Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06120


This item is only available as the following downloads:


Full Text

w""aOTPps*
Anno di: 1839. Sobado
^ Tudo agora depende de nos mesmos; ta nossa prudencia, modera-
do, e energa ; continuemos como principiamos e serenos a pon la do
10om odmiracio entre as Races mas cultas.
ProclamacBo da Assembla Geral do BraziL
iiT B -
Subscreve-s para esta folha s Mooo por quartcl papo adiantados
jiesia Typografia, ra das Crues X 3, e na frac da Independencia
D. 37 e 38, onde e receben) correspoudencias legalisadas, eannucios;
rnslrnido-se estes giatis, sendo dos propros assignanlet,- e Virtdosassig-
Bados. ...
Partidas dosCorreios Terrestres.
Cidade da Parabil e Villas de sua preteco...................\
Dita do Kio Grande do Norte, e Villas dem...................fc _c v
Dia d* Forl.!* Villas Id......................... ^g. Sexta Fc
\ illa de Goianna................................../
Cidade d- Olinda.................................. Todos os d;s.
Villa deS. Anto......... ........................ Qujnlaa l'eiras.
Dita de (iaranliiins e Povoaco dn Rrnilo ....%......... f Das lo, e ? de cada mrz.
Ditas do Cata, Serinhaem, Kio Formozo, e Porto Calvo '...........Idcm ,1 11, e ai dito dito.
Cidade das Alageas, e Villa de Macei.........................Idcm Iden*-
VilU de Fajad de Flores................................. dem 1?<, dito dito.
Tollos os Corrcios partan ao meto da. ,
7 de Setr>jqro. Numeho OL
iras.
CAMBIOS. -
^TSeTEXTRO. 4
Londres...... 3l 3iippor Ifooo cc.d.
'Lisboa ....... t)o |xir'o/n premio, por metaldflc.ewdo.
Franca.......Sao a >iS re poHranoo nom.
hio de Janeiro 3 por o;o de premio. ,
OURO Moedas de fito ., Vclbas i,*5oo a iSooo
Dras .. Novas i4#ioo a 1 ^oo
Dita de gotta W., tyto a t^*,.
PHATA Patacn Itiatilh-os 1-------------IjSKvio a tfB&O
lt jPeius Columnario--------------- i#(i*o a i^jftibo
' JiosvMcsicaiios-------------------- ifrioo a %#io
Premios das Letras por mez 1 17S a 1 ip por loo
Mocita de cobre a por ios.
Dias da Semana.
a Secunda------S. EstevSo Rei____________________Sc. da Thec, e And. do I. de 0. da 1. v.de m
3 Terca---------S. Eufemia V. M. --------.-----------RclacHo, i- Audiencia do J. de D. da 1. v. deja.
/i QuwrU-------S. Roia ie Vrtcrho------------------------Hesiio da Tlicomaiia Publica.
5 Quinta-------S. Antonio Ni----------'-------------------Re. .Ses da Tbez., e Aad. do I. de l). da ?. v.
6 Sexta.....8. Libania V. M.......-......Sesso da Tbez cAud. doJ. ikD. da .. tara
2Snbbado-----.ftjum S. Joo M.----------------;-----RSoha desp.
Domingo-----Ralividade de N. S.---------------------- <
Mart chela para o da 7 de Selembro.
As 4 horas e 30 minutos da tarde,.B As( horas 5-1 minutos di roanbS.
S5*
hUMO
W
&
^rnamBuo.
ou.
32$3V3!
c
Amis de lio/, sentios gravava sobro nos
o jugo colonial, quando por Decreto de i(idc
Dczernbro de H fi Coi o Hrazil elevdbjCalhe-
gorade RciTio; grandeza esla que, a pc/.ar d
ser-nos, dgambsafcsirn, imaginaria, porque na-
ila havia de prosperidades que Sepodesse es-
perar d'a corte corrompida, poneo assim mes-
mu dnrou ; porque a metropole, que va ern
nossa'phctriera exallaco o seti proprio nha-
limento. deo o grito de ',, J/iberdnile ,, e o sen
eclio rei timbn do Prata a o Amazonas. Tre-
men o despotismo e a tiraunia recuou pli-
da e medrosa. Mas <(uem pensara que esles
dous inimigos da misera burnanidade havi"o
de ir assentar o seu-quartel general naquel-
lc logar mesmo d'onde se Ibes tnbo dirigi-
do os primeiros lros. '
As Corles de Portugal, 011 por que nao cro
dotadas daquella slncerldad, que devedislin-
guiros verdadeirospali ioias. 011 porq'lemiao, q'o
15ra/.tl Ibes escapassedas garras, principio logo
a apresentar um sistema contrario aos fcctts
principios e por consequencia a manifes-
tar ideas.avessas a o estado de grandeza, c
decivilisacao que haramos clieado : os
ento juslo e generoso dicidio-se a fixara
sorte do Hraz.il qtc lirre, e desssomftado
subi a lomar entre as nacSes iiidependenles
o logar que lbe competa, por sita eivisa-
Co 'egrandeza
Da 7 de Setcmbro, nys te saudamos E'
de t quedecorre o principio da nossa exis-
tencia poltica ; tu-uo apparecesles tao bri-
lliante aos \alorososRon1anos,quandoelles p-
denlo cerrar a o despotismo dos Tarquinios as
portas da cidade l 6 princip de Roma por
sua immoralidadc, fez despertar no coracap dos
lillios de Marte o amor da lbenla de ? ei o
momo Piinei|ie do Bliftl marcha ; nossa
frenle pin lama e se offerece. mesmo ;s liai-
nelas Portuguzas igual a esse Codro, de.
i|iiem nos diz a historia (pie oentregara as
m'ios dos inimigos peta liberdade da patria ; zil, cmque outr'hora seouvio por todo o scu
la foi o cri.me a cansa occasional da iiulepen- continente cnticos d alegra em que os mais
dencia dos Romanos, c. fo a virtude qiiem puros incensos offerecidos|pela modos mi-
nos salvou do despotismo ; assim lossem os Ce uislrosd Altissimo subio at seu thronoem
racoes dosAfonarcas isenlOS das paixoes, a que si;nal de nossos agradeci oten tos, quao diverso,
esl "10 eondemtiados todos osbomens Mas Pe- que em lautas cidades do Imperio! Em vez de
dro i. ; n.io e\isle portanto convem que, cnticos ouvesscm gemidos,em ver.de lloresla-
deixando deseancar em paz as suas cinzas, pa- grimas; em vez de incens turhilbes de cha-
ra nao termos de notar algas de suas accoes mas; os canhoens annunciao amorte, e nao a
polticas, corramos um veo sobre tudo, quanlo vida; ossoldadosm vez de dizerem \ iva a
decorreo destle 7 de Setcmbro de BW at 7 Independencia gritao morrao os Hrazilei-
de Abril de .81 e s nos lembremos do prn- ros. Hrazileiros,, parai !
ripio e fim de sua carreira polilica h0 Hraz.il. lata que este grande dia sejaduradouro e
Se elle a abri cooperando para a nossa In- prospero ao Hrazl neressario quealndi--
dependencia, (inalizon-a deixaudo a seu Ei- pendencia seja bazeada sobre os solidos princi-
Iho o Sur. D, Pedro II. como defensor da pos d'u Moiiarchia constitucional: o despo-
Constituico, que elle nos havia ollertado e lismo indigno de vosso carcter, e ademocra-
(iiie nos reir. ca nociva vossa felicdade. Duascousas
Ab! Hrazileiros, se Pedro I, atmessando a- s'10 necesarias para vossa existencia politica, a
parai para! nessa desastrosa car-dos, ou anniqnilados: cueste misero estado
que vira' ella a ser ? Responda-vos essa guar-
fazieis
relia.
(>ue pretendis mais ? Quizestes a Indepen-
dencia ajudei-vos a conqAiislal-a ; qu-
zesles Qa Consliluiwio etivol-ade; descon-
fiaste de njim retirei-mc ; te'mcstes a nimba
nalttralidade deixei-vos um Hraz.leiro, e um
Hrazileiro que pela sua idade nao pode vos ser
temido : boje lendes um Regente obra vossa.
obra de vossa eleicao -, tudo boje depende de
v's de vossa prudencia, moderacao, c ener-
ga como se 1 da Proclamaco de vossa As-
seinblea (ieral: e como no meto de Utntas lli-
oidades aliandouais a jiaz., e a liberdade para
lancar-vos decbofre nos sanguenlos bracos da
anaicbia :' Hrazileiros parai !
Estedia alorliniadn, o primeirodiado Rra-
gora os immensos espacos, que separao dos Independencia, de que gozaes extenormente
facciosos da Consti'tuinte quizerao l do pala- morios a regiao dos vivos, nos viesse
ero das >ecessiiladeslancar-nos mais duras, c | rentas das nossas acedes polticas, ce
viesse tomar e a forma interior de vossa associaco sendo
como nos ambas estas cousas dependentes ua da outra ;
mais abjectas cadeias, que. as que arrastavamos : de'endcriamos mis Sim elle nos diria : Rra- sein a Inde|>ciidenca nao poderes ser hvtvs ,
debai.vo do govemo dispolico do 5nr. 1). Jo-Vileiros, dai-me primeiramente cotilas das sein a liberdade que so vos pode dar u forma
ao 6
que
pro
as
mesmo
Tpheos da liberdade pronunciou aquellas in
ernaes palavras que o longo espac de 18
annos nao tem podido' apagar da" nossa lerri-
branca Que nos importa que os hrazilei-
ros se degolem Emfim as Corles de Por-
tugal qne la do velho mUndo nos haviad ar-
vorado a handera da liberdade e da paz fo-
rao os primeiros, queaodepois lancaro en-
tre nos o pomo da discordia : entao mudou-se
a face do Hrazil ; os cnticos d'alegria troca-
ra-se pelo eslrondo das armas ; Europeos, e
Braziletros esquecero-se por dias de mais de
3oo anuos, de estreitissima amizade. Mas esse
Ente justo e poderoso que peza na Batanea
de sua razo infinita a sorte dos Imperios or-
denou que o Braz.il rompesse para sempreos
lacos que o unio a Portugal ; pois assim o
requerio o.interesse de sua agricultura o
augmento de seu commerco eastia civilisa-
fc cao ; porem elle nao quiz, que esta eman<-pa-
cose ftzessc como de ordinario .costuma de
succeder, tomando os subditos as armas con-
tra seus soberanos, elle pretenden dar ao nnin-
lberdade esta, que procuraes nos campos en- democracia nao pode ser applicado a um po-
sanguenlados, por entre os l'rios c medonbos vo numeroso, rico e dado a o luxo com
montees de cadveres de vossos patricios, ami- ludo temos duas razos, para com ellas provar-
gos, e parentes ? NopOrahi que vos a en- vos.o erro desses especuladores da felcidadc
contrarcis sim na Constitu, So que vos particular casta da publica, as quaes sao
de. a beterogeneidade da Naco, e a sua immora-
Se aimla gozasse desso ar impestado que ldade
aspiro os desgra ados viventes, eu vanglo-1 Em um govemo republicano o poder Iegis-
riar-me-ia de yer que boje me justificaes 'ativo, e o .executivo devem ser exercdos pelo
dalgims erros que me imputavao quando povo, para o quehe necessario, o titulo de ei-
voss Imperador-, e tal vez. pela minha fra- dado seja commum a todos os mem bies des-
la avancada que ja vos mandou postar no
A mapa a naco, ena.ao ami "
;a
Mas Peinamlnienos at onde nos con-
duz a iniagiiiac-jo.I Pedto 1. ja nos nao po-
de reprehender com a palavra, elle *> nos
podeacopoalhar como exemplo ; Unas as suas
acedes boas 011 uns, se.uslrabalhos suas gran-
dezas voltarao a confundir-se 80010 nada, s
nos reslo as lenibrancas de seus feilos assim
nos hade succeder a nos por tanto hiramos,
com que a posleildade resjieite a nossa nag-
moria, sabendo nos conservar a nossa Indepen-
dencia. 011 leudo a coraceni de morrer por ella
^DEPENDENCIAOU MOHir.!
do um novo lenomcnoem poltica quiz. ; que
o mesmo herdeiro d'ambos osthronos ali.n-
dendo aos votos dos Hrazileiros os coadjuas-
se na emancipaco que os constraugiao a
ignorancia c a nhilaucta d'um partido desor-
ganizador que levava a metropole H f
ruina eonduzido pela tyranid *
sua tota
eimpoiitirn
Foi no meio
conducta do soberano congresso
dessa desorjntiacao polilica qne o 1 rmcipc,
queza chegasse ao puulo Je a legrar-me com
os vossos males vendo, que as naces ten-
do as vistas atientas sobre o vosso proceder
far-me-io juslica ; as vossas aberraces pre-
sentes disculpao os meus deffeitos passadus.;
mas na habitacaoda paz,oude descauco, nos so-
mos isentos de todas as criminosas paixes que
sao efl'eitos da carne corrupta aqueesta-
es unidos la s nos oteopio as idqas de ver-
dade, beneficencia, caridade em im de lu-
do quanlo entre vos se denomina virtude ;
por lano pcrmilti-me qu ei anda vos ap-
pt-esenle Os i-lleilos do met amor tanto mais
DOTO', e virtuoso, iuanto est desligado das
ideas terresles que quando entre ves me
dominavao,
Hrazileiros, parai nessa carreira, a que \o>
arroja a dcOTigOflia; <>s vossos pi's eslo a liordc
do abismo, que vos hade cerlamenle tragar. Si
queris que se tenluio por verdadeiras (
sinceras as amargas queixas que contra min
ta sociedade ; e quem entre vos duvida, que
desta boina estao privados dous tercos de vos-
sa inij.nlacao ? A mmoralidade da mor parle
da Nacao Hrazleira tao manfesta eescan-
dalosa,que nao pode negar-sr; ainda as cida-
des apparecem eostumes mais puros, ou
para melhor dizermos eostumes mais civis
logo que entrarnos pelo interior do
Hrazil
que pe versldade dceostiimes se nao encontra,
devida lalvez incapacidade d' alg n> clrigos
ignorantes', inimoraes, a quem estao entre-
gues asconscienciasdos rampnezes, e a bar-
bardade, ignorancia _e perversidade d'al-
l'uns delegados do poder"? Ora de todas es-
tas circunstancias resulta, que o estado
esteja,'sempre em oscilcSo, e desta hade vir
a resultar a flaqueza externa ; porque os bra-
os, que podan defend r-vos a Indepcn-
lencia seacbo, uns caneados, eoulros mor-
ios ; a agricultura bcbmmcrcio, ea indus-
tria suslenlaculos da Independencia, alraia-
. GOVERNO DA PROVINCIA.
EX PEDIERE DO DIA a DE SETIiMURO.
OfhcioAo Commandanle das Armas pa-
ra mandar eseusar do serv o militar ao re-
crutaJote Caejtano do Santos, visto ser (ilbo
nico de viuva
Ih'toAo Inspector da 'Fnezourariada Pro-
vincia ordenando que d as milis terminan-
tes providencias a Iim de (pie se arrecade
com a devida regitlaridade a laxa dos eseravos,
visto nao pareceiem altendiveis as ra/oens tpte
aprezentn o'Administrador da Meza das Ren-
das In lenas Genes,
DitoAo mesnio para mandar pagar ao
Alferes da Guarda Nacional Antonio Dias
da Silva a quanlia de 4U-i8ors* importan-
cia do que despenden o Prefeilo da Comarca
de Garanhunscom os recrutas que remetteo e
patrulha que os escollou.
litoAo mesmo, enviando-lbe a copia do
officio derigido ao Administrador da Meza do
Consulado em data de ni do passado mez ,
sobre a arrecada o sobre as caixas fei.xos ,
saccas c barricas de assucar.
|)ilo Ao inspector da Tbezouraria das
Rendas Provnciaes respondendo-lbe que
em 11 de Agosto p p foi expedido a conve-
niente ordem ao Administrador da Meza do
Consulado acerca da arre adaco da Uxa sobre
as caixas feycos barricas de assucar e
sanas de algodao ..oque em consequencia po-
de mandar rec&ber semanal, ou mensalmen-
tc onroduto darofeiia taxa pelo Thezou-
reiro da Meza das lleudas Provnciaes.
DitoAo Inspector (eral das Obras Pu-
blicas', para maiidir retirar da caza contigua
a Allandega para onlro lugar as madeiras que
ali existem vendando aos particulares as que
se ulgrem inuteis
jji>Ao inspector da Alfandcga aucto-
risando-o para faxer demolir a caza contigua
a mesma Alfandcga i e communicaiulo-lbe a '!
esedifSoda ordem tupra
Dl\o Iq*pectOr do Arsenal de Marinba
approvando o frelamenlo do Rrigtie Matliil-
deS e oidenando-lbe qiieo faca sair no da
4 ou 5 do corrente para-a Parahiba a Iim d
conduzr as madeiras que ali se acbao pion-
las. .
DitoAo Director Interino do Curso luri-
dicode Olinda enviando-llie o requerimento
do l)r. l'eiippe .lanscn. de Castro e:\lboquer-
que eoberto com o Imperial Atizo de j du m.v.
p. p a fin de que informe sobre a sua pre-
tencao. ,.
DitoAo Engenheir Augusto Heratipg ,
ordenando-lhe ,' que A as prOVld n lis a
So de pie o nunu-ro de opranos requintado.
pelo Enganhetroenrarragadodaobca d. Cae,
i


2
D I A ft 1 O
D E
Pfifi N
A M
99
I
CO
se aprezcnte diariamente na obra a hora mar-
rada informando qual a razo porque se nao
tem observado esla regularidade.
DitoA Cmara Municipal de Serinhaera
opprovandoa arremata o que fez da parte do
rendimente de seu patrimonio constante dos
termos que rcmetteu c >m o seu officio de ao
do mez p. p. ficando na inteligencia/dn fazer
arrecadar por Administra ao osrenditncntosdas
passagens das Barras de Serinhaem e Hjo Kor-
mozo e a laxa sobre as boceteiras e masca-
es, visto nao lercm apparecido licitantes.
DitoAo Administrador Fiscal das Obras
Publicas enviando-lbe a copia das allera-
coes feitas no Kegulamei)to ta Companliia de
operarios Kngaja'los de 6 do mez p. p.
Igual reniessa se fez ao Iiisjieclor Gcral
das Obras Publicas e ao Engenheiro Director
ila referida Conip,
DitoCircular aos Cnsules Vice Cnsu-
les Chefes detedarlicoes Prelados Religi-
o/.os e Autboridades <'
nambuco ?6 de Agosto de-j8$g. JoaRap- e*n dillereotes lugares que arruiiao ao Por-
tista Pereira Lobo Jnior. I to que ao prazo impreierivel de 3o dias ,
da %-f contados da dala d este, faco remover os mes -
Iflm. e F.xm. Snr Jecebi o officio de V. ojos Navios para as paragens que por umitas
Ex. datado de i( do correte pelo qual reitera vezes Ibes tem sido indicadas'pelo -airan Mor;
a ordena que me dera de fa/fir. arrccalar pela
Vf ez-a" do Consulado a Taxa dus caicas fe-
chos e barricas ou sacos d'assucar e saccas
d ulgodo que conforme o, art. 39 e 3y da
Lei Provnciol n 7 3 deste correte anuo actu-
almente se asrecada na Meza de Rendan nter-
das Provineiaes : mas ainda me resta ponde
rarar respeitozamentea V. Ex. que sendo a
Meza do t otjsula lo huma Repartica Ceral ,
e cu Empregado Provincial nao posso incum-
bil-a desta arrecadacao norcm V.E\. a quem
a 1 ei de 3 de Outubro Je 834 i"' $ $ 7 con-
fere a atlrihi a de comnietler a Empringados
Geraes negocios'rovinciaes, e viceversa:
se a arrecada ao ja s/ acbasse a cargo daquclla
cerlos de que o uao iazcndn em dito prazo, fa-
r esta Hepartico a mocan, cuja despera
ser indemnizada com o producto da venda em
basta publica das madeiras perlencentes as
referidas Embarcaces que para islo fur sul-
ficieute ; como lodo assira acaba de ordenar o
Exm. Snr. Presidente em officio de 3 do cor-
rete.
Iuspecca do Arsenal de Manaba de Per-
nambuco em 5 de Setembrode itf3a.
Alcxandre Rodrigues dos Anjos.
lie nosso ver mas se
OBRAS PUBLICAS.
Para conlicciment do Publico se faz paten-
te pela I nsjjecao Geral das Obras Publicas ,
que a laxa que desde o 1.* de Julbo do cor-
rele auno se deve cobrar as pontes da Mag-
dalena e Carvalhos he a seuinte.
versal, e genrico, el
pai^icularisa, mais se deve de conceder e cum-
prir em um dos mais melindrosos iiontos da
operaces humanas na sagrada liberdade de
pensameute na wolav*! tolerancia de opi-
nides.
Minguem por certo Srs Redactores, mais
tolerante do que nos em assumpto desta nft-
tureza, pinguein mais do que nos preza as
convicces alheias uuguem mais couliecedor'
em fin da noqessklade de conservarnos inol-
fenso esse respeito e decoro. Desde jii pW
tanto declaramos que nao atiramos a luva u
pessoa algua nao pretendemos collocar-noa
na posico de contendor nem nossa tencao
enlrarmoscm lca com descenbecido adversa-*
ejuslica tri
Repartco eu po Jeria expedir ordens a respei-
a Provincia convidan- to della porque a miuha competencia pata is-
do-as para assistir ao Cortejo e Grande Pa-, caliza-la me parece inconlestavel visla da Lei
rada do Da 7 do corrente. | de 4 de Outubro de ih *. art 5^ 1 sen- I Porcada Cavalleiro Cavallo ou Boi ?-.o
Parlara Mandando passar Patente de' do certo que na incumbencia que V. Ex. 6z.es- reis.
Por cada Sege Carro, -ou Corroca po r*.
Esta til xa he paga assini na da como aa
yoila, bao i/.empto de pagar 1. os Padres e
Ex. deve de ordenar directa e immediata- pessoas que os acompannarem em acto dead-
iijdnuduuo passar ratenie ae, do certo que na incumbencia que V. Ex. bz.es-
ironel Commaudante do j." Bata-j sedessa arioeradaca, %c coroprebendia im|>li-
egio da i. N. de azareth ao cita mente a obrigacao de se me obedecer so-
esnio Ualalha Antonio Aureli-, brea su iscalisa o. Assin be visto que V.
Teen le Coronel Commandanle do
lho da Lcg
Major d mesnio
ano I opes Goulinho.
OfficioAo Coronel Chele da I.egio da G.
M de Nazarelb communicando-lhe a iNome-
acio so 1 ira
jposta
Momeado.
e ordenando que mande proceder
a Proposla do Posto de Major que deixa vago p
THEZOURARIA DA FAZEiXDA.
EXPEDIEUTE DO DA 3 DO C >RREHTE.
mente aquella Meza ou por intermedio do ministra o dos Sacramentos a. os effeitos
Inspector da Tbezouzaria da Provincia apie- que sao reconhecidamente de uropriedade na-
dita arrecadacao comp tindo-me apenas a e\- eionpl ou Provincial, 3. as pessoas que
ecuco da ordem na parle en que determina tranzilarem em acto ellicclivo de Servico I U-
que o Tbezoureiro das Rendas Internas Pix>- blico.
vinciaes v; semanal ou meqsalmnte a Meza
do Consulado receber o dinheiro arrecadado.
Dos Guarde a V E>' Tbczouraria
das Hendas Provineiaes de Periiambuco \7 (le
Agosto de_. 8 OficioAo Exm. Presidente da Provincia do Reg Barros Presidente da Provincia,
informando o requerimento de Joze de Mello O Inspector da Thezouraria Joo Uaplista
Macedo em que pede o pagamento de huma Pereira Lobo Jnior,
junta de bois que cntregoii em 18J2 para
o servico d'Arlilheria de Panellas.
D'toAo Contador da mesma Thezouraria
remettendo-lhe por copia a ordem do Tribunal
do Thezouro Publico Nacional de 8 de Agos-
to do corrente anno, sob n. g* parlecipando
a resolucp tomada pelo Regente do Imperio
de accordo com o parecer do Conselho Supre-
mo Militar para que os Juizcs de Direito ,
que servirem de Auditores de Guerra nore-
eebao mais por este cargo que o simples Paula do nreco corrente do usurar e 'algqdo tonio de Miranda morador m "ra
ALPANDRGA DAS FAZENDAS.
- A Pauta he a mesipa do numero 18 .
MEZA DO CONSULADO.
sold de Capitao.
DtoAo Inspector do Arsenal de Marinha.j
rom o requerimenlo de Joze (on alves *'er- ;
reir Costa jiedindo o pagamento do frele do
Bei-itim Boa-ventura que con'luzio g-
neros i lllm b* Fernando para dar o seu pa-
recer a respeilo
1 itoAo nspeclor Geral das Obras Pu-
blicas com o requerimenlo de Francisco Ma- I
noel da Silva Tayares para sobre elle dar o
seu parecer.
l-itoAp mesnio com o requerimenlo do
Padre 5oaqum Antonio Goiicalves I essa ,
Regente do Hospital do Paraizo desta Cidade,
para informar respeilo
LitOs^Ao Tbezoureiro da Lotera do Semi-
nario de Olinda com o reqiierimento de Fran-
cisco Dorotheo Rodrigues da Silva acompa-
ndando o meio Bilhete da a parte da (iii' si: (lespaeliao na Me/a
de Pernamhuco, na semana de
Setembro de .^itg
Inspecb das Obras Publicas 6 de Setem-
bro de iU4(),
Maraes Ancora.
PREFTEICJBA,
PAaTR DO DI4 6 PE SETEMBIIO.
Iljm. e Exm. .cn,r. ti Farticipo a V, Ex.
fue fiz prender houtem a minha ordem os
aljerneiras Ioze Fernandes llbao e Anto-
nio Ferreira Masado, blancos pelo crime
de coulravcucaq das Posturas da Cmara Mi|-
nicipal, os quaes livera o competente desti-
no ; oque oSub-Prefeito da Freguezia dS.
Antonio rae parlecipou igualmente ter-se en-
forcado de hontera para boje em caza de seu
senhor ; o pelo Joao escravo de Fraciseo Vo-
lir la
do Consulado e que sendo elle chamado dita caza man-
5 a, 1.1 de dar logo proceder a competente vistoria., e
Assucar Branco
11

1100
70 Dito Mase.
Algodo

1.
%.
i.

(i.
1.
2.
1.
a.
3.
1
-........
1 ..
.
..
..
a ..
! ex ame uq cadver do. dito preta de que rc-
zultou conliecer-se que o raesmo relo volun-
aioo lariamente se havia suicidado \ a que nao oc-
a3oo correo mais novidade
u.'oo Dos Guarde a Y. Ex, Prefcitura da Co-
|oSp manado Recii ti de Sciembro de i83q.
ijjoo lllm.I ah Sr \rancisco do Reo Barros, Pre-
1750 zidcnle da Provincia Francisco Antonio de
laop S Brrelo Prefeito da Comarca.
I'00,
t^oo CMARA MUNICIPAL IU CItLVDE DO
Mop RE( 1FE.
4400
\
na
4 SESSA onniNvau de ao iunhq de 183o,,
f residencia do Sur. Silva.
ATSENAL DE MARINlA, Comparccerao os Surs Ros, Chave*. Gv
,Ea)II^'i'i veira,, Viaiiua, e Figueiredo; laUando
O Inspector do Arsenal de Marinha em com cauza os mais Snrs,
3il4, a fim de examinar se combi- cumprimento das ordens que. vero, de receber Abeita Stfssio e lid** Acia da anece-
na o mesmo bilhete com-o respectivo talo. i do Exm Snr. Presidente em officio de 3, do dente bi anpcovada.
, ' tabilidade Militar remetlendo-lhe por copia he inteiraraente prohibido o poder-se tirar a- te aigum.
a ordem do Trib.rr.al do Thezouro Publico rea da parte do O'junto a Cruz do Patrao e O riscal desie Pairro apresentou. os termos
nacional de 8 de Agosto ultimo sob n. 9 lugares adjacenles em consequeucia do dao de vistoria de, algumas cazas deste mesmo
a respeito do sold que compele aos uizes de que seguira com n arromjiacao do Islhmp se l aiiro que se dit'ia ameassar ruiaa
Direilo que servirem de Auditor de Guerra, por ventura continuasse a ter luwir a e.\trar! Conlnuou-se com amiracao d
THEZOURARIA PROVINCIAL.
EXPEDIENTE do da ^6 de agosto.
PorlariaO Inspetor da Thezouraria das
..ciias Prowiii-i.ie e.\i junando a ommissao
cao de semelhante ohjectQ n'aqueltas paraj'.ens.
Inspec o do Arsenal de \aiiuha de Per-
namhuco em 5 de Setembro de 1 H3 Manoel de Siqueira Campcllo.
Inspector.
ommissao ANNUNCIOS.
, Snr Collector de Diversas Rendas do D'ordem do \\m. Snr. inspector doArse-
Mi'iiicipio d Olinda em recdlher a Thezoura- naide Marinha se faz publico (pese cqm-
ria os direilos pblicos que tem arrecadado pra para o mesm Arsenal o. seguidle.
beando" comerles em si quando alias findo 100 Linhas de ai a 3o palmos de comnrido
cada mez he restrictamente obrgado a essa de 6 a 7 plegadas de largo c de i a 8 de
entrega conforme o Regulamento do Gover- grossura, 5o esleios de i(i a jo palmos de com-
no da Provine ia.de de uldo de 18J6 Art. prido de 5 polegados de largo e 4 de gros-
5" Ihe ordena terminantemente que no prazo sura 5io palmos de madeira para l'rexaes e
emprelerivel de dias compareca na The- comieiras d 5 polegadas de largo e i degros-
zoarara para recolher o dinheiro pie tem ar- so : quem taes objectos liver e queira ven-
recadado e prestar as contas do anno findo, del-os pode dirig r-se a esja Inspe:o para
pas -
nio
que
(regar
s que ao contrario proceder contra o mes- tratar do ajuste com o mesmo Hlm. Snr. Ins-
Sur. Collector a nuem servir deregra pectpr is'to com amaior brevidade.
e ateo da 'i depois de findo cada mez en- Inspeccao do Arseaal de V arinba de Per-
na Thezouraria osdinheiros pblicos nambuco 5 de Setembro de iM'q.
arrecadados conforme o Regulamento predilo,
e todos os anuos prestar contas al 8 de Ju-
Iho segundo o llegulaineulo de 14de Janei-
ro de i8ia Art. 35,
Alcxandre Rodrigues das Anjos.
Secretar i,.
O Hlm. Snr. Inspector do Arsenal de Ma-
rinha faz constar pela ultima vez aos Sms.
apuracao dos votos
para Membros, AssenUdea Legis|aAivo. Prr-
vincial.
E poc ser dada ora lcvanto-u-se Sesso;
c manduro fazer a prezeule em que asigua-
ru. E cu 1 licencio Infuute de "Albifcquer-
qiu: e >'ello SecreVaro a iscrevi. Suva.
Pio-Psesidente R, Cbav.es. M^amede ,
QUvcira V iauna, Fgueirdo
Esfci coufornie,
O Secretiwo,
Fubjeucio. Infante de Albuquosqua e Mello
Co* ve&pou de i te aa
Sus, Rsdctores,.
Qnando nos destinamos vver m Son
ciedadc, ou sempreque .isso somos, obfligaf-
dos 9 mister tomar o partido dv nespeitec-
mps as exteavagautias,albfiias derevei^nijia*-
mos mesmo todos, o*, aclus daqueltes,
Thc/oura ria das Rendas Provineiaes de Per- Pi-opriotarios dos Navios velhos encdliados
uoiu
quem vivemos, para termos assim, um mo, sfiacificaram,* o nosso. Legislador em fim,1
seguro de seren Eespeitedas. as uoums propcias o Legislador Brasileiro, o K.xui. Sr B. P. dn
no e a quem por prnicipius ,
bulamos sincero respeito.
Moveu-nos escrever, Srs. RR., a letura
do Communicado que vimos inserto em seu
11o de -49 do passado, e assguado pelo A. Ba-
buino. As suas reHexes dispertaram as nos
sas e exigimos a sua publicidade nicamente
mais porque nos nao podemos furlar ao sol re-
g desejo de as mandar para o prto, do que
porque tobamos o utsauo a iiaHcioso praser
de ioatrdi< tarmos os senlimentos alheios.
A Repivsenlacau de que teilou o Ilustre
Auctor do Communicado que foi transcripta
em um dos nmeros dele uiftrio e que ia
ser dirigida ao orpo Legislativo pela Provin-
cia da Babia tambera fot ]ior nos (ida ; e como
sludassemoso seu spirito eentrassemos em
sen coutedo nos nao podemos forrar teft-
tacao de publicar o que. sobre ella pensamos
almcjando destalle rivalisar com o nosso an-
tecessor no desejo de gozarmos da mesma li-
berdade de typos.. M ui oulro o nosso pensar
Siorem respeito da juslica doa Representantes
la Babia que de promplo reclama am dos nos-
sos Legisladores medidas que pozessem um di-
3ue torrente dos males que pareciam inun
ar o, slo de su a Provincia., remedios quea-
talhassem ao progresso das ruinas que amea-
cava e arriscavao a duraco, e a existencia
poltica do seu paiz ; advogamos a>mesma cau-
sa porque paiiilbamos os meamos ^entimeu
tos, e pelo simples e nico leito da represen-
taco se nao realisar, nao Ibe teremos a iu-
J'usticade a taxarmo6 de precipitada e ppru-
leale nem to prdigamente oenderemos ao
punbo das pessoas, que a sereveram, porque
nao sallemos efectivamente quaes Corara as
causas neeessaras de tal desistencia, s as ra-
sea de imurudencia e precipUacao ou si ou-
Iras quax'squer para isso houve.
O que certo, bem sabemos que muilos
intentos, projectos e empresas alias bem iikHi-
tadas eesteladas, e de urna recouhecida utili-
dade valor c mrito,, deixam desgracada-
meule de ir mudas vezes .cfl'crio pon circuna-
lancias iuteramente ventuaes., de lodo nde-
pendentese exlianluis voutaile e ao ak-ance
dojuisoo mais seguro, do calculo o mais re-
finado do spirito em fim o mais intellgente ;
ao pa&so que stanuis tambera todos os dias pre-
senciando o, feliz successo e xito, que tem
ontras que contra si allrahem todo o denie-
1 ito, todas as anlpatbias e despeos, e que
logo desde o seu comeco e ber o sao oihos
feixados malfadadas geralmente destoucei-
luadas iucxvqnvcs > e improficuas em seus
resol lados A vista disto pols nos nao pode-
mos conciliar ueste ponto com o espirite do A,
do Communicado. Conviuios, veixbidc,
com elle ,. que os Representantes da "Babia nao
conceberam um assumpto novo nem crearan!
urna oiigiualidade ; mas por altes nao tereua
sido orijiiuaes, podemos tambem negar, que
nao conceberam um assumpto verdadeiro,
vei il ules incoidrastaveis cont mesmo se ex-
pressa, o Huslre A- do Communicado t Por-
(jue pols censiual-os. i' Nao teram os auctores
ca I le presta atao-orgos fiis dos. males seus,
O de seus CoBcidadaos.. nao pwsenlarao cui-
dadosamente i necessidades de sua patria ?
N.-Io leuioraram us.ueios mas. salientes, as
medidas mais covinuaviapaca, susiar ocurso
e as terriveis cousaqiienciaa desse Ragello des-
soladoB que os veo de opptiniir os dcsas-
fusos eiteito* dcssiL veiligwn. revolucionaria,
aue lau longos e esuautoso vaslgios. deixou de
des(wa1ca e calunitkutes ?
Ma* inda despaito (dir o ajilagonista b>
Itepreseiiiaco) sustentamos que os Represeu,-
lautes da Babia nada da novo eaposeEam e ai-
bguram em, sua peticSo ; as suas meces-
sidades. e niales eram geralmente oonbevidos ,
e os meioa de as remover ,, ao menos os, deso-
jados, lambem o crasa: do lodos cv lados se
clauik e ceconuoce a a^cessidado da, rclbrmai
dos Iopicos e pontos de Lg*loo., que eUea
Q
iAlravagincas e accoes: isso acuuseiba judi
coso Scripter alisado Vocalista.
Ora se esse preceita por esse modo lioi-
Vaseoncellos. avaha da appceseuiar amara
Vitalicia! Projactos de Reforma nos Cdigos
Ciimiual c do Proeasso, e uao seta inqnudw*-


DIARIO
D E
P E R N A M B U C O
cia fazer-se inda a^sim a Representadlo nes-
te sentido ?
N3o podemos ainda assim de modo algum
concordar e consentir na imprudencia preci-
pitacSo, e extern poraneidade da peticSo dos
Representantes da Baha. Convimos de boa
mente que os males e flagettos do infeliz no-
vo Haitiano n5o sao desconhecidos aos nossos
Legisladores convimos mais que elles nao
ignoram a natureza e'qualidade dos remedios,
que Hies preciso dar, que reconhecem mes-
-"tno a necessidade da reforma de certos pontos
de nossas Leis convimos em fim que tal e tal
Representante da Naci appresentou nesta ou
'aquella Cmara a reforma deste ou daquelle
Cdigo desla ou daquella le mas nao sabe
or ventura o Ilustre' A. do Communicado
quaes os tramites ordinarios porque .em de
passar estas reformas, as dscussoes e demoras
que tem de soffrer1? nao sabe desgracadamente
orno sio todas as nossas cousas ? Nao foi o pro-
prio A. do Communicado o mesmo que con fes
sou que a Cmara Temporaria se julgava
constituida nicamente para responder ao voto
de gracas e o Senado para questionar que
o ministerio A tinha sido meihor, que o mi-
nisterio B ? Nao ser isso tcitamente tambem
confessar, que fiis e zelosos Mandatarios o
que infelizmente nos falta emhcr.i seja o que
precisamente mais nos convm ? E como pois
negar a legitimidade da Representacao in-
<:repar-.lhe o desacert taxar-lhe de precipi-
tada e imprudente ?
Como inconsequentemente querer sufTbcar a
voz de um povo desditoso que anda boje se
ressente dos terriveis fiagetlos de Oa fratricida
* cruenta guerra civil, que si felizmente o
jio levou de todo ao abismo deixou-lbe to-
les ? Como nao querer que os interpretes de
seu puiz levem de per lo e facam sentir a ur-
gencia de suas necessidades,como tother-lbes a
voz que licitamente elevavam em sua justa
petico ? Porque na quadra de desalent em
3ue vivem no lhes ser ao menos permit-
o o clamor meus ad te veniat ?
Tal a maneira porque pensamos Snrs.
RII. terminando pordiser. que o passo que
iam dar os habitantes da Babia que fipura-
ram na Representacao si nao era o extremo
do desespero era o apuro do soflrimento e-
ra a incerteza precaria de sna sorte a vciss-
eude de seu dreitos era a dor e a magoa
das cicatrizes, dos golpes e das feridas inda
recentes. era em summa viva exnressao do
assombroe lo horror dos que viram sua Patria
qnasi reduzida cinzas daqucltes que estve-
ram borda do precipicio e prestes a ver
9 passar pelas tremendas scenas de Moscow a
antiga capital do nosso Imperio a Primog-
nita Prmceza das Provincias Brasileiras.
J limito lia vemos dicto Srs. RR. e a pe una
a mais nos levara si nao om o receio ae nos
toruarmos em extremo prolixos e fastidie-
sos.
Digoem-se por mirto Vms. de inserir em
sua conceituada folha estas linhas de
Outro A. Bahno.
ca nova denominada FLQRESKA E
DRAUWN ouODi de Jubilo.
trT Diaoto. ^a
Em applauso ; Independencia do Imperio
representar-se-ba a encllente Peca OS
DOIS PEDROS ou O Impiudor ok Russu
KA HoLLAHDA.
Em ambos os Das estar, o Theatro decen-
temente armado, O expectacuw principiar
chegada do Exmv. Presiaente da Provincia.
LOTEMA DA BOAVfSTA.
Achando-se vendida grande prle dos billie-
as da Lotera da Boavrsla o Tnezoureiro con-
vida aos amadores deste jogo para que con-
MiraiJ compra do restante dos bitbetes na
certeza de que milito breve annunciar o an-
damento das redas.
* SOCIEDABE THEATRAL.
Theatro particular.
A Direccb da S Tbeatral avisa aos Socios ,
que em attencSo ao Emprezario do Theatro
Publico desta C idade ter ae festejar o Solemne
dia 7 de Setembro feliz anniversario da In-
dependencia marcou o dia Pomingo S do
corrente para ai" representadlo subindo
scena nesse dia a sublime Comedia nova,
intitulada O Lord Wolney bavendo mais
um novo Dueto Italiano e fentremez A Di-
recco da Sociedade convida aos ditos Srs. So-
cios para raandarem nos dias i}cr< receber os
seus Bilhetes em caza do Thezoureiro na Pra-
cinha do Livramento, devendo nessa occasio
(aquellos poucos Srs. que ainda faltao) pagar
a segunda prestaco ou total de sua entrada ;
continuando' al ao fim do Contracto a serem
todos os Domingos os dias marcados para os
divertimtntos da mesma Sociedade.

COMPANHlA DO BEBIRIBE.
Para conhecmento dos Srs. Accionistas da
Companhia emprehendora do encanamento das
agoas se fas publico, vque at o ultimo de
Agosto foi realisada a quantia de fi:og8(Jooo
rs., corresponden te a p.o/o sobre <:oJo Accoes
pertencenles 115 subscriptores ; e que no
dia -o do corrente expira o prazo de Jo dias .
marcado nos Estatutos para realisaco das en-
tradas t o que nao obstante continuar por
mais al;um lempo e nominalmente a chamada
daquetles Srs., que por ventura se possa es-
quecer de suas assignaturas. Contina a sub-
seripeo para o resto das Accoes; e logo que
se prehencha o numero das que estb distri-
buidas cessar a emisso das que restarem, a
fim de que os actuaes Accionistas ten han sobre
ellas a preferencia em tempo opportuno,
Bcnto Jos Fernandes Barros ,
i* Secretario.
credores be que annuncia a venda do sitio,
visto que esta Senhora a mais de om anno ,
que mandou requerer ao abaixo assignado pela
sentenea*, jamis quis dar um so passo a ex-
ecuco e apesar de j ter protestado pelo Ju-
i izo competente sobre os juros com tudo tem
tomado o acord de annunciar a venda do si-
lio para com seu producto serem pagos os seus
credores. He este o verdadeiro fim para que o
abaixo assignado dirige os seus annuncios, e
nao o que tal vez pense esta Senhora.
Antonio Jeronymo Lopes Vianna.
X^" Quem annunciou no Diario do dia i
do corrente N. i8q precisar comprar um mo
lequc de dote a qu atora anuos dirija-se ao
Recife ra da Cacimba armazem de aBsucar
N. 5.
tST Precsa-ss de um bomem para traba-
lhar em um sitio ; ao pateo da Ribeira D. 5.
Virissimo Santos de Siqueira Cirnr-
gio^pprovado faz sciente ao respeitavel Pu-
blico queseacha prompto aprestar os Boc-
enos de sua Profissao com todo o zello, cui-
dado e promptiddo e igualmente aos pobres' mininos anuncie para ser procurado ou diri-
diias rectas paraHelas nunca se encontr
diz muitas vezes que Hlas se enconU-o no in-
finito be neste sentido que em Trigonome*-
Iria em vez de se dizer que o angolo recto nao
tem tangente se dizque sua tangente he in-
finita &c. &c. 8 finalmente que se nao res-
responde aos sarcasmos e injurias que vomi-
tarlo em seus annuncios por que esta maneira
de argumentar he so propria de quem nao lem
rusao e noteveeducacao.
SS'* Preciza-so de um hmem anciao, que
que ira pasturar vaccas em um sitio perto da
pi-aca alem da paga da-ne-lhe urna caza
para morar e um bocado de terreno para su-
as plantaronis ; na fu nova D. 5 confron-
te ao caWereiro
XSF ^)ual quer Snr. Sacerdote que se quei*-
ra enganjar de capelo em um Lngenho no
Municipio de Porto Calvo desta Praca So
leguas onde ha de passar cefli muita satisfa-
rn pelas proporces que para,isso tem o logar,
ftucndo-se-lhe urna grande vantagem com a-
eondieao de ensinar primeiras letras de ti a 8
indigentes at soecorfendo-os com alguns re-
medios pelo amor de Dos: quem de seo prca-
timo se qui/.er utilisar o poder procurar no
atierro dos AWogados confronte ao sobrado em
ja-se a Manuel Buarque de Macedo ; de quem
ouvin tudo o mais que poder i'ase-lo dice-
dir-se.
S~j~ A pessoa que anniinriou no diario de
Avisos Diversos.
que mora o Sr. Muir. de manha das 7 as 8 boje querer comprar hum relojo de cima de
horas, e larde das 4 s 8. banca dirija-se a ra nova D. 4 que a chara
Aluga-se urna sala e m quarto muito dois a escoilier sendo hum ingfez de pa-
propria para tenda de qualquer officio ; a ira- i tente e outro Suisso ambos muilos bous e por
lar na ra da Gloria viudo pela Fabrica D. II. preco cmodo.
Ensina-se a faser quartinhas e mais| SO- Aluga-se por anno ou para passar.a-
obras pertencenles a arte ae olfeiro : na mes- fesla hum cilio na passage com muito boa
ma caza cima. caza estribara para ca vallo couxeira e
Quem precisar de nm hbil cozinheiro sensalla para pretos quem pertender dirija-se
francez, annuncie para ser procurado. | a Josc Franciaco Martins deAlmeida na ra
XS7" Na ra Direita sobrado D. ?4 por cima do Vigario armazem de macames N. b.
da podara do Sr. Machado, precisa-se da| t- Qaem annuticiou pelo diario de 4
trezentos mil rcis a premio de tres por ccnlo ao do corrente querer comprar hum Wolati-
mez sobre firmas a contento : annuncie. =': nho de idade de 1 a a 14 annos dlrija-se ao
Na mesma caza precisa-se alugar um bom si-
fio perlo desta Praca cu jo preco nao exceda
Recife na ra da Cruz N. a5 andar.
tsr* A pessoa que tirn do correio huma
a duzentos al duzentos e cincoenta mil reis carta vinda do Rio de Janeiro para Jos Vla-
annnaes, ou mesmo um bom sobrado de um ra Monteiro ; queira fazer o favor de tornar
andar nobairro de S Antonio que o seu abotar no mesmo correio pow licara obligado,
alugnrl nao exceda de dez a doze mil res,
preferindose o sitio ao sobrado.
t3^ Dezeja-se saber nesta Prac quem
sejo os correspondentes dos Snrs. Padres Je-
LOTF.RIA DO LIVRAMENTO.
Acho-se venda os bilhetes da pri^
metra parte da quarta Lotera concedida a
favor das obras da Sgreja de Nossa Senhora
tk> l.iviwuiento as casas segninlcs Rna da
Cadeia do Recife dos Snrs. Francisco Anto-
nio Vieirada Silva, Cardo/o Ayres, e Joo
Jos de Carvaiho Moraes; Ruado Goegio,
bug dos Snrs. Antonio Joze Bandeira de
Mello e Joo Mereira Maiques; Ra do Li-
vramento do Snr. Jos Antonio do Carmo ;
Ra daa Cinco Ponas do Senlior Manoel
pe Jihiis Prafitta ', e no Pata da Matriz da
Ba ar-visla do Sealor Jos Ignacio do Mon>-
to
THEATRO^UBLICO,
Grande Galla.
Da Sette e Oito nr. Setembro ,
Anniversario da Independencia do Brasil.
Urna magestosa Overtura dar principio ao
{iiaiMle espectculo desle dia., que ser execu-
la'da^iela. maneira seguinte Representax-sa-
ba um Drama anlogo ao Dia canian-
do-seo Hurao Nacional, perante a Augusta
fcfigadeS. M. I. C. OSr. D. PEDRO II.
Segir-s^-bA a repcesentocaa da subUtufi Pe-
^T Quem precisar de um rapaz Brasireiro
para caxeiro de luja de fozendas, > e que tem
baslanto pratica, e mesmo para ra o qual
d fiador sua conducta, e ne bem condeci-
do nesta Praca annuncie a sua morada.
%ST Quem qnizer alugar urna casa terrea
nos ma tro cantos na Boavista junto a mora-
da do Sr. Visconde de Goianna cuja caza
perlenceao Sr. Francisco Manoel da Silva Ta-
vares, dirija-se a esta Typ. qun selhedir
com quem deve entender-se.
jsy Ahiga-se o i* andar da caza de sobra-
do sita na rna da Gamboa do Cario do bairro
de S. Antonio, com cmodos para grande fa-
milia.
*ey- Por se pao saber aonde mora p Sr Al-
teres Manoel Pedrada Fonceca, se Ihe raga
queira apparecer no seo sitio da estrada do
Pombal, que se Ihe deseja fallar.
say Segunda feira 9 do corrente pelas 6
horas da tarde ha reunan da Sociedade Apo-
linea para continuaco da discusso da re-
forma dos Estatutos.
J27" As Senhoras D. Mara Joaquina do
Carmo e D. Jeronima Thcreza de Jezus
queira annunciar as tuas moradas, para se
lhes entregar carias viudas do Sertao de seu
irmao o Sr. Germano Jos Rodrigues do Nas-
eiineiiio.
cr Alug-se um sotao na ra do muro da
Penha viudo do Livramento para a ra do
Nogueira antes de chegar o Nicho de N. Se-
nhora da Assumpcio ; casa D. .
SZ3*- Qalqner pessoa a quem Ihe fallar u*n
moleque dirija-se a casa do Muniz no sitio do
viveiro do atterro que dando os signaos cor-
tos Ihe ser entregue
O" Quem q 11 ser dar quinbenlos mil rcis
a juros de a por ccnlo ao mez por espaco de 4
mezes com seguranca em urna casa dirija se
ao pateo do (.armo D. 3.
O abaixo assignado lendo no Diario de
1$ do passado mez d'Agosto um annuncio feto
por I). Joaquina Mara Pereira Vianna, no
qual dizia que o sitio Caet emBeberibe, que
elle annunciou, Ihe eslava hpothecido e
com penhora para seu pagaraeulo ; o abaixo
assignado nunca oceultou, e nem nega este
debito, antes para o seu embolco e de airas
Ouem precizar deum rapaz Brazilei- el Joaquim de Mendona morador no En-
rodeidade 18 a o0 annos para Caxeiro de genho de Santa Anna queira por otaran
fazentfes ou ra e mesmo prenda o qual annunciarcm as suas moradas para se Ihe lal-
tem bastante praticaj, annuncie. lar a negocio.
CS* Hum'rofessorapprovadodeLatim sej C5" urna pessoa que tem pratica dees-
propVa dar lices de Gramtica Latina em cripturaco ofereceo seu presumo para ex-
cazas parliculares quem quizer dirija-se ao cntar esle trabalho, ou seja em cazado 111.-
pateo de S. ''edro casa D. 3 lado da Yira-ro. terecante ou fora deila prometendo fazer por
cy* Mr. Kissel relojoeiro Francez no at-
ierro da Boa vista, acha-se prompto a concer-
tar qualquer relogio que Ihe seja confiado,
pelo mais rommodo preco elle ohriga-?e res-
tituir o dinheiro que tiver recebido em paga-
mento de qualquer concert que no for bem
exeentado ; assim como compra e vende relo-
gios de algibeira de segunda mo.
menor preco possivel os pertendentes diri
jo-se a venda do Snr. Valenca ; que l d-
ro quem se porom a isso.
521^ Na caza de nev do beco do Theatro ,
forera sorvetes de cremo e de frua de ma-
mSa no dia 7 c 8 do corrente das 11 horas em
van te.
- Quem quizer prestar sobre pinho-
13" Aifone-te aos" auclores dos annun- 'res a quantia de cem mil res com juros de-
cios publicados nos Diartos nmeros 187 o, clare a, sua morada.
f8Q; ,-que esrJo engaados relativamente a | & Vemte-ae hum moleque con
pessoa oTie iuteao rer lito o pedido do Diario nos de
n.
idade e propro para qualquer ofheio;
.85," a que se lhes n'o pedio qne re-,'qwem o pertender dirija-se a ra do Fogo
solvessem simplismente o proMema porem| quinado beco do Padre n. 8,, prnnnro an-
sim que o resolvessem sem achar a quantia da dar, un
lelra, o que ainda se pede pois se ignora. C7" No Recife, rna da Senzalla velha la-
9 que nfio sendo ninguem obrigado a conhe- \ dara Americana, tem para vender moinhoa
cer todos os modos por que se pode demons- e lorradores de Caf, grandes e umbem pe-
trar urna proposicao nem todos os modos
far que se pode resolver um problema nao
a miseria em nao sabtsr-se resolve-lo d'um
modo particular; do contrario ou foi msera-"
ve! seu actor por nao saber que por meio da
quantia da letra elle podia ser resolVido ou
cnto este Snr. oppondo-se a istosotrveem
vista arspalhar o que he bastante desairse.
.f que he pura veruade ter este Snr. perari-
le bem mais de duzentas pessoas respjndido de Loiirenco Joze das Neves.
biie.us.
Precia-sc de nm abel forneiro para
urna podara e paga-se bem quem esliver .
nessas circunstancias anuncie para ser procu-
rado. ,
Quem prerisar de quarenta e cinco bar-
ris para agoardente ferrados a arco de ferro ,
sendo de quatro e cinco em pipa dirija-se a
ra da sanzalla volha no assougue por detrs
' I
1

a quem Hie disse que a Geometra tratava do
espaco limitado do espaco figurado que es-
tava to arcoslumado a rcpellir o que no- era
verdadeiro que estava qUasi disendo que nao
era assim. que at mesmo em um dosan-
n 11 ocios se diz que a Geometra trata no s do
espato determinado como do espaco infini-
to. 6 que se desafia a este^nr. a apresentar
urna proposicao de Geometra em que se tra-
te do espaco infinito sbb pena de passar por
penco instruido nestas materia. 7* que se
estes Snrs. fossem versados as Mathemari-
cas saberiao que o infinito mathematico he u-
na ideia negativa qne he neste sentido que
em algebra em vez de se dizer que um pro-
blema be impossivel se diz muitas vezes que o
valor da incgnita he infinito he naste sen-
tido que em Geometra em v de se dizer que
O Snr. Joo Pacheco das Merces e Snr.
Domingos Martin- dos Santos hajo de1 procu-
rar huma carta na praa do Colegio alma/eui
de Manoel de Souza Guimares a primeira vin-
da de Maceio c a segunda do Porto.
Dezeja-se fallar ao Sr, Antonio ftobro
d'Almeida para o mesmo fim queja se Ihe fal-
ln na ra da Cadeia do Recife. O 17r
O 1. Secretario da Sociedade Pernam-
bucana convida aos Socios para rcunio : Do-
mingo 8 do corrente pelas 5 horas da tarde na
Salla de snas Se?es.
O Snr. que foi ra da Gloria tratar da
compra deum molatinhoe que dice morar na
ra das Cruzes queira ter a hondade de anun-
ciar a sna moradia com algnma especificacao
para se Hie fallar a respeilo do mesmo mola-
tinho.


mw
DIARIO DE PERNAMBUCO

*35" Precisa-se de 5oo 1 ooo a premio de
^or cento ao mez ; tjuem quiser dar annnun-
cie Sua liidi acia .
cy Alu(;a-se .urna excellente casa lerrea
com linda vista para o fundo sondo nos 4
ta ao gosto moderno ; a tratar na ra da Cruz
n. 56.
(3 Aluga-se a loja do segundo sobrado
tlepois da Igreja de S. Miguel nos aflbgados,
na qual se aclia urna armaco ; a tratar na roa
do (Queimado D. 19 ou com o morador do
dito sobrado.
Sy Aluga-se um preto para padaria do
que tem bastante pratica e outro dito para
todo o servco ; na ra do Queimado loja D-
cima 7.
t^> Precisa-se de um menino para caixei-
ro "de loja; na ffca da Conceicao da Boa vista
D. 5.
CT Precisa-se de dois conlos de ris a ju-
ros com bypotbeca em um ptimo sobrado de
dois andares no Recite ; quem quiser dar an-
nuncie.
tST O Sr. A. queira melbor comporU-se
nando for o ibcatro com sua familia islo
lie pede o seu amigo. \J. J. L. J.
l^f Aluga-se dois negros serradores; na
Tua nova ao p da ponle armasem aonde se
vende quartinbas e fazendas baratas.
ir fferece-se para loja de fazendas ou
miudesas um minino portugus de idade
de. 15 anuos milito vi-voe lem bastante inte-
ligencia 5 quemo precisaraununde.
I^T Precisa-se de um inoi-j para andar
entregando pao pelo mato em companhia de
um preto ; na ra Lireila padaria de 6 sobra-
dos!). 13. 1
ssy- Precisa-se al ligar um preto co/.inlieiro
para a casa de um liomem sol leo ; ua ra da
eadeia felfa D. 37.
ssy Quem tiver uma casa terrea, 011 algnm
andar de sobrado para alugar para urna pe~
queua familia dando-se alguns mezes adi-
anlados nnnuncie.
*_j- Ofi'ereee-se um sitio em Olinda ao p
de S. Tofo intitulado Viraco com caza
nova de taina com urna planta de capim pa-
ra um a doiscavallos excellente agoa trras
le todas as produeces com alguns arvoredos
de espinbo novos, e ostras plantas por pro-
co cmodo: ao mesmo sitio.
i
os scus pertences ou sem elles iiesta Ty-
pografia.
E^- Um cscravo bom canoeiro e .sem vi-
cios ; na- rua de N. S. do Terco D. 10,
Ve lid as
ocovado, .dito preto e azula 45oo v ditos de
coresaS^oo, chitas finas de cores Cebas aoo,
ea?o, ditas de jbo, el fio, algodo 180 a
vafa madapoloens 5ooo 45oo, 44 > 3Soo,
cambraias bordadas S5oo apera dita lisa a
44oo, bretanhas de seis varas a ooo platudas
a 6000, lilas transadas io5oo a peca e outras
muilas fazendas por preco commodo: na rua
do Queimado loja que fita del'ronle do beco do
peixe frito.
SSr- Um jumento muito bom de primeira
$2j- Um cavallo sufrivel e bem carnudo ;
e urna carteira de urna s face ; na trempe por
cima d'aula publica.
jsy Ummolequede i6arinos de idade", de
muito bonita figura proprio para criado por J muda ; as 5 pontas venda D. 10
ser muito deligente e fallar bem com os1
oilicios de bom sapateiro e cozinheiro ; um
dito proprio para todo o servico 5 urna preta
ereoula coslureira engommadeira e >/i-
nba ; urna dita de nacao com 16 a 18 annosde
idade de bonita figura propria para aiipli-
car-se ao engommado ou a oulra ijualquer
toisa ; na rua larga do Rozario 0. 7, _
%ry Perros de encrespar cabello ; na rua
do Queimado loja de ferragens a.
sy Ervilbas em conserva thegadas lti-
mamente ; na rua da Cadeia D. 17 casa de
A. Hosoh.
S/' Duas creoulasde ao a 25 anuos mui
reforsadas, sem vicios nem achaques e com
habelidados ; dois escravos de iaco, mocos
e de bonitas figuras ; dois moleques de 1 a
13 anuos ; urna escrava de na o, de idade de
9.5 anuos de muito boa conducta co/inheira ,
e engonimadeira todos estes escravos se.do
acontento, e se declara ao. comprador assuas
conductas e se a fiama as boas vendas ; na
rua de Agoas verdes I). 3S.
Cj* B/chas putas ebegadas ltimamente
de Portugal e por preco commodo; no ater-
ro da Boa vista D. 19.
SSr' Urna,venda no porto das canoas, com
poneos fundos ; a tratar na mesma 1). 14.
Xf Urna colleco de quadros de I). Ignez
de Castro novos e de bom gosto por pre-
co commodo; defronle da ribeira da Boa vista
venda por baixo do sobrado.
tsy Las canoras urna para boy eou-
%SJ- Jma armaco para fazendas ou miu-
dezaspor i5000 com papel passado por nove
anuos, na rua do Livramento junto a botica
doSr. Manocl Romo ; a tratar na mesma rua
loja nova de fazendas D. 1.
\ZT Urna ve.nda com poucos fundos, na rua
estrena do Rozarte P, 3* ; a tratar na mesma.
XSS' Umcaixocom selte mil conbecimenlos
impressos a cinco res cada um ; e q5o bar-
ricas abatidas propriaspara assucar por preco
commodo; na rua da Cruz venda nova defron-
le da fundicao do Sr. Mesquila.
HJ- Um moleque do geotio de angola de
angola de idade de la anuos bonita figura ,
sem vicios como se ftu ver ao comprador ;
na rua !)rcla loja 0. vinte e sts.
iy- Na refinacao do forte do mato D. 4^ ,
assucar refinado a cem rs. a libra e em jiorcao
niais barato. .
XST Urna ou duas hizias de facas e garfos
de cabo de prata para sobre mesa ; na^ rua
nova armasem n. 29.
%j- A seriara, colocada no monleiro cora
todos os seus ulencilios no estado em que se
acha ou para repasa-la ou remove-la ; a
tratar em casa de N. O. Bieber.
\^T Una roda para ser loiada com agoa ,
de ?j palmos de altura feila de sapocaia de
pilo a qual se acha com as pecas anarelha-
das epromplas c pode receber os cubos para
tocar copeiro cuvilbele ou rosteiro [jorque
anda nao eslao rascados as curvas ; a tratar
com o arrematante da Ilumina, mi
procurando talvez Pajehn Brejo ou Gara-
uhus lugares estes de que sempre tratava ;
quem o capturar leve a rua de S. Rita nova D.
18 do lado do nascente que sera recompen-
sado.
C3? Ao amanheccr do dia 4 fugio um es-
cravo do abaixo assignado de nome Francis-
co tendo os signaes seguinles -; creoulo al-
tura regular ,. corpo reten ado cara cortvpri-
da com testa larga e cantos tem suissas ,
lieicos grossos tem entre um e outro peito
urna costura grossa pouco mais ou menos
do
Avisos Martimos.
FRETA-SRpara qualqucr porto do Im-
perio, ouda Europa o Berg^itim lirasileiro
Jpiter, de lote de ?oS tonelada} a tratar
eom o Capila'o do mesmo Jos Xavier Vicira ,
011 com Manocl Alves Guerra.
PARA O RIO UE JANEIRO segu via-
"gemeom muita brevidade o Patacho Nacional
Novo Especulador, Capillo Joo Luiz Ro-
drigues-, quem no mesmo quiser earregar, ou
hir le passagei dirija-se ao mesmo Capilo,
ou a. seu consignatario Manoel Joaquim Ha-
mos e Silva.
PARA O ARACATY a velleira Sumaca
Feli''. Americana segu at odia ao do cor-
1 rente ; por tr parte do carre',amento prom-
MO inda recebe carga ; quem pretender
carrerar di rija-sea Manoel Joaquim Pedro da
Costa na rua da (eadeia n. 1, ou a Antonio
Manoel Alves Ribeiro.
tra para cavallo teilasde sicupira e bara- \j- Barricas com lpuca fina e de (Mllente
gosto contend) cada ama um completo ap-
parelbq i saber jodiizjas de pratos pe oilo
nieia polcadas \\ sojieiras ditas de tipolga-
, chapiadas de ferio ede lonibar ; na
ruado Queimado n. iH.
y-y Por precisao urna grande morada de
casa terrea de pedra e cal com boa gqlaria
n. 4, 5, c6, que pode a commodar tres mo-
radores por lerem repailimentos suficientes ,
dois grandes porlOes au lado coiu jaidun c
das. H pratos travessas duas sojieiras 4
terrinas para r.iolhos 4 pratos cobertos duas
selladeiras t\ travessas para podins, dois ou-
rins duas necias coin os competentes jarros ,
sistema que conserva agoa de chuva para to duas duzias de ljelas; i a chicaras e pires para
atino e bom quintal murado, com aores ; cha 1 ditos para caf cojn os nyn per leu-
de fruto em Olinda rua do porto segmo w ees anlogos tild por preco rommoaoj de-
adode 6 Pedro Apostillo; a tratar no vadou-
ro defronte de S. Sebastio n 14
5:5" Uhguenlo Santo chegado ullimataeote
de Lisboa proprio para queimaduras feri-
das ou chagas, em latasde piarla ale libra.
A grande extraceao que o mesmo tem.lido la/.
fronte da lingoela rua da 'alfandega velha
n. (4. 1 '
r?' T-ois escravos de nacSq um official de
marcneiro., e torneiro e 6 destilador, de
idade de ati anuos e o segundo de 1 proprio
para o trabalho de campo, ambos de bonita
! > 6 >'' .1 .......... ...i..i
JL e i I o
tST Que faz o Corretor Olive'nja', Terca
feira iodo corunle peas 10 horas da ma-
nila ; de nina factura de ferragens, cousis-
tindo de tesouras serrotes, facas, -e .garios
de cabo de marfim de osso navalhas de
barba ,' caivetes e t&c. tudo bem sortido
rio armasem da sua casa rua da Conceicao nu-
mero >i.
Compras___
fi O Commandanlc do (x>rpo de Polica
compi-acavallos para o esquadro de prinaeira
iiui.a e remonta da companhia de cavallana
d mesmo Corpo; quem os liver na secretaria respectiva lodosos (lias das nove
horas as duas da larde.
I na Farmacopea de Pinto nova ou
emboto u/o ; na rua do \ gario n. it.
_,- <>u aluga-sc umapreta para o servico
de casa ; na .i'ca a Independencu loja de
chapeos 11. 'e .9.
j- Um* morada d(;rasa terna em qual-
ouerxlos lairro* que^io exceda de unjcou-
J, eantcntos.mil rs,a 1 00,000; na lo,a de
^bosdHlroule do Coiyo Santo n. -
as.Mni.M- uequa-
(|Uer.n..lcia: em O liada na ua da bica de
S Pedro, primeira dasa a dimla.
mmoinhodcrelaruiilho roa lodos,
Escravos Futidos
lembrar a q^uem delle es fa/.endo u/.o que (figura; nan.adeS. Gonsalpna propriedado
anda venho a precisar de niais ulgum para (lo lallacido Joao l'aplista Branco a (aliar com
que se previnopois que resta nina |)equena Manoel Elias de Moma.
porcao presentemente ; assiiu como adverle- ES? Uma negrade'bonita figura ," de idade
seque ia o falsifica^ leito nesla com o de 4 anuos cozinha o diario de urna casa,
mesmo nome de ungento santo ; o verdadjro cose engomma faz doces de varias qua'li-
s se vende na rua nova escriptorio D 10. idades e d-se a contento dias ; na rua I)-
C#" Cm sobrado de um andar em chaos reila do lado do Livramento l). uo.
proprios com quintal e cacimba silo na rua
da seiizala nova a tratar na praca do Corpo
Santo teja de cabos n. 5.
IZ3* i (O varas de panno de algodo da ler-
raaa4oavara; na rua do Queimado loja
D. .1.
i^. Pelles de cabras; no armasem do
Santos na rua dos tanuqiros.
t2T Um aparelbo de louca fi*ia dourada ,
para cha completo e por preco commodo ;
na rua eslreila do Rozarlo venda do Snr. \ a-
lenca.
^f Urna escrava moca de bonita figura ,
engomma cose faz renda e cozinha ; na
rua larga do Rozario D. 8.
-rj~ rit| "*reto moco de bon?!'! figura .
e bom carreiro o qual se acha pre/.o nacadeia
desta Cidade ; no paleo do Carino L>. 5.
i_j- Superior carne do scrlo ; no pateo de
S. le. lio U. 6.
i_y- Na ruado \ gario D. 7. moendas de
enfenho antigs e urna laxa de ferro eoado ,
ei ande e por preco commodo a dinheiro ,
eu a praso com lioas firmas.
l_r Um preto ganhador de rua soca-
dor de assucar ; ua rua Ijireita D. 14.
y Urna jiorco de taboas de pinho con-
tendo perto de ooo ps., ja u/adas mas nao
arruinadas ; no armasem de Fox & Stodart ,
na rua da senzala velha n. 1.
tgy iva fabrica da rua da Guia n. i4 as-
su. ai ariado dito candi e orebata, por
o e miudo.
t- Duas moradas de tasas terreas em
ehoj proprios sitas na rua da Gloria ; a
iialar no lorledo mallos 8.
J_y" MuitO superior panno fino preto a jooo
comprimento de um dedo levou comsigo al-
{iima roupa que pode arranjar loi escravo
do Sr. Cap Antonio Mabeos do lugar da es-
pera termo do Limoeiro ; quem o pegar e le-
var a prensa do abaixo assignado na rua da
Madre de Dos ser, recompensado. JoaO dos
Santos Porto.
pg- Nodia primeirodo corrente dasapare-
ceo um moleque de idade de 8 a 9 annos le-
vou vestido camisa de cliila vesgo dos olhos,
lem urna sicatriz na testa e os dedos grandes
dos ps muito mais compridos em proporco
pos oulros ; quem o pegar Jcve a rua da Ma-
dre.le Icos loja 11. i a que ser recompensa-
do de seu trabalho.
CJ" Desanareceo nodia ?8 do p p. um ca-
iKicolinbo mstico de nome Luiz com prin-
cipio de sapateiro de idade de 11 anuos,
baixo grosso cara bem feila, olhos grandes
e abualhados Julga-se andar pelo Recite ;
quem o pegar leve a Onda na rua da ribeira
(asa del'ronle,do Sr. Chajatra,
tEf' No dia do correle fugio juin preto
de nome Pauo de- naco Banguella alto
bastante cor fulla nariz chato bracos
compridos, pouca ou nenl.uma barba, per-
itas compridas, grsso do corpo ligeiro no
andar e desempeado levou camisa de brim
com mangas curtas calsa de algodo transado,
osla muito de andar com colele de qualquer
cor cas veses de chapeo de palha ou de
seda prcla velho gaulrador e servente de pe-
dreiro ; quemo pegar, leve a Agslinl rique da Silva na rua, de lortas ou a Jo-
s MeiKv.cs Jnior na na do Cxdlegio loja da
quina junto ao passo quesera recompensado
do seu trabalho.
No dia 31 de Agosto desapareeco um
preto de nome .\ostnlio de chicle de ia an-
uos estatura alta, grosso do corpo tem os
denles da frentedeciina um tanto abei tos e
os ps alguma cbisa bichentos levou vestido
calsa de brim camisa de chilla, aqueta de
lisiado encarnado e chapeo de'palha nujo
prelO trabalhava em urna padaria na rua da
l.araiijeira donde desapareced ; quemo pe- 9
gar leve a rua por dc'ra/. do calaboMCC velho a
eu Sr., Justino Antonio Baplisla que d ^o
mil rs. de gratiicacao.
iVlovJiitento !o Porto
C5" Desapareceo no da a do corrente um
molecotc de nacao camundongo de nomo Va-
lentina estatura baiva, um tanto grosso,
algnm tanto fullo cara redonda um ou dois
denles podres na frente levou vestido camisa
de al;o(lozinho semilla do mosmo transado ,
calsa de brim nardo ja velho ; quem o pegar
leve a rua do Fogo casa D. 3 que sera re-
compensado.
l^f Haver seis para sette annos que fu-
gio uma negra de nome Izabel, cor muito
pela, olhos i>equenosc-a lumacados, cara
picada das bccliigas orelbas pequeas le-
vou vestido da fabrica azul de nacao rabote,
representa lee 3o annos de idade ja esteve
na liba de llamarac com um negro.de nome
Joo, ejulga-se estar na mesma liba; quem
a pegar leve a rua da moeda n. 161 que se-
r recompensado.
3- Roga-se as authoridades policiaes ex-
pecialmenle as do interior hajo de deilar as
suas vistas sobre "um negro de nome Antonio ,
da cosa idade de 70.annos bstanle alto ,
secco do corpo suido com os ps a doenta-
dosdecravose frieiras pelo que sempre traz
relalbosde panno amarrados pelos dedos, e
uza as vezes de plcalas cuja doenca dos p.s
pelo lempo de verab*desaparece levou vesti-
do quando fugio no dia 13 do p. p. camisa e
seroula de cslopinba ja suja e clapeo de pa-
lha ja velho com o fundo arremendado ; no
dia 17 do mesmo mez foi visto na feira de Pao
d'Alho Bngindo-se.pobre ( ped'md0 emolas,
useguio d estrada a cima para o Limoeiro ,
N A\ JO SAIHDO NO DIA 6.
TRIESTE; Bri;ue Dinamarquez Ceres, Cap.
P. Prellsin carga assucar.
ENTRADO NO DIA 6.
PETETINGA ; 6dias, Sumaca Nac. Con-
ceicao Flor do Mar de 81 11 tonel. equip
7 M. Joaquim Jos da Silva carga di-
versos gneros; Antonio Rodrigues Lima;
esta Sumaca sabio do Aracaty em 1.} de
Abril e na sabida baleo e deitou o so-
bressame fora e estando arribada em dif-
ferenles portos da Cosa.
MACEIO ; 48 horas Brigue de Guerra
Nac Conslanca Commaudaute o Capilo
Tenente Joaquim Jos Ignacio, passagei-
ros 6, e i escraves.
HAVRE; 61 dias, Barca Franceza Cazemir
Lavegnede iqo tonel., equip. i3 Cap.
Lasserrc carga diversos gneros ; B.
Lasserre; pssageires brasileo Barlho-
lomeo Francisco de Souza com uma filha ,
e uma sobrin Antonio Rodrigues Vaz com
sua mulher c 5 filhos ; i francezes ; 4 Ale-
mes ; e um preto forro.
POST SCRIPTUM.
Como. nao estando finda a semana po-
dem fa/cr-se transacoens na sexta feira e
no sabbado adiamos que mais convenien-
te publicar-se o preco correnle na segunda ;
porque assim leremos mais tempo para entrar
mos no exacto conhecimento do estado do mer-?
cado.
ERRATAS
No Rendimentoda Alfandega publicado no
Diario de hontem faltou encluir Direito de
5o por cento da plvora 767 I o4 eom cu-
ja quanlia prefaz a somma publicada.
REC1FE NA TTP. DEM. F. DE F. 1839.


CORRESPONDENCIA.
_
Snrs. 'dctoret.
Assira eono a vida particular do Cidadao deve tr
Fespeitada era tuda n extensfin da palavra assim con-
vetn que cada uro Gidadflo delate upinio publica e
o Guverno os erro* e mulfeilorian dos Empreados Pu-
blico*. Outra vei o Prefeito da Comarca do Limoeiro ,
o Sr. Df. Jdho Mauricio Cavakante da Roxa Wander-
le* me chama a levar a presenca do E\m. Sr Preaiden-
te da Provincia o ac.iteciniCutna desss Comarca a-
inda que nao todo Acba-se o Sr Prefeito < ander-
ley randado debde Maio de io38 para o lugar de Natuba,
Provincia da Paraiba; e quando ahi se acha tem exer
cido o seu lugar o Sub-Prefeito Lui* Theotonin culpa
do de morte com manifesta incompetencia, enulli-
dades ; porque oler o Prefeito este belccidn domicilio
\'outra Provincia nao impedimento legal para ,
conservando a Prefeitura e chucbaiido oa bellos
1:6000000 rs. aer substituido pelo Sub-Prefeito. E*
fama, Snrs. Redactores, que JoSo Climaco Filgueira,
Commissario de Policia de Serra Verde frente d'uma
Patrulha derigio-se ao lugar Escuro Provincia da
Paraiba e encontrando oppnsicao no Encarregado de
Policia Francisco Pessoa aquella Provincia que se
chava de ronda no mesrao lugar Escuro enguerri-
lhou a sua Patrulha por entre as entradas por onde
neoessariaraente havia de passar a ronda e faiendo fo-
go estas fe rao raortos o Encarregado Fraucisc > Pes-
aos e maig doos Soldados Manocl da Crux e Manoel
Francisco alero d'outros feridos. Este facto deo la-
gar segundo ditera, a queixa do Prefeito do Brejo d'A-
rea ao Presidente da Provincia, e deste ao desta. Mas q*
resaltou f JoSo Climaco continua no commissariado de
Policia. Encaminhandn-se tres homens em Outubro
do anno p p. moradores em Itabaiana ao lugar da
Avenca pastaran pela Palma moradia de Joao Fran-
cisco d'Arroda intitulado Comroaudante Gcral daquel-
le Destricto o qual fet expedir una Patrulha para
prender os tres viajantes; e apenas preso ura os roais
nterrradm evadirao-ae deixando segundo diitm ,
varios cavallos malas dinheiros &c- f*' l"go re-
olhido -no tronco o preso e no da seguate foi ansas-
ainado, ignorndose todava o destino deseos bens.
Francisco -de Moura morador na Alaga Toru in-
diciado de morte em sua raolher foi asaaltado em sua
caa as duas horas da noite em dias do mei de Setembro
do anno p. p por nona Patrulha composta de Guar-
das-costas- do Sub-Prefeito da Freueiia de Bom Jar-
dn Mign 1 J'iaquim Velho do Mello reconhecidos
fucinorosos e apenas o tal Carneiro apreentou-se di-
paiario sobre elle a bacamartes o matarn. 0 in-
felittinha acabado de estar com o mesmo Sub-Prefeito
ea Padrinho aquella nuito e cora elle convivido as-
segurando Ihe que nada receasae de sua parte. Elle
te ve o mesrao destino do seu cunhado Vicente Ferreira
d Arroda que nos fins do anno de i83o fora mandado
asaasainar pelo mesmo Sub Prefeito que era entao Jais
de Pai comee fama publica. Apparecendo no prin-
cipio do anno p. p. na Comarca da Limoeiro o Sigano An-
tonio Felia acompanhado do don Albo, e mulher
forlo por orden do respectivo Prefeito presos e con-
dolidos sua caa, e depais de ia sairem, foi o Sigano,
o filbo maior *Minado ao p da Serra da Espera,
Fregueiia de Bom Jardn deiando dona eacravna
(veja se o Diario n. 75 do mesmo anno), quatro ca-
vallos dinheiro bastante ouro e prata cornos o
fella ; mas ignora se o fim de tees bens assim como o
da Sfgana e filho menor i sbese porem que o Pre-
feito participara ao Gotrno que os Sganos forio
remettidos para a Villa do Bonito ; e oa esorsvos para
onde ? Mas nSn admira que com oa fracoa con
oa pebres com os destituidos de relacoes de familia* >
e influencia se obre tanta tirana ; a influencia, ea pro.
tervia dos assassinos vai chegando a mais; ai del les !
ai de nos! Oucao e pasmem Snrs. Redactores; Era
principio do crreme anno, achando-se o Coronel
Ghefe de LegiSo da Comarca do Limoeiro na sua Falen-
cia Marcos de Castro-- Provincia da Paraiba as quatro
horas da manha foi cercada a sua caa com 30 homens
deba i io do Geminando d'um tal sugeito conhecido pela
antonomasia Lunga ; e batendo-se-ihe na porta d
rijo ae Ihe dii.a que a abrisse quando nao a deitariao
dentro O Corouel responden que se a tal se arrojas-
m Ibes maullara fzer fogo ; nue conservossem o cer-
co eem sendo da abrira. Felismente tinha na Fa-
tenda genie forra engajada para o servicn e mais do
20 escravos Aborta a porta exigida a ordem e o
que pretendido ; soube que preiextavac aprixao de ura
tal Antonio por ha ver deflorado a Theodora de tal.,
crine que nao dnquelles em que tem lugar a priz&e
antes da culpa formada e nao estando em fragante.
A ordem era por escrita e do Commissario de Policia
do Limoeiro JoSo de Barros e diiia Em virtud
das ordena superiores e liistrur-coes do Sor. Prefeito
(vejflo Snrs. Redactores as taes Instruccfies o que
fzera) cerquem a cata do Coronel Hcnrique Pereira de
Lucena no sitio Marcos de Castro Provincia da
Paraiba para prender a Antonio de Santa Anna por
haver deflorado a Theodora de tal e caso haja resia-
teaca ponhao em execncao o art 118, e 204 do Cdi-
go. Ora a nlo estar aquelle CidadSo respeitavei acom-
panhado de gente capne de rebater acuelles loncos ,
e malvados on a ser outra pessoa menos prudente .
que funestissimas consequencias se nao segueriao ?
A prisati era Ilegal e admittia a todas a vistas a re-
sistencia ; mas as Introoc6es do Snr Prefeito Joao
Mauricio e as ordens positivas do seu Commissario do
Policia decretao que hateno resistencia se mate im-
punemente. Meu Dos! Quem pode viver no meio
de tanta fera! Basta por ora Sor. Redactores -r
mas deade j os previno que breve voltarei. Ajudem-
me V. as faicr o servico da publicacao destes fc~
tos o nutro ao Publico, e ao Governo : a vejao todo
qne tal a tranquilidade a segneanca atisfajao e fa-
ltcidade dos habitantes da Comarca do Limoeiro. Nao
nos illudao o nem ninguem e i Iluda. A ordem pu-
blica nao padece entre nos ; mas o bem esUr particular
por toda a nossa Provincia tal como antea daa Prefei-
toraa e em muitaa partes peor e moito peor, como
por exemplo na Comarca do Limoeiro.
Sou De Vv. mi,
Obrigado e Creado.
O Habitariu do Limoeiro,
femambmo. if TyWW1* Fari*' J*9$t0 dt '^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWH5ECKMC_QI2JT2 INGEST_TIME 2013-04-13T00:44:32Z PACKAGE AA00011611_06120
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES