Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06209


This item is only available as the following downloads:


Full Text


n* XXfV.
SaMmdo 50
O DttRIO p\M\c*-* lodoa oa diasque nJo
rom dr guarda: o pryo da utinnatura he
4/WM rs. iKjr (|u.i. tel, pagas at/ianlado/. 0
'aiinuncloa aos asslanaulea mu inseridos i
r.is;ni de 20ra. por linba, 40 ra. cin typo de-
ferente, r as repetiedes pela inelade. Os nio
asignantes pa^.irau 0 ri. por llnhae 1(10 ra
ciii typo dill'erente, por cada publicx(o.
I'IIASKS DA LA NO llfcZ DK ItEZEMBRO.
PARTIDA DOS CORRE10C.
Guianna e Parahiba, ia segs. c sealas-feiraa.
Rio-Ti.-(lo->'(irlc,i|iiinla-lelra au meio-dia.
Cabo, Serlnliaem, Rio-Forinoso, Hurlo-Calvo
e Macelo, uu I., a 1! e 21 de cada inri. \;
(iaranhuua c llonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Florea, a 1.1e28.
Viciara, a quintas-feiras.
Oliuda, lodos os das
PREAMAR DE BOJE.
CrtutnU, a 3, a 5 hora e 47 uiln. da Urde. ,
Lvacktia, a 1(1, a 1) lioraa e'2 miii.da manb. i
aVtnaoaaM, a 17, a 8 boraa c.YJmiu.daiiianh. I Prlmelra, a 4 horas c 30 minutos da Urde.
La ROM, a 23, a 2 horas e 3 miu. da Urde. I Segunda, s 4 horas e M minutos da uiauh.
de Dozembro N. 201
DAS DA SEMANA.
".'.'> Segunda. >J>^> NatchaentO de Noaao Se-
^ nhor Jess .hrlslo.
l! lerca. $>{ 1.* oilava. S. Kalrvo Proto-
marttr.
'27 Ou.irta. {< 2.' oiUv.i. S. Juao Apostlo
KvaageiMa.
28 Quinta. *3.' oitava- O Santos Innocru-
les.
2!) Silla. S. Tlioma/.
30 Sabbado. S. Sabino.
31 Domingo. S. Silvestre.
S
CAMBIOS FIO da "i DK IHZEMURO.
Sobre Londres a ij d. por I ftOi rs. a 60 dial.
Par
Lisboa l-i) por cenCo de piinio.
Rio-do*Janeiro ao par
Dote, di- li'ti. de boas IIruna a I1 X ao mez
Arenes da coinp. di- Heberlbe, a .'>(>/rs. aop.
i/,,,,,, One1, heapauholaa :i;.nn0 a 31/100
Mudas d. bVlOO v. 17*000 a 17/200
le /liK) ii. l/200 a l/iO
. de 4/UO0... 9/200 a 9/300
PratoPataces brasileiros 1/900 a 1/980
. Pesos columiiarioi. 1/900 a 1/980
Diloa mexicanos..... 1/000 a 1/920
IARIO DE
LJ.J -..i
.


7
PARTE OFFIClAl.
M1N1STEIUU DA JUSTigA.
Decreto do 7 de dezombro do 18*8 nomeando o
haeharel Joaquim Francisco Rilieiro Coulinho jujz
municipal e do o ,'diflos dos tormos reunidos do S.
[ MatliiMis. I.nhares, c (larra de S. Mallieus, na provin-
cia do Espinlo-Sanlo.
dem da mesma data removendo o hachare! Eleu-
leno Augusto de Attayde do lugar de juiz municipal
o de orphflos dos termos reunidos de S -Rernardo o
Tuioya para os de Caxias o S.-Jos, no Maranhflo,
por assim o haver pedido.
dem da inesma data apresentandoo padre Pedro
Pinrantoni na greta narochial da villa do Algrelo,
na provincia do S.-Pedro do Rio-Grande-do-Sul c
rispado do Rio-de-Janeiro.
dem da mesma data aprsenla ndno padre Fran-
cisco Manocl dos Santos na freguezia da cidade da
Cachoeira, do arcebispado da Rahia.
dem da mesma data apresenlando o padre Hono-
rio Fulgira de Magalhfles no cannonicato da cathe-
dral do bispado de Marianna.
dem da mesma dala permittindo que o padre
Francisco Feliciano da Silva, vigaio collado da fre-
guezia de Nossa Senhora da Conceqflo, de Macau-
basse, c o podro Francisco Manoel de Jess Rocha Pi-
ta, vigario collado da l'regucxra de Nossa Senhora Mili
de Dos, do Pirajuhia, permuten) entre si as suas
freguezias.
dem da mesma data perdoando a Izidoro Jos
y^Ferreira o resto do tempo que Ihc falU para cumprir
j pena de 6 anuos de prisflo cotn trabalho em que foi
/condemnado.
i
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 22 DE DEZEJIBRO.
Ollicio. Ao rommissario-pagador, transmitlindo
as relacoes nominaes o prets dos vencimentns que
ti vera m Os guardas nacioitaos destacados na fregu
zia de Ipojuca de 16 a 30 de novembro ultimo, na
importancia de 1:042/350 res, para que S. Me. man-
de entregar essi qusntia ao tenente-coronel Pedro
Cavalcanti Wanderley ou na ordem, abatendo a
quanlia de (oogooo ris que receheu adiautada.
Parlicipou-so ao coronel Agostinho Bezerra da Silva
Lavalcanli.
Dito. Ao inspector da thesouraria da fuzenda,
declarando que pode mandar entregar aocommissa-
riu-pngador aquantia de 21:858/050 ris para des-
pezas da rulu-ica guarda nacional portenconto
aoexercicio lindo de 18*7-1848. Comniunicou-se
ao commisaariopagador.
r Dito. Asi director do arsenal do guerra. Te-
nlio presento o ollicio que Vin. dirigio-roe em dala
de honleiu, aaropondo a orgauisaclo de nina rompa
nina da voluntarios coniposla dos operarios ilesso
oslaht'lrcinieulo quo para usa se oflereccram ds-
piintarieainente.e cin rcsposla lenhoadizer-lhc que,
luuvando milito os uobios senlimenlos de que se
acham possuidos os inesmos operarios a beui da1 or-
dem publica,approvo a o.rganisacflo proposta segon-
Xavicr Carnoiro Lins, para tenenle da sobrodila
companhia a Jos Januario de Carvalho Paes de An -
drdo e para alteres a Thom Correa de Araujo J-
nior c Jos Correa Leal.Participou-so ao coinmaii-
daule do reierido corpo.
Dita. Demilliudo de supplenles do siibdulofrmlo
da freguezia deSan-Frei-Pedro-Gongalves do llci-
e os cidados seguinles :
1." uo Maria de Seixas.
2.* Alexandre Rodriguosdos Anjos.
*.* Manoel da Silva Neves.
5.* Antonio Cecilio de Mello.
0.' Joaquim Juvencio da Silva (por se tor mudado
para nutra freguezia.)
Fizeram-se as participarles do estylo.
Dita. Nomeando sunplentes do subdelcgailo da
frcue/.i:: Ue Sa!!-Frei-PeJro-Gonetvfl do Recife;
os cidadflos seguinles:
1.a Francisco Mamede de Almeida^ ,
2.'. Luiz Antonio Vieira.
i. Jolo Francisco Teixeira.
5.* Antonio delinquesMafra.
6." Luiz de Franca Mello Jnior.
Expediram-so as convenientes participaees.
Dita. Demitlindo de supplenles do subdelegado
da freguezia de Santo-Antonio doltecife os cidadlos
abaixo declarados:
2. Ignacio Manoel Viesas
3." Manocl Antonio Vincas.
6.* Manoel da Silva Feireira Jnior.
Fizeram-se as necessarias participares.
Dita. Nomeando supplenles dosuhdelocodo da
freguezia do Santo-Antonio do Rccifo os cidadflos
abaixo declarados:
1." Rento Jos Fernandes Barros.
2. Joio Hermenegildo Borges Diniz.
3. Joo Valentn* Villcla.
5. Manoel Nobeito Jorge Cnnr;alves.
C Antonio Francisco do Moura.
Exped ram-se as competentes participarnos.
Dita. Demitlindo os supplenles do subdelegado
d a freguezia do San-Jos do Recite abaixo mencio-
nados :
! Manoel Florencio Alves do Maraes.
2.1 Francisco Serfico de Assis Carvalho.
5.' Manoel Francisco daMpora.
6. Antonio Forreira de Annunciaco.
i Fi2eram-se as convenientes participagues.
Dita. Nomeando siipplenles do subdelegado da
freguezia de San-Jos doltecife os Cidadflos abaixo
mencionados :
i". Manoel Jos Teixeira Bastos.
2." Francisco Raptista do Almeida.
3." Ignacio dos Hoi Campello.
joaquim Lucio Monteiro da Franca.
6. Francisco Carnciro da Silva.
Ex pediram-sc as convenientes parlicipaces.
DEM DUDIA23
Oflicio. -- Ao comman lanle da llha-de-l'ernando,
cominunicando que tambem be remetlido para a-
qucllc presidio o sentenciado Joflo Mallieus dos San-
io o plano que acompanhou o scu mencionado of- tos como se v da guia que foi cnviada'pelo juiz inu-
ndo.
Dilo.Ao mesmn, aulorisando-o para distribuir
companhia de voluntarios operarios daquelle arsenal
69 frdela do brim branco o oulros tantos bonetes
de panno azul, bem como 68 pecas de armamento
e correiame c urna caixa de guerra.
Dilo. Ao commandanto da llha de Fernando,
remetiendo por copia as relacfjesdosarligosquo sao
enviados pelo arsenal de guerra para esse presidio
no transporte l'-impama.
Dito. Ao contador de mariuha, declarando que
rde pagar os vencimentns do escriturario e dese-
nlilas da commisso encarregada dos inelhoramun-
li.s do porto desla cidade visia da folha assignada
por ella ou pelo seu presidente, visto que, mo exer-
i'i'ndo clles mu einprego propriamente dito, o aor-
cebendu iim venrimelo diario smente quando tra-
lilham.nflo parece necessario quo tenhamlilulos.
Scientificou-so a commissflo encarregada do mellio-
ramenlo do porto. ,
Dilo. Ao juiz municipal da nrimeira vara, com-
muuicaiido quo o transporte Pirapamo largara para
n liba de Fernando amanilla as 11 lloras dodia con-
iluzimlo a seu bordo os 22 sentenciados menciona-
dos na relaQflo u guias que S. Me. remellen, e intci-
rando-o de i>aver expedido as convenientes orden*
para que se Ihc aprsente a escolta do2.balalhio
deartilharia a p que ha de iracoinpanbando os re-
le idos sentenciados, o bem assim para quo oarse-
uicipa
Dito.Ao inspeelor da thesouraria da fazenda, de-
signando-o para presidir ao examo dos fundos ex i
Icoles no cofre da pagadura mi'.ar de-la provincia,
o qual dever ter lugar no priineiro dia til do mez
do Janeiro futuro. Scicntilicou o cummisssario-
pagador.
Dito. Ao commissario-pagador, communcando
haver remetlido ao Sr. ministro da guerra o ollicio
que Si Me. Iho dirigi acompanbaJo da 1.a va de urna
letlra do !:30<>/QajVproducto da venda da plvora
nacional..
Dito.Ao inspector do arsenal de marnh>, decla-
rando que para ser levada ao conhecimento do Ejtm.j
Sr. ministro da marinha a sua reprcsentaciio" expondo1
a uccessidade que ha de ser augmentada a rubrica de
despezas a .cargo dessa repartieflo, convem que S.
Me. a instru com urna dcmonslracilo da despeza
feita, e da insullcencia da quanlia quo resta do ere-
dito ahcrlo para tacs despezas no exorcicio correle.
Dilo.~Ao inspeelor da thesouraria da fazenda pro-
vincial, ordenando mande outrogar ao procurador-
liscal d'essa.reparlcfio a quanlia do 400/000 rs. para
despezas judiciaea, toman.lo-llie contas do oulia
igual quanlia de 40/000 rs. queja liavia reeebido pa-
ra o mesmo fim. Intolligenciou-so o referido pro-
curador-fiscal.
Dilo.Ao administrador das obras publicas, par-
ticipando ter ordenado ao inspector da thesouraria
nal de guerra foriree aesles as competentes races. Ida fazenda provincial mando entregar ao almoxa-
Ofilciou-se ueste sentido ao commandanle da re- rife dessa repartiQo a quanlia de um cont de ris
ferida llha, ao chefe de polica, ao commandanle da para pagamento dos jornaes devidos aos operarios e
praca e ao director do atsbual de gueira. I diarias dos calcetas, c determinando d ordem ao
Portara. Nomeando cfcunandaule da compa- dito aluroxarifo para que recoba aquella quanlia e
do I. distrcto do Bom-Jardim comarca do l.imo%eiro j quo a cmara providenciarse.-Que se^ r^pondesso
os cidadflos seguinles :
1 Jos Correa Tavirn de Mello.
2 "Joaquim Antonio Correa Caiflo.
3. Mallieus Gon;alvcs do Aquiuo Cratldc.
' 4 Henrique '.uiz de I'aria.
5.' Francisco do llego Modeiros.
6 Caldillo Coi rea de Queiroz.
Fizeram-se as participadles do estylo.
Dita --Nomeando pata os lugares do *. e5. sup-
plenles do delegado do Linlociro, quo seachain va-
gos, o cidadao Jos Thomaz de Aquino Peiera e o
major Jos Cactano Pcrcira de Queiroz. Expedi-
r m-se as convenientes participaees.
Dita. "Demitlindo do cargo do 6. supplenlo do
delegado do l.imoeiro a Maximiano Antonio de Pitillo
Oliva e nomeando para substitu-lo o capitflo Jos
Francisco de Arruda. l'.xnedram-sc as partici-
pacOes necessarias
Dita.--Demilliudo do cargo de l.Vsupplenle do
subdelegado do Pedras-deFogo a Manoel da Costa
Alecrim o de2."a Manoel Diiarleftibeiro, e nomeando
para subslitu-los o bacbarel -Joaquim Francisco Ca-
valcanle l.ins e Vieenlc Jos de Souto. Fizeram-se
as parlicipacOcs necessarias.
Da. -- Exonerando do cargo de 2 supplcnte do
subdelegado deTijucupapo a Jos l.oureiiQO da Ro*
cha, e nomeando para !.' que se-acba vago a AlTonso
de Albuquerquc Maranlio e para 2." a Joaquim Jos
da Costa Lins. Fizeram-se as parlicipar,oes neces-
sarias.
Dita.Nomeando subdelegado de Cruangy ao ci-
dadilo Amaro Comes deOliveira. Expediram-scas
convenientes parlicipages.
Dita Creando una suhdelcgacia do policiano
dislriclo de Nossa Senhora do O' o nomeando para
subdelegado o tenente-coronel Manoel Xavier Car-
neiro da Cunha.Drigiram-sc as com potentes parti-
cipaefin
PERNAMBUCO.
Cmara municipal do Recifc.
DE DEZF.MIHlfl
2.'
1 SESSAO ORDINARIA DE 14
DE 1848.
PRESIDENCIA DO SR. HEGO '.: ALDUOUlvRQUF..
'".,
nbia de voluntarios operarios^do arsenal de guerra
ao alferes da terceira ciasso AiiIomo Bernardiiio dos
Deis Inteirou-se o director do aienal de guerra.
Hila.Exonerando descargos de subdelegados
do Pailellas eQuipap a Eusebio Pinto Cavalcanti
de Albuquerque e Francisco Rodrigues dujielm-e
no:neando para subdelegado de Pauellas a Joru The-
moieo do Andrade e para Quipapa a Luiz Hispo Be-
zerra t'.avalcaote. Expediam-se as convenientes
participo qOes.
Dita. Nomaindo para capitflo da companhia de
cavallarja addida ao corpo de voluntarios, creada
per portara da 20 do correle, ao cidadao Francisco
envi a esta secretaria urna relaciio nominal das pes-
soas a quem se lierem pagamentos para que possam
ser despachados varios roquerimentos que se acham
pendentes na secretaria da presidencia.
Portara. Demitlindo os seguinles supplenles
do subdelegado do 1," Hstrieto do Bom-Jardim co-
marca do Limociro.
1 los Bezerra do Mello.
2Caetano LinsColaco.
3." Joflo Vclho.
4 o Canuto Jos Pcrcira de Lucena.
6.o Jos Elias de Paula llomem
Dita,--Nomeando para supplenles do subdelegada
Presentes os Srs. Carneiro Monteiro, barros, Ba-
rata e Mmele, abrio-se a sessflo, sendo I ida c ap-
provada a acta d'aulecedente.
Osecetarip fez a leitura dos seguimos officios :
Um do Exm. presidente da provincia, remellen lo
un exemplar do IHario de Pernambuco n. 272 de 4 ilo
corrente, contendo os avisos iniperiaes de 18, 19 e
31do outubio ultimo, lodos solvondo duvidas acer-
ca da execueflo da lei regulamentar das elccOes.
lntetrada, o que se accus'ssea recep^flo.
utro do mesmo Exm. presidenle, romcltendo co-
pia da portara de !) do corrente pela qual determi-
nara licasse linda adiada para o dia quo ello houvcs-
soda doiignar a elcie.lo da cmara e jui/es de paz
desLe municipio, quese deveria fazer a 17 do cr-
rente, e quo seni perla de lempo so enmmunicasse
islo mesmo aosjiiiz.es de paz das parocliias do muni-
cipio.Que so respondesse, e se lizessem as conve-
l icntcs partici pacOes.
Outro do secretario da provincia, remetiendo de
ordem da presidencia exemplares dolis geraes.
Que fsscm eslas archivadas, eso aecusasse a re-
cepiflo.
ulros das cmaras municipaes do Serinliflem e
l.imoeiro, aecusando o recebmento dos desla em
que Ibes commutiicava a posse do Exm. presidente
actual. lulcirada.
Uutro do advogado da casa, dando a sua opiniflo
acerca da prcloncflo de Bellarmino Alvos d'Arcba,
do conformidadu com o.parecer dado a respeito pela
commisso a quem so maudou ouvir. Que se de-
feriste & peticio do requerente na forma dos parece-
res dados, o se annunciasso praga para ser arrema-
tado o imposlo das medidas do farinha.
Outro do mesmo advogado, commuuican lo ter
sido informado de existir no carlorio de Joaquim
Jos Ferrcira de Carvalho urna causa cvel contra a
cmara pela quanlia de 2:000,000, importancia gasta
com os festejos l'uilos por oceasiflo da acclamacflo
de S. M. o Senlior I). Pedro I, despeza cssa feita, se-
gundo I he parocia, sem legitima autorisaco, equo
nflo o cofre e patrimonio da municipalidade, mas os
vercadures d'aquello lempo leema responsabilidade;
c que leudo em consequencia pe. I ido a'o actual pro-
curador llio fornecesio alguns documentos coludos
para liquidar o negocio,' este lite declarara quo nada
pode doscobrir que aproveitasse; entrelanlo, achan-
do-se a cmara condomuada, o tendo o escrivflo de-
clarado que nflo podia irais esperar, nein receber
cousa alguma, se aprossava em communicar ludo
islo, afim de que osla cmara dsse as providencias
a se procuraren! documentos quo esclarecessem o
negocio, os quaes apparecendo favoraveis, aipdn
liavia recurso a so embargar o accordam, quo, om
conlirma^lo da seiilcur;a appellada, tinha a rela^flo
do proferir.-Que se rospon lesso ao advogado que,
mandando a cmara rever o seu archivo, tianlium
documento valioso encontrou que poderse aprovoi-
tar, e que assim obrasse como iueibor entondesso.
Huiro do contador, communcando nflo poder pro-
seguir na organisacilo que principiara do balando
geral da receita o despeza do atino lindo e do orca-
inenlo para o anuo futuro por falta das contas de
parle do mez u sotembro ultimo, que daviain ser
apresenladas pelo ex-procurador Mello Pacheco, e
.ao contador, que, na deficiencia d'outras medidas
preventivas, organisasse una cotila do quanto rece-
ben aquello procurador naqucllo tempo, leudo al-
(anfflo aos contralos celebrados com a cmara, e
utros arligos do reccilo, alini de poder ser chama-
do judicialnienlo [a prestar cuntas o dilo procu-
rador.
Entrando em discussflo o rcquerimenlo do padre
Joaquim Jos brrelo, sobre cuja prelcnrjflo j lia
viam informado o lisral ilo bairro de S.-Anlonio e o
cordoador, foi indeferido em virtude da iuformacflo
lo mesmo cordeador, a quem mandn a cmara of-
liciar, prevcniuilo-o do quo, i|uando llie livesse de
informar sobre qualqucr negocio em virtude de or-
dem sua, cingisse-se unicamenlc a materia delle,
omiltindo quaesquer rellexOes tendentes a acaute-
laro juizo da cmara em queslcs de cujo mrito
me cuipctc COiiCCcr.
A cmara autorisou os iscaesa fazerem a limpe-
za das ras do suas freguczas, fornecendo-lhes o
procurador a quanlia precisa para essa despeza, em
vista da iviiia semanal que apresetitarcm.
Fran approvados dous pareceres da commissflo
de edilieacflo relativamente a pretendo de Jos Po-
licarpo de Frailas edeoutros pe lindo aforamento
de terrenos de marinha em di Hrcules lugares.
Muudou-se pedir ao concelho de saluhridade o seu
parecer acerca da protoneflo de Miguel Joaquim da
Costa e oulros proprelarios le relinacOes de assucar
tiesta cidade quanto disposeflo do art. 3." til. 6.
das posturas em vigor.
Despacharam-sc as petiedes de Antonio Jos dos
Sanios Henifica, de Manoel Francisco Durfles, de Jo-
s Mara Placido Magalhies, de Manoel Joaquim Mu-
niz Baranda, do Francisca Peroira Vclho, de There-
za de Jesul Mafia, do Manoel Alves da Silva Cosa
Cu maraes, do Joaquim Jos Piulo Cuimarfles, de
Manoel Francisco Coimbra, de Vicente Jos de Rrito,
do ministro e mesarios da ordem 3." do San-Fran-
cisco, de Paulo l'ereira Simoes, de Vicente Thomaz
dos Santos, de Jos l'ereira da Cunha o oulros, do
padre Joaquim Jus Brrelo, de Bellarmino Alves
de Arocba, de I). Anua Joaquina de Mello Carioca,
do Joaquim Galdino da Paz, de Bartholomen Cuedes
de Mello, e do Ihcsoureiro da irmandade de S -Jos
da Riba-Mar, c levantou-se a sessflo. Fu, Manotl
I'erreira Accioti, secretario interino a escrevi. Reg
Albuquerque, presidenle. Carnciro Monteiro.Ma-
mede. Hunos. Barata.
PARECERES a QUESE REFERE A ACTA SUPRA.
A commissflo encarregada de informar sobre os
requorimentos de Francisco Martius dos Alijos Paula,
Joflo do Rrito Correa, D. Rosa Thereza da Cunha,
Jos Rihiano Rilieirn, Manocl Percira Lentos, D. Ma-
ra d iVHumpcflo d Mello Albuquerque Pita, Lu/
Carlos da Costa Campello, Jos Delinques Machado,
Emilio Xavier Sobreira de Mello, e o_ major Marmol
Nascimento da Costa Monteiro, que pdem por afo-
ramento differenles terrenos de marinha, depoisdo
haver alten! miente examinado os documentos quo
os rcquerentosjunlaram s suas pelijocs, oproci-
didos necessarias averiguagOes, tendo verificado
que os ditos terrenos so acham qualificadas para
cdificacOos particulares, he do parecer que so infor-
me favoravelmcntc ao Exm. presidente acerca das
prelencOes dos requerentes as quaes entende a com-
missflo que lleve n ser concedidas de conformidade
comas informac/ios do 2. lente encaircgado das
medicOes de marinha, e Dr. procurador-fiscal; sen-
ilo alm dislo os mencionados requerentos ohriga-
dos a cderom para o uso publico quaesquer porpes
de terrenos que porvenlura para o futuro forom de
mister.
a llecife, 2 de setembro de 1818.Os voreadores,
Marros.--Barata.
A commissflo do edilieacflo quom foi presente
o requerimenlo de Jos Policarpo de Frailas, em que
pede titulo do aforamento do um terreno de man.
nha coniprehondido entre a camboa dos Arrumba-
dos e a de S.-Thcreza da estrada do nimia, tendo
examinado os documentos que o instruem, e proce-
dido aos domis examos necessarios, he de parecer
que so informe favoravelmente a preteneflo do sup-
plicante, visto como o terreno se aclia destinado a
edilieacoes, e delle nflo precisa a cmara para uso
publico, prevalecendo as condices apouladas pelo
2. tenento encatregado da mediefio do laes terre-
nos om sua respectiva informadlo.
dores, Rarro. Barata.
3.' SESSAO ORDINARIA DE 15 DE DEZEMBRO
DE 1848.
pnusineacu uosa. reg k albuquerque.
Presentes os Srs Carneiro Monteiro, Barros, Ba-
rata c MameJo, abrio-se a sessflo, sendo lula o ap-
I i ovada a acta da anlece lento.
O seciclario fez a leitura d'uma informac,1o da con-
tadura sobre apelieflo do marcinciro Antonio Teixeira
dos Sanios, pedindo o pagamento da quanlia de 426/
rs, festo do prego de 14 urnas u 9 cofres que fez para
as eleices que liveram lugar no anno prximo pas-
sado, e resolveu a cmara so pedisse autorisaeflo ao
Exm. presidenle da provincia para mandar fazer
esto pagamento, que pelo atraso de contas do ex-
procurador nao se fez no dito anno, o nem se aclia
previsto no ore,amento correle.
Despachara m-se as petcOes de Antonio Teixeira
dos Santos, de Jos Antonio Correa Jnior, de Fran-
cisco das Chagas d' Olivoira, de Manoel Joaquim Con-
3LAR ENCONTRADO
i


= j-jj.--. ---T-. ;:i__
26


i,
Calves Lossa, do Jouqiiim Rarboza de Suuza, de Anto-
nio Jos.- Hilarte Draga, elevantou-sea sessflo. Eu, Ma-
nir! I< nena Accioli, secretario interino, a eserevi.
11 g c iihu'/wK/uc, presidente Cartuiro Montttro.
Ilumedr. llnruta. llanos.
m
BltirODIPUSlIlDCIt-
nicirt, If si DEZEMBHO DE 1S4S.
UM VOLVER u'oLUOS SODl'.K O PASSADO.
Est .1 lii:il ar o auno de 181H, este auno que se nos
antolbnu pojado de acontooimentos extraordinarios,
i|iio de folio se verificarani.
Cansado de sofTror por mais de um lustro a polti-
ca que, cometan.lo u dominar eni foveroiro de 1812
Sb o Ululo seductor do ronsiliadora, paia logodos-
lucnlio > sen programma levando a perseguidlo n
oxcessos nunca experimentado* no Brasil, exausto
de IVuens, o corno quo agonisante, o pai/ sauduu
rom onlhuslasnio os liomens que, tendo subido ao
poder em marco de 1818, annunoiaram nseflo que
iam govornar sb os prcectos da TOLERANCIA E
JUSTICA; pnlavras mgicas, talismn incoinpic-
honsivel que sbito reuni eni derredor da nova
bandeira ministerial anata de ludas as parcialida-
des que pleleavam piironetica e desabridamente em
busca do alvitre inais asado para por termo aos ma-
los que opprimiam a lodos os Brasileiros.
\oeiiiieLanio, porin, quo o imperio todo mani-
festava desl'arte siiaadhesflo aosyslema governali-
, VO que pareca mais proprio para conjurar a tempes-
padeque, prestes a estalar, infunda serios receios
aos verdadeiros monarchislag, a mnioria da cmara
quatriennal, elnita quasi toda sb os auspicios do
exclusivismo c do terror, declarava-se em contumaz
opposicflo ao ministerio quo so proclamara tolerante
f justireiro, eque, para provar aos povos quo nflo
pretenda lludi-los, encelara sua nobre missflo por
enviar as provincias prasidenles senflo alheios aos
partidos quu al entilo se cbocavam cnlro si, ao me-
nos muilissimo modulados, oque, apenas einpossa-
ilos, buscaram liemonslrar por scus aclos que vi-
libam enearregados do promover o bem moral c ma-
laria! das mesmas provincias, aprovcilunlo o con-
curso do lodos aquellos do sous bablanlcs quequi-
/i-sem coadjuva-los em Iflo grande obra, qualquer
que fi'.sso a bandeira poltica sb queoutr'ori hou-
vessem militado.
Ao passoque a cmara quatriennal, cum pasmo
da todos que a contemplavam, ostentava-ac por este
modoem manifestarontradiec.no com os sentimen-
los de seus consliluintes, que viam-iia com lr re-
icilar a poltica quo ellos abracavam e consideravam
como a unir salvadora as circumslancias cm quo
CQtO se acbava o paiz ; ao passo que se dava cs-
sa pienomeno extraordinario, clalvez que vrgom
entre nos, o senado, osse baluarte das nslituices,
esse rochedo forte e vigoroso contra o qual em mais
de urna vez lomos visto quebrar-se as ondas do fu-
ror demaggico, sem que nem ao monos o abalcm ;
o senado, dizemos nos, apoiava franca o loalmonto o
ministerio Macah, e mostrava-.se disposto a coope-
rar com elle para fezor baquear ocolosso que leva-
va suas exticas pretences ao ponto do querer go-
veinar ello so, com exelusflo de lodos quanlos ti-
vessem coragem bstanlo para reprovarscus desva-
rios, e esfOTOar-se por arredar a monarebia do abys-
nio a que a ia conduzindo.
Eslava trajrada a lula, c nos que quietamente a ob-
servamos, cromo; por algum lempo quo ella lermi-
iitria pelo tiiumpboda rasflo sobre o egosmo. En-
tretanto, enganmo-nos : anda nio era ebegada a
hora da redempeflo, o aps do discusses tempestuo-
sas em que o Sr. visconde deMacsh foi muita vez
insultado por aquellos mesmos que anda mo bata
uiuilotrnlivain-no como amigo, levo do relirar-se
da directo dos negocios do oslado, o rccolber-se ao
sea gabinete, lastimando o erro daquclles que nilo
n haviam deixado desenvolver urna poltica tanto
mais aproveitavel, quanlo, ao passo que tenda a sal-
var a nacilo dos horrores da guerra civil quo lio do
perto a amcacavain, afanava-sc porfazerque lomas-
sem parle em tilo importante empreza todos os Rra-
sileiros de mrito, convocando-os a reunirern-se cm
torno do lltrono do Sr. I). Podro, para que, aben-
coa dos o galardoados por seu pai commum, esque-
cessem os odios que at enlfio oslinham dividido,!
abracassem-se como verdadeiros irmflos, e, domi-
nados por um nico penaamento, -a salvacito do
paz-, Iralassom de socoadjuvar mutuamenle em
tilo louvavel empenho, oor.corren Jo cada um com o
contingente proporcionado a suas forjas.
ro entilo que o Sr. Pires da Motta- passou ao Sr.
Domingos Malaquias do Aguiara admiaistrscao de-
la provincia, que, destinada asolTer, primeiro que
(odas, as consequencas do fatal erro da obstinada
rejecao da poltica que acaba va de ser garroteada
quasi no nasecdouro, dentro em bem poucos das
leve de ver a morte e o terror percorrerem as ras
da sua capital, bem como alguns pontos do inte-
rior, o certo leslemuiihari scenas Ido sanguino-
lentas como casas que a historia nos diz so repre-
sentaran! na llespanlia quando a iuquisicflo decrc-
tou a expulsflo dos Mouros, so a DIVINA PROVIDEN-
CIA nlto houvesse volvido para nos seus olhos mise-
ricordiosos, e inspirado a esse ancilo veneravel as
medidas com que, coajuvado pelos bons Pernambu-
canos, poz termo a lerrivel cruzada que comecra a
desenvolver-se contra os subditos de S. M. Fideliss-
ma.quoalguem assentou dova do sacrificar aos fu-|ra que ,ne he Possivcl-
rores da parto mftnos esclarecida da populacho, mo!______
grado os sagrados lacos de parentesco, amizade o re- "
lgiflo quo a ellos nos lgam como que indssoluvcl-
iiiento ; lacos quo d'ora avante lomos f serflo de-
vidamenlc respeilados, apezar das sugestes da-
quelles que, para vergonha nossa, e parecendo per-
tencer aos seculos barbaros e selvaginos que fe-
lizmente ah ficam muto aqum de nos, sacrilega e
impamente prclendom fazer quebrar.
Apenas chegou curte es provincias do norte e
sul a noticia dessa lgubre c fatal oceurrencia, fui
extraordinario o susto do que sosentiram tomadas as
almas bem formadas ; os capitaos comecaram a ser
rnonlliiiloc '.- luirme do ennd nncctiilnmo Ivon
portados para as pracas estrangeiras ; o commer-
co princpou a definbar ; o, ao passo que quasi
toda a imprensa brasloira csliginatisava o acto de
barbaria que aqu houvera lugar, e esforcava-se por
fazer renascer a conlianca publica, como que nio
podia consegu-lo: todos tremam pela ropercussilo
do Iflo desgracado successo, lodos buscavam acau-
telarse : o suslo era geral.
Tal era a situacilo do paiz, quando as ras da ca-
pital do imperio se representaran scenas donticas
as que linviamos presenciado nqui. all lambem cor-
rou osanguodus mseros I'ortuguezcs : alli tambera
se ferio morlalmento, e, segundo alguns, tambera se
assassinou a varios dosses nossos irmflos em Jesus-
Chriato!.....
Dovom do oslar prsenles a lodos asdiscussdes ha-
vidas no senado por causa desse desastroso a'contc-
cimenlo: suppunha-se que existia um plano com-
binado para o exterminio dos coitados: aecusava-
se o governo de connivenlo em Iflo ncgregmlo plao,
ou do nimiamente negligente o incapaz de conser-
var adireceflo da nao do estado A desconfian?a
publica tornou-se mais intensa : o perigo era emi-
nente.
Comnuiiucado.
AO EXM. SU. HERCULANO FERREIRA PENNA.
L'm cidadilo brasiloiro nascido em Pernambuco
rinha, teijflo, lenha em ochas, pao, velas do esp
macelo, dilas do sebo, loucinho e vinagre ; imra|
queconvida-sp aquem convier fazor taca forni'C
mor i os a n presentar suas propostas ao mesiii.".
concelho as 12 horas do dia 3 do \indnuro mez do
janoro, declarando o menor preco e o nomo do li.i-

lein amanhfla de assislir saudnso no seu embarque dor, quesera essoS par* esso lim lubililada ; bem
par* a provincia do Maranhiio cojos habitantes como nflo admitlem-soproposUs|que ofFerccam aba-
vflo ter o prazer de sor dirigidos por tilo digno de- tes sobre quaetquer oulras Sala das sessos do con-
egado do monnreha brasiloiro. Dos Ihe d urna fe- ceibo do admiuislracfln naval, 23 de ilezcmbro de
liz vragem o sado para born desempenlio da arduo 18*8 O secretario, Chrittovo Santiago de livtti a
tarefa que Ihe est confiada, ficanlo apenas a mim A pessoa que bqlou na caixa da aduiinislracfl
a satisfaQflo de ter V. Exc. deixado por successor na
adminislraclodesta bella provincia oExrn. Sr. des-
embargador Manoel Vieira Tosta, a quera (ico sem-
pre prompto com a inhiba pessoa eespada para cum-
pnr as obrigacOes desoldado da patria, certo do
qu&lesta nada desojo son.lo o socego e ffesperbii
le do paiz quo me vio nascer, o onde tenho alguns
bens de fortuna com quo vivo com a docencia e hon-
. A. J.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
RENDI.UENTO DO DIA 8....... 10.748,831
Deicarregam hoje, 30 dtdtzmbro.
Rrigue tala pipas vasias.
Escuna Fretriga tahuas depinho.
Ilriguo Edieard-llenry macilas.
Rarca Zampa farrihao louca vidrada.
Patacho Anglico farinha.
Iliate Mary-Kleanor morcadorias.
Rrigue Coule-Corvelt dom.
Escuna Hegeneraclto idem.
Rarca Juana-I.-Fout farinha e bolacha.
Rarca aura mercaduras.
Rrigno Daino vinbo eazeile.
Em taes circumslancias, S. M. o Imperador resol-
veu confiar o leme dossa nao a mflos mais fortes e
expelientes a mflos que podessem desva-la doa
cachopos a que se ella a approxmando de modo in-
concobivel, com precipiasflo quasi ncrvel.
Em consequencia dessa resolueflo do monarcha
brasilero, fram chamados ao ministerio estadistas
do reconhecido talento, o, que amestrados pela ex-
periencia, rulo dexariam de empregar todos os mcios
possiveis ofim de salvar-nos dos males ncalculavois
queameacavam o paiz; cabendo a presidencia do
concelho ao Sr. Vscondo de Olnda, esso Pornam-
bucano dstincto, cujos precedentes honrosos sflo
urna garanta dos b eneficios que devenios esperar
do actual gabinete.
Esta mudanza do poltica, provocada polos desas-
trosos eventos quo sederam sb o dominio da que
Iho he o pposla, o feta do acrrdo com os principios
do systema que felizmente nos rege; essa mudanza
de polilca, dzomos nos, foi aceita ern lodo o impe-
rio como o devoria lersido, islo bo, placida o pacifi-
camente, o al n.esmo com \ vos sgnaos de regosi-
jo; mas, nocntanlo quelodoopaz assimseconror-
mava com aventado do monarcha, eaquo de re-
pente, esern um motivo que so menos apparcnlc-
menlo os justicasse, liomens trcsloucados has-
team aqu a bandeira da rcvolla, e com alicantinas
eilluses couseguem reunir cm lomo della varios
irmflos nussos menos pensadores, alguns dos quaes,
vctimas de sua simplicidade e da in f dos quo se
nflopejaram do abusar della, lulo expirado no cam-
po da balalha, ao passoquo outros ah correm mlha
res de riscos, arreceando atada momenlo sorle igual
a dos seus comparsas.
Por vezes temos emilldo o nosso juizo acerca des.
so raovimenlocriminoso; e pois, nada maisdzondo
a respoilo delle, terminaremos esto nosso traba-
Iho. fazondo volos ao TODO-PODEROSO, para que
nflo medrem as intcncOes daqu'elles que o | romove-
ram; pjra quo soja mais |trosporo do que este o
anno que vaicomecar.
lMl'nTAGAO'.
I'rediica, escuna sueca, viuda de Cede, entrada no
corrento mez, consignada a Le llretoii Schramm &
t.ompanhia, manifeslou o segunle :
1220 barras de ferro, 20 caxas eco, 1895 taboas,
28paos depinho, 14 barrs alcatrflo; aos mesmos
consignatarios.
Anglico, patacho braslleiro, vndo de Salem, en-
trado no corrente mez, consignado a Manoel Antonio
do Olvera, manifeslou o seguinte:
900 barricas farinha de trigo; ao sesmo consig-
n?tario.
Fabius, patacho americano, vndo de Torra-Nova,
enlrado no corrente mez, consignado a Me. Calmon
& Uompanhia, manifeslou o segunle :
20 H barricas com bacalho ; aos mesmos consig-
natarios.
C.-T.-Sullun, brguenglnz, viudo de Caspo, en-
lrado no correnle rnez, consignado a Me. Calmonl &
Companhia, manifeslou o seguidle :
2483 tinas c 150 caixascom bacalho ; aos mesmos
consignatarios.
do correio as cartas abaixo declaradas queira com-
parecer raesma, afimUcsalisfazer os portes, para
poderem Seguir seus convenientes destinos. %,
Para osSrs. : Alexandrc llernardino Ribeiro Ji
nior, no Sobral; Antonio Afamjns Fernandes, no Por .
lo ; Domingos Jos Vieira Machado, idem; Frate '
Cusoppo, no Rio-Grande-do-Sul; lenlo JoaeJ *, <{
Manoel Moura, em Caxas ; Manoel Harboza Silva,'riiJii
Pirahiba. Tj^j
O vapor Imptrmtri* recebe as matas na- '
ra nt portos do ooili" boje, jo ito nor-^*-
rente, ao rnco-dia : as corresponden-
cias que vierern depois dessa hora pa-
garflo o porte duplo at 1 hora : paseada ella, nflo so
receberflo mais.
TUEATltODE AFOLLO.
tuito interessanle 1.-* repreienticio da companhia fran-
cesa sb a dirterig do Nr. Dupr.
As ropresenlacoes conslarilo do dramas, cantigas,
operas dramticas c jocosas, pantomimas, dansas
romanses e chausouetus.
Qucm quzer tomar bilheles de galera o platea
para dez rcprescnUces dirja-se a casa do director,
ra da Senzalla n. 42,3."andar, ou livraria da praca'
da Independencia os. 6 c 8.
Avisos martimos.
Juana-I.-Fout, barca ngleza, viuda do Ro-de-Ja-
nero, entrada no corrente mez, consignada a Nas-
cimento & Amoi im, manifeslou o seguinte :
516 saceas farinha de trigo, 140 ditas bolacha, 1
dita chapeos do palha do Chili; aos mesmos con-
signatarios.
Gabrielle, barca siciliana, vinda de Trapani, entra-
da no corrente mez, consignada a N. O. Uicber &
Companhia, manifeslou o segunle :
320 salmos de sal, 8 barricas azeito-doce, 60 ros-
leas d'alho, 1 caixa diversos ohjtctos ; aos mesmos
Cunsgnaltirius.
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTODO DIA 29.
Coral .
Diversas
provincias.
2:124,130
61,114
2:185,214
CONSULADO PROVINCIAL.
ItEMtlMENTO DO DIA 29 ... i...... 2.014,783
Movimenio do Porto.
Navio entrado no dia 29.
Torra-\ova ; 26 das, briguo ingloz Clmntelear, de
220 toneladas, capitflo Robert Pul, rquipagem 13,
carga 2610 barricas cora bacalho; a Lo Rrelon
Schramm & Companhia.
Naviot eahidot no meemddia.
Cotinguiba ; sumaca braslera Flor-de-Anaelim ca-
pilflo Rurnanlo do Sou/a, em lastro.
Liverpool; barca inglcza llrilith-Utrchanl, carca a
mesma quo trouxe. 8 '
Rabia; barca americana Uartn-W.-lirelt, carga a
mesma quo frouxode bacalho.
Para a Rahia sahe, por estes das o hate F.xa-
lacdo : quem no mesoio quzer carregar, ou ir do
passagem, dirja-se a loja de ferragens .junto a
ConceicOo.
. "", l>alra a Rsl'i sabe, com a maor brevidado pos-
sivel o hiato nacional S.-Benedicto : para o rosto da
carga, trata-secom DomingosGoncalvos do Moraes
Jnior na ra da Cadeia do Recifo, armazom n.
64, ou com o mostr, Joaquim Jos da Silvera.
Para Lisboa sabe, com a maior brovdado pos-
sivel a barca portugueza Tejo .captflo Manoel dos
Res, por ter parte de seu carregaincnto prompta :
quem quzer carregar, ou ir de passagem, para o
que lem exeellenlesoonimodos, drija-se aos seus
consignatarios Oliveira Irmoi CoOipanltb, na
ra da Cruz, n. 9, od ao reordo capitflo, na praca
do Commercio.
-- Para o Aracaty segu com brevdade o hiato
riovi-Ottuda, niestre AnloniO JosjVianna: quem
nelle quizer carregar, dirija-so ao mesmo mostr, no
trapiche Novo.'ou na ru da Cadeia-Vclha, n. 17, se-
gundo andar.
-- Para o hiu-de-Janero segu viagem, com bre-
vidado o briguo Anombro, forrado de cobro de
primeira marcliH ; deixou de sabir no da 15 por in-
convenientes : quem quzer carregar, our de pas-
sagem, para o que lem ricos commodos, dirija-so a
ra da Cadeia do Recife, n. 61, a fallar cora Joflo Jos
Fernandes Magallifles.
Para o Ro-dc-Janero segu, com brevdade o
brigue-escuna nacional Olindu -. tem pirle de sua
carga engajada para o resto, passageiros e escra-
vos a fete, trata-so con Machado & Pinbeiro, na ra
da Cadeia do Recifo, n. 37.
-Para Lisboa partir, com a maior brevdade nos-
ivel ,o hiato poriuguez hspeculadof, fabricado re-
cenlemente; lem parle de sou carregamcnlo prome-
ta ; raltando-lho cerca de 3,000 arrobas : quem nelle
quzer carregar a frete, di-ija-so ao consignatario
liiiiiunj T. da llosa na ra do Trapicho", r.. 44 '
Vende-so o patacho americano labiui, de ori-
mcira classe, recentemente fabricado, forrado e cn-
cavilhado de cobre, de superior marcha, o muto nm-
prio para o trafico cosleiro por deir.an.lar smento
17 palmos dagoa, carrogado que esleja do 16 000
arrobas : os pretendemos drljam-so aos consie'na-
lorios. Me. Calmonl & Companhia, praca do Conin
Santo, 11.U. u
Leilao.
- Chrislopbcrs & Donaldson, (endo de
dos, como alguns dos vi ribos em barrs, cm lolcs
grandes ou pequeos a voulade dos pretendentes
quarla-fciro, 3 do Janeiro, as 10'borrada nianbfla'
no seu urmazcm, ra do Trapiche-Novo.
Avisos diversos.
Declaraces.
laTl^Tu^id e^crm compra areile de carrapa-
lA.d lo do coco, volas de carnauba, lio de aleo 1
epjvios : quem l.es geros so propozof Wer
cojpsreca nas.ila da direcloria d. m...m .^ !
- -rectoria do mesmo arsenal
no-ia 4 .le janeiro do prximo futuro anno. com
sua propos cm carta lechada o as amostro"
Arsenal de guerra, 28 do de.cmbro do 1848.
U> escriplurario,
frontino Sera/ico di Assii Carvalho.
r;f,:sv star? jos: ~_v 35'dh.rt'T t'""0. "" tu**''-1 mi.". ciiTci.-------- ''"" HM" n
Piocisa-so de um dislribudor para distribuir
esto Diai io em inda, o qual deve saber ler e pres-
tar (anca : nesta lypographi.i.
Aluga-se o segundo andar do sobrado o. 21 da
rus l\msa, rom duus salas, sendo a da fenlo cora
lodo assrioe foi rada de papel ,alcov>.3 bous (ruar-
los o cozriha lora : a tratar na lo> do mesmo so-
brado.
Quem annunciou quere/ comprar urna mar-
queza de coridur usada, di'lja-so a iua larga do Ru-
zario yenda da esquina quo vulla para o Colegio,
que so dir quem lem.
A letlra perdida nodia 18 docorrento, da quan-
lia do 500,000 rs. aceita rio Rio-Formoso pelo Sur.
Cedro Ignacio Waiorlcy ja apparcceu porlarrto
ficam senr vigor os avisos feitos a semellunto res-
peito.
Precisa-so alugar um proto que soja bel e dili-
gento paraoservico do urna casa: no l'asseio-Pu.
bliqo, casa debilhar.
-- l'rccisa-so de um homem de daJe e que seia
capaz de tomar conta de umslio na CaiMinoa o tia-
balhar no mesmo sitio sendo casado meiiior : na
ra do Caldeir-'-
r. (,
^
MELHOR EXMF



))
FUN DICHO DE FBRllo.
Na fabrica da Bowman & M. Callum cnge-
nheiros macdinistas e fundidores de ferro, na rua
o iirum, no Rqcife, contina davor um grando sor-
tmenlo de laixas para engenhos e moondas do can-
na de lodosos tamanhos o dos modelos os mais
modernos o approvados. Na mesma fabrica couti-
nuam-se a construir de encommenda machinas de
vapor, rodas d'agoa, rodas dentadas e todos os mais
olijoctos de" machirtismo, com a perfeicfloi conhe-
cida, por preco commoilo.
_Bowman &M. Callum dosejam chamar a alten-
cao dos Sis. proprietBifos de engenhos as machinas
do vapor construidas** sua fabrica vislo seren el-
las de um modelovmuito forte e seguro ,6 todas as
pejeas pefetamtyife adaptadas urnas as outras, por
meio-de tornos automticos, machinas de aplainar
Wiro.e outros apparelhos modernos: alin disto, as
machinas do sua construcQo leem as vanlagens sc-
guintes: possuem urna cisterna de ferro, onde a agoa
destinada para a caldeira so deposita por meio de urna
bomba movida pela machina, o nudoso acha aqueii-
tada palo vapor su perlino antes do ser por meio da
segunda bomba de l introducida na caldeira aim
do nSo eafriar a agoa nclla existente, pela indroduc-
C5o d'agoa fria [como he do costume em machinas
inferiores ]e assim pioduzir grande economa de
combustivel.
Alm da supradita economa de combustivel na
produccto de vapor, estas machinas possuem urna
modihcagflo nova das vlvulas por onde o vapor en-
tra o sahe do cylitidro, pela qual a mesma quanti-
dndo de vapor produz maior ellcito do que as ma-
chinas do consirucQilo amiga augmentando assim
de unta manoira, nflo pequea, a economa do com
bustivel necessario para inania a machina era mo-
viinento.
As ditas machinas possuem tambom um-appare-
Ihn pelo qual a quanlidado d'agoa inlroduzida na
caldeira se acha regulada automticamente com a
maior cerleza pela machina mesma evitando des-
ta maneira o grande perigo que existo as machi-
nas, onde por causa du mcsquiiha economa dos
fabricantes o fornccimenlo d'agoa para a caldeira
ha de ser regulado por mSo da negro.
Kstcscsclarecimentossilo respetosamente offerc-
cidos aos .Srs. propriclarios de engenhos, que anda
perseveram em o methodo fraco, dispendioso e
insalsfactorio de moer com animaos, aRm de sa-
tisfaze-les que, no emprego deslas machinas, nfio
existe o menor motivo para receio, nem de cxplo-
sflo, nem de quebra nem de demasiado consumo
de combustivel ; e Bowman & M. Callum uilo
e-
la
tecm pequea salisfac.toom asscgurar-lhcs que p
la pericia dos seus administradores o officiaes. pe.,
perfeicffo dos seus instrumentse apparelhos o pe-
la abundancia e boa qualidade das suas materias
primas, seacham habilitados para construirn! ma-
conducta : na vonda da estrella na ribeira da Roa-
Vista.
Precisa-se de.uma mulher forra do meia idauc,
que queira co/inlar para um homea solteiro : na
ra Nova, n. 26.
Aluga-se urna casa terrea na ra Bella com 2
salas, :iak'iwns cozinha fra, quintal c cacimba :
a tratar na ra do Collugio, n. 15, segundo an lar.
l'recisa-sc de urna ama do Icito: na ra da Mu-
da, n. II.
Quein lhe fallar um carneiro, dirija-so a ra do
S.-Amaro, n. 10, que, dando os signaes certos lhe
ser entregue, pagando os annuncios e a despeza
que se tein feito.
Precisa-so de um distribuidor activo para dis-
tribuir urna obra e arrecadar o importe das asig-
naturas : paga-so bem : na ra da Uniilo, n. 1.
Quem tiver um pelo para o servico de una ca-
sa exceptuando colindar que o queira alugar
mensalmcnte, dirija-se a ra das Cruzes, n. 18, ter-
cciro andar, ou annuncie.
Sementes e flores.as mais bel-
las dit En ropa.
Hechcgado na l.irga do Roznrio, n.
o mais bello sortimenlo de sementes
de flores das bellas damas, como sejam :
travos c cravinas, rainuculos de diversas
cores, borbotlas de Hollanda, goivcs de
cores singelos e delirados, Jacintas, topes
de (lamasjiinquilbos, sccias dobiadas,as-
sim como a venladeira sement de cvc-
flor. Os amadores di natureza encontra-
ra o nlucom que, em pouco lempo, pos-
sam tornar a admiracao da Europa no
4.
K O Sr. Francisco Pereira Marques queira apparc-
cer na ra da Aurora, n **,alim de tratar da en-
trega da casa.
Furto.
Furtaram da sala da frente do sobrado da ra do
Queimado por cima da loja do J. A. dos Sanios An-
drada & InuSu, onde inoram os abaixoassiguadxso
urna ca le i i a com diversas lettras sacadas pelos
abaixo assignados, c aceitas por vanas pessoas no
dia 21 do crrenlo, pelas 10 horas damanhila. Iloga-se
as autoridades policiaes e qualquer pessoa do povo
que souberem quem fui o uulor deslc roubo, que ha-
jam de o prender, licaudo certo o roubador queja se
acham prevenidos os aceitantes para nao pagarem
senflo nos sacadoaes : bem como roga-se a esta pes-
s
chinas de vapor de todos os tamanhos e para lodos |soa que tirou dita carteira que baja de restituirs
o mis i eSsirii como toda especio de uiaciiimsmo la etiras, peiocorreio, em caita fechada equem
com urna perfoiclo n3o inferiores obras ;das uielho- descubrir sera gratificado entregando na ra do
re fabricas de Inglaterra e mu superior s gcral-
menlo importadas daqucllo paiz.
-M-"Paulino do Croubele, subdita belga, icli-
ra-se para-fura da provincia.
Jos da Maya subdito brilannico, vai fazer urna
viagem por poucos dias fra da provincia
-- SiearJ, relnjociro, ra Nova, n. 13, acaba de ro-
ceberum sortimenlo do relogios pntenles, abone-
tes de ouro c ile varias outras qualiJodes.
Precisa-se de um feito'r para engenho, o qual de
fiador idneo a sua conducta que no ten ha fa-
milia: serve pessoa dosa pois uilo he para cam-
po : no eiigonlio .\ovo de Mu beca.
Precisa-se de um caxeirocom pralica de ven-
da e que d fiadora sua conduela : na ra larga do
lio/ario, II. 52.
--Precisa-sede um caixeiro de la a-14 anuos,
para urna veqda e que d fiadora sua conducta:
no Recco-Largo, n. 1.
0 ministro da veneravol ordem terceira de S.
Francisco, da ciilaJc do Olinda, loga aos seus irm.ToJ
e rutilas da mesma rdom, quecomparecam no pri-
meiiodc Janeiro do anuo vindouro de 1819, pelas!
horas da laido na groja da mesma ordem, para as-
sisterom o acto da sortc do registro quo so faz na
mesma ordem.
Contina no mesmo gyro o boli-
quim da Esperanca na casa n. i26 da ra
da Scnzalla-Vclha, confronte a Ifuvessa
do Campco, no bairro do Hecifc,no qual
acharao os ficguezcscomi lase bebidas de
diversas qualidades, assim como apromp-
tam-se para fra quaesquer comidas de
loilas as quididades, com o maior asseio e
perfeico : Indo por precio commodo.
-- Desaparecen ou furtou-so do consulado brilan-
nico, na ra do Trapiche-Novo, no dia 23 do corron-
tc, mi meio-di, uiua mala do tpele de cor encarna-
da o com ramagom do cor, rontendo carnizas, cal-
sas. ele., sojas : roga-se a pessoa a quem for offere-
cida para comprar, ou soubcr onde existo, iie a ap-
piclieiidiT c leva-la ao dilo consulado, quesera gra-
tificada com 20,000 rs. .,..-
I'rccisa-se alugar um prcto quesaiba Iratir de
um sitio muitu perlo da praca quem o tiver e qui-
zer alugar por mez, dirija-se a ra da Cadeia do
Rccife, venda n. 25.
O botiquim da Esperanza recebe
moloques para ensinar on apcrl'eicoa-Ios
u se rom bons cozinbeiros, tanto em pas-
te I a na
como
em masscira, em pouco
lempo.
Prccisa-scAlugar dous prctos para o servico do
urna casa estrangeira : na ra Velha, n. 92.
Na ra da (rus, n. i|, precisa-se de um bom co-
ziiheiro.
Lotera do ihcniro publico.
Olhesoureiro desla lotera, Ixyossibililado anda
de poder marcar o dia para o andamento das respec-
tivaa rodas, por isso quo a venda Sushilliclcs tem
sido Traca, o om nenhum adiaiitaincir.^ julgo de-
dcclararao espeitavtl publico, quo,^q que a
sera
ve
mesma venda so adianto mais alguma c
(lilao designado o dia definitivo para o an
das rolas; o para que isto se verifique com
dado loga aOs amadores destojngo, queso apresse
a comprar os liilhetes quo existem em ser.
precisn-sc alugar um moleque qoe cozinhe o
diaria do urna casa : ra larg- do cbzrio, u. 28,
-- Preoik-se de um caixeiro para urna venda, que
tenha bstanle pratica deste negocio, e seja Uo boa
Queimado loja n. 16. Advcrte-sc quepeida-se ao
curioso o dinheiro que tirou dcdenlrode urna cai-
xinlia. Jos Dios Simts & Compon/lia.
No paleo da matriz de S.-Antonio, n. 4, segun-
do andar, liram-se passaporlcs para dentro o fra
do imperio, tambern para cscravos, e correm-se
lollias por pre;o muito rasoavel.
No cscriplorio de Jos de Almeida
Barrcto Basto, ra da Cruz, n. 63,
assigiia-se para a impresso da seguinte
obra :
Commenlorios do Conde de. Tracy,
sobre o espirito das leis, de iMonlesquieu,
c memorias sobre os tncios de fundar a
moral de um povo. Subscrevc-se por
4,' oo rs. pagos no acto da entrega da
obra.
Na la da S.-Cruz, n. 3, so dir quem vende, por
|.i i'oo mdico os seguidles, li vi os, quasi uovos ,
niui propiios para quem quizer aprender inglez :
grammalica de Constancio; diccionarios do Vicira ;
Historia de InglaterraeTompson; alm dislo cncon-
Ira-se o Panorama de 1838 a 1843, em ( volamos ,
bem onoa.lomados ; (Cogafiliia dcGaulucr; una se-
cretaria urna mesa de meio de sala : lulo barato e
eiu bom estado.
Iiesapparcceu, no dia 4 do corre'nlc da casa
de Rolhe & BiJoulac ra do Vigario n. 4, um ca-
chn inho de raca ingle/a com os signaos seguid-
les : pequeo, todo prelo, o orellius grandes : quem
o achare levar a casa cima, ser bem recompen-
sado.
lima moda; opellas de llores de larangciriis ; dilas
de cores o ramo de llores finas ; ricas plumas para
chapeos e cabecajchapeos de seda e loucas para
lenhora ; mantletes-palils, e" aventaes para sc-
nhora ; boneles de montara ricamente bordados ;
bicos de lilonde e do linho: lencos do infio ; eam-
braia de linho puro ; gravatinhas do lita para mon-
laria ; monis do seda lisas e bordadas para senhora.
Na mesma casa so fazem cfTectivamenle chapos ,
toucas o vestidos de senhora por preQO commodo,
com promptid.lo egeslo.
W' 9
#i Aluga-se, para o lempo da fesla ou vende- <
ft se um pequeo sitio na Capunga, com casa
^ de pedia c cal, concertada e pintada de novo,
*jb c.im cacimba.d boa agoa de beber bastan- *>
^ lesarvorcdos de fructo, e ludo cercado de li- 4)
mflo : quem o pretender dirija-so a casa do f
V- Sr. Jos Antonio de Lima morador no mes- *
'* mo lugar. **
--Os Srs. que leem fallado paia arrendarem a pro-
pricJadc da travessa da ra da Madre-de-l)eos, n.
16 pdem appareccr que j so ullimaram as obras
que so cta va m fazendo em dita casa: na loja dos-
Srs. Jo; Antonio da Cunha 6; Iruulos, '.se dir quem
aluga.
Vigncs, fabrica ate ele pianos,
na rua do Queimado, ti. 1*2,
tem pianos de novo modelo feilos depreposito para
este paiz ; silo riquiasimoa o de machinismo o vo-
7cs superiores, n que se alianga ao comprador : tam-
bcmlcmpianosiiiglo7.es, que silo pouco usados ;
roncera e afina pianos com toda a perfeiQito ; vende
cordas camurc/is e todos os aviamenlos nccossaiios
para ditos instrumentos : ludo por pceo commodo.'
30,000 rs. dc^graticaQao
a quem touxera escrava crioula, do nomo Cathari-
na com urna filha cabrinha do 3 anuos cujos sig-
nuos aeliam-se nesto Diario nos ns. 240 a 250: a es-
crava fui seduzida por o pai di cabrinha o qual lie
pescador ,ou pombeiro e mora em urna deslas
praias al Po-Aiiiarello.
Atcrro-da-Boa-Vista, n. 10,
Pon ni a tea u cuUlciro e
ar mcir o.
Acaba-se do receber, p -lo ultimo navio cliegado da
Franca, um sortimenlo de culilaria fina, bom co-
mo : tesouras grandes para alfaiatc ; ditas para cos-
tura de senhora, molde rico c do ultimo gosto ;
ditas de jardim para cortar flores ; ferros de varios
moldes para o asseio das indias ; caivetes de mo-
la ; dilos para aparar peunas ; cstojos de viagem pa-
ra homem ; espingardas ; brides ; cabezadas ; chi-
cotes para carros; fundas; navalhas para barba
ele : ludo de superior qualidade.
presente, tendo mesas para horneas, se-
paradas das senboras ; ter tambern se-
nljoras para servir : principiar, domin-
20, 31 do crtente, de seis horas em di-
ante.
Compras.
--Contrata-sea venda do300 a 401 barris de es-
calento mcl Je furo : quem os pretender dirija-so
a praca do Commorcio n. 2, primeiro andar.
Vendas.
FUND CAO
N v
t&Wm
BW'
^CHAPEOS DESOL^
Rua do Passeio, n. 5.
O fabricante deste ostahelccimento adverte ao res-
peilavel publico desla cidade que elle possue pre-
sentemente um rico sortimenlo de chapeos de sol,
assim como chapeos do sol de seda furia cores, dos
mais ricos que leem apparecido nesto mercado, e de
cores conhecidas ; ditos para senboras de bom lom,
adamascados, lavrados, com suas competentes fran-
jas de retroz, ludo que tem do n ais moderno o do
melhor gosto; um completo sortimenlo do chapeos
de sol do panninho de lodas ns cores c de lodos os
tamanhos, para homens, senhors o meninos : ha
tambern igual sortimenlo do fazendas para cobrir ar-
mac,des, tanto de sedas de coros, como de panuiihos
trancados e lisos imitando seda. Advertc-so que os
freguezes serfio servidos com brevidade, o so acha-
rflo salisfeitos da boa qualidade, do bom gosto e do
bom preco.
Ao respeitavcl publico.
O proprieta lio do armazem de vinho
da rua da Madre-de-Dos n. 36, de-
clara que estceslabelecimento no tem
nutro armazem fili il, como algtiem lia
que o inculci ; e para conhecimento do
publico, faz o presente annuncio. ^
Na casa da modas fraj^eczas de" madama Mitlo-
chnu na esquinado Aterrp-da-Boa-Vvista defron-
te do chafariz da ponte recebeu-se pelo ultimo na-
vio vindo de Franca um muito lindo cseolhi-
mento de camisinhas bordadas para senhora; cam-
|>y_aias brancas e de cOrcs para vestidos lindas man-
tV^e 1.1a o seda de muito ricas cores; trancas
hrarhsas e de cores para c;;fc:tcs e ve?'.'"'"* ; luvas
do pe tica, curtas ecompridas com enfeites e sein
ellos ; cT.aj.o de palha aberla muito alva e da ul-
C. Starr A 6'., eBgtiihciros, com fundifao de fono e
broiize, e ferrarla, ludo un ponto grande, uiovjdo por
diias in.icliin.is de vapnr, iiiontnd.is nas casas novas na
rua da Aurora em Sanio-A maro avisaui aos seus lie-
g 1e7.es, e ao publico oni goral, que tecm acabado dea-
pronilar para vender varias machinas de vapor do bai-
a c de alta pressao, e de diversos tamaitos : oslas ma-
chinas sao providas de bembas para tupprlf a caldeira
com ngoa j quriilo, c com vlvulas com os seus arraii-
jus muito simples para regular a ijinutidadc da mesma
agoa ; mas os aiimincianics, longo do inculcaiciii estas
invCncdca como suas, advcrlcm i|iic a primeira foi adop-
tada pelo celebreSavary em I9S, e a segunda inventa-
da por lliiiidley j mais que com anuos passados, c
ambas iulrodu/.idas nesta provincia rm l'''< pelos an-
iiunciautei na machina de vapor do engenho ('aramio
(o priiiieiro fabricado ueste imperio) o qual aluda osla
"> ellocliva operacao, e desde en la o se lia ostrahido
perlo de una duzla das mcsuia9 niacliiiias, (Vitas nesla
11 lrica, contondo os meamos apparelhos, e com Mnimo
aproveilamento dos compradores ; portanto ilnplngtr
isto agora como cousa nova, era impostura. Os aiiiiuu-
ciantes tecm sim a salisfacao de informar no respeitavcl
publico, quo hao conseguido um uielhoranionto de nao
pequea importancia, e verdadciramcnlc novo ne-i.i
pait, que he por nielo de una modilicacao da caldeira
e um simples arraujo de canos e regalos, aproveitar
o fugo superfino do assenlainenlo para fazer mover a
machina de vapor em mais gasto de combustivel de-
pols do eugenlio ter ; mi.n sua marcha : esta milito mil
lenibranca tem sido experimentada com bons resulta-
dos c ni os engenhos Trapiche e Jai di m. Esta fabrica es-
t semprc sortida de
Moendas de tambores abortos para huchas de ma-
dclra, grandes e pequeas, com seiis pcitences.
ltas com aguillidcs acunhados chamadas nielas
noendas, de todos os tamanhos c com rodetes de forro
ni sein ellos, para agoa ou animis.
Ditas inleiras, todas de ferro, endependente, com a-
marras diagonars do gaucho, iuvencao dos annunclan-
tcs, c multo approvadas pela sua forlido e faciiidade
d'aruiar c desarmar.
Alambiques de ferro, cousa nova e uniilo approvada.
AI., i lili os e prensas de mandioca c lomos dcfariiiha.
Canos de mo e arados de Ierro.
tirando sur limen to de bromes, agiiilhoes, cliumacci-
ras,.parafusos c mais perlcnces de engenho.
Kndas c rodetes de varios lmannos.
lluecas C Olivos de fui nallia.
huchas pi)ra carrofas, serrH d'a90 para serraras.
iiolineics, bro.i7.es e roldanas para navios.
Os annunciantcs, pelos longos annos de pratica ues-
te paiz, pela grande capacidade c coniuiodus de seu
novo estabclecimento, e pelo errscido numero c muita
experiencia e pericia dos seus operarios c empregados,
Qll'erecem ao> freg1107.es vantagens nao possuldas por
ncnliuina oulra labrica ueste imperio, c eslo, portanto,
verdadciraincntc habililadoi a einpreheuder c execu-
tar com a maior promptido c perfeicao qualquer obra
de cugenharia ou inaehinitmo.
Sorvete.
Na rua d> Hangel, delronte do becco
tloTrem, est prompla urna sala para re
amilias que guaini do io-
tempo
Folliinhas rara cscriplorio.
Venilem-sc folhinhas para escriploi 10. oucarloua-
ilns em papehlo a 3:20 rs. cada tima. I'.stas folhi-
nhas mostram a primeira vista os dias santos de
guarda os dispensados, os feriados na justica e nos
tribuidles, sem recorrer-se a tabella dos feriados,
e apenas tomam um expnco de um palmo : na praca
da Independencia, liviana ns. 6 e 8.
Aos 20:000,000 de ris.
Vcndem-se bilhetesda lotera do Rio-de-Janeiro
a favor da S.-Casa da Misericonlia cuja rodas an-
daro no dia 15 do corrento e a lista so espera por
esles dias no primeiro vapor que cliegar : na rua d a
Cadeia do llecife, loja 11. SI.
No palco do Terco, deposito de assucar, n. 28,
veni!o-.-o assucar retinado a moda de Frasca, de pri-
meira sorle 120 rs. 11 libra ; dilo de segunda soile,
a 100 rs. ; dilo em podra, a 160 rs. e de outras qua-
lidades : ludo muito alvo e sem catinga alguma.
Vende-se uma casa Ierro-' na rua do Noguoira
na rua da Cruz, n. 00, se dii quem vende.
Livros em urlicos pautados
e borradores.
Vendem-se livros em branco, paulados, de 50 a 400
folhas, do muito bom papel, assim como borradores
de 500 folhas de papel almasso. I.* sorle, por preco
commodo: na loja do palco do Collegiu, 11. 6, de Joio
da Costa Dourado.
Vende-so um molccoto de 20 anuos, de boa
figura : 11a rua Nova, n. lf.
Vendem-se 2 libras de sebo do rim de carneiro,
muilo novo: na rua larga doltozario, 11, II.
Casimira elstica.
--Vendem-se riqusimos corles de casimira cls-
tica do melhor gosto que existe no mercado, por
Sf o corle : 11a roa .Nova, loja de allaiate, n. M.
Vrnilcui-se espadas com baitiha de ac, muilo
em conta; na rua Nova, n. 16.
Vende-se um molequo de nacfio, do 18 anuos,
de bonita ligur; na rua do Queimado, loja tic ferra-
gens, n. 32.
Papel almasso primeira sorte
muito bom.
Vcndo-se na loja de livros do pateo do Collego, n.
6, de Joilo da Cosa Dourado.
--Vende-se doce do c.jil muito claro e|muito bem
feito, lano secco comoem calda ; dito do ananaes o
de outros inuitas qualidades : tambern so fazem bo-
los o bolinhos para cl., bandejas eneitadas com
ramos e flores de allinim c confeitos, com muit|i-
liciide/a; arroz de leile piio-de-lo enfeitado con)
allinim, pastis tic cantee de nata podins, Ireuie-
deiras, lorias, doce de ovo de diversas qualidades,
e eiifeiles do mesmo : na rua Direita 11. 33, so-
brado so peda botica. No 111 sino sobrado aluga-so
uma pela ou prcto para o servico de tua.
-- Vendem-se na loja do Auguslo Colombiez na
rua .Nova, 11. 2, cenlos do metlico, proprios para
armarios de dispensa ou para pnenos.
Tinta solar.
l-'sta linla servo para marcar a roupa por mais li-
na ou grossa que seja ; o usa-so sem preparaQ3u
alguma ciigoiiimando a roupa e escrevendo cem
penna tle ganso cxpOft-se ao sol por uma hora, o
depois torna-se prela duravole impossivel de tles-
botar na lavagcm : vende-se no cscriplorio de No-
vaos & Compendia
1,000 rs.
na rua do Trapiche, n. :ti
ccbei aqcila
mar o bao sorvele das Vruclas do
Fasta de flor de lyrio.
Esla superior preparaclo, a melhor al boje co-
ndecida para lini|iar os denles o conserva-Ios sc.11-
pre alvos e livros da podra o carie conserva a forli-
licagao dasgongivas o evita a accumulaco do lar-
tar pelo scu uso regular : cusa cada boiio 2,000
rs. o vai cnvolto no competente receituario : ven-
de-se no cscriptorio do Novaos & Companhia, na rua
do Trapiche, n, 34.
Gotas egypcies.
Remedio sem gur para a dor de denles, ja bem
condecido no Rio-de-Janeiro o as provincias do sul,
pela sua ollicacia em alliviar rpidamente a dor mais
lonz.qur soja,motivada pela carie,qur por inflain-
magOo; mas so a experiencia do urna prova Ido da-
r o devido meiccimeiilo. Vende-se no cscriplorio
de Novaos cv C, rua to Trapiche, II. 34.
Vende-se, para fechar contas em casa de Kal-
kamann 6; llosenmtind, rua da Cruz, n. 10 por mui-
lo baratos precos um resto do mobilia, consislindo
em cotnmodas, niesns, cadeiras armarios burras
de forro e outros mais objectos.
Vistas de Pcrnambuco,
coloridas o cm fumo proprias para ornamento do
sala sendo uma tomada da ladcira da Misericordia
em Olinda oulra do forto do Bruin, ooulrasem
colleccOcs de seis em formato mais pequeo: na
rua da Cruz, n. 10, casa de Kalbmann & Rosenmund ;
na rua da Cadeia do Kecil'o, loja da viuva Cardozo
Ayres.
Emcasa de Kalkmann & Rosenmund rua da
Cruz, n. 10 vende-so champanha da marca cometa,
verdadeira por serrecebida dos proprios fabrican-
tes em Ay ; agc'arJentcde Frine, de boa qualida-
de, a 10,000 rs. a duzia ; um resto de duzias do mui-
to superior vinho do Kheno, a iO.OQO rs. 'J duzia.
PLAR ENCONTRADO -
i


i!
.*

i*
Nod-posilodoMc. Calmonl & Companhia na
ra de Apollo, armazem n. 6 acha-se eonstanle-
mente raudo sorliincnto do fcragcns ingle/aspara
engonlios do assucar corro sujam : taixas do ferro
coado de dilTeronles modelos, os mais modernos;
dilas de ferio batido ; moondas de ferro do mode-
lo adoptado para armar em madoira ; Hilas todas
de ferro, lauto para agoa como para animaos; ma-
chinas de vapor do frga do q na tro cavallos o do al-
ta pressiio o mais moderno e simples que he possi-
vol ; repartideras ; ospumadeiras ; resfriaderas de
Ierro eslanliado; formas do ferro: ludo por prego
commodo.
Vende-se ca virgem de Lisboa,
cliegada no ultima navio, era Larris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n I7.
iUanoel da Silva Santos vende su-
perior farinha de trigo ranceza denomi-
nada liaron.
Veiidem-ie barril pequeos com cal virgem de Life
boa, a mais i.ova que ha no mercado, por proco co-111
inudu : ua ra da Moda armazn u. 17.
Potassa.
Desembarcou La poneos dias uina por-
cao de Larris pequeos, com muilo nova
e superior potassa, e se achain venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se vendia, na ra da Cadeia-VelLa,
armazem de Bollar&Uliveira, n. 12.
\ til'* Iw..r|4
i 1 mu UCII ni".
Acha-se estabelccido ni ra da Madre-de-Deos,
n. 36 um armazem de
Vinhos da Figueira,
de ptima qualidade, a prego do 1,200 rs. a caada,
e a 160 rs a garrafa ; e para nSo haver dolo do com-
prador serilo lacradas as garrafas o com rotulo, rc-
cebendo-se a garrafa vasin, o dando-se immcdiata-
niente a outra chela : lambem ha barra muilo pe-
queos proprios para quem passa a" fosla. U pro-
prietario deste eslabelecimento pede encarecida
monto que so niio illudam avallando, polo diminuto
preco e sein coiiheciinenlo de causa a qualidade de
sua'fazonda digna por corto da estima dos verda-
deros amantes da boa pinga. Kilo conta que quem
uma vez"provar, continuar com gosto e sein arre-
pendimento. E o bom prego!!.' A todo o exposto
accrcsco o asscio e hora acondiciunamenlo, o que
ludo se podera verificar em dito eslabelecimento.
, e meias moendas, para engenho; ma-
i chinas de vapor,e tichas de ferro Latido e
coado, de todos os tamanhos, para dito.
Na Joja n. 5 A da ra do Crespo, ao
pe do arco de Santo-Antonio, vendem-se
mantas de lita eseda, milito Ijoiil.is, pro-
priaspara meninas, a 1,600 rs. cada mua ;
ditas de tarlatana, para senhora, a 1,000
rs. ; assim como chapeos de sol de seda,
astea de ferro, os mais superiores que ha
no mercado, a 5,000 rs.
Fardo,
^
embarrices a 4,0OO rs. ; saccas grandes, a 3,30o
rs., dilas pequeas, a 2,800 rs : no armazem de J.
J. Tasso Jnior, na ra do Amorim, n. 3.
Cal de Lisboa.
Vcnde-ac muilo nova e superior cal
virgem de pedra, desembarcada ha pou-
cos dias, c etn Larris pequeos de qualro
arrobas e mcia ; na ra da Cadeia-Yelha,
armazem n. ia.
i
Ycnde-se na ra da Cadeb do |
p Piecifc, n. 3;, cera em velas, fahri- '<
3j cadas no Hio-de-Janeiio, em uma g
das ir.clborcs fabricas, e em caixas '*
pequeas, muilo Lem Kortidas, por ^
-^1 ser de 3 al iG em libra ; e tam- w
a beo ha velas de uma c de meia libra, g
$ brandoes, por preco mais barato do <
-^ que em oulia qualqiier paite.
- Vendem-se aceoes da ex-
mela companliia de Pernambuco
e Paraliiba: no escriptorio de O-
liveira Irmos & C, ra da Cruz,
n. 9.
Vendem-se presuntos para fiambre; quoijos
londrinos ; ditos do pialo ; Utas com bolachinha
lina de Lisboa ; dilas de araiuta ; conservas novas !
moslarda ; pules com sal fino ; latas com marmela-
da nova ; dilas com hervilhas ; camnhas com mas-
sas linas ; viriho* moscatel do Setubal; dito Sheny ;
licores linos ; e oulros mais gneros, por prego com-
modo : na ra da Cruz, no llccife, n. 46.
Madeira de pinito.
Vcndc-sc a melhor tnadeira de pinho que tem
vindoa esto mercado: na la da Madre-de-Deos,
armazem de Viccnlo l'eireir da Costa.
Algodao trancado da fabrica
de Todos-os-Sanlos da
la In'a ,
muito proprio para saceos de assucar e roupa de os-
tra vos : vendo-so em casa de N. O. icbor & Com-
pauhia na ra da Cruz, n. 4.
Agencia da fundicao
Low-Moor, ra da .Scnzalla-
nova, n. 42.
Neste eslabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimenlo de moendas
.
Lonas inglczas.
Vendem-se pecas de lona ingleza, de
boa qualidade, e por preco mais barato
do que cm outra qualqucr parte : na ra
da Cadeia do Hecife, armazem n. i'a.
FOUIIMAS PARA 1849.
FOLIIINIIA DE PORTA, alOOrs.
ita do ALGIBBIRA, contendo, alm do kalenda-
rio, uma collecgo desegredos e romedios para uso
domestico, a 320 rs.
bita a que se reuni o ALMANAK administrativo,
mercantile industrial da provincia : osle almanak es-
t accrcscentado com todos os eslabelecinicnlos de
porta aborta, a 320 rs.
Vendem-se na praga da Independencia, livraria
ns. 6 o 8 ; no Alcrro-da-uoa-Visla, botica do Senhor
Uoreira ; e cm Olinda, botica do Senhor Rapozo, ra
lo Amparo.
Vendem-se saceos com farelo,
chegados ltimamente, pelo diminuto
preco de 3,4oo rs.: na ra da Sanzalla-
Velha, n. i38.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada hontem, por pre-
co muito rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e ra da Cadeia, n. 34.
CHA' BRASIl.F.IRO.
Vende-se, no armazem de molhados atrs do
Corpo-Santo, n. 66, o mais excellente ch produzi-
do cmS.-Paulo, quo lem viudo a este mercado ,
por prego muito commodo.
8a pal os para Sen horas.
Na proga do Corpo-Sanlo, n. 6, so diz quem tem
para vender snalos do Senhora, do couro de lustro,
courinho de duraque, e alguma obra do hoincm
poucas, por grosso e meudo chegado 8 dias; obra
superior cm qualidade, e ultima moda.
Vende-so a verdadeira e muilo superior fari-
nha SSSF, a relalho e em porgilo ; dita do oulros au-
tores na ra do Vigario, arma/em do Francisco Al-
ves da Cunlia, n. II.
Vendem-se cairas ctm figos a 1,000
rs.: no armazem n. ?o, defronte da guar
da da alfandega.
Vonde-se superior farinha galega, em meias
barricas: no armazem Ja ra da Seuzallu-Vclha,
de Mathus Austin & C.
Vendem-se e alugam-sc as verda-
deras bichas de Ilamburgo, no deposito
de Joaquim Antonio Carneiio, na ra da
Cruz, n. 43.
Vendem-se barriquinhas com cal virgem de
Lisboa muito nova ; fechaduras para portas de
armazem ; retroz do Porto ; barris com nlcatro da
Suecia ; pillas da familia ; ancoretas com azeito-
nas, por prego commodo : na ra do-Vigario n. ti,
armazem de Francisco Alvos da Cunta,
-- Vcnde-soalgodfio da Ierra de superior qualida-
de : na ra do Queimado, n. 2.
Ven Je-so vinho do Porlo muito superior e
do nutras qualidades em barris do quarlo, quinto,
se lo, stimo ,oitavo o empipas, por prego muito
commodo: na ra do Vigario, armazem do Fran-
cisco Alves da Cunha, n. 11.
Vendem-se bules o cafelelras do metal com ri-
cos modelos : ua ra Nova loja do Jos I.uiz Po-
reira.
Abordo do patacho Alagointe, ancorado pni
(rento do .trapiche do algodflo, vende-so farinha de
mandioca do boa qualidado.
Rap novo Lisboa.
A ello antes que se acabe.
Quem nflo tomar urna pitada destorap, cerlamon-
to nflo saber apreciar os deleites da vida contem-
pornea. Acaba de clicgar do Rio-do-Ja ncro, e ven-
de-se no deposito do mesmo, na ra dos Quarleis,
n. 24.
Acaba de chegarum completo ser lmenlo para
os Srs. armadores, bem como trina, volantes lar-
gos e cstroilos galio de todas as qualidades 'finos
o ordinarios; o outros muitos objectos que so acham
a venda na ra larga do Rozario, n. 24. .
Vende-se um ponche de panno azul com 32
palmos de roda quasi novo: na ra do S.-Rita ,
11 91.
Vende-se muito superior lagedo de Lisboa, e
cal virgem em barris do 4 arrobas, por mdico prego:
na ra do Vigario, n. 19.
Na padaria da ra da Cuia, no Recite havor
lodos os dias a venda o novop.lo de Provenga fa-
bricado poroulro modo que o aclual e da melhor
farinha que ha no mercado : por este motivo nao se
pode fazer senflo a 40. 80 e 160 rs.
Vendom-se chapos de palhinha da Italia, mui-
to delicados e hem foitos tanto para homem como
para meninos, pelo barato prego do l,_'so rs. cada
H***** t*f\"n
COC

.-_...,., para iiss^ss : na
ra das Cinco-Vontas, ns. 60 e 82.
1 Vende-se no pateo do Terco, ven
da n. 7, vinho de Lisboa, a caada a
i)t20 rs. ; e a garrafa a 160 rs.
Vendo-se sal do Lisboa, a bardo do patacho por-
tuguez l).-Anna : no escriptorio de Francisco Seve-
rianollabcllo & Filho.
Vende-se gelo, na ra da Scnzalla-
Vclha n. na, a 4>ooo rs. de urna arroba
pira cima, e a meia pataca por libra. O
deposito so estar aborto s 11 horas e
meia da inanha e depois das 2 horas da
tarde.
Vendem-se as seguinles receitas : sabflo para
todas as sortes de manchas para tirar minchas de
cera da seda para tirar nodoas do seda branca,
para limpar o fazer revi ver os galoes o bordados de
ouroe piala para limpar galio de ouro e piala ,
para lavar obras de ouro, on -de seda sobre qual-
quer qualidade de panno e po-la nova para limpar
livros e estampas para fazer diversas qualidades
desabneles finos. para fazer dille-rentos qualida-
des de lacre, para Taza/ velas que duram muito lem-
po para resliluiraos perfumes ao cheiro primiti-
vo para fazer oleo de canella agoa sem igual, di-
la do jasmim, dita de travo, dita do flor de laranja
dita dealfazoma ede mangerona para lirara essen-
cia das flores som fugo para fazer agoa o espirito
do rosas, para agoa da rainha de (Ingria, para fazor
vinagre muilo fino cm duas horas, para tirar do fer-
ro a forrugem pos para matar os piolhos diversas
receitas para so fazerem licores dirleronleS leos de
cheiro para fazer crescer, desencrespar e nascero
cabello difTcreutes receitas para se fazer marmela-
da lina de diversas qualidades, o oulras muilas re-
ceitas que todas se vendom a 610 rs. cada uma, sem
augmento neni diminuig3o de prego, e pareceudo ao
annnnciaiite fazer-se com duas patacas aquillo que
se niio comprara por 2,000 rs., deliberou annunciar
aos econmicos essa rara pechincha : na ra da Ca-
deia de 5.-Antonio, n. i, buiiquiui junio ao oici-
Commercio.
VenJe-se,por precisilo, uma cabrado 30 annos
pouco maisou menos,quecoziuha, engomma, en-
salma e faz lavarinto, e he de boa conducta o que
se afiance : na ra das Cruzes, loja n. 14, so dir
quem vende.
Vendem-se 4 pares de brincos de bom ouro do
diferentes tamanhos ; um trem com espelho, de Ja-
caranda; uma banca redonda; dita para meiodosala;
um relogio patento de prata;jogos de bancas peque-
as c grandes, com duas gavetas ; sof d' oleo : ludo
por baralo prego : na ra da Cadeia de S.-Anto-
uio, 11. 21.
Vende-se cal virgem de Lisboa em barris de A
arrobas chegada pelo ultimo navio, por preco commo-
do : a tratar com AlmeidaSt Fonseca,narua do Apollo.
PURO VINHO DA FICUEIRA.
F.xiste no armazem de molhados,'atrs ;do Cor-
po-Sanlo n. 66 j urna grande porgio deste genui-
no vinho quo se est vendendo pelo diminuto pre-
go do 1,120 rs a caada e a 160 rs. a garrafa ; lam-
bem ha em pipxs que se vender mais cm conta : lie
esto o melhor de todos os vinhos que se teem an-
nunciado pela sua simplicidade e ptimo paladar:
quem uma vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
Vendem-se semeas em saccas muito grandes,
a 4,500 rs.: na ra da Madre-de-Deos, armauem de
Vicente Ferr ira da Costa.
A 1,800 rs. a peca de 20 *
jardas.
Na loja de Cumaries & Companhia ra do Cres-
po n. 5, vendem-se pegas do algodilozinho do boa
qualidade com um pequern) loquo de avaria ,
pelo barato prego de 1,800 rs. a pega de 20 jardas.
raboado de pinito da Suecia,
de 10 a 55 palmos
de comprimenlo o mellior que tem chegado a este
mercado, cm razio de se poder envernizarcm qual-
qucr olua por niio lor nos e ser muito alvo sen-
do costado, cosladinho, assoalho, forro o para fun-
dos de barricas : vende-sc a prego que o comprador
far lodo o negocio : atrs do Ihealro, armazem de
Joaquim Lopes de AlmeiJa.
FARH1.0 EM SACCAS I)F. 90 LIBRAS :
vende-so no armazom de Vicente Forrcra da Costa ,
na tua da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
JNoa iTinacaoFraiico-
Rrasileira,
Na ruada Concordia, n. 8, por
detrs do ('armo.
O respcilavcl publico achara cm dita re-
fiiaco assucar de qualidade superior, re-
finado a moda de Franca devendo mere-
cer a preferenga Unto pelo asseio da sua
fabricagSo, com pela clareza, pureza o bom
gosto (cando dito assucar refinado re-
commendavel por suas qualidades hygie-
nica sendo desembaragado de mo chei-
ro, potassa, niel, assidose oulras subs-
tancias mui nocivas a sade.
Os precus $ l'.idin.ido em piles ou lur.Oes, primeira
qualidade, a 160 rs. a libra ; dito de se-
gunda qualidade a 140 rs. a libra ; refina-
do em 00, primeira qualidade a 140 rs. a
libra; dito de segunda qualidade, a 120
rs. a libra.
Vende-se um lindo molecole, de
in a 18 annos de idade, que sabe cozi-
nhar : na ra da Cadeia do llecife, n. 37.
t Cigarrilhos hespanhes.
O proprietario do armazem n. 66, atrs da igreU-
do Corpo-Santo no Recifo, faz sciente aos fuman-
tes do bom tom que elle recebe or lodo os^jio-
ces viudos do sul, estes deliciosos cigarrilhos que
slo do nico deposito hespanhol que lia no Rio-de-
Janeiro. V
Contina-se a vender, na ra da lij
Cruz, n. Go, caixas com cera de Lisboa, ,j
sortimenlo vontade do comprador.
HA DO CRESPO, N. 5.
f\ovos riscados indianna, a
280 rs. o covado.
Na ioja de Guimaraes & Companhia vendem-se
osnovos riscados indianos), do qualro palmos de
largura coread xas e padrOja muilo modernos, pelo
barato niocoJe 280 rs. o corado.
HELO
emsaccan muitograndes,
1 3s'Goo rs. a sacca:
-cr
no ai maceo, do Braguez ao <' do arco da ConceigSo.
Na ra do Crespo loja de 4 portas n. 12, ven-
dem-se chapeos de castor pretos, de muito boa qua-
lidade, a 4,400 rs.
Vende-se umacarroga muito bem foita e com
todos os seus pertences; um lampeito grande; 4
mesas ; um cavallo melado bom andador debaixo a
moro ; um -dito alazlo tambam andador baixo o
muito bonito : na ra da Florentina n. 16.
Quartos de barr juinlias com
eicellcnles maclas, vm-
dasnogeloo desembarcadas hojo, estilo fresqui-
ntias proprias para present-s : na ra da Senxalla-
Velha deposito de gelo ou na ra do Vigario, ar-
mazem n. II. do Cunha.
AttencSo.
Na ra Nova n. 14, loja de alfaiate, acha-se um
completo sortimenlo de obras feilas de todas as
qualidades, assim comoum esplendido sortimenlo
de fazeildas do melhor gosto posslvel, como sejam :
panno fino preto de muito superior qualidade, pe-
lo baralo prego de 4,000, 5,000 e 5,500 rs. o covado,
e muilo fino da melhor qualidado que existe no
mercado a 6,000 o 6,400 rs. o covado ; dito azul, a
3,200 e 4,000 rs. ; dito de oulras coros pelo barato
prego do 5,500 rs. o covado ; riquissimos cortes de
colletes de gorgurilo a 1,280 c 2,500 rs. o corle; di-
tos de fusto a Cavaignac a 2,000 rs. o corte ; se-
l i ni macan, muito superior, a 3,000 e 4,000 rs. o co-
vado ; cortes de casimira elstica a 6,200 rs. o cor-
te ; panno fino mescUdo, a 3,200 rs. o covado ; me-
rino preto 8r.o : 2,000 e 2,500 rs. ; dito mtiits fino,
a 4,000 rs.; e outras muilas fazendas por prego com-
modo.
Vende-se urna preta de nagflo, perfeila engom-
madeira, coziuheira, bolcir, ensaboadeira e copei-
ra ; nflo tem vicios nem defeitos, oque se garante;
ou troca-se por um moleque de nagflo, cozinheiro :
na ra da L'niflo, ultima casa do lado esquerdo.
Escravos Fgidos
Fugiram, no da 18 de setembro, de Cameragi,
uma parda, do nome Paula do20 annos de boni-
ta figura com uns pannos na pelle do pescogo ; an-
da calgada : um preto de nome Pedro, de nagflo An-
gola de 40 annos, baixo, quebrado da verilha ;
consta que fram seduzidos por um tal Cosme, fi
Iho da Parahiha, acaboclado : quem os pegar le-
ve-osa ra da Cadeia do Recife, n. 28, que ser re-
compeusodo.
Fugio.no da 18 de oulubro do engenho S.-
Jofio, no Cabo, Marcolino, pardo Irigueiro, de 19 an-
uos, estatura regular, cara redonda, olhos pepuenos,
denles limados ; lovou duas caigas uma de brim
pardo e outra de riscado azul; quem o pegar leve-o
ao referido engenho ou a casa de Lulz Comes Fer-
reira no Mondego, que ser generosamente recom-
pensado.
Fugio, de bordo do brigue Sertorio, na manhfla
do dia 5 de julho prximo passado, um escravo ma-
rinheiro, de nomo Francisco do nagflo Jang; re-
resenta ter 30 a 35 annos ; tem um signal na face es-
querda, falla muito descangada ; levou caigas e ca-
misa dealgodflo'azul, chapeo de palha pintado de
branco o balde de trazer ragOes e 7,000 rs. em ce-
dulas ; falla hespanhol: quem o pegar levo-no a
ra da Moda rt. 7, quo ser hem recompensado.
Fugio, 110 dia 25 po crrente, a escrava Joanna,
rcpiescuta ter 40 annos; lem o rosto cumplido o
mcio fechado ; sabio com tcngflo de procurar se-
nhor ; levou vestido do chita azul e oulro branco
com dous babados contas azues no pescogo brin-
cos encarnados e oulros de ouro francez panno da
Costa : quom a pegar leve-a ao Alerro-da-Uoa-Vista,
n. 14, que ser gratificado.
-- Fugio, ua noite do dia 27 da correle o escra-
vo Simtlo do estatura ha xa, de 35 anuos, crou-
lo cr fula, cheio do coi po ; tem uma listula 110
rosto do lado direito ; levou caigas de brim do lis-
Das branco e chapu de palha. Roga-se a todas ns
autoridades e capilfles de campo que o apprehcn-
lam e levcm-no a ra do Trapiche-Novo, n. 6, ou a
Solodadc n. 38 que serSo gratificados.
Fugio, no dia 24 do concille, o escravo alanui-
no, de nagflo, alio, magro, cara descarada, des-
dentado na fronte beigudo einbjup grande, pos
grossos : quem o pegar leve-o a rua^arga do Roza-
rio n. 48, ou ao silio que fui Paulino na rs-
Irada quo sahe da Casa-Forto t*ra o Arraial, ao Sr.
I.uiz do llego Itarrqs quosorecompensar.
--Fugio, no dia STdooorrenle do sitio do l)i-
burque, urna preta crioul do serillo, do nome Joan-
no de 20 annos, estalara rogular cara achatada ,
cor um tanto fula ; icvoii vestido de chita preta
com piulas branca ja usado; cosluma trazer em
um dos dedos u-t aunel de metal amarello, o no
braco esquerro nina marca, por lor sido sangrada
lia poucos-ias. F.sla preta j liulia fgido no dia 24
corre/He, couduzindo um par de sapatOes de
lustro o oulras obras para senhora, e fui
no dia 26 na ra larga do lio/ario dizen-
andava vendendo pastis nflo trazendo as
queconduzia : quem a pegar leve-a ao referi-
lo sitio, ou 110 Passeio-Publicu casado bilhar,
que ser recompensado.
Pkrn.
Na/rYV. DE F. DE FaHIA. 848
i
MELHOR EXEMPL




DIARIO DE PEBNAMBCO.
i
IV. 291.'.)

SUPPL'EMENTO.

(1848,
#
SABBADO 50 DE'DEZEMBRO.
DESPEDIDAS DO EXM. SR. IIERCUUNO
FERREIRA PENNA.
abaixo aasignado, tendo de partir para o Mara-
nh3o, e nlo podendo por absoluta ratta de lempo
ospedir-so, como desejava, de rada urna das pes-
soasdesta capital, a quem deve altencOes, obsequi-
os e amizade, recorro ao presente meio para faze-lo,
esperando que releven) a involuntaria falta, e asse-
verando que em qualquer lugar onde se ache saber
apreciar todas as oceasies em que possa dar-lhes
provasdoaeu reconhecimento.
ecife, 29 de de7emhrn de 1848.
Ilerculano Ferreira rtnna.
DIARIO DmilIBBCO.
RIOiri, 30 Di BEZZMBB.O DI 18(6.
OS REVOLTOSOS F0GEII ESPAVORIDOS ANTE AS F6R-
C*S LEGALISTAS.
Ao passo que os promotores da rcvolta assoalham
nestafepital, tanto de viva voz como pela imprensa,
que o:loucos que ainda empunham armas crimino-
sas esJo ebrios do enlhusiasmo, eesperam a p fir-
me aforras ao mando do brioso general Jos Joa-
(juJ>i Coelho ;ao passo que esses Pernambuca-
n/degenerados, no extremo do phrenesi c desespe-
ra, phantasiam urna victoria por cada derrota que
recebem, e as narram emphaticamente, nao com a
consciencia do verdadeiro historiador, massim com
o cynismo do mentiroso consummado ao passo
que tudo isto occorre, dizemos ns, o que fazem os
desgranados que, anda Iludidos e j abandonados
pelos mais criminosos dos cabeclhas que os arras-
traran] aomatadouro, afinal poderam reunir-se em
Pasmado? Correm de ponto em ponto, apenas sa-
ucm que se lhes approximam os bravos commanda-
dos pelo denodado brigadeiro, que aquellos quo os
levaram ao precipicio dSo por morto ou gravemen-
te ferido, e quo acaba de dirigir ao Exm. Sr. presi-
dente da provincia o oflicio que transcrevemos em
seguida, inteirando-o da quasi aniquilaco dos gru-
pos desordeiros:
lllin. e Exm. Sr. Tenbn a honra do communi-
car V. Exc. que as minhas supposices, como
mandei dizer hontem, serealisaram ; porque s
(i 4 horas da tardo marchci de Nazarelli em direilu-
ra a Pasmado, onde se achavam os rebeldes; per-
noitei no engenho do Palma (Cara ); bem codo
segui, e dcpois de descansar e dardo comer tro-
c tropa no engenho do Meio, s 3 1/8 horas da tar-
de continuei a minha marcha ; cheguei a Pasma-
o do, donde os rebeldes j tinham fgido logo que
souberam da nossa approximac3o, encaminhan-
do-sc para Iguarass accclerei a marcha, as C
horas da tarde cheguei villa, donde urna hora
anles liaviam elles sabido precipitadamente, lo-
mando (dizem) a direccSo de Maricola ou de I-
nhaman. AmanhSa tenhq de segui-los, cdo rcsul-
tado darei parte V. Exc.'
A' vista desla desmoralisacSo, niio duvidando
que possa ter ainda algum encontr com elles,
julgo que breve terminar a existencia desses
grupos que tanto terror causam s familias habi-
tantes dos lugares por onde passam, e maior dam-
no fazem provincia.
o No entretanto, permitta-me V. Exc. que eu diga
que estes homens leem de todo perdido o pudor,
o ou a sua lctica he invcnc.lo muilo moderna : pro-
o palnm mil bravalan pelos tugare que tranaitam ao
a passo que fogem tilo vergonhosamente das forjan
do governo : aqui dizem que j me tomaram ae
pegas, acola que V. Exc. j llies mandou oflerecer
paz, mas que elles nflo a .iierem aceitar, smente
para Iludir os povos, c ver so ainda adquirem
* proslitos fogem c proclamam-se vencodorea, e
b como lacs aptos para darem a Ici. Forlo mania !
Dos guarde aV. Exc. Quartel-general na villa
a de Iguarass, 29 dedrzembro de 1848.Illm. e
a Exm. Sr. desemliargador Manoel Vieira Tonta,
a presidente la provincia de Pernambuco. Jos
Joaquim Coelho.
pprnambucanos Iludidos, medilai seria e pausada-
mente sobre este documento, firmado por um militar
de bro, e que, se nfo sabe voltar costas ao inimigo,
tambem nao sabe faltar verdade ; comparai o que
ah se contrn com o que apregam os cebos da rcvol-
ta, e conveneci-vos de que a calumnia, a mentira e
a aleivosia silo os meios de que se prevalecen! para
perder-vos aquelles que, apregoando-se vossos ami-
gos, vos estilo cavando a ruina : abandonai-os, pois,
emquanto he tempo; e, aproveitando-vos da geno-
risade com que o delegado de S. M. o Imperador vos
convocou a largardes as armas fratricidas, apressai-
vos em dep-las ante elle, ou ante qualquer de seus
agentes, certos do que encontrareis clemencia.
A CflEGADA DO EXCELLENTISSIMO SENI10R GENERAL
JOSB' JOAQUIM COELHO.
0 Exm. Sr. goneral Jos Joaquim Coelho acaba do
chegar esta cidade, qual o chamou odesejo de
abracar a esposa e os charos filhos, que aqui aporta-
ran), vindos da Bahia, justamente no da cm que el-
lo partir para o sul da provincia a debellar os revol-
tosos que l se achavam-
S. Exc. veio vigoroso, cheio de vida, e sem que d
mostras dehaversoffrido o mais leve incommodo:
sua presenca nesta capital lio o majs solemne des-
mentido aquellos que asseveram estar elle morto,
ou gravemente ferido.
A'vista do que ouvimosao nclito general, como
quo so nos redobrou a erenca em quoestavamos do
que os revoltosos jamis se reunirSo, jumis se
animaro a mtiir as armas fratricidas com ai da lega-
lidade.
He tal o terror que lhes inspira a presenca dos bra-
vos legalistas, que alguna tiros disparados pela guar-
da avancada da frga ao mando do major Bruce so-
bro um grupo de desordeiros que ella avistara no
Timb fram mais quo sufficieiiles para que esse
grupo fugisse precipitadamente, deixando ni vere-
da um dos seus baloado na perna, ao qual so man-
dou immediatamenlo administrar os soccorros da
arle.
i
O EXM. SR, UUCrr.ANO FERREIRA PENNA.
Anianha (3IJ i Larde dexar-nos-ha o Exm. Sr.
Ilerculano Ferreira Penna; pois que, havendo passa-
doaoExm. Sr. Manoel Vieira Tosta a administradlo
desta provincia a 25 do correnle, tem do partir para
i
do Maranhiio a tomar ronta da respectiva presiden
cia, para a qual houve por bom de nomea-lo o go-
verno de Sua Magosta !o o lin orador.
O Exm. Sr. Ferreira Penna conquistou pojas suas
qualidades nSo vulgares as sympalhias e o respeito
dos bons Pernambucnos, que nunca rsqueceriio o
homem que consagrou todas as horas dodia e da
note a cuidados e fadigas incalculaveis para por
termo a cssa rcvolta vergonhosa e injuslificavcl
que tem ensangucntalo a nossa mu chara pa-
tria, e quo est quasi aniquilada, mo g/ado os de-
sejos criminosos dos que a promovern), c que, .com
cynismo inexplicavel, asseveram quo os seus com-
parsas n3o foram desbaratados em Cruangy, eaflir-
mam que o Exm. Sr. general Coelho se acba grave-
mente ferido, quando he muis que certo que elle est
lfo s3o como nos no momento em que cscreveinos
estas linhas ...
O dislincto Mineiro no dcsagradou em Pernam-
buco senao a esses degenerados que haslearam a
bandera da anarchia,quo nella envolvern) a cen-
tenares de sous concidados menos expcrienles quo
n3o souberam resistir s suas prfidas insinuages,
e cujas familias ah amaldicoam quotidianamente
aquellos que os arrastraran) ao matadouro, procla-
mando-os com sobrada razflo os nicos causadores
dos males que boje as allligem. Os demais habitan-
tautes desta heroica provincia que um punhado de
tresloucados quer reduzir a miseria, o admiram o
estimam ; ao passo que todos quanlos o frequent-
ram mais de porto, e tiveram occasiito do conhecer
a bondade de seu coracSo, o empenho que punha
em nflo apartar-se da Ici nem mesmo um pice, ape-
zarde governarem circunstancias criticas c extraor-
dinarias, lovam mais ionge os sentimentos de que se
acham animados a seurespeito; queremos dizer,
venoram-no, votam-lhc amizado e dedicac3o.
Bem curta foi, em verdade, a administrado de
S. Exc.; mas toda ella foi um periodo n3o interrom-
pido de provancas, em que por mais de urna vez so
vio ello na penosa necossidado do sacrificar os seus
extremados sentimentos do pbilantropia rigorosa
obrigaeflo em que eslava do fazer respailar a lei, e
dispr as cousas de modo que os perturbadores do
socego publico n3o podessem completar a obra do
dcva.stac.3o que desgraciadamente encelaram, o que
os expor i animadversitoda geranio que ha de vir.
Noentanto que S. Ex. seamargurava de o have-
rom constituido as peniveis circumstancias de cas-
ligar a delinquontes, os vndalos que por scu crimi-
noso procedimcnlo o obrigavam a contrariar dcst'ar-
te assuas mais pronunciadas tendencias, cobriam-
no do baldees o insultos, ameacam-lho pelos jor-
naes a proprla existencia, e pintavam-no qual outro
ero, sdenlo de sango humano; mas elle, com
urna resignadlo propria de quom s lem em vistas a
otilidade publica, supportava ludo sem exarcebar-
se, sem mostrar-se mesmo indignado contra aquel-
les que trio mal o comprehendiam ; e, sem trepidar
ante o risco da preciosa vida, por demais chara es-
posa, aos filhinhos eaos amigos, prosegua na no-
bre missfio do pacificar a provincia quoogoveniu
imperial confiara a seus cuidados, o que certo Uve-
ra rocebido de S. Es. servieps muilo mais impor-
tantes, se alguns degenerados nao tomassem a des-
esperada e criminosa resoluc3o de obriga-lo a vol-
tar toda a sua attencSo para a procura dos meio?
mais asados a aniquilar a revolta que ellos promo-
ver m, e que un la procuran) alentar com embus-
tes 13o grosseiros quanto estupidos, o vergonliosos
para quem qurque os emprega.
Entretanto, mais feliz do que DOS, os .'manilenses
v3o culheros resultados da sua longa pratica admi-
nistrativa; vao v-lo promover os mclhoramcn-
tos moracs emateriacs da provincia em que nasce-
ram ; v3o ter occasi3o do aquilatar per si mes-
mos o mrito do cidadao que mercecu os encomios
do Diario de Penambuco, que, sempre consciencio-
so, i5o os tece sen3o aquelles que dclles se l'azein
dignos.
He tal a f quo temos na maneira como o Exm.
Sr. Ferreira Pcnna se ha de portar na presidencia do
Maranhao; estamos 13o profundamente conven-
cidos de que S. Ex. nada poupar para proporcionar
aessa provincia todos beneficios a q uc ella houver
direlo, que desde j nos congratulamos com os Ma-
ranhenses pelo faci de o irem ter como administra-
dor, o eremos quo a imprensa d'alii n3o poder dei-
xar de acompanhar-nos no juizo que hemos mani-
festado a sou respeito.
Recoba o Exm. Sr. Ferreira Penna este leslemu-
nho do aprogo em que olemos; e queira o CREA-
DOR DE TL'DO prolongar-lbc es dias, para que possa
elle prestar ao paiz serviros ainda mais relevantes do
que esses por que tanto se ha distinguido.
NOTICIAS DO NORTE DO IMPERIO.
O vapor l'aracnte, che gado hoje dos portos do nor-
te, trouxe-nos jornaes doPai at", do Maranhao
al 16, doCear el'arahiba al 23 do correnle, bom
como algumas carias do Rio-Grande-do-Norle.
Nessas provincias reinava profunda paz : o mov.-
mento criminoso que aqui sedesenvolveu, e que,
gratas ao TODO-PODEROSO, est quasi aniquilado
mo grado os embustes dos que o promovern), me-
reca geral reprovac^o em todas ellas.
Assim, pois, os tresloucados que bastearan) a ban-
dera da revolta nesto Pernambuco, bao incorrido
na animadvcrs3o do todo o imperio; o, termidada
a lula fratricida em que comprometieran) alguns de
nossos irmaos monos expedentes, recolher-se-hao
aos seuscovis, atormentados pelo remorso que nun-
ca deixa de aguilhoar a quem qur que commelto
um delicio, ecobertos da maldicao de todos os Bra-
sileros que nao sabem sacrificar sorte do paiz aos
seus mesquinhos inleresses.
J

PERNAMBUCO. Typographia de M. F. de Faria. 1848.
,-.
\.
_AR ENCONTRADO



DAS FORCAS EXPEDICIONARIAS AO IRTE DA PROVIIIA.
Illm. e Exm. Sr. Tenho a honra de
communicar a V.Exc. que afrca do meu
commando obteve hoje o mais completo
triumpho no lugar Mussupinho ( engenho
deste nome), aondc constando-me esta ri2'
nha que seachavam reunidos os revolto-
sos me aprcssei a ataca los.
O inimigo arliava-.se collocado cm po-
sicoes vantajosas; algumas das quaes erain
subranceiras ao meu campo, e alcm disso
estava protegido por guerrilhas entrin-
cbeiradas. Nao obstante, engajei o com-
bate, que foi renhdo e sanguinolento ;
tres horas, porm, depois de haver elle
durado, apossei-me do campo in;rnigo,
desalojando os revoltosos das suas dcfcn-
saveis posices, e levando-os em comple-
ta debandada ate urna vasta distancia do
acampamento.
Apossado do campo, fiz desarmar os pri-
sioneros, e nao continuei a mandar perse-
guir os fugitivos; porque, estando j i ora
de combate o clarim de cavallaria, nao po-
da por este motivo fazer os toques precisos
para que a cavallaria carregasse; porcm
mandei logo em seguimento a i ti lauta ra ,
e os revoltosos correram em completa der-
rota, apresentando-se alguns.
A perda do inimigo foi consideravel:
dezoito morios j fram adiados no cam-
po, e entre estes o capitao Luiz Alva-
res de Olinda, e um teese da guarda
O meu cavallo cabio no campo, ftido
mortalmenle em frente, panado por duas
balas ; tarobem foram feridos os ravallos
do major Joaquim de Pontos Marinho e
do mencionado cpao hocha.
Fiz recolher os feridos ao hospital de
sangue, os quaes fram immediatamente
tratados, bem como enterrados os cada-
veres que se acharam no campo.
Nao havendo naquclle ponto recurso
algiim, por ter o proprietorio do engenho
abandonado sua propriedade, Ievantei o
campo pelas cinco horas da tarde, fuzen-
do conduzir os feridos, os prisioneiros e os
despojos da accao, e vim acampar neste
engenho.
Nao concluirei a presente participado,
cujas circumstancias miudamente levarei
ao conhecimento de V. Exc. em outra op-
portunidade, scmfelicitar-mecom V.Exc,
nao s pelo xito da accao exposta, como
tambem pelo regozijo que me causou o
valor e galhardia coni que as tropas do
meu commando porfa se houveram nes-
le conflicto arriscado ; cujos servcos te-
nho por dererrecommendar benevolen-
cia do governo.
Vou mandar explorar o inimigo para
saLer seainda ousa reunir seus restos fu-
gitivos, afim de os ir bater.
Dos Guarde a V. Exc. Quartel do
commando das frcas em operacBes ao
nacional: urna grande parte de feridos ti- norte da provincia de Pernanibuco, no
veram elles tambem a deplorar, (cando engenho guiar, i4 de novembro de
em nosso poder cincoenta e seis prisionei- 1848, s 10 horas da noite. lllm. e
ro8,e como despojos urna grande porcao de Exm. Sr. Herculano Ferreira Penna, pre-
armamento 4: cartuxame, tres barris de sidente desta provincia. Jos Vicente
plvora, urna corneta e umitas pedras de. de Aniorim Bezerra, coronel graduado,
t_jferil< commandante.
Nossa perda foi menor, pois que te-'
mes s a deplorar a morte de dez bra-1 P0ST-SCR1PTM.
vos e o ferimento mais ou menos gra-'
ve de algn, contando-se neste nu-' Tenho ainda a satsfacao de communicar
mero o benemrito capitao do 4. ba- V. Exc. que restitu liberdade o capi-
talino d artilharia lzidoro Jos da tao de polica Antonio de Albuquerque
Bocha do Brasil, o tenente do 5. ba- Maranhao, e o alferes Antonio Francisco
talh3o de fuzileiros Manoel Amancio de Xavier da Costa, que fram prisioneiros
Almeida, e o i. cadete de cavallaria em Nazareth.
Luiz de Albuquerque Maranhao.
It
Pernamb uco. Na Typograpbia de M. F. d Faria. 184t


DAS FRCAS EXPEDICIONARIAS AO IRTE DA PROVINCIA.
lllm. e Exm. Sr. A villa de Igua-
rass se acha dcsassombrada : os revol-
tosos, depois de iimos honlein tarde,
em uma pequea guerrilha que tinham
avancada no lugar denominado Mari-
cota concentraram suas frcas, e ao
approxitnar-se a columna sb meu cotn-
niando, abandonarama villa, que se acha
quasi deserta e consta que scguiram pa-
ra o Pasmado, passando alguns de-
sertados de suas lucirs noitc passada.
Desejoso de bate-Ios quanto antes, con-
\ tino j minba marcha a encontra-los cm
x suas posicocs at Pasmado, d'onde parti-
ciparei a V. Exc. o occorrido.
Tenhoa maior satisfacao de commu-
nicar a V. Exc. que atropa sb meu
commando se acha enthusiasmada e pos-
suida dos mais ardentes desejos de resta-
belecer a ordem, o que provou hontem
nos vivas que exprimiram quando lhe di-
rig a allocucao qae junta envi a V.Exc.
Tenho a honra de enviar a V. Exc.
o mappa da frca.
Dos Guarde a V. Exc. Quartel do
commando da frca era operacao na villa
de lguarass, n de novembro de 1848,
s 7 horas da manhaa.

lllm. e Exm. Sr. Herculano Ferrei-
ra Penna, presidente da provincia. Jo-
s Vicente de morim Bezerra, coronel
graduado, commandante das frcas.
Quartel do commando da fr-
ca em operacao no engenho
Paulista, 3 0 de novembro
de 1848.
ORDEM DO DA.
Camaradas A anarchia alcou o
eolio e pretende macular esta heroica
provincia JSao o conseguir! O go-
verno tudo confia de vossa lealdade e
bravura. Marchemos sobre a villa de
lguarass a atacar os revoltosos oli reu-
nidos e desaloja-Ios de suas posicocs,
restabelecendo o poder da le.
Viva S. M. o Imperador.
Viva a constituicao poltica do Imperio.
Viva o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia.
Vivao os briosos Pernambucanos sus-
tentculos da ordem.
Jos Vicente de Amorim Bezerra,
Coronel graduado e commandant e.
3MH
Pernambuet. Na Typographia de M. F. de Faria. 1848


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMCR7614B_XYALEL INGEST_TIME 2013-04-12T22:35:17Z PACKAGE AA00011611_06209
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES