Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05939


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1845.
Sabbado 1S
0 DIARIO public-se todos os das que
nao forein de guarda: o preso da assigni-
turahede 4/rs, por quartel vigtt adianta-
ia$. Os anhuncins dos assigiiintes sao Inse-
ridos a raziio de 20 res por linlia, 40 rs. eui
typo dilFerente, e as repeticries pela metade.
0 que nao forein assignantes pigo 80 rs.
porlinha, e 160 ein typo dilTereate.
PHASES DA LA NO MEZ DE DEZEMBRO.
Crescente a 6 aos 33 minutos da minha.
La cheia a 13 n 4 tur. e 21 min. da'tard.
Mengoante a 21 as 9 or. e 8 ua. d tarde. I Prlmeira as 4 h. e 30 min. da Urde.
La ora a 28 as 8 b. e 33 min. da tarde. I Segunda as 4 h. e 54 minutos da manha.
PARTrDAS DOSCORREIOS.
Gotanna. Parahyba, e Rio Grande do Norte
Segundas e Sextas (Viras.
Cabo, Serinhaem, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macey, no l." 11 21 de cada mes.
Garanhunse'lonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 c 28.
Victoria as Quintas reiras.
Olinda todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
de Dezembro.
Anno XXI N. 279.
DAS DA SEMANA.
S Secunda >< -B Conceicao de N. Senho-
ra P.idi'oeira lo Imperio.
9 Terca S. Leocadia, and. do J. do civ.
B' da 1. v., e do J. de paz do 2. dist. de t.
10 Quarta S. MelcliianYs,, aud do J. do civ.
da 2." v, e do.J. de pai do 2. dist. do t.
11 Quinta S. Dmaso aud. doJ.de orpli. e
doJ.M. da 1. v.
12 Sexta S. Justino, aud. do J. do civ. da
1. v., e ilo J. de pu do I. dist. de tard.
13 Sabbado S. I.uzia, aud. do J. do civ.
da 1." v., e do S. de p.ti do 1. dist. de t.
14 Domingo S. Matroniano Eremita.
CAMBIOS NO DA 12 DF, DEZEMBRO.
Camb. sobre Londres 27'/.d. p.l a60 d.
Pars .'453 ris por franco.
r.Nhni 112 |>. c. pr. p. m.
Desc. de let. de boas Orinas I '/, I>. V. mes
Ouro Oncas liespanholas 31*000 a 314500
Momia de (fDil vi. 16440!) a Ificto
. de fWO nov. 18/100 a 16 300
de 4/000 8>'J0!i a
Pr.iin-Pataces .'. 1/01)0 a
> Pes'is 'oliimnares. Ioo a
Ditos Mexicanos lWlil a
Prata miuda. 1/tiO
8*80
1/920
l#l)40
U87t>
1/68 )
Accoes da C do llcberibe de 50/u00ao par.
DIARIO DE PERNAMBUCO
PARTE OFFCUt.
MINISTERIO DA FAZENH.
Extracto do espediente do dia 10 de outubro.
A Ibelouraiii da Parhy/ba. em deferimentnan reque-
rimiento de Colllbert Vaux e David Davles. me biiBBes ingieres Ocian Bride e Naiad. se decsra alten
diris pan obterem provimentn os recursos dossuppli-
cantea. multados por hila de manifest! ; poique, sendo
cerlo que vierlo ans pnrlus do Brasil, (endo sahid'i das
ilhas Elisabelh e Ichaboe. recoobecida desertas, nao po-
diiospreientar manilestos, Da forma dos artis. ISOe I5l
do renulamenlo, e por isso nio podem ter fundamento
as maltas impostas ; nena linho obrigacao de supprir
essa falta, como pretendeo > thesourria, por um mel,
que o referido regulamento Ibes na ordenata, qual a
asstgnatara e certtflesdo de mestres de outras embarca-
cees nesse tempo existentes nal ditas libas.
A'-do Maranho, respoodendo ao offlcio o, 75, de
46 de agosto sobre a apresentacin dos autos origiaaes,
quaodo se trata de pagamento de dividas, a que he con
detallada a fatenda nacional; se approva a deliberacSo
tomada pelas Justas raides, que expende, sendo cert
que a apresentacio de quaesquei autos originaes, pro
cetsadoi em julio, s pode ter lugar nos casos expressa-
mente declarados, por lei, poli que alias pertencem aos
julios e cartorio em que se procetsirSo, e d'onde nio
podem sabir, conforme as lels, por que se regulio, e
que mandan extrahir delles os instrumentos das senten-
cia, quaodo precisos para execucio, ou as cerlidoes, de
que as partes precisen! ; e quanto os esclarecimentos,
que pede, se declara, que a senlenca de condeinnacao
da laiends nacional, exlrahida do processo e legtima-
mente pascada em julgado, be documento curial para o
credor exigir o pagamento ; mas. para que este se effec-
tue, be preciso que essa senlenca ceja regularmente pos-
ta em execucao, Isto be, que s.ja cumprlda pele aulori-
dade judiciaria complente, por ella seja requerido
o procurador da fatenda ; e, nao hacend duvida, se
passe precatoria a favor do exequente respectiva the-
souraris, que a cumplir, efectuando o pagamento,
quaodo houver crdito especial para isio, destinado pe-
lo corpa legislativo. Tambem se approva a cautela de
se laucar nos documento originaos denlas dividas urna
verba, em que se declare a realisacia do pagamento.
dem do da 11.
Ao juis dos orpbios, em solufio aos queiitos pro-
postos em offlcio dirigido repartlcao da just'ga, e traes
mlllido da fazeoda com aviso de 28 de julho, se res-
ponde : 1.', que a duposicao do artigo 43 do regula-
nsnlo de 9 de malo de 1842 comprebende os beos e he-
rancas daquelles estraogeiros, que, posto fallecessem
do lempo da existencia dos tratados, anda nao esto
arrecadados e administrados competentemente ; -..
que as disposl(d>s dos alvarls de 17 de junho de (706,
10 de noveuibro de 1810, e ii de selembro de 1815,
deisario de ler vigor depois da lei de3 de nove.nbrode
1830, em vlrtude do que expressamenle se decreta nos
arllgos 1.a e 7.'; e 3 *, que o sobredilo artigo 43 do
regulamento de 9 de malo de 1842 he extensivo aos
bens existentes no impeli, que pertencerem a estrao-
geiros fallecidos lora delta, para se fsier a arrecadaco,
e se administraren 1 favor de quem perlencer.
A' thesouraiia da Baha, respondendo ao ofllcio de
6 de setembro, u. 110, se declara : I.* que. Do caso de
Oca re ni exmelas as coliectorias e agencias pelo fado de
se arremataiem as rendas publicas, p >dc iad ser os ar-
rematantes, devdainente Saneados, u contados para
receber os dmbeiros dos orphlos e ausentes, ereiuel'e-
los thesourria ; e bem assim, para a dos que lorem deprecados pelos junes, por conta do
preco dos saus contratos, e sacando ledras sobre a the-
sourria, pelo que exceder elles adiaotarem, dando-
se-lhes por is-o umii commisslo ratoavel; 2 ", que a
divioa activa anUnor ans a unos da arrematacio dever
continuar a ser cobrad), como actualmente, pelos c m-
mitsarlot Domesdos pela thesourria, podrodo ricahii'
a oouiescio nos mesiims arrematantes ; ', que o de
creto de 13 de juntan nao faz exceugo de rendas para a
arrematscao ; mas, se a rrspeito de qualquer deltas se
offerecer duvida ou inconveniente, se dever represen-
A RAINHA MARGOT. (*)
por aictnntr Diimas.
SEGUNDO VOLUME.
CAPITULO III.
- MORTT, KI8SA OU BASTILHA.
Havia Margsrida, como disseniot, fechado as portas,
e voliaiin aua eaniarn M > a<> entrar nelia loria palpi-
t.nlr, do ruin iitnlhoa em Gillonne, que, inclinad.! co
termr para a porta do gabinete, conifin|i!ava os vesti-
gios de sanguo e>|ialliadus no leilo, nua movis, no ta-
pete.
Ah! senhora, exclamou ella ao avistar a raiuha.
Oh! senhora eniSo, morreo P
Silencio, Gillonne, diaac Margarida nesse tom de
vos que indica a auprema importancia da recouirucn-
daco.
Gillnnno ralnu-se. A.
Tirou cuiao Margarida urna ehavirma doarada do bol-
() Yde Dimri tt,' 278.
tsrso thesouro, sem que por Isso se suspenda a arrema-
lacio daquellss. em que nao houver embaraco ; e 4.,
que os empreados, de que trata n decreto, escritura-
rlos, agentes, cobradores, $c todos d>ivem ser de no
raeaco dos cootrntadores, de iua livre escolba, e sob
tus retponsabilidade.
dem do da 13.
Aos presidentes d<> Espirito-Santo e Baha, conforme
o aviso de 12 de agosto, do ministerio do imperio, e em
consequencla da resolucao de 27 de nnvembro do anno
passado, sobre consulla da seccSo do imperio do con-
ceibo de estado, se ordena, que se passe dos colres das
tbesourarias para os cofres provinciaes. 4 titulo de em
prestimo, aquantia necessaria para o pagamento dos
vencimentns das secretarlas do gnverno; sendo este em-
prestlmo carregado as detpesas eveotuaes do ministe-
rio do imperio.
Comm.-iiiclo das Artn is.
EXPEDIEHTR DO DU 37 DO PASSaDO.
OlicioAo coronal commnndante do segund bala-
llio de artilbaria p6, communicando-lhe a funde la-
zer as notas no livro competente, que o segundo sar-
gento do batalbao de seu cumulando, Angelo Costodio,
que te acbava destacado na ilha de Fernando-de-Noro-
nha, falecra do dia 31 de agosto ultimo, de urna hy-
perlropbia nocoracp.
DitoAo mesmo, envitndo-lhe o olicio e mais rela-
coes annexat, enderecadat ao commando das armas, de-
monstrndoos vencimentot das pracas do segundo bata
Iblo de artilbaria pe dettacadas na ilha de Fernando-
de-Noronha, do lempo decorrido do 1 de abril a 31
outubro ltimos; cujo pagamento edectuou o ex-com-
manJsnte daquella ilba; a fim de que S.S.' se sirva dar
as precisas oniens no sentido de ser entregue nesta ci -
dade a importancia de tal voncimento ao negociante Jo-
s Maris Sove.
DitoAo chefe de polica, enderecandn-Ihe a relaco
nominal das pracas do quartu batalho de artilbaris i
p, que desertarlo, de 26 de setembro a 22 do crtente
com as declaracoes de naluralidade, tignuese datas, em
que se augmenlaro, para que se dignaste providenciar
oo sentido de terem capturadas.
Dito Ao coronel commissario pagador, deprecando
o Mientamento de piuca do soldado desertor .lo reduci-
do baialha de guardasnacionaesemdestacatnenlo, Jo8u
Pereira da Paixio.
DEM DO DIA 28.
OlicioAo coronel commandante do segundo bata-
IbSo de artilbaria p, mtndando-lbe apresenlar, para
proceder na forma da lei, o toldado desertor do bata-
lbao de seu commando, Luis Francisco de Mello; e que
lornecesse o atteslado, na forma do costume, ao solda-
do do corpn de polica, Manoel us do iNa.cimenlo, que
appreliendeo o dito desertor, para que cun esl docu-
mento percebesse na pagadoria das (ropas o premio es-
tipulado.
Di loAo presidente do Rio Grande-do-Norte, di-
zendo, que no Transporte numero I, naufragado perto
daquella provincia, vinliSo, da doCeara, com destino a
corle, as pracat do quarto hatslhao de artilbaria a p,
constantes da relueo annex; e como fossem requisita
das pelo respectivo teaente-coronel commandante, ro-
gava a S. Exc. se dignasse declarar, se all existio ditas
pracas, ou que destinoti*erao,i|uando oaulragou aquel
le Ti ans porte.
DitoAo coronel e commandante superior desto mu-
nicipio para que expedisse as convenientes ordens aos
commandantes das 1 ", 2.' e 3.' legides, sob o con m m
do supen r deS. S.*, e bem assim aos respectivos com-
mandantes dos corpos, para que amanhaa (29),as 9 ho-
ras da manhaa, se achassem no quattel general, a lio. de
seren tcientili> ados d'alguns movimentos, que te desen-
volverlo oa grande parada do da 2 do p. luturo mei
(dezembro], anoiversario natalicio deS. VI. o Impera-
dor.
DitoAo dnlegs'Io supplonte deste termo, scientifi -
cando-o, que Luir Francisco de Mello ho desertor do
segundo batalliao de artilharia p, ao qual so havia
mandado apresenlar.
dem do da 29
OlicioAo presidente da provincia, diiendo, quo ex-
pressamente seacho designados (na tabella n. i) os
vencimentos dos ofllciaes efleetivamente emiiregados no
se ruco do exercito; e que, nao sendo o padre Christovo
de Hollanda Cavalcanti capello de algum batalho. e
sim da fortalea do Brum, temo sol Jo do 224 rs. ,con-
lurme o disposto na lei a respeito. e que a circunstancia
de ler sido ltimamente confirmado em dito emprego
nao Ibe da direilo a augmento de vencimentos.
DitoAo coronel e com candante superior deste mu
nicipio. di/.endo, que, achan lo ratoavel a requisicio do
coronel Cypriano Jos de Almeida,destinado para com
mandar a segn la divisao na grande parada do dia 2 do
p. futuro mez (deiembro), anniversario nat.ilicio de S
M. o Imperador, ronava-lhe. quehouvesse deexuedir
-i.as ordens, para que o major da guarda nacional Joa
quim Ignacio de Cervalho iVlendonca su apresuntssse ao
dito coronel, no refundo dia, para servir, em tal con
juctura, as suas ordens.
DitoAo chefe da primeira legiao do municipio de
Olinda, requisitsndo o major da legiio de seu cominan -
do. Candido Emigdio Pereira Lobo, para servir na gran-
de parada do dia 2 do p, futuio mez (doiembro), junto
ao commando das armiis.
DitoAo coronel commandante do segundo batalliao
de artilbaria p, declarando-Ibe, em resposta aoseu
olicio de hontem (28), que mandasso prender na for-
taleza do Brum o primeiro tenenle do balaliiSo de seu
commando, Antonio Mara de Castro Delgado, pela fal-
la, que S. S.* menciona em seu dito officio.
DitiAo tenenle-coronel cnminandanle do quartu
batalho de artilbaria a p, remetlendo-lho as relaces
nominaos (sob os numeros a e b)daspracs add das ao
segundo batalbao de artilbaria B pe, para que as consi -
derasse como taes no batalbao de seu commando, 8<|Ue
se lliH.apresent.ii iQo acompanbadas das respectivas guitf
de sucaorrimenlos, em as quaes rilo inseridas as uceur-
renciat havidas.
|)i|oAo coronel commandanle do segundo bal Hio
de artilharia p, ordenando, que mandasso apresenUr
ao tenenle coronel commondanle do qusrto batalbio da
mesma arma as pr..i;as dos corpos da Parabiba e Itio-
(jraii le-iio-Nurle, que se aclio ni .lid is ao batalbao de
cu criminando, acompanhadas das respectivas guias, e
utas liceorridas, desligando as, por tal motivo, do seu
b.lalSo.
cionados, mas ainda ojuio doi facultativos sobre a pro-
bibili JaJe, ou desespero de restabelecimenlo, como exi-
ge o disposto no 2 artigo 2 do decreto n. 260 do 1."
de d-embro de 1811. dando se de ludo certidio aos
interessados, qaando tenbo de produiir seus requeri-
mientos ; a fim de que su n pretencoes possio ser resol-
vidas com conh-ciinentu de causa, e na forma das leis.
Beos guarde a V Exc Pil ci do Rio-de-Janeiro. 50
de oulubro de 18 Ve Jntonio francisca- de Paula e
Bailando CaMleami de Albuquerqut. Sr. presiden-
te da provincia de Pernambuco. Cumpra-se. Palacio
de Pernambuco, 1 de dezembro de 181,5. Pinto
Chicharro.
i." Os ofllciaes da i.* clatse nio poderS vollsr
para alguma das outras, nem os da 3.' para alguma das
duas prnneiras; mais nanhum olcial passari para a
classedosavulsos, seno por decreto do governo, e por
algum dos motivos seguales': 1., enf'rmidade in-
curave I declarada tal por urna junta do facultativos. 2 ',
falta ravedeservico, ou contraria a disciplina militar,
pela qual seja o ollicial condomnado a um anno, OU
mais depnso. a
Jos da Silva GuimarOu.
A]ud inte d'ordens.
EXTEI R
so, abri a porla do gabinete e moslrou com o dedo
.na criada o mancebo fugitivo.
Havia La Hule conseguid erguer-te o cliegar-se pa-
ra a janella; e como vira all um pniiliiilxiiiho, riesae
que as mulherea carregasfio ne.aa poca, ao uiivir ubrir-
ae a porta, dclle te apoderara.
Nada recelis, Sr. que por minha alma otlaiaem
seguranza, disse Margarida.
La Moledeixou-se cahir tobre oajuelhot.
Ol Senliora, exclanimi elle, anit para miui niaia
que urna raiolia, mil urna diviiidaile.
Ni vos agiteit, Sr., replicn Margarida, que in-
da voa corre o tangue..... Ol! v, Gillunne, como ea-
l pallido !..... Vejamos, mide eetai v ferido ?
Senhora, disie La Mole, prncorand,, Hxnr nos pon-
ina principis a dr que por todo o corpo vagueavn;
creio que reoebi una estocada no hombro, unir no pei-
tOi a* outras feridat nao valrm a pena de te fallar
dellat.
Nos vamos ver isto, diste Margarida; Gillonne
Irote-me a minha caixinha do balsamo.
Gillonne obedecen, e vltu win o ramuda em urna
mo, e na mura um etiojo de prata dourada e panana de
Rna brel.inha de H .llanda.
Aiuda-nie n levanla-lo, Gillonno, disse Margari-
da; porque em se erguer por ti motiiio u inlilu ucabou
de perder nsau.ia foi ca.
Maa, senhora, disse Lamole, eu estou lodo confu-
to ; na vrrilade nao pollo consentir.....
Seiihur raeu, liaveia de ileixar'faxer o que eu pen-
ao, interrumpen Margarida ; visto que podemos salvar-
los, seria uw oriuio deixar-vua luorrer.
q\]0TBl. GESBBAl NA CIDADE DO ECIFF., M DE DR-
/.KMIIKO DR |."l-'j.(.
U dem do dia n 71.
De ordem do Sr.general commandante das armas pu-
blicarse o aviso da reparticao da guerra, datado de 50
de ouiui.ro ultimo, e semelliantemente so transcreve, em
seguida, o 2 do erl. 2." do decreto u 260 do l.
dedeembro de 1811, para conbecimento e observan-
cia divida.
lllm. e Exm. Sr. Observando-se com frequen
ca, que as cerliddes dos extractos das sessoes dIS imi-
tas ile sade, passadas a individuos insp ccionados, que
se apresento a requerer, ou nao se faz men(So do mo-
lestia e sua grsvidauo, ou nao se declara o jui'o dos fa-
cultativos a res cito da possibilidade, ou impussibilida-
de da cura : determina Sua Magostado O Imperador
que V. Exc. expeca as convenientes ordons, para que.
quando lenhao lugar as inspeccrjes de sadu, se deca
re ii. s termos, que das mesmas se liouvcrem de lavrar,
oio a nature/a e intensidadc da molestia dos inspec-
ttmm^^immmicamriMmmatwmaMaBsiBmsmimimmew^
lo
" Oh! exelamnii La Mole, antes r|nf*fo iu)irrer
que v..Jr a V. iiri;;ei.nle aojar na maos em um sanguc in-
digno nomo u meo..... Oh! nunca! nunca!
E reeuou reipeilosameuie.
Vmili amigue, meu genlilhomem, replicn Gillon-
ne lorrindo-ae, ja diixou mjoi, o quartu o leito deS.
maaeilnde.
Margarida rrmoii o teu capole tobre o rmipan de eam-
br.u.i Indo salpicado de pequeuas inauelin. veruiellia..
K.ie;esio, cheio de pudor femininu, rocordmi a La
Mole que elle havia lido em seus bracos, e cerrado con-
tra o pedo eaia ranilla lao invejada, lo bella, ln ama-
da, e com tal leinbraiica um rubor fugitivo Ihe pasaou
pelat faces descocada..
Senhora, balbucioii elle, nao podis abandonar-
me ana ruiriariui de um cirurgio?
D'um eirurgiau calliolirii, nao? perguntnu a ri-
nha com urna expreisau que La Mulo coiupreheiirieu, e
que n le eil re mecer.
Ignoris enlao, continuou a rainha noni vm e sur-
riso de mandila aiiavidado, que ou. outras, ai princesa,
do Franca, aprendrnina a cmihecer o valor das plaas ea
compor bal.aiiiot, porque nossu dever, ooum mulhere.
i- raiuhas, tem sido, riu todo o lempo, mi ligar as dona?
Por iasu lamben) valemos ni o melliorca cirurgiiVs do
mundo, ao lueuoa pelo que dueiu os imaaos liaongeiroa.
Nao vos ehegnu anda aos nuvidoi a minha reputaclo n
tal respeilu ? Vamos, Gillonne, man obra.
La Mulo quena nimia resistir repeli quo prefera
morrer a uriasiuiiar minha cite labor que poda co-
iiu'cnr por coiupaivAo e acabar por tedio. Servia ao-
ruente eata contenda de Ibeeigolar as torcas. Caruba-
CONFEDERACA0 AIU1ENTINA.
Buenos- Ayre, 13 de outubro de 1845.
Eslivemos aqu por muilosdias de bocea aberla, es-
perando p'lo prornplo deslecho da questo com a In-
glaterra e Franca, lo o vimao parlamentarei. recebio-
seeexpcdiao-se ofTioios, andava grande borbornibo, e
todos criSo, ou pelo menosdizioo, que le tratara de ar-
ranjar as cousas amigavelmente. Eis senSo quando des-
apparece toda essa phantasmagoria de paz, esurge ,a se-
amule ver.ao da a alaua. que houve.
Oribe mandou internar lodos os Inglezes e France-
zes, que recusrao assignar atxponlanea declaraco de
quererem pegar i m armas c mira os seus governos, e s-J-
questrou todos os bens dos (ngleiM e Francezes. que re-
sidem na praca, e quo directa ou indireclamunle teem
coadjivado o governo oriental.
Eta medida de Orihn fez subir mnstar Ja aos oari-
zes dos ministros intei ventores, e parece, que manda-
rlo direr para qui. quo lirario terriveis represalias, se
o decrelo de Oribe loase posto em execucao, te te tocas-
se as prnpriedadesou pessoas dos subditos de suas na-
io's Diz se, que as idas e vindasdo parlamentarios ti-
nho relerencia exclusiva a esse aconlocimento, mas
mnguem sabo o que decidi llosas. He provavel, que
respondesse, que, sendo Oribo um presidente lao inde-
pendenle do uoverno de Buenos-Ayres como he o presi-
dente dos Estados Unidos, nao poda ir-lhe mo. Se
deo esta rrspuala fico os interventores com cara de to-
lo, porque bem sabido bo, que o general Rosas nio
exerce a menor influencia as medidas, que loma Ori-
be. Que este presidente obra om plena liberdade, e mes-
mo contra a v >nlade de Hosas. sao lavas conladis. Pelo
menos lie o quo asse^urSo as folbas daqui. que escrevem
o que Ibes veeni a rabees.- sem se importaren! com o que
podera ducr o patro; e he o que lodos lemos as pecas
ofllciaes deslo covurno paternal. E abi tem Vmc. o co-
mo Si- o-c i co a hisloiia.
Por decrelo de 2 do crrente, delerminou o governo
suspender o pagamento dos juros da divida externa,
subjeila esta determinadlo npprovacSo da muito hon-
rada e muito independente sala do represenlanles. E sala, que lio a oa das salas, approvou incontinente a
resolucio do governo, declarando, que muito e muito
nem proceda elle, fazendo recahir sobre os papalios,
que Ihe emprestarlo dinlieiro, as consequencias dos er-
ro* nu da poltica do governo inglez. Andar assim.
Por ora estamos nos os Urasileiros livres da festa. Di-
mnMt^vg&rv i-rm
l.ou, feb.ni ut nlhos, o cahio-llic a cabeca para iris,
-{onda i.i de.inaiado.
Margarida enlo, turnando o puiibal que elle deixra
encapar das niaoi, cortn rpidamente o atacador do gi-
ban, em qiianiu Gilloiiin- eom um caivete, deiooiia,
ante cortava as mangas de La Mole.
Gillonne rom um panno ensopado em agua fra esta-
en] o sangue que corra do hombro e peito do mance-
bo, em quanto Margarida eom nina tenia d'ouro snda-
la as teridaa com toda a delicadea e habilidade que
mesiro Ambrosio Par poderla desenvolver em caso
idntico.
Era a do hombro profunda ; a do peito havia resvali-
do pelas rostellai o atravesado minenlo as carnes ; ne-
ubuiiia daa rias peuetrava naa cavidarie* deaaa furlalea
natural que proteg; o euraco e o polmea.
Cha-a doloroaa e nio mortal, acerrimun humiri
vulnus, non aulem tithale, ninrinuroii a bella e douln f-
Dultlliva, D.i cu balsamo, e prepara lio, Gillonno.
Entreunto han ja Gillonne, a quem aoabava a rai-
nha de dar esta nova ordem, eui liugado o perfumado o
peio oo mancebo, o nutro taino liuha feilo aua bracua
modulado p,,r um ririi-iiho autigu, ana hombros engra-
cadaineiilo deilado para tria, ao eolio sombreado de
I........aunis, e que mais perteiicia urna estatua de
marmoro de Paroa, do quo ao corpo mutilado de um ho-
mo m moribundo.
Pobre rapas! murinuroii Gillonne olliandu nio
tanto para a sua obra, ooiuo para aquelle que delta fra
O objeelo.
-\*u be um bello moco, Gillonne? diise Margari-
da com real fiauqueu.



'em, que o nouo gnvernn se conserv rigorosimente
neutro; mu j [Jrquiza vai sangrando em sa le, e
dzendo ao seu amigo Pacheco, que, se o Brasil mudar
de propotilo, Ibe dar urna lic,ao. Como o Sr. Urqui/a
he homem de palavra e um erdadeiro Ferrabrai, nao
se meltt o Brasil na danta se nao quier levar para o seu
tabaco. Mas emfim agoa hea e presumpcao cada um
loma a que quer.
Em Montevideo parece, que (em batido suas icenas
burlesca!, e que o almirante I.ain tem se visto na ne-
cessidade de desembarcar armado de ponto em lira neo
para apasiguar esta gente, que entende nio ser bastan-
te romhati-r o nimigo commum. Ainda Catilina esta as
portn de Roma e j ot homens esli brigando I Nin-
guem contribue tanto para ot triumphot de Rosas como
os seus proprios adversarios.
(Carta particular.)
Contina a asseverar-se, que Oribe esta em negocia-
ron eom os ministros interventores, o esta noticia, por
extraordinaria que seja, ganhou terreno,detde que prin-
cipirSo a circular os parlamentarios daqui para borlo
dos vitos de guerra bloqueiadores, e desde que sesoulie,
que M. de Mareuil, encarregado de negocios da Fran-
ca, adava a sua viagem para Pars, nao obstante ter em-
barcado j toda a sua bagagem a bordo do brigue l'an-
dour.
Por mlnha parte nio posto dar crdito a semelhantes
boatos, nio obstante os movimentot, que se aiem lu/
do dia. No commercio, porm, cre-se gerelmente na
pnsaibiiidade de urna soiucao pronipta e amigavel da
quesllo pendente, tanto assi-r que nada se vende, e to-
dos os gneros de importado teem baixado.
{dem. )
Foi-nos communicaila hontem (7 de novemhro)uma
carta de Buenos-Ayres, coro data de 20 de outubro, que
dix oseguinte:
O brigue-eteuna de guerra brasileiro (Muda, que
eslava Tundeado em bahas interiores, fui intimado pelo
bloqueio anglo-francez para sabir do pollo e ir tundear
embaulas xt>nore, na linha bloqueadora. O com-
mandante do O inda recusou dar cumpnmento inti-
macao. e loi ameacado entio coro a (orea. Nao tendo
meios de resistir, protestou contra a violencia, que se
Mi fazia, e sabio, nao para tundear onde queriio os
bloqueiadores, mas siin em dirercio a Montevideo.
Corn quanto lenbamos pruvas bem recentes do ex-
cesso, a que pode levar-se o abuso da Torca, queremos
crer, que a petsoa, que etereveo a carta a cima, foi mal
informada. Abster-noi-hemos, poii, de camnenlos,
emquaoto a noticia que da nio fr confirmada.
(Jornal do Commercio.)
NOTICIAS DO MXICO.
Vete- ) ork, \\dc selembro de 1845.
Ainda nada lefios de grande importancia no Mxico
Com ludo reina grande eflervescencia, e circula toda
a casta do boatos.
Um dos correspondentes do j'efferiomian-'lepubli-
can de Novs-Orleans assegura positivamente, que o con
gresso mexicano autnrisra o presidente a declarar a
guerra aos Estados Unidos; que te tinhio manda-
do marchar trila mil homens para a fronteira do
Texas; e que melad* detta lorca estava ja a caminho
l-io, porm, he apenas crivel. E com ludo ninguem
pode dizer sa be verdade ou nao, por quanto he impos-
sivel prever o que far o Mxico quando menos se esme-
rar. O correspondente o Trop'c refere o mesmo boa
lo, mas accrescenta, que nao Ibe di crdito .
Dentro em pouco lempo teremos indicios seguros da
polilio do Mxico. Muila gente suppde, que nio llave-
ra guerra; enlende, que as autoridades mexicanas lazen
loda esta liulba s para cnnseguirem um emprestimo, e
p8ra verem se os Estados-Unidos cedem algumacousa.
Com ludo, s as cousas continuaren! por muito lempo
neste estado, ser quasi impossivcl evitar que se orga
nise urna expeiligao nos estados do Sudoeste, queatra-
vesseo Rio Grande, e va directamente ao Mxico Nes-
ses estallos reuniao-se fcilmente 60 mil homens, e a in
corporacao do Mxico era cousa, que promptamento se
consegu. (Herald )
(dem.)
INTERIOR.
RIO-GRANDE-DO-SUL.
FROGRAMHA
para o deiembirque, recebimenlo e ncompanhamenlo de
&S. MM. II. na eidade de i'orlo-4/egre, que ter
submettido approvac&o de S. M o Imperador.
1.' Logo que te aviste o longe a barca de vapor, que
eooduz SS. MM. II.. tres tiros de artilbana dascanbo-
neiras de guerra darftisignal de tio aprazitol nova; e
tres girndolas em Ierra o repetir .0, para que se prepa-
aBoaaaaaaiiBaiaHax!MaBKtBaaHaiaa>aaaBaaaxaxaaiaBiBBiBB
Siio. aenhora. Mi pareue-me, que em vez de u
deixar nstim dciladti por ierra, llevaramos levanta-lu,
ealende-lo sobre eale rapriguicciro-
Sihi, dase Margarida, leus rniio.
E ambas ioelinainliso e remando na suat fnrcaa, n
t-i-j;in>id<> deposeriu-u s.-bre o inuvel indicado que ti-
oava em frrntu de una janella, que abrirn um pouco
pura dar-llie n ar.
O inntimeuln rtespertou La Mole qno tullan um ttia-
piro, o branlo de novo-n ullnn roiuecou a aeulir easa
incrivel mtiif.15.1n, 'I'"' r"iiipnnha todas aa aenaace.
do ferido, quando ao vnhar vida uneontra n rreacor.
em ves do devorad-iras chaminaa. e na perfumea do bal-
samo em lugar do lepido nauseabundo oheiro d
angue.
.M11r0111rc.il lignina* palavrat em sentido, t quaes
rcapuudeu Margarida com um aorriau e pundu o dedo na
boca.
Neste momelo rcaoou o etlrepido de niuitai panca-
da em una porta.
Batum na paatagem secreta, diaae Margaran.
Quera pode ter ento, aenhora ? perguiitoo Gillon
ne aaaoalftda.
Eu viu ver, diaae Margarida. Fie tu ao p del le,
e nao o dcixes um a instante.
Paaeou Margarida cantara, e fechada a porta do ga-
binete, fui abrir a da passagein que dura nos aposentan-
do el-rei r d* raulia-mai.
= ..... 11 sa
rem 01 habitantes desta eidade. que ambicionlo ter *
honra, de receber e acompanhar SS. MM. II.
2." Lanzando o Ierro a barca de vapor, atracar a ga-
llla, e irio os etcaleres e baleeirat dos navios de guer-
ra para receberem a comitiva de S. M. o Imperador.
3.' Tendo eu de ir receber SS. MM. II no porto do
Rio Grande, vindo por conseguale na sua comitiva,
secretario do goverao e o commandante da guarnicio
irAo receber as ordena sobre a hora em que S M. o Im-
perador bouver por bem desembarcar, e o mudo,por que
deseja seguir al i matrii.
4 A ponle da alfandega. como a maii decente e ai
seiada, be destinada para o lugar do desembarque ; 1
detde a parta da alfandega at a ponta do trapiche le
rollncara em alas todas as pessoas, que leem de acom-
panhar SS. MM II. (segundo a ordem deite program-
ma).
5." Um piquete commandado por tres ofciaet esti-
r na ra da Praia, em frente da porta da alfandega; e
logo que alli apparecerem SS MM., Ibes fari a devida
continencia, e, rodando, marchar a testa do cortejo.
6.' Logo aps a msica do segundo batalbio de ca-
radores.
7.' Os juizes de paz. delegados e subdelegados.
8.' Os cheles e empregados das diferentes repart -
til.oes civil.
9* Os cnsules e vice-cnsules dai diflerentes na-
(,oes, e lodos 01 cidadiot, que se apresentarem vestidos
como pede a solemnidad desle pomposo acto.
10. Os juizet municipaet e de direilo.
11. Os olficiaes militares, inclusive oda guarda na-
cional, desde os cadetes atofliciaes-geoeraes, segundo
os teus postot.
12. Ne se apresentarem senborai, que queirio part
Ihar o prarer de laier parle do cortejo, seguirad logo an-
s do palito.
13. A cmara municipal receber SS. MM. II. de-
baixo do pallio no lopo da escada do desembarque,
leven lo oessa occaiiio o leu presidente recitar um pe-
queo discurso de gratidio pela honrosa visita, que se
ligna S. M. I acompanhado de sua augusta esp >ta.
h-zer a etla edade ; linio o qual, entregar a chave
da pnrla da eidade a S. M. o Imperador.
14. Se SS. MM. II. te dignarem seguir a peal
igreja, acamara os acompanbar tempre, cobnnJo-
"i com o pallio ; quando nio, ot condutir smenle
alen embarque as carruagens, que esperar na ra
da Praia, ao lado direilo da porta da alfandega.
15. As pessoas da comitiva de S. M. I. oceuparido
lugar, que Ibes fr determinado pelo mesmo augusto
Senhor.
1C. O batalbdes da guarnicio di eidade formars
alai detde a ponte do trapiche at a porla da matriz pe-
las ru 11 da Praia, Braganca e Igreja ; e, proporcio
que fr passando o acompanbamanto, dobraratj em
columna abulta directa, e marchars a pasto ordina-
rio, locando toda as msicas o hymno nacional.
A batera de artilbaria a cavallo estira pollada na
praca, ao lado da alfandega, a fim de dar a salva no
momento do desembarque, o depois subir pela ra
do Ouvidor ; e, postada no largo do palacio, dar
nutra salva, logo que fnalise o Te-feum.
\x. No caso que SS. MM. II. julguem melhor
seguir em carruagem. todas as pessoas, que nio po
derem montar a cavallo, leguindo o cortejo na ordem
indica.la i frente do primeiro arco, voltarad pela rui
iloUuvidur, e irio formar alai na ra da lreja alea
porta da matriz.
19. SS. MM. II. serio recehidas na porta da igre-
|a pelo llev. vigario geral e mais sacerdotes, quo tem
de ofliciar no Te Deum em arpio de gracas.
'JO. Se s Miembros da cmara nio esliverem preve-
nidos de cavallot, suuio tambero pela ra do Ouvi-
dor, e irio esperar o cortejo com o pallio na porta d-
maliii; no caso de seguirom a cavallo, se apealad na
porta da igreja, e toniarao pallio para receberem SS
MM II.
0 ecrelario do governo servir de mestre de ceremo-
nias do cortejo, c lar que elle desfile na melhor or-
dem possivel.
Palacio do governo na leal e valorosa eidade do Por-
to-Alegre, 5 deoutubro de 1843. Conde de Ca-
nal.
A VIAGRH DE SS. MM II.
Correspondencia do Jornal-do-Commercio.
Desterro, 2 de nnvembrode 1845.
Quem apoitou, que o Imperador nio visitara as
Caldas da Imperatriz, ja sabe que llie sabio branco
bilbete : 8, M., sua augusta esposa e comitiva paia
alli partirn a 29 do pretrito, embarcados al vill.
de S. Jos, edecavalgata desse ponto at o de seu
destino.
Tomada alguma refeico em casa do coronel Neves,
deslco o prestito, tendo por haledores o presidente da
provincia e um tunela curonel da guarda nacional da
sobredtta villa, de nome Jos da Silva ou Juca Silva,
como le por aqu diz. Com habitantes destt capital,
que le incorporarlo i comitiva, autoridades policiaes,
officiaei da guarda nacional, alguns reformad >s e cida-
lioi grados daquelle termo, que aeompanbirio. or
cou por mais de 200 o numero de cavalleiroi. Feliz-
mente para 01 mgutloi viajadores, nio affeitos to
longo tramito a cavallo, conservou-ie a manhia freiea
e sombra al is 11 horai, lem o que grandiiiimo se-
ria o leu incommodo.
Desde que cnnituu com certeza, que SS. MM. fa-
lli a projectada vigila 81 Cadas, foi ioexprimivel 1
empenh i, com que os habitantes daiimmediacOes da el
irada procur rio converle la mi agradavel roa. Em
quaii loda a iui exlensio de cinco legoal eslava ella
guarnecida de palmrirai, a cujas troncos prendiio-i
flores e fructoi oaturse, e de espaco em eipaco corla
vlo-na arcoi limpies em tus forma, mas que teitemu-
nbavlo a devorlo do povo sol seos soberanos,
Foi lobretudojmui grata a SS. MM. o recebimenlo
que Ihet fizeiao cerca de 300 pessoas, que se baviio
reunido ni passagem do rloCubatio. Urna e outra mar-
gen nesse lugar estava coberta de individuo! de todos 01
o sexos e idades. Nio havendo alli ponte, Oierio 01
moradores urna balsa lobre dual canoas. Al lenborai
desplro- e de seus melhores chales do seda ou lia, co-
mo Ibes permittem suas posse, e com ellei tapizarlo o
soalho da balsa, cobririo o de flores, pozero-lhe dun
cadeirai. envoltat tambem em chiles, nai quaes se seo-
lirio SS. MM e aisim atravesarlo o rio tirados por
duas lilas de homens, que e metida > pela agaa com
dual lirgas presai ii canoai. Ao ablcar a bslia em
Ierra, cabio sobre o augusto par urna cnuva de fl ires,
aneadas por mal da cera leohons ; e apenas aallrio
SS. MM. II., lelbei forio ellai lineando aoi pi, dis-
putand i-se qual priraeiro beijana as mioi, que enchem
de beneficios aos povos, cujoi deslinoi Ihes confluu a
Providencia
Todoi os espectadores participirloda agradavel com-
mocio, que semelhanle acto le experimentar aoi sobe-
ranos ; e de ama pessoa, que de mala perto acompanha
ao Imperador, ouvi, que 8. M ainda no gegulnte da
filiara com viva emocio deite testeinunho do amor de
seui subditos, como de um dos que mal o ha|a tocado.
Ileservo pan ininha primeira carta oqoeiepusou
de mais ne-la visita, viito estar a facbar-ia a mala,
s agora me constar que vai partir o navio, que a leva ,
por ora somonte accresceotarei, que SS MM. se tnos
tii'io contentei do pssieio, e coutinurio por all a
mandar distribuir estrilas Nem mesmo o Imperador
se queixou de incommodo, que Ihe proviene de urna
queda que deo do cavallo, quando, em caminho. vindo
tempre com o chspo na mi, agradecendo ai felicita-
ces e saudacoes do povo, cahio dai rnioi o animal, e,
desprevenido, se nao pode S. M. segurar.
Na ida, jiotou no litio do cidadio Joaqoim Alexao-
dr, e na volla, ahi almocou e jaotou, vindo desembar-
car neita eidade is duai horas da manhia de bontem,
por Ihe nio permiltirem lempo e mar embarcar mal
cedo em S. Jos.
Do Jornal do Commercio.)
RIO-GRANDE-O-NORTE.
Correipondenaa do Exn\ Sr. presidente da provincia
com osjuxzet de ilneito e cheje de polica da meima.
N. 155 Participo a Vine par seu c.oohccimen-
to, que boje mandei por em liberdado Goncalo Jos
Garcii, que pelo lente Moreira lora enviado para re-
cruta, por me haver o uieimo Goncalo provado ser bem
morigerado, obediente aoi leua superiores n (i I lio ni-
co solteiro de Jos Ignacio, j velho, a quem serva de
arrimo. Dos guarde a Vmc Palacio do governo do
Rio-Grande do-Norle. il de seletnl-rode I81O. Dr.
C. J. de M. Sarment.Sr.cbefe de polica desta pro-
vincia.
N. 156. Em reipoita aos offlcioi de Vmc,, ni. 92
e 91, hontem datados, tenbo a dizer-lhe, que tico lean-
te de se acharero recolhidos ao calabouco militar, e
minha disposico. tres recrulas e utn desertor, os quae
em lempo oppoituno lerio o conteniente destino Deas
guarde a Vine. Palacio dogoverop d > Klo Grande do-
Nurie, 91 de letembro de tais. Dr. Casimiro Jos
de Moraes Sarment. Sr. cnefe de polica deala pro-
vincia.
Ihe meaiiio um homein que ella nao ama. Madama de
Sauve !
Sim, minha teiiliurn, diate cata junlando at mina.
Aqoi! vos, 01.id.una coMunnm Mnigiirida caila
vez mua admirada, pm um liinibeni rada vez luoia iuipe-
r.iliva.
Cariota cabio Hejoelhns.
Senbora, difi-e ella, perdoai-me. Huconlieuo alo
qno ponto aua culpada para e.-m V. niagealade; man
-aib.i V. ningesta-le que a fjlta nlu he iiileiruiiiunle 1111-
iilin. Una urden etpreaai d,i raiiiha-ini.....
Ergnui-vui, date Margarida, e c-nuo nao per
qui- viusaea coro eaperaoca de vm juatibu.irdes para
-i.innii;-, dizei-me an que viealeaP
Vim, aenhnra, date Carlota ainda dej-clhni e
com mu "lliar quaai peilurb-ido, vim pt-rguutar a V.
iii.ijj-rt.idu le elle nio eal aqu.
Aqu, quem? de quem Fallis vos, madama?......
porque na verdade nao emendo.
DVI-iri!
D'el-rei? Voa o persegus ale nu meu apoienlo!
Bem aubcia que ello aqu n.iu vem, todava.....
Ali vt'iilifira, iiilcrmnipeo nizdaioj de Sauve acni
rcaponder a lodo eatea ataques, o eiu uieaiuo moairur
cnli-|.; ali pruuvera a Deus quo aaaim fuate !
E porque ?
Ai, 111111 De-'S I porque, aenhora, degoll oa hu-
Ijueniii-.., i- 11-rei de . Ol I e\i lani'ii Margariila Iravaud-i da mo de 111--
Madama de San ti-! exrlamuu ella remando enm Idama de Sauve e f-ruii a exprsalo aculo do terror im muinia dn ndi", I lu rrr- | > la esqu nlu. Aleiil de que nao uireiliu-i que mu re
jo be que urna rxinlher nunca perdoa nutra ruubar- fpudesae correr oauesiuoa perigos que o vuiroi nonens.
i'itblicicocs a pedido.
MARANHA0.
No dia 16 do correle chegou a eita capital, no
vapor -V. Saltador, o lllm. e Exm Sr. deiembirgidor
Jlo Jos de Moura Magalbiei, presidente deiti pro-
vincia. Mal o forle da Ponte-de-Areta fez lignal de
vapor, urna infinidade de pessoas qualtficada, entre
estol o Kim. Sr. vice-pretidente Angelo Cirlut Mu-
s, na galeota do governo, le encioiinbrio para bor-
do, a um de ireiii receber a S. Exc em quahto que o
pove i 111 ii.i para a rampa, lugar onde tinba de verifi-
car-ie o desembarque de S Exc.; e enlio, no mi iu do
mais numeroso e brilhanle concurso de cidadaos, em
que cada qual mostraba a ialisfa(io e alegra, de que
te achava posiuido pela ehegada do libio e juiliceiro
presidente, que era lio inclusamente espetado, desem-
Maia, aenhora, mil veiea uiaii, exelamou Car-
lula.
_ Cum eFelo madama de Lurraine me havia preve-
nido. En tiiihii-lhc dito que n&u tahiase. Te-lu-ha elle
felo ?
Nao, nio, elle est nu Louvre. Nio o achio. Ese
elle 11A0 eal aqui.....
Aqui nio est.
Uli! exe.laaiuii madama de Sauve com urna eiplo-
alu de dr. Eal perdido porque a rainlia-inii jurou a
aua unirle.
Aaiiamurte! Ah diste Margarida, vnne ater-
ris. He iiupoativel.
Sciiliora, replicn iiiailania de Sauve com esta e-
iiergin que a a jiuixao d, digu a V. luagestads que ae
nao sabe onde eal el-rci de Navarra,
E a rainlia-ruii onde eal elh '
__ Manduii-nie chamar M. dr Guise eM deTavan-
nea. que estavlu 1111 seu oratorio, o depuia despediu-
ine. Enti, perdnai-ine, tt-iilii-ra, tubi para o meuapu-
seiilo, e culiio de uualuiiiu esperei-o.
Meu marido, ulu? disau Margarida.
Niu veio, aenhora. Pruuurei-11 eolio por tuda a
parle, p.-r ello pergunlei a tudu o niiindo. Una toldado
mente respndeosme, que o vira no inein de guardas,
que o acoiupauhavio de espadas unas alguiu leiup.i an-
tes que euuncaaso a tnaUica, e ella cuiuryo ba nasa
hora,
Obrigado, madama, diaae Margarida, e ainda que
o sriiiiiiiemu que voa move seja lalvct urna nova ffeuaa
par 1111111. itmiiru voaajjrndei;
. Oh! oniao, perdoa-mo, V. uiagetiadc, dina ella,
bareou Eis. Sr. Moura. e dirigio-se ao palacio do
governo on3s nene meitno dii fot comprimenlado pe-
lot seus imgoi e por um sera numero de Mranheose,
que se apiesiijo em dar a S. F.xc. e teitemuobodagratidio,que osanima. pelo bomgoverno,
que havia ferio, |i administrando imparciilmente jut-
ti(a a todoi, j oecorrendo com ardor e zelo incinera,
vel i neceitidadei maii vitiei da provincia lio lelii-
menta confiada a la illuitra?io e patriotismo, j pro-
movendooi melhoramentoi compativeii com as nostti
circumitancin.
Nos lambem nio podemos deixir de acompanhar 01
nonos patricios n'essas dmonslncdes de jubilo, que
palenterin ;om o regresso deS. Exc.. e tambem por
meto delta folha damos a S. Ese. os devidos pirabeni
pela sua protpara viagem e por continuar a dirigir 11
reden da idmioiilricio provincial, eertoi da que S.
Exc.no desempenho de tun funecoet, continuar a ad-
quirir novoi ttulos a gratidio doi Mirmhense e a
estima do Monarcha, que lio acertadamenle te dignou
de o eleger para seu delegado netla provincia. S Ese.
vollindo aoMaranbio, nio s moiiroua dedica9i0.com
que sempro te preita ao servico publico, como deo o
mais solemne teslemunho do desinteresas, que o ea-
racteria em todoi seus actni, desmentindo asiim ai
calumnias de alguna invejoiot, que tinhio o arrojo de
espaldar, que S. Exc. nio tornara mais ao Maranhlo,
por nio precisar ja delle. Este pasto dado por S. Exc.
aeaba'agora de 01 contundir e de fuer multiplicar ai
ympatbiii.de que lio justamente goza entre um povo,
que mil o estima e. reipeila pelas suas virtudes. Foi o
primeiro presidente, que aqui vollou ; mas tambem
como recompema dessi prova de efleic,lo, que acaba de
dir aos Maranhenses. iquem deixou nudosos com vj sua
psrlida. immensa be a pcpularidade, de que goza S.
Exc. na provincia, e immenia a estima e contideracio,
que todos Ihe Iributo.
(Do Correio Maranhentt,)
Diz Joio Antonio dot Prazere, mestre da barcaca
Laura, vinda deSerinbiem.que. traiendo dual certai
pira Antonio de Vasconcelloi Menezes de Drumond e
nutro, relativas aos objeetoi, que o lupplicsnte na bar-
caca conduzia, que lio couroi, pipaa com ago'ardente,
saceos com auucir, etc. forio ellas apprehendda peloa
empregados de urna das barcal de vigii, e por elle* en-
tregues reparticio do coireio; e porque ai carlai peiio
menoi de dose oitava, e tendi api ohjectoi da carga,
n esto isenlas do pagamento de portel, pela excepcio,
que i regra doi irtigoi anleoedentei ffrmou o artigo '00
e213doregulamenlo de2i de dezembrode 1844, nio
pode proceder a apprebensio, e nem o lopnlicante ter
ohrigado i peoa alguma : nesle termos P. i V. S.,
Illm. Sr. adminiilrador do correio.se digne mandar en-
tregar ao luppliciote ai ditas carlai tenias de porte.
E R. M-
Joio Antonio dos Prazere.
Deferido conforme o ailigo 200 do regulamento ge*
ni dos correios. Recile, 9 de dezembrode 1845.
Serpa BrandSo.
Remeti i Vmc. urna denuncia do farlo ocronido
em das do correte mei, em que leve lugar o ami-
simto do individuo de nome Paulo, quu aoabou ieui
das s mos da escolla, que o conduzia para o termo
da Jacobina,, sem que neita comarca bouveste irquisi-
co alguma seu reipeito e. o que maii he. estando
procemdo por Vmc., como die em leu offlcio de an-
te bonlero. Releva certificar Vmc. que, eitando
gera luiente eipalhado o boato, de que houve mandante
nette crime tenbo de denunciar d'esse. que se veri-
ficar ter tal : por ultimo me cumpre asseverar, que
sobre Vmc. podem recabir at comequenciai de lao
lerrivel acoulecmento, que alm de denotar re-
quintada barharidade, postergou aquelle sagrado di-
reilo de seguranea devida a um homem pelo; licando,
pois, i espera da reipuila dm meu oflictoi, que neiles
dial Ibe tenbo dirigido, a fim dequeeu melburmenle
cunbe^a, que parto leve Vmc. neile lelo, e dest'arte
poisi cuinprir 11 obrigafdes meu cargo, em desa-
gravo da juslifa olTendi la Dos guaide a Vmc. Fa-
zenda Gaviao, 30 de selembro de 1845. Sr., Igna-
cio Francisco de Mallos Varejio, subdelegado tup-
plente desta freguezii da Boa-Vista.Joio de Souia
/O, promotor publico ioterino.
Perante Vmc,Sr.subdelegadoiupplentedesla fregue-
ziada Boa-Vista, denuncia o promotor publico interino,
obacbarel formado Joio de Souza Reii, de Manoel Lon-
guinho, pardo, lolleiro e morador na villa da Boa-
Vista, Antonio Desiderio, pardo, viuvo. e morador
nu lugar chamado Barra do-barco e Dionizio de tal,
pardo, cando, o morador na ilba denominada Cara-
putel ; e be o leguinte o motivo da presente denuncia.
Em diat do crtenle mez de selembro, i n ule. loi ai-
sattinado com tiros um individuo de nome Paulo 01
povoacio do Curaca, provinca da Babia, indo este
aiiauinido em companbia dos denunciados, que com-
u volt.irei ao meu aposento maia forte com u seu per
dao; porque niu outu seguir a V. magsitade ain,da uiei-
uo do longe.
Margarida ettendeo-lhe a mi.
Eu vim ter cora a raiuha Calberina, date rila a
voltai ao vulto apuientu. El-rei do Navarra eal aob
minha sala-guarda, promeiti-lbe allianca ; aerei fiel;
minha pmnieiti.
Maa, teiihora, 10 V. mageslade nio poder penetrar
nu lugar em que le aeha a rainlia-inii ?
Voliar-inu-bei rntiu para meu irmiu Carlot, a
forcotu lera que ello me talle.
lile, aenhora, ide, diste Carlota detviando-ie para
lar paaaagem Margarida, e Deui coiiduza a V. magea-
tade.
Margarida aeguio polo corredor ; mas au chegar i ex-
iremnUde Voltou-oe, para ae cerlifioar, que nudjuia de
Sauve nio ae deiuiirava atrs. Esta a segua.
A rainba de Navarra tio-a tomar a cacada1 qua condu-
zia ao aeu apoaoiitit, e prosegmu o seu caiuiiho para o
qiiirto da rainba.
Tudo eslava mudado. Em vez detae bando dnnmle-
tiua iiflleinaus, que de ordinario abran hleira anta a
rainha, ea aaudavio ruspoilosainunte, Margarida a ea-
cuulrava guardas onm armas e veilidot linios de nngue,
nu geiilia-huniena nmu rpale* rotoa, de caras enne-
greeida* pela plvora, parladores de ordena e maia or-
dena: todas estas idas e viudas failttt um moviUievIO
irregular, lerrivel e imuieuso as galeras.
(t'eninuor-r-*)


punblo escolta, que o condutit i eer entregue, di*
zem, as autoridades do lermo da Jacobina, daquella
mesma provincia. Tem-se vul|>ariiado, nio tem fun-
damento, que os denunciados, da orttam d'ajguem,
levados da esperanca de recompensa, loi que se aba-
lancario a romm tter lio horroroso alternado, arran-
cando a vida i um bomem confiado a sus guarda cri
me. que merece seria alune. pon que muilo coo-
vem a justica aclela-lo, para que nio fique mei-
ce de qualquer passoa a vida de um bomem : estan-
do, pois, os denunciados mcursos no artigo 192 do
codig > penal, por se baverem dado as circumslaneias
aggravaotea de nmeros 1, 11 e 17, Vine, autua
da esta, proceder na forma da le. Sao leslemunhas
Antonio Luis da Costa Jo- Antonio Ferreira, Ve-
Dsnrio Polioarpo Rorges, Jos Gome Baptita, eGon-
ealo Lope* da Silva Fa/enda Gaviao, 30 de aelein
bro de 1845 Jodo de Sonta litit, promotor publico
interino da com.rca.
COMMEtclO
Alfandega.
BBNDIMgfTO 03 Dlt 12....... ........2:8271 18*
Diiearrega huje 13.
Brigaa Ada maread orias.
lirigueflra-yt-inefannha.
Barca2 rioeartlo.
Bares Tkomt- Milln dem.
Brigue Yoloft mercadoriat.
PolacaLigareidem.
Consulado.
lEHDIHEirrO DO DI* II.
Geral..............',,,,,........
Provincial......................
Diversa provincial.................
1:69*4917
436*316
57*983
2:209*216
THEATRO PUBLICO.
Companhia Italiana.
Terca fera 16 lo corrente, subir
-cena, pela ultima vez, em beneficio de
doiis pailicuUres, a milito a|>plaudiia pe-
c* em tres actos EL1XIK 1E AMGH-
o resto dos bilbetes acba-se venda na
ra da Horenlina n. 22, e na ra larga
do Hoza rio luja do Sr. Lody
3
B
a
Avisos mai ilinius.
iloviuieiilo do Por lo.
/Versos tahidoi no da 12,
Baha; brigue escuns da gueira brasileiro Caliope,
commandante o capillo lente l'.rnesto Alvet Brau-
co Muo Brrelo. Conduz 7 praca para a mari-
nha, e 2 para o eiercito.
Cotinguba ; sumaca brasileira Nota-Aurora, eapitio
Domingos Jos da Silva Papalina, em lastro. Pas-
Mgeiroa, Maris Pajanp-F.coar, com 3 filhot 4 e-
cravoi, subdita oriental ; Joio Teles Brrelo, Bra-
lilairo.
ObtenacOei.
Nio sabio hontem a polaca aarda Hoza, por causa da
tempestada; voltou do Picio e deo fundo no Mosqueiro.
Opassageiro do brigue americano Brandyietnt, G.-o
Philip JManouverie, be con-ul americano para esta pro-
vincia, e nio coronel almirante, como poreogano pu
hlicou-a*. _________^_____^___
Editacs.
O Illm. Sr inspector daa rendas proviociaea man-
da la.er publico, que, estando quasi concluidas a casa
e barreira da ponte pensil do Cacnaea, continuar
no dia 22 do corrente a arremalacio da taxa da riila
barrena conforme a ordi-m da presidencia da provin
cia, de 27 de junbo ullin.o, pelo preco annual de
dous conios da res, por lempo de 9 mezes, a contar do
1.? de Janeiro ao ultimo de selembro do anno prxi-
mo luluro Os licitantes, devidainenle hbil.lados, com-
pareci na sala das sensor da moma tbesouraria no
da indicado, ao meio da.
Secretaria da Ihesouraria das rendas provincial 1 de
Pe nambuco, 10 de deiembro de 18i5.
O secretario,
Luit da Coila Porioearreiro.
__ Nio tendo concorrido liuitanles mi arremtalo.-
dai obras daicadeias da cidade deGoianna, e da villa
do Brejo, annunciadaa para 5 do corrente, por edital
de 11 de novembro, o Illm. Sr inspector manda farer
publico, que irad novamente praca no dia 15, ao meio
dia sob as mesmss clausulas, e pelos mesmos preco*,
publicado* com o referido edilal.
Secretaria da tbesouraria das rendas provinciaes d
Peroambuco. 9 de de/emliro de 1845. O secretario,
.uizda Cotia Poi loca-rer.
Nio tendo concorrido licitante* s arrematara.-
dos reodimentoi das cullectorias dos municipios abano
descritos, annunciadaa para 21 de novemhrj, por edi
tal de 30 de selembro ultimo, para serem arrematados
por lempo de 2 annoa e 9 meses, acontar dol.'de
jsneiro de 18*6, o Illm. Sr. inspector manda lazer pu-
blico, que neo novamente praca no dia 15 do cor
rente ao meio dia, sob ai avaliacSe* anouaes segumlrs :
Bonito 1:000*000
Flore* 951*000
Boa-V.sta 527|000
Secretaria da tbesouraria da* renda* provinciaes de
Pernambueo, 9 de dezembro de 1845. O secretario,
Luit da Cotia l'ortocarrtiro.
=Psra o Rio-Grande do-Sul o patacho Sympalhia
tegue com toda a brevidade. por ter parle doaeu cerre-
gamenio prompt* : para alguma carga, paasageiros e
escravos afrete. tral*-se com Gaudino Agoalinbo de
B rroi, na pracinba do Corpo-Santo, n. 66.
= Segu por este* 5 ou 6 dias para o Ass o brigue
Indeptnitenie: quem no mesmo quizer carregar ou
transportar-** falle a Mannel Alve* Guerra Jnior,
ou na luja de cabos do Sr. Mamede.
= Para o Rio-Grandedo-Sul tegue, breve, o bii-
gue Victoria ca itio Bento Jos de Almeida ; lem
bons commodospara passageiros e escravos a frea:
os pretendenle* podem convencionar com Amorim Ir-
mio* na ra da Cadeia n. 45.
= Para a 15. hia seguir, em poucos d'.es o patacho
Venus: quem no mesmo quitrr carregar, pode en
tender-se com os consignatario* Amorim Ir.i.o*, na
ra da Cadeia n 45.
= Para o Maranblo abiri precitamente no dia 25
docorrente, o brigue brasileiro Minerva, pregado e
forrado de cobre recentemente fabricado ; tem a
maior parte de seu carregamento prompta : para o
resine passageiros, dinjio-ie a Francisco Alve da
Cunha na tua do Y gario, n. lt ou a Manoel
Duarte Rodrigue* na ra do Trapiche n. 26.
Para o A*o tai, no dia 20 do crranle o bri-
jue DtO'-le-Guardt: quem no mesmo quer c*rre-
gar dirija-ie a ra da Cadeia do Recife armi-ern ,
o. 12.
Para o Porto segu viagem, com brevidade, i
berganlim Importador capilaojos Ferreira Carnei
ro : quem nelie quuer cairegar ou ir de pastagem ,
para o que lem excedentes commodot, dinja-se ao
meimo eapitio ouaoieu coniigoatario Manuel Joa-
quim Ramo* e Silva.
Le i loes.
Henry Foster C., cnniignstario* do biate a-
mericano Duroc, de lot" de cerca de 62 toneladas.
fario leilio, por conta e risco de quem perlencer, e
por intervenido do correlor Uliveira, do casco, appare-
l'nos, emai pertenrrsdo ditohiate. legalrnentecundem-
na-lo nesse porto, onde aporlnu em 28 do mer patsadu.
vindo de Boston; eattim niaUd- cerca de 60 arroba* de
cobre de forro velho.do patacho sueco Orion: segunda
feira.ISdo correle, ii* 11 horas da maobia em ponto
napraca doCorpo-Sanlo |unlo astociscaocommercial.
Adverle-se, que dilo hiale acba-se tundeado defronte
do trapiche do Angelo, e o respectivo inventario es
rasa do* mencionad* consignatarios, ra do Trapiche-
Novo; em cujos lugares p.le ludo ser anlecipsdamenle
examinado pelos lenhoret pretendenle*.
N. O. Bieber & Companuu fario leilio, por ron-
la e risco de quem pielencer, e por intervenan do
correlor Uliveira da | or8o do cobre do forro velbo
do patacho sueco Uriun vindo de Buenos-Ayrescom
deslino a Selle : segunda fera 15 do crrante,'as
10 hora* da manhia no largo do Corpo Stnto, jun-
to a asoeiacio rnmmercial.
Avisos diversos.
A CARRANCA.
O n. 52 acha-se a venda, na praca da Independen
ca, livraria ns. 6 e 8. ____
O LIDADOR.
DeclaraQoes.
___ F*'-se saber aos subditos brilannicos residentes
em Peroambuco que no dia terca laira 23 do cor-
rete pelo meio dia lera lugar no consulado brt-
tsnnico ra da Crut, o ajunlamento para os lina de-
signados no acto 6 Geo: 4 cap. 87. Conulado bri-
taoico. 13 de deietpbro de 1845. H. AuguUut
Ctwper, cnsul.
CMPANHIA DE BEBERIBE.
A administracio da companbia de Beberibe faz *ci-
ente toa Sr*. accionistas, que rm setsio de 20 do cor-
rete resalveo espassar al o dia 20 de de/en.bro prxi-
mo luluro o recolhimento das preslac&es em atraso ;
e que, lindo este prazo, perderaS o direilo d'accionistas
t .dos aquelles, que nio tiverem realisado a* prestacOes
de 60 por cento al agora exigidas, reverlendo aa *u*s
enlradaa em beneficio da companhia. de conforinid.de
com a ditposaio do artigo 9 do* eatalutoa. Adverte,
outro sim, que nio Imvera prorogcin do prato, nem
cor,teinpliio com pessoa alguma. Kscriptorio da com-
panbia, 24 de Novembro de 1845. O secretario, B.
J. Ftrnundti di Barros.
On.'72 acba-se a venda, na praca da Independen
ca, livraria ns. 6 e 8.
Urna pessoa, com algutn conhecimento deescrip-
luracio, e com mflrivel lellra, oiTerece-*e para etere-
ver em qualquer casa particularmente, on como sea-
jutlar : na ra do Caldeireiro, sol.rado, n. 12.
I'MA FORTUNA
Joio Dubola, morador na ru do* Quarleis, n. II, ol
ferrce-ie ao publico para ensinar pe filamente a faier
mechas phospho. icas do modo o mais fcil, e tem que
corra risco algum ao fabricante ; obrigando-se a dar lu-
do oquefor orcessario para preparar phospboroa, que
abasteci urna familia por espaco de 5 ou 6 anno* ; re-
cebeodo apena* o valor do* preparativos, pois que nao
be o amor do lucro que Ihe dicta este expediente, mas
aim o desrjo de salvar o dinhelro, que lem empregedo
para a eomposlcio da* ditas mechas, em a qual Ibe nio
be pnssfvel continuar, por teiem muitos o* trabalhos
aue o cercio. Tambem ens*na outro* segrados, nio s
uteis como lucrativo*, para tuda* aa casas de familia, e
para aquellas pessoa*. q e quueiein aproveitar a boa
occasiiodo lempo de lesta; obrigar minuta quanlia de I#000 rn., a receita, nio s das mu-
cha* phosphorict, como de
Verdadelro Cognac,
Vmho a 30 rt. a garrafa,
Dito de caj.
Dito de ananas.
Dito de laranja,
Dito muticalel,
Ditocbampaoba mousseux,
Cerveja de gengibre egengibirra,
Da grega,
Orcbata de bons refrescos,
Cepill pa:a a* moca* do bom tom,
Graxa de sapatot Iranceta e Inglesa,
Sabio para tirar tudas as nodos*,
Agoa gelada para lorvelet,
Dita pa apanbar ratos vivos,
Dita para farer com que as pessoa* dada* embria-
gue! abandonen este vicio.
Dita para f.r linear a c-ibeca a pinta de beber-se *
maior q tantidade posiivel de liquido* eipirlluuiot
*em re dr a ra-o.
Dita para restituir ao* embriagados a ratlo.
'Dita para clarificar os vinh"S i cima declarados.
Toda* estes receltas sio mullo facis de esccuUr no
Brasil, e nenhuma falhari O aonunciante e>p*ra que
os habitantes delta cidade aproveilem esta o.c -i > pa
ra adqulrliem um ronhei Intento, que lio ulil Ibes p'e
ser, e assim o aiiimein a pri S'guir em ojtrasemprea.
11 j prlmeiros reaullados conitio de diversas olas
es.gtenies em sus casa, na botica do Sr. Kailbolomeo
Francisco de Souta, e na cata do Sr. Vicente Jos de
Unto, ra da Cadeia-Vi-iba.
Quem precisar de uma ama para o snico inte-
rior de una casa oe bomem -ollero, dinja-se a tra-
vs** da rus da* Flore* n. 2.
Precisa se'de duas pretas uma para todo o ser-
neo interno de uma casa oulra para vender na ra ;
no ftlondegn o. 80.
Precisa sede um eaixeiro que tenba alguma
pratica de venda, e queira ir para as Alago.s : a tra
lar na ra do Crespo luja n. 15 de Antonio da
Cunha Soaie Guimaries.
Aleandnna Candida do Nascimento embarca
para o Rio-de-Janeiro, no patacho Felieidadt, a suaes-
crava de nome Anglica de naci Costa.
Lava-se mu bem de varrella com a maior bre-
vidade possivel e debaixo de toda a responsabilidad,
por serem as lavadeira* escravaa : na ra do Sebo ,
n. 31.
Deteja-se Miar com o Snr. Jos- Domingues Pe-
reira de Mallos ; na ra da Cruz n. 11.
Precisa-se de olTieiaesde allaiale do obra miu-
da ; na ra da Cadeia-Vclba o 48 loja do Car-
mino.
Aluga-se o sobrado de dnot andares na ruar da
Aurora, n. 20; o segundo andar do sobrado, n. 24,
na mesma ra ; 3 casas terreas na ra Form >sa ns.
5, 6 e 7 e uma na ra do Seve, n. 4 com quintae.
cacimbas e maia commodot para randn familia; os 2
terceiros andares com solios ot sobrados, os. 4 e 6, no
Allerro-di Boa-Vista ; o sobrado de um andarz-om lo-
ja iotio e quintal na ra do Sebo n. 50: aira
lar no escriptorip de Franciso Antonio de Uliveira &
filho. na i ua da Aurora n. 26.
Jo- Francisco Carneiro Monteiro, lendo de reti-
rar-se para o Aracaty leva em sua companhia a sua
esrrava parda, do nome Maris, que a trouie da mesma
cidade.
Alugo-se, no Cachangi duas casas da parle
da borda do rio Indas pintadas e caiadas : a tratar na
ra do Trapiche n 34.
Ha quem queira .lugar mentalmente uma preta
que saitia bem engommar e lavar ; p"ga bem e promrlte
i-xcellenletratBmento : a tratar na ra do Crespo,
luja de Joaquim da Silva Caatro.
U annuncio com as letlra's M. L
V. nao se enlendc com o Sr. Manoel Lutz
Viiaes.
Alug-i-se urna casa de sobrado de
qnatro andares na na do Trapiche, con
muito boa vista para o mar muilo fres-
ca, e com nm ginnde arinaztm : trala-se
na ra da Aurora, n 58
Pi dia 15 do crrente (segunda
feira ), as l\ boros da tai de, na Juna iltu
estatuios, que regem a irniandide de
iNossa Senbora da t.onceicfo dos vlilila-
ies, se elegei a mesa, que tem de regei
os lii.b.llio.s de rin'Miiii irmandade du
ante o futuro anno de 18^6"
para o que
>3o convirlados os irmos cotnpaiecerem
no consistoiio da igrejn a bura indicada :
adverlindo-se, que a eleicoser feita im
pieterivelmeiite nesw. da, a vista do nu-
mero de irmos, que comparece re m, por
e nao poder espacar o dia da mesm elci
cao Espera-se poi tanto dos irmos resi-
dentes nesta praca o pequeo sacrificio
de, por duas boras, se empregurem no
servico de sua irmandade.
0 bario de Itamarac embarca para (ora da pro
vincia um seu escravo pardo de nome Benedicto.
Precisa se de 3 lioment para servico de sitio : na
ra do Cullegio, n 15, t. andar.
Na ra dasCinco-Pontas n. 65, ha uma es-
tribara para se alugar, que bern accommoda um a dous
cavalli s ; a qual be coberta de telba e bem ronsirui
da: o iiumlal da dita casabe murado e seguro sen.
cominunicacio de pi.rtio : a tratar na mesma casa; on-
de tambem se aluga urna preta.
Precisa-se de 6 rapares para o servido de enge
ii lio e de 2 fe i lores ; na praca da Boa Villa n. 26,
ou na ra du Sul, errara n. I'.I.
Precisa-se de uma mulher para cozinhar em ca
sa de um bomem soltoiro ; na ra de Apollo, n. 10.
' Precisa se, para fra da provincia de uma pes-
io* quo enlenda alguma cousa de pharmacia ; na pra-
ca da Independencia, livraria na. 6e8.
= H. Belilz & Fernanuet declario ao publico, que
teem dissulvido a tociedade que tmhao sob a liima de
Belit' & Fernimdes, no estahelecimento silo na ruada
Sen/alia-Vellia n. 82 ; ficandu gyrando de buje en,
diante a firma de Hennque Belitt e este responsav I
pelas transaccoes daquella.
Aluga-se metade de uma casa a uma senhora
capas que nio tenba 'amilia : na ra do Mondego ,
n. 49.
Alugo-se oa primeiro e segundo andares da caaa
da ra larga-do Rozarlo : a tratar no Atierro da-Boa
Vista n. 43.
va Aluga-se um solio independente muito fresco,
com quintal e cacimba : a tratar na ra Helia, subn
do n. 37 das 7 a* 9 horas da manhia.
= Deseja-se tallar ao Snr. Jeronvmo Cabral Rapo-
so da Cmara Lol na ra do Cabugt, loja de Anto-
nio Rodrigues da Cruz ou annuncie sua morada paia
er procurado
Aluga-se a casa n. 3 da ra da Florentina de-
fronte do ibeatro novo : a tratar oa ra da Cadeia do
Recile, n. 40.
Precisa-se de um pequeo eaixeiro para uma ven-
da ; na ra Direila o. 29 diri quem precita
- Precisase de uma ama de leile que o tenba
muito e bom ; na ra do Seve, de fronte da igrejt do*
Inglezes n. 3.
Manoel Ignacio da Silva Teixeira participa a leo*
freuue/es, e algn* que lem derx*do ot *eu* portado-
res de virem comprar pi a padaria da S. Cru junto
ao sobrado da esquina da ra Vellia e tuppe que
lem motivo em quanto a qualidade ; Iheroga de no-
vo I,nao que venlio all seus portadores ; pois servir
bem como tem pro ; alin do que tem agora um novo
amatsador cln gado, la puuco, de Lisboa que des-
empenha bem o seu lugar, c a* lariohasaio a* maia
nova* e melhores que ha ; assim como mandar levar o
pi em casa de quem asim o exigir.
Avito importante. Alienado !
= O abaivo asignado lem a salislacio de annun-
ciar aoa seus fregueses e aut habitante* esa geral des-
la provincia que pelo hiate americano Duroc, vindo
do Botton em28do mei p. p. Ibechegrio douteai-
xotet de pilula* ve^etaes do doulor Brandretb : o mei-
mo aiaixo attignado afianca ao respeitavel publico ,
que saoas unios e verdadeiras pilulas de seu proprio
autor que existem a venda nesta cidade ; por quao-
to est autoris.ido pelo referido doutor para ser o sea
agente. Os pretendentes dirijan te a ra da Cadeia*
Volha I tica n. 56. .Vicente Jo de frilo.
Tendo-se recebidodos Srs. Firmino Jos Flix
da Roa & Irmio no dia 5 do corrente pelas 4 bo-
ras da tarde um prelo de nome Cleto escravo do
Sr. Jos Gomes dos Santos Pereira de Kasloa do en-
uenho Conueicao que liavia apparecido em caa do*
ditus *. ronlurmeteu innuncio no Diario daquel-
le.dia aconteceo evadir-se dito prelo do poder da pes-
soa que ocondui'a deitando a correr na altura da
ra da Aurora que nao loi possivel poder er agarra-
do: o dito prelo levou calcas de riscado de algodio arul,
camisa de algodao/inho e ebapco branco de pello ji
velho ; heorioulo, dest-mharacado alto, corpolento,
de ror prela ; representa de idade 30 annoa : e como 0
dito escravo anda a oflcrecer-se a quem o queira com-
prar roga se a qualquer pessoa, a quem elleappare-
cer ou que delle touher haja deo prender e leva-lo
a ra da Aurora n. 42, segundo andar, que teri
recompensada.
Penleo s.\ no dia 9 do corrente a noule oa
ra e travessa da Concoidia um al linde de peito. cra-
vado de diamantes : quem o acliou querendo resti-
lui lo dirija-te a ra da Paz n. 40 que se grati-
(cara alm dse (car agradecido
Fugio, ou (urtiio do sitio em Crux-de-Altni* ,
uma pavoa ; a quem lor olferecida ou a achar, que-
rendo restituir dirija seaquelle sitio na Tarnarineira,
ou na ra doCollegui, n. 15, ou na ra do Crespo ,
ja du Cantoso que ra gratificado com 10/rs.
Aluga-se um sobrado de um andar, tito oa tra-
vessa du V ras na Boa Visla com bons commodot:
a tratar na ra do Amorim n. 50.
s= Aluga-se a casa terrea n. 13, da roa do* Mar-
lym s com bons commodos : a tratar no becco do Ro-
sario n. 0.
O. Sr. J. C. A baja de vir pagar
na rua JN,va, loja de Amoral & l'inbeiro,
a quanlia de i2s'4^o, impoitc de fazen-
d s, que compiou, e isto no prazo de tres
das, do itotitrarro sei publicado o seu
nome por extenso. Faz-se este annuncio
para au prometter pancadas s pessoas,
que vao receber dita quanlia.
Manoel Buarque de Macedo Lima embarca para
Porto-Calvo o escravo Cleriato, a entregar a seu senhor
o ten- nte-coroiiel Manoel da Bocha Cavalcanli, no en-
genbo Bosque-Sereno.
- Manoel Luiz Goncalves embarca para o Rio-de-
Janeiro suaesciava Maigarida, prela crioula.
I.oleria do Ihcatro Publico.
As rudas desta lotera ando impre*
terivtlmente no dia 18 do corrente mez.
O resto dos billietes achar-se-ha
venda nos lugares j annunciados, so-
mente at o dia 17, por dever o anda-
mento das rods principiar logo as 8 ho-
ras da maiiba de 18, como determina o
regulamento respectivo. U tbesoureiro
Hproveita esta occasiao para declarar s
pessoas, que teem bilbetes apartados em
seu poder, que os vo receber at o referi-
do dia 17,- certas de que, passado esse dia,
(icarO Uta bilbetes por conta do mesmo
ibesoureiro.
Socicclade Theatral Mclpo-
menense.
O primeiru secretario avisa ao* Srs socio*, que o*
biliietes para a lecila do da 13 do corrente eilio a dio*
irihuir-se em casa do respectivo tbetoureiro bo-
je 13.
Casa da Fe\
RUA ESTREITA DO ROZARIO, N. 43.
Tendo de correr impreterivelmente as rodaa da lo-
tera do ihealro ro dio 18 do corrente me/.; o cau-
t> 11 isla da c. sa da I c previne ao | ublico que t ven-
de o resto das cautellat detla lotera at o dia 17, a*9
Ii ras da noute se anda houverem.
Arrenda-te um sitio no lugar do Arraial com
cata bastantemente grande e vistosa arvoret de fruto,
o baia : a tratar na rua da S. Cruz, n. 38,
Aluga-se uma casa terrea com qjtjntal e cacimba,
duas sala e dousquartus na rua duradre Florian-
no n. t>9 : a tratar na rua larga do Rdrano n. 44.
Ko u linio de oulubro p. p. desappareceo do
sil o do a liaixo declarado em Bebiribe um pequeo
de idade de 12annos pouco msisou menos, de nome
Paulino branco baixo, grosso. cabello iouro e cor-
rido foi encontrado em companhia de 2 matulo* oo
da 20 do dito mex pertu do engenho Timbo, em di-
reccao a Iguarasi : rogase a quem delle souber o
favor de leva lo ou dar paite no mesmo (itio junto
a povoaciode Bebiribe, de Manoel Pereira Lemos ,
ou nesta praca na rua larga do Rumio, venda,
0.33.


Aluga-se, para se pausar a fofa um sobrado
com bons commodos na Boa-Hora cm Olioda : a
tratar na venda por baixo do mesmo sobrado.
Pegn se, no dia 11 do corralo, um cavallo
braneo pequeo, com um pedazo de getiranu no
peseoco, que andava algures : quem for seu dono di-
rija-seao Pocinho, n. 7 que dando' os signaos ,
Ibo ser entregue.
Arrenda-se um sitio na estrada dos Afilelos ,
defmnti" de um porlio do (erro oncarnado com arias
qualidades ile frutas, casa de vvenla com sotii> es-
tril>ri p mesmo litio.
Aluga-SH o terceiro andar do sobrado n. 9 da
ra doQueimado : a tratar na luja do mesmo sobrado.
Joaquim Ferrcira dos Santos, subdito portugus,
retira-se para Lisboa.
Alugio-se os priuieiro e segundo andares do so-
brado da ra Nova n, 5 : a datar na toja do mes-
mo sobrado. Deoiaru-so que o dito sobrado se aesbou
de retiiear o por isso se acha pintado e prompto pata
se morar sem que so faca despeza.
=,No dia 10 do crrante, para amanhecer o dia 11,
furtrSo do porto ( novo ) das canoas um barril com
vinho tinto de 8 em pipa que ia para Olinda u
como a inda nao so poilosse descobrir o vil sedicioso .
por isso roga-se a qualquer pessoa a quem o dito barril
for oflerecido ou delle der noticia dirija-se so F >r-
te-do-Matto ra da Moeda armazem, n. 15, que
ser* gratificado generosamente.
I're -ira se de urna preta para vender leite e as
frutas de um litio ; na ra Direita n. 119 ou an-
nonoie.
Compras.
= Compra-se um relogio de ouro, perfeito e j
experimentado de regular bem ; na ra Bella, sobra-
do n. 37 das 7 as 9 boras da manhia.
=3 Comprao-se, para fra da provincia escravos
de 13 a 20 annos; sendo de bonitas figuras paglo-se
bem : na ra da Cadeia de S. Antonio em um ao-
bradode manda pao n, 20.
Comprio se dous moleques de idade de 10 a
20 annoi; na ra Direita, n. 3.
Vendas.
= Vende-se um porta-licor cm sua competente cei-
xa de faia envernisada, muilo boa obra, por preco mul-
to commodo : na ra de Hortas n 62.
=Yende-se urna preta de idade de 18 a 20 annoi,
de bonita figura cozinha bem o diario de urna casa e
lava por preco commodo; as Cinco-Ponas, n. 151.
Na ra do Crespo, n 8, leja de
Campos & Maya, vendem-se as verda-
deras navalhas de ac da China.
RIJA DO COLLEGIO,
Loja n. I.
Venden) se superiores grvalas de selim preto a 500
ri ; casimiras, das mais modernis, a 1,200 e 1,400 rs.
ocovado-, panno fino, preto e azul, a 2,600 r.; meias
desenbora a 280 rs. o par; chitas du todas as qualida-
des, de 120 a 500 rs.; inadapoles, de 140a 280 rs.;
cortes de c i tas de todas as qualidades, e du mrlhor
gusto superiores riscados Irancezes, a polka, a 300 rs.
ocovado; e oulras multas fa/endas, ja aunuociadas
oeste Diario: oa mesma luja cima.
= Vende-se farinha de mandioca do Rio-de-S. -
Francisco, a melbor que recentemente lem vindo a este
mercado a relallio pela medida velha e em sacras .
pe pr>-co airumoda : a bordo da harcaca Flor-do-lie-
ci/e fua-ieada deronle do caes do Sr. Jos liamos,
ou em casa de ViBnoel Jos Gonyalves Rraga, ao pe do
arco de S. Antonio, n. 2: tambem ba para vender
500 uieios de sola do serlio do mesmo lugar.
Oepoiilo de farinha.
= No armazem de porta larga do caes de Collegio,
ba para vender farinha de mandioca de todas as quali
dados, cnsuccada ou medida pela medida velba;
assim como arroz pilado; ludo por menos preco que em
outra qualquer parte : as pessoas, que quizeiem gran-
des purcoes para embarque, teem a vantsgein de poder
reecber a burdo do brigue Pkenet : e no mesmo depo-
sito se encarrega do despacho e embarque, e sempre
tem eiiibarc.-.i-es com lamilla no porto.
= Vendem-se saccas de farinha de Mag fina a
4800 rs.; ditas de 9. Malfaeus, a 4200 rs. e alqueire
medido a 3800 rs. ; gomma do engomm.ir a IOj rs.
o alqueire ; arroz branro a 2j rs. a arroba ; saceos
novos de estopa psra farinha, ou m 11 lio a SOO rs. :
na ra da Cadeia de S. Antonio n. 19 deposito de
farinha.
= Vende se um carrinho de duas rodas, em muilo
bom estado ; e um cavallo maito bom para carro: na
ra estreita do Rozario n. 43, segundo andar, das
6 as S) boras e meia da macha
ISo caes- do Collegio, n 9
eiiste um novo armazem com farinha de S. Ustbeus e
milho, ludo, tanto a relalhu como em porgues, e rude-
se i volitado dos compradores, medida velba rasa, ou
escolada como de matulo, e por menos do queem outra
qualquer parte : os prelendentes dirijio-se ao mesmo
armaiein, ou a ra da Crui, n. 54, a fallar com Maooel
Antonio Pinto da Silva.
Em primeira mi.
= Vende-se cera em velas da melbor fabrica do Rio;
colla da Babia as arrobas ; vinagre de vinbo tinto
superior t 500 rs. a caada elba : na roa da Sen-
zalla- Velha n. 110.
. Veuude-se vinagre branco
nacional, a 400 rs. a caada ve-
lita: na fabrica da ra Imperial,
n. 7; ra Direita, n. 53, venda
de M. Mirntla; no Alerroda-
Boa-Vista, fabrica de licores de
Frederico Chaves; e na ra do
Trapiche, armazem de molhados
do Iicolie.
MACHAS PHOSPHORICaS.
No Aterro-da-Boa-Vista, na fabrica
de licores n. a6, de Frederico Chaves,
arha-se. estabelecida a fabrica de mechas
phosphoricas, aonde achnrS sempre
grande porcao de macos de 100 a i5o
mechas, pelo diminuto preco de 3o r*is
cada um, a rclalho, e em porcao a ao rcis:
tambem ha caixasque conten) dentro io
macos, e outras mais, muito boas para
se transportaren) paia o centro, e para as
outras provincias por serem bem acondi-
cionadas, e se aianca a qualidade do lo-
go, por ser feito com toda a perfeicSo.
= Vende-se, sem fetio, um (rancclim grusso, com
passador, pesando 2< oitavas; dutsgarganlilhas ; um,
par de pulceiras ; slguns aunis c un diamantes ; 6 coi-
iberes di simpa ; um relogio patente ingles com
raiza de ouro ; um dito huris >nUl com caia de di-
to muilo bom regulador, com trencelln moderno e
correntinba : oa ra das Trincbeiras, n 18.
Antuca*!
= Vendem-se os mais modernos corles de cambraias
do quadros e lislras a Sj rs. ; cortes da finissimss chi-
tas a polka e a mashurka. a 4000 4200 e 4100 rs.;
riscados Irancezes de bom gosto para vestidos a 320
rs. o covado ; lias de quadros e listras imitando a ca-
simira a 1120 rs. ; lona da Russia n. 1, a 880 rs. ;
dita n. 2, a 4SO rs ; teneos do seda de cores a 1600
rs ditos de camhraia bordados de 3 ponas, pelo ba-
rato preco de 240 rs. cada um ; e outras muilas fa-
zendas por mais barato prego do que em outra qual-
quer parte : na ra do Crespo n. 16 segunda lo-
ja para quem vem da ra das Cruzes.
Vende-se, por preco razoavel, urna casa terrea ,
bem construida e com bastantes commodos sita na
ruada Alegra ; na ruada S Cruz, n 38.
= Jos Saporiti tem para vender lijlos de marmo-
re a/ues e brancos com seus cantos j corlados, che-
gados agoia de Genova por preco commodo
Haldo'.
Vendem-se cortes de cassa chitas a jota, lencos de se-
da para pescuco de senbora ; meias dn seda e de algo-
do ; los de linho e do srda preta ; fil de linho e de
seda branca e preta em varas ; chitas a polka ; mantas
de garra ; cambraias adamascadas finas e ordinarias ;
pannos e casimiras de todas as qualidades, por preco
commodo: no arco de S. Antonio, loja, n. 2.
lina Wireila n. 9.
=Vendein-se sseess com alqueire de superior fari-
nha por preco mais commodo que em parte alguma
Atttncao !
Continua-sea vender agua do cncenamento a
10 rs. ; na Iraveisa do Monten o no litio primeira
canoa.
Vende se um preto erioulo anda moco el
callente vaqueiro ( guaso) ; em Fra-de-Porla* ra
do Pilar d. 137.
=Vende-se urna venda com poucos fundos, sita na
ra airas de matriz da Boa Vista n. 56 : a tratar na
me.rna venda ou na roa da Sen/alia- Velha n. 11,4
ss Vendem-se 3 pretos poces de 18 a 20 annea,
pouco mais ou menos sendo um bom oflicial de sa-
paleiro e outro pedreiro e proprios de todo o mais
Mirv o e a* para pageos; um pardo carreiro de 20
annos ; outro dito da mesma idade e de boa figura ,
proprio tambem para pagemedetodo o servido ; una
negrinha de 14 t nnos pouco ruis ou menos, de mui-
to linda figura rund ira ; urna parda bem prendada;
um preto de todo o servido ; todos sem vicios nem
achaques: na ra da Cadeia de S. Antonio o. 25.
Navalhas da China.
=Vendem-se as admiraseis navalbas de ac da Chi-
na, que teem a vanlngem de cortar o cabello sem oflen-
'a da pello deiindo a cara pareceodo estar na sus
brilhanle mocidade : este ac vem exclusivamente da
China e s nelle trabalhio dous dos melhorrs e mais
halisados culileiros da nunca excedida e rica cidade de
Pikim, capital do imperio da China.Autor Sbore.
N. B He recommendado o uso destas navalhas
maravilbusas por todas as sociedades das scienciaa uie-
dico-cirurgicas tanto da Europa corno da America,
Asia e frica neo s para preienir as molestias, d
cutis, mas tambem corno un n.eio cosmtico : ven-
dem-se nicamente na ra do Crespo loja, n. 15.
Vcndern- se chapeos linos de castor ; na casa de
Joio Sttwart. n. 5, ra do Trapiche-Novo.
=: Vendem-se ou alugio-se muito boas bichas de
llanthurgo as melbores que existeru oa Ierra i na ra
estreita do Horario defionte da ruadas Larangeiras ,
o. 19
= Vendem-se pisa de filtrar agoa, por commodo
preco : no principio do Aterro-dos Afogados n. 63;
assim como toda a qualidade de pedrade cantara de
muito boa qualidado.
= Vende-se urna venda com poucos fundos com
bons commodos para morar familia venda chamada
superior por vender para a Ierra e para o mallo ; a
fallar as Cinco-Pontas n. A.
(.) 'sops-jepoui soaajd a 'sepjq|o.a
-so sepuaitr ap o]uaui)jos uioq uin a :p<|in t i>|(od s)q3 ap biioj soujoioui saojpid ap sjjoj
ap suinjquiuj ap oiueuijijns uioq uin apuas es uiaquiaj
x.nijnlJas sepisap se as-opuaqaaaj sej)souia jsp
epunp as oju 'japueieid sa uienb a a time uisso sep
-ui|| oes supoj sepujzej sopijajdj sy 'Opstoa o sueiui*
ajasmap a saxy sajpa ojsoU woq ap si8j| stzaa
-uejj sej.qa opesoa apta o||M uin epoaajd o)ajsq oe
sDji|iuij sosn snjino o eiusj ap ,|joqua sesaui Jisq
-oa ajad sorjdojd sajoa saiuajoijip uioata|ap soassuj
-ap : opuoj o sub)uu ctou a saxy sejoa ap a soqu
-ipniui *cozfj| oi|ui| ap soquipsasu uin apea ssat)
-ad ZJJ) a y/t) p eij| u upas ap soip staeiad oouia e
'oquauti ap f/ uioa apapi|anb stusaui psoi;p '. uin
apio sj e]uai;o a Soiuaa ojio a |iui nop ap oaid oai|
-oiu oa oqusuisi ap s/g aquiiue] i sopiaai lOjio
sa|oa||aaxa ep seioa moa crqaig op ojjuquy ap sa|
nqa os uiapuat 'oiuojuy -g ap oajt o tisd |Ujjj moa
' oiaipi') op enj ap tumba 'ovsbj op tfoi esj
i "' (i
M*
(*) Por pedido do autor deste aonuncio vaietlepa-
gmado como esta.
= Veside seum esersvode nacJo de nveia idade,
sabe trabalbarem sitio ; ns roa Direita n. l8.
= Vendem-se dous pares da manguda vidro lavra-
das; duas compoteirss grsndes de vidro, por preco
commodo : na ra estreita do Rosario defronte da
ra das Larangeiras, loja de birbeiro n. 10.
= Vende-ae potassa americana, ltimamente che-
gada am barra grandes e pequeos; meias barricas
de farinha gallega ; lencos pretos de srda da India,
selim de Maco; todo por preco commodo*. em eass de
Malheus AuUin *Companhia na roa da Alfandega
Velha, n. 36.
b Venda-se por preco commodo, um preto pro-
prio para o servico de campo ; um mulalinbo de ida-
de de 9 annos, que se troca tambem por urna preta ,
ou parda que saiba cosinhar voltaodo-se o que se
BODvencionar; na ra da Cruz, n. 3,
= Vende-se um piano hsmburguez com boas vo-
I, pelo barato preco da 808 rs. ; na ra do Creepo,
poja, n. 16.
= Vendem-se duas moradas de casas na toa do Mo-
toeolomb, que forio do fallecido Joio de Soma Leao;
no largo do Pilar n. 8.
as Vendem-se 3 moleques, de 12 a 16 annos,
muito lindos de figuras ; 3 pardas, de 20 aonos com
habilidades; nm cabra de 18 annos, que sabe bem
andar cavallo ptimo pagem ; 3 pretos trabalba-
dorea de encbada e mocos; 4 prctas da Costa de
0 annos, de bonitas figuras; um lardamenlo com-
pleto de guarda nacional : na ra das Florea, n 21.
= Venden sa 4 esoravaa, cosem, engurrui e co-
zinhio ; duas ditaa boas quitandeiras ; duas pardea
mocas com boas habilidades; 6 e-cravoa bons para
todo o Iribalbo; um dito bom carreiro e serrador ;
um pardo bom pagem e oflicial de allaiate ; um pre-
to de meia idade p r 120 rs. : ns ra do Crespo ,
n. 10, primeiro andar.
= Vende-se urna cirroca de um s boi, por pro-
co commodo; na ra Nova o. 35 se dir quem
vende.
Bilhetes da lotera do Rio-tle-
Janeiro
= Vendem-se bilhetes, meios, quartos e oitivos, a
rarto de 24/000 rs. 6 bilbete a fsvor da S. Casa da
Misericordia que lem de correr no correte mez ; na
ra da Ladea loja di cambio n. 38.
Vende-se urna canda abcrla que pega mil li-
jlos muito forte e bem construida e tem (ido pou-
co uso por preco commodo ; na ra do Vigario D.
18, primeiro andar.
Na venda da esquina da ra larga do
Rozario, por baixodo sobrado de tres an-
dares, n. 39, vende-se superior cha hysson,
a 2560 rs. a libra : dito miudo a 2000 ra. ; mantei-
ga inglesa a 960 rs ; dita franceza a 640 rs.; su-
pi riores queijos do Alentejo em latas, a 2500 ra.;
ditos londrinos, muilo superiores a 560 rs. s libra
ditos fiamengos a 1400 e 1500 n.; paiot, a 6400
n. a dutia e a 480 rs. um ; lingoiess, a 720 ra. a
libre -, ptimo presunto de Gambre inleiro. a 360 rs.
e a retalho a 440 rs ; vinho de Lisboa PRR s
1920 rs. a caada ; dito da Figueira a 1600 e 1760
rs. ; dito do Porto engarralado, a 860 eem dazia,
a 6000 rs, ; aveite doce a 3'i00 rs. a caada e a
garrafa a 480 n.; vinagre liquido a 120 rs. a garra-
fa ; 3 tamanbos de latas com ssrdinhss de Nsotes ,
1600, 2000 e 2500 rs. ; loucinho de Lisboa a 480
rs. a libra ; dito de Santos a 280 rs. a libra ; eaf de
primeira soite do Rio-de-Jsneiro a 160 rs. a li-
bra ; bolaiinhs inglesa a 220 rs. ; gigos com bata-
tas a 2-240 rs. e a libra a 60 rs. 1 macarrio a 280
rs ; latra a 320 rs. a libra ; espermacete a 800
rs. a libra ; superior farinha do Maranhio a 2880 rs.
a arroba e a libra a 100 rs. ; chocolate fino a 320
rs. ; latas com ervilhas a 1280 e ZH0 rs. ; e to-
dos os msis gneros de muito boa qualidade para a fes-
la por preco commodo.
= Vende-re orna preta ssdis de idade de 40 an-
nos pouco mais ou menos, lava engomma cose e
cozinhs soflrivelmente, propria para todo o (ervico, pelo
mdico preco de aOOa rs. ; ria ra da Cadeia-Velba ,
n. 30.
=Vende-se orna escrava parda de 26 annos de
bonita figura engomma cose, coxinba e lava de sa
bSo ; urna crioula de 24 annos de bonita figura ,
engommadeira cose chao ho ptima cozinheira e
lava de sabio; uin escravo erioulo de 20 annos, ofli-
cial desapateiro; um escravo de naci, de 40 aonos,
ptimo padeiro; urna escrava de naci, ptima qui-
tandeira : na ra das Cruzes h. 22, segundo andar.
= Vendem-se cavados de sella bons e mais infe-
riores ; na ra da Conceicflo da Boa Vista n. 60.
b Vende-se um preta de bonita figura sem vicios,
cozinha, engomma e cose; so comprador se dir o mo-
tivo da venda ; na ra do Crespi, n. 9
Do superior e omito apreciado
vinho de Champagne, 'marca cometa.
Cbegaiio 00 Btaujcu 50 gigos, queseacbio a venda
em purcio, ou a retalbo : em cass de kalkmaon &
Rosenmund, aa ra da Cruz, n. 10,
= Vende-se um sellim em bom uso com lodosos
I erleoces ; na ra da Cadeia do Recile n. 60.
a* Vendem-se queijos londrinos; presuntos pera
fiambre; salames; aalmio em latas ; lingoas salgadas,
muilo Superiores; conservas de todas as qualidades ;
soupas preparadas; crenles para podini; frutas para
pesiis ; vinho de Champagne ; dito* superiores. Por-
to Madeira Sherry Clarat ; ago'srdente de Fran-
ca ; geaebra de Hollanda ; cerveja preta a branca ;
vinho de Constancia ; licores de varias quslidsdes ; e
mais outroa muitos objectos proprio para lempo de
festa : no armazem de Doosley liaymundo A Prvtx ,
na ra da Alfandega-Velba n. 44.
Vende-se una escrava erifcula,
com urna cria, de boa figura, e sem vicio
algum, por preco commodo: na ra hirga
do Hozario n. 50.
Vende se o muito superior doee de
goiaba de calda em latas, dito' de raminho
em caixesiinhos, o mais bm feito que
he possivel, dito de banana, dito efe goia-
ba muito excallente, dito de luna, dito
de laranja, dito de mamSotinho, tanto em
pequeas como em grandes porc6es : na
ra do Crespo, sobrado, n 14, no terceiro
andar; e na ra das Ornes, na venda do
Sr. Jo3o Jacintho Moreira.
Vendem-se caixas com velas de cera
do Rio-de-Janeiro, sendo o melhor or-
timento possivel, e por preco mais comino,
do do que em outra qualquer parte : na
ra da Madre-de-Deos, n. 5, primeiro
andar.
A 4^800.
Saccas de farelo de tres arroba* cada
Utna, chegadas ltimamente : no armazem
de Braguez, ao p do arco da Concei-
rao, e no de Guimaraes, no eaes d'AI-
fandega.
Vendem-se macSea de muito supe-
rior qualidade, por prjk^Bromodo : na
trevessa da Madre-i is, sobrado,
n. 7, primeiro andar.
= Vendem-se sophs de angico'; camas ; commo-
dss; msrqueas; cadeiras de angco ; ditas para me-
ninas; jogos de bancas; toucadores Je dito ; comnio-
daa de amarello ; muas commodas de dito; botes para
gaveta; ludo do melbor gosto, e por preco commodo:
na roa da Camboa-do-Carmo. o. 8.
= Vende-se urna bonita escrava mofa bem sadia,
propria para o service de campo, o labe fatar renda,
com urna filha de cinco mezes ; na ra da Crus ,
n.63.
Vende-se um cavallo ruco earregsdor baixo,
por preco commodo ; em Fra-de-Porias, cata ter-
rea n. SS.
Ra t'i) ()i
CUILHE.RML S
Vendem-se cuss s mais final nue teem aqu vin-
do em cortes e as varas um resto de chapeo* abti-
gos ( pretoi s ), de castor, mer in e seda, a 2000, 3J
< 4000 rs. ; chitas escuras milito final; lapim de
superior qualidade
=Vendem-se ricos bonetes a polka chegadoi pre
sentemente de Lisboa ; urna porcio de ditos para ho-
rnera por serem mais inferiores a varias quenqui-
Iberias, proprias para fests : na roa do Ouoimsdo ,
loja de miudezas, o 24.
= Vende-se um quartsn carnudo carrega baitoe
sem achaques, por preco commodo; oa ruada Guia,
estribara de Joio Cremer.
= Vendem-se muilo bons harria com superior mel
de foro abogados do Sul; ns ra da Praia n. 16.
- Vende-se ums parda com prendas e urna preta,
quecoiinba : oa Boa-Vista rmaseos de sal.
Vende-se um haliilo de Chrislo da brilbantes :
ns roa do Crespo loja deSantos Nevos & Guimsries.
Vende-se ums venda na cidade de Olioda oa
esquina dos Qualro-Canios. ao virar para a roa do
Cocho: a tratar na awsms wnda que se lar todo o
negocio com o comprador.
= Vendem-se moeodas de ferro para engenhosde
assucar, para vapor agoa e bellas de diversos tama-
nbos por preco commodo; e iguslmente tainas de
ferro coado e batido de todos os tsmsnhos : na pra-
ca do Corpo Santo o. 11, em casa de He. Cslmoot &
Companbia ou na ra de Apollo armazem, o. 6.
m Vende-se farinha superior ebegada recente-
mente de S. Catherina vende-se pela medida Velba aos
slqueires. meios e quartas poi preco muiissin o ba-
rato e conlorme as porcSes se far proporcional aba-
te : a bordo do brigae Sagitario ao orado prximo
a ilharga do caes do Paiseio-Publico. Abater-se-ba 160
rs. por alqueire sos compradores qu chamaren) e
forem conducidos pela caooa do referido brigue.
= Vende-se potassa muito nova, e de superior
qualidade, em barra pequeos : na ra da Cadeia do
Recile armarem de assucar, n. 12.
Escravos Fgidos
3= Fugio no dia 10 do correte dositio do Ar-
raial da viuva de Joio Carlos Herma de Burgos Pun-
ce de Len o escravo Domingos de naci com 01
signaea seguintes: bailo, cbeio do corpo representa
ter 40 anos de idade cabeca um tanto grande, ros-
to redondo olbos vermelbos e abotoados para fra ,
beicosgrossos sendo o inferior foveiro, e Umbem
urna das mos; lean as costea talbadas com a marea de
sua naci ; padece de frialdade, falla a trapaleada ,
que pouco se percebe ,- bebe ago'ardente ; levo* ums
trouxa com roopa sua que coostava de camisas e ce-
roulas ordinarias ; gosts muito de trazer urnas calcas
de ganga axul e oina jaqueta de panno fino que les
de urna sobre-cssaea ; foi escravo em i. Mara no
Quique : quem o pegar, leve ao dito litio do Arraial,
a sua senbora ou no Recife na esquina do Liga-
mento n. 1, a casa de seo lho Antonio Carlos Ps-
reira de Burgos Pooce de Leoo que recompeossri
generosamente.
. Fugio, 00 dia 12 do correte pelas 8 boras di
machia ', um molequede ooma Joio acabralhado ,
de idade de 10 annos estatura baixa ebeio do corpo,
den tes limados pernas tortas para dentro, os dedos
das mios meios alejados mal encarado ; levnu calcase
camisa brancas chapeo de palba de abas largas; s
igualmente urna crrenle de ouro de 23 oitavas', va-
riss pulseras e anoeldes que andio por I70# rs. :
a quem for oflerecida qualquer daa ditas pecas, tenba
a bondade de o mandar pegar; assim como qualquer
capitio de campo que o segurar leve-o a Fra-da-
Porlas roa do Brum casa de Hesquita A Outra ,
que recompensar generosamente.
PER.N.
NATVP- DE M. F. DI VARIA----1&4S


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELEKVUM9B_330I6Z INGEST_TIME 2013-04-13T02:05:17Z PACKAGE AA00011611_05939
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES