Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06054


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ARRD'E i838. SEGUNDA FUMA v
CAMBIOS.
Z.TS. ~ Z~
i Ds. St. por ijooo ced.
i -- -
i Rs. por franco. ^Sk H \
e Janei ro opar. ^3[ mfci
Meedaa de 6<4 i ajiaco as velhas novas i4jf7oo. J Wk}~'
4|ooo 8^1 loo a S#
Pjs- os 6o a i6g
i#6o a i#6bo
pat asileiros iffbdo a i #690
Premios das Letras, por mez 1 a i|4 por 100.
p. c. disconlo.
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTES.
Cidade da Paraiba e villas de la pretendi ....
Cidade do Rio <;rau Cidade da Fortaleza e villas dem...... I
Villa de Goianna........... '
r.d(!sr!eO!ida............ Todos os das.
Villa de Sanio Anto........... Quintas feiras.
Dita deGaranbuns e Povoaco do Bonito. .... Dias 10, e ?4 decada mez.
Dittas do Cabo Serinhaem," Rio Ponnoso, e Porto Calvo dem 1 II, e 1 ditto dido
Cidade das a la^oas e Villa de Macelo...... I.lem idem.
Villa de Pajan' de Flores.......... dem i3, dittoditto
Todos os correips partera ao meio dia.
1- 111 1 -----------
1
12 DE iNOVEMBKO. NUMERO afG.
Tudo agora depende de nos meamos ; da nossa prudencia,
modeacSo e energa: continuemos como principiamos,
e seremos apontados cora adraaraco entre as INaces inais cul-
tas.
ProclamacSo da Assemblea Geral do Brasil.
^ i
Subscreve-se para esla folha a mil reis mensaes pagos ***-
antados nesta Tvpogralia, ra das Cruzes D. 3, e na Praca
da Independencia 5j e .*, onde se receben correspon-
dencias lega usadas eannuncios: iusirinds>se estes gratis
sendo dos proprios assignantes, e viudos assignados.
DIAS DA SEMANA.
ta Segunda S. M^itinnho P. M. Aud. do Juiz do crime de tarde e sessSo da Thts. P.
i3 Terca S. Eugenio K. Kelaco de manh aud. do J. do Orf. de larde.
14 Qua'rta S. Ciewentiiio. Sessao da Tbesouraria Provincial.
i5 Quinta S Getrude V. Relaco-de manh. .audiencia do J. dos orlaos de tarde.
16 Sezta S. Gonsnio de Lagos. SessSo da Thesouraria Pub. e aud. do Juiz do Civel de t.
17 Sabbado S. Gregorio T. B. Relaco de manh, e and. do V. G-de laida. La nova 1
j horas e a^ minada manh.
18 Domingo S. Homio M.
Mar cheia para o dia la de Novembro.''
As o horas 3o minutos da manh As o horas 54 minutos da tarde. .
PARTE OFFIGIAL.
RIO DE JANEIRO.
CAMUtA DOS SENAD0RE5.
SessSo em (i de Setembro de 1838.
Pressidencia do Snr. Mrquez de Bae-
peody.
Feita a chamada eachando-se presente
numero legal dos Snrs. Senadores, o Sr.
Presidente abre a sesso, o lida a acta da
anterior beapprovada.
O Snr. primeiro secretario da' conla do
expediente.
Ordem do da. !
Entra em terceira discusso a proposta
do governo fixando as forjas de trra pa-
ra o anno finanoeiro de )83g a i40'
conju netamente com as emendas da cmara
dos Snrs. deputados.
Passando se a discutir por artigos, tem
lugar a disposicio do artigo 1. da propos-
la com a respectiva emenda da cmara dea
Snrs. deputados.
Ha offerecida esta emenda.
Supprima-se a parte do artigo do pro-
jecto eh que so autorisa o governo para ad-
mita* au servico do exercito corpos de
estrangeiros.-- Mrquez de Paranagua.
Nao he apoiada.
Discutida a materia approva-seo art.
i. da propostacom a emenda da outra
cmara.
Entio por soa ordem, em discus-
sio e sao approvads os outros artigos
da proposta com as emendas da cmara dos
Snrs. deputados sendo a final approvado
o projeclo para ser remetido a anecio im-
perial.
He approvada em segunda discusso,
para passar a terceirn, a resoluco que ap-
rova a aposentadoria concedida ao Snr.
Tbomaz Nabuco de Arauj no lu-
gar de juiz da alfandega da provincia do
Fa.a'.
Segue-se a segunda discusso da reso-
lucio que approva atenea de 3<>of reis
da o brgadeiro Joo Egydio Cat-
n
Vfin a mesa a segainte emenda.
Depois da palavra servigos accres-
- para se verificar em sua so-
bn la Francisca d'Arago.Cal-
mon da Silva Cabral. Saturnino.
>ada e discutida a materia ; ap-
pro va-se a resoluco para passar a tercei-
ra discusso, nao passando a emenda.
rovsdas, para subirem a sanecio
as 1 s. primeira mandando indem-
ns naci uigaud e outros, assim
hum supprimento extraordina-
rio provincial de Santa Cathnrina;
authorisando- a irmandade de
ora da Gloria da matriz da
Valenca para possuir os bens de
raz que constituem o seu patrimonio.
Approva-se igualmente, para subir a
sanecao, regeitada a emenda approvada na
segund* discusso, a resoluco queapp*o-
va a pensb concedida a Joo da Silva la-
vares, eommandaiite superior da guarda
nacional do Rio Grande.
Approva-see.m primeira e segunda dis-
rtisso para passar a terceira a resoluco
que autorisa o gov roo a despender anim-
almente 2o:oous reis com o melhor.-imen-
tu da nova estrada entre as provincias de
M-llo Grosso e S.' Paulo.
Entra em primeira discusso a emenda
feita pela cmara dos Snrs. deputados, a
resoluco do senado que d direito ao
secretario da academia de marinha a per-
repefo de emolumentos : canjuoctamen-
te com o parecer da commisso de mari-
nha e guerra, para que se regete a e-
menda.
O parecer be approvado, e, por conse-
quencia, regeita-.e a emenda da outra c-
mara.'
Approva-se em ultima discusso o pare-
cer da commisso de marinha e guerra,
para que se remella ao governo o reque-
rimento do ex-capitSo Joo Gomes de
Bruce a fim de que Ibe delira como for
de justica.
Appiova-se em terceira discusso para
se remetier a saneco, a resoluco que de-
sonera a sociedade do theatro constituci-
onal fluminense de prestar a cauco d; ter-
minada pelo decreto de 3o de novembro
de 183.7.
Entra 'em primeira discusso o parecer
de marinfa e guerra sobre o requer-
menlo do lente corood Joo Rebello de
Vasconceilos e Souza Coelho Henriques,
em que pede a approvacode huma tenca,
approvacb que Ihe foi denegada no sena-
do em sesso do anno passado.
He approvado o parecer com a emenda
do Snr. conde de Lages, que eflorece hu-
resoluqio approvando aquella tenca na
quantia somente de iooifoooreis correspon*
pondente a patente de major de cavalaria
de primeira linba que teai no exercito o
supplicante.
Entra em terceira discusso, que fica a-
diada pela hora, o pro jecto de lei sobre os
direilos-iiereditarios dos Ribos Ilegtimos,
coniunctamente com as emendas approva-
das na segunda.
O Sr. fresidente d para ordem do dia
a discusso da resoluco sobre penso con-
cedida aosfilhos do falescido visconde de
Alcntara, seguindo se a discusso boje a-
dida, e trabalhos de commisses.
Levantou-se a sessao as duas horas da
tarde
BiRNAMBUCO.
COMMANDO DAS ARMAS.
Expediente do dia 5 de Novembro de
1 38.
Officio Ao Exm. Prezidente da Pro^
a remetlendo-lhe em dupplicado o
muppa da Forca efTectiva da Cuarnio ,
no nez de Ootubro p. p.
.Dito Ao mesmo Exm. Snr. disendo- rta que teve durante o seo Commando, no
Ihe que leudo em virtude do orheio do
G iveruo Provincial datado de i5do p. p.
mez deprecado ao Commandanle Supe-
qual p.tntentiou o uiaior zelo e eotereco
pelo servico.
Para conlif cimento das Tropas da Guar-
rior da G. N. do Municipio de Goianna o nico /manda o Commando q>s Armas pu-
recolhimento dos Oflaciaes de Primeira Li- | blicar em sua integra a Lei u 4i de ao do
nba Instructu^es pirciaes o mesmo Com- j Setembro do torrente anno, e Regulamen-
! mandante Superior a isto se recusara firma o n. 2a de 9 de Outubro ultimo ten-
do as disposicoens.doart. a.# do Decreto j dentes a organisaco do Quvdro do Extr-
de 5 de Julho de 18JG e que em visla do cilo.
expendido Ihe houve>se de providenciar
como eiitendesse acertado.
Dito Ao Major Commandanle do
Deposito, mandando recolher a priso o
Cnpilo Manoel Joaquim Paes Snraenlo,
que estando pronunciado pelo Juiz de Pa-
-s da Capital do Rio Grande do Norte
por crime de tentativa de morte tinha
sido a sua captura deprecada pelo Prefeito
da Comarca. ^^^^S
Dito Ao Prefeito da Comarca, disen-
do-lheq.ie em consequencia desin requi-
zic^o havia mandado recolher a priso o
Capillo Manoel Joaquim Paes Sarment
Dilo_ Ao Capilu Commandanle inte-
rino do 4. Corpo d'Arlilheria remet
lendo-lhe urna represenlaeo do Comman-
danle Superior interino da Guarda Nacio-
nal 4o Municipio sobre o procedimento
que te)ve com a guarda de honra Coraman-
dadajpelo Capilo Francisco Teixeira Co-
imbri aim de que houvesse de respon-
der cpm o que se Ihe oflerecesse.
Dito-. Ao mesmo remetlendo-lhe a
guia do soldadoFiaocisco Antonio a pou-
co regressado da Ilha de Fernando no Bri-
gueTriunpbo Americano.
Dito Ao mesmo, remetlendo-lhe
pai a assentar praca como voluntario o pai-
zano A o Ionio Francisco de Almeida que
sendo do Corpo Policial requerera para
servir em i." Linha.
Portara Ao Major Commandanle do
Deposito mandando considerar sera effei-
to a Portara de 3 do correnle na parte
somente que disia respeito ao soldado Hi-
lario Jos dos Santos, que tendo desto-
cado um braco abordo fora recolhido ao
Hospital.
Dita Ao Commandanle interino do
4o Corpo de Anilheria mandando dar
demico ao soldado Pedro Crizostimo da
Cuuha por ser menor.
Quartel do Commando das Armas de Per-
nambuco 8 de Novembro de 1858.
Ordem Addicional.
Havendo regressado da Corte os Srs. Ca-
pitaens do 4- Corpo d'Arlilheria Ma-
noel Ignacio de Carvalho Mendonca e
Sergio Tertuliano Caslel-Branco e am-
bos (Vito sua apresenlaco ; o Comman-
danle das Arma* determina que passem
a promptos e que o Snr. Capito Carva-
lho Mendonca como mais antigo tome no
dia li do corrente o Commando do Cor-
po. O Snr. Capito Antonio Affoaso Vi-
ana lera o Corpo prompto para a entrega ,
res da tarde do referido dia, louvan-
do-lb o Commandtedas Armai condu-
Lei N. 41 d ao de Setembro da i838.
Mandando formar hum Qudro de to-
dos os Oificiaes de Primeira Linha ,
idneos para o Servico.,
O Regente Interino em Nome do Im-
perador o Senhor D. Pedro II Faz saber
a lodos os Subditos do Imperio, que
Assemblea Gerat Legislativa Decrelou e
Elle Sanccionou a Lei aeguinle c
Art, 1. F todos os Oificiaes de primeira Linha do
Exercito, que por sua idad robustez ,
instiuceo militar e conducta forera ido-
neos para o servico.
Arl. a. A' proporco que se foremjfa-
zeodo as qualificecoens necessarias para a
formaco do Quadro os que ficarem fora
delle serio reformados nos seus Postos com
o sold por inteiro ou como melhora-
menloque Ibes competir pela Lei de desa-
sis de Desembro de mil selecenloa e no-
venta.
Art. 3. Os Officiacsdc Milicias, que
vencem suido serio empregadoa como
Instructores da Guarda Nacional, e aquel-
es que se nio prestarem a esle Servico ,
anda com justificado motivo sero in-
mediatamente reformados na forma da
Leis em vigor. Os Officiaes da primeira/
Linba actualmente reformados ou que/
para o futuro se reformarem poderio ser
igualmente empregados no sobredito Ser-
vico.
Art. 4- O Governo no principio da
Sesso do anno que se seguir ao da pro-
mulgarlo da presente Lei apresenlar a
Assemblea Geral o Quadro do art. I.*, com
a rel'cio dos reformados, e nio estando
completo psrteeipar o estado dos traba-
lhos.
Art. 5. Fico revogadas todas as Lea
em contrario.
Manda por Unto a todas as Autorida-
des a quem o conbecmenlo e execuco de
teferida Lei pertencer que a cumpro a
faco cumprir e guardar lio inteiramenle
como nella se contem. Secretario de
Eslado dos Negocios da Gnarra a faca im-
primir, publicar, e correr. Dada no
Talado do Rio de Janeiro aos vinte de Se-
tembro de mil oitocenlos e trinla e oito,
dcimo stimo da Independencia e do Im-
perio___Pedro de Araujo Lima. Senas-
tiado Reg Barros*.
Regulameoto N. aa de 9 de Outubro de
1838 para execuco da Lei de ao de
Setembro do mesmo anno, N. 41
que manda formar um Quadro de todos
os Officiaes da Primeira Linha do Ex-
ercito idneos para servico.
O Regente, em Nome do Imperador
o Snr.' D. Pedro II, Decreta.


J
*
DIARIO
DE PBRN AMBflOi
i
-mf
M*
Art. i. Organiaar-se ha na Capital do
Imperio hum Commissio composta de 3
Officues militares e 3 FaculalivoSN para
se proceder s qualific.'coens dos Officiaes
do BiverM existentes na Corle e Proyo-
cia do Rio de Janeiro segundo as disp-
dcSesdoart. i.*da Le de uo deS.tembro
doeorrenie auno N. 4'*
Art a. Na mais Provincia do Impe-
rio erio tamb.m o gansadas O mnis.~5es;
nodeudo poiem o numero dos Facultativos
6er menor de re e serem nellds admilli
dbsOfficiaes Reioimados ou da exlincla
seguod. Iiiih.
Art.. 3. O* JYJerobros das referidas Coro-
missoes seio orneados na Corte pelo ( >
verno e as Rrovincias pelos respectivos
Presidente.
Ait 4 Nm Provinciasem que houver
Commandantes de A mas serio estes os
Presidentes d.s Commiso^s das quies
alias faio parte ; e as debais a Presiden-
da cabera ao Olficid mis graduado. O
Officid de menor Patente aervi- de Se-
cretario.
Arl. 5 Ao Presidente da Commissio
compete fixar o da para instalaran da
raesma Cummissao ; dirigir os se.us ln.ba
Ihos \ convocar com a devida antecedeu-
r.iaf os Oficiaes que devpra comparecer
para so (Fi ere ni o oecesssrio exima; dis
pensar de tal compiredmento aquellesque
se adiaren! imp >ss>b litados por molestias
provadas ou eropr. gados em Coramisses
longiquas : tambera llie compete lequisitar
das Autoridades competentes as informa-
coens semesres e al meara os Livros
vlcstres doaCorpos,' quando julgue con
veniente e qu.iesqu*r outro* documentos
que entender necessorios
Art. 6. Instalada que seja a Commissio
o Presidente dividir por Class.es a relaco
dos pficiaes e proceder-se-ha ao exame:
i. da idade de cada hum dos mesroos
Oficiaes: a., do seu estado fnico e sa-
nitario: 3, da sua capacidade nte|le-
ctual e professional : \ do eu enmpor-
lamento militar e moral.
Art 7. Huma vez < o icluido este exame,
e desiguad*s as devidas qualificaces se-
gundo a orden marcada no Modelo, aqu
ann'XO, 'N I. para cada hum Ofhcial ;
a Commissa luiujaia a ,< de lodos
estes documento parciaes (que serio nu-
merados por dasse ) a classifi cao geral
dos Officiaes que houverem sido s.ubuiet.ti-
dos ua inspeccao organisando huma
LiU *egundo o Modelo N. a: i..
dos que devem faser paite do Quadro do
Exeicito e a dos que merecen) refor-
-
Art. 8. Preencbidas as relacoens. e ter-
minada a classificacao gral dos OlEdaes,
na forma, dos ail'gos precedentes, remet-
iera a Cummissao o stu Irubalho acompa
uado das Fullus do Modelo u limero i ao
Prez,, da respectivi Prov, afm de q-ie esl-
o dirija a Secretaria d'Esladn dos Negoci-
O da Guerra ; instiuind> o com as obser-
vagoens que julgar 10 venientes pua
habilitar o Governo a proceder na forma
do Quadrodo Exercuo com intero conbe-
Sment dos individuos que devem entrar
a sua organisato.
Ait. Q. O Command.inte do Corpo de
(ngenheiros ministrara ao uoverno huma
informaco geral da capacidade professio-
nal e servicos prestados pelos individuos
do Corpo do seu commando ,- independen-
te doS trabalhos que pelo presente Regula-
mento fico cargo das Connnisses de ex-
ame ndle declaradas
Art. 10
THEZOURARIA DA PROVINCIA.
Expediente do di 9 de Novembro de
1,838.
Oficio Ao Administrador da Mesa do
Consulado dsendo'- Ihe que o oficio
que Iba foi dirigido* em 5 do cor-
rente declarando Ihe a manera porque
dfcvia mandar calcular o agio da mueda de
prata para pagamento do Disimo na expor-
laco nao aprsenla na sua execucio os
embarass >s que apona-, porque todo o
Despachante pode saber com antecedencia
a moeda m que pretende fas-r o paga-
mento e qu- leudo o cuidado de. ex gir-
Ibe n despacha esta declararlo, e nocon
sentindo que nelle se nclua dous agios
diflerenles tem da mesma forma facilitado
os desp chos cjmod'antes.
Oficio Ao Administrador Fiscal das
Obas Publicas, para satisfase.r a .loo
francisco 1 Araujo Cnllector do Munrci
pi de Sanio Anla nao s e qiuntia de
l:ooo| de reisda segunda prestaco que
mandou abon para coiidusad da respectiva Cadeia, como
a de 1 195680 reis, que mais^'pede por
conta da lerceira.
Portara Ao Tb- soureiro da Fasen-
H.i mandando pag-ra Francisco Jos Bar-
boza a quanlia de io:ooof de reis impor-
tancia de huma Letra que sscqu sobre
AntonioJose Soa.es Du ite & Companbia
,. pagar a ordero da Thes>'Uiaria do Mara-
nho, a qiiem heremetiida para continu-
aco do suprimento Provincia do l'ai.
ccete, quellie foi spprebendido ^Fran-
cisco pardo escravo de Jos Guedes
Salgueiro por oulro soldado de Polica ,
por denuncia de .starelle armado de urna
faca de pona espera de oulrem para o
offender ; Antonio Jos Mimas ,'branco .
e Antonio Firmo da Silveira preto pe-
lo Sub Prefeito da Freguesia da Boa-vista,
este por er provocador e de prssima
conducta, eaqurlle por o haverinsultado;
ejose Joaquim de Oveira brnco, pe
Sub Prefeilo da Freguesia do Affogados.
por ser de pessimos costumes ; e que nada
mais consta das partes boje recebidas nest
'Secreta! ia.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeilura da
Comarca do Recife 10 de Novembro de
i838. Illm. e Exm. Snr. Francisco do
Reg Barros Presidente da Provincia.
Francisco Antonio de Sa Brrelo, Prefei-
lo da Comarca.'
DIVERSAS REPART1C0ENS.____
TRIBUNAL DA RELLAQAO'.
Sesso de 10 de Novembro de i838.
Na appellaco Crime do Jui'so de Dire-
to da Cida.lv da Parahiba, appclianle o
luisa e appellando Francisco Jos Meira
Escrivio Posthumo; se julgou nfo tomar-
se coiihecimento do Recurso por nao ser n
appellado c<>mprenh'endido trt> art.' i65>
i' do Cdigo do l'rocesso Ciiminal.
MEZA DO CONSULADO.
_A Pauta he a mesma do num. i^\.
ARSENAL DE MARINIIA.
O Arsenal de Maritfha d'esta Provincia
precUa comprar bromes velh'os, ns pessoas
que tal genero livereni e queiro vender
dir ja se ao mesmo Arsenal a tiatar coro
o respectivo Inspector.
A seal de Marinba 10 de Novembro de
i838.
Fiancisco de Assis Cabral e Teive.
lnspectcr.
OBRAS PUBLICAS.
Nosdiasia i3 e i5 do corrente
met de Novembro se proceder a r-
rematacio do \ lauco da estrada de Pi
do Albo desde a v|la ne separa as Ierras
do Engenhos Urume Poeta at a estrada
d.-nominada do Barhalho avahada tm
Rs 18 835s'7aI. Os Licitantes sao cm
vidad'is a comparecer competenlem-ule
habilitados de Fiadores idneos em os re-
feridos dias ao meio (lia a dar os seus lances
na Repai.tico das Obras Publicas aortde
A quaiBcaca dos Officiaes 1 icbario patentesi em quahjuer dia til as
Generaes do Exe'icito fie* reservada ao
Governo, que a far vi.ta das informa-
cesque existem na Secretaria d'Estado
dos Negocio da Guerra e das roais que
poder bter afm de decidir como mais
coiiveoieute'furao servico do Exercilo.
Sebasluo do Reg Ba.ro, Ministro e
SecreU'iude E>tadj dos N g io ra o tehb'a assim entendido a faca ext
cular. Palacio do Rio de Janeiro em no-
ve de Outubio de mil oit> cc'nlo* e tinta e
oito dec.mu se'iuiio da Independencia e
do Imperio Prdro de Araujo Lima.
&b
ali* do Reg Barros.
Amonio Pedro de Sa Baneo.
horas do expediente as respectiva Descr
pco'ns Oicame'ntos e Condicoena p..ra
examinarem.
Inspeceo das Obras Publicas 3 de No-
vembro de i838.
Moraes Ancora.
PRFEITURA.
Parte do dia 10 de Novembro de i838.
Illm e Exm. Snr. Parlecpo a V
Exc que fora piesos honlem a mi"haor-
dem e liveio destino : Primo Felici-
ano, prdo, pelo Sub-Pnfeilo da Fie-
gnesia de Santo Antonio por r*t< circuislnncia de ier recrut.'do ; Francisco
Jos branco por um soldadu (le Polica ,
por ler queridoespancar a oulrem com um
FALLA,
Com que abri a Sessio do Tribunal do
Jury no presente mrr. de Novembro,
o Sr Dr. Felis Peixoto de Bnto e Mello.
Illms. Snrs JuizesdeF co. Est cum-
prdo o preceito que me prescreve o arti-
go a38 do Cdigo do Processo Criminal ,
resta cumplir a devocio que api tica
tem adoptado.
Nao sei porque fatalidade, Sr. sendo
o hornern dolado de hum cerebro pensador,
e da faculoide de reflectir se nao d a
huma profunda meditaco ahuma seria
uidagacio de cedos acontecmentus huma-
nos, que considera phenomenos s porque
deixa escapar a sua contemplado a ori-
fem a fon te d'onde e'les emanad.
Com que espanto Srs com que grao
de admiracio e cstranhexa n?o sao pro-
nunciadas as palavras imoralidade ir-
religiao desobediencia e impunidade / _
masquecorplarios lio .justado aos prin-
cipios de qu dimanan, que descendencia
lio natmal.' Tu lo o que vedes ludo o
he eonsequertei* do ptssadn. Hum ligeiro
exame huma hree recordaco dos acon-
tec mentos do nosso Pan vos convfncer
da proposico que acabo de enunciar ti
que a aIguem parecer pardox-d. Con-
demnemos as trevas as soas preprias obras .
e partamos do glorioso dia que edifi ou
este grande Imperio e que Ihe deo exis-
tencia Poltica Que vimos Srs ? Huma
Colonia constituindo-se adoptando hu-
ma forma de Governo livre ; e que mais ?
o grito unnime e unisono de izaraolias
individunes, dir ilo iropiescritiveis |-
berdade de Imprensa c de opinies, e de
que foi succedido este alarma de hum Po-
vo que *o redamava dircitos *e nio 8a
bia anda bem penetrar a alianca dos deve-
res com estes'direitos ? Pozera-se em cam
poasp.ixes, e as arebices, hasteara
os Par dos seus Estandartes, e a lucia le
ve por fin a supiemazia e o mando o
sanj;ue derramou-se e anda se derrama
ao menor acino, a qualquer pretexto s
crnpi ias palavras dera causa a (oda a ma-
la de exioises. o inimigo aehon hum
meio seguro de liviar-se da seu inimigo
entiegand cioso o devedor seguio as mesmas pega-
das ; de que alentados de que provoca
cues, de que pers< guk.'S deque cala
midades escapar, o es vencidos ? prses ,
roubos, saques a prosiitiiico (u mortc!
que falla Seni. ? Folbeai as historias de
todos os Pov.is e vede se encontraes hum
novo exemplo de atn cidade que se nao
tenha verificado em nosso Paix.
Tudo chamara os partidos para o seu
dominio _d a Poltica abrigo a toda a
soile de imoralidade e desob dieocia ,
nao se puna o do n eu credo emora mal-
vado emhora essassno seja es aqu a
expressio favorita d quasi todos os Par-
tidos t entretanto, que sau proprio cir-
cuios adoptando a m f a inliiga ea
vingsnea lavrava a cada momento as Sen-
tencas de pioscrices, e de morte'pirn
seus proprios Coiu idadios E o que foi
a Juslica no meio desta conflagraclo geral.
ss nio huw# nome.'vo invocado voae
paia satisfazer a algum attentado que es-
capase ;!s insidias dos Partido? Nio visteis
inuilos Magytradgabandonando o Posto,
que nio podia dignamente sustentar, e
apontadoscomo inimigos d Pas ?
Prece-me Sr., que vos horrorsae
com estas recordac,oes, lie para isto mes
mo que vos lembroa vossa, e minha com-
plicidade he para nosso eterno arrepen-
dimento. Confessai comigo, Srs., que
cada passo d a va neo que lemos dado na
Poltica tem sido mil passos de^lraso ,
na nossa m.>rl, industria riquea B
na nossa segiiranca individual e de pro-
priedade. Quediiei, Srs., da nossa a,
tinomica Legislacao e dos noSsos fcegj.
I .d.res pela maor parte creados pelos par-
ados, tocados dos mesmos vicio, e da
mesmas paixesp Qualfo o que penetran-
do nossos centros mediu as distancias,
contou a popula cao dividiu as castas,
sondou o grao de cvilisacio, e rooralida-
de observou os principios e bases da
Religiio indagou o vicios e as preo-
cupaces, estudou odesenvolvimento n-
tellectual e a industria do Povo para quena
bis legislar, e na confeceo das Leis aou-
be graduar os meio* coercivos aproveilan
do-se dos ohjectos, que dio foici raes-
ma Legislaco? Qual lem sido ao menos
o legislador que na ausencia de tae ob-
jectos tem saido farer o sacrifido de suas
paix6e por amor da Patria ? O Governo
he Constitucin*!, o Paii deve ler liber-
dade, venha a Franca os Estado*. Uni-
dos. Inglaterra iransplantem se a
Inslituices desses Pazea ; ei o grnde
estudo do Legislador^ E o di cont ? per-
guato eu e a comparacio ? onde esta a
honv-geneidade ? Mas que! nao se f. ca ao
Brasil a injuria de usar \lo Dynamometro
para medir as forcas do polido Francez
com o inculto Brasileiro. Por isso bem a-
vultado lem s do o juro doeroprestimo de
tae Institiiices e su* amoMisacio anda
nos est costando ros de sangae.
EotraraS na transmutacf o os nossos C-
digos Criminal, e do Proceso; a progres-
sio dos crimes he obra do primeiro; o
maiqr elogio do segundo he que contando
elle de frsenlos e tantos artigos tresent<*
e tantos Afisos, e Poitariat Ihe lem ser-
vido de ejplicaclo 5 e he esta a Le que e
os d para guia 'l Pai-a que levarmais a-
dtante a verdade de minha propo.ico?
Para que arriscar r- flexes que nio serio
certwmente bem acolhidas ?
Em nossa trra Srs. onde o cancaco ,
e huma especi de mar.-ismo tem feito ca-
bii das mies dos.Partidas asaimas ewsan-
Ruenlada, e amolgadas por longo uso a
Irutituico dos Jurados pedera lercami-
nlndo ao grande fim para que foi creada j
ms nio he isto o que infelizmente tem a-
con'ecido ; porque sobre o tropecos inhe-
rentes a esta Instiluicio, que puna,, ou
absolve conforme sua composicio outro
tem aparecido, que he preciso removel os
para bnge e para bem longe de nos.
Srs., vos sois os nicos Juites, que
conhecoasss fojtes, independenies
cercados de atiibuces muilo snfficiente
para permiltirdes a rossos Coneidadlo* *
b.-nefipios, que de vos ep rao o gozo
tranquillo de suas propredades e desuaa
vidas para que pois consents que a
prevenci os pnconceito que a pro-
t. ccioem fim invada e domine vossos
julgamentos? Para que vos deiiaes arras-
trar para hum erro grosseirO a que vos
conduzem proclamando-vos Juizes irres-
ponsaveis, e de consciem i ? Nio reco-
nbeceis a Divind Tribunal peranle o qual tendea de respon*
der ? poique ni sofres a sa necio pe-
nal de veris menospitzar a sanceo mo-
ral, nioaspiraes a eslima publica, e O
conceito de vossos Concidadio ?
Sois Juizes de Consciencia..'. para que
Srs.? para daresouvidos a multdio, ou
as paixe, dispresando as prova que
vos s -o apresenladaa ? A que perigos ni"
Picar sujeia a innocencia 1 e a que aba,-
dono a Sociedade Ter a vossa connea*
ciencia huma nova forma de saber a^uillo ,
que Ihe nio he apresentado ? aera ella ins-
pirada ? Todos os Juizes, Srs., sao de
consciencia e esta irresponsabilidad* q"6
se vos inculca he hum novo meio que *
inventa para vosso desvio do juramento,
que prestaos, e deveis religiosamente cum^
piir. Eu vo pievjno, Srs. contr a
proteccio o maior eslora o maor liaba-
Iho que se pppe preaeutemenle a J>";
cados vpttoa julgamentps, e|la t,,a


DlAR.O DE PERNAMBUGO
di Aferentes veste para vot fallar as vetes
invocar vossa irresponeabilidade, outras
Yetes desafala Tossa jensibilidade hoje
tos p-dir humildemente, amanhi vosa*
mesc-ir. eeropregar ot meios de degra-
dar enfraquecer anniquillar a Insti
Inicio que reprime stm paixoes: lor
nai vos iramoveis, soTrei resignados o
seu's embales conhecei bem a digui lade
do lu^ar em qu vos adaos collocados e
assim os preservareis dos ataques, e
comUinaeoes de to mil fundada, e lio
mil entendida protecco.
Srs. anda he lempo de corrigir tantos
vicios inlr duzidos petas tempestades Po-
lticas, e im noralidade do lempo, aeja
este o vosso ira bal lio no tempo da paz ;
lembra-voa que sois o apoio commum da
Cabana do'Pobre, e do Palacio do rico ; o
Publico vos contempla'sempre, que vos
reun*, e toma por v todo o interesse
depositando em vossa consciencia toda a
su oonGanc. Eu nai vos quero crois ,
e inexoiaves, os infelices delinquentes
tem direito a vossa coroplacenci e a So
ciedade a soa punico ; o amor d liumi-
nidade, que vos convida a ser indulgen-
tes tambero, vos ensina a ser justos.
Eu espero que Dos ess* Grande
Daos quetomaes por Testemunha da pu-
reta de vossas intenc5-s ser vosso guia e
vosso ap^io na presente Sessio.
Felis Peixoto de Brtoje Vlello.
Huid nosso Collega que outr'ora redigio
hura Peridico, uos olfereceo a se
guile
VARIEDADE.
I
Entalles de hum Redactor.
Muilos, e intrincados slo os embaraces
com qu lutao aquellesque sobre si tomad
a espinliosa trela de redegir huma gazeta ,
ou de escoiher,. e designar as materias de
qua ai ella deve compr. Quando vemos
annunciar a apparicio de hum jornal, las-
timam'S a sorte do aeo Redactor <>u col-
aboradores, e occupando nos logo de liu-
ma infiiidade de ideas pro e contra ,
nroduziraos e resolvemos ao mesmo tea
po numeras questes no silencio do nosso
fibinel, e final concluimos qne seja
qual for o modo porque encararlos a con-
ducta de hum Redactor nunca llie acha-
remos hab hdde bastante para escoimar-
se dos assallos que o perseguem conti-
nuamente quer dados por aquclles que
partiiha suas opimet quer pelos que se
Ihe mostrad avessos ; e se hum jornal nio
sendo orga de hum partido qualquer,
procura equilibrar se no justo roeio te-
mlo perdido, as bateras se desfechao
obre elle por lodos os lados e ahi temos
o pobre Redactor em tallas Elle ou deve
contemporisar e satisfaser aos agentes e
sectarios de todos os partidos ,*o que Ihe
acairelar discredito e por conseguinte
despreso ou se ver na triste collisao de
abandonar o vast campo da poltica e
occupar as p iginas do seo jornal rom arti-
gas commerciaes, cora annuncios (oque
he de algum proveito) e a final huma vez
or ouira cora insulsas correspondencias
de quesles e.brigas de carolismos, em
que lem sido fetiissimo o presente anno
la i838 sej* Dos loo vado. Mas anda as-
sim cutnpre indagar se hum lio limitad')
pn.cedimento da p.irle de hum jornalista ,
oizentar da snordacidade, e sin ha dos
descontentes? Estamos seguros que nio ;
e a rasio he mui obvia : por ex. hum in-
dividuo enleude que no momento, em
que assioa o jornal, tem este a slricta ohri -
gacio de publicar quanlos annuncios tiver
en colleccio o seo bestunto e.ainda que
ordinariamente pouco ou nada inleresse a
toa leitura porque militas vetes sao hum
compasto de necesidades ahi o temos
^chfiio de enfazis exigndo com urgencia a
iirsercio dos seos annuncios ; outro qu>
conserva na loja eu taberna sement al-
caides e que Ihe parece dever exirai los
rmente por meio do prelo estafa o Redac-
tor com esli los annuncios ero os quaes
ae nlo olvida de encarecer & bondade do
genero e commodidadn dos preeos e
coosltue-se assfm hum flagello do typos;
este possue bum escravo que Ihe fugio
oo annos .. e nos morro itos em que a que*
bradeirao asaalti, lembra-sa por desafo-
go.de recorrer a gaceta, e assim em ar de
desenfado forja Hum annuncio com visos
de precatoria e nio satisfeilo de huma
massrda aborrecvel que auitas vezes e-
co pa huma columna inteira da follia pes-
pegi-lhe no fin com hum NB. em letras
maiusculas Redactor recommendando
I lie que publique o ttl annuncio porespa-
co de hum mee, e vinte vezes na Sema-
na de maneira que o seo freriezi d i-lhe
ale! para nio recoidar-ae que a semana tem
fomente seis das uteis e as vezes men->s ;
aquello lembra-se que se nio vir alguma
produccio sua cst he assinmte nio considera bem empregado
o dinheiro que d pela assinalura e por
isso pega da pena escreve quanto Ihe vm
a caixola, e se por infelicidad. repeli
litim aluviio deasnices, esofe por is os reproxe- de quem as ler desculpa-se
como Redactor, quecapou, ou suprimi
as parles mais frisantes do seo escripto ,
que Ihe Iranstornou a ordena grammatical.
e a final que os Compositores sao mos .
e anda pior o encanegado de corrigir. E
o mais he que o pobre Redactor sofre ludo
isto porque be por d vi aquella palha a-
meacado com a despedida de assinanles,
sa entretanto o nio rasliga com o calote
de trez quatro e mais mer.es de assig
natura o que he anda muito pior. De
ludo o que temos francamente dito con
cluamos como principiemos, que a sorte
de hum Redactor he m, e quu de qual-
quer modo que si elle porte nunca se exi-
me de acliar-se em tallas.
(De hum man usen pto curioso.)
LEILtO*.
Que pertendern fazer Jones Wyraes
& C' terca feira i3 docorrente de fa-
zendas limpia avariadas na caza de sua
residencia na ra do Trapixe novo,
cipiai pelas ao horas da raanh".
Prin
AVISOS DIVERSOS.
. Na prime ira Praca seguinte do Juizo
da 1.a Vara do Civel se ha de arrematar
huma porcio deGarraffies novos, penho
rados por Execncao de rsula Mara das
Virgen-contra a heranca' jacente do faleei-
do Antonio Simoes Rocado.
_ O Sr. do Engenlio Serrara da fre-
guezia deJaboatio, que annunciou por
este Diario de ig do passado a estada de
hum escravo no seu Engenho que nio
abe ou nio quer dicer quem he seu se;
nhor se o escravo lie creoulo do mato e
representa para mais da cincoente anuos,
carancudo, olha por baixo cara descar-
nada, corpo xlgutna ousa re I orea do o
qual chama-se Luir., queira p'-r obsequio
r melie-lo com seguranca a Francisco da
Silva morador na ra da Cadeia do Re-
cife que prometi pagar todas as des
peas tic
_ Crpriano Luir, da Paz, boticario,
e morador na ra do Collegio faz sciente a
quem convier que Domingo (n do cr-
rante) pelas 8 botas da manhan apareceu-
Ihe em sua caza hum' molatinho dizendo ,
que he forro, eque quer servir em sua
caza, onde se con-erva ; suppoem-sr que
he fgido : quem for seu S.-nhor aparece ,
que dando os signaes certos Ihe ser entre-
gue ; advertindo se que se loe nio correo
risco.
Quem precisar de hum cozinhero e
pasteleiro Francez, dirjase a ra Nova
D .6.
y^> Ainda se continua a aforar os
dous terrenos situados na estrada da Soii-
dade para o Manguind, defronte mesmo
da ponte e da parte da estrada que se-
gu do Manguinho para a Igreja dos Af
hielos comecando logo do fim da raza
nova do seu propietario o Desemha'rgador
Thomaz Antonio Maciel Monteiro, com-
iendo o fundo de caza palmo aforado ao
palmos ditos e na rasio de 3ao res cada
bum palmo: adverlindo porem que hum
e outro terreno he todo enchuto e bene-
ficiado, e piomofo para logo se edificare
propiedades t independente de outro qual-
quer trabalho qnado pelo contrario su,
cede com outros terrenos por aquellas ime-
diaces, em la macal que e tem aforado
pelo mesmo preco: os pretendentes enten-
da-se com o Escrvip Almeida em seu
Carlorio na ra das Trincheiraa qne est
munido de poderes para faier taes afora-
mritos.
8^ O Accionista das Cautellas corres-
pondentes s tres prximas Loteras, avi-
za aos Amadores deste j*g- concorrerem
a' compra das mesmas visto estarem pr-
ximas acorrer principalmente a da Boa-
vista que segundo o annuncio do The
soiueiro dt mesma neste Diario, pa correr neste presente rez: vendem-se
nos lugares j annunciados.
_ Quem annunciou querer alugar hum
moleqne para o servic > de csza no Diario
de iodo correle dirija se a ra da Ca-
deia do Recfe D 17 i." andar.
_ Quem Ihe convier dar $ooj! rs. adi
antados para recebe r emtijllo, postona
obra a vinte mil rris snnuncie.
Hum Francez dezeja-se empregar
em boa casa, tanto para o campo, como para
a Cidade j rna do Araga n. 4a es caza
do segeiro Francez
Encarecidamente, nesta praca dose-
ja-se Talar ao Snr. Maneel Joaqoim Pe-
reir.', a negocio de circunstancia, o mes-
mo annuncie a moradia.
O Sr. Francisco de Paula Sonza Por-
tugal, queira annunciar a morada para
se Ihe Talar negocio d seu enteresse.
Aluga-se hum excelente sobrado de
hum andar no logar do Varadouro junto
ao baldo, em Olinda, e tamben* se vende
estando ratificado n pintado de aovo, fal-
tando-lhe to somente as varandas que
se esli acabando: os perlendenles pode
ir a ra dos quarleis D 4 <)ue acharad
con quero tractar.
Na mesma ra e dcima ha para ven.
der hum sofTrivelcvalo bom carregador,
e novoe por preco cammodo assim como
4oo barricas vasiat americanas.
O Snr. Antonio Manoel Al ves Ri-
beiro queira mandar procurar em casa de
Manoe) Iguacio de Olivrira na Praca do
Commercio huma carta que existe em seu
poder, ou annunciar a sua alorada para
Ihe ser entregue;
Quem tiver meninos de 10 a ta an-
officio de
da Ca-
nos que queirio aprender o
r*lianolui m m\Ai* niri
~~-r---------1 r------"'".
deia velha D. i4-
Felippe Neri Colaco encina 'Geo-
metra no Convento do Carmo em a salla
denominada Antecro ; os Senhores que
se qmzerem instruir nesta ciencia pode
procura lo no mesmo lugar das oito horas
at meio dia.
-- O Snr: do Engenho Serrara, que
por este Diario annunciou estar em o seu
engenho um escravo que nio diz quem be
seu senhor, sendo que este eja de naci
angola, que representa ter 3o a 35 an-
nos pouco mais ou menos de altura,regu-
lar, e lefersado, tema testa levantada, e
quando falaafranze; olhoz meioa, nariz
chati, boca tobre o Urgo, e rosto chelo,
barba so em volta dos queixos, e bastante
cabeludo principalmente, pela barriga, e
pernas ; lem sobre o lombo esqnerdo cin-
co ou seiscicalrises de ventosas qne levoo,
fala bem desearbaracado, que parece ser cri-
oulo, e em seus ditos he bastante pronos-
tico, chama-se Benedicto, fugio de casa de
seu senhor no dia 5 de Agosto prximo p '.
roga-seao dito Snr. cima, que a vista dos
signaes, sendo seja elle o mande entregar
aoseu senhor Manoel Joaquina Lamas, na
ra direita Padaria D. i3 lado do nascente
que pagara' toda a despesa que com o mes
rao se lenha feito.
-----Precisa-se de cem mil res dndo-
se dejinos desasseis mil res por tempo
de quatro mesea dando se boa firma :
a quem convier este negocio annuncie a
moradia.
H quem se proporiha a encinar La
tim e primeiras Letras ainda mesmo
distante desta praca o Senhor que se
quizer utilizar annuncie a sua morada para
aer procurado.
8^ O proprietaiio do Engenho Penedo
de baixo, nio vende mais o dito Enge-
nho como o linha annunciado por este Di-
ario.
-> Deseja-se fallar com o Snr Manoel
Ciqueira natural da Villa do Conde ; o
mesmo queira dirigir-sa a ra da Cadeia
nova em casa de Manoel Cardoso da Fon-
ce ce.
. Quero tivar par allegar liuas peque
no cilio, perto desta praca, para se pas-
sar a festa, dando sn oitenta a cem mil
reis annuncie; adverte-seque se prefere
algum que tenha banho.
Quem annunciou no Diario de Sihba-
do 10 do crreme, querer falar com Alva-
ro Fortunato Jordio, dirija-te a ra das
Trincheiras sobrsdo D. 11.
Roga-se ao Snr. do Engenho Serra-
ra da l'regoe-ia d>- Jtboatio que annunci-
ou ter em seu Engenho hum escravo, e
se for hum por nome Joaquiaa, estatura
regular rom huma cicatriz no regeito de
hum p por ter tido huma ferida, o po-
dera' mandar entregar nesta praca a Fran-
cisco Jos Pinto Vianna, na tua da praia
por detrae de Santa Rita Nova que sera'
bem recompensado, alem de pagar todas
as despesas que tenha feita e possa fazer.
t^ Alluga-se boma loja de huma s
pona, cita na ra direita junto ao Terco,
com armaefio, a qual se vende, propria
para miudesaa. ou pira outro qualquer ne-
gocio : quera a pertender dirija.se ra
por detrados martirios casa de' duas ro-
tulas verde defronte de urna cerca.
Que quizer comprar 3o, ou 60,
palmos de terreno silo na ra nova da Ri-
beira com algumas bemfeiioras, e algum
material, ou sem elle, a tratar com o pro-
pietario da mesma : na roa da praia Ser-
rara junto ao tanque d'agoa ou na roa do
Livramentd venda D. ao
Precisa-se de orna casi pequea 00
bairrode Santa Antonio, qua o sea ala
guer nio exceda do 6,4oo re, para pe-
quena familia dando-te algons meses a-
dianlados, ou ft.nc.a a contento do pro-
pietario ; assim coo lambe precisa-sa
de huma senhore que queira servir em
casa de aro hornera viuve, coa tres filhot,
para as meamos negocios, vio a ruado Pa-
lacete em easa da viava do Cirurgiio An-
tonio do Carao qua se dir quea do ex-
pos'o neeessita.
Quem quiser comprar seis duzas da
taboas de Pinho de muito boa qualidade,
dinja-se ab Estaleiro de Jlo Thcmaj
Peieira ao p do Artaasemdo tai do finado
Benfa Jos da Costa.
Lando te no Diario numero a.{a do
? de correis u annucio us qus s
dia 15 do aesmo sa tea de arrematar urna
casa na Camboa do Carmo, D. y, se fai
eerto que a dita casa ae acba angeita a le-
gitima paterna de hoaa orfi, 6 seu Tutor
te acba ha bel i lando a mesma orfi pelo Car-
lorio de orlaos, e porisso fax o presento
annuncio, para que quem quer que arre-
mattarse nlo chame a ignorancia ,. pois
que ella passara' eom esse encargo ao arre
matante, quem quer que for.
H quea se propon ha aensinar L-
tiro durante o tempo das ferias, ospsisde
familias que se quiserem uiiiisar do pres-
timo do aonunciate dirijio-se a ra das
Trincheiras D. ?3, tdverte-se que se dio
duas lices por dia.
Aluga-se uaa casa na Boa vista al
6,000 a 8,000 reis t na rus do Cetovello oa
qualquer das ras sendo que tenha quin-
tal e cosinha I annuncie,
Aluga-se escravos para trabalharem
no atierro a 48o reis diarios pagos sema-
na Imen te e da-se-lhe o sustento ou a
64 rs. a teca ; quem os quiser alugar pro-
cure o Arrematante do atierro Manoel Jo-
aqun* Pascoal Ramos no Pateo de S. Pe-
dro sobrado de um andar D. 8.
Precisa-se allugar hum sobradinho
ou um andar para pouca familia no bair-
roda Boa-vista quem tiver annuncie.
Aluga-se para se passar a Festa ,
urna rasa terrea na Passagem da Magdale-
na junto as margens do Rio Capib-ribe,
com pequeo sitio : na Praca do Corpo
Santo D. 3.
... A pessoa que annunciou precisar de
3:ooos de reis offerecendo o premio de
3 por cento: dirija-se a esta Typografia ,
a onde saber que d esta quantia por
muito menos do premio offerecido dn-
do-se ao Annnnciant* segurancaea predios
ou firmas acontento como prometle.
f^p. Mr. Kisael relojoeiro francs no
alterro da Boavista, echase prompto a
concertar qualquer relogio que Ihe seja
confiado, pelo mais cmodo preco; elle
obriga sea restituir o dinbeiro que Hve{
recebido em pagamento de qualquer eoa-
certo que nio for beta eaeeuudt.


DIARIO DE PERNAMBUCO.
O abaixo assignado actual Presidente
do Mosteiro de S,, liento daXirJade da Pa-
rahba constanto-lhe que Manuel Tilo-
mas de Soaza Leo solicita a venda do en-
genho Cajabussu', faz pubco, que o dito
angenbo he de propredade de mesmo mos-
teiro eque sobre a sua reivendicaco an-
da un pleito era Juito contra'aquelle Mano-
el Thoroaz cujo pleito est affccto ao Su-
premo Tribunal de Juslica pelo recurso de
revista, que o annunciante interpoz do ul-
timo accordo nelle proferido; e por con-
sequencia sahindo vencedor naquelle tribu-
nal protesta bir executar a senlenca em
poder de quem estiver o mesmo engenho na
forma da Ord. L. 3 T. 8> i6 e .mo-
do seja vencido protesta lamben pagar se
pelo mesmo engenho do preco, porque nu
lamente foi vendido, esleja em poder de
,quem for ; e porque uinguem se cliamea
ignorancia Faz publico o presente annuncm.
FieiGaldinho de Santa Ignez e Araujo.
Precisa-se de um feitor que entenda
deplantaces eque trabalhe de enchada,
pira um sitio na entrada do Mooleiro : na
ra do Vigario n. 27.
Um p'fessor publico de primeiras
letras residente nesla Cidade propon-se a
ademittir em sua casa meninos pensionis-
tas obrigando-se a ensinar primeiras le-
tras aos que ain la os nao so ubi- re m e a
subministrar roesres de outros esludos ao
que seacharem piomptos nellas : bem c>
mo tmbem de msica sea isto se qui-
lerem applicar. Adverte-ae. que lein la-,
milia, e que par isso haver todo disvello
no tratamento dos meninos. OsSrs. Paes
de familia que te quiserem utilisar de
seuprestimo dirijao-se a esta Typografia ,
que se dir com quem deve tratar do ajuste.
Precisa se de aoo,ooo a premio aobre
pinbores de ouro ; quem quiser d nuncie.
1 roca-sea moradia do um peimeiro
andar na ra estrella do Rozario por ou-
tro, ou casa terrea em qualquer ra, e que
o mu aluguel nio exceda da 8 a ro.ooo ,
nesla Typogiafia.
Q iem annunciou querer alugar um
sitio com capa cid de da toe vaccas que-
reodo um na Varzea com boa casa e rio
aporta, dwija-se a ra da praia por cima
O ;bixo assignado faz sciente a quem
coavier que comprou lima casa de taip.i
no lugar da catanga a Jernimo Sebaslio
de Al'iicastro quem se char com direito
na dita aprsente no praso de 3 das. Jo-
s'Lopes do Amaral.
AVISOS MARTIMOS.
UU MIUCHU.
O abaixo assignado tent avisada a
todos os seus credotes ( cuja maioria lh<
havia concedido amoratoria de 5 annos fa-
vor este de que por toda vida lhc ser o. a-
baixo asjigoado agradecido para poder res-
tablecer o seu negocio e saptisfazer a to-
dos > de que o Sr. N. O Bieher, havia enn
cedido romper amoratoria por urna senlen-
cado Sr. JuizdoCivel da primeira Vara e
que preparassem as suas execuces para en-
trar 00 rateio e at o presente poucos tea
sido osSrs. que se tem b-ibelitado com sun
execuces, eassira Iheslorna a rogar quei-
ro proceder as suas habelita<5*. Outro
sisa o exequente Sr. N. O. Bi*ber tendo
feilo pinliora em todas as fazendas do
abaixo assignado e feixado* a loja nio tero
procedido para as por em praca havendo-se
passado para mais de 4o das e assim as
fazendas vio degenerando e enferrujando
seCudoquanlo for de dou ranos asso, <
ferro alem disso ons poucos de contos de
ris de dividas activas declaradas para pi-
nfiora devem ser cobradas quanto antes ali-
as com o falecimento ou modauea dos de-
vedores fico em cobraveis ou se tornio
deficeis a sua recadaco, y r isso nao
deve se deiiar estar parado o exequente
como tem feito, o abaixo assignado que be
nio merec|p a menor comtt mplacao l. m-
bem a nio ter para com elle de quem
deve baver todos os prejuizos de sua omis-
sio por ser tambera em prejuizo dos iva is
credores, e esta questio nao ser como a
primeira decedida so pelo arbitrio do Sr
.luiz do Civel da primeira Vara, e sm pe-
los Tribunces Superiores o abaixo assi-
gnado nio deseja por nio ser de sua vonta
de sustentar pleitos, porem nio Gcar iner-
te de sofrer prejuizo de alguns contos de
res causado pelo capricho de nm credo
injusto que nio he con forme com a le ,
PARA O RIO'DE JANEIRO i segu
com brevidade o Hrigue Escuua Nacional
Arosade de primeira marcha, para carga ou
p.issagein para o que tem excellenles c-
modos: "trata-se na ra dacadeia irmasem-
n. 59.
PARA O HAVRE, a Barca Franceza
rieniique e Luiza, tendoamsior parte do
sen carregamento engajado salrir impre-
lerivelmenleato dia a5 de Novembro .
quem na mesma quiser carregar ou bir do
passagem para o que tem excedentes com-
modos, que'ra diiigir-se aos seus Consi-
gnatarios B. Lisserrn & Companbia ra
da sanzalla vellia 4-
LEILAO'.
Em asta publica pera rite o Juiz de Di-
reito da lerceira Vara do Civel,o Brigue Es-
cuna Portuguez Eugenio forrado e prega-,
do de cobre, l'tin aparelhado e prompto
a seguir vagem isto a requisico do Cai-
xa, para pagamento do costeio e mais
despezis nos das mateados na lei, cons-
tante do publico Edital.
Que se faz na ra da cadeia do Reci-
fe no dia terca f. ira i3 do crrente as
laboras da mmli de um grande sor-
lmenlo de molduras douradas para qua-
dros, estampas finas ornamento de !!,
com quadroesnto ellos, ep-lhos graudes.,
uma porco de vid os para jauelas tojas,
e piUnquius, um grande sortimento de
vinbos de Bordeaux de superior qualida-
d*, agoaardente de franca co lele se ca-
sitas de varios goslos 'bijoterias f.il-as e
dita de ouro,oculos para lodos as vistas, co-
Iberes, garlos, e outros objectos de prata ,
siueles, caixas para tabaco, pen tes co-
lares, luvasde linhoe de seda para Senho-
ras, e para .homens instrumentos de
eirurgia de goqma elestica e outros brio-
quedos de meninos pedrasfalsas ps de
ouio, bal.us decouro p-tra a viag-ra 6 cai-
xas para chapeos espingardas manga.
de vidro e outros objetos.
tes, umap;irtecom pomal todo novo de
varias qualdades de fructas sercado para
8 vacias de leite de verio e invern ca-
poeira grande de tirar lenha, grande ler*
reno para roca baixa para c< sitio se acha empatillado a Francisco Ju
dos Passospor 688,000, que no acto da ven-
da se hade tirar esta quantia para se pagar
ao dilo credor : a tratar na ra do Hospi-
cio na carreira do P..dre Meslre Laurenl-
no junio do sapateiro.
- Tres cepos bons para talhos de carne:
na camboa do CarmoD. ao onde tem um
talho.
Uma casa terrea na Boa vista ra do
Cotovelo I). 3 ao.voliar da S. Cruz a ca-
sa he de uma porta e duas janelas a p"U
co acabada de construir com salla forra-
da e chaos proprios : a tratar na ra es-
treita do Rozario loja de ene ademador.
Uma escrava de naco congo de
idddede3o anuos, bo< lavadeira qui
tandeira engomitia cozinha o diario de
uma casa, prefere-se para forada provincia,
a vista do comprador se dir o motivo :
atraz da Matriz da Roa vista segunda ca-
sa a fallar com Manuel Elias de Sioora.
Urna negiiuba de 9 a 10 annos de
idade de luida figura, e hbil para ludo:
na pracinha do Livraraentn J) 29.
-- Uma loja de couros com muito pou-
cos fundos e sita em bota lugar : nesla
TypograGa se dir.
ESG11A VOS FGIDOS.
YENDAS.
noacoruu aa maioria espera por Unto
. que o Sr. N. O. Bieber fassa promover os
termos de sua execuco com a brevidade
possivel liquidar por arrematadlo lodos-
os beus e aces activas da casa do abaixo as-
signado, s Jos Airea (la Silva Guia-
rte
Duas molecas pecas de l4 annos de
idade de bonita figura ; e um m de 11 annos : no pateo de S- Pedro .sobra-
do de um andar D. 8.
-- Ties bicudot dois curjs uma
patativa da parabiba um canario de im-
perio eumaviuva, todos passaros mu-
ios cantadores : na ra de S. Rita nova
passando a lgreja na segunda casal
Urna rotula deamarelo em muto bom
estado : na ra da praia sobradinho por
cima do baibeiro.
toios os pertences de uma rrfiuaco
de assucar em bom uro ; ou traspassa-se
o mesmo estabelecimento por venda para
li coulinuar a refinar : no beco da Pol
!). 4 e dois cavullos mui proprios para
pagem ou para viagens a fallar com Fran-
cisco Alves da Silva na mesma refinaco ,
ou na praca da Independencia n.
Uma casa grande e boa com bstan-
le cora modos sendo'na principal ra da
casa forte em lugar de quina ptima
para negocio o por preco mdico : a Ira
lar na camboa do Ca mo D. ao.
Uma prela de naci cambinda dn 3o
annosde idade cozinha o diario de uma
casa he lavadeira e boa qulandeira e
boa para serviga decampo : na ra do Li-
vramento do lado da ra Direila no tercei-
ra> andar do sobrado.D. 18.
Um sitio na estrada do anual, com
CSM de vivenda duss salas, duas alquvaa,
dois quartos cozinha fora, casa para pre-
tos estribara para 3 cavaUos quarto pa-
ra feitor, o sitio be deridido ero tres par-
Jos Carvalho da Costa morador na
Cidade do Recife de Pernambuco ra do
Trapiche defronle do caes da Ligoete De
cima 10, roga o favor a todas uihorida-
>des policiaes do Imperio do Brasil e
pessoas particulares que soulserem aonde
esli, ou virem l-es escravos que fugi-
rio e ha suspeitss que foiio furtados ,
de os mandar prender e entregar ao dilo
Sr., que el prompto a pagar toda a des-
pesa queso fuer e ficar eternamente a-
gradeado a pessoa qne Ihe fizer este bene-
ficio; osescrnvosleraos signaes seguiutes :
Joio por alcuubo guaxini fu^io no m>
de Abril de 18J6 he pelo, de ao annos de
idade quando fugio estatura regular se
co do corp testa alta olhos pequeos .
sintura fina, fistolas as pernas de feridas
que ja leve hecanoeroe natural de an
gola ; naci cabund : Antonio por aicti
nhobacamaite fugio no mea de Maio de
ib38, be prelo de idade de 18 annos,
estatura regular, seco do corpo nariz xa-
to nao lem uoba em um dedo do p, he
canoeiro de naco cacange : Antonio por
poralrunho pinta ralos e boca de fogo.,
falla muito grosso fygio no mez de Julho
de 1838, he prelo, idade de ao annos.
estatura regular, grosso do corpo, cabel-
lo ruivo rosto redondo, beicos grossos ,
tem uma canella do uma perna ma3 alia d>>
que a outra por cauza de uma lerida que
ja leve he canoeiro, e de naci congo.
-- Dase 5o,00a qnem apprehender um
negro de nome Bernardo, de naci ango
la bonita figura muito ladino, repre-
sente ttr 18 unios de idade sem ponta de
buba, cara redonda, fino da sintura.
lem o tornozelodo p esquerdo, mais gi"S-
so que o diteilo quando anda ginga bas-
tante com a cabeca e d -om o* bracos, foi
cscravo de Gabriel Antonio fugio em 26
de Setemhro p. p. 5 quem o prender leve
a ra da cadeia do Recif- cesa n. 7 de alen-
des e Oliveira que rt&rber a. mencionada
quanti.3.
Fugio de Bordo d< Brigue Oriental
Muntevidiano, na Madrugada do dia i3
do p., um cscravo d nome Antonio, de
naco angila com mais ou menos 34 an-
uos de idade estatura regular cara re-
donda 'sem batba ps luchados, vesti-
do de camisa e calsa de riscadinho e bo-
n inglez ; roga-se. as aulhoridades com-
petentes ou quem o prender de o roudu-
zir aoCapilo Fernando Francisco Gonsal-
ves a bordo de dito Brigue ao vollar do
forte do mallos ou a<^ Consignatario
(iaudino Agostinho de B Corpo Sanio D. 67 quesera bem recom-
pensado.
No dia 24 *o p. desapareceo de S.
Amaro um negro de nome Joio de naco
congo bonita fgura con os denles da
frente abarlos, alto e secco do corpo, mui-
to bucal; levou vestido,camisa: e serouU
de *tou pa, e chapeo de pal I, a ; qUen, Q
pegar leve a roa do Rozario D. i3 casa de
Jo-quitado Reg Percra, que gralificat
com 5o,ooo.
No da a do eorrente desaparea um
escravo de nome Antonio com sobre no-
me deCoutinho para se diferencar de ou-
tros do mesmo nome, de naco angieo
estatura ordinaria moco, nariz afilado '
com camisa de algodiozinhoe calsa banca
ia .bstanlo suja tem os ps grossos e
manqueija quando anda por cauza de bi-
chos que lem uos dedos dos ps ; quemo
pegar lovea ra disanzalla velha n. 5i
que sei bem recompensado
-- Fugio da Villa de Goianna ao ama-
nhacer do dia t3 do eorrente, uma mola-
la tirando a cabra de idade pouca mais ou
menos a5 a 3o annos de uome Antonia
com os signaes seguales : estatura medi-
ana seca o corpo, ros o tirado e nio
mal parecido fisonoma agradavel et
um tanto dsfeila do corpo nariz um tan.
lo afilado vestuario d chita branca ou
azul de palmas encarnadas, sapaios verdes,
ou pretos panno fino azul escuro ja velbo,
esta rsciava foi >-apiva de Manoel Gonsil-
ves Perera Stmes ja morador nesla pmp.a
de Pernambuco enoje pertence a Joio
Djmingues Pereira na d.ita Villa de Goian-
na ruado Amparo ea>a n. i3, ot leja
na quina do beco do Pavo 11. aq : qial
quer pessoa que a levar ser bem recom-
pensado do s'U trabalho ; e ha vendo quem
a queira comprar dirija-se a mencionada
CiSa : ou ao t cife em casa do Sr. Anto-
nio Jos de Mygalhaes Bistos; nola-se
mais quj esta escrava tem Mi e padras-
to em Sennhaem e 6 ou 7 irmios nes-
la praca todos eseravos do finado Anto-
nio Marques da Costa Stares ; a Mai'da di-
la escrava chama se Francisca e opadras-
to Joio ambos assitei1es no engenho do
dito finado Antonio Marques, em Seri-
nhaem.
Desapareceo da passag^m da Magda-
lena do piimeiro sobrado a direila pssan-
do a ponte na noite do da 5 do c rren-
le Um moleque oreoulo de nome Luja ,
tem n palmo* nmirn ajoj- ou monos de al-
tura representa ter de 16 annos de .ida-
dade tem um calimbo no primeiro dedo
da mi direila e falla algoma dois 1 ggo ,
levou camisa de algodio. calsa de brm ,
jaqueU de panno quasi novo cor de vinho
e chapi a de palha ; quem o pegar e levar
CJsaacima, ou na casa n. 9 ra da al-
fandega velha confronta a lingoete ,
ser gratificado o dito escravo foi com-
prado em :834 a Joaquim Mauricio Ww-
derley.
Fugio no dia 3ov de Setemhro do cor-
rente um negro de nome Manoel, de
naco congo da idade de 4o annos cor
preta naiiz chato, beicos grossos r barba
serrada, tem uma sicatru de um gol p de
espada na cabeca do lado esquerdo allu -
ra de 5p polgada, officiai de funileiro,
consta estar guatdado em casa particular
trabaihando pelo officio, por ja ter cido
encontrado algumas vpzes de noite para as
parles das 5 ponas ; ficando certo a pessoa
que tem o dito negro de pagar os das de
servico desd o dia que fugio,- a pessoa
que o levar a ra nova loja de caldereiro
D. 14 ser recompensado.
MOVIMENTO DO FORJO.
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 9.
RIO DE JANEIRO ; a? das, Brigue Es-
cuna Americano Pr meerde ia8 Tonel.,-
Cap. Rob C Molan carga caf ao
mesmo Capilo; veio arribado a este
porto.
SAHIDOS NO MSMO DIA.
SANTOS 5 Sumaca Nac. Bom Sucesso ,
M. Francisca Gomes de Figueiredo ,
carga sal: passageiros os porlugoezes
Feliciano Antonio os Brasileiros Anto-
nio Goudinho com um criado e & es-
pravos.
Pe, va ^ip. di m. r. o W v
i833.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBGUZIBRU_WSSN3A INGEST_TIME 2013-04-12T21:52:29Z PACKAGE AA00011611_06054
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES