Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06230


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXV?
Sexta-feira 26
m
O l)IAIUO\mbUct-s*\ain**t diasque no
forera di guarda. Opvtfo da asignatura he
de -IfOOO rs. popqnartel, p*0M nJinnladoi. Os
annuncioj dos assignaiitfs sao inseridos a
raiao de 20 ra.por UiiIj, 40 u. ein lypo dil-
ferrnie, e as repelicoes pela uvladc O nao
.signantes tagarno 80 rs. por liuha c >&> "
cm typodUTeieuie, por cada publSao-
PHAJ5KS DA LA NO MEJ5 DR JAKfclRO.
ssmsm
PARTIDA DOS CORREIOS.
DIARIO
de Janeiro de 1849.
N. 21,
Golanna e Parahiba. as argt. e sextat-friras.
Ilio-G.-do-Norlc, quinlasfelras aomeio-dla.
Caho..Scrinliaeii>, Hio-Formoso, Porto-Calvo
.Macei, no 1 a II 21 de cada mea.
(iaraiiliuns e Bonito, a 8 e 23.
IJoa- Vista e Flores, a 13 c 28.
Victoria, is quintas-fclras.
Oliodo, lodos os dio*.
..., PP.EAMAH DE HOJR.
Primeira, s 6 horas e M minutos da nianh.
Segunda, s 7horas e 18 minutos da tarde.
DAS DA SKUANA.
22 Segunda. S. Vicente. Vil. dn J. dos
orph.,"doJ. doclv.edu 1. M. da2. v.
23 Te rea. S. Ildefonso. And. doj.doc. da 1.
v. e do J. de pardo 2. dlst. de t.
24 Quarta. flosia Senhora da Par.. Aud. do J.
doe, da 2. v.edo J. de paz 'Jo i. dial, de t.
25 Quinta. 8. Alsalas. Aud. do J. d'isorph.
r. do I. SI. da 1. v.
20 Sexta. S. Polycarpo. Aud. doJ.dociv. c
doJ. de paido.l. dist. del.
27 Sahbado. S. Joio Chrysoslomo. Aud.doJ.
doc. dal. v. c do J. de paz do 2. dist. de I.
28 Domingo. S. Cyrillo.
CAMBIOS NO DIA25DF. JANEIRO.
Sobre Londres a 2,''/., d. por 1/ ra. a (Odias-
n Pars
> Lisboa 11C por cento de premio.
> Kio-de-Janriro ao par.
Pese, de lett. de boas firma a I'/, % ao mea.
Aeciies da couip. de Beberibc, a oOf rs. ao p.
(turo. Oucas lictpanholas. 2'0H0 a 29.V10
Metidas de#400v. lu#8()0 a I7#)I > de 6/400 n. lfilOO a HiSOP
' dctyOOO.... y/WO a 9/400
Proa-Patacoebrasilelros l/.Mll a 1/siO
Pesos colunmarios. 1^940 a l/MD
Ditotmexicanos...... 1/880 a 1/900
PAUTE OFFICIAl.
\
GVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 21 DE JANEIRO.
Odelo.-JkftjMpcclortU thesourarii da azenda,
transDiitlinilo o.avlao de urna leltra .la manija de
-,00.0 rfil, sacada pela Iheaotiraria da provtncir
do Ri-Or*nde-do-<(ilnrle sobre east* cargo deS. S
e a retarde Joaqun) RomAo Seabra de Mello.Sel
entiflcou-aa o presidente da referida provincia.
Ditn.Ap inspector do arsenal de marinlta, deca
raudo qu fle* sciente de haver chegado da llalli
na escuna nacional Curise, e a presen tado-se aS.
me. o 9. conslruelor do arsenal do marinlia da cor-
te Jos Joaquia Rabello Pimenla que vem dirigir
eonstrucolo de um brigue que aqui se deve de fa-
bricar.
Dito.-Ao dircelor do arsenal de guerra, autorl-
sando-o a despenden quana de 199,&00 riscom
o pagamento de 200 embornaos de brim que a pre-
siilcncia mandoutornecer ao *.' balalhilo de arlillia-
tiaa pe, ocom a prompliflcacfio de 150 que a mos-
ma presidencia Uaeordeoou fizesse preparar.Par-
licipou-se ao rMsvelor da aagadoria militar.
Portara.O presidente da provincia tem resolvi-
do demillir es ofliciaea da respectiva secretaria Ma-
noel Joaquim Pcreira Lobo e Manoel Jos de Souza
I.una pela maneira por quo se l3o portado nodesem-
penho do servicn, chegando o primeiro a abandonar
o ejercicio do seu lugar. Kizeram-so as patticipa-
crtes'do eslylo.
Alferes -Joaquim Hygino Goncslves Caerra.
Jos Joaqum do Oliveira Wascouccllos.
Scientiucou-se ao cotnmandanle da legiao res-
pectiva.
RelneaS dos offtciatt de commhsaO designados para :
itnirem no batalhits da guardt nacional do
MMMi'n'tH* dt NasmrHh.
Eilado^naior
,.lTenehle-ajudante--Loiz Theotonio Bezerta Jnior.
- Alferes-secrelarioJoaquim Manuel C.avalcante.
Alferes-porta-bandeiraMigucl Pereira de Lira.
i'comfanhia.
Capitflo-Jos VSeira de MeMn.
TenenteLuir Paulo Vieira de Mello.
AlforosJoaqnim Francisco Bezerra. .
Jollo Dullno de Abreo.
9.* compaiiAi'd.
h Capildo-Joflo Francisco Vieira do Mello.
TcnnnlePatricio Jos Riboiro de Vasroncellos.
AlferesJoflo Francisco Cavalcanto do Vasconcollos.
3.' compankia.
CapiloJo9Palro-ieWtTKra Mello.
Temmte^-Antonio Jos de Oliveirn Mello.
AlferesAntonio Francisco de Oliveira.
4.' compankia.
Capiliolernardo Dornellas da Cmara Bandeira.
1 enenteJos Mari de Sania Anua.
AlferesAntonio Bernardo deMoraes.
6,* compankia.
CapilioJoo da Cunlia Ferroira.
Tcnente-Lcopoldino Avelliano Marques Bacallio.
AlferesPedro llarifiho Falcffo.
6.' compankia.
utiendando reprosentacnodo coronel cliefe deba- m _^ ._.,, ,
ei.lo akamesmo municipio, resolve lemiltir a ditoa CapiUto-Joaquiaa Cafalcanteda Rochai faisatettey.
Tcneole-Chriatosln atoiTMasifc Cavalcanto de Al-
buquerque.
Dita. O presidente da provi ncia,considera ndo qu.i
os tilliriaesdo 1.* e2.* batalbOes da guarda nacional
do municipiodo-Nazaretli, abaixo mencionados, ou
leem adherido manifaalaniente causa da revolla, ou
mo trem prestado n seivi(o que delles leem exigido
os respectivos chefes e anloridadoa constituidas, a
i 11 endeudo reprosentsefto do coronel chefe de le-
"* J. -- mni.iiiiiiA iirfilnit >laiil>>aB ^u* .l.la
ofliciae dos folios que oceupam, a sabef :
1." UiTALIM.
Capilio Antonio Jos Campello.
Falirieto Comes.
J.icitilho (;mos Borges.
-Francisco Xavier.
Antonio Barbota.
liinool Fidelis Nones Mac'iado.
2.' BiTiinad.
AjudanteHonrique Pereira de Moraes.
Alferes secretarioFrancisco da Silva o Amlrado.
Porta-banileiraFrancisio da Molla CavaJcanto.
ta pililo- l.ourcngn Paulo Velho de Mello.
Juaqtiim Dias llnrba.
i Malhias FiTiiatidea do Souza l.ejo.
Patricio Jos de Araujo.
Roberto Comes Pereira de Andrade.
TenenteManoel Tliomaz de Oliveira Ces.
Aiiloiiiu Jorge Guena,
Francisco Comes do Araujo Andrade.
> Jos Vicenta Pereira de l.ira.
a J.isc lloberto Alvesda Cunha.
> Manoel Comes Pereira do Audrade.
Alfi-ies l.uiz Mariano.
Joilo Dias iln Silva Ojtitinlio..
Ignacio Franciscj Cavalcaiile,'
,m*..........'' '-"- |!| -IU
"FOLHETim.
'HIEWOIUAS U LM ME1H4X), (*)
ion aieanbr JE'uinaft
TEIICKIIIA PARTE. >
3." compiaAin
Capilio -Joilo Cavalcanto du llego Barros.
Tenente-Manoe'l Francisco de Oliveira.
Alferas-Antonio l.uiz da Silva.
\.' compankia.
CapillloFcliciano Jdi de Mello.
T.-nenlo-Feliciano Antonio do Araujo Lima.
Alferes-lgnacio Cafaleanto de Albuquorque.
,5." compankia.
Capilio-Jos Catfral de Oliveira Mello.
TcnenieFeliciano Antonio Caiilo.
Alferes--Joaqun Francisco de Albuquerque.
6," compankia.
CapitfloJoflo Antonio Caiilo.
janenlaManoel Antonio CaiflO.
AlferesStlvuno Antonio Gaifio.
7.a compankia.
CapitaoJo.o Velho Brrelo.
TenenteFrancisco Xavier Brrelo.
AlferesFrancisco da Trindade B'-acrra. .
Pnrticipou se ao coronel coinmandanle da respec-
tiva lefiflo.
almonte supportada pelo chefe da igreja universal,
aquem todo devenios profunda vcneracSo o con-
sunimado respeito.
Minoremos sua drtr, sijavisemos scus soffrimen-
los, celebrando ou fazendo celebrar por sua tenclo
o Incruento sacrificio, e, qiiand.) nilo liaja esta oppor-
lunidade, recorramos unicamenlp, e com todo o fer-
vor do nosso espirito s orac^s particulares, para
que o Pastor Eterno Ilumino e osclareca o sen vice-
gerente sobre a Ierra, felieilaudo-ocom o reliando
quo Iho eslft confiado.
Palacio da Solcade, 21 de Janeiro de 18*9.
Jaso, hispo diocesano.
mmwam^mamammamrmmmmmmmmmmmmmmtmmmm
EXTPRIO?.
PROCl.AMAgAO DO AflCIIIDHOlII-: RECENTE DA
IIMAOCERMAMGA.
Ao povo all nuio.
A1 reres-Manoel JJaJfc Cavalcanto de Albuquerque.
f.' eompunkia.
CapilioAntonio da Molla Silvaira Gavaleaiiie.
TenenteAureliano Gavalcanle da Rocha Wandeilcy.
AlferesIgnacio Tlieodolmdu Mendos de Azuvedo.
8.' compankia.
CapilioFrancisco Cadeurna Bandeira de Mello.
TenenteJtssnino Antonio de Albuqnecquo.
AlferesJoaquim Francisco de Albuquerque.
2." MATU.lUO.
Enlado-maior.
Tenente-ajudanteAntonio Manoel Gnifto.
SocrelarioAntonio Concalvos Carneiro.
I'orta-baiideira- Joaquim Zoferino da Silva Cabial.
1.a compankia.
CupitiloFrancisco de Paula Marinbo Faleflo.
TenloAntonio do llollanda da Rocha Wanderley
AlferesJos Pereira Freir.
2.a companhia.'
-TenenlManoel Cabral do Oliveira JunTor.
AlferesAntonio Cabral do Oliveira.
mmifm i i'' .pajij ir riiaaa
XXXIV.
a axssAo asaz, do riHUMiino.
Esta famosa sesafio leve lugar com todo o ceremo-
nial qua exigiam, de nina parte oorgulljo real, o .la
oulra as intrigas que impelliam o rei a dar esto gol-
pe de estado.
O pul a co do mona rcha fot posto cm armas, um
grande numero de archeirus, .le soldados c do agen-
tes do polica fram dOMinadna pura a defensa do
oliancelier. o nnal- hom como um general em da de-
cisivo, devia expiirsua pessoa sagrada pelo bom re-
sultado da empieza. .
lr. dcMaiipeoti*ra muitoexecriuh., cllobemosa-
, e, so sua yaidado podiii fa'e-lo temer um assas-
siuato, as pessoas quO'iiielhor coiilieciam os sonli-
menlns do publico a seu respeilo, podiam preduor-
llie, se ni exageracHo, una lua desfoita, ou.pelo me-
nos alguns apupos.
o iiiosiiiolralaiiieiito devia esperar Mr. d'Aiguil-
loii, a queai o tais ti acto popular, um pouco aperfei-
gnado polos debutes dos parlamentos, surdamento
repcllia. U re siiuulava wrenida le, posto que Hilo
(; yida Diario n. .
rstivesse tranquillo. Remirando-so em seu magnifi-
co vestido, elle fez a seguinle reflexflo: Nio ha pa-
ra proteger como a magestaiie. Kilo teria podido
acci escentar: E o amor dos povos; porm era esta
nina plirnsc que linhanuvido tantasvezesem Melz
durante a sua doenea, qiiojnlgou no poder repel-
la sem ser aecusado de plagiato.
Pola nianha a delpbina, para quem esle espect-
culo era novo, O que talvez de coiacflo desejasse ve-
lo, tomou o seu ar sombro, c o conservou por todo
o caminlio desde o palacio real al a casa do parla-
mento; com oquedispoz a opiniSo publica muito
etn seu favor.
Ndame Dubarry era corajosa. A moeldade e a bel-
leza enchiam-na do confianca. Alm disto j nilo so
linha dito della ludo? Quemis so poderia accres-
cenlar a tudo? Ella appareceu radiante, como se um
reiiexo do augusto esplendor de seu amanto a mu
minasse.
O duque d'Aiguillon eaminhava afouto entro os
nares que precediam o rei. Soujroslo, ebeio do no-
breza e de carcter, nilo revelava netihum vestigio
de pezar, nem de desgasto ; entretanto, elle no ti-
nlm a cabeca erguida om ar de triumphador. Aov-lo
caiiiinliaiidoassiin, ninguem teria adivinhado que
por seu respeilo o rei o os parlamentos estatam
em guerra. O povo, ponlan.lo com o dedo pura el-
lo, moslravam no mis aosoulros. c s memhros do
parlamentolanc.avam-lheolhar:> teniveis; masisto
foi ludo.
A grande sala de palacio eslava cheia a trasbor-
dar: interessados c inU-ressanles faziam um total do
mais de tres mil pessoas. Da parte de fra, a popula-
os conlida pelas varinbas doscouliuuos, pelo bor-
dOes e maesas dos archeiros, nao mauirestava sua
presenca senflo por este susurro intraduzivel, que
lo lie urna voz, que nada articula, porem qup to-
dava se faz ouvii-, c que justamente se poderia cha-
mar o inurinurio das Crrenles populares.
O mesmo silencio reioou na grandesala, depois
que eessou o ruido dos passos, e que, lomando lodos
assenio, el-iei, mageatos e sombro, ordenuu seu
chanceller que fa||asse,
BISIMDO DE PEt.NaMBUCO.
D. iodo da Purtficac&o Marque Perdigo, conego re-
yranln d Sanio Agoslinko por grata de Dos, e da
Sonta Sn Apostlica, bispo de Pcrnambuco, do can-
al hodtS. l. I. C, ele.
A lodos os nossos diocesanos sa'e, paz e benc.lo
em nomo do Jesus-Clirislo.
Charrssimos filhos: o nosso coraclo, magoado pela
infausta noticia do vilenlo ingresso dosantissimo
padre Po IX paro Gaeta no territorio do reino de
aples, n.lo pode dcixar de manifestar os sen ti-
raenlos que devem ser communsa todos os filhos da
santa igreja em Uo aperlada crise, e na poca om
quo a niaior paite dos. habtenles do Roma, alm de
toda a expectaeflo, prrompejj no inslito e/cesso de
conspirar contra a primeira dignidade que pode ha-
ver no mundo.
Attribulado omnmodamente o nosso espirito po-
las deplora veis vicisstudes do lempo que manifesla
a macr relaxacHo nos coslumes religiosos e con-
duela civil, nos enva h Providencia mais esta adlic-
efio indicativa do sua ndignacfip con ira o desorde-
na lo procedmento dos habitantes do orbe, esque-
c.lfs dos deveres que as leis mandam observar, e a
prohidade recommenda, occorrendo aos males que
a rreligfo tem occasionado, nAo sendo possivcl
prcveni-los. .
('onstituidos, poto, e complicados cm tamaita an-
ciedade, lomos deliberado recorrer a Divina (Imn-
polcncia., implorando sen celeste auxilio o protec-
efln por meio de f.-rvorosas preces entoadas as mn-
lr7ese convenios desta capital e da cdado de Oltti-
da nos dias 29, 30 c 31 do corronle moz. e em toda
a tiiocese lugo que o nosso preceito Mr rccebi.lo
pelos reverendos parochos.
Nos, portanlo, confiando na piedade dos nossos
diocesanos, os convidamos para coniparccerctn no
sanio templo, e ossistirem 6s referidas preces com
O lim do unirem suas suppljca s da sania igreja e
deseos ministros, commovidos pela angustia aclu-
i Os membros do parlamento sabinmjii dcnnlemn
oque Ihos eslava destinado. El'.cs comprchendiam
que nilo linliam sido convocados seno para ouvi-
rcm cousas pouco agradaveis; mas, conhecendo a
moderacilo, para nilodizcr a timidez do rei, elles
nada rcceiavam, ou cnlo, sealgum receio linham,
era antes das conscqueiicias da sess.1o real do quo
della- mesmv
O chatirelli-r lomou a mSo. Seu exordio esteve ex-
celletile, e osapaixonudos do genero demonstralivo
acharam m-JIe com que salisfazor-se.
Todava o discurso degenorou em urna reprehen-
iSo Iflo rudo, que a nobleza sorrio-se de contente,
e os me*mbros do parlamento comegaiam a allli-
gir-se.
EUrei ordenava, pela bocea do chanceller, queso
cab.issccoip todos os negocios da Brelanha, pois
que j. u etifadevam ; que o parlamento se reconci-
liasse com o duque d'Aiguillon, enjos seryieos Ihc
eram agradaveis e ptoseguisso em administrar a
jus'.ica, mediante o que ludo se passaria como ues-
tes lempos felizes da idade de miro, em que os re-
galos corriam murmurando discursos no genero de-
liberativo ou judicial, e'as-arvores eslavam carre-
gadas deaaccos de prpeessos collocados ao alcanee
dos advogadus, ou dos procuradores, os quacs so-
mente liuhain o dircilo de colh-los como Duelos
quo llics | ertenciam.
Eslas lisonjas nilo congracaram o pin lamento com
si. de Maupeou, eainda iiienos com M. d'Aiguillon.
Potm o discurso eslava feito, e nao ora permillido
responder-lho.
Os membros do parlamento ebeios do maior des-
peito.tomaram lodos, coirt esla admirav.-l uni3o que
d tanta forca aos cor pos consliluidos, una allilude
tranquilla e ndifferenle, que desagradou sobera-
namente ao rei c ao mundo aristocrtico das tri-
bunas.
A delpbina empallideceu de colera. Era esta a pri-
meira vez que ella se acbava empresenta da resis-
tencia popular, cujo poder framente calculou. .
Tendo ido a aessao real com a intongao de ser mu- momo rallador c fazendo signal com a ttao,
lo opposu, pelo menos em apparencia, resolu?ao I Irou quo la fallar.
Allemie.s! ||e na maissrii das erises por qu
leem passado os nlerosses da patria, que me dirijo
n vscertode que escotareis as, minliaspalavrascoin
urna cooflancn perfeitn.
lima s.'hisma deploravel se desenvolveti ullim.i-
menlo entre a corda eosreprnsenlanlcs populares da
Prussia .' O povo da Allehianlia (om lomado parle
nesla eonlrnverca em urna exlens.lo cnnsideravol,
porm tem manlidoatc o prsenlo urna allitudc pa-
cifica e legal. Todava a vot .la paixilo resa pelo p.-
ix, o estenie-se com um fiir.iriiifla-nm-itnrin. lima
parte dos (lepiilados prussianos resolvern! suppri-
mir todas as ImpOSicdes, o por esle aclo elles hilo af-
frouxado os laeos da existencia poltica, lisio pro-
fundamente abalado as bases da soeiedade civil, e
h.To levado a Prussia e com ella toda Allomanha s
bordas da guerra intestina.
Prussianos I Os representantes da Allemanlia
reunidos em Frankfort tecm pronunciado nesla crise
momentosa as calmantes palavras da paz. A assem-
blca imperial tem expressado o desejo de que o rei
da Prussia chamo .para junio de si conselheiros que
gozem da ronfianr;a do paiz, Klla se compromelleu
solemnemente a mantor os dircilos e as libcrdades
que vos ffam promollidas e assegtira.las ella lem
protestado prolegcr-vos contra qualqiier lontaliva
que se dirija a violar osles direitos e estas liherda-
des. Todava ella tem ao mesmn tnmpo declarado
milla c .le neiiliuin off-itoa resolucilo. lomada pelos
doputinlos prussianos, de supprmiras laxas.
Prussianos! A assembla imperial em Frankfort
representa a naclo germnica no seu aggregndo, e
sua (loeisio he loi soproma para lodos.
a Alletnfles.' Eu obrarci ele perfeilo acedrdo com a
asseuilila imperial, cu n.lo consonlirei que soja le-
vada acffeilo a resol uqTo que, proliibindo a arre-
cailaeilo de laxas na Prussia, pocm em pe igo a pros-
peridadedo loda a Allcmanha.
En ordenarei comltido que sejam exactamente
cunipridasas promessas que fdram feitss para a sc-
guranca dos dircilos e das lilierdades do povo prus-
siano. Estes ^iroilos c eslas libcrdades permanece-
rOo intactas, bem como as de todos os nossos irmSos
germnicos.
o Prussianos .' Eu cont com o vosso apoio, o es-
pero que. evitareis lodosos aclos do illegalidado e
violencia, e vos mostrareis dignos das venturas
da liberdade. Guarda I a paz, que eu a mantore
lainlicm.
liiijji ni i n n .ar-aaasac-*ab'.'',*Tr ri i mmme^^am^^^^m^
que illi so ia lomar, ou notiliear, ella senlio-se pou-
co e pouco arrasla la a fazer causa commum com os
da sua rac e da sua casta, tanto assiin que, apc/ar
do chancellar r mor,leudo cada vez mais nos mem-
bros do parlamento, ella acliava-llie os denles mu
pouco agudos, e alo cria quo, so oslivesse em sen lu-
gar, teria descoberto p lavras que fi'cssrm aquella
BMplbla sallar, bem como urna manada de bols
sulla debaixo do aguilillo. Em urna palavra, ella
acliou 0 chanceller muilo fiac, c 03 membros do
parlamento muilo fortes.
l.uiz XV cr.. pbysionomista como o seriam todos
os egoislas, so algumas vez es nAo ossem prcguigo-
sos aomesmo lempo que ogoisiis. Kll* laOCOU os
ollios cm lomo do si para observar que clVeilo liuha
produzido a sua vonlado expressa por palavras quo
acbava mui eloquontcs.
A ualliJczeolabioscontraWdM da .idphina rc-
volarain-lhc iiumedialainooto o que naquolla alma
sepassava.
Ello passou depois n examinar a pliystonnmia do
madama Bulmry ; mas, em vez do tormo vencedor
que nclla esperava adiar, vio smento um desejO
vilenlo de allrabir sobre si os olhos do rei, como
para julgar o que ello ponsavo.
Nada intimida tanto os espirites fraeos como o se-
ren provenidos polo espirito evonlade deoutrem.
Quaudovcum-se observados por causa !(^ urna reso-
luciio j lunada, eoneluem que nilo leem feito ba-
lanle, quo vilo ser, ou j lino sido ridiculatisados,
quohaviadireilo de exgir delles mais do que bao
leilo. ,,
Entilo passam aos extremos, de limldos que eram
comegam n rugir, e um movimonlo repentino mani-
fesla oefleilo desla reacoiio, produzida polu lomor
sobre um temor monos forte.
El-rei nilo tinha tiecessidade de accroscentar cou-
sa atguina a s palavras nle seu chanceller, isso no
permiltia a cliquetta, o mestno nilo era preciso.
Porm nesla occasiuo elle foi'impedido pelo do-
mos-
I
1
ILEGIVEL


. Allomaos En conlo com o vosso a polo, c pro-
melto-vos lambem o meu. O objeCto pelo qual, lie
tanto lcii)po, suspiramos, o ohjerlo pelo qual osla-
mos lutando, acha-se quas conseguido Os trabados
ila consliluiQfio germnica brevemente estarflo com-
plciados, e nossa liella palria, unida eolfio 0 livre,
sera grande e poderosa.
O archiduque Joto, logcnle do imperio.
INTERIOR.
MAItAMIAO, 12 DE JANEIRO.
No dia 6 do correte entrnu aqu o vapor Impera
(na, procedente dos pnrtos do sol, o conduzindo a
spu bordo o Exm. Sr. Ilerculano Kerrera Penna, que
foi pelo governo imperial removido da presidencia
de Pernambuco rara a dcsta provincia. No da 7 fez-
Ibeo Exm. Sr. Antonio Jnaquim Alvares do Amara!
entrega da administrado provincial com as forma-
lidades do estylo.
0< diversos juizos que damos de algnns jornaes e
rscriplores acreditados, todos nhonam ocaraetor, il-
lustracflo e pericia do Sr. Peona, que alus tem buti-
rosos precedentes em sua vida publica, como hbil
administrador t homom crcumspeeto c prudente. A
mesma aclunl transferencia dessn Sr. para a presi-
dencia desla provincia he urna manifcstac.no do van-
lajoso cnecito que merece a sua capacidad admi-
nistrativa ; conceito que em nada deve ser diminui-
do pela desnr lem que rebenrou em Pernambuco, du-
mnfn os pnucos das de sua adminlstracllo ; pois es-
sa desorden), promovida, seizundo s evidencia dos
factos, pelo partido praiefro, sroenteporque subi
;in poder o paitido seu contrario na corte, teria da
mesma forma rebrotado soh outro qualqucr admi-
iiisir.idor que tifio fosse elle, Portento, be de esperar
uie S. Exo. faca bom governo, c nos Ih'o desojamos
de enraeflo.
O Sr. Amaral, que acaba ile entregar a administra-
crio a tfio digno successor, foi rendido em conse-
queneia de ter pedido a sua demissfio, por dcsgnslos
Particulares quo profundamente o Impressionaram,
> rotira-se em breve daqui para a Baha, sua patria.
Temi nos por vezes feito Justica ao mrito desto
provecto administrador, tifio po lomos boje, que ello
senobn fura do po'lflr, deixar de louva -llie a impar-
rialidnde, mndcracflo, prudencia e sahedora, com
que sempre so houvc no lempo do son governo, que
com rebetii'ou o rspatjn de nove mozos, mostrndo-
se, qnr como presidente, qurconio hunieni priva-
do, igual e civil para com lo bus.
Tendo-se enllocado no centro dos partidos logo
que romecr-u o sou governo, nunca mais largOU essa
elev da posican que a sua long.i osporiencia o i-con-
selhara a lomar, nem demnvido pola fumarada das
podres lisonjas com que a principio o Incensavam,
non tfio i-nuco terrado pola algazarra das iinmto-
cids e furibundas plnlippioas com quo do resto o
Ma-salhavam. Sobrancoiro a osles e outros que taes
manejos com que prolemlfam senhoria-lo e dutnina-
lo, soube manter illessa sua indepen loncia e digni-
ila-le, tifio se neeiirvando a nenhuin dos partidos que
divldcm a provincia. Assim,a marcha de sua aduii-
n nem violencias que a de.turpassem.
Piomciveu e rotiliniiou al. onde o permiltiram as
nossas forcea pecuniarias, tudo quaiito o genio de
son (Ilustre antecessor emp'rehenduu de til, rclai-
mcntfl ao progresso material e moral desta (erra,
som fazer cahedal algum das inepcias e calumnias
Com que o espirito de partido, ou mclhor, a inveja o
o despeito pretend mi deprimir e escurcccro mora-
cimento das obras 6 mi'lbo'aiiietilos comecados. "E
se mais tifio fez, nflo foi de ceilo mingos de bous
desejos, mas porque Ibe fallecan os meios.
Outra vii lude, o nflo pequea, dessa adminslfa-
cito, foi sor como urna especie de calmante para a
efervescencia poltica e n que laborramos; pois lio
iiinegavel que olla roncorreu, pela sua moderaeflo,
oquidade e desinleresse, para minorara irritacQodo
partidos, proveniemedo ongas lulaseleitoraes, sen-
do que o respeilavol anciflo que linba o leme do go-
verno nunca apresontou oulras prcloncocs que mo
fssem as iie bem dcsempenliara sua uiiasflo de pre-
sidente.
A excellenciae sahedora deum Lal procedimen-
to, todo Diados senlimontos de ama alma verJa-
deiramenlc elevada e patritica, fizeram anda des-
apparecer algum mal entendido ciume que oorgu-
Iboe sobranceria de certos Srs. da Baha, aqui resi-
dentes, iam fazendo naseer entre nos.
tima adminislracflo tilo asisa.la c conscicnciosa,
qual foi a do Sr. Amaral, concilia a estima, o res-
(Cito e a gratdflo dos llaranhcnscs S tflo digno o
benemrito administrador. E se nflo fAra a triste de-
pravaeflo dos lempos, pela qual somos levados a
desconhecer o que he til e proficuo, a zumbar do
que Im decoroso e honesto, o a desacatar o que lie
respeitavcl e santo, seria ella ainda mus dignamen-
te apreciada pelo que he, e pelo que valo. Tfio dill-
cil be encontrar funcionarios que saibam bom co-
tibccer o desempenhar scus deveres Concluiremos
esle artigo, dizendo em ultima analysc, quooSr.
Amaral, pela sua probidado, inteireza, amor jus-
tica, moder.acflo, prudencia c tacto administrativo,
honrou a cadeira presidencial do Maranhflo, em que
leve assento, a par dos administradores mais dislnc-
(os por taes qualidades.
i A Retitla.)
Bfl
guo Soeiedadi pipas vasias.
Uriguo Destino pipas o barricas vasias.
BECirC, 25 SE JANEIRO DE 1848.
NOVAS DA BEVOtTA.
Os rebeldes .-cabam de roceber mais urna lieflo dos
frcaa legalistas foi no sitio denominado Curraes
que ellos liveram mais urna prova da bravura o de-
nodo dos defensores da ordein.
Occupavam os vndalos essa pnragem, onde ba-
viam improvisado tros linhas de Irincbeiras, que
criam mais que su lucientes para prcsorva-los do des-
troc : entretanto, cincoenta dos nussos bravos,
eommandados polo Sr. acadmico l'abio Jos Vello-
so da Silveira, fram bastantes para dcsaloja-los, c
assenhorearom-se da posic.no que os relapsos sup-
unbam incxpugnavel.
lie para indar que o Sr. Silveira recebeu poderoso
auxilio do Sr. alfctcs Vaseoneollos lltliga-Dranca,
m como dos Srs. tenentc-coronel Barros, e dos
Srs. rapilfios Jos Helgado Rorha c Zoforino Itoilulfo
Delgado Borba; sendo que estes dous biiosos odiciaos
com cincoenta pracas que dirigan), baleramos re-
voltosos que lonlaram corlara retaguarda da frca
qun acossava os SPUS comparsas.
Terminada a acefln, verificou-so que os vndalos
haviam deixado e'm poder dos legalistas 31 dos sous
satollites ; os cadveres de 8, inclusive o do faca
nhudo eapilBu Polycarpo, de Capoeiras ; urna car-
ga de farinha, outra de gallinbas, e alguna objectos
mais.
Este Iriumpbo custou-nos o ferimonto de 4 guar-
das nacionaes, e o passamenlo do brioso capilSo Jo-
s Delgado, cujo iiomu ja citamos.
Esle nosso charo e valcnlc irmilomorreu victima
da dedioaCQo o coragem que oslentava : ao approzi-
mar-se de.um dos pontos em que a lula eslava mais
encarncada, recebeu urna bala que Ibe trespassou o
corar/fo.
lie mais um marlyrda sanba dos caudilhos qde
ainda se nio farlaiain do fazer correr o sangue per-
nambucano.
i OlVIMEfitCIO.
ALFNl>GA.
KENDIMENTO DO DIA 25........
Detcarregam hoje, 2C ile janaro.
Calora Columbas mercaduras.
Brlgoo Vioia bacalbo.
Galera llonia nicrcailoiias.
(alera Serafina ideen.
Escuna Curiosa fumo o charutos.
Todos os meu.bros do pailamrnto senliram um
Toilos as pessoas presentes licaratn estupefactas.
Os membros do parlamento vollariim-se para o lliro- I oslremeciBienio de terror,d qunl so cominanicou
no com a mesn a precisBCdo mov ment com que sel multidii com a mesma veloeidadc com que acento-
voltaria una lileira de soldados bom cverciludos. (Iba elelrica corre rpida at a extremidado ira cor-
, Os principes, os pares, os militares seiitiram-s.i del. Um estremecimenlo igual siniiram lambem os
ahulados. Nilo ora impossivel que,, depois de lao partidarios dVI-rei. A sorproza .o o espanto obser-
boas cousas que se linliam dito, S. Magcslado Cbri-1 vavani-se em todos os semblantes, edomiiiavam em
lianissima dissessealguma que fosse grandemente i todos os coraefles,
niitil. O respeiloos impedia de designarbiq deou-l A delphinaagradereu involuntariamente a cl-rei
tro modo o (|ue poda sabir da bucea U'el-rei. por nudo do um lelampago quopailio de sous' bel-
II, de Richeliu que por affectacflo linha-se con- l,,s "'os
servado longe do seu sobrinbo, approximou-so tiesto j M",H,lln liubarry, eloctrisada, nio pode dezar de
instante dos membros do parlamento, os mais ppo-i v''"||!""-s*. corto loria batido palmas, se nao frtra
olhar o,.:.. :,iiio- !emnr ,,cm natural-do scrapffdrejadaao sabir, ou
sicinnistas, principalmedte pelo
dade myiteriosa da kttelligenea. Purm seu oltiar,
que comecava a toriiar-M rebelde, encontrn o o-
Ihar claro do madama lu|iairy. fticbeleu possuia
como ninguem a preciosa alie das transici-s ; do
toin irnico elle passuu ao admirativo, e iscolliu u
bolla condessa como punto de inicrcessfio cutie as
diogouaes deslos dous extremos.
Foi, poit.nto, umsorriso de foi citaos e de ga-
lanteio o que elle dirigi de passaguin a madama llu-
bany ; purcm esla nilo ennolio a piliihi, tanto mais
que o vino marechal, lepdo encelado sua corres-
pondencia com os membros do parlamento o os prin-
cipes opposicionisls, fui forcado a conllliua-la pan
iiilo parecer o que realmente era.
Quanlas pcrspeetrVaa B80 na oin urna golla d'agoa,
este occoauo para o observador I Quanlos secu-
los em um segundo, esta eteruidado indescrip-
livid .' TuUo o que acabamos de referir, passou-se no
tempo que s. Mugolade J.uiz XV gastou em prepa-
rar-sopara lallar e abrir a bocea.
- O meu cliaiicoller, disse elle com voz firmo, a-
caba dedeelarur-vosquaessHo as minlias vunUdes ;
vsoouvisles, cuida, pois, om e'zecuta-las, cellos
que taes sfio as nimbas micncocs, e que nilo muiU-
rei jamis!
LuizXV proiinncinii estas ultimas palavras como
cii\>iidue vigor doraio.
Toda a assciublca licou lilteralmenle fulminada.
de recebor no da seguidle cein coplas cada qual
mais odiosa.
I.uiz XV | dc desde este momento gozar de seu
ll IIIniplio.
Os membrosd parlamento inclinaram suns fron-
tes sempre com a mesma muflo.
El-re lovantou-sc de cima de suosalmofadas bor-
dadas de flores de lis.
(inmediatamente ocapililodas guardas, o eom-
iiiaiiciaoto ila casa uiililar, e lodos os geutis homens
se lvantaram lanVhem.
lora do palacio o rufo dos tambores e o som das
trombetas atina rain todos os ouvidos. A agitaefio-
quasi silenciosa que se observara no povo chegada
oo re, tiolia-se coiiverliilo em um mugido que se
extingua ao longe, recbacado pelos soldados pe-
los arclieirs.
El-rci alravessou orgiilbosamciilo a sala sem ver
em sua p.issagem oulra cousa que fronles humi-
lliadas.
IMPORTACAO'.
Columbu$, galera, ingleza, vinda de Liverpool, en-
trada, neste mez, consignada a Me. Calmont & Com-
panhia, nianifeslou oseguinte :
1 caiza com 53 1/3 arrobas de machinismo, 37 tai-
xas de ferro, 3 gigos, 70 meios ditos o 1 cesto lou-
ca, 29 Tardos fazendas de algod.lo, I caixa obras de
ferro, 2 ditas fazendas de algodflo, 3 ditas lencos de
seda, 3 ditas fazendas de lindo, 100 barris mantei-
pa, i embrulho ferragens, 2ditos retratos, i dito co-
nhocimentos ; a Me. Calmont & Companbia.
200 fdgnreiros, 50 chapas de ferro, 50 barris enxa-
das, 1 barrica grelhas, 1 tonelada do arcos de ferro,
15 ilias, SO arrobase II libras ferro em barra, 2 di-
xas cerveja, 2 barricas fazenda bronzeada, 12 barri-
cas e 1 caixa forragens; a B. a Brandes Compa-
nbia.
4 barris linla, 1 volumo bandejas ; a S. Corbett.
I caixa e 5 fardos fazendas de lila, 33 barricas fer-
ragens, 12 caixas fio de aleodo, 5 fardos, 5 caixas e
t embrnlbo barbante, 13 fardos fazendas do algodflo,
1 caixa couros, 2 ditas miudezas ; aC Kenworlhy
& Companbia.
5 fardos fazendas de. linbo; a Adamson llowio &
Companbia.
9 fardos e 3 caixas fazendas de linho, 100 barris
manteiga, I dilo carne, I caixa raizus de flores,
ditas miipas; a Jobnslon Palor & Companbia.
I cesto forragens ;a Kelley.
1 caixa oleo de aniz, 2 barricas videos verdes;
\V. Bravo & Comiiaubia.
1 caixa c 1 volme fazondas de algodflo ; a J. 11y
der & Cnmpanhia.
1 qupijo ; a Scbramm.
17 fardse 12 caixas fazendas de algodflo 1 caiza
com urna chapa do prata ; a J. Crablree & Compa-
nbia.
53 fardos c2 caixas fazendas de algodflo, 1 barri-
ca lou^a, 3 caitas cha, 1 dita sellins, I barril manti-
mentos, 1 dito manteiga, 4 caixas miudozas, 1 dita
razemlas de algodflo e lfia ; a II. Gihson.
1 barrica e I caixa ferragens, 75 fardos fazendas
de algodflo, 9 fardos fazendas de linho, 3dilos ditas
de lila ; a Jones Patn & Companbia.
20 barris alcalrflo, 50 queijos, 4 caixas e5 barri-
cas conservas, 2 chapeos, 1 pacota toucinlio, 1 barril
lingoa, 2 ditos carnes, 5 potes manteiga ; a D. Creen.
t:iln'dos e < caixas fazendas de algodflo; a Fox
Brothers.
1 barrica cuteleria ; a Jhnston.
1 caixa lenQOS de seda ; a C. J. Aslley.
37 fardos c 3 pacotes fazendas de algodflo ; a D.
Youli! tCompannia.
6 far.los fazendas de algodflo ; a l.atham e Hibbort
& Companbia.
23 fardos fazendas de algodflo, 11 caixas lio ; a B.
Hoy le & Companbia.
110 caixas fazendas de algodflo ; a Russell Mellors
& Companbia.
40 barris manteiga ; a M. J. Ramos e Silva.
2 fardos fazendas de algodflo; a llosas Braga &
Companbia.
I caixa diversos objectos, 1 dita cassas; a ti. S.
Mawson.
1 barrica louca, 1 embrulho sapalos ; a J. S'wart.
*8i barricas e 1 caixa ferragens, 100 fogareiros, 10
pacotes grolhas ; a V. Itobilliard
1 jarra vinagro, 1 barrica fazendas da moda, 1 bar-
ril tingos, 1 caixa falos; a V. Saunders.
Viola, brguo inglez, vindo do San-Joflo, entrado
no crrenlo mez por franqua, consignado a Me.
Calmont Companfiia, manifestou oseguinte:
1900 barricas com bacalbo; aos mesmos consig-
natarios.
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DIA 25.
Geral .
Diversas
......................4:5*6,980
provincias............... 1I0.C65
4:677,645
CONSULADO PROVINCIAL.
REtxniMKNTO DO DIA 25.......... 2.026,802
l'IM11* l\n,%\ 1TTWWUI JUiliijl
M. d'Aigullon ainda o preceda, mas sem abusar
duscu trumplio.
O chancelle!, ao chegar aporta da sala, vio o nu-
meruso povo que. ao longe eslava reunido, e, aler-
raniio-secomosolhares coruscantes quo Ibo lanca-
viiiii; os qiiaes, npezar da distancia; ello bem perce-
bia, disse para os arcbeios :
I Cerquem-me-
M. do llielirlieu, disse para o duque d'Aigullon,
que profundamente o saudava :
Estas calieras eslflo bem baixas, duque, dia vi-
em que ellas so levantarflo exccssivamenle alto
Toma sentido Madama Dubarry passava neste,mo-
mento pelo corredor com seu irmflo, o marechal de
Mrepuix n inuilas scuburus. Ella ouvo a observa-
cfloilo velho mareclial, e, como era mais espirituosa
que colrica, disse :
Oh .' sonbur marechal, nflo ha nada quo temer,
nflo ouvo as paleras do S. Magcsladc ? Parcce-ine
quu el-re disse que nfio mudara nunca. .
Estas pnlavras silo com efTeito terriveis, sonbo-
ra, responden o veibo duque sorrindo ; porcn a nos-
sa fobeidade foi i-sses pobres membros ilo parlamen-
to'nfio vorcm que, dizendu que uunca mudara, el-
re olbava para V. Excellencia.
E elle lermiuoii oslo madiigal com urna dessas re-
verencias niniitavcis, que hojo nem mesmu uo
thcalio se fazein.
Ma lama Dubarry era mulher, n de nenhum modo
poltica. Ella S vio o cumprinonto, onde II. d'Ai-
gullon suuliu peifeitamcule o epigramma e a a-
moaca.
Um sorriso foi, portanto, a sua resposla, ao passo
que o seu alliado mordeu- os becos, o empallidecCu
por verqueesse resentiinento do marechal anda
persista..
Esta "sessfln do parlamento produzio immediata-,
mente um efTeito latoratCl a causa real
Porm mutas vezes um grande golpe nflo faz mais
que alordoar, e ho de reparar que, depois de um alor-
doamento, o sangue circula rom mais vigor o pure-
za. Tal foi, pelo menos, a rellexflo que lizeram, ven-
do el-rci pnrlir com o sou pomposo cortejo, uro pe-
queo grupo do homens vestidos com siinplicidade,
pontos como observadores na esquina do caes aut
'leurs, e da ra da Burlllerie.
Entes homens cram tres... o accaso os linba reu-
nido naquolle ngulo, edalli parecan) ter observado
com norosse as impressOes da mullida ; depois
de baveraui trocado eulre si aigumas palavras, ellos
Movimento do Porto.
Navio er. Irado no da 25.
Itamarac ; 4 horas, brigee-escuna brasiloiro Piraji,
commsndanle o primeiro-lenentc Nuno Alve p6-
reira de Mello Cardoso.
Naviot sabidos no memo Ha.
Ncw-York ; barca americana Lueilla, capitilo Georgo
Bopes, carga a mesma que trouxe.
Cobya ; barca chilena Joona-J.-Fonl,, capitflo Martos
Kundson, carga assucar.
Ro-de-Janciro ; patacho hespanhol Paqtulp^k-Tri.
nidade, capilSo JoSo Baplista Alacor, cargas Reg-
ina que trouxo.
Lisboa ; brguo porluguez Conceicilo-dt-Maa, cip.
tilo Antonio Pereira llorgcs, car assiicar e al-
godflo.
Genova i or Parahiba ; polaca sarda Conde-Coneiit
capitflo Marco Revello, carga assucar.
Gotlciiburgh; ecuha sueca Frederica, capitflo |i,
M. Bolin, carga assucar e couros.
Obteriacat'.
Eundeou no Eamrirflo, para acabar, da carrrgar,
a barca ingleza Jane-Brow, capitilo Marltus Wal-
lace. ., i
Declara^oes.
-- O arsenal de guerra precisa comprar panno azul
em quantidade dn 210 covados para frdelas da
companbia de artfices; brinv branco 390 varas;
panno al vadio para capotes 369 covados; e 78 es-
leirs de Angola : quem taos'gcneros, se propozer i
vender, comparecer na sala da directora do mes-
.....arsenal, no dia 27 do correnle, com sua propon-
a em caria fechada ees amostras.
Arsenal de guerra, 23 de Janeiro de 1849.
Oescrpturaro,
F. Seraneo de Aisit Cartalho
A adminislraciio geral dos estabeleeimentos de
candado mamla fazer publico que, no dia 29 do cor-
renle, pelas 4 horas e mea da lardo sala das uas
sessdes contraa o fornecimentb dos viveras abaixo
declarados : arroz branco, assucar refinado, Hito
blanco redondo azeite doce, dilo de carrapato,
cha hysson caf em grflo carne verde, farinha d
mand inca lete puro, lenba de mangue de achas
regulares, galinhas, manteiga francesa massas ,
toucinho.de Sanios vinho tinto e branco. vinagre
de Lisboa. Os prelendentes dirijam-se ao lugar e
hora aprazados, munidos de suas prpostas, as quaes
pdenlo conler lodos os.gneros acims menciona-
dos, ou smente aquellos que a csda.um dos concur-
rentes couvier fornecer. :
Adminsiraflo geral dos estabeleeimentos de ca-
ridade, 22 do Janeiro de 1849.
O escripturario,
F. A. Cavalcante Coussdru.
No dia 23 do correnle foi tomado da mlo de
dous menores um alflncte de ouro, de reto do se-
nhora, que andavam a vender; suppe-so ser Dir-
imi: quem fAr seu dono dirija-se ao subdelegado
da fregui-za de San-Frei-Pedro-Goncalves.
Becife, 25 de Janeiro de 1849.
Francisco Manude de Almeida,
Subdelegado supplenle.
--Pola suhdelcgaoia ue S.-Jo.- do Rccife foram
apprehcndidos, no dia do 10 enrente, 2 quartos
tucos os qunes acbam-;e no deposito geral : quem
so considerar com direilo a ellos, compareca na
mesma. -- Subdolrgacia de S.-Jos do Rccife 23 do
Janeiro de (849. Munoel Josi Teixeira llaslos.
-- Acha-sc recolhido cadeia desla cidade o rrelo
Amaro, por estar fgido oqualjdz pertencer a Jos
Joaqum Corrcia da Cruz,morador no engenho Novo:
quem se julgar com dreto ao referido escrap, com-
pareca uesta subdelegacia, munido de seos ttulos,
para Iheser entregue. Da-Vista, 23 de Janeiro
de 1849. Espirllo-Sanlo.
THEATRO DE APOLLO.
SAB1IAI)0,27 lE JANEIRO.
Erna representaeflo extraordinaria.
A GUACA DE DOS,
Drama intermediado do canto, a graodo espect-
culo, com 5 aclos.
DANCA,
Um Pas de deux nobre, novo.
se pozeram a conversar, posto que mutuamente nflo
se conhecessem. c ames mesrroquea sessflo real ti-
vosso terminado, ellos ja linbam flado conla della
uns aos outros.
As paixAes eslflo bem amadurecidas, disso um
delles, o qual cm vcllui e linba os nlhns brilbaules a
a continencia agradavel. Lina sessflo real lio una
obra grande.
Sin, respondeu sorrindo com a/.ediime um ra-
paz ; sim, se i obra correspondesse exactamente as
palavras.
Senlior, replicou o velho, vollan Jo-se, narece-
mo que O'Cunhecn.... creio quo jo vi.
Em a noite d 31 douiuio. Vmc. nflo so enga-
a, Mr. Rousseau.
Ah OSr. he aquelie joven crorg5o, n.cu
compatiio'a, Mr. Maral.
Sim, genitor, sou um seu criado.
Os dous homens Dociram entro si una reverencia.
O lerceira ainda nflo linba fallado. Er lambem
um rapaz, o de urna figura nobre, durante ladea ce-
remonia ello nilo linba cessado do observar a atliiu-
de da inulldflo.
O moco cirurgro foi primeiro que so relirou, mit-
lendo-se pi-11 mcio do povo, a qual, menos recoahe-
Cido quo Rousseau, ja o linba esqneeido.
Ooutro rapaz esperou al quo elle livesse partido,
e, dingiido-su entilo a Rousseau, llie disse :
Vmc. nflo vai,.senbor ?
Oh.' a iiiinba idade nflo me permitterriscarr
moou meiu de Uo glande inuliiilfni. y, l
Eutflu, dase o deseoiiheci io, abaixando a voz,
alea noile na ra 1'Ulfiir, Mr. Rousseau...; veja
nflo linj i falla.
O philosopho estremecen, como so um plianlasma
se livesse erguido dianle de si Sua lez, de urdinanu
paliida, se loruou lvida. Elle quiz responder ao mo-
co, mas esto ja linba desappareeido.
fCeniimer-M-Aa.)
ILEGIVEL


I

BELLA F. POBRE,
Romaneo nato, cantado por Madama Alexandre.
Urna grande aria variaila em rabeca, locado sobre
oacenario por Mr. Alexamlre.
Danca.
. A CACHUCHA,
Pancada no fim do espectculo por Madama Ca-
moin.
O theatro abrir-se-lia as 7 o raein boras da noile,
e o espectculo principiar depois da clicgada do
Km. Sr. presidente dt provincia.
Mr. Duprc tcm a honra do prevenir ao publico quq
na sexla-fcira ao meio-da lera promptos resuma*
exactos da Grata de Dos, traduzidos em portuguez,
e ao proco do 500 rs. cada un.
.^ Avisos martimos.
Para o ASs galio, no dia 29 do corrente mez, o
hrigue nacional Sociedad : para carga ou passagei-
ros. para os quaes (em bous coinmodos, trata-se com
Jos llaptisla da Foiiseca Jnior, na ra do Vigario,
n. 20, primeiro andar, nu com Jos Marcelliuo da
Roza, na ra Direita, n. 93, 1." andar.
Para o Rto-dc-Jtneiro segu, com muita bre-
vidide o bi iguo nacional Alalia : para o resto da
carga passageiros e escravos a froto trata-se com
Julio Francisco da Cruz, na ra da Cruz, n. 3.
O patacho S.-Jo9o-Venced"r sabe para o Rio-de-
Janoiro com a maior brevidade possivel, para o que
ja lem parlo do enfrogamento prompla : quem no
mesmo quizer carregar, ou ir de passagom, ou
embarcar alRum escravo a file, dinja-sc ao seu.
consignatario, Francisco Al ves da Cunba na ra
do Vigario, n. II, primeiro andar.
Para a llallis sabe, em poneos dias o Inste
Hor-dt-Curuript. novo e de primeira viagem : quem
no mesirlo quizer carregar, ou ir de passogem, d-
rija-sea ra do Vigario, n. 5.
-- Pam o Rio-lirandc-do-Sul sabir*, em poucos
dias, o brigne Juno, por ler a maior parte do seu car-
ngamenl, porem inda podo receher alguns volu-
mes, ccrnvos a frete c passageiros: quem preten-
der carregar.ou embarcar escravos, pode entender-
se com Amnrim IrmiTus. ra da Cadeia, n 39.
Para Macei salina, con tuda a brevidade, o
mu ito veleiro biale Saiiln-An/onio-l'lor-do-Rio : qi;ein
tielle-qoizer earrogar ou ir de passagem, dirija-so a
i i no Jos de Castro Araujo, na praca do Commercio,
o. 2, primeiro andar.
Para 0 Aracaly seguir improtorivelmente as
prximas agoas o biale Novo-Oltnda, mostr Antonio
Jo- Vianna, por tur quasi completa a sua carga :
quem licite anda pretender carregar ou ir do passa-
gem, s entender como mosmo mostr, ou na ra
da Cadoia-Volha, n. 17, segundo andar.
I'.ira o ftio-de-Janero sabe, em poucos dias, a
barca nacional Tentalioa-l'ells, por j se adiar com
grande parle da carga o seu bordo : para o resto, es-
cimvos a frele e passageiros para que olTereco os
mais rices eassciados commodos : trata-so na ra
A barca Bella-Peruambuc ana pretende sabir pa-
ra a cidado do Poito com brevidado, por ler a maior
parlo de sua carga prompta : para o restante e pas-
sagoiros para o que tem asseiados commodos, rn-
tendain-so com o seu ca piulo na praca do Commer-
cio pu com o consignatario Antonio Francisco
de aloraos, na ra da Cruz, n 31, tereciro andar.
Para Lisboa salina, com a maior brevidadn pos-
sivel, o bem conbecii'. o brigue porluguez Tarujo-
l'rimeiro, capilSo Majiocl do liveira Faneco: tem
porte de sua carga engajada : para o restante e pas-
sageiros, para o quooTfereco asseiados commodos,
Irala-se com o capito na pr.ua ou com o consig-
natario Firmino J. F.da llosa na ra do Trapiche,
i. 44.
I,clloe.s.
--O corredor Olivcirafar Icililo de urna linda col-
Icccto ilo livros impressos, alguns magnficamente
encadernados, con.sislindo em obras pocicas, histo-
licas, e ouiras .recreativas dos mais estimados e
I ni conbecidos autores principalmente inglezes ,
om fojo idioma silo compostos ; e assim mais de
um sorliuiento do vinbos do Porto, Madeira, Xnrez,
San le no e coi-veja Presin pan's'-poiicbe sueco ,
etc., ludo engarrafado e das mais aprcciavcis qua-
lidades, escolhidos pelo seu propietario, o noslo
genero u'm dos mais delicados connoisseurs : sali-
bado, 27 do crrenle as. 11 lluras da mantilla em
ponto do sabio do Motel-Francisco.
-- Richard Hoy le fara leilo por intervenqio do
conclu- Oliveira do grande porcilu de fazendas in-
glezas s mais proprias do mercailo e que vend-
la para fechar cuntas : segunda-feira, 29 do corre-
le as 10 huras da inanhiia, no seu ; rinazom du ra
ilo Trapicho Novo.


Avisos diversos.
Um rapaz brnsileiro, de boa conduela, (do quo
da fiador) com boa Icllra, o sufcienles conbeci-
mening ,)s lingoas franre/a o lugre, offorece-se
(ara caiseiro de qualquer casa de commercio deseas
naceos: o Sr. negociante que se quizer ulilisar do
seu preslimo queira nnnunciar.
Precisa-a* do urna ama ilo loile livrn ou es-
clava : na ra das Ciuzcs n. 18, primeiro sudar.
Siibbadu, 27 do Corrale, pelas io
lloran, na rus do Queimndo, n. 17, pri-
meiro andar, em presenca doSri Dr.juiz
da piimfir.,j,\ara, serao ai rematadas va-
rias iazctidas, areqiierimento decredorcg,
epata seu pagamento, cijas s*c V( ndcro
pe diminua ovaliacao, em co-isequen-
ciado son estado.
No dia 26 do corrente na casa das audiencias
do Dr.juiz do civcl inleiino da primeira vara, e
ile|uis ila audiencia se ha de nromnlar por venda
una ciimi de ilous andares o soliio debaixo da cuber-
a', sha un ra c A|ions-Veriles, com quintal mu-
rado ccacimba avahada rm 6:OO,000 de rs., i>e-
iii.ornila pela fa/eiiila piuvincial a Joaquioi Cuell.o
Cintia por ser a ultima praca.
-- Est justa e tratada a compra de um sitio com
casa de pedra cal, do qual sito proprielarioso Sr.
Claudio Jusellos Santos o sus mulhcr I). Senltoii-
nliu Curimna'do Espirilo-Sanlo, no lugar de S.-
Amaro", que divido pelo nascentecom o sitio do Sr
Antonio Flix dos Santos, pelo poente como sitio
do Sr. Antonio Alves llarboza, pelo norte com
sitio do Se. Joo Baplista Claudio Tresso e pelo sul
com a estrada que vai de s.-Amaro para Belm : so
alguem se julgar com direito ao dilo sitio, ou casa .
por titulo do divida, penliora hypolbeca, ou por
um onlro qualquer titulo, quira annunciar por
esla folha, no prazo de qualro dias, contados
da data de.ste lindos os quaes o comprador nao
se responsabilsa por cousa alguma.
--O abaixo assignado dcclaia que, leudo em SOll
poder, ha Ires anuos completos, urna crioulinlia for-
ra de 14 annos de nome Mara Pelonba, que lite
fra entregue por sul propria m.li, de nomo Juliana,
hoje existente no hospital dos Lazaros com a mo-
lostia morfeia e como a dita crioulinba no dia 21
do corrente, as 8 horas da noilo deseppareceu de
casa, levando comsigo toda a sua roupa o alguns
objectos de 011ro quo a scnlrora do abaixo assigna-
do dra agora por falla sendo os ditos objectos 9
anudos, um com diamantes e o outio lavrado .
vollas de cordSo grosso tima cruz de habito com
diamantes, umpardo rosetas de (lagrfia com dia-
mantes: por isso protesta com o rigor da lei contra
qualquer pessoa que a seduzio e a tenha em seu po-
der. Jun Utrnurdes de Sousa.
Quem nmunicin procisar de lima criada porlu-
gneza para acumpanliar urna familia paa Lisboa,
dirija-se a Passagem-da-Magdalena ao p da ponte,
n' 45, 011 annuneie.
Prccisa-se fallar como Sr Dr. Lourenco Bezor-
ra Carneiro da Cunha a negocio de seu interesso ,
ou a quem faca suas vCzes : queira annunciar a sua
morada por esta mesma folha.
Francisco de Souta lavares tira passarorte pa-
ra o Pacu-de-Ca niara gibe a negocio do seu inte-
resse.
~ Prelendc-se comprara casa terrea n. 24 do pa-
lco do Paraizo : quem so julgar com direito a ella,
por Tjualquer titulo declare por esla folha no pra-
zo de tres dias.
Prccisa-se de um homom para trabalbar de cn-
xada-om um silio perto da praca forro ou captivo :
na ra eslreita do Jlozario, 11. 16, primeiro andar.
Iioiis pequeos brasileiros precisam-so arru-
mar de caixeiros em alguma roja commercial, ou
mosmo venda, os quaes din lo lia lm a sua conducta,
mo ohstanto seus pais seren bem condecid >s :
quem dellcs precisar aniiuncio.
Precisa- se de urna preta escrava, que seja fiel,
para o scrvi'co de urna casa : no boceo da l.ingota ,
n. 5, segundo andar.
Precisa-so de um bom amassador, livro ou cs-
cravo : as Cinco-Ponlns. n. 30.
-- Precisa-so do uma.ainii parda ou preta para urna
casa eslrangcira de pouca familia queonleiida bem
de engommar c fazor o mais servico de urna,casa ex-
cepto cozinhr : na ra da Crut, armazem n. 48.
Manocl Vicente Pacheco de Araujo embarca pa-
ra Macei o prto Jocinlbo, a ser entregue a seu sc-
nbor, Francisco Frederico da Rocha Vicha
Anda em pfaca por venda, um tcricno com ca-
sa de vivenda o nlgumas bemfeilorias penhorado a
Maooel Francisco (iuimar.les por enecucilo de Ma-
IbeusAustiu & C., pelo juizo do civol da segunda
vara o qual ha do ser arrematado no dia 3 do feve-
rciro por sera ullima prac,a na sala das audien-
cias c que lera lugar das 11 horas ao meio-dia no
fim da audiencia.
Dto-se 20,000 rs. a juros sobre penhores de
ouro prata ou hypolheca em cscravo : nesta ty-
pngraphia, sedira qucmd.
O abaixo assignado avisa a quem convier, que
desdo o dia 24 do corrente dcixou do ser associado
com Bernardino Francisco do Azevedo Campos no
eslabelecimenlo do fabricaciio do charutos da ra
eslreita do Rozarn 11. 45 1 outro siin declara, para
obviar duvidas, que o inesmo Sr. Campos fica obli-
gada n salisfazer tudas as dividas pertcncenles a
mesnia fabrica anda que cunlralii las com o nome
do ubaixo'assigndo.
Jerunyino Manocl de Jems.
Holel-Commercio, ra da Ca-
deia de S.-Aiiloo, 15.
O Francez Siinfio Luiz pnrlieipa 110 pu'olico quo
ainda se demora por alguns dias a sua viagem para
a Rabia : por isso avisa a todos os seus freguezea e
mais pessons em particular quo teneonarem com-
prar obras de ouro e brlhanlq, o quizorom apru-
veilar esta occasiio, dirijam-so ao lugar cima men-
cionado at s 10 horas da manhila, e das 3 da tarde
em diento.
Aluga se o silio n. 2 da estrada do Remedio, com
muito boa casa grande quanlidade da arvorelos de
fructo^com sejam larangeiras, coqueiros, jambei-
ros, romaicas, cafeseicos, jaqueiras, etc., ex-
eellonto agoa de beber una grande baixa para ca-
p m por pre^o commodo : a Iralar na ru da Cruz,
n. 54, doposito ilo rap.
,Precisa-sede urna ou duas pretal quo sejam
diligentes para vondercm leuca vidrada :| paga-se-
Ihes boa vendagom : na ra do Rangel, n. 17. %
Jos Corri Cabral retira-se para fra da pro-
vincia a tratar da sua saude.
Aluga-so nina canoa de milheiro com seu ca-
noeiro, 011 sem elle', mentalmente : na coa larga do
Rosario, padaria n. 18.
-- Na ruada Cruz, 11. 21, preeisa-se de um bom
cozinheiro forro ou captivo o igualmente de w.n cs-
cravo para o servico do casa.
Homo'opathia.
9
Primeiro consultorio gratuito para os pob'es
na r'na ila Cadeia de S.-Antonio, 11. 22, dirig-;
do pc|u>Sr. J. It. Casanova medico francez. ^
Etc consultorio oslar abeilo des le as 9 lio- (j>
ras da manlifla al as 4 da tarde. Os pobres &
recbenlo consultas o remedios graluitanien- ^
le: apresentando um alteslado do pobreza de O
. na
Ivcs
J. A. S. June, ai lisia, tem a honra do avisar ao
re^peitavel publico, quo conlinu a pr denles aili-
ficies do pnrcellana, assin como lambem lira as
caries dos naluraea que tanto ilamnilicam os denles o
cooperam para o mu balito da bocea, mo sendo li-
radas ; calca com ouro, prata c motal braneo os den-
les Turados, na sua residencia, na ra ostreila do
Rozario, n. 16. O annurrianle assevera a todas as
pessons qu so quizprem ulilsar dus seus servlcos,
quo no exige paga alguma, n.lo ficando os denles
(Ao bem poslus que mo se possnm diTferericar dos
proprios iiaturaes, podendo-se mastigar com os mes-
mos toda a comida som a menor dor nem recela, e
por cu o motivo o annuneianlc espera na bomlade
do todas as pessons que precisaren! deseo prestiino
queuflo odexem do piocurar, a vista dos muilos
exeinplos que lem dado s pessoas que o leu) pro-
tegido.
frentista.
M. S ftlawson, cirtirgio denlisla, lem
a honra de participar a seus fregtiezts, e
em gcial ao respeitavel publico, que tem
mudado sua residencia para a ra Nova
11. ai, primeiro andar. Espero que todas
as pcssas que precisaran de seu presu-
mo bem recnhecido nesta cidade por mui-
los annos, continan com a sua protecciio ;
e.sn>erando-se elle no descmpenlio da sua
arle, c reimiiieiMinlo as coma sua proin-
plido ecommodidade nos precos.
-Precisa-se ilouai foitorpara um sitio porto da
prar;a ; uu ra do s.-Amaro, venda o. 10.
$
j^ seus vigarios ou mcsiiio do outro qualquer *

I r
C. F. Snow relra-se para fura do imperio.
O Sr. Manuel Jos lulieiro Jnior quo diz mu-
dar seu nome por ha ver outro igual ao BOU, nada
adianto mudando rnra Manuel Itibeiro do Carvallio ,
vslo baver aturo igual.
Aluga-so o segundo andar do sobrado n. 18 da
ra do Ruegos com muito bous comino los para
urna grande familia milito fresco e com bonita vis-
ta por preco commodo : a tratar no primeiro an-
dar da mesma casa ou na praca da Independencia,
ns. 13 o 15.
Offcreco-se un rapaz brnsileiro para raixeiro de
qualquer eslabelecimenlo,"ainda quo nao tenha pra-
liea para aquillu quo se I lie ofl'erecer, comtudo lem
intolligencia ; c aplidflo, para o que da fiador de sua
conduela : quem do seu picslinio so quizer ulilisar,
annuneie.
Aluga-so o primeiro andar da casa da ra do
Quemado, n. 32 : a (ralar na luja do un sino.
trucces, n.lo s no ler, screver gr.immalealmn':e,
como nos principios do arillnnelica c doulrina nhtls-
la: quem do seu prest 10 se quizer ulilisar, di-
: ija-so a ra da Ribeira ia Dpa-Viala 11. 86.
Aluga-se urna loja bom repartida o nov
na da llnrSo por dclr". la casa do Manuel
i.ueir.i: a tratar com o inesmo Cuerra.
O abaixo assignado, leudo comprado aos ber-
doirosdo oiigenho Belm duaj partes dcsto quer
vende-las agora ; se ha algum embarazo, quem so
julgar prejudcado, decl.re por esta lollla deliro
do prazo do 8 das .documentando o embaraijo que
liuuvor porquo du contraro ser nenbum.
Lourento Hcerra Carneiro du Cunha.
Alugam-so uiobiliis para casa conforme o lem-
po que convier aos pretndanles, por prc(o commo-
do : no arninzoin da ra .Nova, 11. 67.
Compris.
Comprom-sc C 11 7 varas de bien fino, largo o
bem Coito para toallia do brclaulia lina : na ra
do Rangel, n. 36, piiinero andar.
Compra-s urna escrava que nto tenha virios ,
soja possanle o tenha cria : na ra do Mondego n.
46 das 3 horas da manilla as 7 o moia o das 4 as
( da larde.
Compra-se una prensa de copiar cartas quo
seja em sgunda inflo mas (ue estoja em bom es-
tado : na prega da In lepen lencia, n. 37, ou annun-
cio.
Compram-se pes de coqueiros pequeos : no
si lio defronlo da capclla, na cslraja do Juilo-de-
Rarros.
Compram-se garrafas e botijas vasias: pagam-
so bom : na ra lincha', 11, 17.
Compram-se, effeclivamenle, garrafas e botijas
vasias: no Aterro-da-Boa-Visla, faorca do licores,
n. 17.
"' '
euons.
Lotera do Ili-d
Ads :00O#0O0
B-alanciro.
de 'w.
I'recisa-se, para una encoinmenda,
de duas escravaa que nao sejam viciosas,
que cngommetii ecosam perleilamente, pa-
pando se bem a tralar na ra da Agoas-
Verdes, n. f.
Clonicnlna lloss, subdita brlannica, com una
filha menor, retira-se para o Rio-de-Janeiro.
Quem liver penbnres em nio do Manuel Ferrei-
ra Ramos baja do os ir tirar no prazo do oilo das ;
do contrario terflo veadidoi pra pagampnlo do seus
dbitos.
--Offerecc-se urna mullici do boa conduela para
ama do qualquer casa, para fazor todo o soivico de
piulas a dentro : quem de son prest 1110 so qulzor
ulilisar, dirija-so a ra da Cadeia-Velba, luja 11. 33.
Manoel Jos Ribeiro Jnior faz sciento ao publi-
co que, por liaver outro do igu .1 nomo, so assigua-
r do buje em dianlo Manuel Itibenu do Carvnlhu.
,\ loga-so um iniilaliiiho proprio para pagem ,
ou para outro qualquor servico : quem o precisar,
diiija-so 1 ra das Cruzes, 11 19.
lisiando o abaixo assignado, 0111 qualidado de
leslamentciio proceden I a ilIVenUriO nos bem.
que licaraai por l'alleehi.cnlo de sua inai, 1). I.uui co-
ta Corroa pelo juizo du eivel da primeira vara
desta cidade eseruu Reg declara a quem se jul-
gar credor nesso inventario, quecompareca em lo
ra-de-Portas, cm casa da residencia Jo mesino abai-
xo assignado dentro do prazo de 8 dias, com as
competentes coalas logalisadaa.
Slanoel da Silva Necs.
__Dcsnpparcceram do primeiro andar n. 16 da
ra da ('.inicia di fronte do hotel 5 tomos do Pa-
norama e o printeiroda isloria do Inglaterra, com
eslaoipns; suproc-se quo um esrravo da casa os
vender. A quem os entregar se recompnsala.
Precisa-sede urna uiullier puitiigueza para 1
em campanilla le urna familia para Lisboa psgan-
du-se-lhe a passagem : quem so quizer ulilisar dis-
ta ocensiao alinuiicio sua murada parase tintara
respeito.
Prccisa-se alugar um sitio peito da praca, que
tenhii paslo pata 2 011 3 v.iccas do loile o com al-
guns nivoredos de frurlu : na ra de Hurlas, n. :>2.
--Joaquim Jos Ferieir embarca para o Bio-de-
Jaiieiinnsiia negrinlia criuula donme Audrezi,
do 12 anuos.
Alugu-se a casi do thealro d.i ra
da Fraia, prompta '-' ludo para qualquer
espectculo: a Callar 110 Aterro-da-Ba-
Vista, n. i0.
Ofii ina de encudernaco, dirigida pelo P. /'. C. de L.
e Silva, ra (Uritta do Rotarlo, n 8.
Esta oflcina ncba-so piovida de lodo o in-cessano
pira o bom deaempenho de qualquer oncadornnc,lio
purninis rica que seja ; bem como lem o abro qual-
quor emblema apropriado as mesmas obras o pro-
inette promptiilfio por ler algumas pessoas traba-
Ihando epodo com facilidado aparar urna guinde
poican de resmas do papel diariamente, doura-las
polas beiras, ele : ludo a um preco moderado.
--Precisa-so de urna ama que tenha bom leilc :
na ra Dieila, n. 69.
Alnga-se a casa ca esquina da la do Caldei-
rero para o porto do embarque com armac,uo pa-
ra venda c commodos para morar Tamlia : na pra-
ca da Independencia liviana ns. 608.
AOS PAS de familia.
Urna senbora que lem lunga pralica de ensillar
primeiras lettras, offorece-so nos pais de familia que
lueiram dola confiar oensino du suas lilhas pro-
metiendo dcsvolat-so em dar-Ibes as precisas uis-
Na praca da lii'lcpeiidenria loja 11. 37, vcnilem-se
liilheies c cautelas da !).' lotera das casas do canda-
do do Rio-do Janeiro por praca com no lo. A ellos,
antes que se acabem.
Veiilem-sc, na ra doCrespo.n. II, osseguin-
te.s livros : obras complel is de J. J. lossoau 35 v.
encadei nados, por 320 rs, cada volme : Principes
dodrotdola natura par J. i. Burlamarque, 5 v.
cnenleinndos, por 7,000 rs. j obras completas do
Alexis Pirn 7 V. eneaderii idos, por5,000rs. ; llis-
loire de la inaison do Aiislriclie, par i'. F. Ilenri, 5 v.
OHCad.'j por 5,000 rs. llisluico plnluMipliiquo el
poliliquo de la ItUfSie, 5 v. enead, por 5,000 ; Llo-
queil'Cla nacional pelo P. M. lloS. Lopes Cama, por
5,50!) rs. Felice, direito da geni i v. por 4.000
rs. ; Cliarma por 5,000 rs. ; Manual mncoiiniquc, I
v. encad., por 6,ooo rs.; Resumo da historia do Por-
tugal dilo do Brasil; dito do Inglaterra 1 dito do
Molan la ; dito da China por 500 rs. cada un ; Ti-
lo Livio; Horacio; Virgilio; Saluftlo; Coriielio;
Fbulas: Selecta ; Arlo latina de Moura, e de Anto-
nio Poreira : ludo so vende com :ii) por cont do re-
bato : bera como a bella oomposicflo musical ilo pa-
pa Po IX por 1,000 rs. por sor o rosto.
i\a ra Nova, n. 5,
vcnilem-se duus moloootes do nacffo, de 16 nnn 's ca-
da um iiini(o lin los ; um dito de nacilo, .le 12 an-
uos ; urna raalatinha de 19annos, quo j.i cose sof-
frivcl; una preta boa qiiitandolra; urna dita boa
cu/inlieira ; nina dita de 18 anuos q le engomla o
eii/nlia d-se barato, por tor um defeito em um
ulho ; nina molecola de 14 anuos sem habilidades,
mu lin la o propria para seensinar.
Vende-so una tira cadena do armar: na na
Helia ultima casa do lado do sol confronte a tra-
vessa do inesmo nonio.
... Veiidem-.sc ns seguimos livros: Diccionarios
Maonnm Lexicn l'ons ca, de eoniposica o do fa-
liuli .Selecta, Fbulas. Cornelio, l.'iilropio Cartas
de '/'cero Cicero do idilio Ovidio Horacio. Ar-
les latinas de Mava, Antonio Poreira e outros auto-
res Snlustio, e iaiiilicni Iradir/ido ao |' da Icllra,
cartas de abe, tabeadas, cartilliaa, caibecsmosdo
doulrina chrlstfla de diflbrenles auloios prucura-
coes baslanlo, lelirns, paulas, traslados. Director
Espiritual. Breviarios romano em 4 v., mu ma-
neirosilo rcimpiessno o ciicadcrnaco, Synopsis ,
Resposla auconegoJanu.irio collocclo das leis do
imperio o aleuinas leia proviuciaes de difrorenies
anuos, Prosodia do Antonio Poreira, Caliplns da
ullima mllcllo e outros muiloa livros: na ra es-
liera do ltozrio, n. 8.
- Ynnli m-se saccas com superior
c saccas com familia, ludo
i".
porpr
di'frniilc da
arroz piiat
ireco commodo : no l-orle-do-Mattos,
fabrica de caf.
_ Vciidem-sodons livros ja riscados para diarios
e conlas curenles para casa do commercio muito
Peni l'eilos jduascarleirns em bom uso, sendo do
urna face; urna marqueta de amarillo nova; um
,,,, do jarro, de procellana com Oore do uUloio gua-
la una banca nova do amaiello ; um Hinque muito
fornido do boa madi ira o lo, redo do folba. que ser-
ve para qualquer nl-o e leva de 00 a 700 caadas .
in.lu por preco iniiilolinralo, | Of seu douo retirar-
se para fra : na Tiempo, sobiado u. 1.
Vendcm-sc lijuloa do aiveimiia groaaa de bom
barro e da boa marca, por pioco coiuniudo, no pul-
lo da otaria ou posto Da obra : a tratar na ma es-
lreita dO Hozarlo, ll. 15. ...le.nnns-
Vcndeni-se 5 liodol moloques de. 12 a 18 annos,
4 pardos de. 16 i 25 anuos; 3 pieles i"no"*
urna pardilla de 16an.us ;*r:reUsa -
nos, algumas dcllas con, babili.ludos na ruado
Gol Ionio n. se dir quem ven le
---Ve dei,-sc 40 millieirt do palhas de carnauba
ebega las ultimamcr.to pe. barcaca .-^.-ap, ^
na ra da Cruz, no llecilc vii.l. de oilo Joso Ito-
"nguesl'ililei.'ooabo.'dodn n.esma barcaca, fun-
"^;? i' qiWve"-gos,o o quizer Pos-
Wir ., i, bom cavalliuho perfeito en. ludo com
5 m. Hiorcs qualidades r****** *'%>J""^
iio Dar *JiWM ou inoniuo : na roa Nova. n. Jj.
1 Vende-so un. cavallo caatai.ho, de bonita Pai-
ra com lodoso*andares, assimeon.o o apparcilio
.'mesmo......da novo : n. roa d Cadeia 0 1-
{1 loja do lerrngens, ll. 56. Na n.esini casa vendeni-
so'ranlns con. fumo para clunulus. por preco com-
III d.
-----UlM*iUt^|^*l^
0.




*
-
T
JSil. '
.Jl:
C-
~>ende-se milito "svppri.ir lagedo do Lisboa, r
cal virgem em harris de 4 arroba, por mdico precoi
na ra do Vicario, n. 19.
Nn ra do Crespo ioja .le 4 portas, ti. tfi, ven-
rtcm-.< chapos de castor pc.os, de muito boa qua-
ltdad< a 4,400 r.
.Po armazem de Joaquim da Silva
Lopw, na ra da Madn-de-Dcos, n. io,
vendem-se sacras com G arrotas e 8 li-
hrasde superior farinha de Irigo, da me-
Ihorqualidade que vcm eslc mercado,
e chegada ltimamente, pelo barato pre-
co de 16,ooo rs. a sacce.
Gangas da India,
a ni re las a peca
de duai larguras pelo barato preco de dez tiistoes,
para rcalisar contal : no armazem do fazendas de
lia ymuudo Carlos Leite, na ra do Qucimado, n^7.
Golas egypciag
Demedio sem igual para dr de denles, j bcm co-
nhecido no Rio-de-Janeiro provincias do sul e lti-
mamente nesta provincia pela sua elcacia cm alli-
viar a dor mais tenaz qur soja motivada pela ca-
rie, qur por inflammac/in ; mas s a experiencia de
urna prova llin dar o devido merocimento. Vnde-
se na i ua daCadeia do llecife, botica n. 3 de Pi-
menla tt Cruz.
Vende-*e venda da ra do Apollo, n. 21, com
poucns turnios : qiiem a pretender, dirija-se a ra da
Mirfre-de-beos, tratar com Vicente Ferreira da
CoMa.
Vende-ie cal virgein de Lisboa, em barris de 4
arrobas chegada pelo ultimo navio, por prefo commo-
do : a tratar com Almelda fe Fonseca.narua do Apollo.
rUROVINliO DA FICUF.IRA.
Existe no armaiem do molliados. atrs do Cor-
' po-Santo n. 66 urna grande poreflo dosle genui-
no vinlio que se est vendendo pelo diminuto pro-
co do 1,120 rs a cunada e a 160 rs. a parrla ; tsm-
bem ha om pipas que se vender maia em conla : he
estoo niollior de todos os vinlios que se tcem an-
nunciado pela sua simplicidade e ptimo paladar :
quem urna vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
Vende-se a verdadeira potassa da
Rusts, desembarcada hontem, por pre-
co muito rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n, 17, e ra da. Cadeia, n. $$,
Novosriscadts roonslrus ch-
nczes,a 360 rs ocovado.
Na Ioja doCuimarfles & Companhia, na na do
Crespo n. 5, vendem-se os novos risca'dos chipe-
yes tinos, le padroes muito lindos e os mais mo-
dernos que tecm aparecido nesl ciclado de vara
do largura pelo barato preco de 360 rs. o cuvado.
As novas casimiras de algo-
do, a .160 rs. o covado.
Na loj n. 5 da ra do Crespo, vendem-sc as novas
casimiras de algodtu de padrOes os-mais ricos que
tecm aiparocido ueste meicado pelo barato preco
de 560 rs. o covado.
CHA' MANUBRIO.
Vemje-se, no armazem de molhados atrs do
Corpo-S.inio n. 66, o mais excellente ch produzi-
du emS,-Paulo, que tom viudo a este mercado ,
por proco muito commodo.
Vcndem-se harriquinlias com cal virgom de
Lisboa, muito nova ; fechadums para portas do
armazem ; relroz do Porto; harris com Icalrilo da
Suecia ; pilulas da familia ; ancorlas com azeito-
nas, por preco-com modo : na ra do Vigario n.ll,
nnazem de Francisco Alvesda Cunta.
Yendm-se laboas america-
nas aleo palmos de largura
e de lodos os comprimcnlos,que ha miiilolempo nflo
teem vindo e os ficgutoes experta euiando a Falta
dcsla cxcellrnie qualidade. A ellas quo silo pouens o
o preco he barato. Atrs do thealro, armazem jun-
io a maro, de Joaquim l.o| es de Almcida.
Fardo,
em barricas a 4,006 rs.; saccas grandes, a 3.30o
rs., ditas pequeas, a 2.800 rs : no armazem do J.
J. TassQ Jnior, na ruado.Amorim, n. 3.
No armazem de Joaquim da Stlva
Lopes vendem'-se saccas com caf de cs-
colha de piimeira qualid.ide, a 1,700 rs
a arroba ; Inicas com bac=;!ho de esca-
ma a 9,000 rs. j ditas com lardos a
4,000 rs.
Vendem-sc barris pequeos com cal virgein de Lis-
boa a mais rova que ha no mercado, por prefo com-
modo : na ra da Moda armazem n. 17.
Potassa.
Desembarco ti lia poucos das urna por-
cao de barris.pequeos, com muito nova
c supetior potassa, c se acbam venda,
por preco mais batato do que ltima-
mente se venda, na ra da Cadcia-Vellio,
armazem de Bailar & Oliveira, n. 11.
reiro ; um dito bom carpios ; 4 bonitasescravas com
habilidades, sendo una dolas do meia dado, ppr
muito commodo preco ; urna parda do 20 annos do
bonita figura n com algumas habilidades : na ra
do Vigirio, n. 24.
Presuntos.
Vendem-se superiores presuntos inglezei para
Hambre, chegados no ultimo navio; no armazem
lo llraguoz ao p do arco da ConceicSo.
Vende-se urna escrava de 20 annos propria pa-
ra todo o servico de urna casa de familia : no pateo
da S.-Cruz, n. 18.
FARKI.O EM SACCAS DF. 90 LIBRAS :
vcn.do-se. no armazem de Viconte Ferreira.da Costa
na fu da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
Xa rita de A goas Veriles,
n. 46,
vende-so um lindo moleque de naco, de 16 annos,
proprio para todo o servico, que n.o tem vicios e
vende-se por necessidade ; um bom escravo, oflicial
do pedreiro; 3ditose um lindo mulalinho de 14
annos ; 5 escravus para tojo o servido por com-
modo preco ; um bonito mulatinlio de 15 annos.
Taixas para ciigeoho.
Na fundiefio de forro da ra do Brum', acha-so a
venda um completo sorlimento de taixas de 4 a 8
palmos de bocea, por proQO commodo,-e com promp-
lidlo embarca-so, ou carrega-seom carros sem dcs-
pezas ao Comprador.
Vendem-se queijos londrinos presuntos in-
glezes para fiambro : conservas de fruclas paia po-
dins, latas com holachinlia fina, loucinbo inglez :
1 ii'lo chocado pela galera Calumbes : na ra da Ca-
doia 1I11 rciii), u. 2, -venda do Jos Coucalves da
Fonle.
Vende-se um pequeo sitio c un casa do vi-
venda na Suledade, junto dosillo do finado Jos
Robeilo, na estrada do Uoi; bem como um terre-
no com ca.sa de taipa na ra que segu para o Man-
gninho : a tratar 110 sobrado de um andar e slita
no principio da dita estrada que vai para o Mangui-
nd nji na ra da Concordia ,-com Jos Antonio
Concia Jnior.
Ruado Livramenf,!). 14.
Nesla Ioja ha ricos corles de cassa a 3,200 rs.;
chitas ron xas muito finas, para alliviar luto, a 200
rs. o ci vado ; ditas de cores fixns a 160, 200 e 210
rs. ; madapnlflo de jardas, muito lio; dito de'20
yariis a 4,300 rs. ; casimira | reta ; merino; lencos
de m.Tio com bico as pontas e bordados; metim
azul, a 160 rs.xO covado ; o oulras umitas fazendas
que silo pechnclias pelo barato proco por queso
vondetn.
Vende-se nm grande, sorlimento do movis, com-
prchcmlcnilncadciras de palliiuha a 24,000, 32,000,
46,000, 50,000, 72,000 o 84,000, rs, a duzia ; bancas,
mesas de meio desala redondas, sofs, camas, tanto
para sollciro com lastro do palhinha, como para ca-
sado, estantes para livros, guarda-vestidos, exccl-
Icntcs hercos de differentcs modas, carteiras para
escriploi o, ditas do vir.gem com lodos os seus per-
tenec, cspclbos para sala, mesas clsticas para 20 e
30 pesoas, um palanquim, eoutios mnilos objecos
que vista do comprador se farflo patentes, por
proco muito em contu : no armazem da ra'Nova,
n. 67.
Vendem-sc queijos londrinos muito fresca es;
fiascos com moslarda ; ditos com fruclas para, pas-
tis ; ditos com conservas ; latas com sardinhas ; di-
las com homilas ; ditas com lagnsla guizada ; ditas
com leite cm eonserva ; gorrafas.com ago'ardenlo de
Franca ; ditas com vinho do Porto; Sherry Madei-
ra Conslancia llnrk ; cha hysson e i reto ; sobre-
casacas c palitos do.brm pardo, a 3,500 rs. cada um ;
camisas brancas com peilos de brelanha ; dilas de
riscado ; ditas para prctos ; ditas de baca : na rus
do Trapiche, armazem n. 44.
Toda ti Monedo ao que lie bom.
Deposito de rap andarahy
e imperial.
Na na da Cruz, n. 63, primeiro andar, escripto-
riodeJos de Almeida Brrelo Bastos, vende-seo
bem acreditado ra| andarahy e imperial, fabricado
no Bio-dc-Janeiro, sendo o nico deposito' nesla
provincia; assim como se vende a rclaUo as so-
guiutes casas : ra da Cruz, n. 62 ; breeo da l.in-
goeta n. 3 ; ra do P.lir cm Fra-de-Pollas, n.
86;rua da Oideia do Becifo, ns. 17 e 19 ; ra do. En-
cantamento, n. 4; ra do Vigario, n 14; ra d
Cacimba, n. 2 ; ra do Cordoniz, n. 11 ; ra do Cul-
legio, n. 9 ; praca da Indenendencia, ns. 4 e 39 ; ra
do Queimado, ns. 10, 16 e 33; ra do l.ivramento,
ns. 4, 5e38 ; ra da Penba, venda da esquina, por
nano do coronel Joaquim Bernardo de Figucirodo ;
ra Direila, ns 6, tC, 53 95 e 141; ra das Cinco-Pun-
tas, ns. 50 c 82 ; run Inipi rjal, n. 2 ; paleo do Car-
mo.n. 2; ra larga do Bozario, ns 29 e 35 ; ra dos
Cruzes, n. 40 ; ra do Cabug, ns. 1 e 7 ; ra Nova,
n 50; Alerro-(ia-l>a-V>ta, ns. 2, 46 e 54; praca da
"o-i-Vstn. n. 17 ; PuDle-Vt-lfta lis. 23 54: palco
da S.-Cruz, 11. 106.
ca.'
te Peceados Mortaes, por Rugenio Sue traduzido
em portugnaz, por 1,600 rs.; o Mendigo negro de
Paulo Feval, Iraduzidoem portuguez por A. Bogo,
1 v. por 1,000 rs ; as poesas de Jnflo de [,emos Se-
xas Caslello-Rranco ; Amor Melncoliif. por Cas-
lilho o primeiro, segundo e lerceiro volunes da
Lizia Potica.
Vende-se urna casaca nova de panno azul, por
prego commodo : ns ra das Cnco-Ponts, n. 25.
Vinho barato.
Acha-sc eslabelecidona na da Madre-de-Deos ,
n. 36, um armazem de
Vinhos da Figueira,
de ptima qualidade, a preco de 1,900 rs. a caada,
e a 160 rs a garrafa ; e para nao ha ver dolo do com-
prador sero lacradas as garrafas e com rotulo, re-
cebondo-se a garrafa vasi, o dando-se immediata-
mente a outra clieia : tanibem lia barris muito pe-
queos proprios para quem passa a festa. O pro-
prietario dcste estabelecimenlo pede encarecida-
mente que sendo illudam avahando,-pelo diminuto
prego e sem conhecimento de caula, a qualidade de
sua fazenda digna por certo da estima dos verda-
deros smantea da boa pinga. Elle conta que quem
uma vez provar, continuar com gosto e sora arre-
pendimenlo. E o bom preco!!.' A todo o exposto
accresce o asseio e boro acondicionamento o que
tudo se poderi verificar em dito estabelecimenlo.
Agencia da fundicao
Low-1!oor, ra da Senzalla-
noya, n. 42.
Nestc estabelecimenlo contina a ha-
ver um completo sorlimento de moendas
e mcias moendas, para .engenlio ; ma-
chinas de vapor, e tachas de ierro batido e
coado, de todos os tamanhos, para dito.
Taboado de-pinbo da Suecia,
de 10 a 5i palmos
docomprimento o mellior que tero, chegado a eslc
mercado, cm razito de le poder envernizarcm qual-
qnerohra por nlo ter nos e 1er muito alvo sen-
do costado, cnstadinhn, assoallio, forro o pira fun-
dos de barricas : vende-se a preco que o comprador
far todo o negocio: atrs do thealro, armazem de
Joaquim Lopes de Almeida. *
84,000 ri. a duzia, cm porches de 5 eestos para mais
o a 25,000 rs. a retatho; dito Xerez .engarrafado
mclhorque lio ueste mercado a 14,000 ra a duzia
dito de.Bordeaux cm barris eengarrafado rtebo
qualidade, a diversos precoi; na prar;a do Coriio-
Sanlo, n. 11, casa de Me. Calmnt& (',.
Fabrica deTodos-os-Sanlos.
FirminoJos F. da Rosa cora osc,rptorio na rua
do Trapiche, n. 44 avisa aos scus frcguozei que aca-
ba de receber pela escuna Curiosa,, novo Sorlimen-
to do excellente panoo de algodSo enlrancado ila-
quclla fabrica ptimo para ensaccar assucar e pa-
ra roupa de eiravos. O annuncianle conla que,
alm da fazenda, o desejo de animar o desenvolv'
ment de uma fbrica inteiramepte nacional, pro-
mover o prompto consumo da sua rec
Vende-se uma preta moca, de boa
Bgura, lavadeira e costureira, e propria
de lodo o servico de casa : na rua do
Crespo, loj* n. a A, se dir quem vende,
liadeira de pinna
Vende-se sarj de arda hespa-
nhola muitosuperior, selinide Ma-
can proprio para vestidos, \s de
lini.o prctos bordados a seda,nieias
preliis de seda de peso, panno pre-
to muito fino e prova de bmao,
caz mira prela elstica, sarja de
listras.selim proprio de collete, as-
siin como* outios milita. fazendas
finas, propiias para a tjuaresma :
tudo mais barato do que em outra
qualquer parle : na Ioja de Jos
lUoreira Lopes &c Companhia, r.ia
do Queimado, quatro cantos, ca-
sa amarrlla, n. ic).
Vende-ae a melhor madeira de pioho que (cid
vindo a este mercado na rua da Madre-de-I)cog,
armazem de Vicente Ferreira da Costa.
Algodao trancado da fabrica
de Todos-os-Santos da
Baha ,
muito proprio para saceos deaisucar e roupa de es-
cravos: vende-se em casado N. O. Biober & Com-
panhia na rua da Cruz, n. 4.
--Vendem-se semess em saccas muito "grande*,
a ;4,5O0 rs.: na rua da Madre-de-Deos, armazem da
Vicento Ferreira da Costa,
Extracto de salsa-parrilha con-
centrado do Dr. Mead.
Ha quatro innos, desde que esta superior aveaa-
raQito de salsa-parrilha foi conhecida no Braiil,
principalmente ao aul'nnife est conheeida como
um. dos remedios mais efllcazes para todas -aa moles-
lias, producidas pela impureza do sangue como
sejam escrophulas ou alporca, molestuii syphili.
case mercuriaes rheumstismo, chagas ulcerosas,
tumores brancos, doencas do-figado a da culis,
debilidade geral, etc. ; he tambern recommendada
para as moestias interiores, em que se sunpoem
os bofes e peito atacados, e bem assim naquellaaem
que a conslituic.no esliver arruinada pelo uso exage-
rado de preparocOes mercuriaes. Ai curas que tem
offecluado nestas molestias aflo tAo numerosas e
completas, que all lem ganho o titulo de Verdadeiro
restaurador da sade. Vende-se na rua d Cadeia do
Itedfe, botica n. 3 de Pimenta & Cruz.
Vendcm-se chapeos do eastor branco, a
4,000 rs.: na rua du Qneimado, u. 22.
Vendem-se presuntos para fiambre; queijos
londrinos ; ditos de prsto ; latas com bolachlnha
linaje r.isbOa ; dilas de ararula ; conservas novas;
moslarda ; potes com sal fino ; latas com mermela-
da nova ; dilas com hervilhas; caixinhas com mas-
sai linas ; vinho moscatel de Setubal; dito Sqerry ;
licores linos ; e oulros mais gneros, par preco eom-
"'- lia rua da Cruz, no Recre, n. 46.
Vende-so vinho verde do melhor que ha no mer-
cado e chegado ltimamente ; queijos do Minas:
ludo por preco barato: na tua Direila n. 18.
. Vende-se o-A/i/seu l'iiloresco com ricas eslam-
pas ; diccionario porluguez por Fonseca : ludo por
prego comiiiodo : na.rua do Queimado, n. 11.
Cha nacional de S.-Pat.Io.
Vende-sc o muilosuporior cli de S.-Paulo cm
caixas de 1, 2, 6 c 13 libras ; na rua da Cadcia do
Recito foja de JoHo da tunha Ifagalhiles.
Vcndeni-se 9 lindos moleques de nacSo e criou-
los de 18 annos, sem vicios nem molestias.' um mu-
lalinho de 14 anuos, muito lindo ; 3 protos'de boni-
tas figuras, de 25 annos, sendo um delles boro car-
Vende-se ca.' virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na rua do Trapichr, arma-
zem n. I7. .
Vende-sc vinho do Porto, muito snpeiior e
de nutras quididades cm barris de quano, quinto,
scjIo, stimo oitavo eem pipas, por preco muito
commodo : na rua do Vigario armazem de Fran-
cisco Alves da Cimba, n. II.
Tapioca do llaranhao.
Vende-se, no armazem de farinha, na rua do Col-
legio 11.2|, tapioca do Maranliio milito alva por
prego menor do que o do costuino. No tnesmo ar-
mazem ha iniltio novo cm saccas, o tambera fari-
nha.
Na padaria da rua da Guia, no Reclfe ha ver
todos os dias a venia o novopfto de Provenca fa-
bricado poroulro modo quo u actual e da melhor
farinha que ha no mercado : por este motivo nSo se
pode fazer senao a 40, 80 e 160 rs.
VenJe-se na rua da Cadeia do Recite, Ioja de
Jo3o da Cunta Magalbaes,o primeiro vorume dosSe-
Vendci se, no armazem da
na da Madrc-r'e-Jicos ,
31 .aolado da alfandega, saccas com farinha,
alguidares vidrados de todos os tamanhos ,* peneiras
de rame : tudo por pre^o commodo.
--Vendem-se 3 canoas, a bertas de conduzir malc-
riara, cm bom estado, una dolas foi rejuntada de
novo o anda est por calafetar: no Aterro-da-Uoa-
Visla, n. 29.
Vendem-se duaa pardas com boas habilidades,
sendo uma dolas muito carnhosa pura crianzas : no
Alcrro-ila-Boa-Vista, n. 29.
Vende-se um carro de quatro assentos mo-
derno e a.'seiado, com 1 parolha de cdvallos, por
proco commodo : aa rua Nova, cochcixa do Sr. Adol-
pho, n. 54.
- Vende-se a verdadeira e muito suporior fari-
nha SSSF, a relalho c em poreflo ; dita de oulros au-
tores : na rua do Vigario, armazem de Francisco Al-
ves da Cuuha. n. II.
Vendem-se saceos com (arelo,
chegados ltimamente, pelo diminuto
prego de 3,4oo 1 s.: na rua da Sanzalla-
Velha, n. i38.
-No deposito de Mc.Calmonl & Companhia, na
rua de Apollo, armazem n. 6, acha-se constante-
mente grande sorlimculo de ferragens inglezas paia
engenhos do assucar, con o sejam : taixas de ferro
coado de diflcrciiles modelos, os mais modernos;
ditas de ferro balido ; mooiidas de ferro do modo-
o adoptado para armar cm madeira ; ites todas
de ferro, lauto para agua como para animaos; ma-
chinas do vapor de fr<;a do quatro cavallos o de al-
ta presslo o mais moderno e simples quo he possi-
yel; repartideras ; espumaderas ; resfria deiras de
ferro estanhado; formas de ferro: tudo por preco
commodo. r v
Vende-se fumo em folha, para fa-
er charutos, por prego commodo : no ar-
mazem de Joaquim tex da Hoza, na rua
da Madre-de-eos.
-- Vendem-so, por preco commodo, 14 asseiados
vasos para jardim : na ruado Trapiche, n. 44. pri-
meiro andar.
Vende-se champanha, marca C & c, o vende-
se hojeaste auperigr vinho (9 rednzido prsy> de
M
modo
FARELO
cni saccas muito grandes,
a 3s'G00 rs. a sacca:
no armazem do Braguez ao pe do arco da Cenceico.
- Na rua das Cruzes, n 22, segundo andar ven-
de-se uma escrava do na'cflo Angica de 40 anuos,
com um fllho mulequo do 11 annos; uma molcca
dt Costa, de 16 annos; um escrayo de 82 annos,
aa habilidades se dirfio ao comprador.
Escravos Fgidos
Fugin, em das de feve'reire, o moleque Anto-
nio crloulo ; levou camisa do elgodo riicado cal-
cas do mcsmoa/ul j bastante velhas ; tem a" bri-
ce um tanto redonda, os cabellos, estando croscidfo>,
leomacrum lontoavermelhada rosto redomre ,
cor agagerusada ; quando anda parees puxsr ror
una perna nao obstante nOo ter doenr^a alguma
nella ; tem 14 annos pouco mais ou menos do asta-
lura regular ebeio do corno, quando em comp-
nhia de sou senbor. que he Francisco de Castro an-
dava embarcado: quem o pegar levo-o a rua da
Cruz, 110 llecife venda de l.uiz Jos de Si Arauj ,
que gratiflear com 100,000 rs.
Fugio, no di* 23do correte, do ongenho Ta-
pera freguezia de S -Amaro-JaboalSo o ecravo
Jos, de 30 annos cor negra clicio do corpo, il-
tura rogular de nacHo taucambiaue, aleapalhedo
bo fallar, resto um pouep. redor.Js ce. c si"""1
da Ierra em que nasccu ; lio um poc'o de'sdeulado,
col saliente,.pernas curtas, ps glosaos e feios;
levou caleas de brim branco, camisa do madapoliiu,
jaquela nova de algodilocor decafii, bonete usado :
quem o pegar leve-oa rua Nova por cima da boti-
ca do Sr. Piulo, ou no mencionado ongenbo Tape-
ra, que ser gralilicado generosamente.
-Fugio, no dia21 do correle, da Ioja de fnni-
leiro da rua Nova u. 38, defro'i.l* da areia da Gon-
ceieno um preto de uoine Joflo, d? bac3o Congo;
he o oflicial Uo funileiro, do altura a corpo regu-
lares, cor preta, ollios gran les, falla grossa, pes
npalhelados, reprsenla 25 anuos; levou calcas o
camisa de algodilouzul o chap.) da pollo prrto :
quem o pegar leve-o a dita Ioja quo sera graUfiCJ
do generosamuult'.
-- Fugio, no dia 24 do correte, uma muhlinln ,
le nome Euphrosina de 2 annos, esUlura regu-
lar, rosto redondo, nariz pequeo, cabellos pretoi
crespos o quasi estirados; tem o dedo grande di
mfio direila duro que nito o fecha igual com os nu-
tras peilos grandes ; lavou vestido do chita ja usa-
do, panno du Cosa 011 chale, argoiaj de ou' as
orelhas, spalos nos (s e una trouva de mu*
da uiesnia : quem a pegar leve-a a rua jslrciU do
Itozario, n. 19. .
." '"Tn-------;- 1
Pr-Jl. MA TTP, Df St. r, QI FAlj. 8<9

MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQPWOBKNK_IL2O96 INGEST_TIME 2013-04-13T03:01:06Z PACKAGE AA00011611_06230
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES