm descontados
na forma da le. Conimunicou-se ao com-
mandante das armas.
Dito. Ao inspector da thesouraria da
fazenda, remetiendo a conta da despeza que
pelo arsenal de guerra se fez com a promp-
icacflo de bandoiras e galhardetes para o
telegrapho da fortaleza do llrum, afim de
que mande indemnisar aquella reparticSo a
sus importancia (rs. 89,850) Scienlil-
I cou-se o director do referido arsenal.
Portara. O presidente da provincia,
I usando da aulorisaefio que I lie confete o
I decreto de 11 de Janeiro do corrente auno,
I ha i or bem conceder amnista, em nome d
S. M. o Imperador, a Caelano Francisco do
I Uarros Waudcrley pelo criroe de rebelliSo
I que leve lugar nesla provincia, com a clau-
I suia de residir por seis mezes nesta cidade,
le do nao poder sabir deils setn licenca do
I chele de polica.
F. para sua resalva se Ihe passe a presen-
I te, em virlude da qual nSo puder ser pro-
I cessado pelo dito crinic. Mandou-.se por
I em liberdade o amnistiado.
Commando da praca.
I Cuartel do commando da praca na cidade do
Ret fe, 28 de jutho de 1819.
OIIDF.M DO DA. N. *.
Fajo publico, para conbecimento da guarni-
I cao, a sentrnja proferida pela junta de justica
I no procesas do coocclho de guerra, que res-
I pondeu o Sr. coroorl graduaitnsda prinicira
I classe do eslado-maior do exercilovCvpriano
I Jos de Alaielda, o qual processo foi nunlein
I rrmrltidu palo Kxm. Sr. presidente da provin-
I ca, para ter seu devido cumprimenlo a dita
I aenlenja que he do leor seguate :
Reforman) a jelenca do concelho de guer-
I ra, atienta a prava existente nesle processo ,
poro,ue-g bascando-se toda a aecusacao do
reo nos tres srguiulcs artigo* de que se exige
a responsabidade :
.* Qual a rasao por que, tendo a forja do
Isru commando, conforme o ultimo niappa,
W-ti pracas, srj existan) no dia daacco 60?
i.' Porque nao se retirou inutilisando o
-V"mainenU> ecartuxarae que nao podesse con-
I uilr aabendo que era atacado por forja inui-
11 superior, stm que tlvesse ordein para se
Luisientar no ponto que guarneca ?
fs 3.* Porque au cumprio a ordein que le-
B' de remetter para a capital o ca luame que
fall era desnecessario ?
[ He evidente, quinto ao primeiro, que a
I conducta do reo se acba sobejameiite juilica-
\} pelos niappa* e tuais documentos de f. a f.
|C\--'Pe'as desercoes c tnais oceurreucias delles
lUPjnles, demnstrale latUfactoriaiuente a
V"* Por que, constando a forja do seu coin-
Biiandu de i26 pracas conforme o ultimo map*
rai lmente eilstlain 60 no dia da aejo, sein
Be'davlaiuereca o sobredito reo alguma liu-
Mostra-se igualmente, quantoao segundo,
que, tendo recebido ordem do governo em of-
flciode 25 de jmeiro, a f. 130, para segurare
sustentar aquelle ponto com toda a cautela
e vigilancia, para nao ser sorprehendido, at-
podr ser soccorrdo ou pelas forjas legaes dos
pontos vlzinhos, ou pela columna de primeira
linha, organisada na capital, commandada
pelo coronel Bezerra, e nao tendo recebido at-
ento alguma outra ordem em contrario, he
visto que nao poda, nemdevia retirar-se, inu-
tilisando o armamento e carluxaine que nao
podesse conduzir, c abandonando o seu posto;
antes ao contrario, ainda nao sendo, como
nao foi, soccorrido nem pela sobredita colum-
na de primeira linha, nem mesmo pelas forcas
legaes dos pontos mais viiinhos, como inoslra
o documento de f. 113, era do seu rigoroso de-
ver sustentar-see maulero seu posto, oppon-
do nelle toda a resistencia possivel, o que sem
duvida alguma executara, como convencem as
lesteinunhas de sua defeso, de f. af., e inos-
tram os amos, dos quaes consta que, sendo
atacado pelas forjas rebeldes em numero
nalor de (un, no diali de fevereiro ultimo,
pelas 4 hars da tarde no convento do Carino
de Goianna, aonde se havia fortlcado, tendo
tomado todas as providencias para sua defesa,
com as necessarias provlses para8 dias, lucra
logo romper o fogo contra os sobredilos rebel-
des que o cercaram por lodos os lados, e j-
mente cessra das seis e meia para as sele ho-
ras da noitc, em que elles frain desappare-
cendo. Mostrando-se inais que, se depois
disto elles conseguiram, tendo reapparecido,
penetrar no pavimento terreo do edificio, ar-
rombando o portao que havia no muro por
parte dos fundos, nao podra elle reo obstar-
Ihcs porque,sendo esta obra exterior ao mes-
mo edeficio, nSo permltliam a construejo e
localidades dclle que podesse descobrir-se, e
dominar-se o referido portao, com excepcao
smente do local das latrinas, cujo traveja-
inento e assoalho se achavaiu arrombados, e
inteiramente arruinados, como declara o alfe-
res Manoel Elov alendes em seu depoimento
a f. 150; mas que, asslin mesmo, elle reo s-
mente deixra de guarnecer por nao poder
l'a/-lo sem desguarnecer outros pontos mais
importantes e necessarios defesa queja ha-
viam sido atacados, e bem poderlam ser,loma-
dos sem dependencia do portao, a cujo arrom-
harnelo nao era provavcl poder obstar, e alm
disso pelo receio. bem fundado, de perder a
pequea forja que all collocasse, a qual era
toda guarda nacional sem disciplina, e que
nenhuma conanja podia merecer-lhe, haven-
do grande probabilidadeque por alli desertas-
se, como por vezes tiuha acontecido, prefe-
rindo por isso conservar a forja sobre csses
poulos j;i ditos, para nao perd-los, enfraque-
cendo-os mais, visto estar cercado por todos os
lados.
Nesles terraos,pois,acliando-se provados
todos estes factos polos depoimenlos con-
testes das lestemunhas de dele.-a do mesmo
reo, e sendo entre si descordes as dos ennee-
Ihos do investigarlo ede guerra sobre cir-
cunstancias essenciaes dos factos que refo-
reni, resenlindo-so alm disto de alTecta-
cSo e animosidade, he sem duvida que de-
vem prevalecer aquellas, alias dignas de to-
do o crdito por seu carcter, graduacfto,
inteligencia e veroslinilliani;a de SeUS ditos,
dos quaes consta quo orco npnnzera toda a
resistencia possivel, fazendo fugo, e man-
iendo nelle ordem, nito so no obrodiTo dia
11 s horas dilas, como na madrugada do
seguinte dia al as 8 lloras, cm quo os re-
beldes, desengaados den3o podrem obler
vantagein, fizeram por meio da cxplosilo de
un barril de plvora saltar o assoalho do
edificio, com cujas luinasfra ferido o so-
bredito ico com os olliciaes e soldados que
alli seacliavam, fugindo cspavoriilo para o
coro da igreja o resto da guarnicSO, aban-
donando as armas, por cujo motivo se tur-
nara iiilii eludanle impussivel loda a re-
sistencia.
A ludosto acresceq'-c, tendo tomado
durante a noite todas as providencia para
que ficasse niililisndo pura os rebeldes, em
caso de sinislro.lodo o armamento desobre-
salento, tiando-llie os fechos, e nao deven -
do faz'er inutilizar o.cartuxsme senHo
quando se apresentasse o ultimo caso de
nocessidade para n3o pcrd-lo sem ella
mesmo para quo no po lesse faltar-liie para
repellir o ataque em rajo lie resistencia cuja
din ai;o nao podis calcular, fura infelizmen-
te prevenido e impedido de poder executar
esta providencia por aquello, suliilo e fatal
accidente de nina maneira iiresistivel que
nao po icra superar.
ii Mostra-se ulliuiamente, quanto ao ter-
ceiro.quo, lendo sido inteiceplado pelos re-
beldes o ollicio II 12, em que se Ihe orde-
nara a remessa dos 10,000 carluxis para es-
ta capital, como depem as lestemunhas da
mesma defesa, com referencia ao general
dos rebeldes, quo assim o declara omPo-
Amarello, uo poda o reo ter noticia, e
ainda menos ter executado urna ordem que
elle nao recel'i'.i.
Oulro tanto deve conclilir-se relativa-
mente aos ollicios l. 15, fl. 16 e fl. 17, a vis-
ta das cneiiinsiaiirias e niovinienlos dos re-
beldes naquella poca; pois que, lendo o
T0 representado, na sua correspondencia
ollfci''1 de fl. a fl., o etado criliepem que
su achava pela deficiencia, desorganisaeo e
continuada desergflo de suas forjas, nao fu-
ra issO sullicicule para que podesse preslar-
se-lli^ ossoccorros prometlidos pelo ollicio
de 25vde Janeiro as ditas fulhas 130; nao po-
dendoV,baver outra ras fui que assim o deter-
minas^ sean a dos movimentos dos re-
beldes /sobre esta capital, e a sua retirada
sucessifl*n,enle sobre o ponto guarnecido
pelo rfi onden3o s he verosmil, como
conseqijente, que os sobredilos ollicios fd-
ram jgiaalmente interceptados, e no rece-
idos p#lo reo.
, portttnto, achando-se provaiio nos ter-
mos dito 1U0 n!lu depender do reo que a
sua guarm&j0 tivosse muior numero do que
as 60 pracaspuoexistiam naquelie dia ; que
tivera orde/&* para sustentar o seu potlo,
m nnn r^celiesso outra contraria; que
nelle oppozra toda a resistencia possivel
at a ultima extremidade, e iiltmamente
que nSo recebra a ordem relativa remes-
sa dos 10,000 cartuxos para esta capital; c
nBo tolerando a justica nem a boa rasSo,
que alguem seja responsabilisado por fac-
tos ou umissos que nem presumptivamen-
te pi'nlem imputar-se-lhe, absolvem ao so-
bre lito reo, jnlgando justificada a sua con-
ducta militar, e sem alguma nota.
a Recife em sesa.lo da junta de justica de
27 de jullio de 1849. Carntirt Le/lo. Ra-
mos. Villare. Ledo. Frtilai. Leme-
nha Iam. ~ Btserra.
Cumpra-see registre-so. Quartol do com-
mando da praca na cidade do Recife, 27 de
I n 1 ti o de 1819. Jote Victnle de Amor i m Be-
zerra, coronel graduado e commandante.
Assignado, Jost Vicente de Amorim Rezer-
ra, coronel graduado e commandante.
PEnNAMBUCl.
CAMAHANMNICIPAL DO RECIFE.
SasSAu EXTiuonniNliu EU 16 DE ni lio DE
1849.
Presidencia do Sr. Oliveira.
Presentes osSrs. Carneiro Monteiro, Fran-
ca, Karata, Or. Moraes, faltando sem causa
participada os mais Sr*., abrio-se a sessao,
e foi lida e approvada a acta da antece-
dente.
0 secretario fez menc.to do seguinte ex-
pediente :
Um ollicio do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, tr a ns ni i 111 ii lo copia do aviso da se-
cretaria de estado dos negocios do imperio
de 24 de maio ultimo, sol vendo du vi das oc-
corridas na execuQAo da le regulamentar
das eleicOes.Que seaecusassea recepto,
e se remeltessem copias aosjuizes de paz
mais votados dos prjmeiros dislrictos das
freguezias do municipio.
nutro do mesmo, ordenando que esta c-
mara, averiguando que n foi o juiz de paz
que ley a coiivocae,i I -s ele i lores e sup-
lientes para a qual' iCacHo da freguezia de
Muribeca, trate de .uramentar os supplen-
tcs da lista de que foi elle tirado, afim de
proaeguir-se nos trabillios da mesma junta,
visto ter o juiz do paz do primeiro districto
daquella fregueiia, Agostinho Bezerra da
Silva Cavalcante, participado que se acha
impedido, assim como aquelles a quem pas-
sou jui isdiceo : tambem ordenou S. Exc.
que se juraraentassem os juizes de paz do
quatrienio corrente. (Jue se informasse
convenientemente ao Exm. Sr. presidente,
Outro do cliefe de polica da provincia,
parlicipando ter remetldo ao procurador
ilest.i cmara a quanlia do 221,000 rs. de
multas impostas aos eslrangeirosconstan-
tes das rclac/ies quo ieinellni, na forma do
regulamenton. 120 de 31 de Janeiro de 1842.
Que se aecuzasse a lecepcflo e se remel-
tessem copias Jas relaQcsao contador, pa-
ra debilar o procurador.
Outro doudvngado da casa, respondendo
ao que Ihe dirigi a cmara sobre a duvida
proposta pelo fiscal da freguezia do Santo-
Antonio relativamente inlelligencia do
6 do titulo 12 das posturas de 1818 Que se
respnndesse ao dito fiscal que u.loconsinta
abrir porlas no' pavimento terreo do sobra-
do do Jus Joaquim de Mosquita, sem que
fiquem em sumelria com as do primeiro
andar.
Outro do fiscal de S.-Jos, participando
que acha pouco segura a obra que eslo fa-
zendo as casuhas da ribeira os seus inqui-
Iiils, e pedindo, outro sim, csclarecimen-
los sobro duver-se ou nao conservar as
arcadas da dita ribeira as tarimbasdosacou-
gues, em vista do artigo 2." titulo 9 das pos-
turas em vigor.--Quanto primeira parte,
que seja ouvido o curdeador, e quanto a se-
gunda, que as tanmbas pdem conservar-
se de dia as arcadas da ribeira, com tanto
quo noile se recolfiam dentro dos acou-
gues.
Outro do juiz de paz do primeiro districto
da Muribeca, comniuuicando que, nao po-
dondo continuar noexerccio de suas func-
coes por incomniodo, ollicra ao segundo
supplente, Joaquim Machado Portella,nico
que se acha juramentado.'vQuo se convidas-
se o inmediato em votos para juramen-
ta r-se.
(inlio do cidado Joo Mannel Carneiro
de Lacerda, juiz de paz supplente do pri-
meiro districto da lefeiida freguezia, parti-
cipando achar-se doente e nao poder presi-
dir a junta de qualillcaca, para u quelhe
linha passado a vara o juiz mais votado do
mesmo districto. luteirada.
1 i'iiain apreseutados cmara uns m-
pressos sobre as coudicoes do armisticio da
Prussia com a Dinamarca, remedidos pelo
respectivo consulado brasilero, e manda-
ram-sc archivar.
O Sr. vercador Franca fez o seguinte re-
querimenloquo foi approvado :
Requeiro que esta cmara ordene ao
contador de a presentar com a possivel bre-
vidade um balanco demonstrativo da divi-
da acliva e passiva da municipaldade em
30 do setembro de 1848.
< Pago da cmara municipal do Recife,
em 16 de julho de 1849. O vereador,
tranca.
Foi a presentado pela commissSo especial
o parecer sobre as cuntas do procurador,
flcou adiado para ser discutido na primeira
soasdU.
Despacharam-se as peticOes de Antonio
Francisco Correia Lima, de Benedicto de
Barros, de ChnslovSo Xavier Lopes, de
Fiaucisco Jus Rodrigues Ferreira, de
Francisco Jos de Mello, de Jos Couc,ulves
.1 Jl -!-! am >%.
Chaves, de Jos Antonio Correia Jni-
or, de Innocenco Antunes do Farias, de
D. Joaquina MagalhSesCoimbra, deJezuino
Ferreira da Silva, de Miguel Jos de Al inci-
da Per na m hoco, de Maria llermogenes da
Conceico Sampao. de Manuel Dias Fernan-
des, de Manoel Jos Fernandos de Barros,
e levantou-se a sessSo. Eu, JoSo Jote Ferrei-
ra de Aguiar, secretario, a subscrevi. Oli-
veira, presidente. Barros. Carneiro Mon-
teiro. Fran-ca. Moraes.
RKCEITA F. DESPF.ZA DA CMARA MUNI-
CIPAL DO RECIFE NO ME/ DE JULHO
DE 1849.
siXEiri.
Alugueis das lojas da
praja da Indepen-
da.......
Imposto de ?000 ris
sobre mscales c bo-
ceteiras.....
Cordeajes c licenjas.
Multas pelo regul.i-
mento n. 120 de 31
de Janeiro de 1842 .
ilullai ivir in[rae(o
pelo subdelegado
le S.-Antonio .
Dita pelo fiscal do Itc-
cife......
Dila do dito de S.-An-
tonlo......
Diti do dito deS.-Jos.
Dita do dito da H.-Visla
Dita do dito do Pojo .
Dita do dito dos Alo-
gados......
N. 103 a 1*5 687100
.i 131 a 133 6/000
79 a 88 46/200
a 11 a 12 221/000
de jiniOirii, a tabir :
N. 10
Il3al4l
.i 175 a >30
27 a 40
. 33 a 40
a 4 a 5
10/000
3xl/B00
79000
f>6#000
1530000
2 a 6 36/000
Rs. 1:614/900
Ordenados c commis-
s.io do mezde juubo
prximo passado. N."
I.imprza das ras.
Eventuaes.....
49 a
27 a
II 016/138
62 ixjrm
33 29/880
":202#838
412/062
llalanjo a favor da recelta
Rl. "l-.614/900
Contadorla munlelp.il do Recife, 31 de ju-
lho de 1849.O contador, Manoel Gregorio da
Silva.
IIVIRIO DE PNIHINCIL
BlCiri, 31 DIJDLRO DX 18*9.
Vamos referir mais algumas particulari-
dades acerca da sublevaco que no dia 13
de junho teve lugar cm Pars.
,Em consequenca da ter sido dispersada
pela tropa de linha na praca da Magdalena
a columna popular quo se encaminhava pa-
ra a casa da assembla, as gazetas socialis-
tas publicaram a soguinle pro^lamacilo :
Ao povo
* O presidentn da repblica o seus minis-
tros silo declarados lora da constituic.lt).
A parte da assembla que, por seu vo-
to, torno'i-se cmplice dos mssmos, poz-se
si propra fta da constituicu.
I cvante-so a guarda nacional!
a FechemsessoITlcinas!
NOSSOS inifins do exercilo leinlirem-se
que silo cidadilos, c que o primeiro de seus
Jeveres he defender a constituicHo .'
a l.evante-se o povo todo em massa !
a Viva a repblica !
Viva a i'onslituicfio.
Assignatlos A commissilo da impren-
sa. A commissiio democrtica social.
A commissfo das escolas,
Os deputados montanliezes depois de
convocarem tambem o povo a pegar em ar-
mas para a defensa da constituicHo, a qual,
segundo afflrmavam, linha sido violada, as-
sim como da republica que se achava amea-
cada, reuniram-se no conservatorio das ar-
tes o ollicios, o proclamaram a convenco
nacional; mas, como vssem que pouca gen-
te acuda ao seu chamado, e que aguarda
nacional e o exercito se apresentavam de-
nodados para manter a ordem, temendo ca-
hir as mtlos das autoridades., separa-
ra ni se a toda a pressa.
Quando a polica entrn naquelie edifi-
cio, dizem que se encontraram varios es-
criptos preparados pelos caberas da insur-
ren,'fio, dos quaes consta que a repblica do
mocratica c social deveria ser proclamada ;
quo l.uiz Napoleo, seus ministros, todus
us cmplices da volacHo da consliluQ3o, e
todos os olliciaes da guarda nacional que no
fossem receber as ordens da convenci pa-
ra a defensflo da constituicHo seriam decla-
rados fura da lei ; quo todos os individuos
notoriamente conhecidos como niinigos da
revoluc,3o democrutica e social seriayn pros-
criptos, o seus bens confiscados ; que as por-
tas das prisoes si Main a bertas ; que o princi-
pio de eleico seria applicado a lodos os olli-
ciaes, assim do exercilo como da armada;
que aguerra seria declarada Austria e a
Itussia ; que o banco de Franca seria suppri-
oiidu, e um banco hypothecario creado om
seu lugar.
Um governo provisorio deveria tambem
ser eslabelecido, o qual^conforme urna lis-
ta que fOra encontrada, deveria compr-se
da maneira seguinte:
. Ledru-Rollin,, ditaedor com direito de
vida e de morts; Boichot, ministro da
guerra ; Flix Pjrat, ministro do interior;
Devilh, miiistxo da justica ; Nadaud, mi-
nistro das ob/as publicas; Pilhes, minis-
tro da manuTia ; Buvignicr, ministro dos
negocios esCranguiros; Pierre-Leroux, mi-
nistro da iiislrucao publica; Detours, uiiais-
tro da agricultura e commercio; eb ablu-
de Monlluis, ministro dos negocios ecclesi-
asticos. ...
Apenas a noticia desta insurreicao clie-
gouaoconheciment da assembla, ella se
declarou om soasSo permanente e dirigi
ao povo a seguinte proelamaefio:
CidadOos, guardas naconaes e sol-
dados.
A repblica e a sociedade acliam-se
ameacadas.
A soberana do povo he odiosamense
desconhecid* por urna minora facciosa, a
qual appella para a fdrea, e por urna guerra
iinpia comproniette de novo a paz publica,
e com ella a prosperidade do paiz que ia re-
nascendo.
A assembla legislativa, expressao da
vonl,ule nacional, ha decumprir com ener-
ga todos os deveres que Ihe silo imposto.
nests circumstancas supremas ; a ella he
quo pertence fallar em nome do povo, o
qual lmente a ella conferooseu mandato
soberano.
Guarda da republica e daconstluicao,
ue sflo as garantas inviolaveis da socie-
dade e da ordom em perigo, a resontacao
nacional defender at a morte contra urna
insiirreicoo criminosa a constituicflo e a
republica, indignamente atacadas.
a Cidad3os, reun-vos em redor de vos-
sos representantes, ios representantes do
povo francez; he de vossa unilo com elles,
com o presidente da repblica, com nono
bravo e fiel exercito, he do vossa concordia
unnime que depende a salva;To commuro.
CidadiTos, guarJas naconaes e solda-
dos, em o nome da patria, errl o nome da
honra, da justica e das leis, a asaemblea
legislativa vos convida solemnemente a de-
fenderdesa repblica, a constituirlo e.a so-
ciedado.
Viva a repblica.
Pars, 13 de junho de 1849,
(Assignados.) O presidente e os secreta-
rios da assembla.
O presidente da republica tambem publi*
cou a seguinte proclamacao :
r O presidente da republica ao povo fran-
cez. Alguns facciosos ousam ainda des-
enrolar o estandarlo da revolta contra um
governo legitimo, por isso que he o resul-
tado do suitragjo universal. Riles aecusam-
ino de ter violado a constituicflo, eu que, ha
seis mezes, supportei, sem me abalar, suas
injurias, suas calumnias e suas provoca-
rles. A propra maioria da assembla he o
alvo de seus ullrages. .
A aecusacao, de que sou o objecto, nflo *
he M'nfio um pretexto, e a prava he que
aquelles que me atacam, j me peiseguiam
com o mesmo odio e a mesma injustica,
quando a populacho de Pars me nomeou
seu representante, e a da Franca presidente
da repblica. Este systema de agtac3o en-
treten) no paiz a nquietacSo e a desconflan-
ea, as quaes geram a miseria. Convm que
elle cesse, e ja he lempo de que os bons vi-
va m tranquillos e os mos tremam.
A repblica nao tem mililitros mais iiu-
placnveis do quo estes homens que perpe-
tuam a desordem, o obrigain-nos a couver-
ter a Franca em um acampamento, e nossas
ideias de melhoramcutos e progressos em
preparativos de lula e defensa.
Eleto pela nacilo, a causa quedefendo,
lie a vossa propra, be a de vossss familias,
de vossas propiedades, a do pobre assim
como a do rico, he, finalmente, a causa da
civilisao.io toda inleira. Para a fazer iriiiin-
phar, nfio recuarei diante de nenbum sa-
crificio.
< Pars, 13 de junho de 1849.
L. S. Bonaparte.
O general Cbangarnicr foi noineado com-
uiaudante em chele da guarda nacional do Se-
na, c das tropas da primeira "divisao militar.
Corra que seria elevado ao posto de marcchal
de Franja em lugar do fallecido general Su-
geaud, em recompensa dos relevantes servi-
ros que prestara ao paiz, acabando prompta-
meiite, equasi sem derramamento de saogue
com a iasuireicjfio do da i3.
A cidade de Lyao tambem foi declarada em
estado de sitio.
O governo francez mandou por em liberda-
de os chefes carlistas hespanhes Cabrera e
Ameller que se acbavam detidos no forte I.a-
malgue, e estes 9rs. declararain que era sua
inlencan irem residir na Inglaterra.
O IVmp publica o seguinte artigo :
Asscguram-no* que o governo corneja a
oceupar-se seriamente com os negocios eslran-
geiros, e que tua solicilude se dirige simult-
neamente para a Italia e Hungra, i.iuanto ao*
Italianos, se somos bem informados, o gover-
no ordenou ao nosso encarregado de negocios
em I ni un que nao accedesse ao tratado cele-
brad" entre a Austria eo Pienionie, por iaso
que quer terminar ao mesmo lempo os nego-
cios da I.oniliai dia e de Roma.
a Por outro lado afllrmam que o governo
decidio-se a tomar urna posic.To enrgica
em frente da Russia, por causa da invaso
desta potencia na Hungra.
O cholera continuava a fazer estragos na
Franca: smente no dia 8 de junho morro -
ram nos hospities de Pars 623 pessoas ata-
cadas deste mal.
O ex-rei da Sardenha Carlos Alberto fal-
leceu ltimamente em Portugal.
Em Roma nada de extraordinario bavia
occorrido. Os Francezes iam apartando o
cerco da cidade, mas as folnas de Turim an-
nunciam urna noticia que nBo pode deixar
da apressar a soluc3o da queslilo; esta no-
ticia heachegada em Albano da vanguarda
das tropas napolitanas, suissas e liespanh- "
las, as quaes ameacam seriamente ai portas
Pa eSan-JoSo-de-Lalrao.
Segundo a G ate ta de Mantua, o papa con-
fer o os poderes de alttr ego ao cardeal Ber-
nelli para o fim de reconstituir o seu gover-
no nos estados romanos; entretanto o Sla-
tulo do l-'lorouca asaegura que, sobro pro-


.-' mt
BMBBI
rasa*
.


r

11
posta da Tranca, o gabinete de Vienna adop-
tou o principio dtjecularisacfio completa
o goveroo pontificio.
As tropas prussianas commondadas pelo
principo ila l'rusia cntraram no da 15 Jo
junho em Kaiscrslanlcm, a sedo do govemo
iu-iiirecionnl do palatinado bavaro, fugin-
ilo 09 individuos quo o conipitr.ham para o
ducado e Badn.
r. ^r>ai^
' <;oniiminica A INCOMPETENCIA DO JRT DO RECIPE.
J linl a' iis escripto o artigo que demos
luz sobre a convocarlo do jury dostB ci-
dade, quando nos vwo s nios o Diarlo-
Novo n. 45, e all vimos un estirado artigo
sobro a incompetencia do jury, em o qual,
np meio d8 costumadas iicciisaccs c de-
clamaos a respeilo das violencias c |cise-
gUCfiea da oca, si' concille que o jury
acata cidade lie incompetente para julgar os
rompro'meltidos na rebellifio de noveinbro
do auno prximo pnssado.
He este por seni duvida um ponto qiie
cumpre muito e muilo averiguar, porqtinn-
to um.julgamenlo por um tribunal incom-
petente be sernpro um mu, qur para
aquellos que teem de comparecer a sua bar-
ia, qur rara o .poder social que, SO (001
interesa* na ponieflo dos criminosos, na-
da lucra com a pfctericffo das formulas
legses, ruda l:'c u rom dcci.-Oes dadas por
um podor incoo>petente, as quaes por isso
trazim comsigo o cunho da nullidade.
Funda-se a opposi{flo no artigo 93 do ca-
pitulo 11 da le de :t de dezembro de 1841
que assim dis| Oe >se emtun tirmo,ou emvma
C'tnaiia, t,u em umu provincia, tirer appare-
eido ttilftiot nrcbeliio,o delinquen tetera ;/-
jado, u mi termo, op na comarca, ou va jro-
rintia maii vizinha para alBrmarque, ren-
do havido rebelliao em toda a provincia, o
e conseguid tmenle na comarca' e no ler-
niodo i!. I nfio lio o jury desla cidade
competente para conliecor de tal crime, o
julgor oscompromeltidos. Vejamos, pois,
se 0| posfedo assisle a mnima sombra do
lasan.
Fcil lie mostrar que no termo do Recife,
que na comarca ihesma do Rec-ifcnfie hou-
vereb II rioj c para isla nfio se r.iz misler
mais 11 oiie chamar o dstemunlio do todo.--,
quw nflej pdem deixcr de confessnr que
aqu ealiveram sftipre no mais pleno oser-
cicio de mas funrigOes todas as autorida-
des, que aqu nunca a rebellifio esleve em
i cto, nunca dominou, nunca paralisou 1
arcilo dos agentes do governo : u por este
lado j lica desmoronado todo artefacto
ilO Diario-Novo, lodo CSSO ."iliontoado to
fofas declama! oes e estudados sopliismasj
t ara provsr a incompetencia do jury do
I 1 t fe.
Mas queremos entrar na analyse do arti-
go 93 da le de 3 dezembro do 1841, e pa-
r re-nos que elle, beni entendido, uo
so presta a doutrina que, o cuntempora-
1 1 n 1 n tende sustentar, para concluir in-
comj rtencia do jury.
Esto artigo, queseacha debaixo da ru-
brioadi'ipotrci traes, no nos parece
' seja applicavel positivamente ao crime
1 e sediffio, ou rebelliSo, antes eremos que
cnntm ua providencia relativa a todo o
qualquercrime,cujo tutor nSo o rserjul-
i-'. do no tormo, 1001 arca ou provincia, onde
i:\ 1 apparecido a sedic,So, bu rebellifio.
g parecimento de ma seuicjlo, ou rebel-
* '..'iii presenca daqual as autoridsdea le-
gitimas lio | lem l'uiiccinnar, nOO devia
parausare) admiuislracfio da Justina, por
ni o poder ella ter lugar no termo, na co-
: Rica, 011 na provincia, em quo so dora
^ liefio ou rebellifio, e eis porque o legtsla-
i 1 MiM 1 don,em taes casos,que o delinquen-
I rossejtilgsdo nu termo, comarca, ou pro-
vincia mais vizinha.
I", tanto be Sis a inlelligcncis-qne se devo
dar lei, que illa empiegn o t>:rniode/i'n-
cuente, quando lie sabido queoscrimes
1 esedicfio o rebellifio sao por sua naturc/o
do nun em daquelles quo f pdem ser
perpetrados conectivamente, como he fcil
i.e ve.r-.si1 a vista (los lirligOS ItO e III do
cdigo criminal, c nos quaesfonscguii>lc-
: 1 nao |do baver um so delinqu uto
0 <;i e be lano Verdad*, que o mesnio cdi-
go criminal nos arligoscitados impOe pe-
1 asnos cabecut.
Assim quo O ai ligo 93 da lei do 3 do do-
zembro nflo querdizer que leudo havido
roliellilto em um termo, ou comarca* bu
provincia, os *\w forero, compro mettidos na
Miii^o, ou rcbellifio.aejam neeessaramen-
te julgados 1.0termo, con.aicj, uuprovin-
cia mais viziuht; mus sitl que o delinquen-
te, que bouver db ser julgad nesso turnio,
comarca, ou provincia, em que liver appa-
recido a Bedicno ou rebellifio, seja-o no tor-
mo, comafca, ou provincia niais viziulia.'
lie esta a intelligencia que d lei o 10-
gultmcnlo do 8t do Janeiro do 1841 nosar-
ligos l:; i. -'., que sao os seguintes :
Art. 913. Quando em um termo livor
apparecido, e eativer em acto sediefio ou re-
bi Iliao, alera o fro compeleiilo para o co-
nbecimeto de ^" a~Mu>owr deUctotcom-
millitos ah ^5 o do subib legado 011
delegado mau prximo do termo, mais vi-
yiiilin, ou o julz municipal e o jury do mes-
inolirmo, segn o for a naturia do de-
belo, e o tribunal ao qual dova peilciicor o
sou coiibicimeiito.
. Ait. Ui. Quando o nn.'siiio acontecer
em urna comarca, ou em nina provincia, so-
la pela uiesiiia nianeia o loro competente o
lo sul i'o leroio luia vizinbo, ou ojuiz munlMpal
eojuiy i!o mesnio luino doqualqucr das
cooiaicas, ou proviociascoitliuantc. u
Porquaulo se u palavia delinquen! ,
,:aila 110 arl. 93 da lei di: 3 do d ./em -
bio, fusse relativa aos caberas da sediofio,ou
lebillio, e lio a qualquer criminoso (ue
liouvcr do ser julgauo, e o nao posss sur
1 o-i'.-iar o tormo, comarca, ou provincia
em seiiigo, ou rebelliao, nao empreara o
icgulamenlo 110 art. 243 as expios.s de
quaesguer delio ahi cummeiiidui ; mas
dira jvara cunlievimeulu do crimt de tedi-
luo, ou rtbelliaO.
E o que resulla dessa gcnuiua Hlerpre-
tac/io do art. 93 da le de 3 de dezembro i1
Resulta que. logo que a Kdiefle ou rebel-
lifio tem detapwirecido, ce-sa a disposieo
ilomeanio artig, que coulm apenas urna
providencia de cireumstancas, ledente a
evitar que a acc/iu da juslioo lique paraly-
sfdaeomoapparecinteiilo 1.0 una seiii<,a'o,
ou rebelliao. li be isto tanto veruade,aue
o regulanieuto que lornou a le Clarissiuia
emprega no art. 243 asseguintes expres-
sfles Uver apparecido, e etliver emaclo de
tedilo, ou rebelliaO ; as quacs evidente-
mente mestram que, para quo tenha exo-
cuc'io a disposigo da lei, no basta quo ho-
ja apparecido sedicflo. ou rebellifio ; mas he
piister a u.!a i|ui' urna, ou outra esteja em
aclo; sendo que, logo que deixam de estar
emaclo, embora lonluim apparecido, no
tem mais applicaQo a disposi^o excepcio-
nal da lei, e eessa conseguinlcmonte a com-
petencia do foro do termo, comarca, ou pro-
vincia mais vizinha, i revaleccnJo conse-
guinlcmente as regras geraes, respoito do
f.o.
Assim quo, anda quando livesse havido
rebellifio 110 termo do liecife, uo teria ho-
jo applicflffio a disposico do art. 93 da lei
de 3 de dezembro de 1841, pois ninguem
dir que a rebellifio anda est em aclo, e
quando o jury desta cidado fossn incompe-
tente para julgar os comprometidos na re-
belliao do novembro, seria lambem incom-
petenle para lomar conheciinento dequaes-
qtter delicio aqu commeltidos, o nio pode-
riam conseguintcmenle funecionaros ines-
mossubdelegados, d ligados ojuizes mu-
nlcipses.
Eis-aqui, pois, como sito os castellos er-
guidos pela opposicfio, e entretanto nfio
cessam os seus orgos de gritar : Persegui-
fio, perseguifo Mellior fraquoosse-
nliores da opposicfio so mostrassem arre-
pendidos c coulrictos, e implorassem a de-
mencia imperial, que sem duvida lio mirilo
grande.
~^i 1 -------r 1 ti
Ci)rrespoiidciCa.
BitEVE RESPOSTA.
Com i ffeito ir revolver as cinzas frias de
l.uiz do llego, para traz-las o juizodepois
do Untos anno8,hesomma ingratidfio, elc.u
Taes BS palavras enm que a Vnio em um
communicado em resposta ao Diario-Novo
se exprime. Ir, porin, revolver as cin-
zasfrins do urna muihe.r honesta e de al-
ta posic.no lio mais que ingratidfio, be urna
requintada maldado.'!
a Unido i). 137 vem um communicndjBi
em resposta ao IWorio-rVow sobre um para^
lello foilo entre l.uiz do Mego e o ex-presi-
denteo Exm. Sr. Tosa,em o qual osen au-
tor, cslr.iiihandno proeediniento do fiario-
A'oiupor ir icvlver as onzas Trias de l.uiz
do Reg, cabio sem so aperoeber na estpi-
da contradicho de azer omesmo(eoque
mais admita] revolvendo as cinzas l'ii s de
urna si-niiora r s, iiti vil qual a lllma. Sra.
I. Uarja Ignacia do Caslro, viuvado mare-
cbal Coi.eiln Marinho do Castro, esebem
[quo nfio podesso marear a memoria dessa il-
I lustro mi liona, comtudu o autor do eoin-
muuicaoo conseguio lerlr o cora(fio de pes-
soas que pelos vnculos do sangue fram
unidas a essn#i nimia, o a nfio ser urna ig-
norancia totil do autor docommunicido,
que alias so OStetlta IfiO sabedor da historia
de l'ernamburo, enlfio frca lie confesssi
que leve em vistas offenderalguem que nao
devia estranbar pertencer a essa familia
II que lambem sobremodo admira lio o c-
lebre paralello eslabelecido entre a lllma.
Sra. I. Mara Igpacla de Castro no lempo
de l.uiz do liego, e os olliciaes de marmita
no lempo da Bdminislraafio do Exm. sr.
1 1 ; porque,nfio gozando aquoJIa senbora
de posiffio ollicial, nfio conhecemoa o pon-
to de semeJhanca entre ella o a mariiiha
quo da lugar ao risivel paralello.
o autor dt'810 co nmunicadoj quo tfio co-
bardcmnnte insirliou a familia (taquilla se-
nliora, receba os agradecimentos do um dos
membros desla familia, que esta | romp-
i, quando tuo a mascara, a dar-llie una
resposta cabaJ, digna do tfio infame detra-
ctor.
O prenle saquarema.
\

Q
AEFANOEGA.
flondlmouto dodiaSl.....20:203,33!
CONSOLADO CERAL.
lien limento do dia 31...... 2:257,552
RENDIMENTO NOMEZ JUI.HODE :SiO
Consubrdu de 7 por cinto .... 30:639,157
I iii da l\- por cinto...... 1,703
AiieoiaRrin para lora de) imperio. 2:7-17 700
Dii.i para deoiro do dito..... 2:107,051
Sella Im........... 536,500
Dito ele tllaloi......... 11 000
CerlidAo............ 18.200
Si/ 1 de 0 par cenia....... 100,(10(1
Dita de 15 por como...... 2:700,0(1(1
Uullai............. 402,2(11
---._..
39:203,092
Diversas provincias.
Dlxiino d'algodflo da Parahlba . 227.080
Dito d'atiuvar de dita..... 2,81 s
tino d'algpdfio do llio-Grande-do-
Norta............. MI
Dito de dito do Ceara...... 13,030
niio d'atnooar das Alagas. . 1:177,128
4o:680.35v
Oeposllos exislcnlrs
Ditos saltillos .
.... 7:320,650
. 1:5:10,030
O adiniiistiadur,
Joo Xavier Carneiro da 6'1111/hi.
CONStlLAIiO IMIOVINCIAI..
en limento do da 31..... 1:510,927
r.i:-.|inil.MO NO HEZ JUIODE I8
la, de 6G toneladas, capilfio Elward
Wild, equipogom 8, carga azendas o mais
gneros; ao eapitfio.
Porto 30 (lias, barca portugueza Flor-rle-
Maria, de 220 toneladas, eapitfio Jos de
Azevedo Canario, equipagem 31, carga
vinho, ferrngens c mais gneros ; a Ma-
nuel Joaquini Ramos e Silva. Pa'sageiros,
Antonio da Costa Caldascom IOS senho-
ra, Joaquim de Azevedo do Andrade, Dio-
nizio Goncalves Main, Luiz da Silva de
Oliveira, Antonio Jos da Silva, Jos Con-
nives Maia de Azevedo e Joo llaptista de
Lima.
Ilavro 40 dias, barra franceza Jeunc-Nel-
ly, do 150 toneladas, rapito Tombarcl,
equipagem 11, carga fazen.las, manteiga
c mis gneros ; Didier Colombicz. I'as-
sagetrps, Hiiylcr Vander, Itenjamin Em-
lie, srlflll'ayrat.Jacqiiesl.onarscoinsua
sinlmia', lloiidrick De Cork ujfaii h 1 Cor-
ilemlr,-fcuis liobcrl, V. Pellicr, Pbilippo
Vandertcharg, J.-an Di Crocve, Antoine
Syntro Churlos l'ladvs CorJcnnior, llosa
Dubas.
Babia 8 dias, barca inglesa Ann-laes,
de 377 toneladas, eapitfio P. Slanler, e-
qtiipagem 15, em lastro; a Dcane Youle
tx Conipauhia
Itio-Grando-do-Sul 2G dias, brigue brasi-
Iciro Sagilario, de 242 toneladas, eapitfio
Joo de Dos l'ereira, equipagem 13, car-
ga carne; a Francisco dos Santos braga.'
Ccur pcloAss 22 dias, patacho brasi-
Ic'iro l'.mulaca, de 136 toneladas, capilfio
Antonio Comes Pcrcir.i, equipagem II,
carga sal o farinba ; a Manoel 1, mr.ilvi's
da Silva) I'assageira, urna escrava a en-
tregar.
Alcobaya. 9 (lias, hiate brnsilciro San-fe-
nediclo-Grande, do 13G toneladas, capitfia
Jos Antonio Guerra Jnior, equipagem
7, carga farinba ; a Amorim Irmfios. P.is-
sageiros, Francisco Paula Itaptista, Anto-
nio Jos de Earias, Joiio Baplista dos San-
tos, Bfasileiros.
Londres 33 dias, brigue ingloz Andes, de
2IG toneladas, eapitfio G. Cooper, equi-
pagem II, em lustro; a l.alham &llib-
bort.
Nuria tbida \no mesino dia.
I'orlos do sul. Vapor brasileiro Impera-
dor, commandanco o primeiro Iciiente
Ignacio Eugenio Tavares. Aim dos pus-
sagoiros que trouxe dos porlos do norte
para os do sol, Teva a seu bordo : para a
labia Flix Pereira de Mallos, Antonio
Alara da Cosa Valadares, 1). Umbeliua
Carolina, lh'iirique Jos Vieira da Silva,
Jofio da Silva Ereilas, Jouquim Candido
Pessoa de Seixas, l'rci Pedro Alexandrino
da Nslividade Amaral, alferes HerculaTio
Alexandrino de Mello o Antonio Tavares
de Mello ; para o llio-de-Janeiro, Tilomas
It. Coodben, o eserivo da armada Jos
Corris Freir, o commissurio da armada
Joaquim da Silva, Tilomas Alellors, 8G
pragas 'do sixlo bululhfio de caladores e
23 olliciaes.
rematados a quom por menos fizer, os con-
certos da ponto dos Cor'valhossTsb as clau-
sulas especiaes abaixo transcriptas, o pelo
proco de 1:699,500 rs.
As pessoas quo se propozerem esta,
arrematadlo, comparecen na sala das ses-
socs do sobredito tribunal, no dia cima
mencionado, pelo meio-dia.
E para constar se mandn ilTixaro pr-
senlo, e publicar pelo Diario.
Secretaria da llicsonraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 27 do julho de
1849. O 1. amanuense, servindo do se-
cretario, Franciscc Antonio Cavalcanle Coui-
seiro. '
Clausula especiaes da ffmatofo.
o 1.' As obras dos concertof da ponto dos
Carvalhosserfio feitasdeconfdrniidade com
oorc.amento npresenlado ncsla dala ap-
provncao do Exm. Sr. presidento da provin-
cia, pelo preco de 1:699,500 rs.
2." As obras principiarfio np prazo de
um mez, e serfio concluidas nodo quatro,
ambos contados em conformi.lado do arti-
go 10do regulamenlo das arrematarles. _
11 3' Todos os materiaes serfio previa-
mente examinados pelo engenbeiro, e ap-
provsdot so lavrar um lerrno.
i.' O pagamento doimp"orle das obres
realisar-se-ha depnis de concluidos e exa-
mlnsdos pelo engenbeiro.
5.* Para tudo o mais que nfio est des-
tinado pelas presentes clausulas seguir-se-
ha iiitciramcutc o que dispOe o regulamen-
lo das arrerwitac.i'S de 11 do julho do 1843
Obras publicas, 30 de maio de 1849.
O engenheiro, J. /.. fictor Lieutier.
Conforme.OI. amanuense, servindo
de secretario, Francisco Antonio Cavalcanle
Couxseiro.
^
Deca raides.
SlMl'A^S.
Oireitoa de 3 pnr3*|0 do aisucar
Dito do 5 ior "|0........
Taxa..............
Capataila............
Declina doi predios urbauns .
Alela tiza, de eioravoi......
Novo* c vclliiis direitgt.....
Sello di: liiuaiivas n Ifgadoi. .
Kiiioliiiuenius de polica ....
VOOt rs pnr csc avo despachado
Matricula de gramortica latina
Iiupo.slo de alarias.......
Mel sold c uHe de uiicntes da
guarda nacional.......
haosla solnr IiArica de i li,i|.i Dilo do 20'i,, subre o consuma da
ago'aidciilc.........
Mullas.......*.....
Juros.............
R.
10.902,353
0:919,94
7-lti 920
1:3.17,200
ifSC8.634
l:i02,('50
22.0011
3:028,215
4,200
25,00(1
10,(10(1
51,200
523,900
12,80o
017,800
M,73'j
34,970
44.'J63*858
Hess do consulado provincial de Pernam-
buco, 3: de julho de 1849.O escrivJo da jiri
uicira seceau, Jodo Ignacio do llego.
Pela iiispccloria da nlTandega sn faz
publico que no dia primeiro do agosto na
porta da niesma ao meio din se bfio de arre-
matar em hasta publica os seguintes objpc-
tos, impugnados pelo guarda Jofio Gregorio
dos Santos no despacho por factura n. 409,
a saber: I44caixas com confeitos do Gil.
por f.iclura nina 280, lotal 40.320 rs. ; 59
libras de amarellu francez por factura urna
440, lotal 23,900 ; 6 libras de gela de Hel-
io por factura urna 5,000 rs., total 30,000
rs. ; 4 libras de bolo armenio coinpnsto,
em calxas, por factura urna libra 5,000 rs.,
total 20,000 rs.; 6 frasquinhos de capsulas
de Raqum por factura um 1,000 rs., total
6,000 rs. ; Gduzias de caixinlias do pasta de
naff, por factura urna litizia 6,500 rs., total
39,000 rs.; i recipientes dovidro, por fac-
tura um 400 rs., lotal l.ooors.; 100 polea
brnncosde barro para ungento, por inclu-
a um 76 rs., lolal 7.G00 rs : 6 sraes de por-
cellana, por factura 11111 2,400 ris, lotal
14,400 rs.; 12 capsulas de porcellaji, por
factura uma 500 rs., total 6,000 rs. ; 1 ba-
lanca pequea pata botica, por factura
7.800, 3 ditas dita, por factuaa urna 10,000
rs., total 30,000 rs.; 12 duziss do suspenso-
rios para escrlds, por factura una 3,000
rs.. lolal 36,000 rs.; 24 clysopompes, por
factura um i,*(o rs.,total33,600 rs.; 1 ira-
lado do pbarniacia em 2 tomos, |or factu-
ra um 2,500 is total 5,000 rs.; ilicia ar-
re! a de eslanbo.cm folln, por factura o.roo
rs.: sendo dita arreniata^uo aubjeila a di-
leitos.
Allandega de Pernambuco, 30 de julho de
1849. 0 inspector, l.uiz Antonio de Sampaio
Vianna.
Ollllp.Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial convida os credores da
divida fundada a comparecereio, quanlo an-
tes, na secretaria da mesma thesouraria.
para se bies communicar uma resolufio do
tribunal administrativo.
Secretaria da thesouraiia da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 28 de julho de 1819.
O.0 amaiiucnso, servindo do secretario,
Francisco Antonio Cavalcanle Cousseiro.
i\ lllm. Sr. ilfspcclor da thesouraria da
fazenda provincial, em virlude da resolUffio
du tribunal administrativo, manda fazer
publico que, em cumplimento da lei, pc-
ranlo o iiiCsino triliuiial, vai liovaiiienle a
praga no dia 2 de agosto (iroximo futuro o
imposto segu nte:
2,5001, por caneca (legado vaceum que
for consumido nos municipios abaixo de-
clarados :
Oiiiida avaliado a'nnualmento por 2:240,01)0
Pao-d'Albo dito 2:560,000
A arienialac,o ser feila por lempo de un
auno e 10 me/os a contar do primeiro de
solomillo do 1849 a 30du junho de (851.
As pessoas que so propozerem esta arre-
matadlo, coinpareja 111 na salu das sessoes
do sobredilo tribunal, no dia cima Indi-
cado, pelo meio-dia, compclciitemenlo ha-
bilitadas.
E para constarse mandn aflxar o pre-
sente, e publicar pelo Diario.
IgSccrelaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco., 20 de julho do
Olllm. Sr. capilfio do porto manda fa-
zer publico que, segundo lite participou o
eapitfio do porto da provincia da Parahiha,
apparrcra nralbada, na costa nosulda-
Oiiella provincia, no lugar denominado
Ponln-dos-Coqticiros. duas ou tres legoas
SO norte da barra de Coianna, urna pequea
lancha, j usada, sem bancos, nem pala-
menta dentro ; 1 qualao encalhar abri as
costuras edous rompes, e fui logo puchada
para osecro, onde so acha iicondicionada :
devendo aquella pessoa a quem dita lancha
pertencer npresentar-se naquella capita-
nia, onde sinentc Ihe poder ser entregue,
comprvando ser o proprielario della.
Secretara da epifana do porto de Per-
nambuco, 2fi de julho do 1849. Osecrcta-
rio, JL'fiom Fernanda Madeira de Castro.
As 12 horas da uiaiihn do dia 3 do cor-
rento tem do conlratar-se pera nte oconce-
Iho da administracfio naval, por arremata-
coi, o fornecimenlo do caf moido e velas
do sobo ou estallaba, para os navios arma-
dos ; a quem convier fazer seinelhantes
fornecimenlos compareca com snas pro-
postas na sala das sesses do.niesmo cpnce-
Iho as horas indicadas.
A administrado gcral das obras pu-
blicas, pelo respectivo almoxarifado, tem
de comprar para o concert do torrefio da
alfundega onde existe a repartir/o, os sa-
gulntes objeclos : 2taboasdo assoTilho de
amarcllo de 30 palmos de comprimeuto e
2 do largo, limpas ; 3 frexaes de 1G palmos;
200 pregos de guirnic.'ui; 200 ditos do assoa-
Iho ; 200 ditos lipacs da Ierra ; 50 trlhas;
4 aiqueres de calajireta; 8 ditos do areia:
as pessoas quo taes objeclos quizerem for-
necer comparecen) at o da 4 do ago.-to,
cortos de que, sendo reCebidos com appror
vacfio do inspector encarregado da obra, se-
rfio immediatamente pagos. Administra-
Co gemidas obras publicas, 28 do julho
do 1849.;O administrador Jos de Hartos
Falcan de Laccfda.
Perantn adininistrar/o do patrimonio
dos (itphfios so bfio de arrematar a quein
por menos (izer os concertos de que precisa
O edificio do COlll'gio dos O' pilaos, a vi liados
em 644,450 is. : as pessoas que so propoze-
rem a arrematar ditos concilios, poderfiu
comparecer 110 dia 2 do futuro mez do agos-
to, ni Casa das sessoes da ilita adminislra-
Qfi, as 4 horas da tardo com scus dadores.
Peanlo a adniinislracfio do patrimonio
dos rphfios se lio de arrematar a quem
mais dr, pelo lempo quo decorrer do da
di: arrcmalaco ao lim de junho do 1852,
as rendas das seguintes casas peilcncen-
les ao mesmo patrimonio n. 22 narua do
S. Coiicalo do liaino da Roa-Vista, 14 na
roa do Tunes, 54 e 56 na ra do Amorim,
IS na ra do burgos, 27 na ra do Vigario,
132 o 134 na ra da Scnzalla-Velha : as
pessoas une se propozcicui a arrematar
ditas rendas poJero comparecer na casa
das sessoes da ailministraijo 110 dia 2 do
correte mez do agosto, as 4 horas da tarde
com seus fiadores.
to, rocentemento chegado de.Pajjgj nl[
lado
OS TANOEIHOS DE SAN-CLAUDIO;
terminando esta parte e o espectculo com
uma jocosa scena de dsngas dn alegra
Os inlervalfos serfio preenchidos com
seguintes pcc,as dos autores mais celebre'
terceto da opera Lucrecia Borggia, Novo fl
gara e /Va6Hfodonosor,cuidadosamenteileem"
penliadas pela orchestra, dirigida polo mi>
hbil Mr. Tbeodoro Orosfe.
O artista espora que, attendendo ao grjn.
de ensaio que lem feito do todas as pj5s,"
gens quo ha de apresentar ao publico,os rt<.
peitaveis espectadores serfio su(Tlciente-
mento divertidos.
Tambem julga de sen dver agradecer s0!
senhores que so dignaram concorrer i m,
ultima represenlBCfio, o Ihes protesta nu,
jamis se esquecer das demonstrac^Ieij,
sympalhia que Ihe palentearam.
Os liilhctes acham-se vendu.m cu
conligun ao theatro, residencia do director
do mesmo, o Sr. Santa Rosa, aospre^osdo
costme.
8S
Avisos martimos.
Freta-se para qualquer porto o hrigM
francez Atmorique, de perto de 3,800 sjc
cas : quem o pretender dirija-se aos sem
consignatarios, N. O. Riebor ct C. ni rui
da Cruz, n. 4.
Para Maranhfio e Par pretende seguir,
al o dia 8 de agosto prximo futuro, a bn
ennhecida escuna Galante-Maria: pino
resto da carga e paagciros, trita-se coa
Silva & Orillo, narua da Moda, n. II.
PARA REENOS-AYIES
pretendo sabir al 4 de agosto prximo Tin-
douro o brigue brasileiro Prneipt-Dnm.
Affonso, capilfio Francisco da Silva Abelle-
da : para passageiros, 110 que ofTerece *
mais excellenles commodos, os protaiiden-
tes dirijum-so ao mesmo eapitfio, ou ao seo
proprielario, Manoel Jqaquim 'Ramos 1
Silva.
--Para o Aracaly sabe, no dia 15 deigo.
lo infallivelmenle, a escuna nacional Man-
Firmina por ter parte de seu carregamento
engajado : para o resto, dirijam-se a Jos
Antonio bastos na ra da Cadoia do Re-
cife, n. 34
Para o Rio-de-Janeiro segu, al oilii
primeiro de agosto prximo futuro,, o jT
conhecido brigue Assombro, ror ler o ten
carregamento prompto : recebe alguinacir-
ga niiuJa e passageiros, para o qoe le
luios commodos : os protendentes dirijan-
so j ra da Cadeia do Itecife n. 61 i fil-
iar
seguir
maior p
lis-Ventii
cha : q
de passag
de barros
o Jos l'ci nandes Magalhaes.
Para>p Rio-de-Janoiro
om toda a brevidade, por ter 1
j da carga, o brigue-eacuna Ft-
forrado do cobre, e de boi mar-
no mesmo quizer carregareir
, dirija-se a Caudino Agoslinho
uada Cruz, n 66.
n
Lcilcs.
Quarta-ferra, 1. de agosto no can
da Allandega llavera leilio de caixas de
massas em loles a volitado dos co:apra-1
dores. ,
Qiiinta-feira, 2 de agosto, llavera leilfio J
do urna porgfio de canastras com alhos, ij
porta do armazem de Racellar.
Avisos diversos.
Theatro de S.-Francisco,
QUISTA-FEIRA, 2 DE AGOSTO DE 1819.
ultima ni-:ritriSEiTcA'
de passagens mgicas, physicas, etc. em he-
ndido do Sr.
W. F, Waller.
Dcpois quo uma ca rclins orchestra
bouver desempenliado a brilbanle cavatina
da Norma, dai"a principio o espectculo pela
111 a ni'ira seguinle :
Parle I.
Extraordinarias passagens o.transforma-
^Oes do mellior goslo, e iulciramcnlo nov^j
ncsla capital,em as quaes O artista mos|rnr|
a difllcultosa nielamorphosc do Vcix m!,,_
ravilhoso. I
Parle II. /
Craud scena de danga, em a quar'jir
AdolplioemadeuioiselleKilisiiiiiia danarfi
o l'as Uongroi, a carcter nacional.
Parte III,
Differeiiles e novas lluses do g//bnete
Mhysico. Nesta occasifio o Sr. VV.fr. vval-
ter introduzir a admiravi-l mchn
tiico-inaguelica, com a qual inlreteiti os bo-
fazenda provincial, tin cuniprmenlo dtfor-
deni do Exm. Sr. presidente da-provincia,de
I8de junho prximo passado, manda fazer
publico quo 110 dia 9 de aguato p. futuro,
Navio entrad 1 no dia 31. I uo praca peranlo o tribunal administra-
Liverpool 70 dias, escuna ingteza Fanel-1 vo da uiosuu thesouraria, para serum ar-
1849. O segundo escri'pturario, Anlot\io uignos espectadores com diversascxf,)ericn-
Ferreira da Annunclacao. cas do electricidades, sem ser ffci,eo ,a.
Olllm. Sr. tuspectorda thesouraria,da grem o scenario.
Darle IV.
A rica, applaudiila o dilTicultosa
da senhora encantada.
Parle T.
'ligeireza
O IIRAUOIU RASAO N 25
acbar-se-haao meio-dia venda no lugar
do costume e em mfio do distribuidor.
O I1E1JA-FLOR.
O 3. e 4." nmeros estilo A vend noi 1
lugares do coslumo. 1
Aiuga-se o armazem, n. 59, da rui di I
Rangel, o qual ha mais de lOannos leal
servido de ar;ougue, e conserva todos 01
utensis do mesmo Iralico : na praga da In- j
dependencia, ns. des.
Aluga-se o sobrado do um andar coj
lojas na ra dos Quarteis n. 10 : a trilir
com l.uiz Comes Ferreira no Mondego.
-- Offorece-se um rapaz portuguez pan |
caixeiro nesta praga ou mesmo para feitor,
011 caixeiro de engenho, sendo da parte do
sul mellior, o qual tem muita pralica 11
da fiadora sua conduela : quom do ie
presumo so quizer ulilisar dirija-se M
Ciuco-Pontas, n. 23.
Pede-seaoSr. do engenho novo Con^
ceicfio o favor de examinar se a pret qu"
apparcccu em sou engenho chama-se AihI
na crioula, de estatura regular, represe"f
la 30 anuos; tem algumas marcas de clu-l
cote as costas, o em uma das orelhasnil
lugar do brinco um buraco em uma per*J
na lem signal de ter tido uma ferida ; iclii!
se ausente ha 6 mezes ; levou vestido !
riseado azul o caaiisade algodfib, nocisol
aflirmativo espera-so que o mesmoSr.utl
engenho participe nesta cidade na ras I
Nova, n. 33 ondo mora Minool Carneiro
Leal, que promptamente pagar as despo-
zas quo se lzerem.
O abaixo assignado encarregado do I
rcconhccimentb, modico e demarca?ao
dos trrenos de niarinlia convida aos eon-
eossionaros o posgeirosidesles terrenos.q*I
teem requerido afprmentos, a compire-
cercm na^es de Sua residencia, n roa '
reita^rr^R de manhfia daJ7s 9 hora, |
alarde das 2 s 4 a lim do so poder dr I
cuiiiprimenlo aos despachos da prosi<*
ca, laucados em varios requerimento* V"
paraoicm suas nifios, pira so procede'
respectiva medieo, a qual nfio se pol
proceder sem a" presencia dos conces'io*
rios e posseiros, ou de seus procurador
( como determina o art. 7 das IWtroeCWf
de 14 de iiovcmbro du 1832 ) o nem uSl1'
lulos do aforamentos pdem ser pasw
pela thesouraria da fazeuda sem prii'
preceder esta diligencia ; assim como coi
vida a todos aquelles que estilo na poe '
taes terrenos os quaes j fram nie
dido* I
Brilbanlee jocoso pantomimo!
demarcados, para que veuham assignarc
gal va- respectivos termos ; certos de que,stf P^
algum motivo elles doixarom de ser *ss!'
nados, licarfio de nenhum elleit. 'I
ionio Egidio da Silva, segundo tenante |
ariilliaria.
-- Arrenda-se o sitio do Eapnheiro na 1
Irada de Beltn, con casa de pedra e c
com sotfio, casa do farinba o fonio dcc"
f-e bstanle trra para plantar : quem o p"
I tender, diiija-se Estancia, na pnnieirs wj
em iim e-Isa drf-i



a
ILI.UMINACAO I>E O INDA.
UoRa-se as autoridades policiaes de Olin-
I de Olinda que, qiiandjdcrem o atteslado
ira o arremtenlo dOlluminacilo do-Olin-
cobrarda "thesourana a importancia da
fc-wn, lembrem-se das innumcravcis nni-
(s cm que houver faltas, para lho seren
jesconlada, conforme o scu contrato; e
das quaes ja estilo informadas as att^^^H
iIcs sin priores ; o adverte-so a thesoura-
ri.i provincial que, alm do oulins fallas ,
I ha 6jnoitea quo sen8o accende um doa lam-
pees do Varadouro. O guarda doi lam-
peStt.
_ Quinta-feira, 2 de agosto, lio a arrema-
tadlo dos restos dos bens do fallidaPcdro
'Alejandrino Comea, cuja prag terPlogar
na ra do Apollo no armazem que foi do
mesmo. Os olijcclos que la estilo : silo hara-
lissimos por terem sofriJo segundaava-
liacBo.
Precisa-se alugar urna preta captiva,
queaaiba cozinhar o diario de urna casa com
pequea famili, e juntamente que faca o
servigo exterior da inesroa casa : na ra do
[codorniz, casa n. 10, segundo andar.
A pessoa que quizor comprar urna d-
i viil de 1:377,000 rs., proveniente de ren-
das de um engenho em S.-Antilo ja ven-
cidas, cujo rendriro anda se cha no mes-
mo engenho e esta cobranza nfo se effei-
tua por impossibilidade physica do propie-
tario, dirija-se ao pateo do Carmo n. 18,
primeiro andar, do sobrado do fallecido
ll'eixe.
--Jo.lo Rodrigues faz sciento ao respeita-
I vrl publico, que existe no becco do Marisco
iiiii pardo de nome Jom" Leocadio Correia
Peixolo, com urna habilidade immensa para
curar corlas molestias como sejam : gota-
coral, asthma e pthysica ; pois curou um
escravo da referida .gola quoj eslava des-
engaado, assim como consta aoannuncian-
te que curou um homem de asthma que
em poucos das o poz com sua perfejta sa-
de o juntamente urna moca que eslava
lamhem desengada de urna pthysica. O >n-
nunciante faz o presente annuncio para
quem tiver igual necessidade o procurar.
O abaixo assignado como administr-
ronle sua mtilher l> Altina Poppo da Silva
i Lopps filha do finado Jos Antonio Alves
Ida Silva avisa a qualquer devedor que se-
h da ca, daquello finado para que nilo
Tagne o importo de scus dbitos, sem spr
Ido iccordo Com todos os herdeiros, e nem
[inesnio ao herdeiro procurador liquidatirio
da dita casa por nilo estar autorisado pelo
ahaixoasignado visto que as ditas divi-
| das sp acham invenlariodas. oteemdeser
divididas entre a viuva inventariante moiei-
[rae os herdeiros ; e nom mesmo as dividas
que anda mo fram inventariadas", e" islo
TT r-.
Lotera do Guadalupe.
As roas tiesta loteria andam n-
Ifallivelmenteno da i3 do corren-
Ve mei, e os bilbetes que restam
ncham-se venda nos lugares an-
nnncind.is.
Dlo-se 200,000 rs. a juros sobre penho-
res de otiro ou prata : na ra do Santa-Ri-
la, n. 18
Appareceu na travessa de San-Jos, se-
gundo andar, um molequo de nomo Ma-
noel, de idide de 12 annos, e-quo nilo quer
lizer quem g^eu senhor : por isso quem
"oho apparega, pois quo so
lisa por fuga ou par outro
cnienle.
for seu legi
nilo respnnS
qualquer inca
fjRtiU^UKtt&
ntacuan
tusiva me i
a um
deve-
mullier
nilo se
u finado
por nilo perlencerem cxcl
so herdeiro: assim, pois, obrando
dores fardo um grande beneficio
do abaixo assignado por aind
adiar na pnsse da heranga de
pai. Jllaretllino Jos Lopes.
O al>aixo assignado cnmprou, por con-
la do.Sr. Manoel Francisco do Arruda, mo-
I rador no engenho Boenos-Ayres dous bi-
I Hieles da segunda parle da torcoira lotera
ile N. S. de Guadalupe de Olinda de ns.
1,093el,912 Alexandre Joaquim Snlijro.
Quem precisar do una ama para casa
de um hnniem sott*ro ou mesmo do pou-
ca familia a qual enfconiiiia, o faz todo o
sprvico dirija-se aolargo da ribora, n. 5.
Aluga-so metade da casa do becco da
llomba n. 21 : a tratar na mesoia casa.
A viuva de Francisco Martin Ramos"
faz acinte a seus rredores para reuni.lo, no
da qointa-feira", 2 de agosto ao meio-dia,
para deliberaron! a respeito de seus interes-
sos, na ra do Vigario, n. 20, segundo an
dar.
Qoem tiver um sitio pouco distante de
[Olinda, ou Recife, que leiiha capacidade
de ter vaccas de leile, o algum terreno que
oceupe escravos, dirija-se a na Nova, cin
Olinda, a fallar com o conego Filipe Nery de
I lana que dir quem precisa.
No dia S de junho do correnlo anno ,
appareceu no engenho Caraba, na freguc-
ziadeTracunhilein;, urna escrava crloula
Ide 16a 18 annos de nome Faustiua, que
Idiz pertenceraoSr. Herculano Ferreira d
Silva morador na Varzca, fregueziade
Illom-Jaidim, nol.imocio. O annuncianlc,
latlcndendo as consequencias prejudiciaes
loccasionadas pela fuga do escravos a scus
[donos, fez deter a dita preta que, alm de
testar muito docule, o procurava para ser
[vendida; porm imniedialamente certilij-
Icouaesse Sr. Herculano, do quem ainda
I nilo obteve resposta : por isso roga que,
Iquanto antes, queira dar o deslino que Ihc
Itr conveniente declarando que nilo se
Iresponsabilisa por qualquer incidente que
Jtenha lugar e pera maior prova -la sua ir-
Ireponsabilidade faz este annuncio em que
|se assigna. Canba, 15 de julho de 1819.
Joto Marques Uacalhuo.
As pessoas abaixo designadas queiram
Iterabondade de comparecer na ra do Cres-
po, ll. 10, visto so nilo sal ..Te i n as sims mu-
Iradas: Joaquim Rodrigues dos Santos, Joa-
Iqiiiin Nuiles Evaristo, Manoel Rodrigues
[''"pello, Francisco Carneiru da Cunta
[Compeli, Juliilo le Mcndonga, Leopoldo}
[d.eCaio Mello Cuararema, Maitinho da Silva
PCosta, Manuel Thornaz Carnoiro Campello,
IManoel Antonio da Silva Molla e Francisco
IJose dos Santos'Jnior.
I'recisa-se de uin& ama para todo oscr-
Ivigode umacasa de pequea familia : no
|l'a raizo. "I
.. "" Precisa-se de um Portuguezpara feitoi
Idcuoi engenho dislaue dcsta praca-4-1 '<*-
Iguas, preferi,do-se auuelle queja tiver ols"
Ifo pralica
Novo po de Provenc.a.
tNa pailaria do buceo das Itarreiras e
no deposito da Estrella, no Aterro- !
g da-Boa-Vista, n. 39, fabnca-sc o no- |Q
m vo pSo do HfOMnca, o qual he fahri- |j
ji cado pelo sBielhodo do seu primei- '^
g| ro introduclorque veio esta provin- fe
m ca, o com as melhores farinhasque |g
I ha no mercado, e asseio que he pos- jg
i sivel: da mesma sorle so fabricam as |
B faliasda raiulia do Hespanha boli- .;,'
nhos, biscoutos, biscoutinhos, fatias, j^.
i* cavacas : tudo do melhor gosto pos-
sivel e proprio para cha ; tambem ha jn
| bolachinha de Lisboa em latas de 8 |
libras, por prego com modo amen- *
doas confeiladas c de varias quali- |j
dades. ~ jj -
*200,000 rs.
I)a-se esta quanlia de gratificaglto a quem
levar ao engenho Agoas-Claras, de tJrucii,
da viuva do Burgos, ou nestn praga, no
pateo do Carmo., n. 18, segondo andar, a
Antonio Carlos Pereiga de Burgos Ponre de
Len, os dous escravos seguirites que fu-
giram nosdias sabhado para domingo, 26
a 27 do corrento : Vicente, pardo de 26 an-
nos, (fe altura regular cabellos crescidos e
carapinhiulos testa sobresabida olhos pe-
queos, nariz chato, tomador de tabaco de
caco rosto descarnado e com espionas,
sem nenhuma barba; lovou 1 camisa doma-
dapolSo uma caiga de casimira usada, uma
jaqueta do bretanha, um bonete de velludo
azul j usado, um chapeo de pallia, um
dito de pello prpto : Joaquim, crioulo bas-
tante prcto, de 38 annos, alio, suero, en
pequea bem barbado ; tem o costume d
do longos trabalbos, do profunda medita- res: quem precisar annunele para sor pro-
do-se
cupar
en los
go h reiteradas experiencias, medicamen-
tosquo nos restituain o uso dos dous mais
importantes sentidos do que lio dotado o
homem, quando estes-j sn achavam no sup-
loslo estado do incurabilidade e inteira-
mente perdidos, bo por certo um dos maio-
res serviros quo se podia prestar huina-
nidade; eis o que eslava reservado a um
homem pbilantropo da cidade de Braga, em
Portugal, cuja acioncia, cujo amor do seus
semelbanles se teem feito geralmenle co-
nheccr. Os remedios que ora offerecomos
ao publico, nilo onlram na classe daquelles
quo o vido e ousado char'atanlsmo incul-
ca com mucos odoscompassa.los brados, e
que o crdulo vulgo por ignorancijrecobe
na boa f o sem discernimeoto, ach
desos Iludido; tom, porm, do
mui distnclo lugar entre os mi-*
que muiores beneficios presta
constam eltes da dissolugRo a^
tractos do plantas medicinaos^
mui recdnheciilas o verificadas,
uso, as continuadas o scvo.as exp
a que por toda a parto teem ell
meltidos, sem que nina so vez bajarifallia-
do em seus bous effeitos, e desmentida es
esperangas que sobro piles Invia fundado
o sen inventor, Ihe teem grangeado cons-
tantes e repetidos elogios dos mas .tbios e
rcspeltaveis mdicos, assim da ICuropa, co-
mo da America, que unisonas abonam e
|irnclainain sua acgfio semprocerla 'beni-
gna'- Um destis licores Ip destiuado a
conibater as toohwtias de olhos, o tem por
principal virtude rostituir aos orgilos da vi-
silo suas rmenles j reanimar o fazer reap-
porecor em sua natural prrfoiglo a vista,
quando esta, esliver fraca ou quasi extinc-
levar a mfio barba ; lio gago ; andar om-
Dassadn ; dizem ter mili em Pajab-de-Flo-
res ; foi escravo do capililo Leandro Bandei-
ra de Moura do Apody o qual se acba jire-
senlenii'ntc na coniai'ca de S.-Antilo, e lem
um sitio em Cravat; prosiime-se terem
partido para o Apody onde ha nuitos p-
renles do dito Moura; comquanlo o primei-
ro andasse sempro em viagens dos serlOes
dosulao poente, com os cobradores dcsta
casa : pste ultimorscravo levou um chapeo
preto do pello e outro de couro duas ja-
quclas brancas, I caiga do brim parda 1 di-
la de riscado, 1 camisa de mailapolio,
duas ditas de nlgndio da ti rra o cerolas.
Roga-se a vigilancia nesles don escravos,
que vindo com milita brevidade, scrilo
grnIific8dos ainda com mais do que so offe-
rece.
ta ; comanlo, porm, que nilo haiMegiiei-
r.i absoluta com rieorganisagodSiiirles ;
nilo menos til p enrgico lio pyjyje.-fa/er
ns cataratas,, dirruir as iievoas^R-proiii-
pto dt-liellar q#N|uar inflanimafnc-ou ver-
inelhidlo dos olhos. .Mo causa di, nem
estimulo na parte.
Outro liquidp restilue a faculdadAde ou-
vir os sons ao ouvido toca lo de surdez, an-
da quo inveterada, uma vez que,omnl nilo
seja de nascenga, sem causar em rompo al-
gum o menor idcommodo ao doentc, e sem
priva-lo de cuidar em scus negocios.
I.NSTRUCCOES PARA O USO DOS RE-
MEDIOS.
O do$ olfin tmpreya-se do modo Seguale :
O docnte pela nianliila, em jojiiiii, una
hora puuco mais ou menos drpoisquoer-
guer-so do leito, tomara sobro a palma da
iiilo pequea porgao daquella agoa ; o com
j ella molhar bem os olhos, fa/ondn que al-
'11 pumas giillas cuian sobro o fclobo oceular
m os IImpar, os chuspivani mol.adsate
Dentrs arlficiacs.
J. A. S. Jane, dentista participa ao res-
peitavel publico que contina a exercer a
sua prolissiio na ra ostreita do Rozario ,
n 16, primeiro andar.
,Perdeu-se um oculo de arodourado e
caixa verdo : quem onrhar far o favor de
entregar na loja ns. 6 c 8 na praga da lnde-
pendrncia, ou Annuncie.
I'recisa-se de uma imagen
de N. >. do Carmo que ten-ha de
altura un palmo a poluto r nieto :
ua ra do taLug, loj-ide niude-
zas, n. i 1).
Atugam-se os segundo o tercoiro an-
dares da casa do largo da Asscmbla n. G :
a tratar com Joaquim Francisco do Allin
no Forte-do Mallos;
bi/dsn" h" Pe'iS<", qUd 8e,""Zer incu,^fWrssuacxpo-lasaqi.i,..u
"irdisso, di.ija-se a ra da l'iaia, n. 43, rs. ... rL He||a n. 36.
Pnaie.ru andar, que abi achara com quem '
'rale do njuste.
It ('" 'uer"s? *'dgar mensalincnlc una pre-
lu ,,i18 s'rv', I"""8 vender na ra : quem a
invor para csse DA, procure na ra da Man-
^eira da Boa-Vista, n. 5. ou annuncie.
lli""KnB0nii&-secom-petreicfio toda a qua-
I m "Jupa para bomem e senhora, as-
|'m como tambem se ensabda por commo-
' P^o : na ra da Scnzalla-Nova, na loja
'casan. 18. '
--0 abaixo assignado, constando-lhe'ho-
IA1?, r coronel Joaquim Cavalcanlode
r'''querque, genitor do engonho Paulisla,
I f'6*' .recebido nenhuma das tres carta,
Liir >m- fe" nieucilo nos ns. 166 e 167,
lem,1?""1"-"0 "' 168 ( Dor ,,a ser m'
dav- ,ellra-|u djjjirelo 1, apressa-se a
11 a presento rifgKf^-.1 francisco
Dentista.
--^ D. W. Baynon, cirurgiilo dentista a-
Qffismericano ,"brevo so retira desta pro-
vincia e pelo pouco lempo que aqui so de-
mora, lem a honra de offerecer ao respei-
lavil publico o seu prestimo, na ra do
Trapihe-Novo, n. 1*.
Aluga-sc, vende-sa ou permnla-sc a ca-
sa terrea, n. 20, entre as duas pontos da
Passagoni, em chitos pioprios, cujo terreno
tem 40 palmos de frente e 160 de fundo, por
algum sitio pequono, ou casa com grande
quintal, no mesmo bairro da B<-Vista,
comanlo que soja mais perto ao de Santo-
Antonio do que ao daquclla:a quem convicr
algum dus referidos negocios, queira an-
nunciar por esle Diari; ou dirigir-se ao se-
gundo andar da casa da ra V'ova, n. 47, o
aoSr. Oliveira, na casa junto ponto pe-
quea da dita Passogem.
Grande galera ptica.
Vende-so 100 vistas das princinaes partes
do miurlo obra muito rica pela nalu-
reza apropriada dos objeclcs, \ ptimos
vidros e oulros pertences para quiilquer
cm oulra provin
ua
Cl*
\
p\ mu crescido
m(!;,> al agora
contri!
AO PUBLICO.
ente
jii na
lo, e a
muitos
enfermi
iaipoloi
que/a
gas aos
zelo de
esperan
se teem
dOS l|ll(!
tgUlls m
niulestias
numero contavam os
molestias incuraveis,
quaps su era permiltido ao paci-
guagilo para soll'rer um mal de que
Savia osperangas de poder liberta-
mdico philantropico -a dr de ver
de seus scmellianles victimas de
'ades, contra as quaes se dpclarava
pudendo apenas lamentar a l.a-
ijelligencia humana. Mas, gra-
ogressos da medicina, gragas ao
Uens incansaveis, qua, nilo des-
^a perfectibilidad! da sciencia,
'"icado idvesligagio deieuc-
m alliviar a humanidade di
[auo a aflligem, o numero dat
ilutadas incuraveis va i de dia
om da dii*ffl|0- Assim' ac,,,r" depois
quo naluraliiieulo enxiiguein : ao deitar-
so a noite platicara o niosmo : durante o
lempo quo usar do remedio evitar o calor,
acg de fumagn e o vento; fina abstinen-
cia de comidas salgadas, azedas, eaduba-
das com especiaras.
O remedio dos nuvidos ser applicado do modo
que legue :
O 'lenle pela manila, urna hora pouco
mais ou menos depois de erguer-se, ainda
pmjejum, fin derramar dentro dosouvi-
dos quiltro ou cinco guitas do liquido, la-
pando-os depois com aliwdflo em rama ; a
noite art deitar-sc repetir a mefma oper.i-
gilo. Huranio o uso do remedie) evitar cx-
pr, osoiividos principalmente, iccAodo
calor o do vento, alim do evitar grande
transpiracilo, biivendo cuidado em nilo mo-
tilar os psein agoa fra; finalmente deve
abster-se de comidas salgadas, azedas e
adobadas.
Estes remedios estilo venda na botica de
Rartholoineii Francisco do Souza, na ra
larga do Rosario, n. 36, nico deposito cm
l'einainbuca, pelo prego de 2.240 res cada
vi tiro.
--Quem snnunciou, no Diario ovo n.
29, querer comprar um sitio margem do
rio Capihaiihc ,.dirija-se ra ostreita do
Rpzario,n. 43, primeiroan.iar que ah se
dir quem lem dous ua fregoezia da Var-
zca con: militas frulciras como sejam :
larangciras, jaqueiras, caf-zeiros o man-
gueiiag.
OSr. que no dia 16 do correnlc, a ma-
neira dos subvertores da iuquisigilo, eclip-
sou do urna casa do inslrucgilo diversos li-
vros, levando entre elles o cdigo epistolar,
a vida de I). Joilo do Castro mu dicciona-
rio de composigilo, tenha a bondade do le-
va-Ios a mesma casa se nao quer ver o seu
nome por extenso ueste Diario.
Constando ao abaiso assignado que o
Sr. Joaquim Vaz Salgado pretendo vender o
scu engenho Var/ca-dc-t'na sito na fre-
suezii de S.-Lourengo-da-.Malla faz (cien-
to no rpspeiu.vel publico que o mencioea-
do engenho se licita bypolliecado ao abai-
xo assignado o lana mili, a Sur.' I) Rila
de Cassia Pessoa de Mello, como consta da
esorijtura us notas- do lubelliilo Ilraincl ,
na villa de Po-do-Allio celebrada entre o
dito Vaz Salgado e o capililo Joaquim de
Arniijo Pinheiio e de oulra do transferen-
cia entre este o o abaixo assignado e sua
(Pili, B8S notas do labelliflo Sanios, na fie-
guezia de S.-Loiirengo-dit-Malta, cuja hy-
potheca lio da quanlia de masjhavendo um a!>atc de 1:400,000 rs., por
composigao leta na presenga do juz que
vistoriou o mesmo pngenho com testemu-
iihas e mais louvados licou aquella qiian
lia reduzida a 4:600,000 rs. alm daquella
hypotheca silo o abaixo assignado e sua
mili por lilulus authonticos credoros de di-
versas qiiaiiijas na importancia domis de
5 000,000 do rs., pela qual iutentam acgo
pelo juizo de Pao-do-Allio, quo se acha bas-
tanleinenti; adiantadii. IC para quo chegue
ao coiibcciinentu de qualquer prelondente,
o abaixo assignado fazo presente, protes-
tando con o protesta, (da nullidado de
qualquer l'ansacgilo feiln sem sua audien-
cia e declara, o. L: o sim, que nilo faz com-
pusigilo alguma sem que se Ihe aprsenle
em nioda tuda a quaulia devida. ~ Recife,
28 de jolito do 1849. Joo l. de Souza
uto.
Precisa se de um oalraugci-
ro que seja foineiroc padeiro, pa-
ra ir para Mucei : d-se hom or-
denado : quem pretender, dirja-
se ao armazem do Aunes, no caes
da Allandsga, a tratar coni Ala-
noel da Silva Sanios.
Urna pessoa quo tem es tiabilitagOes
necessaiiis paro ensinar primeiras letlras,
prope-se a dar licOes por casas partcula- pensado.
curado.
.0 Dr. Lobo Moscoso conti-
na a receber doentea em sua ca-
sa, no Atcrro-da-Boa-Vista, n. 4^
onde lia commodos suficienles,
nao s para se tratarcm de suas en-
fermidades, como para se Ibes fa-
zer qualquer operacao : as pessoas,
ni'i lmili, que se qnizercm curar ou
mandar algum escravo, pdem di-
rigir-se bo annunciante em dita ca-
sa, certos de que serao tratados
com todo o desvelo.
Aluga-so a bem afreguezada taberna
que foi do Sr. Rento Martins, sita no.Mmi-
guinho onJo faz muto negocio, com ar-
magaooii sem rila, conformo'convier ao
pretendonte. cuja casa tem bastantes com-
modos para morar uma familia, alm da ta-
berna : a tratar na ra do Hospicio, n. 21-
Os abaixo assignados, eredores do fal-
lido Jos Manoel Monteiro Braga, nvisam a
todos os devedores do mesmo Ur,:pa para
que Ihe nopagem quanlia alguma. visloque
todos os seus bens se acham penhurados, o
dito Braga inhabilitado para fazer qualquer
transacgiio. enrij Gibioii. Deane Youle
& Companhia. Por procurngflo de Me. Cal-
inont & Companhia Alfred Willcrs.
Precisa-se de. um pequeo para caixc-
ro do venda : em Pora-,le-Portas, n. 92.
O abaixo assignado faz scienloa quem
pertencer o leccbimento do imposto d'agoa-
ardente, quoneslemez de julbo deisou de
continuar com o negocio da sua caga sita
na ra do Colovello, n. 31.-- Manoel Tarares
de Aquino.
lint rapaz portitguez se ofTereco para
Caixeiro de qualquer casa de negocio pura
o que d conliecimenlo de sua conducta :
quem do seu presumo se quizor ulilisar,
dirija-so ra da Cadela, leuda de carpJua,
n. 15.
Pica cxtinela a firma de Cranon & C,
na ra Nova, n. 0'9 continuando a mesma
casa ilo 1."do agosto'em vante, sb o no-
me de madama llaleyrac que lica enrarre-
gada da liquidaglo o coliranga das dividas
da dita firma.
-- Joaquim Silverio de Souza, Brnsileiro ,
retra-S0 |mra Lisboa n Iralardo sua sade.
O dontor l.ourengo Trigo do Louieiro
roga aos donos do Diario Novo e do Mncubtn,
sesiivam mandar os nmeros dossas folhas
quo leoui sabido do prclo de 20 do Crrente
me/de julho por dianto s lojas da casa
do lllm. Sr. desemhargador Bastos na ra
da Aurora onde o anuunciaiito esta resi-
ditido ; pois que elle pogou ao distribuidor
de olinda a a.'sigiiaturh do corren te quar-
tel e nilo lem recebido os ditos nmeros
por se ter retirado daquella cidade.
Precisa-so alugar um primeiro o se-
gundo andares no bairro do Recife, sendo
as ras da Cruz, Cadcia, Vigario, Trapi-
che-Novo Alfaiidcga-Vellia ou praga do
Coain ercio : quem liver annuncip.
-- O do'.itor l.ourengo Trigo de Loiireiro
reside actualmente as lijas da rasa do
llln. Sr. desembaigador Bastos, na ra da
Aurora .entrada pelo lado da mesma ra ;
eahi su ofiereco para udvogar, tantijio
Civel como no crime e para en siria* as lin-
goas latina o friinceza a quem se quizer
ulilisar do seu pi eslimo.
A pessoa quo aiinuricioi! querer alu-
gar una preta para andar com taboleiro de
la/end.s com outr.i dirija-se a rita de S.-
Prsncisco, rasa ai alenla.
Roga- se encarecidamente aos.Srs. abai-
xo dcrlara'doa pata quo venham ou man-
dem salisfazer sem dbitos uondo nilo igno-
ram: V. II. da C. C., 33,120 rs.; J. V. de C,
20,680 rs. ; M. do I!. V. 32,300 rs. ; J. F. do
P. L. 29,060 rs.
A viuva o herdeiros do com mandador
Izidro Francisco do Paula do Mosquita, es-
lando a proceder a inventaro pelo juizo
doorpblus desla cidade, avisam a lodosos
eredores do casal do dito fallecido, quo de-
a tra-
17, depo-
nesappareccram no sabbado, 28 do
passado, do lugar de S.-Amaro, duas ove-
Ihaa sendo uma grande de cor amarelada,
o a oulra mais pequea branca com malhas
pretasnacabega, e esl pejada: quem as
levar, ou dolas dor noticia ua venda junto a
fundigSo.scra gratificado. -
-Aluga-so o sitio da estrada do Reme-
dio, n. 2, com soinivel casa do morada ,
sonzalla para prctos, boa agoa, bastantes
arvoicdos, como sejam : larangeiras, man-
S, j.quoiras, eafezelros coquelroso
jambeiros.almde urna excellente ba.xa
para ca| im faz-so todo o negocio >
lar na ra da Cruz, no Rpcie, n
istoderap. ,,__.
- l)espja-so sabor se de presente esta nes-
la cidade o Sr. hachare! l.ourengo Acetle
Wanderley, morador no Passo-de-Camara-
cibo deAlagoas, ou quem nesta cidade do
llecfo seja scu correspondente, para ira-
lar-sede negocio interessanto ao UtloSir. :
roga-se o avor de annunciar por oslo /a-
r/<,ou de dirigir-so a ra Nova, n. 47, ae-
gundo andar. u..,_
- Apessoaquclraspassaa hypotheca ae
escravos por 600,000 is. dirija-se a ra ao
Rangel, n. 36 das C s 8 horas da mannn,
e del s 4 horas da tardo.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio, n. 10, e no Aterro-
da-l'ua-Vista, n. 48, continuam-se a tirar
passaportes para dentro e fra do imperto,
assim como despaoham-sa escravos : tudo
com brevida.Jo.
Pon a pessoas que tencionom
seguir viiigem-
No pateo de S.-Pedro, cisa torrean. 8.
tiram-so passaportes para dentro aforado
imperio correm-sa folhas o despacham-se
ecJf.avos,e para eslelim tamben pde-sa
procurar na praga da Independencia li-
vraria ns. C o 5. _.
Oabiiixo assignado, vendo no Piano
de Htrmmbuco n. 161, um annuncio leito
pelos Srs. Jos Viconto Dias Torres o Rober-
to Oas Torres, respeito a uma vinculo que
dizem herdaiam de seu finado av na lina
de S -Miguel, declarando que vendom o va-
lor do arrendamenlo vencido, e farr novo,
declara o abaixo assignado quo ninguom
faga negocio com tal arrendamenlo o mes-
mo com osvencidos que 'dizem ; pois que.
este vinculo foi vendido a Francisco Manoel
lavares, pai do abaixo assignado de cuja
venda so sucilou haver uma grande deman-
da que dnroii muitos annos, o final foi de-
cedidoem Lisboa a favor do mesmo Taya-
res, como so pode ver da sentenga que exis-
to em poilor dos herdeiros, que existen)
ainda na Iba de S.-Miguel.
Manoel t'errcir Taares
Arrenda-se un silio cm S.-Amaro, com
boa osa Truteiras, urna grande plantado
alaccciiiso com pasto para 10 vaccas de
leile : a tratar na ra da doria n. 70.
-- Prccisa-se de um hoineni que sirva pa-
ra feitor do um engenho na freguozia da
F.scada, preferindo-se algum oitraugeiro ,
principalmente natural das ilhas : na ptaga
da Boa-Vista ,n.32, segundo andar.
t_________'i___l iia
Compras.
.Compra-se nm tronco em bom estado :
na ra do Vigario, n. 24, se dir quem
comprlT.
Compra-se um sellim em meio uso :
as Cinco-Ponas, n. 82.
Compram-se dous bois mansos para
car roga, que sejam grandes o gordos : quem
os liver, dirija-se ra do Crespo, loja que
faz esquina para a ra das flruzOS.
Paga-se bem.
Comprase calgado feito na trra, do
(oda a qualidadc : na praga da Independen-
cia, ti. 33.
Compram-so 30 ps do larangeiras o
limeiras pequeas: na ra do l.ivramento,
n. 1i. ________.
**~msmmmmmmammm.
MMomn
veni quanloaulcs justificar as suas dividas
peranlo aqucllc jnizo de orphaos afiui de
que o referido inventario poaaa tero seu
andamento regular para bem dos meamos
eredores.
-',.;,-.. i :......."....: ':. .,.-.-::.'.,.;.,-.:-w;!
8
Na praca da Independencia, fl
n. 10)sovoltar para a ra S
das Cruzcs, aiugam-se, ven- m
dem-sc e tambem se appli- |
catn as melhores bixs que 8
be possivel ltaviireni no mer- Q
! cado; limpam-M o tiram-so denles
1 com toda a peifeigo i tambem se ap
| plictil vento-as com a maior delica- I
I drsique lio possivel e faz-saludo ,;
% o mais que pertencoa arte do sangra- j?j
Ti dur : tudo por prego muito rasoavcl. |)$
S
^,,...,f...:... ,, ,....,v;... ..,,v,,,,vA;;^,..;^
O abaixo assignado anniincia ao publi-
co de nffo fazer contrato uenhuin com urna
loltra de 2:100,000 rs .saccada em jiiulio pas-
sado p^lo Sr. Manoel Pires Ferreira, o acei-
ta peloSr. Antonio da Silva Gusntiio.endos-
sada em branco, pelo motivo dcselerdes-
encaniinhbdo dita loltra, e terem-sedado to-
das as providencias para nao ser paga senio
ao abaixo assignado qoheseu legitimo do-
no. J. P. de /.cinos Jnior.
Jos Rernardino Gongalves Pereira ,
subdito poituguez, retira-so para Angola.
--Descja-.se fallar anSr. Francisco Perei-
ra dos Santos Lenho, ou alguma pessoa por
elle, a negocio de seu inleresse: na ruada
Suledade n. 29 ou annuncio.
Precisa-se de tima criada pnrtogneza.ou
das ilhas do bons costuines para oservi-
go interno de urna familia estiangeira : na
ra do Collegio, n. pri metro T Jar.
~ No dia 15 do abril prximo passado
fVam seduzidos ei'in lempo se fprovn-
ii quem os mandn seditzir,do proprieta-
rio lo engento Carra na lo da freguezia do
Rio-Formoso',>| Francisco Antonio Bandei-
ra, ospscravosV'guintes : Roberto, preto,
d
1
endlas.
inda-
gento oe An\p|a de 20 annos, cheio do
belfOS grossos: Anto-Ua .uU deV uilo, n. *.
o do 25 annos estatura
tetados : quem os pegar,
icia Icve-OS ao dito en-
ta praga, na ra da Alfande-
azem n. 30, que ser recom-
vorpo, cara cha
nio, nreto, cri
baixa ps. a
ou delles
genho, ou
ga-Velha
srniii
Na livrarians. 6e8 da praga da
pendencia vende-sc o soguinte :
IsSantial eleforal
conlendo a lei regulamcnta.r das eleigOoso
os decretos e decisocs do gverno quo dSo
esclarecincntos sobre sua cxecugilo,expedi-
dos al abril do corrrento anno, com notas
explicativas fundadas uestes mesmos escla-
rccimcnlo-;.
I.KIS PROVINCIAF.S HE 1849,
vendem-sea 4S0 rs. o volumo desto anno,
na livraria da praga da Independencia.
ns. 6c8
, Vende-so uma taberna com poucos
fundos, sita na ra Nova na esquina da
rua dasTrincheiras, n. 1, local esto o me-
lhor dcsta cidade: a tratar com Narciso Jos
da Costa no largo do Carmo, esquina da
rua de lio: tas, n. 2.
Vcndeiti-so 3 bonitas escravas de na-
gio, de 15 a 18 annos com boas habilida-
des : duas ditas mais ordinarias porcom-
modo prego ; 3 escravos e um molequo: na
rua do Agoas-Verdes, n. 46 so dir quem
vende.
Cal virgen) te Lisboa.
Na rua da Cadcia do Recife, loja n. 30,
vende-sc cal virgen) por prego mais com-
ii.culo do qiicm outra qualquer parte.
i ementes de iiortalice.
Vemiem-sesoincnles de Iiortalice de to-
das as qualidades, por prego commodo ,
para acabar oinquanlo chova : na rua Direi-
la, o. 56.
Vcndc-se urna duziade cadeiras, um
soph, urna cama duas bancas, uma dita
[de meio desala : tu Jo com pouco uso e em
bom estado- tas Cinco-Pontas, n. 66.
PARA LIQUiACAO.
Vendent-sc na rua do Codorniz,n. 11, dif-
ferontcs gneros de unta venda, em os quaes
eutrain urna porgilo de louga da Ierra e uma
porgo i!e a"jiotes, a vender em quautida-
dc a v-oi "\mprador, ea prego o ma
comino por ser para-concluir.
-- '^ocquo de naci de
23 .balita de catraeiro, e
he r, servgo : vende-
so -ocia ou para engenho:
Yendc-se superior fio de al-
godao para velas : na rua da Cruz,
n. a, casa de Geo: Kenwortby 6c
Companbia.


_____JH.
mm
Vcnde-so nma cabra de 40 annos pouco
mais on menos, a qual chegou agora do
sertlo ; um mulalinho de bonita (gura .
;nulo sadio e bastante esperto : na ra do
Queimado, loja de fazendas. n. 45.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
RUA DA SKNZAT.T.A-NOVA, N. ^2.
Neste estabclecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de mocadas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, c tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
Vendem se presuntos inglezes para
fiambre ; latas com bolacbinhas de Lisboa ;
(Jilas de ara ruin ; ditas de mermelada de
1,2 l libras ; ditas de sardinhas ; ditas de
liervilhas ; ditas de checolate de Lisboa ;
frascos de conservas ; ditos d'agoa de flor
de laranja; barris com azeitonas brancas de
Elvas ; garrafas com vinho moscatel de Se-
tubal e da Madeira ; queijos de prato ,
frescaes : tudo novo e chegado ultima-
mente de Lisboa : na ra da Cruz, no
Itecife, n. 46.
Vende-se vimc, cbegada ltimamente
nobrigue Nova-Vencedor: na ra do Apol-
lo armnzem de Antonio Augusto da Fon-
seca.
Vcndem-se sellins inglezes e
canias de ferro: na ra da Senzalla-
nova, n. 4a.
Cha brasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
moldados, atrs do Corpo-Santo, n. 66, o
mais emoliente cha produzido em S.-Pau-
lo que lem viudo a esto mercado, por
prego muilo commodo.
Vemie-sechampanha da mais superior
qualidaile que tem vindo este mercado :
na ra da Cruz, n. 27, armazem de Crocco
A Companhia.
A 640 rs. catn ti ni.
Vendem-se cobertores de algodo ameri-
cano, encnrpadose grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras de bons padres e cu-
res seguras, a meia pataca o covado : na
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
tu para a caileia.
Vende-se algodao trancado
da fabrica de Todos-os-Sanlos a
r?70 e a 3oo rs. a vara : na na da
Cadeia, n. 5i.
Taixas para engenho.
Na fumlicSo de ferro da ra do Brum,
Hcaha-se de reeeber um completo sortimen-
todo lalxas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promplidSo embarcam-se,
Otl ranepam-seem carrossem despezas ao
omprador.
Deposito da fabrica de
Torios-os-Santnsna Babia.
Vende-ge em casa de N. 0. Itieber & C.
aa run da Cruz, n. 4, aleodlo trancado
aquella fabrica, muito proprio para saceos
de assurar e roupa de escravos.
1,280 ris.
Vendem-se superiores cortes de brim
trancado do puro linho ror de lama de Pa-
rs pelo barato prego de 1,280 rs. : na ra
do Crespo n. 14, loja de Jos Francisco
Das,
Foha de Flandres.
Vendem-se canas com foha de Flan-
dres : em casa de J. J. Tasso Jnior : na ra
do Amorim. n. 35.
N. 9.
itua da Madre-de-Deos.
Villa-Carolina, entrada de San-
Matheus, a qual se acha fundeada
defronte do caes do Collcgio : tra-
ta-se com o capito a bordo, ou
com Machado & Pinheiro, na ra
do Vigario, n. 19, segundo andar.
~ Vende-se cal virgem de Lisboa em
barris pequeos ; feches de arcos de pao e
rodas de ditos para barricas; cunhetes de
pinho abatidos para assucar ; pregos cai-
xas do Porto em barris de 10 milheiros ;
ditos de estuque em barris de 32 milheiros;
mermelada de Lisboa em latas de 1 e 2 li-
bras ; pilulas de familia ; cadeiras de pao
preto, angico e cerdeira. chegadas ultima-
mente do Porto : a tratar com Joquim Fer-
reira Mandes GuimarBes na ra da Cruz ,
n.49.
fes fumantes de bom gosto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, cliegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-Felx, e de oulras muitas
qualidades que se venderSo mais barato do
que em outra qualquer parte : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
milho, que se estio vendendo pelo diminu-
to preco de 500 rs. o eento.
Cha barato-
Vende-se muito bom cha, pelo prego de
500 rs. a libra : na ra do Crespo, 11. 23.
Direito das mulheres
e injustiga dos homens, traduzido por urna
Brasileira 1 vende-se a 640 rs., na praga
da Independencia, livraria ns. 6 e 8.
Cortes de brim de puro
linlio, a 1,1280.
-- Vendem-se corles de brim trancado
pardo de pu'o linho, pelo diminuto preco
de qualro patacas : na ra do|CrespO, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Vendem-scsapaloes brancos
do Aracaly a 1,000 e 1,200 rs.
o par : na ra da Cadeia do Heci-
fe, n. 9j
-4
vado ; e outras muitas fazendas que a vista
dos compradores se farflo patentes; bem
como um rico sortimento de madapoloes
finos e baratos.
Camisas francezas .
Na ra Nova, n. 14, loja de alfaiate he
chegado um riquissimo sortimento de ca-
misas brancase de riscados os mais lindos
padroes e cores Oxas, por preco commodo.
Vende-se um pardo de 24 annos, de
bonita figura, sem vicios, e que he pro-
prio para qualquer servigo: na ra do
Crespo, loja n. 15, de Cunha Cuimares &
Companhia.
Rap roldo francez.
Vende-seo superior rap rolSo francez,
nicamente as lojas dos Srs. Caetano Luiz
Ferreira no Aterro-da-Boa-Vista n. 46 ;
Tliomaz dcMiiltos Fstima na mesma ra,
n.54; Francisco Joaquim linaria ruado
Cabug ;Pinto&Irm3o, na ra da Cadeia
doRecJfo, n. 19.
Vende-sc a muito acredita-
da i irinlia franceza Barn, chega-
da ltimamente, e por preco rasoa-
vel : na ra da Senzalla-Velha,
n. 138.
Vendem-9e biihetes da lote-
ra do Bio-de-Janeiro: na praca
da Independencia, n. 37.
Na loja da ra do Crespo, n. 6, ao
p do lampeSo, continuam-se
a vender azendas baratas.
obra intitulada Cartas da India rs. cada um; panninhocom vara d
^fED0S<%
Puro vinho da Figueira.
o novo armazem u'esla pinga deliciosa
acaba Uese abrir nesla ra, defronte do ex-
tinelo armazem ao mesmo preco de 180
rs. a garrafa ,e a 1,360 rs. a caada. Os
amanies deste licor allj encontrado garra-
las promptamentc lacradas e com o seu
competente rotulo para trocarem por outras
promptamente ; assim como tambem en-
contrarlo barris de diversos tamanhos,
por pregos bem rasoaveis ; bem como vinho
lirancode LisbcV. a 1,600 rs a caada o a
220 rs. a garrafa. O propietario deste esta-
helccimento pedeexame para poderem ava-
llar a pureza de sua qualidade e asseio, e
que em nada desagradar aos concur-
rentes.
Estrella.
Vende-se superior bolachinha intitulada
estrella muito propria para doentes, por
ser agoada e de muito superior farinha : na
ra Direita, n. 79.
4
ATOALHADO DE PURO LINHO.
Vende-seatoalhado depuro linho,
com 6 palmos de largura, a 1,600 rs.
a vara ; dito milito superior, com 8
:'* palmos, a 4,000; dito com 11 pal*
i
<
O
1
m
> 6 de largo, a 2,000 ; o giiardanauos, <5
^ a 3,000 rs. a duzia : na loja do sobra- *|
mos, a 5,000 ; toalhas da mesma fa- zenda, com 7 palmos de comprido e g
*& doamarello da ra do "Queimado,
. n. 29.
--No armazem da ra da Moda, n. 7, con-
tina-se a vender superior colla das fabri-
cas do Rio-C.rande-do-Sul, por prego ba-
rato.
FARINHA DE MANDIOCA.
A melhor farinha de maal^ que tem
venda he a bordo do briew -, chega-
do de Santa-Catharina,# praia
do Collcgio, onde seJF commodo que em pr
tambem se pode \..
mercio, n. 6, primeiro am....
Yende-se farinha de mandu-
ca, muito superior e por prelo
commodo, a bordo da sumaca
in-
para curar da phlysica em todos os seus
differentcs graos, ou motivada por al-
guma das seguintes molestias: comlipa-
goes, tosse, asthma pleuriz escarros de
sangue coqueluche, drde costase pel-
los bronchites ddr na garganta e todas as
molestias dos orgilos pulmonares. Este ex -
relente remedio que tem gozado de tflo boa
reputacflo nos Estados-Unidos da America
do Norte, pelos seus bons effeitos na cura
das varias molestias acima'mencionadas, m-
duzio os proprietarios delle a manda-lo pa-
ra o Brasil, onde a esperanen de suas virtu-
des nflo fram sem fundamenlo como a
experiencia tem mostrado desde a sua in-
troducco poisos admira veis effeitos que
tem produzido aqui sSo iguaes aos mellio-
res que alli lem feito e que s3o bem altes-
lado pelos varios testemunhus e certifica-
dos das pessoasque leem sido curadas por
este medicamento sem igual, particular,
mente ao sul desto imperio onde foi pri-
meramente introduzido, e j nesta mesma
provincia receitado pelos mdicos e sem-
pre com bom sucesso. Novaes & Compa-
nhia, os nicos agentes nesta cidade e pro-
vincia, nrmrados pelos agentes geraes do
Rio-de-Janeiro os Srs. K. C. Yates & Com-
panhia mudaran) o deposito deste xarope
para a botica do Sr. Jos Maria Hamos, na
ra dos Quarleis, n. 12 junto ao quartel de
polica onde sempre achardo o nico ver-
dadeiro, vindo daquelle deposito, a 5,500 I
rs. cada garrafa. '
--A bordo do hiato S.-Joo, fundeado
defronte do l'asseio-l'ublico vende-se boa
farinha de mandioca por prego msoavel: a
tratar com o mestre do mesmo lii.de ou
com Amorim IrmSus na ra da Cadeia ,
n. 39.
A tt encelo.
Na ra do Crespo, loja n. 5 A, junto ao
arco de S.-Antonio, vendem-se ricas man-
tas de seda de novos laviores,a 6 e 8,000
rs., tanto para senhora como para meni-
nas ; alm deslas fazendas ha u>n rico sor-
timento de leques com enfeiles inieira-
mcnle novos, e que se vendem maisem
cunta do que em outra qualquer parte.
Charutos de S.-Felix.
Na loja de Antonio Joaquim Vidal ven-
dem-se superiores charutos de S.-Felix,
verdadeiros os quaes se recommenda aos
bons fumantes.
Vende-se a casa terrea de pedra e cal
n. 136 da ra Imperial ; um terreno junto a
mesma para oulra casa j aterrado, tudo
at o rio, e em chaos proprios : na ra do
Collegio, n. 6.
A 4oo ris.
Vende-se superior esguiao de algodo de
quatro palmosemeio de largura, proprio
para camisas de senhora e jaquetas pelo
baralo preco de 400 rs. a vara ; bretanhas
de rolo com 10 varas, a 1,600 rs. ; supe-
riores cortes de fuslOes alcochoado a
1,28o ra.; ditos miudos, a 400 rs. o corto :
na ra do Crespo, n. 14, loja de Jos Fran-
cisco Dias
Cortes do brim trangado amarello, a 1,440
ra.; ditos de dito escuro da melhor qua-
lidade que tem vindo a este mercado, a
1,280 rs. ; dito branco strado a 1,500 rs. ;
cobertores de algodilo mais encorpados
dos que os de outra parte, a 640 rs. ; chitas
para coberta a 200 rs. o covado ; chitas es-
curas com cores lixas a 160 e 180 rs.; cha-
peos de massa, a i.uiu is. : di los de seda,
a 64o rs.; cassa para bahados e cortinados,
a 2,400 rs. a pega e 320 rs. a vara.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidado, em barris de 4 arrobas,
chegada neste mez pelo brigue Maria-Joi:
a tratar na ra do Brum armazem de
Antonio Augusto da Fooseca, ou na roa do
Vigario, n. 19.
A 200 rs. o covado.
Vende-se zuarte azul trangado, muito en-
corpado e com 4 palo>os e meio de largura ,
a melhor fazenda para vestir escravo pelo
barato prego de 200 rs. o covado; na loja da
esquina da ra do Crespo, que volta para a
cadeia.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias que fram de
farinha em p e bem accondicionadas:
na ra do Amorim, n. 35, casa de J. J.
Tasso Jnior.
Vendem-se acroes da com-
panhia de Pernambuco e Parala-
ba : no escriptorio de Olivara Ir-
maos &c Companhia, ruada Cruz,
n. 9.
~ Vendem-se saccas grandes com milito;
no armazem de Bacelar defronte da escadi-
nha da alfandega.
Na ra das Cruzes.n. 41,vendem-se bar-
ris de cinco em pipa de vinho de Lavradio,
proprio para casa particular, por ser muito
neo.
O FAZENDAS BARATAS. n
3 Vendem-se cortes de brim trangado t\
{A pardo, a 1,280; ditos de dito bran-
q co tiangadocdelislras, a 1,280; di-
. tos de dito amarello, a 1,500; ditos p?
g de macedonia, padrOes de casimira,
g a 2,000; ditos de casimira do algo- O
^J dflo, fazenda escura e muito encor- O
> pada, a 2,000 ;e outras muitas fazen-
H> das baratas : na loja do sobrado ama-
Q relio da ra do Queimado, n. 29. PS
Na loja de Carlos llardy, na ra Nova ,
vendem-se manteletas prelas para
e China escripias pelo ""bem co-
nhecido Jos Ignacio de Andrade;
tem varios' retratos lilhograpba-
dos de person&gens daquellas lon-
gincuas trras : erafim o nome do
autor basta para o seu elogio : a
volumes em bom typo: na ra da
Cruz, n. 9.
A 040 rs.
Vendem-secobirtores dealgodo, muito
encorpados, proprios para escravos, a.duas
patacas cada um : na ra daCidcia-Velha,
n. 33.
Bombas de ferro.
Na fundig.lo de ferro da ra do Brum ,
vcndem-se superiores bombas para cacim-
ba assim como do repucho para fazer su-
bir agoa casas at altura de 4 a 5 andares.
#a><"S-C"e--~C"9
V
^ Farinha de S-lIatlieus A Vende-se farinha muito superior, por A
V prego commodo a bordo da sumaca ff
A Feliz-urora, fundeada em frente do ,\
$ caes do Collegio : a tratar-com o ca- y
A pitSo a bordo ou com Machado & Pi- X
u nheiro na ra do Vigario, n. 19, se- S
* m.mln .1 ii.liip
gundo andar.
A
"Vcndem-se canastrascom alhos novos
om maungas, por prego muito commodo pa-
ra fechar conla : no armazem defronte do
chafariz do caes da Alfandega.
Lagrimas e sor risos, .
poesas de II. R. de Andrada : na livraria
da esquina do Collegio, a 1,000 rs. cada
excinplar.
Na ra do Crespo, loja n.
6, ao p do Iamnco, vcndem-se
pecas de cassa de quadros, muito
linas, por 2,000 rs. a peca e a 320
rs. a vara.
Lencos de cambraia
de linho
Na ra do Livramento, n. 14, vendem-se
lengos de cambraia de Hubo para hnmem
e senhora ; pegas de chiU para roupa de
escravos com 24covados ,? 1,400 rs. a pe-
ga e o cuvado pelo barato prego de qualro
vintens ; chitas finas a 180 e 200 rs. o co-
V,
\
n. 32,
senhora; chapeos de seda e de'palha para
senhora e meninas. Na mesma loja tambem
se fazem chapeos de encommenda e ha um
sortimento de lindas toucas para meni-
nas, por prego mais barato do quo em
outra qualquer parte.
Jltenco ao batato.
Na ra do Livramento, n. 14, vendem-se
cortes de lila de bonitos padroes, a 2,100
rs. o erte ; riscados ministros, a 260 rs. o
covado ; lengos de cambraia de linho, mui-
to linos, para senhora ; pegas de madapo-
lilo fino a 2,800, 3,800, 4,000 e 4,500 rs. ;
chitas escuras de cOres fixas.a 160, 180 o
200 rs., e muito finas a 240 rs. ; cortes de
cambraia para vestidos, de ricos padrOes ; 6
oulras muilas fazendas baratas.
-Na ra do Aragflo, loja de barbeiro,
n. 33 vendem-se e alugam-so bixas de
llamburgo.
Vendem-se pannos finissi-
mos cor de caf, verde, preto, azul
c cor de vinho.a 4,800 rs. o cova-
do ; dito mais abaixo e das mes-
mas cores a 3.200 e 3,6oo rs ;
dito encar nado muito fino, a 3,5oo
rs. : tudo para liquidar con tas na
ra do Queimado, loja n. Si.
Vende-se um cabra mogo o robusto
e que he muito entendido do sarvigo de
campo : na ra do Sebo a fallar com o fu-
nilelro Antonio Jos Dias.
Fareo novo.
Vcndem-se saccas com Trelo, pesando 90
libras, desembarcadas no sabbado, 28 do
crrante: no armazem do Bacelar.
Vende-se carvao patente o
qual excede ao carvo natural, por
sua superioridade do incendio,
por preco commodo, a vontade do
comprador: na ra da Cadeia do
Recife, n. 48.
--Vende-se um preto robusto que faz lo-
do o servico de padaria monos forneiro ,
tambem cozmha e be bom canoeiro : na
ra do Bangel. n. 5.
Vende-se a bem acreditada
Vende-se urna mobilia de Jacaranda,
obra bem construida, eem bom estado : na
praga da Independencia, n. 1.
Vende-se cha brasileiro, o melhor que
lem apparecido neste mercado, por prego
commodo : em casa de Elias Baptista da Sil-
va, na ra do Sol, 1. 1.
' Vendem-se relogios de ouro o prata,
patente inglez : na ra da Senzalla-Nova ,
n. 42.
& 3
& j loja da esquina que volta 9
0 para a cadeia, vendem-se %
Q os acreditados brins trangados bran- ^j
gura a 240 rs! a vara, e a 9,500Va er."
com 10 varas e meia ; chales de seda e 11.
a 2,000 rs. cada um; fuslOes para col!c'
a 500 rs. o corle ; e oulras muitas fazend
por barato prego : na ra do Crespo \\l
n. 15, de Cunha Cuimarfles & Companni
Vendem-se resmas de papel de n^A.-.
branco, de superior qualidade; ditas de l^
so azul; ditas de almago, por prego bar.
lo : na praga da Independencia, n. 4
Vendem-se 8 casaes de pombos bu
tanl grandes, muito bons batedor lm
nitos e Je excellente raga por prego com
modo ; um porca de raga bah, muito or
dr e propria para negocio na ra di Fin
rentina n. 16. "*
Vende-so urna carroga nova, toda nir,
tada a oleo e com fortes rodas de aicnoin
esta obra pela sua construccSo he a melhor
que pode apparecer: na ra da Florenti
na, n 16.
Anda est por vender a venda do Atar
ro-da-Boa-Vista n. 92, com poucos fUn"
dos, e com bons commodos para mon
familia : a tratar na mesma vend bem
como um braco do balango grrnde, con, 9
arrobas em pesos, proprio para aromen
do assucar, ou Carne do Ceara.
Vendem-se 8 lindos molequeg de 1((
20 annos; 3 pretog de 20 a 30 annos ero.
prios para todo o servigo; om prelo de m
annos perfeito cosinheiro, e que nSoien
vicios; um lindo mulalinho de 15 annoj
de boa conducta, o que ae afianei 3 n.
grinha de 10 a 15 annos com principio de
habilidades ; 2 pardas de 90 annos un
das quaes he perfeita engommadeira que
cose bem chfio. cozinha e faz o mais o ir-
ranjode urna casa ; 2 pretas com algunai
habilidades; e outros mu i tos escravo : ni
ra do Vigario, n. 24.
gfL iiwvvi f i'itwn imim, tJiuuiuauu r
X proprio para escravos a 180 rs. o %
J^ covado; panno preto muito lino, a y
? 3,200 rs. o covado ; cassa de quadros O
para babados, a 2,000 rs. a pega ; lu- O
& vas de algodao de cor, muito linas, a O
f> 240 rs o par ; chitas rouxas com fio- O
rey encarnadas, de tintas segura, a Q
J 180 rs. o covado ; cassas pretas, pro- e
0 priaspara luto, a 160 rs. o covado; a
q pegas de platilha dealgodo com 25 X
p, varas, a 4,200 rs.; e outras muitas r
t fazendas por prego commodo. ^r
Vendem-se 4 escravas, a saber: urna
negrinha de 7 annos; dous mulalinhos ,
um da 7 anuos e outro de 13 ; um moleque
de 12 annos, muito bonito: lodos muito
em conla.atendendoa falta desles objeclos:
na ra larga do Ilozario, loja n. 35.
Vendem-se diccionarios da lingos
portugueza, por Constancio, de ptima en-
cadertiagao e por prego commodo : em casa
de Elias Baptista da Silva, na ra do Sol.
n. 1.
-Vende-se urna parda propria para o
servigo de urna casa : na ra da Cruz, n. 28,
a Iralar com Lima Jnior & C.
lie chegada
nova remessa dos superiores queijos de
qualha Iguaes aos que vieram pela pri-
mera vez muilo frescaes e grandes : na
ra do Queimado, loja demiudezas, n. 25.
Vendem-se 15 escravos, sendo: um
escravo carreiro ; 7 ditos para todo o ser-
vigo ; 2 mulatinhosdo 13 a ISannos; 6 es-
cravas: todos de bonitas figuras: na ra
Direita n. 3.
Vende-so urna escrava de naglo, de 24
anuos que cozinha o diario de urna casa,
lava de sabilo e varreila e he muito boa
quitaifdeira : na ra da Cruz, no Recife, n.
25, se dir quem vende.
Para liquidacao.
Na loja n. 5 A, da ra do Crespo, ao p do
arco de S.-Antonio continuam-se a vender
muito bons cortes de cambraia de cores
com 6 varase meia a 2,500 e 3,000 rs ; pe-
gas de madapolilo infestado, a 5,500 rs. ,
muilo boa l'azendajlengos de cassa para gr-
vala a160 rs. ; casimira elstica preta 'a
2,500 rs o covado ; casimiras de cores para
caigas a 4,000 rs. o cVte ; Portel de col-
leks de gorgurilo de seda a 2,500 e 3,200
rs. ; chales de chita grandes a 800 rs. e
pequeos a 500 rs. ; eainda resta 111 alguns
chapos de crep para senhora a 2,000
ni
CASIMIRAS ELSTICAS DE CORES.
?, Na luja do sobrado amarello dr n
t) do Queimado, n. 29, ha um grande"!
?; novo sin tmenlo i!e casimiras de
ir res, padrOes omito moder
C.500 e 7,000 rs. caJ
casimiras ue u,0.
lodernos, a C,0fJ0
a coi te. / '
mi
braf
ns-'
Vendem-ae cortes de cam
mascadas propriaspara vestidos
rs. ; ditos de talagarga, a 1,600
cassa-chila de cOres Oxas, a 300
zinhas para vestidos, caigas e rou
nios, a 390rs o covado; fazen
com listras de seda propria par
de senhora a 640 rs. ; 13as par
a 2,200 rs. o corle; cortes de
\
%9w
as ada-
a 3,000
',500 rs.
s. ; Ili-
li de mc-
.i de 13a
1 vestido
calcas, de
miiLbm>0.,loe de.>PMW qualidade ,
ssa, a 1,400
Vende-so panno de varias cores,
muilo fino e de cor fita, a 4,000 rs. o
covado ; merino prelo, a 2,500; dito
muilo fino, a 3 e 3,500; sarja de lila
preta e de cores, a 800 rs. o covado;
princeza preta entestada, fazenda
igual a merino, a 1,000 o covado ; al- *
paca preta de lustro, a 600 rs. o co-
vado, e outras fazendas muito em L
conta : na ra do Queimado, loja do E
g! sobrado amarello, n.29.
rffcJIlIMfcllfjailAWAiMM^^v.-^. UMMUHA HIIIMlMilMi m^
*!"* OIWWIMIMI W1H
ATTENgAO :
Vende-se, na ra do Collegio, n. 17, vi-
nho da Figueira muito superior, pelo pre-
go de 160 rs. a garrafa e 1,200 rs. a cni-
da ; pede-se os amantes da boa pinga que
apparegsm, visto ser este o mesmo que
deixou d so vender na ra da Madre-de-
Deos. ) r
Venle-se graxa ingleza, a 200 rs. o po-
te e a 2,1300 rs. a duzia : na praca di la-
dependencia, loja de miudezas, n. S.
Nailiilt.Mi bom al boje se ha descober-
to para curur vista ca ligada ou curta, como
spjam ocu|los apropriados, os quaes se
vendem pon diversos pregos ,e muito em
conla, por naver sortimento : na rualirg
do Ilozario, loja de miudezas, n. 35.
A 1,000 rs. o corte.
Vende-se brim liso escuro muito fino,
proprio para jaquela a 1,000 rs. o corte ;
dito trangado escuroejnuilo fino, a 1,280
rs. o corte de caigas'; dito cor de ganga, 1
1,500 rs. o corte, sendo lodos de puro linho;
cortes de cassa do cordflozinho com 7 va-
ras a 2,000 rs.; fuslilo alcochoado pan
col lele a 480 rs o corte ; meias fiaaa pan
meninas de varios tamanhos a 390 rs. o
par : na rua do Queimado, n. 8.
Vende-so um bonito escravo cabrs de
25 annos, proprio para pagem, ou para al-
gum sitio, 1 01 sei traba Ihador de enxidi e
entender de plantagOes; o qual be muilo
robusto e de bonila figura: na rua do Ca-
bug, n. 16, segundo andar.
Jbscravos tufsiaon
Fugiram em agosto de 1832, Catn-
ria de nago Cagange, de 14 anuos, bai-
xa, cheia docorpo, com falta de um denle
na fente ; hojo leve representar 31 annos:
Jacob, pardo, de ISannos, secco do cul-
po, cabellos estirados; lem um pequeo l-
llio na mag3a do roslo, e falta-lhe um den-
te na frente o mais visivel signal be a mar-
ca de um caustico as costa fugio em de-
zembro do 1847: quem os pegar leve-osi
rua Nova a Jos Luiz Pereira, que gratifi-
car.
i-'u;- io, no dia 28 de maio prximo pss-
sado um pieto de nome Manoel, de naco
Bcnguella, mas pareco crioula, por ter es-
tado no mallo muito lempo; falla bem
claro ; he baixo, grosso do corpo; bem bar-
bado cor fula ; tem os beigos grossos, e
no inferior urna cicatriz ps apalhetadoi,
olhos c roslo de quem he bastante ebrio,
toca vio'a a moda do serillo ; lem sido vis-
to desde a l'assagem al o Cacbang ; jul-
ga-se ter mudado o nome, e anda com o
titulo de forro : quem o pegar leve-o rui
da Cruz, no Recite, n. 31, que ser genero-
samente gratificado.
Acha-se fgido o escravo Florencio,
crioulo.de 35 annos, chelo do co'po, de
boa altura falla-llie alguns denles; lera
o roslo cheio de marcas -Je .bexigas ; levou
camisa branca c chapeo de"palha ; he nim-
io farsolha ; esta f/ugida ha 12 dias q"''ra
o pegar leve-o a/rua da Cadeia do Recife,
n 34, que ser/recompensado.
Fugjram ; ooia 30 do prximo passi-
do, '0f,relos Joaquim, de nagSo Csmua-
tlo/hgo tula, de 24 annos pouco mais ou
"menos estatura regular com algum
marcas de ventosas no estamago : Joan, M
nagflo Congo de 24 annos pouco mais menos estatura regular groiso do corpo,
com dous dedos alcijados na mflo direila ,
um a cicatriz.na mesma mflo, e com prin-
cipio de um lobinho tambem na mesm*
inflo. Roga-se as autoridades policiaes e ca
pilSesde campo ,*qde os arijprehendam >
levem-os a seu senhor, Diogo Rodrigues,
em Fra-de-l'orlas, venda n. 135.
Fugio, no dia 29 do prximo piseO-j
do engenho Perciras. freguezia de Jaboalao,
o preto Filippe, crioulo, de estatura oro>
liara, cheio do corpo, olhos pequeos,
pouca barba falla um tanlo roca Prn's
grossas: quemo pegar leve-o ao dito en-
genho ou nesta prafia ao Sr. JoBo Pini"
de Lemos Jnior, que recompensara.
... ..ft
N*
DE a, DE FARU.
_1849 I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQ4CK9T88_R4OKG4 INGEST_TIME 2013-04-12T21:48:11Z PACKAGE AA00011611_06235
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES