Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06086


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i
AUNO DE
1839.
SEGUNDA, FEIRA
Cambios.
Abril 90
Ladres 3o 1/4 por ifooo ead.
Lisboa 80 por 100 premio, por metal. oerecido
Franca 3)0 3i5 Rs. por franco.
rtio da Janairo ao par.
Mjedd6|4oo i5f looas velhas noval 14/90*.
4| 8*100 a 8|3oo .
Petos Columnarios 1I68.) 1 1/710
Dittof Mexicano i#6 Pataces Brasileos i|68o a 1/700
Gremios dai Letra, por raer 1 i|4 a 1 i|i por lo;
Cobre a.por 400
PARTIDAS DOS CORREGIOS TERESTES.
Cidada da Paraiba a villa da ua preleneo 3
Cidade do Rio randa do Norte, e villas Ideua .
Cidada da Fortaleza o villa dem ......
Villa da Goianna ... ........
Cidada do diada ...........
Villa da Santo Anta*..........
Dita deGaranbuna Povoaco do Bonito. .
Dala do Cabo Serinbaem, Rio Formo, o Porto Calva dem
Cideda Alagoa, e Villa de Macei.....
Vill da Pjao de Floral.........
Todo o> eorreio partero ao meio da.
22 DE ABRIL: NMER 8*
Todo agora dependa da n6 rneimo; da oossa prudenei
moderacao a energa : continenlo como prineipiaaaee
e tcremoi apontado* cora dmiraco antra a fa{.ca u-ai eul
tai.
ProdamacSo da Assemblea Ucral de Brat.
i Sesudas ^"*'"1

Todo os das.
Quinta fWas.
Diat 10, e a* de cada me*.
dem i II, >i dilto dido.
dem dem.
dem 13, dittoditto
Snbeereve-se para sta folba a 3fooo p. por qntrtol, pagos adf-'
antados neita Typograh'a, rna da Cruxat D. 5, a oa Piafa-
da Independencia D. 37 a 38, onda le reeeboca corrspon-
daneiai lagalisada, a annuneiea: nsirnde-t* aitet eretli
sendo do proprioi a'uifnautei, rindo astitnados.
DAS DA SEMANA..
1
Sagonda S. Soler e Cai Mm. Audiencia do J. de Dir. da 1. vara de manh.
Terca S. J' rgc M. Re. e aud. doJuisde Dir. da I. vara de manhS.
Qua'rta S Fiel de Sigroarmga M. SessSo da'.Tbez. Prov.
Quinta S. Marcos bvang. Re. e aud. do Juis de D>r. da a. vara de manbS.
Sexta S. Pedro de Rales B. Sssto da The eaud.doJ.de D. da 1. v. demanli.
Sabbado S. Tertuliano l(. Re. de manh e aud. do J. de D de 3. vara de ni.
Domingb Fgida- d N. Senhora. La cliea as 5 hor. ea minuto da tard.
Mar chcia para odia a a de Abril.
As o hora e 3o minutos da roauha". As o horas e 54 minutos da tarde.
a3
H
26
\l

9 FEHAIII*
PERNAMBUCO.
ASSEMBLEA LEGISLATIVA PROVIN-
CIAL.
Acta da 3o. Sesso da Assemblea Legi.la
tiva Provincial da l'ernaaibuco aos 17 de
Abril de itig*
Presidencia do Sor. Maciel Montero.
Feila a chamada e achando-te presentes
a Sara. Depulados, fallando coca cauza
participada oa Sura. Metra, Carneiro Le-
so, Mello, Manoel Cavalcanli, e Lemeoba
Lina, o Seubor Presidente abri a Sea
io, lida approvada a Acia da aulee-
eote, deo couia o Sur. .1. Secretario do
eipedieate. asi
Lerio-se 3 oficios do Secretario da Pro-
vincia.
O primeiro remetiendo 3 exemplarea
1 mpenos da Lei do Orea senlo Gerai para
o anuo fiuanctiro de i83q a 1840.
O segundo transmetliudo a esta Assem-
blea bu-m oficio do Director do Liceo, on-
de pede que aoja cooaervado o Amanuense
ua respectiva Secietarij.
O lereeiio finalmente mandando o
oficio da Cmara Muucipal do Recife no
qual da' conta doa asidos, que em seo fa-
vor existan* noa aeus respectivos Cofres,
l'oi a Commiaao de Cuntas e Orcamen-
toa.
Hum requerimento do moradores das
Ribeiraa Luptti e Macul pediodo para
laserem parle da Comaica deGaranbuna :
A Commisso de Estatislica.
Ordem do dia.
Entrando em discussio o art. 39 da Lei
do Uicameuto uddiado pelo empata na S js-
aio antecedente, a a emenda do- Sor. Na-
buco de Araujo foi approvado o arligo e
rt-jtiiada a emeoda.
Osartigos 3o, 3, e 3a forio appro-
vados.
O artigo 33 rejeilado.
O artigo 4 approvado.
Ao artigo 35 o Sur. Lopes Gama offere-
ceu esta en enca accreacenle-se no lim
Moiaseodo obra alguma por administra-
cao quer por arrematacio sern que asdu-
s estradas do Pao d'Albo e Santo An-
iso itiihio ebegido as lespeclrvaa Villas,
cooliouaudo todava sa obras enceladas,
e o Sr.D r. Pedro Cavalcaoli esloot'ra-Sup-
prina-M a ultima parle do artigo
e acresceote-se inclusivamente o engr-
nenlo de Eogenheiios. Salva a lledaccio.
A emenda do Sor. Lopes Gsma foi retira-
da a requerimento do aeu author. Eo-
trandoem volacso'o arligo foi approvado
a lambern a emenda do Sor. Duutor Pedro
Cavalcanli.
Estando na ante Salla o H!m. Inspector
da Tbesouraria para assistir a discussio da
Lei do 01 carnelo, o Sur. Ptesidente no-
meou buena commiaao dedous membros,
que o recebando na porta do Sallio, e in
roduiiodo-o tomou o asento disignado, e
continuoit a discussio
Ao arligo 36 o Sur. Dr. Pedro Cavalcanli
mindou a mesa a segu n te emenda accres-
cente-se ficaodo o Presiodente autoris a-
doa cjrrtradar a illuminacij desta Cidsde
por meio de gst, nio excedendo o preco
de cada lampiio ao que actualmente cuita,
e podendo augmentar o numero delles
para que a Cidada seja besa Ilu-
minada com tanto que nio esceda o
praro do contracto a 35 anuos, salva a re-
darco.
Foi approvado o artigo a a emenda offe-
recida.
Ao art. 37loSr. Nsbuco d'Araujo offere-
ceu esta emenda Accrescente se depoia da
palavra reparticio e realituicoes, e repo-
sices subilituindo-se g:oooUooo reis por
8:oooUooo ra.
Foi approvado' o artigo e rejeitada a e-
meuda.
Ao artigo] 38, e seos parsgraphos a, 3,
4 5, e 7, a Sor. Nabuco de Aranjo
mandn esta emenda Sapprimlo-ae as pa-
lavras do artigo no 5. que se fizerem por
vtrtode do Oetraro de 8 de Margo efe
1779
Foi approvado o artigo, teas $$ e a e-
oeoda offerecida.
Entrott em discossfo o artigo 5g e seui
a 5. O S"nr. Nabuco de Araujo offrere.
reo esU emenda ao |5 diga-se Novos
e velhos Direitos dos Empregados Provin-
ciaes ficando approvada e eitensiva aos
momos Empegos a Tabella junta L"i
Geral de ao deOutubro de i838, e sem ex-
cepco de quslquer Emprego.
O Snr. Lopes Gsma ao $ ti. No lim
accreaeente-se Posta em arrematscio a
qoem mais der e sobre as seguwitea bsses
- Cada passag-iro de p psgara' 10 rs.}
cada Cavaleiro ao reis e o raesmo pagar
cada boi e cava lio ; carroca^ carro, 00
carrHiho 4o res, E o Snr. Doufor Brito
esl'oulra. Ao pargrafo 6. depoU dss ps-
lavraa Predios Ui baos, accrescente se, fi-
cando rento de psgar os PropritUrios das
Ctsaa ou da parte dellas, que bsbitarem,
salva a redacto. Ao $ 14 Suppnuu *e
por eacuiado. E ao aa A taxa das pon-
as de Magdalena e Carvalbo fica redusa
a ao raa por cada Cavallo earregsdo, ou
deicarregado ; e 4o reis por cada carro de
4 rodas, carrinho &c. Dada a hora ficou
a discussio addiada, tendo a pa larra o Sor.
Pereira Monteiro.
O Sor. Presidente deo para ordem do
dia: Leituraa de Projectos, Indicacoes, e
Pareceres da Commisses. Continuscio
da seguuda discussio do Projecto numero
19, teiceira discussio dos nmeros 16 e 18
do crtente.
Francisco de PaoJa Cavalcanli de AILru-
querque.
Vice-Presidente.
Jos Tbomsx Nabuco de Araujo Jnior,
1. Secretario.'
Firmino Pereira Monteiro
a. Secretario.
EXPEDIENTE DA ASSEMBLEA.
Illm. Snr. A Assemblea LgMatva
Provincial approvando o parecer da Com'
miscio de Posturas e Negocios das Cmi-
ras dado sobre o requerimento que a com'
panba do Manoel G mes Ferreira, resol-
veo, que a Cmara Municipal desta Cida-
de com urgencia informe circunstanciada-
mente sobre quantb allega o reqUerente :
cumpre que V. 9. coinmunique ao Exm.
Sor. Presidente da Provincia, a referida
resolucio a fim da expedir a conveniente
ordem a reapeito.
Dcoa Guarde a T. S. Secretaria da A>-
jernblea Legislativa Provincial de Pernam-
bueo 18 de Abr de i83'9 Illm. Snr. Je-
rnimo Martiniano Figueira de Mello, S-
creurio da Provincia. Josa ThomaaNa-
buco de Araujo Jnior, 1. Secretario.
Illm. Senbor. A Assemblea Legisla-
tiva Provincial, reeolveo a requerimen-
to de hum de seos Membros que o Em.
Sor. Presidente da Provincia informe se
nesta Provincia se continua a recru-
tarpsra a primeira Linha e Mirinba.
No caso da afimativa : que numero de re-
crutas deve dar anda : e que numero de
pessoas tem efleclivfemente sido reerutadas
nesta Provincia para a 1. Linha e Mari-
nha desda o anno de 1831 at o presente.
Partecipo a V. S. a referida resolucio para
lvala ao conhecimento do mesmo Ex m.
Senhor.
Dos Guardo a V. S. Secretaria da As-
semblea Legislativa Provincial de Pernani-
buco 18 de Abril de i83. Illm. Snr.
Jernimo Martiniano Figueira de Mello,
Secretario di Provincia. Jos Thomai
Nabuco de Araujo Jnior, {.Secretario.
Illm. Snr. A Assemblea Legislativa
Provincial acaba de resolver a requerimen-
to de um da seus Membros que pelos ca
naes competentes se seiba por que titulo, 00
rasio se diz Cidadfo Brasileiro o actual
Vigario encommendado da Freguesia da
Cscada : sirva-se portento V. S. da levar
a presenca do Exm. Snr. Presidente da
Provincia a mencionada resolucio a fim de
dar as suas ordena a respailo.
Deo Guarde a V. S. Secretaria da As-
semblea Legislativa Provincial 18 de Abril
de i83g. Illm. Snr. Jernimo Martinia-
no Figueira de Mello, Secretario da Pro-
vincia. Joie Thomat Nabuco de ATaojo
Jnior, 1. Secretario.
cestos com ditos, 11 voluntes com carroa-
gens 17 birretas com vinho, 4 pranxo-
ens demogno, 6 caixis com bixas, 44'
volumes de drogas 7 barricas com quei -
jos 55 caixas eom ditos 8 barricas com
vinho 73 caixas com vinbo 3 barricas
com agoaidente, 10 potes com maoleiga,
36o barricas com dita i5o meios ditos
cop dita, 1 a4o cestos com batatas, 191
volumes eom commestiveis, 56 volurnes
com frutas sementes e plantas 80
gigos de Cbampanha 17 caixas com fa-
zendas 1 barril com sulfato t sacco com
goma 1 barril com fasenda 1 fardo com
barbante, r caixa com caivetes, 1 dita
eom livros .loo b'irricas com manteiga ,
13 caixas com selina 4 ditas com bixas ,
3 ditas com drogas. .
Fora do Manifest.
1 Caixinba 9 embrulbos.
Diversas llepartrcoens
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
A Galera Francesa Alalia, vinda de
Havre de Graca entra em ao do crrante
Capita Hugners consignada a Leonir
Bessuchet & Puget.
Manifestou o seguinte.
356 Volomes de diversas faaendas 4
barita com farolloa 1 dito com axeite, .a
MEZA DO CONSOLADA.
__ A Pauta be a meama do num. it&;
cor.REa.
Autos existentes na Adminislracao do-
Correio at i3 de Abril de i8Jj.
Autos entre partes Manoel Borges de
Men*T?a a Quitara Mara da Concei-
ca.
,, A ndelo Joze re Mendonc e Cu-
nha, e Joaquim dos liis Gomes.
Joaquim Francisca Ciralcante da
Albuque que, e a Cmara Municipal de
Nazareth'
Igmcio Tavares de Faria e Pe-
dro Pereira.
( Continuar-se-l.a.
OBRAS PUBLICAS.
Em oba ervancia s ordens do Exm Sr.
Presidente da Provincia tem de luir nova-
mente pra$a para ser arrematada por
qoem por menos fizar a reforma da cober-
ta da ci*a da R-elaci desta Provincia em
os das aa, a j, e 26 do corrente mea, or-
eada em rs. 2.614U710. Os Licitantes
deven comparecer competentemente habi-
litados de Fiadores idneos em os mencio-
nados dias ao meio dia a darem oa seus lan-
ces na Reparticad das Obras Publicas, on-
de se schaS ptenlas os respectivos orea-
meatos e condicoens para serem examina-
dos petos pretndanles em qualquer dia
til as horas do expediente.
Iuspecoi5 das Obras Publicas 6 da A-
bril de 1839.
Morses Ancora.
PREFEITRA.
Parte do dia ao de Abril de 1839.'
Illm. e Exm. Snr. Partecipo a V. Ex.'
que das partes hoje recibidas consta nio
haver noiidade.
Dos Guarde a V. Exc. Prafeitura da
Comarca do Rtcife ao do Abril da
stftf.


2

i839 l"' e Eims ^r* '"'nciseo do Re*
eo Barros Presiente da Provincia-.
Francisco Antonio de S Brrelo ,
feito da Comarca.
Pre
A AMERICA E A FRANCA.
Ainda continuaremos a extractar da 'Ga
zeta Mercantil* ."slguns trechosquo remol-
iremos aot inimigos d Unia Americana
e principalmente do Brasil : sirvan elles
de tenivel desengao aos agoressores euro-
peos. i
Da serie d"S Documentos e feitos r*Uii-
?os quests dos Americanos com os Frl-
cezes, da declaraga de seus Ag-ntes e do
gen proceder singular leUlivamente a to-
dos os pontos temos tirado bases notoria
para o segointe cotejo cuja exactid.o po
dem todos apreciar vista dos principios.
Principios do D-
reito das (entes uni-
versal mt ate recou he-
cidos.
As Nages iode-
pendentes gossm do
absoluto direito de
protecca territorial
m virtode do qual
formam saa LegisU-
ci relativa aos eslri-
g ti ros.
O que 'ver fiza-
do o seu domici o
era paiz estrangeiro,
se faz Membro de
outra Sociedade, ao
menos como habi-
tante perpetuo ; e
n'esse caso eslo se-
us fillios.
Os estrangeiros
habitantes estad o-
brigados ao servigo
das armas e n'esse
caso nad estad os
transentes.
Os Cnsules sa5
Agentes Commerci-
aes instituidos pelos
seus respectivos Gj-
vernos para velaren
nos inleresses Com-
merciaes e prestaren
assistencias aos Co-
merciantes e nave-
gantes de sua Na-
cao.
Os tratados arran-
cados pela forca sao
plenamente millos.
Urna Naca iude
pendente & tem o
direito de exigir de
outra para eusSub-
ditos os direilos que
Ibes compete pela
Lei Fiament! re-
guladora das Nago-
ens.
Obloqu-io urna
hosti Jade qua deve
notificar-se uppor-
tunamente Nco-
ens neutrss.
Para que a presa
martima c um ver-
dadeiro titulo de
ropiiedade, trans-
trivel uos neutros
ou ao a presa do r
necessaria a *djud-
cscaS de hum tribu-
nal que {pertenga ao
Soberano do captor
residente no seu
territorio ou i.o de
aeus.alliado, e nun-
ca no territorio neu-
Principies do novo
Dneito das Gentes ,
Fraucez.
Na5lem t,l di
re-
lo.

tro.
Uaia Nacaeperda
o seu titulo de neu-
tra lidade logo que
consinta em que a
venda das presas se-
ja feita em seu terri-
torio.
Os rebeldes, amo-
Nao se faz Membro
de outra Sociedade o
extrangeiro que ad-
quire domicilio ; de-
ve ser considerado
como cidadio tran-
sente.
Ambosest-5 isem-
ptos do servigo das
urinas.
Os Cnsules sa5
Agentes Diplomti-
cas.
Os Tratados nao
se nvgociiam arran-
ci se pela forg.
Urna Naca alem
d'cste direito pode
exigir quantus pre-
vilegios Ihet possa
convir e aos quaes
qu-.ira pretender.
O bloqueio deve
estabelecr -se por
SU'presa sem notifi-
caga ou doclartca
alguma que o pro-
pito f't '.
I*.ira produsir es-
te ililo leg-il basta
a adjudicaga de um
Tribunal ungido pe
Ls captores em paia
neutro para aliitlei-
tuar as vendas.
Tal proceder lie
pertnillido e b
quebraula a ueutia-
lidade.
Pevem ser Prot9J
ve em paz e harmo
na. Equindo mea-
mo a quadili .de
faccinorosos chegue
engrossar suas fi-
las ao poolo de ser
uecessario atacal-os
em forma e faser-se-
Ihes a guerra nao
devem ser por isso
considerados como
beligerantes legiti-
mes.
Aos piratas e ban-
didos se riega toda a
pioteccio ; at raes-
mo o direito de asy-
lo.
O objecto da guer-
ra entre as Nacoen
nio deve g*r a con-
quista mas lilD 1
revendicac de M-
molivo lie q
flgttodo e caso
considerados co
belligarantes
mos.
Deve
gum direito con tro
verso ou a utnfac 5 das mas ami
lie alguma grave in-
juria.
Mesmn no caso de
nma Naca em pre-
tender urna guerra
justa deve por
causa de seus pro-
lirios inteicsses e
os das outras Nages
esgotar os meios pa-
cficos e observar as
formalidades do eos -
turne e manifestar
parante o Mundo
ru s a sua jaalica
mas tamhem a sua
inevitavel necessi-
dade.
outras quaegquer poten
, com rasio poderiamos
Iiscripcio com que trabem es
el aos inimifos do s"U paiz, ainda
[amando nao pode sernos aecusar o seu pa
Tnotism>. Julgams, com tud que ou
S'damente pode sllirmar que nem o
capillo Crawford que navegou nagesqua-
dras russianas nmao bravo ofncial'que o
Times apadrinba nem o Sr. Urguhart ,
tem esses sustos que inculcad nem eren
melad* daquillo que O seu espirito de par
tido ou imaginagio rdante] os levou a pu-
blicar.
t O que porem bio de pensar as pesso-
as que nfo tem conbecimento destas mate-
rias, que nao podem examinaros documen-
tos olH laes ou que nio residen paria de
ser a eon atgumas das grandes eaftgoVs iiavant, ao
ler"*sses relatnos de officiaes genme de
sub-secretailIsVi mittitffl4| de{bravos'epi-
tles se nio que por criminosa negligen-
cia da admnistracio naval do paiz as nos-
sis esqoadras cahiro em decadencia e que
bindeira meleoric da Inglaterra, a mu
alha da ra Independencia a sua gloria ,
j nao est no ascendente ? Asserces lio
frequenles "e clamorosamente reiteradas,
acompanhadas co^ pretendidas referencias
a relatnos ofEcies devem produsir al
gum effeito nessas pessoas *e nio se pa-
leutear o verdadeiro estado da queslio.
Empreliendendoesta tarefa nao degejaaos
ser considerados como defensores do gov*r-
noWhig; que o objecto nio he de parti-
do, sim de interehse universal, brequales
vezes nos temos pronunciado contra esse
syslema de rgida e mal entendida econo-
ma adoptado na marinha porque a poli
tica si dieta que a sua fficienca he, em
todas as pocas de importancia vital. Por
Uma Nac^ pode
fazur causa cammum
com elles.
O objecto da guer-
ra deve
quista eo engrande,
ci aben lo do Poder,
costa das outras Na-
caens ainda mesmo
fager si
guerra s*m justos
motivos sem pre-
via decJtrac', sem
notifioagaS s oulras
Nagoens, sem empre-
gar negociaceg pelo
intermedio de Agen-
tes devidamente c5s-
titoidos para recla-
mare descutir sem
guardar as formali-
dades usadas sem
manifestar ; Naga
aggredida ais outras
a necessidade da
guerra.
E:s a Poltica Franceza !
Compara depois a 'Gazeta Mercantil' o
proceder poltico da Franca e Bu'oos-Ay
res e acaba com este trecho enrgico e forte
tomos peosamenioa puros do patrioti-
smo ; _
'llavei algum liomem que sendo ani
mado de senliaentos de justiga e paixoens
generosas n*6 se commova (e nao se
indigue a prorompa na enrgica reprova-
ca de lio irritante tyrania ? Ha ver al-
gqm americano que nio se irrite at ao he-
rosmo com a eontansplaco do humilhan-
te destino que ae p.-< pra a todos o'esta cri
ze commum de honra e independencia ?
Nfo secondoer do modo iniquo com que
so tratados o Mexicanos os Argn nos.
os Chilenos e todos os filhos da Asaeiice,
lancando-te. sofai e todos a esenvidao e or
baldoeqs a tyrania e o opprobrio ? A A-
merica inteira vai abalar se como *m vul-
ca cuja terrivel errupca nao lardar ;
e quaudo ariebentar lngara alem dos m -
rea os tlementog arrojadJS pela tyranma
sobre uma trra que a ates se abrir du
que prestir o cello e -bracos d Ihos as algemas da escravida.
( Do Seted'Abril. )
Exterior.
INGLATERRA.
V Marinha Bntannica eos Alemorisadores.
Nfo pretendemos inspirar suspeiun do
Ottrtoliamo desseg escritores e falladore
ijue ltimamente com tanto afn tem
firorkmnado a Tado o mondo dUe a marinha
de Inglaterra te achaem triste estado de de-
cadencia que, ge assim aprouvesre
Franca ou Sussia nada poda est:rva>
que as esquadras desses paires vsrssem o
canal de todos oa vasos de guerra tiritan ni
eos, captarassim queimaisem edestruis-
sem Sheerness Brsgklfn e outra cidades
isso, censuramos a suspensio parcial das
construeges qayaes, e a diminuicio do
numero dos operarios, como impolticas,
por isso que nfo se fazem navios nem ar
listas de hum dia para o.outro e o lempo
he precioso quando > perigo seappioxima
Cumpre porosa nao perder de vista que,
como amigos da paz e cimptes da econo-
ma, os governos des'es seto ltimos anuos
tem estado com as mios tdas No decur-
so desteperiodo, os imposlos fora reduzi
d%a 6 milhes e at, ha pouco lempo a
esta parle, nada tinha apparecidoraos mov
menlos das nates estrangeiras que podeise
desp rlar os menores rtceios. Desde 1836
com ludo, a marinha da Inglaterra tem si-
do augmentada lio numero e forca dos na-
vios armados e huma eaquadra couside
ravelse construio, u em parte se preparou
para sabir ao mar como navios demonstra-
voa, que em caso urgente poda ficar
completamente armada em mu pouco das
Os VVh'gs augmentara tambem o pessotl
da armada com 5,ooo marinbeiros e de
rao grande dse ntol vi ment ao systeoia de
spiendizado creando ssica hura vivaiio
de marinheiros afX-igoads ao servigo e co-
nhfcedores dos s. us de reres. Levara a
estado de pefeigio a artilhaiia naval, e,
qualquer que seja alias as vantagens ou
dfavautsgens dvbnxo do ponto de vista
identifico do svsrema de construccio na
val, int'oduzido pelo actual supennten
denle da armada; ninguem jiJe negtr que
a gun ra e iue lornou a mesma classe de
vasos ingh-aeg raais aptos para ge baterem
com os das potencia tstran;eiras.
Eis o quetem feito os ltimos governos.
Que poderuSe lerii frito rnaig ge ufo (i
vessem s>dp restringi ios pelos ecoeomisla
da CHlliara d fOmiinins be faed d Cier.
Ainda na ultima d slpes&o do orcainenio da
mairVrtia, exiga o Sr. Hume brca
da quamu votada para mauriheTn "e aol-
d., <|uaodo o-
bamos parirp (jue ett nt
\o-s, drvemss estimar que ra aguilhoe a
noasa administragio. A Inglaterra deve to-
mar seuopre dianteira s oulras potencias
e villa situadas as, at boje, saradaaj marilimas. Ni queremos que os notaos
quando a Inglaterra ge bitia com aa esqua-^
draa reunidas da Frang e H sptnha cir
huma foica multo inferior. Os marinhei-
roa frencezes russianos nao sao agora o q'
fora. O prqgresso da o-ciemia e a expe-
riencia das guerras pssadas osapproxima-
ra mais aos ingleses noque toca.a araaa-
mqBtp e efik-iencia.. LA Inglaterra commet-
teria hum erro se tive^sse demasiada confi -
anca na sua forca. Deve fazar todo o pos-
sivel pata oppor ao* eoforgos das outras na-
ces esforgos correspondentes e para estar
sempre^prompta a bater se com qualquer
inimigo ou inimigos, pelo menos com for-
gas iguaes. Os navios que actualmente tem
armados talvez seji sufhcientes para des-
vanecer todus os receios, mas estamos cor-
tos de que a nacao approvaria as despezas
a huma esqqadra addicional em quanto
hoover a menor duvida cere dos desig-
nios e intences da Russia ; porque sup-
posto a Franca tenlu somente onze naos ar-
madas a Inglaterra ten ha ai tomando
em consideraco as vastas poasesses colo-
aiaes que temos a proteger a foiga naval
ditponivel da F(oci be talvez lio grande
como a rfetsa e por jase nenhuma esqua-
dra temos que posss encontrar a possivel,
ainda que nao provgvel contingencia- da
humaiuplura cma Ru-sia que tem ao
todo 35 naos no B.ltico e Mar Negro. Se
as rrlaces entre a IngUtsrra e a Russia
nio tomaren huma face mais favorawl,
durante o invern, nenhuma duvida temo
de que no verao se reunir huma eaquadra
de oserMjfo para vigiar a esquadra do
Bltico. Entre os limens raciouans e pr.
ticos a qesifo nio.be como se infere da
deadaiagiu doSr. Caouing em |8ati, ae a
Gram-liietanlia dave ter huma forga uaral
em todos os mares guperior a. da lodoso
outroa estados marilimos porque fora is,
SO sobrecarregar O povo Com despega pe-
tadas e inteiramente deaneceassrias. Q>i
preciifo tema nos de mandar i5 naos para
o Euxino e 2o para o Bltico? Du vemos
us enviar mais -20 nao para a America e
para o Mediterrneo, porque os. Estadas -
Uoidos o Egypto e a Turpuia tem igual
numero nesses mares P E eomtudo a
doutrina que pregan oa atemoriaadorrg re-
duz-so aislo. Querem que a loglateria me-
11 medo a lodo o mundo e daquelUs .que
falla em despeza riem-se e chamao-lhes
creaiu' as misera veis tconoroi^las com co-
ragio de glo. Nos aio queremos estbele-
cimentos de guerra em lempo da pas, llu
na naci grande pode ter alguma confi in-
ga na influencia do seu- nome no peso das
passadas glorias e no sal u lar res pe i lo
que ellas inspira. E demai., na tra-
tados existentes, solemnemente ratifica-
das nada valei ? lie provavel que t-es
tratados possa violar-re rom impunidade
de hum du para outro ? Hatera huma na-
gio na face da ierra que assim ouse desper-
tar a ira da Gram Breanha ? Nos com con-
liang't respondernos : nio. Neo a pruden-
cia nem a ai poltica aconselba demonstra-
ces aggreisivas da parto de bu paiz como
a Inglaterra que nao tem a recelar que
as oulras nagdes se moslrem .mu desejoaas
debrigar com ella. O segredo da.sua prospe-
rid. de est as artes da paz nio nos des-
pojos da guerra. A >ua pos ic o insular a
tem elle construido excellentes navios para livra de grande quinliao daSSO ciume quu
costas da Gram Bretanha. fa, porem^
bastante singular que Unto ampeubo se te-
ha mostrado em piovar aos estrsngeiroi o
navios igualem era numero todos os navios
do mondo reunidos, como seriamente exi-
gen algn escritores, la esta por cer-
lorna os exercitns permanentes e as conti-
nuas demonstraos militares to necessa-
rias eslabilidade da uace continentat.
Tratemos agora das mui exageradas ei-
posic'es que se tem feito acerca da fotea
naval ds outras potencias w comec-odo por
dizer que nio avangamos proposigio que
nao possamos provir com documentos f-*
ficiaes cu outra evidencia satisfstoiia,.
Diz-se nos que a armad francesa exaede
a noasa em numero e foica. Vejamos le
be assim. A Franga tem fon&o*, inclu-
inda tod.s as que esli armada as que
esto uoeauiaiio as que j se man da rao
construir etique servem de presiganga,
A Inglaterra ttm 89 boa noa em melior
ou 'peor estado, alem de presigangas,
depsitos de marinheiros, d car vio, etc.
Dcst, 60 to da primeir elasse, de io4



**-

D I 4H IODR Pg R N A MBC O
EB
nec"s e io dd 8o a 9a pecas Diz
se-nos mais aue as oos fraiiesss slo qussi
todas novas, qundo alias saen(e 4 naos
eahraS do* eslaleiroa franceses depois de
i83o hum periodo de 8 fino* o passo
que temos nmada menos de 3o nao qoe
anda nio sahinS ao mar. Em lugar de
aa nao* armada*, coma dise o Sr. Urqu-
iurt e repetira5 os siemorisadore da iaa-
pransa a Franca lem tmente 11 e a In-
glaterra ai. Nem tambe* leo a Franca
augmentado a su mrinha depoia da guer-
ra,; porque ern 1816 tinha ella 7* mos, e
boje pwstue (mente 4g, la das quaes es
lio inda nos^estaleiros e grande parte das
oulraa nao pod-ru s-hir ao mar sem al-
guna reparos. Quinto os Estados Unidos.
dii-se em loe serio em alguna jornaea qu>
a armada americana excede a nossa sup-
posto possuaS tmente a nao, inHundo
ai que esto nos estilaros e ai presigangis,
e anda que so tenha a naos irroidas. A -
cerca da Russia a tua eiiusdra no Mtr
N-gro, que o ann0 pasudo se compunhi
de 1 a naos redurida depoia a 9 pelas tem-
pestades do verla pasado en pones d%
nenboma coala de ve serlida em quinto*
Turqua dominar os D.rdanellos, e conti
nuar at auai relacet amigareis coma In-
glaterra. A eua esquadra do Bltico con
puaha ie ba a anos de a8 naos ; mu be
bem tbida que muitas deltas- tio relhis e
incapaiea de eahirem do Bltico; fio le di-
zer-se tem receio de errar, qUe o man
que a Russia pjderia mandar par* o Canil
sari* 15 nao pois que por muri qui-
xotica que teja nio deixaria as mas
costas tem a menor prvtecei E dar
a Inglaterra, que lado o mundo nfo po-
de dobrar assustar-se de qtte1 15 nao
russau** podemappirecer ni nossas cos-
tas? O* nostoa marinheiros dara* boa
coala dellas em pouco lempo.
Asegotnte expoucio, compilada de do-
cumentos o Hici a es mostrar que ni exa-
geramos a furca actual da marirrlit britin-
ica 1
Not ingleat armadas.
f ajritannia
* H,we
* Roy-I Adela d
Princesa Caerlutta
Rodney
Aaia
*4/get
Bollero pbon
. Vaoguaid
Bdiabucgh
Haslioga
Hercules
Maja b*r
Cora* tilia
Meltille
a Alinden
Peaabnke
Deeagal
Raseell
-T-alavera
WaliaaW
Total
* Fundeidit nos portos e que podem
promptarae em oto diat; a* cutres no
mar.
Naos promptat para se arroarem.
St Vincent
lio
lao
ir
ta
99
4
4
8o
80
74
74
74
7
74
74
74
74
74
74
74
ai
Calcdoiii*
* Caruprd< wn
Imprigimble
* Puwnlul
CaLculta
Thunderer
A^ncouit
* Bfllile
Revenga
lie n bou'
llluslriuua
* H.wlw
ao
1
Total
Naos oras que aioda na 1 tibiraS
mar.
iao
lao
ro4
lo4
81
84
84
%
7<
74
'i
Ai aeguioles naos podere aproroptar-se
em poucas semanas.
* Rojal William no
II1 bernia lao
1 Ntlson rao
* Neprone to
Prioce Regent lao
tU.y.1 Geerge lao
* Watt-1 loo lao
* ueeq Chsrlolle l4
* Farmidable 4

Vengfcice 84
CW renca 8j
Monarch 84
Bombay 84
Cambridge 8j
Roadriyant 8>
Total 15
* Naot oras que ainda nio sahirao ao
ni ir.
Terceira Classs.
Achules
Aj.x
Bellona
Black Prince
Blenheita
Caraatic
D fenee
D>-.onslire
Egmont
Hogue
Implacable
Inrincible
Kent
Medwiy
Marlborough
Miaotaur
Stnling CaslU
Sudan
WarapUe
VVellington
Imaun
75
74
74
74
74
74
74
7
7
7
74
7*
7?
74
74
ai
Total
* Naos aoraa que nunca sahiri ao mar.
N. B. Algumaa das noa de ultima lista
talrex careca de reparos mis, em cito
rnenle todas aa pndia taaAdar aihir pa-
ra trrico que nao duraste mais de don ou
tres annos. Durante a guerra p. mandara*) a para a India algumaa naos em
peior estado.
Nos estaleiroa ; Nile 9a e London 9a
podia cahir a agua ero poucos djis. O
Royal Frederick laoa Indus 8 derero en-
hira'agoa ero abril prximo futuro. O
St. Geo/ge ijj Tnfilgar lao, Goliah
8i Collingrrood 84, Boicarren 70 e
Curaberlauu jo eitio ja' muito adiantauas.
(Derooport Telegrapbh.)
Jornal do Cumaaercio.)
_____________________-_______________________:_______________________.
Variedades.
pode conserrar-nos em oa membros al-
gumitarantigens di mocidade, aa quaes,
sem esta precaucoena roa ligeirameate
sobre aa ias do tempo.
Nadi ba to bello como orna relbice
firmada sobre a rirtude. Nao querendo
Caatrico permittir que te detaem refeos
ao Cnsul Cnea Carba, este quix inti-
midal o disendo-lhe, que elle tinba mili-
ta espides ; e eu muito annos, res-
pondeo Caatricio. Igual respistis deo Sa-
ln a Pisistnto confidio a Julio Ceiir e
Cese'lio sos triumriros. Todos ellea tem
querido com este dito prorar que tendo
ainda alguna annos de rida patear, na5
era justo naufragar no porto.
( Traduzido doCavilheiro de Jauciurt. )
Avisos Diversos.
AVELHICE.
A 'relbice' lnguida, inimiga dos prate-
ret, tuccedendo idade tiril, vem ru-
gar-nos o rosto curar-ana o corpo en-
Inquerer-nos os membros eac^Ur-ata da
coracao is fontea da alegra deegoetar-aoe
do presente faaer-oos temer o futura e
conlinuir-nos iosensiveis todo excepto
dor. O tempo se appreaaa eii-o que
chega ; o preseote que Tem com taolaj
rapidez esti' p-^rlo de nos mis elle foge ;
1 est' bem lone, porque desaparece 110
momento, emque eu escieroetle peque-
o numero de ullexoeiu, a nao rollar
mais.
O longo habito tem a relbice como
prfzi; ella ru tem mais recursso contra
os seus defeito : timilhirJtet t arrore ,
cujo tronco duro e nudoso e tem ia-
durecido pelo numero dos auno, e nao
pode mais indereitar-te ssim os bumens,
em certa idade m podem quiae miia
de hrr-se contra certos hbitos que tero
inrelhecido com elles e que se lem in-
irodnzido *t a medula dot ossos. Mili-
tas rezes elles os conbecem mis tarde;
elles gmem mat em ra5 e a lenra mo-
cidade a 'nica idade, em que o bo pode ludo tobre si mesmo. Envelhe-
cemo nos com os aunes, diz Montaigne,
neiu adquir'mos urna polegada de sabe do-
ria ; marchamos sempre mis recuaudo
para truz. Sena bom ser reibo conti-
nua elle, te i.* m icliassemoi para o ame-
Ihoramenlo ; mis a marcha detti idade
como a do bebudo, titubante e rertigi-
no9a ; humero que roncha para o
teu decremento.
Deremos nao obstante consolar-nns com
s rugas sobre o rosto, pois que ellas sao o
efeito inerilnvel da notia existencia. Na
idrersidade otpezueado espirito, e 01
trabalhot do corpo I-sem enrelbfcer ao ho-
mem inlet de tro|>o. Na pmi|iH inqataai
delicias de urna xla molie e roluptuota
linda mais not envelhecem. L' i uro
vidas.bria, moderada, simple, Jho-
riota exempla de paixoens brulaet, quea
_ Vendem-se duas eacraras, una de
NacaS Songo que representa ler rinte cinco
annos de idade de linda figura e com
habilidades e outra quilaadeira da Coa
ta da Mina que representa ter a8 an.QOS :
os pertendentes diriji-se ao segundo an-
dar da casa de mirante, na ra da Pe-
aba enteguimento doa fundoa da Igrej
do Ligamento.
_ Precita-te de aoo.ooo on tretentos
mil rs. a juros dando-te boa firma dois
por cento ao mez e por tempo de seis me-
tes; quero oa quiser dar aonuncie, para ser
procurado.
O Sor. que deseja saber a moradia
de RomaS de Souza Lisboa : dirija-te a
loja de ihipeleiru na Pracada Unit n. 19.
Prerjis-se comprar urna can Ierre
no Bairro deS Antonio, ou Boa-vista ,
quetenha um quarto itdoui; quemati-
rer dirija-ae a ra do H spitI do Paraso
eao urna casa da tres partas pintadas de
verde que achar com quem tractar a
renda da (lila.
Joaquina Vfaria do Espirito Santo
fas seieate ao respettarel Publico, que
ninguem contrate a compra ou mesmo
hypotheca de orna morada de catas ter
reas na ra da Gloria da Boa-ritta com aeu
matado Aatenio Francisco de Santiago ,
pas que a annunciante na8 se ach delle
diroreiada ae bem que fora de sus com
panbia e protesta usar da seo direito con-
tra quem fuer sobra a dita cisa qoa'quer
contracto sem interrir o contenlimento da
aonaaeianta*
_ Urna seahora catada encina meni-
nas a ler eaererer e contar, e coser cblo
e bordados de ouro e fil de linho e ou
tro qualquer, e lambem lararinlo tudo com
perfeico : as pessoat que quizerem utili-
zar ae de aeu prestimo pira as suas meni-
nas drijfo-se a rui do Lirrimento D. i3
do lado da ra Direita que achara com quem
tractar no segundo andar.
_. Manoel Antonio Alvares de Brito,
credor do cizal do finado Jote Joaqaim
dos Santos seobor do Engenbo Fragosa faz
saber que o dito Engenbo Ibe est bypote-
cado por urna escriptura especial da quan
tia de 4:>5iU58a rs. com o juro de dous
por cento o mes alem disto pinhorado em
Agosto de i838 por unta execocafi que o
annuncianle more de Q45U4a8 res bem
como outra iccio de lettia de i;65oU6ao
a. que ae acba julgada derendo o catar
mais do que aovariS todot 01 bent e ba
rendo orlaos a V. D. Tbe.-eu M. do Jess
para lezir o annunciante e mais crdores
rendeo o dito Engenbo dolosamente a Jo-
aquim Manoel Carneiro da Cunh* aenhor
do Engenbo S. Joab por io:uotUouo de rs.
-pezir de ter aido priroeiramente av.l.dc
am ijb\QQbUaoa-*.lel\rt de a:oocUooo eom
praao de um a cinco asnos. Ninguem
pois contrete com essa riora eobre a d-
tat letliat, nem_sobre os mais Leado ca-
zal porque o annunciante protesta por ae-
ca6 competente moitrir o stillo nato e ir
arer o seo pagamento donde estvar o En -
genho, ou as lellras oa esses bens : o
mesmo julg* que far6 os mais crdores
lexadua.
Ceaapra-se Huma corneta de chi-
ves que estej em bom uso : anuncie
_ Parteode eanaelanlementa um Ano-
aimo erapwajar ae aaata Cidarfe em um Es
ciiptorio Coro me rea I onde posta prattear a
sua prefissao d'Eicripturmo ou Guardi-
IjTros, aqnaljatam xa r cid o netM mas-
ma Praca e ten otns iosttuccio da Es- j ciar.
!......'
criptursclo mercantil por Partidas Dobra-
das : Ot Srs. Negociantes dest Praca que
delle precisaren) dirijaS-se no Reeife na
Ra da Cooceicfio na Caa e Etcriplorio do
Sr. Fiancitco Gomet deOlireira, ou na
Roa da Cadeia oa loja n. 5i do Sr. Bour-
gard, os quaes dirio quem he o annun-
ciante.
_ Quem quiser alngtrums escrava que
tenlu bom e bastante leite pan crear urna
cranla derija SO ao piUo do Terco sobrado
da esquina que volts para o beco do Lou>
bato.
_ A pessoa que annoociou no Diario do
19 do correte querer render un moleque,
linja tea ra Direita loja de couros D. 18
que la' se dir' quem o quar.
_ Quem precisar de bum rapiz portu*
guez, para Caixeiro de renda, ou outra
qualquer occupacio dirija-ae a raa da
roda numero -a-j que achara' com quem
tractar.
_ Na ra do Queimado Loja D. 7 ka
para rendr meas de I111I10 curtas fina* pi-
ra hornero.
__ Q.iem 00 Diario numero 83 diz que-
rer veaffer um moleque sem rieiot, nem
achaques com principios sapateiro dirja-
se a Fora de Portea N. 199.
O abaixo assignado faz publico que com-
prou huma marada de Caaaa terrea meias
goas cita na ra de Santa The reta r,
a Anna Felippa da Sauliago Amara!,
sendo a dita casa esteja sujeita a alguma
pessoa por bypoteca aprsente documentos
no praao de uito das.
Jjaquim Pereira de Oveira.
. A pessoa q'ie butou huma criaoca re-
cero -nascida em huma casa na ra Nora
com cirt para tirar-la m poucos das,
sendo queira a mandar criar' fora, dirija-se
a ruado Cntuvello ciss D 37 parase trac-
tar do ajuste pois que bade ser bsm tra-
tado.
_ Alluga-se huma casa na ra direita,
sendo segundo andar, ou casa terrea, nio
excedendo qualquer daa ditas a oto mil
rs. j aouncie.
_ A pessoa que innunciou no Diario de
Sabbado aodo correte querer aoo a ioo
mil reis dando por segranos um escravo
dirija-re ao beco largo da Matriz de Sin-
to Antonio, sobrado D. 4 segundo na-
dar.
Quem^annunciou querer vender hura
bom moleque por grande peroiafo, v ao
mesmo logar cima.
_ Alluga-se huma caza de doui andares
e sollo, no Reeife roa do Amorim, quera
a prtender falle a Jlo Aotuoes Guima-
ries.
A pessoa que tiver pira vender, oa
que se quiser eocumbir de faser qua-
renta ou cincoenta espanadores, bem ei-
tos snuncie a moradia ou dirija-se a ra
ora ao p da ponte armasam D. 37.
_ Alluga-se butn sobrado de dous aa
Jares com loges na ra velha D. *6 quem
a perlender pode procurar na ra do Col
b-g'o N. 9 3 Andar.
Na mesma casa cima, vende-sn huma
negrs de bonita figura, e huma parda de
ao anno.
_ II jm Brasileiro capes, e de bous cos-
tuuies de trinta annos de idade ae offe-
rece para caixeiro de armasem, seco ou
molhado, e mesmo de socar assucar diodo
fiador de tua pessoa : quem o preteoder
procure tras da Matriz da Boa vista lado
direito D. 14.
PreciH-e de hum rapaz de 18 a ao
onoa de idade, que escrera bem para
hurna Loja de fisenda na Villa de Nasa*
relh ; a fl ar com loaquim da Silva Castro
Roa do Crespo D. a.
Quem quiser comprar a retalho acei-
te de couco muito bom a a'56o a caada,
e a 3ao a garrafa, dirija-se a casa de rotu-
las verdes D. 14 dtfronte dos fundos da
Igreja de S. Jo-e.
_ Quem quiser comprar uos msppis da
Costs ao Maranbio r a toa do Fagundes
D. 1.
Quem quiser comprar hum carrinho da
duas roda, com hum carallo, bem deitro,
pronto para trabalhar dnja-ae *o ater-
ro da Boa vista Cata do eslrangeiro Emidi-
i D. a3. j 1
Compia se urna mesa de meio de *>
-la a asa arjs de jpcannda ; queiifosnunrj


DIARIO DE PERNAMBUCO.
_ O encarregado do andamento da re-
presentado sobre Decima dos litios, p*r-
lec'pa aos que na mesma representado as-
sigoario que se achio proraptos os do-
cumentos juntos a nova represen lacio, que
leva aoeonhecimeato da Asierobla Legis-
lativa Provincial que cada um dos assi-
gnados podem ver ( assioa como a conta d*
despezas ) na loja da rita nova D. (j em
os das 22, 2, e 24 do. Brrente ena loja
de Antonio Annes n'oRecife em os dias a5
e a6, onde espera compareci para se tra-
tar sobre as ocorrencias dsquelle negocio ,
e seo futuro andamento. -
_ O Bacharel formado Jos Candido
Gomes da Silva Belfort nlo podendo des-
pdir-se de seus Amigos, e familias de sua
amisade em consequeaca da preslesa de
sua retirada para a Cidade do Maranhlo
por nio poder sofrer d' mora a embsrcacio
o Paquete Vapor S. Sebastilo; por mo ro
ga aos mesmos Snrs. o queirio de.-culpar
dessa falta de civilidad, contando os mes-
mos Srs. naqaella Cidade acbar nelle a
mesma amisade e respeito. que ibes con-
sagra e de que alo credores ; poitaoto
queiro aceitar as suas despedidas pelo pre
Mate,
No sobrado novo do atierro dos sffo
gados aop do viveiro do Sr. Muniz pre-
cisa-se de urna feitor pra o mismo sitio ,
que entenda de podar enxenar e que
trabalbe de encbada, sendo solleiro t
portugus.
Precisa-se alugar um mulber for
raou captiva, que cozinhe Uve, e en
gomme para ura.i casa ingleta d pouca
familia : na ra do Hospicio casa que foi
Igreja dos Ingleses.
Qaalquer Sr. que tenba padaria ,
e que por engao recebeo em \'\ de INo-
vembro do anno passado duss 'barricas de
farinha de trigo, franceza com a marca
H. W di Companbia queira ter a boa-
dude de declarar por esta folha para ser
procurado, visto que o negro a quem ellas
forio entregues para as conducir ao seu
destino nio se acbar presente.
_ A pessoa que deuositou em certa casi
na ros nova desta Cidade urna crian?
rece.m nascida e com ella urna carta an-
nima asiverando retira la em poucos
dias e como nao tem comprido esn pro-
inessa resol ve sh o morador da casa em
que se acha di la cria oca transferi-U, visto
nf o baver propoicoens em dita casa para
criar.
A pessoa que quer vender um bom
tnoleque com principios de sapateiro, di-
rjanse a ra do crespo loja O. 7 lado do
til.
_ O accionista das cautellas correspon-
dentes as 3 loteras que a da Boa vista cor-
rer brevemente conforme anonociou o
Sr TbesoUreiro por isso avisa aos ama-
dores deste jogo que concurri a comprar
as ditas cautellas nos lugares ja annunci-
ados.
_ Manoel do Nascimento Pereira avisa
ao publico que tem aberto a sua fabrica de
assucar com frente para a ra da Guia
n. 14 e com fundo para a ra do Apolo ;
as pessoas que se quiserem fornt cer daste
genero podem dirigirse a mesma fabrica.
O Sr. que deixou empenhado por 2
dias orna caixa de msica por 64oo na ra
nova baja de ir a tirar oestes 3 dias, pos ja
sao passados mais de ao dias', e nao ata-
do tirarla se venderar pois o annuncite
pretendo retirar-se para fora da provin-
cia.
_ A pessoa que snnonciou querer 200
a 3oo,ooo dando por byptheca um escra-
vo querendo dar por 260,000 ficando
dito escravo em poder da quem d o di-
nheiro e o servido do mismo em lugar
do juro dirija-so a ruado Queimado I).
9 OU annuncie.
Admioiatracfo da casa do fallecido
Antonio Manoel de Oliveira Arouca par-
tacipi aos credores da mesma casa que apr-
sameos suas cootas legalisadas no praso de
18 dias, a fim de methor se poder fater o
inventario o cuidarse no pagameoto
desta ; assim Como se avisa a todas as pes-
soas que liverem pinhores de oore e prata
na mensuntda ctsa queirio comparecer
no praso de 15 dias para conferencia dos
mesmos pinborea e rogate destes, pat
tado o dito praso a cima aenio responde
por qaalquer duvida que posas baver.
p. Quem precisar de uaa cajxeiro enten-
dido para qualquer loja de fazendes ou mw-
udesas ou mesmo para armasem, ou ra,
dirja-s* a ra do Aragio D. 3j-
_ Qualquer Sr. que precisar de um
babil pintor tanto para pinturas de casis ,
como dourados, e prateados e todas as
qualidades de pinturas, dirija-se ao atier-
ro dos affogados passando o ultimo sobrado
da Antonio da Trindade, primeira casa'
terrea da parte da msr pequea que tem
um lampio e na falla annuncie a sua
morada, que prometa fazer todo com per-
fe icio.
_ Quem precisar de um hornea hbil
que ensina primeiras letras em casas parti-
culares annuncie.
__ Arrendase um sitio na estrada do
Arraitil com arvoredoa da Iructos, casa com
5 quartos Ha para vareas estribara, o
sitio a com moda,ti.1 8 vacas de leite annu
almente lugar para plantar capm por ter
00 fundo agua correte todo o anoo ; na
ra das Florea D. la de me i o dia as 3
horas da tarde anos Domingos no mes-
mo sitio que fica defronte do caminbo ,
que segu para a casa forte onde m -rou o
Sr. Fr. Thomaz.
O abaixo assignado fas sciente ao
respeitaf el publico que n ngnem contrate
negocio algum com Joaquina Francisco de
Paula Franco sobre a venda de urna parte
que elle annuncioo ter no sobrado da ra
de Hortas que tem urna fabrica de chapeos,
por se nio ter procedida a parliiba e o
mesmo se achara Juntado o quasi nada
Ih vem a tocar. Antonso Francisco
X-vier.
_ Huma Senliora viuva de boas cos-
lumes propoem-se a administrar urna ca-
za de hornero soltero ou viuvo: quem se
quizer utliiar de seo'pouco presumo di-
rija-se ao becco do Rozario D. 22 que st
dir quem pretende.
Avisos Martimos
PARA O RIO DE JANKIRO segu com
toda brevidade o Patacho Nacional Bella
Carlota, Capitio Francisco Jos da Silva ,
forrado de cobre ,.e da boa marcha; quem
quiser carregar ou hir de passagem dirija-
so a G*udmo Agostinbo de Bsrroe de-
trsz do Corpo Sanio D 67.
PARA O HAVRE o Brigue Francez Ar-
morique Capitio Reoouf tahir al o
dia 1 i de Maio prximo, queaa quiser hir
de passagem para o qne teas excellentea
commodos dirijio-se aos taus consigna
tarios Lenoir Besuchet & Puget, ra da
Cruzn. 5.
JLe i 1 ao
_ Que fsi Jos Antunes Guimarlas ,
de 62 sacas com arrot, chegsdas do Ma-
ranho no Brigue Escuna Duarte 3.", por
,conla de seus donos e remetentes Anto-
nio Jos Soares Duarte A Compaahia no
armaaem de Fernando Jos Braguet das
lo horas da manhi at as duas da tarde do
dia a 3 do correte.
Compras
_ Escravos proprios pira servico ele
engenho, com preferencia aos que disso
liverem alguma pratics nao excedendo de
a5 annos de idade a igualmente urna pre-
ta moca boa coslurera ou eogommadeira :
na roa nova Da.
Vendas
Um creoulo natural do Rio Grande
do Norte, a acostuaado ao servico do ser-
lio de idade de 18 a ao annos a boa fi-
gura : nesta Typografia sed.
_ Bratanbasda linbo esa pacas de 6
varaa : em casa de Hermano Mehrtens ,
ra da Cruc D. s3.
_ A'porta da casa do sobrado da ra
nova do lado do sul ao p da casa do Sr.
Falippe Lopas Neto, leita muito boas e
puro a 5o rea a medida das 6 notas
da manhi esa diente todos os dias.
Voceas crilas a bos da lete eom
crias no sitio da ra do S*bo SjbradoD.
17 que vai para Atrempe quenav as
pretender pode derijir-se ao mesmo sitia
daa seta as oito da manhi e daa co
co athe as seis da tarde, j
_ Urna negra de naci de idade de
4 annos robusta e deligenle para todo
0 servico cozinna o diario de urna casa ,
ao comprador ae dir o motivo ; oa ra do
Rangel 00 primero andar do sobrado da
quina do beco do Liceo.
_ Duas moradas de casas terreas com
quintaos murados, urna na ra de Nogae-
ra n. 2 outra na ra do Noia n. 517 am-
bas na freguesia de S. Antonia e outra
de um sobrado de meia agoa na beco do
Porto das Canoas dentro do Recfe, n. 138.a
a tratar na ra do Vigario o. i{, armjsem
do Maohadojse dir.
Urna escrava moca de bonita figura ,
boa bocel eir, e cozinheira : na rus do
Aragad D. 37.
_ A obra do Bario de Bielfield me-
t uccio poltica ; manual cbimico deverti-
do em portoguez ludo novo a com cou-
encadernaco : na ra Direita loja de
ros D. 18.
_ Um escravo de necaS," de ao] annos
de idade bonita Ggura perito canoeiro
de canoa de agoa e de ca reir ; orna pre-
la de 35 annos da idade por 33o,ooo ce-
sinhs bam.o diario de urna casa lava roa
na, a boa compradeira na ra; urna ne-
griaha da*, idade de 10 annos por 3io,ooo
combos principios de habelidades ; urna
molata propria para ama da ama casa por
ter boas habilidades : na ra de Agoas
verdes casa larrea D. 37
Um bar iz de vinho dt porto e um
dito deazeilonaa brancas de superior quali
de : na rus Direita venda D. 3o. *
_ Urna canoa beata em bom uzo e
qna.conduz 5oo lijlos de alveoaria grossa,
a por preco commodo : no estsleiro de Ma-
noel Jos Maris, dt fronte do convento de
S. Francisco.
Farallos da trigo novo de superior
qualidado desembarcado da Escdna Ame-
ricana Ontario vinda dos Estados Uaidos :
na ra do Trapicho n. 17 em casa de Hen-
ry Forater & Companbia.
Um negro ptimo oficial da carpi-
os e para fora da provincia um escravo
pardo ptimo pageos e oficial de sapa-
teiro ao comprador sa dir o motivo,
duas escravaa de idade de vinte a aa
annos, de nacibenguella muito sadiss,
e fazem todo o ter vico de orna casa, por
tino,000 ^proprias para engenho urna
dita da coste, ptima quilandeira, a mui-
to fiel da idade de 24 annos : passando
a Igreja dos Martirios no primeiro andar ,
do primeiro sobrado.
_ Caixis com pbosphoros de varias
qualidades recentemente ebegadas : em ca-
sa de H. Forster & Companbia na rus
do Trapiche.
Urna escrav 1 de nacia de idade de
18 annoa boa lavadeira de varrella co-
linh o diario da urna casa e fas renda :
na ra Direita quina do bico do serigado
D. 46.
_ Dois sitios parto da prsca ambos ,
oa separados, o primeiro com duas casaa
de pedra a cal, urna grande a outra mais
pequea, estribara e outros muitos
commodos 4 viveiros de peixe mui bem
c instruidos bsstanles ps de larangeirsa
e froctas do todas as qualidades, muito
boa Ierra para pUntaces tem pasto para
8 vsccas d leite ; osegondo com urna casa
de pedra e cal, portio na beira da estrada,
aereado de limio com muilos arvoredos
de fructos, ambos com boa agoa de'beber ;
a tratar na ra nova D. 5> confronte ao cal-
dereiro.
Calsas de estopa de brim a da
1 iscado de todas as qualidades camisas ,
ejaquetas ditas : na ra do Qaeimado lo
a D. aa defronte do Sr. IVJagalhies Bastos.
_ 3o e lanas travs de 32 palmos para
cima, de boa qualidado e juntamente
urna porfi de enchames de lo uro de ao
palmoa e outros de 3o ditos aadeira
escolhida : na roa da Flores D. ia de
meio da aa 3 horas da Urda,
Escravos Fgidos
No dia 10 de Mar90 p. p. /agio do
lagar chamado Pindoba um preto creou-
lo de oome Eslev'6-, de idade 45 anno,
poneo mais oa menos, estelara regular ,
pouca barba tam aodar da pregaieoio, e
na oceaeieS que falla costuma aa babar-se ,
tem sido visto por algunas das ras desta
Cidade e da de OUnda qem o pegar le-
ve a rus docabuga' loja da quina confronte
a Matriz que sera' generosamente recom-
pensado.
._ Fogo no da 8do crrante um mo-
leque de nome Tito de nacao angico, ida-
da da ao annos pouco mais ou meaos bar*
xo, seceo do corpo, pernas meias arquia
das com officto da chapeleira ; roga-se
as pessoas tanto polieiaes como particula-
res que o prenderen! leve na ra da ca-
deia verba D 15 que ser recompensado.
_ Fugionodia 18 do correte ama
negra de uoine Juana de naci cacaage ,
de idade de ro; annos, tendo hido vender
azeite de carrapato em um Quides cjm os
signaos segui> tes : baixa seeca de corpo,
denles scaoguladados, olhos vermelhos ,
com marcas pelas costas que parecam se-
1 em de cinchte ; porem dia ella ser de sua
larra com urna aioatriz ns perna esquer-
da ao p do tornoselo levoa vestido de
cusa branca com chuviscoa enearnados ,
panno da coala ja velho com 3 vo4ias da
corda5 de ouro ingles no pascoeo e levou
um prato da cocadas na mi ; quem a pa-
gar late oa rus aera da trampa casa pinta-
da de amareilo que ser reeompeniado
da sea trabalho,
_ Fugio no dia 17 do crrante um
escravo da nome Jos do gento da ango-
la idade pouco mais ou meos aO aunos ,
biixo bem parecido, cara redonda, per-
nas finas a corpo grosso muito bucal ,
a paasoa que o pegar o poder levar na ra
da Saozalla vellaa u. 5i que recebar 3o
mil tais de gralificecto.
Roga-se aa authoridades a quem per-
lenca a laapecao desle ramo da polieia, e di-
rectamente aos Srs. Sab Prefeitws do affo-
gado a Versea a Delegados do Remedio
e Bemfica o obsequio da atlenderem oe
signaes segtnlee para procederem a apre-
baocio de urna escrava fgida a 2 de Fe-
veireiro p. p. Francisca de afio costa, de
idade da 47 annos, alta, aacca com a
pellos descarnados leve signaes da talbos
no rosto com falta de denles no queixo
inferior tem a perna direile taimbra, ou
torta quaudo anda falla cheia da liafu*
(vulgarmente dito ) : esta negra finge-se
torra, e anda veudendo a comprando ,pe|o
lYlonteiro eVarzea, julga-se estar acui-
tada e quem quer que o lenha fui lo ou
que lenha a Ululo de comprada protesta-
se, haver-lhe os das de servico e a im-
posujio rigorosa de todo quanio a le com-
mina em taes casos ; quem apreender leve
* ra de ago.s verdes sobrado D. 5 por el*
aa doassougue, que satisfar toda a des-
pesa.
Movimento do Porto
NAVIOS ANTRD0S NO DIA 19
HAVRE) 41 dias,- Galera Francesa Ata-
lytde '4- tooel., VI. Huguar, carga di-
versos gneros : a Lenoir Uesnchet &
Puget j passsgeiros 5 Francesas a urna
familia.
PHILADELPH1A } 37 dias, Brigue A-
mericano '1 heodoro de 199 totiel., Mus-
ir A. A. Sbud cng bolaxa ; a John
MaiheusiSi Comoanhia.
LIVERPOOL; 45 dias, Brigue Ingles
Melyon de a23 tonel., M. Hiyton car-
ga diversos gneros: cooaignado ao pas-
sagiro J. Tohmow & Campanilla a
vi m mais de passagem Mr. Hadfield*
SABIDO NO MESMO DIA
ACARALU' e Ceara' } Patacho .Brasi-
leiroLeal Consunto M. Joaq^im de
Azavedo Sena carga diversos ge eros ,
pastageiros Joaquim Mara da Coala ,
Domingos Jos Nogueira Margari da
Rosa e um escravo a entregar.
PERN. NA TYP. DE,M. F, DEF. s8?r^
:



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET19I0W3D_E6OGE0 INGEST_TIME 2013-04-13T01:01:04Z PACKAGE AA00011611_06086
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES