Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06194


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I 11
XXIV.
Sabbado 0
j/0publIcMe lodosos diasque nao
ft r e.i"'l-- nJfo da asignatura he
'"*irs por n'"tel, W<* **Udot. O
"4^.i dos asslenanles io inaerldos
i"".c',, por llana. 40 r..e.n typ dlf-
r>Mo or ,,tae, pela inetade. O nao
*f ,.'. P>B"io 80 rs. por linha a l0 rt
*JHuftMttli por da publlcaco. .
PBASES D* LA NO MEZ DE DBZEMBRO.
/Wrta, a 3, as 3 hora e 47 inin. da tardev
{i
a 10. 0 horat e25 mi.da inauh.
4j!4?Mi.al7,*i8horeMinla.daiiiaoh.
JJSS, *2 kort,, e 3 vxia-da urde-
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goiaooa e Parahlba, ii aefi. e seiln-felras.
Rio-G.-do-Norte, quintas-felras ao tneio-dla.
Cabo, Seriuhrin, Rlo-Formoso, Porto-Cairo
e Macelo, no I.*, a II e ti de cada tnex.
Garanhuns e Bonito, a 8 e 43.
Boa-Vina e Florea, a 13 48.
Victoria, as qulntas-felraa.
Olinda, todo* os das.
PREAHAR DE HOJE.
Prlmeira, as 'i horas e 42 minutoj da -tarde
Segunda, 4 horas e 6 minutos da manh
de Dezembro de 1S48.
!f. *7.
das da semana.
4 Secunda. 8. Barbara. AuJ. doJ.dos or-
phosdo J. el, e do J. M. da 2. t.
5 Terca. S. Geraldo. Aud. do J. do c. da
I. e do J. de pai do2. disl de t.
6 Quarla. S. Nicolao. Aud. do J. do c. da
2; t. e do .1. de paido 2 dial, de t.
7 Quinta. S. Ambrosio. Aud. do J. de or-
phSot e do J. M. da I v.
8 Sexta, i-4' Concelfo de \usia Srnhur.i,
Padroelrado imperio.
0 Sabbado. S. Leocadia. Aud. do J. do c.
da I v. e do 1. de paz do I dit de t.
10 Domingo. S. Melquades.
CAMBIOS NO DA DK 7 MXttttftO.
Sobre Londres a Vi d. por 1 fOOn rs. a fin sas.
Pars
a Lisboa 120 por cenlo .le piaio.
* R|o-de-Jinelro ao par.
Oesc de letl. de I)as tirinas a I V. ao mes
Acedes da conip. dr Heberll.e ,1iW rs.aoj!
Ouro.-Oncas hraiianholaa 30*01*1 a .*
Mu.'das deftflOO v. riWOO a 7*100
. deG#4rt0n. 161400 a liW>
. de 4/WW... WMO a Mg
Prata-Pataces brasileiroa I/D4J>a MW
. Peso, columnarios. I4 a /BU-
Dito mexicanos..... I/**" "" "
I ARIO DE PERKf AMBUCO
)
PARTE OFFICUl.
G0VERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENT DO DA 6 DE DE/EMBRO.
,-" Hiri. Ao commissario-pagador, declarando
fa 'Sr expedido88 convenientes ordens para que, ob-
servadas as rocommendarjoes por S. Me. feilas em of-
licio do 17 de novemliro ultimo, e bem assim as an-
lerinres determinacOes da presidencia, o arsenal de
guerra proceda compra e promptificaeflo da fari-
nha e demais objectos deque devo constar o forne-
rmenlo semestral que so tem de remetter para a
ilha de Fernando de Noronha, bem como para que
o patacho Ptrapam* quo est destinado a cnnduzir
tal forneci ment, faca-se de vela, para o porto da-
quelle presidio logo que liverreeebido ossobreditos
srligos. OIIciou-sea respeitoao director do arse-
nal de guerra e ao inspector do de marinlia.
lulo. Ao inspector da tltesouraria da fazenda
provincial, determinando mande pagar ao carcerei-
roJos Francisco Marinho a quanlia de 58S800 ris
que se despendeu em todo o niez de novembro ulti-
mo com a Iluminarlo e agoa para os presos de jus-
nca da radeia desta cidade c oulros recolhidos na
forlalc?a das Cinco-Pontas, segundo consta da con-
ta que remello. Participou-se ao chefe de polica.
Hilo. Ao commissario-pagador, orJenando pa-
gue ao coronel Jos Mara de llanos Brrelo a quan-
lia de 1:7358840 res, importancia do sold, etape e
fanlamenloque vencerm, de II a 30 denovembro
llllimo, as pravas da guarda nacional destacadas na
enmarca de Nazarelh sobo mando do mesino coro-
nel, segundo consta da relaeflo que remelle. Com-
municou-se ao commandanle das armas.
Hilo. Ao director do ar-enal de guerra, autori-
sando a despeza de 444/800 ris, feita com a farinha,
carne serea, arroz, vinlio o varios oulros artigos que
por ordem da presidencia" S- Me. comprou para sc-
rem remellados ao coronel Jos Vicente de Araorim
Iii'/erra, cornmandante das forras em operaces ao
norte ila provincia. Scientilicou-se o commissa-
rlo-pagador.
Portara. Reformando o major commandanle do
esquadro de cavallara da guarda nacional do mu-
nicipio do Cabo, e os respectivos ofliciaos, capilflo da
primeira companliia, Joflo Carneiro Rodiigues Cam-
pello ; lenle Miguel Mendos da Silva; e alferes
JuBoRuHno Ferrcira. Expediram-so asparlicipa-
cos convenientes.
Dita. Mandando passar patente de major com-
imndanle do esquadro de ca vallara da guarda na-
cional do municipio do Cabo ao capitlo llenrquc
Manuel MalUeiros de Mello.Participou-so ao coni-
man|iante superior respectiva.
I>ita. exonerando do cargo do subdelegado da
fregueria do Cabo a Lilia Francisco Paz Brrelo, as-
sim como aosseussui penles Francisco Pereira de
Caivaiho, Miguel Garcez Alves Lima -o Braz Antonio
da Cunta Albuqucrque. Fi'/eram-se as participa-
CO. s do eslvlo.
Dila. oiueando subdelegado da fregnezia do
Cabo aadoulor Manuel Carneiro l.ins doAlbujuer-
que. Fizciau'-se as convenientes participacO^g.
Dita. Nomendo para supplenles dosubJelega-
du da freguezia do Cabo : em primeiro lugar a
Joaquim Marques da Co>ta Soares, em segundo o cs-
piiiio Manuel Joaqu'in do RoijoB-rreto, eemtercei-
roo major FrncifCO Antonio deSa Brrelo Jnior.
Expedirm-se as participarles do coslume.
Dila. Kxonerando dos cargos do supplenlesdo
delegado do primeiro dislricto do termo do Cabo a
luiz Francisco Paz Brrelo, Kuiz Pires Ferrara e
Francisco Pereira de Carvalho. -j Fram expedidas
s convenientes parlicipacOes.
Dila. Momeando para o cargo de segundo sup-
plente do delegado do primeiro dislnclo do Cabo,
Sueseachava vago, aodoutorManoel Carneiro Lilis
i Albuquerque ; para terceiro o lenente-coionel
Joaquim Manoel do Reg Brrelo ; para quarlo a Jo-
s Antonio da Rocha, e para sexto o major Joaquim
Theodoro da Silva Cisneiro. Fizersm-se as parti-
cipacoes do esjylo. .
Dita. Reformsndo os seguinlrs ofliciaes do pri-
meiro batalhilo da guarda nacional do municipio de
lioda.
Capilflo da 6. comp.' Anselmo Jos Ferreira.
lente 2. JeronymoJosForreira.
, 3 Manoel Dionizio Comes
do Reg.
4.; Antonio Nunes de Mello.
Alferes i! Manoel do Amparo Caj.
* .* Constancio da Si Iva Neves
a 3.* Jos Joaquim Fernandes
da Silva.
Participou-so ao chefo interino da primeka legiflo
d guarda nacional de Olinda, que propozera as su-
bredias reformas.
Dila. iiem iiiiiuiu o bacbarel Jos Theodoro Cor-
deiro do cargo de promotor publico da comarca de
Coianna. Expedirin-se as convenientes parlici-
PacOes.
Dila. Momeando o bacharel Francisco.Pereira
Freir para o cargo de promotor publico da comar-
ca deCoianna. FiAsram-so as parlicipacOes do
eatylo. .
Ofllcio. Ao commandanle inlerino da primeira
legiflo da suarda nacional de Olinda, parlicipaudo
iiaver approvaiio a pri uU i que i=.!:g:Uvs psrs
s posios vagos da mswma legiflo os cidadOOS abaiXO
declarados :
Capilflo da I.' comp.* Francisco Luiz VfSes.
Tenenle
Alferes
a
Tehonte
Alferes
Capilflo a
Tenenle
AI Teres
Tenenle

Alferes
a
.*
4.
Capilflo C'
- Antonio de Almoida An- Entretanto, eslav.mos complctameole engaa-
lunes, dos : o furor com que urna dessas folhas se arrojou
I SoSoSSS" ante-hontem sobre o Sr. Antonio Carneiro; a ir.
ardeMello. 'comque o calumniou, emprestando-lhe intencoes
Z S^Somcm 5a'cu:! torpes e que porcerlo nflo pJem 1er cabida no seu
nha d'Essa. coragflo todo brasileiro ; o afn com que se com-
- Joflo Concalves Rodrigues pfomeUe a prosogur 0m tarefa Iflo rulm, quanto
- "rncisco do Reg Barros crniosa : ludo islo prova que osactuues inimigos
- Jos Paulo Nunes. I j0 e- Carneiro estflo dominados a seu rpspcilo dos
- Manoel da Porcmcula rer- ... ._
mesmossenlimentos deoulrora, e que se tiveram
forsa para abafa-los por algn s mezes, esta frca os
abandonou quando souberam que elle se achava en-
cartado n'um emprogo que era oceupado por pessoa
que lhes pertencia, e cujos inleresscs iam soffrer pe-
la destiluico ; denunciando dest'aite que os lucros
e niloos principios sflo os causadores dessa guerra
sanguinolenta c fratricida que ahi so aleou, e que
errtodesapparecer dentro em pouco.
Cumpria, porm, desfigurar de alguma sorte o
verdadeiro motivo da bilis derramada sobre o nOMO
reir.
Joaquim Corris Lima.
Antonio Felis da Silva.
FranciscoMartins dos An-
jos Paula.
Jos Joaquim Jorge.
Repartidlo da polica.
EXTRACTO DIARIO DO DA 7 DO CORRENTE.
Fram presos : ordem do Sr. desombargador
chefe de polica, Manoel Thomaz dos Santos e Nico-
lao Machad o Freir, por indiciados cm crimo de se-
dieflo.
O 1. Amanuense,
Aprigo Josi da Silva
lillnlllllr'EnN'.llll'.r.ll.
miein, m wkmbho de i4t.
O SBNnOR TBNWtTR-CORONBL ANTONIO CARNEIRO
MACHADO ROS.
Desde muito que oSr. tenente-coronel Antonio
Carneiro Machado Rios deslgou-seda gnle quede-
cahio do podftr no da 29 de setembro deste anuo; o
fo quando essa gente ainda dispunha de todas as po-
si?0es officiaes, que S. S. assentou de separar-se del-
la.por entender quo a sua honra e->sseus princi-
pios assim oexigism ; tsnto que, apenas manifestou
o firme proposito em que eslava de dcixa-la, rece-
beu a demissflo do commanJo geial do corpo de
polica, dada pelo proprio presidente quo anterior-
mente Ihe tecra pomposos elogios em relatnos a-
presentados a assembla legislativa provincial. En-
tilo, um chuveiro de du.esl.os e insultos foi alirado
sobre o Sr. Carneiro pur essa mesma gazeta que bo-
je o atassalba ; mas a imprensa frtisiltim explicou
satisfactoriamente o procedimento do nosso amigo,
edemonstrou evidentemente que elle se apartara do
partido que nessa poca dominava, porque chegou a
convencer-se de que elle era incapaz do fazer a feli-
cidade do paiz, o antepunba os intoresses de certos e
determinados individuos ao bem-estar do i ovo, do
quem o Sr. Antonio Carneiro nunca d-jixou de ser de-
fensor dedicado e extrenuo. Para logo travou-se urna
lucta de vida e moi lo entre a sobredita imprensa e a
Imparcial, na qual, soja dito em abono da verdaJe,
sempro aquella obteve os louros da vicloria, vislo
como tinha a rasflo do seu lado, e eslava sb a inme-
diata direceflo de um desses Pernambucanos, cojo
talento, inlell igencia e saber honram aos seus con-
cidadflos e a propria patria : mas, aocabo doalguns
distinelo amigo, e por isso era preciso cobri-lo de
apodos, e chama-lo al de analphabeto; a elle que
por muitas vezes ha lido assento na assembla pro-
vi"eia| de Peinambuco : que desde muito exerce
o cargo de jtiiz de paz do primeiro dislricto da fre-
guezia da Boa-Visla com bastante intelligencia ;
a ello que, ainda nflo ha um anno, era julgado apto
para tudo por estes mesmos que ora o injuriam lao
indignamente!.... Muito pode o espirito do partido
quando degenerado ao ponto de levar o homem a
desconhecer a verdade dos fados I!
Mas oSr. tenente-coronel Antonio Carneiro Ma-
chado Bios saber desprezar essas miserias; e, confia-
do na propria consciencia, continuar seu caminho
sem se importar com os tiros da maledicencia, de
ceilo impotentes contra um cidado cuja conducta
he excellentemento explicada pela sua vida toda de
honra, toda desinteressada.
Assim, pois, o perverso que roubou vida ao ftiui
ca assaz chorado commandanle superior, nao com-
melteu smente o delicto do tirar asociada.de per-
nambucaua um dos seus mclhoros membros fe/
mais : arrancn dos Iliacos do urna l'.imili.i res
peilavel o chelo que, tolo desvelado por olla, prena-
riva-lhe um futuro choio le prosperidades ; pn-
vou a nossa nasecnte agricultura do liOOieni que
muito se esmerava por dar-lhe incremento!...:
MaUlicflo. maldicio de uos Padre sobre as .-abe-
cas dos que armaramo braco doassassir.o, o que rio
seu furor satnico so dito parabens, segundo se nos
ha informado, pelo bom multado da empresa .'....<>
sangue da Ilustre victima Ibes lingeas polifilas ves-
tes, c brada pela vinganc dasleis divinas o huma-
nas que olles lao cruelmente ulliajaraln !....
Os rostos mortacs de S. S. se rao boje sepultados
em um dos jazigos do convenio do Canno du lleci-
fe; e sabemos que estilo expedidas as precisas or-
densparaqo so Ihe facam as honras l'unclires que
Ihe pertcncem. A Ierra Ihe seja levo '......
SAUDACa'O AOS REDACTORES l>0 CAI'IIIAIUHE.
Com muito prazeranminciamos aos nossos leito-
res que o Capibaribe conlinuou antc-honlem a sua
publicacflo, algunt tempo inlcrrompda. Quando a
provincia exige o concurso do todos os seus bons fi-
Ihos para salva-la das desgranas que I lio preparam os
directores da mais injustificavcl das revollas, nflo era
possivcl que os redactores daquclle acreditado peri-
dico deixassem de contribuir com o valioso conlin-
gente de suas luzes c de seu patriotismo para a sus-
tentarlo da causa da lei c da ordem.
Saudamos com sincero jubilo a entrada de lao dis-
tinelo campeflo na arena do combate, e agradece-
mos-lhc desde ja os relevantes servidos que cm tilo
momenlosas circumstancias ter ellq de prestar a
Pernamhuco. as
l'MA
VICTIMA ILLUSTM ACRIFICADV AO BRA-
MARTE DOS REVOLTOSOS.
Morreu o Sr. commandanle superior da guarda na-
cional do municipio de Coianna, Francisco de Paula
_- i cavalcanti do Albuquerque l.acerda !... Os ruis apu-
mezes, essa lula como que amorteceu, e o oome do,,'"v",L""" ^ "
.. _______!.l ..I... nn mmurn.- nrlAUnnC (la 41
Sr. tenente-coronel Antonio Carneiro Machado.Rios
comecou a ser respeilado pelos mesmos peridicos
que mais ohaviam insultado; lano que, quando
queriam fazer-lhe alguma aecusseflo, contentavam-
se com indirectas, e nunca se animavam a tocar nes-
se nome todo popular.
Em Taca de tudo isto, criamos nos que o partido,
que no comeco da sua vida tanto devraaoSr. An-
loni-.- Carneiro, eslava rrependido do seu procedi-
mento para com odistiiic Pernambucano, e nflo
mais se resolvera a mandar insulta-lo; crenca que
se tornou ai'nda mais rofe.Jj guando vimos que, no-
meado delegado dosfgnnao-districlo do termo do
Recfe, empossado nesse lugar, e j havendo pres-
Udo nelle servidos importanles, o nosso amigo ba-
!-- _____i^ oavii>ido -innmero das vicli-
masquequolidianamente sflo sscricadas ao phre-
nesi dos redactores das folhas da opposicflo.
rados cuidados, os maiores esforcos da arto
impotentes contra a bala que Ihe crafwnos rin
mflo cerleira do assassinoque, assalariado pelos rc-
vollosos, Ihe desfechou o tij^tardciilru das mallas
da Maricota, onde o espresH^rfom a maldade rcllec-
tida do individuo cujo coraeflo pervertido desconhe-
ce os preceitos da humanidade, e nflo tremo ante Bil-
ma t3o horrendo como o homicidio l....
S. S, falleceu s 11 horas da noite de 7 do corren-
le, dexando inconsalaveis nflo s os numerosos a-
migos que ahi carpem o seu passamenlo, senflo tam-
bem urna esposa dedicada, tres filhas no verdor dos
annos, e um filho cuja educatflo ainda nflo estava
acabada.
OSr Paula Lacerda era, sem a mnima contradic-
eflo, um dos mais ricos proprietarios da comarca de
Coianna, ondepossuia os excellenies iiguCS de-
nominados B e Itapirema.
A P0V0ACO. DE S\NTO-AMARO JABOATO.
Estaparagem est em plena paz. O delegado do
terceiro dislricto do termo do Recite, o Si. Migue!
Filippedo Souza lefio, parlicipOU presidencia em
onirio de honlem, que nao lurahi um s grupo de re-
voltosos ; que no engaito Camaqar y, onde so di-
zia catar reunida urna poroSo de gante armada, n!fo
encontrou senflo a respectiva fabrica o os morado-
res ; e que nada havia a recear pela tranquillida-
de publica naquelle ponto da provincia.
Assim, pois, lemos o prazor de anuunciar aos lei-
tores quo sflo inteiramento falsos os boatos que cor-
riam a respeilo da sobredita povoacflo, e quo esses
boatos nada mais sflo do quo urna das estrategias
com que os revoltosos bufeam inculcar farras nue nao
leem. ^^^^^^^^_^_^
A COMPAMIl.V DE ODAtDAS NACIONAES IIESTACAPOs.
Framos, em verdade, injustos se entend-ramos
que as poucas palavras, queem o n. 272 dirigimos
aos briosos guardas nacinnaesque ahiscacham a-
quartelados SOb o mando do valente capilflo Jos
Concalvcs da Silva, ciam sulliricntes para chamar
a attenco do publico esclarecido sobre os relevan-
tes servicios que os denodados cicladnos soldados hfo
prestado provincia ; e, pois, vimos liojooccupar-
nos delles mais circumstanciadamenle.
O simples fado de haverem e*ses nossos irm3os
deixado mu volunlariamente as suas occupa{0es
ordinarias para se prestare* ao servir.0 militar em
urna crise arriscada recommenda-os estima dogo-
vorno es sympathias de todos os Pernambucanos
sensatos e amigos da ordem ; mas, se considerar-
moa que tanto cm Arraial como cm Reher he ellas
concorreram poderosamente para quo os revoltoso*
eorressem espavoridos ante as forjas legalistas, ex-
pondo corajosamonlc as vidas, e collncando-se sem-
pre as posices mais perigosas, corto reconhecere-
mos que esses bravos leem adquirido direilo ao hon-
roso titulo de benemritos da patria.
Ao passo que destalle pagamos um tributo a..
Jnerito de todos aquellrs de nossos COncidadSos que.
sem eslarem afTeitosa campanha nem lo pouco aos
habitas da vida marcial, ostentaran! lano valor as
lulas em que cooperaram com a tropa de linha, que
merecerarn. elogios e abraces do Sr. Passos, esse
prestimoso capito do e." balalho de cacadores,
que tflo bem ha sabido sustentar seu posto de hon-
ra ; ao passo que assim cumprimos um dos nossos
mais gratos deveres, dzeoms nos, nflo podemos
deixar de fazer especial menqflo do nome do Sr. al-
feres Antonio Borges l'cha, declarando que nos
dous pontos, que citamos em principio, deu elle pro-
as de muita bravura, e jamis perdeu o sangue-frio
que constilue a melhor parte do carcter'do^bom
ofilcial.
Continuem, pois, os suardas nacionaes desta-
cados a prestar seus valiosos servidos causa da or-
ILEGIVEL


i


i
i
.

j
kn


.v
,:
.-
i



i
* ni Jfl legalidade, desmrntilido por Ul guiza
O* falsos boflM que o seu respeto hflo feiln correr
os promotores ila revolti; mostrem-so "esVartfl
terdadviros l'enmubucanos ; nflo so fallan J.
mais da vereda por i|iie o vai conduzindo o pres-
tanlo capilflo (|uo <> coiniiianda, o conten com u
proloc{floda governo, coma amzadco reconhrci-
ineulo daquelles ilc seus patricios quo na la
l'.erom wnSe i | rosprridade de.-l Ierra.
ni ais
DM IIOCI'IIKNTO CCRIOSO.
Os revoltosos perderm a {cal.cca : fazom osten-
tacaode crime; e, oque heais, ousani procurar
intimidara autordade publica em documentos es-
< ripios eassignados polo proprio punlio.
A carta que ora vamos publicar provaquanlo ha*
vem sdilo. Ejla :
Amigo e Sr. desembargndor (* Ksl V. S. um
Muco actjyo, aprenden injustamente a Francisco
Jse negro csrrsvode Mpraes, que nada sabe, que na la
vale, e maia anda doua quarlos. Talvez i.mbem
lonissse urna carta minba para minlia mulber,
< qoem su PSCrevo cousas de familia. fcs'c proco Ii-
manto nffu he digno de sua probidada, aeu llie
peco da mandar soltar na presos, a entregar-me os
quairaos Bu astou rqui a sus dispnsicflo, e pode
\. S. ordenar-nie suas ordena. Espero breve enirai
na cidade com a lores ce que dispomos, a entilo
nos velemos Adeos.- Amigo e criado. Amonio
Ilorges da lunccca. 28 de novembro de 1818.
Agora que os leitoresj sabom quem lirmou a car-
ta, oque por conseguinte nflo ignoram que o Sr.
Hnrges da Fonseca est de accordo cm os revolto-
sos, e lar de aecrdo que diz dispor das torgas per-
tencentes a el les, pormittir-nos-hflo sem duvida
que pergunlemosquem mudou de principios, quem
hypothecuu suas crencas polticas: o Sr. Ilorges
quo he ullra-deniocrala, que nada quor com o go
verno monsrehico, mas sim lulo com a repblica
oh os revoltosos, que i cada nasso invocan) sacri
gaiente o nome de Sua Magrsladc o
se. proclaman! monarohislas
respira .. que he .(<, men lieos, queheisto! qual
a causasen da magna tanta? Mas ah quo men-
te c>rruladnra ja presagia, a mente escrutadora ja
comprehende a chis, que produi malea 1.1o graves :
lll que por entra frouxos assomns de amortecida
luz, um ferelro diviso, um alhau le, que fatal de
nogrose ostenta sem duvida Mollina cruel, mons-
tro Inflexivel, mreos diasceifoude algum mortal,
que_ virtudes 18o grandes excrcia.que sua falla sentir
abriga a todos; sim eu me encaminho, eu mu .apro-
ximo, cu j diviso a quem, Heos do clemencia, a
qnein f Ser possivl .. eu dislingo exange, in-
nnnimada um> herona sem par, matrona excelsa, a
lllm.'Sr mi. Mara Ungida da Fonscei do Brcderodes
que.naacida da una das mala Ilustres familiasdesla
colado, o ornamento fazia do seu bello sexo; que,
ancuas a rasflo ful nella despuntando, roram igual-
mente despontandn todas as b.vs qualidades que
constiloem urna crea tura ani vcl e virtuosa, asquaes
desenvolvidas pela n|itima ediicaeflo, que desvelados
le-
Imperador, e
puros? Do quo lado
estara a hypocrisia ea falla de fi' Quem mente as
suasprolestacoes? O Sr. Ilorges, ou os seus no vos
uiia.ios ? Nflo seremos nos quo nos arriscaremos a
decidir a quesillo : fallen) os homons sisudos; tal-
lem lodos quanlos, amostrados pela experiencia, co-
ndecen, perfeilamenle o Sr. Ilorges eaquelhs cujas
rias elle conta como suas.
e prndigalisaram sous nobres pas, tanto so aper-
fmennram que ei-la em breve elevada ao t,ro da
mais lerna .las esposas, ruja pesada carreira encelou
Contando apenas Ireze aunns de vida: tilo nova ella
cranajdadc, como.nlig. pareca em seusdeverea,
necupada Inda em fazer as delicias t!e um esposo
Que lanioamava: ei-la constituida mili, ei-la toda
novatada as caricias do frocto lo seu honesto e
Casto amor, ei-la loda entregue a essss grandes cnio-
Cles, a eses grandes transportes, que a reprodc-
elo lauto soe imprimir nos coradles maternos: do-
larla pelo Omnipotente da maior fecundidade, ella om
vinle e qualru anuos quo durou seu thalamo nug-
nieniou a successflo dos entes com dezoito filhinhos,
dos quaes existen, dez, contando a ultima apenas
dnis anuos; Imla entregue,desvelada toda nacria-i
Co dos seus nihns, ella rriwnciou a lodo prazer que
nSo |n cus lillms, seu espom. sua familia, sua economa
domestica, o seu rgimen interno era toda sua de-
dicacflo, para ah.' convergiam Indos os seos cuida-
dos ; ali se a vieseis enllocada entro seus lilhos,
abracando um. acariciando outro. beijando este,
mimando aquelle, consultando todos, a todos con-
tentando, ella loda przer, rarinho to la, sem du-
vida arrebtalos do xtasis mais encantador disse-
rcis- be esla a mili mndello este ejercicio era con-
tinuo, e apenas era alternado pelos actos .le randa-
do ero que se abrasava ; a rcligifln dominava seu
pensamento, o morde Dense do prximo faziam o
seu desvelo, e a mais ardcnle d
Sanlissima era todo o seu credo
Fu nSo lo contesto, Osear.
Sim, Jeronymo, esse pnvo he meii, muilo man,
tanto lassim que, sempre que me apraz, dalle me
aposso, o e>s povo nlo protesta, (liba, v como
elle se romporli no meio das ras / que ar glorioso!
quo altiva attilu.lfl O' meu povo iii.mi gran le e
brioso povo s forte porquo s bom ; s bom por-
que es forte! s forlo e bom porque s bom e forto.
Tens o vigor do alhlela, o ao mesmo lempo as gre-
cas da infancia. Jeronymo, Jeronymo, haoccasi>s
em que at me veem as lagrimas aos ol'ios quando
me lembro que esso povo me pertence, que he meu,
verdadoiramente meu, do seu amigo, do seu colo-
rista. Tanta de.liraciTo por meia duzia de pincela-
das I Sobremanoira me penhoras, povo generoso I
Entilo he com etTeito leu ? disse eu ao artista
forcejando porabandonar-me s suas ideiss.
Kntendamo-nos, Jeronymo : muitos outros
leem a mesma pretencito ; todos so prevalecem do
povo, todos fallam em nome do povo. Nito ha es-
tudanlinbo que n9o pretenda t lo de manga. Este
convoca-o para a praca da llaslilha, aquello para o
campo do Marte. Fazem-no enlrar em ludo em pas-
scos, em rarlazes, em boletins. Como nflo ha de
assim ser se o povo lie Iflo bom Mas, l quanto a
pertencer elle a todos, como so presume, eslo mui-
lissimo engaados. S pertence a dous entes ueste
mundo : a mim e a urna pessoa do meu conheci-
mento.
Ah!
Sim
COrfWERCIO.
ALFANDEGA.
KBNOHHMTO no DA 7.......
Duotrngam hoj, 9 Utdtitmbr.
Ba/ca Tenlalh-a-Fvlit ppM barrica,
Galera Sord-Fiik machinisino.
CONSULADO GERAL.
iu;.\i)i,\iknto do da 7.
Vu,
fieraI .
Diversas
provincias.
HM.7S,
__2,7e0
i*A|
CONSULADO PROVINCIAL.
REINDIMKNTO DO DA 7......
1:451,20)
VfovmeiHo do Porto.
sem quo
vivamos
passar seus
llonl
de rev
din i
ler ao
Concia, c con.luz.ida por elle, dirigio-se a casa de
Thenorio de tal, n disparan as armas sobre o pobr
homcm, que morreu immediatamcnte, trespassado
por tres balas!,..
Thenorio era um
geern offendia : bom oicial de carpios, Irabalbava
dia c noile para oble/ o> meios de que ca
ivoclo a Virgem
quem gemeu sem
que ella oconsolasse? Quem necessitou sem que
ella o arremediasse ? Quem osieve em alllicflo sem
que ella o cxorlssse i' Quem allim senlio
ella igualmente sentisse? Assim ditosos
nossos conjuges, assim ditosos vjam
das
te
d
Shl nil,'slia ''* 1u,a .''ssalta.'odennhamenlo
iit.la se apossa, a sen indisivol piogresso j faz tre-
mer a todosqueaconbecem: piessuroso o consorte
nao poupa molos a extirpar o mal, os medios silo
chamados, ludo quanto a sciencia pode em casos
il .iaI ?Pl '. n,1"'c>,',l'lica-se, c tenaz resis-
te a todo tralainenlo, dobram-se os meios, invjda.n-
se lodos os esforcos, o resollado he cada vez pcior,
lias; mas ueste mundo caduco nada he perniaiien-
e, seu termo eslava prestes a complelar-se, a pale-
la niorle e.nii n;irra.l.> iIpiIiw lhaegv*va___m-lehra-
Jeronymo, e anda mais a essa pessoa do
que a mim. Forga he confesss-lo, bom que pese ao
meu amor proprio. Verdade be que essa pessoa ne-
nhum meio tem poupado. Como Ihe tem prodiga-
lisa.lo o cinabrio eo vermelhiln.' E qu heroico
pincel, por minba vida Km siimma, essa pessoa
tem sobre nos a pnmnzia. Entro elle c ella a minba
dedicaclo sera eterna. So, por milagro, Dos re-
sumisseom um lypo humano o Sem fornido, a g'aca
e a vrilidade do povo, Dos que bellas nupcias
entilo veramos.'
A onda popular ia-se desusando, o quando o ar-
lisl.-i acahnu do exprimir o seu pensamento, j o
lioulevard estava desimpedido. Osear anda dirigi
urna invocHcflo as turbas, e acompanhou-me at ao
hotel onde eu resida.
1)8 entilo em diante nunca mais me dcixou ; tor-
namo nos quasi nseparaveis. Debalde pretendera
eu hvrar-me da sua companba, elle m'a impunha.
Devo, porem. accrescentar que os seus bnns olicios
nno deixavam de ser-me utes. Tinha-meelle pro-
inettido ir fallar ao ministro, preparar o terreno, e
racilitar-nie a admisslo no gabinete. Demais, onde
poderia ou adiar um companheiro t;1o dedicado?
As minhas antigs umizades estavam interronipidas,
e eu anda nflo linha podido grangear novas rela-
coes. So me resta va Osear ; Mrca ora aceila-lo com ~U^~u*mZT'Z n"".' as suas boas qualidades o ns seus defeilos. Altmde |dfmh.;H/ r5? var
que, como jadiase, elle frcosamenle meimpunh. tnck Th.fr. ^"i. *8,y"*//,a6rt*' caPil3u p-
S SUa com^anhla i'.- mure, em lastro.
Navio entrado no di 8.
Navioi enlrado$ no dia 7.
" m'? *Tn.?no '* 9 *"* hri*"e "* **** ,\!
232 toneladas. Capilflo James Crossman, eoui'n,
gem ii, om lastro; ao capilflo. q"lp'-
Glasgow; Wdias. barca ingleza Jone-Brown <,...
oneladas, capilflo Malheus Wall.ce, equ ,??'
16 carga eerveja, Tazendas e rtif5JS!ff
sRidgway Jamison p,lz
rassasrcom bara,ho; ^-^2
Parah ba ; 2 das, hiate br.silero Conceiras-FUr-dn,.
rtude,, de 24 toneladas, capilflo KliaVdo Roz
28WJW" "'*" de mangue ;.oc
Piiflo l'assageiros, Custodio Domingos dosi S n
los, Uanoel l'erein. de Ara.ijo, Portuguezes
Natos sahidoi no intimo dia.
P".y?.?,,l*tJhrwelro Purtxa-dt-Mara. caplSo
i
^ohonestoapaciOco..,.....-.iS^^aS^tSa^^
|.|ll
CUiVandO OS (ditos li'um
Ja sacrosanta imagem .10
cruxdlcado, eslendendoos bracos a oulra de Alaria
lo de todos ; gozava de siimmo concoito no lugar de
sua residencia, e cerlo vivara anda boje se o 1al
afanoel Romflo Corris nflo aasulasso os bandidos
para arrancarem-Iho a existencia.'...
Dos de misericordia.' Onde iremos parar, se a
cousas roiitinuaremssimPO roubo e o assassinalo
sao a divisa dos revoltosos.
lanMle',.,.1,U'l,a TIS'" Si""l"IC Cai 0|W sua
lapide, um suspiro fatal loo sirva de eterno adeos.
Sos cos goza o que s o justo alcanca,
i..ivea tona leseja, em paz descama.
Nflo se passava dia que nflo assislissemos a algu-
mas cmoccOes extci oros. Urnas vezes era o povo que
sea ha va de sorprender o governo com um procr,.m-
ma inesperado ; oulras vezos era o governo que con-
\tdava o povo a gozar, em urna fesla publica, do
espectculo da propna embriaguez de ventura dille
governo. Estas ceremonias se renovavam a cada ins-
tante sem que jamis se exhaurisse a paciencia ou
a/.re..ece8SC ""'usiasmo dos ordenadores da fesla
ada bavia que
r estatuas as
fogos de a rti-
dos pomposos
-se e reviain-se
m elles quan-
n!l.aLCeim mil .b" hn****Tmir*r's refleZ do I
quoao longo dar.tejava nmses mbsres de laminas
'ie ac Era esse o seu espectculo favorito"e'a'miu-
uvam^ ,.,,,n,:,,'Pp0Sl V1' s8"nle,commen,o-
dvamem pblicos manifeslos as piltorescas im-
po oes da vespera;e mo se polia deixar de Z-
c .iihecer IICSSIS publicas proclamadas o quanto
cSSa homeiM se reputavam felizes, o quanlo esU-
XhT: :;l"s de si ,^es^",, ^'^^Ss 1
elteito que haviam produzdo.
NECROLOGA
DA
!i "/'''rutlef, nada consorte do
Sim. sr. Prxedes da Ahn3cK
r.e.coiiHUl da A-ora-Sraiuif/a, e fritar
do roiiwtado eral denlacidiZfe, rf"
..... Vui I""'' I'01 *trtiUir, el conterUur !
Assim romo a flor nasre. r||, a,rl.
*""" ,u,uo a li' '"'re, ell. o.orr.
Por***
VAI.Ilil>\i)ES.
/"-
JKItOXYMO PATUBOT
EM BUSC DAMKLHon DS EPUBLICAS,
. Por Luz Reybaud.
A MKDAM1A R o BtVKBSO.
(Continuando do numero antecedente.)
alt'rd'.'i'.h'.'a '.'nafl08 ,I,Mor^ 's (l Pintor tinham
auraiii.ioa illeucflo .ios curiosos que ja coniecavam
oue en"'r,1"' ""T r"d que u .le lio.,, grado .lispensava, e para a ella sub-
rabir-n.e apressej o passo. Uscir alinal k,.I rou-
\1; ''!",S,'reM.",;",P "l0 -"Pn,liasreiefl.s.
\o JpVptaculo ao demais o absorvia. EstavaW.
- Saoaitisliis, dizia-mc Osear com certo senli
ment de ufania ; csses ao m. nos nos oomorenen
den,. Nflo tenbas medo, Jeronymo, que el^deixen
s repblica in,ar-se dos ens Rus; sffl mestrs
Jo olllco, e por isso mesmo incapazes del TZ1
sabe do qe nimia gozaremos na ,u wSlSSfaffl
so de pensar errutal dilata-se-
Falmoulh pelas ilhas da Madeira e Canarias ; 32 .lia,
paquete inglez Pelerel, com.nandante o lenle
Cresser.
Navioi tahidoi no meimo dia.
Amsterdam ; escuna ingleza Antji, capilflo C. Rece-
ten, carga assucnr o couros.
Canal ; brigue inglez Lilly, capilflo Thoms Lanfes-
ley, carga assurar.
Rio-de-Janeiro ; patacho hraiRleiro Santa-Cn*. ca-
pilflo Joaqun. Antonio fioncalves dos Santos car-
ga assucar e ago'ardente.
Enlrou liontem
Observaras.
'6! nnil. a
Kf^^C^"J^0le<)P^,,I,^^pn''N^'-
'"' es 'eiBlru ll lio, trazendo a seu bordo S
vi I 11 l(i5a
EDITA L.
meocoraeflo. Teremos
as lesas ..e i'i, o ""'"""Cio. Teremos
uo be islo, meu Dos, que be isto I.
t..o lgubre he esla que eslou rendo.' ludo a
Uep.ro he pranio, hedor, ludo nantnilMd
teza lulo, so ei.Cul.lrO aliccflo. o.o gemida
"astro raiador aqu penetra...' Oue i. iii.. '
Jeo. que he .st./; vejo lenros BlbmhnA lau-
nas dobu hados, sua iridie orphandsdiVtfi$
P^^Poi:doSd??o^orS, ,"''^--
'colado se nao ouve, o S^Z^C""
..jas calieras Ructuavam
lessa mulli.Mo ereui-M
."gnilicr:,.|;qUC "CCreSC" sfe''Mu*lcommentaro
- He o meu povo, exclamou Osear, o meu gran-
de e nobre povo ; dalou-O reconhecendo.
as 8ao0poq,;,ictZ.eomq,1e,apo'.i^sC/ha,ne,08 *"+
e.rchusnapcrrr,eslr,i8,tr,r^e8 s ^^&
seio
por-
m0mm
SSST" eSfr9' C C0"' -'!' dclre
Miguel Arohanjo Monteiro de Andrade oficial da im-
perial ordem da Rosa, cavalteiro da de Chriito t ini-
peclor da alfandega de Pernambuco, por S. M. t
Imperador, que eot guarde, etc.
Faz saber que no dia || do correte, ao nirio-di,
na porta da mesma, se hilo de arrematar em bast
PiiDl.ca 886 barricas abatidas, 88 ditas com lampse
urna poreflo de arcos pcrlencentes as mesmas : ludo ?
no valor de 400,000 rs. impugnado pelo amanuen-
se Goncalo Jos da Costa e S Jnior, na nota para
despacho por factura, sendo dita arrrematacflo sub-
jeita adireitos.
Aliandega, 7 de dezerabro de 1848.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
Ueclara^es.
tmenlos iuyihouiaJaau.i ., .... "! J "'s "s !"
aqu
(fjHewSr. ebefode polica que. carta se di-
rige.
CtJJ Esto Carneiro acba-se preso por se have,
l.Viii.eiile involvido n r-vi., .._ .
sem
rcuuis-
0 arsanaj de guerra precisa comprar, pra a ijhi
de Fernando, o seguinle : 990 alqueires de fari-
nha de" mandioca pela medida v'elli.; e bem assim
3.-0U0 tellias 2o "nchameis de vinle palmos, 100 cai-
bros, 2:000 pegos caxaos, e 3 arrobas de ferro di
S.iecia : quem tara gneros se. propozer a vem'er
|io le comparecer na sala da directora do mesmo ar-
senal no dia II do coi rente mez com sua proposta
em carta fechada. Arsenal de guerra, 7 de dezembro
de 1818.
. r enlre1la"l> minhas duvidas, recee que essa
apparente alegra acobertasso myslorioso nezar'es
No iiieio desses gr.los, no meio dessesTausarles
povo,
cspi
Paturot, ests ven-
actvsmente involvido na revolta, o he
n.m o tribunal ds mmsh
co'pus.
o mesmo a
Laojueuenegar habtai-
Estas vtndo o meu
do-o.
O leu povo t
O meu povo, sim, Jeronymo. Pora de ouem
ouer.as que elle fsse ? Porventura nflo o te nno
traz.do as mmhas enl.anl.as de artista ? NOo he o
das aires / u povo .la oca e do cobalto S' '- ....
euUum0..M"t e,,,cP"*e ^ comprehonde-loTaou
?.ue Rf&,fsiiraf" p,,v ,,a "*' '"eU ?
desperlaya as ......l.assspeilas. V rundo dessa" 'c-
.vidade lebr. eu p.ocurava o trabalho. um t?bal. o
seno, a saude da alma e o pflo do corno, o nflo o
chava. Esses horneo, qi* com tanto rdase ent^
hao Tnr12T' K'Vr,U ^'li-sa con.m%
r...^fiP *e d" 8Ua su.bsl8ci'.. seo. qe em troco
llw>ralr buissom rJlL-"" semelhante
estado de cousas ser durnoWDar-se.hia caso que
esses homens iiem mesmo tivessem disso consci-
encu .' C.unpri. indaga-lo ; a isso applique-me.
os salces e nos grupos encoutrei pessoas de todas
as condicoes c do touas asclassos- Chame-as par-
te o iterrtfgu*!-*. O p;Sb!;::ns sra f.ci! di- ---
lecer. Se a lepubljca fazia em "gross'a "a"cgrra"e o
orgulho da Franca, qu.utos felizes nflo devia ell
fazer por miudo .' (Continuar-*-ha.).
ILEGVEL
Jodo Ricardo da Silva.
Amanuense,
O arsenal de guerra precisa comprar os medi-
camentos neressarios para a ilha de Fernando de
Mozonha ; a saj.er : ag<>a destilada do tozas, goa des-
tilada de flor do laranja, agoa de louro->erejas, agoa
do colonia, agoa ifalf.ee, avenes, ameixas, cavada,
cre.i.oi trtaro, cantridas, canpl.ora, extracto de
bela.looa, emplastro emoliente, emplastro de aqui-
Iflo gommado, emplastro de cantridas, flores de sa-
hugo. (lo-es de rosas, llores de violas, liores d* malvas,
flore-, de tilia, gomma alcal.ra em p, gomn.a ara-
bia, herva cidreira, jalappa, le roy porgante, lini-
mento anodino, mana, mauteiga de cacau, inacel-
la, nitrado de prata lina, oleo de recio, oleo de al-
ia /.una, oleo de amen.lpa,-pomada mercurial, pedra
lipi, papoilas brancas, parietfga, quina, sement de
linho, salea pan ilha, ierra foliada de trtaro, tr-
taro emtico, vitriolo branco, ungento d'allh,
ungento pupuliflo, tao.os.s de seda e de cabello,
e oleo de rosas : os Srs. pharmaceuticos que qmze-
ion. fu. untei os u.eiieioi.a..os nie.iicaiiici"" p"1""1
Icomparicer na sala da di.eclor.a do mesmo arsenal
no dia II do cnenle mez cou. sua proposta em car-
ta fechada ; litando cortos que os med carnelos


V
3
rl0 examinados por um facultativo, e rejeitados
01 Joto Mear do da Silva.
Amanuense,
Piiblicagao Mtteraria.
ijhid *luz o resumo eta plo profeaaor publico S. II. do Albuquerque.
lile resumo intermediado pelai mais bellas ettan-
.|S jo poema Caramur e terminado porqua-
Iro nKesssntfls ndices chronologicos o por urna
,i,itisiif n dos hachareis formados om direito otTe-
rero a>> leitor instruceflo e recreio e a commodida-
deile encontrar em um volume mu lo bem impresso
e por mdico preco aquilloque a acharia em va-
rias obras o por maiadinheiro. Acha-se a 'venda na
ra do Crespo, loja n. 16 do Sr. Jos Azevedo de
Andrade, e em Olinda ra de Mathias-Ferreira,
sobrado n. 6, brox. 4.000 rs. Nestes mesmos lugares
p.lem os Srs. asignantes procurar os seus exem-
tilares, por cada um dos quaes s paga rilo 3.000 rs.:
vende-se lanihom na livraria da praca da Indepen-
dencia ns. 6 e 8, a 4,000 rs. cada exemplar.
Avisos martimos.
.. pra o Araealy sahe no dia 12 do corrente o
de Flnr-da-R cift : para o resto da carga e pssa-
geiros. Irata-se na na de Vigario. n. 5.
.. para o Rio-ne-Janero sahe.com muita brevida-
de o brigue brasileiro Ltto por ter a tuaior parte
de seu carregamento prompla : que n no mesmo
quizer carregar, nu ir de passagem dirija-seao pa-
teo dn Carmo n. 17, a tratar com Gabriel Antonio.
- Para o Rio-Grande do-Sul sahira, breve o bri-
gue IaSo, recebe carga e escravos : quem preten-
der podeenlonder-se com os consignatarios, Amo-
rim Irmflns, ra da Cadeia n. 3.
- Para o Rio-dc-Janero seguir em poneos dias,
a barca Tentativa a qual esta com seu carregamen-
to engajado ; pode, porm, receber escravos, e tem
bons rom modo rara passaueiros, para estos pde-
se tratar a bordo com o capilflu e aquelles com os
consignatarios, Amorim Irmos.
--A barca nacional Tentativa-FtlU segu pnra o
Rio-de Janeiro com muita brevidade, por ter gran-
de parte de seu canegamento prompla : par o res-
to e passageiros para o que olTorece os inais ricose
asseiados commodes. assim como para escravos,
trata-se na ra da Moda n II. com Silva & Grillo.
--Par o A rae I y sahe, mprelerivelmente al o
da 20 do corrente' a mnis lardar com a carga que
liver a bordo o hiaio "invo-OUna, \mt ier ja 6iga-
j.la parte de seu carregamento: quem nelle qui-
zer carregar se entender com o Diestro do mes-
mo, Antonio Jos Vianna no trapiche novo ou na
ra da Cadeia-Vclh, n. 17, segundo andar.
- Para o Aracaly sahe, em poucos dias, por j ter
parte de seu carregamento prometa, o hiate Flor-do-
Rtife, forrado e pregado de cobre : para o resto da
carga e passageiros, trata-se na ra do Vigario, n. 5
- Para o Rio-de-Janeiro sahe, com. a maior brevi-
dade possiveli, o brigu nacional Ugeiro, de pii-
mH'a marcha : para carga, escravos a frele e pas-
sicH la-secom Manoel Joaquim Soares na loja du fer-
ragens, ao p do arco da Conceigilo, ou com No-
vars & Companhia na na do Trapiche, n. 34.
-- Para o Rio-de-Janeiro segu, com brevidade o
hriiiue-escuna nacional Olinda: tem prle de sua
carga engajada para o resto, pas.-ageirps e escra-
vos a frele, trata-se com Machado & Pinneiro, na ra
da Cadeia do Recite, n. 37. .
- Para o Rio-de-Janeiro sahe, mprctenvelmente
nodia15de dezembro, o briiue Anombro Torrado
de robre e de primeira marcha por ter o seu car-
regamento quasi completo : para o resto da carga e
passageiros trata-se com JoSIo Jos Fernandes Ma-
galhiles, na ra da Cadeia do Recefe, botica n. 61.
- Para a cidade do Porto pretende sahircom bre-
vidade a barca etla-Pernambucana, capilflo Manoel
Francisco Nogueira, por ter a maior parte de sua
carga engajada : quem nella quizer cairogar. ou ir
de passagem, para o que offeroce bons commodos,
enieiida-se com o consignadio, Antonio Francisco
deMoraes, na ra da Cruz, n. 34, terceiro andar, ou
como capitflo na Praga-do-Commercio.
- Para Lisboa pretende sabir, no dia 24 do cor-
rente, o brigue brasileiro Yiriato : quem quizer car-
regar ,ou ir de passagem para oque tem os tne-
Ihoroscommodos, dirija-seao consignatario, Tlio-
maz do Aquino Fonseca na ra do Vigario n. 19,
ou ao capilflo na praga doj^ommercio.
Leilo.
- Domingos Alves Matheus transfeno o leilo de
veame, cabos ancoras, aiicorela vergas, o um
ptimo ch'onomotro novo e do mais acreditado au-
tor inglez para segunda-feira, II do currante as
10 Imr.s da maiihOa quando sera elTeCtuado por
intervengan do corretor oliveira no armazem do
Araujn lucio do Gongal ves.
Avisos diversos.
-Dcsappareceu.nodia 5 do crrante, da casado
abaixo assignado, um relogio de ouro saboneta ,
om urna pequea cadeia e chave lamnem de ouro ;
rujo relogio foi mostrado no mesmo dia 5, a tarde ,
an.Sr. Meroz para o avaliar acudo o dito relogio ja
usado, com as molas fracas leudo a caixa de dcnlio
muilo lina. floga-se a pesaos a quem lenha sido ven-
dido ou empenhado a bondad* de dinair-se ao
lua'telilo primeira batalnao de cegadores de li-
"ba un aniuiriciar sua morada para ser procura-
do : dveiliudo-se que Ibo s*r embolcada a quan-
ti despendida sobra o mesmo r. logio. J. G. N.
- Pracisa-so deum caixeiro do 12 a 14 anuos,
Para una venda : na ra da Cloramina n 30.
Para aiiiauhfla, domingo, haver carne de vite-
lo ecarneiro muilo gorda e em conla : defronle do
quarlel de pulira, n. 11 -
, NaruadoQueimado. n. 14, se dir quem d
dinbeiro a premio com penhorea.
-O ii.i-hdr.-l Miguel Archanju da Silva Costa,profos-
Sor de inglez elraiicez do ci.U'-gin das arles avisa a
"aim ^,n, |------aaaAlilN l-arnilui ftlOIll t ni I #T'r-
l-v,,, ,i,,|Ui ||U> *.-..--- ----
icio de seus trabadlos desde 10 horas da niannaa
*t urna da larde dos dias ui-.-is no terceiro andar
da casa n. 56 da ra da Aurora.
- Jos Rodrigues do Porto, subditoporluguez, re-
lira-so para fra da provincia.
Precisa-se de um eaixeiro para lomar conta de
um venda por balancn, que do fiador sua con-
ducta e se for brasileiro melbor sor mas que nilo
seja natural denla provincia : defronle da matriz da
Roa-Vista n. 38, junto a botica.
Arrenda-se urna casa de taipa bem construida,
no lugar da Torre e periodo rio: a tratar na ra
Nova, armazem n 67.
- Aluga-se o primeiro anJar do sobrado da ra da
Praia, n. 43, com muilo bons commodos e fresco :
a tratar na ra do Vigario, n. 19, escriptorio de Tho-
maz de Aquino Fonseca.
*tlffS9vlVfv9vf WWBIBW
9> Na padaria do becco das Barreiras e deposito A
6) da estrella n. 39, noAterro-da-Boa-Vista 9
fabrca-se o novo pilo de Provenga o qual be #
O fabricado pelo methodo de seu primeiro in- #9
fJi troductor nesta provincia com as melhores fariuhas e asseio que he possivel lembom se ?
fazem fatias de gosto hespanhol, biscoutns,
biscoutinhos fatias, bolinhos, cavacas : tudo ?
9t do mclhor goslo possivel e proprio para cha. *
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra
doRangel defronle da botica: a fallar na ra do Ca-
linga loja do miudoza de Francisco Joaquim Duarte.
Precisa-sealugarum sitio pertoda praija, que
lenha pasto para tres ou quatro vaccas de leite, e que
tenha arvoredos do fructos, ainda que a c.isa seja
de taipa: quem tiver, querendo fazer estermgocio,
dirija-se a ra de Hortas n. 52, ou annuncio por es-
ta folha.
Precisa-se de urna mulher branca do idade com
bons costumes e sem filhos, que ( fiador a sua con-
ducta, para servir um homem eslrangeiro com
urna filha menor : na ra larga do Rosario, n. 8.
Os abaixo assignados declaram que hojn paga-
ram aos Srs. Witch Bravo & Companhia a quantia de
seiscentos mil ris, importe de urna lettra queda
Rabia sacou o Sr. Jos Joaquim Pinto Lima, cuja
primeira via com o aceite foi lesencaminhada, e por
conseguinte sem nenhum efleilo a \ista do recibo
que os mesmos Srs. W. Bravo & Companhia passa-
ram na segunda via. Ilecife, 7 de dezembro de 1818
Kovaei & Companhia.
- Precisa-se de um forneiro : na ra Direita, pada-
ria n. 82.
Trocam-se tres bonitos sanctuarioscom assuas
competentes imagens, assim como as maxens de
Christo, N. Senhora o S. JoBo, para se bolarem em
sancluarios; urna imagem de Christo, grande, muito
piopria para um altar de igrejn, ou para algum ora-
torio particular, de se dizer missa em casa ; um mili-
to rico easseiado piezepe do Menino Dos nascido,
Tiuiti pij.rio para s festejos dafesta: tudo viudo
pelo ultimo navio chegado ile Portugal : na ra da
Cruz do Recite, n. 31, terceiro andar.
A Tonso Saint-Mari in, com
loja na praga da Independencia, n. 38, tem para ven-
ler chapeos de seda domis elegante goslo para se-
nhoras, assim como de palbinha libertos e lisos, tan-
to en fe i la dos como s os cascos, lindos ramos de
flores artiflciaes, fitas para os mesmos, capellas do
flores de phantasia, ditas de flores de laraugeira pa-
ra uoivas, e ramos dasmesmas para peito, superio-
res sedas pretas para vestidos, bicos do blond para
os mesmos, manteletas, visitas e palitos ricamente
guarnecidos, cortes de seda para vestidos, manase
lencos grandes de seda com franjas, etc. : se levar
ao domicilio.
A. F. de Figueircdo (em uberto
um curso de phiiosopiia, geomctiia, ia-
glez e francez, na rus estrella do Rosario,
n. aa, primeiro andar.
hesappareceu, no dia 4 do crranle da casa
Je Rotbe & Bidoulac rus do Vigario n. 4, um ca-
chorrinho de ra?a ingleza com os signaes seguin-
los : pequeo, todo proto, o orelhas grandes: quem
o achare levar a casa cimo, ser bem recompen-
sado. '
OSr. Franklim Pinto de Azorbona, queira man-
dar receber urna carta, vinda da Parahiba : na pia-
fa da Didependencia livraria ns. 6 e 8.
Alugain-se dous pretos robustos para ai mazem
deassucar, ou qualquer oulra occupagflo : no Alcr-
ro-da-Boa-Vista ti. 36, segundo andar.
Fabrica de Todos os Santos
da Itahia.
Firmino Jos Flix da Rosa, com escriptorio na
ra do Trapiche, n. 44, avisa aos seus freguezes ,
que receben pelo hiate S.-enedielo, uovosoilimcn-
lo do excellente panno de algodflo entroncado da-
quella fabrica ptimo para eusaccarassucar, e pa-
ra roupa de escravos. O annuncianle conta que,
lm da bondade da fazenda o desejo de animar o
desenvolv ment de urna fabrica inteiramenle na-
cional promover o promploconsummodasua ro-
ceita.
-- Quem precisar de roupas tintas de todas as co-
res por preco mai commodo do que se costuma ,
dirija-sea ra de Moras, n 116.
-- Jos de Souza Teixeira faz sciente a quem con-
vierque nudou sua venda de Fra-dc-Portas para a
ra nova da Aurora-de-S -Amaro, n.
Aluga-se o primeiro .andar do so-
brado em Fra-de-Parlas n. 63, com
excedente vista, muito fresco, pintado de
novo, com quintal e cacimba, muito
bons commodos, e preco muito em con-
ta : a tratar na ra da C'uz, n. 63.
is Srs que subscreveram para a publicado da
orthographia do Sr. Antonio AUares Pereira Coruja,
iinpressa no Rio-de-Jarteiro pdom vir receber na
livraria da ruada Cruz, n. 56, os exemplares que
Ibes perlencein (a 3.500 rs. os encarnados, e a 3,000
rs. os broxados ) al o dia 9 do crranle, passado o
qual, os exemplares que sobraron) serSo vendidos
as pessoas que os procuraren).
Gustavo l.utz, natural da Suissa, retira-se para
a Europa com escala pelo.Hio-de-Janeiro.
-- Precisa-se do um caixeiro para lomar conta de
urna venda p duca : no pateo do Carmo venda n. 17, na loja do
sobrado do Sr. Gabriel Antonio.
Aluga-se um sobrado do dous andares e slito ,
mik um Brande quintal > e una casa terrea no fun-
do do meiuio, que bula para a pari us k.i gran-
de na ra Imperial, P. 169 : a tratar no Aterro-da-
Boa-Visla O. 27.
Lotera do theatro publico.
O facto de existir perto de metade
dos bilhetes da loteria por vender, den
occasio a que as respectiva' rodas nao
podessein ter andamento no dia ai corrente, como se annunciou ; persuadi-
do, porc'm, o thesoureiro que semcllianlc
venda nao deixar de. ter impulso, marca
novamentc o dia o de dezembro prximo
(uturo para o referido andamento, e es-
pera que esta nova designado ser m-
prorogavel.
Precisa-se de um caixeiro de 10 a 12 annos, pa-
ra urna venda, o qual tenha alguma pratica : na la
Direita, n. 80, se dir quem precisa.
OSr. Victoiino Jos de Souza podo procurar
urna carta na loja de livros da prac,a da Indepen-
de, ns. 6e 8.
~ Precisa-sede urna ou duas piolas para vende-
rom 1 )uc,a vidrada pagando-sc-lhes a vendagem :
na ra do Itangel, n. 17.
^##$Sl## 2
m
% Aluga-se, para o tempo da fesla ou vende-
# se um pequeo sitio na Capunga, com casa *Jj
? de pedia e cal, concertada e pintada de novo, ?
% com cacimba de boa agoa de beber bastan- J
ifl tes arvoredos de fructo, e ludo cercado de li- 4
? mflo : queiu o pretender dirija-se a casa do #
A Sr. Jos Antonio de Lima morador no mes- #
mo lugar.
*
#S###^^ ^#
Aluga-se o bem conhecido siti i na estrada do
Cordeiro, de Nuno Mara de Seixas, s proprio para
algum negociante estraugeiro ou oulra pessoa que
lenha tratamcnlo : na ra do Amorim, n. 15.
CASA DE MODAS FRANCEZAS.
A. MII.LOCIIAll.
Esquina do Aterro-da-Roa-Vista, defronle dTi
chafariz.
Rccebeu-se pelo ultimo navio um muito lindo sor-
timento de modas ; chapeos de senhora e meninas ,
tanto de setim seda, c de palha lina de todas as
qualidades ; toucas da ultima moda para senhora;
ricos bonetes do velludo bordado, para montara ;
camislulias bordadas de todos os padrus; mante-
letes-palits ultima moda do Pars ; ricas capellas
o ramos (nos de flores de. cores ; luvas do pellica ,
lisas e cufeiladas ; trancas de se la de todas as cores;
ditas de algnililo para enfeites de vestido ; capellas c
rmos de llores de !srngeiras ; entro floas e de di-
versos modelo para noivados ; bicos de blonde ; cha-
peos de lulo para senhora ; ricas plumas do lodas
as cores para cahece e chapeos ; bicos do linho;
ricas lilas para cinteiro; lilas de todas as qualidades;
tiras e cnlre-meios bordados ; camhraia de linho ;
meias de seda ; saiotes de dina etc. Fazem se con-
tinuadamente chapos, toucas o vestidos do senho-
ra de goslo fol a moda por proco commodo.
Ao respeitavd publico.
O pioprietario do armnzem de vinbo
da ra da Madre-de-Dos n. 36, de-
clara que este eslabclecimenio nao tem
nulro armazem filial, como alguem lia
que o inculca ; e para conbecimenlo do
publico, faz n piesenie annuncio.
Alugani-sc dou sitios com muito boas acominoda-
;fies um na caiiipinba da Casa-Forte e outro na ra
da dita povoafo com cocheiras e cavallarices ; assim
como varias casas, de presos comiuodot para se paa-
s 11 a fesla : a tratar na ra do Amorim, n. 15.
NOVO PAO DE PROVENCA. Q
luga-se o segundo andar da casa da i
, n. 9 : a U-atar na rna do Vigario, n.5.
ua da
- Al
Moda
30,000 rs. de gratificado
atiunm louxera escrava crioula, de nome Cathari-
na com tuna filha cabrlnha de 3 annos cujos sig-
naes acham-se ueste Dnr/o nos ni. 210 a i.%0 : a es-
crava foi seduzida por o pa da cabrinha o qual lio
pescador, ou pombeiro e mora em nina deslas
praias, al PAo-Amarello.
l'recisa-se alugar um bom coti-
nheiro, que enlenda bem de cozinba :
quem estiver neslBS circumstancits diri-
ja-se ra larga do Rosario, 4 qu>
se dir quem precisa.
Compras.
ff Vcnde-it todoi o> dial. <>
0 proprietario da padaria e pastellaria franceza t\
do Alerro-da-lloa-Vista, n. 50, desejando agradar 00
} cada vez mais aos teus frcguees, resol ven oflerc- A
J cer-Ihes um pao que e fabrica em Proven9a por **
qp um procesao muito difiereule dr ordinario, e que, \ft
Sexigiudo fariuha das melhores qualidades, mere- gs
ce a preferencia do publico, pela sua alvura, O
pureza e dclicadcia de sua fabrica; o. i\
S se farao pes de 40, 80 e 100 rs., e ser fcil W
conhecc-los pela sua forma oblonga e elegante. A
Na niesiiia casa contina-se tambem a vender '*'
bolinbos para cha de todas as qualidades, e Um- ty
bem a enfeitar bandejas ricas para bailes e sa-
ros. V
CL'llSO DE RIIETORICA E POTICA.
Fr. Joilo Capistrano de Mendonca tem aberto no
convento de S.-Antonio dcsla cidade um curso par-
ticular de rhelorica e potica ; as pssoas que oqui-
zeram frequentar, poderfio diiigir-se ao mencio-
nado convenio a quaiquer hora do.dia.
CURSO DE HISTORIA SAGRADA E KCCLESIASTICA.
Fr. Joilo Capistrano de Mendonca tem aberto no
convento de S.-Antonio desla cidade um curso par-
ticular de historia sagrada e ecclesiaslica : as ps-
soas que o quizerem frequentar, poderodirigir-se
ao mencionado convenio, a qualquer hora do da.
CHAPEOS DfiSOLj
Ra do Passeio, n. 5.
O fabricantedesto eslabelecimento adverte ao res-
peilavel publico desta cidade que ello possue pre-
senlemente um rico sorlimento de chapeos de sol,
assim como chapeos deso de seda furta-cres, dos
nais ricos que teem apparecido ueste mercado, e de
ri es condecidas ; ditos para senhoras de bom tom,
adamascados, lavrados, com auas competentes fran-
jas de retroz, tudo que tem de n ais moderao o do
nellior goslo; um completo sorlimento de chapeos
le sol de panuinho de todas as cores e de todos os
lamanhos, para homens, senhoras e meninos: ha
lamlieiu igual sorlimento de faiendas para cobiir ar-
maefles, tanto de sedas de cores, como de panuinhos
tranquilos e lisos imitando seda. Adverle-se que os
freguezes serSo servidos com brevidade, eseacha-
rilo satisfcilos da boa qualidade, do bom gosto e do
bom preco.
-- Aluga-se, para se passar a festa urna casa na
bequinha de S.-Pedro, em Olinda, n. 2, com 4 quar-
ius ;::::2::!e ,'^isial murado, esei>h *> inne
para liando, e bastante fresca: a tratar junto a mes-
ma casa, o. 3.
Compram-se escravos que sejam olllcias de car-
pina, do 18 a 25 anuos o de boas figuras ; pagam-se
bem sendo de bons costumes e peritos no seu om-
eio poissSo para urna encommenda do Itio-de-Ja-
neiro : na ra do Amorim, u. r.5, a fallar com J. J.
Tasso Jnior
Compra-se urna escrava que saba coser; nlo
sendo viciosa paga-se bem: na ra de Agoas-Ver-
des, n. 46.
Compra-se urna escrava OIOM, de bonita figu-
ra, propria para mucama, que nflo tenha vicios ou
achaques, o S"ia perita engommadeira, costureira,
e cozinheira ; paga-se bom: na ra do Vigario n. 7.
Compra-se um sobrado de um andar, om boa
ra: dirijam-se a pra^a da Independencia, livraria n.
6 e8.
Compram-so elTcclivamenle, botijas o garrafas
vasias no Aterro-da-oa-Visla fabrica do licores,
n. 17.
Vendas.
mmm nu m.
FOL1IINI1A DE PORTA, a 160 rs.
Dita do ALGIBEIRA, contendo, alm do kalenda-
rio, urna colleccilo desegredos e remedios para uso
domestico, a 320 rs.
Ditaaquose reuni o ALMANAK administrativo,
mercantile Industrial da provincia : este almanak es-
accrcscentado com todos os estabelecimontos de
porta aberta, a 30 rs.
SSdeffl-M na pra^a da Independencia, livraria
ns. 6 o 8 ; no Atorro-da-Roa-Vista, botica do Senhnr
Morcira ; o em Olinda, botica do Scnhor Rapozo, ra
do Amparo.
- Vende-se. na ra do Trapiche, armazem d
Raymond & Companhia. n. 34, defronle do bote1
Pistor, quejos de Minas de superior qualidade. avul-
sos ou em latas de 12 cada* urna, por preco commo-
do, vindas do Rio-de-Janero no brigue brasileiro
Ugeiro, em 20 do passado, com urna viagem de 8
dias.
Vende-se panno do ilgadffoda torra em por-
i'mii : na ra do Queimado loja n. 18.
lladeira de piiho.
Vende-se a melhor madeira de pinho que tem
vindoa esto mercado: na ra da Madrc-de-Deos .
armazem de Vicenlo Ferrcira da Cosa.
Ka tatas,
chegadas ltimamente em cinastras do arroba e
mcia pelo diminuto prego de 1,200 rs, rada canas-
Ira : no caes da Alfandcga, armazem 11. I.
Feijfto barato
em saceas de 3 quartas, pelo diminuto prego de 5/
rs : 110 caes da Alfandega armazem 5.
Vendem-se as estampas lithograpliadas dos
Kxms conde das Antas, visconde deS da Randcira
coronel Antonio Manoel Soares Galamba : na ra da
Cadeia do Ilecife, 11. 23.
SAI.SA-1'ARRILIIA HE SA.NDS.
Este excellonle remedio cura todas as enfermi-
dades, as quaes silo originadas pela impureza do
sangue, ou dosystema ; a saber :
Escrfulas rlieumatismo crupgOes cutneas ,
brobutlias na cara, hcmorrhoides, doengas chroni-
cas, brcbulbas, bcrlooija, linda, inchuges, dores
nos ossos e junlas,ulgaras, doongas venreas,citica,
enfcrinidades que ataram pelo grande uso do mer-
curio, ludropisia expostos a urna vida extrava-
gante Assim como chroiiicas desrdeos da cons-
tituigSo serSo curadas por esta t;1o til o appro-
vada medicina.
Ilu-de-Janriro 14 do dezembro de 1n>7.
.Sr. Frcderic H. iouthuorth.
Tendo eu lido no Jornal do 'Commerio e no mari-
do Itio de Janeiro por diversas vezes a 11 nuncios da sal-
sa-parrilhadeA. B e I). Sands que so vendo na
ra do Rozario, n. 79, por Fredenco II. Soulhworth,
a este me dirig o 1 lie comproi urna caixa com 12 v-
Iros do dito extracto ,e achando-meeom um gran-
de tumor no sovaco do braco direito e parle do pel-
lo, sofTrendo immensas dores por todo o corpo me
delibere! a tomar o extracto da dita salsa ; o tendo
lomado dous vtiros e usando delle, ln'fo ao segn-
Jo vidro conheci inmensas melhores, e continuan-
do liquei perfelamento bom ; e leudo alguns
amigos meus feilo uso do dito extracto para rheu-
matismo, tem no uso delle por lim de terem tomado
8 a 10 vidros ficado bons. do que tem resultado man-
darem-me do dlferonles parles cncommendas da
dila salsa para fra dcsla cArte a diversos que teem
lito uso del la o se teem restabelecido perfeilamente;
o mandando-me agradecer, assim considero ser um
aclo de humaiiidade o ohrigacao minha fazer publi-
co tilo efllcaz e salular remedio. Joaquim Ferreira
deSouta Flores.
Reconhego ver.lad.eiro o sgnal supra. Rio, 15
de dezembro de 1847. Em testemuuho de verda-
de Joaquim Jos" de Catiro.
Vendo-se nicamente em Pernambuco na botica
de Vicenlo Jos de Rrito, na ra da Cadeia do Re
cife ;
--Vendem-se instrumentos de msica militar;
raberas vio'.oese llantas do todas as qualidades-
pianos drtosrin. de decanto modelo e de pti-
mas vozes : ua ra da Cruz, n. 10 om casa de Ka V
kiiiaun & Uuseuuiuud.
i



1





MUTILADO
V
v-1
-----



.4
i
.
Vende-se farinha e unlhoem saccas, por pre-
co comniorfo .- na rua larga do RoMrioJJn. 7.
-- Vende-seaIgodfioila larra a tuparlor <|(ihI.la-
ue i ra ln Queiniado, n, 80.
Vi nda-aa urna mobilia do Jacaranda o eadeln s
le ole i am minio bom ealado : na ra das Cru/es,
n. II.
t rnde-ea cal virgem de Liaba em barr de 4
arrob chegada )>i'lu iiliiiiin ivin, por prreo coinino-
"" : a tratar coiii AliueidaSt Fouieca.ua ra do Apollo
Algodao I raneado da fabrica
le Todos-os-Santos da
Baha .
milito proprio para saceos de assucar e roupa de es-
cravoa vende-sc em casa de .\. O. bieber & Com-
panliia na ra da Cruz, n. ?.
Vende-.se ca.' virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qu d-
quer parte na ra do Trapiche, arma-
7.PIII II I7.
Coiitna-.se a vender, na ra da
l'.ruz, n. 6o,caixas com cera de Lisboa,
soi lidenlo vi nlade do comprador.
Farelo.
em barricas a 4,000 rs.; sacras pandes, a 3,500
rs., tillas pequeas, a 2,800 rs : nuarmazemde J.
I. Tasso Jnior, na 111a do A11.01 im, n. 3.
FARELO
emsaccas milito grandes,
a 3s6oo rs. a sacca:
no armazem do Rraguez ao p do arco da Coneeigio
Vende se gomina de mandioca, em
saccas : na ra da Cadeia do Itecife, 11. q.
PORO VINHO DA FIGUEIRA.
R\isle no armazcm de motilados, atrs do Cnr-
po Santo n. 66 urna grande porcito deate genui-
no viudo que se pula veudeudn peto diminuto pro-
co de I,ISO rs a en da < a Ifio is. a garrafa ; tam-
lii'in im em pipas que sevendera mais mi Cunta : tu-
nato o ntelhor de todos os viohos que se teeui n-
iiunciado pela sua ainiplieidade e opliui paladar :
quom urna vez o beber jamis deixai de o com-
prar.
V-
chegados
'ndem-se saceos com Trelo,
ltimamente, pelo diminuto
preeode 3.4oo rs.: na rua da Sanzalla-
Velha, n. i38.
Vendem-se esteii as de pallia de car-
nauba chapeos de dita, por pceo eoin-
inodo, em poreo e a relalho : na rua da
Cadeia do leeife, n. 9
Vendein-5e barris pequeos enm cal virgem de Lis-
boa a mala aova que ha no mercado, por preco coin<
unido : na rua da Moda arma/.eiii n. I?.
GIIV BRASII.EIR0.
Vende-se, no armazcm de [molhados airas
Corpo-Sanlo 11. 66, o mais excelleule cli a produzi-
do emS.-Paulo, que tem viudo a este mercado,
por precO limito commmlo.
Vende-se minio superior lagodo de Lisboa, c
ral virgem em barris de 4arrobas, por mdico preco:
na rua do Vigaiio, n. 19.
Na padaria da rua da Guia, no necie havera
lodos os diasii ven 'a o novopAu .le Provenga fa-
ll icai'.o poi outro modo que o actual e da melboi
laiiuha que lia no morondo : poresle motivo nSo se
pode lazer seiio a 40, 80 e 160 rs.
Saccas con milito ,
a 5,200 rs.:
vendem-ss no armazem do Bacelar no caes da Al-
fandega.
Vendem-se os fileiros e balero que
foram di artnacSo vi Iba.da loja do Dnarte,
proprios para qnalquer estabelecimento,
por preco milito commodo : a tratar na
mesina.
Vende-se a verdadeira polassa da
Russin, desembarcada bonlem, por pre-
co minio ra.so.ivel, vista de sua milito
.superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. ij, e rua da Cadeia, n 3'j.
Agencia da fundicao
Low-lluor, rua da feciiznlk-
nova, 11. 4*2.
Neste estabelecimento contina a lia-
ver tim completo sortimenlo de moendas
e meias ntoendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, para dito.
Polassa.
Desembarcou lia poneos das una por-
cao de barris pequeos, com muilo nova
e superior polassa, e se acham venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se vendiu, na rua da Cadeia- Velha,
armazem de Bailar K Uliveira, n. 11.
Na rua do Crespo loja de 4 portas n. 12, ven-
deu-sc chapeos de castor pretos, du muito boa aua-
ass 4,40'-! rg, H
Na bija da rua do Crespo, no pe
do arco de Santo Antonio, n. 5 A, de
IIcardo Jos de Freitas Hibeiro, ven-
lern-se chapeos de sol de seda, astea de
erro, os mais superiores e modernos
pie teein apparecido tiesta praca, pelo
linnnuto preco de 5,000 rs; ditos de astea
le haleia a 3,5oo e 4,000 rs., tambem de
seda, preco por que esto boje os de
panninho.
-- Vende-se urna poreflo de cera de carnauba ,de
superior qualidade chegada do Araealy no hiate
Duviduio : a tratar com Antonio Joaquim de Souza
uibeiro.
Vendem-se saccas com tres quartas o meia de
l'arinlia muilo alva eengommada, a 3,000 rs. : no
caes da Alfandcga armazem n. 1.
Vinho barato.
Arha-sc eslabelecidu na rua da Madrc-de-Deos ,
n. 36 um armazem de
Vinhos da Figticira,
le ptima qualidade, a prego de 1,120 rs. a caada,
e a 160 rs a garrafa ; e para n3o haver dolo do com-
prador serTo lacradas as garrafas e com rotulo, re-
cebendo-se a garrafa vasia, o dando-se inmediata-
mente a outra cheia : tamhom ha barris muilo pe-
queos proprios para quem passa a festa. O pro-
prietario deste^ estabelecimento pede encarecida-
mente que se (So illudam avahando, pelo diminulo
preco 5 sen) coiiliecimenlo de causa a qualidade de
iiia hienda dipna por certo da estima dos verda-
deiros amantes da boa pinga. Elle cunta que quem
urna vez provar, continuar Com goslo e sem arre-
pendimento. K o bom preco!!.' A todo o exposto
aceresce o asseio e boro acondicionamento, o que
ludo so poder verificar em dito estabclecimenlo.
Vcnde-se alcatru da Suecia ; farinha de trigo
S^S c de outros autores, em meias barricas; vi-
nho do Porto em pipas e barris de todos os tama-
nlios ; fechaduras ji-.indo-.de broca para portas de
armazem ; coeiros doalgodio ; peiieias de rame;
cal em barra pequeos ; arcos para barricas : ludo
puntreco commodo : na ruado Vigario ,a. II, pri-
men o andar.
Vende-se panno lino azul,
proprio para fardas dos Senhores
voluntarios, e juntamente casimi-
ra encarnada : no Aterro da-Iia-
Vista, loja i). 2.
Veinlem-se birria com qnalro ar-
robas de superior cal virgem de Lisboa,
por preco muito commodo: na rua da
lo ja
n.
5o,
de Cu 11 ha
Cadeia do llecife,
& A mor ira.
Vende-se panno de algodSo da tr-
ra, a 000 e 110 rs. u vara : na rua do
Queimado, loja n.39.
Vendem-se presuntos para fiambre; queijns
londriuos ; etilos de pralo ; latas com bolachmlia
lina Je Lisboa ; ditas de aramia ; conservas novas !
musanla ; potes com sul tino ; latas com marnela--
'a nova; ditas Cum hervidlas; caixinhas com mae-
sas linas ; vinho moscatel de Selubal ; dito Sheriy ;
licores linos jeouims mais gneros, por prego com-
modo : na rua da Cruz, no ItCClfo, D. ',C.
Farinha de mandioca,
No armazem da rua do f.ollegio, vende-se farinha
le Man, muilo lina em saccas grandes : c tambem
mais grossa de Caravellas Ceara e da trra, por
menor preco de u,ue em ontra qualqner parle.
Vende-se urna venda multo boa para quem
quizer principiar .ecoin os rundoa a conteiidu du
Cotiiprndur ou smenle a armaego sita na rua do
Cal leueiro n. 94: a tratar na inesiha venda ou no
pateo do Terco, n. 139.
Vende-se para pagamento dos credores a
venda da esquina 'afronte da greja dos Martvrios
com os fimdos de 300 0011 a 100.000 rs. quem'a pre-
tender dinja-se a rua da Madre-de-lieos a tratar
com VicenteFerreia.da Coala o qual prometila
zer negocio e vender barato para realisar.
Vendem-se pecas de madapolflo com 20 varas,
a2.so0is. ,ea ictalbo a 7 c8 vintsns : na ruado
Passcio, n 1".
Acaba de chegar un completo sedimento para
os.Srs armadores, b>-m romo trina, volantes lar-
gos o estro los, galSo de ludas as qualidades finos
o ordinarios ; a uniros muitos objeelos que so acham
a venda na rua larga do Hozarlo, u 21.
Rap novo Lisboa.
A elle antes que se acabe.
Quem nflo tomar nina pitada desle rap, certamen-
te nao gabera apreciaros destiles da vina contem-
pornea. Acaba decliegardo ltio-ite-J,neiro, e ven-
de-se no deposito do mesmo, na rua dos Quarteis
n. 24.
Vendem-se aeyes da ex-
mela companhiade Pernambuco
e Paralnba: no escriptorio de O-
liveira Irmos & C, rua da Cruz,
n. 9.
Vende-se, para fura da provincia una escrava
la Costa de bonita li-ura de 16 a 18 aunos com
habilidades: na rua Augusta, n. 94.
Vendem-se 300 eouros de cabra vindos do
sertiio : na rua larga do llozario n. 24.
A 1,800 rs. ape^a de 20
jardas.
Na loja de Cuimaries & Companhia rua do Cres-
po ii. 5. vendein->c pegas de algndflozinho de boa
quali.lade com um pequeo l'ique de" avaria,
pelo barato preco de 1,800 rs. a peca le 20 jardas.
Vendem-se < lindos mniequiu de 12 a 16 annos;
4 pieti'Sde25 a 30 aniiH.s; 4 par los de 12 a 20 an-
inis ; urna inuinliiiia de 7 anuos ; uegriulias de 11
a 12 anuos, com principios de habilidades; 4 prelas
de 16 a 20 amina com habilidades : na rua do Col-
legio,n. 3, so dir quem vende.
Vende-se nina porclo de bolacha ordinaria, pro-
pria para escravos, por diminuto pre;o : na rua Di-
reila n. 26.
Vendem-se, no armazem n. 31, da rua da Ma-
Iro-de-licos ,ao lado da alfandega batatas, a 800
a. a arroba ; boas peneiras de animo.
~ Vende-se, no ariiia7ein defmnto da escadinha,
de Francisco DiasFerruira feijlo mulatinho por
barato preco.
Cigarrilhns hespanhes.
O proprietario do armazem n.66, atrs da igreja
do Corpo-Santo no Itecife, faz sciente aos fuman-
tes do hom tom que elle recebe por todos os vapo-
res viudos do sul, esles deliciosos cigarrilhos que
silo do nico deposito hespanhol que ha no Itio-de-
Janeiro.
Vende-se urna poicodc tullase laboas depi-
nho e mais pertences de um lelheiro que se desman-
eiiini : tudn em muilo bom estado, e proprio para
quem quizer armar alguma estribara pois ai com-
inoda bem tres ou 4 Cava I los, ou mesmo para sitio
para rancho de pretos : na rua de Norias, n. 120.
RUA DO CRESPO, N. 5.
>'ovs riscados indiaiina, a
280 rs. o covado.
Na ioja de CuimarHes & Companhia vendem-se
osnovos riscados indianos, de qualro palmos de
largura cores fixas e padrOes muilo modernos pelo
bal ato -preco de 280 rs. O covado.
Vende-se na rua da Cadeia do
llecife, n. 3;, cera em velas, fabri-
cadas no l{io-de-Janeiro, em urna
das melhores fabricas, e em caixas
pequeas, muito bem sortidas, por
ser de 3 al 16 em libra; e tam-
bem ha velas de urna e de meia libra,2
brandSes, jior preco mais barato do
que em outra qnalquer paite.
I
- Conllnna-se a vender mantejga ingleza nova ,
a 500, 600 c 800 rs ; bom cha, a 2,000 rs. ; espenna-
cete de G em libra a 880 rs. ; carnauba de 6, 7 o 9
em libra, a 280 rs. ; caf em grito, a 120 rs ; dito
moldo a 160 rs. ; passas novas, a 320 rs. ; holachi-
uha ingleza a doce, a 200 rs. ; lelria a 200 e 28.1 rs. ;
macarroe talharim a 200 rs. ; toucinho do San-
tos a 200 rs ; eaixoVa de guiaba de 6 em arroba a
800 rs. : no pateo do Carino, loja do sobrado de
Gabriel Antonio, n. 17.
Itolachinlia de aramia.
Vcnde-sc a mais nova e superior, no
caes da Alfandega, armazem n. 7, con-
fronte a arvore: no mesmo tem saccas
com boa farinha, por preco commodo.
Chocolate amargo de musgo
islndico, ou Ihesouro do
peilo, preparado por Mr. J. G. C.
As aiTec(0es do peilo ofTereeem todas um sympto-
ma teral c constante. A tosse, esta doenca tilo com"
mum quando descuidada-, lito graves s5o suas con"
sequenciaa quanto parece ligeira em seu principio -
lito matadora por si s como todas as mil 1 as doen-
Qaa que consumero a especie humana nflo tinha pa-
a combate-la e dcslrui-la um medicamento especial
e nico, 1'odas as paitilliHS e xarnpes que tcem ap-
pareoh'O at boje, teein si o impotentes.
Mito t'-m acontecido islocmu o chocolate de. mus-
cu preparado 1 or J. (!_ C. (1 principio jue forma a
sua base principal Oflerece proprieda.les incn'nlesta-
veis e reconhecidas depois de muilo lempo, e nin-
guem ignora os felizcs rdsullados da sua apnlicaQ.lu
em todas as plilenginasias agudas ou chronicas ,
do pul mito affeecoes do peilo pthysica, dellusos,
toces, etc. para dar tom ao estomago, abrir o voli-
tado de comer conservar as gengivas eo bom au-
to, mataras lombrigas, principalmente as criau-
caa.
Toma-se puro mascando-o,c pde-so lomar tam-
bem combinado em agua como outro qualquer cho-
colate e com leile, lomando-sc urna das doses marca-
das em urna chavana dos ditos lquidos ou mais de
urna conformo a gravidade da doenca. Vende-se
nicamente na rua ilo Queimado, n. 17.
Vende-se um piano forte, vertical e de Jacaran-
da, chegado ltimamente com muilo boas vozes,
c de um macliinismo de nova inveneao para poras
vozes mais bailas at dos lons, o que lorna este
instrumento muito ventajoso para cantona; cha-
rutos do llavana por pre^o mais commodo do que
em outra qualquer parle; un completo sortirneuto
de instrumentos de msica, tanto de metal como
de madeira ; bustos do gesso representando muilo
fielmente a raiuha Victoria e o principe Alberto ;
relogiosdeouroo de prata chegados ltimamente
da Suissa. F.stcs relogios que sito muilo bem aca-
bados se lornam muito recommendaveis a qual-
quer particular, e auverte-se que ha entro elles
alguna que andam oilo dias sem precisarem de cor-
da : na rua da Cruz, no Itecife, n. 55.
Vendem-se os verdadeiros
charutos de San-Felix : na rua da
Cruz, n. 43.
Vendem-se velas do cera de carnauba chega-
das ltimamente do Araealy no hiate uvidoto ja
bem condecidas neste mercado, sondo em caixas
do urna arroba do 6 em libra e de piimeira sorte,
a 280 rs, e de 7 em libra, a 260 rs.; urna mulati-
nii.i de 11 a 12 anuos bem parecida faz renda e
he propria para quem tiver familia : na praciuha do
1.1 vi amento loja de la/endas, n. 45.
No pateo do Terco, venda n. 7,
vende-se vinho da Figueira a 160 rs. a
garrafa.
Vende-se um indo uioiecole, de
17 a 18 .nios de idade, que sabe cozi-
nhar : na rua da Cadeia do Rea fe, n. 3^.
Cobre
vara forro d>navios e para caldoireiro: na rua d.
Cruz, no Itjlfe. n. 17.
Vende-se urna rica loallia toda abortada lava-
rinto com IllOO bastante largo muito bem feiu l
de goslo : na rua do Cabug, loja de ou'ives. iuiiin
a botica n. 9. J l0
Vende-se urna bonita negrola pe-
ca, de narfm, que engmala e cozinlta
urna dita crioula, que coze e cozinha
urna moler de idade de i\ anuos, boa
para se ensin.r a engommar, por ser
muito forte; tres moleques de bonitas
figuras, de idade de i3, i5 e 17 annns
um bonito negro de nacao, muito moco
e bom para Irabalhar em algum armazem
de assucar, por j estar acostuma.io a
este servico; um dito de meia idarie,
bom para algum sitio, por*entender de
plautac5es ; um dito que nao tem mai
de a5 annos, bom ganhador, por 35os*ooo
rs.; um mulato bom cozinheiro enomo
marinheiro ; lodos estes eseravos ven-
dem-se baralissimos, por de.^ejar-se la.
char as contas deste anno : na rua i\
Larangeiras, n. 1 \, segundo andar.
1 01.111.mas deportae ai.c1111:1 ha com almanak
vendem-se na livraria da esquina do Collegio, pelo
preco do costume.
Chapeos do Chili.
Na praca da Independencia, n. 37 ha superiores
chapeos do Chili chegados no ultimo vapor.
Chocolate homrrenalhico.
Na fabrica de licores do Atorro-da-Itoa-Vista n.
17, alein do chocolate de canella, baunilha s^de',
ferruginoso e musco islndico ha do homcrepa-
thico o qual he muilo ulil para as pessoas que se
curam pela medicina homecepalhica.
Vende-se urna carrosa nova e oleada de azul,
com rodas fortes de sicupira eixos te ferro enli-
gas, ele. : na rua da Florentina, n. 16.
f
Na loja de ferratrpns de Joaquim da Cota Maya
recebcu-se de novamente um sortimenlo de appare-
Ihos de metal fino para cha, jarros, hacas, bules e
cafeteiras de metal, por preco commodo.
Na ru* de Agoas- Verdes, n. 46,
vende-so um bonito escravo de ncelo perito ofJi-
cial de pedroiro ; dous lindos moloques; dous es-
eravos para lodo o servico ; 3 bonitas escravas cont
boas habilidades; urna moler ; urna mulata lio
ama de urna rasa por 300.000 rs.
Vende-se a fabrica de fazer rliaros com to-
dos os seus utensilios 0 nniiacfio muito prcpria pa-
ra qualquer eslabelrcimenlo, por bnalo pre^o:
I ani be in se venden, os chapeos quena dita cjtislneiii,
ou o que o comprador quizer separado : no Aterro-
dn-lloa-Visla n. 12.
Vende-se nina banca redonda de meio de sM,
de Jacaranda; um trem com epelhu; loucadores pe-
qui'iio; jogos de bancas de a maiello; Sepiles de ideo:
mesas com duas gavetas ; um reoslo patente, de*
pTala ;3 Oaixaade prata sendo urna dou'ad ; la-
vatorio de ama relio : na rua da Cadeia de S. -Anto-
nio n. 21.
Vendem-se dous quartns, por preco commo-
do : no Aterro-da-lioa-Vista, loja n *6.
Vende-se um sellam em bom uso : na rua INo-
va,n 67.
Eseravos Futidos
~ Fugio, de bordo do brigue Sertorio, na manhii
do dia 5 de julho prximo passado, um escravo mi-
rinheiro de nome Francisco do na^ln Jang ; r
resenta ter 30 a 35 anuos ; tem um signal na face M-
querda, falla muito descansada ; levou caigas e ca-
misa de algudflo azul chapeo d palha pintado oa
branco o balde de trazer ragOes e 7,000 rs. em ce-
dulas ; falla hespanhol: quem o pegar leve-nos
rua da Moda n. 7, que sera bem recompensado.
Fugio. no dia 18 de outubro do engenho S.-
Jofio, no Cabo, Marcolino, pardo trigueiro, de 19 au-
nos, estatua regular, cara redonda, olhos pepuenos,
denles limados ; levou duas caigas, urna de uriin
pardo e oulra do riscado azul; u.uem o pegar leve-o
ao referido engenho ou a casa de Lulz Comes rer-
rcira no Muudego, que sera generosamente recom-
pensado.
~ Desappareceu no dia {30 denovembro, urna
preta de nacilo Angula de 35 anno's poucu mais on
menos de estatura regular secca do corp an-
dar vagaroso o oomo quem vo pouco ; tem um uo
pos incitados ; suppOe-se n1o andar fra da cidade-
Est escrava servia ltimamente a Antonio da cos-
ta Ferrcira no poder do qual vendeu agoa eoui'J
musas de vendagem ; levou vestido azul com viv
braucos no collele do mesmo; panno da Costa ,
nissanga no pesenco. Qnem a pegar leve-a a ru a
Cadeia do Itecife, loja de ferrageiis le Antonio ^
quim Vidal, n. 56, nu no Forte-.lo Mallos na rua na
*...,..;... n Ifi nuPM'ia ri-roinnelisadii.
Pebn.: Na tvp. ob m. r. ni ""|84
MUTII
lina a


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQOO1YUMC_ML9IDP INGEST_TIME 2013-04-13T02:23:02Z PACKAGE AA00011611_06194
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES