Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05981


This item is only available as the following downloads:


Full Text
a-
nno de 1848.
Quinta-feira 8
O DHRIO ml>lica-e todos o din " pA'tm de guardi: o preco di aMignatura lie do
ijnOf* rs. por quarel, p/izos adiantariox. Os an-
incios dos ssif>mntes lio inserido' i ruina d
~l 'o n. par linha, tOrs. e>n typo differentc, a
(a* ^.petices pe metae. O que nao foren ssiig-
finl* pa'ar" ,0 r* P1" lin'i, en typo
ulerete, por ;ad publicado.
PHASES DA LIJA NO MEZ. DE JDNHO.
I.eanori, I, o 10 min. da lard.
Crejeente a l 1 horas efl min. da tarJ.
I na che a a 16 ti 6 horas e 39 min. da tard.
H osoanta a 14 ii t horas e 1 min. da manh.
PARTIDA DOS CORREIOS.
'oianna, Paraliil* s st. lindas e sextasfeirns
Rio-Uranda-dn-Mortequintas feiras aomeiodia
Cabo, Serinhaem, RioForaaoio, Poito-Calvoa
Macelo, no I.*, a II e ll de cada mez
(iaranbuus e Bonito, a 8 e ? J.
Boa-Virta Flores, a lie.
Vctor', s quintas-fe iras.
Olinda. lodos osdias.
PUEAMAR DE HOJE.
Primelr, s 10 horas e 0 mitos da manlia.
Segunda, s 10 horas e 30 minutos da tarde.
-4.
de .7 un lio
Anno XXV. W. IM.
DAS da SRWANA.
5 Secunda. S. Marciano. Aud. do J. dos
orph. do J. do c. da 1. v e do M. da I. v.
8 Terca. S. Norberti. Au I. do J. do eirel. e
do J. de pai do l dijt. de t.
7 Quarta. S. Roberto. Aud. do J. do civ, e
do I. de par do I dist de I.
a Quinta. Salud auo. Aud. do J. de orph. e
do J. municipal da I. r.
Sexta. S. Columbo. Aud.do J.doeiv.edo 1.
de pax do I r'ist. det.
0 Sahludo. S. Marflari I. Aud. do J. do civ.
e J. de pai do l dist. de t.
1 Dominio. Paschoa do Espirito Santo. J
CAMBIOS NO DA 7 DE JUNHO.
Sobre Londres Ib d. por IJ ri. 0 dial. Nom.
> Pars JtS a 350 rs. por Tranco. Nom.
Lisboa 100 por 100 de premio.
Drsc. de ledras de boas firmas.a I Va *o mez.
(jaroOncasbespanholS.... J#!.0 a MfMO
Modasde6f.00velh. IOJbOO a KfSOO
, deflO0 nov.. iGjSOO a "
de 4|0O0------- M'0 a
Praa Patates bresilsiros. l0i a
a Pesos colmanares... Hit" a
a Ditos mexicanos.... !#81o a
a Miuda.......... l0 a
I8|*0C>
gfioo
IJM*
l|990
|isO
l|9O
Iaccs dacomp. da rfelfribe, a 540 rs. ao par.
DIARIO DE PERNAMBUCO
INTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAMBUCO.
Viciori; 6 dejunhtde 18t8.
Ein dias da semana antepassada correu aqui a noticia
de que Jos Severino Cavalcante se achava na sua enge-
nhoi-a li ubas; avista do que preparau-se a polica desta
cidade para ir elle, e na madrugada do da 31 de malo
prximo passado narcharam 114 homens comtnandados
pelo capitn Lourenco Carneiro da Silva para aquelle
lugar, afint de prendercm o tal Jos Severino, que, com Ib'
liunicns, de dentro d^. sua casa, secundo dizem, baten a
referida torca, que retirou-se vergonhosamente ein de-
bandada, deixando um dos companbeiros innrto, que
van (iveraiii animo de trazer : dizem que da parte do Jo-
, crino houve tambein um inortu e dous molcques
ix.T.'s, noa quaei tropa a ti ron logo que clirgou, e
cun o que bem denotou as intcncocs coni que la, se se
arislaase coin o Jos Severino.
Na tarde desse mesmn da 31. aripareceu um tiro, dado
dentro deata cidade, c logo ao aom desse tiro, como que
ja o esperassem, tocou rebate, correu a noticia de que
Jtjsfc Severtiit. ilrrt.ti "axsmcr -ridade. e queja se bata
uum um piquete que so achava postado nt> lugar do Caja,
um quarto de legoa distante desta cidade, o que tudo rol
falso ; e os desordeirns entao, aquclles meamos que ha-
viain corrido detnanha das Urubas, sabiram para ra,
ein bandos armados de granadeiras e bacamartes, a
uiurderem os cartuxos, a carregarem as armas, a insul-
tarcm e a baterem com as armas pelas portas dos seus
contrarios polticos, ameacaudo de os malar, Foi tal a
desorden! que estas colisas causaran), que quasi todas as
casas se fecharan), multas familias sabiram para lina da
cidade, e a uiaior parte dos guabira, por aviso que re-
ceberam de alguus amigos, lambn se evadiram, desam-
parando suas casas e familias, alini de uo seren victi-
mas. He sabido que Jos Severino, neste mesino dia ein
que a polica Ihe fol casa, desamparoua sua engenho-
a, e retirou-se para frada comarca.
Na tarde do dia 2 do crtente, chegou esta cidade
ani destacamento de polica de 50 pracas, que veio limi-
to ti anij uillisar os nimos sobresaltados dos pacficos ba-
litantes desta cidade; c velo tanto a tempo.que, corren-
do a noticia que nessa noilc havia um forte mcctlug,
e que os desordeiros, acobertados com o manto da nolte,
pretendala fazer desordens, e atacar certas casas, nada
apparcceu pelo recelo de serea batidos pelo dito desta-
camento.
Na inaiiliiia do da 4, entrou nesta cidade outro desta-
camento de 100 piafas, e tarde o delegado, o coinmau-
dantc superior Mabocl Thoui de Jess, comumacoiu-
panliamcnlo de 40 a 50 cpvalleiros, e em cuja entrada
siilni .un ao ar multas duzias de foguetes de todos os
pontos da cidade, denotando desta sorte os habitantes
delta a alegra de que cstavam possuidos pela viu-
da de uiaa autorldadc que os vinha libertar da oppres-
soque ha 3 anuos desta parte soB'rem, e a garantir
suas propriedades e vidas. O delegado incontinente
inandou aflixar nos lugares pblicos proclamacdes em
que promedia fazer justlca a. todos, prohiba os ajunla-
mentos de pessoas armadas, etc. etc. A' noitc alguinas
casas se illumioarain, soltaraia-se alguus foguetes, c is-
to na maior pat e socego. Eis relatado com toda a fidel-
dade o que tein iuccedido nesta cidade desde que deixel
deescreyer a Vmcs., aqueta rogo queram dar publici-
dades a estas poucas linhas em sua digna folba.
N. II. ~ J me la esquecendo dizer-lhcs que hoje i
tarde aqui chegou o Sr. chefe de policia interino, c se
l'ui arranchar em casa do pomotor publico Lulz trrela
de Quelroz, aquelle mesmo que fol o accessor das auto-
ridades demittidas, e que deve por isso sobrecarregar
com urna grande parte dos males que soffrenios.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
3.a SXSSAO OBDIMARIA,
EM G DE JUNHO DE 188.
Prettidcncia do Sr. Trigo de oureiro.
(CONTINUA CA) DO NUMEIIO ANTECEDENTE )
So lidoi, apoiados, julgados objecto dedelberacao
e inaiidados imprimir, os segundes
PROJECTOS.
A assembla legislativa provincial de Pernainbuco
resolve :
Art. 1. Os juizes de paz e subdelegados reinetter..
todos os anuos, at i flirt dn mez de setembro, ao juiz
de ni pidos do termo comprehensivo dos seus respeti-
vos districtos urna rclacao de todos os orphaos de un e
outro sexo de aete anuos para cima, que linuver nos seus
districtos, e nao tiverem beus propiios de que se pos-
ain alimentar, aflm de que o mesmo juiz de orphaos os
de. por anidada ou por obrigacao de casamento, a quem
os quicr tomar, na forma da od. I. 1. til. 88 t& 13 c se-
guintcs.
Art. 2. A referida relaeo contera o noine, filiaco,
uaturalidade, idade e residencia de cada um dos or-
phoi, c o nome da mai ou pessoa em casa de quem es-
tivcr.
Art. 3. Os juizes de orphaos remederao todos os an-
uos, ale o fm do mez de dezembro, ao presidente da pro-
vincia urna rclacao circumslanciada de todos os orphaos
que tiverem dado por soldada e por obrigacao de casa-
!'!C'l' Ca'" declaiacao do nome, Aliacao, uaturalidade,
made c cor de cada, um. do nome, uaturalidade, idade,
t-AA irofi$ao residencia da pessoa a que cada um
"'"*d'c da oceupaf So ou ofRcio para que cada tuno
Art '4.' Oe-juize ^Bjii^wir^ayirje* subdelegados
reinetterfiotodo os annos, at o fin do mez de setem-
bro, ao juiz municipal do respectivo termo urna relaeo
ciicunistaiiciada de lodos os vadlos e mendigos, capaies
ae traballiar, que cstiverem, nos seus respectivos distric-
I;
&= auurar, que cstiverem, nos seus respect
los, com declaraco do nome, flliaca, uaturalidade,
idade, cor e residencia dcada um, e exposico dos ef-
leitoi que em cada um delles houver produzido a appll-
c- -ao das penas que cada urna daa referidas autoridades
^'uuiavair.catecom osaesiuo ulz uiuniclpal be otwl-
o flin de os obrigar a vlver de honesto trabalbo.
a Art 5. Os juizes municipaes organlsarao urna rea-
cao geral das relaeoes parciars que Ibes forem remetliv
das pelos juies de paz, delegados e subdelegados, ea
remellero ao presidente da provincia, at o fin do mej
de dezembro de cada anno, com outra organisada do
mesmo modo a respeito dos vadlos e mendigos, a quem)
elle* mismos houvcreinfeito asstgnar termo de viverem
de honesto trabalbo, c a quem Ihouverem applicado as
penas coininnadas ni lie, poro tfrcni quebrantado una
oumai.svcz.es. [
c Art. 6. o Reputam-se vadioij para os eOeitn desta
le, nao so aquclles que, nao temi lieos proprios de cu-
jos reiidimeiitos possain alinientar-se, recusain-sc ao dia-
rio exercicio dos seus officios oii de qualquer outra es-
pecie de ti aballin, para que sejain aptos e de que possam
tirar honesta subsistencia, mas aiabcm aquelles que,
adquirindo com o trabalbo de um dia com que possam
subsistir por dous ou tres dias, rcusam traballiar nos
dias seguiutes, cuiquanto lhes resta alguma parle do pro-
ducto do trabalbo do da antecedente.
t Ar*. 7. o as referidas autoridades policiaes empre-
garao, por si e por seus subordinados, todos os nieios
lcitos que esliverem ao seu alcance para o lini de obte-
rem trabadlo para aqueltes dos seas dislrictanos que nao
o acliarem por falta de diligencia propria ou qualquer
outra causa; c, urna vez adiado, o* coastrangerao a elle
pelos lucios legaes, indicados no artigo 4.
Art. 8. Km cada municipio da provincia, dlstri-
buir-se-hao, de dous ein dous annos, tres premios de
duzentos mil rs. cadaum a tresdostrabalhadores pobres
que tiverem dado incensantes provas de amor ao traba-
lbo e aversao ao vicio: aquelles, porm, que una vez
frain premiados, so o poderao ser segunda vea, no caso
3ue hajain feito boin uso dn premio, e tenhain continua-
o ein intei rupcao a ser laboriosos c diligentes por ei-
paco de seis anuos
Art. 9. Para o couferimento Idos referidos premios,
observar-se-hiio as seguiutes formalidades.
I. O juiz municipal de cada'municipio coovoear,
com a precisa antecedencia, o delegado, juizes de paz e
ubdelegados do inesnio municipio, para que se reunam,
pelas 10 horas da uiauhaa, na sala das audiencias, sb
ua presidencia, para o flm de apudarem, d'entre os tra-
bai!sdorea pobres do municipio quje tiverem dado malo-
rea provas de laboriosos e diligentes, pelo menos o nu-
mero de vinte. Esta reunio ter lugar, pela primeira
vez, no dia 28 de dezembro de 184PA e o mesmo se obser-
var depois, de dous em dous annof.
2. Para se conseguir a dita apairaeao, o juiz muni-
cipal propor quatro dos IrabalhacVores pobres que jul-
gar ni ais laboriosos e diligentes, pi-eferindo, no caso de
igualdade, o que frem casados, ejentre estes os que ti-
verem maior numero de rilhos menores; o delegado ou-
tros quatro que estejaiu nos incsinps termos, e d nulo a
mesina preferencia; cada um dosnaiitu de paz, tres ; e
cada um dos subdelegados, outrositres ; e, j.medindo-
se votaco por escrutinio secreto! com esphcrai bran-
cas e pretas, sobre cada unidos prdpostos, enlender-se-
hfio anjirovados os que tiverem ohmio mais espheras
brancas do que pretas. Se os appr^vados d'entre os pri -
ineiios propostos nao foriiiarem o numero de 20, repc-
tir-schao as propostas e volaeo, al que se apure pelo
menos esse numero.
3. Concluida essa apnracao, l'az-seha em aclo
continuado, uina lista dos approvaidos, com declaraco
do lugar da residencia de cada um, c assignada por lo-
dos os meinbros do concelho, ser remedida em ofllcio
ao presidente da cmara municipal.
. 4. No segundo domingo de Janeiro seguiule, pelas
9 horas da manhaa, a cmara municipal se reunir na
casa das suas scsses, e escriptos em cdulas iguaes os
nonies cuntidos na lisia, sci ao as ditas cdulas, depois
de dobradas com igualdade, laucadas em urna urna, e
Lineado laiiibein em oulra urna onlio igual numero de
cdulas dobradas da uiesina sorte, tres das quacs conte-
ro o algaiismo 200^000 --, sendo brancas as otaras ;
o presidente da cmara far chamar dous meninos de
idade dsete anuos ; e, mandando que cada un delles
remexa as cdulas lancadas as urnas, mandar depois
disso que ao som da campanbia, onde um mcete, tire
cada um de cada urna una das cdelas comidas nella,
e levein, com o inao levantada acimi da cabeca, a que
sahioda urna qucconlm os nnmes a} secretario, e a que
sabio da urna que conten os prcmi
que, ah indo-a, proferir em voz all
secretario pronunciar, o segulnte
passar a cdula ao vereador Innncd
r jo premiado, se, chamado pelo lecretario, se apre-
sen tar ; e, nao estando elle present, mostrar a cdula
a quem a quizer ver, e o secretario eserevera na cdu-
la que contm o seu nome Premiado a guardar,
seguindo-se o mesmo a respeito dos ouiros premios.
> 6. Terminado o sorteament o, o presidente da
'unra entregar, em acto consecutivo, a cada um dos
'premiados o respectivo premio e o exhortar a que con-
tinu a ser laborioso e diligente, porque he so por meio
do trabalbo que elle pode promover honestamente a sua
felicidade. Para a cxeciico dessa disposicao, ocollector
do municipio ter, cota a precisa antecedencia, furneci-
do ao presidente da cmara a quautia de 000/000, a
qual Ihe ser levada cm coula na ihejouraria das rendas
provinciacs aprescutaco do comneteiiic recibo.
.. 7. Para que o acto da distribilko dos premeios
se faca eoiu a publicidadeque conrAi, o presidente da
cmara lera feito convidar, por nuil de editacs, allixa-
dos nos lugares pblicos do costum" c remeltidos aos
juizes de paz, nao s os cidados comprehendidos ^na
lisia que noineadainente sero convidados a as.Ulir ao
acto, mas tambein os mais cidados que o quizerem, e
os juizes de paz sero inuito diligentes em <>ar execuro
aos editaos a respeito dos cidados nomeados nuiles,
que residirem nos leus dislrictos.
K 8. Se algmdoi premiados nao estiver presente no
acto da distribuicu dos premios, o presidente da cma-
ra designar outro dia para lie ser conferido o premio,
c o mandar avisar para comparecer na sesso desse
da.
9. O secretario da cmara declarar, por baixo da
lista, os nomes dos 3 cidados que fi-am premiados, e
o dia em que os premios Ihes foram conferidos ; e, aa-
signada essa declaraco pelos incaibros da cmara, con-
servar a lista em boa guarda no archivo da secretaria
com as mais que se Ihe seguirem, enmassaudo-as, e fa-
zeodo as encadernar quaudo chegarem ao numero
de 25.
Art 10. Flcain revogadas todas as lela em con-
trario
gada pela legistac vigente a app car-lhe, na forma do I Pato da assemblai legislativa pr..vluclal de Pernain-
artigo 12, $&2 e 3, do cdigo do proeeseo criminal, para buco, 6 de junho de i848.Tngo At t-ourriro.
A assembla legislativa da provincia decreta :
. Art. 1." O contrato acerca do deseccamento do
pantano de Olinda, para o qual o governo da provincia
tein sido autorisado pelas lela provinciacs de 6 de malo
de 1840, 5 de malo de 1841, 8 de malo de 1843 e 2 de malo
de 1844, ter .por base as seguintes disposicoei;
t i I. A companhia que se propozer o deseccamcnlo
do referido pantano, poder aer composta do$ nacio-
naea e eslrangeiros que o quizerem, e a thesouraria das
rendas provinciaea ter parte nella rom um numero de
aeces que nao excedam a 80 contos de rs., no caso que
isso seja necessariu para le levar o effeito a referida em-
2. o As agoaa do rio Beheribe, que frinam o dito
pantano, srrao encanadas de sorle que os habitantes da
cidade de Olinda c da povoacao dos Arrombados nao ve-
nham a sentir falla d'agoa potavcl, nem esla Ihes fique a
maior distanciado que presentemente.
c< 3. O deseccamento do referido pantano compre-
liende, alm do deseccamento das trras actualmente
alagadas pelas agoas do rio Beberibe, o deseccamento
das que, situadas ao pocnle do isthmo, desde a ponte do
Varadouro de Ollhda at defrnnie da fortaleza do Brum,
sao alagadas pelas agoas das mares.
4. Para o deseceaiaenlo das tenas situadas ao
poenle do islhiao abrir-sc-ha um canal desde a ponte
do Varadouro de Olinda at defronte da fortaleza do
Hi um, com tal profundidade e nivclamento, que o tor-
neui navegavcl a lodo o Instante, sendo de pedra ou de
lijlo as paredes dos lado; e far-sc-ha um caes ou ram-
pa, defrontc da fortaleza do Brum, de urna ate outra
margein. de sorte que impeca que as agoai da mar pai-
sem dahi para cima.
Art. 2. Os irabalhos do encanamento deverao come-
car dentro de dezoito mezea a contar da data do con-
trato, sb pena de ser este declarado nullo pelo presi-
dente da provincia ; e deverao Hcar concluidos dentro
de oito anuos a contar da inesina data, sb pena de pa-
gara companhia una multa,que ser estipulada no mes-
ino contrato.
Ar 3Io Logo que o contrato fdr celebrado, o presi-
dente da provincia o far constar cmara municipal
de Olinda, para que esta nao afore mais a particulares
porcao alguma da* trras alagadas pelas agoas do rio
>'rbcribe, ou das mares ao puente do isthmo.
Art. 4. Em compensado das despexas do encana-
meato das agoas, na forma dos 2, 3 e4 do artigo 1. o ,
sao garantidas companhia as seguiutes vantagens :
I. O dominio til perpetuo de toda as trras que
sao actualineute alagadas pelas agoas do rio Beberibe,
e das que, situadas ao poenle do isthmo, desde a ponte
do Varadouro de Olinda nt defronte da fortaleza do
llrum, sao alagadas pelas agoas das mares, salvo o direi-
to de terceiro. anteriormente adquirido, sobre tuna ou
oulra porcao das mesmas tenas.
i 2,3 a ih.nlna nem,ao do respectivo foro pelo! pri-
ni! iros nove anuos que se seguirem depois daconcluso
das oh,a-, do eucanameuto.
3. o O privilegio exclusivo da navrgacao do canal por
espaco de 20 at 40 annos, com tanto que o frete desta
cidade paia a de Olinda, ou daquelln para esta, nao ex-
ceder nunca a 500 rs. por pessoa, nem a carga de objec-
loi pouco volumosos exceda a 60 rs. por arroba, excepto
os de grande peso, como louca, fcc., que nao exceder
a 40 rs per arroba, e os de grande volunte e pequeo
peso a 80 rs. por arroba.
o 4. O direilo de cobrar, pelo referido espaco de lem-
po, por cada caneco d'agoa aquanlia de 20 rs.
Art. 5. No dcimo anuo depois da conclusa das obras
do encanamento, na forma dos 2, 3 e 4 do artigo I.*, a
companhia pagar cmara municipal de Olinda, em
reconhecimeuto do senhorio directo que Ihe pertence a
respeito das trras que, actualmente alagadas pelas a-
goas, ficareni dcscccadas, una pequea peusao annual.
calculada por cada braca na raso de um vigsimo e um
qaadragesimo do pceo por que a mesilla cmara tiver
aforado at ao presente cada braca de trra do mesmo
pantano. Do undcimo anno cm vanlc, a dita pen-
so annual crescer cada auno na raso de um vigsimo
e um quadragesimo do referido prreo al que se eleve a
laxa desle, permanecendo dahi por diante inalteravel
com os mais direitos que em geral perteacem ao senho-
rio directo.
' Art. 0. Fiado o lempo do privilegio, a ccmpanlua
ser obi igada a entregar cmara municipal de Olinda
as obras do encanamento, no estado em que cstavam ao
tempo cm que a presidencia da provincia as julgnu de
lodo concluidas, na forma do contrato; pena dse man-
dar proceder aos reparos e concci tos nccesiarlos custa
da companhia.
Art 7. c Desde a entrega das.obrasa cmara muuici-
pal de Olinda, na furnia do artigo antecedente, ser ella
obrigada a conserva-las sciapre em bom estado a cusU
do producto dos foros, que fica percebendo ; e dahi por
diante cara livre a navegacuo do canal e lienta de laxa
a aeoa potavcl do rio Beberibe.
.Art. 8. Ficam revogadas as leU e disposicoes ein
contrario. _
a Paco da assembla legislativa provincial de l'cinam-
buco, I) de junho de 1848. Trujo de Loureiro..
O Sr 1." Secretario observa que se ocha na ante sala o
Sr. depulado Pedro lle/.erra Percha de Araujo Ucltro,
para tomar assento.
OSr Presidente convida acominissSo de coiistituicao
e poderes a dar seu parecer acerca do diploma do Sr.
depulado.
A cotnmissao retira-se.
O Sr. 1." Secretario l o seguinte projecto:
A assembla legislativa provincial de Pernaubueo
decreta:
Artigo 1. A frca policial de toda a provincia de
Pernambuco, para o anuo que tein dedecorrer do I.* de
julho de 1848 a 30 de junho de 1849, constar de 240 pra-
cas, formando um corpo coinposto de um eslado-maior
e menor, e duas coiapanhias de infamada, pela mam-ira
seuuinte:
"
*(arfo-maior i rumor.
Commaudante do corpo com a graduacao de
major................... *
Ajudanle com a graduacao de terceiro cominan-
dante...................
Secretario........dem........ 1
Clrurglao-mr, com a graduacao de segundo
comtuandaute...............
Transpone
Sargento-ajudantc.............. 1
Sargento-quartel-mestre........... 1
P
I'mu companhia,
1." c oni ni anda n te.................. 1
2. dito ................. 1
3.a dito .................. 1
l. sargento..................... I
2." ditos ..................... 4
Furriel.......,................ 1
Cabos de esquadra................. 6
Cornetas....................... 8
Soldadoi.............,..........100
-----117
Para outra companhia 117
o
Art. 2." Os soldns dos oflkiaei e pracas de prct do
corpo sao os marcados na seguinte
Commandantc do corpo, por cada mez.....80/000
Ajudante...... u.....^DOO
Seeretario..... .....4Q'
Ciriirgio-mr ... a a a .
.Sargento-ajudantc porcada da.........
Sargento quartel-mestre dito dito........ /790
l. com manda nii- por cada mez........
2 ........
3." ..........
I." sargento por cada dia............
2." a )) H ...........
Furriel ........ .
Cabos de esquadra por cada dia.- ;......
Corneta...... ........
Soldados...... ........
I a elle presidente,
ao lempo que O
fanco ou 200/ :
o, que a enlrcga-
Art. 3." \s pracas de prct se abonar diariamente o
quantitativo de 80 ris a coda urna, para fardamento,
cujas pecas e duraco sero marcadas em urna tabella,
que para esse liin tica autorizado a dar o presidente da
provincia.
Art. 4. Vencer a gratifcacao de 20/000 inensaes
o que coinmaadar o corno; de 10/000, o que coinmandar
cada companhia ; e de 15/000, o facultativo que estiver
incumbido da dlreccao da enfermarla.
Art. 5." O que com man dar o corpo e o que servir
de ajudanle vencero urna gratincacao de 600 rs. dia-
rios ; cando supprimidas as forragens e cavalgaduras
dos dentis orflciaes.
Art. 6." Os ofticlaes que destacarem para fra da ca-
pital teein direito a transporte de ida e volta, na rasa
de 240 rs. por cada legoa.
Art. 7." No provimento dos postos de sfHciaes do
corpo de policia, o presidente da provincia prefirir os
oilieiaes da (piarla classe do exerclto, que live em a pre-
cisa idoneidade, e neste caso s entraro nos mentios
postos, ou nos inmediatos postos superiores ao que ti-
verem.
Art. 8 O ofiiciaes que, estando destacado!, forem
demitlidos do servico do corpo, tcem direito, nao s ao
transporte na volta, como ao sold at o da em que se
rccolheretn capital, regulando para isso a sua marcha
na raso de 6 legoas por dia, contadas do da posterior
ao em que receberem o aviso da demisso ; o que derc-
ro verificar com attestado da respectiva autoridade po-
licial a que estverem sitbjeitos.
Esta disposicao se far ell'ectiva aos ofnciaes subal-
ternos, ltimamente demitlidos achando-se ein servico
(ora da capital
Art. 9. Os fundos destinados para fardamento, de
que trata o artigo 3., sero cobrados conjunctameote
com os sidos, recolhidos a uina caixa, e administra-
dos animalmente por um concelho de tres membros, de
omclaes do corpo, nomeados pelo presidente da pro-
vincia, que fica autorisado a dar um regulamcnto em
que defina as adribuicocs do concelho e estabeleca a
marchada escripturacaoda caixa csua scalisaco.
a Art. 10. Fica extincto o hospital do corpo, sendo
substituido por urna enfermarla, cujo rgimen ser
cstabelecldo pelo presidente da provincia, competlndo
a fiscalisaco della ao mesmo concelho da administra-
r!) de fundos de faldamentos, ein cuja caixa se deverao
rccolher os descontos que se tiverem de fazer nos venc-
me ii tos das pracas que na referida enfermarla forera tra-
tadas.
. Art. 11. O presdeme da provincia nomear, no ira-
pedimento do cirurgio -mor, um facultativo, o qual ven-
cer mensalmente, alm da gratifcacao marcada no ar-
tigo 4.', o estipendio de 25/000 por todo o sea traba-
lbo.
Art. 12. O presidente da provincia providenciar
acerca da arrecadaco do armamento, correiamc, equl-
painento e ulensls pertencentes ao corpo, que excede-
rem, ou forem desoeceisarios frca ora decretada, as-
sim como aos fundos de fardamentos que exlstirem na
caixa da adminlstraco ora existente, dando-lhei o des-
tino que julgar mais conveniente aolntereisc da fazenda,
provincial ; devendo, em todo o caso, o armamento ser
recolhido ao arsenal de guerra, aonde ser conservado r
tratado por conta da provincia.
Art. 13. O servico da policia ser feito sein espin-
gardas as pracas nelle empregadas usaro de pistolas
e espadas; faxendo, porm, uso das espingardas quando
exlraoidinaziainente se etnpregarcm ein diligencias que
as rcclamein, para o que as deverao ter.
a Art. 15. Ficam derogadas as leis e dispoiicoes con-
trarias ao presente.
Paco da assembla legislativa provincial de Pernnm-
buco, 6 de junho de 1848.--Joii Carlos Teixeira.Teixeira
Borba.-Cabral.
Manda-se imprimir.
A commisso de constitulco e poderes, manda a me-
sa o seguinte
FABCCER.
< A commisso de constituicao e poderes, teodo exa-
minado o diploma do Sr. deputado Pedro Bezerra Perei-
ra de Araujo Iteltro, achou-o conforme cora as copias
authenlicas das actas da apnracao geral c dos col ley os
elcitoraes, deduzidos os votos dos eleitores annullados
pela assembla geral, e addicionados os que fram jul-
gados valiosos. He, porlanto, de parecer que, estando
no numero dos membros desta assembla, se Ihe d o
devido assento.
u. Sala das commissdes, eral! de jualio de 1848.Duar-
Ic /'ereira.-Cunha Machado.'
MUTILADO
_


Approvado este parecer, o Sr. Beltrao he introdu/ ido,
presta juramento e toma assento.
ORDEM DO DA.
Vllima redaccSo doprojecton. 16; 1.'disemino doi projictoi
tu. i5 17; 2." Jo de n. M.
He lida e approvada a ultima redaeco do projecto n.
10, concebido oestes termos :
A assembla legislativa provincial de Pernambuco
resolve :
ci Artigo nico. A sede da fregnezia de Ipojuca tica
transferida para a capella filial de N. S. do O'.
Kicam revogadas todas as Icis diposices em contra-
rio.*
Entra em primeira discusso o projecto n. 15, redigi-
do asiim:
A assembla legislativa provincial de Pernambuco
resolve i
Art. 1.? O presidente da provincia comprar, no lu-
gar quemis conveniente for, uin terreno com as con-
J- diedes precisas para nellc estabelccer-se urna fazenda
normal.
Art. 2." A fazenda, de que trata o artigo anteceden-
te, ser confiada a um director que, aln da superin-
tendencia da grangearia, ser obrigado a leccionar dia-
riamente um cur.n tlieorlco c pralico de agricultura e
economa rural.
Art. 3. Com as quanlias consignadas as leis do
orcamento provincial, se comprarn, todos os annos, se-
mentcs de plantas industriacs e recreativas, capazes de
seren aclimatadas e cultivadas com proveito no paiz,
ou necessarias regeneracao das especies que na actua-
lidadc nelle se cultivan).
(i Art. 4.* Das scmenles adquiridas na forma do arti-
go 3., e bem assim das que frcm doados pelo gover-
no mi pelos particulares, ser distribuida gratuitamen-
te pelos agricultores que as solicitaren!, a porjo que se
poder dispensar, sem detrimento da fazenda normal,
com os precisos csclareciniciilos, dados pelo director,
acerca da cultura conveniente a cada especie.
Art. 5. Para uso da fazenda normal e da aula de
agricultura, o presidente da provincia mandar vir dos
diversos paizrs agrcolas instrumentos ruraes, lid-
ies empregados com vantagem, e nao introducidos an-
da em Pernambuco. Os modelos destes instrumentos
sero franqueados aos artistas c agricultores que os pe-
direm, com as convenientes nfnrmaces, relativas ao fa-
brico, conservado e prestidlo de cada uin.
Art. 0." De quatro em quatro annos, o presidente
i da provincia conferir uin premio de seis contos de ris
ao agricultor que mostrar liaver, por meio de Invenco
proprla ou adoptada de nacoes cstraugeiras, melliorado
na provincia o fabrico do assucar de canna, quanto ao
~U rendimenlo/c qualidade delle, ou quanto economa
' din bracos t capitacs, requeridas pelo processo seguido
presentemente. No caso de concorrerent diversas nie-
inoriai dignas do premio, este ser dado ao autor da-
quclla, cujo objecto for de inaior ulilidade.
Art. 7." De tres cin tres annos se destinar outro
premio de dous contos de ris para quem apresem.ii'
inaior numero de anilnacs uteis a lavoura, das melhorcs
i a .as eslrangrlras, anula nao adniillidas na provincia,
ii Art. 8 Se naoapparecerem concurrentes dignos dos
premios de que tratam os artigos 6. e7., a importan-
cia delles ser applicada ao mellioramento da fazenda
normal, e compra das sementes e instrumentos ru-
raes, mencionados nos artigos 3," e 5."
i Art. 9. O presidente da provincia lic.i autorisado
para engajar, dentro ou fura do llrasil, um cstrangeiro
habilitado paradesciiipenhar o emprego de director da
fazenda normal, o qual servir seguiido as condices
do scu eiigajainenlo.
Art. 10. Kicam revogadas as dispose.cs em con-
trario.
Paco da assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, 26 de mai jo de 1847. Lope Nello.
/ O Sr. Cordeiro: Senhor presidente, ao pedir a pala-
vra, senil um prazer inexplicavel, por se me proporcio-
nar occaiiao de levantar uin debil brado em pro da agri-
cultura agonisantc entre nos.
Senhores, o amor que de coraco consagro ao paiz que
me vio nascer, o patriotismo que devo a Pernambuco,
me impde a rigorosa obrig.if.io denoficar na inaeco,
1 n i mo se trata de um projecto to importante como es-
te. Comquanlo sua ulilidade seja, primeira vista, reco-
nhecida, todava devo declararas rasdes porque o apoio,
e estas se fundam nas vantagens que passo a enumerar,
e demonstrarei, conforme me periniltir a escassez de
minhas deias.
Em primeiro lugar, tem o projecto por fim crear uina
fazenda normal que servir de prototypo industria agr-
cola ; em segundo lugar, animar a industria amortecida;
em terceiro lugar, instruir e animar os agricultores ; em
quarto lugar, liabilita-los para as dcscobertas e emprc-
zas ; em quinto, promover os mcllioramcntos uiateriaes
do paiz.
Vamos ao primeiro ponto.
Nlnguein descoiiheCc que a inslituico desse eslabele-
ciiurnlo he de suinina ulilidade em uin paiz, sonde o
nnico ramo de industria he a agricultura, que essencial-
111 'ii le coustitue a subsistencia c a fortuna da inaior par-
te de seus habitantes, que, em gcral, entregues dlscri-
\.ni das eslafes c ao imperio dos lempos, e avesados
urna pralica rulineira, vivem, a bem dizer, s apalpa-
dellas no que respeita ao aperfeic.oamenlo das materias
primas, por falta das precisas noedes e verdadeiras re-
grasda agronoma; mal este que ficasanado com acrea-
j .ni da fazenda normal.
Passemos ao segundo ponto.
Todos sabe:mis. e a cada passo lamentamos o triste es
tado da agricultura ntrenos; vemo-la definhar consl-
deravelmente, porque ainda at aqui se nao procurou
me lliurar a sin le do agricultor, promovendu-se-lhc e la
cilitando-se-lhe os.ineios de sabir desla acaudada rbita
a que preconceitos mal entendidos e mesino a apathia
o tem circuinscriplo, para lan;ar-so no inundo das des-
cubr tas e dos inventos. Nao he, Senhores, porque en-
tre elles nao baja inuitos capazes de aperfelcoar sua pro-
Jiss.m. mas si ni porque lhes faltam os elementos preci-
sos, que osdevem nella formar. A fazenda normal, pois,
proporcionando a todos osdevidos esclarecimentos no
modo de amanhara trra, plantar as sementes e cultivar
as especies pelo seu methodo privativo, tem de concor-
rer grandemente para que elles estudem esses tnelho-
dos, e facam seus experimentos e tentativas; e assim te-
iciiios a industria animada.
Apreciemos o terceiro ponto.
.Vio ser s vendo ou nuviudo que elles bebero esses
conhecimentos. o estabelecimenlo Ih'os ministrar mais
cfficazinente nas lines de uin curso theorico e pralico
de agricultura e de econouiia rural, que o projecto lhes
offerece onde meluorruentc aprendern a exercer tao
nobre profissao.
Quanto ao quarto ponto, com os conhecimentos que
assim houverem adquirido he iunegavel 'que elles nao
deixaro de abandonar para sempre a pralica absurda
que ora seguem, legada por Iradicfes errneas, e des-
quitar-se-ho decenos prejuitos, como que a trra nun-
ca causa, que nao he preciso aduba-la para produzir,
3tc., fctv Entilo, elles reconhecero quo importante he
sua profissao; ehto, lamentaro o lempo perdido em
materialidades, e procuraran recupera-lo, fazendo com-
binares, formando juizos, e creando methodos, tanto
mais havendo o poderoso incentivo de uin premio avul-
tado paraaquelle que mais til memoria apresentar :
islu que diz respeilo ao fabrico do assucar de canna, po-
der-se-ha em ceno modofazer extensivo manipulado
do algodo, do caf, cacao, be., Ate.
Passemos ao quinto ponto.
Promover o mellioramento material do paiz, fazendo
' apparecer a abundancia e bareteza dos gneros, trans-
planiando para o nosso solo plantas exticas, alguinas
das quaes a experiencia tem mostrado acliinatarem-se
soffriveliiieuie no Brasil, bem como ocha, que, sendo
oriundo da China, c conservando all seu exquisito aro-
ma egosto, Core he que se d multo bem em Pernam-
buco, eque vegete multo melhor do que no Rio-de -Ja-
neiro e nas demais provincias do sul, por Uto que se
ada coiiocado uo inclino grao c atalude, e sob a In-
fluencia da mesma tona, e por consequencia gota da
mesiiia temperatura ; poder-se-ha com proveito cultivar
a amoreira,assim como o trigo, que, segundo se sabe.me-
dra inulto bem, e os demais cereaes que he provavel nao
trurtiliquem menos neste terreno abencoado, aonde a
nntureia a cada canto se ostenta tao prodiga, offerecen-
do-nos seus iiumensos thesouros, e nos, como, Tntalo,
sem os pdennos tocar; aonde s o que falta be o des-
eiivolvnuento do genio, o espirito creador, para aviven-
lar esses entes amortecidos, pdr em actlvidade estes
bracos inertes, calando-lhes'no coraco o amor ao traba-
Iho e o odio a ociosldade, por meio de vantagens mui
reaes e duradouras, quaes sao as que offerece acreacao
da fazenda normal.
Voto, portanto, a favor do projecto.
Submetiido o projecto votaco, he approvado em
primeira discusso, para passar segunda.
Entra em primeira discusso o seguinte projecto, a
que, o anuo passado, coube o n. 17:
A assembla legislativa provincial de Pernambuco
resolve:
b Artigo 1." Fica autorisado o presidente da provincia
a mandar construir una ponte pensil, ou de pedra, se-
gundo formis conveniente,na passagemde Itapissuma,
para facilitar a cominunicaco entre a freguezia de Pas-
mado e a de Itamarac.
1. O goveruo applicar para as despezas tiesta o-
bra as sobras que houverem nos diversos ramos dedes-
peza ; c para sua indemnisacao, fica creada urna bar-
reira, na qual se cobrar um pedagio de 2o rs. por cada
pedestre, 60 rs. por cabeca de animal vaceum, cavallar
ou limar, e 100 rs. por cada roda de vehculo.
Art. 2. No caso de poder a obra ser feita por em-
preza, fica tainbem autorisado o presidente a contratar
com uinacompanhia nacional ou estrangeira, conceden-
do-lhc o iiiesmo pedagio por espaco de vinle annos.
Art. 3 Kicam revogadas todas as leis e disposicoes
em contrario.
Paco da assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, 30 de marco de 1847.O depulado Nwm Machado*
He approvado em primeira discusso, para passar
segunda.
Passa-se segunda discusso do projecto n. 14.
Artigo 1. Fica elevada categora de villa a povoa-
co de Corrente na comarca de Garantuns e seu termo,
com os seguintes limites :
Principiando do lugar denominado Caivete, onde
fiuda esta com a provincia das Alagas, e subindo pelo
rio Canhto at Agoa-Vcrineiha, e d ah pela estrada que
val pelo Parafuzo at Po-Fcrro, seguindo pela estrada
de Punta-Quebrada ao Canhto de An.'anio Jos, desse
ponto pelo inesiiio rio Canhto cima at Pofo-do-Boi,
na direccao da estrada que vai para Santa-Rita: c do lu-
gar desie iiome seguir pela estrada que se dirige para
a Cachoeira-Daiitas, e desla cortar para o Timbo de Jo-
s Victorino; c d'ahi, seguindo o caminho que vai a
Mella, proseguir em linha recta at Campestre, e de
Campestre pela estrada cima at Cacimbas, e d'ahi em
direccao para o puente a encontrar o riacho Secco, epor
elle abalxoat a extrema da provincia com as Alagas. -
He approvado sem discusso.
Van-Demans-Lond, 84 dial, barca inglcza Jane-Francis,
de 390 toneladas, capilao Collin Brawns equipagem
17, carga laa e jarras de cobre ; ao capitio.Vein re-
frescar e segu para Londres.
Rio-Grande-do-Sul, 25dias, brigue brasileiro Santo-
Maria-BoaSorU, de 222 toneladas capitio Jos Joa-
quim Das dos Prazeres, equipagem 14, carga carne ;
a Amorim Irmaos. Passagciros, Alexandrc Augusto
Fcrreira e Jos Correia, Braslleiros.
A'atiio sahido no memo dia.
Liverpool, barca inglcza Priscila, capitao lllchard Go
ble; carga algodo c ajssucar
Rio-de-Janeiro, escuna brasileira Curila, capitao Do-
mingos Antonio de Azevcdo, carga assucar, ago'ar-
dente e 6 escravos a entregar.
Haba, hiate brasileiro remador, capilao Manoel Antonio
da Silva Lobo 'carga varios gneros.
I'orto-A legre, brigue brasileiro Flor-do-Sul,^ capitao Jos
Ignacio Pimenta; carga assucar e algodo.
Paco da assembla provincial de Pernambuco, 27 de
marco de 18-17.- Hlela Taares..
KDITA
Miguel Archanjo Monleiro de Andrade o/Jicial da im-
perial ordem da Roial cavalleiro da de Chriilo e in$-
pector da alfandega de Pernambuco, por S. U. o
Imperador, que Deosi guarde, efe.
Faz saber que, no dia 8 (hoje) do corrente inez, ao
meio dia, na porta da mesma, se hu de arrematar em
hasta publica 10 barric. s da marca diamante AI, CSH,
de ns'. 7 a 16, cantendo 2,000 libras de rame de latan,
cnni ,ivai i a, avalladas segundo a tarifa a 500 rs., valor
da libra, pertencentes a Me. Calmont 4c C as' quaes exis-
ten! nesta aifandeg^a, alcm do lempo marcado pelo re-
gulamento: sendo a ayrcinataco livre de direitos ao
arrematante.
Alfandega, 7 de junho de 1848.
Miguel Archanjo Monleiro de Andrade.
N
Deca rajos
Entra cni discusso o artigo 2."
Artigo 2 Fica pertencendo freguezia de Papaca- r
ctodo o territorio designado para a nova villa, passan- de palhinia : quem ditos gneros se propozer
do-se para ella a sede da mesma freguezia. der comparecer n
' Oarsen al de guerra compra os seguintes gneros,
que ti em de ser remcktldos para a Iba de Fernando-
de- \m onha, a saber ll6 arrobas de bolacha l4 di-
tas de assucar branca,B! libras de cha; 30 ditas de sa-
lan c 40 caadas de alo'ardente branca, c bem assim
6 limas chalas de desblstar,6ditas meia-cannas,l2 ditas
chatas menores, 12 ditas lriafl(jtif:u, .djtas..pequeas,
6 ditas de roda, 4 limates, tres e meias resmas depa*
pe . propozer a vender conipareca na sala da directoeia do
niesnio arsenal, trazendo sua proposta com seus lti-
mos precus em carta fechada, e as amostras, at o dia 8
(hoje) do crreme mcz.
Arsenal de guerra,.') de junho de 1848.
O escripturario,
F. Serfico de Assis Caria Iho.
O arsenal de guerra compra 60 quintaes de chumbo
embarras, 400 Hielos de sola e 20 cadeiras com asiento
JoCo da Cunta Magalh3es, na ra da Cidria do re-
cife.
CALABAN.
Aeha-se prestes a entrar no preto um drama tus-"
cional sflh este titulo, coitiposiQSo de J. Fcrreira Vi|!
lela.
Nada diremos sobre tal obra p>r aimla a nflo ter-
mos lido,: porm suppomos e he de esperar de un,
moco que, tem algunsconheciraenlos dramticos, 8
urna particular predilccQUo pea scena nfto encele
urna carreira ISo brilbanlecom urna obra nlo diga
de ser lida principalmente pelas pessoas que p()S.
suem goslo por poesa do tal genero.
Subscrove-se na ra da Cadeia-Velha, loja "da |.
vros da Snra. vluva Cardo) Ayres & Filhoi, B no
pateo doCollegio, loja do Sr. Dourado.
Avisos martimos.
Para a Baha segu, em poucos das, a sumaca .
o-^nionio-df-Padua ; para o resto da carga, trata-so na
ra do Vigarlo, n. !> *
-- Para Lisboa sabe, com a inaior brevidade powiirl
por ler a luaior parte da carga prompta, o brigue poriu'.
guez .San-oiiinoo, forrado c eucavilhado de cobre -
quem no inesmo quizer carregar ou Ir de passagein, n
ra o que tem bons commodos, dirija-se aos consignan-
ros, Mendes 8t Tarrozo, na ra da Cruz, n. 49. ou ao ca-
pilao Manuel Goncalves Vianna, na pra;a do Cominer-
cio.
Para o Rio-de-Janeiro sabe, at o dia 8 do cr-
reme, por ter o seu carregamento promplo, o bri-
gue nacional .igeiro forrado e pregado de cobre,
de primeira marcha : para escravos e pasaageiroj
trata-so na ra do Vigario, n 5.
--Para o Rio-Grande-do-Sul o brigue nacionalNovo-U.
bo segu nnpreterivelmente at 18 do corrente : pira
passagciros e escravos a frete trala-se com Manoel Ig-
nacio de Oliven a, ra da Cadeia, n. 40.
Para o Porto sahir multo breve o brigue noriu "-
guez Primavera, capitao Rodrigo Joaquim Corref *
por ter o seu carregamento prompto : quem liver \nt
alguma carga miuda a embarcar ou quizer ir de pas-
sagein para o que tem inuio bons commodos dirija-
se ao dito capitao na praca ou ao seu consignatario,
Antonio Joaquim je Souza Ribeiro,
Para o Aracaty sabe, nesles das, o patacho Anglica;
tem a carga quasi prompta : para o restante c pasv, *
geirpj Irala-jie-om Domingos Theophilo Alves Ribel-
befro, no hotel Francisco ou com Sa Araujp na ra
da Cruz, n. 26.
Para a Babia segu viagain o hiate S.-Benediclo, por
ter mais de metade do carregamento prompta : para o
resto e passageiros trata-se com o mestre e dono, na
ra do Amorim n. la.
He approvado sem discusso, e em seguida o projecto,
para passar terceira.
Extinguc-se a ordem do dia.
O Sr. Presdeme levanta a scsso a 1 hora da tarde,
depois de haver dado para ordem do dia da seguinte :
b itura de projeclos, pareceres c iudicaces; primen a4
discusso do projecto n. 20 ; tercena do de n. 23;
e segunda do de n. 24: lodos do anno passado.
Hoje smente comparecern! 18 Srs. diputados pro-
vinciaes, c por isso a assembla deixou de funecionar.
Acha-sc nesta capital o Htm. Sr. Dr. Manoel Libanlo
Pereira de Castro, juiz de direito da comarca deGoianna,
nomeado pelo Exm. Sr. presidente da provincia para ex-
ercer interinamente o cargo de chafe de polica. Segun-
do nos informam, S. S, entrar em exercicio, depois que
o Sr. Gervasio Concalves da Silva se rccolber esta el
dade
Consta-nos que S. Ex. o Sr. presidente da provincia
tendo concedido aposentadora ao professor de rhetori-
ca do lyccu desta cidade, Revm. Jos Marinho Falfo
Padilha, removeu para o lugar, que vagou em conse-
quencia deste acto, ao ftcvin. Miguel do Sacramento Lo-
pes Gama, lente da cadeira de lingoa nacional, c para
esta ao Sr. Bellarinino de Anuda Cmara, que lecciona-
va na de francez ; bem como que reintegrou na ultima
das mencionadas cadeiras ao Sr. Jos Soares de Aze-
vedo.
COfMEafflG.
Alfandega.
RENDIMENTO DO DA 7 .........8:529^591
Deicarregam hoje, 8 de junho.
PatachoAurora -- merendonas.
Brigue Lientmanl-Peterson idem.
Brigue Aurora dem
PatachoCatharina idem.
Sumaca -.Sanlo-nlono-'-r\idiia azeite de palma.
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DIA 7.
Geral........
Diversas provincias .
725/522
32/363
757/885
parecer na sala da directora do mesmo arse-
nal, trazendo suas propostas com seus ltimos precos
em carta fechada, e as amostras, al o da 8 (hoje) do cor-
rente mcz.
Arsenal de guerra, 5 de junho de J848.
O escripturario,
/'. Serfico de Assis Carvalho.
O arsenal de guerra compra as drogas precisas, que
ti i in de ser remeltidas para a ilha de Fernando-de-
Noronha, a saber: 12 garrafas d'agoa ingleza, 4 libras
de ameixas, .'i; libras de cevada, 4 libras de crmor tr-
taro, 2 ancas de conserva de rosas, 4 libras de emplastro
de aquilo gumnado, 4 libras de dito adsivo, 4 libras de
dito vislcatorlo, 8 libras de flor de violas, 8 libras de di-
las de rosas, 8 libras de gotnuia rabe, 16 libras de ga-
Ihas, 1 onva de hidriodato de potassa, 8 libras de poma
de viaon calcinada. 32 libras de raz de alcafs, 8 libras
de rail dc.valeriana, 84bras de raz de serpentaria, 8 1 -
bras de ruibarbo, 8 libras de raspas de viado, 8 libras de
sene, 32 libras de sementes de linho, 4 libras de ungen-
to pupuliao, 4 libras dellr de papoilas, 12 fundas do
lado direito, 4 libras de linimento anodino. Os -*rs.
phnrmacculicos que a venda das ditas droga, que se-
jain da nieHuir i|ni.lidale, se propozercni, comparecaiii
na sala da directora,do mesmo arsenal, uazendo suas
proposlas com seus irllimos precos, em carta fechada, e
as amostras, at o dia (hoje) do corrente mez.
Arsenal de guerra, 5 de junho de 1848. *
O escripturario,
/'. Serfico de Assis Carvalho.
O administrador la recebedoria de rendas internas
geraes faz sciente s p ssoas que teem seus escravos ma-
triculados, que o pre ente mez he o designado para fa-
terein as altcrafdes i\ te occorrem sobre os mesinos es-
cravos; para o que di verao comparecer na dila recebe-
doria com suas notas ocumeniadas, como o exige o art.
U. do regulameuto d. 11 de ah ir de lrf-12. Outro sim,
convida aos devedoresj dos impostos de lojas abertas, de
seges e carriuhos, de 'canoas que navegain nos ros do
interior, aubjeitas ao imposto ; os do imposto especial
dos calcados e trastes iestrangeiros, casas de modas, per-
fumarias, etc.; os dcvjt dores da decima de mu-morta;
aflu de coiupai ecere.in na mesma recebedoria, e reall-
sarem seus pagamentlos, sb pena de seren seus dbitos
( findo o crreme mjez) remeltidos a juiso, para serem
executivamente cobrados.
Recebedoria, 7 de
Franc
mili de 1848.
ico Xavier Cavalcanli de Albuquerque.
Leudes
CONSULADO PROVINCIAL.
RENDIMENTO DO DIA 7......... .1:118/854
Vovmcnto do Porlo,
Navios enlradoi no dia 7.
ristnl,43 diat,hiate americano //iriel(a,de7l toneladas,
capitao Thoma M. Cook, equipagem 9, carga farinha
e mais gneros; ao capitao.
TB KA'I BO PUBLICO
11 1)0 CORRENTE,
A Freir Sanguinaria,
a beneficio da primeijra dama
Joanna Marfla de Freilas Gamboa.
A grande dillienldoide de se apresentar em scena este
sublime drama do archivo thealral lisbonense, he que
mais influe o director na sua execucn : multase multas
pessoas bao posto em duvida a soluroo deste problema,
qual o director responde com o inesmo que mostrou no
drama Pedro-Cem e outros, assaz dimcillinos em um
theatro, como o nos; j, cujo nico apoio he o publico, e
s o publico, que al na sustem este desvalido estabele-
ciinento, onde he pi liso envidarem-sc todas as frcas, e
fazercm-se os maioi i sacrilicios para atlrahir os espec-
tadores
N II.Todas as vistas moslraro o que pede o autor
do drama, e a ultima] todos os horrores de um incendio :
asjovcnsdanrarinas executaro diversas daucas.
A beneficiada, nem scu marido, pelos seus inultos mis-
teres, pdem ir repartir pessoalmente os camarotes e
bilhetes ; porm o c rdito que gozam nos espectculos
dos seus beneficios, II es d a certeza que os seus protec-
tores voluntariamenl e e sem constrangiiuento algum,
os irao na mesma noiu-- ;-.-.?tiiicar no theatro.
. J-----'-"'.
Pubjjeacoes Litterarias.
amor e melancola, ou a novissima Heloisas,
0 seguida da noite do castello e dos ciume
DO BARDO.
Os/mais iniportaiiles poemas do Sr. Antonio Feli-
ciano de Caslilho, tunados com tres estampas hnas
iytliugmpiasa. Vendoni-se a 3,000 rs., na loja deiqein'uver^auDcie.'
Domingos Henriques deOliveira far leilao, por inler-
veneodocorrelor Ollveira dos varios salvados, pro.
ximamentc vindos do Rio-Grande-do-Nortc,pela barcaca
A'. -Joaquim, ilustre Jos Francisco der re tas, consis-
t ndo em seis barricas de cobre velho de forro de navio,
duas ancoras com sepo de pao sete correntes de ferro
de dille rente s hitlas e comprimentos urna feiia de
bronze, uina verga e una retranca de pinbo liojc,
sete do corrente. as II horas da manha em ponto,
no armnzcn do Sr. M. J. da Silva Braga, no Forte-do-
Mattos
Antonio Jos de Araujo tendo de seguir viagetn
para Inglaterra', pela imcomparavel galera Columbus,
l'.ir leil.-iu, por inlerveneodo corretor Qliveira, de to-
da a excellente mohilia de sua casa ha pouco compra-
da e por isso tanto monta nova, consistiudo em ricos,
consolos e mesa de meio de sala com pedras marmo-
res ditas de jogo, sophs, cadeiras de sala, de encost,
e de halanco ludo de Jacaranda ; marquezas, comino-
das, guarda-vestidos secretaria armario, toucadnrrs,
lavatorios, um leito com armaco de feitio moderno,
mesa de imitar aparador, guarda-louca, um lindo ber-
90, candeiros lanternas de sala venezianas de apu-
rado gosto cala para jogo de voltarete mesa imitan-
do charao, apparelho de hinca escolhida para mesa,
dito dourado para cha, garrafas, copos, soperas e outros
crystaes para enfeites de mesas e para cheiros tapetes
novos c inultas obras valiosas de brilhantes ouro e
prata para adornse uso indlspcnsavel de quem sabe
tratar-secom esmero : sexta-felra, 9 do crreme, as
10 horas dainanhaa no segundo andar da casa ti. 61, na
ra da Aurora que forma esquina e frente para o Aler-
ro-da-Boa-VIsta.
Me. Calmont & C. fariio leilao, por intervenco do
corretor Ollveira, de grande porjao de fazendas avaria- |
das a bordo da galera Columbus. na sua ultima viagein,
e de nutras limpas, para concluir facturas : qninta-feira,
8 do corrente, as 10 lloras da manha, 110 seu armazein,
largo do Carpo-Santo.
flvis-s diversos.
ToTEfil A
DO HOSPITAL PEDRO II.
Tendo de ser marcado o dia em que
devem corrers rodas da quinta e ulti-
ma parte da primeira lotera do hospital
Pedro ll,o thesoureiro respeclivo me-
lhor escolha nao poda fiizer do que o
dia 38 do corrente mez, vespeta do pos-
tlo S. Pedro em que mui'as pessoas
costumam tirar surtes sobre o seu futuro
estado : assim, convida ao respeitavcl
publico, a tpiem est stimmatnente agra-
decido pel concurrencia das outrat pri-
meiras partes da mesma lotera par
que haja de se prestir a compra dos bi- I
Ihetes, aim de que se realse a sua ex-
traccao em uin dia lao proprio de se ten-
tar fortuna
O LIDADOR N. 287 E O O PARLAMENTAR N.
acha se -bao vonda 110 lugar do cosiume; este ao ineio-
dia e aqueile as tres horas da tarde.
-- A abaixo assignada faz sciecle que tem feito socie-
dade, na sua botica sita no largo da Boa Vista, com seu
filho oSr. Jos Mara Freir Gameiro, que passa a ser o
agente do cstabelecniento, s6b a firma de Viura Cuaba
Si C.
f A Ptuva Cunbfl.
(Frecisa-se de urna ama, para o servico Interno e ex-
tern* de uina casa de pouca familia: na ra do Rangfl.
U. o.
--Quem estiver nas circumstancias de servir para frl-
Santo6 "es qUei'"a dirl'r-*e a praclnha do Corpo-
Preclsa-se de dous contos de ris a premio, dndo-
se por hypoteca una propriedade de pouco menos de
meia legoa distante desta praca, livre e deembaracada y.
MUTILADO


_ OSr. J. da C. M. queira mandar entregar, no Atter-
r0_da-Boa-Vilta, n. 34, primelro andar, o atlas geogra-
iiliicu, por Simencourt, que S. Mrrc pedio emprestado
por 2 dial, desde 2 de dezembro prximo passado, ou, o
que ser inelbor, a sua importancia, que he 10/000 rs.
O annuncio, publicado neste Diario coin as iniciaes
O. da C. H., nao se entende coin o Sr. Joaquim da Costa
Moreira.
Precisa-se alugar um sobrado que tenba commodos
ara grande familia, preferindo-se algum independen-
lo. e no Atcrro-da-lloa-V3ta : a fallar no A terro-da-'ioa-
Vis(.-i, n. 6, priiuciro andar.
__Aluga-se ou vende-ae um sitio na Agoa-Fria, com
boa casa de vivenda balxa para capim multo boa tr-
ra para plantaces : a tratar na laja de chapeos no pa-
teo da matriz de S.-Antonio n. 2.
A QUEM 1NTERESSAR.
O annuncio felto neste Diario n. 121, com as Ictlras
Iniciaes M. J. de A. M., entende-se com Mamede JapSo
JeAbrolhos Marosquino.
A QUEM CONVIER.
Troca-se urna escrava por um escravo que seja moco,
de boa figura e que seja proprio para qualquer traba-
Ihu ; a escrava he recolhida, de boa figura moca sa-
be polifilamente engommar cozinba o diario de urna
casa e cose chao. Na ra do Queimado, toja n. 4.
Joaquim Lopes Cabral de Telre embarca para o
Rio-de-Janeiro a sua escrava, de nome Luiza.
--Jos PerelraVIanna val o Rio-de-Janelro tratar de
seus interesses deiando a sua casa de negocio no ines-
ino andamento debaixoda dlreccao de pessoa compe-
tentemente autorisada para csse liin.
_=OSr. Te I xe ira' Le i te, rcccntcmcntc chocado do Cea-
r;i, queira por obsequio diriglr-se as Cinco-Pontas,
n. 62.
Aluga-se urna canoa grande, abena c concertada
de novo pelo lempo de tres metes : na ra da Floren-
tina^ 10.
D se um sitio, na estrada do Arraial. a qualquer
pessoa para inorar gratis so com a condico de con-
servar a casa do masmo sitio aborta e prestar altenco
a ludo quanlo nellc exista: no Alerro-da-Boa-Vista ,
ii. 78.
Qucm precisar de una ama com inulto bom e
abundante leite a qual he de inuilo boa conducta c
do mallo dirija-sc a ra do Collegio n. 8, primeiro
andar.
O abaixo assignado fai saber pelo presente que
uinguem contrate negocio algum com Isabel Francisca
de Jess, viuva do tinado tWbeiro, com os bens da
niesina cujos se acham bypothccados ao abaixo assig-
nado no ca torio coinpeteute : e para evitar de questes
ffara o futuro faz o presente annuncio.
Joaquim I.uii doi Santos.
O Sr. Antonio Jos Martina de Mello tem una carta,
viuda do Porto no escriptorio de Autonio Joaquim de
Souia Ribeiro.
O escrivao da irmandade do SS. Sacramento da
inalrix da lloa-Vislaavisa aos irmiios da inesma irman-
dade para que, no dia 11 do correnle, as 9 horas da ina-
nliaa comparecaiii no consistorio para a eleico da
nova mesa, = Consistorio da irmandade, 7 de junho de
lg4g. Jos Candido de Carvalho Ucdeiros, escrivao in-
terino.
O thesoureiro da irmandade do SS. Sacramento da
Boa-Vista pede quelles dos lruios que aioda nao en-
tregaran) as capas que receberam para os actos da ir-
mandade tenham a bomladawc as mandar entregar,
quanto antes ao guarda afim de fazer entrega das
mesillas a scu sucessor e entrar no conheclmento de
urna que falta pertenceute a outra matriz.
Jos Francisco Marques]embarca para o Rio-de-Ja-
neiro o seu escravo Slino de uaciio Quicaman,
SOCIEDADE
PHILODEAMATIC'A
O primeiro secretario avisa aos rs. socios, queosbi-
llietes para a recita do da 10 do corrente principian! a
ser distribuidos boje, cm casa do thesoureiro : assim-
enmoquea commissao administrativa se achara reunida,
pelas 7 horas da noitc de hoje e de amaiiha para ap-
provac.no de convidados; c que, findo aquelle prazo,
proposta algiinia mais ser aceita.
A pessoa em poder de quem existir una lettra da
quantia de 260/ rs. vencida no dia 30 de abril do corren-
te anno, sacada por Luiz Ignacio Gonzaga, comopro-
curador de Antonio Perras de Castro, e aceita por Fran-
cisco de Paula Pires amos Jnior, queira aprcsenta-la
nesta cidade a Joaquim de Albuquerquc c Mello, na ra
do Collegio n. 7, segundo andar, para ser paga; certa de
que, nao a apresentando, nao ter o possuidor dircito a
premio llguin, visto que nao foi apresenlada at ao pre-
sente.
-- Precisa-se alugar urna casa terrea, que tenha com-
modos para urna familia pequea, no bairro de S.-Anto-
nio, e que nao exceda de 10/000 rs.: quem a livor au-
u inicie-. ...
Urna pessoa que tem platica de esenpluracao, se
offerece por em dia qualquer escripia, ou inesmo cs-
crever algumas horas da nianliaa ou tarde, em qualquer
cstabrleciiiiento: no segundo andar do sobrado n. 4 do
pateo da matriz de Santo-Antonio se dir quem he.
-- Roga-se aoSr. Juizde pazManoel Antonio Viegas,
hija de entregar um requeriinento que tem em seu po-
der, para urna consilia{8o, ha 20 dias sem o despachar.
Precisa-se de um padre para capelln e enslnar me-
nines, no lugar de aan-Uenlo na comarca dcGaranhuns:
na pionca de Joaquim Jos Ferrclra, que informar a
respeito.
' CONSELUO AO TIPITY DO PARA'.
He mclhor que o Sr. Hermegldo Morteiro de Sal e Al-
mocreve trate de procurar lavar as nodoas que o co-
bren! como ciunpllce na morte de seu pal, segundo
diz o publico ; he inelhor que S. me. cuide de sua vida
que est multo escandalosa ; he inelhor que S. me. tra-
te de procurar por na forca ao Nicolao; he melhor que
S. me. se deixe de estar zombando da moral e da de-
cencia do po-JO paraense, apresentando em sua casa a
vista e face de toda a cidade a Uargaridinha que foi
cumplicc na morte de seu pai ; ludo isso he inelhor, do
que S. me. andar solicitando na secretaria do governn
coplas de rnelos da presidencia contra Pedro ou con-
tra Paulo; porque csse Pedro ou esse Paulo he bem
conliecido por liilhar a carreira de homeiii de bem, e
se nao agradou ao Sr. presidente F-, ao meiios tem pro-
curado viver honestamente c un a sociedade e com sna
familia. Tome esse conselho, Sr. Morteiro, quelnc da
um Artilkeiro.
Manoel Lopes da Silva mudou a sua residencia pa-
ra a ra do Queimado, n. 14, segundo andar.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. J4 : no
Aterro-da-Uoa-Vista, a tratar no mesmo.
Na Camban-do-Carino, sobrado ti. 'i,
ensinam-se meninas as primeiras lcllras.graminalica por-
tugueza, arilhinetica, doutrina chrlslaa, bordar e todas
as qualldades de costura. Tainbem engomina-se para
fra.
Quem tiver urna preta e. qulzer alugar por niez, que
sirva para vender fazendas annuncie para ser procu-
rada.
Alugam-se cadeiras de palhinha para officios e
festividades ; bem como mobilias completas ou mes-
moas pecas que fizerem conta aos pretendemos para
casas particulares, pelo lempo que convier : na ra
Nova, armasen!, n. 67.
--O engenheiro Milet mudou a sua residencia para a
ruadoAterro-da-Boa-VIsla n. 3, segundo andar.
Quem snnuuciou querer comprar um diccionario
de Constancio, ou Moraes, sendo queira um de Moraes,
ein segunda nio porm anda novo, dlrija-se a S.-Jos
do-Mangulnho venda da esquina.
O Sr. Jos Gomes da Suva Poi telia queira ir tirar *
cama que se acha empenhad na ra dos Martirios n.
36, no prazo de 8 dias, da data deste: do contrario, ser
vendida para pagamento da divida. Recife, 5 de junho
de 1848.
Retratos do daguerreoiypo.
Em consequencia da continuacao da grande concur-
rencia, o abaixo assignado anda nao tem podido acabar
o seu trabalho nesta cidade, e por ser pedido por mili-
tas pessoas, avisa ao respeitavel publico, que continua-
r a tirar retratos por mais tres ou quatro dias; c roga a
todas as pessoas que tencionam aproveitar-se dos seus
servicos, que apparecam com toda a brevidade possivel.
Carlos D. Freirieks,
I'rofessor do daguerreoiypo.
Precisa-se do um feilor que entenda dejardim : na
ra do Amorim, n. 15.
Na ra das Larangeiras, casa n. 14, tlram-s pas-
saportcs pira dentro e fra da provincia, assim como
correm-se folbas com a malor actlvldade possivel.
Una pessoa idnea se offerece para ensinar a tra-
duzir, escrever e fallar correctamente o ingles e francez,
e bem assim geographla e arlthmetica por casas onde
haiam de dous alumnos para mais : na ra do Collegio,
n.B.
O abaixo assignado respondo ao annuncio do
lllm. e Exm. Sr. Antonio Manool de Moraes de Mes-
quita Pimontel, que, se a carne eslava corrupta, S.S
ou Exc. devia torna-la a enviar, eentfio nada paga-
ra por olla, pois que pessoas nobres nflo dflo comi-
das corruptas a seus fmulos. Respeito a dizer que
eii llie tinha dito vocalmente que o preco era das
mais ordinarias, 2/000 rs nflo duvido, e ser; porm
devia S. Exc. altender, ou saber, que em un carre-
gamento de 10 a 12,000arrouas de carne, vendido em
50 a 60 dias e a 200 ou 300 compradores, podo haver
qualquer engao, sendo vendida pelo caixeiro a bor-
do e lancada a no'le nos livros, e o patrlo nflo exa-
minando os assentos diariamente: o a respeilo depre-
Sos, sendo preciso, npparecer urna cerli lo liradu
os livros, aonde so ver vendida a 1600, 2000, 3000,
3,500, 4,000 e 4,800 rs. a arroba. A lembranca do S.
Exc. sobre o preco da carne faz-lbe muita honra,
mostrando nflo ter csquecimenlo nenhum em sous
negocios, ainda em cousas tilo diminutos, de cinco
ou seis mil rs. ; porm faz muito admirar nflo ter a
inesma lembranca do son abono de 438/ rs. que fez
a scu afiancado Mello, como ver adianto nulhentica-
do por onzo pessoas de conceilo.
Ora, diga-ine S Exc, pagando eu a nov socios
no mesmo dia que finduu o triennio, perto de novo
contos, ser-me-liia mui difllcil arrunjur o seu saldo
do rs. 472/863 ?
Ser lalvez bom nflo continuar, pois do contrario
appareccr patente a traieflo dos recibos, pois a pos-
so tumbem autlienticar por tcstnmuiihas, etc.
lUauoel Alves Guerra.
Nos adianto assignados, socios que lomos do con-
trato do imposto dos 2,500 rs. por eabeca do rez. no
qual era caixa o Sr. Manoel Alves Cerra, reunimo-
nos todos no dia 6 de agosto do anno passado, cm ca-
sa do dilo caixa, e depois de cxaminarinos as con-
(as eas acbarmos conformos, recebomos o nosso di-
videndo, o nessa mesma occ.iso o cuixa apresentou
urna lettra doSr. Francisco de Mello Bastos, em que
devia sociedade a quantia do rs. 438,000, prove-
niente do resto do diubeiro quoa sociedado lita ti-
nha emprestado para negociar cm gados, e isto em
beneliciodella, para augmentar as mntanens e fazer
face aos marchantes quo a eslava ni diminuindo dia-
riamente: o caixa fez ver a sociedade que o prejuizo
que este homem tinha soUYido, tinha sido cm bene-
licio da sociedade para augmentar o consumo, c por
isso Iho pareeia; que este prejuizo devia ser dividido
pelos senhores socios porm alguns dellcsoppoze-
ram-se, dizendo que assim como elle tinha perdido,
podia ter ganho, e que a sociedade premio nenhum
I he tinha levado do adiantamento do dinheiro. o
mais quo ello tinha seu (ador quo era o Sr. Antonio
Manoel de Moraes do Mosquita Pimontel, e ueste mo-
mento lovanlou-se esto Sr. o disse em alto e bom
sjjm, que nflo queria que (icassu prejudicado ne-
iilium dos seulioies socios em quarenla o tan I os mil
rs., que I he poderia tocar em raloio, e sin: que o cai-
xa lancasse a importancia da lettra em sua conta,
pois queria pagar peto sou abonado:e por ser isto ver-
dado mandamos passar o presento em que nos assig-
nnnios. Recife, 25 de maio de 1848. Manoel Alves
Guerra, um dcimo (caixa) Jote Higinio de Miranda,
um i\\lo--Joao Pacheco de Queiroga, um dito(ausenle)
-- Francisco Joaqwin Pereira Lobo, dous dilos Por
procurarlo do Sr. Antonio da Costa llego Monleiro,
Ftxiiiimo Jos Moreira, um dilo Antonio Carneiro
Machado /(ios, um dito Jos Joaquim lleznrra Caval-
oante, um dito Francisco Carneiro Uathado tos, um
lito
Tendo sido agente do contrato c assislindo no dia
ilo njuslo de contas, confirmo tudo cima ex pndulo.
Jote de Almeida Jarreto Bastos.
dem ,leudo tainbem servido no contralo do guar-
da-livros o de toda a conlabilidade, cerlilicoo mes-
mo cima referido.
Manoel Alves Guerra Jnior.
allalanco as contas do contrato a favor do Exm.
Sr. A. II. M M. Pimenlel. 936/383
o Heve o mesmo Exm.
0 que ordenou levasse a seu
dehito e a crdito de Francisco do
Mello Bastos. 438/000
Importe de 11 arrobas de carne
2/rs. .
Dilo de 1 arroba da superior.
Existe a seu favor prompto.
Compra-se urna escrava moca, sem vicios nem a-
chaques e de bonita figura, que Cozinhee engonime :
na rus estrella do Rozarlo, n. 22, primeiro andar.
Compra-se um moleque de idade de 14 a lGannos,
que tenha alguma pratica decozinha: quem tiver au-
nuncie. ou dirija-sc ao beceo da Lingucta, u. 12.
Compra-se um piano em mel uso, que sirva para
ensinar meninas: quem tiver annuncie,
Cohipram-se potes de.tinta, vasios: na ra da
Madre-de-l)eos venda n. 5.
Compra-se Tito Livio e Horacio : na rus do Quei-
mado, loja n. 8.
Comprani-sc duas veneiianas em bom estado : quem
tiver annuncie.
Compra-se um sellim inglez em meio uso : na ra
do Queimado, n. 4
Compra-se malte : quem tiver annuncie.
Compratn-se miiliacasde vimes, Horlo, t|ue sen preco nao exceda de t^o
rs. cada liaca : quem as tiver annuncie
por esta folha, para se procurar.
Conlinuam-sea comprar patacOes brasileiros e
hespanhes, a 2,000 rs., e pegas, a 16,700 rs. : na ra
da Cadeia-Velha, n. 38.
1 ii
Vendas.
22/000
3/500
472/863
----------- 936/383
O abaixo assignado, como procurador do tenenle
Manoel Jos da Silva Loile, faz scientc a todos os seus
credores, que dentro de 8 dias apresentein sua con-
tas do que elle he devedor, para seren reincttidas para
a ilha de Fernando, aunde se acha destacado, para as-
sim poder melhor determinar seus pagamentos,_ sb
pena de estarem por mais lempo no desembolso os que
nao o fizerem. Recife, 5 de junho de 1848.
Jos di S Lopes Fernandes.
F. P. Freir muelle para o sul a sua escrava, de
niiiiii' Sabina.
FredoricoKennop, Alleiuao seguc para o Rio,
Airenda-sc una grande casa terrea abarracada ,
no lugar do Manguinho envldracada, com olto quartos,
quintal murado cacimba, estribarla, pelo preco de
oito mil reisinensaes : a tratar na ra dcHortas n. 140
--Roga-se ao Sr. Joao Korges dcCerqueira o obsequio
de ir receber as suas camisas e pagar os 19/ rs. que D-
cou restando no prazo de oito dias : do contrario se-
rao vendidas as ditas camisas'pelo que se acbar can-
do o mesmo sem direito a ellas; pois j bastan meses
de espera : tamben Acando sciente de nSo poder exi-
gir quantia alguma com o titulo de que elli
mais mesmo se for ver os seus prenles
rain avisados. Ra de S.-Francisco, n. 42.
Compras*
pois J fo-
SORTF.S.
Novo divertimento que conten duas partes, primeira
o livro dos deslinos novamenle escripto pela Sibylla de
Cuines ; segunda o manual de alguns jogos de socieda-
des, extrahidos do de M."" Celnart, e trasladados cm lin-
gos verncula, por 640 rs.; Acasos da Fortuna, ou livro
de sortcs divertidas em que, por virtude de dous da-
dos vem cada um no conhcciinento do estado, riquo-
xas herancas, ainlzades, etc. que ter c outras mili-
tas c galantes sortes annunciada no principio da ines-
ma obra. Ultima impresso, expurgada dos inultos cr-
ros e deieitos das precedentes. Augmentada de um no-
vo inethodn de faier mais de mil declinas nicamente
coin o trabalho de laucar os dous dados. Um tratado das
sinas ou dosdefeilos e prognostico dos doze signos do
anno 640 rs. ; Diverlimrnlo campestre, ou descobri-
inctii> da sorlcde cada pessoa, que a quizer tirar ou
divertirse corrigida, emendada e accrescenlada tra-
zendo no liin una parte da mylhologia dos deoses fa-
bulosos, por 480 rs. Vendem-sc na praca da Indepen-
dencia livraria ns. 6 e 8.
'Vendem-se chitas limpas, muito encorpadas e mui-
to fortes, a 13b c lGOrs. a retalho, eas pecas a 4/800 e a
5/500 is. : na ra estreita do Rozario, n. 10, torceiro
andar.
- Vende-se para fra da provincia una negra de na-
;ao, de idade de 15 annos, ptima (gura, e com algumas
labilidades: no pateo do Terco, n. 1, segundo andar.
lavana.
-Compra-seoDiario dePemamtmco n 70, do anno
de 1846: d-sc mais do que o seu valor : na ra da
Dr.iio n (8. ou annuncie ,
P -.Comp.a-se urna negra que naotenha vicios e seja pe -
feitaengoinm.deiraecozinheira: no Aterro-da-lloa-Vis-
! w, u. 26, segundo andar.
Kegnlosdc la
Vendem-se os superiores charutos de la II nana, caca-
9adores, regalia e outras qualidades, tudo por preco
mais barato do que cm outra qualqner parte : na ra
Dlreita, n.28.
- Vemdem-se IcilOcs muito gordos c por preco oom-
inodo: na ra da Roda, n. 10.
Vende-se una botica com poneos
fundos, sita no largo da Santa-Cruz, ; di-
nheiro, ou a prjzos : na praca da Boa-
Vista, n i.
= Vendem-se dous pares de campoteiras de vidro
crystalisado, sem uso algum, por mdico preco: no liec-
ro do Sarapetel, sobrado scu numero, no segundo an-
dar. ,
No arniazcm de .Antonio Atines,
no caes da Alf.mdega, lia una porco de
liaras de vimes para vender.
' Vende-se conimodainenlc un escravo crioulu, Ira-
balhador de cn.xada e machado, proprio para trabalhar
em algum silio : na ra da Florentina, n. 16.
Vende-se un pelo de iiacao Costa, de idade de 25
annos, por preco conniiodo : na ra das Larangeiras, n.
14, segundo andar.
Vcndem-sc as verdadeuos bixas
liambuiguez s, vindaspelo ultimo navio,
aos contos e a retalho, por preco mais
commodo do que em paite alguma: tam-
tam se vflo applicar a qualquer hora do
dio ou ta note, para cOOimoddade dos
pretendentes : no deposito de bixas ham -
burgttpzas, na na di Grnz do l\ecife, n.
53.
= Vendem-se algodes transados de qualidade su-
perior da fabrica de lodosos -antos, na Babia: achaiu-
seemeasa de N. O llieber k Companhia, na ra da
Cruz, n. 4.
= Vende-se salsa muito nova viuda do l'.ira pelo
ultimo vapor S.-Salvador : na ra do Trapiche, n. 2b ,
casa de Manoel Hilarte Rodrigues.
VENDE-DE
PANNO DE LINHO
muito lino com muito pouca differenca dabretanha ;
ninas de linho igual, muito linas ; liem como ccroulas
de niela : na ra do Queimado, loja de iniudesas n. JD.
Chd mnilo superior
'abriendo no Rw-de-Janeiro,S
Denominada Bras ileiro^
o inelhor quo toin apparecido nesto mer-
cado, pola sua qualidade ser mais supe-
rior do que n do mesmo cli hysson do
urna libra para cima, por preco com-
modo : no din da ra da Aurora n. 4, a
fallar com Jos de Almeida Barrlo Bas-
tos, das 6 as 9 horas da manhila, e del
as 2 da tarde. No mesmo lugar tamben
se vendo cha familia, da inosma provin-
cia com as mesmascondicOes.
Casimiras elsticas
finas.
Vendem-se superiores e cscellentes corles do casi-
miras de suporior qualidade o lindos gostos, pelo
diminuto preco de 5, 6 e 7J rs. o corto de calcas, sen-
do seus padrOes lano do goslo para o invern, como
ara o verao; a elles antes que se acabem: n ra
Ido Collegio, loja da estrella, n. 1.
No pateo do Collegio, n.0, lo/a nova de
livros, de Joao da Costa Dourado
vende-se papel de peso inglez de supe-
rior qualidade, em resmas e meias res-
mas.
-- Vendr-sc urna negra de inela idade, boa lavadcua
c ptima cozlnheira : no Aterro-da-lloa-'. ista, n. ib, se-
gundo andar.
Batatas excellentes.
Manoel Joaquim Goncalves e SUva t J ia-2a Cruz ,
n. 43, tem para vender superiores batatas por menos
preco do queem parte trlguma.
= Vende-se geometra e algebra de I-acroix ; Selecta ,
Virgilio : Salustio ; Horacio ; Magnum Lexicn ; JlaBU-
las ; Cartai de Cicero ; Salustio tradiuido ao p da let-
tra ; e outros muitos livros latinos : na ra de S.-rrau-
clsco, outr'ora Mundo-Novo n. 66.
Vendem-se todos os pertcnces de una venda ; bem
como dous caixes da armaciio tudo por preco com-
modo : na ra da Florentina, n. 30.
= Vende-se, ou troca-se por escravos moco e robus-
tos urna casa terrea na travessa do Lobato ao pe da
ordein tereeira dn Caruin : no'paln do Carino, venda
n. 1.
S S 8 F
SSF
Vende-se superior farinha de Trieste :
no caes d'Alfandega. no armazem do Ba-
celar, ou na ruado Vigario, n. 9.
= Vende-se qnia cadelra de arruar forrada de seda,
ainda nova ; macacos para arruinar carga ; encerados
de cobrir gneros : na ra do Amorim, n. 15.
= Vendem-se caixas de ptima folha de flandres, por
preco commodo : na ra Nova, loja defronle da Conccl-
cao dos militares.
Vende-se um violo quasi novo e com boas vozes:
na praca da Independencia, n. 19.
Vendc-sc um mulatinho de 12 a 14 aunos, ptimo
para pagem : na ra da Cadeia do Recife, 11. 57.
Anoa de. tin"ir cabello-
n r>
Contini'ia-sc a vender agoa de Ungir cabellos e suissas:
na ra do Queimado o. 31. 0 inclhodo de applicar a di-
la agoa acompanha os vidros.
Vende-se una escrava da Costa, de idade de 20 an-
nos, que sabe colindar o diario de una casa, lava, lauto
de saliao como de varela, he muito humilde : o motivo
da venda se dir ao comprador: na ra de Sau-lrancis-
co, ao pe da Polinea.
>iKNI3ZES.
Hrn<;a da i .dependen-
cia, n. 17,
loja do cirgtieiro
Vendein-sn unifaimcs militares pa-
ra lodasns patentes, lano de legiio
como do cavallaria e infanlarin ; galflo
do ouro ; chapos para pageos. Na
mesma loja se faz qualquer obra por-
Icnccnte a mesma arle : ludo pelo me-
nor proco possivel.

Vendc-sc una negrinha de 7 annos, a mais linda
une se pode encontrar nesta familia: he muito linipa c
de bom genio, proprla para dar de mimo 011 para niu-
cama do nina menina : na ra Nova, n. 14, segundo
andar. .
__ Vendem-se bmas de Jtamburgoaos
centos c a retalho ; tamben se plugam e
se vao applicar a qualquer hora do dia
ou da noite, a 3ao rs. cada urna, e as
mais recolares, a 240 rs : n^ antigo de-
posito tle Joaquim Antonio Carneiro ni
ra da Cruz do Recife, n. 43. No mes-
mo vende-se urna porcao de pennas de
fina.
Vende-se, a retalho e por ntacado um bom
sortiincnlodelouca da Baha, cliegada ltimamente
na ra da Lapa, n. 6. ^
= Vende-se um linda negrinha de / a o annos ; un
moleque de 16 annos de bonita figura ; um preto do
muito boa conducta sapateiro, e que cozinha o diario
de una casa ; um dito bem robusto que he mestre res-
tilador ; un pardo de 20 anms, ptimo para pagein ;
una preta com habilidades : no pateo da matriz de 8.-
Antonio, sobrado n. 4. .... r ,
Vende-se colla de superior qualidade das labricns
doRlo-Grando-do-Sul: na ra da Moda, armasen n. 7.
m Vendem-se casaes de pombos grandes, multo bo-
nitos bons batedores e por preco commodo : na na
da Florentina, n. 16. ....
= Vendem-se 50 niilbciros de unhas de boi : as t ni
co-Pontas, namalanca, armasen n 5.
Hua do Queimado, n 46, loja de Maga-
Ihes & Irmao.
Vcndem-se ricos corles de cambraia aliena, a 4,600
rs.; ditos, a 4,000 rs.; ditos Je casta de cor, a 3,000 rs.;
cortes de cambraia lisa muito fina, de 8 varas e meia, .a
4 200 rs.; ditos de 3,200 rs.; lencos bordados, com blco, a
560 rs cortes de colletc de fuslao de cores, padres mn-
dernos. a 1,280 rs.; ditos, a 800 rs.; brim trancado par-
do, de puro linho, a 600 rs ; merino preto fino, a .1,000
rs.; casia de babado fina, a 360 rs. a vara chita docn-
bei ta de cor fixa, a 200 rs. o covado ; cassa lisa, a 400 rs.
a vara ; camisas de meia. das melhores que tcein appa-
recido a 1.400 rs.; muito boa fa/enda para toalhas, com.
4 palmos e meio de largura, a 600 rs. a vara; setim pre-
tolavrado, a 3,500 rs. o covado ; chapeos de sol de seda,
a 5 500 rs ; bi ni trancad de cores, de mui ricos pa-
drd'csc nuro linho, para calca ; lencos de setim para gr-
vala ditos de seda de cores; risc.idos francezes largo
muito finos; ditos inglezei; blcos largos e estreitos ;
Cortes de calca a
I#rs.
Vendem-se cortes de calca para homem, da fazenda
denominada-- mselo -de 3 i e ? covados a 1#
1/200 rs. o corte: esta fazenda he muilo barata e d
muito boa qualidade, he escura e serve para a esta-
cilo presento, assim como lamben sorve para jaque-
tas e palitos: na ra do Collegio, loja nova da estrel-
la, n. 1
Vonde-so vinho de Champagne, marca cometa:
no artnaxem de Kalkmanu & Rosenmund, na ruada
Cruz, n. 10.
I'.'l
/
, I

<\

_


rfV
sfiu-
a~~Xe.ne_s um ,mdo mulatinho, com principios
de alfaiate de 14 anuos e que he ptimo para pa-
gem ; e> mais escravos com habilidades c sem ellas:
na ra das Flores, o. 17.
Chocolate.
Na fabrica de licores de Frederico Cliaves, no
Aterro-da-Boa-Vista, n. 17 ha sempre muito supe-
rior chocolate de sade, canella, baunilha e do fer-
ruginoso, este he muito conhecido pelas suas boas
qualidades.e por ser proprio para as pessoas que sof-
Irem de naldade e oulras molestias do estomago.a 1/
rs. a libra, e o de sade, canella o baunilha, a 400
Vemle-.se urna preta moga, com
habilidades: no pateo de S.-Pedro, so-
brado n. 4
Vendem-se 4 escravos, sendo: um moleque
de nacao, de 16 annos, proprio para todo o servico
urna escrava crioula de 26 annos, que engomma
cose chao, faz lavarinto, cozinha e lava do saho '
um escravo de nacSo de 28 annos, perito padeiro e
canoeiro; urna escrava de nacao de moia idade, ven-
dedera de ra : na ra das Cruzes, n. 22, segundo
andar.
Vendem-se-dous bracos de balaneu grandes,
com conchas de pao; urna bomba de cobro para
despejar pipas : na ruadaSenzalla-Nova, n. *.
Na loja da ra do Queimado, n. 5, vende-so pan-
no preto fino a 3.000 e 5,000 rs. o covado.
BOA PlftGA.
Vende-se superior vinlio da Figueira, om barris de
4, j, 6 e 7 em pipa: no armazem de J. J Tasso Jnior,
ruado Amorim, n. 35.
Vende-se urna escrava de bonita (gura de 18
a 20 annos com bastante loite, e quo tem algunas
habilidas, sem vicio al6um : o motivo da vendase
dir ao comprador : na ra Dircita esquina do bec-
codoSerigado n. 93, segundo andar.-
-Vende-se urna moleca do 12 a 13 onnos, de
ptima figura o muito forte para lodo o servico
tanto do campo como da prega : na rus de llortas',
casa terrea n. 62.
--Vendo-s charutos de llavana, de diversas Dua-
lidades, ltimamente chegados : na ra da Cruz,
armazem do Kalkmann & Rosenmund.
Casimiras lisas, a 2,400 rs.
cada covado, as melhores que tem vlndo a esU praca
nao so pelas delicadas cores, como por ser peifeita
fazenda ; ditas de listras, vindas ullimamonle de
Franca, os melhores gostos e melhor fazenda que
Ha a 9,500 rs. o corte; meias casimiras a 3,500 rs
o corte: panno preto e azul fino a 3,000 rs ; ditos
de cores, ae 4,000 at 5,000 rs.; dito preto a 6 000
6,500, 7 000 at 1 1,000 rs. que'mda deixam a deso-
jar ; e lodo o sorli ment de fazendas finase grossas
quesevendema relalho e por atacado: na ra do
Queimado n. 27 no novo-armazom de Raymundo
Carlos Leite.
--Vendem-se ricos cortes de colletes de gorgu-
,AenSe(la; lltode setin>, Pelo barato precode 2,500
a 4,000 rs. cada corte: na ra da Cadeia de S -An-
lonio, n. 21.
Vendem-se muito superiores charutos chama-
dos cacade-res, em caixasde 125 cada urna, chega-
dos pelo ultimo vapor da llaliia : em casa do Frede-
rico Kobilliard na ra do Trapicho-Nova, n 18
ptimos brins trancados de linho, a 1,000 rs. a vara ;
lencos de cassa de cores, grandes, para senhora a
480 rs.; ditos de seda para meninos, a 640 rs.; ex-
celente alpaca de linho ; chitas finas do ultimo gos-
to ; e todo o sortimento de fazendas finas e grossas.
para vender por atacado e a relalho o mais barato
possivel.
-- Na ra do Queimado, n. 30, ha pannos de boni-
tas cores, proprios para palitos e sobrecasaoas, as-
sim como chapeo de castor, pelo barato preco do
5/000 rs.
Vendem-se queijos londrinos; presuntos para
fiambre ; potes com sal refinado; latas com bolachi-
nhasde araruta ; ditas com marmelada com duas
e 4 libras ; massas finas ; conservas inglezas ; fras-
cos com doces de difTerentes qualidados ; latas com
sardinhas; ditas com hervilhas; sag; cevadinha ;
pissas superiores ; bolachinha de soda : ludo por
preco mais barato do quo em outra qualquer parte
na ra da Cruz, no liecife, n. 46.
Novas chitas e riscados.
Vendem-se riscados do novos padrOes avelludados;
chilaspretas com flores encarnadas e ramagens de
diversas core, de superior qualidade, a 320 rs. o
covado; panno de linho muito fino, a 560 rs. a va-
ra : na ra do Livramento, loja nova n. 14.
Corles de casimira elstica,
a 5,000 rs.
Vonde-so cxcellente casimira eslastica pelo di-
minuto precode 3,000 rs. o corte, de padrfles es-
curos e propria para a presente ostacao i tambem
anda reslam alguns cortes decasimira do algodao e
lita a 2,240 rs. o corte. A elles antes que so acabem:
na ra do Collegio n. 3, loja de Ferr8o & Coriina-
nhia,
Brins trancados.
Vendem-se superiores cortes de brins trancados,
dequadrose listras do muito bonitos padrOes, pelo
barato preco de 2,000 rs. o corte : na ra do Colle-
gio, loja novada estrella, n 1.
Vende-se, por preco coramodo, urna casa de um
andar, sita na ra de S. -Rento, em Olinda, n. 21,
em chaos proprios, a qual rende mensalmente 16/
rs.: a tratar na ra da Madre-de-Deos armazem
do Vicente Ferreira da Costa.
- No armazem de Vicente Ferreira da Costa na
na da Madre-Deos, ha para vender muito superior
vinho da Figueira chegado ltimamente, em bar-
ris de quario at stimo muito proprio para gas-
to de casas particulares
mmmmmmmm
Continuam-sea vender,
na ra da Cadeia do He
cife, n. 37, caixas com
cera em velas e mais
brandoes fabricados
no Rio-de-Janeiro, e em
Lisboa: sorlimentos ao
gosto do comprador, e
por mais commodo pre-
co do que em outra
qualquer paite.
Novos gambrees.
Vendem-se superiores cortes da fazenda denomi-
nada --gambreOes-- pelo diminuto preco do | 00
rs. o corte : esta fazenda lio de mu superior quali-
dade e scus padresrivalisam com as melhores ca-
simiras: na ra do Collegio, loja nova da estrella,
Vendem-se presuntos de Weslplealia, superio-
res .no armazem do Kalkmann & Rosenmund, na
ra da Cruz, o. 10. '
Vendem-se aeges da ex*
tela companhia de Pernambuco
e Parahiba: no escriptorio de O-
liveira Irmos & C, ra da Cruz,
n. 9.
"Vendem-se presuntos, baldose linas proprias
para lavar roupa; vassoura para varrer salas e ta-
petes : ludo ltimamente chogado dos Eslados-Uai-
dos : na ra da Cruz, n. 7, armazem de Davis & C.
Fogo pernambucano.
Vendem-se macos grandes de palitos de fogo de
muito superior qualidade, a 2,000 rs. o cento : na
turica de licores do Aterro-da-Uoa-Vista n. 17.
SUPERIOR FAREI.O, A 4,000 rs.
Vendem-se saccas com farelo fino de Trieste che-
gado ltimamente, o qual he o melhor de todo's que
aqu tem aportado, por ser o mais nutritivo: em casa
aoj. J.jassoJumor, ra do Amorim, n. 35.
Casimiras elsticas
a 640 rs.
--"Vendem-se casimiras elaslicas de algod.lo o 13a,
pelo barato preco de 640 rs. o covado : na loja nova
da estrella, n. 1, da ra do Collegio.
Leite liquido,
todo oanno, a 200 rs. a garrafa, s 7 horas da ma-
nhfla, e sendo freguezia se mandar levar : na fa-
brica delic.res do Aterro-da-Boa-Visla, n. 17.
A SOO Rs. O COVADO.
No novo armazem de fazendas
de Itaymuii.lo Garlos Leite,
na ra do Queimado, n. i7,
cha-se o melhor algodao trancado azul, proprio
para roupa de escravos a 200 rs. o covado o em
pecas a 260 rs. a jarda o qual se loma recommen-
laVan l'\l ^l^'90 ?? toP O"""1 90r muU>
S pUma ch,U Prpta fort
5i800 rs. a pega ; engracados pannos de mesa, de
aigodflo, encarnados, prctos e grandos, a 3,200 rs.;
Sapa toes de tres solas k \fjf rs.
No Atcrro-rla-Boa-Vista, loja n.
78, vendem-se estes spalos pelo ndmi-
ravel preco de is' rs. o par ; sao lo bons
e baratos, que qtiem os vir nao deixai
de comprar.
Cassas a 320 rs. o covado
Na ra. do Uvramento, n. 14, vendem-se casss-
muiloi linas para veslido, a 320 rs. o covado ; chitas
finas de cores fixas, a 160 rs. e a peca a 5,400 rs.; cas-
sas pelas com 10 varas, a 3,000 rs. a peca ; riscados
de novos padrOes, a 220 rs. o covado ; meias do al-
godao para senhora, as mais finas quo leem apparc-
cido, niniilacaodcseda, e oulras muitas fazendas
11 i) I el (ilS.
Jgfe Vendem-se chapeos de superior
'rm^castor, brancose pietos, por preco
mu lo barato : na ra do Crespo, n. 13,
lojixde Jos Joaquim da Silva Maya.
colleccoes de vistas de Per-
nambuco ,
sendo as da ponteda oa-Vista,ponlodoRccife,Bom-
Jesus, Olinda, Poco-da-Panella o Cachang, feitas ao
beneficio da sociedade da Beneficencia allemfla e
suissa : no armazem de Kalkmann & Rosenmund ,
no hotel l'istor, as lojas dos Srs. Luiz Antonio S-
quira da Snra. viuva Cardozo Ayres & Filhos, na
ra da Cadeia do Recife ; as lojas dos Srs. Santos
Heves & Guimaraes na ra do Crespo ; do Sr. Jos
de Alenquer SimOes do Amaral, na ra Nova ; e do
Sr. J. Chardon no Aterro-da-Uoa-Vista.
Vidros para vidracas,
vendem-se em porces ou a retalho a vontade do
comprador: na ra da Cruz, n. 38, casa de Schafliec-
tlinct Tobler.
Vendem-se sapatSes de couro de
lustro superiores, pelo baratissimopre-
co de 2,56o rs. : na ra do Cabug, loja
de miudezas, n. 4, de Manoel Joaquim
Dias.
-- Vende-se a taberna n. 86, ua ra do Pilar
o melhor lugar .e Fra-de-l>ortas, a qual est bem
areguezada, tem casa com moda para pequea fami-
lia e com quintal: olm disto ha outra conve-
niencia vantajosa que se dir ao comprador : ven-
de-se a dmheiro vista, ou mesmo a prazo a con-
tento com endossante que agrade Faz-se essa ven-
da porque o son dono oceupa-se em oulro negocio,
e a possoa quo a administra nao pode continuar. A
(ralar na ra do Queimado, loja n. 21.
Vende-selagedo decantara ou a varas ou por
pedras por preco commodo na ra da Cadeia de
s.-Antonio, armazem n. 15
Vendem-se caixas de charutos regala de boa
qualidade a 2,000 rs. a caixa de com charutos: na
ra da Cadeia de S.-Antonio n. 21.
Vendem-se cadeiras de balanco muito boas o
commodas : no armazem de Kalkmann & Rosen-
mund, na ra da Cruz, n. 10
Vendem-se vidros para espelhos de todos os ta-
annos : no armazem do Kalkmann & KosenmuHd,
na ra da Cruz, n.10.
Vendem-se pianos inglezos da fabrica de Co-
lard: no armazem de Kalkmann & Rosenmund.
na ra da Cruz, n. 10.
_Vendem-se 5 escravos sendo : duas pretas de
habilidades; duas pardas, urna de 17 annos, e a,
outra que cozinha lava bem roupa e vonde na ra;
um preto da Costa que se aflnnca a conducta : no
pateo da S.-Cruz, n. 14, se dir quem vende.
Historia de meninos para
quem nao fr enanca.
Esta obra conlm a noile das commadres com os
frades, a madrugada do frade, o anjo no convento, o
Joscsinho da villa, a possessa pejada pelo confossor,
sror Feduncia, delambida cun hysope, Gregorio
Itobles feilo Senhor dos Passos, a viuva roubada pe-
lo confessor e criada, o abbade astucioso, o proprie-
tario desabusado, o frade pejada, a beata escrupulo-
sa, a rolica cozinheira, o rei Miguel o seu hortelao,
a bella roubadra, o arrieiro e frade denanciante,
e mitras muilas : 1 vol. em 8., encadernado, preco
2,560 rs. : na livraria da esquina do Collegio. Na
mesma liviana vendem-so trezenas de Santo Anto-
nio.
Vende-se um bote novo com qua-
lloremos, e pregado de cobre, muito bo
para uso de qualquer navio ou para c
leamos arrecifes: a fallar na ra do Tra-
piche, casa n. 8.
que he de boa conducta ; umi dita de 22 annos, que en
se, engomma e cocinha sott'ilvel : na na da Penha 1 n
I, confronte a torre do Livramento prlineito andar
Vende-se urna escrava de 20 annos, de bonita figu
ra c que he multo robusta 1 na ra eitreita do Rozri
n. 10, tercetro andar.' ^
Vendem-se sementei de hortalice de diversas qual "*
lldades, por preco commodo: na ra estrella do R0"
tarto, venda n. 8.
Vendem-se ps de coqueiros, bons para te muda
rein : na venda defronte do sitio da Tacaruna na estra-
da que val para Olinda.
Vende-se, por preco commodo, urna barcada de iq
caitas de multo boa conati'ucc"o e proinpta a (tur
qualquer vlagem : tambem te vende um preto : n r.
daModa.n.l. u*
Vendem-se na ra do Crespo, loja n. 11, Segun-
das Ilnhas sobre a processo civil, por Manoel de A. S. de
Lobo, 2 v. ; Memorias economieas da academia real das
sciencias de Lisboa 3 v. ditas de litteratura portugue-
z.a publicadas pela academia real das sciencias de .Lh-
bda, 7 v.; e outrot mijitos Uyrot por barato preco e
continuam-se a trocar.
Paraizo perdido
em Inglez e tambem em portugus : vende-se na livra-
ria da esquina do Collegio.
Na ra do Queimado, n. 24, loja de miu-
dezas.
Vendem-se estojo com duas navalhas, para barba,
multo finos; caivetes de 1 a 3 folhas, muito finos, ca-
bos de madre-perola ; chapot enhilados para baptiza-
dos de meninos; ditcs para honiem e menino, de palha
d* Italia; tycos finos para talho de vestido, estreitos t
largos; luvas de pellica para senhora, a 1,800 rs.; ditas
para homem, ponto inglez, a 1,000 rs.; nielas cruai para
hoinem ; ditas de cores e brancas; ditas para menino-
ditas pretas para senhora, de algodao; ditas de'teda '
suspensorios de seda,, e ditos de borracha ; caitas de
inatsa de tartaruga, redondas c qu.-idradas. Tudo se
vende por pre;o mais commodo do que em outra qual-
quer parte.
No armazem da ra Nova, n. 67, ba um grande sor.
tmenlo de cadeiras de palhinha que se vehdem a 9S
3J/, 40# 45/. 50/, 7/ e 96/ r. | estojo, com ei!
Ihos para navalhas a 1/600 rs. ; um sortimento de me-
tas, bancas, sopht, camas de annacao e sem ella- ri<
cascartelras de viagem com estojos e mais perten'ces
2 palanquins sendo um da Baha em ineio uso e
outros inultos objectos que a vista dos preteudeu'tej
se farSo patentes. Afianca-te a coinmodidade doi
pircos.
Yende-se um escravo muilo robus-
to, de idade de aoa a5 annos, muito pro-
prio para eneenbo, por saber trahalkar
bem em o fabrico d assucar, por ter
litio disso bastante pralica assim como
tem principios de ficial de carpina: na
ra do A pollo 8rmazem n. 4 de D.
F. Maia,
- Vende-se um piano sem defeito, boin para qurm
quizer aprender, culo p-
prador 1 na ra da Hc-re
-- --------. -- (-..> iiji ai
reco nao desagradara ao coin-
1, n. 8."
Escravos Fgidos.
Vende-se, na ruadas Cruzes, n. 41, mar- "S
melada; e panno de linho, muito supe- '
nor o mnis ordinario: ludo por preco
commodo.
lleisis cruas americanas.
Vendem-se estas oxcellentes meias, muito proprias
para a presento estarlo, por conservaren! os ps
quenles e serem do muila duracKo pelo diminuto
preco de 4,000, 5,000 e 5,500 rs. a duzia : na ra do
Collegio n. 3, loja do Forrflo & Companhia.
Vende-se um crloulo de ptima figura, de36annos,
perito mestre sapateiro e qu tambem entende de
todo o servico de padaria e alguinaa cousa de enge-
nho : he muito humilde e por isso bom escravo : ven-
de-se para pagamento de urna divida : na ra DIreita, n.
, defronte do becco de S.-Pedro.
FRESQUSIMOS QUEIJOS DE QUALHA,
chegados do Cear no vapor Imperador : vendem-se na
ra da Crut, no Recife, n 18.
= Vendem-se saccas de feijao ; ditas de farinha ; di-
las de milho ; ditas de arroz pilado ; queijos frescaes do
ierid : na ra da Cadeia do Recife, n. 8.
Vendem-se coifas e meias ditas de la de diversas
cores e padrdes, do melhor gosto que tem vlndo do Rlo-
de-Janeiro : na ra larga do Rozado, n. 24.
Vende-se o sobrado de dous andares, no palco de
N. S. do Terco, que fas esquina para o becco do Loba-
to em chaos proprios livre e desembaracado de hvpo-
theca e de toda equalquer questao judicial : altratar na
ra DIreita, n. 65.
= Vendem-se os teguintet lirrot: o Panorama, 8 v.;
Mgasjn pittoresc em francez, 9 v.; Archivo popular, <
- Fugio, no dia primeiro do correnlo o preto Jo-
so de 25 annos de nac3o Rengela de estatura re-
gular cara um pouco comprida olhos afogueados,
pouca barba beicos grossos ; levou um ferro no p,
camisa e ceroulas de algodao da Ierra ; consta ter
passado no dia 2, pela ponte da Tacaruna, para a
parte de Olinda. Roga-se a os capitfles do campo o
pessoas particulares, que o apprehendam e levem-
no a ra larga do 'ojtario, padaria n. 18, de Manuel
XTTtolwTfle'Jsiis, queXaer bem gratificado.
Fugio, no dia 57 do proiimo passado o preto An-
tonio de naco llengnela, baixo, grosso do corpo pou-
ca barba cor fula com uina costura em um lado do
pescoco ; consta andar mesmo nesta cidade e ter sido
visto na ras de S.-Amaro}, e suas adjacentes e no
porto das canoas da ponte da lloa-Vista : quem o pegar
leve-o a ra Nova, u. 67, primeiro andar, que ser ge-
nerosamente recompensado.
Fugio, no dia 3o de maio prximo
passado, um prelo crioulo, de nome
Marcos, de 16annos pouco mais ou me-
nos icial de pedreiro, de estatura rc-
, secco do corpo roslo compri-
do be5os grossos ; tem todos os dentes
da frente e duas cicatrizes no poscoco
bem debaixo do collarinhojd camisa qiie
as encobre ; tem pouca barba suspen-
sorios com fivclas de prata ; cond uzia una
trouxa com roupa do seu-uso, motivo
por que se ignora como andar vestido;
tem sido visto .em Olinda : quem o pe-
gar leve-o a ra do Cabug loja de
miudezas, de Jos Alves da Silva Gui-
mtrSes, ou a Parahiba, em casa de Fran-
cisco Fernanda Lima, que ser gene-
rosamente pago.
Fugio, no dia 10de maio docorrentc anno do en-
gcnlio Constantino um cabra escuro, de nome Joao,
de 2anuos ; he alto secco do corpo, cara redonda,
it chato, turrado ha pouco; levou chape de pcl
de nome Antonia de 40 anuos ;' tem'falta de'deVites'" na
obra propria para os escultores; Archlteclura de Andr r,CIUe,; 'evou saiac panno pelo : quem a peear levt-a
a ra de Horlas, n. 122.
ica propria
segundo an-
Paladio conlendo5 livros, obra inuito
para os engenheiros : na ra Nova, n. 20,
tlar, a qualquer hora do dia.
Vende-se urna casa terrea na Boa-Vista, ra da Man-
gueira, n.ll, que tem lampeo na pona, com duas
randes salas. 6 quartos, cozinha fra, cacimba, quintal
baslantegiande, todo murado e com diversos arvoredos
de fructo : na ra do Aragao, n. 27, a qualquer hora do
Panno-ferro.
Vendem-se cortos do calcas para homcm da ex-
cellento azenda denominada panno-forro a 1,400
rs. ocrto : esla qualidadode fazenda lorna-se re-
commendavel, por ser de padrOes escuros e de muf-
lo corpo : na ra do Collegio n. 3, loja de Femlo &
Companhia.
Chegaram diversos escravos para se ven-
derem muitoemeonta na ra das 1.a-
rangeiras n. 14, segundo andar, a sa-
bor : um lindo moleque de 18 annos; 1
_ dito de 20 annos; um proto de meia ida-
do bem para o servico do urna casa; um ptimo
pardo do 20 annos, bom pagem ; um dito do 10 an-
nos ; um dito de 22 annos que tem muita propor-
cSo para marujo; um dito com principios de pedrei-
ro ; um dito de 38annos, por 250,000 rs. ; nina pre-
ta moca, boa cozinheira ; urna dita de moia dado
ptima lavadeira ; urna mulatinha com urna cria
urna preta do alegante figura : estas duas ultimas u-"a Par,a* ae 'M annos, que engomma con
vendem-se para fra da provincia por preco mui-IEao' coz n.,,a. Vwo e "'" mul' bem' ^se
to baixo. v v Ida a qualidade de costura attiui cuino coila uiu ves-
Itldo de qualquer modelo; urna preta bo* cozinheira, a.rBSai. : NA TP. DIB. r. DEFABU. 1848-^
100/000 rs.
rugi, no da 22 de marco prximo patsado, do enee-
nbo S.-rraucisco em a.-Antonio-Grande, provnola das
AlagOas, a escrava Benedicta, parda, muito clara, bem
parecida, cabellos corridos, uihos pretos, beicos gros-
sos dentes limados peitos grandes, ps seceos; tem no
braco dircitoum siuo salamao c no oulro um ooracao ,
ulna com tinta azul; tem 20 annos de d-
Hodriguet Marinlio ,
entregue, que
praca a J.0.
,--------------"" "" ---- vjuii estar liuril,, n "crravfi
Importante, porque oflerece a quem precisa duas amas Alberto u,inl1, ., IUglflO O escra\ O
brancas, bellas de bont costumes de 14 anuos de d des de de%hr u Pr Manoel de ^ Ciba"-
Idade. "* "aeJd e|>P )I do crreme anno; julga-se csur
! =Vende-se um pardo perito omci.i de sapateiro. gf-se as iuiorlfZ f0'"-0,0anna' ou ^rahiba. Ho-
Uoqualseafianaaboa conducta; um moleque de 18 fppreheifde? ,/. ,f S'f8 lugar" 1"e h3^1" e
annos, bom carrelro trabalhador de miada e que he Vista 4 remette-lo a ra do osarlo da Boa-
de bonita figura ; um dito de 16 anuos, multo lindo; '
parda de 20 annos, que engomma cora perfei-
to-
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBLSE943I_TWK8IU INGEST_TIME 2013-04-13T03:36:45Z PACKAGE AA00011611_05981
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES