Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06040


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AJSNO DE 1838. QUINTA FElkU
yi_LLJI___________SSB2S2SZ---------- '.....I Ll
CAMBIOS.
Ontuhro 2-
Londres a, 8 Ds. St. por i#ooo cerl.
Lisboa 90 95 por 100 premio, por racial: Nora.
lirauca"34o a 3<5 Rs. por franco.
Rio de Janei ro nopar.
MoecUs de'6#4oo i5jf>oo as velhas, novas ^joq.
4j?ooo 8#iooa jpoo
Pesos Columnarios i#6go a ij?7"o
Pitias Mexicanos ijjf68o a itj&iS
pUacoeus Brasileiros i#6go a'1^700
Premios das Letras, por mez 1 a 1 e 1,2 por 100.
Cobre 3 p. c. discoiilo. *
PARTIDAS DOSCORREI03TERRESTES.
Cidade da Paraiha e villas de sua pretenr.no ..... .,
CdadedoRioUranledoNorte, e villas dem ScKundas e Sextas eiras.
t'. dade da fortaleza e villas dem.......i
Villa de Goianna............'
Cid.idedelinda .......... Todos os dias.
Villa de Santo Antao......... Quintas feiras.
Dita deGnranliuns e Povoaco do Borftp. nias 10, e-a{ de cada mej;
pitias do Cabo Serinhaem,' Kio Formoso, e Porto Calvo dem 1 11, e ai ditto dio
Cidade das A lagoss, e Villa de Macul...... dem den.
Villa de Pajau'de Fiares.......... dem 17, dittoditto
Todos os correios partem ao meio dia.
25 DE OGTUBHO. NUMERO 23.'
Tudo a^ora depende de nos mesrnos ; da nossa prudencia,
moderaro e encigia : continenlos como principiamos,
e seremos apontados com admiraco entre as Mac oes mais cul-
tas.
ProclamacSo da Assemblea Geral do Brasil.
Suhscreve-e para esta follia a mil reis metjsaes pagos adi-
antdos nesta '1 ypografia, ru das Cruies I). 3, e na Praca
da Independencia "7 e :, onoc se receben correspon-
dencias legalistas e nmincios : i-isii inrto se estes gratis
lendo dos pronrios assignantcs, e vindos assignados.
DIAS DA SEMANA.
it Segunda S. Maria Solme. Aud. do Juil a3 Terca S. Romo B. KelacXo de manh and. do J. do Or", de tarde.
li Quarta S. Baf.el Arcanj. Sesso da Tbesouraria Provincial.
25 Quint S Crispim e Ciispiniano M. Relaco de raanh e audiencia do J. dos orlaos de t.
a Sexta S. Evaristo P. Sesso da Tbesouraria Pub. e aud. do Juiz do Civel de t. Quartu
grescas 6 horas e 18 rain, da manh
2- Sabbado S. Elesbo Imp. Relaco de manija, e aud. do V. G. de tarde.
28 Domingo rf. Simio e S. Judas App.
Mar cheia para o dia Tj de Outubro,.
As 1a boras 5o minutos da raanh ~ As 12 horas 5J minutos da tarde.
PSRTE OFFICIAL,
RIO DE JANEIRO.
CAMBRA DOSSENADORES
Sesso em 25 de Agosto de 1838.
Pressidencia do Snr. Mrquez de Bae-
peody.
Feita a chamada wachando-se presente
numero legal dos Snrs. Senadores, o Sr.
Presidente abre a sesso, e lida a acta da
anterior Jieapprovada.
1 O Snr. primeirp secretario da' conta do
expediente.
Ordem do dia.
Ha approrada em primeira e segunda
discussio a fim de passar a terceira, a re-
nlnco que sutorssa c gorerno a pagar a
Antonio Pedro de Alencastroa qqanlia de
3:3(iuUrs. que o mesniodespendeu na vi-
agem que fez da Capital de Mallo-Grosso
para esta Corte.
Entra em primeira discussa a resolu-
cio que approva a penco concedida ao
rlutor Antonio ("arles de A mirada Ma
diado e Sijva, de 8aoU rs.
D>'pois de disentida, he approrada pa-
ra passar a segunda discussio e, entran
do nella, vem a mesa o seguin.te emenda :
Depois do nome do agraciado, dga-
se :-- em remuneraco dcss elle prestados a independencia do imperio
.- J J. Borges.
Em higar de dos ptejuisos -diga-se
r- da cessacao da remuneraco de servicos.
Vergueiro.
^jo apoiadas, e feqd.o' o Snr." Borges ,
coro pe missao rio senado, retirado a sua
emenda, approva-sea rcsolocSo para pas-%
sara terceira discussio nao passando a
oulra emenda.
Sao approvadas crp segunda discussa
para passara terceira, a resolucioque au-
101 isa o director da escola de medicina da
forte para admillir os exames preparad-
nos a Luiz Manoel Velho da Silva c
em primeira e segunda para passar a
. terceira a resoluca que approva a apo-
sentador ja do. Padre Joa Rodrigues de
Ara ujo.
. Fica adiada, pela ora atihima discuco
do parecer da commisso de constituico
a respeito da pehsi. concedida aos filhoa
Jo fallecido visconde de Aira niara.
O Snr. presidente declara que se hia of-
ficiar ao ministro da guerra convidan -
do-o para assislir na primeira sesso, a
disrussa das forcas de trra pelas 11
horas, e>da' para ordem do dia n conlinu
aca.5 di materia addiada; primeira e se-
gunda discussa das reso!u>,es autor Ban-
do a matriz de Valenca para possuir os
bens deraizque constituem o patrimonio :
coneedendoannualmen^e op contos de reis
para mellioramenlo da estrada nova entre
WaitoGrosso. e S. Paulo; approvando a
penso do Jio da Silva Tavares; man-;
dando admitir a matricula do quarto anno
3 estudantes ; concedendo huma inde.m
nisacao a Ignacio Ri^aud e outro ; e, logo
qae chegue o ministro da guerra a pri
meita e segunda discussa das Torcas de
trra.
Levanlou-se a sessa as duas horas da
tarde.
CMARA DOS DEPTADOS.
Sessa em a5 de Agosto.
Presidencia do Snr. Araujo Vianna,
Logo que se rene numero legal de de-
putados, lie aberla a sessa, lida e appro-
vad< a acta da anterior.
O Senh.ir primeiro secretario da' conta
do expediente.
Ordem Segunda parte.
Julga-se ohjecto de deliberarlo e vai a
imprimir um projecto do Sr. Clemente
l'ereira para que a cmara municipal
do municipio da corte mande jmmldrMa-
mente atterrar as ras do Mangue da cida-
de npva entre a ra da Calumhy e a
do Atlerrado lano lateraes como ir&ir
versaes principiando pelas que ficofr-
teiras e mais immediatas a casa de cor-
receo c.
Julga-se ohjecto de deliberaco o yae
a imprimir outro projecto do Sr. Reg
Monteiro que ele* a o n. de deput< pela provincia de S. Pedro do Sul a 5 ,
as da provincia de Santa C tharina a a ,
do Espirito Santo a 1 da Ser pipe a 3 ,
de Pernambucoa 14 do Rio Grande do
Norte a a do VJaranho a 7 do Para a
t e de S. Paulo a 10: eleva igualmente
o numero dos senadores em observancia
4o art. 4x capitulo 5. da constituirlo do
imperio, procedcndo*se as eleices des-
de j, *
Vem a meza para se enserirna acta a
declaraco de voto dos qge votarlo para
que nao passasse para terceira discussa a
lei do orcimenlo assignada pelos Srs.
A. P. Limpo de A bree. F. Alvares
Machado. J. P, deCarv;lho. P de
. Cerqueira Leife. A. ds Cosa Pin-
to. _- 15 piisla Cietano de Almeidi. _
Gomes da Fonseca. -_ Peixoto de Alen-
car, -.Cerqueira Leite. T. B. Olto-
ni. Albuquerque Cavalcanti. Mon-
tezona<
Ci ntina a tercrira discussa addiada
do projecto sobre a anta casa da miseri-
cordia d'esta cidade e emenda apoiada do
Sr. Clemente Pereira.
A eme- da approvada e o projecto a-
dotido e remedido commisso d re-
daceo.
F.htra em disruso a resoluca d'esle
anno que approva a merco da tenca anim-
al de oitenta mil rt!is feita pelo governo
em decreto de i5 de junho do correte
anno ao major de artilheria de marinha,
Luiz Manoel Goncalves, em remuneraco
de seos servicos.
O Sr. Vi.mpa manda ; meza a seguinte
emenda Que sejo discutidos os pro
ject'S sobre tencas e penses pela ordem
da antiguidade da concesso. n
Esta emenda involve um addinmento ,
que apoiado e entra em discussa : e a
final approva. se o addiamento.
2. Parte da Qrdem do Dia.
Eptra em segunda discussa o seguinte
projecto de decreto.
A assemblla geral legislativa decreta.
Art. 1. A pilavra _. municipal do
art. io 4 do acto addicional compre-
hende ambas as outras anteriores poli-
ca e economa as quaes ambs di/em
respeito s seguintes prpeedendo pro-
postas das cmaras. A palavra polica com-
prehende somente a politicia municipal
administrativa e nSo a judiciaria.
Art. a- A faculdade de crear e supri-
mir etnpregos municipaes, provinciaes,
concedida s assemblas provinciaes pelo
\ n. do art 10 do actoadriicional somen-
te diz respeito ao numero dos mesmosem-
pregos sem alterapo da sua natureza e"
atnbuicis quando forem estabelecidos
por leis geraei relativas a objeclos sobre
os quaes nao podem legislar as referidas
assemblas.
Aft. 3. O 11 do mesmo artig- s-
mente diz respailo aos empregados pro-
vipciaes creados por leis provinciaes,
ou ainda mesmo g raes relativos a ob-
jeclos, sbreos quaes podem legislar as
assembl is de provincia.
Art, 4. A palavra magistrado de
que usa o 7. do artigo ti do mesmo
acto addicional nfo comprehende aquel
lea que o 7. do artigo 10 concedem
geraes.
Art. 5, Na decretado da suspenso e
demisso dos magistrados proeedem as
assemblas provinciaes como tribunal de
justioa. Smente podem por tanto impr
laes penas rm virtude de queixa por
crimes de responsabdidade a que ellas es
t impostas por leis criminaes anteriores,
observando a forma do processo para t-
es casos anteriormente estabelecida.
Art. G O decreto de suspenso ou
demisso dever conter 1 1. o velatorio do
facto, 3. a citaco da lei em que o
magistrado est incurso 3. urna succinta
exposico dos fundamentos capitaes da
diciso tomada.
Paco da cmara dos depulados 10 de
julhode.1837. Paulino Jos Soares de
Sobes1. M. Calmpn du Pin. H. H.
Carneiro f-co,
Declara *e estar em discussa o 1. arti-
go do projecto ,, e sao apuiados dilJ'eren-
tes artig'os additvos.
O Snr. Pontes Visguriro manda a me-
za um requerimento de additamenlo do
projeto al que a commisso de justica
criminal appresente ui piojecto de re-
forma do cdigo criminal, discotindo este
com preferencia a do acto addicional
consliluica do Imperio.
He apoiado, e entra em discussa.
De combatido o addiamento pelos Snrs.
Autrada Machado Nunes Machado ,
Gomes de Campos, e sustentado prloSr.
Ponas Vttgueiro j e tendo falhdo mais
sobre a raaterii o Snrs. Henriquc de Re-
sende Csrneiro I-ea, Pacheco, e Moo-
ra M'igalhanes, di-so por discutido o a--
diamento, e he regetado.
Continua a discussa do primeiro artigo,
que Bca adiada por dar a hora.
O Snr. IVesidenle d para ordem do
dia a mesma de boje.
Levanta a sessa depois das duas b oras
da tarde.
PERNAMBUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 17 de Outubro de
Olii'io Ao Conimandante das Armas,
respondendo-llie que par a Vlce-Presi-
dencia mandir rec-ber no Arsenal de.
Guerra os objeclos constantes da relaco
que acompaniou o seo orficio de 6 do cor-
rente mez, portencenles ao Hospital Re-
gimental do 4 Corpo de Artilheria e
dados em consumo p-lo respectivo Con-
seibo administrativo; fiz-se mister que re-
meta a copia do termo de incapacidad
de taes objeclos embora nao baja necessi-
dade de seren substituidos por outros.
Dito Ao Cjmmandanle Superior da
G. N- do Recife para ordenar que hutn
Capil) da mesni G, N. se aprsente ao
Commandjnte Geral do Corpo de Polica
a fim de servir de vogal nos Conselhos
que se tem de faser em dito Corpo e so
achfo parausados por falta de Primaros
Commandantes.
J)ito -iAoCommandante Geral do Cor-
pode Policia communicando-lhe aex-
pedico da ordem supra.
Dito Ao mesmo respondendo ao
seu omcio relativamente ao contracto leito
pelosou antecessor com Antonio Jos dos
Santos IJemfica a fim de construir um so-
bradinho no Quarlel da Coropanhia de
di vallara do Corpo do seu Commando ,
visto ser neceSsario augmentar se o dito
Quarlel pelos motivos por elle expendidos
nooHcio de 19 de Junho do anno passa-
do que posto.0 dito contracto-nao tves-
se sido approvado pela Presidencia neo
ter havido autorisaco alguma para o fa-
zer por qujnto a nica que se deu ao
seu antecessor fot a de faser a o'bra que
elle requisitara sob sua inspeceo pagn-
dose as despesas mensalmente pebj The-
zouraria avista das contas por elle apre-
zentadas o que importa a sua nulidade
muito principalmente excedeodo a impor-
tancia da obra a consignadlo marcada p la
Lei Provincial de 9 de Junho de 153;,
para os Qitarteia do Corpo e'' Destaca-
mentos laddvia nao duvida a Vice-Pre-
zidencia mndalo executar, sujeitando-
s o mencionado Santos Bemfica a con,dic-
c5o de receber somente a quota que re*
no fim do anno financeiro correntedepois
de deducidas as despesas com os dito
Quarteis e assim por dante al prefar
i





s
D K PRRRAMBUGO.
xer-se a quaotia em que a obra foi con-
tactada visto que por um lado taes des
peas sao argentes e corno taes na5 po-
dem ser propostas pela obra de qae se
tracto e por outro nao deve exceder a
quantia de 1^00,000 res consignada na
Le do Orcamehto.
Dito _. Ao Administrador des Bens dos
Orlaos respondeodo ao sea oIEjo em
que pargunta se deve continuar a pagar a
os Padres Jos Goncalo e Vicente Jos
Pereira Guimaraens as diarias que a Le
de 9 de Dasembro de i83oib.es concedeu
como perlencentes a ex ti neta Congregicio
do S. Felippe Nere visto que so achao
as mesmas circunstancias do Padre Lau-
rentino Antonio Moreira de Carvalho ;
que a Administraolo como eoca regada dos
bens que fasio parle do patrimonio da di-
ta Congregaco competi velar sobro
o legal dispendio dos mesmos bens boje
consagrados u suslentacio dos rfaos
eporconseguinle decidir sob su-i respon-
sabilidade so deve ou nao continuar aos
ditos Padres o pagamento referido.
Expediente do dia 18,
Officio Ao Director do Arsenal de
Guerra ordenendo-lbe que mande fa-
zer um novo porto na entrada do Quar-
teldo Hospicio, visto que o aciuil pelo
seu estado ruinoso nao admite o concert
que foi ordenado.
Expediente do dia 19.
Officio Ao Inspector da Thesouraria
pira mandar abrir os necessarios assentos
o Cirurg. J. Elias do llego Dantos Horne-
ado pela Cmara Municipal de Santo An-
to e approvado pela Vice-Prezidencia
para Encarregado da vaccina n'aquelle .Viu-
nicipio.
Dito A Cmara Municipal de Santo
Antlo ,. coinmunicando lhe a expedicaG
da ordem supra.
. Dito A Cmara Municipal do Li-
moeiro, respondendo ao seo officio em que
consulta se est obrigada a pagar juros da
quanlia de 2^0,000 rs. que deveao Cida-
uao Francisco Antonio da Silva de alugueis
da casa em que faz as suas Sessoens desde
i8aa, que nenliuma obrgacio tem de
pagar os ditos juros nao s parque a de-
mora do pagamento nao procedeu da C-
mara mas da indolencia do Cidadao
mencionado em cobrar a lempo o aluguel
que se lbe devia, como porque nao bou-
ve ajuste que os estipulasse.
Dito Ao Director do Arsenal de
' Guerra para informar parque precos fo-
rio compradas as 110 resmas de papel car-
tuxinho mencionadas em seu officio de 18
do correte.
Expediente do dia ao.
Officio Ao Commandante das Armas,
para informar acerca dos serviros presta-
dos pelo Capitio-de i.* Linlia Jos Fran-
cisco Vaz de Pin bo e Carapeba morto na
Guerra de Panellas e Jacuipe, afim de que
possaser levada ao Goverao imperial o
Requer me uto de llofino Coelbo da Silva,
Tutor da Menor Elisa Var de Pnbo e Ca-
rapeba illia legitima do dito Capilo em
que pede urna merc pecuniaria.
Portara Ao Commandante do Pata-
cho Conceiclo, para seguir para a Pro-
vincia das Alagoas a fim de conduzir os
recrutas que se acharem promplos e al-
f urnas madeiras se assim ib o ordenar o
Exm. Prebidente d'aquella Provincia.
_DIVERSAS REPARTICOENS.
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta be a mesma do num. 227.
GOLPE DE VISTA.
Na-Administracio Provincial da Babia.
Longe e bem longe da nossa mal apara-
da penna o mover-se pelos adoriferok per
fumes que de ordinario exaliro os d ai-
rados turibuios di faafanona lisonja: nao,
sao elk se vangloria sim, mas be em
collocar-se sempre nos altares da iroparcia-
lidide rendendo soeaente cultos ao me*
rito e virtude, de maoeira que qual
desembainhada espada d* vendada Astra
horisontaluiente cortando aurferos padro-
ons levanta ao merecimento ao herois-
mo e a sam verdade. Bastava que as
doutas peonas para correeiodos humanos
despresassem vis bajulacocns, e te*cessem
Cipellas da verdesdouros e com ellas
coroassem a candida vi iludo quer hab-
tasse em grimpsdos Palacios, ou rasas
chopa as pintando ao mesmo lempo com
as inais negras cores o carrancudo carcter
do odiando ^icio. di perGda parcialidade,
e da nojeota indiffarenca. Firmando-nos
era toes principios e segundo sempre o
invariavel trilbo da verdade e 'despidos
da esfarrapadi adulieio em abono da
verdade diremos, que quein a outro deve,
e podeodo se esquiva pagar nao da provas
de bom Cidado assim como o que pu-
dendo nega-se louvar o merilo e o deixa
no caos do esquecimento, intorjiece o pro-
gresso daemulaco e a marcha do amor
proprio inseparavel dos mortaes que os
anima a pralicar heroicos feitos. Isto pos-
to nao nos podemos negar ao estimpumen-
todo brilhante governo do nosso actual
Presidente o Exm. Snr. Tliomaz Xavier
Garca de Almeida Ese Hroe tem feito
na Baha o que oulros talvez nunca fise-
ram, embora nos tragam a nimoria os do-
cantados Condes dos Argos e da Ponte :
sim esses governaram bem nao pode-
mos dexar de o confessar, mas em q'lem-
po 'l Nos lempos em que h ivia mas eslu
pidez roais oaro mais prat-i e mais que
tudo muita paz ; mas o Exm. Sr. THO-
MAZ XAVIER-, pelo contrario est go-
veinaodo em hum tempo onde quasi lodos
querem ser hum Cicero ,era um tempo de
oscilacoens Polticas em hum lempo Ba-
nalmente onde s gira, o frgil papel, e
o rijo cobre puncado tomando sobre se-
os hombros o governo de huma Provincia
como a Baha em hum tempo que a a-
chou esgotada desse mesmo fraco meio
circulante por causa de huma intestina
revoluco que a deixoii de rastos e no
mais deploravel estado, e era se nos a-
ponte alguna 1 coqza que anda nao tenha
providenciado pois que em lempos taes
cuidando de couzas de maor monta, pos-
sivel Ihe nio ter sido cuidar de eutras ,
que de certo lhe nio esquecem. Os 13a-
hianos devera estar bem persuadidos das
boas intencoens do Exm. Snr. THOMAZ
XAVIER na certesa de que Elle nao be
do numero daquelles Pilosos que s oave-
gam em manso nar e s raandam ferrar
os pannos d pois d; c-hr a t-tnpestade ;
nao, Ellesabeadifficultosi atle de gover-
nar, e Dos permita que o Exm. Sor.
THOMAZ XAVIER se conserve ua Baha
ou que o deixem governar para seguro
arrimo dos Bahiamo.
( 'Aurora da Babia de 1.4 de Setemhro. )
CORRESPONDENCIA.
Sanhores Redactores. Lendo o se". Dia-
rioN 228 de 20 do carrete mez depa-
rei-me com a correspondencia que nelle
vem inserta assignada por Hum Ir-
mo na qual o seu autor desfigurando
os factos e torcendo-os a seo geito pre-
tende desparte chamar o odioso sobre a
Meza da Veneravel Ordem 3.' doCarmo ,
pelo facto de baver ella com huma Junta ,
expulsado da mesma Veneravel Ordem
q na tro deseos Membros, por culpas, que
sobre elles acarretoa a mposico das pe-
nis fulminadas pelo 3 do Cap. .lo dos
respectivos Esto tatos. Antes porem de
entrar em conlas com o Sr. Hum Ir-
mo permittad-me Srs. Redactores que
eu roa remonte a factos anteriores que
niuito servem de orientar a questfo, e
deste modo verei seapesar de nio trazer
oculos para, gmente olhar por cima del -
les, posso conseguir por ao olho do sol
as mataduras Jecertos hypocrilas que a
pieiesk de fervorosos devotos da Matriar-
cha Santa Thereza nao sao outra causa
mais, do que atrabiliarios Pharisios que
sob a capa de hum inculcado zelo ludo
aventurao e tudo pr-tica huma vez,
que possa impolgar algura proveilo, ou
como em fraze cbula se diz fazel-as to-
das e acabar com sol; he necemrio
ser inuito miope para nao conhecer pelo
dedo o gigante.
Sabe Dees e todo o mundo qae em
hum dos dias do correte anno huma das
paredes, qae encerr, > era seu mbito os
eternos iazigos -dos Irmos 3s. do Carmo ,
deu hum estalo e que d'ahi proveio a
amea?adora ruina de sua coberta 9C0,\'
seguntem-nte aurgeutiisima necesudade
de occorrer com providencias decisivas,
as qoaes nio podia ser outras senao o
prompto repiro dessa ruina que muitos
e graves males poda causar ; foi pois em
raso disto, que a Meza da Veneravel Or-
dem 3. determinou esse reparo incum-
bindo-o a huma Commissio nomeada dI en-
tre os seus Membros, tendo precedido
hum orcimenloda despeta provavel. Os
vlembrodesta Commissao (que nao foi ad
hoc)a principio patentearaa maor har-
mona poique pareca convergirem a
hum fim nico, isto lie a mais bem regu-
lada economa na obra que Ibes foi eu-
carregada economa de que r*s.iltava o
verdadeiro zek> dos diadteiros da Ora^m,
e consegunteme*^0 bem Aetln ; m hum
delles que apenas nooeeado parece havto
lancado pelo> oculos ou^ por cima delles
vistas gigantescas, e quic mu proveito-
s.s, metteu as botos (permilto-sc-me usar
deste termo que he s o que bem encai-
xa) em seo companbeiro, e tomando
somente sobre seus espidauJos e ro-
buitos liombros o a enorme pezo da
Obra, e a ella metiendo roaos, trabalhau
com huma energa espantosa; e em verda-
de confesso quea nao ser o Demo que
em tudo tem que raexer, estova j hoje
as Catacumbas com a sua nova coberta ,
cbm toda a sollidez e parcimouia s^ bem
que importando ero alguns centos de mil
res, e se Dos fosse servido talvez. em
hum conlinho de res, ou mais.
ftote-se porem que o orcamento, de
qu* cima fallei moiitavaa6oof rs poaco
mais ou menos que o reparo consista
na substituico de trez novas ihezouras cu-
jas madeiras slava podres no desprega-
roento, e novo assenlaroento do forro ,
no supp' ment de alguns novos caibro,
ripas, telhas &c. &c. o na melhor bgi-
cao da fenda aberta na p'arede estallada :
d'aqu pois se conhece, que as novas ibe-
zouras devia ser fabricadas pela bitola
das arruinadas a fim de que igualhassem
as dems que estava sans ; mas o bom
do meu Irmo. Coromssionado, que
he hum abalisado architeto fez que as
taes novas thezouras fessem hura pouco
mais elevadas, dando-lhe mais daus ou
tre palmos, e eis a neces-idade de arran-
car todas agvelhas por inuteis e o qua
he mais, sendo, a coberta sustida setenta
e tantos annos por sete thezouras taes cal-
culos, e dimenses se tornaran que ac-
crescentou-se mais trez vindo acollocar-
se dezem lugar dsete perden.'lo-se a-
lem disto toda a caibraria por se tornar
curta e como tal inutel. Ora agora di-
gao-me Vros., nio he isto zelo? de-
cidao se de lio recouhecida economa nio
esulttt o bem da Ordem e da Virgera
Matriarcha ? Gracus a quem tem hura
Arroazem de madeiras!!! A bolla foi
dada em cheio no zelo mas o pr veito ,
creio que carambolou por tabella na eco-
noma .'!! Nio faci os Irmios 3s, caso
disto porque he o jogo das bigatellas.
Eu quera ainda Srs Redictores contar-
Ibes outra historia da obra de hum predio
da Ordem 3 feito em 183; que mui-
ta relaco tem com o lal oj 1 e com e ma-
teria qae me oceupa; mas sendo ella
mais lnga viria dar-lhes huraa insupor-
torel massada, (do que sou inimigo) e por
issolemitir-uie-bei em dizer que se uo-
m-ou iiuro Adminitrador paraessa obra,
qua a Meza mindou fazer do predio huma
caza terrea armazenada, que suppoz nio
gastar mais de 100 Sooi'is., eque final-
mente em lugar de caza terrea armzena Ja
fez-se hum sobradinho, ou arapuc ,
e em vez de se gis torera os toes 4 ., ou
5ooi rs. res foi-se pela popa i:6jos,og>
res inclusive huma esmolla de 4oo|f
res. Muilo pode quera possue huma baa
collercia de Provars possuil os, e ter
aspnmeias liohas do processo por Perei-
rae Souzi he huuaa e a mesma cousa
Basto de historias e vanios ao que im-
porta. A vista da grande eioiouooa obser-
vada 111 obra das Catacumbas como tenho
referido a Meza que nao linha ldo na.
da a respeto de economas e que he ab-
solutamente ignorante desta to intrincada
sciencia, vendo todava, que em lugar de
tiaos'000 rs. viria a despender mais de
i:aoos'ooo res pira glora de D^o* di
Virgein Matriarcha bem das almas dos
lrmos d-funclos, e talvez proveito do
Commissionado arripiou, e arripiuu
bem tanto mais quinto ulem dos motivos
expostos estiva vendo, que todas as mi-
diiiras novaraenle empregadas nao valiao
hums pao das velhis tanto em qualidade,
como at mesma em sinidade e por isso
ordenando por via do Irmo Prior a sus-
.penso da Obra, oppoz-se-lhe o Commis-
sionado a ponto que foi precisa iutervir
na funecio o Sub Prefeito a cuja vista
abaixou o tal Commissionado a grimp, e
cheiodeinsami poreseaoar-lhe das garras
lio sofnvel presa arremecou-se con im-
pavidez aos criminosas unos qua lhe res*
lava, e unido amis trez famig^ralos "
lrmos da mesma guisa e guirdicosteado
por meta duzia de raiseraveis Bichinistas ,
com feyueta, ebindeiras nao houve in-
sulto, que nio progilizassem ao Prior;
a Meza ao proprio Reverendo Commissa-
rio e a mcfit js outros Irmios dignos por
seos antigos Cargos, e ser vicos de todo
o,respeitoe veneracao e dos insultos nio
duviilando passar a araeacas esteve o nego-
cio no risco da producir a mais escanda-
losa desordem a nio ser a prudencia dos
offendidos, que a evitsra retirando-se.
Em raso pois destes factos, a Meza lan-
cando miado remedio, que cumpria dar
era sem?lhante caso canvocou huma Me-
za com Junto na forma dos Estalutos e
por tormo competentemente lavrado fez ex-
pulsar di Veneravel Ordem 3. a esses
quatro lrmos seos perturbadores, sdrvin-
do-se pira a referida expulso da auclori-
dade que lhe confere o j citado S.'
do Cap. 3o dos Estatutos que assim se
exprime Todo o Irmo que corometter
algum acto de desobediencia publica ao
Padre Cororoissario ou qalquer outro
Irmio da Meza da qual se siga escnda-
lo em os mesmos lrmos da Ordem sera
preceder nenhurna admoesticio ser logo
expulso da Ordem-. a qual vieran pira o-
bedeeer a vontade de outrem ;, nao para
fazerem a sua
Do que tenho dito bada maor evi-
dencia que o motivo, on motivo, por-
que os quatro collig'dos fora expulsos
sao mui diQvrpntes d'aquelles que apona
em sua a algarbu o Sr. Hualrraio ,
e seria preciso ser muito batnaque para
acreditar, que o'simples facto sao dos Estatutos desse causa aesae proce-
dimento. Como se insinuad de simplo-
nos, sendo talvez mais naalreiros, que
huma raposa quem os ua coah'ecer que
os compre.
Nao posso Srs. Redactores suster algu-
raas gargalhadas quindo encaro cornos
decantados servicos relevanlaa, e princi-
palmente com a submissio qae no final
de sua corresponde ca inculca o Sr.
Hum Irmo ; servicos, que nao sen#>
demonstrados, e nio tendo muito gente
delles conbecimento nao passa de ima-
ginarios a^sim como submissio, que de
nenliuma forma pode ser acreditada se a
comparar-mos cora o facto que du causa
a proscripeo dos quatro.
Concluirei eta rainha j estirada res-
posta saiisfazendo as pergunlas Goiea do
Sr. Hum Irra io e loe dire que a-
qu lies, qae convenciooa-aa fazer hum
Hospital un frente da Ordem livero nes-
sa grande obra as raiis nobres e louva-
veis intences, eque o estabellecimento
de hun monumento de Caridad. huma
das priticipaes virtudes Christies, longe
de rasrecer a pena de expulso di Ordem
como suppd o Sr. Hum Irmio e a
sua cale.va, pelo contrario he digno de
todo o elogio, consideradlo e respe to :
se o travejaineuto do Ho-pital foi derrubi-
do, a cius ainda hoja patente, e so Sr.
H ira Irmo ou outro co i>o elle ti*
revezado se atrever a ueg r que o rele-
rido travejamento uo eslava compil*-
raente arrumado e at ameacando 9>~
des desastres se nao fosse removido. Ex
istem no mbito do comecado Hospital
ramios paos desse travejamento que po-
dem ser examinados por quem oquiser
e posso assegurar que o seo estad



DIARIO DE TERI^AMBUCO
-
s
If mjyjy^jH
[podxido diereeem o mais completo des-
meotido ao que avaocou o Sr. Hum Ir- I
mi.
Tenha respondido como pojsi ao pu-
gilo de proscripto*, ou ao Sr. Ham Ir-
mio, ho qusi re.comraendo que contn-
tese com usGjos rs. que empolgou pela
terca parta di obra das Catacumbas, quan-
do tuda ella foi o. caaja nesta .juaritia e
que seaioda assim a pexinxa uo fui suf-
icienta calle-se, siga o exempl de
hum dois*oscolligados; va iniciar-su em
aiguma outra Corporacio Religiosa rica ,
e opulenta on I; se ti ver a ventura de
sar cncarregido de obras (o que amito du-
vido) pode fazer grande tu tuna e dar ~
extraeco a quimas madeiras ti ver oseo
armazem, aiuda que ellas sejao de era-
bauba pao pombb sambaquim e seo
ranxo : deixe que na Venerabel Or
dem 3. m do Carmo biba a pacficos os
seos Memrros e libres do zulo o
eonomias do Sr. Hum Irmo e ou-
tros, que taes.
A iuissida Sis. Redactores foi grande,
mas ella se tez assim necessana para y
dbsmascarameuto do Pharisaismo : rogo-
llitS por tanto oobiequio de admittir no
seo Diario este bi de leltras desculpsn-
do alguuiis trocas de UB em VV., e
destes n'aquelies, e crendo que por hum
tal favor mu grato Ihes ficar
Seu obngddiisimo e constante leitor
O Ir. Pitoya.
venda que j tenha cinhecimento de tal
negocio; qtiem pertender dirija -se a Pra-
ca da Uiiio em a luja D. 10 das 9 horas
ai a da tarde que achara .com quem tra-
tar.
Preciaa-se de hum Capello, que
Quem liver e quiser vender hum Fo- !
les para Ourives novo ou em hom uzo; i
annuncie.
_ Aluga-se orna casa no Bairro da Boa |
viita com' grande quintal bom tanque de j
aj'oa : a tractar no mesmo liairro na ra do
LEILO.
Que fazem Aitn Ft-adel e Dangla Fr
res, no esenptorio da ru 1 da ru< L), (j j ,
a '6 do crreme de hum grande sorli-
meuio de fazendas fraiicezas e hijuuteiias
com cordes dourados, comeo.-*, cruzes ,
brincos com pedras e de filagr rosen 3
deorelhai, fivellis para cintos de muitos
padres bot.-s, pulceiras laques len-
cj3 de lili) de 3 ponas isprelos o br-
eos de linho bordados sedas e chale* para
vestido, bicos prelose blancos riseadus,
vestidos de fil de linho e de cassa lencas
de cambraia chicotes copo- para licor ,
pentes grandes ditos de tartaruga para
marra fas estnbos, bridSs de ferro e de
lulo '-Sporas pi tulas, litis de garcu e
de tatel meias de seda e ouiros mui-
tos arligos: trez belkt edition de Bulln
avec le suitus par LacpeJe etCuvier,
ornee de doo gravnees coloriera avec te
plus suiu 4a V'- "> \ dictionuaires de
mdecine et chirurgie vlnnaires ornes
de gravures dictionnaires de mdecine
domessique, diclioryaires franeis de l'A-
cadmie, diclionuaires des codes frail-
eis .- p inc:piaras 10 horas da manhan ,
e sei o ultimo leiio.
A V I l <> i t I V K R S !s.
<|uetra hir diz:r Missa por lempo da festa otovello casa D. 10, das t as 9 horas da
em hum sitio diante desla Praca raeia le- | manha e das a-da tarde em diante. L
goa, e o resto do nno nesta Cidado, ; Precisa-se de a escravos ou escravas
e por isso se ajustar ou por anno ou por grandes ou pequeos para vender azei- :
mezas, e se prometa bom pagamento: o ; te pagando-so 18 tinten* por caada: !
Reverendo Sicerdote que quizer aju-lar-se quem os tiver dirij-se as Bem a Veotu-
dinjase a ra Nova armazem D. 3o. ; raneas, i." andar do sobrado da esquina
Quem precisar de hum homeui para do beco que vai pa>a a ra d'Ortas.
escrever em algum cirt.ro, annuncie; Quem precisar de um C lixeiro Por-
ad verte'se que sobra sua habilidade e tuuez para Escriptario despachar no Al-
bora desempdiiho de seos deveres d.fiador fandega cobrnncis ou ou'.ra qualqner
acontento. oceupacao pertenceute a escripia, assim co-
Quem precisar de um Padoiro para mo de outro para loja de fasendas do que
forneiro ou pira trabilliar em imsseira ; tem pratici, os quaes da fiador a sua cuu-
dirija-sea illa dos Quarleis cisde Pasto | ducta : annuncie.
U. 2.
No atterr0 da Boavista defronta da
Matriz na venda'de Manoel Ferreira Lima
h para vender tornos de pzos de bronze
de 8 libras at meiaquarla, e.hum lam-
poo de -t vidros, tudo por preco co-
udo
Alugi-se parte de urna casa pira a
Festa ou por anno em um sitio em S'
Amaro constando de-duas sallas duas
camariuhas, sotao ecosinha, tudo in-
teiramente- separado da pequea familia
que rezide nellas; n a"i se alugar se nao
1 a familia cap:iz,aqual igualmente podea
Quem annunciou querer 3;ooosooo se ulilisar das frutas; quem'quiser dni-
rs. e oulra pessoa i;ooo>ooo para, pagar ja-ae ao campo de S. Amaro na venda
em assucar procure a Adrin Jos dos | domestie Berlo', que Ihe dar as infor-
mamos junio a fabrica de Gervasio.
Fazse qualquer negocio que faca, con*
ta com hum vinculo de trras na lllia de
S. .Vliuel : a fallar na Praca da Indepen-
dencia loja de Sirgueiro.
Sr. sperlov Estando eu ajud ndo
o Sr. Jos Vas de Oliveir ique alguna
chama d is csmolas,) na qualidade de por
teiro do Theatro no Btuiefcio de Mada-
ma Luiza na uoite de tg de Julho, di-
cerao quntro sugeitos bem expertos (na ca-
beca,) bamos a ber de guderio pala-
vras uo erao ditas arrombira a porta
da Plateia e mattero-se rpidamente en-
tre os dem ais expectadores ; e bina dos
taes, dice para hum Camarote O' Vur-
ra bai dr unir pra tua qeza era sugei-
tos mili limpos, porque ira/.ia as golas
das cazacas bem arredadas do caxaco por
causa do Svo _v
O Galn dos Tamancos.
S^> Na tarde do da 5 de Novembro
prximo ter lugar na poria do juizdo
Civeldaa* Vara a ultima Praca, para a
ariematacio da caza do Theatro desta Ci-
dade : convidarse aosSenhores quequi-
serem arrematar para que baja de con-
correr na mencionada tai de,
--Quem tiver pretos e os queira allu-
gar para trabalhar em sitio annuncie a
sua morada e juntamente prelas para
vender frutas.
Precisa-se de ama preta ou prda ,
de idade e forra para oservico de h<>-
G^ A preta Joaquina creoula escrava
que foi da falecida O. Mana Felicia da
(jonceicio, viuva de Jo* Caraeiro de
Miranda, morador que foi na Povoaco
deGravati, .iendo torra por verba testa-
mentaria daqueila fallecida e achtndo se
ora depositada na Villa de Santo Auto a
requenmento de Francisca das Cbagis de
Jezus para ser arrematada por venda-,
protesta contra esta arremataco por ter
de uz*r da aeco competente, e mostrar
que he livre.
Alluga-se huma negra que saiba
vender na ra : no atierro da Boavista loja
de Funiliio de Geraldo d'Amarante dos
5antos ou aniiuu -ie por este Diario.
_ Oabaixo assiguado morador na ra
da t'raiada Ribeiia d 5o s 000 reis a quem
aprehender duis escravus creoulas tuii e
filha tu quaes tem os signaes seguiotes;
a oscrava inii cli ma-se Mara ne Iava-
deira, de boa estatura muiio preta de
id.uc de 5o anuos pouuo mais ou menos ,
e ia piula de branco ; alem disto tem sobro
as cauellas huma especie de calor de liga-
do : e a lidia ciaina-se Aduana lairi-
bem he Itvadeira de idadd de 4 a 45
annos testa grande e acarneirad* o-
Ihos tambsm glandes, e espintadicos ; es-
tatura regular : ambas aiida juntas.
Ignacio Jos Alvares.
_ Precisa-sede hum rapaz de idade do
la a i anuos, p*ra
cjixuiro do huma
Florentina viudo da mar direit ter-
cuira caza terrea.
Os Administradores do finado Fran-
cisco Joze da Costa Gmmares tem para
vender huma raoeuda prompta de tambo-
res com duis rodetes de pau e huma
porcao de ferro velho batido e fundido,
os pertend ntes dirijo-se pira examinar ao
Eligen lio Curado e para o ajuste ao Es-
criptorio da Administraco ra do Vi-
gario n. la.
; Arrenda-se pelo tempo e festa urna
boa casa em Apipucos a margem do Cipi-
baribe com o cmodos seguinte ; duas sa-
las, 4 quarlos cosinha fora, e hum gran-
de copiar concertados e Pintados, quem
o pertender dirija-see ra do Livrament
casa a i3 que achara'com quem tractar do
ajuste.
jp^ Preciza-se para ser caxeiro de hum
nego'-iod-s fazeudis no certo de Pianco ,
distante desta prac a mais de oitenta le-
goas de hum rapaz Portuguez qne saiba
er esccever e contar e que tenha de
idade al 18 annos quem qu zer e e-ti-
vm oesus circunstaneus dinja-se a ra da
Gloria do lado do su! junto a venda d
quina dos Qjatro cantos a fallar com Sa-
ralim Jos de Souza ou annuncie pira
sor procurado. Adverte-se qua %n ap-.s-
soa (or de boa couducti se far todo o
ajuste.
- Qiem quizer comprar um violo ,
com boas vozes annuncie.
_ Qaem precisar de ama seca lavaza de
bomem solt?iro; annuncie.
macoss necessarias ou a esta Typogra-
fia.
Prec!sa-se de um trabalhador dema-
ceira forro ou citivo: na Padaria das 5
Pont is 'jo lado direito.
_ Quem precisar de um caxeiro Por-
tuguez com'haa conducta pira fora da
Provincia saja para que ariumacao for :
annuncie.
- Quem tiver e quiser a lugar urna
preta ou um moleque que saiba r-osi-
nhar e comprar na ra qu diriji-se a nw das Flores casa terrea
D. 3,
_ Na ra do Burgos tem para alugar
um famoso armasem o qual fica por de
traz do Escriptorio do Coronel Morieses :
trata se na rus da Cruz do Recife 110 Es-
criutorio de Luiz Eloy Durao.
Senhor X. Y Z, com milita satis-
faco li a sua Correspondencia e muito
proveitoso seria ao publico, ea mi m par-
licularme.'itc, se prest s? sua pena a
elogiaros actores que desempenhassem se-
us deveres, e seusurasse aquelles que nao
obstante a boa e prompta p^ga, tanto des-
leixo raostro em huma arte daqual ti-
ro a .sua subsistencia Outro sim nao
dcixa-se jamis passar por alto as indi ren-
das e unmoralidades que certos mininos
diariamente pralico na Plateia e qu.' do
cama a lauto se declamar contra o Thea-
tro ; ficando en problema se essas inmo-
ralidades sao praticadas pelos actores ,
meen solteiro sem familia; na ra da ou pir algums expectadores : he e-te o
maior exlorvo para que pessoas bem edu-
cadas se dediquem arii Dramtica. ES-
tou corto que se o Snr. X. Y" Z o Sur.
Redactor do Carapoceiro ( cujas luzes la-
zem honra a sua Patria) e outras penas
eruditas toiassem a si a tarefa de refor-
mar estes abusos em breve ;. nossa As
semidea Provinbial tomara medidas para
a formacao do hura novo Theatro d-mo-
lindo-se e acabndose com esta indigna
barraca minada de formigas u que ( em
deshonra da Provincia ) se Ihe d ainda o
nome do Theatro. Francisco de Frei-
tasGimbo. Lembro rnais aoSnr. X. Y
Z. queeu na qualidade d; Easai.idor fa-
co todo o possiei por peisuadir aos
meusactores, que a arte Draimlica nao
he mais do que a imitadlo da naturesa dos
diferentes Caraleres qua represento ;
niarcolhes entradas e saidas de scena,-
e Ihes corrijo os defeilos Grain iticaes ,
como sei e consulto nosCUcicos; porem
diz o Adagio Burro velho nao ap. mde
lingoas : hum representa cantando e
valcando, outro chorando e h tal que
represt-nla doriiiiodo .' Poucjs conli.ci-in ,
e sentem o que disern : f-do naturalmente
em casa e na ra ; no Theatro f.ilo can-
tando e todos desformes do natural: o
remedio co recao nassolbas publicas paira
haver emulacSo t e biio nos iue o iin
leai. O niesmo.
-- Alluga-se huma canoa de carreira no-
va e mnita msneira por preco coman-
do no armasem da ra nova l). 54- No
mcmose vende urna pirco d !:vro che-
gado ltimamente por prego muito cosa-
modo.
Aquello Sor. que quiser aprender a
Arte d'lmprensor para ganhar logo que
aiguma cousaentenda ou mesmo queja
tenha algum principio da mesma Arte ,
sendo de boa conducta e amigo do traba-
llio : procure ao Impressor Joo Fernan-
das da Cruz no 3 andar da esquina d*
truvessa do Queimado para o Rosario a
tractar do ajuste. t
_. Quem precisar de huma ama de lei-
te : (lnija-se a ra velha D. 31 defronte
de urna casa nova que tem venda.
O Srir. Ignacio dos Santos da Fonce-
n: dirija sea negocio de seo interesse a
Pracinhi do Livramente l>.a5.
Roga-se ao^iiir. Jos Francisco Pa-
reira feoo favor de aparecer no primeiro
andar da primeira casa junto a Igreja dos
Martirios para negocio dn s^u particular
nteressu 1: isto at o dia sexta feira o mus
. lardar.
Qualquer Senhor Reverendo Padre,
'. que quiser hir para a Villa do Bonito uiser
; >Missas pela Festa do Natal e icar aiinual-
maule recebendo 3oo,ooo reis e mais
algumas porpinas Estola que d o Rv.d*
j Vigirio da Freguesia : sendo que quei-
i rao difija-se a lujado Herculano Josa de
Freilas esquina da Praeiuha do Livra"
ment.
N?cessitase de um liomem para ir as
Alagoas levar unn eiicommenda ; na ra
di (ladeia velha N. 46. -
Una parda forra de muito boa conducta
e deligente se offervoe para qualquer servi-
c> de .ma de casa estr.tngeira : ..traz da
.Matriz da Boa-vista loja do sobrado do
Vigurio do Cabo.
Quem precisar de 100,000 reis ata
5oo mu reis a juros, dando pinho-
res de onro ou prata ou firmas a con-
tento : dirija-se a esta Typografia.
Os Testamenteiros do falecido Do-
mingos Rodrigues dos Passos avisoa to-
das as O. fas, a que sa acho promettidoa
os dotes deixados por aqujlle falecido, que
cuidis na sua hahiuco por todo o fin
deste crrente anno, O que nin cumpridoj
elles Testamenteiros solicitaro averifica-
co deste Legado para com outras que es-
ti-jo em igiiaes. circunstancias.
A Bstnna Bom Jezus aonunciada par*
o Cear tem de hir tambem ao Carac por
ler de hir levar una familia e podo rece*
bor aiguma carga para aquello Porto e lo-
go q'te 11 lia 3 partes do carregament anun-
ciar o dia di sabida mpreterivelmente :
quem quiser carregar derija-se a Manoel
Joaquira Pedro da Costa, ruada Cadeia
N. 1.
Quem annunciou querer vender a
cisa na ra da Aurora, N. 7 declare sa
os herdeiros que tem parto na mesma ca-
za se acho emancipados judicialmente ,
para validado da dita venda.
Quem percisar de urna ama de cas
mulher ja dos 1 para todo servica de casa:
procure no beco do Amorim ao lado es-
qnerdo sobrado que nao tem rotula andar
debaixOi
_ Preeis* se de hura rapaz que tenha
de i5 a it auos pouco mais 011 menos ,
pira Caxeiro de uma'casa de Pasto na ru*
da Allandcga v.dha prefera se que seja
Portuguez: dirija-se a mesma casa a ci-
ma.
__Quem quiser comprar de urna esci-ara
criolla banita figura boa engomma -
deira e propria para todo o servico de urna
casa e hum muleque du naci de idade
de 10 a 11 annos : beco da Praca bote-
quim da Jos Caettino.
Quem quizer comprar urna escrava
dmelo e de bonita figura, nao tem vi-y
cios nem achaques cariaba o diario do
urna casa lava de sabo e de varrela :
na ra da Aurora Dcima 10] segundo
aidar. ,
--- A pessoa que no Diario de ai do
corrento dezejava fallar com Francisco Jo-
s d'Oliveira a negocio de sen interesse :
dirija-se na ra do Aiecrim sobrado de
Minosl Fraucisco Monteiro.
lodo-se de Santo Antonio para o Re-
cife perdeu- e no Arco da Conceico pou-
co mais ou menos d varas de bico largo :
pede se a pessoa que o achou querendo
reslitui-lo, love-o a ra das Trinxeiras*
caza D. > que se Ihe dar bom bom ,-
cliade.



DIARIO DE, PERNAMBCO
O inimigo das espertezas a que di Silva na ra do Fagundes D. 9 cu na 1 --- FeijSo fmdrlnho novoedemui-
lo boa qualidada por pre^o c imraodo :
alinde o esperto do Theatro, no Diario de
aa do corrente nunca arromhnu portas ,
como se le no mesmo Diario. O inimigo
das esperte as p jucas, ou nenliumas re-
res Tai a tal'capoeira a que chamo Tlie-
atro c uma das razes d'as.im obrar he
pela falta de serlceridade e de boa f da
pcssoa ou pessoas, que o dirigen; p->r
que raras vezes ou nenhumas, se execu-
ta o que se promete nos cartazos ; o que
se ve he grande paiavriado muiu pro-
ra essa e a finsl tudo nada entre dois
pratos. Anda nao ha jnuitos das, que
ee annunciou uma pesia coisa grande, que
e linda representado 88 veres em Paria ;
concorrero os peixinhos ( meno ou que
ja sei dar o devido valor ao tal pal .miado )
e que acconteceo ? Appareeer uma pessa ,
queainda hoje nao se sr.be o que be, por
que ningu3 pode entender o seu enredo,
talvez por ter sido mutilada por alguin dos
espertos do mesmo Tbeatro ; no entanto
1 u 1 do Jardim D. a.
--- O Sr. A. M. queira hir pagar a no armasem do Braguex ao p do arco
iuiz Fernn- da l'oncnco.
A venda vesinha a botica de Joo
Pedir, na travessa do Rozrio quem
veto de palacio faz-se troca ou se cede a
caja : < trtar na roesma.
28 cusas vasias para assucar, um
braco pe batanea de ilomao com as com-
petentes correntes e conxas dois grandes
quantia de a,000 que deve a L
des Campos, do contrario ser o seu nomo
publicado por extenco.
.._ Precisa-se de alugar urna prela 'ca-
ptiva que sai bu vender na ra e seja
fiel; quem a liver dirija-ie a esta Typo-
g rafia.
Uma mulber de bons cotumes, a
que sabe cozinbar, e engommar com per- caixoes para deposito, e todos os mais
feico se offerece a prestar os seus ser- i utencios para armasem d socar assucar ;
vicos em casa de um homem solteiro ou na rui da Guia n. 16.
de piuca familia dando os precisos co- -. Os seguintes livros : licSes de phisl-
nbucimentns de sua conducta : na rus da que discurso sobre a historia universal,
larangeiraD. la. parBossuet, tratado de sublime de Lon-
gino Genuenseem porluguez, Ponele ,
diccionerio de Moraes novo metbodo e
ibetorica tratusida por Alonso, tudoem
bom uro e por preco com modo : na ra
das Trincheras 23 no primeiro andar.
Botins e sapalos a botinados para
4 VISOS M A NTIMOS.
PARA, O RIO DE JANEIRO, bem
os cobre esto seguros que be que se I mheoido Bergantn Nocional Bom Jess, hornero sapa tos "de"marroqu ai"para 'Se-
perlendia, toque a msica. Estas, e i <-PtSo Jao Rodrigues Amaro pertende | n|IOraa Goopar, ditos de duraques de
outras peores esper tesas, foro quem de- "hir com toda brevidade; quem no mes-
cedirio, o inimigo d'ellas a sabir a j ? quiser-car regar ou ir de passagm, di-
campo no Diaria de -20 do crtente, j ria 8f ao'CapitSo a bordo ou a Gaudino
O Theatro de Pernamkuco he sem con- Agostinlio de Barros, na pracinha do Cor-
fradieo o mais ordinario e rediculo do P SaotO D. (17.
PARA O ARACATY, segne viagem a
Sumaca C<>nceicio Flor do Mar M. Joa-
quim Jos da SilveiVa ; quem quiser car-
regar <>u ir de passagem dirija-se a Anto-
nio Joaquim de Souza Ribeiro na ra da
cadeia ou a Antonio Rodrigues Lima na
ra da Cruz.
Brasil be uma verdadeira ratoeira mas
po* isso mesmo que he o mais infame a
todbs os 1 espeitos tatnbem o mais caro
de todos elles, nao fallando no excessivo
preco que se pede pelos camarotes e pla-
tea quando apparecn filgum Cczinht'iro
francs ou outros que taes sugritinhos
vindos da eslranja ; porcm como o respei-
tavel publico, nao obstante os logros, que
tem sofrido continua a concorrer com os
cobres Bem vio os espertos; e por isso
loque a msica ; porque diz o ditado an-
tigo que em quanlo venta molha-sea
vella. Finalmente o inimigo dos espertos
nao se pode exemir de dizer ao autor do
rediculissimo e grosseiro atinuncio in-
serto no Diario de aa do correle, que
nao he por semelhante mai.eira que elle se
podo justifica! perante o respeitavel pu-
blico das espertesas e cabalas que com o
ruaior descamnenlo com ellecostuma pra-
ticar repetidas vezes, espertesas e cabalas
nascidas da sua desmedida ambicio e in
f asseveraedo Ihe ao mesmo lempo', que
nao dar mais resposta a quaquef nnun-
cio que por ventura possa a este respeito
appareccr no Diario. O Mesmo.
Perdeu-se um quadern 1 contendo
alguns recibos de carne de bordo do Bri-
gueOlinda passados pelo caixeiro do Sr.
Manoel Gonsalves da Silva ; ro,"*-se a
quem o acbou querendo restituir $ di-
rija-se afora de portas casa de Joaquim
Gonsalves Ferreira ; que gratificar
Roga-se ao Sr. Bernardo Vieica de
Mello rendeiro do sitio Floresta na Cida
de de O inda queira declarar a sua mora-
da ou ter ahondado de hir ao Convento
do Carino do Recife a fallar ao Rev.
Padre Provincial a seu interesss, e do mes-
mo Covento, queasjimse faz preciso e
nao com parecen do se lomar as providen-
cias a respeito do mencionado sitios
Aluga-se
ra de S
C O.M PIIAS.
Um Diccionario M.ignum Lexicn :
na ra nova armasem D. 3 \.
Prata velhassndo de boa qualidade;
quem tiver annoncie.
- Um bahu grande,. que estoja cm
bom uzo: na ra de S. Rita nova Dci-
ma 18 lado du Igreja.
Uma escada de i5a 18 palmas de
altura ; quem a ti.ver annuncie.
Ou aluga-se por alguus annos nal
casa terrea ou de sobrado qual lenha
quintal ou pequnoo sitio e seja prxima
ao rio capibaribe at n nassagern da Ma-
gdalena ; serve qualquer propriedade ain-
da mesmo nao estanto repartida por
dentro, e prefere-se a que for mais pr-
xima aos burros do Recifo ou Sanio Ama-
, ro; azsetodo o negoc'o vantajoso para
com o seu possuidor e aquella pessoa a
.quem conner annuncie, ou dirija-se a
I a praca do Corpo Santo D. \ no primeiro
oudar.
V RNDAB..
Tres cepos bens-para talbo de carne:
na camboa do Carmo D. ao onde tem o ta-
lbo de carne.
- Uma parte de um sobrado de um
andar com solo e trepejra sito na ra
luga-se um obrado situado n* ; doFagundes, no quai mora o escrivo
. Bentoem.Ol.nda, e be o que das bypohecas : a tratar na mesma ra
fica com ooilio para o Convento ; o mes- | casa D. 5.
cno sobrado precisa de alguns concertos aos ; Uma corneta de da
ve ; quem a qui-
par anos ae duraq
cores ludo chegado ltimamente da Lis-
boa : no atterro da Boa vista D 9
Farinba ordinaria para porcos por
preco commodo : na praia do collegio ar-
masem de Francisco Joaquim da Costa.
> Uma escravade naci., debjnita fi
gura, cczinha o diario de uma cisa he
boa lavadeira eengamma : na'rua de S.
Jos^ no correr da Igreja D. i5.
--- Ka pracinha do Livramento sobra-
do novo na loja n. 24 de Manoel Gomes
deAraujo Villar continua a vendar supe-
rior rap macaroca, da fabrica Nacional
do Rii de Janeiro onde existo um depo-
sito do mesmo e por menos preco do
que outro qualquer.
Um terreno pira edificar uma pro-
priedadecom boa largura, cim alicerce
da frente e de um lado comprando se ame-
acivparao que tem um palmo, o dito
terreno tem de largura 39 a 3o palmos e
de comprmeme 3oo e outros t>ntos pal-
mos anexo ao mesmo e uma porfo de
pedrus pira obra o tratar com o Cardial ,
na ra da praia serrara junto ao tanquo
d'agoa J H
Uara escrava de 3o annos de idade,
b*a cozinbeira lavadeira e he boa qui-
landeira: na ra do LfraSaantO so pft-
mejroandardo sobrado D :o.
.--- Um mulato bom official de sapateiro,
de 3o anuos de idade bonita figura, sem
vicios oem achaques e mqilo propric pa-
ra p.gvm ; na ra do muro da Petiba so-
brado D, 18.
--- Urna casaca preta em muitobora es.
tadj : naa 5 pontas venda D 10.
--- Urna ejoa de 4o palmos d^ com-
pnda e 5 de boca com uma forte cor-
rente de sua amarrco calafetada e pin-
tada, pindeiro, tudo construido de no-
vo propria para c.rregar familia : na mu
datjloria D. i5.
-- Uflibam cavallo novo, carega-
dor eesqu.pador ; as 5 pomas sobrado
ultimo e junto ao em qoe roorou o Tenen-
te Aonso Honorato Bastos Qaartel Vlestre
<.o4 corpo de Arlilheria.
- Urna neg.a de idade de 14 annos,
e um moleque de u a ia annos, arob.s '
creoulos, e por preco commodo: na pra-
ya da Boj vista D. 6.
Urna escrava de 3o anoos, naco
cunstanciasde ser donato e tiver 5o an-
tios de idade pouca miis ou m?nos diri-
ja-se ao Convento do Carmo a fallar com
o Prior.
; Arrenda-se plss 3 raezes de festa ,
m sitio no lugar da Magdalena ; na pra-
ca da Independencia o. 10.
Precisa-se de i:Gjo.ooo a premio ,
da-seem segurancia hypolhec era escra-
voi.
Precisa se de alugar no bairro da
Boa vista at a solidade um sobrado de
dois andares ou de um sendo com sitio ,
qu- seja grande da-se um ou dois mezes
adiantados ou fiador, nao excedendo o
preco de 5oo.ooo ; nS;- ;ver arinuncje>
Perdeo-scum menino brancode.ida-
dfl de 6 annos levou calta de riscado es-
curo camisa de lindo escuro; quem o
^U ie?e a cua.do Capilo Feli Corrcia
Uma paralhade cavallos de earro de cu : alldZ da Matriz da Boa vis
4 rodas: na ra do Crespo loja de Bsnto jjuudacaa a fallar coro Manoel Elias de
Jos da Silva Magalhes. oim
Uma casa terrea sitana ra do Jar- "" Un canoa dec.rreira quasi nova ,
dim construida de novo, e rouito b-m Pinlida com baucos de asiento e quo
acabada com commo'dos para duas fami- cjrreg de 8a 10 pessoas: na praia'do r-
lias grande soto com varanda de ferro Se,,rtl ^ guerra estar a ver e uo mesmo
na frente ; e um carrinbo de 4 rodas com
arreios para um e dois cavallos : na ra
nova armasem de louca fina D 13.
Um escraro bom official de sapatei -
ro Ccarreiro, e com outras muitas pren-
das assim c 'ino uma escrava propria pa-
ra todo o servico de uma casa: no pateo
de S. Pedro loja de livros.
--* Urna negrinba de i3 a 14 annos,
de linda figura engoroma cozinha o
di.iiv de uma casa, e lava de sabio : na
ra DireiU D. ao lado da Jgreja do Lirra-
maojta.
se tina quem vende.
Um p.eto congo de idade de a5
a o anuos, muito ladao nao tem vicio
algum, bom tr.bali.ador de sitio, vende
e compra bem na ra ao comprador se
dir o motivo ; e pelo commodo preco de
030,ooo : na ra Uireita'D 34.
I "7 "? fcScr-'va Prsta de na?{o angola,
de idade de 20 annos cozinha engom-
ma faz renda, e lava de sabio, e be
muito del.gente para todo o servico de uma
casa de familia ; no Recife casa junto a
Conceicao.
- Uma negra do gentio de angola do
idade dea> annos, cozinha o diario de
uma casa engomma, e abil para toda o ser-
vico deuma casa : na prsca da Boa vista
botica D. 10.
Ada de moldar em porcSo de aU
querr : na ra do Fagundes D. 1,
Um cavallo ahzao cachito milita
passt-iro e rsquipadpr e um pojdro da
prineira muda milito passejro carrrpj|
algum a anisa baixo: na ra Direita defrac..
te da botica de Ignacio Nari no primei-
ro'andar.
^ Tres escraros de 12 a i5 annos l
e muito bbejs pari o servico de casa : na
ra da cadeia n. 1
_ Uma negrada casta, de bonita fi',
gura v propria para todo o servico de ixtt%
casa; um 11 >jra oina-i-ro % e um mileque
di cosa: na ra do Q'ieim ido loja de f.r-
ragom 1). 1 j
P.s dd mnngue de "8 a 3 1 palmos
de'compiimento e a e mei'qa 3 de lir>
gura : :ia ra da praia por d-'l.az de S.
Rila nova casa do Vanos.
Uma propriedade de tena na rib"i-
ra de cipibiribe denominada campos,
com meia l.'^oa em quadro lo ditas dis-
tante da Villa do Limoeiro boa trra para
creaco e de toda produco : na ra do
Livramento D. 7.
Um esciavo de naco costa, de Ha-
de de 20 annos, muito forte propria para
o servico de padaria por ter algoma pea-
tica um dito de angola bom para tratar
decavalfos, uma negra ptima costureira,
um moleque muito ladino de idade de 10
nnuoi <> um dito d naco mucamhique ,
de idade de 'Ja annos da linda figura ,
sem vicios nem achoques : passando a
Igreja dos Martirios no primeiro andar do
primeiro sobrado.
ESC NA VOS F) t I DOS
Desde 8 do corren te Outubro fu da teoda de sapateiro defroule da cadeia ,
o cabra Severuno t-scravo de Antonio
Franeisco Xavier, de Vasconcelos que
representa ter 18 anuos de idude secco
do corno, estatura ordinaria tem uma
sicatriz de um iado do n ri'. que se exten-
dale a face ; quem do m-sma tiver no-
ticia, ouappiclieodel.i dirija-se ao Coro-
nel Jos de B iros Fa|c$o de Lacerda ou
ao Commaiidanie do Corpo Policial que
ser generosam.nte recompensado. '
- Fngio desbordo do Brtgue \fonte-
vidiano na madrugada do dia i3 do cor-
rete um escrav/a de nome Antonio na-
I co angola com pouco mais ou menos a4
annos estatu a regular cara redonda ,
sem baiba, ps incitados vestido da ca-
misa e calsa de riscadinbo barrete a in-
|leza ; rogt-se as authoridades competen-
tes, ou quem o apprehender de condu-
zi-Jo a b >rdo do dito Bngue ancorado ao
voltar do forte do matto ou ddiaz do
Corpo Santo ao Consignatario Gaudino
Agostinho de Barros.
MOVIMIENTO DO PORTO
NAVIOS ENTRADOS NO DIA a3.
BAHA pa Cotengniba com 11 dias do
ultimo porto, Sumeaa Nac. Eugenia Fe-
liz da 56 Tonel. M. Joo Antonio Sai-
gado carga Lrinha: a Antonio Alfon-
so Ribeiro.
ASSU' ; 10 dias, Hiate JV.icibnal Especu-
lador de-4o Tonel. Capilo Domingos
Antonio de Azeredo, carga, sal e peixe:
ao mesmo Capillo ,- passageiros os Bi a-
sileiros Manoel Soares Botelho, Lauren-
tino Angello de Mello Ignacio Pedio
de Souza, e o poiluguez Joaquim Alfon-
so dos Res.
OBSERVAC.ES
Fez-sede vella o Brign Inglez que fundi-
ou no laraeirfio no dia ai ; e o Paqutte
Inglez vindo d FALMUTH.
ft XtA Tw.dem, T, DE T. r;r \9S8. V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4FFXMABH_Z857B1 INGEST_TIME 2013-04-13T00:53:31Z PACKAGE AA00011611_06040
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES