Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06139


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r?
1810 XIIT1I IDIIIO SO
P*r Ires mezes adiaotados 5$000
Por tres mezes vencidos 68000
DIARIO
*H

SEXTA FEI11 1 DE IA1C0 DS ISCI
For ano adiantad* i 9$00O
Ptrt franco para stfecriitor.
lili
BXCARRBGADOS DA. SLB5CRIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima ;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Araca-
ty, o Sr. A, de Lemos Braga; Cear o Sr. J. Jos
de Olireira; Maranho, o Sr. Manoel Jos Mar-
tina Ribeiro Guimares; Par, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
I'AKllAS DOS UKKElUS.
Olinda todos os das as 9 1/2 horas do dia.
lguarass, Goianna e Parahiba as segundas e
sextas-feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caruar, AHinho e
Garanhuns-nas tergas-feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pes-|
queira, Ingazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Fx as quartas feiras.
Cabo, Sertnhaem, Rio Formoso, Una, Barreiros,1
Agua Preta, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correiospartem as 10 horas da manha)
EPHEMERIDES DO MEZ DE MARCO.
3 Quarto mingoante as 4 horas e 58 minutos da
tarde.
11 Loa ora as 11 horas e 18 minutes da man.
19 Quarto crescente as 3 horas e 12 horas da
tarda.
26 La cheia as 11 horas e 55 minutos da man.
PREAHAR DE HOJE.
Primeiro as 8 horas e 30 minutos da manha.
Segundo as 8 horas e 54 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA.
25 Segunda: Ss. Cezario e Dioscoro mm.
26 Terga. S. Torquato are. m. ; S. Nstor b. m,
27 Quarta. S. Leandro are. ; S. Bessa m.
28 Quinta. S. Romio ab. ; S. Pompilo m.
1 Sexta. O precioso sangue de Jess Christo.
2 Sabbado. S. Simplicio p. ; S. Jorinu m.
3 Domingo. S. Hemeterio m. ; S. Cunegundes
i AUDIENCIAS UUS IRIBUNAEs DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
I Relaca o: tercas, quintas e sabbados aslO horas.
[Fazenda : tercas, quintase sabbados as 10horas.
Juizo do commercio : quartas ao meio dia:
pito de orohos: tercas e sextas as 10 horas.
[Primeira rara do civel: tergas e sextas ao meio
dia.
[Segunda rara do cirel:
hora da tarde.
quartas e sabbados a 1
ENCaRREGADOS DA SUBSCR1PCA DO SUL*
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Babia.
Sr. Jos HartiDS Aires ; Rio de Janeiro, o Sr*
Joo Pereira Martios.
EM PERNAMBUCO.
O propretario do burio Manoel Figueiroa de
Paria, na su linaria prag da Independencia nav
6*8.
PARTE OFFICIAL.
Governo da provincia.
Expediente do dia 26 de fevereiro de 1861.
Officio ao Sr. C. L. P. Roock, cnsul da Sin-
ca e Norueg.Approvindo provisoriamente a
delibenco que tomou o Sr C L. P. Roock, cn-
sul da Succia e Njrueg, como me communicou
em dala de 23 do corrente, de incumbir da ge-
rencia do consulado a Sr. Gusliro H. Praeger
durante a riagero que vai fazer Europa, e para
a qual manlei passar-lhe a portara que solici-
tou, assim o declaro ao mesmo Sr. cnsul para
seu conhecimeolo, prerenindo-o de que aere o
Sr. Praeger apresentar o beneplcito imperial
dentro do prazo de 3 mezes, que para isso Ihe
ficam marcados.
Aproveito esta occasio para reiterar ao mes-
mo Sr. cnsul os mcus protestos de estima e cou-
sideracao. Fizeram-so as necessarias comrau-
nicages.
Dito ao coronel commanlanle das armas.
Sirva-se V. S. de mandar inspeccionar o paisa-
no Uermogeos dos Santos Paes Bezerra, e assen-
tar-lhe praga to caso de ser considerado apto
para Uso.
Dito ao mesmo.Depois di revista que pre-
tendo Cazer brevemente s obras ltimamente
executadas no quartel do segundo balalho de
infanlaris, providenciarei como fr couvenieute
acerca do que ropresentou o coronel coraman-
dante do mesmo bitalho no ofli :io que se re-
fere o de V. S. sob n. 27i e dala de 25 do cor-
rente.
Dito ao insooclor da thesouraria de facen la.
Transmiti V. S. para os convenientes exa-
mes as contas documentadas em duplcala das
despezas do hospital militar concernentes aamet
de Janeiro ultimo, indo annexo ellas o parecer
da commisso militar de sa le que asexaminou.
Dito ao mesmo. Em vista da inclusa conta
em duplcala que me foi remetlila pelo director
das obras militares com
eteiloral da provincia, tenha rauito em vista o
preceito do art. 87 da lei de 19 de agosto de 1846
explicado pelos avisos de 9 de fevereiro e 1 de
margo de 1848, que regulara a materia, e em vir-
tude de cujas disposices deve a cmara munici-
pal limitar-se sommar os votos que os colle-
gios eleitoraes attenderam, mencionando os que
cites separaram, cingindo-se inteiramente s ac-
tas que Ihe forero enriadas, e respeilando reli-
giosamente as decises dos mesmos collegios,
sendo-lhe apenas licito apurar das duplicatas de
eleicdeg nelles haridas a que mais legitima Ihe
parecer. Prohibi lo por coosequoncia cmara
municipal de Nazareth, como recorarnenda o ci-
tado aviso de 9 de fevereiro, que tome conheci-
menlo ou protira juizo sobre a validado ou ille-
galidade de qualquer collcgio, contra as disposi-
posigesj citadas, lembro-!he a responsabilida-
de em queincorrer, e que se far etfeclira, se
proceder por modo differeale.
Portara. O presidente da provincia resolve
nomear i Miguel Joaquim Barbosa Fonseca de
Carralho para o lugar de pedagogo do collegio dos
orphos de Santa Thereza de Olioda.Fizeram-
se as participbaos do estylo.
Diti.O presi lente da provincia, altendendo
lacuna que se deu no regulamento de 28 de Ja-
neiro ultimo para o regulamento dos orphos de
Santa Thereza de Olinda, resolve declarar que,
alm dos lugares de professores, de que traa o
art. 39, sao tambera de nomeaco do presidente
da provincia os de
Director
Vice-director
Medico
Pedagogo
Mordomo
E porleiro ;
do nomeaco do medico os de enfermeiro e bar-
beiro, eos mais de nomeaco do director do col-
legio com approvagao da presidencia.Reraette-
ram-se copias desla portara quem convinha o
sen conhecimenlo e execugo.
Dita. O presidente da provincia, attendendo
EXTERIOR.
officio de hontera, sob ao que Ihe represenlou o inspector da thesouraria
rt'ira!'lV?rr7. L fj!Z *$m* *""" *"' P*incial em ofBcio de hontem. sob n. 74, re-
ta i* h ..n?. te de duas portase urna janella que foz para a anoo prximo passado. abrir um crdito supple-
raenlar na importancia de 3:5199200, para pa-
cosinha da fortaleza das Cinco Tontas.
Dito ao mesmo.A' Simplicio Jos de Mello
mande V. S. pagar os reocimentos relativos ao
mez de Janeiro ultimo, dos guaras naciooaes
destacados na villa do Brejo. urna vez que esto-
jara nos termos leaes os iaclusos documentos,
qu me foram remeltidos pelo respectivo cora-
m Hitante superior com oflcio d 5 do corrate.
Communicou-se este.
Dito ao raesmo.Respoolenlo o ofoio que
V. S. me dirigiu hontera, sob n. 51. tenho di-
zer que approvo a delioerago que tomou o ins-
pector da alfandega de conceder a detnissao que
peu o continuo da mesma alfaniega Miguel
Joaquim Machado Freiro. e nomear para esse
lugar Augusto Paulo de Lemos Duarle.
Dito ao roesrao. Conmunico a V. S. para seu
conhcraeuto e direegao que, segundo constou
de officio do inspector di suido do porto datado
de 23 do crreme fallecou no mesmo dia o se-
cretario d'aquella repartirlo Pedro Donnelly.
Dilo ao ntesmo.Communico V. S. para seu
conhecimenlo que em aviso de 25 de Janeiro ul-
timo declarou-me o Exm. Sr. ministro da mari-
nha, que lento dado por Iludo o contrato cele-
brado cora Candido Rodrigues Ferreira era 17 de
dezembro de 1859 para supprlmento de carvo de
pedra aos depsitos de marinha, raanlou fszer-
liie a conveniente intiraaco n'aquella data e nos
termos da IIa clausula do contrato.Deu-se
tambera sciencia ae inspector do arsenal de ma-
rinha..
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
Vmc. satisfazer o incluso pedido do segundo ba-
talho de infanlaria do conformidale com a iu-
ferma;o do inspector da thesouraria de fazenda
constante da copia junta. Deu-se sciencia ao
caronel commandante das armas.
Dito ao mesmo.Se esliver as condices le-
gaes o orphao menor Feliciano, que Ihe ser
apresentado por parte do juiz de orphos desle
termo, mande Vmc, admilti-lo a com,
de aprendizes .desse arsenal.Officiou-se ao re-
ndo juiz para a apresentaejio do menor de que se que re1uer-
trata.
gar-se Cirios Lail Cambronne o fornecimento
e colloca^o de latrinas e ourinadores no raio do
sul da casa de deten-jo. Remetteu-se copia
desla thosouraria provincial.
Dita.O presidente da provincia, couforman-
do-se com o que propoz o Dr. chele de polica em
officio de 14 de novembro ultimo, resolve crear
na povoaco da Malhadinha, termo do Limoeiro,
um disiricio de sublelegacia de polica com a do-
noraioagio de Malhadiuha, tendo os limites se-
guintes. Partindo dos limites da freguezia do
Brejo da Madre de Deus pelo lado do sul do rio
Capibaribe seguir por este al o lugar JalqbS, e
d'ahi pela estrada da cdade da Victoria at o lu-
gar denominado Caadiaes. e ahi tomando a es-
trada que vai do lugar Ta para Burgalas, se-
guindo por esta al a povoaco do mesmo nome,
tomar ootra vez a dita estrada de Ta al os li-
mites da freguezia do Limoeiro com a cidade da
Victoria ; flcaodo limitado pelo lado do poenle
com as freguezias de Grvala, Bezerros e Brejo da
Madre de Deus.
Dita.Os Srs. agentes da companhia brasileira
de paquetes vapor mandem dar transporte para
a corte, por conta do ministerio da guerra, no
vapor que se espera do norto. D. Maria Ciernen-
tina de Vasconcellos Galvo, mulher do coronel
commandante das armas desta provincia.
DESPACHOS DO DIA 26 DE FETEItEIRO DE 1861.
Requerimentos.
3919 Bacharel Antonio Fernandos Trigo de
Loureiro.Passe portara concedendo a proroga-
gao de licenga requerida.
3920.Joo Francisco do Reg Maia.Informe
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
3921.Joo Lopes de Freitas. O supplicante
opportunamente ser attendido.
3922.Dr. Joo Alfredo Correa de Olireira An-
t drade.Proridenciou-so no sentido que requer.
.. 3923.O mesmo.Providenciou-se no sentido
Dilo ao commandante do presidio de Fernando.
Maode Vmc. dar cumprimento inclusa caria
precatoria que me foi apresentada por parte de
D. Carolina Rosalina de Luna para ser citado o
sentenciado Francisco Affouso do Reg Mello,
existente oesse presidio.
Dito ao director das obras militares.A' vista
do seu officio datado do 25 do corrente tenho
declarar-lhe que deve Vmc. reraetter-me urna
COaUlHDO DAS ARMAS.
Quartel do commando das armas
de ternambucoy na cidade do
Recite, 16 de fevereiro de 1861
ORDEM DO DIA N. 76.
O coronel commandante das armas faz pablico
para conhecimenlo da guarnirlo e Qns convenien-
tes, que hontem se Ihe apresenlaram rindos da
corle no vapor Cruzeiro do Sul, os Srs. alteres
conta de toda a obra feta no quartel do 2o bata-; do 10 batalho de infanlaria Alexandre Francisco
Ihao de infantaru e que dere ser paga com as da Costa e Joao Eduardo Viganico. e da prorin-
formalidades exigidas pelas ordens em rigor. cia de Sergipe o Sr. alteres do 2o balalho de in-
Dilo ao delegado de Ouricury. Nao tendo fantaria Francisco Resende Pereira, e em data
Vmc. declarado era seu officio de 14 do corrente i de hoje os Srs. capito do 2o da mesma arma Joo
quem perteoce a casa alugada para quartel do j Theodoro Pereira de Mello e alferes Julio Au-
corpo de guarni desla prorincia, nem o preco gusto Cesare Silra, e do corpo de guarnico des-
do aluguel. cumpre que o faga com breridade aflm ta prorincia o Sr. alferes Jos Francisco Alves
de providenciar-se acerca do respectivo paga-
mento.
Dito ao juiz de paz mais volado do Io districto
da ftcguezia de Santos Cosme e Daraioo.N5o se
harendo inslallado no dia designado por lei a jun-
ta qualiflcaddra dessa freguezia pela causa decla-
rada em seu officio do 15 do corrente, cumpre que
Vmc, fazendo a conrocago de que trata o arl.
4 da lei de 19 de agosto de 1816, rena a respec-
tiva junta no dia 7 de abril prximo riodouro que
para isso designo, e, installada ella, prosiga nos
demais termos do processo de qualificaco, ludo
de conformidade com a logislaco em vigor.Re-
metteu-se copia desle cmara municipal de
lguarass Officiou-se no mesmo sentido ao juiz
de paz mais votado da Villa Bella, desgnando-se
o dia 28 de abril vindouro para a insiallago da
junta de qualificaco, que deixra de reunir no
dia marcado por lei.
Dito cmara de Nazareth. Attendendo'ao
que me requereu o Dr. Joo Alfredo Correa de
Olireira Audrade, declaro cmara municipal de
Nazareth para sua scieocia e direccao : Io que
competiodo-lhe defeiir juramento aos rereadores
jeitos que por impedimento o nao prestaram no
dia 7 de Janeiro, sem que para isto haja prazo fi-
xado em lei, nao podo a mesma cmara recusar-
se receber o juramento do rereador bacharel
Jos Mara Moscoso da Veiga Pessoa, que por
doente deixou de empossar-se naquella poca,
lego que elle compareca em sesso, qualquer que
seja o Qm para que tenha ella sido convocis.
2o Que sendo inadmissirel o opposto rarias
decises do goveruo imperial o exercicio simul-
taneo dos cargos de juiz municipal e de rereador,
uo pode o rereador dessa cmara bacharel Joa-
quim Francisco de Mello Caralcanti deixar o
exercicio, em que actualmente se acha, de juiz
municipal desse termo para ir funecionar como
verbador, urna rea que o seu impedimento para
um dos cargos dere subsistir igualmente para o
-oulro.
Dito a mesma.Tendo em considerado a re-
presentado que me dirigiu o Dr. Joo. Alfredo
Correa de Olireira Andrade, recommendo cma-
ra municipal de Nazareth que na apuraco geral
que, em virlude do art. 3 do decreto n. 2,633
do i" de eterabro de 1860, tem de proceder da
volaco para deputados geraes dos collegios com-
jprehendidos na circumscrip^o do 3 districto
Proelamacao do principe de Ca-
rignan.
Italianos das provincias napolitanas : El-rei
conflou-me o governo desta parte do reino ita-
liano.
Aceito o grare mandato, impellido pelo amor
da patria, pela obediencia ao rei, o pela confian-
za que tenho na vossa leal cooperario.
Estas provincias separadas ha j muito lempo
do resto da Italia, manifestaram por um suffragio
unnime a Arme vontade de formar parte indivi-
dual da patria cominom sob o sceptro constitu-
cional da dyoastia da Saboya.
Ser da competencia do parlamento dar a ulti-
ma sancejio organisacao administrativa do rei-
no italiano ; roas eosquanto isso se nao realisa, o
nosso derer aplnar-lhe o caminho primeiro
que se rena, continuando e solicitando a appli-
cacjio a estas provincias das medidas legislativas
que nao podiam ser deferidas sem prejudicar a
unidade, e a assentua;o constitucional de toda a
monarenia.
A unificacao, tanto quanto pode ser immedia-
tamenle dpplicavel, ser pois o primeiro pensa-
m-nto que ha de dirigir os actos do governo.
Mas para que as novas disposiges possam crear
raizes, e para que o poro possa experimentar os
benficos effeitos de um rgimen lirre, a primei-
ra e necessaria condigo a conservarlo da or-
dem c a observancia das leis.
O paiz pode estar convencido de quo o gorerno
nao ha de transigir nunca com a desordena, o de
que qualquer lentalira de aguacho illegal ser
prompta e severamente reprimida. Onde nao rei-
na a seguranza e a ordem nao pode fundar-so a
liberdade. Para realisar esta parte principal do
meu mandato com o bom seoso de toda a popu-
lado, e especialmente com o patriotismo da grao-
de nacionalidade, que j tem prestado grandes
serricos ao paiz, e que desde principio mostra
urna disciplina e um espirito dignos de um poro
que tem a consciencia dos srus direitos o dos seus
deveres.
Para a estricta e universal execuQo das leis e
para a represso de qualquer infracto de que
nestas so prescrere, cont de uro modo particu-
lar com a cooperado enrgica e imparciat da ma-
gistratura, que em todo o paiz lirremente orde-
na lo deve ser fiel guarda da lei e a expresso da
mornlidade publica.
E' iotongo do govorno que a Igreja e os seus
ministros sejam respeilados e que so nao ponha
obstculo algum ao lirre exercicio do culto; mas
ao mesmo lempo espero do clero a obediencia ao
rei, ao estatuto e is leis.
O gorerno ha de dirigir toda a sua altengo pa-
ra a condi'jo econmica do paiz o para os meios
de a melhorar, para o deseurolvimento de quo
sao susceptiveis os grandes recursos da sus agri-
cultura, do seu commercio e da sua industria, e
para as obras de utilidade pblica, que sejam im-
mediatamente principiadas. O seu principal cui-
dado ser tambero favorecer o eosioo publico, e
sobretudo o ensino popular o technico. A ins-
trueco e o.trabalho sao as duas fontes da mora-
lidade e da riqneza, os dous los em que gyram
as sociedades* lirres e cirilisadas.
A fazenda desta parte do reiuo italiano, lasti-
mado pelas revolotees politices, e por exigencias
extraordinarias, carece de urna prnmpla organi-
sacao. Emquanto se preparam os elementos de
um balance regular que se aprsenla ao parla-
mento, farei introduzr oeste servico a economa
e a pu6licidade. Ser um nobre derer da im-
prensa indicar ao gorerno com tranquillidade e
sinceridade os abusos que ha a destruir, as refor-
mas que ha a oporar neste ramo, assim como om
qualquer outro da administrado.
A Italia rai-se formando, mas ainda nao est
formada. Para o completo tfrmo desla empreza
sublime, pelo qual suspiram de ha muito trinta
geracoes, sao oecessarios grandes sacrificios. Es-
loo certo de que acolhereis com prazer todas as
disposices que o gorerno central e o parlamen-
to julguem necessarias para augmentar, reunir e
disciplinar as forjas do trra e de mar da uaco.
Espero que o apoio de todos os homeos honra-
do?, o respeito universal das leis. a concordia dos
nimos, bao do corresponder confiacca que o
rei e a na;o depositara em ros.
Toda a Europa tem neste momento Oxos os
olhos nesta parlo da Italia, gloriosa por enligas
tradiges de ciriliaacjio o de sabedoria, o pela
grandeza das desgranas soffridas por um loque-
brantavel carinho liberdade. Podis, s com a
rossi conduela, prestar patria commum um
servico talrez maior do que todos os que Ihe teem
prostado as demais provincias com sacrificios de
gente e de dinheiro. Considerar-me-hei d itoso,
se, den obado em brere, como espero, o ultimo
baluarte do dominio bourbonico, poder dizer ao
rei e Italia : a Se necessitais das guarnirles e
dos exercitos das provincias napolitanas, cha-
mai-os a novas proras. Esta parte da Italia pode
taraoem, como qualquer outra, gorernar-se sem
soldados.
Eugenio de Saboya.
O presidente Mr. Buchansn dirigi, ao con-
gresso dos Estados-Uoidos, a segulnle mensa-
gem.
o imperio da consti-
pa, en nao tinha outra
de perceber os rendi-
sr a propriedade publi-
de Lima, os quaes Qcaram reunidos aos seus res-
pediros corpos, excepeo desto que flear ad-
dido ao 9 batalho da referida arma.
Igualmente publica o mesmo commandante das
armas, que por portara da presidencia de 10 do
corrente foi concedida ao Sr. capito Manoel Sa-
bino de Mello, a exonerarlo que pedio dos car-
gos de subdelegado de policia do Io districto da
freguezia de Flores e Io supplenle do delegado do
termo do mesmo nome, como ludo Ihe fot com-
municado em officio da mesma presidencia de 11
tambem do corrente.
Finalmente o mesmo coronel commandante das
armas faz publico que hoje contratou, na fornra
da imperial proriso de 11 de Janeiro de 1853,
para servir por mais3annos, no 2 batalho de
infanlaria, na qualidade de msico, o paisano
Paulino Candido de S. Thiago, percebendo alm
dos rencimenlos que por lei Ihe competirem, o
premio de 150$, pagos no sentido do decreto e re-
gulamento do 1. de maio de 1858.
Assignado. Jos Antonio da Fonceea Galoo.
Conforme. Antonio Eneas Gustavo Galoo,
Alferes aju Jante de ordens interino do commando.
-20-
ORDEM DO DIA N. 77.
O coronel commandante das armas faz publico
para conhecimenlo da guarnico, que o Exm. Sr.
presidente em seu officio datado de 17 do corren-
te Ihe commuoicou, que por portarla da mesma
data, nomeou ao Sr. capito do 9o batalho de
infanlaria Firmino da Cunha Reg para o cargo e mihares de pobres, qoe's'tiharn
de subdelegado da freguezia da Boa-Vista desta
cidade, em substituido ao Sr. Joaquim de Gua-
rni Coelho, que desse cargo pedio demisaao.
Assignado.Jos Antonio da Fonseca Galvo.
Conforme. Antonio Eneas Guttavo Galvo,
Alferes ajudante de ordens interino do commando.
-23
ORDEM DO DIA N. 78.
O coronel commandante das armas faz publico
para conhecimenlo da guarnico o derido effeito,
que em data de 22 do corrente mez foi engajado
para aerrir por mais 6 annos, nos termos do re-
gulamento do l.s de maio de 1858, o cabo de es-
quadra da 8' companhia do 4* batalho de arti-
Ihara a p, Jos Luiz do Reg.
Assignado.Jote Antonio da Fonseca Galvo.
Conforme. Antonio Enea* Guttavo Galvo,
Alferes'sjudaate de ordena laUrino do commando.
Ao senado e a cantara dos repre-
sentantes,
Quandojomecou a sesso actual, chamei a
rossa atteni" para os porigos que amoacavam a
existencia nio, manifestei a minha opinio
a respailo ausas primitivas d'esses perigos,
e rocomr -,,.. s medidas que, no meu coacei-
to, deviam tranquilizar o paiz, e salva-lo do pe-
rigo em que, sem motiro, tinha infelizmente sido
[aneado.
Nao quero repetir hoje es3as opinides e recom-
menda;es. As minhasconricQes nao mudaran).
O facto de que urna grande calamidade amea;a-
ra a nago, era eulao j conhecido pot todos os
cidados intelligentes. De um canto ao outro do
paiz ludo era omprehendido. As consequencias
inevitaveis do alarme erara pois deplorareis. As
importacoes diminuiam de uta maneira at en-
to desconhecida, nao ae estando em tempo de
guerra. O thesouro permaneca sem os recursos
com que rasoarelmente tioha podido contar para
fazer face aos comproraissos pblicos. O com-
mercio estara paralysado, as manufacturas sus-
pendiam os seus trabalhos, o agio dos melhores
valores diminua, todos os beos se depreciaram,
o seu tra-
balho quotidiano para virerem, estaram sem en-
prego.
< Sioto profundamente nao ros poder dar so-
bre o Estado da Uoio ioformacoes mais satis-
factorias do que aquellas .que entio julguei de-
rer-ros communicar. Pelo contrario, os negocios
caminham hoje ainda poior. No momelo em
que o congresso se reonia, o espirito publico nu-
tri a rira esperanca de que os representantes do
Estado coocluiciam promptamente um accordo
amigare!, e de que se restabeleceria a paz entre
as seccoes hostis. do paiz. Cada hora de demora
enfraquecia essa esperanza, o a medida que de-
sapareca a ereotualidade de urna aolucio sem
effuso de sangue, augmeotava aoa desgrana pu-
blica. Como prora d'esta, basta dizer, quo a
emisso de bonds do thesouro, autorisada pelo
ciado e que oenhum offerecimento importante
se efrectuou inferior ao premio de 2 por ceoto.
c D'estes faotos resulta que para um gorerno
orgaoisado como o nosso, as lucas Intestinas, ou
mesmo fuico rtteio bem fundado de hostilida-
des cirgfejy TJftts destruidoras dos interesses
publicare" fUlfurisres do que a mais formidarel
guerra estrangeira.
c Na minha mensagem aonual manifestei eu a
conriego que ha muito tempo tioha adquirido, e
que novas reflexoes teem feito confirmar, de que
nenhum Estado tem direito, por um acto pessoal,
de se retirar da Unio ou de se subtrahir s suas
obriga^oes, a seu bel-prazer. Tambem declarei
que na minha opinio, quando mesmo esse direi-
to existase e fosse exercido por um Estado da
Conlederago, o departamento executivo do go-
verno nao tioha a menor autoridade para reco-
nhecer a ralidade de um similhante acto e a in-
dependencia de um similhante Estado. Orno
principal funecionario sol
tuico d .s Estados-Un
alternatira mais do que
mentos pblicos e prole
ca, tanto quanto as leis olpermiltiam.
Foi portanlo, em pre.4enca disto que ou me
propuz a obrar. As rainhas funecoes consisten)
era execular, e nao em facer as leis. ao con-
gresso exclusiva mente que pertence derogar, mo-
dificar ou ampliar a lei pata fazer face aos acon-
tecimentos que podem rertflcar-se. Eu nao te-
nho um poder d'csla nalureza. Era todo o caso,
nao tinha direito de fazer urna guerra aggressiva
a um Estado qualquer. Estou convencido que a
coostituigo recusou sabiamente esse direito ao
propro congresso. Mas sao evidentes, incontes-
tayeis, o direito e o derer de fazer uso das torgas
militares com um Qm deffcsvo, contra aquelles
que resistem aos fuocciooarios federaos no exer-
cicio das suas funedes legaes, e contra aquelles
que atacara a propriedade do gorerno. Alm
d'isso a attitue perigosa e hostil dos Estados,
uns para com os outros, j tem excedido muito,
e torna m-se inu leis os de veres executiros previs-
tos pela lei. Teem tomado proporces to assus-
tadoras, que o poder executiro nao senhor da
situaijo.
E' impossirel dissimular que nos acharaos a
bracos com urna grande revolugo. E' por isso
que en recommendo a queslo ao congresso, isto
e, ao nico tribuual que, segundo a Proridencia,
possue o poder de fazer face aos actuies aconto*
cimentos. S a elle pertence o direito de decla-
rar a guerra, ou aulorisar o om prego da forca
militar em todos os casos provistos pela consti-
tuirlo; s elle tem o poder de fazer dosappare-
cer todos os motivos de queixa que a guerra pode
produzir, o assegurar a paz e a unio no paiz
agitado. Sobre elle, e somente sobre elle pesa
toda a responsabilldade. A Uoio um deposito
sagrado que nos fui deixado por oossos pas re-
volucionarios pelos seus descendentes, e nenhum
outro poro recebeu nunca to rica heranca. Tor-
nou -nos prospero na paze victoriosos na guerra.
A baodeira nacional flucta gloriosamente em
todos os mares, e sombra das suas cores o ci-
dado americano tem eucontrado respeito e pro-
teccao em lodosos paizes alumiados pelo sol.
puramente material, houre porrentura em oe-
nhuma poca da historia, urna confederaco uni-
da por mais ntimos lagos de interesse mutuo ?
Cada urna das partes tem necessidade do todo, e
o lodo carece de cada urna das partes para a sua
prosperidade e para a seguranca domestica. A
liberdade do commercio prov s necessidades
de urna porco por meio dos productos da outra,
e espalha por toda a parte a riqueza.
Os estados plantadores e os estados agrco-
las carecem de estados commercianles e mar-
timos para mandar os seus producios aos merca-
dos naciooaes e estrangeiros, a para assegurar
pelo poder naval, a seguranza dos seus productos
contra os ataques hostis.
Se a Unio chegar a perecer por meio da agi-
tarlo actual, temos j tido um gosto antecipado
dos soffrimeotos uoiversses q.uo produziria a sua
destruirlo. Esta calamidade seria cruelmente
sentida em lodos os pontos da Unio, e seria pelo
menos to grande nos estados do sul como nos
do norte.
O que aggrararia o mal, e o que nos collo-
caria em urna posigo desfarorarel aos olhos do
mundo e da prosperidade, estou firmemente
convencido, que o movimento de separagio re-
pousa principalmente em urna falsa apreciacAo
da parte do sul quanto aos sentiraentos da raaio-
ria em muitos estados do norte. Respooda-se
esta queslo oasassemblas polticas por meio do
escrutinio, e o proprio poro reparar prompta-
mente a injustiga feita no sul. Mas, em nome
do co, soja esta experiencia feita antes de nos
enrolrermos em um conflicto armado, sobre a
simples presumpgo de que nao existe outra al-
ternatira. O tempo um grande poder coaser-
rador.
Suspendamos no momento critico, e offere-
gamos ao poro, tanto no norte como no sul, a
occasio de refleclir. Praza aos cos que a Ca-
rolina do Sul tenha estado conrencida desta rer-
dade antes de obrar com precipilago 1 Appello
pois para a rossa intervengo ao poro desle paiz
para que haja de declarar, com o poder de que
dispe, que a Unio dere sor e ser mantid
pelos meios constilucionaos. Recommendo-ros
seriamente que ros appliqueis descobrir como
islo se pode fazer plausirelmente. Nao agora
o momento dos paliativos; necessaria urna ac-
go prompta. Qualquer demora da parle do con-
gresso na recommeudago de urna proposta pra-
tica de conciliago pode reduzir-nos a urna ex-
tremldade de quo nos ser impossirel retro-
ceder.
Dere existir um campo commum, em que a
conciliago e a harmona encontrem um lugar.
Encontrara de certo a approrago universal, urna
proposta para transigir, em que se conceda ao
norte um exame exclusivo sobro os territorios
alm de um certo limite ; e protegendo as insti-
tuicoes meridionaes cima dessa lioha.
Em si mesmo pode ella deixar deser com-
pletamente satisfactoria ; mas quando se trata
d urna alternatira entre as concessoes rasoareis
de urna e outra parte e a deslruigo da unio
injuriar o patriotismo do congresso accredilar
que os seus membros podero hesitar por um
instante. Neste momento ameaga-noso perigo.
Em muilos estados, que ainda nao eslo separa-
dos, os fortes, os depsitos, e os arsenaes dos
Estados-Unidos, teem sido approhentdos. E' mui-
to importante a modida, a mais seria que se tem
lomado desde o comego destas desordens. Os
edificios que perlencem ao estado permanecem
ha muito tempo sem guaanigo, e sem tropas,
porque ninguem duridara que nao estiressem
sufflcientementeprotogidos pela baodeira do paiz
em todos os Estados da Unio.
c Alm disso, o nosso pequlno exercito ora
apeuas sufficieute para guardar as nossas fron-
leiras longinquas cootra as excurses dos odios.
A apprehenso desses edificios foi um oto de
aggresso e nao de resistencia ; nao houre ten-
tativa de coereisu para ohrigar um Estado a con-
tinuar a fazer parle da Unio.
Ao cabo dessa iofelizes desordens, resolve-
ri quo oenhum dos meus actos augmentara a
agilago em poolo algum do paii. So o cooflito
poltico tiroc do terminar por moto da guerra ci-
roinhas opinioes nao teem variado, e relo que a
jusliga e a poltica nos obrigam tambem a pro-
curar urna solucao pacifica das quesloes debati-
das entre o,norte e o sul. Nesta conriccao, te-
nho-me abstido de mandar reforcos ao msjor
Anderson que commaoda o forte de Charleston,
nao querendo, a menos que nao haja necessida-
de absoluta, mostrar ameagar aquella cidade de
urna acgo militar, e dar esta maneira urna pro-
vocarlo, ou pelo menos um pretexto para um
levaotaraentona Carolina do Sul.
A partida desses reforgos nao pareca ne-
cessaria. Cavalheiros distinctos da Carolina do
Sul me asseguram que se nao projectava ne-
nhum alfaque contra o major Anderson, mas
que ao contrario as autoridades do Estado de-
sejaram tanto como eu erilar as fataes conse-
quencias de um conflicto militar. Julgo derer
submeller ao rosso exame, para vossa informa-
gao, a copia de urna communicaco, datada de
26 de dezembro, que me foi dirigida pelo re-
vejen lo Barnwell, J. Adams, eJ. L. Orr.com-
missarios da Carolina do Sul, como os documen-
tos que a acompanhara, e a copia da minha res-
posta com a datado 31 de dezembro. Para ex-
plicar a evacuaco pelo major Anderson do forte
Moultrie e a sua c
conveniente dizer q
aos comrcissarios d
ment da guerra recebeu urna caria daquefle ra- a ereotualidade
pletamente em estado de com suas proprias Tor-
gas, manter a ordem na Syria. Mas em Paria
nao se prestou ouridos a essas representarles, a
de S. Petersburgo se dirigiu urna nota mui enr-
gica Porta requerendo que a mesma se decta-
rasse de^ accordo coaa a prolongago di oceupa-
cao da Syria, e que insistase somente em quo
tosse inteiramente execulada a convengo de
agosto do anno passado o que as outras poten-
cias tambem fornecessem os seus contingentes
para o corpo d'occopago. Somente a Inglaterra
se empenha, com todas as forgas, pelo abandono
da oceupago, e durante algum tempo parecen
que a Prussia e a Austria erara do parecer anglo-
lurco ; mas nos ltimos dias parece que tanto em
Berln, como em Vienoa houre mudangade opi-
ntOes, e esses dous gebioetes hoje sao, de acor-
do na proioogago da oicupago, ralo serem as
circunstancias ns Syria de natureza que, n'outro-
caso se devena receiar peior para os chiistos.
A prolongago da oceupago deve. pois, ser con-
siderada como segura ; e quem sabe se mais cedo-
ou mais tarde nao teremos eguilmeole urna oc-
eupago na Turqua Europea ? Ao menos ur>
se deve deixar de notar que a Russia eotrcgou &
Porta, juntamente com a referida nota, um me-
lTf? i t0ttt Sunler\ oraodum no qual repela as mais viras quei-
r.te, i6 2"lhaES? I "a cerca da 80rle dos christos na Bosnia, a
da Carolina do Sul, o deporta- que a Russia sob pretexto deestar preparada para
ev
preparada para
mmedialo ao movimento. e da qual eis o ex- posigao to adequada para entrar na Turqua co-
. -. mo para uma iotorvengo na Hifneria.
Accrescentare que muitos factos me teem
afeito convencer de que as autoridades do Es-
lado projectaram um acto hostil (alluso eri-
dente s ordens da 11 de dezembro do secre-
tario da guerra.) Neste pensamento, nao poda
eu hesitar em deixar um forte, que nao teria-
mos prorarelmente podido defender por mais
de quarenta e oito ou de sesseuta e oilo horas,
para oceupar aquello em que estou, o onde o
meu poder de resistencia muito mais eonsi-
< deravel.
Deve notar-se que a ordem dada ao major,
terminara desta maneira :
A iraqueza das rossas tropas nao ros permit-
tir tilvez oceupar mais de um nico desses tres
fortes ; um ataque cootra um s del les ou uma
tentativa para tomar posso ser considerada como
um acto de hostilidade, e vos podereis enlo oc-
eupar aquella que julgardes mais proprio para a
resistencia. Ficaes assim autorisado a tomar estas
medidas defensivas se tiverdes qualquer prora
plausirel de designios hostis contra ros .
Diz-se que ha seria apprehenso, em que eu
nao tomo parte, de que a paz deste districto po-
der ser alterada antes de 4 de margo. Em todo
o caso, e do meu derer rigiar, e esse derer eu o
curaprirei.
Concluindo, seja-me permtldo fazer notar
que eu por mullas rezes tenho adrerlido os meus
compatriotas dos perigos que actualmente nos
cercara. E' talrez a ultima vez que terei occa-
sio de rae dirigir a vos officialmente. Sioto
que o meu derer tem sidofiel.aiodaqueimperfei-
laraenta cumprido, e quaesquer que sejam os
acontecimentos, eu lerarei para o tmulo o tes-
lemunhoda minha consciencia,de que pelo menos
tenho tido a iotengo de fazer a fe.icidade do
meu paiz.
c Washington, 8 de Janeiro de 1861.
a Assignado James Buchanan .
( Jornal do Commercio. do Lisboa )
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE PERNAM-
BUCO.
Hainburgro S de fevereiro de 1861.
Quando Ibe escrerl minha ultima predomina-
vara as aprehenses de guerra, hoje porm p-
de-se assegurar que o contrario opinio geral.
Nao so receia mais a guerra promettida para
margo por causa da posseda Venecia, e por isso
espera-se a conserrago da paz da Europa. Essa
mudanga attrbuida s eleiges para o parla-
mento Italiano, cujo resultado agora conheci-
do. O conde de C*rnur ganhou rictoria com-
pleta. Ao menos qualro quintos de todas as elei-
ges cahiram em seus alliados, e quasi seis sti-
mos sobre homens, que se nao confiam na pes-
soa do conde Piemonlez, approram com ludo a
sua poltica moderada, adiando a guerra, contra
o radicalismo que est insistlodo n'uma guerra
instantnea. Essa rictoria do partido moderado
tanto mais brilhante, quanto todas as princi-
paes cidades dos paizes anaexaJos assentiram, e
quanto 03 chefes do partido radical soffreram
uma completa derrota. Em resultado de 420 es-
colhidos apenas uns 60 foram Garibaldioos ou
Mazzioistas. Nos crculos, em que at agora se
tioha sustentado a esperauga d'uma prompta res-
taurago da Italia, esse resultado das eleiges
causou uma impresso bastantemente *tristo ;
contaram, como certa a rictoria do radicalismo
e em consequencia del la na mudanga das cousas :
mas essas esperaogas desraneceramse.pois que a
rictoria brilhante do partido moderado da ora
forca poltica de Carour, e necessariamente, as
circumslanciss na pennsula apen-iina, se couso-
lidaro. J se comega i sentir a influencia desse
resultado das eleiges : sobretudo na Iogiatarre e
na Prussia, a onde roma graude satisfago, por
causa das garantas que as mesmas eleiges of-
ferecem sustenUco di paz no futuro. O con-
de de Cavour est firmemente decidido nao
altacar por ora a Austria, o como esta por sua
vez nao pode pensar em altacar s llalla, desap-
pareceram por agora os receios d'um noro peri-
go de guerra na Italia.
Neslas circumstanciaj, a questo acerca de
Gaela de importancia secundaria.
Harendo Dudado o lempo do armisticio em 19
de Janeiro, a esquadra franceza com effeito aban-
donou a sua posigo em frente de Gaeta, toman-
do ali posigo em seu lugar a esquadra piemon-
teza. A' 22 a fortaleza comegou de noro o fogo,
e desde ento para c o bombardeameoto tem
continuado com mais ou menos forgs, tanto pelo
lado do mar como pelo lado de Ierra. No dia
16 isto anda durante o armislicio, festejou-se
na fortaleza o annirersario natalicio d'el rei Fran-
cisco II, e para esse fira foram de Roma para
Gaela os enriados da Russia, Franga, Austria,
Prussia, Hespanha e Bariera. Os representantes
do Russia, Prussia, e Franga rollaran) para Roma
no mesmo dia, mas os da Austria, Hespaoha e
Baviera se acham ainda hoje junto el rei
E' difficil dizer quanto tempo se poderi aioda
sustentar a fortaleza de Gaela. Segundo noticias
diplomticas quo o gabinete de Berln o'ali rece-
beu a resistencia nao podar durar por muito
lempo, visto uma grande parlo da guaroigao se
achar desanimada. Tambem nos Abruzaos a re-
sistencia est acabando. E' rerdade que a in-
surreigo ali nao se acha ainda completamente
supprimida, mas os corpos priucipaes teem sido
derrotados pelos Piemonlezes.
Se a Italia, porm presentemente preoecupa
menos a diplomacia Europea,- a qaestao Oriental
passou de noro primeiro lugar. Gomo se sabe
finda-se este mez o prazo de seis meses, fizado
para a oceupago famosa na Syria por ama con-
ferencia Europea. Mas, como se deria prever
desde o principio, qaem Dio tem rontade de re-
tirar as suaa tropas, o imperador Napoleo.
A Porta Ottomana fez as maisriras represen-
. tagoes em P*ris para obter a retirada da tropa,
"- ril, eslou esoirido a nao a comeen, e a nio dar e dirigi egualaeote as suaa reclamacoea aou-
acta de 17 de dezembro, foi debidamente annun-1 preleii.* no* oenhum acto 4o meu go?Mao, A I tras grandes patencias, fecUrejido utat-40 com-
T ^eana essas duDias cooceiitraces de tro-
pas da Russia causaram alguma inquietacao.
Tambem em minha ultima iratei do reappare-
cimeoto da questo allema-dioamarqueza. No
da 7 do crreme a dieta allema sem durida.
aprorar a proposta da respectiva commisso, do
proceder-se executivamente no Holslein e Lau-
emburgo.
Primeiramente se marcar Dinamarca um
praso de seis semanas, dentro do qual ella ter
de declarar se se quer sujeilar ou nao s discus-
soes da dieta, e por maior que seja a ostentara
que se esl fazendo em Copeohague com arma-
mentos para a guerra, provarelque a Dinamar-
ca nao deixar de correr o dilo termo sem fazer
concessoes confederago. Dessa forma a ques-
lo passaria simples negociago.
A Inglaterra, a Franga e a Russia desejam Isso.
decididamente, e fizeram mui vivas representa-
res em Copenhague, no sentido de que nao se
deria aguardara execugo, mas que se se a pro-
vocasse, a Dinamarca nao dereria de modo al-
gum contar com o apoio das potencias estran-
geiras, e que as mesmas em nenhum caso reco-
oliecenam Dinamarca o direito de responder
execugo federal, 110 caso dola ler lugar, porum,
bloqueio dos portos allemes, e que a Inglaterra.
Franga e Russia nunca reconheceriam esse blo-
queio.
Nao de esperar que a Dinamarca uo preste
ouridos es-as representages, e mesmo no caso
em que fosse effecluada a execugo federal, nao
harer guerra por ora.
A questo do Schleswig, rerdade que nao
poder ser ser resolrida pela execugo federal,
ques admissirel dentro dos limites do territo-
rio da confederaco; porm essa questo nao ss
acha por ora na ordem do dia da Allemaoha, a
tambem nao apparecer to cedo, porque risla
da presente posigo das cousas, a Dinamarca nes-
sa questo poderia contar com o apoio da Rus-
sia, Inglaterra e Franga, emquanlo que na queslo
do Holslein e do Lauemburgo nao pode esperar
esse apoio. A questo do Schleswig fica, pois.
adiada para mais tarde ; entretanto cr-se geral-
mente que seja sli sustentado o siafuourf.
A situaco da Austria sempre a mesma. As
tenlatiras feitas para operar cootra o movimento
na Huogria e contra a recusa de pagamento de
impostos que ali se estendeu por todo paiz,
nao produziram resultado algum at agora. Es-
pera seque o gorerno em pregar as medidas
violentas com que ameacou. Mas se tudo nao
engaa, ha grande receio em Vieons, de lerar os
negocios at o poni extremo, tanto mais qu
para sahir dos presentes embaragos fioanceiros, o
gorerno dere cuidar sobretudo na confianga pu-
blica, e um procedimenlo riolento contra a Hun-
gra dlfficilmente seria o meio proprio para essa
lim.
Se a confianga publica se acha ou nao abalada
na Austria, o gorerno acaba de fazer uma trisla
experiencia. Porgado pelos inrencireis embara-
gos, tioha-se rislo obrigado proceder um no-
ro emprestimo no paiz, do ralor de 30 milhes
de florins, e offerecia as mais brilhantes ranla-
gens. Nao somente haria de ser emiitido ao
cambi de 88 era lugar de 100 com juros de 5
por ceoto, mas tambem se garanta a sua com-
pleta amortisago dentro de cinco annos, ao par,
de modo que nos cinco annos segnintes as caixas
do thesouro deriam receber cada rez um quin-
to das apolices do emprestimo como pagamento
de impostos.
Apezar de to brilhante ofierecimentos, o pu-
blico mostrou-se reservado, e especialmente a
clase mJia, para a qual o emprestimo linha
sido principalmente calculado, so abalere da
qualquer partecipagao.
Fazem qainze diasque o emprestimo foi apre-
sentado ao publico, e quando muito s 10 dos 30)
milhes se acham tomados. Essa circumstancia
e a exigencia da cmara do commercio, como
primeira condigo paraaa clerago da posigo fi-
nanceira, que se encamiohasse uma poltica de-
cididamente liberal, fizeram ltimamente corree
um boato de uma retirada do conde de Rechberg.
Com effeito o thelegrapho nos trouxe esta*ma-
nha a noticia de haver o conde de Rechberg, i
seu pedido, recebido domisso do cargo de pre-
sidente do conselho de ministros, ficando comtu-
donoseu lugar de ministro da casa imperial a
dos negocios estrangeiros.
O archiduque Rainer Qcou eocarregado da pre-
sidencia do conselho de miostros. O conde da
Nadasdy recebeu a presidencia do conselho da
estado; o Sr. de Pralobevera foi nomeado mi-
osiro da jusliga; o conde de Wickeburg minis-
tro do commercio; eo Sr. de Schmerltng, mi-
nistro do culto divino.
Por ora pouco tenho dizer i respeito das dis-
cusses as cmaras prussianss. Apenas comegou
hontem a discusso da resposia i falla do throno
na cmara dos deputados. O projecto de resposia.
apresentado pela commisso, escripto em ter-
mos moderados, sem occultar a disposicao dos
espiritos do paiz. Deelarou confianga nos esfor-
gos d'el rei e do seu ministerio, designado clara-
mente os pontos principaes nos quaes o paiz de-
seja ver desenvolvida maior energa o um mais
viro progresso da parte do gorerno. A discus-
so promette rir a ser muito ioteressante.
Na cmara dos senhores a discusso da res-
posta passou com grande rapidez ; mas esse nao
trata da posigo poltica do paiz. ecootenia-se em
exprimir os seus psames por causa Ida morta
d'el rei Frederico Guilherroe II. e a sua adheso
d'el re Guilherme I. A redaogo dessi felicita-
gao mostra em alto grao um espirito de tenden-
cia para unio. mas os esforgos da opposigo li-
beral na cmara dos senhores para moderar esaa
espirito falharam por causa da preponderan-
te maioria do partido feudal.
Em lodo o caso a discusso nessa casa prorou-
que a nomeaco de 24 ooros membros miniale-
riaes, a que se prooedeu do 0-ddo passado, ni



(*)

I w
ti
-
UMO DI f EMAMNGO. SEXTA fEIlA 1 DE MAR0 DB 181.
* i.
loi de nenhum modo suflicieote para extinguir o
poder do partido feudal na mema camar;
Lisboa 13 de revereire le 1861
A' semana passada annunciava-se una frite
ministerial a proposito de ae discutir en conse-
Iho de ministros a couamencia de nosaeagao de
uovoe pare* 4* reino. 4 opposicao, come todas
as opposicoes, tirou partido deste dissiieneta
deado ampias proporgoes ao boato. Oiegaram
algn chefes daquelte gruppo a contar lio certa
a queda da gabinete, quo. aguado se diz, ja nio
dafaoa ui* o para (ora do casa sata avisarem
os aeue L tares du lugar para onda iam, ludo
pira que o'correio do passo os ncenlrasse quan-
to os fuase chamar para fazerem parte da nova
adrainistragao. Poi urna tempestado n'om copo
Pagua, a anda desta vez a siluaco nao baqueta,
apezar dos bons desejos dos seus adversarios.
Um arligu publicado au jornal ecclettcu, a Poli-
tica Liberal, sobremodo desfavoravel a cmara
dos pares, que accusava de fantica e reaccin i-
ria, produzo cerlo alarma naqaella casa do par-
lamento, e o governo oi iucrepado com azedumo
ror nao refrear a iraprensa. Se o ficesse nao
no fallaram accusages de retrogrado, oppres-
sor ele etc.
Passa entretanto por certo que alguns caval-
lairus rao entrar na cmara aristocrtica, nao se
aabendo porera quando el-rei Cira estes despa-
chos. A cmara hereditaria, ao que parece,
prometle ser dcil ao ministerio, com tanto que
vi com essa tctica evitando a frnada ; a c-
mara dos deputados, receiando a dissoluco,
apreseuta-se moderada e vai volando as medidas
propostas pelo gabinete. Como este poni obter
do poder moderador a concesso desta dupla la-
cuidado, natural que prolongue a sua existencia
poltica.
N'uma reuoio que ha poucos das leve lugar
na secretaria lo reino do governo e merabros da
cmara alta, expozeram os ministros, que insta-
dos polos seus amigos, eram obngidus a promo-
ver naquella cmara o andamento do projeclo
sobre os vinhos do Douro, o do crdito predial,
e o da desamorlisagio dos bens dos conventos
das freirs. A maioria nao oppoz resistencia
Nessa rouuio Iratou-se dos d escora raed i me utos
de alguna papis pblicos para com as pessoas
da la t 11 i a real. Re feria m -se particularmente
urna caricatura quo appareccra ha punco uu t'a-
brion representando duas caroxas, cujas cabt-cas
liguravam com uotavel semelhanca a a'el-rei D.
Pedro V e de seu augusto pai:
O fundamento desle desenlio, du-se que ora
lar o baro de Gaslello do Pava,alias endito o itu-
ralisla, publicado urna memoria etn que descrevia
dous colepteros deC'mboja, o que adornare
com os nomes deRegia Kerdinandis,eRe-
gis Pelri,para o que soilicitra e oblivera per-
misso daqu>-iles benvolos personagens. A tal
tulla burlesca suspeudeu a sua pubticacao. Pou-
co antes um outro semanario de caricaturas, o
Asmndeu, editara um desenlio em quo o joven
re de Portugal ligurava em trajos de lazzarisla,
acavallo u'uma loriga espada e dir'gindo-se pa-
ra a baslica de S: Pedro era liona. Esta censu-
ra muito mais grave porque iujuslissimn. En-
tretanto, como sabe, e succede em toda a parle,
ninguem approva os escndalos mas todos que-
rem lomar delles conheemetito. O numero do
1'orual vendeu-se profusamente, e o autor daquel-
e disparale fez segunda e creio que mais abun-
dante edgao.
O ministro da jostra asscntou no parlamento
um projeclo de le sobre reforma do sysleraa pe-
nitenciario. A proposta est muito bem elabo-
rada, e concedendo-lhe as cmaras, como de
esperar, a verba animal que pede para a eons-
truccao de prises adequidas ao syslema alvilra-
do, reremos dentro em pouco desapparecer den-
tre nos urna das miserias que mais enrgica-
mente depon contra o no-so adiamntenlo.
O Sr. Avila, ministro da fazenda e dos negocios
eslrangeiros, apresentou s corles o relalorio
desta ultima rep.irtic.ao, que se nao fazia desde
1855* h' um ptimo Iraballio retrospectivo, em
que se podem avaliar as relacoes externas deste
paiz. Suiu Ihe extractar o que diz respeilo s
outras naces com as quaes Portugal lem lido
desde entilo negociacoes iplomatic. s mais ou
menos ujpoilanls, farei por corapendiar-lhe, o
mais concisamente que poder, o que se diz na-
quelle docurnento em relago ao Brasil.
No capitulo Tratados e convengesvem
frente a convenci entre Portugal e o Brasil pa-
ra a repressao e punico do crirue de falsilicago
de -pueda, concluida assignada em Lisbua a 12
de Janeiro de 1855, que fui no mesrao auno ra-
tificada, sendo por notas reversaes explicado o
erdadeiro sentido de art. 2. Como sabido,
eslipulou-se nesla convencao que todo aquello
que commetlor em territorio portuguez algum
crime de falsiicagao de moeda melallica, ou pa-
pel com curso legal no Brasil, ser punido se-
gundo as regras e com as penas estabelecidas no
cdigo penal portuguez. E reciprocamente que
todo aquello que no territorio do Brasil cotnrael-
ter a respeitu da moeda que tenha curso legal
era Portugal, ou de ttulos ao portador autonsa-
dos por le portugueza, algum daquelles omos,
ser punido segundo as regras, e com as penas
que as lea do imperio do Brasil estabelecem pa-
ra a punico desses crimos, commettidos a res-
peilo da moeda que tenha curso legal no Brasil
c dos ttulos autorisados por le brasileira.
Mencionando o nosso ministro em seu referido
relalorio, que o governo portuguez tem manti-
do com inietra lealdade as eslipulages desta
convencao, e introJuzido na legtslaco do reino
as reformas indicadas pela experiencia como ne-
cessarias para lomar effectiva a repressao dos cri-
mes d'aquella especie, assevera que podemos af-
oula mente dizer que em nenhum paiz as leis pe-
naos sao tao severas na repressao destes crirnes
Como em Portugal. Reerindo-se ao relalorio
apresentado a assembla legislativa era 1860 pe-
lo ministro dos negocios estraugeiros do Brasil,
concine que nao pode terminar este assumpto
aem juntar um leslemunho de profundo senli-
meuto pela maueira porque o comporlamento do
governo portuguez fui avallado em 1858 pelo mi-
nistro dos negocios eslrangoiros desse imperio
em seu relalorio assembla legislativa.
EncoDtrara-se nesse documento, diz o Sr.
Avila, expressoes que fazem acreditar que o go-
verno portuguez nao prestava o concurso leal que
delle se devia esperar para a repressao do cri-
me de falsiicagao de moeda, continuando a im-
punidnde que tanto tem alli (Em Portugal) ac-
rogoado os que com tanto escndalo se dio
essa immoral industria.
Esta aecusago, prosngue o ministro portu-
guez, cabalmente refutada pMos fados que dei-
xo relatados. Observarei, porem, anda que, se
os papis de crdito do Brasil fossem fabricados
em Portugal na escala espantosa em que se as-
sevora naquelle relalorio e u'outros documentos,
hivia nesse imperio quera encommendava os
mesmos papis, e os punhi em circulaco : era
justo, pois, que o governo imperial, antes de nos
f izer tao severa aecusagao, coraccasse por de-
monstrar a efcacia das medidas quo adoptou pa-
ra a repressao daquelle crime. Ora aestalislica
dos processos pelo crime de moeda falsa julg*-
ds em todo o imperio do Brasil do decenio de
1819 a 1858, nao demonstra essa efilcacia. Fo-
rarn s quarenta e otlo os processos julgados por
a juell.j crime nesses dez annos em lodo o im-
perio, o que d menos de cinco por auno, e mui-
to menos de um por provincia. Ou nao ha pois
essa sorama espantosa de papel falso em cireul-
ao. ou os motivo que eiplieam a falla de re-
pressao desse crime no Brasil, eram tambero ap-
pltcaveisao uosso paiz.
No capituloreclamar-oes, oceupa-se entre os
outros assumptos o supracitado relalorio das que
Uverara lugar entre Portugal e o Brasil sobre o
transporte de tropas e despezas feiUs com as
mesmas tropas, que est pendente, e varias ou-
tras reclamacoes sobre o apresamento de diver-
sos navios pelos cruzadores porluguezes na cos-
ta de frica.
Pouco iriteresse offerecem nesla quinzona os
negocios de admioistrscao interna que se tem de-
bat lo na imprensa ou ua tribuna Oeste paiz, per
isso vou por hoje concluir.
O mo lempo vollou oestes das de carnaval, e
Lisboa eslevo de urna semsaboria asstrstadora.
Os typhos grassam anda em Ceimbra, e teem
eitj miis algumas victimas entre os estudanles
da Uuiversida le. De novidde liltersrias, poe-
co ha que meocionar-lho, a uo ser o importan-
te livro do Sr. Valdez-Seia aonos da vkH de
um ta>anie na frica occidental,reeeai-publioa-
do em Londres.
Esquecia-me diier-lhe qne o governo, obre
urna inlerpellac-ao que Ihe oi feti na cmara
lectiva, declarou que Portugal manlioba a sna
HESPA^IHV.
Llslhea, Bale Cevereiro de 1861.
No congreaao b-espaohol, discule-se o projeclo
do loi de desamoriisac-ao dos bens do clero com
applica;io a nanitas necessidades do servicio p-
b+rro, entre entras a construego de dez fragatas
~ hlice, o-fomento da agricultura, a reparacao
depois de expr os projectos de quo.-ae diz pene- Hoje ji neto qoe comecam a limpa-lo, contra
n cctiume de indUtorenca que a isle se ligava.
Todava, anda de observar que alguns
irado o gabinete das Tulhcrias respailo do
nesso paiz, projectos e*n que nao eremos, e quo
dos
Pele ministerio do (omento foi aoprovada e
emissae de quartro muos de peana representa-
dos esa Sonds, feila pelo banco hespaahol da Ila-
vana para fazer frente i crise fioanceira que po-
desee sobrevir por motivo dos acoolecimeuioa dos
Estados-Unid oa.
O governo appresentar s cortes nos ltimos
das do mez de marjo os ornamentos para 1812, e
quo portanlo podero ser debalidos em diacussao
pausada e cooscienciosa.
Constava que eslava quasi concluido um trata-
do entre a Hespauha c aBaviora para a ettraaic-
(o dos criminosos.
Na sesso do congresso do Io do crvente apre-
sentou o Sr. Figueirjla urna exposigo dingida s
cortes por ura consideravel numero de cidados
requerendo a suppress&o dos passaportes O pre-
sidente do conselho, duque de Tetuan assegurou
que o governo tratara deste assumpto.
Est resolvida a formacao de um acampamento
militar de manabras nao raui dislaule de Madrid ;
mas que nao ser tao breve como alguns iudi-
cam ; e que s lera lugar no tempu mais proprio,
i primavera.
.Na s essa o do senado de 22 de Janeiro houve
tres importantes votares.
Tendo concluido o longo debate sobre o pro-
jeclo do lei relativo aos accessos militares, foi ap-
prova lo por 82 votos, contra 26.
O adiamento da subvencao s emprezas doca-
minho de ferro foi approvado sem discusso por
88 votos, contra 'J. -
O projeclo de lei para o adiamento da pralic
do syslema raetrico-deciraal al o t de Janeiro
de 18/0 tambera fot apsjrovado sem debate por 82-1
votos, contra 7.
As sesses parlamentares veram em geral so-
bre assuiuplis de interesse puramente interno,
sera objeclo algum relativo poltica geral. No
congresso approvou-se por 96 votos contra 9 a
anlecip.'icao da subvenejo s emprezas de cara1.- |
nlio de ferro ; e por 85 contra 9 votos o crdito de i
16 milhes de reales concedidos ao governo para [
indemnisar os damnos causados pelas innunda-
ces rcenles.
Publicou-se o decreto em virtude do qual tor-
na a encarregar se do ministerio dos negocios
eslrangeiros, o Sr. Caldern Collanles.j restebe-
lecido da sua inlerraidado ; licando por este fado
exouerado do expediente daquelle ministerio, o
duque de Tetuan, pre-ideale do conselho.
O presidente do conselho de ministros, duque
de Tetuan, general O'Dannell, achava-se enfer-
mo uodia 6 desle mez, de um dos ataques ner-
vosos biliosos, que por outras vezes o lem obri-
gado a Qcirde cama.
A Guzela de Madrid de 25 do mez de Janeiro,
auiiuncia olcialmeiite o estado nteressaute de
S. M. a rainha calholici entrando to quinto mez
de gravidez ; e por esta declaracao ordenou-se
que a corte se vestisse de gla por ires das con-
secutivos a contar do referido da 25.
Constava que o general, conde Slackelberg, ia
ser noineado ministro da Prussia cin Madrid ; foi
quem represeutou o autcrata em Turim at o
rompimento das relacoes diplomticas entre a
Prussia e Sudenha.
O principe das Asturias reslabeleciio em sua
saude, foi curapriraeulado com as formalidades
do esiyio no dia 23 de Janeiro, seu anoiversario
natalicio.
0 promotor fiscal a quera foi commeUidaj
competentemente processada i causa formada a
Nieto Ima/. por deliotode alieutado contra a vida
do presidente do conselho, general O'Doone"
alm disso seriara completamente irrealisaveis,
demonstra que era a alliaoca dos dous povos
peninsulares pode ser fecunda, nem verificar-so
como se tem querido intentar a da Italia, eque
nem a Earepa, mu espeatnunt* e lngUtar
ra, consentirla de modo algem em que o prego
do apoio de Franca idea i tu liana fosaa um ata-
que, anda mnimo, i iutegridade da pennsula,
oo compenaac&es territoriaes parecidas s que o
impeiio napolenico obteve nos Alpes.
Urna caria de Londres diz que carece de funda-
mento o tent de qne pretenda Cabrera submei-
ter-ae ao governo da rainha D. Isabel II. Este
caudilho earnsta, aj contrario apressou-ee ir
render homeoagem, recoohesendo-o re seu e
dos seus cantaradas ao fllho primognito de D.
Joao Ue Boufbon, o qual -tem agora 11 uno de
idade, e achi-se sob tutetla da esposa do duque
de Modena em Trohsdorf na Styria. Cabrera an-
da nao tinha recolhido d'esta excurso ao conti-
nente.
D. Joo, pela sua parte, clama queTiunca re-
conhecer como re seu lilho. Portaato se ha
pouco havia dous irmaos pretndanles, agora ve
a Hespauha dous principes igualmente prfugos
e banidos, pai e fllho disputarem a successao da
cora deste reino.
Alguns Hospanhoes dirigirara a seguinle expo-
sigo ao infante D. Joo de Bourbon, aclual re-
presentante do partido carlista:
Serennissimo Sr. principe I). Juao de Bourbon.
a Os abaixo assignados, residentes na penn-
sula de Hespanha, veem aos ps de vossa alteza
com a devija venerago e respeiio, expr o se-
guinte :
Que se as vclssitndes polticas podoram fa-
zer, com quo o vosso defunlo pai fosse expatra-
do, nao podera ajusliga o o bora senso fazer-vos
responsavos dos vossos antepassados.
O Sr. D. Fernando Vil, vosso to, nao deu me-
nos provas que vosso pai, de auheso pessoal pe-
los systemas polticos que acabaram para sera-
pro ; apezar disso circunstancias polticas collo-
carara sua filha D. Isabel na uecessiiade de
prestar'-se oceupar o throno de Hespanha, ob-
servando os principios liberaes que a uago prc-
claniou como rgimen de sua poderosa sobe-
rana.
Nos todos, como descendentes de povos que
professaram as mesmas crengas e doutriuas que
os vossos antepassados, venen lo lagrimas de
ddr 6 respeito sobre seus tmulos, juramos rom
independencia, por amor e recordaran, morrer
era defeza da patria e das ideas liberaes da nossa
poca.
Nao sabendo porque acensar os realistas de
D. Isabel de Bourbon, casada lambem com um
Bourbon, aecusam-vos por tardes o mesmo ap-
pellido I Insensata contradieco I Nao o vosso
appellido que vos escravtsa um syslema deter-
minado de ideas. Longe de parlilharmos dessa
prcoccupagu vulgar, julgaraos pelo contrario,
que esse o mais hrtlhante fioro da vossa glo-
ria. Sois o primeiro dos Bourbons, que sobre
pnjiodo-se com lieroiciJado aos erros e s tra-
diges de familia, reconhecestes sincera e espoo
tilicamente a soberana nacional como fonte de
lodo o poder, e base fundamental de todo o go-
verno.
Do intimo do corago vos felicitamos. V
que conheceis o carcter altivo e cavalheiresco
do povo hespanhol, comprehendsreis que era
nos iio cabe a adularan. Todos nos, signata-
rios desta felicitagao, nao vivemos do empregos,
nem de intrigas palacianas Tolos vivemos
indepeodentemonte do nosso Irabslho, do nosse
coramercio e da nossa industria. Todos somos
contribuirles, e a nica recompensa que espera-
mos do ys a liberdade e prosperidade da nos-
sa patria. Tenle-o bem presente, principe.
afim'de formular a aecusac, deVoUeu os'autos'.porque 8etal8u,u de9?es acontecimenios vos
,.h.. ii-----------.. *'-...,_ .. .' i trouxerera reger os doslinos
iuteira neulralidade na questao italiana, censer- VespotuUnoi, trats da uniio de Haspanha a Por
vando coa tudo o nosso"plenipotenciario em Ro-
ma, acreditado junto ao iufalfz re do aple?.
requerendo tao somente a reclus&o perpetua do
aecusado, ltenlo o seu estado de demencia.
Diz a Correoponencio de Hespanha de 30 de
Janeiro : quer hija quer nao haja guerra na Eu-
ropa, dizeinos do modo mais terminante que o
governo de S. M. nao pensa era suspender as
sesses das corles antes de chegar o termo da
preseot* legislatura.
O mesmo jornal, queixa-se, com razao, do mo-
do formal porque urna folha ingleza propala o ab-
surdo boato de Iratir-se de um enlace futuro en-
tre a tilha mais velha de S M. a rainha de Hes-
panha e o fllho segundo do ex-infante D. Joao do
Bourbon.
Cora referencia aos dados eslalisticos ltimos,
diz-se que resulta do recente reccnceamenlo mon-
tar a populacao de Hespanha a dezenove milhes
de habitantes.
Nao especificara-se neste algarismo compre-
hendda a populago das principaes possesses
ultramarinas, cora a de Cuba, a das Canarias, e
outras, onde haveria mais elementos para formar
urna estatislica.
Na Chronica de ambos mundos l-se o se-
guinle :
Temos em campanha um novo pretenden te
cora. Um fllho natural do conde Monleraolim
recorreu perante os carlistas residentes era Paris
com documentos eomprovaiivos de sua origem e
cartas do con le em que prometlia roai delle
pretendeule legilima-lo, assim que fosse re de
Hespanha.
O conhecido chefe carlista Borjts com outros
seus companheiros d'armas na ultima guerra ci-
vil, acha-se nos Abruzzos combaiondo (avor da
reaego napolitana.
Ci a Hespanha, que se aioda hoje existem car-
listas, devem ser mjs calholicos, porquo o ca-
tholicismo ensma a submlsso e obediencia s
autoridades constituidas, fidelidade inalieravel
aos juramentos prestados, e espirito de mansiuao
e concordia ; o mal polerao cumprir estas pres-
cripcoes da moral calholica, aquellcs que asso-
ciados, sob o governo legitimo de urna senhora
que por seu direilo reina, reconhecem outrem
como soberano o virem, por assim dzer, n'uma
robellio pastva. E-ti optnio tem dado lugar
varias polmicas.
O Contemporneo diz ter motivos para assegu-
rar que do dia 8 al o dia 10 chegaria Mrdrid o
Sr. Ros llosas ; o accrescenta, que a sua presen-
ga no congresso poder ser o signal de um rom-
pimento completo entre as fraeges da maioria
do congresso, j muito divididas.
Circulara em Madrid no dia 5 do corrente, que
no yespera fallecer a rainha mi, I). Mara
Chrislina. Mas a Correspondencia de Hespanha
expressamenle assegura que nao houve despacho
que aouunciasse este triste successo ; que S. M.
sofirera urna in-lisposicao de sale de que ia rae-
llior, e felizmente nao tinha indicios de aggra-
var-se.
A estada era Gaeta do nosso representante
(escreye a Correspondencia), censurada por un
peridico, e causa possivel de complicages ex-
ternas, segundo outro jornal, nao coniradirgno
rom a slricta neulralidade que o governo hespa-
nhol est decidido observar na questao italiana.
O Sr. Bermudez de Cistro acha-so acreditado
nicamente como ministro da Hespanha junto
pessoa do re Francisco de aples, o o seu de-
ver nao separar-se deste monircha emquanto
elle estirer em territorio napolitano.
Ura grande conflicto se Iravou entre Porlugue-
zes e Hespaiilioes, dos povos da raa, robre urna
apprehenso dos civis (hespanhocsl n'um gado
que anda va pastando em terreno, que dizem
ser portuguez, eque a cot misso de engenheiros.
que andn na divisio da raa, lioha relacionado
na eedeucia de outros Haspanhoes, em difiran-
los pontos, mas que aioda portuguez. Os do
pevo d'onde tinha sido apprehenddo o gado,
foram-se aos guardis (earabineiros) e tiraram-
lh'o, do quo se moltvou grande aWorogo entre
uns e outros, e salando de Braganga urna forea
de cacadores o. 3 e docavallana 7, os Hespa-
nboes, fazendo fogo sobre esta forga, a forcavam
fazer o mosmo, malando-lhe 7 individuos. Ura
regiment de Hespauhoes m-irchou para as pro-
ximidades d'aquella silio, e bem assim outro re-
giment para Verim, as proximidades dn Cha-
ves, achaodo-se alguns oificiaes hespanhoesjt
em Chaves, sem se saber ao quo vierant.
Tiohatn chegado a Alicante no da 22 os caixo-
tes com dinheiro da parto da iodemnieago msr-
roquina, montando perto de qusrenta milhes
de reates.
E' inteiramenle inexacto o rumor, qao se di-
valgoo, de que ogevemo brilannico hoavease
declarado ao gabinete hespaobol que, embora os
Marroquioes suspendessem ou deittssem de pa-
gar s sommas qi>e estao obrigados, nao con-
sentira por esta faeto que continuase* a oceupa-
gao da praga de Tetuo.
O Hmpakol de mbo Mendos ritado na Cr-
. desta nagao, por
deria todo o mundo fazer-vos crer tambem que
temes em vosso favor os votos dos povos, eco-
ganar-uos miseravelmente Elles sero sioce-
ros, so a vossa conducta fr, como esperamos,
correspondente s promessaa que nos flzestes
diante de toda a Europa.
l'orrn o motivo que nos leva hoje tribu-
lar-yos homenagem de syrapaiha, a procla-
maco da liberdade dos cultos. A lei de liber-
dade dos cultos um monumento de respeilo que
a razio exige i lei natural da livre consciencia,
por isso que esta lei foi tao fcilmente admit-
lida e seguida era todas as naces civilisadas,
al mesmo em Ruma.
' S em Hespanhasc abandona esta liberda-
de. Ao passo que os cultos se tolerara em Te-
tuSo, e se impo a tolerancia pelo meio da forga
al mesmo era Pez e Cochinchim, organisam-se
na pennsula, debaixo da protecgo da rainha
Isabel, immensas associages de religiosas, que
cora a sua influencia na educagao do bello sexo,
pretenden astuciosamente conduzir-nos aos hor-
rores do fanatismo inquisitorial.
Estos calamidades poder-se-hiam evitar,quan-
do urna medida attrahisse no sentido econmico
grandes bens prosperidade e riqueza do paiz.
Capitalistas eslrangeiros de todas as nages
e paizes viriain enriquecer o nosso cora as suas
ideas, conheciraentos e capitaes, o gozar este
solo, se as preoecupares religiosas os nio afas-
tassera da bella Hespanha.
Podemos por emquanto assegrar-vos, prin-
cipe, quo sao estas as ideas e as aspirages do
povo hespanhol, contrariadas smenle pelas in-
fluencias jesuticas que rodeiam o throno de D.
Isabel II, e que milhares do pessoas de todas as
classes e condiges nos tem manifestado a sua
adhesao com outras tantas que mais tsrde virio
subBcrever-se esta exposigo, se considerages
ficis de comprehender, nao os aconselnarem
abster-se por ora h conlrahir compromissos, que
as circunstancias Ihes prohibe arrostar.
Que o co e os horoens vos proteja ra o ani-
mem com as generosas ideas que haveis pro-
clamado.
Madrid, 25 de novembro de 1860.
(Seguem as assignaturas.)
E por hoje, nada mais se me offerece que seja
digno de mcogo.
FERNAMBUCO.
tugad. Temando motivo do artigo que equivo-
cadamente a impreosa hespaobol attribuio ao Jor-
nal fMccaz patrocinado pek> principe Napotaao ;

REVISTA DIARIA.
Com a prxima chegada esta cidade do Sr. Ger-
mano, tem o no3so theatro de Santa Isabel, de
qne elle o eraprezano dramtico, de comejar
os seus trabalhos scenicos, por cuja re-liag,io
deve estar anciosa a nossa populago, ero qieni
recoohecemos gosto pelo ihealro.
Por esta mesma rasa o importa que as enndi-
ces de um theatro normal nao s-jaiu preteridas
na pralca ; e se a provincia subvenciona urna
companha, sem duvida p^ra que o elemento
moral e civilisador que se vft no theatro, nao fi-
que marg?m as scenas que nelle se destn-
volvom.
D'antemo, e para evilarmns supposigdes de
m vonlade de nossa parle, chamaremos a atten-
gao da respectiva commis.iao para isto, solicitan-
do ainda quo nao permita as repetiges inundas
de dramas ja vislos, e nem a apresentagao des-
ses duelos desconvenientes por todos os princi-
pios de moralidade.
Um repertorio escolhido, composto de dramas
da escola moderna, que retraclera a sociedade
actual, e qna por conseguinte possam attingir ao
lira civilisador do theatro, nao pode ser cousa
estracilla urna companha dirigida por hbil
actor.
Hoje tarde tem lugar a procissao da Se-
nhora da Soledade, snhindo da igreja do Livra-
raento, onde erecta a respectiva irmandade.
A procissao percorrer vaiiis toas desta e da
freguezia de S. Jos.
Por artigue de posturas, epprovados provi-
soriamente pela presidencia, acha-se abolido o
art. t6 do tit. 7 das posturas de 30 de junho de
1849 ; assim como permillido a consiruegao
de sgutH furtadas as casas que so edificarero ou
reediliearem, e as existentes que eslrverem as
condiges das postaras.
Tees aguas furtadas serio feilas em toda a lar-
gura das easas, reeorhidas das janellas, tendo no-
ve palmos de altura do pavimento ao frechal.
As suas janellas terao tres palmos de altura e
cinco de largura.
Pela directora gera! da instrucgSo publica
ja foi expedida ordem ao substituto dnlatim desta
cidsde para ir reger a cadeira de S. Jos, duran-
te a liceeea do respectivo professor.
Sobre a nolirie que demos de estado, em
que existia o eaes intermedio s duas ponles, re-
mettem-nes as segtrntes palarras
e Sr. redactor da Revista : Li com
Rnista de 26
armazens de madeiras soera fazer do mesmo caes
o sen deposito le travos; o qne s vezes toma
ene pronercaa que at empata o transito pu-
blico.
Especantocpa tanlo que nre. teda coo-
afie nana naVwrtmmia neste sentido, afim de
vermos o referido eaes com o aceio e no estado
que a sua boa loenlidade exige.
Somos etc. Um morador do mesmo caes.
Com a publicecao destas linhas salisfszemos o
pedido, ave nos i jeito, addcieaendo es nossas
vozes para a remoco do que observado como
inconveniente.
Remeltem-nos a seguinle correspondencia,
enjo conleudo sunmetteraos apreciago publica.;
pois que a elle Dio ha o quo addiciooar.
Qualquer q*e seja a nosss situngao nao pode-
rrros desobrigar-nos dos deveres de urna ainda
mediocre educAco.
Sr. redador da Revista.He de nossa obri-
gagio manifestar perante o publico, e levar ao
conhecimeoto policial tudo aquillo que misler
possmr; para que pouco pouco se nio vio repro-
duzindo factos idnticos aos que praticam alguns
empregados da estrada de ferro ; que crguendo
altameolo as vozes gritara.eu aqu sou re...! e
cora este aspecto aterrador querern levar a po-
pulago s um estado acre e desespertado a pontos
taes que so nao fosse a prudencia e civilisagao
de pessoas que tem passado por tremendas de-
cepges, j se loria contado era nossa historio
um novo desastre eotro estes e aquelles.
Julgo que a polica nao impede a nenhum
mandante de transitar vinle ou trinta passos dis-
tante dos trilhos da nieeraa estrada, e sim prohi-
be passar-se pelos ptopios; e assim acontece
que no dia 26 do corrente ao meio di indo um
mogo para sua casa, encostando-se p6lo muro
para ganhar o portao, approxiun-se a elle ura
individuo por nomo Silva, que dizem ser um dos
linguas da dita estrada, e perguuts-lhe : o Sr.
empregado aqu ? Nao, rospoodeu o mogo ;
e desde entao o tal Silva revestindo-se de gran-
de eiilliusiasmo gntou : O Sr. uao sabe que por
aqu nao se passa, que este lugar da estrada, e
pertence companha ; volle j para traz, por
rainha ordem.
O mogo cora todo o sangue fri disse, nao
dou salisfagio. pois vou para rainha casa, e o Sr.
falle com mais prudenciare quer que o atienda,
visto que elle nao fallva cora algura peliulra.
A isto, o tal Silva desenrolando um chicote, que
trazia na mao, diz-lhe : volte j, do contraro
corio-o a chicote, e logo destratando-o : o mogo
corou o disso-lhequo levara semelhanle proce-
dimento s vistas da polica, e entao pede a Vmc.
Sr. redactor, quera dar publicidade a esta po-
qucoa correspondencia, no que muito Ihe agra-
decer *
Por acto da presidencia de honlem foram
nomeados olliciaes do batalhao VI da guarda
nacional da comarca da Ba-vista os cidados
seguintes :
Estado-maior.
Tenente quartel-mestre.Francisco Alves dos
Santos.
Cirurgiao teneole.Manoel Hypolito Lima J-
nior.
Alteres secretario. TemistoclesPe-reira Brando.
Alferes porta-bandeira.Joao Vital de Santiago.
1* companha.
Capilo.Manoel Jaeome Pereira deCarvalho.
Tenente.Audi Arsanio Pereira Brandao.
Alteres.Benedicto Honorio de Carvalho.
> Thomaz Alves Vianna.
2" companha:
Capilo.Jos Chrspiniano Rodrigues Coelho
Brando.
Teneole. Joao Tertuliano Rodrigues Coelho.
Alferes.Jos Ferreira Gomes.
> Audrc Rodrigues Coelho.
3a compaohia.
Capilo.Eduardo Nunes de Barros.
TenenteAntonio Jos de Sanl'Atina.
Alferes Andr Nones de Barros.
Antonio Joaquira de Sanl'Anna.
4* companha.
Capilo.Francisco Manoel Rodrigues Carvalho.
Tenenle.Marcos da Costa Mariz:
Alteres.Benlo de Sanl'Anna.
Jos Ignacio da Silva Jnior.
meuiobamekro do roRio. Nao podemos
ainda comprehender o melhoramenlo do nosso
porto aonunciado nos relatnos olliciaes dos
enqarregados deste importante servigo.
Nao vimos entrar por ora um s navio de cal-
lado d'agua superior aos que entrevara outrVra,
e agora observamos que o vapor de guerra Pedro
11, anda varios das a catar um lugar em que
fique Jjem no ancoradouro porque estando ape-
nas em 13 ps da popa atogados lera batiido as
baixamares.
Pode ser quo nos engaemos; mas aQirmamos
que estaraos perdendo lempo edinheiro ; porque
o plano que seguimos nada adantar.
oiepua mares FLtiTUANTES.Como em Li-
verpool, resolveran) p.srfeilamenle o nosso pro-
blema, em mu curto espago de tempo, antes que
o nosso porto do Brom nao Oque perdido com as
areias que ali ae lngaro.
Espera-se nestes das do Rio de Janeiro, a
corveta nacional Bahiaua, que segu em viagem
de ins'rucgo para a Europa.
Hoje deve sahir para experiencia o vapor
Tketis, cuja machn"acaba de ser reparada por
direceo do primeiro niachinisu do vapor Pedro
Passageiros do vapor inglez Oneida, sabi-
dos para os portos do sul:Frederieo Mouard,
Rodolpho Von Loyfned. F. W. tuisl, Jos F.
Das dos Sanios, II. G. Malheus.
Foram recolhidos casa de delengo no dia
27 do correlo 2 lioens e 1 mulher; livres %
escravns 1, ordem do Dr. delegado do l.ds-
tricto 2, ordem do subdelegado de Santo An-
tonio I.
MORTALIDADE DO DA 28 !
M^ria Joaquina de Cirvalhe, branca, soUeira, 60
annos, elephanliasis.
Damiana da Conceigio, parda, 15 annos, apo-
plexis.
Benedicto, preto, escravo, solteiro, 60 annos,
encefalite.
Manoel, branco, 1 hora, convulses.
Alexaodrina Mara da Conceigio, parda, solleira,
28 annos, anazarc.
Hortilisno, branco, 8 annos, convulses.
HATADOURO PUBLICO :
Mataram-se no dia 28 do corrente, para o con-
sumo desia cidade 33 rezes.
Dr.
reo
CTi-
por
E prestaram juramento sobre o livro dos San-
tos Evaogelhos.
Foi o reo interrogado.
Lido o proeesso, deu-se a pitarra ao Sr.
promotor, que pedio a condemnagio do
no grao mximo do irligo 192 do cdigo
minal.
O advogado do reo, deflezindo a defeza, pedio
a sua absolvigie.
Findos os debates, depois da replica e Irepli-
ca, e preenchidas as dernais sslemnldades, n Sr.
Dr. juiz de direito pergunteu ao jury se eslava
sufBcientemenle esclarecido para julgar a causa,
e lando resposla affirmativa resumi a materia
da aecusago e da defeza, propondo ao conselho
os qiusitos seguintes:
Io-W> reo Jos do Reg Barros, no anno de
1845, assassiuou a Antonio Jos de Sanl'Anna,
enterrando o cadver em ierras do sitio em que
morara no A-rraiarf
20 reo commetteu o crime impellido
{um motivo reprovado?
3oO reo commetteu o crime com abuso de
confianga nelle posta?
4oO reo commetteu o crime, tendo precedido
ajuste entre dous ou mais individuos para esse
fim ?
5"Existem circunstancias attenuaotes fa-
vor do reo?
Lidos os questos pelo Sr. Dr. juiz de direito,
foi o jury de sentenga recolhido sala secreta
das conferencias, s 4 horas da tarde, com o pro-
eesso e quesilos, d'onde voltou depois de meia
hora, respoodendo aos quesitos pela maneira se-
guinle :
Ao Io quesitoNao, por 11 votos, e deixando
de responder aos outros por Ucarem prejudi-
cados.
Lidas as respostas pelo presidente do jury de
sentenga, o Sr. Dr. juiz do direito publicou sua
sentenga absolvendo o roo, o coodemuando a mu-
nicipalidade as cusas.
Levanlou a sesso, adiando-a para o dia se-
guinle s 10 horas da manhaa.
Gommunicados.
CHRONIfAJUOIClAHIA.
JURY DO RECTFE.
1" SESSO.
Dia 38 de ftoverciro.
PRESIDENCIA DO BU. DR. JUIZ DE D ~ TO DA SE-
GUNDA VARA CRIMINAL FRANCISCO :NGLES DA
SILVA.
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopol-
dina de Gusmo Lobo,
Escrivo privativo, o Sr. Joaqun Francisco de
Paula Esteves Clemente.
Advogado, o Sr. Dr. AoIodo Epsminondas de
Mello.
A's 10 horas da manhis, o escrivo procedo
chamada e verifica estarem presentes 45
rados.
Sao multados em 20&003
J-
pelo Dr presidente
Nao podemos 1er sem indignagio, o relalorio
que em 17 do corrente foi apresentado aos se-
nhores accionistas do hospital portuguez de be-
neficencia, no qual se dirigem ao Sr. Dr. Jos
Henrques Ferreira os mais torpes c infames
docstos, por causa de urna questao havida entre
o hospital e aquelle consulado.
As phrasos empregadas para explicar a questio,
sao as mais propras; de quem est acoslumado
deixar adormecer os sentidos, para forjar
nesses mmenlos,um tao deshonesto libeHo, mais
digno do azurrague da jusliga, que da considera-
gao e aprgo publico.
Temos torcas para sustentar qualquer questio,
em faor dos actos do Dr. Jos Henriques Fer-
reira, especialmente sobre sua repulagfio desde
mui remota dala, e ah estao os Exms, Srs. vis-
conde da Ba-vista, Dr. Ermelindo de Leao, e
mutos outros caracteres distinctos da provincia
para quera podemos apellar; purera jamis con-
testaremos com individuos, que levados pelo
odio, vera a face do publico sugerir questes
com o fim somonte de manchar urna reputtgio
esclarecida.
Para horoens de tal nalureza entendemos nos
que muito mais valioso o desprezo, do que
fazer lhes a honra nqualicavel, de chama-Ios
com reflexo, para o exame minucioso dos
fados.
Em nosso pensar esla posigo que devo lo-
mar o Sr. cnsul de Portugal, para aquelle inte-
ressanle libollo : sabemos que nao percisa elle
de conselhos; mas justo que por "ste meio
Ihe venhamos patenlear *. dedicago que Ihe
consagramos.
Longe de nos a idea de virmos pagar ero igual
moeda os insultos forjados pelo libellisla, ere-
mos, que jamis seremos censurados, levantando
a voz em favor do offendido, e provando urna
vez aoSr.cnsul dePortugal,asexpressoes intimas
de nossa consciencia, c para melhor nos expri-
roirmos, da maioria dos porluguezes aqu resi-
dentes.
Censuravel ser por certo aquelle que, desco-
nhecendo a chronologia de seus actos procuron
um estabelecimento humanitario e depois as
collumnas do ura jornal, com o pensamento fir-
me em meia duzia de satelliles, que Ihe dio
palmas e bravos, para igoobilmenle,sophsmar e
mentir, rendando podre incens ao orgulho pro-
prio, ou revindicando desforra para susceptibli-
dades offendidas.
E sao osles os homens, que dizem fazer tudo
em favor da unio portugueza no hospital, accor-
dando aquillo que por vergonh* deviriam para
seropre esquecer ?
Nao desta maneira, que hio de elles alcan-
sar um floreo para a sua gloria I
CoDtente-se, pois, o Sr. Dr. Jos Henriques
Ferreira com a reprovagio manifest que os por-
luguezes em geral teem dado essa nova gralha,
certo de que para gloriflcagio de seus actos era
necessario haver, um Satans, quo pozesse em
pratica os meios para marear os dotes, quo o
publico ge ramente Ihe reconhece.
Nos continuaremos a fazer votos pela sua
conservaran nesla provincia, j como deffensor
extrrnuo da justiga.j como regulador dos direi-
los da nagio que lio nobremente lem sabido
representar.
Recite, 26 de tevereiro de 1861.
O Porluguez.
, lao agradavel aos olhos do Altissimo, tormento
quaedo sesetee pete opetvtio, eujo patrimonio
consistir oo trabalho oa suas mos.
Ser com esse recnito qne as doutrinas sias se
uflitrarao no coracio do povo, que melhor com-
prehenderi seus dtreitos e deveres.
Aprazo-me todava recoonecer hoie aun muito
j tem a nosea popelagao lacrado cosa oreadlo
de diversas aasnciaceea desta ordem, qne ka des-
tribuido grande somaja de beneficios aquelles
que tem procurado eesociar-so.
Senhores. bella a occaaa, e vasto o assump-
to para o deacrever de inlalligenciea aaclareeMas-
eu. porrn, que carego de iotetligeuaa, e nio ase
dado poder ealva; as leittat, soaooaho ji ter
fallado de mata sobra a materia qaa aera mui lu-
cidamente tratada por oradores a ta lisa do.
Para bem euraprir a Tnirrfia mis-ao entre vs,
devia limitar-me a dizer-vos o esseocial, quo
que a sociedade Arte o Amizade, osuda com
effusao o quarto anniversario da Associagio Ty-
pographica Pernambecaaa, a qnem desoja pros-
peridade e duracio.
Agosto 10 do 1K60.
Domingos Jos Ribeiro Goivim.
Senhores membros da Asstciacao Tpogra-
phioa /"ernambucana.Mais em alfilera surgi
na senda do progresso, mais ura campeao levan-
lou-se oo campo da civilisagao ; e esso athleta
cheio de esperangas no dispontar de sua vida, o
esse campeao ornado coro as galas de sua infan-
cia asssocisgo dos Guarda-livros em Per-
nambuco.
Eu inteiramenle baldo de intelligencia e de
irisrurgao. quasi que desconltecido na classe
coromercial, porque recenlemente abracei a no-
bre profissao do guarda-livros, oa ventado ma
acharia berc incompetente para ser encarregado
da difflcicil e honrosa mleio que to mal estotz
desempenhando, a nao ser a espontanea escolha
quede mim fez a illuslre associagio i que lenbo
a honra de pertencer.
Senhores. A associagio dos Guarda-livros em
Pernambucn, abragada com o generoso estandar-
te da unio e do deseovolvimento do espirito,
muito se lisongea por ter occasiao de, pela pri-
raeira vez, felicitar-vos na solemne fesla que ce-
lebraes no dia glorioso do vosso 4 anniversario.
A. Associagio Typographica Pernambucana o
baluarte do socialismo em Peroambuco, o cen-
tro animador do trabalho, a pratica mais robus-
ta dos principios de humanidade.
Os lypogiaphos pernambucaqos, sendo os pri-
meiro que flzeram sentir entr oes a necessida-
de de viverera os homens assocados por classes,
sao dignos doslouvores dos nossos contempor-
neos, sao merecedores das benjios da msis re-
mola posleridade.
A vossa idea salutar fez brotar urna arvore hu-
manitaria, cujas semenles, fecundamente espar-
gidas, tem produzido irnraensas outras lo vigo-
rosas, queem poucos annos j vamos colhendo
os seus deliciosos fruclos e aspirando os olores da
suas flores vivas.
De lodos os pontos da provincia apparecem so-
ciedades, e todas teodendo para o mesmo fim: 9
uniao, o amorao trabalho, o desenvolvimenlo do
espirito, e at mesmo a benecbncia ; mas todas
leem nascido exemplo vosso, todas, converger
suas vistas para a associaco raai, todas se vol-
tam para o centro criador;*para isso a vossa exis-
tencia nos satisfaz, o vosso iucremetUo por do
mais nos fortifica.
Senhores typographos. A associagio dos guar-
da-livros se congratula com a filha de Gultom-
berg ueste gloriorioso festira, qqe hoje ofirecem
a populacao desta capital, e muito se ufana de
commungar no lauto banquete do socialismo. Os
votos da associagio dos guarda-livros sao fervo-
rosos pela vossa prosperidade; hojo lodos os seus
cultos sao consagrados esse planeta, que, trasbor-
dando ondas de luz, se ostenta cercado de lumi-
nosos satelliles, que se derramara pelo firmamen-
to da civilisagao.
Praza a Deus que a Associagio Typographica
Pernambucana caminhe sempre na vanguarda de
suas irmaas, e que os seos actos generosos mui-
to se identifiquen^ nos sentimenlos da nossa po-
pulago.
Senhores typographos, que o presente nos ad-
mire, e o futuro vos immortalise sao os aicos
votos da associaco dos guarda-livros em Per-
narobuco.
Recite 12 de agosto de 1860.
J. il. Altes Cava lea nli.
0 collega da Ordem, em seu numero 187 de 26
do corrente, no communicado que tora por epi-
graphe COMPADRE COBTEZO .oceupan-
do-se do ado de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia quaolo s demissoes de algumas autoridades
policiaes, chama a silencio do mesmo Eira. Sr.
para o subdelegado da freguezia de 5. Fre Pe-
dro Googalves do Recita, que, na sua opiniao,
est tambem no caso de ser deinltido, nio s
pela parle que diz ter elle tomado oa eleigio, co-
mo porque, seguudo tambem o seu modo de pen-
sar, nao lem elle a precisa aptidio e desenvolvi-
menlo para exercer lugar tao importante e me-
lindroso.
Ora, nao podendo altribuir o juizo, que o col-
lega faz do subdelegado do Recite a couhecimen-
to proprio dos tactos, mas apenas a inforraages
de pessoas apaixonadas, tanto mais quanto elle
proprio confessa ser esse subdelegado eslimavel
por suas qualidades, julgaraos de nosso dever af-
lirmar ao nosso collega, que foi elle iojusto para
com o Sr. Leal, porquanto, segundo o juizo das
mais importantes pessoas de seu dislriclo, que
sio proinptis em lou-va-lo, nada tem elle deixado
a desejar, como auloiidade, pela actividade a lino
que lem desenvolvido, e peta probidade que he
reconhecida, sem couleslagao, e urna auterida-
de tal nao nos deve ser indiflerente, para que
deixemos passar desapercebidas as reflexes que
o collega faz a seu respeito, tanto mais reconhe-
cendo no collega bastaute criterio, o que faz com
que nao recelemos, que lome as nossas palavras
por mera conlrariedade, acreditando mesrao que
retificar elle o seu juizo.
Um collega.
ERRATA.
Na poesa publicada houtem na 10a quadra, ul-
tima lioha E' um oasis, etc.la-se E's um
oasis, etc.
Publicagoes a tredidoT
Discursos
rtljnry,a?(U u.ra ^" Sre" i""-es f<,c, mull8_'pronunciadospor occasiao da sesso mama
dos nos das anteriores, quo nao comparecern), -- >___ y
Dr.
o mais os que faltaran) sessio de hoje.
Estando prsenle o numero legal, o Sr.
juta de direilo deelarou aberta a sesso.
Eotra em julgamento o roo Jos do Reg Bar-
do Associaco Typographica Pernam-
bucana,
Senhores ds Associagio Typographica Pernam-
bucana. A sociedade Arlee Amizad, aceedendo
ros, aecusado por crime de mor te perpetrado na ao honroso convite que Ihe flzestes para coropa-
possoa de Antonio Jos de Sanl'Anna, no anno ."' *essa aduol estividade, envin urna cora
de 1845, tendo o mesmo por s*u defensor o Sr "
Dr. Antonio Epamlnoodas de Mello, que pres-
in o devido juramento.
O conselho
jurados
de sentenga compe-se dos Sr.
Joaquira Vital do Amaral.
Joo Alves Ferreira.
Domingos Jos Nones.
Alexandre da Silveira Lima Veneno.
Jos Policiano Pereira de Iyra.
Virgilio Jos da Molla.
Luiz Jeronyrao Ignacio dosSaiUos.
Manoel Ignacio de Torres Bandeira.
, Jos Joaquim da Costa.
Dr. Joaquim da Silva Gutmao.
prazer em sna Jteeisto de 26 urna parte relativa GedeoPoraz de Laceras"
so estado do noro eaes antro ss duas pontes. I Antonio Jos de Moraes Sasmeate.
miaao de seu seio que, fiel interprete dos seus
sentimenlos, vos roanifeslesse, se bem que iroper-
feitaoseaie, o quanto aprecia a eatabelidade
e progresso de urna sociedade, a quem a ligara,
nao s es races da om cordeal sympathia, como
anda as de urna tal, ou qual afflnidsde.
Disse affinidsde, senhores, porque ella realmen-
te existe no proposita que dirige ambas as socie-
dades i um fim identioo, lendo ambas porobjec-
to o saeUtorameolo das respectivas classes, eo
soccorro aos socios necessilados.
oca efieito, senhores, a idea que presidio a
CuAdagao ds vossa eestedee, sublime e gran-
diosa, gis attandestas a urea grande necessidade
da populago, sim dignos ftlhes do progresso hu
oMiiiMho, e*a8 dos merborsmestos rnoraes dos
voseo* irmaos de trabalho, tewse por divisa a be-
osncaacia, osea amatasaotadas virlades eociaes,
Senhores typographos.A sociedade Unio Bo-
neficente dos Cucheiros em Peroambuco honrada
com o convite que Ihe fizesles para assistir a esta
bella solemuidade, vem gozar do prazer ds vossa
testa, e por meu intermedio felicitar-vos pelo
fausto motivo do quatlo anniversario de tao dis-
tincta associagio.
Senhores, a minha sociedade ce ufana e vos
applaude pelo feliz motivo da vossa fesla de fa-
milia cora tanto raalor jubilo quanto verdade
que ella, extremosa amiga do progresso humani-
tario compelia-lhe ardeutemente as ideas salva-
doras que dio vida ao pobre artista.
Vos haveis sodado muito, senhores, ides mui-
lo adiantados na carreira dos raelhoramentos so-
ciaes o vosso estado presente j ditoso e o
vosso futuro de cerlo ser brilbanlissimo; e o
privilegio do trabalho que garante a felicidade o
o preceito da lei do progresso, que condemnaa
icar atraz aquelle qne eslravou em sua marcha
quolidiana.
Senhores, o publico vos conceita e vos ap-
plaude com a maior jusliga, vos Costes os primei-
ros artistas que em Peroambuco se ergueram pa-
ra derrocar os prejuizos artsticos, e depois de
vos ura grande movimento se tero operado em
vossa existencia artstica e social.
O crescido numero de sociedades humanitarias;,
que como por encanto surgem ero quasi todas as
classes da nossa populago urna prova exube-
rante de que o vosso exemplo salutar est de ac-
cordo com as i leas da poca, e de que 0 vosso
povo, amando a vida intima da familia artstica
j ii? o o povo indiflerente e egostico de oulr'ora
mas stm um povo que aprecia os melhoramentos
moraes e quer allingir perfeigo. Continuai,
pois, senhores, n trilhar a estrada semeada de flo-
res, por onde lo seguramente haveis andado.
A sociedade Unio Bendceme dos Cocheiros
em Peroambuco, vos desejs a mais positiva ven-
tura ; uoindo seus votos aos de tantos amigos
admlradojes que vos almejara o gozo de todas as
felicidades, e espera que a contis lambem em o
numero de vossos amigos e adrairadoros que com
vosco se comprazem.
Era conclusao, senhores, acceitai tambem os
votos de particular estima que sinceramente vos
consagro.
Da i azo Miranda de Souza Cont,
SAlDACiO

Sociedade Typographica Peruambacana
Nio venho trazer-vos offerlas brilhaotes
Eu, fllho do povo, s venho saudar
A nobres anulas que as roaos me estendeTido
Aqu n'esto templo me deram lugar.
Sim, templo da arte, com seus sacerdotes
Que vivera, irabalhara para a patria elevar!
Sim, templo da arte, juncado de flores
Onde ora o poeta se sabe curvar.
Artistas 1 humilde deponho a ofTerendn
Que cu pude trazer-vos da testa ao altar
Sio versos mui pobres, bera sei-o 1 Comtudo
Sao flores singelas que eu pude apanhr !
L vio quatro annos que aurora biilhante
De um dia solemne vos soube animar.
E fortes, na ideia, por ella guiados
Alm do futuro qoizestes marchar I
Oh I taigrande ideia que o sol inspirou-ros
E um marco seguro podestes plantar I
Ah vossos nomes gravados em ouro
E a historia que pode taes aumes lerobw I
E a historia que pode dizerGullemberg
Tem fllhos Ilustres que sabem'no honrar
Que aos pobres e aflictos irmos que agonista
No leilo do enfermo vio lo$o salvar I ^^
Amigos artistas I Soldados de iavprens
Abrisles a senda, deven eenrmber.
No fim do caminho sao vossos os premios
E a patria orgulhas* vos bsde rtoer I
Nio venho Irazar-vos oflortaa briUsantas
Eu fllho do povo, veabo eaudar
A sobres artistas que as raaos m'esle/idendo
Aqu n'es le templo me .deram lugar.
Joo Maria de Morats Navarro.
I
l


- sera feia* **]
A SaciD0sTrrOGRAFHi(utMiiAiiiucAiu
por
OecatSc-eVn Mfo nmg*eantear tarta.
Homar que forem-Mgario contigo
?**! ^^--Wemetam eae n
A* cakot di rgourmcit e do pbanUtmat
remesaos, ue m rmiem
Onde crtNM despeabas
(arreULiberd. do imp.)
Vos, que soldado oi, o que tao bravos
O poro as letras defendis e as artes.
Nao de fero arcabuz e espada ernados,
EslupidajuFeocio, parlo maligoo,
Concepce Infernal tyrena e abjecta,
De um cerebro pagao, taires satnico,
De sangue fraternal banhaodo a trra.
Que Dos, bondoso, nos legou do empyreo;
Vos, que soldados sois, e queseo ogo,
Sem fumo e sangue defendis dos povos
A cara liberdade, quo to santa
La do co nos legou tambero o Eteroo,
Apenas estampaudos era brancas folbas
De delgado papel, quasi indelereis,
Cu-iosas ljnhas, que nao gasta o lempo
E que cneias de amor eae verdade
O mundo pja de saber, de luzes
Que nao se apagara, e quo mais fulgurara
yuanto mais lempo, mais espado romper !
Vos, discpulos fiis, de Guthemberg.
Desse grande inventor da prensa e typos,
Cujo, nome e memoria eternisando,
Liberal nos legou tao santa offrenda I
Vos, que o orbe illuslraes nos iransraltindo
Dos grandes homens, as ideias grandes, ,
Em manadas do co, sabios cooselhos,
Reliquia santa, quo Ilumina os poros.
Por que luz tao sublila luz da sciencia
Qae chega zona^maisjremota e inculta 1
Vos, das leilras fiis, bravos soldados,
Da paz serapre em favor, vos, ao progresso
Aluz, a estrella scintillante e bella,
Nao duvideis em acceitar do vale
Tao dbil e obscuro, o canto froixo.
Falto de gosto, de belleza e d'arle.
Mas loo puro e sincero e uobre e santo ;
Acidlai pois, soldados do progresso,
E unidos trabalhai palo fuluro
De nossa patria,lo Brazil gigaute,
Que um risoDho porvk tcreis e bello ;
E contai que uin peito altivo- e nobre.
Onde nunca morou o servilismo,
Nem onde a adulaceo medrar j& podo ;
N'um peilo liberal de Irmo e amigo
Tereis sempre um lugar somente vosso.
Retire 12 de agosto de 1860.
SI. C. Paes de Andrade.
Meus illustres collegas e senhores.Um dever
imperioso me obriga a dirigir-vos a palavra na
occasio solemne em que, reunidos fesiivalmcnte,
celebramos o qu*rto anniversario da nossa chara
associago, cujo acto se dignou de comparecer
um numero to crescido quanto brilhanle, de
excellentissimas senlioras o do Ilustrados cava-
Iheiros, que leem por domis ornamentado a testa
social dos lypograpnos do Pernambuco.
E' um jomo irmo, senhores, que vos falla a
lin^uagem simples, mas sincera, do horaem do
trabalho, que se ufana de pertencer esta pha-
lange de filhos do progresso, que tanlo ha me-
recio dos entes generosos que a leem animado
com o prestigio de suas respectivas sufciencias,
e protegido cora a solicitode de um t'itor huma-
no ao pupillo carecido de paternaes disvelos.
Sim, senhores, o artista que tem sentido es-
coa re ni-se-1 he os annos em o continuo tabular
dos typos no componedor e em meio do inter-
mitiente gemer dos prelos no trabalho quotidiano
hoje entre os seus irmaos d'arle, feliz por mais
de urna razo, nao pode ficar era silencio, e se
congratula con vosco e cora tao distiocta assera-
bla de respeilabilissiraos convidados pelo faus-
toso molivo desta bella reunio.
Supremo esforco qee e ***** supera
Fra oflertar-vos um festao, nao posso :
E' grato o canto, oaae a verdade impera,
Sabio-me d'alma, im traxelo.... vosso.
Por este lempo, eiB'qoa' o sentir oiro.
Que toda lea se transforma em agio,
Quem faz das artes seu melhor thsoiro,
Salva seu nomo do geral naufragio.
E um dia a patria rirer poc alies
Salva do olvido que as naces engole;
Lembra se a Italia ao recordar Apolles,'
Qul lembrao Egypla cada ahlra mole.

Insana a lid, mas o esforc nobre I
Ja alguem o disse, que a indolencia mala,
Quanta miserii, vos nao vdos?cubre I
O rico ocioso n'uma vida grata.
Depois as benciot, o cantar dos hyronos,
Que a humaDidade ao que trabslha, enlda :
Irmaos, que vale vaguear p'regrioos,
E aps um tmulo sem letreiro a corda l
Se o rico esbarra no mor ti o de (erra, .
Que envolve o pobre, e, escarnecendo, ri;
Se enlre o que sofTre e o que thesoiros cerra
No argnteo cofre ha differencaalli;
Deixai: o lempo ha de apagar vestigios,
Que o orgullio humano no passar deiiou ;
Eraquanto asarles ergueram fastigios,
Onde colloquom o que mais lulou.
Trabalho 1 a vida porfiada lula
Do bem e o mal e da verdade e o erro !
Se aqu fdr hmida, acola enxuta
Tereis a senda do mortal desterro.
Basta esta noit6 inda outras mais como esta,
E o vosso esfurco nao ser mat pago,
Por entre as luzes e o sorrir da festa
Sents na fronte da esperanza o afago.
Quando as mulheres no estradar da vida
Vem com seus risos animar o home*.
Redobra o esforco, mais suave a lida,
Mais cara a c'roa que nos cinge o nome.
Eu vlm, artistas, comoirmo saudar-vos.
Vira ser conviva de um feslim que nosso.
No artor que sinto, de querer bnndar-vos,
Mal fu um canto, vim trazo-lo ; vosso.
Cesario "Asevedo.
COMMERCIO.
l'raca do Recife 28 defe-
vereiro de 1861.
As tres Vi o vas Aa tarde.
Cutt<-fes oMeiaes.' ,
Assucar purgado2*300 por arroba.
Cambio sobre Londres 26 5(8 e 26 3[ 90 das
de vista.
Descont de letras10 e 12 0(0 ao anno.
Leal SevePresidente.
Frederico Guiraaressecretario.
Vlfanitega.
Rendimento do dia 1 a 27. .
Ldem do dia 28.....
404:149*120
12:304?256
416.4335676
Hovlmento da alfandegra.
VoIuro.es entrados com fazendas.. 232
com gneros..
Volumes

sabidos

com
com
fazendas..
gneros..
137
------369
193
43
------236
Senhores, vida das officinas.ise.rtta de exago-
radas ambicoes como de grandes compromelli-
mentos. tom em si muilo do proveitosa para
aquelles que a ella se dedicara por vocacao.
Se o artista reconhecidaraente menos apio
para as grandes cousas, porque a nalurea do
seu viver obsta o mor desenvolviraeoto de sua
acanh iiii iottilligencia > se elle nao tenia grandes
emprezas, porque tambera lhe fallecera os gran-
des meios, ao menos est constituido em ptjsigao
de nao carecer prestar-se a certos comproraissos
ruinosos ao pobre que os acceilasse na esperan-
za de um mais risooho porrir, de um futuro mais
ditoso.
Neste proposito, senhores, parece que as clas-
ses artsticas eslo menos expostas que quaes-
qiier outras elasses pobres. Se entre nos o artista
lio amonlda riquezas,comtudo se for laborioso e
econmico
de familia e bem educar seus lilhos, aera feliz,
porque a felicidade nao depon le s dos bens da
fortuna.
Corutudo, senhore, a huraanidade a duvida,
pois, que a certeza humana anda urri proble-
ma insoluvel. D'ahi o dever que a todos corre
de pensar no dia d'ainanha; e como o horaem
isoladamente seja muilas v-ezes ludibrio de seus
proprios clculos e estorbos, d'ahi tambem a
xreacao de tantos institutos artsticos de mutua
beneficencia que, a dalar da fundagao da nossa
associago, se erzuem cada dia por loda a parle,
atlestando altamente os nelhoramentos moraes
de um povo que ama o progresso porque sabe
que este a vida das sociedades modernas, o o
garante universal do bera-estar do presente e da
eegoranca futura das elasses operarlas.
Era, perianto, de mais instante necessidade,
senhores, a existencia de umt contraria social
entre os typographos de Pernambuco, e o facto
de sua realisaco Ihes hn de trazido vantagens
incootestaveis sob lodos os pontos de vista.
Ouli'ora era a camaradagem que Ihes entreti-
nha as relagoes mutuas, era o espirito de classe,
a condiccao artstica, que os entrelagava; hoje
porm urna razan mais nobre, a frateroida-
de, a cordialidade de amigos, quo Ihes estreita
os vnculos que os prendera um ao oulro, dispos-
tos pelo ioleresse roramum.
Outr'ora era um como indiffercnlismo na vida,
ea raridade para oque eslava moribundo ou ha-
via terminado sua carreira sobres Ierra; hoje
muito mais do qne isso, senhores. a consci-
nbis da dsver, a voz da regilio, que aconsellia a
inais inilma alTeiro, a mais sincera devotaco,
o mais acrisolado aroor a lo los os que, por meio
da associafao, vivem vida de irmaos om S. Joo
ante portan Latinara, o depois dcllea a sims
familias necessitadas.
Unidos, poi, para a consecu^io de um fira
indubitavelmente santn, havemosj feitoalguma
cousa no nosso proposito,nega-lo seria negara
existencia da luz; mas que ain 1 .i hvemos muilo
a tazer igualmente inconteslavel, senhores ;
porUnto cumpre nao estaci'iiiAr na marcha en-
celada, e o futuro justificara os noasos es-
torbos.
Meus amados collegas! Para centro director
dos negocios sociaes, vs elegeslcs urna, adminis-
trado condigna da Aasotiago Typographica
rernambucaoa, que emoerja boje o seu quinto
anno de vida ; mas collocaado-nie frojnie dessa
ad ministra cao- mtni-otie, no-todo iusafficienlv,
me reconhego muilo 5 quem -de- poder corres-
ponder vossa geiwosa. espeetativa, exhibistes
ainda urna prova irrecusavel di delicadeza de
nossa amisade para cora o velho corapanheiro de
fadig'S, o qual a seu turno vos suppica a vossa
inteira coaiju-vagao, to necessaria prosperida-
de da sociedade a que todos perlencemos.
Acceitat, por isso, meus amigos, os votos de
minha gralldu. tanto mais solemnes quanto
geraote um publico Ulustrado e anrtjtn dos artis-
tas que solicito vo-los aprsenlo; evos, Exmas.
senhoras, e mui dislioctos cavalheiros, que vos
dignaste* de concorrer para o mor brilhantismo
desta salomriidade. reeebei semelhanlemcnle os
protestos dn ntu proEando reconheciraento. que
tenho a honra de dirigir-vus .o*n nome da Asso-
iaco Typoiyjphioa Pernambucana.
Hccifu, 12 de agosto de 1860.
frtneUeo de Ptrula t Silo* fiar.
Capatazia de-320-rs. for snecs *
algodio exportado .......
Decima dos areioa urbanos .
2 por cenlo de meta siza de es-
cravos..............
Escwvos despachados............
10 jw cesto de novos ofeUios 0*-
rtjflasdos empmgadas provin-
oleas..............
ello de BeraWjasc legados. .
Imposto de50| rs .-------^^....
DltodelSO|#............
Imposto de 4 por canto........
Emolumentos da polica. *%. .
Taxa da inslrucQo publica.......
Matriculas das aulas do curso
commercial....................
Imposto sobre carros, earrocas o
mnibus..........,..,.........
Imposto de Si por cento aebra a
a divida activa..........,.......
Dito de 4 por ceoto..............*
Dito de 2 0[0 sobre os
maiore*de 1:006$000 ...
Restituirles c reposigocs .
Multas por infraegoes .
Juros da decima......
premios
1691280
6.9335145
1:449! 10
UUiWO
726S3
1 90S"J0
6:4589952
2:24M864
5400
3800
39000
I-459OOO
1:4199000
39OOO
1:5969848
9609000
2089299
1379720
39878
80:1699878
Mesa do
de 1861.
consulado provincial 28 de evereiro
O 2 escrpturario,
lisses Cotes Cavalcanli de Mello.





BOLETIM.
LIVERPOOL, 8 DE FEVEREIRO DE 1861.
Importacao.
Livres de direilos para o vendedor.
Generoi. Preeot.
Algodao de Pernambuco por lib.:
9 1|2d
8 5(8d
8 d a 8 1|8 d
81|2d
8da81i8d
7 7|8d
91|4da91i2d
9d
8 58d a 83| d
8 3|8d
7 3i4d a 8d
7 5|8d
26|0 a 31*
25|0 a 25|6
2116 a 23)0
26|0 a 30|0
28,0 a 2">|
21|6 a 2i|6
2610 a 3110
2510 a 25i8
21(6 a24|6
2|
1(10
f
1,4 1(2
1|3
1l_3 1(2
1,3
Descarregam hoje 1. de fevereiro
Galera franceza Solferinofazenda
Brigue inglezPhantonbacalho.
Barca americanaReindierfarinha de trigo,
Brigue portuguezSoberauoaiercadorias. J|
Importado
Brigue inglez Phanton, ind 1 de Terra Nova,
consignado a James Crabtree & C, raaoifestou o
seguinta ;
2924 barricas bacalho ; aos raesmos.
Galera ingleza Delphin, vinda de Swansea,
consignada Krabbe Whaiely AC, manifeslou o
seguinte :
470 toneladas de carvo de pedra; aos mes-
raos.
Exportaco
Do dia 27 de fevereiro.
Patacho hannoveriano llena, para o Rio da
se liver moraldade. se for bom pae Prata :
Amorim Irmaos, 300 barricas cora 2,318 arro-
bas de assucar, 30barriquinhas com 113 dita
s de
dito.
Brigue francez AMumpfion,|para Marseille :
Tysset freres, 1,030 saceos com 5,01)0 arrobas
deassucar,
Brigue francez Inkerman, para Marseille :
Joo Keller 4 C, 200 saceos com 1000 arrobas
de assucar.
Brigue inglez LindUfame, para Liverpool :
Johustoo Palor & C, com 1,630 saceos com
8,100 arrobas de assucar.
Brigue francez Beirne, para 'Cerra-Nova :
Joo Sium & C, 2) barris com 40 molidas de
agurdente :
Patacho sueco Anna, para Stockholn:
N. O. Bieber&C., 1,110 couros salgados com
33.362 libras.
Patacho portugus Jareo, psra Lisboa :
Jos Francisco M. Cabral, 10 barris com 360
medidas de agurdente.
Ucee be doria de rendas internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia i a 27. 35:6839271
dem do dia 28.......4:447074
40:1369345
i' Aswt(oTjpgrapkh;a
PeirMmWcaaa.
Ea venbo taita com irmo Uaser-vos
O pobre canto, $ue do peito parU ;
Pbrases dwpersas so qua-siuto ao vr-vos
No aobre empenho de eeTar AasJ*sU.
RENDIMENTO DA RECEBEDORIA DE RENDAS
INTERNAS GERAES DE PEkNAMBUCO DO
MEZ DE FEVEREIRO, A SABER :
Rendas dos proprios nacionaes.. 2479750
Foros do terrenos de marinha .. 65$88t
Laudemios....................... 1129500
Siza dos bens de raz............. 3:608J3I0
Dcima addicional das corpora-
les de inao mora.............' 147g015
Direilos novos c vclhos e de
chancellara.................. 7919625
Ditos Je patentes dosoQciaes da
guarda nacional................ 6O9OOO
Diurna de chancellara........... 3029815
Matricula do Faculdade de Bircito. 9:0629100
Mulla por iufraugoes do regula-
mento.......................... 39732
Sello do papeLliXiO................. 2:5029>89
Dito do proporcional............. 7.1799158
Premio dedeposKos putolicos.... 44185
Emoluraentos................. 278J120
Imposto sobre lojas e casas de
descontos............ 13:3829466
Dito sobre casas de movis, ru-
pas, ele. fabncados em paiz es-
trangero............ 880*003
Dito sobre barcos do interior. 2541400
Taxa de escravos......... 596JD00
Cobranga da divida activa 2819805
LndomuiaaQoas........... 739BO
Receita eventual................... 61W)
Bom.
Mediano.. .
Ordinario. .
dem da Bahia, bom. .
Mediano .
Ordinario .
dem do Maranhlo, fibra longa
Alcntara .
Itapicur .
__ Caxias .
dem de machina bom .
Mediano .
Ordinario. .
Assucar porll2 do Rio, b. .
Louro. .
Mascavado .
dem de Pernambuco branco.
Louro: .
Mascavado .
dem da Bahia e Macei b. .
Louro. .
Mascavado .
Balsamo de cupaiba por R,claro
Turvo .
Borracha por %, fina. .
Mediana. .
Ordinaria .
Cabera de Negro
Sor namby .
dem do Ciar, pelle.....
Semamv. .
Cacao, por 112 libras:
Para bom.....63,0 a 65)0
Bahia, .....54,0 a 55,0
Caf, por 112R Rio 1. sorle. 58i a60|
Segunda 54( *56(
Escolhido 60| a 65|
dem da Bahia primeira sorle. 56, 58,
Segunda 50{ a 54,
Escolhido 58t a 60|
dem do Cear.......; 55, a 56,
Caslanha por 112 % do Para n. 22|
Cebo por 112 % do Rio Grande :
Bom e duro.. 58,6
Mediano. 58,
Escuro. ... 56
Cora de carnauba, por 112 %. 90,
Chifres, por 123 * boi. 30[ a 50[
Cinzas de onos por tonelada:
Branca. 5 10,0
Prela 40,0 1
Clina por de cavallo ... 9 1i2 d a
de vacca .
Cubre velho, por Ib.
Couros por Seceos de 30 a 35%. 9d
o de 20 a 24 % 9 1
de louros, 35 a 40 8 d
dem do Rio Grande, por % :
Salgados.de 65 a 70%.
de 45 a 50 %
de vacca 40 a 48
C ivalio, leceO', 10 a 13
. um .
dem salgado!, 23 a
30 ... .
dem idem, 16 a 20 dem de Pernambuco, Bahia,
Maranhao e Para por %
Seceos salg., 26 a 30 S
espichados 16 a 20 %
Curtidos 7 a 9 % .
Malliados salgados, 40
a46lb...............
dem do Ceari, Parahvta e
Macei por %.. .
Secos salg. 30 a 32 .
Molliados s, 45 a 50 %
Curnar por libra bom. .
Ordinario ....
Gumma on bur.li> da ptixt por %
Garujubs, ta qiidlid.
2* dita. .
3 dila. .
Pescada. Ia qualidade
2> dila. .
3a dila. .
Piriab3, Ia Hit
2 Jita .
3a dita. .
Bigre, Ia quallade .
2a dito .
Jacaranda por tonelada do Rio.
dem da Bahia......
Gerzeliin, por quarteirao. .
l'iasiava por 22-0 Ib. do Para'.
4 0|0
1|4
10 l[2d 1. ll[2d
a 111,2 d
1 11 1,2 d.
a 9d
61|2ds7 d.
6 1,4 d 6 3,4
6 til d
8, a I0[
9, a 10,6
5j a 7,6
8
8 da81,4d
9d a 10 d
9d a 10 d
5da-5 1,2d
8 d a 8 3/4 d
5d a 5 3/44
1|4
1,2
4,0
3.3 a 3j7
2|5a2i11 .
4,0
3i4 a 3,10
2,5 a 3[
4|0
3,1
2.4 a 2|7
jlj8 a 2,6
20a 25
IV a < 18
56|
35
N>W0S t CARCA PiAA OUigU.
Favereiro 12. Babia Giaomr.
15. mtcceii.
28. SappW.
85. Mtranho &rmtil.
20." Para Cupid.
28.Pernarabucoafory Block.
15. Nautiliu.
20. v John Martin.
21. -Jmoati*,.
.20.- -ZA*.
Algodao.Entraram desde o principio do anno
al hoje 432311 giCca3, incluindo 8,375 do Bra-
sil. As vendas durante o mesmo periodo mon-
tara em 384,690 saccas, ineluindo 7,150 do Bra-
" j,6"0* e ser hoje 719,450 saccas inrluin-
do 8,200 de Pernambuco, etc., 1,250 da Baha,
etc.. 0 6,100 do Maranhao.
Arros. em casca.Vendas, 41.070 saceos aos
precosdelf). il, all|9pet0 Necrsnsie. N| a
a!? pBl,0<,e Beog.la, 10i71|2 pelo de Moutmein :
10,9 pelo de Bassien, e IO16 polo Arracan. Os
precos estao um pouco mais frouxos.
!*?Sr*r*A* *odas durante o mes, montam
em 1 010 caitas, 410 barris e 17,850 saceos de
r9"' 8 segeinces precos, a saber: pelo da
?o"?iv3, ^l9-23l6"^ Pe, (JePernambuco
22|3.. 22i9, 23|. 23,6 a 25,; 2i6 a 23, pelo do Ma-
ranhao, e 22,3, 22,6 a 23i pelo daParahiba. Mer
cado mui frouxo.
Aceitada Palma.980 toneladas aos pregos de
& 44 em viagem, e St 45 15| e S 46 do arroazem.
Era ser em 31 de Janeiro...... 2,685 toneladas
Dito no mesmo periodo de 1860 1,900
Ero Londres o azeite uno de Lagos vale SP 47 por
tonelada.
Azeite doce.690 toneladas aos precos de i
I a 61 pelo de Portugal ; 3* 62 a 3* 63 lu
pelo de Galipoli ; af80 a SP61 pelo da Sicilia, e
3f48 pelo de Molla.
Km ser em 31 de Janeiro........ 780 toneladas
Dito no meamo periodo de 1861.. 550
Borracha.Vendas52 toneladas. 42 caltas e
317 saceos aos presos de 2r, lili, 1,10 lt2 e t|10
pela Ona; 1,9. 1,8 1|2, 1,8 e 1,7 pela mediana, e
1|4. 1|i I|2ali5 pela cabeca de negro.
.Cacao.Ha falta ; a ultiri venia foi do 100
saceos do Para a 65[.
c a 65,6, e550 saceos do Rio a prec.03 reservados.
Caslanha do Para.--Ha pouco em primetras
raaos, e vai realisando de 40, a 42,6 por barril.
Cinza de ossos.500 toneladas a S6X 15i por
tonelada de 7o 0'0-
Couros do Brasil.Entraram 7,504 e venderam-
se 2,850 a saber : seceos da Bahia de 17 a 19 1,2
Ib., de 9 d a 9 1,2 d por Ib. ; de 8 1|2 Ib., a 9 d
por Ib. : 24 a 25 Ib., de 9 d por Ib.; hmidos de
primeira classe de 8 d a 8 1|2 d por Ib. ; ditos de
segunda classo, de 6 d a 7 112 d por Ib. Salga-
dos do Para de 39 Ib 4 1,2 d por Ib., com 3 Ib.
de tara.
Gorama de peixe.Tem encontrado prompta
venda sera alteracao nos presos.
Jacaranda,Continua a haver falta.
Laranja.As entradas sao grandes. As ulti-
mas vendas montara em cerca de 12,000 caixas
a saber: 290 meias caixas do Porlo do 8 a 9,;
888 caixas de Vianna de 5[ a 7|6; 531 meias cai-
xas de Sevilra de 2| a 7,9 : 4511 do S. Miguel de
16, a 20|: 3131 caixas de Valencia de 816 a 16| ;
2,030 de Palarmo de 5,9 a 8,, e 600 de Cotania de
2,6 a 6[ Ficara era ser 1307 meias caixas de
Lisboa, 1064 meias caixas do Porto, 6657 de Si-
cilia e 256 de Valencia.
Marfim.As vendas era Londres em 4 do cor-
rente nao BiSstram mudanca dos precos quo cola-
mos na nossa ultima, portanto nao ha alteracao
a notar.
Piass.n-a.--30 toneladas da Bahia a < 13 7,6.
Queijos Flamengos.As qualidades superiores
vao escaceando, e como a navegago na Hollan-
da esti interrumpida pelo gelo, ha um cusi, de
3, a 4[ paca os trazer para aqui.
Sarro d vinho.20 barricas do Porlo a 5 i[ por
112 lbs.
Urue.A recem-chegada do Pjt acha-se
ainda emser,
MoYirnento do porto.
Navios entrados no dia 28.
Terra Nova34 das, patacho inglez Nova Crei-
ua, do 128 touelsdas. eapito Samuel Harria,
equipagem 8, carga 1,960 barricas cora baca-
lho; Johnston Pater & C.
Swausea42 dias, galera ingleza Delphin, de 344
toneladas, eapito A. Cargill, equipagem 16,
carga carvo de pedra ; a Krabbe Whalley &C.
Navio sahido no mesmo dia.
LisboaBarca portugueza Maria, eapito P. A.
Martins da Silva, carga assucar.
Portos do SulVat.or inglez Oneida, comman-
dante Bevis.
35
Q.
O.
I
B I
3oras
40:1369315
Recebedoria de PernaniU ucu 28 de fevereiro de
mv,
0- escrivio,
JfaaoeJ Antonio Simoes do Amaral.
Rendimento do dia 1 a 27. 76 3969671
Idosa 80:169i878
RENCIM6MSO BA MESA DO'&0MSULA9O JftO
VINCIAL EMOMCZuE EEVEREIRO DE 1861
iStlM :
Direilos de 90 rs. per (j) do as-
sucar exportado........ 41704(207
Dito da 20 rs.por caada 'aguar-
doato, alcoobete.................2:47698*0
Dito de7 lo de mal....... 270988
Dito 2 01o idera do algodao expor-
tado ... .......... 459034
Dito de 17 rs. por libra, de ce uros
eecaes, erdes e eteichadea..... 7;218JW6
dem dem de 5 ideas doe asa
..... 84#10S;
da Baha..... 11
Pixurira, por 1121b. bora 1*,6
Salsa psrrilha por libra boa. 18,
Inferior ..... 14|
Tapioca por 112% Rio superior. 58| a 60|
Ordinaria ... 40, a 45|
Urue por % do Pava baso. 6 d
Fundos 0 Cambios.
Fundos inglezes.
Banco de Inglaterra (aceces) Por 0(0222 a 234
Consolidados.....391 3,4 a91 7|8
Reduzidos...... 91 3|4 a 91 7(8
Fundo, de...... -91 3t4 a 91 7,8
Eslrangeiroi.
Belgas.......41l2
Brasileiro*..... 509 112 a 100
.... ll285 a 86
Dinamar. *es 3 ^5 a 86
Hespanhsr..... 3 47 1|2 a 48
Differides 3 40 a 40 1,2
Passivos. 3 17 a 18
Hollando*.....21i263 a 64
4 99 3(4 a 100114
Mexicanas.....-
Poriasuetes 1856 1857..)
1859..]
1851...
Besaos. ......
...... 4
Banco de Franca (accoes).
Fundos trnceles. 4 1,2 97,65
a 3 68.25
Melnes preciosos.
Ouro em barra.. .P. on;a 7T|9
b Portugaez ajumoeda. 77,5
o Brasil ..... b
OnQae hespanholas.
B americana.
Peala em barra
Pataca* brasileiras b
Peses eetaninaries hetpau.
Pasua da repabkca hesp.
323 1 [2 a 23 3j4
3 1,2 a 46
3 5 1,2 a 46
5 lQfli2al05
1(292 1,2 a 93
fr. 28.90
n
c
B
c
tmosphtra.
2
Direcco.
I /ntensidadr.
8 2
3

Fahrenheit.
KS
en
o
30
05
Centorodo.
8
o
s
I Hygrometro.
I Cisterna hydro-
| mtrica.
Cn &
O -4
Ve Vo


en
a
Francez.
8
8 S

co
o
2 S S
Inglez.
o
S %
* <
S i
S 5
< ec
m -
2 o
s
Contadoria 6 fe Ibveaaira ao 1861.Antonia
Lauriano Ribeiro.
Confossae.0 secretario, A. F. d'Anounciacio.
O max, Sr..inaeee*t* da taaaoaraahr>6e fa -
zenda desla provincia manda Tazer publico, da
conformidade com a ordem cireelar do thesoero
" 8 de 25 de Janeiro ultisso, oue no dio 1.* de
abril protimo vindouro se far concurso nesta
tbesoursria para preenchiraeolo do* lugares do
praticantes da mesma. Os que pretendern! er
admitirlos ao concurso devero apresenUr neata
aecretana os seus requermeotos instruides da
documentos que proem : 1." terem 18 annos
completos do idade ; 2. estarem livrexde culpa
e pena ; e 3.- terem bom comportamenio. Os
exames versaro sobra leiUra, analyse gramma-
tical, orlhographia a arilhmelica al a theoria
das propor^oes inclusivamente.
Secretaria da thesouraria de Pernambuco 21 de
fevereiro de 1861O ofcial maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
0 Illra. Sr. inspector ds tbesoursria pro-
vincial, em cumprimenio da ordem do Eira. Sr.
presidente da provincia,manda convidar aos cre-
radores da repartico das obras publicas a apre-
sentsrem na mesma Ihesouraria os seus ttulos no
przo de 30 dias, a contar da data deste, aGm de
serem examinados e pagos os que estiverem cor-
rentes ; cortos de quo Qndo esle prazo nao serio
attendidos.
E par que ehogue ao cooheciraenlo de todos
se mandou afflxar o presente e publicar pelo
Diario.
Secretaria da tbesoursria provincial de Pernam-
buco 22 de finereiro de 186T.O secretario,
A. F. d'Annunciaco.
A cmara municipal do Recile manda publicar,
para conheciraento dos seus municipes, e a
Ora de que tenha execuco, a postura addicto-
nal, abaixo transcripta, approvada tempora-
riamente pelo Exm. presidente da provincia.
Pago da oamara municipal do Recife em sessao
de 25 de fevereiro de 1861. Manoel Joaqnim
lo Reg e Albuqnerque pro-presideBte Manoel
Ferreira Accioli, secretario.
Postura.
Palacio do enverno de Pernambuco 18 de fe-
vereiro de 1861.
O presidente da provincia attendendo ao que
represenlou a cmara municipal do Recife em
odicio de 26 de novembro ullimo sob n. 99, re-
solve approvar provisoriamente os seguioles ar-
tigos de postura.
Arl. Io Fiea abolido o artigo 16 do titulo 7o
das posturas de 30 de junho de 1819.
Arl. 2 as casas que se edificaren! ou reedi-
ficarem, e uas existentes que estiverem nss con-
dicoes das posturas, permettido construir agoas
Curiadas de toda a largura dcllas, recolhidas da
cornija, cora nove palmos de altura do pavimen-
to ao frechal, devendo ter as Jaoellas tres pal-
mos de altura, e cinco de largura. Os contra-
ventores soffrero a multa de trinla mil res, qne
ser duplicada na reincidencia alm da demoli-
cao da obra a sua custa.
Ambrozio Leitio da Cunha.Conforme.An-
tonio Leite de Pioho.
que resida en er eia^aogero;
deberaa eu el termina de 15
ds presentarse en este viee
consulack renovar su <3*>r-
tas de nacionalidad praveer-
se de ellas los que no las tu-
vieren.
Pernambuco, 25 de febrero
de 1861.El vice cnsul de
S. M.Juan Anglada Hijo.
THEATRO
DB
Declarares.
A cmara municipal do Recife contrata o
servico da limpeza da cidade com quera delle se
quera encarregar, mediante condicoes rezoaveis,
para o que aceita propostas dos iu'.eressados em
caita fechada.
Paco da cmara municipal do Recife em sessao
de 25 de fevoreiro de 1861.Manoel Joaquim do
Reg e Albuqnerque, pro-presidente. Manoel
Eerreira Accioli. 1. secretario.
Pela subdelegada ds tregen* de Santo
Antonio desla cidado se achara embargados em
urna cocheira Ires cavados do differeutes cores,
lendo todos o mesmo ferro, o que prova perten-
cerem a urna s fazenda, e com indicios de se-
rem do servido de engenho, por desconfianca e
indicios de serem furtados, visto terem sido alli
recolhidos por dous homens do mato deseonhe-
cidos, e depois apparecerem oulros tratando de
os vender, sem haver coincidencia as respostss
entre olles : quem, portanto, se julgar com Ji-
mio a ditos cavados, compareca neste juizo mu-
nido de suas prova*, que lhe sero entregues.
Recife 22 de fevereiro de 1861.
Carneiro.
Pela contadoria da cmara municipal do
Recife se faz publico, que o prazo marcado par
pagamento do imposto de eslabelecimento nda-
se no ultimo de margo vindouro, e todos aquelles
que nao pagarem dentro do prazo, flcam sujeitos
multo de tres por cento.
Contadoria da cmara municipal do Recife 2^
de fevereiro de 1861.O contador,
Joaquim Tavares Rodovalho.
Pela subdelegada da freguezis de Santo
Antonio se faz constar que se echa recolhido
casa de delenco o prelo africano de nome Ma-
noel, que diz ter sido escravo do Sr. Anuuncia-
gao, cujo preto foi preso por briga, e nao tem
apresentado carta de liberdade. Se alguem se
julgar seu senhor, compareca nesta subdelegada
munido de seu titulo.O subdelegado supplente,
Joaquim Antonio Garneiro.
Por esta subdelegocii se faz publico, que se
acham depositados legalmenle um cavallo mel-
lado com dinas prelas, e um bote : quem se jul-
gar cora direito aos raesmos, comparecam, que
provando Ihes sero entregues. Subdelegada da
fregueza dos Afogados 23 de feverdro de 1861.
Jos Francisco Carneiro Monleiro,
Subdelegado.
NOVOBANCO
DE
Pernambuco.
Santa Isabel,
Sabbado 2 de marc6.
Segunda recita que S. Ese. se fljjr-
nou conceder
AO artista
SANT A-a\OSiV,
e que elle igualmente concede em bene-
ficio aos companheiros
que trabalharam gratuitamente
no seu ultimo beneficio.
Grande e variado espectculo
cranoslo de dramtico, dansas, por Madama Vir-
ginia aomagooli, e corda bamba pelo joven de
14 aniios.etc.
Depois que os professores* da orchestra exeea-
tarem urna das melhores ouvertura* represen-
tsr-se-ha o drama em 3 actos, intitulado,
A noile clara e de alguns neroeiros, vento NE
fresco, ao amanhecer cahio um agoacciro que
durou de 3 a 5'.
OSCILLaC>0 DA 4B.
Preamar as 6 h. 30' da raanhaa, altura 6,8 p.
Raixamar a 0 h. 12' da tarde, altura 1,1 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 28 de fe-
vereiro de 1861.
ROMANO STF.PPLK,
1* tenente..
Editaes.
1 SSIPdDSiTOiriIIISA
ou o
RETRATO DE IMITAS FAMILIAS.
Foi escolhido esle drama por haver recordaco
JraJ"'o que agradou quando em novembro de
iob ro a scena neste mesmo theatro.
No Hm do drama Madama Virginia Homagnol
I'erran em grande obsequio ao Santa Rosa e aos
seus collegas, ezecutsr um dos seus melhores
daosados.
Depois segue-se a dansa de corda pelo oren
de 1* annos, *
Terminar o espectculo com a jocosa comedie
em um aclo.
Os Irmaos das Almas.
A scena passa-se na cidade do Rio de Janeiro
no anno de 1844, no dia de (loados.
Os bilhetes de camarotes, cadeiras e plateas
estao desde j exposlos vend em casa do San-
ta Rosa, na ra de Santa Isabel n. 13, a qualauer
hora do da. e no dia do especticulo no cscrp-
torio do mesmo theatro.
Principiar s horas do costume.
Aysos mar .tinaos.
Para o Araealy,
o hiate Gratido segu por estes das ; para a
resto da carga e passageiros, trata-se com Perei-
ra VMente, ra do Codornu n. 5, no Forle do
Mallos.
1PM&
Rio de Janeiro
segu nestes dias a barea nacional Castro III,
eapito Antonio Gooc,alves Torres.por ter a maior
parle do carregamento prompto, e para o resto
que ainda falta, passageiros e escravos, para os
quaes l^m excedentes commodos, trali-se com
os consignatarios Piulo de Souza k Bairao, na
ra da Cruz n. 21, ou na praca com o eapito.
Para o Ass
segu com brevidade o hiale Beberibe ; para
carga e passageiros, trata-se na ra do Vigario
numero 5.
Para o Aracaty
seeueeom brevidade o hlate Caraaragibe ; pa-
ra carga e passageiros, trata-se na ra do Viga-
rio n. 5.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
o 77|
7)6
s 5il Ii4
a 4iTlti4a
5(1 a h\b
asue da* rewebkte hesp. > 1-. Tiirn,
m.iicsnos.....s jitr a8fai|8
Maelas de 5 fr. *jTT 5(8 a 4jT1
CfeeaaVs asaos -.iM,l8 e5j0
i3[8
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial em eumprimento da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia de 22 do corrente, man-
da convidar aos Srs. Belarmino D. da Silva e
Joo Duarte Carneiro Monteiro, para comparece-
rn) nesta thesouraria no prazo d 15 dias, a con-
tar da data deste, aQm do pagarem voluntaria- Antonio Vieira, Joao
mente as quantias constantes das cootas abaixo
copiada, relativamente direitos de exportado
que-dejxaraai.de pagar na coltecloria da Granjaf
na provincia do Cear.
E para que chegue ao conhecimento dos mea-
mos senhores se mandou afxar o presente e
pwtocaf pelo Diario.
Secretar a ds thesouraria provincial de Per-
nambuco 25 de fevereiro de 1861.O secretario,
A. F. d*ArHreeiagSo.
O Sr. Belarmino D. da Silva thesouraria pro-
vincial do Ceari, de ve ;
De tseoslo de ti sobre 200 alqueires de
farinha'iue exportou da Granja para
Pernambuco no vapor Iguasass
ea 18 >8. como dos nsaafestoe 400500
dem ilem de 89 slquaires li2 qus*-
Ua de milhe 17*e*50
Idea idea de 30 slqoeirss i 111 quar-
tae de arroz l#i50
Lisboa.....90 d.d-53,
Pwte. .... a --53a33'li8
XaealMMN. .eud. v,eaAfe
AaMpardaau es. d.-U&I42* kUB
Efambnrga ... -13^ liSTlS.8
Parts..... a 15,85 B--5.60
-...-- >fc.r> iB^lieiMli
KlaUflft
feeacein de MU.4otoeio
iro thaaM
Contadoria 6 de
Laasiaoo Bieetaa.
O Br. Jeae Bu a* Ve Cesaaie
raria.pre>KcALduCeeev4eee :
leapartaacia,ae deUeifcde saga* eeiev-
paato de % Iqnareee y de ataa
que esperto da Gca)a pea a Beaaeai-
buco no vapor Iguaraase aa neo
de BBB, eU y deteaa faaor
I255OO s pagou na collectoiial
O novo banco continua a substituir
ou a resgalar as notas de 10$ e 20$ que
bavia etnittido e ainda existem em cir-
cularlo, prevenindo de que conforme
o decreto n. 2,664 de 10 de outubro
uitimo e decisao do tribunal do ihesou-
ro de 12 de jamuro do corrente anno,
esta substituido f continua sem pre-
juizo doe possuidores das mesmas notas
at 9 de marco prximo vindouro, pois
que desse dia em diante s tera' lugar
com o descont mensal e progresivo
de 10 por cento ou de 10 por cento no
prsmeiro mes, de 20 por cento no se
gundo, de 30 por cento no^terceiro e
assim successivamente at ficar no dci-
mo mez e d'ahi por diante sem mais va-
lor alguui, Recife 5 de fevereiro de
i 861. -Os directores gerentes, Lulz
Ignacio de Me-
deirosRego.
Vice consulado de Espna.
De ordea del Excrao. Sor.
ministro residente j cnsul
general de S. M. Catlica en
Ro de Janeiro, prevengo
ios subditos espaoles resi-
dentes en este districto con-
sular que siendo indispensa-
ble que se hallen provistos de
una carta %de nacionalidad,
tanto por krters propio para
acreditar sus personas y po-
der reclamar la proteccin de
tes agentes de ss nacin, co-
mo por eoavemr a* ssr? ieie
del estado, ol tote* uua ieoteW
da exacta de los cuidad'anas
Navega^o costeira a vapor.
Pela gerencia se faz publico que "ora em dien-
te os vapores da corapanhh prnambecsuo s1n-
ro para os pertoa do norte a 7 e 22, continuando
para os do sol a 5 e SO.
raar
Para o Para em direilura.
O palhabote Garibaldx, segu nestes dias por
ter engajado parte do seu carregamento a tra-
tar com Tasto Irmaos ou com o capitao Custodio
os Vianoi.
Para a Rabia segu em poucos dias a es-
cuna nacional Carila; para alguna carga qua
lhe falta, trata-se coro seu consignatario Fran-
cisco L. O. Azevedo, na ra da Madre de Dos,
n. 12,
COIPAN RUCABA
DB
IMavegace cosleira a vapor
O vapor fcrsiiiunga, commsndaniante lloa-
ra, segu para os portos do sul em 5 de margo s
5 horas ds larde.
Recebe ca-ga at odia d ao meio dia Passa-
geiros e dinheiro s frele at o dia da sabida ie
2 horas. Escriplorio no Forto do Malos u. f.
COMlMLlfWtA
0H.S
lessageries ieriales.
At o da 4 de margo espera-te dos portos >
tal a i eeo1-fiaues* leen, aemeaneaai
ds la Not. o qael depois da dmete do
seguir para Bordeaux tocando ana S. Viceotei
llieboa, para paaaagees, eneoeameeilss etc.,

MUTILSDQF


M
dubk) rae imniroeo. sexta feira t ds migo de un.
Maranho.
Segu nesle* din o hiate tSsnto Amaro ; pa-
vo o resto da carga, trata-se coa Cietano Cyriaco
da C. H. & Irmao, ao lado do Corpo Santo o. 23.
Para Lisboa seme rom toda a brevidade o
krigue portugus Soberano, por ter quasi todo
seo carregamento promplo ; para o resto e pas-
sageiros, trata-se com o consignatario l. de Aqui-
no Fonseca Jnior, na ra da Cacimba n. 1, pri-
tneiro andar, ou com o capilo Antonio Agosti-
aho de Almeida, na praga.
d w_
COMPANHA BRASILElrU
DE
Espera-se dos portos do nortate o dia 5 de
margo o vapor Cruzeiro do Sul, commandan-
te Puntes Ribeiro, o qual depois da demora do
cosiume seguir para os porios do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir, a quai de-
ver ser embarcada no dia de sua chegada :
agencia ra da Cruz n. 1. escriptorio de Azeve-
do Mf ndes.
Para o Aracaty e Assu'
segu com brevidade o hiate S na Rita, j tem
a roaior parle da C3rga ; para o resto trata-se rom
Mariins & Irmao, ou com o capiao Antonio Joa-
quina Alves.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Espera-se do sul al o dia 3 de margo o
vapor Paran, commandanle o capilo lente
Jos Lepoldo de Noronha Torrezo. o qual de-
pois da demora do costume seguir para os
portos do norte.
Recebem-se desde j passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir a qual de-
ver ser embarcada no dia de sua chegada : agen-
cia ra da Cruz d. 1, escriptorio de Azevedo &
Mande*.
P
I:
Rio do Janeiro,
se"ue por estes 4 ou 6 diaso brigue escuna Ne-
sraes, tero lodo o ?eu carregamento prompto, e
so recebe escravos a frete : trata-se com o con-
signatario Manoel Altes Guerra, ra do Trapiche
n. 14 o" coro o capltio a bordo.
'__ para Lisboa segu com multa breviaade o
palarho portugus Jareo, recebe carga a frete
c passageiros, para o que trota-se com seus con-
signatarios Aniorira Iraios na ra da Cruz n. 3,
ou com o capilo J M. Coelho bobrinho, na pra-
<;a do commer"o-
* 8OCIE0ADE
DAS
ARTES IECH.tflC.4S E LIKRAES
DE
PERNAMBUCO.
A directora desta sociedade faz sciente a todos
os socios effectivos, que desde o dia 4 de feve-
reiro se achara abertas as aulas da sobredita so-
ciedade a saber : primeiras letras, grammatica
nacional, francez, geometra e archilectura, fal-
tando desenho por nao estar provida a cadeira, e
como lenha cessado o destacamento das guardas
nacionaes, motivo este que privava a amitos so-
cios de estudarem, afdirecgo convida a todos os
socios que esliverem as circunstancias de se
matricularera que o venham fazer. Assim como
faz sciente a todos, que nao temi dasapparecido
o motivo que obrigou a sociedade reunir-se to-
das as quintas-feiras, serao punidos os que dei-
xarera de comparecer seni motivo justo, como
detormiuarn os estatutos da niesma sociedade.
Secretaria da sociedade das Artes Mechanices
e Liberaos de Pernambuco em 28 de fevereiro de
1861.
Fimao de Souza Honteiro,
1." Secretario.
TRAVESSA DOS PIRES
JOSEPH GROSJEA^
Joseph Grosjean previne ao respeitavel pu-
blico e em particular os seus freguezes, que ten-
do rollado de Franga, lomou novamenle conta
da sua oflklna de ferreiro, sita na travessa dos
Pires, e que se acha prompto para qualquer con-
cert de seu officio ; as pessuas que quizerem
honra-lo com sua conQanga, achiran o seu esta-
belecimento muilu bem surtido de Turros do toda
quali'lada para os carros, e tambera ura bonito
sorlimento de
Lanteruas para carros.
Couros e va juetas de lustre.
e ou Iros ornamentos necessarios para carros, lu-
do de superior qualidade, e mais barato do que
em qualquer oulra parte, por ler sido todos es-
ses objectos comprados a dinheiro vista, em
casa dosmelhores fabricantes de Paris.
Offerece-se urna moga de boa conducta pa-
ra engommnr, cozinhar e coser em urna casa de
pouca familia, pois de ludo emende bem, sendo
servico de portas a dentro, viudo dormir em sua
casa : quem precisar, dirija-se a ra de Santa
Rila, loja u. 14, que tratar negocio.
Veneravel confraria de Santa
Rita de Cassia.
A mesa regadora da veneravel confraria de
Santa Rita de Cassia convida a todos os seus cha-
rissimoa irmaos para que hajam de comparecer
no dia 3 de margo pelas 2 horas da tarde, no
consistorio da mesma confraria, afira de acom-
penharmos a procissao do Senhor Bom Jess dos
Afflicto. Consistorio da veneravel confraria de
Senta Rita de Cassia em 28 de fevereiro de 1861.
Joo Pedro de Jess da Malla.
Escrivao.
COMmillA PERNAMBICANA
DE
Navegac)costeiraavapi)r
Parahiba, Rio Grande do Norte. As-
su', Aracatv, Ceara' e Acaracu'.
_0 vapor Jaguaribe, commandanle Lobato, sa-
liir para os portos do norte al ac Acarac no
dia 7 de margo < 5 horas da tarde.
BeceDe-su carga at o dia 6 as 3 horas. Paa
sageiros e dinheiro a frete at ao dia 7 s 2 ho-
ras : pscriploiio no Forte do Mallos n. 1.______
Leiloes.
LEILO
O agente Oliveira congratula-se sobremaneira
por se ai liar restituido presengs de seus nu-
merosos amigos Srs. locistas desta cidade e con-
fiando em sua anliga indulgencia, tem o prazer
de tornar a convida-tos, pela primeira vez aps
seu regreaso, para o leilo dos Sr9.
E. A. Burle C,
o qual constar de um perfeito sorlimento de fa-
zendss, principalmente prelas, as mais procura-
das e proprias da presente quaresma, e ter
lugar no armazem dos mesmns na ra da Cruz:
sexta-feira Io de margo, s 10 horas da
LEILAO
A viua i! i'uubads Uo Uuauu IJilun-
zano Pinto de Araujo, pungidas da mais
agida dr, convidara aos amigos do mes-
mo para ouvirem urna missa que em seu
sutTragio ser dita na igreja de ossa Se-
nhora do Carmo, sabbado 2 do correnlo as
8e ||2"horas da manha.
LOTiiUi
Qnaita-feira 6 do presente mez de
marco andarao impreterivelmente as
rodas da primeira parte da primeira lo-
tera a beneficio da igreja de Santa Rita
de Cassia, pelas 9 horas e meia da ma-
nha, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da freguezia de
Santo Antonio desta cidade. O abaixo
assign ido convida o respeitavel publi-
co a presenciar o referido acto, o qual
e por um novo processo sendo os n-
meros e premios impressos em peque-
as espheras, asquaes sao sempre tira-
das e lidas sobre as pontas dos dedos
polegar e index, tendo os publicadores
as mangas bastantemente arregazadas,
tornando-se assim impossi?el praticar-
se qualquer fraude, pelo que se respon-
sabilisao raesmo abaixo assignado. O
restante dos bilhetes, meios e qu&rtos se
acham a' venda na thesouraria das lo-
teras ruado Queimado n. 12 primero
andar, e lojas commissionadas na pra-
ca da Independencia n. 22 do Sr. San-
tos Vera, na ra estreita do Rosario n.
12 doSr. Mira, na ra Direita n. 5 bo-
de margo, s 10_horas da maoha. tica do Sr. Chagas, ra da Cadeia Velha
n. 45 dos Sr. Porto Sr Irmao e ra da
Imperatriz n. 2 do Sr. Sebasto. As
listas se da rao no da immediato pela
PuMieaees do insltalo kvneopa-
Ifca do Brasil.
DICCIONARIO POPULAR
DE
MEDICINA HOHEOPATHIA
Obra indispensavel todas as
pessoas que quizerem curar ho-
meona tilica mente,
cosiendo:
1 de/inico clara dos termos di medicina: as
causas mais frequentes das molestias: os symp-
tomas, porque estas se fazem conhecer : os me-
dicamentos que melhor Ihes arretpondem : a
quantidade das dses de cada medicamento e
seus respectivos intervalos as molestias agu-
das e chronicas: a hora d dia ou da noile,
em que os medicamentos desenvolvem melhor
saa aeco : a manea-a de alternar os medica-
mentos : a maneira de curar os enpenenamen-
tos, as mordeduras de cobras, (acodas, tiros,
quedas, pancadas e fracturas e todas as mo-
lestias conhecidas, principalmente as quegras-
sam no Brasil, qur as pessoas livres, qur
as escravas: os soccorros que se devem pres-
tar mulher durante a prenhet, na occasio
do parto e depois delle: os cuidados que a
crianca reclama, qur logo depois do nasci-
menlo, qur durante a infancia : os perigos
que esto sujeitos lodos os que tomam reme-
dios allopathicos: e muitos outros arligos de
vital interesse; bem como urna descripeo con-
cisa, e em linguagem acommodada intelli-
gencia das pessoas exlranhas medicina, dos
orgos mais importantes, que enlram na com-
posieo do corpo humano, etc., etc., com ditas
eslampas, urna mostrando qaanto possivel to-
dos os orgos internos, com a sua explicaco
phisiologica e oulra mostrando as differentes
regies abdomivaes. (A primeira colorida pa-
ra os senhores assignanles.)
PELO D0UT0R
S.VBIXO OLEGARIO LIDGERO PIMO.
O Diccionario Popular de medicina homeopa-
thica urna obra completa de homeopalhia, o
resultado da pralica dos homeopalhas europeos,
americanos, particularmente dos Brasileros, e
da mirilla propria experiencia ; ella satisfaz inlei-
ramente os mdicos, que quizerem experimentar
ou exercer a nossa medicina ; e muito mais an-
da aos paes de familias, qur das cidade, qur
do campo, chefes deeflabelecimcnto, capites de
navio, curas d'almas, ele que por si mesraos
quizerem conhecer os prodigiosos effeitos da ho-
meopalhia.
N. B. Tenrionando o autor, aproveilando sua
viagem Kuropa,fazer imprimir slli o Dicciona-
rio Popular tal qual o havia feilo, aconleceu
que antes de incelar a publicago visse elle obras
I mui modernas de medicina, abundantes de ideas
novas, e enlao resolveu mudar inteiramenle o
plano que havia concebido, e dar loda expao-
sao e. clarea a essa obra, de modo que tanto os
homens versados na sciencia, coma os que o nao
sao, podessem tirar delta o maxuno proveito pos-
sivel, sem embargo de trazer-lhe isso um accres-
cimo de despeza de dous tergos mais do que gas-
j taria, se publicasse a obra, como a principio li-
nha organisado.
O Diccionario Popular de Medicina Homeopa-
thica, como agora est composlo ser sem duvi-
da a obra mais til de Indas que se Um publica-
do. Ella con-tar de 3 volumes cora 1,500 pa-
ginas pouco mais ou menos.
A assignatura 15j, pagos na occasio de assig-
nar. (Depois de impresso custar 25}.)
Acha-se igualmente em via de pnblica-
cao a segunda ediccao do
THESOUR HOMEOPATHICO
ou
Vade-mecum do homeopatha.
Esta nova ediegao em ludo superior pri-
meira. .tanto no que diz respeito disposigao das
materias,' como no que relativo ao modo de ad-
ministrar as dVs, ao estudo dos.tjmperamentos,
s molestias hereditarias e contagiosas, a hygien-
ne pratica, ele, ele. Com urna estampa demous-
Iraliva da continuidade do tubo intestinal desde
a bocea al o recto.
A assignslura de 8g pagos na occasio de as-
signar, (depois de impresso custar 129 pelo
menos.)
As pessoas que quizerem assignar urna e ou-
lra obra pagaro apenas 20 em lugar de 23.
N. B. A assignslura, qua nao for acompanhada
da respectiva importancia, nao ser considerada
como tal.
Assigna-se em casa do autor, ra de Santo A-
maro, (Mundo Novo) n. 6.
O Sr. Joao Hiplito Meira Lima tem ama
caria na livraria ns. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia.
DA
DE
lima taberna.
Sexta-feira 1* de marco.
AO CORRER DO MARTELLO.
Costa Carvalho far leilo por aulorisacao do
Sr. Joaquim Gongalves de Azevedo Maia, fle sua
taberna sita na ra Augusta n. 114, sendo em
um excelleute local por ter duas frentes em um
s lote ou a retalho vonlade dos compradores
a qual est muito afreguezada, a qual ser en-
tregue sem reserva de prego, s 11 hoias em
ponto.
LEILAO
DE
Urna armacao.
Sabbado 2 de marco.
Costa Carvalho nao podendo effeclnar o leilo
s taberna de Antonio Pereira Vianna far no dia
cima sem reserva de prego s 11 horas em pon-
to pata informagoes podem entender-se com o
mesrao agente ou cem o Sr. Manoel Jos de Pa-
ria em seu armarem na ra do Amoriro.______
Avisos diversos.
Na livrana n. t e 8 ds praca da
Independencia precisa-te fallar ao Sr.
Ulisse Cokles Cavalcaoti de Mello.
Via-
aeros-
gem
tatica
Elias Bernardi, vindo do Para com destino
corte do Rio de Janeiro, achando-se presente-
mente nesta capital onde pretende demorar-se
Eoucos dias, aproveita a occasio de ter a subida
onra de offerecer ao mui digno e respeitavel
publico pernambucano um espectculo paslio de
seus rouidilBceis trabalhos de gymnastica mimi-
!ca, terminando-o cem a subida ao arem ura ba-
I lo que ter quarenta varas de cumorimenin o
manliSa e OS prem.08 terao de ptomptOsetenta de circunferencia, repe.inTem sua di-
pigos na misma thesouraria e lojas com- gressao pelos ares, sobre urna trapezia asmis
mUsionadas. O abaixo assignado ropa! "^ultosas posigoos gyDinstica.
... wHftiiauv E. com eg|e espertacui0 que eSpera merecer a
atienen", bom acolhimenlo e protecgo desse
mui respeitavel publico, que to exuberantes
provas tem dado de sua constante benevolencia
seus irmos d'arte que tem a gloria de aportar
as jilaga desta Veneza Americana.
Os bilhetes serao distribuidos quando se an-
nunciar por esta folha o dia do espectculo.
_ Procisa-se de um hornera portugus, prefe-
rindo-se do Porto, para trabalbar cora urna car-
rora, dando fiador a sua conducta: quera pre-
tender, dirija-se a ra do Imperador n. 46 : nao
se poe duvida a pagar se bom ordenado.
Jos de Dos Monteiro Jnior faz sciente ao
respeitavel publico que ninguem contrate nego-
cio algum cora Vicente Campello do Patrocinio,
vulgo ViceBte Campello, relativo a seus bens,
porque elles esto litigiosos.
Potassa. 8
Vende-se a 240 rs. a libra, a
superior e aira potassa do acredi-
tado fabricante Joao Casa-nova ,
cuja qualidade e reconhecido ef-
feito igatl ou stijserior a de
Hamburgo, feralmente conheci-
da como da Russia : ao deposito,
ra da Cadeia n. 47, escriptorio
de Leal Keis.
portanto a valiosa coadjuvacao do res-
peitavel publico na compra dos bilbetes
que lhe restam, certos de que coopera-
rao para um fim todo piedoso como se-
jam os reparos da dita igreja de Santa
Rita de Cassia, cuja coberta se acha em
ruinas.
O tliesoureii o,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
A 20$000 o corte,
no armazem da ra Nova jun-
to Conceicao dos Milita-
resy n. 47,
Bastos Reg.
Parece incrivel I... cortes de ricos vestidos
de seda pretos, coro babados ricamente borda-
dos pelo diminuto prego de 20$000 o corte, as-
sim como temos grande soilimento de fazendas
pretaa para a quaresma ; ricos taimas de velludo*
e capas compridas, ricamente bordados dos mais
modernos gosios que teem apparecido; vestidos
de seda preta de todas as qualidades; grosde-
naplcs a l8o0. 20 e a 2$400 ao covado ; ricas
mantas prelas para senhora, com quatro palmos
de largura muito compridas, pelo diminuto pre-
go de 8 rs.; ricos manteletes de seda preta
com bicos cmputos e sem bico. gosto muito
apurado, a 2-2, 349, 28 a a 30 rs:: todas estas
fazendas se vendem muito barato s com o fim
de aparar dinheiro e acreditar esle novo ar-
mazem.
Urna casa eslrangeira precisa alugar um ne-
gro para servigo de casa : Da ra di Cruz n. 19
armazem.
Precisa-se de urna ama de leite sem Olho
Da ra do Raogel' n. 7 2.* andar.
Deseija-se saber se o 6r. Jos Pereira da
Silva que annunciou retirar-se para o Par,
o que foi socio do Sr. Poncianno Lourengo da
Silva, em orna fabrica da charutos,
Jos Soriano da Souza, doutor em medicina
pata faculdade do Rio da Janeiro, tem o sen con-
sultorio medico-cirurgico na ra do Imperador
n. 77 2. andar onde poda ser procurado a qual-
quer hora para o eiereioio de saa arla.
Offerece-se um rapaz de 16 aonoi de idade,
para earxeko de qualquer arrumacla, o qual tam
boa letra a escreve crrela mente qoera precisar
dirija-sa iude Ssnta Tharea n 11
PROVINCIA.
Aos 10:000^
Primeira parte da pri-
meira loteria de Santa
Hita de Cassia.
O abaixo assignado tem resolvido garantir os
bilhetes rubricados com a sua firma dos impos-
to de 12 por 0(0 geraes e 2 por 0(0 provinciaes,
vindo assim a receber o portador do bilhele ga-
rantido 10:000$ em lugar de 8:600 que recebe-
ria se o bilhete nao fosse garantido. Assegu-
rando alm disto o pagamento integral de todas
as sortes logo quo aiam as respectivas listas ;
em sua loja na praga da Independencia n. 22
Outro sim, os bilhetes garantidos com a sua chan-
cella continuam a ser vendidos na supradila loja
e as mais do costume ao prego de
Bilhete inteiro. I2J
Meio bilhete, ... 6$
Quarto de bilhete. 3$
Santos Vieira.
Atten^o*
9 Jos Perreira de Souza, tendo aberto o
tP seu estabeleciaento de alfaiatera da
Cruz n. 31, primero andarrecommen-
t da-o aos seus amigos e freguezes, bem
@ como aos mais senhores que o quizerem
honrar com sua freguezia proroptificando
$ ludo cem asseio, bem feilo e com brevi-
dade seus pregos sao razoaveis.
<
Koga-se ao Sr. Romao Antonio
da Sil.a Alcntara, queira declarar sua
morada que se precisa fallar.
Hotel trovador
Ra larga do Rosario
numero 44.
Nesle estabelecimeoto existe disposigo dos
amadores dos bons petiscos, peixes de conserva
preparados pelo foraecedor de S. M. I. o delicio-
so salame de Lio, azeitonas brancas de Sevilha,
e varias conservas. Depois de apreciar esses sa-
borosos petiscos para tornar a digesto mais r-
pida, ha tambera no mesmo estabelecimeoto um
primoroso bilhar, o melhor desta cidade, como
est provado pela immonsa concurrencia que tem
lido. As bolas esto dia e noile sujeitas a um
molu-continuo, impellidas pela flor da popula-
gao desia formosa Veneza americana.
JSUNSjajMSSMftilU nira r*igraaa minnatrnaiir
Julio & Conrado.
Ra do Queimado n. 48.
Participm aos seus numerosos fregue-
zes que tendo chegado o seu mestre al-
faiate que mandaram contratar em Paris,
acham-se promptos a mandarem execu-
tar toda e qualquer obra tendenie a al-
faiate, assim como tem em seu eslabele-
cimenlo grande sorlimento de ludo quan-
to se desejar, para qualquer das esta-
gdes nao s de fazendas como diversos
artigos de luxo, continuando o mesmo
mestre a receber por lodosos vapores -
gurinos para melhor poderem servir ao
respeitavel publico a quem pedem de vi-
rem visitar o seu estabelecimeoto que
eocontraro aquillo que desejarem.
C0IPA1
Recife
DO
ao rio Sao Francisco.
(LIMITADO.)
Para maior commodidade dos senhores de en-
genbo a companhia estabeleceu um novo arma-
zem na Escuda no lugar denominado Atalaia do
outro lado do rio Ipojuca, o qual estar aberto
para orecebimenlodoassucar, gneros etc., ele ,
de quarta-feira 20 de fevereiro em diante.
AssignadoE. H. Braman,
Superintendente.
II M J. Leite, declara que cons-
tas tttuio seu bastante procurador
g aoSr. Manoel Gomes Leal, paia
H promover a cobranca de suas di-
|| vidas passivas.
Quem tiver par* vender um negro perito
canoeiro e que nao lenha virios, queira procurar
no largo do Corpo Sanio n. 13, que achara com
quem tratar.
Na ra Direita n. 28, acha-se urna carta para
o Sr. Jnaquim Francisco de Paula, e pede-se ao
raesmo senhor que sed ao trabalho de a procu-
rar na mesma casa.
Santo Amaro
Festa de Nossa Senhora
da Soledade
Hoje as 8 horas da noile, urna salva annuncia-
r a bandeira que sahir da casa da juiza no um
da ra da Aurora, condazida por Aojos e prece-
dida por mimosas virgeos que iro cantando du-
rante o trajelo da mesma.
Amanhaa haveri vesperas, e domingo as 5 ho-
ras da madrugada, urna salva a girndolas aonun-
ciarao o dia da festa, que serl feita com decencia,
a Urde haveri cavavalhadas offerecidas por dia
tinelos cavalheiros aos encarregados da fasta, as
quaes duraro at as 5 1)2 horas, a cuja hora'so-
bir aos ares um bilao. Terminar a festa com
um fogo de vista e o tiramento da bandeira, qua
se recolheri i casa da nova juiza. |
Todos estes divertimenios serao acompanhades
por urna das aelbores msicas j bem conbeci-
da neata cidada. Os encarregados da festa pedem
so respeitavel nvMieo se digne concorrer a esta
festa para a tornar mais brilhante. pois ellas na-
da teem poapado para que a mesma seja feita
com toda a decencia.
J" aB,r^? Medeiroi sicam para Portogal e
liba de S. Miguel. B
Phosophia, degeographiaerhetorica
, PILO BACBAREL
A.R.DE TORRESBAHDEIRI,
Proleuor de geographia ^
e historia anliga no gymnasio desta .
provincia.
Esto abertesestes cursos na casa da residen-
cia do annuncianle, ra do Imperador n. 87, se-
gundo andar ; e dar-se-ha logar a dovos cursos
destas mesmas disciplinas, a proporgio que aug-
mentar o numero doa alumnos. A classe de geo-
graphia comprehende ;
1. o esludo de geographia.
2. o estudo da historia com especialidade a do
Brasil.
A classe de rhetorica est dividida em duas
secges:
1." de rethorica em geral.
2. de potica e snalyse dos classicos.
rtencao.
|fl ftx/a fctua mm
Mudanca de esta-
belecimento.
Jos Moreira Lopes avisa aos seus amigse
freguezes desta e de nutras provincias, que mu-
dou o seu estabelecimento de fazendas que tinba
no sobrado amarello da ra do Queimado, para a
loja e armazem que foi dos Srs. Santos & Rolim,
onde tem o mais completo e variado sortimeot
de fazendas de todas as qualidades para vender
era grosso e a retalho por pregos muito baratos:
ra do Crespo, sobrado de 4 andares n 13, e ra
do Imperador, outr'ora ra do Collegio, sobrado
de um andar n. 36. .
Foi encontrado pelos cargueiros do engenho
das Maltas, no dia sabbado 23 do correte, um
quarlo alaso, o qual seta eniregue a seu dono,
dando os signaes.
Antonio de Paula Souza Leao.
O abaixo assiguado tendo recebido de um
dos herdeiros do engenho Leao as letras de que
fez mensao em seu anterior aviso ao respeitavel
publico, ainda contina a prevenir de nao fazer
Iransacgao alguroa com aquellesdo outro a quem
j era tempo exigi a restituigo deltas.
Joao Carneiro Lins Barradas.
. Lava-se e engoroma-se com brevidade por
baralissimo prego ; na ra de S. Bom Jess das
Crioulas n. 2.
Precisase para alugar para es-
trangeiros solteiros urna boa casa no
campo que tenha grande sitio, baixa de
capim. banho prto e estribarla para 5
ou 4 cavallos, prefere-se na Passagem
da Magdalena ou em suas proximida-
des : quem tiver dirija-se ao largo do
Coipo Santo armazem n. 27.
ASSOCIAQAO
DE
Soccorros Mutuos
E
Lenta Emancipaco dos Captivos.
De conformidade com o artigo 19 sao convida-
dos todos os socios effectivos pan com parecerm
a reunio ordinaria da assembla geraL domingo
3 de margo, as 11 horas da manha. i
Secretaria da Associago de SoccfTfros Mutuos
e Lenta Emancipago dos Captivos 26de fevereiro
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
Tira retratos por ojf
Tira ratratos por 3$
Tira retratos por 3$
Tira retratos por 3^
Tira retratos por 3$
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Joao Jos de Figueiredo, teodo comprado o
estabelecimento de fazendas finas da ra do Cres-
po d. 9, que foi de Siqueira & Pereira. visa a
todos os freguezes dos mesmos, que elle conti-
na a vender fazendas de muito gosto, bem como
obras de ouro e brilhantes, ludo por menos de
seu valor para liquidar.
O Dr. Casanova
pode ser procurado lodos os dias em seu
consultorio especial homeopathico.
30Ilua das Crozes-30
Nesle consultorio tem sempre os mais
novos e acreditados medicamentos pre-
l| parados em Paris (astinturas) por Ca-
|5 tellan e Weber.por pregos razoaveis.
| Os elementos de homeopalhia obra, re-
4 commendada intelligencia de qualquer
H pessoa.
(5 Antonio Eloy Rodrigues da Silva pede a to-
das as pessoas que lhe devem, que no prazo de
30 dias queiram vir pagar seus dbitos no mes-
mo estabelecimento aonde o contrahiram, do con-
trario verSo seus nones por extenso nesle jornal,
e passaro a serem cobrados judicialmente. Re-
cite 26 de fevereiro de 1861.
COMPAMA DA YIA FRREA
- DO
RECIFE A SAO FRANCISCO.
(limitada.)
! estacao das Cinco Pontas s 8 112 horas'da m-
de cai- ?has correr* aoa>le *' a Villa do Cabo, e o
( trem que at agura tem sabido da Escada 1 3il
. Tk'/'o'I8 ,er "onliBuado, "> san.
de ca-, do Cabo s 3 horas da tarde como coslumv
As horas da partida dos trens serao ">'>
pela tabella seguinte :
reguladas
de 1861.
Joao da Costa Braga.
1." secretario.
yvatimhucAUA.
Demingo 3 de margo, s 10 horas da manha,
haver sessio extraordinaria do conselho e da
assembla'geral para tralar-se da cootinusgo da
reforma dos estatutos e de outros negocios.
Secretaria da Associago Typographica Per-
ambucana 27 de fevereiro de 1861.
J. Cesar,
1 secretario;
Barroca & Medeiros sacam para
Portugal e Ilha de S. Miguel.
NOs abaixo assignados fazemos
sciente ao publico' e particularmente ao
corpo commercial, que de commumac
cordo dissolvemos a sociedade que ti-
nhamos no armazem d ra da Madre
de Dos n. 6, debaixo da firma de Ma-
chado & Dantas, Meando o socio Anto-
nio Jos' Dantas na liquidarlo je todo o
activo e passivo da mesma firma. Reci-
fe 31 dejaneiro de 1861JosFeUaci-
no Machado Antonio Jos Dantas.
Tondo recebido um sortimento de cai- de^eVelr^^^
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-'
xinhas novas
No grande salao da ra do Imperador'
No grande salao da ra do Imperador j
No grande salao da ra do Imperador;
No grande salo da ra do Imperador j
No grande salao da ra do Imperador
No grande salo da ra do Imperador O
A. W. sborn, o retratista america- J
no tem recentemente recebido um gran- u
de e variado sorlimento de caixas, qua- H
dros, aparatos chimaos, e um grande m
numero de objectos relativos w arte.
Como tambem um grande ornecimen-
to de caixas para retratos de 3$000 rs.
cada um, as pessoas que desejarem ad-
qnirir conhecimentos pratiecs na arte
de retratar acharo o abaixo assignado
sempre prompto sob condicOes muito
razoaveis.
Os cavalheirosesenhoras sao convida-
dos a visitar estes estabelecimentos, pa-
ra^ examinarem os specimens do que
cima ica anunciado.
Aluga-se a loja do sobrad da ra das Cru-
zes n. 18 : a tratar no mesmo sobrado.
Alugam-se duas casas no lugar denomina-
do Sant'Anna de Dentro, tendo commodos suffi-
cienles para grande familia, tendo banho perlo
da casa ; a tratar no pateo de S. Pedro n. 6.
Precisa-se alugar um preto : na ra da ma-
triz da Boa-Vista, padaria n. 26.
Precisa-se alugar um moleque mogo e lim-
po que saiba cozinhar bem, e sirva para criado :
quem tiver annuncie, pois paga-se bem.
Manoel Joaquira da Cunha avisa ao respei-
tavel publico com especialidade ao corpo de
commercio que tendo-sede retirar para fora da
provincia, julga nada dever a esta praga, e se
alguma pessoa se julgar seu credor, aprsente as
suas contas no prazo do 3 dias na praga da
Boa-vista n. 17.
F. Monhard vai para a Baha.
Prencisa-se de um caixeiro que entenda de
taberna, que d fiador a sus conducta ; em Pora
de Portas, ra do Pilar n. 143.
Attenco.
As filhas de Firmino Jos
Flix da Rosa (j fallecido )
participm ao respeitavel pu
blico desta cidade, que auto-
risadas pelo 111 m Sr. director
da instruecopublica, acham-
se com sua aula a berta para
ensino particular, na ra do
Vigario n. 15 segundo andar,
em cuja aula eosioa-se o se-
guate: marcar, labyriotho,
tapete, tapessaria, bordar em
branco, matiz, froco, missan-
ga, bordara ouro, bordar em
papel, tudo isto com toda a
porfeico: rogam portanto aos
111 ms. Sr.paes de familia para
que facam concorrer suas me-
ninas para o ensino, afim de
que aquellas por este meio pos-
sam sahir da miseria que
esto reduzidas, por cuja ra-
zo sua gratido ser eterna.
Precisa-se alagar nra sobrado de um andar
com bons commodos, ms procipaes rasa das fre-
guezias de S. Jos ou Sanio Antonio, sendo sea
singue) de 309 mensaes, obrigaodo-se o inqnili-
no pelo acaio da casa : quem tiver annuncie pa-
ra ser procurado.
O abaixo assignado perdeu ura val de ris
320, paseado por Jeto Adriano Mello Datra a
seu favor, pegave! em marco prximo futuro. Re-
cife, 28 de fevereiro de 1881.
Jouquim Ludo Monteiro i* /ranea.
AssignadoB. H. Braman.
ignado-ff. H. Brmmah,
Superintendente.
Retira-re para Para Jos Pereira da Silva,
subdito portugus.
Sexta-feira 1.* de margo, depois da audien-
cia do Sr. jniz de pas da freguezia de S. Jos,
terao de ser arrcmaladoa os movis seguintes :
1 piano em bom uso, avslisdo por 80|, 1 cartei-
ra de madeira de amarello por 8f, 1 relogio de
cima de mesa, trabalbaodo, por 89, a quadros
grandes por 10$. cajos movis sao pertencenles
a Miguel Seraphim de Castro Nunes, e vio i pra-
ca a requerimento de Jos Francisco de Piala,
cu jo escripto acha-se em poder do porteiro do
julio o Serra Grande.
MUTILADO


>>

PUMO Al fSKNAiWJq0.vT SWITA FElttA j J* MUCD-DIlUl.
(5)
O EXTRACTO
COMPOSTO DE
SALSA [PARKOLHA E)@ R. T@WHI8IIIIE)
MELHORADO E FABRICADO SOB ADIRECQAO' DO DR JAMES R. CBILTON,
ehimico e medico celebre de New York
GRANDE SUPERIORIDADE DO
TRATO FLUIDO COMPOSTO
DE
SALSA PARRILHA
Explica s pelo sen extraordinario
e quasi miraculoso effeito no
sangue.
Cada um sabe que a saode ou a infermidade
depende directamente do estado deste fluido vi-
tal. Isto ha de ser, visto o partido importante
que lem na economa animal.
A quantidade do sangue n'um homem d'es-
tatuia meliana est avaada pelas as primeiras
autoridades em vinte e oito arralis. Km cada
pulsacao duas oncss saliera do coracao nos bofes
e dalli todo o sangue passa alem no corpo huma-
no em menos de qdatro minutos. Urna dis-
posicao extensiva lem sido formada e destinada
com admiravel sabedoria a destribnir e fazer
circular esta corrente de vida por todas as
partes da organisa$ao. Deste modo corre sern-
pre pelo corpo erri trrenle, o qual a gran
de fonie de infermidade ou de saude.
Se o sangue por causa alguma se empregna
de materias ftidas ou corrompidas, deffunde
COm VELOCIDADE ELCTRICA a corrupcao as
mais remotas e mais pequeas partes do corpo.
O veneno lanea-se para tras e para diente pelas
arterias, pelas veias, e pelos vasos capillarios,
al cada orgo e cada teagem se faz completa-
mente saturado e desordenado. Desta man eir
a cireulajao evi Jen tercente se faz um kncrmio
PODbroso de doenca. Nao obstante p le tam-
bem obrar com igual poder nacriagao de saude.
Estivesseocorpo infeccionado da doenca maligna,
ou local ou goral, e situada no systema nervoso
ou glanduloso, ou muscular, se smenle o san-
gue pJe fazer-se puroe saudavel ficar supeiior
a doenca e inevilavelmente expellir da consli-
tuico.
EX- New-York, havemos vendido durantemuitosan-
uos o extracto de salsa parrilha do Dr. Town-
send, considera mo-lo ser o ex irado original e
genuino de salsa parrilha do Dr. Townsend.
o qual primeramente sob este nome foi
apresentado ao publico.
BOYD A PAL, 40 Cortland Street.
WALTERB. TOWNSEND A Co, 218 Pearl
Street.
LEEDS& HAZARD, 121 Maiden Lae.
JURIACARLE & Co, 153 Water Street.
M WARD & Co, 53 Maiden Lae.
J. & J. F. TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GRAHAM 4 Co, 10 Od Llip.
OSGOOD & JENNINGS, 188 PearlStreet.
R. B. HAVILAND 4 Co, Office 177 Droad-
way.
JACKSON, ROBN S & Co, 134W ater Street.
THOMAS & MAL, WELL 86 William Street.
WM. UNDERHILL, Junr, 183 Water Street
DAVID T. LANMAN, 69 Water Street.
MARSH & NORTHROP, 60 Pearl Street.
NORTON, BABCOCK & WOOD, 139 Mai-
den Lone.
PENFOLD, CLAY & Co, 4 Fletcher Street.
OLCOTT, M KFSSON & Co, 127 Maiden
Lae.
A. B. & D. SANDS. 100 Fulton Street.
SCHIEFFELIN, BROTHER & Co, 146*
106 Jobo St.
LEWIS & PRICE. 55 Pearl Street.
HAVILAND, KEESE& Co, 80 Maiden La-
e.
RUSHTON, CLARK & Co, HOBroadway,
10 Aslor.
House, and273 Broadway, cor.ofCham-
bers Street.
PHILIP SCHIEFFELIN, & CO107Watr
Streot.
POU & PALANCA, 96 John Street.
SflERVVOOD i COFFIN, 64 Pearl Strest.
O grande mananc.al de doenca entao como RsT & HOUGHTON, 83 John Street,
daqui consta no flu.do circulante, e ne- i.MIN0R& Co. 214 Futon Street,
nhum med.camento que nao obra directamente INGERSOLL & BROTHER, 230 Pearl Slreat.
sobre ello para purificar e renovalo, possue al-
gum direito ao cuidado do publico.
O sangue O sangue I o ponto no qual
se ha mysler Gxar a attengao.
O ORIGINAL E O GINUINO
AO PUBLICO.
Nos, os Asignantes, Droguista na cidade de
JOSEPHE TRIPPI, 128 Maiden Lae.
GREENLEAF & KINSLEY, 45 Cortland
Street.
HAYDOCK, COBLIES&CLAT, 218Pear
Street.
CUMIMG & VANDUSER, 178 Greenwch
Street.
HASKELL 4 MERBICK, 10 Gold Street.
B. A.FAHNESTOCK 4 Co. 49 John Street.
CONHECEMOS A ARVORE E SUAS FRU-
TAS ,
B IGUALMENTE
Conheeemos uro Medicamento nos seus Effeitos
O extracto eomposto de Salsa parrilha do
Dr. Townsend est.
OMEDIC4MEM0DO POYO!!
Adaia-se to maravilhosamenle a consihuicio
que pode ser ulilisado em quasi todas as enfer-
midades.
ONDE E DEB1LIDADE,
fortalece;
ONDE E' CURRUPgAO,
purifica;
ONDE E' PODR1D0,
ALIUPA.
Este medicamento celebrado que lao grandes
servidos presta a humanidede, prepara-se agora
na nova fabrica, na esquina das ras Front e
Washington), Brooklym, sob a inspeccao directa
do muito conhecido ehimico e medico Dr. James
R. Chilln, da cidadejle New-York, cuja cer-
tido e assignalura se acha na capa exterior de
cada garrafa de
ORIGNALE GENUINO
EXTRACTO COMPOSTO DE SALSA PARRILHA
DO DR. TOWNSEND.
O grande puriticador do sangue
CURANDO
O Herpes
AHervsipela,
A AltSTRICCAODO VEN-
TRE,
AsAlporcas
Os Effeitos doazou-
gue,
Dispepsia,
As Doencas.de figa-
D0,
AHydropesia.
ai.mpinge
As Ulceras,
O Rheumatismo,
As Chacas
A Df.bilidade geral
As Doencasde pelle
As Borbulhasna ca-
ra,
As Tosses,
Os Catarrhos, As Tsicas, etc.
O Extrato acha-se comido em garrafas qua-
dradas e garanie-se ser mais forte e melhor em
todo o respailo a algura ouiro puriticador do
sangue, conserva-se em lodos os climas por cor-
to espac.0 de lempo.
roumniAs se mi.
Acham-se venda na livraria da praca da Independen-
cia ns. 6 e 8, as bein conhecidas folhinhas iihpressas nesta
typographia
Folhinka de porta ou KALENDARIO eeclesiastieo e civil pa
ira o
160 rs-
n bispadodePeraambuco...........
Dita de algibera contando alm do kalendario eeclesiastieo e civil,
explicado das festas mndaveis, noticia dos planetas,
tabellas das mares e nasciment e occaso do sol;
ditas dos emolumentos do tribunal do commercio;
ditas do sello; ditas do porte das cartas; ditas
dos impostos geraes, provinciaes e municipaes, ao
qua se juntou ama colleccao de bellos e divertidos
_ jogos de prendas, para entretenimento da mocidade. 320 rs.
Ult dltCL contendo alm do kalendario eeclesiastieo civil, expli-
cs$ao das festas mudaveis, noticia dos planetas, tabellas
das mares e nascimento e occaso do sol; ditas dos emo-
lumentos do tribunal do commercio ; ditas dos impostos
geraes, provinciaes e municipaes, ao que se reuni o
modo de confessar-se, e comungar, e os erficios que a
igreja eosluma celebrar desde domingos de Ramos, at
sexta-feira da Paixo, (em portugus), prego.....
Vitado alTfiafiak civil, administrativo, commercial e industrial da provin-
cia de Pernambuco, ao prego de:.......
Para facilidade do uso deste almanak, augmentou-se
de formato, e fizeram-se muitas alteragdes, sendo a correc-
co a mais exacta que foi possivel, em materia desta ordem,
(que todos os dias soffre mudancas) acrescentando-se a nu-
merac,o dos estabelecioientos coixmerciaes e industriaes ;
acompanhado de ndice para facilitar o uso, procurando o
que se deseja pela oceupaco do individuo de quem se quer
saber a residencia.
320 rs.
15000
Cada garrafa do original e genuino extracto do Dr. Townsend lem assignalura e a certido do Dr. J. R. Chlilton, na capa
exterior de papel verde.
No escripiorio do propietario, 212 Broadway, New York, e era Pernambuco na ra da Cruz n. 21, escriptorio, I, andar, tam-
bem na botica da ra Direita n. 88 do Sr. Paranhos.
DE 6
NO
Assignalura de banhos fros, momos, de choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos......"...... 1 C$000
30 carioes para os dilos banhos tomados em qualquer lempo. 159000
15 Ditos dito dito dito ...... 89000
7 ...... 4X)00
Banhos avulsos, aromticos, salgados esulphurosos aos precos anunciados.
Esta reduccao de precos facilitar ao respeilavel publico o gozo das vantagens que resultam
da frequencia de um estabelecimenlo de urna utidade incontesiavel, mas que infelizmente nao
oslando em nossos hbitos, anda pouco conhecida e apreciada:
CONSULTORIO
DO
MEDICO PARTE I ROE OPERADOR.
3 111 V l> Ai.l.OHI V.< AS A IIOI 1 \H \03
Clnica por ambos os systemas.
O Dr. Lobo Hoscoso d consultas todos os dias pela manhia, e de tardedepois de 4
horas. Contrata partidos para curar annualmen te, nao sopara acidade, como para o engenhos
u oulras propriedades ruraes.
Os chamadosdevem ser dirigidos sua casa al s 10 horas da manhaa e em caso
de urgencia outra qualquer horado dia ou da noite, sendo por escriptoem que se declare
o nome da pessoa, o da ra e o numero da casa.
Nos easos que nio forem de urgencia, as pessoas residentes no bairro doRecifepo-
dero remetter seus bilhetes botica do Sr. J. Sounn & C. a ra da Cruz, ou toja de
jivros do Sr. Jos Nogueira de Souza na ra do Crespo ao p da ponte velha.
Nessa loja e na casado annuncianleachar-se-ha constantemente os melhores medica-
mentos homeopatlcos ja bom conhecidos e pelos presos seguintes:
Botica de 12 tubos grande............10*000
Dita de 24 ditos........;........159000
Dita de 36 ditos.................20*000
Diu de 48 ditos................. 25O00
Dita de 60 ditos................ 309000
Tubos avulsos cada um.........: 1?000
Frascos de tinturas. ; :............2*000
Manual de medicina homeopathica pelo Dr. Jahr, ira- '
duzido em portuguez, eom o diccionario dos termos
de medicina, cirurgia etc.. etc........209000
Medicina domestica do Dr. Hering, eom diccionario. 109000
Repertorio do Dr. Mello Moraes........ 6900*
Banhos econmicos!
Na casa de banhos do pae o do
Carmo.
Nesle estabelecimenlo (alem dos banhos j co-
nhecidos) se fornecer d'ora em vante, por maior
commodo do publicobanhos econmicossem
luxo, mas com toda a deceucia e aos precos se-
guales :
1 "banho avulso
{fri 320 rs.
j morno 400 rs.
I Trios 89 ra.
(momos 23500.
30 banhos consecutivos fros ou momos 59.
7 cartoes para banhos
CASA
M. J. Leite, roga a seus deve-
dores que se dignem mandar pa-
gar seus dbitos na sua loja da
ra do Queimado n. 10, enten-
tendo-ie pai a esse fien com o seu
procurador o Sr. Manoel Gomes
Leal.
1 kiaa-ie alagar so prelo de mea idade :
na ra nova, loja n. 7.
de commissode escravos, pa-
teo do Paraizo n. 16, sobra-
do que foi do fallecido Ni
colo.
Para i dita casa foi transferido o antigo escrip-
torio de commifso de escravos que se acbava
estabelecido na ra larga do Rosario d. 20 ; e
ahi da mesma maneira ae coooa a receber es-
cravos para serem vendidos por commissio, e
por conta de seos senhores, nao se poupando es-
forcos para que os meamos sejam vendidos com
promplidao. afim de que seos senhores nio sof-
fram empates com a venda delles. Nesle mesmo
estabelecimenlo ha seinpre para vender escravos
de ambos ns sexos, velhos e mocos.
O bacharel A. R. de Torres Ban-
deira mudou sua residencia da ra da
larga do Rosario n. 28, para a do Im-
perador n. 37, segundo andar, onde
continuB no exercicio de sua profissao
de advogado.
Acaba de sahir dos prelos desta lypographia
urna nova edic.au da carlilha ou compendio de
doutrina chrisia, a mais completa dcquanlas se
tem impresso, por quanto abrange ludo quanto
conlinha a antiga caililha do itbbade Salomonde
e padre mestre Ignacio, acrescentando-so muitas
oracoes que aquellas nao linham ; modo de a-
compaohar um moribundo nos ltimos momen-
tos da vida, com a tabella das feslas mudaveis,
e eclypses desde o correle auno at o de 1903,
seguida da folhinha ou kalendario para os mes-
mos annus A bondado do papel e excellencia da
impressao, do a esta edi;ao da carlilha urna
preferencia asss importante: vende-se nica-
mente na livraria ns. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia.
Gama & Silva
estando em liquidadlo de sua loja de fezendas,
fita na ra da Imperatriz n. 60, por meio desle
aonuncio avisam a todos os seus devedores por
conta e letras j vencidas, a virem pagar seus
dbitos do prazo de 30 dias, contados da dala do
primairo anouucio, lindo elle sero seus nomes
publicados neste jornal. Recite 16 de fevereiro
de 1861.
O padre Francisco Joo de Azeved, com as
competentes habitac.des, propde-se a abrir no
1. de margo um curso constante de anihmlica,
algebra e geometra : as pessoas que desejarem
estudar estas materias podero dingir-se a ra
larga do Rosario o. 16, onde acharao com quem
tratar.
Henry Forster^itch, cidado americano,
retira-se para fra do imperio.
Francisco Puntan, subdito hespanhol, vai
para Macei.
Alberto Branca, subdito hespanhol, vai para
Macei.
Ama de leite.
l'recisa-se de urna ama de leile sem fllho; a
tratar na ra do Imperador n. 54, livraria da es-
quina.
Achando-se contratada a venda da casa
terrea n. 43 da ra do Amparo era Olinda, pede-
se a quem se julgar com direito mesma de de-
clarar.
Antonio Joaquim Teixeira Barbosa, subdito
portuguez, vai ao Aracaly.
Roga-so ao senhor que em 1858 comprou
por 1008 um cavallo, o favor de o pagar, certo
de que se o nao Ozer oestes dias, ter o prazer de
ver seu nome por extenso neste jornal.
Aluga-se a loja do sobrado n. 3, sito ao
norte da fabrica do gaz e beira do rio, contendo
duas salas, tres quartos, quintal e cacimba, es-
tando pintada e caiada de novo, e Oca juulo ao
banho salgado : a tratar com o Sr. Valenca no
mesmo sobrado.
O Sr Jes Antonio Pereira Jnior queira ter
a bondade de dirigir-se S ra Nova n. 43, que se
lhe deseja fallar a negocio de seu ioteresse.
AlugH.se um moleque ptimo criado co-
peiro: quem o pretender dirija-se ra do Vi-
gario n. 31.
Offerece-se urna mulher para ama de urna
casa de pouca famili*, ou de un? rapaz solteiro :
a tratar na camboa do Carmo, sobrado n. 36, pri-
meiro andar.
Grande hotel Livcamento.
O proprietario deste novo estabelecimenlo, col-
locado no principio da ra Direita n. 12, nio tem
poupado despezas para toma-lo capaz de qual-
quer poasoa que se queira servir de comida,e be-
bida asim como apromptarn-sealmocose janta-
res para fra,e ludo isto com promplidao e aceio,
e prego razuavel.
O grande hotel Livramento
Tem um grande sorlimento
De peiiscos deliciosos
Para a paoca dos golosos.
Com qualquer e pequea somma
Sempre ha o que se coma
Com tanto baja dioheiro
Pois o peliaco lem bom chairo.
Fiado nem por giac.a
Comer sera dinhtiro chalaca
Dioheiro e mais dinheiro
Paga bem quem nao 6 caloleiro. -
Trocam-se
duas imagens de bom tamanho, sendo
urna do Senhor da Columna e outra do
menino Deus, na na da ViracSo n. 31.
CONSULTORIO ESPECIAL UOHEOPATIIICO
DO DOCTOR
SABINO O.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas lodos os dias uteis desde as 10 horas
al meio da, acerca das seguiutes molestias :
1. molestias das mu'.heres, molestias das crian-
as, molestias da pelle, molestias dos olhos, mo-
lestias siphiliticas, todas as especies de febres,
febres intermitientes esuas consequencias,
l'llAUHAclA ESPECIAL HOMEOPATHICA .
Verdadeiros medicamentos homeopaibicos pre-
parados som todas ns cautelas necessarias, in-
falliveis em seus effeilos, tanto em tintura, como
cm glbulos, pelus pregos mais commodos pos-
siveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente Vendidos em sua phsrmacia ; todos
que o forem fra della sao falsas.
Todas as carteirss sao acompanhadas de um
impresso coso um emblema em relevo, leudo ao
redor as seguintes palavras : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
iie, As carteiras que nao levarem esse impresso
assim mtrfado, embora teoham na lampa o no-
me do Dr/Sabino sao falsos.
AII'ANHIJl
DANCE,
JOIAS.
estabeecida em Londres
tme ai mu.
CAPITAL
Cinco mUYi&es de Ultras
sletUnas.
Sauoders Brothers & G. tem a honra de in-
formar aos senhores negociantes, propritarios
de casas, e a quem mais convier, queestao ple-
namente autorisados pela dita companhia para
eflecluar seguros sobre edificios de lijlo e podra,
cobertos de telha, e igualmente sobre os objectos
que contiveremos mesmos edificios, quer consis-
ta em mobilia ouem fazendas de qualquer qua-
lidade.
ESiiS3ftl2-flreiS&ii&-Si3SftSfilS*$
J*WBrfOTl oofolloBfVof TO6TW om 2*
Dentista de Pars.
15Ra Nova15
Frederic Gautier, cirurgiao dentista, faz
todas as operaces da sua arte e colloca
dentes artificiaes, ludo com a superiori-
dade e perfei;ao que as pessoas entendi-
das lhe reconhecem
Tem agua e pos dentifricios etc.
Joaquim Monteiro de Oliveira Guimares com
loja de ourives na ra do Cabug n. 1 A, partici-
pa aos seus amigos freguezes e ao publico em
geral, que se acha sorlida das mais bellas e deli-
cadas obras de ouro e prata, e querendo acabar
com o negocio, est resolvido a vender mais ba-
rato do que em outra parte, garantindo as dilas
obras, passndo coola com recibo, declarando a
qualidade, e compra ou troca obras velhas, pa-
gando o ouro por mais do que em oulra parte.
Lauriano Jos de Barros
participa aos seus numerosos freguezes desta ci-
dade e mesmo de fora, que acha-se regendo a
grande officina de roupas feitas de Ges & Bas-
tos na ra do Queimado n. 46, onde pode ser
procurado a qualquer hora, pois est promplo a
desempenhar qualquer obra importante, pois
para isso tem na mesma loja um completo sor-
limento.
-- Na travessa da ra.
das Cruzes n. 2, primeiro andar, contina-se a
Ungir com toda a perfei(;ao para qualquer cor, e
o mais barato possivel.
Precisa se alugar urna escrava pa-
ra o servico de urna casa de familia : ua
ra da Cadeia n. 53, terceiro andar.
Para urna casa
Att^nco
Pedro Frailis Cordeiro Cavalcanli avisa ao
publico e prrncf pal asente ao respeilavel corpo de
commercio. qua de-aoje rwra sempre se assigna-
raPedro de Alcntara Cordeiro.
Na ra do Crespo n. 14, precisa-se fallar
com o Sr. Joaquim Mirinho Cavalcanli de Albu-
querque.
O abaixo assignado previne aos seus deve-
aores que venham quanto antes saldar seos d-
bitos do lempo que tere eatabeleclmento na ra
Nova, at o Bm do correle mez se nao quizerem
ver seus nomes por extenso oeste jornal : a tra-
tar na ra da Palma d. 41, ou na ra Nova n. 3.
Recito 1. de marco de 1881.
Sebaitiao Jos Comea Penna.
Francisco Jorge Marlins Bolelho retira-se
para a Parahiba.
~~ A. Exma. Sra. D. Guilhermina Leopoldina
de Aodrade Souza e o Sr. Tbeophilo Pedro do
Rosario teem cartas de Sergipo, a ra dj Coto-
vello n. 1, primeiro andar.
Fugio no dia S8 de fevereiro do correte
urna escrava de nome Izidoria, de idade 23 an-
uos, pouco mais ou menos, estatura regular, cor
preta, levando um vestido de chita j usado e um
panno da Costa tambem j usado ; pede-se por-
tento a todas as autoridades e qualquer pessoa a
apprehensao da dita escrava, e leva-la nos Ato-
gados a Jos Buarque Lisboa, que serio genero-
samente gralicados.
Jos Pereira da Silva, subdito portuguez,
retira-se para o Pata.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : na ra do Hospicio n 62.
Dcseja-se fallar ao Sr. Joo Chrisostomo
Cavalcanli, morador em Tigipi, a negocio de seu
inleresse ; na ra do CalQeireiro n. 68, ou no
quarlel de polica com o quartel-mestre daquelle
corpo.
Pelo juizo dos orpbos, escrivao Drito, fin-
dos os dias da lei, t> na casa* das audiencias do
mesmo juizo, ser arrematada por venda a casa
de sobrado de tres andares e solao em o estado
era que se achar,*sita na ra da Guia n. 53, do
bairro do Recite, avaada em 5200}. por execu-
gao de C. G. Brcikenfeld contra Joao Athanasio
Dias. a
Para o Sr. Armand Pierre Louis de Mas;y
ha na ra das Cruzes n. 2, segundo andar, urna
carta sobre negocio de importancia vinda do sul.
C oiupras.
Compram-se escravos.
Compram-se, vendem-se, e trocam-se escravos
de ambos os sexos e de toda idade : na ra do
Imperador n. 79. primeiro andar .
Compram-se moedas de ouro de 20$ : na
ra Nova n. 36, laja.
Compram-se notas de 1/ff e 5$ ve-
lhas com mdico descont : na praca da
Independencia n. 22.
Compra-se um cavallo que seja manso e gran-
de : na cocheira defronle do porto das canoas da
ra Nova.
Vendas.
4os consumidores de gaz.
A empreza da illuminaco
gaz, roga a todos os Srs. con-
sumidores o favor de nao en-
tregarem aos seus machinis-
tas ou serventes qualquer di-
nheiro quer de reparos ou
outro qualquer pretexto, sob
pena de lhes ser novamente
exigido- Todos os pagamen-
tos devem ser feitos ao Sr.
Thomaz Garrett nico cobra-
dor autorisado ou no escrip-
torio dos gerentes.
Camargo compradores da loja dos Srs. Campos & Lima
sita na roa do Crespo o. 1, rogam aos devoddres
desta firma, que se dignem vir pagar suss contas,
ou entenderem-8e a respeilo com os referidos
compradores; certos de que sero chamados a
juizo os que assim nio fizerem.
Obaeharel WITRV10 pode ser
procurad na roa Nova 11. 23, primeiro
andar, do sobrado da esquina que volta
para a Gamboa do Carmo.
Aluga-se o armazem n. 7 silo na ra do
caes de Apollo, sendo opmo para assucar ou
outro qualquer deposito de gneros, estando to-
do travejado, o que pode servir para guardar car-
tos gneros, tendo o quintal murado e cacimba,
neo favoral embarque ao p da porta : a tratar
o paleo de S. Pedro n. 6
Agencia dos fabricantes americanos
Grouver 4 Baker.
Machinas da 'Coser: em casad a Samuel P.
Jobston 4 C., ra da Sensalla Nava n. 52.
Perderam-se, ao desembarcar do lio que fi-
ce por trac do eogenho Poeta at o corredor do
Cachang, as duas ultimas pecas de ama flauta :
a pessoa que achaodo quizer ter a bondado de
restituir dirija-sa a esta tTpographli onde sa lhe
gratificara. -
franceza,
Precisa-se de urca escrava que saiba engom-
mar, coser, e fazer lodo o servico de urna casa
de pouca familia, e que seja fiel e diligente. Na
mesma casa precisa-se de um -scravo para o ser-
vico de um sitio : quem tiver pode dirigir-se
ra do Imperador n. 27 confronte a ordem 1er-
ceira de S. Francisco, que achara com quem tra-
tar, das 9 horas da manha s 4 da tarde.
Aviso
Vende-se um moleque ciioulo, de 16 annos
de drde ; na ra Augusta n 70.
Vende-se urna mobilia de jacarand com
tampo de podra, contendo dozia e meia de cadei-
ras, 1 par de consolos, 1 sof. 1 mesa redonda,
1 par de camdelabroi do tidro, 1 par de jarros
de porcelana, 1 mesa envernisada, 1 armario,
ludo em bom estado : quem pretender, dirija-se
a ra Velha n. 6, que se indicar com quem
tratar.
Pechincha.
Cassas francezas de lindos desenhos a 240 rs. o
covado, chitas francezas a 160 rs., dilas a 200 rs.:
na ra do Queimado n. 44.
aos terceiros da ordem de S.
Francisco.
Na ra do Queimado n. 39, loja de 4- portas,
vende-se estamenha para hbitos a 3QE0O o co-
vado, e se apromplam os mesmos hbitos a von-
lade dos irmaos a 459 cada um, obra muito bem
feita.
SOCIEDADE
Unio Beneficente
DOS
MARTIMOS.
De ordem do Sr. presidente convido a todos os
nossos irmaos socios effeciivos, que se dignem
comparecer iropreteriveltr.ente no domingo 3 da
margo, as 11 horas e meia da manhaa, no pala-
cele do caes de Apollo, para a reuoio da assem-
bla geral.
Secretaria da sociedade Unio BeneQcenle dos
Marilimos, 26 de fevereiro de 1861.
Jos Sabino Lisboa.
1." secretario.
SYNOPSE
DE
ELOQUENCIA E POTICA NACIONAL
PELO ACA0E1IIC0
MANOEL DA COSTA HONORATO.
Sabio do prelo a iudispeRsavel syropse para os
ezames de rhethorica, a qual se torna recom-
mendavel aos estndanles nao someote pela cla-
reza e i'onciso do phrasesdo, mea tambem por
urna laboa synthetica qne lem junta, a qual, de-
pois de terse esludado o compenso, de impro-
viso Iraz i memoria ludo quanto ha de essencial.
A' venda na lypographia commercial, ra estreita
do Rosario o. 12, e na livraria classica, prac.a de
Pedro II n. 2, a 29 cada exemular.
O abano assignado. sabendo agora que o
Sr. Luiz Emigdio Tenorio procura contratar, ou
j est contratado a vender o seu engenho deno-
minado Soledade, sl Bom Jess de Camaragibe, na provincia de Ala-
goas, apressa-se a declarar que ninguem se ar-
risque a fazer negocio a respeilo de tal proprie-
dade, visto estar ella hypothecada ao abaixo as-
signado, que alias aioda nao foi ouvido para dar
o seu consentimento. e como se acha estipulado
na respectiva escripiura. Approveilando o eosejo
declara mais o abaixo assignado que estar prom-
plo a fazer negocio relativamente a seu debito
com quem quer que pretenda comprar o referido
engenho, traosferindo e cedendo-lhe a hypolhe-
ca que sobre elle lem. Recite 22 de fevereiro
de 1861. Joaquim Rodrigues Tavares de Mello.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho saccam
sobre Lisboa e Parto ; no largo do Corpo Santo,
escriptorio.
Aluga-se urna sala com 3 quartos, propria
para caixeiros ou alguma pessoa: na ra do Quei-
mado, loja o. 14. .
Antonio Jote Dantas liquidatario
da firma de Machado & Dantas, faz
sciente a todos os seus devedores que
tem nomeado ao seu caixeiro Joo Cr-
rela da Silva, para cobrar toda! as di-j
vidas d mesma firma, por isto espera!
de todos oa devedores a pontualidade
de seos dbitos. Recife 31 de Janeiro
de 1861.
Na nova loja de fazendas de
quatro portas.
Na ra da Imperatriz n. 56, vendem-se fjzendas
que faz admirar, proprias para a quaresroa, a sa-
ber: grosdenaple prelo a l-700, 2. e 28200 o co-
vado, muilo encorpado, panno fino preto a 3$,
3$500 e 4$5O0 o covado, fazenda muilo fina, p/In-
ceza preta a 600, 7S0 e 800 rs. o covado, alpaca
prela do mesmo prcco, corles de casemira preta
para caiga a 5;j, 6$ e 6#500 o corle, cassas de co-
res de ltimos gostos a 320 e 400 rs. o covado,
delicados padree?. S vista. ...
Vende se um cavallo, preto, para
carro ou cobnolec; a tratar na ra
Augusta n. 4.
Aos Srs- estudantes do
segundo anuo.
Vende-se por prego muito commodo
Rergier, diccionario theologico er-
seis volumes e um supplemento ; Geom
ge Phillips em tres volumes e um sup-
plemento ; Cotonjbel, instituirles de
Franca ; compendios de direito natural
e publico pelo conselbeiro Autran e
constituido poltica : quem quizer di-
rija-se a ra Direita n. "i, onde tam-
bem se compram todos os ltvros neces-
sarios para o quinto anuo.
Livros.
parti-
Vendem-se diccionarios latinos, inglezes, alie-
mes, selectas inglezaa, Horacios com intrprela-
coes e olas, Euclides, flos-sanctorum ou a vida
dos santos, breviarium romanum: na ra da ma-
triz da Boa-Vista n. 3f.
Aos cocheiros e carros
culares.
Na loja da ra do Crespo n. 14 existe um com-
pleto sorlimento de aviamentos para carro, como
chicotes, galSo, vaqueta, sola, virola, belota?,
lanternas, botoes, pujadores, oleado, incerado,
e velas, ludo se vende por menos preco do que
em oulra qualquer parte.
Arreios para cabriolet.
Na loja da ra do Crespo d. 14. vendem-se ex-
celentes arreios para cabriolet muito em conta.
Para quem tiver gosto.
Vende-se um sitio na mi da Esperanza, o qual
faz quina para a travessa de Joao Pernandes Vi-
eirs, eom excellents casa de vivenda assobrada-
da, a quil offerece os melhores commodos para
grande familia, bastante fresco, com agua de
beber e muitas fructeiras lucrativas ; est collo-
cado em lugar ameno e bastante perto da praga,
tendo ao lado direito do mesmo um terreno que
se pode aproveitar para ediocacao de mais al-
gum predio : irala-se na ra Imperial, casa ter-
rea o. 74, ou ra da Senzala Velha n. 10.
Aracaty.
Saho impreterivelmente no sabbado 2 de mar-
ca o htale Gralidao : para passageiros, trata-
se com o espita o Pedro Jos Francisco, no tra-
piche do slgodao, ou com Pereira & Yaleute, na
ra do Codorniz n. 5.
Cerveja branca.
Vende-sena ra das Crasas d. 1, a 500 rs., e
musas a 480 a libra.
Pechincha.
Vendem-se baldes de 30 arcos, pelo diminuto
pre;o de 4: na raa da Cadeia n. 14.




V------
()
MAMO O WBH4MUCO -J BITA
fDEHAiconmi,
PROGRESSO
largo da Penlia
la libra e 800 rs. de 8 libras para cima s no
1700
s no
Vendem ooseu armazem Progrosso os seguiotes gneros recente mente chegados por me-
aos 5 ou 10 por cenio por serem vin Jos de conta propria e tudo das melhores qualidade quo se
podom encontrar tendentes a molhados :
Manteign iug\eia flor
Progreaso.
Quecos Wamengos al$700dopre50(le3# t^-M0 r%oi^.
pela graude porfo que tem, aGaoca-se quo sao os melhores que ha no mercado.
Progreso.
VillSVWpaiMia dag mas acreditadas marcas a 203 a duzia e 2# a garrafa, afianga-se que
a melhor do mercado, s no Progresso.
rf"V
\ja*51jO SH13S0 a g^Q rg a iDra UniMmente se vende no armazem Progresso, afianga-se
a boa qualidade, s no Progresso.
t-UOCOlai* dos mi| acreditados fabricantes da Europa a 900 rs. a libra, s no Progresso.
Ill.aTmelaaa em compoleiras de folhado mais acreditado fabricante da Europa vioda pela
primeira vez a esta provincia lacris hermticamente e muito bem entallada a 1} rs. a libro,
s no Progresso.
HH\>?Vril mermelada d0 afamado Abrea e oatros fabricantes premiados na ex-
posicio de Londres a 800 rs. a libra, s no Progresso.
M.a$a de tomate
LsataS eOHl SOd cnegadas de coat propria no ultimo navio a IJ600 e 4 1
8 libras, s no Progresso.-
A.meiXaS iraaCezaS da meiuor que ha nesto genero
1$, s no Progresso.
Figos de comadre
e 240 rs. a libra.
CVl perol, \\ySOH e pVCtO dos melhores que tem vindo e h* t
2^560,2$ e lgGOO a libra, s no Procresso.
Caicas com fc libras de passas muil0 bem eBfeiud propria8 para
meninos a 3j e em caixa de 1 arroba a 12? o em libra a 500 rs., alianga-se serem as melho-
res do mercado, s no Progresso.
tjoi v,v i iuau ou pa$sas proprias para podim a 1J200 o fraco, s no Progresso;
I>oce da casca de g Vaoa a 1$ 0 caIa0f s no Progresso.
VinYio xerez
Progresso.
li UUOS para paStO e mPsmo para engarrafar pelas suas boas qualidades a 4&500 a
caada e 640 rs. a garrafa, s no Progresso.
"Yiulio Hordeaux.
Progresso.
chegada ltimamente da Europa a 900 rs. a libra, s no Progresso,
a 500 a libro e em latas a
caixiohas com 16 libras, os melhores que ha no mercado a 2$500
Pechincha para a
fjaaresnfa/ *
Manteletes de grosdenaple e da Mi de aeda
pretoa e de cores, pelo biraliasimo preco de 53,
88, IOS 12* : na ra do Queimado n. 44.
Cidade da Victo-
ria.

-4.
do melhor que se pole encontrar oeste genero a 13600 a garrafa, s no
das marcas mais acreditadas a 1IJ a caixa c 18 a garrafa, s no
O ClTW ,*. das melhores marcasque tem vinlo ao
(branca) s no Progresso.
mercado a 5< a duzia e 500 a garrafa,
UlaC^S para SOpa e sevadioha muilo nova a 500 e 320 rs.
Manteiga fraaceza
a libra, s no Progresso.
ebegada no ultimo navio do Havre a 800 rs. a libra, s no
Progresso.
i. AllMis ilXAuOS os melhores que tem viudo ao mercado a 200 rs. o masso cora 20
rmssinhos, s no Progresso.
SV'L*llOliaS a i^oOrs. o-barril, s no Progresso.
lianUa de porCO refinada a mais alva que existe no mercado a 483 rs. a libro
porgao de 8 libras para cima a 440 rs., s no Progresso.
Toucvauo de lAsbo*
Progresso.
Cv il'ja mulo nova a 35 a arroba e 120 a libra, s no Progresso.
*"-""'**'" o mais limpo que ha a 5$ a arriba e 160 rs. a libra, s no Progresso.
Sper mcele
9amt.ll OB( oniias rouilas qmlidales de paite era lats de 1-5200 a 23, s no Progresso.
Os proprii'tarin iirocnrUoin os sous freg'io7.->s ooiiliriuareni a lerem os melhores gneros*
relativamente a moiludos e veuderem mais barato qn-) emoutra qualquer parle, prometiera mais
limbem servireio aquella* eessoas qie nianlarem por outras iouco praticas corno se viessem pes-
soalmeute, roguu tiuibe;n a lo los os Srs. Jo engenho e Srs. lavradores queiram mandar suas eo-
commendas qus no armazem Progresso se Ihes aliinea a boa qualilade e acondicionamenlo por
mais longc que seja o serlo.
e em
o melhor que ha a 98 a arroba o 320 rs. a libra, s no
a 800 rs. a libra, s no Progresso.
80
Attenco.
Kud estrella do Rosario
numero 11.
O novo dono desle" esiabelecimento avisa a
publico que tem envidado lotos os extorcas para
torna-lo ao seu anligo estado, pelo qu6* pede a
rapazcada que conlinu a frequents-lo. pois alii
acharao a quslquer hora do dia ou noile lanches
de varias qualidades, assirn corto Cornete comida
diaria ou mensal mais barato que outro qualquer,
e promette desdo que era todos os sabbados e
vesperas de dias santos estar prompta as 10 ho-
ras da noite a saborosa rofio de vacca acornpa-
nhada dos bellos vinhos Bordeaux, Porto, Flgnei-
13 e Lisboa, pelo que espera toda concurrencia
am deanims-lo, todas as manhaas pelas 7 ho-
ras ter prompta papas taitas com ovos, de di-
versas qualidades de firinha.
Leo de prata
Rival do leo d'ouro.
Vendem-so luvasde seda com rado a 240. 320
e 400 rs. o par, ditas pretas bordadas a 13800 o
par, ditas de cor a IjJ.jOO, luvas pretas lisas
a 13200 finas, ditas amarellas e brancas para me-
ninas a 800 rs. o par, franja preta de vidrillio a
640 e dita larga a 800 rs., estreilinha a 500 rs. a
vara, pares de jarros a 13500, 33.8&500 33 o par,
e oulras muias raiodezas: na luja da ra larga
do Rosario n. 36.
Ricos prelos,
Largos a 610, 500.400 e 320 rs a vara : na loja
do leo de prata. ra larga do Rosario n. 36.
Rap do Joo Paulo Cordeiro.
E'chegadoo rap de Jeao Paulo Cordeiro
ra larga do Rosario, psssando a botica a segun-
da loja de miudezas e na mesma loja tem muitas
mais qualidades de rap, lionas de Pedro V, car-
tao de 50 c 200 jardas, muilo boas linhis por ser
de linho puro, e muitas mais miulezas e encon-
ta, que s vista se dir o preco do tudo.
Vendem-se saceos com-farinhi de mandio-
ca rauito baroto : na ruada Senzala Nova d. 39,
taberna.
Vendem-se 4 escravos, sendo 1 moleque
crionlo de 11 aooos, 1 pardo de 23 annos, 1 mu-
lata de 20 annos, el parda de 16 annos: na ra
da Cruz n.50, segundo andar, a tratar com I. I.
T. Dilhar.
Pennas de eraa.
Na ra Nova a. 20, vendem-se pennas de ema
por barato preco, ni porcio e a reUlho, aseiaa
como tambera esleirs do Araraly.
Neata typograpbia se dir-quem veado mui-
to barato uaaa LeUlacao Brasileira completa,
desde o asno de 1841 al o de 1859, en muilo
bom estad.
Boa pechincha.
Vende-se per preco multo oomraols urna casa
terrea de p*dra ec1, bb ra T.wperi*i, com sa-
las e 3quartos, cezinha fr*. lato o rio C#pv-
banbe, quintal com mais de 00 palmos de ex^
tenso e alguns arvoredns de* (rucios, banho ao
l da casa e porta drembarqua tm das raaru,
uja casa se ach alugtda por 806JBW annnacs :
os preteadenles dicjjam-aa. maama uta impe-
rial, casa n. 176, pouco adiaole 4a taatrica do
sabo, que aclmro com quem tralar. a todas as
horas do dia. e se limera vonUrda se agradario
do preco.
Vcnde-se um excellenle cavallo muito novo
e com lodosos andares, e vende-se tambera com
os arreios : na ra do Queimado n. 75, loja de
miudezas.
Sortimenlo de chapeos
/fu o Queimado n. 39
Loja de quatro portas.
Chapeos pretos francezos de superior qualida-
de a 7#.
Ditos dos mais modernos que ha no mercado
a 93.
Ditos de castor pretos e broncos a 16}.
Chapeos lisos para senhora a 25$.
Ditos de velludo cor azul a 18j>.
Ditos de seda para meninas ricamente entalla-
dos a 8j.
Ditos ditos para menino a 59.
Lindos corros para meninos a 3$.
Ruis de velludo a 50.
Ditos de palha muilo bem enfeitados a 4j.
Chapeos do sol francezes de seda a 7$.
Ditos inglezes de ljf, 12$ e 13$ paro um.
Farinha de man-
dioca*
Vende-se por 4j> a sacca, na ra da Cruz nu-
mero 26.
pretas para a
quaresina
Na ra do Queimado u. 39
Loja de quatro portas
Tavares
Aviso aos Srs. thesoureiros
das irmandades e contrarias.
Na roa da Senzala Nova n. 80 tem para ven-
der caizinhas com doces de Truclas o de farinha,
amendoas, castanhas com confeitoa e ameodoas,
tudo cora muito bom sorlimento para os anjos
das procissdes, e vende por preco muito coroso-
do, porque tudo fabrcalo neste estabeleci-
raenlo. '
Farinha. de mandioca.
Vende-se rnnito barata para acbar; na roa da
Senzala Nova o. 89, liberna.
Vende-se urna casa na cidade da Victoria na Vende-se urna padaria prompta de todoa os
ra da Pac do lado direito o. 7, quem a proten-l ulenedlioa para trabalhar, em um des mnlhores
der comprar dirija-se a ra de S. Miguel nos locaes marcados pelas posturas municipaes e com
AITogados venda n 68 que ahi achara com quem um deposito em urna daa trelliores ras desta ci-
'?lar. i dade : quem a pretender, entenda-se com o Sr.
VeeuJem-se pennas de rola para travessei- Jos Duarte das Nevee.
ro; na rna do Queimado, loja de ferragens uu- Vende-se, urna escrava : no pateo do Car-
mero 14. | do, esquina da ra de Hortas n. 8.
DE
Joaquim Rodrigues
de Mello.
Cortes de vestidos de seda pretos bordados a
velludo muilo superiores a 1200. ditos bordado
a retroz e vidrilho a8(J#, ditos bordados a sedas
azeuda muito superior a 70. manteletes de fil
de lindos gostos a 2fg, ditos de grosdeaaple pre-
to ricamente enfeilados a 20, S5JJ. 30 o a 35
cada um, ricas mantas de blonde hespanholas a
20, ditas de (li bordadas a seda a 12 c a 15J
cada uma.grosdenaple prelo de superior qualida-
de de 1800 at 320Q,o covado, luvas preUs en-
foitadas e de superior fazenda 22O0 cada urna, e
oulras muilis mais fazendas propria para a qua-
resma.
Luvas.
E' ebegado fi loja da auia de oura da rea do
Cabug, as verdadeiras luvas de pellica Jouvta,
sendo para senhora e para homem, qoeae ven-
dem a 3 o par, aflanc,a-se a boa qualilade.
Casa veuda.
Vende-se a casa de sobrado na ra Imperial n.
79; a tralar na leja de miudezas da ra Direita
n. 103, ou com Joao Feweira dea Saatos JuaVx.
no escriplorio do Sr. Manoel da Silva Santos
beooado Gapin, bairrodo Recite.
Terrenos na na do Brnin
Vendem-se 40 ou 50 pilmas do mesme, que
imtom eom a Cundifao-er Botrortm, por pre-
50 eommode : quem pretender oavReutoav *!-
ja-ae a ra da Madre de Dos o. V uaa abar
com quetB-troUr. *^
TABAC CAPORAL
Deposito das manufaclaras mperaes deVraii^a.
Esle eicelente fumo acha-se deposiiado. dlretamente na rna Nova n. 23, ESQUINA DA
C AVI BOA DO CARMO, o qual se vende por masjos de 2 hectogramos a 1000 e em por?io de
10 raasgos paro cima com cesconto de 25 por cento ; no meamo estabeleciment acha-se tamben
o verdadeiro papel de linho para cigarros.
CENTRO C0MMERI4L
15 Ra da Catleia do Reci fe 1S
ARMAZEM DE TABACO, CHARUTOS E CIGARROS
e cigarreiros quo fabri-
verdadeiro em macos de diversos tamanhos, garante-s a qua-
DE
lose Leopoldo Boiirgard
tiiarutOS SUSpirOS da Bahia. e grande deposito de superiores charutos do Rio de Ja-
neiro por cunt da grande fabrica dos Srs Domingos Alvet Machado & C. vendendo se em
porgaj e a retalho, alera disto tem sempre grande sortimenlo de charutos manilha, havana.
suissos e hamburgo.
Charutos SUSSOS a30fl 0 milheiro, fazenda superior eqoe se vendia a 45.
LlgarrOS de papel e p\hade milho, de papel grosso, de linho, de seda, arroz, pardo e
nespanboes sendo de superior tibaco do Rio, vende-se em milhciros muito banto.
f3f0?sara CharUtS com agarras da metal al cada um, ditos para cigarros a
Papel para Cigarros proprios par. os fumantes de cigarro
cam os cigarros de papel de lioho e seda.
Tabaco caporal fraoceZi
lidade.
1 abaCO tUrCO a 59 aibrae meia libra por 3J, para cigarros e cachimbos.
Tabaco fleur de harlebeke em maOS d diversos tamanh0S( para cigarr09 e ca.
chimbos, fazendo-se abatimenio em porgao.
1 abaCO americano em latas a-2j, em chapa al a libra e em macinhos embrulhados
em chumbos 160.240 e 320e a groza de 17# a 22$, para cigarros e cachimbos.
Cigarros de manilha depapel bMnco c pard0 a lw 0 railher0.
Machinas e papel para cigarr0i de manilhil>
liape rOlaO (riacei em masos de uma ibra e djl03d9 meia libra fazeDda superior.
Vasos de louca ebarr0 para tabaco e rap.
PhosphorOS e SCaS de dTersas quaUJades para charutos.
aCI11 mi)OS esta casa lera sempre sortimenlo espantoso de cachimbos de gesso, longa, ma-
aeirt, barro e os verdadeiros e sompre -prectaveis cachimbos de
Tabaco do Rio de Janeiro picad
Vendem-Se tOdaS es fazendas masbarato do que em outra qualquer parle.
Uarante-Se todos os objectos vendidos tornando-se a receber (incluindo os charutos] qnan-
do nao agradem ao comprador. H
Aprompt^ IU -Se encoramendas, encaixolam-se e remeitem-se aos seus destinos cora
vioade.
do que fica exposto tem um variado sortiraanto de objectos proprios
manes. r '
Recebem-se todos os arligos directamente, motivo pelo qaal se ple vender muilo mais
barato do que em oulra qualquer parle.
Vender muito para veu 1er barato
espuna.
lo para cachimbos e cigarros a 800 rs. a libra.
bre-
para os senhores fu-
Vender barato para ven 1er muito.
Estampas finas e iateres-
santes
A loja d'Aguia Branca recebeu mui unas, egran-
des estampas, de fumo e coloridas, representan-
do urnas a morle do justo rodeado de jnjos, etc.,
e oulras a morle do peecador cercado de demo-
nios, etc. Sao na verdade interessanles essas
estampas para quem as sabe apreciar, pelo que
se tornam dous quadros*dignos de se possuir, e
mesmo pela raridade delles aqui. Vendem-se
a 29000 cada est 16, loja d'Aguia-Branca.
Xarope peitoral brasi-
leiro.
Os Srs. Joao Soum & C nicos possuidores des-
le xarope j bem conhecido peles seus boas ef-
feitos, continuara a ven je-lo pelo prego de 19
cada vidro, fazem uma differenca no prego aot
co'legas e a todas as pessoas que tomarom de 12
vidros iiara cima.
Rap priuceza gasse d* Bahia
Em casa de Lopes Irmaos, no caes da alfande-
ga n. 7, acha-se eslabelecido um deposito dessa
fabrica, onde se vende em porgee ou a "retalho.
Farelo e milho.
Saceos grandes e de multo boa qualidade : no
largo da Assembla n. 19, armazem de Antunes
uimaraea & C.
Aprecos sein limites.
N* loja de miudezas da ra Direita n. 1Q3 se
vende, para completa Hqaidago, dilTereoles miu-
dezas de diversos misteres, um completo sorti-
menlo de bicos e readas, de algodo, linho e ae-
da, tanas- un msicas nropjias pira costura,
carteiras eslojos proprios para viajantes, difi-
ranles objeclos de porcelana, sendo jarros e oa-
tros para enfles de mesa, banhas e eh-Hros,
roupaecalcado, e realejos com panca Jarra, oo-
tros com Rginras do macacos, e outras mn i tas ou-
sas, que s vista aaiaur ae comprador.
Vende-se nm relogio de algibcira, de ouro,
patenteioRlez, coan muito poue* yn, epscym
prego rauito barato, o qualxegula perfeilimente :
a tratar na loja da ra do Queiiwado n.,.41.
Manteiga ingleza
ea barris de vitrte e tantas libras : no armazem
aT*Mo Iraiioi.
.~~ ^ade-seum pretor nata preta para a ser-
vigo de campo : a tratar na ra da Sebo n. .
Vende-aa um terreno com 30. 40 ou 50 pal-
mos de frente, conforme cnelhor carme* aa com-
prador, tado aterrado, situado aa raa do Bruta,
juntu rfuudigio ingiera,, cora mais de 300 pal-
mos de fundo, e urumpto pare- u edifica re m re-
nnages. {^dariaa uu >""- fr*"tirifiiiatilau.lt
oimentoa por ter e*collente p,uxta psraeaaUaxau*.
e desembarque de eneros: na ra da ladra do
Bee. rmacem n 26.
- VMM8.WPOT prec,a commodo uma car-. V'aLZZ^UT "T1? ^^
C*-B1ita e mai. pertances para conduirS0- ^l* taaVlOM d L vetiza I,
tOC*"W d'agna, a-ipial tem
ra Imperial d. W.
potreo nao: para tratar.
GRANDE S0RTI.HE.M0
DE
Roupa leita,
Na luja e armazem de Joa-
quim Rodrigues Tava-
res de Mello.
Hwv\ do Queimado n.3>
Loja de quatro portas
Sobrecasacas de panno fino obra muito bem fei-
ta, de 359 a 40} cada uma.
Paletols de panncwfloo preto, de 25$a 30f.
Colletea de velludo preto bordad*, a 12 cida
uml
Ditos pe gorgurao preto a 79 idenu
Ditos t sea maco a 6|idea. i
Slli<*T* "*e,B4f Prela aSjidein.
Calgaslde casemTra preta fina de 12 a 14
Paletola desUrecrha a 3.
Diloa d* alpaca preta, aaceesde 4 a 5*.
Ditos de dita aabreoa*cos de 8 a 99.
Ditos da bambolina preta eupetior fazeada a 12
Ditos de raaia ciaemir a tO.
Ditos da nstiiri, aawiio fina a Uf.
Um completo sortimenlo de pale4ots de Tusto e
brim, e calesa e colele, quetude so vende por
prego em coata.
Cera de caraatiba.
A melhor que tem vindo ao mercado e por
preco commodo : no largo da assembla n. 19
armazem de Antunes 'Guimsraes A C.
cobertos
uro patente
a d^at^i/ew |^ajja>e grd8, de
ante tnglez, para homem a aenhera da
Grosdenaples baras-
sfmo
Venden1-ae poHatuplaa piiatot elo barstissL
moprego delftoo e 2 o covado: na ra do
Queimado n.Jt, loja dr boa t.
9
Venftm^e queijos hoos a 1|'440 : na ra Di-
reii d. o.
/ua do Crespo n. 8, loja
de 4 portas.
Pechincha qu* admira.
Chitasfrancesas cores fizas e lindos deseado* n. r -i ." <"
a 240 rs. o covado dio se amostras com penhorT D!to' (anitocralico*).
-. Ditos fprova d'agna)
Bolsas de tapete paca "-'--
CALQADO.
4S Rua Direita 45
de
Tendo dei augmentar 30 (, o calcado < se-
nhora e o de hoatf m 10 i do dia 9 de fevereiro
em diante, em eonaequeacia da oori pauta que
ha de vigorar ua alfaudaga; ajta^aaeri *)
bem eortido estabeleci atento da raa Diraas o.
45. nio quar que- es seu fregaana carcecaem
com as coosequencias do systetria flaatreeiro do
Sr. ministro da fazeada e por isso saatenta os
precos do seu calgado pela tabella segrate :
Hornera.
Borzegatior pura homem (im-
periaea).
tapete
viagens.
Vndem-ae mui bonitas bolsas de tapete pro-
prias para viagens, etc., etc., pelos baratissimos
pregos de 5J, 6 e7j : na loja da aguia branca
rua do Queimado n. 16: '
Vendem-se 4 burros mansos, de csrga e
roda, em coata : no aterro da Boa-Vista, no ar-
mazem de sal.
Vende-se um cavallo bom andador de baixo a
meio, bem gordo, boa pello e novo : na rua Di-
reiia o. 7o.
Vende-se uma cadeirinha em bom estado
na rua da Aurora n. 66.
Baratissimos jarros de por-
cellana.
Vende-se moi bonitos jarros de porcellan don-
raoa, e de tamanhos nao pequeos, proprios pa-
ra enfeites de mesas, ornato de gabioete ele
pelos baratissimos pregos de 3$ e 4g000 o par '
na rua do Queimado loja d'Aguia Branca n? 16
Attenco.
Na rua do Trapiche n 46, em casa de Roslron
Rooter & C, existe um bom sortimenlo de II-
nhas de cores e brancas em carreteis do melhor
fabricante de Inglaterra, as qnaes se vendem poi
pregos mui razoaveis.
lOfOOO
9#000
8*^500
Oito*{BrtaglieP). .... 8#000
Dito (communitas). 6|0CO
Meio borzeguDt (patente). *}00
Sapatde (3 batera). 5*0130
Dito (soa dupla).....5^00
Ditot (blutaa)......5*^,00
Senhora.
Botina (prima dona). 5#000
Dito (? a vis). .... A|800
Ditos (me deixc). ... 4500
Ditos (grisete)...... 4^000
Menino e meninas.
SapatOe (bezerro).....4A000
Dito (diabrete).....33500
Dito (salva pes), ... 3J0OO
Botina! (boliQOsa)......4^000
Dita (para crianzas). ..." 5J500
Sapatos para senhora (lustre). 1A200
E um completo sortimenlo de couro de lustre
raarroquim. sola, bererro francs, couriDhoa
ludo que oec*sario ai um irmo de S. Crls-
pim, adrogado dos artistas sapateiros, por pregos
que s esle estabelecimeoto poda vender.
Ba do Crespo,
loja n. 25, de Joaquim Ferreira de S, vende-se
por pregos baratissimos, para acabar : pega de
cambrara lisa fina a 3>, organdys muito finas a
modernas a 506 rs. o covado, cassas aberlas de
hoBitas core a 240 rs.,xhilaa larga a 200 e 240,
cortes de eass. de cores a 2. entremeios borda-
dos a 1J>500 a pega, buhados bordados a 320 a
vsra, sedinhas de quadros finas a 800 rs., casa-
veques de cambraia e fil a 5j>, penteadorea de
carabraia bordados a 5)1, golliuhas bordadas a
640, ditas com pontas a 2&500, manguitos borda-
dos de cambraia e fil a 2, damasco de lia com
9 palmos de largara 1*600, bramante de linho
com 5 palmos do largura a 900 rs. a vara, luvas
para senhora a 100 rs. 9 par, capas de fustao en-
tenadas a 5, pega de madapoiao fino a 4$, lSa-
zinha de quadros par vestidos a 320, camisas de
cambraia bordados a 28, sobrecasacas de panRo
fino a 205 e 258, paletols de panno e casemira de
16 a 20g, ditos de alpacs de 3500 a 8, ditos de
brim de crese brancos de 8*560 a 5J, caigas de
casemira pretas e de cores para todos ps pregos,
ditos de brim de cores e brancos de 2* a 5*. ca-
misas brancas e de corea para todos os pregos,
colletes de casemira de cores finos a 5 ; assim
como outras muitas fazendas por menos do seu
valor para fechar contas.
Agua imperial
para tirar as caspas, lirapar mui bem a cabega, e
fazer renascer os cabello ; vende-se nicamen-
te era casa do cabelieireiro da rua do Queimsdo
n. 6, primeiro andar.
Agua para Ungir ca-
bellos.
A meihor que tem apparecido at hoje : tinge
mu bem os cabellos, e nao tem o inconveniente de
licarera os raesraos russos ou verdes: o proces-
so de usar simples, e o effeito proveitoso : ven-
de-se na rua do Queimado n. 6. piimeiro andar
ca sa de cebelleirtiro.
Liquidando.
da peio uitino JaHpiala Iutlaz
nlSouU,J
VW"
Mete
A loja da ba-f
na ina do Queimado n. ^1
est muito sortida,
e vende muito barato :
Brim braoco de puro linho trancado a 15000 e
*a\" rs' a vara d*' Parc* muito superior a
1S2U0 a vara; gangas francezas muito Anas de
padroes escuros a 500 rs.; riscadinhos de linho,
proprios para obras de meninos a 200 rs, o co-
vado : cortes de caiga de meia casimira a 1J600
ditos de brim de linho de cores a 2 rs.; breta-
nha de lioho muilo fina a 20$, 22 e a 24ft rs. a
peca com 30 jardas; atoalhado d'algodao muito
superior a 1*400 rs. a vara; bramante de linho
com 2 varas de largura a 2*400 a vara ; lengos
de cambraia brancos para algibeira a 2&400 a
duzia; ditos maiores a 3j; dilos de cambraia
de liuhe a 6*. 7 e 8fl rs. a duzia ; ditos borda-
dos muito Dnos a8j>rs. cada uro; dilos de cam-
braia de algodo com bico lugo de linho em
volta a 19280; ditos com renda, bico e labyrin-
lo a 29000; e alm disto, outras muitas fazen-
das que se vendem muito barato a diBheiro a
vista : na rua do Queimado n. 22, loja da Boa .
Bonitos cilos para senfao
ras e meniuas.
Na loja da aguia branca vendem-se mui boni-
tas filas com fivelaa pasa ciatos de senhoras e
meninas, e pelo baratissimo prego de 2 : em
dita loia da aguia branca, roa do Queimadonu-
aiero 16.
Cheguem. ao barato
O Preguiga est queimando, am snalojs n
rua do Queimado n. 2.
Pegas de brelanha de rolo com 10 varas a
28, casemira escura infestada propria para cai-
ga, collete e palitots a 96>r. covado. cam-
braia organdy de muito bom gosto a 480, ra.,
avara, dita liza transparente muito fina a 39,
4. 5JS, e63J a peea, dita tapada, com 10 varas,
a 59 e 69 a pega,chitas largas de moderna e
escolhidos padrees a 840, 260e280 rs. o cava-
do, riqesstmoa chales de marin estanpado a
7^*8, dito bordados com duas palmas, fa-
zenda muito delicada a 9* cada um, ditos.com
uma s palma, muito finos a 8|50U, ditos Usos
com franjas de seda a 59, leBooi de cassas com
barra a 100, 120 e 160 cada am, maias muilo
loas para senhora a 49 a doria, ditas de boa
fuaHdade a 3 e 39500 a duzia, chitas fraa-
eezas da ricos deseaboa,pacaaWu a 284) r.
o eoarade, cbuaaaaaara ingleaee a &* a
paco, a WO r. ovado, brim braneode poro
linbo a 19, ,19200 e 19800 a Tara,, dito preta
muito, encornada a 19500 avara, brigantina
azul a 400 ra, o corado, alpacas da difieran tas
ores, a 360 rs. o aovado, caserairas preta
inas a 29B0O,3*>e 35O0 ecorado, cambraia
pret e de sal picos atSOtf rs. a vara, a outras
mitas faadas que se far patente ao eoaapra-
dor, da toda m darlo aoitro ijaaaj pia#ut
Fitas de cor, a pega 160 e 200 rs pentes de
atizar, finos, a 200 rs.. cordes para espartilho
60 rs.. canas de colchetea 60 rs., cartees a 40
rs., calas de lamparinas 40 rs., agtilheiros
Jfom ag.ilhas fraocezas 4 120 rs Ota de linho. a
'pega a 40 rs babado do Porto 120 e 160 rs. a
j vara, boloes de louga para camisa 100 e 120
rs. pennas de ac, a groza 409 rs., froco para
I ,,/** T,s- Pe?8. froco com rame e sem
'n i,. e400/?.V fr*"I" galoes de linha
8? 6 \S'' Tldnlh0 00 rs. a libra, goli-
nhas 800 e 2, manguitos 2. boloes para
casaveque de todas as qualidades 200,300e
40 rs. a duzia, tranca do linha de caracol 200
rs. a pega macos de grampas i 40 rs., 15a para
bordar 5.6e 8 a alamares dourados para ca-
pote, a groza 8, 10 e 12j, fitas de seda de to-
das as qualidades, bandejas, espelhos dourados
quadros do estampa dourada a outros muilos ov
jeclos por barato prego, e tambera se vende ar-
magoo e perlences em porgao ; vende-se prazo
na rua do Imperador n. 38, por baixo da bandei-
ra do retratista.
A grande fazenda
Pitanga.
Vende-se eiU grande propriedade a
qual tem urna legoa qnadrada de ex ten-
cao e fica distante da villa de Iguarassu'
l duas leguas e confronte ao lade do
leste com o engenbo Monjope.
Tem um rio que percorre a fazenda
do sudoeste para o nordeste e varios ria-
clios com cachoeiras convenientes para
quaesquer engenhos de loicas maiores
e as aguas do rio podiam ser adaptadas
para conducc.Sc de madeiras durante
seis mezes do auno.
A metade da fazenda esta' ainda em
matto virgemque oontm grande por-
cao de madeiras de lei e de construeco.
Tem tuna boa casa de moradia com
pertenees, como estrrbariae etc.
Tem iiorta com muitos pes de dil-
rentes Iructeiras tanto da tetra como
estrangeinase nm jardim que twnbem
contem muitas larangeiras.
Ten, diversas casas de moradia prev
prias para leitores c eogcnlieii-os.
Tem boas ras e pontes femecendo
vias decommunicacaocom as di'ereu-
tea partea da fa'enda e tambero com a
villa de Iguaraisu*.
Tem grande curral e pastos bem fe-
chados e seguramente c rcados.
Tem ama plantacao de cafezeiros de
cinco mil pese grande porcio deplau-
Us novas propria para eateade; a ca-
aUUfCltl*
O te treno de varias qualidades are-
oso e de barro nuro taiyhqiB de atiia-
terai destas em d*0aMnlea pwaporcoe.
Os pretendeot que q^iierem. x.
narapropnedadepodem e aaer da-
ngtndo-se ao Sr. Crispim, que ao prv
*"**---frrn ni Un a a maelana'
E pavatcaUrdeBMrcsfo na caea a. 46
da rua do Trapiche no ltecrle.
'_


-c
mmm y* virmmbooo. ram reau* 01 uim* n mu
(?)
ARMAZEM
R07P FEITU
DE
Joaquina Francisco dos Santos.
40 RA DO QUEMADO 4f
Defronte do becco da Congregado letreiro verde.
Neste eslabelecimento ha sempre um sortimeDto completo de roupa feila de todas as 5
qualidades, e tambem se manda executar por medida, vontade dos freguezes, para o
que lera um dos melhores professores.
Casacas de panno preto, 40&, 35 e 30000
Sobrecasaca de dito, 35* e 30*00
Palitots de dito e de cores, 35, 30$.
25$000 e 20$000
Dito de casimira de cores, 22*000,
15*. 129 e 9*000
Ditos de alpaka preta golla de vel-
ludo, ugooo
Ditos de merin-silim pretos e de
cores, 9j000 89OOO
Ditos de alpaka de cores. 5$ e 3j500
Ditos de dita preta, 99, 79. 59 e 39500
Ditos de brim de cores, 59, 49500,
S00 e 39OO
Ditos de bramante de lioho branco,
6S000, 590OO e 4J0O0
Ditos de merino de cordo preto,
15O00 e 89000
Ctlsas de casimira preta e de cores,
129.109. 99 e 6SO0O
Ditas de princeza e merino de cor-
do pretos, 59 e 49500
Ditas de tirim branco e de cores,
5g000. 4j500 e 250O
Ditas de ganga de cores 3$000
Colletes de velludo preto e de co-
res, lisos c bordados, 129, 9g e 89OOO
Ditos de casemira preta e de cores,
lisos e bordados, 69, 59500, 59 e 3*500
Ditos de setim preto 5j000
Ditos de seda e setim branco, 69 e 5*000
Ditos d^gurguro de seda pretos e
de cores, 7g000, 69OOO e 59OOO
Ditos de brim e fuslo branco,
39500 e 39OOO
Seroulis de brim de linho 29200
Ditas de algodo, IgCdO e IgSSO
Camisas de peito de fuslo branco
e de cores, 29500 e 29300
Ditas de peito de linho 6g e 3&000
Ditas de madapolo branco e de
cores, 39, 2*500. 29 e I98OO
Camisas de meias IjOOO
Chapeos pretos de massa, franeeze,
formas da ultima moda 10g,85500e 7J00O
Ditos de feltro, 69. 5g, 49 e 2*000
Ditos de sol de seda, inglezes e
francezes, 149. 12g, llg o 7*000
Collarinhos de linho muito finos,
novos feitios. da ultima moda 98OO
Ditos de algodo j500
Relogios de ouro, patentes hori-
sontaes. 100. 90*. 8O9 e 70*000
Ditos de prata galvaoisados, pa-
tente hosonlaes, 40g 309000
Obras de ouro, aderemos e meios
aderemos, pulseiras, rozetas e
anneis j
Toalhas de linho, duzia 12*000 e 10*000
EAU MINERALE
NATRALLEDE VICHY.
Deposito na boticafranceza ra da Cruz n.22
DE
Gafado barato na roa larga do Rosario n. 32.
O dono deste estabelec imento tendo etn vista acabar
com todo o calcado at o fim de marco, expe ac publico pelo
prego abaixo:
Para homens, senhoras e meninos.
Algouo nonstro.
Vende-se algodo mons tro cont-auas larguras,
uito propriopara toalhas e leoce por dispen-
sar toda e qualquer costura, palo baratissimo
prego de 600 ra. a vara ; na ra do Queimado n.
22, na loja da boa f.
P^femarias
BASTOS
Porzeguins de bezerro de Meli a
Ditos de Nantes sola patente
Ditos de dito sola fina
Ditos dito do dito
Ditos francezes de lustre de 69, 79 e
Ditos todos de duraque
Ditos de couro de porco a
Sapatosde lustre a 3g at
Ditos de bezerro a 39500 al
Ditos de dito de 2 solas
Ditos de 1 sola com salto
Ditos de 1 sola sem salto
ogooo
99000
8gC00
70000
8*0ro
69^00
5g0O0
Borzeguini de setim branco
Ditos de duraque dito
Ditos pretos
Ditos de cores
Ditos de cores panno de duraque
Ditos dito de dito
Ditos de cores para menina
69000
59500
que outr'ora tinha ioja na ra da Quei-
mado n. 46, que gyrava aob a firma de
Ges & Bastos participa aos seus nume-
rosos freguezes que dissolveu a sociedade
que tinha com o mesmo Ges tendo sido
substituida por umseu mano do mesmo Jg
Dome, por isso Qcou gyrando a mesma 3
firma de Ges & Oastos, assim comoapro* 3
veita a occasio para annunciar abertura 1
do seo grande armazem na ra Nova juc- R
to a Conceico dos Militares n. 47, que tt
passa i gyrar sob a firma
DE
Bastos <& Reg g
com um grande e numoroso sorlimento de S
roupasfeitas e fazendas de apurado gos- 55
to, por precos muito modificados como
de seu costnme, assim como sejam : ri-
cos sobrecasacos de superior panno fino
preto o de cor a 25$, 28$ e 309, csascaa
do mesmo panno a 309 o a 359, palelols
sobrecasacados do mesmo panno a 189,
209 e a 22g, ditos saceos de panno preto a
129 e a 14g, ditos de casemira de cor
muito una modelo inglez a 9$, 10*. 12*
el49, ditos de estamenha fazenda de
apurado gosto a 59 e 6g, ditos de alpaca
preta e de cor a 49. sobrecasacos de me-
rino de cordo a 89, ditos muito superior
a 129, ditos saceos a 59, ditos de esguio
pardo fino a 4*. 49500 e 5g, ditos de fus-
lo de cor a 39, 3*500 e 49, ditos bran-
cos a 4*500 e5*5C0, ditos de brim pardo
fine sacco a 2g800, calcas de brim de cor
finas a 39. 39500, 49e 4JJ50O, ditas de di-
to branco finas a jg e 6*510, ditas de
princeza proprias para luto a 4fl, ditas de
merino de cordo preto fino a 39 e 69,
ditas de casemira de cor e preta a 89, '.)*
clO*, colletes de casemira de cor e pre-
ta a4g500e5#, ditos do seda branca pan
casamento a 59, ditos de brim branco a
39 e 49, ditos de ror a 39, colletes de me-
rino para lulo a 4g e 4*500, ricos rob-
chambres de chita para homem a 10*,pa-
letots de panno fino para menino a 12g e
149,casacas do mesmo panno a 15g,calcas
de brim e de casemira para meninos, pa-
letotsde alpaca ede brim para osmesmos,
snalos de tranca para homem e senho-
ra a I* e 1*500, ceroulas de bramante a
18* e 209 a duzia, camisas francezas fi-
nas de core brancas de novos modelos a
17g, 189. 209. 24g. 289 e 309 a duzia,
ditas de peitos ae linho a 309 a duzia, di-
tas para menino a I48OO cada urna, ricas
grvalas branca3 para casamento a 1*800
e 2* cada urna, ricos uniformes de case-
mira de cor de muito apurado gosto tanto
no modello como na qualldade pelo di-
minuto prego de 35J, e s com avista se
pode reconhecer que barato, ricas capas
de casemira para senhora a 18* e 209.
M e 'muilas outras fazendas de excelente
P gosto que se deixam de mencionar que
II por ser grande quantidade se torna en-
5j fadonho, assim como se recebe tada e
m qualquer encommenda de roupas feitas,
j| zendas escolhidas e urna grande oflicina i
2g feico nada deixa a desejar. if
Cassas de cores.
Ainda se ventem cassas de cores fizas, padrees
5n0O i muit0 boni'os^ pe' baratissimo preco de 240 ra.
4*000 co.vado' e w*}? barato que chita : na ra do
4*000
5*000 Ditos de dito todos de duraque
59OOO Ditos de dito dito
4*000 ;Rpalos de tranca para meninos de lft 1
3g000 Ditos de lustre para senhora
29000 Ditos de tranca francezes para homem
39000
3*000
3J000
29500
19200
19280
18000
Queimado
Boa f.
n. 22, na bem conbecida loja da
As melhores machinas de co-
zer dos mais afamados au-
tores de New-York, Sioger
AC, Whecler & Wilson e
Geo. B. Sloat & C
Estas ma-
c hin as que
sao as melho-
res e mais
durad ouras
mostram-se a
qualquer hora
e ensina-se a
trabalhar as
casas dos com-
pradores ga-
rantindo-se a
sua boa quali-
dade e dura-
cao : no depo-
sito de ma-
chi n as de
Raymundo Carlos Leite & Irmo, ra da Impe-
ratriz n. 12, adtigamente aterro da Boa-Vista
Acaba de che-
gar ao armazem
DE
Bastos k Reg,
urna grande quantidade do uniformes de case-
mira de cores muito rer-ommendados tanto pelos
seus bonitos padres camo pela ana bemfeitoria
ecomoseja grando quantidade tomamos a deli-
berado do vender pelo diminuto prego de 25g,
assim como urna grande quantidade de chapeos
de caslor brancos e preto pe'o diminuto preco
de 68, poisse vendem estas obras por este dimi-
nuto preco como fim de apurar dinheiro e acre-
ditar este novo armazem na ra Nova junto a
Cooceicao dos Militares n. 47.
PARA A
Na ra dr Queimado n. 17 a primei-
ra loja passan.lo a botica vende se casa-
cas de suoerior panno fino preto de
3 "'$ pelo barato preco de 28#, por haver
grande sortimento e querer-se apurar
dinheiro.__ _________ ________
Estampas finas.
Na loja d'aguia de ouro, cua do Cabug n. 1 B,
vendem-se collecQes dos pasaos, o mais fino que
podo haver, compostos de 14 estampas, que se
vende por baraliasimo preco de 140, asaio 00010
estampas avulsas, taoto.de aantus como do vistas
de cldadaa e de retratos qae se veade, pequeos
a 260,400 e 600 ra., e grandes a 1*600 o 2 ca-
da una.
-r- VenJe-ae urna bonita negra com 13 a H
annos de idade, sem vicios, e com perfeicSoco-
ae,-en gomara -rara : na na da matriz da Boa-
Yiata d. 21, eaaa particular.
Fazendas proprias para a
quaresma, no novo es-
tabelecimento de Jos
Moreira Lopes, ra do
Crespo n. 13.
Manteletes, vestidos de grosdenaple com bar-
ras de velludo, ditos bordados, veos pretos de
tilo bordados, sarja preta, grosdenaples, casemi-
ras, pannos Anos, e outras muilas fazendas, tudo
por precos muito commodos.
Exposicfles de
metaos.
Riqulssimo sorlimento de toda a qualidade de
metaos unos praleados, emapparelhose avulsos,
grandes e pequeos, tudo quanto se pode deso-
jar para servico e ornamento de urna mesa, ap-
parelhos para ilmogo, desde ornis fino at o
mais ordinario, contendo em si os apparelhos fi-
nos a garanta do fabricante por esparo de 20
annos, ludo se pode garantir ao comprador, e
outras muitas qualidadea de objectos, contendo
assim taboleiros Jara dar cha, bastantes grandes,
a que muito devero agradar aos freguezes que
p ecisarem ; na ra Nova o. 20, loja do Vianna.
Fazendas baratas
Na ra do Queimado n. 19
Cambraias finas matizada, pelo baratissimo
preco de 240 rs. o covado, ditas escuras a 180 rs.
o covado.
Chitas francezas tanto escuras como claras a
220 o covado.
Toalhas de fuslo a 600 rs. cada urna.
Cambraiet&s linas para vestido a 2-3800,3$ e
3JJ500 a peca.
Esteiras da ludia para cama e forro de sala,
sendo de 4, 5 e 6 palmos de largo-
Lencos brancos para algibeira pelo barato pre-
so de 1*600 a duzia.
Grandes colchas do fusto lavradas a 5)500.
ELOGIOS.
Vende-se em:asa ae Saunders Bro hers &
C. praca do Corp o Santo, relogios do afama
do abricante Aoskell, porprecoa commodos
t tsmbemrancellins e cadeiaararaos meamos
deexceellnte costo.
E' baratissimo!
Ra do Crespo n. 8, loja de 4 portas.
Cassas de cores fizas miudinhas a 240 rs. o co-
vado, cambraia, organdys lindos desenhos a 400
ra. o covado, e chitas largaa finas de 240, 260 e
280 o covado, e outras muitas fazendas por ba-
ratissimo preco : ao-se amostras com penhor.
Para desenlio.
Hu bonitas caixinhas envernizas, com tintas fi-
nas, lapis, pincels, e os mais necessarios para
desenho.
novas.
A loja d'aguia branca acaba de receber de sua
propria encommenda um lindo e completo sorii-
mento de peifnraarias finas, as quaes est ven-
dendo por menos do que em oulra qualquer par-
sendo e bem conhecid oleo philocomo e ba-
nha (societe bygienique> a 1 o frasco, finos
extractos em bonitos frascos de cores e dourados
a 29, 2 500, 3, e 4, a afamada banha trans-
I prente, e outras igualmente finas e novissiraas
J como a japonaise em bonitos frascos, cuja lam-
; pa de vidro tambem cheia da mesma, buile
concret, odonnell, prncipe imperial, creme,
em bonitos copinhos com lampa de metal, e
muilas outras diversas qualidades, todas estas a
19 o frasco, bonitos vasos de porcellsna doura-
da. preprios para offerla a 29 e 29500, bonitos
bahusinhos com 0 frasquinfaos de cheiro a 2|,
lindas cestinhas com 3 e 4. frasquinbos, e caixi-
nhas redondas eom 4 ditos a 19200 e 19600,
finos pos para denles e agua balsmica para ditos
a 19 e 17500 o frasqulr.ho ; e assim urna in-
finidade de objectos que s3o patentes em dita io-
ja d'aguia branca, na ra do Queimado n. 14.
Ultimo gosto.
A loja da aguia de ouro, ra do Cabug n. B,
acaba de receber da Europa pelo ultimo vapor,
de sua propria encommenda, lindos cintos para
senhora ou para menina, o mais fino que se po-
de encontrar, sendo ultima moda, que se vende
pelo baratissimo preco de 4 e 59, assim como en-
files de cabega para senhora, todos entrancados
rom borla dourada a 15$, grinaldas de flores
muito finas tinto branca como de cores que se
vende a 3, 4 e 59, pois a vista da finura e do ul-
timo gosto nioguem deixar de comprar.
Pennas d'acx.
A loja d'Aguia-Branca recebeu um grande sorti-
mento de pennas d'aco de differentes qualidades
as quaes est vendendo de 500 a 1JJO00 rs. gra-
sa. o mais barato possivel: na ra do Quei-
mado loja d'Aguia-Branca, n. 16.
v- Arados americanos e machina-
para lavar ro upa: emeasa de S.P Jes I
hnston & C. ra dtSenzala n.42.
Cheguem aloja da Boa f
Chitas francezas muito finas de cOres Gxasa
280 rs. o covado ; cambraias francezaa muilo fia
naa a 640 rs a vara ; idem lisa muito fina a
CCO e a 6000 a pee.* com 8 1|2 varas ; di-
muilo superior a 8g000 a pega com 10 varas ;
dita fina com aalpicos a 4^600 a pega com 8 1|2
varas ; fil de linho liso mullo fino a 800 rs. a
vara ; tarlatana branca e de cores a 800 rs. a va-
ra ; e outras muitas fazendas que, sendo a di-
nheiro, vendem-se muito baratas: na ruado
Queimado n 22, ns loja da Boa f.
Lencos para rap.
Vendem-se lencos muito finos proprios para os
tabaquistas por serem de cores escuras e fixas a
5jC00 a duzia: na ra do Queimado n. 22, na
loja da Boa f.
Na loja da Boa f vende-se
panno preto Gno a 49, 59, 69, 89 e lOf rs. o co-
rado, casimira prela fina a 2g, 39 e 49 rs. o co-
vado ; gros de naples prelo a 29, 2g500 e 89 o
covado ; alpaka preta fina a 640, cOO, e muito
fina a 19 rs. o covado ; casimiras muilo finas de
cores escuras com 6 palmos de largura a 49 rs. o
covado ; ditas de cores claras a 6$ rs. o corle de
calca ; meias de algodo cr muito superiores a
49800 rs. a duzia ; ditas de algodo :ru tambem
muito superiores para meninos a 4$ a duzia; e
assim muitos outros artigos de lei que se ven-
dem baratsimos, sendo a dinheiro : na referida
loja da Boa f. na ra do Queimado n.22.
Camisas e toalhas.
Vendem-se camisas brancas muito finas pelo ba-
ratissimo pre^o de 289 ra. a duzia ; toalhas de li-
nho para rosto a 99 a duzia ; ditas felpudas mui-
to superiores a 129 a duzia : na ra do Queima-
do n 22, loja da Boa f.
Paletos.
Vendem-se paletos de panno preto fino, muito
bem feitos a 229 rs.; ditos de brim branco de
linho a 59 rs.; ditos de setineta escures a 3J500,
muilo barato, aproveiUm : na ra do Queima-
do n. 22, loja da Boa f.
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
No bem conhecid eacreditado deposito da
Grammatica in-
gleza de Ollendorff.
Novo methodopara aprender a lr/
a escrever e a falla ringles em 6 mezes,
obra i nteir a mente nova, para uso de
todos os eatabelecimentos de instruc-
cSo, pblicos e prticularet. Vende-
se napraca de Pedro 11 (antigo largo
doCollegio) n. 37, segundo andar.
fcROl'PAFElTAAniDA BA1S BARATAS.!
SORTIMENTO COMPLETO !
DI
IFazendase obras feilasj
HA
LOJA E ARMAZEM
DK
IGes & Basto
NA
rs americanos
ra da Cadeia do Recife n. 12,ha para vender
verdadeira potassa da Russia nova e de superior
E' o que de melhor e mais perfeito se qualidade. assim como tambem cal virgen em
1 r aKirisr. r^\ ^Z'ZL5t \ h. *** ^ p^ mais b^ios d0 qe em
oulra qualquerparle.
00 DOCTOR
Radway & C, de New-York
g PROMPTO ALIVIO
9 Resolutivo renovador.
S Pilulas reguladoras. |
Estes remedios j sao anui bem conhe- S
S cidos pelas admiraveis curas que tera ob- 0
* tido em toda a sorte de febres, molestias 6
9 chronicas, molestias de senhoras, de pe- 8
@ le etc., etc., conforme se v as instruc- 9 ces que se acham traduzidas em por- 0
9 tuguez. 9
9 ----------- 9
Salsa parrilha legitima eg
original do antigo
DR. JACOB TOUNSENDi
0 melhor purificadur do sangue
cura radicalmente 5
16, laja d'Aguia-Branca.
Chega para todos.
Cassas francezas muito bonitas e de cores Ma;
a doze vintenso covado, mais barato do qn
chita, approveitem em quanto nao ae acabam
na ra do Queimado n. 22, na bem conbecida lo-
.a da Boa P.
Pechincha
Na ra do Queimado n. 47, vendem-se pegas
de franjas pretas de seda para vestido por 1&800
a pega com 10 varas.
Vinho do Porto, genuino,
Rico de 1820.
Stomacal de 1830.
Precioso de 1847.
As -1 uzias, e em caixinhas, adinheiro, por ba-
ato preco : vende-se na ra do Trapiche n. 40,
esoriptorio.
flUiil ^1
S Vende-se
Rua do Queimado
b. 46, treme amarella.
Constantemente temos um grande e va-
riado sortimento de sobrecasacas pretas
! de panno e de cores muito fino a S8J>, W
i 30g e 3&9, paletols dos meamos pannos
a 20J, 22S e 24$, ditos saceos pretos dos fi
mesmos pannos a 14#, 16 e 18$, casa- O
cas pretasmuilo bem feitas e de superior S
panno a 289, 30$ e 35. sobrecasacas de *
casemira de cores muilo finos a 153, 16J
e 18$, ditos saceos das mesmas casemi-
ras a 10$, 12 e 14$, caigas pretas de
casemira fina para homem a 8, 9, 10jf
e 12, ditas de casemira decores a 7$, 8$,
99 e 109, ditas de brim brancos muito
&Ba a 5$ e6j, ditas de ditos decores a
3, 39500, 49 e 49500, ditas de meis ca-
semira de ricas cures a 4$ e 4$500, col-
letes pretos de tasemira i>59 e 69, ditos
de ditos de cores a 4J5C0 e 5, ditos
brancos de seda para casneMo ^ 59,
ditos de 69. colletes de brim branro e de
fuslo a 39, 39500 e 49. ditos de cores a
23500 e 39, paletotspretos de merii 6 de
cordo sacco e sobreraseco a 7&. 89 e 99,
colletes pretos para luto a 41800 e 59,'
cas pretas de merino a 4tFC0 e 59 11!
lelots dealpaca preta a 3j5C0 e 4$, ditot
sobrecasaco a 69, 79 e 8$, muito lmo col-
letes de gorguro de seda de f ore; muito
boa fazenda a 39800 e 4$, colletes de vel
ludo de crese pretos a 79 e 89. roupa
para menino sobre casaca de panno pre-
tos e de cores a 149, 159 e 1PJ5. ditos de
casemira sarro para os mesmos a 6$5C0 e
79, ditos de alpaca pretos saceos a 3; P
39500, ditos sobrecasacos a 5$ e 59500,
1E calcas de casemira pretas e de cores a 69
g 6$500' e 79. camisas para menino a S(
X a duzia, camisas inglezas pregas largas
"* muito superior a 329 duzia par* acabar.
Assim como temos urna oflicina de al H
faiateoude mandamos executar todas as 5
obras com brevidade. M
IKfiiKeKCiSfilSfilS'SCKfiKMSfiKeK
Relogios.
Vende-se em casa dJobnstonPater & C.,
ra do Vigario n.*3,4irnbello sorlimento de
relogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool ; tambem
urna variedade de bonitos irancelins para o
mesmos.
SEDULAS
de 1$e 5M>00.
CoBtinua-se a trocar sedu'*s de urna s figura
por melade do descont que exige a thesouraria
desla provincia, e as notas das maipracas do
imperio com o fale de 5 por cerno: no escrip-
torio de Azevedo & ftfendes, ra da Cruze
n. 1.
Ges k Bastos.
Roa do Queimado d. 46.
Jkfi&NClA
llMJAfl LOW-MOW,
RndaSeiMlItNfTi.42.
este estabelecimento contina a baver um
completo sorlimento A oend, mi$8 moej_
ds para engenbo, machinas de ^apor e taixss
le ferro balido e coado, de todos os ismaches
para dito.
Tachas e moendas
Braga Silva &. C, km seropre no seu der 0-
stte da ra da Hoeda d. 3 A, um grandesor-
menio de tacbas e roceedas para engenho, de
muito acreditado fabricarte Edvn Maw a'tra-
M no mevrno dejosito ou na na do Trapiche
n. A. r
SISTEMA MIDICO DE HOLLOWAY
PU LIAS BLLWOTA.
Este inestimavel especifico, eomposto inieirs,
mente de bervas medicinaes, tic centn mercu-
rio nem alguma cutra .'ubslsnciadelicieria. Be-
nigno mais lenra infancia, e a compleicao mais
dehctda e igualmente prtnpo e seguro para
defarreigar o mal na ron pleijo asis ulusta ;
I enteirsmente innocente em suas opera^ese ef-
: feitos ; pois busca remov as doenc,as de qnal-
quer especie e grao por mais amigas e tenszes
'que sejam.
Entre milbares de pessoas curadas cem este
remedio, muitas que ji eslavam as portas da
norte, preser\ando em seu uso : conseguiram
recobrara saude e forjas, depois de haver tenta-
do inultamente todos os outros remedios.
As ruis afQiclas nao devem entregar-se a des-
esperado ; fajara un ctrapeiente entaic dere
eflicazes effeitos desia ascnLcsa mediciE
prestes recuperaiao o bentficio da saude.
Rio se perra tempo em temar este f ratdio
para qualquer das seguintes enfermidades:
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areias (mal de).
Asthma.
Clicas.
Convulsoes.
Debilidadeou extenua-
dlo.
Debilidade ou falla de
foress para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no venire.
Enfermidades novenlre.
Ditas f.o figado.
Ditas venreas.
Enchaqueca
Herysipela,
Febre biliosa.
Febreto dae specie.
Goua.
Hemorrboidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestes.
Inflammsces.
Irregularidades
menstruarao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Absirucjao de ventre.
Phtysica ou contmp.
pulmonar.
Relencao deourina.
Bbenmatismo.
Syroptomassecundaiios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venereo(mal).
Febreto intermitente,
Vende-se estas pilulas no estabelecimento ge-
ral de Londres n. 224, Strand, e na loja da
todos os boticarios droguistaeoutraspessoas en-
carregadas de sua venda em toda a America o
tul, Havana e Hspanha.
Vendem-se as bocetinhas a 8C0 rs. cada
urna dellas, conten orna inslrucqio em portu-
guez para explicar o modo de se usar deslas pi-
lulas.
O deposito geral
em casa do Sr. 5ctm
dharmaceutico. na ra da Cruz n. 22 em Per-
oambuco.
N 25 BA NOVA -- N 23-
MMM
DEPOSITO DE PIANOS FORTES
nos
Ma is afamados fabricantes da Europa
DE
Joo Pedro Vogeley.
Este acreditado estabelecimento rcaba de rece-
ber da Europa alguna pianos da celebre fabrica
de C. Sheel de Cassel ; o proprietariu deste esta-
belecimento toma a liberdadede convidar os pro-
fessores, dilectanli e amadores deste instrumen-
to para que se digoem vir apreciar as exccllenies
qualidades destes pianos, e juntamente observar
a perfeicao do trabalho unido elegancia e es-
merado gosto deste afamado fabricante.
os senhores alfaiates.
Para acabar.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n. 1 C,
I existe urna porc.80 deboles para paleto! ou col-
Tendo os annuncianles conseguido elevar este lele, grandes e pequeos, que se vende por bi-
fe
Relogios patentes. a
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peiloa para camisas.
Biacoutos.
Emeasa de Arkwight 4 C, ra d a ,
Cruz a. 61.
Machinas de vapor*
99 Bodas d'agua.
9 Moendas de canna.
0 Taixas.
^ Rodas dentadas.
^ Bronzea e aguilhes.
^ Alambiques de ferro.
aj Crivos, padres etc., etc.*
9 Na fuadicao de ferro de D. W. Bovrman _
Srua do Brum passando 'o chafariz. *
:
:
s
Vendem-se em casa de Braga, Silva & C.re-
logioa de-ouro *tJivra>a: tabciautM.imgUsea,
-por preco comaodo.
Vende-se ou arrenda-se o engenho Mossam-
bique na freguezia de S. Loureoco. na Campia
Grando, distante deata praca 2 legoas e meia,
moente e crrente, de vapor, montado de tudo
quanto preciso no engenho : quena quizer ta-
zar negocio, procurar o prourieUrio no mesmo
engenho, ou na Paesagea, a Francisco Ribeteo de
Brito.
Boi com carrosa.
Vende-se um grande o gordo boi com urna boa
carroca : a tratar Da na larga do Rosario n. 21,
loja de ouiives.
AtteiMjo.
S. ia-Bua do Amoriiav-X 40.
Vendem-se saceoa frrutee con tresquartas de
tarinba 4 maadiota a 21500.
Venda de um cavallo.
Na ra do Jardim o. 19, ha para vander um ca
vallo que serve para todo o trrico, que se ven-
de muilo em couta.


Erisipela.
Rheuiualismo.
Chaga.
Alporcas.
Impingeos.
Phtisicas.
Catarrho.
Doen^as de figado.
EiTeitosdo azougue.
Molestias de pelle.

Vende-se no armazem de fazendas de Z
Raymundo Carlos Leile & Irmo, ra do Z
Z Impera trun 12. jE
Gomma doAracaty.
Vende-se excellente gomma do Aracaty;na
ra da Cadeia do Recife, primeira andar, n, 28.
Libras sterlinas
Vendem-se no escriptorio de Manoel Ignacio-
de Oliveira & Pilho, largo do Corpo Santo.
Ruada Senzala Novan. 42
Vende-se em catada S. P. Jonhston &C,
sellinse silhSes nglezes, eandeeiros e castieaes
bronzeados, lonas nglezes, fio de vela, chicote
para carros, e montara, arreioa para carro de
um a doue cvalo* relogios da ouro patele
inglez.
Ovas do sertao.
Vendem-se ovas do sertao muito freseaes ; na
ra do Queimado, loja de ferrageos n. 14.
Vendem-ae na ra Diroila n. 99.3 pipas ar-
arquea'taa de novo, proprias para captelro, saecas
de trelo e ditas de frinba da trra, queijns dos
ltimos chegados a 1|800, e ditos a 2|500. man-
teiga iogleza a 800 rs., dila a 960, cha da India a
29, dito muito fino a 2|240, caf a 240.
estabelecimento a um engranecimenlo digno
desi graude cidade, apreseniam concurrencia
deste ilustrado publico, o mais moderno, varia-
do e escolbido sortimento de roupas diversas e
de fazendas escolhidas para lodas as estaces.
Sempre aolicilos em bem servir sos seus nume-
rosos freguezes nao s em precos como em bre-
vidade, acaba de augmentar opessoal de sua of-
ina, sendo ella d'-^rs cm dianle dirigida pelo
insigne meslre LAURIANO JOS' DE BARROS,
o qual os seus numerosos freguezes rodun pro-
curar na loja n. 46 ou no primeiro andar do
mesmo eatabelecimenlo, astim pois em poucos
dias ae aprompta qualquer encommenda, quer
casaca, quer fardoes dos Srs. officiaes de marinha
e exercito. Outro sim recommendam aos Srs
paeade fasilia grende S.rtimmio de roupas pa-
ra meninos de lodas as idades.
FROCO.
Vende-se frco de todas as cores egrossuras,
com rame e sem elle a 400, 500, 640 e 19 rs. a
peca; na ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16.
jft lelogios Jj^
Suissos.
Km casade Schafleitlln & C.rua da Cruz n.
38, vende-se um grande e variado tortimento
de relogioa de algibeira borisontaes, patentes,
chronometros, meioschronometros de ouro. pra-
ta dourada e foleados a ouro, sendo estes relo-
gios dos primeiros fabricantes da Suissa, que se
vender o por precos razoa veis.
Vendem-se noventa apolices da
companhia do Beberibe : na ra Nova
n. 14, primeiro andar.
Vende-se na cidade do Aracaty urna casa
terrea-eom aotio, bom quintil ecacimba,na prin-
cipal roa de coamercio, propria para quero qui-
1er ali wtabelecer-ae, por ter nao commodos
precisos para residencia, como tambem loja, arma-
zem, etc.: a tratar na mesma cidade com os Srt.
Gurgel Irmoe, que esto automados para esse
fia, o* oeata praca na ra do Cabug, leja a. 11.
S uperioresmanteletes.
Vendem-se superiores manteletes preto* rica-
mente bordados, pelo baratissimo preco de 35} :
ama do Queimado n. 22, loja da boa f.
ralissimos precos, grandes altea 1&2C0" a iro-
sa, pequeos a 510 e COO rs. a gross.
Escravos fugidos.
A noile psssada, 85 do corrente, fugio do
eogenho Quanduz na freguezia de Santo Anto,
um escravo de nome Victorino, representa ter 23
a 24 annos de idade, cor prela, altura regular,
rosto bechigoso, ps feios sem ter bichos, e tem.
pouca barba ; este escravo foi da viuva de Joao
Dias que teve botica na cidade da Victoria, ra do
Meio. e quando se ausentava ia para a cidade do
Recife : perianto rogs-se as autoridades policiaca
ou capilaes de campo a sua apprehenso e leva-
rem-no ao referido engenho a sru senhor Jos
Ignacio de Mello, ou do Recife a Bernardino
PraBrikcode Azetedo Campos, no pateo do Car-
me, que serio generosamente recompensados.
100,0000.
Fugio no 8ia 14 de dezeaabro do anno prximo
passado um negro de nome Filippo, escravo do
Francisca Rosa Pereira dos Santos Bezerra, mo-
radora em Ierras do engenho do Curado, cujo es-
cravo tem os signar-s seguintes : cor fula, alto,
secco, pouca barba, ps grossos e mais prelos d
que a cara, pernaa malfeilaa. olhoe brancos e pa-
pudos, denles pequeos, cabeca pequea, duas
tallas e muito mansa, e quando olha para qual-
quer pessoa fita os olhos e nao pestpneja, nade-
gas grandes e empinadas, levou ralea preta de
casemira nova, paletot de alpaca tambem preta,
chapeo da moda de massa de cor, sapatoa de
couro de luslre, camisa de madapolo nova, e
tambem de baeta verde j velha. aherla, e tam-
bem de ajgodo azul, chapeo de massa cor do
chumbo j velho, de tuppor que em viagem
elle nao ande com a roupa nova e sim com a ve-
lha por ser mais propria
xer no referido engenho,
21, receber a quanlia cima.
Fugio da cidade do Arscaiy, no mez de se-
tembro prximo psssado, um escravo do com-
mandanle superior Manoel Jos Penna Pacbeco,
que ha pouco o ha va comprado a o Sr, Benio
Lourenco Collares, de nome Joaqoim, de idade
de cincoenta a tantos annos, rolo, alto, magro,
denles grandes, e com falta de algn s na fren le,
queixo fino, ps grandes, e eom os dedos gran-
des dos ps bem abortos, muito palavriador, in-
culea-se Forro, e tem stgnaes da lersido surrado:
Coiuu que este escravo appaiecera no dia 6 do
correte, vindo do lado das CinaoPonlas, e sen-
do enlerrcgado por um fereceiro sen conhecid,
disse que tinha sido vendido por seu senhor para
Goianninba: qualquer pessoa que o pegar o po-
dan lavar as Ptraeabuce aos Srs. Basto & le-,
vaos, que gratificarlo generosa mente.
a pessoa que o irou-
ou na ra Augusta n.
?


(8)
M4M0 DE PEMAJI1C0. SEXTA RIBA. 1 II HAB^O BE 1M1.

,
Litteratura,
AVE CBUX
SPES ITMCA
Qual a tua esperaba, orgulboso seculo ?
Esperas a ventura nos gozos materiaes ? L
L'tis Babylonia, Memphis, Alhenas e Roma no
mundo nnligo : pergunla ao9 monumentos que
anda existuai, se bouve poo inaior na torga, mais
riro na industria, mais poderoso as arfs ; e to-
dava que foi feito desSas grandes forgas, dessas
ricas industrias, dessasmaravilhas da arte ? Res-
tara as pyramides no deserto, e o p sobro as
cidades.
Esperas a ventura na ciencia dos homeos ?
Fergunta i Grecia, Italia, Asia, de que Ihe
servirm os Scrates, os Plales, os Aristteles,
os Pylhagoras, os I.ycurgos, Dracos, Solons e
Coofucios ?
Responder-te-ha por ellas o mancebo da Ly-
dia : mim ensinaram-rre que eu devia assassi-
nar meu velho pae, como uru tardo pesado para a
familia, o eu o arrastei cora dor, ao mesmo lugar
onde elle dera a morte seu pae, assassioei-o
como elle assassiora ; dei-lhe sangue porsan-
gue, paguei-lho a vida cora a morte.
Itcsponder-te-ha por ellas a mulher espartana
que vern de lutar nua na praga : & mim ensiua-
ram-me assassinar meu filho, porque nao nas-
cera bem vigoroso para ser umsuldado da rep-
blica, e eu tremendo entreguei-o homens du-
ros, quo Ihe esmagaram o crneo em roioha pre-
senga.
Responder-te-ha por ellas o patricio de Roma
paga : mim ensioaram-me que o hooiem podia
-ser vendido como urna besta de carga, ou que-
brado e osmagado como urna cousa vil ; e eu por
muilas vezes comprei homens, que inandei par-
tir em postas para as langar aos tanques de mi-
chas moreias.
Rospunder-te-ha por ellas o infeliz filho da tr-
ra de Helos : eu trabalho noite sob a presso
do acoule ; em determinadas pocas doannosou
arrebanhadocom meus irmos, e l todos juntos
somos cruameole agitados, para que nunca nos
esquejamos de que somos escravos. E quaodo
Lacedemonia est farta de paz e socego, manda
os mais nobresde seus filhos que desembainhem
as espadas, e abram pelo venlrc, ou traspassem
pelo peilo, ou corlem pela espalda, de um s gol-
pe, todo aquella que encontraren) e que tenha o
crime de haver nascido era Helos. Sao estis as
leisda repblica j tal a maior altura da sua ci-
vilisaco.
Uesponder-te-ha por ellas a China : mim
ensinarara-me a devassido como urna virtude, o
servilismo como um dever. O Deus real em que
creio, o imperador, em cuja face nem ouso por
os o!hos, com temor da morte, que a pena do
sacrilegio, para lodo aquello que ousar erguer a
visla to alto.
Eis-ahi a civilisaco, do antigo mundo, a ph-
solophia dos legisladores, a sciencia da huma-
nidale.
Qualento a tua esperanza, orgulhoso se-
culo ? Onde esl ella, vaidosos phylosophadores
do mundo ?
Entrae no templo calholico, prostae-vos ante
a cruz.
Ei3 ali a verdadeira e nica esperanza I E ella;
a victima do Golgolha.
Ali est a loucura que vos confunde. C a lou-
cura dos humildes triumphando da sciencia or-
gulhosa.
O omblema do opprobrio fez-se gloria das na-
ges ; o palibulo affrontoso fez seu throno d-
vindade.
A arvore da vida sobre a rocha nua, vde-a
plantada no alto. E o sangue que escorre sobre
o escalvado monte, o sangue do Gordeiro Imma-
culado, que lava os poccados do mundo.
E' o Verbo da sciencia, da civilisago,
peraoga, da liberdade o vida. E' o proc
Eis a verdadeira esperanza e a verdadeira li-
berdade dos pavos e dos res.
avi crxx, sru i sic\.
(Nacao.)
Variedades.
NECROLOGIO.
Falleceuem Franca madsmaCairedeChichiliane,
me da marqueza de Guademars o av dos
conde e visconde do mesmo titulo, e de madama
Souto, irmaa desles, e esposa do Sr. Jos Vaz
Forreira Souto, que por muitos annos foi pro-
pietario c director de um dos melbores collcgios
de educagao nesla cidade.
PRESENTE DE PRINCIPE.
Urna correspondencia datada de Conslanlinopla,
em 23 de dezembro, menciona, diz Le Nord, o
se guite interessante facto :
O ultimo paquete de Marselha Uouxe Cons-
tantioopla o major Terwagne, que portador de
um soberbo presente que o duque de Brabant
enva ao sulto em lembranga do acolhimenlo
que recebeu o vero passaJo na corto otloma-
na. E' um vaso de ouro massisso, do pezo de
seis libras, e enriquec lo de duas rail e quatr-
cenlas pedras preciosas de differentes tamaohos.
A lampa lera em cima um crescente formado
todo de pedras. Nos dous lados oppostos do
vaso ha dous medalhes de esmalte azul, con-
tando um as letras iniciaos do sulto em bri-
Ihantes e do outra esta legenda tambem em bri-
Ihanles : Offerecido pelo duque Ue Brabant
S. M. I. o sullo Abdul-Medjid, imperador dos
oltomanos, em lera branca ao acolhimenlo que
recebeu de S. M. em quanto esteve em Conslan-
linopla 1860. O resto do vaso, que lem pouco
mais ou menos um p de altura, coberlo de
brilhantes dispostos com urna arle adminvel, e
de maoeira produzirem um effeito
Ihoso.
t Esta joia real, que alm d'isso urna obra
prima de ourivesaria, excilou a admirago de
todas as pessoasque a viram, e faz multa honra
joalheria belga.
maravi-
da es-
prometiiio
rio Edn que viria aps, novo legislador do mun-
do, quando osceptro de Jud passasse mos de
cslrangeiro.
E' Aquelle que o prophela reicontemplou e viu
no explendor dos santos, sahiodo ab alerno do
seio de seu pae ; o PontiQce eterno, sentado
direita do Padre, tendo os inimigos abatidos aos
ps.
E'o Unignito de quem fallava o mesmo pro-
pueta rei, quando'ouvira a voz do Altissimo di-
zendo : eu Tegerei hoe; e prometiendo Iho que
seu imperio seria perpetuo, se extendera sobre
todos os genios, s teria por limites o mundo,
embora murmurassem os povos e cbnspirassem os
res, porque o Senhor estabeleceria apezar delles
o imperio do Christo.
E' elle, csse Christo, csse Ungido de Deus, que
aiu Ja o propheti rei viu, apezar de tintas gran-
dezas, cora os ossos coatarem-se sob a pello,
emquanlo seus vestidos eram repartidos, sus t-
nica jogada aos dados, sua lingui raolhada com
fel e vinagre, eseus inimigos blasphemando em
redor delle se saciavam do aeu sangue ; e ante
quem depois disto viaham os povos da trra, os
ricos atraz dos pobres, para se junlarem me-
sa do Senhor na grande egreja, e aunuuciarem ahi
o nome de Deas seus irmos.
1.' Aquelle que Micheias vira nao s gerado ab
alerno do seio do Pae, seno nascido como homem
na pequea cidade de Bethiem.
1. a Hostia Inmaculada que, segundo Aggeu e
Malachias havia de honrar o segundo templo,
offerecida nao smenle em Jerusalem, mas desde
o Oriente ateo Occidente, o Desejado das gen-
tes, por quem seria restabelecida a paz, e movi-
do o mundo para leslemunbar a redempeo.
E' o Pimpolho de Jess, Deus comnosco, que
Isaas vira sahiodo do seio de urna Virgem ; o
cabeca e meslre das gentes, escoltado para lva-
las com urna santa asperso, e que havia de dar
visla aos cegos, resgalar os que eslavara capti-
vos, sendo com ludo humilde, o lo manso que
nem esmagaria com os ps urna canoa quebrada.
E' o Rei pobre, Rei pacifico, Rei Salvador, que
segundo Zacharias, havia de entrar triuraphanle
em Jerusalem, seria depois vendido por trinta
dinheiros, os quaes se empregariam na compra
de um campo para sepultura de peregrinos.
E' anda, segundo o mesmo prophela, o Pastor
cujas ovelhas transmalhariam quando o vissem
ferido ; mas quem depois todo o povo havia de
procurar, ponde os olhos naquelle Deus quem
trapassar, aquelle, Deus mandado pelo Senhor
para habitar em Jerusalem, donde chamara os
gentos para os aggregar ao seu povo.
E'o Conductor e guia que tinha de apparecer
sessenla e nove semanas depois de expedida a
ordem para a restaurado do templo, e por ulti-
mo seria entregue morte, seguindu-se de perlo,
na septuagsima semana, a abolico da hostia e
dos antigos sacrificios, a deslruigo da cidade e
do templo, e por ultimo a desolago completa e a
disperso do povo hebreu.
Eis-ahi a verdadeira esperance, vae dous secu-
los que te ufanas de leus descobrimonlos, de tua
sciencia, da tua industria, das tuas arles ; e que
sera a luz da redempgo anda hoje esliveras
sentado as sombras da morte I
Glorias-te das tuas machinas de vspor, dosteus
carris de ferro, dos leus telegraphos elctricos ; e
esqueces que Babylonia leve os seus jardins
pensis e nao existe, Thebas as suas cem portas e
nao existe. Tyro os seus seberbos muros e nao
existe, Rhodes o seu collosso, Israel o seu anti-
go templo, e nem colosso, nem templo, nem Is-
rael existe.
Glorias-te da tua civilisaco, e a tua civilisa-
co a marcha retograda para a barbaria dos
tempos pagaos.
Glorias-te da tua liberdade, e a tua liberdade
urna mentira.
Porque a tua civilisaco verdadeira foi o verbo
de amor sollo desde o Calvario al os cousfins da
trra Foi essa a verdadeira liberdade que eman-
cipou a mulber, egualou o escravocom o senhor,
uniu os homens pela caridade, revelou todos a
sciencia de Deus, e os direiios e deveres do ho-
mem.
A luz que nos alumia, a sciencia que nos -
luslra, a liberdade que nos ennobrece, afrater-
nidade que nos une, desceram do Calvario.
Surge sobre ella a |cruz, que estando os bracos
apontados os polos, como novo eiio que sustenta-
rla a trra em seu movimenlo de regenerarlo.
Da outra banda de l lado trovas. O despo-
tismo, a tyrannia, o parricidio eram a philoso-
phia do mundo.
Da banda de c a luz. A caridade, o amor dos
homens pelo amor do Deoa, a unio de lodos
pela frsleroidade, como filhos do Pae que esl
nos cus, como lhosda Mulber que entre os hor-
rores da nalureza viu expirar o Filho e Deus, sao
a philosophiada cruz.
Eis ahi a verdadeira sciencia dos sculos.
EFFEIT03 DO FRI.
Foram feilos era Pars pelo Dr. Anselraier cu-
riosas experiencias sobre os effeilos do fro. Es-
clarecer certas particularidades da sua acgo
sobre os systoraas nervoso e muscular. O fro
deminue progressivamente todas as funeges
nervosas; se intenso, pode adormecer a sen-
sibilidsde ponto de fazer as vezes de chlorofor-
mio para as operages cirurgicas. Tcm, alm
d'isso, a propriedade de enfraquecer e mesmo de
extinguir a possibilidade de movmentos volun-
tarios nos membros, occullando-os influencia
da vonlade.
Um animal conserva, pois, a posicao em que o
colloquem, quando o submelterem um fri in-
tenso ; assim, por exemp'.o, que se for sub-
metiido com a liogua eslendda e a bcci aberla,
conserva por forca essa posicao, sem poder mu-
da-la voluntariamente, e assim esl, em quanto
dura a causa, n'um estado parcial de cala-
lepsia.
A iosensibilidade e a falta de conlractililade
muscular podem estender se assim todo o cor-
po; annuociam-se, como se sabe, nos desgrana-
dos que sucurabem no meio das ueves ou dos
gelos, pelo somuo e cansado.
Se se Ihe abandonaren) voluntariamente, diroi-
nue-se ento o principal elemento da resistencia
e a nica probabilidado de salvacao.
INNUNDACAO DE FOLHETOS.
Segundo diz a Correspondencia de Hespanha,
passam de 800 os folhetos quo si lera publicado
em Pars sobre a questo da Italia !
A industria explora ludo.
TROGRESSO.
Um empresario realisou em Audeoas
(Blgica) urna das mais notaveis operacoes no
seu genero.
Tralava-se de lancar sobre o Escalda una
ponte de 85:000 kilograramas de pezo, sem que
so iuterrompesse a onvegaco, isto sera por
andaimesphom armago alguraa, e o mais rpi-
damente possivel.
Este problema foi resolvido.
A ponte, que lem trinta e cinco metros de
extenso, nove do largura o 6 de altura, eslava
o'uma margeni.
Pela manha nada so va no rio, eao meio dia
j eslava collonada a ponte.
RECUSA.
O general (ranees Lamoricire num receber
a espada de honra que se tratara de )k oferecer
em Franca, declarando que ama espada de hon-
ra s se d um general vencedor, e querelle se
nao achava neste caso.
AS3ASSINATO BORRIVEL
No Per mulliplicam-se os crimes. Um dos
que causou maior consternado o assassinato
da esposa do miuislro do Brasil, Boa ventura Le-
vane. ._
O assassinalo teve lugar em Lima, s 10 horas
da manha, na propriacasa da victima.
O assassioo tinha servido por muitos annos na
casa.
A infeliz senhora lutou desesperadamente,
ponto de arrancar em pedagos as mangas da ca-
misa do assassioo ; porcm este cortou-lhe a lin-
guaedeu-lhe treze punhaladas, o, depois de
roubar a casa, fugiu, sem que o podesse prender.
PLEITO NOTAVEL.
Esl para decidir-se em Paris o importante
processo entre a familia Napoleo. A viuva do
principe Jeronymo Bonaparte a famosa miss
Pateison com quem conirahiu matrimonio legiti-
mo nos Estados-UniJos o principe Jeronymo, e
que repudiou depois para casar com urna prin-
coza, por ordem de seu irmo Napoleo I, que,
entretanto, tinha chegado ser imperador.
Diz-se que o filho do matrimonio com miss Pa-
terson foi sempre considerado como legitimo pe-
la me de Napoleo, pelo imperador actual, pelo
rei Jos e por seus proprios irmos, o actual
principe Jeronymo^ a princeza Mthilde.
Se o resultado fdr de qus legitimo o filho do
legitimo matrimonio com miss Paterson, sao bas-
tardos, e alm disso adulterinos, o principe Jero-
nymo e a princeza Mthilde.
O SAQUE DE PEKN.
Segundo um jornal estrangetro, calcula-seque
o destruido e saqueado pelos anglo-francezes em
Pekn nao importa em menos de seis milhes de
libras esterlinas.
No palacio do imperador, os sollados olharam
com iudilloreuca a prata e s se apoderavam do
ouro e das pedras preciosas. O lavatorio, a es-
cirradera eoulros objectosdo imperador, de ouro
e guarnecidos de brilli mt-s, foram vendidos pelo
que delles se apoderou por 2,000 libras sterlioas.
Um soldado francez vendeu por qualro libras
sterlinas umrelogio que valia quinhentas. Mui-
tos soldados tioham em seu poder de 30 40 li-
bras de ouro puro, e outros possuem parolas e
diamantes cujo valor se ignora.
Todos os sapatos de mulher que se encontra-
ran) as cmaras das damas demonstran! que o p
deslas de tamanho natural. As magnificas por-
celanas que conservavam os imperadores como
urna preciosidade, porque se perdeu o se6redo da
fabricago, e que tioham o nome das pessoas que
as haviam dado, foram brutalmente destruidas.
O SACRO COLLEGIO.
Ha actualmente no sacro collegio: 1 cardeal
creado por Leo XII; 21 cardeaes creados por
Gregorio XVI; 38 cardeaes creados por Pi IX ;
1 cardeal reservado tn pello, no consistorio de 26
de juoho de 1859 ; nove banetes vagos. O nu-
mero completo do sacro collegio de 70.
O cardeal Tosti o mais velho, pois tem 85
annos, e cardeal ha 21 annos. O mais moder-
no o cardeal Mizesi, que tem apenas 43 annos
de edade e3 de oardeal.
OS ABRUZZIOS.
Os Abruzzios que os antigos chamaran) Bruzio
e que so estenoiam desde o Lo at ao llin da
pennsula italiana, formara hoje tres proods
que sao,: Abruzzio ulterior primeiro, ou Abruzzio-
Teramano, que lem por capital Teramo; o Abruz-
zio ulterior segundo, ou Abruzzio-Aquilaoo que
lem por capital Aquila ; e o Abruzzio citerior ou
Chielino, que tem por capital Chieli.
Deslas tres provincias, as duas primeiras sao
frooleiras dos estados do Papa, e comprehendem
a grande cordilheira de montauhas chamada //
Gran Sasso d'Italia (O grande penhasco da Ita-
lia.)
O terreno de todas as tres provincias dos
Abruzzios quebrado, atravessado por alguns
ros, e torrentes sem estradas, com os Estados-
Poniicios na fronleira pelo N., e com o mar
Adritico ao lado, e por isso favoravel guer-
ra de guerrilhas que ali anda aleada.
NECROLOGIO.
ODIO VELHO.
Entre os povos das freguezias do Reguengo
Grande e Moila dos Ferrelros, no concelho da
Lo irinha, existe desde lempos immemoriaes urna
grande rivalidade sobre qual delles mais valen-
te, ponto de que quaodo se encontrare em fes-
tas, arraiaes, mercados ou outras reunios de
gente, trava-se um combate eocarnigado e ha
pancadaria de malar, sem haver torga queoscon-
tenha. Os dous bandos s se salisfazem depois
de umita pancada.
lia poucos das, em 27 do mez passado, houve
urna pequea festa na freguezia de S. Lourengo
de Gallegos, o ambos os povos rivaes se linharo
preparado para esse dia. Devia ser um combate
decidir vista dos preparativos e da torga com
que se apresentaram no campo os do Reguengo
grande, pois que appareceram, segundo diz um
diario da capital, em numero do 115, pela maior
parte armados de pus e alguns de espingardas
Os da Moita dosFerreiros nao foram ao arraial,
porque o regedor dssuadiu os rixosos do sahirem
campo.
Como o inimigo lardava, os do Reguengo dri-
gram-se ao lugar da Moila para ah o procura-
ren). A icurta distancia comegaram aquelles a
provocar estes, e de parte parle rompeu o fogo,
dando-se alguns tiros. Assim estiveram por al-
gn) lempo, provocando os do Reguengo aos da
Moita por todos os modos, al que tres dos mais
valenles desle ultimo logar avaogaram seguidos
por muitos outros, que ficaram um pouco .re-
taguarda, disparando tiros sobre a columna dos
do Reguengo.
Travou-se ento o combate, havendo pancada-
ria de crear bicho. Na lula eslava empenhada a
honra de ambas as freguezias e aquelle dos dous
povos que fugisse ficava infamado. O resultado
desta furiosa rixa foi (icreo) de ambas as partes
no campo 7 ferdos gravemente e 1 levemente.
Os tres valenles da Moila cahiraro, dous com as
cabegas partidas em differentes partes e o tercel-
ro com os queixos quebrados e urna tacada no
veolre. Do Reguengo Grande ficaram quatro fe-
rdos, um com dous golpes de foucerogadoura na
cabeca, outro com urna bala em um dos bragos,
outro com um-golpe de fou:e rogadoura no pes-
cogo e outro com urna forte contuso em urna das
mos. Dos 8 feridos gravemente 5 sao casados 1
Ambos os povos deram e levaram muila pan-
cada, sem que Qcasse apurado qual delles o
mais valente.
E' at onde pode chegar a brulalidade e a es-
tupidez. Infelizmente, em outras aldeas tem-
se dado tambem desles vergonhosos e irislissimos
espectculos que sao multo para deplorar
Sobre o facto da Moita a
Falleceu repentinamente em Bruxellas, em 31
de dezembro, o ministro do Brasil n'aquella cor-
le, o Sr. Carvalho de Moraes.
de quatro horneas para a mover, ainda que nao
tinha mais de tus p de espeasura.
Dore accresceniar-se que ot Chios, cujo espi-
rito engtnhoso condecido, conseguirn) lazer
perfeitis imitages do jade. A materia vitrosa
3ue empregam conhecida pelo nome de musa
i arroz, e esta industria di lugar um gran-
de commercic.
ESPERTEZA.
Em Coimbra, segundo conta um jornal daquel-
la cidade, havia urna mnlher edosa, que falta
de outros recursos recorreu aos do seu engenho,
que pelos modos era frtil.
Empregou taeg artes, que conseguiu que urna
sua amiga a alimenlasse, mediante a promessa
que Ihe fez de a constituir herdeira da riqueza
que disse estar n'um bah fechado, e queso por
sua morte devii abrir-se.
A amiga cumpriu por sua parte; e morreodo
ltimamente a dona do bah, foi este aberto, e
em vez da riqueza esperada, s continha farra-
pos, ferros velhos e um ferro de bruir!
ANTIGUIDADES.
Na quinta feira (Io do correnle). diz a fevolu-
cao de Selembro, o Exm. marquez de Ficalho,
acompanhou ao pago e apresenlou i S. M. o Sr.
deputado Garca Peres, o qual, em nome do Sr.
Gama Xaro, vigario geral era Selubal,- oftvreceu
el-re urna urna cineraria, com dous lacrima-
torios o alguns alflnetes que continha a msma
roa ; assim urna arophora ; antgualhas que o
sabio e eximio anliquario oortuguez Gama X.rro
descobnra as ruinas da antiga Cetobriga, n'uma
das suas continuadas excurses, que faz ao sitio
da Troia, defronte de SetuDal, onde se achara
aquellas ruinas.
A urna deforma pome forme, de vdro bran-
co ordinario, com sua tmpa de feito afunlado,
oaextremidade da qual ha um orificio.
Esl o vdro lodo embaciaJo, tendo por con-
seg'iinte perdido o seu antigo pulido pelos acci-
dentes do terapo que o aticaram, e descompoze-
ram a superficie, que era partes brilba com cores
prismticas as mais vivas. Na parle inferior, o
vdro loroou -so como escamoso, e dividido em
laminas extremamente finas, i semelhanca do
talco, e da nalureza deslas tenuissiraas lami-
nas o espalharem diversas cores, segundo a dif-
ieren;* de sua espessura. Os vasos, garrafas e
copos encontrados em Herculano, e em outras
partes, onde ha dest->s acbados, apresentam-se
daquella mesma forma.
A altura da urna de um palmo craveiro, e
de dimetro ter qunsi o mesmo.
Os lacrimatorios sao do mesmo vidro. e achara-
se no mesmo estado do da urna. Os alflnetes
sao de osso, e a modo dos das nossas agulhas
de barba de baleia. Estes objectos encontrados
dentso da urna que tambem continha cinzas,
mostrara que a urna conservara os restos de al-
guraa romana.
A amphora do barro, perfeitamente conser-
vada : sua forma cylindrica, com bocea es-
ireila, duas azas, e o fundo ponleagudo, como
proprio dcstes rasos.
O nobre deputado apresentando esta offerta,
expoz S. M. como vic*e-presideote da socieda-
de archeologica luzltana, o quanto seria para de-
sejar que esta socieJade ahila cooseguisso des-
pertar aattenco dogoverno e o auxilio dos que,
sem grande sacrificio, bons servigos poderiam
prestar ao nosso paiz e s sjjiencias, ajudando a
sociedade archeologica na continuago da exca-
vago as ruiuas de Cetobriga, excavago que j
fra pela mesma sociedade encelada com to
reconhecidas vantagens para a archeologia, pe-
las muilas e variadas antgualhas ali encontra-
das, como algumas mil medalhas romanas,, ara-
phoras, vasos, urnas, thermes. columnas, iuscrip-
ges, edificios, etc.: e ullimamento se acharan)
algumas medalhas, anneis e outros objectos de
ouro e prata, alm de mais difTereoles antgua-
lhas romanas.
S. M. el-re dignando-se de aceitar com rauilo
agrado a offerta que se Ihe fazia, com as exprs-
ses mais benvolas assegurou, que cumprira a
promessa feita em Selubal, de ir vzitar as rui-
nas de Cetobriga. E estas reaes palavras, re-
passadas de tamanha benevolencia, fizerara nu-
trir ao nobre deputado a lisoogeira esperanga de
que a sociedade archeologica lusitana nao ser
deslembrada do rei illusirado o prolector das
sciencias e artes, que o mesmo augusto monar-
cha lano sabe conhecer e apreciar.
EXECUCO.
No dia 31 de dezembro, pela manha, o dipl-
mala brasileiro dirigio-se casa do seu banquei-
ro, agente da casa Rothschild, para receber
30:000 francos.
O banqueiro cntregou a quantia, mas, como
tinha fechadas as coolas da gerencia de 1860, ou
ponto disso, rogou ao diplmala brasileiro que
pozesse no recibo a data do 1 de Janeiro de
1861.
Na noite de 31 de dezembro, falleceu o Sr.
Carvalho de Moraes, fulminado por orna apople-
xia, e assim se d o caso de apparecer essignado
por ello um recibo depois de morto I
(Illinois) nos Estados-Unidos foi
oorcado um Allorao chamado
p1VoS.o?d^ i". iu. o. m.U pralteo. ^u-pode
ao jomalsmo em todos os teas ramo*.
As revistas mensaes e trimestraes que hoje
se publicara, compem o inacraditavel numera
de 401, e deslas lem 2"7 um carcter religioso,
em maior ou menor ti, e representara as dif-
ferentes saitas as espheras mais elevadas do
jornalismtT-
PROGRESSO.
O Jiornino Posl publica as seguintes particula-
ridades acerca do estabeleciraento em Londres de
um servico urbano de telegraphia elctrica:
< Ha pouco mais ou menos dous annos que se
formou urna companhia para cortar Londres e
seus arrabaldes de fios telegraphicos. A idea do
negocio era baseada sobre a razoavel concluso
de que com a immensa popalago comprehendi-
da n'um raio de 10 12 milhas, psrltr de Cha-
ring Cross, seria possivel, adoptando tarifas mo-
deradas, realisar interesses u'uma empreza mui-
to vanUjosa aos commerciantes, o quasi necessa-
ria ao publico em geral.
De tempos lempos, maneira que ia avan-
gando a obra, eram collocados Gos no cimo dos
principaes edificios, estabeleciara-se eslagoes era
diversos sitios, e a novidada da empreza fez to
mar interesse pelo seu provavel resultado. Hoje
mais de 50 estagss telegraphicas esto abortas
ao publico em Londres e seus arrodores, e lti-
mamente abriu a compauhia a sua eslago cen-
tral de Cannon-street.
Por um systema anlogo ao da administra-
go dos correos, todos os despachos sao trans-
millidos este escriptorio central, que os trans-
mute por seu turno aos seus diversos destinos. A
companhia recebe egualmonle despachos para as
provincias e para o continente, as suas diversas
eslagoes, de sorle que todos os lugares de Lon-
dres vio dentro em pouco lempo estar em cora-
raunicago telographica com todas as lianas te-
legraphicas da Europa.
Os despachos das provincias oa do continen-
te podem ser transmiltidas ao seu destino pelos
fios da companhia, e assim se evita a Iransmisso
por via dos pedestres, o que faz sempre perder
muto lempo. A intengo da companhia o em-
pregar, sobretudo, mulheres; j hoje oceupa cen-
to e cincoenla as suas diversas estacos.
< Como a experiencia teve bom xito, muilas
outras compaohias empregam egualmenie mu-
lheres; pois urna nova e fructuosa carreira
aberta s mulheres instruidas e intelligenles. O
numero de pedidos de empregos inaereditavel.
A eompanhia tambem estabelece fios parti-
culares, e muilas casas que expedem urna gran-
de parte dos seus negocios por meio do telegra-
pho teem fios para todo o uio que ligam as suas
casas com a eslago principal, de sorle que po-
dero (elegraphar as suas partecipages do seu
escriptorio para o seu deslino.
destn-
gal-las das verdadeiras.
c Mr. X\..To pesto i disposigo da jostica.
[Commercio do Porto.)
FESTAS COROADAS.
A Europa coala aclualmenU, cbmprehendidos
os principes italianos deslhronistdos 47 sobera-
os, dos quaes o rei de Wurteraberg o decano
) edaie, pois lem 79 annos ; o principe mais
mog Heorique XXII, de Reuss Greiz. que lem
14 annos.
Aps o rei de Wortemberg taxne-se o land-
grave de Hesse-Hombourg, com 77, e O principe
de Schaumbuurg Lippe, com 75.
O rei dos Belgas o 6, o Papa o T, o rei da
fnissia (que acaba de morrer) o 10, o rei deSaxe
o 13 o imperador dos Franceses o 18. o impe-
a c li0Ma 24' a "inh- Victoria a 28, o
rw da Sardeoha o 3l\.e o imperador ds Austria
pela durago de seos reinados Q-
Classificados
cam assim :
O priocipede Schaumbourg-Lippe, eujaaccla-
mago dala de 73 annos ; o duque de Saxe-Mei-
ningen. que tem 57 annos de reinado ; o princi-
pe de Schwarbourg-Rudolstadt 53 ; o re do
Wurleraberg 44 ; o duque d'Annhalt-Dessan-
Coethen 4 i ; nove soberanos entre os quaes, o
ia dos Be,8" e euliao dos Turcos, contando de
20 30 ; quatorze dos quaes, os res da Prussia,
da Batiera, da Dinamarca,dosPaizesBaixos,con-
tando de II i 19 ; dezoito, dos quaes os impera-
dores dos Francezes a da Rossia, a rainba da
Hespanha. os res de 9axe, das Duas Silicias e da
Suecia, contando menos de dez.
Os soberanos mais novo em sua elevagio ao
throno sao : o grao-duque Carlos Luiz Frederico,
que succedeu seu pae, era setembro, a o princi-
pe regente da Prussia Guilherme IV, que succe-
deu seu irmo em dezembro, ambos de 1860.
Em Watertoo
ltimamente en
Henrique Allers. Este homem queixava-se coro
frequeocia de que os porcos de um vzinho seu
Ihe enlravam na horta e Ihe eslragavam ludo.
Um dia enlraram elles e Allers p los fra pau-
ladas. Aos gruohidos dos animaes acodiu seu
douo e comegou insultar o Allemo, que irado
e acouselhado por sua mulher, laogou mo da
sua espingarda, disparou-a e matou o seu vi-
zinho.
O tribunal por este crime condemnou-o mor-
rer enforcado, e no dia 4 levanlou-ae a frca no
campo, sendo rodeada do um alto muro de lboas
para que o publico nao visse a execugo, segundo
o que dispe a le.
O publico que vociferava como urna fra der-
ribou as taboas, e nao deixou torna-las i collo-
car, porque quera divertir-se vendo enforcar
um homem I Tratou-se de addiar a execugo,
mas o publico conlinuou gritar para que a exe-
cugo se verificasse logo.
O desgracado Allers deixou que Ihe pozessem a
corda sem dizer urna palavra, e ao ser laucado i
eternidade exclamou com voz forte:Morro por
ler batido n'uos porcos e ler morto outro.
PLEITO CURIOSO.
Da villa de Niza (Algarve) communicaram o se-
guinte ao Jornal do Commercio de Lisboa :
Se hoje houvera um poeta faceto como o
nosso Dioiz, teria assumpto para um outro poe-
ma, isemelhanga do Hyssope, no pleito suscita-
do entre o presidente da cmara municipal desta
villa de Niza o o padre vigario Francisco Di ni a
Bento Gomes. Foi o caso:
No dia 8 de abril do anno passido assistiu a
cmara municipal solemnidale da Pascboa, na
egreja matriz da villa, e o vigario o parocho i-
censan primeiro o administrador do conseibo,
que o presidente da cmara, o Dr. Jos Diuiz da
Graca. Irritado- este com a precedencia na inttn-
saco, lotentou contra o padre vigario acgo de
manuleago, ou interdicto uti potidei*, &0m de
a cmara municipal nao ser turbada na posse de
receber a incens d'ella as funeges religiosas
primeiro que qualquer outra autoridade, ou em-
bregado do conselho.
A acgo correu os seus lermos, e o juiz de
direilo, por appellido Refoios, julgou-a provada,
e condemoou o padre vigario da vara, as
funeges religiosas, incensar primeiro a cmara
que neuhuma outra autoridade, sob pena de 5j>
por cada vez que perturbar a cmara na sua pos-
se, applicada a multa para a suslentago dos ex-
postos.
< O padro vigario recorreu da sentenca, e a
relaco de Lisboa ter de pronunciar-se nesle cu-
rioso pleito.
O JADE.
is diligencias legaes para
oosos. *,
O geoeral Montauban falla, no seu relalorio
sobre a oceupago do palacio de vero, de dous
bastos de commando do imperador da China,
de jade (especie de esmeralda ) verde, e do mais
alto prego, reservados um para a rainha Victoria
e outro para o imperador Napoleo. Algumas
observagoes acerca do jade oriental fario apre-
ciar, diz a Patrie, o valor destas joias, esqueci-
das na sua fuga pelos filhos do cu.
Em todas as pocas e em lodos os povos, foi
olhado o jade como urna das mais preciosas en-
tre as pedras preciosas. Figurava sob o nome
de yeschf, no numero das dozo pedras que repre-
senta va m no peitoral do grande sacerdote as do-
ze tribus de Israel, as caravanas traziam-o do
Hymalaia para a Arabia, Asia menor, Syria e
Egyplo, sob a sua frms uatural ou em objectos
trabalhados, taes como Bneles, amuletos, fras-
cos, pequeos vasos, ele. Passava mesmo por
sarar, com o seu simples contacto, as molestias
de rins, do estomago e muilas outras.
Os Persas e os rabes chamam-o yeschm ou
yerchb, os Trtaros gas ou kach, os Thibeleaoos
chel, os Mandchus gou, oa Chas in-chi.
O jade encontra-se na correnle d'agaa que nss-
ce da montanha do Kuen-lun, ramlucagio do
Hymalaia, e apparece de multas cores differen-
tes, taes como verde-pardo, cor d'aieilona, es-
verdinhado e cor de cera ; porru apparece tam-
bem de outras diversas cores, como prelo, ver-
melho, etc., que sao mais raras.
O jade ou nephrile approxima-se do feldspath
(especie de granito durissirao). Corta o vidro,
autoridade procede 1 faisca com o fusil e adqutre um bonito polido de
GENEROSIDADE POLTICA.
Diz um jornal estrangeiro que o governo in-
glez prescaleou com meio milho do libras ster-
linas, i familia do famoso Tippo Sahib, o mais
encarnizado inimigo que os Iuglezes tem tido na
India. O pretexto o ser aquella familia im-
meusamente rica e influente, na parle do paiz
que habita, o precisar-se caplivar as suas sym-
pathias favor do governo inglez.
Na India os Iuglezes e Indgenas mais impor-
tantes, reprovaram o donativo, e em Calcut-
ta celebravam-se meetings para o conJemnar.

rilOTOGRAPIHAS DO SOL.
Na sociedade astronmica de Londres leram-se
varias importantes dissertages acerca dos resuU
lados obtidos receutemente em distinclos obser-
vatorios.
Na sua ultima sesso, depois de lidos estes in-
teressantes trabalhos, apresentaram-se quatro
photographias do) sol, feitas durante o eclipse de
18 de junho de 1860, no deserto de las Palmas,
em Hespanha, p*lo Sr. Monserrat, professor de
chimica na unversidade de Valencia, com te-
lescopio de Cuchoix, levado pelo padre Secchi,
director do observatorio do collegio romano. As
photographias faram remettidas ao astrnomo
real pelo Sr. Aguilar, director do observatorio
de Madrid.
o caaligo dos critni-
POLITICA. FEMININA.
As princesas atlemaes preparan) urna pequea
demonlrago poltica promovida pela gria-duque-
za, viuva, de Mecklembourg-Slrelilz.
Resolvern) offerecer urna cora de lourero de
ouro i esposa do rei Francisco II. Cada princeza
dar urna folha para a oora, coaleudo cada folha
o nome da princeza que a d.
um aspecto oleoso. E' meio transparente como
a cara, e lio duro que amassa os mais rijos msr-
tellos. S se acba em pequeos bocados de 4 e 5
decmetros. Os aonaes chinezes citam, com tudo,
um bocado de jada que pesava 23T libras, e o re
de Khotan fez presente, em 1170, ao imperador
da China, de urna pedra de jade, cujo compr-
meme era de mais de dous ps. E, talvez, a que
oa missionarios viram em Pekin no palacio do
imperador, e quo lhes permiltio julgar do peso
especifico do jade, pois Dio eram precisos meaos
PERIDICOS NA GRA-BRETANHA.
Actualmente publicara-se no Reino-Unido da
Inglaterra 1,102 jornaes, deslribuidos do seguin-
te modo :-Em Iuglaterra, 791: em Galles, 28;
na Escossta, 188 ; na Irlanda, 133 ; as ilhas do
Canal, 13. Desles sao diarios em Inglaterra,
39; na Escossia, 8; na Irlanda, 12; e as
Ilhas, S.
Em 1821 publicavam-se no Reino-Unido 267
peridicos ; em 1831 s tioham subido i 295 ;
em 1841 j ebegaram & 472 e era 1851 &
INDUSTRIA DO TEMPO
Mr. X..., antigo negociante, fallido ha alguns
annos, entrou um dos das passados em casa de
um cambista de Paris e trocou por dinheiro em
ouro urna nota do banco de 25 libras. A' tarde
[oi casa de outro cambista e apresentou-lhe ou-
tra egual nota que quera trocar por napolees.
O cambista, porm, apalpando o papel, teve suas
duvidas, e disse ao seu freguez Nao tenho ou-
ro; lenha a bondade de esperar alguns instantes,
que eu vou busca-lo i casa de um collega.
O cambista foi casa de um dos sous colle-
gas, mas para se certificar acerca da authenlici-
dade da nota, qual depois de examinada foi jul-
gada falsa. Voltando i sua casa pressa, o cam-
bista anda ahi encootrou o homem, e disse-lhe
Senhor, vejo-me forgado pedir-vos que me
acompaoheis ao commissariado de polica, que
ouvira as vossas explicages; a nota que me en-
tregaste falsa. >
Mr. X... clamou, mas como o cambista fal-
lava de chamar um official da polica, julgou pru-
dente acompanhar o cambista. No commissaria-
do ioterrogaram-o acerca da origem da nota;
respondeu que Ihe tinha sido enviada de Londres
pelo correio dentro de um subscripto, som ne-
nhuraa palavra de explicacao.
a No lempo da minha prosperidade, acrescen-
lou elle, fui explorado por cavalleiros de indus-
tria francezes e inglezes. Supponho que algum
destes, atacado pelo remorso, quiz, sem dar-ae
conhecer, reslitair-me o que me tinha subtra-
hido.
c A explicagio nio era muiio verosmil, e Mr.
X... nao pode apresentar o subscripto, que, se-
gando dizia, contirera as notas, nem demonstrar
que Ihe linham sido remettidas pelo correio.
< Tudo leva i erer quo elle esl- filiado i um
bando de individuos que se enlregam em Lon-
dres i fabricago de alaros do banco, a que,
! achando-se sem recursaa, se encarregou da pas*
liar em Paria estas notas, que alo to bem iuil-
A CIDADE DE PARS.
Paris tem presentemente 66 parochiea eatholi-
cas, 5 templos protestantes, e duas synegogas.
Ha 10 annos esta parte a cidade de Paris tem
se dedicado aos edificios religiosos : acabou San-
ta Clotilde, bello espcimen da architectura gre-
ga, e reslaurou Notre Dame.
Acham seem trabalhos : Siintu-Le, acasaeo-
sistorial da ra Rivoli, santo Estevo do Monte,
o presbysterio e a torre de S. Germano-PAuter-
rois, o presbyterio de S. Vicente de Paulo, as
egrejas de Belle-Ville, de Cligaan-court, da Ca-
pella d'Issy e de Vaugirard.
Existem nessa capital:
13 escolas-asylos ;
6 squares : S. Jacques-la-Boncherie. Templo.
Belle-chasse, Lourois, Innocentes e Conserva-
torio ;
82 fontes, das quaes 45 publicas, 24 monumen-
taes e 13 particulares.
2,333 bicas que servera para lavar as ras ;
26 pontos sobre o rio Seiae, sendo todas de li-
vre transito, excepto as de Grenelle e Bercy, aonde
ha um pedagio.
Ne-stes ltimos dez aunos construirm-se as
poniea : do Cambio, dos DouMes, de S. Miguel,
d'Arcole, de Solferino, dos Invlidos ed'Alma.
As de Austerlitz e Nova foram quasi que re-
construidas, sendo muilo augmeutadas
Alguns projectos esto sendo estudados, e taes
sao o de urna ponte de Louvre, e a de Luiz Fe-
lppe, que se comega i edificar.
As vias de commuoicag.io abertas ltimamente
sao era grande numero, entre os quaes nolam-se
os boulevards de Sirabourg. (margem direita e
esquerda do rio Seine) e o de Alma.
Na cidade Veha haviam' 1,245 ras caiga das e
254 mac-adamisadas.
Um melro quadrado de oalcamenlo eusta 12
francos ; e um de mac-adem $ francs 3 e
meio.
O comprimento das ras-colgadas de Paris de
400 kilmetros ; e o das mac-adamisadas de
100 ; e os das calgadas de asphallo ou granito
de 390.
As ras plantadas, passeios, boulevards e squa-
res tomijj) kilmetros de comprimento.
Os canos de esgoto do velho e novo Paris tem
um extenso de 232,000 metros.
As despezas de irrigacao- das ras elevou-se
em 185, na parte do velho Paris, i 194:623
francos.
O asseio das ras calcadas e empedradas custou
1,525:978 francos.
De 1852 i 1859, segando da dos ofnciaes, de-
moliram-se 4,349 casas,. ediftcaram-se 9,617 ; o
que d um augmento de 5,268 casas nesses dez
annos.
Como quer que as casas de construego moder-
na sao maiores e tem mais commodos, conta-se-
que no principio de 1860, Paris auligo tinha 25.
30,000 habilagoes mais do que em 1852.
A populago de Paris segando o recensae-
mento de 1856, de 1 69-000 habitantes; leud-
se, porm, em attencio a progresso sempre
crescente em numero, pde-se avalisr que ara
1861. quando se rUer o receuseamento. exceder
1,709:000.
ARTE DE PREPARAR 0 CAF.
Um amador do caf apresenlou os seguintes
resultados de seus estados acerca da grande arte
de preparar o caf, tomando por base 40 kilog.:
Para outer-se caf fraco tome-se: Moka 10
kilog ; Martinica 10; Ceylo 10; Potio Ricco
10; total 40 kilog.
Para t-Io mais forte, misture-se: Moka 10
kilog.; Martinica 15; Porto Ricco 5: Gonaives
10 ; total 40 kilog.
Para obl-lo ainda mais forte .- Moka 10 kilog i
Java 10; Martioica 15; Saoloa 5; total 40 kUugl
Cada qualidade de caf deve ser torrada sepa-
radamente, e isso urna coodigo mu osseatial
Deve-se torrar: "*
ec jn-
ate C-
0 Moka al ficar de cor pardo claro, porque
sendo seu aroma evaporalivo, quanto mais se
que.imar peior ser ;
O Porto Ricco e o Martinica, pdem
tos, at (icreo) pardo meio escuro ;
0 Santos, Gonaives e Hait, era geralk
carem pardo escuro, mas nunca prelo, '
O costume de deixar arrefecer o cal em vasi-
lha dcscoberta, mui prejudicial i, qualidade do
producto,. pois que o aroma perde-so em graada
parte, quaodo exposlo ao ar ambiente.
Desde que a fava comega a tomar i cor que se
quer, deve-se tirar o torradnr do fogo, esleoder
o caf em um panno .fio, cobrindo-o com
outro duplo ou triplo.
Geralinenie o caf, em Franca, faz
arte culioaria;
um
parte da
Na Turqua, a sultana favorita quem prepara
o Moka de seu senhor. ""-
Era Hespanha a senhoriU nio enroece por
servir, por suas proprias mos, o chocolate qua
fez preparar. *
Na Inglaterra a lady quem prepara o cbi.
Por que razao, pois, em Franca nio pdem as
senhoras tomar um oatro cuidado, qua nio o
actual, com esse delicioso nctar, que faz olvi-
dar um m&o jantar?
[Journal du Havre.)
P*W(.-..TIP. DE M, I. DI FARU. -18M.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETKJIBC2I_YUE9UR INGEST_TIME 2013-04-12T21:37:17Z PACKAGE AA00011611_06139
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES