Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06142


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ilIO IIIT1I IDIE&O S3
Pr tres mezes taiaiUdos Si
Por tres aezes vencidos 6J000
n
TEECA tmi 6 DE MABCOM IS6I
Ptranoo adiaitadt 19|000
Porte franco par sibscriiUr.
nn
ENCARRBGADOS DA SCBSCKIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Aleandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Araca-
ty, o Sr. A, de Lemos Braga; Cear o Sr. J. Jos
de Olveira; Maranho, o Sr. Hanoel Jos Mar-
tina Ribeiro Guimaraes; Para, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
partidas us Lutuihius.
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goianna e Parahiba as segundas e
sextas-feiras.
S. AnlSo, Bezerros, Bonito, Csrnar, Altinho e
Garanhuns as tercas-leiras. ,
Pao d'Alho, Nazarelh, Liraoeiro, Brejo, Pes-
queira, Ingazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ourinury e Fx as quartas feiras.
Cabo, Serlnhem, RioFormoso, Uoa.Barreiros,
Agua Preta, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correiospartem as 10 horas da manha)
ENIEMERIDES DO HEZ DE MARCO.
3 Quarto mioguante as 4 horas e 56 minutos da
tarde.
!i "" noTa ,s !1 nora e 18 minutos da man.
I Quarto crescente as 3 horas e 12 horas da
tarde.
26 La cheia as 11 horas e 55 minutos da man.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 11 horas e 42 minutos da manha.
Segundo as 12 horas e 6 minutos da tarde.
AVISO.
O Srs. asignantes deste DIARIO,
que iecebem-o pelo crrelos marti-
mos e terrestres, tanto nesta como as
dernais provincias, que nao o tiverem
as pocas competentes, queiram avisar
a' redaccao, afim de que se providencie
no sentido de extinguir as repetidas fal-
tas que se dao.
DAS DA SEMANA.
4 Segunda. S. Lucio p. m.; S. Casimiro'rei.
5 Terja. S. Theophilo b. ; S. Focas m.
6 Ouarta. S. Olegario b. ; S. Collecta r. m.
7 Quinta. S. Thomaz de Aquino b. doutor.
8 Sexta. A Coroad espinho de J. Christo.
9 Sabbado. S. Francisca Romana viuva.
10 Domingo. S. Milita o e 39 companheiros.
LUUlKNUA UOS TRltbNAta DA CAPITAL.'
---------------- w* a*at un i
Tribunal do commercio : segundase quintas.
Relajo: terjas, quintas e sabbados aalO horas.
Fazenda: tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quartas ao mel dia:
Dito de orphaos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civel: terjas e sextas ao meio
ST% T" -d CTel: UMU e abados a 1
ora da tarde.
PARTE OFFICIAL.
Governo da provincia.
Expediente do dia Io de margo de 1861.
Officio ao Exm. viscondc commandante supe-
rior da guarda nacional do Recife.Remeti por
copia o ofBcio que nesla dala me dirigiu o admi-
nistrador do correio relatando os fados pratica-
dos n'aquella reputicao por varios caixelros de
casas cororaerciaes, na noute de 27 de fevereiro
ultimo, (im de que V. Exc. proceda como jul-
gar conveniente acerca do official commaodante
da guarda do thesouro que deixou de providen-
ciar de modo evitar que se dssem semelhan-
tes factos.Officiou-se lanibem ao chefe de po-
lica recomraendando o emprego de providencias
tendentes evitar a reprodujo de semelhantes
fados.
Dito ao me3mo.Expaca V. Exc. as sujs or-
denspara que um dos cor'pos da guarda nacional
desta cidade preste urna guarda de honra para
acompanhar a procisso do Senhor Bom Jess
dos Harlyrios, quo lera de sahir da respectiva
egreja no dia 8 do corrcnte, s duas horas da
iarde.
Dito ao raesmo.Pie V. Exc. passar o com-
mando superior da guarda nacional desie muni-
cipio ao coronel Domingos Alfonso Nery Ferrei-
ra, visto que se acha V. Exc. soffrendo em sua
leaude.
Dito ao Exm. presidente das Alagoas.Rogo
V. Exc. quo se digne de mauUar dar transpor-
te para a cidade do Penedo em um dos vapores
da companhia Bahiana aos offiuiaes o soldados
mencionados na relajo junta, os quaes tem de
seguir para essa capital com desliao ao corpo de
guarnico desla provincia, no vapor qoe passar
par o sul, levando 10 voluntarios perteocentes
ao mesmo batalhao.
Dito o coronel commaodante das armas.
Sirva-se V. S. de informar acerca do que pede
no incluso requerimeoto o soldado Ignacio Car-
dos) da Silva.
Dito ao mesmo Pago apresentar 4 V. S. para
ser inspeccionado o recruta Antonio Cesar Mari-
nho Falco, e asscnler-lhe praca no caso de ser
considerado apto para isso.
Dito ao Dr. chefe de polica. Convm que V.
S., tendo em vista oque representa o ihesourei-
ro das loteras no oficio constante da copia jun-
ta, nao s proceda contra os infractores da lei
proviucial n. 399, do 4 de abril do 1857, mas
tambera recommendoa maior vigilincia para que
se nao reproduzara as infraejoes.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Ao
ofTicio que V. S. me dirigiu, sob o. 51, e data de
22 de fevereiro ultimo, respondo declarando que
devem ser cumpridns as ordens expedidas
csse arsenal pira prestar ao de guerra lanchas
para a conduco de objeclos peitencenles re-
partido da guerra, e quando oao fdr possivel
satisfazer essas ordens, por oceurrencias de ser-
vijo, entao ser o director do arsenal de guerra
aotorisado frelar embarcajas para semelhan-
te tlm.Ollciou-se ueste sentido ao director do
arsenal de guerra.
Dito ao mesmo.Achando-se j feitos os con-
certos de que nec.essitava o vapor Thetis, como
consta do seu oQicio de 25 do fevereiro ultimo,
sob n. 52, faz-se necessario que V. S. mande
apromptar cora preslesa o panno do mesmo va-
por, como solicitou o commaodante da diviso
naval era oficio de hootem, sob n. 34. Commu-
nlcou-se ao commaodaiite da estacao naval, que
assim o requisitra.
Dito ao Dr. Anselmo Francisco Peretti.Ten-
do designado & V. S., o Dr. Jos Joaquim de
Moraes Sarment e Jos Francisco Pinto Gui-
maraes para comporem urna commisso, que se
encarregue de confeccionar o regulamento in-
terno do novo hospital Pedro II; assim o com-
munico V. S. para sua intelligeucia.
Confio nos sentimeutos piedosos de V. S. que
se prestar essa incumbencia com o mesmo
zelo, que por tantas vezes tem manifestado, pelo
servijo publico.Officiou-se mulatis mutandis a
cada um dos membros cima referidos.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Cerlo do conteudo de sua inforuiajo de 15 de
selembro do aono prximo passado, sob n. 1315,
devolvo V. S. os papis comprobatorios da
despeza feita pelo ex-commandaote do destaca-
mento da Villa-Bella, alferes Francisco Jos do
O', somonte na parte relativa ao fornecimenlo de
ngua e luz para o quartel do mesmo destaca-
mento, durante os mezes de margo outubro
d'aquelle aono, afim de que mande pagar
Claudio Dubeux, conforme requisitou o respec-
tivo commandante superior em olcio do 15 de
novembro ultimo, a quantia de 210680 rs. quo
pertence ao exercicio correte, fazendo processar
a de 185800 rs., visto pertencer ao exercicio An-
do.Communicou-se ao mesmo commandante
superior.
Dilo ao mesmo.Pode V. S conforme indi-
ca em sua informado de 27 de fevereiro ultimo,
sob n. 158, mandar pagar a quantia de 129800
.rs., que tem direitoo lente do 9 batalhao de
infantera Hanoel de Azevedo do Nascimento,
como indemnisajo da forragem de urna besta
de bagagem que venceu na viagem que fez em
servido desta capital ao Limoeiro, e d'ali po-
voacao de Taquaretioga.
Dito ao delegado da Victoria.Attendendo ao
que expe Vmc. em seu ofBcio de 25 de fevereiro
lindo,acabo de ordenar que siga quanto antes pa-
ra esse termo o cirurgio do exercto Dr. Jos
Joaquim Goojalves de Carvalho, quero tenho
designado para tratar a pobreza nesvalida, que
ah fr accommettida da febre amarella.
Devo prevenir Vmc. de que na ausencia do
juiz de direito dessa comarca, quem nesta data
aulorisei tratar com um dos pharmaceuticos
residentes nessa cidade sobre o fornecimenlo dos
medicamentos necessarios para ieio, que dever
ser teilo rnente em v'sta de receitas assignidas
peto reendo cirorgiao, deve Vmc. encarregar-se
dessa incumbencia.
Recommendo i Vmc toda a solicitude e zelo
de sua parle para que nao falle aos pobres des-
sa localidade o soccorro, que iniencao do go-
verno miniatrar-lhes, durante o tempo que ahi
reinar essa epidemia Ofllciou-se ao juiz de di-
reito daquella comarca os termos cima decla-
rados.
Dito ao juiz municipal de Cimbres.Recom-
mendo a Vmc, que, dando o devido andamento
ao processo instaurado contra Joo Alves de Si-
queira Barbosa, preso e recolhido i casa de De-
tenjo desta capital, ha quasi um aono, oppor-
tuDamente o requisita para ser submellido jul-
{amento na primeir aes&o judiciiria, que ttver
ug nesM termo.
Portana.-O presidente da proyocia, atten-
dendo ao que requereu o Dr. Joo Capislrano Bm-
deira de Mello Filh, lente substituto da faculdade
de direito desta cidade, resolve conceder Ihe tres
mezes de lcenja com osdenado pars tratar de
sua saude fra da provincia.Fizeram-se as ne-
cessarias communicajes.
Expediente do secretario do governo.
Oficio ao coronel commandante das armas.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, expedindo
nesta dala as convenientes ordens para que se-
jam ajustadas as contas do alferes do 8. batilho
de infantera Luiz Castilho de Aguiar, que tero
de seguir para a Baha reunir-se a seu corpo,
providenciou ao mesmo tempo sobre o transpor-
te do mesmo alferes no primeiro vapor que pas-
sar do norte, bem como dos soldados Manoel
Joaquim e Jos Estevao dos Anjos : o que com-
muuico V. S. em resposta ao seu ofBcio n.
289, datado de hontem, e de ordem do mesmo
Exm. Sr.Expediram-se as ordens neste sen-
tido.
OESPACBOS DO DIA 1 DE MAnC.0 DE 1861.
Requerimentot.
3912Azevedo & Mendes.Passe portara con-
cedendo permissao para o capito matricular-se
independeote da apresenUco de carta de piloto,
para a viagem a que est destinado o patacho, Pi-
cando obrigado apresentar-se habilitado para
outra qualquer viagem.
3943 Irmandade do Senhor Bom Jess dos
Marlyrios.Dirijam-se ao Sr. commandante su-
perior da guarda nacional deste municipio.
3944 Joao Francisco da Silva.Informe o Sr.
director do arsenal de guerra.
3945 Manoel de Azevedo do Nascimento.Di-
rija-se thesouraria de fazenda.
3946Pedro de Alcntara Peixoto doMraada
Veras.Passe pertaria coucedendo a liceoca pe-
dida.
3947Vicente Ferreira de Franja.Informe o
Sr. Dr. chefe de polica.
ENCAB REGADOS DA SUBSCRirCA DO SljL*
Alagoas. o Sr. Claudino Falco Diaa; Babia,
Sr. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro, o Sr
Joo Pereira Martina.
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do diario Manoel Figueiroa i
Paria, na sns livraria praca da Independencia ns
6e8.
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO
O de fevereiro de 186 1.
Pela barca norte americana Zingarella, en-
trada hontem de Nova-York, tivemos datas dos
Estados -Unidos at 5 do passado.
Estamos de fado u'um est ido de guerra, e
nenhuraa razao ha para esperar a volla s rela-
Ces pacificas entre o norte e o sul antes de le-
rem corrido rios de ssngue, e talvez que nem
mesmo depois disso.
Nestes termos descreve o Weckly Herard o es-
lado desesperado da Unio.
Eftctivameule preparavam-se para a lula, que
ser Iremenda, o norte e o sul; por toda a parle
se armara o povo, se arregimentavam corpos vo-
luntarios, e os dferentes estado* mandavara of-
ferecer o soccorro das suas forcas, uns ao gover-
no federal, oulros Carolina do Sul, cada qual
conformo a parcialidade para onde propenda.
Podia-se al dizer que haviarn rompido as
hostilidades, poisque actos de aggresso tinham
ja sido praticados.
Na Georgia mandara o governador tomar pos-
se do forte de Pulaski. Os executores da ordem
foram mais longe, e apprehenderam o culter da
alfandega, que era propriedade federal, mas o
governador mandou resisiui-lo.
Em Alabama apoderaram-se as milicias do ar-
senal que os Estados-Unidos lera em Mobi, e no
qual havia grande quantidade de espingardas e
munices deguerri. Corra ultima hora que
o forle Morgen linha sido Igualmente lomado.
Da Carolina do Norte se referia que o governa-
dor Ellis seapossra do forte Macn e de oulros,
bem como a> arsenal, guarnecendo tudo cora
tropas do estado.
Na Carolioa do Sul vio-se o commandante das
forjas federaes em Charleston obrigado a ova-
cuar, por pouco defensavel, o tone lloultrie,
concentrando as suas forjas no forte Sumptor,
que pissava por inexpugnavel. Ambos estes
fortes dominam a entrada do porto.
Este ultimo estado enviara ao presidente da
Confederado urai commisso para tratar do re-
cooheciroento da sua independeucia e da cesso
da propriedade federal sita na Carolina do Sul.
O presidente, porm, declarou terminantemen-
te que continuara nao s a arrecadar os impos-
tes e a executar as leis naquelle estado, mas
tambem a defender all cora todas as suas torcas
a propriedade federal. Nem sequer quiz reco-
nhecer na commisso carcter algum oflkial,
considerando os seus membros apenas como ci-
dados disiinctos da Carolina do Sul.
Estes ltimos aproveitaram o primeiro trem
de estrada de ferro para se retirarem, por ventu-
ra reputando-se felizes por nao haver o presi-
dente seguido o conselho que muitos Ihe davam
de mandar prend-los e accusa-los de alta trai-
cao perante o tribunal supremo.
Nao puderara comtudo conter-se que nao diri-
gissem urna carta insultante ao presidente da
Unio, que a nao julgou digna nem de resposta,
nem mesmo de figurar entre a correspondencia
official que tem de ser apresentada ao congreoso.
O commandante da fragata a vapor Brooklyn,
surta em Norfolk, recebeu ordem de manler-se
prompto a suspender ferio priroeira ordem ; e
preparava-se urna consideravel forja expedicio-
naria para marchar apenas houvesse noticia de
ter sido atacado o forte Sumter.
Pelo seu. lado tratava o sul de colligr-se, e
contava-sequeat ao Io de fevereiro nada me-
nos de auinze estados se teriam separado da
Uniao. *
- 10
Foi concedida ao Sr. bacharel Jos Mara da
Triodade a dispensa que pedio do cargo de ins-
pector da thesouraria do Rio-Grande do Sul.
Foram nomeados os Srs. Vicente de Mello
Wanderley Maciel Pinheiro, primeiro escriptura-
rio do thesoun, para o cargo de inspector ds
ihesouraria do Rio Grande do Sul; Jos Iono-
cencio Pereira da Costa, que serve igual empre-
go em Malo-Grosso, para o de inspector da the-
soararia de Minas, e para o lugar deste o 3a es-
cripturarlo do thesouro Raymuno Joo dos
Reis, e Jos Joo Ferreira de Souza Coutinho
para o de administrador geral dos terrenos dia-
mantinos da provincia de Minas-Geraes.
-12-
No da 9 do correte leve a honra de ser apre-
seotado a S. M. I. o Sr. commendador Dr. Fran-
cisco da Silva Castro, da provincia do Para, e na
mesma occasio obteve a graja de poder otere-
cer ao meamo augusto senhor, e a S. M. a Im-
pralriz, urna grande variedade de objeclos ra-
ros e curiosos, reunidos na provincia do Ama-
zonas.
O Sr. Eduardo Pcher, em remunerarlo de
servicos prestados como cnsul geral da Blgica,
foi nomeado official da real ordem de Leopoldo.
Jeen*io.Manifeslou-fe ante-hontem, as 11
1/4 horaa da noite, um violento incendio no pre-
dio da ra Direita n. 12, de que proprietario o
Sr. Joaquim Soares Guimares.
Comejon o logo so sobrado onde residem al-
guna allemes que nelle eublocam quartos.
As 10 horas da noite consta ter entrado em um
destes o respective inquino con outra pastos,
deraorendo-se all algum tempo, e fechauda, a
portada ra aahida.
Os outros sublocatarios achavam-se ento au-
sentes.
A's 11 horas o Sr. Antonio Alves de Moura
Henriques, dono da botica estabelecida no pavi-
mento terreo do mesmo edificio, e um seu cai-
xeiro que tambem pernoila na botica viram a
rea desta cheia de fumaja : e, procurando a sua
origem, descubrirn) o ogo, que j lavrava com
intensilade no sobrado, e ira tara m de dar as
promplas providencias que o caso exiga.
Sahiram em busca de soccorros, e receberam-
os logo dos vitnhos,chegando mais tarde diver-
sas autoridades, o corpo de bombeiros o varas
bombas, incluindo a ds corveta Ingleza.
No meio da triste emojo causda por esse s-
nistro, deu-so uro incidente que attrahio a curio-
sidade dos seus espectadores.
Comejavam as labaredas a estender-se pelo
edificio, quando se ouvio em distancia o pas3o
uniformo de muita gente que chegava ao lugar
em rpida marcha.
Acreditava-se que ia apparecer um reforjo mi-
litar, que algum corpo de infantaria acuda ao :
incendio ; mas como foi grande o pasmo do po- j
voj agglomerado na ra Direita quando reco-'
nheceram nos que corriarn ao lugar do perigo a !
sociedade Euterpo Commercial, que fantasiada
zuavo dansava alguns momentos antes no thea-'
tro de S. Pedro de Alcntara I
Conservando o seu trajo de phantasia, e como
possuida do espirito valoroso dotypo que repro-
duzia, a sociedade deixava o prazer polo perigo,
passava rindo do tablado macio para as asperezas
de um telhado abrasado, do theatro para o fogo.
A principio a forja policial que guardava as
immeaiajoes do predio incendiado duvidou dar
passagom a esses folides que em trajo carnava- j
leseo vinham offerecer o seu auxilio e estendiam '
as mos s raangueirss e aos machados. i
Havia porm tanto devotamente nesses cora-
joes que anda palpitavam pelas impressoes do
baile, tanto ardor revelavam esses rostos ainds
coberlos de grandes barbas postijas, que as sen-
tinellas recuaram ; os zuavos precilaram-se en-
tao para dentro do predio, e instantes depois
cram vistos nos lugares onde mais verraelho
crepitava o fogo, manejan Jo o machado, ou sal- '
vando das chsmmas pesados objectos. I
O povo acolheu com vivas esses actos de de-
nodo e humanitaria dedicajo. i
Mais de urna hora porm estiverara as bombas
impedidas de funecionir por falta d'agoa. i
Salvou-se com alguma arara parle das drogas
e trastes da botica e do pavimento superior do
mesmo predio, e como este tem da cumieira para
o fundo uro segundo andar anda sobre elle um
sotao, e seodo de igual construejo os colla te-
raes n. 10e 14 com facilldade se Ibes communi-
cou o incendio, prejudicando mais o n. 14 que
pertence Santa Casa de Misericordia, e que
oceupado na parte superior pelo escriptorio dos
Srs. Drs. Dias da Molla e Ferreira Vianna, e ns
loja pela fabrica de charutos dos Srs. Guimares &
Coutinho.
No n. 10, em cujo sobrado residem os Srs.
isac e Pedro Chavos, estando no pavimento ter-
reo a botica do Sr. Custodio Aroerico dos Sanios,
Toram devidos os prejuizos natureza dos objec-
los armazenados de que se fez rpida mudaoja.
Consla-nos quo nesle servijo houve alguma
precipitajo, esvasiando-se com exagerado alar-
ma os predios a que o fogo nao pareca dever
chegir, cuidando-se to efflcazmente em sua ex-
tinejo.
O sobrado n. 12 lcou inteiramente destruido.
Hontem s o horas da manhaa eslava o fogo
ex''nc,0i icando no entanlo urna bomba no lugar
at tarde para apagar as ultimas scenlelhas que
appareciam.
Recebemos a segunte relajo das pessoas quo
a era das mencionadas cima concorreram com
algum auxilio para terminajo do incendio : os
Srs. vice-consul inglez e seus empregados, coni-
missario da armada Jos Joo dos Sanios Alniei-
da, Lourenjo Justinlano Jardim, Joaquim Ferrei-
ra BaUlha, Francisco de Paula Pinheiro. Manoel
Luiz Pereira, Anselmo Alves Ribeiro, Balthazar
Ribeiro de Mallos, Jos Lamego, Lszaro Ferrei-
ra, Jos de Almeida Soares. Jos Joaquim Mon-
teiro da Costa, Colho Seabra, Jos Joaquim da
Gama Silva, ajudanle do guarda-mr da alfande-
ga, Guilherme Byfield, Frederico Wellenkamp,
Anlonio Joaquim, Eduardo Pinto Moreira, l-
enle Nogueira e alguns mojos ioglezes empre-
gados no commercio entre outras pessoas cuios
nomes sentimos nao ter presentes.
n 15 -
Pelo bngue norte-americano Spitre. entcjdo
hontem de Nova-York, recebemos ullias dos
Estados-Unidos at 10 do passado.
No estado da Carolioa do Sul, sempre prompto
marchar na vanguarda da revolujo, tinham
rompido abertamenle as hostilidades. O vapor de
guerra dos Estados-Unidos Star of the West li-
nha tentado entrar no porto de Charleston, e as
bateras de Morris Istaod e do forte Moullrie,
guarnecidas por tropas curolineoses, Ihe haviam
felo fogo, obrigando-o a fazer-se outra Tez na
volta do mar.
Nao bem liquida a attitudeque por esta occa-
sio tomou o forle Sumter, onde, como sabem os
leilores, se achavam concentradas as forcas fede-
raes. Notidas de Charleston referem que elle se
conservara mudo, e que o lente Hall viera a
ierra com bandeira parlamentar conferenciar com
o governador; em Washington, porm, corra
que o forte romper fogo contra as bateras de
Moultne, que provavelmenle arrazaria.
Dos outros estados s do de Mssissipi consta
que a sua convenjo votara no dia 9 de Janeiro,
por 48 votos contra 15, a separajo da Unio,
lluminando-se por esle motivo a capital e dando
todas as demonsirajdes de publico regosijo.
Nos outros estados em que para o mesmo eflei-
to se haviam convocado coovenjdes, nao se liona
chegado aioda a urna resolujao final e irrevoga-
vel, mais em quasi todos se tinham votado me-
didas de resistencia a qualquer coerjo que o go-
verno federal quizesse exercer para reler os esta-
dos forja na confodersjo.
A vista desle estado de cousas, cada vez mais
seno e complicado, dirigir o presidente Bucha-
nan ao congresso urna meosagem especial, que
i liona sido annunciada.
Neste documento diz o prosidente que v rea-
Usados os seus receios de urna calamidade immi-
nonte. As cousequenciasfataes jase fazemsentir.
A mporlaco diminuio de urna maneira nunca
vista, excepto em lempos de guerra. O theseuro
v-se inesperadamente privado de meios sobre
que contava. O commercio est paralysado, as fa-
bricas parara, os effeitos pblicos baixaram de re-
pente no mercado, toda a propriedade est de-
preciada, e milhares de pobres, que para o seu
sustento depeodem do trabalho diario de seus
brajos, acham-se sem emprego.
Accrescenta o presidente que continua a ser de
opimao que nenhum estado tero direito de sepa-
rar-se da Unio por seu livre arbitrio, nem o po-
der executivo pode reconhecer-lhe a independen-
cia. Has dever deste srreeadar as rendas pu-
blicas e proteger a propriedade federal, empe-
gando na defensiva as forjas militares. Era o que
elle presidente tinha feito, e continuara a fdier
ao congresso tocava o resto. +
Conciso o Sr. Buchanan recomraendando ao
congresso a adopjo de alguma medida que pos-
s mig*y cimente o justar as differonjas entre o I
norte e o sul, e lerpbra o trajo de urna linha di-
visoria, de cada lado da qual teria a respectiva
secjao plena a indisputavel autoridade de arran-
jar as cousas como melhor eutendesse, livre de
toda a ingerencia da outra parte.
Se est medida ser adoptida, e se adoptada
satisfar os espiritos exaltados do snl, obrigao-
do-os a arrepiar urna carreira que parece levar
a um de3pjnhadeiro, o que o futuro mos-
trar.
O presidente faz votos pela conservajo da
Unio, qne constilue a grandeza da nacao, e con-
jura lodos os seus concidados a envidarem os
seus esforjos ueste sentido, asseverando ter elle
mesmo feilo ludo quanto era humanamente pos-
sivel para evitar um conflicto: oxal seia ou-
vido. '
Em Nova-York tinha havldo algumas reunios
para se spoiar o governo federsl. e em diferentes
partes se haviam effectuado alguns movimentos
de tropa para guarnecer os fortes e arsenaes, que.
como dissemos, ja haviam sido atacados mesmo
em estados que se nao linham anda formalmente
declarado separados.
Correr que os homens da Carolina do Sul ti-
nham cortado os (os telegraphicos para inlerrom-
per as communicajdes com Washogton, mas esta
noticia fdra desmentida
Do Mxico referii-se que Mramon tinha sido
completamente derrotado a 22 de dezerabro, e
que Jurez eslava a ponto de abalar de Vera-Cruz
para ir tomar pos;e da capital, que se achava j
em poder dos chimados liberaes ou coostitu-
conaes Nioguem, porm, poda dizer se seria
este o fim aa guprra, receando-se pelo contrario
que o partido Mramon, logrando ainda con-
centrar-se, tentasse expedir da capital os adver-
sarios.
Foi nomeado secretario do governo da provin-
cia do Amazonas o bacharel Jorge Dornellas Ri-
boiro Pessoa.
Foram nomeados: commendador da ordem de
Christo, o major Bernardo Jos Teixeira Ras ;
official da Rosa, o capito-teneute da armada Jos
da Costa Azevedo.
16
ELEIjdES DE S. Pvulo.
2 districlo.
Apurajo geral de todos os collegios que com-
pem o districlo, consideradas as diversas hy-
polheses.
Primeira hypothese.Approvsm-3e as dupl-
calas do lado conservador, e coulam-se os votos
em separado.
1." Baro da Bella-Vsta.....235 votos.
2 Dr. Lopes Chaves......250
3. Dr. Pedro Taques. ...... 209
Segunda hypothese.Approva-so a duplicata
conservadora de Cuaratinguet, e despreza-se a
de S. Benlo.
1. Barao da Bella-Vista.....229 votos.
2. Dr Lopes Chaves. ..... 214
3. Dr. Pedro Taques......203
Terceira hypothese.Approva-se a duplicata
de Guaratioguet, c/inservadora ; despreza-se a
de S. Beuto, e consideram-se nullos'os volos de
Cajapava.
1. Baro da Bella-Vista.....219 votos.
2. Dr. Lopes Chaves......204
3. Dr. Pedro Taques......193
Quarta hypothese.Desprezam-se as duplica-
tas de ambos os lados, e contam-se os volos to-
mados em separado :
1. Baro da Bella-Vsta.....191 votos.
2." Dr. Martim Francisco .... 173
3." Dr. Pedro Taques......165
Ounita hypothese.Desprezam-sa todas as du-
plcalas conservadoras, aceitando-so as liberaes.
1. Dr. Martim Francisco ; 226 votos.
2. Barao da Bella-Vista.....204 t
3. Dr. Lessa.........188
Sexta hypothese.A anterior, e despezndo-
se a votacao de Cajapava.
1. Dr. Marlim Francisco .... 226 votos.
2. Baro da Bella-Vista.....191
3. Dr. Lessa.........189
Sotima hypothese.Nao se contam as dupl-
calas por arabos os lados, nem os votos de Ca-
japava.
1. Dr. Marlim Francisco.....184 votos.
2 Baro da Bella-Visla .... 181
3." Dr. Lessa.........145
Eltigo de um senador por Minas.
Apurajo dos 3i collegios coohecidos.
Os Srs. :
1. Dr. Firmino Silva.....; 546 volos.
2." Theophilo Ottoni......521 3. Dr. Luiz Carlos......372 e
Cruz Machado.......367 o
Desembargador Cerqueira Leite. 308
Dr. Penido........272
17 *-
Temos dalas do Paran al 26 do passado, e de
S. Paulo al 13 do correle.
Nada encontramos de maior ioteresse as fo-
lhas da primeira dessas provincias.
Tinha partido da capital para Paranagu o Sr,
Lucas Antonio Mooteiro de Barros, chefe da pri-
meira secjo da thesouraria de fazenda, afim
de, syndicar do faci, que j noticiamos, do urna
tentativa de incendio da alfandega daquella ci-
dade.
As noticias de S. Paulo vem resumidas na car-
ta do nosso correspondente.
19
Dos Estados Unidos havia na Inglaterra noticias
al 16 de Janeiro.
A Florida, Mssissipi e Alabama se tiuham ef-
feclvamente separado da Uoio, e as tropas fe-
deraes tinham evacuado lodos os fortes de Pen-
sacola, excepto Pickeos. Trezentos homens ti-
nham partido de Mobile para tomar posse desse
forte.
Na Luiziana tinham os separatistas tomado dif-
fereules fortes e o arsenal de Btoo Rouge.
O estado de Nova-York offerecera ao governo
central toda a sus forja.
O vapor de guerra Star of Ihe West, que, como
sabem 03 leilores, fra rechajado de Charleston
pelo fogo dos Carolnenses do sul, devia tentar
novamenle a entrada do porto, aaompaohado po-
rm, do Brocklyn e o,Harriet Lae.
Por decreto de 12 do correte foi concedida ao
vsconde de Itaborahy a demisso que pedio no
lugar de presidente do conselho inspector e fis-
cal da Caixa Econmica e do Monte de Soccorro
desta corte.
Foram nomeados : por decreto da mesma da-
la, o conselbeiro de estado Manoel Felixardo de
de Souza e Mello presidente do conselho, ins-
pector e fiscal da Caixa Econmica e do Monte
de soccorro desta corte, e o conselbeiro da as-
tado Jos Antonio Pimenta Bueno, vice-presi-
dente
Por decreto de 16 do correnta : o bicharel Jo-
s Joaquim Ferreir* Valle, psrs o logar de se-
gundo official da secretaria de estado dos nego-
cios di fazenda, a o capito de engeoheiros Luiz
Jos do Franja psra o de engenheiro dos ter-
renos diamantinos da provincia de Minss-Ge-
raes.
Por decreto de 8 do correule foi promovido a
quarlo eseripturario da conladoria de marinha
o praticante Felipp Jos Pereira Leal Sobrioho.
Por portara da mesma data foram nomeados
pralicante da meima conladoria Joao Carlos Pe-
reira Pinto e Innoceocio de Menezes Vasconce-
los de Wrumond Jnior.
so
ro nomeado commaodante da corveta Bahia-
na o Sr. capito de fragata Jos Mara Rodri-
gues em substituijo ao Sr Pereira Pinto que se
acha daente.
A partida desta corveta pars a Europa, em via-
gem de instrucjo, que devta ter lugar hoje ftcou
demorada por ordem superior.
22
Pela nao ingleza Ganges, entrada honlem de
Valparaso, tivemos folhas do Chile at 17 do
passado.
Devera all renovar-se este anno lodos os po-
deres do estado, mas al dala a que alcanjam
as noticias, nada fazia receiar perturbajo da pu-
blica tranquilidade as prximas eleijdes.
O candidato presidencia da repblica a pre-
sentado pelos governistas era Varas, actual mi-
S. '"tenor. Repugnava esle a aceitar a
candidatura, mas julgava-se que afinal se deixa-
ria persuadir a prestar mais este servijo ao es-
lado e em tal caso reputava-se segura a sua
eleico.
Afora as preoccupajfles polticas propras de
quadra tao momentosa, pouco noticiam as fo"-
Ihas, que possa ter ioteresse.
Preparava-se urna expedijo commandada pe-
lo general Garca contra os Indios Araucanos,
que haviam talado os campos e as forragens, pa-
ra cortaros recursos carallara chileoa.
Em Coronel tinha havido um grando incendio,
caiculando-se no valor de 43,000 pesos os estra-
gos por elle causados. Achava-se na Concepcin
a viuva do nlrepido navegante Sir John Fran-
klin, a qual, apezar dos seus 58 a 60 annos ee
idade, se mostra to, apaixonada pelas viagens
martimas como seu defunto marido, de quem
pouco atrs fica, dizom, em coragem e pericia
naulica.
Em Copiap linham-se sentido na noite de 31
de dezembro para o 1." de Janeiro cinco tremo-
res de Ierra, dos quaes dous asss violentos, e na
raanha do dia seguinte ainda se sentio outro.
Felizmente nao ha dlsgrajas a lamentar.
Tratava-se da construejo de differenles vas
frreas, entre as quae3 urna entre a Serena e Co-
quimbo, e outra entre Santiago e S. Felppe.
Da fronteira havia em Valparaso noticias at
5 de Janeiro. Naquelle mesmo dia devia o exer-
cto pr-se em marcha para operar do outro la-
do do Bio-Bio. Urna diviso ao commando de
Heruandez entrara por Santa Barbara, e por
Nascimiento outra commandada pelo coronel Til
lalon.
No Per at 5 de Janeiro nada havia occorrdo
notavel depois do alternado de 23 de dezembro
contra o presidente, aconlecimento de que j es-
tao informados os nossajs leitores. O batalhao
que tomara paite neste successo foi dissolvido,
distribuiodo-se os soldados pelos oulros regi-
raenlos.
Estabolecera-se urna Bolsa Mercantil de Lima,
a que o governo deu regulamento, e para a qual
nomeou correctores.
A respeito da Bolivia diz urna corresponden-
cia de Tacua, datada de 30 de dezembro e inser-
ta no Mercurio de Valparaso de 8 de jaueiro :
Continuara na Bolivia os preparativos belli-
cos-a arruinar-lhe as exhaustas rendas. Nao es-
morecen) os peridicos nos seus furibundos ata-
ques contra o Per e o general Casulla, exaltan-
do as forjas nacionaes do modo mais cmico.
As3lm se vai entretendo e hallucinando o povo,
para que nao veja a bancarota imminente sobre a'
fazenda publica.
Os corpos de exercto que enlraram na Paz a
17 { dezembro J regressararo seus cantes, i-
cando all apenas o batalhao n. 3. A 23 entrou
na Paz outro batalhao, viudo de Sucre, s ordens
do teoente-coronel Luiz Ostria.
As noticias da America central sao anteriores
as que temos por va da Europa.
23-
Foram nomeados :
O capito Aroaldo Mendes de Carvalho, lenen-
te-corouel commandante do batalhao n. 25 ds
guarda nacional da provincia do Piauhy;
O capito Jos Custodio Fernandes, major com-
mandante da secjao de batalhao de infantaria n.
5 da guarda nacional da provincia do Rio de Ja-
neiro ;
Eduardo Jos Manhes, major commandante
da secjo do batalhao de reservan. 16da mesma
guarda.
Foram reformados:
O major Francisco Pereira da Cosa,'comman-
dante da secjao do batalhao da reserva da guarda
nacional do municipio de S. Miguel da provincia
de Santa Calharina, co mesmo posto ;
O major da antiga guarda nacional' da provin-
cia do Cear, Antonio Ferreira Lima Abdoral, no
mesmo posto.
Ti vera m merc :
Luiz Jos de Souza Lima, da serventa vitalicia
dos offlcios de primeiro tabellio e escrivo de
orphaos da villa de S. Miguel, provincia das Ala-
goas ;
Antonio Ferreira da Costa Guedes, da serventa
viclallcia dos officios de partidor e contador do
termo de Saquarema, da provincia do Rio de Ja-
neiro ;
Manoel Joaquim Canuto, da serventa Tctalicia
dos olUcios de parlidor [e distribuidor do mesmo
termo e provincia.
Foi perdoado a Jos Firmino de Souza o resto
do tempo que Ihe falla para cumprir a pena de
um anno de priso com trabalho e multa corres-
pondente melade do tempo, que Ihe foi impos-
ta pelo jury do termo da Atalaia, da provincia das
Alagas ;
Foi commutada em 300JOOO para o Imperial
Iustitato dos Meninos Cegos, a pena de dous me-
zes de priso e multa correspondente meiade
do tempo, imposta por sentenja do juiz munici-
pal da primeira vara da corte, a Vicente Ignacio
Civalcanti de Albuquerque.
O Sr. conselhero Jos Mara da Silva Pra-
nnos foi nomeado consultor do ministerio dos ne-
gocios estrangeiros.
24
Entrou hontem dos porlos do Ro da Prata o
paquete francez Saintonge.
Trouxe-nos folhas de Montevideo al 17 do cr-
reme, de Bueoos-Ayres at 14, do Paran al 9,
e .da As.umpjo at 5 do meamo mez.
De Montevideo a noticia mais importante a
da abertura das cmaras, qne leve lugar no dia
15 deste mez.
Na roensagem que nessa occasio pronunciou o
presidente da repblica no seo da assembla
encontram-se os seguinles tpicos relativos ao
Brasil:
c Relajos exteriores.Imperio do Brasil.
O respeito todos os direitos alheios, base ge-
ral de minha poltica, tem servido para aplaioar
muitas difficuldades e psra collocar nossas rela-
jos con o Brasil em nai p de confianca reci-
proca.
c As difficuldades a qua deu lugar o Tratado
de permuta pode dizer-se que desappareceram.
c Aa relativas ao tratado de modificajo de
1857 foram satisfactoriamente solvidas.
< Nao entro agora em delalhes a este respailo,
porque encontrareis todos os dados necessarios,
nao s na informaeo da honrada commisso
permanente como no rea torio do ministro res-
pectiro.
. A lega ja o da repblica no Brasil foi relinda
sem que tal medida tivesse por fim alterar de
modo algum as boas reiaces, nem oppr-se por
nenhum mel legitimo solujo dasdifficulda-
oos suscitadas ou que podessum suscitar-se. As-
sim o flz declarar explcitamente.
As quesioes pendentes com o Brasil sao pou-
cas e de roui fcil resolujao, urna vez qnehaia
como se deve esperar, boa f e leildade em am-
bas as partes.
f Reduzem-se couvenjo celebrada sobre?
prejuizos da guerra que foi rejeilada pela honra-
da cmara de senadores no periodo anterior ; ao
arranjo da divida que reeonhecemos ao Brasil e
as reciprocas recia roaedes sobre aggravos recei-
dos por Brasileos e Orientaos em suas pessoa
o propriedades. r
O Brasil em presen ja das estipula joes d
tratado sobre emprestiroo entre a repblica e
imperio nao podo empeohar-se em sustentar quo
ti que indefinidamente aborto o expediente da di-
vida publica ; nem pode desconhecer que as con-
cessoesem que se convelo porcircumstancias es-
pecial'ssimas,e que nao podem repetir-se. com
i Franja e s Inglaterra, nao devem nem podem
servir de antecedentes para outros casos.
Quaoto divida, ser regulada, nao o duvl-
deis, com a mesma boa f e lealdade com que
tenho regulado a de muitos credores o estado.
e estou prompto a regular a de todos os outros.
ludo ser opportunamente submellido vossa
considerajo.
Do estado das nossas reciprocas reclamacoes
vos instruir o relaiorio ministerial.
A respeito da Fraoja e ds Inglaterra diz a
meosagem : a nica questo pendente com estas
potencias relativa convenjo de prejuizos d
A respeito da confederajo argentina apenas
mencionou urna indicajo daquelle governo so-
bre a conveniencia de um tratado de extradico
entre as duas repblicas.
A respeito de outros paizes nada refere que te-
nna importancia. O mesmo acontece qusnto a
parte interior.
A mesa da amara dos senadores achava so
composta dos seguinles senhores :Presidente.
t. Castellanos ; primeiro vice-presidente, Joo*
francisco Giro ; segundo. Joo Antonio Mendes ;
secretario, Joo A. de la Bandeira. E a sala dos
reprosentanles, dos Srs. Marcos A. Vaesa pri-
meiro vice-presidente, Dr. Pedro Fueutes : se-
gundo, Dr. Ramn Vilardeb; secretario, Carlos
M. INava.
Confirma-se a noticia que demos, e que vimos
contrariada ns carta do correspondente de um
dos jornaes da corte, de achar-se o Sr. Thomaz
vitialva, ministro e secretario-de estado dos ne-
gocios da guerra, do deserapenho de suasfuoc-
joes desde a voila de sua viagem Campanha.
Esse correspondente affianjava que o Sr. Villalva
por desintelligenciacom seus collegas nao s nao
havia tomado ainda posse de sua pasta como dei-
xana de fazer parle do ministerio.
Havia tido lugajo juigaraento da casa da fal-
slficajao dos bonds, tendo sido encarregados da
defeza 03 Drs. Joaquim Requena, Manoel Herrera
y Oboes e Jaime Estrazulas. tres dos mais dis-
iinctos advogados do Estado Oriental. Ainda
porm nao era conhecida a senteoca do tri-
bunal.
Ura decreto governativo declarou prohibida em
lodo o territorio da Repblica a introdueco da
moeda Iraca boliviana. ^
Continuivam os rumores infundados de inva-
sao. A RepubUca altnbue-os ao espirito de oppo-
sijao do Pueblo, e explicando-03, diz que serve-
Ihe3 de base urna falsa intelligenca lanjada nr>
inimo publico por aqueile ordem de priso o
exooerajao do posto, expedida pelo governo a
Sr. coronel Guerra.
A razo, porm, real deste acto do governo.
diz a Repblica, provioha de ter o Sr. coronel
uerra assignado urna nota collectiva da com-
misso encarregada de distribuir os fundos reco-
midos pela subscripjo favor das familias dos
executados de Quinteros, e na qual havia expres-
soes oueosivas ao mesrao governo.
O Sr. coronel Guerra nao foi comtudo preso -
constando-lhea resolujao do mioistro da guerra*
seu respeito, refugira-3e bordo de um navio
de guerra .brasileiro surto*vjo porto, e que tam-
bem acolheu o Sr. Teophlo Das, ameajado do
priso pelo mesmo motivo.
Estes boatos, porm, nao deixavaro de inquio-
tar o governo. Nos departaroeutos da colonia e
de S. Jos as autoridades mantinham em armas
a guarda nacional, aura de prevenir qualquer
emergencia.
De Buenos-Ayres, as noticias locaes sao sem
importancia, a nao ser a da noroeajo do Sr.
Pastor Obligado para ministro do governo em
lugar do Sr. Sarmiento, merecem, porm, a
maior altonjo as que d'alli nos chegam res-
peito dos negocios de S. Joo, que aroeajam se-
riamente o rompimento das boas relajes entre
o general Mitre e o governo geral, que parece
achar-se de mos dadas cora o general Urquiza
nesse assumpto.
Resumiremos os factos, e julguem os leilores
por si mesmos da situajo.
O coronel Saa, que pelas noticias trazidas pelo
paquete passado acbava-se do posse da provincia
de S. Joo depois do ataque do Potito, reataurou
00 governo daquella provincia aa autoridades
apeadas pela revolujo dirigida pelo Sr. Aberas-
tain, e na qual fra morto o governador Vi-
rasro.
J sabem os leitores psra que lado penda o>
governo de Buenos-Ayres; este goverossosfor-
jou-se portento, para que o procedimento do
coronel Saa fosse responsabisado por abuso do
poder.
Assim nao acooteceu ; o governo geral, emt
resposta ao ofticio em que o aeu commisaari
dava conta do que havia feito, approvou o seu
procedimento e todas as suas medidas extraor-
dinarias.
Estas medidas na maior parte sao com efteit
da ordem das que s circumstandas extrema
justificara. Entre ellas avulta sohre todas a do
espingardeameolo do Sr. Aberaslaio, que hara
sido prisioneiro no ataque do Pocilo.
A'vista destes factos, a esperanja que nutria o>
governo de Buenos-Ayres de fazer inclinar o go-
verno geral i favor da causa que defenda, de-
sappareceu ; cahiram lodos os jvos, e a desin-
lelligencias entre os doas governos sobre esta
ponto mostroa-se clara e patente.
Segundo o Nmcional, o general Mitre hav di-
rigido ao presidente da Confederajo ama nota
lembrando-lhe que o paiz reclama urna explica-
9ao daquelles funestos successos, nos quaes a
opioio publica via um ataque i constiluijo.
urna offonsa aos direitos federaes das provincias,,
e urna violceo das principios naturaea os mais
sagrados.
Os jornaes publican, igualmente ama circulac
do mesmo general aos governos proviaciaes, em
que os convida a adherir s ideas daquella nota
a reunirem-se na mesma reclamajo.
A carta do nosso correspondente dispensa-nos
de sar mais extensos sobre asta assumpto. e oara
ella remellemos os leitores.
No Parani^m virtode do romo que tomaran*
os negocios da S. Joao, pediram demisso os mi-
nutos da fazenda e de estrangeiros, os Srs. Ries-
tro 6 rico*
nrfnCdu S? Primero,. Sr. Castillo, o ao se-
gando o Sr. Nicanor Mou.


P)
_______________________________
IAR10 DI tEfUUnUQO. TERQA. PEUUL 5 DI MAR0 DB 1861.
. f
* ?

Hatii all noticias circunstanciadas da ataque
do Potito ; linham (ido ftitos prisionaioa pelo
coronel Saa m ais de 400 pessoas, eutre 9 quaes
figuram coronis, 2 tensotes-coroa Tes, varios officiaes e 249 soldados.
As provincias de Corrientes- e de Gatanerea
connuavam resistir ordero do governo cen-
tral iststiva a eleicao. dto asesa bros a eongraaae\
A sitoecao, erollm. a Repblica Argentina.
ni era lisongeir; ee partidos a*, agilavande
navo em quaet toda* as aasjrioeiaa, soltaran os
antigs raneares, e os seus governoa comegasam
perder a cabera
Do Paraguay as noticia* aram desiiiji Jas de
leda a importancia. M oslan-se tropas de um
lado para outro, ra arta para os depacliassalea 4o interior.
[Jornal ato Cmmmercio, do Rio)
S. Panto.
S. Paulo, 5 de fevereiro de 1861.
Nao teuho noticia imprtame a relatar-ihe.
Depois da eleicao at es jornaes polticos fugi-
ram da luz, e dizern oralmente que esto ago-
xiisanles.
O goveroo contina a ser victima das corres-
pondencias ahi, sernpre apaixonadas e menos
verdadeiras
Diz s ultima correspondencia impressa no Mer-
cantil, iue S. Exc. mandara processar o Sr. Cu-
aba, da cidade de Ubluba. E' a primeira vez que
se ou ve fallar neste grande segredo de justiga. Se
o Sr. Cunha tero praticado alguraacto criminoso,
ignoro ; toas sei com certeza que o governo no
leu ordem polica dalli para processa-lo. como
allianca o correspondente. Pelo contrario, pedin-
do-lh providencias a parte adversa, o sondo ou-
yido o, juiz municipal, o Sr. presidente deferio
que se langasse mato dos meios ordinarios e usas-
se dos recursos que a legislado garante ; sendo
para notar que o juiz municipal na infirmarlo
que preston presidencia, segundo nos consta,
se houvc nessa questo da maneira a mais im-
parcial, e era um vestigio deu dessa inimizade
que diz o correspondente votar elle au Sr. Cu-
nt.
Eis as aecusaedes que se fazem ao digno presi-
dente da provincia I Ou inventam-se fados, ou
irlleram-se os fados.
Repetirei sempre : o presidente actual tem ad-
ministrado a provincia cora toda a iroparcialida-
Je, nao intervindo as lulas polticas. Mas
necessario desculpar o presente... ha sua razo.
(Carta parlieular.)
10
Conlinuam a chegar noticias eleiloraes do in-
terior da provincia. Do 3a dislriclo ja temos o
resultado dos seguinles collegios :
Mogy-Miiira.
J)r Costa Pinto........ 28
Dr. Nebias............ 27
Dr. Barbota da Cunha. 26
Dr. Gaviiio............ 3
Dr. Ribas.............. 1
Dr. Ramalho.......... 1
Penha.
Dr. Nebias............ 16
Dr. Costa Piulo....... 16
Dr. B irboza da Cunha 16
Dr. Gaviao............ 9
Dr. Ribas............. 9
Dr. Ramalho.......... 9
Campias.
Dr. Gaviao............ 30
Dr. Ramalho.......... 30
Dr. Ribas............. 30
Casa-Branca.
Dr. Co9ta Pinto....... 31
Dr. Nebias........... 28
Dr. Barboza........... 28
Dr. Gaviao............ 14
Dr. Rbias............. 9
Dr. Ramalho.......... 9
Batataes.
Dr. Costa Pinto....... 29
Dr. Nebias............ 29
Dr. Barboza........... 29
Itapetininga.
Dr. Ribas............. 26
Dr.Gavio............ 25
Dr. Barboza........... 23
Dr. Nebias...,........ 18
Dr. Costa Pinto....... 17
Dr. Albino............ 13
Dr.Ramalho........... 8
Tranca.
Dr. Costa Pinto ...... 27
Dr. Nebias............ 2i
Dr. Barboza .......... 23
Dr. Ribas............. 7
Dr. Ramalho.......... 5
Dr. Gaviao............ 4
Rio-Claro. (44 eleitores.)
Dr. Ribas............ 32
Dr. Gaviao............ 32
Dr. Ramslho.......... 32
Dr. Nebias............ 11
Dr. Costa Pinto...... 12
Dr. Barboza da Cunha 12
Constituido.
Dr. Nebias............ 21
Dr. Costa Pinto........ 21
Dr. Barboza da Cunha 20
Dr. Gaviao............ 4
Dr. Ribas............. 5
Dr. Ramalho.......... 3
Faxina.
Dr. Nebias............ 28
Dr. Ribas............. 26
Dr. Btrboza.......... 23
Dr. Delfino........... 4
Dr.Gavio............ 3
Dr. Albino............ 3
Batucat.
Dr.Nebias............ 24
Dr. Costa Pinto ...... 24
Dr. Barboza da Cunha 24
Araraquara.
Dr. Gaviao............ 29
Dr. Ribas............. 29
Dr. Ramalho.......... 29
Apurado geral.
Dr. Nebias............ 229
Dr. Barboza da Cunhs 227
Dr. Costa Pinto ...... 206
Dr. Ribas ............ 172
Dr. Gaviao............ 153
Dr. Ramalho.......... 126
Foram eleito9 pois deputad03 pelo 3o districto
os Srs. Nebias, Barboza da Cunha e Costa Pinto,
todos elles da chapa conservadora.
A opposico contina com o seu systema de
dizer somonte o que lhe convm, publicando coli-
sas inexactas.
Assim, por exemplo, diz que fora plano da pre-
sidencia a diviso do collegio da capital, a j pas30
que na mesma correspondencia elogia a deciso
governo, que ni verdade foi contraria aos
conservadores.
Se era plano da presidencia a diviso do colle-
gio. a aua deciso nao destrua ase plano. Con-
cillen se essas cousas 1
Vimos a correspondencia assignada pelos Srs.
Dr. Jos Bonifacio, Joo Tobias e padre Mamede,
a respeilo da eleicao de Mogy das Cruzes, fajea-
do ao presidente da provincia as impulacoes as
mais injustas e alterndoos fact09 que occorre-
ram. O presidente victima dessas arguicoes
por nao se ter querido prestar s insinuarles e
conselhosde nimios inlcressados, e nem pr-se
merc daquelles que eslo acosiumados a rege-
rem os goverops e a dominarem a provincia.
E' tal a animosidade de semelhanles homens
que chegam a dizer o contrario do que se passa
O Sr. Joo Tobias, 4o supplente da subdelega-
ca do Braz, e em exercicio durante a quadra elei-
toral, nao obstante haver sido conservado pelo
goveroo e se acbar no mesmo exercicio al hon-
tero, nao duvidou assignar a referida correspon-
dencia contra a primeira auloridado da provin-
cia Digo al hootem por qua consta que hon-
lem mesmo o presidente o demitlira, como pedia
a sua propria digo ida de e a do alto cargo que oc-
cupa.
Os actos do presidente demonstrara que S. Exc.
nao quiz proteger nenhum dos partidos ou can-
didalos. O resultado da eleijo secundaria j
era esperado ha mais de seis mezes, como por
sezes a imprensa o disse.
A administracodo Sr. conselheiro Heariaues
poupou aoa paulislas muito sangue, como geral-
xnente se recoabece.
P-S-Todos os eleitos pelo V districto es-
*o dependentes da eleicao da cidado de Guara-
tioguet Faltan doua collegios de.le districto.
Se o barao de Bella-Visla tiver votacio em Qae-
Inz, como as espara, a meo depaiada se
questo e ndepeodeate dessa elei$io.
[Carta particular.
13
Ja sabanas de resultado eleiloral do segundo
dittricto desla provincia.
Se prevalecer a eleicao conservadora de Gua-
ralinguet, sao depulados por esse districto os
segainles senhores :
Bario de Bella-Vista.
Dr. Taques de Almeide.
Se presalecer a eleicao liberal, sao deputaatea
os Srs. :
Barao de Bel la-Vista
Dr. Martin.
Dr. Lesss.
Se. (oren anuladas ambas :
Barao de Bella-Visla.
Dr. Lopes Chaves.
Dr. Martim.
Se forem annulladas ambas e approvadas as
de Cacapeva e S. Beato :
Bario de Bella-Visla.
Dr. Lopes Chaves.
Dr. Taques de Almeida.
O Exm. Sr. Dr. chefe de polica pronunciou em
diferentes arligos do cdigo criminal, como au-
tores e outros como cmplices dos crimes de Ca-
capava, a 19 pessoas d'alli o da cidade de Tau-
bat.
Joo Ribeiro foi pronunciado cemo incurso as
penas do art 192 do cdigo penal : Jos de tal,
por alcuoha Miruim, rus do arl. 193 ; a Salvador
Luciano da Costa, as do mesmo artigo, combi-
nado com o art. 34 ; a Claudiano Soares de Pa-
ria e Innocencio Antonio de Oliveira, como in-
cursos as do art. 205, todos como autores dos
referidos Rentados ; Jos Dutra de Faria-, Anto-
nio Jos Moroira de Caslilho, Francisco Alves
Moreira, Anlouio da Silva Machado, Francisco
Manuel Ferreira de Mello, ViccTite Ferreira de
Caslilho, Joo Gomes de Araujo, Antonio llibei-
nais urna vaza em favor da des ordem. levanla-
ram un alarna costra o regulamente e attnbui-
ran-lbe tedas aa cenlradicoes e calumnias que
Ibes veio esbeca. Cbegaram mesmo a conse-
guir ama represealacao da praca do commercio
ao governo contra elle, e de paniinho foram tara-
bem arguindo oulros actos anteriores do gover-
o. quijjfcm aebM em plana eaecaeao.
quaes se aso tratara entao.
Fizeraoeeara iato alguna bolba, verdad
boje ldese sea serenado, eo regotemonlo por
todos enlaaeido ao seu geauiuo sentido e nao
aaquelle qxes lhe emprestavan os seus oppostto-
res, nao a posqa o gorerao axplicoo competes "
lenle a vetaadeira lutelgescia que lhe devi-
ser dala, como porque a iaaprensa ordeira loa
mando a questo a si. ten claramente deatestea-
ttado 9 san razo do baratas que flzeram as op-
posicionistas por tal motivo, e anda mais a con-
veniencia e necessidade das- medida decretadas
no regulamento de 23 de Janeiro. Perderam,
par tan lo, os homens mais esta mina, que a prin-
cipio julgaram que Ihes seria de vaniajosa explo-
rarlo, e agora nao lerao remedio senio o espe-
rar pela outra da veriQcacio dos poderes dos no-
vos deputados, que prometi ser fecunda, e ha de
ser hbilmente aproveilads por elles.
O imperador e a familia imperial continuara
residir em Pelropolis, e provavelmente l se de-
morarlo at principios de maio, em que o impe-
rador tem de vir fazer a abertura da nova sessio
legislativa. Que tal ser ella? E'o que ainguera
por ora ser capaz de dizer.
Temos j noticia certa da reeleigo de todos os
qualro ministros deputados, o que os habilitar
para defenderem-se na cmara das aecusages,
que Ibes ho de ser provavelmente feitas pelos
liberaos exaltados que l tiverem entrada e as-
enlo, que felizmente nao ho de ser mullos.
A sabida do vapor foi transferida para amaoha
ro da Silva, Joo N. de Freilas, Benedicto Bicu- s 10 horas, e dizem que naturalmente tivera is-
2o duplcala.
fio fasta na casa da cmara.
s SrJ.t9VW Fe"ndesda Cunha.... 13
* Gapttae Josa JL de Sspulveda Vascon-
eenea.......^........................... y
Br. Asaro liberiode lloocorvoe Limi. 6
^TiSUS^XMmK^i
lo lugar para que pessa elle levar oljornal que ha
de publicar amanhaa alguns despachos, e enlre
outros a organisagio da nova secretaria de esta-
do, que se acbs prom pa, e que deve ser boje
assignada pelo imperador : airma-se, entretan-
to, que o novo ministro nao seca nomeado seno
depois da abertura das camarae, o quo est de
accordo com o que ja muito anteriormente lhe
ha vis dito a tai respeilo.
A crvela Bahiana segu um destes das para
a Europa, conduzindo os guardas-marinhaa que
ah vo este aneo em viagem de instruccio ; aos
quacs desejamos muito melher sorte do que ti-
veram os quo foram o anno passado na malfa-
dada crvela D. Isabel.
Nao me occorre mais cousa alguma de impor-
tancia para dizer-lhe nesla oceasio.
DIARIO DE PERNAMBUCQ-
do Leile, Francisco Machado, Jeronymo do Sa-
cramento, Benedicto Alves Ferreira e Joao Bar-
bosa de Moraes, pronunciados como iucursos as
penas do arl. 193, combinado com o art. 35 do
cdigo penal.
Assim, pois, foram pronunciadas pessoas de
ambas as parcialidades polticas, enlre as quaes
fazendeiros ricos e importantes foram contempla-
do, (jui.si lodos os reos foram presos e reniet-
lldos para a cidade de Taubal.
a opposico, para provar a inlervencio do go-
verno nesla eleigo, lem dilo em suas corres-
pondencias que chapa para eleilores dests pa-
rochia coropdz-se de empreados pblicos e offi-
ciaes da guarda nacional. Se assim fosse, o go-
verno liona intervindo mais a favor da opposico
do que a favor do partido contrario, porquanio a
chapa da opposico ficou composta dos seguintes
nomos : commaodaute superior da guarda na-
ciooal, Ihesoureiro da geral e provincial, um che-
fe de seceo da secretaria do governo, subdele-
gados de polica, o delegado do director da re-
partico das trras, ele, etc.
Que ulervenco em favor da opposico I
Aecresce a ludo isso a ampia liberdade que ti-
veram quasi lodos os offlciaes do exercito empre-
gados no corpo ixo para cabalarem dia e uoite
com a opposigo.
Basta por boje.
( Carta particular. )
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAM-
BUCO
Rio de Janeiro 33 de fevereiro.
J aqui temos conheciooento da eleicao da qua-
si tolalidale dos depulados das provincias de Mi-
nas e S. Paulo, e mesmo de algumas outras ao nor-
te e sul do imperio, e como**ra de esperar, por
tuda a parte, com raras exceptes, lem iriumpha-
do as ideas conservadoras e o pensamcnlo de
apoiar e dar forja s medidas do governo.
Pela provincia do Paran foi eleito o conse-
lheiro Zacharias, e com quanto se ache a sua
elei;o anda envolvida em algumas duplcalas
que a commisso de poderes lera de liquidar, to-
dava parece cerio que ser ello um dos repre-
sentantes dessa provincia, por elle creada, e que
durante a presente legislatura nao ser a cmara
temporaria privada, como na passada, das luzes
j e experiencia deste excelleule orador e juriscon-
sulto. E' fra de duvida, portanlo, que na nova
cmara apenas urna diminuta fraeco de exalla-
i dos lera asseuto, e que a palitica conservadora
alias ah se achara em grande maioria, com gran-
de pesar e magoa dos turbulentos do dia.
Isto nao quer dizer, porm, que deixar de ha-
ver lula, e ao contrario me parece que tanto me-
nor for o numero dos paladinos pugiruns na c-
mara, tanto maior ser o encarni^ameulo com
que elles se ho de atirar a ludo quanto for idea
ou medida de ordem e seuranca publica, e a lo-
dosos homens que tiverem a coragem de repre-
senta-las e defend-las. O furor quo elles hio
de desenvolver no desempenho da sua mesquinha
tarefa, hade eslar sempre na razo dos desapon-
tamenlos porque esto passando vendo falharem
todos os seus clculos e esperanzas, e do desgos-
to que esto tragando pelo afaslamento cada vez
maior em que de dia era dia vo Picando do po-
der, que j cousideravam como conquista sua.
Esta supposico tanto maisprovavel, quanto se
tem observado uestes ltimos dias um grande de-
sanimo as fileiras dosrecrulas do liberalismo, e
que a imprensa insultadora deque ellesdispem,
e que lem sido a sua inelhor arma uesla campa-
nha, lem igualmente manifestado urna mudan.-a
sensivel aa marcha que segua depois da reunio
do collegio eleiloral da corle, tornando-se mais
furiosa e mais virulenta cm seus escriptos
anarchicos, entendendo sem duvJda que islo
necessario para agujar o apetite dos seus correli-
gionarios, e para alemorisar lodos os homens si-
sudos que leem alguma cousa que zelar ou que
perder.
Ora, osles symplomas crticos sao de urna sig-
niii'-aro irrecusavel para quem conhece j as
raanhas e o temperamento da opposijo liberal
da ultima data, e forja reconhecer que os h-
meos eslo desanimados, o que ho de laujar
mo de qualquer expediente para restabelccer os
seus negocios.
O que entretanto verdade no meio de ludo
islo que a verificajo dos poderes esloanno da-
r Irabalho cmara at o fim de junho, talvez,
tantas sao as duplcalas e nullidades que lhe de-
vera ser presentes de quasi todas as provincias
do imperio, o que conslilue outras Untas ques-
toes pessoaes que ho de ser defendidos pelos in-
lcressados e por seus protectores e amigos com
um ardor desesperado, como costurae.
O conselheiro Prannos, foi nomeado consultor
da secretaria de estrangeiros, e infelizmente nao
temos anda certeza de que este Ilustre parlamen-
tar seja eleito por um dos circuios de Muio-Gros-
so, como se esperava.
A folba ofUcial publicou n'um dos dias da se-
mana passada o regulamenta datado de 23 de Ja-
neiro prximo passado, e ja ha mnito lempo es-
perado, sobre a necessidade da intervenco dos
correctores em todas as transaeces mrcantis
que se effectuarem as pracas do imperio ; o que
era reclamado por lodos oscommerciaatcs de boa
f, nao so porque evitar as muitas fraudes e fal-
sicacoea que ltimamente se tem dado, mas
anda para corlar um pouco as azas alta agiota-
gem que oestes ltimos lempos se tom prind-
palmente ejercido, de um modo insidioso e la-
tente, as transaccoesjde cambio,pois as prajas da
europa, o que tem muito concorrido para baixa
ficticia e artificial em quo elle se tem conserva-
do Depois quo a agiolagem se vio privada done-
gocinho da compra e venda de accoes de compa-
nhias em projecto e outros tiiulos phanttslicos
desta ordem, que foi o seu nelhor nanjar por
muilo tempo, atirou-se s canbiaes, e ah vai
surdamente fazendo a sua fortuna e pondo em
duvida o crdito do paiz, com o que pouco se ai-
porta.
O regulanento, porm, estate que nenhuma
transaeco mercantil de compra e venda, descon-
tos, empreslimos, cambios, etc., possa ser efec-
tuada as nossas pracas con intervenco de qual-
quer lerceiro, sem que este lereeiro seja um cor-
rector competentemente nomeado e juramentado
com responsabilidade moral e legal de seus actos
ao qual no mesmo regulamento se prescrevem
todos os deveres, bero como todas as condices
de legalidade e publicidade que devera acompa-
nhar as referidas transaeces Ninguem poderia
acbar neslas dispoaicoea cousa alguma para cen-
surar, tanto porque sao todas ellas evidentemen-
te em favor do commercio legitiaro, que nao vive Bacharel Tbeophilo das Noves Leao....
de artimanhas e expedientes, como por ser assim I ez. Candido Ladislao Japiaas........
justamente que se procede em todas as pracas
commerctaes do mundo, en casas enelbantes,
como ninguem ignora.
Mas nao foi assim que o entendern) alguna
opposicionistaa toit iitant commf reanles, cujos
in tersases parece que i.m ser farades pelas dispo-
wc>eaa^uUrM de regulamente, e acatadoaia- .
da bms peta taprensa ncsadistla qae nao perde espina Joio J. de- Sepnlveda Vasconcel-
accaeao de stter o seu trumpho e querer fazer | los
148
1
2
2
762
694
693
237
_ .imbaLTeeasie, aaWe-AHo7tiMrriesi'da Ba>
aba. sGerenaabo, que turmamo 4*dtetricto na
mcluiea- es votes em aeparado de Geramoesw e
da Pasaba*;
Franco..........
< Savaira .........
Saanawl Dantas..
ChBBB..........
Tibiada.........
Joan victor ....
Lui Antonio.'...
Apu-raco dos mesmos collegios, inclusiva
os votos em separado dos de Pombal e Puri-
cajao :
c Franco..;.......
Saraiva ........
< Manuel Dantas..
t Cicero..........
* Tiberio..........
Joo Vicior......
Luiz Antonio....
. V4p!Ia5So dos c>llegios de Leocoes, Santa
Isabel, Maracas, Rio deContas, Caet,*Macabas,
Monto Alto, Urub, Chiqne-Chlque, Barra do
code- S-.r'ranc8C0 Campo-largo, que formara
o 5 districto, excluidas as duplcalas, das fre-
guazias de Bom Jess e deMacabas, faltando us
corregios de Pilao-Arcado, Santa Rila e Carinha-
nba, com 123 votos:
Spnola.....518 votos.
Junqueira 405 >
Frederico .... 318
Gasparino.....310
Monleiro.....260
Bonifacio.....85
Magalbes Caslro. 44
Romualdo .... 28 >
da ultima lei bancaris, annuncia estar prompto
para trocar suas notas en ouro, ou se eapacana
o cunprnento desls obrigaeso.
At a hora em que escrevemos nao nos consta
ter havido qualquer solacio a esse respeilo.
Cambio. Iocluindo as transaeces regularos
somoasaa os saques pelo paquela
2
2
Alagat.Nada ha
vincia.
de importaute desla pro-
sic*>af Londres, i 40o\0ot. na maior pacte a
X d. o o resto a S 71i e 25 34 d.
Alen desla p aalia sacaa o baaco do Brasil
^JSL -do timm connercial do Porte *
o.UOU a zo d.
iiSPVrf"*'1 2-"*'a*) f*0008 rtresaasl do
Jrj6 e 377 rs., avaluado os saques sea dona ari-
neiros slgarismos*
Sobre Haraburgo 300,000 m. b. a 695 rs.
Sobro Lisboa e Porte regulou a tabella se-
guinte :
114OtO aviste.
113 0i0 30 dias.
112 0,0 i 60
ltt 0i0 90
A plices. Negociara ra-se as geraes de 6 l0 a
97 |0 ; hoje fechou-se a este preco urna transae-
co a 10.
Metaes.Venderam-se hootem 500 oncas da
patria a 30J1500.
Accoes.Negociaran -se as do banco do Brasil
a 75J e 765 ao premio, as do banco Rural e Hy-
pothecarlo a 27*. 28, 29$ e 3C de premio, as
do banco Commercial e Agrcola a 10$ de des-
coato, o aa da Cora panhia brasileira de paquetes
a vapor a 25)> de descont.
[7orna do Commercio.)
Pelo vapor Paran, entrado dos porlos do sul,
trouxe-nos jornaes, do Rio at 24 da passado, da
Baha al 1, e de Alagdas at 3 do correte.
Alm das noticias qne v3o transcriptas era ou-
tra parle deste Diario, eis o qua de mais encon-
tramos nos jornaes.
Hio de Janeiro. Biixaram os seguintes de-
cretos :
Pelo ministerio do imperio, os. 2.731, dando
novo regulamento inspeesodesaudedeportos ;
e 2,741, dando nova organisaco ao Instituto
Commercial do Rio de Janeiro.
Pelo da justica, ns. 2,739, croando duas com-
panhias avulsas do serico activo da guarda na-
cional na provincia ^do Espirito Santo ; e '2,744,
idem o lugar de juiz municipal e de orphos do
termo de Nossa Senhora da Conceijo do Arroyo,
na provincia do Rio Grande do Sul.
Pelo da fazenda, ns. 2,715, creando e dando
regulameuto ao Instituto dos menores artezos
da casa de Correcjo ; e 2,746, declarando quaes
os vencimentos dos Qscaes dos bancos em que ha
mais de um gerente, o eslabelecendo regras so-
bre sua percopjo.
Pelo da guerra, o regulamento especial da es-
cola de marinha.
Foram nomeados :
O major do corpo de engenheiros Joo Luiz de
Araujo Oliveira Lobo, para sor empregado no ar-
chivo militar.
Os capitaes Henrique de Amorira Bezerra, ac-
tual repetidor da Ia cadeira do 1" anno da esco-
la militar, para reger interinamente a 2a cadeira
do 2" anno da mes-na escola ; e Antonio Jos do
Amaral, para exercer, cumulativamente com as
funeces de repetidor interinoda Ia cadeira do Io
anno. as de repetidor interino das doulrioas da
2a cadeira do 2 anno da referida escola ; e o Sr.
1 lenle Antonio da Costa Barros Velloso, para
servir de repetidor interino da Ia cadeira do dilo
2o anno.
Us coronis, do corpo do estado maior de 1"
classe Pedro Mara Xavier de Castro, e de 2aclasse
Francisco Xavier Torres, e tenente-coronel dode
Ia Jos Pereira Dias, para inspeccionaren! : o
1, o balalhao de deposito, o 2o. o 5o baialbo de
infantaria e os corpos de gusrnico de Piauhy e
Cear ; e o 3o, o corpo do guarnico do Espirito
Santo.
O brigaJeiro Lopo de Almeida Henrques Bote-
Iho e Mello, para inspeccionar o 4o balalhao de
infantaria, quando coocluir a inspeceo 12" da
mesma arma.
Por decreto de 12 do corrente foi concedida ao
Sr. visconde de Ilaborahy a demisso que pedio
do lugar de presideote do conseiho inspector e
fiscal da caxa econmica e do male do socorro
desta corte.
Foram nomeados os Srs. :
Conselheiro alanoel Felizardo de Souza e Mel-
lo, para presidente do conseiho inspector e fiscal
d caixa econmica e do monte de socorro desta
corle ;
Bacharel Jos Joaqun Ferreira Valle, para
2o ofllcial da secretaria da fazenda ;
Capito de engenheiros Luiz Jos da Franca,
para engenheiro dos terrenos diamantinos da
provincia de Minas-Geraes ;
Fraileante da contadura de marinha, Felippe
Jos Pereira Leal Sobrinho, para 4o escriturario
dario da mesma repartico ;
Joo Carlos Pereira Pinto e Innocencio de Me-
nezes Vasconcelfos de Drumoud Jnior, para pra-
ticantes da conladoria de marinha.
Havia fallecido cm Il, o Exm. o Rvm. Sr.
D. Antonio Joaquim de Mello, bispo de S.
Paulo.
A abertura da assembla provincial do Pe-
nar, foi adiada para 2 de abril prximo.
Bahia.L-se no Diario da Baha :
O Sr. Antonio de Souza Vieira, chefe da 2a
secjo da alfandega, foi aposentado seu pe-
dido.
Foram nomeados para subsllui-lo oSr.guap-
da-mr Jos de Lima Nobre e para este ultimo
lugar o Sr. Carlos Americo de Sampaio Vianna.
Foi nomeado ajudante do guarda-mro Sr.
Faustino Joaquim da Costa.
Honlem 15, teve lugar na egreja cathedral a
missa de Rquiem, e memento solemne com mu-
sica em suffragio ao fallecido Exm. e Rvm. Sr.
Arcebispo Mrquez de Santa Cruz, mandada ce
lebrar pelo Rvm. Sr. conego thesoureiro-mr,
cemnendador Manoel Cyrillo Marinho.
a Simples, posto que assistida pelo Revra. ca-
pitular, respectivo cabido ; e mais algumas pes-
soas gradas de um e outro clero e seculares, foi
expressivo e tocante tributo de gratido do ami-
go fiel o saudoso ao seu amigo e bemfeitor.
O Sr. couogo Cyrillo ha muitos annosque mo-
ra va no palacio com S. Exc. Rvm., de quem cora
toda a estima gozava a honra de ser confessor.
Foi nomeado o bacharel Joaquim Moreira de
Castro para servir o lugar de promotor publico
da nova comarca de Monte-Alto
:< Foi nomeado o Dr. Agrario de Souza Me-
nezes para membro da commisso de vigilancia
da escola normal, em lugar do conselheiro Dr.
Joio Antuues de Azevedo Chaves, que nao a-
ceiiou.
* Apuracio geral do primeiro districto feta
pela cmara municipal da capital, com excluso
das duplcalas da villa do conde :
:< Dr. Alvaro Tiberio de Moncorvo o Lima. 209
< Joaqoim J. Fernandes da Cunha........ 175
Saluslano Ferreira Soulo............... 9>
Dr. Pedro Antonio de Oliveira Botelho 68
Cpito Joio J. de Sepulveda Vascon
cellos....................................
Brigadeiro Manoel Joaquim Pinto Paca....
NOTICIAS COMMERCIABS.
Montevideo, 16 de fevereiro de 1861.
O nosso deposito dos priucipaes arligos de im-
porlaco avullado em consequencia dos suc-
cessivos supprimentos que temos recebido, e nao
sendo proporcional o consuno nolt-se por isso
alguma apalhia no mercado, cuja melhor prova
sao as pequeas transaeces que se realisaram
durante a qunzena que passamos em revista.
Cambio.Inglaterra, 41 d por peso corrent.
Franca, 82 a Si 2i4 frs. por ooca.
GenOva, 81 frs. por onca.
Rio ile Janeiro, -293600 por onja.
Buec os- A y res, 3(4 e 7[8 0|fj de premio.
Divida publica Consolidados, 16 rls. as can-
telas de banco M.iu.
Exigivel, 32 rl. as cautelas do banco Mau.
Novos Mulos, 10 Ojo de valor.
Dls..um'os. Iiglaterra, couros salgados 30
sh., ditos seceos 60., e fardos 25 sh. com 5 Oin
de capa.
Havre, couros salgados 40 frs.. ditos seceos 88
frs. e fardos 40 fi i. com 10 0(0 de capa sob ban-
deira sarda<; non Inal.
Eitados-Unidoi couros seceos 5(8 por libra, di-
tos salgados 1 [i (ts, e fardos 6 pesos com 5 0(0
de capa.
ratil, 4 rls. p Ta o Rio de Janeiro, 5 para
a Bahia e 6 para .'ernambuco, 3 7[8 pats, por pi-
pa e 5 O40 de cap i.
As ntralas do issucar foram pequeas, e hou-
ve delle procura iim pouco activa, vendendo-se
fcilmente as ultimas partidas que chegaram, a
saber: do flanes Cere, de Pernambuco, 450 bar-
ricas do branco del qualidade a 26 rls., 100 di-
tas smenos a 22 1(2 rls., e 559 ditas mascavado
a 17 3|4 rls.; e do Infeliz.
Ha falla de agurdente, e os seusprecos teem
raelhorado sob a animada procura, vendendo-se
130 pipas pelo Infeliz, da Baha, a 97 ps. os
128 gal.
Falta-nos tamben o cafe e a arinha de man-
dioca.
De matt9 temos 3uprimcnto, e os seus precos
teem declinado.
Os de arinha de trigo lem melhorado; do C.
B. Jordn, do Rio venderam-se 50 barricas Ki-
chlmoDd a 10 pas., e 425 ditas a 8 1|2 pats.
Ua falta de vinhos de Marselha e de Cene, po-
rm nao os procurara, em razo da abundancia do
Catalo de qualidades inferiores.
Destes lem tido boa saluda as marcas supe-
riores.
Para os producios do paiz foi a quinzena mui-
lo pouco importante. Venleram-se alguos lo-
tes de couros seceos.
Os treualhos da salga conlinuam em pequea
escala, porm de esperar que se animen, ten-
do-se realisado alguns contratos de gado oestes
ltimos das, e constando que os estancieiros teem
feito algumas convences sobre os precos que an-
teriormente pediam.
Desde o Io de januiro al esta data salgaram-se
80.000 rezes.
Estamos sem deposito, o fecharam-se j con-
tractos sobre toda a salga.
De carne secca lem havido algumas vendas di-
minutas.
Os precos dos couros seceos teem baixado, e os
dos salgados esto tambera pouco seguros.
z?ite/oi-4i/res, 14 de fevereiro de 1861.
Oncas. 318 1 [2
O nosso mercado contina em calmara, apar
zar do serem menos frecuentes as entradas, prin-
cipalmente do Mediterrneo e Estadus-Unidos.
A modiicaco quo soffrerara os precos dos ar-
ligos de consumo diario conserva os comprado-
res em reserva, limitando-se a pequeos suppri-
mentos, como precauco contra urna nova baixa
que podem Irazer os grandes depsitos que sup-
portaraos e infundados receios sobre os succes-
sos polticos de S. Joo.
Apezar disto nao pude durar muito tal apalhia
por ser de maior movmento a estajo em que
vemos entrar, o porque a atividade dos traba -
Ihos das charqueadas daro novo impulso s
trai>sa;5es commerciaes.
Effeituaram as vendas seguinles :
Do Pino de Pernambuco, em deposilo, 1,600
barricas e 100 meias ditas de assucar preco rec
servado que se diz ser 10 rls. e pelas meia3 bar-
ricas do branco, 17 rls. pelas barricas, 15 rls,
pelo quebrado e 11 rls. pelo mascavado.
Do Star de Cdiz 2.000 fangas de sal, a 17 ra.
f-, sendo o genero entregue no Rosario em virtu-
de de um ajuste falo posteriormente com o com-
prador.
Do SaintoiA* fiaoul de Brdeos 2,000 quar-
lolas de vinbo tinto a 700 ps.
Do Tip de Cadx, em deposito. 164 pipas,50 !!"
meias, o 50 barrs de vinho lioto a 51 pats.
Do Viageros em deposilo 225 pipas 17 meias
e 36 barris de dito, marca Carey, a 57 pats.: 30
barris do secco e 10 ditos do doce a 75 pats. por
pipa
De productos do paiz venderam-se 16,000 cou-
ros slgalos a 51 rls., 4,000ditos a52 rls; 12.00
seceos para a Allemanha a 58 rls.. cando 5,000
era ser, 213,000 para os Estados-Unidos de 54
& e "'"""mele a 42 ^ fleando 10,000
12,000 em deposilo.
i
1* duplcala.
Eleicao bita aa capella do Senbor do Bomflm.
Dr. Alvaro Tiberio de Moncorvo e Lima.
< Dr. Salustiano Ferreira Souto..........
a Dr. Joaquim J. Fernandos da Cuaba___
Brigadeiro Manoel Joaqun Pinto Paca.
13
10
1
1
Bio de Jaseibo, 24 de fevereiro de 1861.
Cambio.Londres. 26 d. a 90 d.iv.
Pariz. 368 rs. a 90 d.|v. honlem.
Haraburgo, 695 rs. a 90 div.
Descontos.10|o.
Apolices De 6"| 970|o.
Acjues.Banco do Brasil, 76 de premio hoo-
tem.
dem, iden, 75j> e 76# de prenio boje
Banco-Rural e Hypolhecario, 29g i
30^ de premio.
Banco-Connercial e Agrcola, ICj) de
descont.
BOLETIM.
Depois da partida do paquete ingles Magd-m
lena conservou-s9 o uosso mercado monetario
pouco animado al o dia 14 ; n'essa dala abno-se
o cambio para o paquete fraacez Biam a 26 di-
nheiroe sobre Londres.
Circumatancias iuUiraneote Olhas da sitaaeio
n baixar esse algarismo no dia 19 a 25 7;8
Baha. 28 de fevereiro de I86J.
Cotacoet offieiaes da junta dos corretores.
Assucar mascavado de Nasareih a 1J850.
Dito dilo da Bahia a 25200.
Cambio sobre Londres 26 3i8 d.
CAMBIOS E METAES.
Londres 60 90 ds.26 118 a 26 3i4 d.
Paria a > 355 a 360 rs. o fr.
Hamburgo 680 a 700 m. b.
Lisboa > 100 a 105 nlO.
Dobloes hespanhes 31 a 31:8500. esc.
da patria-30500 a 318, idem.
Pecas de 6)100 velhas16500 a 17J> idem.
o de 4$93300 a 940O. idem.
Soberanos9^800 a 10000. idem.
Palaces brasileiros2 a 2J100.
hespanhes25 a 25100.
mexicanosl9O0 a 18960.
( Diario da Bahia).
Sahiarm para Pernambuco :
Do Rio: 10 do passado, o brigue Damao;
, o brigue Castro l; 23, o briguo Sonta
osa.
Da Bahia : 21, a barca Amelia.
Chegaram, procedentes de Pernambuco:
Ao Rio: 7, o vapor de guerra Viamo, com
dias e 7 horas; 8, o Drigue hespanhol Fran-
cisco ; com 7, a barca americana afana com 9,
o briguo Maria Rosa, com 10; i 13, a barca
Therezal, cora 9; 15, a barca Rio de Janeiro,
com 10; 16. o brigue Veloz, com 8, e o pats-
cho americano Eagle, com 17, o 23, o patacho
Luiza. com 14, e o balhabote Artista, com 10.
A' Babia, 23, o palhabote Fedea. com 3
das.
Achavam-se carga para Pernambuco:
Ao Rio o palhabote Artista, o patacho Sal-
vador, e o brigue Conceicn.
Na Bahia o palhabote Vedeta
sempre corae.oes agradecidos, que se lembem de
saa pesaos, coas sympathia agr lidio.
f Sr. ruanuores da eeiita Diaria.Sei,
porque o Sr. Dr. Luciano Xavier de Moraes Sar-
mente dase aie, o outras pessoas, que nia
quer demonstr/ces de graldo de operados
e MssduiMlbjM aie-ha Sil. M tasase pas-
sado, segunde omv dizer, toda a aa veda ao no
KsMaete da aaa pan, ou neeasatsMiai o awapi-
aaeefra arfrtaa que andas par noaaa arre acetas cousss
decirurgia, e apesacoes, m vean dar lhe od
testen o nao d nw agraeaesnenaa.
Quaado, ota paste oda nais aaOrer a
itn
l noliatfs quena alomentav, b tastos
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA-
da subdelegacia da
o capito Firmino
Boa-Vista,
da Cunha
as a esse cambio; predoninou sempre
o primeiro algarismo, e desde bontem Qrmou-se
progresslvamenle em saques de alguma impor-
tancia. r
Nao hoave alteraco na taza do descont, ne-
gociando-se com facilidade na praca letras de
primeira ordem a 9 \\- e 10 |,.
Os bancos ten sustentado a laxa de 9 %.
Honlem (22) reunio-se a directoria da banco
do Brasil ailm da resolver, se, en cumpriawalo
Foi exonerado
por seu pedido,
Reg.
Acham-se nomeados recrutadores nesta ci-
dade os ofciaesde Itnha seguintes:
Alferes Jorge Rodrigues Sidreira, da freguezia
do Recife.
Tonente Manoel de Azevedo do Nascimeoto,
da Boa-Vista.
Dito Joo Adolpho de Souza Brrelo, desta de
S. Antonio e S. Jos.
No dia 28 do passado teve lugar, peraote o
.ury, o julgamento de uro antigo processo ins-
taurado contra o Sr. Jos do Reg Barros, por lhe
seratiribuida a morte de Antonio Jos d Santa
Anna, cujo cadver fra exhumado no Ar-
raial.
Informam-nos que a accusacHo pelo Dr; pro-
motor publico interino GusmoLobo, foi enrgi-
ca e concludente ; e a defeza cargo do Dr. Epa-
minondas de Mello nao lhe foi somenos, desem-
penhando ambos com distineco o papel quesus-
lentavam.
O Se. coronel Manoel Xavier Paes Barreto,
do engenhu Mamucaba, comarca do Rio Formo-
so, queixa-se-nos deque a 15 de fevereiro ulti-
mo smente havia recebido os Diarios at o um
do jaueiro, no entretanto que os correios ou ca-
minheiros psrtem desla cidade s quintas-feiras
de todas as semanas!
Alm disto, naquella data devera ter alli che-
gado a mala de 7 daquelle referido mez de feve-
reiro ; e como pois somenle recebera o nosso as-
signante supracitado, Diarios al Janeiro, ao pas-
so que lh'os bavemis enviado at a ultima
data?
E' preciso que tal estado seja removido, que
nao persista to inconvenientemente ; e sobre isto
pedimos algunas providencias da adminisiraco
do crrelo desta cidade.
Amanhaa pelas 9 horas e meia da manha,
no consistorio da igreja de N. S. do Rosario da
freguezia de Santo Antonio, dever comecar o
andamento das rodas da primeira parte da pri-
meira lotera beneficio da igreja de Santa Hita
de Cassia.
Damos em seguida um exlrato da Ttrceira,
jornal da ilha desse nome, em que se narra o ac-
to religioso mandado alli celebrar pelo nosso
cnsul o Sr. Joaquim Antonio de Mondonga e
Menezes em suffragio das vctimas-da D. Isabel e
nao podemos deixar de louvar esse Sr. a sua
lembranga, em favor desalmas dos nossos jovens
marinheiros, to desastrosamente fallecidos.
Nao essa a primeira vez que esse Sr. se apr-
senla pressuroso; era todas as occases vemo-lo
sempre prompto e solicito prestar todos os bons
o lucios, aossubditos da naco, quo representa, com
a amizade eo eavalleirismo que o distinguem.
No dia 5 de Janeiro, na igreja do extiacto
convento de S. Francisco desla cidade, tiveram
lugar as exequias quo o digno vice-consul do im-
perio do Brasil nesta ilha, o Illm. Sr. Joaqoim
Antonia de Menlonea e Menezes alli mandou ce-
lebrar em suffragio pelas almas das infelizes vic-
timas do naufragio da corveta brasileira D.
Isabel, no dia 11 de novembro do anno Ando.
Depois da missa, cantada pelo Rvd. Dr. Luiz
Francisco da Rocha, subi tribuna evanglica o
Rvd. vigario da Conceicao, e ahi representou,
n urna succinta orago fnebre, o quadro horren-
do d'aquella catastrophe, e a irapresso arofunda
que geralmente havia causado to tnstissimo
acontecimenlo.
r Em seguida cantou-se um responsorio de
msica que foi excedentemente desempenhado.
No meio do temploarmou-se urna eca eircumda-
da de grande profbso de luzes. appareceodo em
lugar competente as armas brasileiras.
Honra, pois, e louvor ao Sr. Joaqun Anto-
nio de Mendoea, que larabem sabe comprehen-
der as obrgaces do homem religioso, e que com
a morle se nao esqueceu daquelles que tanto ha-
via aqu obsequiado em vida.
Honra, pois, a aquello que tambera sabe
desempenhar^ honrosa misso de representante
consular do imperio do Brasil nesta lba.
_ Ao punlicarmos a correspondencia ia/ro,
nao podemos deixar de dizer duas palavras es-
se joven comprovinciano, cuja modestia sobe de
pomo nao querer que sejam publicados os re-
sultados de sua clnica cirurgica. E' verdade
que por um lado ten elle razo, mas por isso nao
se deve occultar a espontaneidade daquelles que,
recebando um beneficio, defejam dar ama prora
de graldo ao seu bemfeitor.
J viino-loeperare podemos asseverar que, jo-
ven como elle maneja os instrumentos de que
se serve, com babihdade e firmeza, fazeolo sof-
frar o paciente o meaos que possivel, e empre-
na <*.j a ......... I-------- ,,u "* f-'c"* w ueuus que ts posHvi, o eropre-
ff "2* k- m ParaI g*nd eios proreptos para osen restabeieci-
meolo.
O deslnteresse que sempre preside seus tra-
tasen tos leras muito naia importantes os actos
que pretina, o fazen-o sumar daquelles que,
dispooao de recursos (reces, nada podeado dar
ao medico, muitas o mullas vasos eoftren o mal,
por oso taren com que retribuir sua cura.
Prosiga o Sr. Dr. Luciano Sarment, em saa
carreira meesee-arufie. sacaarrer de prefe-
rencia as classea pebres da raiadade,
anuos rsaasai livsar-me. qualquer' qo ioe,
resultado, ao menos do peso enorme que j me
impeda de andar, nao conhecendo S. S., con-
fesso que puz-me de observacao no grande hos-
pital de caridade, e so, depois de ver a rapidez
das suas operacOes e as caridosas attencoes do
joven operador, e confiando na certeza que me
dava de Hvrar-me em poucos dias, sem perigo do
vida nem grandes dores, d'aquella terrivel mo-
lestia^ roo decid fazer a operacao.
bracas Divina Providencia lealisou-ae tuda
0 que o Sr. Dr. Luciano me havia dito.
Tirou-meum peso de 16 libras dos testcu-
los, e realmente sem ddr, nem perigo. tanto quo
sondo a operagao feila no da 8 do passado, es-
lou boje lora do hospital, e entregue s mihia
oceupacoes, completamente curado, e sem o m-
nimo defeito, o quo me pareca iropossivel,
vista da grande quanlidade de carne, que era
preciso tirar.
Aos Srs. Drs. Dornellas e Firmo, dou os mais
sinceros sgradecimentoa por me lerem aconse-
Ihado e animado para a eperago. Ao Sr. Dr
Luciano Xavier de Moraes Sarment, conserva-
rei a mais respeilosa dedicaclo.
Recife. 3 de marco de 1861,Benedicto Fer-
re\ta da Trtndadc.
. ~~i Foram julgados peranle o jury Antonio Vic-
tor de S Brrelo. Joaquim Felicio de S Barre-
to, Jos csteves e o prelo Miguel, escravo do
coronel Antonio Pedro de S Barreto, indiciados
como co-aulores do assassinato de Candida Ma-
na da Conceicao que, sendo conduzida do enge-
nho Minas-Novas ende resida com Joo da Silva
ou Manoel Justino Alves, foi brbaramente as-
sassinada no acude do engeoho -Contr'Acude ao
amanhecer de 21 de marco de 1860.
A immensa muliidao, que concorrera e se api-
nhera no tribunal, fra a prova do grande inte-
resse publico que esta causa celebre eslava li-
gado.
Depots daaecusagao, qne foi bem desenvolvida
pelo promotor publico, seguio-se a defeza i car-
go do Dr. Paula Oaptisla, sendo a replica pelo-
Dr. A. liuimaraes, que correspoadeu espectaii-
va publica e a defeza.
Absolvidos os aecusados, o Dr. juiz de direilo-
interpdz appeilaco para o superior tribunal da
relago.
Foram recolhidos casa de delenco nos
dias 2 e 3 do corrente 5 homeus o 2 mulheres :
3 livres e 4 escravos ; 2 ordem do Dr. chefe d
polica, 2 ordem do Dr. delegado do Io districto
e 3 ordem do subdelegado de Santo Antonio.
Passageiros do vapor Paran, viudo do Rio
de Janeiro :Custodio Jos Leile Salles. Affbnco
Xavier Fortes Bustamante, 1 irrao e 1 escravo.
Candido Jos Rodrigues Torres, Joo da Molla
Azevedo Correa, Thomaz Pompeo de Aquino,
Joao Antonio de Souza Ribeiro Jnior, Antonio
Barrete Cutrim de Almeida, Manoel Arlhur Ca-
valcaoti d'AIbuquerque, Francisco Jos de Brito
1 filiio, e I escravo, Jos Antonio de Araujo Fil-*"
gueiras Jnior, Lucas Matheus de Castro e2 es-
cravos, Eloy Francisco de Campos.Sacundino Go-
mensoro,Albino Pinheiro de Siqueira, Constanti-
no Goncalves, Gervasio Mancebo, Theotonio Mau-
ricio de Miranda Lima, Benvenuto Emygdio Pe-
reira Guimaraes, Manoel d'Andrade Manins Val-
lasques, Prsncisco Antonio Carvalhar, Ignacio-
Accioli d'Almeida, Manoel Caetano d'Oliveira
Passos e 1 escravo, Felippe Dallro de Castro,
Augusto Cezar de Carvalho Klenezes, Joo Fer-
reira Chaves Jnior, Porphirio Amancio Goncal-
ves e 1 escravo, Victorino Antonio do Sacramen-
to e 1 criado, Joaquim Ribeiro de Souza Fres o
1 escravo, Luiz Caetano Muniz Brrelo, Francis-
co Liberato de Mallos Jnior, Manoel Joaquim
Liberato de Maltos e 1 escravo, Vctor Isaac de
Araujo, Frederico Marinho d'Araujo e 1 escravo,
Tilo Livio Vieira Dorias e 1 criado, Aureliano-
da Silva Rabello, Francisco Rodrigues de Seixas,
Joaquim Aotonio de Magalbes Castro e 1 cria-
do, Augusto de Araujo Santos el escravo, Vicen-
te Candido Ferreira Tourioho, Epiphanio Jos da
Rocha Bittencourt, Reginaldo Alves de Mello e
1 escravo, Jos Altes da Silva Pereira e 1 escra-
vo, Jos Ribeiro Pedreira e 1 escravo, Fran-
cisco Ferreira Pacheco de Mello e 1 escravo, Mi-
guel Calmon du Pin e Almeida e 1 escravo, Sal-
vador Pires de Carvalho e Albuquerque, Alvaro
Antonio deCastro.Joaquim Cajueirode C,Luiz Ma-
noel MendesVellozoel escravo,Luiz Duarte da S.,.
Vctor Diniz Goncalves, Pompilio Cavalcanli do
M. el escravo, Dr. Elias Jos Pedrozo.l.Qlho e 1
ecravo, Joaquim Jos Almeida Pires e 1 escravo,
Antonio Gongalves de Almeida, Joaquim Cons-
tancio de Moura Costa, Altino Joaquim Rodri-
gues Pimenta e 1 criado, Jos Rodrigues Valon-
ea e 1 criado, Joao Baplista da C, Francisco A.
Filgueiras Sobrinho, Salusliano da 3. Cajueirode
Campos, Melchiades Augusto de A. P, e 1 escravo,.
Americo Jos dos Santos, Jos Pedreira Franca
Jnior e 1 criado, Caraillo Xavier Espndola do
Miranda. Innocencio Jos de Freits3 Barros, Ma-
noel Vicente de Oliveira, Francisco Xavier do
S, Luiz Ayres de Almeida Freilas, Dr. Carlos
Cerqueira Pinto, sua senhora, 2 filhos, 1 afilha-
da, 1 criado e 6 escravos, Manoel Jos Espiudola
Jos Araujo Bacellar, Jos da Silva Paraizo, Joo
Ferreira de Oliveira e Silva e 1 criado, Joo Jos
de Moura Magalbes, 5 pragas de pret, Antonio
Pereira Baracho, Fraosco Pires Carnero, Ber-
nardino Jos de Carvalho, Jos Francisco de Bi-
lencourl, Joaquim Vicente da Costa Camarae sua
senhora, Manoel Joaquim da Silva Leo, Eugenio
Jos Neves de Andrada, tenente-coronel Dionisio
Rodrigues de Mello Castro e 1 escravo, Eugenio-
Mana da Co9ta Paiva, Antonio Theodoro do Al-
meida, Jos Joaquim de Oliveira, Antonio Pe-
reira Camello e 1 criado, Jos Joaquim Dou-
rado, Manoel Pinto do Araujo Filbo e 1 escra-
vo, Entychio Carlos de Carvalho Gama e 1 es-
cravo. Rosendo Cesar de Ges e 1 escravo
Guilherroe Scokow e 1 criado, Gustavo A Sco-
kow e 1 criado, Antonio Bento da Silva C Fran-
cisco Jos de Magalhes Bastos, D. Maraon*
Persiana J. Antonio Gongalves de Albuquerque
Rozendo Jos Moreira, Jos Martina, Ivo Jos
Pereira da Costa, Antonio Jos de Mello Do-
mingos Jos de Souza Peixoto, Antonio Jos
Duarte, Antonio Teixeira Pinlo, Tiburcio Alves
de Carvalho, Domingos da Silva Torres, Fran-
cisco Joaquim Alves Rodrigues. Jos Pinto Joo
Pereira da Araujo Barbosa Damas. Joo Jos da
Silva Guimaraes, Dr. Manoel Januario Bezerra
Montenegro e 1 criado, Barnab Elias da Rosa
Calheiros e 1 escravo, Dr. Ambrozio Machado da
Luoha a 1 escravo, Dr. Vicente de Paula Cascaes
Telles.
Sguem para o norte: ,
Io .lente Jos Francisco Pinto e 1 cria-
do, tnsale Raymuodo Mximo Sepulveda e 1
criado, 2o tenente Jos Theophilo Cardoso te-
nante Vicente Pereira Dias. cadete Norberlo' Ro-
drigues Coelho, Dr. Francisco da Silva Castro
prela forra Felizarda, 2 escravos a entregar 4
pracas de pret e urna ex-praca do exercito. '
O vapor francez Bearn, vindo dos portes
do sul, trouxe seu bordo os seguinles passa-
Frederic Koller, Jules Picard, Miguel Jos Al-
ves, Jos Monteiro da Silva, Antonio de Miran-
da Lima, Jos F. Ferreira da Silva Braga Vi-
cente da Silva Portella e Manoel B. de M Por-
tella.
O vapor francez Bearn, sabido para os por-
los da Europa, levou i seu bordo os seguintes
passageiros: *
Andr Lois, L. Deloaene, sua senhora e 3 fl-
Ihos Carlos L. Ph.lippe Roeck, Achules Lauren-
P.am!L0pI;,J,gi.,,,wel d0 Souza. Joo
t?8*"' *?** PWie- Borges, Carlos Vsf-
fanl, Rodolpbo Schmidt, Corf Hertz, Manoel Joa-
quim Rodrigues Guimaraes o sua senhora, Dr.
Seuna ,BHH,h, So'110 Mri Creasen e Joio
~1 AJ".C" Dri>eira Santa Maria Boa Sorle,
viada de Rio Grande do Sul, trouxe 4 sen bordo
es seguintes passageiros :
Maaoet Goncalves Pereira Lima e sua senhora.
O hiele nacional Grfidos, sahidq para o
Aracaty, lerou sen bordo o seguate passa-
JeeeGeeestaasAira.
MATADOURO FUSUCO


TUafA FEUU 6,iE MAICOWIMJ.
w
Mataram-se o ii 3 do correle
sumo deita cidaflel ezea.
N da 4-91.
para o con-
CHR0H1CA JUDlCMIft.
JURY DO RECIPE.
Ia SESSIO.
Da le mareo.
PRESIDENCIA DO SR. DR. XCIZ DE DIREITO DA SE-
GUNDA VARA CRIMINAL FRANCISCO DOSIKGUES DA
SILVA.
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopol-
dina de Gusmo Lobo.
Eicrivo privativo, o Sr. Joaquim Francisco de
Paula Esteves Clemente.
Advogados, osSrs. Drs. Francisco de Paula Bap-
tisla e Aprigio Justiniano da SiWa Guima-
res.
A's 10horas da manha, o escrivao procedo
chamada e verifica eslarem presentes 42 ju-
rados.
Sao multados em 203000 pelo Dr presidente
do jury, cada um dos Srs. juizes de facto multa-
dos nos dias anteriores, que nao comparecern),
e mais os que faltaram sesso de hoje.
Estando presente o numero legal, o Sr. Dr.
juiz da direito doclarou aberta a sesso.
Entrara em julgameoto Antonio Vctor de S
Brrelo, Joaquina Felicio de Si Brrelo, Jos
Esleves, e o preto Miguel, escravo do coronel
Antonio Pedro de S Brrelo, aecusados por
criraede morle perpetrada na pessoa de Candida
Mara da Conceicao, tendo por seus defensores
os Srs. Drs. cima meoclonados.
O Sr. Dr. juiz de direito nomeou para curador
de Joaquim Felicio de S Brrelo, de Jos Este-
ves o do prelo Miguel, o Sr. Dr. Aprigio Justi-
niane di Silva Guiraaries, que prestou o devido
juramento.
Forana recusados pela justica publica, os sc-
iihores :
Jos Elesbao Borges Uchda.
Bernardo Falco de souza.
Leopoldino Ferreira da Silva. -
Luiz de-Franca Lius de Albuquerque.
Manoel Antonio da Silva Bios Jnior.
Dr. Luiz Jos Carneiro de Souza Licerdd.
Antonio Jo* da Costa Reg.
Joo Francisco do Nascimento Feitosa.
Ulysses Pernanibucano de Mello.
Manoel Gngorio Barroso de Mello.
Dr. Pergentino Sariiva de Araujo Galvo.
Francisco Pereira Vtanna.
Foram recusados pela defeza, os senhores:
Joo Alves Ferreira.
Bernardo Falco de Souza.
Luiz Jeronymo Ignacio dos Santos.
Antonio Conrado Sabino.
Joaquim Cavalcanli de Albuquerque.
Ludgero Antonio de Albuquerque Mello.
Bernardo Luiz Ferreira Cesar Loureiro.
O conselho
jurados:
de seolenca compde-se dos Srs.
Joo Antonio Coelho.
Joo da Bocha e Silva.
Joaquim Vital do Amaral.
Alexandre da Silveira Lima Veneno.
Gedeo Forjaz de Lacerda.
Manoel Ignacio de Torres Bandeira.
Antonio de Hollanda Arco-Verde Cavalcanli.
Jos Joaquim da Costa.
Virgilio Jos da Molla.
Caetano de Carvalho Raposo.
Candido Jos da Silva Guimaraes.
Dr. Joaquim da Silva Gusmo.
4*Esle crine fi eemaiettido cora superiori-
dade de forcas, sexo ou armas, de maneira que a
offendida nao podene deeader-se com probabl-
lidade de repetlir a offenaa?
5oDeu-se nos deiinqueotes a premeditaco,
isto designio formado antes da aeco de offen-
der a assassinada mais de Si boca* ?
6Esle crime foi commeltldo com abaso de
conflanca nelle petta?
7o Esle crime foi commellido com nr-
preza ?
8oPrecedeu ajuste entre dous ou mais indi-
ano05* p.*ra fiin de cemmeUer-se o crime 1
9 Existen) circuatstanciae attenuantes a favor
do reo?
Lidos os quesitos pelo Sr. Dr. juu de direito,
fui o jury de sentenca recolbido sala secreta
das conferencias, com o procosso s 5 horas e
tres quartos da Urde, d'onde voltou depois s
6 horas e meia, respondendo aos quesitos pela
maneira seguate :
Quesitos acerca de Antonio Vctor de S Bar-
reto :
Ao Io quesilo Nao, por unanimidade, o dei-
xando de responder aos outros porcarem preju-
dicados.
Joaquim Felicio de S Brrelo :
Ao Io quesitoNao, por unanimidade, dei-
xando de responder aos outros por Qcarem pre-
judicados.
Jos Esleves:
Ao Io quesitoNao, por unanimidade, e dei-
xando de responder aos outres por ficarem pre-
judicados.
Miguel escravo :
Ao 1 quesitoNio, por unanimidade. dei-
xaodo de responder aos outros por ficarem pre-
judicados.
Lidas as respostas pelo presidente do jury de
sentenca, o Sr. Dr. juiz de direito manJou que
o dito jury tornasse sala secreta, para que res-
poodesse ao segundo quesito de cada um dos
reos.
Recolhido novamente o jury sala secrela das
conferencias, 'ahi voltou depois de meia hora,
respondendo ao dito quesito pela maneira se-
guinte:
Nao,Por unanimidade.
O Sr. Dr. juiz de direito em vista da deciso do
jury publicou sua senteoca absolvendo os reos e
condemnando a muoicipalidade as custas, e
appellou para o superior tribunal da relac.io.
Levanlou a sesso, s 7 e meia horas da noite,
adiando-a para o dia 4 do corrente, s 10 horas
da manha.
Da 4
PRESIDENCIA DO
DA SILVA, JUIZ
CRIMINAL.
SR.
DE
DR. FRANCISCO DOMINGUES
DIREITO DA SEGUNDA VARA
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopol-
dino de Gusmo Lobo.
Escrivao,
Esleves
o Sr. Joaquim
Clemente.
Francisco de Paula
Sr. Dr. Americo Nello de Men-
San-
o Sr.
pedio
Dr.
a
Paula Baplista,
absolvico dos
o Sr. Dr.
a absolvi-
E prestaram juramento sobre o ivro dos
tos Evangelhos.
Foram os reos interrogados.
Lido o processo, deu-se a palavra ao Sr. Dr.
promotor, que pedio a condemnaco dos reos
no grao mximo do artigo 192 do cdigo cri-
minal.
Oadvogado do reo,
deduzindo a defeza,
reos.
Depois da replica da promotoria,
Aprigio Guimaraes troplicou, pediudo
$o dos reos.
Findos os debats, e preenchidas as demais
solemnidades da lei, o Sr. Dr. juiz de direito
perguntou ao jury se estava sufQcienteniento es-
clarecido para julgar a causa, e tendo resposla
affirmaliva resumi a materia da aecusaco e da
defeza, propoudo ao conselho os quesitos se-
guidles :
Io0 reo Antonio Vistor de S Brrelo, as-
sassinou a Candida Mara da Conceicao, cujo ca-
dver fui encontrado no acudo do engenho Con-
tra-Acude, ao araanhecerdo dia 21 de marco do
anno prximo passado ?
2oO reo concorreu diieelaraente para se com-
melter este crime?
3oO reo commelleu o crime de noite, em
lugir ermo .'
4oO reo commelleu o crime com superiori-
dade de rQa, sexo ou armas, de maneira que a
offendida nao podia defender-se com probabili-
dede de repellir a offensa?
5oO rocammelteu o crime com premedita-
cao, decorrendo entre o designio e a aeco mais
de 2 horas?
6oO roo commelleu o crime com abuso do
confianca nelle posta ?
7oO reo commelleu o crime com sorpreza ?
8oPrecedeu ajuste entro dous ou mais indi-
viduos, para o fim de commelter-se o crimo?
9Existem circurastineias altenuantes fa-
vor do reo?
Reo Joaquim Felicio de S IJarrelo :
IoO reo Joaquim Felicio de S Brrelo, as-
sassinou a Candida Mara da Conceicao, cujo
cadver Coi encontrado no acude do engenho
Contra-Acude, ao amanheccr do dia SI de mar-
^0 do anuo prximo passado?
2oO reo concorreu directamento para se
coraraelter este crime?
3oO reo commelleu o crime de noite e em
lugar ermo?
49O reo commclteu o crime com superiori-
dade de forcas, sexo ou armas, de maneira que a
offendida nao podesse defender-se com probabi-
lidade de repellir a offensa ?
5O reo commelleu o crime com premedita-
co, isio decorrendo entre a aeco e o desig-
nio mais de 21 horas?
6O reo commelleu o crimo com sor-
preza ?
7O reo commelleu o crime com abuso de
confiaoca nelle posta '.'
8Precedeu ajuste entre dous ou mais indivi-
duos para o fim de commetler-se o crime?
9 Existem circunstancias attenuanles a favor
do reo ?
Bo Jos Esteves:
Io O reo Jos Esteves, assassinou a Can-
dida Mara da Conceicao, cujo cadver foi en-
contrado no acude do engenho Contra-Arude,
ao amanheccr do da 21 de margo do anno pr-
ximo passado?
2oO reo concorreu directamente para so
commelter este ciime ?
3O reo commelleu o crime de noite e em
lugar ermo?
VO reo commelleu o crime com superiori-
dade de forcas, sexo ou armas, de maneira que
a offendida nao podesse defender-se com proba-
bilidade de repellir a offensa?
5"O reo cominelteu o crime com premedita-;
cao, decorrendo entre o desiguio e a aeco mais
de 34 horas ?
6O reo commelleu o crime com abaso de
confiaoca nelle posta ?
7* O roo commelleu o crime cora sor-
preza 1
.8Precedeu ajuste entre dous ou mais Indi-
viduos, para o flm de commetler-se o crime ?
9 Ensiem circuraslauoiaa attenuanUsom fa-
vor do reo ?
Reo o prelo Miguel:
1O reo o prelo Miguel, escravo de coronel;
Antonio Pedro de S Brrelo, matou Candida
Hacia da ConceiQa, cujo cadver foi ennootrado
no acude do engenho Conlra-Acude, ao aman ha-
cer do dia 21 de marco do auno prximo pae-
aedo 1
2a O reo concorreu rtinmlKTUBti
commetter o acia*)'?
*-Estrame-Coi coaotetUio do Mita 4 e
lugar ermo 1
Advogado, o
doea.
A's 10 horas da manha, o escrivao procede
chamada, e verifica eslarem presentes 39 Srs.
jurados.
Foram multados em 20&000 cada um dos se-
nhores multados nos dias anteriores, os quaes
nao apresentaram escusas, e mais os senhores
que faltaram sesso de hoje.
Estando present o numero legal, o Sr. Dr.
juiz de direito declarou aberta a a sesso.
Entra em julgamento o reo Domingos Lopes
de Saol'Anna, aecusado por crime de offensas
physicas.
conselho de sentenca foi composto dos Srs.
jurados :
Dr. Pergenlino Saraiva de Araujo Galvo.
Domingos Nuoes Ferreira.
Ulysses Perdambucano de Mello.
Cais no de Carvalho itaposo.
Joo Antonio Coelho.
Manoel Antonio da Silva Bios Jnior.
Jos Joaquim da Costa.
Gedeo Forjaz de Lacerda.
Joo Alves Ferreira.
Francisco Pereira Vianna.
Antonio Jos da Costa Kego.
Jos Francisco de Moura.
E prestaram o juramento aos Santos Evan-
gelhos.
Foi o reo interrogado e fez-se a leitura do pro-
cesso.
Dada a palavra ao Dr. promotor, pedio a con-
demnaco do reo no grao medio do artigo 201
do cdigo criminal.
O advogado do reo, deduzindo a defeza, pedio
a sua absolvico
Findos os debates o Sr. Dr. juiz de direito re-
sumi a materia da aecusaco e da defeza, e
propoz ao jury os quesitos seguales :
1O reo Domingos Lopes de Sanl'Anna, no
dia do mez dejulho do anno prximo passado.
ferio ao Francez Charrel Airero, no caes do Ra-
mos ?
2Este ferimento produzio no paciente grave
incommado de saude ?
3 Eslo ferimenlo produzio no paciente inha-
bilitaco de servigo por mais de um mez?
4 Exislem ciicumstaucias allenuantes em
favor do reo?
Recolhido o conselho com os quesitos sala
secreta das conferencias, voltou depois de um
quarto de hora, respondendo aos quesitos pela
maneira seguinle:
Ao Ia quesitoNao, por unanimidade, e dei-
xando de responder aos oulros por ficarem prc-
judicados.
Lidas ss respostas pelo presidente do jury, o
Sr. Dr. juiz de direito proferio sua sentenca
absolvendo o reo econdemnando a munictpali-
dade as custas.
proce-
0
ter bom
c e/ie ex oficio o proceda' ou sa manee
c der contra os meamos, na formado lei.
jogo vil dos manilos o dos doeslos, pode
resaltado para quena o qoiaer ; para
aaim, nao ; abominavel e nimiamente asque-
roso 1
Chamei a responsabilidade o peridico Nova
Era por causa de insultos fe consta aaim deu a
alampa, e appareceu-me um desses responsa-
vels etpeciaes que o publico jS coahece. O que
fazer, puis ? I .... O publico sensato ante quem
fallo, responda.
Pi d'Alho 3 de marco de 1861.
Francisco Teixeira de S.
Inrsn-Wun-- 3S dia, atieho ioglaz Batriet,
de tal toneladas, capitio1v*illiam Mihon, equi-
pagem 7, canga flSW bamoai eom bacilho ;
a Henry Froster & C Seguiu para a Babia.
Navio taidos no metmo dia,
Liverpool peta Parahiba brigue iniler. Lindis-
farn, capitao Jobo. Millar, em lastro.
a.
"SiFT^-
a.
r r g B
Sri. Redactores.PermitU-nos a insereo de
duas palavras no seu conceiluado jornal.
Lendo uo Liberal Pernambucano de hoje, um
pequeo artigo em que, alguem de mira se oc-
cupa de meo de ver, eomohomem de honra, que
me preso ser, e em aattsfacao quem quer que
por ventura, por me nao conhecer, nao faca de
mimo conceito que tenho todo e direito, pro-
vocar do modo mais terminante ao maligno au-
tor deste roesmo artigo, apontar todos os fados
que como empregado publico me desabonen).
Esle convito, que ora faca ao autor do citado
artigo, lio solemne e formal, quanto solemne e
formal o desprezo que voto s calumnias que
mais se contm em o seu artigo. De viseira er-
guida, e apresentando-se como hornera, se o ,
eu o aguardo pois.
Recite, 4 de marco.Pedro Alejandrino de
Barros'Cavalcanli de Lacerda.
Publicares a pedido.
paciente gra-
Mariha.
Por caria recebida do Rio de Janeiro
trazida pel vapor Paran de pessoa mu-
to fidedigna livemos a seguinle noticia :
Falla-se que o capitao de mar e gaarra
Elizario Antonio dos Santos vai ser subs-
tituido de inspector do arsenal de mari-
nha desta provincia, pelo commaodante
dos fuzileiros navaes da corte.
COMMERCIO.
Praca do Recife 4 de
marco de 1861.
A.s tres ovas da tarde.
Coia^oes offlciaes.
Cambio sobre Londres 26 5(8 d. por 1$ 90
dias de vista.
Cambio sobre o Bio de Janeiro 1 0i0 de des-
cont 15 dias de vista.
Leal SevePresidente.
Frederico Guimaraessecretario.
Vlfaadega,
Rendimento do dia 1 a 2 .
dem do dia 4.....
41:267*687
15:0526202
56:319$889
Mlmenlo da alfandejga.
Voluntes entrados com fazendas..
> com gneros.
Volumes

sahidos
com
cem
fazendas..
gneros..
85
517
------602
137
141
------278
SEGUNDO JULGAMENTO.
Sendo novamente feila a chamada dos jurados,
acharam-se prsenles os mesmos39.
Entra em julgamento a r Bernarda Anoa da
Conceicao, aecusada por crime de offensas phy-
sicas, tendo a mes ra por seu defensor o Sr.
Dr. Americo Nello de Mendonca.
Sendo approvado pelas partes o jury que jul-
gnu o reo Domingos Lopes de Sanl'Anna, pres-
tou o ditojury novo juramento.
Foi a r interrogada.
Lido o processo, foi dada a palavra ao Sr. Dr.
promotor, qne pedio a condemnaco di r no
grao medio do art. 201 do cdigo criminal.
O advogado da r deduzindo a defeza podio a
sua absolvico.
Findos os debates, o Sr. Dr. juiz de direito re-
sumi a materia da aecusaco e da defeza, e
propoz ao jury os quesitos seguintes :
.IoA r Bernarda Anna da Conceicao, em
dias do mez de norembro do anno prximo pas-
sado, causn a Mara Umbelioa da Conceicao as
offensas physicas cousianies do auto do corpo de
delicto?
2Estas offeosas produziram
ve incommodo de saule?
3oEstas offensas produziram na paciente in-
habilitaco de servido por ais de um mez ?
4o Existem circumstancias atteuuanles em
favor da r ?
Becolhido o jury de sentenga com os quositos
e processo 6 sala secreta dn conferencias, voltou
depois de um quarto d'hora, respondendo aos
quesitos pela maneira -seguiute :
Ao 1 quesito-Nao, por unanimidade de vo-
tos, e deixaado de responder aos outros por fi-
carem prejudicados.
Lidas as respostas pelo presidente do jury, o
Sr. Dr juit de direito publicou sua senteoca ab-
solvendo a t e coademnando a municipalidade
as custas.
Levantou a aeaiio 6 urna e meia hora da tar-
de, adiando-a para o ola seguinte, s 10 horas
da manha.
o
B
B
as
B
S
floras
Atmotpkera.
Pl
es

33
Dirtcco.
. I
Intensidad/.
3 2 2 S

Fahreukeit.
00

00
Centgrado.
oo
| ffyaromelro.
o *.
Cisterna hydro-
metrita.



4
O
I
Fraaeez.
8
Inglei.
O
a
CA
P3
99
;
o ce
S
o
r-
c
c.
cu
S 8 s
"S g
A noite clara at 5 h. da manha, que come-
cou a chuvar, vento E fresco
OSCILLaCAO da mb.
Preamar as 9 h. W da manha, altura 5.8 p.
Bancamar as 3 h. 54' da tarde, altura 1,8 p.
do arsenal de marinha, 4 de
Observatorio
marco de 1861.
ROMANO STEPPLB,
1*. lente.
Editaes.
Descarregam hoje 5 de fevereiro.
Galera francezaSolferinafazendas.
Brigue portuguezAmalia Imercadorias.
Patacho inglezEova Creinabacalho. .
Patacho americanoLangarotebreu.
ImporitaaOt
Vapor nacional Paran, precedente do Rio de
Janeiro, manifstou o aeguinte :
1 caixa redoma de vidro ; a Boston Rooker
&C.
1 dita fardamento ; ao Dr. Sabino Olegario
Ludugero P.
100 barris e 100 meios manleiga de vacca, 1
caixa gazomelrus, 1 dita velludos, 1 dita fa-
zendas, 40 rollos tumo, meia barrica erva-matc,
1 caixo ovos, 1 lata biscoitos; a ordem de di-
versos.
Barca nacional Amelia, viuda da Bihia, raa-
nifestou o seguinle : *
466 caixas charutos; aPalmeira & Bellro.
1 caixo charutos; a Jos Joaquim do Seixas.
7 ditos e 1 pacote charutos. 40 betas de pias-
sava, 5 gigos louga de barro, 10J0 qnarlinhas ; a
ordem de diversos.
Barca brusileira Santa Maria Doa-Sorle, vinda
do Bio Grande do Sal, consignada a Manoel
Goncalves da Silva, manifestou o seguinle;
9931 arrobas de charque; a ordem.
40 couros vaceuns, 1 barril com lingoas, 8
quartolas e 2 barris tainhas.
Patacho americano Lanzarst, viudo de Wel-
mengton, consignado a Henry Forster & C ma-
nifestou o seguiote :
110,554 ps de taboado de pinho, 414 barris
beu ; aos mesmos.
Brigue escuna hespanhdl Guadelupe, vindo de
Buenos-Ayres, consignado Amorirn & Ir-
mos.
1360 quintaos hespanhes de charque, 42 cou-
ros seceos; aos mesmos.
Palaca hespanhola Chile, vinda de Monte-
Video, ni.init'-'slou o seguinle :
4700 quintaes hespanhes carne secca, e 60
couros de poltro seceos; a ordem.
Exportado
Do dia i de marco,
francez Alix, para Marseillo,
Patacho iraocez Alix, para Marseillo, car-
rega :
Tyssei freres, 300 saceos cora 1500 arrobas de
Besucar.
Beccbedoria de rendas internas
ajeraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 2 10:5389461
dem do dia 4.......55335278
Correspondencias.
nasa o
Srs. redactores. A nica resposta precisa,
conveniente, cavalleirosa. que devo dar as invec-
tivas -que me sao dirigidas no Liberal Pernam-
bucano de hontem, e que eu presumo partrrem
do bachaiel Jos a Cunha Teixeira, a segua -
lo ;
Cdigo do processo crimiual.
Art. 150 Todo eidado poda deauaciar ou
< queixar-se parante a autoridade competente de
1,nM"Wt)a*pTraarAao publico pelos crtmes de
tasBohtlfate eo aaau ala WM anoa, fatal
16:091739
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 2 5:8598092
dem do dia 4.......2:735087
___________________________________8594817^
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 3.
Genova40 dias, escuna sarda Annessiooe,
de 107 toneladas, capitao Bernardo Guagono,
equipagem 8, cargt vmho, massaa e mais g-
neros; a Bastos & Lemos.
Bio Grande do Sul4 dias, barca brazileira San-
ta Mara Boa-Sorte, de 226 toneladas, capi-
tao Manoel Luiz dos Santos, equipagem 15,
carga 9984 arrobas de carne; a Manoel Gon-
Qalvea da Silva.
Jersey33 dias, barca ingleza Venus, de 180
toneladas, capitao Phelippe Gruchy, equipa-
gem 12, carga 1902 linas com bacalho; a Ja -
mes Crablree & C. Sigui para Bahia.
Rio de Janeiro e Bahiavapor franceza Be am,
de 1173 toneladas, commandanle A. de la No,
equipagem 114.
Buenos-Ayras 30 dias, sumaca hespanhola
Guadalupe, de 118 toneladas, capitao JoSo
Fontanilles, eqiripogem 40, carga 1360 quin-
taes de carne secca -. a Amorirn Irmo.
Navio taido na mesmo dia
Aracatyhiate nacional Gratidao, capila Po-
dra Jos Francisco, carga diferentes gene-
ros.
Rio de Janeirobarca brasUaira Irla, capitao
Jos Joaquim da Silva, carga assucar e agur-
dente, 7 estraves a entregar,
Poreaut e portea anaarmedioa -vapor 4rancez
Bearo, cem mandante A. da la Na.
iVotno anaradot na dia 4.
Partos do SlJ dias a auroras, wnpor naci
-nal aran*, com mandante capitao tenante
Joaa .aaeoldo do si. Tarraaao.
a*aa-40. dias, barca braattarra Amalia, de
242 toneladas, capitao Narciso Lopes da tira
eqaqpagaan U, em tastoa; a Asafedo t Men-
* j
Montevido-32 dias, polaca hespanhola de 200 toneladas* eaaltio iaa Millet, quina-?
gnm lt, eaaga 4O& ajaiai hcapaabea da
cune; a Aranaga Bj|a< C.
O lenente-coronel Anionio Carneiro Machado
Ros, commendador da imperial ordem da Ro-
sa, uiz de paz do 1. anno do 1. districto da
freguezia do. Santissimo Sacramento do bairro
da Boa-Vista em virtude da lei etc.
Fago saber sos eleitores e snpplentes desta fre-
guezia abaixo declarados, que nao lendo sido ins-
talada no dia designado por lei a junta qualiflca-
dora desta meama freguezia, foi pois designado
por oortariado Exm. Sr. presidente da provincia
de 26 de feTereiro flnio o dia 3 de abril prxi-
mo futuro,para dita instalaco da junta qualica-
dora, paraaqual convido e convoco aos mesmos
eleitores e supplenles na forma do art. 4. da lei
de 19 de agosto de 186, alim de coraparecerem
no supradilo dia no corpo da igreja matriz da
Boa-Vista, pelas 9 horas da manha para dita
formacio da junli qualifkadora, (cando scientes
os mesmoseleilores e supplenles que cam su-
jeiios a multa de 40g e 60$ seoo comparecerem,
ou lendo comparecido, deixarem de assignar a
acta respectiva.
ELEITORES.
Os ser.hores :
Simplicio Jos de Mello.
Joaqiim Anlunes.
Amiro de larros Correia.
Antonio Carlos de Pinho Borges.
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva.
Dr. Bento Jos da Costa.
Thooaaz Jote da Silva Gusmo.
Vicente An'.onio do Espirito Santo.
Thomaz Antonio Maciel Monteiro.
Jos Maria Freir Gameiro.
Dr. Luiz de Carvalho Paes de Andrade.
Manoel Coelho Cintra.
Padre Francisco Alves de branles.
Jos Anin o dos Santos e Silva.
Jos Affons dos Santoj Bastos.
Manoel Lu; Viraos.
Joaquim Jote Ferreira da Penha.
Fraucisco d Barros Correia.
Hypolito Caisiano de Vasconcellos Albuquerque
Maranho.
Francisco de Lemos Duarte.
Luiz de Aze'edo Souza.
Francisco Ignacio de Attayde.
Joaquim Mildo Maru.
Jos Carneiro da Cunha.
Bento dos Santos Ramos.
Belmiro Augusto de Almeida:
Jos Anto de Souza Magalhes.
Joao da Silveira Borges Tavon.
Alexandre dos Santos Barros.
" SUPPLENTES.
Decio de Aquino Fonseca.
Flavo Ferreira Catao.
Relarraioo de Barros Correia.
Thom Carlos Peretti.
Joaquim Elias de Moura Jardim.
Francisco Accioly de Gouveia Lins.
Dr. Lourengo Trigo de Loureiro.
Oorindo Ferreira Clao.
Jos Hygino de Miranda.
Venceslao Machado Freir Pereira da Silva.
Jo Barlholomeu Gongalvesda Silva.
Jos Barbosa de Miranda Santiago.
Pedro de Alcntara e Silva.
Porfirio da Cunha Moreira Alves.
Miguel Archanjo Fernandes Vianna.
Jos da Costa llrando Cordeiro.
Manoel do Nascimento da Cosa Monteiro.
Joaquim Fernandes de Azevedo.
Jos Joaquim Ramos e Silva.
Joo Pacheco de Queiroga.
Francisco Rufino Correia de Mello.
Francisco Martms Raposo.
Feliciano Joaquim dos Santos.
Manoel do Nascimento Vianna.
Desembargador Manoel Rodrigues Villares.
Jos Nunes de Oliveira.
Francisco Mendes Martins.
Francelino Augusto de Hollanda Chacn.
Joaquim Jorge de Mello.
Dr. Joaquim de Oliveira Souza.
Jos Lucas Rodrigues Hachado.
E para constar mandei passar o presente, qae
ser affixado nos lugares mais pblicos desta fre-
guezia, e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesla cidade do Recife de Per-
nambuco aol." de marco de 1861. Eu Francis-
co de Barros Correia, escrivao que escrevi.
Antonio Carneiro Machado Rios.
A cmara municipal do Uecife contrata o
serrico da lirapeza da cidade com quem delle se
queira encarregar, mediante condicoes razoaveis,
para o que aceita propostas dos inleressados em
cartas techadas.
Paco da cmara municipal do Recife em ses-
so de 25 de fevereiro de 1861.Manoel Joaquim
do Bego e Albuquerque, pro-presidente. Ma-
noel Ferreira Acqoli, secretario.
O Iilm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial manda fazer publico, que do dia 2 do cor-
rente por diaote pagam-se os ordenados dos em-
preados provinciaes, vencidos no mez de feve-
reiro prximo Modo.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 1. de marco de 1861.O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciaco.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zeoda desta provincia manda fazer publico, de
conformidade com a ordem circular do thesouro
n. 8 de 25 de Janeiro ultimo, que no dio 1. de
abril prximo vindouro se far concurso nesta
thesouraria para preenchimeoto dos lugares de
praticantes da mesma. Os que pretendern) ser
admittidos ao concurso devero apresentar nesta
secretaria os seus requermentos instruidos de
documentos que provean : !. terem 18 aonos
completos de idade ; 2. eslarem livres de culpa
e pena ; a 3.' terem bom comportameoto. Os
exames versarao sobre leitura, analyse gramma-
tical, orlhographia e arithmetica ate a theoria
dan propercoes inclusivamente.
Secretaria da Ihesouraria de Pernambuco 21 de
fevereiro de 1881.O oficial maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimento da ordem Oo Exm. Sr.
presidente da proviacta.manda convidar os ere-
radones da reparticSo das otras publicas a apre-
aantsTem aa aaeama thesouraria es -seuslitlos no
prazo de 30 dias. a contar da data fetta, afim e
Arsenal de guerra.
Por ordem do Illm. Sr. coronel director do ar-
senal de guerra, se faz publico a quem convier
Iue oes termos do aviso do ministerio da guerra
17 de marca do anno prximo pasaada se tem
de mandar manufacturar o eegninte :
215 sobrecasacis de panno verde.
245 calcas de dito panno.
299 capotes oo panoo azul.
542 calcis de briro.
342 camisas de algodiozinho.
542 pares de polaina de panno preto.
72 sobrecasacas de panno azul.
90 lences de brim.
Quem quizer arrematar o fabrico de taes arti-
go oo prazo de trila dias, comparece na sala da
directora do mesmo arsenal, pelas 11 horas do
dia 8 do eorrente.com soas propostas em que de-
claren: o menor preco, e quaes os seus fia-
dores.
Arsenal de guerra de Pernambuco 4 de marco
de 1861.
O amanuense,
Joo Ricardo da Silva.
Conselho administrativo,
O conselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra tem de comprar 03 objectos
seguintes :
Para a aula do 2o batalho de infantera de
linha.
resmas de papel almaco.
quarteires de penas de ganco.
caivetes.
garrafas de tinta de escrever.
duzias de lapis de pao.
libras de areia preta.
exemplarea de colleco da cartas para prin-
cipiantes.
20 exemplaresde taboadas.
6 exemplsres de grarnmalica porlugueza por
Monte-verde, uliima edico.
6 exemplares de compendio de arithmelica por
Avila.
6 exemplares de paula.
SO cxemplaras de escripia, ou traslado.
Para o arsenal de guerra.
8 quintaes de ferro inglez em barra de 1/2 po-
legaJa.
8 quintaes de ferro inglez quadrado de 5/8 oila-
V03.
2 quiotaes de verga de varanda.
Quem quizei vender tacs objectos spresentem
as suas propostas em carta feixada na secretaria
do conselho as 10 horas da raanha do dia 11 do
corrente mez.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra 4 de
maio de 1861.
Bento Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogat secretario interino.
Inspeefao do arsenal de marinha
Faz-so publico que a comraisso de peritos exa-
minando, na forma determinada no regulamen-
to acompanhando' o decreto n. 1324 de 5 de fe-
vereiro de 1854, o casco, machina, caldeira, ap-
parelho, maslreaco, veame, amarras e ancoras
do vapor Persinunga da companhia pernambu
cana de navegaco costeira, achou todos estes
objectos em estado regular.
lnspec^ao do arsenal de marinha de Pernam-
buco, em 4 de marco de 1861.
Eliziario Antonio dos Santos.
Inspector.
Conselho da compras navaes.
Tendo de promover-se a compra do material
da armada abaixo declarado, manda o conselho
fazer publico que lera isso lugar em sesso de 5
do mez prximo, mediante propostas recebidas
al s 11 horas da manha desse dia, acompa-
nhadasdas amostras dos objectos.
Para os navios.
3 pecas de flele azul, branco e encarnado, 8
arrobas de gsxeta de patente, 4 livros mappasde
50 foldas. 6 djtos ditos de 25 ditas, 10 arrobas
de mealhsr branco, 16 arrobas e 19 libras de
plvora grossa, 1 peca de cabo de lioho de 7 e
1,2
A agencia do vapor de
reboque acJM.se eafctnelecida no escrip-
torio da coajp.B4aU Pernambiicana no
Porte do Hattoa n. 1, onde se receben
aviaos para qualquer ser vico tendente
ao mesmo vapor.
Maranho.
Segu acates das o hiate Santo Amaro pa-
ro o resto da carga, tratase cosa Ceataoo Cyriaco
da C. M. & Irmo, ao lado do Corpo Santo a. 25.
COMPANHIA BRJaSILEtRal
Espera-se dos porlos do nortate o dia 5 da
marco o vapor Cruzeiro do Sul, commandan-
le Puntes Ribeiro, o qual depois da demora do
costuroe seguir para os portoa do sul.
Desde j recebem-se passageiroe e engaia-sa
a carga que o vapor poder conduzlr, a qual de-
ver ser embarcada no dia de sua chegada :
agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio da Axeve-
do & Mendes.
Para p Aracaty e Assu'
segu com brevidade o hiate cS ma Rita, j ten
a maior parte da carga ; para o resto trata-se com
Martins & Irmo, ou com e capitao Antonio Joa-
quim Alves.
Leiloes.
LEILO
Segunda-feira A do correte.
James Ryder 4 C. faro leilao por intervencao
do agente Oliveira, de grande e variado sorti-
mento das melhores fazendas inglezas bem co-
ndecidas de sfus bons freguezes, a auem tanto
ellos como o refer Jo agente muito" prazer tem
em convidar, e cuja concurrencia muito apre-
ciarlo como sempre, e esperam no indicado dia
s10 horas]da manha em ponto.
LEILAO
DE
200 saccas com feijo e
rumo da Bahia.
Qfarta-feira 6 do crranle s 0 horas.
Antunes far leilao por conta e risco de quem
pertencersem reserva de preco algum, de 200
saccas com feijoe urna porco de rolos de fumo
da Bahia. As 10 horas em ponto.
LSILaftl
DE
Terca parte do sobrado da
ra
a 8 polegadas, 1 jogo de tinleiros galvaniza- rr"__ r
dos e 3o raspas de ferro. Terca-feira 5
Para os navios e arsenal. Antunes far leilo era seu
6 barris de alcatrso, 4 arrobas de agua raz, 6 do Imperador n 73, da terca
barris de breu, 3 caixas de guerra, 2 rolos de j da ra Direila n. 88, que ser
chumbo em leocol, 6 arrobas de estopa de algo-| rivelmeote pelo maior prego
do para hmpar machinas, 400 folhas de
ii 88.
do corrente.
de 24( com a competente pregadura. 50 arro-
bas de oleo de linhaca, e 30 latas de tinta branca
de chumbo, 1,000 folhas de lixa de esmeril em
panno, 72 paes de ferro e 4,000 tachas de bomba.
Para o arsenal.
20 arrobas de almagre, 85 caigas de algodo
azul, 85 camisas do mesmo algodo, estes dous
objectos para africanos, 9 camisas de algodo
branco, 9 alas de dito azul, estes objectos para
africanas.
Para as obras do porto.
400 varas de linhagem para saceos.
Sao as condieges para efTecluar-se a compra
ser paga logo no mez subsequente do recebi-
mentoelos objectos e sujeitaiem-se os vendedo-
res a multa de 50 por 0(0 do valor dos mesmos
objectos, caso nao os entreguem da qualidade
na porco contratada.
Sala do conselho de compras navaes de Per-
nambuco 25 de fevereiro de 1861.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
A cmara municipal do Recife deu princio
pi a Ia sesso ordinaria deste anno no dia 4 d-
correnle.
O secretario, Manoel Ferreira Accioli.
Pela administrarlo do correio desta cidade
se faz publico que as malas que tem de conduzir
o vapor Paran para os partos do norte, serio
fechadas hoje as 3 horas da tarde.
armazem na rna
parto o sobrado
vendido imprete-
que fr o florecido
cobre oo dia cima indicado s 11 horas em ponto.
LEILAO
DE
Tinta branca em latas e &
caixas com phosphoros.
Terca-feira 5 do corrente.
Antunes far leilo em seu armazem na ra do
Imperador n. 73, de urna porco de latas com
(iota branca de l>oa qualidade que sero veodi-
e das sem reserva de prego, bem como de 3 caixas
com phosphoros. As II horas em ponto.
Avisos martimos.
Para a Bahia segu em poucos dias a es-
cuna nacional Carila; para alguma carga que
Ihe falla, trata-se com seu consignatario
cisco L. O. Azevedo, na ra da Madre de
n. 12,
Frao-
Deos,
*L
C0MPAMRA rERMMBLCWA
DE
Navegaco costeira a vapor
O vapor Persinunga, com mandan iante Mou-
ra. segu para os portos do sul em 5 de margo s
5 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 4 ao meio dia Passa-
geiros e dinheiro a frete at o dia da sahida s
2 horas. Escriptorio no Forte do Malos n. 1.
Um grande sitio na
estrada do Arraial.
Terca-feira 5 do corrente.
Antunes far leilo em seu armazem na ra
do Imperador n. 73. de um grande sitio no prin-
cipio da estrada do Arraial junto ao do Sr. Mar-
celino Jos Lopes, com excellento casa de pedra
ecal, contendo 8 quartos, 2 salas, um gabinete,
cosinha, estribara, muito boas larangeiras, sa
polizeiros, jaqueiras, coqueiros. urna grande
baixa de espira, um riacho no meio do sitio com
banheiro. chaos proprios. Os pretenderles diri-
jan]-se ao referido sitio para examinaren), tendo
lugar o leilo no dia cima indicado s 11 horas,
em ponto.
COMPANHIA PER!\A!BIICAXA
Navegacau'osteiraavapor
Parahiba, Bio Grande do Norte. As-
su', Aracatv, Geara' e Acaracu'.
O vapor Jaguaribe, com mandante Lobato, sa-
bir para os porlos do norte at ao Acarac ao
dia 7 de marco 4* S horas da tarde.
Recebe-ae carga at ao dia 6 as 3 horas. Pas-
sageiros* dknheisa a frete at ao dia 7 s 2 ho-
ras : esoriptario no Fasta da Mallo* n. 1-
V*fa Lfebea tapw con toda srUrevidade o
brigue portuguez seu carreganrenlo prompto ; para o resto* e pas-
sagetrns, trata-se com o consignatario T. de Aqu-
serem examinados e plgos os que esttrsrdm cor- no Fenaeca Jnior, na ra da Cacimba n. 1. pr-
renlesi cario* de o,> lando est acsto-tfaa serio metro andar, ou com o capitao Antonio Agosli-
attendidos. nho da Alaieida, na praca.
C pata qae ttegoe ao coofaecimanro de todos Tara Lisboa segu com aila brevidade o
aw aaaoiea attxav preasvte -e aeWrear pelo patacho i>aatuguez Jareo, recebe carga a fret*
tSsarisv a psasagerrot, para o que trata-se cota seus con- .
aciatariateUraaoararlaarovitwIWdarVnrBnl-. atgettanar Araorim irmkeaia rea borjotl da kTWM**^Jm^^0' l Sf4 LEILAO
DE
Gneros de estiva-
Quarta-feirabdo cor-
rente s 11 horas.
Antunes autorisado pelo Sr. Jos Nu-
nes de Paula, vender' em leilao para
liquidar todos os gneros existentes em
seu armazem na ra do Amorirn n. 48 :
Papel paquete.
Gigos de champagne.
Caixas oom cha preto.
Ditas com ditas ordinario.
Barricas com bolaxinhas.
Pipas com vinagre.
Barris com era* o.
Barricas com cerveja.
Garrafoes vastos.
Caixas com sabo.
Urna barra de ferro.
Utta balaaca decimal e pesos.
Duas mesas.
ILEGVELI


(*)
DUBIO OK KftNUmMO. w TERQA FEIRA 5 M lffl^O DE 61.
Leilao
Quarta-feira 6 do corrente.
Erarislo, far leilao de urna escrava ainda mo-
ta a qual Uva tanto de sabio como de varrela,
muito boa quilanJeira, a qual vende-se por pre-
ciso, sera vicios oo achaque, os preteudentes
examinaro, lendo apenas o defeilo de ter urna
belide, s 11 horas do dia cima na ra do Vi-
gario o. 22, tambera se vende rio obras de mar-
cioeiria e cartas dejogar.
LEILAO.
James Ryder A C. continuarlo por interven-
cao do agente Oliveira, o seu leilao de azeudas
ingleza.*, as raais proprias do mercado
Hoje, 5 de marco
no seu armazem ra da Cruz.
Predios e
escravos.
Quinta-feira 14 do cor-
rente s 11 horas.
A n tunes autorisado pelo Sr. Jos Nu-
iles de Paula, ara' leilao em seu arma-
zem na ra do Imperador n. 75, dos
predios eescra vos perfencentes ao dito
senhor que para liquidar sero entre-
gues pelo maior preco alcancado, a
saber:
O sobrado n. 48 de 2 andares e sot5o si-
to na -ra do Amorim, com chaos
proprios.
Dito em Olinda de um andar e sotao
sen iu atraz terreo, com a frente pa-
ra os Quatro Cantos e ladeira da Mi-
sericordia,' daos pioprios.
L'ma casa terrea no Varadouro, con-
cluida ha pouco tempo, com 5 quar-
tos, 2 salas, grande quintal, e urna
grande padaria no mesmo, cora o-
toes dobrados, foreira a cmara mu-
nicipal.
A terca parte da casa terrea sita na ra
da Imperatriz unto a padaria do Sr.
BaTilier.
4 escravos de muito boa conducta, sen-
do um delle? excellente padeiro e
orn"iro, as 11 horas em ponto.
LEILAO
DE
30 barricas com
sardinhas.
Qua rta-f eir 6 do corrente.
NA
Porta do armazem do Sr. Annes.
Antones far leilao por conla e risco de quem
pertencer de 30 barricas com sirdinhas marca
JVF, em lotes a vonlade do comprador, no dia
cima indicado As 10 horas em pouto.
Leilao de queijos.
11 o j. 5, haver leilao de 30 caixas cora muilo
bons queijos fia mongos em caixas de 24: as 10
loius Jj uijnliia Jcfrontc da porta da alfandegs.
LEILAO
DE
Urna taberna.
Quitita-feira 7 do corrente
O agente Costa Carvalho far leilao da taber-
na sita na ra Direila n. 113, por conta de Joo
Bernardo de Corv-alho Pinto com autorisa^o de
seus credores no dia cima s 11 boras. em um
s loto ou a relalho a vonlade dos compradores.
Avisos diversos.
JJeruamhucAtia
Quarla-feira 6de marco, s8 horas da manhaa
haver sesso extraordinaria do conselho e da
asserobla geral para Iratar-se da continuscao da
reforma dos estatutos e de outros negocios.
Secretaria da AssociaQao Typographica Per-
embucana 4 de marco de 1861.
J. Cesar,
Io secretario.
Anda
Ama deleite.
Quem precisar de urna ama de leite sem fllho,
e com muito bom leite, dirija-se a ra do Impe-
rador, oulr'ura Collegio n. 52, tetceiro andar, que
se dir aonde ha.
O acadmico do 5.* aono d Faculdade de
Direilo, Francisco Jacintho da Sampaio, chega-
do ha pouco do Cear no vapor Jaguaribe, con-
tina no seo exerricio de professor particular :
na ra Direia.n. 131.
Quem annunciou precisar de um homem
Porluguez ou do Porto para tiabalhar cora urna
carrosa com animaes, dapd,p fiador a sua conduc-
ta, e dando-se bom ardenado, pode procurar na
ra do Rangel o, 17, que se Ihe dir ondo est
um perito que agradai muito, sendo se faca o
negocio.
Um mogo chegado no ultimo navio que
veio do Porto deseja-se engajar para feilor ou
oulra qualquer arrumarlo ; a fallar ou procurar
na ra do Rangel o. 17.
Jos Antonio de FarU Couto retira-se para
a provincia da Parahiba.
Os abaixo assiguadns fazem acieote ao res-
peitavel publico, especialmente ao digno corpo
do commercio, que amigavelraente leem elles
dissolvido a sociedad.! que linham na loja de fa-
zendas na ra do Cabug n. 8. que gyrava soba
rma de Almeida & Burgos, fleando perlencendo
ao segundo dos abaixo assignados, toda a massa
dessa casa, o qual por se achar encarregado de
seu activo e passivo, passa a nao lera menor ge-
rencia e nem direito algum nos negocios dessa
mesmajjasa, de que era socio, o primeiro dos
abaixo assignados, coosequentemente desonera-
do de qualquer responsabilidade. Recife 2 de
uiarQo de 1861.Antonio (Jorreia Gomes de Al-
meida.Antonio Carlos Percira de Burgos Ponce
de Leo.
O abaixo assignado para melhor disvanecer
o boato que alguera tem spalhado, declara que,
sendo grato ao Sr. Manoel Cielbo Pinheiro, por
urna maneira que s o abaixo assignado pode
avaliar. e qne jamis em tempo algura o poder
negar, isto pois o obriga a recorrer a imprensa
para pessoa alguna use atrever a dizer por si
palavrss que vo de encontr com os seus sen-
limentos e para com o Sr. Manoel Coelho Pi-
nheiro; assira espera o abaixo assignado as boas
qualidades que possue o Sr. Pinheiro, de idea
alguixa m fazer a seu respuito, pois que, como
confessa, n.1o lhe sobra tempo para ser mais ex-
tenso ; e espera de seu amigo nao lhe ser raais
preciso voltar a este jornal segunda vaz. Recife
4 de margo de 1861.
Antonio Celestino Vives da Cunha.
Atteneo.
Brito <& Braga, proprietarios da imperial titho-
graphia sita na ra nova do Ouvidor n. 25, no Rio
de Janeiro, tem para vender por precos razoaveis
um completo sortimeoto de prclos, pedras e to-
dos os accessorios lilhographicos em grande e
pequea escala.
Vendem-se 6 travs de 30 a 35 palmos e
urna pouca de cal de Jaguaribe : no becco da
Congregajo, na loja de encadenlo, acharao
com quera tratar, das 10 horas da manha at as
3 da tarde.
Vende-se urna taberna na ra Imperial,
com muitos commodos para fami'is, por seu do-
no querer se retirar para o mato: a tratar na
mesma ra, no armazem de sal do Amaro.
A 500 r.
Vende-se o covado de Anas laas de cores : no
armazem de fazendas de Joo Jos de Gou-
veia, ra do Queiniado n. 29. *
Fazendas i>ara a quaresma.
No armazem de fazendas de Joo Jos de Gou-
veia, ra do Queimado n. 29, existe o mais com-
pleto o rico sortimento de fazendas proprias para
a quaresma, que se vende a dinheiro pelo mais
diminuto preco.
Arcos para saias balo.
No armazem de fazendas de Joo Jos de Gou-
veia, ra do Queimado n. 29. vende-se a 160 rs.
a vara de arcos para saias balo.
Vende-se urna padaria prompta de todos os
utencilios para Irabalhar, em um dos melhores
locaes marcados pelas posturas municipaes e com
um deposito em urna das melhores ras desla
cidade: quora a pretender, entenda-se com oSr.
Jos Duarte das Neves.
Aluga-se o segundo andar da casa, da ra do
Pilar n. 143, a qual tem vista para o mar, mui-
to fresca; a tratar na veoda por baixo.
Poblicacoes do instituto
Iba do Brasil.
DICCIONARIO POPULAR
homeopa- Roga-se ao Sr. Romao Antonio
j da Silra Alcntara, quera declarar sua
, morada que e precisa fallar.
IED1CIN A HO EO P A TUICA 1 JIO & Conrado.
se trocam as duas imagens do Senhor
da Columna e do Menino Dos: na ra
da Viracao n. 31.
Manoel Camillo Pires Falcio. tendo ped lo
e obtido a demisso do lugar de thesoureiro das
loteras da provincia, julga de seu dever, fazer
sciente ao respeitavel publico, que durante os 9
mezes, que exerceu dito em prego correu 14 lote-
ras na importancia total de 348:O0OaO00
Desta quanlia
Pagou de sello nacional dos bilhe-
tes na thesouraria geral........
dem da importancia de 8 e 12 0/0
dem da importancia de 2 0/0 na
thesouraria provincial...........
dem de 1/2 0/0 de tomada dascon-
tas aos empregadosda dita...... 1:740$000
dem acs concessionarios de bene-
ficio..............................
dem aos em prega dos da lotera,
impressoes. aluguel de casa, ex-
pediente, e mais despezas......
I jera aos portadores dos bilhetes
premiados........................
Saldo que entregou na thesouraria
provincial proveniente dos bilhe-
tes premiados, que nao foram
presentados em tempo.......... 4:6780000
6:9903000
16:120000
2:1203000
4l:27OJOO0
15:690#000
259:3929000
Rs.
348 0008000
Previne pois aos que ainda liverera em seu
poder ditos bilhetes premiados, que exijam o seu
pagamento na sobredita thesouraria provincial,
onde recolheu toda a importancia,nada cando
dever.
Recife 28 de fevereiro de 1861.Manoel Ca-
milla Pire* Palto.
c .r_?Uno1 Ca,'l'o Pires Falcio tendo recolhido
thesouraria provincial todas as contas das lo-
i?;VAULcorreo "a 1U8lik o laesoereiro.
S^ 7-" W^'MMlao, pede sos que
Iba Acarara devendo diversas quantiu relativas
s mesmas loteras, que vendara pager-lhe
quinto antes, para que elle te nao veis origado
* puacar mus ornes,
A wuva e coniiaiids do tinado acadmico
Delorizano Pinto de Araujo, agradecem a
lodas as pessois que se dignaram assislir a
missa pelo repouso de sua alma e particu-
larmente a seus dous amigos os Illms. Srs.
Luiz Jos di Silva Cavalcanti e Delflm da
Silva Tavares, pela lerobranija que tiveram
de mandar celebrar por alma do mesraoA-
nado urna missa na madrugada do raasmo
dia.
Aviso aos Srs. estucantes
da faculdade.
BO" Pedro Angelo Evangelista, cora hotel na
rui do Aragao n. 11, convencido que mandando
almoco e jantars casas dos Srs. esludantes, es-
tes nunca sero bem servidos, o annunciaote tem
deliberado a modo do que se faz em oulras cida-
des, onde existem facilidades ou academias, a
dir mesa redenda de almoco e jantar quatro ve-
zes por dia, almoco s 7 horas e 1|2 em ponto e
jantar as duas horas para uns ; e para outros se-
r o almoco as 9 horas e 1|2 e jantar as 4 horas
da tsrde. Cada estudsnte pagar 1J diarios, e
lendo criado pagar 1#160 rs. Se houver nume-
ro deassignanle para as mesas redondas o jan-
tar ser augmentado em seus prnlos. as boras
poderioser mudadas de modo a se tornar com-
modas e convenientes maioria dos Srs. eslu-
dantes. O annuncianle dar tambera caf a tar-
dinha e a noile a 80 rs. a chlcra, e vender cha-
rutos je diversas qualidades.
I
Grande e extraordinaria funeco aereostalica,
no domingo 9 do corrente mez, se o tempo per-
mitlir. Mr. Els mandou construir um grande
circulo com todas ss commddidades para o pu-
blico. Depois de varios exercicios gymnasticos,
subir o balso Mongorfer pa/aeose cora o artista
Elias, trabalhando no trapzo. Os bilhetes acham-
se venda na ra estrella do Rosario n. 20, em
casado Sr.Zebedeu.
Preco dos camarotes. 159
Entradas geraes. ... 28
as eniradas geraes havero separsces do se-
xo masculino e femioioo. As pessoas que o qui-
zerem beneOar previnam-se com antecedencia.
>$
fJJ o ur. Antonio Agnpino Xavier de Brito*
(J) reside na ra da Imperatriz n. 47 segundo #
andar, onde pode ser procurado pira o m
exercicio de sua proiisso. a
Obra indispensavel todas as
pessoas que quizerein curar lio-
meoiia tilicamente,
COSTENDO:
A definigo clara dos termot de medicina: as
causas maii frequenes das molestias : os symp-
tomat, porque estatse fazem conhecer : ot me-
dicamentos que melhor Ihes cirrespondem : a
quantidade das dses de cada medicamento e
seus respectivos intervalos as molestias uju-
das echronicas: a hora do dia ou da noile,
em que os medicamentos desenvolvem melhor
saa acedo : a maneira de alternar os medica-
mentos: a maneira de curar os envennamen-
os, as mordeduras de cobras, facadas, tiros,
auedas, pancadas e fracturas e todas as mo-
lestias conhecidas, principalmente as que gras-
sam no Brasil, qur as pessoas liore, qur
as escravos: os soccorros que se devem pres-
tar mulher durante a prenhes, na occasio
do parto e depois delle: os cuidados que a
crianga reclama, qur logo depois do nasci-
menlo, qur durante a infancia : os perigos
que esto sujeilos todos os que tomam reme-
dios allopalhicos: e muitos outros arligos de
vital inleresse ; 6em como urna descripcao con-
cisa, e em linguagem acommodada intelli-
gencia das pessoas exlranhas medicina, dos
orgaos mais importantes, que entram na com-
posico do corpo humano, etc., etc., com duas
eslampas, umamoslrando qaanlopossioel lo-
dos os orgaos internos, com a sua explicaran
phisiologica e oulra mostrando as differeies
regioes abdomioaes. (A primeira colorida pa-
ra os senhores assignanles.)
PELO DOUTOR
SABINO OLEGARIO LlDf.ERO PIMO.
<"> Diccionario Popular de medicine homeopa-
thica urna obra completa de horaeopathia, o
resultado da pralica dos homeopalhas europeos,
americanos, particularmente dos Brasileiros, e
da raioha propria experiencia ; ella satisfaz inlei-
ramente os mdicos, que quizerem experimentar
ou exercer a nossa medicina ; e muito mais ain-
da aos paes de familias, qur das cidades, qur
do campo, chefes de estabelecimonlo, capites de
navio, curas d'alraas, ele, que por si mesmos
quizerem conhecer os prodigiosos effeilos da ho-
mnopathia.
N. B. Tencionando o autor, aproveitando sua
viagem Europa,fazer imprin ir all o Dicciona-
rio Popular tal qual o havia feilo, aconteceu
que antes de incelar a publicaco visse elle obras
mui moderoas de medicina, abundantes de ideas
novas, e ent.io resolveu mudar inteiramente o
plano que havia concebido, e dar toda i expan-
so e claresa a essa obra, de modo que lauto os
homoos versados na sciencia, como os que o nao
sao, podessem tirar della o mximo proveito pos-
sivel, sem embargo de trazer-lhe issoum accres-
cimo de despeza de dous tercos raais do que gas-
tara, se publicasse a obra, como a principio ti-
ntn urganisado.
O Diccionario Popular de Medicine Homeopa-
thica, como agora est composto ser' sem duvi-
da a obra raais til de Indas que se tm publica-
do. Ella constar de 3 volumes con 1,500 pa-
ginas pouco mais ou menos.
A assignalura 15#, pagos na occasiio de assig-
nar. (Depois de impresso custar 25).)
Aclia-se igualmente em \ia cao a segunda edieco do
THESOURO HOMEOPATHICO
ou
Vade-mecum do homeopatha.
Esta nova edic^io em ludo superior pri-
meira. tanto no que diz respeilo disposijo das
materias, como no que relativo ao nodo de ad-
ministrar as dss, ao estudo dos temperamentos,
| s molestias hereditarias e contagiosis, a hygien-
ne ortica, etc., etc. Com urna estampa demous-
trativa da continuidade do tubo intestinal desde
a bocea, at o recto.
A assVgnstura de 8g pagos na occasio de as-
signar, (depois de impresso custr 12a pelo
menos.)
As pessoas que quizerem assigsar urna e ou-
tra obra pagaro apenas 20 em lugar de 23.
N. S. A assignalura, qua nao for acompanhada
di respectiva importancia, nao ser considerada
como tal.
Assigna-so em casa do autor, ru>de Santo Xr
maro, (Mundo Novo) n. 6.
Pede-se ao Sr. acadmico JosJoaquira de
Soulo Lima o favor de apparecer na ra Augusta
numero 94.
Precisa-se arrendar urna olaria : quem a
liver annuncie para ser procurado.
Precisa-se de um forneiro que saiba bem
preencher este lugar : na padaria da ra da Flo-
rentina n. 2.
A pessoa que me deseja fallar na ra do
Crespo n. 14, nao querendo ir ao Poqo onde mo-
ro, pode procurar-rae na rus estreita do Rosario,
escriptoiio do Illm. Sr. Dr. Godoy, onde quasi
sempreestou; pdenlo declarar, se quizer, o
negocio que tem comigo.Joaquim Machado Ca-
valcanti Cavalcanti de Albuquerque.
Os bilhetes da 39 lotera da empreza lyrica
da corle do Rio de Janeiro perteocenles a so-
ciedade Feliz, sao os seguinles l bilhete de a.
4327, um meio do n. 2856, dous quartos de n.
1578, 4675, da lotera desta provincia 1 bilhete
de n. 853 dous meios de n. 940, 2657. Alcn-
tara Io procurador.
Attenco.
i
Tendo fgido duas vaccas com a marca P. do
sitio n. 71 da ra Ke*l (Manguind) na noile do
dia 2 desle correle mez, e nao se lendo ainda
podido acha-las, roga-sea quem souber deltas se
dirigir no sitio cima a fallar com Frederico
Chaves ou na ra da Imperatriz n. 19.
O Illlm. Sr. director da sociedade das Ar-
tes Mechanicas e Liberaes desta cidade manda
fazer publico, que terca-feira 5 do corrente as 7
horas da noite se reunir a sociedade extraordi-
nariamente em assembla geral.
Simo de Souza Monteiro.
Io Secretario.
Jos Mara Salgado participa que desde o
dia 3 do corrente deixou de ser caixeiro da casa
comraercial de Aranaga, Hijo & C.
Pernarabuco, 4 de marro de 1861.
Manoel Francisco de Aguiar, precisando
fazer urna viagem Europa, deixa por seus pro-
curadores nesta cidade, em t lugar ao Sr. Vic-
torino de Almeida fUbello, e era 2 ao Sr. Ma-
noel Alves Santiago.
Aluga-se o armazem n. 15 da ra da Cruz,
a tratar no segundo andar do mesmo.
kWk.
Aroanhaj andam as rodss da Ia parte da 1* lo-
tera de Santa Rita de Cassia, ainda restara por
vender alguna bilhetes, meios e quartos garan-
tidoa dos 14 por eento, por Santos Vielra. O
mesmo vende tsmbem em sua loja da praca da
Independencia n. 22 bilhetes por commissao do
respectivo thesoureiro.
Precisa-se de urna mulher forra
ou escrava que seja boa cosioheira : na
ra do Crespo n. 25, tercro andar.
Precisa-se de urna ama para o servido de co-
sinha na ra da Camboa do Carmo n. 4.
Carro funetre ao estylo in-
glez.
Acha-se proropto e patente a lodas as pessoas
que o queiro ver, no escriptorio de eolerros na
ra Nova n. 63. o qusl pela primeira vez que
sahio a ra. muito agradou, por estar prepara-
do em conformidade do regulamento do cemite-
rio publico desla cidade; lomando-se respeita-
vel pela simplicidade e gosto com que est ar-
mado. As pessoas que necessitarera de taes ob-
ectos, pdem dirigir-se ao mesmo eslabeleci-
mento, a fallar com o Ara, que com orompti-
dio e zolo desempenhar tudo quanto fr mister
a qualquer funeral por maior que ello aeja, pois
tem o eslabelecimento montado de tal forma a
bem servir aos pretendentea, de cujo adminis-
trador.
Compra-se urna negra que esleja pejada,
com seis oo sete mez de boniti figura que tenha
boa conducta quem liver e se quizer vender diri-
ja-se a ra do Rozario Estreita n. 36 se dir
quem que quer.
Bom e barato.
Vende-se msnleiga ingleza a 960 a libra, dita
francesa a 7S0,.queijot a 19600. touciuho a 360,
cb a SS, vinho do Porto engarrafado a 800 e la
a garrafa, banba de porco a 480, milho a 160 o
840 a ett.ll: na travesea do pateo do Paraso n.
16, casa pintada de Bartllo.
Ra do Queimado n. 48.
Participm aos seus numerosos fregu-
zes que lendo chegado o seu mestre al-
faiate que mandaram contratar em Paria,
acham-se promptos a mandaiem execu-
tar toda e qualquer obra tendenie a al-
faiaie, assim como tem era seu eslabele-
cimento grande sortimento de ludo quan-
to se desejar, para qualquer das esta-
cos nao so de fazendas como -diversos
artigos de luxo, continuando o mesmo
mestre areceber por lodosos vapores fl-
gunnos para melhor poderero servir ao
respeitavel publico a quem peder de vi-
rera visitar o seu eslabelecimento que
encontrarlo aquillo que desojareis.
Vluanca de esta-
belecimento.
Jos Moreira Lopes avisa aos seus amigse
freguezes desla e de oulras provincias, que mu-
dou o seu estabelecimento de fazendas que tinha
no sobrado amarello da ra do Queimado, para a
loja e armazem quefoidos Srs. Santos & Rolim
onde tem o mais completo e variado sortimeoi
de fazeodas de todas as qualidades para vender
em grosso e a retalho por precos muito baratos :
ra do Crespo, sobrado de 4 andares n 13, e ra
do Imperador, outr'ora ruado Collegio, sobrado
de um andar n. 36.
LOTIRIi
Amanhaa andarao impreterivelmente as
rodas da primeira parte da primeira lo-
tera a beneficio da igreja de Santa Rita
de Cassia, pelas 9 horas e meia da ma-
nha, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da reguezia de
Santo Antonio desta cidade. O abaixo
assign do convida o respeitavel publi-
co a presenciar o referido acto, o qua)
e* poV um novo processo sendo os n-
meros e premios impressos em peque-
as espheras, as quaes sao sempre tira-
das e lidas sobre as pontas dos dedos
polegar e ndex, tendo os publicadores
as mangas bastantemente arregazadas,
tornando-se assim mposs?el praticar-
se qualquer fraude, pelo que se respon-
sabilisao mesmo abaixo assignado. O
restante dos bilhetes, meios e qu&rtos se
acham a' venda na thesouraria das lo-
teras ruado Queimado n. 12 primeiro
andar, e lojas commissionadas na pra-
ca da Independencia n. 22 do Sr. San
tos Vieira, na ra estreita do Rosario n.
12 doSr. Mira, na ra Direita n. 3 bo-
tica do Sr. Chagas, ra da Cadeia Velha
n. i5 dos Srs. Porto & Irmao e ra da
Imperatriz n. 2 do Sr. Sebastio. As
listas se darao no da immediato pela
manhaa e os premios serao de p-ompto
pagos na mesma thesouraria e lojas com-
missionadas. O abaixo assignado roga
portante a valiosa coadjuvacao do res-
peitavel publico na compra'dos bilhetes
que lhe restara, certos de que coopera-
nte para um im todo piedoso como se-
jam os reparos da dita igreja de Santa
Rita de Cassia, cuja coberta se aclia em
ruinas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Na livraria n. 6 e 8 da praca da
Independencia precisa-se fallar ao Sr.
Ulisse Cok les Cavalcanti de Mello.
ILHA DES MIGUEL,
a nuSrJ Antonio Pacheco Lourenco natural
da liba de S. Miguel, tem urna caria vinda da
mosraa Ilha. na ra de Apollo n. 8, primeiro
andar. r
Os abaixo assignados socios na bolica e ar-
mazem de drogas silo na ra da Cruz n. 22, do-
claram que elles lera amigavelmenle dissolvido
a sociedade. fleando de posso do dito eslabeleci-
raenlo o socio A. Caors. o qual de ora em diante
ser o dono eliquidatario do mesmo eslabeleci-
mento, eobriuado porquaesquer transaegoes an-
teriores e cora exclusivo direito a todas as divi-
das activas na conformidade da escriptura de
compra feita ao socio J.Soum da parle que lhe
pertencia no supradito estabelecimento, a qual
flea registrada no tribunal do commercio. Ruci-
e Io de roanjo de 1861J. Soum.A. Caors.
O estudante que mandn engommar roupa
na ra eslreita do Rosario n. 27, mande buscar
nesles tres dias, do contrario ser vendida para
pagamento da mesma.
Aranaga Hijo & C. participm ao corpo do
commercio desta praga que o Sr. Jos Mara Sal-
gado deixou de ser caixeiro de sua casa commer-
221.*esde e,,a da,a- Pemambucu 4de mar50 de
1861.
Juan Ansiada Hijo participa ao re?peitavel
corpo do commercio desta praca que deixou de
fazer parte, desta data em diaole, da casa com-
raercial dos Srs. Aranaga Hijo & C, da qual era
socio gerente. Perusmbuco 4 de margo do 1861.
Fugio o oscravo Deoda'.o, mulato, de idade
17 annos, altura regular para a Idade, secco do
corpo, com um dente quebrado na frente, olhos
um pouco vermelhos e cabellos csrapinhos :
quem o pegare leva-lo ao engenho Carauna, ou
nesta praca na ra de Apollo n. 30, segundo an-
dar, receber boa graliuxago..
Casa particular.
Avisa-se ao respeitavel publico que ha urna
casa que cozinha para casas particulares, cujas
comidas sao feitas com perfeicao, muita limpeza
e por precos muito commodos : quem desla casa
precisar, dirija-se atraz da matriz de Santo An-
tonio, loja n. 28. que achara com quem tratar,
ou por feria ou por mez.
Henry Wilson Harri?, subdito inglez, segu
para a Inglaterra.
Os abaixo assignados tem contratado per-
mutaren! o sitio do lugar Peres pelo mualo de
nomo Thom, periencente ao Sr. Jos Bento de
Freitas se houver quem se opponba a esta per-
muta, apresenle-se no prazo de 5 dias.
Jos Bento de Freitas.
Jos Marlius da Cruz.
Eleuterlo Francisco Doroellas, primo e her-
deiro cora seus irmos, do fallecido Deao da S
de Olinda oDr. Francisco Joaquim das Chagas,
tendo necessidade de ir a cidade de Caxiaa da
provincia do Maraoho, onde reside com sua fa-
milia, declara pelo presente avisos quem interes-
sar possa, que deixa encarregado de seus nego-
cios nesls provincia, como seo procurador geral
bastante e de sua mulher, a seu irmao Antonio
Francisco Doroellas, com poderes para promover
em juizo ou fra delle a posse e arrecadaco doa
bens do dito fallecido Deo. Recite 2 de marco
de 1861. v
Precisa-se de urna ama forra ou captiva pa-
ra lodo o aervico de orna casa de familia: na
ra do Imperador n. 37, segundo andar.
Aranaga Hijo Si C. participan ao respeitavel
corpo do commercio dests prsca que o Sr. Juan
Angtada Hijo, socio gerente de sua casa nesta
praca, deixou de fazer parte da mesma sociedade
desta data em dianle. Pernambuco 4) de marco
de 1861. v
O Sr. Joaquim Claudino Cavalcanti de Al-
buquerque queira apparecer a ra do Aragao nu-
mero 11.
Henrlque Jos da Cunha vai a Europa, le-
vando em ana companbu seu sobrinho menor
Manoel Angosto da Cunha.
COIPANHU DA VIA FSIREA
Recife ao rio Sao Francisco.
(LIMITADO.)
Mili,
Para maior commodidadedos senhores de en-
genho a compaohia estabeleceu um novo arma-
zem na Escda no lugar denominado Atalaia do
outro lado do riolpojuca, o qual estar aberto
para o recebimenlo do assucar, gneros etc., etc ,
de quarla-feira 20 de fevereiro em diante.
AssignadoE. H. Braraah,
Superintendente.
m M J. Leite, declara que cons- ||
tituio seu bastante procurador
g aoSr. Manoel Gomes Leal, paia 3
H promover a cobranca de suas di- ||
H vidas passivas.
JiewwB(*1RBW SWwfemw W V rfl V-P M
Quem tiver par vender um negro perito
canoeiro e que nio tenha virios, queira procurar
no largo do Corpo Santo n. 13, que achara com
quem tratar.
mmm
DE
Philosophia, de geographia t rhetorica
PILO BACHAREL
A. R. DE TORRES BANDEIRA.
rrolessor de geograpbia
e historia amiga no gymnasio desta
provincia.
Esli abertos estes curtos na casa da residen-
cia do annuncianle, ra do Imperador n. 37, se-
gundo sndar ; e dar-se-Ba lugar a novoa cursos
destas mesmas disciplinas, a proporcao que aug-
mentar o nunaero doa alumnos. A classe de geo-
graphia comprehende ;
1." o estudo de geogrsphis.
2. o estudo da historia com especialidade a do
Brasil.
A classe de rhetorica est dividida em duas
sercoes:
1. de relhorica em geral.
2. de potica e analyse dos classicos.
Allencao.
Joao Jos de Figueiredo. tendo comprado o
J estabelecimento de fazendas finas da ra do Cres-
po n. 9, que foi de Siqueira & Peraira. avisa a
-, todos os freguezes dos mesmos, que elle conli-
j na a vender fazendas de muilo goslo, bem como
obras de ouro e brilhanles, tudo por menos de
i seu valor para liquidar.
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
Tira retratos por 3$
Tira ratratos por 3$
Tira retratos por 3$
Tira retratos por 3$
Tira retratos por 3$
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
i xinhas novas
Tondo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento decai-
xinhas novas
Nograndesalaodarua do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grandesalao da ra do Imperador
A. W. Oaborn, o retratista america-
no tem recentemente recebido um gran-
de e variado sortimento de caixas, qua-
dros, aparatos chimicos, e um grande
numero de objectos relativos a arte.
Como tambem um grande fornecimen-
to de caixas para retratos de 3$000 rs.
cada um, as pessoas que desejarem ad-
quirir conhecimentos pratiecs na arte
de retratar acharao o abaixo assignado
sempre prompto sob condicoes muito
razoaveis.
Os cavalheirosesenhoras sao convida-
dos a visitar estes estabelecimentos, pa-
ra examinarem os specimens do que
cima (ica anunciado.
AJoga"se a l0Ja do S0Drad da ra das Cru-
zes n. 18 : a tratar no mesmo sobrado.
Os meios bilhetes da lotera que tem de
correr no da 6 do correnle. perlencem : o de n.
957 a i. D. Martios, o 115 a D. M. e Augusto, d.
9o6 a J. F. de Oliveira, n. 921 a Sergio & C.
Carneiro Vianna.
Attenco.
Asfilhas de Firmino Jos
Flix da Rosa (j fallecido)
participm ao respeitavel pu
blic desta cidade, que auto-
risadas pelo Illm. Sr. director
da instruecopublica, acham-
se com sua aula a berta para
ensino particular, na ra do
Vigarion. 15 segundo andar,
em cuja aula ensina-se o se-
guinte: marcar, labyrinth*),
tapete, tapessaria, bordar em
branco, matiz, froco, missan-
ga, bordar a ouro, bordar em
papel, tudo isto com toda a
porfeigo: rogam portanto aos
Illms. Sr.paes de familia para
que facam concorrer suas me-
ninas para o ensino, afim de
que aquellas"por este meio pos-
sam sahir da miseria que
esto reduzidas, por cuja ra-
zo sua gratido ser eterna.
SOCIEDADE BASCARA EMOS-
1ANDITA.
Amorim, Fragoso Santos
Companhia
fazem publico que desta data em diante as suas
contas correles sero reguladas da maneira se-
guinle :
Receber-se-ha qualquer quantia de 100J para
cima, e pagar-se- ha a vista at 5:000, aendo
dabi para mais com aviso de 10 dias, contndo-
se juros de dous porcento, menos.do que a taxa
por que a caixa flal do Banco do Brasil descon-
t letrss, sendo estes juros contsdoa e capitali-
sados de 6 em 6 mezes.
Tambem sero a bertas contas correntes sob
convcSes de serem pagas vista qualquer quan-
lia independente de aviso, eoolando-se somente
juros de 3 0(0 ao anno na forma cima declarada
Recife 1.* de marco de 1861.
Precisa-se de urna ama para com*
prare cosinhar: na
O Dr. Casanova
3| pode ser procurado lodos os dias em seu
consultorio especial homeopathico.
S 30Ra das Cruzes30
H Neste consultorio tem sempre os mais
g novos e acreditados medicamentos pre- w
II parados em Paris (aslinturas) por Cs- S
55 lellan e Weber.por presos razoaveis.
w Os elementos de homeopalhia obra, re- $1
commendada intelligencia de qualquer X
j^j pessos. |E
Antonio Eloy Rodrigues da -ilva pedea tu-
, das as pessoas que lhe devem, que no prazo do
| JO das queirara vir pagar seus dbitos no mes-
mo estabelecimento aonde o contrahiraro, do con-
I irano verSo seus nomes por extenso nesle jornal
e Passarao a serem cobrados judicialmente. Re-
cife 26 de fevereiro de 1861.
COMPANHIA DA VIA FERBEA
DO
RECIFE A SAO FRANCISCO.
(limitada.)
Avisa-se ao respeitavel publico que do dia 1
de fevereiro al outro aviso o trem qne parte da
estacan das Cinco Pontas s 8 1,2 horasPda ma-
nhaa correr somente at a Villa do Cabo To
wLValf i16/80" em.8ahid0 "a Escada 1 3.4
r'd'/"dk9 ^continuado, mas \&
do Cabo s 3 horas da tarde como cstumv
As horas da parlida dos trens serao reculad
pela tabella seguinle : reguladas
= 229 I ift tn

uWfflesss^
i
2
= 225 I"5!? lomo
qcqtu 1^.-^^ Isnccu
S22 |""no iouso
a
9
I Sr oo oo oo os o es o
o
tu
i
-a
o

c
o
c
= 2 8.2
^ #ft Ol
3 "O
u t i
.5-2 S E
u > ea e. s > = c h w
^ifliaciA i oocc io

I
: i
3
.< o
5> 5"
^ j* tm -^
:l
-ls
Assijasde-fi. ff. Braman,
Superintendente.
Jos Soriano de Souza-, doutor em medicina
pela faculdade do Rio de Janeiro, tem o sen con-
uliir neujeo-cirurgico na roa do Imperader
n. 77 2. andar onde pode ser procurado a qual-
qaer hora para o exerricio de sua arte.
Offerece-se urna moca de boa conduela pa-
ra engommar, coiiohar e coser esa urna casa de
pouca familia, pois de ludo enteode bees, sendo
aervico de portas a dentro, vindo dormir em sua
eaaa : qaem precisar, dirija-se a roa de Santa
Rita, loja n. 14, que tratar negocio.
Precisa-se de orna ama de lata seas fllho
na ra de Ranga] n. 7 3.* andar.


-i.

-- :
OUUO DK B1NAMBDCO. TSBCA FURA 5 A MABOO DI 1*61.
(*)

O EXTRACTO O
COMPOSTO DE
SALSA IPARBOLHA <3> B. TTW08illE)
MELHOKADO E FABRICADO SOB ADIRECgAO' DO DR JAMES R. CBILTON,
chimico medico celebre de New York
GRANDE SUPERIORIDADE DO EX-
TRATO FLUIDO COMPOSTO
DE
SALSA PARRILHA
Explica se pelo sen extraordinario
e quasi miraculoso effeito no
sangue.
Cada um sabe que a saude ou a infermidade
depenJe direclamenle do estado deste fluido vi-
tal. Islo ha de ser, vislo o partido importante
que lera na bconomia animal,
A quantidade do sangue n'um horaem d'es-
tatura me liana est avallada pelas as primeras
autoridades em vinte e'oito arralis. Em cada
pulsarlo duas oncas sahem do coracao nos bofes
e dal todo o sangue passa alem no corpo huma-
no em menos de qatro minutos. Urna dis-
posigo extensiva tem sido formada e destinada
com adrairavel sabedoria a destribnir e fazer
circular esla corrknte de vida por todas as
partes da organisacio. Deste modo corre sem-
pre pelo corpo em torrente, o qual a gran
de fonte de infermidade ou de saude.
Se o sangue por causa alguma se empregna
de materias ftidas ou corrompidas, deffunde
COm VELOCIDADE ELCTRICA a corrupto as
mais remotas e mais pequeas parles do corpo.
O veneno lanca-se para tras e para diante pelas
arterias, pelas veas, e pelos vasos capillarios,
alocada orgao ecada teagem se faz completa-
mente saturado e desordenado. Desta maneira
a circularlo evidentemente se faz um engenho
PODIBOSO de doenra. Nao obstante pJe tam-
bem obrar com igual poder nacriacao de saude.
Estivasseocorpo infeccionado da doenca maligna,
ou local ou geral, e situada no syslema nervoso
ou glanduloso, ou muscular, se smente o san-
gue p Jo fazer-se puroe saudavel ficar superior
a doenc,a e inevilavelmente expedir da consli-
tui{o.
New-York, ha vemos vendido durante muitos an-
nos o extracto da salsa parrilha do Dr. Town-
send, consideramo lo ser o extracto original e
genuino de salsa parrilha do Dr. Townsend.
o qual primeiramente sob este nome foi
apresentado ao publico.
BOYD 4 PAUL, 40 Cortland Street.
WALTERB. TOWNSENDACo,2l8Pearl
Street.
LEEDS& HAZARD, 121 Maiden Lae.
JOHN CABLE & Co, 153 Water Street.
M WARD & Co, 53 Maiden Lae.
J. & J. F.TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GRAHAMd Co, 10 OldLIip.
OSGOOD & JENNINGS, 188 PearlStreet.
R.B. HAVILAN D & Co, Office 177 Broad-
way.
JACKSON,ROBNS & Co, 134W ater Street.
THOMAS & MAL. WELL 86 William Street.
WM. UNDEBH1LL, Junr, 183 Water Street
DAVID T. LANMAN, 69 Water Street.
MARSH & NORTHROP, 60 Pearl Street.
NORTON, BABCOCK& WOOD, 139 Mai-
den Lone.
PENFOLD, CLAY & Co, 4 Fletcher Street.
OLCOTT, M KFSSON&Co, 127 Maiden
Lae.
A. R. & D. SANDS. 100 Fullon Street.
SCHIEFFELIN, BROTHER & Co, Uftft
106JobnSl.
LEWIS & PRICE. 55 PearlStreet.
HAVILAND,KEESE& Co, 80Maiden La-
e.
RUSHTON, CLARK & Co, 110 Broadway,
10 Astor.
House, and273 Broadway, cor.ofCham-
bers Street.
PHILIP SCHIEFFELIN, & CO107Watr
Street.
POU & PALANCA, 96 John Street.
SHERWOOD & COFFIN, 64 Pearl Street,
i 111?l ll n?a enla Cm01RUST & HOUGHTON, 83 John Street.
I.MINORA Co, 214 Futon Street.
d'aqui consta no fluido circulante, e ne
nhum medicamento que nao obra directamente
sobre elle para purificar e renovado, possue al-
gum direito ao cuidado do publico.
O sangue O sangue I o ponto no qual
se na roysler Gxar a attencito.
O ORIGINAL E O GINUINO
AO PUBLICO.
INGERSOLL & BROTHER, 230 PearlStreet.
JOSEPHE TRIPPI, 128 Maiden Lae.
GREENLEAF & KINSLEY, 45 Cortland
Street.
HAYDOCK, CORLIES&CLAV, 2l8Pear
Street.
CUMIMG & VANDUSER, 178 Greenwch
Nos, os Assignanles, Droguista na cidade de Street.
HASKELL & MERRICK, 10 Gold Street.
B. A.FAHNESTOCK & Co. 49 John Street.
CONHECEMOSA ARVORE E SU AS FRU-
TAS ,
E IGUALMENTE
Conhectmos um Medicamento nos seus Effeitos
O extracto eomposto de Salsa parrilha do
Dr. Townsend est.
0 MEDICAMENTO DO POYO"
Adata-se lo marvilhosamente a constiluicao
que pode ser ulilisado em quasi todas as enfer-
midades.
ONDE E DERIL1DADE,
fortalece;
ONDE E' CURRUPCAO,
purifica;
ONDE E' PODRID AO,
- AL1MPA.
Este medicamento celebrado que tao grandes
servicos presta a humanidede, prepara-se agora
na nova fabrica, na esquina das ras Front e
Washinglom, Brooklym, sob a inspeccao directa
do muilo contiendo chimico e medico Dr. James
B. Chilln, da cidadejle New-York, cuja cer-
lido e assignalura se acha na capa exterior de
cada garrafa de
ORIGNALE GENUINO
extracto composto de salsa parrilha
DO DR. TOWNSEND.
O grande puricador do sangue
CURANDO
O Herpes
AHertsipbla,
AAdstriccaodovbn-
TRE,
As Alporcas
Os Effeitos do azoc-
GUE,
Dispepsia,
AsD0ENCAS,DEFIGA-
DO,
AHtdiopesia.
AIhpinge
As Ulceras,
O Rhecmatismo,
As Chacas
A [IEB1L1DADE GERAL
AS DOENCASDE PELLE
AS BORBULHASNA CA-
RA,
AsTossbs,
Os Catarrhos, As Tsicas, etc.
O Exlrato acha-se comido em garrafas qua-
dradas e garante-se ser mais forte e melhor em
todo o respeilo a algum outro purificador do
sangue, conserva-se em todos os climas por cer-
lo espaco de lempo.
Townsend tem assignalura e a certido do Dr. J. R. Chlilton, na capa
Cada garrafa do original e genuino extracto do Dr.
exterior de papel verde.
No escriptorio do propietario, 212 Rroadway, New York, e em Pernambuco na ra da Cruz n. 21, escriptorio, 1. andar, tam-
bem na botica da ra Direita n. 88 do Sr. Paranhos.
so
Assignalura de banhos fros, momos, de choque ou cbuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos............ 1C$000
30 candes para os ditos banhos tomados em qualquer lempo. 15*000
15 Dilos dito dito dilo ...... 85000
_7 ...... 43OOO
Banhos avulsos, aromticos, salgados esulphurosos aos precos anunciados.
Esla reduco de precos facilitar ao respeitavel publico o gozo das vantagens que resullam
da frequencia de um estabelecimento de urna utilidade incontesiavel, mas que infelizmente nao
estando era nossos habites, anda pouco conhecida e apreciada:
3
CONSULTORIO
DO
MEDICO PARTE IRO E OPERADOR.
3 m A IIAOLO^I 1,;AS V1H> I l \i>03
Clnica por ambos os systemas.
O Dr. Lobo Moscoso d consultas todos os dias pela manhaa, e de tarr!edepois de 4
horas. Contrata partidos para curar annualmeiu-e, nao sopara acidado, como para o engenhos
u oulras propriedades ruraes.
Os chamados devera ser dirigidos sua casa at s 10 horas da manhaa e em caso
do urgencia outra qualquer horado dia ou da noite, sendo por escriptoem que se declare
nome da pessoa, o da ra e o numero da casa.
Nos casos que nao forera de urgencia, as pessoas residentes no bairro doRecife po-
derlo remetter seus bilhetes botica do Sr. J. Sounn & C. na ra da Cruz, ou loja de
jivro* do Sr. Jos Noguoira do Souza na ra do Crespo ao p da ponte velha.
Nessa loja e na casado annuncianteachar-se-ha constantemente o? meihores medica-
mentos homeopaihicos j bom conhecidos e pelos presos seguintes:
Rolica de 12 tubos grandes...........109000
Dita de 24 ditos........;........159000
Dita de 36 ditos.................205000
Dita de 48 ditos................. 25" 000
Dita de 60 dito................. 30$000
Tubos avulsos cada um.........: 19000
Frascos de tinturas. ; :............200O
Manual de medicina homeopathica pelo Dr. Jahr, tra-
ducido em porluguez, com o diccionario dos termos
de medicina, cirorgia etc.. etc........209000
Medicina domestica do Dr. Hering, com diccionario. 109000
Repertorio do Dr. Mello Moraes......... 69000
Nova cariillia.
Acaba de sabir dos prelos desta lypographia
urna nova edicao da cariilha ou compendio de
doutrina christa, a mais completa dequautas se
tem impresso, por quanto abrange ludo quanto
continha a antiga caililha do Bbbade Salomonde
e padre mostr Ignacio, acrescentando-so muilas
oracoes que aquellas nao tinham ; modo de a-
coropanhar um moribundo nos ltimos momen-
tos da vida, com a tabella das [estas rnudaveis,
e eclypses desde o correte anno al o de 1903,
seguida da folhinha ou kalendario para os raes-
mos annos. A bondade do papel e excellencia da
impressao, dio a esla edigo da cariilha urna
preferencia asss importante: vende-se nica-
mente na linaria ns. 6 e 8 da prac,a da Indepen-
dencia.
Gama & Silva
estando em liquidacao de sua loja de fezenda?,
.ita na ra da lmperatriz n. 60, por meio deste
aonuocio avisam a todos os seus devedores por
conta e letras j vencidas, a virem pagar seus
dbitos no prazo de 30 dias, contados da data do
primeiro anuuocio, lindo elle sero seus nomes
publicados nesle jornal. Recite 16 de fevereiro
de 1861.
Aluga-so a loja do sobrado n. 3, sito ao
norte da fabrica dogaz e beira do rio, contendo
duas salas, tres quarlos, quintal e cacimba, es-
lando pintada e caiada de novo, e Oca junio ao
banho salgado : a tratar com o Sr. Vnlenca no
mesmo sobrado.
Offerece-se urna mulher para ama de urna
casa de pouca familii, ou de un. rapaz solleiro :
a tratar na camboa do Carino, sobrado n. 36, pri-
meiro andar.
JOIAS.
Banhos econmicos!
Na casa de banhos do pae o do
Carmo.
Nesle estabelecimento (alem dos banhos j co-
nhecidos) seforaecer dora em vaote, por maior
commodo do publicobanhos econmicossem
luco, mas com toda a decencia e aos precos se-
guales :
i banho avulao | ?,?^.
I morno 400 rs.
7 eartoea para banhos ?0jL* rIl%f
r | momos 29500.
30 banhos consecuvoa fros oa momos 59.
CASA
I
M. J. Leite, roga a seus deve-
dores que se dtgnem mandar pa-
gar seus dbitos na sua loja da
ra do Queitnado n. 10, enten-
tendo-se paia esse im com o seu
procurador o Sr. Manoel Gomes
Leal.
Pracisa-ia alagar um preto de mei
1 a na Hora, loja a, 7.
idade
de co m misso de escravos, pa-
teo do Para izo n. 16, sobra-
do que foi do fallecido Ni
coleo.
Para a dita casa foi transferido o antigo escrip-
torio de commissio de escravos que se ar.hava
eslabelecido na ra larga do Rosario n. 20 ; e
ahi da mesma saaneira se contina a receber es-
cravos para serem vendidos por commissio, e
por conta de seus senhores, nao se poopando es-
forcos para que os mesmossejam vendidos com
irompiido, afim de que seus senhores nao sof-
ram empales com a venda delles. Nesle mesmo
estabelecimento ha sempre para vender escravos
de ambos os sexos, velhos e mocos.
O bacharel A. R. de Torre* Ban-
deira mudou sua residencia da ra da
larga do Rosario n. 28, para a do Im-
perador 37, segundo andar, onde
continua no exercicio de fu? profisiSo
degdTogado.
Joequim Monteiro de Oliveira Guimaraes com
loja deourives na ra do Cabug n. 1 A, partici-
pa aos seus amigos frpguezes e ao publico em
ge ral, que se acha sonida das mais bellas e deli-
cadas obras de ouro e prata, e querendo acabar
com o negocio, est resolvido a vender mais ba-
rato do que em outra parte, garantindo as dilas
obras, passando conta com recibo, declarando a
qualidade, e compra ou troca obras velhas, pa-
gando o ouro por mais do que em outra parte.}
No dia 5 de mar^o de 1861 ir prc.a, On-
da a audiencia do Dr. jaiz de orphSos, o moleque
Amaro, avaliado or 4009. pela execugo que mo-
ve o Dr. Caelano Xavier Pereira de Biito, e Jos
Mara Freir Gameiro contra Jos Rodrigues do
Passo, como inventarenle de sua fallecida mai,
e sendo o dito moleque entregue pelo executado
para os offieiaes e'ecluarem a penhora, e deposi-
taren! em deposito geral: portento ignora o abai-
xo assignado qual a razo delle executado querer
afaslar os prelenlentes da praja, pois sem falla
alguma ir pr.->ca como cima diz, porque os
meuB constituales querem ser pagos. Q. p. de
B., solicitador.
Direilo romano.
Havendo a congregarlo da Faculdade de Direi-
to desta cidade adoptado para texto das prelec-
coea de direito romano no correnle anno as txtuicoe de Warokcenig em substilui;ao aos ee-
mentos de Waldeck, os senhores estudantes do
pnmeiro anno que quizerem ter aquella obra em
porluguez, podem deixar seus nomes e o impor-
te da assigoatura (108000), na loja de livros do
Sr. Autonio Domingues, oa ra do Collegio n. 87,
onde recebero as 64 paginas que j se acham
iBoressas.
I- A. Warnkcenig.
Em lalim, na loja de livros da ra do Collegio
numero 87.
Jos Ramalho de Souza vs fazer urna via-
gem.
O padre Francisco Joo de Azevedo, com as
competentes habilitacoes, propde-so a abrir no
1." de margo um cuiso cooslante de arUhmelica,
algebra e geometra ; as pessoas que desojarem
esludar estas materias, pedero dirigir-se a ra
larga do Rosa n. 16, onda acharo com quem
tritar.
Oa Srs. Jacintho Augusto do Amaral Jos
Ceaano de Souza Pereira, Jeto Morsira Wander-
ley, aueiram aonunciar suas moradas que se Ibes
precisa fallar.
Precisa-se de um hornero carroceiro ; em
?'"ilaiwtB?rd ,0 ** dt n<,'5i> *rna de Jos
Jacintho de Carvalho.
FOIMWHAS C M0.
Acham-se venda na livraria da praca da Independen-
cia ns. 6 e 8, as bem conhecidas folhinhas impressas nesta
typographia
Folhinha de porta ou KALENDARIO eclesistico a civil para o
n.. .... bispad o de Pernambuco........ .'. 160 rs
Ulta de algibeira contendo alm do kalendario ecclesiastico e* civil,
explicado das festas mndaveis, noticia dos planetas,
tabellas das mares e nascimento e occaso do sol;
ditas dos emolumentos do tribunal do commercio;
ditas do sello; ditas do porte das cartas; ditas
dos impostos geraes, provinciaes e municipaes, ao
que se juntou urna colleceao de bellos e divertidos
n. jogos de prendas, para entretenimeoto da mocidade. 320 rs.
Ulta dita .... contendo alm do kalendario ecclesiastico civil, expli-
cado das festas mudaveis, noticia dos planetas, tabellas
das mares e nascimento e occaso do sol; ditas dos emo-
lumentos do tribunal do commercio ; ditas dos impostos
geraes, provinciaes e municipaes, ao que se reuni o
modo de confessar-se, e conungar, e os officios que a
igreja eosluma celebrar desde domingos de Ramos, at ...
sexta-feira da Paixo, (em porluguez). prec,o..... 320 rs.
Vitado aimancik civil, administrativo, commercial eindustrial da provin-
\. oia de Pernambuco, ao preco de:....... 19000
Para facilidade do uso deste almanak-, augmentou-se
de formalOjje fizeram-se mu i tas alteraces, sendo a correc-
o a mais exacta que foi possivel, em materia desta ordem,
(que todos os dias soffre mudancas) acrescentando-se a nu-
meraco dos estabelecimentos coixmerciaes e industriaes ;
acompanhado de ndice para facilitar o uso, procurando o
que se deseja pela oceupa^o do individuo de quem se quer
saber a residencia.
PSULT0RI0 ESPECIAL HUMEOIMTIIItO
DO DOUTOR
SABINO O.LPINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consullas lodos os dias uteis desde as 10 horas
at meio dia, acerca das seguiutes molestias :
1. molestias das muheres, molestias das crian-
as, molestias da pelle, molestias dos ohos, mo-
lestias s*philitica8, todas as especies de febres,
febres intermitientes esuas consequencias,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPATHICA .
Verdadeiros medicamentos homeopaihicos pre-
parados som todas as cautelas necessarias, in-
falliveis em seus efleitos, tanlo em tintura, como
em glbulos, pelus preros mais commodos pos-
siveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos em sua pharmacia ; todos
que o forem lora della sao falsas.
Todas as carteiras sao acompanhadas de um
impresso com ura emblema em relevo, leudo ao
redor as seguintes pslavras : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema poslo
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
de. As carleiras que nao levarem esse impresso
assim marcado, embora tenham na lampa o no-
me do Dr. Sabino sao falsos.
COMFJdtiHIA
ALLIANCE,
estabeecida em Londres
CAPITAL
Cineo mi\lk&es de libras
stetUnas.
Saunders Brothers & C. tem a honra de in-
formar aos senhores negociantes, proprietarios
de casas, e a quem maisconvier, queesto ple-
namente autorisados pela dita companbia para
eflectuar seguros sobre edificios de lijlo e pedra,
cobertos de telha, e igualmente sobre os objectos
que contiverem os mesmos edificios, quer consis-
ta em mobilia ouem fazendas de qualquer qua-
lidade.
Dentista de Pars.
15Ra Nova15
Frederic Gautier, cirurgiao dentista, faz
todas as operaedes da sua arle e colloca
dentes arlificiaes, ludo com a superiori-
dade e perfeicao que as pessoas entendi-
das lhe reconhecem.
Tem agua e pos deniifricios etc.
Laiiriano Jos de Barros
participa aos seus numerosos freguezes desta ci-
dade e mesmo de tora,"que acha-se regendo a
grande o (Tierna de roupas feitas de Ges & Bas-
tos na ra do Queimado o. 46, onde pode ser
procurado a qualquer hora, pois est promplo a
desempeohar qualquer obra importante, pois
para isso tem na mesma loja um completo sor-
tmenlo.
- Na travessa da ra
das Crnzes n. 2, primeiro andar, conlina-se a
tingir com toda a perfeigo para qualquer cor, e
o mais barato poSSivel.
Para urna casa
franceza.
Precisa-se de urca escrava que saiba engom-
mar, coser, e fazer todo o servido de urna casa
de pouca familia, o que seja Gel e diligente. Na
mesma casa precisa-se de um escravo para o ser-
vido de um sitio : quem tiver pode dirigir-se
ra do Imperador n. 27 confronto a ordem ler-
ceira de S. Francisco, que achara com quem tra-
tar, das 9 horas da manhaa s 4 da tarde.
B
aos terceiros da ordem
Francisco.
Na ra do Queimado n. 39, loja de 4 portas,
vende-se eslamenha para habiloa a 2$200 o co-
vado, e se aproroptam os mesmos habilos a von-
tade dos irmos a 45J> cada um, obra muilo bem
feita.
SYNOPSE
ios consumidores de gaz.
A empreza da illuminaco
gaz, roga a todos os Srs. con-
sumidores o favor de nao en-
tregaremaos seus machinis-
tas ou serventes qualquer di-
nheiro quer de reparos ou
outro qualquer pretexto, sob
pena de lhes ser novamente
exigido. Todos os pagamen-
tos devem ser feitos ao Sr.
Thomaz Garrett nico cobra-
dor autorisado ou no escrip-
torio dos gerentes.
Camargo <& Silva.
compradores da loja dos Srs. Campos & Lima,
sita na ra do Crespo o. 1, rogam aos devedores
desta firma, que se dignem vir pagar suas contas,
ou enlenderem-se a respeilo com os referidos
compradores; certos de que sero chamados a
juizo os que assim nao zerem.
~J0 hachare! WITRVIO pode ser
procurado na roa Nova n. 23, primeiro
andar, de sobrado da esquina qoe volta
para a Gamboa d* Carmo.
Aluga-se o armazem n 7 silo na ra do
caes .de Apollo, sendo ptimo para assucar oa
outro qualquer deposito de gneros, estando to-
do travejad, o que pode servir para guardar cer-
tos gneros, lendo o quintal murado e cacimba,
neo favoral embarque ao p da porta : a tratar
o pateo de S. Pedro n. 6
Agencia dos fabricantes americanos
Grouver & Baker.
Machinas de coser : em casad e Samuel P.
Johiton & C, rus da Senzalla Neva n. 52.
Perderam-ae, ao desembarcar do lio que ri-
ca por ira* do engenta Poeta at o corredor do
Cacbang, as duas ultimas pecas de urna flauta :
a Mssoa qoe achando quwer ter a bondade de
'****' Hrije-se a esta trpofraphJs onde se lhe
Attenco.
Candido Pereira Monleirc lera para vender em
seu estabelecimento 2 buhares eseus pertence,
os meihores quo exigiera em Pernambuco, os
quaes se acnam Torrados de novo, e em multo
bom estado, cojos precos sao de 6O0S a 700S, e
As veDde por ,erfeilo encommeaa d antros
modernos : na ra do Imperador, hotequim im-
perial que foi de Joaquim Jos de Paira.
Hontemi pelas 11 horas do dia desappareceu
da casa do abano assignado um moleque de ida-
de de 7 para 8 anoos, de nomo Raphael. tendo
chegado ha poucas horas do engenho Jussar ;
levou vestido limao de urna chUioha miuda e
bonel de panno preto enfeilado com lajos de re-
tro*: quem o pegar ou delle der noticia, leve-o
a ra oslreita do Rosario n 41. lerceiro andar
qne ser recompensado. Recite 4 de marco de
1861. Joo Firmino Correa de Araujo.
Urna pequea familia (marido, mulher e 3
fJlhos) asss conhecidos, rcduiida ao triste esta-
do, em que a inconstante sorte, os acaba de redu-
zir. resolve se sabir para fora da cidade (com
preferencia para algum engenho) para lecciona-
rem meninos e meninas, em primeiras ledras,
cozer, bordar, ele, ele, etc., mediante commo-
da paga*; protestando nao ter em sua vida, qur
publica, qur particular, faclos ou crimes de que
se envergonhe na sociedade : quem a pretender
annuncie por esta folha para ser procurada.
Furto de cavallo.
30$ de gratificaco.
A quem apprehender ou der noticia ao abaixo
assignado, morador na travessa da Piranga para
o Giqui, de um cavallo que lhe foi roubado de
sua estribara na noite de 24 do correnle, o qual
tem os signaes seguintes : cor castanho escuro,
roaos pretas, com o p direilo calgado de branco,
tamaiiho regular, cabeca pequen*, bem feilo,
bstanle carnudo, iDteiro, vivo e ardigo, carrega-
dor de baixo a meio, tem mais cauda o dinas
grandes, mas esle signal talve* j o ladro o te-
nha feilo desapparecer. Este cavallo, o abaixo as-
signado comprou-o na cocheira do Sr. Lobato,
no Mundo Novo, em dezembio prximo passado,
o qual o conhece bem. Ao abaixo assignado
sobre-modo sensivel a falla delles, que a priva
de poder sabir e vir i esta cidade adquirir algu-
mas esmolas, sendo do que vive actualmente, e
o seu estado enfermo nao lhe permiltir andar a
p. Fspera, pois, qoe por favor ou paga, lhe seja
restituido o seu cavallo, eisto mesmo recommen-
da s autoridades. Giqui 25 de fevereiro de 1861
Francisco Jos de Paula.
Manoel Jos da Silva Oliveira, subdito por-
luguez, vai Macei.
Precisa-se rlugar urna escrava que saiba en-
gommar, coziohar e fazer lodo servido de urna
casa : dirija-se a ra do Imperador, armazem
do gar n. 31.
Manoel Jos Vieira, por haver oulro de
igual nome, de hoje em dianle so assigna por Ma-
noel Joaquim Vieira.
Giorani Luciano de StefaBO, Italiano, se-
gu para o Rio de Janeiro.
Precisa-se de 300$ a juros, dando-se por
seguranza um moleque de 8 annos : na ra Di-
reita n. 82.
Na padaria da ra Direita n. 81, precisase
de um amassador.
Precisa-se de urna ama para o servico in-
terno de urna casa de pouca familia : na ra da
lmperatriz n. 74.
ti oiupras.
Compram-se escravos.
Compram-se, vendem-se, etrocam-seescravos
de ambos os sexos e de toda idade : na ra do
Imperador n. 79. primeiro andar.
Compram-se notas de 1$ e 5# ve-
lhas com mdico descont : na praca da
Independencia n. 22.
Compra-so um cavallo que seja manso o gran-
de : na cocheira defronte do porto das canoas da
ra Nova.
Compra-sc urna pequea casa lerrea, ainda
que esteja em mo estado : a Iratar na ra Ve-
lhan.28, das 7 s 9 horas da manhaa, ou das 5
as 8 da tarde.
DE
ELOQIEMFA E POTICA NACIONAL
PELO ACADMICO
MANOEL DA COSTA HONORATO.
Sahio do prelo a indispensavelsynopse para os
exames de rhethorica, a qual se torna recora-
mcn^avel aos esiudantes nao somenle pela cla-
reza econciso do phraseado, mas tambera por n~ Vend.e-scum cabriole! com todos osarreios
urna taboa synthetica qne tero junta, a qual, de- 5?, i -"'.0 me!.mo.: a lralar na cocheira
pois de ter se estudado o compendio, de impro-!^ ,',,oacIuira -* Pereira da Silva, defronte
viso iraz memoria ludo quanlo ha de essencial.
A' venda na lypographia commercial, ra estreila
do Rosario n. 12. e na livraria classica, praca de
Pedro II n. 2. a 2 cada exemplar.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho saccam
sobre Lisboa e Porlo ; no largo do Corpo Santo,
escriptorio.
Saturnino Marques Valle, subdito hespan-
hol, retira-se para o Rio oe Janeiro.
Gaspar l'ereira da Silva subdito porluguez
vai a Poitugal e durante sua ausencia deixa pro-
curado a seu socio o Sr. Joo Valente da Cruz e
ao Sr. Antonio Martins Duarle.
Vendas.
mm&&9m mtmtm&a $&&m&
AVISO.
Jos Patricio de Siqucira Varejao, com taberna
na ra Augusta n. I, e fabrica de charutos na
travessa do Dique n. 7, avisa a seus devedores,
que no prazo de 8 dias, a contar deste, venham
saldar suas comas, do contrario sero publicadas
por esta folha os seus nomes.
Attenco.
O abaixo assignado roga a todos os seus dere-
dores tanto desta praca como do mato, hajam de
mandar salisfazer seus dbitos, isso al o um do
correnle ; Dudo esle prazo passar a cobrar ju-
dicialmente. Recite 2 de margo de 1861.
J. G. Malveira.
Antero Jos do Almeida Carvalho relira-se
para o Rio de Janeiro.
Albino Francisco dos Sanios retirase para
fra da provincia.
Manoel de Souza Pimenlel relira-se desta
provincia para a Europa.
Cozinheiro.
Quem precisar de um peifeilo cozinheiro, diri
ja-se a ra da Cruz n. 4.
Jos Escunha Dio vai para Macei.
Nicols Chipoune, Italiano, vai par Macei.
Manoel Ribeiro da Silva manda o seu em-
pregado Jos Antonio Vieira s provincias do
norte.
Arreoda-se o sitio em que esteve o Sr, Fran-
cisco Gomes de Mallos Jnior, na travessa da es-
trada de Joo de Barros, coro grande casa de so-
brado, tudo plantado de arvoredos, 2 viveiros e
baixas para plantar capira : quem o pretender,
pode dirigir-se ao mesmo sitio.
Est justo c contratado a compra da taber-
na sita na ra do Alecrim n. 45, pertencente a
Srs Candi 'a Fortuna da Cunha Braga : se al-
fcuem se julgar com direito a reclamar sobre a
dita venda, haja de o fazer no prazo do 3 dias,
sob pena de nSo ser mais attendido. Recite i.
de marco de 1881.
Em urna ra pricipal, e por muilo barato
prego; aluga-se om solio de um sobrado com ja-
nella para roa de um e oulro lado, e nao sendo
este multo alto, conieudo um grande quarto, co-
zlnha eama sala, dando-se preferencia a urna
senhora qoe seja casada ou rluva e de idade, que
nao seja mais do urna das pessoas : -tratar
no becco Largo, taberna n. S.
Antouio Norberto de Souza Lesldade ret- i
ra-se para o norte a Iratar de urna cobraoca.
Precisa-se de urna mulher para tratar de
outra qoe est doente, nicamente, sendo servico
interno : a tratar na ra do Noguoira n. SI.
Alugam-se oa dous grandes sobrados da'
ra de Borlas e Caldeireiro u. 140, sendo que '
tem commumeaco um por dentro do oulro:
n"" Wjyjjj' *^ 1N A LOJA
Encyclopedica
DE
Guimaraes & Villar.
fRua do Crespo oumero 17.j
Vende-se fazendas de superiores qua-
hdades egostos por presos incriveis:
Chapeos de seda para senhora brances e
de cores a iSf.
Ditos dilos de ditos de cores e trancos a
20000.
Ditos de nalha ricamente enfeitados a
. 28 e 40.
Riquiasimos cortes de cambraia branca
bordados a 35$.
Ditos ditos a 20j.
Las de Garibaldi em cortes com 25 co-
vados a 100.
Cassas a Garibaldi e oulros delicados
gostos s 700 TB.
Cassas miudas superior fazenda de cores
flxas a 260 rs. o covado.
Laas de todas as qualidades a 3600 rs
Manteletes, sahidas de baile riqusimas.
Chitas francezas de lodas as qualidades.
sedas de quadrinhos e gros de todas as
Tores.
Cambraia branca da China com palmas de
9 varas cada pe$a a 6|500.
Saias bales de 30 arcos a 5.
Chales de touquim brancos e oulras qua-
lidades de chales fios.
Cambraia bordadas a mao a peca a 24
Saias bordadas e de fusto.
Sedas de cores e pelas de 2 saiaa borda-
das a velludo em candes ultima moda
oo raris.
Esparlhos de molas.
Grande sortimento
de roupas feitas. sobrecasacas, paletols,
colletes, calsas.camisas e seroulas. meias.
gravatas etc., ele.
Calcado Meli ullimamecte chegado de
Pars.
Nesle eslabelecimeofo eocontra-se
grande sortimento de fazendas de to-
das as qualidades proprias para senho-
ras, horneas e meninas e seus precos
sao admirareis.
Pechina.
m
Cassas francezss de lindos desenhos a 240 rs. o
co*ado, ehita. francesas a 10 rs., ditas a 200 rs. :
na na do Queimado n. 44.
Vendem-se saceos com farinha de mandio-
ca muilo barato : na roa da Senzala Nora o. 39,
taberna.
~* '"dem-se 3 bois mansos pan earroca : na
ra da Gloria n. 71.
LVbVbbV^bbbbbbbbbbI




()
*I*M1.
Largo da Penka
BMAO
Vendem no seu armazem Progresso os seguioles gneros recentemente chegados por me-
nos 5 oa 19 por cento por erem viudos de coala propria e tudo das melhores qualidades que se
podetn encontrar tendelas a molhados :
Manteiga ingleza flor a 1#
Progresso.
a libra e 800 rs. de 8 libras para cima s no
chegada ltimamente da Europa a 900 rs. a libra, s no rrogresso,
chegadas do conla propria no ultimo navio a lgGOO e 49 latas com
Queijos ftameiigos a tftlOO d0 preco de 3 25oo rende-so 1*700
pela grande porgao que tem, aflaoca-se quo sao os melhores que ha no mercado, s no
Progreso.
7? das mais acreditadas marcas a 20 a duzia e 2 a garrafa, afianca-se que
a melhor do mercado, s no Progresso.
" SU.18SO a g^o rs 8 |bra uncamcDie se vende no armazem Progresso, aQanca-se
a boa qualidade, s no Progresso.
UUtUldlC os mais acre(jiiat|os fabricantes da Europa a 900 rs. a libra, s no Progresso.
rmCUMia em cmpoteiras de folha do mais acreditado fabricante da Europa vinda pela
pnmeira vez a esta provincia lacrada hermticamente e multo bem enfeilada a 1 rs. a libra,
s no Progresso.
imperial mermelada do a{amado Abreu e outros fabricantes premiados oa ei-
posicio de Londres a 800 rs. a libra, s no Progresso.
Maa Ae tomate
ILatas eom soda
8 libras, s no Progresso.
iVmeiXaS iraUCezaS da meihor que ha nesle genero a 500 a libra e em latas a
1, s no Progresso.
U IgOS Ue Comadre caixnhas com 16 libras, os melhores que ha no mercado a 2*500
e 240 rs. a libra.
C^ S*518' liyaon e preto dos melhotes que lem Tind0 e hs no merca(l0,
2560,2 e 1S600 a libra, s no Procresso.
Caixas eom libras de passas muUo bem onfeitad proprM para
meninos a 3 e em caixa de 1 arroba a 12 e em libra a 500 rs., aaoca-se serem as melho-
res do mercado, s no Progresso.
*"*'** ou passas proprias para podim a 1J200 o frasco, s no Progresso.
Hoce da casca de g naba
\l\l\0 X 01*0'/
-^^a-*-*1 do melhor que se pode enconlrar neste genero a 1600 a garrafa, s no
Progresso.
V lllUOS para paSlO 0 mesm0 para engarrafar pelas suas boas qualidades a 45O0 a
caada e 640 rs. a garrafa, s no Progresso.
lf UIIO UOrileailX das marcas mais acreditadas alija caixa e 1 a garrafa, s no
Progresso.
a 1 o caito, s no Progresso.
Grande deposito de pianos fortes
DOS
MAIS AFAMADOS FABRICANTES DA EUROPA
o,
DE
ca de r^H^Trdr,rfbneCme?t. acaba de ceberda Europ alguns pianos da celebre fsbri-
^ Ld,tseVa^rsse iaa^:;.^^^^ ?ss
Grosdeoaples baras-
simos
Vendem-aeffroadenople aaetoopeto baraUssi-
Quaimado n. z, loja da boa t.
Vendem-se
reila n. 8.
TABAC CAPORAL
Deposito das manufacturas imperlaes deFrau^a.
riMnn!leiS(reiDe rLm0 "**** depositado, diretamente na ra Nova n. 23, ESQUINA DA
LAMBOA DOCARMO, o qual se vende por mseos de 2 heclogramos a 1*000 e em porcao de
10 mseos paro cima com cescooto de 25 por cento ; no mesuro estabelecimento acha-se tambera
o verdadeiro papel de hnho para cigarros.
CENTRO CGHUHERCIAL
15 RuadaCadeiadoRecife 13
ARMAZEM DE TABACO, CHARUTOS E CIGARROS
Jos Leopoldo Bourgard
que
a 160 rs.
OCS-vH, das melhores marcas que lem Tin lo ao
(branca) s no Progresso.
mercado a 5$ a duzia e 500 a garrafa,
Rft$M para SOpa e sevadinha muilo nova a 500 e 320 rs. a libra, s no Progresso.
M.aUteiga "^t^1* chegada no ultimo navio do Havre a 800 rs. a libra, s no
Progresso.
IraillOS llXaOOS os meu10res que lom Tnd0 ao mercado a 200 rs. o masso com 20
niissinhos.s no Progresso.
A-ZellOliaS a 1^200 rs. o barril, s no Progresso.
UaUlia Oe porCO refinada a mais aWa que existe no marcado a 480 rs. a libra e em
porgao de 8 libras para cima a 440 rs., s no Progresso.
Touclubo de LAsboa
Progresso.
^^ "lltl xnuilp nova a 3 a arroba e 120 a libra, s no Progresso.
"P" o mais limpo que ha a 5J a arroba e 160 rs. a libra, s no Progresso.
Spermaceie a 800 rs a iibrai s no progregso.
^***IR UW e 00ira8 muilis qualidades de peixe ora latas de 13200 a 2J, s no Progresso.
Os proprietarins prometUMn aos seus fregueses contimiarera a terem os melhores gneros
relalivampiita a mull ido* e venlerera mais barato quo era unir qualquer parte, prometlem mais
tarnbem servirem aquella peasoas que mandarem (>or outras poueo praticas como se viessem pes-
soalmeute, roguu ti uniera a lodos os Srs. do engenho e Srs. labradores queiram mandar suas en-
commendas que no armazem Progresso se lhes alianga a boa qualidade e acondicionamenlo por
mais looge que seja o serto.
o melhor que ha a 9 a arroba o 320 rs. a libra, s no
e cigarreiros que fabri-
verdadeiro em magos de diversos lmannos, garante-se
a qua-
Leo de prata
Rival do leo d'ouro.
Vendem-se luvasde seda com mofo a 240. 320
e 400 rs. o par, ditas pretas bordadas a 180 o
par, ditas de cor a lJOO, luvas pretas lisas
a 1?200 finas, ditas arasrellas e brancas para me-
ninas a 800 rs. o par, franja preta de vidrilho a
640 e dita larga a 800 rs.. estreilinha a 500 rs. a
vara, pares de jarros a 18500, 2, 25W0 3jj o par,
e outras muitas raiudezas : na loja da ra larga
do Rosario n. 36.
Rap do Joo Paulo Cordeiro
E'chgadoo rap de Jo8o Paulo Cordeiro
ra larga do Rosario, passando a botica a segun-
da loja do miudezas e naraesma loja tem muitas
mais qualidades de rap, linhas de Pedro V, car-
to de 50 o 200 j-trdas, muilo boas linhas por ser
de linho puro, e muitas mais miuiezas e encon-
ts, que s vista se dir o pre^o do tudo.
Boa pechincha.
Yende-se por preco muito commoio urna casa
terroa do podra e cal, na ra Imperial, com 3 sa-
las e 3 quarlos, cozinha fra, la Jo do rio Capi-
baribe, quintal com mais de 600 palmos de ex-
tensao e alguns arvoredos de fructos, banho ao
p da casa e porto de embarque em todas mares,
cuja casa se acha alugada por 300JOOO aunuaes :
os pretendentes dirijan!-se mesma ra Impe-
rial, casi n. 176, pouco adiaote da fabrica do
sabo, que acharao con) quem tratar, a lodas as
horas do dia, e se tiverem vontade se agradaro
do prejo.
A 20$000 o corte,
no armazem da ra No va jun-
to Couceico dos Milita-
res, n. 47,
de
Bastos < Reg.
Parece incrivel 1... cortes de ricos vestidos
de seda pretos. com babados ricamente bordar
dos pelo diminuto preco de 2OJO00 o corte, as-
sim como temos grande sortimento de fazendas
pretas para a quaresma ; ricos taimas de velludo
e capas compridas, ricamente bordados dos mais
modernos gestos que teem apparecido ; vestidos
de seda preta de todas as qualidades; grosde-
naplcs a I38UO, 2 e a SflOO ao covado: ricas
mantas pretas para sen hora, com quatro palmos
do largura muito compridas, pelo diminuto pre-
go de 89 rs. ; ricos manteletes de seda preta
com bicos compri-los e sem bico, gosto muito
apurado, 22, 24J, 280 a a 30 rs:: todas estas
fazendas se vender mnito barato s com o fim
de apnrar dinheire e acreditar este novo ar-
mazem.
Na nova loja de fazendas de
quatro portas.
Na roa da Iraperatiiz u. 56, vndanse fizendas
que fa admirar, proprias pt3 qmresma, asa-I
ber: gros Jenaple preto a f700. 2t, e 2J200 o co-1
?do, muito enoorpado, panno fino preto a 89,
3500 e 4*500 o covado. fazeoda raoilo fin, prin-
cesa preta a 600, 720 e 800 rs. o cavado, alpaca
preta do mesmo prego, corles de oacears prata
para caiga a 5$, 6J e 69500 o oorte. castai de co -
res de ltimos gostos a 320 e 400 rs. o corado,
delicado ptdrie*. 8 a vlela.....
Vende-se urna barcaga de lote de 450 sac-
eos, bera apparelhada, a dinheiro ou a prazo, o
muito barato ; na ra de Apollo n. 8, segundo
andar.
Sortimento de chapeos
/?ua do Queimado n. 39
Loja de quatro portas.
Chceos uretos francezos de superior qualida-
de a 7. *
Ditos dos mais modernos que ha no mercado
9$.
Ditos de castor pretos e brancos a 16.
Chapeos lisos parasenhora a 25.
Ditos de velludo cor azul a 18.
Ditos de seda para meninas ricamente enfeila-
dos a 8j.
Ditos dilos para menino a 5.
Liados gorros para meninos a 3.
Donis de velludo a 5.
Ditos depalha muito bem enfeitados a 4j.
Chapeos do sol francezes de seda a 7.
Ditos inglezes de lj, 12; e 13 para um.
mmstttsmmm
Potassa. |
Vende-e a 2i0 rs. a libra, a ]
superior e al va potasa doacredi- H
tado fabricante Joao Casa-nova ,
cuja qualidade e reconhecido ef-
feito igual ou superior a de
Hamburgo, feralmente conlieci-
* da como da Russta : no deposito,
| ruada Cadeia n. 47, escriptorio <
ff de Leal Keis. m
mmmtmm wsmzm smsmmn
Fazendas pretas para a
quaresma
Ka ra do Queimado n. 39
Loja de quatro portas
DE
Joaquina Rodrigues Tavares
de Mello.
Corles de vestidos de seda pretos bordadas a
velludo muito superiores a 120, ditos bordado,
a relroz e vidrilho a 80, dilos bordados a sedas
fazenda muito superior a 70, manteletes de fil
de lindas gostos a 2rg, ditos de grosdenaple pre-
to ricamente enfeitados a 20, 25. 30 e a 35|
cada um., ricas mantas de blonda hespanholas a
20, ditas de fil bordadas a seda a 12 e a 15
cada urna, grosdenaple preto de superior qualida-
de de 1800 ala 3200 o covado. luras prataa en-
tenadas e de superior fazenda 200 cada urna, e
outras mullas mais fazendas proprias para a aua-
resma. *
ero ot e,fE l /r 5'h,a'/ gcr8nde aeP*""le superiores charutos do Rio de I*J
oSnaratlhf -'Si., ,'C d" Sr8 Domi?0" Alves Machado & C. vendendo-se em
Eos e hamburgo. *ea>P'0 graQde sorlimenl de chaculs manilba, havana,
Charutos SUISSOS 30S 0 milheiro, fazenda superior e que se venda a 45.
ga2fi..e. ^f e pa,h,due milh0- de PaPel r8SS. de de seda: arroz nardo e
hespanhoes sendo de super.or tabaco do Rio. vende-se em milheiros muito barato? P
fslo?sara ChaFUt0S com agarras de metal al cada um, ditos para cigarros a
^ti )ara C8arr?S P">Prio par. os fumantes de cigarros
cam os cigarros de papel de linho o seda.
Tabaco caporal franc,
lidade.
Tabaco turco ^ alibrae melaUbra por3J( para cigarrosecachimbos#
^?haSa2^0^
Cigarros de inanilha depapel brdnco e pard0 a t 0 milheir0i
Machinas e papel para cgarros de manilha>
ape rOlaO francez em magos de urna libra e ditos de meia libra fazenda superior
Vasos de louca ebarr0 para tabaco e rap
Phosphoros e iscas de diversas qualidades para charulos
CdJi?h?rfnnaCaSVSmSompresotlimonloespsntosodecacllim^s^ gesso, louca, ma-
de.rs, barro e os verdaderos e serapre apreciaveis cachimbos de espuma
tabaco do Rio de Janeiro pcad0 para cachimbS e cigarros a800 rs a libra
Venaem-Se lOdaS es fazeDdas raaisbaralodoque em outra qualquer parle.
6 ]lOS,.?S,^jlC!0,LVendiJo3 '""ando-se a receber (incluindo os charutos) quan-
do nao agradem ao comprador.
Apromptuni-se
vidade.
Alm
encommendas, encauotam-se e remeitem-se aos seus destinos com bre-
madntes"e fica exP0Sl tcn> um variado sortimanto de objeclos proptios para os senhores fu-
barato ^l1^it!?i!&.iineUmml' moli, pe,,| *al wveuder "<>
Vender muito para veu ier barato
Vender barato para vencer muito.
Luvas.
E' chegado a loja da aguia de ouro da ru J.o
Cabug, as verdadeiras luvas de pellica Jqutr
sendo paraseohora apara homem. Oufc te teo-
dem a? o par, aQanca-se a boa qualidade.
Pechifioht.
Vndem-ae bates de 36 arcos, pelo dtaflmuto
prwo dea: da a da Cadeia n. .
Estampas finas e interes-
santes
A loja d'Aguia-Branca recebeu mui finas, e gran-
des eslampas, do fumo e coloridas, representan-
do urnas a morte do justo rodeado de aojos, etc.
e outras a morte do peccador cercado de d'eoio-
nios, etc. Sao na verdade interessantes essas
estampas para quem as sabe apreciar, pelo que
se tornam dous quadros dignos de se possuir e
mesmo pela raridade delles aqu. Vendem-so
a 25000 cada estampa, na ra do Queimado n.
lo, loja d Aguia-Branca.
Xarope peitoral brasi-
leiro.
Os Srs. Joao Soum & C nicos possuidores des-
le xarope j bera coohecido peles seas bons ef-
feitos, contiouam a vende-lo pelo preco del
cada vidro, fazem urna differenca no preco aos
collegas e a lodas as pessoas que tomarom de 12
vidrosoara cima.
Rap princeza gasse da Baha
Em_casa de Lopes Irmios. no caes da alfaude-
ga n. /, acha-se estabelecido um deposito dessa
fabrica, onde se vende em porgoes ou a retalho.
Farelo e milho.
Saceos grandes e de muilo boa qualidade : no
Urgo da Assembla n. 19, armazem de Anlunes
Ouimaraes a C.
Aprecos sem limites.
Na loja de miudezas da ra Direila d. 103 se
vende, para completa liquidacao, differentes miu-
dezas de diverso mistares, um completo sorti-
mento de bicoa e rendas, de algodo, linho e se-
da. canas com msicas proprias para costura
cartetras e estojos proprios para viajantes, diffe-
renies objeclos de porcelana, sendo jarros e ou-
tros para enfeites de mesa, banhis e cheiros
roupa o calgado. e realejos cem pancadaria. ou-
tros com figuras do macacos, e outras omita, cou-
sas, que s vista animar ao comprador.
- -r ti

quatjoa bons a |440 : na ra W-
Ruz do Crespo n. 8, loja
de 4 partas.
Pechincha que admira.
Chita francezas cores ias e lindos deienhos
a Z40 rs. o covado dSo-se amostras com penhor.
Rival sem segundo.
Na raa do Quermado n. 55, loja de miudezas,
esta queimando os seguintes arligos abaixo de-
clarados, todas as miudezas estao perfeiUs. ea
prego convida : ,
Caixas de clcheles a 40 rs. *
Cartes de dilos a 20 rs.
Croza de pennas de ajo muito Anas a 500 rs.
Charutos muite Anos, caixa com 100 a 28500
Groza de botoes de louca a t20 rs.
Carretel de linha com 100 jardas a 30 rs.
Bules com banha muito fina e 320 rs.
Ditos com dita dita a 500 rs
Banha em lata com 1i2 libra a 500 rs.
Frasco de oleo de babosa a 400 rs.
Caixa com obreias muito novas a 40 rs.
Ditas com ph. sphoroe especiaes e melhor
>ba a 160 rs.
Pares de meias croas pera homem
Ditos de ditas muito finas a 200 rs
Pecas de franja de laa muilo bonita
ouu rs.
Duzia desabneles muito finos a 600rs.
Iscas para acender charutos a 60 rs.
Ihosphoros em caixa de folha a 100 rs.
Garlas de alfineles finos a 100 rs.
Caixas de agulhas francezas a 120 rs.
Pares desapatos de tranca de algodo a la.
Ditos de la pa-a meninos a 200 rs.
Frascos de macass perolo a 200 rs.
Ditos de oleo a 120 rs.
Duzia de facas e garlos de cabo preto a Si
Pares de luvas de fio de Escocia a 320
Massos de grampas Anos a 40 rs.
Caivetes de aparar penna a 80 rs.
Tesouras para unhas e costura muito finas a
owj rs.
Pecas de tranga de la com 10 varas a 320
tscoyas para denles muito finas a 200 rs.
Cordao imperial fino a 40 rs
Dilo grosso a 80 rs.
Cordes para espartilho a80rs.
Caixas para rap muito finas a lj>.
Pares de meias de eores prra meninas a 160 rs.
Linha de marcar (novello) 20 ra.
Groza de marcas para cobrir a 60 rs.
Agua imperial
para tirar as caspas, limpar mui bem a cabeca, e
fazer renascer os cabellos ; vende-se nicamen-
te era casa do cabelleiroiro da ra do Queimado
n- 6, pnmeiro andar.
cores a
ca-
Agua para tingr
bellos.
A meihor que lem apparecido at boje : tinge
mu bem os cabellos, e nao tem o inconveniente de
ucarera os mesmos russos ou verdes: o proces-
so do usar simples, e o effeilo proveitoso ven-
rlllM!* T Rimado d. 6. pnmeiro andar,
casadecabolleireiro.
Baratissimos jarros de por-
cellana.
Vende-se mui bonitos jarros de porcellana dou-
rada e de tamanhos nao pequeos, proprios pa-
ra eofeites de mesas, ornato de gabinete, etc.
pelos baratissimos precos de 3 e 4gO0O o par
na ra do Queimado loja d'Aguia Branca n. 16.
Attenco.
Na ra do Trapiche n 46, em casa de Roslron
Keofcer & C, exisle um bom sortimento de li-
nhas de cores e brancas em caneteis do melhor
fabricante de Inglaterra, as quaes se vendem poi
precos mu razoaveis.
Livros.
Vendem-se diccionarios latinos, inglezes. alle-
maes, selectas ingleza3, Horacios com interpreta-*
CftLQADO.
45 Ra Diteita 45
Tendo de augtMnUr 30 t 0 ul{ldo de
nbora e o Bk**mn*u*0 dfaide fevereiro
raaaas': swsu s
bem sonido estdbeteenneato da roa Siraa n
45. nao quer que o seo fregu** eamaueni
com as consequencias do sysXema fioaocairo do
Sr. ministro da fazeud e por isso sustenta n*
precos do seu calcado pela tabella segunte :
Homem.
Borzeguin ftara boatem (iatt-
penaea)....... 40^000
.Ditos (aristocrticos). 9/1000
Ditos Jprova d'agiia) |500
Ditos (Bersaglieri). .... 8000
Dtos (cotirmunirtas). 6|(KK)
Meios boraeguins (patente). 6$O00
Sapatdes (3 bateras). 5*00o
Drtos (sola dupla)..... 5J00
Ditos (blusas)...... 5[()00
Se ahora.
Botuia (prima dona). 5^000
Ditos (vi a **). 41900
Ditos (me deixe). .... 4^6*30
Ditos (grisete)...... ^000
Meninos e meninas.
SapatSes (bezerro)..... 4A00O
Ditos (diabretes). ". 3*500
Ditos (salva ps)...... 3000
Botinas (bolicpsas)..... 4j000
Ditas (para criancas). 3^500
Sapatos para tenbora (lustre). 1&200
E om completo sortimento de couro de lustre
tudo qne neceesano a um irmao de S. Cris-
fina de Crespo,
loja n. 25, de Joaquim Ferreira de S
por preos baratissimos, para acabar
cambraia lisa fina a 3, organdys
vende-se
pecas de
muito finase
ESte! ^oi- CO,d0' cas"6 b"" le
rn,,l.LCOreS a?40 "- chlgas a 800 e 240,
dos. SaSa" e "V te*oa borda-'
aos a 10500 a peca, babados bordados a 820 a
"ra, sediohas de quadros fina a 800 rs., casa-
,.The/.S^Ka,5bIaa e l6 a5- Penteador. de
cambraia bordados a 5, gollinhas bordadas a
MO ditas com ponas a 2500, manguitos borda-
q L, c"5braia e fl'o damasco de la com
a palmos de largara* 1600. bramante de linho
com 5 palmos de largura a 900 rs. a vara, luvas
para senhora a 100 rs. o par, capas de fustSo en-
teladas a 5, pegas de madapolo fino a 4S, la-
zinha de quadros para vestidos a 320. camisus de
Sn^ "fb0Iid0,.a ,2*' obiecasacas de panao
r kS* .S.-Pletota de panno e casemira de
10.a 20g, ditos de alpaca de 3500 a 8, dilos de
brim de crese brancos de 3500 a 5g, calcas de
Silo. *i"hP-etaJ 6 de core' para lodos Ps Pfes.
ditos de bnm de cores e brsncos de 2 a 5, ca-
misas brancas e decores para todos os precos,
colletes de casemira de cores finos a 5 ; assim
como outras muitas fazendas por menos do
valor para fechar contas.
seu
Liquidado.
Fitas de cor, a peca 160 e 200 rs pentes de
alizar, finos, a1 200rs.. cordoes para espartilho
ours.. cana* de clcheles 60 rs., cartes a 40
" ca'"s d? lamparines 40 rs., agulheiros
Z?. g*UAhas f[aDCs 120 rs Gla di linho, a
pega a 40 rs babado do Porto 120 e 160 rs. a
vara, noloes de louca para camisa 100 e 120
bordPaMnsi^t."5" grZra 40 "- froco P,ra
l'T'JU0 TJL Pe5. troco com rame e sem
Sa1M.e40?,"." frTS e loes de linha
1 1 oaaS- v,l,r,lho 1500 rs. a libra, goli-
nhasSOO e 2. manguitos 2. botoes para
rasaveque de todas as qualidades 200, 300 e
40Urs. a duzia, tranca do linha de caracol 200
rs. a peca macos de grampas 40 rs., la para
bordar 5. 6e 8 a alamares dourados para ca-
pote, a groza 8, 10 e 12. fitas de seda de to-
das ns qualidade*. bandejas, espelhos dourados
quadros do eslampa domada e outros mullos ob-
jeclos por barato prego, e tambem se vende ar-
macoo e pertences em
ces e olas. Euclides. fls-sanctorum ou a vida a fu StaSf1 poroQa ; *e,fde- a P"o
do.3.nto.. breviarium romanum : na ra da ma- ra do rcrat,r "' **' Pr baU0 da bandei-
iri* oa I5o.i-\ista D* 34, \rn j
' f \ Crida-CO a **- i---------- an
A loja da ba-f
Vende-se a casa terrea n. 23.
Cruzes, era Santo Antonio. Irata-s
Manteiga ingleza
em barris de vinte e
de Tasso Irmaos.
tantas libra: do armazem
Z
Vende-se um terreno com 80, 40 ou 50 pe-
mos de frente, conforme melhor convier ao com-
prador, tado aterrado, situado na ra do Brum
junto a fuudico ingleza, com mais da 300 pal-
mos de fundo, a promplo para ae edifiearem ro-
Doacdes. padariaa. ou outros quaesquerestabele-
cimenlos por ter excellente porto.para embarque
e desembarque de eneros : na ra da Madre do
Deo, armazem n. 20.
Bolsas de tapete para
viagOB.
Teadam-e nal bonitas bolsas de tapate po*
pnasaarajrUnawte... ele, pehu b*..
pifo ieM.fc.aZfc o loja da agu bn
ra doQaelmaao n. 16: ^^
SORTIMENTO
DE
Roupa feita,
Na lojaermazem de Joa-
quim Rodrigues Tara-
res de Mello.
Una do Queimado n.39
Loja d quatro portas
Sobrecasacas de panno fino obra muito bem fei-
ta, de 5 a 40a) cada urna.
Falelols de panno uno paeto, de 25 a 30
Colletes de velludo preto bordado, a 12 cada
Ditos de gorguro preto a 7 dem.
Ditos de setim maco a 65 dem.
Ditos de casemira preta a 5idem.
Ca ?as de casemira preta (loa de 12 a 14
PaletoU de estamenha a 5.
Ditoa de alpaca preta, saceos de 4 S
Ditos de dita sobrecasacos de 8 a 9.
Ditos de bambolina prea superior fazenda a 12*
Dilo de meia caaemira a 10.
Dilos de casemira muilo fina a 148.
Um completo sortimeato de paletots de uslo e
bnm, e calcas e coletas, que tudo se vende oor
preco em coota. v
Cera de earoauba.
A melhor qoe tem vindo ao mercado a por
prego commodo : no largo da assembl a IB
armazem de Antunes Guimaries A-C '
omn pataota ragrei. Bra honmn aanbara da
om dos melhores fabricante da Liverpool, via-1
das falo uliim paquete inglaz
Sonihall Hellor & C.
ua tua do Queimado n. ^5L
est milito sortida,
e vende muito barato :
?rmnbranco de puro 1Dho trngado a 1JO00 e
iSann S" vara dito P8rd<> muito superior a
1S2UU a vara ; gangas francezas muito finas de
padroes escuros a 500 rs. ; riscadinhos de linho
proprios para obras de meninos a 200 rs o co-
vado : corles de caiga de meia casimira a fi600
ditos de bnm de linho de cores a 2 rs.; breta-
nha de linho muito fina a 20, 22 e a 24 rs. a
pega com 30 jardas; atoalbado d'algodao muilo
superior a 1400 rs. a vara; bramante de linho
cora 2 varas de largara a 2400 a vara ; lengos
de cambraia brancos para algibeira a 2*400 a
duzia; ditos maiores a-3S; ditos de cambraia
de Imho a 6. 7 e 8$ rs. a duzia ; dilos borda-
dos muito finos n 8 rs. cada um ; dilos de cam-
ii1' -."80da?- com bic0 l"8 de linho em
1 IiJS?80; d.!.tS com reDda> bico e lbyrin-
Ioa2000; e alm disto, outras muitas fazen-
das que se vendem muito barato a diBhairo a
visla : na ra do Queimado n. 22, loja da Boa .
Bonitos cintos para senho
ras e meninas.
Na loja da aguia branca vendem-se mui boni-
tas fitas com fivelas para cintos de senhoras e
meninas, e pelo bsratissimo prego de 2fi : em
dita loia da afiuia branca, ra do Queimadonu-
mero 16.
Cueguem ao barato
O Preguica est queimando, em su a loja n"
ra do Queimado n. 8.
Pegas de bretanha de rolo eom 10 varas a
28, casemira escura infestada propria para cal-
ca, collete e palito a 960 ra. oeovado, cam-
brala organdy de muito bom gosto a 480, rs.
avara, dita liza transparente muito fina a 39,
4, 59, e 65 a peca, dita tapada, com 10 vara
a 59 e 69 a pega,chitas largas de modernos e
escolhidos padrees a 240, 260e280 rs. o aova-
do, riquissimos chales de merino estanpado a
7 e 8, dito bordados coa duas palmas, fa-
zenda muito delieada a 9 eada um, ditocom
umas palma, muilo finos 850U, ditoelisos
com franjas de seda a 69, lencos de casaas com
barra a 100, 120 e 160 eada um, meias muito
finas para senhora a 49 a duzia, ditas da -boa
qualidade a 3 e 39500 a duzia, hitas frao-
eeza de rieos dasenbo, para eofeerla a 280 rs.
o OYdo, ebitisejcuras inglesas a 59900 a
P5 a a 160 rs. o covado brisa braceo da paro
linho a 19, 19M0 19600 a ato, diu preto
muilo naorpado a 19500 a vasta, brilhntina
asla 400 rs. o aovado, alpaoa do diforantas
eore a 360 t. o aovado, easomira rotaa
fina* a 2M0, 39 o 39600 oovado, cambra
prau e de salpico a 500 rs. a vara, e
em as do; muitas lanadas que se farl patente ao a____-,
dor, a da todas si darlo amostras Sonr panhor
ra das
ra do
Crespo, loja dos Srs. Adriano & Castro.
Vende-se um sitio
em chaos proprios. com urna excellenle olaria
barro no mesmo sitio para obra fina e grossa'
boa baixa para capim. casa de morada nova
com muilos rommodos para grande familia, de-
tronte do taldeireiro, a margem do Capibaribe
na ra da Cadeia n. 29, no Recife. se dir quem
v '/UUr?,
Enfeites de cabeca
muito barato para chegar
a lodos
Na loja d'aguia de ooro, ra do Cabug n. 1
vende-se enfeites pretos de vidrilho pelo baralis-
simo prego de 2, ditos ue velludo de escama a
4. ditos de tranga a 3, assim como luvas pretas
de torcel com vidrilho, ditas de seda pretas e de
cores, assim como puUeiras de contioh.s, ditas
de inissanga de cores, e gollinhas muilo lindas
de vidnlno : tudo se vende por baratsimo pre-
go para acabar. '
I sera vos habilidosos.
2 excellentes escravas de 20 a 25 annos de ida-
i. 1 -h / 1""aDdeira. mu'lo Del por 800,
1 dita de idade 40 annos. boa cozinheira por 600
1 eacravo pega de idade 20 annos, 1 dilo cozl
ft -a ^0 annos Pr 1sW0, 1 molequi-
VefdS 46 8DnS P" 65 : naradeA2os
8v'oW.'ar.e,fc--'w,--":
I Dito Xerez engarrafado da muito supe- m
9 '101 qualidade.
Oleo de liuhaga.
SAIvaiade.
Secante.
a) Azarco.
9 Encarnado venerianoem p
Ra do Crespo
n. 8, loja de 4 portas.
Madapolo fino com toque
de avaria de 2^500 a 4^500,
chitas escuras variadasom
38 covados a peca.
liJJ?,^L0^82fnd,-se om cacagenho
J?,.l e^,b-5rq?8 da "^-fi* *-,
quaes tem muito boas lenas de pbotocao, coaa
*rieao e paos multo boa matas, com ca pacida*.
aa oe aarsejar de dous o tres or paa: ana oa
K "!T' sne, ra do Hospicio, para iralar do negocio.
. .T. Vw,de-aa om malaliabo da idada r^
muito bom para pageaa o .pasa .ajarocal
aaajot
ra da Senzala Velha n. 110, p. tratar
quim Lobato Ferreira.


OttM XNMUHIft MCA rtWilWPMH90 *,.,.
(?)
^<^^C4^<>^
aRMAZENI
DE
ROUPA FEITA
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
40RUADO QUEMADO 40!
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
naHH8.!fo!SlaeIeC!,enlohase,?preum sort>mento completo de roupa feila de todas as ^
2qp m m 1' 0,r Se ma7'da execular P "dida. volade dos freguezes, para o &
que tena um dos melhores professores.
Casacas de panno preto. 40, 35 e 3OJJO00 Ditos de setim preto 5*00
300.
Sobrecasaca de dito, 35$ e
Palilou de dilo e de cores, 35,
25g000e
Dito de casimira de cores, 2S0O0,
15. 12 e
Ditos de alpaka preta golla de vel-
ludo.
Ditos de merin-sitim pretos e de
cores, 9S00O
Ditos de alpaka de cores. 5 e
Ditos de dita preta, 9, 7. 5 e
Ditos de brim de cores, 5, 4500,
4gO0Oe .-.,
Ditos de bramante de linho braceo,
6fl000, 50OOe
Ditos de meriD de cordo preto.
15&000 e
Caigas de casimira preta e de cores,
12. 10, 9 e
Ditas de princeza e merino de cor-
do pretos, e
Ditas de brim branco e de cores.
5g000. 4&500 e
Ditas de ganga de cores
Colletes de velludo preto e de co-
res, lisos o bordados, 12S, 9j& e
Ditos de casemira preta e de cores
lisos e bordados, 6, 5#500, 5 e
3000
209000
9000
II8000
8*000
3500
38500
3S5O0
4$0O0
8000
6SO0O
4500
2&500
3g000
8*000
3*500
preto 5O00
Ditos de seda e setim branco, 6 e 5000
Ditos de gurfturao de seda prelos e
de cores, 7STJ0O, 6jj000 e 5*000
Ditos de brim e fusto branco.
c 3*5"}0 v ... 3*000
seroulas de brim de linho 2*200
Ditas de algodo, 1 $600 e 1J280
Camisas do peito de fusto branco
e de cores. 2500 e 2*300
Ditas de peito de linho 6fl e 3*000
Ditas de madapolo branco e de
cores, 3*. 23500, 2 e 1$800
Camisas de meias IjOOO
Chapeos pretos de massa, fraDceze,
formas da ultima moda 108,8*500 e 7S000
Ditos de fellro, 6. 5f, 4 e 2*000
Ditos de sol de seda, inglezes e
francezes. 14. 12g. llfl e 7*000
Collannhos de linho muito finos,
novos feitios. da ultima moda S800
Ditos de algodo j.500
Relogios de ouro, patentes hori-
sonlaes. 100*. 90. 80 e 70*000
Ditos de prata galvanisados, pa-
tente hosootaes, 40J 30*000
Obras de ouro, aderecos e meios
aderecos, pulseiras, rozetas e
anneis o
Toalhos de linho, duzia 12*000 e 10*000
Algwfa DHBslro.
Vende-se alaeaaa- monstro coa das largaras,
muito proprio para toalhas e lesces por dispen-
sar toda e qualquer costura, pela baratsimo
refio de 600 rs. a vara ; na ra do Queimado 1.
2, na loja da boa f.
*9&m ame mmmmtmy&m
0 BASTOS
EAU MINERALE
NATRALLE DE VICHY.
Deposito na boticafranceza ra da Cruz n.28
DE
Calcado barato na ra larga do Rosario n. 32.
O dono deste estabelecimento tendo em vista acabar
com todo o calcado at o fim de marco, expe ao publico nelo
preco abaixo: r
Para homens, senhoras e meninos.
que oulr'ora tinha toja na ra do Quei-
mado b. 46, que gyrava sob a firma de
Ges & Bastos participa aos seua nume-
rosos freguezes que dUsolveu a sociedade
que tinha com o mesmo Ges leudo sido
substituida por um aeu mano do mesmo
nome, por isso flcou gyraado a mesma
i firma de Ges & Bastos, asaim comoapro-
veita a occasiio para annonciar abertura
| do seu grande armazem na ra Nova jun-
! lo a Conceiclo dos Militares n. 47, que
passa a gyrar sob a firma
DE
i Bastos > com um grande e numeroso sortimento de |
rpupasfeitas e fazendas de apurado gos- \
to, por precos muito modificados como f
de seu coslnme, assim como sejam : ri- fi
eos sobrecasacos de superior panno fino ff
preto o de cora 25J, 28J e 30, casacas S
do mesmo panno a 30 e a 35, paletots Si
sobrecasacados do mesmo panno a 18,
20 e a 22g, ditos saceos de panno preto
12 e a 14g, ditos de casemira de cor
muito fina modelo inglez a 9$, 10, 12 !
e 14, ditos de estamenha fazenda de '
apurado gosto a 5* e 6J, ditos de alpaca
preta e de cor a 4, sobrecasacos de me-
rino de cordo a 8, ditos muito superior
a 12, ditos saceos 5, ditos de esgmo
pardo fino a 4*. 4*500 e 5g, ditos de fus-
to de cor a 3, 3*500 e 4, ditos bran-
cos a 4500 e 55C0, ditos de brim pardo
fino saeco a 28800, caigas de brim de cor
finas a 3. 3*500,4e 4$500. ditas de di-
to branco finas a 55 e 6*500, ditas de
princeza proprlas para luto a 45, ditas de
merino de cordo preto fino a 5* e 6*,
ditas de casemira de cor e preta a 8, 9
elO, colletes de casemira de cor e pre-
ta a 4g5U0e5, dilosdo seda branca para
casamento a 5, ditos de brim branco a
3 e 4*. ditos de cor a 3,colletes de me-
Ennparaluloa45 e 4*500, ricos rob-
ehambres de chita para homem a 10,pa-
letots de panno fino para menino a 12S e
14,casacas do mesmo panno a f5j$,calsas
* de brim e de casemira para meninos, pa-
^ letots de alpaca ede brim para osmesmos,
, sapatos de tranca para homem e senho-
ra a 1 e 1*500. ceroulas de bramante a
18 e 20 a duzia, camisas francezas fi-
5 as de cor e brancas de novos modelos a
175.18, 20, 245. 28 e 30 a duzia
| ditas de peitos ae linho a 30 a duzia di-
tas para menino a 1*800 cada urna, ricas
! grvalas brancas para casamento a 1J800
e2 cada urna, ricos uniformes de case-
i mira de cor de muito apurado gosto tanto !
| no modello como na qualidade pelo di- ]
minuto preco de 355, e s com avista se '
i pode recoohecer que barato, ricas capas
de casemira para senhora a 18# e 20, I
i e militas outras fazendas de excellente !
gosto que se deixam de mencionar quo
por ser grande quanlidade se torna en- i
fadonho, assim como se recebe toda e
qualquer encommenda de ronpas feitas '
para o que ha um grande numero de fa- J
zendas escolhidas e urna grande oflicina j
dealfaiateqoe pela suaproroptidoeper-
fecao nada deixa a desejar.
Perfumaras
fiorzeguins de bezerro de Meli a
Ditos de Nanies sola patente
Ditos de dilo sola fina
Ditos dito do dito
Ditos francezes de lustre de 6, 7 e
Ditos todos de duraque
Ditos de couro de porco a
Sapatos de lustre a 35 at
Ditos de bezerro a 33500 at
Ditos do dito Ditos de 1 sola com salto
_____ Ditos de 1 sola sem salto
WSOM Borzeguins de setim branco
9*000 Ditos de duraque dito
8SC00 Ditos prelos
7S000 Ditos de cores
8*000 Ditos de cores panno de duraque
o500 I Ditos dito de dito
5g000 Ditos de coras para menina
5*000 'Ditos de dito todos de duraaue
5*000 j Ditos de dito dito
itwSl SSf*1? de ,ra"5a par> meninos de lft a
3g000 Ditos de lustre para senhora
-2^j00 >'tos de tranga francezes para homem
6*000
5*500
5*000
4*000
4*000
3*000
3*000
35000
2500
1*200
19280
18000
Cassas de cores.
Anda se vendem cassas de cores fixas, padroes
muito bonitos, pelo baratissimo preco de 240 rs
e mais barato que chita : na ra d
o. 22, na bem conhecida loja da
As memores machinas de co- Fazendas proprias para a
zerdosmais afamados au- r r a rdldd
quaresma, no novo es-
tabelecimento de Jos
tores de New-York, Singer
& C, Whecler A Wilson e
Geo. B. Sloat Estas ma-
chinas que
sao as melho-
res e mais
durad ouras
mostram-se a
qualquer hora
e ensina-se a
trabalhar as
casas dos com-
pradores ga-
rantindo-se a
sua boa quali-
dade e dura-
Co: no depo-
sito de ma-
chi as de
Raymundo Carlos Leite & Irmo, ra da Impe-
ratriz n. 12, adtigamente aterro da Boa-Vista
Acaba de che-
Moreira Lopes, ra do
Crespn. 13.
Manteletes, vestidos de grosdenaple com bar-
ras de velludo, ditos bordados, veos presos de
fil bordados, sarja preta, grosdenaples, casemi-
ras, pannos finos, e outras muitas fazendas, tudo
por precos inuilo commodos.
o covado,
Queimado
Boa f.
novas.
A loja. d'agaa branca acaba de receber de sua
piopria encommenda um lindo e completo sorti-
mento de perfnm ras finas, as qnaes est ven-
dando por menos do que em outra qualquer par-
te: sendo o bem conbecid oleo philocomo e ba-
nha (societ hygienique) a 1 o frasco, finos
extractos em bonitos frascos de cores e dourados
2, 2500, 8, e <, a afamada banba trans-
parente, e outras igualmente Gnas e novissimas
como a japonaise em bonitos frascos, cuja lam-
pa de vidro timbera cheia da mesma, buile
concrete, odonntll, principe imperial, reme,
em bonitos copinhos con Umpa de metal, e
muitas outras divenas cualidades, todas estas a
19 o frasco, benitos vasos de poreellana doura-
da. preprios para offerta a 29 e 29500, bonitos
bahusinhos com 9 frasquinbos de cheiro a 2,
lindas ceslinhas com 3 e 4 fra$quinbos, e caixi-
nbas redondas com 4 ditos a 1>200 e 19600,
finos pos para denles e agua balsmica para ditos
a 19 e 1J500 o frasqukho ; e assim urna in-
finidade de objeclos que sio patentes em dita to-
ja d'aguia branca, na ra do Queimado n, 14.
Ultimo gosto.
A loja da sguia de ouro, ra do Cabug n. B,
acaba de receber da Europa pelo ultimo vapor,
de sua propria encommenda, lindos cintos para
senhora ou para menina, mais fino que se po-
de encontrar, sendo ultima moda, que se vende
pelo baratissimo prego de 4 e 5*, assim como en-
dites de cabega para tenhora, todos enlrancados
com borla dourada a 155, grinaldas de notes
muito finas tsnio branca como de cores que se
vende a 3, 4 e 5, pois a vista da finura e do ul-
timo gosto ninguem deixar de comprar.
Penoas d'aco.
A loja d'Aguia-Branca recebeu um grande sorti-
sfceiito de pennas d'ajo de differenles qualidades
as quaes esl vendendo de 500 a 1000 rs. gro-
sa. o mais baiatu posaivel: na ra do Quei-
mado loja d'Aguia- Branca, n. 16.
Arados americano se machina-
par a lavar roupa :em casa deS.P. Jos
hnston & C. ra di Senzala n. V2.
Cheguem aloja da Boa f
Chitas francezas muito finas de cores fizas a
280 rs. o covado ; cambraias francezas muito fia
as a 640 rs a vara ; idem lisa muito fina a
4*500 e a 6J0OO a pee.* com 8 1 varas ; di-
muilo superior a 8J0OO a peca com 10 varas ;
dita fina com salpicos a 4J80O peca com 8 Ii2
varas; fil de linho liso multo fino a 800 rs. a
vara ; tarlalana branca e de cores a 800 rs. a va-
ra ; e outras muitas fazendas que, sendo a di-
nheiro, vendem-se muito baratas: na ruado
Queimado n. 22, na loja da Boa f.
Lencos para rap.
Vendem-se lencos muito finos proprios para os
tabaquistas por serem de cores escuras e fizas a
5000 a duzia : na ra do Queimado n. 22, na
loja da Boa f.
JNa loja da Boa f vende-se
panno preto fino a 4, 5, 6, 8 e 10$ rs. o co-
vado, casimira preta fina a 2j. 3 e 4 rs. o co-
vado ; gros de naples preto a 2, 2J500 e 3 o
covado; alpaka preta fina a 640, 800, e muito
fina a 1 rs. o covado ; casimiras muito finas de
cores escuras com 6 palmos de largura a 4 rs. o
covado ; ditas de cores claras a 6g rs. o corte de
calca ; meias de alsodao cr muito superiores a
4*800 rs. a duzia; ditas de algodo iru tambem
muito superiores para meninos a 4$ a duzia ; e
assim muitos oulros artigos de lei que se ven-
dem baratissimos, sendo a dinheiro: na referida
loja da Boa f. na ra do Queimado n. 22.
AGKlftl
DA
FINDICAO LOW-MOW,
Rut 4a Sfmalla Rorra u.42.
Neata eatabelecimeato contina a haver um
completo sortimento de moendasemeias moen-
cao
al,90a cadaum.
No armazem de fazendas da ra do Queimado
-w-i-iew sonimen 10 ae moendas emeias moen- n. 19 reodiL J? V > V vueimaao
da. par. engenho. machinas de vapor e taTxas Pefin?A' de lu,ho nU,, flno pela
te ferro balido e eoado, de todos os lmannos ~
para dito,
Tachas e moendas
Braga Silva 9c C, temsempre no seu depo-
sito da ra da Moeda n. 3 A, um grandesor-
mento de tachas e moendas para engenho, de'3 IIHPcn -------
muito acreditado fabricante Edwin Rlaw a tra- 8KlA FE,TA AWDA "*IS BARATAS.]
lar no mesmo deposito ou na ra do Trapiche ff SORTIMENTO COMPLETO
SYSTE1A MEDICO DE H0LI.0W A Y
" P1LLLASHOLLWOYA.
Este inestimavel especifico, composto inteira
mente de hervas medicinaes, n3o contm mercu-
rio nem alguma outra subsiancia delecteria Be-
nigno mais tanrainfancia, e a compleicaomais
delicada igualmente prompto e seguro para
desarreigar o mal na compleico mais robusia %
enteiraraente innocente em snas nnprsrr,0. i. i
il\^*59IQClefllefile5ie,i
Fazendas e obras feilas.
A

LOJA E ARMAZEM *
DI
Ges i Basto!
Na
i innocente em suas operajoese ef- i
fetos ; pois basca e remove as doen?as de qual-
quer especie e grao por mais amigas e tenazes
que sejam.
Entre mimares remedio, muitas que j estavam as portas Ja
morte, preservando em seu uso : conseguiram
recobrara saude e forjas, depois dehaver tenta-
do inullimente todos os ou tros remedios.
As mais afflictas nao devem entregar-se a des-
esperado; facara um competente ensatodoa X ..' e S' d.'lSsaccos P
affeazes efieitosdesta .JLrJSS.fi | &'^\}AS U*
prestes recuperarao o beneficio da saude.
Nao se] perca lempo em lomar este remedio
para qualquer das seguintes enfermidades:
Ba do Queimado
u.46,freute amarella.
Constantemente temos um grande e va-
nado sortimento de sobrecama!D L
30J
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areias (mal de).
Asthma.
Clicas.
Convulses.
Debilidadeou extenua-
(io.
Debilidade ou falla de
forjas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta,
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidades no ventre.
Ditas bo figado.
Ditas venreas.
Enchaqueca
Herysipela,
Febre biliosa.
Febreto dae specie.
Gotta.
Hemorrhoidas.
Bvdropesia.
Ictericia.
Indigestes.
Inilammajoes.
Irregularidades
menstruajao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedia.
Manchas na culis.
Abstrucjo de ventre.
Phtysica ou consump-
pulmonar.
Retenco deourina.
Bheumatismo.
Symptomassecundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venereo(mal).
Camisas e toalhas.
Vendem-se camisas brancas muito finas pelo ba-
ratissimo preco de 28 rs. a duzia; toalhas de li-
to superiores a 12 a duzia : na ra
do n 22, loja da Boa f.
do Queima-
Paletos.
E' baratissimo!
Ra do Crespo n. 8, loja de 4 portas.
Cassas de cores fizas miudinhas a 240 rs. o co- | >ho para rosto a 9 a duzia : ditas felpudas mui-
vado, csmbraia, organdys lindos desenhos a 400 -------
rs. o covado, e chitas largas finas de 240, 260 e
280 o covado, e outras muitas fazendas por ba-
ratissimo prego : flao-se amostras com penhor.
Para desenlio.
Mu bonitas caixinhas envernizas, com tintas fi-
nas, tapia, pincela, e os mais necessarios para
desenho. E o que de melhor e mais perfeitose
R*m m"nT'.t"1 41 genero e * 6. 8*. lOg, 12* e 14 : na ra do Queimado n.
lo, laja d Aguia-Branca.
Chega para todos.
Vendem-se paletos de panno preto fino, muito
bem fetos a 22 rs.; ditos de brim branco de
linho a 5 rs.; ditos de setineta escuros a 3J500,
e muito barato, aproveitem : na ra do Queima-
do n. 22. loja da Boa f.
Potassa da Russia
e cal de
Lisboa.
bem conhecido eacreditado deposito da
Cassas francezas muito bonitas e decores fiza; !natda Cadeia do Reeife n. 12,ha para vender
adozevtntensocovado, mais barato do qn verladeira potassa da Russia nova e de superior
gar ao armazem
DE
Bastos & Reg,
urna grande quanlidade do uniformes de caso-
mira de cores muito recommendados tanto pelos
seus bonitos padroes camo pela sua bemfeitoria
e como seja grande quanlidade lomamos a deli-
beracao de vender pelo diminuto prego de 25,
assim como urna grande quanlidade de chapeos
de castor brancos e preto pelo diminuto preco
de 6$, pois se vendem estas obras por este dimi-
nuto prego como fim de apurar dinheiro e acre-
ditar esto novo armazem na ra Nova junto a
Conceico dos Militares n. 47.
Na ra do Queimado n. 17 a primei-
ra loja pastando a botica vende se casa-
cas de suoerior panno fino preto de
35# pelo barato preco de 28$, por haver
grande sortimento e querer-se apurar
dinheiro.
Estampas finas.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n. 1 B,
vendem-se collecedef dos paasos, o mais fino que
pode haver, eomposlos de 14 estampas, quo se
vende por baratissimo prego de 14, assim como
eitampas avulsas, tanto de unios como de vista
de etdades o de retratos que se vende, pequeos
a JO, 40 e 600 rs., o grandes a 1*600 o 2 ca-
da ata.
Vwule-e uma bonita negra com 13 a 1*
annoe de Miada, aaaa vicios, e com perfaicao co-
.Vista n. 21, casa particular.
Vende e um cavallo, preto, para
carro ou cobnolet; a tratar na ra
Augusta n. 4.
os Srs. estudantes do
segundo anno.
Vende-se por preco muito commodo
-Rergier, diccionario theologtco er-
seis Totumes e um supplemento; Geom
ge Phillips em tres voUimes e um sup-
plemento ; Colornbel, instituicoes de
Franca ; compendios de direito natural
e publico pelo conselheiro Autran e
constituicao poltica : quem quizer d-
rija-se a ra Direita n. 7i, onde tam-
bera se compram todos os lm-os neces-
sarios para o quinto anno.
Fazendas baratas
Na ra do Queimado n. 19
Cambraias finas matizada, pelo baratissimo
preco de 240 rs. o covado, ditas escuras a 18C rs.
o covado.
Chitas francezas tanto escuras como claras a
220 o covado.
Toalhas de fusto a 600 rs. cada uma.
Cambraietas finas para vestido a 2*800,3 a
3J500 a pega. ^^
Esleirs da India para cama e forro de sala,
sendo de 4, 5 e 6 palmos de largo-
Lencos brancos para algibeira pelo barato pre-
so de 1*600 a duzia.
Grandes colchas do fusto lavradas a 5*300.
*9m9mm& $ &
9 Machinas de vapbr.
SRodasd'agua.
Moendasde canna.
# Taixas.
9 Rodasdentadaj.
9 Bronzes e aguilhes.
9 Alambiques de ferro.
4J Cri vos, padroes etc., etc.'
9 Na f undico de ferro de D. W. BovmanS
Srua do Brum paasando to chafariz. #
.
Relogios.
Veadem-se amcasa da Braga, Silva *C.,re-
lofioa da ouro' da diversas] fabricantaa.iaglazaa,
par proco coaaaodo.
s
chita, approveitem em quanto nao se acabam
na ra do Queimado n. 22, na bem conhecida lo-
ja da Boa F.
No armazem da ra da Madre de
Deosn. 6 confronte ao consulado pro-
vincial, ha cara Tender-se saccos com
milbo muito noTO e com 122 libras de
peso que regula 22 a 23 cutas a preco
de 3/^600 cada uma.
Vinho do Porto, genuino.
Rico de 1820.
Slomacal de 1830.
Precioso de 1847.
As duzias, e em caixinhas, adinheiro, por ba-
sto prego : vende-se na ra do Trapiche n. 40.
esenptorio.
Para quem tiver gosto.
. Vende-se um sitio na ra daEsperancs, oquat
faz quina para a travessa de Joao Fernndes Vi-
eira, com excedente casa de vivenda assobrada-
da, a quil offerece os melhores commodos para
grande familia, bastante fresco, com agua de
beber e muitas frucleiras lucrativas; esl collo-
cado em lugar ameno e bastante perto da praca,
tendo ao lado direito do mesmo um terreno que
se pode aproveitar para editicaco de mais al-
gum predio : trat-se na ra Imperial, casa ter-
rea o. 74, ou ra da Senzala Velha n. 10.
qualidade, assim como tambem cal virgem em
podra, tudo por procos mais baratos do que em
ODtia qualquerparta.
[emedios americanos i
S DO DOLTOR <
iRadway A C, de New-York!
| PROMPTO ALIVIO
Resolutivo renovador.
g Pilulas reguladoras. %
Estes remedios j sao aqui bem conhe- %
!5 cidos pelas admiraveis curas que tem ob- 9
* tido em toda a sorte de febres, molestias
chronicas, molestias de senhoras, de pe- #
@ le etc., etc., conforme se v as inslruc- 9
c5es que se acham traduzidas em por-
9 tuguez. a
Febreto intermitente,
Vende-se estas pilulas no estabelecimento ge-
ral de Londres n. 224, .Strand, esa loja de
todos os boticarios droguistaeoutraspessoss ede
carregadas de sua venda em toda a America n-
fcw, Havanae Espanba.
Vendem-se as bocetinbas a 800 rs. cada
uma dallas, conten uma insIruccSo em portu-
guez para explicar o modo de se usar desJaspi-
lulas. r
O deposito geral i
dbarmaceutico, na roa
oambuco.
ero casa do Sr. Soum
da Cruz n. 22 ero Per-
Aos senhores alfaiates.
Para acabar.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug o 1 B
existe uma porcao de botos para paletbt ou col-
tete, grandes e pequeos, que se vende por ba-
ratissimos precos. grandes a lj> e a 1200 a aro-
sa, pequeos a 500 e 600 rs. a grosa.
Atten^o.
N. 40-Roa de Amorim-N. 40.
Vendem-se saccos grandes com tres quartas de
farinha de mandioca a 2&500.
8EL06I0S.
Vende-se em casa de Saundres Brothers pra;a do Corpo Santo, relogios do afamada fa-
brieaute Roskell, por precos commodos e tam-
bem trancellins e cadeias para os mosmos de
excellente gosto.
Relogios.
Vende-se em casa de Tohnston Pater A C.,
ra do Viga rio n. 3 uta bello aormeato da
relogios de ouro, patente ingles, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
variedade de bonitos trancelins para as
Salsa parrilha legitima e
original do antigo
IDR.JACOBTOUNSEND
0 melhor pnrificador do sangue
cara radicalmente
Erisipela. Phlisicas.
^ Rheumatismo. Catarrbo.
9 Chagas. Doengas de figado.
g Alporcas. Effeitosdoazougue.
Impingeos. Molestias de pelle.
^ Vende-se no armazem de fazendas de {
a Raymundo Carlos Leite & Irmo, ra do ,
3 lmperatrizn 12.
Gomma doAracaty.
Vende-se excellente gomma do Aracaty ; aa i
ra daCsdeia do Reeife, primeira andar, n. 8. g ? Pnme,r08 fabricantes da Suissa, que se
Libras SterlinaS. |TODderaoporpreCosr.zoveis.
SEDULAS
de ifie 5^000.
Continua-se a trocar sedu'ss de uma s figura
por melade do dfsconio que exige a thesouraria
desta piotincia, e as notas das mais pravas do
imperio com o fate de 5 por cerno: no esenp-
torio de Azevedo & Mendes, ra da Cruze
n. 1.
Ges & Bastos.
Roa do Queimado d. 40.
Tendo os annunciantes conseguido elevar este
estabelerimento a um engrandecimentn digno
desta grande cidade, apresentam concurrencia
desle ilustrado publico, o mais moderno, varia-
do e escolhido sortimeolo de roupas diversas e
de fazendas escolhidas rara todas as estaces
Sempre solcitos em bem servir aos seus nume-
rosos freguezes nao s ero precos romo em bre-
Tidade, acaba de augmentar opestoal de sua of-
flna, sendo ella d'>ra em diante dirigida pelo
insigne mestre LAURJAKO JOS' DE BARROS,
o qual os seus numerosos freguezes podem pro-
curar na loja n. 46 ou no primeiro andar do
mesmo estabelecimento, assim pois em poucos
das se prompta qualquer encommenda, quer
casaca, quer fardes dos Srs. efliciaes de roarinha
e exercitn. Outro sim recommendam aos Srs.
paca de fanilia grande sortimento de roupas pa-
ra meninos de todas as idades.
FROCO.
Vende-se frco de todas as cores egrossuras,
com rame o aem elle a 400, 500, 640 e 1 ra. a
peca; na ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n.16.
j^ Relogios jj^
8
g
* 32*i Pl'Pi01 dos oen os pani.rs
os dos
casa-
panno a 58, 30fi elSVaobreV.^"^S
casemira de cores mullo filos a 15. 16*
rasalOg, 12 e 14J, calcas preas de
casemira fina para hemem a 6, 9. |(.
e 12, ditas de casemira de cores a 7s K*
n*e,0..'dL'.8S,de to"b"" '$o
asta a os e 6, ditas de ditos de corea.
3. 355C0, 4 e 4500, ditas oe n,e ca
semira df ricas cores a 4$ e K5C0 rol-
letes pretos de casemira a 5* e f*'
8
decores a 45C0 e*&&
para casameDlo
di(
ditos'
brancos de seda vai asan
ditos de 6, colletes de brim branro e de
fusto a 3, 3500 e 4. ditos de cores
2550? e 3. paletots prelos de "crino de
cordao saceo e sobrecasaeo a 7f 8 P o*
colletes pretos para lulo a 4iC0 e ?'
cas pretas de merino a 4LfO e 5a '
letots de alpaca preta a 3600 e 4B
sobrecasaeo a 6, 7e 8f, muito fino roN
etes de gorgurao de seda de cores muilo
boa fazenda a 3800 e4g. colletes de vel
ludo de cores e prelos a 7 e 8 i-oud.
para menino sobre casaca de panno nre-
tos e de cores a 14, 15 e 16, dito. Pf
SiSP9?,de alpac Pre,os "cros a 3* e
3S500, ditos sobrecasacos a 5$ e 55pn
i oi'n" de,*',SeiD.r* prelS e acores a 6;
; 6g500 e 7, camisas para menino a 2(
i a duzia, camisas inglezas pregas larcas
muito superior a|32 a duzia par acabar"
Assim como temos uma officine de al'
faiate onde mandamos executar todas as
obras com brevidade.
Suissos.
i
Em casado Scbafleitlln & C,ra da Cruz n.
38, vende-se um grande e variado aortimento
de relogios de algibeira horisontaes, patentes,
chronometros.meioschronometrosde ouro, pra-
ta dourada e foleados a ouro, sendo estes relo-
Vendem-se no escriptorio de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo.
Ruada Senzala Novan. 42
Vende-se em cas* de S. P. Jonhston dC,
sellins e silbos ngleses, candeeiros easticaes
bronzeados, lonas ngleses, fio de vela, chicote
pera cerros, entornara, arrotos para carro de
aos e dous cvelos relogios de ouro patente
ingles.
Ovas do serto.
n-se ovas do serto muito fres
ueimado, loja e farragens n. :
Cavallinhas.
Vendem-se ovas do serto muito frescaes
ra do Queimado, loja Ue farragens n. 14.
na
No trapich" 4o Barbosa vendem-se barrjs com
125 cavallinhas em salmoira, pelo diminuto pre-
So de 5 cada barril.
Vendem-se noventa apolices da
companhia do Beberibe : na ra Nova
n. 14, primeiro andar.
Vende-se na cidade do Aracaty ama casa
terrea com sotao, bom quintal e cacimba, na prin-
cipal ra de commercio, propria para quem qui-
zer ali eatabelecer-se, por ter nao s commodos
precisos para residencia, como tambem loja, arma-
zem, etc. : a tratar na mesma cidade com os Srs.
Gurgel Irmaos, que esto autorisados para esse
m, ou oesla praca na ra do Cabug, leja n. 11
Superiores manteletes.
Vendem-se superiores manteletes pretos rica-
mente bordados, pelo baraliaaimo preco de 35
na ra do Queimado n. 83, loja da boa t. '
Venda de um cavallo.
Na ra do Jardim n. 19, ha para vander um ca-
vallo que servo para todo o servico, que se ven-
de muito em conta.
Casa venda.
Vende-se a casa de sobrado na ra Imperial D
.'/ ra,ar Da loja de mi"dezas da ra Direit
n. 103, ou cora Joo Ferreira dos Santos Jun-or
Pechincha para a
quaresma.
Manteletes de gr.sdenaple e da fil de aeda
Al,800acoberta.
Ra do Queimado n. 19,
armazem de fazendas, vende-se as lindas cober-
deV,8W> 6 Pe' baral Pre
Aviso aos Srs. thesoureiros
das irmandades e confrarias.
Na ra da Senzala Nova n. 30 tem para venl
Hinh" comudoew de ''"otas e de farinha,
f.S cas,,aDvh9 com confeitos e aniendoas
ludo com muito bom sortimento para os anjos
do nraf,ie,8,He ""lPT Pre? mUl C"0-
mento Mineado neste eslabeleci-
Vende-se o engenho S. Jos, de Bom Jar-
dim. sito na freguezia de N. S. da Luz, moenie e
correte, distante da praca 4 lego.s, quari Jrom-
pto para moer com agua, com boas malas, en-
cllente cercado, boas obras, e uma boa safra j
criada : os pretendenles hajam de dirigir-se ao
mesmo engenho, ou no engenho Fenedo de bai-
MdW ld negocio Tisla d0 com-
Escravos futidos."
3OJ00O de gratillcaco,
a quem apprehender uma escrava de nome Vi-
cencia, com os signaes seguintes : baixa, grossa
fea de cara, cor fula, beicos grossos, bocea regu-
lar, orelhas grandes e acabaadas, una especie
de sardas pretas no rosto, ou marcas de beiiga*
falla spera e grossa, acompanhada de arreme-
to*, cara um tanto coroprida, cabello cortado
rente, uma pequea fenda no lornozello esquer-
do ; levou um vestido de cfaila roza j usada e
um dito (oio em folba) de chita encarnada, cons-
ta que comprou um par de sapatoa de panno fi-
que indica que vaiusardelle para passar or
forra ; e que seguir para Pajeo de Flore*
pois foi encontrada na estrada de Jaboaio ero di-
rectao a este serlo, onde j uma vez esleve Dre-
sa : quem a pegar ou delta der noticia, diriiarfe
a ra Augusta n. 70, que alem de se agradecfr
ser grafltcado com a quaulia cima,
A noite passada, 25 do correle, fuaio do
engenho Quanduz na fregueaia de Santo Anlio
uro escravo de nome Victorino, representa ter 23
a 24 annos de idade, cor preta, altura recular
rosto bechigoso, pea feios sem ter bichos, e tem
pouca barba ; este escravo foi da viuva de Joao
Das que leve botica na cidade da Victoria, ra do
Mcio. e quando se ausentava ia para a cidade do
Kecife: porunlo roga-seas autoridades policiacs
ou capilaes de campo a sua apprehenso e leva-
K "rcnd0 engenho a seu seobor Jos
P8ir JS eUo!. 0 D0 Recie Bernardina
francisco de Azeedo Campos, no paleo do Car-
ino, que serao generosamente recompensidos.
-Fugio da cidade do Aracaty, no mez de se-
tembro proiimo passado, um escravo do com-
mandante superior Manoel Jos Penna Pacheco,
que ha pouco o havia comprado ao Sr, Benio
Lourencn Collares, de nome Joaquim, de idade
de einecenta a untos annos, fulo, alto, magro,
dente grandes, e com falta de alguns na frente,
queixo fino, ps grandes, e com os dedos gran-
des dos ps bom aberlos, muilo palavriador, in-
culca-se forre, e tem signaes do ter sido Borrado;
Consta que este escravo spparecera no da 6 d
eorrente, vindo do lado das CineoPonUs, e sen-
do enterrogado por em pareeairo sea conhecido,
disse que tinha sido vendido por seu senbor para
Goianninha : qualquer pessoa que o pegar o po-
dar levar em Pernambuco aos Srs. Baste Lo-
os, que gntiflearo generosamente.


(8)
HAMO DI iMAMBCCO. TVgA ROLA 6 D* Mi ICO DE 18tl.

Variedades.
Cacktlelastitterirts.
Dizem as lingual mordazes
Qua a nossa lilleretura
l'.si lioje o,ui rafada ;
Que os trudilos rapazes,
Metiendo o bedelho em ludo,
Tem apenas por esludo
O pairar no bulequira.
Vi'ver agarrado 6 mesa,
Entre livros u papis,
' torcr a natureza
Em taciturnas ligues:
O camnihu para sabio
J se vio que nio esse,
Para ser bom Iliterato,
E al fazer uro soneto,
' caminho, o mais exacto,
Ir do Ciliado ao Lorelo,
(Hoja praca de Caotes).
O Chindo tem uos ares
Que inspiran) sciencia infusa ;
Se no Marrare se usa
Beber e cavaquear,
Tambom l se vio forjar,
Entre as chusmas dos amigos,
Os primorosos arligos
Que appareceni nosjornaes.
Escrever sobre politice,
Dar as noticias miudas
N'uma pagina rachitica.
Tomar tres copos de Franca,
Fumar o louro charuto ;
Depois disto, ir ao theatro,
E, no Om do Polxuto,
Bater c'os ps todos quatro
Nao sei que isio seja mo;
E, demais, est provado
Que este mundo de miserias.
Visto j por qaalquer lado,
Nao tem dospique, nao ser
f andigar at morrer.
Grilae, juizes severos,
Censurai sem tom nem som;
Escaocarae essas boceas;
Acharis orelhas mocas
Em toda a gente sensata
Que sabe sem patarata,
Desiinguir o mo do bom
Vede como em letras Gnas
Se faz a critica fundo ;
Agora que eu vos confundo,
Kalhadores maldizeutes,
Por urna lo la pirroca,
Esta gerago que passa.
Vem os Amores de Ovidio
A' luz em gosso volume ;
E que famoso subsidio
De letras gordas resumo
Improvisada Aristarco,
Que fui de ventas ao charco,
Quando julgou navegar.
Vento em popa no alio mar!
As dujs litleraluras,
Un a aotiga ou a moderna,
Arrasta-as por urna perna,
E, trazendo ambas praga,
Pode torga de murrace,
Confundi-las n'uma s,
Barafustaodo no p.
Estropia o grande Homero,
Ed'ahi, pe-lhe de fronte,
Com modo soberbo e austero,
O jocoso Anacreonte,
JMachucaiido-lhes as ventas
Em larourias rabugentas.
Traz Horacio ao ponlap
Do seu lempo aos nossos das ;
Revolve-lhe as cinzas frias
E alira-as sobre Virgilio
Por causa do certo idyllio
Em o hornero nao tem f.
Aos grandes vales da Franca,
Tara be m so deita valer,
Nessa lida em que nao canga,
Nao llie escapara os Inglezes,
Allemaes," Dioamarquezes,
E vae citando... citando...
Compondo, de vez em quando,
Cousinhas de sua casa,
Sem valor, sem nexo algum.
Ora edifica, horaairaza,
Com egual despejo e tenlo;
E o leitor, por mais aliento,
Tem de ficar em jejum.
D sem d nem consciencia
(Com-sciencia calembur;
alas vem aqui tanto geito,
Que o nao desaproveito.)
Este escriplor polyglolto.
Que nem sabe urna s lingua,
D salto de gafanholo ;
E, correndo assim luna
Por entre gente estrangeira,
Com insulsos aranzeis,
Multe depois n'algibeira
Por cada fofa columna
Iris dous mil e tantos rls.
Ai! que l me ia passando
O que diz a Iraducco 1
E' verdade, o magano
Por fim tambem fallou d'ella :
voluetui n
Diz que os versos do Caslilho
Tem arte, sciencia e brilho :
A descoberla fui bella ;
E com esta novidade
Veio o aaloio cidade 1
Cuidei eu que o paraphrasta
Esmagasee o tal censor,
Queempoleirado aconselha,
Com modo de quem se agasta,
Sobre escolas nova e velba.
Mas o Caslilho, at hoje.
Nao soliou urna s queia ;
En nao me sei decidir.
De duas urna : ou o deixa,
Ou inda se est a rir.
Eu c sempre lhe dira,
Sem fazer longo estenda!,
O mesmo que o Tolenlino
Ao supposto cardeal ;
< Que venhara fuscos garraios
Metter em versos a mo I
Potente Jove, onde esli
Os teus viugadores raios I
Entra novo actor em scena ;
E' ii m chronista retasado,
Tao pouco em lettras sabido,
Que at o proprio appellido
Nao deixa de por errado,
E que na Revolugo
Faz outra ainda maior,
Na grammtica da lingua.
(Bem se v que ha grande mingua
De quem escreva jornaes).
Disse elle em urna noticia.
Noticias do soalbeiro,
Que o famoso critiqueiro
Dos amores o vid ia us,
Essa esperta luminaria.
Por seus trabalhos insanos,
Tinha sido o fundador
Da critica luterana.
O sandeu panlafagudo
Julga que estamos no entrudo!
Pega a gente n'um peridico
Para enlretcr um boceado,
Vem de repente urna desias....
Fica-se lio embuchado
Como engolindo ura rr.ormello !
Isto caso de duello I
Agora mude-se a vista,
Tomemos outro catrilho
Vamos ouvir o chronista
Da leitosa Opinio,
De quantos escrevedores
Fingm por'hi d'escriplores
O maior serosaboro.
Vai Madeira o Brdalo,
Por causa d'uma bronchile ;
Eis que o Pato, sem convite.
Se resol ve acompanha-lo.
!".' materia d'uma nova.
Que a falta d'oulres, avulla.
Noticias nao pagam multa, .
Guiza-se tudo vontade
Nos papis cm largas dses
Que pem tudo. tudo raso.
Mas vamos ao nosso caso.
Tem por Ululo a noticia
Dous Ilustres viajinles
Quanto ao titulo, est bem ;
At 'lii nao ha malicia
Nao o censura muguem.
Digo mais: em vez do illustres
Se fra o superlativo,
Ficavamelho epigraphe:
Hoje nao ha exclusivo
No uso dos tratamentos ;
Se cxcellencias rao aos centes,
Nao houvera demasa
Era por cima illustrissimos
Que termo correspondelne
A' rangosa senhoria.
Agora, porm o resto
E' que tem que se lhe diga ;
Faz picadas na barriga.
Faz suor e calafrios ;
Diz o homem na linguagem
Mascavada e quisilenta,
Que de classica se eslenti.
Diz.... o que ? diz o seguinte :
Oh que mpiesses de viagem
Nao Irar o senhor Palo I
Em tanta cousa bonita
Achara fecundo thema
Para augmentar o poema
Denominado Paquita
O qual afora os Lusiadas,
E' a obra mais subida *
De mais (orea e mais riqueza.
De quaolas se tem escnplo
Na linguagem porlugueza.
O delgado mastaro.
Pobre tolo coiladito,
Ve, de capella, e palmito,
Dircilinho para o cu 1
Mas agora o que eu pergunto,
Livre de toda a chalaca,
E' onde ha-de ser a praga
Do monumento do Pato?
Talvez no largo do Rato,
Onde existe um chafariz.
Que islo de patos, palioham,
Mergulham do cachapuz ;
Ou na praca d'A.cgria:
IMA FAMILIA TRGICA
POR
CHARLES HUGO.
Que, em lempos de prar fria,
Ji 14 eatlveram pers.
Que pede aegar que o Beto
Faz venes mui sedectoree T
Has estee parvo* senderes,
Co'as seas malditas loas.
Estragan as cousas boas.
Faz-me stolembrar agora
D'uma asneira semelhante,
Succedida ha muitos mezes ;
(Procura sempre um pedante
Dar pelisco aos pus fregueies)
Foi esia : o Lobato Pires
Deu luz urna poesa
Intitulada Universo
tilias boa ; isso diverso)
Im certo Barros e Cunha,
Melteu-lhe a cunha de barro
E saltn, como um galfarro,
A' fazer-lhe a introduegio.
Adeviohem o que enlo,
Rabiscou o tal Mecenas I
Sahiu-se com urna graga,
D'eotre as suas cantilenas.
Que inda hoje me nao passa
Di goela para baixo :
Fct o papel de diacho
Atacando a divindade;
Pdz nada menos do que isto ;
Certamente o universo,
a A obra do Creador,
Nao nao superior
Ao Universo poesa.
Apre I aafa 1 que heresia !
Eocordoou o Lobato
E leve razo sobeja
Que um elogio d'alvar,
Por mais sincero que seja,
E' como a pala do galo.
Que arranha em vez d'afagar.
Por signal, pouco depois,
Surdiu um chistoso artigo
(Nunca se soube de quem)
Dando severo castigo
Com agudos epigrammas
Nesse lal Barros... ou Lamas....
Vcjam l qual lhe couvem.
Agora novo scenario.
A comedia variada ;
Tem honras de miscellanea
Esta minha cagoada.
e Revista Contempornea
E' o que est na berlinda ;
Revista que tanto alinda
O Biesla co'a sua chrooica,
E que vae pondo a vernica
De todo o bixo careta.
Ora digam-me: conhecem
Um rapaz loiro e direito,
Bigode, pera, e luneta.
Que anda nos bioos dos ps,
E que s leru por deleito
O ter sido na marinha
Um aceado aspirante
No tompo em que inda nao vinha
A sciencia, humanisada,
Ter com a rapazeada ?
Pois nao conhecem, deveras?
Eu Ibes dou oulror signses:
Foi grande folhelinista;
Dos depulados na lista
(Lista maior que a dos nmeros
De todas as loteras]
Figuiou elle tambem,
E quiz orar varias vezes.
Mas nao pode, e os Portuguezes
Perderam mais esse bem!
Escrevcu um folhetira
Narrando urna procisso
Com tal mimo egalhardia
Que a sapiente academia,
E por unnime rogo,
F-lo socio logo, logo,
Para gloria da nagao.
Vem depois a transcendente;
La vae o genio sublime
Ao certameannunciado;
O auditorio immenso 1
Chega, pouse, e dizouvi-me...
Em seguida lira e lengo
Alimpa a cara suada,
E depois depois mais nada;
Recolheu-se-Ihe o discurso
E, sem dar nem um s po,
Sahiu de l feto urso
E leve porta assobio.
Em quanto iasem perigo
Na conquista d'aurea fama
O Pulido eslava capa,
E dizia l cumsigo:
Este mogo nao m'escapa.
O nosso doutor gallego
l)sse-o bem, melhor o fez;
Arraojou-lne um alto emprego
Sem concurso, desla vez:
E reger urna cadeira
No genero parvalheira,
Cadeira que se negou
O mestro dos Iliteratos,
E onde o pacovio aprendiz
Prova/ que os menlecaptos
Se/trumphos neste paiz.
Mas que digresso foi esta I
Veio a tal biographia

Transtornar a minha festa;
V l saber por onde ia!
Aqui 'stou deinorteado
Sen caminho nem carrelra
Con* o lente improvisado
Se ha de ver na tal cadeira.
Ah 1 ji sei: era a Revista
Que Orara na berlins.
Esta Revista nao erra,
Porm, to alto se guinda.
Que vem de ventas trra.
Tem ella famosas pennis,
Diga-se isto em honra sua;
Mas ha l certas penninhas,
Que pareeem de gallntias,
Das que se deilam ra.
Senao, veja-se o que escreve
O lenle citado ha pouco,
Cuja pancada notoria
(Nao digo que seja louco)
E que est multo no caso
De levar co'a palmatoria.
Escreveo elle um juizo,
Juizo de tal cabega,
Sobre Filintho, Bocage,
E nao sei sobre mais quem....
Jsel: JosAgoslinho
Na conta vinha tambem.
E saboroso pratinbo
Lr aquella trapalhada
Onde reina a parvoice.
Nao s errou no que disse,
Mas at no que ciiou ;
Esses poetas, que em vida
Nao foram dos mais amigos,
Todos tres ao mesmo lempo
Gritaro, com voz sentida,
Do fundo dos seus jazigos:
Ah cachorro 1 que eu l vou!
Hoje moda estylo abstruso,
Enrodilhar palavres;
Nunca perde por confuso
Quem fizer allocugoes.
E moda que tem pegado.
Porque vem de autor grado
Que dovra dar ao esludo
tempo mal empregado
Em ticer, por modo novo,
Os descursos nebulosos
Do que se ri todo o poro.
Entra agora o diccionario.
Do senhor dom Cnmmissario,
Este negocio mais serio,
Posto que serio nao
O patusco frei Jos.
Nao fcil o criterio
Quando sobeja oassumplo;
Nem sempre pode applicar-se
O quod abundat non nocet___
Ai! que l rae desconjunto
Co'o oegregado latim!
Tambera o diccionarista.
No seu latim de sachrisla,
Se v muita vez assim.
Confesso-me atrspalhado
No meio de tanta asneira
Em que a obra se desfaz 1
Qual ha de sera primeira ?
Irei de detraz para diante,
Ou de diante para traz?
Apanho o peixe-baia
Que l vem na lettraB ?
Ou vou tirando, mo cheia,
Onde quer que a folha d?
Nada: fique-ae quieto
O fanhoso autor masmarro ;
Dou-lhe uos das de suto ;
Mas depois.... ah se o agarro,
Ferro-lhe urna cacholeta
Que lhe pe a croa pretal
Hoje nao passo d'aqui:
Sao horas de me ir deilar.
Oxal nao vsonhar
Com tudo isso que escrevi.
[Draz Tisana.]
PRIMEIRA PARTE.
O Filho.
VI
[Conlinuaco.)
Alina suspendeu-se nesle ponto da sua narra-
cao ; e como se lhe visse ao pensamento a pin-
tura sombra quo seu marido lhe flzeri do csstel-
lo de Ganges, bateu-lhe de manso com a mo so-
bre a face, dizcndo-lbe :
Eolo, prometteis que haremos de ser bem
fehzes cm Ganges ?
Seguramente, respondeu Chrisliano, con-
tanto que urna ordem precipitada do rei, chaman-
do-me ao meu posto, me nao obrigue & deixar-
vos ali sozinha.
Ora, nao pensemos nisto 1
Tendes razio ; nao pensemos^ nisto 1 Mas
Eorque nunca me dissestes nada sobre essa linda
istoria que me contastes agora ?
Porque nunca me passou islo pela idea.
Bem sabis que s vezes a genle se lembra das
cousas sem querer. E vos, meu Chrisliano, por-
que me escolhestes para vossa esposa?
Queris que vos diga porque ? Pois bem,
escutae-me, minha qoerida Alina, j que esla
a hora das doces confidencias e graves revela-
ges.
Ainda que eu hoje seja um pobre orpho,
cuja familia toda se encerra em vossa pessoa, to-
dava Uve urna mequem perdi em tenraidade,
mas que, conlinuou o capito com a voz commo-
vida, deixou-me no corago e nos olhos urna re-
cordarlo to viva, que o semblante das outras
mulheres, que depois tenho visto, nanea conse-
guirn! apaga-la. Ella era to bella que pareca-
me impossivel que Deus fizesse um segundo mo-
delo de perfeigao physica como aquello 1 Porm
no dia em qoe vos vi na egrejade Avigoon flquei
transportado de admiragio e de xtasi : e enla,o
reconheci que Deus tinha reproduzido esse mi-
lagre, de que eu dnvidava, na deliciosa figura da
novica que acabava de apresentar-se ante meus
olhos. Fiquei mudo e estupefacto E' a primeira
vez que vos digo isto, porque quando pens em
minha me, pens sempre em silencio. Sim,
Alina, pareceis-vos tal ponto com aquella, cu-
jo semblante foi desde o meu bergo o prazer e o
encanto dos meus olhos, que a vossa apparigio
figurou-se-me ama iltusio dos meus sentidos.
Approximei-me de vos, eocarei-vos, estremec,
e os olhos encheram-se-me de lagrimas : tinha
reconhecido minha me. por isso que vos
omei, qoe vos despose, minha Alina, porque
(*) Yide Diario a. 51.
vendo-vos, disse commigo mesmo : Eis-aqui o
anjo da guarda dos meus dias de infancia, que
agora volla outra vez para mira ; eis-aqui o anjo
bemdito que, depois de ser minha me, vae ser
minha esposa I
Alina escuta va seu marido com urna especie de
agradavel sorpreza ; e quando elle se calou, ex-
clamou arrebolada de alegra :
Sabis que bello isto que me dixeis 1 Sa-
bis que vou agora-ficar vaidosa da minha pes-
soa-1
E no dia em que vos vi.proseguio Chrislia-
no, ludo em torno de vos dava esse encontr
nao sei, que prestigio providencial, e re-
ligioso. Na egreja respirava-se o cheiro do in-
cens ; o orgao proloogava ainda no recinto do
sancluario a sua gravo harmona ; haviam aqui
e acola nesssa casella figuras ajoelhadas: tudo
era finalmente tranquillo e solemne, tudo era
quasi divino I Altrahido para vos pela irresisli-
vel especUgo da minha alma, quo suppunha re-
conhecer na vossa pessoa o emblema de minha
me, foi indisivelmentacomraovido que vos apre-
senlei a agua benta, querendo consagrar assim
essas nupcias sahidas da lembranga da morte, e
para mais estreilaraeote ligar as nossas duas roaos, I
tocar comvosco na pia sagrada que faz recordar
o tmulo !
VII
O Sr. de Vlssee.
Alina sospirou doceraenle, levantou para seu
marido seus bellos olhos pensativos e conmovi-
dos, e depois disse-lhe cora amabilidade :
E de tudo islo nao tiraos urna consequen-
cia moral ?
Qual ? perguolou o conde.
Que os homeos devem ir egreja, porque
quando l vo aconlece-lhes sempro cousaa fe-
lizes.
O certo que s por acaso enlrei na egreja
do convento.
E que acaso foi esse? perguotou a joven.
A' fallar a verdade, nem me lembra mais o
que foi. respondeu Chrisliano.
Vos bem que vos lembraes 1 Ora, dizei-me
sempre.
De mais, que vos inleressa isso ?
E eoto o que que me pode mais interes-
aar do que fallar de nosso amor ? Se nada disser-
des esle respeito, nao larda que fiquemos mu-
dos, como dousamuados. Assim, pois, dizei-me,
Sr. impo, acrescenlou Alina rindo-se, que ven
turoso acaso vos fez entrar na egreja onde me
vistes ?
la em compaobia de urna pessos, respon-
deu o conde, cojo semblante se aunuriou vaga-
mente.
Ah 1 j sei, disse a condessa : de urna moga,
nao assim ?
Nao, de um homem... Porm olhae bem
para eata estrada ; como encantadora I
E esse homem, conlinuou a joven sem pres-
tar silencio 4 observago do conde, era algum
amigo vosso ?
Sim, respondeu Chrisliano, era um anligo
amigo de minha familia.
Talvez prente, beim ?
Prenle, verdade.
Velho ?
Velho.
E provavelmente melhor calholico do que
vos? observou Alina affeclando o ar de quem
reprehende outrem.
Litteratura.'
Albertina.
i
Aa leitoras 6 leitores benvolos e intelligentes
j foram algum anno s Taipas, descangando um
ou dous mezes dos trabalhos quotidianos, neste
lugarejo pitoresco, cheio de campias verdejan-
tes e florescentes. de bosques de carvalhos co-
pados e espessos ?
J foram, ao descabir d'uma linda tarde d'ou-
tooo, passear pela margem do Ave, que pouco
caudaloso, mas bastante histrico ?
Viram, dos Ponlilhoes, ao cimo d'uma impina-
da estrada, que segu para Guimares, urnas
casas brancas ? Nao se lembram, porque sao
bastante humildes, para que captem a attenco
dos banhistas taipenses. Nao Qzeram bem. Mui-
tas vezes o animal mais pequeo, o reptil mais
vil e rasleiro, mata o forte, e faz-se temer.
Nao s nos grandes palacios, cujos ledos
dourados, riquissimas alfaias, bellezas d'arcbitec-
tura, fazem deslumhrar os admiradores de tudo
o que sumptuoso, que se do os fados mais
notaveis, patheticos episodios da vida intima ou
publica.
Ha em Guimares urna casa de muilo humil-
de apparencia, construida de tabeas, quasi dea-
faitea pela mi destruidora do lempo, essa
casa hoje inhabitada, inhabitavel, e irda esa pou-
ea conta pelos progreuittat nombre* 4aadiver-
sas cmaras, ji abrigou D. Dmaso I
As apparencias quasi sempre eaganam.
N'uma d'easas caaes, hablaram en 1814 duaa
pessoas, marido e mulher, havia pouco lempo
casados, e senhores d'umas seis quintas, desti-
tuidas d'aforraoseanento d'arte, mas com rendi-1
ment suQicienle para que os seus patricios os
tratassem com toda a destinego.
Estes conjuges linham dous fllhos, tfooitas
creangas, quem os aldeos chamavam um
bonito cazalzinho, porque um pertencia ao
sexo forte, e outra ao frgil.
Os paes, felizea porque se amavam, e porque
tiveram a fortuna de possuirem dous fllhos, bo-
nitos, vism-os crescer, e desenvolver-se, e aju-
davam-os nos seus brinquedos ioftntis.
Al que Antonio ( era o nome do rapaz) com-
pletasse 12 annos, tudo correa bom ; esta eda-
de, porm, sendo ricos, era necessario dar-lhe
um modo de vida correspondente fortuna.
Que ha-de ser ? Padre. Era a aroblgio dos
paes : era a opinio de todos os doutores da tre-
guezia.que sao os que dio as leis.
Todas as freguezias tem os seus doutores, ho-
rnees, que, lendo alguma instruegio ( nao ne-
cessaria rauila ), sabendo narrar alguna conloa
das Mil e urna noules, ou dos Mil e um phan-
tasmas, Interpretando como Ihes parece e sa-
bem os phenomenos celestes, chamando pedrei-
ro livre algum pobre diabo que nao v missa
em um dia santificado, aconselbam litigios, casa
mentos, divorcios, e sao escutados com toda a
altengo e respeiio devido i alta posigo do
doutor.
O rapaz, que j havia esludado instruego pri-
maria, com o mestre da freguezia, foi para Braga
estudar latim.
Esludou com vontade, por que, ainda que ere-
anca, j tinha ambiges.
Passaram-se tres annos, e Antonio j traduzia
o Tito Livio. Virgilio, Horacio, e Sallustio com
perfeigao. Esludou lgica e rhetorica, fez urna
frequencia brilhante.merecendo o epitheto de
sabio da aula.
No fim do quarto auno da sua carreira escols-
tica, veio ferias. Era j o doutor-mr da fre-
guezia ; todos o respeilavam, inclusive o pae,
que va no filho a gloria da casa ; sonbava-o ab-
bade da freguezia.
Antonio que tinha 16 annos, edade em que se
pensa, e raciocina com mais circumspecgao, em
que se comega amar (ponto capital,) nao estava
resolvido abrir a cora na cabega : quera ir
para Coimbra.
Dada a noticia, a familia teve grande desgosto,
vendo langada a trra a esperanga lisongeira de
ler uro padre em casa ; mas o estudante linha
adquirido cornoesludo a rhetorica necessaria pa-
ra os convencer, e decidiu-se em reunio domes-
tico-parlamentar a ida para a Lusa-Alhenas.
"I
E qual a causa d'esta ambigo do doutor 1
L vamos, minha linda leilora. Eu nao devia
contar urna historia comegando pelo meio das
scenas.
Existia neste lempo, em Braga, na ra do Son-
to, n'uma casa de bonita apparencia, nao muilo
rica, mas decentemente mobilada, um velho co-
ronel reformado, ura dos bravos da guerra pe-
ninsular, homem sem prejuizos ejezuiticos cos-
lumes, to nojeotamenle arreigados, em Braga,
n aquella poca. *
Este militar, filhe segundo d'uma das princi-
paes familias de Trs-os-montes, cason, depois
do vencer grandes obstculos da familia d'elle e
d ella, com urna senhora de Beja, nao muito for-
mosa, mas sympathica, e sobre tudo ( rara qua-
lidade) constante n'amisade que dedicara.
Tiveram dous Olhos, que morreram defenden-
do a patria, do exercito francez, mostrando ape-
zarda pouca edade, um valor digno de grandes
recompesas.
Tinham duas filhas, ambas bellas, nao se se-
melhando mais que no genio.
Urna branca, roslo oval, cabellos louros, e on-
deados, olhos azues e rasgados, mais pouco vi-
vos, denles, cujas coras eram d'um esmalte
brilhanle, mo pequea e bem laihada, cintura
naturalmente flexivel. Era um rosto d'anjo me-
lanclico, como se pintara aquellos que vem os
seus protegidos no caminho do vicio.
A outra, ro3to redondo d'um trigueiro nao mui-
to pronunciando, olhos pretos, cabello preto,
bocea nao demasiadamente pequea, mas regular
e engragada..
Urna chamava-se Albertina, outro Emilia. Am-
bas sympathicas, bonitas, bondosas e intelligen-
tes.
Antonio de Castro, quando foi para Braga, foi
recommendado um negociante de panuos, que
morava defronte do coronel, e fkou em casa
d'elle. Deram-llie um quarto no segundo andar,
exactamente defronle do de Albertina.
Como vizinhos, a familia do coronel passava
noules era casa do negociante : e este, com a sua
charissima metade, mulher de grande beatismo.e
hypocrisia, lendo 40 annos pouco mais ou menos,
gorda, baixa, e j com a cabega rara de cabellos,
passava outras mui amigavelmenle em casa do
coronel.
O estudante Antonio de Castro, o tempo que
podia furtar ao esludo, era para estar janella,
Oogindo que decorara o horasoe e mais lar -
Na apparencia, pode ser, respondeu Chris-
liano com tom distrahido ; mas de fado, nao;
porque dizem que elle huguenote.
E?
Nao sei, porque nega.
Porm se eile perlence religio reforma-
da, iosisliu a condessa, o que ia fazer n'uma
egreja ?
Ignoro ao certo ; mas supponho que ia fa-
zer as suas devogdes sobre um tmulo.
De quem ?
Apre I como soes curiosa I exclamou o
conde apenando sua mulher ao peilo, como se
procurasse ver-se naquelle instante livre doolhar
de Alina.
Com effeito, senhor replicou esta esque-
cendo a sua pergunta que fiera sem resposta ;
vos um fiel servidor do rei e da sauta egreja,
possuirdes entre vossos amigos, e entre voseos
prenles, um hertico, sem patria e sem lar, em
rebellio declarada contra o evaugelho e os
edictos I
Seria esla urna razio de sobra, observou
Chrisliano gravemente, para nao o abandonar, e
at mesmo em caso de necessidade offerecer-lhe
um refugio, se a perseguirlo o obrigasse andar
foragido.
Meu Deus I exclamou Alina com essa pura
conviccio de ama moga educada no convento :
pois vos darieis asylo um huguenote 1 lato
nunca se viu.
Estaes muito eoganada, Alina I replicou
Chrisliano visivelmente commovido. Nos lempos
que correm nao raro ver-se calholicos verda-
deiros receberem caridosamente sob os seus le-
los alguns desses infelizes que, sem isso, nao te-
riara outro abrigo mais do que aa quatro paredes
de urna prisao T
Alina olhou para seu marido.
Eslaea commovido I disse ella.
Qual I nao tenho nada.
Ora muilo bem replicou a condessa ba-
tendo as mos com essa immobilidade de impres-
ses que lhe dava tanta graga : eu estou bstanle
salisfeita 1 Vou novamenle entrar na minha vida
de reclusa I Oh I veris... havemos de ser mui-
to ielizes I Serio de parle parte carinhos e mi-
mos sem fim .... levantar-nos-hemos muilo lar-
de e deitar-uos-nemos muito cedo I Nao have-
mos de receber ninguem, nao assim ? Promet-
leis-me islo?
Prometi-vos.
Excepto, se o quizerdes, esse maldito hu-
guenote, esse senhor... senhor de que ?
Senhor de Vissec.
E elle sabe que somos casados?
Sab/, sim : mas que tendes com o senhor
do Vissec ? disse o conde de mo humor; falle-
nos de coasas que valham i pena I
Como islo ? pois nio achaes que vaina a
pena de algoem informar-se dos vossos amigos ?
Esse de quem se falla, ainda que herege, digno
da vossa estima, e, portento, da minha egual-
mente: e j que vesso prente, tambem mea
por conseguale.
Vi que seja, disse ligeiramente o conde.
Fallaates elle alguma vez I mea respei-
to ? perguntoa Alina.
Nao me lembra... ah 1 sim ... parece-me
que foi elle ao contrario que me-fjHou de vos.
E elle me eonhece ?
De vista.
Onde me vio',?
de as regraa \ de Ctnuense. Em vosearas fe-
riado, tra ceta em acompanhar e negociante e
Sra. O. IgnMa I esse do coronel.
Daga-ce e* verdade Antonio de Castro era
um ndelo de eoaportimentn escolstico : nio
jofav*, ia betequins, nio concoma 4 or-
fias.e s fumava seu charutinho brejeiro.qaan-
do estava janella...
Nio admiran estes preludios de namoro. An-
tonio de Castro, ainda que creanga, altrahia-o a
sympathia, o typo melaneolico, os anglicos
sorrisos da virgen de 15 annoa, os lindos olhos
azuea de Albertina. E realmente nio ha nada
mais altrahnle, mais sympalhico. qoe unsolhos
azues em roslo pallido. Passe'u os primeiros dias
desconhecedor dos sentimentns que oaffeclavam
lisonjeando-se quando era o objeclo das allen-
"fia innocentes d'aquelle anjo bracareoae.
Habituou-se v-la, contempli-la furtiva-
mente, i brincar, sem malicia, com ella ; e co-
nheceu mais tarde que poderla soffrer a (alta
daquelles eolretenimentos, quo lhe serian ve-
dados quando a egreja lhe fechasse para sempre
as portas do mundo profano.
Eis a razio porque Castro, ambicionando ama
posigo Importante no mundo social, para a sua
companheira de infancia, delerminou ir para
Coimbra.
Albertina e Emilia viram chegar pela primeira
vez o pelludo calouro, futuro estudante de latim.
Rirara-ae, cagoaram-o e diafructaram-o as pri-
meirss noules em que se encontraram.
Albertina, porm, habituou-se fallar e brin-
car com elle, e captou-a as attengoea, a sympa-
thia que Castro lhe denunciara naa mnimas
acedes.
Conheceu egualmente, quando a creanga pe-
luda se transformou em rapaz desenvolvido e in-
teligente, que lhe partecipava as affligdes, os
goslos e os desgoslos; finalmente que senlia em
si aquolle sentimento sublime e puro 4 qoe nin-
guem com mais ou menos vigor, com mais ou
menos loucura, ae esquivou o amor.
E nio se atreveram nem um nem outro 4 de-
clararem-se 1 Mas ambos desconfiavam que mu-
tuamente se amavam com a mesma loucura,
com aquella pureza inherentes sempre ao pri-
meiro amor.
IV
J sabemos a razio porque Antonio de Castro
encetoo as espinhosas, mas agradareis e esperan-
cosas lides acadmicas.
Donemos agora passar dez annos. Depois ra-
mos ao Porto, e ahi, sem nos atlrahir a atteogo
a altura da torre dos Clrigos, caigamos umaa lu-
vaa brancas, pondo urna grvala branca, nver-
gaodo urna casaca de monstruosas abas, confran-
gindo os ps em uns sapaloa de pulimento, de-
pois de termos calgado meia de seda cor de car-
ne, ciminhamos, com um carlee de convite, al
ra de Cedofeita, e entramos no palacete do
baro de ***, que d hoje um esplendido bailo,
em honra de sua esposs, qu faz annos.
Sao II da noito. Os salea enchera-se de da-
mas e cavalleiros danganles o gloies. As casa-
das apresentim-jo vaidosas da riquoza asitica de
seus vestuarios ; as solteiras forcejara conquistar
a realeza pelos lindos olhos, pela aimplicidade e
bom gosto de seus trajes peto seu espirito deli-
cado.
A valsa comegou. Os pares comegaram o seu
gyro symetrico e voluptuoso, e ospintalegretes
de saldo, os lees da toga, tomam as dilectas po-
siges, ora encosiando a cabega palma da mo,
o cotovcllo parede ou porta, e a perna esquer-
da encruzando-se com a direita ; ora melteodo os
pollegares nos bolsos do collete, cahindo o resto
da mo com estudada negligencia 1
Deixerao-los neste redemoioho enebriante, e os
casquilhoscom as suas posigdes elegantes, e per-
corramos os ricos saldes do palacete.
Leitor, assesta a luneta. Nao vs l alm aquel-
lo cavalleiro, que d o brago linda Qlha do ba-
ro de ***, lo entretidos ambos, conversando
em voz baixa?
Ser alguma declaragio? Vejamos. Elles
sentam-se. Detraz daquelle reposteiro podemos
sorrateiraraente ouvi-los.
Miaba senhora. Ha fados |na vida do bo-
rneo) que nunca se esquecem. Ha pesares, ha
afflicgoes, que nunca nos deixam de opprlroir,
quer no aeio das Testas, quer no remanso da vida
intima.
Bem sei, senhor Castro. Acredite que me
inleressa profundamente o romance da sua vida.
Querconfiar-m'o? Nio o revelare! 4 ninguem.
Mas que aproveita a V. Exc, urna senhora
nova, nobre, rica, e ainda attrahida, e eogolfada
em esperanzas lisongeiros sonhos e illusdes de
donzella, narragio de urna serie de tactos sem-
pre tristes, em que o espectro tectrtco da morte
se aprsenla ?
Engaa-se, senhor Castro. Isso o que
mais aproveita. A experiencia faz o mestre ; e
pelo couhecimento da experiencia alheia, pode-
mos conhecer os espinos da vida, e evita-los,
Eolio, quer que lhe peca mallo ? E' o primeira
favor.
(Continuar-se-ha.)
Na egreja, no mesmo dia em que eu vos vi
pela primeira vez; porquanto, elle l estava por
detraz de mim, quando eu suspend a cortina da
grade.
E o que disse ?
Achou mo o que eu fazia.
Sim ? e por quo ?
Porque, dizia elle, eu procurara desenca-
minhar urna casta joven.
E tinba razio : mas, quando soube que me
hartis desposado, naturalmente approrou o
nosso casamento ?
Nao.
Eolo porque motivo?
E' um misanthropo: nio acredita que pos-
sam haver cassmentos felizes.
O nosso ha de faz-lo mudar de parecer.
E' nosso visinho?
Nio, disse o conde, cujas respostas iam sen-
do cada vez mais curtas.
o mesmo ; vos o convidareis para que
venha ver-nos: gosto muilo dos velhos; s
companhia que nos serve. J me parece estar
vendo o lal senhor de Vissec; um homem baixi-
nho, com urna cabelleira, urna bengalla grossa,
urna grande caixa de tabaco, e urna luneta enor-
me : muito corcovado, muilo fraco e muilo rabu-
gento. E eu que hei de faz-lo zangar-se bs-
tanles vezes I E muito velho?
Sim, muito velho, respondeu Christiano
maquinalmenle.
Que edade tem ?
incenla e dous annos.
Ora 1 ento o vosso Mathusalem nio tao
velho assim I
Mas parece, porque envelheceu prematura-
mente.
Soffre algum pesar ?
E muito grande.
Vos me apresen taris 4 elle?
E' impossivel.
A condessa olhou para sea marido : a voz do
conde se havia tornado estranha, tanto que foi
elle o primeiro 4 notar o effeito, produzido por
essa mudanga sobre a condessa, e replicou logo
meigamente:
EmQm, ser como quizerdes,' minha que-
rida Alina ... mas, se eu mo neguei ao vosso
pedido, porque o Sr. de Vissec vive muito re-
tirado, e at mesmo oceulto.
Por causa da sua religio?
Parece que sim :
Porm nada nos impede de receb-lo em
segredo : porque havemos de estar sempre sos I
Elle que nio quer ver 4 ninguem. De-
mais, a sua companhia nio seria urna distraegio
para vos; porquanto, aoda debuto e pesaroso.
Ha que tempo ?
Ha quinze annos.
E por quem trsz elle loto ?
O imperceptivel estremecmento, que em Ver-
sailles nio deixra o capilo durante a sua con-
vorsago com Luis XIV, agitara novamente a sua
mi meltida entre as mios da condeasa. Chris-
liano, porm, parecen dominar a sua comraogio,
e respondeu affeclando urna especie de indiffe-
renga:
Por sua mulher.
Elle a amava muito ?
Supponbo que sim.
E vos a conbeceates ?
Christiano apenaa pode responder fazendo com
a cabeca um aigoal afSrmativo, e alguma cousa
como que urna lagrima brilhou sobre a sua pal-
pebr
Morreu muito moca? proseguiu Alina. De
que morreu? Do peito?
E' verdade, dase o conde extremamente
oppriroido, foi do peito 1
Esse pobre senhor de Vissec, suspirou a
moga com um accento real de compaixao, deve
sentir muito a morle de sua mulher 1 dere sor
bem infeliz 1
Sim I murmarou o conde.
Nos o consolaremos, nos quo somos fe-
lizes 1 A consolago um acto de caridade da
parte daquelles que nio soffrem. .
Nio, minha amiguinha, nao deremos con-
sola-lo n'este ponto, disse o conde sua mu-
lher ; e mesmo se o senhor de Vissec rier en-
contrar-se comrosco, pego-vos que nao lhe fal-
lis de sua mulber : elle procura sempre evitar
semelhante conversagio, como muito natural.
J que queris, nunca lhe hei de fallar
n'este assumpt >. Elle ha de vir-ros visitar do
lempos em lempos, nao ? Deveis obriga-lo 4
que renha ; porque, Chrisliano, nos lhe servire-
mos de familia : e quando fizermos um perfeito
conhecimento, rereis como elle nos ha de amar:
eu lhe serrirei de filha, e vos seris um filho pa-
ra elle.
Esta palavra to innocentemente inspirada 4
condessa pelo impulso dessa .bondade que lhe
dava urna sympathia exaltada por tudo quanto
era soffrimenlo, despertou o conde, que repeli
seu pozar, e com urna especie de pasmo : seu
filho 1
E como um homem que tivesse sido contra-
riado repelliu quasi brutalmente a mo de
Alina.
A condessa tornou-se paluda.
Meu Deus 1 meu Deas I Christiano 1 excla-
mou ella. Dar-se-ha acaso que j nio me
amis? I
Havia tanta dr e espanto na roz da pobre mo-
ga que o capito leve remoraos e rergonba do
gesto um pouco desabrido, que lhe baria escapa-
do : tornou 4 tomar a mo de sua esposa, e co-
brindo-a de beijos, lhe disse :
Eu nio ros amar, minha querida Alina 1
Oh 1 nio digaes.nunca semelhante cousa I
Se amaes-me ainda, porque me repellistes
com tanta colera ?
Nio foi colera, respondeu o conde, foi tal*
res impaciencia I
Impaciencia de que?
Ha momentos em que receio que nn roa
possaes accommodar com a rida serera que ire-
mos passar em Ganges durante a nossa residen-
cia ali; e por isso roe airepeodo de nio ros ha-
ver deixado em Pars.
Sem ros 1 meu Deas I Ea morreria na rossa
auseneia.
E eu resuseitar-roa-hia i minha rolla I
Ora, rejamos: nio ros acharis s mil narari-
Ihas nessa cmara do meu palacio, que mandei
preparar com tanto prazer de propoiito para ros,
ornando-a deseas lindas bagatellas, que muito
agradara 4a mulheres?
Eoginae-Tos I pelo contrario ea detestara
essa cmara, e tinha grandea desejos de deixa-la
por urna rez.
Eolio porque ?
Em primeiro lagar nio gsto de Paria :
ser talvez eale desgosto devido 4 educacio que
Uve no convento ? Ignoro: so sel que nada me
desorienta e contraria tanto, como ver ao redor
de mim esse sussurro de urna populaco inteira.
Essas existencias, que se raovem e se agitam ao
redor da nossa existencia, perturbam-a e tor-
nam-aaborrecida, especialmente quando, como
eu, se urna joven proviociana ..
E quando tambem se est na la de mel,
nio assim? interrompeu lernamente o conde,
que procurara fazer com que sua mulher se es-
quecesse, e lhe perdoasse a sua inexplicavel
grosseria. Deleslavcis Pars, concordo; mas
vossa cmara e Pars sao duas cousaa diversas:
porque, pois, nao gostaveia dessa cmara?
Porque tinha medo.
Medo I deque?
De nada: para que contar-ros essa asnei-
ra... para dizerdea ouira rez que sou ama me-
nina, e que pareco ter seis mezes 1
Nao digo : fallae.
Pois sim 1 tinha medo... agora proenrae
ver se descobris de que... aposto como n&o sois
capaz I
Do rento na chamin ? pergunlou o conde.
Nio.
Da ruioa do tocto ?
Tambem nio.
Da rossa sombra ?
Nio.
Enlo da minha sombra?
Peior ainda.
Mas do que era? Das figuras pintadas sobre
o guarda-roupa ?
Ainda nio acertastes.
Dos quadros?
Agora sim.
' E de qual delles ?
Ides rir de mim 1 nio ros lembraes daquel-
le que ae achara por cima da porta bem defronle
do nosso leito ? N'uma occasiio estire dez rezes
ponto de pedir-ros que maudaaseis alirar 14
para as aguaa-furtadas esse quadro em que se
achava pintado 4 fumo um grande castalio que
todas as noiles e todas as manhias attrahia o
meu olhar para aquello ponto. Na rerdade nio
sei porque tinha medo desse castello ; mas pa-
recia-me que estar rendo ali Barba-rOxa ma-
tando suas mulheres, earraatrando a ultima pelos
cabelloa para o quarto dos esqueletos. Muitas
rezea alta noule eu acordara, abria bem os olhos:
vos eslavels ali junto de mim mas o meu olhar
era inveneivelraente attrahido para essa paysa-
gem; e parecia-me que as janellas do tal cas-
tello me acenavam, e que a porta se abra para
receber-me I
Era sonbo talvez, murmurou o conde.
Nio ere sonbo, respondeu Alina : olhae, s
de pensar nislo fico com os cabellos arripiados.
Ora aqui est o que sao as mulheres 1 Tire ama
companheira no convento que tomou tanto medo
de ama grande figura esculpida no muro repre-
sentando S. Nicolao, que por ali nunea passava.
Naturalmente sao os nossos ervos que nos fazem
esse mal. Parece-me anda que estou vendo
essa maldita pintura por cia da porta I Havia
no fundo do quadro sobre o azul, que lepreseu-
tavg o cea, e por detraz do eaatello, brasoes d'ar-
mas que eu decorei: tinham por base dous looes
armados, con aa linguaa horrivelanenle 4 mostra,
e eata divisa em latim, a qual ea nao coaosre-
hendia, mas de que me lembra perfeitamente :
Und**%lla cruori. O que que isto quer di-
zer, Christiano ? iOsmti*mr-M-U.r
Pk*N.- TTP. DEM. f. DI IARL4, -1W1.'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETR61Y8SV_D7EBNP INGEST_TIME 2013-04-12T22:04:51Z PACKAGE AA00011611_06142
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES