Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06153


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A1I0 XIXTII IDIEBO
jiju i
Por tres mezes adiantados 5 $000
Por tres mezes vencidos 6$000
Al
SEGUIDA FEIRA 18 DE MARCO DE IS61
Por aaoo adan lado 19 $00 0
Porte fraico para o subscriptor.
mi
EXC.VRREG.1DOS DA SUBSCBIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima ;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Araca-
ty, o Sr. A, de Lemos Braga; Ceari o Sr. J. Jos
de Oliveira; Haranhao, o Sr. Haooel Jos Mar-
tins Ribeiro Guimaraes; Par, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
FAKUDAS U CUKHtlUS.
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do dia.
Iguarassu, Goianna e Parahiba as segundas e
sextas-feiras.
S. Anio, Bezerros, Bonito, Caruar, AUinho e
Garanhuns as tergas-feiras.
Pao d'Atho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Ingazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Fx as quartas feiras.
Cabo, Scrlnhaem, Rio Formoso, Uoa.Barreiros,
Agua Preta, Pimeoteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correiosparlem as 10 horas da manba)
ErHEMEBIDES DO HEZ DE MARCO.
3 Quarto minguante as 4 horas e 56 minutos da
tarde.
11 La nova as 11 horas e 18 minutos da man.
19 Quarto crescente as 3 horas e 12 horas da
tarde.
26 La cheia as 11 horas e 55 minutos da man.
PREAMAB DE HOJE.
Primeiro as 10 horas e 6 minutos da manha.
Segundo as 10 horas e 30 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA.
1S Segnnda. S. Gabriel archaojo; S. Narciso.
19 Terca. S.Jos esposo de Nossa Senhora.
20 Quarta. S. Martinh Domiense are.
21 Quinta. S. Bentoab. fundador; S. Berilio b.
22 Sexta. As Dores de Nossa Senhora.
23 Sabbado. Ss. Flix e Dornicio rom.
24 D-.mingo de Ramos. S. Agapito ab.
AUUltSNClAS UU> TKlBUNAK DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundase quintas.
Relacao: tercas, quintas e sabbado ss 10 horas.
Pazeoda : tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quartas ao mel dia:
Dito de orphos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas so meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1
hora da larde:
ENCARREGADOS DA SUBSCR1PCA DO SL*
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Baha,
Sr. Jos Martlos Alves; Rio de Janeiro, o Sr
Joo Pereira Martina.
EM PERNAMBUCO.
O proprielario do diario Manoel Figueiroa o
Faria.na sus Uvraria praga da Independencia es.
6e8.
PARTE OFFICIAL.
a predi ta carta para outra qualquer( para pasmar como tolera as demasas e os in-
Governo da provincia.
Expediente do dia 14 de margo de 1861.
Officio ao Erm. presidente do Rio Grande do
Norte.Em additamento ao meu oQicio de 9 do
correte, passo as raaos de V. S. por copia o que
me dirigiu o inspector da alfandega desta pro-
vincia era 12 deste mez, participando as provi-
dencias que deu relativamente ao desastre da es-
cuna Lindoya, nos baixos de Maracaja.
Dito ao coronel comraandaoto das armas.Sir-
va-so V. S. de mandar por em liberdade, dando-
lhe baixa, se j estiver com praga, o recruta Gui-
therme, visto ter-se verificado ser escravo de
Anastacio Francisco Cabral.
Maodou-se tambera por era liberJade o recru-
ta Joaquira Pulycarpo da Silva por estar empre-
gado na estrada de ferro, e aos de nomes Antonio
de Souza Ramos de Oliveira, Jos Bernardino de
Senna, Olympio Manoel da Assumpgo, o Joao
de Deus dos Guimaraes Peixoto, porscrem guar-
das oacionaes promplos para o servgo. Cora-
muuicou-se ao superintendente a soltura do pri-
meiro, e ao commandante superior do Recite a
dosdemais.
Dito ao coronel commaodaute superior interino
do Recito. l'io V. S. consentir que os comman-
dantes do primeiro esquadro de cavallaria edo
sexto batalhao de infamara da guarda nacional
sobsou commando superior, maodem formar as
respectivas paradas, as companhias desses cor-
pos, aflm de passaiMhes revista de armamento.
Fica assim respondido o seu o lucio sob n. 16 e
data de 7 do correnle.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tendo de conformidad com a sua informac.au de
3 de novembro do aono prximo passado, sob nu-
mero 1141, ouvido o coronel commandante das
armas e o capitao do porto acerca dos recrutas
e voluntarios apurados desde 19 de julliu al 12
de outubro daquelle anno, pelo lente Antonio
dos Santos Cana, ento encarregado do recruta-
mento nesta capital, recoramendo a V. S., em
vista das ioformacoes que me foram ministradas
que mande pagar ao referido tenente o que se
lhe estiver dever de gratificarlo corresponden-
tes aos recrutas e voluntarios constantes da rela-
mi junta, os quses assentaram praga no oxercito
e na armada, como se ve da mesma rolarlo.Re-
ni'uteu-se a relago.
Dito ao mesmo. Recommendo a V. S. que,
de conformidade com a sua informaco de hon-
tem, sob numero 192, dada com referencia a da
contadoria dessa thesouraria, mande pagar a
pessoa quo para isso se mostrar habilitada a
quaotia de 337/500 rs. em que, segundo os do-
cumeulos que devolvo, e que me foram remotti-
dos pelo commandante superior interino da co-
marca de Flores com officio de 19 de fevereiro
ultimo, importara os vencimentos dos guardas
nacionaes destacados era villa Bella, contar do
Ia 15 de setembro do anno prximo passado.
Comraunicou-se ao mesmo commandanto supe-
rior.
Dito ao mesmo.De conformidade com a sua
informago de 11 do corronte, o autoriso remol-
ler ao major commandante do corpa da guarni-
rlo Herculano Sancho da Silva Pedra a quaotia
de 5-.OOO9OOO para occorrer aos pagamentos dos
vencimentos da companhia existente na villa de
Tacarat, devendo essa quanlia ser entregue ao
lente Antonio dos Santos Caria, que vai reunir-
se ao mesmo corpo.Commanicou-se ao com-
mandanto das armas.
Dito ao mesmo.A' vista da sua informago
datada de 13 do corrale, o autoriso & mandar
adiantar aos Drs. Manoel Enedino do Reg Va-
lenga e Flix Moreno Br gundos cirurgies por decreto de 2 de dezembro
ultimo, a importancia de tres mezes desold pa-
ra lhes ser descontada pela quinta parte do mes-
mo sold.Cotnraunicou-se ao commandante das
armas.
Dito ao director da colonia militar de Piraen-
teiras.Chegou ao meu conhecimento era virlu-
de de representado de Joo Vieira de Mello e
Silva, que V me negra-se pagar o imposto
provincial de 20500 pelo gado morto para o con-
sumlo dessa colonia, sob o pretexto de que, sen-
do esse estabelecimonto sugeito ao rgimen mili-
tar, est poristo isento dc$se onus.
Declaro Vine, para seu conhecimento que
nenhurai dsposigo de lei isenta a colonia sob
sua direcoao do pagamento do predito imposto,
que deve ser satisfeito pelo valor de cada rez
morto para coosummo, qualquer que seja o con-
summidor; sendo alm disto evidente o preceito
do artigo 13 do decreto numero 729 de 9 de no-
vembro de 1850, quo sujeita a mesma colonia ao
rgimen militar, nao importa a isengo de im-
postas lanzados sobre os gneros destinados
sustentado dos colonos e tropa nella exis-
tentes.
Dito ao director das obras publicas.Concedo
a antorisacao que Vmc. pediu em seu officio de
hontem, sob numero 67, para mandar vender a
barcada pertencente essa repartico, visto adiar-
se ella em mo estado, segundo consta do citado
officio.Communicou-se thesouraria provin-
cial.
Dito acamara municipal da villa de Ouricury.
Para que eu possa resolver acerca dos reparos
de que necessita o agude da villa do Ouricury,
faz-se necessatio que a cmara municipal dessa
villa em additamento ao seu officio de 15 de Ja-
neiro ultimo, ministre com brevidade os escla-
recimentos que iodica o director das obras publi-
cas na segunda parte da informaco por copia
inclusa.Igual pedindo tambem es'clareciraentos
sobro esse objecto ao juiz de direilo da Boa-
Vista.
Dito ao director da companhia de Beberibe.
Sendo excessivo o fornecimento d'agua polavel
faiio em virtude do meu officio de 31 de agosto
do anno passado, declaro Vmc. que d'ora em
diante Oca reduzido a 14 o numero dos canecos
para consummo diario, sendo dous para a repar-
ticio das obras publicas, dous para a secretaria
da presidencia, e dez para uso particular da mes-
ma presidencia.
Dito ao Sr. Pedro Milliano da Silveira Lessa,
juiz de paz presidente e mais membros da mesa
parochial de Agua Preta.Ioteirado do que ex-
pera Vracs. em officio de 3 deste mez, tenho a
dizer-lhes em resposla, que opporlunamenle re-
aolverei sobre as oceurencias, que se deram por
occasio da eleicao de juizo* de paz e Toreadores,
a que ahi se est procedendo, e que alludem
Y mes. em seu citado oQicio.
Portara.O presidente' da provincia, confor-
raando-se com o que propoz o director geral dos
indios em officio de 3 do correte, resolve con-
ceder a demisso que solicitou o tenente-coronel
Jos Luiz de Caldas Lins do lugar de director da
aldeia de Barreiros e uoma para o referido lu-
gar na conformidade do art. 2 do decreto o.
426, de 24 de julho de 1845, o cldado Paulino
Augusto da Silva Freir.
Dita.O presidente da provincia, atlendendo
ao que requereu Bartholomeu Lourengo, consig-
natario do patacho nacional Bota Jess resolve
conceder permisso para Joaquira Goncalv.es dos
Res matricular-se, independeote de apresenta-
clo de carta de piloto, como capitao do mesmo
patacho na viagem a que est destinado para o
Rio de Janeiro; derendo, porm, assignar ter-
mo na capitana do porto, pelo qual se obrigue
a exhibir
viagem.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao coronel commandante das armas.
Manda o Exm. Sr. presidente da provincia com-
municar a V. S. que nesta data e de conformida-
de com o seu officio o. 364, de 13 do crrante
deram as convenientes providencias para que se
ajuste conlas ao 2 cirurgio Prudencio de Brito
Cotigipe, e se lhe de passagera para a Baha no
vapor que se espera do norte.Expediram-so as
ordens convenientes.
Communicou-se tambem ter mandado ajuslar
as contas do Dr. Manoel Bernardino Bolvar, e
dar-lhe transporto, bem como a sua familia, para
o Rio Grande do Norte.
Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presidente da
provincia manda onimunicar a V. S que expe-
du nesta data as coavenientes ordens nao s pa-
ra que sejam transportados seus destinos o
desertor do corpo de guarnirlo da Parahiba e os
2 soldados do desta provincia, de que trata o seu
officio n. 369, mas tambem para que o director
do arsenal de guerra faca embarcar opporluna-
meate no hiate Sergipano o caixo com artigos
de fardamento destinados s pragas do 9 bata-
lhao existentes 00 presidio de Fernando.Expe-
diram-se as ordens.
DBSPACHOS DO DIA 14 DE Milico DE 1861.
Requerimentos.
4057.Vicente Ferreira da Costs Miranda.
Nao tem lugar.
4058.Joaquim de Sant'Anna.Satisfaga o sup-
plicinte o que exige a thesouraria provincial era
officio n. 91 de 12 do correte e consta do pare-
cer da respectiva contadoria que se lhe dar por
copia.
4059.Manoel Enedino do Reg Valeuga.Di-
rija-se thesouraria da fazenda.
1060.Miguel Archanjo Santiago.O suppli-
canle pode provar a isengo legal que tiver den-
tro de 2 mezes peranle a presidencia e ser escu-
so da praga.
4061.Tenente-coronel Joo Vieira de Mello e
Silva.Como pode, devendo o supplicante diri-
gir-so ao director da colonia militar de Pimen-
teiras.
4062Joaquim Jos de Azevedo.Remettido
ao Sr. Dr. juiz de direilo da comarca do Bonito
para informar e mandar instruir a peligao com
os documentos de que trata o decreto n. 2560 de
28 de margo de 1860.
4063.Flix Moreno Brandao.Dirija-se the-
souraria de fazenda.
4064.Os desenhistas da Repartigio das obras
publicas.Requeiram os supplicantes assem-
bla provincial que breve se reunir.
4065.Carolina Alexandrina Nelto do Reg.
Informe o Sr. director geral da instruego pu-
blica.
4066.Antonio Augusto de Souza Navarro
Lins. N3o ha vaga.
sultos que lhe dirige o general Urquiza.
Nunca Buenos-Ayres se vio em posigio mais
humilhante, cumprindo notar que hoje nao suc-
cede miis comooutr'ora que todos os partidos do
interior, cada qual por sua diversa razo, excla-
mavara : Venha Duenos-Ayres quanto antes para
a unido.
Nao : agora repeliera Buenos-Ayres, como po-
de vr-se dos paragraphos que aqui transcreve-
mos do Progresso, do Rosario, orgo do general
Urquiza nsquella cidade:
Renuncie Buenos-Ayres a seus foros, a seus
privilegios, venha collocar-se a par de nos como
membro que da familia, e queremos a uoio,
porque ento tiraremos della vaotagens posi-
tivas.
Mas se assim nao Gzer, claro que preferire-
mos a sua separago, e que sem o seu concurso
nos taremos urna patria.
J l vai o lempo em que pensavamos quo
Buenos-Ayres nos era indispensavel, e que sem
elle pereceramos necessidade.
Agora tomos a experiencia do que valemos,
e a conviego de que nos bastamos a nos nies-
mos para constituir urna repblica feliz e pode-
rosa.
Anda temos outra conviego mais, que vem
a ser que Buenos-Ayres carece de nos, e que no
dia em qu,e deixarem de estar roda dessa plan-
ta parsita os povos argentinos, cahir por trra
prostrada pela debilidade.
Coraprehendemos o afn que seus Glhos teem
hoje pela uniao, e natural que fagam esforgos
para couserva-la.
Mas, superior ao dosejo delles a vontade
mui manifesta dos povos que nao querem conti-
nuar a sor o joguete daquclla palavra sem ver-
dade.
A mesma torca das cousas arrasta Buonos-:
Ayres separago ; nem possivel conter esta
torrente com a penna dos escriptores ou com o
esforco do charlatanismo.
Coincidera estes escriplos com o que escreva-
moa na nossa carta anterior e com oulros boatos
que circulara ha dias. Consistem estes em attri-
buir ao general Urquiza, sabe Deus com que ra-
zo, o projecto de formar com Corrientes, Entro-
Ros e o Estado Oriental, urna confederado ; e
se o presidente Derqui, quando se reunir o con-
gresso, apoiar os deputados de Buenos Ayres, co-
megar a cousa, segundo se diz, pondo na ra o
presidente, o congresso e ludo quanto fdr nacio-
nal, pois que o Paran e" do general como seu
Entre-Ros.
Se os nossos leitores accrescentarem ao que j
temos consignado o que hoje to superficialmen-
te aponamos, comprehendero o que dissemos '
cima :que este paiz ir longe, pois que nao
sabe para onde vai.
E' mister esperar, dar lempo aos polticos para
que combinem o seu plano de campanha, nao
aventurar juizo algum sobre o que tem de acn
peito do general Urquiza, sedissesse depois: O. que naturalmente Iratardepor alirapo essa mys-
governo de Buenos-Ayres o mandou matar;o
Nacional, seu orgo, ha lempos j que annuucia-
va este assassinato como um sacrificio preciso
para conservadlo da ordem e Iriompho definitivo
da liberdade.
Mais do que isto nao houve.
O Nacional a seu turno, e como dizendoa in-
clemencia do meu protector apenas me tere,
vestio-se dahi ha poucos das com trejes de gala e
appareceu em formato maior. Hoje o seu tama-
nho quasi o da Tribuna.
O general Urquiza, que nao desperdicia nego-
cio bom, subscreveu para o banco do Rosario com
50,000 duros.
As ms noticias a respeito da colheita trazidas
pelo ultimo paquete, e o nebuloso do futuro, fa
zem com que o commercio soffra urna paralysa-
go grandissima: escasso e caro est o dinheiro,
ha pouco crdito, e perdida toda a confianga.
Ficam as ongas a 347 1/2 pesos.
INTERIOR.
RIO DE JWEIRO
26 do fevereiro de 1861.
Foram nomeados presidentes :
Dj Maranho, o Dr. Pedro Leo Velloso ;
Do Piauby, o Dr. Antonio de Brito Souza
Gayoso ;
Do Cear, o Dr. Antonio Alves de Souza Car-
valho ;
De Pernambuco, o Dr. Antonio Marcellino Nu-
nes Gongalves ;
Das Alagoas. o Dr. Manoel Antonio Duarle de
Azevedo ;
Da Parahiba, o Dr. Francisco de Araujo Lima ;
De Sergipe, o Dr. Joaquim Jacintho de Men-
doncj ;
Do Espirito Santo, 'o Dr. Jos Fernandes da
Costa Pereira ;
Do Paran, o Dr. Antonio Barbosa Gomes No-
gueira ;
Foram exonerados pedido os presidentes :
Da Parahiba, Luiz Antonio da Silva Nunes ;
De Sergipe, Dr. Thomn Alves Jnior ;
Do Paran, Dr. Jos Francisco Cardoso ;
O vice-presidente do Paran, Dr. Julio Cesar
Berenguer de ittencourt.
A directora do banco do Brasil manda annun-
ciar hoje que em cumprimento do disposto no
art. 4 do decreto n. 2,685 de 10 de novembro do
anno fiudo vai proceder no prazo de quatro me-
zes substtugo de suas notas do30;000.
28
EXTERIOR.
leosa oceurrencia.
_A mesma folha de 5 docorrente, fazendo men-
cao do aoniversario da victoria das armas brasi-
feas em Monte Caseros, diz :
c Antes de hontem noite encheram-se as sa-
las do Sr. general birlo de Port'Alegre de seus
amigos e companheiros de armas.
Complelavam-se novo annos da brilhante
jornada de Monte-Caseros, e lodos esses disliuc-
toa caracteres iam sau Jar no Ilustre chefe da di-
vsao brasileira a glora que esse triumpho der-
ramara sobre nosso exercito e sobre nossa patria.
O Sr. general commandante das armas man-
dou-sc desculpar, por ura de seus ajudanles de
ordens, de nao poder ir pessoalmente, e mandou
que a msica do 4o batalhio fosso tocar porta
do seu ilustre collega a retreta que pertencia a
seu posto.
Antes della lnha ido a da sociedade musi-
cal que dirige o Sr. Meodanhasiudar o bravo ge-
neral, e na pessoa deste a memoria dos valentes
que o virara sua frente, eque ao seu comman-
do fizeram baquear a lyrannia argentina como um
furaco de ferro.
a Mais tarde compareceu banda da socieda-
de particular Uniao Brasileira, e logo depois a
da companhia de menores, tocando alternada-
mente na rus e as salas, e correspondendo aos
vivas que ora se levanlavam do meio da reunio
popular, ora das sacadas da residencia do Sr. bario
de Port'Alegre.
S. Exc. fez entrar a lodos, obsequiando-os
, com um franco copo d'agua ; e as duas ultimas
| bandas, retirando-se, foram anda tocar na resi-
dencia de algumas outras pessoas notaveis, sol-
lando vivas as recordages do da.
E que ha recordages que nao podem morrer
I nunca na mente e nos coracesdos povos.
A memoria de Monte-Caseros urna dessas,
e em quanto palpitar no mundo um coragio bra-
i sileiro, essa jornada gloriosa ha de merecer -lhe
cultos.
I Rcinvindicagao dos foros militares que o in-
fausto dia do Passo do Rosario linha-nos amar-
rotado, essa victoria lera anda para nos o valor
. especialissmo de havor*sido alcangada em nomo
de um principio que o orgulho de nossa naco-
nalidade.
Nofoi a conquista, nem urna questao de in-
teresses privativos nossos, o que nos cooduzio ao
RiodaPrata.
O Brasil nao foi busetr a Buenos-Ayres o
pailadio de suas fronteiras ameagadas; esse ele-
vava-o as armas de seus fllhos, e o achara sem-
pre no peito de seus bravos.
< Porm a idea capital da sua organsago po-
ltica, a aliianga da liberdade na ordem e da or-
pela viziahanga do sel-
Huenos-Ayres, SS de fevereiro
de 1861.
To sagaz como pre vidente, costuma vaCromwell
dzcr que nunca se vai to longe como quando se
nao sabe para onde se vai. So verdadeiro o
dito, perfeitamente applicavel ao momento his-
trico que a Repblica Argentina est atraves-
sando.
Para onde vai ella pois ?
Encaminha-se para a unio, para a paz, para a
guerra, para a independencia de Buenos-Ayres
ou para a dissolugo mais completa que jamis
os seus estadistas sonharam, para a reparag&o de
Entre Ros e Corrientes ? Ninguem o sabe, por-
que povos, governos e individuos, marcham ao
acaso, tudo esperando da torca dos acontecimen-
tos. Daqui uascem as flagrantes contradiegoes
que vemos, daqui a falta de consequencia que nos
mostra hoje Mitre na melhor iotelligencia com
Derqui e Urquiza, e amanilla no-Ios apresenta em
polos oppostos. Comtudo reclama a situa.-ao,
mais que em outro nenhum da de conflicto e sos-
sobro, orna poltica baseada em propsitos bem
defioidos e deliberados.
A propredado, a vida, o respeito e a digoida-
de humana, as instituiges, todas as conquistas
uteis que desdo 3 de fevereiro de 1852 tem feito
o paz, eslo ameagadas, se triurapha o partido
que, assassinado langa secca o povo de S. Juan,
se esforga porque fique impune al o espingar-
deamenio do malivooturado Aberaslain, o sacri-
ficio desse martyr generoso, desse cidado to
justo e to recto, que o imperador do Brasil dizia
ha alguns annos, leudo uns apontamentos sobre
os homeos e costumes de S. Juan : c E esso Dr.
Aberaslain, tao virtuoso, onde est agora'? Ali I
outro livro, que a seu tempo lera tambem o jo-
ven monarcha, intitulado Civilizacin y Barba-
rie, responde por nos, que esse homem que at
aos res inspirava interesse, pereceu por ter acre-
ditado com o seu povo no direito e na justiga de
urna patria qu se acha aiada merc da ly-
rannia.
A' excitacto, ao espirito de justiga despertado
pelas malangas de S. Juan, e momentneamente
alimentado pelo tom enrgico que tomara o go-
vernador Mitre, sueco deu um marasmo que se
prolongar at abril, poca om que deve reunir-
so extraordinariamente o congresso do Paran ; e
aos movimentos bellicos que tanto faziam temer
um rompimento, seguio-se um diluvio de notas
diplomticas entre o governo nacional e os de
Buenos-Ayres e Entre-Ros. Depois de ter anar-
chisado o paiz com as suas ameagas ao presiden*
te, com as suas promessas ao partido federal, e
suas filiadas ao governo de Buenos-Ayres, a pr-
senla-se-nos hoje o general Urquiza como a co-
lumna inabalavel da ordem e da legalidade. E'
elle a pedra angular sobre que se apoia a coosti-
tuigo, e quem o diz nao nenhum Perico de los
Palotes.
Acaba de declara-lo bem alto o presidente Der-
qui, n'uma nota de parabens que lhe dirigi ap-
provando a sua resposta ao governo de Buenos-
Ayres, a proposito da nota que este enviara ao
governo nacional, exhortando-o a nao omittir
nenhum dosmeios que a consliluiclo lhepdz as
mos para castigar os crimes commetiidos em S.
Juan.
c V. Exc, diz o presidente, fiel aos seus ante-
cedentes, cumprindo desta vez o que no magis-
trado de urna importante provincia se pode cha-
mar una dever, offerecc aos domis um louvavel
exemplo no zelo ardenle, energa e patriotismo
com que desempenhou esse dever.
c O governo da repblica que conta com a il-
lustragao e firmeza de V. Exc, comprohende que
tem no seu governo um robusto apoio da ordem
e rgimen constitucional, e confia, etc., etc. (oes-
te mundo e no outro ) .
E qual esse louvavel exemplo oOerecido por
S. Exc. o capitao general?
Esse exemplo ter chamado impertinente ao
governo de Buenos-Ayres, ao passo que o gover-
no nacional, entre outras cousas nao menos pun-
gentes, diz-lhe que o seu nrocedmento a respei-
to das consas de S. Juan devido ao costme de
julgar-se soberano em consequencia dos hbitos
de independencia contrahidos por tao largos an-
nos de isolamento.
E' ioconcebivel como o governo de Buenos-
Ayres, sendo este povo to justamente melindro-
so, estere pelas burlescas explicagoes dadas pelo
goreroo do Paran, e, mais do que inexpluirel,
O Sr. Dr. Ambrozio Leitao da Cunha foi exo- dem na liberdade sofTria
nerado seu pedido dn cargo de presidente da valco poder do general osas, soffria pelos gri-
provincta de Pernsmbuco. ios da angustia de suas victimas, e o imperio lan-
,-----T",- ,. Qou Por urna idea o peso da sua espada na ba-
........-. ,-., -8-u, ou.D HUD .c.u UD ,v..-, Pelo paquete vapor Apa. dei hnha do al, te- langa, e relirou-se depois do triumpho, sem pe-
tecer, se nao queremos incorrer nos meis crassos mos ,a,al" de Porto-Alegre al 14, do Rio Gran- dir nem obler mais nada do que a ingralido, que
erros. I de at 21 e do Santa Cathanna at 2i do cor- deuura e abrilhanta m,i n hpnpflrin v.i.V.
J dissemos que os negocios do Prata se re- re5,le,- .,. '
solvem sempre pelo absurdo, eque na America i Mlavam ultimadas na provincia de S. Pedro
este o paiz inesperado. I 8S ele'oes P"a deputados assembla geral s
N poltica local o nico fado que merece <"PufaSes finaes, publicadas polos joruaes da-
quella provincia, sao as seguintes :
Io districto.Os Srs. :
1. Bario de Porto-Alegre. .167 votos.
2. Dr. Israel Barcellos. ... 151
3. Desembargador Oliveira Bello 133 ....
Dr. Das de Castro.....125
Dr. Flores.......119
. 110 '
meosao a seguinte resolugo do governo:
Tendo publicado o Nacional de hoje um ar-
tigo editorial, cujas doutrinas nao compartilha
nem pode comparlilhar o governo, porque nunca
o a8sassinalo poltico pode ser considerado meio
moral ou licito, nem se quer efficax para a liber-
dade dos povos; e porque nao pode aceitar a po-
ltica de exterminio a respeito de provincias ir-
mas, nem dos governos que se acham sua
frente, o governo, repudiando pela sua parte to
immoral como funesta doutrioa, resolve: 1. des-
de esta dala deixa de assignar o peridico inti-
tulado El Nacional ; 2a, devolvam-se os nme-
ros a quo se faz referencia no prembulo desta
resolugo; 3o, communique-se s partes inters-
sadas e publique-se.
O artigo, ou para melhor dizer a parte delle
quo molivou esta resolugo do governo, diz
assim:
Cinco provincias as mais fortes, as mais a-
guerridas, as mais poderosas da nago pelos seus
meios de acgo, esto promptasa luctar pela sua
liberdade e pela liberdade de todas.
a Temos pois da nossa parte o poder invenci-
vel da ia que aps urna derrota sempre se le-
vantar immorlal, vaticinando o triumpho, e es-
sa torga da torrente que transborda para condu-
zir ao abysmo os lempos barbaros da rep-
blica.
Pela nossa parte, e com conviego segura
arrojamos esta palavra contradiego, e at
zombaria dos que para desconcertarem as
nossas crengas nos apresentam a bar-baria vic-
toriosa em todos os lugares," temos f com-
pleta, f invencivel no triumpho diQoitivo e
prximo da nossa causa, e em cada situacao des-
granada que nossahe ao encontr, s vemos urna
nova eventualidade funesta que se supprime, um
passo que se adiante, ombora por sangrentas ve-
redas, e o termo da jornada que mais e mais se
avizinha do nossos esforgos.
Ensioando o possado, a historia a Pytho-
nissa do porvir, como dizia um antigo, e ah es-
t a historia para dizer-nos que aps o feito im-
mediato vem a consequencia remota ; que nunca
liveram razo os que desesperaran] do bem e do
progresso ; que nao ha esforco a prol da liberda-
de que soja perdido, e que, volvidas algumas pa-
ginas ensopadas em lagrimas e em sangue, a
derrota da direito se converte no seu trium-
pho.
c Clao, julgando para sempre esccavisada a
sua patria, e acreditando na fortuna de Cesar
que na verligem do delirio se proclamava im-
mortal, ferio cobarde as proprias entraohas ; e a
mesma geracao que presenciou a sua morte vio
de novo o estandarte da liberdade romana er-
guido pelas mos vingadoras de Bruto e
Cassio.
Cobardas da alma, inspiradas pela desespe-
rago e pela duvida I
< Dous mil annos depois, Napoleo fallando ao
mundo do alio de um rochedo, que era urna pri-
so e que foi o seu tmulo, e arrancando a voz
do mais profundo do seu infortunio, diriga ao
suicida romano esta ligo severa :
c Se houveras podido ler no livro do destino,
se houveras visto Cesar cahindo com vinte e
tres punhaladas ao p da estatua de Pompeo,
Cicero tornando a oceupar a tribuna de seus
c discursos e fazendo retumbar poderosas suas
c pbilippicas contra Antonio, ter-te-hias varado
a o coragio?
c As vinte-e tres punhaladas de Cesar.
< Es ahi a ligo da historiao tyranno morto
e o povo livre.
O Nacional protestou contra a resolugo do
governo, allegando que as suas inlences nao ha-
/iam sido pregar o assassinato dos Cesares.
Os que conhecem os senlimentos do autor do
escripto acredtaram-o, maa a lgica milita con-
tra elle, pois que se claro que apz as vinte e
tres punhaladas de Bruto veio a liberdade para
Roma, claro tambem que aps o assassinato do
general Urquiza vira a liberdade para a Repbli-
ca Argentina, se com effelto elle um dspotae
um tyranno.-
As rszes que o governo teve para ferir to
sem consideraco o orgo que era echo de sua
poltica, sao de mera prudencia: receiou que,
se manaa Iguem cravasse um puanal oo
Dr. J. de Mendonga.
2o diyiricJo.-Os Srs. :
1. Dr, Amaro da Silveira. 2il votos.
2. Flix Teixeira da Cunha 178
3. Baro de Mau.....147
Dr. Alfonso Pereira. ... 117
Dr. Brusque ..;... 117
Dr. Pinheiro Machado. 13
Osjornaas de Porto-Alegre noliciam nos se-
guintes termos dous assassinatos naquelle dis-
tricto e no do Herval :
Sabbado nolte foi assassinado, quem do
Mallo-Grosso, o Sr. Joo Carlos Lindstron, casa-
do e com 4 filhinhos.
O assassino foi preso, e recolhido antes de
hontem.
Chama-se Luiz Albino, natural de Pernsm-
buco, e morador daquellas mesmas paragens.
< Parece que liaba havido entre elles alguma
differenga, e que o infeliz Lindstron teve a im-
prudencia de ameagar ao outro com lhe melter o
chicote na cara.
< Porm, hovease ou nao estes aotecendentes,
o facto que Lindstron ia desta cidade, e entrara
n'uma venda para fazer compras, quando sahi-
da, e antes de montar cavallo, era assaltado
peio seu assassino, e ferido sem compaixo urna,
duas, tres vezes seguidas.
O primeiro golpe ferio na fronte, e mal ac-
cudia o msero a descobrir a vista que lhe ba-
nhava o sangue, quando urna nova lacada vara-
ra-lhe o corago, e urna terceira lhe rasgava o
o ventre. antes de chegar a cahir o que j era
cadver.
Foi um encontr fortuito aquello t
i O matador prelende-o, e a facaindica-o.
depura e abrilhanla mais o beneficio. Vale bem
por conseguinte a pena de se aplaudirem essas
lembrangas, e se modesto o obsequio que ha
uns poucos de annos consagra-lhe o patriota
Port'Alegre, esse obsequio requinta de impor-
tancia pelo que tem de puramente popular e de
espontaneo.
No dia 15 deva prestar juramento e lomar pos-
se do cargo de goveruador do bispado, por no-
meago do respectivo prelado, que se acha na
provincia da Baha, o Sr. padre Juliano de Faria
Lobato.
Tinha chegado a Porto-Alegre o Sr. Joo Car-
los Draycr, commissionado da companhia Guahy-
ba, sendo portador dos estatutos da mesma com-
panhia, approvados por decreto de 25 do passado.
Consiava que o Sr. Droyer havia expedido de
Glasgow, no dia 29 de dezembro, ero um navio
de vela, todas as pegas para os tres vapores de
ferro que se encommendaram.
Sob o tituloMais scenas de sanguediz o
Echo do Bio Grande de 19 e 20:
Urna carta que hontem recebemos de Cara-
guat (Estado Oriental), datada de 22 do mez lin-
do, nos noticia o seguinte:
No dia 8 do correnle foi assassinado no rin-
do de Jaguary, um brasilciro de notue Ignacio
Pereira, por alcunho Manletga, que se achava ar-
ranchado em um campo que dizia ser delle, c que
sua mulher, Ricarda Bica, com quem eslava di-
vorciado, tinha vendido.
Desie successo apenas tomaram conhecimen-
to as autoridades locaes.
O assassinato de brasileiros nestas paragens
est em moda, e nao sabemos quando haver jus-
tiga quo os puna.
E' horrorosa a catastrophe que se deu no pa-
ga do Acampamento, lugar denominado Quar no
Estado Oriental.
! Viva ahi um fazendeiro chamado Israel Ro-
drigues de Almeida.brasileiro, o qual possuia um
ilho de nome Balthazar Rodrigues de Almeida.
No da 1 de fevereiro do crreme anno, estando
este ultimo a seguir para o campo, o pai intimou-
lhe nao sabemos que ordem, e Baltliazar recusou-
se obedecer; e julgando que o pai o nao ouviria,
disse em voz baixanao voul O pai porm nao
perdeu a phrase rebelde.
< Conitidcra-se totalmente perdido o patacho
inglez Vigilant: lodos os esforgos da praticagem
para ir bordo tem sido iofrucliferos, porque o
avio est cercado da arrebenlacao do mar ; e
alm disso j tomado de ara, que o nao deixar
talvez mais sahir do banco.
Mais um naufragio as costas de nossa
barra I
A soguinte carta que recebemos da villa de
S. Jos do Norte d conta do quanto ha res-
peito :
Hojtf-19 de fevereiro, pela manha cedo, foi
o Sr. Joo Alfonso de Preitas Amorim, adminis-
trador da mesa do rendas geraes de S. Jos do-
Norte, informado pelo Sr. Jos Silveira Villalo-
bos, quo a barca portugueza Emilia, procedente
de Lisboa cora carga de sal e vinhos, havia pelas
*11 horas da noite de hontem naufragado na costa
do mar grosso, lugar denominado Otaria, dua
leguas distante desta villa.
Logo que o Sr. Amorim receben esta parti-
cipagao, deu todas a providencias necessarias
e fez mmediatamente seguir os empregados pre-
cisos para o desempenho desta commisso
acompanhidos de pregas de lnha, afim de me-
lhor guardar os salvados.
Ao meio dia.O navio fez se em pedacos
conseguindo-se j arrecadar orna boa parte da
sua carga.
Lamentamos a perda de quatro vidas, seo-
do orna d'ellas a do Clho do commandau'.edo
navio.
O Sr. juiz do commercio. acompanhado do
respectivo escrivo, seguiram pelas onzo horas
ao lugar do naufragio.
Este navio vnha consignado ao Sr. Damo
Francisco Alves de Moura.
l-ogo que o Sr. inspector da alfandega leve
coramunicago deste naufragio, fez seguir para
al o Sr. sjudante doguarda-mr Gervasio Nu-
nes Pires.
O Sr. Jos Pedro Moniz Galvo, socio da ca-
sa do Sr. Dtmio, tambem seguio para aquello
lugar.
Chegou hontem (20) o Sr. Gervazio Nunes
Pires, aju Jante do guarda-mr da alfandega des-
la cidade, que tiuha ido em commisso por or-
dem do Sr. inspector da alfandega, lendo-a con-
cluido com todo o zelo e actividade.
Arrecadou parto dos gneros que anda se
achavam n'agua, dando alguns d'elles algum tra-
bafho na sua arrecadago por ter a ara tomado
conta.
Contratou 9 carretas para o seu transporte
at a villa do S. Jos do Norte, que trouxeram :
15 pipas, 47 barris, 11 caixes, 6 volumes com
drogas, 1 ancoris, 1 caixa bixas, 25 chapeos de
Braga, 24 caixas doce, 1 agulha e porgao de se-
ringas de borracha.
O capitao do uavio achou-se sempre presen-
te, e dos cadveres nenhum veio praia.
Eslava concluido o salvamento da maior parte
da carga da barca ingleza Wif/tain Peile, naufra-
gada na costa do Albardo. Arrecadaram-se
mais de 400 volumes, sendo os maiores 189 far-
dos e 159 caixas com fazenlas e 22 gigos.
Dando conta do afanoso trabalho que houve
para se conseguir este resultado, diz o Diario do
Rio Grande :
a Todos estos volumes foram tirados de dentro
do poro um a um, trabalhaodo a gente com
agua at os peilos.
Crivada a prala por muitos das e notes de
fazeodas, notamos com prazer que um s objec-
to nao so extraviou, por mais iusigniflcaulo que
fosse. Exemplos destes nao se aponta um em to-
da a historia dos naufragios as costas da barra,
do Rio Graode.
Estes importantes servlgos devem-se ao Sr.
Dr. Csnarim, enrgica autoridade que alcangou
morali3ar a desacreditada e temivel costa do Al-
bardo, depois que perseguio, prendeu e proces-
sou o famigerado Bolo, chete da quadrilha que
assaltava a todos quantos navios e nufragos ti-
nha m a infolicidade de dar praia ao sul da
barra.
'Ficarara naquelle lugar dous guardas da al-
fandega, pragas do destacamento de polica, e a
tripolago do navio, para guardarem o mesmo,.
que se conserva anda inteiro
O capitao ha dias que se recolheu esta ci-
dade,
., escapada dos labios fi-
E urna faqutnha de m morte, que nao de- haes, e furioso laogou mo de urna espingarda e
via-sesuppr predestinada para um homicido. arremegou-se sobre o fllho. hm .b anrPn,.
Diz o assassino que, dirigindo-se venda
quando Lindstron sania.este o accommeltera com
o rebenque, dando occasio a que elle o ferisse ;
Porm as testemunhas do caso nao nos consta
que conrmem de todo o sou relato.
< Nao ha porm seno duas pessoas que o
vssem ; um crioulnho de quatro annos mais ou
menos, e a dona da venda, que, na ausencia de
seu marido, despachara ao Lindstron,
< Esta ficra dentro de casa quando o homi-
cidio linha lugar tora da porta.
Como quer que fosse, mais um pae rou-
de bado em sua mais risonha idade quatro miseras
criancinhas e urna infeliz senhora de quem era
o amparo e a nica esperanga. j
c No sabbado 9 do corrente foi assassinado om
viagem, no districto do Herval, termo do Tri-
uraptro, o negociaute Leandro Mara Lisboa, dei-
xando urna esposa desamparada e sete desventu-
rados orphos 1
< Tinha sahido de sua casa, trazendo comsisto
a quantia do 1:400$, quando foi accommettido e
morto. Ignorava-se anda quem commettera o
attentado, mas havia suspeitas que tioham al-
gum fundamento. A autoridade do lugar dera
de prompto as providencias necessarias.
egou-se sobre o filho, que se apressou a
montar a cavallo e evitar assim a colera paterna,
infelizmento o cavallo em que procurou montar
nao era manso, e o tempo que levou a a negar-
lheo estribo, foi mafs que sufficiente para que o
pai alcaogasse o filho, e sobre elle desfechasse um
tiro, succedido por outro que o ferio e prostron
por trra.
Nio satisfeito anda, o imprudente pai bran-
dio urna espada para acabar com a vida do filho.
Este esquece ento os deveres sagrados, o respei-
to e yeuerago devidos ao autor de sua existencia
e guiado pelo instinctoda propria conservadlo, pu-
cha de sus pistola e atira em seu pai, que fica
mortalmente ferido.
Acudiram varias pessoas c fmulos da casa
ao lugar onde acabara de exhibir-so to lgubre
tragedia.
O pai foi entregue aos cuidados da scieocia,
porm elle recusou todo o curativo, e feneceu as-
sim sua existencia.
Ao filho, igualmente ferido, foram adminis-
trados todos os soccorros, porm a (ciencia foi
impotente, as feridas foram mortaes; tambem
suecumbio.
Os jornaes de Pelotas noticiam o suicidio do
Sr. Bartholomeu
O Commircial de 15 d a soguinte noticia :
a O capitao do Salsipuedes, Maooel Jos Ma-
chado e sua tripolago, prestaram em sua via-
gem um importante servgo e digno dos maiores
elogios.
Achando-se na altura de Cabo-Fro 40 e
46' ao sul, encontraran! a galera norte-america-
na Moombba que segua viagem em direitura
Montevideo. Fazendo sigoal este navio de estar
em perigo, immediatamente seguio de Salsipuedes
parle de sua guarnigo, afim de prevenir qual-
quer sinlslro eu salvar a guarnigo do navio nor-
te-americano do que lhe podesse occorrer.
a Foi-lhes communicado a sua chegada que a
galera se achava em muito risco por ler incendio
bordo : logo em continente tomaram as fami-
lias que havia, e as levram para bordo do pata-
cho, e foram coadjuvar a guarnigo da galera em
apagar o fogo, lo que tiveram to feliz xito.
que o conseguiram no Qm de duas horas. O fogo
tinha pegado em uns fardos de algodo, que os
atiraram ao mar.
O capitao da galera ficou lio gralo pro-
tecgo que lhe deu a gueruigo do Salsipuedes
que os quiz gratificar, o que de maneira alguma
elles aceitaram, eeste cavalheirismo anda mais
penhorou ao dito capitao do Moombba, que lhes
disse ir fazer publico nos jornaes de Montevi-
deo, logo que all chegasse, o favor que lhe fize-
ram.
Temos datas de Mato-Grosso al 23 de dezem-
bro do auno passado, e de S. Paulo at 25 do.
corrente mez.
A Imprensa de Cuiab d a seguinte noticia :
Aqui chegou finalmente no da 15 o vapor
nacional Corumb, depois de urna viagem da
perto de 80 dias, penosa pelas frequentes altera-
goes que o novo vaso soffreu em seu niachi-
oismo.
c A julgar por esta primeira prora fluvial, pa-
rece que o governo nio foi aioda feliz na acqui-
sigo e remessa deste navio, que alias inicua-
mente novo de construcglo.
Oxal que urna nova e mais feliz prova ve-
nha restituir-lhe o crdito a que talve tem di-
reito.
_ Rodrigues Barcellos, irmo do
Le-se no Corrato do Sul de 31 do passado sob Sr. Dr. Israel Barcellos, eleilo deputado assem-
titulo omonct'a policial. > bla geral.
Soube o'Sr. Dr" chefe de polica que era
conveniente o seu comparecimento a bordo do
Mau, partir para o Rio Grande hontem ; e
pouco antes da hora da sabida apresentou-se
bordo, e em to boa hora que ios pedio talvez a
perdicao de urna infeliz crianga. I
c Urna menina que ora diz ter 18 annos, ora
20, mas que nao pJe em rigor contar mais do
que 14 a 15, eslava embarcada, com destino ao
Rio da Janeiro, debaixo de nome supposto, e, o '
que mais ,em companhia de quem nao poda
acompanha-la.
a Ura mysterio envolva esta viagem, e quig
Teve lugar esse deploravel aconteclmento du-
rante um dos ataques de alienagio meotal a que
o infeliz era jugeito.
O mo tempo que reioon na costa do Bio Gran-
de, e que demorou por alguns dias a sahida do
Apa, deu causa a dous'naufragios, que osjotnaes
noticiam nos seguintes termos :
< Na tarde de terga-feira (12) encalhou no
banco de S. O. o patacho inglez Vigilant com
carga de sil de Cadit Hugontobla & C. : se-
gundo a parte da barra, a tripolago aban
donou logo o navio, saltando para o esca-
ler ; e o sebocador acudi immediatamen-
Foi nomeado cavalleiro da ordem da Rosa a
Sr. bichare! Manoel de Souza Garca.
urna desgraga para outrem que ficava nesta ca- te soccorr-lo, mandando um bote dar-lhe os
pilal: perteoce aquello por emquanto polica, cabos, mas nada conseguio. Hontem tratou a
e nos nio o queremos devanar. | praticagem de prestar servgo no seu salvamento,
< A pobre rapariga voltou para Ierra com sna porm estando o mar agitado, as ca traas nio po-
bagsgem, em companhia do Sr, chefe de polica,' 4im atracar.
Foi nomeado vigario encommeodado da fre-
guezia de Sant'Anna da Ilha Graode de Fra, por
provisio deS. Exc. reverendissima, o padre Jola
dos Santos Res.
1 de mar;o
Por decreto de 19 de fevereiro foi concedida &
D. Marianna Ricarda de Menezes Daltro e Castro,
viura do juiz de direilo Claudio Manoel de Cas-
tro, a peoso aonual de 800$.
Foram nomeados:
Commendador da ordem do Chrislo, o Sr. Luiz
Antonio da Costa e Souza;
Cavalleiro da mesma ordem, o Sr. Dr. Manoel
Francisco Correa.
Foram apowatados os pra.Uca.aloa da idminis*



I)
1AR10 DI tBRBAMlUCO. SEGUNDA FEIAi 18 01 WARflO M 1861.
i3l
l'WT T
fl | I *
uago do correio da corte AbIooo Luiz Pereira da
Cunha Sobiiuho e Candido Jos da 8il*a. ,1
_ 3
O ministerio pedio hontem demisso, e
S. M. o Imperador ae dignou aceita-la.
O Sr. marquez de Caxias (oi eacarregado de
orgaoisar 0 novo gabiaeie, que por ora ae cha I
saina cemposto:
Mrquez de Caxias, presidente do conselho e
oeioisiro da guerra;
GoMelheuo Francisco de Paula de Negreiros
Sayio Lobato, ministro da fuetea e iateriuamen-
le do imperio;
Cosaelheiro los Mara da Silva Paranlioi, mi-
.nielro da fazenda e ielerHiamente dos estriogei-
tos;
Chefe de esquadra Joaquim Jos Ignacio, mi-
nistro da mantilla e internamente da agricultu-
ra, commercio e obras publicas.
Por decretos de 18 de Janeiro (oi removido
chele de policia da provincia do Paran Julio Ce-
sar Berenguer do Bitlencourt, para o mesmo car-
go na provincia do Maraeho :
Fui nome ido o juiz de direilo Sebastio Goa-
talves da Silva para o cargo de chele de policia
4a provincia do Parae.
Foi designada a comarca de Nazsreth, na pro-
vincia de Peroambuce, para nella servir o juiz de
direilo Abilio Jos Tavarcs da Silva.
Por decretos de 22 e 26 de fevereiro :
Foi reconduzido e bacharel Sebastio Jos Pe-
reira Jnior no lugar de juiz municipal e de or-
phos do tormo de Cuaratinguet, na provincia
de S. Paulo.
Fonal uorneaJos :
O bacharel Antonio Joaquim Buarque de Na-
ziretb, juiz municipal e de urphos do termo de
Alag as na provincia das Alagas;
O bacharel Pedro Secundino Mendos Lin--, juiz
municipal e de orphos do larmo de Sanio Ah-
ijo, na provincia de Pernambuuo;
O bacharel Jos Cyriaco Saires Raposo da C-
mara, juiz municipal e de orphos do termo de
l'i.inc, na provincia da Parahyba.
Form removidos, a pedido :
O bacharel Joao dos Santas Neves Jnior, dos
termos de Beneveole e Guarapary para os de S.
Molaeuse Barra de S. Matheus, na provincia do
Espirito-Santo:
bacharel Joao dos Sautos Sarabiba, dos ter-
mos do S. Matheus e Barra de a. Matbeus, para
vincia ;
Foi conced Ja ao bacharel Jos Mara Cardoso
ai demisso que pedio do lugar de juiz municipal
e de orphos do termo de Cabrob na provincia
de Pernambnco.
Foi declarado sem effeito o decreto de 27 de
novembro do auno prximo passado, que remo-
ver o juiz muoicipal o de orphos Joo Diniz
Ribeiro da Cunha do tormo de S. Bernardo, na
provincia do Cear, para o de Cortib", na do
Paran.
- 7
Estados-unidas
at 50 de
Pela galera notte-americana Grey Eagle, en-
trada honlem de Philadelphia, recebemos folhas
dos lisiados-Unidos al 22 de Janeiro.
Permaneciam as cousas no mesmo estado de
medonha perplexidade e allitude hostil em que
iiaviam Qcado ultima data que linhamos.
Na Carolina do Sul dispuuham-se as forcas do
estado para accommelter o forte Sumter, que o
presidente da Confederado recusara entregar.
Prtparavam-se as fortalezas que eslo em poder
dos separatistas para bale-lo, construiam-se ba-
leras fluctuaules, e as milicias mostravam-se an-
ciosas de correr ao assallo, que deia ser dado
ni lanchas debaixo da prolecco do fugo de Ierra.
O eslido tinha comprado j grande quanlidado
de petrechos bellicos, mas as lileiras dos revo-
lucionarios, este o nome que lhes do os par-
tidistas da Unio. comegava a livrar a deshar-
mouia. Para occorrer as despezas da guerra nham-se langado pesadas contribuirles, o com-
mercio sulTria muito com as medidas tomadas
para a defesa do porto, e o descouteulamento do
poso essencialuieole mercantil, ia serapre um
augmento.
No Tenessee devia raunir-se a 9 de fovereiro
urna convenci para tratar da separaco, e a
Georgia declarara-se por 208 votos contra 89 se-
parada.da Uuo.
A legislatura de Missourijdecretra a convoca-
cao de urna convenci, com a declarado porm
de que s valeria o que ella resolvesse sendo
sanecionado pelo povo.
Da Florida referia-sc que havia 2,000 homens
concentrados em Pensacola, e que se vedava a
entrada do porto aos navios dos Estados-Unidos.
Affluiam tropas de todos os lados, e a 20 de Ja-
neiro corra em Washington que tinha havido
conflicto, sendo atacado o forte Pikeus.
Tratava-sc de reunir urna couvengo dos esta-
dos do sul, para formar urna confederado que
oppr aos estados do norte, e j alguns estados
haviam eleilo os seus deputados aquella conven-
cao que em principios de fevereiro devia abrir-so
em Monlgomery.
Por oulro lado encetava a Virginia urna mar-
cha mais moderada c prudente elegendo commis-
sarios para enviar a Washington a ver se era
possivcl resolver pacificamente a questo. Dili-
genciava-se fazer adoptar o mesmo procedimen-
to pelos outros estados dissidenles, mas, torga
dizc-lo, sem grande probabilidade de bom xito,
porquauto emhnra e:les annuissem, mostravam-
se os nimos do norte, agora exaltados a seu tur-
no, pouco disposio a transigir. Nao (altava com
ludo mesmo noseio do congresso quem opinaase
por que se deixasse separar o sul, uuico meio
que se va de evitar a effuso de saogue, e urna
desastrosa guerra civil, cujas consecuencias a
ningucm era dado prever.
O presidente conlinuava a moslrar-se resolv-
do a manter a Integridade da confederago, e ia
demiltindo os empregados civis e militares que
alraigoavam a sua causa. Nao menos frequen-
tes porm eram tambem as demisses volunta-
rias pedidas por officiaes do exercito e da armada.
Era Washington abrandava a excitaco, e iam-
se desvanecendo os receios que tinha havido de
tumultos por occasio de tomar Lincoln posse da
prisidencia. Por cautella porm tou medidas de seguranza.
Vendo approximar-se o termo da sua autori-
dade noquer Buchanan principiar urna guerra
aggressiva contra os estados do sul, mas (ao pou-
co quer entregar aoseu successor urna confede-
rago dilacerada e rota, o portaoto mantem-so
na defensiva, sustentando apenas os fortes que
as tropas foderaes oceupam nos estados que ten-
tam sepirar-se.
Parece pois que s quando o novo presidente
assumir as redeas do governo sahiro as cousas
da comparativa apathia em quo se acham (tu o
norte se esigna a deixar separar-se o sul, ou r-
benla por toda a parte a guerra furibunda, tre-
menda, exterminadora.
5
Por decreto de 12 de fevereiro ultimo, con-
cedeu-se a gralificago honorfica do posto de
2" lente da armada a Manoel Estanislao da
Costa, Io pratico das barras e porto de Pernam-
buco.
Por decreto n. 2,753 de 23 de fevereiro de
18G1 foi concedida Sociedade Beneflcenle dos
Artistas do Arsenal de Marinha 4a Corte autori-
saeo paro continuar a exereer suas funeges,
approvidos os respectivos estatutos.
6
Dos Estados-Unidos havia na Inglaterra noti-
cias at 26 de Janeiro.
Apparecra urna proposta para quo o congres-
so se dissolvesse, procedendo-se eleicao de
nutro.
Entretanto tratava o general Scott de fortificar
Washington chimando a seus postos todos os
officiaes do exercito federal.
A Georgia separra-se effectivsmente, mas
em consequencia de urna inlimsgo formal apoi-
ada por 700 homens de tropas fedoraes fura eu-
rregue a estas o arsenal de Augusta.
Tambem a Luiziana se declarara fra da -
nio.
Na Carolina do Sul mostrava-se a plebe pou-
co salisfeita do procedimento do governodor P-
ckens, continuvam porem os preparatorios para
investir o forte Sumter, para onde o governo
central mandara reforgos assim como para o
lorie Pitkans, perto do qual eslava ancorado o
Wyandot, para ajudar defesa.
Em Pensacola contiva-so igualmente cota um
ataque.
As noticias do Mxico referem que, durante
Miramon, como sabem os leitores, chegra o
general J. Jurez capital, onde tratava de es-
tabolecer um governo liberal.
Na Nova Granada tomavam os movimentos mi-
litares um aspecto desTavoravel ao governo, e es-
perava-so ver dar em Bogot urna fcatalha deci-
siva.
Temos olhas dos
Janeiro.
Cuotinuavuri os republicanos a agucer os seus
eogenhos na deacoberla de racios coa que sal-
var a Uniao sem etlusao de saogue.
A Virginia olTerectra-se como awdiaoeira en-
tre o norte o sul, e a isto ae Uritwiam a r-
dens mandadas pelo presidente da Cunfederacio
a* ceamandantn do Breailji* para nao eutrar
no porto de Pensacola, nem desembarcar tropas
no ierle Pickens seolo seado iavestido esto porto
o do, em lodo o caso, maoter-se aUictamente a
defensiva. Comludo a defensiva era a pelilica
deide principio adoptada per BuchaaM.
Posse porem qual fosse o peso que no animo e
procedimento do^presideute tivesse a preposla
mediacao da Virginia, a Carolina do Sul, fiel s
suas tradigdes de violencia, nao s a rejeitara,
mas at repellira com altivez, arrogancia que,
segundo a impreosa republicaua de Nora-York,
devia privar aquelle Estado das sympathias de
ambas as parcialidades. Mas os Caroliuenses pro-
seguiam impvidos na encelada marcha, e a sua
legislatura declarara que a separaco era irrevo-
gavel, e que toda a propriedade federal existente
no seo territorio, coa especialidade a fortaleza
Sunler, devia ser entregue ou lomada.
O presidaote, como sabem os leitores, man-
dara reforens para este forte, mas pareca havor
alguma difflculdade em fazo-Ios chegar, por que
os navios grandes nao podiam entrar no porto
de Charieslon, nom os pequeos romper por
entre o fogo das bateras de trra, que guardare
a entrada.
Entretanto tinha havido em Washington, a 29
do Janeiro, um conselho de ministros, em que o
presidente se pz inteiramente de accordo coro,
os seos cooselheiros. adoptando-se medidas enr-
gicas para garantir na capital a ordem e a tran-
juillidaJe publica e conferindo-se ao gen.eral
Scolt ampios poderes para prover seguraoca
da cidsde.
Na vespera tinha a cmara dos representantes
adoptado o projeclo do senado para encorpora-
cao de Kansas na confederacao com a categora
de estado, e no mesmo da se haviam recei-
da noticias de acharem-se retobados todos os
fortes da costa da Florida e postos ao abrigo de
qualquer sorpresa.
A 22 aprescutra o goveroador do Texas res-
pectiva legislatura a sua mensigem, om que ra-
commendava a repara;o da Uniao, alvilre que
a mesmo legislatura favoreca por urna maioria
de tres para um.
Na Luiziana resolvra-so eleger delgalos
conveugo que deve reunir-se em Muntgomery,
para organisagio de urna confederado dos Es-
lados do Sul.
Da yjrS'na erara as noticias favoraves causa
da Uoio. Contava-se j a favor desta com urna
maioria de 28 votos, que anda devia crescer se
os Estados coofioanles coocorressem conven-
cao, que so deve reunir a 4 do fevereiro para
excogitar modos de desviar a tempestade que
ameaga a Uoio. A PensyWania tambera se
mostrava mu disposta a favor da integridade da
confederado.
Tndo poisinduza crorque o 4 de fevereiro vai
tornar-se memoravel na historia poltica dos Es-
tados-Unidos. Nesse dia deviam reunir-se por
um lado a convenci iniciada pela Virginia para
salvaco da Uoio, e por outro o congresso para
a confederacao do sul proposto por Alabama, e
ao qual dovera concorrer a Carolina do Sul, o
Mississipi, a Florida c a Georgia. Nesta assera-
bla se intenta formar um governo provisorio,
al quo se formulo a constituigo definitiva por
que deve regular-se a nova confederarlo.
O que ser porm ha de mostra-lo o faluro.
9
Pelo J/ersey, entrado hontem do Rio da Pra-
ta, recebemos folhas de Montevideo at 2 do cor-
rele, de Bueoos-Ayres al 27 do mez passado,
do Paran al 23, e da Assumpjo at 19 do mes-
mo mez.
A Repblica Oriental Qcava era plena paz. Os
boatos de iuvaso haviam de todo ces3ado, e os
nimos serenados entregavam-so de novo s oc-
cupages da vida, amedrontados apenas pelo ru-
mor anda longinquo da tempestado de S. Joo,
que se eslendia sobre todo o horizonte da Confe-
deracao Argeotina.
Assim acreditava-se que, no caso da renova-
rlo da guerra, o Estado Oriental se conservara
na mais stricta neulralidade : nem o espirito pu-
blico, nem as inlencoes do governo, nem a lia
goagera da imprensa faziam suppr o contrario. I
O proprio Pueblo, foi ha da opposico extrema, o i
conQrmava ; todos queriam ardentemenle a con-
tinuarlo da paz, e a menos que urna vonlade
mais forte do que a do paz nao o arrastasse
guerra, era de crer que a repnblka nao lomara
parte nella, nem directa nem iudirectamente.
O Estado Oriental achava-se na melhor sita-
gao possvol para resistir qualquer instancia
neste sentido. Nao tinha tratado alguna ostensi-
vo de alliance offensiva com a Confederacao Ar-
gentina, era pareca ter a tal respeto compro-
missos secretos; as suas relaroes cora o governo
de Bueoos-Ayres raaotinhara-se em p amiga-
vel e o mais regular possivel, e finalmente anda
se conservava na lembranca de todos o protesto
solemne que nao ha muitb fez publicamente o
governo oriental de ser neutro em toda e qual-
quer guerra entre potencias eslraogeiras o espe-
cialmente entre as provincias da Confederacao
Argentina.
As cmaras conlinuavsm funecionando. Os mi-
nistros anda nao haviam apreseniado os seus re-
latnos. Esperavam-se grandes reformas, so-
bretudo nos ramos das ("mangas, da judicatura e
da administrarlo municipal.
Entre os projectos que deviam oceupar breve-
mente a atlengo das cmaras figuravam o da re-
forma da lei da guarda nacional sobre a baso de
conscripgo que chama somente ao servigo os
adultos de 18 a 30 anaos, e a lei da alfandega,
assentsda sobre o principio de impedir o contra-
bando pela exigudade dos direitos e pela sim-
pliflcago das operages do porto com o Cm de
evitar as morosidades prejudiciaes.
Devia apparecer em breve um novo peridico
intitlalo O Progresso Pacifico. Segundo alguns
era a mesma Reforma Pacifica que so publtcava
em Buenos-Ayres e que ltimamente havia dei-
xado de apparecer por ler sido chamada aos tri-
bunaes pelo scal naquella provincia em virtudo
de arligos apreciativos dos negocios de S. Joo.
Segundo outros, nao tea este jornal cor polti-
ca, e se intitulara O Prala.
A causa dos falsificadores dos bonds havia sido
sentenciada condemnatoriamente pelo jury, pas-
sando a sentenca consulta do tribuna'
liga.
Os Srs. coronel Moreno e Raphael Xipita re-
nunciaran] os cargos de chote poltico da Colonia
e de Canelones, sendo nomeados para substitui-
os os Srs. I. A. Iturriaga e Estanislao Villaur-
rela.
No dia 20 do mez passado reuoira-se a com-
misso permanente para anda tratar da annulla-
co do tratado brasileiro, e nessa occasio. de-
pois de urna discusso relativa s altribuigdes da
commisso, alguns membros reclamaran) que se
inslaurasse processo ao Sr. Andrs Lamas, ex-
minislro oriental nesta corte, responsabilisan-
do-o por aquelle motivo. A Repblica, donde
transcrevemos a noticia, oo publica os funda-
mentos da aecusaco feita ao ex-ministro oriental.
O Sr. coronel Lucas Moreno linha sido nomea-
do commandanlc em chefo dos departamentos do
norte do Rio Negro.
Em virtude da carta publicada no Pueblo, de
que j tora conhecimenlo os leitores, relativa i
subscripto em favor das familias dos executados
de Quinteros, foram tambem processados, alm
o general Mitre general de papela [jentral de
coron.)
Por ora porm conservava-se
aioda unido s oulras provincial, e as armes da
lula nao passaram do insulto, da intriga o 4os
palavrees. I"^"
Ji teem as leitores conhecimenlo da nata cir-
cular qe o.general Mitre dirigi aotgovenade-
ras das oulras provincias cenvidndo-os a aebe-
nr ledajMcao qu fizete aeovco geral con-
tra as arbitrariedades corametlidas telo coronal
Saa, commksario encarregado de paciOor a pro-
vincia de *. Joao.
Em reapotta a essa note, o Sr general Urq-ai-
sa, cont governador da paeviocia deBotre-Uio,
discuti a questo da competencia da veclamago,
e repreheiideu em termos duros o governador de
Buenos-Ayres. que havia replicado, diz o JYecio-
zenda, o Sr. conselheiro Sayo Lobato com da
Beenos-Ayre* josttga, e eSr. chee de d'esquadra Joaquim Jos
' ~ Ignacio cea e da marinha.
O 8e.r,aez de Caxias, chefe do gabinefe,
reservn para ti a pasta da guerra, em que
protTessional, o as oulras pastas eiade neo prvi-
das estio Mltaeseente cary se Ministren j
oemada;e saber, a do imperio a cargo do da
Swtice,e des Mlrangeiros com a da faseoda, e a
i agriMllura e obras publicas i cargo do minis-
tra da mil-Ubi.
Para praeneber os tres lugares que anda fal-
tam para completar o novo ministerio tem siso
mencionados aenomes de differeoles cidadaes
que oo se acham aa corto, e pelos qoaes dizem
que se espera, toado j sido chamados
gencia de suas difieren los provincia;.
nal, o orgo mais competente do governo, como Falla-se pois nos Srs., Souza Ramos, Saraiva
mereca o-oi*do--geoetaLr^uiz Taques, Joo Pedro Bws-Vtetra.^isconde de
V pois o leitor que o negocio vai de mal a
peior, sobretudq so attender 6 freqeeza do gover-
no do Dr Oerqui e probabilidade de que os
goveroadores das outras-proviocUs acompanhem
ao Sr. general Urquiza na resposta dada ao gene-
ral Mitre, resultando d'ahi urna manifestago of-
flcial daquellas provincias contra a opinio de
Bueoos-Ayres, que declarou encarar a questo de
S. Joo como um ponto do honra.
At sabida do paquete,, alm da resposta do
general Urquiza, so havia o general Mitre rece-
ido a do governador da provincia de Ssnta F,
que abunda va as mesmas ideas daquella, e era
concebida em termos quasi idnticos.
O governo geral porm j havia respondido
reclamacao do governo de Buenos-Ayres, apezar
de negar a este o direilo de dirigir-se a elle so-
bre tal assumpto. Era resumo, diz em sua nota
o presidente da Repblica Argentinaque o go-
verno nacional, sem prejulgar os tactos de S.
Joo, comprehende a grande responsabtlidade que
por causa dellcs assume ante a naco ; que havia
pedido os dados necessarios para decidir a ques-
to pendente de urna maneira imparcial e digna,
o Sr. conselheiro Prannos com apesta di fa-|nomica. Depois da approvagio do relatorio da
comer-Mide..cima:7S7.^0rcudr^^rr. lSSnB* T? '^ WT*-"''-6'
primeiras nao podiam serexecuUdw m^ mnm P*,.'8Cal 0Tef,K? Sr- r. JqM-
vago dogcVno geraj. -taiana. hITJEo J.t^i'Si^.-tfs "Vs ou'
sobre-a mesme autorisaeo te se vototr tm-rtra- ^T?*"1 y****' f*.,?'' b,rto.d ^; Lo-
Camaragiue e Nebias ; mas por ora nao se sabe
aioda com certeza quaes sero os nomeados, ou
mesmo quaes os preferidos d'entre todos estes;
parecendo-me at mais proravel que a organisa-
go ministerial de 2 de margo Oo ser definiti-
vamente completada seno depois da abertura
da nova cmara.
Como quer que seja, j pelo nome e prestigio
do seu chefe, j pelo merecimento dos collegas
j escolbidos, e d'aquelles cojos oomes sao apon-
tados como mais provaveis, o certo que o oovo
ministerio inspira geral confianga, e tem recebid-
om tpplattso pela opinio sensata do paz reo
presentada pelas altas corporales do estado
existentes na corte do imperio: todo o exercito,
por exemplo, est conlentissimo com a nomes-
go do Sr. marquez de Caxias para a pasta da
guerra, e a marioha anda mais com a do Sr.
Joaquim Jos Ignacio, do qual j 3 mais de 3 ou
4 annos era elle indicado como o verdadeiro e
nico ministro possivel.
Ambos estes Ilustres generaes depois de sua
uomeago, tem recebido de todos os seus subor-
dinados resideotes na corte os mais sigoiflea-
e que satisfaga asmis escrupulosas exigencias Uvas demonslragoes de aprego e satisfigo pela
da honra o da justiga; que, nao se ha vendo feito sua elcvago ao poder, por isso que como chefes
solidario dos actos do seu commissario, de que naturaes do nosso exercito e armada e perfeila-
ainda nao tinha pleno coahecimento, oo podia mente conbecedores de todo o seu pessoal e
om consequencia lomar a responsabilidado dellcs necessidades, inspirara a raaior confianga, e do
antes de hav-Ios approvado ; que so propunha | esperan gas de que querero e pederao fazer
grandes beneficios as duas importanlissimas
direcgo o da commisso de exames da con tas
suscitou-se urna discusso em que tossareni par-
le alguas accionistas, o presidente da' direcgo e
o Dr. fiscal.
< Versou a discusso a respeito da autorisaeo
em que devia fioar a directa o guaci ao paga- g^rj^ir&tta
da quota de llpereeoto aoe aa&horeeae-
oadslM que a deiaram de recbeme semeetre
quegadou: o segando ponto queslieaado foto
pagar-ee na raades forgas des cofres aos ae-
cioeisias que no eeerso do dito seeteetre retra-
ram oa onzo por ooeto ; e ulereis* admitase
se airadas de noves c pitees, licande a ._
deetos no exacto cemprmealo dos estala tos.
rinda a discusso e
da reuoio, e o Sr. comnieadador Beleos, que
soffrego aguardara a eccasilo, offereceu urna pro-
pasta para que conaiderindo-se o estatuto do
banco revogado pela lei bancaria na parte em
Saa aseada oqeeHo estatuto renovar a direcgo
pela terceira parte, se prucedesse conforme as
aaexMa lei.-fM^etrassaa^e, .
reoovagnoseesfeaela quinta parle, a ao mesmo
lempo ( por ama coetradiccJio que a niaaeem
dado explicar J e se flseaae ueaa eleigo ge-
ral de toda* direefeo.
e Ota segunda airte da proposto,coja discus-
so comegeu cees leda calas, e qm foi cooleiti-
da de omoeumeioa Vecida pelo Sr. baro deCe-
tigiae. monobreda eemmiseae fisoel, pefogr. Dr.
uhmsagao que se votoo no reu
oio de 2 de selembro do auno prximo 'passa-
do.
< Hontem entre 5 e 6 horas da maoha, in-
troduziram-se dous individuos em cosa dos Srs.
Ferreira di Silva ra Nova do Commercio. Um
delles penetrou no qoarto de dormir de um des
dooos da casa e comegou ajunlar-lhe a roupa.
A pessoa que eslava doilada acabava de acordar
e suppoz que algum dos criados se dispuuba a
orrumar-lhe o quarto aquella hora, mas coohe-
cendo o eogano levootou-se, e o ladro evadi-
se, deixando a roupa pela escada.
Um dos indivrduoi foi preso na ma, e o ou-
tro consigui fugir depois do correr urna estoca-
da a um remador de saveiro que tentou agrra-
lo. O estoque felizmente nao produzio offensa
alguma. Como em outros casos anlogos, conti-
reogo presidente da assembla no art. 69 dos es-
tatutos do baoco, que trata da suspenso e de-
misso dos directores no caso extraordinario do
malversago, que longo eslava da idea dos ac-
cionistas, qne acabavsm de dar sua piona appro-
go ao procedimento dos directores, approvaad
seus trabalhos.
< Segue-se ento urna scena de confuso, no
meio da qoal o Sr. director Candido Pereir de-
Castro profundamente indignado a marcha Irre-
gular que teraviaa os trabalhos da assembla,
se levantou, dando sua immediata demisso,
sendo neste passo acompanhado por todos os
seos collfgas.
Que o presidente de urna assembla ostente
coragem conlra o embate dos interesaos desen-
cadeados, afim de salvar a lei e as dlsposices
nuamos a recommend.r q^eed^u^lr; ZT^T ^ T "" ST= ""H^-
se previnir contra estes ass.ltos po?que os des- nin,enl0 '"teresses dos mais tmidos.
a fazer effectiva a fespoosabildade do coronel
Saa pedindo-lbe contas do uso que havia feilo.de
suas al ribuicoes; que todos os documentos rela-
tivos questo seriara publicados no que respei-
tassem ao procedimento do governo nacional nes-
te negocio ; que, qualquer que fosse a sua reso-
lugo, a sobmetteria aojuizo do congresso; e fi-
nalmente que esperava que o governo de Buenos-
Ayres suspendesse todo o juizo a respeito da at-
tiiude do poder executivo nacional nesta emer-
gencia, al que em presenga do desenvolvmeolo
dos
que
as duas
repartigoes quo esto a seu cargo.
A magistratura do paiz tambem se mostr mui-
to salisfeita e esperanzosa com a nomeago do
conselheiro Sayao Lobato para a pasta da justi-
ga; por isso que geralmeote conhecidoo seu
carcter probo e enrgico, e por muitos annos
foi elle mesmo membro da magistratura brasilel-
ra, lendo exercido ltimamente, depois de apo-
sentado como desembargados o lugar de inspec-
tor da alfandega da corle, que servia ha dous ao
successos se apreciasse devidamente seu a- nos contento geral do nosso commercio, e que
[1 il.i raililn a ana inolii.9 ........ .i,.:-, s. .. .-k~ ___ i______
certo, sua reclilo e sua justiga.
A questo de Cementes, relativa a eleigo de
deputados, foi igualmente adiada para ser deci-
dida pelo congresso. Semelhaole solugo, depois
das ordens instautes do presidente da Repblica
Argentina, alim de quo aquella provincia oxecu-
tasse o decreto respectivo, importa claramente o
triurapho de Corrientes neste negocio.
Anda desta vez pois o governo nacional, enllo-
cado entre o general Urquiza e o general Mitre,
pendeu para o lado do primeiro.
E rom effeito, os ltimos acontecimentos de
todo o Rio da Prala parecera lhosde urna cora-
biuago dsposta para provar que a maior iufluen
ca daquelles paizes, bem ou mal fundada, o
general Urquiza. Para oude elle se inclioa, para
ahi pende a batanea.
A assembla da provincia de Santiago del Es-
tero, baseando-se em que o Sr. Alcorta governa-
dor da provincia, havia permanecido fra do seu
territorio maior lapso de lempo do que permute
a constituico, dep-lo, nomeaodo para succeder-
Ihe oSr. Gallo. O Sr. Alcorta, havia ponco, ti-
nha sido reintegrado no governo da provincia pe-
lo commissario do governo geral encarregado da
paciika ;ao daquella provincia.
Tratava-se em Buenos-Ayres de levantar urna
estatua ao general Belgrano.
A carta do nosso correspondente que publica-
mos hoje completa as noticias da Repnblica Ar-
gentina.
Do Paraguay nada ha importante.
O Semanario oceupa-se quasi que exclusiva-
mente da questo de limites entre aquella rep-
blica e a Confederago Argentina.
A colheita de fumo nao era abundante como se
esperava ; os pregos eslavam altos.
as folhas do Chile encontramos as seguutes
noticias da Bolivia
Urna nova revolugo rebentou naquella rep-
blica.
O presidente Linares foi apeado do governo, as-
sumindo o poder urna junta provisoria emquanto
nao se rene a rcpresenUgo nacional.
O faci teve lugar a 13 de Janeiro : foi um gol-
pe de estado secundado pelo exercito.
Nao eram aioda (Mohecidos os pormenores.
-Nada mais encontramos de importancia so-
bre as oulras repblicas daquelle lado da Ame-
rica.
O Sr. lente coronel do corpo deestado maior
de 1' classe Vicente Ferreira da Costa Piragibe,
chefe do Ia secjao da repartigo do judaDte-ge-
neral do exercito, foi noraeado para servir no ga-
binete do Sr. ministro da guerra.
l'oram concedidos tres raezes de licenga ni
forma da lei ao Sr, coronel do Io regiment de
cavallaria ligeira Joo Daniel Damazo dos Res,
para ir provincia do Rio Grande do Sul.
agora deixa nao se sabe anda quem.
QuantoaoSr. conselheiro Prannos, ministro
da fazenda e interinamente de eslrangeiros, nao
me parece necessario accescentar aqui maiscou-
sa alguma em abono dos seus talentos adminis-
trativos e parlamentares, pois creio que geral-
meote conhecida no paiz a sua grande illustrago
e capacidade, nao menos quo a sua irreprehen-
sivcl probidade, de que tintas pravas tem dado.
J se v por tanto que a nova orgar.isago mi-
nisterial cncerra urna perfeita garanta de orJem
e seguranga publica, e de progresso e prosperi-
dade para o paiz, que o mais que podera dese-
jar todos os brasileiros pacficos e hooestos, que
odeiam a agitaco e a turbulencia, e que tem to-
dos os motivos para temer a influencia daquelles
que promover e alimentam, e com ella contam
lucrar.
Isto quer dzer tambem, por outras palavras,
que a opposigo violenta e anarchica que ltima-
mente se tem arregimentado, e que j contava
a partida ganha com alguns successos eleitoraes
que obteve, moslra-se descontente e desconfia-
do com o novo estado de cousas, e torce as ore-
Ihas sem lhe deitar sangue. o caso de dizer-
se que o bocado nao para quem o faz, e sim
para quem o engole.
Ella oo rompeu anda por ora em hostilida-
des directas, mas opinio geral quo nao tarda-
r muito em faze-lo, o que nao servir seno
pira irem estragando os dentcs em morder to
continuadamente. Quando encontrarem algum
corpo mais resistente, provavel que quebrem
esses denles lo agorados, e bem pode ser que
islo nao esteja muito longe. A este respeito 6s-
pero poder ser mais extenso na minha segrale
carta, vendo-me obrigado a terminar aquio que
por agora lenho a dizer.
cuidos e a falta de segurangas as portss da es-
cada augmentara naturalmente a audacia dos ra-
toneiros.
Hontem (5) as 7 horas e meia da noite a
convite do Exm. presidente da provincia, reuni-
ranr-so em palacio os Srs. deputados provinciaes.
O Exm. Sr. conselheiro disse que o motivo
que o obrigava a convocar os Srs. deputados fra
a discusso promovida na assembla provincial
sobre a reforma da instrucgSo publica. Apresen-
tou varias observjgoos sobre tal assumpto emit-
tinlo as ideas que julgava conveniente a esse res-
peito, e mostrando a inoportunidade de tal dis-
cusso. Pallaram os Srs. Pinto Lima, Barbosa,
Rocha Vianne. Franco e Sudr. Estiveram pre-
seotes osos Srs. Cosa e Silva, Augusto Franga,
padre Ayres, Araerico, Japiass, Brando, Ro-
mualdo, Hygino, Gomes, Montenegro, Freir,
Joo Vctor, Francelino, Nazareth, padre Ricardo,
Alfonso, Sepulveda, vgario Lemos, Barana,
Agrario. Bolelho, Flgueiras.
( A's 8 horas e meia da noite terminou a con-
ferencia.
Com o titulo de Itecreazione e Beneficenza
installou-se no domingo 3 do corrente nesta ca-
pital urna sociedade de Italianos, com o louvavel
intento de se recrearem e mutuamente se prote-
gerem. O nobre sentimento de oacionalrdade
que em todos os povos c ilisados so encentra
hoje para os Italianos o sentimento mais charo
que possa haver para seus coraces.
c Desde a Italia al a America, eem toda
parle onde o Italiano so encontra oo se de-
monstra outro sentimento. Compenetrados de
que o socialismo o nico ageote do bem com-
mum.ei-los que em sociedade se constituem, e
do tambem Bahia urna pruva de amor A civi-
lisago, ao progresso e a frateraidade.
E' presidente desla sociedade e como tal pre-
sidio a sua installago o cnsul de S. M. sarda o
Sr. Cirios Sechino, que mostrando ioteresse pela
instiluigo reclou ura discurso muito anlogo ao
espirita della. Possuidos de enlhusiasmo deram
os socios vivas Italia, ao seu presidente e a so-
ciedade, e anda um de entre elles o Sr. S. Boc-
caera proferio outro discurso seguido tambem
de vivas. AOnal procedeu-se a eleigo que deu
o resultado seguinte :
Vice-presideote.
Francisco Nicolao Gavazza.. 13 volos.
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DEPERNAM-
BUCO.
Rio de .Imiciro, C de marco
de 18i
Quando eu felchava a ultima que lhe dirig
em data de 23 de fevereiro prximo passado, nao
poderia adeunhar que na seguinte teria de
dar lhe a noticia mais importante que um corres-
pondente poltico pode communicar aos leitores
do seu jornal, como a seguinte :
O ministerio Ferraz, que subi ao poder a 10
de agosto de 1859 j oo existe.
S. M. o Imperador dignou-se dar-lhe a dl-
misso pedida pelos seus membros, e uo dii 2
do corrento encarregou o Sr. marquez de Caxias
da organisago de um novo gabinete, queja se
acha de posse da admioistrago do paiz, bem
que anda nao completo.
Diversas conjecturas se tem feito para explicar
as causas da retirada do ministerio de \0 de
de jus- agosto em occasio em que pouco ae esperava que
' istoacconlecesse; mas como nenhuma destas con-
jecturas tem nem grande interesse poltico, nem
grande fundamento para ser admiilida como ex-
plicago rasoavel do facto, deixarei de aqui fazer
mengo dellas. parecendo-mo entretanto que a
explicago mais aceitare! esta que vou dar.
O ministerio j viva desgostoso, e com sobeja
razo, dos alfaques violeotos e successivos que
soflria da imprensa desordeira do paiz, que che-
gavam at a offensis pessoaes graves, contra as
quaes nao achava remedio algum na legislarlo
do paiz, o que realmente um grande mal.
Alm disto lalvez receiasso que na prxima
reunio da nova cmara a sua presenca no po-
der fosse um forte motivo de exacerbago e de
novas aggressdes da parte de alguns membros
cuja eleigo litigiosa, e que levantara contra o
governo algumas qneixas. geralraente infunda-
das, sobre este objecto; e que isto produzisse
alguma excitaco no espirito publico.
Ento provavelmenta enteoderam que seria
urna medida de prudencia e abnegago retira-
ren! se elles antes d'essa reunio, aflm de que
do Sr. coronel Guerra, o redactor em chefe do|a nova cmara se achasse em presenga de m
Puebio, Dr, Matheus Magarinos, o o Sr. Gregorio ministerio novo, inteiramente exlranho no que
Conde. O Sr. Coode achava-se preso ; o Sr.' toca eleigo dos seus membros, o que concor-
Magarnos porm refugiou-so como o Sr. Guer-1 reria cortamente muito para attennar o furor
ra, a bordo de um navio de guerra brasileiro, e com que os suppostos offendidos ho de defin-
dala passaram a Buenos-Ayres. I der a sua causa as sessdes preparatorias, e
O Sr. coronel Rapboel Rodrigues fra nomeado i mesmo durante todo o processo da verificagao
chefe superior da guarda nacional em substitu- dos poderes,
gao do Sr. coronel Quinteros, que pedir derais- 1 Acredito bem que tere sido este o verdadeiro
sao. O Sr. Dr. Adolpbo Rodrigues igualmente
fra nomeado juiz do commercio.
J all havia chegado o Sr. chefe de divso
D'Houdain, chefe da oossa estago naval no Rio
da Prala. O Sr. D'Houdain foi reeebido com as
salvas do eslylo.
De Buenos-Ayres edo Paran continuam as
noticias a ser desagrada veis; a questo do S.
Joo complca-se cada vez mais, e ae ameagas se
langam claras e sem rebugo de parle a parle en-
tre o general Urquiza e>o geneial Mitre.
A imprensa oflicial de Buenos-Ayres e a do
Paran j nao guardara reserva alguma nos in-
sultos ; a sua inguagem nao diverge em nada
da que empregavam nos lempos de lula ; o gene-
ral Urquiza torna a ser alcunhado tigre de Ven-
ces, dsgollador de Vago Largo e de India MuerU ;
motivo da retirada do gabinete Ferraz; mas
?[uando o nao fosse, esle ho deixaria de lhe
azer-honra.
Assim, pode-se bem dizer que o ministerio de
10 de agosto nao cabio do poder; nao lhe faltou
nem energa, nem confianga, nem sabedor pata
bem governar o paiz ; mas retirou-se para dar
lugar aos seus successores que, possuindo
tambem todas as condiges necessarias de illus-
trago e capedtsde, e gozando da confianga da
cora e da opinio publica, ho de satisfazer
completamente a todos as exigencias da siluagao
que sao tolvez aaiores o mais imperiosas do que
appsrentemente se affigora.
O Sr. marquez de Caxias, como j disee, foi
incumbido pelo imperador da organisago do novo
gabinete, do qual ji fizem definitivamente parte
DIARIO DE PERNAWBUCO-
O vapor Oyapock, entrado dos porlos do sul,
trouxe-nos jornies e cartas, com datas : do Rio
at 9. da Baha 13 ede Alagoas 15 do correte.
O presente foi demorado, na corte, por ordem
superior at o di.i 9, devendo o vapor inglez
One ida partir 12.
Rio de Janeiro. Baixaram os seguales de-
cretos :
Pelo ministerio do imperio : ns. 2,747 dando
organisago ao ministerio do agricultura, com-
mercio e obras publicas, e 2,749, Iterando o re-
gulamento da secretaria de estado dos negocios
imperio.
Pelo da justiga : ns. 2,750 alterando o regula-
metilo da secretaria do estado dos negocios da
justiga, e 2,751 creando um balalho de infanta-
ra da guarda nacional, do servigo aclivo, no mu-
nicipio do Jaicoz, na provincia do Piauhy.
Pelo da marinha : n. 2,756 estabelecendo re-
gras- sobre a construego e conservago de cur-
raes de peiie, as costas, portos e outras aguas
navegaveis do imperio.
Foram nomeados:
Oflicial da OTdem da Rosa o thesoureiro geral
do thesouro Antonio Dias Coelho Netto dos Res ;
Cavaleiros da ordem da Rosa os chefes de sec-
go da mesma repartigo, Narciso da Luz Braga,
Sebastio Ferreira Soares, Antonio Jos de Cas-
tro, Luiz Ferreira de Araujo e Silva, Justino de
Figueiredo Novaes, Jos Julio Dreys, Francisco
Ignacio Tavares e Miguel Archaojo Galvo; o ad-
ministrador da recebedoria do municipio, Manoel
Paulo Vieiral Pinto ; o dito da officina do estam-
para, Jos Teixeira de Abreu Silveira ; o dito da
typographia nacional, Joo Paulo Ferreira Dias ;
os officiaes die gabinete do ministerio da fazenda,
Jos Maria ole Bitlencourt e Silva e Augusto Fre-
derco ColinJ
No dia 2 do corrente parti da- corte, em
viagem deinstrucrao a corveta brasileira Baluan-
na. Seu Itinerario : Peroambuco, Now-York,
Cork, Perobrock, Plymouth, Brest. Ferrol, Lis-
boa, Cadix, | Tnger, Uibraltar, Madeira o Rio de
Janeiro.
A assembla provincial do Paran foi addia-
da para SO do mez prximo.
Abrto-se 2 do corrente a assembla pro-
viocial de 9. Paulo.
No da 18 seguiram de Santa Calharina para
Monlevid. os vapores do guerra Jequitinho-
nha, Araguary e Ivahy.
Em Minas chovia constantemente ha tres
mezes; estando os rios cheios e as varzess ala-
gadas por tal forma que entre muilas localidades
achava-se interrumpida a communicago.
O resollado do quarto distrieto eleitoral o
seguinte :
Salathtel.......263 volos. I
Gama Cerqueira 251
Cyrillo.......215
Polo quinto distrieto foram eleitos :
Dr. Evaristo Ferreira. 189 volos.
Dr. Joaquim Delphino 162
Dr. Firmino da Silva. 151
A lista para senador por essa provincia, fal-
tando os collegios de Prata, Januaria, S. Romo
e Paracal, acha-se assim organisada :
Firmino.......819 rotos.
T. Qttoni.......829
LuU Carlos......724
Cruz Machado.....689
l

a


D

Peoido........516
Cerqueira Lelte.....301
Moli Franco.....183
Paula Candido.....163
Paula Santos.....159
Anlio. ,.....W
Bahik.No da 2 do corrento teve lagar a
aberrara da assembla provincial, ficando orga-
uiiida a mesa da forma seguinte :
. Presidente.Pedro Muniz.
!. rico-pTosrdente.Agrario Menezes.
2. dito.Pedro Brando.
3. dito.Sodr.
1. secretarlo.Japiass.
2. dito.Gomes.
L-se no Diario da Bahia :
Hontem 3 do corrente, reunio-se a assem-
bla geral dos senhores accionistas da Caixa Eco-
Silio Boccanera............... 12
Secretario.
Henriqne Albertazzi.......... 12
Aodr Ruisseco............... II
Thesoureiro.
Ignacio Caffarna............. 21
Directores.
Estevo Massena.............. 24
Augusto Colombo............ 24
Marco Denegr................ 16
Archivista.
Francisco Que i rolo
Em meio da criso natural, que nos tem fla-
gelado, vale-nos a industria, que se vai deeen-
volvendo : bom isso. Ao meaos nao nos pode-
mos descoesolar de todo. Eis mais um caso que
o prora.
Na noite de 3 do corrente, alguns gaatos,
naturalmente por desfastio de horas vigas ou pa-
ra aproveta-las em interesse de suas algibeiras,
accommclteram a casa em que reside o Exm."
hispo do Par, que se acha ausente ; mas alguns
visinhos, que o presentiram, pozeram em fgida
os ladinos especuladores da fazenda alheia.
Nao so deram por batidos, e nisso mostra-
ran) ser homens de coovieges firmes. Aote-hon-
tom 4 vollaram a carga, equandn j experimen-
lavam a fechadura de urna porta, anda novamen-
te aecudiram os importnos visinhos, e dando-
Ibes em cima, ao ponto de dispararen) tres tiros,
embargaram novamenle a execugao de lo til
o lucio.
Eram em porgo nao pequea e safarara-se
pelo quintal do recolhimento de S. Raimundo.
< Nem para assistir ao facto comparecen um
nico soldado ou cousa que se assemelhasSe 1
A febre amarella vai fazendo seus estragos
hauiluaes em nosso ancoradouro. Al hontem
subia a 101 o numero dosdoenles recolhidos este
anno ao hospital do Montserrat.
Ao governo da provincia, a quem incumbe
apresentar aos olhos dos eslrangeiros esle hospi-
tal digno de grangear lodos os applausos das na-
ges civilisadas, corre a obrigago restricta de
mandar fazer o melhorameoto oo caminho, que
do porto do desembarque no Montserrat vai para
aquelle hospital, melboramento urgente que j
lembramos duas vezes, em nossas columnas.
Aquella eelreita viella nao pode continuar assim
como est.
Sabemos que S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, solicito pelo bem publico, j maodou,
em consequencia talvez daquellas nossas pala-
vras, orgar a obra, que urgenlissima^
Em nome do paiz, lho agradecemos esta pro-
va de zelo pela provincia.
O ornamento est feito. Foi dirigido junta
de engenheiros para dar parecer. O parecer ja
foi dado, como nos consta. Ter ello sido con-
trario ao orgamento e obra?
< O que lem obstado, porm, o comeco da
obra nao sabemos nos. O que sabemos que a
estroita viella, apertaudo o pobre cstrangeiro
doeote, que salta do saveiro com seus ps, ou
carregado na cadeirinha. ou na padiola aos hom-
bros dos serventes do hospital, ameaca 10 infeliz
da adiantar-lho o mal e produzir-lne a morte,
porque, se a passagem tem lugar cm occasio da
raarcneia, as lutadas com que o mar espadaa
neste lugar molham, ensopam o doenle, cadeiri-
nha, padiola e conductores.
< E' o que aconteceu ha poucos dias. por oc-
casio das mares grandes, as quaes uo dia de
'maior crescimento derrocaram grande porgo do
caes do desembarque.
c O caminho s tem qualro palmos de largura,
sendo confinado de um lado pelo mar, do outro
pelo muro da fabrica de Cameron Smilh.
Que iUa formar o estraogeiro do estabele-
cimento dedicado aos martimos, quando o ca-
minho quecooduz ao hospital assim realmente
como estamos dizendo ?
Cada um doeote que volta restabelecido para
sua trra nao seta um echo vivo de nosso deleixo
em materia Uo intimamente ligada aos inters-
ses do paiz ?
Ser a economa que est iopedindo a
obra ?
O que urna despeza to diminuta diaole
da necessidade argente della, e do melboramen-
to Y Para que demora-la ?
Nos esperamos que S. Exc. nao hesitar em
mandar comegar o concert deste caminho ;
porque assim como est urna vergonha para o
patz
_ Reunio-se hontem 10 a assembla geral or-
dinaria dos accionistas do Banco da Bahia na
forma de seus estatutos, para tomar conhecimen-
lo das contas do auno prximo passado, e pro-
ceder a eleigo de directores o do conselho fiscal.
Depois da leitura do relatorio e do parecer
do conselho, foram as coatas unnimemente ap-
provadas pela assembla, como opioou o mesmo
conselho.
Passoa-se ent&o a tratar do segundo objecto
e dos ausentes que repousam ao abrigo tutelar
daquellas disposigoes, o que muitas vezes se
v e se louva ; mas que invoque a essa mesma
coragem, para dar mais expanso aquellas in-
leresses, que se vem contrariados pela lei e dis-
posigoes regulamenlares, o que eslava reserva-
do para a assembla geral do Banco da Bahia em
1861 ; o que o Sr. visconde dos Fiaes, o Sr. ba-
ro de Cotigipe e outros distinctos cavalleiros nao
conseguiram evitar, a esforgos de dialctica e di-
remos mesmo de patriotismo.
a O resultado de ludo foi, flcarem adiados os
trabalhos pira hoje s 10 horas, depois de mani-
festado da maneira a mais clara o arrependimeu-
to da maior parte daquelles que se haviam dei-
xado arrastar, sem prever taes consequenciis. >
Continuando hontem (11) os trabalhos adia-
dos da assembla do Banco da Bahia e insistalo
a direcgo em mantera demisso, que dora, tra-
tou-se da forma da eleicao.
< Depois de um solemne protesto erguido-
pelo Sr. Dr. Innocencio Marques contra o pre-
eedeote credo na sesso de domingo, em que se
julgava cousa de nonnada a forma da eleigo,.
consagrada nos estatutos do um* sociedade ano-
nymi, inlerpellado o fiscal do governo, para
declarar,como obrara no caso de ir avante o pro-
cedimento, a que puz termo a demisso da
direcgo, declarou, que nenhum outro lhe seria
cabido, se nao o de suspende^ urna deliberaco
que elle bem claramente manifestara ser contra-
ria lei e aos estatutos, que lhe cumpria fazer
manler.
< Continuando a orar sobre as difieren tes op-
niOes emittidas respeito dos directores reno-
var, lembrou o alvltre de proceder-se eleigo.
Meando para depois d'ella o sorteio, caso o seu
resultado nao salvasse o principio di reoovago-
da 5a parle que a lei tem adoptado.
<< Este parecer foi geralmente abragado, se-
guiado-se a eleigo, que deu o resultado abaxo,
em virtude do qual ficam definitivamente eleitos
os 6 primeiros, por haverem reunido maioria
absoluta, tendo de entrar hoje em 2o escrutinio
os6 ltimos.
Candido Pereira do Castro........ 4S0 votos.
Manoel Joaquim Alves............ 414 a
Luiz Rodrigues d'Utra Rocha.... 364
Manoel J. de Figueiredo Lei te.... 360
Francisco Ribeiro Morcira......... 356
Joo Cezimbra..................... 337 >
Joaquim Pereira Marrano.......... 255 .>
Francisco J. Teixeira Chaves...... 214
Antonio Alves Ribeiro............ 200
Luiz Jos Pereira Rocha........... 195
Aurelio Pereira Espinheira........ 190
Domingos P. Castro de Aguiar..... 169
< Concluio-se hontem (12) a eleigo para elec-
tores do Banco da Bahia, obleado maioria abso-
luta no 2o escrutinio, a que se procedeu, os
seguintes senhoros :
Francisco Joaquim Teixeira Chaves 318 votos.
Joaquim Pereira Marioho.......... 299
Antonio Alves Ribeiro............. 266
Aurelio Pereira Espinheira........ 184
Luiz Jos Pereira Rocha........... 179
Domingos Pereira Castro Aguiar.. 147
Apuraram-se tambem as listas para o mem-
bro do conselho fiscal e Hcou reeleito o Exm. Sr.
baro de Cotegipe.
AlagosA cmara municipal da capital fez
a apurago do 1 distrieto eleitoral, que dea o
seguiule resultado :
Dr. Tavares Bastos.................. 759 votos.
Dr. Esperidio....................... 714
Dr. Carlos Lobo...................... 444
Dr. Jacialho de Mondonga........... 402
Por poitaria de 10 do correte foi nomeado
procurador fiscal interino da ihesouraria de fa-
zenda, o Dr. Flix da Costa Moraes.
L-se no Correio O/ficial :
Hoje (13) embarca com deslino provincia
do Mannho o Exm. Sr. commendador Pelro
Leo Velloso.
Intil se torna indicar a vereda que trlhou
na administrago desta provincia, porque seus
actos fallam bem alto, e demonstrara que a justi-
ga e a imparcialidade foram seu constante
fanal.
Em mais de urna occasio teve de mostrar
sua energa, rcpollindo pedidos exigentes e
desarrasoados de homens que se diziam seus
amigos, e que no entretanto procuraran) por seu
procedimento solapar o edificio, que com tanto
custo ia elevando.
Mas o seu tino e perspicacia naturaes, o
conhecimenlo que tinha dos homens e das cou-
sas, frustaram sempre os etteilos perniciosos de
todos os tramas, que contra elle se conju-
raran).
Fra de nos a lisonja, podemos avangar sem
temor de errar, que nao na nesta provincia
pessoa alguma que tendo lido conhecimenlo de
seu administrador, deixasse de recoobecer nelle
o bomem prudente e sensato, o delegado vigi-
lante e incansavel, e mais que ludo o cldado
amante do seu paiz e de seus patricios.
Prolector das letras e dos que as cultivara,
elle iunoculou na mocidade estudiosa desla pro-
vincia o afn pela gloria, o amor pelos livros,
eslimulando-os, e deslinguiado os mais inteli-
gentes.
< A mocidade alagoana resume em si o futuro
e as esperanzas da provincia das Alagas, que
aspira um importante lugar entre as estrellas
que scintillam na corda brasileira, e que s o
poder conseguir, quando se escudar em urna
pleiade de sabios, que per seus conselhos e suas
luzes acarretareui endientes de felicidades para
ella.
Porm o que mais se admira na administra-
go do Exm. Sr. Dr. Leo Velloso, foi o seu
nobre procedimento no processo eleitoral, que
se fez sem que urna golta de sangue humede-
cesse o solo alagoano.
Na luta dos partidos, na exacerbago das
piixdes, no fogo da discordia e oo enredo da
cabala, elle se conservou impvido e superior
aos desejos das individualidades, para dar o
ganho de causa quem tivesso a maioria da
urna.
< E soube to bem se maoter neste posto de
honra, soube conservar intacta sua torga moral
de tal sorte, que provou plenamente que se ames-
quinha quem empreg a rigidez da bayoneta na
lata fralrecide das eleiges.
V, pois, o Exm. Sr. Dr. Velloso dirigir os
deslios da provincia do Maranho, tranquillo e
convicio de que a sua administrago uesli, se
anda nao de todos comprehendida e elogiada,
o ser quaodo calma e i reflexao ceder o lugar
o despeito mal entendido.
< Prsperos ventos o conduzam, e a sua ex-
cellenlUsima familia ; e na provincia do Mara-
nho v corroborar nossas asserges, dando pro-
va de que o brago que dirige o leme, alm de
potente, ainda mais se amestxou com a pratica
da direcgo de um menor baixel.
Assim o esperamos e desojamos.
NOTICIAS COMMERCIAES.
Montevideo, 1 de marco de 1861.
Tem-se conservado o nosso mercada, diz m
Repblica, em sensivel apalbia. As vendas fo-
ram diminutas, nao por que, embora estojara


URJO DR PIUUVBDQO. ~ EGHBA FEIRA 18 DI MAR^O DE 1861.
(*>
cheios os depositas, sustealatn-se os presos al-
tos, como pela espectalira em que lem estado o
commercio com as noticias assustadoras e boatos
de sedigao na Confederagao-Argeotina. Contri -
buio tambera para esta situacio, atada que de
modo insignificante, a noticia que se dirulgou
no comeco do mez paseado de urna expedico
Tandslicia, feita por alguns dos emigrados que
se encontrara era Buenos-Ayres.
Completamente psrm demostraram os fados
o inexalidao desses boatos, 0 a conQanga geral
voltou esphera que antes delles oceupara.
Por infelicidade nao podemos dizer o mesmo
de nossos visinhos da Confederado em razio das
desiolelligencias havidaa entre o goveroador de
Buenos-Ayres e o presidente da repblica, e
motivadas pelos successos de S, Joao
A situarlo tranquilla do paiz se revella O ma-
nifesla diariamente no estabelecimenio de novas
casas commerciaes em numero nao menor de 25
a 30 por mez.
Cambio. Sobre Inglaterra, 40 3(4 d. por pe-
so correte.
Sobre Franca, 81 1|2 a 81 3|4 frs,
poronga.
Sobre Genova, 81 1|4 frs. por onga.
Rio de Janeiro, 3OJO00 por onga.
Buenos-Ayres, 1[2 0(0 de premio.
Sommam os saques:
Sobre Londres <3 50,000 a 41, 40 3^4 c. 40
1|2 d. por peso correte, leodo predominado o
cambio de 40 3(4 d.
Sohre Franca. 400,000 francos a 83, 81 3|4,
81 li2 e 81 frs. por onca, sendo a maior parte a
81 3[4 frs.
Sobre Genova 1.000 oncas nossa cotaco.
Sobre o Rio de Janeiro 800 oncas i J-in.
Sobre Baooos-Ayres, 2,000 ditas a 1|2 0(0 de
premio.
Frotes. Inglaterra, couros salgados 30 sh.,
ditos seceos 70 sh., o fardos 25 sh., com 5 0(0 de
capa.
Havre, couros salgados 40 fr1, ditos seceos
80 Ir., e fardos com 40 fr., com 10 0[ de capa.
Estados-Unidos, couros seceos 5(8 ct. por li-
bra, ditos salgados 1[l ct., e fard's 5 pats. com
5 0(0 de capa.
Brasil. Carne secca : para o Rio de Janeiro
4 1(2 rls.. para a Baha 5 1(2 rls., para Pernara-
buco 6 12 rls., e pipas 3 i\2 pats. com 50[0 de
capa.
O assucar e agurdente do Brasil cooserva-
ram-se em boa posigao ; de fumo negro de qua-
lidsdes inferiores temos grande deposito, porm
ha (dita do boro : de farinha ha abundancia"; de
mate estamos bem suppridos, tendo baixado os
seus pregos com a paralysagao do mercado.
Agurdeme. Vendern se do Certa, de Per-
nambuco. IDO pipas a 100 ps. 2 rls. por 428 ga-
loes, e do Vigilante da mesma procedencia 40
pipas a 97 ps,
Assucar. Venderam do de Pernambuco 121
barricas despachadas a 26 rls. ; do Ceres 350 di-
tas do branco Ia sorto a 26 rls., 100 ditas de 2a
a 22 lfi rls., 595 ditas raascavo a 17 1(2 rls.; do
Lusitano ;990 ditas branco e smenos a 23 rls., e 1
280 ditas maVavo a 12 lj rls; do Infeliz da
Baha 68 ditas branco a 23" 1(4 rls., 98 ditas dito
a 22 rls., 9J ditas e 81 caixas a 20 rls., 163 ditas
mascavo a 16 rls., e 70 ditas e 50 caixas a 15
lis. ; do Vigilante de Pernambuco despacha-
ran!-se 599 barricas, 100 meias e 100 saceos
branco 1* surte a 25 rls., 134 barricas somenos a
22 rls., e 150 ditas mascavado a 17 r's.; do Dos
de Enero do Rio de Janeiro despacharam-se 265
Darricas branco 2a sorle a 23 1|2 rls.; do Brasi-
lense da misma procedencia 195 barricas e 150
meias do branco a 19 rls.; do Mentor de Per-
nambuco 200 barricas branco 1* sortea26 1(2
rls.. 200 ditas de 2" a 25 1(2 rls., 44 ditas e 176
meias branco de Ia e 210 ditas de 2a a 25 rls., e
139 ditas mascavo a 17 rls.
Do deposito venderam-se 530 barricas do mas-
cavo a 12 rls. desp.
BUEN'OS-AYltE 26 DE FEVEREIRO DE 1861.
O nosso mercado coutinua frouxo, e os pregos
declinara em consecuencia do grande deposito
que temos de merca lorias lie toda a especie, ao
ponto de baver na alfandega multa difficuldade
para acornmoda-las nos a'mazens de depsitos,
nao havendo em outrus mullo dislsnles lugar para
ellas.
As ntralas, que no comeco do mez parecam
nao continuar em numero avu'talo, attiogiram a
alta proporco dos mezes anteriores, excedend o
de 70 os navios entrados, cujos carrega/neotos
sobrecarregararn o mercado de varios arligos.
Os recejos, diz a Tribuna, que infundiram as
tristes ocurrencias da provincia de S. Joo.des-
sppareceu gradualmente, e a confianza se resta-
beldce, na persuaso de que a traaiuilidaie pu-
blica nao ser perturbada.
Como disseinos cima, apresentam urna baixa
senvvel os pregos da maior parte, se nao de lo-
dos os artigosdo raoviraento diario, porgue temos
delles supprimentos superiores a torgas do con-
sumo : dosse numero exceptua-se apenas a fari-
nha dos Esiadus-L'iiidos, de que ha falta em de-
posito, e era que obleve as ultimas vendas 10
pats., seguindo-sc revendas immediatamento a
11 pats.
Cambio.IiglaUrra, 62 112 a 65.
Franca,l l|2a 82 fr.
Rio de Janeiro, 305000.
Ongas.317 1)2.
Descootos.Em metal e moeda correle loma
o banco a u0 e d 6 0(0 ao anno.
Na praga, em metal.de 5|8 a 7[80i0, em moe-
da crreme de 311 a 7|8 OjO ao mez.
Fretes.Inglaterra, cOuros salgados 30 sh., di-
tos seceos 60 sh., e fardos de la e fumo 20 sh.
Franga.Para o Havre, couros salgados 20 fr.,
ditos seceos 80 frs., c fardos 40 frs. ; e para Mar-
elha, couros salgados 15 sh., ditos seceos 70
sh. ; e fardos 45sh.
Estados-Cuidos. Couros secceos 5|8 c. e far-
dos 5 frs.
Agurdente Da do Brasil esta supprido o
mercado.
Assucar.Do de Pernambuco, Ro de Janeiro
e Bahia nao ha procura pelos seus altos procos,
em relago s quantidades superiores; declinara
cois, nivelando-se com nsdeslas.
Fumo.Do negro do Brasil venderam-se 80 ro-
los de boa qualidade a 6 o 7 patacoes era depo-
sito.
Hasupprimentos, abundando as mareas infe-
riores.
Mate.Da de Paranagui venderam se desp.
120 surres a 5 1|2 ps., 30 ditos a 51 ps., 600
ditos de marcas acreditadas a 56 e 1,300 ditos
por 15 a 53 1(2 ps.
pouco procurado.
Carne secca.Venderam-ss 12,000 quintaos a
3 ps. 28.000 iiit as a 2 ps. e 5 rls., 11,000 ditos a
2 ps. 7 3(8, ombarcando-se por cunta dos xar-
queadores 3,000 qs. ; total 51,500 qs. Era ser
21,000 quintaes.
SANTOS, 5 da MARgO DE 1861.
Venderam-se no dia do ultimo correio para o
interior (Io) curca de 8,500 saceos de caf a 53700,
sendo o muito superior pago com mais 100 rs.
de preferencia, e havendo grande differeogas
pelas qualidades inferiores, que infelizmente af-
luem em maior abundancia ao mercado.
Despachar hoje para o Canal a escuna hollan-
deza Marte 1,532 saceos caf.
PREgOS DA PRAgA.
Caf bom de Campias 5g700 a 53800, superior;
agurdente 140$ a 1518, assucar branco superior
6$. dito regular 5$, redoudo superior 4580, dito
regular 4&400, arroz de Santos 6$500. dito de
lnuape 4$500 o alqueire, fumo 5# a 7$. feijo pre-
ti e raulaliuho C-5 o alqueire; milho 32IX) a
35600; loucinho de S. Paulo 8J, dito de Minas
8$ a 95, farinha de mandioca do sul 1J200 o al-
queire, dita de S. Paulo 3)600 o sacco, bolacha
5$ a arroba, farinha de trigo Uaxall 269, Gallego
285000.
KlO DK JaKEIRO, 8 DE MARCO DE 1861.
Cambio.Londres, 25 3(4, 25 7(8 e 26 d. a 99
das.
Paris. 368, 369 e 372 res a 90 das, t
366 rs. a 90 das letras indirectas,
hontem.
Apolices.De 6o|0. W\t.
Melaes.Ongas da patria, 303700.
Acgoes.Basco do Brasil, 73frde premio hon-
tem e hoje.
CompanJiia brasileira de paquetes a va-
por; 209 de deeconto.
Corapanhia desaguros Fidelidae la'aOO
de premio.
EffectiMrani-ae boje saques pouco importantes
sobre Londres e regulares sobre Paris s colages
ofliciaes,
Negociaram-se 34 plices geraes de 6 | a 96
la, 150 acgoes do Braco do Brasil a 75 de pre-
mio, 40 ditas a companhia brasiloira de peque-
tes a vapor a 203 de descont, e 30 ditas da com-
paa de segaros Fidetidada a 1JJ00 de pre-
mio.
Veadram-oe T,0& saetas de caf.
Bolelim da mez de Janeiro.
Durante o mex (iodo houve em nosso merca-
dos movimento regular.
No de importago soffreram poucas alterago
as cotagoei que anteriormente regularan, pan
os arligos de maior consumo-
No de exportago nolou-se depeis da sshida do
tes de qualquer dos oulros. Deu-rne emflra urn
vidro de belladona; e com effeilo, urna s doze
deste remedio fez cessar o perigo com a mais es-
tupenda adrairagao minha 1 Os accessos se toraiu
tornando cada vez mai fracos medante algumas
outras dozes do mesmo remedio, restando por
Usa accessos de febre intsrniitteale que fwamcu-
paquete ingles Magdalena, alguma actividade ero, rados por mel de sulf. tres dia deoois.
cooseqstencia da nacessidade que linhim alguns ] Se a afflicgo em que me vi pode ser bem
exportadores de caf de effeituar o carregamen- traluzida pelos coragdes bem formados, a esses
to de navios j fletados para e3se (ira. deixo a appreeiaco do prazer que seutt, quando
Sob a procera que por essi causa deseavo.1-
veu-so, o continuando em peqeena escala aseo-
Iradas do interior em consequencia do mo esta-
do em que se acham as estradas depois das ulti-
mas choras, subiram progresslvameote os pregos
do genero.
Actualmente porm acha-se o mercado calmo ;
mas, apezar do carcter ainda pouco animador
das noticias que nos trouxeram o Btatn e va-
rios navios de vela dos mercados europeos e
oorte-mericanos, os possuidores mauteem cora
firmeza os preces a que se realizaram as ultimas
vendas favorecidos pelas raesmas circumstancias
normaes que al esta data os teem elevado.
As entradas por trra e por cabotagera nao
excedern de 178,000 saccas durante o mez.
Depois da partida do paquete inglez conser-
von-se o nosso mercado monetario pouco anima-
do al ao dia 14, em que se abri a 26 d. o cam-
bio sobre Londres para o Bearn.
Circumstancias peculiares izeram baixar esse
algarismo no dia 19 a 25 7j8 e 25 3(4 d. ; pou-
cas porm foram as Iransaccoes realizadas a esse
cambio, ptedomioou sempre o primeiro algaris-
mj, e at ao dia 23 (irraou-se progressvamente
era saques do alguma importancia.
No dia 2b' abrio-se de novo o cambio sobre
Londres a 26 d. para o prximo paquete inglez,
effecluando-se apenas diminuas operages.
Nao houve alterago na laxa do descont, ne-
gociando-se cora facilidade na praga letras de
primeira ordem aos extremos de 9 a 10 0(0.
Os ban:os sustentarsm a laxa de 9 0(0.
Chegaram ao Rio de Janeiro, procedente de
Pernambuco : 4( o brigue Joven Arlhur, cora
12 das dias de viagem ; o 6, a barca america-
na Floresta, com 7.
Sahiram desse porto para Pernambuco: &
25 do passado, o brigue Conoeieao ; 1. o pa-
Ihabole Duas Luizas ; 2 do correnle, o brigue
Maria & Alfredo ; o 3, o brigue Veloz.
Acheva-se carga para Pernambuco, o pa-
Ihabote .1 rusia.
Baha, 13 de marco de 1861.
Londres 60 a 90 os.M 1(8 a 26 3(4 d.
Paris 355 a 360 rs. o fr.
Hamburgo 680 a 700 m. b.
Lisboa 100 a 105 filo.
Uobloes hespanhos 318 a 313500, esc.
da patria303500 a 31$. idem.
Pegas de 6)100 velhas163500 a 17# idem.
de 4g93300 a 93400. idem.
Soberanos93800 a IO3OOO. idem.
Patacoes brasileiros2J a 29100.
hespanhes23 a 29100.
mexicanos199D0 a 19960.
( Diario da Bahia).
Chegaraoi Baha, procedentes do Per-
nambuco : 5, o brigue inglez Annie Laurie,
com 3 das de viagem ; e 6, obrigue inglez
Venus, com 4
Achava-se a csrga paca Pernambuco, o bri-
gue Jamao.
*< nwi M.gi>fc.>.u^*jmm
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA-
Hoje deve comegar o concurso aos dous lu-
gares de V escripturario, que acham-se vagos
na thesouraria provincial.
Estao inscriptos como oppositores os seguintes
Srs. :
Balduino Jos Tavares d3 Silva.
Joo Cesar Civalcanli de Albuquerque.
Uiysses Jostiotano de Oliveira.
Manuel Pereira di Cuoha.
Godofredo Augusto de Souza.
Jesuiao Carduzo.
Luiz Augusto Rolim Mavgner.
Por portara de 16 do correte fui concedi-
da jubago com ordenado proporcional ao lem-
po que ha servido no magisterio, na cooformi-
dadu da 2a parte du art. 29 da le regulamentar
da instruegao publica n. 369, professora pu-
blica da freuezia de S. Pedro Martyr de OJiuda,
D. Roza Mara Fouceca de Albuquerque.
O reverendissirao Sr. Francisco Joo de
Azevedo remeite-nos oseguinle:
Ue prodigio da' iioseopathia.Um caso
muito siugular de molestia acaba do ser curado
pela horaeopathia, ao qual vale apena de pres-
lar-se rauita alteugao visto que duraole a vida
de um medico talvez nao possa ser observado
duas vezes.
Meo sobrinho Jos Jernimo de idado do 7
annos, leudo comido algumas pilonabas, arars
e um bago de jaca no da 13 de fevereiro cahio
nessa mosma noile com febre que durou tres dias
apezar dos meios domsticos que se Iho applica-
ram. No lerceiro dia appareceram-lhe vmitos,
alternativas de augmento e diminuico da febre
com alguns calefuos, ancla, agona e urna espe-
cie du desespero, com iutorvallos de meia hora
de ura a outro accesso. Neste estado recorr ao
Illra. Sr. Dr. Pereira do Carino, era quem tenho
a maior conQanga ; o qual reccitou uraa pres -
cripeo para beber e utn clyster; tomou o clys-
ter c apenas urna colher do remedio inlerno ; e
coto nao houvessem torgas humanas que o obri-
gassem a eoolinuar a lomar o remedio, e a mo-
lestia fosse tomando ura carcter bizarro e talvez
nunca visto, resolv chamar a homeopathii e era
tal caso procurei o lllm Sr. Dr. Sabino o qual
observando os variados symptomas, que o doen-
le ento apresentava, sera nada administrar por
espago de quasi duas horas, conservando-se em
prudente expectativa, apezar da impaciencia que
eu tinha de ver medicado meu sobrinho cora a
maior promptido, rao disse que j mais em sua
clnica hivia observado ura caso semelhante, e
que por sso Ihe era indispensavel estar de obscr-
vagu para ver rt canainho que devora tomar.
1 A molestia se manifeslava enlo por hgeira
ou quasi neuhuroa febre, accessos de angustia,
agona, aucia e desespero, levantando-soda ca-
ma com precipilaco querendo alirar-se ora del-
ta seui achar posigao que Ihe servisse, com gritos
pungentes, com perda da vista erabora eslivesse
csin os olhos abortos, perda das ougas, perda do-
conheciraento, perda da falla pronunciando ape-
nas algumas palavras iuleiras comomana ; va-
mos el;, comegava nutras sem as ultimar;
outras vezes como que quera queixar-se sera
achar expressoes; outras nada mais laltava; cus-
piido a cada segn i ndistinclamenle cousas e
pessoas que se achavam diante delle; cegando
violentamente a bocea c puchan lo 03 cabellos,
metiendo cora desespero a mo na bocea como
que querendo arrancar alguma cousa e trazendo
d'dhi urna certa quantidade de gosraas brancas;
ora mella cora forga lodo ura dedo no nariz, ora
estregava as gengivas al tirar sangue, ora tla-
cerava os beigos teado arrancado una pedago do
beigo iofenor, ora roa as uuhas al sahir sin-
gue, e finalmente na torga do desespero de um
dos accessos arrancou cora a mo um denle. Es-
te estado durava um quarto de hora e as vezes
at meia hora, depois do que caba na xama do
maior abatimenlo com ligeiros calafrios^e des-
cangava obra de meia hora; (lodo e^&i curto io-
tervallo, levantava-se o menino de novo, e co-
megava essa terrivej lula, que me (azia estallar
de dr o corago.
c A vista do que observava disse-me o Sf. Dr.
Sabino que as suas indueges o deixavarn con-
vencido de que esses singularissimos symptomas
nao devero ser attribuidos se nao a urna mani-
festago.bizarra da existencia de yermes inlesti-
naes, e que nesse sentido ia dirigir a medicag.au ;
preparou ento doze glbulos de mercurio solu-
vel, e mandou dar urna colher loda vez que o
ataque se ronovesse; eram oilo hojas da noite,
e a meia noite o doenteslava um pouco nselhor;
mas d'shi em diante os necessos tarnj;ajB-so tao
violentos que fui obrigodo a dar oulros remedios
que o nsestBMrSr.- Dr. Sabino me havia deixado
por prevengan (carbo veget, cinn, acn.) Pe-
la raaoha estando o menino quasi morto, dirigt
me a.casa do 'mdico, atlestado com o meu
praoto o malogro de seus bons desejos; e. elle
enlao-rae disse palavra* que nunca sero por mira
esquocidas, porque denotam nao so a mais ro-
busta conQanga na medeeina que professa come
tambem o-m grao assas elevado Se conheciraen-
tos ns seioncia de curar! Dlsse-nae ete Se o
menino ahtda nao morre* e creta que elle na
morrer ; parque os remedios, tomados at aqui
letm predisposlo o organismo a reetber com feliz
resultado o que agora- vou dar, o qual nao pro-
duziriatom effeilo Mle cato te fon* dado on-
vi restituido eemmuohio dos vires esse meni-
no, que per sua amabilidade faz as minhas de-
licias e a de seas paes.
a Quanlo ao lllm. Sr. Dr. Sabino conhego
assas a sua modestia para nao offende-lo com
elogios banaes; apenas Ihe digo que cima de
nos est quena bem sabe ler o que se passa no
cor a cao humano. S Dees pode plenamente re-
compensar a grandeza do servico que me prestou.
Padre Francisco Joo de Azeveo.
Ainda temos reolamaces sobre a ribeira da
Boa-Vista, e pelo modo porque marchara as cou-
sas, pareco que esse estado subsistir a despeilo
de lodo.
Todava, ainda abriremos espago ao que sobre
ella se nos communlca, pedalo sempre algumas
providencias :
< lllm. Sr. redactor da Revista.Nao obstante
o que j tem publicado a Revista Diaria a res-
peito dos agogueiros da ribeira da Boa-Vista,
piles, longo de se cohibirem, tornam-se, cada
vez, mais desenvollos e escandalosos.
Hoje, sexta-fera, s 3 1/2 horas da tarde
despeja vate pela bocea, e em altas rozes, tudo
quanlo escndalo e immoralidade, sem se lera-
brarem, oa antes, sera se quererem lembrar, de
que se achara no centro de urna cilade e rodea-
dos de familias.
< Oh meu Deus, nao ha polica nesta trra i!..
Ser, por renlura, indiflerente a polica de Per-
nambuco os escndalos que se pausara nesse agou-
gue infernal ?! 1..
Nao podemos cr-lo ; o por sso que anda
reclamamos por providencias contra os desman-
dos de taes individuos sem edacago e incorri-
gives.
< Outrosim, nao ser pos&ivel vender-se car-
ne, sem os incessantes berros desse buzio atroa-
dor? Ser tal instrumento permiltido pela c-
mara municipal, ou haver alguma postura quo
os prohiba?
Ora, me parece que a carne pode ser vendi-
da como a farinha, o mlho, o feijo, ele., sem
que se quebrasse os ouvidos sos pobres viznhos
dos acougues (raormenle desse inferno a que me
retiro), com o horrendo e constante atroar desse
maldito instrumento que na minha opinio,
mais capaz de afugentar do que de attrahirfre-
guezes.
Se sao prohibidos os excessvos dobres dos
sinos, porque nao sero os estampidos dosbuzios
nos aeougues '?! Dever o agougue conservar o
privilegio de incommodar o publico por lodos os
meios e a todos os instantes ?1 1.. Chimamos a
allengo da Illma. cmara sobre isto c espera-
mos que as nossas observages nao sero des-
prezadas.
Recife 15 de marga de 1861.
Q seu constante leitor.
Continuara as queixas contra o correio da
parte de alguns assiguanles nossos da provincia
de Alagoas; mas sem que precisem a quera deva
ser atiiribuida a responsabilidade.
Todavia, remeltem-nos o seguinte, que alli foi
publicado no Diariv, afim de ver se com a maior
publicidade apparecem medidas quo cortera o
abuso :
O correio.Um fado do muita importancia
acaba de dar-se, e sobre o qual necessario
lumia antes urna providencia qualquer.
O Sr. Jos Gongalves Guimares, negociante
desta praga. segurou o remetteu para o llio de
Janeiro, pelo vapor que daqui sahio a 6 de feve-
reiro, uraa carta para o Sr. Ricardo Jos da Silva
(iraca, dentro da qual i.ara duas notas de 1009,
da serie de ns. 4519 o 7149 ; o duas de 2$, a qual
sendo entregue, e aberta no correio da corle,
3chou-so dentro um pedago de papel mata-bor-
riio II O fado foi levado ao couheciiuento do
administrador geral, e necessario que quanto
antes esmerilhe bem este negocio.
A carta fui segura 00 correio desta cidade, e
por honra e dignidade dos seus erapregados, de-
ve m ser ellos os primeiros a indagarera n comu
se deu urna magia desta, que lauto affecla aos
interesses do commercio em geral e ie cada um
em particular.
/ Ha multas queixas contra o servico dos cor-
reos ; e ha faltas que como parecera que se do
de proposito Raro o vapor do norte ou do sul
que nao recebemos reclamages de que os nossos
Diarios nao sao eutregues, e inuilas vezes cartas
nossas e de nossos amigos.
<'. A mgica, porm, que se operou com as no -
tas de IOO9. o ni facto to escandaloso, quo de
maueira alguma dave licar impune.
l'assageiros do f apor nacional Oyapoc*. rin-
do dos porlos do sul :Tenente Joaquim Rodri-
gues de Souza, sua senbora e 2 tilhos menures,
Libano Colas, sua senhora, 4 tilhos menores e
3 escravos, tenente Manoel Joaquira Machado, sua
senhora e 2 filhos. D. Auna Clara, lente Jos
Carnero da Rocha, Jos Joaquira B. Neves, sua
senhora e 1 criada, Delous E. Ghebarriu, Manuel
C. Ferreira Guimares, Jos Antonio de Siqucira
Juniur, Joaquim de Souzi, Belmiro Jos Gongal-
ves, Manoel Antonio Nones e sua senhora, Tno-
maz Antonio Esperanga o sua senhora, Liberia
Mureira do Valle c sua senhora, Dr. Jos Anto-
nio de Paiva e 1 escravo, Jureoal de Mello Ca-
ramauho, Antonio Teixeira da Fonseca Leo,
Anua Rita da Cunceigo, Maria There/.a de Jess
e 1 Qltia menor, Jos Luiz de Paula Cavalcanti,
Jos Alfredo de Olivera, Francisco Prisco de
Souza Paraso, Aristides Daales Potali e sou
escravo, Anlunio Juaquim Pires de Carvallio e
Albuquerque, Ignacio P. C, de Albuquerque e
seus escravos, Dr. Jos Pacheco Pereira Jnior e
seu escravo, Dr. Antonio Jos do Araorim o sou
criado, Francisco Vicente Viauua, Fructuoso Vi-
cente Vuuna c escravo, Aureliano de Azevedo
Monteiro, Autonio Juaquim de Souza Paraizo e
seu escravo, Joanna Mara de Saot'Anna, Ole-
gario Francisco de Assis, Jos Beuto Monteiro,
Peoro Jos da silva, Anua Epiphaoia da Cruz e
3 thos menores, Dr. Americo Alves Guimares,
Aprigio Jos da Silva, sua senhora, 1 aQlhado e
3 escravos, commendador Francisco Adolplio
Varnhagem, John Bouisleluian, Jo3 Antonio dos
Sautos Ahdrade, Jos Nuues Guimares, Antouio
Roberto Cordciro, Joo Augusto de Carvalho Ma-
rrado, Manoel Carnero L. de Souza, Jos Igna-
cio -ttomo Nati, Sirao Francisco Ignacio, Benito
Nabiliug, Trajino I. de Lima, Jos Gomes da
Silva, Ignacio Ferreira da Silva, Carlos S. Fran-
cisco, Africano livre, Annibal da Costa Sacavem,
preto liberto, Manoel da Costa Silva, Pedro de
Alcntara Mouz, Manoel de Carvalho Pedroso
Salvnho, Joaquim Vieira de Mello Pinto, capilo
Joo Damaceuo de Araujo, Domingus da Silva
Torres, B. Anua Theodora Gomes de Farias, 2
pragas de polica, 4 escravos a entrega.
Seguem para o norte:Exm. presidente do
Maianho Dr. Pedro Leo Vellozo e sua familia,
coronel Francisco Xever Torres, capito Manuel
Alexandre de Albuquerque, alteres Francisco
Rayrauudo dos Santos, cadete Canuto Accioli Pi-
nheiro, cadete Joaquim Rodrigues Cavalcanti,
Angelo Custudio Batalha, William Miler, Paulo
Bapiista Mureira, tenente Regaciam Monteiro de
Lima, Joo Rodrigues Moderno, Antonio Frede-
rico Bitiancourt.
Foram recolhidos casa de delengo no da
15 do crrente 4 homens, sendo 2 livres e 3 es-
cravos, 3 ordem do Dr. cheje de polica e 1
ordem do subdelegado do Recife.
MATADOLRO PUBLICO ".
Matarara-se no dia 14 do corrento para o con-
tumo desta cidade 28 rezes.
dem no dia 15 do correnle 63 rezes.
MORTALIDADE DO DA 15.
Luiz, branco," mezes, convalsoes.
Francisco, branco, 2 annos, memengite,
Jos Callado des Passos, pardo, solteiro, 45 an-
nos, bydrothoras.
Ricarda Paula de Oltveirs, branca, casada, 3S an-
nos, phtysica.
Rayrauudo Jos d* Cru?, pardo, solteiro, 39 an-
uas tuborcuto pulmonar.
Fallecern! durante a semana 41 pessoes,
sendo ; 12 homens, ti mulheces e 14 prvulos
livres: 1 humosa, 1 mulher e,3 prvulos es-
cravos.
CteUno Santiago, Silveira, Gitrana, Silra Go-
mes, Lourenco Santiago, Costa Uotta, e Guerra,
procurador da corda, foi aberta a sesso.
Passxdos os feitos e entregues os distribui-
do?, procedeu-se aos segualos
JULGAMENTOS
AUGRAVO DEPETIQA).
Aggrsranle, Zozima Isidora Carnero da Cunha;
aggravddo, ojuizo.
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os Srs. desembargadores Caetano
Santiago e Molla.
Negaram provimento*
Aggrarante, Maria Celesna Paes Brrelo ;
aggravado, O julzo.
Relator o Sr. desembargador Motta.
Sorteados os Srs. desembargadores Silva Go-
mes e Lourengo Santiago.
Deram provimento.
No conflicto de jurisdc<;ao entre o juiz muni-
cipal desta cidade e o da cidade de Olinda
Improcedente.
' APPELLAgES CRIVES.
Appellante; o juizu ', appellado, Francisco Ma-
noel Leite.
A novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Victoriuo Jos
de Moura.
Mandou-se vir informages.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Lopes da
Costa.
A novo jury.
Appellante, Flix Antonio da Silra ; appellada,
a justiga.
A novo jury.
Appellante. o juizo; appellado, Antonio Vctor
de S Brrelo.
A novo jury. .
APPELLAQES CIVE1S.
Apellante, Jos de Araorim Lima
Umbelino Maximianode Carvalho.
CunQrmou-se a sentenga.
Appellante, Carlos Eugenio D larche Mavignier;
appellado, Isidro Jos Pereira e oulros.
Ficou adiado.
Appellante, Domingos Francisco de Souza Leo;
appellado, Benlo Jos Lamenha Lins
Confirma Ja a sentenga era parle.
Appellante. Vicente'Ferreira Gondra ; appel-
lado, Serafina Nunes do asciraento.
Desprezaram-sc os embargos.
Appellante, Luiz Antonio Ferreira Souto
pellado, Dr. Jos Antonio de Lima.
Confirmou-se a senlenca.
Appellante, Gertrudes Mara do Menezes
pellado, o curador do prelo Vicente.
Reformada a sentenga.
HABEA3-C0RFIS
Na pelgo de Francisco Jss Baplisla, pedindo
escndalos, que neste* ltimos lempos aqui se
lem praticado, custar-nos-hia a acredita-los 1
Sara mais usa facto escandaloso quo registra-
remos nos annsaes do nosso foro.
Consta-nos mais que se ha derramada muito
dinheiro Ser esta a liberade de pensamen-
to garantida pela constitulgo do imperio ? O
ae dirao a isto os Srs. Drs. Aprigio, Baptista,
Braulio, a BrtzT
Nao ser exacto, que improficua a peleja em
nome de um partido poltico, quando se usa das
armas da calumnia, da injuria, oda diffamago ?
Queremos crer que anas senhorias perdem o
sou lempo e trabalho.
O material de que se querem servir para a sua
patritica obra est muito caruochoso. Carrera
o risco de ura naufragio, por agua aberta.
Itecife, 15 de margo.
W.
*
Hoje paroceu de febre amarella o Sr. Antonio
appellado,
Florencio de Araujo tialvo, natural da villa do
Acary na provincia do Rio Grande do Norte, um
dos mogos mais apreciaveis que frequentara as
aulas preparatorias do seminario, nao s por ser
fiel curaprldor dos deveres, que Ihe Impunhara
os seus lentes, de quem se lornava credor, de
suas syrapathias, como mesmo pelas delicadas e
urbanas maneiras cora que tratara geralmento a
todos ; era muilo querido e apreciado -de seus
collegas, zeloso e cumpridor dos deveres da re-
lisiao. o mais que possivel, e assim terminon
este eicellente moco a sua existencia na flor de
su i idade, e separado de sua familia que o idola-
trara 1 !
A trra Ihe seja levo.
Seminario, 15 de margo de 1861.
A. F. Castor Brasil.
Correspondencias.
ap-
ap-
ordera de habeas-corpus.Fui denegada
je ni ue uaueas-corpus.ro ueiicgiuo. -----. r-----T-. r
Na petgo de habeas-curpus de Joo Jos do da minha improbidade
Srs. Redactores. Nao posso consentir que
a alelvosa o a mentira entrera no julgamento do
pleito, era que se achaernpenhadaa minha honra.
0 Liberal Pernambucano, na impossibilidade da
oolher qualquer documento, que possa autorisar o
juizo com que feru-me, de prevaricador, julgou
dever satisfazer a opinio publica con a allega-
cao de que as portas da alfandega esto fechadas
a qualquer que qutira obler provas contra mim,
pela proteegu de que ah gozo, quando nenhuma
tentativa se fez neste intuito ; sendo que a frus-
trago della, por algu-n indeferimento, pedera
fater crer o que diz aquelle peridico. Se a ma-
levulencia dispensa esl meio, a sensatez o ex-
j ge, para acreditar nesta protecgo, que torna
irnpossivel a oblencio de proas contra a mim.
' Experiinenle-o o Liberal, e, com o resultado,
1 venha pedir opinio publica o reconhecimento
Espirito Sanio, mandou-se pedir novas inorma-
goes ao chefe de polica.
DESlGXAf.O DE DIA.
Assignou-se dia para julgumento das seguintes
appellases crimes :
Appellant-. Jos Rodrigues de Senna Santos ;
appellado, Antonio Jos Vicente de Manta.
Appellante. Luiz Borges de Cerqueira ; appel-
lado, Manoel Florencio Alves de M.
Appellante, a cmara municipal ; appellado,
Trajano Antunes de Alencar.
As appellacescrraes:
Appellante, o* juizo; appellado, o escravo
Joo.
DISTRIBUigES.
Ao Sr. desembargador Figuelra de Mello, as
appellaces crimes :
Appelanle, o juizo ; appellado, Manoel Pe-
reira de Suuza.
*Ao Sr. desembargador Caetano Santiago, as
appellages crimes :
Appellante, o juizo ; appellado, Jos, es-
cravo.
Appelanle, ojuizo; appellado, C asmo Jos
Rodrigues.
Ao Sr. desembargador Silveira, as appellages
crimes:
Appellante, o juio ; appellado, Joo Jos de
de Moura &
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel dos
Santos Brilo.
Ao Sr.desembargador Gitirana, as appellages
crimes :
Appellante, ojuizo; appellado, Mauoel Ro-
drigues Correia.
Appellante, Jos Pedro Velloso da Silveira;
appellado, Joaquim Mendunga da Silva.
Ao Sr. desembargador Lourengo Santiago, as
appellaces crimes :
Appellante, Basilio Jos dos Santos; appella -
do, o juizo.
Appellante, o promotor; appellado, Francisco
Ribeiro de Souza Brito.
Ao Sr. desembargador Silva Gomes, as appel-! Pro'?.do.scr fill, legtUmo de G
laces crimes : de Oliveira, lente reformado d
Appellante, o juizo ; appellado, Silvestre de;
Souza Barreto.
Ao Sr. desembargador Costa Motta, as appella-1
ges crimes :
Appellante, Jos Marques da Silva ; appellado,
o juizo.
As 2 horas encerrou-se a sesso.
A aleirosia nao se linitau essa declarago
infundada e capciosa ; apresenta considerago
publica aintervengo de um amigo meu. solici-
tada por mira, para fazer obst*r publicaces
meu respeito no mesmo Liberal Pernambucano.
Protesto contra a filsidade da assergo, pelo
que me diz respeito ; sondo o que ha de verda-
deiro neste ponto o seguinle : tendo eu sabido
que o meu amigo o Sr. Dr. Ernesto de Ajuino
Konceca interviera, sem consoltir-me, n'aquelle
sentido, quando appareceu o primeiro artigo nu
dia 4 do correnle, pnacurei-o, c, desapprurando
sos deterraiiiago, pedi-lhe cncarecidaraeule que
deixasse de continuar a solicitar tal favor, que
a minha digiuidade nao consenta se pedisse ;
deixaodo-me ser o alvo das calumuias de qunm
quer que fosse, e obrar como rae aprouvesse. Foi
este o meu nico pedido & respeito, feitoao dito
meu amigo ; pedido que repili urna pessoa
quesupponho fazer parte da redaego do Liberal
o Sr. Fluriauu Correa de Brito no dia 8 do cor-
renle na luja d Sr. Nabuco, em presenga d'este
o doSr. major Belarrainoda Cunha Reg Barros.
Para esses lestemunhos appello : o provoco ao
meu detractor para que, alera de inanler-se no
seu proposito de desarar-mc com provas, indi jue
a pessoa do quem possa ler ouvido que solicitara
favores que a minha houra regeila e repelle, por
que a manchara.
Recife, 16 de margo de 1861. Pedro Alexan-
drino de Barros Cavalcanti de Lacerda.
Publicaces a pedido.
vir, e
Comniunicados.
Paro o Exm. Sr. ministro da guerra
mais autoridades militares.
Qjn.-iinio a abaixo assignali pela ordem do
dia de 6 de ferereiro deste anno sob n. 24U do
raarechal ajudanle gfn.'ral do exerclo, qike o Io
sargento do 9o balalho de infamara de 1* linhs
Claudino Antunes de Oliveira, tinha sido reco-
nhecido 2o cadete do mesmo balalho por ler
Gregorio Antunes
suarda nacio-
nal desta provincia, e nao tendo este contrado
matrimonio algura antes do que contrahio cora a
abaixo assgnada, o nem sendo .dito Claudino
filho do casal c sim de urna meretriz ; vem pe-
rante o publico protestar contra semelhante im-
postura e falsidade. rogando as autoridades com-
petentes, quo tomando conheciraenlo da aulhen-
licidade dos documentos presentados para seme-
lhante reconhecimento, facam desapparecer tal
impostura. Olinda 27 de uvereiro de 1861.
Maria Izabel Bessone de Oliveira.
consigMda a Maooel Dures Lopes Vis ana, ma.'
nlfeslou o seguinie :
1 fardo coa 16 reaozianas, 1 caixio quadros, 1
dito um apparellio de louga, 1 embrullio ignora-
se ; Roberto HvghIboune.
1 caixa com 2 relogios ; a Johoslon Paler & C.
5 ditas phosphoros ; a Ferreira & Martina.
2 ditas longos de algodo, 3 ditas chales do di-
to, 1 dita pegas de pannauho, 1 caixio >000 cha-
rutos ; a Schifheitlim 4 C
10 pipas fumo moilo ; a Meuron Si C.
800 quarlinhas : a Joo Hara da Cunha.
2 caixotes e 500 caixinbas charutos; a Palmea-
ra & Beliro.
40 latas oleo de ricino ; a Lima Jnior C
17 fardos fumo em tulla ; a Jos Vicente do
Souza.
7 caixes e 334 caixinhas charutos ; a D. A.
Matheus.
6 cascos azeile de palma, 30 saceos (o de algo-
dao, 132 fardos panno de algodo, 30 piclos sac-
eos rasios, 54 fardos fumo, 2 caixotes rap, t
gigo louga, 4 talhas de barro, 42 totumes com
charutos em caixinhas ; a diversos.
Brigue nacional Castro I, rindo do Rio de Ja-
neiro, consignado a Pinto de Souza & Bairo, ma-
nifestuu o seguate :
9,500 arrobas de carne secca, 25 ditas de sebo,
50 couros seceos ; a ordem.
Vapor oaciooal Oyapock, procedente dos por-
tos do sul, rnsnifeslou o seguinle :
4 caixas rap; a Pinto de Souza & Bairio.
1 catxote doce ; a Jos Thoaaz do G. Cua-
resma.
2 caixas rolumes impressos; a Guimares &
Oliveira.
1 dito ditos dito, 1 caixote mercaduras; a Al-
raeida Gomes Alves &C t
1 caixote; a Car*alho Nogueira & C.
1 dilo ; a Antonio A. Machado.
1 dito; a Jos Pereira da Silva.
2 caixas e 1 bah ; a Vicente Ferreira Gomes.
1 volurae ; a Manoel Firmioo Ferreira.
2 ditos ; a Manuel Gongalves da Silra.
1 dilo; a Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.
1 dito ; a Graciliaoo Octavio da Cruz.
1 dito ; a Manoel Jos de Araujo.
1 dito ; a A. A. Ferreira Jacobina.
1 dito ; a Jos Auglada.
1 dito; a Bastos & Lima.
2 ditos; a J. J. de Araorim.
1 dito ; a Manoel Jos de Amorim.
i dito; a Manoel Jos Monteiro da Silva.
1 dito ; a Juoeton.
1 dito ; a Octaviboo de Souza Franga.
3 ditos ; a.ordem.
O brigue inglez Minatillau, vndo de Liver-
pool, consignado a Saunders Brothers & C, ma-
ntfestou o seguinle:
161 fardos e 39 caixas fazendas de algodo, 12
ditas dita de linho, 1 dita dita de seda, 4 ditas
chapeos de sol de algodo, 1 dita obras de se-
leiro.l dita balaugas, 1 dila amostras, 50gigose
1 sexto louga, 70 bariis chumbo de aunigo, 50
ditos manteiga ; aos consignatarios.
50 barris enr.adas. 25 pesos de ferro, 400 foga-
reiros, 50 chapas de togo, 4 caixas liohas, 1 far-
do paono de linho, 13 barricas e uraa caixa pre-
gos, fouces e diversas ferragens ; a J. A. Moreira
Dias&C.
4 caixas fazeoda de linho e de algodo; a J.
Relleri C.
6 dilas e 3 fardos dita dito dito; a A. C do
Abreu.
51 fardos e 49 caixas fazenda de algodo, 4 di-
ta dita de linho. 122 barricas cerveja, 1 dita tinta
de escrever; a James Crablree & C.
25 caixas e 9 fardos fazenda de algodo, 3 cai-
xas miudozas, 600 barris plvora; a Adamsoa
llowie Si C.
100 barris manteiga, 32 fardos fazenda de al-
godu ; a ordem.
1 caixa fazenda de linho; a R. R. Yates.
100 barris manteiga, 38 caixas e 31 fardos fa-
zenda de algodo ; a Mills Latham & C.
15 fardos e 5 caaos fazenda de algodo : a N.
O. Bieber & B.
71 ditos e 2 ditas dila de dilo, 60 toneladas
carvu de pedra ; a Soulhall Mellors & C.
50 barris manteiga, 10 caixas e 5 fardos fezeu-
da de algodo ; a Johoston Pater & C
6 caixas fio, 4 fardos fazenda de linho; a S.
P. Johnsioo.
25 barris manteiga ; a A. L. Ilolrigues.
5 caixas fazenda de algudlo ; a Roslrou Roo-
ker & C.
1 dila dila dita ; aG.Kalkraan.
10 ditas linlia, 9 fardos fazenda de algodo; a
Barroca & Medeiros.
7 caixas e 12 fardos fazenda de algodlo ; a J.
Ryder & C.
3 fardos lonas, 48 bairicas enxadas, 2 ditas
ferragens, 60 feixes arcos de ferro, 3 caixas raiu-
dezas, 3 ditas biscoitos ; a Isidoro II alliday & C
8 fardos e 7 caixas fazendas de algodo e de
linho; a Paln Nask i C.
2 fardos fio. 1 barrica pregos de cobre, 5 caixas
foi lias de dita; a Scolt WiUon & C.
49 laxas, 2 caldeiras, 61 pegas, 1 barrica, 7
caixas e 48 regras da ferro machinisrao ; a D. W.
Bowman.
260 pegas, 5 caixas e2 crrenles machinismo;
a T. U. Harrisson.
212 caixas fazendas de algodo; a II. Gibson.
2 saceos amostras; a diversos.
:*Wtt*#KtURl.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. C0NSELHE1R0 ERMEL1HQ
DEt#*0.
As 10 horas da ruanha, achando-se prsen-
les os Srs. desembargadores Figueira deMllo,
A caprichosa insistencia do intitulado orgao do
partido, que por antithese se denomina liberal,
era attribuir o asjassinato do infeliz Alexandre
Francisco Regs u Antonio Fraucisco Lisboa E--
leves urna prora irrecusavel dos sentimenlos
semi-selvageri9 que dominam os ordeiros conser-
vadores progressistas liberaes, nao recusara diau-
le da calumnia, e da mentira depois das insus-
pei'.as declararles, feias em juizo pelos Srs. ba-
rio do Livraraentb, e commendador Manoel Jos
da Osla, muitos liberaes se horrorisaram.do pla-
no tenebroso, que se urdir conlia ura cidado
presllmoso, e que s tinha contra si o facto de
adherir s ideas conservadoras, e de, escudado
na garanta que Ihe d a cousliiugu do impe-
rio, promover a realisago deltas.
O assassmo do infeliz Regs, espavorido, e
quasi iliraule procurou a protecgo daquelles
personagens : contou-lhes como se lomara' pela
primeira vez reo de ura crime to alroz, e decla-
rou qlie Estevescra urna vctima de malvada
vinganiga poltica de seus mesquiohos iuiraigos.
Desamuaradu por aquelles seuhores. recorreu ao
Exm. tjisconde de Camaragibe, quem faz a mes-
ma natraco, e por quera foi egualraenle repel-
lido, e lento pro:urou no interior da provincia
ura ref'igio. a Gin de evitar a acgo da polica
que majs cedo ou mais larde lograr apresenta-
lo dianie dos (ribunses do paiz.
O assssluo de Regs nao um miseravel, que
deslumurado pelo brilho do ouro.se sugeilasse a
arriscarla cabega ao carrasco : nao ; pelo con-
trario ura pae de familia, carregado de filhos,
einpregajlo publico, bem couhecilo das influen-
cias elettoraes liberaes de S. Jos, e que em ura
momento de furor alucinou-se, e fez-se um as-
sassioo.
A verdaJe recoobecda por todos, gregos, e
trvanos esla.
Mas o odio, o rancor, e as ms paixes que se
amonara nos corages dos escriptores do Liberal
Pernambucano nao do lugar ura senlimenlo
nobre e generoso;nao ihes permita que rendara
culto rerdade, por que a sua causa nao a da
verdade, a da justiga. A mentira, a intriga, a dif-
famago, e a calumnia foram sempre as armas,
dos que especulara com o nomo do partido libe-
ral : nao pois muilo para admirar, que nao
temara, a luz radiante da verdade, e continuem
a calumniar o adversario poltico, que Ibos faria
trente o a freguezia do S. Jos, aonde se consi-
dera acastellados os grupos de saarebistas, in-
titulados liberaes.
Nao Dasia que seja calumniado Antonio Fran-
cisco Lisboa Esteves ; nao basta que os turbu-
lentos de S. Jos saciassera o seu odio apedre-
jando-o depois de preso, esob a guarda da forga
publica, tambem apedrejada. Os ordeiros con-
servadores*.proaressieltas libsrae* tio insacia-
veis : a repuiagao, a honra e vida de um s ci-
dado pouco. O assalto da turbulencia deve
ser geral, o especialmente dirigido ao balearle
da autoridado publica, a sua" maior inimigi.
E porlaoto ah tenias pela rus- das amurguras a
honra, e probidade dos Srs. Drs. promotor pu-
Wieo, e jais municipal da 1* vars oulr\ara muito
elufiade na* columnas do Liberal Pernomouco-
no. e escotbiso pelos ordeira .monarekittets,
conservadores pregreeetat liberaes para juiz
de Antonio Francisco Lisboa Esleres.
O Liberal Priiom4wcaiiBL de hoje sob a epi-
graphe fados divereoi noticia que ot assassinos
do infeliz Regis esperara hoje a dicisao do Sr. Dr,
Heraogcni, sendo qua a.considerara favorarel, e
Qnalsa pelas seguintes patarras,
l J se advinham as dicisoes dos juizes I......
Se ao fossejaoa tesieinanlias oceulaces de Untos
Una lacrima de dor e eterna sau-
dade sobre a sepultura de uiiulia
nunca esquecida esposa, D. An-
tonia Brasileira de Lima Granja.
Que rpidas se mudara as scenas desla tidal
O que hontem era, j huje o nao ; e o nao ser
a nianha, o que hoje l
Eu que o diga, como vctima triste das mais
duras provages / Ainda ha pouco viva feliz:
contente de mira, e de tudo o que rae cercava.
Nos estreilos limites de minha humilde posigao,
me considera va no numero dos felizes do seculo
priue a felicidad-.' no pirlilha exclusiva dos
grandes, e opulentos da trra.
A tranqnillidade de espirito, a paz de conscien-
cis, e a posse de urna esposa virtuosa, consumere
por certa aqullo que na linguagem do muado se
chama felicdade.
Desta felicdade me ufanava de fruir. No gozo
pacifico de minha doce lberdade, saboreado as
deguras do meu viver domestico ; nada mais de-
sejava, a nada mais aspirava.
Era eu bem venturoso!.. Viva to satisfeito de
minha sorto I., mas de repente, ave sinistra es-
voagou sobre meu lelo, e quando menos cuidei,
fui arrebatado (e para sempre'.) dos bragos de mi-
nha querida esposa 1
A iniquidale de um gnio malfasejo urdo-me
urna rede de infortunios: fui prezo de iramere-
cda vinganga ; e o carcere era que deviam jazer
meus aecusadores, foi a morada que so rce des-
linou ha quasi ura anno.
E como tudo isto nao bastasse, para saciar de
amarguras meu dessolado corago. o anjo da
morte veio completar a obra de* minhas prova-
ges! Minha cara esposa, na verdura dos annos,
dbil, e mimosa por extremo, nao pdle resistir
ao peso de meus solTrimentos Sim : eu era o
prisioneiro, o perseguido da sorto ; mas aquella
alma terna, sensivel e carinhosa bebia gle a go-
la o calix de minhas erneis amarguras. Concen-
trando era seu anglico peito todas as impres-
sdes dolorosas, que Ihe produzira a minha iuiqua
priso, foi-se-lhe pouco e pouco adelgagando o
fio da existencia, at que afinal quebrou-se. e eis-
rae em dupla viuvez E' muito sofffer! E nem
ao menos me ser dado cerrar as palpebrasde mi-
nha pobre esposa, que assim finara-se na ausen-
cia de quem tamo amara I..
Basta... os coragdes sensiveis que avaliem a
minha dr.
Joo Brasileiro Lima Granja.
Casa de detengo, 16 de margo de 1861.
COMMJBKOO.
eVltandega. t
Rendimento do dia 1 a 15. 200 916*314
dem do dia 16. ..... 6:134|414
Exporlaco
Do dia 13 de marco.
Itrigue inglez Slralan, para o Canal, carrega ;
C. J. Asl'.ey (Si C. : 110 saceos, 700 arrobas de
assucar.
Brigue portuguez Amalia/, para o Porlo, car-
r-ga ; M. Joaiuim K. e Silva : 400 saceos com
2,000 arrobas de as mor.
Brigue porluzuez Su&erano, para Lisboa, csr-
rega ; T. A. Fouseca Jnior : 50 saceos e 2
bairiquinhas cora 253 arrobas de assucar, e 150
couros salgados seceos. Bislos & Lemos, 200
saceos com 1,000 arrobas de assucar.
Escuna sarda Anessione, para Genova, carrega ;
Bastos & Lemos : 600 couros salgados seceos.
Brigne dinaraarquez IloUlein, para o Rio da
Prala ; Bastos & Lemos : 203 barricas assucar.
Dia 14.
Patacho sardo -tnessione, para Genova, carre-
ga ; Bastos & Lemos : 212 saceos com 1 ,Oi J arro-
bas de assucar.
Brigue dinamarquez Holslein, para o Rio da
Prata, carrega ; Bastos &. Lemos 300 barrica*
com 2,999 arrobas e 13 libras de assucar.
Brigue portuguez Amafia /, para o Porto, car-
rega : Carvalho Nogueira & C. : 100 saceos cora
500 arrobas assucar.
Galera franceza Solferino, para o Havre, car-
rega ; Bastos & Irraos : 399 saceos, 1,995 arro-
bas assucar.
Patacho inglez Nova Crina, para o Canal, car-
rega ; Johnston Pater &C. : 100 saceos com 'JL
arrobas de assucar.
Galera ingleza Delfin, para Liverpool, carrega :
Tasso & irmos : 705 quintaes de pao brasil.
Dia 15.
Patacho sardo Anessiom, para Genova, cat-
regam :
Bastos & Lemos, 938 saceos cora*, 940 arrobas
de assucar.
Galera franceza Solferino, para Havre, car-
regara :
Thomaz de Aquioo F. Juuior, 200 saceos com
1,000 arrobas de assucar.
Tysset freres, 1,121 saceos com 5,620 arrobas
de assucar.
Barca ingleza Isa bella Riiliey, para o Canal,
carragam :
Saunders Brothers & C, 420 saceos com 2,100
arrobas de assucar.
Galera ingleza Delphin, para Liverpool, car-
rega m :
Patn Nash & C, 1,050 saceos com 5,250 arro-
bes de assucar.
Brigue portuguez Soberano, para Lisboa, car-
rega m
Aimeida Gomes Alves & C, 260 meios do
sola.
Heccbedoria de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dio 1 a 15. 36:785J>2S>7
dem do dia 16.......i;141362
207:0508759
aiovUneato da aliandeu;a.
Totumes entrados com fazendas.. 316
> coa geraeros..
37.926*6511
Yol u mes
sabidos

com fazendas..
c* gneros,.
159
-----47*
------ 315
Descarregam hoje 1$ de e*ere-iro.
Barca ingle*Queenaxsudas.
Brigue inglej-stina(UJl,BT-i4eift.
Swaaca. ua.ei.iMMl Hortensia, rinda da Babia,
PRA$i\ DO RECIFE
Itt DE MARCO DK 1801.
A'S 3 HORAS DA TARDE.
Revista Semanal.
Cambios- Sobeo Londres saceau-sea 26 d.
t/4. M-3/U, 26 1/i. 26 5/8 o
26 3/4 d. por 10*00; sobre P-
rtt a 365 rs. por (.; sobro Ham-
burgo de 675 a 690 rs. por M.
B.; o sobre Lisboa de 105alo6
portento de preaio, suba!


nr
(<)
DUfllODI PIllUABMDCO. SEGUNDA tEJAk 18 *E MARCO D ltl.
da sem?na a \
os taques
110,000.
Algodao O superior vendeu-se de7SO0
a 79900 rs., e o regular de
78O a 7700 w.' por ar-
roba.
Assucar----------O branco vendeu-se de 3$
a n? ra'o sumeoosde 2|800 i ^"im do Sulpolaca hespanbola Vronta, capi-
a 0900 rs., o raascavado pur- l3 Homd Ros, carga a mesma que liouze de
gado de 25400 a 2&500 rs., e' Barcelona, suspendeu do lamario.
O bruto de t 800 a I59OO r. i Nao bouveram entrada.
por arroba. | Xavios tnlrados no dia 16.
Vi
Movimento do porto.
Navios sahidos no da 15.
Rio Grande do Nortehiale nacional Flor da Rio
Grande, capitao Miguel Archanjo da Costa ;
eco lastro.
a 75J000 reis a
Bolachinhas -
Caf----------
Cha.....
Chumbo----------
a 6J400 rs. por ar-
Aguardente Vendeu-ae
pipa.
Couros- os seceos salgados venderam-
se a 200 rs. por libra.
Azeite doce-------dem de 2j800 a 2J900 rs. por
galio.
Arroz-------------Vendeu-se a 3000 rs. por ar-
roba.
Bacalho----------Em atacado rrndeu-se a 14300
rs.. e a retalho de 133O a
1 rs. -, icando em deposito
7,500 barricas.
JJaiatas----------Venderara-se de 18800 a 23*000
rs. por arroba.
dem a 400O rs. a barrqui-
nha.
Vendeu-se
roba.
Vendeu-se do 1$650 a 1&700 rs.
por libra.
Idom a 23$500 rs. por quintal
. do de muoijao.
Csrvao de podrs- Vendeu-se de 14$ a 150O0
a tonelada.
Cerveja-----------Vendeu-se a 4j>300 por du-
zia de garrafas.
Farinha de trigo. A de Richmond vendeu-se de
28# a 309 a barrica, e a de
Trieste a 3i rs., (cando em
ser 4,000 barricas da priraei-
ra, e 400 da segunda.
Dita de mandioca Vendeu-se de 3&500 a 4*000 a
sacca.
Feijao-------------dem a 12*000 rs. a sacca.
Ferro-------------O inglez vendeu-se a 5S500, n
o da Suea de 9JO0O e 10*000
rs. o quintal.
Genebra F.m frasqueira vendeu-se a 5*800
r., e em botija a 390 is. a bo-
tija.
Louc.a--------dem a 303 por cento de pre-
mio sobre a factura.
Manteiga----------A ingleza vendeu-se a 600 rs.
por libra, c a frsnceza a 5CO
rs., ficando em deposito 1,600
barris.
fleo de liuhaga- Veudeu-ae de 1*450 a 1JJ500 rs.
por galio.
Queijos-------------Vendeu-se a 1*600 rs. dos fla-
mengos.
Sabio-------------dem de 100 a 160 rs. por li-
bra,
Toucinho----------dem de 7*500 a 85OOO rs. por
arroba do novo.
Vinhos----------O de Lisboa vendeu-se a 300*
a pips; seguindo para o sul um
carregameulo prosedente de
Catalunha.
Diseonto- O rebate de letlras regulou de
10 a 18 por cento ao anno, 4lis-
contandoo banco cerca de tre-
sentos cootos de reis.
Fretes Para Civorpool a 40, e para o
Canal a 50, com 5 por cento.
Now-York18 das, vapor americano 31ssissippi,
de 2100 toneladas, capitao G. Harrison, euui-
pagemJH.em lastro; a Phelippe Brothers &
C. Velo refrescar e receber carvo, e segu
para Buenos-Ayres.
Portos do sul6 das e 15 horas, vapor brasileiro
Oyapock, commandanle o capito lente An-
Ionio Joaquim do Santa Barbara.
NenYork7~*1 di4s' barc* bremense Clarissa, de
406 toneladas, capito Hausen, equipagem 13,
carga farinha de trigo, breu e
Saunders Brothers & C.
de dito com 3 f/2 palmos de
mais gneros; a
w
a.


os
o.
S
I
I Be ras
n
e
S
I I
! tmotphtra.
I
V)
C/J
o
Otreeco.
es
X 15
I Intensidadr.
00
o
I Fahrenkei.
I

so
OS

os 00
-1
os
Centgrado.
os
I Hygrometro.
I Cisterna hydro-
melrica.
ta__00
1
00
-i
o
00

I
Francez.



8


00

I
Inglez.
O
eo
00
PS

> -n
c
re
S
* 2
> H
M
sg
c
r-
c

>
ce
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
Pauta dos presos dos gneros sujeilos direilos
deexporlaco. Semana de 18 a 23de marco
de 1861. "
Mercaduras. Unidades. Valores.
Abanos.....: cento
caada
>

arroba



0
Agurdenle de cana. .
dem restilada e do reino .
dem caxaca......
dem genebra......
dem alcool ou espirito de
agurdenle ......
Algodao era caroco ....
dem em rama ou em la. .
Arroz com casca.....
dem descascado ou pilado. .
Assucar raascavado ....
dem branco......
dem refinado......
Azeite de amendoim ou mon-
dobn........caada
dem de coco......
dem de mamona..... >
Batatas alimenticias .... arroba
Bolacha ordinaria proptia para
embarque.......
mQndcees........
Caf bom.....;
dem escolha ou restolho
dem terrado......libra
Caibros........um
Cal..........arroba
dem branca...... >
Carne secca charque. ...
Carvao vegetal......
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas. ...
Charutos.......cento
Cocos seceos.......
Couros de boi salgados libra
dem seceos espichados.
dem verdes......
dem de cabra corlidos um
dem de onea......
Doces seceos......libra
dem em geleia ou massa
dem em calda. .....
Espanadores grandes. um
dem pequeos.....
Esleirs para forro ou estiva de
navio ...... ; cento
Estoupa nacional .... arroba
Farinha de mandioca. alqueire
dem de araruta.....arroba
Feijao de qualqucr qualidade.
Frechaes........um
Fumo em folha bom. .
dem ordinario eu restolho.
dem em rolo bom ....
dem ordinaro restolho. .
Gomma........arroba
Ipecacuanha (raz) ....
Lenha em achas.....cento
Toros........ >
Lenhas e esteies.....um
Mel ou melaco......caada
Milho........arroba.
Pao brasil ......quintal
Pedras de amolar urna
dem de filtrar.....
dem rebolo......
Piassava........
Toutas ou chifres de vaccas e
novilhos.......
Pranches de amarello de
dous cuslados......unia
dem louro. .
Sabao......
Salsa parrilha., ,
Sebo em rama. .
Sola ou vaqueta ,
Taboas de amarello .
dem dirersas ,
Tapioca.....
Travs......
(Jnhas de boi .
Vinagre
1|000
1*000
lj
S450
1*000
$900
2g225I
8J500
8800
2fl700
2*100
3$200
S
2*000
2*500
lg-280
1*000
3SOC0
7^500
68*00
48000
83C0
*400
*2G0
8400
48OOO
18600
250
8400
2*500
43000
220
*360
*140
8300
osooo
1*000
9500
*500
48000
28000
sddc0.l',Ui"' V0"l-LSE m"eI de E5E
terral! amanhecer que rondou para o
CSCILArXO DA mare'.
Prearaar as 8 h. e 6' da manhaa, altura 5 8 o
Baixamar as 2 he 18' da tarde aliara 1.6 p.
JSffPA arsenal de marinha- *
Romano Stepple,
Io lenle.
de
Editaes.
50 travesseiros
comprimento.
20 pares do camellas rasas.
12 chicaras e pires de louja.
6 copos de vidro.
3 jarras de barro com lampa ep
2 bandejasjprander de folha
cefi"*"'0'" 2 chaleiras de ferro para 20 pracu
48 eolheres da metil flnpdff principe para sopa.
24 ditas de dito para cha. r v
60 facas de mesa.
60 garfos de dita.
2panellas de ferro sortidas forradas de por-
Para a aula' de geometra dos aprendizes meno-
res do arsenal de guerra.
8 arithmeticas por Avila.
f hliffn"*-'1"? MPplLCa,!.",8 ar,es Pel bario
Charles Dupto traduzda de francez ao porluguez.
Meta grosa de penas finas d'aco
3 duzias de lapis fios para dse'nho.
S duzias de canelas para peonas d'aco
3 duzias de borrachas para desenho. '
10 compagos de lati pequeos.
Urna quarta de nanquim fino da China
1 rr."laSHPeq"eo.a9,para 8U8rdar desenho.
1 resma de papel almac.0 fino.
Para a officina da 4a classe do
1 thesoura grande.
2 jogos de alicates.
Para provimento dos armazens do almoxarifado
500 vassouras de palha de carnauba,
too ditas de junco.
50 arrobas de cabo de liobo velho
20 ditas de chumbo em lencl.
500 pelles do cabra.
,. ZqU.*erTeDderlaes Rectos, aprsenle a
coselhoP Alnm,Car,a Cchada- secretaria do
eoreme0^10 """ da maDhaa do dia
di?8'8,.^,868^"^0 conselh<> adminstralivo,
m"s;7el86rl'd0"Senal d68Uerr8' lld
Benlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario uterino.
Para o Kio Grande 4o Sa\.
Segu com brevidade o patacho nacional Sao
Joaneiro: quem quizer carregar no mesmo a fre-
te, entenda-so com o consignarlo llanoel Aires
Guerra, ou com o capito a bordo.
COMPANHA PERXAMBUCVNA
DE
mesmo arsenal
Navegado costeira a vapor.
O vapor Persnnnga, commandante Moura
segu para os portos do sul de sua escala no dia
20 docorrenlemez s 5 horas da tarde.
Recebe carga para Macei e portos intermedios
ate o da 19 ao meio dia.
Psssageiros e dinheiro a treta at o dia da
sanida s2 horas : escripiorio no Forte do Mal-
los n. 1.
compradores, os quaes so da marca O, e bem
conhecidos, como apreciado neste mercado pela
sua ptima qualidade, sendo ainda ot melhores
ltimamente desembarcados de bordo do vapor
avarre, entrsdo a 15 do correnle.
De varios objectos
para pescara.
Terca-feira 19 do correijte
Costa Carvalno antorisado pelo Sr. Jos Ma-
noel da Silva, far lellao de varios objectos para
pescara no dia cima s 11 horas em ponto no
trapicho do algodao.
LOTERM
COMPAAHIA PERiAHBCANA
DE
THEATRO
De ordera da inspecio da alfandega se faz
publico que no dia 19 do correnle, depois do
raeio da se ha de arrematar em hasta publica
aporta da mesma reparticio, de conformidad
h frHH 13P0SI n^art- 302 d0 r"glamenfo. um
h.ndaiB"r" ? coultDdo 20 caadas de vi-
Sin//de,aut a 320 rs- Pr cana,la. otal 6*400.
* ndo do Havre na gilera francez Solferino
abandonado aosdirei.os por J.cobi Desmarteaul\
S arremalaao hrn de direils oarrema-
Alfandega de Peroambuco 16 de mar^o de 1861
Joao Jos Pereira dn Furia
D&<>
^oes.
Conselho de compras navaes.
Promove este conselho em sessao de 21 do an-
t"h ?n COrapra d0 material da armada abai-
xo declarado, mediante propostas
nossedia at as II horas da
Vavegac costeira a vapor
Parahiba% R0 Grande do Norte. Ai-
su', Aracatv e Ceara*.
hir ntr?r ^arass, commandante Moreira, sa-
dia S Al Porlos do norte at ao Cear no
Ro e marS s 5 horas d larde.
oommSnS"*0 Carga al dia 2I ao meia dia- Eq"
da SrhiHaa"lPa1Slage,r0S e dnheir0 a frele ^ O
Mattos n 1. "8 escriPlorio n *<"* do
A agencia do vapor de
reboque acha-se estabelecida no escn'p-
tono di companbia Pernambucana no
Forte do Mattos n. 1, onde se receben,
avisos para qualquer servico tendente
ao mesmq vapor.
AcaraceMaranhao.
c5oS^UnaP/CteiTeJlaienle Palacho Emula-
;'p. reilda corga Que lhe falta, trata-
se com Moreira & Ferreira. ra da Madre de Dos
o. *. ou com o capitao no tra^icfce do algodio.
DE
apreaentadas
uiuia. acomna-
nhadas das amostras dos respectivos obieclos
Para r r.-zv.. l ,_____f_. *
------ o navios.
50 pecas de brim, 83 broxas sortidas, 4 arrobas
je cola da Baha 6.000 ps do pioho' de rezina
de primeira qualidade, 30 latas de lila preta.
I1U Para os navio..
ne Cin S de. fcrro> 8 lGnes de core de 80
ongas, 10 grozas de pennas de ac.
OA_ Fara a enfermara.
m&JSmm brim-10fr0Dhas de dit.
inn Para arsenal.
fia s nfiVesde 1!ia'i(,ade de 30 a 40 palmos com
O a 8 pollegadas de face.
Sao as condices para a effectuacio
ser paga logo no mez subsequente do recebimn-
muhH fe a'a e, suJ!'tera-se os vendedores
fain 50|0dovalor dos rnesoios objectos,
aadeDco0n,Sr;Cor,regUeS a Pr5a' G da ""al:
-.KuciVSr.5 TooC"Davaes dePer-
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Santa casa da misericordia do
Red fe.
A junta administrativa da rmandade da santa
casa da misericordia do Recite manda fazer pu-
blico que no da 20 do correte, as 10 horasda
Zr,\: Da asa dos Pos**, pagam-se as res-
pectivas amas as mentalidades vencidas at de-
zembro do anno (lado ; devendo as mesmas amas
tevarem as suas crias.
nifSe cifo 15 de marco de 1861.-0 escrivo,
Francisco Antonio Cavalcanti Cousseiro.
Correio geral
Quarta-fera, 20 de marco de 1861.
Grande e variado espectculo ain-
da nao visto nesta capital
EM BENEFICIO
DE
D. LUCRECIA ULYSSES.
Jacome Ulysses, chegado recentemente da Eu-
ropa, e de passagem para o Rio de Janeiro, re-
t solveu demorar-so alguDs d.ias nesta capital aon-
de tem de apresentar ses novos trabalhos da
escola moderna, sendo o espectculo dividido em
tres partes, constantes do seguinte :
Primeira parte.
Chimica industrale recreativa ao alcan-
ce de todos.
Combustio de diversos corpos no gaz oxige-
nio-puro.
Demonstrado pratica de algumas proprieda-
dcs do chloro gazozo.
Demonstracio de algumas propriedades do
gaz hydrogenio.
Armnica chimica.
Combustio da plvora de assusar sem necos-
sidade do fogo, e o seu fabrico ser posto ao
alcance de todos.
Urna taberna.
Predios e
escravos.
Quinta-feir L\ do cor-
rente s 11 horas.
Antunes autorisado pelo Sr. Jos Nu-
net de Paula, fara' leilo em seu arma-
zem na raa do Amorim n. 48, dos
predios e escravos pertencentes ao dito
senhor que para liquidar sero entre-
gues pelo maior preqo alcancado, a
saber:
O sobrado n. 48 de 2 andares e sotSo si-
to na ra do Amorim, com chaos
proprios.
Dito em Olmcla de um andar e sotao
sendo atraz terreo, com a frente pa-
ra os Quatro Cantos e ladira da Mi-
sericordia, clios pioprios.
Urna casa terrea no Varadouro, con-
cluida ha pouco tempo, cora 5 quar-
tos, 2 salas, grande quintal, e urna
grande padaria no mesmo, com
toes dobrados, foreira a cmara
nicipal.
A terca parte da casa terrea sita na ra
da imperatriz onde tem padariao Sr.
Bnrdier.
4 escravos de multo boa conducta, sen-
do um dellei excellente padeiro e
forneiro, as 11 horas em ponto.
01-
m ii-
NA
1.
2.
3.
4."
5.
Ra do Rangel n. 18.
Terca-feira 19 do correnle.
Antunes far leilo por mandado do Exm. Sr
des ^*PCIal d0 commercio e a requerimento
nlva a Santos. dn onnom. ..;j.. e uter
n. 18,
------- ~~..H v t, 1L'|U
cihos da taberna sita na ra do nangel
qual pertenceu Arma Souza & Peixoto
Na referida taberna s 11 horas e
!m poni.
6.
7."
8.
...
I
10.
LEILO
Dia 21 do crrente
F. Souvage tendo de retirar-se' para a Europa
Sn..Porn0,"m.OVapor/ar ''Sopor intervengo
do agente Oliveira, da mobilia e mais pertences
M casa de sua residencia no campo, a mesma
que lora edificada pelo ultimo proprietario-pro-
curador Magalhaes-uo sitio margem do ame-
no Capibanbe e no lugar da Torre ao correr o
quasi contiguo ao do referido agenle. consislin-
o a mesma mob.-lia (a maior parte nova e de
apurado gosto da poca do Luiz XV) em mesas
e csdeiras para salas do diversos feitios, conso-
Demonslra5ao pratica para qualauer pessoa DflS' ^I?lf "1. commodas almarios, guarda-rou-
poder obler o precipitado de diversas linlas rP."C"?!SpJ^ hos e 8em e" crelarias, livra-
ircs. pri' oUomaas> fletes, bufetes, tapetes,
em
LEILO
DE
Gneros de estiva,
Quarta-feira 20 do correnle.
Antunes por mandado do Exm. Sr. Dr. iuiz es-
pecial do comraercio, far leilo a requerimento
de Prente Vianna &C. e outros, dos gneros e
mais objectos arrestados a Manoel Joaquim de
Oliveira & C., no referido dia as 11 horas
ponto, na ra do Cordoniz n. 14.
LEILO
Terca-feira 19 do correte as
11 horasda mariha.
O agente Pinto autorisado pelo Sr.
Vicente Ferreira Pinto, fara' leilo da
armarlo e baldo, de dous candieiros do
gaz e seus utencilios, de urna grande
meza e de urna carteira em bom estado
existentes no armazem da ra da Cruz
n. 15 no dia e hora cima indicado ga-
rantindo se ao comprador o arrenda-
raento do mesmo armazem.
Depois da manliSa, quarta-feira 20
do corrente mez de marc.o.andarfio m-
preterivelmente as redil da 4. parte
da 1." lotera do Divino Espirito Santo
do collegio, no consistorio da greja de
N. S. do Rosario da freguezia de S,
Antonio do Recie.
Ai wrtei serSo pagas logo que saiam
as listas no dia seguinte.
Os poucos bilhetes e meios que res-
tan acham-se i venda na thesourara
das loteras ra do Quemado n. 12,1.-
andar, e as lojai commissonadas na
praca da independencia n. 22 do Sr-
Santoi Vera, ra Direita botica n. 3
do Sr. Chagai, ra estreita do Rosario
n. 12 typographia do Sr. Geialdo, no
Recife ra da Cadeia loja n. 15 dos Srs.
Porto limaosO thesoureiro, Antonio
Jos Rodrigues de Souza.
O Sr. que tem annunciado cons-
tantemente para vender noventa accoes
da companhia de Beberibe, se esta' dis-
posto seriamente a vende las pelo preco
corrente pode drigr-se a' ra da Ca-
deia do Recife n. 41 loja.
Piecisa-se de um rapaz portuguez,
de 2 a 14,pnnos de idade, e com pra-
tica de venda, para um estabelecimen-
to na Gamelleira a tratar na ra Direita
n. 68 loja.
Na ra de Pilar n. 82, sobrado,
na para vender urna mobilia de jaca-
randa', e alguns outros trastes tudo em
conta, por ser de urna pessoa que se
retira da provincia.
' HoDtem a tarde sahindo a ver a procssao
um moleque de nome Marliniano, cora idade de
10 anuos, levando vestido camisa de madapolio
calca de nscadinho azul claro, jaqueta de risca-
dinho encarnado, tudo usado, chapeo de palha
parda cora fita preta ; e nio apparecesse ainda
boje, recoramenda-se a polica, que o apprehen-
deado, pode leva-lorua do Roario n. 24 a seu
cDnor.
Precisa-se alugar urna escrava de boa con-
ducta, para todo o servijo de urna casa estran-
geira com pouca familia, pagando-so 30 raen-
saes: na fundicio do Sr. Starr.
Manoel A'ievedo de Andrade. subdito por-
tuguez, vai a Enropa. e leva em sua companhia
0JIDJen?rJoac',llm da Sil" Cas'ro Jnior
idade de 8 annos.
Troca m-se
com
de Andrade, subdito

>

a
>
molhos
Relagio das cartas securas vindas
vapor Oyapock, para os senhores
clarados :
Antonio Rodrigues de Albuquorque.
Ernesto de Paiva Leite.
Dr. Frederico Miguel de Souza.
24*000 t-rancisco Pedro Advincula.
1J600 Padre Juvencio Virissimo dos Anjos.
IS000|nO.aqn;m..Ao8usto Ferreira Jacobina.
6$000
lgOO
5$000
16SO0O
8g000
12000
6S0O0
3000
25fl000
2J00O
OSCOO
50gOOO
240
IfOOO
10JWC0
leoo
osooo
1J2C0
g200
do sul pelo
abaixo de-
cenio 49000
a
libra
arroba
>
urna
duzias
>
arroba
urna
cento
caada
16*000
8g000
$120
25S000
5j|000
2S4O0
1049500
709OO
39200
109000
5300
9280
Alfandega de Pernambnco 16 de marco de 1861.
O pnmeiroconferente.-Jenuino Jos Tarares.
O segundo conferente, Joaquim Ignacio de
Carvalho Mendonca.
Approvo. Alfandega de
margo de 1861. Barroa.
Conforme. Jlo Jos Pereira
ceiro esciipturano.
Peraambaco 16 de
de Paria, ler-
?,d:qcnhj?n"?r.&melr0 -' ^ ^^
Jos Joaquim Gongalves Basto?.
Jos Joaquim de Paria Machado.
Jos Teixeira Bastos.
Marques Barros & C.
Miguel Archanjo de Freilas.
Miguel Cslmon de P. Almeida.
Maeoel Arthurde Hollanda Cavalcanti.
Manoel Jos de Araujo.
de carias para
porlugueza por
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguintes : J
Para a companhia fixa de cavallaria.
11 enchergas.
Para o 4o balalhio de artilharia a p.
o resmas de papel almajo.
400 pennas de ave.
2 caivetes.
6 duzias de lapis de pao.
6 garrafas de tinta preta.
6 libras-de ara para escripia.
20 exemplares de collecces
principiantes.
20 exemplares de ta boa das.
6 exemplares de grammalica
Monte Verde, ultima edigao.
6 exemplares de compendio de arithmelica por
Avila.
6 pautas.
20 exemplares de traslados.
Para o 10. batalhao.de infamarla.
.?8n,!l8 de P*Pel lmaco.
400 pennas de ave.
2 caivetes.
' 6 duziis de tapia de pao.
6 garrafas de tinta preta.
6 libras de ara preta pasa escripia.
cipiaMes01"68 decolleeco de caitas para prin-
20 exemplsres de taboadas.
u Monte verde, ultima edicio.
6 exemplaree de compendio de arithmelica por
6 exemplares de pautas.
20 exemplares de escripia en traslados.
cn v- P'S" ,h0Pi*1 niliUr.
50colchoes de lia de harreguda oo de flecha
coa 8 palmos de compnmento a 3 l/2de largura.
applicadas industria e de todas as cores.
Explicado pratica para qualquer pessoa po-
der gravar objectos de metal e da vidro, sem
necessidade do buril.
Explicac&o de tres differentes processos para
branqaear a cera de carnauba.
Explicajio da nova descoberU feita ltima-
mente em Londres para converter qualquer
qualidade de serraduras do madera, em as-
sucar branco em cinco minutos.
' Explicado de alguns raelhoramen tos no fa-
brico do assucar de canna.
Seguuda parte.
Recreacao de prestidigitacao.
As cartas aerianas.
A carta geral.
A mi obediente.
A pilula do diabo.
O lenco indemoniado.
O banqueiro philantropico.
Croa sorpreza.
O pedestal vivo.
Terceira parte.
Magnetismo animal com um joven Pernambu-
cano, que adevinha tudo que lhe for apresentado
sem necessidade de ser interrogado por pessoa
alguma, achando-se o magnelisador em perfeto
silencio.
O espectculo principiar s 8 ) horas da noi-
te. De urna outra parte haver um intervallo
de meia hora, e os bilhetes acham-se venda na
ra da Cadeia do Recife n. 9, e no dia do espec-
tculo no Iheatro.
1.a
2.a
3."
4.a
5a
6a
7.a
8.a
Avisos martimos.
Para a Bahia segu em poucos dias a es-
cuna nacional Carlota; para alguma carga que
lhe falta, trata-se com seu consignatario Fran-
cisco L. O. Azevedo, na ra da Madre de Dos,
Para o 4ss.
Segu em poneos dias, por j ter a maior par-
te de seu carregamento a bordo, o hiale Bebe-
ribe : para o resto e passageiros, trala-se na ra
do Vigario n. 5.
Para o Aracaly
O hiale Camaragibe: para carga e passageiros,
trata-ae na ra do Vigario n. 5.
Para o Aracaty.
Seguir brevemente o hiale nacional Santa
Anna, queja tem quaai meia carga,.para o res-
tante e passageiros trata-se com Gurgel Irroios,
no sea escripiorio da ra da Cadeia do Recife n.
28, primeiro andar.
Porto.
Sae al o dia M do correte o brigue Amalia
1. : para passageiros, para o que tem excelentes
coromodos, trata-ae com o consignatario Manoel
jeaqmm Ramos Silva, ou com o capitio,
cortinas, camas de ferro e bronze para casados <
solteiros guarnecidas de mosquiteiros, esleirs,
um magnifico piano, pndula, crystaes, loucas
de jantar e almogo, candelabros, lanternas e lam-
peues, quadros, mesa elstica para jantar e ou-
iras com abas e para jogo, aparadores, cadeiras
ae encost e de balan$o, vasos para flores e para
adornos, facas e garfos, eolheres e plateau de
metal, apparelho de prata para cha, um comple-
to trem de cosinha, utencilios pira jardim e co-
cheira, bomba, banheiro, carroga, quatro sober-
bos cavallos de carro e um dsela, sellins para
montara de hornera e senhora e finalmente entre
numerosos outros objectos. um bello carroVic-
toriacom os competenles arreios, urna canoa
de carreira e um bote com mastros e velas.
N. B. No lancheon nao fallemos, porque ser
certo ; mas para commodidade dos concurrentes
ao referido leilo, que ter lugar
Quinta-feira 21 do corrente,
sahir um mnibus da ra do Imperador at ao
sitio do bario de Beberibe na ponte de Ucha
ende estario canoas collocadas para Iranspor-
U-joa margem opposta, lugar do indicado sitio
LEILO
Importante
no dia 20 do correte.
Evaristo, far leilo de urna rica propredade,
um pouco adianto da Solidada, sendo a casa em
muito boa localidade tendo 4 salas, 7 quarlos,
grande, cuzinha ao lado estribara para 8 caval-
los, casa de farinha cora os seus pertences no-
vos, 2 cacimbas com muito boa agoa de beber,
bastantes larangeiraa da china, que muito car-
regam, muitas lsraogeiras selectas, e umbigo e
limeiras novas bem desenvolvidas, muitos bons
saputis, fruta-pao, excelentes mangas, porcao de
coqueiros novos em.disfructo, 2 viveiros cora bas-
tante peixe ; tendo a propredade 1300 a 1400 pal-
mos de frento, e 1800 de fundo, sendo 3 parles
da propriedade composta de varzea cujo terreno
barro de lijoalo, podendo-se levantar otaria
por ter camboas, a qual muito perto da casa
produt tudo quanto se planti assim como d
muito bom capim, que s neste artigo plantando
urna 3.a parle da baixa pode dar de lucro annual
do 5 aOconlos de reis: Osjireiendentes terio
as informacoes do mesmo agente. O leilo se-
r executadcvno dia cima s 11 horas em pon-
to na ra do vigario n. 22
Leilo
Para feichar contas
l8 do corrente.
O gente Oliveira far leilo para acabar, de um
inteiro sortimento de fazendas, e outros arligos
que muito agradario pelas qualidades, e pregos,
consistindo em alpacas, casacas de panno prclo,
colletes diversos, camisas com peitos de lioho,
cambraias finas, cobertas de lia, cobertasde ca-
ma, chapeos para hornera, camisas de meia, cha-
peos de sol, espartilhos, escovas para falo, ca-
bello, e roupa, fustes, grosdenaple superior,
grvalas de seda, manteletes, merinos, meias
d algodao, meias de seda curtas e compridas pa-
ra meninos, mallas inglezas d couro para via-
gem, palitos de panno, de brim de lioho, d'al-
godio, perfumaras inglezas, tpeles de sallas,
saceos de tapete, selins inglezos, seroulas, sargo-
linas, veos pretos, vestimentas de merino de
fusiao, de lia, e de seda para meninos, e diver-
sos outros objectos.
Segunda-feira 18 do corrente
s 10 horas da raanhia no primeiro andar da
casa, por cima do armazem de fazendas do Sr.
Henry Gibson. na ra da cadeia.
UiLlB
DE
Dous predios.
Quarta-feira 20 do corrente s
2 lepras da tarde em ponto
O agente Hyppolito da Silfa fara'
leilo no seu vmazem na ra do. Impe-
rador n. 35, de dous predios sitos na ra
do Brum, ns. 56 e 38, nos quaet esta'
montada a fundicao dos Srs. D. W.
Bowman, tendo ambos bastantes fun-
dos, dando os mesmos para o caes d'A-
pollo, ao qual tambem tem direito os
pretenden tes, pois para informacoes d-
rijam-se ao agente cima que Ibes minis-
trara' dando principio ao leilo no refe-
nrln nmnvom
com mdico descont sedulas de 1 e 5# de uma
figura e papel branco, de 509 rxas. e de 500
verdes e broucas : na ra da Cruz do Recife nu-
mero 27.
Boavenlura Azevedo
portuguez, vai a Europa.
Vicencio d'Autoine, subdito italiano, reti-
ra-se para o Aracaty.
in.n?r* PedrDreI1" Pessoa. o bacharel
Jorge Dornellas Riboiro Pessoa, Brgida Dornel-
las Ribeiro Pessoa, e mais familia, pezarosos.
agradecen) a todos quanlos parlilharam da pro-
funda dor pela morte prematura do seu muito
sraado sobnnho, irmao e fllho, o pharmaceulico
francisco Dornellas Pessoa ; assim como perma-
necer asss penhorados pars com todos aquellos
sennoros, tanto os que assistiram ao acto na igre-
ja, como os que tambera acompanhanm o finado
al o jazigo.
Jos Antonio dos Santos Andrade, subdito
porluguez, regressa Macei.
Atten^o.
O Sr. Henriques Prachedes de Oliveira Araujo.
lilho do escrivo de orphaos da villa do Cabo
morarforno sertio na fazenda do Carirs Novos'
queira mandar pagar ao abaixo assignado urna"
letra que devedor ao mesmo, e que se acha
vencida a mais de tres anoos, cuja quantia nio
loora. pois j o lera avisado por este Diario por
diversas vezes. e nada de dar soIuqo a respeito
talvez se persuada que ainda pouco o lempo'
para saldar dita letra ; e por isso desde j o pre-
vine quo se o uao Gzer muito breve, usar dos
meios judiciaes.
Pedro Alejandrino de Castro Machado;
~^Jos A. Lourengo de Souza retira-se pera
tora da provincia.
Joio Evangelista de Mello Brrelo, tendo
de retirar-se para a provincia do Cear por moti-
vos de molestias, leva em sua companhia sua se-
nhora, 3 escravos e 1 fmulo ; deixa nesia cida-
de por seus bastantes procuradores em 1." luear
ao Sr. coronel Joio Jos de Gouveia, em 2. a o
seu sogro Jos Antonio da Srilo, e em lerceiro
Sr. Alexandre Jos Gomes, para em sua ausencia
tratarem de todos os seus negocios.
Uma pessoa que retira-se para fra da pro-
vincia lera para vender 2 cavallos de sella, pro-
prios para viagem, com os arreios necessarioa :
a Iratar na cocaeira do Sr. Adolpho Bourgeoi
na ra Nova. *
Alugam-se dous armazens novamente aca-
bados, muito proprios para qualquer officina,
com grandes lelheiros, sitos na ra Imperial : a
tratar na ra Direita n. 84.
Victorino Teixeira Leile retira-se para ra
da provincia.
Antonio Fixe, subdito italiano, retira-se pa-
ra os portos do norte.
Nicolao Pixe, Antonio Jette, Salmdir Jelte,
subditos italianos, retiram-se para os portos do
sul.
Genoani Pereira, subdito italiano,
o Aracaty.
Antonio Pereira. subdito italiano, vai
caty.
Vicencio Frederico e Francisco Frederico,
subditos italianos, retiram-se para o Aracaty.
vai para
ao Ara-
Para bailes.
Bolinas de setim branco
vapor, no ra Nova n. 7.
vende-se na loja (fo-
ndo armazem.
Avisos diversos.
18 do corrente.
Haver leilo porta da alfandega, de 30 cai-
xar de 24 queijos fltmengos, lotes rontade dos
Santi Cappelli, subdito ilaliano, retiram-se
para a Italia.
Josepha Maria da Cooceigao vai a Europa.
Precisa-se de uma ama que saiba engom-
mar e para comprar ; na ra do Seve, casa ter-
rea n. 1, aonde tem um lampiao, por detraz da
ra da Aurora, passando a pontezinha.
Pede-se ao Sr. O. do C. 11. que responda a
carta que a mais de dous mezes lhe escrevi cer-
ca de sua divida, do contrario ser publicado por
extenso o seu nome e a vergonbosa origen desta
piriaa.j, J, C
Armazem de fazendas
DA
Ra do Queimado n. 19.
Cobertas de chita, gosto chinez, a 1J800.
Lences.
Lencesde panno de linbo Uno a Ig900.
Cortes de casemira.
Cortes de casemira de cor muito fina, pelo ba-
rato prego de 5.
Tarlatana.
Tarlatana branca para forro do vestido, pelo
baratissimo prego de 260 rs. a vara.
Gambraia de cor.
Cambraia matizada fina a 240 rs. o covado.
Chita francez.
Chitas francezas pelo barato preco de 220 rs. o
covado. r *
Esleir da India,
sa6Ia e camas*11"08 d<> 'arg' prpiU pm 0""
Cortes de coilete.
Cortes de velludo preto bordadoa a 6.
Mantas de L londe.
Mantas de blonda pretsa de todas as qualidades
Cambraia branca.
3*4500**dS camt>raia DraDC* fl a 2J800, 3#00Oe
Toalhas.
Xoalhas de fusto a 600 ra. cada uma.
Aluga-ae uma casa assobradada na ra da
Assnmpco n. 60, dando fiador a cootento do
roprietirio : quem a pretender, dirija-te a ra
os Ajouguiohos n. 20, que achara com quem
tratar.


40
DIARIO DE PERNA1BUCO. SEGUHD1 FE1RA 18 DE MARCO DI 1861.
(5)
O EXTRACTO
COMPOSTO DE
SALSA IPARRDLHA @ @fl TOWHI8III .
CHILTOf,
MELHORADO E FABRICADO SOB ADIRECCAO' DO DR JAMES R>
ehimieo e medico celebre de New York
EX-
GRANDE SUPERIORIDADE DO
TRATO FLUIDO COMPOSTO
DE
SALSA PARRILHA.
Explica se pelo sea extraordinario
e quasi miraculoso effeito no
sangue.
Cada ura sabe que a saude ou a inferraidade
depende directamente do estado deste fluido vi-
tal. Isto ha de ser, visto o partido importante
que tem na economa animal.
A quantidade do sangue n'um homem d'es-
talura meiiana est avallada pelas as primeiras
autoridades em vinte e oito arralis. Em cada
pulsadlo duas oncas sahem do corado nos bofes
e dalli todo o sangue passa alem no corpo huma-
no em menos de qdatro minutos. Urna dis-
posicao extensiva lem sido formada e destinada
com adrairvel sabedoria a destribnir e fazer
circular esta courknte de vida por todas as
partes da organisac,ao. Deste modo corre sem-
pre pelo corpo em torrente, o qual a gran
de fonte de inferraidade ou de saude.
Se o sangue por causa alguma se empregna
de materias ftidas ou corrompidas, deffunde
com veloidade elctrica a corrupcao as
mais remotas e mais pequeas parlas do corpo.
O veneno lanca-se para tras e para diante pelas
arterias, pelas veas, e pelos vasos capillarios,
al cada orgo ecada leagem se faz completa-
mente saturado e desordenado. Desta maneira
a circulado evidentemente se fas um ENGBNBO
poderoso de doenja. Nao obstante ple tam- i
bem obrar com igual poder nacriacjio de saude.
Eslivesseocorpo infeccionado da doenca. maligna,
ou local ou gcral, e situada no systema nervoso
ou glanduloso, ou muscular, se smente o san-
gue pode faier-se puro e saudavel ficar superior
a doenca e inevitavelmente expellir da consli-
tuijao.
New-York, ha vemos vendido durante muitos an-
uos a extracto de salsa parrilha do Dr. Town-
send, considera mo lo ser o extracto orignale
genuino de salsa parrilha do Dr. Townsend.
o qual priraeiraraente sob este nome foi
apresenlado ao publico.
BOYD < PAUL, 40 Cortland Street.
WA LT ER B. TOWN SEND & Co, 218 Pearl
Street.
LEEDS& HAZARD, 121 Maiden Lae.
JOHN CARLE & Co, 153 Water Street.
M WARD & Co, 53 Maiden Lae.
J. & J. F.TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GRAHAMA Co, 10 Od Llip.
OSGOOD & JENNINGS, 188 Pearl Street.
R. B. HAVILAND & Co, Office 177 Broad-
way. ir,
JACKSON,ROBN S & Co, 134 W ater StreeU
OE 1861
THOMAS & MAL. WELL 86 William Street.
WM. UNDERH1LL, Junr, l83\Vater Street
DAVID T. LA.NMAN, 69 Water Street.
MARSH & NORTHROP, 60 Pearl Street.
NORTON, BABCOCK&WOOD, 139 Mai-
den Lone.
PENFOLD, CLAV &Co, 4 Fletcher Street.
OLCOTT, M KFSSON & Co, 127 Maiden
Lae.
A. B. & D. SANDS. 100 Fullon Street.
SCHIEFFELIN, BROTHER & Co, 146 &
106Jobn St.
LEWIS & PRICE. 55 Pearl Street.
HAVILAND,KEESE& Co, 80Maiden La-
e.
RUSHTON, CLARK & Co, 110 Broadway,
10 Astor.
House, and273 Broadway, cor.ofCham-
bers Street.
PHILIP SCHIEFFELIN, & CO107Watr
Streot.
PU & PALANCA, 96 John Street.
SHERWOOD & COFFIN, 64 Pearl Street.
HASKELL & MERRICK, 10 Gold Sireet.
B. A.FAHNESTOCK & Co. 49 John Street.
CONHECEMOSAARVORE E SUAS FRU-
TAS
B IGUALMENTE
Conhecemos um Medicamento nos tus Effeitoi
O extracto eomposto de Salsa parrilha do
Dr. Townsend est.
0 MEDICAMENTO DO POYO!!
Adata-se tao maravilhosamenle a constituicao
que pode ser utilisado em quasi todas as enfer-
midades.
ONDE E DEBIL1DADE,
fortalece;
ONDE E' CURRUPCAO,
purifica;
ONDE E* PODR1DO,
ALIMPA.
Este medicamento celebrado que tao grandes
servicos presta a humanidede, prepara-se agora
na nova fabrica, na esquina das ras Front e
Washinglom, Brooklym, sob a inspeccao directa
1 do muito conhecido chimico e medico Dr. James
R. Chilln, da cidadejle New-York, cujacer-
tido e assignatura se"acha na capa exterior de
cada garrafa de
ORIGNALE GENUINO
extracto composto de salsa parrilha
DO DR. TOWXSEKD.
O grande purlticador do sangue
CURANDO
O Herpes I A Hydropesia .
AHertsipela, AImpinge
AAdstricc.iodoven-
Manguitosegolla.
Yendem-se guarnieres de cambraia muito na
e muito bem bordadas, pelo baralissimo proco de
59 cada orna: na ra do Queimado o. 22, loja
Acham-se venda na livraria da praca da Independen- \ M_
cia ns. 6 e 8, as bem conhecidas folhinhas iipressas nesta j [
typographia
Folhinha de port <>u KALENDAR10 eeelesiastieo e civil para o
bispado de Pernambueo......p.'. *.r. T
Ditd de alaibeiva contendo alm do kalendario ecclesiaslico e civil,
explicado das festas mudaveis, noticia dos planetas,
tabellas das mares e nascimento e occaso do sol;
ditas dos emolumentos do tribunal do commercioj
ditas do sello; ditas do porte das cartas; ditas
dos impostos geraes, provinciaes e municipaes, ao
se juntou urna collec$o de bellas e
160 rs.
que
divertidos
jogos de "prendas, para ntrete ni ment da mocidade.
Dita dita .... coatendo alm do kalendario ecclesiaslico civil, exph-
ca?ao das festas mudaveis, noticia dos planetas, tabellas
das mares e nascimento e occaso do sol; ditas dos emo-
lumentos do tribunal do commeitio ; ditas dos impostos
geraes, provinciaes e municipaes, ao que se reuni o
modo de confessar-se, e conungar, e os oficios que a
igreja eostuma celebrar desde domingos de Ramos, at
sexta-eira da Paixo, (era portuguez). pre?o. .
Dita do almanak l, administrativo, commercial e industrial da provin-
cia de Pernambueo, ao preco de:
320 rs.
320 rs.
15000
Para facilidade do uso deste almanak, augmentou-se
de formato, e fizerain-se muitas alterares, sendo a correc-
co a mais exacta que foi possivel, em materia desta ordeiu,
(que todos os dias soffre mudancas) acrescentando-se a nu-
meraco dos estabelecimentos commerciaes e industriaes ;
acompanhado de ndice para facilitar o uso, procurando o
que se deseja pela oceupaco do individuo de quem se querj
saber a residencia.
O grande raanancial de doenca ento como RsT & HOUGHTON, 83 John Street.
I.MINOR& Co. 214 Futon Slreet.
INGERSOLL & BROTHER, 230 PearlStreet.
d'aqui consta no fluido circulante, e ne
nhum medicamento que nao obra directamente
sobre elle para purificar e- renova-lo, possue al-
gum direito ao cuidado do publico.
O sangue O sangue o ponto no qual
se ha rayster usar a atlen^ao.
O ORIGINAL E O GINUINO
AO PUBLICO.
Nos, os Assignanles, Droguista na cidade de
Cada garrafa do original e genuino extracto do Dr.
exterior de papel verde.
o escriptorio do propietario, 212 Broadway, INew York,
bem na botica da ra Direita n. 88 do Sr. Paranhos.
JOSEPH E. TRIPPI. 128 Maiden Lae.
GREENLEAF & KLNSLEY, 45 Cortland
Street. _
HAYDOCK, CORLIES&CLAV, 2!8Pear
Street.
CUMIMG &
Sireet.
Townsend lem assignatura e a
TRE,
AsAlporcas
OsEffeitosdoazou-
GUE,
Dispepsia,
As Doencas.de figa-
do,
As Ulceras,
O Rheumatismo,
As Chacas
A DEBIL1DADE GERAL
As Doencasdepellb
AS BORBULHASNA CA-
RA,
As Tosses,
Os Catarrhos, As Tsicas, etc.
O Extrato acha-se comido era garrafas qua-
dradas e garante-se ser mais forte e melhor em
todo o respeito a algura oulro purificador do
VANDUSE1 178 Greenwch sangue, conserva-se em todos os climas por cer-
J to espado de tempo.
ceriidao do Dr. J. R. Chlitton, na capa
e era
Pernambueo na ra da Cruz n. 21, escriptorio, 1. andar, tam-
CONSULTORIO
DO
, i?, a, mm wm
Nova cartilha.
CONSULTORIO ESFECUl HOHEOrATIlICO
DO DOCTOR
SABINO O.L.PINHO
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os dias uteis desde as 10 horas
at meio da, acerca das seguintes molestias :
1." molestias das mu'.heres, molestias das crian-
cas, molestias da pelle, molestias dos olhos, mo-
lestias ssphililicas, todas as especies de febres,
febres intermitientes esuas consequencias,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPaTHICA .
Verdadeiros medicamentos humeopathicos pre-
parados som lodas as cautelas necessarias. in-
falliveis em seus effeitos, tanto em tintura, como
em glbulos, pelos presos mais commodos pos-
siveis. .
N. B. Os medicanfentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos em sua pharmacia ; lodos
que o forem fia della sao falsas.
Todas as carteiras sao acompanhadas de um
impresso com um emblema em relevo, teudo ao
redor as seguintcs palavras : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
de. As carteiras que nao levarem esse impresso
assim marcado, embora lenham na lampa
me do Dr. Sabino sao falsos. ^^
COlflFANHIA
Para urna casa
franceza.
Precisa-se de urna escrava que saiba eegom-
mar, coser, e fazer todo o servico de urna casa
de pouca familia, e que seja fiel e diligente. Na
mesma casa precisa-se o> um escravo para o ser-
vico de cozinha : quem tiver pode dirigir-se
ra do Imperador n. 27 confronte a ordem ler-
ceira de S. Francisco, que achara com quem tra-
tar, das 9 horas da manbaa s 4 da tarde.
Aviso
deS.
o no-
aos terceiros da ordem
Francisco.
Na ra do Queimado n. 39, loja de \ portas,
vende-se estamenha para hbitos a 2$20G o co
vado, e se apromptam os mesmos hbitos a von-
tade dos irmaos a 458 cada um, obra muito bem
feita.
SYNOPSE
DE
MEDICO PARTE.ROE OPERADOR.
3 RUADAGLOftIA9CASAI*OFUNDA03
GUnea por ambos os systemas.
O Dr. Lobo Hoscoso d consultas todos os dias pele manha, e de tardedepois de 4
horas. Contrat partidos para curar annnaknente, nao sopara acidado, como para o engenhoe
u entras propriedades ruraes.
Os chamadosdevem ser dirigidos sua casa at s 10 horas da manha e em case
de urgencia outra qualquer horado dia-ou da noite, sendo por escriptoem que se declare
o nome da pessoa, o da ra e o numero da casa.
Nos casos que nio forem de urgencia, as pessoas residentes no bairro doRecifepo-
dero reraetler seus bilhetes botica do Sr. J. Sounn & C. na ra da Cruz, ou loja de
jivros do Sr. Jos Nogueira de Souta na ra do Crespo ao p da ponte velha.
Nessa leja e na casado annuncianieachar-se-ha constantemente es melhoresajedtca-
mentos heraeopathicos ja bom conhecidos o pelos presos seguintes:
Botica de i 2 tubos grandes...........10*000
Dita de 24 ditos........;........15*000
Dita de 36 ditos.................20*000
Dita de 48 ditos.................255000
Dita de 60 ditos...............- 30*000
Tubos avulsoscada um.........; 1*000
Frascos de tinturas. : ;............2*000
Manual de medicina homeopathica pelo Dr. Jaiir, tra-
ducido em portuguez, cem o diccionario dos termos
de medicina, cirurgia etc.. etc........20*000
Medicina domesticado Dr. Bering, com diccionario. 10*000
Repertorio do Dr. Mello Maraes........6*00
Acaba de sahir dos prelos desta typographia
urna nova edigao da eartilba ou compendio de
doutrina christaa, a mais completa dequantas se
tem impresso, por quanto abrange tudo quanto
conlinha a antiga cartilha do nbbade Salomonde
e padre mestre Ignacio, acrescentaudo-so muitas
oraces que aquellas nao tinham ; modo de a-
coropanhar um moribundo nos ltimos memen-
tos da vida, com a tabella das festas mudaveis,
e eclypses desde o corrente anuo at o de I90J,
seguida da folhinha ou kalendario para os mes-
mos annos. A bondade do papel e excellencia d
impressao, do a esta edi^ao da cartilha urna
preferencia asss importante: vende-se nica-
mente na livraria ns. 6 e 8 da pra$a da Indepen-
dencia.
J01AS.
Joaquim Monteiro de Oliveira Guimares com
loja de ourives na ra do Cabug n. 1 A, partici-
pa aos seus amigos freguezes e ao publico em
eral, que se ada sortida das mais bellas e deli-
cadas obras de ouro e prata, e querendo acabar
com o negocio, est re3olvido a vender mais ba-
rato do que em outra parte, garanlindo as ditas
obras, passando conta com recibo, declarando a
qualidade, e compra ou troca obras velhas, pa-
gando o ouro por mais do que em outra parte. J
ALLIANCE,
estabeecida em Londres
be mi.
CAPITAL
Cinco a&llioes de Utoas
stfc\\nas.
Saunders Brothers & C tem a honra de in-
formar aos senhores negociantes, proprietarios
de casas, e a quera maisconvier, queeslo ple-
namente autorisados pela dita coropanhia para
eflecluar seguros sobre edificios de lijlo e pedra,
coberlos de telha, e igualmente sobre os objectos
que contiveremos mesmos edificios, quer consis-
ta em mobilia ouem fazendas de qualquer qua-
lidade.
Y* SraWlrawt75W
ELOQIEMIA E POTICA NACIONAL
PELO ACADMICO
MANOEL DA COSTA HONORATO.
Sahio do prelo a indispensavel synopse para os
(xames de rhethorica, a qual se torna recom-
mendavel aos estudantes no somente pela cla-
reza oconcisSo do phraseado, mas tambem por
urna taboa synthelica qne tem junta, a qual, de-
pois de terse estudado o compendio, de impro-
viso traz memoria ludo quaulo ha deessenciat.
A' venda na typographia commercial, ra estreita
do Rosario n. 12, e na livraria classica, pra<;a de
Pedro II n. 2, a 2* cada exemplar.
E JLI
f^ ISA LOJA
Encyclopedica |
DE
Guimares & Villar.
[Ra do Crespo numero 17.
Vende-se fazendas de superiores qua-
lidades egostos por precos incriveis :
Chapeos de seda para sebora brances e
de cores a 15$.
Ditos ditos de ditos de cores e trancos a
20*000.
Ditos de palha ricamente enfeitados a
28* e 40*.
Riqui&simos cortes de cambraia branca
bordados a 35*.
Ditos dilos a 20*.
Las de Garibaldi em cortes com 25 c o
vados a 10*.
Cassas a Garibaldi e outros delicados
gostos a 700 rs.
Cassas miudas superior fazenda de cores :
flxes a 260 rs. o covado.
Las de todas as qualidades a 3;6O0 rs. '
Manteletes, sahidas de baile riquissimas.
; Chitaa francezas de todas as qualidades.
I Sedas de quadrinhos e gros de todas as
cores.
Cambraia branca da China com palmas de
9 varas cada peca a 6$50P.
' Saias baldes de 30 arcos 5*.
= Chales de touquim brancos e outras qua-
\ lidades de chales finos.
Cambraia bordadas a mao a peca a 24*.
, Saias bordadas e de fustao.
[ Sedas de cores e pretas de 2 saias borda-
das a velludo em cartees ultima moda
de Paris.
Espartilhosde molas.
Grande sertimento
de roupas feitas. sobrecasacas, paletols,
culletes, calcas,camisfls e seroulas.meias,
grvalas etc., etc.
Calcado Meli ultimamerte chegado de
Pars.
Nesto eslabelecimet/.o encentra-se
S grande sortimenlo de fazendas de to-
3S das as qualidades proprias para senho-
S ras, homens e meninas e seus precos
^ sao admiraveis. .Q
Fazendas pretas para a
qiiaresnia
- Xa tua do Queimado n. 30
Loja de quatro portas
DE
Joaquim Rodrigues Tavares
de Mello.
Cortes de vestidos de seda prelos bordados a
vellude muito superiores a i20#, ditos bordado,
a retroz evidrilho a 80*, ditos bordados a sedas
fazenda muito superior a 70*. manteletes de fil
de lindos gostos a 2 g. ditos de grosdenaple pre-
lo ricamente enfeitados a 20*. S5*. 30 e a 353
rada um, ricas mantas de blonde hespanholas a
20*, ditas de fil bordadas a seda a 12* e a 15*
cada urna, grosdenaple preto de superior qualida-
de de 1800 at 38200 o covado. luvas pelas eD-
feiladas e de superior fazenda 2&200 cada urna, e
oulras muitas mais fazendas proprias para a qua-
resma.
Attencao.
deseja-se
c Manoel
CASA
Ollieiiia de mar more.
Caes do Ramos n. 30.
Pela escuna sarda Annessione recenteraeote
chegada a este porte, receberam-se pedras de
marmore de Genova, proprias para aparadores,
banheiros. mesas, consolos, etc. Recebem-se
encommendas de tmulos, urnas, e todos os mais
objectos proprios para o ornamento dos monu-
mentos funerarios. Gravam-se epilaphios e toda
a sorle de inscripcoes para os mesmos monu-
montos. Presos mdicos.
- Na Iravessa da ra
das Cruzes n. 2, primeiro andar, continua-se a
tingir com toda a perfeijo para qualquer cor, e
o mais barato possivel.
Aluga-se, exclusive a loja, o sobrado n. 31
sito na ra ou pateo do Livramento,_ tem doue
andares com excellente accoramodagoes, e que
ee achara em bom estado de aceio, principalmen-
te o primeiro, que lera um famoso lerraco coro
ceberta, tem cacimba e pequeo quintal, e tam-
bem solio com cozioha espacosa e 2 quartos :
tra'.a-se do aluguel. na ra Direita, padaria nu-
mero 84.
Precisa-se de urna ama d na ra de Hortas n. 22, segundo andar.
Manoel Ignacio de Oliveira 4 Filho saccam
sobre Lisboa e Porto ; no largo do Corpo Santo,
escriptorio.
Nu dia 19, na sala das audiencias, depois
de Goda a do Sr. Dr. juiz de ausentes se ha de
arrematar a casa terrea sita na ra do Sebo n.
3, periencente & heranca jacenle de Candida Rosa
do Espirito Santo,
Novos cintos
com flvelas de a$o.
A loja d'aguia branca recebeu novos cintos pa-
ra senhorag e meninas, com ivelaa de ac po-
lido e lapidadas, e bonitas fitas de chamalote, as
quaes poderao ser substituidas por oulras de vel-
ludo cor de caf, rxo, azul, encarnado e preto,
liso ou de listras, conforme o gosto do compra-
dor, e como sempre esia vaodendo por menos do
que em outra qualquer parle a 4* o cont : na
roa do Queimado, loja d'aguia branca n. 16
Precisa-se de um homem para distribuidor
deste Diario em Olinda, preferindo-se de meia
Sdade ; na Imerla ns. 6 e 8 da praja da lndepeo.
de ocla;
Pianos.
Mudanza de domicilio.
Joo Laumonnier transferio seu estabeleci-
menlo da ra da Cdeia do Recife para a da Im-
peratriz n. 23. aonde abri um vaste deposito de
pianos dos melhores autores da Europa. Encar-
rega-se de afinar e concertar os meemos instru-
mentos.
M. J. Leite, roga a seusdeve- M
dores que se dignera mandar pa-
{jar seus dbitos na sua loja da 3
ra do Queimado n. 10, enten-
tendo-se pata esse fim com o seu
procurador o Sr. Manoel Gomes
Leal.
O bacharel A. R. de Torres Ban-
deira mudou sua residencia da ra da
larga do Rosario n. 28, para a do Im-
perador n. 37, segundo andar, onde
continu no exercicio de sua profissao
de adyogado.
Mudanza de esta-
belecimento.
Jos Moreira Lopes avisa aos seus amigos e
freguezes desta e de outras provincias, que mu-
dou o seu estabelecimento de fazendas que tinha
no sobrado amarello da ra do Queimado, para a
loja e armazem que foi dos Srs. Santos & Rolim,
onde tem o mais completo variado sormento
de fazendas de todas as qualidades para rendar
em grosso e a retalho por precos fcuito baratos:
ra do Crespo, sobrado de 4 andares n. 13, e roa
do Imperador, outr'ora roa do Collegio, sobrado
de um andar n. 80.
Luvas de pellica.
Na loja da aguia de ouro, ra do Cabug o. 1
B. receberam de sua propria encommoada pelo
ultimo vapor, as verdadeiras luvas de pellica de
Jouvin, assim como espelhbs redondos de excel-
lente vidro e de bom tamaito, que se vende pe-
lo baraiisaimo preco de 5*.
de comniissodeescravos, pa-
teo do Paraizo n. 16, sobra-
do que foi do fallecido Ni
colao.
Para a dita casa foi transferido o antigo escrip-
torio de com mise o de escravos, que se achava
estabelecido na ra larga do Rosario n. 20 ; e
ahi d.i racima maneira se contina a receber es-
cravos para serem vendidos por commiso, e
por conta de seus senhores ; nao se poupaudo es-
torbos para que es mesmos sejara vendidos cora
pro'mptidao, afim de que seus senhores nao sof-
fram empates com a venda delles. Nesle mesmo
estabelecimento ha sempre para vender escravos
de ambos os sexos, bellos e mocos
Convido os Srs. accionistas do
novo banco de Pernambueo a constitui-
rem-se em assemblea geral no da 19 do
corrente, ao meio dia, as casas do ban
co para dar-se cumprimento ao art. 23
dos estatutos, combinado com a le n,
1083 de 22 de agosto do anno prximo
(indo. Recife 12 de marco de 1861.
Visconde de Camargibe, presidente.
Jos Dias, subdito portuguez, vai a Europa.
ASSOCUrjlO POPULAR
DE
Soccorros Mutuos.
Domingo 17 haver sesso extraordinaria da
assemblea geral ; os senhores socios digoem-se
de comparecer as 10 horas da manha na sala
da mesma, afim de scienlificarem-se do resulla-
do dos trabalhoa principiados as anteriores ses-
soes. Outro sim declaro aos senhores socios quo
o novo thesoureiro j est habilitado a receber
as mensalidades daquelles que nao quizerem
continuar com o deb.o das mesmas.
Secretaria da Associacao Popular de Soccorros
Mutuos 12 de marco de 1861.
Joo Francisco Marques.
1.* secretario.
Precisa-se de um bom cozinbeiro que en-
tenda bem de sua arle, e que trabalhe bem em
massa, para o hotel da Escada : quem lhe con-
vierdirija-se a ra do Crespo, loja n. 9, para
tratar do ajuste.
Aluga-se o sitio Chacn onde mo*
rou o Sr. cnsul britannico: a tratar
com o leu propr ietario na ra do Viga-
rio n. 13 ou na ra Real" n. 15 e 17.
O $r. Carlos Augusto da C. RL-
beiro dirija-ie a' loja da fu do Crespo
n. 20, a concluir o negocio que nSo
ignora.
Dentista de Pars.
15Ra Nova15
Frederic Gaulier, cirurgiao dentista, faz
todas as operacoes da sua arte e colloca
dentes artificiaos, tudo com a superiori-
dade e perfeijo que as pessoas entendi-
das lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentifricios etc.
Aos consumidores de gaz.
A empreza da illuminaco
gaz, roga a todos os Srs. con-
sumidores o favor de nao en-
tregaremaos seus machinis-
tas ou serventes qualquer di-
nheiro quer de reparos ou
outro qualquer pretexto, sob
pena de lhes ser novamente
exigido, yodos os pagamen-
tos devem ser feitos ao Sr.
Thomaz Garrett nico cobra-
dor autorizado ou no escrip-
torio dos gerentes.
Camargo compradores da loja dos Srs. Campos & Lima,
sita na ra do Crespo d. 1. rogam aos devedorea
dest firma, que se dignem vir pagar suas conlas,
ou entenderem-se a respeito com os referidos
compradores; certos deque sero chamados a
juizo os que assim nio Ozerem.
---0 bacharel WITRLVIO pode ser
procurado na ra No Ya n. 23, primeiro
andar, do sobrado da esquina que vo Ha
para a Camboa da Carmo.
Os Srs. Jos Ramo Ferreira, Jos Francis-
co de Souza Pereira, Sebastio Autonio da Costa
Uaciele Justino Gomes da Silva Reg queiran
annunciar suas moradas que se Ibes deseja fallar.
Agencia dos fabricantes americanos
- Grouver & Baker.
Machinas de coser: em casad e Samuel P.
Johiton & C, ra da Senzalla Nova n. 53.
No dia 19. na sala das audiencias, depois
de finda a do Sr. Dr. juiz .de'ausentes se ha de
arrematar o escraro Florencia, perteneente ao
ausente Francisco /agoste da Costa Guimarics.
Manoel Ribeiro da Silva avisa a lodas as
pessoas que tem penhorea no seu estabelecimen-
to da ra Imperial n. 187, padaria, queiram ?ir
tira-Ios at o dia 25 4o corrente, quando olo per-
derlo todo o direito. Recife 15 de marjo de 1801
Na ra da Cadeia do Recife d. 54
fallar com os Srs. Joo Paula Ferreira
Rodrigues das Nevos a negocio.
Precisa-se alugar urna casa terrea em qual-
quer ra dos bairros de S. Jos e Santo Antonio,
paga-se bem : quem tiver annuncie.
Os lindos cintos para se-
nhora ou meninas
S se vendem na loja da aguia de ouro, ra do
Cabug n. 1 B, os verdadeiros cintos dos mais
medernosque se estao usando na Europa, assim
como enftiles para cabera os mais ricos que se
pode encontrar, que vista do goslo uinguem
deixar de comprar.
AVISO.
O abaixo assignado pelo prsenle faz publico,
que perdeu um val da quanlia de 2508000, assig-
nado pelo Sr. Manoel Antonio Viegas Jnior,
passado em 29 de marco do anno prximo passa-
do, e vencido em 15 d abril de 1860, cujo val foi
perdido da igreja do Corpo Santo ao convento do
Carmo do transito da procisso na ooite de 14 do
correte, ou daquelle convento sua morada na
ra da Concordia ; pede-se a qualquer pessoa
que o achar que o leve ra da Cruz n. 64, que
ser recompensado: preveniodo-sc ao mesmo Sr.
Viegas o nao pague seno ao abaixo assignado,
ou pessoa por elle autorisada. Recife 15 de
marco de 1861.
Francisco Jos dos Passos Guimraes.
Joo de Almeida Arruda, subdito portu-
guez, vai ao Rio de Janeiro.
ArrtmataQo de predios.
Ficou transferida para terca-feira, 19 do cor-
rente, depois da audiencia do Dr. juiz de orphos,
a arrematado dos predios seguintes : sobrado de
dous andares esoto na ra da Cadeia da fregue-
zia de S. Fr. Pedro Goncalves n. 10, era solo
proprio ; sobrado de tres andares com sotao na
ra da Cruz da mesma freguezia n. 24, salo pro-
prio ; dito de dous aodarea e solo na mesma
ra n. 5, com frente para o caes do trapiche, so-
lo proprio ; um dito de um andar na ra da Sen
zal Velba n. i, solo proprio; os quaes voi
praca a requerimeuto da viuva e invcntarianle do
finado Antonio Pedro das Neves.
DE
Chapeos na ra larga do
Rosario n. 32.
Finissimos chapeos de castor braDeo a 12$.
Ditos de dilo rapados a 124.
Dilos pretos com pello a 108.
Ditos ditos rapados a 9#.
Ditos de massa finos a 7$.
Ditos de dita a 65.
Dilos de feltro o mais fino neste genero a -i;-. -
Dilos de palha a 2$l)0.
Vende-se na ra Direita n. 99, queijos dos
ltimos chegados a lg600 e ljSOO, e outros mul-
los gneros por barato preco.
Organdys a 280 rs. o co-
vado.
Na ra do Queimado n. 18 A, esquina da ra
estreita do R>sario, ha para vender o mais rico
organdys de lindissimos padrdea, pelo baralissi-
mo preco de 280 rs. o covado, luvas de seda pre-
tas enfeiladas superiores, cortes de chita france-
za com 11 covados pelo bar.tissimo preco de
2$400 cada um, enfeites de vidrilhos pretos mui-
to Anos a 2g cada um, e outra3 muitas fazendas
pretas de seda para a quaresua.
Vendem-se,
Diversas casas terreas as freguezas
de Santo Antonio, S Jos e Boa-Vista;
assim como um sobrado de tres andares
em urna das principaes ras da fregue-
zia de Santo Antonio : na praca da In-
dependencia loja n. 22, se dir* com
quem se deve tratar.
Vende-se por prego commodo, ou aluga-se
um carro da alfandega : no pateo do Terco nu-
mero 27.
C ompras.
BELOGios,
ICompram-se duas casas terreas as seguin-
tes ras : do Imperador. Campo das Prncezas,
Florentina, das Cruzes, Roda, Flores, cambo* do
Carmo; dirija-se a ra do Rosario n. 10 para
tratar.
Compram-se escravos.
Compram-se, vendem-se, etrocam-seescravos
de ambos os sexos e de toda idade : na ruado
Imperador n. 79. primeiro andar .
Compram-se escravos do sexo masculino de
1S a SO annos, cabras ou negros na ra da Impe-
ratriz n. 12 loja.
Compram-se notas de 1$ e 5# velhis, com
mdico descomo : na praca da Independencia
numero 22.
Compra-se um macaquinho ama*
relinbo ou mesmo de outra qualquer
cor, d'ans dos do Maranho e Para' a
fallar na loja n. 5 prximo ao arco de
Santo Antonio.
Comprase urna escrava que seja boa cos-
tureira e engommadeira : na ra da Cadeia do
Recife b. 64. ______
Vendas.
Vendem-se pe;s de franjas de seda com
10 varas por 1*200, charutos cavalleiro* em meias
caixas de muito boa qualidade por 2*500 : na
ra do Queimado n. 47.
Vende-se em casa de Saundres Brothers & C.
praca do Corpo Santo, relogios do afamado fa-
bricaue Hoskell, por precos commodos e tam-
bem traaceilins e cadeias para os mesmos de*
excellente gosto. ,
Attenco.
Em S. Jos do Manguinho vende-se um grande
sitio com bastanlea e bons arvoredoa de fructo,
f;rande baisa para caplm, casa para grande fami-
ia, cocheira, estribara, casa para pretos, cezi-
nha com boa agua, bomba e tanque para banho:
quem o pretender, dirija-se a ra da Cruz n. 51,
ou a ra da Praia, serrara o. 59.
Vcnde-se urna pequea taberna propria
para qualquer principiante por ter poucos fun-
des ; quem pretender, dirija-se a mesma taber-
na, na CapuDga Velha n. 21.
Luvas de Joiivin.
Vendem-se as melhores e mais frescas luvas
de pellica de Jouvin que se podem desejar, por
terem sido receidas-pelo vapor francez, sendo
brancas, pretas e de cores, tanto para homem
como para senhora : na ra do Queimado o. 21,
loja da boa f.
Vende-se fumo de Garanhuns o melhor que
pode ser : na camboa do Carmo n. 10.
t


()
OliRIO DI PERIWMBUCO. SEGCJNflA FUMA 1* OE MARCO DI 1961.
As melhores machinas de co-
zer dos mais afamados au-
tores de New-York, Singer
&C, Whecler & Wilson e
Geo. B. Sloat A C.
ma-
q ue
elho-
Ettas
chinas
sao as me
res e mais
i i uraioutss
moslcam-se a
qualquer hora
e ensiua-se a
trabalhar as
casas dos com-
pradores ga-
rantindo-se a
sua boa quali-
dade e dura-
gao : no depo-
sito de ma-
>,jj chinas de
fl iymundo Carlos Leite & Irmao, ra da I mpe-
ratriz n. 12, adtigameate aterro da Boa-Vista
Para a quaresma.
Ricos cortes do vestidos de grosdeoaple preto
bordados a velludo com algumas pinUs de mofo,
qu-> mal se conhece, os quaes se tem vendido por
1609. eque se veodem por 808.
Ditos ditossem ser bordados a velludo, fazen-
da muilo boa e encorpada por 559 e 60$.
Mantas prctas de lioho bordadas a 8p.
Visitas prelas muito bem enfrailadas a 12$.
Ditas de seda de cores muito linda* a 20$.
Grosdenapte preto superior de 2*200 e 2#, e
muito largo a 25300.
Sarja preta hespanhola boa a 2$.
Velludo preto liso multo bom a 4J, 59 e 0.
Cortes de casemira preta bordada para collete
a 59090.
Ditos de velludo preto bordado para collete
a lOjJOOO.
Caigas de casomira preta fina a 10 e 12*.
Casacas esobrecasacas prelas bem fui tas a 30#.
Gorguro prelo e bordado de cor delicada, o
covado 4;.
Colletes de casomira pretos bordados a 8$.
Paletots de panno prelo a 12# e 189*
Ditos de alpaca preta a 39, 4, 5 e 65, e muito
fino a 89000.
Saias balo a 4-$.
Chales de merino bordados, grandes a 59, 69
e 79000.
Ditos do seda pretos grandes a 149.
Vestidos de seda de cor bordados de duas saias,
fazenda muilo boa com algum mofo a 40 e 6O9.
Ditos oe phantasla em carlao a 15j).
Calcas de casemira de cor a 69,8, 9 e 10*.
Sicos de tapete de diversos tamanhos para
Tiazem a 59.
Malas de sola para viagem do 129 a 189*
Chapeos pretos francezes liaos a 8$
Ditos de castor branco sem pello muito bons a
12-000. E oulras muilas fazendas, que para li-
quidar, vendem-sc barato : na loja de fazendas
da ra da Cadcia do Recite n. 50, de Cuaba e
Silva.
u
Calcas de casemira.
Vendem-se calcasde casemira preta muito bem
lettas a 1Q9, ditas de dila de cor mnito superior a
99, esto-se acabando: na ra do Queimado o.
22, loja da boa f.
A 1,0000.
Grvalas prelas desetim : na roa do Queima-
do o. 22, loja da bo* f.
i Remedios americanos
S DO DOCTOR
gRadway i Plalas reguladoras.
Estes remedios j sao aqu bem conhe-
V cidos pelas admirareis curas que tem ob-
9 tido em toda a sorte de febres, molestias
9 chronicas, molestias de senboras, de pe-
le etc., etc., confrmese v as instruc- 9
coes que se acham traduzidas em por-
5 tuguez. 9
9 ---------
f Salsa parrilha legitima e
original do autigo
SDR. JACOBTOUNSENDl
9 0 melhor parificadop do sangue
q cara radicalmente
Erisipela. Phlisicas. $
^ Rheumatismo. Catarrbo. 4*
9 Chagas. Doencasde ligado. a
jj Alporcas. Effeitosdoazougue. 3
g Impingeos. Molestias de pelle. ^ Vende-se no armazem de fazendas de a
a Raymundo Carlos l.eite & Irmao, ra do
jp lmperatrizn 12.
Attenco.
-\. |)-Hua do .Amoriui\. 40.
Vendem-se sa.-cos grandes com tres qflartas de
farinha de mandioca a 29500.
se
Na ra das Cruzes n. 38,
segundo andar,
pOi mui barato preco os movis seguin-
tes : uma cama de casal, embutida ;
ura porta-servi lor ; um cokao de mo-
las ; uma commoda : um espelho gran-
de ; ura armario com outro espelho ;
um apparador ; uma mesa para doze
pessoas; um porta-licores ; serviqo de
porcelana para jantai'; um relogio d
marmore negro, representando Miguel
Angelo ; duas bellas gravaras (Apollo e
as musas. Moliere em cata de Ninon de
lelos), en duas ricas molduras. Ten-
do seu dono clf retirarse para o campo,
por isso (Jesiaz-se destes objectos, man-
dados vii expressainente de Paris, aon-
de 'oram confeccionados com perfeirao
e apurado gosto.
Baratissimos paliteiros da
rorcelana dourada.
A loja da sgnia branca esl vendendo palitei-
ros de porcelana dourada de muilo bonitas figu-
ras e moldes polos baraiissimos precos de lj,
1?2G0 e lgOO cada um, por tao diminotis quan-
tiaa ninguem deixar de comprar uma obra de
que precisa lodos os das e se pela baratez al-
giium duvi lar da bondade e perfeicao delles
diriir-se ruado Queimado n. 16 loja d'aguia
branca, que se convencer da verdade e infalli-
velnienlc comprara.
Manteiga iugleza
em barris de vinte e tantas libras : no armazem
e Tasso Irruios.
Xarope peitoral brasi-
leiro.
Os Srs. Joan Soum r C nicos possuidores d,es-
te xarope j bem conhecido peles seus bons ef-
feitos, enntinuam a vende-lo pelo preco de 19
cada vidro, fazem uma differenca no preo aos
co'legas e a todas as pessoas que tomarcm de 12
vidrosiiara cima.
Rap princeza gasse da Bahia
Em casa de Loaes Irmos, no caes da alfande-
ga n. 7, acha-se estabelecido um deposito dessa
fabrica, onde se venda em portees ou a retalho.
Farinha
a tres nj rs. o sacco,
muilo nov, recenleroente chegada do Ass; na
ra do Ca'.deireiroln. 94.
Loja das seis portas em
frente d i Livrameiilo.
Roupa fe ta pira acabir,
Paletots de panne preto a 22j), fazenda fina,
calcas de casemira prelas e de cores, ditas de
brim e de ganga, difcs de brirn branco, paletots
de bramante a 5, dalos de fusto de cores a 4#,
ditos de eslamenha J45, ditos de brim pardo a
39. ditos de alpaca pteta saceos e sobrecasacos,
colletes de velludo pretos e de cores, ditos de
gorgurao de seda, grvalas de linho as mais mo-
dernas a 200 rs. cadJuma, coHaehihoa de linho
da ultima moda, todas estas fazendas se vende
barato para acabar; i loja est aborta das 6 ho-
ras da manhaiat as 9 da noite.
elogios
Suissos
ante-
a 12J ao ar-
lastos & Reg,
junto a Con-
iilHares,
r-se ricos manteletes de
*ta4e gusio pelo dimi-
2, porem. se vendem por
Ur grande quiatidede e
letes a 10^
mazem de
na ra Wo
ceico dos
Pareco incrlvol vend
grosdeoaple prelo de a
nulo prego de 10 e a
este diminulo pre^o po
s com o Um de apurarldioheiro. assim coma cor-
Em casadeSchafleitlIn C, ra da Cruz n.
38, vende-se um grande e variado'aortimento
derelogios de algibeira horisontaes, patentes,
chronometros, meiosch Tonmetros de ouro|pra-
ta dourada e foleados a ouro, sendo estes relo-
gtosdos primeirosfabricantes da Suissa, qua se
vandero cor precosrazoaveis
9*9*999 *9iZ9&m99999
Em casa de Mills Lalham & C. na ra
9 dfl Cadela do Recite n.52, vende-se ; S
Viuho do Porto. @
@ Dito Xerez engarrafado da muito supe-
9 lOl qualidade. ,n
Oleo de linhaca. a
fAlvaiade.
Secante. @
@ Azarcao. ^
J Eucarnado venerianoem p. c*
Vende-se a taberna em Olinda no Varadou-
ro n. 17, muito alreguezada e com poucos fun-
dos, propria para priocipianle : quera a preten-
der, dirija-se a ra das Cruzes n. 42
4 dinheiro. i
gFazenda" boas e baratas.l
GIRGEL i PERD1G.10.
\inda vendem grosdenaples prelo mui-
to largo e encorpado a 2$, to bar
que lodos que lom visto nao deixaram
comprar
Vestaos bordados a velludo, barra
aquille, ditos de seda de duas saias.
Mantas prelas mo lernas com 4 palmos
de largura por 8 val I4g.
Mineteles, taimas, visitas de fil, de
gorguro liso e bordados e mais modernos.
Chales de cachemira pona redonda e
bolota, dilos de touquim braocos supe-
riores.
Sedas de quadrinhos, grosdenaples de
tidasas cores e moreantique.
Penlesde tartaruga modernos e dos
mais acreditados fabricantes de lOft a 30jf.
Saias balo lisa e com babados e de
arcos para seohora e meninas.
Vestidos de cambraia brancos borda-
dos, de barege e g*ze de sedas.
Vestidos oe seda de cores, ditos de
blondo com manta, capella etc.
Camisas de
para meninos
inho para senhora, ditas
de tolas as idades.
Cassas, orgaudys, diamantina, cliila
clara e escuras, francezas e inglezas
Franjas pretas manguitos, gollas de
traspasso, flores solas, filas para sirito.
H ROUPA FEITA.
jjj Vende-se neste estabelecimento um
J|j completo sortimenlo de fazendas e roupa
ffeila por preco lo barato que parece
incrivel : na ra da Cadeia loja n. 23
m confronte ao becco largo de Gargel
jjS Perdigo, dao-se amostras.
nmv&mm sueste mmmmm
Pechincha.
Vendem-se baloes de 30 arcos, pelo diminuto
prejo de 4^ : na ra da Cadeia n. 24.
Relogios*
Venje-se em casa de Johnston Paler &.,
ra do Vigario n. 3 um bello sortimenlo de
relogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
uma variedade de bonitos traacelins para os
mesmos.
i Attenco.
|E' barato que admira*
I Uma 6$000.
Manas prelas de Ci de seda, blondo
e dentlle : na ra do Crespo n. 8.
Manteletes de grosdenaple]
e fllfte de dentelle, pretos.
^^^ ^>^ varm wmw CToV vaJm tffTtSW 9W "XW 9mm *
Casacas, calcas, colletes
pretos muilo Goas 0 baratas.
fumnctiiwim^
Sarja e setimmaco preto
grosdeoaple e nobreza lavrada, pretas
mais barato do que em outra qualquer
parte para liquidar: na ra do Crespo d,
8, loja do socessor de Antooio Francisco
Pereire.
tes de crleles de case
ira preta pelo diminulo
preso do lg5XK) ao corU vestimentas para
nios de 5 a 8 anuos pcr 3)500 cada urna e outras
muilas fazenda* e roupi* fritas.
Cera de car-
naba,
nm CAPORAL
De\>%sito das m^niifactaras impeTaes de ran^a.
Este etcelente fume cha-se depositado, diretamente na ra Nova n. 23, ESQUINA DA
CAMBOA DOCARMO, o qual se fende por mseos de 2 kectogramos 1|000 e em porfa dt
10 mseos paro cima com ceseonto de 25 por cento ; no mesmo estabelecimenio acha-se Umbem
o verdadeiro papel de linho para cigarros.
CENTRO COMMERCIAL
15 RuadaCadeiadoRecife 15
ARMAZEM DE TABACO, CHARUTOS E CIGARROS
DE
Jos Leopoldo Bourgard
LnarutOS SUSDirOS da Bahia e griBde deposito de superiores charutos do Rio de Ja-
neiro por cunt da grande fabrica dos Srs Domingos Alve Machado & C, veodendo-se em
porgad e a retalho, alm disto tem sempre grande sortimenlo de charutos manilha. havana.
suissos e bamburgo.
LharutOS SUiSSOS a 305 0 milheiro, fazenda supericr eque aerenda a 45.
LlgarrOS de papel e paihade milho, de papel grosso. de linho. de seda, arroi, pardo e
nespanboes sendo de superior tabaco do Rio, vende-se em milhoiros muito barato.
Bocaes para charutos com agarra8 da metal al# cada unj> dil09 pira cig,rros,
A 32U rs.
11 mEfl!1 CIfiarr?J proprios para os fumantes de cigarros e cigarreiros que f.bri-
cam os cigarros de papel de linho e seda.
d mde08^0 fraDCM. verdadeiro em macos de diversos tamanhos, garante-se a qua-
i abaCO turCO a 53 alibrae meia libra por 33. para cigarros e cachimbos.
cSmbSef"rehaKr,lebfke --ios de diversos tamanhos. para cigarros e ca-
chimbos, fazendo-se abatimento em por^ao.
8 ?2?i,aD?erJaf!) ^J81" a 2i' em chsPa a a Ubra e em maciohos embrulhados
t em chumbo a 160.210 e 320 e a groza de 17 a 22#, para cigarros e cachimbos.
CigarrOS de manilha de papel branco e pardo a IS* o milheiro.
Machinas e papel para cigarros de raanilha.
pe rOlaO ffancez em magos de ums libra e dilos de meia libra fazenda superior.
Vasos de louca eb3rro para tabaco t rap.
PhOSphorOS e SCaS de diversas qualdades para charutos.
LUDOS esta casa tem sempre sottiraonto espantoso de cachimbos de gesso, louca, ma-
aeirs, barro e os verdadeiros e sempre apreclaveis cachimbos de espuma.
Tabacodo Rio de Janeiro picad0paracachimbosecigarrosa800r3 Venaem-Se lOaaS es fazendas maisbaratodoque em outra qualquer parte.
J anie-Se iodos os objectos vendidos tornando-se a receber (incluindo os charutos) OUan-
do nao agradera ao comprador. n
v^f 1,ll"Se encommendas> encaixolam-se e remeitem-se aos seus deslinos cera bre-
do que Ccaexposlo tom um variado sortimanto de objectos proptios para os senhores fu-
mantes.
Recebem-se lodos os artigos directamente, motivo pelo qual se pode vender muito mais
barato do que em outra qualquer parte.
Vender muito para venler barato
Vender barato para vender muito.
No largo di Assembla o. 15, armazem de n-
tie'Gelmare 4 C, ha continuamente dete
genero para vender.
Rival sem segundo.
Na ra do Queimado n. 55, loja de miudezas,
est queimando os seguintes artigos abaixo de-
clarados, todas as miudezas esto perfeitas, e o
prego convida :
Caitas do clcheles a 40 rs.
Carldes de ditos a 20 rs.
Groza de ponnas de ac muito finas a 500 rs.
Charutos muito fios," caixa com 0028500.
Groza de botos de louca a 120 rsl a finda OOu
Carretol de qnraaoOO jnhsomso ulesmmrsl rd
BDita itd cloa a 32o
lian lia em lata com 1|2 libra a 500 rs.
Frasco de oleo de babosa a 400 rs.
Cixas com obroias muito novas a 40 rs.
Ditas com phi sphoros especiaes o melhor que
ha a 160 rs.
Pares de meias cruas pera hornera a 160 rs.
Ditos de dilas muilo tinas a 200 rs.
Pocas de franja de 13a muito bonitas cores a
800 rs.
Duzia desabneles muito finos a 600rs.
Iscas para acender charutos a 60 rs.
I'hosphoros em caixa de tulla a 100 rs.
Cartas de alfineles finos a 100 rs.
Calxas de agulhas francezas a 120 rs.
Pares desapatos de irania de algodao a 1$.
Ditos de 15a para meninos a 200 rs.
Frascos de macass perola a 200 rs.
Ditos de oleo a 120 rs.
Duzia de facas e garlos de cabo preto a 3J.
Pares de luvas de o de Escocia a 320.
Massos de grampas finos a 40 rs.
Caivetes de aparar penna a 80 rs.
Tesouras para unhas e costura muito finas a
500 rs.
Pegas de tranga de la com 10 varas a 320.
Escovas para denles muilo finas a 200 rs,
Cordo imperial fino a 40 rs.
Dito grosso a 80 rs.
Cordoes para espartilho a 80 rs
Caixas para rap muito finas a 1$.
Pires de meias de cores prra meninas a 160 rs.
Linha de marcar (novello) 20 rs.
Grozi de marcas para cobrir a 60 rs.
Tijolos de lo usa.
No armazem de materiacs de Manoel Firmlno
Ferreira, silo na ra da Concordia, vendem-se
tijolos de lousa muilo bem feitos, e proprios para
tadrilbos de terrago, corredores, tojas, etc., e por
precos commodos.
Asverdadeiras lu-
vas deJouvin.
A loja d'aguia branca recebeu pelo vapor fran
cez uma nova remessa das verdadeiras luvas de
Jouvin, cuja superioridade j bem conhecida
porquantos as tem comprado, e ser mais por
aquellos que se dirigirem roa do Queimado,
loja d'aguia branca o. 16, asseverando que sao as
melhores e mais novas no mercado. Tem sorti-
menlo de todas as cores lauto para homem como
pira senhora.-
93999999 999 199999
** Machinas de vapor.
Rodas d'agua. q
Moendas de canna. a
Taixas. g
Rodas dentadas. m
Bronzes e aguilhoea. m
Alambiques de ferro.
Crivos, padroes etc., etc: ^
Na fuadico de ferro de D W. Bowmanfc
a de Brum passando o chafariz. Q
~$&9999 99 9CC
Vende-se um terreno com 80, 40 ou 50 pe-
mos de frente, conforme melhor convier ao cora-
rador, tado aterrado, situado na ra do Brum,
unto afuudico ingteza, com mais de 300 pal-
moa de fondo, e prampto para se edificaren re-
finagSes, padarias, ou outros quaesqaer estabele-
cimenlos por ter excellente porto para embarque
e desembarque de jreneros: na ra da Madre do
Dos, armazean n. 20.
Queijo suisso
vindopelo vapor frsrbceza 600 rj. a li-
bra : vende-se na ra.da Cruz n. 17.
Vendem-se por preeo com modo caitas cora
vidros para vid raga e chambo em barra : a tra-
tar n ra do Queimado n. 41.
Estampas finas e interes-
santes.
A loja d'Aguia-Branca recebeu mui finas, e gran-
des estampas, do fumo e coloridas, representan-
do urnas a morte do justo rodeado de aojos, etc.,
e oulras a morle do peccador cercado de demo-
nios, etc. Sao na verdade interessantes essas
estampas para quem as sabe apreciar, pelo que
se tornara dous quadros dignos de se possuir, e
mesmo pela raridade delles aqni. Vendem-se
a 2$)00 cada estampa, na ra do Queimado n.
16, loja d'Aguia-Branca.
Barato que admira.
Vend-se no armszem de Moreira & Ferreira,
ra da Madre de Dos o. 4 :
Farinha de mandioca de superior qualidade a
39200.
Sarcos com milho de 22 cuias muito novo a
35400.
Farelo, saceos grandes, a 4JJ500.
Gamma muito nova c do muito boa qualidade
a 3.3500.
Cera de carnauba, arroba j 9#.
:^-:r. ,~i _
ru
RINDE SORTIHENTO
DE
Roupa feita,
Na luja e armazem de Joa-
quim Rodrigues Tara-
res de Mello.
Ra do Queimado u.39
Loja de quatro portas
Sobrecasacas de panno fino obra muilo bem fei-
ta, de 359 a 40f cada uma.
Paletots de panno fino preto, de 23$ a 303.
Colletes de velludo preto bordado, a 12$ cada
um.
Ditos dn gorgurao preto a 7 idem.
Dilos de seai maco a 6jJ idem.
Dilos de casemira preta a 59 idem.
Caigas de casemira preta lina de 12 a 14$.
Paletots de eslamenha a 5j>.
Ditos de alpaca preta, saceos de 49 a 55.
Dilos de dila sobrecasacos de 89 a 9>.
Ditos de bambolina preta superior fazenda a 18).
Ditos de meia caaemlra a 10*.
Ditos de casemira muito fina a 145.
Um completo sortimenlo de paletots de fusto e
brim, e caigas e colotes, que ludo se rende por
prego em coala.
Grosdenaples baratis-
simos
Vendem-se grosdenaples preto spelo baratissi-
mo prego de 1S600 e 29 o covado: na ra do
Queimado n. 22, loja da boa f.
Ana do Crespo n, 8, loja
de 4 portas.
Pechincha que admira.
Chitas francezas cores fixas e lindos tiajtaho:
a 240 rs. o covado dio-se amostras coafenbor.
Superiores fitas de velludo
e de seda.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n. 1 B,
acabam de receber de sua propria encommeoda
pelo vapor francez, fitas de velludo de todas as
larguras pretas e de cores, sendo lisas, aberlas e
lavradas, de lindos padroes, que se vende por
prego muilo em conta, assim como fitas de cha-
malote de todas as corea proprias para cintos,
cintos com fivela preta proprios para luto, lavas
de torgal com vidrilbo muito novas a 1*200 o
par, ditas sem vidrilho a 800 rs., ditas do aeda
enfeitadas com bico e vidrilho a 2$ ; islo s se
vende na aguia de ouro.
Vende -se em casa de I. Mendlbot
re & C. ra do Trapiche, seis quartola
com excellente vinho de Bordeaux che-
gado a poucos dias pelo vapor francez
Navarre.
Vidril ho de todas as cores
Na loja d'aguia de onro, ra do Cabug n. 1 B,
vende-se vidrilho preto. azul e branco assetina-
do que se vende por baratissimo prego de 2*500
a libra, s na aguia de ouro.
Terrenos na ra do Brum
Vendem-se 30, 40 ou 50 palmos de terreno
cora 300 de fundo, tudo bem aterrado e proprio
para se edificarem estabelecimentos de padarias,
refinaces, ou outros qoaesqner por ter excellente
porto para embarque e desembarque de gneros;
a tratar ha ra da Madre de Dos n. 6.
Vende-se o engenho S. Jos, de Bom Ja-
dim, silo na freguezia de N. S. da Luz, moenle e
correte, distante da praga 4 legoas, quasi prom-
eto para moer com agua, com boas matas, ex-
peliente cercado, boas obras, e uma boa safra j
criada : os pretendenles hajam de dirigir-se ao
mesmo engenho, ou no engenho Penedo de bai-
xo, que se far todo o negocio vista do com-
predor.
mmm Susana ss sus^^^a
I Potassa.
Vende-se a 2i0 rs. a libra, a
superior e alva potassa doacredi-
I tado fabricante Joao Casa-nova ,
cuja qualidade ereconhecido ef-
feito igual ou superior a de
Hamburgo, geralmente conheci- m
da como da Bussia : no deposito, rj
ruada Cadeia n. 47, escriptorio I
de Leal Keis. II
Farelo e milho
*?
Saceos muito grandes e de muiio
de ; no largo da Assombla n. 15,
Antunes Guimares & C.
boa qualids-
armazem de
Baratissimos jarros de por-
cellana.
Vende-se mui bonitos jarros de porcellana dou-
rada, e de tamanhos nao pequeos, proprios pa-
ra eofeites de mesas, ornato de gabinete, etc.,
pelos baratissimos precos de 3* e 4$000 o par :
na ra do Queimado loja d'Aguia Branca n. 16.
Attenco.
Na ra do Trapiche n. 46, em casa de Rostron
Rooker & C existe um bom sortimenlo de li-
nhas de cores e brancas em
Luvas de torgal para se-
nhora e meninas
Vendem-selavas de torgal com vidriiho para
senhora a 1*880, ditas sem ter vidrilhos vara
menina a 1? o par^lt.s de seda preta enfeita-
dasaaf.eligaaalfJOO: narua do Queimado
oja de miudexaa n. 33 da boa rama.
Fil preto.
Vende-se Al de linho prelo liso pelo barata-
simo preco de 800 rs. a vara : oa ra do Qnei-
mado o. 22, loja da boa f.
Farelo.
Ra da Imperatriz, outr'ora aterro da Boa-Vis-
ta,na loja de fazeodas de 4 portas n.56, vendem-
se saceos 6e fare'o barato para acabar, saceos
grandes.
Na ra do 4rago n. 15,
vendem-se continuamente os melhores e mais
bem sortidos bicos e rendas, rendas e bicos da
ierra, que" vista do prego e qualidade ninguem
deixar de comprar: na roa do Arago n. 15.
Novas cartas de
ABC.
Vendem-se cartas de ABC, augmentadas por
Mara Bartholeza da Conceigo, conlendo quasi o
triplo dos dephlhongos que conlmasactuaes em
uso ; os meninos com muia facilidade a com-
prehendem e ihes facilita a leitura. Alero do
augmento indicado, contera muitos nomesde ob-
lectos de que os mesmos esto ao par, e tambem
nomes proprios ; a qual concebida da maneira
seguiote:
1.ade ama syllaba ou ba etc.
2."duas syllabas e nomes etc.
3 *tres syllabas e nomes etc.
4.*quatro syllabas ou Polissyllabos etc. Esta
carta poupa aos pais de familia grande parte do
importe que gastavara, porque os meninos nao
aprendan? todos os dephlhongos, por isso se em-
baracavam com qualquer leitura por mais fcil
que toase. O melhoramento para a leitura que
esta caria ha de produzr infalivel, segundo a
experiencia. Assim que elles a comprehende-
rem, com mnita felicidade comprehenderio qual-
quer leitura. Prego 320 cada orna. Quem dei-
xtc de gastar esta diminuta quantiapara poupar
outras malores, ees vezes com lao pouco aug-
mento? Defronte da matriz da Boa Vista n. 84.
Ba do Crespo,
loja n. 25, de Jeaquim Ferreira de S, vende-se
por precos baratissimos, para acabar : pecas de
cambraia lisa fina a 3, organdys muito finas e
modernas a 500 rs. o covado, cassas abertas de
bonitas cores a 240 rs., chitas largas a 200 e 240
cortes de cass.' de cores a 2. ntremelos borda-
dos a 1^500 a pega, babados bordados a 320 a
vira, sedinhas de quadros finas a 800 rs., casa-
veques de cambraia e ril a 5*. penteadores de
cambraia bordados a 5, gollinbas bordadas a
640, ditas com ponas a 250O, manguitos borda-
dos de cambraia e fil a 2, damasco de laa com
9 palmos de largara a 1600. bramante de linho
cora 5 palmos de largura a 900 rs. a Tara, lovas
para senhora a 100 rs. o par, capas de fusto en-
lejiadas a 59, pegas de madapolo fino a 4>J, la-
znha de quadros para vestidos a 320, carmsusde
cambraia bordados a 2*. sobiecasacas de panno
?c a.20S e25S. palelots de panno e casemira de
Ib a 20$, ditos de alpaca de 3j>500 a 8, ditos de
brim de crese brancos de 35500 a 55, caigas de
casemira pretas e de cores para todos ps pregos,
ditos de brim de cores e brancos de 2> a 5, ca-
misas brancas e decores para todos os pregos,
colletes de casemira de cores finos a 5 ; assim
como outras muitas fazendas por menos do seu
valor para fechar contas.
Cassas
padroes de organdys
A 240 rs. o covado: na bem conhecida loja di
ra do Queimado n. 46, de Goes & Bastos.
Eofeites de cakea
muito barato para chegar
a tudos
Na loja d'aguia de ouro, na do Cabug n. 1,
vende-se enfeites pretos de vidrilho pelo baratis-
simo prego de 2, ditos de velludo de escama a
49, ditos de (ranga a 39, assim como luvas pretas
de torgal com vidrilho, ditas de seda pretas e de
corffs, assim como pulseiras de continhas, dilas
de missanga de cores, e gollinbas muito lindas
de vidrilho : tudo se vende por baratissimo pre-
co para acabar
nhas de cores e brancas em caneteis do melhor { w\ i
fabricante de Inglaterra, as quaes se vendem por { f-' P*I1 l C11 Hl I*l 54
precos mui razuaveia. I ^>*-'***-*^jj..* ^\.\i IA Cl
Chega para todos.
Cassas francezas muito bonitas e de cores fixa;
a doze vintens o covado, mais barato do qn
chita, approveitem em quanto nao se acabam
na ra do Queimado n. 22, na bem conhecida lo-
ja da Boa F.
caberlos e descaWrtasr pequeos e grudes, da
ouro patate inftatx, par hooMtn e taahora de
um dos malhorea fabricantes de Liveipeol, Tin-
dos pelo ultimo piquete inglu : em casa de
Sonihall Mellor de C.
LabVriuthos.
Na ra da Cadeia do Recie n. 28 primeiro an-
dar, vendem-se lengos e loalhas de labytinlhos.
A loja da ba-f
na ra do Queimado n. 2^
est muito sortida,
e vende muito barato :
Brim branco de puro linho trancado a t$000 e
I5O rs. a vara ; dito pardo muito superior a
1S20 a vara; gangas francezas muito finas de
padroes escuros a 500 rs.; riscadinhos de linho
proprios para obras de meninos a 200 rs, o co-
vado : cortes de caiga de meia casimira a 1$600 ;
dilos de brim de linho de cores a 29 rs.; breta-
nha de lioho muito fina a 209, 229 e a 249 's. a
pega com 30 jardas; atoalhado d'algodo muito
superior a 19400 rs. a vara; bramante de linho
com 2 varas de largura a 29400 a vara ; lencos
de cambraia brancos para algibeira a 29400 a
duzia; ditos maiores a 3$; ditos de cambraia
de linho a 69, 79 e 8$ rs. a duzia ; ditos borda-
dos muilo finos a 89 rs. cada um ; dilos de cam-
braia de algodo com bico largo de linho em
volta a 19280; ditos com renda, bico e labyrio-
lo a 2j000; e alm disto, outros muitas fazen-
das que se vendem muito barato a dinheiro a
vista : na ra do Queimado n.22, loja da Boa .
Chegueru ao barato
O Pregaica est queimando, em sua loja na
ra do Queimado n. 3.
Pegas de bretanha de rolo com 10 varas a
28, casimira escura infestada propria para cal-
a, collete e palitots a 960rs. o covado. cam-
braia organdy de muilo bom gosto a 480, rs.
arara, dita liza transparente muito fina a 39,
4f 59, e 69 a peca, dita tapada, com 10 varas
a 59 e 69 a pega, chitas largas de modernos e
escolhidos padrees a 240, 260a 280 rs. o cova-
do, rirfuissimos chales de marin estanpado a
T| e 89, ditos bordados com duas palmas, fa-
zenda muito delicada a 99 eada nm, ditos com
urna s palma, mnito finos a 89500, ditoslisos
quaresma.
Manteletes de gnsdenaple e da fil de aeda
pretos e de cores, pelo baratissimo preco de 59
89, iOg e 129 : na ra do Queimado n.*44.
Vendem-se noventa apolices da
compariLia do Beberibe : na ra Nova
n. 14, primeiro andar.
Vende-so na cidade do Aracaly uma casa
terrea com solio, bom quintal e cacimba, na prin-
cipal ra de commercio, propria para quem qui-
zer ali estabelecer-se, por ter nao s commodos
precisos para residencia, como tambem loja, arma-
zem, etc.: a tratar na mesma cidade com os Srs.
Gurgel rmeos, que estao autorisados para esse
Om, ou nesta praga na ra do Cabug, leja n. 11.
Superiores manteletes.
Vendem-se superiores manteletes pretos rica-
mente bordados, pelo baratissimo prego de 359 :
na ra do Queimado n. 22, loja da boa f.
Ruada SenzaJa Nova n.42
Vende-se em casada S. P. Jonhsion & C,
sellinse silhes nglezes, candeeiros e castigaes
bronzeados, lonas nglezes, fio de vela, chicote
para carros, emoniaria, arreios para carro da
um a dous cvalos relogios de ouro patenta
inglez.
Caes do leamos armazem
n 2.4.
Vendem-se taboas de amarello, Iouro e pinho
por pregos razoaveis.
Loja das 0 portas
EM
Em frente do Livramente
Lavas de terca! a 800 rs, par.
Chitas escuras francesas, tintas seguras, a 220
rs. o covado, ditos estreilos com muito bom pan-
no a 166 rs. o covado, cessas de cores segaras
200 rs. o covado, pegas de bretanha de rolo a 2f,
brlmzinho de quadrinhos a 160 o covado, mttsse-
lina encarnada fina a 320 o covado, algodao de
duas larguras a 640 a vara, neos de csea pin-
tados a 120 rs. cada um, seda preta de ritnagom
a 800 rs. o covsdo, fil de linho preto com sal-
barra a 1O0, 120 o 160 eada um, metas mano! manhaa s 9 da aote.
finas para senhora a 49 a duzia, ditas de boa
qualidade a 39 e 39600 a duzia, chitas fran-
cezas de ricos desenhos, para caberla a 230 rs.
o covada, chitas escuras inglesas a 59000 a
paca, a a 160 rs. o covado, brim branco de puro
linbo a 19, 19200 e 19600 a vara, dito grato
muilo eactrpido a 1950O avara, brillantina
azul a 460 rs. o ovado, alpacas de difieren tes
eres a 960 rs. o- nevada,. easemiras pretas
finas a 29500, 39 e 39560 e covado, cambraia
preta e de salpieoa a 500 rs. a vara, e nutras
Cabriola.
Vende-se por muito barato preco a prazo ou k
vista um excellente eabriolet americano com *
rodas, em oprimo estado : a tratar na. r larga,
do Rosario a. 14, loja de ourives.
Casa terrea.
Vende-se nma casa terrea (alta a moderna.com
4 qusrlos.gabinete,quintal,cacimba acoitnha fra,
em cbos proprios, com 30 palmos de (renta, e
I nm terreno junto a nresma com 30 palmos de
, .* ii. um terreno lunto a nresma coa su camos oe
aunas fazeadas que sa ara palete a compra-1 frente 125 de fundoTatralar na na do Nonti-
dor, de todas sa darle amostras con penhor. I ra n. 21. *


DUftlO DE IBMUMIDCG. SEGWiDA FiOA 181* M*ECO DI 1801.
{7

RlAZM
DE
ROUPA FSITA
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
!40RlADO0llMADOa
Defronte do becco da Congregago letreiro verde.
Nesle cstabelecimento ha sempreum sortimnto completo de roupa feita de todas as
qualidides, e tambem se maida executar por medida, a vontade dos freguezes, para o
que tem um dos melhores professores.
Casacas de panno preto, 409, 359 e 30000
Sobrecasaca de dito, 35 e 30I&00
Palilots de dito e de cores, 35$, 30,
25g000 e 20000
Dito de casimira de cores, 22#000,
15$, 12 e 99000
Ditos de alpaka preta colla de vel-
lo Jo, ngooo
Ditos de merin-silim pretos e de
cores, 9S000 8-5000
Ditos de alpak* de cores. 59 e 39500
Ditos de dita preta, 99, 79. 59 e 39500
Ditos de brim de cores, 59, 49500,
4fl000e 39500
Ditos de bramante de lioho branco,
6S000, 59000 e 4gOOO
Ditos de merino de cordao preto,
159000 e 89OOO
Calsas de casimira preta e de cores,
129.109. 99 e 6$000
Ditas de princeza e merino de cor-
dao pretos, 59 e 49500
Ditas de brim branco e de cores,
5$000, 45500 e 29500
Ditas de ganga de cores 3000
Golletes de velludo preto e de co-
res, lisos e bordados, 129, 9g e 89OOO
Ditas de casemira preta e de cores,
lisos e bordados, 69, 59500, 59 e 39500
Ditos de setim preto
Ditos de seda e setim branco, 69 e
Ditos de gurguro de seda pretos e
de cores, 7R000, 69OOO e
Ditos de brim e fustao branco,
39500 e
Seroulis de brim de linho
Ditas de algodao, 1$600 e
Camisas de peito de fustao branco
e decores. 29500 e
Ditas de peito de linho 6 e
Ditas de madapolo branco e de
cores, 39, 29500, 29 e
Camisas de meias
Chapeos pretos de massa, fra&ceze*,
formas da ultima moda 105,8$500 e
Ditos de feltro, 69. 5g, 49 e
Ditos de sol de seda, inglezes e
francezes, 149, 12$, 11$ e
Collarinhos de linho muito Anos,
novos feitios, da ultima moda
Ditos de algodao
Relogos de oaro, patentes hori-
sontaes, 100;}, 909, 809 e
Ditos de prata galvanisados, pa-
tente hosoolaes, 40$
Obras de ouro, aderecos e meios
aderecos, pulseiras, rozetas e
anncis
Toalhas de linho, duzia I29OOO e
59000
59OOO
59000
39000
29200
1$280
29300
3000
19800
15000
78000'
29000
790OO
9800
{500
70*000
309000
oaooo
EAU MINERALE
NATRALLEDE VICHY.
Deposito na boticafranceza ra da Cruz n.22
Algodao monstro.
Vende-s.e algodao monstro com duaslargaras,
muito proprio para toalhas e lenges por dispen-
sar toda e qualquer costara, pelo baratissimo
preso de 600 ra. a Tara ; na ra do Queimado d.
12, na loja da boa (.
VG^NCIV
VA
0 BASTOS
Calcado barato na ra larga do Rosario n. 32.
O dono deste estabelecimento tendo em vista acabar
com todo o calcado at o fim de marco, expe ao publico pelo
prego abaixo:
Para homens, senhoras e meninos.
Borzeguins de bezerro de Meli a 10SO0O
Ditos de Nantes sola patente 99OOO
Ditos de dito sola flna 8$000
Ditos dito de dito 7$000
Ditos francezes de lustre de 69, 79 e 89OOO
Dilos todos de duraque 69500
Ditos de conro de porco a 5$000
Sapatos de lustre a 3$ at 5000
Ditos de bezerro a 39500 at 55000
Ditos de dito de 2 solas 49000
Ditos de 1 sola cora salto 3000
_______Ditos del sola sem salto___________29500
Borzeguins de setim branco 69OOO
Ditos de duraque dito 59500
Ditos pretos 59000
Ditos de cores 43OOO
Dilos de cores panno de duraque 49000
Ditos dito de dito 39000
Ditos de cores para menina 39000
Ditos de dito todos de duraque 3g000
Ditos de dito dito 29500
Sapatos de tranca para meninos de le a 19200
Ditos de lustre para senhora 19280
Ditos de tranca francezes para homem 1 000
2
o
ao
l
H

o
B
n
T
o
es
te
so
* so
i" e-
2 S
2 e*
SO
09 9
eo
o.
o
a
o
<
c
tr
a
O
o
B
o
o
E
O
t
B
* I
* g.
Z &
9 (9
o QB
s 2
o
B
a 5.
O O!
ja
c

so
5 -I
%
so
P-
so
9
*t
-<
SO,
9
'2.
So *
so
9
o.
o
o
>

0
W
c
o
c er
*
o ?
= o
l GB
0
"8
P
I se
2
so
B
9
0
e+
&
9
so
p-
o
5-5
9 sr

0
P
%
l
%
to

ce
B :
p o.
O r
g-8 ? o
ca ca 2.
- 1 c 5
CA CB --
O IB O,
O D -I
o a
lis I
c'5 o
o? = 5
*ail
o? S
o--o
o o
K-CS =
B> fB O
5
B
O
O
o
C
5
o.
m
B
O
o
St
3
o
re
B
o*
en
c
B
P s s 2.
tn E.
Is
te e
? =s
?s=
= ce
--8 2
---
B O S re
C o
|3g-
B N -
o o
-1
c n
!S
-, O g
o -_
&
S'g
B-go
3*3
SgB
=
2. H B
que oun'ora tinha loja na ra do Quei-
mado a. 46, que gyrava sob a firma de
Ges & Bastos participa aos seus nume-
rosos freguezes que dusolveu a sociedade
que tinha com o mesmo Ges tendo sido
substituida por um seu mano do mesmo
nome, por isso ficou gyrando a mesma
firma de Ges & Bastos, assim comoapro-
Teita a occasiao para annunciar abertura
do seu grande armazcm na ra Nova jun-
to a Concei<;ao dos Militares n. 47, que
passa i gyrar 10b a firma
DE
Bastos ( Reg
com um grande e numeroso sortimnto de
roupas eitas e fazendas de apurado gos-
to, por presos muito modificados como
de seu costme, assim como sejam : ri-
cos sobrecasacosde superior panno fino
preto e de cor a 25$, 28$ e 309, casacas
do mesmo panno a 309 e a 359, palelots
sobrecasacados do mesmo panno a I89,
209 e a 22$, dilos saceos de panno preto a
129 e a 14$, ditos de casemira de cor
muito fina modelo inglez a 9$, 109, 129
el49, ditos de estamenha fazenda de
apurado gosto a 59 e 6$, ditos de alpaca
preta e de cor a 49. sobrecasacos de me-
rino de cordao a 89, dilos muito superior
a 129, ditos saceos a 59, ditos de esguiao
* pardo fino a 49,49500 e 5$, ditos de fus-
tao de cor a 39, 39500 e 49, ditos bran-
cos a 49500 e 59500, ditos de brim pardo
fine sacco a 2$800, caigas de brim de cor
finas a 39. 39500,49e 4$50O. ditas de di-
to branco finas a 5$ e 69500, ditas de
princeza proprias para luto a 4$, ditas de
merino de cordao preto fino a 59 e 69,
ditas de casemira de cor e preta a 89, 99
e 109, colletes de casemira de cor e pre-
ta a4$500e59, ditos do seda branca para
casamento a 59, dilos de brim branco a
39 e 49, ditos de cor a 39,colletes de me-
rino para luto a 4$ e 49500, ricos rob-
chambres de chita para homem a 109,pa-
lelots de panno fino para menino a 12$ e
149,casacas do mesmo panno a 15$,caigas
~ de brim e de casemira para meninos, pa-
s lelotsde alpaca ede brim para osmesmos,
- sapatos de tranca para homem e senho-
ra a 19 e 19500, ceroulas de bramante a f
189e 209 a duzia, camisas francezas li- A,
as de cor e brancas de novos modelos a
178.189, 209,24$. 289 e 309 a duzia, S
ditas de peitos ae linho a 309a duzia, di- f|
tas para menino a 1)800 cada urna, ricas Q
grvalas brancas para casamento a I98OO Jf
e 29 cada urna, ricos uniformes de case- SS
mira decorde muito apurado gosto tanto S
no modello como na qualidade pelo di- |
minuto prego de 35$, e s com avista se
pode reconhecer que barato, ricas capas &
de casemira para senhora a lj e 269, *
e muitas outras fazendas de excellente 8
gosto que se deizam de mencionar quo 9
ior ser grande quantidade se torna en- *
idonho, assim como se recebe toda e S
qualquer encommenda de roupas feitas, M
, para o que ha um grande numero de fa- S
zendasescolhidas e urna grande ofliciDa ff
tn dealfaiateque pela suapromplidaoeper- ff>
g feigo nada deixa a desejar. If
Cassas de cores.
Ainda se vendem cassas de cores fixas, padres
muito bonitos, pelo baratissimo precoiJe 240 rs
o Corado, e roais barato que chita: na ra do
Queimado n. 22, na bem conhecida loja da
Boa f.
E' baratissimo!
Ra do Crespo n. 8, loja de 4 portas.
Cassas de cores fixas miudinhas a 240 rs. o co-
vado, cambraia. organdys lindos desenhos a 400
rs. o covado, e chitas largas finas de 240, 260 e
280 o covado, e outras muilas fazendas por ba-
ratissimo prego : do-se amostras com penhor.
Para desenlio.
Mu bonitas caixiohas envernizas, com tintas fi-
nas, lapis, pincels, e os mais necessarios para
desenho. E' o que de melhor e mais perfeilose
tem visto aqu em tal genero, e vendem-se a 59.
69. 89, 10$, 129 e 149 : na rus do Queimado d!
16, laja d Aguia-Branca.
#55SaKfi*59K9 ws &i&ima
I
3^000.
A superior farinha de mandioca ven-
de-se ao mdico preco de 3^000 a sac-
c, a dinheiro em porqus de 10 saccas
para cima, para acabar; no armazem
de Francisco L. O. de Azevedo, ra da
Madre de Deus n. 12.
Vende-se urna vacca de raga tourina por
50$ : no sitio de Antonio Leal de Barros, na ra
de Joo Fernandes Vielra junto ao Manguinho.
Vendo-se o eugeoho Serrara situado na
freguezia do Cabo ; a tratar nesta praga com o
Dr. Augusto Frederico de Oliveira.
Vendes" um negro carreiro, possanie : na
ruado Queimado o. 44.
Arados amer 1 cano se machina-
par a lavar roupa:cm casa de S.P Jos
hniton & C. ra daSenzala n.42.
Cees & Bastos.
Ra do Queimado n. 46.
Tendo os annunciantes conseguido elevar este
estabelecimento a um engrandeciesen lo digno
desta grande cidade, apresentam i concurrencia
deste iilustrado publico, o mais moderno, varia-
do e escolhido sortimnto de roupas diversas e
de fazendas escoltadas para todaa as estaces,
Sempre solcitos em bem servir aoa seus nume-
rosos freguezes nao s em precos como em bre-
vidade, acaba de augmentar opessoal de sua of-
oa, sendo ella d'ora em dianle dirigida pelo
insigne mestre LAURIANO JOS' DE BARROS,
o qual os seas numerosos freguezes podem pro-
curar na loja n. 46 ou no primeiro andar 4o
mesmo estabelecimento, aasim pois em poneos
das se aprompta qualquer encommenda, quer
casaca, quer fardoesdosSrs. officiaes de marions
e exercito. Outro sim recommendam aos Srs
paes de familia grande sortimnto de roupas pa-
ra meninos de todas as idades.
OtOlPA FEITA AINDAMIS BARATAS.;
SORTIMNTO COMPLETO
DK
[Fazendas e obras feilasj
HA
LOJA E ARMAZEM
DE
[Ges & Basto!
NA
Una do Queimado
11.46, frente amarella.
. Constantemente temos um grande e va-
riado sortimnto de sobrecasacas pretas
de panno e de cores muito fino a 289,
dOg e 359, palelots dos mesmos pannos
20J, 22g e 24J, ditos saceos pretos dos
mesmos pannos a 149.169 e 18$, casa-
cas pretasmuitobem feitas edesuperior
panno a 289, 30$ e 359. sobrecasacas de
casemira de core muito finos a 159,16$
e 18J, ditos saceos das mesmas casemi-
rasalOfl, 129 e 14J, caigas prelas de
casemira fina para homem a 89, 99, 10/
e 12, ditas de casemira de cores a 7J. 89,
89 e 109, ditas de brim brancos muito
fina a 55 e 69, ditas de ditos de cores a
39, 39500, 49 e 49500, ditas de meia ca-
semira de ricas cores a 4$ e 45500, col-
leles pretos de casemira a 59 e 6j>, ditos
de ditos de cores a 45500 e 59, ditos
brancos de seda para casamento a 59,
ditos de 6, colletes de brim branco e d
fustao a 3, 3500 e 49. ditos de cores a
29500 e 39, paletotspretos de merino de
cordao sacco e sobrecasaco a 7f, 89 e 99
colletes pretos para luto a 49500 e 59'
gas pretas de merino a 49500 e 59, pa-
lelots de alpaca preta a 39500 e 45, ditos
sobrecasaco a 69,79 e 85, muito fino col-
letes de gorguro de seda de cores muito
boa fazenda a 39800 e 45, colletes de vel-
ludo de crese pretos a 7fte 89, roupa
para menino sobre casaca de panno pre-
tos e de cores a 149,199 o 109, ditos de
casemira sacco para os mesmos a 69500 e
79, ditos de alpaca pretos saceos a 89 e
139500, ditos sobrecasacos a 5$ e 59500,
1 caigas de casemira pretas e decores a 69,
6$500 e 79, camisas para menino a 209
a duzia, camisas inglesas pregas largas
muito superior a|329 a duzia para acabar.
i Assim como temos urna oficina de al
I ltate onde mandamos executar todas as
obras com brevidade.
FINDICO LdW-MOW,
Ritva Seiialla Ntva n.42.
Nesta estabelecimento eontina a haver um
completo sortimnto de moendas emeias moen-
das para engenho, machinas de vapor e taixas
te ferro batido e coado, de todos os tamanhos
para dito.
Tachase moendas
Braga Silva & C., tem sempre no seudepo-
| sito da ra da Moeda n. 3 A, um grandesor-
mento de tachas e moendas para engenho, de
muito acreditado fabricante Bdwin IVlaw a tra-
tar no mesmo deposito ou na ra do Trapiche
n. 4.
S no largo da Al-
fandegan. 18.
Farinha superior a 39520.
Feijao branco e mulalinbo;
Macerrao, talharim e letria,
S barato a 59 e 89OOO rs.
Franjas.
Na loja d'aguia de ouro,
ruadoCabug n. 1 B.
Vendem-se franjas pretas com vidrilho ou sem
elle, de lindos padres, que se vende muito bara-
to, ditas de cores de todas ss larguras e por todos
os prego?, ditas de linho tanto de cores como
brancas, ditas com bolota e sem ella para corti-
nados ou para toalhas, e para panno da Costa,
tudoisto por pregos que admirara, e s se vende
na loja d'sgnia de ouro na ra do Cabug n. 1 B.
Pennas d'ago.
A loja d'Aguia-Branca receben uro grande sorti-
mnto de pennas d'ago de diferentes qualidades
as quaesesl vendendo de 500 a 19000rs. gra-
sa. E' o mais barato possivel: na ra do Quei-
mado loja d'Aguia-Branca, o. 16.
Cheguem aloja da Boa f
Chitas francezas muito finas de cores fixas a
280 rs. o covado ; cambraias francezas muito fia
as a 640 rs a vara ; idem lisa muito fina a
49500 e a 65000 a pega com 8 1|2 varas; di-
muito superior a 8$000 a pega com 10 varas';
dita flna com salpicos a -15800 pega com 8 \\z
varas; fil de linho liso multo fino a 800 rs. a
vara ; tarlatana branca e de cores a 800 rs. a va-
ra ; e outras muilas fazendas que, sendo a di-
nheiro, vendem-se muito baratas: na ruado
Queimado n. 22. na loja da Boa f.
Lencos para rap.
Vendem-se lengos muito finos proprios para os
tabaquistas por serem de cores escuras e fizas a
SjOO a duzia: na ra do Queimado n. 22, na
loja da Boa f.
Sortimnto de chapeos
/toa do Queimado n. 39
Loja de quatro portas.
Chapeos pretos francezes de superior qualida-
de a 79.
Ditos dos mais modernos que ha no mercado
a 95.
Dilos de castor pretos e brancos a 16;.
Chapeos lisos para senhora a 259.
Ditos de velludo cor azul a I89.
Ditos de seda para meninas ricamente enfeita-
dos a 8s.
Ditos ditos para menino a 59.
Lindos gorros para meninos a 35*
Bunets de velludo a 59.
Ditos depalha muito bem enfeitados a 45.
Chapeos de sol francezes de seda a 79.
Ditos inglezes de 109,129 e 139 para um.
Paletos.
Vendem-se paletos de panno preto fino, muito
bem fetos a 220 rs.; ditos de brim branco de
linho a 59 rs.; ditos de setineta escuros a 3500,
muito barato, aproveitem : na ra do Queima-
do n. 22. loja da Boa f.
Para marcar roupa.
A loja d'aguia branca recebeu.a apreciavel tin-
ta para marcar roupa, a qual por sua bondade se
torna necessaria a todas as familias, porque com
ella se previne a perda das pegas, e muito me-
lhor e mais commodo que a marca com linha. As
caixinhas trazem 2 frasquinhos, e dcllas se vi o
modo fcil e seguro de que se servir a pessoa
para marcar ; cusa cada caixioha o diminuto
prego de I96OO: na ra do Queimado, loja da
aguia branca n. 16.
Bonets de gorguro avel-
ludado.
Vendem-se mui bonitos bonets inglezes de gor-
guro e velludo, mesclados e de mui bonitos pa-
dres a I55OO. Esses booets por suas boas qua-
lidades e muita durago tornam-se mui proprios
para os meninos de escola, e mesmo para pas-
seio ; assim como oulros bonels de palha e pan-
no fino, etc.. etc., e mui bonitos a 25500, 39 e
40, o melhor possivel: na ra do Queimado n.
16, loja 'aguia branca:
Frajas de seda com vidrilhos
e sem elles.
Na loja d'aguia branca se encontra um bello e
variado sortimnto de franjas de seda de difieren-
tes larguras e cores, inclusive a preta, tanto com
vidrilhos como sera elles, e das larguras de um
dedo al meio palmo, aos pregos de 500 rs. a
29500 a vara ; vista do comprador lodo nego-
cio se far para apurar dinheiro : na ra do Quei-
mado n. 16, loja d'aguia branca.
Enfeites de vidrilho a 2#.
A loja d'aguia branca est vendendo mui boni-
tos enfeites de vidrilho pelo diminuto prego de
29 : em dita loja, ra do Queimado n. 16.
Gomma doAracaty.
Vende-se excellente gomma do Aracaly; na
ra da Cadeia do Recife, primeira andar, n. 28.
Admirado
a 1,900 cada um.
No aimatem de fazendas da ra do Queimado
n. 19, vende-se lenges de linho muito fino pela
pechincha de 1,900 rs.
Bonitas figuras
de porcellana dourada a mil
ris.
A loja d'aguia branca est vendendo mui bo-
nitas figuras de porcellana dourada, de um pal-
mo de altura, proprias para enfeites de mesa,
ornato de gabinete, etc., etc., a 19000 cada urna.
Na verdade admira tal obra por to diminuta
quanlia, e para se conhecer da barateza diri-
gir-se a ra do Queimado, loja d'aguia branca n.
516, que vendo comprar*
I Yendem-se por prego commodo urna por-
go de toneis de varios tamanhos, muilo proprios
para deposito de mel, ou para as destilagoes
dos engenhos, assim como para depsitos de
sgoa em casas particulares: para ver e tratar,
na loja da iua do Queimado n. 41.
t Na cocheira do Sr. majer Quin-
teiroeslSopara vender-se dous cabrio-
lets de 4 rodas, muito maneiros e em
bom estado.
43, que nao quer vender as suas botinas a 7000
como S
gainles
w a ----~ 1 *-mmmtmmm u w i -J w \Ji u W0 u J (R/V V n >
C.-m.0.^-. Exc P'elende. Pl<* P"*> com ,".?!>. SSi^iS *a.So S"
sanee: '-""'"*'8uaes seguinles : alto esoad.i.Hn 1T
Borzeguins para senhora. RSiST J5? TS^JStT^-
lv (rnm hrilhant-nuri GA'000 0uein>8do. sobradn .m.r.ii. o.
5500
Joly (com brilhantina).
Dito (com lace- e llrelia).
Austraco (sera laro). 5^000
Joly (garpa baixa)..... 4$500
Para meDina.
De 23 a 30......,
De 18 a 22.......
Para homem.
Nantes (2 bateras). .
Francezes (diversos autores. .
Inglezes de bezerro, inteiricos
Ditos (cano de pellica). .
Ditos vaqueta da Russia
Ditos nernambucanos .
Sapates para homem.
2 bateras (Nantes)..... 5^600
1 batera )Suzer).....5$200
Soladebater (Suzer). 5#000
Meios borzegins (lustre). 6$0|00
SapatSes (com elstico). 5#000
Ditos para menino ."$500 e 4$000
Muito calgado bem feito no paiz por precos ba-
ratissimos: assim como couro de lustre, marro-
quius, bezerro francez, couriohos, vaquetas pre-
paradas, sola, fio etc. em abundancia e muito
baralo.
Potassa da Russia e cal de
4$000
3$500
9$000
90000
8$ 00
80500
6*000
Lisboa.
Clicas.
Convulses.
Debilidadeou extenua-
go.
Debilidade ou Talla de
forgas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta,
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
En fermdades no ventre.
Ditas eo ligado.
Ditas venreas.
Enchaqueca
Herysipela,
Febre biliosa.
Indigestes.
Inflan, magoes.
Irregularidades
menstrnsgao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Abstrucfo de ventre.
Phtysica ou consunp-
pulmonar.
Retengo deourina.
Bheumatismo.
Symptomassecundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Yenereo(mal).
Telbas de zinco.
No armazem de materiaes de Manoel Firmino
Ferreira sito na roa da Concordia, anda exisie
urna porgao de tenas de zinco que se vende por
menos prego para liquidagio.
CALCADO
45 Ra Direita 45
Por sem dovida que o Sr. ministro da fazenda
est despeilado com os delicados ps das nossas
amareis patricias I Prova-o bastante o augmento
de 160|0 nos direilos que pagam as bolinas do Dsappareccu desde o dia 5 do corrente da
senhora emrelago a de hon,em que apenas ti- "sa Je seu senhor o escravo da nome Primo
veramo de 25 | I S. Ezc. deseja que ellas tro- >r acabocolada. marcas de bexijs denles d/.'
quem urna bemifeita bolina joly, por algum chi- Jen te arruinados, baizo elgii ro"
nelo mal amanhsdo, encosturadode popa proa, dt "><" ^ u.r.nk:B
aflm de obsiar a que osientem com garbo o mi-
moso pe da bella pernambucana. que nao tem ri-
val as cinco partes do mundo. Mas S. Exc. tem
de encontrar urna opposigio firme e enrgica no
propietario do estabelecimento da ra Direita o.
4;>. flft nn nupr vaniiap a cuso Kntin.p *. *t.aii
^scravosfgidos.
o corpo fl.bo do MVranhiTe con r.SaqUgeaS-
la ao ganho para os ladoa da ribeira que J
pprehender e conduzr ra da Cadeia qdo"e-
tificag'ao pr,Be,ro aD(,4r' raber 20 de gra-
Ha tres dias
que anda ausente o cabra
Queimado. ^o*m^;u
compensado. Presume-se que and2 nela S !"
T T? VesUd0 um rouP8 e c"?U escora"
com chales eacarn.do, e sahio com um Vt*tii
.coco :;* ^^'tt^jt;^
recompensado convenientemente. '
Augusto Pinto de Lemos.
um-mSfflTnoro&. SSB
so.ca.ia de linh.^eSSao^o o ^to^b^i
loAm.ro 14quePsf rVomp,e'n8sear m$ de gratiicaco.
i0!? .""o! H6 0cu,u,bronde 8C0 da refina-
rnim.r. ?i" o SDta R,t8' de Jos Alves
rr"?'.5- 3 """oleque por nome Antonio
erioulo, deidade de 18 annos pouco maij*?me-
nos bem preto, bem parecido, bem ," ante o" a'
fleo de um qua.lo, parecendo o p dewe lado
?. p,cqueno 1,Ve 'ro. tem urna sicatriz em
urna das canellas. diz elle ser de um eeWeT2
que ess, a ferida que o faz mancarquadoan!
' i.nCr"iPr*d0--a 1 de ou,ubro 1860 "o
orH^ Hel Leocad, "e Lima, este o renden por
ordem de seu pai o Sr. Julio Leocadio de Li-
ma morador emGoiabira. consta que esto senhr
o dera por compra em T.baiana, suroe-se ler
aonc.oroPDhdo ''"os matulos que cltumam
cenduz.r ll para o lado de Goiabir, porque n^
da de sua fuga, esteve com o escravo do Sr vi-
fv,r.I0,dHanB0a"Ylsla' e eslei lisseram que elle ti-
nha hido em um armazem de sal ver ura com-
panheiio que l linha : Pede-se aos Srs. c.pXs
de campo, e mesmo as pessoas particulares a
&ft%si. tM n,0,eque' I"6 serao "''Aco-
dos com 200 quem o entregar a seu senhor
ou na Parahyba ao Sr. AntoniS Alejandrino de
Lud.. ou Braz Jos Velho de Lima, ou i-.e
100 a quem der delle noticia certa.
Gratifica-se com 100,000
ris.
Jggte? de casa d "baixo assignado, mo-
rador em Goianna ra do Meio, tabtrna n. 64,
umS d? S0brad0 '> Pa a ribeira, no
da 26 de fevereiro prximo fiodo. a escrava le-
idade de 30 annos, bastante alta, secca do corpo.
2I^!???W!!: Da/iI e bei?os 8rosss. occi
grande e filias brandas, quando sen abre bas-
tante a bocea, e quando carrega peso entorta um
pouco o pescogo, andar moderado e dengoso le-
vestidos velhos e panno da Cesta, cosiuma andar
calcada, tem semblante sizudo. e quando lh
iz que forra ou que tem dinheiio para
---a Ihe foi visto. Este
aJaHn1fCe,U 1, serli0 d0 Rombal, d'ondo veio
- com idade de 14 para 15 annos, foi comprada por
Joaquim Jos da Costa, morador nesta cidade
No bem conbecido e acreditado deposito da ra
da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender a ver-
dadeira polassa da Russia, nova o de superior
qualidade, assim como tambem cal virgem em
pedra ; ludo por pregos mais baratos do que em
outra qualquer parte.
Em casa de Basto A Lemos, ra do Trapi-
che n. 15, vendem-se os seguintes gneros :
trelo muito bom.
Cadeiras genovezas, singelas e de bragos.
Tijolos de marmore de 8 e 9 pollegadas.
Um banheiro de dilo grande.
Licores finos cm garrafas de cri-tal, por com-
modo prego.
SYSTE MA MEDICO DE H0LL0WAY.
PILFJLASHOLLWOYA.
Este ineslimavel especifico, composto inteira,
mente de hervas medicinaes, nao contm mercu-
rio nem alguma outra subsunciadelecteria. Be-
nigna mais tenra infancia, e a complejo mais
delicada igualmente prompto e seguro para
desarraigar o mal na compleigo mais robusts ;
enteiramente innocente em suas operagoese el-
eitos; pois busca e remove as doengas de qual-
quer especie e grao
qUpS,e|am.',. ,
-ntre mimares de pessoas curadas com este nalgada, tem semblante sizudo. e quando lhe pa-
remedio, muitas que j estavamas portas da I?",-!" qu o"a ou que lfm dinheiro para
morte. nreservando em sen ,,s ,nLn,.^ !a_L'be'dade- mflS DUB" 'he foi visto. Esta es-
morte, preservando em seu uso : conseguirn,
recobrara saude e forgas, depois dehaver lenta
do inullimente todos os outrosremedios. "h"" As mais afllictas nao devem entregar-se a des- que a pcSULa ha u 8DD0,> e duante este lempo o
esperagao; fagam um competente ensaio dose f^^J^1^.^^00^^^^-
efficazes effeitos desia assombrofa medicina,
prestes recuperaro o beneficio da saude.
Nao sej perca lempo em tomar este remedio
para qualquer das seguintes enfermidades:
Accidentes epilpticos. Febreto dae specie.
Alporcas. Getta.
Ampolas. Hemorrhoidas.
Areias (mal de). Hydropesia.
Astbma. Ictericia.
Febreto intermitente,
Yende-se estas pilulas no estabelecimento ge-
ral de Londres n. 224, .Stratd, e na loja di
todos os botiesrios droguislseoutrss pessoas edo
carregadas de sua venda em toda a America n-
>ul, Havana e Hspanha.
Vendem-se as bocelinhas a 800 rs. eada
urna dellas, contem orna instruegao em portu-
guez para explicar o modo de se usar des las pi-
lulas.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
dharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambuco.
SEDULAS
de i$e 5^000.
Continua-se a trocar sedu'as de urna s figura
por metade do descont que exige a thesourara
desta provincia, e as notas das mais pragas do
imperio com o abate de 5 por cerno: no escrip-
torio de Azevedo & Mendes, ra da Cruze
n. 11

;
Aletria. talharim e macarrio a 400 rs. a libra:
vende o Brandao, na Lingoela n. 5.
-- Na ra do Vicario n. 19, primeiro andar,
vende-se farelo de Lisboa superior, chegado l-
timamente, a 4$ e 59 por secca.
Aos senhores de engenho
grande reduccao.
Braga, Silva & C, achando-se em liquidado,
e para fecharem contas, resolveram fazer urna
grande reduego nos pregos das moendas, emeias
moendas de todas as dimeosdes existentes no sen
armazem na ra da Moeda (Forte do Mato).
Os compradores queiram dirigir-se ao escrip-
torio n. 44, rna do Trapiche.
Recife, 11 de margo de 1861.
hJ v le^C0.P'f' r'a' de Carne de Vacca, Pona
JPfdira,e "ha de Ilamar" ; outros lugres ha
que ella tem prenles e conheddos, e at poder
dizer que anda pertence ao dilo Sr. Costa, para
assim se nao (ornar suspeila. Roga-se perian-
to as aulondades policiaes, capites de campo e
msis pessoas do povo que da dita escrava trouxe-
rem noticia, de apprehenderem ea levarem a seu
senhor no lugar cima designsdo, c em ausencia
deste por estar prximo a relirar-se para o Re-
cife, a poderao fazer a seu cuohado oSr. Thomaz
Antonio Guimaraee. Anlero MililSo Guimaraes,
ou Luiz Jos de Miranda ; no Recife ao Sr. Luiz
Antonio dos Santos Pereira. na ra dosManyrios
n. 36. Se alguem liver della noticia, mesmo es-
tando em lugar que a nao possam pegar por te-
merem o patronato, basta que seja visla por tres
pessoas que em juizo provem este facto, que re-
fLer,a com lo.to o rigor da lei haver percas e damnos, e
punir o enme contra quem quer que tenha lal
procedimenlo : tambem se vende a iiitn escrava
mesmo ausente, pela quanlia de 1:200*. dentro
do prazo de 15 dias. contados da data deste meu
annuncio. Goianna 10 de margo de 1861.
Jos Gomes Ferreira da Silva.
Nc da 30 de Janeiro do corrente anno, fu-
gio do eDgenho Crugahi da comarca do Pao d'A-
Iho um escravo do nome Virissimo com os sic-
nacs seguintes : cor preta, reperesenta ler :15 an-
nos de idade. alto espadaudo, ps grandes, nariz
apapagaiado, e pequeo, falla vm pouco alra-
palhado, tem falta de denles na frente, quan-
anda curva as pernas, muito possanlo o es-
perto, e de nagio Angola; sunpd-se andar
pelo engenho Arepib da freguezia da Escada,
ou em Areticum em Barreiros ; pede-se as au-
toridades policiaes e capites de campo de o
aprehenderem o de o cenduzirem ao engenho
& 0U- Da cidado do Recite na ra da Cruz
n. 62lerceiro andar, onde serao gcnnerosamenle
recompensados e protesta-se contra quem o liver
acoitado.
10O8C0O.
Fugio no dia 14 de dezembro do anno prximo
psssado. um negro de nome Felippe, escravo do
Francisca Rosa Pereira dos Santos Bezerra, mo-
radora em Ierras do engenho do Curado, cujo
escravo tem os signaes seguintes : cor fula, alio,
secco, pouca barba, ps grossos e mais pretos do
que a cara, pernas mal feitas, olhos brancos e
papudos, dentes pequeos, cabega pequea, duas
fallas e muilo mansa, e quando olha para qual-
quer pessoa fila os olhos e nao perteneja, nade-
gas grandes e empinadas, lerou caiga preta de
casemira nova, paletot de alpaca tambem preta,
chapeo da moda de massa de cor, spalo de cou-
ro de lusire. camisa de madapolo nova, e tam-
bem debala verdeja velha aberla, e tambem de
algodao azul, chapeo de massa cor de chumbo
j velho ; do suppor que em viagem elle nao
ande com a roupa nova o sim com a velha por
ser mais pronria : a pessoa que o trouxer ao re-
ferido engenho ou ra Augusta n. 21, receber
a quanlia cima.
Fugio da cidade do racaty, no mez de se-
tembro prximo passado, um escravo do com-
mandante superior Manoel Jos Penna Pacheco,
que ha pouco o havia comprado ao Sr, Bento
Lourenco Collares, de nome Joaquim, de idade
de cincoenia e tantos annos, fulo, alto, magro,
dentes grandes, e cora falla de alguns na frente,
queixo fino, ps grandes, e com os dedos gran-
des dos pee bem abortos, muito palavriador, in-
culca-se forro, e tem signaes de ter sido surrado.
Consta que este eseraro apparecera no dia 6 do
corrente, vindo do lado das Cinco Ponas, e sen-
do enterrogsdo por um pareoeiro seu conbecido,
disse que linha sido Tendido por seo senbor para
Gotanninha: qualquer pessoa que o pegar o po-
der levar em Pernambuco as Srs. Basto & Le-
aos, que gralificarao geniosamente.


W
DIARIO di mzfrMBUCO. t- SEGUNDA FE1AA 18 DI UkMQO DE 1141

Litteratura.
Francisco II e a dcfeza de Gaeta.
Fernando 11 de aples ser clasificado pel
historia como despota feroz, mas dotado de qua-
lidides proprias para manter-se do throno. As
pressao da woila. u cantinalo pt rtiram mats
retorcaos para a ilha, e ajurenla mil'soldados
bourbonicos pareca os desafiar quief,uf;r insur-
gentes.
Entao um homem que a historia collocar.entre
Tell e Washington, embarca em Genova con d-
ze mil homens. Entre clles vio Turr, Bixio, Mi-
lulo, sagaz, enrgico e constante .symbolisou por lencIlini. Sir-irl, Cosenz.dignos tenantes do es-
largcs annos o protolypo do absolutismo trium-
pliBOte contra as.tentativas liberaos.
forjado capilao. Verifica-se o desembarque de
Harsala. Os veteranos regularle* i ordens de
Vergou eiu 1818, para no primeiro cnsejo favo- Landi vt> espera-los Calalafini, e fleam des-
r..-el fazer ir pelos ares a consUluico quo lhe j trocados. Lanza concentra -se em Paluno com
ora imposta, enviando grilheta o s infecas j 21,000 homens. As camisas vermelhas ajsomara
mazmorras Poeiro, Seltembrini, Atitabile, eceu- i s portas da cidado, snbleva-se o poro, inconscio
teDas de distinctos palriotas. Nunca deixou de do cruel e intil bombardeameulo, e Garibaldi
obriga os Napolitanos, capitular, e sabir da ci-
dade.
Estupefacto cora seraelhante desenlace, o po-
bre rapaz que reina ora aples, julga que cha-
ent"ii ier-se cora o clero, com a alta aristocracia
do paiz, e cora a plobe, entre a qual se fizera po-
pular petos seus modos francos, para contar com
apoio no momento critico.
IIiLil na superintendencia das Gnancas, elevou
... .. .auo o momento de affixsr-se constitucional a ul-
-ao raaior augo o crdito do seu thesonro, tornan- ; ? s .i>uwiucnmai
,,.., .. urna ora. Revalida o cdigo do proscripto de.
do indefeclivola salistajodos corapromissos. en- 10,a t ,f ..-
. r loio, chama aos seus conselhos gente do partido
trtlendo um exercito numeroso e bem gslardoa- _.. ... ..... .
. .... .-,nl^c a que Fernando II hostihsr. Comoca regatear
do, em cujas lileiras havia 12,000 Suissos de pro-!..
e a ceder exigencias serapre crescenles. O po-
vo acolho scmenlhusiasrao a nova ordem de cou-
sas, eos liberaes manirestam desconfianca e com
cenles para aecudir i Sicilia, a Calabria, aos .,_ H., ..
. 'i plcl despreso pela pessoa do outhorzante. Mui-
Abruzzios, onde quer que a revolia erguesse o; i0.j... _110 .,... _.. ,. .
,, i ,usa(w q'Je ouli ora cahiamdejoelhos ou fugiara
"convicto na excellencia do seu systoma, arcou 1quando, elle Passava n" ru". a8ra 'he volrem
com a Franca e a Inglaterra acerca" das reclama- """"nenio as espaduas ou carregam o cha-
ces para fazer reformas. Declarou que gover-j P. Da Cabe5a f'ando o avistara. Aonuncia-se
ruria aples como se lhe antolhasse, sem curar! reciU. de8raDde alla hMro de S. Carlos pa-
vada filelidade. Elevou ao mosrao tempo a ma-
rioha aum p respeitavel, reuniudo vasos sufi-
Calabria, aos
dos, onde quer que a re
eolio.
das importunares estrangeiras. E viu partir
cora sobranceria os representantes das duas po-
tencias occidentaes.
Iustituiu urna polica omnipotente, que devas-
sava os domicilios sem attenjo jerarchias, que
prenda, deslerrava e vexava sera dar satisfajes
pessoa alguma. Ajotsa, Maniscaho, Campana
e outros myrmiddes, erara o terror das familias,
os arbitros da sorlo dos cidados, os infatigaveis
perseguidores da menor aspiragao liberal.
Nove milhdes de habitantes foram arrebanha-
dos como ouiros tantos carnelrcs, tremendo ca-
da momento de seren marcados como victimas,
dando entrada hypocrisia, corrupjo, ao des-
fallecimenio moral, aos virios* que gangrenam
um povo, e o prcdlSipem para cahir nos desre-
gramentos da hedionda anarchia, logo que alguem
lhe quebraas algamas dos pulsos.
Esse alguem difcilmente poderia progredir
durante a vida do inaugurador do tal methodo de
governo. Rpido como o raio para anniquilar seus
inimigos, Fernando affogou em sangue a revolta
da Sicilia em 1819, enforcou sem a menor demo-
ra Agesilu Milano em 1856, e fez destrocar em
1857 a expodicao de Pisacane e de Ncotera.
Parece que elle nutria o presentimento de que
nao leria herdeiro para continuar a sua carreira.
0 principe real, Francisco alaria, illio de Mara
Cliristioa de Saboya, nascido em 16 de Janeiro de
1836, nunca se Iheafgurou adequado para com-
prelu'nder o seu mecanismo poltico. Esse prin-
cipo entesado, rachilico, irresoluto foi constante-
mente afastado do tyrocioio dos negocios. Con-
tava 19 annos de edede, e o pac deixava-o enlre-
ter-so com bonecos, sera curar de iaicia-lo as
arduas doutrinas da sciencia governamental. Es-
creveu-se raesrao, que Fernando cxperimenlava
pouco sympathia pela prole da Piemonteza; o que
as suas affeiQoes coovergiam para os descenden-
tes de Mara Thcreza d'Ausiria, sua segunda mu-
lher.
Mas, para em ludo ser feliz, Fernando II finou-
se era maio de 1859, na poca em que a Italia
gracas espada de N ipoleao III, resurga mais
arucnle do que nunca em suas aspirares de li-
berdade o de independen :ia.
Francisco II foi proclamado rei. Poucos das
decorreram antes que se conhecesse o que havia
a esperar dolle. Embalado era meio de leo Jas
monachaes o do cnticos das cruzadas, aprsen-
los-se anto seussublitos na idea de exerular as
normas do pae, sera o genio, sem a forja do pul-
so, sera a coragera que as fuerana vingar. Os em-
bajadores de Franca e de Inglaterra apresenta-
ram-se na corle. Renovaran! as ollicilajoes an-
teriores do medidas liberaes. Francisco II, que
deixou as raasmorras os liberaes nao amnystia-
dospor seu pae, que escolheu raininislros impo-
pulares e cacheticos, responda s instancias da
diplomacia occidental, que para elle : Constitui-
rlo e revoluco eram synonymos, e que antes
queria ser coronel auslriaco do que rei liberal I
Um fraco rei o incentivo das turbulencias e
da guerra civil. Conhccida a ndole do herdeiro
de Fernando Bourbon, comecou a revolta na Si-
cilia. Ilosalino Pilo testa de algumas centenas
de paisanos armados, mostrou-se longe das cida-
dcs principaes, desafiando as autoridades napoli-
tanas. Os frades do convento de Gancia em l'a-
lermo tentaram sublevar a cidade. Falhou o es-
forjo em presenta de milhares de bayonetas ab-
solutistas ; o os fuzilamentos assignaram a re-
ra solernnisar o juramento fla coostiluigo, dis-
poo-se S. M i honrar o acto cora a sua presenta;
mas deixa de ir, porque sabe que ordem da jun-
ta revolucionaria os espectadores sahirio pela
porta fra apenas se ostente no real camarote.
Decreta-se a liberdado de iraprensa. Pululara
os jornaes injuriando atrozmente'o rei, atacando
suas intensos, provocando suas intences, pro-
vocando abertamente a rovolta contra a sua au-
toidade. A vellia aristocracia vendo o monar-
cha entregue um partido que o detesta, e sera
esperanza alguma na sua firmeza para a hora da
reagao, emigra em massa para Civita-Vecchia e
para Marselha. Resta o exercito anda numero-
so, resta a marinha. Ha quom julgue possivel
limitar a aeco revolucionaria ilha da Sicilia-
salvando no continente a dymnaslia de Bourbon,
Garibaldi desembarca na Calabria cora 4,000
Inmens escassos, e toma Reggo. Segu para
Monteleone, onde urna numerosa diviso devia
dsputar-lhe a passagem. Esta derrele-se assirn
como se havam desvanecido as oulras, conti-
nuando o dictador a sua marcha apenas acorapa-
nhado do estado-maior, acolhido em toda a par-
te ao som de tremendas acclamacoes.
Disse-se, e anda nao foi contestado, que Fran-
cisco II tentara deter Garibaldi propondo-lhe um
corapromisso, tendente fornecer-lhe tropas e
navios para o atlaque de Veneza, comanlo que o
deixasse no throno ; inepta diada, que o caudi-
Iho popular desallendeu como lhe cumpria.
Da mesma especie fra a proposla do allianga
offensiva e defensiva ao Piemonte, que Jfanno e
Winspeare apresentaram em Turim. O soberano,
quo tiiiha cga conaua nos preceitos da viuva
de Fernando e do embaixador auslriaco, julgava
possivel angiriar o Piemonte ao seu servido, nao
para expedir da Italia os dotestados dominadores
estrangeiros, sra para livra-lo do irresistvel as-
cendente de um general cheio de prestigio e de
populardade.
As occorreocias de setembro o outubro do anno
passado estao vivas na memoria de todos, e com-
tudo parecem fabulosas. Garibaldi viajando em
caminho de ferro com os seus ajudanles para Sa-
lomo e para aplos, encontra milhares de sol-
dados bourbonicos, arregiraentados para defeza
do rei, feridos de paralysia pela allitudo das po-
voajes, e que lhe estendem a mo pedindo es-
molla.
O rei cercado de ministros, de generaes, de nu-
merosas legies, entre as quaes quatro cinco
mil Bavaros s ordens do Von tichel, no se de-
mora na capital um instante, ao saber que Gari-
baldi se approxima. Amigo da Italia al ulti-
ma, prope que a esquadra napolitana seja en-
viada Trieste. Experimenta o dissabor de vCr o
alvitre unnimemente rejeitado, e fge para nun-
ca mais voltar.
Nao possivel exceder timanha incapacidade.
As desculpas de lrai;oes, de defeccoes, de aban-
donos augmentara o juizo severo dos conlompo-
| raneos. Quera nao encontra urna s vos que o
justifique, um s bra?o que o defenda, urna s
dcdU:acao que o auxilie, provs que indigno de
cooGanga, que sustenta urna causa perdida, que
nao deve continuar reser um povo que o engei-
ta o proscreve.
O dictador entrou em aples sera guardas,
sem escolta, sem forja armada. Era a idea da
regenerado consubstanciadi n'um soldado. Foi
saudadocom preoetfco delirio. Nutou-ae que
Iguns regiment! napolitanos, depon attrahidoi
para defeza da reaegao, apresentaram armas ao
dictador, tocando u msicas o hyomo real de
Francisco II. '
Se Garibaldi (osle lo perito adminalrador co-
mo gunrreiro insigne e acrisolado patriota, o
successo seria continuado sem inlerropjo ataos
confins do reino. Mas Berani, Crisp, Libertini
e Mazzini foram os elementos, disolventes, flue
se gruparam em torno do chefe da revoluto. A
fOLHETUI
ORIGINAL 00 DIARIO DE PERN4MBUC0-
siiaaTiiitftiJi.
LIX
'Sl'mmario.Estudos sobre as marinhas estrangei-
ras.As marinhas do norte da Europa. Bi-
bliographia.O roleire da costa da Baha pelo
Sr. 1." lenle Collalino Marques de Souza.
AHollanda, segundo se exprime Van Tenac,
na historia geral da marinha, nada por si mes-
ma : nao passa de um paiz exteril, onde falta lu-
do ; porm, por meio da navegacao ella assegura-
se a abundancia, e satisfaz s necessidades de to-
das as outras noces. Nao tem florestas, e nao
posse bosques ; entretanto nao ha oulro lugar
no mundo, em que se trabalhe mais na architec-
tura naval. Nao tem vichas, e foi a escala dos
Tinhos e das aguas rdanles de todas as parles
do universo. Em seu slo nao existem minas,
nem metses ; com tudo abi se eocootrava qua-
si tanto ouro e prata, como na nova Hespanha e
no Per, tanto ferro como em Franja, eslanho
como na Inglaterra, cobre como na Suecia. Pro-
duz mui pouco trigo ; porm assim masmo tem
bastante para fornecer s oulras provincias. Pa-
reca que as especiaras cresciam nella, quo os
azeites eram ali collados, que o sal se formava
em salinas suas, que as sedas, as drogas para a
medecna e para a linturaria fossem produc;es
indgenas ; em urna patarra, ella encerrara em
seu seio todas as riquezas dos dous mundos.
Nao se pode com mais cloqueles expresscs
demonstrar o poder da industria de um poro ;
nem dar um mais solemne e irrecusavel teste-
muoho da influenciada navegajo na riqueza e
progresso das nacfies 1
Tambera conforme Cesar Caol este grande po-
ro, cultirando o ocano em lugar do slo, fazia
de seu paiz o celeiro do mundo, sem ler campos,
o arroazem geral, sem nada-produzir, e o banco
universal, sem possuir minas.
Todos sabem que a Hollanda cujo nomo se de-
riva de lioiond.paijoaixo.u&meroido, secons-
titue por successivas invases e conquistas ubre
as aguas de que Acara coberta urna grande parte
do anno, pelo que por muilo terapo foi iohabila-
rel. As suas coslaa sao batidas frequenteraente
por ventos violentos, por medonhos temporaes,
que enlumeciam as ragas de tal sorte, que ellas
alterosas submergiam rilta e cidad.es inteiras,
ferias flcarUm lettra morta ;. es absolutistas, os
retrogrades de toda a Europa { que zombam de
carta, de constituirles, de parlamentos a de jor-
naee) apptaadiam sem reserra, e com o maior
*eft$F' rencisco, seus ministros e seus satel-
liteJ:
Ha mais psra completar o quadro. Apenas co-
me5*|ftsedo de Gaeta, o forero o pontiflcio
pvre^vlada ter poupado para soprar a guerra ci-
vil nosAbruzzios, imaginando talrez que^jaanlo
confusao. a falta de methodo, os .W"5i5 IZZZ'TolT^ T^' <>"#ab0S'
(entro os quae, a saneco official dada tentativa *A*Z rt,a4,i",M' ma,or PW".*
Os que nao poderam resulir de Reggio Na- m.Rrma.!XPeJrr"Se P"a AbrU"0S "-
poles,coraeSar.ra defender-se na rabera di- S de vTte1 S!^ T* 8Pd8r00'
reita do Volrrno. Collgiram bastante -oldados C_IT,,e,U/ Tronl e *e cairas povoa-
para se lisongearera de recuperar i. ren pe ""du .rt.. da pr.c. de Gaeta
dido. Attacarara resolutamente era S na'i.5. e U.fdy taJ neolo iUli.n. por hypo-
M.dda.oni ooalando entrar em C.rl fS-- 6' CrCum,Uncias- 'H. LuT-
PtJ.pole.no din 4 de outubro. iatrpide^d. ?." ^""K fmpun(h""m montan!, de
Garibaldi, dos seus subalternos, do, voltarios I""? ^ an".ga bande,r' bfanM- unl
e dos primeiros Piemonlezes regulare, T"'- tT'lTZT T'-S' e^"^^ e "u*
ra em auxiiio da causa nacional railZL d C,fiC"am os offic'a" Peo,onlezes pri.ioneiros.
Quem deixara.pois.de nutrir respeito e sympa-
ram em auxilio 'da causa nacional frustraran de
todo o nefasto designio. Os Napolitanos foram
completamente derrotados. Francisco II appare- ,nias PeI narcha que autorisa e incita estes
ceu alguns momentos carallo, de sobrecasaca e
--------0,. .uUCuo.iiu3 a cavauv, ae soDrecasaca e -"-. ucruuias, esies horrores ? Quem
chapeo redondo, fazeodo offlcto de corpo proseo- ousar ne*ar a sincera dedica^o de Fraacisco II
te. Nao tardou norm m <>.a~____.i_ ao seu novo, n n m nani..-i.____,- ..
te. Nao tardou porm em ser arrojado para alm
do rio d'envolla com o seu exercito.
Aquelle que a orlhodoxa Gazela da Cruz de
Berln denomina Salteador coroado, e quo os
Italianos proclamara o here de Palestro e do S.
Martinho. acuda testa das tropas sardas para
completar o predominio da independencia. Capua
cahia depois de algumas horas de bombardea-
menlo, entre*ando-se 9.000 homens prsoneiros.
O grosso da phalange francisquista abandonando
a margem direila do Garigliano, procurava o abri-
go da famosa praja de Gaeta, que depois dos as-
sedios de 1799 e 1806 fra reparada, augmenta-
, solidificada, guarnecida de canhes rajados,
reclamando com justo ttulo oUome de Gibraltar
napolitana.
Os que conhecera os recursos d'esse baluirte, e
os meios accumulados para a sua sustentajao.
fartaram-se de annunciar que Gaeta nao seria to-
mada senao depois de longo e porfiado creo. O
mancebo que nao pode segurar a cora na cabe-
ca, declarou urbi et orbi a inabalavel resoluto
de sepultar-se debaixo das ruinas da praja, nao
adraittiodo transigencia emquauto houvesse pl-
vora para um tiro, e pao para urna bocea. Mas os
que avaliam a contextura do soldado napolitano;
os que. guiados por Lavater, ho Atado o sem-
blante maricas do herdeiro do Fernando Bour-
bon, nao hesitavam era prever muito mais rpido
desmoronameuto.
O imperador dos Francezes, obrigado pela, suas
rclacOes com as potencias do norte dar, como
vulgarmente se diz, urna no cravo oulra na fer-
radura, determinou que urna parte da sua esqua-
dra estacionasse era Gieta pretexto de offerecer
ao raooarcha proteejao pessoal, e meio de reti-
rar airosamente, realisando entretanto urna for-
mal intervengo em seu favor, porque obslando
ao bloqueio por mar facililava a introduc?ao de vi-
veres, de municoes, de auxilios diversos.
nham construir as baleras para o atlaque, cou-
be a palavra ao incomparavel Francisco Casella,
ministro dos negocios estrangeiros do rei cerca-
do ; o no que expeudeu em largas circulares e
protestos nao se sabe oque admirar mais, se a
m f, a desleaidade, a perrerso das oocoes do
direito, se a frescatura com que impudentemente
se adulteram os mais notorios fados.
O diplmala cita Grotio, Puffendor/T, Vattel
para mostrar que o rei Vctor Emmanuel com-
metteu enorme violaco do direito das gentes,
nvadindo sem previa declarajao de guerra urna
potencia omiga. Mas deixa no tinleiro os pre-
ceitos do direito natural, que Heintccio, Wolf
os cidados tem indisputarel jus egualdad
ante a lei, justija no apreso do seus actos,
seguranza no gozo de suas propiedades. Ora,
Francisco II postorgou, infrugiu e menoscabou
esses principios emquanto nao veio o medoin-
duzi-lo mudar de rumo, sendo j tarde para
evitar o naufragio.
Proraessas do reformas, de garantas, de me-
Ihoramentos, de amnistas, eram arrojadas das
bateras da praca aos milhares. Aos Napolitanos
fallara-se em reunio de parlamentos iocorrup-
tiveis, em respeito profundo liberdade de im-
prensa, era ternura pela guarda nacional. Aos
Sicilianos prometlia-se alfira a consttuicao de
1812, e at duas ou mais, como Francisco I, au-
gusto antecessor de S. M. actual. Todava, por
singular contraste, emquanto nos documentos de
Gaeta era Injuriado, aggredido e calumniado o
partido constitucional italiano, sem o qual as of-
embustes, esta, perfidias, estes horrores ? Quem
ao seu povo. o o seu espirito rasgadamente li-
beral ?
Comecando o bombardeameoto contra Gaeta, o
re atreveu-se algumas rezo, deitar a cabeca
de fra da, casamata,, e at passar por mai.
de urna batera. Os alcagotos, os carolas, os sa-
chnslaes das folhas ultramontanas, tomados de
vivissima compunejao, comecam gritar I nun-
* se viu, nunca houre, nunca refulgirn cora-
gem, ralor, intrepidez em lio alto grao. Fran-
cisco II mais do que flofano. do que Boyardo
do que o principe negro. E' o hornera mais
destoraido da Italia. E' o satrador da realeza.
Ha de morrer no seu posto como um martyr su-
blime.
Os trabalhos do cerco comegsram em dos de
norembro, interrompidos muito, das pela co-
piosa chuva que cahiu. a1 7 de ferereiro. o Gior-
nale di Roma (onde se esmaltara da ordinario as
noticias mais verdicas, conscienciosas e impar-
cues ) declara va, que o fugo dos sitiantes nao
havia causado o menor prejuizo s batterias de
Gaeta. Ora. nesles termos, achando-se ella abas-
221E? 'arg0S meZM' ,ed0 ama ""Sio
de 9,000 homens. sufficiente para quaesquer con-
tingencias ; nao havendo brecha de considerarlo
nem disposi5es para prximo assallo ; e entre-
gndole pacificamente os deffensores aos fol-
guedos das mascaradas carnavalescas, deria sup-
pr-se que multas semana, decorreriam antes de
se entrever o termo de urna lula, tremenda e
desesperada segundo S. M. bourbonica.
Em 1799 e 1806, quando exislia o monte Suec-
co, d'onde a praga podia ser fcilmente domina-
da, os sitiantes consumiram cinco e seis mezes
para della se assenhorearem. Agora, que essa
posicao arrasada. dilBcultava extremamente os
approches, no flm de tres mezes escassos de
envestimento, 12 do mez correte, capitula a
guarnjao, ficando prisionera
de guerra ; e o
Emquanto os soldados de Cialdni se dspu- ToueZ^" ^ ***"" ^ ?'POr ** gUe""
Burlamaqui compendiaram, em virtude dos quaes k 8""oecida por poucos milhares
os cidados tem indisputarel jus egualdade llb*rae "Pelltu constantemente as furiosas
Alguem suppor que os ultramontanos se ca-
laran), roendo era paz o triste desapontamento, e
dexando de exaltar at as nuvens o hornera
que debalde tentou supportir a armadura do
guerrero. O contrario aconteceu. O orgo m-
guelisla dosla capital sustenta ufano que a defe-
za de Gaeta a mais brilhanle desle seculo ; e
urna folha com pretencoes liberal escreve que
Francisco II cahiu como um hroe.
Nao podemos resistir tentajao de observar
ao primeiro, que a defeza mais gloriosa deste
seculo a de urna cidade aberta, sera cidadella
o sem muralhas, que desde julho de 1832 at
agosto de 833, guarnecida por poucos milhares
investidas de oitenta mil escravos. Ao segundo
diremos, que hroes para nos sao Vctor Emma-
nuel, Garibaldi, Cialdini e outros, que mil vezes
expozeram a vida, que dormiram nos campos
alagados, que se nutriram de pao de ralla para
expellir o estrangeiro do slo italiano. O dbil
ente que capitulou nao passa de urna vulgarida-
de que vae sumir-se no plago do olvido.
( Jornal do Commercio de Lisboa.)
que em um momento erara transformadas era
grandes lagos, nos quaes pereciam ionumeraveis
victimas, e desappareciam immensas riquezas.
Estas submerses eram frequenles, e anda no
nosso seculo. era 3 e 4 de fevereiro de 1825 ellas
produziram novos desastres, em que se diz per-
deram a vida, na Gueldre, e na Frise, cincoeola
e duas mil pessoas.
Estes accidentes terriveis que sojeito o paiz,
que seria abandonado por qualquer outro povo
que nao fosse dotado da perseverancia e energa
do hollandez, o obrigaram um freio ao mar por
meio dos seus celebres diques, que sao os mais
ousados trabalhos hydraulicos que se coohecem, e
que servem tambem de estradas nos paizes que
attravessam.
Nao de sorprender que cedo se dispertasse
nesse povo, que to porfiosaraenle conquistara
urna patria ao ocano, o goslo pela navegacao, o
desejo de fazer mais uteis conquistas, servindo-se
para sua grandeza deste mosrao elemento, que
constantemente o procurava anniquilar.
No cornejo do X111 seculo de nossa era que
se comejou manifestar e desinrolver esta
tendencia, que produzia resultados espantosos.
Ao principio os Hollandezes erara apenas cora-
merciaules, e suas expedijoes nenhura carcter
militar linham ; porm as riquezas quecoraeca-
ram adquirir, em vez de dispertar a eraulajo
nos seus vizinhos, eogendrou nestes um senli-
mento igoobil de invejs, que obrigou os primei-
ros armar navios de guerra para prolegor suas
opersces raercanlis, e para reprimir as injusti-
jas e delapidaces daquelles, entre os quae, so-
bresahiam os habitantes das cidades livres e han-
sealicas, especialmente de Hamburgo.
Tal foi a origem da marinha de guerra hollan-
deza, que chegou ser to poderosa no terapo
dos estados geraes, em que corra todos os ma-
res sem rival, dominando nelles completamente,
at que disperlou o ciumeda Inglaterra, que para
faze-la reconhecer suasupremicia, sustentou tres
guerras, em que o Tromp e Ruyter, principal-
mente por suasbrilhaotes victorias naraes.deram
um esplendor extraordinario esta marinha.
Este chegou at subir o Tamisa em 1667, e
destruir muilos navios que se acharam funda-
dos em Cbatam, o que espalhou um grande ter-
ror em Londres.
Asdesgrajas frequenles queassolavam os Hol-
landezes, enraizou entre elles o espirito de js-
sociajo, e do soccorros motuos, espirito que
tambem muito concorreu para a prosperidade
desta najao ; porque deu nascimento organisa-
jo da celebre compaohia das Indias Orienlaes,
que possuia urna frota to numerosa como a do
estado, perfeitamente armada em guerra, e como
EtTeitos sociaes do racionalismo.
Nonne cognoscent omnes qui operantur
iniquitatem. Qui devorant plebem meam
sxcut escam pais ?
Ps. XIII, r. 4.
A iucrc Juldade que actualmente impera na
Europa, encheodo do saogue e ruinas a desdlto-
sa Italia, e arruinando tambera este .reino Qde-
poucos paizes conlavam ento, a qual era umex-
cellenle auxiliar.
A terrival guerra sustentada contra a Hespa-
nha antes das lutas com a Graa-Bretanha, para
se libertarem do jugo cruel de Phelippe II, que
Ihes queria dar por forja a ioquisjo, anda mais
os habiluou vida do mar, eos tornou os mais
destros evalentes mariuheirosdaquelles lempos;
assim como os raelhores constructores de na-
vios.
A najo, em vez de exhaurir-sonestaluta pro-
longada e cruel, em que nao havia quartel para
o vencido, cresceu, ao contrario, por meio do
commercio longioquo, e adqueriu riquezas fabu-
losas, grajss essa industria e perseveran ja ca-
racterstica de seus fllhos.
O Brasil, ento sob o dominio de Portugal, que
tambera eslava sujeito Hepanha, era urna rica
preza que todos cobijavam.e nao escapou s vis-
las perspicazes dos Hollandezes.
Chegaraos um ponto da historia patria mu
conhecido, era o qual, por conseguioto, nao nos
demoraremos.
Aqui nao se poderam elle, sustentar por mui-
tos annos ; mas assim mesmo dexaram vesti-
gios bem salientes da aptido que tinham para
colonisar, como attestam anda bstanlos obras
que possuimos.
Tinha principiado a poca da decadencia hol-
landez, : sua posigo malirima abateu-se, suas
colonias flearam reduzidas, e at a Hollanda nao
se pode lirrar de rer-se conquistada pelo grande
hornera da guerra do seculo passado.
Sua marinha no principio da revoluco france-
za compunha-sa anda de 77 navios de guerra,
entre os quaes contavam-se 22 nus de 61 pecas,
e dozede 50 e 60.
A companbia das Indias Orienlaes tinha na
mesma ocessio ccoto e dez navios, de lo 60
pegas.
Depois de ler passado por todas estas peripe-
cias, pode a Hollanda constiluir-se noramente
em 1813, chamando para rege-la o fllho do ulti-
mo statouder, Guilherme Frederico de Oraogc.
Sob a drecco deste monarcha, e sob a escla-
recida e liberal admioislracao do actual, ella tem
novamenleprosperado, erae assumindo a posico
que.lhe competa no mundo.
A marinha torna ser o airo de todas as at-
tenjdes, e hoje j se acha elerada 7 nus de
liaba, 18 fragatas, sendo 3 hlice, 13 crrelas,
sendo 5 hlice, 8 brigues, 13 brigues escunas,
10 ditas hlice, 14 vapores de rodas, 3 caobo-
nheiras hlice, 56 lanchas canhonheiras, mon-
tando lodos estes navios 1914 pecas.
O quadro de offlciaes se compoe do um almi-
rante, um lente almirante, 2 rice-almirantes,
4 cheles de esquadra, 20 capila.es de mar e guer-
toteo. ra.flli.r-M augurantes occh.B.M|t,u, na Aneric, eomMo.,. 0o pasman
da rtforma masearando-se com o racionalismo 'p.Urra oara oroscrevere. T*,.. pMWr,BI
protestante e philosophico. S. V"""* *"***" 0fdw *
Nao ae julgue que o racionalismo seja abaolu- ; AMrcha
'
Umente irreligioso ; porque af nodeu com flu-
sea qua nao pode harer stadfc algum sem
base religiosa : e como tem sabido iotroluzir-z
arleiramente nos Coaselbos dos res, arrecearrso-
hia de perder o Seu predominio se tocasse nesle
principio social, "i
Assim mqiielte paizes, ndese desttuiu ca-
tolicismo, tanto na Inglaterra como no norte
da Allemanha. deu-se pressa o racionalismo
subgtilgiMIie um simulec/o de religio. are-
^archa sumuat e idntica por tos t
, al"fi|r*; expellir, roubar e uua-
Ora como a religio mui forte com Roma os
racionalistas our.vol.cioo.rios nao q.erem R0-
2a.*? arJ-re B"ao nlfompida.- pontfices
!IcYrZ qe recebeu o seiTPbdSr de Jof
siis Christo ; querem os rei. ckefef-da egreja
orao na Inglaterra que o receberam da rerolu:
V;ao e da an.rchia das leas.
Eis o Ora que miram os numerosos livrnin.
ou folhetos que Napoleo tem ma^blS"
fim Pranra a una h>r nn. l_A.__-- I""""-01
. i ,\ u:.reiis>aot asare- imeos que rsapoteao tem mandado oubfica
ligio de-fabrica humana, urna religio. elstica, em Franja e espalbar por toda a parle para bom.
como sao tadaa n,i.i.,.i. bardear os espiritos, que a deraaado do rfv.t*
mea j de anlemo tem entibiado. "
como sao todas as protestantes.
At mesmo o .rtbado proconsnl do terror, o
sanguinario Robespierre, justamente apavorad. de Jesus-Chrislo: Tu lpetLetSu "
do racuo feto na socieade pola falla de Deus, V*ram adi/icabo eedetiam mean et porta infai
que a repblica banira, substituindo-o pela im- Pracalebun advertut eam.
pdica deusa da r.zo. mandou que de novo se pSriri^Vg^do K de Sm?"'
abnssem os templos derastados pela rerolujio. wnees/ Caliini / "tas de clamar :
e que no frontispicio se grarasse : Aqui adora- nr9mo "ligio mui forte e poderosa com ai
u o Ente Supremo. nh^o'?!'.8'0"!' e pecielmeni. com a compa-
do catholcisma ; porque na sua escola formara
se homens grandes pela sciencia e pela sanlidade.
Formam-se Bernardos, Thomazes d'Aquino, e
Igoacios do Loyolla, que foram os egregios e por-
tentoso* guia, dos seculos que illuminarsm com
sua sciencia e rirtude. Nao se querem homens
desles, em consequencia da sua grandeza, qu
ja, os rerolocionarios em Portugal, Hespaohi
ra, 40 capitaes de fragata, 120 primeiros lente,
250 segundos lenles, 59 guardas narinhas. 134
aspirantes, 92 officiaes de saude de differentes
classes, 80 ofciaes de fazenda, e 6,000 mar-
nheiros.
Esta officalda-e se divide em dous partidos
distinctos; um tendo frente o rice-almirante
Rijk, hbil official que por rarias rezes tem sido
ministro da marinha, estima o systema francez,
e trabalha actiramenle para estabecer na Hollan-
da a inscripeo martima ; o oulro dirigido pelo
rice-almirante Luceas, ministro tambem diversas
vezes, prefere o systema ioglez, e quer v-lo im-
plantado na marinha hollandeza ; mas arabos ca-
minham para o mesmo flm ; a prosperidade da
marinha.
Commissdes de i.queritos sao frequentemenle
Horneadas j pelo governo, que Ihes propo
questes de importancia, que ellas respondem
como :
Quaes sejamos meos empregarpara conser-
var no futuro boas equpagens.
Porque meios se poder manter por muito lem-
po no servico marioheiros e artilheiros bem exer-
citados.
Se o arrolameoto dos marioheiros deve ser
conservado como da actualidade, ou se podo In-
troduzir-se nelle mclhoramentos, e em que con-
sisten!.
A que numero diere ser elevado o effectivo dos
officiaes de marinha nos differentes poslos, para
fazer face ao servijo em tempo ordinario, e des-
envolver fcilmente o quadro as eventualidades
da guerra. A mesma questo relativamente aos
officiaes marnheiros.
Que numero de discpulos se dever admitlir
aonualmente na academia de marinha.
Qual o ensino mais conveniente ao, aipiranlot,
e ao, joreos que se destinam construejo
naral.
Se o, vveres e sobresalenles devem ser com-
prados e entregues nos portos, ou em um
centro.
A' que atgarismo definitivo devora flxar-se o
orjamento da marinha, allendendo-se forja
naral proposta para, o servijo no interior e no
exterior.
Quaea as modllcajdes fazer-se os regula-
montos relativos s pensdes destinada, s riuras
eorpho, dos officiaes de marinha.
Basta citar estes problemas para se reconhecer
o grande interesse que elles est ligado.
Logo que as commissdes do o seu parecer,
ama ordenan ja real pe em execucio as medidas
adoptadas, e assim a sorte do pessoal da mari-
nha hollandeza, e do seu material continua-
mente altendida, quer pelo ministro da marinha,
que ordinariamente proAssional, quer pelas ca-
nhiada'jMl.T': ". CTr"":,,""e com a compa-
Por mais que faja o impo, esraag.do com T rirtudes; oMgrd tld .? V ,al^,0S d
pesodesuafraqoeza. e nao pode passar sem lado, e com especiafid.de aoV,ZlenJn^'l
Deu,. Se chegasse esquec-lo. os elemento* q^Z^T\^aci'aacilo'> ntr. o racToMa-
conjurados nao tardaran, mostrar-lhe que na- 0 em oue oralhimo^'00, no moe>to mes-
da rali, e o furor de um poro sublev.do'p.ten- ^^f:^^
tearia a fragilidade do seu imperio. revolucionarios as ordens religiosas
O impo brada por Deus quando se v .. pe- aSM^^K. Z^tZ Sfid
ngo e bem mostra entao que a natureza precisa de ; e naquelles paizes em que tem prevalecido
e nao ode oassar sPm Pita in,. .... ... o racionalismo, subtrahrara-lh'a sua aeco be
- stt'ffiW^f Pa su. aiima'
si, impelhdo pelo inrencivel amor da conser-
vajo.
Tal a explcajo da, patarras com que o tn-
credulo moslra que respeila a religio na vespera
da perseguijo ; porque a forja da verdade tal,
que nioguom pode ultraja-la sem que primeiro
lhe offereja o tributo de sua homenagem.
Ma, por i,so mesmo que o mpio s recorre
Deus no interesse de sua impiedade, e para con-
solidar o seu reinado, o seu coracao dominado
por um sentmento contrario, quando a religio,
livre para desinvolrer-se, ameaja a sua domi-
najo.
Primeiro que ludo quer reinar : s aspira a
empunhar o sceptro da opinio e a apoderar-se
da direcjo dos espirilos. O impo quer supplan.
tar Deus, e oceupar o seu lugar, modelando o
homem e a sociedade sua imagem e semelban-
ja; e se na sua mareha encontra alguem que so
lhe opponha, nao podendo haver-ae com Deu,,
descarrega a sua colera sobre os seus ministros.
J dissemos que o racionalismo o typo actual
da incredulidsde ; por isso rejam-se os sous ins-
tinctos. Carece de urna religio ; porm forma-
da i sua guiza : precisa de padres masquesejam
bem doceis aos seus menores preceitos.
Nao pode soffrer Roma ; porque a me e a
guarda vigilante da independencia religiosa.
Sacudiu o seu jugo suire em Wiltemberg, em
Genobra e Londres.
Quer sacudi-lo entre nos, como se ve pelo,
acto, coraecados em 1834, e continuados sem n-
terrupjo at hoje, nao lendo havido nra s mi-
nisterio, que nao lenha collocado urna pedra no
edificio architetado nos antros das sociedades se-
cretas.
Sacode-o o Piemonte, em nome da unidade
italiana, perseguindo cruamente o clero desde o
sachrislo at o bispo, expellindo e roubando os
religiosos de ambos os sexos, e fazendo guerra
aberta, ioiqua, impla, e desleal ao pae coramum
dos Geis para quem j prepara, insano I as alge-
mas forjadas por Napoleo e pelo anglicanismo.
Quer sacudi-lo Napoleo, em Franja, filha pri-
mognita da egreja, pertendendo coarctar e es-
cravisar o poder episcopal, e conservando o
Summo Pontfice prisioneiro em sua sede de Ro-
ma, titulo de o proteger, renoranlo, para rer-
gonha de seu usurpado poder, a proteegao d fran-
ceza, que o Io Napoleo fez proverbial.
E' entregue o justo s turbas dos phariseus pie-
raontezes pelos triota dioheiros da Sardenha e
Liguria: depois da queda de Gaeta comecou a
paixo do vigario de Jess Chrislo.
e nao pode passar sem Elle. Inroc, o seu au-
xilio, nao porque ame Deus, mas por amor de M^^^n/I'^* 5ecu,lare.8. a <>"a ma
si. impellido pelo inrenciv ,,,,. ^iT.l $" 'l ^'p'rSda a
connexao intima das medida, tom.dS, pelo ra-
co.al.srao contra a religio catholica. /pSSfi;
neSrreSo^ Se* ?* *^ *
Ser necessano que a nossa bocc, prora e
^.%Sapenn" esc.reTa 1 se trata de urna
hrca.m%,,DPn0 en,r e o ca-
.mnlB* lu-a de 010rte : nma ,ula o ntiM
va?se"rm"S?0' qU9 M f" ma9 00 que SS
rar-se com d verso nome, ou dispertar-se entra
esntodW" qUe a?.1sput.Pm omundo o
espirito de Deus e o espirito do homem.
O espirito do homem acolher, sim. o espirito
.-te. w.-.rxeeoB acood*ao ?
conter as massas ; porm nao quer que tenha
verd.deira inQuencia ; islo -quer urna reli-
g.ao m Papa. ,em orden, religiosa, e "em e,.
r^qU-pm0S.tXpUca,!a a reli,ao d0 noo caree-
reiro de Po IX; a de Vctor Emmanuel que se
tesePaToeC7n.Ca-10' R/land0 Jft os Wi-
tes Tofe, tolle, cruci/ige eum.
de Zt Ifn ,V,l- ?-^d0 ca,holi. ^raos a fortuna
",,L "'.""''cismo, assustsdos cora a torren-
i.M.VuPaMu .meaja invadir ludo, abor-
ec dos das producjdes venenosas da imprensa
.rflnra18"' coJ"encidoa de qq o morimento
S ..C,e ,nduslrial com que ynpsthisam
odas as almas eler.das, acharia no atholicismo
ra S?,.erhf0r,impu,,- 6 Uma for?a de moralisa-
S J?. \-a "" q"ere*os a religio forlemen-
te constituida na ordem espiritual.
mirta!m.-S Ve,i8iao C0B1 sua gerarchia, for-
ih *LM" i*'"* 8 aa anarchislas, com a
exercirfo ^r1a' bso}^a>"^ udependnle no
. i. 8e.U miD,s,erio aPostolico, com os
colas n'l?r Ur.? 6 reu,,ares. e com as suas
escolas publicas e livres librrimas, animada,
sSdor MP paCDc' moralador e civil"
4.!.Na0n^qaeremos egreJa cephala e sem influen-
.'h uer6ms religio modifleada ou orga-
nisada ou modifleada por dictadores ou parla-
mentos : queremos religio divina que tenha por
LetrUauZl.,nabaUbel "dra de *** '
Legislador disse : super hanc petram edificaba
eclwsiam meam. '
Ora o racionalismo diz: a jerarcha eccle-
s as ica cora o poder soberano naUpul. cora a,
sua, ordens religiosas e com as suas escolas
S.0rVe?Pr0 80ciedade Preinde-
ranc a decisiva, arrancando-nos o sceptro da,
raaos. Logo, guerreemos Roma I abaixo as or-
dena religiosas, e a educajo clerical 1
i*an^P!irad0, padre do 8eu chefe. rpho da
ciencia dos claustros, privado dacollaborajo dos
frades, afaslado da mocidade e de lodo entregue
!... d'um -Penoo ministerio, nao nos
ca usar temores serios.
E' por isso que o racionalismo exclama : res-
. c' padre' ,e aos d"gmss que eosina res-
peito mesma religio I Acaso Roma e as ordeus
re igiosas sao essenciaes religio ? Nao poderS
ella passar sem tudo isso? > fv
Parece que estamos ouvindo Hr. Cagnard elo-
8'ando o rulto pasmoso de Robespierre por ha-
As ordens religiosas sao os reductos armados yei uecreado o Ente-Supremo I
. calholicismo : noraue na sua escola fnrm.m. mSoXhoroe'm?0 deCretada e modificada pela
Nos, porm, como catholicos sinceros, respon-
r.omnn.iqUC p-adre' Da 8,lua5ao qe decreta o
racionalismo, nao representa na sociedado seno
uta papel secundario e sem iofluencia alguma.
E mister que o padre possa ser lodo para to-
dos, ensinando lodos; porque essa a sua
missao que recebeu dos labios dirinos, quando
uMio, em consequencia oa sua grandeza, que ""-au que receoeu dos labios dirinos, quando
Ihes d um poder irresstirel sobre o espirito das ProJeriram : docete omnes gentes. Ueste modo po-
oooulacSe. .tJ "?Ulf Podersamente para o rpido
adtaolamento da sciencia e da cvilsajo.
K raister que possa caminhar, na ordem pura-
na ------------------- n'HUUI.UW,
Poder-se-hia dizer que Lulhero em Allemanha, ,raisler que possa caminhar, na ordem pura-
Calvino na Suissa. Henrique VIH em Inglaterra. 5,.Sce*Pio\ Li^J* SCedade : porque
a philosophi. deletrea do seculo XVIII era Fran- JilS JS'?^" S SP' ^ ^
r no rar>rvl nnnn -ns Aaa> Tn>...! *** tfi- .,
(Continuar-se-ha.)
msras, onde sesentam alguns officiaes, quer pelas
referidas commissdes.
Principalmente o deslino das vluvas e orphos
est abrigado de toda a miseria, e os officiaescom
esta garanta dedicam-se exclusivamente ao ser-
vijo do estado.
Quo longe est a nossa marinha de merecer a
mesma solicitudo o benevolencia I
Temos presente um folheto de 40 paginas, im -
prerso na typographia naccional, por ordem do
governo imperial com o titulo do Roteiro da
Costa do Brasil, comprehendida entre a Baha e
Todos os Santos, e a capitana do Espirito Santo,
organisado pelo primeiro lenle da armada Col-
latino Marques de Souza.
Este Irabalho dedicado ao Sr, chefe de es-
quadra Joaquim Jos Ignacio, como um teste-
mnnho de respeito e muila considerajo, j ao
homem particular, j ao distincto general, digno
ornamento da marinha imperial.
Seu author um official joven anda ; mas j
conhecido ventajosamente ; porque perleoce
esta officialidado nova, enlhusiasta e Ilustrada,
que est regenerando a marinha, readquiriodo o
brilho que ella dore ter, trabalhando por conquis-
tar o lugar distincto que lhe est assignalado no
Brasil, nao se importando com os obstculos, re-
temperando nelles mesmos sua forja e energa,
e cantineando ncensanlemente para o grande fim
porque porfa. Unido por lajosde parentesco
dous ornamentos de classe, elle perpeta as-
Iradicjas de familia, distioguindo-se pela appli-
cajo e estudo.
Saudamos a publicajo desta obra com prazer;
porque ella, alm de aatisfazer uma necessi-
dade de primeira ordem, urna prova do mrito
dada por um de nossos collegas, quo particular-
mente estimamos, e quem dirigimos estas pa-
tarras de animajo para que continu prestar
patria eguaes servijos.
Temos algum conhecimento da cosa da Baha
descripta ; porque nella Qzemos muilus cruzeiros
em 1852 e 53, e lomamos apontsmentos que
para mais tarde nos devariam ser uteis, e pois
podemos desde j declarar que, as observajes
do Sr. tenente Collalino sao dignas de f, e que
sea irabalho actual, embora incompleto, eat es-
crpto conscienciossmerile, e pode ser.mui|ranta-
joso para a oavegajo.
Todava doremos dizer que nao combinamos
com o digno collega em considerar o porto do
morro de S. Paulo perfeilamente abrigado do N.
E ; porque este vento levanta ali muito mar,
que fatiga bstanle os navios; egualmenle repa-
ramos que para sabir bordejando do mesmo por-
to ommitlia elle ama marca excellente do prin-
cipio do banco Joio Gonjalves, matea sempre[ PB.N. T P.DEU. F. DE FAMA. 181.
observada pelos praticos, e que consiste em en-
uar dous coqueiros da costa em seguida ao mor-
ro para o sul, com a pequea ilha que h em
frente ao raesrao miro.
Tambem respeito de Ilheos, nos parece que
o roteiro limitou-se muilo, nao designando as po-
dras que ali h e soconhecidasgeralraenle com
os nomes de Taipis, Sororocas, alm da Tapi-
tanga que meuciqna, eutre as quaes h canal na-
vegarel, principalmente entre os Taipis e Tapi-
lauga. onde echamos sempre de 7 10 bracas
d gua, nao a contecendo o mesmo entre o Illieo
verde e Taipis, e entre Tapianga e Sororocas.
que a ultima arrebenlajo ao sul ; porque ahi
encontram-se muitos lugares com 2 brajas, e o
fundo pedrejado.
A descripjo da costa de Porto Seguro, e do
canal de cararellas. que comprehende a parte
mais perigosa do littoral de que se oceupou o Sr.
tenente Collalino, est teita cora a municiosida-
necessaria, e facilita quslquer navegar por ali
comseguranja.
Era a tarefa mais espinhosa, e o nosso colle-
ga a desempenhou calbamente.
Julgamos derer-lhe com franqueza expr nos-
sas reflexoes, como uma prova do apreco que
nos mereceu seu bello Irabalho, e da atteojao
que lhe prestamos.
Finalmente confessamos que nos foi mui agra-
darel ver o collega dedical-o ao Ilustro e provec-
to general; porque prestou-lho uma homenagem
que lhe era devida, como o maisiocansavel pro-
tector dos jovens officiaes que. como S. S. se con-
sagrara ao adiantamenlo do Brasil polo meio o-
fallivel da marinha.
J tinhamos mandado psra o prelo a presente
Resenha, quando chegou da corte o rapor Oya-
pock, e por elle recebemos a importante e susw
prehendeole noticia da subida do Sr. chefe d'es-
quadra Joaquim Jos Ignacio para o ministerio da
marioha.
Estao satisfeitos os nossos rotos ; foram reali-
aadas no dia 3 de marco de 1861 as esperanja,
da corporajo da marinha cujo jubilo nao se po-
de descrerer.
Deus permita que estas esperanja, tornem-se
flores rijosas, sazonados fruclos.
De nossa parle plenamente confiamos no Ilus-
tre almirante, ministro da marinha.
E. A.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB43AEXM9_14TAIQ INGEST_TIME 2013-04-13T00:25:50Z PACKAGE AA00011611_06153
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES