Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06014


This item is only available as the following downloads:


Full Text
7
ANNO DE 183. QUINTA FEIKA
21 E NOVEMBRO N. 256/
1^- .'.- | j_i.hi____BB_______
PaawsaBOco. Tir.Ol M. K..I- Paria. 1836.
das da semana.
21 Sejrnnda S. Columhano Aud. dos Mm, do Cr.
de m. e de t. se, da Tbczourana Publica e
Chae, de t.
22 Ter>ja S. Cecilia V. Re. de m- c and. do J. de
O. de t.
23 Quarta S. Clemente Ses. da Th. P- L. ch. as 4
< f in. da ni
21 Quima S- Joao da Cruz Re. do m. aud. do J do
C. dem-e Ch. de t.
25 Sexta S. Cathariua scs. da Th. P. aud- do J. de
O.det.
20 Sbado S.Pedro Atol. Re. de m. e aud.
do V. G. de t era Olinda.
27 Domingo I. do Advento S. Margarida de Saboia
Tido agora depende ds nu% mesmoi da nosa pru-
dencia. iniKirracao. e energa.-continuemos com-
I principiamos, e seremos amulados con admira
I <;io enlr a* Nacoes mais caltas.
Proclamafi da JmnbUo raid* Brasil
Sobscreve-sr a lOOOrs. mensaes pagos adiantadn*
nesta T_vp<>|rrana, ra das Crnxes D. 3, e na Pra-
ca da Independencia N. 37 e3H : mdese recebem
corresponderas lejralisaaas.e annuucins: inserin-
dosa *** er.iis saiido dos proprio* assignantes.
rindo assirnadosS
CAMBIOS.
Nuvembro 24.
X-dOndres 98 Os. St. pm l d. ou prata a
SO porcentn de premio Nomina.
Lisboa 55 por o|o premio, por metal, Nora.
Franca 255 Hs. por franco
I Mocdas de 6400 I3..2IM I3..4O0
?. 40U0 6..;.')0a 6..80
Peso l44()
Premio da prata 50 p. o
.. das lettras, por mee I 2 por o|0
Cobre 25 por cetito de descont
PAIITII1A DOS COKHBIOS.
Olinda _Todcis os dias in meio da.
Ooiana. Alhandra, Paraiba. Villa do Conde Ma-
rnangiiape. P.lar. lie:,; de 8. Joo. Rrejn il'Ai-ia.
Kainha. Pombal, Nova de Sonsa. Cirfadc do Natal.
Villas n> io.anninha. e Nova da Prineeea. Cidade
dftFurUles*. Villa do Aquirs. Monte mor novo,
Aracatv, Cascavel. Canind. (irania. Imperairir,
B. Bernardo, S. Joao do Principe. Sobrar. Novad-
Klllev. Ico, S. Matheus. ftescbndo sangnr. S
Antoni rt Jrdim, Quexeramobirn. e Parnahi
Secundase Sextas feirss an meio dia por via da
Paraiba. Santo A ntlo- Todas as quinlss feiras ao
meio da. Garanhuns, r Kontonos dias 10 e 24
de tada mea aomein dia. Floresno dia 13 da
cada inc ao meio dia. Cahn, Serinbaem, Rio Por-
mono, e Porto Calvo nos dias 1, lie 21 de Cada
me*.
PARTE OFFICIAL.
~" a-aagiasaaaaai
RIO DE JANEIRO.
ASSEMBLKA GBRAL LEGISLATIVA*
SENADO.
,. Sesso de 5 de Setembro.
Nio havendo expediente o Snr. Satur-
nino leo hum Parecer da Commissio de
Marinha e Guerra, sobre a pt-rtenca de
Theodoro Jo/e D >ntas, Apontador do Ar-
senal do Exerrit**, pediodo augmento < m
eus venoimenlus, que fico sobie a Me-
sa.
O Snr. Mrquez de Inhanibupe, leo a
redact de 3 Resoluc.5 s, i. sobre os Pre-
sidentes das Juutas de Paz ; a. subre a
precisa renda para ser Jurado; 3. sobre
a fixaca dos peaos e medidas, o que ludo
cou para .ser ex'minado.
Foi approvada a Lilia do subsidios dos
Snrs. Senador! s.
Eiuraiaetn discussa as emendas viu-
das da nutra Cmara, postas Resoluca
do Senado, acerca dos eximes preparato-
rios dos Alumnos dos Cursos Jurdicos de
S. Paulo e Olinda, que furio adoptadas
para passarem 3. disius o.
Entrou em discu-sio a Resoluca sobre
a Aposentadaia concedida pelo Governo
a Silverio Caetano da Costa, que foi Ad-
ininistiador dos trabalhos diamantino,
e no foi approvada.
Discutio-be hii'ii Parecer de Commissio,
sobre a prelenea de D. Joze Gua-u.no,
cerca da illumnaca da Cidade du Rio de
Janeiro, por g.-z, dweccao das agoas, e
limpe/.a dasruas, sendo orlo da Com,
que se uo d andamento ao negocio, o
que Foi approvado.
')seutio-se o Parecer da ComissaS de
Marinha e Guerra, sobre a pie'encao do
Coronel Francisco de Omellas Telles Bar-
reto, que foi approvado.
O mesmo acconleceo ao do Tenente
Coronel Pedro Augusto Nolasco, e ao Pa-
recer da Corrrmissao de Fazenda, sobre
Francisco Izidoio da Silva, E-cripluia-
rio da Tipografa Nacional.
A|i)inivouve maii o Parecer da mesma
Comtuiasio, sobre a pe lencao de Antonio
Joze de Olv eir, Eirrivio do Mirinho da
Correica do Civel da Corte.
Enttou em discu>so a Resoluca que
appi ov.i a pensio concedida pelo Gover-
no iD. Ma.ia Luiza da Silva Freir, v-
uvi de Joze da Silva Freir, Commissa-
rio p'gador daexiincta Tho.-ouraria, Ge-
ral das Tropas, e po>U vota^io Gcou em-
pttadt*
Continua a segunda diarastfo da le que
extingue asclasses de Cadetes no Ejerci-
to, e cria huma rltsse de Aspirantes, e
o Sr. Borges of-receo huma emenda li-
mitando os estudoa exigidos para a mes-
ma clflsse a Aiiihmetica, NocSes pralicas
de Geometra e Trienometn'a, e Foi tifica-
ea de Campanlia para as armas de Infan-
tera, eCavallaria. qoe foi approvada: e
passando a discutir o Art. relativo aos o-
niformes, fioou empatado.
Deridio-se que fos.se convidado o Minis-
tro do Imperio para a discanto do Or-
ea ment da soa reparticaS e da dos Ne-
gocios Extmngeiros, que deve ter lugar
na sexta feira desta semana.
CMARA 008 DErUTADOS.
Sessade 5 de Setembro.
A's iO horas da manbi abre-se a sessfio
e lida a acta da antecedente he approva-
da.
O Sr. i. Secretario d conta do seguin-
te expediente.
Hum Officio d'> Secretario do Senado I O Snr. Vianna obtendo a palavra diri-
Fallo na materia os Snrs. Carneiro Le-
io, Limpo de Abieo, a Vizconde de Goi-
ana,
O Snr. Carneiro Lelo defende a apo-
sentadora que conceder quelles Magis-
trados declarando nio o ter felo por mo-
tivos polticos, mas sendo instado pelo Sr.
Visconde de Goianna para que eotaS de-
clarase quaes os motivos, respondeo-llie
que no Decreto de sua apoaentadoria es-
to elles declarados eqoe a querer o Sor.
Visronde aaber, porque entre os supera-
budantea fora5 estes os escollu'dos, que se
lembre de huma representaca, quando
Chancellar da R.-lacaS, fez subir ao Tht o-
no naqual dizia envergonhar-se de per-
teacer a hura corpo de Magistratura lio
corrompido, e nella achara talvez os mo.
tivoa que o guiaro, remallando o seu
discurso com diser que a huns aposentara
por corrompidos e a outros por faltos de
inieliigencia e mos Jurysconsnltos.
Dada a hora fica a discussaS addiada pa-
ra entra se na outra parte da ordem do
dia, que era a discussaS da proposla do
rr dito de dous m| coritos com a emenda
apoiada do Sr. Vasconcelos.
A dicusaS fica addiada p< la hora ten-
do aind a palavra algons Snra. Deputa-
don.
Da-se a mesma materia pira a ordem
do dia e levantarse a seio s a horas da
tarde.
PERNAMBUCO.
9
OOVRRNO DA FROVIBCIA.
Expediente do dia a3,
OFFICIOS.
partecipendo ter o Regente sanecionadoas
resolucSes, que appiovio as tencas ao Ma-
jor Joa Francisco Leal, e ao Tenente
Coronel Flix de Seixas Sonto Maior: fica
a Cmara inteirada. *.
Outro do mesmo commnnicando estar
em duvida se na resoluca de al de Julho
de-(eanni), vinda da Cmara dos Snrs.
Depotados, relativa a reforma dos OHi> i-
aes de a. linba se dever entender Decre-
to de 4 de Dezetnbro de 1802 como est
escripto : fica a Camnra inleirada.
Remette-se C'ornmis-io 3. de Fazenda
o icqueriment do Vigario da Fieguezia
da L lissiuio Sacramento,
Ordem do dia.
Entra em discussa a segunte resolu-
ca
ve
A Asamblea Geral Legislativa resol-
Ait. nico. Fica approvada a aposen-
tadoria 4>ncedida por decretos de 3 de
Janeiro de i833, com a metade do orde-
nado, aos De.semhargadores Luir Anto-
nio Bai boza de Oliveira, Joao H >metu de
Cdtvalho, Pedro Madera de Abieu Blan-
di, Catiano Feraz Pinto, Miguel Joa-
quim de Ceiqueira eSilva, Joae Bonifacio
deAraaio e Azaro bu ja, Antonio de Azovt-
do Mello eCarvalho, a Aniomo de Almei-
da Silva l'ieii e da Foncera.
Papo da Cmara dos Depatados, n de
Juuho de i83G. J. F. da Toledu.Go-
mes da I'ooceca.
Je se principalmente ao Snr. Ministro da
Fazenda cujos argumentos da ses.-io pas-
sada trata d destruir mostrando que elles
nenhum peto meiecem e queno o pode-
tio fazer mudar da opiniSo, que nio
se deve conceder o rvedlo, pedido pelo
Governo dedous mil contos, e depois de
muitas otilras reflexes tendentes mate-
ra em di.rus'o termina o seu di curso
volando contra ocredito.
O Snr. Feroandes Torres defende a 3.
Commssio de Fazenda das censuras que
Ihe foraS feitas ; declara estar conven-
cido da exi.tencia de hum difilct e por
isso ser de opinio que sn'deve conceder
ocredito pedido; que nada ainda otvio
aos nobres Deputados que impugna o
parecer, que o obligue a mudar de o-
pinia; que por estarem em poder das
ai mas da Legalidade oscipitaes das Pro-
vincias S'.blevadas, nao ce pode d'xer que
sl tudo acabado e que meios nio sao
precisos j para contnuarem as desperas
da pacificaca, mas niesuio para pagar o
que se dever e que por tanto vota pela
propona,
O S Duarle Silva toma parle na dis-
cus Ib e d^p.'is de algunas reflexes vo-
ta pelo crdito.
O Sr. V.-scocellos em mu extenco dis-
curso junta novos argumentos a outros
ja por elle producidos na anterior sesao
contra a n^cessidade, que se apprezenta
de conceder ao Governo o crediio de a
rail contos ; procura refutar as razes a-
preentadas pelo Sr. Ministro da Fazenda,
e sustenta fottemente a sua opiuia.
Ao Commandante das Armas or-
denando que especa as nuil ordens pata
que os Gorpos de primeira Linha da
Cuarn rao desta praca se forme ni eni
glande parada no dia 2 do prximo mtii
de Deserobro Anniveisariodo Filiz as-
cimento de S. M. o Imperador oSenhor
Dotu Pedro Segundo tirando na inteli-
gencia de que tambera formarlo as Legi-
es de Guaids Nacionaes deste Munici-
pio e de Olinda o Esquadrad de Caval-
lara do Recife, e a Companhia monta-
da do Corpo de Polica as quaes iicarn
todas debaxo do s. n Cotumando.
Ao Commandante supe ior da Guar-
da Nacional do Recifn para faser mar-
char as Legies e Esqoadia de Caval-
laria do seu Superior Commi*ndo, no dia
a do prximo m< de Deserobro, afim da
ooro os Carpos de primeia linha se for-
maren! em Grande Pirada, ficando ditos
Corpos ded'ixo do ("o ro utid o do Coni-
raandante d^s Armas.
Ao Coronel Chefe da Legio deG.
N. de Olinda pira fa>er marchar no re-
fetido dia a dita l.egiad ; e ao Cotnman-
danie Geral do Corpo Policial para fa-
zer marchar a Companhia montada do
mencionado Corpo ua furnia do prece-
dente i.fcio.
Ao Inspector da Thesourara envi-
ando-lhe vinle exemplares do Decreto de
31 deAg sto pa-sado regulando a execus-
sa do ai-ligo 0. a.* da Le de 31 da
Outubrode i835, das instrucc,es para
a regular fi-calisacao e arrvCadagn di
cisadosbens de raiz, paraos a,er destri-
buir pelas Eslacei competentes a fim
d que lenha o devido cumprimeoto.
Ao mesmo lemal endo-lhe urna re~
laca dos Assico-tai ios das notas na Pro-
vincia de S. Paulo, destinadas para o
troco dos Con hec i mritos e Sedulas da re-
ferida Provincia, a fim de que tenha del-
les o devido conbecimento.
Ao mesmo participando-lhe que
Manuel Ramos do Santos Siqueira ha o
encarregado da Vaccina no Municipio de
: I
il


*?'
2
DIARIO DFPEBNAMBCO.
Cimbres.
Igual partecipa<;a foi (alta soC-
rnrgia eccaregido da Vaccina nesta Ci-
dadc.
A Cmara Municipal de Cimbres
respondendo-lhe que approva que Ma-
nuel Ramos dos Santos iqu i' seja o
Encarregado da Vaccina vi-to nao haver
li Simrgia ter elle habelidade para
Vaccina .
w- Illm. Snr. H ivendo de solemnisar-
6e o Dia 2 do prximo mez de Desmembro,
Aniversaiio do Felis Nascimento de Sua
Msgestade o Imperador o Snr. Dom Pe-
dro Segundo, com arromamento de Tro-
pa em grande parada e Cortejo ao Re-
tracto do Mesmo Augusto Senhur, o que
lera' lugar peta huma hr da tarde do
mesmo Dia, convido a V. S. para que
baja de ompaiecer em o l'alacio deste
Guverno, com os Empregados de sua Re-
partiese.
Dos Guarde a V. S. Palacio do Go-
verno de Pernambuco a3 de Njvembio
de i836. Fian"iscod* Paula Cavbante
de A'buquerque Sr Inspector da The-
eouratia Jo? Gonsalves da Silva.
Oficios de igual (eor lora dirigidos
a todas 89 Aucthoridades, Chefes deRe-
partices Cnsules Pessoas Titulares,
Prelados das tres Orden9, Direclore, e
Lentes dos Estabeleciuientos scientificos,
e aos Negociantes Antonio Marques da
Costa Soares, Antonio da Silva Compa-
nhia incumbindo-os de convidar o Cui-
no do Commercio desta Praca, Nacional,
c Eslrangeiro.
Ao Major Commadante do Bata-
Iha de Guardas Nacionaes do Bonito p*r-
tecipando-lhe que fiea'de nenhum efei-
to a despensa que tem do servco Jo-
jo Soares, visto que elle como informa
o mesmo Majoi, e o Administrador do Cr-
relo nao preienche as obrigaces de
Agente, entrenador de cartas para o que
fora despenso ; e que por tanto pode cha-
mal-o para o servio.
DIVERSAS REPART1COENS.
s
PRBFEITl'RA DA COMARCA DO RICIFE.
Parte do dia a3.
Illm. eExro. Sr.
Das Partes i erebidas consta ,que fora
presos, liveraS o conveniente destino ;
Pedro Jos indio remetiido pelo Sub-
Frefeito da Freguesia de S. mrtir, por
rrime de furto e por ser vagabundo ; An-
na Mara da Penha, parda, remeltida pe-
lo Sub-Prefeito da S por haver ferido
com urna faca de ponta ao pardo de no-
roe Francisco Xavier da Conceica, ambos
moradores em Olinda, e Mara da Luz,
tamliem paida, presa pelo Carceteiro da
Cadeia desta Gidade por ter sido encon-
trada com bechiga cheia de ageardente,
pai.i a iotro'luzir na prisafi do seguro, co-
mo ja o tem feito em outras occasies em
contravenea das ordensa respeito.
Nada mais consta.
Dos Guarde a V. Ex. Secretaria da
Pie fritura da Comarca do Recile a3 de
Novembro de i836. Illm. e Exro. Sr.
Francisco de Paula Cavdcanl de Albu
qutrque, Presidente da Provincia.Ma-
nuel do Nasciinenlo da Cota Mouleiro.
ALFANdEGA DAS FaZENDAS.
A Galera |Ingleza Dryope, vnda de
Liverpool, Cap. Roberto Ilamilton en-
trada em a3 do coi rente j consignada a
Cabtre Heyuorths & C
Manifeston o seguinte :
i89 c. i Sgigos, 20 raeio> ditos, 1 barrica e t
caixa com louca 270 bar i- com man-
taiga, 14 caixa* com ferrajem 2 barri-
cas coto dita 8oocaixascom saba 7 j>
barricas rom farinha 1 caixa com cha-
peos de sol, 5bahuscom roupa fita, 2
fardos com dita 5ocaixas com follia de
(landres 3 ineias pipas de agoardente. 3
caixas com chapeos a ditas com selins,
1 cam de metal cpna pertences 5 caixas
com papel 6 barricas com aranqueS 3
ca xas eom carrinbos para meninos ioi
gigos com batatas 1 baruca com presun-
tos 90 presuntos 16 barricas de serve-
ja 3 caixinhas com conservas 5o ca-
nastras de salma a4 queijos, 1 ca-xa
comsapalo<, 5 renlos, l caixa com a-
iiinstras 1 caixa igm.ra-se ocouteudo I
eu'biulbo dito dito.
MEZA DAS DlVRllSAS RENDAS.
A pauta he a mesma do N. 24'
ARCENAL DEMARIMIIA.
Para fornecimento dos Arroazens do
fucturo mez He Descmbro se prerisa os
seguimos genero*. Bacalho qninze ar-
lbas, ai ros vinte ditas, toucinho de seis
arroubas bcnn barril, feij<<5 inte alquei-
res do novo Padra, vinho huir pipa
attestada, papel vinte resmas, brim da
Rassia cincoenta pes-as. Quaei^uer pes-
soas que ti nh.i os referidos gneros e os
queira vender podera compirecer rom
mus respectivas amostras no dia ab* do
corrente ua Salla da Inspecca.
Arsenal de Marinha a3 de Novembro de
1836.
Antonio Pedro deCarvalho,
Inspector do Ai seal.
CAMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
Sessa Extraordinaria de 9 deSeterobro
de i836.
Presidencia do Snr. Silva.
Comparecera5 01 Senhores Miranda ,
Gusma, Marlins, Souza, Pesoa, e C-
mara, faltando com cauza os mais Snrs.
Aberta a Sessa, e lida a Acta da an-
tecedente fo sanecionada por estar con-
forme.
O Secrrcretario tendo feito a leitura
do expediente mecionou os officios se-
guintes :
Um do Exm. Presidente da Provincia
convidando a Cmara para comparecer
no Palacio do Governo a fim deassistr ao
cortejo ao Busto de S. M. o Imperador o
S.nbor Dom Pedro Segundo: inteira-
da.
Outro do Joiz de Paz Suplente da Fre-
guesia da Luz participando ter dad' to-
das aS providencias para a Eeicio de Ve-
icadores e Juizes de Paz, por que aehn-
do-se enfermo nao ppdia Pnsidir ditas
Elleices, e que tendo o ollicio do Juiz de
Paz pr o faser, esta havia respondido,
que tambem seachava doeni a vi-ta do
que recorra a Cmara houves->e delibe-
rar o que fosse ju>to a fim de proceder
a ElleicaS : inteirada, por ter-se receido
o ollicio no dia 9, e j se ter feito a Elei-
ca naqdella Fregnesia.
Outro do Juiz de Paz da Freguesia do
Jaboata parteripando que com quanto
nao tivesse'ordem para preceder a Ellei-
cio dosJuisrs da Paz, e Vereadorcs to-
dava esperando ter ruidou em formar a
lista geial dos Cida'fSog, que tem direito
d votar, mandou afixar na porta da Igre-
j Matriz; porque tendo noticia de na
porta da me-mi Matiz iguaes pubcacSes
do Juiz de Paz da Capella Curada de Nos-
sa Senhora da Boa-viagem de-ta Fregue-
sia julgoa, que as oidens que esp-rava,
fora dirigidas a a.jii'He Jim de Paz, e
que a vista do Artigo i. e a. do Decreto
de 28 de Junho de i83o na5 compete 9
El'eicaS aque'.le Juiz de Paz mais sm ao
da Paiochia e lug*r da reurrio do Cole-
gio ; islo pois leva o couheciment des-
ta Cmara so com o fim de evitar qualquer
transtorno a Elleica5, e respiis.belida-
de sua : ficou a Cuna.a interadi, e bem
como a ivsposta que o Sr. Presidente deu
a respeito.
O uro do Fiscal do Becife remettendo
aconta da I) spesa Cuita com os leitos da
ra do dito Borro : a Comais a5 do Sor.
Cmara e Gusmio.
4
O Snr. Vercador Jos FeliV de Souza,
apre^entou a aeguinte Proposta :
Na6 hayendo Lei que previnir posa
o escandaloso, eciiminoso abuzo, que
se fue ltimamente da regeic 5 da
moeda de cobre carimbado moeda con-
tra a qual nao ha raso de suspeita de
lalsidade, por que a regeitada tio ver-
dadeira quanto a aei'a centre as quaes
nasenotta outra dilerenca mais- que
a do lempo, 00 maior uto della, tornan-
do-*e urnas mais ou m-no-i lizas, e i^to so
em detrimento da classe desvalida e na
contiuacjN de->sa cap ixosa e crimno-
za reieica possa aparecer alguma na
coiisequencia poique o sol i.nento hu-
mano tem limites, e c .mp-tindo e esta
Ilustre Cmara remediar ura tal ciime
por ser huma dassoas altribuices marca-
das na artigo 66 da Lei de sua criacad do
I, de Outubro de 1828, e mesmo pelo
disposto no artigo 5 8 4. do Cdigo
Criminal quando diz os crimes contra
a Polica e a econonra pai lealar das po-
voacSes na6 especificados nes'e Cdigo,
os quaes seiio ponidos na conf-irmidade
das Posturas Municipaes A vista do
que proponh'o que esta lilustie Cmara
tomando em consideaca o ei posto, ha-
ja5 de promover os meios de prevenir um
tio pernicioso romo criminoso abuzo : a
qual proposta foi approvada e a Cmara
deliherou que fosse a GommissaS dos Srs.
Martm9, e Souza.
Foi presentada a Acta das ElleicSes dos
JuizeS de Paz juntamente com as Sedu-
las dos Vareadores, de euja acta consta
naterhido apurada a ElleicaS dos Vare-
adores ; e a Cmara deliberou levar ao
conhecimento do Exm. Senhor Presiden-
te o expoato para que baja de deci-
dir.
A Cmara tendo ja ofiiciado aos res-
pectivos Parochos a respeito das Elleices
dos Deputdos, e membros da Ass m-
blea Provincial para a seguinte Legisla-
tura conforme fora resolvido pelo Go
verno da Provincia, deliberou que se
offi- iase a todos os Juizes de Paz das di-
ferentes Freguesia do Municipio, com-
minicando-se-lh'S a resoluci do Go-
verno a fim de ter logaras Elleices pri-
marias no dia iGdeSetembro vidouro, e
qoe se afixasse para e^te mesmo fim os
Editaes na forma do exilio ; fora no-
meados para a Commissa que tem de
estabelecer o preco das agoas ardentes
conforme o estado, e circunstancia do mer
cado, os Snrs. Miranda e Pessoa.
P*sou se 11111 lado da quantia de
5o$344 rs. a Joj5 Domingues da Silva
proveniente da de-pesa das custas que o
mesmo fez tas denuncias que contra elle
encamiuhou o Promotor Publico desta
Commarca.
O Par- cer da CommissaS sobre o reque-
rimento do Cidad-5 Vicente Fe reir dos
Guimares Peixolo, que esta va ad liado,
foi aubmetido a disnuussao e approva-
do.
Comparecen o Cidado Manoel Jos
Martins prestou juramento e tomou
posse do caigo de Vereador.
Dtspacbaia5-se alguna lequerimentos,
e por ser dada a hora, levaniou -se .'a SeS-
sa5 e mandarad faser a|reseote acta em
que assignarad. E en Fulgencio Iilan-
de Albuqutrque e Mello Secretario da
Cmara a es-crevi. Silva Pro-P. Miran-
da, Souza Gusma5, Martins, Cmara, e
Pe.-soa,
VARIEDADES.
Do Progreaso social.
Nestes ltimos tempos tem-se a acca
da poltica simplificado singularmente. Ex-
iste no paiz urna ta5 viva me<* dado de
ordem e paz, que forca foi que asintelli-
gencios mais indisciplinadas seguissem
urna senda mais tranquilla quando as
exigencias dos interesses erad tao impe
1 io as e prc isas. Os meemos 1 eciios, que
pertubad a c unmemoracaS dos dias de
Jalho, tem foitificado o senlmento ge
ral. Poderosa discutir theorias, admit-
idas, regeital-af, quando licito decla-
rar o fim a que ellas tendem e quando a
questo versa li sement sobre a utili-
ladeoo possibilidade daapplicaca. Mas
logo que as theorias se apoi no aasassi-
nato ja nao ha debate e so se sent
horror e averca, e U unnime a re-
provaca que, pelapiimeia vez, todos
os que, em sentidos oppo>tos, concn e-
rem para o ensino poltico do paiz, j>e a-
cha acordes para o manilestarem. A
diversidade dos juizos a cerca da medida
ministerial nao altera de aorle alguma es-
te resultado. A uns aotolhou se o peri-
go mais grave, menos a outros, a outros,
a todos mspirou o cime mesmo horror,
todos assim o exprtssaiam.
Depoia de tantos sacudimrntos, tantas
dilaceraces cliegamos a esta epocca de
ransaco em que o> partidos ser em em que as minoras excntricas ten-
dem a fundir Da maioria nacional. Neste
sentido que a acca poltica se ha sim-
plificado. Mas tiempo:so se deve crer
que esta atona, que por casualid^de tio
l'avor.ivel ao ministerio e ao proprio paiz,
posa vir a ser o e-taJo normal da Frau-
9a. Cumpre tieni crel-o, nem dsejal o.
Os povos livres nao conserva a sua
libeidade se nao debaixo da corudica de
apagarem. Precisa da vida publica ,
de tormentas de tribuna; mister que el-
les se de.-envolva, as suas ampias p< opor-
ces es-a lucta incessante entre o poder
e a liberdade entre a conservaca e o
pregresso, essa lu. tasem a qual nao se fir-
ma nada se melhora. E' desta sorte
que a Inglaterra Constitucional deu ao
mundo, o espaco de um secuto e meio,
o exemplo do mais portentoso desenvolv-
ment que jamis tomaiv as in- ea fortuna dehum povo. E todava estes
combates polticos, que se roedia to-
das as altas inteligencias da Gr-Breta-
nha eSsa vida publica que uiimava os
6eus Hoslirig-, e espalhava as pracas pu-
blicas a sua populaca industiial, esses
incidentes quotidianos do grande di ama
representativo, nem se quer por um so
momento distrahiiv a naci ingleza do
legitimo afam de seos interesses mateiiaes.
A poltica nao da va folga na olficina, por
que a oidem social nao tinha que sefirer
com as mamfestaces populares, e o sen-
timento da legaldade, profundamente
gravado nos coslum'S, regularlsava todas
as demonstraces. A raza que em In-
glaterra ha duus pontos alheios a todos os
debates: o tlirouo e as instituices. E'
bem forte o povo que tem adquerido
taes convieces ; e bem ftcil a acca
do progresso, toda a vez que os votos se
manilesta sao isentus de segunda tenca,
e se podem pateutear altamente seto cau-
sar receo.
(Contitn. ionel).
(Do Diario do Governo deLisbo).
Conversa entre hum Doutor, hum Fiscal,
e hum In-pector deQuarieiro, no atrio
do Collegio de Jess, que bem parerem
tres Cabalistas, avista do seguinte dia-
logo.
Fiscal Quem estahi ? He voc Dou-
lor ? Oh 1 bravo, r est tambem o tiosso
Inspector de Qoarieirio, como es a calla-
do, inaeariao, fez as tod nhas oas piesentes
Eleices.....
Doutor. C >m effeito, voc loqrou-
cie? Ora, meo Fiscal, por mais que lhe
pedisse o arranjo dos votos, nem paia Ju
iz de Paz, Camarista, e Eleitoi uve hum
s votocm paite alguma 1! Forte ingra-
tdao.
Fi-cal. Doutor, creia que me esque-
ceo o seo ame, e nem v que assim co-
mo cabalei para infinitos Doutores, que
me p diric, chalara para toc, que esta
desai aojado, e nao acha hum Constitua-
te, quelhe d alguas Provara.
Iu-pector. Ora Doutor, vov tam-
bem pedio votos? Amigo Fiscal, este nos-
a Amigo Doutor esi doudo. Eu j Ibe
tenho dito, que se deixe de arranjos Po-
pulares, porque elle nio sabe fazer huma
Peticio, lie verdade, que he muito bom
moco, apona o da com a gente, porque
mo tem fu maca, purera isto de Direito,
elle no esludou, e se estudou, o direito
nio llie quiz entrar na cabeca, alem disso,
elle nio precisa, tem o Pai, que ganbou


DIAR
ERNAMBUCO,
em bom lempo, por o que tem para elle
luns milfruidinlios aferr!hados: enlre
lano, p ;S*a bem de p,n<;a, joga cande,
riJa na ra muito xiuxim as Mininas
mineen por elle, na o chami'> senio
Ioi Djuior traz os boles muncados
de pata, oes, que mas quer ?
Doutor. TudoUto he verdade, po-
rm deslava ser assim hum Eleilor, p*ra
Tersecomungava, Deputado, e de cerlo,
se fosse Dep'Jtado eu Ihe dira se a Babia,
mudava ou no de fortuna.
Eiscal. Meu Amigo Doutor, ass.rn
tem dito muita gente boa, en qu,nio nio
meter a barba no cliz, ao depoia que en-
tilo a manjar os seis mil cruzados, adeos
Baha, (com honrosas excep^e*) que pa-
ra reinara I-a concorda muito de prwipto
com tribuios causa primaria da decaden-
cia dos Estados.
Inspector. Apoiado, apoiadomeu Fis-
cal, que o dgio as pessoas que 4 annos
se eropenhaio para certos Sis. sahirem
eleitos Depurados, os qu.es ntes deal-
cancarem o que tanto desejavio, diziio
seca e meca, e a final, dep.is de sahirem
soi te a medida ce seus de eos, o que fi-
zerio? (sempre tanha val ment, e todo,
as homosas excepcSes. ) Nada, e entre
tanto O milcruzadiuhus foice e nio ha re-
dio se nio cabalar, e invocar a Sinta
Esperauca.
Fiscal. Amigo Inspector, o que voc
diz est opoiado, por jaso este anno, no
cabalei pata certos sugeilnhos. caba-
lei sim, porem fui c para gente nossa, que
nossa ventura tertamente hade fazer.
Inspector. Estimo muito e Dos
queira que os meus votos, e cabalas concor-
den] com vorc.
Duulor. Ora diga Inspector, para
quera cabalou vote?
Inspector-----pdla quera caUlei? Eu
lbe digo, na minha Freguezia cab.lei para
Juizea de Paz a quatio homens, mui Pa-
triotas : para Veriadores homeris de bem
a toda prova, e para Eleitores, enlio no
fjlemos, finalmente meu Amigo, cabalei
para borneas que no Ve troceen, horneo*
que xupfo com usco, permita Dos que
asmiubas cabalas aproveitem.
Fiscal. Apoiado, meu Inspector, ja
sei que voc he Patriota, fez o que eu
tambern fiz, nao cabalei senio para gente
da no>.sa medida..
Doutor. Por isso, era algumas Fre-
gueziag este anno, houverio barulhos, a-
inda he bom que se noiembnro de mim.
Fiscal. Meu AufJ|sDoutor, tenh
paciencia, fique certo qOfejfccatisa de vori-
nao ser lembrado be porquftlf As Caba-
listas, estamos j escaldados, conV-alguns
dos seus Colegas, que no promet* nao fi-
cio mal.
Inspector. Apoiadissimo meu Fiscal,
assim fui eu, nio cabalei para hum s, fiz
o que pude a fim de sabir ele ta gente nos-
la, gente que mama, e xopa com a gente,
de maneira que se os cabalistas altos no
transtoi nario as nosas cab-la*, temos gen-
te de bom goolo Santo Antonio permita
que saiio.
Fi-cal. Amigo Inspector, eu j pro-
meto' huma rossa a N. 9*nfa ra da Victo-
ria, para sahirem eleitos os Patriotas para
quem eu cabalei, porque elles me pi omel-
terao fazer,Fiscal Mor.
Doutor. Com effeto, voces sao Ca-
balistas por ai te do diabo, porm tenhao
sendo no baja algoem que os v denun-
ciar ao Cabalista Mor do I.npeiio.
riscal. -- Doutor, voc nio sabe o que
eu fir., ai promett a S. Pedro huma Mis-
sa pedida, a S. Joze, e a Santa Mara,
hum Respousio, a fim de me ajudarem a
f-ier bem feita a minha cabilla.
Doutor. Dizem que na maior parte
das Fregut-zias houveio novicia des, e que
andavio pessoas pedindo votos, assim co-
mo pederu esmolas os p bies de poi ta em
porta, e a ser as.-im, muito mal vio as e-
Myes, e pelo geilo estou veudoque para
s futuras os cabalistas levo tudo pelo que-
ro poique quero e acabar talvz, em
p mcadaria velha.
Inspector.-Apoiado, apoiado, porm
cabalar sempre; porque assim o peimitte
o Systema deGoverno Popular, e he mui-
to justo que e cabale para nio s goveruar
esses meus Senhores.
Pisoal. Eu Ihe acbo razio em querer
cabalar par a uosji gente, porque nio he
justo, queso os Srs. Doulores governem,
bem basta a notica que coiie, valba a ver-
dade, dequeosSr.-. Doutoies vio ser em-
pregados em todos os Distrclos no Oflicio
de Juizde P.z, a ser as-im preparmo-
nos pira suppoilaimos Igumas inju>ticas.
Inspector. Ora fallando verdade, eu
apoio, mas hatera de ser dep. is de pasar
por hum exameera Direito, porque dizem
por ah, que ba taes Doctores que nio sa-
liera onde deve concordar o adejetivo com
o se.i substantivo, nem o verbo cora o teu
nominativo.
Doutor. Eis- co, ora se com os Dou lores acontece isto, o
que nio aeoniecei rom a gente, que xupa
oom nosco? Que acontecer com hum po-
bre alfaiate, que se quer meter a bequis-
ta em Polticas?
Fiscal. Alto l, S\ Doutor, Alfaia-
te sou eu, mas bojesou bum Fisod da Na-
ci.
Impecfor. Apoiado apoiado, Sr.
Fiscal, Cap., i rro gou eu. porm bojesou
hum Inspector do meu Quarterio, onde
reside gente de alio coturno, e brevemente
largare, a Inspectora, para ver se alcanco
ser Capataz Idr dos Cpaiazes.
Doutor. Ou Am go Inspector
ra se agora c.ear es-e lugar? Nio hade
ser nao......
Inspector------Sim, voc no sabe que
gora, dizem que se procura os lugares
para os homens, e nio os homens osluSa
res??? Bem oigoeu D ulor. vorriosei
o que fez em Pe nambuco. Oh.' !! l doo
meia noite ero S. Francftco. A dos.
Doutor. Oh amigo Inspector J se re-
lira? pois bem; en tambem vou me che-
gando casa, pois he provavel o m-smo
faca o nosso Am go Fiscal, por tanto,
adeos.
Fisc.l. Nio se engaa, Amigo Dou-
tor, eu tambem me retiro, e adeos, res-
taodo-me lio smenle a dii-r por despedi-
da que coro cabalas j vajo que vai lu-
do pelos ares, com todos os diabos.
C Da Gazeta da Babia. J
>
EXTERIOR.
Espirito dos Jomaes de Pars. Em 9 de
Septembro.
O Jornal dos Debates censura os ornaes
da Opposicio por a maneira com que tem
felicitado o novo Ministerio, que succe-
deu ao do Partido Tiers e a pouca sim-
paibia que most-eram naocca>iic> pelo pe-
sar daquclle partido. Aeree, nta, que se,
c >mo allirmo os Doutrinarios sio tim
crueis ese o despotismo va-se inlrodu-
zindo no paiz o remedio est no poder
do povo ; elle pode protestar escolher,
eoppoi-se ao mJ. Somente admira que
ja o nio tenhafeito. Comtudo he ver-
dade, queo sist< ma dos Ooutriuarios de-
ve estar intimamente unido corn lodo* os
mteresses e simpat^ias da Franga ; do
contrario elle nio teria germinado cre-
cido, e fructificado, sobre un volco ; e
a dtspeito da Opos9o es.se volcio ser
por tlleaxlinct".
O Constitucional de novo alirma
que os Doutriuaiio- nio podem por modo
aigum ter a maioria na camera e que
elles conhecem ao m'Srnu. Esquadrinha
a historia da ultima se9sio, e confirma sua
assergio mostrando a triste figura daquelle
partido em vanas occasies.
O Imparcial ob-erva que os pri-
meiros actos ollicia- s da Ruinha de Hes-
panha e *eu novo Ministerio, depois oVa
successos de La Granja, tem un ar de i-
me/a a respeito que in-pia m Iboies es-
peraiicas pela sorte futura daquelle pas.
Nio he comtudo, sera espanto que v
o Ministerio esforcar se de impor sobre a
nagio urna segunda camera. He de te-
mer que esta medida proluza grande irri-
tado nos e-piritos por toda Ilespanb e
he calves impossivel o successo da impie-
za. Ao mesmo tempo de vemos confissar
que uraa camera de Pares anda que e-
lectiva, seria de grande ulilidade para
llespanha ; e se a conslitoicio de 1812
los.-e assim espulgada do principal erro
que nella se ericen a a sua existencia futu-
ra tornar-se-hia menos problemtica. He
misfer todava no negar que o mesmo
inihusisMno nacional que dominava os
Frasczes ero i793 e em vio se procuia
em Hespanha. O sueess. de iecrutamen-
to de 5o,oo homens agora ord- nado be
raais para desejar que esperad ; m.s o
decreto a fim de pagar-se o dividendo da
divida de llespanha mostra evidentemen-
te um louvavel espeito pelas ob. gaces
anteriores do pit. Resta ainda ver os
effeitos que prodiisiiem Madrid a noticia
do Ministerio de Franca, e be de esperar
que os Ministres de t de Setembro n-s-
riduasob os auspicios de nenbuma irittr-
venci sejioao menos fiis a sua divisa.
Para a H spanba ser um grande b-m a
observancia da neutralidad*:.
O Nacional olTeiece vaiio comn,en-
tos eos decretos publicados ltimamente
pelo Ministerio Hespanhol concernen les a
nova CoostituicJo e os Hespanhoes que nio se fiem na Regen-
te 011 seus Ministros irre>ponsaveis. Essa
naci, diz elle, no pode e-quecer u ex-
emplo de Fernando 7.-^, e pode estar
certa que a Regente hade ob.ai do mesrtio
modo todas s vtzes que nma oca i.,
oportuna se depaie. As Gort-a pertence
defender a revoluto e lio somente ellas
podem dar ao Ministerio authoridade suf-
ficiente para resistir a m intenqio da Rai-
nha e as pessoas que a serrio. A cre*cio
de urna segunda camera he contrario ao
espirito da conslituJcio de i8l e heevi-
dentemente tirada das Cartas de Franca
e Inglaterra. No vale a pena des< ntir-se
a questio de quanto urna tal camera he
compalivel com um governo democrtico;
a existencia de urna segunda camera ou
senado nos Estados Unidos parece demons-
trar cssa compal.bilidade. Os Hespanhoes
devem ttr cuidado no obstante, de nao
deixar a nomeaejio dos membros de ta se-
gunda camera ao governo ; porque se
sua influencia predominar naquelle ramo
da Legislatura ha de paralizar tod s as
medidas que nao for do sen agrado; e cedo
traria uma nova explorio ou ficaria se-
nbor do campo da baialha. Hum .-enado
vitalicio he tambera uma instituicio di-fa-
voravel ao m-.vimento democrtico no
caso que seus membros se apartem da o-
piniio publica. Todas eslas questes im-
portantes deorariizacao poltica vio bre-
vemente ser submetidas s Cortes, com-
posta de urna ? camera. IHi0 be o que
deve ser ; em lempos de revolncio o po-
vo aceita nicamente um guia,
-- A Quotidiana pronosi.a as desgra-
cas da Rainha Christina, como tem sem-
pre acontecido aos soberanos tidos presio-
neiros por seus subd tos amotinados. O
povo est muito engaado se acreditar na
moderacio dos revolucionarios He-panboes
meramente poique ell.s cmservio a Ma-
ra Christina o titulo de Regente e fa-
zem-lhe exteriormente as honras devidas
aquellelitu'o. He uma comedia que es-
to representando, mas que hade acabar
em sangue. Se guardan Mara Chstina
entre si, he porque sabem que os sobera-
nos que se aband..nio as rev.lucoes tor-
nio-se um instrumento til aos revoluri.
onar.os.
( Times )
s;ilsiiser-!lie do rjtie tlevort,, pois
cerno j disso vai ajotar conlas,
e deve justificar efles dbitos, cen
ulUino apuro ar publico pelo
mesmo Diario os noraes desse*
8nrs. o que Ibes nao ser airoso.
Alo firrj do corren te mez oabai-
xo assiguado espera que todos fa-
(ao o seu dever.
Fra[lcjsco Antonio dos Santos.
Cobrador do Bairrode S. Antonio.
THE A TRO.
Hoje Quinta feira 24 de Novetnbro a
Beuelicio de Luiz Joze da Silva Carioca,
Mara Joaquina da Conceico e 'l'homaz
d'Aquiuo Lopes Actores do Thealro se
representa a grande PecaAsDuas Rivaes
InglezasAiia, Dueto, e Entremez da Ro-
da viva.
AVIZOS PARTICULARES.
O abaixo assig-nado, cumprin-
do-lhe porem da as con tas da co-
branca da subscripto do Diario,
no Bairro de Santo Antonio, roga
muito seriamente aos Sirs. assig-
nantes, que seaclioalrazados em
a, 3, 4, 5, e mais uiezes hajo de
ITJ* Quem precisar de um homem
braneo de toda a probidade p.racaxeiro,
OO administrador de qu.lquer obra ; diri-
ja se a ra do Fogo Iom do Dez. Luie
Francisco de PayU Cav*lcante de Albu-
querquea qualquer hora.
WT Quero precisar de i50^ res a iu-
ros com penho.es de prata ou uro, diri-
ja se a Fora deportas venda d. 22.
ry A viuva do falescido FianciscoVi.
cente Vallim, faz publico que recolheu em
sua casa o croulo Manoel, que foi icrtfsi
da faescida D. Auna Francisca Leocadia
de Mello, por ter 6cado liberto no testa-
mento deSfa faescida, e estar manutinido
em sua libeidale por mmdado do Snr.
outor Juiz do CiveJ da 1. Vara, Escri-
vio Reg : sendo dito mandado passado em
2odeOutubro do coneuteanno, e como o
referido crioulo f,i criado na casa da an-
nuncianle, agora que ficou liberto a pro-
curou pedindo-lbep.ra porcaiidade o re-
colh.r paia Irabalhar porseu ollicio de tf
pateiro nesta Praea e pr essa rasio a anuo-
cianteconhecendo a sua conducta o raco-
lheo. .
*& O Beneficiado do da 26 do corren.
te avisa por meio desla folha todos os se-
os amigos, e piotetores que Ihe 6 re rio a
hon.a aceitar B.lbetes de platea, e cmaro-
tes, que o seoBenefnio no mesmo da
acuna deca.ado : a Peca o Conde Genovi-
tiz, oEntremez o Dueodo Cazamenteiro.
Os intei vados dos actos, serio prehenebi-
dos com Arias, e Duelo e lindas sinfonas x
fazesla advertencia poique muitos Srirs.
julgao ter se mudado o Beneficio.
3P Fora de Poitas casa n. 50 lado da
Dla' Pequen- lava-se e engom.-se roupa
con. l.mpza, e acceio, e por preco cora-
ra, do : na mesmacasa ha para vender um
pequeo navio do tamanho de 5 palmos
que tera todos os aprestos e apai-elhos, e
t'tHtnt Ua" SeD,,0r ^ bons costumes
se prrrjp a receber meninas para entinar
a ler, escvjver, coser, bordar, e marcar.
V ma nimba esciave, de nome Jo-
anna, a jjtJaI fJIescida, mandou-se pela
mesma por uma algor, ero uma cruz de
ouro, da qual out-a rma, e como igno-
ra-re que loja de ourivci Ici, a mesma pes-
soa que recebeo leve-a a esquina da rraci-
aba do Livramento loja do Burgos Ponce
de Len, e receber o concert que fo jus-
to pela faleicida porqualro ceuioae oiten-
ta res.
%y Antonio Joze Ribeiro moradorna
Povoaco do Abreu de Unna; avisa oSr.
JoioConeia C*zr morador no Brejo da'
Areiaque nodia r9 de Novembro do cor.
rente em sua casaapareceo uma ccrava de
noroe Bazilia, pediudo a comprasse, e que
era do ditoCezar, caso a queira vender ha-
ja de r entender-te, ou mandar tomar ron-
la da dita escrava adve lindo ao dito Snr.
Cezar que nenhuma responsibilidade lo-
ma pela dita por qualquer evazao ou aci.
dente da mesma.
Jf^ Precia se de um caixeiro, que en-
tendad'escriptrt, e qoe queira hir para a
Villa de Macei, prestar al,i .-ees .ervcua
em uma casa de negocio : a pesso* a quem
convier este negocio, e se queira ajusfar
para este fim, dirija-se a ra da Cadeia no
Recife a f .llarcom J -ze Pereira da Cunda.
%Jf Precisa se de uma ama forra ou
captiva, que le ha bom le,te, e seja pessoa
de consideraco: quem e.tver nrst r^
1 nnst.in. i s dirija se ao porto das canoas
venda defionte do telbeiro que l acbari
com quem tiactar.
J^ Joze Jacome Tasso Jnior, tendo.
se-lhe rie.seocaminhado um meio Bilbeto
da Lotera do L vi amento n. 27i5, o qual
se a. ha assignado por elle, e por Ricardo
C.Napier; lOga-se ao Snr. Tbesoureiro
baja de o nio pagar no ca-o de sair premia-


DIARIO DE P ERWAMBUCO.
4o, se nao a eile mesmo.
VF Quena precisar de urna ama de
leite, procuro na ra da Santa Cruz casi
n. 272, lado da Ribeira que achara com
quem tractar. A-Uerte-se que a dita a-
*ii m>' cria etn sua propria casa por ser ca-
sada e ter familia.
*X^r* Precisa-sede urna ama para cosi-
nhar e regeruma casa sem familia : quena
stiver nestas circunstancias dirija se a ra
da Madiede Dos prensa de algodio.
*^" Rugarse ao Snr. Doutor Francis-
co Bernaido de Garvalho qucia declarar
aua morada, ou dirigir-se a Olindtruu de
S. Beoto C..SJ imediata a Botici de Joio
(Jlimaco Freir.
*jrjp* Quem annuncioa no f> -*ri > d
Sbado querer unn sma, nao sendo moca,
para cosinharna casi de um rapaz soltciro,
declare ua morada.
fc^* Tioca-se un tranc-lira groco de
milito bom ouro, por um cordio de oui'O
que seja tamben) groen,e o ouro bom, ha-
vendoquem queira fazer esta troca, an-
noncie por este Diario para se tractar do
dito negocio.
%Jf A pessoa rjne annunciou no Diario
>de a3 do rorrele ter urna letia de um
cont de rea pira rebater, com boas fir-
mas, dirija-se a Praca da Independencia
loja n, 7, se dir quem q ier.
|^r* Precisa-se de i:aoo$oo> reis,
a premio de um e meio por cerno ao mez,
omacsegurancia p-ecisas, p-.-lo tempo que
se puder aju-tar : ni Tanda da esquina da
Ribeira, que tem Umpo junto t praca da
farioha, se dii quem piecisa.
HJp1 Pergunta-se ao Snr. Luiz Alves
Pinio Juiz da rmandade de S.m'a Sicilia,
cora quantos votos sabio Procurador Geni
da mesma Irmandade, e se com 8 pessoas
se pode formar urna meza ; logo esta meza
cita nulia. Snr. Pinto olhe para i Irman-
dade de S. Goncalo &c.
O abilbudo.
Nesta praca deseja-se f.-llar aoSr.
Agostinho Ribeiro da Costa, e ao Snr. An-
tonio Joze deQueiroz, a negocio de cir-
cunstancia, queirio por ohzequio annurt-
ciarem assu.'.s moradas pira se lhes f.'I'ar.
E por ser daioa hora o Sr. Presidente
levantoua Sessa, e fiz esta Acta em que
-assiguaraS. E eu Joaquina Higino da
Motta Silveira, Secretario intirino o es-
Jo ao Donnelly, tem a honra de annun-
ciar aoa seu* Amigos, e ao publico em ge-
ral, queelle acaba de rhegar de Londres
cora um grande eescolhido sorlmeoto de
fasendas que pelas suas qualidade* gusto convidio a attencao de seo?, fregue-
ses, e consta do seguintePanos das piin-
cipaes Fabricas de Inglaterra de todas as
cores equalidades, cazemiras merinos,
duraquese brins, valencias, chales, e arol-
choados, veludoslizos e lavrados; grvalas
de teda de exquisito go das pira colietes e um grande sqrtimento
de lato feito na ultima moda de Londres
que em qualidade e elegancia nunca foi
excedido. Joio Donmlly apruveita esta
occasiio para agradecer ao habitantes des-
la Provincia a decedida preferencia com
que o tem honrado, easseguraa seus ami-
gse freguezesque grato a seus favoies ja-
mis se desviar do systema que sempre se-
guio de vender suas iazendas com o menor
Jucro possivel: na raa da Cadeia do Reci-
fe n. 37.
%ry A abaixo assignada, Benifciada
do da 16 do orreote, rog nos Sur*, que
se dignara acceitar bilh. te-, tanto de ca-
maiot-s, como de platea do sen beneficio
(e que aindi nao sahsfizeraS) tenha a
hondada de deixarem em sua* casas, ou
dirigirem se rua da Roda na esquina da
caza aonde se deitavio os engeitados.
Anna Epifana de Souza Bitancoort.
t9 Troca se a moradia de um sobrado
na roa do Rozara com bastante cmodos
por urna caza teirea quemquiser anun-
cie-
V* Pceciza-se de um rapaz Brasileiro
00 Portugus que se queira sujeitar a ser
caixeiro de urna venda, que seja fiel e h-
bil para este servico, quem est i ver fiestas
circunstancias anuncie.
fjr^P" Precisase de urna mulber bran-
ca ou parda para urna caza que trate da
Iguana couzas como seja cosiahar ,
lavar fice. : quem estiver nestas circuns-
tancias anuncie a sua morad para se por-
curar, e adve te-se logo que h casa que
tem familia e nao de homem sol teo.
IfW Prerisa-se de um homem que iu-
tenda de plantacdes, a tenhi quem Ihe a-
lioiia a conducta para ir tratar di.io a-
nuncio.
Precisa-se de pretos serventes,
WW' Precisa-se de pretos serventes fnheiro, as quaes se acnao no 1
quem os tver e quiser alugar a 56o r. di- I jueiro atrs do mocambo: qo
arios poda falar com Domingos Jos Ro- Vtender dirija-sea ruado Livrai
sp Rolrieues d'Aievedo na ra Nova D. ^ ^^ 3 travs de 45 palmos
y.O por sima da loje de Relojoeiro.
COMPRAS.
Urna caiteira de urna so' face para urna
pe s >a, e que seja pequea : snnuneie, ou
dirija-se a Fora le Portas venda n. 22.
K9 Um tonel que tenha servido para
azeitede peixe e alcatriofirc, e que j alo
sirva para o dito fim : annuncie.
lat* Um jogo peGamo, uzado; quem
qoiser vender por preco commodo, dirija-
se a Praca da Independencia leja n. 7.e
38.
|f Um corrame de lustro tendo fer-
ragens douradas, e em bom uso : na Pia-
fa da Independencia loja n. 37 e 38.
K9 Urna bride de prata servida : na
ra do Rosario indo para a do Queimado
venda de Joaquim do Reg Per-ira, ou na
Botica do Chagas na ra do Li va me rito
que dir-se-h quem compra.
LEILAO.
Faz-se leilfnde trastes em hora uxo; e
d'um excellente cadeii inha de goto e pin-
tura moderna; no dia 30 do curren te pe-
las 9 horas do dia, na ra de H01 tas casa
D.61.
YENDAS.
Urna negra de naci Angiro, sadia, sa-
be cisionar, e entende de padaria : na ra
do Ri gario defionte da Igrejt na esquina
venda D. i5, se dir quem *ende.
WP" Romance* de Voltaire, traducidos
e anotados por a Doutor Antonio da Costa
Paiva : obra interessantissima, pelas licoens
da mais sublime philosopbia pratica, que
n'elles s'encerra : vende-se a retalho, ou
em partida; por mdico preco: na ra do
Vigario D. 12.
WW Selins Inglezes patentes de quali-
dade superior, bridas de ferro polido, li
zas e bem feitas, bons aelms para senhora,
selins Inglezes para meninos, selins Com
apielhos para Cavallaria de G. N., cor-
reames de lustro, escoviuhas para solda-
dos, grvalas de lustro. Bous sapatos fran-
cezps para homens, st-nboras, e meninas,
b> tins franceses, pelles de bzenos, e roar-
roquins, tudo por preco cmodo: na loja
de Lekrnaun& Comp., no largo do Livra-
meoto.
^ty Por preco mdico, um bom quar-
to com carrego baixo : na ra d'Alfaude-
ga vdha n. 9.
IBP Dois carrinhos um de quatro ro-
das com assento para ama pessoa de muito
bom gosto : do atierro da Boa-vista loja do
Segeiro Franrez Luiz.
*y* Excellente tranca feita na trra a
400 reis a vara, e superiores bixas grandes
por preco cmodo : na Praca da Indepen-
dencia luja n. ao.
t^ Uma preta de a5 annos de dade,
cosinha e lava de sabio e muito boa para
vender na ra: na ra das Agoas verdes
D. 11.
Irjp" Uma preta crila de i4a 18 sa-
nos cose, coainha engoma liso, e muito
bonita 6gura : na ra do Cabog ao p da
loja do Sor. Bandeira I). 4
V^T Chapeos de sol de seda para passar
a festa por preco como : na loja de Tho-
maz d'Aquino Pinto Bandeira na ra do
Crespo I). 5.
tr^P" Uma parelha de negros serrado-
res, cannicos, e um d'alies olheiro, mogos,
robustos, e sem defeito e riern vicios, a fil-
iar com Aprijo Carlos auuoel de Saboia I
em a loja de ourives na ra do Rosario ao
pedo Botequini da porta larga. *
try Rap deLi-bo: na loja do Bairio
na rua da Cadeia do Recife. .
j^ Bixas grandes muito boas e por
prego c 'modo : na rua do Rosario Botica
de Joio Pereira da Silveii a.
/' Y9* 606 palbas decouqueiro paraba-
nheiro, as quaes se achao no sitio do Ca-
quen! as per-
ra ment D- 5.
de curopri'
das, e palmo e coito de giossura de muito
boa boa qualidade ; no sitio da viuva de
Jore Marques dos Santos na estrada dos
Afili.tos.
%.&< Uma negra crioula de ao annos,
cozinha, faz piodelo', cnaaboa, acm vicio
a'gum, e um moleque crioolo de i5 a 16
annos, offical de sapateiro, cosinha o da-
rio, muito esperto e abil para tolo o servi-
co de casa com condico de ser ambos pa-
ra fora da Provincia: a fallar no mesmo
sitio cima ou com Joze da Carvalho Bra-
ga na rua do Encantamento armasem de
assucar n. i.
Iflkv Uma escrava de naci cacance,
com dois filhos um de dois annos, e outro
de trez, propria para qualquer servico de
uma asa, elioa para vender na la: no
sobrado de dois andares da rua Velha que
bota o quintil para a ruada Alegra.
fcv" Uma farda, um corrame de lus-
tro, e dms barretinas uma, de pello, e ou-
tra de oliado, tudo novo, para G. N. : no
atteno d Boa-vista D. 29.
WP Um cavarlo russo carregador e pa-
ceiro, eesqoipa : no attrro da Boa-vista
D.63.
fcJP Duas canos de a mu re lo bem fortes
e por preco romtnodo; assim como uma
escrava boa lavadeira de sabio c varrella,
vendedeirana rua, e muito boa ama secca:
na rua do Rosario indo para a do Queima-
do venda de Joaquim de Reg > Pi eir ou
na Botica d<> Chagas na rua iluLiai amento
que dir-se-h quem vende,
jy Dois Diccionarios Inglezes do Padre
Vieira.........t........ 10&000
Um Magnun Lexicn.......... 6*35400
Dicciooaiios Latanos.......... 6$000
Diccionarios Grego............ 8^000
Calepino 7 Lingoa.......... 10$000
9 Tomos historia Universal de Mil-
. lot.....................8$000
Na rua do muro da Penha, caza de rotu-
las verde pegada a D. 7 e quaze defronte
do Nincho d'Assumpgio.
*^r U'ii carrinho de quatro rodas ,
com assento para quatro pessoas com
jogo para um cavailo, e lanca para dois,
earreios, tudo em muito bom estado : na
coxeira fianceza da rua Nova 011 na rua
do Cabug lora D. 4, ao p do Ourives
Tavares. sediiquemo vende.
*#" Uma parelha de muito bons ca-
val I os de carro, e emboas carnes: na
mesma loja assima.
%9 Uma ruolata com abililades e
sem ser por crimt s e um moleque criou-
lo de idade i2 annos: na rua da Cadeia
do bainode S. Antonio D. il, 1. ao-
dar defronte do Theatro.
fy Urna esti baria proropta para ar-
mar-seaondese qui-er, e a mesma aco-
rn la a Camilo, por prefo commodo ,
anuncie.
WW Um cavailo acabando a ultima
muda, com principios de carregos, est
gordo e vende se por prego commodo:
emOlinda psteo do Amparo, a fallar com
o Alfcres Porciuncula,
ALUGUIS.
Aluga-se uma casa terrea com cmodos
para rrande familia, com seo solio, bom
quintal acabada pouca tempi quam a
ptrtender dirija-sea Praqa dlfldependen-
cia n. aO queahi be dir quem aluga.
ACHADOS.
Quem perdan orna carteira, com duas
letras a uma sedula, dirija-se a Praciuha
do Li vi a ment loja D. 23.
FURTO.
Na noite do dia ai para aa do
crtente furtara do sitio do Remedio de
D. Joaquina Fiancisca de Araujo, dous
cameiros moxos bastante grandes e cipi.
dos. com <>s signae* s-guite-, um com a
caneca, tocinho e orelhas pintadas de pre*
to e encarnado, a orelha esqoerda lasrada
na ponta, a diieita lascada como uma lor.
quilba, por baixo da barriga tem uma m-
Iha preta, os4 practicados de prelo, ojo-
elbo dos a ps por detraz tem uma malha
pieta em cada um. O outro todo bi|-
co, a orelha direita cmtida, e com um
dente por detrs, amb->s s6 rsbresteiros
f mais outias creacesromo sej gatos &i-. &c. do (joal furto ha boas des-
confiancas quem foi o tonb.-dor, com lu-
do se prometa aO^OOO rs. de grati6ca-
c< a quem denunciar a veracidade de
quem bi o ladra, e onde exi-te o mesmo
furto, ou a quem troiixer os a carneiros
promete-se guardar srgredo quem foi o
denunciante; a quem for oflerecido os 2
cameiros nao os compre poL o anunrjanta
protesta pioeeder na forma da Le cntre
toda e qualquer pessoa, onde se enrontiar
o mesmo furto &c &c : quem souber
dirija-se a rm Direita D. 11 3. andar a
fallar com o anunciante
Caetano Pinto de Veras.
ESCRAVOS FGIDOS.
Benedicta crioula, de 40 a 5o
annos, fgida a 9 meies, n feita do c<>rp6,
boa estatura, tem os pez um tanto glos-
aos, e apalhetados ; fgida do Engeoho
Genipapo termo da Villa de Porto Calvo
para esta Praca onde se acha acoitada, su-
pe-seem casa de uma filha parda casada
de nome Quileria moradora por detraz da
IgrejadeS. Joze : quem a pegar ou della
der notioia tem de gratificacio 20$ reis
assim como se perseguir com todo o rigor
da Le quera onservalla era sua rompa-
nbia, e faz-ae todo o negocio de venda com
a mesma e>cra?a : rua Velha D. 8 Ldodo
norte.
*y Fugio no dia 21 de Novembrou-
ma negra de nome Mara, a titulo de pro*
curar senhor, alta, cor bastante preta,
na$a5 congo, levou vestido de chita en-
carnada, pao da costa com listas tambeni
encarnadas: os aprehendedores levem-aa
Cidade deOlinda rua do Amparo no so-
b. ado que tem padaria, que serio bem
recompensados.
Taboas das mares cheuts no Pono dt
i'ernambueit.
14Segunda | 4h,30 na \ 2 5-4- .j
-*|5-T:
?J16-Q: * 6-30 [
S17-Q: - 7-18 a JTarde
18S: f 8- 6 I
5 i9-S: - 8-54 |
aO D: | 9- Ai /
NOTICIAS MARTIMAS.
Navio entrado no dia 23.
Philadelphia ; 50 di -s ; Pataxo Amr.
Acn, Cap. C. S.wder: vaiios gneros:
Joio Matheus. Ton. ia6.
Sonidos no dia 22.
Maranhio ; Escuna Virginia, Cap. J0.1-
qum Goncfilves Maia : assucar. Passar
geiros 7 Estudaates formados,
Dia 23.
Campos; S. Alaria. Theresa, M. Anto-
nio Joze Ribeiro : vares gneros. Passa-
geiio 1.
Babia; Pataxo Amizade, M. CypriaoQ
Joze Pinto : sal. Passageirus t2.
PERN., NA TIP. OH M, f. FARIA 18J0.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EX0XHQP0C_80XR18 INGEST_TIME 2013-04-13T01:59:17Z PACKAGE AA00011611_06014
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES