Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06204


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1rn'> XXIV.
Quinta-fe ir: 21
di 4fl/0 |Hll>llc-ir toili os diasque n0
i rrm dr guarda: Prev dl 'natura he
''' iinnni r. por quartel, pago adiinludoi. Os
iium-io <"0 aslnaiiles sao Inseridos
*,,,> de 20rs. porllnh, 40 rt. ein typo'dlf-
'f,e\iie. e as repetios pela rnelade. O n;o
'.iiiiuntes pg M Pr Inhae 100 r
iin i) P dlnerenle, Por Cl,da Publiccio.
PIIASES DA LA NO MEZ OE UE/.F.MURO.
Criietnfi 3. *5 horas e 47 inln. da Urde.
iiiif*"'*- 10, s 9 horas e25min.da niauh,
giMoantt,a 17, l 8 hora e53inlu.dainaali.
Itt nov, a 26, ii 2 horai e 3 min. da Urde.
PARTIDA DOS OORREIOS.
Goianna eParablba, ii argi. e sextas-felras.
Rio-O.-do-Norlf, quinta s-feiraa an meio-dia.
Cabo, Scriiihk'iii, UltTl-'armoio, Harto-Caito
e Macelo, no I.', a II e 31 de cada mea.
Garanhuns e Bonilo, a 8 e 23.
Boa-Vina e Flores, a 13 e 38.
Victoria, i quintas-fciras.
Olioda, todoi os-dias.
PREAUR OE HOJK.
Prlmelra, 1 hora e 18 minutos da Urde.
Segunda, a 1 hura e<2 minutos da uianb.
de Dezembro dclW^.
*. MC*.
DAS DA 8E*A>-A.
18 Secunda. Nossa Senhora do O'. Aud. doJ.
do orphios.du J. el, edo J.M.da 2. t.
19 Terca. S. Fausta. Aud. do i. do c. da I.
da 2. y. r do J. de pax do 2. dll del.
2l> Quarla. S. Domingos de Silo. I-criado pa-
raoi negocio farautes ali1 o Un do mes.
21 QitlnU. S. Tirme.
22 Sexta. S. Honorato.
23 Sabbado. S. Serrulo.
24 Domingo. S. Gregorio.
CAMBIOS .NO lil \ 2u DK HKZRMIIRO.
obre Londres a 2.') d. por IfOOOri. a O diu.
Parli
Lisboa 120 por cento de piaanlo.
hlo-de-Jam'iro ao par.
le ir. dr lelt. de boas lirm u al' t mrr
Acflesda comp. de Heberibr. l5fn.w(;.
Ouro.Onc.i hetpanholai .1lun0 a JI/IOU
. Muidas de8/400 17/000 a I7/21HI
. de U/400 n. Ib/200 a Ul/tiK.
. delfOOO... 9/200 a #**>
PralaPalaces brasileiros l/M1 a- '<**'
> Pesos columnarlos. 1/9U0 a 1f>"
. Ditos mexicano..... 1/JOO a 1/920
IARIO DE
frABTEOFFIClAl.
GOVEttNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO MA 19 DE DEZEMBRO.
Offlcio. Ao cominandanlc das armas, partici-
pando ter sido appmvada a lieenca de sois 1ne7.es,
concedida pelo prosidenle da provincia do Rio-Gran-
uV-ilo-Sul ao alferes do quinto halalhfio de cacado-
res, luizGomes F'crleira, para tratar do reslabelo-
,11111 nio ile su sade nesla provincia, percebendo o
competente sold. Scientificou-so o commissa-
rio-psgadof.
Dito. AO mesmo, mandaruto"dar baila do servi-
do ao cali de etquaJra do corpo Tizo do Cear, Jos
Hicardo bravo.
Dito. Ao commandante superior intorino da
guarda dacioiul do 01 inda o Iguarass, approvando
n |iroposl:i qucS. me. enviou para o posto de aire-
ares da priineira conipauhia do primeiro bala Ib fio da
liegio da guarda nacional do municipio le 01 inda,
f no vagara por nao o ler aceitado Joo Possoa Ca-
JJalcante Cesar de Mello.
Oilo. Ao administrador do correio. -- Acabo do
receber o ollicio que Vmc. dirigio-me em data de
boje, participando ha ver sido interceptada na ha
doltamarac porordem do commandante superior
Francisco llonorio Bezcrra de Menczcs, e d'alli re-
neltida aos revoltosos que entilo se achavam na ci-
dade de Goianna, a mala das correspondencias que
por essa reparlicflo se expedio no dia i I do corren-
te para a provincia da l'arahiba e lugares inlermo-
dius; e em resposta lenho a dizer-lhe que, conviudn
evitar que iguacs aconlecjmentos se repilam, deve
Vine, suspendeaa remessa "das malas por trra ein-
quanto nao constar quo ha toda a seguranza no
transito dos estafetas, mandando-as smente pelos
vapores.
Entretanto,'faja Vmc. publicar urna lista da cor-
respondencia assim extraviada para conhecimeuto
dis partes intcresssdaa. Olliciou-se neste sentido
ao presidente da provincia da Parahiba.
Dito. Ao chelo do polica, trausmitlindo as con-
frontaces do diversas pracas quo leom desertado
de bordo dos navios de guerra surtos neste porto, a-
fin deque S. S. d as precisas providencias para se-
ren capturadas. l'arlicipou-se ao coinmaudante
das Torcas navaes.
Dito.Ao inspector d< thesouraria da fazenda
provincial, ordenando mando adiantar ao destaca-
mento da comarca da Ba-Visla cinco mezos do sol-
do cao do Breju tres mozos, ncluindo o de dezem-
bro crrente. Comniunicou-so ao commandante
do corpo de poljcia.
(litio de data de 13 de novembro passado, commu-
nicando haver adiado para o lia 17 do corralo a
cloiclfo da cmara e juizes de paz dosto municipio,
e que se publicassem editaos e so (izessnm parlicipa-
Coes aos juizes do paz.das parochias do municipio.
Que se respondesse ao Exm. prosidenle que assim
so tinhft j cumprido.
Outro, remetiendo, por copia, o aviso imperial de
27 de sotembro ultimo, slvendo duvidas acerca da
lei regulamentar das eleicfjes.Que so aecussasso a
recepc.lo e (zessem as remesiasalo coslume.
Outro, remetiendo umoxeinplar do Diario le Vtr-
namhucon. 261 -de 28 do passado, contondo editaos
publicados pelo concclho de sado publica do reino
de Portugal, nos quacsso declaran! os porlos infec-
cionados pela cholora-morbus epidmica.Que se
participas.se ao cirurgilo da caso.
!tro,rG~.cl!cr.Jo exG.p'.arcs da prcclamc quu
dirigir ao Pernambucanos, para que se Ihe de pu-
biicidade.liilcirada.
Gompareceram os vice-prcsidenles nomeadoslzi-
dro Francisco de Paula Mosquita e Silva e vigario
Venancio llenrique de'Rezende, e .aprescnlamlo as
cartas imperiaes de suas nbineaoOes, Ibes foi deferi-
do o juramento do estylo, depois do quo se retira-
ran!, mandando a cmara eommutnicaristo mesmo
ao'Exm. presidente, e publicar editaos: c levanlou-
se a sessflo. Eu, Joo Jo&i Ferrtira tl'Aguiar, secre-
tario a fiz escrover. W/o Albuqueroue, presidente.
Ctrneiro Slonleiro.tarrot.Mamede. llarata
Rcpartt?ti da'poUcia.
EXTRACTO DIARIO DO DIA 20 DO CBRENTE.
Foram presos :n ordem do Sr. desembargador
el 1 efe de polica, ocalira Joaquim, escravo de Fran-
cisco da Rocha Wanderley, por andar fgido; os
pretos Izidoro da Paixilo e Miguel, esle por andar
(iescompondo o espaocanilo, e aquello por ter assas-
sinado o crioulo Jos Mara dcSaula-ltosn ; a preta
fcltenedicta, escrava do padre Joaquim, por andar
(fgida :do subdelegado do S.-Jos, Vicente d'Oli-
veira Carocha, por ser reo do polica :-do subdele-
gado do Recifo, Manoel da Silya Nunes :do subde-
legado de S.^Antonio, l'elisbino (ornes Ferreira,
soldado do *.' bata I bao do artilliaria a p :do de-
leitado do 2. districlo, Manoel Jeronymo da Costa
Ucliat. Oestes tres ltimos n.lo consta o motivo
Jas prisOes.
O 1. Amanuense,
A frigio Josi da Silva
PEHNAMBUCO.
Cmara municipal do Becife.
1.a SF.SSAO ORDINARIA EM 2 DE DEZEMBRO
OE 1848.
pnESIOtMCU DO SR. REG ALDUQUEhQUE.
Prsenles oa Srs. Carneiro Monteiro, Barros, Ra-
rals e Mumede, abrio-se a sessio, sendo lida*c
pprovada a acU da antecedente.
0 secretario fez a leitura dos seguintes ofiiciosdo
Eim. presidente da provincia :
lm, Iransmittindo os avisos expedidos a esta .c-
mara pola secretaria de estado dos negocios do im-
perio em datas de 2 de outubro e 6 do novombro pas-
sado, communicando haver S. M. o imperador exo-
nerado por decreto de iguacs datas do cargo de vice-
l"<'sidinles desta provincia a Manoel- paulino de
ouvfia Muniz Feij c Francisco Honorio Bezerra de
Uenezes e nomeado para ditos cargos, em 8." lugar
" lenoule-coroiiel Izidro Francisco de Paula Mesqui-
. 'a o Silva, em 3., O vigario Venancio llenrique do
'Rczende, e em *.\ o commendador Francisco do
Carvalho Paes d'Andrade; e prevonindo que a cma-
ra se reuuissc para Ibes defirir juramento.luloira-
u. e que e respondesse.
Outro, convidando a cmr ssislir c c5r',ej'- s
gfande parada de boje.Jnteirada,
Vallenca, Camin o Vianna o no combate de 23
do maio do anno passado contra3 vapores inimigos,
hei por bem ordenar quo a antiguidado do posto do
referido capitlo de mar o guerra seja contado dosdo
o citado dia 23 do maio de 1847 no qual elle prati-
cou os servicos reloventes em virtudo dos quaes.
fai despacho pir rf/i/Vap'O.
O ministro o secretario do estado dosdegocios es-
trangeiros, encarrogado interinamente dos da ma-
rinha e ultramar o tenha assim enlenJido o faga'exe-
cutar. Pago de Cintra 20 de julho do 18*8. Kai-
nhu. Jote Joaquim Gomes de Catiro
Correspondencias
Sr. Reductor. Peco, em abono de minha reputa-
cflo. a publicagao dcstaf linhas.
Tendo por rclicidado vindo as minhas mfos urna
follia ou peridico' intitulado Unido, publicado nes-
sa cidadeem 5 to correte, sb numero 49, nella
depare.em um rclatorio dos movimenlos das "or-
eas da legalidade, dirigido em 26 do mez prximo
passado, de Una, o assignado por um legalista, o
seguinte: Que a frca dos rovoltosos se compu-
iiham, alm de alguns contingentes, de um enviado
de Porto-Calvo pelo delegado, o hachare! Antoitio
Iluarque de Lima, etc., etc., etc. ; o como soja isto
Urna calumnia vil c infame, que s tom por lim pro-
curar macular minha reputaco porante o publico
iiicaulo; por isso desdo j limito-mo a desafiar a qs-
se intitulado legalista, mou gratuito inimigo, n
apresentar ao publico as rasfles e os documentos em
que se funda para assim tilo levianamenlo pensar,
sb pena do passar por um calumniador ; e se por-
ventura tom de mim alguma queixa.pai ticular com-
bata como homem, o no com as armas da intriga
e calumnia como costuma; poique querer involvcr-
mc nos negocios que ora tiveraih lugar em l'ernam-
buco, tendo en a bem merecida coiifianca do Exm.
e digno presidente desta' provincia, e ten.dn geral-
mcnlea meu favor os habitantes dcslc municipio,
lio querer misoravelmento procurar desacreditar ss :
portantoaconsclho-lhequi) soja mais lid nos portes
queder, e no queira desacro.lilar-se, maculando a
reputaco de um empregado leal ao goverun s
leis, e que est promplo a pugnar pela causa da le-
galidade por amor 00 bem publico, e no pelo cgo
interessequo unicamonle movo a osse intrigante le-
galista. Devo declarar mais ao publico que, se esse
legalista entende que pelo simples facto do ter o de-
legado do Porto-Calvo facilitado o transito livre aos
emigrados dc-ambos os partidos que dessa provincia
viiiham, hecoadjuvar. e prestar auxilio, est com-
pletamente engaado; porque nilo fez mais scnfto
cumprir as ordens^por assim Ihe haver ordenado o
Sr. Dr. ebefe de polica desta provincia.
Emquauto aos doiis indgnalos tiesto municipio
he de suppor responderlo, de vendo, nao obstanto,
em abono da vordade, coulessar que he falsa a ideia
adrede propagada de haver eu enviado forcas daqui
para Una.
Villa do Porto-Calvo, 12 do dezembro de 1848.
Antonio Iluarque de Lima.
Sr. Uediclor. O seu correspondente de Lisboa,
tratando da promocao que ltimamente all obto-
vo o capla"o de mar o guerra Francisco Sores
Franco, (tal vez por pouco conhecedor dos Tactos)
parece querer dar a entender que lora antes "devida
a proteceo do governo, do que merecida recompen-
sa de servicos ; o como dealgum modo isto ofTenda
reputacSO daquclle distinctooficiaf, peco a V. S.
o obsequio do transcrover no seu Diario o decreto
que declara a anliguidade da patente; no qual se
ve que o governo portugus nada mss fzera do quo
approvaro parecer do supremo concelho de juslica
militar. Esto tribunal pola iudepen lente |osico
social de seus mombros nfio pode ser lachado de le-
seguido influencias alheias.
Ratificando a verdadedos factos,V. S. muito obse-
quiar Um Poriuguez.
a Conformando-me com o parecer oinittido polo
supremo concelho de justica militar em consulta da-
tada de 14 deste me/.: sobre o requerimento em
que o capilSo de mar e guerra Francisco Soares
Franco podo sor collocado na escala das antiguida-
des dos olliclaes da sua classe, com primazia aos
quo posteriormente a. ello foram despachados, sen-
do mais antigos, visto que a sua promocHo ao posto
em que se acna por decreto de 30 de maio de 1847
foi segundo declara a portara da 8 deste moz pelos
diilinciot tervicot que elle pmtou a favor lo mou
tlirono e da carta constitucional, como cominan-
dar.te er. el'.efe qie fo! da csqa-Ira do bloqacio des
I porlos do norte do reino, na tomada das pratjasdo
Srs. Redactores. Deparei no n. 86 do peridico
Voz do Bratil com um artigo, ou antes urna diatrhe
rfthnladi'' loaultoa ? "ssrBjalnsaa insputc5es, na
qinl so achamsobremaneira offondidis a honra e
probidade do Sr. desembargador Fumino Antonio
de Souza, c dos msis emprogados da socretaria da po-
lica dosta provincia.
Anda que em qualidado de nmanuenso ta tlita
secretaria cu vejo a minha reputadlo marcada pelas
assercOes da Fos ifo lirasil, com ludo talvoz me ros-
so licito n.lo rosponder aos ataques do um peridico,
j de ha muito anathemalisauo por todas as gaze-
tas desta provincia, inclusive o proprio Diario Novo,
e tratado na cmara temporaria de.dS!7>v!caaf> aborto
da imprensa por um Ilustre deputado ( ) qtie o at-
tribuio ao partido quo entilo so acliava na oppo-
sicSo. Entretanto, como existe natural pro^ensOo
em. acreditar o mal, julgo conveniente,.a bem do
meu crdito e da repartidlo qual tenho a honra
de pertencer, responder as accusocOes quo nos toram
irrogadas, e per mais desacreditado que soja o orgio
de quo so serviram os nossos iningos para propa-
lar as suas calumniosas mpulac.>s.
Dous silo os assumptos ile que trata a Vot do Ira-
til no artigo de que lenho de oceupar-me ; insultos
grosseiros aoS. desembargador Firmino Antonio de
Souza, o aecusaces, que, apozar do dirigidas em
apparencia ao mesmo Sr como chele do polica, de-
vem com ludo entender-sc com todos os embrega-
dos da secretaria. .
Quanto ao primeiro tpico, nada diret, porque,
sendo empregado da polica, nilo moconvem apre-
sentar o panegyrico do meu ebefo. e tambom por-
quo a honradez, probidade e patriotismo do Sr. de-
sembargador chefe de polica silo de lodos conbe-
cidos, e lornam desnecessaria qualquer resposla
deslegenero; mas, quanto ao segundo tpico, julgo
do mou dever dar formal c categrico desmentido a
redaccilo da Vo-* do lirasil.
Todss as aecusaces exaradas no n. 86 deste peri-
dico, essas historias do passaperrtes, papeleta, or-
dena de soltura, &c., &c, nao passam de asquerosas
calumnias. Posso afllrmar que desdo o primeiro da
em que nlrei para a reparlicao da policio, n.lo se
exigi de pessoa nlguma um real sequer, alem do
proco marcado pelas'leis o regutameutos, e como a
l'oi do lirasil pretende possuir documentos compro-
batorios das suas acusadles, desali que os aprsen-
le. Se com etreito exslem documentos ou provas
de concusses commellidas pela secroUria da poli-
ca, do corto nflo serlo do lempo quetem servido o
Sr. desembargador Frmino, e so os ha torno a rogar
aos Srs. redacloros da Voz do Brasil que os apre-
sen tem.
Coma publcacilodessaspoucas linhas, summa-
mente Ibes car agradecido o seu constante leitor
Antonio Jote" de Freitas.
P. S. J so nchava concluida a minha correspon-
dencia, quando li no n. 87 da Vos do Brasil* histo-
ria de um In'glez, ao qual, segundo aflirma o mesmo
peridico, fram extorquidos Iftf rs. em pagamento
do um passaporte. S posso responder a essa nova
calumnia, pedindo aos reJactorcs da Vos do Brasil
que lenham ahondado de denunciar do omprogado
que commetteu est< pruvaricacilo, e provara sua as-
scrQilo perante a auloridado competente na forma
da lei; sendo que sobre mim recaia a rcspousabili-
dade, estou prompto e bem resignado a soffrerqual-
quer pena que me fr imposta.
I>u))licac,oesi pedido.
Illm. Sr......
Vim vi repeliere omniajura,
omnesque leges permiltunt.
Tendo no da 19 do correntc dezembro sido indig-
namente tratado por V. S. dentro da reparticilo
quo perloncemos, eu como subalterno, o V. S. como
chefe da contadpria, foi-me possivel respeitar essa
occasiao solemne pelo lugar e pela presenca to
Illm. Sr, iuspeelor, bem como pelas dos meus dig-
nos collegas, nilo respouden.lo a V. S. com a mosma
imprudencia com que sodignou provoear-me, des-
rcspeilando, de modo smenle usado por V. S., nao
s aquella reparticilo como a sua mosma dignidade ;
pois que, insullamlo-me, e mandando por maneira
doscomiiiiiiial que me rolirasso de sua presenca, ter-
se-hi exposto a una repulsa aconselhada pelo tilo
natural (e jurdico) principio Vim vi repeliere
se essa provocacao, imperdoavel a idatle to V. S. ,
se houvesso dirigido a qualquer homem coja sensi-
bilidade (igual a quo me deu a natureza) livesse sido
menos modi tienda pela ducacilo do que a minha o
foi, e pola dado, pois tenho 27 anuos, pouco menos
de um terco da de V S. Entretanto, corno soi que su
a presunrpcilo quo V. S. tom de poder moer e mi."i-
crar os seus subalternos o podera habituar a dar-
Ibes tilo injurioso tralamenln; comosci quo,so con-
fiando nodesprezo ilossis bravatas, ousaria. tinto
como tom ousido, tmlar a pas do familias, seus cur-
vos, como se meninos, ou seusescravos fossoni, abi>
sando todos osdias da pacienri 1 que aesses yares
aconselha o bem-ostnr do suas prezatlas familias ; o
comosei linalmenteque a meu respailo tom V S. a
penosa apprehensfo de que discord de seus pl mos
polticos, exerceudo a independencia dos meus ra-
ciocinios, sendo isto justamente o que mais* 11-
commoda no invern da existencia, que anda nao
pode modificar a sua irascibildade ; cumpre-me, por
amor da dignidade que todos os bnmens senltii-
.uem dirieira V. S. *ta esaff'ont, possuido pelo
mil acerbo sentimcnlo de ler sido injuriado por V
S. aquem Unho prodigalisado os miis rospeitosos
tratamenlos. V. S. eos" quo lestcm inharam aoiTon-
sa a mim dirigida nilo carecem da publicar,.!!) do
meu nomo. Se mofosse possivel, t'vora omiitido ><
rrcumstancias, que, sem eu o nomoar, diliuia 1
V. S. Pcrnambuco, 21 do dezembro da 1818.
r.
Proclamara' que, por occasiao demveharo 1. bata-
llido de cacadorel de linhn, dirigi aos soldados o ma-
jor commandante Joaquim Rodrigues Cr.elho Kellg.
Soldados.' Urna portjMo de homons Iludidos, sem
f, e quo so deixam arrastar pelo nteresse, lenta
hojo aniquilar esta bella provincia ; c para isso. cor-
rendo 3S armas, planeja contra o goveruo o mai
autoridades legilimamento constituidas Um jura-
mento sagrado nos liga : o he lempo de quo, .paton-
tcamlo nossa adlicsilo e afinco ao augusto monareha
brasileiro, exponhamos nossis villas, para que 1
todo o cusise maplenham a tranquillidade publica
o as leis. Vossa coragem foi j experimentada nos
campos do Rio-Grainle-do-Sul; o eu me persuado
do que em cada um do vos tom o governo um bra-
vo defensor, um soldado valcnte, que nao sabe rc-
cuaraomaior dos perigos. Nossos irmllos d'armas
ha mais lempo partilbam das fadigas que lem oll'ere-
cido eslarevolta desdo sou comeco ; sua fioule con-
tinuamente vivo cercada do louros, porque, alem
de seu denodo e valor, a causa que defendemos he
(oda justa, loJa sagrada. Tocou-nns hojo marchar 11
ajuda-los ( missilo osla para que viomos da provin-
cia da Babia ) e anhelemos tolos, quo soja o l.'na-
talho de cacadores de lini do exercito i tos
que ensinea essos homens sdenlos do um sangue
fraternal a veroda do arropendimenlo : sim, solda-
dos, eu confio em vos, e estou certoquoem vossos
coraces arde o desejo ik! vos verdes frente fren-
te dessa horda de revoltosos; mrmenle leudo por
chefe um ganara! tilo dislincto e valento como he o
IIOSSO actual commandanti) das armas. Esquocei as
fadigas e o peso actual do servico : enlrega-vos lo-
dos defesa da legalidade, o aps vossos traballios
tereisa recompensa que um governo justo saliera
dar-vos. Fecha i vossos ouvidos s vozes tlesscs lon-
cos que buscam enganar-vos, o mostrai por acees
valenlese dignas tic renome, quo o soldado brioso
morro empunhando a arma em defesa do monareha,
do tlirono e das autoridades por aquello escolhldas:
o quo a legenda que Irazeis em vossos nobres pe-
tos he verter ultima gota de sanguo em favor do
governo
Soldados .'
Viva S. M. I. o Senhor I). Podro II!
Viva a constituiQilo do imperio !
Viva Exm. presidente da provincia.
Viva o I-'.kiii. general commandante das armas.
Vivam os bravos defensores do governo imperial.
Quartel, em 13 do dezembro de 1818.
. Joaquim Rodrigues Coelho Kelly.
Major commandande interino.
I (*^Foi o Sr. desembargador Joaquim Nunes Ma-
jdiuo, quauu t;..tfu dua ac.outccimentosue p e
I 27 do junliu.
Improviso pronunciado pelo ajudanle do corpo policial,
unoel Porfirio de Castro Araujo, na occasiao de
dar-te sepultura o cadver de seu icmprr chorado
amigo e companheiro, o alferes do 5. batalhao de fu-
silheiros Joaquim Jos Gomes de Meiit-et, mi capella
do Monteiro, aiide dezembro de 1848.
Eis o quo he a vida, oh mortaes incautos.....
tremei, e parai nessa carreira de desvarios.... Esse
lu I lio da vida que tanto vos encanta, be como o
curso veloz do meteoro que, desprendendo de sua
regia o elevada, aponas claroia, e n'uin volver do
pousamento desapparece uesso inundo do trevas..'..
Decreto ncomprehonsivcl do Dos Nilo se pode
contemplar esse lutuoso quadro da natureza, sem
que o homem desapercebido sinta revolver a cole-
ra que circula occulla a paz de nossos coraces, mo
vel de tlr, do sensibilidade?, e mesmo de pra/er...
Equom poderia, companbeiros, acreditar nessa lei
santa, nessos dogmas da religiOo, nesso imposto a
a que se curva com a mais profunda humillaban toda
a crealura educada no mundo chrstlo, visla do
quo presenciis, so nao fsse o secreto instincto
que nos legaram nossos pais f... Meu fieos... Esse
esquife..., esses trofeos denegridos..., esse lulo.. ,
esse pranto as lucirs..., esse espectculo doloroso
que conpungo a todo ente de rasilo,.., esse sangue...,
esseesdavor, emlim, gelado peorioda niorte...
Aii; i eu nao posso pronunciar... minha voz se lo
llie... um esfrcp.i. ouvi.



'!
!
ir
LADO
^._
->i


K



BM roipo inanimado he diqiicllr que linda h
ponen vuto* correr presuroso 10 combate, dcnoda-
i, mire|n.lo e raimo, rom a rnrigem que Ihe era
prooria, i vanear Mire o bando inmigo, com a es-
pada oin |iunlin, rallaiir ana mu aoldadoa; leu
;,Iv" er" a Iriiirhein, rurria a vento... c o primero
lirn vomitado .'aquello inferno llic acera aobre o
rosto levantado o airoso; e qual outro Kapoleo,
pita no ultimo lampejo da vidaSoldado... fron-
l.., e caho deafallccido.... A victoria acompanlia
nossai coliorti-s, o o cadver do alfere Joaquim
Jos Comes di; Menezes cobre a re Iva ondo paisa o
tropel dos vencedores, fumaradas, contcmplai um
bravo lilho de Marte, um esposo ausente de sua
Chara metade, um pai fra de seus queridos seto fi-
mos, que a esta hora suspiran) pela paternal pre-
wnca, do um amigo para semprc chorado do scus
amigos, e do lodoa aquellos que s .Peni apreciar ns
qualidadea exccllenles de um hoinem sen. ornis
Uve deaar... (amaradas, urna lagrima de dor e
saudade humedeca scu fretro. Coinpanheiros,
pura maii pcnelrar em vossos pcitos n veracidado
ueita mlnlia lacnica e cordial exposieo, ocresecn-
larei que o a I foros Menezes nascou em 1814 : educa-
do e.iin toda a moral, seinprc cresceu vicoso debai-
xo do tacto paternal, como lilho exemplar, aloque,
impellido pelo amor da patria que j pululava em
sen seio, alistou-se no exordio em 1828 Soube
bom comprebcinlor o arduo lugar do soldado -su-
bordinado em extremo, zclozo no servico, [inme-
diatamente captou a estima ecoulian^a de seus che-
les. Seus servicos valiosos cslo esculpidos lias cnni-
pmas do Bio-Crande-do-Sul : em Saiita-Calharina
commandou a polica, iucor|>orundo-sc depois ao
.'>." hatalhilo de fuzilciros para o qual lora despacha-
do, acompanhando-o por varias provincias do im-
perio, prestando sempr relevantes servicos, at
quo ehegou a esta provincia, deixando aua esposa
isoladacm Santa-Catharina entregue -dr da au-
sencia na tutela de seus (ilhos, que boje, oh cos,
so tornara Di miseros orphos .'... Em Mussupinho,
em Marcola, em cojos ataques se achou, nada dei-
xou a ilesejar ; semprc salisfeito e sobranecirocom
as pi vacuos da campanha a que eslava habituado,
sua ar.lentc conviceo era tor occssiflo de coadjuvar
ao governo na dissolucilo da anarchia, quand nal
breuhai do Geiuc, cummandapdo os baieJores da
vanguarda em logo, no galgar o poni forte do ini-
migo, cheiO de vida, calor, cabe ferido, c a pos um
instante esl nioilo !.'... Amigo ccompanheiro Me-
nezes, perecate coberlo de gloria. O Dos dos
exercitoi esclarecer ao governo sobre a sorlc de
la infeliz consorte, teus sele lilhos hcaro seus tu-
telados, o a patria soberana, em premio do teus
bous servicos, enxugara o pranlo da viuva ; dar a
nio nos pobres orphos, que saberiio mu da cum-
meinorar coi honra o uonie jamis olvidado de sou
pai.
Carneradas, despertai desse letargo de dr o sen-
timenlo... deapedi-voi de nosso amigo o alfores .Me-
nezes, elle va i-so occultai para sempre de nossa
preseuca...," abafa! o gemido..., um adeos..., una
lagrima sobre o sou tmulo... Ab eoiugal o pran-
lo, egravai cm vussas luinbrancaa o nomo de nosso
conipanneiro d'armas, Va mansito celeste Ihe
desuado dislincto lugar.
3 eiixn livros imprruoi; i Miguel Jos Alvei.
13 barril izeile doce H cauaitrai ceblas, C dilai
batatas 6 barrica cevada ; Jo3o Antonio (arpi-
le iro d MI va.
I Mili livroi, 2 dilaiquadrm t dita com I na-
vio de malln, a pertenec; a JusMirquei da Coila
Soarcs.
* pipue 20 harria viudo I.raneo, 4 pipil vina-
gro ; a Manoel Caetano Partir MeiiUanba.
I barril cbouricoi; Miuool do Niicimonlo l'o-
reira.
lo barril azeite doce S caixai toucinho ; a Joi-
quim francisco Torres.
5 barricascarvfio animal; a Miguel Joaquim da
Coat.
1 birril viubo tinto ; a Fernando Antonio Fidi.
10 pipas viubo linio inditas vinagre, 10 barris
azeite doce, tu barris chonricos ; a Jos da Cruz Nu-
iles Chaves.
I caixote livros; a Marcos Antonio Itodiigucs de
Souza.
14 barris vinbo linio, C ditos dito.branco, 4
fardos capachos, 1 caixoloconservas, 1 barril vina-
gro ; a Augusto Cezar de Abreu.
40 barris bacalhio; a Francisco Comes do Oliveira.
Ludy-Falklund, bngue iogiez, viudo de Arichat, en-
trado nesle inez consignado a Me. Calmont & C.
manifeslou o seguiito :
2,127 barucas o 23 meias dilas bacalbo ; aos con-
singalarios.
CONSULADO GKRAL.
BENDJME.NTObO DA 20.
......................2:699,174
provincias............... 285,278
Cera I .
Diversas
2:984,452
CONSULADO PROVINCIAL.
BE!\ DEMENTO DO DA 20.......... 2:838,671
seja
inj mmmma.
ALl'ANDEGA.
RENDIMENTO DO DA 20.......... 9:197,053
Descarregam hoje, 21 de de sembr.
llarca Jone-Broten lingoados de ferro.
Hrigue -.ewis farinba e bolacbinha.
barca Zampa farinba, passas o amondons.
barca Jules farinha.
Itarca Tejo vinbo, vinagro e azeite.
Hrigue Eugenle meroadorias.
Brigue Conteirao-de-Maria -- id"cin.
liriguo San-Mahotl-I dem.
IMPORTA-CAO'.
Tejo barca pnrtugiioza vind 'do Lisboa entra-
da nesle miz consignada a Oliveira Irinos & C,
manifeslou o segundo :
1 caixote drogas; a Virialo de Carvalho Tavarcs.
100 mullios ceblas, 5 caixas cera amarclla, 100
barricassenieas, 10 pipas vinagre linio, 12 barris
presuntos r> ditos azeite doce uiO incoretis azei-
lonas 10 barris cl.ouric.os 10 ii i tos ameudoas 1.
vacca e I cria ; n Sil ve rio Manoel dos liis.
5 balaspapel a I maco, 80 pipas, 30 meias ditas c
33 barril vinagre linio 4 caixas marmelada,, 3 Iwr-
ris oleo de lioliac,! 60 pipas vinho tinto 30. barris
DZcile doce 30ditos ehouricos, 8 pipas e 110 barris
viuho branco 40 liareis mauteiga .:;n ditos grao do
bico 50 ditos ceva.la 50 cauaslras ceblas, 50 bar-
ricas familia ile trigo 50 canastras batatas, 49sac-
cas feijilo, 200 caixas figos, 1 caixolo livros im-
preisos ; a Oliveira Irmos & C.
6 eaixas rap 1 caixote fruclas o marmelada a
Joo Jos de Carvalho Moraes.
6 pipas vinagre linio 10 barricas amendoas, 2
saccas cominbos 1 caixote marmelada 25 barris
vinbo tinto; a M. Joaquim liamos c Silva
20 barricas cera em grunie. 1 barril azeite doce ;
a Jos l'crcira da Cucha.
2 pedras do cantara t caixote chocolate 2 bar-
ris vinbo tinto ; a Jos Conculves da Fonle.
2 caixas goa das Caldas ; a Jos Antuiics Cuima-
riies.
8 voliimcs drogas, 1 barril linlincn, 1 dito ocre, 1
dito alvaia.le 1 dilo oleo de iinhaca; a Joaquim
Ignacio Kiiieno Jnior.
1 ca xa livros iinpressos; a Francisco Scveriano
liabello&Filho.
3 caixoles drogas 1 pacote peneiras do soda ; a
Vicente Jos de lrito.
1 barril cera 4 volumes drogas; a Jos liarla
Cnneal ves llamos.
1 caixa chapeos nvernjzados ; a Fernando Fran-
cisco, 4
i caixa marmelada ; a Jos Joaquim Pereira.
1 barril ocre, 1 dito alvaiade, 2 ditos oleo de li-
ilni.a, t dito azeite doce 1 dito vinho branco, 2
caixolese 2 barricas cera 1 caixa man I bula pi-
pe! 29 volumes com diversas drogas ; a Jos da bo-
cha l'aranhos.
1 caixa marmelada ; a Jacintho Antonio Alfonso.
80 barricas cal de pedra ; a Domingos Alves Ma-
theus.
94 barris cal; a F.lias Ignacio do-Olivein.
20 palices brasiloiros ; a Manoel de Caldas Bar-
leto. '
Movmcn(o do Por lo.
Navios entradot no da 20,
Cafla ( na Suecia ) ; 70 dias, escuna sueca Frederico,
de 90 toneladas, capil.loM. I!. Ilalim, equipagem
7, carga fazendas, taboado, vergame o mais gene-
ros dopaiz; a ordem.
Phihidelphia ; 35 dias, brigue americano Brandy-
Wint, de 207 toneladas, capiflo Lula P. Cassen,
equipagem 10, carga farinba o mais gneros do
paiz ; a Matheus Austain & Companhia.
Naviot tahidot no meimo da.
Caiinore ;'nriguo-escuna americano Kile, capitiio
Silla Crahain, carga assucar e qouros. I'assagei-
ro, Joo Albcito Machado .
Itueiios-Ayros ; brigue dinamarqus Milita, capitiu
B. Moller,'carga assuear e ago'ardcnte.
Liverpool por Parahiba ; brigue inglez Randolph,
capillo Campbell, carga assucar o bacalbo.
Bio-da-Prata ; brigue diuamarquez JoAo/ma, capi-
13o E. P. Blaussen, carga assucar e ago'ardonte.
Araraly : hiato braaileiro Flor-tlo-Hecife, capitflo Jo-
s Cuilherme dos Itcis, carga varios gneros. I'as-
sogeiros, Jos llenrique de Almeida, Francisco
Carneiro Monteiro, Joilo Congalves Valenle, Anto-
nio Jps da Silva, Brasiloiros.
OIMTAL.
--Olllm.Sr. inspector da tbesouraria da fazenda
provincial, cm virtude do resoluco do tribunal ad-
ininislrativo, manda fazer publico quo ein cumpri-
mento da lei, peanle o mcs.no tribunal, vai nova-
menle a pra?a no dia 22 do crrente, os imposlos se-
guintc:
2,500 rs. por ral era do gado vacciui) quo filr con-
sumido nos municipios abaixo declarados.
Olinda,avahado novameule por aunociii 3:500,000
Po-d'.Mbo, dito dito : 4JM0.000
Nazarelh, dito dito 5:500,000
Santo-Anio, d ilo dito 6.000,000
Serinhem, dito dito 550,000
E nos municipios scguinlcs, nosquaes so pagan)
aquellos que talharem carno para negocio, eos cria-
dores o diziiuo.
(rejo, avalia.lo annualmenlo por
Cimbres, dilo dito .
Flores e Floresta, avaliado novameule por
annoem
20 porccnlo do consumo da ago'ardcn-
te n i municipio do Iguarass, avaliado
anuualinenle por
E |iara constar se mandou aflixar o prsenle e'nu-
blicar pelos Diarios.
Secretaria da lliesouraria da fazenda provincial de
Pernambuco, 15 de dezembro de 18*8.
O segundo escriturario,
Antonio Ferreira da Annunciafa'o.
dio no dii II do correnle para a da provincia da Pa-
nhihi elugare intermedio! pelo estafeta os Mar-
tini, fui iuleiceplidi ni lili* do llimanca por or-
dem do comman 'inte tuperior Francisco Honorio
Be/erri de Menezes, e dilli remellida com o referido
estafeta os revoltoso* quo enlflo learbavim ni ci-
liado do Coianna, couttinle di rclicflo abaixo tnni-
cripti; pelo uno Tica de ordem do Exm. Sr. presiden-
te suspensa lomonlo a coiiiinunicaQ.ii, terrestre en-
tre esta provincia o as limilropbei di Parahiba e
Itio-Grande-do-Norlc, al quo dcuppareciin os in-
convenientes que on te dflo. Adm nislncflo do cr-
relo de Pernambuco, 19 de dezembru de 1848.
O administrador*
Bruno Antonio dt Serpa Brandas.
RELACO da corrtsponitncia official expedida pelo cor-
rtio geral delta provincia em 11 d: dezem-
'brodi 1848 pura o da cid me da Parahiba
i Coianna, villa dIguarass e mais lugares
abaixo, pelo pedestre Jos Marlins, a qual
foi interceptada ng engenho de San-Joo da
llha de Itamarac pelos revoltosos. .
I ofhcio do administrador docorreio desla, ao the-
sourciro provincial da Parahibi.
1 me'smo dilo dita, ao administrador do
correio da Parahiba.
1 Exm. Sur. presidente desta, cmara
municipal (com urgencia) de Coianna.
1 >' mesmo dilo,dita, aojuiz dedireilode
Coianna.
1 o > mesmo dito dita, aojuiz municipal do
Coianna.
mesmo dilo dita, cmara municipal
de Coianna.
seoretario do dilo dita, dila dita.
mesmo |ito dita, aojuiz docrimede
Coianna.
chele de polica dita, ao delegado de
Coianna.
1 inspector da tbesouraria provincial des-
ta, ao colleclor das diversas rendas de
Coianna.
2, mesmo dito dita dila, aos juizes do ti-
mo e municipal Je Coianna.
Autos crimes do-escfivSo Joaquim Jote Ferreira de
Carvalho, aojuiz do crime do,Coianna, cm que foi
leo Manuel Alves dos Santos.
1 ullicio do cbofedo polica desta, ao delegado de
l'edras-de-Fogo.
2 n Exm.. Sur. presidente dila, ao juiz do
, paz de I aquara .
1 ii mesmo dito dila, ao juiz do paz de
llamb. ,
I chelo de polica dito, ao subdelegado
de i tamb.
I Exm. Sr. presidente dita, cmara mu-
nicipal (com urgencia) de Iguarass.
I mesmo dito dita, ao juiz municipal de
guarsss. *
I mesmo dito dita, cunara municipal
dedilo.
secretario do dilo dita, cmara mu
nicipal de dito.
chele de polica dita, ao delegado de
dito.
, inspector da fazenda provincial dita,
ao colleclor das diversas rendas de
dito.
mesmo ditodita dita, aojuiz municipal
dedilo.
lUtltltn lio ItECIFE.
Cbafirzri di rila do llrum--termo medio
di arrecidacflo no ultimo se-
niestripor me/
ti ra da Cruz
do Forte-do-Mattoi
da Concelco
BAIBIIO DE S.-AN'TOMO.
*
Chafarizos do.Passeio
do Panizo
da ra do Sol
do Carino
da lli'icia
da ra Imperial
BAinitODA BOA-VISTA.
Cbafar/es di Solodadc
da l'i ac
Oda caixa e ra da Aurora por
ndministracflo
500.
00,
850.000
300,000
1:450,000
130,000
500,000
350,000
800,000
60,000
200,001)
S.'84u,00
30,000
300,000
330,000
Avisos martimos.
BELACAO da correspondencia particular que leve a
mema sorte da official.
Nomts,
SELLADAS COMPETF.TEMBNTE.
C. i. eeu
1:600,000
800,000
3:000,000
200,000
Declara^e^
CONSULADO BltlTANNICO EM PEBNAMItlJCO.
Faz-so saber aos subditos britannicos, residentes
em Pernambuco, que no dia sexla-feira, 29 do cor-
rete mez, pelo meio-ilia, lea lugar no consulado
brilannico, ra do Trapiche, o ajiintamenlo dos
subscriptores habilitados para os filis designados no
acto geo: 4. cap. 87. Consulado brilannico, aos
18 do dezembro de 1848.
R. Augustus Cowptr,
Cnsul.
O escrivio interino da i.' sccqAo do consulado
provincial faz-publico, do ordem do Sr- administra-
dor do mesmo consulado, quo no d..i 23 do corren-
Pe, a 1 hora da larde, se lio de arrematar oin praca
porla desta repartieo 20 barricas com assucar
retinado, conlendo73 arrobas o 2G libras, avaluadas]
cm 188#9G0 rs, e appronhei'ilidas pelo escrivo do so-
I.re.lilo consulado : sendo a arremataeo lvre de
despezas ao arrcinatunto. Mesa do consulado pro-
vincial, 18 de dezembro de 1848. ..
Antonio Lopes da Silveira Jnior i
Manuel Araujo c Mello 1
Trindade Antones Meira t 1
Vicente de Magalhes 1
Braz Ferreira Maciel l'inheiro 1
Caetano Alvos do Souza Filgueira 1
Friincisco deA-sis Carneiro 1
Alves de Souza Carvalho 1
a Joo flodrigues Chavos 1
Miguel Arcbanjo Jnior 1
Manoel Carneiro da Cunlm 1
Concalvcs & Bernardiuo 1
Joaquim da Cosa Itibciro 1
Joo de Faria 1
llenrique 1
a Menezes 1
Bodrigucs da Cunha 1
da Silva Coelho 1
Joanna Francisca do Sacramento 1
Joo Jos deMedciros 1
Jes Alanazio l'inheiro 2
Concalves Modeiros Furtado 1 1
Prazeres Bocha 1
Joaquim Franco 1
Luiz Pereira Lima 1
ltodrigues da Costa 1
de Santa Julia Botelho 1
Kareu Krenn
dara Marroquina Jess N. 1
. 22 9
COR K LIO.
Para conhecmento das parles ulervssadas o del
quein mais eonvier, faz-so publico que a mala das)
correspondencias que por esta repartidlo sonTue-l
Correio de l'crnaii buco, 19 de dezembro de 1848.
Domingos dos Passos Miranda.
(illiria! papelista.
r*A /%. r%p.
BBBBBniBBb.
A admnistracao'da companhia de Bcberjbo con-
trata a Venda d'agoa nos cbafarizes de cada um dos
bairros desta cidade, por lempo de um ann, a pa-
gamentos niensiies, e eoni quem mais der sobre os
precos abaixo declarados. Os pretendentcs liajam de
comparecoiiioescriplorio da companhia no dia 22 do
correla pelas 10 horas da manhSa, munidos deau-
torisicflo dos seus liadores, e all Ibes seio apresen-
ladai.as maiscondi(0esdo contrato.
Es'criplorio da companhia, em sessSo de 13 de
dezembro de 1848.
O Secretario,
-- Para o Itio-de-Janeiro segu viagem, com bre-
vidade o brigue Assombro, forrado de cobre de
pnmeira marcha ; deixou de sabir no dia 15 por'iin-
convenicntes : quem quizer carregar, ouirltepac
sagem.-para o que tem ricos commodos diihW -
ra da Cadcia do Becife, n. 61, a fallar cora Joflo Jos
Fernandes MagalhScs.
_. Para o Bio-de-Janeiro sahe, com a maior bre-
Vidado possivel, o briguo nacional Ligeiro pan car-
ga, passageiros e escTivos i frote, trata-so com Ma-
noel Joaquim Soare, na loja de ferragens ao p do
arco da Conceico ou com Novies & Companhii na
rui do Trnpic'h', n. 31. '
Para a Baha segu viagem com muta b'revld.
de o bom conherido hiato Exalaco, por ter parle da
carga prompla; qniefli no mesmo qnizer carregar ou
ir de passagem, dirija-sc a ruada Cadcia do llece
loja do ferragens, junto ao arco da Conceico. ''
EaraoAracaty sal ir com brevidade o hiato
Novo-Oltnda, por ter jar tratada parte do sou carrega-
mento : quem nello anda quizer cirregar, ou ir do
passagem. se entender com o mostr do mesmo
Antonio Jos Vianna, ou na ra da Cadeia-Velln'
n. 17. segundo andar;
l'ara Lisboa partir, com a maior brevidade poi-
sivel. o hiato porluguez Especulador fabricado re-
ecutemente; tem parlo de sou carregamento promp-
ta laliando-lhe cerca de 8,000 arrobas : quem nello
quizer carregar a rete, dirija-se ao consignatario
Firmino J T. da llosa ira fu do Trapiche, r.. 44.
Para o lo-de-Janoiro seeue.com brevidade,
o brigue S.-Manoel-Augusto, capito Manoel Si infles;
recebe carga a irele passageiros e esernvos : quem
pretender carregar .ou embarcar, falle como dilo
capitiio na praca, ou com Manoel Ignacio de Oli-
veira na praca do Commercio, n. e.
A barca nacional Tmta.tiva-FU* segu pan o
Bio-dc-Janeiro com muta brevidade, por ter gran-
de parto de sen carregamento prompla : para o res-
to o passageiros para O que oflcrece os mais ricos o
assoiados commodes, assim como para escravos,
trata-so na ra da Moda n. II, com Silva & Grillo.
-- Para o Rio-de-Janeiro segu, com brevidade, o-
brigue-escuna nacional Olindh: tem parle de sua
carga engajada para o resto, passageiros e escra-
vos a frele, trata-so com Machado & l'inheiro, na ra
da Cadeia do Becife, n. 37.
Para o llio-Crande-do-Sul seguir breve o pa-
tacho l)ous-de-Marco, o qual anda pode [receber al-
giTia carga o escravos a frote : quem jio mesmo quh
zer carregar ou embarcar escravos, entenda-so com
os consignatarios, Amorim IrinSos, ra da Cadeia,
n. 39.
Leudes.
Lelflo qoe fiz J. J. Tasso Jnior, por conta dos
Sis. Iiidgway Jumison 5cc. Companhia, de 52 barris
conl manleiga nglezn, quo se vendero pelo melhor
em consequoncia do-mo acondiciommento dos
barris, em'lotes a vonlado dos'compradorcs : boje,
21 do coi rente, as 10 horas di inanha, na porta da
alfandega. '
Cbristopbcrs & Donaldson,tendo de liquidar
certas cenias, faino lelffo, por intervengan do cor-
relor Oliveira, do sen.deposito ;de preciosos e bom
conhecidos vinbos de climpanha, excellento Ma-
deira, Porto, Xerez, Clarete, ago'ardente do Frang
branca e escura o licor do cerejas, tanto engar-
rafados como alguns dos vinbos em barris,
em loles grandes ou pequeos ventado -dos pre-
leiii lentes : qtiinla-feira 28do coi rento, s.10 horas
da nianba, no seu armazem, ra do Trapiche-Novo.
i
Avisos diversos.
Precisa -se de um Porluguez.com prefeiencii
a filhodas Ibas, que saiba plantar fruleins ver-
durase flores pan tomar conta de um litio no lu-
gar do Bemedio, c nelle trabalbar e fazer o mais ser-
vico que o dono determinar pagando-se-lhe men-
sa I mente 12,000 rs. comendo a sua .custa : na rui
do Crespo, n. 14, terceiro andar, das 6 s 8 horis
da man lia e das 2 s 4 da tarde para fazer o ajus-
te', o qual nao ser cfTciluado seno a vista de do-
cunieii los que abone a sua conducta
*- Na padaria e paslelaria franceza do Aterro-da-
Boa-Vista, n.50, onde se fabrica o novo everdadei-
ro pSo de Provcnca, tilo conhecido o apreciado, aca-
ba do receber-so pelo navio Julia, chegado recenle-
inento da Franca, um completo o rico sorlimento de
confeitos o ameudoas cuberas, de differcnlcs quali-
dades, doces com traques muito pioprios para en-
treleiiimcntos de sorlcs, paslilbas; assim como a
mais superior ngoa de flor de larauja o ago'ardente
d Iranca da | rimeira qualidado ; lambem frain
recobidas mui ricas hcelas de dillereules goslos
para presentes de confeitos, ameudoas e outros do-
ces, e ludo se vendo pelo proco m.us commodo e n-
aoavel; prego por que igualmente se promp^ilicain
encomniendas de doces lipos," c bandejas de bolos i
delicados para cha, bailes e soars.
Precisa-ae alugar dous prctospara o servico in-
terior de urna casa eslrengeira: na ra Velha, n. 78.
Piecisi-se fallar aosSrs. Marlinboda Silva Cos-
ta ou Marinbo da silva Costa Jnior : na ra lar-
I ga do nozario n. o.
V
MUTIL


I
Gicilia Roza <]a Cosa de
clara aue, leudo Fallecido seu ma
nido, Joaquim Jos Lourenco da
/Cosla, e tendo deixado tres filhos
de ligitimas nupcias coni a an>
ntiiicianle, n;lo tem ella de fazei
inventario, porque nao lia no sen
casal outros bens olm dos tjue o
sen fallecido to, Joaquim Jos
Lourenco Curtoxo, em di'-posicao
testamentaria deixou para os le*
gimos illios da annunciante, e
em uso fructo smente a esta.
Perdeu-so, nudia 18 do corrente, una loltra de
quinheniosmii ruis sacada na villa do Rio-Formoso,
,.m 2 de maio de 1848, a favor de Bento Jos da Cos-
ta e acoila peloSr. Pedro Ignacio Wandorley, Icndo
a as coslas'o nomedo ditoBenlo Josda Costa: o
como ja seMctha feilo aviso ao aceitante para nilo
pagar senil a favor do quom olla foi, sacada, por
sso roga-e a quem a ocliou o favor de entregar em
casa da viuva Costa & Fiflios, na ra da Cadeia do
necife que (carao obrigados, ou rccompensaruo
cjsooexijam.
Nanoile do da .19 para 20 lo corrente rouba-
ram, da venda sila n largo do Terco n. 2. o seguin-
te: unta carleira de louro nova, constando de varias
ohras deouroe papis do circunstancia, assim como
un relogiv'com oaixa de prata c com a corda parti-
da, sendo o mesmo francez ; um alfineto de ouro do
senhora com tres diamantes; unta medalha de ouro
comaiirma de M. F. 8. ; um a miel com tres dia-
mantes ; 69,000 rs. em dinheiro ; m bah deasola,
ovaiidi ucuiio i>u|i;tr., Uili haiiiuinu cun um Ulna
carleira de algibeia, com 17,000 rs. em cdulas o 17
palaces, seis cruzados novos, seis modas do prat
de duas patacas, 20,320 om patacas e unas patacas
le prata', um cordflo fino com tres oitavas, um alfi-
nte de urna cobrinha com um diamanto grande, um
lito de aljfar, dous bolOes de bertura com oilava
o mcia de ouro, um par de brincos de ouro corla-
do, um par de livelas, um Iranrclim do prata, urna
manta branca de senhora com flores, covado p meio
de panno fipo, urna jaqueta de panno fino nova, urna,
calca ile panno lino azul, una dita de brim transa-
do de linhoe diversas pecas de trafico, nove quei-
jo^e, tres' caixOes de doce : pede-se a todas as auto-
ridades policiaes e pessoas do povo a-quom fr of-
ferecido qualquer desloa objectos de apprehendcr
participar a casa cima indicada, que ser generosa-
mente recompensada.
Roga-se ao Sr. aleres J. A. P. R. o obsequio
de quanto antes pagar o resto que licou a dever a um
seu companheiro na viagom que fez para o norte ;
o qie so nflo flzer lera o dissabor ilc ver por extenso
oseu nomc neste Diario, at o final omholco da seu
credor.
Joflo Simflo de Almeid deixou de vender ago-
ardentc as suas tabernas, no becco da Cacimba n.
1, e boceo do Monleiro n. 6; e para que oSr. colleclor
niiose chamo a ignorancia, se faz e presento annuu-
eio.
-Quem precisar de urna preta forra para ama
secca de qualquer casa, dirija-so a travessa de S.-I'e-
dro, n. U, que faz esquina para o Livnimenlo-
0 Sr. Alexandrc Maquelon Tecicr, morador no
eugenlio Suu ou Sausinho, tom urna carta de sua
fimiliade Lisboa na ru de Apollo, armazem n. 32.
Aluga-so um preto para urna padaria quo ai-
ha imassar e sirva para vtindur na ru i quem o
livor drrija-se a ra da Madre-de-Doos armazem do
Vicente Fcrreira da Costa, que so dir quem picclsa
--Precsa-se de um preto-bom trahalhador do
masseira ; d-so bora alufcuel, sendo perito no seu
ofllcio : na ra do Uem-Fica na Passagem-da-JIag-
dalena, padaria de Domingos Antonio da Silva Bei-
ris.
O major Francisco Jos de Mello faz publico que
existe letigio sobre o predio que D Francisca Ang-
lica do Sacramento edificou ao ladu da igreja da
Estancia o ja a rnesma igreja obteve du3S senle-
cas a seu favor. Este annuncio se faz para que nin-
guem faca compra ou negocio com o dito predio
com a mencionada I). Framsca por havor letigio.
-Tbiago Maria Maya, subdito portuguez rclira-
' se pa ra Portugal a tratar de sua sade.
i-- Faz-so certo ao Sr. I.uiz doRego ter-se ausentado
I o Seu escravo de nonio Manuel quo linha alugado
aus abaixo assignados. I'allenca pilho.
-Precisa-se de um bom caixeiropara venda: na
vnda -pintada de amarello, na ribeira da ISoa-
Visla.
Quem precisar de urna ama de Icite forra, diri-
ja-so a ra Diicila,, passando obceco da Penha
do lado esquerdo, sobrado do um andar, n. 45.
Manoel Francisco Martina deixou do.ser caixei-
ro do Sr. Manocl Jos Concia, desde o dia 10 do
corrente.
--Ainda se precisa de um caixeiro para deposito
de padaria por faltar quem se tralou : na S.-Cruz,
padaria de urna so porta.
Prccisa-se de um caixeiro de 12 a Hannos : na
ra eslreila do Rozario, deposito de assucar, n. 43.
Odoutor Casanova medico francez, mudou a
sua rosidcncla da ra Nova para a ra do Crespo, n.
8, segundo andar onde contina a receilar desde
7 horas da manhla at s 9 e de 1 al s 3 horas da
tarde a pobreza gratuitamente : quem de seu pres-
limo se quizer utilisar, diiija-se a mesma casa.
Uoga-soao Sr. curioso em cuja casa exite um
escravo de nomo Diouizio, quo esta fgido lia di-
as, de o vir, ou mandar entregar seu Sr., do con-
trario lera de ver o seu nomo escripto nesla follia.
I'recisa-sedoum perito official de oleiro.que
saib fazer todas as qualidados de pecas de louca ,
como sejam potes, jarras etc. na entrada da ra
doRangel, n. 7.
O abaixo assignado Icndo do rctirar-se brove-
ment para Portugal a tratir de sua sade, avisa
pelo presente a todas as pessoas que tvein pcubores
em seu poder para quo dentro do prazo de oilo dias
venham resgaiar ; do contrario serflo vendidos para
ligamento de seus dbitos: e para que ao depois
nao alleguem ignorancia.se faz o presente aununcio.
> Manoel l'erreita dos Santos.
-Oabaixo assignado administrador de sua mu-
llier Theieza Mana de Jess, avisa ao respeitavel
|iuli|icoque nfio contrai transacclo algoma com
Jos Francisco da Trindade, nem negocio algum
sobre os bens da dita Thcre/a Mana do Jess nor-
ijue este uSo tem direilo algum nos ditos bens, e tu-'
doqoanlojlemfeitohe por meio de illusBo valen-
do-Mda4gnoranciada dita senhora, por isso lh*
tem podido extraviar parlo de aoushens, e ate mo-
vis de sua casa juntamonto urna pequea oscrava
de idado do 6 anuos pituco.inais ou menos de no-
mo Cecilia um oratorio moderno cwr, imagens
completamente adornadas com ou/o o prata, um
horco do Menino Dos o a competonle bandcira;e
auim, tendo o dito abaixo assignado de proceder
contra os actos do dilo Jos Francisco da Trindade,
por isso avisa ao respejlavel publico par seu iulei-
ro conhecimonto porque o mesmo Jos Francisco
daTriniladotem urna procurado bastante autori-
sando-lhe alguna poderes emquantna mesma Tho-
resa Mara de Jess solleiri, e por dolo a nilo quiz
entregar, exigimlo-se, com fins siiii*tros.
Paulino Manoel Thome. Cnbuatfo.
Quom precisar de um caixeiro para lomar con-
ta de urna venda por bataneo para o que lem bs-
tanle pratica, dirija-se a Pracihha, n. 10.
Prccisa-se fallar aoSr. Joaquim da Molla o Sil-
va a negocio de seu inleresse : no enes do Hamos,
venda Ja esquina.
-- l'recisa-se de um menino para caixeiro: no
principio do ruada Senzaiia-Velho, confronte ao boc-
eo ilo Campcllo, armazem n. 126.
Aluga-so urna preta que sai ha vender na ra
toda equalquer yenda: na' Ua-Vista, travessa do
Quiabp, n. 1.
A. Daumann, afinador e
concerlador de pianos do
principe de Joinville e de
S. A. a Sra. princeza D.
Francisca, lem a honra de
prevenir o respeitavel pu-
blico que cUe^ou, ltima-
mente nesla culatee ; e as
pessoas que quizerm ulili-
sar-se de seu preslimo, o a-
cliaro na casa de sua resi-
dencia, ra larga do Rosa-
rio, n. 14, primeiro andar.
Um mogo, filho das Alagoas, o de excellente
conducta se ofierecc para caixeiro de escripia, por
t'er ptima lettra, ou mesmo para cbrancas de qual-
quer casa de negocio, ainda mesmo por mdico or-
denado por isso que deseja arrumar-so o quat d
fiador a sua repulaclo-. a fallar na praca do Com-
mercio n. 2, primeiro andar, ou- anriuncio.
Os berdeiios do fallecido coronel Francisco de
Bredrodc e Audrade declaiam queobliverarn jul-
gamento em grando revista no tribunal da relaeflo
do Maronbao, na causa quea seu fallecido pai, so-
groe av, dito coronel, havia proposto a Sra. D.
Mara doPinbo Borges, a respeito da venda da sua
parte no engciiho Calugi, por cojo julgamcnto Ibes
compele haver da mesma Sra. a quaiilia de 11:000/
ris, que havia recebido, e por a moeda da data
em que leve lugar o re'ccbimCnto ; cor es juros na
mesma especie, desdo a mesma dala do recebimen-
t : e por isso que, para pagamento jlos annurician-
tes, nilo basta a pai le que a dita Senhora tem no
referido engolillo, e Ibes consta que se pretendo ven-
der a casa de tres sobrados na na do Atlerro-da-
Boa-Vista ; fazem o prsenle para quo- uinguem
compre as ditas casas, por estaremsubjeitasao dito
pagamento por loica d'aquelle julgdo.
Prxedes da l'onseca Coutinho.
Lotera do.lhcatro publico.
A venda dos respectivos l>Hieles esl quasi para-
usada, e por esta rasilo deixaram ainda as.rodas de
ter andamento no dia 9 do corrente, segunda vez
para este lim marcado. A visto, pois, disto o tbesou-
reiro so escusa por ora de marcar no'vo (lia, o que
far brevemente, visto quo est disposto a empregar
todas as diligencias para quo" os ditas roJas andem
antes da Testa.
-- Jos Rodrigues de Araujo Porto embarca para o
Itio-do-Janeiro o seu escravo Manoel, crioulo.
Da casa de Jercnymo Martiniano
l'igueira de Mello desaparecen una
bengala de canna da India com casto
de ouro lavrado : qiiem a ijver e quizer
restituir, peder leva-la ra do Hospi-
cio, n. i4, na certeza de que se entregar
a importancia pela qual a houver com-
prado, queriendo-a receber.'-
-- Na ra da Cruz n. 2l,.precisa-se de um bom
cozinheiro.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra
Nova, ii. 5 : a tratar na luja do mesmo sobrado.
^CHAPEOS DESOLH
Ra do Passeiot n. 5.
O fabricante deste'estabelecimento advorte ao res-
peitavel publico desta cidade que elle possuo pre-
sentemente Um rico sorlimento de chapos de sol,
assim corno chapeos de sol de seda furla-cOres, dos
mais ricos que teem apparecido nesto mercado, c de
cores couhecids ; ditos para senhoras de bom lom,
adamascados, lavrados, com suas competentes fran-
jas de retroz, ludo que tem ilb n.ais moderno e do
mclhor gosto ;iitn completo sorlimento de chapos
de sol de pannrnho de todas as cores o de todos os
tarnanhos, para' homens, senhoras o meninos : ha
tamboril igual sorlimento do fazendas para cobrir ar-
macOcs, tanto de sedas decrese como de panninhos
trancados e lisos imitando seda. Adverte-se qHe os
/reguezes serao servidos com brevidade, e se acha-
rflo satisfeilos/da boa qualidaiio, do bom gosto e do
bom preco.
~ liesappafeceu, no dia i do corrente da casa
de Rnihn A itti.linlun ron do Vionriit i n t. um Ca-
cborrinho deJ reqa uglezu com os signaos segua-'
les : pequeo, lodo proto, o orelhas grandes: quem
o acharo levar a casi acuna, sori bom recompen-
sado.
Vigiles, fabricanlc de pianos,
na rua doQuoimado, 11.19
tem pianos de novo modelo bllot depreposito para
oslo i-aiz ; iSo riqliMHnoi o do macbinismo e vo-
7es superiores, o quo se alianea ao cjinprador : tam-
bem tem pianos inglezes, quoslo pouco usados;
concerta e alia pianos com toda a perfeicilo ; vende
cordas camurcas e todos os aviamonlos neeossarios
para ditos instrumentos : ludo por preco commodo.
No pateo da matriz de S.-Anlonio, n. *, segun-
do andar, tiram-se passaportos para dentro o fra
do imporio tambom para escravos g correm-se
follias por preqo muito rasoavel.
No esc^iptorio de Josde"A!me'ula
Barrcto Basto, ra da Cruz, n. 63,
assigna-se para a imprcssSo da seguinte
obra:
Cnmmenlfiriiis do Conde de Tmcy^
sobre o espirito das lejs,/lc Montesquicu,
e memorias sobre os rucios de fundar a
moral de um povo. Subscrcve-sc par
4,ooo rs. pagos no acto da entrega da
obra.
30,000 rs. dc'gratificaclo
a quem tonxer o escrnva criolita, le nome Calliari-
na com urna lillia cabritilla do 3 anuos cujos sig-
naes arham-se ueste Diario nos ns. 210 a 250 : a es-
crava foi seduzida por o pai da cabritilla o qual be
pescador,ou pombeiro e mora em urna dcstas
praias .al Po-Amarello.
Atcrro-da-Boa-Vista, n. 10,
t-nmaicau cutciro c
arraciro.
Acaba-sede receber, pelo ultimo navio chegado da
Franca, um soitimento do entilara fina, betn co-
11<> : lesouras grandes para alfaiato ; ditas para cos-
tura do senhora moble rico c do ultimo gusto ;
ditas de jardim para cortar llores ; ferros do "varios
moldes para o asseio das unhas ; caivetes de mo-
la ; ditos para aparar pennas j.estojos de viagom pa-
ra homem ; espingardas j brides; cabecadas ; chi-
cles para carros; fundas; navalhas para barba,
ele : ludo de superior qualidade.
A. I*, de Figueiredo tem uberto
ujn curso de pbilosopbia, geometra, In-
gles e francez, na ra estrella do Rosario,
n. aa, primeiro andar.
Fabrica de Todos os Santos
da tahin.
Firmino Jos Flix da llosa com eseriplorio na
rift do Trapiche, n. 44 avisa aos seus freguemos ,
que receben pelo hiale'.-/eierf/'eo, novo soitimen-
to do.excellente panno to algodilo entramado da-
qucjla fabrica ptimo para eusaccar assucar', o pa-
ra roupa de escravos. O .annunciante conla ." que ,
alm da bondn le da fazenda o desejo de animar o
desenvolvimiento do urna rubrica intcirameiite na-
cional promover o. promptoconsuinmoda sua ro-
ceila.
A abaixo assignada, viuva de Joa-
quim Jos Lourenco da Costa, pelo pre-
sente declara que tem lomeado seu em
tudo bastante procurador a seugenro,o
Snr. Manoel Antonio d'Azevedo, por pro-
cmacao lavrada em notas dolabelMao Sal-
les, aos 18 do corrente; o qiralica autori-
sado a receber os alugueis de seus predios,
e-cuidar em lodos os negocios que digam
respeito administracao do seu casal ; li-
esndo de nenhum effeito todas asprocu-
racoes que a abaixo assignada, e seu de-
luuto marido, assignaram anteriores di-
ta proctiracao.
Cicilia Roza da Costa.
#ff *$#*' t@t
m
Na padaria do becco das Barreiras e deposito (&
& da estrella n. 39, no Atcno-da-Boa-Vi>ta
% fabrica-se o novo pfio de l'rovenca, o qual he &
fabricado pelo methodo de seu primeiro in- p>
Iroductor nesla piovincia rom ns mclhrcs
<5 farinhas o asseio quo'he possivel: Icmbetn se ^
<& fazem fatias do gosto hespanhol, biscoutos, &
*. biscoulinhos falia.s, bolinhos cavacas f ludo g
* do melhor gosto possivel e proprio para cha. -r>
#@S'!@ ss@
Ao respeitavel publico.
O proprietario do armazem de vinho
da ra da Madre-de-Dos n. 36, de-
clara que este estabelcciinento nao tem
outro armazem filial, como alguem lia
que o inculca ;e para conbeciinenlo do
publico, faz o presente annuncio.
B:u i_i .-]
Compras.
Compra-se um diccionario truncado, iiglez-
portugticz dos de Vieira grande e com pouco
uso : quem liver anniincie.
Compra-se um oitanto : no pateo da S.-Cruz ,
n.2.
-- Compra-se, em segunda mo, um aderego ou
garganlilha de ouro : na rua de Hortas, n. 112.
Compram-ae douscavallos para condu/.ircar-
gas. ou inesmode estribara que, por algum defei-
t<) sirva para ti mesmo lim ; na rua do Hospicio,
n:3l.
Compra-so um adcre.co, volta, ou cordio gros-
?o? s!s>">iMnt'linMs--Jo3; r>arua Je Torres, r..
46, segundo andar.
- compram-so unsenfeites .le cintelro da meni-
no sen lo de bom ouro o sem feitio ; no pateo uo
Car.no, vendan. 17, por Jiaixo do sobra I" de .i-
briel Antonio.
Vendas.
Vendo-se um piano em bom uso e de boas vo-
tes por preco cominod > : ni rua larga lo i\ rio ,
n. 48, primeiro andar, se dita quem vendo.
Vendo-se um rico trem do jncatandn, com
muito pouco uso, por preco comino Jo na rua altas
da mal i/, des.-Antonio, n. 16.
__ Vende-se tuna morada de casa, sita
na ruado Farol, em Fra de-Portas, n-
5G; outra iiainesnn na, a 64 |,or Preco
commodo"; oulia emlinda, biquinha de
San-1'edro, u. i4 : tratar na rua da
Cruz,.n. 63, segundo andar.
Aos .90:t>0,000 de res.
Acbain-se a ven la na loja da viuva Vieira < Filial,
na rua da Cadeia do flocil'o n. 514, bilhelea o melos
dilos da 48.a lotera a benelicio da S.-Casa da Hise-
ricordia, enjas rodas devci iairv ler andamento a 18
do andante me/..
Aos 0:000,000 de ris,
Acliam-so a venda na loja da viuva Vieira e> I.
Iho.na rua da Cadeia do Itecife n. '2\, bilhotes e
ioos dilos ila quinta lotera concedida a beneficio
da niupreza da cultura do amoroiras criacto do bi-
so da seda o proparo delta, cuja lotera devia ser ox-
traliida no da do andante mez.
i
i
c^ Aw# amantes rio miiHo *A
supdior e
Puro vinho i!;t Pig'fHrn
No Aterro-la Hoa-Visla, n !\-}.,
ha urna grande porctlo tiesto suj <>> ior vi-
nho que seesl vendendo a 1,120 rs. a ra-
nada, e a 160 rs o garrafa : 0 para nao ha-
ver dolo do comprador seriio lacradas is
garrafas o com rotulo, recebendo-se a.gar-
rafa vasia o dando-so i m modula mente
outra cheiai tanibeni lia em barris quo so
vender mais om conta. leoste o melhor
do-lodos os viiihos quo se lecmannunr.il-
do, pela sua slniplicidad o ptimo pa-
ladar.
m
B
m
O
Yendein-sei pares de brincos do bom ouro do
diferentes tamanbos ; um trem com espelho, de ja-
caranda; una banca redonda; dita para meio de sala;
um relogio patento de prata; jugos ilo bancas peque-
as o grandes, com duas gavetas ; sof d' oleo : tudo
por barato preco : na rua da Cadeia de S.-Antonio, n.
i\.
Um adereco de ouro para
pescocodo senhora-, obra muito rica : vende-se na
rua das Cincn-Pontas n. 25.
Vende-se um piano forte, vertical c ile Jacaran-
da, chegado 'ltimamente com muito boas vozes,
e de um macbinismo de nova itivcnc5o para por as
vozes mais baixas alo dous tons o que torna esta
insirumenlo muito vantajoso para cantura; cha-
rutos de llavana por preco mais commodo do que
e;n nutra qualquer parte ; un completo soitimento
de instrumentos le msica, tanto de metal como
do madeira ; bustos do gesso representando muito
fielmente a rainba Victoria o o principo Alberto ;
relogios de ouro e de prata chegados iillimamcnto
da Suissa. Kstes rologios que silo muito 'bom aca-
bados, se lornam muito recommendaVeis a qual-
quer particular advcrlc-se que ha entro ellos
alguna que andam oito dias sem precisaren! de cor
da : na rua da Cruz, no Itecife, n. 55.



Nova rcinaco Franco-
Brasileira,
O Na ruada Concordia, n. 8, por
detrs do Carino.
O respeitavel publico achara em dita re- '-\
r, re- VJf
finacno assucar de qualidatlc superior
finado a moda de Franca devendo mere-
cer a preferenca tatito pelo asseio da sua -si
fabricac.to, com pela clareza, pureza n bom Vj
gosto licando dilo assucar refinado re- /5*a
cotnmendavcl por suas qualidades hycie- JB'
nica sendo desembarazado do rimo clioi- f j
ro, potassa, mel, assi<|oso outras subs-
tancias mu nocivas a sade.
Us prtcos silo oSfStguiniei:
Refinado em piles ou tones, prmeira
qualidade, a 160 rs. a libra; dito de se-
giAida qualidade a 140 rs. a libra ; refina-
do em p, prmeira qualidade a lio rs. a
libra; dito do segunda qualidade, a 120
rs. a libra.
-^ ::
m

i^-v' i
Vendo-so urna porco do birria que foiam de
oleo de linluca:na botica do Berlhomomeii Fran-
cisco do Souza, na rua larga do Rozario, n. 36.
Vendem-se figos novos, ebegados
no Sttn-Manoel, a too rs. a libra ; batatas
a 4o ra o libra ; ditas do Maranbao, milito
alvas, a ioors. : no pateo do Carino, loja
do sobrado de Gabriel Antonio, n \n.
Vende-se una negra criolita, do 20 annos de
idade, do bonita figura, sem vicios nem achaques,
a qual entornilla, cnsnba e cozinha, tudo com per-
feicilo : na rua da Santa-Cruz da Boa-Vista, n. 22.
Batatas.
Vendcm-soa800rs. a arroba: no caes da alfandega,
armazem da Francisco Dias Ferreira, e na rua da
Cadeia do Recife, armazem n. 64.
Vende-se cal vlrgein de Lisboa rm barra de 4
arrobas chegada pelo ultimo navio, por pre9o commo-
do ; a tratar om Al incida u Fonseca.narua do Apollo,



LADO
l



l



A
i.i
I
i
Vcndcm-se saceos com farelo,
chegados ltimamente, pelo diminuto
preco de 3,/joo rs.: na na da Sanzalla-
Velba, n. i38.
Fardo,
em barricas i 4,000 rs. ; saccas grandes 3,50o
rs., ditas, pequeas, a 9,800 r* : noarmazem de J.
J. Tasso Jnior, na ra do Amorim, n. 3.
Madeira de pitillo.
Vendc-se a roelhor madeira de pinito que leen
vindo a esto mercado: na roa da Madrc-e-l)eos ,
armazem de Vicenlc Ferreira da Cosa.
Aos Srs. armadores.
Vende-se trina, 'volantes de diversas
larguras, egales entrefinos e falsos ; ren-
das dourados o prateadas ; espigiiillias de
JMilo ; setins de cores a 800 rs. o covado :
na mudo( abttg, loja de quatro portas, do
Duarte.
Vende-se un bonito molequc de 13 annos; uin
dito de \2 ; urna mulalinha do 7 annos, mu linda ,
e que coso : ludo para Tediar conlas tic venda esto
.inno; na 111a largado Rozario, luja de miudezas
n 3.
Vende-se urna parda do 17 annos engomma-
dein c eostureira ; nina prcla cozinheia eugom-
madeira, c com una cria de 6 inezes ; urna dila com
as nicsnias habilidades ; 1 preto do elegante figura ,
muito bom canociro ; 1 moleque do 18 anuos, de
nacilo : todos osles cst-ravos se vendem por cu dono
lerdo reliiar-so : no pateo da matriz de S.-Antonio,
sobrado n. 4 se dii quem vende.
c de seda de qualquer cor, de senhora
honiem : ditas de fio da Kscocia, finas ;
ditas ordinarias a 200 rs. o par ; litas la-
vradas de nmeros 6, 9 e la ; (lores
artiliciaes de flor de laranja ; capellas,
ramos, de peitos e solios ; lencos de seda
de senlioras e homem 5 chapeos de pallia
da Italia, de serdioras e homem ; ditos
redondos de tnassa, brancos, com abas
largas; bonetes para meninos. Todos
estes objectos se vendem por procos
commodos. e se dilo as amostras aos Se-
nhores compradores.
Vende-se algodilo da trra de superior qualida-
na ra do Queimado, n. 20.
de
Feijao barato
om sacras de 3 quartas, pelo diminuto preco de 5/
rs : 110 caes da Alfandega armazem 5.
I.onas inglezas.
Vendem-se pecas de lona ingleza, de
boa qualidadc, e por preco mais barato
do que cm outra qualquer parte : na ra
'.. d>Cadeia do Ilecife, armazem 11. 12.
Xo Aterro*da-Boa-V la, dc-
Ironlcda bonecra,
ha ehegado um novo c completo sortimenlo de cal-
cado l'rancez de todas as qualidades, tanto para lio-
Cal de Lisboa.
Vond*
muito nova e superior ca
virgem de pedra, desembarcada lia pou-
cos das, e em barris pequeos de quatro
arrobas e mcia : na roa da Cadeia-Velha,
armazem n. 12.
limitas para meninas.
Na ra do Cabug, loja do Duarte,
vendem-se mantas para meninas, em
ponto pequeo, a 1,000 rs ; e lencos de
girca a 1,000 rs.
Avisii-scaos fregueses ca quem goslar do que
lie bom queja se acha a venda por atacado e'a re-
salho todas as qualidades de doces do paiz tanto
seno como.de calda n mais befa feito que pode ha-
ver, por ter sido fabricado com o rilis superior as-
sucar, como sedcixa ver no caj secco o seu liri-
banlismoe linda cor : lambem so vendem bonitas
castanhaa confeitailas e confeilos. Prepara-se para
um desser ludo que quizer c outro tanto se far
para se a presentar o mais rico cha, composto das
niclhorea diversidades de bolos, sequilbos e especes
i moda do paiz e de difierenles paizea ostrangeiros.
.\a ra da Aurora, 11. 26, terceiio andar.
VJnho barato.
Acha-seestabelecido na ra da Madrc-dc-Deos ,
n. 36, um armazem de
Vinlios da Figtieira,
de ptima qualidadc, a preco de 1,200 rs. a caada,
e a 160 rs. agarrara; e para nSo havef dolo do com-
prador serSo lacrailas as garrafas e com rotulo, re-
cehendo-se a garrafa vasia, e dando-se inmediata-
mente a outra cheia 1 tambem ha barris muito pe-
queos, proprios para quem passa a festa. O pro-
pietario deste estnbelecimento pede encarecida-
mente qu se nao illudam avahando, pelo diminuto
preco e sem conhecimento de causa a qualidadc de
sua fazenda digna por certo da estima dos verda-
deros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
urna vez provar, continuar com goslo e sem arre-
pendimento. E o bom preco !! .' A todo o exposto
accresceo asscio e boro acondicionamento, o que
ludo so poder verificar em dito estabelecimento.
No armazem do Araujo, becco do Concalves,
acha-se urna porclo de taboado de cedro que se ven-
de por preco enmmodo: a tratar no mesmo.
Vende-se um balefio de loja, com a frente en-
vidracada ; qualro tablelas ; unas poucas de vidra-
Casdevidros grandes, para qualquer armacilode lo-
ja : na esquina da ra da Aurora, loja de louca, nu-
mero 62.
Vcndcm-se oito molecoles de na-
cao ; um preto de meiaidade ; um pirdo
moco, bom cozinheiro ; tres molecas com
algumas habilidades, ludo muito barato,
pois deseja-se Tediaras contas deste an-
uo: na ra das Larangeiras, n. 14. se-
gundo andar.
-- Vende-se urna casa lerrea sita cm bom lugar,
na ruado Nogueira : na ra da Ciuz, 11. 50, se dir
quem vendo.
Aterro-da-Ha-Visla, loja n. 78.
Vendem-se sapales de bezerro para homem, mili-
to bem fetos, a 1,280 rs, : a ellos que se estilo lin-
dando.
Venderse
meni como para senhora e meninas : bem como os
bemeonhecidos sapatosde Nantes, o do Aracaly ,
por prego commodo.
. i>aicias<
Vendem-se baleias para esparlilhos e vestido de
senhora : na ra do Passeio, fabrica de chapos de
sol, n. 5.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada hontem, por pre-
co muito rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade: na ruado Trapiche,
n. 17, e ra da Cadeia, n. 3$.
Agencia da undico
Low-Moor, ra da Scnzalla-
nova, 11. 42.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver um-completo sortimento de moendas
e me.ias moendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e taclias de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, para dito.
IXo Atcrro-da-Boa-Visla de-
fionle da bonecra,
ha sapatos francezes de couro de lustro para senho-
ra a 1,900 rs. o par. ('.heguem freguezesque o tcm
po he proprio. A ellcs, que se estilo acabando.
Toueas para enancas.
Vendom-so loucas para crianzas, {ornadas com
pennas o oulras com llores, pelo diminnlo preco do
2,000 a 3,000 rs. : na rua o Passeio-Publico, n. 13.
Vende-se muito superior lagedo de Lisboa, e
cal virgein cm barris de 4arrobas, por mdico preco:
na ra do Vigario, n. 19.
-- Na padaria da ra da Guia, no Recife haver
lodos os dias a venda o novo pilo de l'rovenca fa-
bricado por outro modo que o actual, e da melhor
farinha que ha no mercado : por este motivo nao se
pode fazer senSo a 40, 80e 160 rs.
Linhas de carretel.
Na ra do Cabug, loja do Duarte,
vendem-se linhas de 200 yds., a 700 rs.,
e de 100 yds., a 380 rs". A' ellas, antes
antes que se acauem.
CHA'RRASII.KIRO.
Vende-se, no armazem de molhados atrs do
Corpo-Santo, n. 66, o mais excellente cha produci-
do emS.-Paulo, que tem -viudo a este mercado .
por preco muito commodo.
Mcias de seda, de Lisboa.
Na 111a do Cabug, loja do Duarte,
lia um sortimento de meias de seda, de
Lisboa, proprias para os Srs. sacerdotes,
as mellioresque aqu tecm opparecido, e
se vendem a 4,000 c 5,ooo' rs.
cha
brasileiro a 1,100
rs. a libra : na ra do Rosario, n. i3, e
* 1 ua do Vigario, n. 11.
na
Loja de quatro portas da ra
do Cabug,. do Duarte.
Ricos de blonde, prctos ; ditos pretos
e brancos iinitaco de blonde ; ditos
de linhp, francezes ditos inglezes ; ditos
do l'orlo, ditos fcitos na Ierra, proprios
para toalhas ;1uvas de pellica ejiieitadas;
ditas bordados a retroz, com lindos de-
senhos ; ditas lisas de exquisitas cores-
ditas para homea, bra
Vende-se na ra da Cadeia do ^
Recife, n. 37, cera cm velas, fabri- \
cadas no Kio-de-Janeiro, em urna i
das mclhores fabricas, e em caix'as
pequeas, muito bem sortijas, por l
ser de 3 al 16 em libra; e tam- i
bem ba velas de urna e de meia libra,,
brandScs, por preco mais barato do '
que em outra qualquer paite. j
Vendem-M 6 lindos moloques de 19 a 18 annoi;
4 pretnadeas a 30annos; 4 pardos de 13 a 30 an-
uos ; 3 negrinhas do 13 annos ; 9 muUtinhas de 16
annoscom'litbilidades; 4 prclaade 16 a 30 annos,
com habilidades: na ruad*} Collegio, n. 3', se dir
quem veude.
Vende-se para pagamento dos credorea, a
venda da esquina defronle da groja dos Martyrios ,
com os fundos de 300,000 a 400.000 rs. : quem a pre-
tender dirija-M a. ra da Madre-de-Deos, a tratar
com Vicente Ferreii da Costa o qual prometa fa-
zer negocio e vender'barato para realisar.
I'l 110 VI.NIIO DA FICUF.IRA.
Existe no armazem de molhados. 'atrs ;do Cor-
po-Santo n. 66 urna grande porcio deste genui-
no vinlio que se esta vendendo pelo diminuto pre-
So de 1,120 rs a caada e a 160 ra. a garrafa ; lam-
er ha em pipas que se vender mais em conta : he
esto o melhor de lodos os viudos que se teem sn
nunciado pela sua simplicidade e ptimo paladar :
quem urna vez o beber jimais deixara de o com-
prar.
Na ra do Crespo, loja de 4 portas, n. 12, ven-
dem-se chapeos de castor pretos, do muito boa qua-
lidade a 4,400 rs.
Vendem-sobsiriscom mol: na ra da Cadeia
do Recife, n. 8. Na mesma casa aluga-se um preto
que entenda do servico de casa e de cozinha.
-- Vcndcm-se 6 pranchOesde sicupira de 26 a 30
palmos de coinprimenlo e muito grossos, por preco
comino Jo : na ra da Cruz, n. 46.
Pennas de pato. -
Na loja de quatro portas da ra do
Catug, do Duarte, vendem-se pennas
de pato a 4ooo e 5,000 rs. o milheiro,
proprias para repartieses publicas e es-
criptorios.
No deposito de Me. CalmonJ & Companhia na
ra de Apollo, armazom n. 6. -acha-se ennstnite-
inenie grande sortimento de ferragens inglezas para
engenho de assucar corro sejain : laixas de ferro
coado do differontes modelos, os mais modernos.;
ditas de ferro batido ; moendas de ferro do mode-
lo adoptado, para armar cm madeira; ditas todas
de ferro, lano para agoa como para ammaes; ma-
chinas de vapor de frca do quatro cavallos o do al-
ta pressflo o mais moderno e simples que he possi-
vel ; repartideras ; espumaderas ; resfriadeiras de
ferro estanhado; formas de ferro : ludo por preco
commodo.
Na casa de modas francezas, no Aterro-da-Boa-
Vista n. 1, primeiro andar, ha para vender flores
do todas as qualidades; chapos do p.ilhu onfeitados
para senhora; plumas com passarinhos brancas e
decores para chapeos ecabeca ; capellas de laran-
geiras ,(por preco mais barato do que om oulra qual-
quer parte.
*
Charutos de Ha va na
Na ra do Trapiche-Novo, n. 16, existo urna por-
co dosles charutos do superior qualidadc : bem co-
mo un pequeo sortimento de lustrse candelabros
os mais elegantes possiveis: ludo mnito nronrio pa-
ra a festa. 1 r r
-- Vende-se urna bomba de despejar pipas ; um
braco de balan;a do autor lloniio; mu peso de 4 ar-
robas e outro de meia arroba : na ra da Senzalla-
Vova, n. 4
-- Na casa de modas francezas do Madama Millo-
chau esquina do Atcrro-da-lioa-Vista defronte do
chafariz, ha para luto cortes de vestidos mantas de
barego e chapos do senhora da ultima mola e
gosto.
A qu a utas andas ?
Vende-se um i-elogio de ouro, patente inglez o
melhor sem duvida, que tem apparecido porque,
alem de ser moderno bem formado e de boa ma-
china he o melhor regulador possivel: a vista he
que decide: na ra Mocda, n. 13, primeiro andar,
de manhila at as 9 horas e de tardo das duas em
dianle.
I ARELO
cmsaccas muito grandes,
a 3/6do rs. a sacca:
no armazem do Bragucz ao p do arco da Conceicfio.
Tapetes oleados.
Vendem-se na ra do Gabug, loja do
Duarte, tapetes de oleado, para mesas de
meio de sal?, consolos, commodas, e me
sas de jogo ; proprios para ornamento de
salas.
RA DO CRESPO, H. 5.
[\ovos riscados udianua, a
280 rs. o covado.
rio ; Um mulato moco, de boa figura e
lom' sapateiro, sem vicios, nem acha-
ques : na ra do Crespo, loja n. a A,
dir quem vende. %
Vendem-se acedes da ex-
(meta companhia de Pernambuco
e Parahiba: no escriptorio de 0-
liveira lrmos & C, ra da Cruz,
n. 9.
Vende-se ca! virgem de-Lisboa,
chegad 1 no ultima navio, em barris pe
quenos, por menos doque em outra qual-
quer parte: na ra do Trapiche, arma-
zem n. I7.
Moqnad ajuad
-un o qo* M3\t osmsassi]iuitt\-titku
09 t sojpanb o sbjisi| ep uiuq opAoa o -bj 009
b oqui) op vOBdj oijpa o sj O00'08 t.' sapepiienli
a soQjped souiissinbu p sszaooasa svpas : -sj OO'E
swou sopuwa uioi
e saojpvd ajuaSaia op epas op s.o|mp : SJO0S'8Ji
'joijadns oimiu spuazsj solop B|BjquiBdep sonp
SJOOO'l B 'paSrBSBa3ps3jjojsounSsinb|j ou
-8AOD" o -sj 00* Bjn8j8( ep soiiud t'uibo b bssbj
ep saojpBd 'szooubjj sijip { bjo?5 b souy oimu
S0Z03UBJJ SOPB3SJJ i opBAOO O "FJ Og* 8 09 B SJOJO
-ed soiiuoq op SBSS83 000'C B op3J3u ou eq anb
ajOHloiu sop a sj oos't 000't '005*6 t' Biuq
uiaa op soijnj : sajO|)Bjdiuoo vop. ousuauBB spo)
luasoiaui oSajd ojBJsq 0 app;|Bnb oq bus B|3d anb
' satuinSas se 's5s.id b ejtd ouioa oubui o vjvi! oiui)
' sapepi|Bnb sb eanni n gepu

Vendem-se-eavios para candieiros francezes.
- dos melhores nmeros, pelo diminuto preco de 700
. rs. a rosa, para quem comprar 5 grosa., daqui
'.para baisu',o em duzia a 70 rs, ; n ra larea iln
ncase de cores j Jiozario, n. 20,juiUoapadara, ru' ,8rga Uo
J V|. w|viwi |JU* Op
-m||ojsj o 0311 mn ep ujo|h 'jopuaA Bjvd eq oeiu'i
tf joiunf ogiusn-j ep o\;iaoiiluo;) ap oosoq o ajad
eujnbsj zj enb '6C -u foj' opsuijanO op uiu t
otjjiioj y
Algodao trancado da fabrica
de Todos-os-Santos da
Baha ,
moito proprio para saceos de assucar e roupa de es-
cravos : vende-se em casa de N. O. Biober & Com-
panhia na ra da Cruz, n. 4.
Chapeos do Chili.
Na praca da Independencia, n. 37, ha superioesr
chapos do Chili, cliegados no ultimo vapor,
por preco commodo: na ra larga do Itozario, n. 48
primeiro andar, se dir quem vende.
Per fuma ra.
Vende-se na tua do Cabug, loja do
Duarte, lindissimos vasos de crystal e
porcelana, com espirilos finos, e bar has ;
agoa de Colonia ; e muitas outras perfu-
maras, sempre novas, e por precos com-
modos.
Vendem-e barra pequeo* com cal virgem de Ll-
i>oa, a uiaii nova que ha uo mercado por preco eo-ui
modo : a ra da Moda armazem n. 17.
Potassa.
Deaembarcou ha poneos dias urna por*
93o de barris pequeuos, com muito nova
e superior potassa, e se achain venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se vendia, na ra da Cadeia-Velha,
armazem de fialtar&Oiveira, n. ia.
\
E.scravos Fgidos
\
Na loja de Cuimarea & Companhia vendem-so
osnovos riscados indianos, de qualro palmos de
argura cores fixas e padrCes muito modernos, pelo
barato proco de 280 rs. o covado.
Contina-se a vender, na ra da
Cruz, n. Go,caixas com cera de Lisboa,
sortimento ventadedo comprador.
Vende-se no pateo do Ter?o, ven-
da n.. 7, vinbo da Figueira, muito supe-
rior, a iGo rs. a garrafa.
Cigarrilhos hespauhes.
O proprietario do armazem n. 6fi, atrs da igreia
do Corpo-Santo no Recife, faz sefente aos fuman-
tes do bom tom que elle recebe por lodos os vapo-
res viudos do sul,estes deliciosos cigarrilhos que
s8o do nico deposito hespanhol que ha no llio-dc-
Janeiro.
Vende-se um lindo molecote, de
17 a 18 annos de dade, qu sabe cozi-
nhar : na ra da Cadeia do Recife, n. 37.
Venden-se urna negra moca, de boa
figura, iavaiiena, cozinbeira e 'eostureira,
epropriade todo o ervi-o is o** *&,&. [-.; Hh Tir, 01Mt r, D> Tii,li5
r I"ugio, no da 3 do corrente, um oseravo, de no-
m Manoel de altura regular, cheio do corro ,
tem bastante marcas de bexigas; levou calcirs de
riscado velhase camisa ele algodlozinho : qumi o
pegar leve-no a seu senhor Miguel Jos Marboza
CuimarSes na ra do Crespo, n. 5, quo ser grati-
ficado.
r'ugio, no dia 19 do correle, o escravo, de fi-
me Sinifio de 35 annos, crioulo, cor fula, cheio do
corpo com urna listla no rosto do lati direito;
levou calcas do riscado, camisa de algodilo branco,
chapeo de palha ; julga-se ter seguido a direceflode
Oiinda. Itoga-so as autoridades policiaes e espitaos
de campo, que o apprchendam e levem-no a ra do
Trapiche-Novo, n. 6 ou na Soledade, n. 38, que
serSo recompensados.
-- Fugio, em dias do correle mez a prcla An-
na.Crioula, de35aunos, allura regular, secca do
corpo, beicos grossos, olhos grandes ; tem algumas
sarnas as coslellas e cm una perna urna cicatriz
ile una grande frula ; lem nina das orelhas rasga-
das no lugar onde se bola o brinco ; quando falla ho
scmprcbaixoe que mal se pcicebe; nao parece
crioula por fallar alguma cousa ligoa de nacilo ;
levou vcslido do chita e panno da Costa j usado.
Roga-se as autoridades policiaes o capitiles de cam-
po, que a apprchendam e levem-na a ra Nova, 11.
41, que serflo gratificados. >
Fugio do Seiiohilein lia um me/. o crioulo
Gregorio de cara redonda cheio do corpo, pernas
arqueadas para fra bous denles c limados ; levou
camisa eccroulas dealgodflu azul ,0 outras do al-
godao de listras jaqueta de linho azul com qua-
Uros o chap de palha usado : quem o pegar levo-
o a ra do Vigario venda 11. ti, quo sera" generosa-
mente recompensado.
Fugio, no da 20 do corrento urna prcla criou-
la de nomo Benedicta baixa nariz chato, beicos ,
grossos fula ; levou Vestido branco de llores pan-
no da Cosa e urna trouxa coa roupa : quem a pe-'
gar leve-a a ra do Collcgio, n. 6, botica de Ci-
priano Luiz da Paz, que recompensar.
SH5S
/
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHTYHGHHW_O1X9JD INGEST_TIME 2013-04-12T22:05:27Z PACKAGE AA00011611_06204
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES