Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06219


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXV.
Sabbario 15

O />M/f/'.'|>nlilic.i-sc tollosos diasque nao
forero de guarda. O prec.o da asalgnatura he
de 4J000 ra. por quartel, payos (Hitados. O
aniiiiiicios dos asslgnantcs sao inseridos
raio de 20 rs. por llnba, 40 r. era tjpo dif-
lerente, eas repelios pela metade. t)s nao
.signantes pagarau 80 rs. por linha e 160 rs.
ein typo ilill'i'ii'iiir, por cada puulicacau.
PHASES DA LA NO MEZ DE JANK1RO.
Cresornle, a 2, s 5 horas e 19 min. da manh.
La chela, a 8, s 8 horas e 31 min. da tardo.
Mingoaute, a 16, *4 liorase 35 ma. daiuanh.
La nova, a 21, s 7 horas e 43 min. da manh.
. PARTIDA DOS CORREIOS.
Golanna e Parahiba, s seg. e sextas-frirss.
P.lo-G.-do-Norte, qulntaa-felras ao melo-dla.
Cabo, Serlnlirin, Rio-Formoso, Porlo-Calio
Macelo, no I.' 11 e 21 de cada mez..
Garanhuns e Bonito, a 8 e 23.
lina-Vista c Flores, a 13 e 28. .
Victoria, s quintas-felrai.'
Olinda, todos os dias.
PRKAMAR DE HOJE.
Prlmeira, s 7 horas e 4i minutos da manh.
Segunda, s 8 lloras e 6 minutos da tarde.
rie Janeiro de 1849.
N. 10
DAS DA SEMANA.
8 Segunda. S. Louren^o Justinlano. Aud.
doJ.dosorph., doJ. dociv. edoM. da2.v.
9 Terca. S. JuliSo. Aud. do J. doc. da 1. v.
c do J. de paz do 2 dial, de t.
10 Quarla. S. Paulo 1. eremita Aud. do J.do
c. da 2. v. c do J. de pa/. do 2. disl. de t.
11 Quinta. S. Hyglno. Aud. do J. dos orph.
e do >. M. da 1. v.
12 Sexta. 8, Satyro. Aud. do J. do clv. c do
J. de pasdo 1. dist.de t.
13 Sabbado. S. Hilario. Aud. do J. doc. da
I. v. e do J. de paz do 2. dist. de t.
14 Domingo. 0 Saullssiino Noinc de Jess.
CAMBIOS NO DA 12 DF. JANEIRO.
Sobre Londres a 25 '/., d. por 1/rs. aliu dias.
Paris
Lisboa 110 por cento de premio.
Rio-de-Janriro ao par.
Dse, de Iclt. de boas Urinal a I'/, % ao mes.
Acedes da comp. de llcberibe. aojf rs. ao p.
(Juro.Oncas bespanholas. 2fl#oOO a 30*001
Moi'das de 6*400 v. 17^000 a 17/200
dc(i*400n. 16/100 a 16*400
. de4>000... 9/200 a
PrataPatacdes brasileros 1/940 a l ..-<
- Pesos columnarios. 1/940 a l/W
Dito* mexicanos..... 1/900 a l'/920
DIARIO
PARTE OFFICIAl.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 11 DE JANEIRO.
OPllelo." Ao administrador >Us obras publicas,
acensando rocebdo o poni dos empregadoa da-
quella reparti^So no mez do dezembro ultimo, o exi-
gindo que S. me. informe se aquellos desses empre-
ados que dilo parles dedoentes comprovam a mo-
lestia com attaslacoes de mdicos para pereeborom
os respectivos vencimen los.
Dilo. A' cmara municipal desta cidade, decla-
rando que nflo pode ter lugar o autorsac5o que pede
a mesma cmara para mandar satisfacer a despeza de
26,000 rs. ,em que importaram os cofres e urna
queaeraaedmrafxer?araaaeleisoaBvdete nona*.
cipio, por nao ter sida esta qnan prevista no orr,a-
menlo vigente dessa mesma cmara.
Dilo. ao presidente da provincia das Alagas,
f Iransmitlindo copia do ofllcio do Inspector do arse-
nal de marinlia, acompanhado do termo, tamben
por copla, doeonlralo celebrado entre elle e Luiz
Jos de Brilo acerca do corte de certas madeiras de
que precisa aquello arsenal; e rogando a S Exc. dig-
1 nc-se de expedir suas ordens, para que o contratan-
te que reside iiessa provincia posas cumprir as obri-
gacOes a que se subjeitou. l'arlicipou-seao ins-
pector do arsenal do marinha.
Portara. Dispensando do servico da guarda na-
cional os olllciaos do lercoiro batalhUo da freguezia
de Una abaixo mencionados, por assiin couvir ao
servico publico :
Capitflo Pedro Ignacio Wanderley..
Tenenle Flix da Silva Gusmo Camulengue.
Alferes Jo0o do Reg Acciolo e Estanislao de
Hollanda.
Parlicipou-sc ao commandanto superior respec-
tivo.
Portara. Concedendo ao Dr. Luiz do Carvalho
azdeAndrade ademissSo que pedio do lugar de
ubdelegado do primeirodislriclo da freguezia dos
i fugados. Expediram-se as convenientes parlici-
acdei.
Dila. Nomeando o lenle quartel-mcslre do
exlo bstalhilo de caradores l.uiz Jcronymo Ignacio
los Shiilos par servir o lugar de pagador junto as
fi cas eni operaces que se acbam sh o mando do
"commandanie geral da comarca do Cabo; e orde-
nando-que, ainquanlo elle se actiar no cxcrcicio do
mesmo lugar, abonem-se-lho osveiicimentos que
livor direlio. Parlicipou-sc ao coinniandanto das
armase ao eomBiissAiio-pagador.
DIARIO DE PEBMAHBUCO-
macxru, H b jaweibo ss iso.
VII.I.l DO BIO-FORMOSO.
Um dos cebos da revolta annunciou heje que taai
[villa fura oceupada pelos bandidos que, para maior
Jescredito seu, a'cabsm de tomar por cliofe o bom
Iconliecido salteador Cacltmo Alves da Prata ; esse
[caudilho desalmado que dennnciou sua presenca
entros incendiadores pelo assassinalo do um po-
[ bre vclbo inoffensivo, segundo diss o Sr. chefe de
polica das Alagas no cilicio que publicamos cm o
FOLHET1M.
MEMORIAS DE UM MEDICO, (*)
-por aiejranbte puma*

TERCEIRA PARTE.
n. antecedento : entretanto podemos asseverar aos
leitores que essa noticia lio Iflo falsa quinto todas
as oulras que diariamente dito as folhas opposicio-
nistas acerca dos movimenlos itessas hordas sel-
vagens que por ahi vagueiam commettendo crimes
e atrocidades, cuja narrarlo nflo pode deixar de hor-
rorisar a todo o homom que sobe respeitar a honra,
a vida o a propriedade do seu semelhanle.
Sim ; acabamos de conversar com certa pesaos
respcitavel chegaila boje do liio-Forraoso, e ella nos
aflirmou que essa villa estova perfellamento Iran-
quilla, eque setu habitantes nada receiavam ; lano
mais quanto sahiam que os revoltosos esta va m cer-
cados, desdo a noile de lOdocorrente, por Ierras ao
mando do tenente-coroiiel J>adrinho, e viam a res-
peitavel guarnieflo da mesma villa augmentada com
o 5. batalhflo de fuzileiros, qqe all aportara na ma-
nhaa de 11 levando sua frente o brioso tenentc-
coronol Falcilo, bem como com um poderoso con-
tingente, composto de legalistas do Serinhflem e
Lages.
Descansem, pois, os bons Parnambucanos sobre a
srte dos seus leaes irmfios, quo, fiis ao monarcha,
i eonstituicflo e aos mais sagrados deveres da hu-
nanidado, alii estflo no Rio-Kormoso sustentando a
causada ordem : ellos se acbam firmes no seu cos-
i de honra, e secundados por um dos offlpiaes do
exercito brasileiro, que, na presente quadra, mais
se teeaa distinguido pela sua bravura, pericia e de-
dicacao.
Talvez qua dentro cm poneos dias lenhamos o
prazer da Jeclarar-llies que os barbaros salloado-
res, que talo ensenguenlado o solo da nossa chara
patria, foram completamento oetiaaatafi hbs doua
nnicos pontos da provincia, qeanda infestam com
sua presenta ; queremos dizer, Agoa-Preta o llarrei-
roa : o que nos parece tanto msis fcil, quinto sa-
bemos que estilo dadas as precisas providencias para
que clles sejsm atacados por lodosos lados, de mo-
do que liqnum em perfeito oslado de sjliu.
des do ongenho Garana por urna partida dos sal-Irado para o socego publico desta pnvoacno, edese-
._!.m ....i. ., ta 'jando que todas as pessoassemprecooperem para .i
teadores, os quaes nflo podcramres.st.r, porque f-,{ranqu,;|1da(|epubl!c, '
Dos guarde a V. S. Delegada do primciio dls-
tricto do Cabo, 4 do Janeiro de 1849. lllm Sr. Jn:lo
ram atacados de improviso, e alm disto Ibes cram
inferiores om numero. Entretanto, pensem os le-
loros quo essos nossos irmflos que acabavam de ca-
Ittr em urna emboscada, resignaram-se sua sorte,
e dcixaram-se ficar entre s malfeitores? Nflo:
aproTcitando-se da confusflo que se desenvolver
HarinhoPaz llarreto, teuenle-ajudanle da forlale/.i
de Gailu'i. Francisco l'nz laricio, delegado.
Pela leitura dos dous cilicios a cima Impressos ve-
r o publico o quanio devo estar grato ao enrgico,
probo, o cizudo delgalo, Francisco Paz Barrlo,
como ao inui digno e corajoso tenenle Jeto .Marinlio
.Paz Ilarrato. Ao delegado por demillir de inspec-
enlrc esls dopois do fogo^jue houve lugar naquel-l(0r no clebre Rerengucr, em o mesmo dia que de-
leencenho, apressaram-se em evadirse, o un tle|.|tan ssassinos enguen I litados as maltas parame
" r lassassinarem : ao tenenle, honra da classe mililai,
les, mais feliz do que os oulros, ja se acha nesta | p0r obstar que se isto realisasse
capital, o restituido ao respeptivo qua'tol. I Tanto ao Sr. delegado como ao Sr. Marinho agra-
,, I deco de lodo mou coraeflo o eslar ainda vivo, i per-
Proccdam sempre assim os nossos soldados, pro- ,niUa Dcos quo, pelo beneficio que me flzeram, fe
vem desfartc que sabem cumprir o juramento que l''s sempre sejam os seus lillios nesio mundo.
prestaram ao alistar-so no oxcrcilo brasileiro, e
(iquem etfrlos deque seus servicos hflo deserdevi-
damente galardoados.
PubHcacao a pedido.
lllm. e Hvm. Sr. Ir. Jo&o llapliila. Recebi sua
carta em que me pede copia do ofllcio quo a 3 do
corrente mez enviei ao Sr. delegado : o, dasejando
servi-lo declaro que foi como abaixo ver, e mais
que da dita copia pode V. Rvm. fazer o que hem I lie
convier.
MUS UM* PHOVX DA LEILOADE BA TROPA Di: LINIIA.
Logo quo o governo soubo que os revoltosos
batidos em Utinga esforcavam-se por fazer junc-
ino com os comparsas que os e/peravsm no sul,
ordonou que urna palrulba de seis soldados do
cavallaria o um cabo fsso explorar o cami-
nho que conduz daquello lugar ao ponto para que
os bandidos se dirigiam: essa ordem foi in-
mediatamente cumprida ; mas os bravos encarro-
gados da execuflo dola Teram a infccidado de
ser sorprendidos o aprisionados as proximida-
XXXII.
[ O Z.E1XOR VAX XVOOITTBAR UM D* SEOS ANTIQOS
CONHECIMENTOS, O QUA I. JOICAVA PERDI-
DO, axac teh skixb ta&tbs nenrumas
BAVDkBtS.
O leitor nos perguntar,scm duvida, porque he que
a meslre Flageot, que vai representar tilo magcsloso
' papel, -se d o ululo de procurador, ero vez de advo-
igado; reconliecemos que lhe assisla rasflo, e por
I issovamos salisfaz-lo.
Ilavia ji algum lempo que os parlamentos eslavaoi
quasi sempre de ferias, e os advogadns trabdlhavam
tflo pouco, que nflo valia a pena fallar-se nisso. Mos-
tr Flsgeol, prevendo o momelo em que nflo ae
pleiteara mais, fez alguna ajustes com mestre Guil-
[*) Vid Diario n.' 9.
don, procurador, oqual cedeu-lhe o seu escriptorio
e a sua clierrtell, mediante asomma de vinle cinco
mil libras dadas de urna vez. Eis-aqui como meslre
Flageot vcio a ser procurador. K se nosperguntarom
agora como pagou elle as vinte cinco mil libras, ros-
ponderemos que foi casando com mademoiselle Mar-
garida, a qual herdsra esta quaulia pelos fina do
anno de 1770, tres mezes antes do desterro de M. do
Choiseul.
Meslre Flageot desde muilo lempo se linha feilo
notavel por su a perseverares em sustentar o partido
da oppcsicflo. Fcilo procurador, ello redobroi do
violencia, o por este mcio ganhou alguma celebritia-
de. Foi esta celebridade, junla a publiracflo de urna
memoria incendiaria sobre o conflicto de M. d'Ai-
guillon com M. do la Chalolais, que atlrahio a alien-
cao do M. Raft, o qual precisava ler pleno couheci-
menlo dos negocios do parlamento. Porm, sem em-
bargo da sua nova dignidade e da sus importancia
cresconte, metr Flageo' nilo dcixou a ra do Po-
tit-l.ion-Saint-Sauveii', para que mademoiselle Mar-
garida nflo fosse privada do prazer de ser chamada
por suas vizinhas madama Flageot, nem deixasso
de ser cumprimentada pelos escreventes de mestre
Guildon, os quses tinham psssado para o servico do
novo procurador.
He fcil de adivinbar quanto soffreu Mr. de Richc-
lieu, ao atravessar Paris, e Pars nauseante desta zo-
na, para chegar a este ftido covil que a municipal i -
dade parisiense decorou com o nome de ra.
Diante da porta de meslre Flageot a carruagem de
M. de llichelieu encontrou-so com urna outra, a qual
parou.
O ma reclu,olhando, vio que della descia urna mu-
llir, e como os seus selen e cinco anuos anda o
nao tinham feilo deixar o ofllcio do galn, apressu-
a lllm. Sr. deieoarfo.Ante-hontem pelas 2 horas
da tardo fui avisado deque um grupo de pessnas
mal intencionadas proeuravamoRvm. vigario prior
do Carmo para o sssassinarem ; nflo quiz dar crdi-
to. Hontem, porm, as 6 horas da tarde vindo-se-me
repetir o mesmo que o dilo g'upo se havia escondi-
do as mallas por ondo havi do passar o dito pa-
dre, sahi com gente apesquizaras maltas at as 10
horae da noile, afim de que se nflo realizasse o cri-
rae projeclado: pude isto conseguir, mesmo por nflo
seachar na trra o dilo Rvm. Na volla da minha
diligencia cltcguei casa do inspector Francisco I-
reitsaer Crear de Menerea, profossor de primeras
lettras, edzendo-lhe queestrahhava o nflo dar ello
providencias a rospeito, rospondeu-mo que a nxa
era particular, que havia de fazer o que tencionay.i,
que tinha para isso ordom do V. S. Iloje, 3 de Ja-
neiro, pelas horas da tordo, fui pela terecira vez
avisado de que se ia por em prntica o dito assassi-
nato : inunediatamente fui casa do mesmo inspec-
tor, o aprcsciitci-mo promploa coadjuvar qualquer
ordem por V. S. dada, porm o mesmo inspector
respondeu-mo que nflo tinha ordens, e quo nflo pre-
cisava do mim para nada : nesla caso, repetindo ello
que sempre ia ao convonto estando para isso com
gente armada e reunida em sua casa, e leudo eu fr-
ca bastante para o repellir, mas vendo quopoderia
acontecer muitas desgrasas, fui ao convento e trou-
xo para o met quartel de Nazareth o dito padre,
aloqese possa receber de V. S. as providencias
que o caso pede : na certeza de que dando-as sabe-
rei cumprir. O referido he vordade, o quo asseve-
ro sb palavra militar.
Dos guarde.por muitos a V. S. era ul supra.
lllm. Sr. Francisco Paz Barrlo, delegado do l.o
districto do Cabo.Jlo Marinho l'att Brrelo, 2,*
tenento ajudante dos fortes Gaib o Nazareth.
lllm Sr. Tenho presente o ofllcio de V. S.,
datado em 3 do correte, e sobro o sou contc lo res-
pondo quo j fram dadas as providencias a tal res-
pcito ; nao doixando do louvar em V..5. o ler coope-
Tambem agradeco aos Srs. cadetes Joaquim do
Carmo Femantes, Joflo Alesandre Noves, Manoel
da Silva Noves, aos paisanos Jos do llarros Neves,
Manoel Francisco Itibeiro, lenlo Ribairo da Silva
Antonio Joaquim, Jos Alvos, Joflo Gualherto, e ou-
lros muitos que, sem eu esperar, voaram a coadjuvar
ao digno lenle.
Quanto ao met inimigo, lenho a dizer-lheque, sen-
do ministro, como son, d'uma religiflo que obriga
perdoar olTensas, lhe perdn todas quanlas me ha
feito; e que, so mo malar, como tenciona, alguciu
tflo bem o matara; pois quem com ferro fere com
ferro serferido.
Fr. Joto Baplista.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
RENDIMENTO DO DIA 12.......... 9.8*2,971
Deicarregam hoje, 13 de Janeiro.
Krigue Sem-Par barricas vasas, pasafigos.
Brigue Veloeifero farinha de Irigo.
Brigue Flor-do-Tejo palha.
IMPORTA GAO'.
Veloeifero, polaca sarda, viuda Je Trieste, entrada
nocorronle mez, consignada a N. O. Iliebcr (;.-,
inauifeslou o seguinto :
20 caixas papel almaco, 1 pacole amostras, 163.7
barricas farinha de trigo; aos mesmos consigna-
tarios.
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DIA 12.
Geral ........................3:0t9,76
Diversas provincias............... 7,283
3;057,0i5
CONSULADO PROVINCIAL.
REMMSEfTO DO DIA 12......., 1:656,299
rou-se em mellor os ps na lama escura d ra para
ir olTerccor a mflo a esta senhora que descia s.
Porm desta vez o maroclial foi infeliz ; urna per-
na secca e rugosa que eslendeu para o eslriho, deu-
Ihe aconhecer que a senhora ora una vellia. l.'m
somldanie enrugado o cobcrlo de nina carnada de
arreliique acabou de provar-lho que esta mullior era
nflo s velha.senflo tambem docropila.
Todava ja nflo era possivcl rocuar, o marechal li-
nda feilo omovimento, eomovimonto linha sido
vislo; alm disto M. de Richelieu nfl era moco. En-
tretanto a litigante, porque qual outra mulher loria
ido de carro aquella ra, a nflo ser urna litigante !
entretanto, dizemos nos, a litigante nflo imilou a
liesilacflo do duque, ella com um sorriso horrivcl
poz a mflo na do M. de Richelieu.
Eu j vi esta cara, fosse em que parto fosso,
disse o marechal baixinho.
E em voz alia perguntou :
A senhora tambem vem fallar a meslre Fla-
geot .'
He vordade, senhor duque, rospondeu a velha.
Oh! pula lenhe a bunra de ser conhecida da se-
nhora, exclamou o duque desagradavclmento sor-
prendido, parando no principio do corredor escuro.
Quom he que nflo conhece o senhor marcchiiI
duque do Richelieu? Fura preciso nflo ser mulher.
lista macaca nflo pensa que.he mulher ? mur-
inurou o vencedor de Mahon.
E saudando a velha o mais graciosamente que lio
possivel, conlinuou :
Nflo medir, senhora, a quem he que tenho a
honra de fallar?
Sou a condessa de Barn, urna sorva de V. Ex-
cellencia, respondeu a velha, fazendo urna mezura
de corle sobre o as&oalho enla meado do corredor em
distancia de tres pollobadas de um aleapflo aborto,
no qual o marechnl esperava malignamente v-la
desapparecer lorceira inolinaeflo.
Estou encantado, senhora, transportado mes-
mo, e dou mil grac,as ao acaso por me ler feilo cn-
contra-la, V. Excolloncia tambem tm demandas,
senhora condessa?
Oh! senhor duque, s tenho urna, porm quo
demanda I V. F.xcellencia ha de ler ouvido fallar del-
la sem duvida ?
Sim, sim; esta grande demanda...... ah he
vordade....., queira perdoar-me, senhora.. Gomo lio
que cu me tinha saqueado disso !
Gontra os Saluces.
Contra os Saluccs, sim, senhora, e lembro-ino
quo sobre ella se tiren osla cantiga.....
Urna canliga ? disso a velha ofiendida, quo /
cantiga? .
Tome sentido, senhora, ahi ha um huraco, ais-
la o duque, vendo quo decididamente a vel a nao
C4ha rielle; pegue no corremffo....... .sio ne. na
A velha subte os primeiros degros. <> duque a
seguio. .
- Sim, urna cantiga muitoengrac'{
Um cantiga muito engrajada sobro a m.nha
^-Sim1 senhora; eu posso repeli-la, e V. Fxcel-
lencia "u'lgara; ""' B" 1',,e le""a C"he-
cimento della.....
Ncnhum absolutamente.
Pois enlflo, ei-lf.
Em grande aperto me vejo,
Condessa, queira valor-mn ;
Smente Vossa F.xcellencia
lie quem pude soccorror-me.
\



DeclrnQes.
-- Olllm Sr. inspector da thosouraria da fazenda
provincial, em virludfl da resolueflo do tribunal ad-
ministraiivo, maula tutvt publico quo oontinuam os
paynenlos dndividu dos excrcirins (indos. Outro
sim, quo do 15 dd" correte nioz por dianle pagaai-
-e os ordenados vencidus cm dezenibro, c mai* des-
pozas provinciaes.
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial de
Pcrnainhuco, II do Janeiro de 1849.
O 2. cscriplurario,
.\nlonio Ferreira d'Annunciacfto.
Antonio Anues Jacome Pires, empregado do
consulado prnvinciul e autorisado para proceder ao
lanc Htenlo da dcima dos predios urbanos dos ba ir-
los de S.-Antonio o Afolados faz scientc aos res-
pectivos proprieUriosquo tem dado coineco ao ro-
fcii 1 laiicainenlo principiando pelas ras da Ca-
deia, Cullegio, Crespo, Cruzes, e|c.
i'.ONSUI.ARO DK PORTUGAL EM PEKNAMBUCO.
A Chancellarla deslo consulado foi uiuJada para a
casa n. <; defrouto du ira piche-Novo.
Ai,I:.\filA l\ COMI'AXIIIA BRASILEIIA IUC PA-
011 IIS A VAPOR KM l'Klt.NAMHUCO.
O eseriplorio dostaagencia foi mudado para a ca-
sa n. li di'IYonte do Trapiche-Novo.
~ Obrigue Assombro recebe I mala para o Rio-dc-
laneiro boje, 13 do corrente, as 8 lloras.
.TlIKVrno DE APOLLO.
Hnjo, 1:1 do correte, primeira roprcscntario da
ti asignatura.
Primeira parle.
I.K PRISONNIER DE LA BASTILLE
ou
I.' lnlcrdictio|i
Im.iiii i em iloui actos por Mr. Scribo.
Segunda parle.
L'EPAULEITE I)" OU.
Romance cantado por Mr. Acbilfe.
RANGA.
Pas Styrieo, Janeado por Mr. Adolpbo c Madamo
camoin.
II'. REV IVIiN PAGE,
Romance de l.oisa l'ngct, cantado por Hdame
N.lll.ilie.
Tirctira parte.
LE PARAR1S DE MAIIOMET.
\ uuleville jocoso em un acto do Mr. Scribo, fa-
zendo parle dcsla a polka o o bolero, Janeados por
Madamo Camoin; la Valso des Kangiars, execu-
l na por Madames Camoin, Nalliallo o Rroska.
Avisos martimos.
Tlir.ATUO PUBLICO DE SAN-FRANCISCO.
.Mr. luipr, director da coinpanbia franceza, tem a
honra do prevenir aoYeapcitavcl publico que, alm
das representacoes da assignatura oxecntadig no
thoalro do Appollo, dar oulra, domingo, li do cor-
le, ncslo IboHtro de San-l'ranciSCO, coniposla da ma-
neira soguinte :
I." PARTE.
Mr. c Madamo pinchn
Viiwleiille jocoso, em um acto de Mr. Theauloii.
le Portier ou lejour du lame, chanconela canlada
i or M. Gabriel.
2.' PARTE.
Inepur de bonheur romance cntalo por M. Na-
llialie.
BANCA. Un pas de deitx noble, danzado pnr Mr.
AdoplieoMadame Camoin.
Ubon cwf, romanee cantado por Mr. Achule.
8.' PARTE.
1.a filie mal garde, balada, pantomima em 3 ac-
tos, ii tirando curador, composta dedansas, no qual
se excedanlo ;
1 14 pat de U filie mal garde, 2. /t pat du
portillan, (laucados por Mr. Adolph o Madama Ca-
moin.
A. B. Olheatio estar iliteiramcnto rclocido f
os camarotes forrados os pretendentes aos camaro-
tes, dirijam-.se a casa de Mr. Dupr, ruada Senzal-
la-Velha, n. 142, e nodia noite no mesmo tbealro.
lio madama Dubarry quem falla, percebe?
lato iie insultante para ella.....
Que qner V. Excedencia, os cancionislis.....
nada respcil.im. Mcu Reos, como esl esta corda cn-
M'bada V. Excedencia responde depois assim :

Son vellia, son c.ipilosa,
Tenboiim processo rendido,
Se me'prometi gatiha-lo
l'rompto farei seu pedido.
Oh senhor, isto he terrivel, disse a condossa ;
i.lo se ultraja assim urna miilber dcqualilade.
Scnlioia, qiieira cscusar-mo se mo entoei bom
esta oseada nio enfada...... Alil.j cheganios; per-
mita quo loque a campa.
A vellia deixou passar adianto o duque, resmun-
g.Hno.
O niarecbal locou a campa o madama Flageo!, que
por se !o i.m' procuradora nilo liaba dcixado de ser
porloini e cosinlicira, veio abrir a porta.
Osiloua Migantes inlroduzidos no gabinete de
mestre Flageot acharam alli um hnmcm enfurecido
quo com a penna nos denles, diclava um arroscado
lerrivel a seu primeiro escrovente.
Mcn lieos! mestre Flageot, que novidades ha ?
pergunlou a condessa, cuja voz fez o procurador vol-
tar-se
Ah senhora, sou um servo do V. Excedencia.
Umacadeira para a souhnra condessa de Bearn. Es-
te senhor veio com V. Excedencia ?..... Obi mo
me engallo ; o senhor duque do Iticlicliou em m n> lia
casa !..... oulra cadeira, Bernardino, oulra cadeira.
Mestre Flageot, disse a condessa, como vai ttii-
iilia i.'ciiianda i'
Para o Rio-de-Janeiro segn, no dia 14 do cor-
ro l" o brigue Al$ombro : os Srs. quo tivorem da
e nbii re resera vos a frea, dirijm-so a ra da a-
d"ia do Recito, n 61, a fallar com Joflo Jos Fernan-
d 'S Mu gal hiles.
Para a Babia segu viagem impreterivelmente
no dia quarti-ieira, 17 do crrante, o patacho,
Dilig-nte, e recebe carga ato lerca-feira, 16 ; e os
passageiros que quizerem bir, para o que toin ex-
celentes commodos, pdem fallar com Jos Anto-
nio de Maga Hules Basto, ou na ra do Vigario, toja
de cabos, de Luiz Borjes de Cerquoira.
A barca Bella-Pernambucnna pretende sahir pa-
ra a cidade do Porto com brevidade por,er a maior
parlo de sua carga prOmpta : para o restante e pas-
sageiros para o que tem asseiados commod.pi, en-
tcndain-se com o son capitilo na praca do Commer-
cio ou com o consignatario Antonio Francisco^
de Moraes, na ra da Cruz, n. 34, terceiro andar.
Para o Araeaty tem de sabir no dia 18 do cor-
rente o hiato Novo-Olinda, por ler j tratada gran-
de parte de sua carga : quem Jielle protondor anda
carregar ouirdo passagem diiija-so ao mestre
do mesmo, Antonio Jos Viaiina no trapicho novo,
ou na ra da Cadeia-V'elha, n. 17, segundo andar. -
O brigue-cscuna nocional linda segu para o
Rio-de-Janeiro improterivelmcnte nodia 15do cor-
rento : para o rosto da carga escravosa frete e pas-
sageiros trata-se rom Machado & Pinheiro, na ra
do Vigario, n. 19, segundo andar.-
Para o Rio-dc-Janeiro sabe, com a maior bre-
vidade possivrl, o brigue tala por ter mais da
melado da carga engajada : para o resto, passagei-
ros o escravos a frelo trata-se com Joo Francisco
da Cruz, na roa da Cruz, n. :i.
I1.na Lisboa sabe com umita brevidade o bri-
gue portuguez ConceifAo-de-Uatia, por ter grande
parte de sua carga prompta : quem no mesmo qui-
zer carregar ou ir de passagem, para oque offercrca
cxcellenles commodos, dirija-so aos scus consigna-
tarios, Tbomaz de Aquino Fouscca & Filho, na ra
do Vigario, n. 19, ou ao capilDo na l'raga-do-Com-
mercio.
Para Lisboa sabir, com a maior brevidado pos-
sivel, o bem conbecid o brigue portuguez Tarujo-
Prlmetro, capilo Manuel de Olivcira Faneco: tem
parto do sua carga engajada : para o reslanto e pas-
sageiros para o quo olfcrecc asseiados commodos ,
I rala-v ruin o capilao na pni(,'a OU coip O eonsig-
oalario Firmino J. F. da Rosa na ra do Trapicho ,
n. 41.
Le i I fio.
O corretor Olivcira far leililo, por ordom do" lllm.
Sr. cnsul de S. II. II., e conla de John Wilson da
mohilia da casa deslo consistindo em cadeiras, so-
phs, marquezas, mesas de todas os tamaitos, can-
naps, toucadores, lavatorios, com mudas, leito com
seus pnrtenccs espelhos, quadros urna machina de
entornillar, lou^as, barmetro, candioiro abun-
dancia de ir,'.ni decoziiiha, gamellas roupas o mui-
tos oulros artigos : quarta-feira 17 do correte,
as 10 horas da ni inli.ia, na ra de Fra-d'J-Portas ,
n. 124.
Avisos diversos.
--O abaixo assignado declara que toda a pessoa
quo liver conla com elle, baja do a mandar em car-
ta fechada na cidade do Itio-Crande-do-Norte para
ser paga. O mesmo abaixo assignado pedo aos seus
amigos que llio queinun perdoar o nao poder elle
se despedir do alguns pela brevidade de sua viagem,
o que agora faz offorecendo-lhcs o seu diminuto
presumo naquclle lugar, para o quo for do seus
servicos. Joti lnurenc.o do Amural.
Aluga-se una grande propriedade na povoa-
flo doMonleiro quo foi do fallecido Francisco da
Silva : a tratar na ra da Cadcia do Recifo n. 55,
com J. J de Carvalho Moraes.
Alugam-scos segundo o terceiro andares da
propriedade da travessa da Midrc-Jc-I>eos n. 16,
no i'.ecifo.
O Sr. P. M. profossor publico de... da..., quei-
ra ira ra do Amparo, em Oliuda n 36, pagar o
que deve desde 1835; quando mo, vor o seu nomo
por extenso.
O prorrielario da Inbcrua da ra do Collegio ,
n. 17, declara que deixou do vender na mesma ta-
berna ago'ardento de prodcelo brasileira desde o
dia primeiro de Janeiro de 1849.
- Moje, 13docorrcnto, na sala das audiencias,
pecante o Sr. Ur. juz municipal da segunda vara,
so lulo do arrematar as paites do um sobrado no
Aterro dos Afogadds penhoradas a' Joflo Baplisla
llerbster, porexecu^iio de Andr, Wlincr.
'i
Ah senhora, agora mesmo oceupava-mo de
V. Excellencia.
Mmio bem, raeslreFlagete, milito bem.
E de urna manvira, senhora condessa, quo lia
de fazer bulla.
Tomo sentido.
Oh senhora, mo ha mais nada a que at-
iende!.
Sj Vm. seoecupa do mim agora, podo dar au-
diencia ao senhor duque.
Senhor duque qitcira dcsrnlpar-mc, dissa mos-
tr Flageot; mas V. Ex. he muilo delicado-e n1o po-
de deixar de comprehender .. .
Eu comprclieudo, ineslroFlagoul, eucompre-
liendo.
Agor cstou ao seu dispr.
Tranquilliso-se, cu n;1o abusarci, Vm. sabe o
que me tras aqu i
Os saceos que II. de Rafl me cntregou um des-
tes das.
Algumas pecas relativas a minlia'dcmanda de ..
a iiuiiha demanda do... que diabo I;.. Vm. (leve sa-
ber de quo demanda eu quero fallar, mostr Fla-
geot.
De sua demanda sobro o trra de Chapenat.
NHo digo que nilo, e espero que Vn. m'a ra-
ra ganbar....... Seria isso bom engracodo de sua.
parte.
Senhor duque, este negocio est indefinitamen-
te adiado.
Adiado o porgue entilo ?
Elle mo sera discutido seu3o daqui lia um an-
uo pelo menos. k,
Porque ras.lo? diga-me.
As circumslancias, senhor duque, as ciroums-
tancias.....nilo sabo do decreto des. Magostado ?
Bernardo Gomes de Souza vai a Portugal tratar
do su saMe deixapdo por seu procurador Jos
Alves Pedias : igualmente pede a todas os Srs. oo
com elle e-m tido cotilas, e aos qaeiejulgar m seu
C'edores, liajam doapresentarsuas ronlas no pia-
zo de oito das para serom pagas anda que o an-
nuncjantejulga nada devora pessoa alguma.
Sorvetc.
Todas as vezes que houver espectculo na thea-
tro d'Apollo, haver um armazem defronle, mobilia-
do e asseiado para commodldsde dos freguezes a
240rs. cada copo, e recebendo-se os bilhetes das
outras casas para facilitar os trocos.
No pateo da matriz do S.-Anlonio, n. *. segundo
andar, ttram-se passaporlea para dentro e forado
imperio.* para escravos : lambem correm-se io-
IhasconfJ* maior bravidade possivel e por preco
muilo commodo.
O abaixo assignado declara ao Sr. Veigas quo
ello mora em S -Anna, e se algum negocio tem com
o mesmo, dirija-se a seu silio.
Ftlitbino Carvalko Raposo.
A cas de laipasitano lugar da Capunga per-
tencente a Manuel Comes da Silva CSl pejihorada
por Jos da Silva Saraiva.
Vignts fabricante de planoi, na ra do Quei-
mado,n. 12,
tem pianos de novo modelo feitosdo proposito pa-
ra este paiz : sflo riquissimos, e de machtntsmo o
vozessuperiores, o que se afiance ao comprador:
tambom tem pianos inglezes que sflo pouco usa-
dos; concerta e afina pianos com toda a peneico ;
vcndecordas.camtircaso todos os aviamentos ne-
cessarios para ditos instrumentos : ludo por preco
commodo.
Precisa-se do um menino de 12 al t annos, pa-
ra caixeiro : na ra estreita do Ro*ro,ji. 34.
-- A pessoa que-pretende comprar urna casa ter-
rea sita na Capunga perlenconte ao Sr. Manoel Go-
mes da Silva pdo-o fzer pois quo o abaixo as-
signado nilo so oppoe a dita venda, nom de presen-
te nem de futuro.
Antonio Ferreira da Costa Braga.
No dia 7 do corrente foi apanhada urna ca-
noa do conduzir aroia, quem fr seu dono, dirja-
se ao oscriplorio de Manool Goncalves da Silva, na
ra da Cadeia, ou a bordo do brigue Santa-Maria-
Boa-Sorte, ancorado noYorte-do-Mattos.
--O alferes Frias Villar assiste na ra da Madro-
de-Deos, n. 1, onde se podor eotregar a carta.vinda
do Rio-de-Janeiro.
, O escrivao da irmandade de Nossa
', Senhora da Conce9o da Congregarlo,
pelo |>resentc convida a todos os innSos
paraqne se rennam no consistorio da igre.
ja, no domingo ity do corrente, pelas 9
horas da nianha, alim de se proceder
eleicSo da nova mesa ; licando ccrlosque,
em sendo 11 horas, se proceder elei-
90 com os irmfios que cstiverem presen-
tes : outro sim, toga aosirinaosque com-
poem actualmente a mesa, s digneo
comparecer logo as 9 horas, para poder
antes da elcicio trabalhar e ultimar al-
gumas colisas que ha a fazer.
Vendem-se 5 bonitos moloques de 12 18 an-
sem vicios; 3 bonitas escrayas com .hab'lidi-
A. Daumann, afinador e
concertador de pianos do
prncipe de Joinville e de
S. A. a Sra. princeza D.
Francisca, tem a honra de
prevenir o respeitavel pu-
blico que chegou ultima-
mente n'estn cidade ; e as
pessoas que quizerem ulili-
sar-se de seu preslimo, o a*
chanto na casa de sua resi-
dencia, ra larga do Rosa-
rio, n% 14, primeiro andar.
Francisco Ignacio de Atahide scientifica a quem
convier quo boje appareceu em sua cas da qual ja
tinha conbecimente, o moleque Manoel, de ncIo,
solicitando para que elloocomprasse a seu senhor,
que diz ser aclualnionte o Snr. Vicente da Cunha ,
morador no ongenhoGracuipe, que o autorisara pa-
ra procurar quem o comprasse: e por isso pode
dito Sr. Cunta mandar tratar a venda do escravo ,
ou tomar conla delle no caso do nflo se realisar a
venda. Recife, 10 de Janeiro de 1849.
-- Alog-sc urna preta para ama de leile as Cin -
Ponas, n. 120. Na mesma casa ha urna mulher que
se oflereco para criar algum menino impedido.
Precisa-se alugar um prelo para o servido ordi-
nario de psdaria, pagando-so lodosos mezeS o que
se ajustnr t na padaria de urna s porta, na praca da
S.-Cruz.
sam*aa
wm
Creio que sim. ... quaidelles? S. Magostada
tem espedido muitos decretos.
Aquelle quo revoga o nosso.
Sei, sim eque mais ha ?
Pois, senhor duque,havomos de responder a is-
so, queimando nossos navios.
Queimando os seus navios, meo charo, Vmcs.
quoimarflo lambem os navios do parlament .' Eis
o que nilo he perfoilamente Claro, o eu ignorava que
o parlamento* titease navios.
A primeira cmara nflo quer registrar talvez?
pergunlou madama de Uearn, a quem a demanda de
M. do Richelieu de nenhuma sorle dislraliia da sua.
MelhordoqueisMi.
Asegunda lambem .'
isso nada serla... As duas cmaras tomaram a
resolucflo de nflojulgar mais nenhuma demanda,
emquantoel-ri nflodemiltir a Mr. d'Aiguillou.
Essaheboa! disse o marechil balando pBlms
Nflo julgar mais.... o quo 1 pergunlou a con-
dessa agitada.
As demandas, senhora.
Nflo sera julgadaa iniuha demanda exelamou
madama-de Bearn com um terror que nem procurava
dissimulur.
Nem a de V. Excollencia, nem a do senhor
duque.
Isso be iniquo! isso herebelliflo isordens de
S. Magostado.
Senhora, roplicou magcslosamente o procura-
dor, el-rei esqueceu-se.... nos esquecemo-nos lam-
bem.
Mr. Flageot, Vmc, ost fazondo artes de ir para
a llaslilha, son eu que Ih'o digo.
Irei para l, cantando, senhora, e so Mr, todos
os ineus collegas me acompaubiro levando palmas.
nos, _
des lendo urna dolas parido ha 4 mezes, com mui-
lo bom o abundante loilo.e a cria mulalinha : um
parda de bonita figura de 20 annos o com habili-
dades ; 4 prelos, sendo um delles bom carroiro ; um
dito pescador do alto o bom canoeiro, d-se muilo
cm conla; um miilatinho do 14 annos ptimo pora
pagem: na ra do Vigario, v. 2t.
Jos Pereira da Cunha embarca para o Rio-do-
Janeiro suacscrava criouln, de ivomoJosepha.
Aluga-se um dos dous andares do sobrado n.
34 da ra da Aurora ; a tratar no mesmo sobrado.
Carlos Francisco da Silva, subdito brtsileiro,
vai a Angola.
ahaixo assignado, com sitio no
lugar doGiqui, saliendo que os arrema-
tantes do dizimo do capim de planta o
tem collectado, e pretendem haver delle
0 importe da cotlecta, avisa aos mesmos
que protesta nao pagar a injusta e arbi-
traria collecta ; por quanto, estando pela
le smente obligados a esle onus os que
negociam nesle producto,oabaixo assigna-
do tem em seu silio apenas urna pequea
planta para o gasto dos seus cavallos,
que at mesmo nSo he sufciente, pois
em muitas occasides v-se na precisan de
compra-lo, no esl por certo obrigado
a pagar o dizimo daquillo que nao vende:
epara que osSenhores arrematantes fi-
quem entendidos, faz a presente declara-
cao. Antonio Joaquun de Mello.
Jos Moreira Gomes faz saber ao respeitavel pu-
blico e principalmente aos Srs. negociantes a rela-
lho.quo dejxou do ser caixeiro do Sr. Joaquim F-
lix da Rosa desde o dia 10 do corrento, por assim
lhe couvir, o muito agradece ao mesmo Sr. Rosa o
bom tralamento que lhe deu duranle p lempo que es-
tove em sua asa.
Perdeu-se urna carie ira na noite
do dia 11 do corrente, entrada do tbea-
lro de Apollo, ce iilcndo em dinlieiro
/|5|ooo rs. e diversas carias e papis que
s servem ao proprio dono ; por-isso se
roga pessoa que a tenha ochado, aqueira
entregar na casa doSr. Thomaz d'A qui-
no Fonseca., ra do Vigario, ou na loja
deferragens, n. 56, rita da Cadeia do lie-
dle, pbdendo ficar pela sua gratificacao
com a dita quantia de 4'i?000 rs.
Antonio de Souza Remos Torres faz sciento ao
respeitavel publico que comprou os pertettees do
armazem da ra da Praia n. 62, que perlencia a
Antonio Francisco Alves : e como nada mais tenha
em dito armazem o Sr. Alves, faz o presento an-
nuncio.
Acha-se nesta cidade urna pessoa quo possue
theorica e pratiramento os neerssarios eonhecimen-
los para bem dirigir qtialqucr cstabelecimonlo,
como fundieflo de ferro, etc. e toda a qualidadeda
mach inismns delineando e executamlo qualquer
modelo em madeira metal, etc. soja qual for 1
a sua complicacflo. Esta pessoa lambem se subjeiti
ao trabalhode tornoo lima, executn lo neste mis-
ter qualquer trabilho com a perfeie.flo necossaria. O j
emprezario de qualquer estabclcciment a quom
possa fazer conta o seu prestimo o quizer vor al-
guns de scus Irahalhos ou cotratar-so podor di-
1 igir-se a ra do Crespo, n. 9, onde obler as neces-
s arias informacOes.

Elle est furioso disse a condessa a Richelieu.
Todos nos estamos assim, roplicou o procu-
rador.
Oh .' oh .' disse o tnarechal, a cousa vai-so tor-
nando curiosa.
Porm, senhor, Vmc. me disso a inda ba pouco |
que se oceupava de mim, roplicou madama de Bearn.
Risse, e he verdado.... V. Excellencia he o pri-
meiro exemplo que eu cito na minha narradlo ; eis
o paragrapho quo lhe diz lespeito.
E arrebatando da inflo do escrevente o arrasonlo
comecadn, poz os oculos no nariz, o leu com. amplia-
se o seguinle:
Seu estado pe/dido, sua fortuna compromolli-
da, seus deveres calcados os ns... S. Magestado
aju7r bem quanto cues do** Assim,o supplicaiitc eslava encarregado de urna cau-
sa importa uto, da qual depoiidc a fortuna de urna ds
primeiras casas do reino por sua solicitude, pof
sua industria, por seu tlenlo, ello ousa dize-lo, esla
causa caminbava bem, e o direilo da mui alta e mu
polcrosa'senhora Atigelica-Carlotla-Yoronica, con-
dessa de Itearn, ja ser reconhecido, proclamado,
quando o sopro da discordia....
A pertigindo-so, e pens que a figura lie bella.
Mr. Flageot, disse a condessa de Rearo, ha qlia-
ren ta annos que tomei para meu advogado ao se-
nhor seu pai, que era um honiem multo digno;
com as minhas ciusas Vmc. tem ganlio dez a doz
mil libras; o talve/ ganhasse outro tanto ainda.
Kscreva, escreva ludo isso, disse vivamente
Flageot para o seu escrevente ; he um lestemunho,
urna prova : ha do ir na confirmneflo.
Ora, interrompeu a condossa, eu retiro de suti
i
~5
'
/
asH



--------------13
--Antonio C inloiro da Cunha ambare. para o Rio-
(le-JniK'iiu o seu escravo Franciscoi cabra.
O nhnixo assignado, vigurio da froguezia de S-
l'e Iro-Marlyr de Ollnda. annuncia quera conver,
quo, Hprcsi'iilando-st!-lhc na lardo do da 3 do cor-
rele mez lo Janeiro os pretos velhos, Luiz e Joa-
quina diicndo seren rasados o boje pertcncenles
ao domi'iio dclloaniiunciaiite cono prente quo era
de sua (nada sonhora, I). Francisco da Cunta e Mel-
lo, que, tendo sido casada com Antonio Lourengo de
Mullo tallecer dopoia doste som descendentes ,
na frogucra de Una ette annuncianlo, que com ef-
rcitoho piiiiio da dita tinada I). Francisca da.Cunha
oilollo.osrecolheu om sua casa'al que appareca
quera tenha nielhor diroito ao senhorio dellos.
Quem, pois, o tiver presente-se 0 annuncianlo
Suc, moslraiido-se-lhe molhor titulo, promplamen-
i? ns entregar tifio se responsahilisando todava
por ellas, se succmler fugirem ou morrcreiii antes
ilisso. Olnda, 4 do Janeiro do 1819. O vigario,
Jado Jott I'freir.
o abnxo assignado faz publico que seu tilho
Cypriano Galdino da Paz, de idado de 16 anuos fu-
gira de sua companha na noite do da 8 do corrente,
seckizido pela escrava de Jos Carlos Porcincula, de
iioiiic Luzia;sendo esta segunda vez que o dito seu
fllhofoge Je sua companhia seduzido pela dita prc-
ta nf(o obstante ter-so o annuncianlo queixado ao
sonhor da roesrna preta para dar as providencias que
eslivessemao seu alcance,'. elle o conlrrio fez ,j
queale protegeu a communicaeflo da mosma como
rapaz, a ponto qa'o depnis'da ruga a mesma preta
fui insultar nannuncianloe sua familia, quo oobri-
gou a roliaior os insulto* com ompurrOes_ na mesma
preta, ate que ella a frco se rclirou para casa de seu
similor. K como podo ser quo o dito seu fi 1 lio tent
ein nomo do aun iniciante con l rali ir olgumos divi-
das o annuncianlo declara quniuguem lito (id f
en los, ou Iba dft diidiciro, porquo por cousa al-
guma se responsabilisa. -- Rocife, 9 de Janeiro de
1819 Cypriano Lu: da Vas.
-- O Snr. alfores do sexto batalhfp do candores
Frias Villar baja de annunciar a sua morada para se
1 lio entregar una caria, vinda do Rlo-de-Janeiro.
Aluga-se urna casa terrea sita na ra da Floren-
tina., n. 9 com lions commodos para familia : a tra-
tar na ra da Cruz, no Recite, u. 30.
Quem precisar de una mulher croula e lvre
para ama do urna casa de libmcni solleiro, ou casado
com pouca familia, a qual bode bous costumes,
ja all'ita a OjIo genero do vida e sabe fazer todo o
servico interno de urna casa excepto engommado,
dirija searua da Uniilo, na Roa-Vista casa terrea
sem numero, do la lo do poeuto c com lampeflo
na porta ou annuncie.
AugustoTappenbeck, cidadflo bremenso, reti-
ra-so para o Para.-
Jos Antonio de Souza Machado embarca para o
Rio-o-Janero urna escrava d sua propriodade do
nomo l)ellii|a erroula e o crioulo Francisco da
Cruz que soacha preso na cadeia desta cidade, por
mandado do seu senhor o tenenle-cornncl Francisco
de PaulaSouza Lefio,por ordem do quem se embarca.
Manoel Luiz Gongalves embarca para o tito-de*
Janeiro o escravo crioulo de nome Domingos por
ordem do Ismael da Cruz Couveia.
Manoel Antonio Vieira Martins, subdito porlu-
Ciiiv, relira-se para fra do imperio, e declara nada
dever a pessoa nlguma, dcixando encarrogado de re-
cebar suas dividas aoSr. JoiTo Antonio de Mor.es. O
annuncianteolTereceaosseus amigos e patricios o
sen diminuto presumo na cidade de Luanda para on-
de segu.
'. ,*recisa,-se de uma ama para todo o servido de
una casa de pouca familia e juntamente de uma
pessoa para tratar do um sitio e fazer todo o mais
sarvico queso offerecer: iiarua da Cadeia de S.-An-
tonio, n 21.
Na ra do Trapiche-Novo, n. 8, primeiro andar,
precisa-se alugar uma mulher que saiba cozinbar,
qur seja forra ou fcscrava.
Um homem habilitado a ensinar primeiras let-
tras e grammalica portugueza om casas particula-
res, continua no mesmonso e proinelto o cumpri-
mento do laes deveres com aptidfio: quemo preci-
sar anouncio.
O ahaixo assignado faz soienle nos Srs. proprie-
larios dosprdos urbanos dos bairros deS-Fic-
Pedro-Gongalves e Roa-Vista, quo, na qualidade do
empregado da mesa do consulado provincial, fura
nonieado pelo Mlm. Sr. administrador da respectiva
mesa para proceder ao lancamento da dcima dos re-
feridos bairros o qual lera comeco amanhfia, 11 d,o
corrente principiando pelo bairro da Roa-Vista. -.-
Rocife, 10 de Janeiro de 18W. -- ttaximiano Francis-
co Duarle.
Anda est fgido, desdo dezembro do 1847, o
escravo crioulo, do uono Pedro de 20annos pouco
mais ou menos bonito de coi po desconQa-se que
ande em Sernbilem, onde foi visto auno passado :
quem o pegar leve-o a ra do Vigario escriploro
n. 4, que se gralilioar com 150,060 rs.
Anda resta para vender unja porcto do ptimo
vinho de Madeira em garrafas :'no escriploro do
Rothe & Hidoulac na ra do Vigario, n. 4.
mitos os mcus autos; do hojo por dianle Vine, tem
perdido a mirilla conllanco.
Mestre Flageot, ferido por esta desgraca como por
um raio, ficou um momento estupefacto ; mas, er-
guen.lc-se aps o golpe como um marlyr que con-
fessa o seu lieos:
Poissiml disso elle; Rornardino, entrega os
autos i sen hora, e consignars este tacto, continuou
elle, qoe a parte preferio sua conscicncia sua for-
tuna.
- Perde-mo, condessa, disse o marcchal ao ouv-
do de madama de Rearo ; mas parece-mo que V. Ex-
celencia nflo refloclio bem nisso.
Em que, senbor duque ?
V. Excellencia retira seus autos das mflos deste
corajoso protevlotor, mas para quo llm ?
Para!svss!?ss u: oIiu procurador, a um ou-
tro advogado, xclamou a condessa.
Mestre Flagel lovanUiu o olhos para o co com
um son so fnebre deabnegagfio, do resignagilo es-
toica,.
Porm, continuou o marocha!, fallando sempre
ao ouvido da condessa, vislo estar decidido quo a*
cmaras nada julgrflo minha citara senfiora, outro
procurador nflo seoecupar mais da V. E.celleiicia
que nustre Flageol !....
Entilo lio uma liga.'
Essa he boa pois V. Excolloncia julga a mos-
tr Flageot tito nescio, que protcstasse .clieaq, que
perdesse elle s seu escriploro, se seus collogas nSo
devessem obrar como ello, c por conseguidlo susten-
tado ?
Porm V. Excellencia, senhor duquo, que f.r ?
Eu, eu declaro quo mestre Flageot lio um pro-
curador muito honrado, o quo mcus pipis est3o tSo
A casada Capinga de Manoel Gomes da Silva f
esta embargada pelo abaixo assignado para paga-
mento de quatro lettras no valor de 189.756.
Anin o Ferreir da Costa Braga.
Sorvclcs.
O rlrpe'ilavel publico achara no i
g| botequim francez da ra Nov.i, n. ^
3! 69, um lugar muito agradavcl e S
^f fresco para tomar sorvetes ; todos \
j os ias das G horas da tarde em di-
al ante.
ATugam-se os primeiro e segundo andaras do
sobrado da ra.do Caldeirero : a tratar no pateo do
Carino, n. 9, segund andar.
HOTEL COMMERC10, RA DA CADEIA DES.-AN-
TONIO, N 19.
Tondo de retirar-se para a provincia da Rahia o
francez Simflo Luiz participa ao respoilavel publico,
que anda tem um novo sorlimento de obras de ou-
ro e brlbantes de varias qualidades chogadas l-
timamente de Franca do nielhor gosto e delicade-
za aderecos proprios para casamento: tuilo por
prego com modo por ser para uma lquidacSo de
cotilas : as pessoas que so quizerem aproveilar des-
ta oceasifio dirijam-se ao lugar cima indicado at
as 10 horas da mantilla e das i da tarde om diante.
AULAS D PRIMEIRAS LETTRAS.
Do dia 10 do corrente mez em dianle, eslarfio
abortas as aulas de meninos e meninas dirigidas pe-
lo abizo assignado na mesma casa de sua residen-
cia na Roa-Vista, trovessa do Veras, sobrado n. 13 e
promptas a receber, nflo s seus antigos alumnos,
como outros novos que seus paisqueiram conliar-llio
a sua eduenefio com toda decencia, moralidadeo
promplo adiantamento.
Policarpo Nunei Correia.
AToiiso Saint-llartin,
com loja na praca da Independencia, n. 38 tem pa-
ra vender manteletas vistase palitos guarnecidos
do blondo verdadero e de franjas de retrnz tudo na
ultima moda e viudos agora prximamente de Paria,
superiores sedas pelas para vestidos, lucos de blon-
da pata os mesmos chapeos do seda do mais ele-
gante gosto para sonhora .ditos de palbinha aborta
e lisa tanto enfeitados como so os cascos lindos
ramos de flores o Olas para os mesmos capellas do
flores, tanto para fantasa como para noivas o ra-
mos para peilos das mesinas cortes de seda de co-
res para vestidos mantas de seda lencos grandes
com franjas dem : se lovar no domicilio.
-^Precisa-so atugar uma escrava para o sorvcpde
uma casado pouca familia : na ra larga dolloza-
rjo, n. 48.
A o respeilavel publico.
O propietario do arrnazem de vinho
da ra da Madre-de-Dos n. 36, de-
clara que este cstalxilecimento nao tem
outro arrnazem filial, como alguem ha
que o inculca ; e para conhecimento do
publico, faz o. presente annuncio.
Tem-se justo e contratado com o Snr. Manoel
Gomes da Silva a compra de uma casa terrea de tai-
pa no lugar da Capunga, nova, do lado direito in-
do pelo rio : quomsejulgar com direito a mesma
aniuinrie poresta tolda, no prazo de3 dias.
Precisa-se olugar uma preta que entenda de
cozinhar o engommar:, no largo do I.mmenlo ,
n. 8.
OSr. J. M. C. A. queira mandar pagar 46,000
rs. que deve ha mais de um anno de subscripc^lo
de um peridico cuja quantia recebeu de Comuna ;
do contrarise publicara seu nome por extenso.
-- Aluga-so uica casa na Passagem antes de cho-
car a ponto pequea e confronte a casa om que fui
lliealro com excollontos cjuiuioJ-.s grande quin-
Ul murado, cacimba, estribara, quarlo para pre-
tos: a tratar no mesmo lugar n. 1.
Um rapaz brositeiro que tem protica do escre-
ver comnicrcialnionio se offerece paro o indicado
lima quali|uer dono de estabelecimento, que por
aua naiureza nflo possa ler um caixeiro effectivo ,
occrescendo que o onnuncionle, alm do ter boa Ict-
tra, ser commodo em seus ajustes: quemo pre-
tender anuuncio.
Aluga-so, por proco commodo osogundo an-
dar e slito do sobrado n. 22 atrs do lliealro: a
tratar na ra da Cadeia do Recite II 52.
Na ruada Cruz, n. 21, perdeu-ae um cachorro
do fila, novo, grande e com as orelhas cortadas:
da-seboa gralilicacSo a quem o levar.
D. Anno Claudina Rosa professora de primei-
ras le tras faz scento a todos os pas de familia,
que abre a sua aula no dia 15 do corrente, conti-
nuando a ensillara ler, escrever, contar, gramma-
lica portugueza, donlriiia cbrtsla, coser, bordar ,
fazer lavarnto marcar, msica para cantar e to-
car piano, cuja aula he dirigida pelo compositor ita-
liano J. Fachineth : os pai* e familia que se quize-
rem utiUsar de seu prestimo, dirijam-se a ra da Po-
nda n. 29, segundo andar.
Alugo-se um cosa nova do um aodar na ra da
lliiiio bem repartida* grande, no fundo da casa
de Manoel Alves Guerra da ra da Aurora : a tratar
com o mesmo Guerra.
Lotera do liieatro publico.
Olhesoureiro desta lotera, impossbilitado ainda
de poder marcar o dia para o andamento das respec-
tivas rodos,ipor isso que a venda dos bilbeles tem
sido Traca, bsem nenhum adiantamento, julgo de-
ver declararao respeilavel publico, que, logo que a
mesma venda so adianto mais alguma cousa, sor
cnlSo designado o dia definitivo para o andamento
das rolas; e para que isto se verifique com brevi-
dado roga aos amadores deste jogo, que se apressem
a comprar os bilhetes quo oxlstem em ser.
Furtaram, no dia 8 do crranle, da casa do abai-
xo assignado na ra de S -Francisco, n. 4, uma lel-
tra da quantia do 500,000 rs., aceita por Victorino
de Castro Moura a favor de Jos Rodrigues do Aran-
jo Porto, e por este cedida cuja se vencen em 5 do
corrente o varios outros papis quo s teem valor
paro o annuiiciaiite alguin dinbeiro om cdulas, um
trancelim um bolfio de ouro, 10 accocs da com-
panhia de Reberibe dos ns 3,431 a 3,410 perlen-
centes a Antonio Jos do Abrcu e Silva. Roga-se a
qualquer pessoa a quem fr*em ollerecidos ditos ob-
jrctos quo os apprrbenda e leve ao annnuncian-
te na mesma cas a cima ou na praca da Indepen-
dencia, u. 3; e sedelles ti ver noticia, ser recompen-
sado; bem como previne que pessoa alguma far;a
transaccSo com ditas lellras, pois ja se prevenio aos
aceitantes para as nflo pagarcm a pessoa algum: lain-
bem se provine ao secrelaro e thesoureiro da men-
cionada rmpanhia de Reberibe para nfio levar om
conta o nem pagar o primeiro raleio que se fez o os
3ue se from vencendo seuflo ao abaixo assigua-
o, como procurador do dito Abrcu. Jos Joaquxm
ttorgci de Costra.
O Sr. Fclisbirob de Carvalho Rapoao queira por
Obsequio entender-so com Manoel Luiz da Veiga a
negocio do seu interesse ou annuncie por esta f'o-
Iha onde em que dia e hora pode ser porcuradn
nesla prca.
Pao de milho.
Na ra dosGuarorapes, n 5, em Fra-dc-Portas,
ha todos 08 das excellente po le tnilhn a venda.
feito com o maior assoo possivel; e igualmente
quatro differontes soiles de farinlia de milho, sen-
do a primeira liiiissiina o propria para eangica o
as outros mais grossas para ang pfio-dc l e pa-
ra sustento de pasarinhos. O proprietario deste es-
tabelecimento, tendo um bom mointio d'- veiito con
que faz esta farinha so comrrometto a fornecor
qualquer padaria com a porclo que qiii/er diaria-
mente. O mesmo proprietario chama a atlencilo dos
Srs. commandantes dos c.irpos de primeiro linba
para este pflo, que, nflo sendo no paladar inferior ao
do trigo e sendo mais nutrente'e barato que este ,
pareen por isso mui proprio para a tropa.
-- Vendo-sc urna boa escrava moca sem vicios
nem achaques eque lava, emomma, coznha o faz
alguns doces soffrivelmonte : o motivo da venda be
por seu senhor relirar-se para o Europa : na ra das
Cinco-Puntas, n. 82.
A EI.LES, FREGIIEZF.S.
Continuam-se a vender os chapos da llalia, pe-
lo barato preco do 1,280 rs. : as duro-Puntas n.
82 e na ra da l'rnia, n. 74;
Veitde-se na loja de quitrO portas
da ra do Gahog, sortiincnlo de lu-
cos feitos as ilhas, de lindo puro ; e li-
nas de linho, proprias para layariutos,
as m lis finas que teem apparecido.
Vndese una venda com poneos
fundos, no melhor local do Hecife, a rm
na
Compras.
Cnmpra-se urna duzia de cadeiras com assento
de palhinha : na ra Imperial, n. 95.
Compra-se uma iinagem do N. S. das Dores, nue
tenha 3 palmos-de comprmanlo e quo seja perfei-
ta : na ra da Cadeia do Rccife, loja de Joflo Jos de
Carvalho Moraes ou annuncie para so ir ver.
Compra-se ouro, tanto do lei como baho: quem
tiver annuncie.
-- Compram-se, efFeclivamente, garrafas e botijas
vasias: noAterro-da-Roa-Visla, fabricado licores,
n. 17.
i en das.
bem em sua casa cmo na minha.... Por consegum-
to eu Ih'os deixo, pagando-o, bem entendido, como
se elle proseguisse ent seus trobalhos.
He com justo rasflo, senhor morechol, que so
diz que V. Kxcellencio tem umo olma generoso, li-
beral exclamou mestre Flageot; eu propagarei isso
por toda a parle, senhor duque.
Muito obrigado, mestre Flageol, respondeu Ri-
chelien, ncliuaiido-se.
Bcrnardino I gritou o procurador entusias-
mado para osea escrevente, collocars no peroraeflo
o elogio do' senhor marcchal de Ricbelieu.
i\fo, nfio .' mestre Flateat, eu Ihe peco nflo fac
tal; replicou vivamente o marcchal. Eu gosto do
segredo no que respeita aquillo que se chamo umo
boa acefio.... Nflo queira obrigar-me a desmenti-lo,
mcu charo procurador; :;i. mi*" hsmoi me-
lindrosa.... U quo he que diz a sonhora condessa P
Digo que minha demanda na do ser julgada....
que preciso de uma dccsflo,e hoi de 16-la.
E eu digo quo sua Mhionda s ser julgada,
minha senhora, se o re mandar para a grande salo
nfio smente os Suissos, scnilo lambem a ca vallara
ligeira e 20 pegas de artilliari, responden mestre
Flageot com um ar bellicoso que acabou de cons-
ternar a litigante.
Entilo V. Merc nflo er que S. Mageslade possa
sahir-se bem deste lance? dissebaixiaho Ricbelieu
a FJageot.
He mpossivcl, senhor marechal, lio um caso
Inaudito; no Ijaver mais jusligo om Franca, lie
como se nao houvera mais pilo.
Vmc. er isso?
V. Excellencia ver.
INPORMACES SEMESTRES.
Vendem-se informaefies semestres para os corpos
do primeira linha : na pra;a da Independencia, II-
vraria ns. 6 o 8.
FOI.HIMIAS
para sacerdotes para algibeira, para escriploro e
para porta vendem-so na praga da Independencia,
livraria ns 6e 8.
Vende-se uma bonita negrota de
naeo, que engomma c cozinlia ; utn dita
crioula ;tres molcques de bonita figura ;
um moleco de uiu.lo, bom cozinheiro ;
um dito muito forte, bom para trabalhar
em arrnazem de assucar; um prclo de
meia idade, por aao,ooo rs., c mais al-
guns cscravos que se moslraro aos com
pradores : na ra das Larangciras, n. i^,
segundo andar.
Vendem-se saccas com arroz de va-
por, de superior qualidade, a 'is'aoo rs. a
arroba, editas do mais ordinario, a ts'6oo
rs. : no arrnazem do fallecido Bragucz.
Vende-se no pateo do Terco, venda
n. 7 ,1'iinlia muito superior, em saccas.
Porm o re se indignar.
Estamos resolvidosa tudo.
Mesmo ao desterro ?
Mesmo mortc senhor marechal; por se ira-
jar uma toga, nflo se deixo do ler um corceo.
E mestre Flageol bateu com frca nos peilos.
Com elloito, disse Ricbelieu a sua companbei-
ra, cu creio, senhora, quo o ministerio esla em maos
lencocs.
Oh .' sim, respondeu a velba depois de um mo-
mento de silencio, o lie bem triste para mim, que
nflo me mello em nada do que se passa, achar-me in-
volvida neste conflicto-
Lembro-me senhora, disso o marechal, quo ha
aqui uma pessoa quo poderia bom ajudar a V Excel-
lencia neste negocio, uma pessoa muito poderosa.. .
Porm querer ella prestar-so a isso ?
Ser milita curiosdade, sehher duque, porgun-
lar-lhe o nome desta potencia ?
lie sua afilhada, disse o duque.
Oh oh madama Dubarry ?
Ella mesmo.
Com efleito, lio verdado ...; V. Excellencia me
suggere una ideia.
O duque mordeu os becos o disso :
Entilo determina ir a Luciennes ?
Sem hesitar.
Porm o condessa llubarry nflo poder quebrar
a opposicflo do parlamento.
Eu llio dirci que quero que minha demanda sa-
ja julgada, e como ella nada me podo recusar de-
pois do grande servico que Ihe liz, dir a el-rci que
isso lio de 8U gosto. S. Mageslade fallara b chan-
celler, o o cbancellor lera grande crdito, sonhor du-
Ique.....Musir Flageot, faga-me sompro o favor de
da Madre-de-Dos, n. 3 a tratar
mesma venda, ou na loja de ferragens n.
56, da ma da Cadeia do Hecife.
Narua da Madre-dc-Deos, n. 16, vendem-se
saccas com superior farinha a 3,200 rs. o alqueirj
dando-so a sacca, e a 3,500 rs. com sacca.
Vendem-se navalhas do ac da China pri
barba ; oculo para todas as idades ; lesouras para
unhas ; lonetas ; ootilras militas miudezas barnlas :
na ra larga doltozaro^, n. 35
Vendem-se dous molecotes de nacflo, de is an-
nos ; 3 escravos de nacfio, sendo um dativa cn7i-
nheiro ; dons dilos da meia idade ; 1 pardos mogos,
de bonitas figuras, sondo um dalles mestre do as-
sucar outro carpina o 2 de enxada ; negnnh.is
mocas ; duas molecolas de todo o servigo ; :) escla-
vas do bonitas figuras : todos por prego commodo
na tua Direila, u. 3.
-- Vendo-so um Alias de Simcncourt, em muito
bom estado, por 6,000 rs.; uma Arilhinctioa do Ite-
zout, em bom oslado, por 1,280 rs. : na ra do Hos-
picio, n. 4.
Vendem-se filhotcs muito gordos, a 100 rs. cada
um ; um lindo casal do pombos nucilas: ni na
da Florentina n. 1G.
Gangas da ludi.i,
amrellas a peca
de duas larguras pelo barato prego da dez lustOes,
para realisar contas : no arrnazem de fa/endas da
Raymuudo Carlos Leto na ra do Qneimado, n 97.
Vcncle-se farinha de man-
dioca em saceos ; no arrnazem n. 30, na ra da Ma-
dre-de-Deos, oo lado da alfandega.
IflacAcis e casianhits.
Hoje eslo a venda, no arco da CoBCfii-
co, o restante das barriquinbas com nia-
cSas, viudas no gello. Aprovcitein-si! do
preco c da qualidade, que por algum lem-
po c nao vein mais : tambein se vende
na ra do Vigario, arrnazem do Cunha.
Acaba dechegar pela barca franceza Julei mul-
lo superior vinho do Hordeaux, tatito ein quartolas,
como engarrafado, em canas de I duzia. assim como
lambem sirduihas em latas de 1/4 e i/2, azeite do-
ce em caixas de urna duzia de garrafas, cxccllento
vinho de llorgonlia em cestas de I duzia, ago'ardcnto
de Franga, Chainpanha en garrafas, c mcias ditas da
verdadeira marca Cmela; o que tudo so vende por
progos rasoaveis, em caza de Fredciico Robilliard,
ra do Trapiche-Novo, n. 18.
No arrnazem de Joaquim da Silva
Lopes, na ra da Madre-dc-Deos, n. io,
vendem-se saccas com 6 arrobas e S li-
bras de superior farinha de trigo, da me-
lhor qualidade que vem a este mercado,
e chegada ltimamente, pelo barato pre-
co de iG,ooo rs. a sacca.
BpBooionaaBSOBofiiooBgoBMBBaBaasain^^
osludar bem a minha causa ; ella ser julgada mais
cedo do quo Vmc. pensa : sou cu quem Ih'o afilrma.
Mestre Flageot voltou a cabeca com ncredulida-
de, mas nem por isso a condessa mudou de reso-
lucflo.
Durante esto tompn odiiqun linbi reflectido.
Pois bem j quo V. Excellencia vai a Lucien-
nes, senhora, digne-se de aprescnlar l os mous hu-
mlissimos respeitos.
De mui boa volitada, senbor duque.
Nos somos companheiros do infortunio, nossas
demandasestflu igualmente demoradas, V. Excellen-
cia pedndo para si, pedo para mim... Alm dislo
poder teslemuiihar l o despra/.er que me causara
estes leimosos do parlamento ; dir mesmo quo fui
eu quom deu a V. Excellencia o conselho do recorrer
divjndadc de Luciennes.
Dcixecslar, senhor duque, que nada esque-
cerei.
Adeos, meus snnbores.
Faga-mea honra de aceitara minha mflo para
a conduzir carruagom. Adeos, mostr Flageot, nao
quero distrahi-lo.....
marechal conduzo a condessa ale a carruagem.
Itaft linha rasflo, disso elle, os Flagoots vflo
fazer urna revolueflo. Cragas a Dos, eslou escorado
de ambos os lados Sou da corle, e sou do parla-
mento. Madama Dubarry vai nietter-se na poltica,
e cahir ella s; se resslir, eu lenho a minha.
miiiazinha to Tria non. Dceiildamenle, esto Ral
lie da minha escola, e ou o farei chefe do ineu gabi-
nete, no dia em que lr ministro.
(Conlimar-se-h.)



l>ron nara n ^m "rr?a" ?"fflP v' desmanchar, J bonita mulatinha de 7 annos: I
vo ou m m! qu,ze,r '"" alguma vcnda de n- sere,n d0 Pesso q"8 se retira :
lo H "qi,,lqu!,r 0Ulr0 stabelecimen- zario loja ... 35, se dir que!
X\ P ma,, ma2tmn.fi M : na,uada Cruz,nopcire,tf-
"';') rua <}* ?roi armazem n. 26, vendcm-sn os
H'2 0|>iectOa para qi.i! ic3o do corras : sola ,
courosnudos, cilancos -lo ,.. li.a esleirs cera de
carnauba $accascom rarinlia, coutrosobjeclos.
Farclo,
en. barricas a 4,000 rs.; saccas grandes, a 3,500
J .?.. ',r(>uea8 2.800 rs; : rroarmazem do J.
J- lasso Jnior, narua do Amorim, n. 3.
Cal de Lisboa.
Vende-se muilo nova e superior cal
virgem de pedra, desembarcada lia pou-
cos dias, e em Larris pequeos de qualro
arrobas e mcia ; na rua da Cadeia-Velha,
armasen) n. 13.
Ncndem-so barriquinlias corneal virgem de
i.isbOa minio nova ; fechaduras para portas de
rmnzem; relroz do Porto; Larris com alcalr.to da
suena {Millas <11 familia ; ancorlas com azeito-
nas, por preco commodo no rua do Visarlo n. II,
armazcm de Francisco Alvos da Cimba,
JVa loja de cambio da rua da
Cateir, do Recife, n. 58,
vendein-se n.eios bllhotes da 4. lotera do llicalro
le f.-redro. ,\ ellos antes que se acabem ccitos do
quo nosta casa esleve a venda o meio bilhote ... 5,243
que saino premiado com 10:000/d ris na ultifDa
lotera quo corren no Kio-do-Janoiro, e veio a lista
I co ultimo vapor, chegado em 2 do corrente.
Vcndem-sc laboas america-
nas al 5 palmos de largura
0 do lodos o comprimcntos.quc ha milito lempo nito
icem viudo eosfreguezea experimentando a fniia
dcsia escolenle qualidadc. A ollas quo sao poucaa e
proco lio barato. Atrs do lliealro, armazcm jun-
to a maro, de Joaqun. Lopes Je Almoida
W-i.dcii.-so leca.-.de madapoluo muilo largo,
rom 20 varas proprio para forro c roupa do escra-
vos a 2,800 e a 3,000 rs. : na rua do Caes, n. 17.
W-ndc-se, na rua do Trapiche, n. 44, um prc-
tocnoulo, bom vaqueiro, e que entende perfeita-
inciile lo agricultura; 2 piolas, urna do 16 annos,
c- a oiitra de 24 a 25; de Indos eslos escravos se
aianca a conducta e perreito oslado de sade.
Cha nacional de S.-Paulo.
Vende-se o muito superior cha de S.-I'aulo em
cajxasdo I, 2, 6c 13 lihras .- na rua da Cadeia do
Itcci/o loja de Joflo da Cunha Magall.iles.
No armazcm de Joaquim da Silva
Lopes vendem-se saccas com caf de es-
culla de piinicua qiialidudr. a 1,700 rs.
a artoba ; barricas com bacaJho de esca-
ma a 9,000 rs ; ditas com farelos a
/|,ooo rs.
Vcndo.n-se barris ppqurnos com cal virgem de Lis-
ba, a mal r.ova que ha 110 morcado, por preco co-ui
mudo : na rua da Uoda armazcm n. 17.
h
todos em conta por
: na rua larga do Ho-
za no loja n. 35, se dir quom vende.
raimado de pinito da S'uccia,
de 10 a 55 palmos
de comprimento o melhor que tem chegado a este
mercado, em razflo do se poder envernizarcm qusl-
querohra por n.lo ler nos e ser muilo alvo sen-
do costado, costadinho, assoalho, forro e para fun-
dos de barricas : vende-se a prego que o comprador
far todo o negocio: atrs do theatro, armazem de
Joaquim Lqpesde Almeida.
FARELO EM SACCAS DE 90 LIBRAS :
vendo-se no armazem de Vicente Ferrelra da Costa ,
na rua da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
-- Vcndem-se muilo boas nozes, chegadas lti-
mamente por preco commodo: no caes da Alfan de-
ga armazem do Dias Ferr ira.
Vende-se ca.' virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na rua do Trapiche, arma-
zem n !?.
^0Q10Q>l(9Oi0*10fel0'fek'110l0feli9felg7Bjll0
P Vende-se na rua do Vigario n.
]| 19, 2.0 andar, cera em velas, fabri-
!% caifas no Hio-de-Janeiro, em urna
E das mol lio res fabricas, e em caixas
9 pequeas, muilo bem sortidas, por
% ser de 3 al 16 em libra ; e tam-
^ bem ha velas de urna e de meia libra,
W brandoes, por preco mais barato do
- que em outra qualquer paite.- |
Potassa.
Desembarcou lia poucos dias urna por-
r-iio de barris pequeos, com muilo nova
e superior potassa, e se acbam venda,
por preco mais baiato do que ultima-
mente se vendia, na rua da Cadeia-Velha,
armazem de Bailar & Uliveira, n. 12.
Vinho barato.
Acha-se cslaholcciilo na rua da Madrc-de-Deos,
n. 36 um armazem de
Vinhos da Figtieira,
do ptima qualidadc, a prego de 1,200 rs. a caada,
c a 160 rs-a garrafa; e para nohaver dolo do com-
prador serflo lacradas as garrafas e com rotulo, ro-
erbondo-se a garrafa vasia, e dando-se immediata-
mente a outra chela '. tamhcm ha barris muito pe-
queos proprios para quom paita a festa. O pro-
1 riclario dosto eslabolecmento pede encarecida-
monte que se nfio illudam avahando, pelo diminuto
prpeo c srm conhecimcnlo de"causa a qualdade do
sua rateada digna por corto da estima dos verda-
deros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
urna vez provar, continuar com goslo e sem arre-
pendmcnl. E o bom preco!!.' A todo o exposto
accrosce o asscio e boro acondicionamenlo, o que
todo so poder verificar em dito cslabolocimento.
Voi.dc-se a verdadeira e muito superior fari-
nha SSSF, n retalho e em pnreflo ; dila de outros au-
tores na rua do Vigario, armazcm de Francisco Al-
vos da Cunba, 11. 11.
Na piulara da roa da Gala, no Recife haver
todos os dias a venda o novo pilo de l'rovenca fa-
lo ioado por otilro modo que o actual e da melhor
farinha que ha no mercado : por este motivo nao se
pode fazer sei.So a 40. 80 c 160 rs.
-; Vcndc-sc vinbo do Porto, muilo superior, e
de oulra a qualidades etn barris de quarto, quinto,
seito, stimo, oilavo e om pipas, por preco muito
commodo: narua do Vigario, urinazom do Fran-
cisco Alv%s da Cunha, n. II.
Agencia da fundico
liOW-Moor, rua da Scnzalla-
nova, 11. 42.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moendas
e meias moendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, para dito.
Vende-se um liado moleque de 12 annos; urna
Vendem-se semeas em saccas muilo grandes,
a 4,500 rs. : na rua da Madrc-de-typos, armazem de
VicentcFcrrcira da Cosa.
Vcndc-sc a venda da rua doApollo, n. 21, com
poucos fundos : quem a pretender, dirija-se a rua da
Madrc-de-Deos, Imlar com Vicente Ferrera da
Costa.
Veude-se cal virgem de Lisboa em barril de 4
arrobaa chegada pelo ultimo navio, por preco commo-
do : a tratar com Almeida & Fonieca.narua do Apollo.
rUROVINIIODAFIGUEIRA.
Existe no armazcm do moldados, atrs do Cor-
po-Santo n. 66 urna grande porcSo dcsto genui-
no vinho que se est vendendo pelo diminuto pre-
co de 1,120 rs a caada c a 160 rs. a garra la ; tam-
hem ha em pipas que se vender maisem conla : he
esto o melhor de todos os vinhos que se teem an-
nunciado pela sua simplicidade e oplimo paladar :
quem urna voz o beber jamis deixai de o com-
prar.
Vende-se mqito superior lagedo de Lisboa, e
cal virgem em barris de 4 arrobas, por mdico preco:
na rua do Vigario, n. 19.
- Chegou da Franca na Julet e acha-se a venda no
seu nico deposito em casa do Kalkmann Innflos, na
rua da Cruz, n. 10, o vinho de
1
Champanha marca estrella
da fabrica de Moet & Chandon em Epcrnay cujo vi-
nbo ltimamente acbou a maior approva(.1o na Eu-
ropa.
Anda existe um resto de chocolate do musgo
cslandicn ou ll.esouro do | cilo para tosse e du-
res de pcilo : vende-so nicamente na rua do Quei-
mado, ns. 16 c 17.
Vende-se um parm pelo diminuto preco de
200,000 rs. : na rua doQueimado, n. 17.
Silo chegadosos melhoresciiarulos de S.-Flix :
vendem-se na rua do Queimado, n. 17. Diio-sc amos-
tras nos compradores.
A bordo do patacho 4lagoense, em
frente do trapiche do algodSo, vende-se
farinha de mandioca de muito boa quali-
dadc, em grandes c pequeas porcSes,
por preco commodo.
Madeira de pinito:
Vende-se a melhor madeira de pinho que tem
vindoa esto mercado: na tua da Madru-de-lico ,
armazem de Vicento Ferrera da Costa.
Algodao trancado da fabrica
de Todos* os-San tos da
Baha ,
muito proprio para saceos deassucar e roupa de es-
cravos : vende-se em casa de N. O. Itieber & Com-
panbia na rua da Cruz, n. 4.
Vende-se na rua da Cadeia do Recifo loja de
Jofffl da Cunha Magall.tes.n primeiro volume dos Se-
Ic Peccados Morlaes, por Eugenio Sue traduzido
em portugnez por 1.600 rs.; o Mendigo negro de
Paulo Feval, traduzido em porluguez por A. Rcgn,
1 v. por 1,000 rs .; as poesas de Joilo de l.emos Se-
xas Caslcllo-Branco ; Amore Melancola. por Cas-
tilho ; o primeiro, segundo e tercero voluntes da
Lizia Potica.
Vcndem-se muito superiores batatas a granel
chegadas un primeiiodu corrente mez a 720 rs. a
arroba pnrefio de 10 arrobas para cima e menos a
800 rs.: na travessa da Madrc-de-Deos, armazem
n, 16.
Vendem-se duaspretas, urna do nac.lo, do 16
a 18 anuos que cosealguma cousa cozinha o faz
todo o servido do urna casa e a oulra crioula ,.
o vendedera de roa : vendem-se por seu senhor re-
t rar-se para fra com brevidade : na rua da 7'rein-
po sobrado n. 1.
No deposito do Me. Calmont & Companha na
rua de Apollo, armazem n. 6, acha-se constante-
mente grande sortimento de ferragens inglezas para
engenbos deassucar .corro sejam : taixas de ferro
chinas de vapor de frca de qualro cavalios e de al-
ia presso o mals moderno esimples que he possi-
vel ; repartideras ; espumadeiras ; resfriadeiras de
forre osla ..hado; formas do forro: ludo por preco
commodo.
Vendem-se presuntos para fiambre; queijos
londrnos ; ditos de pralo; latas com bolachinha
tinado Lisboa ; ditas de araruta ; conservas novas ;
mostarda ; potes com sal fino ; latas com mermela-
da nova ; ditas com homilas ; caixinhas com mas-
sas linas ; vinbo moscatel de Setubal; .dito Sherry ;
licoros linos ; e oulros mais gneros, por preco com-
modo : na rua da Cruz, no Recife, n. 46.
FARELO
em saccas muito grandes,
a 3'6oo rs. a sacca:
no armazem do Braguez ao p do arco da ConceigSo.
Na rua do Crespo loja de4 portas n. 19, ven-
dem-se chapeos de castor pretos, de muito boa qua-
ldade a 4,400 rs.
Vendem-se saceos com farelo,
chegados ltimamente, pelo diminuto
preco de 3,4<>o r.: na rua da Samalla-
Velha, n. i38.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada hontem, por pre-
co muito rasoavcl, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, c rua da Cadeia, n. 34.
CHA' HitASH.EIUO.
Vende-se, no armazem de molhados atrs do
Corpo-Sanlo n. 66, o mais excellente ch produzi-
do em S.-Paulo, que tem vindo a este mercado
por preco muilo commodo.
Vende-se ac de Muflo, dito grosso em barras
largas, por preco commodo : na rua do Vigario n.
4, escriptoro de llotl. & Didoulac.
Vende-se panno de algodao da tetra, de mui-
to boa qualidadc a 220 rs. a vari : na la do
Queimado, n. 57.
Vendem-se 8 compoteiras 8 garrafas 8 co-
pos de vidro fundido, urna porefto do pralos de lo-
dos os tamanhos ; ganga azul trancada a 160 rs.
dita lisa a 120 rs. propria para calcas e camisa d
escravos de engenho: na rua das Lmngeirss, n. 29.
Novo* riscados roonslros ch-
nezes, a 560 rs. ocovado.
Na loja dcGuimarfles & Companha na rua do
Crespo n. 5, vendem-se os novos riscados chine-
aos finos de padroes muito lindos e os mais mo-
dernos que teem apparecido nesta cidade, da vara
de largura pelo barato preco de 360 rs. o covado.
As novas casimiras de algo-
dflp, a i160 rs. o covado.
Na loja n. i da rua do Crespo, vendem-se as novas
casimiras de algodfio de padroes os mais ricos que
leen, apparecido neste meicado pelo barato preco
de 560 r. o covado.
Vendeni-ee chapeos de castor brsnco, a
4,000 rs.: na rua do Qneimado, n. 22.
cobhi:.
Vende-se cobre para forro t caldeirei-
ro : na rua da Crui do Recife, n. 17.
t Vendem-se superiores lonas americanas, de
todos os nmeros chapeos do Chili, linos e de cor
muilo alva, como teem vindo poucos ; potassa nova,
superior, por preco muito commodo : na Praca-do-
Commcrcio, 11. 6, a tratar com Manoel Ignacio de
Oliveira,
NOVO PAO A PROVENCA E BOLACHINHA
REGALA.
Fabrca-se na Santa-Cruz, padara de urna s por-
ta, com a frente para a rua do Sebo; assm como
tamhcm toda a qualidade de bolacha de dilTerentes
tamanhos, entro ellas a bolachinha d'agoa e sal de
30 em libra, furadinha, lorradinha e tudo o mais que
he proprio destes eslabelccimenlos, empregando-so
sempre as mclhores e mais uovas farinhas que ha
no mercado : o inesmo so acha a venda na travetsa
da Madre-dc-Iieos, fi. 13, deposito da inesma pada-
ra ; e na esquina da rua do Collegio, venda do So-
bral,'Iflo smenle a bolachinha regala doce,
o tumben, livros para aulas de latim o francez, tudo
por barato preco.
M
Vendem-se charutos chegados ltimamente d,
Rahia bem como : populares, bom-gosto, regala;
dizcm que os populares sito os mclhores que teen
apparecido neste mercado: narua Nova, n. 18. N,
masraa loja tamhem se vende um par de dragonas
novas para official subalterno urna barretina un.
barrelflo urna canana : ludo por pfoc.o commodo.
I,ouas inglezas.
Vendem-se pecas de lona mgleza, de
boa qualidade, e por preco maia barato
do que em outra qualquer parte: na rua
da Cadeia do Hecife, armazem n. 13.
- Vende-se urna imagem de S. J0S0 Oaptista
muito perfeita na rua da Cadeia do llccife, loja d
joSo Jos de Carvalho Moraes.
Vende-se um escrvo muito bom para quem ti-
ver sitio por estar acoslumado ha annos om sitio
he bom vendedor defrudas, sabe bem compraros
arranjos de urna casa entende de todo o servico,
lava mu i bem urna casa de sobrado eom todo asseio'
por preco commodo : na rua Formosa, na lorcera'
casa.
Na rua Nova, n. 18, loja de M. A. Caj ha um
completo sortimento de roupa fcita do todas as qua-
lidades, tanto superior como mais inferior; bem
como fazendas de todas as qualidades tendentes a
homcio parase fazer qualquer obrado encommen-
d.i; Na mesma loja venderse um molcque de 15 an-
nos pouco mais ou menos.
Vende-se um elegante pardo de 16 annoa : pro-
prio para pagem : na rua da S.-Cruz venda n. 3,
se dir quem vendo.
Vendem-se 50 palmos de frente do terreno que
(Inda a estrada da Capunga indo para o porto da
Madeira em Ueheribe ,t lendo fundos at o rio : m
rua Imperial, n. 21.
Vendo-se um piano perpendicular, de Jacaran-
da muilo commodo, por no oceupar muito es-
paco do sala em bom uso: na rua da Cadoia d S.-
Antonio, ti. 17, por cima do armazem de lijlo, do
lado da cadeia.
Vende-se farinha do reino multo nova assu-
car lelria, macarrao, passas, farinha, araruta, ta-
pioca, genebra da HoUanda superiores vinhos en-
garrafados e a retalho, superior cerveja branca o
preta, manleiga ranceza o ingleza cha, rap, ar-
roz, breu esleirs do sul: tudo do melhor o por
mais barato precio do que em oulra quajquer parte :
na rua de Moras, venda n. 52, na esquina que volla
para a rua deS.-Thereza.
Vende-se a venda da rua do Mondego, n. 64 ,
com comniodos para pequea familia e eom pou-
cos fundos: a tratar na mesma venda.
Vinho barato.
Vende-se, na vendan. 88, deronte da aaaVz da
Boa-Vista, junto a botica vinho de LisbSP^T 1,120
rs. ; dito do Porto, a 1,200 rs. a caada, o a garrafa a
160 rs.; latra a 260 rs.; presuntos a 320 rs. a
libra ; arroz de vapor, a 100 rs. a libra ; e todos os
mais eneros de venda por proco commodo.
Vende-se um moleque de7 annos; urna escra-
ra com cria muito boa costureira e que faz cha-
peos e toucase engomma bem ; 8 pretas de 16 a 20
annos com habilidades, e que sao boas quitan-
deiras ; um pardo de 18 annos, de muito boa con-
ducta, e he ptimo para pagem: de todos estes es-
cravos se nanea a conduela : no paleo da matriz de
S -Antonio sobrado n. 4, se dir quem vende.
Vendem-se cento e tantas barricas que foram
do trigo, muito novas : atrs da matriz da Boa-Vis-
ta n. 26.
Vende-se caf moido para as tabernas muito
bom, o mais barato do que em outra qualquer parte:
tem bem se recebe caf parase moer, por preco
commodo : atrs da matriz da Boa-Vista, ri. 26.
Na destilacito da Ribeira n. 17, vendem-se i
escaleres do quatro remos, um com 20 palmos de
qu.lha e o otttro de 30, lodos novos feitos de se-
dro e bem construidos.
Contina-sc a vender espirito de
36a 41 graos: na rostilacSo da travessa da Concordia.
Vende-se, por preco commodo, um lindo car-
ro de duas rodas, queosFrancczeschamam lilbury,
com os scus competentes arreios : na rua da Cadeia
do Recifa, n. 52.
Escravos Fgidos
DE6 PORTAS HV2
Nesla loja ha urna grande poreflo de chitas
finase decores fixas, que para se acabarem
com brevidade, vendem-se, as pecas a 5,800
rs., o o covado a 160 rs. ; bem como um res- j
to de riscado monslro, a 240 rs..
*^..UU ov -* ....- ...ra uo poura o ca na
estrada deS.-Jos do Manguinho, por barato pro$o :
na rua da Cadeia de S.-Antonio n. 21.
Rap prirtecza de Lisboa a
,OOe 13.a libra!!
Vendo-se rap fino princeza de Lisboa a dous mil
rs. a libra : nada ha mais barato, a ollu : na rua No-
va n. SO, loja de Uomiogos Antonio de Oliveira.
He barato a I^OOO rs. !!
Fugio, no dia 3 do passado um cscravo, de no-
me Manoel, de allura regular, cheio do corpo ,
tem bastante marcas de bexigas; levou calcas de
riscado velhase camisa de algodozinho : quom o
pegar leve-no a seu senhor, Miguel Jos Uarbo7a
Gumarftes, na rua do Crospo, n. 5, quo ser grati-
ficado.
Fugio, no da 6 de dezembro do anno passado ,
a escrava Mara, de naclo Catango de boa estatu-
ra ; tem os olhos um lauto vermeltios, e um signal-
linho de carne no rosto do lado esquerdo cima do
canto da bocea ; tem no braco direilo cima do san-
grador urna marca e oulra as cosas abaixo da p,
que he a maior pernas linas ; tem os ps o dedos
com marcas de bixos ; levou vestido vell.o te chita ,
com um babadinho por baixo,panno da Costa.um ta-
boleiro em que ai.dava vendendo baoha o gomoia :
quem a pegar leve-a a rua Velha n. 26, casa de
Francisco Percira Thom, que gratificar.
Fugio e consta andar nesla cidade um preto ,
de nonie Joaquim, do estatura regular, bastante
cheio do corpo olhos grandes e abugalhados, na-
riz muito chalo; levou clc.ai e camisa de algo-Jilo
da Ierra, e bonete proprio de manijo. Este preto
leu. andado embarcado ej foidoSr. Joaquim Lo-
pes do Almeida. Quem o pegar leve-o a rua da Ca-
daia-Vciha. n. 33, que ser gratificado.
Boa recompensa.
Fugio, do engenho Taquary, comarcado S.-Anlilo,
no domingo, vespera de festa do Ni tal. o crioulo
Manoel natural do serlflo do Sir'id; he alto, d
bom corpo cor fula cabello pouco pichairu al-
guma cousa barbado ps e mflos seccas, e em urna
das mflos junto a monheca urna cicatriz bem visi-
vo! proveniente de tall.o e no peilo do p oposlo
outro igual; tem 20 e tantos annos: -quem o pegar
levo-o ao dito engenho ou na rua do Queimado ,
Vendem-se esleirs de Angola grandes, a 1,000
rs. cada urna ; ditas pequeas, a 400 rs. ; ditas de.
carnauba, de varios procos : todas silo de muilo boas I n> 1ue ,6r recompensado.
coadodc diITcrcntes modelos, os mais modernos ; I qualidades o julga-se quo por esles procos nito che-1___________________________________
ditas de ferro balido ; moendas de ferro do mode- I ga rilo para as encom mondas por isso roga-se aos' ~~ .. -- ~T| '-' J
lo adoptado, para armar em madeira; ditas todas (compradores que veuham fazer a devida esculla I
de ferro, tanto para agoa como para animaes; ma-Jse nflo, se nao: na rua Direita, venda n. 76. | Pf**. : NA ttp. de m. r. DI fabia
i8<9
II FflVFI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYD5POMGN_3LB4YV INGEST_TIME 2013-04-13T01:19:37Z PACKAGE AA00011611_06219
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES