Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06097


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I

ANNO DE 1839 TERCA FEIRA
CAMBIOS.
Maio 6.
Londres 3o i/ por ifooo sed.
Lisboa 8o por loo premio, por metal, oilerecido.
Trinca Sao a 3i5reis por franco.
'Ro fie-Janeiro o- pir.
Moedas de f># 4#>oo 8#aoo a 8W00.
Pezos Columnarios ij(68o a "j?700.
Piltos Mexicanos i^Jo a ijjfto
Pataces Rrazileiros ijjf68o a #700.
Premios das letras, por mez 1 i/4 a 1 1/2 por 100.
PARTIDAS DOSCORREIOSTERRESTES;
CiHa^e da "araiba e Villas de sua pretenco .3 i '.
Cidde de Rio JranHe do Norte, e Villas dem
(: datle a rortalen e villas dem ....!
Villa re Goianna ........ I
Ctfade da Olinda ........-
Villa de Santo AntSo V '
Dita da Garanhnoi PovoacXo do Bonito.
Dinas do Cabo ,' Serinhotm, Rio Formoso, e Porto Calvo
Cidade das A lagoas, e Villa de Maeai. .....
Via. da Paja o da Floret...... ...
Todos os correios partera ao rneios dia.
Segundas e Sextas feira.
,Todosos dias.
Quintas foiras.
Das 10, e 34 de cada mez
Idera 1 11, e 21 dittoditto:
Idara idem.
I Jara i3, diltoditte
7 DE MAIO NUALEHO loo
Tudo agora depenoe de nos mesroos da nossaVprudencia*
moderacio, e energa : continuemos como principiamos
e seremos apontados cora adrairaco entre as Neoes mas
cultas.
Proclamado da Assernblea licral do firazit.
Subscreve-se para esta folha a 3#ooo por quartel pagos a anta lis nesla Typogralia, ra das Cruzes L). 3 e na Prca>
da Independencia D. 07 e 38, onde se receben) correspr-
dencias legalisadas, e anuuncios; iosirindo-se estes gratis
sendo dos proprios ssignantes e vindos assigoados.
DAS DA SEMANA.
6 Segunda S. Jo.'o anteportara Latinara. Audiencia do J. de Dir. da 1. vara de raanh.
2 Terca S. E tanislao B. M. Re}, e aud. do Juiz de Dir. da I. vara de manbS.
8 Quarta jejura. Aparicio de S. Miguel Arcanjo. Sesso da T. P.
g Quinta >J< AscencSo do Snr.
10 Sexta S. Antonio Are. Sesso da Thez. aud. do Juiz de Dir. da t. vara|de nanb.
11 Sabbado S. Anastaci M. Re. de raanb eaud. do J. de D. de ni.
12 DomingoS. Joanna Princesa.
Mari ebeia para odia 7 de Maio.
As 12 horas e 3o minutos da raanb. Al 1 horas 0 54 minutos da Urde.
PERNAMBCO.
1839 = N. 70.
Francisca do Reg Barros, Presidenta da
Provincia de Pernambuco. Faco saber
i lodos os seas ha hitantes que a Assern-
blea Legislativa Provincial Decretou e
tu Sauccionei a Resoluclo teguinte.
Artigo nico. O Termo da Villa de Na-
isrelb que segando a Lei de sua crea-
cio se coro prebendo nos limites das Fre-
guesia* de Tracunbem e L*rangeiras, a
brangera' toda a oulra porco de terreno,
qcie se tiver anexado as meemas depoia d'a-
quella Lei.
Mando por tanto a todas ts Auctoridades
a quem o conheciroento e execuclo da re Fe
rida Resoluclo pertencer, que a cumprlo, e
faci cumprir lio inteiramente como nella
seconlem. O Secretario desta Provincia a
faca imprimir, publicar e correr. Cidade
do liecife de Pernambuco 1$ deAbrilde
1839\ dcimo uitavo da Independencia
e do Imperio.
L. S.
Francisco do Reg Barros.
Carla de Le pela qual V. Ex. manda
executar a Resoluclo da Assernblea Legis
lat va Provincial, que hoave por bem Sec-
cionar, mandando, que o Termo da Villa
de INasaieth ab'aoja a porco de terreno
que se tiver annexado as Freguesia de tran
cunhem e Larangeiras depois da Lei que
creou a referida Villa como cima % de-
clara.
Para V. Ex. ver.
Jos Xavier Faustino Ramos a fez.
Registsda a f. io3 do L. 1. de Leis
Proviuciaes. Secretaria da Provincia de
Pernambuco etn i5 de Abril de 1839.
Jos Xavier Faustino Ramos.
Foi Sellada e publicada esta Lei na
Secretaria da Provincia de Pernambuco em
i5 de Ablrilde 1839.
Jernimo Martioiano Figueira de Mello.
ASSEMBLEA LEGISLATIVA PROVIN-
CIALi
Acia da 37. SessSo da Assernblea Legisla-
tiva Provincial de Peinambuco aos 26 de
Abril de 1839.
Presidencia do Snr. Maciel Montei'O.
Feita a chamada eachando-se presentes
94 Snrs. Depulados, faltando com causa
participada os Snrs. Reg Dantas, Perei
ra de Brito Manoel Cavaicanti, Veloso
daSilveira, e Alfonso Ferreira. O Se
ulior Presidente abri a Sesso, e lida e
approvada a Acta da antecedente, o Sor.
1. Secretario deu roma do expediente :
Lerio-se cinco officio do Secretario da
Pro vi ocia. "*'
No primeiro remetiendo humas Posturas
da Cmara Municipal de Cimbres ; Com-
missio de Negocios das Cmaras.
No segundo certificando que ja forlo da-
das as convenientes ordens ao Inspector da
Thesouraria para facilitar a Commisslo
nomcada em virtude da Lei de4deOu-
tubro de i83ius rneios de preheneber as
au is obi incoes. Inteirada.
No tetceiro transmittindo a informaco
do Prefeito desta Comarca sobre os passa-
portes, que tirio as pessoas, que sahem
em Canoas, e jangadas para os portoscos-
teiros. arquivada.
No 4 mandando os 9 aulhografos da
Leis Provinciaes de nmeros 64 a 7a io-
cluriveis que foro sanecionadas pu-
lo Exm. Presidente da Provincia. Arqui-
vadas.
No quinto finalmente remetiendo a in-
foimaclodo Reverendissimo Cabido de O-
I inda sobie a pretenefio do Conego Fran-
cisco Antonio Pinto. A' Commisslo de Ne-
gocios Eccletiaslicoa.
Huma represen tacio do Viga rio da Freg.
de Itamarac, ponderando os inconvenien-
tes que podem resultar da roudaiica da
Freguesia para a Capella do Pillar. A mes-
as Commisslo.
I." paite da ordem do-dia.
Foi I ido s potado julgado objecto de
ileliberacio e foi imprimir se hum projecto
de Lei da Commisslo de Estatistica sobre
ss divisSes das Fieguesias de Garanbun,
e Altinho.
A Commisslo de Justica Civil e Cri-
minal sobre a queixa de responsalidade
de Mancel Luiz da Vt-iga contra o Dootor
Maitinianno da Rocha Bastos, Juiz do Ci-
vel da primeira vara desta Cidade foi de
parecer que nlo dtvia proceder a queixa
allegando os fundamentos de sua convine-
co. Ficou addiado o parecer por opposi-
do Sur. Lopes Gama.
a. parte da ordem do dia.
Entrou em regunda discosslo o Projecto
n. ao deste anno. O Snr. Pereira de Bri-
to roandou esta emenda Em lugar de....
5:ooo$' rs. diga-se atoooj rs. O Snr.
Wanderley esl'outra Accrescente se e-
menda de atoos' rs. (icando oauthor do
Compedio obrigado a copial o com exacta
terrcese e ordem para se poder imprimir.
O Snr. Nabnco de Aranjo p-dio o addia-
mento do Projecto a' a Sessio prxima
viudoura o Snr. ("bagas requeren qua
se imprimisse o Compendio approvado
pela Commisslo para que seja distribuido
antes de entrar em discusslo o Projecto.
Este requerimento foi approvado fieando
prejudicadas as emendas, e ooutro reque-
iim< nlo.
Entrn em primeira discusslo o Projec-
to numero 33 do corrente que ficuu ad-
diado pelo empate da volaclo.
O Snr. Lnpes Gma pedio urgencia da
l?itura da Redarlo da Lei do Orcamenlo
Provincial que concedida foi approvada a
redacclo.
Forlo approvados em primeira discos-
slo os Projectos nmeros 3o e /p e re-
geitados os dos nmeros 38, e 4* todos
deste anno.
O Snr. Meira requeran urgencia dar dis-
cusslo do Projecto numero 34, que foi ap-
provada
Entrarlo em segunda discusslo as Pos-
turas da Cmara de Olinda. Forlo appro-
vados os srtigos 56, 60, 6a, e 63, e re-
jeitados os artigos 57, 58, 59 e6l.
Dada a hora o Snr. Presidente deo
para ordem do dia : Leitura de Projectos,
Indicaces, n Pareceres de Commissoes.
Primeira discusslo dos Projectos nmeros
3o, 33, e 45, e terceira dos nmeros 4i>
a6, 17, e 34 Posturas da Cmara do
Recife.
Francisco de Paula Cavalcanti de Albu-
querque.
Vice-Presidenle.
Jos Thomsz Nabnco de Aranjo Jnior,
1. Secretario.
Firmino Pereira Vonteiro.
a. Secretario.
GOVERNO m PROVINCIA.
Expediente do da 39 da Abril de
i83g.
Offiro Ao Commandanle das Araras
communicando Ihe ter o Regente em No
me do Imperador por Aviso da Secretaria
da Guerra de 3 do corrente mez, appro-
vado a medida lentbrada pela Presidencia
de cbamar para o servico da Provincia o se-
gundo Tenente de Aitilheria Pompeo Ra-
mos de Carvavalho ; camprindo por tanto
que empregue este oficial no terceiro Bata-
Ibio daquella arma,
Dito Ao Inspector da Thesouraria,
exigiodo que informe a certa das pre-
tences do Cirurgiio Mor Jos Vieira de
Mello e do Alferes Manoel Joaquina Ma-
dureira cojos requerimentos se Iheenvi-
io, a fim de qne seja cumprido o qne de-
termina o Imperial Aviso de 5 do ejorente
mez.
Dito Ao Inspector Geral das obras pu-
blicas, ordenando que mande faser por ad-
ministracio a obra dos reparos da Casa da
Rellaclo desta Provincia oreada em a:6i4'
reis tendo todo o cuidado em que nella
se nlo gaste mai do que esta quantia ;
fisto nlo ter aparecido mais que hum t
citante a offerecer esta ondieces qne nlo
devera ser aceitas.
Dito Ao Administrador Bacal das o-
bras PobKcas coramonicando-ihe que
nlo tendo a sua Reparticclo deslino algum
a dar as 18 pedraa de Cantara, qne forlo
mandrdaa recolher em deposito no Arsenal
de M no Ira em a8 de Novembrode i836;
a Presidencia ordena ao Inspector do re-
ferido Ai seal que as Osease entregarao
Engenheiro Julio Boyer para serem em-
bregadas na ebra do Caes de Palacio.
Dito Ao Director do Arsenal de Guer-
ra respondendo-lhe que o Engenheiro
B.iyer ja lem ordem para faser dar saida
pelo Caes do Palacio aos 3 canos que ha
no mesmo Arsenal.
Dito Ao Inspector do Arsenal de Ma-
rinha ordenando-lhe, que mande pro-
ceder aos reparos que se devem faser no
P.itaxo Conceica oreados em a39s'ooo ,
lendo todo o cuidado que nellea se nlo des-
penda mais- do que a referida quantia.
Dito Ao Inspector daAl'andfga, or-
denando-lhe para comprimento do Impe-
rial Aviso de 9 do corrente mez que in-
forme circunstanciadamente acerca do re-
querimento que se lha remelle dos Nego-
ciantes Ioglezes Fox e Stodart em qui
pedem que se Ibes conceda previlegio pi>'
ao annos para estabellecerem nesta Cidadt*
a moagem da trigo ou qualquer oulro
gra5 por maio de ama mtquioa de vipi.
Dito Do Secretario da Provincia, no
da Assernblea Legislativa Provincial com -
municando Ihe que S. Exc. o Sor. Presi-
dente da Provincia tem designado o dia S >
do corrente pela urna hora di tarde para
receber lo Palacio a Deputacio que tem de
apresentsra anecio as ultimas Leis Decre-
tadas na presente sesa5.
COMMANDO DAS ARMAS.
Expediente do dia a de Maio de 1839.
Officio Ao Exm. Presidente pro-
pondo-lhe para demica os recrutss do
Deposito Antonio Luiz e Jos Luiz Ca-
valcante ambos inspeccionados pela Jun-
ta de Saudat em Sessad da 3o do mez p. p.
e julgados por suas molestias totalmen-
te incapzes do servico M.litar.
Dito Ao mesmo Exm. Sor. enviando-
Ihe, e informando um requerimento di
Secretario Militar solicitando urna grat.
ficacaS endemnisaddra das dispesas por elle
feitas na guerra de Panellas com expedien-
te alheio Jo do Commandanle das Aro-is ,
nico a qu- por Lei era ob-igado a faser.
Portan'* Ao Quartel Meslre do 3.
Batalblo d'Artilhen guias de varias pracaa que fiserxS a guerra
de Panellas e Jacuipe e ordenand-j -lli.
que em vista das mes-mas guias do of
co do Inspector da Thesouraria cobrassu
da mesma Thesouraria o que se Ibes esti-
vesseadever, fasendo depois o pigamen-
toem conformidade das ordens est.bello-
cides.
Expediente do dia 4.
Officio Ao Commandante interino da
3. Batalblo d'Artilheria ap ordenio-
do-lbe que pela folha respectiva, tirassa es
sidos do Mejor Fernando da Costa em
qmnto elle se demorasae nesta Provincia ,
e que ao mesmo Major Szesse certo que
d'ordem do Exm. Sur, Presidente se do-
va apromptar e embarcar impreieriv>l-
mente i.a Escuna Nilhei c y que com bre
vidade deveria partir para o Rio de Ja-
neiro.
...



i
Muei
DIARIO B HIMAlBtfeO
35
Dita A* Capita do Icapariai Carpo
de E>tgenh"iros Aatoaie Carnets L-iio ,
Ye'rimitidelhe d'ordem do Exm. Sor. Pr-
zidet e em cj^queacik do Aviso I n-
peviel de'i.* de M deste iiibo que
E aptoaeptaete | embrce no Psquet*
Nig-*e queea fasU d veU para o Rio da
Jdiiir cam todo bre-vidad*.
ii A* Com mandante Geral do Cor*
po de Polio, commaaicando-lba o estado
en qoe foi eecootrada Gaarda da Cadma
na Bous do da i pele Oficial de visita
afirn do qua providencias* convenanla-
mente.
Portarte-. Ao Comtnandante interino
do Baialkf o Provisorio de Caladores, man-
dando, preceder a Conseibo da Din-cao so-
ajrf a jualificecio que parante Auditor de
Goetf a dar* o soldado Pedro do Assis Cam
pos Cesdem qoe pretenda servir em qus
lidado do i. Cadete.
te* a miaba ordetti o tivetfo desnao ;I Dita dos AF gados
Vicente, preto, escravo do Cea1*o Pe I Ola ras dito dito
Diversas Reparti o ejs
ALFADEGA DAS FAZENDAS.
Oa perteodentes sos lugares de Gaarda
devero apreaentar-ae os Alfandega oo da
6 do crranlo para darem proras de sua
aptidaS.
Allandega 6 de Maio de 1839.
Maooel ZeGrino dos Santos.
MIZA DO CONSULADO.
. A Pauta he a meama de Baa. 98.
ARSENAL DE MARIMii.
Cordero do Illm. Snr. Inspector do Ar-
senal da Marinha ae fas publico qoe fi-
es transferida para o dia de quarta feira
(8 do correle) a venda em asta publica dos
objectos pe lacenles a Barca Francesa ,
naufragada na liba de Fernando decla-
rados ua relacio qus foi tranacrita abaixo
do annuncio de 37 do passsdo mes de A-
bril. Notamente se cinvida ss pessoas a
quem con venha a compra dos referidos ob-
jectos o eomparecerem no dia cima in-
dicado pelas lo horas da machia.
' Inspecca do Arsenal de Marinhs do Per-
Bambuco om 6 de Maio de 1839.
Alezandre Rodrigues dos Aojos.
Secretario.
OBRAS PUBLICAS.
Nao se tendo efeituado no dis 3o de
Abril p. p. > srremaacfo ds telha de urna
casa de taipa que deve ser demolida no
lugar do Zumb n'estrada nova do Pao
do Albo avalida em novecentas e scenla
telina a 3o rs. cada urna emporta em
98800 ; foi transferida para o dia 10 do
correte -Iaio : as pessoas que a pertende-
rem arrematar podem comparecer na Salla
da AdmiuistracaS Fiscal uo referido di
10, do maio dia as duas horas da tarde
pura darem seos Uncos j sendo s pessoa
que arrematar obrigada a demolir a refe
rida casa. A. F. da M.
A. F.
PREFEITURA.
Parte do dia 3 de Maio de 1839.
Illm. e Exm. Sor. Consts sornenle
dss psrtes oje recebidas por mim, que forio
presos hontem minha ordem os inividu-
os seguioles : Jos preto escravo de
Antonio da Cucha por om Corneta do
Corpo Policial, por o haver insultado Ja-
se de Barros Moirf o indio, pelo paisa-
no Jos de Carvalbo Raposo por 1 be ha-
ver furtado o chapeo com qoe eslava eo-
berto ; e Pedro preto etersvo de Juse
Pires Ferraira, pelo Sab Prefeito da Boa-
visa por ter insultado ama mulher ca-
jos presos tiver5 o competente destino.
Dos Gusrdo a V. Exc. Prefeilora da
Ceflsarca do Recife 3 de Maio de
i839* I"01, e Fim. Sr. Francisco do Re-
g Barros Presidente da Provincia.
Francisco Antonio de S .Barreto Pre-
feito da Comarca.
Parto do dia /f
Dhaj. Kt|k Sor. Fon* presos hoa-
r*ra da Costa, pelo Commsndaote .
Guarda do Caes do Largo do Collegio por
ter inu!udo a menina Dosoiogos Alvea
da Silva, branco, pela 1. patriaba do
districto das 5 Pont por iafrac?i5 das
Postaras da Cmara Municipal 5 J ae (lo
drigues de Barros pardo, o Tbeofilo ,
preto escravo de Jos Moreira pelo Sah
Prefeito da Fregaesia da Boa-vista este
por estar fgido e aquolU por se ter a.
gado ao servico da Polica ; Ignacio Jos*
Ferreira e Jos Ataeasio d'Oiveire, par
dos, pelo Sob Prefeito da Freguesia de
Iguarasn por terem furtado ama estrave.
E' o que consta des partes boje re-
cebidas n'esta Secretaria.
Daos Guardo a Y. Exc Prefeitaro da
Comarca do Rscifs 4 de Maio de 18 J9, &c.
Parto do dia 5.
Illm. o Eim. Snr. Partecipo a V. Ex.
que das partes boje recebidas nVsta Secre-
taria consta somante que fora presa hontam
a minha ordem a parda Theresa Francisca
da Conceicad pelo Sub-Prefeito da Fre-
guesia dos Affogados a reqoiaica do Juiz
do Direito da a. Vara do Crime por se
achar pronunciada prisad e livrameato
e que ufo occorreo mais novidade.
Dos Guarde a V. Esc. Prefeitura da
Comarca do Recife 5 de Maio de 1839.
Rendimento da Mesa dea Rendas Geraas
Internas no mes de Abril do corrate
sano.
Impastos de Lojas aberts j:73U35o
Ditos de Segea a5Utoo
Ditos de Barcos do interior 19II200
Sello do papel 8ooU5ao
Dcima de mi morta 9*oUgo5
Dita Urbana a59o
Matricula do Curso Joridiro a3oU4o
Sello de Herancas e Legados n71)4 47
Diritos noves e velbos a 1 aU 1 fo
Ditos de Chancellara 5U 28
Diiima da mfsma 5LI49^
Impostos d- letras a jaizadss 47U71 5
Sisa dos bens de rait 4: 3^7^909
8:5o79oo
Recebedoria a de Maio de 1839.
Antonio Ferreira Dasrte Velloso.
Rendimento arrecadado pela Collectoria
Geral das Rendas Internes Provincises
no mez de Abril prximo fiado.
Rendimento metsde Geral, e matada Pro-
vinciaL
i833 ai834.
Decima Urbana do Bairro
de S. Antonio
Dita do Recife
1834 a 1835.
Decima U ibana do Dairro
de S. Antonio
Dita do Recife
Dita da Boa-vista
. i835ai836.
Decima U1 baa do Bairro
de S. Antonio
Dita uo Recife
Dita da Boa-vista
Rendimento Provincial.
836 a 1837.
Decima Urbana do Bairro
de S. Antonio
uto do Recife
DiU da Boa-vista
1837 a 1838.
Decima Urbana do Bairro
de S. Antonio
Dita do Recife
DiU da Boa-vista
Dita dos A Bogados
Imposto sobre canoas do
Bairro de S. Antonio
Rendimento Provincial.
1838 a 1839.
Dcima Urbana do Bairro
de S. Antonio
Dita do Recife
Dita da Boa -viett
45U943
aUi6o
ioU368
4U3a<>
18U363
ajUi86
43at
4CU788
110postes sobre casas de
modas do Bairro de S,
Antonio
Meia aiza de escravos
Nevos e velbos Diritos
de Empregos Provinci
ees
Passspettei de Polica
Sello de HerenCM, O Le-
gadas
Matricula das Aulas
aiUJO
4oooo
46gU55o
14U140
39600
4a7U346
3aUooo
5:435U8oi
5:589Us49
Collectoria Geral de Rendas Internas
Provincises a de Maio de 1839-,
O Escruto interino.
Jos Gued( a Salgueiro.
EDITAL.
O Doutor Felis Peixoto de Brito e Mello ,
Juis de Direito da 3. Vara do Civel ,
nestaCidade do Recite, e seo termo,
pelo Regente Em Nome de Impradnr o
Senhor Uo* Pedro Segando Que D-
os Guarde &c.
Fax saber quem~convter que tendo
tomado peste de 3 Varado Civel, tenho
determinado fater Audiencias nes dias qaar-
tas e sabbadot de cada semana aa 10
horas da manhfa
lagar
do co*tuoae
oude os Escrivles a Solicitadores; que
perant mim tent de servirem me apr-
sentrS seos ttulos ; com os quaea ser-
vem. E pars que chegue so conhecimen-
to de todos, e al-gir na5 posslo ignorancia
mandei fasar o presente Edilal que ser
publicado pela imprensa e que assignei.
IX'do e pass.-do nesta sobredita Cidade do
Recife de Pernambuco ao dona dias do
mes de Maio de 18J9. E eu Aodr A-
chiolis Adeliano de Vasconcelos Escn-
vlo que o escrevi.
Felis Peixoto de Brito e Mello.
Diario de Pernambuco.
I3U448
84U666
4oUi83
6aU44a
55iUi43
191U415
ia8U79>
aUoao
llUaoo
I53U443
i:83.U8i5
766Uaoa
444a3fl
O Dia 3 de Maio.
Comecarad neste dia os trabalhos da se-
gunda Sesio da quarta Legislatura do Im-
pario. Oproveito, que d'elles ha recebi-
do o Brasil, nSo tem correspondido as
grandes esperancas dos Brasileos, o que
se prova palo alto e continao clamor, que
parte de todos os ngulos do Imperio. E
poderemos nos afnrmar, se urna, ou
muitas as causas desle mal ? Se a falta de
leis convenientes s nossas circunstancias ,
se s roa eieeuclo das que ha se a penima
escolha d'alguns deputados tem coocorri-
dn pira este brado ? Cremos nlo errar ae
cuncluirmos, dizendo, que todas estas
causas juntas, e em prirneiro logar'a roa
escolha tem eccasionado todos os males
existentes e ocosona. os futuros.
A felicidade d'uma naci nao depe*nde
da multidCo de leis t mas da existencia das
necessarias e adequadas t circunstancias
do pas, para o qutl forad ellas decretadas.
Amargas quenas se f-zia5 da mnltiplicidade
das L^-i Portogoezas, qoe outr'ora nos
ngera } mas se continuarmos como te-
mos ido, viremos a ter em maior numero,
e em maior barulho a nossa Legislacio. As
nos-as leis esto na raso dos testamentos ,
sos quae se concedem codicillos ; nio exis-
to ama que nio (enha a aua emenda e
sirva nos de esemploa Lei das Guardas Na*
cionaes. Mas como nio se nos spropria-
mora das Guardas INacionaes da Franca ,
com urna pequea mudancat,
Ser om grande acaso, dis Montes-
quiea ae as lea (civis e polticas^ d'u
ma afio poderem convir a outra. a To-
dos os Publicistas coticordaS em que aa Les
devem ser sccomudadas ao clima, babitos,
e costumes das iug5es ) o mesmo Poltico
| eos bavia dito, que era neceSssrio con-
tar os povos do Noria por meio da forca ,
e oa do Meio -da pela religiio e temor
dos Deoies. Porm dos, surdos a estes sa-
bios preceitoi ^ temos conservado como a
primeira regra de nossa Condacts civil o
adoptar, as eegts, ss leis estraogeirae ;
e'disto tem resaltado que com a pratica
vio appareetndo ostorrot ao boa anda meo- j
to do* negocios pubcos, de modo qtw pa
ra terhedial os lio necessarias esplictroes ,
em m codicillos. Anda tem bavido 011
tro erro na adopclo das leis, erro anda
peior e mais nocivo causa publica., que
, fazerem-salis que tenhaS por fim a
felicidade d'um partido e anniquilacio de
outro; fazerem -se leis, qur> tenhaS par
fim mesmo a opposicio dos Poderes. A lei
a eipressioda vontade pub'iea por tao
o como pode aer boa a lei (se que tal
cousa ae deve dar o nome de lei) que a
ezpressio da vontade d'um partido, a por
conseguinte d* vontade particular; da von-
tade d'uma pequea fraccio do todo Bra
sileiio? Eis os motivos dos qoeixumes,
que se tem manifestado contra algumas Le-
gislaturas (1). Nio sabemos, se erramos
emaffirmar, que, com algumas excepces
a opposicao as Cmaras nio tam tido a-
quelle fim respeitoso e til a o Governo
Representativo. Do embate das difierentes
opini&es resulta um grande boro causa da
verdade. Mas q'uantas ver.es nio temos nos
visto a opposicio as nossas Assemblas ter
por fies o arre, a dtfgza do crime, e a
*U*tatacio di u mo partido; Otas todo
islo acobertado com o ar.grede manto do
bem publico? J dalo se queixava o histo-
riador Sallustio quando disse; a Todos
oa que naquella poca vexavaS a repblica
t.ia no debaizo de honrosos pretextos :
uns di/i.O que o sea fim era deffender os
diritos do povo; oulros, que deste modo
asseguravaa auctondade do Senado Roma-
no; mascada um partido, como capa do
bem publico, s combata por sua felici-
dade pi.iticul Lnites pro sua quisque potentia certa-
bant
O Governo Constitucional Representati-
vo depende Unto da armona dos Poderes ,
que sem ella ser elle o peior dos governos.
Que impoi ta hajuleis, se os seus executo-
tes, cegos pelo srdido interease zorobad
da vontade do legislador e illudem ases-
peroneas do povo, dando taes lorcicollos
as leis, que ellas nio vem a ser mais
que vehculos, por onde ibes correm os
presentes, e o ouro ? Em todo otempoa
nefanda sede d'ouro acantonou arasij, e
ajusiica; porein nanea com tanto escn-
dalo como nesta poca. O suborno, e a
peita eslo na ordem do da ; os mos em-
preados escarnecem dos honrados fque
anda os ha) dando- hes o epteto detolox,
e f.zendo com que se inutilisem toda a sua
vigilancia e opposicio. Caa sobre files a
cortadora espada da justica, que assim ve-
remos de menos, no numero das cusas
das nossas infelicidades asta que assaz
consideravel.
Mas, se temos necessidade de boas leis ,
e de bons ministros. milito maior a que
temos de bons Legisladores por que des-
tes como d'uma causa primria provem Oj
bem e o mal publico. Assim como ludo,
quantoo hornero deve sua educ-cao,
do mesmo modo tudo quanto urna u&cao ,
deve a sua boa ou roa Legislafio } mas
esta segu seropre a natureza de seus legis- .
ladoraa, como-os tffeitos seguem anolme-
zade.suas causas. Que ba de fazer um
parvo que nio servindo nm mesmo pa-
ra porteiro da casa da Assembla se acha
constituido orgao da grande Naci Brasi-
leira? Nada. Alguns lera apparecido que#
nem, pelo menos possutm o senso qom-
mum para conhecerem de que lado est a
r*ao, e votarem por ella. Quedeagrafa !
Nio se d o logar de esenvio senio ao
que sabe escrever a mas o honroso o
ubliroe cargo de Legislador tantas ve-
zes se tem dudo a os que nio sabem nem
definir a palavra Lei. a Que ba de f.zer
o Deputado que se v elevaoo qoelle lo-
gar por pertencer a este ou aquella parti-
do? Votarse todo a elle, procnrar-lhe
todo o augmento e felicidade, e nada pa*
ra o bem geral 1 noque Ihe acho toda a ia-
aio: porque um tal Deputado orgio d dm
partido, mas nio orgio da Naci. So nio
-cho rasio naquelles, que, por serem po-
bres fono elleitos Deputados (i) ;, por
(1) Nos 0I0 temos em vistas partcula-
risa r nem as epoess nem as pessoas.
(1) Tem-se appresentado a os Edito-
res os nomes d'alguns Candidatos dndo-
se como motivo da escolha o serem pobres ,
como se a porta da casa da Assembla fosse
a porua de S, Francisco.
ILEGIVEL


i ani o a *raikic&
_j-:/.t
-r t-t: si t-;:
que estes, siitoilbotcs a Xisto V. que nf o
olhou mais para o cba depois que se to
feito Papa, apenas entrad do grande sali
esqurc m logo o que fora e o que diste-
ra : j Dio querem ser pobres nem ple-
bleos.
S-f as nossas fracas patarras podessem
chfgnr al o recinto sagrado d'Assemblea ,
e os filustres Repieivntantes da Naci
Brazileira podessem inclinar por um
^iouco, o ouvido e attender as nona*
palavras n* Iheg dinamos :
Senhores a Naci vos espreita ell
poderosa. Cumpri a vossa misao como
be espera do tosso patriotismo e sabedo-
ria claui.indo contra o erro se elle por
disgraca apparecer nesse recinto onde s
deve dominar a verdade. Fazei leis ac
commodadas as nossas necesidades leis
que reprimi o abuso das auctor- lades a
animosidade dos grandes, a licenea dos pe-
queos : moralizas os coalumes e fatei a
felicidade geral.
Exterior
PAR1Z 16 de Fevereiro.
Noticias da Azia.
Recebemos por va do Egypto noticias de
Bombaym, *: 3i de Dezembro prximo
pretrito. Continua va jh a f .llar sli de
expedicio de tropas contra os liirmans. Lord
Auk'aud tinha tido uma entrevista cono
Runjeet Singh e se propunha ir a La-
hore e a Umrttsur depois de Boda a con-
ferencia. Emb*rcava-se em Bomliaym
tropas para Aden.
A correspondencia de Calcotla Euro
pa que boje se fax com tanta rapidez gra-
cas ao ser vico dos barcos de vapor estabele-
c dos no mar verrnelbo e no Mediterrneo,
nio pode faier-se do mesmo modo entre
Bombaim e Calcutta se nio por meio de
correios a p, que partein deste primeiro
porto e chegsd em dezeseia desoito e.
vinte dias ao seu ultimo deslino. Os pre
cipicios, os desertos os rocbedos eos
abismos que be preciso atravessar ou subir
para pe correr esta distancia tumo im-
possivel, mesmo aos cavados mais seguros,
jornada, que be preciso fuer em to
pouco da costa de Coromaodol. Hum saco de coi
ro contendo cartas decommercio, algu-
nas pequeas proviso*s de boca de fcil
condcelo, compoem a bagagem, com a
qual cada lium dos correios se pa a cami-
uho* Quando a correspondencia he muito
pesada para hum s correio, engaja-se
a tres ouquatro, e estes Indios partem
sempre correndo; e quando se eocontia
iH (viminho nio ha nada que faca retar-
dar a sua marcha rpida. A regularidade
que se tem conseguido sssegm ar a este ser
vico da posta estabelecida por meios to
diversos entre dous puntos os mais loogin-
quos do globo se im boje tornado tal,
que logo que o correio expedido a Catteula
tarda lem do dia presumivel da sin cbega
da, cnclue se logo q' elle foi devorado pelos
dieres, e entio expedf m mesmo de Calcut-
ta, hum mensagero encarregado de hii
racolher a correspondencia do infeliz cor-
reio detido na ua carreira pelos denles do
tnais cruel inmigo que tem a temer 01
Indios que vi*j6. A maior parte das ve-
tes acontece que o proprio criado, em
busca do correio que tarda encontrn ao
lado dos restos espalbados do ludio
devorado o taco das cartas intacto, e *-
bandooado s injurias do ventos da cbn-
va. Esta preza indigna da voracidade do
tigre be quss sempre encontrada no ca-
Uinho por onde paasaS os correios, e no
mesmo lugar aonde a carreira do wfeliz
correio foi detidt pela dentada do feroz ani
mal, de que ella se tornara pasto. Quan-
do muito Indios correm em companhia ,
de Bombaym a Calcotta e qoe bum tigre
se appresenta elles continu-5 a sua mar-
cha sem voltar a cara para ver ou para e-
, vitar a desgrsoa que ameaca hum dalles,
eqaando o tigre escolheu a sua presa no
grupo viajante o infeliz destinado a far
t'rasui fume desaparece, sem que seu.
companheiros tentem oppor ao seu cruel
roubador, huma resistencia intil. He
him dizimo, hum tributo d* tango, qae
afancza imiMiwai
elles estocostumados a pagar ao soberano
senhor do deserto. Os correios Indianos
esto ja lio costumados a cootar com o ris-
co do destino que os espera que ellas nun-
ca se arma e se entreg5 sem oppor a
menor resistencia voracidade do tigre.
E-tapissiva resignav'io, naquelles que a
orate tem pur origem o fatalismo que
forma a base da reigiio dos Indios.
TURQUA.
Constantinopla 11 de Janeiro O nico
acontecimento nolavrl deata semana he o
incendio do palacio do Visir aonde se a-
chAvi reunidas as secretarias dos differen-
tes ministros e das principaes administra-
coea, conbecidas debaixo donme de Su-
blime-Porta. Esta citastropbe leve Ingi-
na noite de Domingo para segonda feira.
O fogo te manifestou accidentalmente ,
parto das quatro horas da manban em bom
quarto de hum creado prximo do harem
do bachvkd, 0 se communicou com hu-
ma violencia inimsginavel Sub'ime Porta.
Em poucat horaa, este vasto edificio foi to-
do destruido; elle nio appresenta boje
mais que bum montio de cinzas e de rui-
nas.
O secretario da sociedad* Minervin*
convida aos Snrs. t<>ciot p*ra se reunir
na salla de snas sesses no dia 8 do correte
petas 6 horas da larde.
^ A petsoa a luem f.llar huma cahitt*
que ipareceu na noite do dia 5 do Corrente
acompanhando humas pessoas que sabio
do Theatro, encontrada na porta da
Vlatriz de S. Antonio queira anunciar
que dando os sigoaes certos se entregar
independente de alvicaras.
O abaito assignado leodo em os dia-
rios de 3o d'Abrit e 1* do corrente um
anuncio do Sur. Joio Vaz d'Oveira pe-
lo qul este senhor previne o publico para
que ninguem contrete com o abaixo assig-
nado negocio algum sobre urna proprieda-
de de casas a elle hypotrcada disendo-se
credor de 8:3)5s'i43 respndelo S ir.
Joo Vaz de Oliveira, que elle incapaz
de fazertransaccao oceulta sob'e um predio
hypolhecado e previne ao publico dme
s devedor ao Sr. Joio Vas da quanlia de
4.ioo'>oo rs. alem de um pequeoo uro ,
que as mesmas letras tem vencido e a* nio
tm pago por que de certo o Sr. Joio
Vaz quer cobrar mais do que sa Ibe deve ,
-em se dar por saiisfeito com os 4'- i'osioo,
|Ue MUm mOniaO U emana unu- -cm ao um |jji jiiisiiiM >i us .(. i '':. rj,
Como os archivos estavaS depositados que 0 abaixo assignado est prompto a pa-
artoa subterrneos assevera-se que ;ar.
em quartos subterrneos assevera-se qu*
sepodeiio salvar a maior parte; porem
quase todos os papis que estava as se-
cretarias se tornara a presa das chamas
Avalia-se a perda eccesiooada por esle si
nistro em mais de 3 milhSes de francoa.
Falla-se ha alguns di.is no rearmtmento noinha e melado
da esquadra ottomana, e da sua prxima
sahida pura o Arcbipelago.
PARIZ i6 de Fevereiro.
Os orgios da imprensa ingleza nio tem
abdicado os senlimenlos deciome que tem
anim-do e animad ainda o seu piit contra
a Franca. A noticia do brilhante feito
d'armas que acaba de praticar a nossa mari-
nha no Mxico, desp^rtou todos os seus
odios, e todo o seu espirito hostil. Elles se
eiforcao em dinoinuir a nossa gloria que
rendo demonstrar contra toda a evidencia ,
qoe o signal de reembarque dado pelo Al-
mirante Baudin s columnas que acabad de
desarmar Vera-Crui, ni "> maia que o
signal de urna vergonhosa retirada.
Huma tal polmica da parto das folhas
inglesas nio nos admira. Bum se sabe que
temos sempre dito e pensado dos sentimeb-
tosdoa nossoa visinhosem todas as qoestes
em que se trata do eograndecimento da nos-
sa influencia poltica e sobre tudo mariti
ou. N* fallamos com os Officises do Al-
mirante Baudin vista, e j em outro lu-
gar dicemos quaes sa vistas do mesmo Al
mirante no seu desembarque, que for-o
desarmar a Cidade, a qual est presenta-
mente descripcio dot Francezet fortefica-
dot no Castello de S. Joio d'Ulloa. Mas
ellet dizem que esta posicio he precaria ,
se as nossas trgalas nio existirem sli para
defendel a e protegel-a. Singular arrasoa-
do ; nio sabem elles, que depois que os
nossos soldados estio em S. Joio d'Ulloa ,
ll-s tem lapido as brechas que a atlilbaria
havia feito; que obras importantes se tem
feito ; que os vveres das munices ali sio
accumuladcsem abundancia, que podem
str fcilmente renovados sej pelas com-
muncaces establecidas com o aocor< ro de Antn Luardo, t"ja pela correspon-
dencia regalar com a Ha vana ? Alem de
que, comosearranjaros Mexionos para
nos attacar ? S. Joio de UHoa he cercado
de mar, e os Mexicanos nio tem hum ni-
co navio de guerra porque nos Ibos toms-
nos lodos. Nos estamos pois em huma po-
licio segura, excelleote, e verdadeiramen-
te militar. Porem os nossoa adversarios
veem as coosat de outra maneira $ o lempo
os desengaar.
(La Presse.)
Avisos Diversos.
gado em excelleote patto, que tem bebida e
permanente todo o verio; dirija-aa a pro
permaonuiv wuw uc.-^, -j--------1 -- .- _._
nriedade da Barra das Jangada distante 6ador a sua conducta.
desta Cidada 5 legoas ao tul,' a tratar com
Proptietaiio da mesma hia Rufino Fer- i
rer.
Francisco (Jos 15'lem.
Pelo Juizo do Civel da Comaica do
1 Rio Formoso Escrivio Pinheiro depo s de
- (iudcs os diaa da Lei se hide arremaiar em
>'r denominado sitio do
Meio qus moem com anim^es citos na
Freguesu de Una da dita Comarca o pri-
meiro moente e corrente com me t Jegoa de
le.rra em qua'lro de boa prod icao e todos
os vasos e uleusis proprios de uo.gera si
los de lavradores matas virg -ns e raais
obras necessarias avallado pt la qtianlia de
res 16000,000 ,2o segundo (a bem c>>m
meia legoa de trra da mesma qualidade ,
e matas virgens e mais algumas obras ,
tazas e utensis de moogem avaliado pela
quanlia de reis 14:000,000, pinhoiadosa
Francisco Este ves da Costa e mais herdei-
ros da finida Cara Mara dos Praseres,
pira pagamento da viuva Costa & Filhos ,
em virtud de sua Execuca que pende
quelle Juisoe Comarca sitad Escriva Pi
m.* portt" ae ouver alg pertendente podem
dirigir-te a dita Comarca the o dia i3 de
Maio p. vindouro em que se deve faser
1 ollima meza sogeitaodo-se as eondicoens
que sera5 declaradas no acto da arrematacaS
011 mesmo oesta Praca na ra da Cadeia do
Recifea tratar Com os Autores Viuva Costa
& Filhos.
_ Arrenda-se o sitio Grande d'Olho
d'agoa cituado na pattagem de Olinda com
grande extanca {de terreno capaz de sos-
tentar I vaccas de leite de Vera e inver-
n e ainda fica terreno para plantacoens ,
e nunca experimenta secca por ser todo ba.
nhado d'agoa doce e pode-se asseverar
que.os f rucios da grande piircaS de ar-
voredos q' contem o sitio q' passiode 2 mil
ps produz por anno 5oo,ooo 600,000
rs. de rendimento ; tambera sa nio duvida
contractar qualquer negocio com o'rendei-
ro sobre o reparo que precisa faser-se na
casa de vivenda do mesmo sitio : ta5 bem
se vende a praso ou troca-se por outro
predio : quem o pertender dirjase a rus
da Cruzea D. 18.
_ Arrenda te o armazem da cata cita na
roa da Cruz I> 4 > na iestaa cmpra-
te um cavallo da estribara que seja forte
e de b: ns andares I a tractar das 7 te as
8 horaa da manhia na mesma.
_ Quem anuunciou querer a obra da
H itona Sagrada por Burt : dirija-se ao
Pateo de S. Pedro toja de Eocadernador.
_ Precisa-sede bum caxeiro que si ja
Portoguez que esteja as circunstancias de
tomar conla de urna venda por balaceo ,
dando fiador a sua conducta : annuncie.
..Engomase roupacom bom accio e
commodo preco : em Olinda bca de S. Pe-
dro n. 10.
_ Quem precisar de urna ama par ca-
za crioula de meia idade compra e co
: Ouem auizer refazer 100 cabecas de cinha o diario do urna casa, exceptuando
*- ,? ___ >__l i_:j_ --.An tiuln linmcm nllPiro n ra
engomado ; sendo bomem tolteiro : n roa,
da Penba D 13 cata de Camboim e d
^ Quem quiser um Professor par en-
..nar Primeiara Letra ; Grammatica Lati-
na Rblorica Muzict m algum Eoge-
nho cu rti-smo no'Sertio : annuncie.
Avisa-se ao Snr. Padre que deixou
ficar nm par de fivela de prta de p por
800 rs. na rus do Colegio do re to da um
bahu no anno de 1838 queira bir buscar
no alterro da Boa-vista loja D. 6j no pra-
zo de 8 dias ae najo k perder.
Aluga-se o pr meiro andar da segun-
da cas* no Atierro da Boa vis'a do lado
direito indo da ponte : a iraiar no seguudo
andar d mesraa, ,
_ Quem Ibe fallar um escrava de cacao
Baca que poui-o sabe f .lar : dirija-se a ra
do Quemado loja de ferrageon D 5 qu-s sis
dir quem a tem na certeza de que n., e
responde pela fuga d.< mesma.
_ Manoel Francisco Ribeiro, achando-
se encarregado do armasem de capirn da
roa do Sol de que era naixeiro t o ultimo
do passado o Sr. Domingos da Rozi, as-
sim o faz publico aos ireguezes do dito ar-
masem para com o armuixiante seentende-
rom do i* de Mito corrente em diante ;
ssiru como para tomar freguezias annual ,
ou mensalmentn pata oque est authorisa-
do por seus donos prometiendo aervir
bem < com promptidio.
_ Arrendase huma grande casa devi-
venda com bastante lerreno de plantaco
com algurdas alvores da fmeto ; asaim como
tambera arrenda se hu f.irtpid.ivel O'arit
com muito bom barro no lugar da estra-
da do Looa como quem vai para a I-
greja do Remedioi quem o perlender dirija-
se a Jos Higinio de Miranda, ou a Viuva
do falescido Manoel hidra de Miranda.
5 Atugs*e Uma Canoa a Iota, quri
conduz4o tijollos : quem a pretender ru-
iiia-se Beparlicam das Obras Publios.j
ou ra de Sai Gonzalo caza I). 11.
Arremita se "m p-aca Publica duzentos
garrafOes bem empalhadoi sendo cila,
hum a yao reis pois escoci de Mari' lo*
quina de R.iraos ao falescido Antonio Bri-
sado SimOes pelo Juizo do Civtl da primei-
ra vara, na ra do Fagundes, boje 7 da
presente mez e anno, pelas 4 huras da
< arde.
. Da se hum milhero de lijlos, posto
onde quiterem, por ao laboas de louro in-
da que teja velhas ou de Pinbo qus lenia
de ccmpiimento ao palmos, e de Urgura
palmo* meio al dous ; a quem convier a-
nancie.
__ Quem qniser tomar dors contos de
reis juro dedout por cene ao rof s ,
queira procurar na ra do Rangel casa
D. to.
_ N Padara refinaco nova, o
Forte do Mallos D. 43 percisa-se de 1 ra-
paz para caixeiro e que entenda alguraa cot-
ia de escrita, e tambem entenda de cai-
xeiro de ra.
_ Peseja-se allogsr bupia cr-za terrea no
Bairio de Santo Aulonio ; quem a tiver an-
nuncie.
-- Quem lver, e quiser allagarr hom
moleque para lodo oservico de huma c de pequea familia e que saiba cosipbar,
e comprar na ra, que seja de bea conduc-
ta 5 dirjase a ra das Flores D. 5, ou an-
nuncie.
Carlos Wannes Professor ua Lin-
goa Ingleza desta Cidade pode adn.itir
em sua aula particular, a tai de trea Hu-
nos, para o ensino tanto do Ingles como
do Francer e Hespanbol para ler ,
escrever traduzu- e fallar igualmente
pode de manhi das 6 as 7 ir dar licio 1
alguma caza, Quem te qnizer utilizar de
de seo pretlmo pode o procurar na ra
de S. Francisco defronle do beco da Tan-
d'agoa caza d'um andar.
Quem precizar de hom Official de
Pedreiro ; com hum disripolo par lr-
balharem em alguma ebra nesta Praco di-
rija-te na esquina da Pracinba do Lrra-
mento loj de Burgos.
O sionistas das Cautella Corres-
pondente ao Suminario Livramenlo e Boa-
Vista fat certo que ad Boa-Vist corra
empretirivelmente no dia 12 de Maio con-
forme anuuciou o Sr. Tizoun iro e por a-
Hoavia aos Apacbonados que concorrio a
comprar as Cautellas da dita Lotera osa
5 ponas Venda D. 9. e no Lujares ja
annuriciados,
Na mesma vende-ie meiot bilheles ,da di'
t Lotera 3,84o*
Quem precisar de um Caixeiro P*W
tugues ; nnuncie.
fea
*


DIARIO DE PONAMBt'CO.
_, N* coroarct ds Boa vista eVistem da
S-nharu -cu.I ; aehouver nesta pro-
> .oi' o f>ra della t quem te atreva*
l*Mas ril.tr, tara por premio oilo coa-
ijs d- i *.
__ (Johaixo assignado previos ao res-
p iti\ t-l publico que dof h o dia a8 de
Abril d.'ixou de ser sau caixeiro Bernardo
Jos Brrelo, e toda a pessoa que te aclur
derendo aoabnxo assignado tanto o qo'
elle roesrao fiou como que o dito quaudu
era caixeiro e para que ninguera pa
goe divida alguna ao dito Bernardo faz
presente. = Jos Ferreira do Couto.
Urna Senhora que abe fazer todo e
qualquer servico de urna casa se cuerees
ser ama de urna tasa de um horneo) soltei
ro ou de familia ; qu-m precisar dinj <
e a ru i do Amorim sobrado n. 54
_ Pre^isa-se de croa ama branca ou
parda para acabar deciiar urna menina dr
7 mezes de idade : na ra da l'enh* no
primeiro sobrado depois Jo b-co do caiee
reiro.
_ Precisa-se de um feitor que entend
de arvortdos : nesta Typ gr. i < se dir.
Avisos Martimos
PARAO RIO DE JANEIRO o tana co
nhecido Patacho Paquete do Rio de Janeiro
Capila Manoel Francisco da Silva, sah-
r com loda b evidade ; qu"m oo mesoio
qoisercarregar ; ou ir de passagem dirja-
se a Gaudiiibo Agoslinho de Btrros airar
doCorpj Santo D. 6j ou ao Capit. a
bordo.
JLe i 1 o
Qu fazem N. O. Bieber & Coropa-
nhia por intervenC do Co-rtljr Ulivei-
ra de um bom sortimentu de ferragense
miudezas Terca feira 7 de nfaiu pelas lo
horas da raanhti no seu armasem da ra
da Cruz no Re:ife.
__ De urna p rco de birris com mar.t-i
gi iuglez terca feira 7 do corren-te defron
te d'j oes da alfaitdegs.
_ Que faz o Conelor Oliveira de uro
grande aortimenlo de fazendas irglezes e
francezas qusrta feira 8 do correute pela;
lo horas da manh, no seu armasen) da ru,
da Conceico D. 34 no primeiro andar.
2 Que pertende fazer Ldiraaini & C.
boje 7 do con ente de um pequea poi-
cad de que i] os vindos na Galera frauceza
Allialie defronte da escadiuha da alfande
ga por cunta e risco de quem pertencur
es
ni p ras
_Uma serpentina em bom uzo; que mii
ver anuuncie.
Vendas
_ Um escrava de naci de idade d>
3o annos boa cozinheira, engoramadeira,
cose cha faz reuda lefina assucar e
faz doces de varias qualidades e vende-se
por cao servir para a ra : na ra Direita
sobrado do lado do Livrameuto D. ao.
_ Um espingarda fram-eza e ama
guitarra: no atierro da Boa vista D 6a.
m* Urna porfa de sacos vasios nuvos,
que caben 5 arrobas de assucar e lm-
beos servera para alqueire de faria: na cu
de Hermano Mehtteas ; ruada Cruz De-
cima 23.
Meios bilhetes da Lotera da Boa
vista : na leja de miudezas de 4 portas ao
p do arco de S. Amonio
Urna escrava de naca angola, de
idade de a6 annos hna lavada-ira co;-
nha o diario de urna casa e he quitan Jei-
ra e propria para todo o se vico : na ra
da Cooceicio da Boa vista L). 8.
__ Um relogio de e/fas de praia., em bom
uzo, por precocommoJo : no atierro d
.Iba vista loj D. 62.
_ Um negro moco e de gradavel fi.
gara bOi c-nocirv e urna (mn* e uai
sobrado D. J na 1 ua larga do Rozario e
urna anoIaU eon as habelidadsa que se dir
a comprador ; e iim npgro moco bom tra-
Halhadorde sitio : na ra da praia sobrado
D. 16.
O-na grande porcio de, prata velha
de lei em obras antigs do Porto e al-
fum oiro bom : ua ra Direita D. i3 no
1. andr.
_ Urna escrava de naci de idade de
{o aoHos lava bem de sbio cozinba o
diario de urna casa por. 3oo,ooo : na ra
do cddereiro D. a3.
__ 4''"' bichas a 15o,000 o milheiro, e
10,000 ao cento ea 3a i cada urna: n*
ua do-Qu-imado emeas do dentista ita-
liauo defronte do Sr. Magilhes Bastos.
_ iMe>os bilhetes da L >teria da Boa
vista a 384 > : no atierro da lio viata loja
_ A poste duu l-areno no furvlod'
[greja dos Martirios com 54 pIrnos df
frente, e fundo al abaix* mar: a tratar
na ra do K >za 10 l<>ja desapaleira D- 3
'' Um cavallo alasi > a patacado mu
to novo e carre^ador e um par de espo-
-as de prata com o peso de urna libra : na
oadaria da ru> do Penlo as 5 pontas ; e
na mesnta casa \ MelOs 1)1 heles da Latera da Boa vis-
la : na rus doc-b'ig h>|a* D. 3 e !\
__ Urna mol ata de 3o annos, engora-
ras cose, e lar. d ees, eumanegia pre-
nda de idade de a() annos com as mes
raas habelidades ; e um moleque de 11 a
la aun: na ra das Cruzes I). 9.
__ L 11 sobrado de um andar com com
modos suficientes < e um giande terreno
para ie edificr casas : a tratar no largo do
Terco loja de fazenda* D 8, o sobrado he
uolug'rdo alterro dos ello,;a los.
_ Una pela de idade de 18 a 19 an-
nos a vist do comprador se di as ha-
beldades : na ra de agoas verdrs D 3.
_ Boas bichas da lena a seis unleris :
ni loja doeseiv do Juizo de Paz, na
ua de Hurlas ; as 5 pontas D. ] e na
venda D. 38 j e ni ra Direita loja de fu
uiUiro 44-
_ Urna vi oda sita na ra do colovello ,
coro os fuudos de 3oo,ooo e tem comino
dos para familia, a dioheiro ou a praso :
na ra uova a.
_ As aegumtea.peis novas de L;sbo..
chegadas do \larnuhio uu B igue Miger :
l'aulo e Virginia, Cuniiho escuro, Apot
teoze de H-rcuies Cerco de W nlalvo ,
rev 'Ua de Co,pe Rac>>ador E-cocez pocas de D. Pedro
l.arron>b ment da inquisico em Co-
imbra o Principe sem o Ser ; a 8oo >
copia : no Thealro.
_ ma mor>da de casa terrea na ru<
do sebo em chaos propnos quintil mu-
rado oi-s dub a dos feta a moderna ,
com 3o palmos de largo e 9i de fundo ,
5 quarios urna grande estribarla, e quar-
10 p*ra pretos cacimba dispensa e co
zinha fura e com binheiro .* a tratar na
na ra da S. Cruz I). 4'-
_ Um grande sitio, com arvores de
(rucio terreno para plantac6es baixa pa-
ra capim a caga tem 4 salas la qui los,
valono para diiof mis>a copia ao lado .
eavall.ir.ee na estrada de Parnameirim :
na praca da ludepeudeiioia loja do r. Ha
bo a se dir.
_ Em cisa de Lux Brothers, roa da
Conceico n. 34 1 urna txa de ferro coado,
varios tambores com os seus pertencs va-
rios eixos e carretas por prego mais c5
modo que os uzu es.
_ Um escravo moco bom e sem me-
nor defeito e entende muito de canoei-
ro : na _ Um neg'o anda 111 10 novo que re
presente ter ao annos de idade proprio
para todo o servico : na travesa de 8 Jo
s n.s lojas do sobrado do C >>ta.
_ Meios bilhetes da Lotera de Boa vis
la a 4"8o que core no dia ai do corren
le : na ra do Cabug loja de relojoero
jauta da do Sr. Bandeira.
_ Meios bilhetes da Lotera da Boa
vista a 4000 : na ra do Cabug loja junto
da botica.
Gescravos, urna molato de 1a an
nos de idade bom para pagem e servente de
urna casa um negro de 18 a ao annos
ptimo para lodo o servico ama negrmha
.ir lo luios muito bonita, com prioc pos
da boas bu bel 1 d des ; urna negra moca,
cozinba engomla e lava roupa ; ama
mulata de a5 aouos> com as mes mas habe-
dades, com3filhas, urna de 8 annos e
a de dois a 3 di os ; urna negra de 3o an-
nos por aoo.ooo : na ra de agjas verdes
0.37.
Urna escrava de naci moca de
linda figura com principios de cozinha ,
e de ensaboar : na rm de Ag 'as ve'des so
brad D 3 por cima do ass iu* e, na
mn-rn casa a'uga se mens.ilmente pir 8
mil rs., urna canoa que carregue 6<>> ti
jlos e tambem se aluga para carregir
enlulho.
Um cofre vu'garmenle chamad
burra, em bom uzo e por peeco cmmo lo:
na ra do Amorim venda de Antonio Vaz
de Oliveira
__ U na venda na ra das Crur.es D 7
a din huiro 01 a praso com boas firmas r a
tratar na me*ro ra D 9
> Um negro cmn oflicio de s-pateiro ,
fug*, de ferro com todos o? o rtenc s de
3. 4 e 5 buracos, e diversas ferragins e
iniudes>s : na ra do Vigario D. la.
_ Ni loja de livros do pateo de S. Pe-
dro p lulas da familia chegadas ultima
mente do Porto, e fabricadas pelo verdn
10 autor em fraacos de de 5o a a5oo da 8
a ioo-' e de loo a 5ooo.
_ Um< V'nda sita no poTto das canoas
com p higos fundos e urna batanea grande:
na ra d >s Torres n. 116.
_ Urna venda na trerope sortida de um
tudo e com poucos fundos a dinheiro ou
a p aso e tem commodos pira familia :
nos a cantos n. 114.
_ Bichas da superior qualidade diego
das prximamente : na ra da cadeia ve-
lha botica n. $
_ Viudo da Figueira em pipase barris:
no llecife no primeiro beco ao p do arco
da Conceico . _ Um resto de pao de mangue de a8 a
3o palmos por preco muito enconla : na
ra da praia por detraz de 8. Rita.
__ Una curuca de conducir materiaes
para obras, e propria p acompanh'da de seus competentes areios ,
e dois silhdes sendo um novo e outro
em bom uzo : a tratar com Lourenco Jus-
tiano de Siqueira morador no sitio do
D-zembargador Maciel Monieiro no lo
;.ir do Manguind.
Escravos Fgidos
No dis Quinta feira a do correte ,
fugirio dois escravos do gentio de angola ,
sendo um delles de noroe Valentino. que
representa 19 a 20 aAnos de idade, sem
anda ter baiba algnma alto e grostu-
a porporc nal qarando falla mais de 3
ou 4 palavrass presenta urna e*p*ce de ga
gue jo que se faz seacvel p grandes e
um delles torios cojo'.sgnal he mmlo visi-
vel s-hio com cana de brim camisa no-
va de alg Jio da ierra e urna j .queta de
quadriuhos encarnados ja muiln rota e
ch.peo de palba velha. O oulro de nome
Chnsiovio negro b porcionalmente um tanto barrigudo ,
representa ter 19 a 20 annos deidade, sem
barba cor alguma coisa fulla leudo um
denle de menos na frente da parte de cima,
de um lado d > peseoco logo ahixo do
oueixo poucos sicatrites ou costuras d-
.Ifio c s ps apalhetados e com alguna
bichos ou S'gnaes destes, saino de ca-
misa e seroula nova de aigodio da trra ,
e chapeo velho de patha"; ^estes negros an-
d .vio ambos ao gando na ra e da ra
se autentiro da casa de s u Sur. ambos
lorio escravos do Sr. Ignacio Lins Barra
das; roga se sos Srs. empreg'dos de po
I ca que encontrando os ou s-bendo do
lugar onde esto dito negros os mandem
aprehender; assim como a todos os meslres
de campo a deligencia de os procurar e
leva las a casa de .-eu Sr. na ma da Con
eeicao da Boa vista ultima casa do lado
da sombra na quina defronle da Igrej.
do Rozario que aei geuorosmente p.
;o e protestase proceder contra qaalquer
que dolosamente nvtr abafado dito oegr.is,
ou empieg-dos em seus servicos se- depois
Jaste annunci nao fizer conduz-loc logo
par qualquer m- 10 a esa cima indicada,
Fugio do engenhoCovas da exli ca
freguezia da Luz um escravo de nome
Manuel do gento de angola alto, falla,
tem os ps e os dedos grosos e foveiro.
de bixos que leve he um tanto beicodo f
e bem ladino qaem e prender dirija-se
ao propietario do mesmo engenho ou
nesta praca ao Sr. Antonio da Cu na ra
velha ao entrar por detraz da Matiz pri-
m ira sobrado do lado esquerdo que se a
r .-compensado.
Roga-se as authoridades a quem per-
tence a nspecio Teste ramo da polica, e di-
r ctente sos Srs. Siib Prefeitos do -ffo-(
gada e Varzea e Delegados d i Remrdio
e Bemfica o obsequio de ettenderem os
signaes aeguintes para procederem a apre-
hendi de urna escrava fgida a a de Fe-
veireiro p. p. Francisca de naci costa, de
idade de 47 annos alta secca com os
peitos descarnados leve signaes de talhos
no rosto com falta de denles no queixo
inferior tem a perna direita zaimbra, ou
loria qu:udo anda faHa cheia de lingua
(vulgarmnte dato ): esla negra finge se
forra, e anda venden Jo e comprando pelo
Vloutc-iro e Varzea, ju!ga-se estar acoi-
tada e quem quer que o lenha teito ou
que tenha a titulo de comprada, protesta-
se haver-lhe os das de servico e a irn-
pasillo rigorosa de ludo quaiito a lei cura-
mina em taes casos ; quem apreeuder leve
a ra lee agoas verdes sobrado D. 5 por ci-
ma do assougue que satisfar toda a des-
pzat.
_,' No da 39 do pissado mez fugio
urna escrava de nome Anua estatura or-
dinaria secca fulla cara becbigoso ,
nariz afilado e pequeo tem dois denles
do queixo superior de meaos, paitos em
p ps pequeos e bem feita de c upo,
levou v8lido de riscdinlu e um pumo da
costa novo e debruadu ; quem a pegar le-
ve a fura de portas casa D. i85 que ser
recompensado.
mm A 18 de Julho doanno passado fugio
uro cabra de nome Francisco de idade de
lannos oqual foi cria da viuva do P-
roenlel moradora para as bandas de Ipojuca
e tambera foi escravo do Administrador do
eugenbo camorim quero o pegar leve a
ra da praia sobrado D. a6 que ser gra-
tiGcado.
_ No dia 3o de Abril as 8 horas da noi-
te fugio um preto de nome Luiz de naca
baca, idade de ao anuos piuco mais ou
menos, estatura regular edeo do corpo ,
tem urna marca no braco direito que pare-
ce umBcom urna letra miuda dentro, e
ao peito t-m urnas letns } quem o peg.r
leve so beco da lingoeta no segundo andar
do sobrado n- 1, que ser recompeusido ;
adverte-se que levoa vestido calsa branca
de brim camisa da riscado, um colete
preto de panno e urna sima azul d panno-
da costa amarrada na smtura.
No dia ag de Abril tugio um prelo
de nome Gregorio crelo de idade de
a3 annos estilara baixa chero do cor-
po, cor fulla, rosto compnlo e picad
das bachigas tem bstanles signaes de
chicote pelas coila lev.-u vestido cain so,
de estopa de mangas curtas e c. sa dita ,
adverte-se'que fuma e g isla muito de m-
sica e de soldados ; quem o p-gar leve
a ra das Cruzes D. 16, que ser recom-
pensado.
_ No di 1 lo do mez p. p. fugio uro es-
cravo de ooroe Paulo estatura ordinaria o
cor alguma coisa fulla coro camisa e ca sa
dr brim ; quem o pegar leve a casa deo
Francisco Augusto da Costa Guimaries.
Moviiiiento do I^orto
NAVIO ENTRADO NO DIA 4.
CABO VERDE; ai dias, Patacho Ame-
ricano Maret de 158 tonel. M. W\\\x- y
am Uaor.n carga sale ou tros gneros .
veio reparar a avaria do navio e segu
para o Rio da Prata.
03SERVAC0ENS.
No dia 5 do cor rento fez sa de vella para
o Rio de Jtueiro a Charra fr de Mar -
90.
PERN. NA TYP. DE M. F, DE F. i8?$

A
ILEGIVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8MMIK6EF_O0QP4O INGEST_TIME 2013-04-12T23:43:08Z PACKAGE AA00011611_06097
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES