Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05927


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Annode 1845.
Sexta feir 58
O DIARIO publiea-se todos os dias que
nao forem de guarda: o prego da assigna-
111 ra he de 4# i'9. por quartel v*gu adianla-
los. Os anriunciosdos assiguantes sao inse-
ridos a razao de 20 ris por liulia, 40 rs. em
typo drfferente, e ai repeticoes pela metade.
lis que nio forcui assignantes pagao 80 rs.
por liiiha, e 160 era typo difierente.
PHASES DA LA NO MEZ DE NOVEMBRO.
Crescente a 6 as 3 h. e 55minutos da tard.
I.ua cheia a 13 as 10 hor. e 35 min. da tard.
Mengoante a 22 as 2 hor. e 6 ni. da tarde.
La nova a 29 as 9 h. e 22 min. da inanha.
PARTIDAS DOS CORREIOS. .
Coianna. Parahyba, e Rlq Grande do Norte
Segundas c Sextas ierra*.
Cabo, Serinhaem, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macey, no 1." 11 e 21 de cada inci.
Garanhuns e bonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e28.
Victoria as Quintas feiras.
Olinda todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 3 h. e 42 min. da tarde.
Segunda as 4 b. c 6 minutos da manhaa.
de flfvembro.
Alio XH1 N. 267.
DIAS DA SEMANA.
24 Segunda S. Porciano, aud. do J. dos orp.
1 edoJ.doC. da 2. v.,cdo J. M. da 2. v.
25 Terca S. .1 licuada, aud. do 1. do civ. da
1. v., e do J. de pai do 2. dist. de t.
2b' Quarta S. Belino, and do i do civ. da
2.* v., e do J. de pat do 2." dist. de t.
27 Quinta S. Auxilio, aud. do J. de orph. e
doJ.M. da!, v.
28 Sexta S. l'apiaiio, aud. do J. do civ. da
1. v., e do_ J. de'pin do 1. dist. de tard.
29 Sabbado S. Saturnino, aud. do J. do civ.
da l.1 v., e do J. de paz do 1. dist. de t.
30 Domingo S. Troyano.
CAMBIOS NO DA'27 DE NOVEMBRO.
Camb. sobre Londres27a27'/,d. p. 1 a 60 d.
> Parii .'155 res por franco.
Lisboa 115 a 125 p-c.pr.p.m.
Desc. de let. de boas firmas 1 '/ P- V. "<"*
Ouro Oncas hespanholas 3l Moedadc 6/400 vel. 16'400 a 16*800
de 6/400 nov. 16*200 a 16'400
de 4/000 O/OOO a 9/200
Prala-Pataccs .... 1/880 a 1/920
Pesos Columnares. IftZQ a V40
Ditos Mexicanos 1^840 a U880
Pratainiuda. 1/660 a 1/761
Acedes da C do Bebcribe de 50D00ao par.
DIARIO DE PERNAMBUGO
PARTE OFFSCUL.
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 11 DO CORtENTE.
OTri'iA- cnmii.aiulantn das arma*, reenromendan-
do expedicii; de aun urden, para que a tropa dn
primeira liuh, reunida duaa li'gie da guarda na-
cional d'ests ridade, an respectivo sexta batalhia, a
primeira de Olinda, r-ompanhi* de artfices, e *o cor-
ita do policio, forme rm grande parada pelas 11 ho-
ras da manhaa da dia 2 dn deiembro prxima futuro,
no larga da palacio da presidencia ; cncarregandu a da
enromando de toda a forca; e prevenindn-o dn que,
dadaa aa salta* da estra, hatera corteja aa retrato de
S. M. O Imperador. Officimi-se reapeito a oom-
iiiandaiite superior da guarda naoianal da Reir, aa
chefo da legiln de Olinda, ao director da arsenal de
guerra, e oomraandanle geral do carpo de palioia.
DitaAa juit dos feitas da faxenda, declarando, que,
em i|uantu o contrario se nao reaolver, pd cantinaar
a servir n respectiva solicitador interino, Francisca
Antonia Cousseiro e Silva.
iiouin L,aaiaeiro o oliva. ___,_ i__..
n.. ,_ __ ___ taba de fazer cheaar ao meu conoecimento as Deno-
DitaAn oummandniie superior da guarda ama- *" <"> ""B1 "u ".,,.. ,
nal do Recife. soientificainlo-o do haver concedido a
reforma requerida por Jos Martina Pinheiro, lente
da primeiru bltolhao da referida guarda nacional.No
mesmo sentida se afllciuu aa rhefe da legiao de Olin-
da, iiileiranda-o da reforma do respectivo quartel -mos-
tr. Jos Antao Guimarae*.
PortaraDispensando da exrrcio de instructor ge-
ral da guarda nacional d este m unir i pin aa brigadri-
ro Jos Joaquim Culha.Para substituir a dispensado
fui nomeado a ooranel Trujano Catar Burlamaque : e
parti<:ipnii-ae ao oainmandaiitc das armas, aa coniman-
daule superior do Recife, e ao inspector da thesourn-
na da faienda.
Dita Demittinda o eseripturarin da gabinete de en-
genlieira em chefo da* ahina publicas, JoAa Baptisl
de Sa.Para o lugar, que par esta demissSa vagan, nii-
meoa-se a Juta Francisco Regs dos Alijos: e onm-
inunicnu-se ao engenheira em oliefe e ao inspector da
thesuiiraria das rendas praviuciacs.
a****MaM**>*i*>*B>a***a***aaa**i|
EXTERIOR.
NOTICIAS DIVERSAS.
O PRINCIPE TALLBRAND NO LBITO DA MORTB.
O Ami do la feligion (|ornal religioso) pnhlicou
9 do pastado (outuhro) os seguinles documentos, cuja
aulhenlioidsde afiaaca, e accrescents, que podem ser
cotejados rom os originaes, que se asebia depositados
nos archivos da hvraria do arcebispo de Parir, oo com
as copias enviadas a Roma, e que letaro toda a ga-
ranta legal de seren autbenticasa :
a Man que nunca imluzido por graves contidera-
es, e contemplando desapaixooadamente as conse-
quencias de urna revoluco,que levou tudo de rojo com-
igo, e durou por espaco de 50 annos, chegtiei no pe-
riodo do avancada idade. e (depois de to longa expe-
riencia) reprovar os excessos da poca, a que perteoci
e a ooodemnir francamente o graves erro, que nesta
longa serie de annos (eem perturbado e aflligido a i-
greja eatholica apostlica romana, dos' quaes erros
tive a desgraca de participar
Se aprouver ao presado amigo da minha familia,
S. Eco. o Sr arcebispo de Pariz, que se dignou de
informar-me dos benvolos aentimentos do soberano
pontfice para commigo asseurar ao Santo Padre,
como detejo, a" homenegem da minba respeitnsa gra-
tidio, assim como da minba inleira tubmistio dou-
Irioa e disciplina da igreja, ii decisSet e ao juizo
da santa t sobre ai materias ecclesiatticat em Franca,
alrevo-me a esperar que S. Santidtde o receber com
henignidade
Ditpansado, n'um periodo mais recente pelo ve-
neravel Pi 7.'do exercicio das fuoccSes ecclesiasticas,
tenho procurado ni minba longa carreira poltica toda
a occatiio de prestar i religiao e aos muitos honrados e
ds ti ocios membrotdo clero catbolico todos o servicos,
que esiavao ao meu alcance. Nem um so momento
deiei de considerar-me lilho da igreja. De novo
deploro aquellet actot da minha vida,que a aggravarSo,
e os meusultimus votos serao por ella o pelo seu chelo
supremo.
uCarloi Mauricio, prncipe de Tallerand.
AiiRDtda em Pintaos 17 de margo de 1838.
a Escripia a 10 de marco de 1838.
CARTA BO PRINCIPE A SL'A SANTIDADE r.REr.ORlO XVI.
a SS. Pidre. O joven e po filho.que cerca ami-
nhi velhice dos mais temos e aflecluosoi cuidados, a
A RAINHA MARGOT. (*;
por 2llriaiiif Humas.
PRIMEIRO VQUHE,
CAPITULO Hi
trn axi raMTA. (Conlinuaco).
Erl nessegabinete a assislenria favorita deel-rei: all
toioava lice* d'eigrima com Pompeo, e can R.ni.nrd
aa do pnrxia. Havia nclle reunido urna grande collecoo
d'armas afTewsiv e defensivas das tuai bellas que pu-
dor* eiieaiiirsr: tudas us paredes ealavao caberlas de ha-
cha, d* hinquis, de lauca, de alabarda*, de pistolas,
niasqiietiiihns, e nesse mcsnia dia mu celebre arnieiru
1 lio traaeera urna inngniHca e pesada columbrina, eui eli-
jo cano estad embutido em prata estes qualro verso*
da propria eonipnsicflo da real poeta :
P'ra manter a F
Sou bella e fiel,
Se o Rei lem niinigos
Son bella e cruel.
Cario. IX ppia entran, coma diurno*, nesse gabine-
te, u depoi* de fechar a porta principal pur ande huvia
entrado, f ai erguer urna tapecaria que encabria a pa-
() Vide JMm-m n. 366.
volas expressdet, que V Santidadedgnou-se de pro-
ferir ltimamente a meu respeto, ao annuncar-me
a alegra com que va os sagrados artigos que V. San
tidade se dignou de destinar-lhe. Eslou penetrad
di benevolencia de S Santidade, como no dia em que
oSr. arcebispo de Parir me oformou della pela pri-
meira ves.
a Antes de ser inniqailadn peli'enfertnidide, de que
meacbo atacado, desejo, SS Padre, expressar-lhe a
minha gratidio, e so meimo lempo os meusjentimon-
tos. Ouso esperar que nSo s S. Santidade os ao-
Iher propiciamente, senao que tambem sa dignar
de apreciar emsua juslifa todas is circumstaocias que
dirigirlo as minhas acedes. As memorias por mim
concluidas, ha algum lempo mas que, segundo as
minhas disposicOns, s 30 annos depois da minha tnor-
te deverno apparecer, expliciraO posterdade a mi-
nha conducta durante a tormenta revolucionaria. Pira
au fatigar o Santo Padre, limitar-me-hei hoje cha-
mar a sua silencio para a geral indifferenca do seceulo,
a que perteoci.
a O respeto, que deto quelles, que me derio nas-
oimento, tambem me nfio permiti di/ t. que toda a
minha mocidide foi dirigida pan urna profssao.aqualeu
nio nasoi pan pertencer.
Em quanto ao mais, nada posso faier de melhor
do que entregar-me neste, assim como em qualquer
oulro ponto indulgencia e equidade di igreja e do
seu veneratel chele.
a Sou com respeto, SS. Padre, de V. Santidade
bumilissimo e obedientissimo filho e servo
.Carlot Mauricio, principo de Tillerand.
Asignada em Pars a 17 de mao de 1838.
Escripia a 10 de marco de 183S.
O Ami de la Religin aildiciona a estes documentos
as seguintes refTxcs :
Numerosas testemunhas, maiores de toda a ex-
cepcio, esli promptus a depr que o principe estiva
no pleno gozo da sua liberdade e razio, lio firme, e
15o clara, quando assignou a aua retractaran e carta ao
Papa, como quando as escreveo. A molestia, que Ihe
solapara o corpo, nio Ihe tioba de maneira alguma
atacado o entendimento. Elle, que tinba de dar breve
mente contas a Dos de urna vida lio perturbada o tio
cheia de incidentes, gotava anda do perfeito uso da
sua razio.
sagem para om quarto ondo urna mulher fatia as sua*
orneoe* njaelhada a uro geimflexaria.
Como este moviinento se havia feito de vagar, e us
pasma d'cl-rei, ensordecida* pelo tapete, no fatiao
naia ealrepita do que a* de mu fantasma, a mulher a-
joelhada, nada leuda ouvida, na *e talln e eaiitiuiinu
a orar. Carlas demorou-ie um poucu de p, ulhanda
pensativa par*ella.
Era urna mulher de Irinla e quatra a tria la e cinco au-
no, cuja vigorosa belleta era renlcada pela vestuario
das caiiipaiiea da arredore de Caux. Tiitha na ra-
bee* a alto bonete que nn corle de Franca fi'ira tanto
moda durante o reinada de Isabel de Baviera, o a* ana*
raupinha* era encarnad** bardadas d'ourii, nomo o sao
hoja as da* camponi** de Nettono e do Sara. O aposenta
que ella necupava, lata perla de tinte anuo, era con-
tiguo cmara de dormir d'el-rei, e offereeia singular
mistura de elegancia e rualiquea; parque em quaai
gual | rapnrca o palacio havia invadida a cabana, e a
cabana o palacia, de arte quo esta cmara era mu meia
termo entre a mplicidade da ildeaa e a lux d* grande
dama, Com effeila, a genuflxariu em que eslava ajoe-
Ihada era ile carvalbo niar*viiha**iuente esculpido, ea-
berla de velado cimi franja* d'oura; em quanlo a Bi-
blia em que ella lia, pai* que e*a mulher era .i.t reli-
giau reformada, era nin de**e* livro* detpedacado*, cu-
ma e acliSo na casa pobre.
Ora ludo o naia era a proporcao do gcnuflcxoriu e da
Biblia.
O'Magdalena! disse el-rei.
A mulher ujuelhada letantou riionlu a cabrea esta
tai familiar; depuis ergnendo-se :
Ab! s tu, meu filho, disse ella.
Sim. ama; trui n.
Carlos IX deitaii ealiir a tapecaria e veio sentar-so
no braca de urna poltrona. A ama appireceu.
Quo me quere* tu, Carlinliu*? perguntou ello.
Vem c, e responde baixinbo.
a Seria bem estrauho, que, depois de se ter loutad >
tanto a vivicidade di ui penetracin. e a promptdio
da sus vists de olhos nos negocios humanos, se I lie ne-
flsse todo o jui/o n'uma questio que estata cima Je
todas as outras. Todava, pode se ver que estes actos,
assignados poucas horas antes da altma cris Torio es-
criptot pelo teu proprio punho tres me;.es annos. Nio
se intente tambem allegar, quo algumas suggestOes
alheas dictassem estes actos, pois que nenhuma influio
nelles. Todos aqjelles, que se achrio prximos ao
principe, bem sabem que aquella alma profunda e n-
flexivel drigio-se sempre s por si, e que ninguem
adquira ascendente sobre ella, se nio concordasse com
as suas resolocdes.
a Ests retractacio, pois, he obra do principe; elle a
deliberou pausadamente, pesou todas as palavras, as-
signou a oo dia e hora, que elle mesmo havia fixado,
nem mais cedo nem mais tarde, sem poder influencia
alnuma spressar o momento, que seus parelos e ami-
gos tio ardenlemente desejatio. Elle repeta na sua
enfermdado o que ii havia proferido mais de urna voi,
aNSo sei fazer cousa alguma de pressa ; nunca corri,
e sempre cheguei a tempo.
ROMA, 27 IIESBTBMBRO.
Hontem noute chegou um correio de Bologna e
assim como o correio de cartas, que chegou baje, foi
obrigado a seguir a estrada de Toscana, por causa da
osurreicio do Rmini. Parece que todo o negocio
fOra planejadoem Londres, donde recebrio os revo
lucionarios dinbeiro para subornar a soldadesca. Com
tudo, o plano nio foi bem succedido em muitas guarnt-
c5us; por ejemplo, as de Civita-Castellano a de Pe-
ruga, onde se tencionava soltar os prosos. Alm das
duas guarnicoes cima moncionadas, izerio os presos
em muitas outras pracas tentativas para evadir-se, de
modo que ha toda a ratio para crfir-se. que a conju-
rscioesUndiaassuasramificac5es sobre muitas psrtcs
do paiz. Da pequea repblica de San-Marino, e
da Toscana tioj|o chegado secretamente homens ar-
mados a Rtmin, onde se oceultrio at odia fixado
para o roipfmento da insdrreicio. Sabe-se que o
governo den ordem para marebarem mmedatamen-
te 500 homens com varas pecas d,o artilbaria, e esca-
larem a cidade, so o insurgentes nio se rendessem \o-
Bo.Allgemcini Zeitung.
[Tima. )
INTERIOR.
PIATJHY.
COM QUE O EX*. PRRSIDENTE DA PROVINCIA A-
ORDINARIA DA ASSEMDLEA LEGISLATIVA
RELATORIO
BRO A SKSSA
de 1845.
(Conlnuscio do numero 265.)
Hec.ita e detpeza da provincia.
Os dados,com que nesle artigo posso apoisras minhas
aiserces, sio nicamente os que meofferecem os or-
ea mentos enviados presidencia no dia 16 do mez pau-
sado pela Ibesouraria goral, que entio anda eslava en-
carregada dos negocios da fu enda provincial. Estes or
cementos sos, pois que a Ibesouraria (pur achar se mili-
to falla de empregados como allegou-me o respectivo
inspector) nio mandou halamos, e nem tabellas expli-
cativas, oio podem cc.rtamente permittir um juizo se-
gurosohre a receita e despea da provincia. Limitar-
me-hei, pois, a fzer lbumes reflejos a este respeto.
A receita ds provincia he oreada em rs. 112:453,787
Aam* anrnxiinuu-se eom urna familiaridade que po-
da proceder de**a ternura maternal, com que a mulher
ama ao menino que araameata ; mas qual o* libella*
Oantcmpanneo* davio origem infinitamente menos im-
pura.
Aqui estou, disse ella, falla.
Est nln a hoiiieiH que mandei chamar?
Ha mni* de meia hura.
Carlos lotnnlon-se, appraximou-so i janella, obaer-
van que nln esliteste alguem a espia, chegou aporta,
encastan a ouvida par* certificar-se quo uinguem u
einalata, aacud'a a paeirn do* seu* Iropheu* d'arma,
acariciau mu grande galga quo o segua paasu a pasan,
parando quanda ru seiihar parata, oantinuando a aua
marcha, quando elle *e punba ero inavinieiiiu ; e entau
voltando i mulher:
Eta bem, ama, faie-a entrar.
Esta sabia pela meania pasaagem, quo Ihe havia darlo
entrada, em quanto el-rei fui enr.oslar-se a una mesa
onde eslavaa arma de toda a especie.
Mal se havia elle elugado para a nicas, que a tapeca-
ria soergueo de novo, o entran quero esperava.
Era um honicro do* seus quarenta amias, deolhar dis-
imulada, de naris curvo cuino u bioa d* curuja, de rus-
to chata e macaca salientes ; quit exprimir ar de rc*pri-
lo, e pode formar um arriso hypocrita no* labio*
descorado pelo roed.
Cario* eitcndeu braudamente pur traa de ai urna miu
que pos sobre urna pistola, que se dispara va por meio da)
urna podra posta em contacta com urna roda d'aco, em
vot de mecha, e enuarou cun o* seus ollio torvo* no-
vo personagem que acabamoa de por 'mu acea; duran-
te este uxaiiio asiabiav elle com justeaa e at com no-
tavel melodia urna da* *ua* marcha* favorita* de oca.
Depois de alguna momentos, vui quo a cara do ut-
i hoinriu cada ves mait se deounipuiiha :
Sois to a moma, disse el-rei, a quera chaman
Francisco de Louviers Maurovel ?
a despeja om rs. 127:386,040, havendo por consegua -
te um dficit de rs. 14:9.12 253. o qual deve lornar-ie
muito mais consideravel, se por veotura forem por vos
adoptadas as medidas, que tenho a honra de propor-vos
neste rolalorio i cores da polica, e do ensino publico.
Julgo, porfa, que este dficit he mais na appaienca,
que aa realidade. A Ibesouraria orcou s em 80:000'
rii o producto da mposicio de 10 por cento sobre o
valor do rendimento annual do gado, mas, segundo a o-
piniio de pessoas entendidas na administrarlo da aien-
da dosta provincia, a quwn tenho consultado, esta ver-
ba de receita pude exceder de 100:000> rs., te houvar
tel.i eactividade na arrecadafio, como bedeesperar
acooteca agora, queuma reparlicio exclusivamente pro-
vincial est encarregada da arreesdacio das rends da
provincia. Cabo aqui dizer, que os criadores de gado,
nio satisfeitos com o melhorain >nto, que Ihes outorgou
a le n. 177 de 26 de agosto do anno passado, que deo
providencias i cerca da lei n. 160 de 26 de setembro
de 1843, continan a levantar clamor contra es(a le.
Elles achio-na defeituosa em sua cssencia por faier
substituir o disimo do gado pela mposicio de 10 por
cento sobro o seu valor, querendo antes pagar a con-
tribuirlo em gado do que em dinheiro, o que importa
o mesmo, que etir a lei na parte mais vital. Se be
justa urna conciliario entre os intereises dos (atendei-
ros eos do colro provincial, parece que ella deve ver-
sar inicuamente sobre o art. 13 da lei, no qual se de-
termina, que, conhecdo o numero de bezerros e pol-
drinbos, se considera ser metade de maxos, e metsde
de femeas, e calculado o valor da totalidade segando o
prero crrenlo do lugar, abata-se a 3.'parte deduzn-
do-se do restante os 10 por cento, que conslituem o
imposto. Ser ra/oavel suppr, que nsscim tantos a-
nimaes do sexo masculino, como do sexo feminino ?
Nao ser pequeo o abatimento da 3'parte? Eia os
dous pontos, que merecem ename, no caso de vos pa-
recer justo retocar a lei n. 160. Na composicao da jun-
ta creada pela lei, de que se trata, ba, na minha opi-
nio, um vicio, que cumpre corrigir-se : os parocbos
sao memhros da junta do lancamento e revitio. Se es-
tou persuadido, Senliores, que em geni a religiao lu-
cra muito com oeicluir-se o clero das funcedes lempo-
raes, ecircumscrever-se as de seu sagrado ministerio,
com mais razio anda pens, que de nenhum modo
convem envolver ns \u roe los em negocios fiscaes, par-
ticipando assim do odio, quo oralmente a populacio
tem aos que arrecado osdinheiros pblicos, s-ja justi-
(a, ou preoccu paci.
No estado actual decorrupcio, em que a conseien-
cia commum nio julga giando falta dar ao fisco menos
do que realmente se deve, poder um fizendeiro rece-
ber com muita satisfafio em sua casa o parocho para as
funcedes de seu ministerio, sabeodo que elle ir de-
pois como membro da junta revelar o numero de crias,
que a fazenda pode dar annualmente segundo as obser-
vardes, quo tenha colhido no tempo, que exerce suss
funccSes espirituaes ? Creio, que nio. Eu aebo con-
veniente, que os parocbos niosejio curiosos i crea do
numero de bezerros e poldros, que nascem as fszen-
das dos seus freguetes. Melhor he, que tratem das
ovelhas, de que tio legtimos pastores.
Contino, Senhores, a fazer obsenaedes sobie os
orcanientos. A tbesounria calculou em 10:0004 rs. o
que te pode arrecadar annualmente da divida activa da
provincia ; mas eu julgo, que os dados, que anterior-
mente serviro para se fator esse calculo, j nio sio sa-
tisfactorios depois da creario da Ibesouraria provincial.
Havia na cobranca da divida activa urna grande morosi-
Sim, Senhor.
Cnmmandante do petardeiros ?
Sim, Senhor.
Eu quit vr-vos.
Maurrvel inelinou-se.
Sabis, continen Carlos carregando em tadas as
palavras, que eu amo igualmente todos os meas vs-
talo* ?
Sei, balbueiou Maursvel, quo V. magcalade he pai
do sen povo.
E que hugucnotci'e cathulicot tio igualmente
mona filhoa?
Maurcvel coiuervou-se mudo; mi* o tremor que Ihe
agilava o corpo turnou-te visirel aos olhna preteruta-
dore* de el-rei, ainda que cia a quem elle diriga a ja--
larra eslivrase quaai escondida pela aombra.
lato va* martillea, caatinuaii el-rei, vos que fl-
teates tio rude guerra ao* huguonatea ?
.Maarevel eahio de joilho.
Senhor, disse ello cun mal segn VOS, creia V.
magcalade.....
Eu oreio, continan Cario* IX com os olhos eada
rex mai* filo* em Maurevcl, e ja chaminrjantei, de vi-
drados que estavan ; eu creio que tiveite* baa deiojoa
do matar em Mautonnloiir o almirante, quo daqui tai
nette iulaute; creio que voa falhou o guipe, e entio
paaiattc au rxercila do duquo d'Anjau, nusso imio ;
creio em fiai que ainda vos pastaste* outravet para a
conipanhia de M. de Mouy de bt.-Phle?
Oh! Senhor.
Um bravo genlilhamem Pieardo.
Senhor, Senhor, exclamuu Maurevel, nio me oon-
fuidai* !
Era uni digno oflieial, prosegua Cario* IX, em
cujo temblante retumbrava um* esprettla do orueldado
quaai ferot, que vo* acolhraoomo um filho, tos lo-
jou, vo* vadia e vo* roanteve.
Maurevel toltou um gemido de deietneraeao.


m
~m
""
dade que deve tgora cenar, e aum be de suppT, que
se arreeade maior lomma do que a calculada. Entre
outrae verbal da receita deixou a tbeaouraria de oreara
que be relativa ao empreitimo 'eito pela caia provin-
cial a geral por ter cabido em ejercicios (indos. Como,
porm, esta divida da caia geral. que monta a 70:0004
n. doa quaea j esli liquidoi 40:000! he urna divi-
da aegura, que tem de ser recolbida aos cofres da pro-
vincia, a razio de ter cahido em eiercicio findoi nio
embarga que entre nos clculos do legislador quando
tem de apreciar as lorias do tbesouro provincial- Tal
vez eja conveniente dirigir-se assembla geral urna
representacao i cerca desaa divida, pedindo consignarlo
de qaantiaa para seu pagamento
A deapeza do o. 1., avulta muilo no orcamenti Ja
tbeaouraria, porque ei-se o calculo na luppoiirio de
perteneerem tos deputados subsidio nos diaa de aessio
preparatoria, de estarem todos os dias o 20 membros
da assembla presentes as sessOes, e de baver um mez
de prorogico, supposicio, que nio be razoavel. Jul-
go. que o direito de vencer diarimente subsidio pecu-
niario entende so da installacio d'assembla em liante,
e que aasim nio he muilo justa a lei provincial, que di
aos deputados subsidio naa lessots preparatorias.
Noifis. 2 e 10 conservSo se as verlas de despeas com
o secretario do governo, e com os parocbos. Anda
que algumas assembleas provinciaes bajo dado o oiem
po do eliminar dos seus ornamentos estas desperas, fun
dando se em seren geraes aquelles empregados, nio
acbo digno do mitar-se esteeiemplo, parecendo-mc
conveniente esperar que o poder legislativo central em
aua sabedoria resolva, que aejio taes empregados pagos
pelo cofre geral, pois que em finia lgica e jurispru-
dencia exigem, que nio pesem aobre os cofres daa pro-
vincias empregados, que nio sao provinciaes.
Quando o orcamento em o n. 3 trata das mesadas
doa dous mocos, que estudio medicina i cusa da pro-
vincia, consigna a quantia de 8OO4. para o anno fi-
nanceiro de lsi6 1847, como se ambos ainda enlio
estivessem na academia. Ora, um desses mocos forma
se este anno na Babia e o outro no vindouro no Rio-
de-Janeiro. A nio se dar, pois, molestia legalmenle
provada no ettudante da academia da Baha, s se tem
de fazer para o anno tinanceiro de 1846 1847. na
frma da lei de 20 de setembro de 1737. a despe/a do
400* rs.com as mesadas do queestudano Rio-de Ja-
neiro. Em tal caso, pois que este moco he mui pobre,
e consta ha ver se distinguido, j por seu proceder, j
por seu aproveitamento, nio Ibes fareis pequeo benefi-
cio ordenando, que no anno de sua formalura Ib i sejad
applicados os 800s rs. Esla despea insignificante
para os cofres pblicos seria como um premio dado ao
mrito.
Orcou se para obras publicas no n. 6 a quantia de
rs. 39:000^. Esta grande aomma, que influe cooside-
ravelmente no dficit apresentado pela thesouraria, po-
de sem Inconveniente algum sollrer diminuicio talvez
de 10, ou 12:0004 de rs.
Soceorro ao municipio de Prineipt-lmptrial.
A secca, que nestes ltimos lempos ha flagellado al-
gumas provincias do Norle, vai fazendo sentir os seus
('lcitos na que tenho a honra de administrar. Ha pou-
cos dias me veio as mios urna representacio da cmara
municipal da villa de Principe-Imperial, datada du 11
dejunbj ultimo, em que me commuoicava ser tala
falta de vveres em seu municipio, que os habitantes te-
riio de morrer ri fome, se nio abandonasen as suas ca-
sas e fazendas. Nio bavendo nos colres pblicos di-
nbeiro.com que podesse comprar urna porcio de vveres
para enviar com a brevidade, que se folia mister, um
soceorro aos habitantes d'aquelle municipio, nomeei
urna commssio composta dos Srs. major Antonio de
Souza Mendes, Joio Baptista Pereira Per ra e Hay-
mando Marcellino Brandio, encarregadade promover
a remessa de urna porcio de farinba por conta de par-
ticulares, que a isso se quizessem prestar, a fim de ser
distribuida na villa de Principe-Imperial por um preco
que apenas cobrisse ocusto do genero, obrigando-me
eu a dar das fazendas nacionae, as cavalgaduras neces-
sarias para conduccio. ,
Em honra dos principaes habitantes desla cidade
devo declarar, que promptamente conconerio com a
quantia de 7504 rs. para compra da farinba, que eu
desrjava, lsse remettida com as coodicoeg piopostas,
de maneira que ja no dia 30 do me/. fnJo expedio se e
primeira condumio, o espero que brevemente parta ou
tra porcio de cavalgaduras para o momo destino.
Permitli, Senbores, que aproveite este ensejo para
agradecer publicamente aos membros da commssio, e
todos aquelles, que se dignario concorrer para obra
E <> chamareis vusao pai, creiu eu, continuo
implacavcl re, e urna terna amitade vui ligara ao moco
de Mouy seu rjllm.
Mnnrcvi'l seiupro dojnelluis, curvava-iecada vet in.ii
esmagado pelaa palavran de Carina IX, do p, impasa-
vel, e aemelliRole estatua, cojo labios lmente fui-
aein dulailua do vid.
A proposito, dino el-rci indo por diante, nio crin
des mil eacudua que vi devoit receber de M. du Guiae
ni caao de uiatardca o almirante?
O aaiiiisinu cunilernadu loeuu com a Fronte o ai-
soalho.
Quantii au Sr. do .Mouy, vunu bom pai. eii-oqui
como esta historia ie paaaou, aunponho eu. Um dia que
o acuinpanbaveii em um reconheciinento que elle fotin
para Chcvreux, eucceileo que llio cuhiaac o chicote, <
como le apeane para o apanhar, era quanto e elle a-
baixava, vl que evtaveia i com ello diparatte-lh
no rio um tiro de pialla, que o fui morder o po; P
romo o vine morto, fogiitea no cavado que voi ello
linli dado.
Ecoiiio Maurcvel nada reipnndia a nata accuiaclo,
em lodoa o ponto veni.uliira, Cario IX poz-ie a aieo-
biarcum igual cadencia u melodia a meiiiia marcha de
Cl(l,
Ora beiu, lueitre aiiaiiinn, dine ello d'alli a
co, sabeia vi que tenho grande vuntade de fazer*
onforcarP
Oh! real Senbor! exdamon Maurevel.
O nioco de Mouy, ainda hunlem m'u pedia, e na
verdade, nio sabia que lito reapundciie, porque juitii-
aima era a aua lupplica.
Maurevel juntuu aa mam.
Tanto maii justa, quanto eu iou o pai do meu pu-
o, oomu v o duiei, u quanto, nomo voi eu reipnn-
dia, agora que le acbo reconciliado com os hugueno-
tca, iio ellei, tom o: >Ufcoliui, igualmente filho
nena.
tio meritoria, a prova, que com isso darlo de apoiir a
minba administrarlo.
He tempo de concluir este relatorio. No desempe-
nbo da trela de que estou encarregado neeessilo, Se
nitores, da vossa cooperario. Prestai-m'a, certos de
que nio podis eicedar-me no ardente desejo, que tenho
de promover proiperidade desta provincia.
Palacio do governo da provincia do Piauby, 1.' o*
agosto de 1845.
Zacaras de Get e Vasconcelloi.
2
Publicaban a pedido.
AO PUBLICO.
Replica em re poita kiitoria da earouxa de Nuno
Maa de Seixas V. nena olha n. 261.
Muilo pdea segueira para o mal,porque eoaduz o tn-
dividuoaoabysmo, doqual jamis nunca se pode aahir
com victoriapresumpcio e agoa-benta,cada un toma a
que quer! Esse gabo em boca propria he vituperio!!!! e
essa asquerosa increpagio contra mim he do meu dever
trata-la de resto, remettendo-a lo ultimo despre/o;
porque quem d o que (em, nio be mais obrigado l!!
Sou credor de Manuel de Souza Rapozo. de urna quan-
tia avultada, diz Seias !!! sem duvida be alguma quan
tia feita a polka !'! porquanto, teodo sido o meu debito
para nm Seizal !!l! da quantia de 7:593,660 rs como
da certidio ji publicada nestafolha n. 231, aconfes-
sado por Senas!!! este mesmo debito, que foi oque
Deve o Sr. Manuel de Souza Rapozo {conta de juro* sobsuas lettrat al 30 dejulko de 1841, a 2 por
cenlo por mez) com Auno Maria de Seixae ......H*V8it.
bouve entie os; e eu paguei a Seias!!!! a quantia
de 8:942,830 rs., como d certidio aqui transcripta;
nio fica duvida alguna que eaaa avallada quantia be
mgica, ou imaginaria II1 Eu provoco e deiafio a
Seias!!!!! para que aprsente em publico documentos
autbenticos que deslruio, ou annullem os documentos
aqui apresentados por mim, feitoa a fabrieadoi por
enas !!!!! a protesto desde ja,que, se os nio apreien-
tar, fica subjeito i pona de aer havido por vencido e
onda os ir buioar? sopor artificio imaginario !
mas i iaso baveri contrariadade. Eu peco silencio
do reapeitavel publico nos documentos aqui transcrip-
tos, e a Seias !!!! que se veja bem nesto espelho que
fabricou, a mira-se bem nelle em lr o que escreveo no
verso das 22 iettras, e diga que nio recebeo, a que
lo endosaos !!!!'
Antonio Francisco Rodrigues Magalkes, eserivo
interino das varas do cxvel nesta cidade do Rtei-
fs, ilc.
Certifico, que, revendo o autos de asaignacio
dedeidiasde que fai tneurio a peticao retro, dellea
eonsta acbarem aa juntas aoi autos 22 Iettras eom re-
cibos, asquaes somanto a quantia de8:942,830. He
o que na verdade eonsta de ditos autos, a que me re-
porto, e vai esta por mim subscripta e aiiigoada nesta
cidade do Recife de Peroambuco aos 21 de novembro
de 1845. Fir. escrever, subscrevi e assignei. Em f de
verdade, Antonio Francisco Rodrigues Magalktes.
1839.
Julbo 17
Agosto 16
27
Outb.r911
17
Novb.' IB
22
27
1840
Janeiro 3
Fev ro
Abril
Maio
Agosto

Novb.'
1841
Vlaio
22
3
ir-
lo
21
21
Leltra vencid
dem
dem
dem
dem
dem
dem
dem
dem
dem
dem
dem
dem
dem
dem
Importe das Iettras.
boje 207,500
dito 165.000
dito 155,000
dito 9G.I5U
dito 207.500
dito 165.000
dito 523.500
dito 135,000
dito 304.100
dito 323 500
dito 304,100
dito 209.000
dito 210,000
dito 120,000
dito 120,000
Metes.
24'/'
23'/>
23'/"
21 '/i
2l'/>
20'/
20'/
20','
/uro.
101.674,
77.750.
62,370.
41.022.
89.224.
67,650.
131.017.
54,270.
1839. r^uaniiai.
Ag.26Dinr,poreon, 37.260
Novb."23Id.
1840.
Janeiro25 Id.
Marco 28 Id.
Julbo 24 Id.
dito 150,000
dito
dito
dito
100.000
100.000
100,000
Metes. Juros.
23'/" 13.215
20'A 62,250
!8'/6 36,333
16Vi5 32.133
124 25.600
189/10 141,948.
.7',.
159/10
14'/.
11/.
11'/
8'/.
114,840.
96,702.
61.304.
49.000.
27.200.
20.000.
Balanco de jaros que Ibe debito
importe......
169.531
954,400
9 dem
dito 282,000 2>/> 14,960.
Rs.1:123,931
Ri. 1:123,931
3:307,350
Os juros por bataneo a ellas
como importe at 30 de ju-
lbo de 1841......954,400
Ri.4:261,750
Deve o bataneo com uros contados al 30
de julbo de 1840...... Wk,AQQ
Agoslo 9. Mais urna lettra que se vence
nesledi.....I 281.650
Balanco que deve,calculado
o juro at 30 de julbo de
1841 ....
487,260
3:774,490
Rs.--4:056,140
Ri.4:261,760
Declaro quo hoje so saldou esla conta com oSr. Manuel de Souza Retozo, fazendo-lbe entregada 16 Iet-
tras, e este Sr. asiignando-me tres, nesta data i 6, 8 e 10 mezes, com as quaes 6ce saldada a conta do paga-
mento das referidas Iettras,que Ibe enlreguei. Peroambuco, 30 da julhode 1841.
Pelo Sr. Nuno Maria de Seias
OSr. Manoel de Souza Raposo deve a Nuno Maria
de Seixas.
1841.
Julbo JO. Balanco que deve nesta data de Iettras ven-
cida e juros das mesmas al
este dia.......3:774,490
Juros na reforma drsla quaolia
dividida em tres ledras i 6, 8,
e 10 mezes a 2 /. por mez 603,910
)) Uivitdo Lettra i 6 mezes Dita i 8 ditos Dita i lOdiloa 4:378,400 1:460,000 1:460,000 1:458.400 4:278,400
Senhor, diaie Maurevel, de lodo desanimado;
ininha vida cita nai maoi du V. magcslade, faca V. na-
gcitado dola o que quizer.
Tendea raan, o por ella nao dou um ceitil.
Man, real Senhor, perguotou 11 naaaisino, nio ha
enlio mu inri" de remir o meu crime?
Ncnhun conhero. Todava lecitivene eni voi-
O lugar, que niu eatou. graca a Deo ....
Eutao, Senhor ? ie V. inagotado citivcise em
uru lugar, niuiniuiou Manreiel, curo oa olhoi luipen-
01 au labio, de Cnrlu.....
Creiu que me tirara du apcrlo, reapondeo el-rci
Maurevel crgueo-ie sobre um jnelho e una mo, fi-
lando us olhoi em Carlos, para te deiengauar de que el-
le nao lombava.
Eu amo inuitu o inoro de Mouy inn duvida, pro-
aeguio el-rei; porem amo tambem nimio meu primo de
Guiae; cae rile me pedale vida de uin homeiii, do
qual o uiilro me pedalo a morir, ounfeiio que me aulla-
ra bem embancado. Entretanto, em ba poltica, ti-
mo em boa rrligiao, eu deteria fazer oque me pediste
meu primo de Guiae, porque de Mouy, valcnle capi-
tao como he, au be anda atiini para e por a par de
um principe de Lurraine.
Durante cita palana, endireitava-se Maurevel pelu-
co a [lonco, e como um humeni que torna vida.
t- Ora, o que vos importa poia na extrema aituafin
#111 que voa acbais, he acarear favor de meo primo de
uio; e este respailo lenibra-me urna euuaa, quo elle
hontem me contara.
Maurevel appruiimou-ie um pami.
Senhor, me dizia elle, toda aa mauhlai, aa de
horaa.'paaaa pela ra Saipl-Gerniain-rAui-rroi, de eol-
ia do Louvre, o meu mortal iiiimigu; eu u vejo de una
janella degrade ao rea du chao; he a janeila du apo-
sento do meu autigo preceptor, o conego Pedro Pila.
Chrnt-.ao uilhrrme Brtk/eld.
954,400
603 910
1:558,410 '/'/. de juros 389,680
Liquido. Ri.5:988,820
N. B. Este'/ por cento foi descontado nos 2 por
cento que conteem as Iettras por nos o termos assim
convencionado. .
N. 1094. Kencimenlo. 30 aV janeiio de 1842.
Peroambuco. 30 de julbo de 1841. Rs.1:350,000
No prelixo termo de seis mexes precisos psgarei por
esla minba lettra, a ordem do Sr. Nuno Maria de Sei-
as, a quantia de um cont tresentos a cincoenta mil
risem moedo correte, valor de mercaduras que Ibe
comprei e recebi. No vencimento farei prompto paga-
Vejo poii panar todo o diai o meu inimigo, e todo
01 dias peco an diabo que o abime naa enlranhaa da
Ierra. Dizei-iue ca, mealre Maurevel, oontinuou Carloi,
e va fuiteii o diabo, talvea dcue isio praser a meu
primo de Guiae?
Maurcvel epreientnu o leu infernal aorrisu, e do
labio ainda pallidoa de terror Ihe iibirio eilai pa-
lovras.
Mu, Senhor, en nio tenho o poder de abrir a
Ma entretanto vi a ebriilea, ae bem rae record,
au bravo de Mouy. A' vi.ta dilto, dir-mc-lieii que f.
cun urna pitula..... Ko tendel maii ena pillla ?
Perdoai, Senhor, replicou < malvado, juquaiiie-
nhur de li; aliro ainda niclhur tum arcabuz do que coro
pialla.
Oh I reapondeo Carlea, patela ou arcabuz, poueo
importa, c eiluu certu quo meu primo de Guiae uto ha
de quealiouar aobre a eaoolha do ineio.
Mai, obiervou Maurevel, icr-me-ba necenario
una arma mbra cuja rerlea eu podeaie contar, porque
pode ier que eu leulin de alirar de lunge.
Tenho des nrcabuiea neaie gabinete, acudi Car-
lo IX, eom 01 quaea acert a cenlo o oinooenla panul.
Qucreii experimentar um ?
Oh! Senhor, com u maior prazer, eielamou Mau-
revel dirigindu-ae para que ealava poito a um canto,
e que neaie- meamo dia liavilo iratido a Carina IX.
Ene nio, acodio el-rei, eaie uau, reiervu-o para
mim molino. Hei de lor um deatoi das urna grande ca-
cada ero qao capero me aervir; raaa outro qoalquer
vuaaa cacolha.
Maurevel tirou um aroabiis de um tropbeo.
Agora, Senbor, quem heeiie inimigo? perguotou
aniaiino.
Foii cu aei ca diaao, reipondcu Carlea IX laucando
ae inieravc! un olhar deadenh-jio.
ment, por qoalquer' demora vencer jaro d6 eoi-
lume convencionado.
Manoel de Sousa Raposo.
Sobre mim mesmo
Manoel de Souta Rapte.
Recife.
Recebi. Recife, 30 de Janeiro de 1842. Nntie
Mara de Seixas.
N. 1095. Yeneimemto ttn 30 de maree de 1842.
Pernambuco, 30 de julbo de 1841. Rs 1:350,000
No predio termo de oilo mezes precisos psgarei por
esta minba leltra, a ordem doSr. Nuno Mara de Sei-
xas, a quantia de um cont trezentoi a ciccoenta mil
ris em moeda correte, valor de mercadoras que Ibe
comprei e recebi. No vencimento farei prompto paga-
mento, e por qoalquer demora vencer o juro do cos-
ame convencionado.
Manoel de Souta Rpete.
Sobre mim mesmo
Manoel de Souza Repoto.
Recife.
Reformada em 1. de marco de 1842 para n. 1142.
Nuno Maria de Seixas.
N. 1096. Vencimento. 30 de mato de 1842.
Peroambu:o. 30 de julbo de 1841. Rs. 1:288*820
No predio termo de dez mezes preciso, pagarei por
esta minba lettra, a ordem do Sr. Nuno Maria de Sei-
as. a quantia de um cont dusentoa e oilenta oilo mil
oito ceios e vinte rii em moda corrente, valor de
mereadoriai, que Ibe comprei e recebi. No vencimento
(aiei prompto pagamento; e por qualquer demora veo.
cera o juro do costume convencionado.
Manoel de Souta Rapeto.
Sobre mim mesmo
Manoel de Souta Rapeto.
Recife.
Recebi. Recife, 30 de Maio de 1842.
Auno Mara de Seixas.
V.' 1142. Fenoiment, f de miembro de 1842.
Pernambuco, 1. de marco de 1842. Rs. 1:451*250
No prelixo termo de seis mezes precisos psgarei por
esta micha lettra, a ordem do Sr. Nano Maria de Sei-
as, a quantia de um cont quatro centos cincoenta e
um mil dusentos cincoenta ris em moda corrente, va-
lor de mercadoras, que Ibe comprei e recebi. No ven-
cimento farei prompto pagamento ; e por qualquer de-
mora vencer o juro do costume convencionado.
Manoel de Souza Rapeta.
Sobre mim mesmo
Manoel de Souta Rapoto.
Recife.
Reformada por 3 mezes.A'uno Mara de Seixas,
N. 1185. Vencimento, \."didetembrode 18*2,
Pernambuco, l. de setembro de 1842. Rs. 1:527*440
No prefio termo de tre mezea preoisos pagarei por
esta minba lettra, a ordem do Sr. Nuno Maria de Seias,
a quantia de um cont quiobenlos vinte tete mil qua-
trocentoie quarenla ris em moda correle; valor da
igual quantia do mesmo Sr. recebida No vencimento
farei prompto pagamento ; e por qualquer demora ven-
cer o juro convencionado.
Manoel de Souta Rapoto.
Sobre mim mesmo
Manoel de Souta Rapozo.
Recite.
Recebi. Recife, l.*de derembrode 1842.
Nuno Maria de Seixas.
E que msis se precias para mostrar, que nada devo
Seixas! I.' I por (er pago o meu debito contrahido,
durante o tempo, que live negocio com Seias I a
quantia de 7:593*660 rs., a qual foi paga com a quan-
tia de 8:942*830! Porm, saiba o publico, que o
que Seias II!! nega, be os recibos naa 3 Iettras aqu,.
transcripta'. Que ideia tem o miseravel! Pois as 3 Iet-
tras estarlo em poder de Seias I I e vierto ao meu
poder com os recibos cobertos da assignstura do propria
Seixas!! Quem acredilaj, que Senas! I meen-
tregou as 3 Iettras, sem que nao recebesse o dinbeiro
dellas! I Diz Seias!! lorio reformadas! 1 Para
sao era necessario, que livease a relorma escripia nos
versos das releridas Iettras ( em lugar dos recibos) assim
como tem as 2 aqui transcriptas, e cuberas com assig-
natura de Seias I !! Em fim forio pagase esli pagas,
como se mostra com os recibos; alm disto, como he,
queSeiiss! quer faier acreditar, que as 3 letlraa
vencidas em 30 de Janeiro, em 30 de maico, em 30 de
maio de 1842, no importe de 3:988*820 rs., que com
os juros de 2 por cento ao mez, contados destes veoci-
mentos em diante, fazia levar a somma de nm capital de
7:252*450 rs. al 9 de fevereiro de 1843!!!!!!! Res-
Entio devo perguutar a M. de Guise, balbuciou
Maurcvel.
El-rei morco oa hombros.
Nio perguntcia nada, diue elle, que voa nio res-
pondera M. do Guiae. Reaponde-ae porvenlura eitae
comas? Os que nao querem morrer enforcadoa be que
aaadivnhio.
Maa em fim polo que o recnnhecerei eu ?
__ Dgo-voa que lodaa as manhkaa ai dez horai pal-
ia elle ero frente da janella dtfeonego.
Por.cm nulrua moiloi pina por l. Digne-ie V,
roagettade iodicar-uie Mmenle um igual qualquer.
Oh! lie bem fcil. Amniihio, por eiemplu, le-
ra elle debaizo do brae.0 urna carteia de marroquioi en-
carnado.
Bta, Senhor.
Ainda leude o carillo, que voi deo M. de Mouy,
e que corre lio bem ?
Senhor, tenho um rabe dua melhore corredor.
Oh! nio Icnbo pena de vi, aumente julgo con-
veniente que aaibaii que a collegada tem una porta de
delrai.
Obrigido, Senbor. Agora, ped a Dow por
mira.
Oral com roildiaboa, pcdoiatci ao demonio, poil
por tul proter$4o pudei evitar a corda.
Adcoi, Srnhor.
Adeoi. Ah! a propoiito. Sr. de Maurevel, va
abis que te de qualquer maneira ae oiivir fallar era
runo nonie antei d'amanhla aa dez horaa, on ae le nio
fallar depoii, lia aqui no I.ou vre um oalaboucu coro cer-
lo arranjo. .
E Cario IX te pm do novo a entibiar Irenquillamrn-
le e man afinado a aua marcha favorita.
(Ca.naJr-a#-*a).


ponda Responda Responda .' He bem eerlo o
adagio aotigo por lazer bem mal haver por faier
favores a individuos como Seixai em breve e torna
odioso contra quem os laz. Dit Seises!!!! que a minbi
asignatura nao tinha crdito na praca, e que o que
fazia negociareis as lettras era o seu endsso ; e pa
ra que se valia da minha (signatura em lettras sem a>
dever, e porque nao contina a fabricar lettras para as
rebater? He porque ninguem as quer mais! I Oh in-
gratidio! tio depreisa esquece a Seixas!! !! a porgio de
contos de ris, que Seixas!!! recebeo com a minbaessig
natura e llanca, na thesouraria geral desta provincia, a
favor da thesouraria do Par, e contra os Srs. Vicenta
Rodrigues e Antonio Jos Machado daquella provincia:
igualmente se esquece da grande porgao de ledras de
minha assignatura,quo Seixas! trazia rebatidas na cir-
culadlo desta praca; e tanto assim, que, logo queeu re-
cusei mais semelbaolea assignaturaa, Seixas I vio-se
talve na necessidade de fazer seu compromisso, que
ainda hoja disputa em jui/o I o que compromissol lili
hsja vista ao testamento, com que falleceo a Sra. D.
Therea Mara de Jess, e depois da minba recusa,
nunea mais Seixas 1 I I me entregou as lettras, como
era de costume: a primeira com que ficou em seu poder
foi urna ledra de 700* rs. vencida em 30 de dezem-
bro de 1812, que a tinha rebatido na mi do Sr. Jos
Francisco Ribeiro, a qual se acha junta por Seias/.'!.'
na primeira demanda, e esta ledra foi resgatada por ou-
tra ledra de minba assignatura, acceita no dia do en-
cmenlo daquella, a p'aio de 30 das, com os juros de
umemeio, e j incluida, no capital da lettra, aqusu-
tia de 710j50O rs., que se venceo em 30 de Janeiro de
1845.'!! que be justamente urna das lettras doexame
centei as passoss seguales : de Benlo Joio Cerdoso,
morador na ra Direita dousconbeeimentos,! do impos^
lo de sua taberna do valor de 19*200 rs, e outro de es-
eraros de 12s'rs .estedoaono de 1814a 1845,eequelle
de 1846 1846 correte ; de Jos da Costa Carvalho
Gumaries, tambem morador na ra Direita, 24*000 rs.
de imposto de sua taberna do correle anno de 1815
1846; de Jos Andr de Oliveira, morador as Cinco-
Pontas, 1 coobeeimento de 10*000 rs de tasa de eser-
vos.e oh tro da viuva de Manoel de Jess Parafi tas, mo-
radora na ra Augusta desta cidade.do valor del6*000
rs., tambem de Usa de escravos de 1844 1845, e como
os meamos j tenblo pago aa respectivas quaotias, e
obtido novos eonhecimeotos, deolara-se que esto aquel-
lea de nenbuin efleilo, e quem os acbar baja de restitu -
los na mesma repsrtico, querendo. Recile, 24 de no-
vembro de 1845.
Antonio Joaquim dos Santos faz publico quede
hojeem diaote se signar Antonio Joaquim Tavarea
dos Santos.
.'embra-se aosSra. B. & C., e juntamen-
te ao Piolho Nutico, que podem continuar a fal-
lar da vida albeia, deiiendo de parte aquellas pee-
soas que nada Ihesdevem : advertindo Ibes mais,
que o leilio, annunciado em cariases por elles cor
retorrs para o dia 24 do corrente, nio se effectuou,
talvez porque dormissem depois de jantar, como he do
costume, e por isso se esquecessem: e O NAZARENO N. 135 el36;
esl a venda na casa da F na roa eslreita do Roiario.
Em o n. 133 vem um titulo assim Umicidade no jul-
gamentodoSr. Oala, que se deve lr-Uno incidente
no julgamenlo, &c.
Em oo. 136 se publica um artigo muito realista do
Brado do Amasonai, e o redactor d > Nazareno dix,
que, em Meando bom, Ibe tirar as applieacdes : nao se
pense que a molestia o fez variar, antes o artigo muito
aproveita aseus fin. E como o Nazareno, sem redac-
io, novaibem, o redactor impede a publicarlo al
ter sua effectuacio, se transferir! para urna porcio del reala belecer-se.
assucar agenciado por suas Me", que em outro nu-| = Alugio ae os dous terceiroa andares com sollo,
mero le marcar o dia do seu leilio. 'dos sobrados ns. 4 e 0, do Atlerro-da-Boa-Visla, ose-
apresenlado por Seixas isto be, sou demandado pe-
la mii, e pela fjlbe, porque esta lettra do exame he l-
Iha daquella de 700* rs. ; oio obstante todas serem de
favor: alm disto diz Seixas! !! que Ibe Tora preciso
urna segunda aceto por ter algumas lettras por vencer;
e porque oio ajuntou a filba com a mii, na mesma de-
manda?! (forte cegueiraj; ppia esta lettra de 710*500
rs. est junta na segunda demanda comecada em 5 de
julho de 1843! !! e foi vencida em 30 de Janeiro de
1843 I! e a primeira demanda foi comecada em 4 de
abril'de 1843 { oh cegueira ) e qual destea 2 me-
ses he primeiro no anno de 1843? Mil Ser o mez de
abril?! 1! Em hm o exame foi de 3 lettras no valor da
1:67o* rs., e eu sou demandado em 2 acedes por 9 let-
tras no valor de 7:252*450 t4 IJ 11 Por ora nio cao
co mais a respeitavel prudencia do publico, por deixar
reservado para melbor occaiiio mas dizer ; por itso,
que desafio a Seixas I!!! que aprsente em publico do-
cumentos, pelos quaes ae mostr destruidos os queeu
aprsenlo, etc. Recife, 24 deaovembro de 1843.
Manoel di Souxa Hapoio.
CGMMEhcIO.
Alfandega.
BswmMEitto oo du 27.................5:922*018
DetcarregaG hoje 28
DrigueJohanIerro, pixe e taboado.
Suniaaa Voua-^uro-acharutos e fumo.
BrigueCsxarieo Lacaihio.
Brigue lint khel idem.
BrigueSword-Fihmercadorias.
rend
Geral1:751*276
Consulado.
UNTO DO DI* 26.
Provincial527*263
Alov iiueiilo (lo Porto.
Navio lahido no dia 27.
Santos; brigue brasileiro Saudadet-de Santos, capi-
llo Antonio Peixolo Cuimaries, carga sal.
Editaes.
Miguel Archanjo Monleiro de Andrade,official da im-
perial ordem da Hoza, cavalieiro da de Chrnlo e
impiclor da alfandega de Pernambuco, por S. Af.
Imperial, oSenhor D. Pedro II,que Deo guarde,tjc.
Faz saber, que, oo dia 29 do corrente, ao meio dia,
e na porta da alfandega se baS de arreo atar troze obras
O Mez de Maria, no valor de 30,100 rs., impug-
nadas pelo amanuense Goncalo Jos da Costj e S J-
nior, no despachado por factura de Bernardo Jos
Vieira Coutinho; sendo dita arrematacio sutijeila ao
pagamento dos direilos.
Allandega, 27 de novembro de 1815.
Miguel Archanjo Monleiro dt Andrade,
Miguel Archanjo, Qjc.
Faz saber, que, no dia 29 do corrente, se hio de ar-
rematar em praca publica, a porta da mesma, ao meio
dia, 42 correles de ouro no valor de 800 000 rs.,
impugnadas pelo feitor e cooferenle Jnlo Francisco
Duarte, no despacho por factura de Christopbers & Do-
naldson : a arrematacio he subjeita ao pagamento dos
direilos.
Alfandega, 27 de novembro de 1845.
Miguel Archanjo Monleiro d Andrade
MES A DE RENDAS INTERNAS PROYINCIARi.
Oeserivio e administrador da mesa de rendas inter-
nas provinciaes d'esta cidade fas publico, para que cha-
ge ao coobeeimento de lodos os proprielarios de pre-
dios urbanos dasqualro freguezias d'esta cidade e po-
vosqo dos Afogados, quo no dia l.de dezembro pr-
ximo futuro se principia a conlar os trila dias marca-
dos por le para o pagamento, a bocea do cofre,da deci-
ma urbana correspondente ao 1." semestre do corrente
anno financeiro de 1845 a 1846, e findoesse prazo pa-
gars os devedoies a multa de 3 por cento do valor de
seus dbitos, de conformidade com o regulamento de
16 de abril de 1842. E para que chegue a noticia de
todos mandei affitar o presente e publicar pela im-
prensa. Recife, 25 de novembro de 1845.
Luis Franciico de Mello Cavalcanti.
O arsenal de guerra precisa comprar azeite de
carrapato, dito de coco e fio de algodio: quem tees g-
neros tiver mandsr suas propostis, em carta fechada, a
directora do mesmo arsenal, al odia 28 do correte
mez. Directora do arsenal do guerra, 25 de Novem-
bro de 1845. No impedimento do escriplurario, o ama-
nuense, Joto Ricardo da Silva.
AdminielracOo doi estnbeltcimentoi de caridade.
Perante a administrado dos estabelecimenlos de cari-
dade, se Lio de arrematar, por trez annos, aquem mais
der, as rendas dascasssseguintes: ns. 17, 47 e 49,
Iba ; ns. 32e34, da ra do Fagundes ; n. 11, da ra
de S. Jos ; n, 5, da travessa do mesmo; os. 30,
34 e 38, da ra da Calcada ; n. 18, por delras da ra
Nova ; o. 31, da ra da Hoda ; n. 7, da ra de S.
Therea; n. 70. das Cinco-Pintas; n. 33, da ra
de lloilas; n. 65, da ra da Gloria ; n. 8, travessa
doe Expostos, e7,da ra da Vracio.
Os licitantes poderS dirigir-se a casa das sessdes da
ra do Cabug n. 5. pelas 10 horsa da manbia do dia
28 do correntu (boje) munidos d fiadores idneos.
Sala das sessdes d'adminislracio dos estabelecimenlos
de caridade, em24 de novembro de 1843.O escriplu-
rario, A. A. de Caldat Brandao,
COMPAisMA de beberibe.
A administraco dacompanbiade Beberibe (az sci-
ente aos Srs. accionistas, que em sessio de 20 do cor-
rete resolveo espassar al o dia 20 de dezembro prxi-
mo luturo o recolhimento das preslacSes em atraso
e que, lindo este prazo, perders o direito d'accionistas
l .dos aquelles, que nio tiverem realisado as prestaces
de 60 por cento al agora exigidas, reverleodo as suas
enlrsdas em beneficio da companbia, de conformdide
com a disposico do artigo 9 dos estatutos. Adverte,
outro sim, que nio haver prorogi(iu do prazo, nem
contemplacio com pessoa alguina. F.scriplorio da com-
panbia, 24 de Novembro de 1845. O secretario, B.
J. Fernandei de Barros,
GABINETE LITTERABIO.
Nio se bavendo reunido em assembla geral os Srs.
socios do gabinete litterario, a fin de nomearem a no-
va direceo, e tomarem medidas sobre a existencia do
mesmo estsbelecimento, sio de novo convidados para
o dia 29 do correle, s 6 horas da tarle, no lugar do
costume. Carneiro da Cunha, secretario.
Avisos martimos.
Det laracoes.
= Pelo fyco desta cidade se faz publico, que no
dia 6 de fevereiro do anno prximo futuro irio a con-
curso as cadeiraa de piimeiras ledras para o sexo mas-
culino das povoac,Ses deGuianninha e Pedras-de-Fgo,
comarca de Goianna. Os candidatos, que as referidas
cadeiraa se quizerem oppSr, habiltem-se nos termos
da lei. Secretaria do lyco desta cidade, 25 de novem-
bro de i 845, O secretario, Joto facundo da tsilva
GuttnrSee.
-ss O administrador da mesa da recebedoria das ren-
das geraea internas avisa pela ultima vez aos codela-
dos do bairro da Boa-Vista, para que venbio pagar a
taxa deeseravosde 42 a 43. e de 44 45; de S Anto-
nio de 44 a 45; do Rrcile de 45 & 46; pena de se pro-
ceder a executivo, se nio vieiem pagar at o tim do
corrente, cujas relaces ja se acbio tiradas. Recebe
doria, 26 de novembro de 1845.
Fiancuco Xavier,Cavatcanti de Albuquerque
- O empregado da recebedoria das rendas gera's
desta provincia encarregado de arrecadar diversos im-
postes, como consta de diversos annuncios feitos por esta
mesma lolha, tendn perdido cinco c-nhecimentos desde
o principio da ra Direita at o pateo do Terco, perten-
= Segu viagoui, por estes dia* para o Ass o
brigue brasileiro Independente teodo j parte de seu
earregamento prompla : quem no mesmo quizer car-
regar ou transportar-se falle com Manoel Al ves
Guerra Jnior, ou na toja de cabos de Francisco
Mamede de Almeida.
Para o Ass o brigue Amphitrile, capillo Ma-
noel Duarle, sai com brevidade; quem no mesmo qui-
zer carregar, falle com Manuel Ignacio de Oliveira, na
ra de Apollo, n. 18.
= Para o Rio-Grande segu com brevidade o biigue
Jpiter ; roe be alguma carga Irele, assim como es-
cravos : pde-se tratar com Jos Xavier Vianna, ra da
Cruz, ou na loja de cabos do Sr. Mamede, ra do Viga-
rio, n. 7.
- Para Lisboa pretende sabir, no dia 13 de dezem
bro, o brigue portuguez Tiiumpkanle, capillo Silveiio
Manoel dos Res ; quem no mesmo quizer carregar, ou
ir de passagem, dirija se aos seus consignatarios Oliveira
Irmios de C., oa ra da Cruz, n. 9, ou ao referido ca-
pillo, oa praca do Commercio.
= Veode-se urna barcaca, que pega em 24 caixas
de assucar gosto, construida de boas madeiras, e feila
as Alagoas; est prompta deludo; be nova ; anda
nio lez viagem alguma, a eicepcio da em que veio de-
pois de acabada ; e be muito boa de vela : quem a qui-
zer. procure a Antonio da .silva Gusmlo, na ra do
Queimado, n. 39, e, na sua falta, seu caixeiro Maia
Leila.
= O corretor Oliveira lar leilio de cerca de cento
e oito gigos de louca ordinaria ( sendo 4 da fina ) de
sortimento o mais adaptado a este mercado, e bem co-
nbecido dequantos negoceilo em tal ailigo: hoje, 28
du corrente, s 11 horas em ponto, oo armazem ter-
reo da casa, n. 23, da ra da Moda, oo Forte-do-
Malto.
Avisos diversos.
O CLAMOR PUBLICO.
O n. 64 acba-se a venda, na praca da Independen-
cia, livraria ns. 6e 8.
= Goilherme Augusto Rodrigues Sette embarca pa-
ra o Rio-de-Janeiro o seu escravo Jos, pardo.
O ci te cepera.
= Roga-se aos Srs. B & C.', e mais seus espoletas,
de nio se importarem com a vida albeia,e muito princi-
palmente com a do pessoas, que nio Ibes devem osda, e
nem teem rabo de pul ha ; pois sio (altas de experiencia
para ludo quaoto toca a espertezas, como S. Ss., e por
isso se ufaneo com grandezas do que pouco Ibe cusa
a gaohar, etc.
BESP08TA.
Os Srs. B.&C." oio tiverio lio m educaco, nem sao
lio cobardes, que lancassem mios de urna ful lia publica,
para se queixarem de qualquer oflunsa, que recebessem
de alguma pessoa, que Ibes seja desafleicoada, como o
autor do annuncio cima costuma a fazer isto, sem
que tenba ra/lo para isso ; porque nunca os Srs. B. &
C* se importarlo com a vida de ninguem (como be
notorio;emenos se importariiocom a vidadoSr.P. ,em
quantoo nio Ihes dever nada: isso o oio affirmo, po-
rm, isto he fra da queslio ; porque ainda que deva
julgamo-lo muito capas de pagar : longe del les o fa-
zerem urna ideia tio desfavoravel como S. S. faz dalles:
bedesuppSr, que S. S. faga isso de mal informado,
pois.se o informassein direito.nao acharia rasSes para se
queiiar, antes pelo contrario..... Em quanto os
rabos de palha, eu julgo olios nio osterem; porm,
se S. S |ulga elles terem, nos far obzequio de os pu-
blicar por esta folna ; aisimcomo nio me consta, quo
elles se ufanero de grandeza: seria preciso, que elle-
fossem e fisessem como S. S. faz, e ulgo, que aquillo,
que elles team Ibes custaria tanto a ganbar, ou mais
du que tem cuslado a S. S.
UJmmigo da impostura.
Casa da Fe\
RA ESTREITA DO ROZARIO, N. 43.
Nio tendo sido possivel ao tesoureiro da lotera do
theatro conseguir pelos seus esforcis o andamento das
todas no dia 25 deste mez, como se bavia mateado, pe-
lo grande numero de bilbetes, que (icario por se ven-
der (que montou a mais de doze contos de res); trans-.
lerioo mesmo Ibesoureiro o andamento das rodas para
odia 18de dezembro vindouro, inlallivelmente. Tor-
na de novo o cautellista da casa da F a convidar aos
apaixonados deste inleressanlejdgo a concorrerem com
mais prooiptidio para a compra do resto dos bilbetes, e
das suas cautellas, (que sio poucas), a fim de que cor-
rio as rodas no dia cima, e nio se veja o digno Ibe-
soureiro na necessidade de loroar a transferir o anda-
mento das ditas rodas para outra ves; viodo a ficar, por
estos motivos, todas as loteras sem nenhum crdito.
(jvllffl, pot, o oauSollista d co moima nal. imiaUl
deste inleressante jogo a concorrerem com lodos os seus
eslorcos.para que se acredlem como denles todas as lo-
teras. Na mesma casaachaS-sea venda bilbetes, meios
tullirles, e o resto das cautellas: a elles e a ellas. Na ca-
sa cima tem para se vender urna rica maqueira do Pa-
r, com verandas de peonas, por preco commodo.
ss Oabaixo assignado faz sciente ao publico, que
Antonio Clemente Esteves de Larris dexou de ser seu
procurador desde odia 6 de Janeiro do corrente anno ,
dia em que o abaixo assignado chegou a esta provincia.
Joe Negreiro de Almeida Sarinho.
= Joaquim Ignacio Clemente de Almeida Sarinho
fazscienleao respeitavel publico, que Antonio Cle-
mente Esteves de Larras dexou de ser seu procurador
bastante.
- Previoe-se ao Sr. Alesandre Jos Dornellas ,
que,se continuar a envolver- se em negocios aiheios,Jal-
lando de certas pessoas, e nio cui'iar smente dos que
Ibe dizemrespeito, ter una relnbuitio.que.posto seja
oa mesma mueda muito Ibe desagradar por quan
to serio referidas ao publico algumas cousas. .
O Mo ambiguo de Bebiribe
Mavendo no dia 26 do corrente sido man-
dado o pardo escuro de nome Pedro, a urna casa,
ao poni de 11 horas da manbia al ao presente nio
voltou a casa de seu senbor, e por isso he de presu-
mir esleja lugido ; o quel levou calcas azues de algo-
diozmbo e camisa de madapolio usada, altura regu-
lar rosto oval, cabell s carapnbados olbos pro-
Ios nariz chalo bocea grande, pouca barba : quem
do mesmo (tiver noticias, ou o pegare levar as Cin-
co Ponas, sobrado, n 42, ser recompensado
=0 Sr Bernardo de >Souza Franco queira por esta
folba aonunciar a sua morada para negocio de seu in-
teresse
= Precisa-se de um rapaz desimpedido para criado,
francei, Ingles, allemlo, ou americano: no Aterro-da-
Boa-Vista n. 36. .
Grande exposicao publica
DOS TRABALIIOS DE
RA D'APOLLON. 20, PRIMEIRO ANDAR.
Joaquim Lopes de Barros Cabral, com
aula de desenho e pintura na ra d'A-
pollo, convida aos habitantes desla pro-
vincia a virem visitar a sua aula no
dia 3o do corrente, afim de poderem ava-
liar o adiantamento dos seus discpulos
no curto esparo de cinco mezes, e para
esse fim far urna exposiccSo publica seis
dias successivos, comerando no dia 3o,
at o dia 6.
Daniel de Sant'Anna Barros e Silva roga aa pessoas.
que Ihesiodrvedoras.hejio de ir satisfazer seus dbitos,
na ra da Piaia, n. 20, al o Hm de dezembro prxi-
mo: do contrario usur dos meios, de que at agora nio
tem querido tancar mo, visto estar esgotada toda a sua
paciencia.
guodo andar eom quintal e estribara do sobrado, o.
24, da ruada Aurora; trez casas terreas novamenle a-
cabedas, com quintal, cacimba e maia commodospara
grande familia, na ra Formse, ns. 5, 6 e 7, por 20*
rs. mensaes : quem os pretender, dirija-se ao escripto-
rio de Francisco Antonio de Oliveira & Filho, oa ra
da Aurora, n. 26.
Alugio- se dous sitios com grande casa do viven-
da, coebeira, estribara, banho e perto do desembar-
que, no rio Capibarbe na Ponte-do Ucba, defronte
do sitio de Francisco Antonio de Oliveira, quem qual-
quer pretendente se poder dirigir.
O Sr. Tbeophilo Jos Lemos baja de ir remir os
penbores, queempenhou oa padariada ra Direita ,
n. 69 visto ja se tor Rodado o prazo em 33 de ou-
tubro p. p., e se ter findado o mez que pedio fra do
trato i o qoe se fas sciente para, oo cas de os oio ir
tirar se usar na forma da lei.
Rogase a pessoa, queacbouum bilbete da lo-
tera do seminario de numero 1620 da ultima que
correo o qual esl com o nome de Zeferino da Cunha
Bastos escripto as costas de dito bilbete, que faca o
favor de restituir dizendo por esta folha o lugar de sua
residencia para ser procurado.
A luga-se urna casa de sobrado de
quatro andaros,na ra do Trapiche-Novo,
muito fresca, e com muito boa vista para
o mar : trata-se na ra da Aurora, n. 58,
Jai Precisa se de um ofTicial de fuoileiro ou mes-
mo aprendiz ; otn Fra-de-Portas, ruado Pilar, ven-
da o; 137.
COLLEGIO S. ANTONIO.
= As ferias comedio oeste collegio oo dia 29 do
correte novembro e (indio no dia 12 de Janeiro de
1846. Recile, 25 de novembro de 1845. =0 director
Bernardino Freir de Figueiredo Atireo t Catiro.
= D-se diobeiro a juroscom penbores de ouro e
prata mesmo em pequeas quaotias, na ra da
Praia, n. 22.
= Na noute de 21 para 22 do correte novembro ,
da casa da ra da Gloria o. 73 foi extraviado um
inissal romano rico e novo ainda encapado de mar-
roquim encarnado bolSes e passadores dourados, as
lilas feches de prata edicio de Lisboa de 1820. O
ladrio loi um portador do mallo, que d'alli trouxe
urna carta de um Reverendo sacerdote a outro desta
praca : (az-se este annuncio,para que ninguem se cha-
me a ignorancia.
=3 Precisa-se alugar pretaa ou molequea para ven-
deris quarlinbas pagando-se-lbes conforme o ajus-
te-; narto- <* flmjl, loj Jo >. U.
= Desappareceo. no da 25 do correte um cs-
chorrinho pardo pequeo muito gordo e manco ,
oa ra do Crespo ; desconfia-se ter ido para o Recife ,
por ter desembarcado, neste dia, de urna navio chega-
do ltimamente de Lisboa; pede-se a pessoa que o
adiar, o favor de o levar a ra das Cruzea n. 41 que
er recompensada.
= Aluga-seuma padaria na ra Imperial com oa
utensilios promptosa Irabalbar a casa tem aa melho-
res commodidades possives para padaria ou outro
qualquer estabelecimenlo: a tratar oa ra Direita ,
n. 82, primeiro andar. ,
Aluga-se, por prego commodo urna boa e as-
seiadacasa, temi duas salas, 6 quartos coiinba ,
copiar e quintal murado sita no Alerro-dos-Aloga-
dos : a tratar na ra Direita n. 82, primeiro andar.
Deseja-se fallar ao Sr. Francisco Jos da Silva
Pereira, que he professor de piimeiras lettras, a ne-
gocio de seu inleresse: e, como se igoore_sua moradia,
roga-se queira annuncia-la
solicitador vitalicio da justica
da ielnriio, Jos Hibeiro do Amaral, es-
l residindo na ra Bella, casa, n. 12.
= Permuta-se um terreno proprio, com 75 palmos
de frente e mil e tantos de. fundo, at a baixa mar do
rio Capibarbe, tendo na frente da ra Imperial grande
obra principiada, em (oda a largura, para duas graodea
propriedades, com oito vios, todo de pedra de cantara,
capaz de levantarem-se bons edificios, por algura sitio
peito da praca, cujo valor nio exceda de quatro contos;
convindo a alguem, procure fallar as Cinco-Puntas, n.
60, ao Sr. Jos Martina da Cruz, ou no Remedio, sobra-
do que tem olaria.
Precisa-se de urna ama de boos coslumes, que
saiba engommar, para o servico interno de urna casa de
pouca familia ; quem so julgar nettas circumstanciss,
dirjase a Fra-de-Portas, ra do Pilar, o. 145, pri-
meiro andar.
= Manoel Buarque de Macedo Lima embarca para
Porto-Calvo o escravo Vicente a entregar ao Sr. te-
nente-coronel Jos- Luiz Delirio Mavigoier.
= Aluga se o armazem de porta larga, daa casas de
Joio Jos Carvalho Moraes da esquina da ra da Au-
rora que outr'ora servio de coeheira : a tratar na loja
da Joio Jos Carvalho Moraes.
Agencia de passaportes.
Na roa do Collegio,botica o. lO.eoo Atterro-da-
Boa-Vista loja 0. 48, tirio-se passaportes para deotro e
forado imperio,assim como despachao-seescravos:ludo
com brevidade.
= Em casa do abaixo essignado vendem-se chapeos
deso, de seda de todas as qualidades, doe meiho-
res gostos e os maia superiores em qualidade; chapeos de
sol, de seda a 5/rs.; asaim como um sortimento de
chapeos de sol de paoninbo : oa mesma eaaa cooti-
ouio-se a codrir chapeos de sol, com sedss furta-cres
e de todas as qualidades, e tambem de panoioho da
todas aa cores; ludo por,mais enmmodo preco do que
em outra qualquer paMcna ra do Passeio-Publico,
loja de chapeos de sol. Joao Loubet.


*<*
mmMWm
______
*
"Miiiff^^T-gga!
S=
Aluga-se urna casa tarrea muilo larga na ra
da Soledade com duas salas 6 quartol, corredor ao
lado ,' coz'inhi fura, com um grande quintal morado
e outro cercado : a tratar na ra da Aurora n. 68.
=* Antonio Bernardo Vaz declara, que, tendo ap-
parecido outro individuo de igual nome assignar-se-
ba d'oraem diante Antonio Bernardo Viz de Caria-
SOCIEDADE TI-IEATRAL
TALIENSE.
O primeiro lecretario avisa a os Snri. socios que 01
bilbetet para a recita do dia 29 do correte ditlribuem-
se noi dial 28 o 29 em casa do respectivo Ibetou-
reiro na roa do Qeimado n. 67. O concelho
administrativo reune-M no dia 28 do eorrenta em ca-
ta do presidente, para approvacio de convidadoi.
LOTERA DO THKATKO.
O tbeaoureiro delta loteria, bavendo por este Diario
declarado ai causas, por que as rodas da ineima deix-
rio de ter andamento no da marcado, declara agora
que oo da 18 de deterobro prximo futuro te reali-
zara sexlraccioda meima loteria iolallivelmeate.
Agostmho Heoriques da Silva embarca para Tora
da provincia o seu escravo Boque de Angola.
Preoisa-se de um earpina que queira faxer um
Jeito ecaixiode urna carroca : na ruada Concordia ,
n.15.
- Precisa-ie de um preto qQe aeja postante e la-
dino, que enlenda de padaria, ou tenba algumas lu-
yes ; tambem se da pi de vendagem a 60 n. por
pataca, da melhor arinbt: nasCinco-Pontas, o. 160.
Precita-ie de um pequeoo para andar com um
preto a vender p8o : no Corredor-do-Bispo n 8.
= Jlo Eitevet da Silva vende o teu ettabelecimen-
to da ra de Apollo ni. 28 e 30 da parto da mar,
constando de escravos, canoas abertas o de conduzir
agoa e a propriedade com o teu terreno at baixa-
mar : a tratar no memo lugar.
= Manoel Antonio da Silva Motta vende ou alu
ga duai canon de cooduzir agoa ; deixs eicolber em 6
bem construidj e com pouco uso
Antonio Dominguet Ferreira declara ao Sr. Jo-
s de Almeida Vasconcellos Castel-Branco, que oBo o
teme por qualquer lado que o procure e juntamen-
te pede quo so cale ; poii quem o desacredita be o pu-
blico e nao o seu imputado mimigo.
Aluga-se o segundo andar e sotio do sobrado da
ra da Penha com lundoi para a ra Direila n. 7,
por muito barato preco : a tratar na toja do metmo
obrado.
Aluga-se um tobrado de um andar e sotao na
ra Augusta : a tratar na roa do Collegio n 8, secun-
do andar.
- Na praca do Sr. doulor juix do civel da primei-
ra vara, boje 28 do crrente se ba Jo arrematar
urna casa terrea na ra dos Copiares. Iieguezia de S.
Jos desta cidade o. 19, emcbSos proprios, co/inba
lra quintal murado ; est avaliada por 'J.'iOj rs.; e
tambem duas partes da casa terrea da ra de S. Jos ,
n. 60 avaliada por lOO rs. cada parte.
- Aluga-se, per lOj n. mensaes, o segundo andar
do sobrado da ra eilreila do Boxario n. 18 : u tra-
tar na ra do Nogueira o. 27,
- A pessoa, quedeixou um alfinete de ouro, para
senhora de.oenhor de dnnt cortes uV ro. urna. f*M4Ht-ttr -7 Jno
loja na ra do Crespo queira maridar pagar a im-
portancia das ditas rustas; do contrario ser vendido o
penbor para pagamento.
de duas arrobas al meia libra; netta lypographit ie
dir.
Pela medida velha
vende-ie farinba, chegada ltimamente de S. Ma-
theut, de tuperior qualidade, e por meooa do que em o 60.
outra qualquer parte, bordo do pataebo Vtni, de-
fronte do caes do Collegio, e na ruada Cruz, n. ;"
tallar com Manoel Antonio Pinlo da Silva.
RIJA DO COLLEGIO
Loja n. I.
Vendem-se tuperiores grvalas de tetim preto a 500
rs ; casimiras, das mait modernas, 1,200 e 1,400 re.
o covado; panno fino, preto e azul, a 2,600 r.; meiai
do senhora a 280 ri. o par; cbitas du todas as qualida-
det, de 120 a 300 rs.; iadapoldei, de 140a 280 rs.;
cortea de cintas d todas ai qualidadet, e do melbor
gito tuperiore riscadoi Irancezes, i polka, a 360 rs.
o covado ; e outras multas fa/endas, ja anouociadaa
neste Diario : na mesma loja cima.
= Vendem-se cortes de linistimas chitas a polka
aveludadat, Ai rt. ; linas da Rusiia n 1 a 880
rt. a vara ; ditai o. 2 a 480 rs. : na ra do Crespo,
n. 16 tegunda loja para quem vem da ra dai Cru-
tes.
CHA' HYSON 0
DE BOM GO&TO,
E SUPERIOR QUALIDADE g
Vende-se a 2'56o ris cada libra: &
na ra Larga do Hozar i o n. M-
0
Compras.
v = Comprio-ie o nmeros 1, 11 e 12 do Auxilia-
do da InJusiria Nacional relativos ao anno de
1840; aisim como o n. 6 do meimo jornal relativo
ao anno de 1841 : na ra daiCruzei, loja de enea
dernador, n. 55.
Vendas.
FOLHINHAS
DE
ALMANAK
PARA O ANNO DE 1846,
contend) os nontes de todos os emprega-
dos pblicos da provincia, dos cnsules,
negociantes, mdicos, cirurgiSes, botica-
rios, e dos principaes officiaes da guarda
nacional, &c &c ; vendem-se na praca
da Independencia, livraria, n. 6 e 8.
Na rua Direta, sobrado de
um andar, n. 56, vende-se a casa
terrea da rua das Cinco-Ponas,
n. 93.
Na ruaDireita, sabradodeum
andar, n. 56,vende*se, por muito
mdico preco, a casa lerrea da rua
do Rangel, n. 49, com vintee
cinco palmos de frente, e setenn
e *ete de tundo, cozinha fra,
quintal murado, e outros minios
commodos, e que rende mensal-
menle l'O^OOO ris. Esta casa
acha-se hypothecada; mas o hypo
thecario nenhum bice pe a sua
venda.
=Vendem-*e 3 caixdet proprioi para amoitras de
padaria, oo reAoacio ; um jogo de bataneas grandes
com correla! da ferro, e un Urno de pesot de ferro
= Vendem-se saetas com milho a 3600 rs e al-
queire medido a 3200 rs.; na rua da Cadeia de S
Antonio n. 19, deposito de larinba.
Vende-se a verdadeira potassa rus-
siana da melhor e mais nova,que se achar
neste mercado, a a50 rs. a libra, adver-
tindo-se que se vende por este preco por
se adiar em barris grandes : em casa de
J. J. l'asso Jnior.
ATERRO-IM-BOA-VISTA,
LOJA.N. 1 .
b Vende-ie panno preto superior, cor (xa a Al
rt. ', algodio americano trancado, de listras muito
forte para pn tos pelo barato preco de 240 rt. o co-
vado ; riscados francezes a poika a 360 rs. o covado;
e outras muitas fazendas por preco commodo.
Aot pintores.
= Vende-se colla superior da Babia em porcao
de arrobas e as libras mais barato que em parto al-
guma ; na rua da SenztJIa-Velha n. 110.
- Vende-se vinagre branco
nacional, a 400 ris a caada ve-
lha : na rua do Aterro-dos-Afo-
Atcrro-da-BOa-
Vista, fabrica de licores de Fre
derico Chaves ; e na rua Direi-
ta, venda, n. 53.
= Vendem-se 8estravos mocos bont para o tra-
balbo de campo ; doui casaes de ditos (caiadoaj bons
para o trabalbo de campo por a isto estarem acottu-
madot ; 3 escravat mocas, engommao e cozinbio ;
dual uitat boas quitandeirai; 3 pardal, e urna he boa
para ama de casa ; na rua do Crespo n. 10, primei-
ro andar.
Rap de Lisboa.
= Vende-se na praca da Independencia o. 4,
chegado prximamente a 4000 rs. o bote.
= Vende-se um carrinbo de duaa rodas, em muito
bom estado ; e um cavallo muito bom para carro : na
rua estreila do Bozario n. 43, segundo andar das
6 89 9 horas e meia da manbae.
Vi nde-se polassa muito nova e de superior quali-
dade, em barris pequeos: na rua da Cadeia do Be-
cilo, armazem de assucar, n. 12.
Veodem-se saceos de milbo; ditos de arrox de
casca ; ludo novo : tambem se vende medido a vonta-
de do comprador : na rua da Cadeia do Recite ar-
masen) n. 8.
= Vendem-se 18 escravoi, sendo 4 molequee pe
cas, de 12 a 18 annot, bonilot; dout pelo coxi-
nbeiroi, de 20 annot; 3 pardaa de 20 anno com
habilidades ; 9 pretas, de 18 a 25 annos com habi-
lidades ; um fardamento para inferior de guarda na-
cional completo : na rua dai Flores, n. 21.
= Vendem-se algumat pipas quartolas e barris
vatios de axeile arqueados de ierro ; na rua da Sen
zalla-Velba n. 110
s= Vende-te urna esrrava, mo(i, de boa figura, in-
gomma e coxinba perleramente ; oo arco de S. Anto-
nio, n. 2.
Vendc-ie urna porcio de cavcrnai grandes de ti-
cupira propriet para canoa aborta ou de conduiir
agoa ; na rua de Apollo n. 28 a tratar com Joo
Estoves da Silva.
Vendem-se as verdadeiras pilulas
vegetaes do Dr. Brandreth, e agoa-raz a
3ao ris a libra: na rua do Cabug., botica
de Joao Moreira Marques.
i Vende-se urna canoa de carrega
agoa em muito bom estado, por preco
muito commodo ; e tambem se aluga
quem a pretender, dirija-se rua Nova,
Venda, n 65.
Vende-se um relogio patente suisso,
com raifeias, tudo de ouro, limito bom
regulador, por preco commodo : na rua
Larga do Bozario, n. 5o.
'jj. Vende-se laranja da trra e da Chi-
... no riti gr.de rifa,* *-"H^^,^ HL^i! "" "* "*'
da do Monteiro.
b Vende-se urna mulatinha de bonita figura de
idadedel2 a 14 annot; na rua da Cadia-Velha ,
Vende-te lia de todat ai cret, com at compe-
tentet peca de talagarca e ptdroet para bordar ; pe-
dral de filtrar agoa ; oa rua di Crol n; 38.
= Vende-ie urna cata moia-agoa., na travesa do
Serigado que rende mentalmente 7 rt. e te vende
por 500 rt. por leu dono ter-te de retirar para fra
da provincia; na rua da Praia, venda no beeco do
Carioca.
= Vendem-se dous pretos de naci, de idade ae
20 a 30 annot, tem vieiot nem aeuaquee propriot
para u tervico de campo ou para ganho ; um ca-
vallo rozilho-foveiro muito bom de sella carrega-
dor baixo at meio ; tudo por preco commodo, por ter
0 dono de retirar-te : no Aterro-da-Boa-Vitta, n. 26,
primeiro andtr.
= Vende-te um preto moco de bonita figura, por
preco commodo ; oa rua do Livrameoto, o. 81.
Bons Livros.
= Vendam-se ot hvroi teguintei: um jogo de dic-
coobios fraocetel; Kelljf. le Cambista ; Senebier ,
Traite de Cbaoge; Jaclot, Sciencia de Guarda-livroi-
Tenue des livres ; Partidas dobrada; Colonia Cbre
tienne ; Aritbmelique et analyse logique ; Hiitoire
de Napolen com retrato ; Tratado de operav5es de
banco; Guarda-livros moderno: na rua dai Cruxet
loja de encadernador, n. 39.
= Vendem-te trave de todot ot comprimentot ;
encbameit e miot travetsas ; caibrot por preco com-
modo ; na rua da Concordia, armazem, n. i
= Vonde-se um pequeo sitio com cata de vivenda,
muito fresco a margem do rio agoa de beber, at
proprio para olera, e comproporc.de! para viveiro; ven
de-te por commodo preco, e at com prazo na metade
do ajuste : na rua de Agois -Verdes o. 21.
a****
iSjJMcIjas i j | DE TIBAB FOGO,
1 afianzados a todos os compradores,
pelos precos seguintes:
i molbo 'inbi ulbado 4o
* ion ditos ditos.....2s'5oo
i. groza al G grozas ... 3sd.oo
S de 6 ditas ate ra ditas. 3.sooo
Sendo muito bem acondicionadla e pro-
priat para se levarem para dentro e lora da pro-
S vincia, tem perigoalgum; assim como te con-
t
lina a vender de outros, como dantei a 2560
a groza: no acougue de JoSo Duboit, rua dot
Quarteis, n. II, cata pintada.
= Vendem-te 8 eteravot de nacao de idade de 22
annoi, e entre ellet 3 bonilot molequet, de idade de
14 a 18 annot, lodos com bastante pratica de tervico
.le campo ; 4 escravat de naci de idade de 14 a 24
annot, com varias habilidades; todos dio-te a con-
tento : na rua Direila, n. 3.
- Venoem-se cbapeos de senhora muito bem en-
l'itadot ede goiloo maii moderno possivel ; um ri-
quissimo sortimento de fitas e flores d todas aa quali-
dades e bom gosto ; assim como guarnieres de flores
para vestido de senhora ; pennai para chapeot ; arou-
g>s de chapeos para se apromptarem : e um riquini-
mo sortimento de cambraias final: na rua larga do
Bozario n. 24.
= Vende-te chumbo fino para caca de n. 1 a 7,
na rua Nova, lojas de ferragens ni. 25 e 29.
= Vende-io cevadinha nova em barricat de data
arrobas ltimamente chegada por preco commodo ;
em cata de I. D. Wallhopp & Companhia na rua da
Cruz u. 16.
= 'Vende-se potaisa rustiana, nova, e superior;
cal virgcm de Lisboa mais bartto que em outra
qualquer parle : na rua de Apollo n. 18.
= Vendem-se superiores cartas do jogar, trance-
xat ; no Aterro-da Boa-Vista loja de ferragens,
n. 76.
asa Vendem-te chapeos finos, de ctttor e panno
de algodio pira taceos; na rua do Trapiche-Novo ,
n. 5, casa de Joio Stewart.
Vende-se um escravo pardo, de
idade, pouco mais ou menos, de 18 annos,
muito fiel, e humilde, ptimo pagem, e
alfaiate : na rua do Cabug, loja de miu-
dezas, n. l D.
Acaba de chegar do Rio de Janeiro
o muito strerior rap denominado prin-
ceza novo de Lisboa, sendo este o nico
rap que se pode por a par do de Lisboa:
vende-se as lojas dos Sis. Guilherme Sel-
le, rua do Queimarlo ; Victorino & Gui-
mar3es, rua dos Quarteis ; Antonio Do-
mingues Ferreira, rua do Crespo, ou no
deposito, na rua de Apollo, n. 18. O preco
de cada libra he isooo res
Vende-se muito superior doce de
goiaba, dito de banana, dito de laranja,
dito de limao, dito de inamao, em caixes-
zinhos ; muilo superior doce de calda de
goiaba inteira, e dito de mamau em latas
de Handres : na rua do Crespo, sobrado,
n i4, terceiro andar ; na praca da Inde-
pendencia, loja de uiiudezas, n. 4 '> e na
rua das Cruzes, venda, n. 43.
= Vendem-se duas pretas mo(at, de 22 annos,
propriatpara lodo o tervico ; urna dita porfeita coti-
nbeira que te dar a cootenlo por alguotdiat, eoio
precita ter mandada ; urna inul tinha de 12 annoi ,
muito bonita propria para mucama de alguma me-
nina ; um preto de todo o ter neo : na rua larga do lio
zario, n. 46, primeiro andar.
Vende-te um bonito moleque; duat pretal de 17 f
Vendm-ie taccatde farinhade Mag, fina, a
4800 rt.; ditaa de 5. Matheut. a 4200 n e alqueire
medido 3800 rt. ; gomma de eogommar, a 10* rt.
o alqueire ; arroz branco a "2* rt. a arroba ; taccoi
novot de eitopa pira farinba, ou milbq a 500 rt, :
na rua da Cadeia de S. Antonio o. 19 deponto de
farinba.
=s Vende-te, por preco commodo, urna caooa abar-
la de carregar lijlo,, ou areia bailante grande mui-
lo forte bem conttruida e tem lido pouco uto ; na rua
do Vgario n. 18 primeiro andar.
=. Vende-te ompreto.de 18 anqi*. de boa figura;
um pardo, de20 onot, com officio de carretro e
ambot propriot de todo o tervico de cata e de campo ;
urna preta de 22 annot, pouco maii ou meooa da
boa figura e com habilidadet, que te dir ao com-
prador : na rua da Cadeia de S. Antonio, o. 35 : e oa
mesma cata veodem-te 30 arrobtt de cera de car-
nauba.
= Vendem-se cortes de finistimat citit-cbtif, de
gostot muito modernoi a polka, e ebegadat ltima-
mente, a 4500 e 5 rs. ; ditot de chitas de listras en-
vinadas, e muito finas, a 4500, 4000 e 3500 rs.; oern-
braia lita de vara de largura propria para forro a
120 rt. ; dila muito fina com pequeo defeito, a 320
rt.; casimiras de algodio de quadroi, a 480 rt. o cova-
do ; macedonia de quadroi e listras, pidrOet eicuros ,
K 480 n. e outraa muitai fazendat por barato preco :
na rua do Crespo, n. i4, loja de Jos Francisco Das.
Deposito dt farinka.
= No armazem de porta larga do cae de Collegio,
ba para vender farinba de mandioca de todas ai quali-
dadet, entaccada ou medida pela medida velha;
assim como arroz pilado; tudo por meooa preco que em
outra qualquer parle : ai penoit, que quixerem gran-
des poredet para embarque, teem a vantagem de poder
receber a bordo do brigue PAa/iei : e no metmo depo-
sito te enoarrega do deipacbo e embarque e tempre
tem emhtrcacdeicom farinba no porto.
= Vendem-tecortei de cassa-chilat doi man mo-
dernos gostos a polka ; ditos do chitas aveludadas ede
littriienviaiada; cortes de cambraiaa de quadrot e
listras de cores, tambem muilo modernal, e por me-
notpreco que em otra qualquer parte: na rua do
Crespo, n. 8 loja de Campot & Mtia. .
= Vende-se urna morada de cata terrea em Fra-de-
porlat, da parle do mar grande a qual paga de ren-
da 8j ri. mensiet, e te vende por precitio: a* tratar no
metmo lugar rua do Pilar n. IOS das 6 ai 9 ho-
rat da manbia,
NAVALHAS DA CHINA.
Vendem-se aa admiraveit navalbttde ac da Chi-
na que teem a vantagem de cortar o cabello tem orlen
ca da pello deixando a eara parecendo ettar na toa
brilhante mocidade : este ac vem exclusivamente da
China e t nelle trabalhio dout doa melbores o maii
ablusados cutileiroi da nunca excedida e rica cidade de
Pekim capital do imperio da China. Aulor Sbore.
N. B. He recomtneodado o uto deitu navalhat
maravilhom por todas aa lociedades dti iciencin me-
dico-cirurgictt, tinto da Europa como da America ,
Alia e frica nio t para prevenir at motettiti de cu-
lis mtt tambem como um meio comience : vendem-
se unicantente na rua do Creipo roja, o. 15.
= Vende-te urna botica dai mala acreditada, e
com bom sortimento de drogat: a tratar na rua da
Cadeia do Becile o. 40.
='Vendem-se lencos de seda e setim de Uacau ; em
casa de Matheut Austin & Companhia na rua da Al-
landega-Velha, n. 36.
- Vende -te le odet de Horace traduitot em un ,
par Ch-Vaoderlourg, em 3 v.; e livroi de aulaa por
bartto preco : na rua do Crespo ,
Vende-se muito boa calda de
de doce, de 8 libras, de pitanga ,
ba tidrlo laranja, e caj ; na
a. 38.
- Vendem-te duit fardas para o esquidrio de ca-
vallaria da guarda nacional em bom uso : na rua lar-
ga do Rozarlo n. 39.
Vende-se urna esciava crioula de idade de 18
annot; na rua Augutta n. .'ii.
- Vendem-se cataos de rolas brincia de Hambur-
go por preco commodo ; oa rua Augutta, o 54.
- Vende-se, aluga te ou bjpotbeca->e urna can
oo Cacbangi : a tratar no tobrado por cima da guarda
da cadeia.
= Vende-ie um preto de idade de 30 annot sem
vicios muito robutto canoeiro, carreiro e pescador ,
por preco commodo ; no Atierro da-Boa-Vitta, lubri-
ca de licores n. 26.
o. 11.
timarindot; barril
grozelat manga-
rua do Trapiohe ,
Escravos Fgidos
Fugio o preto crioalo Izidoro alfaiate e bo-
lieiro ; loi escravo do Exm. bario de Itamarac ; he
muito conhecido netta cidade : quem o levar a rua da
centalla-Velha o. 110 recbete de leu senhor ,
Alves Vianna, generla gratificacio.
Fugio no da 24 do correle, um pardo de co-
me Tbomax alio, espigado, cor escura canella fina,
bailante conbecido por andar vendendo azendae com
pretoatratcom taloleiro ; quem o pegar leve a es-
trada nova da Magdalena primeiro portlo de pedra
e cal do lado direito, ou na rua Nova, loja o. 52; que
ter generosamente recompensado.
fugio, no dia 7 de outiibro *p. p.,
um cabra de nome Luiz; representa ter
ao a a5 annos de idade, estatura baixa,
sem barba cara- redonda; levou urna
trouxa de roupa : provavelmente elle ha
de ignorar os caminbos daqui, e-lia de
perguntar a alguem por elles, por nao
ser daqui, mas sim do Ceai, de onde
veio, ba tres semanas, contadas do lem-
ein que elle fugio: quem o pegar, le-
po
ve- o rua da
compesado.
Cruz,
n. 10, que sera re-
P&RV. ] NA TYP. OE M. F. DE FAP1A. lOj.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E53PQZZBA_SWKXKK INGEST_TIME 2013-04-13T03:25:31Z PACKAGE AA00011611_05927
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES