Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06112


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANN M <839 TERCA FEltlX.
C A M 61 OS;
Maio 27. .#.
Londres agpor 1J000 sed.
l.iihoa 85 por loo premio, por metal, oftcrecido.
i"mnca-3ao a 5i5reis por franco.
Kio de Ja.ieiro 5 por 100 p.
Mocdas de of 4^000 83oo a S#oo.
pezos CoKimnario i#;oo a 'gTUt.
Dittos Metical* i#68o a i#6qo.
Pataces Braiileiros 1/C700 a i#'7.
Premios das 1 PARTIDAS DOS COHREIOS TERRESTESi
CHa'e da "aiaba e Villas de sua pretendi ." S .
Cidade da Rio 'irande do Norte, e Villa dem 4 .
*Cdade da Fortaleza e Tillas dem.....-
Villa a lioianna........'..'.
Tidade de Olinda .... ." .' J .
Villa c Santo Anto .... i '.'.''
jiita d(ieranUus ePovoaco do Bdnito. ''
i:tisdo Cabn Serinhaern, Kio Formoso, e Porto Calvo
:b>dds |a?os. e Villa desacat*:.....
V^lla de l'aiau'dt flores. _;
Todos os correios partcm ao meios da.
28 DE MAfO NUMERO 115.
Tudo agora cnde de nos meamos ; da nossa prudencr a
iccderaco, e energa : continuemos como pri.cipiam<"e
e serenes pontauS cou admirsco eniie as JV^res mas
cultas.
Proctumaco da Assembler. eral do Iiiax.il.
Suhscreve-se para esta fotha a o^ooo |or qoartel pagos adi
anlados nesta Typografia, ra das Cnues >, e na I
da Independencia 1). frj e 38, onde se receben corras]
Sepundas-e Scxlas'feira.'
Todos os das;
"mintas fciras.
Das 10, e 94 de cada mes
dem i 11,11 21 dallo d.tlo.
dem W
llera t3, diltodilto
dencias legalisadas, c innuncifrs.i iasirindo-u estes iritis
sendo dos proprios asignantes e vinilos aMigondos.
DJAS DA SEMANA.
S rSZfih'j? P,;r-n'> ,la *" ca:"'*** <* ">'* mu eVaroh.
1 n, 74 m ''' "' l!dl- ** Jo > '" U- '!' ara da mama.
^0 QnartaB. M unaiano I!. Seaso da T. P.
.>> OomU) Festa do Corno de Dos.
? rfVj-lfc *2Zfl Y' t?*0 t* n'BZ- e *** du la! ,le n'- <* vara-de m.
* Juf %h'. !] >- *r.uio M. Re. de ...anhi e aud. do J. de U. de m.
a omM o o. Muicclmo M.
As 5 hris e
Mir chela par odia a8 de Maio.
iS minutas da manh". As 5 horas a 12 minutos da tarde.
a-----. m



. "
^



PERNAMBUCO.
GOVERNO D\ PROVINCIA.
Expediente do dia a3 de Maio.
Offic'o -- Ao Comnjjndante das Armis,
enviaiido-lli3 os requeiimentos do* fx
soldados do B.'Ulliio Provisoiio Andre
I'erreir* da Silva, Joio Antonio, Joaquim
Manoel de Lemos, e Manoel Joaquim do
frscimenlo pedindo o pagamento do sui-
dos e r.irilacocnlos a fm de que era
conformidade do Imp prximo passado ipej iafaroie sobre esti
pi-plenc :. .
Dito Ao topsmo para dar o ronvpni-
entedt'Stioo ao Alferej do se lioso Bihlhio
de caesdores Francisco da Assis Meii Guimar^s vindo da l'rovim ia do Rio
Guinda doSul por nao poder conlinnar a
prpstar servico em coniequeuci 1 do seu es-
tad.i moiboso.
Dito Ao Inspector di Tbesooraria ,
a rpcabido na Fortile 1 ^0 Brunj o sol-
dado do Conu de Polica Henriq le .lacome
de Araujo Biserra snl de prizio eGm de cumprir tli su seo-
lene.
Dito _. Ao Commantlante Geral do
Corpo de Pulicia, cimmuniciado- a expa-
dici da onlem supra.
Dito Ao Provdor Misarios di Stnti
C conformidaile do artffo 1. da Rosoluco
de i3 deOtituhro di i-S$ 1, prpstar conta
admintstracio Goral do* Hitpitacs de
Cari'ladri da sua grrnci j ficaiido ua
intejli^eocia de que 'ai expedid* ord^m
a referid* A'iminitragao para timar con-
ta dos bens do Hospital da meara* SuU
Casa.
Dito A Administraco dos Estibeleci-
mentns de Ciridade para tomar conta dos
b**ns do Hospital da Misericordia, ecciri-
municaudo-lbe o cinteudo no precedente
officio.
Porlaria Ao Commandanto do Brigue
requesila/ o respectivo Vics Cnsul.
Ttli^OL'i.ARIA DA PROVINCIA.
EDITA L.
O Ilhn. Snr. Inspector oH Thpsotirpri.
.1 11 las Provinciaes rabuda raier pn
blieqqe nos das 1 j .j e 16 d Junlio
prximo fui uro s^ ha de arrematar -u ; |
Publica por lempo de. $ annos contados d '
i. de Julho.de 185q 3o da Junho d
l84a o i|ftO da 4o reis por cinadi d)
b-b'das espirituosa do consumo na Pro-
para mandar pagar a Joaquim Jos Pinto i Constanca para recebar a leu bordo e Irans
Goimari-i com o descont de a o por 100 portar para a Provincia dP.irabao sol-
b qumtia constante dos documentos que se dado invalido vindo do Para' Joods Val
Ihe rempfem, importancia dos txedicamen- le, quelhe sera aviado pelo In ipector do
tos que fornec-o para o tratamento do pre- Arsenal de Marinha.
t> de Estado Boavenlu-a. Officio Ao Inspector do Arsenai.de
Dito Ao Ch':fe da Lpfiio da Guar- i Marinha, comrauuicandolho a expedico
da Nacional de Olinda p3ra f*zt>r acom-
puilnr pela mesraa Lago no dia 3o do
cerrente a Procissio de Corpus Christi.
da ordem,supra.
Ditp Ao Commandanto do Briguees-
cuna Nieteoy para fiser desembarrar o
Uito-Ao Reverendo Cabido da Se'de O- Manheiro Porlo^uee.Manoel Perreira dos
lida commuuicando-llie o conteudo no
precedente officio.
Dito Ao Inspector Geral das Obras
Publicas, responJendo-lb cia nao con vena na Proposta f.-ita pelo a-
cttiil arrematante do quarlo lanco da es-
trada do I'-io do A Ibo.
Dito Ao mosmo partecipando- Ibe qup
.a Presidencia tem ayprovado as condices
qneapresentou com o seu cfficio de ij do
orreute pira a arrematacio. da sexta parta
da est'ata de Siito Anto, cumprindo
ju 1-ci auri-.nular a obra corno eau' em
pratica.
Dito Ao nrsfflo para mandaraprom-
t*r urna b mea ,la seis palmos d compri-
raento iobre 4 de largura pirn nela se con-
tar dinbeiro d) Cobre, para pagamento
dos tu-b-iliadoiei, cjilorrne requisita o
Administrador FiSCll.
Dito Ao Administrador d's obras pu
blioas c iminuuieiiidj-lli'j a expedi9ao da
oidem supra.
Por ti u*f)- A o Director do Arsenal de
Guerra para mandar entregar ao Porteiro
laSecelaria quitro resmas de papel car*
tu.inho.
Expediento do dia %\.
Officio Ao Commandanto das Armas
para demittir do servico militar ao Fur-
riel do BaUlho provisorio Joio Antonio
Pereira ai-.to nao poder poisuai molestias
continuar a servir.
Dito Ao mesmo para ordenar que se-
Reis,, conforme requesila p respectivo do de Genova e Mars-l;
Cnsul.
Si
ti v ..
Afaniffstpa o sejuinte.
Di Genova.
Expediente do dia 25.
OlErio Ao' Prefeito da Comarca di
Limo-rito para informar ae todos
Prefeitos de ra Comarca est^o confirma-
dos pela Presidr ocia e no eso cout-ario
remttier a competente proposta dvdameu- l.caa com tuilho afpista ao sicas co
Desciipc 5e CondiCoons para pelos par-
endeiieasfrem examinados em q i alq ue
'dia uti! 8*1 horas do expediente.
Insnecco uas Obras Publicas 27 de Mai..
do iS3g.
' Moraes Ancora.
PREFriTUBA.
Parte do dia 26 de Maio tie i33 lilm. e E^m. Snr. Das partea lio. 1
reetbidas consta somente que fora presua
hontem a minln ordem Joa Pafeira Nu-
nes, brrn-o, pelo Sub-Prefeito da Fra-
vi.,ci., .excepto a fgaardnta de fabrico i poesa do irife ren,,: ;
, '" uo nAXiw a requ:^ic90 do respectiva
Cnsul; o Manoel Joaqui da Sant 1 Au-
na pardo, por nm soldado de Polica ,
por lbe ser apprehendida huma faca d*
ponta cum a qual eslava insultando a hua
Mlgeito-, en, sua taLrrna cujoa pre-.
vera o competente destin.
Daos Guarda a V. Etc. Prefu'iura da
rea do Recife afj de Maio de
i83g. lllm. eExm. Sr. l-ranciscj do Rc-
o Barros Presidente da Provincia.
Francisco Antonio do S Brrelo Pre-
f. it'o da Cooiirca.
Prte do dia 27.
lllm. e Exm. Snr. Fora preses hon-
tem.a minha ordem o (iver o eompe<
1 O e de.tino : Ifrnscio da Croz Manoel
Fjneira do Sacramento, e Genoveva Ja-
cinta, pardos pelo Sub-Prefeito da Fre-
2.
Nacional; sendo esta arrecadaca feita nos
Maoieipiosdd Recife e Olinda.
Aa Pessoasqne sa propnscrem a esla ar-
rera itoc.6 compareca na Salla das Sesses
da trfesraa Tbesonrari nos das indicados
compelen tmeme hibe'itadas.
E para constar se nindoa affixir opra-
aeete n pub'icalo pelo Prelo.
Tbesouraria Provioel do Pernambuco
27 de Maio de 1839.
Xontador.
Jos Iiaptisla Fereira Lobo Jnior.
Diversas Keparticoens.
..... 1 ......i. -.,- -
ALFANDEGA DAS F.AZENDAS.
O Bri>ju Sardo Pitades & Oresles vin-
enfado era
27 rij correte CapUaS A .ionio G raldeilo ^ussia o R.-cife o 1. p 2. por 1 i-
uadoa Msnael Joaquim Ramos & ga e a ultima par ler puliendo em .-.ha
3o Barricas c n aieile I ci, 1200 res-
mas .-:.' p.'pel pardo n5 bulas de papel
m piaienia '\i barr*
, vor. palavras cbicunas ; Amonio Josa (', ,.
I mes tambem pardo, p C -\
PSIicia do diitticta de Fora da Pottat, p ;
estar era b'ig'a, e insolUndo a eatrem
Antonio Rodrigues, preto B^
te urganis-ida.
Dito Ao Coronel Chtfa da Legjfoda
Guarda Nacional de Santo Aotad, couima-
aiciudo-ibe que fai pela Presidencia ip-
provada a propnsta que companimu o seu
t.fficiode7 de Janeiro do crrente anno.
ca 1 ca.xi com traijta 35o ditas cot
arcss.o, S.q JIas cjiu ptssas 4no6 lou-
Z.i.
De Marselha.
i5o Harriscora agjardnnte l5o garrafo-
ens eom dita poo^caixaa com vinlio rous-
ua janei /in ionio n..ungues preto, uno AlvesS
43 barr- e Jos de Mello Trindade bi icos pal,
>m liaba- ,.Sub- Prefeito da Freguesia de S. A.i
o 1. por ler furtadu na Ijreja da Penh .
urna Capa nova do Padre, o 2. por fes-
lar bastaute ebrio no Tbeatro..', elerinuti-
lisado una paatei, que esravao e.p s-
tos venda na porta do mesreo TJ
eo3.porser de pessima conducta, .
Dito- Ao Commaudantd G;r de polica communicando-lbe, qua foj c 1 vai em agoarduule 200 ditas eom! Nicolao Joaquim Rodrigues, pela 1. pi-
exp; di Ja ordem ao Director do Arsenal de Daraascos e pessgos, 100 pipas com vi- trulha do dislricto do Carmo pr |j.
Guerra para substituir os cinco limpios ; no
queseacbo em mo estado na Coxia da
compunh.ia montada por igual n. do lam-
pioes semelbaute aos da llnminacio de>ta
Cidade.
Portara Ao Director do Arsenal de
Guerra, para faser eonee;i3r e pintar o
Parque do ler^iro Ratalbo de Artillie-
iii, logo que Iba for mondado aposen-
tar.
Officio Ao Commandande das Armas,
communicando-lbe aexpedicio da ordem
supra.
Portara Ao Commandanto do Rrigu"
Escuna Nicteroy, para fasor desembarcar
o fllarinheiro Joo Clnlaoo Subdito de
M2Z,\ DO CONSULADO.
' A Pauta be a mesma do num. na,
OBRAS PUBLICAS.
parte da estrada de S. AntSo calculada em
rs. i7H73UJto. Os Licitantes devem ,
coropeteutemcfito habilitados de Fiadores
idonoS, comparec- nes referid.s dias ,
ao meio dia a elTereeciem os sevis lances
na R partica das Oliras Publicas onde
S. M, o Redas du'S Seicllitl, conforme seachao patentes o respectivo Or9aoieiito
o un empasso ; c L .'-t .
preto, eScravo de Joaquina Man
por um soldado de Polieia por o 1.
insultado.
* o que consta das partes la j recei-
da! nest 1 Secretaria.
Dtos Guarde a V. Esc. Pri/eitara d"a
Comarcado Recife 37 de Maio de 18. a.
Tem de ir a praca nos 8as 14, i5, e 17
do miz de Junho prximo futuro a sexta CMARA MUNICIPAL DA CIDALE
D OLINA.
2." Sesso Ordinaria de a: de Janeiro do
.839.
P.-eideneia do Snr. Ciedes
Foi abMa a S.ssao estando preieolti os
.
ILEGIVEL


m
~7^
dia'rio d PEBNAMBUC.
~TT
Surs. Vereadores Ferreira Lnfi Jnior,
Maetel Mooleiro e Alb iquerque j f 1-
l.id> co Lid-- a aels da antecedente fji approvd*
t) Secretario dando cortti d > expedien-
te uifncio un m ofhVio do Exm. rftai
-ni" da Provinci partecipando a e-ta
l'tiiii'i que i'o a grande falta d**gn
que %< fr*-va os h I) Untes desta Cdade huj
eo< IPQUC >cia do ariomboque exist prove-
an aie da MlPt>tfl da no U.-biribe por
kvim ter representado esta mema ti-fnai<*
a Presidencia ; dtterrnina que se o ando
proceder tapagem do mencionado arrora-
bu, ou por Administrad >t ou por arre-
mataca segundo vats c .veniente ror ,
inda quando o Inspector das Obra" Publi-
cas n 5 tenha remetido o respectivo or-
cumento como a Presidencia Un tero or-
denado: resolveo a C-.rora em vi-tul
deste tfi'io qu" se convidas ao Cidadao
Antonio Ignacio X vier como liomem it>-
telligente de obras para lser um ore mien-
to do dilo arrombo psra a vista derla se
por em prac.
Nesta mesraa Sess?5.39 resolveo que ae
officiasse ao Exm. Presidente a fim do
mismo Sr. determinar que se preencha ail-
luminaca desia C'.a'e.
llouvera varios requerimientos de par-
tes qu-se dispschira .por l dada a
ca o Presidente U-v ntou a S'sS'5 D-*
que fiz a presente em que assign..r/5. E
en Jos Joaquina de Figueiredo S creta-
rio a escrevi. Giiedu9, Presidente. Fer-
reira. JVi.ciel Monleiro. A'huquerquc
Laages Jnior. Est,conforme.
Jos Jcaqnim de Pigueiredo.
Secretario.
ANNUNCIO.
O Snr. Colector da Gollectoria Geral
da Rendas In'ernas Provinciacs man-la
faaer publico, queda di i do mez
prox'mo vindoaro principia a faver aco-
I) anca na Estacan competente do a.
semestre fmanciro da corre.!" aono de
x838 |83jdaO cima dos P edios urba-
nos dos B.irros do IV-cife S. Antonio,
Boa-vista e Aff gados assim ao h-m os
mais I-BpostosProvinci'es e igoalraeijte
qui principiar a cobraucs ex-eoii** do a-
trarzfdO ; caso se ultime o prso de 3 > das,
eos P.oprietarios se continen aoegir
a ella.
Colleetoria Gral de RanH>s 1 iternas
P.ovinciaes 27 deMiio de 1839
Escipturario.
Jos Guedea Salguero.
CARAFUCEIRO.
A fjfie A istocrata.
Nao sou do oumro d'aquHes, que por
rropolgar a nomeada de bms patrias e
populares, asanlas, e loocas d*cl ma6.
vociferan contra a Nobreza, e s<* mostra
rancorosos inimigos de t 'da e qu -!qier A-
ristoc-acia. Dixo essas baforadas democr-
ticas, e demagogias a os Marats, a os Chabo-
|s, aos Dantons, aos Ch nimeis, iosB inrdons.
es F'abres d'Elaottne a os Carnerea, a os
Iiobespierres e os S'int-J ists -e a seus
sectarios, e admiradora Peifeita igual
dade nii se d in rerum rutara ; pois
que das mesnm desigu! lides resulta a or-
dem, a harmona, e bdieta di nivpr-o.
jeja qual foro paiz f aeia qu^l f>ra forma de Goverao, SHoap^e
o borne m sigz, e esperto hade b->rl tolli o rico ha de sef roais estimada qu-
o pobre o sabio sobrar a o ignorante o
bem nsnda, e bem edurtdo a o f rroupi-
ln e md creado ele '!''.
*p O descender de pais lu't'fS por
jsso nfooutorga virtudes lamben he cr-
io que noas tira antea be hum incenti-
vo para seellas Mere ren, e practica re*,
e tanto be isla verdad nu- o republ qu"i-
ro mis rasgado e aais decididamente ani-
velador preferirt, se ettivaiae em suas
nSos ot-r naietdo dp p Hislinc'os a o ser fillio d'hum gato ping-d >,
dr S-. Maooel ds viollas e a* Sara. M .-
na p">nga : e s lt -Hnlimpnlo he fpral por
toda a p'a". parec nato, e por
jaso r-wnlft de quil 8B6T canta. A mu-
iher mais esl.rrapad e misenvel tagB-
s8 se Ihe nega o tractamepto da Doni,
0 pardo diz-se descendente deste ou d'a-
quelle branco notavel, e o prelo aprecia em
muto o chamar-secreoulo.
Maaoexccsso he em tudas as cousas vi-
ciosa eporisso eu da Autocracia j re-
i>roo a fofice. s reprovo, que o indivi-
duo porque he, ou sedizT'obre, qacira
estribar nisto todo o >eu meri'o queir so
elle dirigir os negocios d I Patria e trete
o resto dos hornens com desprezo, tobran-
cea crioapza; e aind'A mais enoja tal
filancia, quando esse titulo de nobreia he
tiidtividiso, orno a existencia dos h hi-
tantes da la e nao passa de mera presum-
pcio e fefiee. Em' verdee que ha hi
de lio impertutbavel pachorra que posst
ouvir em desp itq arrotar baforadaa de fi-
rialgaia d'zendo se descenrlente do Duque
fulano ou da Marques aicMno hum mise-
tavel bajoujo que nao ten onde cahir
morlo, que vive, por ex., de orgrjejar ,
e que qn = si me p"de hirn nmola pv|o a-,
mor de D-os na roesm occisiio. em que
roe est arruman'd* o panul di su'arvore g-
iiealrgica roass'd* qw tomo por descon-
t dos m-us pechados ?
Vejo, por ex., bum p strano muito mal
amanh-.d" s^m mneir> da fallando hum^ gi'igonc luso-tfricana,
gros'eiro qiiasecomo bum selvagpm ; pre-
f.uico^o p.ihre, com grandes fumos de
Rolda, ou FeTtbrai, e dizem-me que
o liomem be fidalgo ; porque dcimo
quinto av eoh"Ceo hum aguadeiro que
tinhi estrella ami' 0 qn-l d"sejou rouito prtencr cavalhaii-
ce do Conde D Joo Aff nso Tello 00 lem-
po da celebre bUilha d'Aljub>rrota C-e-
datjudeos Apella non pg">'(digo com os
roeus bnles ) : mas acreditemos pamente ,
e por caridad" que este lorpa desc-nde
em linha recia de D* Fus R^upinhp d'E
g'sMonz, ou doproprio M'St-e d'Avix ,
1 o que sp segu d'>hi? Q.ie so por isso Ihe
': tributemos alUnc5Js e respe'to* ? Nao le-
ra elle perdidoeses f-os de nob-eza (se
he qu seus a\os os tvera) pela sua ma
|edooayf3| pela sua indigencia pela bxe-
/a do seu trac'aroento e mais qu ludo pe
los seus vicios? Accaso isso d lidlgnia sera
' da mesma ntureza que o Baplismo e o
! S'cr-m racler n'.lni! ? Ouosangue do nob'e lera
certos elemento* d stinctos dos de mt's que
se transmittem serapre os msmos de gera-
co em geracS?
Esse orgulho aristocrtico remonta mais
alta anliguidade. Em todos os tempos bou-
ve desses paparrnl s que vivis encapri-
chados da sua nobleza e tarnbem nunca
1 tiia bons espirilos que fizeraS retra-
eos desdan vaidad"S, e as zurzira com o
Llego irresistivel do ridiculo. Eotra outros
o famoso Luciano em os seus Dilogos mul-
tas vezes engou a esses impostores e be
digno de lerse a este respeito o seu bellis
simo Dialoga intitulado Nicromancia'
Ainda uiais ririas, djz elle a o seu migo,
se viras os no
arrola tanta grandeza, mendigarem no in-
fierno o triste po, ou verem se obrigados ,
para viver ex^rcer oiffi^io de Pregot-i-
ros ou a ensinar Gramroatica a estudanti-
nhos, que em recomp-nsa os escarnecem,
e esbofelea como a velhacos. Eu roesroo
nj pudia conler o riso qu .nd > vi Febp-
pe, esse famosa Rei de Macedona, posto
a hum cnto a remendar os seus chinellos
relhoa e outros nao menos f amigerados ,
p gloriosos tas como Dirio, X-rxesj p
Peyera tes pedindo e>m al s por meio das
ni s.
Toca pois rou'ta de tollo o hr.mem aue
tpndo-se em foro de nobre s insto assen-
la toda o seu mrito prefabdenda os rei-
p'iitos pblicos somente por esse titulo e
porque diz que descende de laes e taes
hroes de taes e taes personagens. A
respeito de nobreza roais ajuizada roe parece
a lei d'anu<*lles povos, que concedem hon-
ras e distincc5ss aos pais dos cidados be-
nemritos e virlunsos ; porque em verda-
de es-a disposicfo legislativa instiga aos pais
para envidaren! os maiores esforcos na boa
edu?aco de seus filhos, a o mesmo passo
que nao be raro ver se muilos desles dege-
neraren) das virtudesd'aquplles : o infame
Commodo era 6!ho do virtuoso Marca Au-
relio ; e que estima pode merecer aquello,
que nada herdou do mrito de seu pai ?
Nao reprovo outra vez digo a Arito-
cacia ; mas he 6 quando esta conserva a
sua original signifie.ca, quo vem a ser ;
governo dos melhores islo he quando
o nobre he roelhor que os que nao sao ,
pir suas boas qu'lidde por suas virtu-
des, por seu merilo real, agrandes no-
bres ordinariamente sempre fo>*5 aff vejs ,
prazenleiros magnnimos, e dadivosos :
a f ufice, eoorgulha aborrecem a todo o
inundo rocVroente se alias sao bem conhe-
cidas as ms manhas do senh >r arrolador
d"i Bdalguai ; e para mim verdadeiro no-
bre he o hornera de bm, he o hornero ,
que teme a Dos, e respeita e observa a
Le- pelo que eslimo o sapateiro fiel
honrado e detesto o S". C >nde ou Mr-
quez se elle he traclante peralvilbo ,
e vicioso.
Os Ministros.
Amigamente na Roub'ca H-brea e
em rouils outrs os Tribuns e os Mi-
nistros estav-5 as portas das Cidadrs
V -iba o lavrador vinha o soldada vi-
iba o estrangeiro cam a sua demanda ,
com a loa pretenco com o seo requer-
m uto e sem entrar na C'dade voltava no
mesmo di respondido para sua cata .
N<5saih"io os requerentes a diferenca da
quela era a nnssa para que te nao lasli-
me-n mais. Antig nistros as portas das Cidades ; agora esto
as Cidades as portas dos Ministros. Tan-
to coche lana liteira tanto cavado ( que
os de ap nio fasem cont nn deles
se f<*z cenia ): as portas ; os pateos *s
ras r> b'atan lo de gente e o Ministro
encantado, sera sa saber se est em casa ,
ou se o no mundo ; sendo necassano
muita valia s para alcancir de um criado
a revelac> deste royiierio. Uos b>tem ,
outros niSsa atrevem a baler : lodos a
esperar ; e t'idos a desesperar. Su final -
mente o Ministro quatro horas depois do
sol : aparece e desaparece de corrida :
olho os rpquerentes para o Ceo e uns
paraos outros: aparta-se disconsolada a
Cid-i'le que esp'rava ju^la- Vieira.
( Da Panorama N. 5fj. _. i838 )
ANGOLLA.
As cartas ult'mamentn recebidas deita
possejsao a mais importante que actual-
mente existe para Portugal descrevera all
o estado dos negocios como altamente de-
plora vel. Um estrangeiro residente em S.
Paulo de Loanda dotado de conheciraentos
e de pratica do paiz diz o seguintn.
Aqui nao se fal'a seqio na abolicio do
commercio da escravatura e infelizmente
nao lia vendo prodcc"S qedeera para car-
regar d mi navios no anne era virtuda da
habitacao, da indomavel preguica dos ne-
g'os, bera como pela influencia do clima ,
que pune de marte o Europea que lavra <>u
que semeia a Ierra exoosto aosol, pode a-
juisar-se qual ser o resultada. A aqui
u para a metropole aos t 1 e 70 con I os;
ap,ora se.- mister q hr il 1 summa para que se possa pagir tro-
pa e funecionarios pblicos. 0 navios pro-
cedeutea do Brasil os nicos que aavad in-
tereases a est praca vio fugind para Am
hriz, para Cabiuda, para Loango onde
d'Sembarca fazendaa / e cummfeici-ia li-
vieraente coro renda euto Alfandega de S. l'aulo. Os
proprietarios e negociantes ero lugar de es-
perar remedio de l'oitugal entroUX<6 o fatu
para se transoortar paia o Brasil e vista
desla resuluco funesta nio se ouvem na
cidade seria vozes de indignacio contra o
Governo Portugus, e urna tendencia para
a proclarnaco da uniio cora o Brasil que
dergracadatuente d-quia pouco nada poda-
ra' impedir, considerando at a inferior i-
d'de da ominha de guerra de Portugal. *
Ora aqui lemoslvs. Deputados aqui'
|pro o Sr. Ministro do Ultramar o resultado
de mandar para as colonias non fulna de
papel com medidas que alterad de cbofre to-
da a direrciodos capilaea sem ao mesmo
lempo apresentar a menor a mais insigni-
ficante compensacio para essa deslocaca5 de
fundos.
A retorta distillaforia que foi para Ango-
la urna bella acquisicio ; as o Sr. Minis'
Iro do Ultramar deveria saber que j no
lempo de D. Miguel se mandou dar urna
commenda e todo o auxilio a ura homem
que em Londres se propuaha exlrahir a-
guardente de caima ; e que dos seus exfor.
eos e grandes despezas apenas colheu por
i'ructo duas ou tres pipas para amostra ha
amostras de ferro ba amostras de carTj
de gomma capal, de arroz, de tudo quin-
to quiserem ; mas ha tambera urna consi.
deracio que ninguem que sabe do ultramar
capaz de destruir. Para que os Eurapeus
se possaddar agricultura na costa d' fri-
ca raister que o nosso Governo decrete u-
ma r. forma de clima; alias todos suecuns -
birio como a experiencia na da mezes ,
mas da seclos tem mostrado. Para que 01
negros sead constrangidos a trabalhar no
campos preciso farcas militares e fundoi
deque Portugal nio ple dispor. Eis os
tbrmos precisos da qUestao o mais sio so-
phis^as miseraveis sio banal ddes fhas
de vistas particulares, e de completa igno-
rancia da stitistica das nossas po-sesses.
Atiente pois o Governo oque tenciona
f^zer. Pode muito bem ser que no seu ze-
lo par c Tiesponder as philani-opicas sug-
gesles dos nossusalliados reduza ao deses-
pero os habitantes de Ang da e Mocambi-
que, nio podem viver de declamaces e de
promessas, e perca para sempre posses
s5es que iro dar ao Brasil urna grande
importaucia. 1) pois cancem-se com no-
tas diolomtticas clamem por auxilios
G'i-B 'rlanha um beneficio na pauta das
A fmdigasdo B-azil para onde a Gri-Bra-
| tanha exporta dez vezes mais mercadorias
do que p*ra Portugal, tornar o gabinete
de S. James surdo s nossas vozes e o*
diff-tente s e>tipulc5es dos tracudos.
Nio a vez primeira que recebemos
iguatstastimunhos de protecci* daquelles
que se inculcan) nossos proieclores. Ouvi-
mos que uma das coodicces do scluil Mi-
nisterio para acceder s exigencias do Mi-
nisterio Inglez era a garanta das nossas
colonias-, mas nos nio nos que ella seja
solida se nio for pecuniaria. Deem-nos
alguns milhas de libras esterlinas pois
que emprestimos nio podemos pagar, a
fim de metter hombros gloriosa a chris-
tan empreza da ah -licio da escravatura
e d-ixem-ae de pretender conslranger-nos
com frases arrogantes a sacrificar o Irisla
resto de possesses que recordara a enli-
ga gloria e prosperidade da nossa patria
que tanto sangue tanto ooro cuslaram e
que nada si vista daq>ellas que os nos-
sos bans amigos nos tiraran).
S-j o governo inexoravel cora as auto-
ridades ultramarinas que abusara do poder
para oporimir os povos p satisfazer os
seus caprichos mas nio se descuide de
evitar a erise final que ameaea as nossas
provincias da frica. Em quanlo o Sr.
Ministro do Ultramar decreta aemigra-
c> dos Acorianos para Pungo-andooga ,
viafugindo de Loaod* aquelles sena os
quaes esses infelizes morrerio de fome ,
por que sem negociantes sem capitalistas
Europeus Angola se convertera n um
horrivel deserto. Muito folgariamos de
saber como se intenta substituir essa flts;
e como se imagina que sem dinheiro qe
di-pondo aptnas de ceios da mil ris se
pode dars colonias o novo imoalso lio
preconissdo. Le'mbrem-soque o Brasil nio
desiste do proposito de apodetar-se do
territorios que nos inveja e que lio uteis
Ihe seriara agora continu o Governo
em apathia por que accordar larde para
evitar a caiaatrophe.
(Da Nacional de Lisboa.)
Variedades.
Uma scena indita da vida d#apa|ela
Os historiadores de Napolefo fr*in
geralmente fliando injustos com o exer-
cito, de sorte que todos os successos mi-
litares da revoluca Franceaa parecem nos
eos escriptos exclusivamente altribuidoi1 a
o General que oacommandava eulretaodo
quede 179a a 1798 poca em que ella lo-
mos, o comiuanj do exercito da Ilali ]
ura rsilhio de dtenlos mil hornens divi-
ILEGIVEL


DIARIO DE PRNAMBUC
O
didw era quitro exercitot commandados
-9r Generaes todos celebres haviam victo-
rjasamenta defendido m fronteiras da
franca contra as invasoens dos inimigos.
' digno da admiraca o geoio de Na-
pilej ; mas era por iiso se deve escura-
c-r qii' quando elU c idele j< K'llermsan Dumouriez, Uu
goramier Massem Periguou Moncey ,
Jourdao H-che D'ssaiie outros hro-
es tnhim conquistado gloria iannorial.
C esses simples soldados, vencedores da
Europa Esshs Francezes to impetuosos
no ataqae o lio intelligentea no campo da
batalha, nao lerem por ventura ler tambern
grande parte no ttiurplio ?
T m-se fallado u'isso rnuitas veses, mas
ain'U ninguem ie.11 do tudo.
Blnapaite es^revia no seu reWtoro ao
Directorio por cccasiao das primeitas vi-
ctorias da lia 1 ha : Julgareis talvez ci-
dadios Directores que os nossos soldados,
chegaudo ao ac moa manto cuidara lgoem
dormir : poU n .6. Cada uto faz o spu
relatorio do dia ou o plano de opertc's
do di* seguidle.....e muitas veaea acer
Um.
Pouca lempo antes da celebre batalha de
Castig'ione e 5 de Agosto de 17^6 b-
Ullia que principiou no 1. do inez e que
os soldados chamaran campanba dos cin-
co dias os Austracos haviam sido succes
tivameote expulsos de Lonato de B'escia ,
de Salo outros pontos da sua linha de o*
peracoens. O esercilo Francez se bavia
elevado altura do sen general e tinha glo-
riosamente compensado o abandono de
Mantua cujo sitio fui abrigado a aban-
donar repentinamente. Foi eolio que se
vio urna divis*5 intuir a do general Gu-
yenx passar 48 horas sem comer, semdei-
xar um momauto de marchar de combate'r
e da vencer.
Perto de Lonato por muitas veses se
liaviam tentado vfos exforcos para desal
jaro inimigode urna altura que domina
va o campo de batalha : o resaltado do
da eslava duvidoso. Boaaparte marcha a
todo o galope pira a frente nommandada
por Massena d repentinamente r-
deos ; cuja execucaS vai tornar certa a
victoria.
Neste momento chegava a divisad Gu-
ynl, mas esfomeada de pao que de glo-
ria e que da*a um ataque que de bayo-
neta por ler despendido a plvora toda.
Passanio por p do estado maior saiu u m
cica 110r da filena e veio a correr collo-
car-se defronte do cava lo de iNapul-ao.
Era um mancebo de ao anuos, cuj fi-
gura athletica fasia contrast com o rosto
meiiintiro ; grandes cabellos louros Ihe
p-ndiam pelas I'..c-s, a boca estava negra
com a plvora e os olbos parecaos lan
car faiaca.
General, diz elle aproximando se
_. Cidadio geneval diz una voz Sonora ,
f .llou chamada e nao he elle s .
rvtav.i a> meu la lo viu cahir despe-
dazado por urna baila de doze.
Nio teve lempo aenio de dcer; Na5
importa a victoria he nossa. _
Bonaprle tirou o chepeo com ar visvel-
mente compungido e disse soldados era
coragoso e inlelligente. D-pois voltou-se
para o Coronel e accrescentou sorrindo
tristemente sea billa me tivessa dado
em mim o cacador poda tomar boje o meu
l>gar. _
Ningoem soube o que queriam diter es-
tas palavras seno quinto chegou o ge-
neral a Lonato econtou a Massena e aos
outros c-lficiaes o seu dialogo curo o caca-
dor que depois morreo gloriosamente.
( Do .Nacional de Liaboa. (
THEATRO PUBLICO.
Amanhi stg do corrente.
Em beneficio do actor Pedro Bapts'a de
S^nta R za se representar a grande Peca
Mor le do Marechal G>raes Freir O
Duelo Dos l'ombiuhns rematando o
expectsculo a Farca O aprendiz de la-
drio.
Principiar as 8 horas em ponto.
seguimento da otradi nova de Loizdo Re
g<> ; 01 pertendentes p dem dirigir-te a
luja de Jmquim Perene Penna na ra da
Madre de Deus que Ihe dir* quem a per-
tenile vender issim romo vende-se urna
casa terrea peque ni no pateo do Paraizo ,
de mea agoa na mosina I >ja-
_ Precisa.se de alugar ama casa terrea
coai cmodos para pequea familia tendo
quntale cacimba, e nio excedvndo o atu-
guel a oito mil reis meosaes embora seja
em ra menos publica : quem a ti ver au
nuncie.
Na ra do Cotovello casa D. 37 ha
qu-m se proponha a tomar alguma cran-
os ja desmamada para ser acabad 1 de ere,
ar. sendo sto feto com todo o mimo ea.
mor, e tamben sa cceita alguma de mama-
ria mesma ca la va-se, engoma-se, e cose-
r xi5, lavarinto*, e bordados, costuras de
alfaiate e marca se.
_ A E bada, e desarvorada neste, porto precisa
hnma corrente de relogio moderna di-
rija-se a rux nova D. 12 para tractar do
ajusta.
AMuga-se um preto que entenda do
servido de Olaria 5 quem o liver annon-
cie.
_ Precisa-se de um caixeiro para urna
venda ; quemestiver nestas circunstancias
qneira dirigir-se a ra do Ruano casa
D. 8.
Pretende-se hum Feilor que entenda
de pomar, horta, e jardim, e que seja
casado e d flanea na ra dos Qiiar-
tsisteis D. a.
Quem precisar de hum homem para
hir em alguna viagem ou lavar algunas
cartas : airigija-sa Cabanga a fallar com
Feliciano Vaz da Conceica.
_ Compra se urna Tipoia prorrpla ou
por apromptai nova ou em bom nao: quem
a tiver annuncie ou entenda-se na Boti-
ca da Praca da Boa vista D. 16.
_ Vende-se urna negra dedacio, la-
da quantia de seis ou oito cantos de reis dina e fax todo o servico de urna casa pa-
( mais ou menos ) para faser os coocertos' ra para fora da trra ou para o ato :
Dais he necessario mandar coliocar al
goma artilheria nesse sitio em que estaes ,
t mandar meia brigada l pira baixo para
o plano da cavallaria se nao estamos mi-
midos!. ..
Desgracado calla-te e volta para o
leu logar.
Reiirou se o cacador depcis de hver
respeiiosameote levad, a mi testa que
eslava toda banbada em suor.
Non..parle acaba va justamente de or-
denar os duis movirnentos com tanta ou-
da acooaelhados pelo aprendiz do gene-
*'. seguio-o com oa ol(is por algum
lempo, mas depois"perdeuo-o de vista com
o fumo.
Meia hora depois occopsvam os France-
"s altura e o mimiao obngado a reli-
'ar-se marcahava pa a Gavardo.
Era sol poato ; a tropa ia tomar algum
''scanfo no acampamento ; mas o general
preocupado com aquella idea mandou pe
(*r a divisad Geoyeox em armas. Foi
p aos com attenca sem proferir urna pala-
*ra. Quando chegou ultima fileira mos-
l|ou siguaes de impaciencia e dor ; se elle
Dio descobru o que procurava.
Voltando para a frente da linha levan-
loo a voe perguntou quem he o calador
que honlem no meio de logo deixou a fi-
lena para vir fallar comigo.
Silencio por toda a linha.
- Que saia segunda re, agora mando
eu.
COSMORAMA.
Segunda Subscripcfo.
Stima Ex posicio.
Desde sabbido passado que existem na
exposicio as vistas segnintes que serlo im-
pretervelmenle mudadas no ssbbado pri-
meiro de Junho a saber :
. Huma vista da Cidade de Lyon em
Franca, tomada no cerco do Rhone.
Vista do Ctelo de Valancay em Fran-
ca, que servio de prizio ao infeliz papa
Po VIL
Vista gral de Newyork huma das prin-
cipies cidade da America ngleza, ve-se
o vasta rio sobre ti margena do qoal ella
ae acba situada e a mais extensa rica
praspectiva pos-vel.
Vista da um acampamento no ciarlo da
La esta vista boma das mais agradareis
do cosmorama se recommenda aos ama-
dores qua slo rogadoa de examinar o na-
tural com que se acba reproduzido o cia-
rlo da la laucando seus raios prateados
sobre um mar tranquillo, turna praca si-
liada e sobre diversos grupos de solda-
dos.
Vista do Castello de Pierre Size nos ar-
rebaldes de Lyon ve-se a entrada triun-
fante de Hanrique quarto dirig ndo-se pa-
ra a Cidade que se divulga ao longe.
Vista da Cidade de Berne em Suissa.
Seu lago encantador, moutanhas no fundo
ate onde se pode estender a vista.
Vista de Lyon Cae da Saone.
Vista dos antigos e celebres monumentos
da Tusca na.
Vista do lastimoso quadro do exercito
Francez de Moscou ; nio te pode melhor
exp-essar o ligor do invern, ve se o glan-
de homem sobre hum treno, acompanha-
do por seus mais fiis genera es.
Vista do Monte Braoco, a mais alia serra
da Europa ; lendo de alto 4810 metl Vista nucturna do Campo Santo em Pi-
za, Italia, eslavista tem geralmente sido
considerada como a meibor do eos
moiama o effeito de la be pe feto
be a propria naiuiessi ,\
Vista da pesca do Athm no mar Medi-
terrneo.
As horas alo a mesmas de 6 at ase
9 da noite.
necs^nos para seguir a sui viagem para
Nova Holanda tocaodo no Cabo da B >a-
F.speranca : Quem quiser addiantar a di-
ta quantia com seguranca sobre o Casco
da Biesme ea una di rija-se aos consignata-
rios Rnssel, Mellors, & Comp.
-Quem precisar de um caixeiro: an-
nuncie.
_ OSnr. qu* na ra ra Nova venda
D. 33 empenhou humas obras de ouro
por 5oUooo rs. por tempo de dous meses
pagando o juro mental ; queira ir tirar-los
ou psg*r os juros visto lr feto seis me-
zet s 16 de Meto.
_ Pierisa-se de alogar hum cilio annu-
almeote. cito smargem do rio, desda o Ca-
i ir > at a Capunga ; quem o tiver an-
nuncie.
Rnga-se encarecidamente t qualquer
pessoa quesouber ou mesmo for ofifereci-
da huma casaca nova de pao fino aznl n-
visivel ou quise escuro, a qoal tem bo-
na Pr^c da Boa-vista Bolica D. 16.
_ Quem precisar de um Bolieiro Por-
tuguez : annuncie.
_ Vende-se urna armacio para miude-
zss 00 ferragem na ru. Direita : quem
a perteoder dirij <-se a ra da Praia sobra-
dinho de varanda degrade cor de chumbo
delronta das serraras D. 26.
Quem precisar da um Brazileiro de
dado ao annos para qualquer arrumaclo
oa cob ancas : annuncie.
Quem precisar de urna mulher part
ama de cata de pouca familia : annuncie
para aer procurado.
Quem quiser refaser cem caLipas de
gado em lugar de exilente pasto, e que
tem bebida permanente todo o verlo, di;
rija ae t propriedade da Barra daa Jangadas
distante dettt Cidade 5 legoas ao sul a
tratar com o proprietario da mesma Joo
Rufino Ferreira.
_ Quem quizar urna tma de leita com
t-s das mangas difierentes dos do peito ; am filho a qual se obriga a criar mais em
cuja casaca foi entregue a hum prto corita sendo de b ia conducta dirija-sen
no dia sabido 18 do crrante no Recife Olinda ra de S. Bento, casa do Juiz de
fiara levar ao porte das Canoas ; a como Paz Oliveirt. .
osse ja aoeseurecer, furtou-se a vista de Quem precisar de urna preta fiel pa-
seo dono e por mais pequisa que se fi- ra ama de esta de homem aoltero, a qual
sesie, nio foi possivel descobrir-se: e engoma bem cote, e cosinha sofrivel-
mente annuncie ou dirija-se a esta Typ.
que se dir.
A Escuna Inglesa Blsck Sevan arri-
poristo roga-se t pessoa que souber, ou
conhecer o dito pr to tnuncie ou dirija-te
aS. Francisco em Olinda quesera recom-
pensado.
Quem tiver paraalugar hum sitio, que
tenha capacidade de ler vacas de Leite; a -
nuncie.
Avisa-se a certo Snr. Proprietario ou
bada desarvoreda neste porto precisa de
um mastro de pinho de 64 ps de compri-
mento e de deseseis polegadas de dimetro :
quem tiver um pao desta proporclo e o
queira vender annuncie ou dirija-se aos
Administrador de Olaria no arrebajde Consignatarios Russell Mellor & C.
Avisos Diversos.
LEILAO*.
Que f zem Gaskell Johnson & C, por
intervenoao do Corretor Oliveira de um
sortiment rtguiar de Fazendaa Ingieras ,
Sexta feira 5i do corrente pelaa 10 horas
da manh so seu armazem dt ra da Cruz
D. 7.
Vende-ie a posse de nm terreno no
desta Praca que em diat de Novembro
do anno passado, recebeo em fora de Por-
tas 60U000 reis para remetter trez mili), i -
ros de lijlos as seguiotes agoss que e-
ra d'ali a oito ou dez dias e porque nio
cumprio com o que devera Ihe forio di-
rigidos varios avisos nio respondeu a ne-
nlium dejxandode cumprir o que pro-
metteu o que se Ihe faz certo pelo pre-
sente annoncio, sem endicar oteo norae,
o que se faia' logo que. deixe de comprir o
seu dever.
Na Qdade de Olinda casa do Cura
da S ha huma ama para todo o servico
de portas a dentro sendo esta crioula ,
e de bons costumes.
_ Quem tiver para alugar um moleque
que sirva para o servico de huma caaa de
pequea familia, que saiba cosinhar, e
comprar na rua e que seja fiel, dirija -
a ruadas Floies casa D. 3, ou annuncie a
moradia.
_ Ofierec-se hum official baulero pa-
ra traba bar de empleitada, ou para faser
camas de vento, o mesmo se cQerece pa-
para qualquer caxarta : quem o precisar
queira anaunciar a sua rao; ada por esta fo
Iha.
Quem precisar de hum Feilor de bons
coslumet, dirija-se a rua da Penha D. 5
buido desta Igreja para a do Livramento
lado esquerdo casa de Alfaiate.
Precisa-ae alugar quatro pretos que
ssiba5 trabalbar de cachada dando-te o
sustento ; quem os tiver dirija-te e rua no-
va D. aa segundo andar para tratar do a-
jnste.
Quem annunciou querer comprar
_ Compra-se um piano: na rua Nova
armasem ao p di ponte da Boavista onde
se vendem quartinhas.
_ Um rapaz de bons costumes pro-
poem-ae a ensinar primeirss letras fora dt
praca e tambem por commodidade de sua
saude ; advertndo porem seja logar pertr
da mesma praca: qualquer Sur. d'enge-
nho ou outra qualquer pessoa que quizer
utilizar-a* de seo prestimo d:rija-se a R,
d'Ortas D. 66 perto da Igveja dos M.rly-
rios lado do puente que achara com
quem tratar.
_ Elixir Ophtalmico, inventado pelo
Dr. K. Viller, o qual oblev de S. M. o
Rei dos Francezes um privilegio, e urna
compensadlo por tua invencio. Este re-
medio tem por fim o forteficar a vista, o
inutilisar o uso de oculos, e destruir qual-
quer iiiflimaco dos olhos. Muitss pessoas
cujot olhot se acbava to enfraquecidot,
que apenas podia5 distinguir cum oculos os
objectos com o nzo deste Elixir recupera-
ras a mesma forca de vista de que gosava
anteriormente. Acha-se venda na rua da
Cruz N. 45 em caza de Tobler Freres &
C. A agoa aromtica para vivificar as co-
res do rosto e destruir as nodoas da pella,
e o oleo de ervas Suissas j tobem acredi-
tado e reconhecidu pelo nico especifico ca-
paz de fazer creseer o cabello o eaiemu-
nho dado por innumeraveis pessoas desta
Provincia basta para faser o seu elogio.
Na mesma casa cima e na leja do Sr. Me-
roz Praca da Independencia.
Vende-se urna negrnba creoula de 7
annos tem vicio nem achaque: na rua dj
Crus n. 64 1*andar.



4
_ A pessoa que Di.iriJ n. ln da
j|< na feira querer slugar un sitio amargem
dorio cj-^'ro al n punga, drrijs-se a
ra dos Martirios f.b'do o- 2
_ !V(i: s.-ao Sr. CspH> !>*!> KU>1*
la do Ama'! e Malli tenh a bandada de
riendo vir a esta praca de dirigir se a ru
do Pfl#n D- 12.
Raga-seas raorado*e smas a praia ffi *3 ',0 Brc^ d0 s- Antonio
defrOOte de S Fran-isco que ftco-
nvndem aos sem acravoi qi o logar pira
os despejos marciJo pala Caar* lie no
r^t-o de palacio velho pira o Udo do rn.m
do novo mesmo porque a!i a ninguem
evcMBOioda, o que na er-aat-ssa neste
outro ldo, poil Bifl tinto? os pSrfoaMS que
nio W ppdea tolerar e apmr d* se ter
recomendadaaoa negro tpt'tl no ha o
lugar destinada, elle a leim*, e eonli
nuo, a pesar de algaaoa MrodaiUt, e
para evitar urna tal eontinu'cio e cusa.
algam disgosio, p *o ('7- enan
eio ; assim om a? roga *o [Una. S<\ FiscJ
qitelra por sin bondade d, videncias.
_. Sefund e ultima vez participa o
proprieiario da casa de nave do bca do lln
alvo que os estudantes das aulas pHmari -
na continuio afrequentar a casa da habtela;
e com a maior parte dtl'.cj sao ja meninas
do quarto grao quando se Ihe faz al(>uini
cbservcio puxia pla espida da lingoa e
disem florea, e como lis bou ter sencnre
era vistas o que ( dizam ) dicera o diabo
, que com raptes nio se qurh nv-ter
queremos seguir o mesmo, ale pm nos
r.Io aujeiur-mos a alguma apoupada
n ra. Quando se ihe diz que se retiram
diiem que va tomar aorvetes ; porem as
duas por tiesellrs l vio ver a bicatella e
secunda a aula se forrla e se decidero
queslesde bacatela qu admira : nio dize-
mos com isto que todos jogo ; mas os qup
o nio fazem gostio de ver e se alguna se
prohibe de j>g*r quesliono de tal maneira
com os criados, que riles no tem remedio
B-nio dtixi los. N pois nos he impos-
sivel por utni total restrii porque deia
sergeral, e como se torna iropossiyel, por
hirem muitos con prenlas ou p isso tomamos a deliber?cio de novsmente
fazer esta parlecipaco pira previnir as pes-
soas interessadas e tirar de d qualquer
increpaco.
Offerece-se para farer o semeo inte-
rior de urna csa menos o da Cortaba ,
urna muther de bonscistumes e d iidor
a sua conducta: nesta Typografia se dir.
__ O Sr. Jos de Almeids que a pouco
veto do porto, dirija-so a roa do Vicario
noescriptoriodo Sr. Duburcq fim de
receber urna caita de importancia, iito com
brevidade.
__ A abaixoassignado faz segunda vez
publico que ninguem canirate neg ci al-
gum com seu marido Jo Francisco Col-
lares por isso que a abmo assigrada est
endevorcio, e que antes de cisar assignon
umaescripturada arras e na-la tem. com
ses bens pois quando csou ida trouxe
para o casal CMBO hadeprovar, e protas-
ta contra toda e qualquer pnssoa que con-
tratar com o seu m>i ido qusluuer contrato
de venda cu bypotbecaem seus bens ser
aullo e pra constar fat o preiente.
Franci?c.i doCorvca d^ Jczoi.
/I. Offfrece-se um caijeiro portugu Idade de i5 a -Gaiinos para laja do fazn-
das, cu parachranca ; qunm o precisar
dirfja-fa a esta Typograiia.
Avisos Uaritiiuos
PAR^ LISBOA ,shir no da 7 de Ju-
nbo o Brigue Pjrtuguez Fel'a Destino, de
que heCipito M*no*l da Silva Bello, pava
cirga e pis*agiros trala-sf com Fruncisco
sev^riano Rabello ou com o Capitao na
prica.
PARA LISBOA a Escuna Portugue-
aa-Piqueteda 3 sabir no di* i5 de Ju-
ihoj quem quisprcarregir assucar a aoo
res a arroba., ou ir de pasiegem dirija-**
ao Capitio na praca ua com Tliomez de
Afioino Fonceca.
PARA O CEAR A', Martaho f ePai,
deve chegaral o da ; a 29 do torrente
ata dos Barejs de V'par ua Compaahia
DIARIO bfe PlRNAMC)
aaatw
Taa-Maam
Brasileira-; qaem quiser hir de pmtgem ,
oucarregar dioheko a frete dirija-se a Me.
C-ilmcnt di Companbia.
liC 1 o
_- Q ie faz o CorretorOl'veira de um
boto sortinaento d fazendas inglezase f eets ealgum Tacto frito Q tarta feira
19 d.>rrenle pels 10 horas da m'nh ,
oj leo ariaisem da ra da Conceic.>5 D-
cima 3 *' andir.
_ Q le f*z o Corretor Oveira de um
b >ra sortimento de fazeodas inglezas e fian
eetat, incluindo um porci de riscarios
moderos para c*lsa< ,'fata tit e css-s
'le b.fn toro avaridas, Qi>:ta f^ira 39 do
crrente pelas 13 h:ra> srnuj-m da iui d* Cjhc t<^5 \). 34 ;>"
primeiro andar.
C G 521 p rr -i
__ Compendios de Filonphia por Po-
nelle : a fallir n> convento d S. Francia*
cocom o Padre Mestre Kr. faa-3 de C trano Mendonca ruannuncie.
V c n (1 a s
_ Para fon da provincia um bonito
moleque de idade de 18 noc mui sadio ,
gil e robusto ptimo pira lodo r qual-
quer aervici : na ra de agOl verdes no I.
andar do sobrada pasnando o b.-co que vai
pira a ra de Hutas.
_ Um mblaiinbo de 12 a i \ anuos de
idade sem vicio e proprio para pg^m :
no pateo da Matriz de S. Antonio sjIj ado
-9
_ Um armacao de vnda com tolos os
p':rtences : na rm do fogo na quina do ba-
co do sarpate! D. 9.
Urna caix^de prata para rap, por
preco commodo : neata Typigrafi* se dir.
_ Ouas escravas de 18 a 10 annos, bo
nitas figuras, engoiama cozinhk
urna dita de 35 an ms por a4',ooo, cozi-
nha lava roupa e ptima quitandeira :
na ra de agoas verdes cssa torrea Dci-
ma 3;.
Asearlas de Heloisa a Abeilarde se-
guidas das cirtas amornsas de urna religio-
sa portugufza : nesta Typografia.
Tres moradas de casas ,lorr.v, na ma
do Noguera D. la iui d' S. Therez- D
19 e no alterr> dosaffjgaio) entre Ma
noel de Jess Pratas e Joaquina Ferrei-
rada Penha por preco rummodo ; a tra-
tar com o Reverendo P.dfe Jotquim Gon-
salves Rodrigues na rui do Fagundes .
4 ou com Jos Udnlo Muniz no pateo da
Ribeira, os quses esta munidos para as
vender.
_Caderas de- raogne com tarraxis e
sssentos d co'x5 para pianno ltimamente
chegadas d'europa : na ra da cadaia Dd-
cima i4v
_ Regulamcnto do guarda livres ou
tratado de escripturaca por paradas do-
bra las, esta obra no eu prq-ieuo volume
l'-.rm-i exemplos das mais ozuaes transaces
commerciaes e cu'.ris operac'S inleres-
saites : na ra da moeda em casa de Fu-
mino Jos Felis da Ror.a.
_ Na ra que vai para o flosriieio na 4
osa terrea nova do lado direito 3 bacetas
taboleiros para levar fat?ndas e miudesas
pira ai ui e tamben um sortimento de
bicos fitas sedas gallas pescazinhos ,
vestidos de cassas ,-|ovts e outras fKMi
das in^lrzas e francezas por menos do custo
pois be para fecbar coritas.
Rap princeza de Lisbaa a a56o : na
quina da praciaba do Livramento loja do
Burgos.
__ Feij5 molatinho a 2000 to elqueire
medidaTelha e costelas de porco por pre-
co commodo : na ra nova D. 33.
_ Na re de agoaa verdes cisa terrea
O. 10 um rico palanqun um oculo de
ver ao tonge urna mesa grande de jantar ,
e mais algumas miudesas e troea-swa mo-
radia da mesuia casa por outro que nu seja
en becoa.
^ Urna cabileira de 5enbora, muito
beta arranjada : aa rufa de Hartas Dc'i]
ma >4
A armicaS de urna vena acabada
de novo ,c>m pesia medidas, e nlgns
gneros da trra, sita na ra dos bairros
baixos D. i4 : tratar na ra nova D. 7. -
_ Urna escrava da naci casta de ida-'
de de 2} a a5 aonos, engomm'a liso co-
zinha bem o diario de urna casa, lava de
sb>, e se aiinca ao comprador que nio
tem vicios dequalidide algn : na ru< Di-
r-ita lado da Igrejt do Livrameao sobrado
D. 2i.
__ Una Casa com 4 qmrto salla a di-
ante e atraz cozinha foTa de pedra o cil
entre a pav.iacao do poco e monteiro, lagar
muito b'o.-n pira 8 pisira festa por ficar
muito p'tno na rm de Mauoel c ca D 4<
_ Emcisado Fox Brothers, ra da
Conceica n. 34 um laxa de .tvrro ooado ,
vai tos lanborea cjm seus parwoces c euos
e ern las par prfeo ciimniado.
_. Urna venda ca;n muito poucos fund >s
e desabrigas a cerlvv credjres, o mior 11S0
excede de 4 'i^'" 1 e acisa ten bous cam-
modos com 3 q-iartos quisul, murada,
portan para lrz e optim pira rancha de
matulos sita as 5 pontas a ultima a di-
redi d-froniedo faite : a tratar na raesrea
e se dir o porqu.
Urna escrava multa robusta a fian-
ca-se n.io ter vicios, du idade de 24 nnes.
cozinha eagomma casacbi e entende
d> todo o ra.ii arranjo de urna casa 5 nma
escrava parda do idad de 2 > anuos reco
lili la case tn.^amma lijo e cozinbi o
diario de urna casa sem molesiia alguma ,
esem haver nela aUumi na s ia conducta ,
que faca desmerecer o seu m-rccimen'o e
valart e urna negrinha de idade de 12 n-
1103 de linda figura, lula com fianca de boas
vendas; passando a Igreja dos Martirios no
prim-ina andar do primei^o sobrada.
_ Una canoa abrta de carreira por
prect commodo : na ra do Razano botica
da Mano*! Felipa.
Um grande banhsiro de cobre urna
cadeira de dois bracos com sm caixa gra-
des para j mellas e portas e algumas
portas de costadinho e assoalho de amural-
lo ludo por preco cmimado : na ra de
agoas verdes casa do marcineiro Francisco
de Paula.
__ Urna loja de couros com muilo paucas
fundos sita na rm D.re t. ptima por fa-
zer muito negocio melada a praso e me
taa a dinlieiro : a tratar na masma Deci
ma 5.
_ Urna escrava do gentio de angola ,
d idade que representa a5 a 28 ann os bo-
lilla, sadu e sem vicios, propria para
vender na ra : na solidade casa n. 445.
Jbascravos Fgidos
Na noile do da 23 para 4 ^ cor
rente desapareceo da ra da praia dois pre-
los ladinos, um de nonae Manoel alto ,
e magro com um sh 1 na bora da pirle
direita procedido de urna queimadura em
pequeo, da idade de *j5 anuos pouco mais,
ou menos, o outro de nome Andr alto,
secco do corpo com signacs de bex'gas.
ilguo^a Coisa fulla idade, de 20 armes pou-
co mais ou menos, todos dois ofliciaes de
serrador; qum os pegar leve a ra da praia
serrana ao idi ribeira, ou na ra do
Queinado'loja de 5 paitasdefronte do beco
da Cong'egaco que ser recompensado.
_ A dois nnnus fugio um moleque de
idade de 14 > 16 annos do nome 5 bas-
tio abura regular tom no rosto alguns
pannos sobrai ceiba f eludas ss pernas
aiquiadas, e tem matea de ja ter si!< sur-
rado e tem o covturce de se inculcar da
forro efugio do engenho Borgs, comarr
ci de goianna e nessa ccaasio veio -.a
Recifc; quemo pegar leve a ra do Crespo
D. 7 ou no dito engenho quesera recom-
pensado.
_ Desapareceo ou furtarao no dia 29
de Abril um moleque de nome Joio de
idade de 14 annos pouco mais ou menos,
altura proporcional a idade rosto compri-
do nariz chato dentes grandes e raaos
por naturesa cor preta t bracos grossot ,
e tem de um lado da eabeea urna pequea
falta de ccbello, q evidente, morcado alga na a bolsa do co^
pa, teVebiicosiios pi do que tem as mar-
cas, levon vestido edsa de urna fazenda de
algodiu a immitac^5 de 'toalhado emen-
dada as duas pernas camisa de chila azul
com listras encimadas ]i desbotada e urna
fitaa'marella no p-scaco com duas cantu
azues ; qftem o pegar leve a ra da Cidria
laja de Jaaquim Gonsalves Casca, qm
reci-ber 100,000 de gratificaco.
^ugio da um sitio em a Cruz de AL
mas na noite de D imingas 26 do carreo! ,
um negro rxeio bucal. de nome Domin-
gos baix pernas bem leitas, pi p*qu--
nos com um br. ca mais curto da que o
outro e alej ido no colovellj camisa e caba
de estoupa e levou ferro no p^senca c rft
um bocado de correnle enfida nelle qui
poda ter acbada quem Ibe .1 tira ; quam o
pegar leve ao ailio quefoi da Madte da D-
os em dita Cruz da Almas ou na rm dut
Qurttis D. 2, que sari recompensado.
_ Nj dia *4 do correnle ps!s 2 borsj
da lrdese evadi um prtto de ao me. Ma-
nco! servente do arsen.il da Marinba
naca Q i-cama, -statura iha ebeio l
corpa com -'cala de meia lonna uzada',
camisa de algodiotinho um tanto bucal ,
cam um p mais grosso que o oulro prove-
niente da urna sictriz que tem no mesmo ;
quemo pegar e levar no mesmo arsenal re
cebera 5o,000 de gratificsc&o.
a. Roga-se as authoridades pocines,
capiles de campo e pessoas particuldres,
lansarem suas vistas sobre dois escravos que
fugiro em Dazembro de i834 os quaej
ia os seguintes: orna negra de naca re-
bolo, de nome "Maris, altara, cor, e
corpo regular, bem parecida, oihos gran-
des, b; Uta no fallar paitos compridoS ,
magra, ssabefazer balaios de sap, e tra-
bilha de encbada, representa ter 3a annos
de idade e ra'iito cacbimbeira e outro
lia flho da mesma negra creoulo de no-
me Estanislao quando fugio om a mli
tinha (i annos, hoja ter 10 para 11 annos,
ornido de todo o carpo, cabel'os muitd
torcidos, rosto carnudo-, olhos grandes,
nariz bliso e no largo tenti por dentro
dobeico de cima um pequeo careciobo,
que quando ri-se dvulga-se,na barba, tt-ra
um ulhoa travessado, e em um dos de-
dos do pi urna unba mancada, os [j* mal
f.iloi as-naos curtas e grossas ule*
desla segunda fuga foiSo ralados por 'um
poituguez o qual Foi preso nomos escra-
vos na Cidade da Paraluba e agora tl-
vezse dirigissem psra a mesma Cidade;
q"em os prender leve-oa a Olinda ru de
S. Banto a entregar a sua Senhora Anna
Joaquina Ttiomazia de Torres, que gra-
tificar com 6a,0000
a* No dia 22 de Fevereiro desapareceo
urna negrinha do c*mi;iho da Estaen ,
de idade de i3 a 14 anuos bastante ma-
gra ,. meta fulla com as juntas dos ps e
niios i Ochadas eom urnas l'eridas cseos-
las de marcas debechigas olhos grandes ,
beca grande beic^s gross gos e feios orelbas pequeas e 0 p de
urna tem urna marca grande de ferida no
hombro esquerdo um cdombinho, he que-
brada do embigo t;az urna funda levo a
suiada chita roiaa ja'velba amarrada pelo
hombro, 3em camisa echama-se Mara
S-nedicta, quem a pegar iraga a esta aj*
pog'afia.
NAVIO ENTRADO NO DIA 24.
BAHA 5 4dias Barca Amencaoa lobe
. de 96a tonel. Capillo J. B. Ame em
lastro, e slgunsg maros : LuitG. r-
& Mansfield, passageiros o Capilio Ciair
Augusto de (oferane.
DITA NO DIA 25
MARSELH V Br;gue Piladas e Orestes
de 155 tonel., Capiu Antonio Syur-
de'lo carga diversos gneros : a Mauo-
el Joaquim Ramoso Silva, uodioa ao
lameir/o.
No dia 26 nao entra nem sahirao embar-
cacoes.
DITAS NO DIA 27
TRIESTE ; 65 dias Polaca H-mborgue-
za Fortuna de al4 tonel. Cap. PiW
Pittson carga farinha a Solamine' ,
PE~as. N A TYP. DE M, F, DK F. tJg
ILEGIVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZDOU0VRI_FKKIGX INGEST_TIME 2013-04-12T22:32:51Z PACKAGE AA00011611_06112
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES