Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06190


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nn XXIV.
8rgunda-fera 4
O HM/M" publica-se lodos o din que n>o
i rfiii de guarda: o preco di atsignaiura he
' iKW n Pr fiuarlel, pagoi uliaitladni. O
miiiNcioi dos asignantes sao iuseridos a
,s-,o do 4 Por Bnh.i, *n ri. em lypo dlf-
rrii"> e a* r'P"?0* Pe'* ">ade. Ua nao
itfuanies pagarao 80 ra. por linha e 100 ra
, iypo diU'ereule, por cada publicacao.
P1USES DA. LA NO UEZ DE DE7.EMBRO.
Crtut*u, a 3, a 5 hora e 47 mi, da Urde.
/,fta, a 10. a 9 lioraa e25 min.da manh.
u,Mna"K.a 17, s 8 hora e 53 min. da manli.
.a "> a ^' as 2 norM e 3 m,B- ** Ur0"e-
PARTIDA DOS CORRRIOS.
Golanna e Parahiba, i* sega, e lextat-feiras.
Rlo-G.-do-Norte, qiiinlas-felraa ao mrio-dia.
Cabo, Srriiili.'ii'iu. Hio-Kormoio, Porto-Calvo
e Macei, no l., a II e 21 de cada me/..
Caranhuna e llonito, a 8 e 23.
Boa-VUu e Florea, a 13 t 28.
Victoria, a quinlaa-feiraa.
Olinda, todos oa da*.
PRKAMAR DE HO.IK.
Prlinelra, s II horas e 42 minutos da manh
Segunda, a 12 horas e (i minutos da tarde.
de DrzcmFiro ce 184?.
W. a**-
das da semana.
4 Segunda.' S. Barbara. Aun". doJ. Jos or-
pbilosdo J. clv. e ilo J.M. da i. v.
B loica. S. tirraldo. And. do J. do c. da
|. y. r do J. de paz. Jo 2. Jisl Je I.
(i Ouarta. S. Nicolao. AuJ. do J. do c. Ja
2. v. r Jo J. do pat do 2 alai. Jo t.
7 Quinta. 8. Ambrollo. Aud. Jo J. Je or-
phos o do J. M. da 1 v.
8 Sexta, Conceiriio de .\ossa Sonliora, l'a-
droeira do imperio.
9 Sabbado. S. Leocadia. AuJ. do i. do c.
da I v. e do J. do paz do I dial do t.
10 Domingo. S. Melquades.
CAMBIOS NO DA I DE DE/.EMIIHO.
Sobre Londres a V> d. por 1 1000 rs. a 60 dia.
Pars
tiaboa 120 por rento de pia.iu.
Rio-Jo-Janeiro ao | ir.
Des, de lelt. de boas firma a I ?,' ao mea
Accoesda comp. de lleberihe. aW a"'
fW-Oncas hespanholaa 30*000 a 30/2(10
Mordas do (i#4it0 v. 17/000 a 17/20
. de U/400 n. 10/200 a W40O
del/000... 9/200 a 9/30t
PealaPatacdes braaileiroa 1/94 a l/*i
. Peao columnarios. 1/940 a JflWU
Ditos mexicano...... 1/880 a 1/9C
ARIOD
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DO IUPER10.
So/ve duvidas, que na Pxecue3o da le regulamen-
lar das eleicocs encontrara o primeiro juiz de paz
na eidade de San-Malheus.
Ilio-de-Janeiro, 18 deoulubro de 1848.
Illm. e Exm. Sr, Sondo presonlo a S. M. o lm-
perador o ofllcio de V. Exc. de 10 do mez prximo
iinilo, quoacompanha acopia do que Ihe dirigir o
prinvirojuii de paz da cidadodeSan-Mathous.oon-
sultando se. nilo sendo ello o mais volado para o
quatrionnio futuro, devo nao obstante fazer a con-
yocbqiIo da junta do qualificaQiiu do que trata o arti-
go 25 da lei regulamenlar das eleicOes : o mesmo au-
gusto Senhorhouve por bem declarar quo, devenJo
, na forma do artigo da dita lci ser feila um mez
anles da lerceira dominga de Janeiro a convocac.lo
da referida junta, que na forma do artigo 25dever
cuino formar-se para rever a qualiicaQno doanno
antecedente, he claro que a mesma convocarlo tcm
de ser feila anes do dia 7 de Janeiro prximo futuro,
e eonseguinteinenle polo jni/ de paz mais votado do
actual qualriennio, ao qual, porterfeilo a convoca-
eito, compete na forma do artigo 110 da citada lci
presidir junta de qualificacilo, embora j entilo se
aoliemem oxerclcio osjuizos de paz do novo qua-
lriennio. Oquecommunico a V. Exc. para scu co-
uhecimento.
fleos guarde a V. Exc Pitcondede Monlt'Alejre.
Sr. presidente da provincia do l-'.spii lo-Sanlo.
Solveduvidas propostas pelo presidento da provin-
cia do Ccar, a respeito da intelligcncia do artigo
60 da lei regulamentar das eleicOes.
Primeira secedlo. Ilio-de-Janeiro, em 19 deou-
lubro de 1848.
Illm. e Exm. Sr. Fot presente a S. M. o Impe-
rador o ollicio de V. Exc, do 16 do moz pasando, em
que prope algumas duvidas que Ihe occorrem so-
bren intelligeiicia do artigo 60 da lei regulamentar
das eloicoes, as qunes se ruduzem s soguntea :
1.' Sea mesa patochtal da fregueza da eidade do
Aracaly procedeu regularmente, quando adiou para
o dia 28 do eorrente mez deoulubro a eleic.no de
juizes de paz e vereadoresda cmara municipal, len-
do leito este adiamoiito em nutra casa que mo a
mal iz, o sem previo aviso aos votantes.
2.' Se o arbitrio concedido mesa parochial, Je-
poisde instada da, para proceder eloicilo dpoisdo
dia designado, enlende-se limitado, qusnlo ao lem-
pa, ressaijuo do impedimento, ou se lio Ilimitado.
3.' Se, nesla ultima hypothese, podia oadiamen-
lo ser resolvido na forma por que procedet- a referi-
da mesa parochial.
Econiquanto nlo acompanbasse ao oflteio de.
Exc. o que a mesa parochial devia sem duvida ter
dirigido, expoudo municiosamente, como Ihe cum-
pla, tanto as causas que aconselliaram o adiamento,
como todas as circumstancias quo precedern a es-
te acto, nom V. Exc. preStasso os csclarecimentos e
infurnia^Oos quecram necessarias em objecto do tan-
/tanla importancia, manda, comtudo, o mesmo au-
r iislo Senhnr, depois de ouvida a scc?no do conce-
Ihi) de estado dos negocios do imperio, declarar a V.
Iac. :
I.) |Jni>, eslando exj ressamenle determinado no
artigo 6 da lci cjladl qe, quanJo em algumas fie-
guezias so mo poder verificara eleiQilo no da desig-
uaJo, se racarW>go que cesse o impedimento, emou-
tro Jia marcado pelo presidente da mesa parochial,
ou por esta ae | Hv''r 'l0 inslallmla, e nnnunciado
poi editaes; e permillindo al' disto osarligos V.
e94da mesma lei que as juntas parochiaes se reu-
nain ouaeja uo consistorio, ou corpo da matriz, ou
seja em oulro edificio, se nilo poder ser na matriz,
he lora de toda a duvida, que ellas, depois de insta|-
ladas, teein jUrisdicQilo para designar oulro da em
que se proceda eleieiio do juizes de paz e vereado-
fes, quandu esla nao poder vcrjlicar-se no da pn-
meiamente aprazadoje que, ofloexislindo na tei
preceiloalgum oxpresso que iuiponha as rele idas
junta parochiaes a obrigaQao do fazer aos votante
aviso pivio, notificando-lhes o adiamento da elei-
cao.lecn ellas apenes por dever publicar por editaes
odia iiovamerito designado para a eleiQflo ; e podom
aleen dislo, dadas certas ciicumslancias. reunir-se
em oulro edilicio que nflo a matriz ; nilo devendo-se,
poitanlo, qualificar como abusivo e irregular o pro-
cedinicnlo da mesa parochial do Aracaly pela sim-
ples raslo de ler adiado a eleieiio achaudo-se reuni-
da em urna casa particular, e nlo leudo feilo aviso
aos votantes, porque para isso fOra misler provar-sc
( o que so ufio fez ) nao s que a rcuniao da mesa de-
via e poda ser na mal i/, nao se dando motivo al-
Kum que nodesse justificar a escolha de um edilicio
particular para nelle funecionar com preferencia,
inaslaiuliein que odia marcado para aeleiQilo em
virludc do adiamento no (fita. aiinunciaJo por e-
dilaes.
2.* Que da analyse do artigo CO da referida lei re-
sulla a evidencia o que o adiamento de urna ele-ic/m
termina com o impedimento que Ihe liver dado cau-
sa ; mas, como a mesma lei accrcscenta que a clei-
Co deve lazer-se om outro dia que so designar, e
JOrannunciado por editaes, depois que tiver cossa-
do o impedimento, frca he reconhecor-que entre a
cessaco do iinpedimenlo e a nova eleiQo pJe me-
ga lo, afim de quo chegue ao conhecimento dos vo-
tantes o da da clei^o, e possamrollos comparecer a
este acto ; devendo-se d'ahi concluir que a mesa pa-
rochial de que se trata, tendo adiado a cleicilo de
juizes de paz e vareadores para o dia 28 de outubro
por causa de disturbios que occorreram na primeira
reunrflo dos votantes, n.lo resolveu por certo um a-
diainenlo Ilimitado, quanto ao lempo, e nem se
podo imputar aquella mesa parochial abuso do po-
der discrecionario que a lei Ihe faculta por nflo ter
encuitado o prazo do adiamento, porque na falta de
csclarecimentos e dados positivos, n,lo se podo apre-
ciar devidamenlo o com conhecimento do causa, se
uquelle prazo foi ou tifio demasiadamonte prolonga-
do com rulacfloao lempo em quo devia considerar- [
se terminado o impedimento em que se fundara o
adiamento.
3 K filialmente, que, avista do que se tem ox-
pendidoe da falla j notada deesclaiecimentos, nilo
ha motivo algum provado para condemnar a manei-
ra por que procedeu a mencionada mesa parochial.
Dos guarde a V.-Exc. Yitconde-de-Mont'Alegre.
Sr. presidento da provincia do Coar.
Solve duvidas encontradas naesecu^no da lei regu-
lamentar daseleicOes pela mesa porochial de Ca-
pivary epelojuiz de paz e cmara municipal da
villa de San-SchasliSo, na provincia de San-Paulo.
i." Seclo. Kio-de-Janeiro, 31 deoutirbro do isis.
Illm e Exm. Sr. Sendo'prsenles a S. M. o Im-
perador com o oflicio do V. Ex do 23 do mez piox-
mu passado, sob n. 119, os que Ibe dirigiram a mesa
parochial de Capivary, ojuiz de paz da villa de San-
Scbastiilo, c a cmara municipal da mesma villa,
conlondo as soguintes duvidas sobre a exocugo da
lei regulamentar das elciefles :
1." Da referida mesa porochial sobre a contesta-
dlo suscitada pelo cidadito Antonio de Arruda Ama-
ral, relativamente ao recebimento da cdula do um
individuo procossado par crimo de responsabili-
dade.
2.a Do dito juizdepaz a respeito da competencia
na expedidlo dos diplomas aos juizes de paz.
3." Da mencionada cmara municipal, acerca des-
to mesmo objecto. E porque as. indicadas duvidas,
apezarda referencia especial que leem i cada um Jos
casos occorridos e relatados nos citados cilicios, p-
dein formular-se as soguintes Dieses geraes :
1." Pudo volar na eleicflo dos juizes de paz _e do
vereadores o cldado processado porcriirte de res-
ponsoliilidadel'
2." Pode annullar-se a decisilo do una mesa pa-
rochial, proferida om materia da sua competencia
legal, pelo motivo de serum dos-membros da mesa
cimbado da pessoa a quem se suppe affectar a
decisilo ?
3;' Qual he a autoridade competente para expe-
dir os ttulos dos juizes de paz : as mesas paro-
chiaes, ou as cmaras miiuicipaesi1
O mesmo augusto senhor, lenJo-se por sua i inme-
diata resoluto de 25 do eorrente mez, proferida em
consulla de 16 do dito mez, conformado com o pa-
recer da seceflo do concellio de estado dos negocios
do i ni pecio, he por bem declarar o seguinte :
1." Pelo que perlencu primeira Diese: Que, na
conformidade doartigoa." da lei de 13 do outubro
de 1827, e do artigo 3.' dado 1." deoulubro de 182H,
ten) voU) na cloiijio dejuizesdopaz e de yeroadores
das cmaras municipacs lodos os quo pdem votar
naseleicoes primarias ;e como, segundo osaitigos
91 e 92 da constituico, os ridadilos processados por
crimo de responsabiJade pJcm volar as clec.t primarias, tuna vez qu contra lies nflo baja sen-
teuc,a cuudemuatoria a prisa, au degredo, casoem
que, segundo o artigo 8.' df aanslituicilo, sus-
pemle-so o exercicio dos dneitos paliticqs, lie evi-
dente que os meamos cidaditos slb lega I mente ha-
bis para volar na eleicio do juizes de faz o do ve-
readores das cmaras municipacs; oque ja foi reco-
nherido e sanecidnado pela decisilo do governo
imperial em aviso de 31 dedezembro de I8V6, expe-
dido o presidente, da provincia do Para.
2. Quanto a segunda these: Que, nno havendo na
lci regulamentar daseleicOes artigo algum que es-
tabele?a e reconheca nos membros das mesas paro-
chias suspei^no legal para mo votaiem, fundada em
parentesco, ou cuuhadio com os voltiles, ou om
qualquor oulro motivo, tal suspcicflo nflo devead-
miltu-se, nem com tal fundamento nvalidarom-se
as dccisOes das mesas parochiaes. O sHencio da loi
a tal respeito equivale nesto caso a roprovar as sus-
pei?oes, e assenta manifestainente no principio de
que osossutnplos dequepdem conhecer as mesas
parochiaes no exercicio de suasaltrbuh;es legacs,
nflo devem considerar-se de Inleresse particular,
mas de ulilidado publica. o geral, caso em que, se-
gundo as regras de direito, nao lem lugar a suspei-
cio. A islo accrescc que em aviso de 23 do abril de
1847, expedido ao presidento da provincia deSergi-
pc, ja o governo imperial resolveu quo poda ser
membro Ja mesma junta de qualilicacilo um irmflo
do juiz de paz, que ella era presidente. Se, pois, es-
ta circunstancia mo podo induzir suspendo, uem
nullidade as decises das juntas do quaiihcacao,
multo menos podo indu/i-las o parentesco, ou cu-
nhadio entre um membro das mesas parochiaes e
algum dos voluntes
1 Ouanto finalmente lerceira these : Que a so-
lucflo desta these est no artigo 55 da le do 1. de
outubro de 1828, o qual declara que as cmaras com
Dele-repartir o rio em dislrictos, nomear os
seus olciaes, c dar-Ibes titulos, dar ttulos aosjui-
' .i.-,hlirlir sinrnditaas os nomes i:
mo foi revogada pela loi rogulamcntar das eielcOeg;
4 7___a___.nnr..-.ioiiui:>o iN'iiiM' li:IIK
liar un alfsllo de tcajgq mais ou menos prolon- mpregos desles funccionanos
zesdeoaz e fazer publicar poreditaas os nomes o
emnrUos' desles funcciunarios. -. Esta disnos.cao
nenhum dos sousarligosconfere as mesas parocliiiie
a attribuico do passar ttulos aos juizes de paz ; au
tes be certo que o artigo A, procurando deluiir es-
las attribuices, e assignalando como umadellasa
expedicao de diplomas aos eleitores, nada determi-
na sobre os do juizes de paz, dexando por este mo-
do subsistente a legislaco anterior quo regula a ma-
teria ; do quo se segu, como conclusilo necessana,
que as cmaras municipaes sao as competentes para
oxpedirom os ttulos aos jui/es de paz, o no as me-
sas parochiaes. O quo tuJo communico a V. Ex. pa-
ra seu coiiHocimonlo e execuc.no......
Dos guarde a V. Ex. l'iteondc ae Moni Alegre.
Sr. presidente da provincia de San-Paulo.
MINISTERIO DA FAZENDA.
Illm c Exm. Sr.Na conformidade da resoluto
imperial de do corronle, tomada sobre consulta da
secefo de hienda do concolho de estado, a quom
foi remeltida a colleccno de leis da asscmblea legis-
lativa do C.ear, promulgadas no anuo prximo pas-
sado, o transmitidas pelo presidente da dita pro-
vincia repartieflo da a/enda, boje a met cargo,
em cilicio n. 17, de 6 do j.inlio ultimo, communico
ao referido presidente, que. postse no cncontrem
nesses actos legislativos disposn;oes manifestamente
contrarias ao acto addicional entendido como em
geral o tem sido, sHo dignas de reparo as express.Vs
estabelecidas pelos 5. e 9.* do arl. 4 da lci n. 132
do 1. de setembro de 187, segundo as quaes a
a"oa'rdcnte e o tabico fabricado, importados de ou-
tra provincia, (icnin subjcilos a maiores direitos do
nuepaciitM os mesmos productos, sendo da proprla
provincia, porque, embora se entoiula que a Impor-
iacno de que trata o acto addicional he a de proceden-
cia eslrangeira, n.lo be menos certo que o estabcleei-
mcnlo de diroitos dilTercnciaes e de a.landogas en-
tre as provincias do imperio, alem de ser opposto
aos principios da unidade poltica, tendo manifesta-
mente a contrariar o desenvolvimento da producto
e commercio interior do paiz, e uestes termos, em
uuanlo o governo nilo leva ao conhecimento da as-
scmblea geral legislativa as sobrcdilas dispos;c,Oe
para occorrer com lempo ao grande inconvenienl.
ai' dcllas deve resultar, recommendo ao dito pre-
sidente que empreguoentrotantoos meios suasorios
ao seu alcance, para quo a assemblca legislativa
dessa provincia n.lo continuo na carreira que ence-
tou. Esla recom rncndacHo .pie tcm por objecto pre-
venir maiores difliculdadcs hiluras, quando bouve-
remdo ser tomadas a este respeito as providencias
aueo bem do paiz reclama, mo deve limilar-sea
provincia do C.ear, pois quo guacs rasos p..|cm
occorrer as mais provincias do imperio ; e por isso
a fuco igualmente extensiva n V. Exc.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do Ilio-de-Janeiro,
em 13 de novembrO do 1818. -Joaqmm Josr Rodri-
gues Torra.-r. prosidonlo da provincia de Per-
iiainliuco.
MINISTEHIO DA JUSTICIA.
~ Circular.Ilio-de-Jancro. Ministerio dos ne-
gocios da justica em 8 de novembro de 1848. Illm.
o Exm. Sr. Por aviso circular de 17 de agosto de
1842 lime S. M. o Imperador por bem determinar
que nenbum requerimento de prctcndenlos a ofl-
ciosdejuslj?a suhissea sua imperial presenen, sem
que viess instruido dos documentos ndispensaveis
pela le e por intermedio das respectivas presiden-
cias. Esla medida leve por lim facilitar a mnior com-
modidade das partes, a prnmpla decisilo de suas pre-
lencOes, e obviar inconvenientes quo resultavam da
pratica contraria. A delerminacno, porm, do citado
aviso tcm daxado de ser observada, o ordinariamen-
te silo receidos n'estn secretaria do estado taes re-
querimcnti.s, transmittidos pelas presidencias, sem
virem instruidos com folln corrida, cerlidlo de ida-
de, c a do examodesuflicicnciaque he indispcnsa-
vel quando se trata dos ollicioa-de tabellino ou es-
crivilo Para evitar, pois, a continuadlo de semelban-
le pratica, recebi .ordem do mesmo augusto Senhor
para rec.ommendara V. Ex. a fiel execuc.lo do :
bredito aviso circular de 17 de agosto de 1842.
| Dos guardo a V. Ex. Riuebiode Queirot Coili-
nha MuUoo Cmara. Sr. presidento da provincia
de Pernambuco. Cumpra-so e registre-se. Pala-
cio do governo de Pernambuco, 29 de novembro de
1848. Ferrtira Peana.
2.' Seceso. Ilio-de-Janeiro. ministerio dos nego-
cios da juslica em 9 de novembro de 1848.Illm. o
Exm. Sr.Nesta data se mandan por a disposicSo
de V. Exc. na respectiva Ibesouraria para as despe-
zas.lo ministerio da justica no eorrente auno linan-
ceiro*quantia de 136:152,900 ris, sendo: 32:100,000
para a relacSo; 56.000,000, juslicas Je primeira ins-
tancia; 7:760,000, polica o seguranza publica;
8:000,000. guardas nacionaes; 450,000, telegraphos;
e 31:842,500, para as despozas autorisadas pelo
ail 3." da lei n. 51* de 28 de ouftubro prximo pas-
sado, a saber: 2:480,000 do hispo para congrua e
casas; 11:362,500, cathedral; e 18:000,000, congruas
dos parochos: lcaudo V. Exc. na intelligencia do
que desla somma nHo dever dislrahir quantia algu-
niapara coadjuctores e guisamentos; cujas despe-
zas devera continuar a ser fritas por conla dos cofres
provinciaes ; e muito se recommenJa a Y. Ese. que
empreguo a maior llscalisaqno na distribuic.lo de to-
dos estes fundos aliin de que se nilo exceda a somma
consignada, e seja feitoo servigo com regulandade.
Por esta occasio lenho a lembrar a V. Exc. que
noorcamento que tem a enviar das despe/as para o
auno de 185 a 1851 se comprebendam iioinmal-
metilc lodos os empregados das dilerenles repart-
c.0es quo vencom ordenado, gratilicaso, ou con-
grua.
Dos guarde a V. ExcKuie'uo tleQueiroz Coili-
nho Manota Camara.-Sr. presidente da provincia
do Pernambuco.Cumpra-se o rcgilre-se. Pala-
cio ilo governo do Pernambuco, 29 do de novombro
de 18V8lerreira l'enna.
1." Seceno. Circular.Ilio-de-Janeiro, ministe-
tio dos negocios da justi?a em 10 de novembro de
1848.Illm. e Exm. Sr.-Pudendo algumas vezes o
bem do servico publico exigir que entren no exerci-
cio Jos lugares para que sSo nomeados, ou removi-
dos, os magistrados quo porvenlura seachem noasa
provincia, logo que presidencia oflicialmente cons-
iem taes nomeacOes, ou remoQoes : ordena Sua Ua-
geslade o Imperador que V. Exc, quando o julgar
conveniente, faca entrar em exercicio a esses magis-
trados. Independite de a presentaron os respecti-
vos ttulos, marcan lo-lbes, nesse caso, um prazo
dentro do qual os devam solicitar nesta secretaria
de estado, alm do sercm presentes as oslacOes com-
petentes, c de se fazerem os precisos assenlamentos.
Doos guarde a V. ExcEtuebto 4 Queiroz Coili-
nho Matloso Cmara.Sr. presidente da provincia
do Perniimhuco.-Cumpia-seeregistrc-se. Palacio
do governo do Pernambuco, 29 de novembro de
1848.lerreira l'enna.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 29 DF. NOVEMBRO.
Oflicio. Ao agente da eompanhia das barcas de
vapor, recommendando hoja de dar as precisas pro-
videncias para que seja condu/ido ale o Para o alie-
res do quarlo halalbno de cacadores, Carlos Erederi-
eo de \velos Coes de Brito lnglez, que tem de seguir
para aquella provincia alim de reunir-so ao sobre-
Jilo haUlh'io que so acha all cslaciqnado Seien-
tilieoii-sc o cummandaulo em chefe daslrcas em
oiieracOcs nesla provincia.
Dito. Ao presidento da relaclo, participando ha-
ver S, U. o Imperador concedido qualro mozos do
Ijceuca com os seus vencimenlos ao desenibargador
da relaclo desta provincia, Antonio da Costa Pinto,
Cominunicou-se ao inspector da thesoururia da
fazenda. .... ,
Dito. Ao agente da .eompanhia das barcas de
vapor, recommendando mando desembarcar o alfe-
res do primeiro batlhSo de cacadores, Domingos
Alves Branco Muniz Brrelo, com cinco pracas do
mesmo corpo o a hagagem que liavia ficado na Ba-
ha constante de seis eunhetes de cartuxame o vin-
tee'cncocaixOes, vindos da mencionada provincia
a bordo do vapor Paraense; obemassim para que
sejam entieguesao commandanto dasfOroas navaes
nove recrutas o desertores da armada, trazidos pe-
lo mesmo vapor. Officiou-se a respeito ao presi-
dente da Babia, ao brigadeiro commandantedas ar-
mas eao commaiidanle das fincas navaes.
S Exc. o Sr. presidente da provincia manda pu-
blicar o decreto de 2 do correte, pelo qual houve
S M. o Imperador por bem perdoaro crime de pri-
meira descrcilo e o de segunda simples aos reos da
armada o Jos corpos de impenaes marinhciros e
fuzileiros navaes; e bem assim a portara que o
aconipanhou, expedida pelo conccllio supremo mi-
litar em dala de 17 ao mesmo mez cujo teor he o
'SP''\anda S. U. o Imperador, polo concelho supre-
mo militar rcmetter ao presidento da provincia do
Pernambuco para a sua uilelligencia e devida exe-
cueo, a copia inclusa, assignada pelo coronel Jo;lo
Itaplista Eerrcira ollicial maior desta secretaria, do
decreto de 2 do eorrente mez, pelo qual lio perdoa-
do o rime do primeira desercao e de sogunda sim-
les os reos da armada e dos corpos de imponaes
marinheros e do fuzileiros navaes na forma de-
clarada no mesmo decreto. Secretaria do conce-
lho supremo militar 17 do novembro de 1848.
Manocl da lonseca Lima e Silva, secrelano de guer-
ra. Cumpra-see registre-se. Palacio do gover-
no de Pernambuco, 29 de novembro de 1818. Per.
"sltanton. 515 de 2 do novembro de 1848. Per-
doando aos reos do primeira desergaoe de segunda
simples da armada e dos corpos de ,mper.aes mari-
nheros e do fuzileiros navaes. Ile por bem usan-
do do poder moderador, perdoar aos reos do primei-
ra descrcilo e de sogunda simples da armada e dos
corpos de imperiaes marinlio.ros o de fuzileiros na-
vaes, apresentando-se dentro do prazo de tres me-
zes, contados da dala da publicado do presente de-
creto em cada provincia ; incluindo-se tambera nes-
le indulto os que ja estiverera sentenciados ou por
sentenciar. O concelho supremo militar [de justica o
ion ha assimentendido.e faca execular com os despa-
chos necessarios. Palacio do Ilio-de-Janeiro, em
de novembro de 1848, vigesimo-setimoda indepen-
dencia o do imperio. Com a rubrica de S. M. o Im-
perador, -ytanoel Felisardo de Souza t Helio. Cum-
pre-so o registro-se. Ro-de-Janeiro 15 de novem-
bro do 1848. Urna e Silva. Callado. fraga.
Conforme. JoaO Uaptitla Ferreira.
E para que chegue a noticia dos iuleressados, e
possam osles gozar o indulto do mesmo decreto,
mandou Sua Exceltencia passar q prsenlo, 1" sera
publicado pela impreosa.


_AR ENCONTRADO




Secretarle do governo de Pernembuco SO de no-
vembro de 1819. O eecreUriodi provincie, Hono-
rio Pereim de Ateredo Coutin/w
S. Exc. o Sr. presidente da proviucie metida pu-
blicar o aviso da secretaria de estado doa negocios
uajustiga, daludu do 6 do corrente,que ecompeuhou
o decreto do 3 do mesmo me/ fazendo extensivas
ao corpo municipal permanente da corte o as com-
pendias que Ihe sSo adidas, liem como a lodosos
corpos policiaes das provincias as disposices do
decreto de 11 do mez indo, peloqnal houvo S. M. o
Imperador por bem perdoar aos militares dos diue-
rentcs corpos do exercito e aos guerdei nacionaes
em destacamento ocrimede primeira desercfo e o
de segunda simples cujo teor he o seguinte :
:i Socco. Hio-dc-Janeiro, ministerio dos ne-
gocios da justica em 6 de novembro de 1848.Illm.
e Exm. Sr. s. Al. o Imperador manda remetter a
V. tic. a inclusa copia do decreto de 3 do corrente
inez, fazendo fxtonsivo a o corpo municipal porma-
nenlcda cOrte nal companhias que Ihe silo adidas,
bem como a todos os corpos pnliciaos das provin-
cias as disposices do derroto de 11 do mez prxi-
mo findo peloqual houve o mcsmo Augusto Se-
nhor p-ir bero perdoar aos militares dos diferentes
corpos do exercito e aos guardas nacionaes em des-
tacamento o crimo de primoira deserc/ao e o de se-
gunda simples afim de que V. Exc. expeca as con-
veniente* ordens para execugfio dd referido decre-
to na parte que diz respeito a esm provincia. Dos
guarde a V. Exe. Eunrbio de Queiroz Coulinho Mal-
toso da Cmara. Sr. presidente da provincia de Per-
nambuco. Cumpru-see registre-se. l'alacio do
governo do Pernambuc, 29 de novembro de 1848.
Ferreira Peina.
llei por bem fazer extensivas ao corpo munici-
pal permanente da corte e el campanillas que Ihe
lo adidas bem como a todos os corpos policiaes
das provincias, asdisposices do decreto de II do
mez prximo indo .peloqual houve por bem per-
doar aos militares dos differents corpos do exerci-
to e aos guardas nacionaes em destacamento o cri-
me de primeirs deserto e o de segunda simples,
incluidos os que j estiverem sentenciados e para
sentenciar. Euzebio de Queiroz Coulinho Mattozo
da Cmara, do meu concolho. ministro e secretario
de estado dos negocios da justica, o tenha assim en-
tendido e faga executar. Pelacio do Hio-de-Janei-
ro,em 3 de novembro de 1818 vigesimo-setimo da
independencia e do imperio. Com a rubrica de S.
M. o Imperador. Eutebio de Queiroz Couiinho Mal-
loco da Cmara. Conformo. -- Joa Carntiro de Com-
pos.
E para que chegue noticia de todos os interessa-
dos, epossam estes gozar do indulto do menciona-
do decreto mandou S. Exc. penar o presente, que
ser publicado pela imprensa.
Secretaria do governo de rernambuco, 30 de no-
vembro de 1848. -O secretario da provincia Hono-
rio l'ereira de A teredo Couiinho.
Appellante, llonrique Mergos; sppelledo, Ignacio Jo-
s de Mello.
Appellante, Jos Comee Villar; eppcllado, Leopoldo'
Jos de Coste e Areujo.
lloviste civcl em que (9o :
Kecorrentes, Catharina crioula e seus filiaos; recorri-
do, o uepitflo Vicente l'inheiro de l.cnios.
I'assaram do Sr. desembergedor Villares ao Sr.
desembergedor bastos es soguintes eppellecos :
Appellante, l'ommateau ; appelledo, f. Poiricr.
Appellante, Luiz Pires Ferreira ; eppelledos, Mrmoel
Pires Ferreira e oulros.
i'assaram do Sr. desembargador Itaslos ao Sr. des-
embargedor LcSo es seguintes aappellacet -.
Appellante, Vicente Jos Comes; appelledo, Jos Es-
tanislao Ferreira.
Appellante, Jos Estanislao .Ferreira ; appellado, Vic-
torino Pereira Alais.
I'.issaram do Sr. desembargador Lefio aoSr. des-
embargador Nunes Machado as seguintes appelle-
ccs :
Appellanto. Ilernardo Jos de Barros; appelledo, Mo-
ren Bern.
Appellanles, I). Maria Elena Pessoa de Mello e Pedro
Cavalcanti de Albuquerquo Lint; appellado, Joa-
qun! da Silva Pereira.
Appellante, Gabriel Antonio ; appellados, Luiz Fran-
cisco de Barros, sua inullier e outros.
Appellante, JosJoaquim da Silva Alaia ; appelledo,'
Antonio Ignacio da Roza.
Distribuiplts.
Ao Sr. desembargador Villares e appcl!at5o civel
em que silo :
Appellante, Antonio Luiz Bezerra ; appellado, Cy-
pi ianno Luiz da Paz.
Ao Sr. desembargador Nunes Machado o recurso
crime em que silo :
Recorrente, ojuizo; recorrido, Jofio dos Res Gomes.
Ao mesmo Sr. desembargador Nunes Machado a
appellagilo civel em que sao : ~>
Appcllantes, Amaro de Araujo Pessoa de Mello e ou-
lros ; appellado, Jos Luiz Innoccncio Pogge.
Ao Sr. desembargador Lefio a appellacfio civel em
que so :
Appellanle, Jos Roberto deMorees Silve ; appelle-
do, Chrielovfio Sterr.
Ao Sr. desembergedor lUtloi e eppellae,So cirel
mi que sito \
Appellante, ojuizo; appellado, Menoel Joequim do
Rogo Albuquerquo, como fiador do Viccnlo Fer-
reira Remos.
Ao Sr. desembergedor Ponce a appellacfio crime
em que silo
Appellante, ojuizo de direito de cidedo da Fortale-
za ; appellado, Joaquim Merques de Oliveira.
Ao Sr. desembargado Remos a appellacfio crime
em quesfio :
Appellante, Vicente de Silve Repozo ; eppellede, o
juizo do jury de,Macei.
Distribuido! por lubstiluifp.
AoSnr. desembergedor Lefio e appellacfio civel
em que sfio:
Appellante, Schaften & Tobler; eppellado, Chaves
Aln.
AoSr. desembargador Nunes Mechado aeppelle-
gflo civel em que sfio :
Appellanle, I). Anna da Paz Portella; appelledo, Me-
noel Antonio dos Santos.
Distribuidos na sessiio anterior de 28 de novembro.
Ao Sr. desembargador Ponce o aggravo de Me-
noel Pereira Cuimaifies, em que he appellado o
julzo.
AoSr. desembargador Ramos o aggravo de Alari-
enna Hermogenes da Conceicfio, Sampeyo em que
sfio appellados Joo Jos Lopes e outros.
Ao Sr. desembargador Alunes Machado o aggravo
em que tilo : aggravenle, Caetano de Assiz Cam-
pos Cosdem; aggravedo, ojuizo.
AoSr. desembergedor Lefio, e nao no Sr. desem-
bargador Bastos, como por engao se declarou, o
recurso crime do juizo le direito do Rio-Furmoso,
em que he recorrido Sebaslifio Jos de Carvalho e
Silve.
Levantou-se a sessfio as 3 horas e un quarlo de
terde.
PERNAMBUCO.
Rcceita c despeza da cmara municipal do Recite, no
mez de novembro de 1848.
TRIBUNAL DA RELACAO.

SESS.\0 DO 1. DE DEZEAIBRO DE 1818.
MFtlDEN'CIA DO SNR. DKSEMllAHl.AUUI. AZEVEDO
Achando-se presentes os Srs. desembargadores
Ponce, Ramos, Villares, Bastos, Lefio, e os Srs. juizes
de direito l'ereira Alonteiro e Silva Guimarfies, abri-
se a sessflo. Erain 10 horas. As II horas compa-
receu o Sr. desembargador Nunes Alachado.
Julgamentos.
Foram propostos e desprozados os seguintes em-
bargos :
De Luiz Gomes Ferreira & Compendia na appelIaQfio
em que he appellado Alanoel Elias de Moure.
De Antonio de i'auia Souza Lefio na appellacfio em
que he appellenlo Vicente de Alesquile por seu
curador.
De Bernardo Lasserrc & Compenhie na appellacfio em
que lie appellado Jos Joaquim da Costa Inte.
Do Alanoel Paulo Quinlella na appellacfio em quo he
eppellaHle Karlholomou Francisco de Souza.
De Francisco Jos Barboza na appellacfio em quo he
appellado Antonio Gomes Villar.
De Alaria Joaquina de Andrade na appellagfio em que
he appellado Jeronymo Galdino da Trindade.
De Francisco Jos Barboza na appellacfio em que he
apppellado Antonio Gomos Villar.
Fdram propostas as seguintes appellacoes civeis
em que sfio:
Appellante, Alanoel Pereire do Bomfim ; eppellados,
Pedro Jos de Mello e oulros. Reformaiam a
eentence.
Appellanle, o coronel Menoel Cavulcanli de Albu-
qnerque eAlello; appelliido, Claudio Dubcux.
Confirmaran! a senteuge.
Appellaiiies, Jos Antonio l.ourengo e Antonio Go-
mes Villar; appellado, Julifio Beranger. llefor-
maram a sentenca.
Foram propostos os seguintes aggravos de peli-
cOes :
De Joflo Jos Lopes Jnior. Doram proviniendo.
De Manuel Pereira Guimarfies. .\fio tornaran! co-
nliecimento.
De Caetano do Assiz Campos Cosdem. Nao toma-
rain conhecimeulo.
Foi proposto o recurso crime em que sfio :
Reeorrente, ojuizo de direito da commerca do Rio-
Formoso; recorrido, Sebestiao Jos de Carvalho e
Silva.
Concederam os habeas-eorpus pedidos por Jos
Francisco Carnciro eAlarcolino Antonio Pereira.
RECEPTA.
Imposto de 2,000 rs. sobre mscales e bo-
rnleiraSj n. iGais 2!,000
Cordeages e licencas, n. 10 a 21 59,640
Mullas por infraccoes de postura, a saber:
Da freguezia do Recife, n. 9 e 41
Dita de Santo-Antonio, n. 6 a 8
Dita de S.-Jos, n. 1
Dita da Boa-Vista, n. 3 a 7
Subdetegacia de S.-Antonio, 1 a 3
Alugueis das lujas da praca da Indepen-
dencia, n. 31 a 23
Rs.
145,000
120,000
20,000
49,000
14,000
27,000
DESPEZA.
Jury e eleicOes, ns. 3 a 6
. 2i6
i.. cm ..... ..
Judiciaes
l
Balanco a favor de receite
Rs.
65,700
20,680
4,460
90,840
367,800
458,640
Acempemento do baUllifio de cscedorct J. I
. Iinha r engenho Dout-lrmos em Apipuco A
de novembro de 1848. *JI
ORDEM DO DA
. sSES?*.!!' 'ebe,do qua m Museupinhn
f.axooira, Nazarelh e outros ponlot da provirU
" l,ecm ,Per'",ntdo o valor da tropa do govern
deS. II. o Imperedor, tambero procureram occa I
eifio do evahare vosee corageme intropidez au
oendo-nos hnje e ume bore da lerdo pouco m.
ou menos. Vos, lestemunhes do impeto com
even?erem, vistes s retirada precipitada que n
zeram, quendo reconhecerem, depols de mais di
ume hora de renhido combate, que nada nod,
i contre o 6. betalhfio de cacadores, a quern sin
tente, elm dovelordos individuos que o com
pflem esta victoria alcancada nos campos .1.
Pirej edeS.-Pedro-do-Sul. '
Pcze-me que todo o hatalhilo nllo eslivesse ren
nido, em resfio dos difTerentes servicos em que
eche, efim de fezermoi sentir a essea fllhos dcee!
neredos, iniroigos do psiz que infelizmente l..
deu o berco, e temeridado do seu proceder, j au!
a sus rssfio ofTuscad po- paiie criminosas v0
da-lhesreconhecera luz'da verdade.
Tres morios ns accilo, vestigios de ferimenioi
deixsdoe por ellos as picades por onde fugiram
duas granadeires, um clavinole, urna baionea'
dos correiaroes completos de primeira Iinha l
algum certuxeme, eisos depojos que el les deix'a-
ram, nfio permiltindo felizmente k Providencia DI
vine que um s individuo do 6 betalhfio sehisse
i ferido ne'defesade urna causa llo justa enmn i
nossa. Eu me congratulo, portento, com os Srs
ofllcises, olliciaes infeiiores, cadetes, cabos, to|-
dados, cornetas e mais precas que tiveram parle
nesta accflo, e e quem dirijo os meus egradeci-
mentos como um tiibuto devido sue coragem
decidida devoefio a S. M. o Imperador e a seu jis-
to governo.
Cantaradas Os vivas que no calor da acefio vie-
ram inflammer vossos peitos, ja possuidos do va-
lor marcial, sejam agora novamenle entnadns a
prol do nosso adorado monarcha o Senhor D. Pedro
II., dosyslema que felizmente nos rege, do Exm
presidente de provincia, edo nosso digno goneral/
das armes. / ]
Vive S. AI. o Imperedor o Sr. D. Pedro III
Vive e constituidlo politice do imperio !
Vive o Exm. Sr. presidente de provincia!
Vive o nosso digno generel des armas I
(Assignado; Joio Guilhtrm de Bruce, major com-
mandante. *
458,640
Contadoria municipal do Recife, l.'dedozembro de 1848.
O Contador,
'sksI Gregorio tl SiUa.
VlanlODEPEnlUIIJCn.
Fui assignado o dia da primeira sessflo para seren
julgadas as seguintes eppelljcoes civeis em que
sfio:
Appellantes, J. Danel Wolfop & Companhia ; appel-
lado, Frederico Colln.
Appellanle, Jos Rodrigues do Paco ; appellado, Ala-
noel Filippeda Fonseca Candi.
Appellante, Poncienno l.oineiieo da Silva ; eppclla-
do, Jos Pereira de Oliveira.
Appellante, Jofio Alves de Carvalho Porto; appelledo,
Jos Joaquim da Costa Macicl.
Appellantes, os herdeiros de JosJoaquim do Es-
pirito Santo; appellado, Jofio Filippe do Souza
Lefio.
Appellante, Beroerdino Comes de Carvalho ; appel-
lados, Bernardo Lesserre&Companhie.
Revistes.
Paesarem 4o Sr. desembargador Ramos eo Sr. des-
embargador Villares as seguiulet appellacOes :
RECITE, 3 DI BIItMBEO DE 18*B.
Dos vice-presidentcs, cuja nomoaefio noticiamos
em o n. 269, j prestaran) juramento o segundo e o
terceiro, como consta do seguinte ollicio da cmara
municipal desle cidade :
lime txm. Sr. Acabain de ser jure mentedos
por esta cmara, em conformidade da le de 3 de
outubro de 1834, o segundo e o tercoiro vice-pre-
sidenles Horneados para esta provincia, o leuente-
coronel Isidro Francisco d Peule Mesquita eSil-
va, e vigerio Venancio Heuriques do llesende ; nfiu
<< succedemlo o mesmo a respeito do querto, o
commendador Francisco de Carvalho Paes de An-
drade, por nfio ter comparecido.
Dos guarJc a V. Exc Paco da cerner munici-
pal do Recife, em eessflo extraordinaria de 2 de
< dezembro de 1848. lllm. e Exm. Sr llerculano
" Ferreira Penna, presidente da provincia. Ma-
noel Joaquim do liego AIbuque/que. Manuel Cae-
ii tao Soares Carnciro Monteiro. Jos Camello do
llego fanos. Uodolfo JoaO Barata de Almtida.
ii Francisco Mamtde de Almeida.
Todos os dias o povo dcsta capital como que se
esmera por desmentir os embustes da opposicfio, que
no seu phrenesi nfio os poe de ledo, nom mosmo
quando se trata dos actos mais serios, daquelles que
mais respeito devem inspirar aos verdadeiros Brasi-
loiros.
Dispunhem-so as cousas pare e parada e cortejo
do dia 2 do corrente, dia muitissimo veneravel por
sero do enniverserio do nosso augusto monarcha o
Sr. D. Pedro II; mas a opposicfio, que ante nada re-
cua quendoenlende que pdeobter alguma vanla-
gem, aindi que momentnea, nfiorespeitando-a vc-
nerabilidade do dia, assoelhe que a presidencia ten-
cionava fezer desarmar os guardas nacionaos que
comparecessMH pereda, ue inlencaosem durids de
emedronlrar os cidedSos soldados e allasta-los da
mesma parede, para torna-la menos completa do
quedevra ser.
Entretanto, este ardil he tomado na merecida con -
sideracilo, queiemosdizer, he completamente dcs-
prezado, e pelas 12 horas do dia de hontem acham-se
arrumados no largo do palacio do governo 2 bate-
lliOesdaguardenecional, asseiedemente vestidos, e
que da va m mostras do cnthusiasmo igual aquello de
quo estavam animados atrope de Iinha e O corpo do
policie, que, unidos s ellesesb o commando em
chefedoSr. commendente superior Francisco Jacin-
Iho Pereira,' formavem ume perada mais brilhan-
le do que todas quantas teem havido uestes ltimos
annos.
E nfio foi t isto o que demonstrou de modo in-
concusso as disposiroes em que estave a maioria da
populacfio para jBaanifestar o seu regosijo no enniver-
serio natalicio de S. M. o Imperedor: o Exm. pre-
lado diocesano ; o Exm. general commandente das
armes; o corpo consular; o de commercio ; um
gremio numero de empreados pblicos; tods e
oflicialidade das embarcares de guerra nacionees o
eslrengeiree, eurtasno porto; os odlciaes das diffe-
rentes classes do exercito que nfio assisliram
perede; e gente grede de capital, todos concor-
rcram a palacio para aeompanharem o Exm. pre-
eidenlede provincia no cortejo ao busto de-S. M. o
Imperador.
Assim, pois, estilo desmenchedos os ardis com
quo a opposigfio buscou fazer com quo o enniverse-
rio netalicio do Sr. D. Pedro II pastese squi quasi
que desapercebido; e desmanchados Unto mais
complelemouto quanto foi extraordinario o entu-
siasmo com que o povo correspondeu aos vivas dedos
pelo Sr. commendente superior Francisco Jacinlho
Pereire.
Ao epproximar-se de Iguaress, sube o Sr. coro-
nel Bezorre que os revoltosos heviem espelhado, co-
mo he de costume, que a columna sb seu comman-
prcpaiava-sv evasiar aqueiia viiia : pare des-
vanecer, pois, a mpressfio que porvontura houvcs-
se feitoeste boato, tilo prfido como indigno, assen-
toa o distincto coronel de dirigir aos Iguarassuense
a seguinte proclamarlo :
PERNAMBUCANOS, heroica porefio deBrasilei-
ros Nfio vos Iludis; deixei vos outros es fileiras
dos revoltosos que manchem vosso nome e repu-
tacfio: obodecei ao governo do Imperador, no-
meado por sua livre e suprema vontede : lem-
brai-vos das desgreas de Alussupinho : nfio obri-
gueis a ensanguentar-se do novo o solo da patria,
ci lementer'vosse cegueira ee perde de tantas
vides: a presen lei-vot e seris garantidos ero vos-
sas pessoas e bens sb o esta miarte imperial.
Habitantes de Iguaress Nfio acreditis nos em-
s hutes que sssuoiam os inimk < tei i vossos domicilios : s Torga do governo s
quor o restabeleci ment da paz : ella sabe respei-
lar a lei e os direilos de seus concidadfios. A nos-
ii sa divisa he: Ordem, Imperador, CokstituicaO.
Viva nossa sent religifio!
Viva S. M. o Senhor D. Pedro II!
Vive e constituicflo poltica do imperio !
Vivam os briosos Pcrnembucenos !
Acampemento da frca legal em operaces nt
villa de Iguaress, 28 de novembro de 1848.
Jos Vicate de Amorim Beurra, coronel graduado
commendanle.
O Sr. commendente superior Francisco do Paula
Cavalcantd de Albuquerque Lcenla nfio morreu,
comoannunciou hontem um dos eolios da opposi-
cfio ; mas acha-se gravemente ferido de um tiro
que Ihe dispararen) os revoltosos enguerrillados nt
metta que fica entre" Iguaress e Alaricota, quando
S. s., ecompenhedo apenas de dous ordenanzas e
outros tantos pagns, encaminhava-se pare este ci-
dede, onde vinha tratar d objectos doservigo.
O ferimento he greve, como j dissemos, met
consta-nos nfio ser mortal; e houve lugar no die 30
de novembro ultimo.
8. S. est sendo medicado cuidedosemenle, ehi
tode e esprenla de que se rostabcleccra dontro em
pouco. <
F. ni o n 270, demos noticie succinle e ebreviada de
derrote dos revoltosos que ousaram asseltar o en-
genho Uous-Irmdos : boje vimos trenscrever a'ordem
do dia, em que o vlente major Jofio Guilherme de
Bruce congretula-se com a briosa tropa que entilo
commendeva pela coragem com que te porlou na
occaaiflo do ataque:
Consta-nos que ume pertide dos revoltosos do Ce-
tuce esssltire hontem o engenho Burralho, perien-
cente ao Sr. commandente superior Francisco Jacin-
lho Pereire"; que s se retirare d'ahi depois de he-
ver roubedo dez bois e vsrios outros ohjectos; a
que, nfio contente com esse documento de vanda-
lismo, um dcllos apunhelra o retrato doSr. Freo-
cisco Jacintho, dizendo qc muito sentie nfio poder
ftzer outro Unto ao benemrito Pernambucano .'.....
He mais urna prova do liberalismo dos revoltosos.
Deosdcbonde.de! Convortei os Iludidos; moslrei-
Ihes o caminho da resfio, e desviai-vos decerreire
de crimea para que os estilo erraslrando liomens
perversos e sera f.


Cenlo e sesscnla dos vndalos icouUdos as mal-
las do Caluc ousaram atacar honlem a trinla bra-
'vos la for?8 leffalisla que oslavam .postados enlre
Monleiro e o Arraial Confiados na supcrioridado
jj numero, csperavan ellos sem duvida lovar de
vencida o pequeo troco do legalistas; mas esles,
liis a seus deveros, o com urna bravura superior a
todo o elegi, baleram-os corajosamente, e obrlga-
riin-os retroceder na mais complots desordem.
tiquem, pois, certos os revoltosos do que o soldado
brajileiro nilo sabe voltar costas ao inimigo quando
pu?na pelos direitos de seu monarcha, pela consti-
uiic.lo, e pela integridade do imperio.
Terminado o conflicto, veriicou-sc que a forcea
legalista linlia a lamentar a morte de um dos seus
e o ferimehto de outro ; bem como que os revoltosos
niviam deixdo soare a vereda os cadaveros de ir
dos desgranados que teom a infelicidade de acompa-
nba-los.
s
elellossao o presidento federal Funk, ochefo de po -Rio-dc-Janeiro ; brigun brasileiro San-Jot, capitulo
licia Ncuhaus, o concclheiro Schneider, M. Vogel,
M. Kohler, e M. Karlon von der Mublematt. Por es-
tas cleicOes o povu tein abandonado as opinioes ex-
tremas dos partidos conservador e ultra-radical, e
tom-se declarado decididamente em favor da polti-
ca do A!. Ocbsenbein.
A Blgica gozava plena tranquillidade, o mo ha-
via recoio do que fosse perturbada, visto a grande
harmona quo reina entro o povoe o soberano.
COMMERCIO.
3:823,035
Acaba de recollicr-so ao quartel do corpo de po-
lica toda a companliia do guardas nacionacs des-i
lacados, que sb o commanJo do valento api Uto
Jos Connives da Silva acbava-se estacionada no
Jluiileiro.
Os bravos cidadSos soldados vioram descansar por
um pouco das fadigas do campo, a quo mo cstSo
muito habituados, o mesmo guardar o sobreditoquar-
tel, visto como as pracas poheines foram certa
diligencia: elles estilo dominados dos mais puros
sentimentos do ordem, e anciosos por terem anda
orcasflo de darem provas de sua adhesio aogover-
'no legitimo de Sua Magestadco Imperador.
Mil loororos aos valerosos l'ernambucanos que
saben) sacrificar seus commodos ao bem da patria,
e pugnar pela causa da legalidade ; seus nomes lor-
nar-se-li.lo historios : seus lllhos ufanar-se-hilo de
Ibes deverem o ser.
I'alleceu e foi sepultado honlem na groja matriz
da freguezia da Boa-Vista tiesta cidade o Sr. com-
mendador Manocl Zeferino dos Santos, cidado pro-
bo, e quo, entro outros lugares, eiereou aqui os do
presidento do provincia, eanselheiro do governo, e
inspector da alfandega.
Kecebemos varios nmeros do Times, os quaes at-
rancan) de 5 a 20 do oulubro
A Inglaterra flrra tranquilla.
.Mr. O' Brien appellra da sentenca pronunciada
contra elle, allegando irregularidades commettidas
no seu julgameiilo ; entretanto nina dcputacilo no-
meada pelos oidudilos de Huilln, para este (im reu-
nido, aprcsciitarn ao governador da Irlanda um
memorial pedilo fossc-lhe commulada a pena de
morte a que tulia sido condemnado.
O habitantes da cidade de Cork, todos sem dis-
liiircu, presentaran) igualmento um memorial,
pedindo a inlerposicao da prerogativa real n.lo s-
mente em favor de.M O' Brien, senilo tambem dos
oulros presos de estado condemnados morte por
criine de alta traieflo.
As deputacoes frain mui bem tratadas pelo gover-
nador, e esperava-sj que suas supplicas seriain at-
tendidas.
Os Tundos brasileiros ficaram a 71; os novos a 70;
iis quntro por cento pprtuguezes a 23 ; Os tres por
rento hespanhes a 21 7|8; e os dous e meio por
cenlo holiaudezes a 41 i|4.
A franca contina oui socego.
A assembla nacional decidir que a elrioilo do
presidente da repblica se fizesso por sufragio uni-
Jerul, e oa crenga feral que Luiz Napoleilo seria o
eleito.
Corra em Pars como certa a quda do general
ilnvaignac om consei|ueiieia de urna liga feita entre
'IM. I hiera e O lllon Barrot, os quars linham reiol-
vidu sustentar temporariamente a Luiz Napoleilo
para depois eslahelecorem urna regencia, que hu o
>eu alvo final; dizia-so lamber quo Air. Des faum
'era o chefe do novo ministerio, e que as doutrinas
nli-republicants 8a lazando grandes progressos
lano na armada como no exercito.
AcommissU) nomeada pela assembla para rece-
beras coiumuniraces do governo, relativamente ao
6'tado do sitio, proniincl.ira-se, de accordo com o
ebefe do mesmo governo, em favor de sua remoeflo.
" clebre prgador, o abbade Coour, foi ultima-
"oiite Horneado bspo de Tnyes,
Portugal conserva-so peileiiamente tranquillo!
Tinhan chegado a Lisboa diversos engonheiros in-
o'czes debaixo da directo de Air. Urailhwaite en-
cerregados de fazer os exames necessarios para o Km
de se formar urna companhiu que abastera d'agoa
aquella cidade por meio de canos postos em cada
"cuino na Inglaterra.
O conde do Thomar flera a partir para Madiid.
Aairandega de Lisboa rendora no inez de selem-
nr 213 contos do rs, e as setc-casas 53 coutos, in-
"isive os io por cenlo em notas do bauco para a
mortisagao.
0* PtacOes brasileiros licavam de 920 a 923 rs.
~aiii'suaitha contina a guerra civil coinquanto
* "opas da rainha tenham sempre s nido vielorio-
vn1'"1 l(lus os cnco,ur<,s que leen tiiio com osre-
onosus. Ultimainenle, diz um jornal de Barcelona,
,,""" fora derrotado ent S. Joilo-de-Valfogana
rnele principal dos enlistas, Cabrera :'louiura-se-
'o umu carleira conlendo documentos imuurlau-
' ASuissa icra em paz.
en ,sue Bcrno notician) que as cleajCes para O
oncelho nacional manifeslavam urna uolavel rovo
"cao as opinioes polticas do canino. Dos cliefes
ira-radicaes nenhum (iuha finda aicausado IMM
leu"" bBlla ; enlietanlo que, por oulra par-
.!'? Ochsenbein fra piin n
ALFANDEGA.
REND1MENTODO DA 1............
Desear gam hoje, Kdedaembro.
Escuna Outesli laboado e barricas abatidas
llriguc Kilt mercadorias.
Br igue Veriat barricas vasias.
Brigue Spraf bacalho.
Brigue Olinda pipas vasias.
CONSULADO GERAL.
I1ENDI.MENTO DO DA 1.
C.eral ........................ 33.992
Diversas provincias............... 127,270
491,202

CONSULADO PROVINCIAL.
RUDIMENTO DO DA 1.......... 608,277
Antonio Coelho Ribeiro, carga assucar e ago'ar-
dontc.
Em commissfio; vapor brasileiro Ptrnambucana,
i oinm'ldanle Juao Mililao ileiiriqlies, l'assigci-
rus, o tenento Jos Bernardo demandes Cama com
1 camarada, 2cndol.es o 13 recrulas para a mn-
rinha.
Kavtot entrados no dia 3.
Liverpool; 42 das, galera ingleza Sword-Fih, de
315 toneladas, capitSo Bicliard Creen, e(|uipagein
22, carga fizendas ; a Me. Cnlmont & Companha.
I'assageiros, o senlior esenhora Chadwick, John
Donnaldson, Alfrcii de Morncy e l Inglezes para i
fundicSo da Boa-Vista.
Rio-de-Janoiro ; 16 dias, barca brasilera Tenlaliva-
f'eli; de 518 toneladas, captao Antonio Francis-
co Itiheiro l'adlhn, equipgem 17, carea lastro de
pedra e gneros do pniz ; a.Silva ocQrllo. I'assa-
geiros, Antonio Silveira Alaciel Jnior, Francisco
Crispiniano dcSaboia, Jos Alaria Itibeiro Santos,
Francisco Antonio Rivier, Brasileiros ; Francisco
Antonio Lima, l'ortuguez ; Francisco Tarault com
sua senhora, Francczes ; o 1 escravo a entrenar.
libas do Sanduich, leudo sabido de New-ledfnrd ha
25 mezes, galera americana California, de 4O0 to-
neladas, capililo Charles Fiskir, equipagem 22,
carga azeilo de peixe ; ao capitflo.
Rio-de-Janeiro; 14 dias, barca ingleza Kirelam, de
341 toneladas, capililo John Wilson, eqnipagein
16, em lastro ; a Nascimento Amorim & Compa-
nha.
I) cela ray es.
-- Pela delegacia da cidalo do Recife seacham
recolhidos lOquartaos, sendo 6 allazles, 2 pedre-
ses e 2 castanhos, para serem entregues a quem os
reclamar.
I'RACV DO RECIFE, 2 DEDLZE1IBRO DF. 1848,
AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios ----- Fizeram-so trsnsaccfies regula-
res a 25 d por 1,000 rs.
Algodfio ----- NlosolTreu alteracilo no preco.
Entra rain 598 saccas.
Assucar Vieram ao mercado cousa de 100
caixas do novo, e urna porfo de
sacras. ()s presos afrouxaram
alguma cousa.
Agoardcnte- -- Vcndeu-so d65,000 a 68,000 rs.
a pipa.
Couros ------ Sem alteraglo.
Bacalho ----- Tivemos esta semana um carre-
gamenlo de 2500 barricas, que se
venderam a corea de 11:200 ris
porcada urna. O deposito bo-
je he de 4500 barricas e as ven-
das a retalho regularam deri
11,200 8 12,000.
Cabos de linho Venderam-se a 31,500 ris por
quintal.
Carne secca Vendeu-so de 2,00o a 3,200 ris
por arroba, Ficaram em ser
.12000 arrobas inclusive dou
carregamentos entrados esta se-
mana.
Fariuha de trigo Kntrou um carregamculo de 1500
barricas, que est por vender;
ficamlo om ser, inclusive este,
3500 barricas. Contina a re*
talhar-sede 18,000 a 21,000 rs.
Papr-I de embr.0 Vendeu-se a 1,300 rs. a resma do
de marca grande.
Espermacele dem a 830 rs. a librado velas.
I.nl raram no porto 62 embarcaoOi-s, a saber : 4
americanas, 2 austracas, 27 brasileiras, 5 dinuinai-
quezas.S franeczas, 7 inglozas, I lubequense, 5 por-
tuguezas, 2 sardas, 5 suecas e 1 hollandcza.
Publcacao l.itteraria.
>lovimen%) do Porto*
...V? Ochsenbein fra -lt or nni irpn ilnfe
iia"^0* uos lr*5 listriclos e'leitoraes do'Millel-
,,M. Emmenlhal e Seelaud. 0'oulros membros
Navio entrados no dia 2.
II nenos-Avos ; 48 dias, brigue americano Bretannia,
de 200 toneladas, capililo Alatheo Hale, equipagem
10, carga carne secca ; ao capililo. Vom refres-
car e segu para Havana.
Rio-de-J'anciro ; 16 dias, escuna sueca Brave, de 148
toneladas, capililo L N. Ligth, equipagem 8, em
lastro ; a Le Bretn Scbramm.
Bio-ile-Janeiro ; 8 das, brigue brasileiro Ligeiro. de
197 toneladas, capiLo Domingos llcnrique Alafra,
equipagem 13, carga.pipas vasias, fumo, feijilo e
mais gneros ; a Manuel Joaqun) Soares. I'assa-
geiros, Jos Joaquim da Cunha, l'ortuguez ; A-
gostinho Cezar l.ins de Souza com 1 escravo, Cra-
ciano Alves Alafia, Brasileiros
dem ; 14 dias, brigue brasileiro San-Manotl-Augus-
to, de 236 toneladas, cipu.V. Manuel bnnoes, equi-
pagem 17, carga pipas vasias, sabflo, rap e louci-
uho; aocapiao. l'assageira, I). .Mana Elvira llabel-
lo de Fara
I la maraca em commissao do governo; 18 horas, bri-
guc-escuua do guerra JtgallduJt, CuiiiiiittUUaiilu u
capiUlo-teneule Jo3o Custodio d'llundaiu.
Baha; 18dias, hiale brasileiro San-liinedicto, do
44 toneladas, capilfin Joaquim Jus da Silveira,
equipagem 6, carga charutos e mais gneros; ao
capililo. I'assagoira, Alaria Francisca.
I'arahiba ; 24 horas, hiato brasileiro fspadarle, de 27
toneladas, cap tilo Victorino Jos l'ei eir, equipa-
gem 3, carga assucar e fariuha de mandioca ; a
Joaquim de Uliv'ira. I'assageiros, Joaquim Anto-
nio de Azeveu, Itrasiloiro; Francisco Ferreira de
Souza l'inheiro, l'ortuguez.
Navios sahidos no mismo dia.
Liverpool ; barca ingleza Fsiher-Ann, capitSo Tilo-
mas llunter, carga assucar, algodio, cornos c
ossos. Passageiro, Th. James Tliagan, Inglez.
Alaranhilo o l'ari ; escuna bra%ileira Uaria-l'irmina,
capito Joilo Bernardo da llosa, carga varios gene-
ros. Pasjageiros, Joilo Alendes de Almeida, Augus-
to Cezar da .Silva Roza, Jos Emidio Jorge de Sou-
za, Bernardmo de Seha Argimiro Soares, Manuel
de Araujo Souza, Brasileiros ; Jos Rodrigues Ra-
mos Alaia, l'ortuguez.
Sanios: barca sarda Sagrado-Voragia-de-Jttu, capi-
to Paulo Jos Capurro, carga a mesma que trouxe.
?C! op^so hrijni'-flacun de guerra brasileiro
Piroja,T commandantQ o primeho lenlo Nuno
Alves Pereira de Mello.
Sabio a luz no Rio-de-Janeiro o compendio de or-
Ihographa da lingo a nacional,composto pelo profos-
aor Antonio Alvares Pereira Coruja, membro do Ins-
tituto histrico, etc. Acabam de chegar livraria da
ra da Cruz, no Recife iilguns exemplares da refe-
rida oilhographia, destinados aos Srs. que subscrc-
veram pBra a sua publicaciio.
Aquclles Srs. pois, que a liverom subscripto
quena ni vir receberos exemplares que Ibes compe-
ten) at o dia !> do eoriente, pnssado o qual senlo
vendidos as pessoasquo os procuraren).
Viisos martimos.
Para o Rio-de-Janniro sabe com muila brevi-
dade o velciro patacho Alfredo, forrado o encavi-"]
do de cobre com excellontcs commodos para passa-
geiros ; tambem recebe cscravos a frete : quem no
mesmo quizer carregr, 011 ir do passagem ..diri-
ja-so ao seu consignatario Francisco Alves da Cu-
nha na ra do Vigario, n. Il.primniro andar.
Para a Babia sabe, em poneos dias, com a car-
ga quo houver, a sumaca l'lor-do-Agelim : para a
mesma c passageiros trata-so com o meslre Ber-
nardo de Souza ou com Luiz Jos de S Araujo, na
ra da Cruz, armazem n. 26.
O b'igue portuguez Maria-Felit, capililo Lou-
renQo Fernandcs do Carino, sahe para o Porto no dia
12 do corrente por ter a maior parte de seu carre-
gamculo prompto : quem no mesmo quizer carre-
gr 011 ir de passagem paia o quo tcm excipien-
tes commodos trate com o capitSo na crac, ou
com o consignatario, Antonio Joaquim do Souza
Ribeiro.
Para o Rio-de-Janeiro sabe mprcterivclmcnte
no dia 15 do dezembro o brigue Assombro, forrado
de cobre e de primeira marcha por ter o seu car-
regamento quasi completo : para o rosto da carga e
passageiros trata-so cora Joilo Jos Fernandes Ala-
galhiles, na ra da Cadeia do Recefe, botica n. 61.
Para a cidnde do Porto pretende sahir com bre-
vidadea barca Uella-Pernambucana, capililo Alanocl
Francisco Nogueira, por ter a maior parle de sua
carga engajada : quem nolla quizer carregar, ou r
de passagem, para o quo o (Te roce bons commodos,
enlcnda-se com o consignatario, Antonio Francisco
doAloraes, na ra da Cruz, n. 34, terceiro andar, ou
com o capililo na Prara- O brigue brasileiro ero segu para o Rio-de-Ja-
neiro com a maior hrevidade : recebo carga e escra-
vos a frele: a. tratar com Leopoldo Jos da Costa
Araujo, na ra da Aloda, n. 7.
r- Para Lisboa pretende sahir no da 10 de ilozom-
bro a barca porlugueza ligeira, da qual he capitflo
Antonio J>aquim Rodrigues : quem quizer carregar
ou ir de passagem para o que lein os mclhorcs e as-
seiados commodos, di rija-so ao mesmo, ou aos seus
consignatarios Francisco Sevoriano Itabcllo &
PIIio.
Para l.isbfta pretende sabir, no dia 24 do cor-
rente, o brigue brasileiro Virialo : quem quizer car-
regar ou Ir de passagem para o quo tem os me-
Ihores commodos dirija-se ao consignatario, Ttio-
maz de Aquino Fonseca na ra to Vigario n. 19;
011 ai capitflo na rraea do C.ommercio.
Deposito de rap andarahy
e imperial.
Na ra da Cruz, n. 63, primeiiv andar, escriplo-
rio de Jos de Almeida Brrelo Bastos, vende-se o
bem acreditado rap nndiir.iliy e imperial, fabricado
no Ito-dc-Jnneiro, sendo o nico deposito nesta
provincia ; assim como sempre se achara no mesmo
deposito omelhorcliA naconaj brasileiro, emcai-
xmlias de 5, 8 o 16 libras, por prego commolo. o
rap vende-so a retalho as secuinlea casas : ra la
Cadeia do Recifc, n. 17 ; ra do Collegio, n. 9 ; pr-
<;a da Independencia, ns. I e39; ra do Queimado,
ns. 10, 16 o 33; ra do Livramento, n. 4 j ra No-
va, n. 50; ra dos Quartes, n. 21.
Dcsappareceu da ra da Aurora, casa n. 24,
u m ritozinlio prelo, dos quatro ps calcados de ama-
relio en pona da cauda aparada : quem dellesou-
ber Taz muilo favor mandar levar na mesma casa que
muito se agradecer.
Oflerece-se um moco brasileiro, ofllcial de cba-
ruteiro, para scremprogado nesto oflicio: qiem de
seu presumo so quizer utilisar annuncie, ou dirija-
se a esla typograpbia.
Prerisa-se aUijzar um prelo que soja sadiopara
comliizir pilo para fra todos os dias : na ra larga
lo Itosario, padaria n. 48-
Maria da Luz Araujo mudou a sua residencia do
paleo do Carmo para a ra das Trincheiras, a. 42,
primeiro andar.
# Aluga-se, para o lempo da fest > ou vend- t^
'> se um pequono sitio na Capunga, com casa (>
* de pedia o cal, concertada e pintada de novo, #
? com cacimba de boa agoa de beber bastan- (9) -
* lesarvoredos de fructo, e ludo cercado de li- ^
O nulo : quem o pretender dirija-so a casa do
? Sr. Jos Antonio de Lima morador no mes- ^
(j* mo lugar. ?
Prxedes Comes de Souza P i tanga doutor em
medicina, faz scientu ao publico quo se acha re-,
sidindo na praija da lloa-Visla subrjdon. 6, onde
poder ser procralo das 6 s 9 horas da 111 nli.la e
das 2 s l da tarde. D consulla gratis aos pobres ,
em sua casa e vai as casas dos que uio o poderom
procurar.
Na ra do Ouei unido, n. 14, se dir quem da di-
nheiro a premio com penhores de ouro. Na mesma
casa compra-se ouro, mesmo em obras quebradas.
Aluga-se um primeiro ou segundo andar em
qualquiT das ras do bairro do Rccifo ainda que se-
ja pequono : quem liver annuncie ou dirija-se a
ra da Cruz, n. 18, das 9 s 2 horas.
O Sr. Antonio Alaximianno da Costa lenha a
bondade de dirigir-se a ra da Cadeia de S.-Anto-
nio a fallar com Luiz Peres, a negocio de seu in-
teresse.
I'recisa-se de um trabalhndor do padaria que
cntenda perfeilamenle: na ra da Florentina, n. 3.
Arrcnda-se um ongcnlio que. d boa caima e ro-
Ca nilo sendo as comarcas de Nazaielll e llio-For-
nioso : quem o liver annuncie.
-- Hoje, 4 do crtenle vai a praca o briguo Aus-
tral periencenle a heranqa do tinado Jos Francis-
co Collares : as pessoas que quizerem lancar com-
parecam pelas 4" horas da larde na porta dojuizde
o pililos e ausentes na run da Aurora.
Vendas.
Lei'ao.
Domingos Alves Alatheus far leilio, por inter-
venidlo do corretor Oliveira e por conla e risco de
quem perloncor, de duas ancoras 1 ancorle e do
intero veame e cordoalha de um brigue: hoje, 4
de dezembro, As 11 horas da manhaa em ponto ,
no armazem do Araujo boceo do Concalves, no Re-
cite.
Avisos diversos.
~ OBerece-seUm rapaz brasileiro para fotor de
olaria, do que tem bstanlo pratica, ou para outro
qualquer servido : quem de seu prest mo se quizer
ulisar annuncie, ou dirija-so a-ra do Rozario da
Boa-Vista, 11. 8.
Aluga-se o primeiro andar esotilo do sobrado
da ruados Quarleis, 11. 10 : a tratar na praga da In-
dependencia, ns. 24, 26 ti 28..
- Na ra das Trincheiras, n. 21, lva-se o engom-
ina i' rnuna com nerfeicilA por preco cor^'n"1'".
--Cario de Candi, natural da Blgica, relira-se
para os porlos do uorle.
Vende-so urna escrava de 16 annos propria para
mucama | or ser recolhida e de muito bonita figu-
ra, a qualeugomma, cose, faz lavarinto e marca : na
ra Nova, n. 21, segundo andar,
FOLII1M1AS DE PORTA E ALCIIUIA C04J ALMANAK:
vendem-so na livraria da esquina' do Collegio pelo
preoo docostume.
Vende-se urna bonita negrota pe-
ca, de iiai'.lo, que engomma e cozinha ;
tuna dita crionla, que coze e cozinha ;
una moleca de idude de 1 '1 anuos, boa
para se ensilar a cngominar, por ser
muito forte; tres moleqnes de bonitas
ligui-as, de dadede i3, i5 e 17 annos ;
um bonito negro de naco, muito 01090
e boin para traballiar em algum armazem
de assucar, por j estar acoslumado a
este servico; um dito de meia idade,
licni para algum sitio, por entender de
plaulacoes ; um dito que nao tem mais
de a "> annos, boin ganhador, por 3f>osooo
rs.; mu mualo bom cozinheiro e nao mo
marinheiro ; todos estes escravos ven-
dem-se baralissimos, por deiejar-se fe-
char as con las dcste anno : na ra das
Larangeiras, n. i'i, segundo andar.
Vende-se, para fra de provincia um crioulo
de 25 anuos, ptimo ofllcal de pedreiro : em Olin-
da ra l'om-Fim, casa do Alanool Comes dos San-
tos defronle da porta travessa da igreja.
Vendem-se oito lindos moloques, de bonitas fi-
guras, do 10 a 20 annos, sem vicios ; 3 pretos de 20
a 25anuos; 1 Jilo bom cozinheiroe carpina; I inu-
lalinho de 15 annos, bom para pagem ou para ofli-
cio ; urna mulatinha recolhida, de 16 anuos ; urna
preta de iiaco, de 16 annos, de bonita figura, que
engomma, coze, faz lavarinto e marca ; 2 ditas, que
engoiiimain perfeilamenle, cozem ecozrnham; urna
dila de meia idade, que he perfeilamenle lavadeira e
d-se muito em conla : na ra do Vigario, 11. 24, se
dir quem vende.
Vende-se urna carleira do amarello com pouco
uso, una cama de dito com colchos, cadeiras, so-
las e mesas do Jacaranda, cadeiras sofs e mesas do
oleoe oulros mui tos trastes : ludo por preco com-
uiodu : na ra da Cadma de Santo-Aulouio, u. 18.
Vende-se urna mulatinha, de II annos, muito
linda, que coze soffrivel ; um moleque, de 13 an-
uos, bom robusto ; urna parda, de 25 annos, que en-
gomma, cozinha e coze ; urna negra de 22 annos,
que coze; una dita, do 18 annos, por 300,001) rs. .
por ter um defeilo noolho ; 1 negro proprio para
traballiar de enxada : na ra Nova, 11. 21, segunda
andar.
AGOA F.TINIR O CABELLO.
Csr.ti:ua-a u vcuoi a uou e ungir cabello
suissas na ra do Qucimado, n. 31. O methodo d
applicar a dita agoa acompanlia os villros.


h
rs&*
.i
Vende-se, por nio se poder conduzir para o mal-
lo un |)iiiuio de excelluntes vozes o om muito
Lom uso, por melado de seu valor : na ra do ,Que-
mado, n. 17, segundo andar.
AVISO AS SEN1I0RAS D0CIC1RAS.
lio chegado no Alterro-da-lloa-Visla, loja n. *8,
tornos com G Lcelas para doce, a 1,200 o torno.
Vende-se algodoo da trra de superior qualida-
le : na ra do Queimado, n. 20.
- Vendm-se acedes da ex-
tincta companhiade Pernambuco
e Parahiba: no escriptorio de O-
liveira limaos & C, ra da Cruz,
n. 9.
Vende-se farinha e milhoem saccas, por pre-
i;o rommodo na na larga do Rozarlo, n. 27.
Al^odo trancado da fabrica
de Todos-os-Santos da
Baha ,
muito proprio para saceos do assucar e roupa decs-
cravos: vende-se ein casa de N. O. Biebcr & Com-
panliia na ra da Cruz, n. *.
Vende-se ca.' virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
-qrrens,p&f-mwtt)S do que em outra qual-
quer parte: na ra do Trapiche, arma-
zem ii 17.
Vende-se cal virgem de Lisboa era barris de 4
arruina chegada pelo ultimo navio, por prefo coinmc-
do : a tratar cora Almrida & Fonscca.oa ra do Apollo
Na loja n. i$ A, da ruado Cres-
po, de Ricardo Jos de
Freitas,
vendem-se cortes de chita com 10 cora-
dos, a 1,600 rs. ; mantas de tarlatana, pa
ra senhora, a i,ooors. ; pecas de breta-
nha de rolo, com 10 varas, a a,000 rs. ;
e mitras muitas fazendaspor preros com-
modo!.
Contina-se a vender, na ra da
Cruz, n. f>o, caixas com cera de Lisboa,
sor ti monto vontade do comprador.
de Mag, muito lina, em saccas grandes : c tambem
mais grossa de Caravollas Cenia e da trra por
menor prego de que cm ontra qualqucr parte.
Vendem-se barra pequeos com cal virgem de Lia
boa, a mais nova que ha no mercado, por preco eom-
modo : na ra da Molda armazem n. 17.
Vende-se, para pagamento dos credores.a
venda da esquina defronto da greja dos Marlyrios ,
com os fundos de 300.000 a 400,000 rs. : quem a pre-
tender, dirija-se a ra da Madre-de-Deos a tratar
com Vicente Ferreira .da Costa o qual prometi fa-
zer negocio e vender barato para realisar. 1
Saccas com milho ,
a 3,200 rs.:
vendem-ss no armazem do Bacolar, no caes da Al-
fa ndega.
No armazem de Dias Ferreira, no
caes da Alfandega, vende-se, por preco
muito commodo, potassa muito superior,
em pequeos barris de io libras cada
mu, desembarcados ltimamente.
PURO VINIIO DA FIGEIRA.
F.xiste no armazem de moldados, atrs do Cor-
po-Kanlo n. 66 urna grande porco deste genui-
no n i filio que se est vendendo pelo diminuto pro-
co do 1,120 rs a caada o a 160 rs. a garrafa ; tam-
bem ha em pipas que se vender mais cm conla : he
esto o melhor de todos os viudos que se teem il-
uminado pela sua simplicidado e ptimo paladar :
quem urna voz o beber jamis dcixar de o com-
prar.
Vende-se gomma de mandioca, em
saccas : na ra da Cadcia do Hecife, n. 9.
Vendem-se esteiras de pal lia de car-
nauba ; chapeos de dita, por preco com-
modo, em porco e a relalho : na ra da
Cadcia do liedle, n.o
Vende-se bolacbnha bamburgue-
za, em latas, chegada recentcmente A
excellente qualidade destas bolachinbas
a tornam muito rccoiiimendavel : no ar-
mazem da ra da Cruz, n. /(8.
CIIA'BR.VSII.EIRO.
Fardo,
cm barricas a 4,000 rs. ; saccas grandes, a 3,300
rs., ditas pequeas a 2,800 rs : no armazem de J.
J. Tasso Jnior, na ra do Amorim, n. 3.
Vendem-sc cortes de casimiras finas
a :>,ooors.: na ra do Crespo, n. 9, loja
de Domingos Gmmares.
FARELO
em saccas muito grandes,
a 3s no armazem do Braguoz ao pe do arco da Conccigilo.
-Na loja da ra do Crespo, ao p
da arco de Sanio Antonio, n. 5 A, de
Ricardo Jos de Freitas Riheiro, ven-
dem-se chapeos de sol de seda, astea de
ferro, os mais super-ores e modernos
que teem apparecido nesla prac,a, pelo
diminuto preco de 5,000 rs; ditos de astea
debalcia a 3,5oo e 4,000 rs., tambem de
seda, preco por que estao boje os de
panninho.
Vendem-se. na loja de Firmianno Jos Rodri-
gues Ferreira, no l'asseio-Publico, ns. 9 e 11 ricos
cotes de cambraia de seda; ditos de cambraia de
burra ; ditos de cambraia de quadros de corea,
muito superiores ; ditos de cambraia de diffoienles
cores ; cambraia branca lina ; chales de 12a e seda
ditos de tarlatana de seda, de muito bom gosto;
lencos do seda para inflo e para hombros de senho-
ra ; chitas linas do hnm gosto ; madapolflo enfesta-
do o mmlo lino ; casimiras de bom gosto pelo ba-
rato preco de 5,000 rs. o corte ; corles de vestidos de
chita com barra de muito bom gosto ; chapeos de
palhadecr propria para o campo e passeio ; o nas muitas fazendas de bom gosto ludo por proco
commodo.
Na loja da ra do Crespo ao pe do
arco de S-Antonio, n. 5 A, vende-sc
casimira encarnada propria para golas e
canhoes de farda a 1,400 ris o covddo.
Cambraia de seda.
Vende-se cambraia de seda, de lindos padroes, a
7,000 rs o corte : na ra do Crespo, loja n. 9, de
Domingos .minarais.
Vende-se, ou aluga-se a padaria das Cinco-Pon-
tas n. 15*, com lodosos seus perlcnees : a tralar
na ra Diroita n. 24.
Na ra da Moda, n. 7, conlina-se a vender su-
perior colla fabricada no Itio-Grando-do-Sul!
Vendem-se presuntos para fiambre; quoijos
londrinos ; ditos de pralo ; latas com boachinha
fina de Lisboa ; ditas de, araruta ; conservas novas
mostarda ; potes com sal fino ; latas com inarmcla-
da nova; ditas com hervilhas; caixinhas com mas-
as linas ; vinho moscatel de Setubal; dito Sherry ;
licores finos ; e outros mais gneros, por preco com-
modo : na ra da Cruz, no Recife, n. 46.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Vcndem-se meios bilhetes da tercoira lotera |pa-
ra indemnisacflo do Ihesouro publico': na ra da
cadeia-Velha, loja de cambio, n. 38.
1
Carnl)
<1 M.JI--------
> I1IUIIUIULM,
. No armazem da ra do Collegio, vend-so farinha
Vende-se, no armazem de moldados airas do
Corpo-Sanlo, n. 66, o mais excellente ch produzi-
do em S.-Paulo quo tem viudo a este mercado
por proco muito commodo.
No armazem junto ao arco da ConceigSo que
foi do finado llraguez vendem-se barricas de supe-
rior laudo de Lisboa a 4,000 rs. cada urna ; arroz
do Maranhflo, muito barato.
Vinho bom e barato.
Na esquina da ra do Visarlo, 11. 33, vende-se su-
perior vinho de Lisboa e da Figueira a 150 rs. a
garrafa e em caada a 1,100 rs.
Vcnde-se muito superior lagedo de Lisboa, e
cal virgem em barris de 4 arrobas, por mdico proco:
na ra do Vigarlo, n. 19.
Na padaria da ra da Guia, no Recife llavera
lodos os dias a venda o novo p3o de Provenga, fa-
bricado poroulro modo que o actual e da melhor
farinha que ha no mercado : por este motivo nao se
pode fazer senSo a 40,80 e 160 rs.
Vendem-se
com farelo,
pelo diminuto
saceos
chegados ltimamente,
preco de 3,4oo rs.: na rua da Sanzalla-
Vclha, n. i38.
Vendem-se os fiteiros e balcSo que
foram diarmacao velha da loja do Duarte,
proprios para qualquer estabelecimenlo,
por preco muito commodo : a tratar na
111 es 111 a.
Vendem-se as melhores espadas pratoadas e
douradas para cavallaria e infamara : na rua No-
va loja de ferragens, 11. 25, na esquina que vira pa-
ra o boceo da Cainbou-do-Garmo por preco mais
commodo do quo cm outra qualqucr parte.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada hontem, por pre-
co muilo rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e rua da Cadeia, n. 34.
Agencia da fundico
Low-Uoor, rua da feenzalla-
nova, n. 42.
Neste estabelecimenlo contina a ha-
ver iimi completo sortimento de moendas
e mcias moendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro balido e
coado, de todos os tamaitos, para dito.
. Flores artificiaos.
Na loja da rua do Cabug, do Duarte,
acaba-se de receber um completo sorti-
mento de flores finas, ramos, capellas de
flor de larauja, peonas para enfeites de
chapeos de senhora e c-tbeca, guarniefies
de vestido de casamenlos : d-sco amos-
tras com o competente penhor.
Potassa.
Desembarcou ha poucos dias urna por-
co de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, e se acham venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se vendia, na rua da Cadeia-Yelrm,
armazem de fialtar&Uliyeira, n. 13.
dera-so chapqs de castor pretos, de muito boa qua-
lidade ,a 4,400 ra.
Vendem-se chapeos franeczes da
ultima moda de l'aris ; bonets de palha
tanto de homem, como para menino de
superior qualidade e gosto o mais moder-
no; chapeos de molla pretos e brancos ;
ditos de massa sem pello, de varias for-
mas e cores, para homem e meninos ;
ditos de palha da Italia, superiores ; di-
tos do Chilli muito alvos assim como
todos os preparos para chapeos, ludo
chegado reeentemente, e por preco o
mais commodo possivel: na rua Nova,
n. 44> <>l>rica de chapeos de Christianni
&C lrinao.
Vendem-se saccas com tres quartas e meia de
farinha muilo al va u engommada a 3,000 rs. : no
caes da Alfandega armazem n. 1.
Vinho barato.
Acha-se eslabelecido na rua da Madre-de-Deos ,
n. 36, um armazem de
Vinhos da Figueira,
de ptima qualidade, a prego de 1,120 rs. a caada,
e a 160 rs-a garrafa; e para nSo haver dolo do com-
prador ser.lo lacradas as garrafas e com rotulo, re-
ecbondo-so a garrafa vasia, o dand'o-se immediata-
mente a outra cheia: tambem ha harria muito pe-
queos proprios para quem passa a- festa. O pro-
prietario deste estabelecimenlo pede encarecida-
mente que se nSo illudam avahando, pelo diminuto
prego e som conhecimento de causa a qualidade de
sua fazenda digna por corto da eslima dos verda-
deros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
urna vez provar, continuar com gosto e sem arre-
pendimento. E o bom prego!!.' A todo o exposto
accresce o asseio e bom acondicionamento, o que
tudo se poder verificar em dito estabelecimenlo. -
Vendem-se dous quartos o urna vacca com
cria por prego commodo a tratar no Alerro-da-
Uoa-Visla loja 11. 46.
Na rua Nova, n.20, loja de Joio Fernandos P-
rente Vianna vendem-se ricos apparelhos de melal
fino para cha os melhores quo aqui teem viudo ;
superiores machinas parase fazer caf; ptimas fa-
cas de cabo de marfim; coiheres de metal do prin-
cipe para sopa cha, terrina e arroz; as mais supe-
riores navalhas para barba que aqui teem vindo :
tudo por prego commodo.
Vende-se um bergo novo de angico por muito
ha ralo prego: na rua eslreita do Rozario, loja de
empina, n. 27.
Vende-se a venda da rua de S -Thereza n. 60,
bem afreguezada para a trra, com poucos fundos :
o motivo porque so vende so dir ao comprador:
a tratar na inosma venda.
Vendem-se bonitos chapeos de sedae de palhi-
nha para senhora e meninas ltimamente chega-
dos de l'aris por prego commodo : no Alerro-da-
Boa-Vista casa de Madama Porta, n. 3.
Panno azul.
Vende-se panno azul, proprio para fardas : na rua
da Cruz, n. 17.
Na rua Nova, loja de ferragens, n. 25, na esqui-
na que vira para a Camhoa-do-Carmo vende-se um
completo sortimenlo de Ierro inglez chegado pr-
ximamente de Londres, por prego mais commodo
do que om outra qualquer parte.
Vendem-se espadas pratoadas de rico padres ,
proprias para officiaes de cavallaria einfantaria : Ha
rua .Nova, loja de ferragens, n. 16.
Vende-se um ptimo cabriolet descoberto, em
muito bom estado com os competentes arreios, por
prego commodo : no Aterro-da-Boa-Visla em casa
do Sr. Miguel Segeiro.
Vende-se alcatrflo da Suecia ; farinha de trigo
S.SS e de outros autores, em moias barricas; vi-
nho do Porlo em pipas e larris de lodos os tama-
itos ; feehaduras grandotno broca pura portas de
armazem; coeiros dealgodlo ; peneiras de rame;
cal em barris pequeos ; arcos para barricas : ludo
por prego commodo : na rua do Vigario n. II, pri-
meiro andar.
Vendem-se 300 couros de cabra ; 2* arrobas do
pennasde ema por muito barato prego: na rua
larga do Rozario, loja de miudezas, n. 26.
Vende-se urna armagao com halc3o, ptima
para qualquer estabelecimenlo, ou para um princi-
piante que qneira botar venda: a tratar na mesma ,
que ora serve de fabrica de charutos, na rua do Co-
dorniz noForle-do-Matlos, n. 9 at o da 7 do
correte que,se da por prego commodo.
-- Anda est para se vender o sobrado de dons
andares e sotflo na Iravessa da Madre-de-Deos, n. 7,
em chaos livros, o qual se vende por commodo pre-
go, euiio ha duvida em receber alguina leltra em
pagamento: trala-se na ru da Cruz, n. 50.
Charutos de Francisco de Groz
da fabrica da Babia.
No deposito da rua da Cruz, n. 26, ha charuto*
de todas as qualidados-
Pennas baratas.
Na loja da ru do Cabug, do Duarte
vendem-sc peonas de pato, a 4, 5 c G.ooo
rs. o milheiro, oplimas para repartieses
publicas e cscriptorio.s : as amostras se
acham patentes aos Srs. compradores.
Tapetes em oleado.
Na rua do Cabug, loja do Duarte, l,a
um sortimento de tapetes de oleado, pro-
prios para mesas de jantar, de meio de
sala e consolos, do melhor gosto que tem
apparecido no .mercado: recommendd-
se-os aos Srs. cstrangeiros, para orna-
mento desuas salas.
Vende-se panno fino azul
proprid para fardas dos Senhores
voluntarios, e juntamente casimi-
ra encarnada : no Aterro da-Ba-
Vista, loja n. 24.
Vndem-se resmas de papel almagn, branco
prelina de primeira o segunda finalidades; ditas
de peso branco e azul ; libras de rap do ltio-Ue-
Janeiro Andaiahy ; linda cm carretel de 200 jardas-
na praga da Independencia, loja de miudezas, n. \.
* Vendem-se barris com quatro ar-
robas de superior cal virgem de Lisboa,
por preco muito commodo: na rua da
Cadeia do Recife, loja n, 5o, de Cunha
& Amorim.
Vende-se panno de algodo da tr-
ra, a aoo e aao rs. a vara: na rua do
Queimado, loja n. 29.
Diversas obras em marftn.
Vende-se, na rua do Cabug, loja do
Duarte, affnetes proprios para^enhoras;
e carleiras, almofadas, botons e outras
muitas galantarias de bom gosto, o me-
lhor que lem apparecido neste genero,
chegadas pelo ultimo navio de Franca.
Vende-se urna venda muito boa para quem
quizer principiar e com os fundos a contendo do
comprador ou somonte a armago sita na rua do
Caldeireiro, n. 9*: a tratar na mesma venda ou no
pateo doTergo, n. 139.
Vende-se um bonito cavallo, com muito bons
andares : na praga da Roa-Vista n. 12.
Vendem-se pegas de madapoln com 20 jardas,
a 2,800 rs. o a retal lio a 7 e 8 vinlcns : na rua do
Passeio, n. 17.
Escravos Fgidos
--Na ruado Crespo, loja de* portas, 11. 12, ven-|com a festa na porta.
Chcguem freguezes ao barslciro da rna
larga do llozario n. a>, cc.m loja de
miudezas,
que vende ricos bahus para costura; agulhas fran-
oezas, proprias para senhora Bordar ; luvas de pel-
lica para senhora, muilo ricas;ditas para homem,
assim como proprias para montara ; oculos de lo-
dos os graos de armaglo ; babados para loalhas ;
ricas abotuaduras para casaca ; bengalas de junco e
baleia escovas |>.ira falo e para cabello, muilo fi-
nas ; ricas tosouras para costura; caivetes para pen-
nas mullo superiores: tudo por prego muito
barato
-- Vende-so urna pprglo de cora de carnauba de
superior qualidade, chegada do Aracaty no'hiate
IHividoio : a tratar com Antonio Joauuim de Souza
Hibeiro.
llantas de seda.
Na rua do Cabug, loja do Duarte, ven-
dem-se mantas de seda a 1,000 rs. A el-
las, antes que se acabem, pois estamos
Fugio.no dia 26 do correte, domingo pela
tarde, un escravo pardo, muito claro, de nome
Cregorio baixo, do bonita figura desdentado do
queixo de cima ; levou caigas azues camisa bran-
ca um Iimuxinha do roupa as costas; foi enconlia-
do no mesmodia a larde em 01 inda procurando a
estrada do serillo de onde he natural; foi compra-
do no Cear por Mnnool Jos Salgado ; ha de ser
custoso a eoiihecer--.se porque alm de irem Iragcs
de malulo parece mesmo matulo levando chu-
pen do palha novo. Hoga-se as autoridades policial'
e capites de campo que o apprehenilam e Icvom-
110 a rua da Cruz, no Itecifc), armuzem n. 26, quo
serflo gratificados.
Fugio, de bordo do brgue Sertorio, na mantilla
do dia 5 de jullio prximo passado, um escravo rna-
rinheiro de nome Francisco do nagflo Janea; re-
resenta ter 30a 35 annos ; lem um signal na face es-
querda, falla muito descangada ; levou cajgas e ca-
misa de algodo azul, chapeo de palha piulado d
branco o balde de trazer rages e 7,000 rs. em ce}
dulas; falla hespanhol: quem o pegar love-no a
rua da aloda n. 7, quesera bem recompensado.
Fugio, no dia 18 de outubro, do engenho S.-
J0S0, no Cabo, Marcolino, pardo Irigueiro, de 19 an-
uos, estatua regular, cara redunda, olhospepuenos,
denlos limados ; lovou da caigas una de briin
pardo e outra do riscado azul quem o negar levo-o
ao referido engenho ou a casa de Lulz Gomes Fer-
reira no Jliidego, quesera generosamente recom-
pensado. m
Desappareceu no dia |30 denovembro, umi
preta de nagfio Angola de 35 annos pouco mais ou
menos de estatura regular secca do corpo an-
dar vagaroso o oomo quem v pouco ; tem um dos
ps incitados ; suppOe-se nlo andar fr* da cidade.
Esta escrava servia ltimamente a Antonio da Cos-
a Ferreira no poder do qual vendeu agoa eoutras
cousas do veiiilagom ; levou vestido azul com vivos
brancos no collele do mesmo; panno da Costa, e
missangn no pescogo. Quem a pegar leve-a a rua di
Cadeia do ltecife, lujado ferragensde Antonio Joa-
quim Vidal, n. 56, ou 110 Forle-.lo Mallos, na rua uo
Amorim, n. 36, que ser recompensado.
Fugio, no dia 10de novembro a escrava Feli-
cia .do nagHo Rengela de'40 annos pouco mais
ou menos ; levou vestido de chita, ssia do lila, pan-
no preto cosluma andar calgada jntitula-se a al-
gumas pessois que a nio conhecem de forra ; ha to-
da probabilidad!) que esteja recolliida em casa com
titulo de procurar senlior; na occasiSo da fuga fal-
taram algunsobjectoscomo colheres de sopa o de
cha de prala 2 trancelins com inedalhas, proprias
de meninas, leudo o peso do li oitavas pouco mais
ou menos ; bom como alguma roupa branca alem
da roupa da mesma preta que com antecedencia U-
nha tirado de casa. Roga-se 'a qualquerpessoa a quem
forem offerecidos os dilosobjectos, os apprehenda e
avise a Manuel Carneiro Leal, na rua Nova, n. '*<>,
segundo andar; bem como que captura a mesma pre-
ta, contando com a gratilicagOo.
PUN.: NA Tfr, DI M. F. 01 FABIA.1848
I
I
MUTIL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKINZVFD6_VBFZPC INGEST_TIME 2013-04-12T23:40:53Z PACKAGE AA00011611_06190
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES