Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06125


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno m 1830. Sexta Feira
Tinte gora depende de nos mesmos; d nossa prudencia, moclcTa-
o, e energa : cunlinuemos como principiamos e seremos apon lados
com adroiracSo entre a Kares mas cuitas.
Proclamaco da Assemblta Geral do Bratll.
i.B Q fl i ---------------
Suliscreve-se para esta folln a 3fiooo por niiartel pagos adiantados
csla.Typografa, ra das Cruzes 1). 3, ena I'raea da Independencia
l). 3J e 38, onde e recel>em correspondenciaslegalisadas,'eannuucios;
ii i si rindo-se estes gratis, sendo dos proprios asignantes, c vindos assig-
nados.
Partidas dos Correios Terrestres.
Cidadeda Parahba e Villas de sua pretenco...................\
Dita do Rio Grande do Norte, e Villas dem...................Segundas e Sexa Fciras.
Pila da Fortaleza o Villas dem.......................... 1
Villa <1e tloianna................................../
Cidade de .linda *..............:.................Todos os das.
Villa deS. Anto ;...............................Quintas feiras.
Dita de Garanbunt ePovoaco do Banito.....................Dias lo, e a4 decada mez.
Ditas do Cabo, Serinhaem, "Rio Formozo, e Porto Calvo............dem i n, e ai dito dito.
Ckkde das Alagse, Villa de Maceio..................'.......dem Mem
Villa de Paja de Flores.............................. dem 13, dito dito.
7 odos os Correios jiarlem ao meio da.
13 DE SttTEMBKO. NuMERO_jj)2;-
CAMBIOS.
Sf.temro. la.
Londres......3a por ffooo ced.
Lisboa....... 8o por o/o premio, por metalollerecido.
Franca....... 3ao a 3a5 res por franco noni.
Lio de Janeiro 3 por ojo de premio.
OURO Moedas de 6jjHoo rs., Vellias i4#uoo a i4/faao
Ditas Novas i3|8oo ii0ooo
Ditas de tfooo a,, 8*ooo a
PRATA Patacoes Kraziteiros i56o a
Pozos Columnarios
Ditos Mexicanos -----
ifjl.o a
l#54o a
Premios das Letras, |>or roe i i/8 a 1 i p por 1 oo
Moeda de cobre 4 Pov loo<
Dias da Semana.
o"/lOU
i^diu
Ijjf&HI
g Segunda -
10 Terca
11 Quarta-----
ia Quinta-----
13 Sexta-------
4 Sabbado--
i5 Domingo- -
- S. Sergio P. -......
- S. Nicolao de Tolerrtino. -
- S. Theodora a Penietente
- S. Aula V. M........
- S. Felippc V M.-----------
- F.xaltarao da Santa Cruz
- O SS'Piome de Mara -
-------Ses. da Thcz., e Aud. do .1. de 0. da a. v.de ni
. Rclaco, c Audiencia do .1. de'IV dai.fv. de iu.
.--------Sessuo da Theouraria Publica.
.....Re. SesdaThez., c Aud. do de 1>. da a: rt
. Sesso da Thcz. c Aud. do J. de D. da i. (ara,
---------Re. e aud. do J. de D. da i. v. de m. '
Alare cheia para o dia 13 de Selemkro.
As lo horas e 6 minutos da nunli. As lo horas e 3o minutos da tarde.
do Marinha a quantia de a^t.^UuoS res des-
pendida, por aquella Roparlirao com a Compa-
nhia de Operarios Engajados no mez de A-
gosto ultimo.
])(o Inspector do Arsenal dcJVlariiiha
comniuiiicando-lhe a expediccao da ordem su
pra.
Dito Ao Administrador da Meza do Con-
sulado eommunicando-llie quecm virlude do
Imperial Aviso de G de Agosto ultimo a
Barca de \ appor Maranhense (bogada a
esle Porto goza de lodos os provilegios con-
cedidos s Embreaces de Guerra Nacio-
nes*
Dito Ao Commandantc das Armas eom-
miiniraiido-llic o couleiido no precedente of-
licio.
Dito Ao Director interino do Curso Ju-
rdfco de Olinda, partecipando-llie que o
Regente ent JNome do Imperador jwir Avizo
de 17 de Agosto prximo pastado allendcndo
ao que lite representou o Estudanle do mesmo
Curso Felippe Alvos de Carvallio contra a sen-
tenca pela qual a congregacao dos Lentes llie
DitoAo 1iiS|htIoi da Thozournrra du- impoz a pena dse nao poder matricular por
Fazenda, conimuuicando-lhe a licenca su- dousannos as Aulas do referido Curso ; liou-
vcporbcm determinar, que Ilcasse de ne-
nhtim elleito a mencionada scnlcnca, e que
o dito Estudante seja admittido a matricula
as Aulas que ti ver de frequciitar.
Portal a Ao Commandantc do finque
Conslaiica para entregar a djsoOMco do
Conimnndanledas Armas os dezoitos reclutas
que a seo bordo conduzio da Provincia das A-
PERNAMBUCO. .
COVEBNO DA PROVINCIA.
i.XT'F.ntF.MTF. no ni.v 9.
Officio-*-Ao Commandanto da* Armas,-pa-
ra mandar receber do Commandante do BK-
;',ue- Conslanca OS de/oilo recriKas viudos da
Provincia das lagoas e constantes da rclaco
que se Me remeti.
j)ilo A mesmo, communicando-llic qtic
lor Aviso de 9 de Agosto p. p. o Govcino lin-
pciil concedeti, que o Alteres de Caradores
de primeira linba Antonio Faustino de Mi-
rauda possa regKMar a esta Provincia, para
ser a qni empregado como 'or conveniente ao
servico e compalivel com o seo estado de sa-
ude.
Dito Ao mesmo, partecipando-lbc que
o Regente em Nme do Imperador |M>r Ayiso
de 17 de Agosto desle auno, conceden ao
Teneule Coronel Trajano Cczar lU\rlama-
que prorogacao da licenca com que se aclia,
al ultimo do corrate mez.
pra.
Dito Ao mesmo cnviando-lbc o reque-
rimento do Tcnenle Joaquim Mondes Cui-
inares em que pede ajuste de con tas v de que para ser cumprtdo o Imperial Aviso de
a de Agosto ultimo mande proceder as de-
elaracocs que exige o Contador do Arsenal de G.
da Corte e as transmita a Secretaria da l'ro-
vincia com a possivcl brevidade.
Do Ao mesmo, para em conformidade
duque determina o Imperial Aviso de \f\ de
Agosto ultimo mandar abonar ao Cirurgi-
' o Ajudanlede Commissao Francisco de Pau-
la* Cavalcanle de lbuquerquc as Gratifica-
coes de Campanba, c Addiecional, jk-Io tcm-
io que servio no Acampamento de Panellas de
Miranda, devendo aquella ser a designada na
Tabella de a8 de Mar o de i8a5, e esta con-
tada do 1. de Outubrode 18J4 data da res-
pectiva Lei.
Dito Ao mesmo communicando-lbe,
que o Regente em Nomc do Imperador De-
terminando por Aviso de 1 a de Agosto ultimo,
que a importancia das remessas, que d'aquel-
la tada em diante forcm l'eitas pela reparti-
do da Marinoa da Corte para qualquer das
Provincias seja dcdttzida da cola destinada
pora as despezas da Marinha da respectiva
Provincia ; compre que baja pela parle que -
.lliclocade dar execuco a esla determina- dinljciro, cadas Pra-as del ret na mesmo pc-
(. l0 riodo pelos Quarteis Meslres; que a I abe!la tle
" ito Aolnspeciordo Arsenal de Mari- ;3 de Dezembrr. de .-9 ninn-ava para cada
ba, communicando-lbe o couteudo no prece- forragem' 118 d alqueirc de milho (nova me^
denle officio. lid) e 2 |la moX^ dc, ^.P"" ^ }
])to--Ao Inspector da Tbezouraria das caixao) ; man que havendo irregulandade no
Pendas Provinciacs, respondendo ao seo officio modo de lorneccr osa i|a moluos decapim,
LtadaU em que representa que aperar de assentou-sc naTbesourana que esta quauli-
ler a Tbezouraria decebido da Tbezouraria dadedecaptm era equivalente a duasarmu-
lagas.
COMMANDO DAS ARMAS.
F.XPEniENTE DO DA 4
OlUcic-Ao Exm. Presidente pcdindo-lbc
bouvesse de dar as suas ordens ao Director do
Arsenal dt. Guerra para que fosse naqiK'lla
Reparlieao recebido para ter a applicario de
que era,aindasuccntivel tim sino velbo peTten-
cente a Ca pella ua Fortaleza de I la marac ,
que defera ser entregue pelo respectivo sar-
gento Almoxarife.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. significan-
do-lhe em resposta ao seo officio de bontem
datado, que dcpois da extinecao do Commis-
sariadodo Excrcito,a importancia das forragenS
para os Cavallos dos officiaes, e Placas deprels
montadas era calculada semestralmentc pela
Tbesouraria da Provincia sobre approvacoj
da I residencia ; -que as forragens. dos Caval-
los dos officiaes se recebib mensalmente em
do Esquadro tinba dcscr feito por arrema-
lacao, e a importancia dos gneros comprados
em grandes poreoes, difiria mtiilo parame-
os da que seempregava as compras a retamo,
parecalbe que jwr mteresse da Fazenda se
devia proceder a avaliacao das forragens dos
Cavallos das Placas de prel, deiendo a Tbe-
souraria ter em consideracao as razes ex pos-
tas.
I 10 Ralalbo Provisorio de Caradores Expedi-
cionario 00 Maranbao. dando-lbe varios es-
(larccinientos Ibo prximo lassado acerca de sidos e gratifi-
car oes
Dito Ao mesmo respondendo ao sen of-
ficio de ao de Junbo, que tractava dos ven-
cimentos de piaras que erao tracladas nos lios-
pit.ies.
Dito Ao Commandante interino da I'or-
lalcsa de llamarac. disendo- lbe que (icava
recolbido ao Arsenal de Guerra o sino velbo
que remetiera icnipanbado do seo officio do
I. do correle e em resposta a nutro officio d
3 que o Sargento Jos Luiz de Aiidrada leva-
fa a iniporiancia <\;i nraM qon rrr*inra-,
como a im|M>rtancia do I'ret devia ser igual
a somma da lelaco de mostrado destaca men-
t, devolvia-lbe os papis de conlabelidade pa-
ta sercm reformados ueste sentido, sem o que
senfiopcKlia resgalar acautela do me/ pas-
sado e ajuslar as contas com a Tbesoura-
ria.
IWlariaAo Qtiartel Mestrc AHonso FIo-
norado Rastos, mamlando dc requiskao do
Inspector da Tbcsouraria,cobrar os venrinion-
los cpie se eslava a dever ios (inanias Wacio-
naesde Unna Joaquim de Santa Anua Barro,
Jqao Francisco dc Louredo, Vicente Vu, e
Antonio da Roxa', devendo dtpoifl fazeros
pagamentos na forma das ordens estabeleculas.
Diversas ileparticoens.
MEZA EO CONSULADO.
Puntado proco correte do assnrar e alg
quese despacbo na VKva do COusulado
de Pernambuco, ha semana lea a 18 u
Seleuilnode itiy.
Assucar Brance 1 Sorlc......... /.'
^<.<. 11 3. n ......... -i
3. 1000 4* ......... iftS
5. n ......... 1800
6. ......... i5o
Dito Mase. i. ....'..... 1 foo
600 -. ......... 1000
AlgodO la v ......... I
n 3. ......... bv 00
<: 3. ......... t
J0S0 FranctMxi Du irte.
Francisco Jo/e Mariiibo.
Fciluicj c Coufi Fi ules.
O Arsenal dc Guerra compra Sooo peder-
neira- 800 varas de briin 18 royados do
pao para capotes toa vares RnMiaV* 3tKMrrr?*ins dc >h 01.1 aj pi-
que taes gneros tiverem compare afi 110 m
nio Arsenal as dez do dia i't, a fin dc so.'jus-
tar e prefere-se a quem por menos vender.
Arsenal du Guerra 11 de Sctcmbrq de ttiij.
Joze Joaquim Coelbo.
PBEFTICIUR A.
PARTE DO DA la DE SETIiMimo.
I!lm. c Exm. Snr. I as partes Jioje rece-
bidas n'esla Secretaria consta srimente que fo-
rlo prezos bontem ntinha ordejw : Vicente
Joze Sinoro, e Bernardo Bros dos Santo.-..
pardos i'*pela 1. palrullia de l'"ora do tartas,
por eslarem em des inlini cTltrcza Maria,
lamben- parta pela 1 patrulba ta Bbeira ,
por estar protTerindo em alta voz palavras ebs-
cenas cu jos presos tiver.io o oinpclcule des-
tino.
I
en
. ^>
Li
tei .. ---------
ila l'a7cnda jiarle dos 5o contos dc res em no-
las para se por em dia o pagamento dos
Empreados Provinciacs, acba-sc com ludo
embarcada por nao ter em prta um terco
,,.iTC-|io:identecomo determina a ordein de a
Aposto uifimo; que mande fazer o referido
.^amento em Notas at o fim do anuo fman-
ciio prximo passado al que augmentan-
do a nuaulidade da moeda de prata com a%
entradas que se forcm effcituando possa en-
!.; najarle em ambas as especias na lorina es-
ll,.'liclciida. .
Dito-Ao Administrador Fiscal das obras
publicas -, para mandar pagar ao (UMOAl
lias; que nesta conlbrmidade baviao sido leilas
as avalic.oes, sendo otaior da forragem no
semestre correnle de 64o reis diarios que
nao somente abonados aos Officiaes montados de
primeira linlia como aos elarins da Guar-
da iNacional segando as infenaaoSm cpie ti-
nba obtido ; que esla niesma lorragem devia
ser abonada ao 1 oiiuiiaiidaute (ieraldo Curpo
de Polica para a sustenta 5o dos Cavallo
bouvene de comprar para o F^quadraode
LdnJaa que se vai organisar |>or isso que a
1.,'i nao la .-.i a desliiiiv:io do valor das (orra;;cn>
dos tavallos dos olliiiai s do das Prac.is de
ptet. porem '-outo o fontecipiento dos Caveilos
ALFAKDEGA DAS FAZENDAS.
O Brigii^ Inglez Cbase vindo de Londres
.Irado em 11 (lo correnle Capilao Janu-s Uil-
diie consignado a M. Calmont & Comp.
Manifcstou o seguintc.
38 Rarris com oleo dc linba, a, i5.j tone-
ladas de carvao depedra, aiao barris com
plvora 3 lanos com cordas a calvas com
forragens, a Larris com dita la abanado-
res de ferro i barras dc ferro, 118 barris
com chumbo, i2 ditos com alvaimlo 3 eai-
xascom piannos, 1 barrica com tintas, ioo
dilas rom grava 3 ditos com tintas de osero-1
ver, i4 mcias pipas com vinbo 43 quarto-j
las com dito l8 saccas eoni pinienla, 5 ea-
xas con chapeos 1 ditas com ditos de sol,
l dita com faenan de la 1 dita cora eslam-
iias licaixasconi biscoilo I fardo de la/en-
da de laa '.< ditos com lonas 55 ditos
'azcndas (elinho, |0 caivas com ditas de di-
ta ?4 d'ias com qtieijoa 1 dita rom I
das de seda (> barricas cm aarveja 3 cai-
OS lora do MauitestoJ
G Embinlbon com amostras \ '-.,
ia-xi taulo com lonas 3 dil<< com lio .
icakacoai oonservw, o ajueije,
-A Pauta In. a uitanu do numero to3.
EDITA!..
Oi
A Cmara Municipal d 1 Cidade em viilude da Lei ce.
Faz saber que hade ser arrematado o con-
tracto das Balanras de pesar assucar em vo-
lumes peqtienbs nos trapixes da Cidade fe
Recife pertencente ao Patrimonio da mesaM
no dia a de Seteinbro do corrente auno pa-
ra ter principio no anuo fiiaajceiro de 18400
qual principia em Outubro do correte anuo
oreados na quantia de 1 .o^ciUtj o.
dem o contracto da alhlla.a e rcvizo dos
pnanse medidas tleste flunicipto or.ado ta
quantia de ioUooo.
dem o contrato do repaodM assougues' do
Municipio oreado na quantia de 3oL';oo.
dem o contrato ; lia dos poro
mesmo Municipioorcado na quantia
Di0arma2entgrandeda.cn I-
greja de S. SebaattaS oi\ado na q
atoo >.
Idi in oiitr.i peqneno ua mesma caza oreado
na quantia de 'il
'em as raMOhas da Ribra renlas ni
(tuantia di 100.
dem (ornecimento |r quem menos fi/er
,le izt-ite, pia as prwa
desLi Cida 1 quaulia I lioo.
dem poi rcw
1 Manguiulto oreado na qoanti
. taado
!
'

:


s
DIARIO DE P E R N A M B U C O
b
H
publico e carros que entro nesla Cidade ot
cados na quantia de 17U000.
Quem nos mesmos contratos quizer tan-
car compare o no indicado dia com seos fi-
adores na forma da Lei.
E para que ebegue a noticia a quem con-
v ier se passou o prezente que vai assignado
pelo Presidente da Cmara. ,
Olinda em Sesso de %n de Agosto de i83g.
Joze Juaquim de Aimeida Gucdes.
Presidente.
Joze Joaquim de Figueiredo.
Secretario.
Peante a Administraco dos Fslahelcci-
maftos deCaridade se hade arrematar a quem
maisder as rendas da caza que oulr'ora foi
ominada pelos Ex postas: as pessoas que qui-
zerem arremattar podero comparecer no Graf-^
d Hospital desla Cidade no dia i3 do corren-
te mez as 4 horas da tarde.
Saln das Sessons da Administradlo dos
EstaMecimentos de Caridade 10 de Sctembro
4 18.39. J. M. da Cruz.
Escripturario.
NOTICIAS PKOVINCIAES.
Anda o Maranbo.
Por fia caria particular de psaos fidedigna,
r que assistioQ combate do Icat; podemos
cnlhcr circunstanciadamente noticias do pro-
isso desla ac o.
O Tsente Corone) Sergio Francisco d'-
liveira com mais de rooo iracas marchou
por lena para atacar o Ical e o Presidente
rom a00 pracas seguio por. mar a bordo do
Hiato tode ullio para a frente da villa Es-
ta tropa de Ierra ft.i achando piquetes enguer-
rillados; que faziau fogo e corrio mas
ella foi seguindo at q' encontrn em frente a
grande Irinxoira donde os rebelde cobertos
fazio Iojto ,, pelo qnal morrero i Capilo ,
1 A muale. 1 Sargento e n soldados;
e l'eridos lorio 1 ,'VIajor 1 Tenenle 1 Al-
feres t Sargentos 8 Cabos 5 Cornetas,
c 95 soldador; nestas circunstancias marebou
a trapa pira a frente' e cspalharo-sc por uro
fi onlro lado lindas de Danqucadores ; ento
os rebeldes, vendo, que assim Ibes cortavo
a retaguarda relirarao-se para difftrentes
[ionios que breupo. Fntron a tropa c
enlo ja liidia o Presidente dezembrcado li-
vremenle.
V.A.i corla d; romo causador desta grande
perda o Commandantc do Corjio de Policia
]or querer tomar a pcito. descubertoa Irin-
xcira, ediz que, levando o Presidente ps-
ra a cidade a Guarda Nacional, que com elle
marchara", nao podia o immigo ser persegui-
do porque dividida a forra que tirara no
ponto podia este ser uovamente atacado pe
lu inimigo que tcm mais de aUooohomcns,
c oceupa quazc toda a Provincia e as mais
ricas Comarcas
(VaraAs i'olbas que recebemos desta
desla Provincia alcancao ale 3l do pp. Os
partidos dilacero-se desapiedadamente e um
dVlles (|ue anda chora pelo ex-presidente o
Sur Alcncar unido com a maioria da As-
scmhlca fosera guerra de morte ao actual Pre-
sidente como o fizero com o seu antecessor ;
.is mesillas aceusaccoes os mesmos opprobribs
ouvem-sc hoje repelidos comodantes ; e at
lembru-se partido da opposico de imbuir
nos nimos dos incautos que dez ionios de
res que o Prndenle tinha levado para as
dkpezas da guerra qnando marchou para o
centre-, sciirio applicados para pe la ros elei-
loro- : entre tanlo o ex-presidente a quem
, -le partido oul'ora appe.llidava de inconsti-
tucional tem no Maranbo appresentado a
adhesio tala ceiistiluujSo que o auctor da
cartas da qual catrahimos nque cima fica dito
sobre o Ical expressa-se assim Multas
vezes nao marcha n tropa porque os domadas
na uu qnerem frea r e o .Se-
.,s, ... uiioobriga poique o dircilo de piopri-
I, c inviolavel e o actual tcm Jeito ser-
vicos relevantissimos ;t mnslituico c uile-
rridade do Imperio de modo, que hunos f-
lnilatHiOs ila Cmara da Piracurara, o outras
mais que ttos ensino a fazer outra dea mui
diihrente doque diz o contrario partido.
,\a povoacodas Frecheiraaaardera publi-
ca principia va a nerturbar-se como se v no
ttctoabMxo copiado, e desle artigo, que
- C..MUWM do Dezeseis ,':-Dc/emliro :
< Cea.cn-es ja se avizinho de nossos la-
m os malvados A mais desordenada brema.
a ma> ciimi.iowi liherlinagcm as doutrmas
propaladas winlemenle pelos ....m.gos da or-
denT, os estros dresesroons.rosabom.nave.s
vio nrodiizindo funestos re/.ullados E>na
nrvoioo das Frecheiras, que se -ha reunido
de ceir.. "
A Assemblca tinha sido instalada no i.do
pp. e se devemos acreditar ao Desess de. De*
zembro esperava-sc .que- o lempo seria
consumido da mesma forma, que o anuo pass.
O Snr. Doutor Joao Paulo de Miranda por
occasio de resoUer a Assemblea que se nao
desse res|osta a falla do Presidente sol ton
xpresscs e fez illusues indignas da pessoa
de quem fallava indignas de si mesmo e
da Assemblea. Diz o Redactor que se gas-
tou immenso tempocom a celebre questoda
excellencia Senhoria e V. M suscitada
cutre o .Secretario interino da Provincia e o
dito Snr. Dr. Joao Paulo ; e por este levada
Assemblea. A isto podemos # nos applicar o
'reges ad exemplum.'
O nosso Prelado Diocesano tinha feito as
suas despedidas agradecendo os obzquios ,
que havia recebido dos habitantes da Capital
no dia 27 do pp.
ParaEst Provincia continua a gozar de
par. o Iranq i'llidadc.
Ilim. e Exm Sr.^-A vista das aterradoras
noticias que diariamente se succcdjaG e dos
bens fundados receios que todos tinhao de
serem victimas da mais desenfreiada e brutal
ferocidade, s a presenca de V. Exc podm
fazer desapparecer o desanimo em que esla-
va o povq desta Comarca. Chegando pois
V. Exc. a essa Villa do Sobral c contando
a rapidez comtpie correr da Capital a estes
remontados certoes e o fim para que viera ,
ludo mudou de face. Tremeu o crime,
exultou a virtude.
Sim ja nao ha que recetar a vista de
V. Exc. ; ja os Cidados pacificos, amigos
da Ordcm VespiraS animados a sombra da
Lei; ja finalmente pode-se com afouteza (irrj-
clamar nesla Pro*incia o seguinte principio
consagrado na Constituicao A Lei he igual
para todos quer proteja, quer castigue-
principio nem semnre ob i>rdo mas que
lauto alegra e consola os homens de bem,
quaixto faz suecumbir c aterrar os malvados.
Teman o' tremao os Balaios, Gctiranas.
Pedregulhos <, Siissuarana, eoulros monslros
sdenlos de sanguc humano cujos nomes s
per si horrorizan Temao e tremao os seos
infames partidistas de CUJO balito empestado
se ressenlem estes bellos campos A Provi-
dencia que. nao dorme velando sobre os dial
dos bons CercBses quizservir-se de V. Ex.
para proteger a innocencia c salvar ao mesnjo
lempo trez Provincias ( e qui menor porefo
do l'nasil ) da mais liorroroza anarchia. Que
gloria para um joven Brasileiro que incela a
e'spinhosa carreira adminislrava. Feliz da
Trovincia cujos destinos- sao confiados a ho-
mens que a semelbanca dos Alexaudfcs ,
mostro antes dos 3o anuos quanto pode o iei
espirito. ,
Congratulando-mo imis com o Coara I 1-
auhy c Maranhfio pelo grande passo que
V. Exc. acaba de dar en lenho a honra de
felicitar a V. Ex. pela gloria de que vai
cobi ir-se oTerecendo-mc de cora ao para o
que poder prestar a Patria e a V. Ex. em
particular Dos Guarde a V. Ex. Granja
a4 de Malo de iRtg-lllm e Exm. Snr l)r.
Joao Antonio de Miranda Presidente da
Provincia.Joik liarlniza Cordeiro Vigario
de Granja.
Parnahiba.
Illm. e Exm. Snr.Acabo de dirigir-mc
nesl-\ data ao Tenenle Coronel de G. N e ao
Juiz de Paz da Granja e ao (Coronel Cam-
pello do Sobral informando-os do novo vulcao
(pie acaba de rebentar na Povoacao das Fre-
xeiras (leste Municipio e que sao parles com-
ponentes delle toda a populacao dessa Provin-
cia que naquellas vizinhancas habilao, eque
para ali concorrem todjis os dias porfa A
todas as referidas Aulhoridades peco nslanle-
mantc que faco marchar a forca que pode-
rem dispensar afim de impedir que o mal
grasas no territorio dessa Provincia.
Esla Villa que tcm at aqui sido o asillo de
tantas familias c pessoas emigradas tanto
da Provincia do Maranbo, como mesmodesla,
lera de lornar-sc o theatro da mizeria se a-
ea/.o chegara ser preza do inimigo.
Todas estas consideraces nao dcixarao de
despertar naquellas Aulhoridades o desejo ,
e empenho de me ajudarem a salvar objetos
lao caros, e igualmenle de fazer respeilar
o Coverno legal. Entretanto eu cbamoa
atteneSe de V. Exc e espera que me nao
deixe siiccumhrir.
O meo portador me diz que os agentes e
cheles daquella lac 5o sao Antonio d' Almei'l;i
Portugal Joze Benedicto le reir de Veras,
b lbmingos Refreir de Vra*l Q**UM
icnces oceuparem a Amarraco ajiodera-
nni-sc das enibarijacoes que ah eslo fe-
cbaro pOVtO, '' fa/.erem-nos assim uin inlei-
ro sfeee de,ceibiif Wu "
h3o. Que alem da'gente quede
de- diversas
i dessa Provincia ali chegnvao todos os
dias aos douseaostrez, se esperava no da
a8 do findo Julho urna avuhada porcao de la
do peda serra e finalmente que os reunidos
ja montario a cem. V. Exc. ja com co-
nhecimentode cauza sabe avahar a que a puro
chegaremos se elles conseguirem impedir-
nos o porto, por onde hoje nicamente rece-
bemos o indispensavel sustento. Se um vazo
apprpriado ali nos portegesse sena de sum-
ma vanlagem. .
Consta-me que do Sul estavao a vir Tro-
pas para o Maranho : se ah ocassem e V.
Exc. conseguisse fazer para aqui viralguma
obrara com| grande acert.
Do centro e de Caxias nao tenho. que ,
adiantar a Y. Exc. e anciozo espero noticias
daquellas parles que devem ser imixirtantes,
encaradas por qualquer dos lados. Dos
Guarde a V. Exc. por muitos annos Parna-
hiba 1 de Agosto de i83c)'IHm. Exm
Sr.Doulor Joao Antonio de Miranda, Pre-
sidente da Provincia do
cisco de Miranda Ozorio ,
po da Parnahiba.
CcarJoze Fran-
Prefcito do Muni-
A Crise eo Senado.
N'eslcs ltimos tempos o senado tcm tomado
urna posicao resjHjilavel na organisaco social
a rcvoluco de abril de 1831 produzio esse bem
talvez sem o quererem os revolucionarios que
tinho em mente annullar o senado fazendo-
o dependente de reeleices nao ousaro por
bondade da Providencia, incluir a cmara
dos senadores no mesmo decreto que suppri-
mio o conselho de estado,, un o corpo que io-
dia guardar e conservar as tradices c as ideas
governamentacs. O povo hoje faz justica ao
senado brasileiro reconhece-o como tribunal
de ultima instancia e tribunal ndependente,
que decide as suas contendas com a cora -
e bem que o senado hoje nao tenha cssa in-
cumbencia porisso que a cora j nao tem d-
reitos em letigios todavia a necessidade dessa
segunda cmara nao hoje posta em duvidaos
relevantissimos servicos que tem prestado e
continuar a prestar ao paiz. Tendo a cma-
ra dos deputados assumido a omoipotencia go-
vemamental, indispensavel era que o senado
tralasse de impedir c obstar quanto em si cou-
besse os, desvarios e os excessos da cmara tem-
poraria. A cmara dos deputados tocSo as
nnovai.es, ao senado a conservaco com mc-
Ihoramenlos refleclidos c pausados,
. 1 _____..1.. _______:. '________. .1:
aquel!e que mais o'facto deve estar de todo
os escolhos restingas c pareei que a nao do
estado deve evitar ri esta to perrgosa pjiiie de>
sua viagem.
O senado aprovou por fim o reqerimenlo
do Sr Lopes Gama e nos aguardamos os tra-
balltos da oommisso para ento sabermos ao
justo quaes os males que nos ameacao c a
conveniencia das medidas proposlas. Em um
paiz como o Brasil onde sao to dificeis aa
communicacoes, onde a desordem adm'mis^
traliva e legislativa tal que mal se sabe o*
nomes das cidades e villas das provincias ,
quaes as autoridades provinciaes, sem car-
tls-exactas que iiwliquem a posico topogrfica
do paiz destituidos de todos os meios esta-
tislicos que. possd bvar. a. inlelligeneia ao
conhecimento necessario da populacao e das
diversas foreas que se apfesento em campo j;
|K)r parle do imperio j por parte da rebelli-
ao impossi*el e poderme* fazer outra causa
que nao sejaesjierar que os poderes do eslado.
sem duviila mais habilitados que qualqu-r
individuo particular exponbao o estado e a
circunstancias do paz os recursos de que se
pode laucar mo para ento podermos ava-
har os sacrificios que devemos fazer anula.
Sentimos contrariar n'esfe ponto as ideas do
nosso collega do Despertador mas a ignoran-
cia que confessamos justificar nosso silen-
cio e este, ser provasobeja da prudencia e
boa f com que procedemos, Todavia nao a-
cre.iile nosso collega que nao secundaremos
quaesquer medidas qqe tenho por fim arre-
dar a crise embora com ellas se exijo os
maiores sacrificios porque lenha o Desperta-
dor por certo que pela maneira porque en-
caramos a posico do paiz nao recuariamosanto
a dea sera duvula aterradora d'uma dic-
tadura legal! Nossa divisa Salvc-se o'
Brasil! '
Ciirapuceiro
O Industrialismo.
O Liberalismo j teve seu prestimo : ella
servio para demolir : mas terminado tem a sua
larefa ; agora trata-se de reedificar e pare
istocum|M-c( que apparei-a, e predomine o
hulustrialisino. O Ijibcralismo he hum seu-
-timento he huma paixo, que mui'o'jkmIH
'servir para o impulso revolucionario o In-
dustrialismo porm he hum fado, e s este
A lava revolucionaria que em diversos sen- N P ^ >eulralis.. r os partidos de por
lidos se crusa por lodo o 'paiz c que ultima- tei-mo as faccocs, *I"TC^*:
' 1 ._!_ _____1 raniir .1 vrm'anra ode.starlp nr(Ntu/.ir todas
no_ neis, su uiinaw u swiku c iiiu^pv"'"
ilica oreaniaofo. a conservaco de que e procurando a prosperidade individual po-
esl establecido obrigou o senado a oc- \ move a publica pelo que he este o espirito ,
cupar-se tambero dos males que nes avexo e
dos meios de removel^os Com este patri-
tico intuito foi apnnado o reqerimenlo do Sr.
Lopes Gama de queja fallamos. Este- reqe-
rimenlo leo lugar a urna loujp discussao a-
pesar de ser em ludo conforme com a organi-
saco do senado e com a gravidade das cir-
cunstancias. Todavia essa discussao devia ser
esperada ; 6 gabinete actual depois da che-
gada das noticias de Sania Calharina e do Ma-
rano nao se havia dirigido as cmaras c
com quanto saibamos todos de que fracos mei-
os pode elle dispr para combater as faeces ,
e que esse proced ment do ministerio era, um
corolario forcado e nesessario de seo syslema
decsi)crar pelas opinies c aproveitar-se d'
ellas sein as querer dirigir a discussao devia
ser prevista por que a nem urna accao que
o ministerio exerce sobre as cmaras, tem col-
locado o senado e a cmara dos deputados em
posico inccrla e duvidosa como j ha vemos
dito e ambas as cmaras parecem estar reu-
nidas sob o ministerio de gdefetembro, c
obrigadas a apoiar ou oppor-se a esse minis-
terio.
Toda a sesso legislativa se tem esgolado cm
censuras e defesas .10 ministerio passado :. os
males pblicos sao a elle atribuidos e cm-
quanto se gasta o tempp com discusses que
nem um resultado poltico tero favoravel ao
piz, estes males se gravo. Veja o minis-
lerioactual si esle estado de coisas possivel
3ue dure com vanlagem decida-sc d'uma vez
direceo aos ncgmiios publi(x)s e nao se li-
mite ao papel secundario que por seo gosto es
colbeono grande drama que boje se leprescnta
em todo o imperio. Colloqne-se o ministerio
I par daamaras nao queira ser por ellas
influido abandone o syslema da invisibili-
dade leja franco e leal como lhe cumprc ,
que s ao ministerio incumbe dirigir o corpo
legislativo na crise actual como aquello ero
cujas uos tslo as redeas do yoYcrno como
IIIUM il imilMil ^ p*.l(Z IV *** *^w*** w 'j --------- ,
que convem infundir no povo he este o espi-
rito que releva, tenh preponderancia as
leis, e na administracao da repblica Quem
d 11 vida quendinheiro be osangue arterial
do corpo poltico ? Heccila ,, c despeza sao as
molas reaes do Estado
Equem faz o Budgct, se nao- os Repre-
sentantes da NacTo ? Logo da natureza e ca-^
racterdesles esl ludo pendente. Em quanto
pois a maioria do Corp Legislativo for com-
jiosta d homens nao industriosos, de homens,'
pie nao entrando com cousa alguma parat)
Fisco, delle subsistem c delle deseja tirar
mais e mais, nao contemos que possaS mc-
Ihorar as nossas lamenta veis circunstancias.
Em verdade que se importa com o grvame
dos impostos aquelle, que nao s os nao paga
directamente,, como que delles percebe, e
subsiste? Antes he do seu nleresse ensn-
chalas ; porque quanto maior for a receita ,
melhorquinho lhe pode tocar conforme ao-
velbo rillo que diz : do pao de nosso com-
nadre boa-faliaa nosso afilhado: enero se me
ponha por diante.opalavreado de Patriotismo,
ou amor da Patria e o molho de paslelleirQ
diamado interesse publico ; porqaulo em ul-
tima analy'se o interesse privado be o movei
principal do coraco humano.
Nao assim o hornero industrioso : coroo so-r
br'elle he que tem de recabir immediata-
mente os mpos os be do seu mais vital inte-
resse que estes diminua, e o Estado faca a
menor despeza possivel. O Deputado que
he ou pretende ser Fuoccionario publico
fallo semprc com honrosas excepcos) so tem a
mira em ver augmentados os seus vencimen-
tos, eemoonsequenciaolba para os impostos
romo para as fonles da sua fortuna particular.
Ora se no corpo Legislativo a maioria se com^
pozer de taes cidados os impostos c. escerao
em um progresso infinito e coqseguintcmenic?
o povo ser cada vez mais vexado, eopprimi-
do: mas nao est no mesmo caso o Commer-
^
^
t
i


DIARIO
D R
P R R N A- M BUCO
S
paute, o Agricultor, &c. &c. y jxirque os
'nijiosios terab de augmentar-lhe as despezas
de. produccao -y e sendo Legislador trahalha
para que decresca o mais possivel o numero
"das despezas publicas e vigorosamenle se op-
|K)r a todo e qualqucr disperdicio.
Advirta-se, que com esta minha humilde
opinio nao-pretendo, que seja excluidos ab~
splulamente da Representaco Nacional os C-
dados que vivem d'Empregos huma vez
que tenha os necessarios quezitos : o que digo
lie., que nao convm componha este* a mai-
oria., porem sim os industriosos,
A isto talvez me salte alguem pela proa di-
aendo, que. entre nos a classe industriosa.,
com poncas excepces nao tem anda, a preci-
sa ilhvsiraco, e por. isso nao ser facd en-
contrar nella to crescido numero de indivi-
duos que possa compor buma maioria ins-
truida e conscienciosa em a Representaco
Nacional. Mas fcil he responder, que nao
he to necessario quanto se imagina que
fssa maioria seja composta de legislas c le-
trados ; hasta ,. que o seja de homens de bom
senso, de cidados, que por sua industria e
eeconomia soubcrao grangear bens ou con-
servar e augmentar os que herdra. Por
via de regra quem sabe dirigir bem os seus
.negocios quem acertadamente governa a sua
tasa, esse he o mais apto, o mais idneo para
bem zcllar regular e administrar a rep-
blica 5 ((liando pelo contra.no de maravilha fa-
r ludo isto aquello, que ou nunca soube ad-
quirir por huma industria honesta ou des-
baratou a querecebeo de seus pais e h; for-
mado o designio de viver do seu patriotismo ,
empollando quanlos empregos pode.
Veruade he que nessa maioria de indus-
triosos nao appareceria estirados discursos de
aparato; a discusso Falla do Throno nao
consumirla hum mez e mais ; por isso que
cada qual quer ou estrear-se ou conservar a
nomeada de orador facundo : mas como quer
que o Corpo Legislativo nao seja o raesmo ,
que huma Academia, nao vejo grande mal
cid que nelle dcixem de ser frequentes essas a-
, rengas esteris essas hrilhaturas parolleiras :
na maioria industriosa haveria menos palan-
roro porm. haveria mais acert e mais
obras: nao appareceriad al Demosthenes,
Ciceros c Hortensios nao se veriao deca,
madores brilhantcs e discursistas sempiter-
nos nasenconlrar-se-ia a madureza o jui-
zo prudencial e aquel le tacto fino, que s
se adquire praticamente na gerencia dos pro-
pnos negocios.
Se tal accontecesse, quer-mc parecer que
' o nosso Brasil vera remediado o maior o
mais concideravel de seus males. Pelo modo,
porque vo as cousas: annualmente augmen-
ta-se a despeza: para a suprir, crescem na
.mesma proporco os impostos : a ambicao dos
empregos sobe de da em dia. Cada hum tra-
cla de arranjar-se o melhor que pode.
cusa do Thezouro. Onde ir parar tudo is-
to ? Chegar tempo em que o misero I'ovo
pague contribu oes da luz que recebe do
sol, edooroprio ar que respira ? Huma
grande parte do mundo est dividido em bostas
de carga s empregadas em Irabalhar e em
venturosos esperta!lios que do suor destas
vivem em snelo oecio e no doce remanso dos
prazeres.
A tendencia politica geral da immensa mai-
oria da sociedade he ser governada o mais ba-
rato possivcl; ser govaraada o menos possivel,
sr finalmente goveimada -pelos homens mais
erro. Se mutto, e muito escrupuloso em a [que se podem dar no" estado de viandantes ,
nomeaco d'Elleitores taes, que votem prin- em que todos existimos sobre a trra.
cipa I mente eme dad ios industriosos, em ci-
le, que se empenha por ser teu Representan- este ,
te, fazendo de tal funego modo de vida ; nella,
dados que mais concorrem para enriquecer
o Thezouro e deste nada percebem em ho-
mens em fim que te do de comer. Em
quauto a maioria da Representaco quer Na-
cional quer Provincial for composta de Fun-
cionarios pblicos, de Legistas ,
Ihes, e
cia outro
rente, ha mudanoa de patucis a hora lio
das 6 as 9 da licite*
O Dlemma irresislivcl.
ANECOOTA.
Ccrto Cura, cbogada ahora de jantar, e
vendo que este tardava zangou-se e com
gritos chamava pela su*ama para sal>oi acau-
de esperta- \ sa de tal demora A pobre mulher nao leve
gerigotes, que nao tem otra agen' outro remedio se nao dizcr-lhc coni grande I dose mezes addiantados, e fiador acontento,)
omododevida, se nao o seu pseudo embaraco que eslava sem jantar ; ponqu o e sil a nasseguintes mas,, Florentina. Pateo
luK.ll,
Avisos Diverso.
i^T Prccisa-se encarecidamente atugaruma
casa terrea no bairro de Santo Antonio, (dan-
monio exclusivo de huma duzia de velbaque- !duas libras de carne i Nao ha duvida que
tes soccarrocs intrigantes, e ambiciosos, as papn sem dcixar nem huma pelle/inha -
Reflecte Povo, que ordinariamente aquel- LPois bem: v-me buscar j o gato : pegado
mandn vir batanea e posto o gato
moiailia.
K^P Prccisa-se saber quem be o procurador
do hospital de Augolla para se llie pagai una
foros de urnas casas que sao foreirasaq dito
pesou exactamente duas libras. Ora i Hospital anuncie ou dirija-sc a ra da Ma
porque nao tem outro ou o tem muito mes- aqui temos o que nao falla. Aqu es| o pe- dre de I eos primoira loja de ferragens.
quinho raramente deixar de cuidar nos seus zo da carne : que he d agora o gato? Pois' i^F Precisa-se de hum caixeiro para pada-
para entregar-se todo a os teus interesses. i uo est vendo ahi o galo r"_ dizia m suores a ria \ quem se adiar as cireunstancias va
Tal me parece ser o remedio; e tanto mais boa ama) Ento (res|iondia o Cura) de-me ra direita l). .if.
o inculco, quanto-nao he violento nao he cdnla da carne: se aqui est o gato nao est SZT Um rapaz Brasilciroc de bons costumes
revolucionario, antes muito legal, e quanto carne ; porque o galo devia ter alguma cousa' se oflcrtve para qualqucr oceupacao; quem do
a mim infallivelmente proficuo. Nao te leves de peso ; e se est a carne ponba-me para seu prestimo se queira ulilisar anniuuie |xti-
mis do engodo de Liberalismos, Carcundis- aqui o meu gato, A final de contas a ama esta folln.
mos, e Regressismos: taes vocal mos nao sao nao pode negar, que havia dado a carnea' C7* Quem quiser allugar urna cisa Ierres
do que bandeiras sob as j hnm seu nelinho que frequcutava a casa. O nos q na tro cantos da Boa-vista,, junto onde
ni lilao os di drenles ainbi- Cura polla no meio da ra e cuidou em sub- mora o Sur. V isconde duGoianua, cuja casa
stituila por outra que o nao obrigasse a ar- pertcnee ao Sur. Francisco Manoel da Silva
Tavarcs dirija-se a ra da Conccico casa
n. '().
C7" Dezcja-se saber nesta praca quem so-
e indo confessar-se com grande susto, volloii joos Correspondentes dos Snrs. Padre .le-
da Confisso muito contente-, dizendo, que ronimo fiarreiios Rango!, Padre Alexanun;
embacara o Padre : e perguntando-lhe outro Podro Soares Francisco Pereira de Abrco.
companheiro no furto, como lora isso; res- do Engenbo Serinliaem Francisco Antonia
pondeo Eu disse ao Padre que tinha fur- Esteves do Ehgenio Gamelcira e Mano 1
tado huma conlinha ; e o Padre res'|iondeo- Joaquim de \londonca morador no En-
me, que era bagatella que nao avultava : j genho de Santa Anua, os mesmos queiro au-
mas se elle pergunta oque eslava na ponta nuncinr suasmoradiaspara se Ibes falara ne-
dessacordinha, l i'a o cavallo e entao sabe negocio.
outra cousa mais,
quaes SC alistai, o mi
ciosos: o que todos querem he pescar ; huns
servem-se desta outros d'aquella isca ; mas
a mira est posta no venha a nos. O que
te convm, Povo Iludido, e desfructado ,
he, que o Industrialismo tome a iniciativa ,
e a preponderancia na Representaco Nacio-
nal e Provincial. O Industrialismo nao se-
gu partidos ; o Industrialismo antes neulra-
lisa a todos : o Industrialismo promove o Ira-
ba I lio com este vem a riqueza a paz, &c.
&c. Tu queres ser governadp em fim com
menos dispendio com a possivel eeconomia
com o menor vexame possivel; e tudo isto s
poders obter do imperio do Industrialismo.
gumenlar com Dilemmas.
Hum cabouclo tendo furtado hum 'cavallo,
capazes e de hum modo, que assegure com-
pletamente a tranquillidade publica. U ni-
co meio de satisfazer a este respeito os desejos
da maioria coasiste, a meu ver, em que seja
os industriosos mais importantes os encarro-
ados de dirigir a fortuna publica -, porque os
industriosos mais importantes sao os mais in
teressados na manulenco da tranquillidade os
mais interessados em ecconomisar as dispezas
iinboas. e os "! empejbado's por tanto cm
Similar a arbitrariedade; em surama de todos
it)s meanbros da sociedade sao el les os que tem
idado prova de maior capacidade em adminis-
uaco jxisitiva ; pois que os bons resultados
que oblivera de suas especulaces particula-
res moslra a sua capacidade neste genero.
Povo, basta de seres bigodeado : abre os
olbos, e v que te arranao a substancia ,
alando-te mel pelos beicos com as palavras
seductoras de Liberdade e ignaldadc de di-
re i'os. Tira6-te desapiedadamente o sangue.
a-se nelle sua vonlade como por escar-
atua felicidade! Povo Brasileiro, O
VARIEDAPE.
Catbcdral Catholica em Londres Est a-
berta huma subscripeo para a construeco de
huma magnifica Cathedral Catholica Romana
na parte occidental da Metropole no estilo go-
thico, que deve ser ornada no interior com os
melbores primores das arles de pintura e es-
culptura. A Cathedral deveconter dez mil
pessoas e ser no exterior hum dos mais no
Lres monumentos de architeclura do Imperio.
Diz-se que o Papa vira ^Inglaterra para sa-
grar o novo Templo, (bnglish Chronicle 4
de Maio.)
Tudo annuncia o triunfo da verdadeira Re-
ligio. Vo se cumprindo as promessas do Di-
vino Mostr ; e quem i|iria, que depois de
Henrique 8., depois de tanta perseguico
contra os Calholicos, na mesma Capital da
Ora Bretanha se tractaria de lavantar huma
Cathedral Catholica Romana Como sao ad-
miraveis os camiiibos da Providencia A Na-
co mais inimiga do Culto Calholico a Na-
co, que des d'aquelle Rei ceg c obstinado
ate educava os meninos com ideias de desprc-
zo, ou d'horror eontra oSolierano Pontince,.
figurando-o como o Antecristo &c. &c,
hoje vai-se desengaando da insuficiencia e
versatilidade das suas Secitas Protestantes c
a largos passos se vai aproximando ao porto se-
guro de salvaco a o gremio da Santa Igre a
Catholica que esposa do Cordciro Immaeu-
lado, e mi carinhosa prompta est a receber
em seus bragos a esses firhos discidenles, a es-
ses filhos Iludidos por cuja coverso
nao sessa de dirigir supplicas ao Pa das Mi-
sericordias Que prazer para os verdadeiros
renles! Que gloria para o Calholecismo !
Que felicidade para o genero humano,' Se to-
dos os homens sao irmos filhos do mesmo
Des a que seria.
tf Roga-se aos Snrs. Amaro Joze Fran-
cisco Manoel Francisco de Meira Alexau-
dre Manoel Ferreira, cas Sonhoras Adrian-
AO PUBLICO. na > e Dionizia Joaquina, queiro ir a na
Para que eonheea o respeitavcl Publico Nova. D. i quo iniusta fo a pronunria c sentenca cartas vindas do Rio Grande S. Pedro do
que proierio coiUra m'un abaixo assignado o Sul.
Rm. Vigario geral da Uioceze de Pornambu- 13" Na ra do Rosario eslroita leroriro an-
co 7 ou fosse jxjr este ou por aquello motivo ) tUr por cima da boc precisa-sc de una
(leiK)is de conservar os meus aulos na conclu- P'ta dcalugutl, pan oservico externo ein-
zo oilo mozos, pouco mais ou menos ,' terno de casa.
aim de protelar a minha cauza prejudi-1 C7" Compra-se quatro ou seis quortaos
cando-mc nos meus benesses e fazendo-mc sendo novos annuneio.
dispeuder com a juslica sem remorsos sentir SST Deze,a-se faliur aos Senbores Anlonio
na consciencia impondo-me urna sus|ienso Pereira de Aguiar, e Bernardo Joze l'oi reir,
arbitraria do officio e beneficio por tempo s mesmos queiro annunciar as suas mora-
de cinco annos faco imprimir o accordo das,
dos rectissimos Ministros desta Rellaco Me-1 => Oflcrcce-sc urna parda forra para ama
tropolitana, para onde eu appellei: a qual seca de caza faz lodo o serve o he muito fiel
he do leor sopuinlc : e engoma : na ra por detraz dos \ artirios
joo Zcfirino Pires.
Vigario (. ollado da Freguezia da Escada.
Accordo em Relaco &c. Que "
( Assignados. ) Dr. Souza Cardozo. -
Dr. Almcida. Freir. Moreira. S. Paio
e Mcnezcs. Vasconcellos.
Pai
lU'
os remidos pelo precioso Sangue t
cev
neo
remedio de leus males esta em tuas pronrias
Daos. Lonr.e, bemlongedcmimaconselhar-
tc a ii.surreico qiM agravara cpncideravel-
menie os teus padecimenlos. unca a .mmha
f, ac penna lembrar hnm remedio que nao
soja o remedio legal. Guarda-te para as cl-
lecocs, eenlaobe, que te Abr emendar o
Jo
Homem Dos ; porque nao lero todos a mes-
ma Religio o mesmo Culto ? Onde esl a
verdade, a paz a seguridadeda consciencia,
se nao na Igreia Catholica Apostlica Roma-
ua depositara da F do Div ino Mcslrc o
fundada por Pedro, a quem este otborgou o
Primado de jurisdiego, eda honra? Sem
submissao e obediencia filial aos Sutwssorcs
de Pedro nao ha Religio de Jezus Cbristo, e
conscguinlemente nao pode haver salvaco ;
porque S. Paulo expressamente deelarou que
nenlium outro nonie lia, debaixo do qual pos-
samos ser salvos se nao o Nomede N. Snhor
Jezus Quisto. Quando esta Relijjio Divina
asseuhorcar-sc de todos os povos, ento e so
ento he, que estes podero conlar-sa verda-
deiramente livres, e felizes. A verdadeira
Liberdade s o Evangclho a trouxe ao mundo:
e logo que este seja o Cdigo de todas as Na-
i es o niierso gozar de todas as venturas,
D. 4' 'i na mesma urna negra lava de var-
rella e sabo cozinha c fax todas as qua-
ub'o im- lidadi s de doce,
procedente e millo todo o proeessb do corpo! t-T Quem qu*er hum Professor para en-
de delicio, e summario da denuncia por 1 he sinar Primeiras letras, Gramtica Latina,
faltaron as solemnidades dos arts. 7Q i. i Bhelorica e Muzca em algunv Engeqbo ou
4.o e6. e 142 do cdigo do prooesso mesmo no Certo: annuneio .
criminal, por tanto mando que seja oR.*oj arPnds>>ae de 5oo a foo res a juros,
ap|elantc despronunciadodaiulo-se-lho baixa com Iwa si-guranca ; quem osqulzcr dar au-
nas culpas injustamente imputadas, restituido nuncic.
ao seu beneficio e gozo de todos os seus di- K^ Vende-sc urna venda as aneo ponas
reitos, como se tal nao houvcsse com di- quinado lierodoLobato justo a Ifpcja de N.
reito salvo para haver a siainjuria pona S.do Terco a dinheiro ou a praxo,e (bus
c damnos recebidos de quem direito tivcr ,! Alambiques de folha com fundos de cobro e
e cusas ex causa. Babia a3 de Agosto de i83g.bum pilao' de ferro com pozo de aoo e lai,l.-s
' libras na caza a sima ou na roa do Alecrim
raza que morou o Sr. Barata.
S?" Hesoja-se saber se existe nesla ( idade ,'
ou Provincia o Sr. Joo Rodrigues Picea*,
natural da Prov ocia da Boira e que para ,w
qui ve o mais do 16' anuos 011 no caso Ji-
la ii cimento Scufilbo Jos Amonio Rodri-
gues Pires, para negocio de sen nteresse ; no
Consulado de Portugal, defronle da Igrejado
Corpo Sanio.
3- Olferece-?o nm silio em Olirda ?o o
de S. Joo intitulado Viraco com cafa
nova de taina rom urna planta de cflpn pa-
ra um a doiScavallos excollenle agoa lenas
de todas as prodiiccfics, com alguna aonaos
de ospinlio novos eoutras plantas-, por pc-
eo cmodo: ao m sino silio.
IV Pnebuv-ae alugar unta ama de leite es.- .
(r.iva,e para lser o mais serviouj' kt piceisc,
inda mesmo nao saliendo engomar: a Boavisia
na ra Nova que vai para a Trompe casada
quina, que lem sotan rom vnrandas do Ierro.
t^- Quemanniinciou no Piano deonzo'o
torrente ter umaparelho decbtle prata pata
para vender, dirija-- ao i-ateo "di..
da paite do loco da Viraco P. 8, (a.a ter-
rea. ,
THEATRO PUBLICO.
Terca fcira 17 se representa a grande Peca -
Lucrecia Borgia os pretendentes a Camaro-
tes e hilhetcs dirija-se ao Sr. Jos Fernandos
Brasil.
GABINETE LITTERARIO.
(Js Srs. Socios do Gabinete Litterario, sao
convidados comjiarccer no dia 16 do rorrele
pelas 4 boras da tarde na Salla da Socieda-
de \pollea, para rm Assemblea Geni lis-
cu tirem os Estatuios revistos pola CosMniasfe
especial a quem foi encarroado este traba 1110.
Boeife 13 do Sotembro de i85q.
Porordcm do Exm. Sr. Presidente da l)i-
recjj
ao
Luiz da Costa Por tora 1 re i 10.
1* Secretario.
C.OSMORAMV.
Todos os dias at quai la foira
18 do
cor-



1
ws-
-;'
"t
V
, f- lela icrccira vara do Civcl se ha dear-
temalarfindoB os dias da Ici por venda a
ucm mais der urna morada do casa terrea s.U
Satterro dos aflogados, avahada cm 3 con-
tse trezenlos mil ris vai a praca a reque-
rimento de EUas Baptista da Silva, contra
Antonio Jos Alendes e sua inulher.
10- < onsla que Joaquim Lopes Machado
se mudou para a povoaeao dos aogados em
illas do Agosto p. p. e este d o nome de Jo-
aauim Jos1 lo S. Anna c vive de pescador 5
ulo lie casado acha-se pronunciado misao,
e livramenlo, poro Dr. Juiz da segunda vara
do Gime, e como nao lenlia dado fiador,
acha-se eatrahido mandado e ordenfpnsao
dcstribuida pelos Sub-Preftitos de S. Anio-
nio c Roa vista e para que chegua a no-
ticia a todas as Mlioridadee a quem compele
a pulira da mesma a (im do 0 fazerem ca-
pturar. ~ 1
T Na ra da Cadeta nova D. 4 deseja-se
fallar ao Sr. Jos edro Carneiro da Lupba,
profesar eme foi de agOtB bellas para nego-
j- FurtarSo do pescoco de urna menina,
xnna volta de cordo de ouro com i5 oilavas ,
e urna Cruz com 3 oils a pessoa a nuem
for offerecido fani o favor de tomar e levar
no principio do atierro dos afeados em casa
de Silvestre Joaquim do Nascimenlo.
1 j- Adverle-se acorto sapateiro que anda
de dia c de noite embruUiado em um capote ,
que nao falle lano da vida alheia, e nao tenha
aTingoatocomprida, nao pense que esta na
liba de S., Miguel c recunbeoa que esla em
ubi Pai/- aonde se trata B todos mudo bem ,
ese nao emendar de seusmaos felos vera
o acunme publicado pan eonhec.mento do
publico. .
tST Arrcnda-se um bom sitio para passar o
verfo, no lugar do Monteiro com boa casa
para -Tande familia senzalla c coebeira ,
tm ntuitoabons arroredoa de fructo ; a tratar
na ra do crespo luja D. 4- .
cr Precisa-se de um metre de primaras
letras ..ara o mallo distante desta praca la
logoas; na praca da Independencia toja de
Jos Antonio da Silva n. 7.
S2T A pessoa que qiier vender um appare-
lbo de pratapara cb dirija-se ao atierro dos
alWados passando o ultimo sobrado na pri-
mara casa torrea que -tem fabrica de tabaco 5
ussim como quem queralugar do pretos.
Sy Precisa-se de 100,000 sobre pinhores ;
duemes qoiser dar annuncie sua morada.
Be- Precisa-se alugar uma prela lona, 011
cautivo, que ralba cozinbar o diario de urna
cala e fcer todo o mais snico de portas
para dentro 5 na ra nova defronte do oiluo da
Malri casa 0. 4 segundo andar.
:_,- Aluaa-se urna casa no Poco da panela,
coa commodo* para grande familia quintal
plantado de capim pelo lempo de fesla 01.
or auno 5 no cortume dos Coell.os sobrado
por cima da casa da balanca.
rs. D-sc 400000 a piros de a por ceno
aomezsobre pinhores de ouro-, em lora de
nrolas venda n. aa.
%-3- Pela segunda vez se adverlc ao Sur.
T) J S que se-digne ir a ra do Livramcn-
lo\ioarmazemdefoucan.4 P>gM a quanlia
de 488,0^7 islo no praso de oito das, na
cortesa de que nao o fazendo vera o sai nome
publicado, eamaneira como contralno este
' "tir Precisa-se de urna pessoa para tratar
,1c um rapaz solteiro fora da Cidade j na ra
do Raugel confronte ao beco do carceraro Dc-
C^9JosGroans, serralbeiro franecz es-
tabelecidonapontevolhada Boa v.sta, avisa
noc elle faz lodos os pbjectos concernen le* a
sua arle tanto no que diz respe.lo a os neces-
arios para as carreteos jopara as casas
c mesmo pan. temperados nttwtim para
trilladores ecom partcula ndade pan
Detor na ra do Rurgos que ser recom-
pensado. .
tsr O Sr. Joo Pereira da Silva t.uima-
racs tenha abondade de aparecei na ra Dire-
tra padaria D. 33 ou annuncie a sua morada
para se Halar negocio de interosse.
S^T Um rapaz brasileiro de muitos bons
coslumcs chegado nesta "traca a 3 dias, se
offerece para caixeiro de escrita por ter boa
letra 1 quem de scu prestimo precisar dirja-
se a ra Direita padaria I). 33 ou annuncie
sua morada.
tT Roga-se mui encarecidamente a quem
tem uns autos de liliello civcl cm que be aulor
Amonio Jos de Olivcira Costa c reos os
Adbinislradores de Manocl Malinas de l rol-
las queira entregar nesla Tipografa .
ser {'ratificado.
Cf Os abaixo assignados so achao babeli-
tadosporsentenca do. Juta de Orlaos por
conseguinte podem por c topar de quaesqu r
bensque Ibes pertenc-erem os aba.xo ass
gnadossenhoresepossuulores de ama te
no lugar doM011tc.ro a margen do iiocapi-
baribe aqual a veudem e tem bo bracas
LU ------TT '
em quadro \ com barro dentro para toda qua-
lidaJc de materiaes com a bnndancKi tem de
comprimento 3Jo palmos eA largo be di-
tos metade feila sobre pilares, e mtlade
sobre esieob (--. > ... % ,
com forno que leva vo milbciros de lijlos dt
TenaS ,que cozinba com 5o 000 de lenha
m Jiirumsiolocru, com boa casado
ivenda com solao \ urna casa p^
planta de ro.a e oulra de cana com o, lal.ee,
,om porto de embarque ao pedo forno com
5o milheiros de lijlos, 3o ia "^g
eras, eos mais pertenecs d='V' "*
TOmo urna canoa de carga de 00 l.jolo, e 4
nuartos destros em amassar barro; quera a
os abaixo assignados. Mattoel de >I ^ "
que Barros Cavalcanli Jos lV/o. ;a>al-
canli e Manoel de Albu.pieque Barros.
tST 5oo palmos de trra qnasi toda quadra-
dacom a frente para a estrada do espnibeiro ,
com muilas arvores de fructo, ierras tastan
tes plantaoosde oulras lavouras o que ludo
com a vista dos compradores se mostrara, tor-
ras propriase eslas mui descansadas perten-
ccnles ao proprietario Silvestre Antonio de
Laage morador no mesmo sitio.
tJT Tocadores liara preparos de costura a
1600, 1760 e 19 o ditos para preparos de
barba a i44 too '7bo c 19' \^a
de colonia 120 o frasco sabonete para barba
4oo a duzia lamparillas para 6 mezes fo rs. a
raiza, tesourinbas do cabo dourido e sem
dourado muilo finas suspensorios de burra-
cha a 400 o par ditos de fita 240 dito, rape
arcia prelada Rabia a 10 Jo, a libra e ou-
lras muilas mindezas por proco commodo ; no
atierro da Boa vista loja i), ib".
irj- Lluas cscravas mo as boas lavadeiras,
urna crcoula e oulra de nacao, a crcoula co-
se engommadeira e cozinbeira, de idade
de -o anuos c a oulra de idade de 9 anuos ,
e com principio de costura, c um negro tra-
balhadorde campo ; na ra do Livramculo
bolica D. 11. .
OT Un negro creoulo de bonila figura, de
idade de >-> annos be canooiro e ganba t4o
por dia, ndepondente do Sr. lbe dar sustn-
tenlo ; quem o quiser annuncie.
%ZT Lfm iogo de bancas redondas de madei-
ra angico por preco comraodoj na ra das
FlorosJ). 8.
tST Urna negra obegada do mato ; na pra-
cinha do Cvramento h. 11
tjy Urna cscrava muca
gar da Radia termo da Villa de Valadarcs ,
em portugal ; quem o pretender annuncie.
iST qo casaos de pombos de boa rassa ; na
ruada Glaria D. a5.
Escravos Fugidos
Avisos MarithnoH.
vir Nodia24de Agosto p. p- fugio um
preto de nome Diogo naco calabar, estatura
regular idade de 5o annos cara redonda ,
um pouco fullo picados das becbigas bar-
bado muilo regrista, tem urna perna. um
pouco mais torta do que a oulra, e um 10c-
iho frosso fallo de cbelos no alto da cabcea,
levou vestido camisa de estoupa seroula de
aiglo e chapeo de palba 5 quem pagar
levearuadasQuarleis. 5, que ser recom-
^tj" Roga-se a os Srs. Sub-Prefeitos desta
e mais Comarcas Commandautes de registe ,
eaurhoridadea policiaes^ e pessoas parlicu-
laros, aproenoao de um molcctc de nome \ .1-
lefttim de nacao camundongo/ estatura bai-
xa um tanto grosso do corpo cara redonda,
nariz chalo um ou dois dentes podres na
fronte, o p esquerdo com principio de fend,
r. Ikafinada meio fullo, levou vestido ca-
misa dealgodaozinho liso, calsa de bnm tran-
sado pardo julga-se ter sido seducido 5 quem
o pagar leve a ruado fogoD. 2, que sera re-
compensado. ;
OT No dia acide Agoste fugio um cscravo
do sitio Parnameirim, de nome Elias, estatura
regular, de nacao cassange, pouca barlia,
i com (alta de dentes na frente, quando falla
.suprime as palavras, levou calsa e camisa de
'"i de bada
maior
avaraora, comumacna, o -u c- dma uma ramisa
hcquilandeira-, na ruado Livramcnto 11. encai.'na(i; lCVando para maior signal mu
Uma casa emApipucos, a margan do !aslo conforlaiiVo nos pcilos em razio de
S' molestia 5 quem o pegar leve do mesmo sdio ,
* ou na ra da Cudeia 3o que sera recom-
ladi illiada c mudo fresca j na ra da lorcn- ensa(i0#
tina D. 'o. j r^> No dia i(5 de Agosto p. p. sugio um
?r Uma cscrava de todo o servieo c de de mm(j J()3o |)eil{;uela f com ofticio
bonita figura vonde-se por nao querer o l xnadoT < de illade de
> .1 ..iwi tiir.i nlifiim'i li'iliill --
127-
riocipibani
cozinba fora
PARA LIVERPOOL a bem conhoc.da Ga-
lera Ingleza Emilie de primeiraclasse ( A l) i
cmemquisercarregaisou.r de oassagem di-
i'a-se a Me. CalmuiU & Companh.a.
ILvRA O CEARA' c Acaracu a Sumaca
Feliz Americana, segu viagem alo o da 3
do crreme 5 quem quiser carregar ,011 r de
paasagem dirlja-ae a Manoel Joaquim I d.<
da Costa na ra da cadcia n. I.
PARAARA1HA com oscila por Mflceiu
ovolloiro patacho Dois Amigos loriado e
pregado de cobre sahir com a maior brovi-
.'la.le possivcl por ter scu carregamenlo qua-
sipromplo ; quem quiser carregar ou ir Oe
passagomdiriia-sca anoel Joaipum Pedio
da Costa na ruada cadea n. 1.
; 40 anuos altura
servieo de coznha do que tom alguna babel- rc,ruiar ? firosso do corpo cor vcrmclba, tem
dade 5 nos cantos sobrado I). i?i. I ujjj den(c t'ra(|0 Ija rrea,e da partc de cima ,
tST Um canario de imperio 3 conos 2 ^ um ,)eco aI nima ^^ fVeiro bstanle
papas capta, um cabocohnbo,. 1 bigodcs ,jarba tem na calicca falta de cabello de car-
aos mudo bons cantadores ; dentro dos arcos ^ leyou ;esti0 cba de algodao ,
da ribeirada Boa vista. e camisa de dito tem na cara a marca de urna
t^ Umaparellio de mesa mudo rico c do- kla u(j leyc a mut0 lemiM). qucmt) pagar
prccolana fina dourada os lolbctos seguiiitcsy^^ rua jQ Livramc.ul0 D. io no segundo
a melbafisica de conlabelidadc commercial mmAmwP nn enr:'. Jw.m recomnensado.
til para toda a pessoa de negocio a princesa
de babilonia OU a ave de a mil annos de
ti e i I o
cantaros
. e tambera concerta carrinbos 5 as-
sim como tem para alugar uma ptima co-
"i* Precisa-se de um pequeo portuguez
deidadedciaa .6annos, para a Villa do
Aracaly, lraser oaixe.ro; na ra da Cruz
' r/ OSecreUrioda Sociedade Minervina ,
.-onvida a=os socios da mesma para se rcunirem
hoje as o horas da laitlc, na sala de suas ses-
"""" Ouem pmisar de uma pessoa para s-
(,l^-,^aqualida-lo,lees,Tp.a o,,,,, pork,-
:l:),asseio,dina-soaruadollangclsobra-
Ji I) a4 no segundo andar.
! A pcss.Vaq.ie no dia 7 do currante quu
^oSSodas5pbnlasD..s,queua
, .......ro-oi n se efectuar a venda.
,, .Ln orna corda ao ik-scx o, rtodia to
TCJ- O annunciado pelo Correlor Olivara ,
para terca feira iodo crrante, no armaran
terreo da sua casa ra da Conceicao 11. 34 ,
de diversas ferragens pertenecntes a Alejan-
dre Vlackay fica transferido |>.ara sexta* lo.ra
ij do crranle, porcauza de nao lerem sido
despachadas em tempo.
C ompras
IZJ" Unsquarlos para o servieo de enge-
nho 5 as 5 i>ontas loja de Antonio Jos Tei-
xeira Bastes ou annuncie.
tST Um preto moco de boa figura sem vi-
vicio nem achaques, com ofEcio de canociro,
e uma preta perita cozinbeira e que nao soja
de sabir a ra ; na ra dos Pires casa do talle-
cido Gervasio 1 ires Fcrreira ou annuncie.
S-y A obra intitulada Cours de I oldi-
que Conslitutioncllc por BcnjamimConstan-
te ainda que seja uzada 5 cm Olinda nos 4
cantes U. a5, ou annuncie.
tST Uois escravos sendo um molcquc e
um preto de meia idade; no forte do maltes ca-
za de Crabtrce Heyworlt & Companhia.
Vendas
E^- Superiores charutos da Havai^a e da
Cachoeia 5 na ra do Cabug loja> do Sur.
Uandeira.
tzr Uma mulecade i3 para 14 apnos (o
idade corinha o djario de uma casa lava de
abfO e com principio de costura j na ra
ova loia de chapeos D. 2a
V^-'lJm preto creoulo, moco, Qom omcio
de canociro 1 U ra do coUcgio O. B lado de
lona, no primeiro andar.
S. r Bonecas de gomma para escripluracao,
ahora, cada rana i ua loja de hvru da lia-
YMa ccistcnca Antoniie ou os dois piatroxos o
"eiitil rapaz, o genio ou o selvagem civilisado,
o secretario portugra e os segredos neces-
sarios ; na ra do Livramenlo loja de louca
tCT Uma preta de bonila figura boa en-
somtnadeira costureira c cozinbeira uma
dita crcoula com as mosmas haholidades ; urna
dita de na.fio propria para lodo o servieo ; e
um preto bom cozinheiro um dito de lodo o
servieo na ra larga do Rozario D. 7.
tzj- Uiia pequea venda com ]>oucos fun-
dos c a casa tem commodos para familia, no
lar"0 do Terco D. a lado direilo ; a tratar na
mesma. ,
y-7- Riscoto do Porto chegado ltimamente,
licor francez de diversas quididades sag' de
primeira sorte superiores sabonetcs de bar-
ba e vinho de Lisboa muilo superior por
preco commodo na ra das Cruzes D. 7.
7- Uma porcao de travs, de mangue de
5 a 3o palmos, por proco commodo 5 na ra
da Florentina sobrado o p da mar.
Ct" Uma cscrava natural do Ccar, de
idade de 18 annos proprio para todo o servieo;
na ra da Cruz n. aa em casa de Manoel Ri-
beiro da Silva.
^3- Uma negrade bonita figura de idade
de 14 annos cozinba o diario de una casa,
cose engomma ,_ faz doces de varias quali-
dades c d-se a con leu te dias 5 na ra Di-
reita do lado do Livramenlo 20.
S^" Uma cscrava de nacao, cozinbeira ,
engommadeira e de muilo boa conducta ,. de
idade de 'i5 annos 'urna dila de nacao faz
doces de tedas as qualidades muilo boa qui-
landeira de idade de a6 annos \ uma molcca
de 14 annos de idade muito habelidosa, co-
se cha muri bem e de muilo bonila figura*,
dois moloques de nacao de idade de ao annos ,
e um cscravo de nacao angola, muito fiel ,
lodos osles escravos se do a contente e se a
nanea as boas vendas ; naruadeagoas ver-
dos D. 38.
t?" Duas banquinhas novas de amrcllo ,
envernia^das bem feilas e bastantes forni-
das ; na ra da Florentina casa ultima junto
ao Sr. Eiras,
tJ- 60 a 70 arrobas de carne scrca, por
preco commodo j na ruadacadeia velha nu-
mero 5.
S3T A poascdem vinculo siluad no Ju-
andar que ser bem recompensado.
I_t- No dia preto de nome Agostinho de idade de aa an-
uos estatura alta, grosso do corpo. tom os
denles da frente de cima um tanto aberras e
os ps'alguma coisa bichentos levou vestido
calsa de brim camisa de chilla jaquela de
riscado encarnado e chapeo de pallia cujo
rete-trahalhavaem uma padaria na ra da
iranjeira donde desapareceo ; quem o |K-
! gar leve a ra por delraz do calabouce vellio a
seu Sr. Justino Antonio Baptista que da 5o
mil rs. de gralificaco,
C? Fugio no dia 5 do crrante um cscravo
de nome Antonio cor meia fulla, gordo e
haixo cabeea grande nariz chalo tem fal-
la grossa e he de nacao cassange, anda sem-
ino muito sujo ; quem o pegar leve a ra do
Trapiche novo casaD. i5 que lera 10,000 de
gralificaco levou vestido calsa branca c ca-
misa de" riscdo encarnada rola e vcio a
pouco da Parahiba.
WT Fugio na noite do dia 9 crrante um
cscravo de nome Joaquim de naco congo ,
baixo bem preto tein falta de dentes na
frente tem lulo algunas feridas nas ponas
dos dedos', levou vestido calsa de" brim ca-
misa de riscadinho cozinba sabe bolear c
laz lodo servieo do meslico de uma casa; quem
o pegar lera de gralificaco 3o,ooo e dando 110-
licia certa e .pie screalisea sua apprccncio
moliera ',0,00o ; e pode levara solidade casa
de Joo C. Nagei ou no escriioiio de j\.
Schranim que em qualquer das casas acbaiii
o sen Sr.
loviniento do Porto
NAVIOS SAII1DOS NO DIA n.
SANTOS 1 Rrigue Nac. Unio, M. Manoel
Pereira de S carga diversos gneros.
S. MIGUEL DAS ALAQOAS j- Hiato NW.
Rom Jess M Antonio dos anjos CaWas,
carga varios gneros passageiros Rrasilei-
ros, 6 c *i escravos.
RA1IIA ; Hiato Hac. Emilia, M. Manuel
Jos Raimundo da Silva carga diversos
reneros 5 passageiros Manoel. Antonio do
MinmdavOzoi'io, c Thcolonio Dias da Sil-
va Iicniiqucs.
REUFE NA TYP. DE M. F. DE F. 1 o3, I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHD5EN65A_2LCMLD INGEST_TIME 2013-04-13T03:29:50Z PACKAGE AA00011611_06125
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES