Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05929


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Segunda feira i.
O DIARIO publca-sc todos o das que
nao forCin de guarda: o preco da assigna-
mrahedo 4/rs. por quartel vngni adanla-
ilm. Os anuncios dos assgnantei sao inse-
ridos a razao de '20 res por linha, 40 rs. era
ivpo differentc, eas repeticoes pela iiirtade.
O, por linha, e 160 em typo differentc.
PiiASES DA LA. NO MEZ DE DEZEMBRO.
Cretcente aft aos 33 minutos da manha.
La curta a 13 as 4 hor. e 2 mo. da tar d.
Mengoante a 41 as 9 hor. e 8 in. da tard e.
La nova a 28 as 8 h. e 33 inin. da tarde.
PARTIDAS DOS COBBEIOS.
Goianna. Parahyba, e Rio Grande do Korte
Segunda! e Sextas feiras.
Cabo, Serinhaem, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Maccy, no 1." 11 e 21 de cada mea,
Garanhuns e Honilo-a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores 13 e 28.
Victoria as Quintas feiras.
Olinda todos os dfis.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as fth. e 18 min. da manha.
Segunda as 5 h. e 42 minutos da tarde.
de Dezembro.
Anno Mi F. **
DAS DA SEMANA.
1 Segunda S. Eloi, aud. do i. dos orpb.
edoJ.doC. da 2. v., c do J. M. da 2. v.
2 Terca S. Bibiana, Ss. AdrlaePonciana,
Ss Ciiroinacio c Nono.
3 Quarla S. Salomas, aud do J do civ. da
2.* v.,edo J. de pai do 2. dist. de t.
4 Quinta S. Barbara, aud. do J. de orph. e
doJ.M. dal. v.
5 Sexta S. Geraldo, auH. do J. do clv. da
1. v., e do J. ilepu dn 1. dlst. de tard.
Sabbado S. Nicolao, aud. do J. do civ.
da I." v., e do J. de pai do 1. dist. de t.
7 Domingo S. Ambrollo. .
CAMBIOS NO DA 29 DE NOVEMBRO.
Carab. sobre Londres 27'/,d. p. I|a60 d.
,, Parir. 355 res por franco.-
Lisboa 115 p.c. pr. p. m. -
Desc. de let. de boas firmas 1 '/ P- '[''""
Ouro-Oncas liespanholas 3I#T)00 a 3l"S0O
Moedade 6/400 vcl. 16*200 a 16#40O
de 6/400 nov: IbYttOO a 1600
.. de 4/000 fttWO a M*W
Pra(a-Patac3ef .... 1/840 a 1/860
Pesos Columnarcs. 1/880 a M90O
Dito Mexicanos 1/840 a 1/8O0
. Prataraiuda. 1/680 a 1/700
Acedes da C* do Beberibe de 50/OOOao par.
DIARIO DE
MRTE OFF.CIAi.
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DI 26 DO COMENTE.
OlBoioAo chefe de polica, secutando remestat
dos autos de villora, feitos, nt Iba de Fernando, nos
cadveres dos senlt-nciados, Antonio Francisco de Li-
ma, Ignacio Francisco Bargas. Manoel Gomes de A-
lencastrev Antooio da Costi, Tijereta de Jess e Ma-
noel Gervazio.
DitoAo ex-eommaodante da ilha de Fernando,
declarando, mande desembarcar livremente e apresen-
ttr ao chafo de polica os 8 priuioneroi rebeldes do
Rio-Grande do Sul, chegados daquelle presidio do
patacho'5. -7oie*awmereoiio; e faca por a ditposiclo
do mesmo che*'os tais esoravoi, tambem do Rio
(iraud (.viudos da dita ilha em o men -ionado patacho.
Ortfyjhaii-se ao chefe de polica, significendo-lhe.que
os pfi ioneiros eitao annistiados, e os escrtvot deven)
sor rocoltiMot a oadeia.para terem destino legal
PortaraNomeando subdelegado do l. districto
da freguetia de Santo Anto ao capillo Ignacio Fran-
cisco da Peaht. Partlcipou-se ao chefe do polica.
DitaDeclarando vagtrs os lugares de supplentes do
delegado e subdelegado de Cimbres, por haverem mu-
dado de residencia os individuos, que os exerciio.
Para supplentes do delegado fotio nomeados : em
1 lugar Pantaleao de Siqueira Cavalcanti, em 2
J.iaquim Camello Pessoa de Siqueira Cavalcanti, em
5. Jos Caetanide Medeiro, em i.' Andr de liar-
ros Reg e Araujo, em5: Luie Jos Espinola'.cm G.
Baltbasar dos Santos Barboza : e para supplentes do
subdelegado : 1''. Jos Caetano do Medeiros, 2.' An-
dr de Barros Reg e Araujo, 3 Antonio de Carvalho
Cavalcanti, 4 Loureo<;o da Silva Cavafcanli, 5." Joio
LetJ de Oliveir i, 6 Manoel Flix Baptilta. Purti-
cipou-te ao chele de polica, sobre cujas, proposlas se
lizero estas nomeacSes.
DitaNomeando para subdelgalo da freguezia de
Cimbres a Joaquim Cundi Pessoa de Siqueira Ca-
valcanti. Comcnunicou se ao chelo de polica.
Commando das Armas.
EXPEDIENTE DO DA 14 DO CORRENTE.
UBcioAo presidente ds provincia,enderecando-lbe,
para ser presente em junta de justica.o processo do con-
cslbo de guerra do soldado da companhia do guardas
nseiooaei em destacamento, Manoel Angelo de Santa
Auna.
DitoAo mesmo, enviando a declmelo do cirur-
giio encarregado do hospital regimental, que examinoo
o paisano Antonio d Castro, remeltido ao quartel ge-
neral para atseotsr praca; oque no be postvel, a vista
do seu physico, a bem assim por ser do idade reconheci-
damente menor 6 que be expressa na lei.
DitoAo tenante-coronel commandanle do quarto
batalbio dertilharia a p, dizendo-lbe, que em res-
poita ao seu ofliciodrsta data (14), ponderando, que
Antonio Alves -Peixoto, soldado do batalbio de seu
commando, complelava a 16 do corrente o lempo de
prisio por castigo imposto pelo artigo 3 titulo 4.
das ordenancas de 9 de abril de 1805, medanle a na-
turcia da desercio, e circumstancia attenuanlo em seu
favor, expressada na disposicio do dito artigo linha de
declarar-lbo, que estabelecido se acbava pelo llulo4.
artigo nico das referidas orlenanc.as a quem compete
ioipr ai penas no caso de desercio;e que,nlo tendo sido
A RAINHA MARGOT. (*)
por Klfxatfott Oumofl,
PRIMEIItO VOLliME.
CAPITULO V.
DO IOUVBZ Z*t MHIICDL4R
E DA VIRTLDE EH GBRAL.
Osdous gcnlii-linmciii, induatriadoa pela piiroeira
peno qne encontraran, tororo a'rua d'Avemn a *>
GrrrJiaiii-rAusrrroa, e em breve e aohirio em frente
iln Lnuvre, cuja torres comeen vio a cuiifundir-ao oom
as nombras da larde.
Finan, que tendea vs? pcrguntnu Cncanna a L
Mole, quo, parado viita do velho caalcllo, olhava enm
eertn retpeito para eatna pontea levadles, casas janrllas
aprrtadas e caiDpanariuainhna agudo, pue a aeus ulhoa
pela prinieira ves se aprsenla va.
Por miulia f, que au ei, dise La Mole, bal-
me o roracl. Pia nlo au muito limido ; mas nlo sei
porque ealo palacio iuc parece- trale, e nlo sei se diga,
terrivel.
Pilis en, diste C'roannas, nto sei o que ato lie, ea-
tiiu de una alegra rara. O fisto eal un punco deipre-
(; Vide Diario a. 268.
dita praca julgsda semelbantemente, eumpre, que le
proceda na forma da lei.
DitoAo coronel commandante do segundo bata-
lbio de arlilbaria a p, exigindo a parte aecusatoria do
soldado do quarto batalbio de artilharia a p, Antonio
Alves Peixoto, que, quando desertou em 31 de agosto
ultimo da fortaleza de Tamandar, se acbava addido
nobatslbio de seu commando.
DitoAo lenle-coronel commandapte do 4.* ba-
talhio de artilharia a pe, drendo, que. sendo applica-
vel aoi soldados do batalbio de seu commando, Zeferi-
no Goncalves da F.ncarnacio, Joaquim Tarares de Mo-
raei, e Jos de Andrade, o imperial indulto de 23 de
fevereiro ultimo, os poda relaxar, como reguiitava,
da prisio em que se achavio, averbando-ae-lbes nos
respectivos assentamentos as precisas nota;.
dem do da 17.
OflicioAo coronel commandante do segundo bata-
lbio de artilharia a p, dizendo, que poda, como re-
quintara, maridar substituir por oul'ras pracas as que
se achlo destacadas as fortalezas da provincia.
DitoAo mesmo, mandando-lhe apreientar, para
proceder na forma da lei, o desertor do batalbio do suu
commando, Jos Raymundo.
DitoAo mesmo, mandando incorporar ao bstalhio
de seu commando o saldado particular, queseachava
destacado na provincia dai Alagoas, Manoel Joaquim
Machado.
DitoAo tenenle-coronel commandante do quarto
batalbio de artilharia a p, enviando Ihe a escusa pai-
sada pelo major graduado commandante do deposito
de recrutas da provincia da Ifabia, e o oflicio por co-
pia do respectivo presidente da mesms, para que lioa-
vesse de salrsfaier a exigencia all expressada, e ex-
cluase, por tal motivo, do batalbao de seu commando
o soldado Francisco Tbeotonio.
DitoAo delegado deste termo, sccnlifioaodo-o de
baver remettido ao respectivo batalbio o soldado deser-
tor Jos Raymundo.
DitoAo coronel director do arsenal de guerra, di-
icndu-!he,querlcomdeslno asasjamincorporados a cam-
paohia de artfices, aportario nesta provincia, no bri-
guu-cscuna Caliope, o artfice de fogo Luu Jos da
Rocha, e o soldado da mesma companhia Manoel Pedro
de Lima, que se achavio destacados na proviocia dai
Alagoas.
dem do da 10.
Oflicio-Ao presidente da provincia, direndo, que
o cirurgiio Joio Domingues da Silva apresenlou e
para ir servir por contrato nal forcas, que ora se acbo
ao sul da provincia, com os meamos veocia.entos, e
condicSes estipuladas no contrato do cirurgiio Antonio
Jos Das Martina.
DitoAo mesmo, encaminhando, competentemente
informado,o requerimento do alfares do 1 batalbio de
cacadores Ajjtonio Pedro Ferreira Campello, que ao
governo mpVrial impetra quatro uieies do licenca de
favor para ir a provincia de S. Pedro do Rio-Grando-
do-Sul.
DiloAo presidente das Alagoas, dizcndo-lhe, que
hara mandado incorporar a companhia de artfices o
artfice de fogo Luiz Ju da Rocha, e o soldado da
mesma companhia Manoel Pedro de Lima que a-
companbrio o oflicio de S. Exc. de 10 do cor-
rente.
DitoAo mesmo, dizendo-lhe, que apensa adiara
a relacSo nominal das pracas da companhia de artfices,
que te acbio destacadas n'aquella provincia, as quaes
depreca a S. Exc, a fin de lerem incorporadas a
indo, coiiiiiiiioii ello percorrendo com os olhna o aeu
vestuario devingera. Mas, oraadeoa! srmpre ha un ar
de cavalleim. E de mois as mnima ordina me reooTn-
mendavio promptdlu; srrei pois bem acollado una
ves que puntualmente obedec.
Eoadoua mancebos continuarlo leu cninnho, cada
mu ogitado dos aonlimenloa que liavin exprimido.
Boa guarda hnvio noLuuvac; todos oa posto pare-
oiio dobrados ; os noaiua don viajanlea achrau-ae pur-
laiiln ao |irinci|iio bero enrbaracadoa. Mas Cncannaa,
que tinha notario que o nomo do duque de Guisu era
ama caperie de talismn para oa Parisienses, apruxi-
mou-ae de urna senlinella, e, armando te dcae nume lu-
do poderoso, perguntou, ae por aua graca nao poderia
elle penetrar no Lou'vrc.
O tal nume romo que prodmiu no anidado o aeu rffei-
ta ordinario; todava perguntou a seulinclla aCucannaa,
se nlo linha a palavrn deurdrm. (
Cucaunaa fui forjado a ronfeasar que nao.
EnUo, ponh-aeao Inrgu, nieu fidalgo, diaae o
soldado.
Nesae momento un lioineni, quo cunveraava com o
oflliial da guarda, e queouvira Cncannaa reclamara sua
admiaato no Lnuvre, nlerroinpeo a sua converaacto, e
viudo ler en ni elle:
Sior guercr falla asior de Guiae? dista elle..
Miiu quer falla com elle, repondco Coralinas sor-
rindo-se.
Nin estar boaiifel! Sior dugue rstni gnne re.
Maati'iiho unta rnrla de orilcm para vir a Paria.
Ah I Sior tem una garla do ortem ?
Sim, o veuho de muilo longo.
Ah ior l'ein de uiniln lonche :'
Chegnei do Piemonle.
Pem! Peni! Eitar outro cosa. E gomo chama
sior?
- O conde Anoibal de Cocannaa,
respectiva companhia; e outro sim, que se dignissa do-
clsrar, te por ventura all nlo existissem ditas pracas,
quaet os dettinos, que tiverio desde o seu embarque
aleo presente.
DitoAo presidente o jommandnte das armas da
provincia da Baha, dizendo Ihe, que enviava a S.
Exc. o oflicio e mais papis anoaxos do tenenteco-
ronel commandante do qsrto batalbio de artilharia a
p, paiaque todigoawo providenciar no sentid) deque
fossem remettidos para osta provincia os dous caixOes
contendo artigos de fardagem, e mts objectos perten-
cenlet ao dito batalbio.
IBF.M DO DA 70.
OfficioAo coronel oommissaro pagador, diiendo,
que.para daroumprimento asorlens do governo impe-
rial, exaradas em aviso da repartila da guerra de
14 de outubro prximo pesiado, oecessitava que pela
repartilo a cargo de S. S. se foroecessa urna relacSo
nominal, comprehendendo os oIBciaei da extincta 2.'
linha, que vencem o sold ; sorvindo-se, outro sim,
dar os esclarecimnntos roipectivos a cada um dos mes-
mos ofliciaes, conlorme o modelo, que por copia se
Ihe enviava.
DitoAo presidente da provincia, remettendo-lhe
. relelo nominal dos ofBciaes dat quatro classes do
exercito. existente! nesta provincia, e bem assim os
msppas de tu. 1 a 55.
DitoAo mesmo, enviando-lhe, em observancia ao
artigo 8. do regulamento de 8 de maio de 1843, o
mappai, geral da forca de 1.' linha existente nesta
provincia, estilstico criminal, dos movimentos in-
ternos por altase baixit dos corpoi, e do armamento,
municOes, e petreebos de guerra dai fortalezas, arma-
zem e corpot da guarnieSo.
DitoAo mesmo, dizendo, que os cavados dot cor-
poi de cavallaria do exercito sao lio lmente destina-
dos para o lervico inherente tos mesmos corpos; mas
que pde-seforneceracavlgadura requisitada pelo a-
judsnte do director do arsensl de guerra, ineombido
de administraras obras do quartel do Hospicio, e hos-
pital regimental.
QUAIITEL GENERAL NA CIDADE DO tEOlFE, 1* DE DE-
ZEMBRO DR 1845.
Ordem do da n." 66.
Amanhia, da do annverssrio nalalico de S. M. o
Imperador, o Senhor Dom Pedro II, os balalhdesde
guardas nacionaes, que, em virlude das ordena do
Illm. o Exm. Sr. presidente desta provincia, lorio
destinados, e os cprpos do exercito existentes nesta
guarnirlo, estarlo sobre parada as 10 '/ horas na praca
da Boa-Vitta, em linba, produzindo-io esta pela ra
do Rozario na ordem seguinte : Oeiquadrlo de ca
vallara, ot 1. a 2 batalbaea de guardas nacionaes
compSam a 1.* brigada sob o commando do respectivo
ebefe da 1.' legio. o Sr. Francisco Mamede de Almei-
dt; ot 3., 4 e 5. bstalboei di mesma guarda nacio-
nal,a 2."brigada sob o do Sr. ebefe da 2.' legio,Fran-
cisco Joaquim Pereira Lobo ; um parque de artilharia
ser collocado no centro destas brigadss.que formaras,
ao mando do Sr. coronel commandanle superior t ran-
ciscoJacintboPerein.a l.'divito. A 3.* brigada se-
r conimantlads pelo Sr. coronel Trajano Cesar Bur
Itmtque, e compor to-ba do 4." batalbio de artilha-
ria a p, ecorpode polica; os balalbSes, l.adeOlm-
dt 6 do Pojo, e a eompanbia .fixa de cavalla-
ria de linba formars a 4.* brigtda. cujo comman-
do be eomirifllido eoSr. chefe de legio, Joaquim
Canuto de Figueiredo;e,collocando-ie nocenlrodeitai
Pon! Pon I T-ga ana garla, sior Annipal.
Ora'aqu et un homein de bem, dnu a ininha
palavra, dieta entro ai Lo Mole; nlo poderei eu adiar
nutro igual pora menpreeenlar a cl-rci de Navarra?
Maa culn t-ga sua garla, cuntinuun o fidalgo al-
IcmSo, eatenilendo a raSo para Cocannaa, que heaitava.
Com cffeilo! replirou o Pieinoiiles dearonfiad
como meio-ilaliano, nlo aci ae devo....... Mo tenho a
honra de o cuuhocer, tenhor.
Mun calar Peame; mira berlence a Sior dugue de
Gniae.
Petme, murmuro Cocannnsj nao conheco esse
iinme.
__ lio M, ile Hesnie, meu fidalgo, diste a senlinella!
A pronuncia lie quo o engao. Pode dar a carta ao Sr.,
que eu respondo pnrella.
__ Ah M. de Benue.acodio Cncannaa, conhecu mui-
Jo bem ejte nume I....... ora esta he boa, com o roeior
prater aqu tem a carta. Excuse a minha heaitacio, que
lie nalurol quando aequrr aer fiel.
__ Pem, pem, diaae Bcsme, nao eatar preciao ergua,
Ora Sr., disio La Mole i|iprniinandn-ac por tul
ves, ja que sois to iervr,al, qucrcr-voa-lieia cncarre-
gar ilu minha caria, como Biralea com a do meu com-
panheiroP
__ Gomo chama aiorP
O condo Lrrao de La Mole.
Gundo Lrrag de La Mole ? .
Sim.
__ .Mini nao gonhece*.
He natural que nao lenha eu a honra de vos ser
eonheoido, poia que toa furnilciro, e como M. do Ce-
oanna, chegnei ela tarde do muito longe.
E lonte jegaaior?
De Provenc*.
Tambem lena garla?
Sim, tenho urna caria.
brigadas um outro parque de artilharia, comporto ellas
a 2.a divislo ao mando do Sr. coronel do estado maior
do exercito,Cyprianno JosJe AlSeada. Comrnaodari
inmediatamente a grauj^irjjaji' i brigadeiro eom-
manante das armas ifoiiio Carreta Sirm.
---------*-'
CII1CULAR.
Dovendo-se tolemnsar com a maior pompa posti-
vel o da 2 do dezembro,aoniversario felii do naieimen-
todeS. M. o Imperador; o Sr. general oommiojaote
das armss manda convidar aoi Srs. olciees da 4.*elat-
se do exercito, que nio marcharem n'etse dia, para
assistiremao cortejo, que ter lugar no (alacio da pre-r
sidenoia.at 11 horas da manhia.
Quartel general na cidade do Rscife, 30 de novem-
bro de 1843.
Jote da Silva GuimarMei,
Ajudtnto d'ordent.

/
INTERIOR.
SANTA CATHARINA.
ACTOS DA MUNIFICENCIA DK S H. O IMP8RADOR B
AUGUSTA ESPOSA NESS i PnOVINCI l.
Araligilo eapiedade forio tempre os dittsdiaa
dos principes da casa de Braganca. Deixandode-remrJn-
tar-nos ao que pratic irio em lodos os lempos os atoen- ^
gos desta familia augusta, no reino de Portugal; detde -
sua elrvacio ao throno da nago de ber^, para provar* .
nona asserfio, terio sufficientet os teto de verdadeirR
piedade pralicadot pelo primeiro principe braganlioo.
que tivemos a fortuna* do conhecer em nofUo sollo. Fal-
lamos do Sr. D. Joio VI, nvc).-fo nosio monarcha. O
Rio-de-Janeiro fui o tbealro onde brilbrSrao, mail quo
em oulra qualquer parte do alorlunado Brasil, os actos
de religiio, e de piedade desse magnnimo soberano.
Seu filho, o immortal fuadador do primeiro imperio -
mericano, rivalisou-o.* casa tte misericordia desta ca-
pital; a casa dot exrottos; o recolbimento dat orpblai,
merecern detse pai da patria todo o ditvello, auxilio
rriHir- I .Mrl'r"- ami^nro da viuva, o protector dot
desvalidos; e foi no leu reinado, que ai viuvat e orphlot
doi militares obtiverio daassembla geral o seguro maio
de tubiiitencia.' Seu successor, o nosso joven e tempre
adorado Imperador, como que segundo niosotim-
pultos de teu magnnimo coracio, mas tambem oexem-
plo de tous progenitores, tem sido inctntavel em prote-
ger os esltbelecimentos de caridade, manifestando as-
sim seus principio de religiio e de piedade. Na edrle,
se v o estsbelecimento de um asylo de alientdot, obra
desua immenta benignidade; e nio ba muitot mezci,
que urna subscripclo vantajosa, destinada a tolemnsar o
natcimenlo do nosso principe imperial, foi pelo augus-
to Imperador acceila, e mandada applicar para o mes-
mo asylo I
Eslava reservada nossa provincia a ventura de ser
segunda do imperio, em que nio tS. M. o Impera-
dor, como tambem a excelsa Imperalriz dos Brttileirot
linhio de pratcar ettet actos de religiio, de piedade, e
de munificencia, que tsnlo os distinguem, e que im-
mortalisio seus augustos pais. Sim : odia 14 deste mes
(outubro) ter un lugar mui particular na historia des-
la provincia, porque, alm de ser um daquelles em que
os Catharinenses tiverio a felicidade de gosar a presen-
ta dos seus monarebas, de Ibes beijar as augustas mos,
de desfructar sua eslimadissima companhia, foi tambem
oem que SS. MM. II. se dignarlo, eoncorrer com
mais avultante esmol para a reedificael do hospital de
caridade desta cidade, nico estabeleeimento de tal ni-
Pra tior de Gnie?
Nao, paro S. magetlade el-rci detavarra.
Mira, sior, nao eslar de rei do Navarra, reapondao
de Bcimo oom sbita fricia, mira nao bote toma aua
garla.
E vohando cusas La Mole, Beame jstroii para o
Lnuvre, deppia de faier aigal a Cooannaa qne o et-
perate.
La Mul achou-se s.
Ao mesmo lempo, pela porta do Lourro parrsela i
que dera entrada Beimco a CoOtnaT, aahio nina tro-
pa de uns oem cavalloiros. "v .
O'l! disse a senlinella sjsssti camarada, he do
Muuy c ot seu Imgnenole; cpcau elao alegr*4 He
que Ihes ter prnmettido clTra1 a roor*ti do nttntaMt* >
liniranlo, o nomo he o mesmo que inalou opai de typy,
he d'iinia cajadada duna coelbos.
Fatci favor, enmarada, disse La Mole dii
se ao soldado, dissestes, quo aquelle oflloial
Mouy?
5em dnvida,' meu fioalgo.
E que eaact.que i> acoinpanhavio, erio.....
Eran hereje. Dase issu.
Obrigado, diste La Mole sem dar moatrat do ba-
ver teilo reparo no ierra* insultante empregado pela
tenlinella. Era quanto me cunvinlia aaber.
E drigindo-o immedalaniente para o chefe dos ca-
valleiro, dtc-lhe au appruximar-a :
IiiForman-nie, quetoi Mr. de Mouy, tere oertor'
Sim, Sr., retpondeo o ufJicial com polides.
Votto bem conhecido nume entre ot da religiio
me anima a pedir-voa um favor, te vot nlo for muito
iiioommudo.
Qoal, Sr. Porm, anlet do man, a quem tenhe
a honra de fallar!
Ao eonde I.crao de La Mole.
U dout mancebo! taudrlo-te.
%
N
de


ftaMS
l

turea, que a provincia possue, e que certo teria dede-
tnbar, a olo ttr a gnerosidade, a piedado e munifi-
cencia de Suas Magesladea.
Releva, poii, que, em testemunbo do nono humilde
reconhecimenlo, em (eitemunbo do reconhecimenlo de
doim provincia, relatemos o acto de generoiidade, de
que tratamos; e ir ja elle mais urna prova eiuberanle do
notaa | roposicio : A religiao e a piedade (otio sem-
pre o distinclivos dos principes da casa de Braganca.
Constando ao digno provedor,Joao Francisco de Sou-
za Coutinho,da irmsndade do Sr. Jess dos Passos, que
SS. MM. II sedignavio de visitar no dia 14 a igreja
do Menino Dos, e o hospital de caridade cargo da
rrtTjsma irmandade, convidou S. S.* os irmaoi e mesa da
irmandade para receberem 01 augustos visitadores.
A's 10 boras da manbla dosse dii, estando reunidos
na igreja o irmio provedor, e mais irruios da sobredita
irmandade para terem a honra de recober a imperial
visita; sabires SS. MM. de palacio, acmpanhadus dos
Exms. ministro do imperio, presidente e depulado da
provincia, olliciaes e damas de sua casa, seguidos de
urna guarda de 40 bomens de cavallaria da guarda na-
cional, SS. MM. II., que vinbio p, forlo recebidos
debaiio do palio no principio da extensa ladeira, que
cooduz igreja o hospital, pela irmandade em procis-
lo : entrando na igreja SS. MM., e lomando lugar no
camarim, que se Ihqs tinha preparado rom a decencia
possivel, leve lugar o Tt-Vtvm-Laudamos cantado pe-
los padres Jejuitas crn jDjfRo nesla cidadc; lindo o qual,
dignrio-se os augustos protectores dos desvalidos visi-
tar a capella do -enlior Jess dos Passos, e enlermarias
do hospital, sendo sen prc aconipanhados da irmandade,
o do numeroso concurso de senboras e bomens, que en-
cbiSo a igreja. Ao sabirem do hospital, o Exm. guarda-
roupa Jos Manoel Carlos do GusmSo entregou ao ir-
mio provedor, de ordem a S. M. o Imperador, a quan-
tia de det contosde ris, e un cunto e ddenlos mil rs.,
de ordem de S. M. a Imperatriz, como esmolas que SS.
MM. II. faxio ao hospital.
Tanta generosidade, tanta beneficencia no pode ser
descripta por nos: fallo-nos as exprosses para Tre-
lo d'gnamente. Como bomens, como chiislaos, como
irmaos da irmandade do Passos, ronbecedores das ne-
cesidades do nico asylo dos infeli/es, do nico hospi-
tal de caridade, que a provincia possue ; conhecedores
do estado de ruina em que o edificio seacba, e de sua
incapasidade actual para preeneber os lins de sua insti-
tuirse, t diremos, que a prxima reedifcelo dessa ca-
ta de misericordia, que sua futura esislencia be obra da
inarurlbcia visita dos augustos e pios monarchas PE-
DRO II. E THEtlEZA MARA CHRISTINA; be obra
da religiioe da piedade, que distingue os principes da
casa de Braganca.
Feliz a mesa actual da irmandade do Sen'uor Jess
dos Passos; ella que te ni de dar cometo a reedificacao
do hospital de caridade, se nao esquecer, sem duvida,
de fazer gravar em carae*a/es jndeloveis os augustos no
mes dos immoitaee protectores, que a habilitarlo com
lao vantajoia esmolla no comeco de urna obra, que gran-
gear mesma mesa ai beniios da posteridad* desva-
lida.
SS. MM. II. so dignarlo mandar lazer mais algumas
esmnlles diversos pobres, que se Ibes aprescntiio a
sabida da igreja do Menioo Dos, donde lorio condu-
cidos debaixo do palio pela irmandade at palacio.
Alm das nao interrompidas acrlamoto s, que de to-
das as janellas se dirigido a SS. MM. e ao principo im-
perial, neste trajelo foi o cortejo obrigado a parar por
muitasvezes, porquo multas senboras, nao satisfeitas de
lan^arem flores das janellas, sahirio ra a faze-lo de
mais perto, e S\ MM. II. linhao a bondade de parar
para receberem mais esta prova do amor, que Ibes con-
ssgrio os Calbarinenses, e do reconhecimenlo de um
povo Ilustrado, que sabe presar as honras, e favores de
seus principes.
Nesse mesmo dia loi a igreja do Menino Dos, e o
hospital deraridade visitado as 5 horas da tarde por S.
Exc. Reveieodissima o Sr. hispo capellio-mur,conde de
Iraja, acompsnhado dos reverendos conego Chaves,
conego srcypreslo. vigario coadjutor da matriz da cida-
de, e do escrivio do juno eccleiiastico desta comarca.
A irmandade do Senbor Jess dos Passos, grata e ro-
conbecida esplendida, e generosa esmolla de SS. M M.
II., apiesentou se no dia seguinle, no paco imperial,
presidida pelo sru provedor, o tendo tido a bonra de
ter introdutida na sala do doiol, ondoSS. MM.II. a
cabavio de roceber o cortejo, por ser o dia do ome di
S. M. a Imperatriz, o provedor dirigi a S. M. o Impe-
dor o seguinte voto de agradecimeulo assignado por el-
le e irn.Sos presentes.
aSENHOR.A irmandade do Sr. Jess dos Passos,
cojo cargse acba hospital do caridade desta capital,
Eu vos 0119, Sr. diiie de Mmiy.
Sr. chegod'Aix, o snu portador do urna caria de
M. d'Auiiic, giivynnder da Pro/no*. Eila carta lio di-
rigida & el-rei Me Navarra, c conten noticias impsr-
tantea c urgentes. Como poderei cu ciilrrgar-lh'p? Co-
mo enlrarei no LouvreP
Nada mais, fcil, Sr. do que entrar no Louvre,
respomleo deMooy; niai recri que eilrja el-rei de Na-
varra lln orcopnilo a rila hora, que mi no posta re-
erber. Todava nio importa, se queris acowpanliar-
ne cundniii-vns-liei no mu alujuiuenlo. simia fulo i
v. ''f&IP*'
, Mil vrin nLrfgado !
Vamos, Sr. diaaeaJ.Moijy.
Etc ajwnu-ic, ( nlrrgftii tlredcaa ao ic Inraio, cn-
caminhou-to |iara o postigo, fez-ie reconlirccr pela icn-
tincita, iniroihizin La Afolo no candn, c abrindu a por-
ta do aposento de el-rei:
Entrni, Sr. die ello, e jnformai-voi. E laudun-
4* La Mul, rctirou-ir.
Quamlo*La Mote ic vio a sos, 0II1011 rm derredor de
ai. A anle-caiuara citara deserta, uina das purlai inle-
rlore ruava abena. O geutilhoinciu dtfo algn panuS
e acboii-io no oorrodor.
Bateo, cliamou, mas ningiiem Ihe rri>pnnilco. Nena
parle do Louvre rcinava o nuil profundo iilriicla).
E fallavlo-iue, pensara elle, nena diquela do
Louvre lao acrera Anda a gente licito palacio, como
em urna pracu publica.
E lurnoii a cliaiuar, mas snu obtef niellior reaiiltndu
do quo da priauoir vez.
Ora, vamos pur ihi, disie ello entro ai, a final al-
guem bei de encontrar.
Eieguin por uiu corredor quo cada vet ic lornava
irnos rlaro.
De repente abrio-io porta oppoita aquella pela qual
ha va lie entrado, e apparecrflo doui pageos que j.rc-
nio lem termos, com que possa render os seus agradeei-
mentoa V. M. I. e aS. M. a Imperatriz, e significar
a vehemencia dos seus cordiaes sentimentos pelo mag-
nnimo e mais que generoso donativo, que beneficen-
cia das obraa daquelle hospital V. M. I., o S. M. a Im-
peratrit te dignarlo (aier.
Eslabelecimentos desta ordem,Senhor.teem sempre
merecido dos principes a sua alta proteccio, esolicitu-
de, e nem era menos de esperar, que, sendo V. M. I.
par de sua iocliti consorte, que em tudo o iguala, o me'
Ibor dos monarchas, em cujos coraces esto encerradas
no mais aubido grao as excelsas virtudes, e magna pie-
dade de seus augustos maiorea, deixassem de turnar o
iolereise, que se dignarlo demonstrar, concorrendo
dar forte impulso ao estabelecimento pi de caridade
desta capital, onde jazern, ese aclhem os subditos in-
felizes de V. M 1., all arrastados pela mi da indi-
gencia.
Grecas a V. M. I., e i S. M. a Imperatri' por lio
grande e consolador beneficio : eternisados ficrflo na-
quella sania casa seus augustos noroes, e j que V. M.
I. se declarou o seu bemleitor, digne-se tamhem V. M.
Imperial, como reverente, e com o mais prolundo res-
peito pedo a irmandade pelo dia de boje, da de gloria
da naci brasileia por ser o do nome do S M. 1. au-
gusta e digna esposa de V. M. I., de querer V. M. I.
ser o protector da santa casa de caridade desta capital.
Com este ufanoso titulo, Senbor, as paredes de lio san-
to estabelecimento, como por magia, se orguerao dos ci-
mentas, e os seus lelos chamarao a que all se recolbio
os desvalidos de um e de oulro sexo para Ibes offorecer,
se um leilo de dflr, ao mesmo lempo um leito de leniti-
vo, assim como chamarlo os infelizes innocentes, con-
demoados privarlo das caricias maternas, que Ibes
sejio proporcionados os meios de sua creifio, a lim de
serem um dia subditos uteis de V. M. I.
liste, Senbor he o fiel lestemunho dos senlimentoa,
e votos da irmsndade do Senbor Jess dos Passos, que
pelo nosso orgio ella faz exprimir : digne se V. M. I.
por sua alia bondade de os acolher, permitindo noi a
honra de beijarmossua augustas mos.
Finda a leitura S. M o Imperador dignou-se res-
ponder : Acolito chao de contentamento os agra-
det tinentos da 11 mandad' do Sr. Jess doi Pastos, t
acento o titulo dteu protector.
(Do Helator CoAannenis.}
PERNAMBUCO.
flndimeno total d alfandega de Pernambuco no
mes de novembro prximo pateado.
Readimento total
Restiluicos
Direilos de consumo
Expediente de 5 p. c. doa gneros com
carta de guia
Dito dos gneros do paiz '/ p. c.
Armaxenagem da mercadoriaa
Dito da plvora
Premio dos assignsdoa '/> p. c.
Emolumentos de certidoes
Multas
184:479,961
252,927
184:227.034
180:905,254
263.396
112.808
466.413
142.776
2:283.843
2,880
49,664
Rs. 184:227,034
Oescrivlo d'alfandega,
.1 acome Gerardo Mara Lumachi de Mello-
Fublicacao a pedido.
RIO-GRANDE-DO-NORTE.
Correspondencia do Exm. Sr. presidente da provincia
com oejuzee de direilo e che/e de polica da mesma
N. 48.Ao mesmo, aecusando a recepcio do seu
officio, que acompanbou o do delegado do S. Gonca- -
lo, cobrindo a relsclo dts cssoas miseraveis da mea-1 "i"nte ao Sr. hispo de Pernambuco, porque acba mais
eflica* a presenct de V. Exc. abi, para conseguir o mes
III" (i III.
D-me V. Exc. ss suas ordens, que eu executarei.
Exm e llvm. Sr. D. Thmatdt S'oronha. Quan-
do V. Exc. receber esta carta, ha de ja ler recebidouma.
que Ih'escrevi pelo seu amigo, o bario de d'llamaraci,
que V. Exc. ba de achar muito melborado desade, e
que eu muito estimei conbecer, porque me pareceo en-
cllente pessoa : deiejo, que4lle lizene muito boa via-
gem.
Muito me tenbo desvelado em desempenbar a com-
missio, que V. Exc. me deo i despedida. Nio se con-
tentsndo com a sua autoridade, a fez confirmar por
mais dous bispos, e nio me deixou liberdade para recu-
sar. Dos* a lem abencoado, pois apezar das difficul
dades indispensaveis em um paiz, que apenas vai come-
cando a sabir da revolucSes, vamoa andando menos
mal, e se esfria d'um lado, aquece no oulro, e olo
tsem diminuido as suhscripcdes.
Temos faito as (estas da associacio com todo o expen-
dnr, i cusa d'esmolas particulares para esse fim ; e
tem-te feito as igrejas do centro da oidade, como S.
Hoque, os Martyres, etc., com muito numeroso con-
curso, e o maior socego e seriedad.
Tive carta do cardeal presidente do conceibo de Pa-
rir, eencarrega-me de urna circular para todos os Srs. I
bispos do Brasil, convidando os a eslabelecerem a esso
ciscio as suas diocoses. Para V. Exe. em a que remet
todenlro dests, e provavelmente nio escreve directa-
. A
ter entrado carregamento algum, e o con-
sumo ter sido limtado;lendos vendas a rs-
lalho regulado de 12i1250rs.a barrica.
esrricss vasias Vendrio-se a 800 rs. das abatidn.
reo dem a o200 ra. o barril.
Carne secos Nio tendo entrado carregamento algum,
o deposito he de 23,000 arrobas; aendo as
vendas pequeas, sem alteracao de preco.
Chumbo de municio Vendeo-se a 20s rs. o quintal.
Farinba de trigo O deposito be de 2,600 barricas,
sendo GOO em primeira mo* e 2,000 em
segundas, e as vendas forio avultadas de
16i i 17*500 rs. a americana, e a 17500
ra a de Trieste.
Dita de mandioca Chegario tres grandes carrega-
mentos, e o deposito be avallado, sondo
as vendas pequeas.
Folha de Flandres Vendeo-sa a 261 rs. a eaixa.
Ferro da Sucia dem a I6f 200 ra o quintal.
Manteiga Chegario 500 barra de Inglaterra, que se
achio em ser; tendo-se vendido ala ante-
rior a 720 rs a libra da ingleza,ede505i
510 rs. a da franceza.
Massas Nio ha.
Hubo Vendeo se de 34200 ai 5*500 rs. a saeea,
Omovimentodo porto depois da nosaa ultima revista
foi de 12 navios entrados e lOsahidos, existindo no
porto nesta data 63 : sendo 3 americanos, 1 austraco,
38 brasileiros, 2 francezos, i bespanhol, 6 ingieres, 9
p irtuguezes. 1 sardo e 2 suecos. *
Mvil-liento do Porto.
Navio entrado no dia 30 do p. p.
Ceara ; 1 i dias. transport brasileiro Pirapama, capi-
llo Gamillo Leles da Fonseca. Passegeiros, o al-
teres Francisco Pedro do Reg Brrelo, e o lente
de fuzileiros Msnoel dos Santos Monteiro; 17 presos
de justica para a ilba de Fernando, asco I lados por
20 pravas de tropa de linfa*.
zVovio sakido no meimo dflt.
Rio de-Jaoeiro ; brigue brasileiro D. A/fonso, eapltio
Bento Jos Vieira, era lastro. Passsgeiros, Antonio
LuiGoncalvJsYieira, Portugus; Manoel Antonio
Alves de Brilo, Brasileiro, e 30 escravos a eptregar.
Obtervacat.
No dia 29 nio entrou, nem sabio embarcarlo
Edilal.
ma villa.
N. 49. Ao juit do direilo da Maioridade, conimu-
nicando a nomeacSo do doutor Eleuterio Augusto d
Athaide para o cargo de promotor publico d'squel-
la comarca.
N. 50.Ao chele de polica, respondendo u seu of
(icio, em que pede una escolta.
N. 51. Ao mesmo, accuiando s recepcio do seu
officio, que acompanhou a relaciodas petsoas misera
veis dos districtos de Extremo/ e Muri
N. 52.Ao mesmo, remetiendo a ralacio doscida-
dioi nomeados para supplentes do delegado de polica
de Extremoz.
N. 53. Constando me, que os Indios de Are,
sem respeilo as le, e as autoridades e lalvez instiga-
dos por pessoas mal intencionadas, teem ltimamente
leilo motins e assuadas na dita povoacao, cumpre-me
ordenar a \ me. que aclim as respectivas autoridades
policiaes, a fim de que procedi na forma das leis con-
tra os que as infringirem, e nio estiverem no csso do
ser rrcrulados, porque os que so acha.rem em circuios
lancina deservir no exercilu ou na armada, isto be,
os que lorem ociosos ou nio liverem modo honesto de
ganhar a subsistencia, determine Vmc. nio so ao de-
legado e subdelegado de Arez, mais aus de toda a pro-
vincia, que os la(a prender, e quanlo antescondu/ir
para esta capital, a fin de se Ibes dar o conveniente
destino; devendo declarar- Ihe para sua intelligencie, e
para que neste sentido expeca as suas ordens, que o
governo imperial lem recomiiiendado muito o recrula-
mrntode individuos robustos, de boa constituicio pby-
sica, e que tenbao do 12 a 30 annos de idade, para que
posso convenientemente servir na armada, que sent
grande necessidade de pracas. Dos guarde a Vmc. Pala
ci do governo do Kio-Gra rule- do-Sortu, 23 de maio de
1845. Di. Casimiro Jo< de Maraes Sarniento ~
Sr. chefe do polica desta provincia.
N. 54. Ao mesmo, mandando capturar o desertor
UrbanoJBispo Ramos.
cediio com luxei una miilhcr do lalho e porte magci-
loin, c lobreludu de admir.ivel belleza.
A lux leo em cheiu lobro La Mole, que ficou im-
iliuirl,
A mulher da sua parlo parou, como La Mole da sua
Que queris, Sr.? pcrgunlou ella au mancebo com
rosque retumben em ieui ouvidoa como deliciosa mu-
llica.
J$ Oh! niinha icnliora, diiie La Mnle nbaixando us
Ibm, excu*ai-aae, eu vos siipplioo. Deixou-ine, 1.,
'011111, M. de|M ntcqui, o eu prorurava el-rei de Navarra.
S. niajjeilailc nao cali aqu; creiu, que se arhn
rom seu cundido. Mas, na sua amencia, nio pudereia
liter raiuliu.....
Sun. nem llovida, niinha srnliora, replicn Li Mo-
e, ae algucni se diguaiic conduxir-mo ii iua preiencn.
Abi eitaii, Sr.
Corno! cxi'Liuoii La Mole.
Eu aun o rmnlia de Navarra, diste Margarida.
La Mole tal iiioviiueiitu fez de adniiracio e nulo que
a raulia lorfio-se.
Fillui ave presin, Sr. diise a rainha, porque me
eipera a rainha Mi.
Oh niinha ienhnra, ae oom lauta ininnoia vos
cipcrSn, pirmiili-mo quo 1110 retire, pois me seria iin-
poiiivel fullar-voi nenie momento. Eslou iucopat de fi-
nir duaa ideiai; a vona villa me deiluuibrou. Nao pen-
0 maia, admiro.
Margarida, chcia de graca e do bondade approximou-
ae do mancebo, quo sem o saber acabara do haver-se
cuino rcnu.idu em tezio.
- Suei'gai-vo, Sr. diise ella. Eiperarei, o espe-
ra r-me-liio.
Oh! leuliora, perdoe-me V. magritado no a ha-
ver mudado lugo oom lodo o reepciio, que tinba direito
como de V. Exc. sobrinha e serva Marqueta de
Ponta-Dclgada.
Junqueira, 26 de maio de 1845.
COMME.sCIO.
Alfajidega.
RUNFHMENTO DO DIA 29 DO PASSADO. ..,. 13:6l9j934
DescarregaO hoje 1
BrigueBarkhellbacslbao.
BrigueSword /Vi/carvio.
HiateDurucmeicadorias.
BarcaThomas-Mellon 'iittti.
BarcaJrtcarvio.
Consulado.
BENDIHKNTO DO DIA 28
Geral1:095*045
DO PASSADO.
Provincial99|475
PRACA DO REC1FE, 29 DENOVEMBRO DE 1845,
AS TRES HORAS DA TARDE
IIVIST v SEMANAL.
Cambios Eflecluario-se tranaaces regulares duran-
te a semana i 27 '/> d. p. 1 > rs.
Assucar Tendo sido as entradas pequeas, nio sol-
freo alterarlo de preco.
Algodio Foi procurado nesta semana ao preco de
5.)200 i 5250 rs. a arroba de 1.a sorte,
ede4700 4i750rs.o de 2.'
Couros O mercado foi mais animado, e bouverio
vendas do 125 155 rs. a libra.
Ac de Millo Vendeo se a 20 rs. o quintal.
Amendoas doces Nio ba.
UacalhSo O deposita be de 7,000 barricas, por nio
asaei imi ii zmmmtaa^mmmm.
a esperar de um dus seui mais humildes servidores,
poria.....
Knto, ciiniiniiou Margarida, baviois-rae tomado
por urna das niinhas criadas?
Nio, rainha senhora, inai pela sombra da bella
Diana de Poiliera. Disieriu-roc que ella appareceria no
Louvre.
Aidsi, Sr., diise Margarida, ja ato modaiacni-
ladtf, pnii fareii fnriuua na corte. Dilieilef que linheii
urna carta para el-rei? Era bem esrusado. Mai nao iin-
purl*, qu'he dello? Eu Ih'u enln-gnrei. Poriu, pe-
-voa que vos deis presta.
Em um apiro La Mole abri o aticadore do giblo,
olirou do peilo una carta fechada em capa de seda.
Margarida lumon-a, e olhiiu para a letra.
Nao aoia vi M. de La' Mul? disto ella.
Sim, luinha lenliora. Oh, ineu Deoa leria eu
a ventura de quo nicu nome fosse conheoido de V. ma-
geitadc?
Tenlio-o onvido pronunciar el-rei meo esposo
e i meu irmSo o duque d'Alrucon. Sei que sois es-
perado.
E ella iulroduxio no seiu essa carta, que sabia do do
mancebo, e que anda eslava tepida do calor do seu
peilo
La Mole acnmpanliara com avidoa olhoa todos os mo-
vimeutus de Margarida.
Agora, Sr., diise ella, descei galera do bailo, e
esperai al que clieguealgueiu da parto del-re de Na-
varra, ou do duque d'Aleucoii. Diu dos tueus pagvnr
vui oondusir-vos.
Oitai eilaa palavras, Margarida seguin osen caminho.
La Mole eiicoiloii-io psrede. Mn era a pasiagem i*.
e.lreilii, o Un larga ero as auquinlias da rainba do Na-
varra, que o seu vestido de sed rocou no do mancebo,
em quantn um perfume penetrante se derramara por
onde ella passava.
Miguel Arckanjo Monteiro de Andt*de,official da im-
peiial ordem da Hoza, caval'eiro da lie Chritte
inspector da alfandega de Pemamiuto, por S. N.
Imperial, o Senhor D. Pedro 11, que Dos gurdele.
Fax saber,que,no dia 1.a doniez vindooro (hoja),se ba
de arrematar em praca publica, a porta da mesma, so
meio dia. 51 cestiobas depalhe, no valor de 6.000 rs.,
impugnadas palo guarda Francisco Antonio da Silva
Cavalcanti, no despacho por faolura de Jlo Antonio
dos Santos Andrade & Irmio : rrematacio be aubjei-
ta ao pagamento dos direilos.
Alfandega, 29 de novembro de 1345.
___________Miguel Arckanjo Monteiro de andrade.
Uet-laragao.
COMPANHIA DE HEBERIBE.
A administracfo da companbia de Bebaribe faz sci-
ente aos Srs. accionistas, que cm seaeio'de 20 do cor-
rete resolveo espassar ale o dia 20 de dezembro prxi-
mo futuro o recolhimento das preatsedes em atraso ;
e que, lindo este prazo, perders o direilo d'accionistss
todos aquelles, que nio liverem realisado as preslacOes
de 60 por cento al agora exigidas, revertendo as suas
entradas em beneficio da companbia, de conformids.de
com a disposicio do artigo 9 dos estatutos. Adverte,
outro lim, que nio baver prorogafio do prazo, nem
contemplscio com pessoa alguma. Escriplorio da com-
panbia, 24 de Novembro de 1845. O secretario, B.
J. Fernandet de Barros.
A COMPANHIA ITALIANA. VENDO "
QDB NKNHUkU PREPARACA H PAZ
NO
Theatro publico para festejar o dia de grande gala,
Nascimento do
SENHOR DOM PEDRO II,
lem filado faze-lo
no
da 2-db dezembro
com um bellittimo espectculo extraordinario, dittri-
do da maneira s.guinte :
Depois de urna ouvertura a toda orebestra, a Sra
Marietla Marioangeli cantar pela primeira vez o
La Mole estremecen por todo o corpo, e sriilindo-se
desfallecer prncurou um arrimo na psrede.
Margarida drisppareceo como urna vitan.
Vamos, Sr. ? disse o pagem encarregado de con-
dtizir La Mole galera inferior.
Oh I aira, sim, exrlamou La Mel embriagado
porque como u rapas Ihe indeava o oaminho por onde
Margarida so baria retirado, esperara elle quo, dndo-
te presta, turnarla a v-la.
Com efieitu, ao chegar ao alto da eicado, awiilou-a
nn andar do baixo ; e ou foate por mam, ou porque eu-
viase o citrepido de sena passns, Margarida levantou a
cabec, e elle pode v la anda urna ves.
Oh I dine elle lem seguir anaia o pagem, que nio
he urna mortal, be urna deuta; e como dii Virgilio
El vera iiwtssu paluit dea.
E cutio? pcrgunlou o pagem.
Ah vuii, reipundeo La Mole; pordoo, ah vou.
O pagem preredeo La Mole, deioeo um andar, abri
una porta, depoil oolra c ah paroo.
Eia-aqui o lugar, onde o Sr. de.vo esperar, disse
elle.
La Molo entrou para a galera/ cuja porta ae fochou
up elle.
lli vi i nella aomrnte um genllhomera, que passearn,
e pareca igiialmonte estar a espera.
J a noilo nomef.iva a derramar larga iniubrn do al-
to das abobadas, e piulo que apenas violo passos de
diiianuia te acliaueiu dnu hmiiens nio do oulro, nio
podan diilinguir o roto. La Mole apmxiniou-ie.
Ilem mu penloe llliirmuroii elle qoando ae a-
oliou iiij perto do segundo geutillinmciii, he o Sr.
i onde de Cocuma que aqu torno a encontrar!
A' bulla dos painoi o Bieramile havia-io vollado, o
olliavn cun a uicaroa admiruylo coiu que era olhada.
E eala! exclamou ello; u diabo me leve se nio be


Hymno nanional,
acompinhadi de toda compenhit perinlooi
AUGUSTO! BETBATOS.
Para completar o divertimeoi ser! repreienteda pela
ultima ez a ipplauddissima opera untimental
Lucia de Laatmermaor,
Drama trgico em tre aoto do Sr. Car. Donielti
O enthuiiumu deate respeitavel publico para feste-
jar tal dia faz eiperar a toda a eompanbia um nume
roto concurso; a qual dobrari mqi esfurcos para latisfa-
zar completamente oa Ilustres eepectadorei.
Na porta do (heatro ser 6 distribuidas gratuita-
mente aa explicaccjes da peca em lingo* portuguea.
Os hilhetei de camarote e platea, que anda reito,
vendem-se em cata do director da eompanbia, ra
Nora, n. 7.
N. B. Eita repreaentacio aer a 10.* para 01 senho-
rea auignantea.
Principiar at 8 borai e meia em ponto.

murado e plantado lodo de espim proprio para ca- tro mil ris em sedulas, pouco mais ou pollo, convida aos habitantes desta pro-
Tallarica. ou outro qualqoer estabelecmento, na ira- men08 e urna ordem da qnantia de cen-jvincia a virem visitara sua aula, afim
loa vista: a tratar oa to e sessenta mi| f Mcada por Alvarojde poderem avaliar o adiantamento dos
_*
1SOS
martimos.
= Para o Aoarec, com escala pelo Ceara segae
viegem, at 10 do correte, o biate nacional Mara
Firmina ; ainda recebe alguma earga para qualquer
(Jos purtoj: trata-so com o mestre ou na ra da Ca-
deia do Reoife n 31.
Para o Rio-de-Janeiro seguir em breve o pa-
tacho Fewkidaek : qoem no mesmo quier carregar, ou
embarcar escravos, pode tratar com Amorim Irruios,
ra da Cadeia, n. 45.
*= Segu viagem, por esle dias para o Ass o
brigue brasileiro Independenle lendo ja parte de seu
carregemento prompta : quem no mesmo quizer car-
regar ou Irinsportir-se falte com ManoeJ Alves
Guerra Jnior ou oa loja de cabol de Francisco
Msmede de Almeida.
Para o Ass o brigue Amphitrite, capillo Ma-
noel Duarte, Jai com brevidade: quem no mesmo qui-
ter carregar, falle com Manuel Ignacio de Oliveira, na
roa de Apollo, n. 18 -
= Para o Rio-Grande segu eom brevidsde o brigue
Jpiter ; reo-be alguma carga (rete, assim como ri-
era sos : pde-se tratar com Jos Xavier Vianna. ra da
Cruz, ou oa toja de cabos do Sr. Mamede, ra do Viga -
rio, n. 7.
Para Lisboa pretende sabir, no dia 15 de de/em
bro, o brigue portuguei Tiiumpkante, capillo Silveiio
Manoel dos Res: quem no mesmo quizer carregar, ou
ir de passagem, dirjase aol seus consignatarios Oliveira
Irmos 4 C., na ra da Crui, n. 9, ou ao referido ca-
pilio, na praca do Commerco.
= Yeode-M urna barcac, que pega em 24 caitas
de asaucar gosto, construida de bou madeirat, e feila
nal Alegoai; est prompta de ludo; be nova ; ainda
nio le viagem ajguma, excopcio da em que veio de-
poii de acabada ; e he muito boa de vela : quem a qui-
ter, procure a Antonio da .vilva Gusmio, na ra do
Queimado, n. 39, e, oa sua falta, a seu caiieiro Maia
ra do Aragio n. 1, segundo andar.
Um pequeo, de idade de 13 a 14 annoi, de no-
me Luir., mtural da ilha de S. Miguel, caiieiro na
esquina da travessa do Caldeireiro, desamparou a ven-
da no dia 28 do p. p. pelas 4 borai da tarde levan-
do um pouco de dinbeiro pertencente ao palito foi
visto na referida tarde nos Afogadoi, levando cairas
de riscado de algodio atul e bonete de panno : roga-
se a qualquer petioa particular, e mesmo autoridades,
que dellesouberem o levem, ou manden) entregt-lo
a ra larga do Rosario n. 29 a Joio Jicintbo Pe-
reira Cabral peisot encarregada pelo pai do referido
pequeo.
= Daniel R. Bonker, subdito americano, retra-
te para ot Estados Unidos.
= Joio Antonio Coelbo, mestre barbeiro, com ten-
da na ra eslreita do Rozario n. 19, fai tciente aos
seus froguezes, que niodeem em seu nome cousa al
guma a seu discpulo Joio Pereira da.Silva que por
nada se responaabilisa desta dala em diante por ter
tbido de aut etsa.
= Na ra do Mundo-Novo n. 60 eogomma-te
roupa com muita perfecio e por precio muito com-
modo.
Aluga-se urna casa terrea muito larga, na ra
da Soledade, com dust sals, 6 quartos, corredor ao
lado, cotinba ra, com um grande quintil murado
e outro cercado: a tratar na ra da Aorora, o. 58.
Precisi-ie de um pequeo para andar com um
preto a vender pi : no Corredor-do-Bispo n 8.
Joio Estoves da Silva vende o leu estabelecmen-
to da ra de Apollo ni. 28 e 30 da parte da inar,
constando de escravos canon abertal e de condutir
agoa e a propriedade com o leu terreno al balsa-
mar : a tratar no mesmo lugar.
= Manoel Antonio da Sil* Molla vende ou alu-
ga dual canon de conduzir agoa ; deia etcolher em 6
bem construidii, e com pouco uso
Aluga-se um sobrado de um andar e solio, ni
ra Auguita : a tratar na ra do Gollegio n S, segun-
do andar.
Aluga-se, per 10* ri. meniaes, o tegundo andar
do sol rado da ra eilreita do Rozario n. 18 : a tra-
tar na ra do Nogueira n. 27.
Aluga-se o prmero indar do sobrado da roa
Nova, o. 65: a tratar com Antonio Fer reir Lima ,
ou na venda que fie a por biiio do dito sobrado.
Aluga-se urna boa vasa terrea na na da Alegria
da Boa-Viita n. 6 : a tratar na travessa do Veras,
obrido, n. 15.
Leila.
= James Halliday,estando prximo a relirar-se para
Europa, far leillo por intwvencio do eorretor Oli-
veira da mobilia da sua caa contittindo em tudo
quinto le fas neeeiurio pan o arranjo e adorno de
qualquer outra por ser completa e alguma com
pouco uso, e assim maii de multas obras de prata fina,
como sejo um lindo appanlbo para cha e cal, co-
Iberea e escrivaninha &c. : quarta-leira 3 do cor-
rente aa 10 horn da manbit ra do Pilar, n. 135,
primeiro indar em Fra-de Portal defronte do ar-
senal de marinha.
Avisos diversos.
-Offereeo-se uma mulber para ama de urna caa;
cozinha belliisimimente, engomte muito bem, fax
doces de toditas qualidades, e entendode varias igua-
riaidemassai : quem deseu prestimo se quizer utili-
ar, dirija-ie ao neceo do Azete-de-Peixe, n. 14.
Precisi-ie de um feilor, que taiba enebertar e
tratar de pomir: na Magdalena, eitrada que vai para
Torre, o. 78.
S0CIEDADE
PHILO-DRAM TICA
O primeiro secretario lembra aos Sn. socioi, que
boje ha essio pelas 6 horas e meia da tarde.
Aluga-se um armaiem com um grinde quintal
M. de M alle! ni! que fuco en aqu ? rogando pragaa
na cota de el-rei! ora leos parece quo elle si rugo
ainda peurea, o at mi igrejat Eolio ? cis-noi arobui
no Lonvre.....
rm Como vello. M. de Betnie dco-voa enlrada.
Sim, be um bom AlleinSo o lal Sr. de Meame.......
E a v, iinem f oa servio de guia.
M. de Mouy...... Bem vo disia eu quo o lluflue-
nolea tambera noern muio mal aculliidoi na corle....
E encontraste M. doGuiae?
__ Nio, inda nio...... E vi, oblivettei a vossa au-
diencia de el-rei de Navarra'1
Nao, tus nao podo tardar. Condutirfto-me par
aqu, e diaserlu-mo que ea| orasae.
( Ve re quo.teinoi porabi alguma grande reia, e
qneaeiiaiirt-inus amboa au fettim um a par do outro.
Que Singular acato, noverdade! Ha duna huraa que
turto nua rene....... Mal que tendea voa? pareceia-oje
ireoeeupldu......
Eu! ocodio deprompto Lo Mole eatremecendo,
porque cora Arito iada e.tavo como alluoinatlo da v-
io quelU hovraipparecido; uto, maa u lugar em que
na chamo falque me ventilo ao pensamento mil re-
Hexoo.
- 'Phiiosophcat, nlo?. o roeimn me acontece. Quan-
du enlraalea, justanicntc me oecorrlo a ideia todas aa
recommendacoet do raeu preceptor. Tendea lidv Plu-
tarco, Sr. conde?
O quel dino La Mole surrindu-ic, he um do
mena auloret favnritua.
Puilbeiu! coiitinuou Cocannai cmn gravidade,
paren-me que "esto grande liuniem te nio engonova,
qoamlo comparan) oa duna da nalurvsa ia planto bal-
awica do ininorlal perfume, c de tuberana efllcacia
para a cura da friidaa.
Subei o gregu, Sr. deCucannai? diste La Mole
pregando otvluoi no seu ioterlooolor.
OJE libio o n. 8 do Liberal Afogadtme.
Na ra da Semalla-Nova n. 42 precisa-ie de
um portidor pira levar cartii ao Rio-Formoio
Na ra do Queimado n. 4 eiisle uma carta
para o Sr. Antonio Jos do Abreo.
=Na ra da Praia, o. 32, deseja-se fallar com o Sr.
Joi Mria de Souza Rangel.e com O Sr. Antonio Clau-
dino esludaote emOlinda.
= Adverle-sea um caiieiro, que anda em uma
lida continua para certa cata, onderoorio mocas hon-
ridit que deiso de continuar se nio quirer ver leu
nome por extenso.
__ Aluga-se o primeiro andar da cssa da ra larga
do Rozario n. 24 : a tratar na mesma casa.
Fortunato Jordo, contra o Sr. Manoel
Camello Pessoa, a favor do Sr. Manoel
Pereira de Castro: roga-se a qualqtiej
pessoa, que achar de a.entregar na ra
do Queimado, n. 4, pois o Sr. Fesso j
est prevenido para nSo pagar dita ordem
se nao ao sacador.
Boga-se ao Sr. D. A. F que quanlo
antes v pagar o que est devendo de alu-
guel de uma casa em que morou, do con-
trario passar pelo desgosto de ver por
lodos os jornaes o seu nome por extenco.
__ Avisi-se ao Sr. Joaquim Pereira Arantea, que an-
nonciou estar em ajuste para comprar a loja de calcado,
sita na praca da Independencia, ns. 11, 13, 15, ou a
outra qualquer pessoa, que inteote comprar a dita loja,
que le devem entender mtet com Meiquila Dulra &
C.\ oa ra do Brum, a bem do interesse dot mesmji
compradorei.
Sociedade Melpomeiiense.
O tbeioureiro avisa aoi Sn. iocoi que ot bilbetes
para recita de 2 de desembro te distribuem em ciaa
do mesmo na ra da Gru, n. 43, nos dias 1 o 2 de
desembro; assim como previne, que cobrar ai mensa-
lidtdei de novembro e desembro.
- /lluga-soo primeiro andar da caa da ra do
Queimado n. 14, com bastantes commodot, pinta-
do, ba pouco tempo : a tratar no tegundo andar da
metma caa.
eane Youle & Compmbia reipondem ao an-
nuncio de Joaquim Pereira Arantei, no Diarioo. 265,
sobie a compra Jas lujas da praca da Independencia,
ns. 11.13o 15 que.ot aonuncianle sio credores de
Joio Bernardino de Sena a quem pertence as ditas
lojn de uma lettra, que se acha em juizo com sen-
tenca j dada ; e de outra lellra que se icba para
vencer.
Casa da Fe9.
RA ESTREITA DO ROZARIO, N. 43.
Nlo lendo sido potsivel ao tesoureiro da lotera do
fheatro conseguir pelos seus esforgos o andamento das
rodas no dia 25 desle mez, como se bavia maicado, pe-
lo grande numero de bilbetes, que (icario por se ven-
der (que nuiolou a mais de doze conloa do ris); trans-
lerio o mesmo thesourelro o andamento das rodas pan
odia ISdedexembro vndouro, inlaliivolmente Tor-
na de novo o cautellista di cisa da F a convidar aos
apaixonadot dette inlcresstnle jgo a concorrerem com
mais promptidio para a compra do resto dos bilbetes, e
dassuas cautellas, (que sio poucas), a fin de que o >r-
i5o as rodas no dia cima, e nio te veja o digno tbe-
ioureiro na necessidade de lomar a transferir o anda-
mento dai ditas rodas pan outra vex; vindo a ficar, por
estes motivos, todas ti loteriat sem nenhum crdito.
Confia, poii, t> cautellista da can cima noi amantes
desle inlerestsnle jgo a concorrerem com lodos os seus
eiforeos, para quo se^credilem como dantei (odas ai lo-
teras. Na mesma casaachao-se a venda bilbetes, meiot
;us discpulos no curto,, espaco de cinco
>ezes,e para esse itn faz uma exposiccSo
= Arrendle a casa do .lio do Ar.ei com 5 vi- *"el>. e resl dS c'"le"": a elle' e ""i"- .N8pc<"
veiro de pelxe em prodcelo e quintal sufficiente : Pf nder urna ******>* P-
a tratar cun Manoel Luiz da Veiga na ra da Ma-
dre de-Oeos, n. 36 piimeiro andar.
Precisa-so de uma ama que saib cozinhir e
engommar para uma casa de pouca familia : oa ru
do Crespo o. 8, primeiro andar.
Quem precisar de uma ptima una de leite di-
rija-se a praca da Boa-Vista botica do Sr. Coulo.
Quem quizer anendar um sitio no Barro-Ver-
melho com boa trra de plantar periodo rio, o ca-
ta para mqrar, din ja-so a ra do Rosario, venda n 1.
Vicente Ignacio Branco, morador em Taquira ,
declara que do primeiro dia do anno de 1846 em
diante se assignari Vicente Ignacio Franciscano.
A SenlioraC-ertudes Magdalena queira ir tirar
o leut trntes, quo tem empenhados no lugar do Bar-
ro-Vermelbo no prazo de 3 dial: do contrario so-
rio vendidoi pira o pagamento.
Quem precisar de um forneiro dirija-se a ra
larga do Rorario, ao p do quarlel de polica, n. 19.
Petdeo-se, ou-iurtrao, no dia 29
do correte, da loja do Sr. Mesquita Du-
tra &c C. uma carteira com vinte e qua-
NSo, na sobia-o o inru mcitre, que mnito me
recurameiiduu, ducurreise eu lobro a virtudo, quonde
me cliasse na corte. Uto, da elle, parece muilu bem
E por itao'venho a tal retpeilo bem armado. J voa ad-
vino. A prupoaitu, tendel fomo?
Nio.
Poi parcria-me, que tinheii boa volitado a galli-
uha da rirll.i-Khii'cll.i; eu el mwrro de in.imcio.
__ Pon beiu! M. de Cocnnn.11, ciaumi ton occaailo
de utiliardc na belloa argumento! sobre a virlude, e
de mottrardea misa admiracio por Piularen, purque
dit ee grande eacriptur: lie bom exener a alma na
dor, e 11 ealomago na fomo. trtpon etli ten men piu-
ehn o iunton di gallera temo aikein.
Cun que vea fullai grego? exclamuu Cocannat
estupefacto.
Um pouco! retpuiidcu La Mole; o meu preceptor
ni'o eiiMiiiMi.
Com o diabol nraao cato, conde, tendea a voasa
fortuna frita ; farei verana com el-rei Carloa IX, e falla-
reis grego com a rainba Margarida. .
Sem levar em- cunta, ajunlou La Mole riudo-ie,
que poaiu fallar gaaclu com el-rei de Navarra.
Neiae niuiueiiiu a purla da galera que dava nu apo-
aeuto de el re abrio-te; entio-e o entrpito de paatoa,
vio-ie no cacuro approximar-ie uqit auiubra. Esli aom-
bra turnuu-se' um corpu, e esto uorpo era de M. de
Besme.
O Allemio veio encarar oa mancebo para recunheoer
o aeu, e fes lignil a Cuntnnaa quo o eguie.
Cueiiniiiii dille adeuicoiu a mi L Mole.
De Beame condoli Cucunnn eitremid.ide da gale-
ra, abri urna porta, e acbou-te uoin elle nu primeiro
drgro de una cucad.
All parou, ullmu em derredor de 11, pira baxo o pa-
ra cima, e diste devagarinho:
Sior de oganoai, unte mora fs?
r, com varandis de pennai, por preco commodo^J
__ Havendo no dia 26 do corrente sido man-
dado o pardo escuro de nome Pedro, a uma casa,
ao ponto de 11 horatda manhia at ao prsenle nio
voltou a tasa de leu lenhor, e por isso he de presu-
mir estejs lugido ; o qual levou calca azuei de algo-
diotinho e camisa de madapolio usada, altura regu-
lar rosto oval, cabello! carapinbadoi, olboi pre-
toi, mrif chalo bocci grande, pouca barba : quem
do mesmo tiver noticias, ou o pegire levar as Cin-
co Portas, sobrado, n 42, ser recompensado
=0Sr. [Ji mado de Souza Franco queira por esta
folba annunciar a sua morada para negocio de leu in
teresse.
tiraiidc exposicao publica
DOS TRABALIIOS DE
BA n'APOLI.O N. 20, PRIMElhO ANDAB
Joaquim Lopes de Barros Cabral, com
aula de desenli e pintura na ra d'A-
Na ctlulogcm da Helia Eltrelln, ra de l'Arbre-
Sec.
__ Pom, poiu! etlar (un basioi tgui........ Fai te
bressa na tua huilel, e ale nuile.....
E poi-ao a olluir de novo para loilaa ai partei.
Bem, eitanoitr? perguntoii Cocnmini.
Pem. itenolc, fem ga. irise uma grnt pringa ne
tua jal ea. Balafra de baaae alar guie. Cbio! gala p<>ga.
Mea a que hora devo eu vir P
Guido fra ufe toga repale.
El bom 1 C virei, diaio Cocanflaa.
E laudando de Besme, relirou-se, pergunlindo aoa
aeua botdea:
Que diobn quer elle diier na ano ? o purque e to-
car a rebate? Seja la o que for Impertalo na minlia n.
pinilo : be um eseellente Tudrtcii n Sr. de Beame I E-
11111 c|iot de eiperar o conde de La Mole!..... Ma nim ;
elle |imii veliiienie eeiar com el-rei de Navarra.
E Ciirannaa dirigiu-ae para a ra do l'Arbre-Sec, paro
mul o attrabia cumo o imn a tablela da Helia E-
irella. 1.
Durante cite lempo, abrio-te a purta da galera que
uurretpondia 10 apniento de el-rei de Navarra, eum
pigem te dirigi para M. de La Mul.
Niu eoitocoude do La Mole? pergunton elle.
Sou eu momio.
Onde mnrai vs ?
Nj Helia Etlrclla, ruado l'Arbrc-Seo.
Bom! fica a liurtaa do Louvre. Ouvi..,. S. ma-
geitade manda diicr-vo que nao pode nenie mumentu
reeeber-voii mil que ett noile lalvet vo mande pro-
curar. Em lodo n oaoo, te amnohia do manhia nio li-
verde rrcobidu ivieoalgum, viudo ao Louvro.
M.i o a U'nlinella me nlo deixar entrar.
Ali! be julio...' A palavra de patee be Navarra;
diieia-a, e toda ai purlai 10 vo abnra.
Obrigado.
set
mezes,e para
publica seis dias successivos, que come-
ron no dia 3o, e acabar no di 6.
Aluga-se uma casa d sobrado de
quatro andares,na ra do TYapiclie-lNovo,
muito fresca, e com muito boa vista para
o mar : trata-se na ra da Aurora, o. 58.
Precita-ie de urna ama 4e bons costumes, quo
saiba engommar, pira o lervico interno de urna casa de
pouca familia ; qoem se julgar nestas circumitincist,
dirjate a Fre-de-Portai, ra do Pilar, n. 145, pri-
meiro andar.
= Aluga-se o armaiem de porta larga, das easai de
Joio Jos Carvalbo Morael, da esquina da ra di Au-
rora que outr'ora servio de cocheira : a tratar oa loja
de Joio Jos Carvalbo Moraes.
Precisa-se de um rapaz desimpedido para criado,
francei, inglez, allemio, ou americano: no Aterro-da-
Boa-Vala n. 36.
= Alugio se os dous teroeiros andares com (olio
dot tobradot ns. i o G^doAUBrro-da-Boa-Viata; oip^-
gundo andar com quintal e"stribiria do sobrado, n.
24, da ruada Aurora; trez casas terreas oovameote -
cabadas, com quintal, cacimba e mait commodot para
grande familia, na ra Formla, na. 5, 6 e 7, por 20*
rs. mensiei: quem ot pretender, dirija-se ao escripto-
rio de Francisco Antonio de Oliveira & Flho, na ra
da Aurora, n. 26.
Agencia de passaportes.
Na roa do Collegio,botica n. 10,eno Atierro da-
Boa-Vsta loja n. 48, tirio-se passaportes para dentro e
forado imperio,assim como despachio-seescravos:ludo
com brevidade.
= Em casa do abaixo essignado vendem-se chpeos
deso, de teda de todas ai qualidades doa melbo-
res gustos e os mais superiores em qualidade; chapaos de
sol, de seda a 5/ rs.; assim como um sortimento do
chapeos deso, de panninho : na mesma casa conti-
nuio-se a cobrr chapeos de Sol, com sedas furta-cores
e de todas as qualidades e tambem de panoiobo de
todas ai cores; ludo por miis commodo preco do que
em outra qualquer parle : na rus do Pisseio-Publico,
loja de chapeot do sol. Joo Loubel.
SOCIEDADE HARMNICOTHEATRAL.
A cominissao administrativa lem a salislacio do an-
nunciar aos Srs. socios em geral que, lando dado an-
damento as obras do Theatro de Apollo achlo-
se a levantadas ai galern: e, para que nio baja in-
(orrupeo alguma roga eos Srs. que assignlrio
noval acedes do emprestioio voluntario, e aquelles ,
que ainda esli a dever presiones itrasida, bijio de
realisar seu pagamento ao tbeioureiro, Dolfino dos Ao-
jos Teixeira.
No largo do Coflegio, casa, n. 31, lerceiro andar,
por cima da loja de ferragem do Sr. Antonio Cordei-
ro da Cunha, vendem-se os seguintes escravos, vindot
da eidade a Aracaty, pela sumaca Sanla-Lrus: Fran-
cisco, preto de nar;io, Lauro, Manoel, o Luiz, pardos,
e Francisco, crioulo, ptimos para a agricultura e lo-
do ser vico bragahM.moel e Luiz,pela sua phvionomii.e
mocidade, al estio proprios para pageos; e Benedicta,
crioula, com 16annos de idade, lava de varrella e de
sabio, e cose cbio : afDanca-ie a venda lo compra-
dor.
Compras.
= Comprio-ie escravoi de ambos ot lexos pretos,
eptrdos; agradando, paglo-te bem: na ra estrei-
ta do Rosario n. 31, primeiro andar.
= Compra-te uma prela de naci menos da Cos-
ta de idade de -JO annus pouco mais ou menos, sera
vicios nem achiques de qualidade alguma, e queaiba
coziohar e engommar perleramente; a tratar com
Fernando Jos Bregues ao p do arco da Conceicio.
Compra-so uma cadeira de bracoa sendo de
Jacaranda ou de ingico e estando em bom uso : oa
ra de S Rita, n. 20.
Compra-se um mastro grande, que
sirva para mastro de proa de um navio de
270 fundadas, e que tenhtvkdezoito pel-
legadas de dimetro : na ra da Cadeia
do Kecife, n. 39.
skNBBaieBemvsiiaiMiiiaiaeiBa^
Eipcrai, Sr. oonde, tenlin ordem de aomnpinhar-
voi at o por tito, para qao voi nio percait no Louvre.
A prupniito, Cucanna ? diite La Mulo entre si,
quando ao vio fura do palacio. Oh ha de ter fioado a
criar cun O duque de Cuite.
Mat ao entrar em cata de mestre La Huriere, a
primeiro cara, que avittou onotto geutilhomein, foi a de
Ciieoiiiiai tentado meta ante urna enurroe raalaiiada de
louciiibo.
Oh! oh! cxclainnu Coeennaa rindo-ie ai garga-
Ibadaa, parece quo n3o joniatreactm el-rei de Navarra,
como ru nio ceiei oom M. de Guise.
Por minlia f que nio.
E ehegou-voa a fume?
Creio qne sim.
A de pe i tu do Plutarco?
Sr. cniole, diaae La Mulo rindo-te, Plutarco 'dii
em oulro lugar, que deve aquello que tem repartir
com quem nio lem. > Querra va, por amor de Piular-
en, dividir commigo a voata malaaiada? Converiiremos
em virlude emquonlo cumermul.
Oh I que nio, dase Cucannai, iliu he bom para
quandoa gente eit nuLuuvrc, que receia aer envido,
tem o eatomigo vasto. Sentai-voi o oeicmoi.
. Ora varan, vejo que deoidamente a aprte nui fc
ineparaveia. Dorms aqu ?
Nio aei.
Nem eu tambera.
Em todo o cato, lei onde hei de pinar a note.
Entio aunde ?
Oudo vo mesmo a paitareii; be coma que alo po-
de falhar.
E nnibo* te poxerio a rir, faiendo, eomo puderio,
honra malatiada de metlre La llurire.
(CeafsftNffr-as-Aa).


IV
- Comprio-te 60 laceas com farinba, e azeile de
dend ; no principio do Alterro-dos-Alogados, n. 31.
Vendas.
FOLHINHAS
DE
Porta e lgibeira
PARA
184.6.
Vendem-se na praca da In-
dependencia, luja de livros n. 6
e 8; na ra da Madre de Dos,
venda da esquina defronle da
igreja; na Boa-Visla, defronte da
matriz, botica do Sr. Moreira;
no pateo do Collegio, loja de li-
vros da esquina; e- no largo do
Terco, venda n. 7; em Olinda,
botica da ru do Amparo, e loja
do Sr. Domingos, nos Quatro
Cantos.
- Na ra Direita, sobrado de
um andar, n. 56, vende-se a casa
terrea da ra das Cinco-Ponas,
n. 93.
-Na ra Direita, sobrado de um
andar, n. 6,vendese, por milito
mdico prego, a casa terrea da ra
do Rangel, n. 49, com vinte e
cinco palmos de frente, e setenta
e sete de fundo, cozinha fra,
quintal murado, e outros nimios
commodos, e que rende mensal-
mente 20^000 ris. Esta casa
acba-se bypotbecada; mas o bypo
thecario nenbum bice pe a sua
venda.
RIJA DO COLLEGIO,
Loja n. I.
Vendem-se superiores gravutss de setim prelo a 600
rs.; casimiras, das mais modernas, a 1,200 e 1.40U rs.
oeovado; panno fino, proto e eiul, a 2,500 rs.; meias
desenbora a280rs. opar; chitas de lodasas qualida-
des, de 120 a 500 rs.; madapoldcs, de 140a 280 rs.;
corles de editas de todas as qualidades, e do melbor
gusto superiores riscados Irancezes, a polka, a 3G0 rs.
o coiado ; e outras multas fa/endas, ja aonuociadas
oeste Diario: na mesma loja cima.
= Vendem-se cortes de linissimas chitas a polka
aveludadas, a i rs. ; liuda Russia, n 1 a 880
rs. a vara* ditas n. 2 a 480 rs. : na ra do Crespo,
o. 16 segunda loja para quem vem da ra das Cru-
jes.
= Vendem-se sacess com milito a 3600 rs., e al-
queire medido a 3200 rs. ; na ra da Cadeia de 5
Antonio o. 19, deposito de farinba.
Vende-se a verdadeira potas.'a rus-
siana da melliore piis nova,que se acha
ueste mercado, a a50 rs. a libra, adver-
tindo-se que se vende por este preco por
se achar em barris grandes : em casa de
J J. Tasso Jnior.
= Vende-se urna escrava, moca, de boa figura, cn-
gomma e cozinha perleilan cnle ; no arco de S. Anto-
nio, n. 2.
= Vendem-se 8 ciemos mocos, bons para o tra-
balbo de campo ; dous casaos de ditos (casados) bons
para o trabalbo de campo por a isto ostarem acoslu
ruados ; 3 escravss mocas, engommio e corinbio
duas ditas boa quittndeiras; 3 pardas, e urna be boa
par ama de casa ; na ruado Crespo, n. 10, primei-
ro andar.
Rap de Lisboa.
= Vende-se na iraca da Inderendencia n. 4,
tbegado prximamente a 4000 rs. o bote.
= Vende se um esrrinbo de duas rodas em muito
bom estado ; e Din estallo ntuito Lom para carro : na
ra estreita do Rozado n. 43, segundo andar, das
6 as 9 horas e meia da manbio
Vendem-se dous preos de naci de idade de
20 a 30 annos sem Ticips nem achiques pioprios
para o servico do campo, ou pire gauho; um ca-
lillo rozilbo-foveiro muilo bom de sella earrega-
dor biixo al meio ; ludo por preco commodo, por ter
o dono d relirac-se : no Alerro-da-Boa-Vista, n. 26,
primeiro andar.
== Vende-se um pequeo sitio com casa de vivenda,
muilo fresco a otargem do rio agoa de beber, at
proprro para otaria, e com proporc,6es para viveiro; ven
de-se por commodo preco e al com prazo na metide
do ajaste : m rus de Agoas -Veidci o. 21.
= Vendem-se chapeos de senbora muito bem en-
eitadoa o de goslo o mais moderno potsiiel ; um ri-
quissimp sorlimenlo de filase flores de todas as quali-
dades e bom gotto ; assim como guirnicoes de flores
para vestid de senbora ; pennas para chapeos ; arma-
roes de chapeos pare se apromptaiem : e um riqusi-
mo sorlimenlo do cambraiis finas: na ra larga do
Rumio n. 24.
= Vende-so potas* rauiana, nova e superior;
cal virgem de Lisboa, mais barato que cbi oulr
qualquer parle : n ra de Apollo n. 18
Vende-se muito superior doce de
goiaba, dilo de bannna, dito de laranja,
dito de limao, dito de mamao, em caixoes-
zinhos j muito superior doce de calda de
goiaba inteira, edito de mamao em lates
de (landres : na ra do Crespo, sobrado,
u i 'i, terceiro andar ; na praca da Inde-
pendencia, loja de miudezas, n. 4 i e na
ra das Cruzes, venda, n. 43.
= Vendem-se duas pretas moga, de 92 annos
proprias para lodo o servico ; urna dita perfeita cozi-
nbeira que se dar a oootenlo por alguna dias, o nSo
precisa ser mandada ; urna Diulatinhs de 12 annos
muilo bonita propria par mucama de alguma me-
nina ; um preto de todo o servico : na ra larga do lio-
zario n. 46, segundo andar.
= Vende-se um bonito moleque ; duas pretas de 17
annos com algumas habilidades ; um prelo moco
bem robusto : na ra Bella, n. 28.
= Vende-se, por preco commodo, urna canoa abar-
la de carregar tijolo ou areia bastante grande mui-
to f.irle bem construida e tem tido pouco uso ; na ra
do Vigsrio n. I s p primeiro andar.
= Vendem-se saccas de farinba de Mag fina
4800 rs.; ditas de S. ftlatbeus, a 4200 rs. e alqueire
medido a 3800 rs. ; gommade engommir, a 10 rs.
o alqueire ; arroz bramo a 2 rs. a arroba; saceos
novos de estopa para farinba, ou milito a 600 rs.
na ra da Cadeia de S. Antonio n. 19 deposito de
farinba.
Vende-se um preto, de 18 annes de boa figura;
um pardo de 20 annos com officio de carreiro
ambos propiios de todo o servico do casa e de campo ;
urna prela de 22 annos, pouco mais ou menos de
boa figura e com habilidades, que se dird ao com-
prador : na ra da Cadeia de S. Antonio, n. 25 : e o
mesma casa vendem-se 50 arrobas de cera de car-
nauba.
= Vendem-ie cortes do linissimas csssa-chitas de
gostos muilo modernos a polka e ebegados ltima-
mente, a-j500 e 5c rs. ; ditos de chitas de listras en-
viasados, e muilo finas, a 4800, 4000 e 3500 rs.; cam-
l.rnia lisa de vara de largura propria para lorio
320 rs ; dila muilo fina com pequeo deleito, a 320
rs.; casimiras de algodio de quadros, a 480 rs. o cova-
do ; macedonia de quadros e listras padides cscuros ,
a 480 rs. e outras mullas fa/endas por barato preeo :
na ra do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco Dias.
Uepo$ito de farinha.
= No arrr.azem de porta larga do caes de Collegio,
ba para vender farinba de mandioca de todas as quali
dades, ensaccada ou medida pela medida velba ;
assim como arroz pilado; tudo por menos proco que em
outra qualquer parte : as pes.soas, que quizeiem gran-
des poredes para embarque, teem a vantagem de poder tomiI1(,do nl rua d0 Livramento n 20.
receber a bordo do brigue Phenet : e uo mesnio depo-
sito so tncsrrega do despacho e embarque, e lempre
tem emliai'c.-.eoes com farinba no porto.
= Vendem-se cortes decassa-cbtas dos mais mo-
dernos gostos a polka ; ditos de chitas aveludadas e de
listras enviasadas ; cortes do cambraiis de quadros
listras de cores larnbem muito modernas e por me-
nos preco que em outra qualquer paite: na rua do
Crespo n. 8 loja de Campos & Mala.
NAVALUAiS DA CHINA.
Vendem-se as admiraveis navalbasde ac da Chi-
na que tcem a vantagem de cortar o cabello sem oflen
ca da pello deixando a cara parecendo estar na sua
brilbante mocidade : esto ac vero exclusivamente da
China e so nelle trabalbio dous dos melbores e mais
abalisados catileiios da nunca eicedida e rica cidade de
Pekim capital do imperio da China. Autor Shore.
N. II. He recontmendado o uso destss navalhas
msravilhosas por todas as sociedades das sciencias mo-
dico-cirurgicas, tanto da Europa como da America ,
Asia e frica nao s para prevenir as molestias de cu-
tis mas lam.em como um meio cosmtico : vendem-
se nicamente na rua do Crespo loja, n. 15.
= Vende-se una botica das mais acreditadas, e
com bom sorlimenlo de drogas': a tratar na rua da
Cadeia do Recile o. 40.
= Vcnde-se um moleque de bonita figura sem
vicio nem achaques ; na rua da Cruz no Recife ,
n. 64.
Vende-te na fabrica de etpirilot da rua de S.
Rita, n. 85.
Ago'ardente do reino......cunad......... 800
Dita do Irania............ ......... 960
Ago'ardente de aniz........ ......... 640
Espirito de vinbo.......... ......... 10G
Genebr................. .......;. 720
Dila....................botija.......... 200
Licores..................caada......... 800
Ditos................... garrafa......... 160
Ditos finos................ ......... 400
Ago'ardente em pipa preto conlorme o grao.
= Vende-se poiassa nova, e barata, raeiasde linbo,
mlbos de arcos de caslanho volteados e direilos,
meias barricas com larinha nova, da nurca gallego ,
barricas com dita, de SS e SSS ; penetras de reme:
na rua do Vigario n. 9.
Atten A' nova fabrica de superior chocolate de
saude, e medicamentoso, de i'i edei i
co Chaves, no Ateno-da-Boa-Visla,
n. 16.
De lempo immemorial, desde que o bomem leve a
lottuna de descubrir o cacao, o de conhecer as suas pre-
ciosas virtudes, nao tem c< asado de fazer dell um uso
geral nao llie servindo lio smente de principal ali-
mento como sendo tambem muito neeessario su
saude, por ser um substancia nutritiva tnica, sa
boresa elida, denominada depois de fabricada por
- chocolate de saude.
A medida, que a noticia do uso dessa inapieciavel
substancia se espalbou por todo o mundo innumera-
veis pessoas, que lomavao caf, o deiirao preferin-
= Vende-se um cavado melado, tBuilonovo,com
alguna andares, por preco commodo ; mi Cinco-Pon-
ta*, n. 71.
do o chocolate pelss suas indubitaveis qualidades ; at
mullos Srs mdicos afamados, o reeaitio muilas e
multas vezes por ter um dos melbores eslomicbicos ,
e por nao atacar o systems nervoso, como o caf ; on-
vem par todss as idadei, leja para velos, adolescentes,
ou meninos.
Na mesma fabrica ba o chocolate de canella bauni-
Iha e ferruginoso este que boje se acha Uo vanglo-
riado por toda a Europa, pelas suas qualidades Inicas.
. Baunilha )
Saude [ a 400 rs. libra.
Canella j
Ferruginoso, 1000 rs. dita.
N. B. Comprando de arroba pare cima se fari um
abale muito razoavel. Pan maidr lacidade dos com-
redores, acba-se um deposito na rua d Cadeia do
ecile, loja de chapeos n. 46 de Candido Jos de
Salles.
UrjdS a gj&cntrs'
DE TIRAR FOGO,
afiancadas a todos os compradores,
pelos precos seguales:
i mol lio embrulhado .... 4
loo ditos ditos. 2s'5oo
i. groza al 6 grozas .... 3j200
de 6 ditas ate i a ditas. 3sooo
Sendo muito bem acondicionadas e pro-
prias para se levarem para dentro e fra da pro-
vincia, sem perigo algum; assim como' se con-
tina a vender de outros, como danles a 2#560
a groza: no acougue de Joio Dubois, rua dos
Cjuarteis, n. 11, casa pintada.
Vende-semuito boa calda de tamarindos; barris
de doce, de 8 libras, de pilanga grozelas manga-
ba sidrao laranja e caj ; na rua do Trapiche ,
ti. 58.
= Ha para vender na rua do Trapiche o. 40, u.n
sor intento do bom e excedentes vinbos, para uso par-
ticular ; tambero mui superior sgo'aidenle de Franca
ecerveja branca e prela.de Londres (de Barclay & C.),
melhpr que pode baver: estes gneros veem em cas-
cos e engarrafados e vendem-se em porcio ou por
barrica por presos muilo commodos em quanto nlo
entrar o mez da (esta ero casa de Cbristopbers & Do-
naldson.
= Vendem-se presuntos; paios; lingoicas; figos ;
amendoas, chegades ltimamente; qoeijes muito fres-
caes; mantoiga inglesa e franecta da mais superior ;
ch i bysson e pcrola ero caixinhas; enclioar m por-
fi, a 1920 rs. ; garrafas brancas grandes e peque-
as ; ditas de cristal; copos lisos e bordados; ditos de
cristal ; calis c copos pera iludidas de todos os tama-
itos ; vinbo moscatel muilo superior e de mais qua-
lidades ; louca perleneentea venda; tudo por preco
=- Vende-se um prelo de bonita figura de idade
de 25 annos; urna escrava crioula de 15 annos, de
bonita figura sem vicies nem achaques; vendem-se
por precisSo : oas Cinco-Ponas, o. 71.
= Vende-se um prelo crioulo de idade de 20 an-
nos bom ofllcial de sspaleiro e de bonita figura ,
ptimo para pagem ou para qualquer outra oceupa-
(2o; um dito de 30 a 40 annos, bom para o servico
de campo, ou qualquer outro de rua e casa sem vicio
algum e por preeo commodo ; na praca da Indepen-
dencia n. 2.
= Vende-se um bom cavado para carro,, muilo
novo, manteudo muilo manco, e sem achaques,
tambero se d a contento ; na rua Bella sobrado ,
n. 37.
Em primeiro mao.
Vendc-se cera em volas da melbor fabrica do Rio;
colla da Babia as arrobas; vinagre de vinbo tinto
superior a 500 rs. a caada velba : na rua da Sen-
zalla-Velba n. 110.
= Vendem-se os escravos seguintes: urna preta de
Angola de 19 annos cozinheira e lavadeira ; urna
prela cozinheira cose e lava ; um casal de escravos de
nacto com urna cria proprios para campo ; dio se
mais em conta por serem para liquidado na Lingo-
ta, hecco do Torres n. 4.
Vcndem-se duas caixinhas de ferros para cirur-
gia por preco commodo ; ns rua do Queimado n.
14, segundo andar.
= Vende-se urna venda com commodos para fa-
milia quintal e cacimba muito lreguezada, ecom
os fundos que o comprador quizar, na Passagam-da-
Usgdalena n. 13: a tratar na mesma venda.
es Vende-se sal de Lisboa a bordo da escuna por-
lu-ueza S. Jote : a tratar com Nascimento Schiefler
i Compendia.
= Vende-se um cavado preto gordo, bastante bo-
nito novo, e com todos os andares; as Cinco-Pon-
Us, n. 71.
= Vende-se a casa terrea o. 50, da roa da Guia ; ni
rua estreita do Rosario, cata da F n. 43.
= Vende-se urna birretina dt pello com appare-
Iho urna pluma cordoea uivadita de oleado ta-
lingo canana ; na la doNogueira, n. 27.
Manoel Antonio Finio da Silva tem
para vender una porcao do melbor fumo
que aqu tem viudo : no seu armazem da
rua da Cruz, n. 54*
Pela medida velha
vende-se farinba, ebegada ltimamente de S. M
Ibeus, de superior qua.lidade, e por menos do que em
oulra qualquer parte, bordo do patacho Venu, de-
fronle do cae do Collegio, e na rua da Cruz, n. 54,
fallar com Manoel Antonio Piolo da Silva.
Vende-se cacao preparado de supe-
rior qualidade ; um apparelbo de lam-
pas de metal para pratos, lacas, garios,
e colberes de diversos tamandoa de i ra-
ta tudo obra bem trabalhada, e por pre-
co commodo : na rua da Cadeia do Heci-
fe, n. 3q.
= Vendem-se bengalas de bom goslo com cnldea
elegantes, Unte de canea da India como mais in-
ferile ; n rua di Cruz, irmizem. o. 49.
as Vendcm-se chicles pira earrinboe do roto, do
boa qualidade ; na roa da Cruz armazem o. 40.
= Vendem-e 200 garrafas de vinbo vclbo o me-
lbor possivel lendo inai de 16 annos bom pira
quero tem bom gosto principalmente para 01 amantes
da festa ; no pateo da S. Ciu< 1 botica do Gameiro.
= Vende-se um pard que leva cozinha e li-
bo tratar de meninos, por preco commodo ; na rua da
Preia, n. 22.
=Vmde-se urna venda lila ni ribeira da Boa-Vista,
muilo bom local e com muito pouco fondos;
rua da Cruz em caa de Joio Evangelista da Cos e
Silva & Coazpaabia o. 52.
Rua ato Trapiekt n. 40.
Urna factura de relogio de ouro. obra fina, aova,
de bom goito manafacturada em Londres expretsa-
meoie pare esle mercado por autor perito e conbe-
cido; adverte-se, que se vende um por uro, e para
dar ataior extraccio por preco baralissimo a entrga-
lo so por dinbeiro.
=Vende-se um preto de naci, de idade de 35 an-
cos purgador de estucar e cozinha o diario de umi
cu ; na rua da Cruz venda, u. 51.
= Vende-se potassa americana, ltimamente chi-
bada em birris pequeos; meias barrica da farinba
gallega ; lencos de seda ; setim de Maceo ; tudo por
preco commodo : em osla de Matbeus Austin & Corn-
panbia na rua da Alfandega-Velba n. 36.
b Vende-se urna correle de relogio ; 3 aBncolins;
duas estrella pare uflicial ; um collar; 4 corddes; ama
moeda guarnecida ; 8 botdes de punho ; duas oruzes ;
4 boloes de abertura ; 2 annelldea ; 3 relogios^ tudo
de ouro e sem feitio ; 40 colberes de prez ; duas ditas
de tirar assucar ; urnacaixapara rap ; preto, 830
rs. a duzia ; copo a 100 e 120 n. ; eijio mulali-
uho ; cera amarella a 240 rs. a libra; e outroa mui-
tos objeclos de venda por preco commodo: na rua do
Baogel, n. 11.
= Vende-te, per muito commodo preco um preto
muilo prest vel pare o servico de um sitio ; um mula-
tinho de 9 annos, que tambem se troca por urna par-
da qae seiba fazer o servico de urna cas, follndo-
se o que for justo ; muito bo carne salgad do leriio,
ptima para engenboi. be igual a doCeara ; vende-se
em conta : na rua da Cruz, n. 3.
= Vende-se um terreno ni Capunga com 40 pal-
mos de frente proprio para se edificar urna oasa por
ser em bom lugar; di rua da Concordia, aromen ,
n.4.
Vende-se urna pretinh de idade de 18 annos,
de boa figura ptima para todo o servico de urna casa,
principalmente para mucama, servico em que se tem 00-
cupado at o prsenle e anda est recolliida no con-
venio ; o motivo de venda se dir ao comprador: na
praca da Independencia livraria, ns. 6 e 8.
= Vende-se urna escrava de 18 annos, de boni-
ta figura cozinha o diario d urna casa lava de sa-
bio cose para prelos muito hbil para todo o maii
servico de urna can e be muito carinbosa para enan-
cas ; na rua do Livramento sobrado de um andar ,
a. 19.
=Vendo-se urna prela de naci Angola de 18 an-
nos com principios de costura lava de labio, e he
quitindeira por preco commodo ; na rua dai Cru-
zes, n. 41, segundo andar. .,
Vendem-se 12 escravos de naci, de idade de 20
a 24 annos, de bonitas figuras entre el les 3 moleeo-
le, de H o 20 annos muito lindos; sendo um bom
cozinhoiro um dito bom caooeiro duas escravas, da
14 a 18 annos muito lindas e ptimas para todo o
servico urna parda, de meia idade cose, ongomma e
cozinha duas escrava de naci de meia idade co-
zinbio e lavio de sabio e varrella por preco commo-
do : na rua Direita, o, 3.
= Vendem-se as admiravei navilhis de ac da
China, que teem a vantagem de corlar o cabello sem
oflenca da pella deixando flear o rosto parecendo estar
na sua brilbante mocidade: este ac vem exclusivamen-
te soda China, e s nelle trabalbio dous dos mais iba-
lissdos cutileiros da rica cidade de Pekim,capital do im-
perio da China ; na rua dos Quarteis n. 22 loja de
miudezas de Victorino & Guinares, segunda loja para
quem va da rua do Cabuga.
16na Direita, N. 9.
Vendem-se sacess com iIqueire de superior fari-
nha por preco m lis commodo do que em outra qual-
quer parte.
Vende-se cal branca e sol di malta do su-
perior qualidade tanto a rutalho como m porfi ,
por preco commodo ; ni ruad Praia, n. 7.
Vende-se superior essencia de aniz
em garrafas de 10 oncas, por preco com-
modo: no Ateri'o-da-Koa-Vista, na fabrica
de licores n. 26.
Escravos Fgidos.
Fugio, no di 26 do p. p. urna escrava de no-
me Luiza com os signaes seguintes : datura regu-
lar rosto redondo, nariz chato ; tem nicamente um
dente na frente, raspouse-lhe a cabeca, ha poucoi dus,
reforcada do corpo cor fula ; levou vestido de chita
rouxa camisa dealgodiozinho e peono da Costa; tem
nos dous dedos grandes'dos ps signaes de anginhoi,
que levou : quem a pegar leve a rua dai Trincbeirai,
n. 18, que ser recompensado.
Fugio, 00 dia 27 do p. p., um pardo baixo ,
groaso do corpo com os caballos de caboclo, bem pre-
to ; levou camisa e calcas de algodap da ierre cha-
peo de padre falla muilo descascada da nomo Ma-
noel ; veio do serlio do Cear : quem o pegar, leve ao
trapiche novo ou em S. Amaro que lera gratifi-
cado.
= Fugio, do engenbo Diamanto de Nazareth, um
eteravo de nome Antonio de naci (^uicami fulo,
de idade de 40 annos, pouco mais ou menos ; tem a
raooheca da mi loveia : quem o pegar leve ao At-
tmo-di-Boi-Viiti, a casado Sr. Manoel Rodrigues,
que gratificar.
PIftN. 5 NATYP DE M, F. DE FAMA----10*45


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EED5EOMHO_7GWQMC INGEST_TIME 2013-04-13T01:03:49Z PACKAGE AA00011611_05929
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES