Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06130


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno pe 1839. (|wnta Petra
^Tudo agora depende de nds mesmos; danos prudencia, modera,
eio, e energa: continuemos como principiamos e aeremos apontadoa
Con admiraco entre as ares mas cultas. W\
Proclamiteao da Assemblt* Geral do Brtuil.
--------,----------------- *'...... --------------------
Subscreve-se para esta folha a 3ooo por quartel pagos adiantados
esta Typografia, ra das Cruzes D. 3, enaPraca da Independencia
D. 37 e 38, onde se recebem correspondencias legalisadas, eannuucios;
insirindo-se estes gratis, sendo dosproprios assigoantes, e tirulos assig-
oados. K
t
Partidas dos Correios Terrestres.
Cidadeda Parahiba e Villas desna pretendi............'.......\
Dita do Rio Grande do Norte, e Villas dem...................>Seeundai e Sextas Feirai.
Dita da Fortaleza e Villas dem. t................... 1
Villa de Goienna. .'........*.../
Cidade de Olinda..........,.....-..................Todos os dias.
Villa deS. AntSo................................. Quintas fe i ras.
Dita de Garanhuns e Povoaco do Bonito..................... Dias lo, e 24 de cada mex.
Ditas do Cabo, Serinhaem, Rio Formozo, e Porto Calvo........... dem 1 11, e ai dito dito.
Cidade das Alaeoas, e Villa de Macei....................... dem dem
Villa de Paja de Flores................................. dem. 13, dito dito.
Todos os Correios parlem ao meto dio.
mu -__ii 1 11 usaaaawxei
CAMBIOS.
Sbtkxio. 14.
Londres......35 per Ifooe ee. tj
Lisboa....... qa por ero premio, por metal flereeaV.
Franca.......3o res por tranco neta.
Rio de Janeiro ao par.
OORO Moedae de 6/4oo n., Velhas i{fnoo a ti
Ditas Hovas i3#8oo a 14
Ditas de kfooo rs., Hfuoo a
PRATAe Patacoes Bratileiree-------------l|58o a 1
tt Pexos Columnarios -------- tfSSo a 1
Ditos Mexicanos ---------- if 36o a i/58o
Premios das Letras, por mes I 1/8 a 1 i|i per loo
Moeda de cobre 4 pr 00. dt disc.
Das da Semana.
16 Segunda S. Cornelio e Cy'priano. SessSo da Tbex. e Aod. do J. de D. Ha 1. r. de a*V
17 Terca---------8. Pedro 'de Arbues M.------- RelacSo, e Aud. do J. de D. da 1. rara de mano.
18 Quarta------- T. jej. S. Joze de Cupertioo F. Audiencia do J. de D. da a. r. de manbS.
19 Quinta-------S. Januario B. M.-------.....Re. sso da Tbex. e aud. do J. de D. da a. r,.
ao Sexta.....Temp. jaj. S. Eutaquio M.-----Sesso \ Tbex, e aud. do J. de da 1. vara.
ai Sabbado A Teinp. jej. S. Matlieos Ap.- -
aa Domingo-----resta das Dores de W. S. *
- Mare chela para o dia 19 de Setembro.
As a horas e 54 minutos da nunb. As 3 horas e 18 minutos da tad

\
1\
)
i
RIO DE JANEIRO.
ASSEMBLEA GERAL LEGISLATIVA.
CMARA DOS DEPUTADOS.
Sesso em 14 de Agosto.
Presidencia do Snr. Araujo Vianna.
As 10 horas da manh- fazse a chamada ,
e logo qae se rene numero legal de Snrs. de-
putados abre-se a sesso, le-se e approva-
se a acta da antecedente.
O Snr. primeiro secretario d conta do ex-
pediente os seguintes oficios.
Do ministro do imperio remettendo o officio
do presidente do Malto Grosso de 16 de agosto
do anno passado, relativo a constestaco sobre
limites da mesma provincia com a de Goyaz ,
e bem assim a da presidencia d'esta ultima
Erovincia de iSdejunho do corrente. A quem
z a requisico, e depois commisso de cons-
tituico.
Do ministro da fazenda remettendo a repre-
senta o do administrador da recebedoria do
municipio da Corte sobre a necessidade da
revogaco das instrueces de 13 de novembro
de 181 e adopeo de ontras medidas tenden-
tes exacta arrecadacao do imposto estabe-
lecido sobre as seges, e carroagens. A' commis-
so do orcamento da fazenda.
Do mesmo ministro enviando a represen-
tadlo do administrador da recebedoria da cor-
te, de 5 do crrente sobre a duvida que lhe
occorre acerca dos direitos designados por mar-
cos de prata. A' mesma commisso.
Do mesmo ministro, sobre a pretendi dos
empregados d'alfandega da villa das Laran-
geiras da provincia de Sergipe, que pedem
augmento de seos vencimentos. A' terceira
commisso de fazenda.
lJo mesmo ministro, expondo que nao po-
demser reclamados no ajuste decontas como
governo portuguez os emolumentos nao pagos
dependentes de officiaes militares d' aquello
reino sem que sejo indemnizados os officiaes
da secretaria do conselho supremo militar de
sua importancia, e pedindo'medidas a respei-
to. A' terceira commisso de fazenda e de
diplomacia.
Do ministro dos negocios estrangeiros, envi-
ando a copiada nota que em data de 5 do cor-
rente lhe dirigi o ministro residente de S.
M. Fidelissima n esta corte. ,t relativamente
reclamacoes liquidadas pela eommisso mix-
ta 1 rasileira, eporlugueza. A'commisso de
diplomacia. 1
Do ministro da guerra, enviando o projec
a;
0.....
L(J U* UIUL1KI--OU milIMti
governo pela commisso encarregada para es -
te fim fallando a parte penal, e organisa-
codos respectivos tribunaes militares. A'
commisso de aarinha e guerra ; e a impri-
mir a ordenanca, a requerimento do Sr. Mou-
tezuma.
V.ae terceira commisso de fazenda o re-
queriniento dos prefessores doscollegios dasar
les da academia jurdica de Olinda.
A' commisso de marinha e guerra o reque-
rimento de Antonio Jos Crreia.
A meza a petico de Estanislao Antonio
Teixeira da Molla.
A' do orcamento da fazenda a representaco
de varios negociantes e outros individuos d'
esta corte sobre a uliliddade do emprego de,
barcos de vapor ao longo da costa do imperio
epedindoaisencode direitos sobre ocarvaoi
de pedra ,
Le-se um officio do secretorio do senado, |
convidando esta cmara a que nomie urna
commisso do seo seio para conjunctamente
trabalhar com a do mesmo senado j no-
meada, sobre as medidas necessarias para o res-
tabelecimento da paz, e da tranquilidade nos
diversos pontos do imperio. A' commisso de
constituidlo.
Le-se, e approva-se as seguintes redac-
ces :
I. Daresolucao que autorisa o governo a
conceder carta de naturalisac,o de cidado bra-
zileiro ao subdito putuguez Bernardo Xavier
Pinto de Souza.
a. Autorisando o governo a conceder car-
ta de naturalisaco de cidado brasileiro a
Francisco Pereira Borges, natural do reino de
Portngal.
5. Determinando que o tempo de residen-
cia exigida pelo artigo 1. 4 da lei de
aJoutubrode iri3a, para que possa ter lu-
gar a naturalisaco dos estrangeiros, fica re-
duzido a a annos que correrlo independeu-
temente da declaraco previa feita na cmara
municipal respectiva.
Le-se, e approva-se o parecer da commis-
so de poderes que manda chamar para to-
rnar assento na cmara o Snr, Joo Candido
de Dos e Silva, deputado supplente pelo Pa-
ra.
Sao I idos, e appro vados os seguintes reque-
rimentos;
Do Snr Henrique de Resende, requerendo
se peca copia ao governo do aviso, ou porta-
ra pela qual se declarou ao presidente do
Para q' a lei da suspenco de garandas s teria
lugar depois de acabada a lucia com os faccio-
sos, tem acopia dos decretos pelos quaes
desde 1837, sehajo concedido ttulos, conde-
coraces e ordens militares. ,. O
Do Snr. Montezuma que se peca ao go-
verno declare a cmara as quantias recebidas
pela repartico de marinha dos crditos con-
cedidos pela resoluco de 6 de outubro de
1837 ede 1 a de outubro de t838.
Do mesmo Ilustre deputado, requerendo
se peca governo declare a cmara o produc-
to nos annos financeiros de 3? a 38, e de 48
a 39 do imposto sobre a agurdente despacha-
da para consumo no municipio, da corle.
O Sr Alvares Machado pede a palavra pe-
la ordem e declara que quando as casas de
cbmmercio se hincara o imposto sobre as que
tivessem mais de um caixeiro estiageiro, as
casas de commercio francesas em principio du-
vidavo de satisfazerao pagamento deste impos-
to 1 mas por fim sempre satiszero ; as casas
portuguesas pagaro promptamenle, bem co-
mo as lirasileiras. ( onsta-lhe porem que as
casas de commercio inglezas recusaro, e re-
cuso anda satisfaser este pagamento
e at ouvio dser nao sabe se bem
fundado, ou verdadeiro, que o encarregado
de negocios de Inglaterra dirigi una circu-
lar aos inglezes aqui residentes, e estabelecidos,
para que nao pagassem um semelbante impos-
to ; porisso tem que mandar" meza um re-
querimento a tal respeto. Nota que a naco
ingleza nao tem direito para ser isenta d'este
imposto. (Apoiados).
O illuslre deputado remette a meza o se-
guinte requerimento :
Requeiro que pelo ministerio da fazenda se
pergunte ao governo, se as casas de comer-
mercio inglezas d'esta pracas t m satisfeito o
imposto laucado sobre aquellas qne tem mais
de caxeiro estrangeiro e no um caso de haver
reluctancia da partedos collectados. quaes
as razes em que se fundi
Paco da cmara dos deputados 13 de a-
gosto de 189. Alvares Machado.
Depois de discutido approvado.
O Snr. Nunes Machado pede licenca c-
mara, para retirar o seo requerimento sobre as
informaces que pedia ao governo acerca da
destituidlo do Sur. Manoel Zefertno, ex-ins-
petor da altandega de Pernambuco ; cuja ti-
cen a lhe concedida.
Primeira parte da ordem do dia.
Continuaco da discusso sobre o parecer
da commico de constiluico acerca da indi-
cacao do Snr. Nunes Machado.
Depois do Snr. Nunes Machados respnder
as observadles do relator da commisso, e sus-
tentado adoutrina da sua indica.o, 6ca a dis-
cusso addiada.
Acbando-se o Snr. ministro do imperio na
ante-sala recebido com as formalidade do
estilo e oceupa o competente lugar.
Segunda parte da ordem do dia.
Discusso do Orcamento.
Continua a discusco sobre a fixaco da
despeza do ministerio do imperio com as emen-
das apoiadas da commisso e as seguintes :
Emenda additiva dos Snrs. Oltoni, Costa
Pinto J. Gonsalves Martins.
i. Ser construida urna estrada par-
tindo do porto de S. Flix no municipio da ci-
dade da Cachoeira na provicia da Baha.
s, Fica applicado como regishv.o es-
pecial para esta estrada a legislaco provincial
de Minas, decretada para a estrada do Para-
ibuna tanto relativa ao alinhamento e cons^-
trucso, como na parte relativa polica, e ao
estabelecimento de barreiras.
3. O governo dar' os regulamentos a-
commodados a legislaco da estrada e pede-
r se o julgar conveniente diminuir o im-
posto da potagem as barreiras.
4.0 A construeco da estrada commeca-
r semultaneamenteno porto deS. Flix, e
na cidade do Ouro Preto.
5. Para conslruc o d'esta estrada o
governo antorisado a contrair em apolices da
divida publica um empreslimo que no aino
financeiro .d'esla lei nao podera exceder a
aoo;oooUooo reis. O producto d'este empres-
timo ser depositado na caixa d'amortizaco ,
e nao podera ser distrado para fins diversos
debaixo da mais restricta responsabelidade.
6. O rendiuiento das barreiras especi-
almente applicado ao pagameuto de juro, e
amortisaco deste emprestimo e a continuaco
da eslracco. Em quanto porem nao se ve-
rifica este rendimenlo para o caso de nao
ser elle suficiente, a lei do orcamento consig-
nar annualmente os fundos necessarios para
0 pagamento do juro e amortisaco, etc.
Do Snr Peixolo de Alentar que diz :
Com a Dotaco de S. M. o Imperador em lu-
gar de aoo:oooUooo rais, diga-se a5o;oocUooo
reis.
Do Snr. Paula Candido, autorisando o go-
verno a empregar os remanescentes dos
1 ojOOoL'000 reis da escolla de medicina do Rio
de Janeiro, decretados pela lei do orgamen-
de (9 a 4o, na compra de laboratorios de 6-
zica, chimica, em a compra de instrumentos
cirurgicos, e continua.o da suhsrripco de
livros j comecada.
Do mesmo Ilustre deputado, declarando
que 6ca sem effeilo a disposico legislativa do
i83K, que obriga a cmara municipal do
municipio neutro a apresentar o orcamento
de suas despesas.
Do Snr. Henrique de Resende suprimindo
a coDsiguaco do tesouro para o collegio de
Pedro Segundo.
Do Snr. Ribeiro Duarto, que diz: Com
0 concert da estrada que communicava a
provincia de Minas Geraes com a cid de da Vi-
ctoria, capital da provincia do Espirito San-
to reeclificaco dos quarteis e respectivos
destacamentos, 3o-,oooUooo reis.
Dos Snrs. Silva Pontes, Casado, Gomes Ri-
beiro, e Dantas;Ao artigo 17, acrescente-
se-incluindo a quantia de 10 880U000 reis
em que foi oreada a despeza com urna ponte
sobre o Rio Merim, estrada geral das Alagoas
para Pernambuco.
Do Snr Oltoni, emenda additiva que diz
Com a abertura de urna estrada que com-
munique com a comarca de Porto Seguro e
de Caravellas na Provincia da Babia, com a
comarca de Jequitinhonba na provincia de Mi-
nas e com o estabelecimento de presidios que
devem ser guardados por destacamentos de
'orca de linba 'o;oooUooo rs.
Do mesmo Ilustre deputado qne diz : <
Com os reparos e melhoramentos da estrada
da Ilapemerim, entre a provincia do Espirito
Santo e a de Minas Geraes e eslabeleciraentus
de.presidios, que devem ser guarnecidos pe-
las forcas de linha a quantia de 2o;oooUooo
reis.
Foro apoiadas igualmente diversas emen-
das.
Tomo parte na discusso os Snrs. Moura
Magalhes, Heriques de Resende ministro
do imperio, Pontes Xisgueiro, Peixoto deA-
jlencar, eGomes de Campos, e a discusso fica
addiada pela hora.
O Snr, ministro relira-se com a mesma for-
malidade com que ontrn,
O Snr. primeiro secretario l o parecer da
j commisso de constiluico sobre o officio vin-
1 do do senado em que convida a esta cmara
I para nomear urna commisso do seo seio, &
' tm de ollerecer conjuctamente com outra no-
meada pelo mesmo senado as medidas neces-
sarias a estabelecimento da paz, e tranquili-
1 dade nos diversos pontos do imperio que se a-
cho em anarqua e que ao mesmo tempo
I preservem as prvidas anda traquillas do con-
tago que as aniega A commisso de pa-
recer quesenomee a commisso mencionada,
por entender que as cmaras legislativas se de-
i vena prestar recio recmenle a taes convites ,
e muito principalmente em circunstancias por
alguma forma extraordinorias, etc.
O parecer fica addiada por se pedir a pala-
vra.
O Snr. presidente d para ordem do da
a mesma materia e levanta a sesso depois das
duas horas da. tarde.
PERNAMBUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EX TEDENTE DO DI i 1 3.
Officio Ao Inspector da Thczouraria
da Fazenda, enviando-lhe a nota da matricu-
la do Major de i Linha Joze da Cosa fiego
Monteiro no Vonte Pi Geral dos Servido-
res do Estado a fim de que lhe mande abrir
o sou assentamcnlo e fazer os descontos na
forma eslabelecida para os mais Contribuin
tes conforme requisita o Director Secretario
do mesmo *\ onte Pi.
Dito-Ao Inspector da Thezoiiraria das Ren-
das Provinciaes communicando-lhe que a
Presidencia approvou a nomeaco que la o
Presidente da Cmara Municipal de S. Anto,
de Joaquim Joze de Mello Jnior para subs-.
M
MUTILADO



DIARIO 0E
PBB N A Bl BU C
o
tiluir ao Professor de Primeiras Letras da
Freguizi da Escada Joze Mximo de Frailas
que se acha com liceaca devendo abonar ao
nomeado os vencimenlos que por Lei lhe com-
petirem.
Dilo-Ao Director do Arsenal de Guerra ,
respondendo que pode mandar a listar na
Companhia de Artfices os dez Educandos
constantes da relaca que remetteu com o seo
officio de i a do crrante visto se offerecerem
voluntariamente para servir na referida Com-
panhia.
Dito-A Cmara Municipal de Nazaretb ,
respondendo-1 be aoseo officio de 4 do cor-
rente sobre a urgente necessidade de se edifi-
car urna caza de prizo n'aquella Comarca ;
3ue a Presidencia vai tomar este negocio na
ev ida consideraco,
Dito-A Cmara Municipal de Iguarass ,
approvando a arremata o do contracto do Di-
zimo das Miun<;;is de seo Municipio feita por
Joaquim Joze Cavalcante pela quantia de
aiJUooo rs.
Portaria-Ao Inspector Geral das Obras Pu-.
Micas para organisar e remetter com ur-
gencia a Secretaria da Provincia o orcamehto
para a obra da Caza de Priso' da Comarcare
Nazaretb segundo lhe foi ordenadoem Por-
tara de a3 de Junbo do anno passado afim
de que se possa dar andamento a referida obra,
como novamente requisita a respectiva C-
mara Municipal.
ro por Mr como informava a precisa apti-
do.
Dito-Ao Alferes Joze Flix do Reg Piau-
hyense communicando-lhe que devia seguir
para a Corte na Barca de VaporPernambu-
cana e que devia estar a bordo amanha,
ao ni po dia.
Portlria*.o Major Commandante do De-
izito, mandando dar demibSo ao recrutaj
homaz Joze d'Aquino, e rpmetlel-o depois
de lhe fornecer a competente escuza ao Praeito
da Comarca, que a respeito delle tinha acm-
prir ordens do Exm. Snr. Presidente da Pro-J
vincia.
Dita-Ao Commandante interino do 3. Ba-
talho d'Artilheria mandando de raquisieo
da Thezouraria cobrar os vencimentos de far-
damento que "se estavo a dever aoex i. Sar-
gento Francisco Ferraira de Jezus fazendo o
pagamento na forma das ordeus estabele t idas
Diversas Reparticoens.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DIA II DO CORRERTE.
Officio-Ao Exm Presidente enderessando-
lhe o requerimento do soldado invalido Jote
Francisco Monteiro que pedia se consideras-
se sem effeito a baixa que teve em 11 de Ja-
neiro de 183a ese lhe mandasse a exemplo
de outros que apontava abonar os vencimentos
que deixou de perceber durante o tempo da de-
xnicao e informando que o Supplicante co-
mo ja haviadito em officio de 19 d Abril des-
te anno nao tinha direito ao abono requeri-
do 5 por isso que nao fora injustamente dmit-
tido como os que cita va pela dissoluca dos
Corposem i83i -, mas em Janeiro de i83a
por o baver solicitado allegando infermida-
de e ter servido por mais do tempo que a Lei
nlarcava.
Dito-Ao mesmo Exm. Snr., reqisitando-
lhe a expedico de suas ordens para que fos-
se enviado para o Forte do Hu aro -um Cal-
ceta em substitui-So aoutro que obtivera sol-
tura por ter I i plisado a sua sen tenca.
Dilo-Ao Commandante Geral do Corpo de
Poticia para que mandasse recolher ao Hos-
pital Regimenlal o Corneta da Guarda Naci-
onal de-Garanhuns Antonio daTrindade Fer-
raira addido ao Corpo do seo Commando e
que ao Commandante irterino do 3. Batalho
a Artilheria fizesse remessa dos vencimentos do
dito Cometa por deverem estes durante a
sua infermidade reverter em favor do mesmo
Hospital.
Dito-Ao Commandante interino <$ 3, Bata-
lho d Artilheria, para que racebesse no Hos-
pital Regimenlal o Corneta de Guardas Naci-
onaes de Garanbuns addido ao Corpo de Po-
lica Antonio da Trindade Ferreira e que
pelo dito Commandante lhe serio enti
os vencimentos que ao referido Corneta
tencto.
Dito-Ao mesmo mandando ficar de ne-
nhum etl'eito a Portara que mandou dimillir
por engao, e igualdade de nome a Tbomaz
Joze d Aquino certo de que este soldado lhe
deviria ser entregue pelo Prefeilo da Comarca
Dilo-Ao l'refcito da Comarca para que
houvessc de mandar Soltar, e entregar ao
, Commandante interino do J Balalhb d'Ar-
tilheria o soldado Thoraaz Joze d Aquino, e
que pelo Commandante do Depozito lhe seria
entregue outro soldado do mesmo nome com
o qual teria lugar as disposices do Exm. Sr
PrPsidf-niP obre sua prUfo, e remessa pera
a Comarca do Limoeiro.
Dito-Ao mesmo, diendo-lhe que com o
expendido no officio precedente eslava dada
a providencia que pedia em seo officio desta
data acompanhado do requerimento do sol-
dado Thomaz Joze d'Aquino, que por en-
gao se acha va prezo.
Dito-Ao Commandante interino do Forte do
Huraco, disendo-lbe que pelo Arsenal de
( uerra lhe seria apresentada a cabrilha para
montar as Pecas que mencionava em seo offi-
< io de 5 docorrente defendo depois de mun-
< las retnviar a Cabrilha para o mesmo Ar-
s al.
' Dito-Ao Director do Arsenal de Guerra ,
i-andando assentar ora ja na Companhia de
i fices em qualidade de voluntario ao Pai-
zauo Francisco de Sales t omc4j de Serralhei-
en treges
per-
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
- A Pauta he a mesma do numero i83.
MEZA DO CONSULADO.
- A Pauta lie a mesma do numero 199.
O Arsenal de Guerra compra mil telhas :
quemas pertender fornecer compareca no
mesmo Arsenal as 11 horas do dia ao do cor-
rente para tratar do ajuste.
Arsenal d Guerra 18 de Setembro de
i83o.
Joze Joaquim Coelbo.
CORBEIO.
O Pataxo ero recebe a mala para o Rio de
Janeiro hoje 19 as 4 horas da tarde.
O Brigue Escuna Netheroy recebe a mala
para o Rio Grande do Norte boje 19 as 10
horas da manha,
O Brigue Portuguez S. Joo Baptista rece-
ta a mala para Lisboa boje as 5 horas da tar-
de.
PREFEITURA.
PARTE DO DIA 1? DE SETEMBRO.
lllm. e Exm. Snr.Foro prezos hontem
minha ordem ,' e livero hoje destino : Ma-
noel Joaquim e Geraldo Pereira de Moraes,
pretos pela i. patrulha do districto da Ma-
dre de Dos este por ter espancado a um su-
geito e aquelle por tr dado urna facada em
urna preta ; Jernimo Agostinbo de Menezes ,
ser que maior ruina a prezenta.
O Snr. Presidente apresentou hum officio
do Secretario do Colegio Elehoral de Cabro-
b6 remetiendo as atbenticas pertencentes
Elei lo do Senador e dos Membros para
Assemblea Legislativa Provincial; a vista do
qual resolveo Cmara qu s nao fizesse
ipuracao destas autkenticas ; por isso que a
Eleico nao tinha sido feita no dia marcado
pelo Exm. Presidente da Provincia mas sim
vinte nove dias depois e que isso mesmo se-
declarasse na Acta da apura O geral dos vo-
tos para Membros da Assemblea Legislativa
Provincial e que quando se remettesse lis-
ta trplice, e a certido authentica da Eleico
de bum Senador ao Governo Geral, junta-
mente se remettesse copia da authentica de
Cabrob pertencente a respectiva Eleico ;
e que o mesmo se fizesse com a authentica per-
tencente a elei.o dos Deputados Provinciaes,
3uando se ouvesse de remetter copia da Acta
essa Eleico ao Exm. Presidente da Provin-
eia, tendo votado contra o Snr. Vereador
Claves.
Concloio-se com apuraco dos votos para
a Eleico dos Membros Assemblea Legislati-
va Provincial ; e deliberan Cmara que se
remettesse respectiva copia ao Exm. Presi-
dente da Provincia para ser presente Assem-
blea Provincial.
Despacbaro-se alguns requerimentos, e
por ser dada a hora levantou-se Sesso ;
e mandaro fazer a presente em que assigna-
ro. E eu Fulgencio Infante (fcAlbuquer-
?ue e Mello Secretario escrevi. Silva ,
ro-Presidente. Barros Chaves Mamede,
e Souza. Est conforme.
Fulgencio Infurte de Albuquerque e Mello.
Secretario.
EDITAL.
A Cmara Municipal desta Cidade do Re-
cife.
Faz saber que se nao tendo arrematado to-
dos os bens de seo Patrimonio continua ar-
rematadlo dos mesmos nos dias 19 ao e
3 do correte.
Salla da Cmara Municipal da Cidade do
Recife 18 de Setembro de 1839.
Joze de Barros Falco de Lacerda.'
Pro-Presidente.
Fulgencio Infante d Albuquerque e Mello*
Secretario.
O Administrador da Meza das Rendas Ge-
raes Internas tendo marcado o prazo de i5
dias a todos os devedores do Imposto da Taxa
dos Escravos relativo aos annos anteriores ,
cujos livros lhe fora entregues pela Thezou-
raria Geral, e vendo que o mesmo prazo est
tambem prcto e Joze Joaquim Acciole e j quaze findo sem que tenho comparecido pa-
Joaquim pardos este escravo de Antonio
Paes barreto pelo Sub-Prefeito de S. An-
tonio 01., e ultimo para urna averiguaco,
e o 2. por
ra saptisfazerem os seos dbitos lembra aos
mesmos que quanto antes o satisfaco, pois
que findo o mesmo prazo far proceder exe-
ler insultado a um cidado ; Joa- cutivamente contra todos conforme a Lei ,
quim, preto escravo de Bento Joze da Costa, que nao admitte contempla o alguma.
pela 1. patrulha do districto de S. Joze, por Rcbedoria das Rendas Geraes nter
pela 1. pat
ser encontrado dentro de urna caza alheia 3e-
baixo de urna cama e Antonio Pedro da
Cruz tambem preto pelo Sub-Prefeito da
Cidade d Olinda por ter espancado e ferido a
Francisco de Luna.
E' o que consta das partes hoje recebidas
nesta Secretaria.
da 18.
Illm. e Exm. Snr.Uas partes que hoje
recebi consta somente que foro presos hon-
tem a minha ordem pelo Sub-Prefeito de S.
Antonio Carlota e Victorina pretas es-
cravas esta de Joze da Fonceca e Silva e a
quella de Maria Barbara dos Santo por in-
sullirem urna familia cujas prezas tivero
o competente destino.
cmara municipal da cidade do
recifi:.
SESSAO de ao JUHHO de i83g.
Presiuenciii uo Snr. wUVSU
Comparecero os Senbores Barros, Cha-
ves Mamede e Souza ; faltando com cauza
o mais Snrs.
A berta Sesso e lida a Acta da ante-
cedente foi approvada.
O Secretario dando conta do Expediente
menctonou o seguinte officio do Inspector da
Thezouraria desta Provincia pedino que
esta Cmara se sirva dar todas as providencias
para que seja reparadas as ruinas dos Edifi-
cios que se acha na extremidade da caza em
que est Meza do Consulado : Cmara de-
liberou que tomando em concideracaS todas
as raprezeotaces que tem havido respeito
das cazas que amiasso ruina, tem dado as
providencias e mui principalmente sobre
que perience Ajdwinistraco dos Orfos, por
Internas
de Setembro de 1839.
Antonio rerreir Duarte Velozo.
4
Perante a Administradlo dos Estabeleci-
mentos de Caridade se hade arrematar a quem
mais der as rendas da caza que outr'ora foi
oceupada pelos expostos: as pessoas que as
quizerem arrematar poder comparecer no
Grande Hospital desta Cidade no dia ao do
corrente mez as 4 horas da tarde com seus fia-
dores.
Salla das Sesses d'Administraco dos Esta-
belecimentos de Caridade it de Setembro de
83g. J. M. da Cruz.
Escripturario.
Perante a Administraco do Patrimonio dos
Orfos se hade arrematar a quem mais der as
rendas do sitio do Rozario as pessoas q'asqui-
zerem arrematar poder comparecer na caza
das Sesses da mesma Administraco nos dias
18 e a5 docorrente mezas 4 horas da tar-
de com seos fiadores.
Salla das Sessoens da Administraco do Pa-
trimonio dos Orfos 14 de Setembro de 1839.
J. M. da Cruz.
Escripturario.
O Convite do Senado Cmara dos Deputados.
Sabem nossos leitores que chegadas a esta
corte as noticias de Santa Catbarina, e do Ma-
ranho bem fundado terror se apoderan dos
espiraos e que no senado o Sr. Lopes
Gama echo dos pblicos sentimentos da o-
pinio dos sinceros amigos do Brazil, e da
monarqua, que em sua dr esperavo do
corpo legislativo remedio s desgracas da pa-
tria propoz a nomeaco d'uma commissao
que de acord com dois dos ministros do estado
indicasse os nleios de salvar as provincias a-
naiquisadas e de preservar as outras do cori-
tagio ; sabem igualmente que o senado, obe-
decendo ao espirito de conservaco da qual
representante no Brasil, approvou a nomea-
co da*commisso que a nomeou e que de-
pois requerimento da mesina commissao votou
que se convidasse a cmara dos deputados para"
nomear membros de seo seio que com a cora
misso do senado conferenciassem e assiin ,
reunidas as opinies dominantes em ambas as
cmaras na presenca da crise que nos flagella ,
decedissem quaes as medidas mais urgentes
que as circunstancias reclamo imperiosamen-
te. Este procedimento mediato, e reflectido
do senado foi acolhido cora applauso por todos
os partidos que virio n'elleo desvello que a
essa corporaco merecio os negocios bublicos ;
e a assisteneia do ministerio e da cmara dos
deputados se tornava tanto mais necessaria,
3uanto mais rpida devia ser a votaco de me
idas que salvassem o paiz por seremoje
sultado da combinaco das luzes e experien-
cia da administraco tanto das cmaras come
do ministerio.
E quera acreditara quando, com tanta pru-
dencia discernimento e patriotismo o sena-
do se preparava para urna discusso luminosa
e conscienciosa de medidas da mais alta impor-
tancia quem acreditara tucemos, que o"
convite do senado cmara dos deputados ,
tendo a seo favor o voto da commissao de cons-
tituico encontrasse opposico em alguns
membros da cmara temporaria que viro no
procedimento do senado um passo violador da
constituico e por consequencia revolucio-
nario ? O senado brasileiro revolucionario!....
o senado onde por tantas vezes tem encontrado
asylo a constituico do imperio contra o furor
dos revolucionarios faria hojecom-elles cauza
commum renegara de--seo patriotismo fal-
seara sua posico, e ira apunhalar tambem
a constituico o palladio que defende e sus-
tenta sua propria existencia .... O senado
brasileiro Hoje temosa verificar o d'aquel-
ias palavras ut vidents non vidu ant et in-
telligentes non intelligant os que tem olhos
nao vem os que tem intelligencia nao en
tendem Em tem pos de desordem as palavras
mudo de significaco e viola a constituico
quem a sustenta e deHende !
E n'esta quadra perigosa e lerriTp"., quan-
do o punhai da anarquia vae certeiro ferir o
coraco do homem pacifico e industrioso,
quando a adaga de Catilina lampeja sobre nos-
sas canecas no meio das trovas da irreligio e
i 111 moral de quando a authoridade (fesco-
nhecida e despresada por sua fraqueza ^*
n'esta quadra que vemos os dois ramos do po-
der legislativo dissordes. e infcnsos separa
rem-se no campo para voltarem suas armas um
contra outro ? in qua urbe vivimus ? quam
rempublicam babemus ?
Mal haja essa idea que se apoderou de al-
guns representantes da naco, vendo a nao do
estado navegar sino em mar de rosas, ao
menos em agoas limpas e desimpedidas de
Syrtes e Canbdis E' d'ai que vem essas pa-
lavras descompostas esses sarcasmos virulen-
tos esses gracejos improprios do lugar e do
tempo. '
Come se pode ver na commissao nomeada
pelo senado um arremedo do committ de sa-
fut publique da Franca revolucionaria ? 5e
ro os senadores marquez de Paranago,
Lopes Gama e Ca6siano a segunda parte
dos revolucionarios que em Franca compu-
nho aquelle committ ? era que actos de sua
vida" mostraro-se elles desabridos sangui-
sedentes progenitores d'esses instrumentos de
sangue que juncaro a Franca de cadveres ?
Foro eles esquecido qne 9 sangue derrama-
do nos cadafalsos por motivos politicos fe-
cundo em vingancas ? Nao esses deputa-
dos que com tanta eloquencia com tanta pom-
pa de discursos lancaro to negro labo sobre
os membros do senado viro urna idea de
terror onde nao existia, e com sua palavra
poderosa conseguiro que a cmara dos de-
putados regeitasse o convilte da outra cmara
a despeito da urbanidade que o aconselha-
va a despeito dos precedentes que o justifi-
cavo a despeito da poltica que o exiga ,
para que os dois primeiros corpos dos pode-
re politicos do estado se mostrassem unido
e concordes.
Foi regeitado o parecerda commiso de cons-
tituico e o senado temos n isso confianca
nao deixar de prover nos, negocios pblicos ,
nem to pouco parar na carreira que encetou.
Fa> a cada qual seo dever que isso lhe ser
levado em conta quando a na o tiver de pro-
nunciar eojuizo difinitivo sobre seos repre-
sentantes. A votaco da cmara quatrienal
causar seni duvida no paiz justos receios e o>
horror da crise se augmentar nos espirites nc*
sivados de anarquia que em tal deeisao vero-
S

t


DIARIO
BE
PRRNAMBUCO
sem dunda o desacord entre a cmara dos
senadores e a deputads, e, cmo coasequen-
cia irremediavel a demora das medidas ne-
oessarias para-de urna tez suflbcar as desor-
dens.
Mais urna Kcao foi dada ao ministerio nes'sa
"votacio a cmara dos deputads reconlieceo
enj^ua decisao que era imcumbencia sua for-
talecer urna administradlo que nao pedia for-
ca, eque, pela poslco que, tomou na actu-
Iidade o. nao acrediu nos desastres e re-
m
&
veses que sofre a causa do imperio e no peri-
co que a ameaca ou quer evitar a responsabi-
iidade propria e cobrir-se com a alheia. Se-
ja o ministerio franco e leal, outra vez o dise-
nos exponha todo seo pensamento ao paiz ,
tenha por primeiro principio de seo procedi-
mento que no Brasil ou em qualquer parte
dp mundo qnandoasdesordens ganho forca
amea o as institu oes o ofBcio de minis-
tro nao se resume em assignar portarias dar
e ira bailes, receber continencias; e perce-
ber o ordenado. Medite o gabinete de 18 de
abril no estado de nossas coisas e resolva se
por ventura o paiz pode assim continuar mar-
cba serena e regular.
( Do Diario do Rio de Janeiro.)
SEMPROSIO SkVDk A PAPIRIO.
Como vos conheco justo nao temo, que
attribuaes m parte demora que hei tido
em responder as vossas para mim sem pie es-
timaveis letras, principalmente tendo ellas
por objecto a felicidade da patria, que idola-
tramos. Justos fora os motivos, que me sus-
pendern a pena at hoje: quando o nosso
physico est desarrnjado que ordem pode-:
rao ter as nossas ideas ? Hoje porem queja me
acho restabelecido da repetidlo daquella mi-
nha antigamolesia, vou dar, por meio da
escripta algum desabafo a o coraco.
Vos me ordenaes que en trabalhe junta-
mente comvoseo para a felicidade gera deste
Imperio. Mas que valem palavras contra a
corrupeo do seculo ? Quando qualquer mem-
bro est gangrenado, s a separaeao da parte,
atacada deste mal, pode dar a vida a todo o
corp ; por tanto a separaeao dos membros ci-
vilmente gangrenados s quenf pode assegu-
rar-nos a nossa existencia poltica. .Talvez se
pense que os meus desejos se exaltao a que-
rer que urna espada cortante movida pela
vigorosa mo d'um despota faca separar den-
tre nos esses membros podres da repblica ;
mas vos que me conheceis, estou certo ,
que fareis de mim um juizo mu dilerente.
Eu quero fazer-vos ver que nao sao as pala-
bras ainda as mais eloquen tes nao sao os
raciocinios ainda os mais bem fundados, as
armas proprias para debellar as paixes, quan-
do chega a o ponto de exaltacao que se
acha as d'alguns Brazileiros, inimigos da
verdadeira felicidade e das liberdades de seu
iaiz. So a experiencia, e esta adquirida pe-
o preco d"muitas desgracas de muito san-
gue e de inumeraveis mortes quem pode
cortar-nos este mal, que nos vae devorando a
nossa existencia poltica. E' depois de mu tos
erros que chegamos a encontrar a verdade.
A crise actual arriscada ; mas nao com dic-
tadores qjbe poderemos vencel-a. E'. para
lamentar, que do sagrado recinto da verdade,
eda justica rebentem as vezes propozices,
que admii-a!
Que cousa> era um dictador ? Era um
magistrado Romano creado pelo senado ou
pelo novo, nos lempos dilficeis para com-
mandar soberanamente e dar as providen-
cias para que a repblica nao soflresse detri-
F.sta
denominado dslfizes, tnm homem porque
levava diante de si vinte quatro lictores, j
nao digo armados de um feixe de viras e urna
machadinha mas de granadeiras e bacamar-
tes ? Os tempos muda5, e nos com elles nos
mudamos tambem. Um dictador, que qui-
zesse ser entre nos obedecido deveria ter a seu
lado forca immensa, que o fizesse respeitar ,
pois o Brasil est convencido de que esta auc-
toridade e mui vizinha da tyrannia ; e se elle
a dzoito annos lata pela liberdade, como de-
pois de tantos trabamos quereria de bom grado
sujeitar-se a ver abolidas as suas leis, seu
thesoufo publico a disposicao d'um s homem,
os seos bens a disposicao d'um despota e de
seus satcltites os poderes concentrados em u-
ma s vontade e por fim anniquiiada a li-
berdade ? Os Romanos virtuosos tiverao co-
mo j disse os Cincinnatos os Fabios, s
Gamillos os Rutilios e outros; os Roma-
nos immoraes tiverao os Marios, os Syllas, os
Pmpeos, os Cezares; Augusto ja se nao
contentou como seu antecessor com o titulo
de dictador tomou o de Imperador, e d'ahi
seguira-se Tiberio Caio Claudio, ero,
omiciano e outros, que, com suas cruel-
dades nos dera e a todo o mundo urna lico
mestra de que o povo deve ser moderado nos
seus desejos. Se lancarmos as vistas ao redor
de nos, acabar-nos-hemos de convencer da
bondade d'um dictador.
O remedio para os nossos males nao est as
formulas, est na realidade, nao est nos t-
tulos mas na cousa : nos temos querido fazer
guerra a lyrannia, e s a temos feto a-os ty-
rannos (se que entre nos appareceo alguem
que merecesseeste titulo). Logo que mudar-
mos de costumes no instante em que dispir-
mos a nossa alma da srdida ambicio no mo-
mento em que nos revestirmos do carcter pro-
prio d'um povo verdaderamente livre, acha-
remos na Constituidlo os remedios para os
grandes males que nos affligem. Mas como
esta mudanca se nao pode executar por um
milagre, necessario que passemos por dif-
ferentes turnos, e deste modo depois de mui-
tas e grandes tempestades depois de arrisca-
dissimos perigos, chegaremos ao termo da THEATRO DO RECIFE.
nossa derrota, tanto mais porque a maior Hoje desenove do corrente, em beneficio da
parte da nossa populaco n5o estava disposta Actriz Luiza Fidanza se representar a muito
paraisto, aplaudida Pe^a D. Aflonso Henrique
Soframos por um pouco ; confiemos na bon- Rei de Portugal. A Actriz Maria Joaquina
dade de nossas instituisoes ; nao ambicione- da Silva, e Actor Pedro Boptista de Santa Ro-
mos o governo y n3o invejemos a os que s-: za executar um muito aplaudido Duelo dos -
bem; nao avancemos mais do que nos per- Pombinhos rematando o divertimenlo o mui
mitte a hossa civilisacao ; fagamos mesmo al- jocoso Entremez A Creada rhetoriea.-
guns sacrificios pela patria isto por nossa
propria conveniencia ; e entao nao necessita-
remos de dictadores. Se os F.leitores rom-
perem as chapas que se Ihes envia, e procu-
raren! os nomes dos candidatos na urna de sen '
Provincilis 36 com inhabilidade perpetua
para todos os officios da Ordem fa respeito do
queettj represente! ao Exm. Sr. Nuncio A-
postolico para o habilitar, a fim d'elle convo-
car Cap ) sem vir esta habilitadlo nao pode fa-
zer tracto algum por este nlotivo com bens per-
tencentes ao Convento de que eu sou Prior,
e como tal a nica .pessoa legitima.
Srs. Redactores para o bom andamento do
Engenho que a tres annos tem estado sobre
pessimas Administragoes cheguei a vender
hum nico predio meu a fim de por no referi-
do Engenho huma estilacao, a qual existe ,
alem de huma caza de bagado, estufa, ola-
ria, estribara e mais obras, qu fiz, a fim
de dar valor ao Predio.
Occorre mais que fiz agora a obra de toda
a cubera da minha Igreja por estar amea-
gando huma ruina total no Templo em cujo
concert gastou-se perto de hum cont de res,
o que assim nao aconteceria se viesse abaxo,
porque ento nem com ao:oooUooo poderla
pr-se a obra no seu antigo estado, atienta a
caresta dos materiaes e ofhciaes.
Tenbo respondido Srs Redactores com
a decencia que convem minha pessoa e
dignidadede hum Religioso; esenthei, se
no que tenho expendido feri a confratemida-
de que deve ligar a Sacerdotes velhos e u-
nidos entre si por tantos vnculos de Religio ,
e Caridade.
De proposito me nao quero entranhar em
polmicas desairosas cujo resultado nao pode
ser seno hum verdadeiro escndalo ; e que-
ro ainda fazer mais este sacrificio a minha Or-
dem lo destruida nao dando da minha
parte a menor causa para a sua total ruina e
extineco.
Dos Iancar sobre o seo antigo Carmello a-
quella chuva suave que Elias pode obter pa-
ra a conservaco de Sa maria.
Eu sou Srs. Redactores ,
Seu assignante e obrigadissimo Cr.
Fr. Thomaz de Santa Varianna de Jezys
Magalhaes, Prior do Carmo do Recife.
Avisos Diversos.
SIT-
U liario dcde'oilo do
A pessoa que
proprio coracao ; se os Deputads fizerem leis, corrente aiinunciou querer comprar um violao
accommodadas s nossas circunstancias ; seos de boas vozes preferindo de cor preta diri
seus partidos tiverem por fim a illucidago .da ja-seao pateo da Santa Cruz sobrado que faz
verdade e nao as personalidades ; se as ca- quina do pateo da Santa < ruz para a ra do
maras prezidirem a verdade a' razao e a Rozario das i horas da tarde em diante
justica e nao a intriga ,.e o odio nao ne- I SS7" < ompra-se urna marqueza de condur
cessitaremos de dictadores ; mas se for pe- que esj3 em ')0m us0 na camboa do Carmo D 9
lo contrario nao nos caneemos com eleger SST" O Snr. que no dia 6 do corrente com-
dictador ; o que tiver a seu lado a forca se- Pro uma porcao de barricas vasias na padaria
r tudo quanto quizer. Assim o pensa o vos- de Joao Lopes de Lima na ra do Peixoto
so collega. Val^
Correspondencia
ment algum. Esta auctoridade que ao
principio de sua creaco foi a felicidade da
repblica veio depois a ser a sua total ruina;
foi pelas dictaduras que Roma se curvou
a o despotismo dos Syllas e dos Cezares. E'
verdade, que vos me podis oppor as virtudes
d'um Camio cidado inccmparavcl res-
taurador de sua patria o segundo fundador
de Roma ; d'um Fabio Mximo dotado de
.grandeza d'alma de gravidade de costumes ;
mas onde esto os ( amillos e os Fahios ?
Meu caro Papirio hoje ser mais fcil en-
contrar os Syllas eos Cezares, que os Fabios,
e es Gamillos'! Qual seria este Cincinato,
tjue achando-se revestido do supremo poder,
oliedecido da tropa temido do povo, deixaria
a cklade pelo campo o titulo de Dictador
pelo de agricultor e a espada pela charra ?
Talvez apparecesse algum mas eu acho mais
prudente nao fa/ermos esta experiencia.
Porem concedamos por instantes, que fape-
zar de serem mui diferentes os costumes da-
quelles povos e de nos ter a experiencia mos-
trado o contrario) que se achava nao um ,
mas muitos dictadores, pegunto eu : Quaes
es Brazileiros, ^ue lemenay, nesle seculo
Senhores Redactores.
das 5 ponas queira at o dia ai ir busca-las
ou alias achara os ?o,oooque deo de signal, e
nao barricas, visto ter faltado com oque tratou.
C7" Roga-se ao Illm. Sr. Agostinbo Be/er-
ra Sub-Prfeito da Freguezia de Muribeca ,
3ue ponba suas vistas policiaes sobre os la-
res de cavallos das Curcuranas e seus ar-
Respondendo ao annuncio inserifo no Dia- rebaldes os quaes tendo-se j esquecido do
rio de 14 do corrente do Rm. Provincial do sempre asss lembrado assalto, que Ibes deo
Carmo, e mais Religiosos, que compoem a S. S. logo que tomou conla da Sub-Prefeitu-
Comunidade deste Convento direi : que tendo ra que to" dignamente tem oceupado j
eu sido Prior a sete annos nunca estes mes v"o deitando as manguinhas de fra. e fur-
mos I adres tiverao que dizer do meu Gover- tando de vez em quando o seu cavallinbo mui
no ao qual apenas ascendi, revendiquei a surrateiramente. Illm. Snr. Sub-Prefcito o
Portara Corredores Coro, e ante Coro do Sul e o Norte precisad de gente e os desla
mesmo Convento pagando igualmente divi- classe nenhumas saudades nos deixa ; antes
das, coniruliidas pelos meus Antecessores, pelo contrario, en estou persuadido, que
bem como Antonio Marques da Costa Soares, com a evoporaco de meia du/ia desses malan-
e parte do que se devia a minha Ordem Ter- drinos ficar tranquillos os habitantes pacifi-
ceira e desejoso de pagar ao mesmo tempo eos e laboriosos daquelles lugares,
qualrocentos e tantos mil reis que o Conven- t^ Carlos Van Nes Professor da Lingoa
to da Piedade devia a caza do falccido Rento ingleza no Lycep dttla Cidade tem a honra
Jos da Costa tive eonselho de A-arios sugei- de noticiar aaresMRvel Publico, que pode
tos, que hoje fazem parle desta mesmaCo- admillir no seu esludo particular ateo 1111-
munidade, para por em praca huma caza de mero de quatro Srs. que se queira dedicar
sobrado do Ptrimonio daquelle mesmo Con- a aprender as lingoas Franceza Ingleza, ou
vento e o resto que montou a mais de tres a Hespanhola tanto a 1er e traduzir como
contos de reis foi para se repartir entre elles. escrever e follar des d as tres horas da tar-
Agora tenho Irabalhado como constante de at s nove da noite na sua residencia ra
Cara alean ar, oque alcancei duas Leis, de S. Francisco junto casa uova do Sr. Dr.
uma para acceitaco de.oNovigos, e outra Teixeira, como igoalmcnte em suas proprias
para a reintegradlo do meo Convento e -nao ca/as as seis horas c sette da manha. Os Srs
seria jamis,capas de fazer negocio algum em Estrangeiros que deseja aprender a lingoa
detrimento da minha Ordem. Nacional, pouemdirigir-se igualmente a ca-
Alem disto como o Rm. Provincial est pelas za do cima mencionado,
nossas ConslituicOes Cap. 18 Te Officio Priors ur O Secretario da Sociedade Pastoril
em nome da Commissao administrativa avi
za aos Socios da mesma para se reunirem na
caza de suas Sesses sabldo ai do corrente
pelas f> i/a horas da tarde para sesso ex-
traordinaria.
XS- Precisa-se de um creado hbil, e pre-
fere-se creado eoupeiro, e que d conheci-
mento de sua conducta : quem esliver nestas
circunstancias dirija-se a caza de pasto da ra
dos Quarteis D oito a traUr com o dono".
**" Os Srs. Joaquim Mauricio Wanderley.
e Joo Cavalcanti d Albuquerque e Mello tem
cartas na ra doVigario, caza n. oito, vin-
das de Liverpool, onde as podem receber ,
pois se lhe nao tem mandado entregar por se
ignorar suas moradias.
Cr" Na ra do Cotoveltb casa D. vj, ha
quem se proponha a tomar algumas criancas
j desmarntdas para se acabarem de crear conx
toAo o mim.) e amcr; e tambem se recebem as
que tiverem ama pata se crearem com leite
Na mesma ca7a lava-se, e engoma-se toda a
qualidade de roupa de homem e de Senhora; .
tambem se coze toda e qualquer costura, bor-
dados labarintos e marca-se.
ssy Quem pertenderum sitio para passar a
festa,( com bpa caza de pedra ecal envidraca-
da beira da estrada periodo hanho dis-
tante uma legoa desta praca, com boas arvores
de fruclo e muitas flores ; estribara segura ,
e o mais que se mostrar ; dirija-se a ra de
Santa Rita nova caza terrea D. 18 lado do
nascente que achara com quem tratar ; ad-
verte-se que s entregar a chave al nns de
Outubro o mais tardar deven4o desfructal-o
at fins de Abril do anno prximo vindouro.
C3* Precisa-se de um menino para>caixei
ro de uma venda ainda mesmo que nao tenha
pratica : no Mondego venda D. 06.
C?* Offerece-se um rapaz brasileiro para
ca.ixeiro de ra arraazem ou despacho da.Al-
fondega do que tem alguma pratica e d
conhecimento de sua conducta ; quem precisar
annuncie.
ts?" Aluga-se um sitio perto da Praca ,
sendo na Passagem Menguinho estrada dos
All icios, ou na Soledade, ou mesmo um so-
brado de um andar com quintal e cacimba ,
ou uma caza terrea nos lugares cima indica-
dos ; a fallar na ra Direita em caza de Ma-
noel Buarquede !Vacedo, ou annuncie.
IS" Qualquer Snr. Muzico que queira ir
para um engenho distante i/f legoas desta Pra-
ca para ensinar meninos, dirija-se a ra
Direita a caza de Manoel Buarque de Macedo,
a tratar do ajuste.
ssr No dia tf do corrente furtara de uma
preta dois aneloes, sendo um largo com um
diamante e outro estreito eduas voltas de
cordo com uma medalha : roga-se a quem de
taes pecas souber ou lhe forem ofierecidas
para comprar de as tomar e levar a ra do
Rozario da Boavista lado direito iodo para a
Igreja sobradinho de um andar que ser
Lcm recompensado.
ET Precisa-se de dez escravos para o ser-
vico do campo : quem os tiver dirija-se a ra
do Rangcl caza da residencia de J. de C. Vaes
d'Andrade, que chara rom quem tratar; e
adverte-se mais que se dar o sustento aos
mesmos.
tsy Na ra da Cadeia do Recife venda da
Viuva Ferreira Bailar tem para vender huma
porco de hixas Hamburguezas, muto sup-
periores a v^o reis quanlidade a que o com-
prador quizer, este deminuto preco Tara' a
quem tiver de comprar tmida de serem ou nao
boas porem com quem se tractar tal negocio
dir-se-ha o motivo Be to commodo preco, e
se mostrar a belissima qualidade.
17' O ahaixo assigmdo declara ser falso o
annuncio da venda de hum aparelho rico de
prala contendo seis pecas, e por prepo com-
modo ; assim como ignora o motno do falso
annuncianle em declarar a casa do abaixo as-
sighado refinacao e numero ; e como se
melhantc annuncio seja concebido com algu-
ma dolosa iencao ou maivadeza por isso. o a-
baixo assignado faza presente deciaraco -Jo^o
Manoel Pinlo Chaves.
C5* Precisa-se de um menino de dez ou do-
ze annos, para caixeiro de venda : quem se a-
char as circunstancias v Fora de Portas la-
do do Pilar terceira venda
- Na Camboa do Carmo D 8, ha para
vender urna banca redonda de meio de Sala.
C? Quem quiser allugar uma casa terrea
nos quatro cantos da Boa-vjsla, junto onde
mora o Snr. Visconde deGoianna cuja casa
pertcnce ao Snr. Francisco Manoel da Silva
Tavares-, dirija-se a ra da Couceico casa
n. i.'g. "
C? Precisa-se saber quem he o procurador
do hospital de Angolla para se lhe pagai uns
foros de urnas casas que sio foreirasao dilo
Hospital anuncie ou dirija-se a ra da Ma-
dre de I'eos primeira loja de ferrageo.
m


DIARIO DE PERMMBUCO
*
tSf" Noamanhecer do dia i4 do corrente
desapareceo do sitio cambumbe trras do enge-
nhocordeiroum cavallo rudado claro ceg
de ambos os olhos cono cauda cortada; quem
delle souber partecipe ao dito sitio ou na
ra do Queimado D. 19.
tjy Precisa-se de 100 000 a juros de dois
corenlo ao mez da-se boa firma aun ini-
cie.
SS" A quem lhe faltar um escravo, que
nao se entende o que falla, dirija-se a ra do
Crespo D. 5 loja do Cunha que dando os
signaes certos lhe ser entregue, pagando a
despeza que fez vir s mos.
VSf Furtaro do sercado do engenho Cor-
deiro duas beslas com os signaes seguinles,
urna no primeiro do corrente, ruca escura,
grande e muito nova cortada nos peilo do
Eeitoral e no quarto trazeiro relado do cam-
ito de quando trabalha, a outra alazo, fren-
te aberta bem gorda e prxima a parir esta
ultima no da 14 do corrente, com clinase
cabo comprido ; quem as entregar no mesmo
engenbo ser gratificado, e promette-se nao
fazer indagaco alguma a quem as levar.
SSF- O Thesoureiro da Lotera da Boa vis-
ta adverte que indo no dia 15 do corrente
fazer entrega do resto dos bilhetes a os vende-
dores dos ditos. exlraviou-se um meio bilhe-
teden. doismile tresentosdo livro n. ai ; e
pelo presente annuncio faz publico a fim de
pessoa alguma fazer negocio com o dito bilhete.
tST Aluga-seo primeiro andar das casas
da ra da Cruz n. a5 ; a tratar na mesma.
CJ" Aluga-e urna canoa aberta que carre-
ga i5ootijolos dealvenaria, emuita segura
de proa-, a tratar na ra atraz dos Martirios
casa de portas pintadas de verde.
t" Precisa-se de 1:70o # 000 a premio por
lempo de oito mezes com hypotheca em dois
tercos de urna casa sita no Bairro de S. Anto-
nio cuja casa se aluga a pessoa que der a
mencionada quantia a premio ; quem quiser
dar annuncie.
tSf Quem quiser alugar urna boa casa ter-
rea grande e com diversos ai voredos, ao p
da ponte de otocolomb dirija-se a mesma
onde mora D. Thereza Maria de Jezus.
tr Precisa-se de um caixeiro para venda
de idade de 14 a 16 annos que tenha pratica
desle negocio; defronte da ribeira da Boa vista
D. 8.
3^ Quem quiser dar a 000,000 a premio
dand-se hypotheca em um graude sitio perto
da pra a annuncie.
CJ- Prccisa-se de um oficial de carpina
para se encarregarde urna obra; na ra da Au-
rora em casa do Sr. Luiz Jos da Silva Gui-
arles.
i^ Os Srs. Antonio Paz de S Barreto ;
Antonio I'ereira de Aguiar e Bernardo Jos
Ferreira queiro annunciar suas moradas ,
para se tratar negocio de interesse.
Londresem iodo corrente pelo navio Chase ,
sexta feira 2o do corrente pelas 10 horas da
manh defronte da escadinhada alfandega.
Compras______
C7" Urna preta que seja boa engommadeira,
costureira e que nao tenha vicios, nem acha-
ques ; na ra larga do Rozario D. 7.
tsy Urna carroca uzada, que esteja em
bom estado*, e que sirva para dois boys; quem
tiver annuncie.
X3~ Um moinho de rellar milho prompto
com todos os utencilios, ou com falta de alguns;
nesta Typografia.
Vendas
com inglezas por preco com-1 ro e um corrame de lustro com a competen-
I te escovinha, tudo dourado e em bom uzo,
por metat'e de seu valor ; na ra da cadeia ve-
ha D. 34.
XST Compendios resumidos de Geografa
reeentemente impressos nesta Cidade uteis
quem quizer adquirir conhecimentos dste es-
tudoem breve tempo, pelo mdico preco de
5oo reis cada compendio : no atterro da Boa-
vista D. 16, erua do Collegio botica Deci-
ma 5.
XSS" Ums flauta de bano com 4 chaves de
prata nova e de muito boas vozes ; na ra
do cabug ao entrar lado direito passando a
loja de fazendas da quina outra d miudezas
de duas portas.
Avisos Martimos.
FRETA-SE para qualquer porto do Im-
perio, ou eslrangeiro, o Brigue Bfasileiro J-
piter de ?o8 toneladas a fallar com o Capi-
to Jos Xavier Vianna, ou na ruado Vigario' o servico ; na ruado Queimado sobrado de
n, ~t um andar defronte da praca da Independen-
PARA o ARACATY o patacho Mara
Luiza Mestre Ignacio Marques, muito vc-
XST Um jogo de bancas redondas de ma-
deira angico por preco commodo; na ra das
Flores casa D. b. ,
Cf Urna negra creoula de idade de 16 an-
nos ,. de bonita figura prenha sendo esta
a circunstancia da venda para forada provin-
cia cose ensaboa engomma coznha e
faz todo o mais servigo de urna casa ; na pra-
cinhado Livramento armazem de louca de
Jos Domingos da Cosa.
iS/" Um moleque de i3 a i4 annos, de an-
gola e de bonita figura ; nJ ra do Queima-
do loja D. 7.
cj* Urna creoula de idade de 16 annos ,
com principios de engommado e costura ; na
ra do muro da penlia D. 17.
C7" Dois negros de idade de 3o annos, urna
negra de 4o annos e outra dita de 18 a di-
nheiro ou apraso com boa firma ; na ra do
Collegio n. 9 no terceiro andar.
xzr Presuntos ingtezes ; no armazem de
Antonio Annes no caes da alfandega,
C? Urna escrava moca coznha o diario
de urna casa engomma liso cose cha, ven-
de na ra prefere-se para o mato ou ser-
tao por 45o 000 ; na ra novada trempe ca-
sa da quina que tcm soto junto ao sobrado
que se est fazendo.
ssy Um preto de idade de 18 anuos, de
bonita figura com principios de canoeiro e
urna cabra Jucho com muilo bom leite muito
mansa, e ptima para criar, e urna canoa de
carreira ; na ra por detraz dos Martirios casa
de 3 rotulas verdes.
lF Urna canoa que carrega seis caixas ,
embonada e prompa de faleixa vella e
mcame ; na ra do Collegio botica D. 3 de
Cipriano Luiz da Paz.
SSr" Ou troca-se por alguma casa nesta
praca duas moradas de casas terreas de tai
pa na povoaco de Bebiribe coir dois terre-
nos ao p para outras duas moradas com too
palmos de fundo quintal todo plantado em
chaos proprios ; na ra de S. Rita I). 1 na
mesma casa precisa-se alugar dois pretos para
trabalharem em um sitio perto da praca.
CJ* Wappasdas forlificacoens elinhasdo
Porto reeentemente chegados; na ra do Quei-
mado loja D. 1 <.
C?" Um escravo creoulo de idade de 18
annos ofhcial de alfaiate e hbil para todo
ou
leiro # forrado de cobre ,
quizer carregar dirija-se ao dito Mestre
ao proprietario Antonio Joaquim de Souza Ri-
beiro.
PARA A BAHA com escala por Macci ,
o velleiro patacho Dois Amigos, forrado e
pregado de cobre sahir com a maior brevi-
tlade possivel por ter seu carregamento qua-
si prompto; quem quiser carregar ou ir de
passagem dirija-se a Vlanoel Joaquim Pedro
da Costa na ra da cadeia n. 1.
_______________
JLe i 1 ao
cia D. ().
52^* Urna excellente casa terrea acabada de
quem no mesmo edificar a moderna sita na ra de Agoas ver-
des l). u5 ; e um cavallo de estribara de bo-
nita figura bom crregador e passeiro ; na
ra dos Quarteis D 5.
SZf L ma negra de naco Baca cozinha o
diario de urna casa lava de sabo, e varrela
vendedeira de hoceila e de toda qualidade
de venda. sadia e muito deligente estan-
do .de ganhod um cruzado por dia ; na ra
do Cotovello D. 27.
t&' A posse de um terreno de ?o palmos
de frente cao de fundo na ra da 1 alma ;
M na da cadeia loja de ferragens n
tST Que fezem Kalkmann -& Rosenmund ,
p^r intervenco do Corretor Oliveira de um
mteiro sorlimento de fazendas e miudezas ,
quinta feira 19 do correte pelas 10 horas da
manh. no seo armazem da ra da Cruz N*
too primeiro andar.
%3" Para liquidar, que pretende fazer
quinta leira Manoel Ribeiro da Silva de
urna porcode moites ecadernaes uzados ,
remos novos de canoas e outros objeotos na
rasa de sua residencia ra.da Cruz n. aa.
12y Que fazem Russell Mellors & Compa-
nhia por intervenco do corretor Oliveira
de um ptimo sorlimento de suas bem conbe-
cidas fazendas e entre ellas chitas da nova
Ilollanda de padreens modernos terc,a feira
,4 do corrente as .0 horas em ponto no seu
armazem da ra da Cadeia do Recifc.
tsr
Oue faz Jos Ramos de Oliveira, de
^t _________ -I. ...!__J_
Os mclhorcs
charutos da Cachoeira l-
timamente chegados em caixas e por preco
commodo ; na ra do Cabug loja do Sr. Ban
deira.
C?" Sement de repolho e couve a 3?o o
cenlo; na ra Uireita padaria do Machado.
, t^- 13o varas de panno de algodo da tr-
ra a 220 a vara ; na ra do Queimado loja
. 11.
SSp Um escravo creoulo de 18 annos de
idade com officio de sapateiro bom cozinhei-
ro e faz todo o mais sen ico de urna casa com
asseio ; na estrada dos afilelos sitio defronle
do Sr. Silvestre prefere-se para fora da pro-
vincia.
C? Urna escrava creoulo moca *fcose ,
engomma faz renda e cozinha ; na ra
larga do Ro/ario D. 8.
*^ No atierro da Boa vista loja do mar-
cineiro francez defronte do becodo ferreiro ,
74 caisas de queijos iamengos diegados de j muito boas encordoacoens para piannos tan-
L.
to francezas ,
modo.
tur Superior serveja em gigos-de duza, e
caixinhas de charutos iguaes em qualidade a
os da Havana ; um temo de pezos de duas ar-
robas a meia libra ; e um pezo de duas arro-
bas ; na ra da cadeia do Recife armazem nu-
mero 5p.
ZEr- Urna excellente mobilia de mogno de
a duzias de cadeiras duas mesas de meio de
salla duas banquinhas e duas cmodas ,
chegados ltimamente de Hamburgo ; em casa
de Hermano Mehrtens ra da Crux Deci-
ma a 3.
tST Duzentas garrafas vasias muito lim-
pas proprias para engarrafar licores, ou vi-
nho a preco de 60 rs. cada urna ; na ra
Uireita D. 53 primeiro andar das 6 as 8 ho-
ras da manh e das a as 4 da tarde.
t37~ Tres escravos urna molata de 00 anr
nos de idade cose engomma e cozinha ;
urna preta com as mesmas habelidades ; urna
dita que faz todo o servico de urna casa com
um fiiho de dois annos ; um escravo moco de
boa figura, bom carreiro e oplimo traba-
lhador de machado e foice ; 'na ra de agoas
verdes casa D. H7.
cr Um terreno alagado no seguimento da
ra da Aurora com 5o palmos de frente e
15oo de fundo, pagando de foro lo rs. ao pal-
mo ; atratar*na ra deS. Gonsalo D. 11.
t?" Um pardo de muito boa figura ; a fal-
lar com Jos Higino de Miranda.
C? I ois "boys mansos de puchar carroca; a
fallar com Jos Paulino de yvlmeida na Ma-
gdalena.
c^* Tres escravos de idade de a5 annos, de
bonitas figuras ; um moler de na o de
idade de i3 annos urna dita de i3 annos:
lisera vos
Fgidos
ts?~ No dia 13 do corrente desaparea) um
escravo de uo'me Francisco, ainda meio bu gal,
deestaiura alta de idade de 3o annos, per-
nas finas pouca barba desconfia-se ter sido
furtado ; quem o pegar leve a praca do Corpo
n casa de Joo Antunes Guimares ,
Santo em
que ser recompensado.
eyNodia 13 do corrente fugio um negro
de nome Severino de naco cabund ainda
alguma coisa bucal, boa estatura, olhos
meios vesgos os beigos meios cahidos ps e
mos grandes dedos compridos e os ps
meios torios para as bandas muito moleiro ,
falla fina, levou vestido calsa de algodo e a
camisa arremedada chapeo de palha; quem
o pegar leve ao beco da lingoeta venda de Jo-
aquim Jos Rabello que ser recompensado.
SS?" No da ai do p. p. fugio um escravo de
nome Miguel, alto de cor pouca preta e o
, maior signal que lem he ter o queixo inchado
urna dita de. 8 annos com boas habelidades de um lado por ter bastantes erndolas ou
quaes se dir ao comprador 1 e urna negra com Ir ,ev0 ca f e Cam'^ de ma"6as Cur-
umacriade4 meas, todos estes escravos se tas .. tudo de algodo transado ; quem o pe-
do a contento e ao comprador se far ver
gar leve a ra do Queimado a seu legitimo
Sr. Antonio da Silva Gusmo que dar cem
mil rs. de gratificaco.
X3?~ Uesapareceo no dia 5 de Junho do
corrente do sitio do cajueiroda passagem de
atasdequarta at libra. Magdalena um moleque de nome Felisber-
eomesmotem tido faz todo gento de angola com os_signaes seguin-
quaes as suas habelidades ; na ra de agoas
verdes D. 38.
t?" Ungento Santo chegado ltimamente
de Lisboa proprio para queimaduras feri-
das ou chagas em I
A grande extraeco que
lembrar a quem delle est fazendo uzo que tes ? olhos grandes cara redonda pescoco
anda venhio a precisar de mais algum para Vo5?0' Frna? afeuma coisa arquiadas ea
que se previno pois quo resta nm? pequea d.re.ta mete para dentro e tem no pe.to esta
forco presentemente ; assim como adverte- letra L ps grandes e tem algumas s.ca-
L-que ja o falcificado feito nesta como trlzes pelas costas levando orna camisa de
mesmo nome de ungento santo ; o verdadeiro estopa velfia e seroula de dita e tem urna
sii se vende na ra nova escriptoro D 10. raa0 a,6uma ^V* .in^had* e al6UnS b.lcho"
%=T Urna casa terrea sita amado Adique nos.P.sj tem de ,dade 'b ann0? qualquer
desta Cidade, tem soto, grande quintal mu- cap.tao de campo ou outra qualquer pessoa
do. ampian or m.iwm. A* m_ que o pegar ou denunciar aonde elle existe
verificado que seja tera de gratificaco ao,ooo
por Joaquim Jos da Silva Bairo na ra da
cadeia do Reci'e. *
tST Leocadia creoula bem parecida ,
bonita figura cor nao muito preta ,' tem um
dente da frente da parte de cima quebrado e
um talho em cima de um dos olhos levou
bastante roupa feila amoda saia de lila tran-
sada -panno fino e sapa tos consta andar
rado e ameaco por urna escriptura da me-
tado do oito de um sobrado de dois andares .
que ja se est edificando o que melhormente
se far patntenle a vista do comprador ; a
tratar no ultimo sobrado da viuva do Pexoto
us 5 pontas.
fcy Dois bojs mancos de carro, e urna
corroca grande para dois boys ; no passo do
giqui a fallar com oproprietario do mesmo ,
ou na pracinha do Livramento loja I). q.
XST A bordo do Bergantim Nacional Pa- na Boa visla desde que fugio no da segunda
quetede ernambuco fundiado defronte do ,e,ra o do corrente ; quema pegar leve
trapiche da allandega sebo em rama vindo
do Rio Grande do Su
a preco commodo.
e su
IV
or carne seca
ra estreita do Rozario sobrado de dois anda-
res (ue tem por baixo tenda de harbeiro ,
que ser recompensado.
XT Urna preta creoula setn vicios nem _____________________________.________
laques, cozinha, e faz todo o mais arran-j iM OVllKilllO do PortO
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 1 8.
acl
jo de urna casa ; na pracinha do Livramento
loja U. 20.
K3"' Um preto creou'o canoeiro oleiro,
com idade e ia annos de bonita figura e'
robusto; no pateo de S. Cedro sobrado de um LIVERPOOL; 34 dias Brigue Inglez Ma-
andar de varanda de ferro I). 8.
tzJ" Para fora da provincia ou para o ma-
to urna escrava de /(o annos de idade ; quem
a pretender annuncie.
3?" Um preto de naco mucambique bom
serrador e tem muito boa figura ; na ra da
Alegra casa confronte a um porlo.
fcr" "Um viola com exccllentes vozes e um
bom inri lindo para violo ja uzado, por preco
commodo ; no atierro da Boa vista loja de sa-
pateiro defronte do beco do ferro.
t^T Um aparelho de mesa de porcelana
muito rico e de bom gosto contendo as se-
uma
(ulules pecas; la duzias de pratos
terrina grande para soupa duas ditas mais
pequeas 11 pratos redondos para assados ,
y travessas sortidas 3 pratos com p a sal-
vas por ter ia cales para ovos, la canecos
com tampas urna manteigueira duas sela-
deiras dois bacios ; e os livros seguintes :
a princesa de babilonia ou a ave de 28000 an-
nos de existencia A ntonino ou os dois pinta-
ingenuo ou o
roxos ,011 o gentil rapaz, o
slvagem civilisado secretario portuguez; na
ra do Livramento loja de louca U. 3.
U5" Um refe com o- competente trassado ,
urna barretina com aparelho do Rio de Janei-
ry de a45 tonel.. equip. ii Capito Gui-
therone Kw carga varios gneros; a Cra-
blree i Companbia.
SAHIDO NO MESMO DJA.
BAll A ; Patacho Nac. INovo Especulador ,
M. Joo Luiz Rodrigues carga assucar ;
passagciius hrasiieiros Quiuliii Augusto
1 amplona e Theodoro Augusto Pamplo-
na e 5 estrangeiros.
OBSERVAOOENS
Fez-se de vella no dia ib as 5 horas e meia da
tarde do lameiro o paquete Inglez que
vai para os porlos do Sul.
Fe*-se de vella do lameiro o Brigue Trans-
porte l'avuna, que vai para o Maranho.
ERRATAS
Do Communieado do Diario n. aoa Li-
nhas aemconsequencia leia-se inconsequen-
cia : linhas a 1 o que se leem e que se lem :
linhas 34 incendar inundar: linhas 4< pron-
tido promptido: linhas ^9esco^o-se es- \
cora-se-: linhas 70 consedido concedido:
no ultimo perido linLas ii em censuras leia-
se em censurar.
RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F. -1839


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ER404N4A4_TU9H47 INGEST_TIME 2013-04-12T23:44:17Z PACKAGE AA00011611_06130
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES