Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06094


This item is only available as the following downloads:


Full Text

r=S
ANNO DE 1839 QUINTA FEIRA ,c
L-
CAMBIOS;
, Abril "g k .
Londres 3o i/4 por ifooo sed. '
Lisboa 8o por loo premio, por metal, oflerecido.
Fianca 3ao a 3i5reis por franco.
Rio de Janeiro ao par.
MoeddS de 6* 4#ooo 8/300 a 8#3>.
Pezos Columnaiios i|68o a 1 #700.
Diltos Mexicanos r#64o a ijffbio.
Palaces [tiazileiros 1/680 a 1^700. "
Premios das lelras, por mez 1 i/4 a 1 1/2 por 100.
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTES.
Cidade da Caraiba e Villas de sua pretendi .3 2
Cidade de Rio C.dade da Fortalea e villas Idea .
Villa de Goianna............
Ciiad* de Olinria ............
Villa de Santo Antio ...... ^ ..... .
Dita de Garanbuns Povoaco do Bonito. ....
Di'.tas do Cabo Serinhaem, Rio Formoso, e Porto Calvo
Cidade das Alaeoai, e Villa de Maecio......
Villa da Pajau da Floras. ie i .
Todos os correios parteas ao meios dia.
DE MAJO NUMERO 97
Tu* agora depende de n6i (meamos ; da nossa prudencia
medrar!!.?, e energa: continuemos como principiamos
e seremos apontados oom admir-co enlifl as INacoes mas
Proclamado da Assemblea Geral do Brazil.

Segundas e Sextas reir.
Todos os dias.
Quintas fenas.
Das 10, e s4 de cada tnei
dem 1 11, 11 ditto d,Uo.
dem dem.
dem 13, ditto ditta

Subscre*e-se para esta folha a 3/ooa por quartel pgos.aoV
enlados nesta Typogrxfia, ra das Cruaes. U. 3 e na Frac*
da lndependenc.a T). 37 e 38, onde se retebem correspon-
dencias legalisadas, e annuncios; insiriodo-se estes gratis
sendo dos proprios assignantes e viudos aslgioados.
DIAS DA SEMANA.
jo Segunda S. Pedro M. Audiencia do I. da Dir. da vara de manh. J
3o Terca S. Catbarina de Sena. Bel. aud. doJuisde Dir. da I. vara de manhf.
i. de Maio Quarta ff. S FelippeeS. Tiago Ap.
i Quinta S. AtianasioB. Re. a aud. do Juiz de Dir. da a. vara d manhS.
3 Sexta >|c Invenco da SantaCrs.
4 Sabbado S. Momea May da S. Agostinho. Re. de raanb e aud. do J. de D. ae m.
5 Domingo A Matemidade de N. Senhora.
^m Mari cheia para odia 3o de Abril.
Al O boras a 54 minuto* da manh!. As 7 horas e 18 minutos da tarde.
-
PERNAMBUCO.
1839 = N. 69.
Francisco do Reg Barros, Presidente da
Provincia de. Pernambuco. Faco saber
lodos os seas habitantes que a Assem-
blea Legislativa Provincial Decrtou e
eu Saoccionei a Resolucio seguate.

Artigo 1. Os Eximes do Collegio das
Artas feitos antes ou depois desta Reso-
lucio ficio considerados como feitos no
Liceo, a6m de ficarem os alumnos habel-
tados pira continuarem csannos seguli-
tes. V*}
Artigo a. Os Estudantes que. estiverem
no ceso do artigo antecedente serio ad-
mittidos a matricula no Liceo at o da
quime de Abril. a.
Artigo 3. Os Enlodantes no caso de-ar-
tigo t., que no correte anno oio poderem
ter sido matriculados no Liceo por ter pas-
ssdo o lapso de lempo para a matricula,
serio admitidos a dita matricula ro exce-
dendo de qunze dias depois da promulg-cao
desta Lei.
Artigo 4. Ficio revogadas nessi Provin-
cia todas as Disposicoes em coptrario.
Mando por tinto a todas ts Auctorididcs
a quem o conhecimento e execucio da refe
rida Resolucio pertencer, que a cumprao, e
faci cumprir lo inteirameote como nella
secontem. O Secretario desta Provincia
* faca imprimir, publicar e correr. Cidade
do Recife de Pernambuco iS de Abril de.
i83o; dcimo oilavo da Independencia
e do Imperio.
L. S.
Francisco do Reg Barros.
Carta de Le pela qual V. Ex. manda
executar a Resolucio da Aisemblea Legis
1 lativa Provincial, que boave por bem Snc-
cionsr, mandando que os exames feitos 00
* Colegio daa artes antes, pu depois desta
Resolucio sejio considerados como feitos
no Liceo, e dando outras disposicoes so-
bre a matricula dos Estudantes do mesmo
Liceo, tudo na forma a cima declarada.
Para V. Ex. ver.
Jos Xavier Faustino Ramos a fez.
Regstada a f. 101 do L. 1. de Lei
Provnciaes. Secretaria da Provincia de
Pernambuco em i5 de Abril de 1839.
Jote Xavier Faustino Ramos.
Foi Sellada e publicada esta Lei na
Secretara da Provincia de Pernambuco em
15 de Ablrilde 1839.
Jernimo Martiniano Figueira da Mello.
e Feicbos de assuta? abaixo" auignados vem
mu submissamente representar a esta lllma.
Assemblea o diretojque Ibes ataiste para
que seja adoptado o Regulamento, que
deu inspeccio do Assucar e Algodio o
Gpverno delta Provincia e se regeite bil-
ma emenda, que nesta Sesiio te offereceu
Lei do Orcimento com o im de tirar aoi
Suplicantes o assucar extrado pelos furos
necessorias pa-a as am ostras, e deixar-lhes
somentQ 4o res por volume examina-
do, e marcado. ,
Desde que se'eslabdleceu a Inspeccio do
assucar, ficou igualmente adtnittida a pra-
tca de pertencer aos furadores oassuar ex-
tralii lo o qual nada aproveitndo ios do-
nos dos voiumes era burra recompensa do
trabalho destes Empregados qae no re-
ceben! Ordenado algum pelo processo defu-
ASSEMBLEA LEGISLATIVA PROVIN-
CIAL..
Representaco dos l undores e Marcadores
das Caixaa e Fexof de Assocar.
Illmi. Snis. Membros da Assemblea Pro-
vincial.
Os Furadores e Marcadores das Caixas,
iar as caixas', e fechos^de assucar e tero
a pena* 4 'i* por aerear cada hura desses
voiumes. Restaurada nesta Provincia a ex-
tincta Inspeccio dispoz o Governo com o
conhecimento, que Iba (proece a pratica
dos negocios pblicos, que a mesma pratica
seobservisso, e que fosse o|assurar extrbi-
do a paga do Empregado, que tem de faser
Turar os voiumes.
A Commissio de Age cultura e Commer-
co alterando em outras disposicoes o Re-
gulamento reconhecea a necessidade da
medida em questio $ bum dos illustres
Membros da Commissio discordando delta
em minios pontos edando voto separado,
concordou na justa disposicio de pertencer
aos furadores o aisucar extrabido. Avista
de lio fortes Aulhoridades parece aosSup-
plicanles que se deve rpgeilar essa emenda,
a qual tem por fim reduzir os Sapplicantes
condicio Inferior a dos escravos, como
he fcil de demonstrar, se passarse ao ex
ame das razos que milito neste caso.
Se attender esta Illuslrissima Assemblea
ao processo necessario para furar, e marcar
os voiumes ver que elle s pode ser fei-
to. por escravos, ou jornaleiros porque
certamenle no Brazil, onde os prejuizo*
anda nio poderio ceder, nem Lei d'
abolicio do trafico da escravalura nenhum
Empregado Publico, a cuja classe pertsn-
cem os Supplicantes de sugeitarse levar
ao fogo bum ferro p-lo em brasa e em*
pr i mil-o ti'urna Ca xa ou feixo de asa-
em lugares lio pblicos, como sio os trapi-
chea nem a furar eses voiumes.
Tem por tanto os Furadores e Marcado-
res a necessara despesa de alugarem dous
jornaleiros, para em cida bum dos quatro
trapxes fazer este servico debiixo de sua
direcco : e se passasse a emenda tinha a
Provincia de Pernambuco 4 empregados,
que em vez de receberem a paga de seu tra-
balbo desde as seis boras da manbi des-
pendiio do seu dinhero para o servico po
blico por quaolo ficaedo-lhes apenas 4o
res por volume'turado, e marcado, e nio
excedeodo estes a 18000 res por anno
(16,000 caixas 2,000 fechos, termo medio
destes tiez ltimos a") baveria o produelo de
jaoU res para quatro empregados que
linhio de pagar a 8 jornaleiros a 800 res
diarios j o que na anno orea a dous conlos
de res, aem incluir a despezt doa ferros ,
que se quebrio e cusa cada bum 4 res,
e do papel que se gasta para recebjr a
amostra da cada volume.
Poder Illms. Sara, baver Empregado
Publico gratuito n'um lempo e n'um lu-
gar onde a experiencia tem mostrado,
que nem o.bonroso Oficio de Representan
le do Povo deve ser exercido sem paga ?
Podera' seradmitlida! hume emenda que
priva os Supplicantes de emolumentos, que
sempre forio permettidos e dados pelos
Begulamentos da Inspeccio tandoquando
fot creada, como no lempo, em que foi rae-
taurada, e de que astavlode posse, pode-
ra' ella deixar de ser regeitada u'oma Sea-
sio em que se tem reCoabecido o direi-
to adquarido dos Empregados a seus emo-
lumentos, como huma propriedade invio-
lavel, a ponto de se nio reunir a Ri ceba-
dor U dis Rendas Provineiaea, o que ar-
reesdava o collector de Olinda 10 pa-
ra Ihe nio deminuir os rend mentoa ?
Se lauca r-se a vala para a ujilidadu ,
que tirio oa donos dos voiumes desta mo-
dida prejudicial aos Supplicantes, nenliu-
ma ae ha de encontrar.
De que manelra acommodario osnegoci
antes de grosso tracto ou oa Senhores de
Engenho easas migalhas de assucar, que
Ihe vio ser entregues ? Ter aqui cada
bum o seu recebedor, e vasos proprios para
hir guardando os boradinhos ? Nio he
claro que semelhante. medida nada ap-
proveita aos donos dos voiumes, os quaes se
vendem por arrobas, aeas arrobas sem
se iaeluirem aa libras, e de qae a porcio
lirada pelo furo nio altera o proco ?
Tem-at querido conhooestar esta medi-
da prejudicial a quatro Empregados pobres
coal a imputacao de extrair-se muito as-
sucar pelo furo alem de que a porcio ,
que nio |chega a meia arroba nio altera
o preco, e por tanto a ninguem prejndics,-
nio se pode calcular o tamanho necessario
10 furo para verificar a qualdade de to-
do assucar, que ae cootam no volume,
nem provar que oa Furadorea extrabio sa
sio o preciso para tornar infallivel o exi-
me de todo o asssocac incluido na caixi,
ou fecho. -
A privado que se quer faser aos Suppli-
casstss do assucar extrabido nio approveta
aos donos dos voiumes ; prejudica os sup-
plicantes em direitos adqueridos : be
contraria ao peojamento do Governo da
Provincia e da Illustre Commissio do A-
Cricultura e Commerco : opposta a prati-
ca admittida para indemni-ar os empregados
de seu trabslho : e finalmente reduz os
Snpplicantes condicio de eicravos.os quaes
tam hum salino muito miior, ao que ficaria
reduzido o dos Foradorea, e Marcadores
n'uma epooh de caresta, na qual se m-
ementio os Ordenados de lodos os Empre-
gados Pblicos.
Por lodas estas considerscoes esperlo o
Sapplicantts que esta lllur-trissma Assem-
blea regeila essa ruinosa medida
Francisco Joze Vieira da Veris.
Luiz Antonio Barbosa de Brito
Geraldo Correia Lima.
COVIMANDO DAS ARMAS.
Expediento do dia a5 de Abril de 1839.
E R. M.
Recife i6de Abril de 1839.
Minoel Jos dos Santos,
Olficio Ao Prefeito da Comarca de-
precando-lhe a captura de um desertor do
Batalhio Provisorio de Caoadorea cujp
nome filiaca e sigues Ibu ttanamittia
em urna nota.
Dito Ao Prefeito da Comarca de Go
iana, deprecando-lbe a aprelienci de lies
desertores do liatalliift Provia rio de Caca-
dores e enviando-loa e*Ji urna nota s,-oS
noraes, filiacoens e signaes.
Dito Ao Prefeito di Comarca de Nt-
zaretb, deprecando-lbe a prisa5,do trez
desertores do Balalha Provisorio.de Q dores cujos nomes sig naes > a GIu\tis
Ihe enviava em urna nota.
Dito Ao Prefeito da Comarca de S.
Aota deprecando-lbe a captura de bum
desertor do Batalhio Provisorio de Caca-
dores cujo nome signaes Ihe remet-
ta em orna nota. t
Dito Ao Prefeito da Comarca do Li-
moeiro, deprecando-lbe aprtsa de um de-
sertor do Batalhio Provisorio de Cacado-
res cujo nome filiscio, e signaes en-
contrara ha nota que Iba enviava.
Dito Ao Prefeito da Comatca de G<-
anliuns, deprecaudo-lhe a prisa de bum
desertor do Batalhio Provisorio ds Caca-
dorea, constante da nota que le transmi-
ta.
Dito Ao Com manda o te interino do
Forte de Giibu., communicando-lhe em
resposta ao seo omcio de iq deste mez,
que para evitar os extravos das telhaa e
mais objectos perteneeotes ao quartel do
Forte de Nazarelb que se acha abandona-
do fizesse destacar para aii trez bomens ,
daguaruici. do Forte sob seo Commindo
s serem de 8 em 8 dias rendidos por ou-
tros pira o que no 1. de Maio em di-
ante o destacamento seria augmentado com
mais 3 primas.
Dito Ao Commaodante interino do i..
Batalhio d'Artilneria ordenando Ibe, que
do 1. do mez vindouro am diaute fisesie
augmentar o destacamento do Forte de
Gaib com mais 3 bomens por con vir ao
servico que do mesmo destacamento se
enviasse 3 pracas para o quartel do Forla
de Narareth actualmente em abandono, a
fim de evictare.m os extravos das telhas ,
e de ontros objeclos existentes no mesmo
quartel*
Expediente do dia 16.
Officio Ao Mijor Director do Arse-
nal de Guerra communicando-lbe, qoo
o Exm. Snr. Presdante concedeo ao sol-
dado do Batalhao- Provisorio da Caoadorea
Domiogos Barbosa da Silva passige P*ra
a Companhia d'Artifices o scienlicsn-
doo qus nesta dita se havilo r*""
as conveoenles orden para que ella loe
levada a cU'it<>.


*"
DIARIO DB JKttN
I
1
A M B C O
i i 'i
MMMM
SU
......w

Dito Ao Commandante intei ino do
Forte de Gaibtf sgnificando-lhe eso ret-
osla ao aeo officio de 11 do corrento ( ao
coohecimento do Exm.Snr. Presidente le-
vado ) que pelas Obras Publicas se liia
proceder o exame, e oreamtnios da dispesa
lser com os concertos do quartei do
mesmo Forte.
Portara Ao Major Commandante do
Deposito mandando d*ordam do Exm. Sr.
Presidente dar deasicad aos recrotas .Anto-
nio Marques, natural de TaquaritinR ,
pardo, solteiro remettido pelo Prefeito
do Limoeiro e Francisco J<>se de Mene-
zes lho do Raymuodo dos Santos reraet-
lido pelo Prefeito de Nazsreth por m5
esta i era as circunstancias de servir na i
Linha.
Dita Ao Commandante interino do
3. o Batalbio d'Artilheriria ap man-
dando d'oidem. do Exro. Snr. presidente
considerar addido ao infamo Balalhio pa-
ra nella esperar iu* R fjrma ao C- bu que
foi do xiiucto 8. Corpo d'Arlilheria Jo
ze Francisco Monteiro que tendo pela
diisolucio dos Cor pos dado biixt en Ja-
neiro de i838 6cira reduzido a mendici-
dades devendo o mesmo Snr. Comruan-
dant ti'Sf Ibe os sidos, o rispes, qne
ibe ficava competindo desta data un di
ante.
Dita Ao Commandante do Batalhad
Provisorio de Cacadore* mandando ex-
cluir do mesmo e remetter com gua de
passigem paca a Companhia d'Artifices o
soldado Domingos Bubosa da Si'va que
obteve do Exm. Snr. Presidente despacho
para esse Gm.
THEZORARIA DA PROVINCIA.
Espediente do dia 27 da Abril de i83g.
Officio Ao Administrador Fiscal das
Obras Publicas para mandar ero cumpri-
mento do officio do Exm. Presidente da
Provincia de j3 do eorrente < PViluar pe-
la a esma reparticado entrega da quntia
de um cont de is. ao Reverendo Vigario
da Freguesia de S. Jos da l:gts ra coadjuvscad das despes-s d obra da
Capell mor da Igreja Malrit da mesma
Freguesia.
Diversas Reparticoens
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta he a mesms do dud, 88.
PREFEITRA.
Parte do dia 3o de Abiil de i83g.
Illm. e Exm. Sor. Partecip V. Ex.
que forad preso hontem a minha ordem,
e livemd deslino : Jos Piulo Moreira ,
branco e Francisco preto escravo de
Francisco Joaquim Pereira pelo Svib
Prefeito da Freguesia do Recife este por
furto de urna peca de lencos e aquello
por Ibe ter sido apprebendido um caivete ,
Jos Severiao dos Prazeres seroi-b. pelo
Sub-Prefeito da Freguesia de S. Antonio ,
por ter espancado a sua mulher, o que tem
de costme pratictr e Caetano preto ,
escravo de Cipriano Correia pela 1. pi-
tralba do SS. Sacramento da Boa-visia por
suppol-o fgido ; e que nsda mais consta
das parles boe rece bi das.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitoia da
Comarca do Recife 3o de Abril de
i83g. Illm. e Exm. Sr. Francisco do Re-
g Barros Presidente da Provincia,
Francisco Antonio da S asreio Pre-
feito da Comarca.
EDITAL.
A Cmara Municipal da Cidada do Reci-
fe a seu Termo, &c.
Fax saber que pelo Doutor Juii de Di-
stilo interino do Crime e Civel desta Co
marca Francisco Joa5 Carneiro da Cimba,
Iba fora felto a devida paitecipacad sobre
haver designado o dia a 2 do prxima fu-
turo mz de Maio poras 9 horas da ma-
nha, par dar principio a Sesilo Or-
dinaria, des Jurados desta corrente aantf
na casa de aus Sessdes 5 em eonseqencis
do que tendo-se feito o sortesmeoto na
conformidad do Codig do Proeesso Cn-
miual, fora sorteadoa os 60 Jurados que
sao os seguintes Snhores.
Francisco Jaime Gal vfo.
Francisco Jse DuaHe.
Jos Francisco do Espirite Santo.
Joro Tboraaz de Freitaa
S-hsti6 Jos de Sjuzs Braga.
Francisco Jos Lil.
Antonio de Sl.eitio.
Domingos Ferreira Jorge.
Jos Djmingues da Costa Cardial.
loio Goncalves *la*5ilva.
Manoel AJve* Monteiro.
Agjstinho Manriques da Silva.
Francisco Rib"iro Pires.
Joio Antonio de S uta.
Manoel de Souza Teixerre. *
Padre Mauricio Borges da Costa.
Silvestre Joaquim do Naiciraento.
Jos do Monte Lima.
Antonio Pinto Loprs.
Jos Pedro d Silva.
Tensle Coi onel Domingos de Suxa Li
' lo."
Jcio de Barro* R>go Achioli.
Ignacio dos Reis Campello.
Padre Thoro d Silva Guimeries.
Manoel Jnbad da Fonc.ca Pinto
Jos F anciacoda Rocha Guedes Jnior.
Luiz Goncalves da Lox.
Firmino Pessoa Gama.
Manoel Jos Serpa.
lose Goncalves Ferreira.
Amonio Jos Alvea da Silva.
Francisco Gjncalves do Cabo.
Pedio Cavalcanle d'Albuquerque.
Joroni-noSaturninho Gaedea.
Jos Narciso Camello.
ig'tacio Bento de Loiol'a.
Manoel Claudia de Queiro*.
Joaquim Jos de Barios.
Vlajor Jos Orlos Teixeir.
Francisc0 Manoel Carneiro da Lunbs.
Jos Antonio Serpa.
Teueute Cor.,uel Joaquina Cavalcanti d Al
buquerquP. .
Padre. Vicente Pereira da Silva Goim*-
res.
Luis do Franca da Crux Ferreira.
Alfares Joaquim Jos* Pimenlel.
l'adra Salvador da Rocha.
Padre Manoel Juae do Nascianento.
Antonio Gonc-dves de Aievedo.
Jos Domingues Pimenta.
Luia da Franca e Mello.
Joaquim Jos de Mello.
Luiz Rodrigues Selle.
Antonio da Medeiroe Cont.
Joa5 Henrique* da Silva.
Lwu Vieira Buleoot.
Padre Fiancisco Josa Peixoto,
Bernardo Absaad Cianer*.
Ancelmo Jos Pinto de Souza Juaior.
Manoel J..se Lopes Braga.
Jos Gomes.Lial.
Os quaes sao os que dever servir eo>
dita Sesafe sendo para cojo 6m ero
vi 1 lude do ailigoa56 do mesmo Cdigo,
convidadoa pelo prsenle e bem como lo
mo lodos os maia. interesados compaie-
carem no dia e hora designada sob as
penas da Lei se faltaren. <
Paco da Cmara Musmipsl da Cidsde
do Recife em Sessa5 exlraordioana da 97
de A bul de i839.
Jote Maxado Freir Pereira da Silva.
Pro-Predeiiv.
Fulgencio Infante d'Aibuquerqoe e Mello.
Secretario
iario de Peniaiubuco.
Sili que quelqu' un difdes affaires
de IVtat que m" unpoit ? O J
compter, que i'elatest perdu. (l)
Rousseau Con,lr. Soc. Liv.
111. Cap. XV.
EstSo proxiaas tleicfie da Deputados
(O Devemos contar cora a perdico do
Estado todas a vezes, que os cidadios ,
tratando ie dos wgocios do Estsdo, dueB :
Que me impoila ? a
ProvinciaBs, que hio de tratar dos nossol
interesses na'futura sessfo da Legislatura
Provincial. M|s nlo queira o deslino ,.que
um teto lio sagrado e venerando se Vejs
entregue a os cidadios. que interna, e ex
tnrnamnte diram : a Que me importa ?
H duas especies desses mos cidadios que
fazem a hfelicidade da patria embaa in-
cluidas na sentenca do philosopho de Gene
va ; urna composta d'aquelles que indi-
rectamente deixS que os negocios do es-
lado se percaS; outra dos que directa e
positivamente folgao de ver* a perdilo do
altado.
Os cidadios que a despeito d causa de
su* patria e s a prol da felicidad* dos do
seu partido, sera conhecerem oestes os re
qoi"itos n>cessario8 para poderem preen-
cher a sublime roissi a que sin elevados,
se esforcaft em cabalar estes direm em seu
cora ci Que me reporta? Os Cida-
dios, bufl tpndo sido im* veteleitos, a
pezar de coobecerem a sua nulfidade na
sesso ero que serviraS cab Ila6 paras
eguinte sessio, estes dizem em seu cora-
cio Quo m importa? 0< cijadios ,
que lem ti smento por fire apprer.er na
sessri"', para poderem adqni' ir algtJma re^-
pul'cfo, e desta arle passar a Depotado*
gpral, e dahi a Presidente ou Ministro,
direm eni seu coi acio Que me importa ?
Q* cidadios que permuteS as chapas (a) ,
como amigamente se permutavsft os gne-
ros de commercio por falla do metal pre-
cioso que o verdadeiro patriotismo di-
zem em seu coraCao Que me imparta ?
Outros ha que escrevem em suas listas
os nomes de pessoas por piles reconheci
dos como incapaces da e lei co, e se se Ihes
pergunia a causa porque assim obrad ,
responden! Que me impoita'? Outros fa
z< m recahir a ua eleicio mesmo em pes-
soas das quaes nlo lem o menor enheci-
mento e dizem raui lampeiros Que me
importa p
Cois vos nio imports, retrocaremos nos,
o verdes mallogradaa as intencSes dos vos-
sos oonslituinles ? Sois cidadios e vos nio
importa a desgrana da Piovincia? S-i pa
ti iotas e vos nio importa a ruina da pa
tria ? Sois hornera e vus nio importa a
vossa propria ruina poia a caua/* publica
nio mais, que a causa dos particular, s ?
E' por causa desse que me importa, -
que vemos com espanto, e dor as A-sern-
bleas Provnci-es do Brasil marchando
para fferentea Gns sendo alias urna t a
meta a que todas deveri.6 dirigir-se qu<
a unilo das Provincias debdixo do (inver-
n Muan luco Constitucional: fias ultra-
pass*5 aa rais que Ihes ha marcado a Lei;
. utras arm. a intriga contra os Presiden-
tes, e afanad-se pir depl-os, porque el-
les ni.i vio de accordo com os seus lins ; es-
tas consliluem loda a sua sciencia lefrislaii
va em impontos aquellas flppeent6 pro-
jacios <|uasi todas finalmente postergando o justo,
so procurad o bem individu-l.
l)*t boas leis qui depende a ferjidade
d'urn estado ; sem ellas nenhiim povo po
dei.ser grande, e poderoso seja qual
for o seu sistema de governo : e para ter-
mos boas lei'' quo a n< Cnislituicio e o Acto Addicional mas
estas leis t podem ser (Vitas por humen*
virtuosos, e verdadeiramente sabios Quaa
do e trata da felicidade publica ludo de
um interesse sagrado.
Ndi desejarisanoa, que Cada um dosE
leitores de.-prezando consultas s escru-
tas-em o seu proprio coraco. Mouleaquieu
(Esp das Leis II. 3.) nos atiesta o admi-
rco-
Iber os seus orgaos e defensores. Bem
lembrados estamos deqais, na el. i cao dos
Diputados pata a Consiiluinld de Portugal,
a. nosaa Provincia e.ei Iheo orgios, sanio
todos s. bios ao menos dotados lodos de
iiludes civicas, e d'uma coragem Roma-
na que a despeito de todos oa perigos,
soubea advogir a causa dalibeidado, e
(i) Amigo, (escrevem as vesperss das
eleicdes, os contrabandistas da causa publi-
ca) sei, que lem toda a preponderancia nes-
se Collegio por isto Ibjrreinetto esl cha-
pa ficaudo certo, que o seu noma o
prisaeiro que se na miuha lisia a as
de meus amigos etc.
Pobres campoueses i quintos nao ficto
chuchando no dedo 1
da patria. Mas pelo que ? Nio haviaS cha-
pas ; nio haviao permutas; o honroso lo-
gar dr Deputado nio era patrimonio de
ninguam \ nio era biecba per onda seda
o assalto a os oficios e dignidades : a pa-
tria esperava defiee a sua felicidade, ellea
esperavaft da patria a approvacio dea sena
trabalbos. Felizmente al boje temos ido
menos mal, e as oossas Assembleae Proviu-
ciaes tero mostrado adhesio ao sistema o
conservado unWo o paz coso os Presiden-
tai.
Tal vez nos objectem que necessaria
urna electricidade moral, qmndo se trata
ds eleicdes e que a Inglaterra nos d nis-
toVpxemplo. Mas a electiicidade moi
differenle da caballa : esta segundo Mo-
iss a conspiracio de pessoas que tem
o mesmo intento para mao Gm j e aquella
urna reeordacio das virtudes enunciadas
de mod j que nos determinem a ventado.
F,' justo qpe os nemes dos Candidatos se-
'5 publicados as folhas ; e que ali sa Ibes
tecad oa merecidos elogios fazendo-se a
reeordacio daquelles fados pelos quaes
elle bao merecido bem da patria ; appare-
cad mesmo outros escriptos qae diga o
contraro, poique assim do meio destes de-
WteS el"vf-s ba a ve'rdade'; prera nun-
ca dever os eleilores prestar atteocao
amirade, parentesco e corporacio do
Candidato.
Srs. Eleitores, se vos nio tendea fia
respnnsabilidade, legal, tendas urna respon-
sabilidade civil: todo o povo tem posto so-
bre vos as sus mais lisongeiras esperancaSt
seos olhos correm anciosameule 8"bre as
vossas Halas, se elle encontrar nellas os no-
mes venerandos de cidadiua sabios e vir-
tuosos todo vos bemdir 5 milhdss de
heneaos cahiro sobre as voss.s cabecas;
vossos nomes serio ouvidos com raspeito e
admiracio por lerdes sido a causa occasio-
nal de nossa felicidade ; mas, se sordos
voz da rasio e inflis a um dos vossos de-
vore* mais .sagrados, elegerdes este por a-
migo, aquelle por prente, amuall'oulro
finalmente por motivos improprios ou rae-
liior opposlos a o fim para que fosles cha-
mados sabei, que o Estado est perdido
Que P atat est perdu mas ficai conven-
cidos de que vos, e voasas familias, seris
nvoltos iiessa perdico g*ral do Estado.
o
/
Correspondencia.
Snrs. Redactores- Como nio posso
ver a innocenc a opprimid ax o motivo
porque o importuno com estas liuhas. Va-
mos ao czo : Tendo eu soffrido bum rou-
bo em minha'casa no dia a do mes de A
bril depois de slguns dias desta aconte-
cimento apoareceo o Snr. Jernimo
Danlaa Timb queixando-se que eu
and..va disendo que har elle que me
linha roulndo ludo por emrinaliva de
hum velhinbo. Snrs. Kedaclorea craiad*
m que tal proposicio; nunca appfereceo
nos meos labios nao terei duvida de
estender a minb< mi oca Evagelhos o
aface da Sagrada Ara onde' sacrifico to-
das os dias, pira negar o contrario* Este
velhinbo afirma que eu dissera essa iu-
juriaao Snr. Timb na Sacreslia da Or-
dem i. do Carmo e que eu o publicara
parante algumas pesseas. Foi certo que *
eu conUi nesse mesmo logar o meo ro*>-
bo } porem nunca me queixei do Sr. Tim-
b e sppareca alguma deslas pessoas, que
afirmen, a verdade do velbiubo. Eu deaa-
Goosfilhvs do Snr. B.zilb, estes dois Ci*
dadoas probos honrados, que me per-
gunlando ellas nesia'mesma occasiap eu
sabia, quem me linha roubado eu Ihes
lelpondi qaa ignorava. Por ventura ,
Snrs. Redactores o dito desla valhinho
prevslecer as duas teatemunhas criadas ?
Desafio mais ao Rm. Sor. Padre Provin-
cial esse Sacerdote de Dignidade e in-
leiramenle probo ao Rvm. Snr. Padre
Prior e a todoa os hoaaens osudos des-
ta Provincia, quo. alhrraem seeu tenho
boqnejado tal raspeito ne Sor. Timb.
A poni mais o Illualrismo Senhoc*
Prefeito- esse Chefe ?hata que me
dirigindos casi de S. S. i negocio de mao
inlereaae esle como verdadeira Autori-
dade Policial x io'stou commigo, pegun-
tando, se eo sabit qoem me linha rou-
bado a da rmnba boc nid respira va %a
us que ignora va Diga asofim #

C
f
-

Al


*****
DIARIO J B NRNaMbCO
Snr.JoaSiMoreira Marque, com quem
tenho toda a franqoe de a -<" 9 eu
en toMO algnm Ibe communiquei este
f.cto. Snr. Timb nio eiUrja eon-
vencido deita verdade ? Crea me que se
eu disiera ul o proav* o nem-es-
crevo para o publieo para lh dar aaptH-
ci mas aim para apresenlsr a calumnia ,
e prdvar a minha innocencia. Este ve-
' Iho que ja caminbi para es anuas d
Mathosslem inimigoacrrimo dos Sscer-
doles e costmad jurar falso nao po-
da deicbar de obrar dest> modo e para
prava destt verdade felle o Rvm. Sor.
Bernerdo Lucio Peixoto, o Sor. Padre
liento Alanoel de Souza Cstro, o Sor.
Padre Manoel Coelho-, o que elle Jhes tero
feito, de serte que eiles Snrs. ja nao v5
mais a Ordem celebrar porcauza do velhi
iho. Aponto meia o teaterouoho, que
*lle levantou o lionradissi.no Sr. Joaquina
Ignacio Correia de Brito em tar dilapi
dado os dinheiros dos Passos segundo ju
rou a testemunha noJuiso do lllm. Sur.
Birreso, Juit interibo do Civel. Lem
bro mais finalmente oque elle me dUie
do Sor. Timbo no dia 3 de Fevereiro
aponto o Sor. Lo i a de Brito a quem lb>
communiquei tudo o que elle velhinho
tinha dito. Ah! Sur. Redactores 5 beo
clamei ea nos pulpitos da Ordem Terceira
pela quaresma sobre a falsidade. Mas eu
fico espera de o ver anda encolhido na
leito qual entro S Ubaldo dentro do
pao oeco t com os cabellos irisoadus os
oihos espantadicos e as moa erguidas
os Ceoa implorar-nao o orne doce d-
perdi ? Vellio, est provada toda luz
a toa calumnia tapa os 0*1* idos, cobre en
ver pon hado o rosto modo cheio de ogi
ta*;*o o de horror, mais ligeiro que o
rato, corre, abraca te com o leoho do
Redera ptor quem tu consagras hura
(ievoca5 appa ente pede perda5 elle e
a miro qoe de longe eu t peidoarei e
de perto donde te posas laucar aa vista* te
absolverei. Velhe se aebares pouoo a-
caba o resto.
Snra. Redactores- creiaS-me, que nun-
ca ti ve tanta vontade o-|escreer 1$pata o
publieo como agora, e assevero-lb'S, que
apena fica aparada sobre o tinteiro pa-
pel dobrado. Sou com estima de Vmcs
assignante venerador e moito obligado
O Padre Manoel Moreira da Costa.
Exterior.
PAR1Z 19 de Fevereiro de i83g
Noticias do Mxico Parto Oficial.
h. Fragata de S. M. a Nereida, no ancera-
dturo de Antn Lizardo, 9 de De-
zt rubro de 18J8. _
Sr. Ministro. O m> u precedente cfficio,
em data de 3 do crtente accoropanhou o
detalhe doattaque e turnada de S. Joio de
Uiroa pelas forras navaja deheixo do meu
commando. V. Esc. tei visto que depoi*
de baver feito capitular a fortaleza eu ti4
1 nhs concluido com <> general Rincn, com*
mandante geral do departamento de Vera-
Cruz huiaa convenci, que lornava de
alguma maneira a Cidade neutra, limitan-
do o numero de ;-ua guaro icio, e assegu-
raudo paze proleccioaoi nosses compatuo-
Us. No da 4 U eslava com a maior parte
da squadia nos ancoradoaius da I lia Verde
n de P'giros, quaodo,depois do meio dia, o
Capitio Cpade Goardon, do Rrigue o Cou-
rasseiro, estacionado 00 porto de Vera-
Cmz, me parlecipcu que novas tropas
Mexicanas enlravi>0 o Cidade, eque nsui-
tos dos nossos coso patriotas reciando te-
lem maltratados em cnsequencia de lia-
ver sido violada a capiluvio pedis6 re-
fugiar sena foitaliza. Eu parli iromedia-
Uieiile nooeuticalrr pora Vera Cruz,
e fizsignal ao Brigue o Alcibiade para apa-
rejar] na Ilha Verde, e ir fundiar diante
da Cidade, a 6o> de refercar aquella esta-
co que entio se compueba do Coorassei-
ro, da Crele, e do Eclipse. A's quatro
huras, depois do meio da, no momento
em que eu entreva no porto, reeebi huma
carta do enligo piottdenle da ref uh.ics o
general Santa Anoa ; na qual elle me an-
nmiciava a sus oometcio de commaodsnle
gera] do departamento de Vera Cruz, em
logar do general Rincn, e de haver o go-
verno V]* rea no negado a sua appiovaclo
convenci relativa Cidade de Vera-
Cruz enviando-me ao mesmo tempe hora
ezemplar impresso do Decreto de 3o de No
vero bro pelo qual o presidente Buslaman-
te declarava goorra i Franca. Eu respon-
d ao gener.-l Santa Anna, que a convenci
relativa a Vera Cruz, se achata viomJ'
de facto e por eooseqaencia cesssva de ver
obrigatoria para mina ; eu o advert alero
disso que elle dovia abster-se de qualquer
vexacao ou abuzo de poder para com os
FrDcezes estabelecidos na exteoc do seu
commando. Ea fui fortaleza e achei
um grande numero de nossos pstricios que
ali se havia refugiado com suas familias.
Qjindo 8 das antes eu trstei enm o
geueral Rincn eu tive todo o cuidado em
nio oflender p orgolbo Mexicano,' ahiten-
do-ine de exigir o desarmamiento de Vera-
Crui. O carcter honrado daquelle general
era para mina suficiente garanta e por ou
tro lado eu nio quera bu mil bar com dpma-
si* o Mxico no momento em que eu Ihn
offerepra a paz. Porem o odio e o furor
que o seu governo mostrara em sen ulterior
procedimiento, nio me pnrnttia5 deixar
Lentreas mios da guarnidlo de Vera Cruz ,
armas de que ella poda servir-so, p;ra
deltas fazer um imprudente uzo : era re
pugoante para roim fazer fog sobre a Ci-
dade e destruil -a : o nico meio de a sal-
var era desarmsl a; foi esta a resollido ,
que tomei. A's 9. horas da noitn dei or
dnm a todos os navios da divizio para se
ftrepararem a firo de se effectmr hum
desembarque no dia srguinte s 4 horas da
manhan. Cada hum dus commandantes
reetb-u huma copia da dispnsicio do a'tta
que. O desembarque se efectuou ero t'es
columnas em melhor ordem possivel. Ca-
da hum dos respectivos commandantes mar-
chava frente da sua equioagm. A coluro
na da direita comandada pelo capitio Ln,
da Gluiia, seguido do capitio Lardy da Me
dea escalou o forte da Conceicio, guar-
necido com 13 pescas de a4 eam-itei-
ros ese apoiierou delie, eas pecas foraS
incravadas eos reparos, ou carretas, fo
ro feitos em migalbas a golpes de macha-
do. A columna da esquerda se ap >derou
do forte de S. Tingo guarnecido com 38
pee s qoze todas de u4 e a roorleros.
O capitio Perseval se apoderou depois ao
priroeiro barteio esquerda da posta das
Meicez guarnecido por 8 bocas de fogo.
Durante este lempo a columna do centro
desembarcava no Molhe composta de o
companhias d'artilharia da marinha, de-
baixo das ordena do chefe do batalhio col
lona be I, e 1 rouipunbias de marinbetros,
e de ao reineiros commandados pelo T-
enle Th'ber 5 a sua vanguarda ;e coropu-
nha de go maiinbeiros du Crele lendo
sua frente S. A. R- o Principe do Joinviile.
A porta do molhe foi arromhada, 0P1 in-
cipe foi o primeiro, que se precipitou na
Cidade. S. M. seguida dos officiaes da Cre-
le, e do seu destacamento de mariohei-
ros e de huma parle dos ariilh-i'os, ae
dirigi a passo de carga para a caza habita-
da pelos generaes Santa Anna, e Alista.
A guarda destes, postada do lado de fora,
fez fogo sobre os nossos a se recolbeo para
dentro de casa. Bem de pi essa se engajoo
hum com Inte nas escudas, e at as sallas.
"cujas portas foi necessario foicr, humas
depois das outras, matando muitos Mexi-
canos qneas dfrfendia. Da nossa parte
tiveroos tambero muitos feridos e entre el-
le o Capitio d Engenbeiroa Chaurliara ?
o Tenenle da Marinha Gouhin do navio
de vap >r Phieton e o guarda marinha
Mor el, do mesmo navio. Finalmente os
nossos penetra rao no quarto do general A-
lista: ocontra-mestre da Crele se lancou
sobre elle e o segurou : o Principe che-
gou no mesmo instante, e recebeo a espa-
da do general. A sua casa foi trrida ; po-
rem nio se rde detcebrir o general Santa
Anna; a resistencia da sua guarda, Ihe
havia dado lempo para se evadir pelo telha-
do. Eu Gz'conduzir a bordo do Courassei-
ro o general Arista e os (Jficiaes Mexi-
canos, feitos prisioneiros sondeellestam
sido (rilados com todas asaltences devidas
i sua situacio. Entretanto a columna da es-
querda continuando a stfa marcha ao longo
das tiinclieiras tinha ehegsdo diante do
grande quarlel siluido junto di porta das
Mereez, nonde foi detido por tiros de ca-
nho coro metrslha e por bnma viva fuzi
laria que partia das janellsa do mesmo
quartel. S. A. R. advertido desta resisten-
cia, se dirigi immediatamerite para de-
fronte do quartel com os seus marinheiros
da Crala e fez assestar defronte da porta
hum pequeo Obs ; logo que se desparou
o tiro, o Principo no meio. dol fumo, cor-
rea porta julgando ter sido arrombada ;
porem a bala i tinha feito uro buraco. En-
tio a fuzi ada redobrou pelas janells do
que resultou morrerera alguna officises ,
ncando alguna feridos assim romo hum
boro numero de marinheiros. Foi entio
preciso retirar-fe para as russ immediatas.
A posicio do quartel era forte; era preciso
f aullado til, senio o de dar nos a posse de
paredes que eu nio quem oecapar e de
prisioneros, que eu nio podia sustentar.
O nico fim da minha expedicio tinha sido
o desarmar a Cidade : este fim eslava com-
pletamente preenchido; por unto nada
convinha tanto como retirar me immediata-
mente. Eu ordenei pois o reembarque :
elle se itT-cluou na melhor ordem condu
zindo cada columna os seus feridos e mes-
mo os seus morios seoa.deixar hom En-
tretanto a pertinacia com que os Mex'canos
tinhaS defendido osen quartel, me faria
esperar que elles nio nos deixariaS partir .
sem no inqgietar. Eu ordenei que as 5
chalupas da columna do centro, 'que li-
nh cada ama a sua caronada a proa fi
cassem junto da praia at partida das de
miis embircces n eu fiz c*llocnr na ex
tremidade do molhe huma peca de 6 cr re
gda de metralha apuntada para a porta da
Cidade. Acabadas estas disposices en
fiz reembarcar o peltio dos marinheirct,
que guardav(6 o porta da Cidade, e quan-
do eu eslava a embarcar huma columna de
Mexicanos condolida pelo general Santa
Anna em pessoa sabio apressadamente pa-
la mesma porta, Eu mandei fsxer f.igo
com a per/a de 6 carregada de metralha e
eiitrei para o meo escaler. E fez gi ande destroco na columna Mexicana ,
h asnim mesmo ella comecou hum f >go vi
vissimo de mosquetaria dirigido princi-
palasente sobre o mea escaler du que re-
sultou aaorrer hum guarda marinha e ficar
oulro ftido e igualmente o patrio do es
caler. Eu ordenei nnlSo as 5 chalupas de
fnzerem fogo com as suas csronadas. Elias
varrerao com a sua melralha o molhe n a
pricea causando grande estrago nos Me-
xicanos. Urna nevoa espessa.q'subrevsio de
repente colirio a retir da do immigo qoe
evacaoo a Cidade e foi acampar na mar-
gem squerda do rio Ve'gara, O general
Bomao Hernndez lomcu o commando ,
ero logar do geneial Santa Anna que te-
ve o cavado morto debati de si no ataque
do molha 5 e recebeu huma ferida grave,
duque resultou amputar se-Ihe huma per-
na. Dtsea que se desconfa da sua vida.
A nossa peda foi em cfficia's e guardas mi
rinhas amoros, e 9 feridos; marinhei
ros 4 morios, e 4*/ feudos; artilheiros 1
morios e lo fe.rido, total 8 morios e 56
feridos. O resultado deste dia foi o de
armamento quasi completo da Cidade, sem
Ihe cansar o menor daino. A artilhsris
que se encravou montada a 8a pessas de
lodos os calibres. As-g'ijas, a todas ss
propriedades f irao respetadas. Eu appre-
nlo a V. Exc. a seguranca do meu lespti-
lo Assiguado Caitos Bandn.
(La Prrsse.)
Avisos Diversos.
_ Vende se uma escrava do gento raui-
to boa eczinheira e melhor en^omadeira ,
sem achaque de qualidade alguma : na Pra-
ca da Boavista Botica de Ignacio Jos do
Coulo.
_ Compra-se uma casa que lenha buro
quarto ale dous', eque seja no Bsirro de
S. Antonio 00 Boa-vists : quem livcr
alguma para dispor dirija-se a ra do
Hospital do Paraso na casa de 3 ponas
pintadas de verde.
_ O Snr.-JoaS Antonio de Carvalho,
queira ter a bandada de annunciar a sua
moradia para ser procurado para nego-
cio de nlerease.
__ A parda js idosa, que annunciou
para ser ama de casa de homem solefroT
ou casado com p-uica familia .' anntincie a
sua morada, ou ditija-seao Forte do Mal-
los armasem de tsscar de Josa Antonio
da Silva Vamia.
. O abaixo assignsdo faz publico pelo
prsenle annoncio que Francisco de Paula
Ferreira Lima morador em Pedras de Fo-
go Iba He devedor da quantia de cenlo e.'se-
tenta mil rs. proveniente de fasendas que
Ihe comprou no annp de i835 e como
houvesse de receber por conla dois quar-
tos.no valor de o lenta o nove mil res na
occasia5 que nio se schava a letra pra.
zfute passeu o ab'ixo ass'goado nmi cla-
res! ao dito L rna para Ibe levar enconta
e por isso preiineao Publico para que
pessoa alguma ufo fca tranzaca alguma
com a dita clares* que o abaixo saWgnado
protesta nio pagar a ningu. m porque o
mesmo Lima Ihe he devedor de maior
quantia. Manoel Cyprriano Ferreira Re.
bello.
O abaixo sssignado tendo se eslabeln-
cido pela primen* vez na Cidade das A
lagoas nos annosde 18091 1810 debaix4
de sua Grma;dtc'ara que nada icou devendn
naquella Praca e neo fo>a delta por tran-
saces feitas naquella poca. O mesmo
abaixo asshjnado cstabelecendo-se depois
na Villa do Aracsti desde o anno dei8i3
ate hoje onde reside e tendo contrshido
nanitas trsnsacas debiixo de sua firma e
precisando liquid-l-as faz publico pelo pre-
sente annuncio a todas pessoas com quem
lem tido cia (Ceara') como na praca de Pernambu-
co, e nusiuo aquellas que poralgum pu-
ro titulo se julguem seus sciedores uuei-
rio apresentar suas con tas em forma para
serem pagas dan lo ais de fora desta Pro-
vincia quatro meses, para visara ou man-
darem liquidar suas contas e aos residen-
tes na mesma Provincia dous meses a con-
tar se depiis da | nblicico deate findos
os quaes dec'ara que nio conbecera'ro-
mo debito qualquer titulo que se ibe apre-
sante.
Aracaty 16 de Marco de i83g.
Manoel Antonio da Silva.
- Pedese encaiecidamentea qualquer
Senhor a quem foi ou for ofierecido hum
Pacolinho com 11 marca MF coro H5 arro-
has de cravo do Mrundi baja de an-
nunciar a iui morada para e Ihe falac
ou a queira deixar nesla Typogiafia, en-
dagando do portador todas as materias ne-
cesarias visto que o annunciante muito
se enteressa oisso nio pelo valor do cra-
vo e sim por outras ciicunstapciaa de
maior pondeaca que o anunciante nada
n foi o vendedor.
fi^ Aliigsse Uma Canos a feria, que
conduz 4o tijollos : quem a pretender di-
rija-se Bepsrticam das Obras Publicas ,
ou a rna de Si Gancalo caza D. 11.
CJuem quiser allugar hum escravo ro-
busto e de lodo servico dirija-se a ra es-
treita do Rozario I), ao parla do Noria
1. andar ahi acha cota quem tracar do
ajuste.
_ Contnui-se a vender os terrenos da
ra nova da Ti ero pe pela extrema de Jo-
anna dos Passos a salar na ra do Cotovelo
com Instante fundo e preco comrodo :
a tralar com o Brigadeiro Antonio Rodri-
gues de Alroeida.
. O encarregado da Contahilidade Mi-
litar scientifica lodos qoe por a fi lve-
reui pendencias, que o nio ser hojea mar-
cha deltas expedita como d'anles nio pro-
vero delle e sim de nio baver ali os ne-
cessarks Empivgsdos, e estar o annunci-
ante s e que j caneado de pedir quem 0
/linde, nio se Ihe tem dado; resigaem se
por Unto a ser aviados, como op-rmetli-
rem as circunstancias nio o culpando, a
sim a flta de providencias.
_ O bbsixo assignsdo faz publico pelo
presente annuncio que o Sr. Francis-
co Jos Beleo, morador no bsirro da Boa-
viata hipotecou specialmenle por Escriptnra
publica ao annunciante uma propriedade
de casas de dous andares, sita na la da
Senz'alla ve'ha D. 38 para pgmenlo da
quantia de 8 335/1 j3 em que o mesmo Se-
nhor est debitado ao annunciante, e p*rn
que ninguem f alguin a cerca da mesma c.za por isso
declara o encargo da mesma.
Joio Vaz de OUfttm


A
1
DIARIO
DE PERNAMBUCO;
. _. Perdeo se da rua da praia at a rua
Direita i pequeo embrulho contendo 15 rt sfldu'a, sendo urna de cem e as mais de
5,oao a pessoa qa achou querendo res-
tituir dirija se a roa do Rangnl D. aa no
i. andar, que se Ihe dar 50,000 deachado.
O Rv>rendo Sr. Sacerdote que qui
ser Coadjutora da freguesia do Bonito ,
dirija-se a solidado a fallar com o cipe-
lo daquelia Irmandade.
Aluga-sa o primeiro andar da segn
da cata no atterro da Boa vista do lado di*
reito indo da ponte: a tratar no segundo
andar da tnetma.
Deseja-se fallar ao Sr. Manoel da Sil-
va Mondones a negocio da sea interesse.
_ A psssoa qae quer fallar com os Sr*.
Tente Antonio Jos de Moura e o Al
feres Malinas Carlos de Vascoocellos Mon
teiro di rija-se ao botequim no b co do
Corpo Santo, quem vai paia a praca da
commerciose dir.
Francisco de Freitas Gamboa con*
vida a qualquer mestre de danca ou pes
soa hbil nesta arte, qae se que ira incum-
bir de eosinar 3 Senboras e dois bomans
paiticularmente ofiVrecea'do Ibes vant*-
gens e promptidao de pagamento a
comparecer na casa junto ao tbeatro pi -
tratar do ajuste e conveucionar as horas
da lico.
L. Ura homem livre e dsempedido s-
eflorece para viajar sendo que qualquer
pessoa precisetde algum po. latir para fora
da praca pira levar cartas com breviJade ,
annuncie.
A pessoa que for entendida no ser-
vico de amassar po e quiser sujeitar-s
a este servico dirjanse a rua da Aurora
ne penltimo sobrado.
_ Arrenda se urna casa com muitos
commodos ,~e*quinlal murado com alguna
arvoredos de fructo sita no moudego ; a
tratar na rua do Collegio D. 3.
_ Da-se a juros ptlo tempo e premio
que se convencin ir a quantia de i ;aoos'
defronte da Igreja do Cupo Santo no se-
gundo andar do sobrado n. 4-
_ Quem aanuuciou quererer vender
entre outros trastes urna cmoda de madei
ra angico e de columna d'u ija-se oNj-
fronte dalgreja do Corpo Santo no primer
ro andar do sobrado n. 4'-
_ Joio Mureira da Silva faz aciente a
todos os credores de Antonio Soares da Cos-
ta que elle no dia de !YIaid, ha de com-
prar o sua venda sita na rua do Codorniz ,
e para pagar ao seos credores no da do
balance
t Dase'abo.ooo a juros de 3 por cento
ao rflez sobre firmas a contento : na rua do
cabuga n. 5
mm Para evitar qualquer duvida o alai
xo assignado declara ao Sendo- F. A. O
que nfocomparecendo no ptaso de 8 dias
para resgastar os seus pinhores seno ven-
didos por isso que lies forio empeuhados
com o trato de no dia 3i de Mateo se-
rem tirados e com exceda um mez e seu
dono nio os tem procurado motivo este
que o abaixo assignado nio pode ter a
quantia da 86,000 empr asada. Manoel
Jos da Silva Seara.
_ A viuva de Andi Gonsalves do Ca-
bo convida aos credores do seu casal
para que bajo de compareceris na casa de
sua residencia na rua larga do Rozario D.
4 a Moa de se tratar sobre seus crditos no
dia 4 de Valo as lo horas do dia.
Mr. Rissel relojoeiro francez, no
atterro da Boa vista, acha-se prompto a
concertar qualquer i elogio que Ihe seja
confiado pelo mais com modo preco elle
obriga-se restituir o dinheiro que (ver re
cebido em pagamento de qualquer concer-
t que na for bem exeoutado.
_ Anda se continua a aforar o restan-
te os dois terrenos situados na cordiacio
do s to do Detembargador Maciel Montei-
ro, no lugar do Mangoinho, seguimien-
to ou principio da estrada dos Melos,dan-
do.se aos foreiros grandes vantagens para
oedeficamento de propriedadts sendo o
xnesmos terrenos bastantes enchutos, bene-
ficiados, e pelo preco de /oo is. e de
3ao cada uin palmo que se aforar ; os pre-
tandentea enteodo-sa com o Escrivio Al-
meida que tem poderes para taes
_ Os abaixo assignados agradtcem aos
Sms. Ilm. Acadmicos, e Seminaristas,
que se dignarlo assistir as exequias e fu-
neral de eo caro Primo Francisco de Pau-
la G mes de Araojo Lima ; assim como aos
II'ms. Sra. Bngadeiro Antonio BorgesLeal,
Conego Manoel Ferrcira de Assumpco ,
Dr. Nudo Aique de Alvello. Aines da BfUo
loglez e todos os mais ealudaotes, e pes-
soas que se dignarlo solemnisar aquella Ja*,
gubreacto,- Ped-oBezerra de Sonsa Del-
irio Felippe de Barros Araujo.
_ D-se 6jo,ooo a premio com firmas
acontento: ua rua do Livramento venda
do Cardial.
PARA O CEARA' com brevidade por
ja estar com meia carga a bordo o Patacho
Laurenlina Brasileira ; quem no mesmo
quiser carregar ou hir de passagem para o
que tem excelentes commodos, drqa se
jo seu propietario Lurenco Jos das Ne-
ves na rua da Cruz n 3a, ou ao Capilio.
PARA LIS 130A tocando nos Acores
Escuna Portugueza Rosa, nova e de pri-
meira marcha sahir em poucos dias por
seachar pmmpta a maior parle de sua car-
ga e tem ptimas cmodos pira pissagei
ros : trata-se na rua da Cruz n. 45 ou 5-j
Avisos [Martimos
vista a 4<*oo : na rua do Cabng loja jurto
da botica.
Um escravo do gento de angola, de
bonita figura bom trabilhador de encha
da e hbil para todo o servico de campo :
na rua do encantamento armasem de assu-
car O. 14*
_ Um cavalloalazio em boas carnes ,
e bom passetro ; na rua dalalfaudega velh'a
ouw 9.
_ (Jaia venda na rua das Cruzas D. 7 a
dinheiro ou a praso com boas firmas :
tratar na mesma rua D. 9.
Urna ngrade a.5 a 3oannos de ida-
de proprio para quitandeira :. na rua nova
padaria O, 16.
_ Um violoncello em bom oza : da-
fronte do Corpo Santo no primeiro andar
do sobrado n. 4*
__ Um bom escravo com principios de
carpina; na praca da Boa vista D. i5 no
segmndo andar.
_ Duas moradas de casas com quinta-
es murados um na rua do Nogu*ira n
a e a oulra na rua doNoia n. 517 ambas
na freguesia da S. Antonio e outra de um
sobrado de meiaagoa no beco do poit das
canoas dentro do Recife n. 138 ; a tratar
Le i 1 To
__ Um moleqoe de tennos de idade
sem achaques nenhum ; e urna ntgrinha
de 8 annos de idade : na rua da Penha no
segundo andar do sobrado D. 7.
Esc ra vos Fgidos
___________________________

No dia a de Fevereiro desaparecen.
urna negrinha do caminho da Eatancia ,
dsidade de i3a 14 annos bastante ma-
gra meia fulla com a juntas dos ps e
mos inchadas corn-umas leridas as coa*
tas de marcas de bechigas olhos grandea ,
boca grande beicos grossos, dente* lar-
gos e fcios orelbas pequeas e o p de
urna tem urna marca grande de ferida no
hombro esquerdo um calombinbo, he que-
brada do embigo traz urna funda levou
saia de chita roixa ja vellia amarrada peto
hombro 3em camisa e chama-se Mara
Benedicta quem a pegar traga a esta Ty-
pografia.
_- No da 37 de Abril pelas 8 horas da
noitc desapareceo um preto de nome Bento
de naci angola de idade de 32 anuos,
estatura regular, fallo beicos grossos,
Qoe faz o corretor Oliveira de uro
bom sortimento de fizendas ingUzas e
francezas, Quinta feira a de Maio, pelas
10 horas da manhi no seu armssua da
rua da Conceicio.
__ Que se faz sahbado 4 de Maio na pra
ca-do Commercio pelas 10 horas da manlia
em um ou em mais lotes para melhor ser-
vir aos compradores 3 moradas de cssas
terreas novameole edeficadas sitas em a
rua de S. Amaro em fora de portas cada
urna contend duas sallas sendo urna a-
fente e outra atrae 4 qartos quintal e
cacimba, defronte das ditas um terreno c6m
alicercesde lomilheiros de lijlos com 100
palmos diente e 4 <** fundo ponco
mais ou menos com uma casa de pedra e
cal para arecadaca da farramenta, O cal
da mesma obra e locaixtlhos de peitoril ,
e 9 ditos de portas e outros mais arranjos,
tndespfnsaveis para edeGcac5 da dita obr
e na mesma rua a casas de sobrado 3
moradas de casas no fundo da ditas, vende
se indispensalvemente para pagamento da
hypotbeca a que as ditas ettij surgeitas as
pessoas que sequiserem informar do* ditos
predios antes do leila dirjase a rua da
cadeia Vflha n. i _ Que pretende fazer J. M. Braga, sa
bado 4 do curreute na caa de sua resi-
dencia no Hospicio, de toda a sua mobi-
lia, comprehendendo um excellente e gran-
de p anno forte por Broadwood a outro
maia inferior pelo mesmo author lauca ,
vidros trem de bozinha &c. como 1 excellente caniubo inglez de 4 '-
das cavallos e arreios; principiar preci-
samente as 10 horas da manhi ; e se ama-
nhi for cbovosa Gcar transferido para o
dia segunda feira 6 do correte.
, Qu fazem N. O. Bierbe & Compa-
nha por intervengo doCoiretor livei
ra de um bom sortimento de ferrageos
miudezas Terca feira 7 de Maio pelas 10
horas da manhi no seu armasem da rua
da Cruz no Recife.
_ Que pretendem fazer Roas & Braga
hojd a do corfente pelas 10 horas da ma-
nhi de uma poreno de queijos viudos do
Havre na Galera Alhalie defronte da es*
cadinha da alfandega, por conta de quean
pretencer.
Um grande sitio na estrada de(Belem
tendo casa de vi venda, arvorea de fructo,
terreno para pistar vacas lodo o auno por
ser muilo fresco e tendo poeo para bebi-
da das mesmas vacas : a tratar com Fran-
cisco Manoel da Silva Tavares seu pro-
prieta rio
-. Uma morada de cazas terreas na ru
das Cinco-pontas di-fronte do recanto que
fas, a mesma rua D. 5a : a fallar com o seu
proprietario Ignacio Jos Coelbo na rua
do Azaite de pexe no Recife caza D. i4-
canoas dentro uo neciie n. 100 : a tratar----------- j'
na rua do VigarioN. 14 armasem do Ma- lerou teatido cslsn do estopa camisa de
chado sa dir Milgodo auja; quem o pegar lave a rua nova
lite depeixe no riecne caza u. iq. -i----- ...
t j .- Aa *fi como signa mais evidente, levou vestid*
Uma neera de nacto da ao annos *' o .
. Y Compras
^ Um casal da por(iunhos da india j
quem tiver annuncie.
Vendas
Cl
_ Farnba de arartta muito substan-
-jal, propria de fazer papa a 3ao a libra :
na rua do Crespo loja quejoi do Sr. Ban
deira.
_ Maios bilbetes da Lotera da Boa
de idade boa lavadeira e quitaodeira ,
hbil para todo o seivigo da uma'casa : na
solidade estrada que vai para o manginbo
sobrado de um andar com mirante.
__ Meios bilbetes da Lotera da Boa vis
la a 4'Bo, qud corre no dia i do corren
ta : na rua do Cabug loja da lelojoeiro
junta da do Sr. Bandeira.
Um a carroca de conduzir materia es
para obras, e propria para cavallo indo
acompanh. e dois silboes sendo um novo e outro
em bom uzo : a tratar com Lourenco Jus-
tiano de Siquoira morador no sitio do
Dezembargtdor Maciel Monteiro no lo
gardo Manguinho.
Uma escrava da costa de idade de
1', a a5 annos engomma liso cozinha
bem o diario da uma casa lava de sabio ,
e afiaoca se nio fogir que por isso da-se a
contento : na rua lYreiu do lado do Li-
vninento sobrado D ao.
_ Uma escrava de idade de a4 annos ,
de agradavel figura sem vicios nem acha-
ques eogomraabem cozinba, cose chi,
e fas renda ; a esrravos de naci de idade
de a8 a 3o annos muito robustos o pri
meiro por 4ao,ooo o segundo por a8o,ooo ,
proprios para trabalbarem em sitio ou ar-
masem 5 uma grande casa sita na rua que a
travessa da rua da gloria para'.a da. Alegra ;
D 4 cjm duas grandes sallas a prime-
ca forrada e domada com 6 quarlos, cor-
redor indepeodente cozinha fora, quin-
tal grande e cacimba ; uma dita na riia
da Alegra a melhor de todas aa que ali se
tem edeficado: passando a Igreja dos Mar-
tiricl no 1. andar do 1. sobrado.
_ Uma canoa aborta usada, que con-
dus 5oo lijlos, e por pre^o commodo : a
tratar no estaleiro de Manoel Jos Maris,
defronte do Covento da S. Francisco.
3 escravas de a5 a 3o annos de
idade cozinhlo engommio Uvio rou
pa e boascompradairas e vendedeiras de
rua,- e um molatinhodi ia annos, boro
para pagem e servente de uma casa ; na
rua de agoas verdes D. 37.
_ Duas eteravas uma de naci songo
que representa ter a5 annos de idade de
linda figura, e com habelidadts e oulra
quitandeira da costa da mina que re-
presenta ter 28 annos : no segundo sudar
da casa de mirante, na roa da Penha, en-
seguimento do fundo da Igreja do Livra-
mento.
_ Um motato de idade de ag annos ,
bom carreiro e serrador: as 5 ponas loja
Dcima '\o.
calsa de gaaga riscada em miudada as du-
as pernea e camisa de chila aal com lis-
tras encarnadas ja desbotada; quem o pe-
gar leve a loja de fa/.endas na rua da ca<
daia do Recife de Joaquim Gonsalves Cas-
eto que recompnsala.
mm Roo-a se as alhridadas policiaes ,
espilles de campo e pessoas particulares,
que souberem sonde est acoitada a negra
Felisarda com os signaes seguinles s ca-
ra redonda olhos pretos altura regular,
secea do corpo, ps compridos, esorava
de Joaquim da Silva Ferreira, fgida no
dia 16 do corrente lavando saia preta da
lila, panno preto o, vestido de chita ja
desbotado de appreheode-la e levar ou
mandar na casa de seu Senhor na rus larga
do Rozario no segundo andar do sobrado
D. 1, que gratificar ao conductor.
_ A 18 de Julho do anno passado Tugio
um cabra de nome Francisco de idade de
16 annos oqual foi cria da viuva do Pi-
menlel moradora para as bandas de I/Joju^
e tambera foi escravo do Administrador do
eogenho camorim quem o pegar leve a
rua da praia sobrado D. a6 que ser gra-
tificado'.
padaria de Bento Antonio Domingos.
_ Roga-se aos Srs. Sub-Prefsitoa desta
e mais comarcas e authridades policiaes
pessoas particulares que sonberem ou v-
rern um moleque de nome Joio que de-
sapareceo no dia 39 do passado pelas 6 ho-
ras da tarde com os signaos seguinles :
naci angola idade de i4 annos pouco
mais ou menos altura porporcioada a
idade, rosto comprido nariz chalo., cor
preta e tem de um lado da cabeca uma
pequea falta de cabellos que pode servir
Moviinento do Porto
NAVIO SAHIDO N DIA 39 DO P.
BAHA e Rio do Janeiro} Baica.de Va-
por Nac. Pernambucma Cap. Fraocis-
co Cobb leva de passagem os mesmos
passsgeiros qoe trouxe.
03SERVA<0ENS.
Eotroo o Brigue Portugus a4 Julb ,
M. Antonio Joaquim Rodrigues sahido
para Mumcambique com destino para as
Ilhas de Cabo Verde, veio arribado a
este porto por causa dos mos ventos ,
que apanboucom 53 dias. de viagem ,
consignado a Jos Ramos de Oliroira.
ERRATAS .
No Numero g3 artigo Bispado de Per-'
nambuco columna a. linha 41 Nio ignora-
mos lea-se nio ignoraos.
PERN. NA TYP. DE M. F, DE F. i8?9
MUTILADO


CORRESPONDENCIA.
*
Snrs Redactores
Come o silencio levado a certo'ponto, degenera
ordinariamente em possilaminidade, e habita o ho-
em a tudo sofrer, Ancoso he, que eu, despertan-
do do letargo, recorra sua folha para defender-me
daigrosseira-, e falsas accusacoes, que a Snr. Car*
neiro Leo, na qualidada de Deputado Provincial,
tio despeijada, e aleivosa neute contra mim vomitn,
sempre que no recinto da Assembla Provincial, M
tratara de negocios de Cmara. E com efleito, ae fies-
ta Assembla nio se sentassem se nlo eputadoa da
laia do Snr. Carneiro Lelo, com os mesaos princi-
pio, e educago, sem duvida que eu me pouparia
ase trabalho, mas como quer que ali existi ami-
gos, e afeicoados meas, e omos a quem he devida
estima, e concideracio, aproveilo o entejo pira in-
terpellar ao Snr. C. L., e dizer-llie, que a ni j que*
rer passar por calumniador, e ignohil declamador,
de ve apresen tar documentos, que justifiquetn quan-
to ali profer y. Nunca offendi a este Snr., e de mu i.
to lempo nutramos amizade: estiremos na Corle do
Rio de Janeiro, e abi nossas relacs continuarlo}
d -pois que esse Snr. ohegou a esla Cidade, a no-wi
amizade nao foi alterada: por diversas vete nos te-
mos echado juntos em couipanhias, e ath mesmo
m alguma meca : por tass motivos eu rae persuad,
que o Snr. C. L. niodevia offonder-me tio iros
aeirameute, menos para por ventura servir de ins-
trumento de torpes vingancas, e de paix5ea desre-
gradas; mas o contrario Surs. Redactores, tenho
eu observado, e cmico moitos Cidadios desla Cida-
de ; o Snr. C. L. saltando todos os limites do justo,
e do honesto, e para l)-m hervir a alguem, que o atu-
ra, constituio-se na Assembla P. meo detractor,
e calumniador gratuito, talvez na suposcl de que
eu nio teria a precisa dignidade para repon ler-lhe,
e agrediLo tiobem, muilo embora suaa opinies ali
teji irreaponsaveis. Enganou-se completamente,
para o Sur. 0. L. se convencer do contraro, bat-
Uva avahar a sua, e a minlia educcio, genio,
Comparar a sua com a minha conducta. Por no-
raeacio da Cmara Municipal desta Cidade, Snra.
Redactores, sirvo a oito anuos pouco maisou menos
o logar de Fiscal, e at hoje tenho merecido sempre
o conceito, e coufianca de todos os Vereadores, cujo
numero nlo tero aido pequeo: sem duvida eu nlo
teria obtido a afeicio, e conceito de huma mullidlo
de Cidadios, se nio camiuhasse por huma vereda
honrosa, e nio trabalhasse constantemente por^ des-
a erapenhar os meus deveres laes quaes permitiera
nimba faculdades, as Leis Muuicipaes, os usos, c
costumes desta Cidade, d'ahi se pode concluir, que
alguna trricos tenho prestado, lanto mais porque
a minha gratificaclo foi sucessivamente augmenta-
da, alero dos muitos documentos que potsuo, nos
quaes ae louva o meo telo, e houradei. Fui liobem
noneado Cordeador por ter requerido, firmado
nos principios theoricos, o praticos que tenho, a
s'esse lugar se tenho feilo, ou nio alguns trricos,
d-ee 0 Snr. C. L. ao trabalho de indagar, ass.ro
como a canta de homa ou ontra consa m, que n'ea>
te genero existe, e se convencer que eu nlo son n-
teiramente miope, uem vadio, que me dou ao tra-
balho, e ao estudo, e me nlo didico como o Snr. C.
L. a cantar, e a divertir-se, papando em santo
occio o sold da Patente, sem querer trabalb menos hir para a Corle, nlo obstante ter sido cha-
mado, aubtrahindo-se com parte de doeote, ( boin
militar) mas sempre prompto para chuxar os
6f-too na Assembla Provincial, e ahi mostrar o seo
refalcado genio.
So pois a despeito de tudo isto, qne venho de d-
1er, o Sor. C. L. sabe de tactos, q >e me desbonrlo,
se tem em sua mo alguns documentos que provera
minha incapacidade, porque os nio apresentou na
Sesso em que tanto contra mim declamou ero zulo
estillo, como querendo converter a Asterabla em
Juico Criminal ? Posso asseverar-lhe, que nio Ihe
agradeco a modestia. Eu podera narrar a serie de
fados que firraio a minha conducta, e que a dislin-
guem da do Snr. C. L-, mas uem he ese o meo fim,
nem devo fuer a minha apologa : o Publico, e ot
meos amigos que me avaiiem, e julguem do bom
gosto, e carcter do Snr. C. L.: entretanto nio mo
posso dispensar de perguntar ao Sur. C. L. qua s
sio os servicos que tem S. S. feito ; qual tem sido
o desenvolvimento que S. S. tem dado aos seus co-
nhecimentos Malhematicos de que lano alardeia ?
Mas perdoe-me Sur. C. L.j no Archivo das 0'>raa
Publicas existe hum monumento dos seos trabalhos,
vem a ser a alteraclo feita no Orcamento da Pon-
te deKujai organiaado pelo Major Blcem.
Mais podra eu dicer, purera basta, limitando me
ao exposto para faser ver ao Sor. C. L. que o jilo
temo por qualquer lado que me queira incoar, a
que so guardo re-peito a quem o merece. Final-
mente torno a pedir ao Sur. C. L. instando Ihe rpoi-
to e mnito, que aprsente, oh peca a alguem que o
faca, os documentos que me lornio criminoso a fim
de que nem a Cmara nem o Publico se enganem
conmigo, e tome o Snr. C, L. como regra nio of-
fender lio impa, atrevida, e fallamente a qoara
nem levemente Ihe deo cauta para isso. Seja mais
tisudo, nio queira campar de capadocio, e espada-
chiiii. Seainslituicio das Cmaras Municipaes nio
Ihe con vem, ou Ihe nlo agrada, proponba a sua a-
bolicio, ou reforma, deixe de insultar a Cidadios
que milbor que o Sur. C. L. rervem ao seo Paiz.
Desculpem Snrs. Redactores a prolixidade de minha
correspondencia, fui agredido tenho por isso o di-
reito de defender-me.
Son com estima teo
Respeitador e obrigado
Rodolfo Joao -Barata de Almeida,
Recife *7 de Abril de 1839.
Pemambuco na Typ. de M. F. do Paria. Abril de io3g
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4ZWBWM0F_JJD4BS INGEST_TIME 2013-04-13T01:38:52Z PACKAGE AA00011611_06094
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES