Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05928


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1843.
Sabbado SO
O DIARIO publlca-se todos os das que
nao forem de guarda: o )>rer.o da assigna-
turahede 4/rs. por quartel vigoi aiianla-
dos. Os annuucios dos assignanles sao inse-
ridos a razio de 20 ris por tinlia, 40 rs. era
tvpo differente, e as repeticoes pela inetade.
Os que nao forem assignanles pagao 80 vs.
por linha, e 160 em typo differente.
PHASES DA LA NO MEZ DE NOVEMBRO.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Ooianna. Parahyba, e Rio Grande do Norte
Segundas c Sextas feiras.
Cabo, Serinhacn, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macey, no 1. 11 e 21 de cada nti,
Garanhuns e Monlto a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e28.
Victoria as Quintas feiras. .
Olinda todos os das.
PREAMAR DE HOJE.
Crescente a'6 as 3 h. e 55 minutos da tard.
La chela a 13 as 10 bor. e 35 rain, da tard.
Menguante a 22 as 2 hor. e 6 m. da tarde. I Primeira as 5h. c 18 inin. da manha.
La ora a 29 as 9 h. e 22 min. da inanha. I Segunda as 5 h. e 42 minutos da tarde.
. a. ._______.___________
do lVvcmhro.
Anno XXI NT. 268,
DAS DA SEMANA.
24 Segunda S. Porelano, aud. do J.dosorp.
e do J. do C. da 2. v., e do J. da 2. v.
25 Terca S. Jucuuda, aud. do J. do civ. da
1. v., e do J. de paz do 2. dist. de t.
2(i Quarla S. Relino, aud do 1 do civ. da
2." v., c do J. de paz do 2. dist. de t.
27 Quinta S. Auxilio, aud. do J. de ornli. e
doJ.M. dal.v.
28 Sexta S. Papiano, aud. do J. do civ. da
1. v., e do J. de pat do 1. dilt. de tard.
29 Sabbado S. Saturnino, aud. do i. do civ.
da I.' v., e do J. de paz do 1. dist. de t.
30 Domingo S. Troyaf.
CAMBIOS NOlA 28 DE NOVEMBRO.
Camb. sobre Londrrs27a27V,d. p. tiafJO d.
Pariz 355 res por franco.
a Lisboa 115 a 125 p. c. pr. p. m.
Dse, de let. de boas Urinas 1 '/, p. % mei
Ouro-Oncas hespsnholas 31 #000 a 31*500
Moeda de 6f400 vel. 16^400 a 16*800
i) de IW400 nov. 16*200 a I6K400
de 4*000 9000 a 9*200
Prata -Patacdes .... 1#0 a 1#920
Pesos Colu.inna.rcs. 1*^)20 a 1J940
Ditos Mexicanos 1*"840 a l#88l>
Prata miuda. 1/660 a 1/76)
Acedes da C* do ileberibe de 50/000ao par.
DIARIO DE
PARTE CFF.CIAL.
Governo da provincia,
eXPEDIERTE DO DA 1k DO CBRENTE.
OfficioAo commandabte das armas, determinan-
do, qoe mande por boje mesmo st ordeni do juiz mu-
nicipsl da segunda vara urna ordenanca de covallaria,
pira levar alguna officios aos subdelegados das fregu-
las de fra da capital.Participou-ie ao juiz munici-
pal da segunda vara.
DitoA' cunara municipal deata cidade, validando
o contrato de arrematarlo, peloqual Antonio Goncal-
ves de Morees encarregou-se da alencao e revisio dos
petos e medidas deste municipio, com obrigacio de, por
cale imposto, reeolber eos cofres da muoicipalidade a
quentia de 10:350* r.
DitoAo juiz relator da jurrta de juttica, transmit-
tindo, para ter o destino do coatume, o procesio do
soldado do contingente de piimeirs linba da provincia
da Parabiba, Maooel Francisco do Nascimento.
DitoAo director do Ijco, ordenando, ponha em
concurso a esdeira de primeiras lettras de Pedras-de-
Fogo.
Dito Aojuiz municipal supplente do termo do
Cibo, declarando, que, segando os avisos de 6 de de-
lembro d"e 1837 e 28 de agosto de 1843, Dio pdeS.
me, exercer asTunccdei ds advogsdo, emquanto estiter
enoarregado da vara.
DitoAo inspector da thesouraria da fazenda, orde-
nando, mande abrir assentsmenlo de praca ao corneta e
ao cLrim, engajados para os corpos da guarda nacional
do P<-do-A|ho. e cujas fliacOoa Ibe transmittia.Per-
ticipou-se ao ebefe da-legiio do Po-do-Alho.
DitoAo commandsolo superior da guarda nacio-
nal do Recite, ordenando, que das pragas, que nao es-
tiverem competentemente lardadas, mande apresentar
40a SOaocommandante desarmas na tarde do i.'de
dezembro prximo 'uturo, a fim de seren aproveiladas
no ssrvico da guarnicao da praca em odia immediato.
No mesmo sentido se oficiou ao ebefe da legiio de 0-
linda, exigindo 3 a 40 pracas
DitoAo inspector do arsenal de marinha, declaran-
do, que a relaco nominal dos reclutas de marinbs, en-
viados psra a corte, e que pela presidencia foi exigida,
deve ser orgaoisada vista das notsi, que naquelle ar-
senal bouverem.
Portara.Ao director do arsenal de guerra, determi-
nando, mande por i disposi(ao do chele da legiio do
Po-do-Alho, para 6 respectivoprimeiro batalbio, urna
corneta de toque. Participou-se ao chee da legiio de
Pi do-Albo.
DEM DO DIA 25.
OfficioAo Exm. preiidente da provincia de Santa
Cstharina, communicando baverem ebegado em bom
estado na do Bio-Grande-do-Norte os 1395 alqueires
de farinba, 17 de feijio e 199 de arroz, que, para all
seren enviados, condutio o brigue Flix- Umo,
DitoAo inspector do arsenal de marinha, recom-
mendando a expedico desuas ordens, para que, du-
rante o impedimento do doutor Jos Eustaquio Gomes,
assista s sesiSes da junta mcdico-crurgica o cirurgiio
da enfermara daquello arsenal. Participou-se ao
commandanle das armas.
DitoAo delegado do termo de Garanhuns, signifi-
cando, que pelo artigo 19 do regulamento de 31 de ja
neiro de 1842 acba-se preicripta qusl a sua conducta
cerca do individuo, que, nio obstante baver sido demil
tido do lugar de escrivio do subdelegado do districto do
(Jrrente, contina no eiercicio de tal empregn peran-
te o respectivo juii de paz.
DitoAo encarregado da agencia das barcas de va-
por, autorissndo a sabida do vapor Corieio-BraiiUiro,
mi'iininr Iiiiih'h'Mii mi"! aiiiaia>siaaaiwasjsjsaaai
ebegado do Norte. Eipedirao-se ss precisas ordens,
para que nesse vapor fossem recebidot e transportados
para a corte o ex-commandante do naufragado Trant-
porie nacional numero 1, 8 pracs da respectiva gur-
elo, e o carpinteiro do mesmo, Tbomas dos Santos Ro-
za, cojos vencimentos se mandara > pagar pelo arsenal
de marinha desta provincia.
PortaraNormando a Msnoel Jaoome Bezerra sub-
delegado do 1.* districto da freguezia de Maranguape.
Participou-se ao chefe de polica, sobre cuja propos-
ta se fez esta Hornearlo.
Commando das Armas.
EXPED1ENTB DO DU 11 DO C0RRE.NTE.
Officio Ao presidente da provincia, dizendo, que
bavia mandado reformar as follias dos vencimentos dos
empregados do hospital regimentsl, abooando-se ao ci-
rurgiio ajudante a gralifioacio menial de 8s rs.
Dito Ao mesmo, devolvendo o officio do juiz de
paz da povoacio de Panellas, eobrindo urna representa-
do dos habitantes daquelle lufi-ar, em que solicitio o
regreaso da forca estacionada em o ponto d'Agoa-Pre-
la, para o denominado Barra-da Jangada; informando,
que seria de interesse publico nio se interromper o que
se havia determinado i cerca dest negocio.
PortaraNomeando o concelho de guerra, que tem
de julgar o soldado do contingente da provincia da Pa-
rabiba do Norte pelo crime de desercio.
Dita A cerca do soldado do mesmo contingente,
Joao Nepomuceno.
DEM DO DU 13.
OfficioAo presidenta da provincia, dizendo, que,
tendo S. Exc. concedido liecnca ao cirurgiio emprega-
do por engajamento na forca estacionada ao Sul da pro-
vincia, e nao exislindo quem o subilitua, porquantoo
cirurgiio-ajudante do quarto batalbio do artilbaria i
p se acba encarregado do hospital regimcntal, e o (a
cultativo Manuel Bernardino Monteiro do servico dos
corpos, nio poda ser este constrangido iquelle servido
em presenca des condicoes estipuladas no contrato;
- conclua solicitando ordens, a.4m de se eagajer um ou-
tro cirurgiio para curativo dos enfermos da dita forca
DitoAo presidente da provincia, dizendo, quaes-
sencial Ihe parece, como ao coronel commissario pa-
gador, que ao engeobeiro encarregado das obras pu-
blicas fosse commettido o exame dos concertos, que de
mister se fazem ao edificio da Soledade ond so acba
estatuido o hospital regimental
DitoAoSr. bispo diocesano, rogando a S. Etc.
Reverendsima, que houvesse do ampliar aocapellio
do 4.' batalbio de artilharia a p, o Reverendo padre
INTERIOR.
SANTA CATHARINA.
A C1IKGa.ua DE 8. M. O IMPKB VUOH, E SUA AUGUSTA
ESPOSA NESSA PROTINCIA.
Estava decretado nos arcanos da Divina Providencia,
que um da glorioso rajara para a provincia de Santa
Catharina; e esse decreto verificou-se, quando menos o
esperavamos! Sim : o dia 12 de outuhro de 1845,
da, que, por mais de um ttulo, tanto fulgura na histo-
ria braaileira, veio consignar nos aonaes calbarnenses
um fasto, que indelevel passari da presente is geracoes
futuras, recordando-Ibes a honra, e as venturas, que
delle nos resulla !
Catharinensf! SUA MAGESTADE O IMPERA-
DOR O SENHO t D. PEDRO SEGUNDO. E A AU-
GUSTA IMPERATRIZ DOBRxSlL, A -^ENHORA
D. THEREZA MARA CHRISTINA, pisrio nossas
plagas, hohririo o nossosolo, desembarcando nesta ca-
pital, com o fim nicamente ile ver de perto, e deco-
nhecer esta porcio to feliz quanto fiel deseua mados
subditos .' e a Divina Providencia approuve, que o de-
sembarque do AUGUSTO PAR tivesse lugar ao meio
dia do magesloso 12 do crrente, dia anniversario do
nascimento, e da acclamacio do fundador primeiro Im-
perador e defensor perpetuo do Brasil!
Quizeramos exprimir as ideias, que este dia seria ca-
paz de surggerir-nos; recordar os fados lustrosos, que
n'elle se teem passsdo em nossa patria ; fazer a oritica
da coincidencia desses Tactos no mesmo dia ; mas, co-
mo fazel-o, se nos echamos engolfados no prazer gran-
dioso, em que nadio boje todos os Calbarnenses Co-
mo fsze-lo ae o jubilo todo nos oceupa, todo nos arreba-
ta, eapenaa nos permita repetir oque todos mutua-
mente se noticiio : verificou-se o deceto da Divina
Providenciaexittem entre ni Suat Magestades Im-
perios !
Tendo assim noticiado nossa provincia o fasto ma-
gesloso, que tanto abrilbanlar as pauaas da nossa his-
toria, isto be a visita de SS. MU. 11. i nvsina provincia,
pestt -dar con te em bfuwvajftaifo', Ol s do
A
daordem toseana; e outra igual columna fizerio sua
custa os artistas da cidade no lado correspondente ao ar-
co em Irente do trapicho. Destts Jiutninaces. bem co-
mo de todas as outras, qtjv) hilrWao'na cidade.daremos
circumstanciada conta na lugar competente, & fim de
(ratarmos primeiro das providencias lomadas pelo Exm.
presidente da provincia para a recepcio de SS. MM.
II., da ebegada e desembarque dos mesmos augustos
consortes.
S. Exc., apenas recebeo as psrlicipacoes officiaes da
visitadeSS.MM.il., fraudas pelo vapor Imperador,
communicou lio agradavel noticia todas aa cmaras o
repartirles publicas da provincia; e infatigavel, e ani-
mado de um zelo pouco commum, ordeoou a decora-
cao de palacio, e de suas salas, que, se nio licrio como
exige a ordem das augustas personagens, que tinbio de
babilita-lo, devenios confessar, que, conteent quanto S.
Exc. pode encontrar de mais rico em mobilia, e tape-
caria no paiz. E porque constasse, que SS.MM.II.se
dignario de visitar, entre oulras, a villa de S, Jos* e as
Caldas do Cubatao, incumbi S. Exc. ao digno coronel
Joaquim Xavier Neves o aperfeicoamento da estrada,
que conduz do primeiro ao segundo ponto. Este traba-
dlo, que o digno coronel levou a efteft, com o espoqta-
neoe gratuita servico de mil e duzentos eidadios, que
concorrrio ao convite do director, foi logo concluido,
e de urna maneira tal, que caractersa a escolha de S.
Exc, o zelo, e o esmero com que e nosso patricio coro-
nel Nevet deaempeoba sempre as incumbencias do ser-
vico publico, que Ibesio confiadas.
Nio foi s a reparacio da estrada do Cubatio que
se attendeo : todas as pontes e caminos do municipio
de S. J mi', todas as estradas e caminhos, que da cidade
conduzem a differentes freguetias da ilha, lorio por
providencias das respectivas cmaras municipaes, como
de improviso, rectificadas, com especialidad o cami-
nho para a freguezia da Lagoa incumbido ao prestante
juiz de paz Albino Jos da Silva, que, com seus compa-
roebianos, tem por tantas vezes prestado esse, e outros
semelhantes aervicol gratuitamente.
I'or convite da cmara municipal da capital Torio lim-
pas easlefadia todas ai suas roas, ornadas, e pintadas as
ntesde todas as casas, procurando nesle objecto rivi-
.jsembarquaerecepca dt aaguataaJioipedju.il
capital, como do que faroecorreftder relativamente, ollisar o cjJadao da mais mediocre cmoda maior for-
duranto a'nslada de suas augustas jrssoas nesta provin- I tuna.
ci. Para isso continuaremos na publicacio do Helalor] A primeira legiio da guarda nacional, cujos exerci-
Manoel de Araujo Letsa, a Taculdade de estolar-se pan
encommendar os cadveres, que vio ao jazigo, e que
perteocem aos corpos da guarnicao; e bem assim, pa-
ra que com mais promptidfio fossem soccorridos os
enfermos do hospital regimental, contiguo igreja de
N. S. da Soledade, fosse permittida por S. Exc. Be-
verendissima a eollocec,io do Santissimo Sacramento
neste templo.
DitoAo coronel commissario pagador, deprecando
o conceibo de disciplina do soldado desertor do redu-
ndo batalbio de guardas nacionaesem destacamento,
Antonio Joaquim de .Souza, se por ventura existiese no
archivo do dito batalbio, recolhido a reparticao a seu
cargo.
DitoAo chefe de polica, scientificando-o, que e
soldado Alexsndre Karboza he desertor do 2." batalbio
deartilbaria u p.
DitoAo coronel commandanle do 2.'batalbio de
artilbaria a p, mandando-lbe apresentar o soldado de-
sertor do batulbio de seu commando, Alcxandre Bar-
boza.
A RAINHA MARGOT.
por airunuf Duinna,
PRIMEIRO" VOLUME.
(*)
CAPITULO IV.
A TABDZ DI 34 D'AGOSTO DI 1573.
Nio ae Icrao eaqnecido mus leilures.qne no capitu-
lo, piereilrnlc se Iratou do uro genlillmnirn chamado de
L Mole, esperado com iiii|ioriencia por Henrique de
Navarra. Eale joven geiitillioniem, como a bavin Biinun-
ciado almirante, i-nlrn va de 1572 lardo, pela porte Sainl-Marcrl, o hincando o-
Ihos deidenhoaoa ni inunerosai boipedarias que i direi-
ta e eaquerda ojlcoia van aena pillorescos rntolna, dei-
xoii ir ii naviilln fuinrgante al o corCJo da cidade, on-
de, drpuia deatravrnur a duna pontea de Notrc-Danir
e Piiit, e aeguido o r.aea, pamu no principio da roa de
Breaec, que na para maior facilidade do* leilorea conaervare-
moa, eque aem dnvida Iho agradou, purquoenfiou por
ella.
() Vido Diario n.* 267.
Em certa altura como Iho uliamaiso a attencao urna
eapeeie de mninlin de vento de ferro com conipainhaa,
que Ibe fieava a esquordn, ah fes alto para ler eatas pa-
lavraa : A' Bella Eitrella, eteriptas como rotulo i baiio
de nina pintura, que repreaentava o maia liaongeiro si-
miilaorn para um. viajante eafdimado : era una avo .
aando-ae no meio de mu eo negro, era quanto uro ho-
niein de capole encarnad, deaejuau Ibe eslendia oa bra-
511a e a bolsa.
Eia-allli, diste entre ai o genlilbomcni, urna alberga-
ra, que ae annuhcin bcro, c o pattelciro que .1 dirige de-
ve aer, por niiuba alma, un engenhoao inaganao. Srm-
pre ouvi ilizer, que a ro* de l'Arbrc-Sec. era no qunr-
Icirlo d Loovre; e ae o catabelrcimrnto corresponder
um pouco ao titulo, aqui ealarei a mil raaravihaa.
Eiu quanto o recern-chegado a ai mearon rrcitava ca-
le monologo, noiro aujeito qne mirara pela extremida-
de oppoata da ra, iatu be, pela do Saint-Honiir, pera-
va e igualmente ee extasiava a viata do titulo da Bella
Eetrella.
Aquelle dna dous, que conbecerona, ao menos pelo
nomo, monlava em um cavallo branco, de raen brapa-
uhola, traja va uro giban prelo com botos do .nteviohe,
e o aeu capote era de vellido rnxo: (razia bMtaa de cou-
ro preto, umn capada de punlin do ferro lavrado, e um
I.....lu cmclliaiile. Agora ae paaaarmoa do traje aua
deinais vignaea, dirumoa, que a aua idnde orcavn peina
25 anuos, que tinba escores queim'adas, oa olhoa asnea,
o bigode fino, oa denles brilbantes, que parecan IIu
niinar-lhe o roato, quando uro sorriao doce e melanc-
lico Ibe diiavflo oa labios, que forumiu urna boca deli-
cada e da maia perfoita diatinc(io.
Latharineme dedicado a esse fim nicamente.
Logo que loi annunciada a deliliuracio, que nosso
augusto nionarrha tivera tomado ale visitar esta provin-
cia; lal foi o regosijo publico, o a eletricidade, que nos
coraces calbarnenses produzio lio grata nova, que to-
dos em geral. como i porfa, se consultavio sobre a ma-
neira de melbor exprimir com actos exteriores os sent -
mentos, que os anmio para com o augusto par, que Taz
toda a nossa ventura, e a perenne felicidade do Brasil; e
tal fui o entbusiasmo desenvolvido, que debaiio da
maior uniio e concordia, que caraclerisa eale povo, To-
rio, como por encanto, do repente superadas todas as
dificuldades, e eis que desveladamente lodos se empre-
gio nos preparativos para bem manilestar-ae o apreco,
e ugradecimento honrosa visita do monarcha, e sua
augusta esposa.
0 corpo do commercio desta cidade por meio de urna
subscricio, promovida entre.ai, fez levantar na subida
para o adro da matriz um sumptuoso arco daordem Ios-
cana. Outro arco da mesma ordem foi erigido em fren
te do trapiche da alfandega pelos empregados della, ten -
do sido este trapiche concertado, e pintado de novo, fa-
zendo-ib-lhe urna escadaria para o desembarque de SS
MM II. Urea extensa arcara Tez preparar acamara
municipal em frente do paro de suas sessoes. Por parle
daasiembla legislativa provincial,foi levantada,na Tren-
te do paco da mesma assembla, urna columna, tambem
Haas
tos devio principiar no dia 5 do correte (outubro),
Ti por S. Exc. chamada e mandada demorar na cidade,
Kara ter a diatincta honra deasiistir i receprio de SS.
IM. II. ; e nio obstante ser toda composta, com pe-
quenas excepedes, de lavradores e homens trabajado-
res, pouco abastados temos o prazer de asseverir, que
um s nio deixou do comparecer e persistir na cidade
sem causa rnuilo justificada, nio obstante a incertexa do
dia em que cliegario SS. MM. II ; nao obstante mes-
mo a distancia desuas residencias algumas legoas da
capital.
Dispostos todos os preparativos, s anhelramos o
momento venturoso da ebegada dos augustos viajantes;
contavio-se ns horas de cada dia, e cada dia pareca de
urna extensao immensa. Na manbSa de 8 do correte
aportou a esta cidade o vapor Paquete-do-Noria, tra-
zendo a seu bordo os Exms. Senador,' e deputado desta
provincia, e de entilo redobrou-se a alegra publica com
a noticia dada por SS. Excs. de que SS. MM. II. parti-
ro da coi lo no dia G : como que podemos asseverar,
que, desde que se vulgar'ou esta noticia, interrompe-
ro se todos os Irsbalhos, e oceupaces; jii todos pa-
reca ter ebegado o momento desojado; qualquer peque-
o ruido affigurava-se s salvas da fortaleza da Barra
enmprimentando o monarcha brasileiro !
Baiou finalmente o dia 11 : e o mastro dos lignaes
annunciou-nos a chegada de Vapor Brasileiro do Hit-
1 11 "11 1 ariaaaMas
O segundo viajante formava rom o primeiro o maia
ooinplelo contraste. Por baixn do chapeo do abaa revi-
radas appnrecia abundante gndelhaenearapinhada, antes
veriiielhn do que Inora, e una olhoa pardo, que i me-
ntir obstculo cocinan di: logo, e parecan pretoa : era
curado, tinlia ua labioa fino, bigode pardo e denles ad-
miraveia. Era ero aiinima, onm a aua pelle alva, catalu-
ra alta, largas eapadua, uro bello caralleiro na aecep-
cao ordinaria do termo, e lia va una llora que levantava
o nariz para todas as jancllaa n pretexto de ver as tabo-
letaa : na mulberea olhavn inuito paradle, raaa os ho-
mens que nao podiao deivar do ler voutade de rir no
ver-Ibe o capole aem ruda, oa calenes aperlados, aa bo-
tas anliga, perdan eiaa vnnlade cnmrcada por uro
Deot rae guarda! dna maia gracioaoa, m ctaruinar-lhe
a pbyuioiioiiua que loma va 11'uni minuto dezdifferentea
expresadea. excepto de benevnleiicia, que enrecteriaa
aeniprc a figura do provinciano acnnbado.
Foiellequem primeiro ao dirigi uo nutrogentilbo-
iiiem, que, onuforme lien dito, olhara como ello para a
estalagcm da Bella Eetrella.
__ Ora bem, dase elle com case borrivel ncreutn que
faria reconliecer uui Piemontet entre eein ealrangeims,
nao Tica o Louvro aqu perto P Pareoe-me que o Sr. te-
niemn" goatn que eu, o que milito liaongoia a mi-
nlia aenlinria.
Senhor meu, reepondon o outro com eccentn pro-
vec.il que em nada eedia ao pieniinites do aeu compa-
nbeiro, creio que com effeito cata hospedara fiea pr-
xima do I.ouvre. Todava anda nio aci se terei a boura
de aer do aeu parecer. Eatoa em consulta.
OSr. nio eali decidido? poia o aspecto da cas;
agradavel. Alero de que deixei-me tentar pela suo pre-
senta. Confeeae entretanto que aqui est urna bonita
pintura.
Oh aem dnvida; mas he justamente o que me fax
duvidar da realidnde : Pars he cheio de impostores, ao
que me diaaerao, c n'niii sata bulo jidp baver tanta ira-
pnatura cuino em outra qualqjacr oouea.
Poia rti ca. rcplLou n Piea>onie>, nip me importo
com impnaturas, c so o eatalajadeiro nW me der urna
gallinha liobeni aaaada como a do retabillo, irei eu
ineanio asea-la. Entremos, meu Sr.
OSr. acaba de dreidir-me, dix o Provencal rindo-
se, faz favor de entrar, pnra rooatrar-mo o caminho ?
Nao, Sr. por niiulia alma, que nio farei tal,
poia aou seu humilde servo, o conde Annibal deCo-
1,1110.1- (*)
* E eu nio aou maia que nm aeu criado, o conde Jo-
s Bonifacio de I.erac do La Mole.
Neate caso toiuetnna u braco e entremos juntos.
O resallado desta propuaicao conciliadora foi que oa
dous mancebos apeirio-ae, entregirao aa redeaa a ura
palafrenciro, travrio oa bracea, conchegrio aa espa-
das, o dirigirio-se para a porta da hospedara, entre
cujos iimbraea estava o eatalajadeiro. Mas contra o coa-
tume deaia qualidade de gente digno proprietario nio
moatrnu dar-lhea atteiifio elguma, 1 jo oceupado estava
a conferenciar com um rapngan seeo e amarello embio-
cado no aeu capote cor de cornea, como urna coruja naa
auas peonas
Haviao oa dous fidaljjos ebegado lio perto do estala-
() Assrntamos mudar nina letra i este nome para evitar t-
quivocos..
(O Traductor).


.....w.
b:
de-Jamiro : a praga e o trapiche forSo logo apinhados
de gentes de todas as classes; e s 10 horas fundeou o va-
por Imperatriz em frente a cidade, trazendo-oos l ale-
gre ooticia de que SS. MM. II. estavio prximos bar-
ra A'a 11 horas le tignal defragata brasileira do Rio-
de Janeiro; e esquecido o povo de que da cidade for-
taleza da Barra ha a distancia de cerca 5 legoas, conia
em grupos aos lugares mais elevados, cuidando poder
em tio longa distancia desfrutar a presenta dos objectos
de seu amor e vcneracio I
As 11 boraie meia regressoa o vapor Impiralriik
reuor-se eaquadra imperial, e ai duas horas da tarde
parti o l'aquetr.-do-.Xortt, condu/indo a seu bordo
os Excellentissimua' prenden te, senador, e deputado da
provincia i comprimsiotarem SS. MM cuja Irota impe
rial fundeou as 3 horas a cima da fortaleza de Santa
Crui entre ai ilbn de Ratones.
Ai nove boras da noute regressrio SS, Exci.; e eo-
lio soube-se, queSS. MM. II. desembrcenlo no da
seguinle ao meio dia.
Nenbuma noute foi anda 15o longa para os Calha-
rinenses Desde oamanbecer principiou o concurso pa-
ra a praga : e bs janellas das casas, que a fodeiio, a so-
rem desde logo guarnecidas de senhoras ricamente ves-
tidas. O trapiche da alfandega, que estava decentemen-
te ornado, guarnecida, lapizado e bordado ile bamleiras
lu, tuanlos do todasas naces, bi oceupado por numero-
sas pessoas do commercio, chales das roperticoos publi-
cas, o seui empreados, ofTciaes avulsose reformados do
excrcito. As 11 horas enlrou em parada, na sohredila
prsca.a primeirs legiao da guarda nacional composta dos
primeiroesegundo batalhdes de infantera do primeiro
corpo de cavallaria, e da brigada de artilharia, preced
da a legifio cIj msica da fragata Conttituifo, que vie-
ra na vespera com o l'-xm. presidente da provincia. O
primeiro batalhao da guarda nacional com a companhia
de invlidos da primeira linba formarlo em alas desde
o trapiche at a porta da igreja matriz. Pouco depois
dirigirao-se ao trapiche o reverendo conego vgario da
freguezia da uidade, e arcypreste da provincia precedi-
do do seu vigario coadjutor, conego arcypreste, do re-
verendo vgario do Rio-Vermelho, e dos reverendos vi-
garios de Santo Antonio, Kiheiro, ltajahy, S. Jos,
S. Miguel, e do mais clero da cidade, todos em sobre-
pelliz : as cmaras municipaes da cidade e da Laguna,
trajaiias i corte, com capas de seda, e chapeos einplu-
madosde aiminhoYA praga, que teacbava rodeada de
bandeiras collocadas em mastros distancias reguladas,
eslava apinbada da nnumeroso povo e de senhoras.
As ll horas e meia, fuodeou no porto da cidade o
vapor Impcatriz, condozindo em seu bordo os augus-
tos consortes, esperances do liras i I !
Fundeado o vapor, dirigro-se comprimentar SS.
MM, II. bordo o Eims. presidenta, senador e depu
tado da provincia, o lecretario da presidencia, ebefes das
repartieses publicas, o Kim. presidente da assembla
legislativa provincial c os das cmaras da cidade. Lagu-
na e S. Francisco
Cbegou finalmente a hora suspirada : e urna salva da
brigada d'artilheria da primeira legiao da guarda nacio-
nal, acompanhada de innmeras girndolas atacadas da
porta do paco da cmara municipal da cidade, annun-
ciro aos Catbarinenses, que o monarcha brasileiro
desembarcava no trapiche Kstrondosot, e nio cesiao-
tes vivas; ebracos fralernae de puro jubilo; lagrimas
espontaneas da mais sincera alegra, taes ferio o teste
munhus de amor, d" fidelidade, que os Calharinenses
oller.cera.i a SS. MM.II.
Desembarcados, e recebidos dcbaxo do palio condu-
zido pela cmara municipal da cid.de, dinjiro-se SS
.MM II. igreja matriz, por entre as alas formadas pe-
lo 1." batalhao da guarda nacional e companhia de in-
vlidos da 1.'linha, e precedidos do cortejo formado
de todo o numeroso concurso, que os esperava no tra-
piche, e do corpo consular, que all tarnbem se acba-
va. A SS. MM. II. seguiio os excellentissimos minis
tros do imperio, bispo capellio-mr, e presidente, se-
nador, e deputido da provincia, os officiaes, e damas
da caa imperial, os chefes e officiaei da esquadra brasi-
leira, e dasembarcages do guerra estrangeiras, que o
acorapaahao ; subindo ao ardurnnle o trajelo novas
girndulas lampadas lambem da porta do paco da c-
mara municipal. Ao passarem SS. MM. por baixo dos
arcos erguidos em frente do trapiche, e da igreja ma-
triz, forio coherlos de urna ebuva de dores, que Ibes
lancavio urna porfo de meninas, que para esse fim
all se acbavio, trujadas engracada e uniformemente
com a decencia, e riqueza possivel, e entrados no ca-
marn), leve logar um solemne Tt-Dtum, msica do
Sr. Jlo Francisco de Sou/a Coulinho, secretario do
governo da provincia, e dignamente execulada pelo c
ro composto de distmetos empregadoi pblicos, e offi-
i iaei du guarda nacional : seguindo-se urna oracao
anloga pelo reverendo vigario da Ireguezia da Lagoa.
Concluido o acto religioso, seguio o cortejo pela
mesma maoeira, que entria na matri/, para o pala-
jadeiro e do homem du capote de cornea, com quem
elle convrrsavn, que Coralina* impacientado denla pou-
ca importancia que su dava o elle e ao sen cnnipnnheir
jnirtinii prl.i m,-inga do iImiiii da caa. Esle como que
despertou do anbreaaltn, e detpedio -o eu iulrrluculiir
por um al lego. Venlia logo, sobretudo para me
di:er a hora.
' O' dono da caa, diz Cocanna, nSe v que o
procurlo ?
Ah queirio perdoar, mena culi o res, qae o niu
va.
Pois cniti nidiabns, devia ver-no; e agora queja
noa vio, em ves de diter icnlior eiinplrsniente, faca fu-
vor de diter Sr. onde.
La Mole por Iras de Coralinas, deixavo-o fnllnr, vis
tu que havia lomado o negocio asna cunta. Todava pe-
la seus ubrolbos cerrados era fcil de ver que tile es-
cuta prestes a sorcorre-lo guando chegano omoincii-
10 de arcau.
Pr.ii bem, o que desrja o Sr. conde? pergiinlouo
cililijndciro no imn o nuil ealmu.
Ben....... iilo ja vai nielbor, nao acba? disse Co-
ci do governo, onde, alm das cmaras municipae
da cidade, e da Laguna, tiverSo a honra debeijaras
ruaos de SS. MM. II. divonai pesioai de todas as
classes. A legiao da guarda nacional, eila a continen-
cia do estylo, desfilou em columna pela frente de pa-
lacio, estando SS. MM. em urna das janellas do mes-
mo, lendo ai outrasoecupadas pelas damas e officiaes
da caa imperial, e polas pessoas do cortejo.
Foi para tentir-ie, que o vento, que reinou, duran-
te a noute, nao cnosentisse conservar as lu/es das dif-
identes illuminacoes, deizando apenas deslructar-se o
que era transparente : todava, o concurso foi o mais
numerlo possivel ; as girndolas, ni fognejes, eos vi-
vas incessantea. A msica da fragata Comliluifdo mu -
lo concorreo para o esplendor de nossos festejos, to-
cando diversas e eicellentei pegas, ora n'uma, ora n'ou
Ira illuminago, principalmente na da assembla pro-
vincial, em cujo paco o director da muiica fez demons-
trar toda a babilidade dos individuos, que a compoem.
TSo longos forio os dias e noutes precedentes, quio
breves forao o dia 12 do corrente, e noute que Ihe se-
guio 1 Foi com o maior pozar, que os Catbarinenses
virio adiantar-se noute de taoto jubilo, de tanto rego-
zijo : e s animava-os a procurarem orepouso a espe-
ranza de que no dia seguinte desfructariio a presen'
do seu monarcha, u da carinhosa imperatriz, que por
suas maneirai, e pelo afago com que recebe nossas 'ri-
cas, mas sinceras demonstradles de aflecto, e de fide
lidade tanto lem sabido penhorar os coracocs catbari-
nenses I
Se o memoravel dia 12 foi de todo o jubilo para os
Calharinenses : se estes o virio lindar, e a noute que
Ihe seguio, com o maior pezar, e tio apaisadamente
como um relmpago; novo jubilo, nova selisfscio pre-
senteou-nos o dia e noute de 13. Ao amarillecer ja
p'incipiavao a rodear o palacio immensas pessoas, para
torem, como no dia antecedente a salisfaco de verem
os augustos monarebas : ao embandeiramento da praca
corresponda o das embarcar Oes surtas no porto : as ja-
nellas principiarlo bordar-so de senhoras, rival-
sando-se em suas galas : erlo S boras do da, e j a
praca estava juncada di* povo, que supportava o intenso
calor, e* abrasamenlo do Sol, pela su ventura de del-
fruclar a presenta augusta dosiimi-deoies do Brasil!
Meia'bora depois do meio dia enlrou na praca a 1,'
legiao da guarda nacional, commandada, como na ves-
pera, pelo seu digno ebefeo coronel Joaquim Machado
de Soura ; e ubi, lendo se posto em linha, e dado as
Ires descargas d'artilharia e inlantaria, e o Viva S
M. O IMPERADOR. S. M. A IMPERATRIZ. el
S. A. O Senhor Principe Imperial, marchou em con-
tinencia pela Irenlo de palacio, cujas janellas oceupa-
vo SS. MM. II., os excellentissimos ministro do im-
perio, officiaes edemas da casa imperial, senador, e
deputado da provincia, presidente e deputados d'as-
sembla provincial, corpo consular, cmaras tauatc-
pses, chufes e empregadoi das repartieses publicas,
corpo do commercio, odiases do exercito, ele. S. M.
U IMl'Kli ADOR llouvc por bem dispensar asegunda
marcha da legiao, e ordenando, que a legiio se reli-
rasse a quarleis, e que os olliciaes tivessem a honra de
beijar sua augusta mo, e a da sempre adorada Impera-
triz, leve principio, este acto sublime em que, nao o
servilismo, nein o terror, mal lim a gratidio de um
povo livre, a estima e amizade cordial manifestio Seu
reconbecimenlo aos favores dos monarchas, ma adbe-
slo, sua fidelidade Is altas personagens, & quem devem
sua gloria presente, e em quem depositan todas as es-
perances do futuro do ious ilbus.
Nesla orcaiiau tuve lugar a recitarlo deallocures pe
lo Exm. presidente d'aisembla legislativa provincial, e
pelos dai can.aras da cidade e das villas da Leguna, S.
Francisco, e S. Jos, bem como pela i'epulacao dada
villa de S. Miguel, pelo dnutor juiz de direito da co-
marca do Sul e chile da polica, e pelo Sr. Lemuel
Wells cnsul dos Estados-Unidos da America, e de-
cano do corpo consular desla provincia. De todas estas
pegas daremos a integra o nossos leitores, logo que.re-
cebamos suas copias.
Pelas 5 horas da tardo SS, MM. II., arompanhadn-
doi ofliciaes e damas da casa imperial, e dos excedent-
simos ministro do imperio, presidente, senador, e de-
putado da provincia, o de multas nutras pessoas giadat
do paiz dgasrio-se dar um passeio a p; seguindo pe-
la ra do Invernador al a do Ouvidor, atraveitaro
esta e seguirlo pela do Senado cima al a chcara do
cidadio Estanislao Antonio da Conceicio : ahi SS.
MM., querendu dcslructar o excedente golpe de vista,
quedo terraco se goza, tiverlo a bondade de entrar, e
demorarse alguna momentos; seguirlo depois pele
ra do Principe at a Praga, ra Augusta, ra do Me
uino-Dcos Campo de-Manejo, ra do Vigario al a
Praca do Palacio, onde se recolhrlo quasi noute. Em
todo u trajelo forio SS. MM. II. acompanbsdos de
urna mullidlo de pessoas de todas as classes, que se dis-
putavloa honra, eo prazer de ver os seui sbennos
de tio perto, esiudados por nio interrompidos Viva,
qus dai janellas ae Iba dirigirlo, acompaohadoi de flo-
res, que Ibes langrlo as senhoras.
A' noute tiverlo lugar es illuminacoes : o lempo,
nomo que aeompaohindo a iitifacio dos povoi, bem
raras vezes se aprsenla nesla ilba tio propicio taes
festejos: ama noule magnifica pela sereidade consen-
tio accenderem-ie todos os arcoi e colufjnes; todn as
catas se illumioirlo porfa ; o que junto ao esplendi-
do luar, tornava encantador o espectculo, que apre-
sentava toda cidade. Innmeros* girndolas subirlo
o ar, desde que anouteceo : junto ao arco do commer
eio diversos fogoi de vistas le aUcirlo ; a msica da
fragata Contiituicio, depois de convidar o concuo in-
numeroto i frente de palacio, onde tocan, veio, como
na noute antecedente, para o paco da assembla legisla-
tiva provincial, I convite do digno primeiro secretario,
onde eilavio reunidas muitaiienhoras, e ahi deiempe-
nhou muitas e excedentes peen, attrahindo assim a at-
lengao do immenso povo, que enchia a praca.
Estedia, que em nada cede ao antecedente, tornou-
le anda notavel pela piedade do excellentissimo e re-
verendissimo bispo capellio-mr conde de Irej. Sua
excedencia reverendtssima houve por bem, teodo cele-
brado o Santo Sacrificio da misil, is 8 horas dama-
nhia na igreja matriz, fazer la entrada solemne ni
mesma igreja i 4 horas da tarde, lahindo di casi do
cidadio Joaquim Ignacio da Silveira e Silva, onde re-
side", dobaixo do palio, em vestes episcopaes, prece-
dido de lodas as irmanda les em solemne procissi e
acompanhado pelos reverendsimo conego lecretario
do bispado, vigario da matriz, arcvprestres, e reveren-
dos vigarius de diflerentea Ireguezin. Sua excedencia
revcrendisiima declarou aberta a visita, e santificou ei
te dia administrando o Sacramento da confrmacio a
um grande numero de peisoas de ambos o sexos e de
todas as idedes.
Quirerimos neiti meima folba laliilazer avidez de
nossos leitores, deicrevendo estructura, emblemas, e
inicripces doiarcoi e columnas das luminicdei, de
que temos filiado, bem como apresentar- Ibet as pecas
de poeziai dedicada i SS. MM. II., e ai recitada as
noutes, de que temos tratado : mas, visto nio termos
eipaco pira iiso, aguardamos para o outro numero
(O Htlator Calkarinnue.)
RIO-GRANDE-DO-NORTE.
Correspondencia do Exm. Sr preiidente da provincia
com o juizis de direito eche/e de polica da mesma.
N. 45.Constando-me, que no engenbo Tama-
ta ridubu appareceo urna quadrilba de lidrdei, queji
tem feilo alguns ataques a pessoas, e casas; cumpre
que Vme. expeca, a penas esle receber, ai convenien-
te ordens, a fim de que se laiba le be exacto semelbante
boato, e te possio dar as providencial necesitriai, e
tendentes a faze-la desapperecor. Dos guarde a Vmc.
Palacio do governo do Rio-Grande-do-Norte, 25 de
maio de 1845. Dr. Caeimiro Jos de Maraes Sar-
ment. Sr. chefe de polica desla provincia.
N. 46. Em reiposte ao seu ofiicio, bo|e datado,
cobrindo o do delegado do termo do Principe, quea-
companhou Antonio Fernandes de Freitas, que o mei-
mo delegado prendera para recruta.por ser lubjeito per-
vertido, e costumir a praticar maldades, cumpre-me
dizeraVmc: 1.', que forio expedidas asconvenien-
tes ordens, para que pela repartirlo competente fossem
abonados aos guardas nacionaei, que Irouxerio o dito
preso, os vencimentos, que em taes casos as leis Ibes
concedem : 2,, que louvo muito ao benemrito de-
legado do lermo do Principe o procedimento, que leve
com o mencionado Antonio Fernandos de Frcitai, que
lenho destinado para o servico da armada, e que por
isso farei remetter para a edite no prximo t. vapor,
que se espera do Norte : 5., que pode Vmc. assegu-
rar ao mesmo delegado, queem miiii achari sempre
todo o apoio aos seus actos legaei, e que, como esle
ultimo, tivercm o cunbo da utilidade publica, e forem
tendentes a resUbelecer a tranquillidade no animo dos
pacficos babitanles do termo,que elle policio; devoudo
por issso diligenciir a captura dos companheirot do
malvado, que agora remetteo, e de todos osdemais
individuos, que nio tiverem modo de vida conbecido,
ou forem turbulentos, e dados a fazer assuada a res-
peito dos quaes contina em vigor o recrutamento, co-
mo bo conforme com os principios de ordem, e da boa
razio, e foi declarado por aviso imperial de 22 de a-
bril do corrente anno. Dos guarde a Vmc Pala-
cio do governo do Rio-Grande-do-Norte, 26 de maio
de 1845. Dr. Casimiro Jos de Aloraei Sarment.
Sr. chefe de polica desla provincia.
N. 47. Em resposta ao seu ofiicio, de hojo datado,
cumpre-me dizer-lbe que tenbo encarregado ao cida-
dio por Vtr.c. proposlo de distribuir ai iressaccas de
larinho, que se aproveilarlo das de;, que iio para'^j
Tourns, o que inlelizmenle naufragirio nal praias d
Muri. Dos guerde a Vmc. Palacio do governo do
cumia vnllando-e para La Mide, que fez um lijjual 1t> o teu rorupnnieiro', a levar o eilalajadeiru achirle,
clice allrnmlivii. Aqu n Sr. cunde i- vu ileicjaiiin,
:iliraliidiia pelo icu rclabulo, achar ccia e cama em ana*
hospedara.
Mein fldalgoi, disie o. estalajadeiro, ettou deea-
peradn, nio lenho icnlu um quarlo, e receiu quo case
nio puna convir ao Sr.
Timo mrlliur diaae La M-ilc, ireinoi al.jar-no
em oulr parle.
Ah! c eu no diste Cocanna. Eufico; o meu ca-
vallu rsl cangado. Eo tomo o quarlo, vitto que v u
ni, queris
Oh ielo be outra ruina, reipondeo o dono da ca-
a eempre cun a un flciiina do mal criado. Se ficu um
do Sr. cu nao pulan alugar u quarlo.
Com niillie de diabos, grilou Cucanna, aqu te-
mos, por miuliafe! um eugragado aniuial; anda h
punco, dnu eraniui de mais, uul nSo baati Tu enllo
naii iioa qucre alujar, patifu?
Ora jo que ui Sr. turnio a coma ncite tpm, res-
pniidcr-lbei-bci cun franqueza.
Puii reipmidr, purm de prea.
Quero ante nao (rr a hnnra de alnja-lm,
Porque ? pcrgnntnu Cucanna ciupalledecemJo de
colera.
Porque ui Sr. nio lem lacaiu, o porque mu
quarlo de .uno rheio, far-me-ha don quartu dr lacaiu
vaaiii. Ora, in cu Ihe der < quarlo de amo, urruen
muito nio alugar n nulrni.
M. de La Muir, diz Coralina voltmidu-ac, nio vos
parece conm a iiiiin, que devcmoi sacudir o pello a rite
bandallui?
He farlivel. dic La Mole, preparandu-io, como
RioGnnde-do-Norte,26demiiodel845.Dr.<3M-
nzrn Jos de Moran Sarment. Sr. chefe de polieia
delta provincia.
___'
PERNAMBUCO.
CMARA MUNICIPAL DO REClFE.
3.' SESSA5 0RD1NABIA AOS 25 DE NOVEMBRO.DE 1845.
Presidencia do Sr. Mello Cavalcanti. .
Presentes o Sn. Ramos, Carneiro Monteiro.doutor
Nery, e Reg Barros, faltando com cania participada
os Sn. Oliveira, e Reg Albuquerque, e im ella os
oulroi Sn abrio-ia a lessio, approvando-se acta
da antecedente.
lecretario deo conti de um ofiicio do fiscal de S.
Jos, pirticipando terero rendido ai multes d'aquella
freguezia, no moz de oulubro, a quantie de 108,000 n.
Inteirida.
Outro do contador, representando nio se poder pa-
gar a Jlo Manoel de Siqueira a quantia de 323,280
ri. de fornecimento de luzes para a cadeia, dos annoi
de 1843 1844. e deste a 1845, por ir a quoli do
anno corrente de 180.000 n. Mandou que fosie le-
vado ao orcameoto futuro, a fim de se pedir autorisa-
cio assemblia provincial.
Foi approvado um parecer da comonsslo de edifiei-
clo sobre um requermento de Cbristovio Starr & C.,
em o quil pedem licenca para fazer urna ponte de Ierro
na ra da Aurora.
Foi approvado um outro da meime commissio sobre
requermento do padre Domingos Aflonso Germino
Regueiri, edeliberou-ie qie no sentido do mesmo
parecerse officiasse ao Exm. presidente da provincia.
Foi tarnbem approvado um parecer da commissio do
polica sobre um ofiicio do cordeador, urna coala do
(cal de S. Jos, e urna peticio de Manoel .Figueira
de Faria.
Despacblrlo-ie as petigSes de Marcellino Toi Lopes,
Chriiiovao Starr & C.. e Joi Andelo da Silva. -E*
JoBo Joe Firrtira de Agu'sar, lecretario o eiorevi.
Mello Cavalcanti, pro preiidente. Hamot Car-
neiro Monteiro. Dr. Nery da Fonteca Reg Bar-
roe.
Parecer, a que te refere a acta tupra.
a A commissio de edificecao, i quem foi presenta
o requermento de Christovio Starr & C em que le
comprometiera a lazar urna poote de ferro, oa forma
do desenho que apreientio, no proieguimento da ra
do Aurora, para onde tem de remover sua fabrica de
fundigio, com ai condgOei, que eilabelecem em seu
dito requermento, entende, que le Ibas pode conce-
der a licenca, que pedem, urna vez que faci a ponte
de toda a largura da ra, e nio da largura da que
exiite, aisignindo para isso termo de nbrigicio, con-
forme te tubjeitio em .seu requermento. Sala dai aei-
soes di cimara municipal, em 25 de novembro de
1845. Ramos. Barrot.
u A commissio de edificigio vio o requermento do
padre Domingos Germino Aflonso Regueiri, e.mais
informacoee i elle juntas, sobre o terreno de marinha,
de que esli de pone, occupidoeom duis casis Ierren
oa rui da Guia do bairro de Recile, e que agora pede
por aforamento ao governo da provincia, e entende
que nenbum incovenienle reeulta da sonecillo do re-
ferido terreno. Saladas leudes di cimara municipal,
em 25 de novembro de 1845. Ramoi.Barros.*
< Est no caso de ser paga a conta apreientada por
Manoel Figueira de Faria, e de accordo se acba com o
contrato,que formara com a cmara municipal: por isso
he a commissio de polica de parecer que te ordene o
seu pagamento.
o A vista da conla, ipresentida pelo fiscal do S. Jo-
s, das villoras,.'i que procedeo em diverts padarus, o
da importancia de 100 dozei de noz vmica, tudo no
valor de 53,200 re.', entende a commissio de polica,
que se ordene o pagamento da referida quantia, e quo
se edvirte ao respectivo fiscal,Innocncio da Confia Goi-
anna, que jamis proceda a despeza alguma de seme-
lbante natureza sem previa autoriiagio da cmara mu-
nicipal
a A commissio de polica exeminou o bliaocoi da
receiti e despea do mez de dezembro do anno prximo
passado, e bem assim o que decorrira do ultimo tri-
mestre de julbo a 30 de setembro, aquello firmado pelo
procurador, e este pelo contador, ambos os balangoi
seguidos de inlormecoes, que a commissio oiga atlen-
diveis, bem como a differenca notada de 1:177.818 r.,
qtle se absorva nos terceiro e quartu balancos anterio-
res. Conclue a commiisio de policio, que le devolvi
i conlidorii todoi os bilangos do anno municipal pro-
taimo fin Jo, a fim dse fezerem as correccoel notadas
pelo contador em seu ofiicio de 24 deoutubro do cor-
rente anno. Sala dai commissSn, 25 do novembro
de 1845. Carneiro Aonleiro.
Apezar purm deslaa demonsira(6oa, que nada liulii
de atiifar.toriat da parle do dnu. genus-luunen que
lio drlcruiiiiadoi prenlo, u eslulajadeiro au mostrou
diflcrcriga, e comentando du i cenar um paaio, a fim de
emir em ua casa :
llrm r v, diiie elle em tom clmrorrriro, que os
Sn ajrrgau da provincia. Em Par, ja paisuu s moda
ds)asaltar u eilalajadOiroi que naVj quercm alugar u
teu quarlo. Aoi grandes ftdalgoi he que ae mala, e
nao am biirguezri, eie me gritaren! muito, mu cha-
mar os iiicui viiinhoi, eoiSn. lie qae hSo er u e-
panoadn, Iratamento inlciramciitc indigno de dous
gonlis-honieni,
E ni" eil raisiiando enm nosco, exrlimou Co-
cumas exasperado, ruin lodo ui dinboi.
Gregorio, o meu arcabuz, dille o eitalajadeiro ao
criado, no mesmo tom que se dissera : una cadeira para
cales Srl.
Tripa do papa! grilou Cucannai deembainhiudu
a rapada, enlio au vu aqueceii, nmniieur de La
Mul?
Nio, e mr perniilli, nio i porque em quinto no
aquei erniu, estriara n cein.
Como! puii v acliai?..... exclamo Cocannai.
Aclio que M. dla Bclle-Eloile lem rnsio soincn
le nulo que ee nio labe hover cun o seus viajante!,
ubreludo quando eases viajante io genlit-humeii.
Km iri de dizei-mis brulalincnlc ; luto vuqurrn; trria
frito iiiellnir dizeiidu-iiii rom civitidade: rntrrn, nieus
chariamn maii outro alnjimenlo. E deinaii, he til ve*
o rnsinme de Paria receber assim o furaileiroi que ahi
chegan.
Com cffriin como ni paciente, mnniieur de La
Mole, murmuren Cnrinnoi torrrndo de raiva o bigodr,
e laucando a eilalajadeiru o olhoa onruieinle. Ma o
traante que lome cubro em ii, te a coiinha for rol, le
u leilo for duro, o vinliu nao liver tre annoi de gir-
rara, leo rriadu niu for brando onrpo um junen.....
Drixe eilr, meu fidalgo, dine oeilalajadeirn afi
ando a faca ; fique aucegado que o Sr. est ero paix de
Cucanlia.
Depui meneando a rebeca, diise em voz baixa :
lio algum huguenote ; o Iraidurea eiiflo insnlen-
tes depois do casanicn'.o do ten Boarnet com mademoi-
sella ll.rgol I
E logo com umiorriio que hnurera frito eilremecer
o sen limpede, an elle o tivPlacm visiu, ajiinluii
Ah! ah! havia ser bem extravagante, que juila-
mente me cahiasrm bugnenotr rin ciia...... e que.
rrnburee ; rmbura na sua r.ml.i puz-asr: quarto de ama, O'li rrianm m'i, mi nlu? perguntou com aio-
tanto; quarto d* itcaioi, tanto; viltu que te nio temo
lar.iiu, ciiiitanins luiua-lus.
E ditu iitu, La Mole eparou braniLinienle o ettalaja-
driru que ja eatendia a man ao baenmarle, fes pealar Cu-
canna e eiiiruu apa elle para u interior da caa:
Tenbo pena aindi aiim, diese Cucanna, de em-
baiuhar a espada, ante de mo certificar ao clin fura lio
bem como a lerdeedeirai deo marutn.
Paciencia, meu charo compaiilicirn, dine La
Mole, paciencia Toda ai hospedan* eetto cheiai de
gcntii-humeiii atlraludoi Paria pelai tvllai do caaa-
iiientu, on pela prxima guerra de Flandree, nos nio a-
dume Cncannai, inlerrompeiido oa aparte do dono da
caa.
Como for do sen guato, reipondeo eito, tem du-
vida abrandado pelo ultimo pensaincjilo que Ibe occor-
rra.
E eita ? como for do nono gotto! e ja, reapondeo
Cnoannat.
E vnltandu-io para La Mole
i Ora, diii-ma, Sr. conde, dine elle, em quinto
noi preparlo 0 quirlo: acbaia que Parii be urna cidade
alegre?
Por certo que nio, dine La Mole todas ai cirai



COMMERCIO.
Alfandega.
Bsrmiwnn'o oo du 28................16:377*714
DeicarregaO koje 29. ,
Su nuca Nova-siurotamercaduras.
BrigueCexarinoLacaibao e breo.
BrigueJohan taboado e alcalrao.
BrigueSword-Fithmercadoriai.
Barca/r Consulado. >
ENDllKNTO DO DA 27.
Geral5:522#446 ProYnol-i :290*568
Movimiento do Porlo.
Naoiot entrados no dia 28.
Liverpool ; 36 dita, barca ingle/a Tkomat-Mellon,
de 275 toneladas, capillo Roberto Bruce, equipa-
gem 13, carga fazenda; a Ruiiell Mellon & Com-
panbia.
S. Catbarioa ; 44 dial, brigue braiileiro Atlante, de
313 tonelada!, capillo Custodio Caetano. equipa-
gem 14, carga farmba ; a Manuel Ignacio de Oli-
veira.
Rio-de-Janeiro; 38 dial, brigue brasileiro Incantavel-
Maciel, de207 toneladas, capitio Antonio Jos Pe-
reira Parati, equipagem 15. carga farinba; a Amo-
rio Irinoi. Passageiro, Miguel Mara Mafra, Por-
tuguei.
Boston ; 5(idiai, biate americano Duroc, de 62 to-
neladas, capillo Tbomai Dean, equipagem 6, car-
ga ob, cabos, eadeirus, chapeos de palba e mais
genero* ; a H- Postor & Companbia.
Navio tahido no meimo da.
Aiacaly; sumaca brasileira XI V-de Novembro, capi-
llo Joaquim GoncaUes Lages, carga farioha e mais
gneros. Paasageiroi. Severino Jos de Carvalho,'
cpm 3 escravos, Francisco Jos Pacheco, Severino
de Arruda Cmara, Braaileiroa.
Det-laraces.
= Pelo lyeo deata cidade se fai publico, que no
dia 6 de fevereiro do anno prximo futuro irlo a con-
corso ai cadeiraa de primeiras ledras para o lexo mas-
culino das povoacei deGoianninba e Pedras-de-Fgo,
comarca de Goianna. Os candidatos, que ai referidas
cadeiras le quizaren) oppV, babilitem-se nos termos
da lei. Secretaria do lyceo desta cidade, 25 de novem-
bro de 1845. O tecretario, Joo facundo da Silva
Guimaries.
3= O administrador da mesa da recebedoria dai ren-
da geraea internas avisa pela ultima vez aoi collecta-
doa do bairro da Boa-Vista, para que venbio pagar a
taia de escravos de 42 a 43, e de 44 i 45; de S. Anto-
nio de 44 a 45; do Recife de 45 46; pena de le pro-
ceder a eiecutivo, se nio vierem pagar at o lim do
crrante, cujai relacfle ji se ichio tiradai. Recebo
doria, 26 de novembro de 1845.
Francisco Xavier Cavalcanti dt AIbuquerque.
Oetnpregado da recebedoria das rendas genes
desta provincia encarregado de arrecadar diversos im-
postes, como conita de diversos annuncios feitos por esta
niesma folba, lando perdido cinco conhecimentoi deide
o principio da ra Direita at o pateo do Terco, perten-
centei ai peison seguintes: de Bcnlo Jlo Cardlo,
morador na ra Direita dousconbecimcnloi, 1 de impos-
to de sua taberna do valor de 19*200 ra, e oulro de es-
eravoi de I2s' n ,este doanno de 18i4 1845,eaquelle
de 1845 1846 correte ; de Jos da Costa Carvalho
Guimaries.tambem morador na ra Direita, 24*000 n.
de imposto de ua taberna do crrante anno de 18i5
1846; de Jos Andr de Oliveira, morador nal Cinco-
Pontai, 1 conbecimento de IOjOOO n de da de escra-
vos, e outro da viuva de Manoel de Jess Panfilas, mo-
radora na.rua Augusta desta cidade,do valor del6000
n.,tambera de tan de eicnvoi de 1844 1845, ecomo
o inesmos j tenbio pago aa respectiva quanlin, e
obtido novoi conbecimentoi, declara-se que esto aquel-
lea de nenhutn efleito, e quem os acbar baja de restitu -
loma mesmi reprtalo, querendo. Recife, 24 de no-
vembro de 1845.
MESA DE RENDAS 1NTEBNAS PROVINCIA!.
Oesctivio e administrador da mesa de rendas inter-
nas provinciaes desta cidade faz publico, para que ebe-
gue ao conbecimento de lotros os propriola-rios de pre-
dio! urbanoi das qualro freguezias .d'esti cidade e po-
voacio doi Alogadoi, que no dia l.de dejembro pio-
ximo futuro se principia a contar o trinla dial marca-
do! por lei para pagamento, a bocea do cofre.da deci-
ma urbana correspondente ao 1." semestre do crrante
anno finmeoiro del845 1846, e lindo etie praio pa-
gars os devedoret a multa de 3 por cento do valor de
leus dbitos, de conformidade com o regulamento de
16 de abril de 1842. E para que chegue a noticia de
todoa mandei afiliar o presenta e publicar pela im-
prem. Recife, 25 de novembro de 1845.
Luit Francico dt Mello Cavalcanti
COLLECTORIA DA CIDADE DE OL1NDA.
O colieetor da decima e mais impostos da cidade de
Oiinda faz publiro a todos o ieui collectsdos. com
prehendidol nos limites marcadosdesde oannode 1839,
que do dia 1.* de dezembro prximo foturo principia a
vencer-so o prazo de 50 dial uteii. determinados oo
rtigo 20 do capitulo 6 do regulamento de 16 de abril
de 1842, para a eobraoca, a bocea do colre, na cata da
cmara da dita cidade, do i. semestre do correte
anno de 1845 a 1846) da decima urbana; e que
neite meimo praio arrecadar as mais impoaicoes,
que esto a teu cargo perteocentea ao meimo anno
financeiro; (indo o qual, incorrerd na multa de 3 por
cento, determinada no 1. do j citado artigo 2. alm
de serem executados. Outroiim, fai constar todos
o devedore dos impoitos doi annoi anteriores, que
vio ser quinto antes remettida aV retardes de leus
dbitos 10 joizo dol feitos da faieoda, para serem exe-
cutados; as quaei j esli extrahidaie piornptas: e pan
que ebegue noticia todoi, manda fazer publico pela
presente. Colleetorii de Olioda, 15 de novembro de
1845.O escrivio, JoSo Gonoalves Rodrgate Franca
COMPANHIA DE BEBERIBE.
A administrarlo da companbia de Beberibe faz ici-
enteaoiSri. accionitii, que em lesiio de 20 do cor-
rente resolveo espassar at o dia 20 de dezembro prxi-
mo futurp o recolbimento da preiticSe em atraso ;
e que, lindo este prazo, perderlo o direito d'aceionittis
todoi aquellei, que nio tiverem reiliado ai preitacOei
de 60 por cento al agora eligidas, reverteodo ai mas
entrida em beneficio da cpmpmhia, de conformidt.de
com a disposiclo do artigo 9 dos estatutos. Adverte,
outro lim, que nio hiver prorogaclodo prato, nem
contemplado com peiioa algumi. Eicriptorio da com-
panbia, 24 de Novembro de 1845.O secretario, B.
J. Fernandee de Barros.
roideouro, coberlo do vidro, chave ordinaria, atada
afitapreta; a quera ffir ofTerecido o poder tomar
edirigir sea ra da Cadeia-Velba do Recife, n. 17,
quo se gratificar : na meama se aluga um primeiro
adir, proprio para pouc familia
CONCERT
DE
MADAMOISELLE POPON.
Previne-se aos Senhores, que fizerio o favor de ac-
coitar bilhetes para o concert de M."" ZO POI'N,
designado para hoje (29', que por causa de ndispo-
sicSo de um dos artistas, que nelle devem ter parte,
fica transferido o mesmo concert para o dia 8 de
dezembro prximo futuro infallivelmente ; e espe
ra-se dos mesmos Senhorcs benvola desculpa por
esta falta involuntaria. As pessoas, que anda qui-
zerem obter bilhetes para este concert, podem pro-
cura-Ios em cusa da beneficiada, Aterro-da-Boa-Vis-
la, n. 4. 4b, .-
O LDADOR.
GABINETE L1TTERARI0.
Nio te bavendo reunido em iiiembla geral osSn.
ocios do gabinete lilterino, a lim de nomearem a no-
va direccao, e tomarem medidas sobre a existencia do
mesmo eitabelecimeoto, lio de novo convididoi pan
o dia 29 do corrente, a 6 hom di Urte, oo lugar do
costume. Carntiro da Cunha, seoretario.
lvisos martimos.
aqu me puntean espantadas un carrancudas. Talve
que ot Parisienses tenliiu modu da irovuada. Vedo oo-
ino en la o reo negro e uar pesado.
Diiei-ine, conde, v eem duvida procuraia o
Louvrc?
K vos tambera, oreio en, M. doConannaa.
Pniabeni! se queris, vamoa arabua la.
Hcm disse La Mulo, nao he um p< uco tarde para
sabir!
Tarde oo nfio be neceaaario que en aaia. Aa
minhaa inslruecoeg alo preciaaa. Chfgnr o maia de
|irea Par, e lugu que olirgue, communioar com o
dui|ue de Ijuise.
A' este iir.no do Guiso o eatalajadeiru appruti-
mou-ae rnuilo atiento.
Parece-me que eale roarnto nua eacula, diase Co-
cannaa, que na um qualidade de Piemonle era' muiti.
laneornau, o nao poda prrdosr uo d*w da Bella Et-
trtlla a maueira pinico civil, por que elle recebia osseus
viajantes.
Sim, mpua Sra. eu oaeacuiu, disse cate levando
a mo ao bonete, maa para servi-lna. Oucn filiar do
grande duque de Guise, e acudo a vol. Era que ibes
posan aer Loro, meus hdalgoa?
ib. ab! Eme imnn be mgico au que parece,
poja que de inslenle le lurnaate obsequioso.Cun
vadiabne, mealre, mealre..... Coran le chainas tu?
Mealre La Huriro, reapundeo oeatalajadeiro in-
clinando-se.
Eenia.., mealre La Hurire, crea tu que ornen
bracos*ja mena pcaado que o du duque de Guise, qor
ten) o privilegiii de te turnar lio corlea?
- Niu, Sr. conde, maa nio be iai oomprido, repli-
cou La Hurire. Alm de que, acoroioenlou elle, he prc-
Pira o Rio-de-Janeiro seguir em breve o pa-
tacho Felicidade: quem no mesmo quizer carregar, ou
embarcar escravos, pode tratar com Amorim Irmios,
ra da Cadeia, n. 45.
= Segu iigem, por estes das para o Au o
brigue brasileiro Independente lendo ji parle de leu
carregtmento prompla : quem no mesmo quier car-
regar ou transportar-so falle com Manoel Alves
Guerra Jnior, ou na loja de cabos, de Francisco
Mamede de Almeida.
ParaoAss o brigue Amphitrite, capitio Ma-
noel Duarle, sai com brevidade: quem no mesmo qui-
rercarregar, fallo com Manoel Ignacio de Oliveira, na
ra de Apollo, n. 18.
as Para o Rio-Grande segu com brevidade o biigue
Jpiter ; recebe alguma carga Irele, assim como es-
cravos : pde-se tratar com Jos Xavier Vianna. ra da
Cruz, ou na loja de cabos do Sr. Mamede, ra do Viga-
rio, o. 7.
Para Lisboa pretende sabir, no dii 15 de deiem
bro, o brigue portugus Tiiumpkantt, capitio Silveiio
Manoel dos Reii ; quem no meimo quizar carregar,ou
ir de passagem, dirjase aoi ieui consignatarios Oliveira
Irmios SC, na ra da Crui, n. 9, ou ao referido ca-
pillo, na praca do Commercio.
= Vende-ie urna barcaca, que pega em 24 caixai
de assucar gosto, construida de boas madeirai, e feila
naiAlagoai; est prompta deludo; be nova ; anda
nio lez viagem alguma, excepcio da em que veio de-
poii de icabada ; e be muito boa de vela : quem a qui-
er, procure a Antonio da Mlva Gusmio, na ra do
Quemado, n. 39, e, na sua falta, I seu caixeiro Maia
= Naicimento Scbaeffer & Companbia aviso aoi
Sra. queteem escravos a carregar pan o Rio-de-Ja
neiro no brigue D. Af/onto, queirio embrcalos no
domingo, 30 do corrente at ao meio dia depoii
de cujo hora nio se receberd.
Avisos diversos.
Fnrlrio um relogio pequeo com caixa e ponlei-
ciao dner-llic, que ease grande Honriquo he o dolo doa
Parisiense.
Qull Hciirique? pergunlou La Molo.
Parcce-mo que ni ha senio um, disse o eiiala-
iadeiro.
Equil?
Henrique de Guise.
Perdne, amigo, ha anda outro, deque convido
ii a nio diier mal; he Henrique de Navarra, aera Sillar em
Henrique de Cunde, que tambem lem aeu mrito.
Essea, niu oa mtuheyo, responden o dono da casa.
Sm, inna oonbefu-oa cu, disse La Mul, e coran
sou reeouimenilado de ol-rei Henriiine de Navarra, ha de
me faier o favor de niu dixer mal dille em iniulia pre-
sen ea.
O eslalajadein, aera responder a M. de La Mole, onn-
li'iilon-ie de turar levemenle no bonete, econtinuandu
muslrar-se todo attenomso para Cocinos, disse-lhe
Com que o Sr. vai fallar ao grande d'iquo deUui-
ae ? He para?....
Para que?, pergunteu Cooannaa.
Para a resta, reapundeo o estalajadeiro eom parti-
cular aerriao.
Devia diier para aa fealaa; porque Paria nada em
featna, ao que lenho ouvido diser; ao menos a ae falU
de bailes, de renitis, de oavalhadaa. Entao nio so di-
verle murlu em Puris?
. Nio muito, Sr., ao menos at boje, responden o
estalajadeiro; maseapero que los havemua anda de di-
vertir.
Aa nupcias de S. rnageatade el-rei de Navarra at-
trahe entretanto tuuila gente i esta cidade, diaae La
Mole
Sahio hoje o n. 69 e acba-ie a venda, na praca da
Independencia, livraria na. 6e8.
A* CARRANCA.
Sabio boje o n. 47 e acha-se a venda, na praca da
Independencia, livraria ni. 6e 8.
- Avisa-so io Sr. Joaquim Pereira Arantes, que an-
Bunciou estar em juste para comprar a loja do calcado,
sita na praca da Independencia, ns. 11, 13 15, ou
outra qualquer pes que se devem entender antes com Mesquita Dutra &
C *, na ra do Brum, a botn do interesse dos mosm.is
compradores.
O abaixn aiiignado dexou de ter caixeiro do Sr.
Sebastiio Jos da Silva e Barros, da sua loja de ferra-
gens da ra Nova, n. 20 : o mesmo abaixo aisignido
ca assia obrigado ao dito Sr. cima pelo bom trata-
mento, que leve naaua casa, durante o temoo que nella
esteve, pelas tuai h nradas contas que delle recebeo do
seu ijuite e nido de cunts.
I'ancUco Jote de Almeida.
Socieriade llelpomenense.
O tbeioureiro avisi aoi Sn. iocoi que o bilbetes
para recita de 2 de deiembro te distribuem em cisi
do mesmo na ruada Crut, n 43, nos dial 30 do cor-
rente e 1 e 2 de deiembro ; assim corno previne que
cohrar as mensilidadei de novembro c de/embro.
- Uuem preciiar de um adminittrador para en-
genho dinja-ie a praca da Independencia, livraria,
na. 6 e 8 que ahi te Ihe indicar um homem que
ji lem administrado engenhoi, casado e sobrecarre-
gido de familia.
Aluga-se urna can para te pinar a festa na Ca-
punga no litio do Jacobina na estrada netamente
abarla pintada e envidracada muito perto do rio :
a tratar na ra do Aragio, n. 16.
- Aluga-se o primeiro andar da can da ra do
Queimado n. 14 com bastantes commodos, pinta-
do, ba pouco tempo : a tratar no segundo andar da
raeimi casa.
A'peisoa, que pedio a declaracio do aununcio
do Diario do 24 do correnle com Antonio Ferreira
da Costa Braga, a seu tempo ser declarado o que pede
ao Diario de 27 do corrente.
Deane Youle & Companbia respondem ao- an-
nuncio de Joaquim Pereira Arantes, no /liaran. 265,
sobre a compra Jas tojas da praca da Independencia,
ni. 11, 13 e 15 que os annuneiantes sio odores de
Jlo Bernardino de Seni a quem pertence ai ditas
rojas de urna leltra, que se acha em juizo com sen-
tenca j dada ; e de outra leltra que se acba para
vencer.
= Manoel Ferreira Dinit lem contratado a com-
pra da casa da ra de S. Jos n. 38 pertencenle
aos Sra. Jos Manoel de Jess Martar, e Alexandrina
Mana dos An|os.
Quem precisar de um criado pira coiinbar, di
rija-so a ra da Guia, n 13.
- Oflerece-se urna mulber para ama de urna casa
cozinba bellisiimimente engomma muito bem fai
doces de todas as quahdades, e entende do variai igua
riai de miisii : quem de seu prestimo se quizer utili-
sar, diiija-ie ao becco do Azeite de-Pene n. 14.
Braga & Campos muito agradecen) o annuncio
que em defea tielles sabio no Diario de 28 do correo-
te assignado gelo Inimigo da impostura: e este
quem qur que elle soja, os cordias agradecimentoa dos
abaixo assignados quo nio podem deixar de se con-
fetnrem obrigadoi por um acto lio espontaneo e datan-
ta generosidade. Braga & Catupot.
= Guilberme Aogusto Rodrigues Selle embarca pa-
ra o Rio-de-Janeiro o seu escravo Jos, pardo.
Casa da Fe9.
RA ESTREITA DO ROZARIO, N. 43.
Nio teodo sido puisivel so tesouroiro da lotera do
theatro conseguir pelos seus esforcoi o andamento das
rodal no dia 25 deste mez, como s havia roncado, pe-
e lo grande numero de bilbetes, fe (icario por se ven-
der (que montou a mais de do'ze contos de ris); trini-
ferio o masmo thesoureiro oandtanento das rodil pin
odia 18 de dezemhro vindouro, inlallivelmente. Tor-
na de novo o cautelliita da casa la Fr a convidar aos
apaixonados deste interessante jflgo a concorrerem com
mais promptidio para a compra do resto dos bilbetes,
dassuas cautellas, (que sio poucas), a im de que cor-
rao as rodas no dia acina, e nio te veja o digno tbe-
ioureiro na necessidade de lomar a transferir o anda-
mento dai ditas rodas para outra vei; viodo a fiear, por
estes motivos, todas as loteras sem nenhum crdito.
Confia, pois, o cautellislada casa cima nos amantes
deste interessante jgo a onoofrerem com todoi oa seus
eslorcos.pira que te icreditem como dintel todaiai lo-
leriis. Na mesma casa aobad:se a venda bilhetes, meios
bilbetes, e o resto das cautellas: a ellas e a ellas. Na ca-
sa cima lem para se vender urna rica maqueira do Pa-
ra, com varandaa de penmi, por preco commodo.
= O abaixo assignado faz scieole ao publico, que
Antonio Clemente Esteves de Larras daixou de lee lea
procurador desde odia C de janeirodo corrente anno ,
dia em que o abaixo assignado chegou a esti provincia.
Jote Negreiro de Almeida Sarinko.
= Joaquim Ignacio Clementa de Almeida Sarioho
faz sciente ao reipeitivel publico que Antonio Cle-
mente Esteves de Larras deixou de ser seu procurador
bstanle.
Havendo no dia 26 do corrente, sido man-
dado o pardo escuro de nome Pedro a urna can,
ao ponto de 11 lloras da manilla at ao presente nio
voltou a casa de seu senhor, e por ino he de presu-
mir esteja fgido ; o quil levou cilcu aiues de algo-
diozinbo e camisa de madapolio usadi, altura regu-
lar roilo oval,. cibell.ii carapinhados, olhos pre-
tos nariz chalo bocea grande, pouca barba : quem
do mesmo tiver noticias, ou o pegare levir as Cin-
co-Ponas, sobrado, n 42, sari recompeoiido
=0Sr Bernardo de Souza Franco queira por esta
folba annunciar a ua morada para negocio de seo io-
(eresse.
= Precisa-se de um rapaz desimpedido para criado,
francez, inglez, allemio, ou americano; oo Aterro-di-?
Boi-Vista n. 36.
agradecimento rjfcjanto mais profundo e sincero, quan-
lo elles nio conhecem esta pessoa que tomou sobre
si o defende-los dos insultos e improperios de um frico
detractor, que nem se quer lem attendido para o si
lencio desprezidor, com que o oflendidos o teem trata-
do. Assim, poii, receba oInimigo da imposturas -,
Minios hugiienolca, aim Sr., reapundeo grosaeira-
iiiente Lo Hurire; depois, cuino quera ao arrependia
Ah! peru-llies perdao, dase elle, oa Sra. aio lalrex d
relig"?
Eu, da religin, exclaraou Cocannaa; nada, eu c
eou tSncatholico curan uosso santo padre n papa.
La Hurire vollou-ae para La Mole cuino para inter-
roga-lo ; maa eate ou nio lhe cmnprehendro o olhar,
Ou na julgou a propostu respuiider-lhe
Se nao cuntiere S. mageslnde cl-rei de Navarra.
mealre La Hurire, talve conlieca o r. almirante Ou-
vi diier que elle goiava de algnm favor na curio, e como
tambera Iho sou reouniniemladn, desejav.i quo me dia-
aesse ande inora, ae iatti Iho nio pella a boca.
Motara na ra de Kthisi, aqu a direita, respon-
den o rstalujadeiru cura interior satisfcelo, que nio po-
de impedir que ae tornasse exterior.
Cora, mura va! pcrgiintou La Mole; rntio rau-
duu-se ?
Snu, Sr., diste inundo talrez.
Como he uso? perguntrla ao mesmo tempo os
dous geotis-horaens, o almirante inudou-se deale inun-
do!
Que! Sr. eondo de Cooannaa, proaeguio La Hu-
rire ruin maligno sorriso, pois o Sr. ho dos de Guise, o
ignora isln!
Isio, que'
Que antea il'liontem, ao pnssar pela praca de Saint-
Gerruain-l'Auxerruia, destrate da eaaa du cunrgu Pedro
Pilea, o almirante levou um tiro de arcabuz.
E fui muri exclaraou La Mole.
Niu, u tiro s llie qiiebrou um braco e levoo-lhr
dona dedoa, mas espera** que as balai eiti venera en-
venesadia.
Grande exposicilo publica
DOS TRABALHOS DE
Q333E2S) e 221t?3?&&r>
iu;\ d'apollon. 20, primeiro a.mda.r.
Joaquim Lopes de Barros Cabral, com
aula de desenlio e pintura na ra d'A-
pnllo, convida aos habitantes desta pro-
vincia a viretn visitar a sua aula no
dia 3o do corrente, aitn de poderem ava-
llar o adiantamento dos seus discpulos
to curto espaco de cinco inezes, e para
esse lim far tima exposieco publica seis
dias successivos, comecando no dia 3o,
at o dia 6.
Aluglo-se dous sitios com grande can de viven-
da, cocheira, estribara, banbo e perto de desembar-
que, no rio Capibaribe na Ponte-do-Uchoa, defronte
ao sitio de Francisco Antonio de Oliveira, a quem qual-
quer pretndante se poder dirigir.
Aluga-se urna casa de sobrado de
quatro amlai rs,n;i ra do Trapiche-Novo,
muito fresca, e com muito boa vista para
o mar : truta-se na ra da Aurora, n. 58.
Precisa-se de urna ama do boos costuraei, que
saiba engommar, para o servico interno de urna can de.
pouca familia ; quem se julgar nestss circunstancias,
dirjase a Fra-de-Portas, rus do Pilar, o. 146, pri-
meiro andar.
= Aluga se o armaiem de porta larga, dai casas de
Joio Jos Carvalho Moraes da esquina da rus da Au-
rora que outr'ora servio de cocheira : a tratar na loja
de Joio Jos Carvalho Moraes.
Como, miacravel gritn La Mole, esperase!...
Quero diier quo se suppo, replioou ofettalajadei-
rO| njo ba para que agastar por una palana : cquivo-
quei-me.
E nicstre La Hurire, dando, aa costas a La Mole, tes
una careta e piacou oa olhoe para Cocannaa.
lio venlade? diie Cocannai radiando depraier.
He verdade? murmura La Mulo oora doloroso ei-
panlo.
He como lenho a honra de diier-lhes, mam Sri.,
responden o dono da casa.
Nease caso, dia La Mole, vnu ao Louvre sen per-
da de tempo. Aoharei l ol-rei Henrique?
He provavel, pois que elle Id mura.
E eu vou tambora an Luuvro, diase Cooannaa. En-
cnnlrarci all o duque de Guise?
Ho pruvavrl, porque ha pouco por aqu paisou
cun dmentos geiitis-hoinena.
EnlSo Vinde, Sr. de Cocannai, dit La Mole.
Eu voa aigo, Sr. de La Mole, diae Cooannaa.
Maa a aua ccia, meus Hdalgoa ? perguntou mealre
La Hurire.
Ah! disse La Mul, talrea eeie com el-rei de Na-
varra.
E eu eom o duque de Guise, disse Cooannaa.
E eu, disao o donu da hospedara, depoia que to
oa dona genlis-huraena tomarem o earoinho do Louvre,
eu vou lirapar aa minhaa armas, por mecha no rueu ar-
cabua e aliar o raen chuco. Niuguem sabe o que lem de
acontecer.
(Caeiamor-at-la).


= Daniel R. Bonker, tubdito imericioo, relira-
H para o Ettsdos Unidos.'-
= Jo5o Antonio Coelbo. metlre birbeiro, com ten-
da na ra eslreita do Rozario n. 19, fax scienta aoi
seui freguezet que nao deem em seu nome coma sl-
guma a seu discpulo Joao Percira ,la Silva que por
nada ae responsabiliza desta data em diante por ter
tbido de sua cata.
= Na ra do Mundo Novo, n. 60 engomma-te
roupa com milita perfeicio e por preco muito eom-
modo.
Jeide Almeida Vasconcellot nSo recelando a
liogoa do sea advertirte Antonio Dominguei Ferreira,
com brevidade Ibe responder a la declaracao de boje,
pela maneira que merece.
Aluga-ie urna can terrea muito larga, na rui
da Soledade, com dula talas, 6 qoartoi, corredor ao
lado, coiioba fura, com um grande quintal murado
e outro cercado: a tratar na ra da Aurora, o. 58.
SOCIKDADE THEATRAL
TALIENSE.
O primeiro secretario avila aoa Son. socios que o
bilhetea para a|recita do dia 29 do correte dislribuem-
60 no dia29 em casa dg reapeclivo ibesoureiro, na ra
do Queimtdo, n. 67. r
LTEKIA, DO'THEATItO
O tbcsooreiro desta lotera, havendo por este Diario
declarado as cautas, por que ai [odas da metma deizi-
rao de ter andamonto no dia marcado, declara agora",
que no da 18 de deiembro prximo futuro se reali-
ar a extraerlo da metma lotera infallivlmente.
Agostinho Henriques da Silva embarca para fra
da provincia o teu escravo Roque de Angola.
Precisa-te de um earpioa que queira fazer um
li'ilo e caiifio de urna csrroca : na ra da Concordia ,
n.lB.
Precia-se de um preto que teja postante e la-
dino, que entenda de padaria, ou tenba algumaa lu-
jes ; tambem te d pi de vendagem a 60 n. por
pataca, da melhor fariobi: naaCinco-Pontaa, n. 160.
Precisa-te de um pequeo para andar com um
preto a vender pi : no Corredor-do-Bitpo n 8.
Jlo Ettevet da Silva vende o teu eitabelecimen-
lo da ra de Apollo ni. 28 e 30 dapurtuda mar,
constando Je escravos canoas abortas e de conduzir
agoa e a proprieaade com osen terreno at beiza-
niar : a tratar no mes no lugar.
= Manoel Antonio da Silva Molla vende ou alu-
ga duas canoai de conduzir agoa ; deia etcolber em 6
bem construida!, e com pouco uio.
Aluga-te um sobrada de um andar e tollo, na
ra Augusta : a tratar na ra do Collegio n 8, segun-
do andar.
Aluga-te, per 10# ri. vnonsaes, o segundo andar
do sobrado da ra estrella do Rosario n. 18 : a tra-
tar na ra do Nngueira n. 27.
Aluga-te o primeiro andar do tobrado da ra
Nova n. 65 : a tratar com Antonio Ferreira Lima ,
ou na venda que fica por btiio do dito obrado.
= Aluga-se urna boa casa terrea na ra da Alegra
da Boa-Vista n. 6 : a tratsr na trates-a do Verai,
sobrado, n. 15. ,
t
rs.
o COVI
de
des, de 120 a 300 rs.; madapolcs, de 140 a 80 rt
cortes de datas de toda as qualidades, do melhor
gusto superiores rscados franceses, I polka, 360 rs.
o covado; e outrss muitas faiendas, ja annunciadas
neste Diario: na metma loja cima.
= Vendem-se cortes de linitumas chitai a polka e
aveludadas, a \) n. ; lonas da Russia n I a 8)SO
rs. a vara ; ditas n. 2 a 80 rs. : na ra do Crespo,
n. 16 segunda loja para quem vem da ra das Cru-
jes.
dito de lararija.
mamo, em caixoes-
muito.superi.or doce de calda de

$
&
o
&
; casimiras, das mais modernts. a 1,200 e 1,400 ri. guiaba, dito de banana,
ovado; panno fino, preto e azul, a2,500ra.; meias d ,j ,. .
tenbora e*80rt. opar; chitas de todas as qualida- .U0 ae llma' di, ae.'
ztnhos ; muito.superipr
oiaba inteira, edito de mamo em latas
e flandres : na rua do Crespo, sobrado,
n i4, terceiro andar ; na praca da Inde-
pendencia, loja de roiudezas, "n. 4ena
rua das Cruzes, venda, u. 43.
ae Vendem-e duas pretal mofas, de 22 annos ,
proprias para todooiervico ; urna dita perfeita cosi-
nbeira que se dar a contento por alguna diss, enlo
precisa ser mandada ; urna mulatinhe de 12 annos,
muito bonita proprii para mucama de alguma me-
nina ; um preto de todo o servico : na rua larga do Ro-
sario n. 46, primeiro andar. ,
asa Vende-te om bonito moleque ; duas pretas de 17
Snos com algomas babilidadei ; um preto moco,
m robuito : na rua Bella, n. 28.
ss Vende-fe, por preco commodo, urna canoa abar-
la de carregar lijlo ou areia bastante grande mui-
to forte bem construida e tem tido pouco uso ; na rua
do Vigario n. 18, primeiro andar.
CHA HYSON
DE BOM GOSTO,
E SUPERIOR QUADADE

O
Vende-se a af 56o ris cada libra: q
na rua Larga do Rozario n. a4- O
Compras.
= Comprn-se urna preta de naci menot da Coi
ta de idade de 20 mu s pouco mais ou menot, sem
vicios nem achaques de qualidade alguma, e quesaibs
coziobar e engommar perleramente ; a tratar com
Fernando Jote Braguez ao p do arco da Conceiclo.
Compra-so una csdeira'de bracos, sendo de"
Jacaranda ou de angico e estundo em bom uso : na
rua de S Rita, n. 20.
- omprlo-ie 50 ticen com farinba e aieite de
dend ; no principio do Atlerro-dot-Alogadot, n. 3 I.
Vendas.
FOLHINHAS
DE
ALMANAK
PARA O AiXIVO DE 1846,
contendo os nonies de todos os em prega-
dos pblicos da provincia, dos cnsules,
negociantes, mdicos, cirurgiOes, botica-
rios, e dos prncipoes oiciaes da guarda
nacional, &c &c ; vendem-se na praca
da Independencia, livraria, n. 6 e 8.
Na rua Dirrta, sobrado de
um andar, n. 56, vende-se a casa
terrea' da rua das Cinco-Pontas,
n. 93.
Na rua Direita, sobrado de um
andar, n. >6\vendese, por muito
mdico preco, a casa terrea da rua
do R&ogel, n. 49, com vintee
cinco palmos de frente, e setenta!
e sete de fundo, cozinha fra,
quintal murado, e otros muitos
commodos, e que rende mensa!
mente SO^OOO ris. Esta casa
acha-se hypothecada; mas o hypo
thecario nenlium bice pe a sua
v t no 3
KA DO COLLEGIO,
Loja n. I.
Vende ae superiores gravatai de setim preto a 600
= Vendem-se saccaa com ruilho a 3600 rs e al-
queire medido a 3200 rs.; ns rua* da Cadeis de S
Antonio o. 19, deposito de farinba.
\ende-se a verdadeira polassa rus-
siana da melbore mais nova,que se acha
neste mercado, a a50 rs. a libra;, adver-
tindo-se que se vende por este preco por
se achar em barris grandes : em casa de
J. J. fasso Jnior.
ATERKO DA-BOA-VISTA,
LOJA,N. 14.
Vende-ie panno preto superior, cor fiza, a 4f
rs..; algodo americano trancado, de titiras muito
forte para putos pelo barato preco do 240 rt. o co-
vado ; riscadoi franceses a polka a 360 ra. o covado;
e outras muilai faiendas por preco commodo.
= Vendem-se 8escruvos mocos, bons para o tra-
halho do campo ; doui caiaes deditoi (catados) bons
para o trabalbo de campo poraisto estarem acoqu-
inados ; 5 eteravat mocas, engommio e coz inbao
duas citas boat quitandeiras ; 3 pardas, e urna be boa
pora ama de cata ; na rua do Crespo n. 10, primei-
ro andar.
Rap de Lisboa.
= Vende-se na praca da Inderendencia n. 4 ,
ebegado prozimamento a 4000 rs. o bote.
= Vende-se um carrinbo de duaa rodal, em muito
bom estado ; e um cavallo muito bom para carro : na
rua eslreita do Rozario n. 43, segundo andar, das
6 as 9 borat e imia da manbaa.
Vi nde-se potaisa muito nova e de superior qoali-
dade, em barril pequeos: na rua da Cadeia' do Re-
cite, armazem de assucar, n. 12.
b Vendem-se saceos de milbo ; ditos de arroz de
casca; ludo novo-: tambera se vende medido a vonla-
de do comprador : oa rua da Cadeia do Recite ar-
mazn) n. 8.
= Vendem-se 18 escravos sendo 4 moloques pe
cas, de 12 a 18 annos, bonitos; dous pietot cozi-
n he iros de 20 annoi ; 3 paruat de 20 annos com
nubilidades; 9 pretal, de 18 a 25 annoi, com habi-
lidades ; um (amanenlo pura inferior de guarda na-
cional completo : na rua das Flores, n. 21.
= Vendem-se alguma* pipas quartolas e barris
vasiot de azeite t>rqueadoi de ferro ; na rua da Sen'
/alla-Velha n. 110
= Vende-se urna escrava, moga, de boa figure, in-
gomma e cosinba perleramente ; no arco de >. Anlo
dio, n. 2.
Vende-se urna porefio de cavernas grandes de t-
eupra proprias para canoa aberta ou de conduzir
agoa ; na rua de Apollo o. '8 a tratar com Joao
Esteves da Silva.
Vendem-se as verdadeiras pjiulas
vegetaes do Dr. Brandretli, e agoa-raz a
3-20 ris a libra: na rua do Gabug; botica
de Joao Moreira Marques.
= Vendem-se dous pretoi de naci de idsde de
20 a 50 annos sem vicios nem achaques proprios
para u servico de campo ou para ganbo ; um ca-
vallo rozilbo- foveiro muito Loiu de sella carregu-
dur baizo at meio ; ludo por preco commodo, por ter
edono de retirar-te : no Aterro-da-Boa-VitU, n. 26,
primeiro andar.
ata Veodem-ae travs de tudos os comprimentoa ;
encbameis e maos tratestas ; caibros por preco com-
modo ; na rua da Concordia, armazem, o. 4.
= Vende-se um pequeo litio com tata de vivenda,
muito freico a margetn do rio agoa de beber *t
proprio para otaria, e com propor(5es para viveiro; ven
de-se por commodo prego, e al com prszo na metade
do ajutte : na rua de Agoai- Verdes o. 21.
= Vendem-se chapeos de senbora muito bem en-
fritadoi e de gotlo o mais moderno powivel ; um n-
quisiimo lortimento de fitas e flores de todas as quali-
dades e bom gosto ; assim como guarniedet de flores
para vestido de tenbora ; pennai para chapeos ; artna-
(dei de chapeos para se aprompUreni : e um riquissi-
mo lortimento de cambraiaa linas: na rua larga do
Rozario n. 24. .
Vende-te cevadinha nova em barricas d#duas
arrobas, ltimamente cbegsda por preco commodo ;
em rass de I. 1), Wallbopp te Companbia na rua da
Cruz .. 16.
- = Vende-se potasta ruitiana, nova e superior;
cal virgem de Lisboa mais barato que em otriru
qualquer parte : na rua de Apollo o. 18.
x= Vendem-se chapeos finos, de castor e panno
de algodao para saccoi; na rus do Trapiche-Novo ,
e. 6, cesa de Joao Stewart.
Vende-s>e um escravo pardo, de
idade, pouco mais ou menos, de 18 annos,
RAPE' AMERICANO.
I
f
Com este pomposo titulo leapretenta no mer- ~
cado um ezccllenle rap, digno por certo da at- .
tencao dos aprecisdore de urna boa pitsda. Os .5
vendedores te obrigSo a entregar o dnheiro .
qualquer pessoa, que, tendo-lhes comprado des- ^
le rap, Ibesinta algiim defeito.
Vende-se no Aterro-da-Boa-Vitta, ns. 10 e "
36 ; Alerro-dos-Afogadoi, n. 209 ; praga da In- T
dependencia, Arante; rua larga do Rozario,
Lodi; rua do Crespo, GuimarSfli, Seraflm dt C;
rua do Collegio, Menezei; Csdea-Velha, Cu-
nba & Aajorim ; e na Lingoeta, Joaquim Jos *
Rabello. J
= Vendem-ie saccat de farinba de Mage lina a
4800 rs.; ditas de S. MalbaDi.'a 4200 rs. e alqueire
nuddo a 3800 re. ; gommade engommr, a lOs rs.
o alqueire ; arroz brinco, a 2> n. a arroba; aaccot
ovos de ettopa pira farinba, ou milbo a 600 rs. :
na rua da Cadeia de S. Antonio n. 19 deposito de
(arioba.
Vende-se um preto, de 18 annoi, de boa figura;
um pardo de 20 annos com officio de carreiro
ambos propiios de lodo o servico de casa e de campo ;
urna preta de 22 annoi, pouco mais ou menos de
bos figura e com habilidades que se dird ao com-
prador : ni rua da Cadeia deS. Antonio, o. 25 : e na
meima caa vendem-s 30 arrobas de cera de car-
nauba.
"*= Vcndem-ie cortei de finissimss cma-cbitas, de
goslos muilo modernos a polka e ebegadas ultima-
mente a-500e5frs.; ditoi de chitas de listraa en-
vinadas, e muito finas, a 4500, 4000 e 3500 rs.; cim-
bris lisa de vara de largura propria para forro a
120 rs, ; dita muito fina com pequeo defeito, a 320
rs.; casimiras de algodio de quadroi, a 480 rs. o cova-
mscedonia de quadrot e lislras padr&es escuro! ,
, _. _..,____..:<-- f-____I.. nn k.reln nrsfn
muito fiel, e humilde, ptimo pagem, e
allaiale : na rua do Cabug, Joj de miu-
dez&s, n. i 1).
Vende-se muito superior doce de
do.
480 rs. e outris'muilas faiendas por barato preco
na rua do Crespo, n. 14, loja de Jote Francisco Din.
Uepoiilo de farinha.
= No armazem de porta larga do caei de Collegio,
ba para vender farinha de mandioca de todas as quali-
dades entacesda ou medida pela medida velba ;
assim como arroz pilado; tudo por menot preco que em
nutra qualquer parle : as petioai, que quiserem gran-
des poredes para embsrque, teeu a vantsgem de poder
recuber u bordo do brigue Phentt :' e no meimo depo-
sito te encarrega do deipacbo e embarque e sempre
tem embarc.-,c5escom farinba no porto.
= Vendem-se corles de casta-chitas dos mais mo
demos gostos a polka ; ditos de chitas aveludadas e de
lislras enviasadas; cortes ae cambraits de quadros e
Mitras de cores tambem muito modernas e por me-
nos preco que ero outra qualquer paite: oa rus do
Crespo n. 8 loja de Campos & Maia.
= Vende-se urna morada de casa terrea em Fra-de-
'oilas da parte do msr grande a qual paga de ren-
da 8 j ra. mentaei, e se vonde por precitao : a tratar no
mesmo lugar rua do Pilar n. IOS das 6 as 9 ho-
rt da manbia.'
NAVALHAS DA CHINA.
Vendem-ie as sdmiraieit nsvalbasde seo da Chi-
na que teem a vantsgem de cortar o cabello sem oflen
ca da pello deizando a cara parecendo estar na sua
brilhaote mondado : este ac vem ezcluiivamente da
China e so nelle trabslbio duui dot melbores e mais
balitado! catileiios di nunca ezcedida e rica cidade de
Pekim capital do imperio da Cbioa. Autor Sbore.
N. B. He recommeodsdo o uso destss oavalbas
maravilhosai por todas as sociedades dsi icenciai me-
dicu-ciruigicss, linio da Europa como da America ,
Alia e frica nio td pira prevenir as molestias de cu
lis, mai lamhem como um meio cosmtico : vendem-
te nicamente na rua do Crespo toja, n. 15.
Vende-se un>a botica das man acreditada, e
com bom sorlimento de diogit : a tratar na in* d
Cadeia do Recite o. 40.
z= Vendem-se lencot de teda e setim de Mecu ; em
cata de Malbeus Austin & Companbia na rua da Al-
landega-Velhe, n. 36.
Vende-se muilo boa cuida de tamarindos ; barris
de doce, de 8 libras, de pitonga grozelas manga-
ba sidrio laranja, e caj ; na rua do Trapiche.,
n. 38.
=Vende-se vinbo de Cbsmpagne em gigos, da me-
lhor qualidade ltimamente ebegado dito de Bor-
deauz em quartoUs, muito bem acondicionado;
ago'ardenle de Franca ( chamado de prova J ; moster-
da preparada em potei; ludo novo e muito freses : em
easa de Avriat Irmios, rua da Cruz n. 20.
MECHAS PHOSPHOHICaS.
iNo Aterro-da-Boa-Vista, na fabrica
de licores n. a6, de Frederico Chaves,
acha-se estabelecida a fabrica de mechas
phosphoricas, aonde acliar sempre
grande porco de macos de ioo a i5o
mechas, pel dwninuto preco de 3o ris
cada um, a retalho, e em porcao a ?o ris:
tambem ha caixas que conlm dentro ioo
macos, e outras mais, muito boas para
se transportaren! paia o centro, e para as
outras provincias por aeren bem acn ti-
cionadas, e se afianca a qualidade do fo-
go, por ser feito com toda a perfeiego.
= Ha para vender na rua do Trapiche o. 40 um
lortimento do bons e ezcellentes vinbos para uio par-
ticular ; tambem mui .superior ago'ardenle de Franca
e cerveja branca e preta, de Londres (de Barclay & C.),
a melhor que pode haver: estes gneros veem em cs-
eos e engsrrsfado, a veadem-ee em porjio ou por
barrica, por precos muito commodos, em quanto dio
entrar o mez da leste em can de Cbristopbera & Do-
naldion.
= Vendem-se presuntos ; paios ; lingoicat; figos;
amendoas, chegsda ltimamente; queijoi mu! fret-
caes; manteiga inglesa e fraoceza da mais superior;
cha bysson e parola em caizinhas; enchofsr em por-
fi, a 1920 rs. ; garrafas brancat grandes e peque-
as ; ditat de crittal; copos lisos e bordados ; ditos de
cristal ; calis e copos psra medidas de todos os tai
nboi; vinbo moscatel muito superior e de tnaii q'
lidsdes ; louca pertencente a venda ; tudo por pi
commodo: na rua do Livrameoto o. 20.
= Vende-se um cavallo melado, muito novoj
alguna sudares, por preco commodo ; nsi Cinco-f
las, n. 71.
= Vende-se um prelode bonita
de 23 annoi; urna eicravs wioula ,
bonita Ggura sem icios ,rrem acbaqu
por preciso : nss Cinco-Pontas, u. 71
= Vende-se um preto crioulo de i
nos bom oflicial de sapateiro e di
ptimo para pagem ou para qualquer
sao ; um dito de 30 a 40 aonos bom para o
de campo, ou qualquer oulro de rua e casa sem vil
slgum e por preco commodo ; na praca da Iadap
dencia n. 2.
= Vende-te um bom cavallo para carro ,. multa
novo manteudo muito manco e sem achaques ,
tambem se di a contento; na rua Bella, sobrado,
n. 37.
Emprimtiramao.
*Vende-ie cera em velas da melhor fabrica do Rio;
colla da Babia as arrobas; vinsgre de vioho tinto
superior, a 500 ra. a caada'Iba : na rua da Sen-
zalla-Velba, n. 110.
= Vendem-se o escraroi seguinles : usni preta de
Angola de 19 annos cozinbeira e lavadeira ; urna
preta cozioheira cose e lava ; um catal de eteravos de
nar;io com urna cria proprios para campo ; dio se
mais em conta por seren psra liquidaglo ; na Lingoe-
ta becco do Torres n. 4.
= Vendem-tejuascaiinhai de Ierro pira cirur-
gia por preco commodo ; na rua do Queimado, o.
14, segundo andar.
= Vende-se tal de Lisboa a bordo da escuna por-
tu_ueza S. Jote : a tratar com Nasoimento Schaefler
di Companhia.
= Vende-se um cavallo preto gordo, bsstsnte bo-
nito novo, e com todos os andares; oaa Cinco-Pon-
tas n. 71.
= Vende te s casa terrea n. 60, da roa da Guia ; na
rua estreita do .Rozario caa da F o. 43.
= Vendo-te urna barretina de pello com appare-
Iho urna pluma cordOet, urna dita de oleado la-
tn o canana ; na rua do Nogueira n. 27.
=a Vende-se um moleque de bonita figura tem
vicio nem achaques; na rua da Cruz no Reile ,
n. t*.
== Vende-se urna venda com commodos para fa-
milia quintal e cacimba, muito alreguezada, eoom
os fundos que o comprador quizer, oa Pasugem-da-
Magdalena n. 13: a tratar na mesis venda.
Vendem-se saccas de boa farinba de mandioca,
pelo mdico preco de 3200 rt. a tacca; oleo de linha-
ce eui grandes e pequeoas porcoet, o maii ba'rato poi-
sivel : na rua do Vigario n. 23 segundo andar ,
a tratar com Firmino Jos Feliz da Roza & Irmo.
Vende-se um sobrado de doui andares e solio ,
silo no Atarro-da-Boa-V illa o. 2*,: a tratar oa rua
Velba do meimo bairro, n. 35.
Vende-ie urna caa meia-agoa na travessa do
Serigado que rende mentalmente 7s rs. e se vende
por 500, rt. por leu dooo ter-se de retirar para fra
da provincia ; na. rua da Erais, venda no btceo do
Carioca.
Vende-se urna escrava crioula de idade de 18
annos ; na rua Auguita n. 3i
Vendem-se casses de rolas brancas de Hambur-
(o por preco commodo; na roa Augusta, o. Si.
Ala noel Antonio Finio da Silva tem
para vender una porco do melhor fumo
que aqu tem viudo : no sea armazem da
rua da Cruz, n. 54*
Pela medida velha
vende-se farinba, ebegada ltimamente de S. Mi-
Iheui, de superior -qualidade, e por menos do que em
outia qualquer parte, bordo do patacho Venus, de-
fronte do caes do Collegio, e na rua da Cruz, n. 54, a
lallar com Manoel Antonio Piolo da Silva.
Lscravos Fgidos.
Fugio o preto crioulo Izidoro ,
licird ; loi escravo do Exm. bario de
alfaiete e bo-
Ilamaraci ; he
muito contiende nesla cidade : quem o levar a ros da
Sensalla-Velba o. 110 receher de seo tenbor ,
Alves Vanos, geoerosa gralificacio.
Fugio no dia 20 do correte do Arraial pa-
ra a Cata-Forte um etersvo com os signse seguin-
les : de nome Loureoco do oac.io Hocambique ja
velbo barba brinca, altura regular, um Unto corda-
do quando falla gsgueja he bi m condecido no Ar-
raial.por tiabalbar alugado em todo o servico do mallo :
quem o pegar, leve a rua da Gloria n. 98 que ser
recompensado.
PEBN. } NATYP- DE M, F. DE FAIiU-
1845
___


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E911YVLM0_EXPK7Y INGEST_TIME 2013-04-13T01:59:37Z PACKAGE AA00011611_05928
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES