Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06041


This item is only available as the following downloads:


Full Text
T
\mt) DE i838. SEATA FEIRA.
CAMBIOS.
Ontuhro 2 i k'*/' U"^K
Londres 18 Ds. St. por i#ooo ced. <&ayT I ti
. I.ishoa uo. a g por 00 premio, por metal. Non. \\.A en '
Erauca 34o a 3; i Rs. por franco. ^SaaT? -lll
Rio de Janri ro no par.
Moedas dcrjjf4 lOfaOo as velhas novas 14j?7o.
. '>, jjfooo 8/jiooa Sjjf.Soo
'Pesos Columnarios ijfftQo a iftj'o
1 Hittos Mexicanos i#6So a ijff6t)5
fP Premios das Letras, por uiez 1 a 1 a ira por 100.
Cubre % p.Lc. disconlo.
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTES.
Cidade da P.iraiha e villas de sua prele'co ....
Cidade d Kio .. 1 1 L. ,m .,' I oegunrias e sextas leiras.
C:dadc da fortaleza e vulas dem.......j n
Villa de (ioianna............'
Cid ule de Olinda............ Todos os dias.
Villa de Santo Anlo........... Ouinlas leiras.
Dita de Garanliuns e PovoacSo do Ronito..... Illas 10, e a4 decada mez.
Dittas do Cabo Serinliarm, Hio Formoso, e Porto Calvo dem i 11, e ai diltodulo
(,'idade das Al.igons e Villa de Macelo...... dem dem.
Villa de Pajau' de Flores.......... dem 17, dittoditto
Todos os correQS pnrtem ao nuio da.
...... i... ,, ... ., Jj--------------- --------.. ..r.v ; i
26 DE OWBRG. HUMERO %23
Tudo agora depende de nbs inesmos ; da nossa prudencia,
moderarlo e ei.eiyia: continuamos, como piincipiamos,
e seremos aponUdos eom adairaco entro as taces tois cul-
tas.
Proclamaco da Asamblea Geral do Brasi).
Subscrcve-sr para esta folha a mil reis mensaes pagos adi-
antados tiesta Typi grafa, ra das Cruzes I). 3, e na Praca
da Independencia I). 37 0 A8, onde se recelicm correspon-
denciai legalisadat, c annuncios: insirinrtu e estes gratis
sendo dos propriei assignantes, c vindos assig'iados.
DAS DA SEMANA.
17 Secunda.S. Maria So'ome. Aud. do luiz do crime le tarde e sess'o da Tiics. P.
*i3 Terca S. Romo II. rtclaco demanda and. 1I0 .1. dos rf, de larde.
2.4 (Ruarla S. Rafael Arcan jo. Sesso da Thesouraria Provincial.
23 Quinta S. Crispim e Ciisprniano M. Relaro de mauliS e audiencia 30* Sexta S. Evaristo P. Sesso da Tliesouiana Pub. e aud. do Juiz do Civel de t. Quarto
cresc. as 6 horas e 18 inin. da manila,
17 Sabbado S. Elesbo Imp. Heladio de inanli, e aud. do V. <- de larde.
2.5 Domingo S. Simio e S. Judas App.
Mar clieia para o dia 16 de Outuhro.
As 2 horas 18 minutos da manli As 2 horas 41 minutos da larde.
PARTE OFFIGIAL.
RIO DE JANEIRO.
DECRETOS.
O Regente interino em nome do lape-
rador oSenhor D Pedro Segundo, Ha
por be Despachar os Offieiaes da Pro-
vincia da Babia, constante da inclusa re
luco, assiguada pvlo Ministro e Secie-
tario de Estado dos Negocios da Guerra
Scbastio do Reg Barros.
O Conselho Supremo Militar o tenha
assim entendido, e exprca os Despedios
necessarios. Palacio do Rio de Janeiro em
vinte (fu Agosto de mil oitocentos trin-
Id culiu, Uc-uiiiiU S'liiiiw Ua IUUlipvtli|
e do imperio. Pedro d Araujo Lima.
Seb.islio do Reg Barres.
Relaco dos Officiaes da Provincia da Ba-
ha, despachados por decreto desta
misma dala.
Para Brigaeiros Graduados, os Coro-
neis do Eslado Maior Visconde de Piraj,
e Jos de S Bitancort r. Cmara.
Para Coronis effeclivos os Coronis
Graduados Ani >mo de Souza Lima, e Ro-
drigo ion 10 Falio Brando.
Para Tenentes Coronis effeclivos, o
Tcnente Curontl Graduado Jos Felicia-
no de Moraes Cid, e o Major Z-jferinu
Pimentel Morcira Freir.
Para Majoies effeclivos, os Majoros
Graduados Francisco Jos da Silva, e Mm
noel Machado da Silva Santiago, e o Ci-
pitao Sohdonio Jase Antonio reir do
Ligo.
Para Tenentes fffrciivos os Alferes
Antonio Juhlo do Sicramento, e Felis-
berto Gomrsde Argolo FerraS.
Para Alferes electivos, os Cadetes Jos
da Cosa Ferreira, e Alexandre Gomes
Arbolo.
Para Tenentes Coronis honorarios
coro, metade do sold correspondente a
giaduaco os Tenentes Coronis das
Guardas Naciouaes Manoel Rocha Gal-
*So, e Jos Joaqun Chaves.
Para ler metade do sold do sua Paten-
te, o Tetiente Coronel de Milicias Joo
Jos deSepulvcda e Vasconcellos.
Para Major honorario coto a metade
do sold correspondente a graduacio o
Major das Guardas JN'acionacs Alexandre
de Lacerda Seabra.
Para Major honorario*, cora a terca
parte do suido correspondente a grada-
cao o Major das mesmas Guardas Gus-
tavo Adolfo de Meneses.
Palacio do Kio de Janeiro ro 20 de
Agosto de icio. Sebaslio do luga
Barros*
Decreto N. ,{del5de Junho do i838.
Autorisa o Guverno a mandar pas-
sar Carta de Naturalisaco a Joo Gui-
llierme de Bruce, de Naci Sueca.
O Regente Interino, em ome do
Imperador o Senhor D. Pedro II, Tero
Sancionado e Manda que se oxente a
flesolucao seguinle da Assemblea Geral
Legislativa
Artigo nico. O Governo fica autori-
sado a mandar passar Carla de Naturali-
sacio a Joao Guilherme de Bruce de Na-
ca o Sueca.
Bernardo PoreirA de Vasconcellos Mi-
nistro e Secretario d Estado dos Negocios
da Juslica, encarregado interinamente dos
do laip-rio assiro o tenha entendido e
faca executar eom os despachos ntcessari-
os. Palacio do Bio de Janeiro em quinze de
Junho de mil oi lucen tos e trinta e oito,
dcimo stimo da Independencia e do Im-
perio. Pedro de Araujo Lima. Ber-
nardo Pereira de Vasconcellos.
Decreto N. oda t& do JuuLo da (838.
Sobre Tenca.
rtpprovsnu a 1 enea uc vizfTitos oi-
tanta mil reisannuaes, concedida por Al-
var de 3o de Maio de 1827 a D. Maria
Joanna Pinto Gavio al). Maria Police-
na Pinto Gavio, e a D. Britcs Pinto
Gavio.
Decreto N. C de i5 de Junho de 1838
Autorisa o Diretor da Esc la de
Medicina da Corte a admetir a facer ac-
to do primeiro anno ao Estudante Lu-
iz Sobral Pinto depois de npprovado
nos preparatorios que Ihe falta o.
O PiPgente Interino em Nome do Im-
porador o Senhor D. Pedro 11, Tem
Sanccionado, e M-mda que se execute a
Resoluco seguinle da Assemlba Ceral Le-
gislativa.
Art. 1. O Director da Escola de Medi-
cina desta Corle fica autoriscido para ad-
metlir a fazer acto d primeiro anno ao
Esludante Luiz Sobral Pinto, mostrndo-
se este primeiramt-nte approvado nos pre-
paratorios que Ihe falto.
Art. 1. Fico revogadas quaerquer dis-
posicoes em contrario.
Bernardo Per ira de Vasconcellos Mi-
nistro e Secretario de Estado dos Negocios
da Justica, encarregado interinamente
dos do Imperio, as-tin o teriha entend
do e faca executar con os Despachos ne-
ciss.irios. P-lacio do Rio de Janeiro em
quinze de lotiho de mil oitocentos e trin-
ta e oito dcimo stimo da Independen-
cia e do Imperio. Pedro de Araujo
Lima. Bernardo Pereira de Vascon-
cellos.
Decreto N. 7 de id de Junho de i83'8.
Sobre Penco.
Approvando a Penso de dois cotilos e
oitocentos mil ris annuaes concedida
por Decreto de 26 de Abril do correte
anno, ero partes iguaes. a D. Gabriella
Frederica Ribeiro de Andrada e a I).
Cariota Emilia de Andrada Vandelli (i -
Ibas legitimas do finado Concelheiro Jos
Bonifacio de Andrada e Silva; e de huta
cont dusentos mil tis annuaes a D.
Narcisa Candida de Andrada sua filha
legitimada, em remuneraco dos relevantes
servicos pelo mesroo Concelheiro presta-
dos Causa da Independencia do Imperio.
Decreto N. 8 de 16 de Junho de i838.
Autorisa o Governo a conceder aos E pregados da Secretaria da Junta do
Commercio em quanto existir este Tri-
bunal Gratificacoes iguaes aos seut
Ordenados abolido o que percebiio
a titulo de Ajada de custo.
O Regente Interino em Nome do im-
perador o Senhor I). Pedro II., Ten
Sanccionado e Manda que se execute a
Puisolucio seguiote da Asaembla Geral
Legislativa.
\rt; tnico. Em quanto existir o Tri-
bunal da Junta do Commercio Agricul-
tura Fabricas e Navegace, o Gover-
no he BUtorisado a concedar aos Empre-
gados da sua Secretaria Giatificac-s igua-
es aos seus Ordenados, fie indo abolido
o que percebio a titulo de Ajuda de
cusi.
Bernardo Pereira do Vasconcellos, Mi-
nistro e Secretario de Estado dos egoei-
osdaJustica encarnegad- interinamen-
ledos do Imperio, assim o tenha enten-
dido e faca executar cjm os Djspichos
necessarios. Palacio do Rio de Janeiro
em desasseisde, Junho de mil oitocentos e
triot e oito, diicima setimj da Indepen-
dencia e d) imp-ri-. Pedro de Araujo
Linn. Bernardo Pereira da Vasconcel-
los.
Decreto n. q de 19 de Junho de i853
Sjbre Penso.
Approvando a penso annual de dusen-
tos e vinleq'iatro mil reis, concedida por
Decreto df 18de Margo de i835 a Eu-
phrasia Maria da Silva viura de lienri-
que Jos da Silva.
CMARA DOS SENADORES.
Sesso em 25 de Agosto de i838.
Pressidencia do Snr. Mrquez de Bae-
pendy.
Feita a chamada eachando-se presente
numero legal dos Snrs. Senadores, o Sr.
Presidente abre a sesso, e lida a acta da
auterior heapprovada.
O Snr. primeiro secretario da' conta do
expediente.
Ordem do dia.
Continua a ultima discusso addiada n a
antecedente sesso do parecer da commis-
so de conslituicio sobre o ollicio da
cmara dos depulados do 1. do correntc
mez, e que acompanhou os autographos
da resoluco de 8 de agosto de 183/ ,
que approvoua penso concedida acs li-
Ihos do fallecido visconde de Alcntara.
Fica adiada pela chegada do ministro da
guerra e sendo este inlroduzido eom as
formalidades do estilo toma assento o
entra em prim. ira discusso a proposla
do governo fivmdo as forcas de trra
para o anno financeiro de i83q a 1840.
eom as emendas da cmara dos Senhorea
dr putados.
Discutida a materia sabe o ministro
para volar-se, e he approvada n propos-
la coro as emendas para passar seg lia-
da di-cissso.
Entrando o ministro lem lugar a se-
gunda discusso bcomecaodo se pelo ar-
tigo 1. da proposta eom as emendas da
oulra cmara a este artigo, o Sr. Paula
Sousa requer que se descula separadamen-
te a emenda a aste artigo quo trata, do eu-
gajamento d; rslrangeiros.
ll-j apotado este requerimendo e pro
grede a discusso do dito artigo 1. nica-
mente addilivo ao n. 3. do artigo 1. da
proposla*
He oVrecida a pgninle emenda :
Em lugar de deze mil diga-so
dez mil. Conde de Liges.
Ha apoiada e fica a discusso addiada
pela har.
Betirando-se o ministre eom es forma-
lidades do estilo o Sr. presidente u
para ordem do dia as materias dadas e ,
em ultimo chegando O ministro a cu-
tinu trio ila secunda discusso das forcas
de trra. 4
Levanlou-se a sessa as duas horas da
tarde.
DIVERSAS REPARTICOENS.
PERNAMBUCO.
TBIBUNAL DA RELLACAO'.
Sesso de 2 de.Outubro de 138.
Na Appellacio Civel do Juso de Dircito
do Civil da Comarca do Rio Formoso ^
App. liante Manoel Vicente Cdlado, e Ap-
pellado Manoel .lose Goncalves Braga ,
Escrivo Re bello ; se ulgou pela eonfirma-
co da sentenca apptlLda.
i\d Revista Cii;l cm que heRecorrento
Rom Mara de Jezus, Recorrida Roza
.Maria de Souza Escrivo Chaves; sojul-
goua favor da Recorrente.
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
A Arremataco annnnciada para o dia
2b do corrente continua ca praca no dia
26.
Alfamlega de Pernambuco ?.5 de Outu-
hro de i38.
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta he a mesma do num. 22.7.
CORRER).
O Brigue Dos Te-guarda recebo a njs-


ERUAMBl'CO.
la para Santos hoja a6 aa. 10 boraa da
manbia.
PREFEITRA.
Parte do dia %\ deOutubrode i838.
Illm. e Exm. Sr. Foro presos hon-
tera a tninha ordem e tivero destino :
Antonio do Espirito Santo pardo pelo
5. Prefeito da l'reguesia de Santo Anto-
nio por estar era desordena cora outro ;
Izidro tamben paj do escravo de Anto-
nio Thomazde Ftrilas e Anna Mara da
Conceco tambera parda pelo Sub P.
da Freguesia da Boa-vista, por terem f or-
lado a5 mil res, os quaes foro j entre-
gues a seu dono ; e Jote Virira da Silva ,
braneo pelo Sub Prefeito de S. Pedro
Mrtir por estar era desordem com urna
tnulher.
O Inspector do Arsenal de Marinba rae
communicou que no dia ai do crrente
pelas a boras da tarde fora gravemente
ferido rom una baioiictads) pelo soldado
engajado do Brum Francisco Fereira do
Nascimento o raarinheiro da Lancha do
aoccorro do mesmo Arsenal Jos Jul o.
E' o que consta das partes boje receba-
das n'esta Secretaria.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitura da
Comarca do flecife 24 de Outubro de
1838. Illm. e Exm. Snr. Francisco de
Paula Cavalcanti de Albuquerque Vice-
presidente da Provincia. Francisco An-
tonio de S Brrelo, Prefeito da Comarca.
Parte do dia a5.
Illm. e Exm. Sr. Fono presos hon-
lem a minha ordem ,. e liverio o compe-
tente destino : Juhn Ouggan branco ,
inglez pelo Sub-Prefeito da Freguesia do
Recife requisico do respectivo Cnsul,
por insubordinarlo ; Paula Simplicia de
Lima parda pelo meo O'denanca por
ter proF-rido era alia voz palavras ob ce-
nas ; e Manoel Andr indio e Manoel
do Nascimento', serai-branco palo Sub-
Prefeito da Freguesia da S p >r terem
cspmcado a um hornera e urna raulher.
E' o que consta das panes hoje recibi-
das nesla Secretaria.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitura
da Comaica do Recife a5 de Outubro de
j838 &c.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE
DO RECII'E.
Sessio de 3o de Agosto da i838.
Presidencia do S- nhor Silva.
Compiiecero os Snrs. Barros Pes-oa,
Souza, Chaves e Oliveira ; faltando cora
causa os mais Seuhores.
v berta a Sessio e lida a Acta Ja ante
cadente foi approvada.
O Secretario dando contado expedien-
te nv-ncionou os seguintes oficios.
Um do Exm. Vice-Presidenle da Pro-
vincia, exigindo que esta Cimra lhe
informasse se o Provssor da Cadeira d
primeiras letras da Varzea Custodio da
Silva Fragoso abindonou a su i Cad-ira
nomeando seo arbitrio ura substituto ;
declarando d'sde quando se acha abando-
nada dita Cadeira e remetiendo quaes
quer documentos que plenamente provea
esso abandono: resol veo a Cmara que se
ordenasse ao Fiscal respectivo para qua
informasse quinto antes a res peto do a-
bindono de que tracta o mencionado of-
ficio e que igualmente se officiasse ao Pa-
r.>cho respectivo para informar sobre o'
mesmo objecto.
Outro do mesmo Exm. Vice-Presidente
da Provincia remetiendo em cumprimen-
todo R"gulamento Geral n.# i e do A vi-
to de 3 de Julho do crtente anuo expe-
dido pela Secretaria d E>iado dos Negocios
do Imperio os exeraplai es do referido le-
gularaeolo eos do n. 4i 5, (o, e i, afim
desta Ca nara dar-Ibes excucao na parte,
que Ihe locar \ a Cam.ra ficando inleiada
, resolveo, que se ccusa>s a recepeo dos
referid s templares ao Exm Vice Presi-
dente deliberndo igualmente que se
foroeeesse o repertivo bvro pira o to-
maren) as verbas < ro couformidade da des
paMiclo do art. xi do mesmo Reguiamea-
to n." i.* do i de Janeiro de i838.
Outro do Juiz de Direito Interino da i.
Vara do Crime desta Comarca designando
o dia 20 do mea de Setembro palas 10 ho-
ras para dar principio a 4-' -esseio dos
Jurados deste correte anno ; deliberou a
Cmara, que se ofEciasse aor* Promotor
para vir hoje meamo faser o sorteamen-
to.
Outro do Prefeito desta Comtrca exi-
gindo que esta Cmara houvessa- de for-
necer novo livro ao Careeieiro da Cadeia
desta Cidade visto achar-ae ja cheio o li -
vro que por esta Cmara Ihe havia sido
fornecid ; a Commisaao dos Snrs. Souza,
e Chaves para dar seo parecer.
Compareceo o Dr. Promotor e temi-
se frito o sorteamento dos Jurados q ie
devera coropor a 4'Ssso ordinaria da
bbeou a Cmara que se fiaesse publico por
Editaes os nomes dos sorteados.
Sendo psente o mand -do Executivo ,
fNissad a favor do Escrivao Jos Alfonso
Gued Alcanforado para pagamento das
cu*tas do Procesaos formados pe ante o
Juiz de Direito da a. Vara Criminal, de
que tem de cahido a Jualica; resolveo a
(Jamara que se ordenasae -o Procurador
pira que s-guro o Ju o pedisse vista a
fin de poder a Cmara allegar o direito
3uelhe assisle pira nao pagar indepen-
ente deexame seo, aa referidas cualas ,
ltenla a inexaclidio da cunta conforme
havia ja demonstrado ao Exm. Vice-Pre-
ridete da i'rovincia na informaco dada a
queixa contra ella derigida pilo mesmo
Juiz de Direito quanto a estas mesmas cus-
tas ; e que com a maior brevidade fosse a
presente Acta publicada cora o mesmo
rnaad ido e mais Documentos rellativos
a presente questao.
Conatando a Cmara o abuso praticado
por Francisco Goncalves da Rocha com a
edificaco da urna rampa no Portao junto
urna sua casa qua est edificada na es-
trada do Manguind sem que para isso
I i vase obtido hcenca, deliberou, que se
ordenasse ao Fiscal respectivo para que
quanto ant-s fiteaae o competente termo
por (! infracao coiao ja de vera le pra-
licado afim de que sendo condemnado o
infractor posaa o publico ser restituido
d ser vi di. da mencionad* esirada ; era
conformidade do 6 titulo 7/ das res-
pectivas Posturas.
Despacharo-se alguras requerimentos.
E por ser dada a hora levantou-sea Sea-
sao e mandaro faser a presente em que
assignario. Eu Fulgencio Infante d'AI-
buquerquee Mello Secretario a escrevi.
Silva Pro Presidente. Barros, Pessoa,
Chaves, Souza Oli veira.
Es' conforme.
O Secretario.
Fulgencio Infante d'Albuquerque Mello.
das disposicoes do Cdigo do Processo Cri*
minal e queem consequencia de um tal
procedimento nao tem o foro os Officiaes,
de Justica que ha mister por isso que
sendo muito limtanos os rendiraentos des-
1 tes, ninguera quer servir taes lugares ,
muilo principalmente negando-se-lhes os
qu* a leis Ihes tem assegurado ; ordeno
a Vmca. que inforra*m sobre este obje
co, dando as rasoens do seu proce l-
menlo, afi n d- que es Governo possa de-
Eis o Mandado e Documentos rellati-
vos as cuitas d ia Procesaos formados pa-
rante o Ju 1 de Direito da 2. Vara Cri-
minal que tem sido exigidos da Can ra
por baver decahido a Justica ; constando
do a. Documento o motivo porque nao
Um sido salisfeitas as mesmas cusas.
I.*
Mandado requisitorio. O Dr. Vlanoel
Mendes daCunhi Azevdo Juiz de Di
reit.idaa. Vara do Cnme, desta Comar-
ca do Recife de Pernambuco. Mando aoi
Officiaes desle Juiso vo a Cata da C-
mara desta Cidade e achanJo junto os
Membrosda aesma, requera* >-os para que
pague ao l'scnaao deste Juiso Jos \U011so
Gu des Aleanf>rado a quantia de
(iH i\}$~i res de cusas era que a mesma
Cmara foi cunde niada era divrsos pro-
cesso* que decahir) ueste Juiso e fori.t
os Reos -bsoUidos e isto no termo de 24
luras pena de se proceder apjnhora, e
este se passou era cirnpnm -uto de meo
desnacho qu 60a era pidur e Carlorio do
Escrivao que esle subicreveo digo que es-
te escreveo. Curaprao
Recife o de Agosto de i838* Jos
do* Kt-is um 1, Escrivao o escievi Dr.
Mendes,
a.t
Tendoo Juiz de Jneitf) da a. Vara
("1 mi mi pnlecipdoa-sle Governo que
essa Cmara se ha recu>adado sob diver
s<>s pr< text s ao pagamento das cus! is 11 causas em que a Justina 1. m decahidu pe
rante o Tribunal dos Jurados apesar
e quer examinar e conhecer se prescin*
dindo de tudo, as emitas do Contador do
Juizo esto feilas cora exartido, porque
s nVsse caso as deve satisf expresso pelo Artigo 74 da Lei que lhe
serv' de Regiment.
E be por tudo isto, que temos exigido
como hum meio mais fcil, breve, esa-
ti-fatorio para todos, a apresentaco dos
respectivos Processos porque arliarem-
se as resp'Clivas cont liberar o que for mais conveniente boa ha o que ellas contera ou smente o que
administracio da Justica.
Drto Gmrdea Vmes. Pal icio do Go-
verno de Pernambuco g de Julho de 1838.
Francisco de Paul* Cavalcanti d'Albuquer-
que Srs. Presd ntes e Vereadores d
Cmara Municipal djsta Cidade do Re-
cife.
3/
Illm. e Exm. Snr Esta Cmara re-
cobro o officiode V. Exc, degdo corre-
le no qual ordena que informemos so-
bre a pa. (ecipaco que lh dir gira o Ju z
de Direito da 2. Vara Criminal de que
eata Cmara ha recusado sob diversos pre-
texto-, ao pagamento das cuitas as cuuzas
em que a Justica (eru deethido perante
0 Tribunal dos Jurados a pesar das dis-
posico-ns do Cdigo do Processo Criminal
e qu^ em consequencia de um lal procedi-
mento nao tem o Foro os Offiches de Jus-
1 ir i que ha mister porque sendo mui li-
mitados os rendiraentos destes ninguem
quer servir tavs lugares muilo principal-
mente negando se-lhes o-que as Leis Ibes
tem assegurado. Passamos cumprir o
que V. Exc. nos ordena.
Esta Cmara ja mais tem recusado,
nem recusar pagar o que conhecer que
legtimamente deve ; mas he este conheci-
mento, que se lhe nega e quer negar.
Digoe-seV Exc. ler o Documento in-
cluso n I.*, copia do primiro reque-
rimento e meio com que o Escrivao do
dito Juiz di 2. Vara Criminal ex>gio desta
Caraira o pigmento de Rs 338.3a* : e
delle ver V. Exc. que a prova qua se
d da divida e obrigtcio da Cmara,
he huma relac.o feita pelo mesmo Escri-
vao ; a qual, alem do principio de Direi-
to de que ninguem pode faser documento
para si ja mais poderia salvar a nos-a
responsibilidade se por ella s fisessemos
o requerido pigtrasuto : por quanto n'es-
sa m-sma lCle.io combinada com a de
n a. se incluera cusas do Promo-
tor do Juiz e at das P.rtes, pelos qua-
es se ho m.istrou authorisado o Escrivao,
era era nome delle.s requeren alguma eou
za e sira no seo proprio como se fosse
toda a divid sua ; taes sao as pdavras do
seo requerimento* ConUa dever a C-
mara ao Supplicint as cusa? em que tem
decahido o Doulor Promotor e que foro
contadas, importando 338,32a rs ; o que
o Escrivao repete no mesmo carcter de
nico credor da Cmara pela quantia de
343,183 no requerimenio Docum nto nu-
mero 2. no qual, e nesta mesma quan-
tia de 343.183 res verificado-se ha ver
diferencia de 7,89') rs. pira mais, pos que
as cusas do Processo contra Miguel Ar-
canjo Rodriguesimpirtio era 8t,ofi5, e
nao em 88,955 rs.
Verificando-se la bem que das quan-
tiasdas custasdos respectivos Processo* era
ditos dous Documentos n. 1 e 2. que
o Escrivao apresentara s combina > duas
addicoens que u as de 8.,^55 bem
que com dive>sd de nos nnjuim*, e
53,Sb5ieis., discorabinando todas as ou-
tras ; e umi 1.1 v-ri ci e raudanci, cei-
to qu deve n exigir os mu* excrupulosos
exames suspender qiulquer pigameutu.
Anula na s se conven era V. Exc. do
infundado da Pa na ndo-se ler o U .cun -nto de n a. uo
qual se v que no Processo contra Mano
el das Dores o denuuc me fora c nde-
na lo na. cusas e todava ellas se exigem
desta Camira pratic.ndo-se de igual sor-
te quinto uo proceso contra Theodoro es-
er.v> de D Alaria de J-sus
Accresc*, que esta Cmara duvd.i da
legiti,m tade dos emulemos da 4?',J,JO r>- >
e de 1 2s' 00 rs. como esiao exigidos para
o Promotor e tanto, que a este respeito
i^m efftffcterioa resol 930 d.-sta dunda
A-semb!i L-gislativa Provincial, a quera
co.iip-jie a inicipieacio das Leis.
Por ultimo na C*mara lea o direito,
for devido legilimamente, meio este a que
os oulros Escrivie* se nao tem negado,
Se poremo E.cnvao do Juiz da 2.* Vara
Criminal se nao quer por quilqu-r mo-
tivo, sugelar a esta franqueza filha da
V'-rdade elle e os mais Officiaes tem o
recurso de proporem os raeios judiciaes
contra esta Cama a ; e ento se far a co n-
petente defeza e o Poder Judiciario de-
cidir.
Somos responsaveis e devemos certifi-
car-nos se pagamos a quera devemos, e s-
mente o que se Ibes deve.
V, Exe., a vista do exposto re-olver o
que for justo. Dos guarde V. Exc.
Recife em Sesso de 27 de Julho de i838.
_ Mm. e Exm. Sr. Francisco de Paula
Cavalcanti de Albtiquerqm Vice-Prezi-
dente desta Provincia* Jos Mara Ma-
chado Freir Pereira da Silva Pro Pre-
sidente. Antonio Luiz de Souza Jos
Jernimo Rodrigues Xavt-sAntonio Go-
mes P^so* Francisco Mamede de Al-
meida Francisco Carneiro Machado Ros.
Est conforme
O Secretario Fulgencio Infante d'Albu-
querque e Mello.
ANNUNCIO.
O Administrador da Meza das Rendas
Geraes internas tendo de proceder exe-
cutivaraente contra todos os Collectados
pelos Impostosdelojasabertas e de Se-
gis e Carrinhos e estando auctorisado
para poder conceder-lhe mais um prazo a
fim de que dentro delle concurri apagar
o que devem, aqoeites que por ignorarem
telveza maneira rig rosa com que manda
a Lei oroceder em taes casos tem deixado
de o faser ; Ibes tem raneado mais o praso
de 15 dias contados dest* Gndo o qual
os fara executar conforme a mesma Lei.
Recehedoria a5 de Outubro de i838.
Antonio Ferreira Duirte Velloso.
CORRESPONDENCIA.
Srs. Redactores. Confundo na sua be-
nigmdade, peco a Vms. o favor de fazer
inserir no seu bem conceituado Diaiio os
artigos inclusos extractados do Ecco e do
Panorama jornaes publicados em Lisboa,
por cojo favor Ihes ficar muito agradeci-
do o
De Vs. Ms.
Muilo aliento Venerador e criado
J. V. P. de C.
Theairos. Ju'gamos que vai come-
91 r huma nova ero para o Theatro Porlu-
gue visto que o do Salitre > ja se a-
cha representando, e ens.iindo pecas
compostas ou traduridas pelo Sr. A. F.
rioCastilho, e oulros amigos das nossas
i tras e dos bous colume*. Nos acei-
tunos de b un grado o convite que o Sr.
Caslilho faz aos jomalistis na sua fairna
caita inserida no D doGoverno de 4-"
feira e pela noasa pal apr goa-emos
bem alio que humera resuscitou o ver-
dadeiro Tlieatro Potuguez, pois somos
informados de que os Tres ltimos diis
de tram sentenciado nao s correspon
dem ao prograrama do Sr. Castilho-, mas
que fora perleiiament desempenbados
pela Coiapanbi-i do Sditre dirigida por
hum hbil artista Porluguez. Sem duvi-
da qu e o estado do noaso pobe Reino,
e muito mais pobre de paz, e ae bous cos-
lumes do que de dinheiro ; o d< sgra-
cado estado em que vemos a moral Poilu-
gu-za a inslruc^'o portuguesa o crdi-
to e decencia poi tuguez exige ao me-
nos hum Theati o que seja echola de
ling.H, de.ivilidade edelnstora; hu
bi luarte donde se (ulminem ci raes a'
pupem vicios e oo hura Theatro que
nos perturba as ideas do juslo> do a-



DIARIO DE rERNMllCI
justo, no, p0em ma| com os outros, e
c 'n hosco rn^nin, cdumnia a humani-
dade, e a Providencia dispoera nossas
mulheres pira o adulteri >, domos filhos
p*ra o parricidio nossis filiits pira a de-
vaisiilio, nossos amigos para vender nos,
e apunhalar-nos o p >vo para escarnecer
das aulbo.idades, amoeid.de para cuspir
as cas e o mundo d'hoje para sacudir
de si como absurda loda a heranca dos se-
y
que a requer os concertos a vista do que fallasse bem portuguez dir-Ih hia traz ve-
convencioparoom seu proprietario, an-
nuncie ou dirija-se a venda da ra Direi-
ta D. 14.
Quera tiver alguma escrava que j
esteja ara-ium id 1 a vender pao na ra ,
ou mismo pn o mito, eaqueira ala-
gar annunnie, ou dirija-se a ra Direita
D. i3 para se tratar do ajuste.
Quero quizer huma ama pira o ser-
Deseja 9
purera da nossa l.ngne materna e que Sr. Francisco Dutra MaceHo, natural da
deleslso ass.m como nos detestamos quer Freguezia da Candelaria filh* doSr. Ma-
os binamos com que a tranca nos est noel Dutra e ao Sr. Francisco de Paula
dando cibo do pouco portugu m queain- Souza Portugal, natural do RiodeJanei-
- quer e iso no ultimo ponto, I ro filho do Sr. Jos Antonio Fernandes;
da exista
o espantoso scepticismo moral, os ex-
duplos, e as lices raciocinadas da pros-
tituico, da vinganc, ede quintas pli-
xm vis antes se escondido com tanta Jeli-
gmcia, quan'a boje se piem em as trazer
a luuie enfeitadis, fliridas d eloquen-
cia, es vezes bafejidas de tlenlo per-
suasivo. Nos abencoaroos o Sr. Cistilho
pelo seu nobre empenho e nos felicita-
mos p-la restauradlo do nosso Theatro
Portuguez \ sui carta j desperlnu al-
gn talentos at agora adormecidos e
sabemos que dentro em pouco tempo,
ho-de ser apuresentadas ao Sr. Castilbo
alguns Dramas originaes e outros tradu-
zidos por amigos nossos que at se hor-
rorisavao com a idea de esorever para o
Thoairo quaudo a se torna o peor de lo-
dos os inventos humanos huma verda-
dera machina infernal contra a sociedad e ,
huma caverna de demonios eque osup-
prinii-lo, ealagt-lo seria o mximo servi-
90 felicidade publica.
(DoEcco, Jornal critco Iliterario, e
publico, publicado em Lisboa 19 de Ju-
cho de .838, N. 277.)
Foi n'esta Provincia (o Minho) qut a
Monarchia Portuguesa teve o berta, e abi
foi que a piedade, ou te quizerem, a
supersncio uos nossos avos alaveniou ms.
ior numero de Mosteiros. Ja 110 lempo
d" "!o< us Benedictinos estafan es"a-
Ihados no VI.nbo e u'elle se cjnservara
durante o dominio dos Aribes. A est 1 or-
dem respeitavel, e que sempre ser lem-
farada com gratido pelos verdadeiros ami-
gos da I1ua1anid.de devera em grande
parle a cultura ecivihsaco os habitantes
daquelie teihtoiio. Anda hoje nao ousa-
reraos afhrmar que a su., con>ervaco fosse
inleirameiile desvanUjosa : deixaremos de-
cidir esta queslo gravissima por aquelles ,
que sea nunca sairem d'entre o bulicio
da* grandes Cidade, julgao os Monges
dos campos pelos Fradea viciosos das po-
vuaces Nos, que assistimo* suppr s-
so de huma parle dos velhos Mosteiros
do Minho e que vimos as o I.grimas do
povo que nMIe encontrara os so. corros da
doen9a e o pao da decreplude nao sa-
bemos se aquellas lagrimas mentido se
inenlem as Iheonas dos polticos que es-
crevem na silencio do seu gabinete. O
que be cerlo he, que todos os argumentos
econmicos, que se haja de fazer contra
existencia das ordens Monacaes a que ,
com ma.s propriadade poderia mos cha-
mar sociedades agriculturas vo ferir,
talvez com muita forca os Srs. das Ierras ,
os propnetarios opulentos. Do quj esta-
mos seguros he, de que estas nossas re-
ilxois, mereco. apenas hum sorrisu
d esses homens d espirito subido para
quem tem mais forca hum epigrama Fran-
cez ou loglez cerca da nossa sup do que huma boa rasi l'ortugueza, que
sirva de defendernos dos escmeos mes-
q 111 ol is de esliangeiros ignorantes de nos-
fias cousus.
(Panorama N. 27.)
queira fazer o obsequio deannunciar por
este Diario as mis moradas, para se Ihes
fallar.
_ Nesta Praca, encarecidamente dse-
ja-se fallar ao iilm. Sr. Jos Francisco,
senhor doengenho Mariuna; queira ler a
bondade deannnnciar a sua morada.
Compra-se o Folheto intitulado Ga-
lala : quem o tiver annuncie por este
Diario.
Precisa-se de ama preta ou parda ,
de ida de e forra para o ser vico de hu-
meen solteiro sem familia ; na ra da
Florentina, viudo da mar direita ter-
ceira caza terrea.
Quem anuunciou ter para vender
hum violo de boas vozes derija se aetta
Typ.
_ Arrenda se hum grande sitio com
mwitas commodidades para critco plan,
lar. e ter hum viveiro ; com cota de vi-
venda de pedia e cal, e algumas fructei-
ras, e coqueiros. Na ra da Cadeia no
bairro de Santo Antonio defionte da dita :
etambem o armazem desta casa bastante
grande; a fallar no a." andar.
Os Poituguezes, que ainda nioco-
nhecerem o carcter do Sr. G. a euem
costuma proteger com os seus cobres,
leao o annuncio inserto no Diario de a5
do correte assinado O Gilan dos ta-
mancos Veja5-se n'estiespeJho. e notem
como sao a. hincaihados por hum seu Pa-
tricio. Veja Gnalmeote a araisede, e
gratido, com que sao retribuidos pelo tal
figuro que Ihes deve em grande parte o
auge em que hoje seacha. Nao se des-
cuidero pois de comparecer sabbado gran-
de funcq do Dsncarino que ainda que
j condecido n'esta Cidade e ainda que
faz tanta dierenca de \lr. Va||, como
faz a noite mais medonha dodia mais c'a
ro exige-se com ludo o mesmo preco do
priroeiro ; porque assiro faz conta e as-
si rn he preciso para engordar o Sr. G.
O inimo dos ingratos.
_ Sr. Inimo dos Expertos. Como
a sa sublime correspondencia do Diario
de a5 do crreme, falla da ambico e
in f de quem dirige o Theatro e esta
nao pode nascer seno de quem recebe o
cobre do peixinios (como o Sr. diz; por
isso com. sou o recebedor, Iho respondo
ao p da l'l.a ; quantu peca se rep-esen-
tar 88 vezes entenda-se cim o Benelicia-
do, pois ninguem do Theatro fez a tal
noticia ; e os prixinhos de fora quando
querem proteger os peixotes de dentro,
tiobem sabem armar sua petmha O
Publico nlo se emporta que ella se repre
zes que mente. V viajar e veja ;
quanto a prom*ttimenlos, o Sr. Inimi-
;o f mostra que be dos que queresa ver o
Ceo lite, eo, as Deosas nos globos de
JNnvens, tal, qual Calipso apparrceo a
Telemaco na Venus ao forte Gama
Mostrando lhe as amadas Ninfas bellas,
Que mais lormosas vinha que as estro*
I". > (CamSes C. 87.;
Mas veja
Queseaquillo por l foi peta entio
A Nuvero do Theatro he pa|>Uo.
(Dr. Experteza C-nto 1/)
Se acaso se pede mais dinheiro por Ca-
marotes quando chega os estrangeiroe.
he para compensar os prejuizos de haver
dias de Theatro cosn dezoito sinco, e ate
huma s pessoa na Platea. Eia maior
prova da minha dessndida ambicio! Nao
lhe quero dar mil ontras : quanto a m
f e caballas respondan por mim os fo-
ticarios, V^ndelbes, Padeiros, Legis-
tas e at Negociantes de alto Comercio,
falle com elles, que ficar com a cara
com que veio, e nao lhe darei mais res
posta, pois voii cuidar as sninhas exper-
tezas, pira me nao sueceder (como al-
guna deseja) o que succadeo sos preter-
jos Emprezariot, Altano Meadonca;
Nunes, e Freitas.
Son seu verador
O Emprezario Gamboa ,
experto mas n 9^> Na Urde do dia 5 de Novembro
prximo ter lugar na porta do juizdo
Civel da a* Vara a ultima Praca para a
arrematacao da caza do Theatro desta Ci-
dade : convida.se seaStuhores qveqai-
serem arrematar para que haja de con-
carrer na mencionada tai de.
Hum i'roffessor de primeiras letras
residente nesta Cidade proue se a adosit-
tir em sua caza meninos pensionistas o-
brigando-se a ensinar primeiras letras so-
que ainda as nao souberem, e a sabminis -
trar Mestres de out.os estudos aos que se
acharem promptos nellas: bem como Uro-
bm de Muzica se iato %m quizorcoa ap-
plicar. Adverte-se, que tem familia, e
qu por isso haver todo disvello nn tra-
tamento dos meninos. Os Srs. Pas de
familias que se quizerem utilizar de seu
prestimo; dirijao'Se Tipografa deste
Diario que ahi se Ibes indicar a peisoa,
que a isso se prope e com quem pode-
ro tratar a cerca das condicoes do ajuste.
3^> A pessoa que annunciou em o
Diario de a5 do corrente pedindo ao absi-
xo assignulo, que se dirigisse ra do
Livraroenlo loja D. a5 negecio de seu
interesse, queira declarar por esto mesmo
Diario a natoreza do negocio.
IVI/O DIVHs <.-H
- OIFerece-se para ama de casa de ho-
mem soluiro, urna mulher branca de
bons c istum s : na rm do j^rdim D. 16
ft^ Qujm livor hunu casa terrea na
tMt que oaao lado da lorre da Penh.i e
* 'jUtnra arreudar, anda memo estaudo
mjowudo, faztjndo o pertandente qmoto dUar qua he o maia aro, sata
sentasse huma, ou mil vezes ; nao vem
pelas pecas, ero pelas rauzicas, j- vem
regado pelos Beneficiados ; a prova he que
oas operas da caza nao vem ninguem ; e
esta he a pratica em lodo o Brasil. O Sr.
Inimigo dos expetoa he i ni migo dos po-
bres Cmicos, pois diz mal de huma re-
parlico para a qual (segundo diz) nao eon-
corre e tem m f porque fala de huma
P^ca que diz na vio: mquella noite
(1 do corrente) o concurso foi da roelhor
grnie, porque o Beneficiado foi protegi-
do p t pessoa que limito figura; e todos
ficar/.o satisfeitos. menas os aroi^uinhos
do Bibiano Como os Cmicos sio em
tods a parte iniroigus dos Emprezarios per-
gunte-lhesse a peca se corlou : se o Thea-
tro he velho, e podre requeira As-
s- mbla; se ha infame queixe-se s
aulhoiidadns pnra punirem os esperiinbos
da platia ; poique os Cmicos s por sus-
peitas, tem pi ovado o calhabouco; e
Ignscio dos Santos da Fonceca.
Precisa-se de negros para trabalhar
n'hum sitio, e pretaspara vender na ra :
quero os tivet dirija se a nn doCabug
primeiro andar por cima do Belojoeirn'.
O Sr. Serafm Jos de Santa Anna
dirija-se negocio de seo interesse pra-
ci da Independencia loja N. 9, ou an-
nuncie a sua morada para ser procurado.
Arr-nda se por auno huma famosa
cizacomhum grande quintal, arvoresde
fructo sabida pelo mesmo ptra o banho
noraais apreciavel lugar do Monteiro; a
pessoa que o pretender procure entender-
se com o Farmacutico Manoel Felippe da
Fonceca Cand na run do- Ko/ario larga
Mr. Riisel relojaeiro francez no
atierro da Boavista, acha-se prompto a
concertar qual juer relogio que lhe seja
confiado, por mais commodo preco ; elle
obriga-se a restituir o dinheiro ru liver
recebido ero pagamento de qualquer con-
cert que nao foi bem executado e est
pro npto a tratar por anno com os seos,
freguezes por milito mdico preco obri
gando-se a concertar com loda a brevidade ,
os relogios de seos freguezes tanlaa ve-
zes, qoantas precisarem no decurso do
anno.
Aquello Snr. que qmser aprender a
Arte d'lmpressor para guihar logo que
alguma cousaenleoda ou mesmo, queja
teuha algum principio da mesma Arte ,
sendo de boa conducta e amigo do traba-
Ido : procure ao Impressor Joio Fernn
des da Cruz no 3 audar da esquina da
travessa do Queimado para o Rosario a
tractar do ajuste.
Preoisa-M de a atara e camvas
grandes ou prquenos para vender azei-
te pagando-se 18 viutens por ranada :
qum os tiver dirija-jeas Bem a Ventu-
ranzas, 1.* andar do sobrado da esquina
do lieco que vai para a ra d'Ortaa.
Precisa se de hum rapas qua lenha
de i5a 16 annos ueuco maia 00 menos ,
para Caxeiro de urna casa do Pasto na ra
da Alfatidaga velha prafere se qua seje
Portuguea: dirija-se a mesma casa a ci-
ma.
Queta precisar da um Ctixeiro Por-
tuguez para Escriptwio despachar no Al-
fandega cobrancas ou ouira qualquer
occupicio peilenceate a escripta, assim co-
mo de oiilro para loja de fasendas do qua
tem pratica, m% quaes da o fiador a sua con-
ducta : annuacie.
Os TeatamentaVos da flecido Da-
mingos Rodrigue* dot Pastos, avisto a to-
llas as Oifa, a que te achao prora* t ti do*
os dotes deixide por aquello falecido, que
cuida na sua habilacio per todo o lia
desta corrente tnno, o qe nao cumprido;
elles Tettamanteiios solicitaro aveiifica-
eii> d-i(e Legado para com nutras que es-
tejo em iguaes circunstancias.
Q.iea precisar de huma ma delei-
te: dirija-te a ra velha O. 3i defronte
de urna casa nova que lera venda.
Urna parda forra demuito boa conducta
e deligente se off.-rtce para qualquer servi-
co de a ata d ceta eslrangeira : airas da
Matriz da B -sitia, loja do tobrado do
Vgario do Cabo.
Necessila se de uro horoem para ir as
Alagoas levar urna encommenda : na rat
da Cadeia velha N.* (i.
Aluga-se parte de urna casa para a
Festa, ou por anoo em um sitio em S*
Amaro constando de duas ssllas duas
ctmarinha, sola ccosinhs, ludo in-
teiramente sepirado da pequea familia
que reside nellas; n8 te dlugar se nao
a familia capas a qual igualmeute poder
se utilisar d 11 frutas 1 q-inm qniser diri-
ja-te ao campo de S, Amaro, na venda
do enestie Berlo', que lhe dar s inl'or-
macuss necessarias ou a esta Typogra-
fia.
Precisn-se de urna de (eite : ni ra
Nora venda de Manoel Fernandas Li-
ma.
A*lugs-se urna escrava para vender
a xeite na ra e p.iga-se 3b'o a 400 rei
diarios alem docommestivo : quem a tirer
annuncie.
Quem precisar de urna mulher bran-
ca de bns costumes pira ama de casa
qual engoma cosinha e fz todo o servi-
co de uros etsa : quem a pertender dirija-
se a ra do Cotovello depois de passar o
beco dasBarreiras casa n. 6\o D. at
Quem annunciou querer saber qs er-
deiros que tem parle na casa da ra da
Aurora I). 7 se achao emancipados judi-
cialmente pira va 11 d. casa ; pode dirigirse ao Cartorio do Es-
crivio dos Orfas evirao coihecimento
da dtrlaracio que pede.
Qualquer Sanhor Reverendo Padre,
que qmser hir para a Villa do Bonito diser
Missas pela Festa do Natal e ficar annual-
menle recebando 3oo,ooo reis e maia
algum is p'irpinas Estola que da o fiv.**
Vigario da Freguesia : sendo que quei-
ro dirija sa a loja de Harculanu Jos de
Freitat esquina da Pracinha do Livra-
mento.
Quem quizer comprar'usaa escrava
de nicio e de bonita figura nio tem vi-
cios ntm achsques corintia o disrio de
ama casa lava de sabio e de varrela :
in ra da Aurora Decima 10 segundo
andar-
Quem quizer comprar um violo ,
com boas vozes annuncie.
I'iodiipc.io Litteraris.
_. Poezias e improrizos de D. Delfna
Benigna di Cimba, natural da Provincia
de S. Pedro do Rio Grande do Sal, e mo-
radora na roa de Santa Tliere/a desta Ci-
dade. Esta obra que p ir sua natureza se
faz digna do acolhimento dos lira i le ros
Lilteratos, deve inda mais merecer a
proleccao dos Philantropos por ser pro-
ducto de huma Seohora que privada da
vista des de o beico, e tendo apenas vin-
te mezes de idade constitoio-se um Ge-
nio raro na Echolla das Muzas ond
honra a sua Patria e abrilhanti o asa1
amaval qua to digna prtante.


*
DIARIO DE PERNMBXCO.
^stKKr^nami
*
-t "'- iiwi a&Hkau
i-tn^-jr-.'jr.v
r-aaa
3Baaut2raarjaBrjr
Nao he a gloria quena me convida a
azrra presente publicaco: nena posso ter
pretenges a luuvores ; a mihha obra os
nao merece, disso tenho consieunia Qual
s*v pois o motor da audacia com que
o publico ofereco rneus versos ? L-i lores
he a, ucc-ssidade A necessidade he
o ttifu mor proprio eu nao posso ter ou-
tro. Filha do Rio Grande ah, nos es-
tragos geraes, eu padec e pudeci iuu-
to : foi-me forcoso recolher ainda urna vez,
ao Rio de Janeiro: mas prt-ciso viver .'
Tenho precisio de recursos ee peco re-
cursos fferecendo em troco o nico tra-
balho de que he capaz quem he cog desde
o be/co !
l.stt peosamento he o nico que devia
estampar do frontispicio desta obra assim
o fi'.-
Podem dirigir-se abraca da Independen*
i lo|a de livros n. '$) e 38 os Snrs. que
quiserem subscrever para essa obra cujo
piologo a cima traiiscreveinos : ella se laz
digna do acolhimenlo dos Brasileos Li-
teratos e deve ainda mais merecr a pro-
teco dos Philautropos, por ser producto
de urna Senhora que privada da v'sta
desde o berco e temi apenas vinte me-
es deidade conslluio-.se um genio raro
na pcolhas ds Musas onde honra a sin
Patria e abrillanta o sexo amavel a que
lio d'gna pertence. .
Preco de cada volume r.ooo rcis que
sero pagos o receber se a obra.
-.- O abaixoassignado fax sciento aos
seus credores queehconsequeucia da reso-
luco par elle turnada sobre seu negocio
como ja fez sabedor aos raesmos seus cre-
dores pelos annncios inseridos no Diario,
como pes cu tas que com antecedencia a
todos remetteo, pr isso mandn vir da
Cidade da Parahiba o restante de urnas
miudesas que por sua, conta as tinha man-
dado vender, importando em 3 >?,-'20 as
cajas ja se achavo em poder do abaix as-
signacrf, e prompto a entrega-las para s
reunir as pinborada* e entrar igualmente
em rateio. -- Jos Alves da Silva Guima-
siarfes.
..- Precisa se de urna pessoa que tenha
boa letra e que entenda de escripturacio
a Gm de por em dia urna escripia; qual-
juer pessoa que estiver nesias circunstan-
cial dirija se a ra do Queimado loja de
fazendas D. 8.
-.- Alu;;ae para se passar a festa, urna
boa casa de pedra e cal cora 4 quartos ,
duas salas cozinha lora e um sofrivel
copiar no fundo da dita na ra da Man-
j'ueira no poca da panella, a ultima que
tem cornija, com seu parto ao lado; quem
pretender dirija-se au pateo da Igreja de
J\\ S. do Terco sobrado do um andar De-
cima .
Aluga-se qualquer andar de um so-
brado pagando-se por mez 14.000 na* se-
guintes ras: cadeia, collegio, Queima-
do crespo larga e eslreita do Rozario ,
edo Livramento que tenha commodos
para familia : nesta Typografia.
Aloga-se na ra do Vigario n. 18 ,
no primeiro andar urna excedente ama
de leite cujas qualidades se aiancio. >
Alga-se urna negra boa quitandei-
ra a selle per da esustendo : annuu-
eie.
Urna mulher de bons coitumes e
que sabe cozinbar e eogommar com per-
feico se ofFerece a prestar os seus ser-
vicos em casa de um homem soltriro ou
de pouca familia dmdo os precisos co-
nhscimentos de sua conducta : na ra da
larangeira I), la. ,
r- Alugo-se o segundo e terceiro an-
dar do sobrado D. 1 e o segundo andar
D. a na ra da Penha com os fundos pa-
ra o beeo de S. Pedro ; quem os preten-
der dirija-ie a ra das Trrncheiras no
primeiro andar do sobrado D '<3.
- Quem aununciou no Diario n. a3i,
querer para passar a festa em Olinda urna
casa com quintal grande com arvoredos ,
sendo queira um primeiro andar de um
obrado nos 4 cantos com as particularidad
de* exigidas at janel as'em um oiio ,
que tenha capacidade de ter vaccas para
o lempo de festa ; annuncie'.
-- Quem precisar de urna ama mudo
capaz para o servico de urna casa dirija-
se ao becoda cacimba no primeiro sobra-
do de um andar com varandas de forro.
Convid5o.se os socios Euterpinosa
mandaren) buscar os seus bbrtea, para a
partida do dia 47 do corrente a casa do Sr.
Thesoureiro da sociedade.
Precisa-M de alugar no bairro da
Boa vista at a solidade um sobrado de
dois andares ou de um sendo com sitio ,
que seja grande, da-se um ou dois metes
adiantados ou Mador, nao excedendo o
preco de 5oo 000 ; quem tiver annuncie.
Precisa-se de alugar urna prt-ta < a-
ptiva que saiba vender na ra e. seja
Re; quem a tiver dirija-se a esta Tipo-
grafa.
FRETA-SE para qualquer porto do Rio
da Prala a bem construida Esruna Porta
gueza Esperanca de lote de 2(38 toneladas
pregada e forrada de cobre quem quiser
carregar ou ir de passagem dirija-se a ra
da Cruz n. 6.
PARA O ARACATY muito velleira
Sumaca Felecidade Mestre Jos Rodri-
gues Pinheiro; quem na mesma quiser
carregar ou hir de passagem dirija-se ao
dito Mestre ou ao Consignatario Anto-
nio Joaquim de Souza Ribeiro.
PARA A BAHA segu com toda bre
vida o Brigue Nacional Carolina; quem
quiser carregar ou hir de passagem diri-
ja-se a bordo ao Capito Bernardino Pe-
reira da Veiga ou a Gaudino Agostinho
de Barros detraz do Corpo Santo.
PARA O MARANAO', sahir com
toda brevidade que fur possivel o heaa
conhecido Brigue Olinda ancorado defron-
te do trapiche daalfmdega velha quem
quiser carregar ou hir de passagem din-
ja-se a casa da vjuva Gonsalves l'eneir
& Filhos na ra da Cruz.
LELAO,
O ultimo leilo de Airad Fradel e
Dangla Frere ter lugar hoje ab do cor-
rente principiando logo as q horas da
manhi para poder acahar-se advertindo-
se que alom das fazendas ja annunciadas ,
teru mais um socliment de obras de ouro,
como didaes, botos pua aberturas, brin-
cos finos de filagr trancelins de oiro ,
rosetas caixas de prata douiadas e el-
inefes de peito de diamantes.
Noarmasem de Fernandas Jos Bra-
gu'z junto ao arco da Conceico de 5o
rollos de fumo vindos do Rio de Janeiro
na ultima viagem do Brigue Bom Jezus ,
no da terca feira 3o do corrente as 10 pa-
ra as 11 horas da manh.
C O M I* R A S
Urna cabra parida de pouco lempo ,
que tenha bom e bastante leite, e seja
mansa ; quema tvr annuncie
VNDA
Urna escrava moca de boiita fi-
gura boa costureira e rende bem tratar de meninos a vista do com-
prador se dir o motivo: no atierro da
Boa vista loja de trastes.
Um moleque de ,i5 annos de dade ,
ptimo para todo o servico de urna casa;
e urna preta de ao annos de dade cozi-
nha engomma cose, e ludo faz com
perfeico : no pateo de S. Pedro sobrado
de um andar D 8.
Duas cmodas de Jacaranda urna
escada de mao por preco commodo : na
praca da Independencia n. 34*
Uma escrava boa lavadeira de sabo,
engomma e f.z todo o servico de urna
casa e um-moleque de idade de 10 a 11
annos : no Recife no botequim de Jos
Caetano.
- Ou troca-se por'urna negrinha um
molatinho de 10 annos : na ra de Hur-
tas sobrado de um .-indar I) 8.
Sorvetes de diversas qualidads no
botequim da ra dos Quarteis D. 8 das 6
horas da tai de as nove da noite e oIfere-
ce as familias que queiro tomar este re-
fresco urna di rente sala no primeiro andar,
que promete servir a conteni das ditas.
Mmleiga boa a 4<"> a libra e
mais ordinaria a 3aoe a a4o : na ra do
Rozario venda defronte da Igreja Deci-
ma 15.
Carlas de sylabas e nomes e al-
guns conselhos raoraes e tambem taboa-
das com algumas explicaces de Bezout ,
mui proprias para principiantes. e por
precos commodos : na ra Direita D. 26 ,
lado do poente loja de couros do Sr. Bas-
tos.
Urna casa na campia da casa forte ,
de pedra e cal, com 3o palmos de largo ,
e 75 de fundo com duas salas 4 quar-
tos cozinha fora estribara, 5 cacimba
com boa agoa de beber as Ierras sao pro-
piias, muilo fresca e com boa vista : a
tratar na ra dos Martirios passandoa Igre-
ja no primeiro andar do primeiro sobr-do.
Sacas com feijao novo pela medida
velha por preco commodo : na roa da
Cadria n. 7 casa de Mendes e Oliveira.
Cautelas da Lotera da Igreja do Li-
vramento queesl preste a andar as ro-
das para os fezes passarem a festa com
mais praser preciso he concorrer a com-
prar o resto na ra do Livramento Deci-
ma 7.
Um degro de angico nvernisado ,
com pouco uzo e commodo preco : na
ra do Queimado I) 3.
Urna morad 1 de casa com bons-com-
modo" quarto grande separado na frente
em chaos proprios ,* sita na Cidade de O-
linda na ra do Bom fim logo no princi-
pio : a tratar o>r detraz da ra das -'lo-
res na ra da Paz D. q'3.
- As seguinles obras novas chegadas
ltimamente de Caris ricamente encader-
nadas e a preco cmodo a nova Helloiza
4 v. manual de chimica devertida e um
volume : .no pateo de S. Pedro loja de en-
cidernador.
Sacas com farinha de mandioca do
Rio de Janeiro a 5doo : no armasem de
Fernandes Jos Braguez junio a botica
confronte ao arco de N. S. da Conceico.
Urna porco de cordas proprias paia
andimesde obra, por ter servido pouco
lempo e algumas pener.is para cal : no
arm mero 5.
-- Urna mola la de 5o annos de idade ,
muito cUra engomma e cose : por ci-
ma da loja de ferragem n. 6(i defronte do
O Numero 74 do ECHO da Religio beco da Congregaco.
edo Imperio : na praca da Independen- -- Urna prela de 18 annos de idade.de
cia loja de livros n. 37 e 38. bonita figura faz todo o servico de urna
- GELOa bordo do Brigue America- casi : na ruadocbug D. 1.
no, estacionado muito junto a escadinha .-. As Conslituices do Arcebispo daBa-
do caes da Alfandega dando se gratis o hia, por preco c >mmodo : na ra do
transporte aos c impradores : de 4 libias Queimado loja de ferragem D..:o.
co mais commodo possivel : na ra d?
Larangeiras D. 6.
Um moieque do gento de angola
de idade de 18 a iq anuos muito pussan-
te com prjncipio de carpira econnheiro
sendo para f;ra da Ierra, ou para enge-
nho : >>a rus da Cruz-n. Um escravo de naci costa, de i de de ao annos muito forte proprio para
o servico de padaria por ter algurna pra*.
tica um dito de angola bom para tratar
decavallos, urna negra ptima''costureira,
um moleque muito ladino de idade de 10
annos e um dito de naco mucamhiqut*
de idade de -11 annos, de linda figura
sem vicios nem achaques : passando a
Igreja dos Martirios no primeiro andar'do
primeiro sobrado.
Urna negrinha de r3 a i4 annos,
de linda figura engomma cozinha o
diario de urna casa, e lava de sabo : na
ra Direita D. jo lado da Igreja do Livra-
mento.
. Urna escrava de valor e merecimen-
to famozMRinia engommadeira muito
boa reudeira, costureira, cozinha bem o
diario de urna casa cujas qualidade nao
sio exageradas do co*lume ; porem sim
existem na realidade que a fazem credo-
ra de maior preco : na ra da Cadeia do
Recife casa n. 26 a vista do comp. ador se
dir fielmente o motivo.
ESC HA VOS FU(3N)0S
Fugio no dia 28 do corrente urna es-
crava de nome Joanna do gento de ango-
la levou vesttido urna sai de cuita' azul e
um vestido de sedinba da mesma oor,e
urna baeta preta e conserva sempre um
lenco na cabeca pelos cabellos brancos ,
que tem na cabeca de idade avancada ,
portaoto roga-se encarecidamente aludos
os capile-- de campo 011 outra rjuaiipiT pes-
soa que a pegar leve a ra de S Thereza
D. 6 que ser bem recompensado..
.No dia 1,8 do corrente fugio do Re-
cife um negro de -nome Joao de naco
c rogo l>ixo hunda gTanue tapora-
da, levou camisa e seroula de algodo da
trra urna sania de pinna de a'goilr
pintado chapeo de palha he bastante
bued porem sabe dizer o nome de sen
Sr. Joao da Cunhi IVjagalhes morador
no Recife ra da Cadeia cujo negro anda
oceulto no mato pela freguezie da Varzea,
suburbios do Eugenho do meio pois hia
untocunrmai* tres os quaes na occasio
que forio aptnhados o dito pode envadir-
se para dentro do mallo ; quem o pegar ,
levea casa do mencionado, que recompn-
sala.
Desde 8 do corrente Outubro fugio
da leuda de sapateiro defronto da cadeia ,
o cabra Severiano escravo de Antonio
Francisco Xavier de Vasconcellos que
representa ter 18 anuos de idade, secco
do corpo estatura ordinaria lem urna
sicatriz de um iado do narra que se exten-
de at a face; quem do mesmo tiver no-
ticia, ou apprehende lo dirija-se ao Coro-
nel Jos de B-rros Falco de Lacerda ou
ao Commandante do Corpo Policial, que
ser generosamente recompensado.
MOVIMENTO DO PORTO
duas sallas de frente e po.to para outra
ra e por preco muito commodo ; falle
ao irsli ibuidor do Diario em Olinda.
Aluga-se urna das lojas do sobrado
jn ra dofogo n. 38a : na pracinha do
i juramento sobrado D. %1.
- Otrta livor para, jugar ai sitio,
( o menos peso ) at urna arroba a no a
libra : de arroba para cima a 100 ris ; he
franca a venda e conduelo das 6 horas da
manh as 6 e meia da tarde.
Urna parelba decavallos ja ensina-
dos para cirrinho e um bom cavado es-
quipador : no atierro da Boa vista casa
do segeiro Emilio.
Urna bonita escrava de idade de 20
annos cozinha o diario de tima casa, en-
gomma,
D. ai.
e eos* b> ra\a i< Tkercia
Urna escrava muito boa cozinheira ,
lava de sabio e he boa quitandeira ; na
ru 1 Augusta casa junto a urna nova que
se est acabando.
- Um.- escrava de 17 a 18 annos de ida-
de lava bem de sabio, cozinha o diario
de urna casa a he ptima quitandeira :
na ra do Aragio D. la.
Urna poico de garrafas vazias a 60
rs. e botijas a 5o rs. : na venda da quina
dtfronte da Igreja dos Martirios.
^ In piaa fertt, iaglar, palo pre-
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 24.
RIO GRANDE DO NORTE ; 6 das. Pa-
tacho Nac. Conceigo Oliveira de 3l
Tonel., M. Andre de Souza Miranda,
carga algod e couros ; passageiros
Major b'elis Francisco da Silva Mano-
el de Miranda Neto o Minoel Ferrei-
ra de Moraes.
BAHA ; 11 dias Patacho Nac. Sympa-
ihiadeGt Tonel M. Florencio Ier-
re ira de Samuaio, carga farinha: ao
Mestre.
OBSERVACES
No dia a5 as 6 horas da tarde deua vella
o Paquete luglez Opossum para Ingle*
trra.
PeI. A Tif. M U t. Dr. --;- 83g;


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED8TCK4NG_57N7RL INGEST_TIME 2013-04-12T21:38:00Z PACKAGE AA00011611_06041
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES