Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06066


This item is only available as the following downloads:


Full Text
imo DE i338. SEGUNDA FEUU
CAMBIOS.
Novembro .
Londres sq Ds. St. por ijooo ccd.
Lisboa oo q5 por .00 premio, por metal. Non.
Franca 335 a 3o Rs. por franco.
Rio Moedaa de 6J400 15gioo as vellias novas 14#7?
ij/aoo BJoo a 8^400
Pesos Columna rio* l'djo a ifjfio
ilto Me*icauos i06>o a i#6o
patacdes Urasileiros 1^640 a ijfj(65o
Premios das Letras por mez 1 a i|4 por ido.
C>breap. c. disconlo.
PARTIDAS DOS CORREIS TERRESTES.
Cla-te da Paraiba e villas de sua prele-.co ....
C,d.!edoRo<;ra,,,e^ s ld, Sexl ftr,f.
C dade da Fortaleza e villas dem.......i
Villa de oiauna.....'.......'
Cidaile de Olinda............ Todos os das.
V111 de Santo Anto........... Quintas fciras.
|Vta de (iaranhuns e Povoaco do ftontu..... Diaa 10, e 4 dcada mas.
I) lias do Cabo Scrinliaem, Kit FormosO, e Porto, Calvo dem 1 11, c siditlodiUo
Cidade das Magoas e Villa de Macei...... dem dem.
Villa de Rajan do Flores.......... dem i3, dittoditto
Todos os conejos par'tem ao meio fia.
26 DE NUVEMB110; NUMERO a58;
Tudo astera depende de nos mesmos ; da nota* prudenei,
modeaco a anergia: continuemos como principiamos,
a seremos aponiados com admiraco entra as JNaces man cul-
tas.
Proclamaco da Asseaoblaa '{eral do Bratil. ',,
Subsaieve-se para esta folha a mil reis mensaes pago< adi-
atil.'ulos tiesta Typografa, r> das Croles I). 3, t na I'mc
d lnle|>eidencia t). 37 e 38, onde se recehem C'rrepW-
oVncia* le^alisada* a anmcicios : ivsirindo e estas ralis
sendo dos proprios assignanies, a viudos asignados.
DAS DA SEMANA.
}( Sacnnda S. Pclro Alexaivlr ho B. M. Aud. do Juiz do ciime de larde e r'ssSo da Ttias. P.
9T Terca S. rtlararrla deSalijia Heladio de maulla aud. do J dos (Jil. de larda.
16 (Juana S. Gregorio i P. S<>s.."f> da Tba#oiraria Provincial.
>q Quinta rjcjmii r S Saturuino M Relaco de man), a audiencia doJ. dos rlaos de lame.
3'> Senta >J 6. A'idie A.
1 d Dezeinliro -- Sabbado S. Eloi II. Relaco de maulla, a aud. do V. G. de Urde.
I.11 clieia a* X doras e j mi. da u>atih.
a Domingo S. Ildiiann.
Har clieia par o dia 46 de IN'ovo.mbro.
As 11 lioius 3o minutos da ii.auli -- As 1 hora ( minutos la larde.
"- r.-i --,- Ha
t
PARTE OFFICIAL.
RIO DE JANEIRO.
CAM\RA DOS SEN A 1)0 II ES.
Sesso era i5 de Setembio de 18.J8.
Pressidercia do Sur. Mrquez de Bae-
pendy.
Feita a chamada eachando-se prsente
numero legal dos Sor*. Senadores, o Sr.
Presidente abre a sesso, t lda a acta da
anterior heapprovada.
O Sor. primeiro secretario da' coola do
expediente.
Ordem do dia.
Entra em secunda dUcusso o parecer
da Coramiss de Marinha e guerra so-
bre o rerjuerini.Mit da lente coronel
Joio Rebello de Vasconcelos e Sonsa
Coelho Manriques C injumcta.nenie cual
a resoluco cferecida, como entend pelo
.Sur. Cunde ie Lages, e approvada na
primeira discusso.
Julgida a materia discutida be ap
provad a resoiuej para passar a tercena
discusso.
He approvadd em ultima discus'lo o
pirecer da sobredi! cnnni sao sobre o
requerimenlo do tx capilo do exercito Jj-
u Roarnillac. *
Slo approvadas era primeira segunda
discus^, para passareta a frcetra, as re-
solucvs approvando a* pes:5 ns viuvas do mijor EpiTanio Ignacio da
Luz, edocapilo Francisco Jaci-ito Po-
riira Jorge.
Heapprovada a redacco da resoluco
que approva a tenc< concedida ao hrig
deiro Joo Egidio Culraort, a fin de ser
remedida a cmara dos Snrs. deputados.
Continua a lerceira discusso addi.iia
era 1 a do corrente, do artigo 4 do projfc-
to de lei sobre direitos brredilarioa dos
fiilios illegitiui'is. c >m as emv'nd is do Sr
Caraira de Campos, e Oliveira, apota-
da na dita sesso.
O Snr. Presidente ad'a a discusso por
estar na antecmara o ministro do impe
1 io, o qual sendo introduzido com as for-
malidades do estilo loma assenio, e con-
tinua a se/;onda discusso addiada pela
hora na ultima essao, da propona do go-
verno sobie o>rcrnento di reoeita e des-
pesa di imp-rio pira o anuo linanceir
de i'Q'ig a 184'). conjanetaoifnte com as
emendas adoptadas pela cmara dos Surs.
deptitad'i.
Sao discutidos om ig t 24 do ar ti -
go 2. da propnsta com as respectivas e-
meijdas da outr-i cmara. Entrando em
discusso o -5, com as emendas da c-
mara dos Snrs. deputados su oflerccidas
as seguintes :
Aqartigo a. paragrapho a5. Com
a despesa com o collrgio Pedro Seguado.
Vcrg'iro.
Sioapoiadas. p fien a discusso addiada
pela hora r-ti-m!o-si o ministro
as formalidades rom iju f.ira introduzido
Posto a aoUcio s pargrafos d-s le o
le) al o 2- do artigo s>giind-i da proposta
sao approvid>s confo me foro emenda-
dos i)*la outra camar.
O Snr. presidente l. para ordem do
dia as mesni h materias dadas para h je.
Levantou-se a sesso as duas horas da
tarde.
CMARA DOS DEPUTADOS.
5es-?a5 em i5 de Siteihbo.
Presidencia do Snr. Araujo Vi.inna.
Artigo 'i. No caso de rebeb p -dera' o
goveroo ordenar que se oliservem n<>
ejercito as leis militaras em tempj de
rom 1 guerra.
Logo que se rene numero legl de de-
putados, heaberta a sessao, lida e appro-
vsd a acta di anterior.
O Senhor primeiro secretario da' conta
do expedeht.
Ordem do dia.
Primeira parta.
Contina a discusso addiada do artigo
5 dopioject queconcede oito loteras a
Audre Cailhard em beneficio de su* fa.
brica de Andaraby, e enietid i do Snr. Car-
neiio Leo.
Discutida a materia o artigo do projec-
to lia approvado, e Gc prejudicada a e-
rnenda.
Sao igu dmente approrados os seguintes
artigos additivo*.
O l. do Snr. Randeira de Mello A
m.'srlii fahrici fica bynolhetMda a salisfa-
ro das hrinac s contradas por esta lei,
da restiiuicaS do produca das loteras, ca-
so deixe de trabal!:ar dentro dos seis au-
nes.
O 2. do Snr. A. C Correia --0 go-
verno lie nutro sim authorisadci a con-
ceder a Joaquim Joe da Silva O rocs-
ino beneficio, que p r esta lei se con-
cede Audre Gallud e com os mesmos
00 ai'.
O projecto he adoptado rmetlido
commiss de redacc:5
O Sur Oliveira prope a urgencia para
se ler o parecer da commissio de redacco,
sobre urna indicelo d' He (leputado, a
filo de s enviar ao senado umi emen-
da do o-camento sobra o repirodi fortale-
za do Cabedello, que se approvou n'esla
cmara.
A urgencia be apoiada e n j he appro-
vada.
O Snr. Sebisto do Reg propo a ur-
gencia para se ler o segunte projecto a
pial urgencia sendo aporada lio t>ew de-
bite approradi,
A assem.blea geral lgislitivi resolve :
Artigo i. Fico prorogados por roais
um anuo os decretos de () de ou'ultro de
187. humero je), e de 11 de outuliro do
mesad anuo, o uniera tac), com a decla-
ArligO 3. Ficao revogadas as outras leis
em contrario.-- U. P. de Vasconcellos,
Sebistiao do Reg.
Segunda parte.
Entra em dicusso o parecer da com
ffissfo de consliiu'cio e (>deres sobre as
elcices da provincia de Sergqie, cm o vo-
to separado do Sur. ("arueiro L"o.
O Sur. Ferreira Pcnna combale o pa
recer, e discorre a favor do voto sepa
rab.
O Snr C:elho falla no mesmo sentido,
codo de opinio que nao he In.n que
um provincia nao esteja representada ;
mais anda considera muito peior, que o
esteja illegalmente. %
Us Snrs. Aodrada Machad-, e Ciernen
te Pereira su-tento o parecer, e o Snr.
Carneiro Leo responde aos ses argumen-
tos defende o vol separado.
Os Snrs Vlarlins Francisco, e Vanna ,
tnmo parte na discusso, e eta fie ad-
diada pela hora.
O Sur. Presdeme d para ordem do
dia a mesma materia.
Levanta sessa depois das duas horas
da tarde.

Artigo 1 3 da Lei Provincial de 10 de Ju-
uho de 1835.
Dito -- A o Director do Arsenal d<* Guer-
ra ordenando que iiifoime cm n-geocu
quaes as obras, deijua mii rcpaitico se
acba incumbida alem mi ament respeito ao Elificio do mesmo
Alat-iul.
Expediente do dia 3,
PFRNAMBUCO
GVERNO DA PROVINCIA.
Continuaco do expediente do dia ai de
Novembro de 1838.
Dito Ao Commandsnte Giral doCor-
po de Poiicia, communicando-lhe, jue al -
teodendo a Presidencia, ad jue re presen-
tou em BOU ofliciode -i do corrente, con-
vem e>n para a C'/matea de Flores a lim de preen-
cher o Destacamento respectivo, marchen
quandcliegar o Interior jue costuma vir
receber o sol lo do dito Destacamento.,
Dito Ao Kitchirel Joo Cjuerino Ro
drigues da Silva, Juiz de Uueito InieriM
da Comarca do Brejo, ordenando>lbe qu
enlregando Adiiriistrcio iudiciri
Doulor Joo lose Forreir.r la Costa Juiz
de Direito Criminal da mesma Cmale*
logo que elle chegun a dita Comarca vis-
to ter-se (indo a liccnca q>i<> i|ie fura con-
cedida parla quinto antes pira a nova
Comarca da IVia-visla para qu fura re-
movido a fiti de exercr as functesdo S(
Cargo como convem.

as obras pallucas 8o:OoCs'ooo de rs.--J. I. racio de qu a siisperiso de garantas t
Rorgs.
A o
artiga
j.-
hodera' ler lugar na provincia do Rio
0 25. Supprima se G-, stidedeS. PedtodoSul.
Officio -- Ao Inspector da Tbpsouraria
communicando-lhe, que leudo sido mnn-
dados recolher a CoMa do Corpj de Poli-
ca no dia 17 do corronle mcr. tres cavallos
que da Comarca de Flores viero empre-
gados no servico Publico, ordenando-lbe
pie mande s;jtisfaer ao Commandanle
(j"ral do referido Cor po a quantia de
5s'5()' reis que se despendern com o s-
lenlo dos mesmos Cavallos em tres das
que ali estivero ren.lhidos.
Dilo -- Ao Cooi.n indante Geral do
Corpo de bobeta, r. iiumiinicando-lhe a ex-
pedceo da ordem supr.i,
I).lo Ao Procurador Fiscal (.ferino
da Fasenda Publica respondendo ao seu
officio correle mez I Ir.- fora indagada a sentenca
dada pelo Juiy desla Comarca na ctuza que
traz a mesma Fasenda com Francisco Pe-
reira Thot e oulrr.s Consenliores do
Silio lom Siicesso sobre a apropriaco
do teneno preciso para u abertura da Vala
reciairiada a bjm da Estrada do Manguintuo;
qu se Hiende pie a Fasendi Publica esr
o(Tenlida na avaliaco, pie o mesmo Ju-
rv fizera da 205000 reis por cada um dos
dez palmos que tein de ser cedidos pra
tenelicio publico, pode appellar paraoutro
COMMANDO DAS ARMAS.
Expediente do dia ir) de Novembro de
18J8.
Officio Ao F.xm P/e.sid. rile, disen-
do lite (|e fica vio dada s ordens a
fim de que a guarda lo Palacio fosse aug>
paenlada c>ib mus dez honiens e para
que fosse colocada a sentiuella rondante na
Praia do 0<>llegio como delerminava em
seo officio de 17 do curente que ficava
dcsla sorte respondido.
Dito *o mismo Exm Snr. apre-
zentando-lhe o re<|ueririienlo de Antonio
Jos de Siquea 1 .* Sargento do 4- Cor-
po de Aililheria qu pedia demico d
servico e .10 mesmo lempo um dos em-
pregos as bar reros |Ue se lera de criar
tas Punles Carvalh'is e .Magdalena i
disendo-lhe que a exp'rico do Supplican-
le era verdadeira tomo se tleprelieudiii
das informacoens dos lesfxclivos Coui-
mandatites'le Corpo e Coinj anbia.
Dito Ao Prefeilo da Comarca ; di-
zendo-lhe que ficava entregue do seo of-
ficio laclarlo de boje e do soldado do
Carpo le Engajados Jnaquim Jos Seritio,
que preso o acotr. pan liara.
Dito Ao mesmo duendo ihe que
no soldado Artfice! Maxirniano Angelo d t
Lni que preto Ihe retiietiera om seo of-
ficio de:la data havia dado conveniente
destino.
Expediente do dia ao.
Officio _. Ao Prefeilo d.i Comarca ,

Juty de ir) Jurados edmo permiUa o" 5. conimuuicando Ihe que t-m vista di eS


*
m
?

offco datado de lionlem fricava dudas as
orden*ao Major Commandanle do Depo-
sito para que conservarse recluso o recru-
ta Antonio Jote de Dar ros.
Dito AoCommaudanle da Fortalesa
do lrutn determinando-lhe que em
conformidade das ordens que I he acabava
de transmiltr o Esa. Presidente da Pro-
vincia recebesse em o competente paiol
polvo** que no Brigua Ingle* Arlhuza
viera consignada a Me. Calm >.| & Comp
Dito Ao Major Commandanle do De-
posito para que consnrvasse recluso no
quartel o recrota Antonio Jase de l rros ,
po'assim o haver requisitado o Prefeilo
da Comarca.
Portara Ao Major Commmdsnle do
Deposite remeltendo-lhe o Conselho de
Averiguacio feito ao Sirgento Quartel
Mostr Jos Hermenegildo Monteiro de
Albuquerque, e determinado-lhft que o
fisesse reconhecer soldado Particular ou
Cadete da 3. Classe con todas as forma-
lidades que a Le recummeuda.
Expedientado dia ai.
Oficio Ao Exm. Presidente remet-
lendo-lheo requer roen lo do Capilio Joi
B permica para qhe o l. Tenenle Joa Ri-
biro Pessoa deLacerda Ernpregado as
Obras Publicas como Engenheiro fosse
Commandar a Fortalesa de Itamarar fi-
cand o Supplicante servindo as Obras
Publicas em lugar do referido 1.a '["men-
te e informando que como de seme-
lliante troCa nenhum detrimento resultas-
a ao Servico Publico entretanto que era
a ambos vanlajosa e consideraba no cas
de ser dtffiido seassim S. Exc. Ihe ap-
prouvesse.
Dilo AoCapitio Commandante inte-
rino do 4- Corpo de Artilharia man-
dando por em liberdade o soldad > Vlanoel
J'ernandes de Oliveira que pelo Cons Iho
tie ioveslgaclo que se Ihe fisera nao foi
julgadcom criminalidade e castigar cor*
recionalmente ao Corneta Paulino Bserra
de Mello, no mesmo Cnselho comprehen-'
dido e julgado criminoso.
DI A
r n N A >1 B
UCO.

THEZOURARIA DA PROVINCIA.
Expediente do dia a3 de Novembro de
1838.
Oficio Ao Exm. Snr. Presidente da
Provincia com copia do Livro de> in-
ventario dos predios deixados pelos Hol
landexes.
Dito Ao mesmo informando quan-
to existe nos Cofres das Rendas Proviuci-
aescomdeclarac.no do que se tem arreca
dado do i.* de Jullio al o fim de Outu-
bro do coi rente anno financeiro ; quanto
se tem despendido ne-les quatro mezes em
cada hum dos artigos de despesa marcada
na Le do Orcameiito Provincial deste an-
no ; e quanto tem produzido cada hum
dos ramos da Receita Provincial nos me-
zes de Julho a Outubro prximo passado..
Dito Ao Prefeilo da Comatcade Ga-
ranhuns par leci pando-I he ter sido ap-
provada a proposta que fez para os luga-
res de Collector e Escrivo de Diversas
Rendas do Municipio de Garanhuna ; man-
dan do-Ihe passar nomeacio de Escrivo
a Joao Correia Bazl, e oficindose a
Vicente de Miranda Titara e Albuquerque
proposto para Collector para qu-tnto an-
tes vir ou mandar receber o*>ivros,e
instrueces e dar flanea idnea na forma
da Lei a fim de poder entrar as fuoc-
coens do referido Emprego.
Diversas Reparicoens
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta be a mesms do num. a5o.
ARSENAL DE GUERRA.
No dia 37 do correntetem de seren ar-
rematadas em basta publica tlguns carros
rnanchegos ; queno os peitender compare-
ce no A rsuual de Guen a das 10 horas ao
anuo da.
Arsenal de Guerra a{ < Novembro de
1838.
Jqae Carlos Teixeira.
Director.
OBRAS PUttLICAS.
Acbando-se o Snr. Engenhero Boyer ,
encarregado pelo >fen Sor. Presidente ds
Provincia mrconstruco de hum Caes ,
desde o Arco de Santo Antonio, al a Ri-
heira do Peixe e havendo representado ao
mesmo Exm Snr., que se fn* necessario
desempxar todj aquello lugar fim de
sedar principo ao alicerce ordenou o
mesmo Exm. Snr em oficio de "j do
correte que pela Imprensa se faca sci-
nte a todos os Particulares, donos d -s ma-
eiras canoas pedias e mais objectos,
aii existentes que os removi para outra
parte gub pena de serem removidos,
pela Rcparticio e a custa de seos donos
marcando-Ibes para isto um praso ; avisa
001 tanto o Administrador Fiscal das Obras
Publicas, a todos os referidos Snrs que
faci n dita remocio al o da 3o do cor-
rente Novembro e que di 1. de De
zembro prximo vindouro emdiante, se da-
'rprincipio aremoca dosobjectos que ali
existirem a custa d- seos donos como
tem ordenado o mesmo Exm. Snr. Presi
denle em se- supra dito oficio
Amaro francisco de Moura.
Administiador Fiscal.
PRFEITURA.
Parte do dia 4 de Novembro de l838.
Exm. Illm. e Sur. Foro presos hon-
tem a minha ordem e liverSo o compe-
tente destino : Mara Candida do Rosario .
preta e Lina Francisca parda pelo
Sub-Prefeitoda Freguesia do Recife por
briga de que resu!tou sair es'a com urna
grande conluso em um braco ; e Marcos
Feneira de Andrade preto pelo Com-
mandante da Guarda da Ribeira de Santo
Antonio, por ter espancado a urna preta.
Nada mais consta das Partes boje recibi-
dla nesta Secretaria.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeituva da
Comarcado Recife a Je Novem bro de
1838. Illm. e Exm Sr. Francisco do Re-
g Barros Presidente, da Provincia.
Francisco Antonio de S Brrelo Pre-
feilo da Comarca.
SOBRE O COMMERCIO.
Aspirando boje os homens a proporco ,
que se vio mais civilizando n augmentar
os seu< gosos ; e o Commercio e a Indus-
tria cff recendo os meios mais adequados
para se conseguirem em huma Sociedade
bem administrada; deveid necessariamen-
|e em l*es circunstancias os direitos de
propriedad e de segurknca pessoal serem
mis valiosos para os que se dio a quul
quer deates ramos : poique sem a segu-
ranza destes din tos o ('ommercio e a
Iniiustria na<> podem de maneira alguma
medrarem : ecomo os alvorocos sedicoes
e outras cemmocoens populares pertur-
bando a ordem publica jjoem em risco es
tes valiosos direitos e por consegunte
entorpecen) o Commercio e desalento a
Industria ; segu se necessai menle, que
os Cidadios que se dio uceupacoens taes
dominados de hum espirito pacifico e in-
teirameute opposlo ao revoltoso nio se
abalancao tnlarem huma revolucio ; se
nio quando hum justo receio de perderem
as suas liberdades individuaes os movi;
nio recorrendo com tudo a meios lio pe
rigo'-os que no caso de nio hsverem ou-
tros mais seguros ; e sendo o Gove> no Re-
presentativo e Constitucional o mais apro
priado para segu ar de urna maneira mais
eslavel os direitos individuaes ; e q' offaie-
ce todas as garantas precisas prestando
recursos contra as suas violacoens ani-
quilando todas aquellas cauzs que nos Go>
vernos Despticos costumio produzir as
revolucoens ; epaeissocom muila rasio
e elegancia disse hum dos maiores Orado-
res da C>mara dos Communs em Inglater-
ra que se poda comparar o Siglea Re-
presentativo ais Conductores Klectrices ,
que desearregando gradualmente nuvem
electrizada pieviuem que ella despe? o
raio : he aquelle que os poros mais civili-
zados preferem qualquer oulro ; edeqtfe
podem colber as maiores va'ntagens ; por
que *e confio os negocios pblicos aos se-
us Representantes o Mandilarios, porque
os seus parijculare nio Ihes dio lugar pa-
ra tralure.m dsquelles nio deixio de vel
lar obre eJI s ; oliservando se desempe-
nhio como Ihes Cumpre as suas obriga-
coens ; porque no preenchendo aquella
expect-co que ha vio consebido quandp
un nomeario os subsltuem quando a op-
portunidade b permita fior oulros que
cumpro raelhor com o encargo que se Ihes
Bou.
Havendo mostrado que as guerras das
cruzadas posto que fossem humas expedi-
cioens extravagantes, com ludo haviio
muito contribuido para o augmento do
Commercio, e cillisacio^da Europa. Ago-
ra continuarei a considerar os seus effei-
tos anda depois que as mesrms cessa-
rio.
A actividade que estas guerras pro-
duzirti nos nimos dos Europeos os dis
poserio a tentar nqvas empresas em que o
aeu genio ouzado e activo se podesse e^er-
citar; hem como no descbbrimento das
Indias O' ienlaes e no da America em que
elle se desenvolveo da maneira a mais pro-
pigiosa nioiavendo neiigos que os a-
medi onlras-e. nem d IBculdades que os
fiz-'ssem desmaiar na ca reir que liavi-i
ei.c lado.
Os Portugueses foiio os primeiros que
se aventurarlo a passar o Cabo da fioa Es-
peranca abrindo hum novo caminho por
mares al entio desconhecidos para as In-
dias Onentaes que Ihes frapqueario os
seus ricos productos ; entio f'orlugal Q -
receodo em Commercio e navegaco su
bio ao maior auge da sua grandeza : nesle
com menos a Hespanha senhoreandp se
das minas de oqro e prala do novo Mundo
transporta e$te,s preciosos metaes ;s Na(;5es
da Europa mais industriosas que delles
precisavio para facilitar o troco das suas
mercadonas apropriar-se de oulros
commodos e regalas da vida : ass im as 1 i
quezas d<> novo Mundo e as producoens
da Azia esporeario de tal maneira a cobija
de as pos'uir que a Europa se tomn
mais industriosa e seu Commercio mais
extenco e a proporco a sua navegacio :
o Commercio desenvoivendo-se mais me
llioi a a condicio dos Povos; estendo-lhe
as ideas move-os a ten ta tem especula co-
ens mercantil e a aventuraren) se, a nave-
gacoens anda que longiquas para trocaren)
as suas mercaduras por ouliai que care-
cesse.rp.
O Commercio, esta nova almadoMun-
do moral foi-se assjm insinuando poucp
a pouco nos nimos dos homens que bo-
je se tem tornado essencial a organisacio ,
ou a existencia dos Corpos polticos.
O gosto do luxo e desejo de ter os
coaimodos da vida rxcilavao o amor do
tiaballio no qual se eslea presentemente
a forca principal dos Estados. Por esta
til revolucio nos costumes; a Europa a-
doptou novas mximas de poltica : as ri-
quezas nao sendo mais o fructo de con-
quistas mas o p oducto de trabalhos assi-
duos e de huma vida inteiramenle oceupa-
hum feliz acaso
enlio oceupado i
na India e de al
Rrisil
ol roas Porlogi
delaiar os seos dominios
i Armar o seu poder
por maito lempo Ihe merecro lio p0qc,'
alinelo esle nove descohrimenlo qUe 0J
seus primeiros Colonos fora degradados
homens pouco apropriados para se darern
emprezas de industria que exigero acti-
vidadeeamor do trabalbo : a estas rasoes
accretcia que o Brasil nio offerecia ag
drogas que entio tanto ee procurava
nem anda se havia def-coberto as minas'
de ouro Os Hullandezos quando dell* 8
assenhoreara fora os que soubera co-
nheccr as suas immensas fnntes de cabe-
daes, queso o trabalbo e a Industria po-
deris aproveitar. No cirtu espaco que
possuira Pernambuco, cooperaran muito
mais para a prosperidade deste Paiz do
que os Portuguezes' desde a poca do seu
estabelecimento. A expulso destes repu-
blicanos activos laboriosos e nlelligeotee,
o deixou em hum estado de langor, do
qual nao coi ecou a surgir seno quando
se descobrira as minas de ouro, que j
foi em 1695 no reinado de D Pedro 2. ;
e especialmenle pela cultura do tabaco da
cana que entio era objeclos de consumo
geral; ealem disto ind3pensaveis pareo
iraGco de escravos. Dosde que se Tora
imporiando Africanos e vindo do Portu-
gal, e dos Acores novo* povoadores se
foi sentindo ao mesmo passo a precisio de
haver maior porcio de alimentos ; e para
eslefimsecullivoii o arroz, a mandioca ,
eo milho, laioura, que grandemente
prosptrou, o trafico mercantil nutico
entre o Brasil e Costa d'Africa, e com
Portugal e a Azia eada da su hii amplian-
do mais, com tudo esta prosperidade nfo-
podia ser prpgressiva, nem duradoura
quando o Governo Portuguez, anda an-
tes de ser Portugal encorporado a U-spa-
llDf semprc se moslrou mo administra-
dor,- porque desde que ai minas prin-
cipiarlo a produzir menos, o Estado se vio
reduzido a maior penuria at o periodo
em que subi ao tbrono E' Rei D. Jos ,
e foi enlio que o Mrquez de Pombal, co-
nhecendo que ora misler animar tanto em
Portugal como np Brasil a cultura de pro-
ductos, que dando huma riqueza mai* re-
al e durndoura fcilmente nio seesgotaS
(Extrahido do Jornal da Sociedade da
Agricultura, Commercio e Industria da
U-hia.)
Variedade.
da, nio perverle ociosos paia se entrega-
ren) a deleitos e a vicios antes estimul
os bracos a trabalharem ; succita nos cam-
pos a reproduccio; as Cidades maritimas
a navegado; no centro innumeraveis fa-
bricas. Finalmente quanto nio he apra-
z vel a perspectiva que boje u os o fe rece
a Europa povoada de NacSes laboriosas ,
que se agila incessaotemente para rotear a
ierra e aproveiut-a ; a industria commu-
nicar alen ti.s vitaes a todos os gnmens re-
productivos da nalureza hir ao fundo dos
mares a procurar loucainhas exquesitas, e
do centro da Ierra desentranhar Ihe os pro-
ductos que subministras ao goso novoa
bens : abtir em fim entre os dous Hemis-
pherios coiiimunicaco tal que de aiguma
maneira. rene ambos os Continentes,* fe-
licitanda-se reciprocamente os Povos de
todas as partes do Globo; j suprindo se
pelo Commercio dos gneros, que o seu
solo ou industria Ihes nio fornece ; j
transmitlindo as suas ai tes e sciencias ; .j
povoando-se paizes, que outr'ora era
moradas de Povos Selvagens com oulros
Civilisados. He neste nterin que Ca-
bra! partindo para ludia descobre por
Carta do Compadre de Lisboa ao Barbeiro.
Mestre e Compadre. Tanto ego roei
mi, como a minha snela companheira ,
continuamos na nossa impoitante aaude
semnovidade o memo lhu succeda^ Em
quanto ao que vai de novo, o mais que
eu lenho apurado he o seguinte (sem ma-
licia.) A Senbora D R.ruarda dos fogue-
tes est com as dores ; e o ultimo boleiim
medico-potico diz que d'aqui se Ihe ro-
meiterad seis coritos otocentos e oitenla
mil reis em duas Laicas para no Algarve
se Ihe comprarem esleirs e parle do en-
xoval. Nao sei quera soube disto e no
dia 2a laocou mi desta bendita esmola:
tambem foi ordem para huma boa reinessa,
a fim de no Minho se Ihe comprar panno
de iinho para lencoes e cam.isas garfo* ,
ecolheres, gallos, e gallinbas. O parlo
espera se. breve, Dos queira que seja fe-?
liz. Falla-seem que, logo (|ue tenha o seo
bomsuccesso, havero muios despachos ,
luminarias, fogueles, a vivorio. Dios la
depare buena. Tambero se diz que. ser
dia de grande galla e que no Palacio do
Arsenal havei beija-nio sei que- em
fim tudo promelle grande regozijo. Pre-
paraQ e touros e lourinhos grandes es-
pectculos theatiaes e Madama Guilho-
tina com siu irm MaJame Forca 'j se
ensac para dar hum lindo divertiraento
ambulante moda de Mr. Marat.
.0-< Remechidos do Baia. apparecerfio
commandanle 00 d '
Canba: era 3o de cavallo Talvez o
meu Compadre niosaiba aonde he Calina r
de Lisboa l sao sei- legoaa pertenco
arj Arcebispado d'Evora d'onde dista qua-
torze legoas. O Haia roubou deu tifos ,
a aacudiu se !! Parece que o Governo j^


D I A R 0
D
r E R N A M b rj c o
lomou as providencial, mandando a toda
preisa fazer huma nova comedia ao pos-
to d do Remechido para se representar
no tbeatro do Salitre a fim de mostrar
a sos energi*, eo quanto veta pelo soce-
go publico.
o verbo Eleices anda o orca-
mento do votos nao est discutido senio
eaa globo 5 roas parece que os Carlistas e
Ordeiros fiera nopitamal, os Arse
nalistas sub rao ao primeiro andar. Attri-
bue-se ato o despreso com que oa Car-
tistas olhra Madame Urna depbis ae
satisreitas assuas mais altas dignidades ;
a respeito destes S-nhores verifica-se o di-
ctado _. Birrga cheia p dormente vou
para a cama que estou doente. Ora Dos
'nosso Senhor os acompanhe. Pelo Cir-
culo d'branles, no a.* escrutinio sahi-
ra6 Senadores o Duque da Tercera e o
Conde do Bomfim; e Diputados Conde
de Linbares ; Marciano d'Azevo 10 ; Joio
as e Antonio de Furia : neste Circulo
os da gloriosa ficra sine gloria l Nao se
pode abracar o Ceo com aa pomas.
Cliegou de Londres o Sr. Cual Ribeiro,
que vem recolber a grande heranca do seu
amigo e collega Garca Nogueira : este
bom Senhor fui hum dos executores d'alla
Juslica n'essa Cidide no lempo de D.
Aligue! -, rauito me bei de eu rir, se and>
o vir no Porto a matar Carlistas em no-
rae da Uigitimidade da Bernarda! / A.
cousa nu lem impossibihdide este he o
Govama das notabilidade-. e na sciencia
de harapo e prego sua Senhoria he olhad"
como o non plus ultra.
Tendo-se acabado o petisco das eleicj,
a guerra do Snr. Das com o Sur. Dxix,
apparcceu outro novo que he o da man
teiga com rauco e da manteiga sem raneo
de iVlorrogh Walsck e companha no que
o Ministro da Fasenda mama sua solFrivcl
bispolada da baiuca do Conde Bario. J
multa gente admirava deque S. Exc. ti-
vesae escapado aos Tribunaea do Nacional,
mas nao tarda qem vem. Eite Sr. Ma-
nuel Antonio deCarvalho tem a mfelicidade
de querer ser honrado, sem se lembrar
que este nao he o secuto das antiguidades;
eu e a mi 11 lia fbereza temos muito do de
S. Esc al raeamo porque muila g^nle
Ibe atlribue a desigualdad dos pagamen-
to* : pa>S dizem ba repartico com divid
dedeaeseis meses, quando ostras and 5
mais adiantadas : ora o dinheiro da Con-
lidiic y que foi para pagar aos embrega-
dos, est, comido e muio* ficarao a o
(bar para o sale* estrello; se temos eapita-
lisaco quem ficeu mais, atrs, mais per-
deu.
Em quanto poltica do Desgoverno
onliniem somnolencia : o Sr. Ministro
do llinosalnu Deputado na nova urna de
Guimaraes : diz-se que S. Exc. nao accei-
ta, por motivos de coniciencia ; nio s
r nao stjr conhecido niquella trra : co-
porque nao sahindo ali na primeira
eleico que foi queimada e nio tendo elle
castigado os aulbores d'aqoelle criminoso
Mentado e sahindo agora na nova elei-
co a que mandou proceder, pareca que
iouve indrmina entre os anarchislas e S.
Exc. Ora se isto assira he como eu e a
nimba Therezt accreditamos S. Exc.
mostra grande fundo de probidade.
Anda se nao sabe o dia da reuniio das
extraordinarias talvez Goar para depoi
do parto : ha quem'diz que serio diasol-
vidas ao lerceiro 011 qu.rto da; masen
jqlgo e a minba Thereza he tamhem do
mesmo parecer que isto be manobra dos
Patriotas para o fim de virem s primeiras
sesses pouco Carlistas la de cima e elles
etitio poderem legalisar sua vontade os
diplomas don eaeeleiros ; isto j se sabe ,
he 00caso deque alguma molestia d'olbos
retarde a Sobpranna Ailelluia. Dado po-
rem o caso de que as taes Cortes se reun6.
oque por ora nio he evidencia mathema-
tica anai tempestuosas deven ellas ser ,*
poU a oppos cao t*n lerrivel ; os goos da
maioria tero de b que nio sao de dspresar.
A respeito dos negocios da Hespanha
nio me chaira a cousa torna para traz em
?ez de ir para diante aecusa Oia de fa
7.er atacar Moivlla sem que a brecha esti
vesie pni'icavel, o homem perdeu muita
gente e b >a : desta fatalidade seguiu-soa
tentativa I Cabrera sobre Valencia : a re-
lirada d Espartero de Estella ; a entrada
de Merino na Csstella ; e a queda do Mi-
nisterio OT.lia. O novo Ministerio tem
sua frente o Duque de Fras que foi Em-
biixadorem Pariz : o grande de fe i lo que
os exaltados Ihe uotao be o ser poeta e
fazer versos .' .' o forle dos Patriotas he
prosa. O novo Ministerio anda tem pon-
eos das, e j a imprensa patritica o bom-
bea sem piedade. J fervem as represen-
taces e as intrigas e toda a batera revo-
lucionaria est em moviraento. No meio
disto Carlos ganhou bastante forca moral ;
e be preciso confessar que se os soldados
da Christina sao v denles os do Ti Car-
los nio Ibes 6ca5 a dever nada. Meu Com-
padre a sorte da Hespanha ainda he pro
blemalica : e a nossa sorte est de tal ma-
neira ligada dos imssos visinbus que a
carapuca que Ibes cobrir acabeca ha de ,
por via de regra cobrir nos a nossa cal-
va. Deixe por tanto escoucinbar os nossos
Andarilhos Polticos com os seus movimen-
tos e com o seu Hotel de Ville ; mais cace-
tad menos cacelada : mais revolucio roe-
nos re.voluco o destino de Portugal est
nos Pvceneos,
Adeos meu Compadre ; tenha ssude
e-pesetas : olho vivo que n'uma hora cabe
o carmo. Recommendace* da minba
Tbereza que Ibe remelle o novo Peridi-
co o Sem Sabor que he mesmo sem
sabor, e o Cbeg< Todos que tambero
falla d'hum Barbeiro.
Seu Compadre.
JOAO'DESPERA EV1DE0S.
(Peridico dos Pobres.)
bastante com os necessarios poderes.
Quem quiser alugar hum 1 andar
de boa casa em boa ra mobliada de
trastes precisos para as pessoas que tiyerern
preciso, os quaes dar-se-bio por hum
rol, para receber se pelo mesmo e isso
pelo espaco de 4 mezes dirija se a esta
Typ., que s dir' quem luga.
_ Alluga-se dois andares de hum so-
brado e armazem na ra da Cadeia ve
Iba do Recife lado esquerdo hindo do
Arco da Concicio N. 5^ : a pessoa que
os pretender dirjase a loja de fazendas
por baixo dosmesmos que l achara com
quem tratar.
Quera annunciou precisar de huma
salla boa por dez ou do/.e das dirija-se a
pracinha do Livramento loja D. ao.
__ Hum sujeito de capacidad prope
se receber ero sua casa 10 meninos como
porcionistas, pelo mdico preco annual
de aoos rs., ensinando-lhes primeiras
Letras Grammatica Portugueza Ltiro .
LOTERA do livramento.
D^vendo andarem as rodas da 1. Parte
da 3. Lotera do Livramento no cprrente
ar.no visto que se aclva j vendidos mui
to mais da melada dos respectivos Bilhe-
les, para que se possa at o fim do corren
le mezannunciar o dia impreterivel do an-
dament. das ditas rodas convida se aos
apaixonados destes jogos, que enneorra
a comprar nos lugares ja annunciados o
resto dos Bilhetes que existem ; aveotu-
rando-se assim a paisa'em huma festa de-
liciosa aquelles a. quem couber a sorte dos
premios grandes.
Avisos Diversos.
_ Precisa-se de huma negra para ven-
der verduras na ra, pagando-se-lhe 10^'
rs. por mez e comida : no atierro da Boa-
visla loja de fuoileiro de Geraldo d'Ama-
rante dos Santos.
_ Avisa se ao Sr. proprietarin do so-
brado na roa Nova em Onda de veran-
das de ferra e fronteiro a Igreja da Con-
ceigio, para mandar receber as chaves do
mes'o pois que as pessoas que nelle mo-
ra v5o deixara no 'lia i5 do correnle mez
antes do que Ihe mandara partecipar pe-
lo S'O caixeiro <>u sugeito que qom clips
ia sempre tractar de negocios relativos ao
sobredito sobrado.
_ No dia 15 do correnle desapareceo
do poder de huma preta huma pequea
trouxa de roupa da Ribeira at a rm da
Roda atada em hum guardan.'po : quem
della ti-er noticia dirija-se ao beco da re-
ferida ra casa que faz quina para a do
S. Bom Jezus das Creoulas.
_ 0 Proprietario do S lio da ra do
Sebo continua a arrendar terrenos para se
edificaren) cazas em toda frente anliga de
parede dobrada cum soleiras de pedras,
que sci v? de muro ao dito sitio e-que
pela nova corduaco vai a dita ra ficar
mais larga do que he : como tasbem ven
de toda frente de huma ra nova qne j
se acha cordoada pera se abrir desde a
trempe al a ra do Colrelo conforme
est na planta, que se tirou do dito terre-
no ; e se adverle mais que todo este terre'
no lie alto, e enchuto, a excepcao de I-
rumas cazas que fica pouco adianto na
dita ra nova : todos os Senhores que qui -
zerem comprar os ditos terrenos podem
procurar e contratar seos precos com o Sr.
Bngadeiro Antonio Rodrigues d'Almeida
morador na pi.-.ca da Boa vista com o mes-
mo poder asignar asasciipturas de ven-
da pois que para isso tem procaracio
Prancez Inglez muzica e danca tu
do com bastante perfeico. Na ra do
Queiroadoloja D. a de Fermno Jos Ro-
drigues Ferreira se dariS as precisas in
formacSes.
_ Na ra da Alfandega vclha junto a
loja de fndenos conlinua-se a despachar
Navios, tirar passaporles, folhas corri-
das e guias d'escravos tuda por preco
cmodo.
Precisa-se de huma mulher preta ou
parda desembarazada que queira ir servir
m huma caza de pequea f milia tanto
no servico interno Tomo no de comprar:
di.ija se a ra do Quemado na caza D. 3
A ama que se offerece para o servico
de caza queira derigr-se a ra do Quei
mado na casa D 3.
_ Quem annunciou no Diario de ao
do correte querer alagar hnma caza para
passar os tres mezes da Festa querendo
alagar huma no principio da estrada da
Varzea junto ao Remedio dirija se ao
mesmo lugar, sitio de Francisco Nicolau
C^ Ainda se continua a aforar, os
dous terrenos situados na estrada da Soli-
Sde para e Manguinho, defronte mesmo
da ponte e da parte da estrada que se-
gu do Manguinho para a Igreja dos Af
flicios comecando logo do fim da caza
nova do seu proprietario o Desembargador
Thomaz Antonio Maciel Monleiro con-
tendo o fundo de caza palmo aforado 111
palmos ditos e na rasio de 3ao res cada
hum palmo: adverlindo porem que huro
e outro terreno be todo enchuto e bene
ficiado, e prompto para logo seedificarem
propriedades independerse de outro qual-
quer trabalho quando pelo contrario su
cede coro outros terrenos por aquellas irae
diaces em lamacal que re tem aforado
pelo mesmo preco : os pretendenles enten-
da-se com o Escrivio Almeida ero seu
Cartorio na ra das Trincheiras que *sl
munido de poderes para fazer taes afora-
ment'S.
--A Senhora Joanna Maris da Concei-
cfo ama de Leite que est criando no Re
cife na ra da Cacimba mande annunciar
a casa onde est ou dirija se a ra Vclha
na Boa-vista em casa de Jos Ignacio da
Cosa que tem que tractor sobre seo filho
que deixou no malto.
_ Quem annunciou qnerar l5t>.f reis a
premio ; dirija se a ra da Praia obrado
por cima onde morou o Barbeiro.
O Snr. M. G. de S. queira ler abon-
dade de mandar pagar oito mil duzenlos
e quarenta reis resto de urna caixa do Es-
parmacete que a annos deve e do contra-
rio ver o seu noroe por extenco ou uza-
rei do meios Judie aes.
Joaquim Antonio da Silva Linhou ,
por este annuneio fazcerto, e protesta fi-
car sem *'alor algum huma Lelra da quan-
tia de lias reis que em o da 5 do corren-
le Novembro sacou contra o Reverendo
Snr. Manoel Tboroaz da Silva. com o pra-
zo de seis meses a vencer-s* contados d'a-
quelle dia correndo o juro de a por ccnlo
depoisrlos'u vencimenlo ; por isso que
sendo dita Letra aceita, e assigaada pelo
mesmo Reverendo Snr. foi desencaminha
da ero consequencia do que ja foi saca
da oulra Letra com a mesma dada igual
quanlia pr.zo e juro, a qualja se arha
ero seu poder eassignada pelo mesmo Be-
verendo Sin iichando-se nesla segaoiia
rdeelaracfodcC ar sem effeito aquella pri-
meira extraviada : e para a preefi^ seg-
ranos he que faz o presenta annuncio.
Roga-se aa Thesoarerr k Lotari
do Livramento que nio pagua o que por
sorte sabir no meio bilbete n. 438 seOlo
ao proprio dono Antonio Faria Brandfo
Cordeiro porque perdeo-se o mesmo bilhe-
t a para mais claresa esta' assignado aa
verso do mesmo o annuncianle.
__ Precisa-se saber da moradia da Se*
nhera D. Anninba filha legtima do finado
Manoel Antunes Soares da Fonerca para aa
tractar de certo negocio.
No dia a 7 do cor renta mez hade Mr
a ultima praca para a arremataco de dous
'scravos bons caooeiros eaatB vicios ou
molestias, seques' rados pela Fasenda Na-
cional ao ex Collector Antonio Moreira
da Cosa o que deve ter tugar perante o
Snr. Doulpr Juiz do Civel, e dos Fetos
da Fasenda Rocha Bastos-
. Quem qaiser comprar algunas tra-
vs de Irinta a quarenta paitaos, de palmo
o coito, e palmo em quadro: dirjase a
ra do Quimado loja de 3 portas defronte
do beco da Congregaca
__ J. Bover Engenheiro encarregado
dos melboramentos do Porto partecipa aos
officiaes pedreiros e serventes que qui-
zerero empregar-se n'aquellas obras de ae
presentar na sua residencia ra dos Quar-
teis D 7.
_ Perdeo chave de cofre de ferro ao Recife : queira
levar no armasen 11.* 10 ruada Cruz que
era gratificado.
_ Quem precisar de hum rapas Por-
luguez pira Caixeiro de qualquer arru-
m.-caS : annuncie.
Precisa-se de um pequeo Portuguez
de idade de ia a 4 annos vindo ultima-
mente de Portugal, para Caixeiro, na Villa
do Rio Formoso : a pessoa que Ibe convier
annuncie ; avista se explicar a ocenpacio
que vai preencher.
Maranno Felicianno propoem-se a
tiraras canoas e madeiras que se achaS
na-praia do Collegio e lancal-as onde seos
donos determinarem por preco commodo
e com brevidade : os Senhores prop iela-
rios das mesmas a quem convier quei 15o
dirigir sea ra doQueimado loja de miu-
deza D. 3 ou a ra da Moeda a tratar
com o Annuncianle.
Na padaria da roa Direita D. i3 casa
de 3 andares,'precisa-se de um forneiro
forro e mesmo cativo que seja hbil para
deseropenhar bem o seu lugar.
-- Huga separa se passar a festa urna
casa no poco da paneila,com bastante com*
modos que foi do faleseido Jos Francisco
dos Passos : ra das trincheiras lado do
poente i/L
Percisa-se de um caixeiro portuguez
para lomar conta de huma padaria na qua-
lidade de Caixeiro de balco; aqqelle pois
que se achar as circunstancias, e der fi-
ador a sua conducta pode dirigir-se a
ru dos quarteis D. /[ onde achara com
quem tratar.
Quem annunciou querer comprar
prata velha, dirija-se a ra do Crespo loja
D. 3 ao p do arco de S mo Antonio.
Precisa-se de um sobrado ou casa
terrea, que seja em boa ra, e sita no Bair-
ro de Santo Antaoio, ou Boa-vista quem
tiver annuncie.
Precisa-se de urna casa no Bairro da
Boa-vista com commodos superiores para
morar dous homens solteiros, e o seu alio-
guer nio exceda a 6s"4oo qaem a livor
annuncie.
Arrenda-se o rmaseos que servio da
Assougoe na ponte velha, quem o perten-
tender dirija-so a ra do Rosario estrella
D. 3i.
0^^> Precisa-se de allugai hum rooleque
que saib' cosinbar comprar na ra, o
que seja fiel : quem o tiver dirjase a ra
das Flores casa D. 3, oa annuncie a mo-
radia.
t^> Alluga-se para se passar a feaja
huma casa muito boa, no lugar do Arrom-
bado 5 quema pertenderdirija.se as Co
co Pontas no ultimo sobrado da Viuva do
Peixolo.
-- Precisa-se de dons Europeos, bm pa-
ra caixeiro de Engenho e outro para feilor
do mesmo : os que estiverem nestas cir-
cunstancias dirijao-se ao armasem de so-
car assuca'r na roa da Sinzalla Vetta -
mero 66.
**


-tt
)EL PERNUB C.


Ptelo Jurzo da pfisneira vara do
se hade arrematar em asu-publica fiado os
das da le no du 7 do correle r 4 *
- de Dezembro, urna morada de casa ler-
iea na iua das Bem-aventuranzas 1). .$.
.. O Secretaria da S >cied.tde Emerpina
Mita aos Socio da mesroa que hoje at
do cornle havei s isa o exlraoidiuaria ,
para eHcao da coraminas de Directo,
que liada regera mesan Sociedade.
- Fio das os das da lei se ha de arre
malar pelo Juiso da segunda vara do Civel,
a casa doThedf desU Cidade por exe
ruco queencaminh > os ndraioiaradores
das fundos da Compinhia Geral desta po
lacia contra os berdeiros do filbcido
Capillo Mor Antonio Jos Souto haven-
do desutida dos embargos de tere<-ro om
qiia se opposera & mesma arrendolo Jo-
s Venancio Pimeola de Caivalho.
A praca que para o di Terca Eira
seannunciou das fazendas pinhorad.is pe-
los c.-edoies de Tbooviz de Aquino Piulo
Bandeira ficou transferido para odia 37
do correntedas 11 horas por diante.
-- Una porluguez a pouco chegado da
Europa prope sea ensinat- a ler,escrever,
contar, grammatica potlngueza lfina .
franee/. e filosofa, e conidios* o ajust
llovida nenhuma tena em hir ensinar era
algura casa particular fnra da Cidade ; n
naesmo est aballado para caieiro no caso
delheconvir o ajaste: na roa du Pala
c -te sexta casa terrea em que tena lampilo ,
indo pelo o altano dos affogados ou an-
nuncie.
-- Precisa-se de 5 a 6 conloa de lis de
j .por ceato ao mez por lempa de una 00
2 4 unos, e da-se por garanta endoces
nuito a contento do sacante: na rui do
palacete sexta casa terrea indo -para o at-
terro, ou annancie
_J--------------------------------i-----,-------------------.'
. Avisos Mariti;:)s
1 i
PAR\ LIVERPOOL segu viagem
rom todabrevidadea Barca lngleza Nr;b
tingle ; quena na mesma quiser carregar ,
ou hir de passagem di rija-ta aos fus
Consignatarios Ceabtree HeyvYoitl e Cora
pinbia 00 forte do Mallos.
PlRA O ASSLP o B.igue Estmoa
Aracaly Mestre Ji.ao Antonio da Silva;
quem nu mesmoquiser carregar ou hir de
passagem dirija-se ao dito Mestre a bur-
il) do mesmo ou 10 si u propietario An-
tonio Joaquim de Souza Rbeiro.
PARAOMAR\NHAO', Sihir com
todo a brevidade a bem condecida Encuna
Brasileira Virginia ; qiieao nella quiser
rarregar ou hir da passagm pira o que
t"in excellentes commod>s, dirija-se e
Fancisco Marques Rodrigues & Irritaos a
rna do Trapiche quina da dis Tauotiro
11. 1 a.
PARA A BAHA, Sabir com loda a
hrcvidadepossivrl a muito vcllaira Suma-
ba Brasileira Minerva forrada de cob?e ;
i|u -ni nella quiser carregar ou hrr de passa-
gem para o que lera expelientes commudos.
dirija-se a Francisco Marques Rodrigu.-s
iS Irmos ra do Trapiche quina da dos
Tanceircs n. 12.
PARA LISBOA impreterivelment'?at
ao fim do correnle sahir o lirgantim
Portuguez Viriato per estar quasi pre-n-
ebido o aeu carregaraento ; quem quiser
o u.egar a pequena por caa que liie faltar,
"irija-se ao Capillo Antonio Gomes d>
Silva na praca as horas da costume.
PARA O JSS o Bngue Olinda ,
quem-io mesmi* quiser carrejar ou hir de
p-issagem a fallar na ra di Cruz casa da
vinva de Gonsalves Ferreira & Filiaos, nu-
mero n. 5.
uadros e sem tiles, esp. Ihos grandes,
ina giande sortiraento de vinlio.de Bar-
deaux de superior qu ilidade agoardi ule
de franca cuides e casacas de varios gi-
tos bijoterias falsas, edita de ouro eo
Hieres, garfi.s eoutrns objectos de pra-
ta, sinetes, caixas para tabaco, pintea,
corares luvas de liolio e de seHa para Se-
nboras e para bomens instrumentos de
cirurgia de gomniaelstica, e outros; biin-
quedos-de meninos, pedras falsas, pSes
de ouro bihus de couro para vingem ,
ci'uas para chapeos espingardas man-
gas de vidro e outrns objeclos.
Que pretende fazer Diogo Crabtree
no dia quirta feira 28 do correle no
si'u sitio na solidtdj de. toda a mobilba ,
vidros lou^aa e urna carroagem de 4
1 odas.
C o mpras
m cavallo de e-tribaria gordo qup
tenb.i carregos e seja manso: no forle
Jo m.itl is casa do Sr. B llem das das 8
da manila e de mio dia as i horas.
Una armu-So de tpula com seu coro-
p- lento pao : na ma da Cruz sobrado de 3
Mulares defronte afc becada LingoetS.
CJ.na canoa qn<) carn gue um milbei-
ro de lijlos de al venara sendo nova ou
com pouco /.o : na rui nova loj i de seleiro
de Joaquim Gandido Ferreira.
V en Mar Folliinhas de Porta de
Algiheira e de Padre para O
anuo de io3^ pelos precos de
seis vintens as de porta, doze
ns de algibeira e pataca as de
Padre: lodas impress-as nesla Ty-
pograa bom papel e ptimos
elstico! de missa; bixas de Lisboa e do
Porto grandes ludo por pri-co milito
commbdo, e na mesma 1oja se'bita na ul-
tima moda de chapeos de todas as qualida-
ik-s.
A hordo da Sumc D<;lmira cluga-
da prximamente do Aracity ha carne
seJeca do serlao para vender, a qu*l suma-
ca se echa fundiada defroii!e da Lidela,
e a bordo da mesma ha dol escrav* pa-
ra vender sendo um ni la lo of (letal de
sapateiro e outro pelo crcoulo.
-- Aceite dn carra pato liquido a i.,too
a can.'da medida velha e de Sanada p baixo a 1,2(3 1 ; a.sim como se precisa ulu-
giriicg'-as para veaJerein a'zete pagndo-
se por caada 2J00 ra, e da-sa meia girra-
fi para qoebras : na ra do Colove'lo er
casa do Gelestino.
-- F.gi>s d ferro de 3, 4 e 5 bura-
cos com todos os ses peilences, obra
p'imorost e diversas ferragens e qui-
quelhariis leo e alvaiade : na ra do
Vigarion, 13.
Pofana da Runiachegidada ltima-
mente e tinbode cbartipagnlie : na iu
das Crnzes D 9.
-- Um mi I (jne de to a li annos de
naco ang la: na ra do Faguudes venda
D. 8.
- Urna negfa de nico cic-ange de ida-
de 36anri"s, boa enomraadtira e co-
zin'ba o d'rio de urtii casa: na ra da
Madre de Dos loja n. I J.
Um preta quiUndira cozinba o
diario de 11 ma casa eluva roupi : na ra
telha n. 38.
-- Urna preta de nacao angola de i\
annos de idade cozinha engomma e
I iva roupa : na ra da Mi ir da Daos loja
de Joaqu m Pi'reir Penna.
Escra.vos Futidos
Miguel Arcbanjo Monteiro de Andra-
de Roga aos Snrs. Sub Prefeitos desfa, e
nials comarcas. e Autboridades policiaes e
ryjOS e liem COnheCdaS pela pisoas particulafeseproprietafios de obras
____
h e i J o

Leilioqun prelendem frizer Alexan-
rlre Mackay Companhia no dia Te/c* f. i-
ra 7 do correnle de urna por cao de fa-
rendas limpas e avriadas as 11 horas em
ponto.
-- Qnete fa na na da Cadeia do Rci-
e D. C Terca feira 27 do frrente,
as 10 horas da manh de um grande s,or
i ment de molduras douradas para yua-
otdr estampas fo3a ornamento de salla.
certeza do calculo, e redigdas
pe; primeira pessoa qu eih Per-
nambuco fez folliinhas: as, de AU
54'iueira aleni das noticias do co tunaecontem urna tabella chronoli)-
gicas $ priiicipaes factos de?ta
Provincia um ensaio Topogr-
fico da mesma segundo a divi-
zo das novas Comarcas e um
Amanak a breviado : na praca
il 1 Independencia loja de livms
n 37 e 38 ; ra do Cabug loja
do Sr Bandeira no Pecife ra
da Cadeia loja do Sr. Quaresma,
e ra da Madre de Dos defronte
da Igreja venda que foi do tte-
zende e em Olinda botica da ra
di Amparo : As pessoas que qui-
serem possuir o Amanak comple-
to da Provincia, queiro demo-
rar-se oito dias que tica acaban
do-se de imprimir para ser re-
unido 3 folhinba de Algibeira e
vendido com esta por urna pataca
Urna preta com habilidades : na na
do Rosario estrena sobiado D. 3i, que
se dir quem o vende,
Ouiroca-se huma npgrinha e huro
moleque bastante espertas de nn-Jo Ango*
la : na roa ib>Queimado luja I). *j.
Ouas meias agoea no burro de S.
Antonio, euma negra pira t'.io o sfrvi-
cj cozinba o diario de urna csa e em-
gomma : na ra de Agoas verdd? venda
numero 1.
Bichas milito boas grandes c peque-
as cbegads iillimamente : no Alerro
da Roa vista venda I). ir).
-- Potissa Russiana nova em bar i<
de4 arrobas liquido: na rtn da Cru/. D. a3,
botica do Sr. Luiz Pedro das Neves.
Na fabrica de .chapeos de Antonio
Jorge junto di cadria superiores chapeos
de catlor e de massa brancos e pretos ,
de pedrero que souberpm ou virem
um escravo cabra de nooae Flix official de
pedrero que 'nbalhava as obras pub-
e**'i eltimamente no novo trapiche da
H;')'i.j, de idade de jo annos, bem pa-
recido sem barba com um dos denles da
fenle quebrados estatura ordinaria; mios
e pes frra.adesv e foi escravo de Jos Maria
Sclu-fl-ir Jnior levou calsa nava de brim
fino camisa de Algodnziubo jaquala
de riscado e chapeo brinco couslanilo
ja ter mudado de Irajo para nao ser conhe-
ci'l > e mesmo anclar trabalh indo em di-
versas obras us lugares deB.*mGci e l-
timamente ter bido para o sul ou Ipoju
ca fugio no dia 17 de Sete'mbro p. p ; o
mandem prender e levar ao anniinciante na
ruado muro di Penba sobrado D. ib*, que
satisfa 15 toda a despesa e geiisrosamente
recompensar o conductor.
O abtixo assjgnado prntesla zar de
todos ot meios que a lei Ihe faculta contra
quem Ihe (iver oculto um prelo ca'noeiro ,
de nome Antonio Miange desde 3 de
M'irco do presente annu para Ihe pagar
-f >osooo em p pe que Ihe roubou ijuan.io
se au'rnlou ; a. que lano llera o jornal que o sobredito
escravo pagava : e como consta ao abiixo
amignkdo r^ue certa pessoa sed uz i o odi-
to escravo e o lera occ'ulto com fu de o
uomprar a .s,eu commodo ; por is..j faz o
presente anhu icio para declarar que nada
pretendo perder quando se verificar quem
seja a pessoa que assim occultou o suliredi-
to esciavo porestarem lodosas providen
ciai dadas para se iTejcbrir tan infatu
procedimento Jos Joaquim de Mesquita
Petas 8 horas da noile do dia a de
OuliibVo desapareceo da casa de Antonio
Teixeira Lopes um seu escravo ladino de
nome Miguel d naci congo represen-
ta, de 18 a jo anuos de idade sem barba ,
estaiura ordinaria cor retinta cara re-
donda oios vivos cabi-ca comprida ,
tornos dedos dos ps muito pequeos e al-
g0< a'cvalgidos por cima de outros. e
no brac > diieito tem a m nca T sigoai que
Irouxe de sua Ierra Itvou vestida calsa de
algodo dj Ierra f este negro a toda asus-
p. it- que foi furtado por isso roga-se a
du ultima moda d tos do Chile, e ditos (todas as autboridades policiaes, desta e
mais comarcas que liverem noticia' do
referido ie..crayo, o faci prender, asiim
como aos conductores do mesmo o facao
recalher a cadeiA des'ta Cidade do Hvcife ,
onde o aniiuncianla protesta proceder con-
tra os deliquentes com todo o rigor da lei
e offerect cem mil rs. de gratificaco aos
approhendedore* No dia 10 de D.>zem-
bio de 1837 fugio da Cidade da Parahiba
urna e*craa de nome Antonia, ealMur r.
guiar cor fula de bonita figura tem
urna sicitriz no rosto da parle direiti le.
vou um molatioho seu filbo que parece
branco ; os upprehendedores le vera a di-
ta Cidade a entregar ao Sor. Manot-I Jos
S .ares 00 nesla praca na loja do louca da
Antonio Teixeira Lopes.
No dia 18 do coirente fugio um es
cravo de nome Francisco coia os signaos
seguintes : creoulo l'ullo que pareen ca-
bra de boa estatura, um tanto b rrigudo,
0II10 abugilhados tem por c.ma da so-
bincilh 1 de um dos oihds urna marca do
talho e muito encunado a b bedeiras
he provavtl esteja trabalhando em alguma
olana por ser servieo tle sua paulo, qon-
do sabio lerou na cabrea um cbap o pardo
ja velho ; quemo pegar leve a seu Sr. An-
tonio Moreira de Carv.llio no Mond ">>
que sel bem recompensado.
Fugio no dia 13 de Novembro um
escravo de nome Raimundo idade de to
unios, creoulo muito fallo, boa estatura,
'ro-so do corpo, olhos grandes; consta
que foi para o serlo d# Icr ; quem o pe-
gar leve a ra de lloitas n. 55 que ser gra-
liGcido.
No dia 6 de Setembro de 1837 fugio
urna negra cieoula de nome Agostinba dos
signaes seguintts alia S"ca, beicosgran-
des olhos tambem um tanto grandes,
falta de iodos os denles da frente da p.ute
de cima, ja i-om alguna cabellos brancos,
consta que esta escrava fura seducida,
sabe-se por qunn e que est qui pela
praca escondida em poder da mesma pes-
soa que a seduzio, pelo que se had
proceder contra qualquer pessoa em cajo
poder se adiar dita escrava ; por isso pede-
Stt a todas autboridades policiaca e tam-
bera a pessoas particulares, que da re-
ferida escrava liverem noticia que par-
lecipera na solidade a Joto Ignacio Rodri-
gues no sobrado d uro and .r com vararsd-
depo que muilo agradecer ; e assrgua
ra o mesmo annunciante urna recompensa
generosa a quem Ihe for entregar dita es-
crava e promt He guardar segredo e nio
pn ceder contra quem estiverde posse del-
la, caso se Ihe va b/evemente restituir, 0
sei igualmente indulgente com a escrava
nao Ihe dando o merecido castigo,
-- No dia 18 do correnle desaparec!
da ni do Atierro da Boa vista, da caga
que (ica junto a em que mora Francisco
Martinsde Leaos um escravo de nome
Antonio de naco rebolo bastante biu
cal, por ser emperrado no fallar repre-
senta ter a5 anuos pouco mais ou menos ,
sem barba, de estatura regular, boa fi-
gura levou camisa e calsa de esteupiriha
fin chapeo de palba e urna baeta ver-
de ja muito U'ada e por isso muito deseo-
rada os rtiilhores signaes que tem o dito
e*cravo .- 1 duas sicatrizes que um sen-
do urna no braco dirt-ito do cotovello para
cima e a outra 110 peilo direito em frertte
da do braco signaes que Ihe Reara. de um
liro de billa de granadeira que diz Ihe de-
lo em Londa ruga-se portmto a quem
dtlle noticia ti ver ou Ihe fpr cferecido
para compra hajo de o tomar e man-
da-lu levar na dit ra do Vigario na botica do Peinlo deque
sera generosamente recompensado.
N'odia iq do correnle desapareceu
umaescr.iva crioula de boa estatura le-
vando saia de sarja preta e panno lino "S
sigaues iiielhorea que 'em he mfter urna
visla pela outra e pernas lorias 1 quem a
pegar leve a se 1 Similor Jos Luiz Pare-
des nosilioda e.strada do^ Aflictos de-
fronte do -itio de Francisco Mmotl da Sil-
va Tavares ou ao Recife no beco da Mo-
eda venda nova da quina de Joaquim
Ouarte de Azevedo que gratificar.

Pna, ha Ti*. u x.r. d i* 838*
ate


para vivificar as cores do rosto e dissipando a pallidcz,
restituir-lhe o seo vigor natural, abrandar e a-
maciar a pelle e alem d'isso milito convenien-
te saude
Inventado efabricada nicamente porlL. Willer.
Islo se alcanra de huma maneira inteiramente natural, e muito simples consistindo
m lavar o rosto todos os dias de manham com esta agoa aromtica misturada com qua-
tro partes de agoa natural. fliSo tardaran muito a apparescer as cores de huma perfeita
saude, e oroslo se embelesccr vantaiozamente, elle se alimpar icando logo scm nodoas ,
nem mpiges os vazos enervados da pelle serSo regenerados a circulaco favorescida ,
te hum rosto outr'ora vclho e maclente, adquirir nova vivacidade, e a frescura da mocida-
de.
O Cheiro agradavel desta agoa aromtica a faz igoalmente recommendavel.
Para provar a authenticidade desta agoa cada frasco tem a marca do Sello Real do
privilegio e as instrueces para o seo uzo assim como as cappas que os envolvem sao lam-
tem revestidas do Safio real e da assignatura authographa do inventor.
Vertida pelo traductor juramentado abaixo assignado.
Mulhausen 15 de Abril 1835.
KOECHLIN.
Vista e legalizada a firma do Sr. Koechlin traductor juramentado a Mulhausen por nos
Prezidente do Tribunal civil de Altkirch aos 16 de Abril de 1835.
Pelo Prezdentc GAKUT Juiz.
XjMr.
Inventor, e nico fabrcame
deste Oleo Privilegiado iior S.
A/, Luis Pltilippe Iiei dos r'rance-
zes.
i
Os nicos Depozitos no Brazil, achao-sc cm Caza de Tobler Freres e Corapa-
nhia, Ra da Cruz N. 45; e na Praca da Independencia cm caza do J. Mera?
O Preco he de 30000 Reis cada frasquinho.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2R1OLXQQ_CR7TJC INGEST_TIME 2013-04-13T01:03:37Z PACKAGE AA00011611_06066
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES