Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06151


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AHO XXXTII IDIERO 62
Por tres mezes adiantados 5 JOOO
Por tres mezes vencidos 6$000
SEXTA FEIBA 15 DE MABQ0 DE 1861
Porannoadiantado 195000
Porte franco para t subscriptor.
B.NCARRBGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima ;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Araca-
ty, o Sr. A, de Lemos Braga ; Cear o Sr. J. Jos
de Oliveira; Maranho, o Sr. Manoel Jos Mar-
tina Ribeiro Guimares-, Para, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
PARTIDAS UOS UUKKhJ.ua.
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goianna e Parahiba as segundas e
sextas-feiras.
S. Anio, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho e
Garanhuns as tergas-feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Ingazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Fx as quartas feiras.
Cabo, Serlnh&em, Rio Formoso, Uoa.Barreiros,
Agua Preta, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios parlera as 10 horas da manha
EPHEMERIDES DO HEZ DE MARCO.
3 Quarto mioguante as 4 horas e 56 minutos da
tarde.
11 La nova as 11 horas e 18 minutos da man.
19 Quarto crescente as 9 horas e 12 horas da
tarde.
26 La cheia as 11 horas e 55 minutos da man.
PREAHAR DE HOJE.
Primeiro as 7 horas e 42 minutos da manha. *
Segundo as 8 horas e 6 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA.
11 Segunda. Ss. Candido e Heraclio mm.
12 Terga. S. Gregorio Magno p. doutor da egr.
13 Quarta. S. Eufrazia t. m. ; S. Rodrigo m.
14 Quinta. S. Mathildes rainha ; S. Afrodizio m,
15 Sexta. Commemoraco da Paixio de J. C.
16 Sabbado. Ss. Cyriaco e Taviano mm.
7 Domingo da Paixo ou de Lzaro; S. Patricio,
AUUlhNClAS UUa TRIBNaK DA CAPITAL:
Tribunal do commercio : segundase quintas.
Relagao: tergas, quintas e sabbados as 10 horas.
Fazenda : tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quartas ao mel dia:
Dito de orphos: tergas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civel: tergas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1
I hora da tarde:
Ij
PARTE OFFICIAL
Governo da provnola.
Expediente do dia 12 de marco de 1861.
Oflicio ao Exm. presidente das Alagoas.Ten-
do de seguir para essa capital aflm de ir reunir-
se ao corpo de guarnigo desta provincia o len-
te Antonio dos Santos Caris, rogo a V. Exc. se
digne de mandar dar-lhe transporte para a cidade
do Penedo era um dos vapores da compsnhia Ba-
hiana.OfJiciou-sc thesouraria de fazenda pa-
ra ajustvr as coutas do mesmo tenente, abunan-
azer da cidade do Penedo a seu destino, ao ge-
rente dacompanhia Pernambucana para dar lhe
transporte para as Alagoas, c communicou-se ao
coronol commandante das armas.
Oito ao commandante do corpo de polica.
Pode V. S. mandar engajar no corpo sob seu com-
mandoos paisanos Antonio Hermenegildo Caval-
canti e Zacharias de Oliveira Pessoa, que foram
considerados aptos para isso, como consta dos al-
lestados annexos ao seu ofQcio de 11 do correle
sob n. 112.
Dito ao mcsrao.Por ter adoecido o 2 len-
te Asencio Minervno Meira, vogal nomeado para
o conselho que tem dejulgar os soldados do cor-
po sob seu commando Jos Ricardo de Lima, Joa-
quim Bernardo Soterio, Manool Victorino dos
Santos e Joo Pereira da Silva, foi nomeado para
substitui-lo o alteres do 2o batalhao de infanlaria
Thom Gomes Vieira de Lima, o que V. S. far
constar ao mesrao conselho.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Estando nos termos legaes a folha e pret juntos,
mande V. S. pagar os vencimentos relativos ao
mez de fevereiro ultimo, dos ofciaes do cxerato,
cornetas, pfanos e tambores empregados nos cor-
pos da guarda nacional deste municipio, conforme
requisitou o respectivo commandante superior
cm offkio do honlera sob n. 19.Coramunicou-so
ao commandante superior do Recite.
Dito ao rnesoio.Estando nos termos lgaos os
inclusos documentos que me foram remedidos pe-
lo commandante superior da comarca de Flores
cora oflicio de 31 de Janeiro ultimo mande V. S.
pagar ao I)r. Augusto Frederico de Oliveira os
vencimeulos da torga da guarda nacional daquella
comarca, que raarchou era diligencia para a villa
de Tacaral, a contar do Io do novembro do anno
prximo passado al 6 do citado mez de janoiro.
Mandou-9e tambera pagar aos negociantes An-
drado & llego os vencimentos dos guardas nacio-
rjaes destacados na villa de Flores durante os
mezes de dezerabro e Janeiro ltimos.Commu-
nicou-se ao commandante superior respectivo.
Dito ao mesmo.Devolvendo a V. S. os pa-
pis quo acorapanharam a sua informago de 9
Jo correte, sob n. 1830 o auloriso a mandar pa-
gar, conforme requisita o director das ob'as mi-
litares no incluso oflicio a quantia de 3:5339770.
P'Ji j.ia I--* n------:-- 1------.._. .. .'.------.-------"_ ,_
zar uma cozoha e um refeilorio no quartel da
lortaleza das Cinco Ponas, menos o fogo e o la-
driiho do roifeitorio, segundo consta do referido
contrato ; ficando V. S. na inlelligencia de que j
se acham concluidas aquellas obras.Communi-
cou-se ao director das obras militares.
Dito ao mesmo.Auluriso a V. S., nos termos
de sua info.mac.ao de 9 do corrente sob n. 182, a
mandar pagar a quantia de 188360, cm que, se-
gundo os documentos que devolvo, importa o tor-
necimento de luzes feitos nos mezes de setembro
e.outubro do anno prximo passado ao quartel do
destacamento de Villa Bella, sendo essa quantia
entregue a Luiz Antonio de Souza Ribeiro, con-
formo requisitou o chefe de polica era oflicio da-
tado de novembro daquelle anno, sob n. 1509.
Communicou-so ao chefc de polica.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de Olinda.Expega V. S. as suas ordens
para que o 9o batalhao de infanlaria da guarda
nacional sob seu commando superior acompauhe
a procissao de Seohor Bom Jess dos Martyrios,
que lera de sahir da igreja de S. Joo da cidade
de Olinda no dia 24 do corrente s 3 horas da
tarde.
Dito ; cmara municipal de Caruar.Cons-
tando-rae verdicamente que a cmara municipal
ce Caruar at esta dala nao expedir os compe-
tentes diplomas aos cidados quo foram eleitos
deputados geraes pelo quarlo distrcto da
provincia na eleigo, 3 que ltimamente se pro-
cedeu, determino raesma cmara, que sendo is-
to real, faga quanto antes expedir os diplomas a
quem por le competir em virludo da apurago
geral dos respectivos collcgios eleitoraes, sob pe-
as de responsabilidade, que se lhe far effectiva
por uma tal orosso.
Dito cmara municipal do Recife.__Para
cumprimentodas ordens era vigor remeta a c-
mara municipal do Recife cora loda a urgencia
ate o fim de marco corrente imprelerivelmente
copias em duplcala das actas das eleigoes de
cleitores ltimamente feilas as freguezias do
seu municipio, bem como dos respectivos colle-
gios eleitoraes, comprohendendo cada um dal-
ias, quer as da eleigo primaria, quer as da se-
cundaria, todo o processo dcslea sua installago
atea apurago, e nao simplices actas parciaes de
um ou outroacto da eleigo que nao pode ser de-
vidaraente apreciada seno em vista de copias
completas de todo o seu processo.Officiou-se
no mesmo sentido s cmaras municipaes de Pao
do Albo, Olinda, Iguarass, Cabo, Uoianna, Es-
cada, Sanio Anto e Nazareth, e s de mais c-
maras para fazerem iguaesremessas al o dia 10
de abril prximo vindouro.
Dito mesma.Remella a cmara municipal
do Recife com urgencia at 31 do corrente irapre-
terivelraente copias em duplcala da acia da apu-
aco que ltimamente procedeu para deputa-
do*3 geraes do actual quadriennio. Offlciou-se
nos raesmos termos s cmaras de Nazareth, CaDo,
e s de Caruar e Villa Bella, pan fazerem iguaes
remessas at 10 de abril prximo futuro.
Dito ao director das obras publicas. Cerlo do
contedo do oflicio que Vrac. me dirigi em 7 do
corrente, sob n 58, relativamente ao pagamento
que reclama o engenheiro Henrique Augusto Mi-
let do que se lhe est a dever proveniente das
obras da ponte do Aojo e 14* laoco da estrada do
sul, se me offerece a dizer em resposta que tendo
Vmc. de ir ao sul da provincia, como declarou,
cumpre que examine por si mesmo aquellas
obras, e emita o seu parecer.
Dilo an mesmo.De conformidade com a sua
informago de 28 de fevereiro ultimo, sob n. 45,
mande Vmc. pagar a Antonio de Souza Arruda o
que so lhe esliver a dever como servente das
obras da casa de delengao, quando se achava ali
preso.
Dito ao superintendente da estrada de ferro.
Annuindo ao que me solicitou o Sr. E. H. Bra-
man, superintendente da estrada de ferro em of-
licio de 10 do corrente, exped ordem para ser
posto era iberdade o recruta Henrique Joo Gus-
tavo da Silva, visto que eslava empregado noser-
vigo da estrada ; cumprindo que o mesmo Sr. su-
perintendente remella esta presidencia, de
conformidade com a 10a das condigees annexas
ao decreto n. 1030, de 7 de agosto de 1852, a
relagao dos nacionaes empregados pela compa-
nhta.Mandou-se por em liberdade o recruta de
que se trata.
Dito ao thesoureiro das loteras.Respondo ao
seu officio com data de 22 de fevereiro ultimo,
duendo-lhe que pode Vmc. preferir & estraego
da lotera concedida em favor do hospital Pe-
dro II, que, na conformidade do art. 41 da lei n.
431 de 22 de junho de 1857, deve extrahir-se no
corrente mez a de outra qualquor que mais con-
venha regularidade desse servigo, com a condi-
gno porm de adiantar ao concessionario o bene-
licio da mesma lotera, como propde Vmc. em
seu dito oflicio.
Quanto s mais loteras, de que trata, deve
Vmc. regular-se pelas rainhas ordens do Io e 8 do
corrente, como lhefoi recommendado.
Dlo ao conselho de compras navaes.Appro-
vo a compra dos objectos que o conselho de com-
pras navaes contratou com as pessoas menciona-
das na relagao aonexa ao seu oflicio de 11 do
corrente, devendo o mesmo conselho remeller a
thesouraria de fazenda copias dos termos que as-
signarara os vendedores dos ditos objectos.Com-
municou-se thesouraria de fazenda.
Portara. O presidente da provincia, coufor-
mando-se com o que propz o chefe de polica,
no seu oflicio sob n. 167, de 11 do corrente, re-
solve nao s demittr do cargo del'supploote do
subdelegado do distrcto de Aguas-Bellas a Fran-
cisco deCarvalho da Silva Queiroz, por estar pro-
nunciado em crime de falsidade, mis tsmbem
conceder a exonerago que solicitou Antonio Jos
Pereira de Bastos do cargo do 3o supplente do
mesrao subdelegado. Communicou-se ao chefe
de polica.
Dita. O presidente da provincia, attendendo
so que expoe o director da faculdade de direito
em offlcio de 11 do corrente, resolve dispensar o
Dr. Tarquinio Braulio de Souza Amaranto deser-
vir na qualidade de commissario nos exames de
preparatorios, a que se est procedendo na mes-
ma faculdade, o noma para substitui-lo o Dr
Manoel do Nasciraento Machado Portella.Com-
municou-so ao mesmo director e ao nomeado.
Dita.O presidente da provincia resolve desig-
nar os professores do gymnasio provincial bacha-
rel Antonio Raogel de Torres Bandeira e Antonio
Egydio da Silva, e bem assim o do curso cora-
raercial bacharel Antonio Witruvio Piulo Bandei-
ra e Acciol de Vasconcellos, para serem exami-
nadores no concurso a que se tem de proceder na
thesouraria provincial no dia 18 do correnle para
preeuchimento dos lugares de 2o escripturario da
mesma thesouraria, sendo o primeiro em gram-
matica nacional o segundo em aritlimetica e suas
apphcacops e o terceiro em principios de escrp-
turagao por partidas dobradas, e ordena que nes-
le sentido se expegam as convenientes ordens.
Communicou-sc thesouraria provincial e ao di-
roctor geral da instruego publica.
Expediente do secretario do governo.
Oflicio ao chefe do polica.O Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda communicar V. S.,
era resposta ao seu oflicio n. 165 de 11 do cor-
rente. que ofliciou ao commandante do corpo de
polica para mandar apresentar V. S. 4 solda-
dos e um oflicial ioforior para escoltarem os dous
.W^8f.aHite^pVfion-,r;-oremoMm-
mandante de polica.
DESPACBOS DO DA t"2 DK JI.IHC0 DB 1861.
tequerintnlos.
4029.Antonio de Souza Arruda.Drja-se
reparligo das obras publicas.
4030.Antonio Jos Rodrigues de Paula e nu-
tro.Exhifcs os supplicanles os ttulos dos terre-
nos em que esto edificadas as duas casas de ns.
9o e 97.
4031.Augusto Frederico de Oliveira.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Antonio Muniz Tavares.Passe porlaria conce-
dendo a licenca pedida.
4032.Alfonso Maranho de Sobral.Informe
0 to {,DSPeclor da thesouraria de fazenda.
4033.Bento Bandeira de Mello.Nao tem lu-
gar o que requer.
4031.David Geraldo Pereira.Requeira pelos
canses competentes.
4035.Gulhermina Basilissa de Oliveira e Sil-
va.Passe portara concedendo um mez de licen-
ga com ordenado.
4036.O conego Joaquim Pinto de Campos.
Dirija-se thesouraria provincial.
4037,Jos da Rocha Paranhos. Informe o
Sr. Dr. chefe de polica.
4038.Joaquim Augusto Ferreira Jacobina.
Informe o Sr. engenheiro director da reparligo
das obras publicas.
4039.Joaquim da Cunha e Fgueiredo. In-
forme o Sr. commandante superior interino da
guarda nacional do Recife.
4040.Joaqun: Augusto Ferreira Jacobioa.
Sim, nao haveodo inconveniente.
4041.Leonel Raphael de Moraes Silva.Con-
cedo mais 30 dias improrogaveis.
4042.Manoel Antonio Viogas.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
4043. Sebaslio Marques.Selle o documento
que junta.
ENCARREGADOS DA SUBSCR1PCA DO SUL'
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Babia
Sr. Jos Martlns Alies; Rio de Janeiro, o Sn
Joo Pereira Martina.
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do diario Manoel Figneiroa de
Faria.na sus livraria prega da Independencia ns
6e8.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DEPERNAM-
_ BUCO.
Hamburso, SO de fevereiro
le 18ttl.
Gaetacapitulou. Desde o da 14 do corrente
trmula sobre os seus muros a cruz da Saboia em
lugar do pavilho dos Bourbons. S em Messioa
e na pequea fortaleza Civitella del Tronco ne
Abbruzzios se acham anda tropas bourbonas ;
todava mais que provavel que a queda do Gae*
ta ser mui brevemente seguida pola capitulago
dessas duas pragas. Segundo aa ultimas noticias
nao era esperada com lana rapidez a queda de
Gaeta.
Esperava-se que esse acontecimenlo, bem que
inevitavel em ultima instancia, prolongar-se-hia
anda at o mez de margo. Tambora se ignora
anda os motivos que induziram j agora el-rei
Francisco II capitular, porque segundo suas re-
petidas declarages elle esta va decidido susten-
tar a praga at o^exlremo. E' vordade que o fogo
dos sitiadores fi terrvel desde o principio do
mez ; Cialdioi desmascarou baleras sobre bate-
ras, e derramou sobre Gaeta projeclts de toda s
qualidade. A devastago na cidade de Gaeta foi
horrivel, e mais do que metade das suas casas
nao sao se nao um monto de ruinas, alas a for-
taleza em geral tinha soffrido pouco proporcio-
nalmenle.
No dia 6, a exploso d'um deposito de grena-
das n'uma das bateras da fortaleza verdade que
tinha causado grande estrago, abrindo uma bre-
cha no muro exterior pelo lado do mar. Mas
apezar disso tudo a posico da praga nao se ocha
anda chegada ao extremo.
Nao obstante, depois de haver decorrido um
armisticio de 36 horas para o enterro das victi-
mas da dita exploso, Gaeta logo depois propoz
um novo armisticio de quinze das para negociar
acerca do rendimento. Cialdioi rejeitou o armis-
ticio, mas declarou-se prompto a entrar em ne-
gociages, continuando entretanto o bombarda-
melo. As negociagdes comegaram e forsm rom-
pidas e reabertas do dia 13 quando na noile do
da 12 uma nova exploso na fortaleza tinha ater-
rado a bastio TransyIvania, foram concluidas no
mesmo da.
At mesmo a dealruigo da bastio Transylva-
nia nao tinha reduzido a praga ulterior debli-
dade. Como dissemos, nao se tem anda com-
rauDicagdes autheaticas acerca dos motivos para
a capitulago, Em todo o caso muito tem por
si a supposicSo geral, que foi menos o fogo do
nimigo, do que a posigo vacillante e duvidosa
das tropas na fortaleza, que deu a deciso. Ha
al quem quer saber de Iraigao aberta, e que a
ultima exploso que precedeu immediatamente
decisao, nao foi causada pelas balas e bombas
dos sitiadores, mas slm por cmplices doimmigo
dentro da praga. As condgoes da capitulaco
seguraram el-rei e sua familia e comitiva a
liberdade de se transportar de Gaeta para qual-
quer outro lugar nao oceupado pelos Piemonte-
zes, e concederam-se guarnigo todas as honras
militares, entregando-so ella prisioneira de guer-
ra ; a condico de prisioneiros de guerra s de-
via durar at queda de Messina, e de Civitella
del Trunco.
Na manha do dia 14, Cialdioi eccupou a ci-
dade o uma parle da fortaleza, ficando a outra
parte livre at a partida do el-rei.
El-rei porm embarcou-se no da 15, a bor-
do da corveta franceza La Mtnetle, vin-
da de aples, recusando o navio de guerra
que lhe tinha sidu offerecido pelo almirante Per-
sano, e foi provisoriamente para Roma. Pen-
sa-se que a sua residencia ali ser curta, c que
elle partir logo por via de Trieste e Vieona pa-
ra a Bavera, o paiz uatal da sua esposa. Corno
se sabe, el-rei s eslava casado poneos mezes,
quando rompeu a insurreico na Sicilia, forman-
do o principio do Ora. O'com porta ment da jo-
ven rainha, e a sua coragem lhe mereceram des-
de o principio a admirago de todos. Ella br-
Inou sobretudo era aeta. Ella foi a alma, o
bom anjo dos sitiados. No meio da chuva de
Dallas, ella se achava as bateras animando as
tropas, ou correndo de hospital hospital a to-
dos os feridos.
Apezar das repetidas instancias de seu esposo,
oei deixar o lugar perigoso, ella se conservou ao
laoo de el-re com a maior coragem e energa
al o ultimo momento. A princeza allemaa nao
pode aastar a triste sorte que rompeu sobre os
Dourbons no throno de aples, mas ella con-
tribuio sobre modo para o ornar com glora
eterna,
Era consequencia da queda de Gaeta espera-se
agora em primeiro lugar a proclamago de Vctor
bmmanuel para rei da Italia. O parlamento ita-
liano foi aberlo no dia 18, em Turin. e um dos
seus pnraeiros passos ser a dita proclamago.
Como parece, o conde de Cavour annunciar
esse passo primeramente aos gabinetes, dos
quaes nao tem de receiar difliculdades s respeilo
do reconhecimento, i3to ao gabinete inglez e
ao Irancez. Depois, provavelmente a parlicipa-
gao ser fela Russia, a qual, segundo se pensa,
oao hesitar muito em deixar valer o fado con-
summado urna vez vista, e a qual, apezar do
rompimenlo das suas reiages diplomticas em j senhores se
'"?' erapre e vi ton asperezas. Muito mais se Somente depois de resovidas as difiranles ~pYo"
prolongar a notificagao Prussia, mas, se a In-! postas oatregues s commisses. aua sn deven,
Depois de que a cmara dos senhores na Prus-
sia se apressou cota a sua resposta falla do
tnrono asdiscusses acerca do enderego na c-
mara dos depuiados enchoram plenamente cinco
sessoea. O resultado foi a aceitago do projecto
e euuerego, com uma nica importante mudan-
?a. o dito projecto tinha passado com silencio
a queslao italiana, i mas o depulado de Vincke
propozo seguinle idditamento. Consideramos
conlra o interesse da Prussia e contra o ds Alle-
manha, a opposig consolidago progressiva
da Italia.
O ministro dos eftrangeiros, baro de Schlei-
nitz combateu virameute a aceitago desse ac-
cresceutamento. pedindo casa dos deputados
que o rejeilasse. C Jmtudo o mesmo passou com
maioriade 13 votos.
f* allemaa, igualmente combatido pelo baro de
Schleinitz, convidando o governo directamente
para uma politice tendente transformar a liga
dos estados aemesem um estado federal alle-
mo, j tinha por segura a maioria da cmara dos
depuiados, o smente a ameaga, da retirada do
barao de Schleinitz, insinuada no meio das dis-
cusses aus conductores da maioria, fez cora que
o dito addilamento foi finalmente rojeitado.
O projocto de enderego ao resto recomraena-
va a mesma poltica, como o additaraeoto rejoi-
lado, mas era outra forma, mais encobertamente,
e menos obrigatorio para o ministerio.
Por isso mesmo o Sr. de Schleinitz nao tinha
nenhum receio conlra a approvago do projecto,
apezar de nao poder elle deixar de desconhecer
que o mesmo bem que disfargava o contraste das
opinioesda cmara dos deputados e do ministe-
rio, de nenhum modo o oceultava. Nao smente
na questo italiana e na alloraa, tambero as
questoes interiores a discusso do enderego des-
cobrio mui claramente a falla de accorco entre o
ministerio e os representantes do paiz, e o ende-
rego s foi o ligeiro veo quo se deilou sobre essa
falta. Est-se mal contente e interiormente mal
contente, mas pensa-so dever ter ainda certas
consideragocs, e evitar qualquer rompimenlo
aberto.
Essa presentemente a posigo parlamentar na
Prussia, como sahio luz pela discu3so do en-
derego. e a resposta dada por el-rei, quando lhe
foi aprsenla Jo o mesmo enderego disso d co-
nhecmento. El-rei nao se pronunciou positiva-
mente contra as exigencias indicadas no endere-
go, mas entre cadalinha da sua resposta se poda
ler a diffrenga entre as opinies do governo e as
dos representantes do paiz. Com a concluso da
discusso do enderego a actvidade publica da c-
mara dos deputados parou pelo momento.
Do mesmo modo a actvidade da cmara dos
concentra por ora as commisses.
me, com quanto o pedido tenha ltimamente sido
diminuto
O coco do Brasil tem sido rendido de 54 s.
M a. percwt pago 1 d de dreilo por Caf
1 q'ialidade de 61 s-70 s ; 2 dita55 s
,V^Or^'Q"l052.9-5i s-6 d- t'"10 "jeito
a 3 d de direito por libra. Pao Brasil de 80 s-
ao s por tonelada lvre de direito. Assucar de
reroambuco e da Parahiba, branco 25 s 6 d a 30
s. per cwt, mascavado 19 s24 s 6 d. Baha,
nranco 24 s29 s, e mascavado 19 s 6 d24 s.
E couros salgados do Rio Grande, 5 i 3i4 a 7 d
't po/ **. itos seccos. 9 d a 9 d Ii2, o seceos
salgados de 6 d 8 d 1(2.
Chegaram do norte do Brasil i varios portos
Ma^estade deixar a fortaleza no dia 14 pela ma-
?"? .bordo 'quelle navio da asquadra fran-
vam A e.9S1 orlj riemontezesoccupa-
mZtp n,i Iriude d0S artios da capitulago. o
Pr.r. md? 6 ?Ulr0* ponl* exteriores da
i raga mas isso nao impedio quo fosse el-rei
Su. ih"h ,C?Be,e/ppUudid0 por muUos dos
rrl.e.hi",B fl.cad? Ieaes. quando a para aco-
Ab?2.* Proteccio o pavilho france*.
Daaaar n.l. ..?.? rear',a Sua Ma8eslade quiera
Gaeu P L U,ma ?" em '" os defensores de
infr1.in De8Sa occasiao S8 mostrou sonsivel so
infortunio que o perseguio, derramando lagrimas
em presenga d'aquelles co'm quem duran i! rau"
dSn^.P?"""!f?-ri^.!,'.-''?- 9--O.W.-
narcha.
re e/lados3. pemonle"s "cupavam j os luga-
De Inglaterra'se'gi'r'mpVrV varios portos do Freu/^r da caPilula?ao as foress d'el-rei
norte do Brasil, no mesmo periodo, os seguintes. drt.! qUe occuPav'n Gaeta, sero consi-
De Liverpool Shark (8) para o Para: de Li- prlS,0?,ei1r" de 8ue"a. em quanto nao
verpool Leandor (9]I para o Maranho; de O0."!6""1 capitulado
oravesend Nova Elisa (101 nara a Baha ; de
-------- WW 1,1'
Pernambuco: de Cardiff F'avorita (13) par
dito : de Cardiff Juanita (15) para dito ; e de
Troon Sevenan (14) para dito.
O parlamento britannico nao lem apresentado
cousa alguraa nolavel desde que escrevi a mioha
ultima carta. Ha dias lord Herbert. actual mi-
nistro da guerra, e hoje com assenlo na cmara
dos pares por haver sido ullimaraento nomeado
memoro da casa dos lords, propoz um vol de
reconhecimenlo ao exercito e marinha pelos
servicos prestados
. penses i
ruf Q hP f a',uella covengo era favor dos ofli-
srvL di-3i empre8a entre ''n'FfaC,SC0 obrigando-se esle &
" a Pfaa ora lodo o material de guerra
so nifH? COn"Dha> 6 qU8 m0nU maii de Ses-
Nin Pnni. """V e duenl" Pegas de artilharia.
Sin.^R" V l0SKm con*8ndo* convenco
r^i i 2 a'8uraas concernentes pessoa d'el-
xo, ,.""* reSl amilia: Sua M'Sestadedei-
0?,n0 q. sem "bmetter-se individualmente
ontregues s commisses, que so devem
5'. "*'.?. Fran5a e a Russia liverem uma vez esperar noas dscussoes da ambas as cmaras"
Prnl."UxI j"".'". ,fs""u"i 'Bluu a li Jila, a
Prussia nao poder deixar de adherir, ao mesmo
lempo que. em lano que isso nao livor lugar.
T,.?inP0^0,me,e r"PnB" notillcacao de
i uno cora a chamada do seu envi.irtn, o isso 6, ,
segundo se diz, o que o conde de Cavour quer'
evitar. n
Uma outra consequencia da queda de Gaeta
apparecer de novo em primeiro lugar a questSo
romana. v~ ------"-
j
Na Austria, sempre o mesmo estado. Gragas
aos esforgos feitos pelo governo com a parle da
popjlago, sobre a qual exerce ainda alguraa in-
""ncio, o novo omprestimo do 30 millies de
t|os analmente, muilo CUStO, se realisou.
|nto couslituigo anda nao se publicou cou-
alguma. Entretauto o rescripto imperial de
de Janeiro, dirigido aos comitales da Hungra,
:"?'ru ompletamenie, o o governo nao se de-
medidas repressivas
Em coosideraco dessa eventualidade I c,d' de 'evar a effeilo as .
ja se linham tomado cm Paris as medidas para'com 1ue araeagou a Hungra no mostno rescripto
preparar a sua discusso diplomtica. N'estes Etn lu8af disso se fez uma nova tentativa para
Mnhar a Hungra de modo amigavel era favor
dos desejos do governo. Mas ludo baldou. O ba-
rao de Vay, chanceller imperial pela Hungra no
ministerio austraco, tinha convidado para o dia
14 do corrente lodos os palatinos dos comitales
hngaros para uma conferencia em Praga. Essa
conferencia tove lugar, e o resultado foi. quo to-
dos os Palatinos asseguraram ao chanceller im-
perial a sua confianga pesaoal nelle, mas decla-
raram ao mesmo lempo, que nem era no seu
poder, nem a sua vonlade abandonaras leis do
anno de 1848, e que uma paz entre o governo e
os Hngaros s era possvelsob baso dessas leis.
os mesmos Palatinos, em uma sesso do da 15.
se decidiram de se dirigir ainda uma vez ao im-
perador, e o cardeal Primaz da Hungra, o qual
stio sesso na sua qualidade de palatino de
- na recente guerra contra a .'V?"'" 3U0eer-se individualmente
China. Esle tributo de reoonhecimento foi una- !,? le,rmos. sahindo acompanhado de tres
nimente votado pela cmara dos lords. e neuho- !" s'-en re os quaes Sura seu leal amigo
raaduvidaleohodequeoser igualmente pela ei Bosco.
casados communs quando all for proposto polo 'niQ,, |;,etnon'ezes se acham nesta data de com-
sub-secretario de estado da guerra Na ultima .' .p,ss? de Gaeld e deste ponto seguio j
semana o ministro Palmerslon soffreu Uma pe- a' !,^ ?ssina general Cialdioi, acompanhado
quena derrota na cmara dos communs, cm con- anUrT persano, aflm do pdr um cerco re-
sequencia da adopgo por seis votos de urna S2 J," P^1?a, caso general Prgola D
proposta da opposigo acerca da diminu "
incometax sobre a renda professlonal ,
dustrial em relagao renda predial e provenien-
te de outrss fontes. Ur
rito que foi noraoada sot
ver em breve dar a sua opino, que ser sub-
meltida discusso da cmara. No caso de
adopgao daquella idea parece que o ministerio
Palmerslon ter de dar a sua demissSo.
Finalmente capitulou Gaeta no dia 13 do cor-
le uma S"'"j ''" "" caso general Prgola nao
igao do SfiiSteg1a-la;coino S8 Di" que o nao fa-
" e in- no sentlio !f h,"V eSCpl cl-" rwnciaco
renda predial e provenien- S "ll de llDdar a lu'a. tendo-se obriga-
Uraa commisso de iuque- fVfftt!. Pu'a COQTeDSao de Gaeta maso de-
sobre aquella assumpto de- Dwinnd *,"9Q9-. assiln como o de Civitella,
la opino, que ser sub- P.,,e"fl" que .e'-reI fora coaclo a accetar serae-
tTSZSES** P0r con3e8uiole esto dispos-
mi en",er S0US postos a,e extreraidade. Des-
Vi Paree qu.e ainda Pr 'gum lempo res-
Pho mmbu.51u1."C011 k esperanca de renle. e el-rei Francisco II. acompanhado de sua te .or r0C~1'A: "".06" fraca ella ouan-
esposa e dos principes deTrani e de C.serta. odertVi LreVe Vw cim'-0 cetC9 5e G.eti
ch. ] en Roma, p.r onde so dirigir po ia sina e do WvHeUa ?lm n Pr5M de -
de Cv.ta-Vecchia logo que naquelle da tove de dos^Bourbons ,m.,u i co"spracao em favor
abandonar a fortaleza. Depois que as hostilidades des de Sa?nt .hn 51 ~ ie8'1."" "scon-
haviam recoraegado, em consequencia de terem dLh.?. i- n a e de No- fo1 ultiraamonte
oas appareceu em Pars um novo folheto officio-
so de La Guerroniere Roma, Franga e Italia ,
cujo principal assumpto constatar a gravissira
posico em que se acha presentemente o ponti-
ficado na Italia. Diz o mesmo folheto que o pa-
pa nao poda abandonar a sua sede em Koma, e
qUk reio da Ila'a >ao pouco poda renunciar
sobre Roma, saa capital natural. Masque o con-
traste dessas pretenges nao era seno appa-
rente. Que a solugo nao era smente necessa-
na, mas sim possivel, e que dependa da reoun-
cia do pontificado sobre o seu governo munda-
no, ao mesmo tempo que a Italia lhe devia ga-
rantir a sua residencia em Roma, e a sua com-
petente existencia. Que n'esso sentido se devia
arranjar um enlendimento entre o papa e a Ita -
na, e que a Franga eslava prompla a retirar as
suas tropas de Roma, logo que se tivesse reali-
raenoo borabardeamenlo foi sustentado de parte refuaio maa ~.........""" V" "
Par'e. parecendo algumas veres ficar a vanta- rfiddil.. i?' ,qaI Sua demora na"
gera do lado da fortaleza, como se julgra quan- SS1m2T- ? CUr'a dufasau pois ir br-
do no da 23 do prximo passado a esfuadr. ita- 2 S 1 ... f1 COm tloda a sua rea' fa-
llaos fra obrigada relirar-se com avaria de h.i nth. KT8la,e' ^,inha dn8 Dua' Si
defronle da Praga depois de haver bombardeado N di r q?e Maximili.no da Baviera.
esse ponto sem resultado favoravel. Ouirin*! np s b* ..!f 7,s,,ado no Pal*cio uo
etiaeta Su ,S"arSan,ldad.e. 1 prescindindo da
m 2 ?v'f aer Pr,n>etro a visitar. E' sabido
orana, se encarregou de apresenlar pessoalmen-
saoo uma convengo dessa nalureza. Que por ,e ao toiperador o requeriraento dos Palatinos,
ora a Franga se achava obrigada a ali deixar as Veremos o que se decidir em V'ienna vista do
suas tropas para prolecgo do papa.
Bem se imaginar a sensago que tem causado
essa declarago aberta da Franga em favor da
plena remogao do governo mundano do papa,
entretanto, o cardeal Antonelli j lomou a ini-
ciativa para negociages directas com o gabinete
oe. Tuno e u'este momento, o agente do papa, o
ntelhgente e liberal padre jesuta Passagha. j
se acha em Turio. '
N'uma das nossas antecedentes, j fallamos de
r a questo da Syria de novo na ordem
resultado da conforencia de Praga. A mudaoga
quo leve lugar no ministerio om 5 do correte,
de que fallamos na nossa ultima nao foi bem aco-
Ihida.
Londres.
12 de fevereiro de 1861.
Recebemos hontem aqui a mala do Brasil viu-
da pelo paquete de Brdeos, que chegou esse
porto no da 20 do corrente. As folhas desta
j j- i---------- ^j*' w*. mwv uo uiuciu i*va.*v uu un su uu Urrtnie
i en." As negociages a seu respeito capital nada anunnciarara de importante
devn ronf, F.onto que nos Pro'raos dias se! relag a mm^M
nr. ? Pans uraa conferencia europea camlT
para solugao dessa queslo. Tambera j se est srvj
de aecrdo acerca do modo da mesma solugo. I dizel
ia ^'""P'63 prolongago da oceupago da Syria '
cora
E
pea franga.
Irag.
aqui
bras
os Esta
a 26 d 3(4. Cartas particulares, porm,
que a febre amarella eslava fazendo es-
no Rio ; e estas noticias causam sempre
desfavoravel impresso contra o solo
da algumas dim^ulS:aV.^K^^se1d*Kl.r"<;n
a Russia se pronunciou muito decididamente em -
favor das propostas francezas, a Austria segundo i sos pol
parece para se mostrar agradavel Russia, abri
mo da sua resistoncia, e em consequencia disso
a Prussia, lo pouco que se conhegam os motivos
dessa separago da Inglaterra, passou para o
campo irancez. A Inglaterra acha-se pos iso-
lada, e por isso nao poder snstenlar a sua op-
posigo.
Entretanto a questo allema-dinaraarqueza
eotrou em uma nova phase, teodo a assembla
el crise monetaria porque tem pasaado
Unidos era consequencia dos succes-
cos all occorridos, tem causado nesta
praga ama mui desfavoravel influenci". O ouro
tem corrido d'aqui em grandes sommas para
aquelle lado, o deste modo o descont tem aqui
subido a uma laxa fra do comroum. O banco
de Inglaterra elovou a sua taxa a 8 por oO. e se
receia qua a elevar ainda a 10 ol0. Os fundos
pblicos, mesmo os consolidados ioglezes, tem
baixado, visto como o mercado tero estado conti-
nuamente abundante pela necessidade de apurar
federal em 7 do corrente approvado a proposta < capilaes que devem ir para os Estados-Unidos,
da respectiva commisso de levar a effoito a exe-l Os consolidados ioglezes ficam a 91 5|8 ; e a
cugo no Holsteio e no Luxemburgo. : renda tranceza de 3oiO a 68 fr. 20 c. Os fundos
A Dinamarca deve pois declarar, dentro em brasileiros de 5 0[0 de 99100; e os de 4 1(2 Oo
seis semanas, contar do dia 7, se quersatisfa- a 85 i\'i. Os portuguezes de 3 Oto a 45 1|2. Os
zer ou nao s exigencias da confederago, e nao
se pensa que ella deixar passar esse termo sem
offerecer coocesses.
E' verdade que em Copenhague se esto fazen-
do com grande oslentago lodos os preparos pos-
siveis para a guerra, mas isso nao convence nin-
guem da seria vontade do governo dinamarquez
para a guerra
hespanhes 3 o|0 a 48 1|4. Os 5 0|0 sardos a
81 Ii2 a 82. Os mexicanos 3 0)0 a 23 1[8. Os
peruanos 4 1(2 0|o a 97. E os turcos garantidos
4 oO a 100.
A quebra que recenlemante teve lugar em Pa-
ris da casa de Mires, com quem o governo turco
contratara ha pouco um avultado empreslimo,
causou nesle mercado grande pnico sobre os
Tambem n&j existe nenhum motivo legal para fundos turcos nao garantidos. E' assim que os
uma guerra, porque como ltimamente declarou 6 o'O de 1854 ficam colados a 63 3i4 ; e os 6 n\0
Ar.aPBBamanlA n mninl.A rt flaHaTalla Jn 40EO F( l.Q k ._ Uf.4~. a____*
expressameote o ministro do Schleinitz as c-
maras prussiauas, nao se tencona nenhuma in-
gerencia da Allemanha no Schleswig, que nao faz
parte da confederago alluma, e a questo de
execugo s se refere a um negocio dentro do ter-
ritorio federal, e puramente allemo, pertencente
competencia da confederago allemaa. As ou-
Iras potencias, a Franga, a Inglaterra e a Russia
sao do mesmo parecer como a Allemanha, que
uraa lal execugo que nao passa alm dos limites
coostilucionaes, nao nenhum acto internaciona
de 1858 a 54 1|2. A casa Mires havia entregue
ao thesouro de Constantinopla apenas uma parte
do empreslimo ; e por coDseguiole grande ter
de ser o prejuizo para o governo turco, circuns-
tancia esta, alm do estado geral de desordem
as nangas do impeno turco, que est actuando
desfavoravelmente sobre o credilo publico da
Turqua.
As aegoes da estrada de ferro de Pernambuco
ficam a descont de 2 1(2 a 3 sobre 26 15 de
eotrada ; as da Baha a descont de 1 7[8 5i8
e por isso nao d Dinamarca nenhum motivo sobre S 12 de entrada ; e aa de S. Paulo, cuja
para uma guerra contra a Allemanha. I entrada de af 4, ficam a descomo de s 1 i [2
Em Copeohagne se deram declarages nese 1|4. Emjulho prximo esta empreza realisar
sentido, advertindo-se sobretudo, como de todos nova chamada de duas libras por cada aego.
SS de anroaSempre conse"ad Pe familia
taL.p,lM ." mais ma 8ralidao desde o
1 EviM6 V,ere CIilad0 em Gaet l^ta
a revolugo de Roma em 1849.
ii Omrp0 dlPloma''co, que se achava com el-
1 f.fii lio i Fui;..... .. ____r* m
esse ponto sem resultado favoravel. n.rir.lW*?Ht ^f?] 7isilado no palacio do-
Este estado de cousas continuou sem notavel
alterago, at que no dia 5 do corrente a expo-
sao de ura paiol de plvora de Gaeta, causada
por uma bomba immiga, veio langar a desordem
dentro dos muros dessa praga, alm da perda
que causara de mais de duzentas pessas e da
ruina de uma parte da cidade prxima do lugar refam r^i'TTai,C0' que se ach"a com el"
da catastrophe. O general Traversa ficou sepul- do Sr R.rmn/e,"ou-,e para Roma. a excepgo
tado as ruinas, e os condes de Sanseverino e ohol u lr. e faLlr*. ."<< hespa-
de Hausberg perderam as peruas To tremendo desemnenhaK" t M?dnd ,depois de haver
foi o choque causado por essa exploso que a ca- i^lo d.* a.ngu,!5 ap2 a sul missai>
smala onde se achavam os ministros tremeu m darm iB.?arc,b'^ 8verno "espanhol
como se fra feita de madeira ; e junto d'aquelia oom/u teslemunho dea estima a esse di-
era que se achava el-rei cahr tal numero de pro- P v r
jectis que um destes tera tocado Sua Mageslade, lcl?r Emmanuel acaba dfl reCompensar os ser-
se por acaso nao houvesse el-rei dexado o lugar IYs 8eneral Cialdioi, nomeando-o marechal
em aun vein Ar.ilu ir>. a-, Knn.k.. d_>_._ e uuque de (>.inl,i ri.i.ii.,.-____:____ r.
em que veio cahij uma das bombas. Entretan-
to, apezar desses infortunios, a Praca continuara
a responder ao fogo das baleras inimigas. e
repellirdolado do mar alguns dos navios da es-
quadra que ousaram approximar-se at ao alean-
rn na n*t:IL..:. j_ a__ ...
duraqnlf .^ aeU- Ca'dD 88rV" Cti
du"n'e a guerra coolrs a Russia.
El-rei Vctor Emmanuel abri ha poucos dias
o primeiro parlamento italiano. O discurso pro-
nunciado por sua mageslade nessa occasiao
i" V ousaram approximar-se al ao alean- r-"^uu vr sua mageslade nessa occasiao
ce da artilharia da fortaleza, at que no dia 11 ln 81ramenle o que se poderia esperar d'um re-
do correte cessou inteiraraenle o fogo do lado folaaa = poucas palavras. mas significativas. O
opico relativo Franga em verdade d'uma de-
licadeza diplomtica admiravel. O conde deCa-
do corrate cessou
dos sitiados, Uraa outra exploso, anda mais
ternvel, hava tido lugar no mais vasto paiol de
plvora da fortaleza, causando a destruigo de
uraa parte das fortificagde3 denominadas da
TrjinsjdXAniaaaBiaiua^aaBate
uLUWi.piimuIj pmo'Ullff
-------._, yVlv uvuiOaraearaento inimi-
go, se pofiraigo de alguns dos sitiados, o que
anda hoje se nao sabe com certeza ; mas parte
da imprensa europea pretende que esse successo
fra devido ultima causa, ponderando para le-
var a coovicgo nesse sentido aos nimos que
al Qual s iraigao e a deslealdada nao cessra de
perseguir o illustre defensor de Gaeta I Fosse,
porm, qualquer a causa, nao menos verdade
que esse ultimo desastre veio decidir da sorte
daquelle baluarte em que por tanto tempo, con-
tra a expectativa geral, so sustentara el-rei
Francisco II com os seus adherenles. O general
Cialdioi, aproveilanlo-se hbilmente da conster-
vour nao poderia deixar passirJs
lao importante docaa^-
a^aaa^Woxre os dous ps\-
r-s de OTgeota o de Solferino e
sama poltica de nao intervengo do gabinete de-
rans com relagao aos successo3 da Italia, cora-
quanto o imperador julgasse dever retirar da
lunm o seu ministro sem comtudo dimiuuir por
esse acto a sua dedicago pela nobre causa ita-
lianai : osla luterrupcao de relacea todava na
opoiao d'el-rei Vctor Enmanuel um faca
doloroso de que elle se acha compenetrado. Tal
e o modo porque o gabinete de Turim expri-
mi o estado das relajoes diplomticas entro a
Italia e a Franga.
A Inglaterra* nao devia passar em esqueci-
mento embora no momento da acgo nao hou-
vesse ella prestado causa italiana d'um mod
nago causada na Praga pelos successos referidos !- e,l* Pfeslado causa italiana d um mod
e vendo cessar o fogo das bateras inimigas, re- aireo seu brago forte. O apoio moral, prestado-
dobrou de vigor o borabardeamenlo, fazendo ata- P0,r esta grande nagao ao movimenlo italiano,
car tambera a fortaleza do lado do mar pela fra- lr "lencionado- naquella falla como um servigo
gata Cario Alberto ; e por esta estrategia lo-dlmPortrancia nao mediocre; e assim quiz o
grou levar termo as operaces do cerco que conde de Cavour pagar liberal Gra-Bretanha
elle dirigir como commandahle em chefe do a ai"aa de gratidao em nome da Italia, lio-
exercilo de Ierra, pois no dia 13 teve o governa- '. Jrtr.gl"fd P"le '!,b"!ada- Em uma Passagem
dor de Gaeta de offerecer os termos de capitula- i"! .a rrussia. 1 udiodo ao reinado do novo
gao, depois de haver sido mal succedido na pro- ,' vlclor h0"Jaouel implora d uma maneira ha-
posigoque fizera de suspenso do hostilidades ,!ie a'8naas sympathias da Allemanha, a quem
pretexto de enterrar os morios e fazer sahir os ?. na que a uJaidade lUltaoa nunca ter por
os lados se assegura, qae dado o caso que a Di-
namarca tomasse a resolugo de responder exe-
cugo federal no Holsteio e Laxemburgo, por um
bloqueio das costas da Allemanha, as potencias
martimas nao podiam recoohecer esse bloqueio.
O algodo de Pernamhoco fica colado a 8 d 1(2
e a 9 d 3[8 por libra ; e o da Bahia de 8 d 3(8 a
8 d lr2 por '5. A totalidade da importago desse
artigo em Liverpool ; durante a ultima semana
(oi de 6,518 saccas. O prego conserrou-te Qr-
pt/siV>'v 'iu uiiOto uo juautiiauv uw iiuiiujBuvg a
pretexto de enterrar os morios e fazer sahir os
feridos.
O commandanto piemontez havi j sido Ilu-
dido dias antes pelo inimigo,|quaado lhe conce-
der quarenta e oito horas de armisticio, pois
que abusara o governador de Gaeta dessa cir-
cumstaneia para fazer reparar os estragos que a
artilharia piemooteza houvcra causado no poDto
das fortificages em que se pretenda abrir a bre-
cha ; e por conseguinte repellio de prompto
aqueila proposigo, declarando que s tratara
para a entrega da Praga.
Neslas circunstancias, achando-se el-rei na
ultima exlremidade ponto de nao poder con-
tar mesmo com os artilneiros que deviam conti-
nuar o fogo, teve do auloiisar o goveroador da
Praga para ir ao campo sardo negociar as cond-
goes da entrega da fortaleza ; e com effeito no
dia 13 um parlamentario napolitano sahio da
Praga em direcgo Mola di Gaeta, onde em
poucas horas foram discutidos e assignados os
arligos da capitulago. Ao mesmo lempo o mi-
nistro Casella enviara uma mensagem telegra-
phica para aples ao cnsul francez, requisitan-
do a vlnda a Gaeta da corveta franceza o La
Monelte em que de/eria embarcar-se el-rei
com sua veal familia ; requisigao aquelta que foi
prQmfia.rn.ent9 acolbid, de modo que pdde Sua
Cm offender os direitos nem os interesses das
outras nagoes. E' sabido que a Austria lera pro-
curado dosfigurar o movimento italiano aos
olhos da confederago germnica, fazondo crer
que elle tender 'romper aquellos lagos fede
raes quando no futuro se ache de todo consoli-
dado. A Austria, nena a Russia, nao men-
cionada nesse documento, que tambem conten
um voto de agradeclmento Garibaldi e sua
cohorte.
A poltica do governo italiano all se acha re-
sumida em poucas palavras. Temporisar o
principio fundamental dessa poltica, e segundo
diz claramente sua mageslade ninguem lem o
direito de arriscar a existencia e a sorte d'uma
nago. Aquelle principio parece devor appli-
car-se antes questo de Veneza do que Ro-
mana, hoje considerada em via de solugo pr-
xima por intervengo do imperador Napoleo.
E' para libertar Veneza contra a Austria que a
Italia precisa temporisar at que se sinla forte.
para entrar em luta to arriscada.
Finalmente faz sua mageslade menco nesso
discurso da entrega da Gaeta, pagando um tributo
de admirago ao valor do exercito piemontez.
Esta falla real foi acolhida com enthusiaamo
pelos representantes, e tem causido no estran-
'".......... '.

MELHOR EXEMPLAR ENCDNTRAnn ,
<----- -------*-'' V ''. J,-\'. V '-... -11 :"- .-. \****mmmmmmmmmm


I)
URIO DI rERHAHBUGO. SEXTA FE1BA )5 D1M ARIJO DB 1861.
geiro a inipressao favoravel de que a poltica da |
Sardeuha em relago Austria sera moderada e ,
por conseguinte de folie sgeuro a bem da paz.
Parece com efeito que nao sera no decurso dea-
le anno que a Italia lentar um ataque contra
Veoeza ; o proprio Garibaldi e mosUa Uispoalo
a lemporisar. e com o apoio deste coala muilo
o conde de Garour para ezecutar a sua nova po-
ltica.
O ministerio sardo apresentou j ao parlamento
italiano um projeclo de lei que eonere a el-rei
Vctor Emmanuel o Ululo de rei da Italia. Es-
perase em breve a noticia de haver sido un-
nimemente adoptada essa le.
A gazela de Colonia peblicou ha pouco aa prio -
cipaes disposigoes dos hotos estatutos orgnicos
promulgados pelo gabinete austraco. As atlri-
buicoes concedidas s dietas proviociaes sao as-
eas ampias, e o numero de membros de que cada
urna se compora ser atss consideravel; o me-
nor districto da corda lera urna dieta de Tinte
deputados, a Gallicia e a Bohemia lera um re-
presentacao de 250 membres. O conseibo do
imperio se dividir em duas grandes seccoes, a
primeira com posta dos altos dignatarios do clero
e da admiuistrago e dos homens eminentes as
sciencias e as arles, todos vitalicios ; a segunda
constar de 350 membros nomesdos pelas dietas
provinciaes. Este plano foi favoraTelmente re-
cetado na Austria ; mas nao assira na Hungra,
onde nao querem os patriotas transigir de mo-
do algum seuocom plano que tenha por base o
estatuto hngaro.
As noticias dos Estados-Unidos continuara
ser desanimadoras. No sul progride o mov-
mento pela separado, tendo-se ltimamente des-
unido o estajo do Texas. Entretanto por nter
veogo da Virginia se achava reunida em Was-
hington urna conferencia de todos os estados no
intuito de estabelecerem um compromisso: esta
esperanza todava bem fraca.
Lisboa, 28 do fevevelro.
Alm das praposlas de lei apresentadas pelo
ministerio, e que as ininhas auleiiores lbe te-
iiho mencionado, nao me occorro oais nenhuma
at boje que seja digna de oceupar a attengo de
seus Icilores, a nao ser a que o mioislro da ma-
ririlia levou ao parlamento sobre a rcpresso dos
crimes em Angola. Tres assassinatos ltimamen-
te, (sendo um delles oa pessoa do eslimavel e
e desventurado Prudencio pernambucano.J e to-
dos esses crimes commellidos por escravos, as-
sustaram acuelles habitantes a tal ponto, pela re-
bela que esses atlentados parectam ter com as
rebellioes dos indgenas e estado anormal da
provincia, que podirarc decididamente ao gover-
do da metropole que armasse o overno local de
poderes que o babilitassem a refrear to pernicio-
sas tendencias.
Em virtude das representagoes recebida?, o mi-
nistra levou urna proposta ao couselho ultramari-
no, que all fui approvada, em orden a que os
crimes de homicidio perpetrados por rscravos ou
libertos fossern julgados em primeira e ultima ins-
tancia pela junta de jusliga de Angola, sendo as
senlencasexeculadas.sem appellacao para o poder
moderador.
Esla medida de carcter provisorio, levantou
comludo na cmara grandes fervengas de negro-
philismo, encomuiodando-se muitas eloquencias
occasionaes, disculindo-se ab ovo as iheorias da
pena de morte etc.
A oi'posicao julgou encontrar all um campo
sympaihico, fazendo-se ultra-huraanilaria a favor
dos assassiuos pretos e em detrimento da segu-
ranza dos cidados brancos, e por mais de urna
vez aili se ouviraro paraphrases as mais completas
da cabana do pai Thomaz, a proposito do projec-
lo do Si. Carlos Bento. Ainda por oulro lado a
opposico quiz explorar a proposta, arguindo-a de
petlender esbulhar a cora da mais bella de suas
prerogalivas, que o direito de perdoar, nao se
leinbrando que essa lei, logo que fosse sanecio-
nada pelo cliete do estado, signifcava que o po-
der moderador delegavn urna paite de suas attii-
buicoes nos funecionarios que, en nome da nago
governam e administram jusliga n'aquelle terri-
torio longingiio.
Effectivameule os debales duraram perto de 15
das, concluindo-se por voltar comroisso res-
pectiva um dos artigos em questo, depois do
que, o projeclo ir para a cmara hereditaria.
E sabido que se nao faiem prosperar as colo-
nias com leis de sangue; mas lambem corlo
que a falta de tranquillidade publica, e o pnico
permanente o oppe urna barreira a todos os es-
toicos t\ue se eroptegucro para o adianWmeoto
das provincias ultramarinas.
Ha poucos dias era um artigo do Sicle assigna-
do por mr Seon Ple. secretario da redaego,
eslranhava-se ao governo porluguez o ler con-
sentido que o seu representante aronselhasse em
ai i.i a resistencia a Francisco II de aples. O
redactor de Su'.-ic oo sabia da declaraco que o
ministro dos'negocios eslrangeiros, o Sr. Avila,
fizera no parlamento, em resposta a urna ioler-
pellacao que no mesmo sentido lbe foi dirigida
por um deputado.
A nossa poltica interna est u'uma tal apathia,
quinzenal. O orgameoto geral do estado vai dis-
cutir-se brevemente. A opposigo deseja Man-
to antes o encerramento das cortes, porque vfi
que seria urna tentativa mallograda derrbiar um
ministerio som ler era si elementos para substi-
tui-lo.
Por oulra parte, o gabinete nao desoja menos
ver-se desembarazado da presenca incommoda
das cmaras, porque receia que esta calmara ve-
nha a transformar-se, d'um momento pera o ou-
tro n'uma tempeslade parlamentar.
Pouco vigor d'uma parte, nao muila forca da
outra, do em resultado urna especie de accordo
n'este ponto. Discutido pois que seja o orcimen-
to, despedir-se-ho uas dos oulros,minisleriaes
e nao minisleriaes, sem grandes saudades e todos
satisfeitos.
As novas modificaoes da pauta, de que Ihe dei
o mez passado um largo extracto, appareceram
i na folha oQlcial convertidas em lei.
A imprensa progresista tem insistido em pedir
a reforma da cmara dos pares.
Em Deja houve uus tumultos sem maior con-
secuencia, a pretexto de cerios imposlos munici-
paes que a respectiva cmara pretenda fazer co-
brar, sem a apptnvagao do conselho de districto
flanga para n.im (aneciooario de sua con-
processar as --- --. r.,AP
mos L
Pernambuco.........
Babia...........*..
2:252
490
Total.................... 2327259
Na classe de animaes exportou o Brasil 817
ves no valor de 6569400.
as bebidas fermentadas houve augmento na
agurdente, mormente da hespanhola. A cama
bem sabida. Em quanto durar a molestia da
videira, a fiscalisacao Mr aliva, como tem sido,
a importago deste liquido ha-de augmentar.
A agurdente de canoa brasileira prefei a
quantia de 4:2558760.
2.*?fP00S d* ima.es importou-se o valor
deJ~6J***|W80; a mais do que oo anno anterior
157:308*880. D'aquella quntia cabe ao Brasil
3O:485800.
Nos artigos pellos croas, frescas, salgadas e
nao salgadas e raquetas curtidas Oguram os se-
guales portos :
Pelles croas, etc.
Rio-Grande............. 151848$
Bahia................... 55:720
Para.................... 46:62*9
Maranho.............. 40:3649
Rio de Janeiro........ 12:0*29
Pernambuco............ 7:488
Vaquetas.
S
312a
1.6*03
7:226p
5179
1:8159
Res............. 317:0869 11:5109
O valor dos chifres em bruto procedentes do
primeiro e dos tres ltimos dos referidos portos
de 1:7279.
Na classe dos farinceos coube ao Brasil....
330:4859800.
As verbas mais importantes sao : nos artigos
amido, fcula, ou pos para gommaO:76ft>400 ;
farinha de pau 7:11*9100 ; tapioca 1.106$l00 ; e
arroz 5:3769.
Este ultimo genero teve um augmento de
3:678.397 arrateis, no valor de 141:959800. E"
ue esperar que a pequea reduccao no direito
rita nesle artigo pela nova reforma da paula lbe
augmente o consumo.
Nos gneros colouiaes houve o augmento, no
valor, de 44:3559220. No artigo assucar nota-se
porm, a diminuigao de 29:286 arralis. O con-
trabando feito pela raa encarregava-se da in-
trodcelo deste genero hoje geoeralisado em to-
das as classes da sociedade. Os mappas da al-
fandega, que nos serven de guia, referem-se,
como j advertimos, ao Io de julho de 1859 a 30
de Junho de 1860. Foi nesle ultimo mez, que o
despacho do assucar, que costumava ser, lermo
medio, de 6 a 8 mil e tantos arralis, detceu a
513:989. Dsde entao, que o governo eslabele-
ceu medidas flseaes mais rigorosas na provincia
do Minho o despacho foi elevado, uns mezes por
oulros, a mais do mil arrateis.
Os valores desle genero importados do Brasil
foram:
Nao refinado.
301:3609200
85:4299820
205126$800
22:6249100
44J700
2409000
1359600
Assucar refinado
Pernambuco........ 4721900
Rio de Janeiro......
Bahia...............
Maranho..........
Para................
Parahiba...........
Rio Grande........
252g800
33J800
299000
279300
f
Espalhou-se ha dous dias em Lisboa que a ra-
nha de Hespanha tora assassinada. mas felizmen-
te o boato fot completamente desmentido.
L
Talal.......... 815|800 614:96lg220
Asquantidades foram do refinado 7:126 arra-
lis, e do nao refinado 8 349:530.
O caf diminuiu 273.457 arrateis. O valor do
importado de 35:3639100.
As procedencias do Brasil somraam do descas-
cado 3i:4449l00 e em casca 319000. O priuci-
pal porto exportador foi o Rio de Janeiro, e em
seguida Pernambuco.
O cacu importado da Bahia e do Para, com
pouca differenga oa egualdade do valor a cada
um dos ditos portos, somma 2:7369000.
A importagao do melago, procedencia do Bra-
sil, prefaz a quantia de 21:9349200. O primeiro
pono exportador foi Pernambuco, e stgundo o
Rio de Janeiro.
Na3 las e pellos foi o despacho superior ao do
auno interior em 54:6229620. As baetas e bae-
toes, as lzinhas, os pannos, casimiras, Qaoellas
e seraelhanles sao os artigos nesla classe mais
completados no valor total da misma, que de
421:5035620.
O despacho da la em rama e em o, denun-
cia o eslaclouamento das fabricas nacionaes que
empregam nos seus artefactos este3 artigos como
materia primeira. Os valores Tindos de Ingla-
terra aproximam-se a223 cont?, eos da Franga
a acerca de 195. Com referengia ao Brasil ape-
nas temos a relajona 13.552 arrateis de la em
rama branca, viada do Rio de Janeiro, no valor
de 1:8009 como verba mais importa ule de entre
as que se coropoe a totalidade de 2 338J600, que
nesla classe cabe ao imperio.
Nos liuhosha importante differenga para me-
nos, no valor 17:775S680. O desenvolimento
quo oa proviocia do Mi uno tem lido a cultura
desta plaa fibrosa, a diminuigao das remessas
para c sul do mino, e Brasil, sao as causas de
semelhanle redugo.
Nesta classe, com referencia ao Brasil, temos a
mencionar, como mais importante, 8:818 arra-
teis de ticum no valor de 4:z3:9, e nos filamen-
tos em rama 21909.
Em madeiras exportou o imperio o valor de
14:8725380. O principal porto exportador foi o
Rio de Janeiro, que ihe cabe oeste artigo cerca
de 11 conlos.
Nos melaes houve a importago de pouco miis
do 744 conlos, entrando nesta* quantia mais de
209 dilos em soberanos e oogas hespanholas
viudas de Inglaterra. Ao Brasil cabe o valor de
cerca de 16 conlos, inclusive 6:2839*00 era moe-
da de ouro, e 6:731 em prata em bruto.
as classes miueraes e papel foi a importado,
aproximadamente, de 114 conlos. A Inglaterra,
na primeira destas classes, e Franga, na segun-
da compete cento e tantos contos. Do Brasil, a
nao ser a verba pouco importante de 1579 em
geminas em bruto, e lapidadas e nao engastadas
nao ha nada importante.
Estamos chegados classe pescaras na qual
um direito excessivo como do assucar, sobrecar-
rega o bacalhu, genero de grande consumo en-
tre as classes laboriosas e pobres.
No rehtorio que precedeu as ultimas altera-
ges feltas na pauta das alfandegas, o respectivo
ministro ao passo que discursou largamente para
fundamentar as razes que o movan a nao re-
duzir ainda nesta reforma os dircitos no assucar
sobre os do bacalhu guardou completo silencio.
- ^.,<,,i. a.ate n tfiem a explica-
mo porto........
Bahia.
Valor das mercado-
rias vindas deste
porto............
Valor das merca-
dorias despacha-
das pan o mes-
mo porto........
Rio Grandt.
Valor das mercado-
ras vindas deste
porto............
Valor das merca-
dorias despacha-
das para o mes-
mo porto........
Rio de Janeiro.
Valor das mercado-
as v indas desle
porto............
Valor das merca-
dorias despacha-
das para o mes-
mo porto........
Para.
Valor das mercado*
rias viadas desle
porto............
Valor das merca-
dorias despacha-
das para o mes-
mo porto........
Parahiba.
Mercaduras por im-
porta ao.........
83:772f55
273:1079800
108dblfS75
162:5159600
69:945|385
162.0775340
5W:iO2&480
60:5199540
57:1389910
240g0OO
Somma geral...... 1,317:5999080 1,018:959*625
Confrontando oa totalidade o valor das merca-
dorias que Portugal imporlou do Brasil, com o
que exportou pora o mesmo imperio, v-se que
ha a differenca a favor da importago de........
399:6399455.
Desceodo, porm, confronlago parcial, como
o leitor pela simples operago de dimiouir pdet|
verificar a sua exaclido nos algariamos, por pos-
tos, cima exarados, conhece-se que o favor da
importago coube aoa seguintes portos :
influir para que as prelengoes de todos flquem
esquecidas nos archivos dascommissoes, s quaes
a cmara as tea enviado para-darra o seu pa-
rtear.
O Se Miguel do Canto, goveroador civil do
tfrctbrlo fotto tem ltimamente visitado os
conselhos do Bour-.Ss, Goudomar, Penafiel, Ama-
rante e 4a Maia para examinar a oa admiuistra-
cao e coalaoter das necessidaSJas desses coase-
llios, para provr de remedio na parte em que
fr poasivel, nabilitando-se pelo proprio conde-
c manto a prob&r i junta geral do districto, que
deve reunir-seno mez de margo, asmedidaaque
S. Exc. julgar convenientes para conseguir-so *-
methiote flm. 1 "
O director interino da alfandega do Porto o Sr.
Antonio Josa Doarte Nazaroth, foi ha lempos
graciado com a tommenJa 4a ordem de Christo
em attengio ao elo e actividade edm que se tem
#* oiffoeeao daquella casa fiscal.
Os empregados, da alfandega linham resolvido,
por meto de subscripto que fonrtaram, ofJerecer
o eu chefe a dita coaamenda oa eccasiao em
que elle enlregasse o governo de que se echa
e.ocarregado, ao novo director o Sr. Balsemo. O
Sr..Ntarelh, apear db segredo com que o ne-
gocia lora tratado, teve pelos peridicos conheci-
"*% faci, e pastando averigaar o grao de
?etaCTOade da noticia, soube que effeclivamento
se achava nomeada orna commisso para esse
fin. A esta commissao se dirigtu, pois, o Sr.
Nazarelh por escriplo declaraodo-lhe que, com
quanto o penhorassem multo todas as proras de
sympathia que Ihe dssem os empregados da re-
partigio que interinamente tem dirigido, eslava
no firme proposito de nao falsear o principio que
sempre seguir de recusar todo o nativo ou
presente que tenha maii ou menos relago cana
os seus actos de servigo publico ; e que Ihes rn-
gava por isso quo a raaoifeslago nao passasse da
iotengo, que j considerava estimulo pode
para agiadecimeoto e grata recoidago.
Pernambuco.......................
Maranho........................
Bahia............................<
Rio GranJe......................
Para.............................
Parahibi.........................
Total..............
Esla cifra muito superior
que vimos de eocontrar na diffe-
renga de valores em globo entre
a importago e aexportago; po-
rm se allendermos a que a pra-
ga do Porto, em relago ao seu
commercio exclusivamente com
o Rio de Janeiro, teve a seu fa-
vor o saldo de....................
139:845170
236:7009105
1644&89425
92:57TJ$2t5
3:4109630
240$0O0
Os brioquedos do carnaval flndaram eate ann* ao barco ou indicador do
637:6649545
838.025J90
quededuzi.o somma geral da
importago a favor dos seis refe-
ridos portos, acharemos que o
sjldo a favor do Brasil j effec-
tivamcnte de ris................ 299:6399455
Temos concluido os extractos sobre a impor-
tago, e pedimos aos nossos amigos composito-
res, cujo trabalho improbo sabemos bem avaliar
que nao transtornem esto algarisrao. Perdoem
a recommendago, assim como eu lhes perdo
as Iropelias que por c vejo
sem que apparecesae mascarada notavel.
A praca de D. Pedro, e as ras de Santo Anto-
nio, Clrigos e d*.s Flores estiveram, como aos
mais aoqos, atulhadas>de gente. Muilo alvorogo
de povo, e borborinho das 'turbas, e nada mais.
Pelas ras, e nos saldes dos theatros, predo-
minou o domin e a classica casaca e japona dos
Maniis das aldeias.
O transito em algunssitios da cidade era diffi-
cil, e nos theatros, com excepgo do de S. Joo
eatava-se incommodado.
Por toda a parte houve socego
Deveriamos na correspondencia anterior ler
dado conta de um aconlecimento que se deu na
raa, junto a Viohaes, entre portuguezes e galle-
gos por causa de pasugem de gado, se tivesse-
mos acreditado as verses que a tal respeito
corra m.
Apezar dos repetidos conflictos entre as povoa-
goes limlrophes da raa, conflictos que ostensi-
vamente sao motivados na pastorlagem de reba-
nhos, mas que a verdadeira causa est no anta-
gonismo dos dous povos, aggravado pelis medi-
das flseaes para a suppresso do contrabando,
apezar, dizemos, de todos estes elementos des-
ordeiros nao podemos acreditar oa marcha para
airoDleir*3 Je dous 0u lres re8'menl"s hospa-
nhes, e de tropas porluguezas, o n'umis oilo ou
nove moites, que eoto se diziam ter resultado
do conflicto entre os raanos. Nao nos engaa-
mos.
Segundo urna carta de Chaves, dirigida a um
jornal desta cidade, as cousas passaram-se da
maoeira seguinte :
No silo do Pinheiro foram aprehendidos por
10 soldados e alguns guardas da alfandega.de Vi-
Porio SC de feverefro iSCf,
A alfandega d'esta cidade acaba de publicar os
mappas estatislicos pertencenlcs ao anno econ-
mico de 1852 1860. E' urna volumosa collecco
de preciosos dados e naticias de multa utilidde
para o commercio.
Comegamos hoje a fazer os extractos que jul-
gamusde intcresse noimportago.reservando pa-
ra a seguinte carta o resumo da exportagao.
O anno econmico comprehende os doze me-
?8 ? c?2iar n0 10 de Julh0 de 1859 a 31 de ju-
lho de 1860.
< &."!?/ ^*8 mer -^1514^' e os direil<>8 sommom.........
i.zuj:.253830 ; de menos que o anno anteri-
or, no valor, 87:4499160, e nos direitos 7:23*9245
As nagoes exportadoras, c.jo valor das merca-
donas foi superior a 30 conlos de ris, sao
(ira-Brelanha...... 3.558 4239500
Brasil............. 1317:5999080
,ranSa............. 610:3858870
"esP.8nh.......... 208:1009000
U8S"............. 182:3359450
Hamburgo......... 117:453310
Sueca............. 69.8739000
Estados-Unidos.... 31:2949000
Total.............. 6.065:6649210
Sem entrar em minuciosidades, fsremos por
classes da pauta, someote n'aquellas e na parte
em que possa mover a curiosidade ou interessar
a permuta, entre os dous povos irmos, os ex-
tractos e observagoes que este resumido traba-
lho pode comportar.
A classe dos algodes teve a diminuigao.no
valor, de 90:7429270. Esta diminuigao indicio
de que as fabricas nacionaes de tecidos leer
prosperado. Nota-se que o algodo em rama e
em fio simples, considerado como materia pri-
ma, leve augmento, no valor, de 12:269g800, ao
rffirifcSSMau6*e eaiam9"i(", ,i?eraB
O Brasil forneceu 1.681:464 arrateis dealgodao
-en rama. Os portos exportadores foram
J*ar,anr'o................ 227:192
P,r..................... 3:2329
ranuo-se no augmento progressivo doveonsumo
que o mesmo lera tido desde 18*2 a 1859 nc
se poda contar que para o futuro houvesse
idnticas ou aproximadas graduagdes, pois quo
quando o consumo de um genero altinge urna
ce^la importancia com relago s necessidades da
vida de urna determinada populago, nao pre-
sumivel que ultrapasse esse limite indefinida-
mente. Com referencia ao bacalhu nao so po-
da dizer o mesmo. O consumo deste genero
lia-de tomar muilo maiores proporgoes logo que
os direitos soflram o corte equitativo que todas
as conveniencias publicas aconsolham.
tA.oVAQ*r d bacalhu despachado foi de.....
4t(.9699 e pagou de direitos 144:3999330 !
Nem a respeito do Portugal nem do Brasil ha
mais cousa alguma, nesta classe. digna de men-
Astintas, drogas e productos chimicos e me-
dicinaes aproximam-se somma de 251 conlos
t.^aterrVXprt0u T3lor "Proximado de 204
contos, e a Franga pouco mais de 25 contos/o
5,?li.nlri,.ne8tf ClaSSe com Ta,or Perior
3 conlos. As verbas de maior vulto pro vieran d
e ZTl *' ba'Sam0S e raUes ^"e2
Esta classe di paula, que a que comprehen-
de maior numero de artigos. e de grande im-
portancia em relago industria e* medie "a
.duelra! afi5eS "a *** ref
as sedas houve a importago no valor pouco
superior a257 contos, dos quaes cerca de 162 per-
lencera Inglaterra e 76 Franga. P
Faremos agora o quadro comparativo, por por-
tos, do commercio da praga do Porto no aono
econmico de 1859 a 1860 com o Brasil.
Pernambuco. Importago. Exportagao.
Valor das mercado-
ras vindas des-
te porto.......... 339:6369040
Vslor das mesca-
dorias despacha-
das para o mes-
mo porto........ 199:7909870
Maranho.
Valor das mercado-
rias vindas deste
Pt............ 319:4729760
Valor das merca-
dorias despacha-
das para o mes-
nas minbas cartas
impressas no Diario.
Foi ltimamente approvado na camera electiva I nhaes gados hespanhes.
o projecto a presentado pelo deputado o Sr. Joa- Duzentos homens de Chargosgoso, aos quaes
quim Ribeiro de Paria Guimares, actualmente perienciam os gados, vieram sobre aquelles sol-
rnembro da cmara municipal desta cidade, para | dados e guardas da alfandega aos liros e com
que este corpo seja autorisado a receber as con- fouces, mas a tropa e guardas retiraram-se, sem
- comtudo deixarem de repellir a agresso, como
deviam. Nesle conflictD morreu um gallego.
De Breganga nao sahio forga algumi ; o con-
flicto deu-se siraplesmente com 10 soldados do
destacamento que est naquelia parte da raia,
como as outras, para auxiliar a alfandega. O
alcaide hespaohol que exagerou a entrada de
torgas, mas a imprensa hespanhola jfdisse a ver-
dade O aconlecimento teve lugar no dia 20 do
mez passado, e o terreno da queslo portuguez,
segundo os nossos, e hespaohol, seguodo os
outros.
n m* aa i j-. j. j:.04>, ..4,_L.<.ja.
e o director da alfandega tinham procedido s di-
ligencias necessarias e o negocio est agora afec-
to ao governe. O gado apprehaodido j foi arre-
matado.
Estas questes, quando apparccem costumaro
ser resolviJas, pelos respectivosgovernos emboa
harmona. Todava, as circumslancias polticas
da actuilidado, alguma gravidade pode resultar
destes frequentes conflictos.
Palleceu o Sr. Manoel Peieira Guimares e
Silva bemquisto e respeilavel coramerciante do
Porlo. Era natural de S. Pedro do Sul, e tinha
vindo para esta cidade em 1815 para dedicar-se
ao commercio. A' iotelligencia e actividade de
que era dolado, e ao seu exemplar comporta-
ment deveu o Sr. Guimarese Silva a protecgo
que no principio da sua carreira commercial re-
cebeu dos commerciaotes a quem havia servido.
Exerceu o cargo de director do banco commer-
cial do Porlo, e de varias companhias de seguro.
Foi conselheiro da junta geral do districto, e
membro da cmara municipal. Servio como me-
sarlo em alguns eslabelecimentos de caridade,
aos quaes contemplou no seu testamento.
Tambera falleceu o Sr. Carlos Francisco Mon-
teiro, conmerciante probo e intelligente, quo ac-
tualmente era um dos tres gerentes do banco mer-
cantil.
Na mauha de dia 14 houve um tremor de Ier-
ra que pouco se sentio no Porto, mas nao assim
em Aveiro e Ovar onde o abalo se tornou muito
mais sensivel, causando grande susto.
O Bracarense, peridico de Braga, noticiou que
fdra suspenso o abbade de Brandan por consentir
que na noile do Natal se representasse na igreja
parochial, a seu cargo, um auto do Nascimenio.
Deste facto notavel, demos nos noticia em carta
anterior.
Os trabamos para o caminho de ferro, que lera
de ligar o Porto j Lisboa, apezar da presente es-
tago nao Ihe ser propicia, teem recebido grande
desenvolvimento. A maior parte das expropia-
gdes que havia a fazer, entre esla cidade e a de
Coimbra, foram j pagas. Os trabalho do
rmenlo de Ierra teem tido graode activIdCie> e
algumas das obras de arte como poetes, *que-
ductos, etc., acham-se construidas.
ltimamente esteve nesta cidade o engdnheiro
Joaquira Nunes de Aguiar encarregado pelo go-
verno de dar o sgu, p.iracor sobre o Vagar, que
inorar somma de conveniencias possa ruuir, para
a construego da ponte em que tem de assenlar
se a gare desta parte da via frrea. Parece es-
tar resolvido que a ponte atravessar o rio Dou-
ro na Pedra Salgada (raargem esquerda) e vira
terminar cima da quinta do Freixo, meia hora
de jornada desta cidade.
O Sr. Verissimo Alves Pereira, cidado por-
tuense, muito cuiioso e de grande engenho, au-
thor da meridiana enllocada na torre dos Clrigos
e do relogio no edificio da Bolsa, desta cidade,
dirigi a D. Jos Salamanca, empresario de ca-
minhos de ferro, o plano para a construego de
urna ponte sobre o rio Douro, entre a eir do
convento da Serra do Pilar (margen esquerda) e
o pasieio das Fontainhas, podendo fazer-se a es-
tagao na praga da Balalha, junto da porta prin-
cipal do Ihealro de S. Joo.
O comprimenlo da ponte calculado, lermo
medio, da Serra s Fontainhas, em 350 metros,
e deste ultimo ponto praga da Balalha, em 400.
A largura dever ser de 250 metros, por isso que
a ponte deve tambera servir para a viago pu-
blica ; e esta, segundo o calculo do aulhor, pode
vir a render o juro do capital empregado, por-
que, diz texlualmento a vantagem 8* do plano,
< qual ser a sege, carro, cavalleiro, individuo
a p, que mesmo achando-se na ra das Flores,
e tendo de ir para o Alto da Bandcira, v i actual
tribuiges municipaes indirectas, que as leis Ihe
faculta, no acto em que os gneros tributados,
para consumo, derem entrada na cidade.
A medida na realidade vexatoria e oppressi-
va, e assim considerada nao poda deixar de ser
mal recebida pelo publico.
A propria cmara reconhece que o meio que
adoplou para fazer face as despezas do municipio,
nao est em harmona com as tendencias da po-
ca. O imposto indirecto sobre gneros alimenti-
cios, cobrados as baireiras, esl desde ha mui-
to condemnado pelos mais triviaes principios da
setnela econmica. Mas a cmara precisando raeios, que a actualidade nao tem,para fazer face
urna despeza annual superior a 13 conlos de
ris, recorreu a este expediente por nao so^'he
offerecer outro mais fcil e seguro de supjprir
o dficit dos ltimos aonos. {
O desfalque no rendimento da cmara pro veto
ler Ucado reduzido a urna quarta parte, depttis
da molestia das vinhas, a conlrlbuigo langanla
sobre o consumo do vinho. E tendeu a cmara suppri-lo com o imposto sobre
o consumo da carne, porm as suas medidas, a
este respeito, teem sido completamente Iludi-
das, porque as casas que consomem diariamente
porgo de arrateis deste genero, tomaran o ex-,
pedieote de o ir comprar a Villa Nova de Gaiaj
que tica era frente do Porto, e do qual separada
pelo rio Douro, e forma concelho parle. Ali a
carne mais barata 10 rs. em arrale!.
Fura das barreiras da cidade lambem se esta-
beleccram talhos, onde a carne se vende mais
barata, o at os marchantes conceberam j o pro-
jecto de improvisar talhos em barcos beira do
rio, do lado da Villa Nova de (jaial
Tal phrenesi commercial e econmico que
nestes nossos lempos se apossou de todas as ca-
begas I....
No dia 20 do correle comegaram a ter vigor
na casa fiscal desta cidade as alleragoes propos-
tas pauta geral da alfandegas e que foram ap-
provadas por carta de lei de 14 do mesmo mez,
A conlinuago do farorecimento rasoavel in-
dustria, alliaudo lano quanto possivel os intc-
resses dismelralmenlc opposios do manufaclore
do consumidor, diminuindo os direitos s mate-
rias primeiras, ou loroando-as livres conforme
aconselhavam as conveniencias publicas ; asim-
plificago na nomenclatura, tornando-a menos
confusa o baralhosa ; a timidez de entrar ousa-
damenlc nos direitos que formam importantes
verbas de receila para o thesouro, foram os ca-
ractersticas da reforma actual que foi moldada
nos mesmos principios que presidiram que f-
ra feita em 9 de agosto do anno passado.
*> ....i-ao urna vVfdad-.*~"^*oen-
Alguns dos artigos com que o Brasil cob'c
ao mercado porluguez tiveram uotaveis a|(rre
gocs. Uns foram declarados livres, e outr
Ihe reduzido o direito.
A Associago Commercial do Porlo pi,
relatorio dos Irabalhos da mesma associ
ra-
foi-
011 o
re-
ferido ao anno do 1860, feito pelo t. secretario
o Sr. Joo Antonio de Miranda Guimares, c ap-
provado em sessao da direcgo de 23 de jneiro.
Temos tido sempre o cuidado do consignar as
qossas cartas todos os actos desta corporagio
mercantil em relago ao commercio, e por es-
la razo. sendo o referido relatorio a historia des-
ses actos, cumpre-nos agora s dizer que a
eleigo da direcgo da mesma associagao leve lu-
gar no dia 18 do corronte ficando assim com-
posta :
Presidente, o Sr. vizconde de Ltgoaga ; vice-
presidente, o Sr. Francisso Gongalves de Asuiar-
secretarios os Srs. Joo Antonio do Miranda Gui-
mares e Francisco Ignacio Xavier.
Directores os Srs. Antonio Alves da Silvera
Antonio Ferreira Bailar, Antonio Jos Gongalves
Braga, baro do Seixo, Domingos Manoel Bar-
boza Brando, F. M, Vander Niepoorl, Guilher-
rae Augusto Hachado Pereir, Jernimo d'Oli-
velra e Silva, Joaquim Jos de Pigueredo, Joa
quim Pereira Rozas, Joaquim Ribeiro de'Far
Guimares, Jos de AlmeidaiCampos Jnior, Jos
Carlos Lopes. Manoel Gualberto Soares Ma-
noel Jos Monleiro Braga e visconde de Castro e
Silva.
A carta de lei de 14 do agosto de 1860 que con-
ceden aos offlciaes dos balalhes nacionaes or-
gantsados desde 9 de julho de 1832 at 28 de Ponle suspensa ou embarcado? A despeza
maio de 1834, que foram feridos ou mutilados
as campanhas da liberdade, a reforma com o
sold porinteiro pela tarfia de 1814, no posto em
que se achavam ao terminar ,a lucta em 1834
vejo fazer reviver o direito, que em vista da ci-
tada caria de le, jugara ler os individuos que
compoaeram os baialhoes movis e fixos e os
batalhoes provisorios por aquella occasio igual-
mente organisados nesla cidade. Os respectivos
requerimentos teem sido aposentados na cma-
ra dos deputados. Entre os iuleressados tem-se
levantsdo na imprensa a paridade de servigoe
dos batalhoes movis e fixos, e dos balalhes
provisorios, corno querendo fazer prevalecer o
melbor direito de uns do que de oulros. Ena
verdade alguma differenga ba 6 favor|dos primei-
ros, mas esla disputa fica-lhcs mal e ate pode
orgada em 400 a 450 contos.
A referida ponte lera um arco de ferro da ex-
tcnso da largura do rio, ou prximamente 180
metros, cuja largura, ou a da ponte, ser pelo
menos de 15 para as duas vias frreas e viago
publica. Este grande arco apoiar-sa-ha na al-
tura proximameole de 60 metros, em solido ps
direitos que se elevem ao do camioho de ferro
ou cousa de 80 a 90 metros.
No meio da margena direila, oo sitio da Corti-
ceira, distancia de 10 metros, entre o primeiro
p direito e o rochedo, se levantar oulro p
direito para o primeiro arco de pedra qae peder
fechar aos 60 metros, podendo levantar-se o
terceiro p direito sobre o rochedo cortado a
prumo e alto sobre o nivel do rio cousa de 25
metros; e os apoios ou ps direitos dos mais
arcos que, derem fechar ao nivel dos 60 metros,
se farao dos rochedos mais superiores. cima
deste nivel e sobre os ps direitos das margeos e
rochedos, se levaotaro outros ps direitos para
outra ordem de arcos que vio fechar no nivel do
camioho de ferro; e porque a exlensao do soto
ou pavimento de todos ps arcos grande, poder-
se-ha muito bem apiiialtar para mazeos, par
exemplo de coke, te., devendo ento oeste ca-
so fechar-se com paredes o espago compreneo-
dido entro cada p direila o arco, a commuoi-
ca-loa todos por ateas internos, feilos nos ases-
aos ps direitos cima do nivel de 60 metros.
No meio da largan da ponte, podar fazer-se
outra parede que aasenie sobre dous pegamos
arcos no pavimento do armazem. Esta parede
serirS nao s para maior solidez, como para so-
bre ella assenlar rigaaeolos para oulros pavi-
mentos superiores que pdem fazer-se at pro-
simo oo canrfnho de ferro. 08 quaes pdem ser
habitados, haveodo comraunicaco para elles por
vsraadas externas con grades Se ferro, de onde
se poder descer por oseadas em volts do p di-
reito ao meio da Corticeira.
Ainda para uso da companhia se poderlo es-
tabelecer quatro guindastes nos doas ps direitos
das margena do rio, aos quaes os barcos carre-
gados se pdem encontrar, e por cojos guindas-
tes, movidos por pequeoas machinas de vapor
oa forga da tres ou quatro cavallos, as mercado-
rus se possam elevar dos barcos ao armazem
com rapidez; isto poderi m peso de 40 ar-
robas ou 600 kilogrammas elevar-se em dous ou
tres minutos. Estes guindastes poderlo tambem
communicar com es carros do camioho de ierro
para onde descarregam, ou com os da viago
publica, serviodo urna s machina para mover
os dous guindastes. De cima da ponte lambem
se poder fazer a descarga para qualquer barco,
o proprio peso mover o guindaste, sendo s
oecesiario moderar a velocidade nadescida e ha-
T?r^"m.a can,Pnhia que advirta a proximidade
numero de voltas do
cylindro quo eovolve o cabo.
Como o leitor fcilmente conceber, conslrui-
da a ponle sobre o Douro pelo plano do Sr. Ve-
rissimo .Mves Pereira, ficaria ella urna obra mo-
numental, e sem igual em nenhuma obra de
arte de idntica nalureza em parle alguma da
Europa. Ha quem ponha difliculdades na exe-
cugio do plano, e mesmo quem duvide de que
possa ser exequivel. Nos completamente profa-
nos na sciencia que pode prestar os elementos
indispeusaveis para a rigorosa avaliago do piano
do br. Verissimo, admiramos a sua concepeo
e engenho e desejavamos que os homens compe-
tentes disressem pela imprensa a sua opioio
acerca do plano que vimos de descrever.
U aulbor do plano, apezar de j ter recebido
a resposta do Sr. salamanca de que as suas ideas
hanam chegado um pouco Urde ao conheci-
meoto da empreza, por isso que a conslruccio
oa ponte eslava j conlractada para ser posta m
ouiro lugar, o Sr. Verissimo contina a traba-
mar no modelo do grande arco de ferro, que
tenctona coocluir para mostrar que o seu plaoo
pode ser levado realisago. Sobra a maoeira
de construir este arco guardou o author do ph-
no todo o segredo, e s declarou que o seu sys-
lema nao pelo tubular nem de arliculagoes.
Abrirn termo de carga : em 13 de feve-
reiro o brigue Duque do Porlo e a barca Oliveira
para o Rio de Janeiro.
Entraran :em 15 de fevereiro o brijue
Promptido t> de Pernambuco, por Lisboa.
Sahiram-em 11 de fevereiro as barcas
A'anio Crus, e Corona para o Rio de Janeiro
HESPVMIA.
Ltsboa, 28 de fevereiro de 1861.
Na sesso do congresso hespanhol no dia 8 per-
guntou o ruarquez de S. Carlos ao governo se li-
ona recebido noticia da entrada de Jurez no
Mxico, e neste caso que carcter tioha o embai-
dor da llespanha junto ao novo presidente da-
quella repblica. O ministro do reino respondeu
qHe nao linha commuoicago olcial desse acon-
lecimento.
D.0us J'3S anles linha asseverado um jornal de
Madrid que o gabinete resolver expedir para Ve-
ra-Cruz urna esquadra afim de apoiar as recla-
magoes de seu embaixador no Mxico.
Chegou o vapor correio Almoguvar, que sahio
de Ilavana no dia 26 de Janeiro, e que portanto
fez o trajelo em 18 dias. Traz muitos passagei-
ros do Mxico, e todos dizem que Miramon en-
tidia tro iiu-*u ila o*rU.I
Sendo verdadeiro este facto nao pode explicar-
se o que disseram os jornaesde Vera-Cruz sobre
os actos do Koverno do Mxico, eotttra o embai-
xador hespanhol. Anda contra estas noticias
havia urna duvida bem fundada. O governo hes-
panhol at o dia 16 nao linha recebido participa-
cao alguma dos seus representantes em Patis e
Londres que confirmasse o facto de tr o gover-
no de Jurez dado os seus passaportes ao minis-
tro de llespanha e a outros representantes diplo-
mticos no Mxico.
Na sesso do congresso em 14, perguntou um
deputado. o Sr. Calzada se era certo o que se
divulgara quanto a ter despedido o governo do
Mxico o embaixador herpnhol, e sendo assim
que providencias se tomaram para defender a
honra nacional e as vidas e bens dos subditos
hespanhes residentes naquelia repuolica.
O ministro dos negocios eslrangeiros respon-
deu como o ministro do reino, que nao linha re-
cebido noticia alguma offlcial daquelle facto, e
assegurou quo o governo nao deixaria passar ag-
gravos contra o poudonor nacional.
Effectivamente o quese afHrmava em Madrid,
que o governo do Mxico linha dado os seus
passaportes ao representante hespanhol, Sr. Pa-
checo, no dia 12 de Janeiro lindo, declarando que
o presidente Jurez o considerava inimigo do go-
verno pelos seus esforgos a favor dos advqrsa-
rios deste, e que a medida de o despedir deveria
considerar-se como pessoal, poriuauto o presi-
dente tinha em grande eslimagao a llespanha.
Na sesso de 20 o ministro dos negocios es-
lrangeiros respondendo a urna inlerpellajao,
conlirmou a noticia de ler sido despedido do M-
xico o representante da Hespauha, e disse que
assim que for recebida a da installago do novo
governo que hoje rege a desgragada repblica
mexicana, apresentaria ao congresso e ao paiz
as suas resoluges para que a honra da nago
fique intacta ; que alm disso o governo tem to-
mado medidas prevanliva laos como o aagmea-
ra mcmH da JUSSrfca e o das for-
ga< do eierciio, flm de que se infelizmente ti-
vesse de chegar a um doloroso extremo, o paiz
se achasse preparado para arrostar com elle.
Conlinuavam a propalar-se em Madrid boatos
de crise miaisleual. O Sr. avala nSo eslava de-
cidido a servir no ministerio se conservasse a
pasla o Sr. Posada; e o Sr. Caldern Collante3
era da mesma opinio.
As folhas minisleriaes diziam que estes ruroo-
m nao tinham fundamento, o que o presidente
do coosclho s queria goveroar ou sahir do ga-
binete com todos os seus acluaes collegas. Po-
rm a Iberia anda insiste em que exi3te rivali-
dade entre os ministros, e que talvez alguns se-
jam substituidos peloSr. Hios Rosase pelos Con-
chas, 0. Jos ou D. Manoel.
Os minisleriaes moderados asseguram que no
caso de nao transigir em suas discordancias o Sr.
avala ser esta que afinal sahir do gabinete.
Para se tomar urna rosoluco sobre a crise espe-
rava-so a chegada de um embaixador em Pars a
a do Sr. Hios Rosas, esperado mui brevemente.
Parece que o duque de Tetuan respailando as leis
da maioria nos governos representativos nao va-
rillada em apresentar a sua demisso rainha
no caso do que formulada urna questo como
ministerial no congresso o gabinete licasse em
minora.
No dia 17 de larde em conselho de ministros,
expoz o da marioha, general Zavala as razes
jor que dissenlia do modo de pensar de oulros
seus collegas quanto s leis administrativas pro-
postas no congresso. O ministro dos negocios
eslrangeiros apoiou-o declarando que era neces-
sano fazer coocesses ao partido liberal, e que
nao podiam ajustar-se com as tendencias deste
a3 que tizera conhecer o ministro do reino.
O presidente do conselho disse quo se as ques-
tes pendentes occasionassem a sabida de algum
mmistio, sahiria elle tambem do gabinete. Me-
disram explicages reciprocas e conveio-se em
que continuasse o sau 7)10 e era se admitlirom
algumas emendas dos progressislas que apoiam o
governo na le das deputagoes proviociaes.
Por consequencia a crise cessou por mora.
As discusses parlamentares versam sobre ma-
terias de iuierosso puramente iuterno. Muitas
dellas tem sido tempestuosas por causa das leis
administrativas das provincias.
O governo na sesso do senado, pelo orgao do
ministro do reino, apoiaodo-sena tradicio admi-
nistrativa a na necessidade de que podesse em
determinados casos uomear os seus delegados,
sustentou o projecto ministerial combatendo as
emendas. O governo venceu esta questo rea.
vinVia.OnngrO?^M,l0re, e- Vv.rn.aore, Se pro-
Z!? A P. i p*laeM Oria ; urna das emendas
98 raf?i'?S Pn*a f0,8 COn,ra 69' oul" !"
tMvo!S.5ffiBO coo*resso alcan'""*
Por decreto da 8 do cortante prosauUnu-ae o
proieeto da W hypotheearia. apr^nVao pelo
overno de S. M. C. s cortes, seria poMIcVdo
i aesde logo como lei na pemusala ilhas adia-
S-Sfrifiy.81 coine$ar "fer *"> do anno
*" DromulM*o do dia que for mar-
cedo pelo governo de S. llV
6^""-^'^ d Mi' TMho Tisl# ne"
cess oa de qoe ha da conalrar habiUges para 1
multidao de opranos que diariamente van a Ma-
drid procurar trabalho. Os eapUaUata. emore
ftnn." 'n,'Jsa"""e o eos f" SoTedE-
rL"-dCU das esta5ei ^ caminho?de
ferro habttagoes commodas e apraprMai up
"l Ch'mber,, que a s^mefh.nga dos
reai^1/,,C,0.Sude.Londr ealimlo a ser l
dTtadmri.*! 'abor,0!a9 cl3"e q"e se oceupam
ta de fom.; !^ ?< Pece qoe se ira-
nSVA ma cotnP*>M* com etso flm.
twmB d'o 8.nr' ha- q"e S68uad0 a ins"
mltarf.. ?ove,no Permanecou no porto deNa-
Saea nlra J,Lrre^d8 W.gioPhesp.nhol.
maeia para conuz-la a espanha O aaes-
"lr".0 h Prl, a ol"<>o de Fr.oci.cr II.
O (Tuque de Tetuan, presdeme do conselho
ach.-se m.a.s alliviado da enferraidade que tem
sottndo, e em circumslancias de poder despachar
os negocios mais urgentes.
O detewor do reo Nielo Imaz, que fez urna
resloJcada tentativa contra a vida do presiden-
ie dmonselho, requeren ao tribunal qoe o acen-
sado 03*c entregue i familia sob fiaoca de custo-
ata;aizemque se acha em to mo eslsdo de
saude e lao abatido que ha receio de perigar sua
hos'tl *^* neces,sri0 ** para o-
Por um despacho ofticial de S. Peteisburaa
consta que o conde de Siukelberg foi nomeX*
^^'^P'en'Poleaciario da Russia na cOrle do
O governo de S. M. C, deu a sua approvago
ao tratado que conforme as suas instruccoes foi
celebrado entre o ministro hespanhol em Tnger
e o do imperador de Marrocos. Ne dia 21 tinham
sido coramunicadas pelo talegrapho as ordens da
approvago, que levar a Taoger a corveta Ede-
lana, e que ficando j cobrada metade da indem-
nisacao de guerra, e assegurado o pagamento da
oulra, e da uderoeisago devida pela retardaco
do cumpnmenlo do tratado de Vad-Ras, regula
debntl'vamente a questo com Marrocos e devol-
ve mai patria muitos milhares de seus fllhos.
Alludia-sepor certo retirada das tropas de oc-
cupagao que ainda existen no territorio afri-
cano.
Ha poucos dias no congresso oSr. Castro repe-
li a pergunta feila n sesso anterior, ao minis-
tro dos negocios eslrangeiros sobre o grao de
certeza de algumas palavras que ihe sao atlri-
Duidas n urna communicago do embaixador de
Franga em Madrid ao seu governo relativas
poltica de sua santidade.
O ministro responden repellindo tola a idea o
toda a phrase que se Ihe aiiribuia,contraria ao es-
nto ctholico e ao pensamealo poliuco do gabi-
nete, sobre o qual pude fallar com o repiesentan-
10 aa franga, apoiando a iJa da reunio de urna
conferencu das nagoes calholioas para resalvar
os direiiosdo santo padre e que o mesmo repre-
sentante em nome de seu governo propuoha co-
mo um dos melhores meios pira resguardar os
altos oieresses de Po IX.
Dissipado todo o receio de guerra europea os
valores francezes subiram dous por cento dentro
em mu poucos dias. os fundos francezes de 4
t| por cento o os inglees de 3 por cento vem
colados a 88 e a 92 e meio. Os consolidados hes-
panhes manlem-se sem embargo disso em pre-
go siimmamenle baixos.
Os kilmetros que ainda fallam para explorar
no caminho de ferro de Cdiz se inauguraram
dentro de um mez, e os de Barcelona Saragoca
na prxima psiraavera.
Os peridicos minisleriaes de Hespanha procu-
rara provarque sao sem fundamento os sustos e
sobresaltos que se manifestara a proposito de
planos de desraerobramento da Hespanha, que,
segundo-parece, vogam nos outros paizes. A
transformages occorridas na Europa, nestes l-
timos lempos, diz um dos mais autorisados,
U*o^j.o*ado iovacando o nrinciflio das na-
cionalidades : mas que a Hespanha um grande
paiz, que falla a mesma lingua, professa a mes-
m roJiio. bodaca com goto ao vaenno sobe-
rano e seole-se influenciad* pelos meamos en-
umeraos, por idnticas aspiraces e que nao de-
ve temer que Ihe queiram segregar a mais pe-
quena porgo de territorio em nome do principio
das nacionalidades o di differenga das ragas.
Isa
DIARIO DE PERNAMBUCO-
Temos vista jornaes da Europa e cartas dos
nossos correspondentes que alcancam s seguin-
tes datas :
Loodres 12 : Hambargo 20 : Lisboa 28 : Por-
to 26 : Hespanha 98 de fevereiro.
No dia 13 de fevereiro, expeda o conde de
Cavour para todas as legacoes diplomticas as
diversas capilaes da Europa o seguinte despacho
telegrfico : Tariiii 13 s 9 1/2 da noile :
< Capitulou Cela : o general Cialdini oceupar
amanha o Monte-Orlando com toJas as for-
< tificacoes e depois da partida da familia real
hade oceupar a cidade. A guarnigo flea pri-
sioneira de guerra em quanlo MessinaeCivitella
del Pronto nos nao for entregue.
O rei e a rainha com a sua comitiva parli-
1 rara a bordo do navio francez La oneile.
A quJa de Cela pois um facto consumado;
depois de urna lucia desesperada, e, pde-se di-
zer, heroica, Fraucisco II abandotiou a praga.
O infeliz monarcha ainda ultima hora envi-
dara um derra Jeiro esforgo, a darmos crdito ao
documento que as folhas europeas publicaran!
poucos dias antes da capitulagao do Gaeta, sdb
o titulo de novo estatuto para a Sicilia, promul-
gado por Francisco II. A Irtdeptndencia Belga
duvidou comludo da aulheiiticidade do alludido
documento, considerando apociifia a proclama-
gSo que o acompanhava. N'ella so lia o trecho
seguiule, pelo qual se pode avaliar os termos
em que era concebida :
Sicilianos 1 o joven rei das Duas Sicilias foi
vclima de prfidos conselhos : eslava ro-
deado de traidores ; resiste como um here
< em Gaeta : um p n'aquella praca e outro na
cidadella de Messina, est militar e politica-
mente como o colossode Rhodes, por baixo do
qual possa a diplomicia exlraogeira.
a praga de Gaeta quando enlrarara as forgas
piemontezas, encontrou-se mais do que se espe-
rava. Para mais de 11,000 bomeos se entrega-
ran! discripgo. Alm de grande quantidade
do mantimenlos havia nos armazens 60,000 es-
pingardas e urnas 800 pegas, tudo por estreiar.
Uiz-se que estes petrechos haviam sido offere-
cido a Francisco II durante o sitio, tanto pelo
governo austraco, como por oulros governos.
Encoolraram-se tambem una 30,000 projeclis o
40,000 bailas de arlilbaria. Os generaos, cujo
numero se eleva a 25, e a maioria dos ofTiciaes
que lambem sao numerosos, Tecusaram-se en-
trar, como se lhes offereceu, as Qleiras do
exercilo italiano. Nao aconleceu o mesmo com
os soldados, que quasi geralmenfe se preslaraia a
servir debaixo da bandeira italiana, declarando
que a sua resistencia em Gaeta tinha nicamen-
te por Um a fidelidade ao juramento que tinham
prestado quando se alistaran.
.Assignou-se a capitulagao de Gaeta no dia 13
na quinta de Caposelo em Castellone. A com-
missao encarregada do redigi-la, compunha-se.
por porte dos piemonlazs, dio coronel Roil
Ciselli e do lente general Merabrca, e por
parte dos napolitinos, do general Amonelle, do
coronel Delli-Franci, o do general Roberto Pasca.
A capitulagao ratificada pelo general Cialdini e
pelo goveroador da praga, lente general Mi-
lon, coosla de 23 artigos. Estabelece o Io que
iqdo o material de guerra, incluindo o de ma-
nnha, ser entregue ao exercito piemonlez. O
2 e seguintes at ao 6o, consignara a maneira
de sahirem as tropas da praga cora as honras de
guerra. O T> refere-se aos feridos. O 8* e 9
estabelecem que as tropas reaes perntaneceram
prisioneiras do guerra al entrega de Messina e
Civitella del Fronto. Os soldados eslrangeiros
nao podero servir, durante um anno, contra o
governo sardo. Os restantes artigos al ao 12
regutam certas indemnisagdes aos officiaes o
classes de tropa, assim como as disposigdes re-
lativas i sua admisao no exercito sardo. O 13a
oceupa-se especialmente dos officiaes e soldados
estraogeiros, do modo da reintrega-los de seas
(

.



MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO I IM lt|l APfT,


Attiiio di nnaumco. sexta pehu 15 de marco di i su.
! '' do rf reo seas panes. Refere-se
o lj>o ao direito pensao da reforma que assiste
os empregados civis. Os 16, 17 e 18. sao re-
io8 *0S meios ^"Portar familias doa
mulita res, e s ponsoes que se ho de conce-
der s viuvas dos soldados ortos daraote o
Sitio. O 19 e 20, dizem respeito sefaraocs
dos habitantes de Gata e das familias dos mi-
litares. E os trea tltimos estakolocem o modo
de entraren as tropos piemontazas aa eidade.
As folhas de Turim tratam do entusiasmo como
que naquetla eidade foi reeebida a noticia da ca-
pitulado de Gaeta. Vctor Emmanuel achara-
se no thaatrro de Milao quaodo recebeu noticia.
A municipatidade annunciou este acontecimento
em urna proclamecao, na qual depois de dizer
que a commocao, que este golpe produzira ha
de reflectir em Roma e em Veneza, conclua com
estas palabras : < Concidadiosl juremos mais
soa vez defender a uniao. Viva el-rei da Ita-
Ao mesmo lempo que esta proclsmacio se lia
J5 Milao, capital da Lombardla, o orgao das
ideas polticas de Mr. de Carour, pedia que as
uopas francezas se retirassem de Roma para dei-
xarem Iirre a passsgem aos Italianos,
pois a agilar-se de novo
toes: Romae Veneza.
P.arece que Mr. de Touvenel
Comecam
as duas grandes qu'es-
cular aos
dirigir ama cr-
X.nrt aScnles d'Plomalicos, da sua naci .ex-
?.Ha, r"es que ,em owno do impe-
rador para eonservar as suas tropas em Roma,
cmtuaolo um congresso nao organisr esaccio-
nar a reconstituido da Italia.
O navio que cooduzio Francisco II largou com
destino Civila-vecchie. Diz-se que o oven
mor archa tenciona estabelecer-se em Munich
onde afurmam os seas partidarios que elle^pde
mais fcilmente dispor dos elementos que lera
para aJvogar sua causa.
Entretanto Francisco II achava-se em Roma
na data das ultimas noticias, nao lncionando de
morar-se all. Parece que antes de ir a Munich,
tocar em Toulon e Marselha.
O desastre de Gaeta, ao passo que deu o ulti-
mo golpe na causa napolitana, foi mais um aclo
para fortalecer o novo governo estabelecido em
aples.
A reacio nos Abrnzzos e oulros pontos da Si-
cilia anima anda os partidarios de Francisco II.
A Opxnxone publicava um despacho daUdo de22
de fevereiro em Rilti, segundo o qual 1,000 le-
gitimlas commandados por Christon atacaram
em Larsoli os voluntarios italianos do coronel
Massi. que os repellio enrgicamente at Orico-
ta, resultando do confelo grande mortandade.
Os pieraontezes foram obrigados a fazer mar-
char tropas a toda a presst para Reggio, auj de
combater all a reaccao. Estes movimenlos, se-
gundo se dizia em Paris, teem connivencia com
o governo romano.
Em Roma houvc certa agilagao quando cons-
ram-se.
Em aples produzio essa noticia grande sen-
sarao e enlhusiasmo dando fugara exce3sos las-
timosos. O palacio do arcebispado foi atacado pela
mullido, causando graves destrocos. Alm dis-
to, as casas de alguns sacerdotes e partidarios de
Francisco II, foram igualmente assaltadas. A
turba nao poupou a habitacao do cnsul hespa-
nhol, por se ter espalhado que a resistencia do
Gaeta era devida a suggestoes do Sr. Barmudez
de Castro.
A 23 do passsdo recebeu-se despachos em Tu-
rto annunciando que a praca de Civitella del
Trento pedir capitulagao.
Na abertura do parlamento italiano, a 18 do
passsdo, orei Vctor Emmanuel pronunciouose-
guinte discurso :
Italianos! A IlaliyUvre e unida quasi com-
pletamente, confia na' vossa sabedoria. A vos
perlence a sua organisacio. Estabelecei as mais
ampias liberdades administrativas, procurando
comludo quo a unidade seja a sua salva-
guarda. A opnio publica a nosso favor. O
imperador dos francezes, assegurando-nos as van-
tag-ms da nao intervengo, julgou conveniente
retirar o seu embaixador, e mostrando nos o vivo
pesar que tal tacto nos causava, nem por isso di-
minuto o reconhecimento quedevemos Franga.
AFrauca o a Italia contrahirara era Magenta
C Solferino lacos indissoluveis. A Iuglalerra.
cssa anliga patria da libordade reconheceu o di-
reito que nos assisto para dispormos dos nossos
destinos. Recordar-nos-hemos com immorre-
doura memoria do apoio que nos concedou cornos
seus bons ofDcios.
A um principe Ilustre que oceupa o Ihrono
a iifUS3la enviei o meu embaixador manifeslan-
do-lho as nossas sympathias pela sua pessoa e
pela cacao allema.
AjtiJareis o meu go erno a completar os ar-
mamentos. A minhavoz elevou-se oulr'oracom ou-
saJia : porcm lo acertado esperar a occasiio
opportuna, como o obrar a proposito com alre-
vimento. Consagrado Italia, arrisquei por ella
a minha vida e a minha siluaco, comludo nin-
guem lem o direilo de arriscar os ulereases e os
destinos de urna nagao. A lomada de urna for-
taleza formidavel ensinou dignamente os grandes
feilos do exercito e da marinha. Ambos adquiri-
rara urna gloria que inspirou ao paizumajusla
confianca em si mesmo. Tenho grande prazor
em manifestar ao primeiro parlamento da Italia
a alegra quesnlo como re e como soldado.
A imprensa lem eslranhado que Vctor Emma-
nuel no seu discurso nao hoja sequer pronuncia-
do o nome de Garibaldi.
Osjornaes italianos discorrem largamente so-
bre a phisionoraia do novo parlamento c a attitu-
de que elle lomar em presenta das importantes
questes polticas que vo ser submetlidas aos
seus exame e consderaco. Todava nao parece
a ver duvida de qu6 as ideas de moderaco do
gabinete sejam all sustentadas. A le u Pie-
nionie exoluc da cmara todo o fuuccionario, e
designar os meio3 que podem ser admittidos por
exceptu.
Cartas de Genova alludem reorganisaco dos
aotigos corpos garbaldinos.
Formara 4 divises, s quaes j estao indicados
acampamentos ou quarteis: o tu corpo confia-
intervencSo, a deitar consumsr as aoaMcea do
norte e do meio da da Italia.
Records os conselhos Inuteis que dra s cortes
da aples e deoma ;| R e pelo que toca i sita-
cao actual da Italia, proclama que a Pennsula,
ao abrigo do prioeipio 4a nao intertene&D, est li-
re para se constituir definitivamente, e que pode
.g8T conseu-|o. nso ficar ludo compro-
metiido por meio de urna insensata aggressao.
Na questo da Syria o governo repela o deseio
ae lem do executar loalmente os ajuste* esta be-
tecidos na conferencia, e pedu quo esta seja no-
vamenle convocada.
A referida memoria cooclue fazendo constar aa
Boas relagoes que existem entre a Franja e as de-
nais potencias,rolaQoes que ainda se vao es-
trellar mais por meio de tratados de commercio.
Este documento urna amplia;o do discurso
imperial, e devia servir de ponto de partida s
commisses encarregadas de redigirem as men-
sagens em ambas as cmaras.
A Imprensa ingleza lem-se oceupado larga-
mente da apreciacio do discurso do imperndor
Napoleo no acto da abertura do corpo legis-
lativo.
* eoquadra francesa aa costa da
gripho relativo i aonexaco da Saboya e Ni-
ze. Nio estranha que a Franja esteja conven-
cida de que essa aonexaco fosse conforme
justiga e ao direito, porque uenhuma nagao de-
clara que a causa que defende injusta.
Mas o Times 6 de opnio diversa, e nao oc-
culta o desgosto que Ihe causou aquella resolu-
co. Pode dizer-se que todo o artigo est for-
mulado em termos hostis.
O Daily News nao menos violento, sobre
ludo a respeito das medidas liberaes annunciadas
pelo governo francez, as quaes nao julga serem
bstanlo completas.
Tambora o Morning Post nao favoravel ao
discurso do imperador, aiodi que seja um pouco
mais moderado ; mas nao deixa de apresenlar os
seja reforcada
Syria.
Dzia-se que lord John Rissell tambara annun-
ciara que a esquadra ingleza ii ser reforcada na-
quellas paragens ; facto que, se 6- exaclo, des-
mente a assercao que se fez espalhar de que o
governo britannico nao julgava neeaisarias i as
forgas na Syrla.
Os habitantes daquellas regiojes pedem com
grande instancia que se regulara o negocios do
Oriente, assegurindo-se-lhes a tranquTlidado.
Afrmam algumas folhas que os commissaros
europeos na Syria redigiram um projeclo de reor-
gsnisacio diquelle paiz. Este projecto deve ser
submgtlido discusso na conferencia de Pars.
.A questo dinamarquesa ainda naa parece
ter chegado urna solagSo salisfaetoria, com
quantoas mais recentes noiiaias dem esperaocas
de eoncfliaco.
Todava os jornaes do paiz sustentara o direito
da Dinamarca para considerar como urna aggres-
sao para a monarchia qualquer execucio federal
no Holslein.
Parece que era tambem esta a oplniio do go-
verno, o que se deduz or
E? ?n 8em recorw' o madleo ou ao hos-
pital, o curattTO por essa meio se realisa sem-
pre antes da dscomposigio do aaogue. que sd
apparece no terceiro dia, conforme minhas obser-
'agoes. .
EsMearermidada cruel terrivel, deixa com-
pletamente de assustar apenas se emprega o
cnlero de Hellard desde o apparecimento da fe-
we, qwe comeca per iodisposis5es intermitientes,
iornando-se logo perniciosa.
Se for verdadeira a efflcaeia da novo medica-
mento
m
dos pwcfl.?. Do tabaco doBrasil o de poaito en I
pnmeira m<:o nao msior de 1,600 pacotes e 97
rolos.
Algodao,Continua retrogradando cara pe-
}ueo escolh, e por isso oa proco* sao nomi-
naos.
Couros.Poucas transaeges ; os preces aua-
teotam-se.
Colamos do Rio Grande do Sul 10 l|iII 1(2
sebllngs ; de Pernambuco e Baha 8 i|-9.
Cacao.dem. Colamos : do Maraoho o Pa-
Dreconisado teremos dado um grande pas-1 r 0 7t8-7 Mhllliogs; da Baha 6 5i8 6 3i4 schil-
issim convem expenmenla-lo ; porque no lings.
n t'_i.<. ~. "i* ". *'"' u<=uu u[ ventura da resposta
imes mostra-se pouco salisfeilo do para- dada pelo ministre da gtajrra urna exposigo dos
estados diaamarqu-'zea, quaodo so olfereceram
para se alistarem como voluntarios.
Vemos n'uma carta ojio o ministro declarara
que a oceupago do Holstein daria lnzar urna
guerra que poderia tornarse eutopa. Hoje,
f a ,udo r"z suPPr 1ue este nao er o resul-
tado da questo, por isso que as grandes poten-
cias parecera e3tar de accordo para a sua so-
lucao.
do ao commando do general Turr; o 2o ao gene-
ral Bixio ; o 3o a Medici; o 4o a Coseuz.
O governo do Turn est senhor dos movimen-
to destes corpos.
O partido garibaldino acceita urna como abd-
cagao, que Ihe fui imposta pelo resultado das ul-
timas eieigoes. Os voluntarios ds Garibaldi nao
podem por si s alimentar urna campanha contra
Veneza.
muito digno de atlengo o discurso profe-
rido pela ranina Victoria na abertura do parla-
mento.
Arainha, como poucos das antes toha feitoo
imperador Napoleo, manifesla francamente a
sua conQanga na manuteng&o da paz europea.
Sobre a questo mais importante quo suscita a
poltica externa, islo e, a questo italiana, expli-
ca-se a rainha em poucas palavras, mas com ver-
t j eir preciso.
A rainha declara formalmente que os italianos
devem ter a liberdade de regular os seus proprios
destinos, o que por consecuencia entender nao
dever iuteryir de modo algum nos seus negocios.
Sobre esle importante ponto, como se v6, a pol-
tica ingleza est de accordo com a poltica pro-
clamada no discurso do imperador Napoleo.
Pelo que toca questo relativa prolongago
da permanencia das tropas francezas na Syria a
linguagem da rainha nao bastante franca e ex-
plcita.
A rainha limila-se a recordar os fados que do-
rara lugar oceupago franceza, manifestando a
corifianca que tem de que a tranquildade seja
denlro em pouco restabelocida no Lbano, o que o
Cra da convengo sejacumprido.
Os ^amentareis aconlecimenlos que leem posto
em risco o fuluro da Unio-Americana, sao apre-
ciados no discurso real com o mais particular in-
toresse, que se pode dizer forma um perfeilo con-
traste com a reserva que a rainha guardou sobre
es quesldes polticas europeas.
Eis os ponto* principaes do discurso pronun-
ciado pela rainha na abertura do parlameoto bri-
tnico.
No senado e no corpo legislativo francez foram
^presentadas pelos respectivos ministros exposi-
<;oes sobre a sttuaco do imperio no mez de fe-
vereiro ultimo. Esta exposigo, j publcada pelo
Moniieur, abrange lodos os ramos de adminis-
traco interna, e resume todos os acontecitnentos
da poltica externa em que a Franca est onvol-
vida.
A parte mais importante deste documento, a
que m refere s relajees externas; a historia
completa, ainda que resumida, das diversas piu-
sas porque tem paseado a poltica frsnceza desde
a paz de Villa-franca.
Iodics que a Franja, que em principio estipu-
lara a organisagio do urna confederajo Italiana,
senojobrigada, em respeito o principio de nio
de Nize e da oceupago da Syria, da presenga d#
esquadra franceza durante qualro mezes em.
frente da praga de Gaeta, e do exercito francez
em Roma.
Foi publicado opamphlelo de que taolo se tem
fallado, com o titulo de .Napoleo Ule Roma.
Dara-se em Fariz um cerlo carcter official a
esta publicago, attribuindo-se ao proprio impe-
rador Napoleo, ou pessoa intima d'elle, e que
o deveria ter escripto sob a sua inspiragao.
O mundo poltico preocupava-se muito com as
ideas que se presuma seriara desenvolvidas
nessa publicago.
O governo francez alera dos documentos diplo-
mticos que acaba de fazer pblicos, e que eslo
sugeitos ao exame do corpo legislativo, quer,
segundo se dizia esclarecer com aquelle folheto
a opinio publica, expondo com franjueza o que
fez, o quo poda fazer, e o que far pela sauta
s.
Esla publicago considerada muito impor-
tante, altendendo materia de que trata, dcbaixo
de pento de vista poltico.
A soluco q'ie propoe, consiste em dar ao
papa todas as honras de um soberano temporal
com urna dotago votada pela Italia, mas trans-
fenndo para Vctor Emmanuel o vicariato sobre
as antigs possessoes da sania s, assim como o
direito de eslabelecer era Roma a sua corle, e de
reunir ali o parlamento italiano,
i Esta brochura apparece, como apparecera O
papa e o Congresso, em urna hora decisiva, para
laujar luz sobre urna questo das mais graves da
poca.
Ha um faci quo parece authenlicar o carcter
semi-olQcial da celebre brochura.
Na vespora de se publicar, diz-so que fdra
dostrbuido um exeraplar cada um dos raein-
bros da commisso do corpo legislativo que havia
de oceupar-se da resposta do discurso proferido
pelo imperador Napoleo.
Annunciava-so a publicago de oulra brochura
escripia por Mr. Dupan Loup em respos aquel-
la. O prelado quer destruir o oleilo produzido
P6las consideragoes que ali se encontra.
Os boatos da retirada do conde de Rechberg da
presidencia do governo austraco, contirma-
ram-se. Esle importante cargo est condado ao
archi-duque Renier, queja temassistido confe-
rencias e conselhos.
Alm d'esta, o gabioeto soffreu outras modifl-
cagoos. A nova formula que em Vienna deram
Jdraiuistragao, faz, segundo se diz, que Mr.
bchmerting esteja de todos quedzem respeito
admimstraco poltica do imperio.
Constava ultima hora que a folha official
austraca tnha j publicado o celebre estatuto
imperial di utria.
O quo se chama conselho do imperio, ha de
corapdr-se de duas cmaras, ou curias, urna
constituida por 350 deputados elcitos pelas ditas
proviociaes, e a oulra, que ser o senado,
constar dos homeos mais notaveis do imperio,
que sero senadores vitalicios.
Amias as cmaras tero o direilo de iniciativa,
e as suassessoes sero publicas.
A Hungra ter lugar n'aquellas asserablas,
mas os deputados hngaros podero deixar de
tomar parle as suas decisoes, quando se tratar
de leis exclusivamente destinadas a psizos
allomas*.
A Hungra, segundo se affirraava foram recla-
ma porm o completo restabelecimento da cons-
ltuico de 1812.
A situago flnanceira da Austria, cada vez
mais deploravel. Veremos so com iuslituiges
livres prosperam as condigoes administrativa e
econmicas.
Acredta-se em Vienna na possbilidade de ser
confiada ao conde de Rechberg urna misso junto
ao gabinete das Tuilherias.
Fallava-se tambem na probabilidade de ir Pa-
rs o archiduque Maximiliano, presumindo-seque
a praseoga desses dous altos personagens era
Franja tem relajo com um mais intimo resta-
belecimento de relaces entre os gabinetes de
\iennao Paris, em consequencia da allitude que
parece tomar o novo re da Prussia.
Sobre a misso do general La Marmora a Rer-
lin, pouco adiantam as cartas e jornaes que rece-
bemos da Europa. O lonteur Prussiano limi-
ta-se a aonunciar que o re recebeu o general em
audiencia particular, adra de acceitar urna carta
de felicitages do rei Victor Emmanuel. Entre-
tanto alguns peridicos dignos de crdito asse-
guravam que Uvera muilas conferencias com Gui-
llarme I e como ministro Mr. Sehlnilz.
Na Prussia houve crise ministerial. Dava-se
corao origera desta crise a votagao quo leve lugar
no parlamento sobre a questo da Italia, contra
a opnio do governo. O ministerio combaleu
a proposla no sentido que se votou, e ainda que a
maiuria nao foi grande produzio comludo esle fac-
i o etteito que sempre produiem nos paizea re-
gidos pelo systema representativo. O gabinete
vista daquella votago, pedio a sua demisso,
mas nao Ihe foi acceita. Entretanto a cmara,
querendo dar governo urna demonstrsgo de qu*
nao era hostil aos principios administrativos e po-
lticos que sustenta, regeitou urna emenda im-
portante que bavia sido apresentada, apesar de
ser enrgicamente sustentada pelo seu autor. Es-
ta emenda, ou para melhor dizor, proposta, tnha
por fim evitar que a Prussia se collocasse fren-
te do moviraenlo unitario da Allemanha.
A votago alludida causou em Londres e Paris
a mais viva sensago, por isso que as disposigoes
em que se presuma estar a Prussia a respeito da
Italia, nao faziam de modo algum prever que a
cmara lomasse urna semelhante allitude.
As noticias do Oriente moslram a necessi-
dade de tomar urna medida prompta e de resul-
tados positivos.
Os chrislos que nao pereceram ao furor dos
Mussulmano3 perecem de tome. Era Damasco vi-
ve-so em urna anciedade mortal, no meio de urna
especie de conjurajo quo est sendo urdida con-
tra elle polos mussulmanos mutuale e beduinos,
e at os Argelinos, quetinham ido para viverom
paz junto de Abd-el-Kider, querem emigrar para
Beyroutb, pedindo para serem reconduzldos
frica.
As propostas que a Franja se propoe submet-
tor i conferencia que vao reunir-se para tratar
dos negocios da Syria, comejam a ser indicados
pela imprensa.
Diz-se que em primeiro lugar pedir a prolon-
gago do prazo marcado para a oceupago, e alm
disso um augmento no effeclivo do seu corpo ex-
pedicionario, sem se oppor marcha de tropas
das outras najea, se essas potencias julgarem
necessario obter essa garanta contra a preponde-
rancia, ou influencia que all possa aquirir.i po-
ltica franceza.
por
Ha pouco dizia lord John Russell no parlamen-
to que a gtussia poda regular as suas desintelli-
lencias com a Dinamarca : mas que se rebenlas-
*s a guerra universal, a Inglaterra nao poderia
deixar de encontrar-se envolvida nessa guerra.
Um despacho telegraphico de 28 datado de Co-
nague diz que Mr. Arthur Reventkow frtra
i respeilo da cesso da Saboya Mmwdo coraraissario do rei Junto ao estldo do
Holslein. E que se vo fazer'cogajamentos para
a Baviera. r
A Ru3sia ia publicar urna reforma consideravel
as pautas das alfandegas.
As sessoes do congresso hespanhol teem
sido tempestuosas^or causadas leis administra-
tivas das provincias.
Parece que ha desaccordo no seio do gabinete
a proposito de assumplos de governar.o interna,
iroauzra no congresso mu desagradaVel impres-
sao o faci de ler o novs governo do Mxico en-
tregado os passaportes ao embaixador de Hespa-
nna, intimando-lhe u'um prazo determinado a
sua retirada, assim como de lodo o pessoal da le-
gajio. Receiava-se um rompimenlo enlre o M-
xico e a Hespanha.
_ A fragata hespanhola Colon foi posta disposi-
gao do re Francisco II
O governo de Hespanha approvou o tratado
com o imperador de Marrocos sobre a indemni-
sagao de guerra.
O presidente do conselho, duque de Teluo,
acha-se restabelecido de sua enfermidade.
Em Portugal volara a commisso respec-
tiva um projecio de le para a represso dos cri-
raes ua provincia de Angola, apresentado pelo
ministro da marinha. Segundo esta proposta,
( na sua quasi tolalidade opprovada na cmara
electiva ) os reos sero julgados em primeira
instancia, sem a appellajo para o poder modera-
dor. Esta le provisoria refere-se aos escravos e
libertos
Dentro era pouco so discutira o orgaraeoto.
dopois do que se fecharo as corles : pelo menos
segundo nos escreve o nosso correspondente, era
esse o desejo do govorno, e tambem da oppnsigo
que acha prematura a sua elevajo ao poder,
donde se concluc que neste ponto roina
lhor intelligenca entre as diversas
dades.
No lazzareto de Souza fallecer de febre ama-
relia um passageiro do vapor Guienne, ido do
Brasil por nome Mediui. Toraaram-se provi-
dencias sanitarias, e nao constava que houvesse
raais casos de febre amarella.
so, e assim convem experimenla-lo ; porque oo ling
ora resultado desta experiencia ae muito lem a
ganhar a humanidade em geral, muito mais o
Brasil especialmente, cuja marcha e desenvolvi-
menlo tem sido excesivamente retardado
osle flagello, que ainda nao nos quiz deixar.
~ O vapor francez Navarre, viudo dos portos
da Europa, trouxe seu bordo os sezuiotes pas-
sageiros:
Pedro Jos dos Santos, Gelle A. Laine, Faudel
Theodore, Jos Ricardo Gomes de Carvalho J-
nior, Luiz Land, Charles Edouard Engelhard, Jo-
s Joaqulm de Pinho Mendonja, Estefane Ca-
duff.
Soguera para o sul :
Josquim da Silva Queiroz, Dr. Elias Jos Pe-
dros. Wlliara Perren.
*- O hiate nacional Sanfa Rita, sahido par o
Aracaty e Ass, levou seu bordo os seguintes
passageiros:
Jos Gomes de Amorim, Jos de Borja Csmi-
5 r,*1.*0'0 da Cmara. Joaquim Lopes Raymun-
do Dobho, Rufino Patricio de Souza.
. Vvam recolhidos i casa de detenjao no dia
1J do correnle 9 homens, sendo 2 livres e 7 es-
cravos ; ordem do Dr. chefe de polica 2. or-
dem do subdelegado do Recite t, ordem do de
Santo Antonio 5.
MORTALIADE DO OA 14.
Caetano, preto, escravo, 8 annos; ttano.
Asna Maria Correa de Amorim, parda, solleira,
22 annos ; phtysica.
Joo Antonio Vieira, branco, solteiro, 16 annos ;
gastro inlerite chronica.
Manoel Antonio Pereira de Abreu, branco, viuvo,
56 annos ; coogeslo cerebral.
Maria, prela, escrava, solleira, 80 annos ; dyar-
rhea.
Para o Ass.
Segu em poucos dias. por j ter a maior par-
ia de seu carregameoto a bordo, o hiate Bebe-
te Virio f paM8g6r08' trt,1- *
Pane
Aracaty
iara earga
>o. 5.
Para
rh:.^dXrioT5Mr8a 6 PaSS^'-
COMMERCIO.
a me-
parciali-
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Forara designados peb Exm. Sr. presidente
para examinar no coocurso, que deve ter lugar
no da 18 na thesouraria provincial, para preeu-
chimento das duas vagas de 2o escripturario all
existentes, os Srs. lente Antonio Egidio da Sil-
va, Dr. Antonio Kangel de Torrres Bandeira e
l>r. Antonio Witruvio Pinto Bandera e Accloli
do Vasconcellos, professores, esle do Curso Com-
mercial, e aquellos do Gymnasio.
O Sr. Silva examina em operagSes dearithme-
tica, o Sr. Torros Bandoira em graramatica na-
cional, e o Sr. Waruvio em escripluraco mer-
cantil. *
Tudo se prepirara, pois, para a conferencia ;
mas sendo o estado do Oriente cada vez mais gra-
ve, por isso que a autoridade turca perde lodosos
das o seu prestigio entre os proprios Mussulma-
nos do paiz que o tem dominado at agora, pa-
rece que a Franja dra as suas ordeos para que
Por impedimento do Exm. vscond6 da Boa-
vista, acha-se no commando superior da guarda
nacional deste municipio o Sr. coronel Domingos
Allonso Nery Ferreira.
Hoje tem lugar a procisso do Senhor Bom
Jess dos Passos, cuja iraagem foi hontem uoi-
le transferida da igreja do Corpo Santo para o
convenio do Carrao com o immeaso acompauha-
mento de devotos do costume.
O seu transito ser pelas ras da Caraboa do
Carao. Flores, Nova.Cabug, praga da Indepen-
dencia, Crespo e Imporador a seguir para o Re-
cife, onde desfilar pelo caes de Apollo, e toma-
r depois as ras da Cideia, Cruz e Trapicho,
recolhendo-se a imagera ao seu templo.
Urna brigada, ao mando do coronel Luiz Jos
Ferreira, e composta dos Io, 2o e 3o batalhoes de
lnfanlaria da guarda nacional e do 2o de linha,
soguir em acompanhamenlo ao prestito, sendo'
guarnecido o audor pelo esquadro de cavallana
da ama guarda nacional.
Hoje comejam ostrabalhos lectivos do cor-
rente anno da Faculdade de Direilo.
Na terca-feira noile ft3i, segundo nos in-
formam, atacado em sua prupria casa, na ra
Imperial, um individuo de nome Piolo por qua-
lro sucios, que lentiram rouba-lo por meio de
ameajas, pretextando para ler ingresso na casa
que Um urna diligencia.
Nao poderam todava conseguir seus intentos,
porque Pinto iogrou ovila-los por meio de gritos,
que alemorisando-os, pozeram-n'os em fuga.
Convom que se syndiqne sobre este faci, afim
de reconhocer-se a sua veracidale ou existencia,
para que se providencie, tanto mais quanto dz-
se-nos que Pinto reconhecera um dos sucios.
Por portara de 12 do correnle foi exonera-
do do lugar do 1 supplente do subdelegado de
Aguas Bellas Francisco de Carvalho da Silva Guei-
I?'-por acnar-se pronunciado eaa crime de fal-
3*nBn!^H".en,,,>1 emoDBUaldata.concedida a demis-
so pedida pelo 3" supplenle Aatooio Jos Pe-
reira de Bastos.
Sendo dispensado o Dr Tarquinio Braulio
de Souza Amaranto de servir como commissario
nos exames preparatorios da Faculdade de Direi-
lo, foi substituido pelo Dr. Manoel do Nsscimen-
lo Machado Portella nessa commisso.
Pedem-nos para que imploremos, do Sr.
subdelegado do S. Jos, um passeio l para os la-
dos do deposito de carvo de podra, afim de co-
hibir eerlos abusos que por all se do.
Urna salva de 21 tiros dada pelos navios de
guerra nacionaes, e pela fortaleza do Brura, sau-
dou a aurora do dia de hontem, faustoso ani-
versario natalicio de S. M. a Imperalriz, que
completou 39 annos de idade. A' urna hora da
tardo, e ao por do sol oulrjs salvas festejaram
este bollo dia, conservaodo-se os rnesraos navios
e fortaleza embandeirados at ento.
Sentimos que o corpo consular estraogeiro,
quasi todo, deixasse passar desapercebids esta
festividado nacional, nao ijsndo as bandeiras de
suas respectivas oajdes, como sempre costuma
fazer.
Deus conserve ainda por muitos annos a vir-
tuosa o amada Soberana dos Brasileiros, que elle*
tanto idolatrara.
Ftbr amarella. O capilio Villemarlio, do
origue frtncez Jumecles, publicou no Havre um
relatorio em que se IS o seguiote trecho, para o
qual o Journal du Havre chama a particular at-
tenco dos martimos, creodo exercer um dever
de humanidade.
Demorei-me tres mezes e meio no ancora-
dou.ro da Baha, onde a febre amarella fazu gran-
des estragos; porra grajas ao chloro Hellard
salve todos os meus marinheiros, s at mira
mesmo, seguindo exactamente as instruejes do
ctiimico. Esse medicamento un beneficio in-
dispensavel 4 uossa marinha oas localidades su-
'}"> ,\ k'"'98, Qu*Dt0S homens Ihe devem
vida I Ha cinco annos que uso delle. e nesae pe-
riodo nao perd um s homem, quer na costa de
frica, quer as Aotilhas, ou no Brasil.
a Ttvemos todos na Baha o vomito negro, o
todava salvei minha existefleu o a da minha
Praga do Recife 14 de
margo de 1861.
\s tres horas da larde.
CutMces fAeiaes.
Cambio sobre Londres26 1|2 d. por lfl 90 dias
de vista.
Cambio sobre o Rio de Janeiro 1 0(0 dedes-
ocoto 15 dias de vista.
Descont de letras10 e 12 0(0 ao anno.
Leal SevePresidente.
Frederico Guimaraes secretario.
Alfandega,
Rendimento do dia 1 a 13. 180:2705812
dem do dia 14.......11:913^407
Jacaranda.Vio ebegando as novas importa-
goes : do Rio da Janeiro se aeham no porto vio-
dos no Brasil Packet> 44)6 pecas e devem che-
gar pelo Thole 872 pecas.
Colamos :
Jacaranda do Ro 16-35 I Marcos de banco as '
da Bihia 12-18) 100 libras.
Acham-se presentemente anaunciados a csrga
para o Brasil os seguintes navios: ili.-. ~" _, _
Para Pernambueo : Genius, Georg e Buenos- ra O H.IO \kTaUe do Sal.
'.racKe^e Annjr tyzzy. te. enlenda-se com o coosignaro Manoel Alves
Guerra, ou com o capillo a bordo.
Para a Baha : Cathanne.
Moyimento do porto.
COMPANHA PERNTAMBUC\NA
DI
Navios entrada no dia 14.
r a J*ueiro8 das, brigue nacional Castro
/.de 191 toneladas, capito Antonio Teixeira
buimaraes, equipagem 1J. carga 9,500 arrobas
de carne ; a Pinto Souia &t Bairo.
Bihia--9 dias, sumaca nacional iorencio. de 94 NaVearacSa OfiestpirA A vano
toneladas, capilo Jos Quaresma dos Sanios. a V 5leirfl- Vapor.
equipagem 8. carga fumo, charutos e mais ue-Lpor 'erainonga, commandanle Moura,
eros ; a Azovedo & Mondes. :' S8"6 PBr os Prtos do sul de sua escala no dia
Macei-3 dias, barca inglesa flionna, de 223 corre,lle *s 5 horas da tarde,
toneladas, capiUo R. Joel, equipagem 9. carga ..a ece,- frgi psra M,<:ei e portos intermedios
assucar ; a Mello Lethen & C. Veo receber "t U" -19 ao nieio dia*
ordens. passageiros e dinheiro a frete at o dia da
Bordeaux e portos intermedios18 dias, vapor ?"hiaa.s 2 hora : escripiorio no Forte do Mat-
francez Navarre. commandante Flix Vedel. **
Navios sahidos no mesmo dia.
Marseillebarca franceza Cephise, capito Blier,
carga assucar.
Canal-brigue inglez Slratton, capito J Gardoer,
csrga assucar.
Portos do sul-vapor francez Abarre, comman-
dante Flix Vedel.
Aracaty e Asshiate nacional Santa Rita, ca-
piiao Antouio Joaquim Alves, carga differentes
gneros.
Osereaco.
Pjssou para o norte aa barca americana.
" w s-i ---------------
a.
m'
o.
| floras
M
en
2
B
er
c
2
O
Itmosphira.
I
Oirec[o.
| Intensidade.
192:184j)249
Slovlmento da alfandesa.
Volumes entrados cora fazendas.. 167
com gneros.. 28
Volumes
*
saludos
com
com
fazendas..
gneros..
------195
83
136
------224
-4
i
:/
-i
.8
o o X
* 00 MI
s
Cl9
~4
W
CO
O
I
Francs.
S I
fnglei.
Descarregam hoje 15 de fevereiro
Barca inglezaQueen fazendas.
Brigue inglezMinatllan dem.
Sumaca brasileiroHorlenciagneros do paiz.
Importay&o.
Barca ingleza-Oueir, vindade Liverpool, con-
signada a Patn Nash & C, manifeztou o se-
guinte :
50 barris manlega ; a Johnston Pater & C.
20 fardos e 18 caixas fazenda de algodo a
Henry Gibson.
6 caixas e 1 barrica drogas ; Joo Soura & C.
26 canas, e 15 fardos fazenda de algodo, 10
caixas dita de lnho, 2 pacotes cobertores. 2 di- j Baxamar a 0 h. e 42' da larde, altura 1 S! o
tas fazenda do la. 50 canas f jlha de (landres, 1
barrica eslanho, 3 ditas ferragens, 1 dita trem de
cozmha; a Patn Nash & C.
22 caixas miudezas ; a Isidoro Uilliday & C.
-i
2

I Fahrenheit.
o
S" to a
g
5

Centgrado.
2 S
| Hygrometro.
Cisierna hydro-
metrica.
O
S
SO
S|
O
* rq
o oa
" S
i
o
f
EARL ]0MP\1HHIA
DE
Paquetes inglezes a vapor.
No da 17 deste mez espera-se do sul o vapor
Oneida, commandante Bevis, o qual depois da
demorado costume seguir para Soulhampton,
locando nos poitos de S. Vicente e Lisboa, para
passageiros etc., trala-se com os agentes Adam-
son.Howie & C, ra do Trapiche n. 42.
P. S. Os erabrulhos s se recebem al duaa
horas antes de se fechar as malas, ou urna hora
antes pagando um pataco alem do respectivo
frete.
COMPANHA PEKNAIBICAIU
DB
I IMavegaca i cosleiraa vapor
5
A noito de aguaceiros, vento ESE regular at
4 h. e 15' que rondou para o terral e assim ama-
nhecen.
OSClLAf.AO DA HAR'.
Preamar as 6 h. e 30' da manha. allura 6,4 p.
k 99 caixas e 29 fardos fazenda de algodo. 1 ca-
xa. calcado, 2 ditas oleo de linhaca : a Arkwri-
gh\ & C.
5 caixas phosphoros ; a Ferreira Jr Martios.
1 fardo lazenda de la a James Crabtrec & G.
47 gigos e 6 barricas louca, 25 fardos fazenda
a Saundres Brothers C.
de algodo
3 caixas queijos, 2 ditas bolacha, 1 dita con-
serra ; a Manoel Jos Goucalves da Fonte.
100 barris manleiga ; a Krabbe Whalely & C.
50 ditos dita, loo fardos e 57 caixas fazenda de
algodo, 1 dila dita de la ; a James Byder & C.
7 caixas fazenda de algodo, 25 toneladas car-
vaode pedra ; a N. O Bieber & C
25 chapas de fogo, 1 barrica lampos, 1 dila
cadeados, 1 dila miudezas, 1 dita ferragens ; a
Hennque & Azevedo.
100 barris manteiga, 8 fardos e 2 caixas fazen-
das de algodo ; a Mills Lalham & C.
4 caixas liuha, 2 Jilas miudezas ; a Mello Lo-
bo & C.
I caixa miudezas e roupa ; a A. L. Bodrigues.
194 barras de ferro ; a T. II. Harrison.
30 toneladas ferro coado ; a C.'Starr & C.
59 eaias e 142 fardos fazenda de algodo, 18
caixas miudezas, 1 dita obieclos de escripiorio,
1 dita cha ; a Soulhall Mellors.
51 caixas folha de flandres. 2 fardos fazenda
de algodo; a Barroca & Medeiros.
50 barris manteiga, 164 Barricas cerveja, 2 cai-
xas calcado, 1 dita machina ; a ordem.
II caixas fazenda de algodo ; a Adamson Ho-
vie & C
300 caixas folha de (landres. 22 fardos e 6 ca-
xas fazeoda de algodo, 1 caixa dita de la e al-
godo ; a C. J. Aslley & C.
15 laxas de ferro, 1 fardo estopa, 1 caldeira,
1 chamin, 51 cannos, 1 feixe, 27 pacotes, 50
bancos, 6 caixas e 1 barrica machinismo.
1 saco a |nioatras, adivgr:
irla de rendas internas
geraes de Pernambuco.
a 13. 34:271*460
1 048*153
35:319613
Rend.
I i. imenlo do da 1
1 do dia 14
. CoMDlKdu provincial, i
endimfento do dia 1 a 13. 31 823J303
dem do dia 14....... 2:309*394
34i732702
Hamburgo, SO de fevereiro de 1861
Bolletim commercial,
A reabertura da navegaco nao deu ao com-
mercio a animaceo que se devia esperar vista
da crescente preciso e dos diminuios depsitos.
S se comprou para satisfazor as urgentissiraas
precisoes. sustentando os precos com firmeza a
sua posico.
Caf.Alguns dos navios que tinham passado
o invern em Cuxhafen, entraran nos ltimos
dias. Das novas entradas porm nao foi ainda
nada apresentado venda, e por isso as transac-
coes teem sido limitadas. A' vista da necessida-
dedo consumo nao ha duvida que tero imme-
diatamente extraego consideraves quantidades
do caf. Colamos o caf regular ordinario do
Ro: 6 1|2 senil lings.
Os navios que entraram do Rio de Janeiro fo-
ram : Schwnge, Merchant, Ellida, Flora Maria,
Fraoklin, Oribe, Spirit, Torest Queen, Johanne
Mana, Aon V, Lizzy, Brasil Packet com 34.139
saceos de caf.
E de Santos entraram Selma, Elbe com
saceos de caf.
'Assucar.Pouco se fez. Com diminuico de
proco de 12 schillogs se vedenram ltimamente
'!^ !aecos de ass,car nascavado da Baha, e
2,800 de dito de Pernambuco.
Colamos :
Asucar da Babia em
caixas branco.
Mascavado 16 1[2181(2 marca* banco
Em saceos branco 20 23
mascavado 17 1[418 I[2
De Pernambuco, Ma-
ceta, Parahiba.
Em saceos branco. ~
mascavado 17 1(418
Tabaco.Transicoes regulares, seu mudanza
Observatorio do
margo de 1861.
arsenal de marinha, 14 de
Rohaso Stepple,
Io lenle.
Parahiba, Rio Grande do Norte, ~As-
su', Aracatv e Ceara'.
O vapor Iguarass, commandanle Moreira, sa-
hir para os portos do norte at ac Cear no>
da 2 de marjo s 5 horas da tarde.
Recebe-se carga at o dia 21 ao meia dia. En-
commendas, passageiros e dinheiro a frete at o
da sahidaj s 2 horas : escripiorio no Forte do
Mallos n. 1.
Para o Aracaty.
Seguir brevemente o hiate nacional Santa
Anua, queja tem quasi meia carga, para o res-
tante e passageiros trata-se eom urgel Irmaos.
no seu escripiorio da ra da Cadeia do Recife n.
28, primeiro andar.
Porto.
THEATRO
DE
Santa Isabel.
Sahbado, 16 de marco de 1861.
Yiiiva do
BENEFICIO
DA
artista dramtico
Ferreira da Silva
I Sao at o dia 24 do correnle o brigue Amalia.
1. : para paasageiros. pira o que tem excelente?
commodes. (rala-se coro o couignaiario afaooel
Joaquim :Ramos e Si.va, ou cora o capito. |
, A agencia do vapor de
reboque acha-se estabelecida no escrip-
torio di companliia Pernambucana na
(Forte do Mattos n. 1, onde se recebem
avisospara qualquer servico tendente
I ao mesmo vapor.
Acarac e Maranho.
Segu imprclerivelmenle o patacho Emula-
Ra/iMiila 5ao* para rest0 aa car,ia l'ue lhe falta, trata-
uw se com Moreira & Ferreira. ra da Madre de Dos
o. 4. ou cora o capilo no trapiche do algodo.
que falleceu no anno prximo pass*ado, por occa-
sio do flagello da escarlatina que ceifou lanas
victimas nesta eidade, fleando sua inconsolavel
esposa com Ires (litios menores e sem meios de
poder mover a sua subsistencia, vem pelo pre-
sente implorar a prolecco do respeitavel publi-
co para concorrer ao espectculo om seu beneficio
e de seus pobres filhos.
togo que o Exm. Sr. presidente desta provin-
cia se dignar comparecer na tribuna, dar prin-
cipio o espectculo com urna bella symphonia.
Depois representar-se-ba a muilo applaudida
comedia era tres aclos, por L. C. H. Penna,
!!Y!G.
6,972



a

PERSONAGENS.
Arabr/sio....................... Raymundo.
Florencia sua mulher.......... D. Jesuina.
Emilia, sua lih............... i). Leopoldina.
Juca (9 anooai.................. Jos.
Carlos, noviQoda ordem de Sao
Bento......................... Vicente.
Rosa, provinciana, pnmeira,mu-
lher de Ambrosio............ D. Isabel.
Padre-meslre dos noncos...... Jet ge.
Jorge........................... A. ,'.ima.
Jos, criado.................... Joo da Silva.
Primeiro raeirinho............ Jos Alves.
Segundos ditos, que nao fallam, soldados, etc.,
etc.
Terminar o diverlimento com a jocosa farca,
0 CHAPEO PARDO.
Os bilhetes de camarotes, cadeiras e plateas,
eslo exposlos venda na residencia do Santa
Rosa, ra de Santa Isabel n. 13, a qualquer hora
do dia, e no dia do espectculo no escriptorio do
theatro.
Principiar s 8 horas.
Avisos martimos.
Leiloes.
LEILAO
Sexa-feira 15 do corrate as
11 horas eiu ponto.
O agente Pinto autorisado pelo Sr.
Vicente Ferreira Pinto, fara' leilo da
armacSo e balcao, de dous caniieiros
do gaz e seus jitencilioj. de wgg x&fitr"
em bom es-
rua da
de mez.d e e urna carteira
.tJtdtt^iatnntM
Cruz n- 51 no dia ebora cima indicada
garantndo-seao comprador o arronda-
ment do mesmo armazem.
Para a Baha segu em poucos dias a es-
cuna nacional Carlota; para alguma carga que
lhe falta, trata-se com seu consignatario Fran-
cisco L. O. Azevedo, na ra da Madre de Dos,
n. l.
Urna taberna.
NA
Ra do Raugel n. 18.
Terca-feira 19 do cor-rente
Antones far leilo por mandado do E*n. Sr;
Dr. juiz especial do commercio e a requerimenl
de Silva 4 Santos, dos gneros, dividas o uten-
cilios da taberna sita na ra do Rangel n. 18, a
qual pertenceu GrmaSouzi & Peixoto.
Na referida taberna s lt horas em ponto.
Rio de Janeiro
pretende seguir at o dia 16 do correnle a veleira
o bem conhecida barca Amelia ; s pode rece-
ber escravos frete, para os quaes Um expelien-
tes commodos ; trata-se com os seus consignata-
rios Azevedo 4 lleude, no seu escriptorio, ra.
da Cruz n. 1.
Predios e
escravos.
Quinta-feirail docor~
venteas 11 horas.
Antuoes autorisado pelo Sr. Jote Nu-
nes de Paula, ara' leilo em seu arma-
zem na ra do Amorim n. 48, dos
predio e eteravos pertenceutet ao dito
senhor que para liquidar sero entro
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
[MUTILADO i^j


(*)
DIARIO DI KftAABHUOO. SEXTA fEIli 15 DE MARCO DE 181
gue$ pelo maior preco alcanzado, a
saber:
O sobrado n. 48 de 2 andares e solio si-
to na ra do Amorfm, com chaos
proprios.
Dito em Olinda de um andar e sotao
sendo atraz terreo, com a frente pa-
ra os Quatro Cantos e ladeira da Mi*
sericordia, chaos proprio$.
Urna casa terrea no Varadouro, con-
cluida ha pouco tempo, com 5 quar-
tos, 2 salas, grande quintal, e urna
grande padaria no inesmo, com o-
toes dobrados, foreira a cmara mu-
nicipal.
A terca parte da casa terrea sita na ra
da Irnperatriz onde tem padariao Sr.
BaTilier.
\ escravos de muito boa conducta, sen-
do um delles exceente padeiro e
foi niro, as i i horas em ponto.
LEILAO
DE
Gneros de estiva.
U uarta-fe ira 20 do corren te.
Arlunes por mandado do Exm. Sr. Dr. juiz es-
pe.ial do coraraercio. far leilao a requerimenlo
de Prente Vianna fi C. e outros, dos gneros e
raais objeclos arrestados a Manoel Joaquina de
. oiiveira & C, no referido dia as 11 horas em
ponto, na ra do Gordoniz n. 14.
LEILAO
DE
Varios objectos para pes-
cara.
Sexta-feira 15 do corrate.
Costa Carvalho aulorisado peloSr. Jos Manoel
da Silva, far leilao no dia cima do varios ob-
jectos pertencenles a companhia de pescadores
como sejam lanchas com seus perteoces, redes
e outros muitos objeclos, s 11 horas em poni
no trapiche do algodo.
LEILAO
DE
lina ariac&o.
Sabbado 16 do correte,
Costa Carvalho far leilao no dia cima as 11
horas da manhaa por conta e ordero dos credo-
res de Antonio Pereira Vianna, da armacao da
taberna do mesmo na ra de llortas n. 39.
Veneravel contraria de Santa
Rita de Cassia.
De orden da mesa regadora da veneravel con-
fraria de Santa Rita de Cassia, convido a todoa
os nossos chariisimos irmos para te dignaren)
comparecer oo dia 15 do crreme mez, pelas 2
horas da tarde, no consistorio da mesma contra-
ria, afim de encorporado*, acompanharmos pro-
cissio do Senhor Bom Jess dos Pasaos, para a
qual tiremos convite.
Joo P. de J. da Malla.
Escrivio.
ATOSIGA.
Um mo(o estrangeiro offerece-ae para dar li-
nes de fraacez e italiano dentro e fra da cidade,
prefeiindo em algnm engenho : a tratar na ra
do Trapiche n. 15.
Traspassa-se o aloguel de urna casa terrea
no bairro da Boa-Vista, pagando-se urna peque-
a bemfeitoria, e dando-se alguns mezes adian-
tados : a tratar na ra d Matriz da Boa-Vista
numero 22.
AirmanJade do Senhor Bom Jess dos Mar-
tyrios desta cidade de Olinda faz publico, que,
teodo de acompaohar a procisso do mesmo Se-
nhor algumas contrarias da cidade do Recife, e
se achem estas oceupadas cm outros actos no dia
17, transferio desle dia para o da 24, para que
se torne mais brilhante a diu procisso com o
acompaohamentu das mesmas contrarias que se
dignaram aceitar o convite que fez esla irmanda-
de. Olinda 13 de margo de 1861.
OITorece-se urna mulher parda para ama de
leite, a qual nao tem Qlho e tem 5 dias de parid,
tendo muito leite ; na ra de S. Gonzalo, taberna
n. 25, se dir.
Precisa-se de um bom cozioheiro que en-
lenda bem de sua arte, e que trabalhe bem em
massa, para o hotel da Escada : quem Ihe con-
vierdirija-se a ra do Crespo, loja n. 9, para
tratar do ajuste.
Edmund Le Gallis retira-se para Ingla-
terra.
commisso de escravos
na ra da Penha, sobrado
numero 2.
Nesla nova casa de commisso de escravos, re-
cebem-se escravoa por commisso para serem
vendidos por conta de seos senhores, afianzndo-
se a prompla venda, assim como o bom trata-
ment pira os meamos, afim deque os senhores
dos mesmos escravos flquem salisfeilos com is
diligencias que da paite do commissionado flzer,
para em tudo agradar aquelles senhores que o
quizerem honrar com a sus confanos, no que es-
pera merecer atteneo tanto dos senhores que
In'os quizerem cooQar para vender, como aquel-
les que pretendam confiar, poia espera ter sem-
pre para vender escravos de ambos os sexos e
dades.
Sexta-feira 15 do corrente
horas em ponto.
as
DE
Joao Correa de Carva-
lho pungido do raais do-
loroso sentimento agra-
dece a todos os seus ami-
gos que assistiram as
exequias de sua sempre
chorada esposa D. Maria
Jos Correa de Carvalho,
e de novo os convida para
assistirem a missa do s-
timo dia que ter lugar
na segunda-feira 18 as
6 horas da manhaa na
matriz de S. Frei
Goncalves_______
!
3Roa estreita do Rosario-3
Francisco Pinto Ozono continua a col-
locar denles artificiaos tanto por meio de
aulas como pela presso do ar, nao re-
cebe ,.-a alguma sem que as obras nao
fiqt .['. a vontade de seus donos, tem pos
t'iirai preparares as mais acreditadas
para conservado da bocea.
S
Precisa-se de urna ama para casa de
familia : na ra da Gloria n. 93.
pouca
DA
Pedro
I3ma taberna.
O senle Camargo far leilao por mandado do
Exm. Sr. Dr. juiz especial do coramercio e a re-
querimenlo de Campiano & Cordeiro, da taberna
da na4o Rosario da Boa-Vista, pertencenlo a
Francisco Ferreira FiaJho, oa mencionado dia s
11 horas em poni.
UlUO.
DO
Casco da barca ingleza
Enrnia Eugenia,
Sexta-feira 15 do corrente as
11 horas em ponto,
Johu Henry Datton, capilao da bar
ca ingleza Emma Eugenia, fara' lei-
lao com autorisacao do 11 Ira. Sr. ins-
pector da alfandega, por conta e risco
de quem pettencerna presenca do Sr.
cnsul interino de S. M. Bntannica e
por intervencao do agente Pinto, do
casco da referida barca (lotacao 583 to-
neladas inglezas) legalmente condem-
nada neste porto na sua rcenle viagem
-if rinrtmJja^j^SOCfar^n rnmmprrial desta
praca, onde tcro dado* os etc'
tos nven
LEILAO
Terca-feira 19 do corrente as
11 horas da manhaa.
O agente Pinto autorisado pelo Sr.
Vicente Ferreira Pinto, fara' leilao da
armacao e balcao, dedous candieiros do
gaz e seus utencilios, de urna grande
meza e de urna carteira em bom estado
existentes no armazem da ra da Cruz
n. 15 no dia e hora cima indicado ga
rantindo se ao comprador o arrenda-
mento do mrsmo armazem.
Avisos diversos.
Ha tres dias que anda ausente o cabra
Francisco, escravo de Antonio de Honra Rolim,
com ossignaes seguinles : alto, espadaudo, nariz
grande, ventas muito redondas, falla compaseada,
ecanholo: quem o pegar traga-o i ra do
Queimado, sobrado amarello n. 31. que ser re-
compensado. Presume-se que ande pela Sole-
dade, Santo Amaro, ou mesmo no bairro do Re-
cife, onde costuma ganbar.
Passaportes.
Tirara-se passaportes para fra do imperio, e
despacham-se escravos, para eujo fien procure-se
o annunciante na roa do Queiraado o. 29, arma-
zem de fazendas do Sr. coronel Gouveia, na ra
da Cadeia do Recife n. 30 armazem de fazendas
dos Sr?. Monleiro Lopes & Companhia, e na mes-
sia rus, .escriptorio n. 3 doi Srs. Gouveia &
Filho.
OSr. Antonio Jos Maia Jnior deixou de
aer meo caixeiro. Recife 13 de maio de 1861.
Antonio da Silva Ramos.
Os 3w. Jos Vamos Ferreira, Jos Francis-
co do Souza Pereira, Sebastiao Auto.io da Costa
Macicle Justino Gomes da Silva Reg queiram
anunciar nn moradas que s Ihei deseja fallar,
Cassino Militar
Pernambucano,
Previne-se aos senhores socios que em conse-
quencia de resolucao tomada pela assembla ge-
ral, foi marcado o dia 2 de abril para ter lugar a
partida pertencente a esse mesmo mez ; e por
txT*-A^f,riQ aprBSPQlar suss propostas de convi-
1 le ate o d\a a do VrretKv.o l.- ,eyeUrio, na
ra do Gabuga n. 7, primeiro andar.
Recife 13 de margo de 1861.
Antonio Vilella de C. Tavares.
1. secretario.
Os lindos cintos para se-
nhora ou meninas
S se vendem na loja da aguia de ouro, ra do
Cabug n. 1 B, os verdadeiros cintos dos mais
medernosque se esto usando na Europa, assim
como enfeiles para cabeca os mais ricos que se
pode encontrar, que vista do gosto uioguem
deixar de comprar.
Com pcffeico.
Lava-sc e engomma-se roupa, tanto de ho-
rneo) como de senhora, tambem se recebe roupa
j lavada e s para eogoramar, assim como se
preparara veos e manteletes de Gl bordados quo
estejam ru?os ou os relrozes disfiados, aDangan-
do-se que Acaro tomo novos : na ra da Cadeia
do Recife n. 11, segundo andar.
Aluga-so o primeiro andar e armazem do
sobrado n 2 no becco da Boia, os quaes tem ex-
cedientes commodos : a tratar na praga do Corpo
Santo n. 5, sobrado.
Oesappareceu no dia 13 um cavallo alaso
rosilho caxilo com 10 caixas com charutos, 5
pegas de algodaozinho, 75 cocos, 2 cassuaes, 2
saceos, 1 lengol e 8 libras de carno secca : roi-
ga-se a pessoa que o pegar ou que noticia del le
tiver, leva-lo ra Nova n. 69, que so lhe gra-
tificar.
PROVINCIA.
Acham-se a' venda os bilhetes e meios
da quai ta parte da prime-ira lotera a
beneficio da irmandade do Divino Espi-
rito Santo do Collegio, na thesDuraria
dasloterias na ra do Queimado n. 12,
primeiro andar, e as lojas commissio-
nadas na praca da Independencia n. 22
do Sr Santos Vieira, ra Direita n. 3
botica do Sr. Chagas, no Recife ra da
Cadeia loja n.45 dos Srs Porto & Irmao,
as rodas da loteria anda rao nfallivel-
mente em o dia quarta-feira 20 do pre-
sente mez de marco. Abaixo vai trans-
cripto o novo plano que o Exm. Sr.
presidente se dignou pprovar.
PLANO.
Barroca & Medeiros sa-
cam para Portugal e lina de
S. Miguel.
Aviso aos devedo-
res da massa fal-
lida de Siqueira
& Pereira.
Joo Jos de Figueirede ar-
rematante da massa fallida
de Siqueira & Pereira avisa a
todos os Srs que sao devedo-
res a mesma roassa, queiram
vir satisfazer seus dbitos no
prazo de 15dia, porque pas-
sado esjte prazo proceder-
se-ha a cobranca judicial.
Na 1vrarla n. 6 e 8 da praca da
Independencia precisa-se fallar ao Sr.
Ulisses Cokles Gavalcanti de Mello.
Aluga-se a loja do sobrad da ra das Cru-
zes n.18: a tratar no mesmo sobrado.
] o abaixo assignado roga aos seus devedores,
de lar a bondade de pagarem aa suas coalas em
casa do Sr. Manoel & C. ra Nova o. 23.
Paulo Gaigooux.
Sociedade bancada.
Amorim, Fragozo. Santos & G. mu*
daram o seo escriptorio para o pavi-
mento terreo da casa da praca do Cor-
po Santo onde funecionou o consulado
geral. -
Troca-se um sobrado de 2 anda-
res no pateo do Carmo por um de 1
andar que seja grande e tenha quintal
emquslquer das principaes ras dos
bairrros de Santo Antonio ou Boa-Vista :
a pessoa que tiver e quizer azer a tro-
ca appareca na praca da Independencia
n. 6 e 8 que se dir' quem faz este ne-
gocio enao duvida voltar.
O Sr. Romo Antonio de Alean-
tara tem urna carta nesta typoerapbia.
0 Dr. Casanova
sen
pode aer procurado todoa oa dias em
consultorio especial homeopalhico.
30Ra das Cnzes30
Neste consultorio tem sempre os mais
novos e acreditados medicamentos pre-
parados em Paria (astinturaa) por Ca-
lellan e Weber, por precos razosveis.
Os elementos dehomeopalbia obra, re-
commendada i intelligencia de qualquer
pessoa.
Ii SiS$i8^$M-&i8i-SlS{l8KQMii
Atteneo
CIDADE DO ASS. 18 DE FEVEREIRO DE 1861.
Eu abaixo assignado, tendo justo e contratado
com dous ofliciaes para fazerem urna pintura na
matriz da cidade do Ass, e tendo eu me apre-
seotado com oa ditos ofliciaes. os eocarregados
da obra nao deram cumplimento aos seus tratos
em tempo marcado, eu eaperei mais seis mezes,
e elles nao deram cumprimento aos seos deveres;
eu, me vendo nis cirenmstancias de fazer voltar
oa ditos ofliciaes, nao Uve oulro remedio senao
mandar fazer algumaa obras por minha conta,
para nao voltarem depoia de terem empatado
com islo o tempo dos seus negocios, e ainda ga->
nharam em miobt mo a quantta de 26t|i50 ; os
outros ofliciaes a quantia da 1389000. e livres de
todas as suas despezaa. O abaixo assignado, pois,
quem fez todas aa despezaa de passagem, casa
e sustento ; todas as maia deaoezaa al hoje -
cam pagas; os doua ofliciaes ainda me vem a
restar. E para levar ao conhecimento de todoa
oa habitantes dessa cidade do Recite, faco o pre-
sente em que me assigno. Cidade do Ass, 18
de fevereiro de 1861.Com loja na roa da Irnpe-
ratriz o. 72.
Manoel Ignacio de Oliveira Marlins.
Vendemse.

Miento.
Joio Jos de Figueiredo, tendo comprado o
estabelecimento de fazendas Pinas ds ra do Cres-
po n. 9, que foi de Siqueira Si Pereira, avisa a
todos os freguezes dos mesmos, que elle conti-
na a vender fazendas do muilo gosto, bem como
obras de ouro e brilhanles, tudo por menos de
seu valor para liquidar.
Aos senhores devedores.
Encarecidamente roga-se aos senhores deve-
dores exliocta firma de Almeida & Burgos, de
mandarem saldar as suas contas durante o pre-
sente mez i loja da ra do Cabug de Burgos
Poncede Len, certosdoque se assim o nao i-
zerem, do principio de abril em diante s se po-
derlo entender com o procurador do foro o Sr.
Flix Francisco de Souza Hagalhaes, que enlo
ficar encarregado de promover judicialmente a
cobrinca dessas dividas sem dislincQo de pessoa
alguma.
3000 bilhetes a 5..............
Beneficio e sello de 2% por ccnlo.
15:000000
3:000S00O
Liquido.
12:0008000
1 Premio de............
2 Ditos de 8008........
1 Dito de................
2 Dilos de 200$........
de 100S........
de 40S........
de 20........
de log.....;..
de 59........
Dilos
4 Dilos
10 Ditos
15 Ditos
35 Ditos
630 Dilos
/
700 Premiados.
2300 Brancos.
5:000
1:0009
4008
4003
400g
400S
300
350g
3:150
--------12:0008000
Saques para
tugal.
Por-
SOCIEDADE
IIM\0BE\EFIC
3000 Bilhetes.
N. B. As sortes maiores de um con-
t de reis estao sugeitas aos descontos
das leu.
Thesourarla das loteras 7 de marco
de 1861.O thesoureiro, Antonio Jo-
s Rodrigues de Souza.
Approvo.Palacio do governo de
Pemambuco 9 de marco de 1861.As-
signadoLeitao da Cunda.
Conforme.Antonio Leite de Pinho.
IOTEBII
DE
Santa Rita de Cassia.
Na prara da Independencia n. 22
junto ao relojoeiro loja do abaixo assig-
nado venderam-se os teguintes nmeros
em cue sabiram as seguintes sortes :
Carvalho, Nogueira & C. na rua do Vigario n.
9, primeiro andar, sacam sobre Lisboa e Porto.
Aluga-se o sitio Chacn onde rao-
Ljrou o Sr. cnsul britannico: a tratar
com o seu propt ietario na rua do Viga-
rio n. 13 ou na rua Real n. 15 e 17.
O secretario da irmandade deN. S. do Ter-
co, por aulorisacao da mesa, convida a todos os
seus charissimos irmos para se acharcm em
nossa igreja no dia 15, pelas 2 horas da tarde,
para acompanharmos a procisso do Senhor dos
Passos.
Quem precisar de um perito cozioheiro pa-
ra qualquer casa estrangeira .ou nacional, dirja-
se a rua Nova n. 50.
Casiadeira.
Quem precisar de casiar qualquer obra de al-
faiate com muita perfeic.o, dirija-se ao becco da
Bomba n. 5.
Irmandade do Senhor Bom
Jess das Portas.
O actual escrivao da irmandade do
Senhor lionj Jess das Portas, erecta na
igreja da Madre de Dos, convida a to-
dos os seus irmaos a comparecerem na
sexta-feira 15 do corrente no consisto-
rio da irmandade para encorporados
acompanharem a procisso do Senhor
Bom Jess dos Passos. Recife 13 de
marco de 1861.O escrivao, Joaquirn
Francisco da S Iva Jnior.
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
Tira retratos por o#
Tira ratratos por 3$
Tira retratos por 3#
Tira retratos por 3#
Tira retratos por 3$
Tendo recebido um sortimento de ca-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xi alias novas
Tondo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
No grande salo da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande saloda rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
A. \V. Osborn, o retratista america.
no tem recentemente recebido um gran-
de e variado sortimento de caixas, qua.
dros, aparatos chimicos, e um grande
numero de objectos relativos a arte-
Como tambem um grande ornecimen-
to de caixas para retratos de 3#000 rs-
cada um, as pessoas que desejarem ad-
qnirir conhecimentos pratiecs na artr
(de retratar acharao o abaixo assignado
sempre prompto sob condicoes muito
razoaveis.
Os cavallieirose sen horas sao convida-
dos a visitar estes estabelecimentos, pa-
ra examinareis os specimens do que
cima fca anunciado.
SOCIEDADE FUMARIA EM COM-
MANDITA."
Amorim, Fragoso Santos
fazem publico que d'esta data em diante as suas
contas correntes sero reguladas da maneira se-
guinte :
Receber-se-ha qualquer quantia de lOOg para
cima, e pagar-sc-ha vista at 5:0009, sendo
dahi para mais com aviso de 10 dias, contndo-
se jaros de dous por cento, menos do que a laxa
por que a caixa filial do Banco do Brasil descon-
ta letras, sendo estes juros contados e capitali-
Diversas casas terreas as freguezias
de Santo Antonio, S Jos e Boa-Vista,
assim como um sobrado de tres andares
em urna das principaes ras da fregu-
zia de Santo Antonio : na praca da In-
dependencia loja n. 22, se dir' com
em se deve tratar.
Barroca & Medeiros e D. P.. Wild
C. administradores nomeados a matsa
fallida de Lima & Martins, avisara a to-
dos os Srs. credores, que tendo de pro-
ceder a classiGcacao dos crditos na for-
ma determinada pelo art. 859 do cdi-
go do commercio, faz-se preciso que "fio
prazo de 8 dias lhes appresentem os seus
ttulos de crdito, am de poderem ser
classilicadoj.
Aluga-se o primeiro andar e loja
do sobrado de -i- andares no becco da
Boia
sados de 6 em 6 mezes.
Tambem serlo abettas contas correles sob
condicoes de ser pagas vista qualquer quan-
tia independente de aviso, contando-se somente
juros de 3 0[0 ao anno na forma cima declarada
Recife 1. de margo de 1861.
Aluga-se o segundo andar e sotao da casa
da rua de Apollo n. 53, com commodos para fa-
milia, o qual est limpo e aceiado : a tratar na
rua do Amorim a. 44.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia de duas pessoas para cozinhar e comprar
e engommar: na rua larga do Rosario n. 36, pri-
meiro andar.
Pede-se aos senhores irmaos da irmandade
; a tratar na praca do Corpo San-
to n. 5.
Aluga-se a loja do sobrado da rua
da Irnperatriz n. 38; a tratar na mes-
ma rua n- 40.
Compra-se um macaquinho ma-
relinho ou mesmo de outra qualquer
cor, d'nns dos do Maranhao e Para' a
fallar na loja n. 5 prximo ao arco de
Santo Antonio.
Compra-se urna escrava que seja boa cos-
tureira e engommadeira : na rua da Cadeia do-
Recife n. 64.
Desappareccu desde o dia 5 do corrente de
casa de seu senhor o escravo de nome Primo,
cor acabocolada, marcas de bexigas, denles da
frente arruinados, baixo e alguma cousa grosso
do corpo, Olbo do Maranhao, e consta que an-
da ao ganho para os lados da ribeira : quem o
appreheeder e conduzir rua da Cadeia do Re-
cife n. 36, primeiro andar, raceber 20$ de gra-
ticac.o.
Asverdadeiras lu-
yas de Jouvin.
A loja d'aguia branca recebeu pelo vapor fran-
cez urna nova remessa das verdadeiras luvas de
Jouvin, cuja superioridade j bem conhecida
por quantos as tem comprado, e ser mais por
aquelles que se dirigirem rua do Queimado,
loja d'aguia branca n. 16, asseverando que sao as
melhores e mais novas no mercado. Tem sorti-
mento do todas as cores tanto para homem como
para senhora.
Vende-ss a taberna em Olinda oo Varadou-
ro n. 17, muita afreguezada e com poucos fun-
dos, propria para principiante : quem a preten-
der, dirija-se a rua das Cruzes n. 42.
Luvas de iorcal para se-
nhora e meninas
Vendem-se luvas de torgal com vidriiho para
senhora a 1280, ditas sem ter vidrilhos para
meninas aljo par. ditas de seda preta enfeila-
das a 29, e ligas a 1J600 : na rua do Queimado,
loja de miudezas n. 33 da boa fama.
Atten^ao.
Vende-se um bote americano e um carroziuho
de carneiro, ambos em muito bom estado e muita
barato: na rua Direila dos Afogados n. 13.
DOS
A'MibimLLuint)
Em Pernambuco.
De conformidade com a disposicao da segunda
parte do art. 28 dos estatutos, convido aos se-
nhores socios effectivos para sessao de assemtla
geral, afim de eleger o ronsellio que tem de re-
ger os Irabalhos ds sociedade no anno de 1861
a 1862, domiogo 17 do corrente, as 10 horas da
manhaa.
Secretaria da sociedade Unio Beneficente dos
Artistas Selleiros era Pernambuco 3 de marco
de 1861.
Auspicio Antonio de Abreu Guimares.
1. secretario.
Arremtamelo de predios.
Nos dias 8,12 e 15 do corrente mez tem de ser
arrematados por venda. Onda a audiencia do jui-
zo dos orphaos, os predios seguiotes : um sobra-
do de 2 andares e sotao na roa da Cadeia da fre-
guezia de S. Frei Pedro Gon^alves n. 10, em so-
lo proprio ; um dilode 3 andares cora solio na
rua da Cruz da mesma freguezia n. 21, solo fo-
reiro ; um dito de dous andares e solio na mes-
ma rua n. 5, com frente para o caes do Trapiche
solo proprio ; nm dito de um andar na rua da
Senzala Velha n. 1, solo proprio, os quaes vo
praca a requerimenlo da viuva e inventarame
do Uado Antonio Pedro das Neves, sendo effec-
luada a arrematacao na praca do dia 15.
Para urna casa
ingleza.
Precisa-se e urna ama que saiba cozinhar e
engommar, pode ser forra ou captiva : na rua do
Imperador n. 31, amazem do gsz.
Escriptorio de advocada.
Os Drs. Joao Jos Ferreira de Agniar e Apri-
go Justiniano da Silva Guimares leen? eslabe-
leido o seu escriptorio na rua eatreila do Rosa-
rio o. 24, primeiro andar, onde podem ser pro-
curados todos os dias uteis, das 10 horas da ma-
nhaa s 8 da tarde.
Precisa-sede um rapaz de 16 aonosde ida-
de, pouco mais ou menos, dos chegados ltima-
mente do Porto, para caixeiro de taberna; na
rua do Rosario da Boa-Vista o. 56, defronte da
rua do Aragio,
9O0#
9003
900)
200
2009
100
100
100
100
Bilhete inteiro.
178 9O0 4 qnartos. {
1282 900 Bilhete Inleird,
489 900 Dito dito.
1985 200 Meio bilhete. ,
2724 200 Hito di- V '
2239 100 Dito dito. Vi
HIT 100 Bilhete inte-
1319 100 1 quarto. J
142 100 Meio bilhete/
e outros de 20 e 40. ,
Na mesma loja e as mais do Costu-
me acham-se a venda os bilhetes e meios
da quarta parte da primeira do Espi-
rito Santo, garantidos des 12 por cento
geraes e 2 provincia es por
Santos Vieira.
Bilhete inteiro 6S000
Meio bilhete 3000
Em porcao de 50f para cima bilhe-
te 5^500 meio bilhete 2^750.
Irmandade das almas da ma-
triz do Corpo Santo.
A mesa regedora da irmandade das
almas erecta na matriz do Corpo Santo,
pelo convite que teve da irmandade do
Senhor Bom Jess dos Passos, convida a
todos os seus irmaos para comparece-
rem no dia 15 do corrente pelas 2 horas
da tarde no consistorio da irmandade,
afim de encorporados acompanharem a
procisso do Senhor Bom Jess dos Pas -
sos.O escrivao interino, Manoel Mo-
reir Campos.
As Ilustres irmandades erectas na igreja
matriz do Corpo Santo do Recife que deaejirem
possuir suaa miasas, vesperas e Te-De uro para
serem executadas no seu novo orgo, e nos dias
de suas festividades, o absixo assignado offerece
o sen diminuto prestimo para qualquer composi-
qao. E' de summa necessidade unirem-se cora o
orgao um contrabati e violoncello, quaes Instru-
mentos, conservam o perfeito compasso por entre
os cantores: a tratar oa rua Direita n. 89, pri-
meiro aadar.
CHARISSIMO CONSELHEIUO.
Beatus venttr, gui le portaoit II!
Conselho e agua, amigo, s se d quem
pede; e tudo mais historia 1
Os estudantea da rua Direila uio sao saguis,
que morram de caretas, para o quo Vmc, fallan-
do com pouco ensino, tem bom gosto ; e quem
nSo ve isto peneira nos olhos que tem. Elfes
teem visto cousas mais feiassapo comendo
brasa viva, e cobra engolindo sapo. Sao mogos
da moda.gostam muito do que bonito, por que
do que feio livre-os DeuV, nem dos tolos e no
mais....
Assim, pois, meu mimoso moralisador. se
Vmc. a espada do mundo, o censor das turbas,
ou vivo no mundo da la, para que nao sabe
pregando aos paes de familias, que eduquero
methor as suas filliinhas, coitadinhas I para que
cessem os escndalos, que tanto ferem seus ouvi-
dinhos castos, e pdicos? I___
Mr. Elias est na ierra. O bailo aerio abi est,
e quem nao quizer soffrer os contratempos do
mundo metta-se nelle, e suba, que nos Acare-
mos olhaoda bem por baixo. E viva a patria.
O sova-crilico.
**W*wSIC9i 51S915 5l5Sl99i3l9fli
Atteneo.

Antonio da Cosa e Silva Maduro testa-
menleiro e inventarianle do casal de leu
fallecido pai o Sr. Miguel Antonio da
Costa e Silva, teodo de prestar contas aos
mais herdeiros pede encarecidamente aos
devedores ac dito casal de virem ou man-
darem pagar as suas cootas na prac.a do
Corpo Sanio n. 21, loja de cabos.
Casa terrea.
Vcnde-se nma casa terrea feita a moderna,cora.
4 quartos.g.ibinete,quintal,cacimba e cozinha fura,
em chaos proprios, com 30 palmos de frente, -e
um terreno junto a mesma com 30 palmos do
frente e 125 de fundo : a tratar na rua do Noguei-
ra n. 21.
Precisase de urna pessoa que tenha pratica
do escripia para a cidade de Macei : a tratar
do Senhor Bom Jess dos Passos que tiverem ca- com Fernandos & Filhos no largo da ssembla
pas em seu poder, e que nao possam acompa-
nhar a procisso do mesmo Senhor, queiram ter
a bondade de as mandar ao respectivo thesou-
reiro.
Perdeu-se no dia 11 do corrente, desde o
largo do Corpo Santo at o becco do Noronha, no
Recife, urna carta dirigida ao Sr. Alfredo Aires
da Silva Freir, de Brreiros, contando doas or-
dena, urna sacada por Antonio Henriques Wan-
derley contra o Sr Manoel Alves Ferreira, e ou-
tra por Manoel de Moraes Bello contra os Srs.
Cerqueira & Silva, ambas a favor do mesmo Sr.
Alfredo : roga-so a quem a achou o obsequio de
entrega-la no pateo do Carmo n. 15, ou na la
do Vigario n.j 7,armazem.
IRMANDADE DO DIVINO ESPIRITO-SANTO,
ERECTA NO CONVENTO DE S. FRANCISCO.
De ordem da mesa regedora convido a lodos
os nossos charissimos irmos para que se dignem
comparecer, no dia 15 do corrente pelas 2 horas
da tarde, no consistorio da mesma irmandade,
aflm de encorporados acompanharmos a procis-
so do Senhor Bom Jess dos Passos, para a
qual fomos convidados. Consistorio em mess,
13 de marco de 1861.
O secretario,
J. G. da Silva e Mello.
Irmandade do Senhor Bom
Jess dos Passos do .
Corpo Santo.
Tendo a procisso do Senhor Bom Jess dos
Passos de fazer o seu transito pelas ras da cam-
boa do Carmo, Flores, Nova, Cabug, praca d
numero 16.
Precisa-se alugar um moleque de 14
annos para o servido do hotel Livrameoto.
alft
Precisa se de um caixeiro que lenha prati-
ca de taberna dando fiador a sua conducta : na
travessa da na das Cruzes b. 14.
Irmandade do Senhor Bom Je
sus dos Passos do
Santo.
A mesa regedora da irmandade do Senhor Bom
Atteneo.
Na rua da Cadeia do Recife n. 54 deseja-se
fallar com os Srs. Joao Paula Ferreira e Manoel
Rodrigues daa Neves a negocio.
Precisa-se alugar urna casa terrea em qual-
quer rua dosbairros de S. Jos e Santo Antonio
paga-se bem : quem tiver annuncie.
| Farinha
a tres mil rs. o sacco,
muito nova, recentemente chogada do Ass; na
rua do Caldeireiro n. 94.
Fugio no dia 14 a escrava Ignez, negra fu-
la, representa ter 17 annos, pouco mais ou me-
nos, levou veslido um roupo de chita escura,
cora chales eucaroado, e sahio com um vestido-
de cassa rdxa, feito urna Irouxa de baixo do bra-
(0, iodo calcada. E' negra acostumada a fugir
para as bandas de Iguarsss, d'onde foi vendida
pelo Sr. Sebaslio de Mello Reg, a quem per-
lenceu : quem a pegar ou della der noticias ao
abaixo assignado, na roa do Trapiche n. 11, serV
recompensado convenientemente.
Augusto Pinto de Lemos.
Desappareceu no dia 13 do corrente mez
um mulatinho de nome Paulino, com os signaes
seguintes .-cabello crespo e cortado rente, ps
seceos, nariz chato, camisa de algodotiobo gros-
so, calca de linho desbotada, olhos pretos, bonet
. de casemira cor de caf, parece ler 12 a 14 annos
Independencia, Crespo, Imperador, caes de A- de idade : quem o pegar, dirija-se a rua de San-
pollo, Cadeia, Cruz, Trapiche : roga-se, porianto,
aos moradores das referidas ras, que teoham a
bondade de limpar as testadas de suas casas.
Francisco J. dos Passos Guimares.
Escrivao interino.
Jess dos Passos convida aos senhores reveren-
dos sacerdotes e a todos os irmos da mesma ir-
mandade para comparecerem pelea 3 horas da
tarde do dia 15 do corrente, no convento do Car-
mo, afim de acompanharem a procisso do Se-
nhor Bom Jess dos Passos a matriz do Corpo
Santo.0 escrivio interino,
Francisco J. dos Pasaos Guimares,
O Sr. Antonio Henriques de Mi-
randa que dizem ser eropregadn publi-
co e morar nos Alilictos, queira diri-
gir se a esta typogrphia que se lhe
Corpo'preciae fallar.
Urna pessoa habilitada propOe-se
a entinar primetras letras em algum en-
genho ou lazenda de qualquer das co-
marcas do interior: para informacSes
e ajustes na loja de fazendas n. 20 A,
da rua do Crespo.
santi Cappelli, subdito italiano, retiram-se
para a alia.
to Amaro n. 14, que se recompensar.
DB **^
Chapeos na rua larga do
Rosario n. 32.
Finisaimos chapeos de castor branco a 12.
Ditos de dito rapados a 12$.
Ditos pretos com pello a 10$.
Ditos ditos rapados a 9.
Ditos de massa finos a 7#.
Ditos de dita a 6|.
.; Ditos de fellro o mais fino neste genero a 4a.
Ditos de palha a SJ500.
Vende-se-na roa Direita n. 99, queijosdos
ltimos chegados a If600 e 19800, e outros mui-
tos gneros por barato prego.
Vende-se por prego commodo, ou aluga-se
um carro da alfandega : no paleo do Terco nu-
mero J7.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO" f

"7"
(MUTILADO


DIARIO DE PEKKA1BUCO. SEXTA FE1RA 15 DE MARCO DI 1861.
(5)
O EXTRACTO
COMPOSTO DE
SALSA IPARBOLHA R. TOWN8EIIE)
MELORADO E FABRICADO SOB ADIRECCAO' DO DR JAMES R. CHILTON,
________ cMmlco medico celebre de New York
GRANDE SUPERIORIDADE DO EX-
TRATO FLUIDO COMPOSTO
DE
SALSA PARRILHA
Explica se pelo sea extraordinario
e quasi miraculoso effeito no
sangue.
Cada um sabe que a saude ou a infermidade
depende directamente do estado deste fluido VI-
TAL. Isto ha de ser, visto o partido importante
que tem na economa animal.
A quantidade do sangue n'ura hornera d'es-
tatura mediana est avahada pelas as primeiras
autoridades era vinte e oito arralis. Em cada
pulsacao duas oncas sahem do coracao nos bofes
e dalli todo o sangue passa alem no corpo huma-
no em menos de qatro minutos. Urna dis-
posijo extensiva tem sido formada e destinada
com admiravel sabedoria a destribair e fazer
circular esla correntb de vida por todas as
partes da organisagao. Deste modo corre sem-
pre pelo corpo em torrente, o qual a gran
de fon le de infermidade ou de saude.
Se o sangue por causa alguma se empregna
de materias ftidas ou corrompidas, deffunde
com velocidade ELCTRICA a corrupcao as
mais remolas e mais pequeas parteado corpo.
O veneno !anca-se para tras e para diante pelas
arterias, pelas veas, e pelos vasos capillarios,
al cada orgo e cada teagem se faz completa-
mente saturado e desordenado. Desta maneira
a circulacao evidentemente se faz um engenuo
poderoso de doenga. Nao obstante pode tam-
bera obrar com igual poder na criado de saude.
Eslivesseocorpo infeccionado da doenca maligna,
ou loa! oa geral, e situada no syslema nervoso
ou glanduloso, ou muscular, se smente o san-
gue pode fazer-se puro e saudavel Gcar superior
a doenga e inevitavelmente expedir da consii-
tuijo.
O grande manancial de doenca entao como
d'aqui consta no fluido circulante, e ne-
nhum medicamento que nao obra directamente
sobre elle para purificar e renova-lo, possue al-
gum direito ao cuidado do publico.
O sangue O sangue I o ponto no qual
se ha mysler fxar a auencao.
O ORIGINAL E O GINUINO
AO PUBLICO.
Nos, os ssignantes, Droguista na cidade de
New-York,, ha vemos vendido durantemuitos an-
nos o extracto de salsa parritha do Dr. Tovm-
send, consideramolo ser o extracto original e
genuino de salsa parrilha do Dr. Townsend.
o qual primeramente sob este nome foi
apresentadoao publico.
BOYD de PAUL, 40 Cortland Street.
WALTER B. TOW1NSEND & Co, 218 PearI
Street.
LEEDS & HAZARD, 121 Maiden Lae.
JOHN CARLE & Co, 153 Water Street.
M WARD 4 Co, 53 Maiden Lae.
J. Se J. F.TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GRAHAM6 Co, 10 Od Llip.
OSGOOD R. B. HAVILAND & Co, Office 177 Broad-
way.
JACKSON.ROBINS &Co, 134W ater Street.
THOMAS & MAL, WELL 86 William Streeu
WM. UNDERHILL, Junr, 183 Water Street
|J>AVIDT. LANMAN, 69 Water Street.
MARSH & NORTHROP, 60 Pearl Street.
NORTON, BABCOCK & WOOD, 139 Mai-
den Lone.
PENFOLD, CLAY & Co, 4 Fletcber Street.
OLCOTT, M KFSSON&Co, 127 Maiden
Lae.
A. B. & D. SANDS. 100 Fulton Street.
SCHIEFFEL1N, BROTHER & Co, 146&
106 Jobn St.
LEWIS & PRICE. 55 PearlStreet.
HAVILAND,KEESE& Co, 80 Maiden La-
e.
RUSHTON, CLARK & Co, 110 Broadway,
lOAstor.
House, and 27 3 Broadway, cor.of Chara-
bers Street.
PHILIP SCHIEFFELIN, & COlOTWair
Street.
POU & PALANCA, 96 John Street.
SHERWOOD & COFFIN, 64 Pearl Street.
RUST & HOUGHTON, 83 John Street.
I.MINOR& Co. 214 Futon Street.
INGERSOLL &BROTHER, 230 PearlStreat.
JOSEPHE. TRIPPI, 128 Maiden Lae.
GREENLEAF & KIJNSLEY, 45 Cortland
Street.
HAYDOCK, CORLIES&CLAY, 2l8Pear
Street.
CUMIMG & VANDUSER, 178 Greenwch
Street.
HASKELL & MERRICK, 10 Gold Street.
B. A.FAHNESTOCK de Co. 49 John Street.
CONH1CEMOSA ARVORE E SUAS FRU-
TAS i
IGUALMENTE
Conhecemos um Medicamento nos seus Effeitos
O extracto eomposto de Salsa parrilha do
Dr. Townsend est.
OSEDIC4MEM0DO POYO'!
Adala-se lao maravillosamente a constituidlo
que pode ser ulilisado em qnasi todas as enfer-
midades.
ONDE E DEB1LIDADE,
fortalece;
ONDE E' CURRUPCO,
purifica;
ONDE E' PODRIDAO,
ALIHPA.
Este medicamento celebrado que to grandes
servicos presta a humanidede, prepara-se agora
na nova fabrica, na esquina das ras Front e
Washington), Brooklym, sob a inspecco directa
do muilo condecido chimico e medico Dr. James
R. Chilln, da cidadejde New-York, cuja cer-
lido e assignatura se acha na capa exterior de
cada garrafa de
ORIGNALE GENUINO
EXTRACTO COMPOSTO DE SALSA PARRILHA
DO DR. TOWNSEND.
O grande pnrlcador do sangue
CURANDO
O Herpes
AHertsipela,
A Adstriccao d o vbn-
tre,
As Alporcas
Os Effeitos DO AZOU-
gue,
Dispepsia,
AsDoencas,defiga-
do,
A HVDBOPESIA.
A Impingb
As Ulceras,
O Rheumatismo,
As Chacas ,
A Df.bilidade geral
AS DOENCASDEPELLE
As Borbulhasna ca-
ra,
As Tossbs,
Os Catarrhos, As Tsicas, etc.
O Extrato acha-se comido em garrafas qua-
dradas e garante-se ser mais forte e melhor em
todo o respeilo a algum oulro purifleador do
sangue, conserva-se em lodos os climas por cor-
lo espado de tempo.
Townsend tem assignatura e a certidao do Dr. J. R. Chliiton, na
Cada garrafa do original e genuino extracto do Dr.
exterior de papel verde.
No escriptorio do propietario, 212 Broadway, New York, e era Pernambuco na ra da Cruz n. 21, escriptorio, 1. andar, tam-
bem na botica da ra Direita n. 88 do Sr. Paranhos.
CONSULTORIO
DO
de* E> k wm
MEDICO PARTEIROE OPERADOR.
3 KIAIH(,IO^Ii,(ASAhOll\l>VoJ
Clnica por ambos os systemas.
O Dr. Lobo Moscoso d consultas todos os dias pela manhaa, e de tardedepois de 4
horas. Contrata partidos para curar annualmente, nao sopara acidado, como para o engenhos
u outras propriedades ruraes.
Os chamadosdevem ser dirigidos sua casa at s 10 horas da manha e em caso
de urgencia outra qualquer horado dia ou da noile, sendo por escriptoem que se declare
o nome da pessoa, o da ra e o numero da casa.
Nos casos que nao forem de urgencia, as pessoas residentes no bairro do Recife po-
dero remetler seus bilheles botica do Sr. J. Sounn & C. na ra da Cruz, ou loia de
jivros do Sr. Jos Nogueira "de Souza na ra do Crespo ao p da ponte velba.
Nessa loja e na casa do annuncianieachar-se-ha constantemente os memores medica-
mentos homeopalhicos j bom conhecidos e pelos presos seguintes:
Botica de 12 tubos grandes.....,.....109000
Dita de 24 ditos.................15)0000
Dita de 36 ditos.................2o5ooo
Dita de 48 ditos................. 255000
Dita de 60 ditos................ < 3090OO
Tubos avulsoscada um......... i*G0O
Frascos de tinturas. .::..*......" 29000
Manual de medicina homeopathica pelo Dr. Jahr, tra-
ducido em portuguez, com o diccionario dos termos
de medicina, cirurgia etc. etc........209000
Medicina domestica do Dr. Hering, com diccionario. lOflOOO
Beoertono do Dr. Mello Menee......... 6300
Prectsa-se alugar urna escrava
para casa de familia : na ra da Cadeia
do Recite n. 55, terceiro andar.
Ollicioa de marraore.
Caes do Ramos n. 30.
Pela escuna sarla Aonessione recntenteme
chegada a este porto, receberam-se pedras de
marmore de Genova, proprias para aparadores,
banheiros, mesas, consolos, etc. Recebem-se
encommendas de tmulos, urnas, e lodos os mais
objectos proprios para o ornamento dos monu-
mentos funerarios. Gravam-se epitaphios e toda
a sorte de inscripcoes pira os mesmos monu-
mentos. Pregos mdicos.
Ricos cintos com '. ela de ac
Vende-se a 5J : na ra do Queimado, loja de
miudezasn. 33, da boa fama.
Luvas de pellica.
Vendem-se luvas de pellica de Jouvin para
homem e senhora, brancas e de cores, pelo ba-
ralissimo preco de 2$500 o par. na ra do Quei-
mado, loja de miudezas n. 33, da boa fama.
Attenco.
*
Nos abaixo assfgnados declaramos que amlga-
velmenie dissolvemos a sociedade que linhamos
no eslabelecimento de padaria da ra das Cinco
Ponas d. 38, cuja firma gyrava Garrido & Bas-
tos, ficaodo todo o activo e passivo ao socio Bas-
tos, usando o socio Garrido sem responsabilidade
alguma pira com a praga ou outro qualquer ne-
gocio que passa sobreavor. Por eslarmos de ac-
cordo annunciamos. Recite 12 de marco de 1861.
Jos Garrido Ferreira dos Santos.
Joo Luii de Bastos Jnior.
Troca-se
rlfinS u ***** j"ns: o Senbor
Crunflcado, o Menino Dos, Santo Antonio, S.
Joao, S.Joaquim. SanfAona: todas estas ima-
gen sSo obra do Porto, e esli em bom estado
por baratissimo prego : a tratar na Baixa Verde
n. 6, cata nova, junto da pingue)!*:
Dominica Labal, francezs, retira-se para
fura do imperio.
-- Na Iravessa da roa
das Cruzesn. 2, primeiro andar, continua-se a
Ungir com toda a perfeigio para qualauer cr. e
o mais barato posaivel. '
Pianos.
Mudanza de domicilio.
Joao Laumonnier transferio seu eslabeleci-
mento da ra da C-deia do Recite para a da Im-
peratrizn. 23, aonde abri um vasto deposito de
pianos dos melhores autores da Europa. Eocar-
rega-ae de aunar e conceiUr os mesmos instru-
mentos.
M M. J. Leite, roga a seus deve- St
dores que se dignem mandar pa- !
w gar seus dbitos na sua loja da l
H ra do Queimado n. 10, enten-
tendo-se pai a esse i m com o seu
2 procurador o Sr. Manoel Gomes
Leal.
O bacharel A. R. de Torres Ban-
deira mudou sua residencia da ra da
larga do Rosario n. 28, para a do Im-
perador n. 37, segundo andar, onde
continu no exercicio de sua proissao
dead?ogado.
Mu cianea de esta-
belecimento.
Jos Moreira Lopes avisa aos seos amigse
freguezes desla e de outras provincias, que mu-
dou o seu estabelecimento defazendas que liaba
no aobrado amarello da roa do Queimado, para a
loja earmazem quefoidos Srs. Santos & Rolim,
onde tem o mais completo e variado sortimeoto
de fazeodas de todas as qualidadea para vender
em grosso e a retalho por precos muito baratos:
ra do Crespo, sobrado de 4 indares n. 13, e roa
do Imperador, outr'ora ra do Collegio, sobrado
de um andar n. 36.
Preciaa-se alugar urna escrava de boa con-
duela, para todo o servico de urna casa eatran-
geira com pouca familia, pagando-se 30$ men-
saes: na fondicio do Sr. Starr.
Precisa-ae alugar urna prela para o servico
de vender na ra, que seja fiel e diligente, pa-
ga-se bem : na praga da Independencia, loia de
ourivesn.33. r '
Nova carlilha.
Acaba de sahir dos prelos desta lypographia
urna nova edigo da carlilha ou compendio de
doutrina chrisia, a mais completa doquantas se
tem impresso, por quanto abrange tudo quanlo
continha a amiga caitilha do ebbado Salomonde
e padre mestre Ignacio, acrescentando-se muitas
oracoes que aquellas nao tinbam ; modo de a-
companliar um moribundo nos ltimos memen-
tos da vida, com a tabella das testas mudaveis,
e eclypses dpsila 0 correte anno _alode |903,
seguida da folhinha ou kalendario paTJTTT'raes-
mos annos. A bondado do papel e excellencia da
impresso, do a esta edicao da cartilba urna
preferencia asss importante: vende-se nica-
mente na livraria ns. 6 e 8 da praga da Indepen-
dencia.
JOIAS.
Joaquim Monteiro de Oliveira Guimaraes com
loja de ourives na ra do Cabug n. 1 A, partici-
pa aos seus amigos freguezes e ao publico em
geral, que se acha sorlida das mais bellas e deli-
cadas obras de ouro e prats, e querendo acabar
com o negocio, est revolvido a vender mais ba-
rato do que em outra parte, garanlindo as ditas
obras, passando conla com recibo, declarando a
qualidade, e compra ou troca obras velhas, pa-
gando o ouro por mais do qae em outra parte.]
Cosliireiras.
Precisa-se de 6 sen horas de boa con-
ducta que saibam cozer costura de al-
fa i a te para cozerem por dia em casa de
familia, paga-se bem : na ra Nova n.
47, junto a Conceicao dos Militares.
CASA
de commissodeescravos, pa-
teo do Paraizo n. 16, sobra-
do que foi do fallecido Ni
eolo.
Para a dita casa foi transferido o anligo esciip-
torio decommisso de escravos, que se achava
estabelecido na ra larga do Rosario n. 20 ; e
ahida me>ma maneira se conlina a receber es-
tTOS v.'r! serenl vendidos por commisao. e
por conta de seus aenhore ; nao se poupando es-
torcos para que os mesmos sejam vendidos com
promplidao, afim de que seus senhores nao aof-
fram empates com a venda delles; Nesle meamo
estabelecimento ha sempre para vender escravos
de ambos os sexos, bellos e mogos.
Convido os Srs. accionistas do
novo banco de Pernambuco a constitui-
rem-se em assembla geral no da 19 do
corren te, ao meio dia, as casas do ban-
co pai a darse cumprimento ao art. 23
dos estatutos, combinado com a le n,
1083 de 22 de agosto do anno prximo
lindo. Recife 12 de marco de 1861.
Visconde de Camargibe, presidente.
Jos Dias Calado, subdito portuguez, v'ai a
Europa.
Quem precisar de um bom cozinheiro para
casa particular, ou mesroo para dar alum janlar
grande, procure no Recife, ra do Trapiche nu-
mero 28.
Attenco.
Ordem terceira do Carmo.
O abaiio assignado secretarlo da veneravel or-
dem 3.a da Senhora do Carmo, do Recife scien-
iiuca aos irmaos da mesma, que comparego na
igreja da mesma veneravel ordem 3., no dia 15
do correte as 2 horas da larde paramentados
com seus hbitos para acompanharem a procis-
sao.do Senhor Bom Jesuz dos Pasaos. Secretaria
da 'enerave ordem 3." do Carmo, 12 de marco
de 1861.O secretario, Antonio da Silva Gus-
mao Jnior.
Deseja-se fallar ao Sr. Camillo da Cunha
ngueiredo, na ra do Cabugi, loja n. 11.
. "~.TY-w Bermmgham rera-ae para oa Esta-
dos-Uoidos.
Precisa-ae de urna ama de leite sem filho :
oa ra de Hortas n. 23, segundo andar.
F0LNWNA8 tt 1961.
Acham-se yenda na livraria da praca da Independen-
cia ns. 6 e 8, as bem conhecidas folhinhas impressas nesta
typographia
Folhinha de porta ou KALENDARIO eclesistico e civil para o
bispad o de Pernambuco.. .'. '.'.r.fr. 160 rs.
Dita de algibeira contando alm do kalendario eeclesistico e civil,
explicado das festas mudaveis, noticia dos planetas,
tabellas das mares e nascimento e occaso do sol;
ditas dos emolumentos do tribunal docommercio*
ditas do sello; ditas do porte das cartas; ditas
dos imposlos geraes, provnciaes e municipaes, ao
que se juntou urna collecgao de bellas e divertidos
jogos de prendas, para entreten i raenio da mocidade. 320 rs.
Dita dita contendo alm do kalendario ecclesiaslico civil, expli-
cajao das festas mudaveis, noticia dos planetas, tabellas
das mares e nascimento e occaso do sol; ditas dos emo-
lumentos do tribunal do commertio ; ditas dos impostos
geraes, provinciaes e municipaes, ao que se reuni o
modo de confessar-se, e comungar, e os officios que a
igreja eostuma celebrar desde domingos de Ramos, at
sezta-feira da Paixao, (em portuguez). prego..... 320 rs.
Dita do almanak civil, administrativo, commercial e industrial da provin-
cia de Pernambuco, ao prego de: ....... lJOOO
Para facilidade do uso deste almanak, augmentou-se
de formato, e fizeram-se muitas alteracoes, sendo a correc-
$o a mais exacta que foi possivel, em materia desta ordem,
(que todos os dias soffre mudancas) acrescentando-se a nu-
merado dos estabelecimentos commerciaes e industriaes;
acompanhado de ndice para facilitar o uso, procurando o
que se deseja pela oceupaco do individuo de quem se quer
saber a residencia.
Cbmpra-se um escravo moco de
bonita figura sendo oficial de sapateiro
paga-se bem : na ra Direita n. 3, se
dir quem o quer.
i9?i0n,praiD*8e escr"< do sexo masculino de
ratriz n.*?20lSo'" U egrS "* rUa d,ImPe-
i ..IT.^mpLa"8e u.ma Preta mo5 o robosU, que
saiba coznhar o diario de urna casa, e que fa-a
as compras : a treta no Hondego, casa n. 103.
Compram-se notas de 1* e 5 velhaa. com
mdico descont : na prCa da Independencia
CONSULTORIO ESPECIAL HOMEOPATHICO
DO DOCTOR
n SABINO O.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os dias uteis desde as 10 horas
at meio dia, acerca das seguintes molestias :
1." molestias das muWitres, molestias das crian-
cas, molestias da pelle, molestias dos olhos, mo-
lestias siphiliticas, todas as especies de febres,
febres intermitientes esuas consequencias,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPATHICA.
Verdadeiros medicamentos homeopalhicos pre-
parados som todas as cautelas necessariss, in-
falliveis em seus effeitos, tanto em tintura, como
em glbulos, pelos presos mais commodos pos-
siveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos em sua pharmacia ; todos
que o forem ia della sao falsas.
Todas as carleiras sao acompanhadas de um
impresso com um emblema em relevo, teudo ao
redor as seguintes palavras : Dr. Sabino O. L.
Ptoho, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
de. As carleiras que nao levarem esse impresso
assim marcado, embora lenham na lampa o no-
me do Dr. Sabino sao falsos.
COMPAHIA
ALLIANCE,
estabeecida em Londres
f ksp ii mu.
CAPITAL
Cinco wiViioes de Utaas
.^ sterlnas.
^aunders Brothers & C. tem a honra de in-
formar aos senhores negociantes, propietarios
de casas, e a quem mais convier, queeslao ple-
namente autorisados pela dita companhia para
eflectuar seguros sobre edificios de tijolo e pedra,
cobertos de telha, e igualmente sobre os objectos
que contiveremos mesmos edificios, quer consis-
ta em mobilia ouem fazendas de qualquer qua-
lidade.
Dentista de Pars.
15Ra Nova15
Frederic Gautier, cirurgiio dentista, faz
todas as operaedes da sua arte e colloca
dentes artificiaos, tudo com a superiori-
dade e perfeico que as pessoas entendi-
das lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentifricios etc.
Para urna casa
franceza.
Precisa-se de urna escrava que saiba engom-
mar, coser, e fazer todo o servido de urna casa
de pouca familia, e que seja fiel e diligente. Na
mesma casa precisa-se de um escravo para o ser-
vico de cozinha : quem tiver pode dirigir-se
ra do Imperador n. 27 confronte a ordem ter-
ceira de S. Francisco, que achara com quem tra-
tar, das 9 horas da manbaa s 4 da tarde.
Aviso
deS.
aos terceiros da ordem
Francisco.
Na ra do Queimado n. 39, loja de 4 portas,
vende-se estamenha para hbitos a 2920O o co-
vado, ese aproroplam os mesmos hbitos a von-
lade dos irmoos a 45$ cada um, obra muilo bem
feita.
SYNOPSE
DE
ELOQIEMIAE POTICA NACIONAL
PELO ACADEBICO
MANOEL DA COSTA HONORATO.
Sahio do prelo a indispesavel synopse para oa
exames de rhethorica, a qual se torna recora-
mendavel aos esludantes nao somente pela cla-
reza eeoncisao do phraseado, mas tambera por
urna taboa synthetica qne tem junta, a qual, de-
poisde terse esludado o eompeDdio. de impro-
viso traz memoria tudo quanto ha de essencial.
A' venda na typographia commercial, ra estreita
do Rosario n. 12, e na livraria classica, pra^a de
Pedro II n. 2. a 2 cada exemplar.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho saccam
sobre Lisboa e Porto ; no largo do Corpo Santo,
escriptorio.
t
Aos consumidores de gaz.
A empreza da illuminaco
gaz^ roga a todos os Srs. con-
sumidores o favor de nao en-
arem aos seus machinis-
ou serventes qualquer di-
iro quer de reparos ou
o qualquer pretexto, sob
de lhes ser novamente
ido. Todos os pagamen-
devem ser feitos ao Sr.
Thomaz Garrett nico cobra-
dor autorisado ou no escrip-
torio dos gerentes.
Camargo < Silva.
compradores da loja dos Srs. Campos & Lima,
sita na ra do Crespo n. I, rogam aos devodores
desta firma, que se dignem vir pagar suss contas,
ou entenderem-se a respeito com os referidos
compradores; cerlos de que sero chamados a
juizo os que assim nao flzerem.
0 bacharel W1TRUVI0 pode ser
procurado na ra Nova u. 23, primeiro
andar, do sobrado da esquina qne volta
para a Gamboa do Carmo.
Aluga-se o armazem n. 7 sito na ra do
caes de Apollo, sendo ptimo para assucar ou
outro qualquer deposito de gneros, estando lo-
do travejado, o que pode servir para guardar cor-
tos gneros, tendo o quintal murado e cacimba
neo favoral embarque ao p da porta : a tratar
o pateo de S. Pedro o. 6.
Agencia dos fabricantes americanos
Grouver & Baker.
Machinas de coser: em casad e Samuel P.
Johston & C., ra da Senzalla Neva n. 52.
Aluga-se o segundo andar do sbralo aito
na ra Imperial junto a fabrica do aabao o. 112,
com bastantes commodos para familia grande: a
tratar no mesmo sobrado, ou na rna Direita nu-
mero 8.
romano.
Havendo a congregarlo da Faculdade de Dire-
lo desla cidade adoptado para texto das prelec-
ces de direilo romano no correte anno as t'ns-
tituicois de Warnka-nig em aubstituicao aos ele-
mentos de Waldeck, os senhores esludantes do
primeiro anno quequizerem ter aquella obra em
portuguez, podem deixar seus nomes e o impor-
te da assignatura (lOfiOOO), na loja de livros do
Sr. Aulonio Domingues, os ra do Collegio o. 67,
onde receberao as 64 paginas que j se acham
impressas.
L- A. Warnkcenig.
Em latim, na loja de livros da ra do Collegio
numero 67.
Aluga-se, exclusive a loja-, o sobrado d. 31
silo na ra ou paleo do Livramenlo, tem dous
andares com excellentes accommodaces, e que
se acham em bom estado deaceio, principalmen-
te o primeiro, que tem um famoso terrado coro
coberla, tem cacimba e pequeo quintal, e tam-
bera soto com cozinha espacosa e 2 quartos :
trala-se do aluguel, na ra Direita, padaria nu-
mero 84.
ASSOCIACiO POPULAR
DE
Soccorros Mutuos.
Domingo 17 haver sessao extraordinaria da
assembla geral ; os senhores socios dignem-se
de comparecer as 10 horas da manhaa na sala
da mesm8, aflra de scieolificarem-se do_resulta-
rln Usa.'" '?;'- \ .JP anteriores ses-
soes. Outo siru ^eciaro aos stm-^ socios nuo
o novo thesojieiro j esl habilitare" fleceeF
as mentalidades daquelles que nao quizerem
conlinuar com o debi o das mesroas.
Secretaria da Associaco Popular de Soccorros
Mutuos 12 de mar^o de lgtfi.
J^fl-francisco Marques.
!.* secretario.
numero 22.
Vendas.
Bd-liante-
letes a 10$ e a \%$ no ar-
mazem de Bastos fe Reg,
na ra Nova junto a Con-
ceicao dos Militares,
Parece inciivel vender-se ricos manteletes de
grosdeoaple preto de apurado goslo pelo dimi-
nuto preco de 10 e a 121, porem se vendem por
este diminuto prego por ter grande quantidade e
so com o Ora de apurar dinheiro, assim como cor-
lea de colletes do casemira preta pelo diminuto
prego do 1$500 ao corte, vestimentas para me-
ninos de 5 a 8 annos por 3&5C0 cada urna e outras
muilas fazendas e roupas ieitas.
Manguitos egolla.
Vendem-se guarnieres de cambraia muito Cna
e muito bem bordadas, pelo baratissimo preco de
5 cada urna: na ra do Queimado n, 22 loia
da boa f.
Vende-se urna escrava crioula, de idado 20
annos, com algumas habilidades: a tratar aa
ra do Hospicio n. 62.
tensos mmmm tmmsm}
*^ NA LOJA
Encyclopedica
DE
Guimaraes & Villar.
|Rua do Crespo numero 17.]
Vende-se fsleodas de superiores qua-
lidades egoslos por precos incriveis:
Chapeos de seda para senhora brancas e
de cores a 15g.
Ditos ditos de diios de cores e trancos a
20&000.
Ditos de Dalha ricamente enfeitados a
28 e 40.
Riquissimos cortes de cambraia branca
bordados a 35.
Ditos dilos a 20.
Las de Garibaldi em corles com 25 co
vados a 10.
Cassas a Garibaldi e outros delicados
gostos a 700 rs.
Cassas miudas superior fazenda de cores
fixas a 260 rs. o covado.
Las de todas as qualidades a 3600 rs.
Manteletes, sabidas de baile riquissimas.
Chitas rrencezas de todas as qualidades.
Sedas de quadrinhos e gros de todas as
cores.
Cambraia branca da China com palmas de
9 varas cada peca a 6g50o.
Saias baloes de 30 arcos a 5.
Chales de louquim brancos e outras qua-
lidades de chales finos.
Cambraia bordadas a mo a pec,a a 24.
Saias bordadas e de lusto.
Sedas do cores e pretas de 2 saias borda-
da* a velludo em cartos ultima moda
de Paria.
Esparlilhos de molas.
Grande sortimento
de roupas feitas. sobrecasacas, paletols,
colletes, calcas.camisas e seroulas.meias,
gravataselc, etc.
Calcado Meli ultimamc-re chegado de
Pars.
Nesle eslabelecimet/.a encontra-se
grande sortimento de fazendas de to-
das as qualidades proprias para seoho-
ras, homens e meninas e seus
saoadmiraveis.
pregos
Irmandade acadmica de N. S.
do Bom Conselho.
A mesa administrativa por convite
que teve da irmandade do Senhor Bom
Jess dos Pasaos, pelo presente convida
a todos os nossos cbarissimos irmaos pa-
ra comparecerera no consistorio da nos
sa irmandade no dia lo do corrente pe-
las 3 horas da tarde, e encorporados
acompanharem a prociss3o do Senhor
Bom Jess dos Passos.
B. M. Pinheiro,
Secretario.
Antonio Luiz Machado Brando retira-se para
Portugal, tratar de sua saude.
O Sr. Carlos Augusto da C. Bi-
iro dirijase a' loja da ra do Crespo
n. 20, a concluir
ignora.
o negocio que nao
Compras.
Compram-se escravos.
Compram-se, vendem-se, etrocam-seescravos
de ambos os sexos e de toda idade : oaruado
Imperador n. 79. primeiro andar .
Compra-se um pardo moso, sadio e intelli-
genle, cuja idade nao exceda de 16 annos a
tratar no Mondego, casa n. 103.
Compra-se um preto moco e robusto para
o servico de campo : a tratar no Hondego, casa
numero 103.
Vendem-se por preso commodo urna por-
So de toneis de varios lamanhos, muito proprios
para depsitos de mel, ou para as destilasOes
dos engenhos, assim como para depsitos de
agoa em casas particulares: para ver e tratar,
na loja da ra do Queimado n. 41.
Vendem-se por prego commodo caixas com
vidros para vidraga e chumbo em barra : a tra-
tar na ra do Queimado n. 41.
Escravos pessas.
Vendem-se dous muleques, sendo um ofilcial
de erreiro, um escravo de 2t annos de idade e
de boa conducta, 1 dito bom criado, 1 escrava
de J5 annos annos por 800 rs., 1 dita de 25 an-
nos. excellente engommadeira e cozinheira : na
ra das Aguas-Verdes n. 46.
Queijo suisso
vindo pelo vapor rancez a 600 rs. a li-
bra : vende-so na ra da Cruz n. 17.
Na cocheira do Sr. major Quin-
teiro estao para vender-se dous cabrio-
lis de rodas, muito maneiros e em
bom estado.
Alieneo attenco attenco
Louca louca louca
Ra ra ra
Das Cruzes Cruzes
N. 41 41
vidros e porcelanas finas udo
pelo menos preco.
Cinto com ivela,
Na ra do Crespo, loja de miudezas o. 7, ven-
de-se cinto para senhora com flvela de ac. ul-
tima moda. v '
Organdys a 280 rs. o co-
vado.
Na ra do Queimado n. 18 A, esquina da ra
estreita do Ruarlo, ha para vender o mais rico
organdys de liodissimos padrdes, pelo baratissi-
mo preso de S80 rs. o covado, luvas de seda pre-
tas enfeiladasauperiores, cortes de chita france-
" cm H covadoa pelo baratissimo preso de
2M0O cada um, enfeiles de vidrllhos pretos mui-
lo finos a i$ cada um, e outraa muitas fazeodas
pretas de seda para a quaresasa.
Luvas de pellica.
Na loja daaguia de ouro, ra do Cabugi u. 1
B, receberam de sos propria encommenda pelo
ultimo vapor, as verdadeiras lavas de pellica de
Jouvin, assim como espelhos redondos de eicel-
lente vidro e de bom tamanho, que se vende pe-
lo baratissimo preso de 5.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
1P'


(6)
DUEIO DI PERHAMBCO. SEXTA FEIRA 15 M MAigO D 1S61.
V
Fazendas baratas
Na ra do Queimado n. 19
Cimbraias finas matizada, pelo baratissimo
preco de 140 rs. o corado, ditas escuras a 180 rs.
o covado.
Chitas francezas tanto escuras como claras a
220 o corado.
Toalbas de fusto a 600 rs. cada urna.
CambraieUs finas para rostido a 29800,39 e
35500 a peca.
Esteiras da India para cama e forro de tala,
sendo de 4, 5 e 6 palmos de largo
Lencos brancos para algibeira pelo barato pre-
go de 1$600 a duzia.
Grandes colchas do fustao larradas a 5*500.
As melhores machmas de co-
zer dos mais afamados au-
tores de New-York, Singer
&C, Whecler & Wilson e
Geo. B. Sloat & C.
Estas ma-
chinas que
sao as melho-
res e mais
>4 u r adouras
' moslram-se a
qualquer hora
e ensina-se a
trabalhar as
casas dos com-
pradores ga-
rantiodo-se a
sua boa quali-
dade e dura-
gao : no depo-
sito de ma-
chi n as de
Raymundo Garlos Leite & Irmao, ra da I mpe-
ratriz n. 12, adtigamente aterro da Boa-Vista
Para a quaresma.
Ricos cortes do vestidos de grosdenaple preto
bordados n velludo com algumas pintas de mofo,
que mal se conhece, os quaes se tem rendido por
1603. eque se veodem por 809-
Ditos ditos sem ser bordados a velludo, fazeo-
da muilo boa e encorpada por 559 e 60$.
Manas prctas de linho bordadas a 89-
Visitas preUs muilo bem eofeiladas a 12g.
T)it is de seda de cores muilo liadas a 20$.
Grosdcnaplo prelo superior de 29200 e 23, e
muilo largo a 29800.
Sarja preta hespanhola boa a 23*
Velludo preto liso muilo bom a 4J, 59 e 6J.
Corles de casemira prcla bordada para collete
a 59090.
Ditos de velludo prelo bordado para, collele
a 10000.
Calcas de casemira prela fina a 10 e 129.
Casacas esobrecasacas pretas bem Coilas a 309-
Gorgurao preto e bordado de cor delicada, o
covado 49.
Colletes de casemira prelos bordados a 8.
Paletots de panno prelo a 129 e I89.
Dilos de alpaca preta a 39, 4, 5 e 6j, e muilo
00 a 89000.
Snias balao a 'i.
Chale3 de merino bordados, grandes a 59, 69
e 73OOO.
Dilos do seda prelos grandes a 149-
Veslidos de seda de cor bordados de duas saias,
fazenda muilo boa com algura mofo a 40 e 6O3.
Dilos oe phanlasia em carlao a 159.
Calcas de casemira de cor a 69,8, 9 e 10#.
Siccos de tapete de diversos lmannos para
viagem a 53.
Malas de sola para viagem de 12$ a 18}.
Chapeos pretos francezes linos a 83-
Dilos de castor branco sem pella muilo bons a
I2.3OOO. 1". oulras muilas fazendas, que para li-
quidar, vendem-sc barato : na loja de fazendas
da ra da Cadeia do Recite n. 50, do Cunha e
Silva.
-se
Na ra das Cruzes n. 38,
segundo andar,
poi raui barato prero os movis seguin-
tes : urna cama de casal, embutida ;
um porta-se vi ior ; um colxSo de mo-
las ; urna commoda : um espelbo gran-
de ; um armario com outro espelho ;
um apparador ; urna mesa para doze
pessoasjum porta-licores ; serviqo de
porcelana para jantar ; um relogio de
marmore negro, representando Miguel
Angelo ; duas bellas gravuras (Apollo e
as musas, Moliere em casa de Ninon de
l'Enclos), em duas ricas molduras. Ten-
do seu dono d retirarsepara o campo,
por isso desfaz-se destes objectos, man-
dados vil exprestamente de Pars, aon-
de foram confeccionados com perfeioao
e apurado gosto.
Baratissimos paliteiros da
'orcelaua dourada.
A loja da aguia branca est rendendo palitei-
ros de porcelana dourada de muilo bonitas figu-
ras e moldes pelos baratissimos pregos de 19,
19200 e 1500 cada um, por to diminutas quan-
lias ninguem deixari de comprar urna obra de
que precisa lodos os dias e se pela baraleza al-
guem duvijar da bondade e perfeigo delles
dirigir-se & ruado Queimado n. 16 loja d'aguia
branca, que so convencer da verdade e infalli-
relmenle comprar. ----
Calcas de casemira.
Vendern-se caigas de casemira preta milito bem
fetas a_109, ditas do dita de cor mnito superior a
99, est o-se acabando : na ra do Queimado n.
, loja da boaaf.
A 1,0000.
Greratas pretas de setim : na roa do Queima-
do o. 22, loja da boa f.
S Remedhs americanos |
2 DO DOCTOR
gRadway & C, de New-Yorkl
I Pilulas reguladoras.
Estes remedios j sao aquibem conhe-
Pedos pelas admirareis curas que tem ob-
lido em toda a sorte de febres, molestias
I cnronicas, molestias de senhoras, de pe-
le etc., etc., conforme se v as instruc-
coes que se acham traduzidas em por-
tuguez. r
1 ----
|Salsa parrilha legitima eg
J original do antigo
DR. JACOB TOUNSEND
0 melhor parificador do sangoe
cara radicalmente
Grande
RIJA NOVA-25
deposito de pianos fortes
MAIS AFAMADOS FABRICANTES DA EUROPA
DE
O,
9
Erisipela.
Rheumatismo.
Chagas.
Alporcas.
Impingeos.
Phtisics.
Catarrho.
Doencasdefigado.
Effeitosdo azougue.
Molestias de pelle.
i
1
^ Vende-se no armazem de fazendas de
a Raymundo Carlos Leite & Irmao, ra do
$5 lmperatrizn 12.
Atten^o.
N. 40-Rua do Amorim--X. 40.
Vendem-se saceos grandes com Iresquartas de
farinha de mandioca a 29500.
a r eur^!. tsbelecimenlo acaba de reeeber da Europa alguns pianos da celebre fabri-
ca de L. bHh.LL de Cassel; o proprietario deste eetabelecimeoto toma a liberdade de cenridar
os professores, dilectanti e amadores deste instrumento para que se dignem rir apreciar as excel-
entes qualidades destes pianos, e juntamente obserrtt a perfeicao do trabalho unido elegancia
e esmerado gosto deste afamado fabricante

elogios
Suissos.
Em casadeSchafleitlIn & C,ra da Cruz n.
38, rende-se um grande e rariado sortimento
derelogios de algibeira horisontaes, patentes,
chronometros.meioschrooometrosdeourojpra-
ta dourada e foleados a ouro, sendo esles relo-
giosdos primeirosfabricantes da Suissa, qut se
vandero or precos razoaveis
IM1IM a& $@@ @
Em casa de Mills Lalham & C. na ra
@ da Cadeia doltecife n.52, vende-se :
Vinho do Porto.
Dito Xerez engarrafado de muilo supe-
rior qualidade.
Q Oleo de linhaga.
Alvaiade.
Secante.
Azarco.
Encarnado veneriano em p.
_ Vende-se o sobrado de dous andares e so-
lao na camboa do Carmo n. 8 : a tratar na ser-
rara de Jos Iguacio A villa, na ra Nova de San-
ta Rila n. 43.
4 dinbeiro.
.Fazenda* boas e baratas.!
GURGEL & PERDIG.iO.
\inda vendera grosdenaples preto mui-
lo largo e encorpado a 29, to bar
que todos que tem visto nao deixaram
comprar
Vestidos bordados a velludo, barra
aquille, ditos de seda de duas saias.
| Maulas prela* modernas com 4 palmos
\ deUrgura por 8j val 14g.
i Manteletes, lalmas, visitas de filo, de
gorgurao liso e bordados e mais modernos.
Chales de cachemira ponta redonda e
bolota, dilos de touquim brancos supe-
riores.
Sedas de quadrinhos, grosdenaples de
todas as cores e moreantique.
Pentesde tartaruga modernos e dos
mais acreditados fabrisantea de 109 a 309.
Saias balao lisa e com babados e de
arcos para senhora e menioas.
Vestidos de cambraia brancos borda-
dos. do barege e g^ize de sedas.
Vestidos de seda de cores, ditos de
blonde com manta, capella etc.
Camisas de linho para senhora, duas
para meninos de todas as idades,
Cassas. organdys] diamaolina, chita
clara e escuras, francezas e inglezas
Franjas pretas manguitos, gollas de
traspasso, flores solas, fitas para sinlo.
TABAC CAPORAL
Deposito das manufacturas imperiaes deranea.
Esle excelente fumo acha-se depositado, diretameate na ra Nova n. 23, ESQUINA DA
CAMBOA DO CARMO, o qual se rende por mseos de 2 hectogramos a 1JOOO e em porcao de
10 mseos paro cima com cesconto de 25 por cento ; no raesrao estabelecimenW acha-se tarabem
o verdadeiro papel de linho para cigarros.
CENTRO CONNERGIaL
I Ra da Cadeia do Recife 1S
ARMAZEM DE TABACO, CHARUTOS E CIGARROS
DE
Jos Leopoldo Boiirgard
Sos e hamburg. 8empr8 graa sorl,mento de charutos manilha, havana,
CharutOS SUISSOS a 30S 0 milheiro, fazenda superior eque se venda a 45.
I^ahI,M?hne..??. e p-a,h e miLho< de papel 8rosso' de ,Dh. deseda- "<>. Pdo e
hespanhoes sendo de superior tabaco do Rio, vende-se em milheiros muito barato.
^Ifo^^ CharUt0S -rn agarras de metal a I9 cada um, ditos para cigarros a
J^J^SjSSS^n^JmKm*m^^ eeigarreiros que fabri-
lidade. francez, verdadeiro em macos de diversos tamanhos, garante-se
abaco turco a ^ alibrae meiaUbra por 3Ji pira cigarros e cachimbos#
?h5efUr 6 hfthrlebeke eo -eos de diversos tamanhos, para cigarn
chimbos, fazendo-se abatimenlo em porgao.
* ?i^??erSaS? ej? 'alas23,emchapaal9alibra e em macinhos embrulhados
em chumbo a 160.240 e 320 e a groza de 17 a 229, para cigarros e cachimbos.
Cigarros de manilha de papel branco, pard0 a lw 0 milher0.
Machinase papel para cgarros de raanilha.
apc rolao francei em masos de uma 1bra e ditos de mea libra faieDda 8uperor
Vasos de louca barr0 para tabaco, rap
Phosphoros e iscas de a7ersas qualidades para charul0.
rf!^08 e,Ucas"teo"Preortlmonto espantoso de cachimbos de gesso, louca, ma-
aeira.6arro e os verdadeiros e sempre apreciaveis cachimbos de espuma.
I abaco d o Rio de Janeiro p,ad0 para cschimbos e cigarros a800 rs. a 1bra.
\enaem-Se lOdaS MaM,,daa maisB>ra^doqd-atuTri qualquer parte
uarante-Se todos os objectos vendidos tofaando-se a reeeber
do nao agradem ao comprador.
a qua-
para cigarros e ca-
(incluindo os charutos) quan-
tSS ),U'Se encommendas, encaiiolam-se e remeilem-se aos seus deslinos com bre-
^ atel?6 GCa exposl tcm um raado sorlimanto de objectos proprios para os senhores fu-
h,r.i HlfC.lbem"se,t0(,0S ,os arligos directamente, motivo pelo qual se pode vender muito mais
barato do que em outra qualquer parte.
Vender muito para ven-ier barato
Vender barato para vender muito.
Lngte
cm barris de vinte e
de Tasso Irmaos.
tantas libras : no armazem
I-iluiAaeao.
Fitas largas de sarja. Olas de velludo eslreitas,
prelas e de cores, enQadores de linho e de seda
para vestidos, bicos de seda branco e de linho,
rendas, franjas pretas sem vidrilho, trancas de
soda com vidrilho e sem vidrilho, luvas pretas de
torr.il com vidrilho, pontos de tartaruga a impe-
ralriz, ditos de regaco para menina, meias de al-
goio para senhoras, eufeites de vidrilho etc.;
lodos esles artigos vendem-se barato para aca-
bar-se : na loja do vapor, na ra Nova n. 7.
Pennas Ae trro.
A 500 rs. a groza : vende-se na loja do vapor
na ra Nova n. 7.
Arcos para saias balao.
No armazem de fazendas de Joao Jos deGou-
va, ra do Queimado n. 29, vende-se a 160 rs.
a vara.
Loja das seis portas em
frente do Livrameulo.
Roupa feita para acabar,
Paletots de panno preto a 229, fazenda Coa,
calcas de casemira pretas e de cores, ditas da
brim e de ganga, ditas de brim brauco, paletots
de bramante a 4, ditos.de fusto de cores a 4f,
dilos de eslamenha a 4J, ditos de brim pardo a
39. ditos de alpaca preta saceos e obrecasacos,
colletes de velludo prelos e de cores, dilos de
gorgurao de seda, grvalas de linho as mais mo-
dernas a 200 rs. cada uma, collariohoa da linbo
da uliima moda, todas estas fazendas se vende
barato para acabar; a loja est aberla das 6 ho-
. ras da manha at aa 9 da noite.
I ROUPA FEITA.
Venle-se nesle ostabeleciraento um -,
completo sortimento de fazendas e roupa ||
feila por prego lao barato que parece >
l incrirel : na ra da Cadeia loja n. 23 jjf
; confronte ao becco largo de Gurgel & S
^i, Perdigao, dao-se amostras. m
Pechincha.
Vendem-se bales de 30 arcos, pelo diminuto
prejo de 49: na ra da Cadeia n. 24.
RelogM
Estampas finas e interes-
santes.
A loja d'Aguia-Branca recebeu mui finas, e gran-
des eslampas, do fumo e coloridas, representan-
do urnas a morle do justo rodeado de aojos, etc.,
e oulras a morle do peccador cercado de demo-
nios, etc. Sao na verdade interessantes essas
estampas para quem as sabe apreciar, pelo que
se tornam dous quadros dignos de se possuir, e
mesmo pela raridade delles aqui. Vendem-se
a 29000 cada estampa, na ra do Queimado n.
16, loja d'Aguia-Branca.
Xarope peitoral brasi-
leiro.
Venia-se .
"la do V,garfa h. i
relogios de ouro, patente inglez, de um dos ma8
afamados fabricantes de Liverpool; tajnbem
uma variedade de bonitos tracens para os
niesmos. -^ ]
Attencao.
\E' barato que admira!
Uma 6#000.
Mantas pretas de fil de seda, blonde
e dentelle : na ra do Crespo n. 8. .
Manteletes de grosdenaple]
e fil e de dentelle, prelos.
Casacas, calcas, colletes
pretos muito finas e baratas.
Sarja e setim maco preto
grosdenaple e nobreza lavrada, pretas
mais barato do que em outra qualquer
paite para liquidar: na ra do Crespo n.
8, loja do sucessor de Antonio Francisco
Pereira.
^m^^MMttA^A^ ^J1* ^tf AsaauagAjuuaaaM
Cera de car-
naba,
No largo da Assembla n. 15, armazem de An-
tunei Gaimarea & C, w-
genero para vender.
Os Srs. Joio Soum & C nicos possuidores des-
te xarope j bem conhecido peles seus bons ef-
feilos, continuara a vende-lo pelo prego de 19
cada vidro, fazem uma differenca no p"reco aos
collegas e a todas as pessoas que tomarom de 12
'C Rap princeza gasse da BahA
Em casa de Lopes Irmaos, no caes da alfaudeA
ga n. 7, acha-se estabelecido um deposito dess
fabrica, onde se rend em porc&es 011 a rala
g^9 & 91,999
9 Machinas de vapor.
@ Rodas d'agua.
@ Moendasdecanna.
9 Taixas.
9 Bodas dentadas.
9 Bronzes e aguilbes. S
9 Alambiques de ferro. Z
9 Criros, padres etc., ele: Z
Na fundico de ferro de D. W. Bowman
9 ra do Brum passando 'o chafariz. m
9993999 9999999 99 9999
Vende-se um terreno com 30, 40 ou 50 pe-
mos de frente, conforme melhor convier ao com-
prador, lado aterrado, situado na ra do Brum
junto a fuudicao ingleza, com mais de 300 pal-
mos de fundo, e promplo para se ediQcarem re-
finaces, padarias, ou oulros quaesquer estabele-
cimentos por ler excellente porta para embarque
e desembarque de gneros: na ra da Madre do
Dos, armazem n. 20.
Bolsas de tapete para
viagens.
Vendem-se mui bonitas bolsas de tapete pro-
priaspara viageos, etc., etc., pelos baratissimo
precos de 69,6 e 7#: na loja da aguia brancai.
ra do Queimado o. 16:
Barato que admira.
Vende-se no armazem de Moreira 4 Ferreira,
ra da Madre de Dos n. 4:
Farinha de mandioca de superior qualidade a
392OO.
Saceos com milho de 22 cuias muito novo a
35400.
Prelo, saceos grandes, a 49500.
---..- Gomma muito ora e de muito boa qualidade
ha continuamente deste- a 39500.
Cera de carnauba, arroba a 9ff.
A1,800 a coberta.
Ra do Queimado n. f9,
armazemde faModae, veade-aa aa lindas cober-
SlJoo r? ^Wnh0 chtaez e P^0 bral P'?<>
Grosdenaples baratis-
simos
m7^T'%S^ia'n *ret0 Pelobaratissi-
Ruz do Crespo n. 8, loja
de 4 portas.
Pechincha que admira.
Chitas francezas cores fizas e lindos desenos
azw rs. o corado dao-se amost#as com peohor.
Fazendas proprias para a
quaresma, no nov es-
tabelecimento de Jos
Moreira Lopes, ra do
Crespn. 13.
Manteletes, vestidos de grosdenaple com bar-
ras de velludo, ditos bordados, veos pretos de
Ulo bordados, sarja prela, grosdenaples, casemi-
ras, pannos finos, e oulras muitas fazendas. ludo
por precos muito commodos.
Terrenos na ra do Brum
1.IeS,m"Sre 32' "> Palmos de terreno
com 300 de filado, ludo bem aterrado e proprio
para se ediflcarem estabelecimeotos de padarias
renacoes, ou oulros quaesquer por ler excellente'
porto para embarque e desembarque de gneros
a tratar na ra da Madre de Dos n. 6. '
diese sgsgag aa mmi^mm
Potassa.
Vende-se a 240 rs. a libra, a
superior e alva potassa do acredi-
tado fabricante Joao Casa-nova ,
cuja qualidade e reconhecido ef-
feito igual ou superior a de
Hamburg, feralmente conheci-
da como da Russia : no deposito,
ruada Cadeia n. 47, escriptorio
. de Leal Reis.
tetteasae arese sesedeeS
Farelo e milho
Saceos muito grandes e de muiio boa qualida-
de ; no largo da Assombla n. 15, armazem de
Antunes Guimares & C.
3000.
Rap.
GRANDE SORTIMENTO
DE
Roupa feita,
Na loja e armazem de Joa-
quim Rodrigues lava-
res de Mello.
Ana do Queimado n.39
Loja de quatro portas
Sbbrecasacas de panno fino obra muito bem fei-
ta, de 35 a 409cada uma.
Paletots de panno fino preto, de 25 a 30.
Colletes de velludo preto bordado, a 12 esda
um.
Ditos de gorgurao preto a 7 dem.
Ditos de setim maco a 6$ dem.
Ditos de casemira preta a 5gidem.
Calcas de casemira prela lina de 12 a 14.
Paletots de eslamenha a 5.
Ditos de alpaca preta, saceos de 4 a 5.
Ditos de dita sobrecasacos de 8 a 9.
Ditos de bambolina preta superior fazenda a 12.
Ditos de meia casemira a 10.
Dilos de casemira muilo fina a 14$.
Um completo sortimento de paletots de fustao e
brim, e caigas e coletea, que ludo se vende por
prego em conta.
MMM
cobertos e descobertosr pequeas e grandes, da
ouro patate inglez, para hornera e senhora da
um dos melhores fabricantes de Liverpool, viu-
dos pelo ultimo paquete ingles ; em casa de
Sonthall Mellor & C.
Labyrinthos.
Na ra da Cadeia do Recife o. 28 primeiro an-
dar, vendem-se leocos e toalbas de labytinlhoa.
^ endo-se rap de Lisboa muito fresco, garan-
te-se ao comprador a boa qualidade : na praca
da Independencia n. 5, loja de violas.
Baratissimos jarros de por-
cellana.
Vende-se mui bonitos jarros de porcellana dou-
rada, e de tamanhos nao pequeos, proprios pa-
ra enfeites de mesas, ornato de gabinete, etc.,
pelos baratissimos pregos de 3 e 4SO00 o par:
na ra do Queimado loja d'Aguia Branca n. 16.
Attenco.
Na ra do Trapiche n. 46, em casa de Rostron
Rooker & C, existe um bom sortimento de li-
nhas de cores e brancis em carretois do melhor
WreiB*j da lagliiiu, as quaes se Tendera pot
precos mui razoaveis.
Chega para todos.
Cassas francezas muito bonitas e de cores Qxa;
a doze vintenso corado, mais barato do qn
chita, approveitem em quanto nao se acabara
na ra do Queimado n. 22, na bem conhecida lo-
ja da Boa F.
A loja da ba-f
na raa do Queimado n. 11
est muito sortida,
e vende muito barato :
Brim branco de puro linho trancado a 1J000 e
19400 rs. a vara; dilo pardo muito superior a
IjJUO a vara; gangas francezas muito finas de
padroes escuros a 500 rs.; riscadinhos de linho
proprios para obras de meninos a 200 rs, o co-
,. vado : cortes de caiga de meia casimira a 1J600;.
| ditos de brim de linho de cores a 2 rs.; breta-
I nha de linho muilo fina a 20, 22 e a 24 rs. a
pega com 30 jardas; atoalhado d'algodo muito
superior a 1400 rs. a vara ; bramante de linho
com 2 varas de largara a 2400 a vara ; lengos
de cambraia brancos para algibeira a 2400 a
duzia ; ditos maiores a 3$; ditos de cambraia
de linho a 6. 7 e 8j[ rs. a duzia ; ditos borda-
dos muito Qnos a 8 ra. cada um ; ditos de cam-
braia de algodo com bico largo de linho em
volta a 1280; ditos com renda, bico e labyrin-
lo a 2-J000; e alm disto, oulras muilas fazen-
das que se vendem muito barato a diabeiro a
vista : na ra do Queimado n. 22, loja da Boa .
Bonitos cintos para seoho
ras e meninas.
Na loja da aguia branca vendem-se mui boni-
tas fitas com fivelas para cbIos de senhoras e
meninas, e pelo baratissimo prego de 2$ : em
dita loia da aguia branca, ra do Queimadonu-
mero 16,
Cheguem ao barato
O Preguica est queimando, em sua loja na
ra do Queimado n. 3.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas a
88, casemira escara infestada propriapara cal-
ca, collete e palitots a 960 rs. o covado. cam-
braia organdy de mnito bom gosto a 480, ra.
vara, dita liza transparente mnito fina a 3,
i e6* a pe?a' dila taPda com 10 varas
a 59 e 69 a peca.chitas largas de modernos e
escolhidos padrees a SdO, 260e280 rs. o cova-
do, nquissimos chales de marin estanpado a
19 o 8f, ditos bordados coa duas palmas, fa-
lcada muito delicada a 0 cada um, ditos com
urna s palma, muilo finos a 850, ditoslisos
ctfta franjas de seda a 59, leacoi de cassas com
barra a 100, 120 160 cada um, meias mnito
finas pira senhora a 49 a duzia, ditas de boa
qualidade a 3 e 89500 a duzia, chitas fran-
cezas de ricos desenhos, para coberta a 280 rs.
o eovado, chitaseseuras inglezas a 59900 a
peca,a a 160 ra. o eovado, brim btaoeo de paro
liado a 19, 19200 e 1660 a vara, dito preto
muito encornado a 19500 avara, brilhantin
un a 400rs. o eovado, alpacas de differentes
-odres a 360 rs. o aovado, casemira pretas
finas a 2500, 39 a 350O eovado, cambraia
preta e de salpieos a 500 re. a vara, e ostras
muitas fazendas que ae far patenta ao compra-
dor, a de todas sa darlo amostras con penhor
A superior farinha de mandioca vende-se ao
mdico prego da 8 a aacca a dinheiro em oor-
gaes de 10 aaccas para cima, para acabar no
armazem de Francisco L. O. Azevedo m> h.
Madre de Dos n. 11. 0ft
Fil preto.
Vende-se fil de linho preto Kso pelo baratis-
simo preco de 800 ra. a van : aa roa do mado o. 22, loja da boa f.
Vende-se as preleccoes de Hermenutica
Jurdica, obra nova, compoeta pelo Dr. Francisco
de Paula Baptista ; na ra Nova n. 47, i0t a
Bastos & Reg ; prego 7 cada um exemplar
Farelo.
Ra da Imperatriz, outr'ora aterro da Boa-Vis-
ta,na loja de fazendas de 4 portas n.56, vendem-
se aaccos de farelo barato para acabar, saceos
grandes.
Na ra do ragao n. 15,
vendem-se continuamente oa melhores e mais
bem sortidos bicos e rendas, rendas e bicos da
ierra, que vista do prego e qualidade ninguem
deixat de comprar: aa ra do Aragao a. 15.
Novas cartas de
ABC.
Vendem-se cartas de A B C. augmentadas por
ana Bariholeza da Conceigio, eontendo quasi o
triplo dos dephthongos que conlm as actuaos em
pso : os meninos com muita facihdade a com-
prehendem e Ihes facilita a leilura. Ale do
gmento indicado, contm muitos nomesde ob-
fecios de que os mesmos esto ao par, e tambera
nees Proprios ; a qual concebida da maneira
1.'de uma syllabarou ba etc.
2.adaas syllabas e nones etc.
3.atres ajilabas e nomes etc.
4.aquatro syllabas ou Polissyllabos etc. Esta
carta poupa aos pais de familia graude parte do
importe que gastavam, porque os meninos nao
aprendiam todos os dephthongos, por issose em-
oaracavam com qualquer leilura por mais fcil
que fosse. O melhoramento para a leilura que
esta carta ha de produzir infalivel, segundo a
experiencia. Assim que elles a comprehende-
rem, com muita felicidade comprehenderao qual-
quer leilura. Prego 320 cada urna. Quem dei-
xar de gastar esta diminuta quantiapara poupar
oulras maiores, e as vezes com Ulo pouco aug-
mento? Defronte da matriz Ra do Crespo,
loja n. 25, de Joaquina Ferreira de S, vende-se
por precos baratissimos, para acabar : pecas de
cambraia lisa fina a 3, organdys muito finas e
modernas a 500 rs. o covado, cassas aberlas de
hoaitas cores a 240 ra., chitas largas a 200 e 240
cortes de cass de eoies a 2#. entremeios borde-
aos a i500 a pega, babados bordados a 320 a
vsra, sedinbas de quadros finas a 800 rs., coea-
veques de cambraia e fil a 5fc, perneadores de
cambraia bordados a 5, gollinbas bordadas a
MU, ditas com ponas a 2500, manguitos borda-
dos de cambraia e fil a 2$, damasco de lia com
palmos de largara a 1600, bramante de linho
com 5 palmos de largura a 900 rs. a vara, luva3
para senhora a 100 rs. o par, capas de fustao en-
S? 1 a 5*' peas de n>ad8Polo fino a 4$, laa-
zinba de quadros para vestidos a 320, camisusde
cambraia bordados a 2$, sobiecasacas de panno
Uno a 20J e23S, paletots de panno e casemira de
16 a 20$, dilos de alpaca de 3*500 a 8, dilos de
brim de cores e brancos de 3500 a 5g, calcas de
casemira pretas e de cores para todos ps pregos,
ditos de brim decores e brancos de 2* a 5, ca-
misas brancas e de cores para todos os precos,
colletes de casemira de cores finos a 5 ; assim
como oulras muilasfazendaa por menos do seu
valor para fechar conlas.
Cassas
padroes de organdys
A 240 rs. o covado: oa bem conhecida loja da
ra do Queimado n. <6, da Goea & Bastos.
Enfeites de cabeca
muito barato para chegar
a lodos
Na loja d'agoia de ouro, ra do Cabug n. 1
vende-se enfeites pretos de vidrilho pelo baratis-
simo prego de 2, ditos de velludo de escama a
4?, ditos de (ranga.a 3*, assim como luvas pretas
de torgal com vidrilho, ditas de seda pretas e de
cores, assim como pulseiras de conlinhas, ditas
de missanga de cores, e gollinhas muito lindas
de vidrilho : tudo se vende por baratissimo pre-
go para acabar.
Pechincha para a
quaresma.
Bisnleletes de grosdenaple e da fil de aeda
prelos e de cores, pelo baratissimo prego de 5$
89, 10$ e 129 : na ra do Queimado n. 44.
Vendem-se noventa apolices da
companhia do Beberibe : na ra Nova
n. 14, primeiro andar.
Vende-se na cidade do Aracaty uma casa
terrea com sotao, bom quintal e cacimba, na prin-
cipal ra de commercio, propria para quem qui-
zar ali estabelecer-se, por ler nao s commodos
precisos para residencia, como tambem loja, arma-
zem, etc.: a tratar na mesma cidade com os Srs.
Gurgel Irmaos, que esiao autorisados para esse
fim, ou gesta praca na ra do Cabug, loja n. 11.
Superiores manteletes.
Vendem-se superiores manteletes pretos rica-
mente bordados, pelo baratissimo preco de 35 :
na ra do Queimado n. 82, loja da boa f.
Venda de um cavallo.
Na ra do Jardim n. 19, ha para vender um ca-
vallo que serve para todo o servigo, que se ven-
de muilo em conta.
RuadaSenzaIaNovan.42
Vende-se em casada S. P. Joahston AC,
sellinse silbes ngleees, candeeiros e casticaes
bronzeados, tonas nglezes, fio de vela, chicote
para carros, emoniaria, arreios para carro de
um e dous cvalos relegios de ouro patenta
inglez.
Caes do Ramos armazem
n 24.
Vendem-se laboas de amarello, loure e pioho
por precos razoaveis.
Loja das 0 portas
Em frente do Livramente
luvas de torgal a 800 rs, par.
Chitas escuras francezas, tintas seguras, a 220
rs. o covado, dilos estreitoscom muito bom pan-
no a 160 rs. o covado, caesas de cores seguas a
200 rs. o covado, pegas de bietaoha de rolo a Sf,
brimzinbo dequadrinhoaa 160 o covado, moase-
lina encarnada fina a 3*0 o covado. algodao da
duas larguras a 640 a vara, leocos de eaaaa pin-
o?a a 120 rt- c,da um' 8ed P1*** ramagem
a WJO rs. o covsdo, fil de linbo preto com sal-
pico a 1(400 a vara, luvas de torgal muilo finas a
rs. o par : a loja est aberta das 6 horas da
manbaa s 9 da ooite.
Cabriolet.
Vende-se por muilo barato prego a prazo en i
vista um excellente cabriolet americano coa 4
roaaa, em ptimo estado : a tratar na ra larga
do Rosario a. J4, loja da ourives.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
y-k v
1MUTLADQ


--..'
DIARIO 3K fEtHAMBCO. SEXTA FEHU 15 DI MARCO 011981.
c
iRMlZM
DE
ROUPA FESFPA
BE
Joaquim Francisco dos Santos.
40RUADO QUEMADO 40
Defronte do becco da Congregacrfletreiro verde.
Neste estabelecimenlo ha sempre um sortimento completo de roupa feita de todas as
qualidades, e tambem se manda executar por medida, vontade dos freguezes, para o
2ue tem um dos melbores professores.
asacas de panno preto. 40j, 35$ e 30*000
Sobrecasaca" de dito, 359 e 30*00
Palitotsde dito ede cores, 35$, 30*.
25S0OO e 205000
Dito de casimira de cores, 223000,
159. 12* e 9*000
Ditos de alpaka preta golla de vel-
ludo, S000
Ditos de merin-sitim pretos e de
cores, 9J000 8*000
Ditos de alpaka de cores. 59 e 3*500
Ditos de dita preta, 99. 79. 59 e 3*300
Ditos de brim de cores, 5*, 4*500,
4&00O e 3*500
Ditos de bramante de linho branco,
63000, 5*000 e 4J0OO
Ditos de merino de cordo preto,
15*000 e 8*000
Calsas de casimira preta e decores,
12*. 109. 99 e 6$000
Ditas de princeza e merino de cor-
do pretos, 59 e 4*500
Ditas de brim branco e de cores,
5S0O0, 4j50O e 2*500
Ditas de ganga de cores 3JOO0
Golletes de velludo preto e de co-
res, lisos e bordados, 12*. 9$ e 8*000
Ditos de casemira preta e de cores,
lisos e bordados, 6*. 5*500, 59 e 3*500
Ditos de setim preto 5*000
Ditos de seda e setim branco, 69 e 5*000
Ditos de gurguro de seda pretos e
de cores, 7g000,6*000 e 5*000
Ditos de brim e fuato branco,
3*500 e 3*000
SerouUs de brim de linbo 2*200
Ditas de algodo, ig600 e 1J280
Camisas de peito de fusto branco
e de cores. 2*500 e 2*300
Ditas de peito de linho 6g e 3*000
Ditas de madapolao branco e de
cores, 3*. 25500, 2* e 19800
Camisas de tneias 1*000
Chapeos pretos de massa, franceze*,
Cormas da ultima moda 10g,8*500 e 7*000
Ditos de (eltro, 69. 5fl, 49 e 2*000
Ditos de sol de seda, inglezes e
francezes, 149, 12$, 11$ e 7*000
Collarinhos de linho mullo finos,
novos feilios, da ultima moda *800
Ditos de algodo *500
Relogios de ouro, patentes hori-
sootaes, 100*. 909, 80* e 709000
Ditos de praia galvaoisados, pa-
tente hosontaes, 40g 30*000
Obras de ouro, aderecos e meios
aderecos, pulseiras, rozetas e
anneis $
Toalhas de linho, duzia 12*000 e 10*000
Algodo moostro.
Vende-se algodo moas tro com duas larguras,
omito proprio para toalhas e lences por dispen-
sar toda e qualquer costura, pelo baratissimo
preco de 600rs. a Tira ; na ra do Queimado d.
22, na loja da boa f.
0 BASTOS
Perfumaras
\G1IC1\
DA
FUNDIDO IM-MOW,
Ra da Senzalla Km n.42,
Nesta eslabelecimento contina a haver um
completo sortimento de moendas emeias moen-
novas.
A loja d'aguia branca acaba de receber de sua
propri. ene^mmenda nm lindo e completo sorti- d;^
ment de perfnm.nas finas, as quaes esta ven- teferr0 bal?do todols tamanho.
dendo por menos do que em oulra qualquer par- ^ft dj,0> u" ,"UU8 m wmannOT
Tachas e moendas
EMiNRAL
NATURALLEDE VICHY
Deposito na bolicafranceza ra da Cruz n.22
Calcado barato na ra larga do Rosario n. 32.
O dono deste estabelecimento tendo em vista acabar
com todo o calcado at o fim de marco, expe ao publico pelo
preco abaixo:
Para homens, senhoras e meninos.
Forzeguins de bezerro de Meli a 10S0O0
Ditos de Nantes sola patente 9*000
Ditos de dito sola fina 8JC00
Ditos dito de dito 7g000
Ditos francezes de lustre de 69, 7* e 8*000
Ditos todos de duraque 6*500
Ditos de couro de porco a 5|000
Sapatos de lustre a 3g at 5000
Ditos de bezerro a 39500 al 53000
Ditos de dito de 2 solas 4*000
Ditos de 1 sola com salto 3JJ0O0
_____Ditos de 1 sola sem sallo _______2*500
Borzeguios de setim branco 6*000
Ditos de duraque dito 5*500
Ditos pretos 59o00
Ditos de cores 4j000
Dilos de cores panno de duraque 4*000
Ditos dito de dito 3*000
Ditos de cores para menina 3*000
Dilos de dito todos de duraque 30OO
Ditos de dito dito 2*500
Sapatos de transa para meninos de 15 a 1*200
Dilos de lustre para senhora 1*280
Ditos de tranca francezes para homem 1S00Q
se
o
es
i
o
B
n
2.
i
9
.
1 9
2 ?
es* **?
n *
i
5* A
: 5
5 S- P-
% 9 a
o QB
B B 2.
s
2 <
W s

B
i-ft
a c o
9 5
SB
2.
% 3
% |
g,
w^ o
a. "
o 5-
:f
1%
se
3
3

=3
O
^3
e
a
tr
p>
a
o
o
B
B
o
o
B
o.
=
o
B
o.
o
o

o
o
o
o
>
o*
re
c
o
e
B
c
O"
3.
s
s
o.
o
es
a.

I
t
O
o
O
a.
n
9
B"
%
ES
se
%
f
B
I
9
&
O
- i
o
o -
rs
2 2.
~ o'
IIII
EES
o o S B
tt -
5 a
=
B < n g-
o> o o
.
B O 6 <
r^
gS8-
r.
i =:B
M B p re
? 2 =
0
9
"e
que ouir'ora tinha loja na rna do Quei-
mado a. 46, que gyrara sob a firma de
Ges Bastos participa aos seus nume-
rosos freguezes que dissolveu a sociedade
que tinha com o meamo Ges tendo sido
substituida por um seu mano do meamo
nome, por isso Gcou gyrando a mesma
firma de Ges & Bastos, assim como apro-
veita a occasiao para annunciar abertura
do seu grande armazem na ra Nova jun-
to a Conceico dos Militares n. 47, que
passa a gyrar sob a firma
DE
Bastos (L Reg
com um grande e numeroso sortimento de
roupas lenas e fazendas de apurado gos-
to, por precos muito modificados como
de seu costnme, assim como sejam : ri-
cos sobrecasacos de superior panno fino
preto e de cor a 25$, 28$ e 809, casacas
do mesmo panno a 30* e a 35*. palelols
sobrecasacados do mesmo panno a 18*,
20* e a 22$, ditos saceos de panno prelo
129 e a 14$, dilos de casemira de cor
muito fina modelo inglez a 9$, 10*. 12*
el49, ditos de estamenha fazenda de
apurado gosto a 5* e 6j, ditos de alpaca
preta e de cor a 49. sobrecaaacos de me-
rino de cordao a 8*, ditos muito superior
a 129. ditos saceos a 59, dilos de esguio
pardo fino a 4*. 49500 e 5$, ditos de fus-
tao de cor a 39, 3*500 e 4*. dilos brin-
cos a 4*500 e 5*5C0, ditos de brim pardo
fine sacco a 2g800, calcas de brim de cor
finas a 39. 3*500, 4*e 4g500, ditas de di-
to branco finas a 5g e 69500, ditas de
princeza proprias para luto a 4g, ditas de
merino de cordao preto fino a 5* e 69,
ditas de casemira de cor e preta a 8*, 9*
e 109, colletes de casemira de cor e pre-
ta a 4$500 e 59, ditos do seda branca para
casamento a 5*, ditos de brim branco a
39 e 4*, ditos de cor a 3*.colletes de me-
rino para lulo a 4$ e 4*500, ricos rob-
chambres de chila para homem a 109,pa-
letols de panno fino para menino a 12g e
1 i*, casacas do mesmo panno a 15$,caigas
de brim e de casemira para meninos, pa-
lelols de alpaca ede brim para osmesmos,
sapatos de tranca para homem e senho-
ra a 19 e 1*500, ceroulas de bramante a fi
189 e 209 a duzia, camisas francezas fi- S
as de cor e brancas de botos modelos a M
17S, 189, 209, 24fl. 289 e 30* a duzia, S
ditas de peitos ae linho a 30* a duzia, di- H
tas para menino a lj&cada urna, ricas t>
grvalas brancas para casamento a 1*800 f
e2* cada urna, ricos uniformes de case- l
mira de cor de muito apurado gosto tanto S
no modello como na qualldade pelo di- fl
minuto prego de 35$, e s com avista se **>
pode reconhecer que barato, ricas capas %
de casemira para senhora a 18* e 20*.
e muitas outras fazendas de eicellenle S
gosto que se deixam de mencionar quo S
por ser grande quantidade se torna en- *
fadonho, assim como se recebe teda e f
qualquer encommenda de roupas feilas, M
para o que ha um grande numero de fa- S
zendasescolhidase urna grande officina
dealfaiateque pela suapromptidaoeper- g>
feicao nada deixa a desejar. ll
Gassas de cores.
Anda se Tendem cassas de cores fizas, padroes
muito bonitos, pelo baratissimo preco de 240 rs
por menos do qne em oulra qualquer par
te: sendo o bera conbecid oleo philocomo e bi-
nba (societ hygienique) a 19 o frasco, finos
extractos em bonitos frascos de cores e dourados
a 29, 2*500, 39, e 4}, a afamada banha trans-
parente, e outras igualmente finas e novissimas
I como a japonaise em bonitos frascos, cuja lam-
pa de vidro tambem cheia da mesma, buile
concrete, odonnell, principe imperial, creme,
em bonitos copinhos com tampa de metal, e
muitas outras diversas qualidades, todas estas a
10 o frasco, benitos vasos de porcellana doura-
da. proprios para ofterta a 25? e 20500, bonitos
babusinbos com 9 frasquinbos de cheiro a 29,
lindas cestinhas com 3 e 4 frasquinbos, e eaixi-
nbas redondas com 4 ditos a 19200 e 10600,
finos pos para denles e agua balsmica para ditos
a 10 e 19500 o frasquinho; e assim urna in-
fioidade de objeelos que sio patentes em dita lo-
ja d'aguia branca, na ra do Queimado n. 14.
Ycrdailt ira pechinas.
. A 5# o corte.
Vendem-se no armazem de fazendas da ra do
Queimado n. 19, corles de casemira muito lina e
pelo baratissimo preco de 59 : quem precisar,
approveile a accasiao de comprar, cortes de vel-
ludo prelo bordados para collele, fazenda supe-
rior, a 6$.
Pennas d'aco.
A loja d'Aguia-Branca recebeu um grande sorti-
mento de pennas d'aco de differenles qualidades
as quaes est vendendo de 500 a 1*000 rs. gro-
sa. o mais barato possivel: na ra do Quei-
mado loja d'Asuia-Branca, n. 16.
Arados americanosemachina-
paialavarroupa: emeasa de S.P. Jos
hnston & C. ra d< Senzala n.42.
Cheguem aloja da Boa f
Chitas francezas muito finas de cores fizas a
280 rs. o corado ; cambralas francezas muilo fia
as a 640 rs a vara; idem lisa muito fina a
4*500 e a 6f000 a pees corr, 8 1\2 varas ; di-
muilo superior a SgOOO a peca com 10 varas';
dita fina com salpicos a 4*800 a pega com 8 1(2
varas; fil de linho liso mullo fino a 800 rs. a
vara ; tarlatana branca e de cores a 800 rs. a va-
ra ; e outras muitas fazendas que, sendo a di-
nheiro, vendem-se muito baratas: na ruado
Queimado n. 22, na loja da Boa f.
Lencos para rap.
Tendem-se lencos muito finos proprios para os
tabaquistas por seren de cores escuras e Cas a
5*000 a duzia : na ra do Queimado n. 22, na
loja da Boa f.
Na loja da Boa f vende-se
panno prelo fino a 49, 5*, 69. 89 e 10$ rs. o co-
vsdo, casimira preta fina a 2$, 39 e 49 rs. o co-
vado ; gros de naples preto a 29, 2S500 e 3* o
covade; alpaka preta fina a 640, 800, e muilo
fina a 1* rs. o corado ; casimiras muilo finas de
cores escuras com 6 palmos de largura a 49 rs. o
covado ; ditas de cures claras a 6$ rs. o corte de
calca ; meias de algodo cr muito superiores a
4*800 rs. a duzia; ditas lo algodo sru tambem
muito superiores para meninos a 4$ a duzia ; e
assim muitos outros arligos de lei que se ven-
dem baratissimos, sendo a dinheiro: na referida
loja da Boa f. na ra do Queimado n. 22.
Braga Silva & C., tem serapre no seu depo-
site da ra da Moeda n. 3 A, um grandesor-
mento de tachas e moendas para engenho, de
muito acreditado fabricante Edwin Maw a tra-
tar no mesmo deposito ou na ra do Trapiche
n. 4.
SYSTE HA MEDICO DE HOLLOU AY.
Fl LULAS HOLLWOYA.
Este inestimavel especifico, composto inteira,
mente de hervas medicinaes, nao conten mercu-
rio nem alguma outra substancia delecteria. Be-
nigno mais tenra infancia, e a compleicomais
delicada igualmente prompto e seguro para
desarreigar o mal na compleic,ao mais robusta ;
enteiramente innocente em suas opera^ese ef-
feitos; pois busca e remove as doenc,as de qual-
quer especie e grao por mais antigs e tenazes
que sejam.
Entre mimares de pessoss curadas cem este
remedio, muitas que j es ti va m as portas da
morte, preservando em seu uso : eonseguiram
recobrara saude e torcas, depois dehaver tenta-
do inullimente todos os outros remedios.
As mais afilelas nao devem entregar-se a des-
esperado ; fajara um competente ensaiodose
efficazes efleitos desta assombrota medicina,
presies recuperaro o beneficio da saude.
Nao 5e perca tempo em tomar este remedio
para qualquer das seguintes estornudados:
A grande fabrica de ta-
mancos da ra Direita,
esquina da travessa de
S.Pedro n. 16,
tem efectivamente um grande e riquissimo sor-
lmenlo de Umancos de todas as qualidades, que
o proprieUrio da mesma tem resolvido a vender,
tanto a retalho como em pequeas e grandes por-
Q6es, por multo menos do que m outra qualquer
parle ; os senhores commercianlesda praca e de
fra acharo sempre promptos ,e 1,000 a 2,000
pares pregados para supprir qualquer encom-
menda sem demora, assim como tamancos a mo-
da do Porto a 1*500.
ELOGIOS.
Vende-se em casa de Saundres Brothers A C.
pra$a do Corpo Santo, relogios do afamado fa-
brieaute Uoskell, por presos commodos e tam-
bem trancellins e eadeias para os mesmos de
excellenie gosto.
Escrayos fgidos.
Desde o da 7 do correnle que se ausenlou
da casa de Joaquim Ignacio R. Jnior, o seu es-
cravoGoncalo.de iaadede22annos,crioulo fullo,
alio, grosso o corpo, muito picado de bexigas,'
- urna cicstriz na eanella direita e urna ferida
tem
Camisas e toalhas.
o corado,
Queimado
Boa f.
e mais barato que chita": na ra do
n. 22, na bem conhecida loja da
E' baratissimo!
Ra do Crespo n. 8, loja de 4 portas.
Cassas de cores fizas miudinhas a 240 rs. o co-
vado, cambraia, organdys lindos desechos'a 400
rs. o covado, e chitas largas finas de 240, 260 e
280 o covado, e outras muitas fazendas por ba-
ratissimo prego : do-se amostras com penhor.
Para desenlio.
Hu bonitas caizinhas envernizas, com tintas fi-
nas, lapis, pincels, e os mais necessarios para
desenho. E' o que de melhor e mais perfeitose
tem rislo aqu em tal genero, e vendem-se a 5*.
69, 89, IOS. 12* e 149 : na ra do Queimado d.
16, laja d'Aguia-Branca.
a
3
a
B
I
cu
a
B
B
ce
B
* to'S
1.21 ir
a;n2.
? c =
B n
s
" S-^-
S m o
.o
S'S
2.
B-go
O -i T3
"S -"
oo
^ V a
"&Z 2.
o a zr
o. 2
" 2 o
a
2" 2
2. >* B
M 5'O
O I I

R011PA FEITA ANDA MAIS BARATAS.!
S SORTIMENTO COMPLETO
Fazendas e obras feilasJ
Calcado.
Confronte ao Rosario em Santo Antonio, loja
que foi de confeilaria, vendem-se sapatos fran-
cezes com salto para senbora a 29, dilos rasos a
19600, ditos de tranca a 19280, encontra-se tam-
bem bolinas com sallo para menina de ns. 18 a
31, ditos de marroquim e lustre sem salto de ns.
19 a 25, sapalinhos com clchele, de marroquim
e lustre ns. 19 a 25, botinas para homem e se-
nhora.
Vende-se o engenho Serrara situado na
freguezia do Cabo ; a tratar nesta praca com o
Dr. Augusto Frederico de Oliveira.
MelUs.
Bolinas de Mellis de couro de lustre, bezerro,
cordavo e pellica, ehegados pelo ultimo navio
francez Solferino, a ellas em quanto tem toda
numeracSo : na loja do vapor, na ra Nova nu-
mero 7.
Vende-se urna vacca de rasa tourina por
505 -' D0 si"0 de Antonio Leal de Dar ros, na ra
de Joo Fernandes Vielra junto ao Manguinho.
____
Ges k Bastos.
Ra do Queimado n. 46.
Tendo os annunciantes conseguido elevar este
estabelecimento a um engrandecimento digno
desta grande cidade, apresentam concurrencia
deste ilustrado publico, o mais moderno, varia-
do e escolhido sortimento de roupas diversas e
de fazendas escolbidas para todas as estacoes,
Sempre solcitos em bem servir aos seus nume-
rosos freguezes nao s em presos como em bre-
vidade, acaba de augmentar opessoal de sua of-
fina, sendo ella d'ora em diante dirigida pelo
insigne mostr LAURIANO JOS' DE BARROS,
o qual os seus numerosos freguezes podem pro-
curar na loja n. 46 ou no primeiro andar do
mesmo estabelecimento, assim pois em poucos
dias se aprompta qualquer encommenda, quer
casaca, quer fardes dos Srs. officiaes de marinba
e exercito. Outro sim recommendam aos Srs
paes de familia grande sortimento de roupas pa-
ra meninos de todas as idades.
si
LOJA E ARMAZEM
DE
Ges k Basto!
NA
Una do Queimado
*, 1tente amar ella.
Constantemente temos um grande e va-
nado sortimento de sobrecasacas pretas
W "o00 e de cores muit0 fiD0 28&.
d e 359, paletots dos mesmos patines
0$, 22$ e 24$, ditos saceos pretos dos
mesmos pannos a 149.169 e 18J, casa-
cas pretas muito bem feitas ede superior
panno a 289, 30$ e 359. sobrecasacas de
casemira de core multo finos a 159,16g
e 18J, ditos saceos das mesmas casemi-
ras a 10$, 12 e 14J, calcas pretas de
casemira fina para homem a 89, 99, 10
e 12, ditas de casemira de cores a 7J, 89,
99 e 109, ditas de brim brancos mat
fina a 5$ e 69, ditas de ditos de cores a
39. 39500, 49 e 49500, ditas de meia ca-
semira de ricas cores a 4J e 4$500, col-
letes pretos de casemira a 59 e 69, dilos
de ditos de cores a 4S500 e 9, ditos
brancos de seda para casamento a 59,
ditos de 69, colletes de brim branco e de
fustao a 39, 3950O e 49. ditos de corea a
2J500 e 39, paletots pretos de merino de
cordio sacco e sobrecasaco a 7#, 89 e 99
colletes pretos para luto a 49500 e 59
cas pretas de merino a 49500 e 59, pa-
letots de alpaca preta a 39500 e 4g, dilos
sobrecasaco a 69,79e 8J, muito fino col-
letes de gorgurao de seda de corea muito
boa fazenda a 39800 e 43, colletes de vel-
ludo de cores e pretos a 79 e 89, roupa
para menino sobre casaca de panno pre-
tos e de cores a 149, 159 e I69, ditos de
casemira sacco para os mesmos a 69500 e
79, ditos de alpaca pretos saceos a 89 e
13950O, ditos sobrecasaeos a 5$ e 69500,
: calcas de casemira pretas ede cores a 69,
68500 e 79, camisas para menino a 20
a duzia, camisas inglezas pregas largas
muito superior a|329 a dazia para acabar.
Assim como temos urna officina de al
faiate onde mandamos executar todas as
obras com brevidade.
( Vendem-se camisas brancas muito finas pelo ba-
ratissimo preco de 289 rs. a duzia ; toalhas de li-
: ntyvpara rosto a 99 a duzia ; ditas felpudas tnui-
itoj^uperiores a 129 a duzia : na ra do Queima-
lfs\n 22, loja da Boa f.
Paletos.
. Vendem-se paletos de panno preto fino, muilo
, bem feitos a 229 rs.; ditos de brim branco de
linho a 59 rs.; ditos de selineta escures a 3&500,
muito barato, aproveitem : na ra do Queima-
. do n. 22. loja da Boa f.
Para marcar roupa.
I A loja d'aguia b/anca recebeu a apreciavel tin-
ta para marcar roupa, a qual por sua bondade se
torna necessaria a todas as familias, porque com
ella se previne a perda das peca?, e muito me-
| lhore maiscommodo que a marca com linha. As
I caixinhas trazem 2 frasquinbos, e dellas se ve o
modo fcil e seguro de que se servir a pessoa
para marcar; cusa cada caixioha o diminuto
preco de I96OO: na ra do Queimado, loja da
aguia branca n. 16.
Bonets de gorgurao avel-
ludado.
Vendem-se mui bonitos bonets inglezes de gor-
gurao e velludo, mudados e de mui bonitos pa-
droes a 1S500. Esses bonets por suas boas qua-
lidades e muita duraco tornam-se mui Drp".
para os rueuiuoa de cslui8, e mesmo para pas-
ado ; assim como outros bonets de palha e pan-
no fino, etc.. etc., e mui bonitos a 2g500, 39 e
49, o melhor possivel: na ra do Queimado n.
16, loja a'aguia branca:
Fraojas de seda com vidrilhos
e sem elles.
Na loja d'aguia branca se encontra um bello e
variado sortimento de franjas de seda de difieren-
tes larguras e cores, inclusive a preta, tanto com
vidBlhos como sem elles, e das larguras $ ti-ffi
de ro al meio palmo, aos pregos de 500 rs. a
29500 a vara ; avista do comprador todo nego-
cio se far para apurar dinheiro : na ra do Quei-
mado n. 16, loja d'aguia branca.
feites de vidrilho a 2#.
oja d'aguia branca est vendendo mui boni-
nfeites de vidrilho pelo diminuto prego de
em dita loja, rua.do Queimado n. 16.
Manteletes pretos supe-
riores.
Ra do Queimado n. 18 A, esquina da ra do
Rosario, vendem-se ricos manteletes de grosde-
naples prelo com enfeites de vidrilhos e duas
ordens de bico pelo baratissimo prego de 259
cada um.
Gomma doAracaty.
Vende-se excellenie gomma do Aracaty; na
ra da Cadeia do Recife, primeira andar, n. 28.
Admirado
a 1,900 cada um.
No armazem de fazendas da ra do Queimado
n. 19, vende-se lences de linho muito fino pela
pechincha de 1,900 rs.
Bonitas figuras
de porcellana dourada a mil
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Amplas.
Areias (mal de).
Asinina.
Clicas.
Convulsoes.
Debilidadtou extenua-
do.
DeLidade ou falla de
forjas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor degarganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermedades no ventre.
Ditas eo figado.
Ditas venreas.
Enchaqueca
Herysipela,
Febre biliosa.
Febreto dae specie.
Golta.
Hemorrboidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indi gestees.
Inflammscoes.
Irregularidades
menslruac,o.
Lombrigas de toda es-
pecie. .
Mal de pedra.
Manchas na culis.
Abstrucc,ao de ventre.
Phiysica ou consomp-
pulmonar.
Retengao deourina.
Bbeumatismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venereo(mal).
Febreto intermiten le,
Vende-se estas pilulas no estabelecimento ge-
ral de Londres n. 224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguista e ou iras pessess edo
carregadas de sua venda em toda a America n-
&I, Havana e Hspanha.
Vendem-se as bocelinhss a 800 rs. cada
urna dellas, contem urna instiucc.ao emportu-
guez para explicar o modo de se usar deslas pi-
lulas.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
dharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambuco.
SEDULAS
de 1$e 8*000.
CoBtinua-se a trocar sedu'as de urna s Ggura
por metade do descomo que exige a thesourara
desta provincia, e as notas das mais pravas do
imperio com o bate de 5 por ceno : no escrip-
torio de Azevedo & Mendes, ra da Cruze
o. 1.
Aletria, talharim e macarrao a 400 rs a libra:
vende o Brando, na Lingoeta n. 5.
Na ra do Vigario n. 19, primeiro andar,
vende-se farelo de Lisboa superior, chegado l-
timamente, a 4g e 58 por secca.
Ricos corles de seda preta
com babados.
Na ra do Queimado n. 18 A, esquina da ra
do Rosario, vendem-se ricos cortes de vestido de
seda preta com babados, pelo baratissimo preco
de oujf cada um, tuadeiiaple prelo pelo barato
preco de 1500 o covado, dilo fino a ljt600, dito
muilo superior a 1(800, dito largo superior a
25300, cassa organdys pelo baratissimo prego de
280 rs. o covado, paletots de panno fino prelo a
20$ cada uro, ditoa de casemira de cor a 9# cada
um, ditos de dita a 119. dftos de panno fino cor
de caf a 25, ditos sobrecasaeos muito finos a
28$ cada um : a pessoa que vier a este estabele-
cimento achara muilo boas fazendas. de que nao
se faz mensio, por precos muito commodos.
Vendem-se treibois miA. r-r. --------
HaoguiaTo n. 43.
Vinho do Porto, genuino,
Rico de 1820.
Stomacal de 1830.
Precioso de 1847.
As duzias, e em caixinhas, adioheiro, por ba-
sto prego : vende-se na ra do Trapicae u. 40,
rlptorio.
esc
ris.
A loja d'aguia branca est vendendo mui bo-
nitas figuras de porcellana dourada, de um pal-
S no largo da Al-
fandegan. 18.
Farinha superior a 3(520.
Feijo branco e mulatinho;
Macarrao talharim e letria,
S barato a 5j> e 8$A0(J rs.
Franjas.
Na loja d'aguia de ouro,
ra do Cabug n. 1 B.
Vendem-se franjas pretas com vidrilho ou sem
elle, de lindos padroes, que se vende muito bara-
to, ditas de cores de todas as larguras e por lodos
os precos, ditas de linho tanto de cores como
brancas, ditas com bolota e sem ella para corti-
nados ou para toalhas, e para panno da Costa,
tudo islo por precos quo admiram, e s se vende
na loja d'aguia de ouro na ra do Cabug n. 1 R.
Vende-se urna preta crioula, ptima para
todo o servico domestica ; na ra de Santa Rita
numero 83.
Aos senhores de engenho
grande reduc^o.
mo de altura, proprias para enfeites de
ornato de gabinete, etc., etc.,
Na verdade admira tal obra
quanlia, e para se conhecer da baraleza diri-
ir-se a ra do Queimado, loja d'aguia branca n.
6, que vendo comprara.
Braga Silva & C, acbando-se em liquidacao,
e para fecharem contae, reaolveram azer urna
mesa, i grande reducto nos presos das moendas, emeias
a 1*000 cada urna.; moendas de todas as dimeoses existentes no seu
por tao diminuta armaaem na ra da Moeda (Forle do Mato).
Os compradores queiram dirigir-se ao eacrip-
tono n. 44, roa do Trapiche.
Recita, 11 de margo de 1861,
no mesmo p, foi visto na Capunga : quem o pe-
gar leve-o a praca da Boa-Vista botica n. 22,
que ser bem recompensado.
200,$ de gratiicaco.
Fugio no da 28 de oulubro de 1860 da refina-
do da ra Nova de Santa Rita, de Jos Alves
Ouimaracs, n. 53 ummoleque por nome Antonio
crioulo, de idade de 18 annos pouco mais ou me-
nos bem prelo, bem parecido, bem fallante, na-
fico de um quarto, paiecendo o p desse lado
mais pequeo que o oulro, tem urna sicatriz em
urna das canellas, diz elle ser de um estrpe e
que essa a ferida que o faz mancar quado an-
da, foi comprado- a 20 de oulubro de 1860 ao
Sr. Manoel Leocadio de Lima, esle o vendeu por
ordem de seu pai o Sr. Julio Leocadio de Li-
ma morador emGoiabira, consta que este senhor
o ders por compra em Tabaiana, supfle-se ter
a compsnhado alguna matulos que coslumam
cenduzir sal para o lado de Goiabira, porque no
dia de sua fuga, esteve com o escravo do Sr. vi-
gario da Boa-vista, e estes disseram que elle li-
nha hido em um armazem de sal ver um com-
panheiro que l linha: Pede-se aos Srs. capitaes
de campo, e mesmo as pessoas particulares a
descuberta de tal moleque, que serao ratifica-
dos com 200 a quem o entregar a seu senhor,
ou na Parahyba ao Sr. Antonio Alexandrino de
Lima, ou Braz Jos Velho de Lima, ou d-se
1009 a quemder delle noticia certa.
Gratifica-se com 100,000
ris.
Ausentou-se de casa do abaixo asignado, mo-
rador em Goianna, ra do Meio, taberna n. 64,
de baixo do sobrado que volta para a ribeira, no
dia 26 de fevereiro prximo findo. a escrava Ig-
uaria, crioula, a qual tem os signaes seguintes :
idade de 30 annos, bastante alta, secca do corpo,
cor avermelhada, nariz e beicos grossos, bocea
grande e fallas brandas, qoando sen bre bs-
tanle a bocea, cquando carrega peso entorta um
pouco o pescoco, andar moderado e dengoso ; le-
vou comsigo loda a roupa que poesuia, tem bons
vestidos e com babados, panno fino, algum ouro,
vestidos velhos e panno da Cesta, cosluma andar
calcada, tem semblante sizudo, e quando Ihe pa-
rece diz que forra ou que lem dinheiro para
sua liberdade, mas nunca lhe foi vislo. Esta es-
crava nasceu no serlo do Pombal, d'onde veio
com idade de 14 para 15 annos, foi comprada por
Joaquim Jos da Costa, morador nesta cidade,
que a possuia ha 14 annos, e duante este tempo o
mesmo Sr. Costa lem morado nos lugares seguin-
tes : Tegicupapo, Praia de Carne de S'acca, Pona
de Pedra e ilba de Itamarar ; oulros lugares ha
que ella tem parentcs e conhecidos, e at poder
diier que ainda pertence ao dito Sr. Costa, para
assim se nao tornar susprita. Roga-se portan-
toas autoridades policiaes, capitaes de campo e
mais pessoas do povo que da dita escrava trouie-
rem Dolicia, de apprebenderem ea levarem a seu
senhor no lugar cima designado, e em ausencia
deste por estar prximo a relirar-se para o Re-
cife, a podero fazer a seu cunhado oSr. Thomaz
Antonio Guimaraes, Antcro Mililao Guimarae
ou Luiz Jos de Miranda ; no Recife ao Sr. Luiz
Antonio dos Santos Pereira, na ra dosMariyrios
n. 36. Se alguem tiver della noticia, mesmo es-
tando em lugar que a nao possam pegar por te-
rcereo) o patronato, basta que seja vista por tres
pessoas que em juizo provem este fado, que re-
cebero a gralifleacao cima. Desde j protesto
com toilo o rifeor da lei haver percas e damnos, e
punir o crime contra quem quer que lenha tal
procedimenlo : tambem se vende a dila escrava
mesmo ausente, pela quanlia de l:200g, dentro
do prszo de 15 dias, contados da data deste meu
annuncio. Goianna 10 de marco de 1861.
Jos Gomes Ferreica da Silva.
Fugio no dia segunda-feira 4 do corren te, o
moleque de nome Berilio,de eslaura regular,cor-
po grosso, cara larga lisa e reluzeota, sem barba,
com alguns signaos de lalhos junta a bocea do
um couce de (avallo, tem falta de slguns cabel-
los de carregar canecos d'agua, .pes largos o
grandes, e representa ter de 18 a 20 annos ; foi
vestido de camisa de mangas curtas de algodo
branco e caira azul tambem de algodo: quem o
prender leve a casa do lenente-coronel Francisco
de Miranda Leal Seve, morader no ra do Seve,
ou na lina dos Ralos, que ser gratificado.
No dia 30 de Janeiro do correnle anno, fu-
gio do engenho Crucahi da comarca do Pao d'A-
Iho um escravo de nome Virissimo com os sig-
naes seguintes : cor preU, reperesenta ler 35 an-
nos de idade, alio espadaudo, ps grandes, nariz
apapsgaiado, e pequeo, falla um pouco atra-
palhado, lem falta je dfnles un frenar, quan-
nnda curva as pernas, muito possanto e cs-
peilo, e de nac,3o Angola; suppo-se andar
pelo tngetiho- Arepib da freguezia da Escada,
ou era Aretirum em Barreiros ; pede-se as au-
toridades policiaes e capitaes de campo de o
aprehenderem o de o crnduzirem ao engenho
Crucahi ou na cidade do Recife na ra da Cruz
n. 62 tereciro andar, onde serio gennerosamenle
recompensados e protesla-Se contra quem o liver
acollado.
100*000.
Fugio no dia 14 de dezembro do anno prximo
psssado, um negro de nomo Felippe, escravo de
Francisca Rosa Pereira dos Sanios Bezerra, mo-
radora em Ierras do engenho do Curado, cujo
escravo tem os signaes seguintes : cor fula, alto,
secco, pouca barba, ps grossos e mais pr6tos do
que a cara, pernas mal feilas, olhos brancos o
papudos, denles pequeos, cabeca pequea, das
fallas e muilo mansa, e quando olha para qual-
quer pessoa fita os olhos e nao perteneja, nade-
gas grandes e empinadas, levou calja preta de
casemira nova, paletot de alpaca tambem preta,
chapeo da moda de massa de cor, sapato do cou-
ro de lustre, camisa de madapolao nova, e tam-
bem de bata verdeja velha aberta, e tambem de
algodo azul, chapeo de massa cor de chumbo
j velho ; de suppor que em viagem elle nao
ande com a roupa nova e sim com a velha por
ser mais pronria : a pessoa que o trouxer ao re-
ferido engenho ou ra Augusta n. 21, receber
a quanlia cima.
Fugio da cidade do Aracaty, no mez de se-
tembro prximo psssado, om escravo do com-
mandante superior Manoel Jos Penna Pacheco,
que ha pouco o iiavia comprado ao Sr, Bento
Lourenco Collares, de nome Joaquim, de idade
de eineoenta e tantos annos, fulo, alto, magro,
denles grandes, e com falla de alguns na frente,
queixo fino, ps grandes, e com os dedos gran-
des dos ps bem abortos, muito pslavriador, in-
culca-se forro, e lem signaes de ter sido surrado.
Consta que este escravo apparecera no dia 6 do
eorrente, vindo do lado das Cinco Ponas, e sen-
do enterrogado por um pareoeiro seu conhecido,
disse que linha sido tendido por seu senbor para
Goianninha : qualquer pessoa que o pegar o po-
der levar em Pernambuco aos Srs. Basto & Le-
mos, que grafixaro geswrotanente,
MFI HOR FVFMPI AR FNimNTRAnn 1
i mi mi Ano


- I
5
(8)
DIARIO DI PERRAMBUCO. SEXTA fERA 15 DB MiRQO DE 1861.
Litteratura.
r
E eapera o muodo anhelante
Que delta, j iriumphante,
Lhe brilhe perpetua luz I
Desceu a cacada.-. Caminha
Ao JacriQcio... l vae... I
Os degrus por onda vinha
Agora, povos, beijae ;
^Buscae-lho o raslo sagrado,
O sangue ah gottejado
Dos golpesd'acerba mi ;
Viode, homoDs mogos e velhot,
Vinde subir de joelhos
A escada da Redempgio 1
1. DE LEJOS.
[Naco.)
Sociedades de temperan ca na Russia.
(Concluso.)
Tcra-se at visto, dizem elles, pregar as
egrejas que o uso habitual da agurdente 6 um
peccado mortal ; chegam notar os que entram
?as casas de viohos, e condemnar i multa os
membros das sociedades de temperanga, que fal-
tan] ao juramento.
Sempre eremos que urna associago qualquer
tinha a liberdade do impor si aquclle regula-
mento, que por um mutuo conseutimento, apraz
5 seus membros, e que a embriaguez um pec-
cado em tolas as rcligioes, ainda mesmo na or-
thodoxa.
Este nao era o parecer do senhor encarregado
de negocios dos arrematantes do governo de Kow-
no, e a cmara .dos dominios ficou tocada sem
duvida de suas razes, por quanto publicou a 26
de maio de 1860 urna circular mais formal ainda
do que as precedentes, e na qual prohiba sob
pena de prisao toda a associago de temperanra.
Para que nada faltasse i esse concurso de todas
as autoridades em favor do thesouro, seno em
favor da moral, o goveroador militar de Wilna,
o general Nazimow, lomou por sua vez a pa-
lana para dirigir ao bispo de Samogilia, priraei-
ro autor" de todos os desastres linanceiros, urna
carta, que um dos mais curiosos documentos
deste episodio da historia administrativa da Rus-
sia.
A circular do governador Pochwisniew tinha
esse tom claro o preciso, essa imptratoria brevi-
tas, que assenla to benrem urna autoridade. O
general Nazimow funecionario como o gover-
nador Pocjiwisniew, e por conseguinte ordena e
proscreve as associages lao severamente como
ninguem ; mas elle digua-se discutir suas ordens
como homem que conhece as delicadezas da si-
tuaco e que lenta convencer seu adversario.
Elle censura s sociedades de temperanga de
alacarem inlcresses respeitaveis, sem duvida os
dos espioe3 judeus, que tra as casas de vinhos,
e dos arrematantes que especulan com o vici
com a miseria. Elle procura mostrar que se
muito mo ficar inteiramente. bebado, muito
bom car um pouco alegre ; urna lembranga
do proverbio russo, que diz: Nao ha boa festa
sem bebedeira.
Soria de mistor tira longo coramenlario para
analysar lulo que contera essa carta do general
Nazimow,advertencias, appellacoes para a lei,
movimentos oratorios, raciocinios, irona, e at
urna ctaco do evangelho. Que feliz citado I
Nao evidente, diz elle, que o proprio Salva-
dor permilliu o uso das bebidas espirituosas, mu
dando a agua em vinho em Cana na Gallil'a ?
Se tralassemos com um casuista menos hbil,
poderiamos objeclar que o vinho das bodas do Ca-
na nao era agurdente, e a objecgo seria lalvez
do calibre do argumento ; mas preferimos reco-
nhecer a engonhosa irona que ha em buscar no
evangelho armas contra a lemperanca, principal
mente quando se falla com um bispo. E' bater o
inimigo em seu proprio terreno.
Entretanto citavara-nosoutro da um argumen-
to de un slaroste (prefeito) da allicia, quasi to
concludentee de um carcter mais geral, o qual
falta na carta do governo militar da Lilhuaoi
A associages de temperanra, exclamava el-
le, sao a perturbado levada todas as relages
sociaes, sao urna sement de desuniao ; porquao
to necessariamente dividera a socieda de em
dous campos : os que bebem e os que nao be-
bem.
(1) Alindo famosa conversao do israelita
Afonso Ralisbonne, porque poucos dias antes Recommendamo3 este profundo pensamento ao
della, passando cora Jr. de Bussires junto Es- i general Nazimow para sua prxima circular.
A escada saucta.
E' esta, esta do Pretorio a escada ? 1
Tambem, Roma, relicario immeoso,
Esta reliquia tena ? Como que ao lado
T)j tradicBo, da historia e da doulrina.
Da que s depositara e guarda o mestra,
Te quiz Deus por as provas reunidas I
Nada te falta, pois, e ludo pouco
Para a impiedadeincrdula 1... Quem sabe?
Venha, venha ella aqui ; lalvez vencido
Mais d'algum novo Saulo, em breve suba.
Os sagrados degrus, de penitente,
Qual subiuesse Uebreu, que escarnecer.
Do que logo depois, prostrado acata (1)
E' esta 111... Mocos e velhos;
Cada dia, enfermos, saos,
Sobem-n'a aqui de joelhof>
Mil peregrinos chrislaos ;
E, deste allrito aturado,
O lyrio marmor cavado (2)
Tivcra quebrado j
Se com grossa lignea capa
No Uzessc a mo d'um Papa (3)
Que erguida existia ainda la 1
Existe, vi-a, subi-a
Tambem c'os joelhos meus,
E nem sei o que senta ;
rar'ceu-me a escada dos cus!
Cada degru me tallava,
De quando Chrislo a Irilhava
Ou subir ou descor;
Ora da turba aecusado,
Ora scoites condemnado,
Ora seu sangue verter 1
Junto escada veneranda,
Cuidei ve-LO eu mesmo enlo,
Quando levado veranda
Foi no dia da paixo ;
Ei-lo sbe.lcDto, lento.
Como se a cada momento
Se pegasse pedra o p.
Como se ura peso invisivel,
Mas peso immenso, terrivel,
Lhe fosse aos hombros... I Que ?
Que Senhor, nesla hora
To vagaroso subir ?
Que peso que vos demora,
Indo a humaoidade remir 1
O sacriQcio precario ?
Vedes j perlo o Calvario?
O calix j recusaes ?...
Oh 1 perdoae, se blasphemo,
Mas 6, Senhor, porque tremo
Se inremidos nosdeixacs I
Nao, nao ; o peso j vejo,
Que Vos faz ir de vagar,
E, j conlriclo, o desejo
Siuto em mim de o minorar;
Sobre os hombros rctalhados
Levaes do mundo os peccados,
Os crimes de todos nos!...
Como aura Deus nao pesariam,
Que peso que nao teriam,
Levados, Senhor, por Vos I ?
Mas ide turba mostrar-Vos,
Cumpra-se a ordera do Pretor ;
Onde elles vao ullrajar-Vos
Poremos trophus d'amor ;
Ah no alto dessa escada,
Ah veris alieslada
Vossa palavra immortal,
Vossa lei, vossa memoria,
Com mil despojos de gloria
Do martyrio (riumphal (4J
Porra, volvei, que ligeiro
Corre o lempo, e a hora vm
De ir c'o pesado madeiro
seoslas subindo alera.
Volvei, Cordeiro paciente,
Volvei, victima innocente,
Que por Vos espera a cruz.
cada Snela, e vendo que este tirava o chapue
a saudava, escarneceu muito disto, que elle cha-
mara superstico. Nao escarneces tanto, lhe
disse Mr. de Bussires, que brevemente haveis de
subir de joelhos. E assim aconteceu, por efleito
daquella maravilhosa conversao, que to fallada
foi ha poucos annos, o to conhecido lornou o
lime de Affonso Ratisbonne.
(2) Os vinie e oito degrus de que se corape
a Escada do Pretorio sao de marmore da Tyro, do
urna grande alvura.
(3) O Papa Cirneme XII a fez cobrr com for-
tes pranchas de madeira, j huje muito gastas,
por baiio das quaes sedescobrem no marmore os
profundos signaos cavados pelos joelhos dos pe-
regrinos.
(4) Ao cimo da Escada Snela ha urna capella,
onde est reunid grande quantidade de reliquias
grados, sendo por isso esta capella denominada
em Roma Snela Sanctorum.
FOLHETIM
dar as ruaa da Kowno, deacobrtu de repente aa
toja de um lirreiro una livro sobre a temporneo.
Nao ha nada mais severamente proscripto na Li-
thuaoia do que atunero de eseriptos corrupto-
res. Torna-lo e lera-lo em triumpho i casa do
commissario de polica, (i negocio de um m-
menlo. Grande egiteco nos tribunaes. O com-
missario apressa-se a mandar o corpo de delicio
ao goveroador, e este ao governador militar: o
livreiro citjdo, interrogado; faz-se uma nquiri-
go, e depois do langas indagagoes descobre-sn
nal que o livro foi apresentado commissao
de censura, e que sua venda eslava autorisada
em todas as lirrarias I
Hoje a luta dura ainda, as ordens sao severas,
porm oscamponezes nao sao monos eis sua
resoluco. Nao mais a Lithuania s, que ve
organisar-se sociedades de temperanga, sao tam-
bem as provincias do Bltico, sao mesmo gover-
nos russos. taes como Riasan, Saratow, Toula,
Wledimir; entretanto nenhuma entente possi-
vel entre essas provincias e os governos occiden-
laes, os quaes sao deltas separados menos pelas
distancias do que pela naciooalidade.
A' vista de um movimento tio espontaneo e
que teode tornar-so to geral, persistir a ad-
ministrago russa accarretar sobre si o ridiculo
e o odioso de uma perseguigo estril ? Nao se-
ria melhor resignar-so perder alguos (nilhues
de rublos, para ganha-los centuplicadamente por
meio do trabalho de uma populagio tornada mais
moral n mais intelligenle, e pelo desenvolvimen-
to de recursos de que ninguem teria de corar?
Dizem que o imperador Alexandre pareceu en-
tristecido ao saber em 185S o immenso accresci-
rao da renda do imposto sobre as beb Jas. Essa
tristeza honra o carcter do imperador; mas
lempo que sua mo poderosa venha sustor o zelo
interessado dos funecionarios ; tempo quo a
Russia cesse de dar Europa o espectculo de
uma potencia civilisada, liberal mesmo, so que
se devem crercertas theorias applicaveis i po.i-
tica estraogeira, e queviola abertamoete a mais
ioviolavel das liberdades, e o mais sagrado dos
direilos : a liberdade do bem, e direito ao pro-
gresso moral.
BARMER.
[Le Monde.S Filho.)
grandes homens, conhecedores do mondo e daa
cousu. A caria romana, deiiem pastar a me-
thaphora, era como que o mar onde te langaram
todo* os ros da inteligencia humana. A egreja
calholica poda entio mostrar com legitimo or-
gulho artistas, sabios, Iliteratos, jurisconsultos,
theologos, diplmalas, estadistas. Italiana, libe-
ral e anli-imperial, defendi resolutamente a io-
\ dependencia nacional at o pontificado' de Leo
X. Eoto eram bem governadas as provincias ec-
clesiaslicas, lalvez as melhor governadas da Eu-
ropa ; as prerogativas raunielpaes eram respeita-
das, os imposlos diminutos, o numerario abun-
dante, o povo vivia satisfeito, e os homens de
mrito aftluiam de todos os paizes para Roma, sa-
bendo que l achariam honras e riquezas. A
egreja ara, pois, uma potencia, cuja autoridade
nao contestada estendia-se por toda a Europa ;
uma potencia moral, porque baseava-se na tra-
dicao de quioze seculos e no prestigio da iotelli-
gencia ; uma potencia poltica, porquo possuia
um estado consideraveljpara aquella poca, cen-
tro dos negocios da Italia, sofTrivelmente forte
pelas armas, e incomparavelmente mais forte pe-
la riqueza e veueragao dos povos.
Mas a base principal dessa potencia era a opi-
nio, e a condigao indbpensavel de sua existen-
cia era nao esquecer nenhum meio para manter
essa opinio favoravel. A egreja devia sua in-
fluencia e sua importancia um certo espirito,
cerlos precellos do proceder que se alteraran)
com o lempo e cora o bom xito que fra a coo-
sequencia disso. No comego do terceiro seculo
era ella to pobre, que as ceremonias do culto,
serviam clices de madeira. No comego do XVI
seculo, toroou-se excessivamente rica, o os Papas
j exerciam em Roma e as circumvirinhangas
um poder sem rival; eram pois do povo, e, mor-
mente por esse ttulo, orgios da f. No Qm do
VIH seculo, tinha seu poder crescido prodigiosa-
mente ; haviam adquerido um dominio temporal
coosideravel, ainda que nao immediato, porm a
verdadeira torga delles eslava no amor daspopu-
lages, porque sempre governavam de conformi-
dade com o inleresse dellas. Sua causa era a
causa da liberdade dos povos, da independencia
da Italia, e a opinio publica, to hostil hoje,
suslentava-os oussdamente. A corrupgo da cu-
ria romana, j sensivel no comego do XI seculo,
fez rpidos progtessos, e, corotudo, no comego
lo XVI seculo, quinze annos antes da reforma, o
papado ainda era uma das primeiras potencias da
Europa: tinha crdito, riqueza, opinio, intelli-
gencia e um verdadeiro exercito de homens do
recoohecido engenho em tudo. Mas eoto, em
virtude de causas que impossivel enumerar
n'um artigo de jornal, a opinio volla-se contra
ella, e comega a decadencia visivel do papado
com a publicago do concilio de Trenlo.
Al ao concilio de Trente, o elemento vital da
egreja fra o progresso ; ella experimentara di-
versas vicissitudes ; soffrra derrotas tempora-
rias; corrompra-se por algumas vezes ; porm,
como a sua opinio eslava s mais das vezes em
harmona cora o espirito, os pensamentos e as
necessidades dos povos, alrontou todas as tem-
pestades e achou-se sempre ao nivel da socieda-
de quo instruir, defender e consolara.
O concilio de Trenlo devia resolver este dilem-
ma: ou salvar a unidade da egreja de Jesus-
Christo, sacrificando os interesses da curia roma-
na ; ou entt> salvar os interesses da curia roma-
na sacrificando a unidade da egreja de Jess-
Chrislo. Para robustecer a autoridade do Papa
A brochura que acaba de apparecer sob o ti-
tulo : Roma e os bispos de Franca, nao produzi-
r a mesraa impresso que fez ha um anno o
Papa e o Congresso. Ella corresponde preoc-
cupages menos geraes, tem mais simplicidade
oa linguagom, menos rhetorca no estylo e nao
affecta o tora dos maoifestos. A primeira diriga-
se Europa, a segunda falla simplesmente
Franga. A primeira nao era outra cousa seno
uma amalgama de declaragoes mais ou menos
concordes e de projectos mais ou menos realisa-
veis; a segunda toca n'um dos principios essen-
ciaes do direito poltico e social. A primeira nao
tioha era vistas mais do que a independencia da
Romanha ; a segn ja reivindica o direito inalie-
navel do poder civil e a sua imprescriplirel su-
perioridado sobre o poder eccleslastco. E" mais
modesta quanto forma, porm mais importan-
te em substancia. Escripia com mais firmeza,
alrevimento e lgica, teria ella produzido um
grande efleito, pois agita urna queslo delicada e
espinhosa, antiga queslo que ha por rautas ve-
zes porturbado o mundo, e que o tempo presente
chamado rosolver desta ou d'aquella manei-
ra. A sublevago das Romanhas tinha um fim
exactamente determinado. A separago de uma
provincia dos Estados Romanos e sua annexago \ conlestada pelos protestantes, f-la declarar in-
ao Piemonte erata uma mudanga territorial que | fa"'vel inmutare!, o que lhe tirava todo o
nao implicava necessariamente a decadencia do j raeio de defensa ulterior. Essa autoridade nao
Papa. Oppondo s razoes polticas tiradas das' Pode subsistir d'ali em diante seno com a con-
condicoes particulares das Rooaaahas o ilogoi da | diC*o expressa de ser recebida com os olhos fe-
soberania temporal, os defensores de Roma 4"-j\ chados e sem contestago.
garam ou antes deslocarara o terreno da dseial-
so; podem ver agora se foram muito habeisJe
Coa ello a caria romano em continuas risos com
os estados catholicos ; encerrou o egreja n'um
circulo de immoblidade, a'onda ella nao sabia
mais; prohibu-lht todo o progoocto, todo o dcs-
eavolvimento, toda a trnsatelo com o futaro, e
assim lhe preparou a decadencia. Foi entio que
ella arrastada pelo movimento universal que nao
pode acompanhar. perdeu suaa prerogavas uma
aps outra ; a riqueza, o crdito, o prestigio. Foi
assim que o papado, to fcilmente vencido pela
revolugao frasete, s tem hoje uma exirteneia
precaria, e sobretudo ao bel-prazer da diplo-
macia.
O papado temporal poderia sahirdo estado em
que o deixou Gregorio XVI e regenerar-se, se a
egreja om 1848 tiresse sua freote um Julio II,
ou om Sixto V, ou um Benedicto XIV. O pri-
meiro com as suas excommunhSea e seas solda-
dos tena feilo uma guerra encamisada Austria
e lalvez mudasse a face da Europa ; o segundo,
menos bollicoso. porm mais astuto, teria firme
e audaciosameote chegado ao mesmo fim ; o ter-
ceiro, menos emprehendedor, porm mais ins-
truido, mais prudeule, melhor conhecedor dos
tempos e dos homens, teria triumphado por meio
de sua sabedoria, moderaco e firmeza. Por um
instanle, pareceu Pi IX ser o homem dessa re-
generago gloriosa. A Europa liberal applau-
diu-lheos primeiros esforgos, e a tribuna franca-
za bradou-lhe : Animo, Santo Padre I Pal-
'ou-lhe o animo ; deixou elle passar o governo
temporal e espiritual para as maos dos absolutis-
tas e dos jesutas, que fizeram do papado tem-
poral uma fonte dedesordens, de agitages, de
intervengoes e de perturbages do direito publi-
co. Foi assim que o poder temporal chegou
achar-se em plena contradirgo com os progres-
sos da sociedade. D'ahi, o seu isolamento, a per-
da da influencia e o espectculo estranho de go.
vernos catholicos, lutando em nome da religio
e do direito contra Roma catholica.
Os cegos conselheiros do papado, pondo Roma
em contradigo com os interesses intellectuaes,
polticos e moraos das sociedades modernas, su-
blevaran) contra ella as forgas que devra al-
liar-se para a felicidade commum. Langaram
elles pela bocea de Roma o anathema contra a
phlosophia, e a philosophia armou-se contra
.Roma ; langaram o anathema contra a liberdade,
e a liberdade Ihes declarou uma guerra de morte.
A religio e a poltica coofundiram-se, e dessa
impura amalyama sahiu um cahos to diflicil de
exprimir como de cooceber. A cruz serviu de
espada, a espada serviu de cruz. A religio foi
[aneada as ras, as pragas publicas, nos cam-
pos de batalha ; a poltica entrou no templo e
sentou-se no altar. Essa confuso de todas as
ideas e d6 lodos os principios produziu a desor-
dem om que se agita hoje toda a sociedade calho-
lica.
O papado temporal v6-se agora em presenga
deste dilemma: ou ha de teimar em trilhar a ve-
reda que Iheindicaram seus funestos conselhei-
ros, e euto de impossivel toda a conciliario ;
ou modificar-se-ha por um retorno sincero s
verdadeiras doutrinas do chrislianisrao, e ento
nada impedi-lo-ha de sanecionar definitivamente
teparago da egreja e do estado. Essa alter-
nativa, que resume exactamente a siluago actual
do papado temporal, lera-nos de novo brochu-
ra : Roma e os biipos de Franca.
A. Peybat.
\[La Preste.H. uperron.)
IM4 FAMILIA TR4GIC\
POR
Finalmente, o general uo moslia menos acli-
vidade como funecionario, do que habilidado co
mo escriptor. Sua carta datada de 2 de junho foi
seguida de um officio com data da 22, que orde-
nava todos os fuoccionarios da polica nos go-
vernos de Wlna, Kowno e Grodno que impedis-
sem qualquer tentativa do otciu para esienaerou
manter as sociedades de temperanga, e no caso de
que prendessem qualquer delinquenle, (izessem
iramediatameote um relatorio, e o mandassem
por estafeta. Uraa commissao composta de dous
coronis o de um ofQcal de gendarmera percor-
reu a provincia para assegurar-se da execugo das
ordens do governador.
Medidas to enrgicas nao podiam dexar de at-
ungir f. va rpfi'"fnln hrilhanto Assim, su.cce-
deu que um dia um inspeclorde polica, que ron-
como que espera de perfumar o semblante da
condessa, as gavetas fechadas, os espedios lim-
pos e lustrosos, o cordo de seda da campanhia
enlre a parede e o leto no seu perfeilo estado,
n'uraa palavranao sei que ar de repouso. inti-
midado, e luxo um pouco antigo verdade
mas gracioso ainda, se respirava nessa cmara, e ,
dava a. esso quadro, sinistro na vespera, o aspee- i um s minuto junio de sua esposa, todava d-
lo benevolente e placido da cmara de uma ter-1 vera ter percebido o movimento que se fazi na
CHARLES HUGO.
muito inspirados. Langaram elles os espiritos
n'um estado violento, ameagador para todos, e
que nao pode durar. Segundo todas as probabili-
dades, est o papado prximo de uma d'aquellas
translormages que tem soffrido no correr dos se-
culos sem prejuizo de suas prerogativas legitimas;
e osexcessssdo episcopado contra a eraancipago
da Italia nao tem contribuido pouco para apressar
o desenlace: Venit summa dies et ineluctabile
tempus.
A queslo romana, ainda entregue si mes-
raa, ser inovitavelmenle resolvida pela propra
forga das cousas. Essa forra resulta de duas ira-
possbilidades :impossibilidade de reforma para
o papado, se teimar em deixar o governo as
raaos d'aquelles que o comprometieran! lo gra-
vemente ; impossibilidade de soffrerem os po-
vos esse governo tal qual Foi por muito tem-
po a egreja calholica, na mais ampia accopgo da
f'1"***. nin ,A '"na grande potencia moral e re-
ligiosa,-mas uma potencia poltica do primeira
ordem. Sua forga, porm, vinha-lhe enlo do po-
ro, e foi defendendo a cansa da independencia e
das liberdades populares contra a prepotencia da
espada imperial, que ella chegou quelle apogu
em que a deixou Gregorio IX, e onde conserva-
ram-a seus successores al Bonifacio VIH. De
Eugenio IV Leo X leve a santa s uma serie
de pontfices que nao brilharam todos pela
santaca*e7 mas que foram incontaslavelnVenle
lyrio, sorrindo-se frescos e encantadores
Alina, e espargindo o suave perfume d
cenca nessa cmara do crime.
Quem teria operado semelhante transforaago
em lo poucas horas ? Christiano o sabia sem
duvida, porque, comquantp nao tivesse sido elle,
que durante tola a noite nao deixra de velar
PRIMEIRA PARTE.
O Filho.
XI
[Continwto.)
A cmara j nao pareca mais a mesma : todo
o vestigio do desordena havia desapparecido ;
os movis achavam-se no seu lugar competente,
e as cadeiras collocadas ao longo da parede com
essa symetria que destiogue o interior de ama
casa placida e tranquilla.
Cuidadosamente disposto sobre a mesa do cen-
tro o rico apparelho de porcelana, cujos destro-
zos tinham sido retirados, pareca convidar a
castellaa para amo refeigo simples, mas cor-
deal. As msicas dispersas pelo tapete do as-
soalho tinham sido levantadas e postas na estan-
te em frente do cravo, assim como no oratorio o
livro de oragoes. O loucador preparado com or-
dem, o meio occullo por debaixo de suas corti-
nas de rendas, pareca provocar 4 condessa o de-
sejo de altariar-se, o ornar-so com os seus en-
eites.
A' coberta do leto amarrolada e ensanguenta-
da hara substituido uma rica colxa de setim
cor de rosa. As toalhas de lioho finas e airas
disposlas com todo o aceio aos lados do louca-
dor, a caixinha de pos odorferos entre-aberta
{) Yide Mirto n. 60,
na av que nella esperasse receber sua neta ro-
deada do felicidades e belleza.
Tudo a'i alegrava vista ; at do proprio nioho
do cao pareca sahir o grunhido festejador do
animalzinho mimoso e favorito: tudo pareca
revestido, mesmo o leque collocado sobre a cha-
min do velludo, desse ar alegre e agradavel da
borboleta despertando ao romper do da.
O lustre, cujas velas ennegrecidas tinham
egualmente desapparecido, brilhava com o re-
verbero dos sous pingentes de crystal. Em
summa j nao se viam os negros tragos aecusa-
dores da horrenda calaslrophe: j nao era a
mesma cmara que despertava lgubres recorda-
rles, naoera ao contrario om camarim ele-
gante, onde todo se achara preparado com esme-
ro e cuidado.
Em lugar da sombra noiteera o dia] na sua
hora mais risooha e encantadora I Ali eslava es-
sa janella, despida do sea aspecto medonho, com
as suas portas abertas par par, convidando
gosar-se livremenie da vista do parque, da ver-
dura das arvores, do azul do cea, o do canto
suave dos pasearos: ali eslava ellapermittindo
o Dgresso nesse recinto condemnado, depois de
3uinze annos de escurjdo. ao ciarlo bemfazejo
os primeiros raios do sol I
O aposento da marqueza de Ganges se trans-
formara n'um aposento de risos e de gragas : e
como para coroar o quadro, esse lugar de des-
ordena e tumulto, tornado de ha moilo tempo
um sanctuario, era agora um jardim de flores.
A tragedia fra substituida pelo idyllio.
Por toda a partesobre os consolos, sobre a
mesa, sobre o loucador, e at sobre o parapeilo
da janella, o olhar curioso descobriacomo no
paraizo embalsamado de uma jorem namoradera
o mimo de om ramalbete vigoso e fragrant, e
em lugar das folhas seccas e murenas se osten-
taran! nos dous jarros magnficos ramalhet.es de
Desde ento, por onde quer que o espirit hu-
mano emprehendesse suas pesquisas, s encon-
trn objectos sagrados e inviolaveis. Um im-
menso apparato de censuras e prohibigoes foi
posto era acgo para abafar a verdade. Os con-
cilios universaes, que al enlo haviam gnver-
nado a egreja, icaram privados para o futuro de
todo o poder legislativo, e declarou-so que elles
nada podiam fazer sem a inlervengo e formal
approvago do Papa. Assim destruiu-se de tolo
a antiga disciplina da egreja, efoi o maior mal
que o concilio de Trenlo fez egreja catholica,
qual succedeu o mesmo que succede lodos os
corpos sociaes governados por uma constituigo
onde cada membro tem sua parte, e que submet-
tem ao despotismo sob pretexto de remediar al-
guna abusos. Ao principio a machina do estado
parece dar-se bem com isso: ha mais unidade,
ha mais vigor ; parece que ella toroou-se mais
forte. Quando, porm, os cidados perroi*
que tm perdido toda ai"r*oncia, que nao
tra a minima r-- "- na repblica, nao se inte-
rs mais por nada, tornam-se impassivois,
inertes, e s obedecem forga.
Alando mais aperladamente ao Papa o corpo
ocelesiastico, tornando-os mais solidarios um ao
outro, dando hierarchia maiscoliso e uma ac-
Co mais uniforme, o concilio de Trento pareceu
ministrar ao papado uma nova vida, um impulso
mais vigoroso ; porm viu-se o efleito daquelles
tnicos quo imprimem ao corpo um rigor facticio
que succedo logo um abatimenlo maior. Lan-
camara verde.
Seria o velho Pedro, ou Brgida ? Mas no no-
vo aspecto da cmara da marqueza havia o quer
que seja que denolava um cuidado exquisito e
delicado, que nao se encontra no servigo feito
por domsticos, empenhados quasi sempre em
dar pressa na execugo de ama ordem. Essa
espelunca do crime, onde Alina fra inlroduzida
to de improviso, se despira com tanta rapidez
de sua desordem aecusadora, o mgico nocturno
que ali se introdazira para apagar o vestigio vivo
do passado, as provas do assassinalo, se houve
com tanta prudencia e habilidade, to pouco foi
o tempo que nesse trabalho se empregou, que
nao era para suppr-se ser ella devido obe-
diencia pasaiva de um zelo assalariado.
Tal celeridade, tal mysterio despertavara um
ontro pensamento mais profundo e mais terno,
cuja confirmago Alina procurou descobrir no
semblante de seu marido, quem naturalmente
deria ella attribuir tudo aquillo; e por ioso
passando-Ihe mansamente o brago ao redor da
cintura, disse-lhe em roz baixa :
Obrigada, Christiano I adevinhastes o mea
pensamento.
O mancebo Qogiu aceitar para si o a6radeci-
mento da condessa.
Esta considerou de noro o aposento, coja vi-
so aterradora, seguida da confisso de seu ma-
rido, lhe houvera gelado o sangue as reas, e
a fizera cahir desmaiada nos bragos daqaelle.
A impresso espantosa dessa cmara pareca
ter voado pela janella com o p do passado: a
espelunca devastada tornra-se um nioho : a
desolagio cantara sorriodo : o turnlo da mar-
queta exhalara perfumes I
Alina contemplara as flores, e com ellas sor-
ra-se tambem.
A personagem Inrisivel e roysleriosa, caja
pnanlasia ali troosparocis, toa lido em mate
reconciliar os olhos da moga com o lgubre as-
pecto do castello ? Essa metamorphose da c-
mara verde nao seria por ventura o preludio de
uraa vonlade poderosa que se apodera de uma
alma anda joven como o msico do seu instru-
mento ? Quem quer que elle fosse, e qualquer
que fosse o seu fim, o homem que havia feito flo-
rescer com a ligeireza de sylpho esse theatro do
crime. provava desta forma a scieocie profunda,
que tinha do corceo da mulher nessa edade em
que tudo ainda se sorri para ella : sabia que sua-
vidade de ideas, que meiga sympatfaia nasce da
vista de uma rosa por olhos azaes que se des-
pertara : emfim nao ignora va as secretas rela-
ges da nalureza com todas as suas canduras.
Esses ramalheles apparecendo sbita e alegre-
mente no meio dos terrores de uma frgil crea-
tura de deseaete annos, nao eram nada, e ao
mesmo lempo eram muita cousa. Bem se via
que ali andar a mo de om hbil conhecedor
do coracao humano. Querendo n'uma intengao,
queso elle coohecia, extirpar do espirito de Ali-
na a impresso m causada pelo aspecto daquel-
le inferno, o ente mysterioso, que seencarregra
desse trabalho, comecra por conseguir do anjo
desconfiado o seu primeiro sorrir para os perfu-
mes desta cmara.
Quem era, pois, esse homem que sabia assim
substituir o doce despertar ao pensamento hor-
roroso, e sem se importar com a exploso de ama
verdade formidavel n'uma imaginago delicada,
aceitando desta sorte a luta com o pavor, tira-
va ao raio o sea bruno, offerecendo iyrios por
elle?
Muito bem I disse a condessa : esta a c-
mara que me serve ; e ama vez que previnistes
o meu desejo. pois que, gragas ao vosso cufdado,
vejo-a prompta para receber-me, creio que es-
cusado perguntar-vos se della queris commigo
pariilhar: que dizeis ?
Christiano deixou escapar um movimento de
terror.
Nunca I exclamou elle.
Mas eoto, moa amigo, Dio ros compre-
hendo. Porque a fizestes preparar assim, por-
que a embalsamastes com dores ? Nao foi para
mim ?
Sim, respondeu o conde, foi para ros : po-
rm aquelle que deu o recinto deslas quatro p-
Variedades.
O reverendo padre Manrique de Regoon, da
companhia de Jess, teve a bondade de commu-
nicar-nos as seguintes noticias sobre os negocios
da China :
Aquolles, queso iolerossam pelos successos
e sentem as provangas das missdes do extremo
oriento, Qcar-nos-ho talvez agradecidos por
commumear-lhes noticias relativas ao estado de
una christandade da China no meio das revolu-
gdes, que agitara este infeliz imperio.
a Extrahimos as particularidades, que vo se-
guir-se, de cartas escripias de Shaog-Uai por
muitos padres da companhia de Jess.
A misao do King-Nan tem passado desde
1851 bem mos dias. Ella tem sido successiva-
mente assolada por inoundagoes, pela fome e
pela epidemia; ogora pode dizer que todos os
males esperimenlaram-a: ella vio passar os bar-
baros.
< No principio do anno Tsan-Koue-Lean, ge-
neral das tropas imperiaes, suslioha havia mui-
tos mezes os rebeldes de Nankim, e defenda o
Kiaog-Sou, ao oeste do Kiang-Nan. Por Um
foi elle vencido pelos Zan-Mos (cabellos corapri-
dos). Qualquer obstculo d'ora em diante im-
potente para suster as hordas, que se precipitara
sobre a provincia como uma presa ardentemente
cobicada. Estes revoltados descem o canal im-
perial e apoderam-se dos dous po** iioponan-
les Tsan-T'J"' o vou-Si, repetindo em to-
aos as gnss proclamacoes, que elles caminham
de victoria em victoria.
< Para elles de certo o triumpho fcil. Os
imperiaes, fiis suas tradigdesde prudencia he-
redictaria, fogem e debandam-se desde que se
trata de combater; abrem mesmo o caminho aos
icimigos, devastando o paiz, que tarna-se des-
l'arte o theatro da piihagem e do incendio antes
que os insurgidos o tenham invadido.
Em vo leotam as populagoes organisurem-
se pan resistir. O que podem elles fazer contra
dous exercitos, um dos quaes devasta pretexto
de prestar soccorro, emquan'.o o outro destrue
de provengao?
c No mez de maio om bando de rebeldes sob o
commando de Tien-T (virtude do c), chegou
i Sou-Tcheoo. Esta cidade tonada depois de
um combate insignificante, lornou se o centro
das operages militares dneset insurgidos se
quo se pJo chamar operages militares devtta-
goes letvageot, qoe lembram a marcha de At li-
la, e matsacres sem outro fim que nao seja aecu-
molar ruioat na provincia 1
t Esperara-so que depois das primeiras desor-
dena da conquista osebefes Zan-Mos estabelece-
riara uraa especie de organisageo ; mas os mi-
nistros protestantes, que & principio esgotavam-
se em elogios esses novos chriitos, foram em
brove forgados a eenvir que esses homens erara
monstros. Se elles recebiara de boa vonlade as
biblias, que lhes daam. nao deixavara tambem
de manifestar sua predilccgo pela plvora e pe-
las armas. Nos casos do necesaidade elles bem
sabiara compra-las aos Inglezes e Americanos.
c Aquel les que em seu enthusiasmo de propa-
ganda evanglica censuravam amargamente aos
nosssos misionarios nada terem feito na China
depois que ahi estavam, viram-se obrigados pela
evidencia dos fados a confessar qoe so tinham
engaado, lisongeaodo-se de domesticaren: esses
vndalos ferozes.
c Entretanto os habitantes das cidades, das al-
deas e dos campos, dispersos e arruinados, af-
fluiam era multido para o litloral para porem-
se ao abrigo dessas sanguinolentas depredaces
sob a protecgo dos canhes europeas.
Shang-Hai via chegar todos os diaa desgrana-
dos fugitivos, dos quaes a maior parte tinha con-
seguido salvar apenas de sua antiga abastanga
algumas trouxas. Sem casas, sem recursos al-
guna, sem um punhado de arroz, elles estabele-
ciam-se tristemente pelas mas, e o abatimenlo
de seus roslos asss mostrara o deaanimo de
seus coraces. Os mais desgragados, sem con-
tradieco alguma, eram os pagaos, privados em
sua angustia nao s das consolacoet da f, mas
ainda dos soccorros que os nos'sos chrislaos en-
contraran!, accolhidos por teus irmos com uma
caridade infatigavel.
Pelo meiado do estio elevava-se 20,000 o
numero desses proscriptos, que expellidos pelo
furaco revolucionario, tinham vindo ni mais
horrivel nudez refugiar-se sobre as bordas do
Wam-Pou.
No mez de junho os rebeldes haviam apo-
deraoo-so de Kouen-Tchan e de Kia-Ting. esta-
vam senhores do canal de Vou-Song, e achavam-
se apenas algumas leguas de Schang-Hai, da
qual approximaram-se cada vez mais. A' 5 de
julho pertenciam-lhes Tsin-Pou e Song-Riang.
Era pois necessario cuidar em defender os con-
cesses europeas ; 300 soldados francezei e 1200
inglezes erara as nicas torgas, que permaneciera
na visinhanga do nossos estabelecimentos, de-
vendo a expedigo anglo-franceza concentrar to-
dos os seus meios de aeco em Poi-IIo e Tien-
Tsin. *
Neste inlerim, quatro de nossas principaes
capellas do dislricto de Song-Kiaog e a linda
egreja do Li-Pan tornam-se presas das chamas.
O padre Nicolao Massa escapa de uma maneira
inesperada aos mos tratos de um bando de sal-
teadores soldados. Estes miseraveis depois de
haverem-o espancado brutalmente e baverem-o
atormentado pranchadas de sabr, reservam-o
para carregar aa bagagens, que trazem comsigo.
A' forga de sangue-fri elle consegue acalmar es-
ses furiosos e escapar-lhes. Oulros bandos o
sorprehendem noile era seu escondrijo, por
um favor especial de Deus elle consegue ainda
desapparecer.
A' 17 de agoslo teem os nossos padres no-
ticias assusladoras, chegadas noite ao collegio
de Zi-Ka-Wei, de que tempo de evacuar uma
posigo do ento em dianle mui realmente amea-
gada. Os massacres do Tsi-pao dissipam qual-
quer illuso sobre um perigo, que augmenta de
hora em hora. Os missionarios partera com seus
discpulos para Shang-Hai ; mas as quatro le-
guas de trajelo a percorrer e um numero insuf-
iciente de barcas nao permitle cuidar em levar
os movis. Demais, era de esperar que o pe-
queo posto francez installado no collegio li-
rasse aos saqueadores o desejo de approxlma-
rem-se muito delle.
Infelizmente porem, noile, ordens, ins-
piradas pela difOculdade das circumstancias, fo-
ram expedidas ao destacamento ameagado por
forgas assustadoras ; elle teve de roltar sobre
Shang-Hai. O seminario dos orphos de Tsa-
Ka-Wei, situado ao oeste do collegio mandara
para os arrabaldes da cidade metade de seus me-
ninos ; elles chegavam em grupos, confirmando
todas as apprehensdes.
Pouco depois um correo traz particularida-
des mais tristes ainda.O padre Luiz Massa fra
massacrado tentando salvar os orphos, que fica-
vam ainda sob sua protecgo, e que nao podiam
ser expostos mais a alravessar um paiz coberto
de bandos armados.
Mais tarde soube-se por lestemunbas deslas
scenas de desolago como os Zan-Mos, sem que-
rerem ouvirao padre, quo lhes supplicava que
poupassem ama casa consagrada caridade, e
que respeitassem a pobres orphaos, ordenaram-
Ihe que sera demora entregassem o dinheiro e as
armas. O raissionario nao podendo offereeer co-
biga dos ladres mais do qoe um rolo de pias-
tras, fra arrastado de casa, e recusando abando-
nar os meninos, recebra cinco ou seis feridas,
maltas das quaes tioham-lhe atmvessado o pei-
to ; e depois fra langado moribundo era um ar-
rosal. Mulheres chrislMS e meninos, teodo pro-
curado na capella um refugio contra as ameagas
sanguinarias dos invasores, foram tambem feri-
das com langas e sabres.
c Taes eram as noticias, que receblam em
Shaog-Mai aquelles, que tinham escapado aofe>
ro dos assassioos.
p Wroes deixaram o seminario dos orphos
aepois de ler-lhe langado fogo, e levaram comsi-
go um bravo calhechista, que j tinha visto a
morte de perlo na perseguigo de 1845, porquao
to tinha sido poslo em tortura e ia j ser corta-
do em pedagos, quando o superior da casa pode
arranca-Io aos algozes. Este generoso chrislio,
ferido como eslava, fet um derradeiro esforgo e
aproveitou de um instante de liberdade para cor-
rer Tsa-Ka-Wai.
< J era noile fechada, o o incendio continua-
ba suas devastages. Com a ajuda de alguns me-
ninos, que soccorreram-o o mais que poderam no
raeio dos perigos sempre renascentos, elle con-
seguio poupar ao fugo os restos do eslabeleci-
meoto. Depois disto poz-so procura dos mor*
too, de que estavam juncados os campos vizi-
0(|OS.
[Continuar-se-ha.)
redes o ar festivo, a tranquillidade domeslica,
que vedes, quiz someote facililar-vos o olvido do
segredo que ellas encerrara, e que a sua desola-
go ros despertara sem cessar. Assim esta c-
mara de hoje era diante se ha de apresentar ao
vosso pensamento, nao como a vistes noite
passads, mas como ella era justamente emquan-
to viven toinha me. Vde-a ainda uma vez, e
que seja a ultima ; porque aquella porta se fe-
char sobre nos para nunca mais abrir-se. Yin-
de, Alina, segui-me.
Nao, Christiano, fazei-me a rontade de re-
sidir comvosco nesle aposento.
Mas elle pertence sombra e morte 1
Pois bem I exclamou Alina passando os
bragos ao redor do pescogo do mancebo: nos o
restituiremos luz e vida I E haremos assim
de abandonar esta cmara para nunca recordar-
mo-nos della sem empallidecer ? Nao : ji que
nossos coraces unidos aqui penetraram, fique-
raos, e que este aposento nos seja sagrado 1 que
elle fechado depois da agona do rossa me se
abra aos innocentes prazeres de seus Qlhos! Es-
t amaldigoado ? pois concedamos-lhe a nossa
bengao nupcial I Est condemnado ? pois o san-
tifiquemos I E' fnebre I tornemo-lo alegre 1
Est manchado de sangue ? apaguemos-lhe as
manchas I E'-lhe preciso um lyrio vigoso ? aqui
est o nosso amor I
Residir aqui repeliu Christiano desligan-
do-so dos bragos de sua mulher. Nunca I deixae-
me fugir
Nao fujaes eu vo-lo pego de joelhos.
De ioelhos Alina I ? aqui I neste se-
pulcro^
Nao I mas neste templo sagrado !
De joelhos sobre o pavimento manchado
pelo assassinato, e salpicado de aaogue 1 ?
.Nao I mas junto do martyrio e sob a au-
rola da marlyr I
De joelhos, Alina 1 e perante o espectro I
Eoganae-ros, senhor, perante o anjo I
E accrescentou :
Ouri-me, Christiano, a hora solemne.
Nao foi debalde que a Providencia me conduziu
este logar, 4 mim frgil creatura que s
creio em Deus o em ros. Existe aqui uma som-
bra, ama sombra querida qoe ha longo tempo
espera taires a rinda, de ama alma, como a mi-
nha, quem possa dizer baixinho essas palavras
que os morios murmurara ; porque os morios,
meu Christiano, nao amam a solidao no tmulo :
elles buscan alguma possa quem fallar eu
serei essa pesss. Nao foi debalde que me edu-
caran) no silencio de um claustro: conheco essa
muda linguagem dos que gyram em torno de nos
sem ruido, dos qoe marcham com passos celes-
tes no ar que respiramos: serei, pois, a compa-
oheira da sombra de vossa me. Cora ella resi-
diremos nos ambos n'esla cmara : ella me ver
tocar em todas as cousas que lhe perlenceram, e
de que se serviu I Ainda bem que a nossa seme-
Ihanga extrema como a dissestes 1... quan-
do eu despenar no seo leito parecer-lhe-ha
que ella propria quem despert: quando eu
substituir esses ramalheles por outras flores no-
vas e vigosas, parecer-lhe-ha tambem que foi el-
la propria que colheu as flores no prado: quan-
do eu mirar-me ao eapelho, o seu refiexo passa-
r por detraz do mea, e ea bascarei fazer-lhe a
illuso da vida I Em summa, ella assislir si-
lenciosa nossa existencia de cada dia : a po-
bre me ver aeu filho feliz I... feliz! sim!
porque nao ser s para mim e para vos que o
haveis de ser ser tambem para ella, que ros
deixou ainda menino, e que agora ros possuir
aqui, sob a sua vigilancia, bello, re3plandecente
de alegra, amando ardentemente, e amado com
excesso I Ella ourir toar ai vottas esporas de
ouro, ver de perto a rossa espada, e com islo se
julgar to orgulhosa como eu I quando vos sor-
rirdes para mim gozar de parte de rosso sor-
riso : abragar-me-heis quasi sob sua froote, fal-
lar-me-heis quasi ao sea ouvido 1 Christiano I.
Christiano 1... j que perdestes rossa me, res-
litui-lhe seu filho Fazei ao seu tmulo o sacri-
ficio de alguns dos rosaos dias concedei-lhe um
olhar roseo aos seus olhos amortecidos! nao lhe
recosis a rossa felicidade I Qoe ella, vendo-nos
!:ozar o nosso amor n'esla cmara, que lhe foi to
tal, desea da morada dos justos a que sabia, e
venha taaObem aqui ftzcr o seu paraizo!
(Coniinuar-se-Aa.)
FIW,- TTP, DE M. f. Di FARJA. -1861.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRArTI
J MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB8YOH0WL_FVW04H INGEST_TIME 2013-04-12T22:49:58Z PACKAGE AA00011611_06151
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES