Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06057


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANISO DE i838. QUINTA FEIRA
Nora.
CAMBIOS.
Novcmbro ij.
Londres a8 ir Ds. St. por k?ooo cerf.
Lisboa 90 a

Frauca 34o 345 Rs. por franco.
Rio de Janeiro aopar.
Moedas de6|4oo i5f >oo a velhas novas i47o
4#ooo fiooa 8jf3oo
Peto Golumnarios i#66o a t#GSo
Di llos MexiCiiuos ijjfbu a ijj&io
Patace* Biasileiros i#66j a iffi8o
Premio* das Letras por niez 1 a i|4 por 100.
Cjbreap.'c. disconto.
PARTIDAS DOS C0RRE10S TERRESTES.
i5DE ROVEMBBO. NUMERO 549,
<
Tudo agora depende de nos mrsmos ; da nossa prudencial
modeiaro e energa: continuemos como principiamos!
e seremos aponiados com adiuirsr.So entre as Necoes mais Cat*
tas. .
Proclamaco da Assciublca (eral do Brasil.
Subscrev se para esta folh a mil reis mensaes pagos adf-
antndos nesia Typi^ralia, ra das Orares L). 5, ana Praca
da Indepenflt'iici I). 37 e 38, onde se receben correspon-
dencias legalizadas, eannuncios: insirindo-te este gratis
sendo dos proprios assignanles, e vindos assignado.
Cidade da Paraiba a villas de sua pretenco ....
Cidade do Rio iran-le do Norte, e villas dem ...
Cidade da Fortaleza e villas dem
Villa de Goiarina .............
Cid -de de Olinda .....*
Villa de Santo AntSo........'...
Dita de Garantios e Povoado do Bonito. .
Dittasdo Cabo, Serinhacm, Rio Formoso, Porto Calvo
Cidade das A lagoas e Villa de Macei......
Villa de Paja' de Flores..........
Todos os correios partera ao raeio fia.
Segundas e Sexlai ftiral.
Todos os diaa.
Quintas feiras.
Diaa 10, e a4 de cada mas.
dem i' 11, e qi ditlo dido.
dem idem. ,
dem i3, dittoditto
DAS DA SEMANA.
a Segunda S. Martinnbo P. M. Aud. do Juiz do crime de tarde e sesso da Thes. P.
i3 Terca S. Eugenio B. KelacSo de roanli aud. do J. dos Or. de larde.
ij (Ruarla S. Cieinentio. Sesso da Thesouraria Provincial.
i5 Quinta S. Getiude V. Relaco de maiih. 1 audiencia do J. dos orlaos de tarde.
16 Sezta S. Gunsalo de Lagos Sesso d Thesouraria I'ub. e aud. do Juiz do Civel de fc
17 Sfbbado S. Gregorio T. B. Relaco de nianb, e aud. do V. G. de tarda. La nova
horas e i3 min. da manbi.
13 Domingo S. lloino M.
Mar clieia para o dia i5 delSovcnbro.
As 1 horas 54 raioutos da manb As 5 horas 18 minul
.La
minutos da tarde.
PARTE OFFICIAL.
RIO DE JANEIRO.
CMARA DOS DEPUTA DOS.
Sesmo era 11 de Setembro.
Presidencia do Sor. Araujo Vianna,
Logo que se rene numero legal de de
pulados, heaberta a sesso, lidaeappro-
vada a acta da anterior.
O Senlmr primeiro secretario da' coota
do expediente,
Ordem do dia.
i'rimeira parte.
Entra era discussio o parecer da cora-
uissio do uarinia o guerra que declara
ao teoente coronel graduado, depu'ooo
commissaiiadodo exercilo, Joio Lu Fer-
reirra Dramont, estar comprehendido as
di*po*i>,es do artigo terceiro da carta de
lei da a f do ooverabro de i83o e naa do
decreta de 3i de ou'ubro de i83i.
Tomio parte nadieassio os Snrs. Hen-
rique de Resende, que combate o parecer,
e Clemente Partir que o sustenta, mos-
traudo a justica d > pr tendente, que ser-
vira s< mpre o m honra, ti prestara as
suasconlusde que obteve quitaco da jun-
ta de fasenda de Prnamhuco.
O Sur. Cuelbo, romo membro da com-
missia inatenta igualmente o parecer ;
e Bcaa discusso aduada pela hora.
Annuciando-se a chtgada do Snr. mi*
nisiro d fasenda o Sur. Presidente no*
mea a deputacio que te n de. rece be r o
Exm. manistro que sendo introdusidd
com as formalidades do estila, toma assen
loadireila do Sur. presidente, e le a se-
guinte proposta :
-Augustos e diguissimos senhores re-
presentes da naci
A demonstrarlo junta assigneda pe-
lo inspector geral inteiinodo thesouro pu-
blico, mostree m toda a probabilidad* o
dficit que ha vera' no actual auno finan-
ceiro de i838a 1839 proveniente ja de
de* pesas que de anuos anteriores
passarao para o corrente e ja do aumento
que, as actuaes circunstancias do paiz.
tem de verificar-se na dispesa, fixada pela
Jei em vigor, em varias repartic-s doser-
vice publico.
O ciedito de doas mil contos conce
did 1 a adrainistr ci passada foi insurhn-
ciente para cobrir o dficit que eolio furia
po thesouro publico, e oecorrer as des
pegas com a pacificacio das provincias do
Para'e Rio Grande doSul, durante o an-
uo de iBJrja 1807 E ooutro crdito de
qo-'lro mil e quinientos e rinroenla oitu
contos concedido a administracio actual,
nao pode a mesmo temp < bastar para o
suprmanlo de parte do dficit que pss
ara daquelle para o seguinte anno para
ai desposas extraord uarias com a pseifica-
co das sobredilas provincias durante oan
npd 1837 i838, e para o improvisto
desfalque que solrera a renda geral por
cauca da sublevaco da 15 .hia, e despen-
di feito com a sus pacificacio : resultan-
do dessas circunstancias o ter pasado
ainda para o corrente anuo hum dficit cal-
culado approsiuiad imente em mil novecen-
tos e setenta e seis contos.
u E nao havendo a lei, que fixara a des-
pesa do presente anno finaoceiro consi-
gnado fundos para a dierenca de cam-
bio e nutras de-pesas a cargo da fasenda,
nem para o extraordinario augmento no
pessoal do exercito e da arnads outro
dficit havnra' no anno que corre, calcu-
lado em 2 6)3 conloa.
Obligado a indicar os meios para a
nantenca da ordem publiea, e da integri -
dade do imperio e profundamente con-
vencido do patriotismo dos rep ts-nlanles
da naci a quem jamis reorrea' em
vio, o gaverno joiga iiidispensavel que o
poderlegisUlivo o habetite com o erudito
preciso para desenpenho dos seus ar-
daos deveres na actual conjectura. Assim
tive ordem do Regente interino em nume
de imperador para faser-vos a seguinte
proposta :
Artigo nico. O governo flea aulo-
risado a haver por raeio de emprestimo
ate a aomma de quatro mil e seis ceios
contos de reis psra suprir o dficit do cr-
rente ami" finniceiro.
Paco em 11 de setfembro de 1833,
Fioda a leilnra o Snr. ministro re-
lira se com as mesmas formalidades e a
proposta be remedida a priineira comrrgs-
sao de fasenda.
O Sr. Niines Machado propon urgencia
para se tratar do paicer da co BSSO de
constiluico sob'e as 1 lli ic'S de Sergpe,
prefrrindo se esta mat ni a uut a qinlquer;
p .rqne, ahm de qiiR est negocio be de
uaturesa urgente -; porisso cumpre tomar bnoja del(berecfo
acerca dille, ale" mesmo para servir de
dirc-ccio.ao governo nafleico'de senador,
aque. deve naiidir proerdir inqu<-lli pr >-
vincia. Observa ainda que apesar de nao
estar piesente hum membro da com mis-
sao, todava esla se acha representada na
sua maioria ecads hum dos Snrs depu
potados be lio interessado neste negocio
como qualquer commisso da casa.
A urgencia pedida be apoiada e appro-
vada ; entra por conseguiule em discusso
o mr*mo parecer.
Falla na miteria o Senhnr Resende, e
o Sor. Vianna pede o adiamenlu desta dis-
cussio al taces das cmaras municipaes de Sergi-
pe sobre O que a cummissio nada disse,
e das quaes tdvet se possfe tirar algn.-, es-
cla recunentos.
O adiamento he apoiado e entra em dis-
i malo*
Oppoem-se a este adiamento oa Snrs.
Clivnenle Perreira, Nunes Machado, e Ile-
leiide.
O Snr. Vianna modificando o reque-
rimento que baria feilo, pede que fiquem
as representaces por trez das sobre a
mesa, porque dezejaexsminal-as.
Julga-se discutido o adiamento que h*
approvado na forma ltimamente pedida
pelo seu autor.
Segunda parte.
Continua a discu proposta que restablece o juiso priva-
tivo dos feilos da faenda, com a emen-
da apoiada do Snr. Fragc >. e.mais as se-
guinte do Snr. Gomes de Campos, que he
apoiada.
Os arfigos i3e ii sejio substituidos
por est'outro.
A ordem do processo as cu/as de
que trata a presente lei, sera' a mesma
que est estabelecida pelas leis em vigor.
S.aB.
Tomio parte na discusslo os Snrs. Go-
mes de Campos, Clemente Pereira, (al-
mon, Franco, Tosa e Andrada Macha-
do
A dsco-2o fies sddisda prla hora.
O Snr. Pi esi'dente d para ordem do
dia a mesma materia de boje 5 parece-
res adiados, e as resoluces nmeros 17,
jjf 9'8, e 109, concedendo cartas de na-
lurdilsclo.
Levanta a sessa depois das duss horas
da larde.
PFRNAMRUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediiile do dia G de Novemliro de
1808.
Oifi Ao Commsndante das Ar.mas,
noniean !o-o Membro da Commissao, que
em viiiurlc do disposlo na lei de 2 1 de se-
temb'o do corrente .nno edo repulamen-
lo dVp de Outubro snb numero a*a, deve
ne ta Provincia quai ficar os oflicraes de
primeira linha do exercito para formacio
do respectivo quidro, e comrounicindo-
Ihe que foto igualmenln nomeados mera
I) osda referida coramissio o Major Jos
I da Costa Rebello Reg Menteiro, o Capi-
i to Manoel Ignacio de Ca valho \lend0n9a,
!e como Facultativos o Dooclor, Jos Eusta-
quio Gomes e osCirurgies Manol Pe-
reira Teixeira e 'ose Francisco Pinto
Guimaries, esperando a Presidencia que
o mesmo Cummandanle das Arm s proce-
der' logoaos trabilhos, q' Ibn sao incum-
bidos, e procurara' des- mpenha-loa c> m
satisfayo do Governo (i ral da presiden,
ca e de lodosos militares di p-ovinna co
na rouito convero, a im de que o mesmo
Governo possa cumprir inuVftctiveloienle
o disposto noartig) 4 da Lei.
Pilocircular Norneando paramera
bros da commissio de que trata o preceden-
te eflicio o Major J.-se da Coaja Rebello
, Monleiio, oCapilio Manoel Ignacio
de (JartaJho Mendonca, o como Faculta-
tivos o Ouutor Jos Eusiaquio Gomes, eos
Cjrurgies Manoel Pereira Teixeira, e Jos!
F'ancisco Pinto Guiroaiies.
Dito *o Inspector da Thesouraria, I
communiando Ihe que continuando o j
Prefeito da Comarca do Limoeiro a fazer I
0 fornecimento dos presos pobres dejua-
lie* de sua Comarca em rasio de se ter
d snlvido o contracto feito com Ignacio
Tarares da Gama ; cumpre, que mando
satisfaser ao mesmo l'refeito a importancia
de uin trimestre, que pagou ao dito Gama
e o inais que for dispendendo.
Dito Ao Commandante Superior da
G N. de Goianna, respondendo ao sea
ofixio de ii de Outubro ultimo, que o ana*
dello da proposta de Officiaes da G. N.
ja Ihe foi remetido em officiode ao do re-
ferido mez; e quanlo aos instructores par-
ases Teuente Francisco do Paula Mari*
nho, e Alferes Jomo Alves Prtgana, e Fran*
cisco Perreira de Alcntara que devo
mandal-os recolher ss suas respectivas cla-
ses segundo o avizo do commandante das
Armas visto que em censequmeia do ar-
ligo 3. da Le fe ao de Setembro do cor-
rento anoo nao poder* oa orfiViaes de pri-
meira Linha effeetivos conlinaar em tal
exercicio. t
Dito -- Ao Commandante das Armas,
communicaodo Ibe a expedxc 5 da ordena
supra.
Dito Ao Commandante Geral do Cor*
po de polica oidenando-lh" quemando
prebencher o deslncmcnto dd Comarca de
Nassrelb com quatro praess que Ihe falla
conforme requesita o rcspeclivo Prefeilo.
Dito Ao l'refeil de Nasarelh, com
municsr.do-lbe a espedicca da ordem su-
pra.
Dilo Ao Chefe da Legia da G. N. do
Cubo, commlinicando lbe que a presiden-
cia lem ntiredido deroissa do poste ao
Capita da primeira companhia do Bata*
Ihidesus Legi. Joo Alanoeldo Car-
mu Lacerda, em rasa de se sobar imposibi*
1 ta-io de servir pelas moleslias que padece.
Dilo-- Ao Inspector Geral daa obias pu-
Iblicas, para itformar, que execuca tem
I t>do o ailigo 15 do regulsmento do pri-
meiro de setembro desteauno, incumbindo*
o de faspr as despesas mcessarias pira o
eslabelecimfitlo das bai reiras as pontea
] dos Ca valbos e da Magdalena.
Dilo Ao Diredor do Arsenal de guer-
ra, ordeuando lbe que minde receber do
Meslre do lirigue Triumpho Americano
vindo da Hha de Fernando quinze harria
d'.'ieite de p'-ixe, e.os faca recolber aos res-
pectivos armasens devendo com este azei-
te ir fornecendo aos qearteis j Corpo do
Guardas c Forllesa$.
Dito Ao Inspector da Thesouraria
communicaodo Ihe oconteudo no prece-
dente ofHcio e enviando Ihe o conheci-
menlo dos referidos barris de azeile.
Portara Ao Engrnbeiro Augusto Her-
sting, ordenando lbe que remmetta ao
Inspector Geral das obras publicas Orna
descripcio geral de toda obra da estrada
do G' quia' feila peL arrematante M;.oc!
Joaquina do Reg e Albuqueique a fina
de que possa lavrar o termo da entrega da
referida obra como representa Adminis-
trador Fiscal.
Oficio Ao AdrainWtrador Fiscal dtn
obras publicas comunicaudo-lbe aexp*'
diccio da orden mpra,


m I
*
D 1 A
xas
B i O
Tlil ifi'
DE PRRUAMBI'CO
-rnt-
smni
Portarit Ao metmo para mandar
desembarcar o carregam-Mito de pedra de
calcar iodo da Ilha do Fernando a bordo
do Brigue Triunfo Americano.

THEZOURARIA DA PROVINCIA.
Expediento do da 13 de Novembro de
i838.
Oficio-. A Simul & Phillipt, de Lon-
dres remettendo-lhes 'quaro Letras na
importancia de dez mi Libras Sterhnas.
Dito Ao Administrador da MJi* do
Consulado com o requer ment de Joo II ol
lauda, para informar sobre a ultima par-
te delle relativamente ao que se tem pla-
ticado e ainda te observa na mesma Mh
za com o exame da moeda de Piala ; a fim
de poder ser sitisfeito o despacho do Exm.
Presidente da Provincia proterido no dito
requerimento.
P orlara O Tnspectar da Thesouraria
de Fasenda tendo presente as representa-
coeus de alguns Collector-s do interior da
Provincia mostraudo que a g.alificacain
de 9 por cento mandada abonar em
eufermidade da orden do Tribunal do
Tbesouro Publico Nacional de 3j de Mato
de i835 s Comroissoens encarregadas da
lequtdsco, e arrecadaco do Imposto da
Sisa f nlb recompensa o trabilho, e des
pesas, em raso das grandes diilancias,
em que se achio os devedores ,. e das de'.i-
ncias que he necessario empregar pira
e faser a respectiva cobranca ; e vendo
igualmente que as psssoas Romeadas para
ajudarem os mesmua Collectores e seus
Escrivaens, formarem em cada Villa a
dita Commissu de trez Membros humas
tea dado a sua demissi outras pouco ,
ou neubum servico tem feito : Deliberou
era Sessaoda mesms Thezouraria ene irro-
gar na Cidade de Otin ia e atas Villas do
interior da Provincia o testo da mencio-
sda liquidare e arreeidacio somonte
.o. Gotleetorc. e setts Escnv.ens perce-
bendo por este trabalho a mesma grat6ca-
$a que j vencem pela arrecadaco de
outros Impostos. O que participa ao Sar.
Colector de Diversas Rendas da Cidade de
Olioda para sua inteligencia. Tbeioura-
ria de Pernambuco i3 de Novembro 838.
-Jlo Goocalves da Silva.
NU. Ignaes se expedirlo a lodos os au
Collectores. ,
Conlinuar-se ba.
Diversas Repartigoens.
MEZA DO CONSULADO.
_A Pauta he a mesms do num. a44-
ARSENAL DE GUERRA.
Arsenal de Guerra compra paos de
jangadas que sejio novos grossos e
em tortuosidades e Uboas de piubo ;
asaim como convida a Caroiilieiros, A<-
meiros ou Espmgardeiros para Irabilha-
tem no mesmo Arsenal.
Joao Arsenio Birboza.
Ajudaule.
PRFEITRA.
Parte do dia i3 de Novembro de i838.
Exm. fllm. e Snr. Forio prezos
piaba orden e tiverao o conipeleule Uea
tino : Damro preto escravo do Reve-
rendo Mauyel d'Aguiar pelo Sup Preei
to da Freguezia do Recite por ter Jado ubi.
(rende cabecada em oulro de que reaul
tou ferir-lbe o olbo esquerdo SeraBu
dos Arijos, pardo trigueiro Domingos
Aotunes tranco Jos d. Cruz Joto
Baplista .Antonio Benlo, pardo pelo
Sub-Prefeito da Freguesa de >>uto Aulo-
xjii o primeiro por Iheipt ido nppitihsndi-
do huma laca de pona o a. por ter an-
dado a corier cavallo pelo Lugo da J'ilbei-
ra o S.9 por ter espancado a sua mulber
a ponto de o querer assassin ir ; o 4- c pr
estar bastale biio, e fazendo desorden
no largo do Terco e 5. por lamben es
tar ebrio e ter desobedecido ao mesmo
Sub-Prefeito; Mi noel Joo da Gloria,
preto, pela i.- l'atrulha do desliicto do
Carmo por ter insultado a meaini Patru?
Iba; iMathias Bezerra, indio, poruroSol-
darL> de Polica, por Ihe ter sido apprehen-
dida urna espingarda carregada; Caetano
IVarbasa preto, pelo Sub-l'n-feito da
Freguezia da 15 oavista por furto de urna
escrava de Jos dos Smtos Ferreira; e Ap
polinarie, lamben preto, escravo de Ma-
ria da Conceicarn pelo SuD-Prfet da
Freguezia do db) i requesico de uas ber-
deiros
O Sub-Prefeito da Freguezia de Tegicu-
pipo participa que na noite, do dia 4 do
corrente mez no lugar do Ub fora grave
mente farido um sugeito com um tiro que
thn disparara um faiiuoroso d'lli o qual se
potlogo em fuja ; e que He ficava na di-
ligencia de o fizer capturar, para o qurf j
bavia'dado as competentes providencias
Nada mais consta das Partes hoje recibi-
das nesta Secretaria.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitura di
Comarca do R-'cife i3 de Novembro de
a 838 film, e Kxm. Sur. Francisca do
Reg Rirros, Presidente da Provincia.
Francisco Antmio de S Brrelo, Preei-
t > da Comarca.
Refutico ao Rlmifesto do Presidente da
R >publica da Piratinim transcripto no
Diario N. t\-].
Tendo chegidoao nosso podorhum m-
presso contendo e denominado manifest
do presidente Ji repblica rio-grandense ,
j'ilgmos que deviamos Iranscrev'o por
interessar ao p >vo bmiileiro e ss a1 des es-
trang^iras o conheciment dos aggravos
com que ochefe da revolla pretende ju-ti-
fe ir tantos crimes tantos actos da feroci
dade ,'tanto consumo de c;ipitaes Unta
ruina de familias tanto sangue derrama-
do tanto transtorno da ord-m lio gran-
de attentado contra a inlegridade do in-
n-rio : n supoosto esses agaravos as aecu-
sacoes nelles fundadas sejao mauifesta'men-
te futels absurdos e falsos comludo nao
julgirios inuteis acompinhir o texto com
dlgumas nossas cbei vac5s.
U presidente da pretendida redublica de
Piratinim principia por publicar o seu ma-
nifest em nome de seus oonstituintes
Mas que consta uintes so esses? Quila
procurbalo ? (guando e como Ihe foro us
poderes oulorgidos P Nao conhecemos
acto algum pelo qual a Provincia do
Rio Gr.nde teuba dado poderosa li-nto
Goncalves para a declarar independente ,
nem que provequea Provincia quer repa-
rar se da communliio brasileira ; o que
temos visto he hum caudilbo levantando
primeiramente o grto da sedicio e depois
o da reballiao seguido de huma facci) ,
desde muito organisada de proletarios e
bandidos, e de ser vos roubidos; temos
visto essecaudilbo preso essa facco der
rotada p.oicm de novo organisadi nao
pelas sympalhias da provincia mas pela
adheso de b im traidor que prendeo a au-
lorid ide legitima que se declarou pela
revolla e Ihe entregou (odas as forcas do
estado ; temos visto essa faccio nlgumas
vetes arrojada para I ora do territorio bra
sleiio e invadiudo'O de novo, nio au-
xiliada pela adhesio da. provincia mas
pelo favor de hum governo limitrophe ,
inimigo natural d>s instituicoes e do povo
do Brasil temos mais visto sempre essa
faccio subislindo nao das contrihuices
espontaneas do povo rio-grandense mas
sim das extorsoes dos loubos dos em-
prstanos toreados, do levantamento vio
lento de esclavos e de gados e do consu-
mo e venda desses valores usu pados.
E pela oulra paite que temos visto ?
o prezidenle da provincia, natural d>IU ,
o commandanle das armas tamb>'m di-IU
natural ,- os gfiieraes e < tficiaes mais dis
uncios aii uascidos os inaiores proprie-
Urios estetenos charque drese ne-
gociantes r* liraiem-se do leiritorio oceu-
padu ji-tcidu pea revoiu procur-
is alirigo lora da provincia ou rtuni
rertt-se ti forcas da Jegalidade para
r-vi arem as alri.cid.drs do revoltosos ou
tmpunharem as armas a pro! da int grida
de do imperio vimos anda mais as mu-
nicipalidades que estavio f;a da coaccao
da revolta protestaren contra ella e
manifestarem sua adhesio ae governo na-
cional. E ser com taes demonstrado^
que a provincia tem declarado que quer se-
pararse do imperio ? S;r com esses actos,
que tem authoi issdo e caudilho de Pira*
tuina para declara-la ind^p-ndenle ? Sr
a provincia nao quizessn a independen
ca, di rao os fautores da rebellio levau-
tar-se ia em massa contra a faccio e o
movimento teria sido iinmediaumente suf-
focado: Masa isso responde-se :
S > a provincia quizesae a gepiracio ter-
se ia levantado em massa contra as forcas
do imperio, eo presidente de Piratinim
nao terca necessidade de negros para sol-
dados, de roubos para subsistir, de a-
troc.dides pira conter a Torca, de huma
11 a icio do general das forcas legeos e do
favor do esirangelro, para reorgauisar as
tuas foicis derrotada.
Os eplietos de oppre sor servo ine-
xoravel c IV ano dirigidos no mauifst >
ao governo do Brazil lalvea. de quintos
no oonh cein,o mais ciicumscriplo em suts
l'.cul iad v as- iniputaLs de bbuso da
oica de horrorosa prepotencia fettss
io mesmo governo ; o motivo da rebellio,
procurado na obigicio de sublrahir-se a
|,u n jugo iiisupniavel e ignominioso e
^sse jugo inipaato pela propna naci de
qu se I z pa< le e a q ial he regida cun igu
4es instuui<,s Com as mesmas leis, e
com demasiada hbei dade em todas a-, suis
provincias o protesto de s empunhi.ro
.rl dio para c brir-seedefeuder se de huma
odiosa aggrecio ,( p otalo feito pje hum
chefe de revolta que sem motivo al
rom mais do que o da sua ambica, le-
vantou os gritos da sedicio o da leblelio ;
queexpulsou da autondade o legitirc j de-
losado do goveraomacioml que p eten-
deo dar leiao governo d> imparto que
Jespresou os indultos qu ihe tof&o outor-
gados, que peiluiboua par. de huma pro-
vincia que ouia elle mesmo confessar ,
furaolypo da ordam *, que tem final-
mente i feito derramar torrentes de san
perigo a existencia do imperio ; todos es-
te tpicos de que se ompoa a primeira
parle do selebie manifest sio lio va*
f*os lio extiavaganles, e amerareis '
que seria desconhacer o b>m senso nacio-
nal o occupir-nos em os refutar : por isso ,
limitai-nos-he-mos aanalysedas accus ces que o caudilho de Piratinim faz aos
poderes polticos do estado.
a O Geverno de S. M. o imperador do
Brasil t'-m consentido que se avilie u pa-
villi o brasileo por humacobirdia repre-
heasivel, pela ni escolha de seus tapio
matas, e pela poltica falsaria e indecoro-
sa de que usa para com as uacas estran-
geiras.
O caudilho manifestante nao diz aonde e
como o governo imperial couseutio que se
.villisse o pavilhd brasilfiro nem mos
na como para etse aviltamento tem concor-
rido ou pode concorrer a m escolha de
diplmales ; da mesma sorte-, nio indica
facto algum que prove poltica falsaria t
indecorosa da parte do mesmo governo
para com as naces estrangeiras e assim,
ueste tpico nada encontramos que ana-
lizar.
Tem feito tratados com as potencias
extrangeiras, contrarios aos interesses e
dignidade da naci.
Tambem nio du quaes sio os tratados a
que se refere e menos poique sio elles
contrarios aos oleteases e dignidade da na-
ci.
Dispensados somos pois tambem de di-
tr colisa alguma a respeito de semelbante
aecusacao do caud lio contra u governo
nacional ; mas pe guillaremos sempie o
presidente de Piratinim se no caso mes-
mo de se celebiar hum ou <>ulio talado
menos vaiilajuS) para o imperio, qual
quer ignobil oficial do exeicilo tena por
isso direilo de levantar o grito .da revolla
contra os podeies polticos que celebiia
esppjov ao esse tiaudo de se declarai
independente de talar os campos e as po-
voaco^s de armar escravos loubare-
sassinar na propna provincia em que as-
cera P
Faz pezar sobre o povo gravissimos
imposto, e nio zela os dinhenos pu
blicos.
O mesmo vago, a mesma indetermiua-
ciode factos. Quaes sfo esses imposto
gravosos e desneoessarios para a sustenta-
ci do estado ? Quaes os factos que pro-
vad essa falta de zelo pelos dinhenos p-
blicos? Nada disso declara e presidenta
de Pnatinim nem musir t tubero por.
que principios hum ignorante c.-malan-
dante de fi onteira he authorisado a levan-
tar o estandarte da rebellio a a provocar a
guerra civil porque na sua opiniio os
impostos Ihe parecem gravosos e os di-
nbeiros pblicos mal telados ?
Tem contrahido dividas taes e por
tal maoeira que aneacad a ruina da na-
ci
' Aqui diz o presidente de Piratinim hu-
ma verdade : o governo tem dentro de
hum s anno augm -ntado de mais de
8 mil contos a divida* do estado ,
mas tem contrahido essa divida para ligar
ao imperio a provincia que elle lenta sepa-
rar para salvar o povo rio grandense da
oppressio de hixn tyianno despiesivel, pa-
ra Ihe assegurar as vaulag-ms de pertencer
i hum gruido imperio e de gozr das u-
uicas iiisliluices que o podem felicilu-}
para o prese var do ser depois de vine
anuos deagitacaoe de crimes, em nome
da libe: da le a presa de hum pequeo
tiesp >ta de espida como acoutece aos esta
dos conterrneos.
'* Tem permittido contrabmdos vergo-
nhosos e extremaofente pr^judiciaes ,,
Tambem nao d-z qutes o coulrabindos,
nem como o govenio intervem nelles ou os
permute. E, quaado esses contrabandos
exiatissem, nunca poderlas sar lio preju-
diciaes ao estado comt a separa^io de hu-
ma provincia os exemplos du armamento
de escravos e do fraccionamento do Im-
perio da Rebellio e da anarchia.
** Fas teis sem ulihdade publica e dei-
xa de facer outras de vital luterawe para o
pove.
" Eagota os cofres aacioaaos om despe-
gas sup i Cuas e nio cuida ao melhora-
menlo maleriaes do Pait.,,
* Nao aproveita nen ao menos sabe con-
servar ae riquezas aturaos do soso Wasilei-
ro. ,,
Seguramente: o corpo legislativo e o
governo., nio lea aproveitado as riquezaa
que Ihes otfarece o pnz nao lem anida
promulgado as leis eecessarias para os me-
Iborameutus nateriaes e moraes do estado;
nem,o podero facer em quinto quilquer
audiiho pude r impunemente concitar a re--
l para a rebellio distrahir desees melho-
amentos a atleuca dos poderes polticos ,
e obrigalos a c miumir lo los os recursos do
estado n supplaular a auarchii. E que
laes serio as lois eos meluorameniot que
o presidente de Piratinim projecta em sua
s.bdofia para a repblica hio-Gianden-
se.
I
" Nao administra as provincias impar-
cialmeule.,,
* Pi-rmitie a mais escandalosa imp'J-
nidade t m sttts ag-ntes despreaando as
(jueixas que contra elles se derigem.,,
Anda desla vat o pivsideulc da Pirati-
nim omitle os lacios que comprovo suas'
tccusdces contra o gove no do estado-\ e
. squ-ceo se Umbem' de que outro> sao os
ineos de remediar a parcialidad* da adini-
uistracio qoan.io ella existe ; que o direi-
lo de repieseutacao e as aecusocas enmi-
uaessio os remedios, iudicados p.*l coas-
niuicu do estado contra os abusos da
poder.: que osexcessjs de aultioriUade ou
falla da p> tica dt* da veres dos funciona-
rios pblicos nao jttstiuc. rebelias, mor-
mente uos g>veruos em que ha garantase
leis de reponsbilidade.
** i'ermilte hum tralego vergo ihoio no
pagamento da divida publica nad-sinba-
ico dos caig < publico na admi nistraca,
da Juslica e bualmeiile em lodos os actos,
da publ ca adminislraco. ,,
Dt ni- smi s re nao demonstra o presi-
dente de i iraiiium como se peunille aiju.-l-
ie ImtVgoeu) todos os acto* da publica ad-
mimsliaco ; he uoiavel que nao exceptu
dessa censara hum so acto do gever-
no nem ao menos aqut-lle pur que lp le
cuuccuid* huoia vuudae nao merecida
p pela gialido cauta da oideiu e dalega-
lidade.
Os nossqs leilores devem ja estar fatig**
dos da supeilut lelutdcaode untas imputa-
coas vagas, sem facto algum que as compro*.


I .1
*-
WP
T
^~~~^pi
DIARIO DE TERNAMBCO
*
ve ; no* dispensaremos portento ,- da
analyse do restante reservando para o nu-
mero segmle contnutr nessas obserracS
es a respeito dos lopic.os que se retiren)
fictos positivos e aggravos determinados
( Do Despertador n. 157 )
i
aaaaam
Exterior.
PARIZ, a5 d'agosto.
Carta, que dirigi Luiz Felpne sos Mem -
bros do Corpo Municipal da Cidade de
Pitia
Teado se reunido a Cmara Municipal ,
Mr. General Alhalm foi atmunciado emo
portador de huma Carla do R y dirigida
ao Corpo Municipal da Cidade de Pari o
qual leudo ido rece bi do con as honras de-
vidasaosm C ma Carla a Mr. Prefeito do Sena que ten
do a aberto a leo em alia voz a qual er
concebida nos seguintes termos e escrip-
ia pelo punho do II -y.
k Senhores Membros do Corpo Munici-
pal da Cidade de Pariz-Eq me apr*co
em annuuciar-vos que Madame a Du-
queza d Qfleans minbt ora muito am
da acaba de dar luz huin Principe ,
que gracai 'D*us goza de boa saude. En
quiz que este primero herdeiro do pri-
mognito de meus fiibos uoztsse do titulo
de Conde de Part, O Corpo Municipal
partccipai (eu o creioi? da miuba ale-
gra da da Raynha de meu 1II10 e de
toda a miulia familia ; Eu me lisng-io de
dizer a cada huta de vos, que este feliz
accontecimento he duis vezes caro ao meu
Coiaco, pois, que elle d; mis huma
garants eslabeldade das nossas institui-
dles e segii'anca de todos e que for-
mando entre nos Irum novo vinculo, elle
me furnece esla occasilo de dar minli.
Cidade natal huma prora brilhante da af
feico que eu I he consagro e consagra -
rei sempre.
Vosso affeicoado
Pariz a4 d'Agosto Luiz Feippe.
de 18J8.
Esla leitura foi seguid por acclamaces
prolongadas de a Viva o Rey! Vira o
Cunde de Pariz Mr Prefeito do Sena
auigindo-se depois a Mr Alhalm se ex-
riraio nos seguintes termos : O Corpo
luriicipal est profundamente coramovi-
d) di Carta, qu* S. M. se dignou deii
gir-llie e elle experimenta huma grand*-
alegeia p> Ij accontecimento que vos es
taes encarregado d'annuncar-lhe. He pa
rs as nossas inslitmces e para a Dyuas
ta de Julho, qual ellas sao confiadas .
hum novo penbor d'est.bilidade ; he pa
ra a Augusta familia objecto de nossos res
peitos, e de noasa aff.icao, hum insto
objeclo de felicidad*. A Cidade de Par?
abela com salisfacio que o Rey pnz
deb.ixo da sua egide o Principe'recem-
nascido e o tem confiado ao seo ralor .
e sua sab^doria. O Coma de Pariz se-
r caro ao* Pacizienses ; elles nao tem- es-
queri lo o Duque da Chartres combateodo
nos Exeicilos Nacionaes para repellir a i 11
vasioestrangeira ; elles nao tem esqu-cido
o Duque d'Urleans collocaitdo*se com con-
fa nca to meio dalles nos memoraveis dias
deJulbode 18J0, nem seiis filhos dig-
nos d'ella assim em Anvers como em
Constan ti na. To nobres recordaedes nao
serio perdidas para o Conde Je Pria; 6r-
ma d.ffensor das nossas liberdades, ellr
pode estar seguro d'encontrar hum da no
Corpo Municipal submissio sincera, e fi-
d hdade.
Eu me julg.i feliz, e me encho de
hum nobreorgu ho por ser boje o inter-
prete dos sentimentos da Cidade de Pariz.
En vos rogo Senhor de os exprimir a
R.y ede Ihe di/.er que a affeicio de
Corpo Municipal su* Real pessoa sua
Augusta Familia assim como s nossas
instituices sei sempre inalteravel
Mr. Geueial Aihalin 1 espondeo que
elle se julgave mui venturoso pela Coin-
missio que o R< y se dignou confiar Ihe,
a levar a S M. a expressio dos scutitnentos
manifestados pelo Corpo Municipal ; en-
trslaoto, que elle mesmo Corpo podesse
pessoalmente exprim-los directamente ao
Ry.
O General Athalin se retrou depois ac
companlndoa' o ultimo d-g-o da escada
por Vlr. Secretario Geral da Prefeitura.
O Sr. Prefeilo do Sena annuuciou de-
pois qu eslava levantad* a S-sso e
eonvidou MMrs. os M*uibros do Conselho
Muui'ipil paia e reuurem m> lugar or-
dinario de suas Ses6-s a 6 n de rec*-bj-
eraelihumt communcacio sobro a qual
elles devido deliberar immediatamente
(Le T^mps.)
BABlY.
PRODDCCA.5 LITTERARIA.
Histrica, e Poltica para impressio de
hum Peridico aaensal.
Huma sociedad* de Iliteratos pretende
publicar mensalmeote nesta Cidade da Ba-
hia hu folbeto intitulado O POR-
rUGUE-Z. Esto Peridico eooter trez
artigos- PRiMEao IMPERIO D ) BHA
ZIL em que se mostrar o estado, e
circunstancias de todas as suas Provincias.
e os ineios mais proprios de sua conserva
ci-, e futura g'andeza era perp-lu 11-
no. _SF.GUHD3 -GO'.PE DE VISTA .
SOBREOESTADQ, EMOVIMENToS
IVEURO A- tekcbiro POBTUGAL--
En qu* diuonsti i;a suas actuaos circun-
stancias, anterior grandeza, e futuro ros-
labelecimento de que anda he susceptivel.
Cdmprh'ndea lambem hum Appendis ,
com o titulo- VARIEDADES eujo
artigo ser prehenchido com sub mes
Mximas e pegamentos moraes e instruc-
tivos. O* R-dacteres se achaS munidos
de folhas Nacianaes e Estraugeiras para
melhor poderem transmitiir aos seus Le
tores as mais interessautfS noticias*, ten-
dentes ao fita a que se prop5s. JXio ad-
mittira correspondencias polmicas ,
nem li pouco sobre a vida privada de Ci -
dndlo silgum ; visto que o seu principal
fin, he tractar nicamente dos artigos
cima mencionados. O seu Prospecto ser
publicado logo que liverem hum numero
suficiente de assignaturas com que possfc
fazer face s indispensaveis despezas da
Impressoo-, e por uso nao podem por ora
m-rcar o dia da aparicao do 1. n. : rogao
por tanta todos os Sis. amantes das le-
tras e muito principalmente aos que a-
mao e preza a piisperidade e noticias
de sua Patria bea'como do Paiz onde
habitad queira Benignamente coadjuva-
los'com suas assignaturas p fia d pode-
rem levar avante lio til, e ardua larefa
O preco de cada trimestre ser de 4fol>0
# de 6 mezes 7*200 : pagos no acto da en
trega do pnmeiro fulhet<#; viudo a ser
trez hum per cada mez, todos em bru
xura Imprnasos em magnficos typos >
bom papel. A assignatmai fazem des-
dti j nesta Cidade do Becife na Pmea da
Indeie ideiuMa, l>ja da Lirios N*. 37 c J8.
AVISOS DLYKUSOS.
O infrascripto pedio por meio do
D ario n. a44 pessoa competente qu*-
l> iblicasse para inteiro couliecimenlo de
maior numero de individuos o artigo da
le que da permisso aos estrangeiros ,
para u/.arein do fardaonenlo de G N. e
de. estarem na mesma incorporados ; e co-
mo al hoje nem mesmo alguma das p .s-
soas incompetentes se lignasse publicar o
refeiido artigo vem o mesmo anfrascrip
to dizer simullaneamenl alguma cusa a
esse respeiio ; porem pelo avesso, islo
he, que os esfangeiros nao tem permis-
so, para uzaieiu do fardaoieitto de G.
L\. (moa outro qualquer individuo que
nao srja G. N.) menos podm estar aa
mesma incorporados ainda que seja co-
mo mu/icos j poique a L-ii que regula es
ses Curpos, exige expressamenle (nem
precisava^ qui: S< ja cidado Bisilriio pa-
ra ser G. !N., pelo que aquelle individuo ,
que nao he cidado Urasiieiru ni
ser G. N., e quera nao lot i} JL
de uzar deste tardamente se^%
incurs no artigo 3o 1 do Cdigo Criminal,
visto que ota de hum dislnclivo que
he p> ivatvo a huma classe ; e como por
amuele u/.o conirario a L-i obtem bu 11
fin incorre lamliem no artigo 3oa <\
melmo Cdigo Esa concluida a tarefi.
E harer nos Bitalli5es de G. N d*ste Mu-
nie pi este abuzo a que o mesmo in-
frascripto se oppoem? Dicant l'adiaui l
O Cidado Brasileiro.
AHuga se hun andar de sobrado
ou caza terrea que nao exceda o seo alu-
guel 16s' rs.: nesta Typ.
Ruga-se a pessoa que pur engao ti-
rn huma caixa Alfand'-ga viuda do
Porto a* Barca Pernambucana a quein
restituir na ra di Rozaiio l>rga boteqoim
de Antonio A buquerque Meilo na mes-
ma caixa vinha huma c rlido de idide pa
ra Jos Fern-ira Teixera que querend .-
a restituir dinja-se ao mesmo lugar ou
luja d a ootar no Correio pondo na sub
cripta n nome cima.
_ O Sr. do Engenho da Serra Fregu
ra de Jabosto digoe-se de declarar se os
ignaes do pret> que diz .uliar se em seo
Eog"iiho sio os S'i;uint<'s de hum escravo
do .b .ixo as-ignado -- Chama se Antoi.iu .
de nuci Cassange., estatura ardiaara ,
se;-o d corpo I illa hura piuco n17.il,
enm falla de do s d-mt-s na Irenie da boca ,
olhos sumidos ou fundos,, pintas finas,
or preta pauca baiba. Cisosejao estes
os signaes o abaixo nssi^nndo roga ao
mesmo Sr. de remette-lo sua casa 11a ra
Augusta D. que salisfai ssdep.-zas.
R. J. Barata de Almeida Jnior.
Precisa-se de iaoj( rs a juros de a
por centocom hypotheca em huma escrava
moca, sem vicio alt>um por lempo de 8
mezes: quesa pretender dar dirjase a
esta Typ para se Ihe dizer quem os quer.
Quem quiser couprar huma escrava
de naci com idade de ti a 5 anuos .
com bonita figuia, engoma, cozinha o
diario de huma caza lava tanto de var-
rella, como de sabo dirija se roa Di-
reita D ao passanda a venda do falecido
lose da Penha.
< Roga-se pela ultima vez ao Sr. J. E.
>i. M morador em Olinda, que veaba
no prazo de oito dias ultimar o negocio de
qodeve estar be certo na ra da Ca-
dtiia do Recife visio nunca se adiar em
caza ; do contrario nao sequixe ; islo Ihe
roga O Paciente.
Precisa-se de hum feitor que tra-
balhe deenchada e tome coota de hum
sitio na Magdalena.
__ O Professnr de Phi|osophi< do Col-
Ifgio das Arles offerece-se dar licSes des-
tt- Preparatorio p*-lo lempo feriado prin-
cipiando hoje 15 do correte mez em sua
casa V. 9 ra do Aljube.
Pieeisa se de 3oos' res a juros de 1
por cento a > mez por lempo que ronvier
ao mesmo, dando-se porseguranca un..
Letra a vencer de 600 000 reis assignada
por urna das melhores firmas desta Praca :
a quem convier annuncieou diiija-se a ra
do Rangel I) 9
_ l'reriz'se de um discpulo para al
faiated indo se-lheo sustento : na ra da
Senzalla junto ao buco largo tenda de Jo-
z Antonio d Lima.
Aluga se hum bom bolieiro, e ca-
xeiro. o qual sabe tratar de animaes:
quem o quser procure na ra do Livra-
raento 8<.'\
_ Hum sujelo de capacidae propoe
se receber em sua casa lo meninos como
porcionistas, pelo mdico preco aanu-d
r|r aoosooo rs. ensillando Ibes, primeiras
Lrt'a, Grammatica P .rtugueza Lalim .
Francs, li'filez; mu/.ica e danca tu
do com baslaiita perfe cao. Na ru do
(oeimado loja D. a de Fermino Jos Ro
diigues Ferreira se d ira as precisas in
formaces.
- (nem tiver para allugar hum peque
no sitio, perto d p'roca, para se p >-
sar a festa, dando se oilcnta a cem mil
reis annu >cie; adverte-seqqe se prefere
al;um qu^'l^nh* haithn,
' D sencaminhui-se do segundo sitio
da estiada do Pombal, huma caba com
duasciias sendo ella toda prela rom lu
ma "li-ilia Inanca pela barriga e hn>
fiihas prela e a ouir.i branca com ma-
maiellas, levando a cabra huma car
ude ao pes 090: qmm a apanhou
qu< ira leval a no mesmo sitio ou no bair-
o de Santo Antonio ruadas Flores caza
ultima junto a Contra.
Fu rt a rao na manh do dia i3, n
cima de huma mt-za, na padaria D. 3i na
ra Direita hum relogio de sabonete ,
de prata eom huma chave d'aco, cober-
ta com huma cbapinha de ouro cuja
chave tem a marca de cravacio de huma
pedra que tere no ario a suppoem-se ter
sido fui udo por alguna negro .* qualquer
pessoa a quem for offerecido tenha a bon-
dade de lvalo a dita padaria que ser
recompensado.
O Sr. que mandou bordar hum coei-
10 em Junho e deu muita preca e como
este j esteja pronto a quatro mezes, e j
se tem mandado dizer que venha buscar
ni o o indo ainda feito roga-se a este
Sr. a bondade da o vir buscar no prazo de
oito dias do contrario ser vendido dito
coeiro para pag.ment do que se tratou :
e para que na > baja dunda alguma sobre
dita venda far.-se o presente annuncio ,
visto que-a coslureira nio est sujeita
vonlade do dono.
Adverte-seaos Srs. Socios do Esca-
ler denomina lo Flor do Ocano; que me-
lhor seria Ihe mudassera o nome para So-
ciedade do Barco da Car reir dos Tollos ,
poresle Ihe n-r mais apropriado.
OAbelhudo
II rematar por renda, em praca publica a'
quem mais der porta do Sr. Dr. Juis
do Civel da a Vara huma cay terrea si*
la na ra da Camboa do Carmb D. 7,
le o aiinuuciaute bou ve por heranca da
finada sua S >gra em 18.i1 por escriplu-
ra de transac > em amigarel composico ,
que oblere deseos Cuuhados esa i833,
por isso o annunciaule est prompto a
mostrar os seos ttulos por onde a possue,
sendo inteiramenle ocioso o annuncio in-
serto 00 Diario N. *46.
a D sea juros de dous por cento ao
mez sobre firmas i contento a quntia de
5oos rs. 5 nesta Typ. se dir, qaem os d.
_ Antonio Joze Pinto Gumaries faz
publico que comprou de sua conta e de
Bento Bebeiro Machado Gumaries rezi-
dtnte'fi Maranho tres meies bilbeiea ,
da 1 parte di 1" Lotera afaror das
obral da Malris da Boa-vista cujos nme-
ros sio os seguintes n 1 4^4 5:ioa
t:*5j. O mesmo lar publica que qual-
quer premio que sabir no nieio iiilhete da
piimeira parte da 3 Loleiia a fatoi das
obras da Igrcja de nossa Sen hora do Livra-
menlo da Cidade do Reciffe n. 64 1 fi-
ca pe tencendo ao mesmo aanunciante ea
Vtanoel Gomes da Cunha ainda que se
scha assignado no mesmo meio bilhele o
Senhor Fiancisco d'Almeida Bravo cujo
S'-hor mo tem din-ii > nenhum ao mencio-
nado bilhele e fica sem effcito oaeu no-
me: Assim como na mesma canformida-
de de duis raeios billieles da mesma Lote-
ra n 3;a 27 i que se achio asignados
pelo Senhor Tboinz Antonio Ribero Gu-
maries e ficao pertencendo ao dito an-
nuicantee Manoel Gomes da Cunha. O
mesmo annuneiante pede ao Senhor Pedro
Antonio Teixeira Guiroa'iea queira an-
nunciar sua morada para Ihe filar a
negocio de seu inteiece.
A pessoa que annuncou precizar de
hum caxeiro para a villa deS. Anto sen-
do que inda precize .- dirija se o beco do
Prixe frito D. 4-
_- O Senhor que annuncou querer ser
caixeiro de venda, porem que nio depen-
der de escripturaclo : pode dirijir-sa a
,ua do Asouguinhes veada D. g.
Continua-se a encadernar com per-
fe cao, e gosto francez na roa das Flo-
tes casa ultima junto ao armazem de porta
Urg* ; onde tambera se receber athe 3 dis-
cpulos para aprenderem a encadei nador
Aluga-se huma lojinha de urna por-
ta cita na ra Direi a ao pe de Noasa Se-
uhora do Terco com armaco emvidracada
de ambas as bandas propria para sniude-
z*s ou outro qualquer negocio a qual te
vende s mesma armaco a pessoa q*ie *_
(>ert< nder dirija-se por de traa dos MaH-
rios casa de a rotulas verdes de fronte do
urna sena.
A pessoa que quiser fazer huma via-
gem ao Biejo da Madre de. Dos au qui-
zer seirir de creado de hnm hornera aoUei
ro, dirija se a ra da Gloria a priroeira
casa que fica d> fronte da fabvioa do falat^ha
Gvrvasio Pires Ferreira.


DIARIO DEPERNAMBtJCO;
A pessoa que quer fallir \nt nio 3o
t d> Azevedo, dinji-se a ra do Cofle-
gio D. 9-
.- OSr. Joaquim Teixeira P'ixoto ,
oeira dirigir-se a loja de Antonio da Cu-
nht SoaresGuimares pra tomar contt d-
un encomenda que Iba veio da Cid.tdc
do Porto.
Q>iem precisar de oo.ooo a premio ,
anuncie.
PARA MARANHAO' segu vhgm
at o fim do correnle niez o Brigoe E-cuno
Laura S ganda, paracirgi. e pissageiros
para o que tem boii9 commodos trata-se
no Forte do Mallos, coni Fumino Jos Fe-
lis da Roza.
LEILAO'.
Quinta feira i5 do correnle pelas n
horas da tnanh rfo caes da Mfandeg i, na
porta do armasem de Antonio Joiqnun Pe-
reira de 64 caixas de vidrb por corita e
risco de quem pretencer, que fizem Fran-
ca i& Companhia.
Que pretenden fazer Dlogo Cockshott
& Companhia, de diversas fazendas limpai
avariadas? no dia 15 do corronle as >0
horas, da manhl em casa de sua residen
a na roa do TrapLhe n. i4-
-- Qoe se faz na ra d i Cadeia do Rti
fe D. ti, no dia sexta feira 17 do correte,
as 10 horas da minh de un grande sor
lim nt<> de molduras dooradas pa-a qua-
dros estampas fins ornamento de silla ,
co;ji qoadros e sem elles, espelhos grands
um gnnJe sortimenlo de vinho de Ror-
dt-aux de superior qalidade agosrdenft
d- franca ,' coletea e casacas de varios gos-
t3S bijotarias falsas e dua de ouro co
Hieres, garf.>s eeutios objectos de pra-
1a sineles caixas pura tabaco pentea ,
cines luvas de linhoe de seda para Se-
nioras, para homens instrumentos de
cirurgt*. de gommaelstica, eotltmij brin-
qii'dos de menino*, pedras falsas, ps
deouro, bahus de couro para \iagem ,
caixas para chapeos espingardas man-
gas de vidro e outros objectos.
COMPRAS.
Urna casa terrea em Santo Antonio,
que nao exceda de Soosooo a 6oo'ooo mil
res: quena liver annuncie para se pocu-
rado.
*- Escravoi com habilidades e sem ellas
e pret.s Marinh'iros oti proprios p.ra es-
ta arte : a bordo do Brigue Escuna Laura
ancorada junto a praia do Colegio.
Esclavas pretas ou pardas de idade
de 8 -ao annos, para fora da proi incia: n.'
casa de Francisco Marques Rodrigues &
Jrmo na roa,do Trapiche n. ia.
VENDAS.
Dordes o cordas para piarno for-
te : na ra da Florentina D ().
Terrenos de 3o palmos de frente e
de fundo a5o com b atantes arvoredos e
chics proprios na sol lade estiada que
vni para o Manguinho : a tratar na solida-
de no sobrado de um andar com mirante.
Urna prela moca e de bonita figura,
boa coitureira e engommad-ire, ao com
pradorsedir o motivo: no Alterro d.
Boa vista ao pe" do tanque d\agoa.
Urna casa l>rrea na ra da (loria livre
e deaembarassada : a- tratar na ra nova
D. 3a dii quem vende.
Um prelo carnicero, serrador e co-
zinha sofrivelmente ; e urna prela que en-
cornla liso e lamhem coz i 11 ha o diHrio
de urna cata : no pateo do Terco 2. an-
dar d> sobrad" H .
Una escrava ptima cozinheira, en-
gommadeirs e sem vicios : na ra do Li-
vramentocasa D. a Urna venda com bailante fregoesia ,
aluguel muito commodo e com os fun-
dos que confierao comprador ', sita na rua-
do calderero nos fundos da Igreja dos
Martirios : a tratar na mesan. '
Urna escrava de naco cambinda de
idide de ao annos e com duas crias e
com muito boro leite para criar : n Altor
ro (11 Bi>a vista do terceiro sobrado do la
d> do sul junto a ponte.
Um grande sorliroento de flores para
guan ci de vestido e cabeca chapeos de
seda, de paliif.de arroz, s capoles de es
comilia da ultim 1 moda de franca espar
lilhos, agoa de colonia espirites, leos,
de toda qualidade de ch.'iro agoa p"
lingir de pret< os cabellos branca* na v-
idas finas, marraf is chin* e cabilei'u-
de-muito lindos cabellos, tudo ebegdo
ltimamente de franca e por proco com-
modo : na ra nova no primero andar do
sobrado O. 16
U:n pj cao de cera d> camrub* e 4
grandes Canoas dearaarcllo com (3o a 70
palmos do cornpi amerito, proprias para bar
cacas a canoas d'agot, ;is quas se achlo
'xposta^ na prtla d/> colirio : a fattu D0
M mo(4 Francisco da Silva etaaua loja na
pracinlu do Livramento sobrados novos de
3 andares, I'do di eaCada,
_. rjina molatinha de i5 a 16 annos,
alva muito boa costureira rendeira e
engo'mma a<. comprador se dir o motivo
na'rua doC.H.gio O. o.
.. Oleados meto < pintados de lodosas
cores proprios para col.rir metas de sala :
na ra nava D l3 e 14
Um escrauj de 3o o 35 ann"S pro-
prio para todo o servico na ruada cadeia
velhaD 5o.
.. Balita de porco, tanto em pella como
derretida propria Jpira cortir e pnra u?o
dasbotiras: naiuadeS. Rita nova De
cima io, 4
Para fora da provincia om cabra
de ao a 3o annos bom trabalhador de
enchada carreiro : na caroboa do Car-
ino sobrado de um andar D I a.
Urna negra mucambique de idade de
aoa a3 annos, com principios de cotinha .
e enfiommado; um braco de balanca re-
f icado; ora tonel pequeo para estile
de Garrapato rebatida e prompto r*a
de Hurtas sobrado de um andar D. j5.
-- Urna negra do gento de angola d"
idade de 3o innos, cozinha o diari d<
urna vasa lava roupa e he boa quiln-
deira : na roa dos (uarleis D. 4-
- Urna rede de pescar em bom uso : em
fora de portas venda n. 18 defronte do be-
co larfto. t #,
Urna canoa de carreira ainda qnasi
nova, que a commoda livremente 10 pes-
soas ba de carreira pintada de rovo ,
e com assento de prilinha os p-etend ntes
para veitm vo lioz (los Martirios ao pe-
do tanque do fallecido Monteiro e para
oausto na ra Din ita D a^.
Una casa grande, o boa, com bis
tantes commodos sendo na principal m
da casa file embicar d quina opUma
para ncrociox, e por preco mdico: afra-
tar na An*ftoa dn Garmo D ao; assim c|mn
3 cepos para dho do carne.
Duas moh-cas pec's de idade do : \
annos ; e nm raoleque de Is annos : no
oatcodeS. Pedro sobrado de urna andar
D. 8.
Urna ravallo rodado de boa figura
n-ivo e sem achaques : na ra do Cabtig.'
i.ij;i do Mr lio.
Sapatinhns de marroqnim delodas a<
cores, parr meninos e meninas de /jja 9
de idide : no Atierro da Boa vista nume-
ro ifi
Urna porco de caixas Vasias p*ra ai-
sucar novase de ama>ello e barricas va-
sias : no Recife ra do Apoll > armasem
D l3-
-- 3 Paliteiros de pTita do ultimo grto ,
fritos na Cidade do porto : as 5 ptontas
-. Cha isson de superior qnalid.ifle, e
por preco commodo : na praemha do Li
vramento I -ja de fazendas I) ^S.
Bebas chegadas p.oximamente e
de muito boa qualidade: no beco da liagoela
Da.
Umcarrinbo novo de duas rodas,
roui li do e bem construido e juntamen-
um cavollo ruco : na pra;a da Boa
D. 1 a.
-. Urna molata de bonita figura se
ci nem achaques, de idade t6a 18 an-
nos cozinha o diario de urna caa coso,
engomo e Lava roupa a vista do com-
prador se dir o motivo : na ra par detraz
dos Martirios D 3a.
Urna loja de couros com muito pou-
cos. fundos osito cm bom bi^ir ; nesla
Typor Urna escrava crionla de '6 annos .
sem victos nem achaques : na pracinha do
Livramento loja D zo.
-- Una prela que.representa a3 a a4
annos idade pouca mais ou menos de bo-
nita i;;ura engomis lava e hbil
para qualqu'-r ser vico : na ru Augusta n..
j casa do Cuota (>uim.r5es.
Um cavAilo catlanbo acoslumado e
ptimo para errinho : no Haspicio lercei-
ro sobrado passando o quarlel.
. Urna legoa da Ierra no lugar deno-
minado piranje a fieguesia deGranhun:
a tratar na iu da Conceiclo da Boa vis
casa n 4-
-- Um cavallo caslanhocm bons carre-
gn at4 esqnipado selado e anfreado e
.'om lodosos mais pertemes : atraz do qu-
a.lel dos raunicipaos na casa que temo
billiar.
~ Um escravo de bonita figura sem vi-
cios o bom serrador : na ra velha venda
D 3i.
ESCRITOS FGIDOS.
~ No dia 5 do correnle pelas 11 horas
de.apareceu un moleque de nome Joaquim
de naci camondongo estatura regular,
seco do corpo pernas finas tem nm ta-
ino na testa do lado eaquerdo, que reco-
beo dando urna queda, falla bastante embi-
rassada e d mais pelo apclido de camon-
d-.ngo do que pelo seu proprio lem
urna marca de ferro em um dos pellos ,
levou vestido cilsa de cazemira escura, com
listras colele de sede -prela com li'ras de
cor, jaquel* de hrirn transado escuro com
listras, camisa de xilla azul bastante clara,
sendo tudo ja uzado e bon a immitacio
1 dos que os roarujos trazem ; quemo pegar
l vea Jo Antonio dos SjIos Coelho ven-
da por baixo do sobrado do Major Costa ,
que ser recompensado com a quantia de
5o,ooo.
Desspareceo no dia 6 do correte da
cara do abaixo assigrrado um moleque de
deangol, que reprsenla la annos de ida-
de de nome Pedro, tendo os dois den-
les da frente de cima abertos seco do
corpo ; quem o peg^r e entregar aoabiixo
issignado sei. bem, frecompensado do seu
trabalho. Jos Qjludino Le:le.
-- No dia 10 do brrente fufjio nm es-
cravo de nomc Agstinho alto, de ida
de 21 annos, seco do corpo com o olho
direilo ceg nariz chato lcnon,calsa par-
da ja vt-lha camisa de dgorlnzinho, e
chepeo de oouia< o escravo t"m offioio de
carreiro; quem o p-gar leve a la das
Clru/es D. 15 no segundo ai^dar que ser
bem r .Na {arde desalabado 10 do correnle
rriez auz-nlon se de casa um preto escra
vodejoio Fraprisco Du.ite de. nome
Auloni-f cenbecido mtlhormente por An
Ionio I!-nedicto ) naijo gongo, bastante
ladino e desemb.rassado, bem parecido.
P'iuco cheio do corp, porem espadando,
altura [> rpoicioin.l cor fulla pouca bar-
ba com urna das oielhas furndas onde
c .nserva una argolinha ps grandes, e
apdiietados "I:< s a morteci'los e um
pouco amurellados com urna sicatriz jun-
io ao ventre poves mais ou menos; foi ves-
tido quandn sabio de calsa e aqu-ta bran
ca de r ja en>iialh:da e com
cuiotrrtgespnaprn niava ) copeo de seda
preta anda pouco serv do ; provjvelmeiite
lesera andar por ora vagando por esta Ci-
dade do Rdcile ; q'im odigar leve a ra
de S. Francisco no 3 ndar do sobn do
D 1 o que ser" gratificad >.
- Desapae;o urna preta com um ta-
bobiro de fa*end* no dia 11 do or rente ,
quem a pe; r I vi a caniboa do Carmo D.
10 que sera gratificado-
-- J .s( irv.dho da Bosta, morador na
Cidade do Recifc de Pernambuco ra do
Trapiche drfronte do oaes (Ja Lingoela De-
10, regaofavor h todasanlbonda-
ili|lal|oiterio do Brasil, pes-
alTres*qut soubereo aondo es-
to ou virem tres escravos, que fug.
rao e ha suspeitas que fo>io furtados ,
de os mondar prender e entregar ao dito
Sr. que est promptb a pagar toda a despe-
za ^ue se fi/.er : e car eternamente a-
gnidecido a pessoa que llie fizer este bene-
ficio ; os escravos tem os signaes seguin*
les: Joo por alcuoeo guax-ini fugio no
me, rt Abril de 18JG prelo, de ao annos
de idadequaudo fugio eslatura regular,
si-co do corpo, lesta alta olhos peqneno ,
sintora fina fistolas as pomas de feridas
que ja leve he canoeiro e natural de an-
ola naco cahund : Antonio por alcu-
nhobacamarte fugio no mez de Maio de
|838, heprelo, de idade de 18 annos,
estatura regular web do corpo nariz xa-
lo nao lena unba em un i\vo do p ha
canoeiro, de naco cacange : Antonio por
por uleunho pinta, ratos e boca de f-go ,
falla muito grOSSOo fugio no mes de Julho
de i838, he prelo idade de ao annos,
estatura regular, grosso do corpo, dbel-
lo ruivo rosto redondo, beicos grosos ,
tem urna canella do uma perna mais alta do
que a oulra por c.iuza di ua lerida que
ja leve he canoeiro, e de ncio congo.
No di 5 do correnle fugio do enge-
nho Seo, Fieguezia de Serinhaem um
um negro de nome Jote de naco da cos-
ta ji ladino e com os signaes seguinlts :
idade de'a5 "hnos silo, s-co do corpo,
cor bastante preta, clhos biancos, sem
olficia ; Igum e k sim o de c.mpo; quem
o pegar lene a Pedro de Mello e Silva Snr.
dodito eoger.ho, ou a Manoel Gonsalves
da Silva na ra da cadeia do Recife que
ser gratificado.
No dia 5 do conente mandando Jlo
de Alemo Sisneiro um e>cravo 90 enge-
nho da gangadinha perto do engenta do
meio receber um pouco de dinoeiro de Jo-
to de Carvalbo Pas de Andrade e al o
prsenle nao he apparecido julg'a-se es-
lar fgido cujo escravo lem os s gnaes
seguinles de nome Benedicto de Alemlo
como tralo ua ua creoulo cara bexigo-
za rosto comprido bem barbado, e con
. Has grande por baixo dos queixos, he bem
conhecidonesta praca p* pepjien s se-
co do corpo o muito feg'isla roga so
a todas as authonddes competentes o
capites de campo que o mande prender o
levar na ra nova D. 33 qoe sar btm
recompensado.
A 8 de Outubro fugio da tenda do
sapaleiro defronte da cadeia o cabr Seve-
riuo de 18a ao annos de idade, sco do
corpo estatura ordinaria com urna si-
catriz no nariz queseestende para a face,
consta que anda por chora meninos pa-
sagem da Magdalena ; quem o pegar leve
a<> Coronel 'os de Barros Falcio ou ao
Commsndante Geral do Corpo de Polica ,
que ser gratificado.
- F.-gio no ultimo de Dezembro do an-
no p. p. uma'negra da costa ja id-sa do
nome Calharina, alia, um tanto 1 nlla, que-
brada, do ambas as verilhas quando anda
deila os pellos para fora ; quem a pegar le-
ve .1 la do A."gao D. J7 quesera grati-
ficado generosamente.
MOV IMENTO DOrORT'O.
NAVIOS ENTRADOS NO DIA i3.
IIVF.RPOOL; 48 dias Barca Ingiera
S..p.-ibde7 Tonel., Cap. WeJIiam
B ult, ciga vaiios gneros, a Jone*
Winoe&ENva.ds.
MEDITF.RIUNIO ; 38 dias, Polaca -I.
Boa Inteligencia de ata Tonel., carga
azeite : a Joo Pinto de Lem n.
AS-U ; 17 das, B igue N.c. Coostanto
de l5o Tonel C-*p. Joo Ignacio,
carg s l, epilha a Machado e SNntoa
p.s-'.ageiros 3 mai r.beiros da Sumaca.
Citla que peideu-se no Aracaiy. *
fundo no lain^iio.
S\HIDOSNOMESMQDIA.
LIVERPOOL, Brigne hgles Obrron ,
Cap. Daniel Brocbbbank, ca.ga algo-
do. .
BAlJIA ; Sumaca Aurora Feliz M. An-
tonio Joaquim de Pus.*. (1 ti-. 0% M. r. u f. 19*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHZEJSHJ7_1PF8RR INGEST_TIME 2013-04-12T22:07:48Z PACKAGE AA00011611_06057
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES