Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06059


This item is only available as the following downloads:


Full Text
CAMBIOS.
Novembro 16.
Londres a8 i|i Os. St. por i,?ooo ced.
Lisboa oo g5 por ioo premio, por metal. Nom.
Franca'335 54o Rs. por franco.
Kio de Janei ro ao par.
Moedas de 6#4oo ibffioo as vellias n-ivas lijfaoo.
4J000 8/f?oo a 8^00
Pasos CoJumnarios 1^640 a #670
ittos Mexicnuos i#610 a i#6*o _
Pataces Brasileiroa ijJ6^o a ifffijo
Premios das Letras, por mez 1 a i|4 por 100.
Cobre a p. c. disconto.
PARTIDAS DOSCORREIOS TERRESTES.
Cidade da Paraiha e villas de sua pretenco ....
Cidade do Kio Wle do Norte, e villas dem I Segund.8 e Sextas feiras.
C-dadeda fortaleza e villas dem.......i
Villa de Goianna........... '
Cidade de linda............ Todos os dias.
Villa de Santo Ant,r Dita deGaranliuns e povoaco do Bonito. .... Dias 10, ea decada mes.
Dittas do Cabo Serinhaem, Kio Formoso, e Porto Calvo dem 1 11, e ai ditto dido
Cidade das Afogoas e Villa de Macelo...... dem dem.
Villa de Pajan de Flores........... dem i3, ditto ditto
Todos os correios partem ao mcio (fia.
Tudo agora depende de n&s mesmos ; da nossa prudencia,
moderadlo e energa: continuemos como principiamos,
e seremos apontados coin admiraco entre as Naces mais cul-
ProclamacSo da Assemblea Geral do Brasil.
Subscreve-se para esta folha a mil reis mensaes pagos ach-
antados nesta Typogralia, ra das Cruxes D. 3, ua Praca
da Independencia D. 37 e i8, onde se recebem correspon-
dencias legalisadas e annuncios: insirindose este gratis
sendo dos proprios assignantes, e vindos assignadoa.
DAS DA SEMANA.
17 Sabbado S Gregorio T. B. Relaco de inanh, e aud. do V. G-de larde. La nova as
Imrws e i3 mm. da manbfu
i3 Domingo S. l'.omo M. .
Mar cheia para o dia 17 de Novembro.
As 4 horas 3o minutos da raanli As 4 horas 54 minutos da tarda.
PARTE OFFIGIALJ forSo envados a0rd do Brigae Triunfo
"i Americano.
_ I Dito'Ao Commandante Superior da
Guarda Nacional do Recife, ordenando
que mande postar no dia 11 do correnle na
frente da Igreja da Madre de Dos uma
Guarda de honra tirada do priroeiro Bi-
talho para soleronidade da Testa da Sa-
uhora Mi dos Humero.
Dito Ao Prefeito da Comarca do Re-
cife ordenando-lhe qoe informe acerca
do numero de commissar ios de policia que
faz mister estabelecer em cada huma das
Freguesia da sua Comarca, e que envi
uma relaco nominal dos que actualmente
se chao em exercicio ; o que ja Ihe fui or-
denado em 17 de Maio do corrente anuo,
e at presente nao tem cumprido.
IMiaes oficios fu rio* expedido! aos
Prefeitos das Comarcas do Brejo, Nasarelh,
Rio Formoso, e Garanhuns.
Dito Ao Prefeito da Comarca do Re-
cife i recomendando-lhe que remeta' a
Secretaria da Presidencia ate o iiu de de-
zembro do crrente anno como lhe foi or-
denado em portara do 19 de Abril ultimo
um relatorio circunstanciado do estado d Policia de sua Comarca com todas as decla-
rarles exigidas na mencionadas portaras.
- Iguaes Oficios se expedirio aos de
mais Prefeitos das Comarcas da Provin-
cia.
Dito Ao Juiz de Direito do Crime da
Comarca do Brejo, exigindo com*todi a
brrvidade o cumprimento do que lhe foi
ordenado em oficio de i'i de Janeiro des-
te anno. enviando a informaco exata ,
circunstanciada, e motivada sobre os in-
convenientes, eobstaculos que tem etico
trado no exercicio de seu cargo e tudo
mais que do primeiro officio consta, a fina
de que nteirada a presidencia do estado
da Administraco da Justica criminal pos-
sa propor a Assemblea Legislativa Pro-
vincial o que convier a bem da roe ma ad-
ministraco.
Iguaes ofEcios foro expedidos aos
Juises do Crime das Comarcas do Limoeiro
e Goianna,
Dito Ao Juiz dfl Direito do Civel da
primeira Vara da Comarca do Retife, or-
denando-lhe que d com a possivel brevi-
PERNAMBCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 8 de Novembro de
1838.
Oficio Ao Commandante das Armas,
respondendo pela afirmativa ao seu officio
de J do corrente era que solicita tabee se
deve uu nao contemplar na qualificaco dos
officiaes da provincias, e os das outras ,
qle actualmente permanecen ne.-la e bem
sim os fciies do Imperial Corp de En
genheiros nao obstante ser na Corte do
Rio de Janeiro o seu Quartel General.
Dito Ao Inspector Geral das obras pu-
blicas ordenando que mande examinar o
atado em quo se acha a casa que cabio
d Cansara municipal da villa de Iguaras-
* propondo as providencias que lhe pa-
recerem acertadas para os edificios que (i
cao contiguos a dita casa nao venho a
soffrer ruinas, nem se extraviem os ma-
teriaes pertencentes a mesma casa.
Dito A Cmara Muuicipal de Ignaras
s communicando-lhe a expedico da or-
dena snpra.
Dito Ao Doutor Joaquim Nunes Ma-
xado Iniz de Uireito do Crime da primei-
ra vara da Comarca do Recife, communi-
cando-lhe que a Presidencia lhe concede
a licenca que pedio com o vencimento de
ordenado para residir na Corte no inter-
valo da sessio da Assemblea (jeral Legis-
lativa, visto nao poder entrar no exercicio
do seu emprego pelas molestias que pa-
dece.
Dito Ao Inspector da Thesouraria ,
cemmunicando-lhe o contudo no prece-
dente oficio.
Dito Ao Engenheiro Boyer, commu-
nicando lhe que sendo conveniente faser
um caes no atierro que fica entre o arco
de Santo Antonio da Ponte do Recife e
o mercado da Ribeira do Peixe para me
Ihoromento desta cidade ; lhe ordena que
passandoa levantar a planta, e a fazer o
orcamento desta obra, remetta arabos a dadfi execusso ao que lhe foi exigido em
Secretaria da presidencia a fim de que se officio de 7 de Agosto deste anoo, envian-
mandedar principio a mesma obra 6can
do na inteligencia de que devera' faser-se
defronte do largo de Palacio uma rampa
para desembarque, e collocar-se defronte
do Arsentl um quindaste para receber os
objeclos que lhe (orem destinados.
Expediente do dia p.
Dito Ao Inspector da Thezouraria,
ordenando que mande aprontar os objec-
tos constantes das 3 requesices que se lhe
enviio feitas pelo Tenente Coronel Com-
mandante da ilha de Fernando,-para se-
rem enviados no primeiro Navio que para
ali seguir.
Dito Ao mesmo communicando-lhe
que foro recomidos aos arma-ens da I-
Ihas de Fernandos os gneros que para ali
do a informaco de qual o numero de
canzas que tem jolgado em consequencia
de se term dado de suspeito os Juises da
segunda e terceira Vara, durante anno
de i83t, declarando se acaso nao bou ve
inconveniente, e quantas pertencente a u-
ma e outra vara.
Igual officio com a devida alterarlo
foi expedido ao Juiz do Civel da segunda
Vara.
Dito circular Aos mesmos, e aos de
mais Juizes do Civel das Comarcas da
Provincia exigindo o cumprimeito do of-
ficio circular de at de Junho do erren-
anno, em que Ihes fot ordenada a remessa
das listas de todos os orfos pobres de su-
as Comarcas com as uloriuaces indicadas
no citado officio.
Dito dito Aos mesmos exigindo com
brevidade o cumprimeuto do oficio circu-
lar de 7.6 de Junho deste onno que orde-
nava a remessa das duas. relacCies, a pri
meira de todos os inventarios feilos no an-
uo de i83t com decaracao dos heos in-
ventariados, e segunda de todas as Cauzas
civeis julgadas dentro do mesmo anno com
declaraco das quantias pedidas nos libello.i,
e se as sentencia condenarlo, ou absolve-
rlo os reos.
Dito Ao Inspector Geral das obras
Publicas ordenando lhe que cumpra o ofi
ciuque lhe foi dirigido em i4 de Agosto
do corrente anno pelo qual se lhe incumbi
a organisaco de *m rpgulamenfo para a
conservacio das estradas da Provincia.
Dito Ao Director do Arsenal de guer-
ra, ordenando-lhe quetenha prontos pa
ra irera na primeira occasio para a ilha de
Fernando os iu paos de Jangada, que re-
quesitou o Commandante da referida I
Iba.
Portara--.Ao mesmo para entregara
desposico do Director do Jardim Botni-
co de Olinda 4 caixote para a conduelo
das plantas que se destinad a Provincia
do Maranhlo, e seis enxadas, 6 ensinhos
de ferro, t regadores, a padiolas, e a
carros de mad para o servico d'aqueile
Jardim.
Oficio Ao Director do Jardim Botni-
co de Olinda communicando lhe a expe-
dir cao da ordem supra.
Do Ao Administrador Fiscal das
obras publicas, auctorisando-o para vender
em hasta publica o enserado, que foi com-
prado para condcelo de farinha, que a-
gora se fasem desnessarios, e sem appli-
caco como representa em seu officio de 6
do corrente mtz.
Expediente do dia 10.
Dito Ao Inspector da Thesouraria,
communicando-lhe que havendo o profes-
sor da Cadeira de primeiras Letras da
Freguesia do Allinbo Francisco Joaquim
de Barios Correia abandonado a sua Ca-
deira por todo o mez de Fevereiro e parte
do de Marco do correte anno e que nao
obstante este irregular procedimenlo for
pago dos seus ordenados al o fim de Ju-
nho do mesmo anno; lhe ordena, q'na con-
foimidade do artigo 2. do Capitulo 3.
da Lei Provincial numero 43 de 10 de
Junho de i83l faca descontar ao dito Pro-
fessor o ordenado correspondente quefal-
touaos deveres do seu Magisterio com de-
trimento da educado da moridade.
Dito -- Ao Prefeito da Comarca, par-
tecipando que fallecen no Hospital da I
Iha de Fernando de Noronha o Sentencia-
do Jos Rodrigues das Chagas como
consta do acto de vistoria que se lhe en-
va.
Dito -- Ao Jtjir do Cve! da segunda va-
ra da Comarca do Recife, ordenando-llie
que cumpra o que lhe foi ordenado em
officio de atde Junho deste anno, remet-
iendo com a possivel brevidade alistados
orfios dosdemais Municipios desta Comar-
ca com as informacGes exigidas nojeitado
officio.
Dito Ao Director do'Liceo, communi-
cando-lhe que tendo o prof.ssor de pri-
meiras Letras da Freguesia do Altinbo
Francisco Joaquim de Barros Correia -
bandonado a respectiva Cadeira por todo
o mez de Fevereiro e parte do de Marco
e que nao obstante este i rregular procedi-
menlo fora pago dos orde nados que dever
vencer dmante aquelle lempo ; cumpre
que em conformidade do i que determina o
artigo 9. 1. do Capitulo 3. da, lei Pro-
vincial numero 43 proceda contra elle por
terfaltado aos daveresde seu magisterio; fa-
sendo a presidencia por esta occasio o-
t.ir ao mesmo Director que sendo o exacto
cumprimento das Leis o melhor meio de
chamar os Empregdos ao seu dever ,con-
vem que nao deixe de uzar dos que lhe
fornece a lei citada a cerca dosjprofesse-
res que esta de baixo de suas djrecr;o, por
quanto de contraria conducta rrsullerio
os inconvenientes que ella qui/. prevenir
o que nfo devem, ja mais aparecer como
he deesperardo seu zelo, para que a instru-
irlo publica progrida.
Dito -- A o Doutor Pedro Dornellas Pei-
soa nomeando-o Membro d 1 Coromissao,
que nesta provincia deve quabficar os ofi-
ciaes de primeira linha do Exercilo em
conformidade do desposto na lei de ao de
Setembro do correnle anno, e regulamento
respectivo sob numero a2 esperando e
Presidencia que aceite esta nomeaco e na-
ja d< eutender-se com o Commandante das
Armas Presidente da referida Commis-
sio.
Dito Ao Commandante das Armas,
communcicando-lhe a nomeaca do officio
supra.
DitoA Cmara Municipal de Olinda,
approvando as arremalacoes das casinhas da
Ribeira pela quantia de iitsioors, por
anno ; do armas m junto a Igreja de S.
Sebastio por oito mil e vihte res, de ou-
tro por ats'000 rs. do subsidio dos porcos
por 9514." e dos repesos dos assougues
por 3\ s'700 reis, segundo partecipou em
,-eu oficio det do corrente mez.
COMMANDO DAS ARMAS.
Quartel do Commando das Armas de Per-
nambuco i5 de Novembro de i83S
Ordem' Aayiiccional.
O Commandante das Armas determina,
que perante a Commissio qualificador
tas Olficiaes de Primeira Linha do Exer-
cilo nesta Provincia, compareci as 10
horas da manha do dia 17 do corrente os
Snrs. Tenentes Jos da Silva Guimarea
Jumor, Adelo Lopes de Santa Anna ,
Ignacio Francisco Pereira Dutra Alfon-
so Honorato Bastos, Joaquim Jos de F-
ria Neves, Joo Ribeiro Pessoa de La-
cerda Joaquim Ignacio'de Barros Lima .
Francisco Antonio de S Barreto Manoal
Bizerra do Valle Pedro AUxaedrino de
MUTILADO


DIARIO I) F P F R N A M' B U .C O
* ... I fl...
Barros Cvalcanli Antonio Jos de Souza
Cosseiro, Manoel Fernandes da Cruz ,
Francisco Goncalves de Arruda Sebaslia
Lopes Guimaraens, JoSo de Siqueira Cam-
pillo e Antonio Marcellino do Espirito
Santo. O* Senhores Cotnmandantes de
Corpos, Deposita e Classes mandar
avisar os respectivos Senhores Officiaes.
Antonio Pedro de S B .ir re lo.
Espediente do dia 8.
Oficio Ao Doutor Jos Eustaquio Go-
mes disendo-lhe que tendo elle sido
nomeado Memoro da Commisso qu- ti-
nba nesta Provincia de quahGcar a officia-
lidade de i.* Linha do Ejercito para a 01-
gsnisacio do respectivo Quadro, e liavendu
a asesina Commissfo de ser instalada e
dar comeen a seos trabalhos as .o horas
da manlia do dia i 3 do corren te na Sa-
Pubcis com o requerimenlo de Jos Ber-
nardo Fernandes Gama pira mandar de
marcar e avahar o te.rre.no requer io pe-
lo mesmo na forma das Instruccs, e or-
f dens a respeito.
Dito__ Aolnsp^ctor do Arsenal de Ma-
rmita coa o requ-'iimento de Ignacio Mar
ques da C"Sla Soares propiiet rio do
lirigue Triumpho Americano para o infor-
mar com oseu parecer.
Expediente do dia 15.
Officio Ao Exm. Snr. Presidente da
Provincia informando o requerimenlo de
Antonio Joaquim Correia Gdhardo cm
quo pede o Lugar de 3. Escripturario da
Conladoria da iimsma Tltesouraria.
Dito Ao Director do Arsenal de Gue.i-
ra para cm vista das copias a t-lle iuclusas
do officio do Exm. Snr. Presidente da
culo por se estar npromptando u frande
Peca-OS DOS PEDROS- para dia
dos anuos de S. M. i. G. a a de Dezem-
1)10.
cretaria Militar, aessa hora devia compa- Provincia de 9 docorrente e das Irez re
recer, comnunicando-llie antecipadamen-
te no caso de que por qualquer motivo
deixaise de acceitar a nomeaco ,0 que
nio era de esperar para com lempo se
darem as precisas providencias.
No mesmo sentido e data se ohciou
ao* Senhores Cirurgioens Manoel Pereira
Teixeira e Jos Fiancisco Pinto Guima-
raens como Meotbros da Commisso
mencionada na antecedente Portara.
Dito A o Inspector, da Thesouraria ,
mmmunicando-lhe em resposta ao seo of-
ficio de 5 do cm reme que fico dadas as
ordens ao Capito Comm-indante interino
do4 Corpo d'Artillieria para proceder
os devidos di contos nos sidos do Capillo
Sergio Tertuliano Cstel Branco, poros
ha ver pela Corte recebido adiantados.
Dito Ao Commandante interino da
Forulesa de Tamandai aecusando o re-
te bi ment dos seo officios do i., e 6 do
correte e disendo-lhe que de quanlo
nelles relalava ficava iateirado.
Dito Ao Capito Commandante in-
terino do 4* Corpo d'Artilheria diseu-
do Un, que em virttide d'Ordens Imp-
rtaos Titesouraria communicadas e pelo
respectivo Inspector a o Commandante das
Armas em officio de 5 do correte bou-
vnsse elle de discontar mensalmenle pela
quinta pari nos sidos do Gap to Sirr
T. 'Castel Brancoaquanlia de 120,000 r*.
importancia de 4 meses de sold que adi-
antados recebara pela Corte e que Pimo
este disconto proeedessa a outro d; a o
mil res mensaes, at segunda ordem
contraria.
Dito Ao mesmo, remetiendo Ihe a
guia que da Corle acompanhara o Capi-
to Castel Uraoco a fim de que em seos
assentamenlos se Osease m as necessarias
veibaa, e fbsse archivada
quisicoens que o acompanharo mandar
apromptar <>s gneros que pede o Couiman-
dante da liba de Fernando, lempo de
hirem na primeira Emharcaco.
THEZOURARIA DA PROVINCIA.
Expediente do dia 14 de Novembro de
, 1838.
Officio Ao Exm. Snr. Presidente da
Provincia mformando quo nao se lem
podido concluir a c branca das dispesas
eilas com o Brigue Franee/ Bougainvitle,
naufragado na liba de Fernando de No-
ronha ; porque ha vendo adoecido grave-
mente e a final fallecido o Cnsul Frari-
ce z que ento existia foi necessario espe-
rar que apparecesse pessoa que o subsli
tuisse e tendo esta sido oomeado a pouco
tempo o havendo-se Ihe remettido por
copia os documentos a respeiio se est a
espera da sua ulterior deciso. .
Dito Ao Offici|| Maior da Secretaria
do Tribunal doThesouro Publ.co Nacional
acensando a recepeo do seu officio de 3
de Agosto ultimo com os dous exemplarcs
do 4i Tomo da Colhco das Leis pu-
blicada pelo Conselheiro Nabuco para so
da mesma Tnesouraria e da Alfandega.
Dito Ao Contador da mesma Thesou-
raria com a copia da ordem do Tribunal
do Tliesouro Publico Nacional numero 45
do correte anno.
Dito Ao inspector d'Alfandega remet-
iendo Ihe, em addilamento ao officio de
37 de Janeiro do frrente anno pjia uso
oV mesma Repartico um.excmplar do 4.0
Tomo da Colcco das Leis cima menci-
ooadn.
Dito Ao Inspector Geral das Obras
Diversas Reparticoens
ALFANDEGA DAS FAZENDiS.
EDITAES.
Perante o inspector d'Alfandega hde-
se arrematar no dia ao do corrente pelas
11 horas da manha e na porta da mes-
ma o seguinle abaixo declarado impugna-
do pelo Guarda Avulso Antonio Francisco
Xavier, no Despicho de A. Saiset, de
N.aip9, em 14 docorrente.
Aifaudega i5 pe Novembro de 1838.
Manuel Zsfinuo dos "untos.
4 Coadores de lan 5) libras pista de
dejujuba a lampas pequen s la me-
ias girr--: ., serope de i> >uln .jo' sondis.
Perante o Inspector d'Alfandega hvle-se
arrematar noilia o do omine p-das ti
horas da manhia e na p n u il < mesma o.
seguinle aIhxo declarado, impugnado pe-
lo Guarda Avulso Jos Tbomaz de Fceilas
no D-spacho de Kfdkmann & Rosenmund
de 12 do corrente de N. ai 19.
Alfandeg i5de 'ovembro de 1838,
Manoil Z firmo dos Santos.
I Caixa com urna groca cabillo de relo-
gio meia dita chaves para dito, 1 dita
4e
ditas quadradas de asso t dunas pontei
ros de asso t ditas ditos de metal ,
1/2 dita dita de ouro ,,4 rodomas para re-
logio, 1 dusia de brocas, a dusias de
largadores, 1 el cate 1 fileiro 3 duzias
de cordasp-ua relogio mei groca pon
teiros de registros, b garrnfinhas de oleo, o
limas qu^drads 9 grocas vidros Ordina-
rios para relogio 12 duzias de mollas di-
to dito, a ditas dilus orizontaes 3 duzias
grocas de panfusos pequeo 'ilo.
A Galera Brasileira Santa Rita, vinda
de Lisboa entrada-em i5' do corrente
Capito Feleciano Jos Gomes, consigna-
da a Jos Antonio Gomes Jnior.
Man Testo u o seguinle.
170 Pudras decantara 731 ditas de la-
gedo 153 pipas com vinho 1 meia dita com
dilo 33t birria com dito ao pipas com vi-
nagre 10 barris com dito 91 ditos com a-
z-ile a55 barris comsemeasi5 dit.s con,
bolaxa gcaixsscom chapeos 44 barricas
com drogas 11 ditas com eipila 1 dita
com caslanhas l5 fardos com caixinhas de
ameixas \\ ancoretas com conservas 8 bar-
ris com ditas a caixoens com violas 5 ditos
com calcado a b'ibus com dito acaixas com
louca 1 dita com chocolate 1 dila com doce
1 barril com paios it ditos com bagas de-
zimbro a caixas com drogas.
Fora do Manifest.
6 Caixas com vidros 3 ditas com hum
berco 7 saceos com semeas 1 canastra com
maees 1 barril com conservas 3i caixas
tigucra se) 1 2oo mullios de sehoiias 1 con-
deca (ignora se) 1 barriquinha d^ 200,
saceos vasios l bihu (ignora-ie) a embru- |
Ibos dilo.
rjfpsBKc-rsasBKS
MEZA DO CONSULADO.
A Paula be a masma do num. 9.5o.
con R RIO.
O Pataxo Patagn, rrceb* s malas
para oCe^ Miranbo, e Pai no dia
IC) ao meio dia.
A Sumaca Felicidade de que he Mestre
Joso Rodrigues Pinheiro sai para o A
racaty no da 20 d > corrente.
ARSENAL DE GUERRA.
O Arsenal da Guerra compra paos de
jng sem tortuozdades ; e taboas Je pinito }'
asim como convida a Caronheiros, Ar-
m^iros ou Espingardeirns para trabalha-
rem no mesmo Arsenal.
Joo A'senio Birboza.
Ajudante.
PRFEITUBA.
Parte do dia i5 de Novembro de i838.
Exm. Illm e Snr. For5 presos hon
tem a minha ordem e tiveio o compe-
tente destino : Pedro preto escravo de
Fernandes de Almeida morador em Go-
iinninln, pelo Sub -Prefeitn da Fieguesia
do Recife por estar fgido; Lina Tecla,
Ncacia Mara do Rosario ,-Paula Mara ,
e Thcndora Maria Al \andrina pardas ,
pelo Sub Prcfeilo da Freguesia de Sanio
Antonio, ai.,u-, e 3. por terem si
do encontradas em urna casa desuspeita na
ra da Florentina onde havia estado hum
escravo furtado que foi apprebendido
nos Aflbgadiis e a ultima por ter querido
nlrar a orc na dita casa estando ella
em cerco e havendo prohibico de n'ella
entrar nlgu-m ; Alexandrino Zacaras de
Birc-llos pardj pelo Sub-I'refeilo dos
Alfogados, por Ihe ter sido apprebendido
um preto lunado de nome Cae tao de
Joo Jos Al ves cu jo preto Ihe f > entre
gue; Luir. Jos de Santa Anna. tamhem
pafdo pelo -S'ib-Prefei'.o de J^boaio ,
por ser vagabundo e de 'pessima condu-
cta.
E' o que consta das Partes boje recela-
das nesta Secretaria.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitura da
Comarca do B~*t*
1838. Illm.
Reg Piarros Presidente da Provincia. | Ao da i2 desle mezdesapanceo um
Franeisry Antonio de S liarreto, Preei- menino por nome Francisco de idade de
10 anuos, menino branco e ja meio ins-
truido lias piimeiras letras morador no
AVISOS DIVERSOS.
Joaquim Antonioda Silva Linhou
por este annuucio faz certo e protesta fi.
car sem valor algum huma Letia da qnan
lia de 1 12 s res que em odia 5 do cr-
tenle Novembro sacou contra o Reverendo
Sor. Manoel Tbomaz da S Iva com o pra-
zo de seis meses a vencer-se contados d'a-
quelle dia correndo o uro de 2 por cen-
lo depois de seu vencimento ; porissoquo
sendo dita Letra aceita e assignada pelo
mesmo Reverendo Sur. foi desencaminha-
da em consequencia do que ja foi saca-
da oulra Letra'com a mesma dacta igual
quantia 4 prezo e juro a qual ja se aelta
em seu pj.der e^ssgnada pelo mesmo P.e-
verendoSnr. ai haudo-se fiesta segunda a
declaradlo de fi :ar sem effeito aquella pri-
meira extraviada e para a precisa sega
ranea be que se faz o presente annuncio.
A pessoa quequer filar, a Antonio
Jos Goncalves de Azevi do : procure na
ra do Colle^io D. 9
** Quem quiser alugar hum sitio na
Cruz de Almas, casa grande bem repar-
tida e pintada de novo : no a. andar
da casa da esquina da ra do Encantamen-
to que faz fenle para a Praca do Com-
meicio ; aonde limb;m se precisa de um
leitor. Na mesma casa se vende urna pre-
ta crioula de idade a5 anuos, boa figu-
ra propria para prender a coser engo-
mar, ecosinhar por ja ter principio, e
mijito boa para vender na la 5 e os se-
; 111 ntes livros muito em conla por estn ni
alguma couza ruidos do bixo, porem se en-
tende bem ealguns ainda quasi novos;
Primeias Linhas Ciiminaes Pralica Cri-
minal de Per reir Guerreiro Moraes de
execulionibus Slrychio os 5 Cdigos
do Imperio Francez Direito Eclesistico
porGemiruri Direito Civil por Pascoal
Jos de Mello, Bentham MosUqiiiru,,
Ricitacoens de lieinecio, Pandectas Fe-
lice direito natural Compendio da Histo-
ria Romana em Latan Waldeck Waiel
druildes gens Biblioteca de direito, Go-
vernaiint Poltica and Civil Leis do
Recife 15 de Novembro de Brazil atltiay, PMangcire Sciencia da
e Exm. Snr. Francisco do i Leg'slaco.
to da Comarca.
Parte do da 16.
Illm. e Exm. Sor. Forao presos bon-
tem a minha ordem e livero destino:
Luiz de Franca pardo trigueiro, es-
clavo de Anna Joaquina Domingas daAp-
presentacio e Leandro Thorsa de Jess,
prela pelo Sub Prefeito da Freguesia de
Santo Antonio esta par star proferindo
palavras obscenas no largo do Theatro e
aqelle por denuncii de ter vendido hum
escravo Curiado Antonio Luiz Verreira ;
Auna Alara da Aimunciacao e Francisca
tamhem pretos esta escrava de Miguel de
Souz 1 Magaliiaens pelo Commandante da
(iuarda da Cideia por hriga ; Luiz Mar-
celina, preto, Mauricio Jos, Antonio
Francisco, e,Manoel Francisco pardos,
pelo Sub-P.-efeilo da Frvgncsia da Roa-vis-
ta por lerem sido encontrados na Cam-
pia do Coelho onde se leunem em ni-
ela para jogar sendo elles vadios d^sor-
deiros e faquistas ; Jenuino Augusto,
tambem pardo, pela I. patiulha da mesma
Preguesia por lusulto, e resistencia a
mesma patrulha/ e Jos Flix tambem
pardo escuro pelo Sub-Prefaito dos Af-
i'ogados, por ser de pessima conducta s
inconegivel.
Nada mais consta das parles boje rece
bidas nesta Secretaria.
Dos Guarde V. Exc. Prefeitura da
Comiica do Recife i5 de Novembro de
i838 ,.&c.
THEATRO.
Domingo 18, nao pode haver experta- rado.
Convento de Nossa Senbora do Caj-mo jun-
to com seu Pai ; u vestuario he um cha-
peo de pello novo una niza parda ja usa-
da calsau asnl de nlgodo, de meias e sa-
patos e camist de hadados rtjga-se que
quem delle souber f<;o cundusir por caii-
dade para o dito Convento aonde he mora-
dor ou annuncie.
O Engenbeiro J. Bayer encarrega-
do djj consliucco das oh'as para o mellio-
raruento do p 1 to dista Ciiiade convida
aos pedreiros e canteiro* ncionawi e
estraiigeiros quo quiserem Irabalhar as
masillas obras a'coinparecerem em sua re-
zidencia ra dos Ouarteis D 7 do meio
dia ate 2 horas para se ajuslarem.
Quem quiser vender tilojos velhos
e quebiados pira faser entu.hos : dirja-
le a 1 m dos Quaittis D 7.
Offereeesse um creado, para pagero
ou para tratar de cvalos : quem o per-
tender dirija se a Boa vista casa do Sur.
Antonio Jos da Cosa, na ra du,Aterro.
jfc^ Alluga-se huma loja de huma sf*
porta, cita na Ma direila junto ao Terco,
com armadlo, a qual se vende, propriai
para miudesa, ou para outro qualquer ne-
gocio : quem a perlender diiija>sa ra
pordetrazdos mai tirios casa de duas ro-
tulas verde defronle de urna cerca.
Bernardo Fernandes Gama tem justo-
urna propriedade na ra da Concordia j
a pessoa, que ni dita ra liver alguma
liypolhica, ou qualqu.r escrfptura annun-
cie por esta folha designando n. e D da
C378.
--Precisa-se allugar pretos e prctas *
quem os liver annuucio para ser procu-


DI4RI0 DE PER N A M BUCO.
Q ien precisar de um mulher creou-
|a pira tina de cisa de um bome.rri solteiro,
ou mesm de pequana familia a qual sa
be cozinhar engoromar, e coser, co-
mo tambera reger ama casa dirjase a
ra Augusta na casa de duas portas e urna
janelU cora vidrassis defronte de um lam-
piio.
Offerece se um rapiz brasileiro para
caixeiro dearmasem, cobranca, ou outra
qualquer occupacfo ; aonuncie.
-- Na padaria da na Dircila D. 3{ ,
precisa-se de um forneiro, e se d bom
ordenado.
-- O abaixo assignado fas publico que no
dia 20 do correte se hade arrematar em
praca publica pelo Ju izo do Civel da pii-
meira vara, o sitio dos caxorrosadiante da
ra do Hospicio, cora duas casas de pe-
dra e cal tendo orna destas duas sallas ,
duas alcovas, copiar, cozinka fora quar-
to pira feitor smzalla, e estribara para a
vaccas e um cavallo um grande viveiro
por acabar o sitio tem a5o palmos de
trente para a estrada de Luiz do llego e
a 5o para a estrada velha contendo entre
um e outra Frente laoo piIrnos, ven
de-se tnais 4 escravos um dclles canoeiro,
e os outros tambem entender e todos
sao costumados a fazer aterros ; quem os
pretender pireca neste dia para tancar no
qu* quiser al llie fuer conta.
Precisa-se de amas para criar de
leite na casa dos expostos, pjgindo-se seis
mil rs. mencaes e sendo bem tratadas di-
rijo-se a mencionada casa a tratar cora o
Kegen'e dellr,. Antonio Caetano Vieira
Desej.i-se fallar aosSrs. Manoel Jo-
aquim Pereira e Francisco de Paula de
Souza Portugal -a negocio de interesse ,
a anunciem suas moradas.
A pessoa que tem de receber nesta
provincia do Exm. Presidente da Bahia ,
algura objecto de negocio particular vindo
d'ali queira entender-se c m o Comman-
dante do Paquete Nacional Patagonia sur-
to neste porto que lhe far entrega a vis-
ta da respectiva ordecu.
-- Precisa-se de urna parelha de serra-
dores pagandose por*cada dia :6oi : ni
serrara da ra da praia junto . .g-3.
No dia Quarta feira *4 rfo corrente
perdeo-se desde o armasen) do sal da Roa
vista al a ra do Gabug 5oo'ooo em se-
dulas., sendo duas de aoof'ooo e urna de
loosoo -; rogi-se a quem as achou de as
entregar ( querendo) na ra do Queimado
loja de 3 porta defronte do beco da con-
gregelo, que receber ioosooo de gra-
lificaco.
- Quem precisar de urna parda com
muito l>om leite dirjase ao Atierro dos
Afjfogidua da parte do pasenle junto do
sobrado do Lima I). i3.
* Precisa se de um feitor que trabalhe
de enchada e tome corita de um sitio na
Magdalena : na ra de Agoas verdes so-
brado D. io.
OsSrs.e Senboras abaixo declarados
queiro declararen! as suas moradas para
negocio de seus inte resseg : Jos Aires Gi-
ma, Jlo Manoel de Ol reir Jos Mo-
reira dos Stntos Joaquim da Silva Gama.
Jos dos Santos da Silveira Simplicio da
Silva Angelo Custodio de Almeida, Mr-
celmo Gonsalves de Araujo Joo da Son-
ta Pontes Fradcisco Ignacio Nazaretb ,
Dionisio Perrjira Chaves Joo Antonio de
Carvalho Sirioo Marques de Araujo,
Antonio Manoel de Carvalho Guimaries .
Alexmdre Jos Bareira Tavaaes D. Ma-
ra do Carmo Baplista, Jo Antonio da
Silva Ferreira I). Ignacia Mara da Con-
ceicio, Agostinha da Silva ; Jaronima Ma-
ra de Almeida Espinla D Josefa Maria
-de Albuquerque, D. Anna Francisca Aci-
oM.
Arrenda-se um sitio na estrada do
Arraial com boa casa de vivenda excel-
lenle agoa de beber estribara para ca-
vallo com bastantes arvoreds que dio
fruclos e Com pasto para 8 vareas de leite;
quem o pretender dirij.i-se a ra do C/es-
po D 7.
Altiga-sc um andar de sobrado ou
casa terrea, que nao exceda o .cu atuguel
a 10,000. neslaTypografia
_ llum sujeilo de capacidad prope
se receber em su* casa 10 meninos como
porcionislas, pelo mdico preco annu.d
de 20OS000 rs. ensillando Ibes primeiras
Ltras, Grammatica Portuguesa Latim ,
Francez Inglez, muzica e danca tu
do com bastante perfeicio. Na ra do
Queimado loja D. 2 de Fermino Jos Ro-
drigues Ferreira se d ir5 as precisas in
formaces.
* Desecaminhou se do segundo sitio da
estrada do Pombal urna cabra com crias sendo ella toda preta com urna m 1-
Iha branca na barriga ama das flbas pre-
la e outra branca com m- levando urna corda graudeao pescoeo-, quem
a pegar leve ao mesmo sitio que ser re-
compensado.
O Sr." Jos Caetano Teixeira natural
da Cidade de Penafiel que leve venda em
fora de portas, dirija-se a iui do dbug
loja de Francisco Augusto Azevedoe Silva
a fim de receber um carta \ inda de portu-
gal.
Aluga-se um prelo muito bom padei-
ro : na praca da Boa rista botica de Joio
Ferreira da Cunha.
Avisos Martimos
PARA MARANHAO' segu viagem
al o fim do corrente mez o Brigue Encuna
Laura Segunda para carga, e passageiros
para o que tem bans commodos trata-se
no Forte do Maltas com Firmino Jos Fe*
liada Roza.
PARAOAR\CATY, a Sumaca Feli-
cidade Mestre Jos Rodrigues Pinheiro ,
sabe mprelerivelraente no dia a4 do cor-
rente por ter aeu carregamento quasi
prompto j quem quiser carregarou hr de
p wsagem, dirija se a fallar com o dito Mes-
tre ou a Antonio Joaquim de Souza Ribeiro.
Le i I ao
Qje fem Lanoir Besuchet &
Puget de fazendas limpas e avariadas a sa-
ber : cassas brancas e de cores vestidos de
cassa e de fil gangas sarjas para col
tes, sedas e garcas para vestidos hreta-
iilias meias de seda, bcos de fil de se-
da e de linho espelhos ricos e mili-
tos objectos de canquclharias, e bejoterias
francezas ; no dia terca feira ao do cor-
rente as 10 hars da nianui no seu arma-
sem na ra da Crus n. 5.
C o rn p r a s
Prelas de 12 para 20 annos sendo la-
dinas : a fallir com S. Daniels.
Ve n das
-- O Nnroero 77 do ECHO da Religiio
do Imperio: na praca da Independencia
0.37 c 38.
GELOabordodo Brigue Americano,
estancionndo muito junto a escadinlia do
caes da aliandega dando se gratis o trans-
porte aot> compradores: de 4 libras ( o me-
nos peso) ate urna arroba a 120 a libra: de
arroba para cima a 100 ris he trunca a
venda e cond eso das 6 horas da manh as
6 e meiii da larde. '
Aluga-se e troca-se diariamente ve-
las de cera de meia quarta al tocheiros :
na 111 do Raugel sobrado de um andar De-
cima Q-
Ou arrenda-se um sitio rio lugar do
Barbalho eom suficiente casa banho pe-
lo e muito bons ares contendo diffdren-
les arvoresque dio fructos, Iralar na ra
do Queimado no segundo andar do ssbra
do D. 19-
Um molato bom oficial de S'paleiio ,
com3oannos de idade bonita figura,
sem vicios e ero achaques e muito
proprio para pagem : na ra do muro da
l'enha sobrado \). 18.
A duz-s de garrafas de vinbo de
Champangnhe, chegado prximamente: na
ra das Crures I), y
Cma esrniva de naco cambnda de
id,.de de ao annos e com duas crias e
com muito bom leite para criar : no Atter
ro da Boa visla n<> terceiro sobrado do la-
do do sul junto a ponte.
Na fabrica de chapeos de Antonio
Jorge junto da cadeia superiores chapeos
de castor e de raassa brancos e pretos ,
da ultima moda d tos do Cb le e dilos
elsticos de messa; bixas de Lisboa e do
Porto grandes ludo por preco muito
commodo e na mesma loja se bola na ul-
tima moda de chapeos de todas as qualida-
des.
Uma escrara de nacao de id He de
i3 a 5 annos, de bonita figura, engom-
ma liso, cozinhao diario de uma casa e
lava roupa : na ra Direila D ao lado da
Igreja do Livramento,
Uma casa grande, e boa om bas-
tantes commodos sendo na piincipal ra
da casa f >rle em lugar de quina ptima
para nogocio e por preco mdico : a tra-
tar na camboa do Carmo D ao; assim como
3 cepos para talhode carne.
-- Ou troca se doismoleques e uma ne-
gripha por negros : na ra do Queima-
do loja D. 7.
Duas padarias com todos os pertences
necessarios sitas na ra Dimita n. 11 e
15 : a tratar na ra da Cruz com J aquim
Antonio de Vasconcelos.
-- Farinha de milbo bolaxa bolaxi-
nha e charutos, ludo por preco commo-
do : no armasem de Joaquim Antonio de
Vasconc/los no Recfe ra da Crae.
-- Um esciavode idade do aa annos ,
de bonita figura, e muito hbil para o ser-
vico de. campo e hom carreio : na ra
Direita veoda nova de 3 portas D. 1 ?\.
Uma porco de cera de carnauba r e
4 grandes canoas de amarello com 60 a 70
palmos de comprido bastante groasas pro-
prias para barcacas ou canoa d'agoa e
tambem se vende urna;canoa que pega l5oo
lijlos a fallar cora Manoel Francisco da
Silva em sua loja na pracinha do Livra-
mento sobrados novos do 3 andares lado
da escada.
- Uma rotula deporta urna divida de
mais de soo.000 que est garantida por hy
potheca em bensde rais e corre juros de
2 por ceiilo ao mez, uma venda no paleo
de S. Jos D. 1 duas molatas que saibem
fazer lodo o servico de um rasa uma bin-
li-ira de prala para menino J/ns, nm ane-
lo de ouro lavrado uma chave com cor-
rent de ouro para relogio, um aifinete
de diamantes 8 volias de cordio de ouro
com um coeaco um par de bolo 's de ou -
ro um berco de conduru' uma marque-
za dita Uma Unterna mgica um jogo
de mangas de vidio^om relogio pequeo,
um dito de parede. uma pistola de alcan-
ce uma picadeira de prata um cavallo
cirregador baixo por muito deminnlo prego
2 selins com arreios nm espelho de pa-
rede, 6 quadros dourados vurios taboa-
dos nelouro e amarello : na ra da praia
sobrado por cima dobirbeiro.
Uma negra mucambique de idade de
70 a a3 annos, com principios de cozinha ,
e engommado; um braco de bilanca re-
f.ncado; e uro tonel pequeo para aztite
de carraprlo rebalido e prompto : na ra
de Hortas sobrado de um andar D. .25.
Uma canoa de carreira ainda quasi
nova que a commoda livremenle 10 pes-
soas boa de carreira pintada de novo,
e com assenlo de palinha : os pretendentes
para ver em vio atrz dos Martirios ao p
do tanque do fallecido Monteiro e para
o ajuslo na ra Direita D. 27.
Todos os pertences de uma refinacio
de assucar em muito bom uzo ou se
traspassa a mesm^ casa de refinar (por ren-
da ) para ali continuar onde se acha esta-
cionada : no beco da pol D. 4 ; as-im co-
mo dois'quarlos proprias para viagtm.
de naci cabund, nio parece ladino, cheio
do corpo baixo d idade de l4 annoi ,
cor preta sem barba denles afinado ,
olhos vivos, levou camisa de riscado azul,
e seroula de algidio quem o pegar leve
a ra da Cruz D. 5a que ser recom-
pensado com 5o, 000.
Jos Carvalho da Costa morador na
Cidade do Reeife de Pernambuco roa da
Trapiche defronte do caes da Lingoeta De-
cima 10 toga o favor a todas authouda-
des policiaes do Imperio do. Brasil, pea-
soas particulares qut souberem aoode es-
lio ou virem tres escravoa que fugi-
ro e ha suspeilas que forio furtados ,
de os mandar prender e entregar ao dito
Sr. que eat^ prompto a pagar toda a deipe-
za que se fizer : e ficar eternamente a-
gradecido a pessoa que Ihe fizer este bene-
ficio ; os esciavos tem os signaes segua*
les: Joio por alcunho guaxini fugio no
me, d Abril de i836 pre|o, de 20 annos
de idade quando fugio estatura regu|ar ,
seco do corpo, testa alta olhos peqnenos ,
sinlura fina fistolas as pernas de fe idas
que ja leve he c momo e natural der an
gola naci cabund : Antonio por a lcu-
nho bacamarte fugio no mea de Maio de
|S38, he prelo, de idade de 18 annos,
estatura regular seco do corpo nariz xa-
to nao lem unha em um dedo do p he
canoeiro de naci cacange : Aatonio por
por alcunho pinta ratos e boca de fogo*,
falla muito grosso fugio no mez de Julho
de i838, he prelo, idade.de ao annos,
estatura regular, grosso do corpo,, cabel-
lo ruivo rosto redondo, beicos grossos ,
tem uma canella do uma perna mais alta do
que a utra por cauza de uma lerida 4que ,
ja leve he canoeiro, e de naci congo.
Raimundo creoulo de idadel,de ao
annos pouco mais ou meeos, baixo fu-
gio no dia i3 do correte j que o pegar
leve a ra de Hortas D. 55 que.aera gra-
tificada '" '
Fugio um negro de nome Manoe
de naci no dia 14 do corrente alt ,
cor fulla, olhos grandes e abitompado ,
bonita figura, ainda novo, levau vestido
camisa de madapolio e saroula de
loupa ; quem o p"gar leve a ra D reila
oa pidaria D. 33 quesera gratificado.
F'gio no ultimo de Dezembro do an-
no p. p. ama negra da costa ja idosa de '
nome Catharina, alta um tanto fulla, que*-
brada de ambas as verilhas quando andf
deit os peilos para fora ; quem a pegar le-
ve a 1 ua do Arago 37 quesera grati-
ficado generosamente.
Escravos Fgidos
-- Fugio no dia 5 do corrente ama "es-
erara de nome Catharina naco cacange,
de 4o annos de idade, coma cdbeca ja
piolando com uma pinha de caln-llos
hiancos no alto da cbec fuiia, mu ta-
baquista com uns salpicos de carne na
testa signaes de sua naci quando fugio
levou nm vestido de cass-de chita ja des-
borda e baeta azul ferrete ja velha,- quem
a pegar leve a rus d* Florentina D 9 que
ser bem recompensad.
.-- rs'a noitede i4 do crrenle, auzen-
touseum prelo escravo, de nome Joio ,
Muviiiiento do Porto
NAVIOS ENTRADOS NO DIA i5.
V1ACEI0'; Sdias, Patacho N 1. Coocei-
co Commandante o primeiro Tenenr
le Joaquim Jos de Aguiar, conduz, 61
recrulas e madeiras.
HAMBURGO; 45 diaa Brigue Dina-
marquez Amicilia de 190 Tonel. Cap.
Miguel C. Smith, carga varios gneros :
a A. Scbramm; passageiros 3 Dmotarq.
LIVERPOOL; 4a dias Barca Ingina
Neghlengola de a6a Tonel. Cap, Har-
ricrook>bank carga generos^do ipaz :
passageiro o Inglez Uenry. a
HAMBURGO; 69 dias, bate Rambar-
gueza Catharina Doroiheade 180 Tonel.
Cap. G. Feimann, carga varios gneros:
a N. O. Bieber ; paisageiros 7 Dinanaar-
quezes.
ARACATY5 11 dias, Sumaca Pelmira
de 77 Tonel. M. Jos Joaquim Aires ,
carga varios gneros : a Antonio Joa-
quim de Souza Ribeiro ; pasugeira oa
brasileiros Miguel Ferreira do Anjoa ,
Manoel Doarte Silra Joio Antonio
Porto 5 homens e o Mestre da Suma-
ca Carila perdida 110 Aracaty 4 escra-
J ros a entregar e o marinbeiro Furtu-
naio Jos dos Aujos que ficou retido a
bordo por nio rir na matricula.
OBSERVACO ENS.
O Brigue Escuna Americano Peoneer, rin-
do do Rio, fez-se de relia para Baltiaso*
Pas, Ta. na n. r. Da r.
1838


PRECO CORRERTE pernambuco \i de novembro de ios
IMPORTACAO _____________
GNEROS.
A R TIC LES
PRECO
Avaliac
f n
."-> ca
c (5
GNEROS
ARTICl.ES
ACOde MilSo..............
ACfin fas...................
Agoardente a5. gr........
AlcatrSo Sueco......'.......
Americano.........
Atfasema.................
Alpista....................
Alvaiade..................
Amarras de feri o conf. suas v
Amendoa doce com casca mole
Ancoras eancoietas..........
rame deiecro........
,, defato..............
Arcos le ferro.............
Arro*pldo estraugeiro......
Aee dcce.................
BACALHAD novo...........
Bacas de lat\o.............
Barricas vasias ein pe........
abatidas.......
Batatas.....................
Bewrros Franceses..........
Breu............'..........
Brim da*Russia..............
a hniUco....
Bolwafma..................
, ordinaria...........-.
Bolaxinhn.................
CABOS de linho. de patente..
Cafle'.....................
Carne secca do Rio-giande...
f. de Montevideo...
de vacca salgada......
de, Porco............
Car'nei ras'Franceses de. *;ores
Carvo del r>edr............
Cera amaretU d'Angola......
branca...............
Che Hisson saperior.........
P*>1...............
Cerveja (Manca.............
preta................
Chumbo embarra...........
M cm lencol..........
,, de munico........
Cobre para caldereiro........
., forros pregos------
ENCHADAS...............
Eniode em canudo..........
Espingardas lazarina*.......i
Estopa ................
Esl a n no ................
FARIINHA Amer. nova......
veiha.......
Fianceza ....
Mediterrnea
Bltico......
FeijSo...................
Feiios abatidos.............
rollu de Fiandes...........
de ferro Ingles.........
Fiode vella...........
Ferro ingles em barrs......
da Suecia......
5!
lee/ MHmn...........
Spin'ts o< Iwpentine
Brandy 35. e.........
'Par Swedisch.........
,, American........
T.avander............
C.arnarY Secd...,.......
fTliite lend............
Cables-chai n acc. lo site.
Sweet talmonds stfft shell
Anchar' r.nd prtpnels.
fron Wir assoiled......
Bros* .. .1...........
fron honps.............
Rice wliile............
OH olive.............
Cndfislt...............
Rrat l-asins............
Fhur Barris,.........
di lio thookt.........
Ptalo"..............
Calf skims, French.....
Rassin ...............
Ranear duck Russian..
dilio m'lation.......
Bread pilo...........
navy ..'..........
]OracVers......4,.......
Cordaje ..............
Cafle '.....
Beefdried,

Rio g-andt
Montevideo
i3")oo i 4 fono
iSooo
Sg"o
8#ooo
5*ooo
3*ooo
9*000
4*ooo
Jn95
43oo
*no
jno
Ql.
I.i).
t IOO
l(')Ol) prl.
'8*5o<, lia.
7*3oo Ba
3j??o,<> Ar.
lofnoo Ali|
45oo AT.
gion Lo.
4*5ooAr.
Ll>.




Loncaordinaria inglesa.
BeefSelted.........
Pn'rk Salicd.........
Sheep Skins Frencli ot.
Coal..........i.......
Hellow wax...........
,, wlute .........
'leaHytsun .........
., /'cari...........
Ale bottld.............
Porler................
I.ead m barrs..........
Sheet..........
,, Shot aisorted"
Brziers copper.......
Sheatliing-tnd naiis----->
foes..................
Rrimslons.............
P tugese guiu.....
Bagtling .............
Peivler..............
Flour new 4nxer.......
od dito.......
French..........
Mediterranean....
Ballie...........
Beans.................
'rnply Havannaboxes
Tin piale* astorled....
Slteei Iron.............
''wines sail makers.....
\iton t'r.g. in bars .....
Swedish.......
Earlhcnware..........
0111
g,o
8oo
ujoo laJooojQ
-j-ono SJfoooj ,,
jioo ii5oGI.
oi^oo i o(6m '^1
^56o ^600 l-l>
#800 #900 im
#3o /j5 1.
i^ioo ii8>Ar.
a4poo.28ooo Ar.
8y0oo 8f5ooQl.
4ooo i6#oo s.
IjSToOO 14^000 ,,
o^fooo 9?ooo B.
6?ooo 7?-_>oo
4#ooo 4j?Jo Bl#
11^000 aa?oooQl
4*. 3fooo tf-xoo
q7'J0 nJ8in ,,
i4Jooo 75^001 R
9 4O0O agjlono
15*000 'tfooo Os.
14J000 iSfonoTo.
no |74o Lb.
00 ^yoo
tg-ioo i5o
1^180 i#3oo
3*-joo 3f6oo
400j 5f6ao
1 jfooo l5,*00o
13^000 f^noo
ijjooo i8|ooo
9J000
<.>'
Lb.
I,,
Itl.
lil.
Ar.
Alq
*r.
Ql.
Ar.
#200
laoioo
6 joo
3Sooo
xlH'io
3ioo
aJSoo
iai?8:>o
fooo
io|?4ol.
jf'4,Lb-
?>o,
6ooQ!
J4o^r.
c4o
6J;o><
jjftm
, #6to ,
oijcoo Al-
3jfooo9-
10/jfooo
4?ooo
ii?5oo
4*000
14^000
Pp
Ql.
Lb.
lun
i
Ar.
Pe.
Ar.
Ql.
#44o
#600
600
#800
jjjoo
f5oo
IbSo
#64o
jJti4o
11*000
Si8ol,h.
Ra
Oz.
Q.
Lb
Hu.
Ar
Hu.
Ta.

i5|ooo ifi*oco
Illlnon 13/toAn
15*000 164ooo
iafioo r4Jooo
ra* i3jooo
4# 5#oou
ijjfoo i*4"o
l8y000 Q0*000
8^000
|i8o j*3io
4f5oo 5^oo
Qfjaoo 10^000
160 a 170 p c
Ar.
Hu.
Cs.
Ql.
Lb.
QL
Ct.
-'j?o
7*000
af6oo
1 i#000
8^000
t5
fifioo
jfoao
> t ion
34o
qftoo
8#qno
9000
1 o|oo
Ar.

M
D.
To
Lb.
>

Dz.
Q.
I
Lb
|45oLD
|iaoU-

146->o
#5>o
,#6o
1 |6oo
t|6oo
2400
11*000
14400
1 ojf 000
#<<0
483
7^000
factura.
Ar.
Alq
Hi
Ct.
Ql.
Lb
QL
QL
Ab.
Nh
Nh
Fa.
F.
F,
Nh
Nh
F.
.
F.

Nh
h
|(AH>IAFhA' preta* ......
Garra Toen s cnpalbados.....
Geiiebra m p;pas.........
pin butiias......,
LONAS da Russii lar^S..,
., n imitaco.
inshsses estreitan
MANTEIGA i iza......
Francesa.....
Maisas sortidas............
V? i I ho................
OLEO de linliaca em ptpfti,
,, en botijas.......
Papel de poso coroiiha.....
,, almaco a>ul r. *.....
1. e3...
,, branco..
llrete..............
a ......
,, deemhruliiar marca #.
peque-la..
Parnahibns..............
PassS.....-............
Pimentada india.........
Pire da Surda. .-........
Plvora..................
Potas^a d'A marica.........
da Rnssia..........
Preajos caihrar............
, caitar............
ripar do Reino.....
da trra..........
de cotistrucco.....
.Presuntos do Porto .......
., de nutras partes.....
QRIJOS Flamengos......
RAP da Babia...........
,, de Lisboa..........
Reros...................
SARvO' amarello.........
Saceos va sios.............
Salitre bruto..............
,, refinado...........
Sal Estram;eiro............
Salea parnllia.............
TARGO m-tependim......
r.ib >adu de pitillo.........
Toiicinho................
Vinagre de Portugal.......
,, 1I0 Vledilrrrauro .
Viuho de L.sboa tinto PilR.
,, outtos autores linio
,', Malaga secco b.p. P.
,, Cette tinto.......
Espanha.........
,, Sicilia...........
,, Pip. Cat....
Moscatel quar^ola.....
I ,, engjrrafado.
,, Rordeux ,, .....
Champagne.......
Vidro p. v. de c. de 100 pcs.
Vellasde Spermaccte......
,, de cebo.............
R ules hlack........
Dainc-lefiiet.......
t'/i in pipe'........
,, in jart .........
Rustan wide........
,, ,. imilaton ..
,. RneUsli narrow ,
Butler /nsli.'/i......
,, Fre/ic'i......
Macearroni and verm.
Iridian Corn.........
OiL linseed in pipes.. .
,v ,, injars.....
Paper nter..........
alinasno blice 1...
,. a. e3.
,, jrohoiv .
Jlyrete.........
.. s.
Wrappine lar*e.
, m Smal1
Geiman/mllasses.....
Mincalel ratin.t .....
Black plpper......, .
Pitch S'vedish.......
(xuni>owder ..
Po ash American ....
,, ,, Ruman......
Na'di i in ..........
1

>
1

M
I

{ .......... %.
,, 5 010 8 in........
lantt Oporto........
olliers .......
Clieet.te ditlch .......
Sniifj Bahia.........
,, Lithnn.. -....
Sewing Silk.......4.
Soap ye'low.........
au* ..............
$alpeter raw........
rened.....
Hall................
Sanaparillia...... ...
To'jaco Maependin ..
Pinebords...........
Racon ..............
Pinegar Portu^uete .
,, Meditrrranean
IVine Lisboa P. RR...
,, otitis orands
Malaga., P. P.
Cette red ,, ,,
Catalonia
Secilia ,,
Snan. Pp ......
Musca te l e liogsh
in betled .....
clavel ,, .
Champaigne
fPlndowg.p. 100*17,./
Caadles spermecely .
lallow......
"'
1
<
>>
>/

PREGO
Q*i>01
*s5o
(Po
>88o
a8ooo
aa*ooo
i6*"oo
#i3o
534o
5*i>oo
aj^oo
#i')o
:i?a -o
3*aoo
affioo
1S8 >o
1*8.0
i*4oo.
^03
#Xno
856.
4?5oo
#160
11*000
Hio
#iSo
90
4*ooo
a*ooo
icario
lilao
110
8*000
4*oo
i*oo
ll<0O
7#5oo
1135
#400
#40
I700
looo
34ioo
Vo5>
5*o >o
45ooo
3u#ooo
Rifo00
6 >#ooo
70^000
5ofooo
48^000
45j?ooo
4^ofooo
i5*ooo
3|ioo
4s>oo
II^JOO
5)fooo
|t6o
fito
gjooo <;.
#900 H11
4oGI
1^760 Dz.
3o* 'O
?4r,oo
19? no
eu
5*5oo
3*ioo
i*5
i*5o >
3*5o,
3*4i
a*8oo
1400
1 OI>0
1 Soo
i^i 00
ifO'rt
. #33o 1 i
4?6ooCx.
#1X0 Lb
^
Lb.
Ar.
Alq
He.
>

14ffooo
#.8o
jf/aoo
S100
4aoo
Q/loo
i|5oo
i-ioo
l'o
9*000
6*000
l#oo0
l/fnoo
ajJo
8*noo
#t4o
44o Hu
#,60
ji"o
#9o
16^000
4*oon
ji>6n
.6J000
5o(?ono
3'*ooo
87000
R.
Lb
Ni.
Lb.
Ar.
M
Hu
Lb
>>
Alq
Ar
Ar.
Pe
Ar
Pp.

7'i?ooo ,,
]oo > ,,
5|?)oo ,,
52#000
5o*ooo
45^000
jojjfooo
3f6 >o
4#Soo
15*ooo
6ooo
#04o
jioo
Dz
Lb
4valac
Alo
Lb.
* t
Re
11*000
#700
IOO*CO.
'3*000
i8*->oo;Pc.
18#ooo
11*ooo
6jf4oo
6*401
3*aoo
#
*ia
* 10
3*6oo
a*f>oo
a*oo
ij8oj
^^oo
1^800
4^000
*56o
1*800
3200
tfSo
8000
5o,* 000
girto
g-ioo
iojooo
16*000
i6jjfooo
itfuoo
8*5oo
5#iao
5*no
600
t*5oo
6*000
3*84o
#<8o
48.H)
4 J800
. ift*00
toSooo
Hu
Ar.
Lb
Ra
Ql.
Lb.
Ql-
Ar
il
Lb.
A''.
Hu
ir.
Ar.
Alq
Ar.
4 6g Ds.
a 600, A r.
3oooo Pp'
3oooo P|>,
60000
60/fooo
6o#ooo
60J000
Odooo
Soifooo ,,
60^000
60JOOOJ
4#8oo
4*800
14^000
#,.0
|5oo
4'8o As.
Ds.
K.
O
Ka.
Fa.
Fa,
Fa.
F.
F.
F.
K.
Ab
Ab
.-.....-------------
EXPORTADO
DIREITO
FRE TES
Agurdente de canna a.
A%odo, 1. qualidade.
1 a# -
Assucar h. encaixade, sobre fer-
ro boto...................
B. ,1
M. novo.
M. velho.
Bruto,, u erabarricado.
Branco Novo
Mascavado
' branco ensacado .......
Couros Socos ~ Salgados......
Meios de solia...............

>

M
M
>

quality
Rum aa.
Cotton 1.
Sugar in eaies abovejer-
ros od white

o/d browts
/' barrIs vvliit..
,, j Arown..
,, Bags while.....
Dry saltad lides ........
llal) tanned hides......
[55,* 6ofeoo
7100 7*3oo
'floo 6#3oo
,#5oo
ljIOO IJJ200
#800 *900
Novo 1 #100
a*8oo 3ooo
i5oo ij-jro
3*600 a*8oo
*.3o *i35
3/800 a^ooo
PP.
Ar.
Ar.

Lb.
Hu
7 P
13
13
IO
IO
IO
10
10
10
10
10
7
.7
0|0


>
M
>


?
NI.
Pp


Ton.
1
M
Algodo
>
>

Couros
>
>>
de 70 Ar. e 5 p. 070 de primagera.

11
n

1

1
Assucar para Amsterdam ... 4
Cnal........4
Genova....... 4
Hamburgo.... 4 ji
Trie tre...... /4 effectivo
Estados-Unidos 3/4 Centigsimos por libra
Portugal...... aoo Reis por Ar. sem primagem........
> 4oo ,, ,, 2.
Franca....... 4oo e 10 por centoLamb
Inglterra...... 3|4 a 5/8 d. por libra & 5 por 0/0.................
Barcelona...., 4oo Rs. por Ar e loporcento. Camb. 800 Rs. opezo. .
Inglaterra..... 3 10 por Ton. de 70 Ar.e 5 por cent...........
K anca.......a4o Reis cada urna e 10 por cento Camb. 160 R. p. 1
Esudos-nidos 3/4 Centessimo por libra e 5 p. cento................
n
c
o
160 R.
r 1
F'
OBSERVACOENS.
CAMBIOS.
Vj > os fierro seguintes :
franco 1. Sorte....^. t. s. Rs. i#3oo
>...... 3. S. I j*100
,, 5. ,,...... 3. S. t I#.0O
> ?......> 4. s. 5. S.
1 O. ,,......i. 6. 6. > ^n5o jfboo*
Masca v. 1. .....M. 1. S. >
...... a. S. #400
Subscreve-se na Typ. do Diario roa das Cruses
ID. 3 i3|ooo por anno, 7#000 por Semestre, 4#000 por
trimestre ; vende-se avnlso no mesmo lugar a oo Rs. ca-
jda un; e sendo para os assignantcs a 80 reis.
Os Direitos de importaco sao de i5 por ojo solire o valor
da Pauta, a ereepeo do Cha que paga 3o por o|o, e 1 Pl-
vora 5o por ditto. A creso* 1 i|3 por ceilo de Expedente,
e 1 ditlo de ditto addicional; c a por cento mensal de arma-
zenagem. As mercacloi ias iee*portailas pago 3 ]ior cento
de Diieitos alem doi expedienies armazenagein Ac. Lb
vendas por galAo sSo do d 7 i|3 II. A Allandega abona
nos desp.xos 3 por cento >H ItqMidos <-m cascos de madeira,
5dillnsemditroide vidro*, 3por ditto em litios de barro;
e 3 diltos nos despaxos de vidros e loica. O Dn eito de au-
coragem dos navios de 3i. reis por tonelada por cada da
de demora no porto, t completar 5o, e lindo estes nada
mais psgo.
I I
_ondres, 38 1/2 D. S. St. p. i#rs. ced. oTerrcido.
Lisboa 90 a i,5 por 0/0 premio, por metal, nominal.
Frauca 335 -34o Rs. por franco nomin.
Rio de J. ao par.
Moedas de6*400 i5 a i5f 100 as velhas, novas i4j?700
Ditas de 4#000 Sjjaoo 8#/oo.
Oncas Espanhoes 37JJ000 371*100
Pesos columnarios i#64o a 8^670
Ditos Mexicanos ij*6io i#64o
Pataces Brasileiros i#64o tG-jo
Premio das Letras, p. mes, 1 a i|4 p. 0/0.
Cobre 3 p. c. disconlo.
IMPRESSO POR M. F. DEFARIA


CORRESPONDENCIA
Srtrs. Redaclorea,
Posto que as nossas Les lenhio accordado recur-
sos competentes aquelles que soffrem injusticas,
e aramio d'esta maneira os precisos direitos que
cada hum tera adquerido na Sociedade ; todava
circunstanciaoccurrera que obrigao o hornera nao
t a uzar d'esses recursos porem ainda a apellar
para o Tribunal da opniio publica por meio da
imprenca t a tira de que sejfo paleles as virtudes,
ou vicios dos que se chmo Guardas da Ley.
Befa) qujiero-mos nada ler a exprobar a magistra
tuia superior d'esta Provincia e ainda mais de-
zejarid-mos ler bastantes provas para Ihe prodigali-
zar-rnos os nossns encomios 5 mas salvas poucas
e onrozas excepces sao tantas, e to escndalo-
zas injusticas que pralicio o nossos Deiembarga-
doies e tanto desprezo da Ley que nos vemos
obligados a aprezenlar ao publico imparcial as nos-
sas .sensuras relatando o facto que para iflto nos d
dfreito.
Tciido o finado Jos Antonio Lopes, quando
pttelrq, tillo duas Gibas de Maria Egypciaca tao
beaa solteira aslomou para sua compauhia e tra-
rfo do as educar embora nao ouve*se mandado
.-zer declaracio de sua filiacao. Acohtecendo,
pora que aquella Maria Egypciaca Tose sobsli-
.1 por Joaquina Joiefa com quein ltimamente
s casou o dito Lopes, esta oihando naturalmente
com vistas rancrosas paia as duas filbas de seu ma-
rido, e qae uiri da veriio cbrapartilhar jumamen-
te com os seus alortuna que ouvesse de adqueriro
Pai liniim aproveitando-sc de algum de-gosto
que cauzo o rapio e cazamento de Maria Joaquina
(ui das fluas naturaes ) Jeito com Joaquim Ro Iri-
bes da Silva obteve que seu marido tizesse u ini-
qa Esoplura de deserdacio naquJ entio decla-
i-ou-a sua filha; mais passado pouco tefiapo, e lirado
laUe/, o Pai da injuslQa de seu proceder aceilou a
auiizade do genro e filb'a communicando-M;, e
vczitaido-sc ccipiocanicnle de muaeua que -ozo
Antonio Lopes e Iguacia Joaquina Lopes filha fo.
ia. p.idi i ribos da segunda Giba de Joaquina Rodri-
gut-s, e quando estesafinou em i8a3, deixou por
liVkunenleiros, em primeiro lugar aseu Sogro, e
em segundo sua filha.
Entre tanto passando a segunda nupcias a viuva
ce Jcaq-jim Rodrigues com Antonio Rodrigues Vit i-
1 j e Mi.mlendo fallecer Jozc Antonio Lopes ( Pki )
eiVi 181, intestado, cnsul tari o-sc os melhore*
Advogados a respeilo dodireitoda mulber d'aquelle
Vieira : e embora todos opiuassem que as Leis a
aJmiiiSo a eranca $ com tudo, porem u bem eu-
leiiiiilla dclicddea nao quiz Vieira accionar a Vu-
\a de son sOgio sem que esta se negasso bbsfchtfainen-
1 ; a toda reclamacio como de tacto se negou, di-
zeWo que M arria' Joaquina, n*o era eideira descu
marido; por que eVeVnio tinha reconhecido por
Lopes ( contra a Viuva como erdeira *e uS ua filha
que falleceo depois da morte de seu Pai ) e a que
opozerio-se coin excepeo fundada na Escriptura de
de-.cidac<>, a qual sendo desprezada na primeira Ins-
tancia com o justas e jurdicos fundamenlos de que
alea datla d'esta E-cripturs o finado Lopes, nao
tinlia reconbecido, nem declarado como sua filha
a mulber de Vieira, e que. por consequencia cazando
ella sem seu consentimento nem ui desobediencia
linha cometido para com a Aulhoridade Paternal ,
e por que em sua vidt nio intentou aeco algui pa-
ra a deserdar e muito menos o fez por testamento',
julgou-se a final abelitadapara entrar em partilhas
om seos iiuio.
Nio se conformando a Viuva, filhos de Joze
Antonio Lopes, com o julgado em primeira Instan-
cia appellarf o para a Relacoklesta^Cidade e pa-
ra marxarem com seguranza da que ordinaria-
mente lanco mi os baldos de Direito, enteude-
ito-se com um figuio, que (em representado o du-
plice caialer de J. e de A. o qualIhe a-
conselhou que o meio nico de remediar a sua cau-
za, era engendrar um Libello falco de deserdacio;,
em uome do finado Lopes ; o que com facelidade se
pode Concluir no Juizo da Villa de Serinbaem, me-
diante algu mais generoza gratificado.
Foi com um semelbante lilulo, assim torgicado
que podero ter na Relaco u decido favoravel, a-
qual andando sempre envolta em longos misterios,
paisou em julgado com tanta rapidez que quando se
soube j tinha tramitado. Admirado da apparicao
de um tal documento e nunca tendo constado que
o finado Lopes tivesse proposta acqo algu con-
tra seu genro, e filha ; Antonio Rodrigues Vieira .
derije-.e para a Villa de Serinbaem, a indagar da
eracidude do Libello do qual se havia extrado a
Certidio da Senlenca; equem o deria? !. requeri
Certidio da destibuico e esta nao appareceo no
competente livro, pesar de averem dous Escrives;
( como consta da cerlido junta aos autos ) exegto
certidio do Sello Nacional, que de necessidade avia
de ser pago, antes de se proferir a Sentenca e na-
da tarabem apreceo. Constando do falco Libello
queacitacio fora feita pelo OfBcialde Juslica Pedro
Luiz do ascimeoto, requereo cerlido do Sello
da Prvido desse Official e nada appareceo; re-
quereo Vieira exame no proprio Libello para se de-
sengaar e qual seria o rezultado ? a falcidade
clara do Libello ; porque o cara ter da letra do Juiz
que proferio a Seuteuca era mui dulciente dado
que cutio oceupava esse lugar Joze Cavalcanti d'Al-
buquerque, veiilvelmente diferentes as letras do
destribuidor, e do Thezoureiro e soraente fiel o
verdadeira a do Escrivo Christovo de Mello e Al-
buquerque vil instrumento de todas essasartima-
nbas, em premio do que foi denunciado esoffieo
quatro mezes de prizio alem da privacao do f-
rico, que indignamente sema. O P01 tocollo das
Audiencias, que cm semelbante cazo devia tirar to-
da a sombra d suscita e esclarecer I oda a renta-
d occulta depois de examinado aind* mi> le
conhecer que a falcidade havia pfczidido ao decanta-


(O
to Libdlo, por que todos os ternos lavrado* no
mesitio Porloeello ledenles a Cansa esto escriplos
tempie no fuu Cfitl entrefiwhas de letras nudas.,
tinta diflereute d- com que assignou o JuiS, e mes-
mealgumas, debaixo da ruin ira deste ; e a vistae
tanta coincidencia o que snpr de um tal Libello i
como accordar-lhe a importancia da um acto legal t
t como servir ello de base a um juramento que teri-
de a privar um individuo de parle de sua fortunai? I
Convencido Vieira da nionstrucza nullida-lee falc-
dade em que laborara o libello, e armado de todos
os Documentos que comprorava a sua falcidada pedio
vista, e lhe sendo consed-.da veio com embargos do
nullidade e falcidade, os qus.es sendo rerebidos ,
Jos Antonio Lopes requ.reoao Juii para lhe con-
hedrrpraio a fin de impugnar nesta Cidade oque
lhe foi accordado.
Foi ocsta occazilo que a m fe", e a ariimanha
se mostrarn com maior descsrameuto : tendo ido
os autos entregue a Jos Antonio Lopes, este os en-
viou por pessoasua.comas precisa inatrnccoes, e
enio no Rio Ipojucs folio molbados e lacerados*
lelo fiel a gente, e aumente a aga offendeo aquellas-
paites que erio desfavoraveis aus oppoziciomatas de
Vieira, bera como as firmas que delalavio a falc-
dade, e especialmente a Sen lenca final que nio
poderia ap parecer impuramente perante algum Tri-
bunal do mundo. Mais bem aconsclhado e con-
vencido deque, por meio d'essesembargosnlo poda
annuilar us Sentenoa, dezistio deiles,e protestou pro-
poi a( ci que Vieira oanno pp. propoc Libello de nul-
ldadrj e laltidade, no Juiso do Civel desta Cidade, e
ento jnntou em piol de sua causa, cerlidio de que
os Eci es que enti evierio n'este Froeesso lorio de-
nunciados presos e a inda existem privados de
seos Officios ; jaramente de Pedro Luiz do Nasc-
niento, que figurn como meirioho onde confesa
que nunca fes citaclo algu a Joaquina Rodrigues da
Silva, e a sua mulher a requerimento do finado Joze
Antonio Lopes: declararlo em Juizo, com Citaclo
das parles e dentro do termo probatorio de Fran-
cisco Xavier Lopes em como nunca servir de fia-
dor menos de uslemunli* no Lihello que se dis ,
ter sido proposlo por seu Linio Joie Antonio Lopes ,
contra Joaquina Rodrigues da Silva, e eul miilber ,
eque as suas Brniasnliexaradas erio obsolulanien-
tc Falsas: Alicatado de Pedro Barbosa de Sonsa ,
Juiz companheiro do Tinado Juiz Joze Cavalcanti
d' buqutrque em que a firma nio se ter proces-
ado aquella arcio de Libello era o anno de 1819.
Ci-rtidlo do Etciivio que servia em i834 decla-
runda que no C rtorio nao existia al" i83l serae-
lhanle Libello, e ainda mos conttavadoi Inventa-
rios que se tir.ba leilo, quadoelle servia esse Olficio;
e finalmente a prova testemunhal de quinze pessas,
trenles d'esle negocio e de rec nhecida probida-
de alem de cartas e contas corren tes que exis-
liio entre o sogro e genio como tudo se acha pa-
patente nos proprios Auto. Se todas e-sas provas,
documentos nio determinad a conscienca de um
julgador dtzapaixonado : se em direito nada d'isso
vale, quizera-mos saber o que qner diser o Olficio
de julgador e se quem exerce se Officio deve ob-
decera normas prescriptss em semelhanles cazos :
longede nos esse; arbitrio que por entre as mi de
trezhomeus a vida a orna e a fortuna d'am Ci
dadol longe de nos esse esqueciraento da equidade,
e etse despiezo dasleis. Nu Juizo da 3/ Vara do
Civel d'esta Cidade se preslou a devida altencio ao
JDireito que assiste a Vieira e a importancia das
provas de sua parle producidas, tanto que otate,
titi.simo Juiz mpeotivo julgoua accio competente,
e ahelilada a mulber de Vieira para entrar enipar-
lba com os outros seos Ir mos cessando os effeitos
do falso escandaloso Libello, emqueaViuva e fi-
llias de Joce Antonia Lopes, firmavlo sua oppou-
cio. Mas quem dira que ui Senteuca toda justa ,
e toda jurdica seria reformada pela Rellacio d'esta
Provincia? quem deria que Magistrados o ntigos,
iincanicados no exerciciode julgar privanioa An-
tonio Rodrigues Vieira e sua mulher do indispu.
tavel direito que lhe assiste para azerem prezente
dos bens alheios, a Viuva, e filhos do Bnado Lo-
pes? Infelisraente assim se venficou e entreunto
examinemos os fundamentos em que se firma um
tio injusto julgado.
Diz o Accordio que se nio axa legalmente
provada a falsidade do Libello cuja Sentenca jun-
tario por cerlidio os oppuzicionistasde Vieira; as-
moi como a reconsdiacio que se alega ter vido en-
traJoequim Rodrigues da Silva e o P.i comum
depois da Escriptura de dezerdaeso E com efle.to
estar muito falcificado para alfirmar que nio.se pro-
vou a falsidade do Libello, e reconsiliacao com o
Pai comum ? E'innegavel que u das mais va'entes
provas em Direito e a inspecSio occullar .regula-
da pelas formulas legaes a que se nao poden op-
prconjtcturas, e soraenle outras provas de igua,
uatureza. Vieira motrou com toda a evidencia,
queem 181a;, se nao tinha processado esse Libello
na Villa de Serinbaem j com cerlidio extrada do
Livro das DestribuicOea d'onde se v que nunca fo.
radestribuidaaalgum dos dous Escrivies que sei-
viio n'aquelle Juiso; com o juramento da pessoa
que representa como Meirinho, em que contessa
nio ter feito tal cilacao ; j com a declaracia do Ju z
entio corapanheiro deque em seu tempo nlose plei-
tiou semelhante cauca ; j com o exame nos pro-
prios Autos, compostas de papel todo novo, e que
vezivelmente mstrio nao ter a dada que se pre-
tende: j com o exame do Protocollo, onde se
veeenos vicios criminosos que n'elle comeleo o pre-
varicador Eserivio, os requerimentos de audiencia
lanQados sempre depois do encerramento com letras
muito miudas e tinta diferente 9 e j com cer-
lidio de que em l83i nao exista um tal Libello
no respectivo Csjrtorio ; e j com o depoimento de
Francisco Xavier Lopes em que formalmente de-
clara nio serem suas as assignateras que apperecm
nos Autos. Peranle es'as provas, poder-se- ne-
gar a IslsidadedoLibella? um dezejo desregrado
de seguir caprixos e s ni prolecio escandalosa
poderlo asim pencar Que provas querio os Au-
tores do Accordio para se couvencerem que ouve
reconsiliscio entre Jos Antonio Lopes, e seogenro,
d-pois da' Escriptura de deserdscio ? Nao ser su-
ficiente o ter-se mostrado que Lopes tendo feitoa
Ercriptura em 1810, leve contas, relacoe pesso-
aes e por escripio com seogenro, e filha era i8a3?
nada provar o consentimenlo de Lopes para que
se os dous filhos fossem padrinhos de sua neta, fi-
lha de Silva em i8i3 ? nio demonstra reconsiliaca
o laclo de ter elle consentido que sua filha fosse tes-
tainenteira de S Iva ? Diga-se antes que quando
leina o srdido en ter esse se nio v a virtude, e
esquece-se a justica,
Nem u altencio, contiuua o ArcordSo, pode me-
recer o juramento de Pedro Luiz do Nascimenlo, con-
tra a cerlidaS, decitac,o, por que nio foi precedido
dejCitaco das partes interessadas e sera pre> io exams


()
da Certidio original Piso diirida de que seria
Kitis legal que ouvesse citacio das parles inteies-
sadas ; oais lio bein niuguem negara que lal qual
est es^e jnramento deveria fazer pezo na b-llanca
da Justina, e lomar vacilante a consiencia do jul-
gador. Se a Rellanad julgava como deceziro urn
semelhante documento; se quizesse profundar a ver-
dade e derigir-se com inteiro oonheciinento de
eauza ; quem Ihe empedia de mandar regulariza-lo
e colber otras provas que determinassem o seu jui-
xo? para que na5 uiandou vir o Prolonollo vedado,
a 6m de ler sob os olhosa relhacaria do Escriva ,
as ailimanhas dos oppezicionistas de Vieira, e era
su mina a refinada fulsidadedo Libello em questio ?
para que indeferio esse requerimeuto feilo pelo
mesmo Vieira privando-o de u das mais valien-
tes provas que tinha em seu favor ? aera ou nio ,
parcialidade f I
Ao contrario pareceo relevante a Certidio falca
que juntarlo a Viuva, e filhos pascada porJoze
Juliio Camello Lins, que depois de ler firmado que
nio ouve deslribuico como patente nos Autos ,3t
asseverou de outra vez, que exista nio ornando
qu i depois d'esta ex ste outra tirada do mea.no Li-
vro por Joaquina Joxe Vianna, que declara ni exis.
tir seraelhante dtsti ibuicio. i
Vallerio a:* testemunha8 por elles apresen! edsi t
que fias sendo moradoras em Ierras de seo Engeuho ,
ui o purgador do mesmo engenho, e uniros morar
dores em suas cazas de maneia alga podilo de-
por com liberdade e conseenleinente j o que
mais admira e que o Pai de Joze Diogoda Silva
co-erdeiro immediatamenle inteiessado fosse tara-
bem com seu juramento lancar ui pedia no Edifi-
cio da iniquidade e nio se contentando com esle
passo vergonhozo e nullo segundo a deapoziciu
da Ord. do L. 3.' T. 56 $ i." accarrelou comsi-
go os seos Caixeiros a maneira de servosadscripti-
cios | U
Perdoem-nos os Autores doAccordioa confian-
za ui vez que assim o quizero : longe de se mos-
traren! como verdadeiros Juii<* ostentarlo de Ad.
vogados, faxendo nicamente as partes da Viuva e
tilhos : a ludo derio saida e at mesmo nio po-
dendo debelar os vicios que apparererio uo Prolo-
collo, lembrarlo-se de atribuir ao Escrivo faltado
txacio no comprimento de ceos deveres como cou-
za que as nullidades marcadas por Lei estejio su-
bordinados a inexac5es de empreados, subalternos,
e a caprixos, e parcialidades de Juixea : ma* se por
ventura aqui nio vallera a razio e as dispozices
de Direito Sms. Redactores lugr aver em que
prezando-se mais a onra, e respeitando-se melbor os
justos inleresses iudividuaes se faca envergonhar
aquellas que mal preenxem as suas missf es. E para
roelhor conhecitnentc do publico sil va5-e juntar os
documentos pro e contra.
Senhures Redactores por ora dentamos de con-
tinuar a infadaro Publico, hem que tensamos a-
bundanteraaleria; porem como pende de embar-
tros, e queiram-nos depois de uliima decalo rev-
lar fielmente ludo quanto de secreto tein occorrido
no curso dessa Cauza para elerno opprobno de
julgadores em justos, protestamos follar arala ui
vez. Sou Sur*. Redactores
Seu Venerador e Serr.
.. O Calaa.
N. i.

Diz Antonio Rodrigues Vieira como administrador de
sua mulher que elle precisa que oEscrivio Achiote
llie d por certidio o theor da sen tenca que obteve
a seu favor nos autos de libello de nullidade que
propoz o Supplicanie aos herdeiros do faleacido Joze
Antonio Lopes- Pede a V. S. Sor. Dr. Juiz do Ci-
vel," que se sirva mandar passar a certidio requeri-
da .- E R. M. P*sse. Boa-vieta 28 de Abiil de
ic>38. Miranda.
Andr Acbiole Adeliano de Vasconcellos Escrirlo
Privativo da terceira vara do Civel nesta Cidade do
Recife pelo Regente em nome do Imperador Consti-
tucional o Snr. D. Pedro.* que Dos Guarde &c.
Certifico que revendo os autos de Lil>ello, deque
trata a peticlo aupra delles consta ser o theor da
sentenca da forma e maneira seguinte -- Vistos estes
autos et etcera Pedem os Autores que Ihesjul-
gue a ces-aeso dos axiles da escritura de de-lier la-
ti a Iblliait, o reconhecimento da fulcidade, nullida-
de, e neiihum effeilo da Se atenea a foihas cuino a
nullidade dos julgamenlos n'ellas baziados, que sej 5
os reos condemuados a reoonhecerero a mullier do
autor filha natural, e herdeire da felescido Joze An-
tonio Lopes e a entregarem-lhe sua porci. heredi-
taria por legitima paterna, com os juros, perdas e
damnos que temsolrido pfela uzuipaca como se
liquidaren) pelos fundamentos expendidos no Libello
a foihas seguido dos documento de foihas deienove ,
a foihas cecenta e aete de foihas scenla e oito, a Ib-
lhassetenta aehlo-seas procurarais dos Reos, que
se oppozerio pela contrariedad* a foihas setenta e du-
as, ea qual juntarlo os documentos de foihas setenta
e cinco a foihas cent o e huma. Poz-se a cauza em pro-
va; os Reos produziiio as Teste ui un has da inioincio
a foihas cento e nove, al foihas cento e treze ; os
Autores a de foihas cento e qualore t t dhas cento
e rinte duas, a Carta da Inqunelo a folln cento e
vinte sinco t foihas cento e noventa e dua* ; os
Reos a de foihas cento e noventa e seis t lolhas du-
zeutas e Irinta e seis. Dorao o-. Autores de foihas
duzentaselrintae nove l foihas duzentas esincoen-
la e duas juntando os documentos de !' I has trezentas
e sete : os Reos dicerioa foihas trezentas e nove com
os documentos de foihas trezentas e desenove, t
foihas trezentas e vinle sete, sobre os quaes finalizarlo
os AntoTM suas aipguces pele continuado a foihas
trexentos e viole nove, apareeendo a foihas trezentas
e qnarenla e quatro o exame requerido a foihas du-
zentas e quarenta e oito. Tudo pois visto, lien-
tamente considerado por huma e outra parte mostra-
se que a mulher do Autor era lilha natural do rr ri-
do Pai, e Sogro dos Reos bomem pilo Sol lei 10, e
livre por trato Ilcito com Maria Egicia-a mullier
lio bem Solteira, edexempedida para comellecazr-
se como prova as allegaces de urna, e oulra parte, e
certides de foihas vinle quatro, e foihas tnnta e seis
donde sem duvida aos Autores cabe o direito para pe-
direm a heranca paterna que por este meio pedem
aos Reos visto nio nego estes, que estio de po>e da
tazenda deixada por seo falescldo marido, Pai com-
mum e Sogro e mais visto queellesnso ponera
excluir aquella herdeira : por quanto emb-.ra alle-
guem, que ella mulher perder este direito portee
fgido da caza e cornpanhia do Pai para se casar com
o primeiro marido d'esta arte incorrendu as penas
da ordenadlo Livro quarto Tilulo oitenta paiagraf
1.% e da Lei de dezenore de Junho de mil sete cen-


C 4 )
!os t e setenta e en-o pargrafo quarto e quinto, ea-
taallegaclo obstar niu (leve o prctencodos Autorea
porque nio se prv* que Jofe- Aatoni^Lornt, se bou-
vesne inoittMi! -ia berdeira, mulher do
Autor; .mi "se (il,t' efle tanio ocul-
eiu no
llu l)0r
ttVtiAV O
,.. audi' iH-ui o'niu,, qi;e
Ma frite nao leve OOs&v a piviencax* dos Autores
pea beni sabida ivgra de que a penna agenta co-
ore .< S-iencia, e votitade de delinquir q tapara o
Ki na apparece inda inai} poique lora, ou
niosedliztd >ofaUciu para fazer a Escriptura de lo-
Illas vime equalro, urna v<-z que a deaherdaco
u. Ibi julg.id.como dev ser para tero devido e!.e.
iocoiiiiiu-iieotn o mereimnentode fu;-,tu voluntario,
que o desbordante lerdez seguindo posterior aseme-
, m <>s d.'shei lado*, ccino ap-zenl>. os Au-
co e pjiioniai.nenie a carta a folbas duzeutase
iiuaivnla e nove sendo rerto, que a Senlenca obti-
da pelas Reos contra os Anclo es nao prejudica a
este por ser Ungida, e proferida em um processo re-
conhecido, e vj'tivelnicute laico e indio incapaz por
lano de prestar elTtito valido effeito que tambein
careos o Acordioa folbas para sustentar, elundar-s
ert tal Senlenca Pertudoita, o inaisque dos Au-
tos consta e Dispoaicoes de Direito com que me
conformo Juigo competir a os Autores a prezentea.-
co contra os Heos, aos quaescondemno a ibecJo a mulher do Autor como ti I lia- natural, e ber-
deira do finado Joze Antonio Lopes, ce^saudo os ef-
feitos da Bscriptura da deslierdacao a folbas, e das
Sen tencas em conlirroacio d'ella proferida concor-
reote com os Reo na b cianea paterna, entregando
se-lhe pelos raesmns Reos a legitima que d'ella Iba
pertencer, jmoada Lide contestada em diante, per-
das e daoiuoa que a ti na I se liquidaren pagando o
Reos a* cusas, Recife i"} de Abril de i838. Ben-
lo Josquini de Miranda.
E uiais se nlo contiuba em dita Sentenga, que eu
Escrivao no principio d'esla declarado bem e bel-
mente fizpassar porcertido de ver bu ad verbum do.
propio* anta a que me reporto vai na verdad ew
Couza, que dui ida laca conferida e consertada na for-
ma do e.-lillo, s por mim subscripta eassignada n1 es-
ta Cidade do Recife de Pe nambuco aos vinte oilo de
Abril do anno do Nascimento de Nosso Sur. Je/.us
Cii ieo lie i838. Dcimo stimo da independencia e
do imperio do Brazil Subscicvi e assiguei. Em lo
de verdade, e consertada Andr Acbiolis Adilia-
na de Vasconcellos Comigo JMauoel Antonio Coe-
ibo de Oliveira.
N.o 3.
Accordo em Bellaca &c. Que nao foi hemjul-
gado pelo Juiz recorrido em sua Senteuca 11. deque
seappellou vistos 09 autos alleg.coes provas da-
das e di>pozic5es de direkio por que bateando se a
uc.cio intentada pelos Appellados na nullidade d.i
Seutenca de deserda<;o 11. 4-1 cuino proferida em
hum proresso'falsamente organizado pelos A "pellati-
le* depois do laivcimeiito lo marida e 1>. i conunum
dos Appellaules e Appellados que su pretende t.ilac-
t;6 dedesberducco nunca intentara nem tal Sen
tenca ob Uvera, e subseqtun'e ivc.n e.ao
allega ler bavido ga'n
bredito Pai Dominom esu i
1I0 Appella'iio anle>.de itfa rooi :e, moopn,
ieior a E*rp|.ura ded>-b;id;
se pro va concludentemetito e cm termoilegae*, Pw qnsata
itenfauma atlenro pode merecer contra te da citaco coj*
su
tante do pjoces?o que innslra o docurrento ti. (;i v- e(jra-
,1 do Oliclal Cedro I.uiz sern cilco dus interessados lora da d
ria Competente e 6em previo exaine da CertidSo
nos proprios autos, aasJiBcouio nemos documt
(1 por que se pretende demonstrar a taita <
q.ie sobro r.o ser par si somentc suficiente para pro,
le da procesri nem mesmo de son nullirlade quandkea
verifica o no tiavcr no ais du que un
0W0 alem dessas destruidos de 11. 07 el!. 101 por 01.
m jslra a cxistcilC* da mesina destrihuirao ; 110 mesirnj
se acha a declaraco jurada al!. 374 por se riarem aj mes-
inas razies cima litas, alem da uhabilidade a testSmnnhif
Oeclaranteprovada pelo documento l. 5ina 55, e.
inesmo o*documentos II. a (1. em que se coutem os repetido
exames, e sempre informe o que se proceder solire a escri-
pturaco dos termos de audiencia no respectivo, prolocollo ,
e citjo" rezullado inda quando provado e verdadeiro I
a|>enas 0 arfjuirir err; Palta de ernrrrio e cuinprimenlo de de-
veres no reipectivo fc'sc ivo ; em r.o laucar como devera cm
lugar e occsio opportuna os competentes termos sem que
cnii tudo nem d'islo nem da gracioza declaiao a fl do Juiz
Ordinario que se diz coiopanheiro do que proferir a Senteu-
ca obre dita II. nn processo de que se trata, poss concluir-se
a lalsiilade do tal processo nem que tal aoro nao fosse inten-
tada, c proseguida e a Seutenca obtidapelo laslccido Pai
luum, e sim lubricada por parte db's Appetta irsde
sua morte, e inuito principalmente nao mostrando como de
laclo uo mostro, os Appellados a!cu oulra prova mes-
mo pelos depoimentos de stias testemunbas e inquii iepes do
plenario de II. e fl., moslnindo-se antes peto contrario que
algus d'ellaseseguintes as de fl. i5o, 181, i8fi, e 190 assi
ro contra producentem e ncticio dcjdifcren'es mantirm a
existencia da iiiesma aeco com referencia no lempo da vida
do referido Pai commum como pateuleo os autos e per cu-
p motivo dezaparecendo toda da falsidadc e macnia
ti ida aOs Appelantes nenhuma attehco merecem as
postas nulliuade do sobredito procesvo Senlenca. Dert
o suposu a existencia, c veracidade da lscriptura de des.
Lerdacio origem, e cauza da mesrna que os Appell
nao unpugno anda supondo que o Pai counum nao le
iotenldo aquella aciio nem oblido em quanto vivo a so-
biedita Scntenra anda assim, seria forrozo concordar uSo
s que elle tinha este direito como tamlu;t que era |rq
sivel aos Appellados seu-> lbos e.berdeiroi, o
du vida alguma podio intenta-la, 1
necessario por que niio lia Le alguma qm
tal caraobrigacSo depropor semelfante
cada como no c.zo prezente a ca.za legitima da desle da,
nem o .contrario se pode colligir do A de
17S0 sendo suficiente aos Appellantes ii-
p'tu'ra sohicdia fl. par abilarem perpetu
nos Appellado quando tnt.issem a ha
de heranra como o fizerao a II., poi neii*
legalmenle provada por escripto ou por ai^uiu
ou faoto positivo do Pai counnuma reconsiliaco com :i ffli
nesherdada e a remisso da mesma de- r-
erida Escriptura qne nao pode ser destr
tos daslfslentimhas que assevero vagamente a e da
lente que anda mesino concedc.-nlo-sc que los-
sem ver, s pnderio u-
16 como'tndenis a vitar o escarn al-
guma a caita fl. a4f) por ser o
uanhoao caro, e anda menos os documentos junti>sa .-j5o
e ti. por nao poder detlas tirar se arguuieui
velaos Appellados. A tudo isto accresse le1
dos j deduzido por embargos'a Seritcni ,m
materia de nuldad, e falsidade Kverc
meamos embargos sem protesto al:riini como err: lo*
!!. u-fiiaijiido por isso* mesma Sentonca ny
gado e ltimamente o h&verem gu
jantes a petiV.o de heranca 1
provada a c\cepcSo de que :
tes mndados n escriptura so'bredta da Icslienl o mai
1 lo-je por perpetuo silencio em sotin
Rempta por Accordo fl, 70 que p
adnirt
brcoinesmo o*tj,:
Por tanto e o u:
formada a Senlcnc 1
intentada pelos fundamentos
fl. paguemos losaseu-tas. Recife r8
tf/ciat Montein
l.ima Belwoot. Lioanio \ ;c.
_____
Peni, na Tvp. de M. F. de Paria. Povembrode tSSS.
re


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED3UEP20E_RK24SH INGEST_TIME 2013-04-12T22:58:23Z PACKAGE AA00011611_06059
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES