Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06134


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1839. Qata Feiba
1 asaeses V^ ^,
.Judo agora depende de nds mesmos; da nona prudencia, mocW t
s-, nergu: continuemos cono principiamos eseremos aponlado*
eom aamiracao entre as It'acdes mas cultas. r
Proclamacao da Asstmbha Geral do BrtaiL
Subscreve-e. para esta folh. a Sfboo por qu.rtel pagos adlantados
ttee.a lypografia, ra das Cnites b. 3, enaPrac. di. Independencia
0.570 38, onde se recebem correspoudenciaslegalisadas, eannuucios:
insinndo-se estes grafa, sendo dosproprios aaiignantes, e vindosassig-
Partidas dos Correios Terrestres.
Cidade da Parahiba e Villas de sua pretencSo...................\
Dita do Hio Grande do Norte, e Villas dem I '
Di., d Fortale.. e VUl.s ldm. .77.77...................Segundas e Sextas Feiras.
Villa de Goiann............. ..................)
^,(l c r .-...................................Todos os dias.
Vi la deb. Ant.o ....... ......................Quint feirafc
S.^*?n n'- Pow,? t Bon" ..................Dias 1. e **<* "-I
cTa Air ,er,nh"nJ: Rw Formo, e Porto Cairo............dem ,., e a. dito dito
Cid.de das .Alagoa,, e V.ll.de M.cei.........................|dem Idem
Villa de Pajau de Flores................................ # ldein ft dUo ^
lodos os Correios parem no meto da.
25 db Sbtembko Numero 208.'
CAMBIOS.
Srtkkro. m$, ,
Londres......33 por ffoo* cedt
Lisboa....... p/ por opr premio, por i
Franca.......3oo rei por (raneo nooa,
Mo de Janeiro o par.
OLRO Moeda* de Ctfoo r*.. Veta* i^ wtfhm
f Dila ,, Novas i/>#8. a ,,v*Vw
.,.," m rfe "0O "' t*009 *<*"
PR ATA Pat.ces Rrateiro--------------ijbie a I135
Pezos Colirmnerios--------------->& ,#>
finos Mexicano--------------------fiSo iW
Premios das Letras, por mea i|$i| jj poe tuo
Moeda de cobre 3 por 100. de disc
Dias da Semana.,
a3 Segunda------8. Lino P. M.----------------------Sfssao da Thei. e Aod. dof. de D.da, r. de .
ai Terca---------Pf. S. da Mercez--------------------Rclaco, e A urt. do J. de D. d* i. rara de ui+uU'.
j5 Qii.rta--------S. Firmiuo P. M. ---------Audiencia do J. de D da a. r. de maittv.
a6 Quinta-------S. Cvpriaeo e Jusiiniauo------- Re. es5o d Tbea. e and. d J. de D. da a. r.
aZ ^exU---------8. Csme e Uamio lis. Un. Sesso da Thez e ud. Jo J. de D. da 1. \ara. "
aB Sabbado S. Venceslao Duque.--------------- Ral. e aud. dj J. de D. da 3. rara.
jo, Domingo------S. Miguel Arcanje.----------------
More chela para o da a5 de Setembra.
As 5 horas e t8 minutos d i manda. As 5 horas e
RIO DE JANEIRO.
ASSEMBLEA GERAL LEGISLATIVA.
SENADO.
Sesso em 19 de Agosto de i83cj.
Presidencia do Sr. Diogo Antonio Feij.,
Reunido subciente numero de Snrs. sena-
dores abre-se a sesso e lida a acta da an-
terior approvada
Expediente.
O Snr. Ferrtira de Mello manda ;i meta o
seguinte requerimenio:
Reqneiro quesepe^o ao governo as se-
guinles informaces :
1. Que quantia de cobre puntado existia
as casas de troco da cidade do Seno e de .Mi-
nas Novas da provincia de Minas.
a. Se este cobre foi em todo 011 em parte
entregue a alguem para ser conduzido para a
capital da provincia, o dia da entrega na casa
do troco, e o dia da entrada na tesouraria pro-
vincial o preco da condueco e o nome do
tropciro que a fez.
3. Seoproprio cobre das casas do troco
o conduzido para a capital, 011 se a tbesoura-
ria consente que elle se venda nos lugares do
troco, e admitte dulciente cobre em higar
do proprio que existia.
4. Copia do omcioda assemblea provincial,
exigindo do presidente da provincia informa-
ces sobre as proposlas que lhe bouvessem sido
leilas para o emprestimo provincial, contrac-
to por que foi elle realisado, e copia do o!li-
cio em que o mesmo presidente respondeo a
esta requisico.
5. Copia do termo de arrematarlo das es-
tradas ou pontos feila jior Clyk com infor-
ma, o da quantia que sellfe udiantou, ebem
assim o termo de fian 1 "'se a -bouver,
' apoiado, e posto em diMksso.
Da-se por discutido o reqnerimento, e pos-
to a votos, approvado.
Sao 1 idos efica sobre a njeza dous parece-
res da commisso de cousirtuico a qual jul-
ga nos termos de seren, approvadas as resolu-
ces da cmara dos Snrs. depulados que au-
toriso o governo para conceder carta de natu-
ralisa o de cidadao brasileiro aos portugue
zes Bernardo Xavie Pinto de Sousa e f ran-
cisco Ferreira Borges.
E' approvada a redaco das emendas do
senado proposta do governo e emendas da
cmara dos Snrs deputados sobre a Bxaco dus
(oreas de tena para o anuo financeiro de 1840
a 184I, a im dse remelter sobredita c-
mara,
Ordcm do dia;
Continua a discusso addiada na antece-
dente sesso 'do" parecer da commisso de
constituico, sobre a representaco da cama-
municipal da cidade de Alcntara na pro-
vincia dox Maranbo, datada em i5 de abril do
corrente anno.
Requeiro que o negocio volle a commisso
para dar o seu parecer sobre a reinlegraco dos
ileilores. \ ergueiro.
Dada a bora, tea addiada a disi:usso. O
Snr. presidente d para ordem do dia a mes-
pia de ho|e.
Le vanta-sc a sesso as duas horas da tarde.
e logo que se rene numero legal de Snrs. de-
putados abre-se a sesso, le-se\ eapprova-
se a acta da antecedente.
O Snr. primeiro secretario d; conla do ex-
pediente fazendo men o do requerimento
de Gustavo Adolfo Reys- que (ica sobre a
mesa para ser tomado em consideraco quan-
do se tractar da materia a respeito do seo ne-
gocio.
Julga-se objecto de deliberarlo e vae a im-
primir o seguinte projecto da commisso de
commercio agricultura, industria e artes.
Artigo 1. Sao concedidas ; companbia flu-
minense de mnibus por urna s6 vez duas lo-
terias de cento e Vinte contos de reis cada u-
ma.
Artigo a. O governo fisealisara' o us
der nomcaco por elle pedida, etc.
Supprimo-se as palavras salvacab pu-
blica. Andrada Vacilado.
Que se responda ao senado, que esta cmara
aguarda o resultado dos traballios da commis-
so do mesmo senado para tomal-o na devida
consideraco julgando porisso dispensavcl a
nomcaco da commisso para que o senado a
convidou.N. Machado.
se pcnelrou I030 de horror c que a nao
deixara' de censurar com toda a energa.
O orador observa, que corre o boato queso
pretende armar o governo com poderes extra-
ordinarios : que se pretende acabar com a le
da regencia^ Nota que no paiz cinico da l-
berdade o rei nunca menor ; o rei nunca o
considera incapaz de prcenclicr como rei os'
deveres que a constiluico lhe marca. Sia
que contraria a constituico, e que as mes-
mas razes que movero a elle deputado para
volar contra a indicaco do Sr Ferreira Peu-
na, sao as q' o movem boje a votar contra o pa-
recer da commisso declara que foi cortradi-
toria a commisso cm propor urna tal medi-
que a companhia fizer d'estas loteras .1 fim de da. Observa que muitas vezes se tem dilo na
que nao faca parte dos devidendos mais se-, rasa, que o governo cumpre defender o paiz:
ja nicamente applicado ao pagamento da sua e nao se engano os que asjirr. tem dito,
divida actual, e compra de animaes, Fundado no do artigo 101 da conslitui-
carros, e outros ybjectos necessarios ao ser- cao tjuediz, fallando das atlribuices do go-
''.0 ] governo : provera tudo que for concernen te
Art. 3. Sea companhia se dissolver den- a seguran a interna, e externa do estado na
tro do praso de dous annos, contado- da data fornaad* constituido----- que o Ilustre de-
da presente resoluco, fiear obrigada a en- pu lado combate o parecer, e mostra que a,
trgar no hospital dos lazaros d'esta cidade a commisso come!leo urna inconherencia con-
parte do producto das loteras que nao tiver trariando a sua mesma doutrina
sido despendido na forma do artigo antece- Diz que o nomear-se urna commisso de
denle. salvaco publica lora a mais acre censura que
Artigo 4- Fico. revogadas as dispo- se poda fazer aos actuaes ministros. (Apoia-
sicoes em contrario. dos.) Sem fallar consideraco que merece ao
Paco da cmara dos depulados 3*ae agosto orador, a capacidade, e sabedoria do senado,
de 183;,.H, Ferreira Penna. F. Gomes nao pode dizer, que esta cmara annuindo ao
de Campos J. A de Lemos. convite do senado sabia fora da ordem de
Le-se o parecer da commisso das assem- suas atlribuices, tomando sobre si a respon-
hleas legislativas provineiaes do anno passado sabilidade de um poder que pela constituico
sobre a indicaco do Snr. Ferreira Pena para nao ** foi conferido. (Apoiados.) Nota que
que interpretando a commisso o acto addicio- s-> dando-se umabypotese que isto po-
na! declare em artigo additivo ao projecto que doria ter lugar ; s qtiando a vonlade irres-
sediscute quaesso as condieces de cligi- ponsavel quisesse comprometter as lilicrdadcs
bilidade, queseexigem para o cargo de deptila- patrias; si) nesla bypolese quesera 1<%i
do provincial, cujo parecer vae a imprimir cmara ultrapassar sitas altribuices. O
com urgencia ; requerimenio dos Srs. Monle- orador norcm reconlicce que a vonlade irres-
zuma, e Henriques de Rezcnde. ponsavel dolada de sentimenlos palriotivos,
Le-se outro parecer da mesma commisso que ha detrabalbar quanto poder para a con-
do anno passado sobre um ofticio do ministro servaco e inlegrjdade do imperio; para
do impeli de 5 de julbo de iX.'G, cohrindo os inleresses do paiz, e para os interesses do
outro do presidente da provincia das Alagoas de Sar. D. Pedio II e por tanto ncnbuma
6 de junho do mesmo anno, e urna resoln- ncccssidadc v de se nomear urna com-
co impressa sob numero 1.1 da assemblea le- misso de salva o publica. Approvar qual
gislaliva da dita provincia, queflxou aforca quer das emendas, salva a redaeco.
policial respectiva, cujo parecer fica addiado O Sr. Monlezuma n'um longo discurso pro-
por se pedir a palavra. nuncia-sc contra o parecer da commisso, 110-
Le-se, e approva-se o seguinte requer- lando que com isto nao faz desar nem censu
ment : ra alguma contra a medida tomada no senado :
Requeiro que se peca ao governo pela re- o que de<;ja parlico compctlente informa'o do quanto ra de pertencer nao da um passo s que pareca
bi marcado B provincia do Ccar pelo mi- violador da constituico do estado. Concorda
nislerio da Guerra para as despezas res pee- pois com a opinio emittida pelo nobre de-
titas nos annos de i8i5 a 18 'C, de 36 a 3-, pillado deS. Paulo e bem assim com a do
de 3? a 38 e de 38 a'9, o quanto se despen- seo Ilustre collega e amigo da provincia da
deo ali em cada um d'cstes annos financeiros., Baha, qtie acaba de fallar. Julga que o pa-
Paco da cmara dos deputados ig de agosto de recerda commisso contraro constitui-
co, c contradilorio com o outro parecer da
O Snr. Galvo discorrendo sobre o parecer I caso pois se pretende ineslir o governo com
celara que a commisso propoz urna medida poderes extraordinarios, declare-so antes a
CMARA DOS DEPUTADOS.
Sesso em 19.de Agosto.
Presidencia do Sur. Aiaujo Vianna.
As 10 horas da roanh faz-se a chamada
i8'q Costa Miranda.
Primeira parte da ordem do dia.
fontinna a discusso adiada sobre o pare-
cer da commisso de constiluigao acerca do
convite do senado, e emenda upoiada.
Sao apoiadas as seguintes emendas :
Sob-emenda do Sur. Hibero de An-
drada :
Em vez de resolver-se a exorbilar das at-
IribuicOes que a constituico lhe conferir ,
porisso deixa de proceder.
Subslitua-se -annuir-sc ao seoconvitc, por
nao julgar-se autorisada pelas altribui^es
que a constituico lhe conferir para proce-
mesma commisso sobre a indicaco do Snr.
Nunes Machado. Ocrador[>or esla occasio
entra na questo da polilira que dominou o
gabinette de 19 de setembro e na poltica
qijfl ainda boje domina os amigos d esse ga-
binete.
O orador depois de fazer varias observa Oes
acerca da materia rebale como incendiosa
a proposico do nobre deputado do Rio de
Janeiro o Snr. I'arrelo Pedroso, quando fal-
lou sobre urna dictatura legal .... Admira-
se que tal proposico se tivesse avanrado
n'esla casa .... A vista della declara que
maioridade do Imperador. Dezejara que o
corpo legislativo so empregasso na discusso
d'esle objecto que julga de summa imprlan-
cia ; desojara coniecer quaes sao as diticulda-
des que a constilui.o do estado podo oerc
cer acercad esta materia. Conclue linalmeu-
le sendo de opinio que se deve esperar que
o poder executivo propouha as medidas, que em
sua sabedoria entender que sao necessaras pa-
ra rcslabelleccr a ordcm as provincias rebel-
des e que porlanlo tem do volar contra o pa-
recer da commisso.
O Snr. ( lemeute Pcreira sustenta o pare-
cer da commisso e respondo as observaces
do nobre deputado que o precedeo : mostra que
a commisso nomeada pelo senado noccomo se
tem chamado, commisso de salvaco publica,
nao d'esses cominos que so nomearo na
Franca no tempo da rovoluco j pois que se
enlendcsse que o era, ja mais dara o seu voto
para que n'esla cmara se noineasse outra
igual mostra que a commisso foi nomeada ,
nao para deliberar, mas para propor medidas
nocessarias para o bein da ordcm e tranqui-
lidadedopaiz : moslra que se t:o deve d-
xar de annnir a este convite do senado, para
que se nao diga que acamara dos deputados.
est em divergencia com a do senado, o que
sem duvida producira milito nulo e'Ieito as
provincias, e multo prncipalmeute as cir-
cunstancias actuaes; mostra finalmente que
0 parecer muilo simples e claro, e que est
1 lindado em precedentes da casa, pelos quaes
provaq'estacmara tem procedido nomeaces
de muitas commisses por convite do senado.
O orador discorre largamente sobre a institu
cao dos juizes de paz dos jurados, e de outros
ramos da administradlo da juslica, iouvando
laes inslituicoes porcm mostrando a necessi-
dade de serem leformadas tm consequencia
dos m.'oselfelos que lem produzdo o que
por todos sabido.
A discusso fica addiada.
Achando-se na, sala inmediata o Sur. mi-
nistro do imperio, c recebido com as lorma-
lidade doesliio e occtfpS o competenlc lu-
gar.
Segunda parle da ordem do dia.
Discusso do Orcamento.
Continua a disensco da fixaco da des|>e-
za do ministerio do imperio, e emendas apoia-
das.
I'.' apoiada urna emenda do Snr. Ferreira
da Cosa que autorisa o governo a despen-
der com a compra de acciks da companhia
do Hio Loce at a quantia de o:oooooo
reis.
Depois de fallar sobre algumas das emen-
das o Snr. ministro do imperio da-se a dis-
cusso por entenada a requerimeulo do Sur.
Gomes Ribciro
<) Snr ministro rclira-se com a mesma for
malidade com quoenlroii.
\ otaco
Sao approvados todos os pargrafos da pro-
posta menos aquel les que solrera emen-
das da comais-a;. porque estas sai approvu-


DIARIO
DE P E R N K/H BUCO
'as excepto a diminuicab de 6:oooooo reis
na consignaco para o collegio de Pedro Se-
gundo.
K' regeitada a emenda do Snr. Peixoto de
Alomar que acrescentava na dotaco de S.
M. I a quanlia de eincoenta con tos de reis.
Sao rebelladas outras emendas de diversos Srs.
depu lados ; exerpeo das seguintes nicas
opprovaaas.
i. Do Snr. Navarro, que diz rNo art.
17 diga-se-- canato, pontes estradas ge-
raes c niais vintc tontos de rs. com a estrada
nova do Mallo Grosso que se communica com
S Paulo 100 oool looo de reis.
9. DoSr. Paula andido, que autorisa o
governo a emprear os remanescenles des
ooopLooo de reis da escola de medicina do
Ra de oiui'ini, tkt-M'itidi pela le rio orea
iiieiilo de 1 83tj a 1 \|0 na compra de labo-
rateri.s de fsica qumica e na compra de
instrumentos cirurgicos, e contiauacao da
subscripeo de livros, ja comecada
3, Do Snr. Moma Yhigalhacns que con-
cede ao instituto histrico geogrfico brasilei-
ro a quanlia de oooUooodeis.
Jiilga-se concluida a segunda discussa, e
ppprova-se para se passar a t,
(Ionio nao Icnha dado a hora onlinua a
discussa do parecer da commisso de insti-
lo i cao.
O Snr. Alvares Machado tendo a patarra
eque-
addiaincnlo
Dito-Ao Inspector Geral das obras Publi-1 dando entregar ao Thezoureiro da Thezoura- cado inserto no Diario n.906, a necessidade
cas communicando-lhe que a Presidencia' ria das riendas Provincias a quantia'de reis de se removerem os embararos que se en-
concedeo ao Arrematante da obra da Capellai io:oooUoooem Notas do Novo Padro, por cntro na administraco da justica, quanto
Mor da Matriz de S. Pedro Mrtir o novo contado suprimento.de io:oooUooo de reis a impossibilidade, em que est o Tribunal da
prazo de a mezes para concluir a obra sob a mandando alonar pelo 18 artigo] 18jjda Lei Reiacopara dar expediente aos seos trabalhos;
condieco de pamir a multa a que se obri- de ao de Outnbro p. o ,
gou por contracto quando receber a ultima
prestacao e gratificaco do respectivo Ins
pector Parcial devendo porem sujeitar-se
a nova multa se por ventura nao entregar
a mesma obra prompta dentro do.dito prazo.
Dito-Ao Adminitrador iscal das obras Pu-
blicas communicaudo-lhe o conteudo no
ofncio spra.
Dilo-Ao mesmo para fornecer a qnantidade
que Cor precisa de Ierro, ac carvo de pe-
c esmeril para a offieina de Ferreiros da
sobre a materia remlteo ; meza um
rimen lo de addiamento para qu se discuta em
primeiro lugar o parecer ca commisso de
constituirn dado sobre a indicacao do Sr. Nu-
iles Machado (cando no entretanto addtodo o
parecer dado sohre o convite do senado ele.
Este rcijuerinienlo de additamenlo he apo-
i.id >.
O Snr. Monlezuma eopyem no addiamento
iras lie para.que se discuta boje o parecer
sohre a indicaio do Snr Nunes Machado, e
amanhaa ciiliemcoiijuiM'lamenle os dois pa-
receres cm discussa visto que a sua mate-
ria he milito anloga Pede tambeni que se
publique a acia de urna scsso secreta que te-
ve lugar no anuo de iXJ a que o Jornal do
Commercio de sabbado se refere dando a en-
tender que elle deputado como ministro da
corea propozera n essa sessSo medidas extra-
ordinarias propo/era urna (heladura, rede
licenea para n'esle sentido fazer um reque-
rimenlo *
O Snr. Alvares Machado concorda no ad-
diamento de que lallou o Dobre deputado que
acaba de senlar-se porque quer votar por
urna parteda indicacao do Snr. Nunes Ma-
chado, isto he por aquella em que pede que
os ministros da coroa venbo a esta cmara
ex por qual he o estado do paiz e quaes os
rocos deque necessila para o reslahelecinientu
da ordem,
O Snr, Monlezuma manda a meza o seo re-
querimenlo porerrt nao be apoiado em con-
secuencia de nao havercasa.
O Sr. presidented para a ordem do dia a
lilesma materia e mais a discussa do or a-
nienlo da reparlico da justica, e levanta a
sesso pelas 3 lunas da tarde.
(ira
Campanhia de Operarios Engajados.
I ilo-Ao Fngcnhcirn Director da Com-
panhia de Operarios Engajados communi-
cando-lhe a expediccao da ordem supra
< ito-A ("amara Municipal de Recife-, res-
pondendo-lhe que a quanlia de i5oUooors.
de que trata 0$ :o do Arlig a Capitulo
Io Tit. i da Le Provincial N. <= ~9
foi destinada to somenle para a'limpeza das
mas. e ponles desla Cidade e nao para o
seo nivcllamento ; objecto este mui disimclo ,
e cuja despeza quando necessnria seja
Cmara compele la/.er por ronta de suas rendas,
e soh sua responsahilidade segundo o dispos-
Iq no artigo ->fi da cilada Lei
Porlaria-Ao Adminislrador Fiscal das ()-
hras Publicas onviagdo-Ihe a con la da des-
pega feila pelo Arsenal de Marinha com a
Companhia dos Operarios Engajados aini de
mandar satisfacer ao mesmo Arsenal a sua im-
portancia
()Ii( io-Ao Inspeclor do Arsenal do'Marinba
communicando-lhe aexpedico da ordem su
[ira
Porlaria-Nomeando o Capilao Reformado
Joa Raplisla do Amaral e Mello para Instru-
ctor Geral da (). N. do Municipio do /.mo-
cito.
Oificio-Ao.Coronel Chefe da I.egi.o da O,
N. do Limociro parlecipando-lhe a Xomeaco
supra.
Porlaria-Rcmovcndo o Major Reformado
1 ranciseo Joze de Menezcs Amorim do lugar
de InsIructorC.eral da G. N do l.imoeiro ,
para o mesmo Em prego na G. N do Munici-
pio (le Olinda.
Ohcio-Ao Chefe da Legio da 6 N. de
Olinda parlecipando-lhe a remocao supra.
I ilo-Ao Inspeclor da Thezouraria da I a-
zenda communicando-lhe a rempee, e no-
meacu de que trato as duas precedenles Bar*
larias.
.1 p. p.
Dita-Ao Official encarregado da ( ontabili-
dade Militar remetteiido-lhe por copia para
sua intelligencia a ordem do Tribunal do
Thezonro Publico Nacional de i5de Julho do
corrente anno providenciando sobre as du
vidas que tem occorrido e continuadamen-
te se suscito sobre a intelligencia c execu-
< ao da Tabella que se refere o art. 11 da Lei
de 20 de Outubro de 188 num. 60.
da ?o.
Officio-Ao Commandante das Armas com o
requeriment do Capilao Reformado Manoet
Joze Serpa para se dignar dar sobre elle o
seu parecer.
Dito-Ao Inspeclor'do Arsenal da Marinha
com o requeriment de Joaquim Jo/e Ferreira
de Almeida para informar com o que a respi-
to delle se Ihe offerecer.
Uiverwiis fiiepariicHiis.
de
iar
ALFANDEGA DAS FAZEDAS.
- A Pauta be a mesma do numero |83.
gft
AIF.ZA CO CONSULADO.
- A Paula he a mesma do numero iqt).
todava nao podemos convir na oppinio 1
que Administra o Provincial pode remedia,
estes males. Sabemos q' elles nao sao ndeffe-
renles a mesma Administraco, sempre solicita
no bem da nossa atria e disto bITerecemos
a mais irrefragavel prova^ 110 officio de que
ohli vemos copia, e que adiante publicamos.
Nao podemos igualmente convir, no que
disse o Autor' do Communieado('a respeito mde
achar-se o Substituto dos Juizes do Civel e dp
Grime servindo o dito lugar e ao mesmo
tempo o de Juiz intirino da t Varado Cri
me ; e tomaria-mos o t rabal lio de provar o
contrario se outro nos nao tivesse ja prece-
dido no Diario de a3 deste mez num. 207.
Hlm. e Exm. Snr.Acbando-se impedidos
de exercerem os seos lugares na Relaca desta
Cidade muitos^dos seus'respectivos lezembar-
gadores uns por terem obtido licencas do
Governo Imperial para tratarem de sua saude,
e mil 1 os por serem Deputados ou Senadores ,
e nao virem exercer os mesmos lugares du-
rante o ntervallo das sesses I egislativas ;
e resultando desta alta, q' a n encionada Rea-
cao nao possa trahalhar em seos negocios ordi-
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE do ni* '7no cm u i:t r.
ORicio-Ao Exm. Presidenle dando-lhc as
informaces que pedir em officio de 11 do
nanos apesarda providencia do artigo 83 do>
egulamenlode 3 de Janeiro de 1K3 j : julgo
do meu dever levar o exposlo sabia conside-
radlo de V. Ex. a fim de que de as provi-
; dencias que Ihe parecerem mais conven 1 -
O Arsenal de >ucrra preci/.a de comprar qG tes ja, nomeando "novbs I rsembargadon s ,
barretinas de hacia para a Companhia. de Ar- e a Ordenando que venbo ter aqui exercicio,
I i fices : quem as liver compareca com as a os pico iazcm em-oulra parte, e ja mesmo
moslras, no dia 9S do crrente as 10 libras ditliculiando a concesso de licencas aos que
do dia no'dilo Arsenal ; as pedirem sem preceder informa o desla Pre
Arsenal de Guerra a i de Setemhro de i83c>. sidencia como o exigem as ordens Imperiaes.
Joze Joaquim Coelho. \ Sobre este ohjeteo jalralei em bumdosmcus
Compra-sc quatro duziasdc lahoas de Ion anteriores officios (leste anno ; e cumpre-me
ro lies dilas de pinho e seis Costados do agora accrescenlar, q'algumas pessoas tcm-me
mesmo: quem peijender fornecer esles ge instado, para que esta I residencia lance mo,
fieros compareca no Arsenal de Guerra as da faculdade que Ibcconferc oart. 5." 6.
1 1 oras de dia 26 do coir.-nle m(z para tralar da Lei de 3 de Outubro de 1 <<4 de prove-
do ajuste
A rsena
(83$.
de
Guerra i'\ de Selembro de
Jo/. Joagium Coelho.
A. F. de Nfoura.
A. F.
Em virtudc do artigo 46 da lei Provincial
num. 73 de ;o de Abril p p. ocla Admi-
nistraco I-iscal das Obras ulllcas se hade
comprar para forneeimenlo da ferraria da
correte, acerca da transferencia do Labora-1 (ompanliia de Qpcrarios o ferro seguinle:;
lorio, do (ampo de Palacio velbo para a v<'''gal.hanquadiadodc3 i]t polegadas 4 quin- '
inenve-
provisoriamente aquellcs Fmpregos cuja no-
niea o perlenca ao Imperador afim de des-
truir os inconvenientes residanles da men-
cionada e sonsivel falla de I'ezembargadores ;
mas que esla Presidencia nao tem queridoem-
Fm virlude do artigo 4>> da lei Provincial pregar esla medida, nem a empregar jamis,
11. 7.3 de 3o de Abril do corrente auno peln aera que o lioverno Imperial a authorise pri-
Adminislraio liseal das Obras Publicas meiranienle pois me parece que taes Em-
se hade comprar a quero por menos vender a prego* ifcio eslo na ordem daqueJIes deque
ferragem seguinle,para a Ponte da i'oa-visln trata o referido ^ l>.
duas chapas quadradas com i. polegadas em Dos (naide a V Ex. mais annor ( ida-
quadro, Irinla dilas com 10 dilasem'dilo. de do Recife de I ernambuco em 4 deAlaio
de M() Jllm. e F.xm Snr Francisco de
I aula de Almeida e Albiiqucrquc. I-rancis-
eo do Reg Ranos,
Caraiiiceiro
PEHNAMRUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
KXPF.nir..vn: do da 19.
Officio-Ao Commandante Superior da G.
N. do Recife para mandar desligar do a
Batlbo da mesma vi. N.' ao Guarda Joaquim
Gregorio o qual voluntariamente assenlou
[iraca na Companhia "de Arliecs.
Dito-Ao Commandante das Amias, commu-
nicnndo-lhe o conteudo no precedente llicio
ilo-Ao Inspeclor da The/oinaria das Ren-
das Provinciaes ordenando-lhe a vista do
seo ollicio de (i do Torrente cm (| partecjpa (|
a Villa do Rrejo conleni no seo armamento 0
nmiRiii legal 3e predios para que nella se
possa cobrar o imposto da dcima ; que ex-
pera as necersai ias ordens ao respectivo Col-
lecior a fim de fuzer o laucamento ecobranca
da (lila impnsica.
DilO-A o Procurador Fiscal da Thezouraria
das Tiendas rovinciaes aecusando a rece
preo do sen oHicio de 1 1 do corrente a
companhado da relaco das Causas Provin-
ciaes Mstenles 110 (arlorio dos FeilosdaFa-
/end ; e recommendando-lbe que organise
. .1 aJmeute un a 1 icu c'rciui: Unrda do
ciado das ivveciicnes conlra osdevedores da
i'azenda Provincial, e remella a Secretaria
d.i Provincia.
Dilo-Ao Director do I iceo cnviando-lbe
l.ieo (los.I vrns ebegados de Franca para
1 inesmo I ced e anlcnando-lbe (juca visla
ron u /
ler ua
''orlaleza do Rrum e mostrando a
nicucia deeirecluar-se esla mudanea
Dilo-Ao mesmo Snr.. enviando-lhe urna
uizicao de varios olijeclosque se fazio ma-1 *os
apellada Forlaloa do Rrum e p<--
dindo a expediccao de suas ordens para que
fosse salisfeila.
I'ilo-Ao mesmo l'xm. 5inr. ponderando-
Ihe a necessidade de e viar-se para a Forla-
"eza do rurn dous clcelas que se 01 ciipasscni
laes dito de t i|{ 4 quiniaes, dito
pollegadas '> quiniaes dito de 2 ij 5
laes, lito dea dquiniaes dilo I i|
dilode 1 m ditos
de i
quin-
ta di-
os m a os
1.IVIOS,
He ncalculavel o damno que produz no
dilo de 3| i i5 ditos, espirito a leilura dos rnos livros; porque as-
harrasde.i i| > pollegadas >. ditos dita do 3 sim como o corpo he vigoroso ou fraco, sa-
ditos dilo de qi/| ditos dilode i G ditos, dio, ou enfermo se;undo a qualidade e
dilode 1 .| I* dilps, dito de 1 10 dilos, i qnantidade de substancias de que se nutre ,
vergalho redondo.'de a pollegadas \ di los do mesmo modo o espirito torna-se reflexivo,
dilo de 1 y|.i dilos, dilode i ft dilos dito ou superficial, inclinado a OS hon ou mios
. de -\\ 6 dilos dilo de ija polegada H dilos hbitos segundo os livros cuja lei tura Ilu-
da 1 i mpeza interna da mesma Fortaleza visto somo 1 7 dilos devendo ser melado de Ierro serve de alimento. F.u chamo m;o livro a to-
no convir em|ircgaf-se ueste sei vi o os pre- suessia, Ac em barra 1 dilo. dilo de mi- do aqucIJe que procura inlihiar ou destruir
ou corromper os cosumes.
zos de Justica ali recolhidos.
Dito-Ao Majar Joze da Cosa Obello Reg
Monteiro, enviando-lhe a nomeaco e n ais
papis que servia de fundamento ao Conselho' sohrcdita Adm
de Guerra a que evi responder o soldado do corrente.
desertor da Companhia d'Arliliees Antonio
I azaro do Sacramento, e reconimcndando-
Ihe prompto juganienlo.
bilo-Ao Preleito da Comarca enviando-
lhe o requeriment de Auna Joaquina e pe-
dindo informa oes a respeito do procedimenlo
criminal que se tefe COm O soldado do Heno-
lo arroba, i] Brrobaa de esmerir, carvo a IV-
i organise nova
em anda f.u
lisia dos I ivni. deque
o mesmo Liceo.
zilo Manoel Sabino dos Prazeres pela culpa de
haver dislorado a una fillia menor da Sup-
pl cante.
Porlaria-Ao Major Commandante do De-
pozito mandando dar demicao ao recrula
Francisco Anlonio Pt reir Rarcellar e assen-
tar praca era seo lugar ao Paizano por elle
oflem ido Silveriu Joze da Cimba izemplo do
recrulamciito por ser casado.
de pedia ao a 3o quiniaes: as'jpessoas que
qui/erem vender pxlem dirigir-se a valla da
I iscal al o dia ai
A. F. de Vboura,
A. F.
PREFEITRA.
TUEZ0RAR1A DA I AZENDA.
F,\rr.mrKTF. no DIA i).
Poilaria-Aolliczoiiiclro da laz.enda n.an-
I-AIITE no niA v4 OK SETF.MBBO.
Illm e Exm Snr Part (ipo a \ l'.xe
qUJ somenle oro prc/.os honlein a niinha or-
dem : Jo/e preto eseravo do Capilao mor
Manoel I born- de Jezus e Joze, tainbcm
pelo e eseravo de Manoel Ferreira Ramos ,
pelo Suh-Prelcilo de Santo Antonio, estepa-
la una avci-uaco e a(|uel!e por estar f-
gido ; eJoniingos, lanibem preto, eseravo
de .J.nlonio Joze Rodrigues pela 1. palm-
illa dodisliilo dfl ra iNova por insulto :i
mesma patrulha cujos prezos livero o com-
petente destino 5 e que nao occoireo mais 110-
vidade.
Em verdade (pie
mundo a vulgarisaco
CoiAiiiiunicatio.
R(' onhcicodo com o Autor do Comnuini-
de males tem trazido ao
de taes livros Rem o
sabiaQ os Bncyctopydistas e mais caterva Phi-
losophaute do seculo pasa('o quando tnala-
rel'ados se moslrrao em vulgarisar por meio de
Iblhetinhos pequeas poesas e novellns m
suas mximas de irrrli;in c immoralidade.
i> aqui o la anhoso Pbilosofo de Ferney der-
ramando i larga mo a sua infame ^Hicello
dOrleans eos seus conloa ; e he bem de
notar, que rara he a produeco deWlaire,
em (pie este iuimign juiado da Revelaqo nao |
d tonpic/adas na Religin de J. C D"a(|iii
as poesas horrorosamente impas, e porea-
mente erticas de Parnv : d'aqni o energme-
no Damilaville com osen livrinbo intitulado
I e Christanisme dcvoil : d ntjiii o inlii-
me (.itador de Pigauit-I e-Rrun a Carta a-
poerilii o t apa Pi 7 atribuida la Isa ment-
aTalleyrand, a Thereza Philosopha o I lo-
men) pei\e o 'l'emplo de Jalaba o llomein
machina ele. ele.
E quem poden! esmar lodos os males que
a o mundo tem trazido a I cao de laes livrecosl
Os novos i^nceladios, grandes meslres naile
de corromper os espii los conheecraii 111 lei
i


DIARIO DE PERNAMBUCO
t
tamente, quex>s pequeos livros, os folheti-1 confiadoem que pode tomar antdotos ? E as-
nlios, &c. era os mais_ asados para o fin de! sim como a boa polica prohibe em toda a parte
disscrainar as suas doutrinas infernacs, jpe- -
la barateza, j pelodesfostio com que seria
Hdos por todos ; e fora bem succedidos no seu
calculo. Com ellieito qual he o joven com fu-
ios de philosopho desabusado e do bom tom,
que prvido do Cilador e da supposta Carta
de Talleyrand nao se concidere hum sabio
consumado, e capaz de pulverizar as Sagradas
Escripturas a Tradicao inteira os Santos
Padres, os Concilios os maiores Tbeologos ,
e toda a Santa Madre Igreja P Com que des-
embaraco e alacridade hum huginico desses
moteja os mais respeitaveis Myslerios, os Dog-
mas mais profundos os preceitos e conse-
ihos mais saudaveis da santa Religio de nos-
sos Pas!
Em consequencia da pestfera vulgarisaco
de taes folhetinhos nada ha mais ordinario ,
do que topar-se a cada canto mocos e at ve-
Ihosediotas, e da nfima condico duvidando
da immortaidade d'alnia zumbando das pe-
nas recompensas da oulra vida, negando a
a venda do solimo do sublimado corrosivo,
e d'outras substancias venenosas ; porque se
nao vedar ainda com maor restriccao a venda,
e propagacao desses escriptos onde a monda-
de incauta bebe a longos sorvos o toxico da ir-
religio, e immoralidade ? Por isso a Santa
Madre Igreja Catholica sempre sabia e des-
velada no bem espiritual de seus flhos tem-
lhes prohibido a leitura de ceitos livros s a
permiltindo a algnns homens doutos e ins-
ruidos e com pcrmisso dos Srs. Bispos. Km
verdade a impiedade e corrupcao do povo nao
provm das volumosas obras por ex. de S-
ra os bons sao precisos esforons.
millas eu vos fallo a Iingoagem da experien-
cia e da verdade : nao consintaes que vos-
sos flhos se cnvenenem com a lelo desses li-
vrinhos impos e immoraes'. Nao fallao es-
criptos de boa doulrina, nao fallao obras,
que recreia, e nstruao. Nada de maos li-
vros que sao peiores j que a peste.
VARIEDADE.
existencia do inferno como mero invento dos
tyrannos e dos Padres despresando a Re-
vela ao desconhecendo a Divindade de J. C,
e conseguinlemente a Redempco do genero
hiiiiiano rindo do peccado original como de
qualquer cont das Mil e huma noitcs, chas-
queando do Culto das Imagens e mrmente
la Confissao Sacramental e chamando est-
pido fanatismo a toda, e qualquer praliea da
piedade Religiosa. Wuitos blasonao.de mate-
rialistas (ou materialoes) c atheos ; outros po-
rm envergonhado-se 'ostentar lmanla
bruteza, dizem milito anchos que seguem a
Religio natural : mas se alguem entra com
lies a conlas e exige lhe defna o que he
Religio, eoque he natural; hoc opus,
hic labor est : elles (cotadinhos !) que nun-
ca lerao oulra cartilha se nao o seu precioso'
Citador. o Testamento do<_ura de Meslier e
outros tbeologos ejusdem furfuris pali-
nbao gaguejao e ficaS o expichados com-
pletamente.
(guando o desprezo dos Dogmas fundamen-
taes da Religio encontra-se at na gente edio-
ta e ignobilda Sociedade que prova'mais
cabal de que a peste da incrcdulidade tem-se
propagado com generalidade espantosa? Sim ,
3uando o homem rustico e de nonada zamba
a vida futura e da existencia do inferno ,
he porque assim o ouvio da bocea do grande ,
do poderoso, do rico do doctor e at do
Padre; que dcsgra_ admente os h;i que a-
lardeia de impios e Pbilosophantes !
E ainda se vacilla sobre a causa primordeal
da nossa lo geral corrupcao e immoralida-
de i Nenhum povo pode existir e prosperar
sem huma Religio positiva : nao ha Religio
Eostiva sem Dogmas, e Mvstertos; porque
e misler crer para se poder obrar ou por ou-
tia as arenes seguem a rasao directa das eren-
cas : logo o que se deve esperar de um povo ,
em o qual se inocula o virus corrosivo da in-
credulidade ? Que boa f pode haver em hu-
ma maioria de Legisladores atheos e mate-
rialistas i1 Que integridade se pode esperar de
Jui/.es possuidos dos mesmos sen limen tos? Que
probidade tei o eommerciantc o rico, o
poderoso se para elles for huma patranba a
vida futura &c. &c. ? Que Icaldade se guar-
darro i)% esposos que pureza e castidnde
conservan a solleira ea vinvn sechegna
persuadir-sede que nao h hum Dos remu-
neradorda virtu.de, o integerrimo castigador
ipezar de emiuenlemente desabusado e cori-
leo ck SceilaEncvclopcdista ,-dizia que nao
qtzera a hum aliico nem para seu creado :
eo moquenco Voltaire tinba raso de oseo-
nbeeer bem de perlo.
Nao ignoro qual o argumenlo sedico a res-
peilodu propagacao dos maos livros ; e vem a
ser ; que prohibir a sua publieaco seria por
cstorvos ao pensamento que deve ser livre ;
alem de que se apparece hum livroimpio, e
inmoral nao bular quem o combala, edes-
la polmica resultar o triunfo da verdade.
JVJas quanlo se engaan os que assim pensa '
Huma triste experiencia asss tem demonstra-
do quanto o coraco humano mais propende
para o que he mao do que para o que he
bom e quam vidamente abraca as doutrinas
si nsuaes e que lisongeao- a.s paixoes. Hum
enripio impo e immoral e mais se se l
no verdor dos annos, e se corre ailornado das
flores, da eloquencia ou temperado rom as es-
i triaras do eslilo faceto produz huma ini-
prcsso profunda que tarde ou minra mais
se apaga Je iodo maneira de cerlos lquidos
de ledor acre que laucados em hum vaso
por mais hnado c escaldado que este seja ,
sempre conserva o mao cheirp primitivo.
I a nrnta-qnem haver lo imprudente, por
nao dizer louco que se enfrasque em venenos
ANCDOTAS.
A boa resposla.
O Presidente Jeannin homem de grande
mrito, foi enviado Embaixador llespun'ia.
pinosa, deHobbes, deTndal. de Toland, Queixara5-se os Hespanhoes do peuco caso,
de Bolnbrok de Dupuy d'Helvecio de que delles parecin fazer o Re de Franja ,
Dderot, &c &c. 5 porque custa caro, e mandando-Ibes hum Diplomata que nem fi-
no estoao alcance de qualquer leilor : mas dalgo era: pelo que appareceudo em audien-
0 tal Citador, a tal Carlinha de Tallcvran-I, ciao Embaixador o Rei logo lhe perguntou
cerlos Contos de Voltaire, &c. &c. sao folhe- Sois fidalgo ? Sim (respondeo Jeannin) se
tinhos baratos e que fcilmente chegu a to- Ado o foi E de quem sois ilho ? Das
dos, pelo que quasi sem se presentir vo pro- minhas virtudes replicn o Presidente: e
duzindoos sus lerriveis effeitos. estas palavras cheias de nobreza e verdade
Ah quantos mocos alias de felizes dispo- lhe merecerado Re d'Hespauha todo o acco-
sices, se tem feto incrdulos, e immoraes Hmenlo, e grande eslima,
s com a lico desses li'vrecos ? Quantos atheos- Lograco meslra;
sinbos h por ah, que nunca tiverao outros O irmo de Lord Marratney tinha serv-
principios, oulra lico mais do que o Com- do com dislinceo nos excrcitos e gabava-se
padre Ma|heus a Pavorosa illuso as Lyras de nunca ter requerido cousa alguma na Cor-
impas de Jos Ana-lacio e ontros folheti- le da qilal ludo desprezava ; por que s ti-
nhos da mesma escola Quantos desprezao, e "ha p?r ^liz a vida privada. O Rei d'Ingla-
at blasfem#o a Religio snela de nossos Pas; ,(>rra informado desle Catonismo, quiz e\pc-
porque. ignora absolulamento os seus funda- 'mentar se era sincero ; e chamando-o hum
mentos, desconheccm os seus fados, e nada dia de parle, disse-lhe eom lar d interesse e
sabem das suas provas! Que de tbeologos pas- de mysterio Sabes tu a lingo Hcspanho-
sea por esse mundo ou se amesenda icios la ? Nao Snr.; mas aprendella-hei im-
botequins sem terem oulra Ii o mais., do! medialamonle se for do agrado de Vossa Va-
que esses fqlbetinhos esses livrecos essas' gestadeSim, sim, respondeo o Rei : fa-
maravilhas poticas ? As arencas fora e se- ;'s muilo bem em aprcudella Relirou-se o
rao sempre a norma das aeces do genero bu- \ Lord e deo se larefa de esludar de dia e
mano ; e se tacs sao as doutrinas dominantes ;: de noite a lingoa Hespanhola conjecturando
porque nos ospantamos da corrupcao e im-j d'aquella1 conversaco que o Rei seguramen-
moralidade ? j ojleslinava para Embaixador d'IIespanha
Na reslea d
de incluir a m<
Pas de fa- idade o qual d fiador idneo a sua, capaci-
dad* e comportamenlo pelo dezejo que (em
em ser empregado em alguma oci-upato,
excepto venda promette servir por algum
tempo gratuito a fim de nao se ver desarru-
mado : qualquer pessoa que 5 pretender d-
rija-se primeira caza junto a Ordem Ter-
ceira do Carmoquc se lhe dir qncm he.
S3" Quem precizar de huma ama para cu-
zinhar engomar : diriia-se ao beco do Pa-
dre caza I). 5.
tZr- Percisa-se de hua ama para tralar da
caza de hum homem sortero ; e preferc-se
reta e quem seja forra na Ra da Cadeia do
RceifeN. >i.
C?" Na" ra nova a, andar, por sima
do doutor Paula (omes percisa-se urna es
era va para cosinhar.
O" U abaixo assignado declara a quem
convier, que d'ora em vantcdeixa de ser
procurador da Sra. I). IMarianna da Concei-
co Pcreira pois nao obslanlc o ler sido tb
boje gralilainentc ; poiem por motivos tem
deliberado entregar aprocuraco.
Antonio Francisco Pcreira de Carvalho.
UT l'reciz.a-se alugar melade de um an lar
de caza no Bairro de Santo Antonio ou Re-
cfe querda fenle, ou rclra-guarda para
um rapas solleiro debons eoslumes e tao bem
se sugeila a pagar a melade do aluguel eom
oulro do mesmo oslado a quem convier an-
nuneie para ser procurado ou dirija-se ao
armazemd assucar na ra da cacimba >a>a D. 5
t^- Tbom berreira Lagos, arremalante
do imposto de ?o por eento do consummo das
agiias-ardeules de produco Urazleira aviza
a todos os Srs. que ao dito imposto csto su-
jeitos tanto de Tabernas Botequins Es-
lilaees .Reslilaees e Fngenhos em que o
dilo genero se venda pelo muido venho pa-
gar oi. Trimestre do auno financeiro de
iMc) a 1840 na forma da ley em caza do Es-
criplurario do mesmo mirado as 5 Ponas
venda D. t. ; assim como alguns Srs. que
(i.
os maos livros nao posso deixar No fim de trez mezes de improbo esludcdi- nao eslejo collelados venbo colletar-se ,
r parle das lo aplaudidas e' gio-se ao Monareha e disse-lhe que j era 1 e pagar o tempo que esliverem a dever para
procuradas Novellas. Entrn 'no plano dos seiihor da lingoa Hespanhola. Muilo esti-'oque d oprazo de i5 lias findo o qual
incrdulos do seculo passado o fazer brecha mo respondeo-lhe o Rei : agora sim posso proceder na forma da ley por serem alguns
por esle lado em a crenca dos povos ; c na ver- dar-te hum consclho e he que leas o I), bastantemente omissos a dilo pagamento como
he publico.
W O Bacharel formado Antonio Joaqum
de Moraos Silva Juizde I rcito interino da
1.a vara du crme desla Cidade annuneia
que passa dar audiencia na caza de sua resi
dade os resultados tem coroado os seus nces-| Qmxole no original; porque dizem-me, que
eos. Muitas dessas Novellas pin-. no ha lllima S(J tradueco que prcsle.
iginaco, e lisongeando as paixes, | K03 evaso d'hum embaa o.
A excepeo de bem poucas qual he a Novel- Ira de tripa usou d huma de prala j mas a|_ fiezeja-se saber nesla praca quei
la, cuja fbula nao seja a poderossima pai- 1 y ra eom a sua corda de piala perdeo todaajaoos Correspondentes dos hnrs ladre
xo do'amor fizico quasi sempre vencedor de harmona. | ronuno Barreiros Rngel, Padre Ale
todos os obslaculos ? Em mullos desses lvri- I ~ Hn estudanlc de certa Provincia foi, Pedro Soares Francisco Penara de A
sanies esfor
lando imag
que loma huma doce illuso dramtica mais Hum grande fidalgo de espirito a baixo
fcilmente se insnua no coraco e ahi ex-' de mediocrepretendeo oceupar hum lugar va-|
premem toda a sua peconha. Por meio desses fto n'Academia Franccza ; e era to fortes os dencia em a ra da ( ruz denlro de Rectlc N.
a^^BaS ______ 1. _------ A__l------'------- __1'- t. .......1 ... J.i. .. Lii-i. 11 nuil, ra v*-i
escriptos e ao travez ele hum
brilhantc ora pal blica ora
gradavel apbelia lem-se atenu
t tem-se ludihriado a honesl.
dor, todas as virtudes domesticas e sociaes. quehrasse huma corda em vez de lhe por ou- em maceira.
A excepeo de bem poucas qual he a Novel- ni de tripa, usoud'huma de prala; ^|.,J^-J^S^*^ ^.P*8, !)J %
exandre
\breo.
nhos aprende a esposa a bigodear a fulelidade ter com hum Religioso e lhe dis,e Rm. do Engcnbo Sernhacni, Francisco Antonio
conjugal, afilha a Iludir a vigilancia dos meu pa manda saber de V. Rm.*, se he Esteva, do Eugenio Gamcleira e Manoel
Joaqum de Mendonca morador no Ln-
genbo de Sania Anua, os mesmosqueiro an-
A Novella dar-me para l a fim de me reformar na f ou- nunciar suas moradias para se Ibes falar a ne-
desle'genero nao se pode equiparar Salvra torisse ; porque tem certeza deque tal vez cu negocio.
de tom faceto : po.Jecom quanlo esta dva sabia na legislatura da Depulade.ra para ga- t^ Peanle a Meza acta da Irmandade
pintar vivissimameJite os caracteres todava nliar os emolientes ; e eu ja se, os prepnrati-, do Apostlo S Pedro desta C.dade, edolllm.
l hum desfecho prove loso zorragando os vos 5 que aprend Latim Lat.m, Latim l ran- Sr. I r. Ju.z do Civcl da > ara se hade ar-
vicios com o lalego do ridculo c expondo-os fez, Latim Porluguez e agora cstou eslu-
irrso publica: mas na mir parle das No- dando o Godcme.
vellas o amanle por via de regra abusa impu-
nemente da innocencia e simpleza da sua a-
niada cas maiores logracoes a os pas as
maiores (ravessuras dos namorados desfechao
de ordinario em casamento*. Equal a joven
pais, &c &c ; e lodo o perigo de taes escri- certo com certeza e na verdade que h.i Co-
ntos est j na vivacidade das pinlnras j na rubra em Pernamhuco 5 pois pretende man-
feliz peripecia das personagens
LOTERA DA BOAVISTA.
O Tbesoureiro da mesma faz publico que
as rodas da a. parte da 5. Lotcria a favor
que bem imbuida em taes leiluras no'deseje das obras da mesma Igreja correro impre-
' lerhelmcnlc 110 dia 7 do mez deOutubro pr-
ximo vindouro.
expor-seaos mesmos riscos
o mesmo resultado ?
ara obter a final
J ouvi a certo 1 asbaque (e era pai de fa-
milia coilado!)quc aosfilhos, c (libas se
devia franquear quanto anles o eonheeimenlo
do bem e do mal para abracarem aquel le e
lgirem desle ; pelo que convnha iacullar-
lhesa leilura de toda, e qualquer JNovella.
(iuapissimo iheor decducacol Bello eonhe-
eimenlo do coraco humano Bons burros ha
de esse homem dar ao dizmo Dessa sua re-
gra legtimamente se conclue, que obrar sa-
biamente o pa que der a ler a sua filha as
obras de Pirn o aublas, o Sa,que do Por-
to e ouiias boas carlhas do mesmo jaez !
Eu sigo a mxima diamelralmente opposla ; e
enlendo, que os pais. os tutores os mestres
devem Iralalbar desvellad-inienic para arredar
da vista e'dos 011 \ dos de seus flhos de seus
pupillos ou discpulos lodos os objeclos de
corrupcao moral todas as palavras. que res-
pirem torpeza lodo oquadro de pajxocs ero-
lieas. Ah quem h que se nao record com
saudades dos dilosos das da sua innocencia?
E convir mrromiicr o coraco da mocidade ?
Os maos hbitos fcilmente se coniraheui pa-
A visos Diversos.
A-----
X3~ Pedebe encarecidamente acs uusss
d aquelles beSea de maeass que mando va-
sar |ionlc do Rccife que fpor compaixo das
ventas do seu prximo destiriem aos porta-
dores de taes beoes oulra parte para serem des-
pejados (se o noquisercm fazer no lugar,
que para isso foi marcado ), visto que as pes-
soas que vo lomar fresco ao Caes nico
passeio publico, que temos nao podem s
vezes suportar as refegas com que sao a ler-
deados.
Um qae loma fresco 110 Caes.
C7" Urna Senhora se offeresse para ama de
urna caza de porlas a dentro, e d fiador a
sua conducta ; no beco do Padre Sobrado
.3.
^. Aluga-se prelos para serventes de
pedreiro no forte do Mato inprenca de Carnei-
ro ^ onteir .
%ZT Hum rapas Rrazleiro de a4 annos de
rematar a quem mais der as rendas das casas
de seu Patrimonio por lies anuos ; sendo as
seguintes Pateo de S. Pedro 6 moradas de
casas D. -o n la, i3 i4 c 15 Peco
la \ iraco urna dita D. aH -Ra de Hortas ,
duas ditas I). 9 e vi Beco do Lobato, urna
dita D. a'j Ra do Padre Floriano, duas
ditas D. 19 ca- Ra do Nrgueira urna
dita D. o. Defronte do Quartel da Polica,
urna lila D y Pateo do Hospital do Paraizo,
urna diia I), o Ra Vclha da Boavisla du-
as ditas D. 14 e8-Rua doArago, urna
dita D. 1 Ra da Gloria urna dila D. oh 1
liuada Senzalla velba do liedle, urna dita
I). o b= Asnessnas que as quizerem arre-
matar poder.u comparecer no Consistorio da
mesma Irmandade 110 da v(> do correnle mez
de Selembro pelas 9 horas da manh com os
seus coni|)ctenles fiadores. Consistorio da Ir-
maudale do Apostlo S. Pedro 11 de Selem-
bro de 18J9 -O Padre Vicente Pereia da
Silva (iimares. Escrivao.
t-f Os Liquidalarios da caza do fallecido
Sr. Antonio Marques da Cosa Soares pic-
vineni as pessoa* a quem convier que a ul-
tima Praca para a venda dos bens ja annun |
ciada, tica trauslerida para o dia -17 do cr-
lente ; e analmente leni aprevenir aosS.-s,
que pe lenderem comprar os Engenhos '1 ra-
piche e Agoa-fria e tenas adjacentes que
no dia 4 de Outubro tencionaro partir para
os ditos Engenhos aoude os encontrarte para
convencional era qualquer negocio relativo a
este fim.


SSyO abaixo assignado tendo lido no Diarlo
um annuncio convidando arrendatarios para
as casas da Irmand'dcS. Pedro, enlre as quaes
ade D. 15 no pateoda mcsma Igreja, previne
por baixo do oBrado da viuva de Thomaz
Lins.
tSf Incospias nglezas para sapateiro, for-
mas para di lo e era veiras todas de lati, as-
a todos que o annunciante tero contratado I trivos de dito molde redondo e oitavados, tudo
com a Irmandade o morar nessa casa em que' de muito bom gosto ; no aterro da Boa vista
llie approvem |>elo aluguel de 5,ooo mensaes ,
fazendo todos os concertos a sua custa em
altenco as muitas bemfeilorias que lhe tem
fcilo e com acondico de que estas cedero
em favor da Irmandade quando o annunci-
ante nao queira mais em dita casa morar, e as
kemfcitorias fcitas sao duas rotulas o rasgar
em porta una janella abrir uma'"janclla na
frente entre as duas portas com seu caixlho
envidrassar a alcova e porta do corredor,
desfazer e abrir de novoem semetria a porta do
piano que era d antes ao pedo corredor um
soto com seus repartimentos, e escada com
portas, duas cazinhs de pedra e cal no quin-
tal para 4 ou seis escravos rotula no porto ,
mn alpendre nosobic a Cacimba, coberto de
telbas, e ladrilhado para recreio, urna por-
ta para dentro da salla para a cozinha tapando
a que havia no quintal e o ladrilho de qua-
si toda a casa &c. ; tudo o que nao sao baga-
telas. Espera portante o annunciante que a
respeitavel 1 rmandade a vista do exposto, cor-
rija o seu annuncio ; e da sua parte est dis-
poslo a respeitar e fazer respeitar por todos
os meios legaes a f da contrario que nao be
licito haver por nullo de moto proprro, e quero
porque quero V anoel de Jess e Souza.
Sf O abaixo assignado faz sciente ao res-
peitavel publico, que se acha provisionalmen-
-te prvido no emprego de Solicitador de cau-
sas nos Juizos da primeira instancia desta < i
dade por despacbo do Exm. I residente da Rel-
iadlo datado de -o do p.p.; c que sua resi-
dencia he na ra atraz de S. Jos casa L'eci-
roa 11. Joo Julio Camello Lins.
loja de seleiro.
tsy Umamobiliade salla, l cadeirasde
angico duas bancas um sof 4 lanternas
de vidro tudo de bom gosto e com pouco
uzo ; na ra da penha sobrado de um andar
com tenda de alfaiate na loja.
C?" Urna casa de sobrado de um s andar ,
no beco do sarapatel. bem construida e inda
nova, toda envidrassada D. 6 ; um sitio
na estrada do arraial, que vai para o montei-
ro com casa de vivenda de pedra e cal com
cacimba de boa agoa pomal de lerangeiraa ,
e outras muitas fruclas e trras de se plantar
pelo invern toda qualidade de lavoura. tam-
com arroz branco ditas com vermelho, ditas
com dito de casca, ditas com milho, manteiga
em libras e barris feixos de abano barris
de vinho branco, ditos de tinto caixoens de
doce de goiaba latas proprias para manteiga
e plvora terrinas e bules de todos tamanhos,
queijos biscotos do porto sag' fino fari-
nl.a de tapioca sevada nova vinho engar-
rafado e todos os mais gneros de venda.
UT* Um negro serrador possante e de boa
figura ; no largo do Terco n. i no segundo
andar.
tsr Meios bilhetes da Lotera da Boa vista,
a 38oo ; as 5 ponas D. 9.
ssy Bezerros de lustro para sapatos e bar-
retinas ; na ra nova loja de Ferreira & Bra-
ga D. M.
tSf Um bom pianno com 6 oilavas; em
casa de A Hosch ra da cadeia velba l). 17.
ey Urna venda com poucos, fundos em
bem se liypotbeca a mesma casa de sobrado, ou j muito bom lugar sita em Olinda ; a tratar
o dito sitio, a quem quiser dar 800,000 por nos 4 cantos sobrado 0. 18.
um anno a premio de um e meio por cenlo ao
mez ; a quem conviar qualquer dos negocios
dirija-se a ra estreita do Rozario D. a a.
S2y Bom vinho do Porto P R R aoo a gar-
rafa, dilo de Lisboa superior ibo e a aoo dita
dito branco liquido ->oo dita vinagre Ho e
100 rs. dita, azeite doce do Porto 3>o dita.
C7* Barricas com louca fina e de excel-
lente goslo, contendo cada urna um com-
pleto aparelho a saber -, 1 o duzias de pratos de
oilo e meias polegadas 1 j < sopeiros, 3 ditos
pequeos 1R pratos travessos duas sopei-
ras 4 terrinas para molhos 4 pratos cober-
tos duas seladeiras, 5 travessas para podios
Cachoeira chegados ltimamente ; na rua do
Cabug loja do Snr. Bandeira.
oy Urna casa terrea sita na ma do Adique
desta Cidade, tem sofco, grande quintal mu-
rado e ameaco por urna escriptura da me-
lado do oito de um fobrado de dois andares ,
queja se est edificando o que melhormente
se far patente a vista do comprador ; a
tratar no ultimo sobrado da viuva do Peixoto
as 5 ponas.
t Um moleque de idade de 1 a annos,
Eroprio para aprender qualquer officio ; no
eco do peixe frito 0. 4-
t^fc Para liquidarlo de negocio na tra-
vessa do Rozario loja 10, miudezas e
canquelheras pelo custo sendo os seus pre-
sos bastantes commodos ; a tratar na mesma.
Escravos Fgidos
aniz de hespanha superior qoo dita e todo ojdoisourins duas bacas com os seus com-
Avisos Martimos.
gio armazem D. 13. I f pom os mais pertences anlogos tudo
jsy Meios Bilhetes da Matriz da Boa vista ;' por pre o commodo ; defronte da lihgoeta ,
na ra do Cabug loja de relojoeiro junto do ra da alfandega velba n. 9.
Sr. Bandeira j-y A inleressante obra'de Bufn contendo
ssy Um sitio com urna casa de pedra e cal 80 voluntes com eslampas finas, e em francez ;
PARA BAHA e Macei o velleiro Patacho
Dois Amigos quesahe at 38 do torrente ;
quem quiser carregar ou hir de passagem di-
rija-se a Manoel Joaquin Pedro da Costa, ra
da Cadeia n. 1.
PARA O CEARA' e caraca' a velleira
Sumaca Feliz Americana sabe at o dia aK
do correnle ; por ter seu carregamento ciuasi
completo quem quiser carregar dirija-se
a Manoel Joaquim ^ edro da Costa.
PARA O ACARACU' com escala por Ce-
ar segu com toda brevidade possivel a Suma-
ca Ave Mara e inda recebe alguma carga
miuda ; quem quiser carregar falle com o I leile
mais sortimeuto completo de urna venda mais, plenles jarros duas duzias de tijellas 1a
de que em outra qualquer ; na ra do Colle-! chicaras e pires para cha la ditas para ca-
nazem D. 13. f oom os mais
Meios Bilhetes da Matriz da Boa vista ;! por pre o commoi
do Cabug loja de relojoeiro junto do ra da alfandega v
idira cj A inleressa
Um sitio com urna casa de pedra e cal 80 volumes com es
na estrada da ponte de Ucha com 11 quar- e urna cama de Jacaranda com seus colxoens;
tos, 3 salas cozinha Tora estribara para 6 na rua da moeda n 5 .
cavallos senzalla para pretos a casa he' *& Urna morada de casa no pateo do Car-
toda envidrassada duas baixas para capim mo D. 7 ; a tratar na rua da Conceico da
terreno para planlaeoens arvores de Inicio Boa vista D. 3o.
detodas as qualidades ; a tralar na rua Di- ^" Bezerros envernisados chegados pelo ^a- ^ do nome Andr tem de dade aa au-
reita 1).-; na mesma casa arrenda-se outro Casemir ; na rua nova D. 9. | nos a't0 > secc do corpo bonita figura,
mai^pequeno com casa de vivenda, terreno E^ 800 tijolos de cacimba por preco mui- cwr fulla de naco rebollo. Levaro bas-
tzr- No dia 19 do corrente desapareceo urna
escrava de nome Thereza, de naco congo,
de idade de a8 annos alta magra falta-
lhe um dente adiante levou vestido de chita ,
camisa de algodo e panno da costa des-
appareceo andando vendendo em um tabolei-
ro louca Ingleza ; quem a pegar leve a Soli-
dade em casa de Joaquim Xavier da Maia, que
ser recompensado.
E? Em a5 de Maio do conente nesapare-
cerao1 dois escravos da senaria de Joo Antonio
Baptista Muniz desta praca ambos serrado-
res e bastantes ladinos e do gentio de an-
gola. Suspeita- se que elles se intulem forros,
e lenho mudado os nomes ou que foro 1-
ludidos com alguma pessoa. Os seus signa-
es sao o de nome Manoel he de naco songo,
corpreta boa estatura e tem umaqueima-
dura de fogo da parte direita no beijo inferior
e falta de dentcs no mesmo lugar em que lhe
repucha a boca o que lhe forma um grande
defeito sem de idade 16 anuos, e pouca bar-
tijoios ae cacimba por pre50
to commodo ja postos no lugar da Solidade ; ,ante '"oupa ; quem es pegar leve ao Sr. a ci-
Mestre a bordo ou no armazem de A endes
& Oliveira j na tuado Vigario.
Le I lo
para planlaeoens e arvores de fructo.
t37* Na na nova defronle da Igreja de N. na ruade S. Gon'salo O. > 1. ma > T,e sera generosamente recompensado
S.da Conceico, na loja de Joaquim Jos p- Caixase barris vasios 5 na ruada ca- de seu traballio.
Pereira aa agoa para empretecer os cabellos deia velha D. 17. *^" No dia 1 t do corrente fugio um preto
da barba ,e da calida e na occazioda com- IT Urna venda no principio do atterro dos creou' > de nome Joo Barriga, natural de
pra se dar o methodo de aplicar aflbgados D. 4 com poneos fundos e commo- Unna doengenho tintuga, baixo, grosso com
C?- *
de 15 a
conducta ,
de de a5 annos, urna escrava de idade de So a 4ooo ; na rua do Cabug loja de miudezas Wanderley ; quem o pegar leve a rua lara
annos, cose muito bem, e engomma urna junto a botica. do Rozario em casa de francisco A u Ionio de
dita com urna cria de 4 mezes tem muito bom C? Um bonito Cvalo gordo de segunda Carvalho Siqueira que ser recompensado,
e qe de bons costumes urna dila de muda com todos os andares ; na rua Dirviui
jara o methodo de aplicar atlogados l). 4 com poneos Tundos e commo- ^nna_uoengenno lintuga, baixo, grosso. com
Um moleque peca de naco, de dade dos suficientes para familia a dinheiro ou s'^'rizes em um braco, cara cheia nariz
ib annos, umescravode muito boa praso ; a tratar na mesma. chalo sobranceilhas grossas cujo preto ou-
ta proprio para palanquim de, da- tS" Meros bilhetes da Lotera da Boa vista ve Ignacio Lins Barradas de I aulino Leinor
cy Que fazcm Jorge Deane & Companhia,
por irrtervenso do Corrector Oliveira de
um completo sortimento de fazendas Inglezas ,
sexta feira 57 do corrente pelas 10 horas da
manli no seu armazem da rua da Alfande-
ga velha.
C o 111 p r a s
X?" Um moinlio de reliar milho com to-
dos os seus uteiicilios e anda com falta de
nlguns ; nesla Typograia se dir.
tF~ Paraforaaa Provincia urna escrava,
com preferencia preta que saiba bem coser
toda qualidade de "costura e engomme com
perfeico ; na rua da cadeia esquina da
Madre de Dos casa de Amorim limaos ou
annuncie.
tsr Pipas de cachaca que tenha ao graos
para cima no principio do alterro dos atlo-
gados em casa de Silvestre Joaquim do Nasci-
mento.
tsr Balanca pezos socadores e mais
meia idade por a8o 000 c um moleque de 14 padara do Machado,
annos de idade, todos estes escravos se do tW Um sobrado com soto na rua das Flo-
a contento, ese a fianza as boas vendas; na res com bastantes commodos para familia ,
rua de agoas verdes D. 18 por preciso para se paar diversas dividas
Mviiiiento do Porto
NAVIOS ENTRADOS NO DIA aa.
i-r Um-casal de rolas de angola muito >s Emilio
cantadeiras e oulro passaro de nome viuva *S7* Na rua Direita venda
da
ENTRADO NO DIA a 3.
de angola 5 quem os quiser annuncie. beco de S, Pedro at sacas com arroz a PIJ!LAJ-LPHIA; 4o das Barca Americana
tur As partes de um pequeo sobrado na 9000. u,obe Jc *J l01>el. M. James, equip. 15,
rua Direita, que foro do follecido Jos da C? Urna preta natural do Cear de da- KflU C ma'S 6cneros i a F- &
Silva Coelho, mestre Barbeiro ; a tralar no de de 18 anuos, engommadeira e propria TRtS'r e j-
nesmo. para todo o servico ; na rua da Cruz n! aaca- ESE ',6'd,as ,BarRca Sarda La Bella
Um morada de casa em Apipuco, a sa de Manoel Ribeiro da Silva. I S a loneL Ml Jero'mo Si-
do rV> capibaribe com os ieiintl E3" Urna casa nova traveiada com a? -.^"'P* ,5 rga farinhade trgona
.*. o .0, de loW. propr;' ^"""""f^TboiA ,4
margem
commodos
.... r rz '
capibaribe, com os seguintes
duas sallas 4 quartos cozinha palinosde .-.,,, ^ .w: uc
lora eum glande copiar de tacanica, ladri- para armazem de assucar por ter hom porto j ISROA -
hada e muito frescas; a tratar na rua da de embarque, e pode render 00-000 de alu- Tu,' /
h lorentma casa D. o. guel sita na rua da praia ; a
tsr Raji princeza da Babia chegado ulti- raria do Cardiab
mmente dito do Vareio dito
ti di
las
tratar na ser-
iitencilios
para
u i-l IU 11. -j.
armazem de assucar : na rua
%Sr Um guarda livros em segunda mo ;
quemiver annuncie.
_______V e n d as
XST Meios bilhetes da Lotera da Boa vista
a tres mil e oito ceios e quarenta ; nesta Ty-
pografia.
thr -i bm mansos de puchar carroca, mui
bons e filhos do palo j aa rua do Collegio
V3- Ou troca-se por urna casa um sitio
em Bebtribe debaixo com chaos proprios e
arvoiedos de frute ; a tratar na rua das trin-
cheiras I). i5.
%Jt Urna nova e bonita armacao com bal-
eo envidrassado e aluga-se a loja onde
ella est posta com boa moradia e barato o
.uguel 5 a tratar na na nova loja de metas
, uiiu area preta ,
potes de tinta muito fina, e outras muilas mi-
udezas por preco commodo ; na rua do Quei-
mado D. 5.
t3W Por preciso urna grande proprieda-
de de casa trra de pedia e cal, com boa ga-
lana n, 4 5,.e t que podem a commodar 3
moradores por terem repartimentos suficientes,
com dois grandes portoens a os lados com
jardim e sislerna que conserva agoa de chuva
todo o anno bom quintal murado com arvo-
res de fructo sitaem Olinda na rua do porto
seguro ao lado de S. ledro Apostlo; atratar
no varadouro defronte de S. Sebastio sobra-
do n. 14.
tET Grande sortimeuto de bijoutarias da
primeira distinco e das mais a moda cor-
renltsde relogios para horaem e senhora
aneis e alfineites debrilhantes e d'outros. cas-
salotas brochas ou alfineites para senhora ,
com cassoletas caixas de tabaco relogios de
OVO e prata orisontaes patente inglezes e
Suissosda primeira qualidade ; na rua nova
D. 11 loja d f'erret eGarnier.
tST Na rua do Rangel venda nova da qui-
na que valla para o trem o seguinle ; acas
C5" Urna lipoia nova com rede c todos os
seus pertences ; no atierro da Boa vista D. 5t.
tZJ- Urna venda na rua do fogo com quina
para o beco do sarapatel a tratar as 5 pon-
tao venda I). 19.
ey 5bo palmos de trra qunsi toda quadra-
da com a frente para a estrada do espinheiro ,
com muitas aores de fructo Ierras tastan-
tes plantaces de outras lavouras o que tudo
com a vista dos. compradores se mostrar, tr-
ras proprias e estas mui descancadas perten-
centes ao proprieWio Silvestre Antonio de
Laage morador no mesmo sitio.
tsr Urna morada de casa sita no beco da
bomba 5 com um soto. quintal cacimba
e com porto para a mesma rua ao p da mes-
ma casa ; a tratar no atierro dos arrogados de-
ronle do viveiro do Muniz ao p da padara
nova.
cy Ou alugo-se a escravas que sabem fa-
zer todo o servico de urna familia e um pre-
to para o servjco ,de enchada ; as 5 ponas
D. ai.
tsy 4o libras de massas para fogo tie arte-
ficio ; na rua de Hortas 17.
sr Superiores charutos da Ha vana, e da
de Bomhal de .t5 tone
s de Almcida
Brigue Nac. Marque.
l m r* 't
,M
18
Fernando Jo-
carga gene-
se ue aimeula equip. 18 carga ene-
ros do Paiz; a Jos Ramos de Oliveira
passageuos brasileirus 4 e prtpguezes a.
ERRATAS
Do Diario n. ao^i no preco corrente de ex-
portaco em lugar do assucar pelo preco em
que est deve ler-se o brancu a Hoo'is ,
e o mascavado a 5oo ris sobre o ferro.
No 1 iarip n. 307 de ->4 do corrente a pap.
duas 3. columna Noticias Estrangeiras -
hnhas 9 a incapacidade de Cabrezeu lea-so
aincapacdadede Cabrera. Na mesma co-
umna hnhas .8 depoisde urna carhonoda ,
Jeia-se dejio.s de urna canhonada. ]\a mesma
columna Imitas at os Sobados Hafiz Pacha .
eia-se os Soldados de Hafiz Pacha. Na 4. co-
lumna, terceira liaba e Amer, leia-se e Amor.
Aa mesma columna linhas 15 ; que tem lan-
zado logo as Cerras leia-se que lem lancado
logo as Cearas. Na mesma columna Hnhas 34
na mesma aniquila9ao leia-se na minha
aniquilaco. Na mesma columna linhas 3;,
a mesma vinganca leia-se, a minha vingan-
ca The Fimes, leia-se (The Times)
REC1FE NA TYP. DE M. F. DE F. i8?9.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDC3UD8UH_AWG4GU INGEST_TIME 2013-04-13T01:52:53Z PACKAGE AA00011611_06134
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES