Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05925


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A nao de 1114$.
Ks
feira 16

O DIARIO publica-ie todos o* das que
nao forem de guarda: o prego da assigna-
inrahede 4/rs. por quartel pajn adianla-
,(,is. 3 annuucins dos assignantes sao inse-
rido a razio de 20 reispor linha. 40 ra. em
typo dlferente, e as repetientes pela mcia.dc.
O que nao foreiu assignantes pagao 80 rs.
por linha, e 160 ein typo dltTerente.
pHASES DA LA NO HEZ DE NOVEMBRO.
Creicente a6 as 3 h. e 55 minutos da tard.
I,ua cheia a 13 as 10 hor. e 35 mf. da tard.
Menguante 22 as 2 hor. e 6 m. da tarde.
La nova a 29 as 9 h. e22 min. da inanha.
Colanna, P
Segunda*
Cabo, Seri"
vo, e Ma
Garanlmns
Boa-Vista e*
Victoria'as
linda todos
Primeira as
Segunda as
S DOS CORRElOS.
yha, e Rio Grande do Norte
extas felras.
ira, Rio Formlo, Porto Cal-
ino 1.", 11 e 21 de cada uiex.
i(o a 10 e 24.
s a 13 c28.
s felras.
US DE HOJE.
e(i min da tarde.
31 minutos da machia.
do NTvcmhro.
Aun XXI N. 968.
DAS DA SEMANA.
24 SegundaS. Porciano, aud. do J.dosorp.
edoJ.doC da 2. v.,e ,1o J. i. da "2. v.
25 TercaB. Jocunda, and. do I. do civ. da
1. t., e do i. de paz do 2. dist. de t.
20 Quarta S. Belino, aud do J do civ. da
2." v., e do J. de paz do 2. dist. de t.
27 Quinta S. Auxilio, aud. do J. de orph. e
doJ. M. dal. v.
28 Sexta S. Papiano, aud. do I. do civ. da
I. v., e do J. de pv. do I. dist. de tard.
29 Sabbado Saturnino, aud. do I. do civ.
da I.' v., do I. de par do 1. dist. de t.
30 Domingo S. Troyano.
CAMBIOS NO *IA 25 DE NOVEMBRO.
Camb. sobr Londres27a27'/,d.p.ll60 d.
Paria 335 reii por franco.
Lisboa 115 a 125 p. c. pr. p m.
Desc. de let. de boas firmas I '/, p. /. mes
Oaro-Oncas liesnanhplas 31*000 a 31*510
-Mord de (1D0 vel. 16M10 a 18 800
' de 6^100 nov. 6201 a I6'4'W
de 4#O00 9WH a
Praln-PatacdtJ .... W0
Pesos 'olmniiircs. l#O20 a
Ditos Mexicanos 1841 a
Prata iniuda. !B30
9*200
I #020
1/940
1#88P
1/76)
Acides da C* do Ueberibe de 50^000ao par.
RMAMBUCO
PARTE 0FF!C|AU
Governo da, provincia,
SXPEu1RI*l& DO DTA *t DO COPirtT'.Ult.
Ofllcia-Ao Rxm. presidente niei d'um uffioio do encarregadn don negocio* do Bra
il em Lundrr*. que, acompaiiharin de pul vaccinieo, e
par Ihearr trnntniillidn, Ti-io daqoella capital.
Dito\n coniinaiidanle do* amina, ordenando, que.
emquanin o ajuilante da directora d araenal de guerra.
Joaqun) Ignacio de Carvalhn Meodonca, eativer enear
regado da adminialrncio do* mu erto* d<> qoartel dit
Hnipirio e linspital regimeiilal, manoVi-llio furneoer una
cavalgadurn pela oompnnhia do car aliara de prinieir
linha.Participan *e ao direiitor do arsenal de guerra.
Dito Ao eommandante superior noini-ado para a
guarda nacional doa innuiripio* de Olinda o Igmrnc.
determinando, que prcitejurarneuto perunle a cmaro
do segundo de*aei municipio*, e, riepoi* do juramenta-
de, reeonli''Ci e em|N)ae o ofieian i uiperiores rripeo
tiro*. Ufllcinu-ie aretpeilo acunara municipal de
Igiiarar.
DiloAo cnniniandanto das forra* aran do centro
para que atando reeeber tres das quatro boiaa, que em
oontrqurunl d'ordvm imperial furto manufacturada*
no ramal de marinlia desia provincia, para acreiu pol-
las a tu* ditpoiicio.
DiloAo director do arsenal de guerra, nutnritando-
o a mandar eonait-Ur 40 terca loi, requuilado* pcl
vice-preiidente do Para, e exigindn a reapeoiiv* eonla,
para, fiata delta, poder requmitar do vico presdeme
a indeninuaeao deisa dotpcta.
INTERIOR.
RIO-GRaNUL-DO NORTE.
CorrriponaWia do Exm. Sr preiidente da provincia
com oijuize* de dirtilo eche/e de polica d mesma.
N. 40 Acquiesi-endo i requiicio, que Vine, me
dirigi em leu olB:o de hontem datado, lenlio no-
meado por portara delta data para o cargo de lupplen-
tesdo lubdelegido de polica do diitricto de Aots-
Esfolida os cidadaot constantes da rolecio junta, asig-
nada palo lecretario dests presidencia. O que Ibe
communieo para sua inteligencia, e etn reiposta ao
ceu topracitado officio. Dos guarde a Vine Pala-
cio do governo do Rio-Gfande-do-Norte, 20 de mato
de 1845. Dr. Oi$imiro Joii di Moran Sarment.
Sr. diiulor Joio Paulo de Miranda, cele de polica
desla provincia.
RthcSo dos cidadam nomeadoi por portara dista data
para supplentn do subdttegado de polica do un-
rtelo de Anta-Eifolada.
\. Tenente-coronel JosSoareide Mello.
2. Filippe NuneiSoarei.
3. Capillo Aflonso Beicrta Jacome.
4. Vicente Cavalean'.i de Menetes Albuquerque.
5 Joio Caialcanti de S Albuquerque.
G. Tenente Manoel Soarcs Cortez.
Secretaria do goernodo Rio-Grnde-do-Norte, 20
de tnaio de 1845. ~0s ecretario da presidencia, JoSo
Carloi Wandciley.
PIAUHY.
IBLATORIO, COM QUB O EXM. PRESIDCHTB DA PROVINCIA A-
BRIO A ESSAO ORDINARIA DA ASSKMBLA LEGISLATIVA
DB 1845.
(Conlinuaco do numero antecedente.)
Mndanca da capital.
A le de 3 do agosto do anno passado msndou trans-
ferir a capital da provincia para a murgein do rio Par-
aafaiba, na confluencia da corrente denominada Mu-
latos, e abi edificar a nova cidade com o nome de Re-
generado. Ora, eise lugar be compl-tamente deserto,
e foi eieolhido somonte pelai suppostas vantaxeni da n-
luafio. Com diier isto.tenho dado a raiio.por que nao
fo aquella le exentada por meu antecessor, nao ba de
ser por mim, nem tambem, segundo lodos ai probabi-
lidades, peloi meus mcceisorei. Construir to los o edi
licios necessarios ao aervico publico, erguer de repente
urna cidade inteira, ho emprea posiivel a um bomem
de genio, que disponha de innumeraveii hiaQoi e d
urna riqueza immensa, mas be urna perfeita chimara
psra o governo constitucional de urna provincia pobre.
He verdade que a le autorsou a presidencia, pelo i."
do art. 7., a contratar com a assembla e governo ge-
raes urna etnissai) do 200:000* n. em notas, obrigan-
do-se a provincia a reigata-loscom 10 por cento de sua
renda innual ; mas esta medida, Senhore, suida quao-
do obtivesse assentimento do podor competente, nao sei
se seria prudente por em pratica; porque, me parece,
que dara em resultado um grande empenbo legado as
geracOes vindouras, sem proveito correspondente. He
urna conjectura, que faco, com olbos fixos na historia
do noiso paiz.
Nio insisto em mostrar a impraticabilidade da lei, que
muda a capital da provincia para a margom do Paroabi-
ba, no lugar ja referido, oorque, se ha quem disso esto-
ja convencido, he osta Ilustre assembla. Gsta lei, pois,
ou ha de ser revogada.ou jamis passar de leltra morta.
Na bjpotheae de revogacio, ser conveniente que per-
maneca a capital nesta cidade ?
Se urna capital deve ser o centro da poltica, da in-
dustria e das scienoiaa, ou, ao menos, lazur-se notavel
por algum desses elementos de preponderancia e prima-
fzia, creio, que urna looga experiencia falla bem alto
contra Oeiras. todos estes respeilos. Se esta cidade
tlguma influencia poltica eierce sobre o resto ila pro-
vincia, he nicamente devida presenca do governo e
das autoridades, que aqu residem : ss noticias da corte
sio extraordinariamente demoradas ; as oidens mais ur-
gentes do gabinete de S. M. o Imperador, cm extremo
retardadas, raras ve/es chegio tempo de dsr as cousas
a des> jada dueccSo. Tanta esta cidaue nao he um cen
tro scientifico, que nella apenas existem tres cadeiratde
primerts lettras, e urna de lalim, estando suspenso o
entino secundario por disposiefto legislativa. E qual he.
Senbores, a preponderancia, que tem Oeiras pelo coni-
mercio e pela industria, acbsndo-se, como sebeis, sob a
luidla de Calas ? Situada entre monos he quasi inba-
bilsvel a cidade, porque o calor, que no clima do Norle
he lio intenso, torna-se aqui, por esta circumutancis,
anda mais abrasador o insupportavel: o local da cidade be
lao pedregoso, e conseguinlemente estril, que nao con-
tente vegetscao, de n>enoira que na estagocaliiiosa.fomo
agora, dir-se hia morta a natureza, a nio ser o riacho
da Mocha, em cujas margen* sempre verdejio, bem que
raras, algumas arvorei. Estas ra-/0es embargio inteira-
mente o crescimenlo e prosperidade desla cidade, e, se-
gundo o que tonho observado.be geral a conviccio, mes-
modos habitantes de Oeiras, de ser inconveniente a
eiistencia da capital aqui, havendo s divergencia sobre
o lugar para onde deve ser transferida.
Acidado da Parnabiba ulga-se com direito deter
em si a administrarlo da provincia, e allega em seu fa-
vor as seguintes riiei: 1 estar qu*si margem do
Ureano, pois, situada na marftein direita do Parnabiba,
uista apenas do mar duas legoss, epermittir por isso
que o governo supremo faca seutir a sua ac$o na pro
vmcia commuito maior rapidez do que agora, podendo
a correspondencia da corte com a provincia, e vice-ver-
a, fazer-se directamente e nio por intermedio do Ma-
ranhio, e Baha; 2.' a grande probabilidade de, estan-
do l a capital, despertar se o espirito de especularn
para navegar-se o Parnabiba, o que be de urna ublida-
de immensa; 5.'. baver j suffleiente numero de edifi-
cios commodos para as repartiedas publicas, e residen-
cia dos empreados; 4.' o exemplo das outras provin-
ciai, eujo territorio comprebende alguma porco de
costa, ai quses teem sentido a vantagem de terem suas
capitaes junto ao mar, e nao no interior. Vos, Senho-
re, que estis habilitados i apreciar devidamente este
assumptn importante resolve o que em vossa illustra-
cio achirdes mais til. Pela minba parte direi smen-
te, que, sejio quaes lorem as vantagons da mudanca da
capital para a Parnabiba, ha um una le numero de pes-
soas, que, ou por serem oflendidas em seus nteresses
particulares, ou porque disso estejio realmente conven-
cidas, acbio perneciosa esta medida, e as conveniente dar tempo que a opiniio publica se v es-
clarecendo, e pronunciando a este respeito, para que
enlio possa o legislador resolver definitivamente o que
for conveniente ao maior numero dos habitantes da pro-
vincia, soflrio embora alguna individuos com a medida,
que ge baja de tomar, pois com medidas desta ordem be
inevitivel, que algum seja prejuiieado.
(Coniinuar-i-Aa.)
DIARIO l)E l'EIIWIIIi fil).
CONCLUA 1)0 EXTRACTO DOS JOBN AES 1NGLF.ZES.
Notieiai da Italia, recelrd .< em Lon ires no dia 11 do
me', p.p., inostravio, que o governo austraco devra
de estar preparado para os recentes movinientos insur-
reccinanos dos estados pontificios, por isso que a 30 de
selemhro fo a guarnir.> de Ferrara reforcada com mil
equinhentos bomens. Tinba chegado do Triesto a Ri-
niini umbrigue de guerra austraco com despachos e
provi'ei. Observa-seem Anconi muita vigilancia (e
com toda a razio).
A C>air(a de Augiburgo lii/ia queo archiduque Fro-
derico d'Aust'ia, ao recebar a noticia das desordena de
Rimini, expedir immedii-lamente tres navios de guerra
para a costa de Romugna com ordem de cruzar e apri-
sionaros revoltosos, que encontrassem. Outrosdous na-
vios seriio enviados para o mesmofim.
A Gaxeltf d'Etat (diz a d'Augtbwgo). que se publ-
ca em Lucerna, faz mencao da entrada de tiopas aus-
tracas nos estados lmanos.
( A z9a>/e Oaxelte publicou a noticia do desnorona-
menlo de um monte nos Grisons a 7 do passado, o qual
occorreo em Buscblaws. e arrastou con sigo urna II ros-
ta inteira de pequeos arvores. A l4succedeo outra ca-
tastropheda mesma natureza; rolrio imiD' nsas massas
de pedra p ra o valle, cujos habitantes fugirso na maior
conslernacao. Avuliava-ie o dainno causado em 400,000
francos.
Urna correspondencia de Beyrout, escripia a 16 de
A RAINHA MARGOT. (;
por 3llrronirr Oumne.
PRIMEIRO VOLUME.
CAPITULO IL
A CAMABA SA RAINHA SZ NAVARRA.
(Contimiaco).
Anda nao estni* deitada. Sra. pergunlou o Benr-
nei. iniRt aiua pliysiiinuina franoa o alegre. E*|ierar-
me-liieia araaup
N3o, Sr., reapondeu Margarida ; porque anda
lmntin me diairates. que bem aabieii que u noiao ca-
lamento era una allionfA poltica, e que vijainaii me
ronilrangeriri.
Jiiaiamenie ; ma* nao he jato nina raan para que
nanr.niiverai-iiii,* um jiuuoo. GilIoHiie, fecba u porta
e deixai-noa
llargarida, que eatava tentada, crgiien-ie e eitenden
a mo como para ordenar ao* pageni, que hcsaem.
He precito que ti chamo a* vutaa* criada*? per-
goiitoacl-rei. Fa-lo-lui, ie lal he voiao deaejo, anula
que, ouiifetaii-vni, que para o que ti-nhu a diaer-voa.
quiirn ante que ealiveiaenioa a o.
E o rei le Navarra rnearmnlioii-ae para n gabinete.
Nio I exelaniou Margarida, pondo-te-llie iinpi -
() Vide a%rio u. 264.
luotamenle pordiante; nSo, he escuiodo, ceu ettou
proiiipta a ouvir-vn*.
Snbia O lieai net o que quera aber ; laucn um nlhnr
protnidn eru/iid" para o gabinete, romo te quiera, a-
peiar do rrpiKtciro que o robrin, penetra-la em ni in-
terior; di-pina ?olvrndu o* (illuii para a bou bella etpoaa
pallida de lerr.ir:
Nfiie oaao, Sra., date rom vos perfeitamente
calma unnvcriemo* enifio mu inalaule.
Como agradar a V. m>go>iade, ditte a rainba, e
fi nao tentando-*, maa dei>iiudu-*e aniel cahir na cu-
deira. que u marido I lie indica va.
O Bearnet tentou-ae jauto della. '
Srnhora, conlinuu elle, npeiar do que muita
gema dn, o notan camnenlo he, pento en, he limito
boin. Eu tuu na realidade votiu, e toa loii por curto
minha.
Maa..... diste Margarida amcdronlada.
Dcfi'iiiu* pnroi-naequrnria, riiiiiinunu el-rei do
Navarra, como qnem nio dera fe da hesitacao da rninba,
tirar um para com u nutro como liona alijado*, po*
que '
deale
.vin duvida, Sr.
En aei, Sr. qiuiiio lie grande a votta pencirncao,
aei qoniilo h" o terreno Un corta emeailo de prrigutoa
.,bunio; ra eu *ou ino<;o, e com qn*nlo a ningnen,
tenli* leilo mal, tenliu lioui numero de inibigoa. Em
quo campo, Sra. devo eu encontrar aquella que ae ser-
te do nieu nonie o que me jiirou rleicSu junio ao
altar?
Oh! Senhor, podrriri* v pemar. ...
Nio penan nada, Senliora, eapero, e quero rertifi-
ctr-eie ir he fundada a minha erperanfa. Nio ha duvi-
da que n.iiao aaiaineniu nio he man do que mu pre-
texto, ou urna rilada.
Margarida etinmeceo, porque lalvel tamliem cita
ideia Ihv Iiouvmw ueavrrido.
Agn, qual doa dou? cuntiuuou Henrique de
Navarra. El-rei me aborreco, aborrecc-mc duque
d'Anjoo, e o duque d'Alencon; Calberna deMrdioiin-
bnrrrria milito a minhii mal para me nio aborrecer.
Oh! Sr.; que dizeit vos?
A verdade, Sra. replicn el-rei ; cquitera, para
que me nao julgasaem Iludido a cerca do niiaaiinat de
M. do Mouy e do riivencnainenlo de minha mai, quera,
digo, que bou vene aqu nlgiiem que podette ouvir-me.
__ (Jli Srnlior, arodio de prumptn Margarida, moi-
(raiulo-.-e o mai* tranquilla e ritoiilia que pode, bem *n-
bei* que eu e v nqui clan".
E ein-alii iiorqiie meen abro detta aorte, eit por-
que unto diier que me nio enjaulo rttiit caricia* nem
da cata de Franca, nem da cata de Lrraine.
' Senhor, Senhor! exelainou Margarida.
Entfio queha, minha aiiiiguiuba? pergunlou Hen-
rique, aorrrndi -te por aua tri.
He que aemelliantcs xpretici to bem perigotai
Nao qiiando a gente rata to, ilute el-rci. Dizia-
vo* eu poj.....
Margarida ealava em talas ; quitera impender cada
lije permite Ocoa n* juramo* allianea. Nao sois palavra mu lobina de el-rei mat Henrique cuiilinuava
; parecer!* eom a tna apparcule ainiplicidade.
Dizia-voa poa, quo eatava eu anacarado de todu*
as lados, anieacado pelo re, niucncado pelo duque
d'Alrtieon, nnieagado pelo duque d'Anjou, ameacado
pela ralnha niii, ameacado pelo duque de Guiar, pelo
duque dr lUayeniie, pel cardeal de Lvrraioe, ameacado
m hni por todo o mondo. lito se Colihece inalinctiva-
nienie; o* oeabeia, Sra. Pcit bem, contri todat ettat
aniracat, que nio lardarlo em lurnar-je ataque*, peno
eu dtfeiidcr-mc com o vouo auxilio; porque v* luit
amalla de lodat as pello** que me delealio.
En date Margarida.
Sun, v, replicn Henrique de Navarra eom in-
triru 1" nlinmin ; um, ama-vua el-rei Carlot, amn-vo|, e
aqui carretn elle na palavra, o duque d'Aleuca'n; ama-
vi. a ranilla Catberiua ; cm fin, ama-vo* o duque de
Guita.
lelembro.dizii, que orei Eflendi (Chekib Eflendi) tinhi
all chegado a 14. masito Fatigado da jornada, que lia-
da nio tinha podido dar audiencia O paiz estivi trin-
quillo, e a populacio maronita pareca extremamente
desejosa da composicio dos negocios. A for(a turca
concentrada denlro e ao redor do Libaoo montava a car-
ca de 18.000 bomens.
Urna carta de Alextndria, datida a 26, dizia, que
Mehemet-Ali devia partir a 4 do pastado com o enge-
nhuiro froncez, M. Mangel, para ir examinar o sitio,
em que se d'via construir abrrela do Nilo. O pacha
lenci mava inspeccionar pnr si mesmo o progreiso das
obras, e tinba ordenado, que se planlatsem barreis em
Ritnelbagara paraessefim. O stienfl -picha tinhi tido
encarregado de lornecer a pedra e cal, e Abbat Picbi
os lijlos necessarios para a sua construccio. O patriar-
eba grngo Jerotheos morreo no Cairo a 21 de seUmbro
com 96 mnos de idade.
Cartas de Comtantinopla, em data de 27, diziio, que
o novo gabinete ia-te consolidando vagarosamente. O
ex-ministro da fazenda, Moussa Savfeli Pacha, tinha ti-
do nomoado governad o de Tirbala; mas Riza-Pacb Q-
cou em Conslantinopla, e ainda continuara a gozar do
favor do sultn e de sua mii. O ministerio hivii lti-
mamente adoptado mullas medidas uleii. A recente cir-
cular, dirigida aoi governadores dis provincias, orde-
ntndo-lhes.tob divenas penas, que se ahstivessem de to-
dos os actos arbitrarios no desempenbo de tuas fuoccoea
administrativas, comecava a proJuzir algjnt retultadoi
benficos. Sami liekir-PjcIii tinha sido tuspenso do seu
emprego, por nio ompregar os meios convenientes para
prevenir a insurreipio lo Van, e foi substituido por Es-
sad-Pacb, ex-governador geral di Syiia. Tendo os
commiisarios, enviados pela porta a Oiarbekir, desco-
berto muitas malversacdes no governo daquella provtucia
havia sido igualmente demiltido o pacha Ismael, e
succedido por Izaat-Pach, de liuli. O governador de
Iskub.Osman-Pachi. que contra as inlancdes e promet-
an da noria linha tratado com rigor o liulgariaoos am-
nistiados por S A tambem linha sido privado do seu
cargo, e Selim-Pacha. serasquier na Syria em I8i0,
foi nomeado em seu lugar.
Osjornaes atbeniensesde30 nio contnbSo novidi-
det. A conspiraran contra vida do rei, denunciada
pelo jornal Tn'umpho da ComtituicHo do 21, anda
eslava envolvida em mysterio, e at te duvidava da tus
existencia.
Urna carta de Floren -a, datada a 9 do passado, an-
nunciava. que baviio cessnlo mteirameote ni perturbi-
rdes nos eslidns romanos, e que os insurgentes, que ti-
iibio conseguido escapar dos soldados pontificios e aus-
tracos, havao-sn dispersado nos Apenninoi Diligen-
temente perseguidos nestea montes, tinblo procurado
rflugiar-se nos solitarios valles do Garfagnana; mat, o-
irigados a fugir dtante dos camponezei, que te tinhio
levantado contra elles, determinaran buscar o leu ulti-
mo refugio na Tosean Fxitte enlre o g ivernn pontifi-
cio e o grao-duque da Toscana um tratado nio escrip-
ia, mas sempre observido, o qual ordena, que a extra-
dircio em negocios polticos seja mutuamente observada
entro os dnus estados. Nestas circunstancias bavia o
giio duque tomado urna inopinada resoluco, decla-
rando, que nao leria lugar a extradiccio; e deo ordem
para se embaresrem os lefugiados n'um navio, que es-
tiva ancorado no porto de Sehorne, e deseinbarca-lof
Um Marselbs. Esta decisio tinha excilado o maior eo-
thusiasnin em t'lorenca; e em qualquer lugar publico
bsm Majal *-...a*.j~i.-i.'aLmMimmaimmtwmnwm
Senhor, murmurou Margarida.
-a Ifqne ha de admirar cm que todo o mundo TOS
ame? Oa que acabo do numear lio votiui irmiui ou
vottoi prente*. Amar *eu* prente* e teut irinaoi ha
uver legundo a le de Den*.
Ma em fim, replicn Margarida luffocsda, onda
quereia ir com itto?
Quero ir ao que vut tenlm dilo I be que *e vos de-
cid* a ser, nio dire minha amiga, ma* minha alliada,
pasan ludo aHioniar ; entretanto que te pelo contrario
ros fazeia minha inimiga, eatou perdido.
Oh votta inimiga, nunca, Sr. exclamou Mar-
garida.
Maa minha amiga, tambara nunca?.....
Tal ve*.
E minha alliada ?
Certo que m.
E Margarida vultnu-te e ettrndeo a mi a el-rei.
Henrique tmnou-a, beijon-a eom galantera, edemo-
rando-a uai ana* maii por dcaejo de iovettigacio do quo
pur tentimenlo de ternura:
Pois bem! diaae elle, eu toi creio, Sra. e voi
aceito por alliada. Deale modo pnit eainrao-noi, tem
que no* conlieiettemoi, aem que noi amaitemoi; oa-
tran-nn* aem que no* couaullaiiem, a noi quein ca-
sar Jo. Nada um devemoa porlanto como marida e ,au-
lirr. Bem vede* quo premio o* voaio deirjoi, e qaa
ni iiinhruio rata umlu oque honlein voa din*. Maa
n* alliamo-nua livreineiito. lem que ninguem no* for-
c a iiio. Alliamo-nu como meiii fazc-lo dou* oo-
rare leaei, que te dcvcni mulu* prolecco ; lieaiiiu*
que O entendea ?
Siro, Sr., diue Mirgarida procurando retirara
mo.
Muitu bem 1 oiintinuou o Brirnex oom os olhot fi-
lo* na porta do gabinete, como a primeira prova de upa
allianea ainiera he a ronfiauca niait abaulula, eu vea,
Sra. rimtar-voa por miodo o plano que formei, a fim
de cumbater Tictorioianiente estai luiuitadet.


^r-
>"
onde apparecia o grao-duque era uodado com 11 miii
vi acdamacSes. *
Urna carta de Marselha annunciava a cbegada doi in-
surgentes italianos a l'oulon, oa quiea, depoia de ae re
fugiarem na Toacana, lorio obrigadoi a seguir para a
Franca. Com ludo, parece, que era prematura a notioia
de que elle* tinbio ido servir voluntariamente na A
friea.
D. Miguel ebegou a Genova a 14 do passsado no va-
por Monigibtllo. No mesmo dia parti o rei de Sarde-
nba, acompanhado pelo aeu flbo mait veibo, de Turin
para Genova, onde tambem se esperavlo o imperador e
a imperatrii da Russia.
O correspondente do Timei annuocia de Parir, (lun-
dado em muito boa autoridade), que a* grandes poten-
cias estavao prestes a insistir na separacio das legacSes
do goterno pontificio, para que fossem addidos aos do-
minio* do grio-ducado de Toacana.
COMMEHCIO.
Alfandega.
Renmiiknto do di* 25.............
DescarregaO hoje 26,
lirigue=C^jriiobacalho e breo.
Barcalrlmacbmismo.
BrigueJohan talioado.
BrigueSword-Ftshmercadorias.
EscunaS. Jote.dem.
BrigueBarkhellbacalho
14:648>502
IMPORTAgAO.
7.1 LIA, barca francesa, inda do Havre de Grace,
entrada no correte mez. consigoada l.enoir Pugel &
C", manilestou o seguinte :
5 coilas lazendaa de seda, 3 ditas suspensorios, 34
ditas fazendas de algodio, 2 fardos ditas dito,2 ditos di-
tas de Isa, 4 caixisqueijos, 1 dita veludose sedas; a 3.
Kel er & O
2 caixaa suspensorios, 9 ditas faienda de algodio, 1
dita calcado, I dita lettras econhecimentos, 1 embru
Iho com urna caisa de jogo, 1 fardo fazendaa de algo-
dio, 12 caizasconseivas; a S. Tobler.
4 caitas faienda de seda, 11 ditas ditas de algodio
3 Tardos ditas de dito. 1 caixa pellucia de seda e algodio;
a Kalkmann & Rosemund.
2 caitas faiendas de algodio, 1 dita dita do seda, 1
embrulbo amostras; a Rolbe & Biduulac.
7 caixas armas; a N. O. Bieher & C.'
1 caixa tintas, 2 ditas mercurio e botes; a C Kru
ger.
1 caixa ignora-se, 2 ditas brins; a Mauvenny
4 barris vinho, 11 caixaa fotendos de algodio, 1 dita
chapeos para senboras, 1 dita ditos para bomens, 1 dita
bererros, 2 dit's fazendas de linho e algodio, 4 lardos
ditas de la e algodio, 1 caixa cordas para instrumen-
tos, 1 dita cbapos de sol, 1 dita luzrndas de seda, I
dita suspensorios, 1 dita e um bahu objectos de uso, I
caixa espelbos; a Bull & Chavannes.
1 saccoeum babu.chapeos de pulha,t caixa bichas,2
ditas plantas; a Boucber.
1 cana fa/endas; toDr. Joaquim d'Aquino Fooseca.
1 caixa lazendaa de seda, 1 dita be|oteria, 1 dita la
zendasde linho e algodio, 1 dita ditas de lia, 3 ditas
chapeos, I dita graxa c botes, 1 dita calcado, 2 ditas
chapeos de sol. 1 dita bonetes,lencos e chicotes,/! dita fa-
zendas para cbapos, G ditas conservas; a J. P. Adour&
Companbia.
5 caitas papel, 1 dita drogas, 1 barril vinho; a B.
F. deSouza.
120 barris manteiga, 1 caita alfinetes, 1 dita suspen-
sorios, 1 dita merino, 1 lardo fazendas de lia, 2 caitas
chapeos, 3 barris tintas, 1 caixa lioioes d'osso; a ordem.
600 barra manteiga, 510 gigos batatas, 1 caixa cas-
tanhas, 1 embrulbo livros; a Lenoir Pugel & C
130 barris manteiga, 26 caixas chumbo de muirn;
Jos Jeronymo MonJeiro.
i caixa com um adetco; a S. do R. Barros.
i fardo fazendas de algodio, 1 tonel barbante, 40
caixas queijos, 1 embrulbo amostras; a B. Lasserre &
Companbia.
1 caixa medidas, 1 dita ferragem; a Pommaleau.
1 caixa carneiras, 1 dita fazendas de laa. 1 embru-
lbo amostras, I dito ignora-se; a T. II Lutlkina,
1 caixa objectos pera segeiro; a L. Monier.
1 bnrril vinliii; a A. Si. Martin.
2 envbrnllio improiioi a Vnutbicr.
1 dito botina, litros e monea, ou Dr. Filippe Lopes
Neto.
i caixa fila do seda; a J. P. de Leiuoa & Fall.
Senlior. ... balbuciou Margarida vulvendu por ua
vez o iilliim par a porta do gabincio. em quantu o Re-
arnet, que via o bom resullailo d.i tua astucia aelh
ra na cara.
Eu-aqui poia n que von fuer, cnnlinuou elle teni
dar-te por adiado da perturbaban deaua mullicr; cu
von.....
Scnhor, etclamnu Margorida crguoniro-ae afodo-
da, e Invalido do braco deel-rei, permitti que eu rea-
pire; acmocao..... calor..... ou abafo.
Com effeito, Margarida nma pallida e trmula, comu
sceitiveiie presta a desfallecer.
llenrique fm direilo a una jmila maii diatanle, e a
abri. Ela janella dava mbre o rio.
Margarida ammipanliou-o.
Silencio! aileiiciu! Senhor! por compaixiu por
o tucimo, roiirniurou ella.
Ob! Senlior., dase Bearnet sorrindo-se a seu
modo, iiin me disaealca que eatavainus aP
Sim, Sr,; mu na ouviiies diter, que pnr mcio de
urna tarabatana introdmida a travea Je um forro ou de
ama parede, ae pode ludo ouvir,
Beiu, Sra., beie, aoodiu proniptantenle em vot
baita o Hcarnoz. Nao me amis, he verdaae ; ina suis
urna mullirr-de bem.
Que queris diter, Sr. ?
Quero diter que ae fussei* capaz,de me Irahir, ter-
ine-hieie licitado continuar, puia que eu por iniiu mei-
roo me trana, e vos mo auapendeaies. Sci agora que al-
quero rata nqui occultu que suia una eaueaa infiel,
a* una fiel adiada, c iieate momento, ajmituu o Bear-
nea aorrindu-ae, neocaaitu maia, t-rcoio he coiifuiia-lu,
de fidelidad em pulilica ,do que era amor.
Smtior, diae Margarida confua.
__ Bw bom, depoia fallareinoi deludo lio, disae
llenrique, quamlo nos ooulieoermo nieliior.
K aiii-andii a vot:
E enlio valinuuti elle, respiris agora mait li-
vra, Sra. ?
1 emlirulhn livrns; a M. J. de Atevedo & Comp.
fl barril tinta, 1 caita droga, d dita prego, 1 dit
botSe, 1 lila inarceneiraria, 1 dita faienda de algodio,
I dila luva de pellica, 4 dila fatenda de seda e brjnte-
ria, 1 dita pcrtcnoei para cliapoa, 2 dita *uipeniriu|
n Kolbmoyer & C.
2 caixn litros, i embrulbo fatendas; a L. G. Ferrci-
ra & C.
2 caita tonca, 10 ditas papel, 1 dita panno, 1 dita
prensa para copiar, 2 ditas calcado, 1 dila faiendaa de
algodio, 1 ditn .uipen.nrim, 1 dita objectoa do moda,
1 dita chairen; a Avrial Frrei.
2cnitalfinolei, 2dilai fazendni do-seda, 10 dilai
papel, 2 dilai bandeijai. 1 dita candieiroi, Idilaa cha-
poui para lioim-n, 1 dita rhapoa de tol, l ditai quin-
i|uilharias, 1 dila calcado, 2 dilai panel pinlado, 1 dita
bra de casquinha, 1 dita vidroi, 1 dita perfumara, 1
ilita rnuroa, 1 dita obrai de papolau, 1 einbrulhn iraol-
traij a Didier Cnlnmbirt & C.
BARKELL. brigue infiel, viudo de Terra-Nova, en-
trado iiu cnrrente met, consignadua Junes Crabtrca &
C., manifeatoii o seguinte :
2300 barricas bacalho; Jamei Cnbtreo & C.
Consulado.
nENDIMENTO UO DIA 24.
Geral1 830J 922 Provincial808^058
iio\ iuiciiio do ro to.
Navio entrado no dia 25.
Aracaty; 23 dias. sumara brasileira S. Crut, de 74
toneladas, capilio Manoel Pereira de S, ei|uipagein
9, rarga gneros do paiz ; a Caetano Cyriaco da
Costa Moreira. Passageiros, Flix Monleiro de Cal
tro, com 1 escravo, Jacintho da Rocha e Silva, ej
filho, Fiancisco de Paula Pires Ramos Jnior, Bra-
lileiros ; Antonio Jos de Oliveira Castro, Porlu
guez, el3escravos a entregar.
Editatis.
__O lllm. Sr. inspector da thesouraria da la/ende
desta provincia, em cumprimento da ordem do tribunal
Jo thesouro publico nacional n. 107, de 23 de agosto
ultimo, abaixo transcripta, manda lazer publico, que,
do primeiro desetembro de 1846 em dianle, se prin-
cipiar a faier. nesta provincia, o descont de que trata
o artigo 5 da lei de 6 de oulubro de 1835, as notas
de 2.000 rs. da 1.' estampa. Secretaria da thesouraria
de Pernambuco, 13 de desetembro de 1845.
O oflicial-m.iior,
Ignacio d>% Sanio da Fonieca.
Ordem a que se refere o tailal tupra.
N, 107_ Vlanoel Alves Illanco, presidente do tri-
bunal do thesouro publico nacional, conformando-ie
com o parecer do concelheiro de estado, inspector geral
da caixa da amortisacio, ordena que o Sr. inspector da
thesouraria da piovincia de Pernambuco mande an-
nunciar pilos peridico!, e por editees. que, do 1 de
selembro de 1846 em dianle.se principiar! a fazer nes-
sa provincia o descont de que trata oaitigo 5 da lei
de 6 de oulubro de 1835, as notas de 2.000 da 1.*
estampa, mandadas substituir pela ordem de 27 d u-
Ihodoanno passado; devendo o mesmo Sr. inspector,
logo que receber esta ordem, transmiili-la a todas as
estacoesdo lazenda da provincia, para fazerem os com-
petentes annuncios pelas lolhas onde as houver, ou'por
editaes, a litu de que se lenb* disso conhecimento em
todos os lugares da provincia, e tcnbio os seus habitan-
tes o tempo necessario para as apresentar na thesoura-
ria O que o Sr. inspector cumpriri. Thesouro pu-
blico nacional, em 23 de agosto de 1845Manoel
\lvei Branca.Cumpra-se.Thesouraria de faen-
da de Pernambuco, 12 de setembro do 1845,Silva.
Miguel Archanjo Monleiro de Andrade.official da im-
peiialordem da Hoza, caval eiro da ae Chrulo e
inspector da alfandega de Pernambuco, por S. M.
Imperial, oSenhor V Pedro II,quelieos guarde.je.
Fa/saber, que nos armaiens da mesma, se acna ,.
lm do termo, permittido pelo artigo 272 do regula-
mento, os volumes sbaixo descrilos; os qua>I devem
os seus donos fazer despachar dentio d.- trinta dias
contados do li je, lindos os ques se proceder* a sua
venda em basta publica por conta e a cusa dos mesmos
donos, sem que Ibes fique competindo allegar cousa
alguma contra o efleito desta venda, como be expreiso
no artigigo 274 do citado reglamento, E para que
cIii'l no a noticia dos inleressados manda afiliar o pre-
Sim, Sr. mu, miirmurnii Murgoriila.
Nesaei-a)!, replienu o Reames, nao quero impnr-
lunar-voa niai. Devia apreentar-vos os incui renpei-
ts, e dar o primeiroi pasaoi para una boa aiuitade ;
digiiai-vm nceila-loa, coiiio vn-lo-nSureco de todo
ilion i'oraeSn. Ide pois descansar, e ba nuitc.
Margaridn ergueo para leu marido ni ulhoi brillian-
te de miimlieciiiiento, c deata vrzetendeo-lbe mao
El6 cunveneionadii, die ella.
Allianca poltica, franca elealP pcrgunlou Hcn-
rique.
Franca e leal.
Enlio euc.iniinliiiii-ie u Be.irnet para a porta, alrn-
liindo rom u olhar a Margarida ionio faieiuada E qiiau-
dn te arbrao alein du iepo8 iro, disio Hi-nrique com
viveza e em VIH Imita :
Obrigado, Murgnrida, nlirigudo Sois uina vcnla-
deirn princetn de Frunza : voii-me tranquillo. N.i fallo
do vomi amor, rcite-me a usa amiade. Cont cun
voseo, como podis contar coinmigo. Adeoi. Sra.
E beijim-llio a man, aperlando-a brandaiueiito, e com
ligeiru passu voltii ao eu a|itento, ditondn entrevi
peloi rorrediire. Qoem diabn eitari com ella? Ser
o rei, mi o duque d'Anjou, ser u rtiiqiio d'Alencon, no
0 duque de Guio, tera uin iriiifto, ou iira amant, ou
iiin nutro ? liin veril.ule, quan que eitoii arrcpendidu
da prometa que fit a baroneta; mas visto que dei mi'.
iba palavra, e que Dariole me eipcra..... nao impuria-
receio que ella sempre perder alguma cnua em ha ver
eu paliado pela cmara de iiiinba uiullier, para irn, aeu
apoinnto, porque ventre-saiut-gris'. eta Margot. nomo
1 lie nbama raen cuuliadu Cirlul IX, lie nina aduravel
orealura,
E rom pasma que revrlavao urna ligi-ira beiilacao,
Heiirique de Navarra lobio a eioada que la dar ao apO-
M'tiin de iii.iii.ima do Sanve.
Acumpanbou-ii Marganda rom o ollioi ale qno elle
deiappareceo, e eolio ae reoolbeo; eaovr o duque
sent edital na porta da alfandega, e publicar pela im-
prema.
Alfandeg, 24 de oovembro de 1845.
Miguel Archanjo Monleiro de Andrad*.
1840. Dewmbro23. S.m.S. n. Urna pecada ferro.^
armarem n.4.
1843. Outubro li. M 10 12. Doui fardos; a Aj
vrial Frre, barca Horteme, ar-
mazem o. 5.
x. M 16 i 18. Tm dito*, barsa
Hortense, armazem. o. 5.
18*5. Marco 5. J Sou E Sn. SetenU e cinojp
caixas com geoebra; a ordem, bri*
gue liuna. arbiaiem, n. 5.
a Abril 16. M P 1 Urna dita com charutos ;
a M. Calmante & C., brigue Te-
merario, armaem, n. 5.
1843. Outubro 7. B i BSn. Tima dita, brigue
Saoan, armazem, n. 6.
i. 23. C F S. n.* lima dita; a Manoel
F. de Faria, barca Tentadora, ar-
maren), n. 6.
Sumaca Sn.' Urna dita;i diver-
ioi, barea Tentadora, trmazem,
o. 6.
1844. Maio 15. V Ligo Sn. Um embrulbo; a
Joaquim Xavier Ligo, brigue Jo-
sephina, armazem, n. (i.
1 T. Garvalho S o." Um dito, a
Cuita Araujo. brigue Josephina,
armazem, n. 6.
Costa Araujo S. o.' Un dito,
brigue Josephina, armatetn, n. 6.
Agosto 28. E S. n.* Um barril; a D Ca-
tharina Francisca doKspiritoSanto,
brigue Feliz, armazem, n. 6,
Outubro 31. J C S. n.a Umdito, brigue Mu-
ria-ftlit, armazem, n. 6.
Novembro 4. I>MSn. Um pote; a Fran-
cisco Vieira das Neve, brigue
Fiel, armazem, n. 6.
Dezembro 7. L & C I i 3. Tres caixai; a
ordem, brigue americano Feliz,
armazem, n. 6.
18. R S n.' Urna barrica ; M. Cal-
mont&C., brigue Acapulco, ar-
mazem, n 6.
20. MF.F.Sn,' Una caixa, barea
Pernambucana, arnriazem, n. 6.
A F A. lima dita barca Per-
nambucana, armaziem, n. 6.
1845. Janeiro 2. L. C. F. S. n Dnu saceos; a
Manoel Joaquim Pedro da Costa,
brigue Kmtlia, armazem, n. 6.
L. C. F. S. n *Um barril; brigue
Amelia, armaiem, n. 6.
V I.iS. n,i Umi embrulbo; a L.
Pereira Rapozo, brigue sfrr.clia,
armazem, n. 6.
1. Mara S. n. Um dito; a T.
Maria da Silva Machado, brigue
Amelia, armazem, n. 6.
ii L. C F. S n.' Urna eaixa; a
Manoel Joaquim Pedro da Costa,
brigue Ame! a, armazem, n. 6.
d M C. S. n." Vma caixa; a Ma-
noel Joaquim P. da Costa, brigue
Amelia, armazem, n. 6
1841 27 FF S. n.' Um embrulbo ; a D
Fuzst, patacho Fortuna, arma-
rem, n 7.
Jos Joaquim S. n." Um dito,
patacho (atete, armazem, n. 7
Junbo30. Joio dos Santos S n.' Um dito;
a ordem, barca Espirito-Santo,
armazem, n. 7.
Selembro 14. P S. o." Sois sarcos; a llenri-
que Forster, escuna Argale, ar-
mazem, n. 7.
20. P S n.. Um embrulbo; Joio Kel-
ler, patacho Confidencia,armazem.
n. 7.
Dezembro 7. A i 834,837. Dous ditos, barca
Uebb, armaiem, n. 7.
t 14. A I-, S. n.* Una caita; a Ramm e
Zimer, brigue Amelitia, armarem,
n. 7.
I) 10. Urna dila, brigue Amelitia,
armazem, n.7.
1842. Mareo 20. L. S. n.' Urna dila, brigue Ledo
armazem, n. 7.
Maio 11.
de Come A porta dn gabinete, quaai que leve um re-
ainriii. .
Eilava da la parle u duque serio, e 01 lobrolbo
frantidoi demumlravio que alguui amargo pensamrnlo
u ucriipnva.
-Margarida he hoje neutra, disse elle, Margarida
Ser boilil un mo lima.
Al)! eilivealea a eioul P diue Margarida.
Qiie quericii que eu fiteise nele gabinete?
E jolgaia que mo nao purtni, como euinpria 4 rai-
i lia de Navarra?
Nio como cumpria i amanle do duque deGuie.
, Senhur, reipuiideo a rainha, pono eu nio amar a
ineii marido, na iiingneiu lem o ilirnto do eligir de
niini, que I lie teja traliidora. Oitei-me com aimirrida-
de, irahiririi m o tegredoa da priuceta de Puruian,
vona niullier ?
Vaiuo la, Sra., diue o duque meneando a cabe-
ra, olla bom. Vejo que me nio queroia mait, como no i
diai em que me ountavei o quo Iramava el-rei contra
mini e os meui.
El-rei era o forte, e vi uiitrn o fraeoi. llenri-
que be o fracn, e vi aoia oa furtea. Ora, bem vedea,
|iie r.preiento i mpre o molino papel.
S com a differonca do que panaii de um campo
outro.
He un direilo, Sr. que adquir, lalvaiido-vua a
vida.
Bem, Sra.; o como quindo 01 amante ie deiu-
neui, reatituem o que um lem recibido do nutro, ial-
var-voi-bri por luinlia vei a vida e Koaremu quites.
E dito ii-lo, iucliooii-se u duque e labio, aera que
Margarida fileno um getto o para dcl-lo.
Na aiilr-oaiuara achou elle Uilluime, que O cundutio
al a janella, por onde o baria inirodiitido, e ou funo
o eu pagi'iu, cnia <> qual ae ree.ilneo a >un rana.
Kiiin-iaiiin, Margai ida pensativa, foi pr-ae a janella.
Que noile .dn iiupciaa inuriuuroii ella. Fuge-iue
o marido, daua-rae o amante!
24.
Agosto 19.
'
Dezembro 7
1843. Feverairo 11
Agosto 25.
Novembro 6.
, 14
S. m. S. n.'Doui ferros de. en-
gommar, brigue Tarujo, armazem
o.7.
J. O. E. S. n,o Um embrulbo; a
J. O. Elster, barca ZtVi'a, arma-
zem, o. 7.
Associacio 5. o." Um ditos; a ai-
sociacio commercial, armazem,
n.7.
S di C. S. n Um dito,brigue ui-
ze, armazem, 0.7.
AS. o Ui dito, brigue- Luixe,
armazem, n.7.
Bieber Sn.' Um dito brigue
Toidens, armazem, n. 7.
, S. m. Um quadro.bfigue Amelia,
armaiem, o 7.
Boyer S. n.' Um ombrulho,brigue
Armi.riqut, armazem, n. 7.
JBRFS1S. n. Urna caixa; a or-
dem, briuue T. Americano, arma-
iem, n. 7.
B.S. n. Um'embrulho; a ordem,
brigue Caravana; armaiem, a, 7.
Miguel Ackanjo Monleiro di Andrade, official da im-
perial ordem da Roa, catalleiro da de Chnsto.e ins-
pector da aljandega, ele.
Faz saber, que n > dia 29 do corrente, te hao de arre-
mataren) baila publica a porta d'alfandega, ao meio dia,
140 varal de rend no valor de 6a720rs., 4< caiti-
nhssde phosphoros no valor de 2<<400 rs., o um bote
em70# rs., apprebendido no mar sem despacho pe-
lo guarda Jos Manoel dos Santos Vital ; a arremata-
-io he livre de direitoi. Alfandeg, 24 do novambro
de 1845.Miguel Archanjo Montero de Andrade.
Declaragoes.
MBSA DB RUNDAS INTKaRaS PBuVINCIAI.
O escrivio e adminiltrador da mesa de renda inter-
nai provioeiaes d'eita cidade fai publico, para que che-
gue ao conhecimento de todos os propietarios de pre-
dios urbanos das qualro freguezias d'esta cidade e po-
voarjlo dos Alogsdos, que no dia l. de dezembro pio-
ximo luturo se principia a contar os trinta dias marca-
dos por lei psra o pagamento, a bocea do cofre,da dci-
ma urbana correspondente ao 1. semestre do corrente
anno financeiro de 1845 i 1846. e lindo esse prazo pa-
garao os devedores multa de 3 por cento do valor de
aeus dbitos, de conformidad com o regulamento de
16 de abril de 1842. E para que chegue a noticia de
todos nandei affitar o presente e publicar pela im-
prensa Recife, 25 de novembro de 1845.
Luiz Francisco de Mello Cavalcanlt
O arsenal de guerra precisa comprar a>eite de
Garrapato, dito de coco e fio de algodio: quem laes g-
neros tiver msndar suas propostas, em carta fechada, a
directora do mesmo arsenal, al o dia 28 do corrente
mez. Directora do arsenal de guerra, 25 de Novem-
bro de 1845. No impedimento do escriplurario, o ama-
nuense, Joio Ricardo da Silva.
COMPANHIA DE BEBRRIBE.
A administracio da companhia de Beberibe faz sci-
enta aoa Srs. accionistas, que em sessio de 20 do cor-
rente resolveo espassar al o dia 20 de de/embro prxi-
mo futuro o recolhimenlo das prestaedea em alraso ;
e que, lindo este prazo, perders o direito d'accionistes
t idos aquelles, que nio tiverem restirado as preatacOes
de 60 por cento al agora eligidas, reverteodo as suas
entradas em beneficio da companbia, de conformidt.de
com a dispolicio do artigo 9 dos estatuios. Adverle,
outro sim, que nio bsver prorogi(tudn prsio, nem
contemplaciocom pessoa alguma. Escriptorioda com-
panbia, 24 de Novembro de 1846. O secretario, B.
J. Ftrnnndes de Barros.
COLLECTORIA DA CIDADE DE OLINDA.
O collector da decima e maia impostoi da cidade de
Oimda laz publico a todoi os seus coltectadoi, rom
prehendidos nos limites marcadoidesde oanoode1839,
que do ia I de dezembro prolimo futuio principia a
vencer-ie o prazo de 50 dias uleis, determinados no
artigo 20 do capitule 6 do regulamento de 16 de abril
de 1842, para a cobranca. a boceado cofre, na casa da
samara da dila cidade, dn 1.* semestre do correnta
anno f de 1845 a 1846) da decima urbana; e que
neste mesmo prazo arrecadari as maia imposicoes,
que eslo a seu cargo pertencentes ao mesmo anno
financeiro; findu o qual, incorrerifi na multa de 3 por
cento, determinada no 1,'do j citado artigo 2, alm
de serem executados. Outro sim, fax constar i lodos
Nene momento paifuu do nutro lado dofoasn, viudo
de Tour de B->i, e iiibinilo para o nminho de La Mou-
iiaie, uro citudanle, de mo na ilbarga, e canlandu ;
Por que ratlo qnsndn quero
Morder-le m bello ealellos,
Ou bejar-te a bor amada,
Ou qnrbrar-tn enei caurellos,
Te ngei tu una monja,
Dentro do olauttro cniaipada ?
P'ra quem guarda ene eolio,
Eua flor inda em bnt.'io'
Com eises lubius de niel
Qoere tu beijar Plulao,
Diqmii que o negro Charon le
T'einbircar nu ieu batel*
Ve que anim que treipaisares
Nem maii leris um abraco
E qnando cheio de ilr
Eu te vir iionnoieii.il apago,
Nio hei de diter umbral
Que tu foile o mcu amor.
Muda, Bella, em quinto vive!,
Muda pin de opiuian,
E nao me fujai cu'a boca
Na inelli.ir i,evadan ;
Olha que has d'arrepeuder-le.
Viudo a murle, niaa em vio.
Margarida eicutou eita eantig inrrindo-ie euro melan-
cola, depon, qnando a vot dnealiiilaule e perdeo ao
longo, f.-i-liuii a janella, e oliaiimu U'li"uno para ajuda-
la a depir-e e deiiar-o.
{Centinuar-ee-ha).


o dotadores doi impoitoi doi nnoi anteriores,' que
to ser quaoto sotes remetlidn ei relac9ei de seus
debitoi o uizo dot feitos da faienda, para (oreo) cxe-
cutados; ai queea j eslo eilrabidas o piomptas: e para
mo carro, e que tambem serve para mon-
tara ; quatro escravos marinheiros, e dous
ditos de servirco de ra; e inalmeote
presente. Collectorie de Olinda, 15 de novembro de
18450 escrivio, JoUo Gonealvet todriyuet F/anc, |
- O escrivio e administrador da mesa de rendas in-
fernal provineiaes desta cidade avisa a todoi os pro-
pietarios de eilabeleeimenloi de industria, que pagio
imposipdes provineiaes, taes como serraras, olarias,
fabricas de chapeos e de charutos, casas de cambios,
dt modas, de leiloes, que anda se aeblo 4 dever as
referida imposicoes, que ai proceder executivtmente
contra lodos o colleetados, que teem deiado de pa-
gar, alo s os dbitos correspondente* a o annos ante-
riores, como (o correte anuo finsneeiro. E para que
chagua noticia de todos msndei afiliar o prsenle e
publica-I) pela impreosa. Meta de rendas ntern.ii
proviociaei de Pernambuco, 20 de novembro de 1845.
mi< Frane'meo de Millo Cavalcanti.
que ebegue noticia lodos, manda ezer publico pela fo saccas C001 larinha de mandioca : 0
e udo, sen reserva alguma.ser ven
do imprelerivelmente naquelie dia pelo
aior ptecovqiie se olTerecer, e por ser
la a nica praca. Os senhores, que de-
sejarem examiar ou fazer examinar o
brigue Feliz, podro temar, no escrip-
torio referido, *uma ordem, para que a
bordo tal exame IhesMja facultado.
A companhia italiana dar a repeti-
cao da pplaudidissima opera sentimen-
tal LUCIA DE LAMMERMOOa em
tres actos, chefe d' obra de Donizzetti,
quinta feira, 27 dp corrente. A gerai
acceilac3o, com que fui rcebido este lin-'
dissimo drama trgico, faz esperar a
toda a companhia um numeroso concurso.
Os bilheles de camarotes, e platea ven-
dem-se em casa do director, na ra No-
va, n. 7. N. B. Esta recita he a nona
para os Srs. assignantes.
Avisos martimos.
= Para o Rio-Grande segu m brevidade o biigue
Juptter; recebe alguma carga a Irete, aisim como vi-
cravos : pde-se tratar com Jos Xavier Vianna. ra da
Cruz, ou na loja de caboi do Sr. Mamede, ra do Viga-
rio, n. 7.
- Para Lisboa prelende sabir, no dia 15 de deiem
bro, o brigue porluguei Tiiumphanie, cnpilio Silveiin
Maopel dos liis ; quem no nieaino quizar carregar, ou
ir de paisagem, diria-se aos seus comignatarios Oliveire
Irmios 4 G., oa ra da Crui, n. 9, ou ao referido ca-
pillo, ba praca do Com mercio.
= V<'nde-se o brigue americano Ceiacine, de lote de
218 toneladas, muilo bom de vela, forrado e encavi
Ihado de coiire : 01 pretendemos dirijao-se aos consig
naianos Henry Fonler & C, na ra do Trapiche-Novo,
n.8.
A sumaca Flor-da-Cotinguiba, lorrada e prega-
da de cobre, capilio Antonio Siiniao dos Reis, leudo
de regresiar pera a Babia por est< s das, recebera car-
ga a Ireles baratos, e passageiros : Irals-se com Ma-
ooel Duarte Rodrigues ra do Trapiche, n. 26.
Para a liabia labe.com a maior brevidade poiiivol.o
patacho nacional Espirito-Sanio : quem no inetmo
quier carregar u ir de passagnm, pira o que tem ex -
relenles coinmudos, dirijs-se a Novaes &C, ra do
Trapiche, 34.
= Veode-se urna barcaca, que pega em 24 caitas
de asaucar i goslo, construida de boas madeiras, e feila
as Alagoas; esta piompta deludo; he nova ; anda
nao le viagem alguma, a excepi.au da em que veio de-
pon de acabada ; e he muilo boa de vela : quem a qui-
er procure Antonio da Mlva Gusmio, na ra do
Queirnudo, n. 39, e, oa sua Talla, a seu caiseiro Maia.
Para o Aiscaly seguir, com a maior brevidade, o
bem conbeciilo hiaie Aot-o Olinda : quem nelle pre-
tender carregar, se entender com Antonio Rodrigue
Lima, na praca do Commercio, ou na la da Cadea-
Velha, n. 1, i. andar.
Para o Rio-de-Jaoeiro seguir em breve o pa
tacho Felicidad) : quem no me-mo quier carregar, ou
embarcar escravos, pode tratar com A mor un Irmios,
ra da Cadeia, n. 45._________________
%
~~
A visos diversos.
Leudes.
__Na quinla-leira, 27 do coirente, s 11 horas, a
porta do armazem do Sr. Francisco Das Ferreira, no
caes da Alfandega, Bolli & Cbavannes faio leilio de
urna porco de licores e de vinbo champagne.
O correlor liveira fu leiUo de boa ponao de
mobilia riova.vinda do Po.lo pelo Fniiira-/ie/i.capi
lio Santos, cnsistindo em commodas, mesas, mrqueras,
solas, toucadores, e cadeira. etc. tanto de jacarando,
pao d'olbo, como de cidreira; o que ludo se vender
pelo que der: quarta-feira, 6 do corrento, as 10 ho-
ras da manhia, no armazem da casa o. 27, ra de
Apollo quasi deronte do desembarque do Porto-
das Canoas.
= O correlor liveira (ar leilo de cerca de cento
e oito gigos de louca ordinaria ( sendo 4 da fina ) de
sorlimenlo o mais adaptado a este mercado, e bem co-
nhecido de quanios negoceiio em tal artigo: sesla-lei-
ra, 28 d-> correle, s 11 horas em ponto, no arma-
zem lerreo da can, n. 23, da ra da Moda, no Forte-
do-Mallo.
__ Juo Keller & Companhia farao leilo, por in-
tervengo do correlor Olieira, de grande e variado
sorlimenlo de faienda proprias d'este mercado, e re-
contemente ebegadas: quinla-feira, 27 do correte, s
10 horas da manla em poolo, no seu srmaiem, na
roa da Cruz
__ l'clojtiizo de ausentes se faz leilao
dos bens do fallecido Uanoel Jos Ma-
chado Malheiros, no dia 27 do corrente,
pelas 11 horas da manho, no escriptnrio
do dito tallecido, nj ra da Madre de
Dos, n 5, primeiro andar Us bens,
cujo escriplo se acha em mao do porleiro
do juizo, sao os seguinles: a metade do
muito conhecidu brigue nacional feliz.
forrado e pregado de cobre, e promp-
lo a seguir viagem para quaquer parle;
um carrinho de dnas rudas, pintado e
forrado de novo ; um cavallo para o mes-
O general A. C. Seira pardeo a chapa do centro
dadignitariada ordem da Roza, no dia ds procissio de
Corput Ckritti; roga a pessos, que a lenba echado, o
favor de eotregar-lb'a que licar agradecido, alm
de gratificar.
lotera do theatro
Impossibilitado o thesoureiro desta lotera de fa/er
realisar a eitraccto da mesma bontem 25do coiren-
te, como bavia aoounciado, em eonsequencia de exis-
tir anda por vender o creicido numero de 1527 bi-
lheles,equivalentes ao valor de I'2:',!l6s000 rs. resol
eo, com o assenlimeolo do Sr. doutor uir presidente
das extrseedes mudar o andamento das rodas para o
mes de deiembro prximo futuro e amsnhia ar ao-
nuuciarodia marcado para o dito andamento. O mal
adoptado sy.tems de se guardaren) muilos.para s com
prarem bilbetes 00 momento de andarem as rodas, oc-
casiona o atraso da eitracclo, para o qual tambem con
correrlo os estorvos postus ao pagamento dos premios da
lotera do seminsrio e os r pemos aonuncios de urna
lotera do Rio-deJaneiro. Removidos,pois, estn emba-
razos e concurrendo os compradores a eilrabir os bi-
Ibeles existentes, a Ijleria do tbealro ter promptissi-
mo andamento para o qual est o thesoureiro dispos-
loa algum sacri iciu.
Aluga-ie o segundo andar do sobrado airas d
matriz da Roa-Vista n. 26, muilo fresco por ser da
parte da sombra com 9 quartos, e 3 salas ; lamben
se aluga as lejas do mesmo sobrado : a tratar oa mes-
ma ra n 22
O Sr. Manoel Porfirio de Castro A mujo lenba a
bondade deennuuciar a sua morada, ou dirija -se a ra
do Sebo n. 11, quo se Ibe deseja fallar.
mb Piecisa se de um official de funileiro ou mes-
mo aprendiz ; em lora de-Porlas, ra do Pilar, ven-
da n. 137.
COLLFGIO S. ANTONIO.
os As ferias comeio nesle collegio no dia 29 do
frrenle novembro e tindo no da 12 de Janeiro de
184 Recile, 25deno*embrdel845.=Odrt.l.r
Bernardina Frene de Figueiredu Abreo Catiro.
= a-se dmbeiro a juros com penhores de ouro e
I rata mesmo em pequeas qusnlias, na ra da
Praia, n. 22.
= Da Passagem-da-Magdalena n. 20, fugio, na
ooute de 24 pars 25 do coirente, um cavallo de estri-
bara, rodado, quasibranco, gordo, poder ter 12
annos, dinas e cauda quasi blancas, urna cova no
sangradoro prolima aos peilos e una assenladura do
sellim : quem o entregar na dita casa, receber genero-
sa paga.
a Manuel Antonio Alves de Brilo avisa a quem con
vier que vai ao Kio-de Janeiro tratar de seus neg
cos, deiandoa seucunbado o >nr. Gabriel Aflonso
Higueira e ao Sr. Antonio Joaquim de Souza M-
ximo encarregados da direccio de sua casa e bem es-
tilo da liquidado do que devem ao casal de seu falle-
cido pai. Outro sim, convida a todas as pessoas que
se julgarem suas credorss psra que aprsentelo mas
conlas nestei 3 das, a fim de seren pagas.
= Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 43 da
ra Direita : a tratar na mesma ra, venda, n. 23.
Antonio Clemente Esleves de Larras deixou de
ler tutor dos orphos rilhos dos finados Ignacio de
Almeida Sarinho esua mulher.
= Manoel uarque de Macedo Lima embarca para
Porto-Calvo o escravo Vicente a entregar ao Sr. te-
nenle-coronel Jos Luis Bellrlo Mavigoier.
= Aluga se o srmaiem de porta larga, das casas de
Joo Jos Carvalho Moraes, da esquina da ra da Au-
rora que cutr'ora servio de coebeira : a tratar na loja
de Julo Jos Carvalho Moraes.
= Na noule de 21 para 22 do corrente novembro ,
da casa da ra da Gloria, o. 73, foi extraviado um
tu isa I romano rico e novo sinda encapado de mar-
loquim encarnado boles e passadores dourados as
filas feches de prala edicio de Lisboa de 1820. O
ladro loi um portador do mallo que d'alli trouxe
urna carta de um Reverendo sacerdote a outio desla
praca : fax-se esle annuncio.para que oinguem se cha-
me a ignorancia.
Precisa-se alugar prelas ou moleques para ven-
derem quailinbas pagando-se-lbes conforme o ajus-
te; na ra do ltngel loja de louca n 17.
No escriptorio de Francisco Severiaono Rabello
& Filho ha urna carta para o Sr. Maooel Joequim da
Rocha.
= Desappareceo, no dia 25 do corrente um o
cborrinbo pardo pequeo muilo gordo e manco ,
oa ra do Crespo ; desconfia-se ler ido para o Recife .
por ler desembarcado, nesle dia, de urna navio chi ga-
do uliimi mi nle de Li.boa ; pede-se a pessoa que o
acbar, o favor de o levar a ra das Crures o. A1 que
era recompensada.
as AlugH-se urna padaria na ra Imperial com os
utensilios piomplos a traballsar a cssa leo) ss inelbo-
rescommodidades possiveis psra padsra ou outro
quaquer estaf elecimenlo : a Ira lar oa ra Direila ,
o. 82, primeiro andar.
Aluga-se, por prejo commodo orna bit as-
seiada casa tendo duas salas 6 quartos cotinba .
copiar, e quiotal murado uta 00 Aterro-dos- Aloga-
doa : a tratar na ra Direila n. 82. primeiro andar.
= OSr. que deixou um alfinele de ouro,para se-
nlmra de penborde dous cortes de cassa em urna
loja Jia ra do Crespo, que ira ir pagar as ditas casias,
do contrario ser-vendido o peohor para pagamento.
' Precisa- se fallar com alguna espilles do mallo,
parase Ihes encarregar'da captura de um oscravo e
como nao 180 conbecidos pelo annuncianle se faz o
presente aoouncio : no Corredor-do- Bispo o 8.
Dcseja-te fallar ao Sr. Francisco Jos da Silva
Pereira, que be professo? de primeirat lettras, aoe-
gocio de seu interesse: e, como se ignoresiua moradia,
raga-ie queira snnunoia-la
=i Aluga-se urna meia agoa na campia da ra da
Alegra: a tratar na ra Velba = A luga se urna caga terrea nova com muitoi
commodos e um grande sollo quiotal e cacimba ,
na ra da Palma n. 17 : a tratar oa praca da Inde-
pendencia loja, n. 3.
O solicitador vitalicio da justica
da relocao, Jos Kibeiro do Amaral, es-
t residindo na ra Bella, casi, n. 12.
= Adverte-se ao Sr. Manoel Simplicio Carnero
Leal, quevenha, no praio deoitodias, remir os seus
penhores, visto que nao deo resposta a carta de aviso,
que se Ibe mandou ; e nio o fazendo no dilo lempo.
>erio vendidos para pagamento, e o mesmo Sr. (cara o-
brigado pelo restante.
Aluga-se a loja da ra doQueimado, a. 14 : a
tratar no segundo andar da mesma casa.
ac Precisa-se alugar, por mez, alguns eferavos para
servico de sitio, aos quaos se dar! de comer, e o j iroal
que se envencionor : procuren) na ra da Cadeia do
Itecife, n. 52, aonde acbar o com quem tratar.
= Permuta-se um terreno proprio, com 75 palmos
de frente e mil e tantos d* fundo, at a baixa mar do
rio Capliaribe, (endo na frente da ra Imperial grande
obra principiada, em toda a largura, para duas grandes
propriedades, com oito vios, ludo de pedra decantara,
capaz de levantaren!-ie bons edificios, por algum sitio
perto da praca, cujo valor nao exceda de quatro cootos;
convindo a alguem. procure fallar as Cmco-Pontas, n
50, ao Sr. Jos Martina da Crux, ou no Remedio, sobra-
do que tem otaria.
A pessoa, que annunciou, saVbado, 22 do cor-
rente, querer comprar um moinbo do moer milbo, com
caixa ou sem ella, querendo um encaixado em urna me
sa, appsrepa atraz do theatro publico, n.20: na m.s
mi casa tambem se vende urna cadeirinba, forrada de
d imasco de seda amarello, em bom estado e por preco
commodo.
= Aluga le, pelo lempo da fcsla, para alguma fami-
lia pequea, urna casa Ierres na ra do Jogo-da-Kola,
em Olinda, por preco rasoavel; a qual esta pintada e
caiada de noto : quem a pretend r, dirija se a Olinda,
loja nova da ra de S. Bento ; e no Rrcife, rus de Api I-
L,o. 2R.
Roga-seao Sr. Manoel Rodrigues do Pasto, por-
leiro do curio juridico de Olinda, queira ir ao Recile,
ra de Apollo, n. 31, que se Ibequer fallar a negocio
de seu ioleresse, do meio dia s Ires borai da larde dos
dias uleis.
Alugao-se duas excellenles casas, psra se passar a
lesta, eni Olinda, na ra de S. Bento, delr< ni" da la-
deira do Varadouro, parede-meias casa do Si. lenen-
te-comnel Manoel Ignacio; quem as pretender, din
ja-se mesma cidade, ladeira da Misericordia, n. 5.
Precisa-se de una ama de bons coslumes, que
saiba engommar, para o servico interno de urna casa de
pouca familia ; quem se julgar neitus eircunistinciis,
dirija se a Fia-de-Porlas, ra do Pilar, n. 145, pri-
meiro andar.
Joaquim Pereira Arantes pretende comprar a ar-
marlo e lzondes das lojas ns 11. 13 e 15 da praca da
ndependencia, que forao de Joao Baplisla Marques da
Silva, e boje pertencem Julo Bernardino de Sena.
Oaliaixo aisignado avisa ao publico, que tem des
pedido ocaixeiro de sua luja de lena.em, Joo Fer-
namies Prente Visnna, e por Uso esta inhabilitado pa-
ra receber quaquer divida, ou outra quaquer transac-
cio. Jote l.uiz Pereira.
=: Aluga-se um sitio na margem do rio, enlre a Ca-
punga e a Passagem, no lugar mais bonito, com casa ai
aobradada, cniinha, quarlos para prelos e eilnbaria l
ra, I sisa para capim e boa agoa de beber; quemo
pretender, dirijs-se ao Alerro-da-Boa-\ isla, notan
qued'agoa.
Aluga se o primeiro andar Jo sobrado da traves-
a dos Expostos, o. 18, com commodos para urna grn
de familia: quem o pretender, dirija-se ao segundo
andar do n eimo.
Jos Maria de Barros Brrelo embarca para fon,
da provincia os seus escravos pardos, de nome Miguel e
Bernardo.
= Precisa-sede um moco portuguez que saiba
trshalbar 1 ni padaria e lomar tonta de urna Iregue-
lia de vender po aqui mesmo na praca; as Cinco-
Ponlas, n. 30.
= l'recisa-se de urna ama de leile que Dio lenba
f 11 lio que sejs sadia e tenba muilo e bom leile ; na
ra das Crutes n. 22, segundo andar.
Da-se muilo b in po 'de vendagem a 60 rs. por
pataca, labrirado com as melhores farinhas, que ba no
mercado; tambem precisa se de um bomrm, que enten
da peritamente do servico de padaria para administrar
os escravos; paga-se bem: nasCinco-Pontas, padaria,
n. 63.
Aluga-se-um sohradinbo com commodos para pou-
ca familia,na ra da Praia-de-Sanla-Kita, n.22: quen
o pretender, procure as Cinco-Pontas, padaria, nu-
mero 63.
Antonio Vieira Coelho embarca para o Rio-de-
Janeiro seu escravo de nome Joaquim, de naci An-
gola.
__ Precia-sa alugsr urna escrasa para o servico de
casa e ra, de pouca familia : na ra do Queimado,
n. |4, segundo andar.
sa Aluga-se urna boa casa para s: passar 1 (esta,
com duas salas 4 qusrtos coiioba ra grande
quintal com rio dentro ; em Olinda, a fallar na ven-
da conlronio < Inca de S. Pedro.
Quem aehar um lenco de mo para senhora, ren-
dado e bordado, desde o bairro do Ricife ao da Boa '
Vitta. querendo restituir 4 sua dona, leve na Uoa-
Viita. ra da Gloria, sobrado de dous andares, n.
87, que se Ibe gratificara com '.000 rs. pelo achado.
m OsSra. G. A. deB. J M S. J. F. C. F.,
F. B C. J. e A B U queiro quanto antes satisfa-
rer o que devem na ra da Conoeiclo da B^a-Vi-ta.
n. 8, do contrario se publicar seus nomes por extenso,
e o procedente de suas dividas que de cerlo nio hon-
rar muilo a S. Si.
_________i S~&
= Um moco de idadede 24 annos, que escreve o
conta bem se oflerece para caixeiro de engenho ou
administrador e meimo para outra quaquer arru-
mado fra di praca : quem deieu presumo precisar,
dirija-searua doRangel, n. 5< a tratar oom Vic-
torino Francisco dos Santos.
.1 ge nc i a de pass a portes.
Na ra do Collegio,bolica n lO.eoo Atterro-da-
Boa-Viita loja o. 48, liro-se passaportes para dentro o
fra do imperio, asiim como despichlo-ie escravos: tuda
com brevidade.
SOCIEDADE HARMNICO THE ATRAL.
A commisiio administrativa tem a satislacio de an-
nuDciar aos Srs. socios em geral, que, tendo dado an-
damento ai obras do Tbealro de Apollo acat-
se j levsnledas as galenas: e, para que nio baja in-
lerrupcie alguma roga aos Srs que asaignirio
novas acedes do emprestimo voluntario e aquellas ,
que anda eslo a devr prestares atrasadas, bajo do
realisar jitg Teixeira.
Compras.
= Compn-teo primeiro tomo da historia de Vc-
tor ou o menino da Selva ; na ra Nova, n. 29.
Comprase o resumo da rhetonca por Francisco
Freir de Carvalho ; na ra do Crespo, o 10, primei-
ro andar.
=Compra-se um braco, de Romio & Companhia,
para balsnca de bslcio ; na ra Nova, venda o. 65.
Vendas.
FOLHINHAS
DE
AMANAR
PARA O AMVO DE 1846,
contendn os nomes de todos os emprega-
dos pblicos da provincia, dos cnsules,
negociantes, mdicos, cirurgides, botica-
rios, e dos principaesolTiciaes da guarda
nacional. &c &c : vendem-se na praca
da Independencia, livraria, n. 6 e 8.
= Vende-seum prelo de idade de 30 annos sem
vicios, muilo robusto canoeiro, carreiro e pesesdor ,
por preco commodo ; no Atierro da-Boa-Vista, fabri-
ca de licores n. 26.
= Vendem-se 2 cavallos, um alazoe outro ru(o ,
de muilo tons andares: na ra das Cruzea, n 30.
- Vende se urna cama de condui, com armarlo,
propra para meninos, por ser muilo larga e baila dos
ps meia dutia de cadeiras americanas um jogo de
banquinhas, ludo em muilo bom uio, por preco com-
modo ; na ra Formosa n 1.
Vende-se fejao amarello a 280 rs. a cuia : na
ra Direila, venda n. 25.
Vende-se urna esclava crioula, de dade de 18
annos ; na ra Augusta n. 34
- Vendem-se casias de llas braness de Hambur-
;o por prico commodo ; na rus Augusta, n 34.
= \ endem-se 3 caixoes proprios para amostras da
padaria, ou refinacio ; urnjogode balanzas grandes
com corren les de ferro e um lerno de pesos de ferro
de duss arrobas al meia libra; nesta typograpbia is
dir.
-----<
i RAPE' AMERICANO.
i
-
v
4i
1
Com esle pomposo titulse aprsenla no mer-
cado um eicellenie rap, digno por cerlo da at-
iendo dos apn fiadores de urna boa pitada. Oa
vendedores se obrigio a entregar o dinbeiro a
quaquer pessoa, que, tendo-lhea comprado des-
te rap, Ibe sinla algum deleito.
Vende-se no Alerro-da-Boa-V ists, ns. 10 e
T 36; Aterro dos-A logados, n. 209 ; praca da In-
3 dependencia. Arantes; ra larga do liozano,
Lodi ; ra do Ciespo, Guimeriea, Serafim dt C ; 1
2 ra do Collegio, Mrneses; Csdea-Velba, Cu-
e na Lingoeta, Joaquim Jos
!
V
I
y
tu
i
I
I
T nba & Amonm
J Rabello. ^
*&va-^' &VCa>S
Ni botica di rus do Rangel vendem-ie 01 re-
medios seguinles, dos quaes a experiencia tem confir-
i, do os melhores elidios : denlifico que tem a pro-
priedide de limpar os denles cariado- a restituir-Ibes
a cor esmaltada em muilo poucosdias ; o uio do dilo
remedio fortifica as gengivas e lira o mo ebeiro da
bocea proveniente nio i da carie como do trtaro,
que se une ao pescoco desle orgioi; o remedio he
designado pelos nmeros 1 e 2: orchata purgativa ,
mui til as enancas e ai pessoas de toda a quaquer ida-
de; he imposta de substancias vegetaes nio contem
mercurio, nem droga alguma que possi prejedicar ;
remedio para curar calos, em poucos din; dito pata
curar dores venreas antigs e que leem resistido ao
Iralamenlo geralmente ajiplicado ; dito para provocar
a n enstruacao e accelerar a iccio do ulero dos partos
oaturaei, em que nio se precisa das manobras scien-
tifica. da arte ; dito para resolver tumores Ijmphalicos ,
vulgo glndulas; dilo para corar bobas e crasos sec-
eos o mais elfica que se conbece at aqu; dito oxi-
mel de ferro muilo ulil nss chloroies, vulgirmente
cbamada frisldadei; pus anti-bilioso da Manoel Lo-
pes ; cspsolas de gelatina conteudo balsamo de cu-
pahiba ; ditas de oleo de recinos purificado ; ditas de
ubebasem pfino; ditas de assalelida ; ditas com pos
purgantes; ditas de ruibarbo da Cbii.a ; ditas de sul-
phato dequinino de 1 e2 groi cada capsola ; alga-
eai velinba elsticas; pilulas de sal de cabacinbo ;
agoa das Caldas, ebegada prximamente ; remedio que
cura a frialdade dentro em 40 dias mesmo estando
incbado ; macella nova a 240 rs. a libra : o preco do
toJos estes remedios be mu rszosvel e os bom re-
sultados da sua spplicsclo he que devem fuera tua
apologa:


nM '
=

7
10>000
5(100
200
1500
1000
4000
1000
1000
1000
2000
2000
Na ra Direita, sobrado de
um andar, n. 56, yende-se a casa
terrea da ra das jCinco-Pontas,
n. 39.
-- Na ra Direita, sabrado de
um andar, vende-se, por muito
mdico prego, a casa terrea da ra
do Rangel, n. 49, com vinte e
cinco palmos de frente, e setenta
e sete de fundo, cozinlia fra,
quintal murado, e outros mu i (os
coimnodos, e que rende mensal-
mente O^OOO ris. Esta casa
acba-se bypolliecada; mas o hypo*
thecario nenhum bice poe a sua
venda.
= Na roa das Croze*. loa de eneidernador, n. 39,
vendcm-se os seguintes livro :
DiccioDarioi de Morae* da terceira edicio
Vigenn de Antenor, 4 *.
O Robisson de dote annos, 2 v.
Elementos de civilidade completos, 1
P. Virgil Maroms opera, t o3.* volumo.
Historia de Gilbras, 4 .
Historia Sagrada, s o segundo volumo
Historia de Carlos VII 1 .
Joanoinba ,s o segundo volume
Viageoa de Gullivor l., 2. e 3. f.
Noutes de invern
Ordenaciodo Reino 3 v.
Historia da antiga Grecia
Repertorio geral das leis estra vagan tes por Han oel
Fernandas I bomat, 2 v.
Vendem-se dous canarios de imperio ; um bicu
do ; urna patativa da Parabiba ; na ra das Cruies ,
loja de eacadernador n. 39.
Pela medida velha
vende-se farinba, chegada ltimamente de S. Ma-
theus, de superior qualidade, e por menos do que em
outra qualquer parte, a bordo do patacho Venus, de-
fronte do caes do Collegio, e na ra da Cruz, n. 54, a
fallar com Maooel Antonio Pinto da Silva.
11UA DO COLLEGIO,
Loja n. 1.
Vendem se superiores grvalas de setim preto a 600
rs ; casimiras, das mais modernis, a 1,200 e 1,400 rs.
o covado; panno fino, preto e azul, a 2,500 rs.; meias
dosenbora a 280 rs. o par; chitas do todas as qualidu-
des, de 120 a 300 rs.; madapol6c9, de 140 a 280 rs.;
cortes de cliitss de todas as qualidades, o do melbor
gosto superiores riscados francezes, polka, a 360 rs.
o covado fe outras muitas fa/endos, j aonuociadaa
neste Diario : na mesma loja cima.
= Vendem-se cortes de linssimas chitas a polka e
aveludadas ii rs. ; I rus da Russia n 1 a 880
rs. a vara ; ditas n. 2 a 480 rs. : na ra do Crespo ,
n. 16 segunda loja para quero ver da ra das Cru-
zcs.
- Vende-se cb i bysson em cuixas de 15 libras, em
porcOes e aretalho; c potasa americana ltimamente
chegada; meias barricas de farinba do trigo da marca
gallego: em casade Matbeut Austin & C., na ruada
/4lfandega Velba n. 36.
CHA HYSON
DE BOM GOMO,
E SUPERIOR QUALIDADE
(>
O
&
o
9,
a
&
<

jH
Vende-sc a as'5Co ris cada libra: m
na ra Larga do Hozario o. i!\. O
tS<&.ewiS5eGOt><&^c>>eoo
= Veodetn-se sacces com mubo a 3600 rs e al-
queire medido a 3200 rs. ; na ra da Cadeia de S
Antonio n. 19, deposito de farinba.
Vende-se a verdadeira potassa rus-
siana da melbor e inais nova,que se acha
neste mercado, a 250 rs. a libra, adver-
tindo-se que se v< nde por este preco por
se achar em barris grandes : em casa de
J. J. l'asso Junioi.
ATERHO-UA-BOA-V1STA,
LOJA,N. 14.
= Vende-se panno preto superior cor fu, a 4e
rs. ; algodio americano trancado, de listras muito
forte para prilos pelo barato preco de 240 rs. o co-
vado ; riscados franceses a polka a 360 rs. o covsdo;
e outras mellas fazendas por preco comniodo.
Aos pintores.
= Vende-so colla superior da Babia em porcio
de arrobas e al fibra* mais barato que em parte al
guia; na ra da SenzaHa-Velha n. 110.
- Vende-se vinagre branco
nacional, a 400 ris a caada ve-
lha : na ra do Aterro-dos-A fo-
cados n. 7 ; no Ateiro-da-Boa-
Vi&ta, fabrica de licores de Fre
derico Chaves; e na ra Direi-
ta, venda, n. 53.
= Veodem-se camas de angico ; ditas de amarello;
marqae/as de angico dos moldes mais modernos que
lia ; eadeiras de dito; jogos de bancas de angico ; ditos
de jacaranti* ; com modas de angico ; ditas detmare-
lo; ldeirM para meninas ; puebadores e latdet para
gaveta* ; ludo por preco com modo : na roa da Cem
iioa-do-Carmo n. 8.
=YedBi-teseHiM inglezes de patente promplos;
ditos frineazes de regala-a-bunda; talins e o-nsnis para
oliciaea desuarda nacional tanto para ofllcial monta-
do como de p ; espadas de roca e sem ella prateadas;
barretina* paraofficiaes ; ditas para guardas nsciooaes;
correiames de couro de lastro para os ditos: na ra No-
va, n. 28. loja de Antonio Ferreira da Costa Braga.
= Vendem-se chapeos de seda de cores para senbo-
ra a 12 e 14. rs:, muito finos, delicado* e de gos-
los os mais modernos por seren ebegados prxima-
mente do Franca : na ra da Cadeia do Becile, n. 41.
= Vende-se tapioca de S.Catbarina muito alva ,
a 2400 rs ; tabaco em pO, da Babi* : no armazem do
Braguez ao pe da botica do arco da GonceicSo.
= Vende-se cera de carnauba e amarella, por pre-
(0 commodo ; na ra larga do Rozario, n. 29.
Ka-pe de Lisboa.
= Vende-sa na prsca da Independencia n. 4,
chegado prximamente a 1000 rs. o bote.
= Ver,de-se urna canora para um boi, em bom
uso; nr, Corredor-do-Bispo, n. 8.
Vende-se urna faca de pona apparelbada de pra-
la propria par* viegem ; um sellioi com arreios em
bom u8.) : na ra du Rangel loja n. 45.
* Vende-se um carrinbo de duas rodas, em muito
bom estado ; e um cavallo muito bom para carro : na
ra estreita do Rozario n. 43, segundo andar, das
6 as 9 horas e meia da manbia.
= Vende-se farinba de mandioca pela medida ve-
lha pelo mesmo preco que a bordo dos barcos ; un -
Ihonovo, tanto em saccat como a relalbo : no arma-
zem do pateo da Penha o. 10.
Vende-se um piano novo, ioglez, do melbor au-
tor, com su >8 competentes esdoira* : ilutar na ra
da Cadeia do Recife, n. 34.
= Vendem-se 8 escravos mocos, bons para o tra-
balho de campo ; dous casaes de ditos (casados) bons
para o trabalho de campo poraisto estaretn scoslu-
mados ; 3 escrava mocas, engommao e cozinbio ;
duas uitas boas quitandeiras ; 3 pardas, o urna be boa
para ama de casa ; na ru* do Crespo o. 10, primei-
ro omlor.
= Vende-sn urna ezcellente casa,toda de pedn e cal,
com oildes doblados em um dos memores lugares da
ra ('o Amparo cm Olinda defronte do obrado de
Joaquim Jos Rabello com 3 salas, 5 quartos coii-
nha quintal e mais arraojos : a tratar na ra do
Crespo loja, n. 10.
ai Vende-se um preto, de 18 anuos, de boa figu-
ra ; urna pardo, de 20 annos com officio de correiro,
e ambos proprios do todo o servigo de casa e campo;:
urna preta de 22 annos, pouco mais ou menos, boa
figura e com habilidades, que se dir ao comprador;
na ra da Cadeia de S. Antonio n. 25.
V< nde-se polassa muito nova e de superior quali-
dade, em barris pequeos: na ra da Cadeia do Re-
cife, armazem de assucar, n. 12.
= Vende-se azeile de carrapato a cinco patacas*
caada ; no Atterro-dos-Alogodo* n, 7.
= Vende-se urna linda pela de Angola de 19 an-
nos co/nilia, lava e engoinma ; um casal de escruto*
de naci com'uma cria de 2 annos, i or 700 is ,
em razio de seu senbor rulirar-se para fra : na ra da
Senzulla-Velba n 110.
= Vende-se vinagre de vinho tinto, de superior
qualidade a 500 rs. a canuda cm pipos o as esna-
das ; na ra da Senzalla- Velba n. 110.
= Vende-se um caullo alaiSo cachito, novo de
5 annos com buns andares o muito mango al
profiri para muntaria de senbora ; nasCinco-Pontas .
padaria, n. 63.
= Vendem se saceos de millio ; ditos de arroz de
casca ; ludo novo : lambem so vende medido a Vonta-
d* do comprador : na ra da Cadeia do Recife ar-
mazem n. 8.
= Vendem-se 18 escravos sendo A moleques pe
cas, de 12 a t>8 annoS, bonitos; dous pelos eoti-
nheiros de 20 annos; 3 pardas, de 20 annos, com
httbilidades ; 9 prctas, de 18 a 25 annos, com habi-
lidades ; um tardamente para inferior de guarda na-
cional completo : na ra das Flores, n, 21.
jfa Vende-se urna venda no pateo do Hospitsl,
n. 14 : a tratar na mesma venda.
= Vende-se urna porco de farinba do Maranbo ,
em arrobas e libras da melbor que tem apparecido no
mercado por preco commodo ; na ra Nova, venda ,
o. 65.
Vendem se 20 caias vasias pora assucar, por
100S rs. ; na ra da l'iaia serrara do Cardeal.
= V ende-M- uma escrava de naci do boa figura,
de 24 annos ptima quitandeira ; um escravo de na-
eo ile l'.\ aiiiius ptimo carregfldor de pdanquim
um crioulo para oservico do campo : na la da* Cru
es, n. 22, segundo andar.
= Vendem-se algumal pipas qusrtolas t barris
vasios de azeile rqueados de ferro ; na ra da Sen-
zalla-Velba n. 110
Vende-se urna csrrava-, moga, de boa figura, tn-
goinnii e cozinba pcrleilaniente ; no arco de S. Anto-
nio, n. "2.
= Vende-se um escravo, de 22 annos de idade,
bom carreiro e proprio para todo o servido de campo;
na ra da Concedi da Una-Vista n. 58.
='\ endem-se saccas com alqueire de farinba de boa
qualidade, por preco commodo; na ra ireita n. 9.
= Vende-se farinba de mandioca muito superior,
3600 rs. cada sacca ; charutos da liabia em gran
de* pon Oes e no sao (ora de preco; no largo do Lor-
do Sanio o. 4.
= \ ende-sr um lindo moleque de naci Angola e
de ptima conduela; na ra estrella do Rozario, n. 31,
primeiro andar.
No novo deposite de padaria e refinsrio, na ra
largado Rozario n. 23, vende-se pi muito bem
trabalhado r bolaxa ; bolaxinbae biscouto doce; dito
agoado ; latas propnas para cha ; assucar branco re-
finado msseavado e I raneo em caroco ; caf moldo ;
ludo muitu em conta.
.= Vende-se, por 20j rs. o diccionario de Mo-
mos da qusrta edic,o ; na rui Nova loja n 58.
Vendo-e ucna porcio de cavernas grandes, de si-
cupiru propria* para cano* berta ou du conduzr
agua ; na ra de Apollo n. 28 a tratar com Joao
Esteves da Silva
Vendem-se ncorelas de azeilonas ; uma cor
rente de fero do ancora de navio; coeiroa de algo-
dio ; retroz Sortido ; chapeos de sol, de seda; um
bomba grmde de cobre e guarnicao de bronte ; um*
grande porcio da brome em obro usada; fecBduru I* = Vende-e um* ola mi-go n triveisi do
grandes para porUs ; sapato ordinarios para homem ; JSerigado que rende men*rmente 7 r. e *e vende
iudo se vende por preco commodo : n* ru do Viga-lpor 500j r. poraen dono ter-e de retirar para fra
rio, n. 9 Jaa provincia ; na ra da Pr*ia venda no beeco do
=Vnde-sa vinbo de Champagne em gigo*. d* moVCirioc*. '
Ibor qualidade ltimamente ebegado, dilo de BoM = Vende-se a padaria d ru* d Senzalla Velha ,
deaux em quartols* muito bem acondicion*do|i K), a dinbeiro, ou a prazo : a tratar na mesma pa-
ago'rdente de Fr*nc* ( chamado de prova j ; moslar-
da preparada em potes; ludo novo o muito fresco : era
casa de Avrial rmeos, ra di Cruz n. SO.
3*. ?
Altcncao!
A' nova fabrica de superior chocolate de
saude, e medicamentoso, de Frederi
co Ciaves, no Aterro-da-Boa-Visla,
n. 26.
De lempo immemorial, desde que o homem teve 1
lortuna de descobrir o cacao, o de conhecer as mas pre
ciosas virtudes, nio tem c Nado de fazer delle um uto
geral nio Ibe lerviodo lio (rnente de principal ili-
mento como sendo tambem muito necossario a toa
saude por er uma substancia nutritiva tnica sa-
boreas e sadia denominad! depois de fabricada por
- chocolate de saude.
A medida que a noticia do uto dessa inapieciavel
substancia se espalhou por todo o mundo ionumera-
veis pessoas, que tomavio caf o deixirio preferin-
do o chocolate pelai suas indubilaveis qualidades ; at
niuitos Srs medico* afamados o recailio muitas e
muitas veies, por ser um dos melbores etiomicbicos ,
e por nio atacar o systema nervoso, como o caf ; con-
ven) para todas is idades, seja para velbus, adolescentes,
oa meninos.
Na mesmi fabrica lia o chocolate de eanella bauni-
Iba e ferruginoso este quo boje se cha lio vanglo-
riado por teda a Europa, pela* suaa qualidades tnicas.
Baunilhi j
Saude I a 400 rs. alibra.
Canella )
Ferruginoso,! fOOOrs. dita.
N. B. Comprando de arroba para cima se tari um
* bale muito razoavel. Para n.aior facilidad* dos com-
pradores acba-se um deposito na ra da Cadeia do
Becile loja de chapeos n. 46 de Candido Jos de
Salles.
8sl-fids a 15$ DE TIRAR FOGO, f
afiancadas a todos os compradores, %
pelos oreos seguales: |
1 molho < nilii n I liado .... 4o 1
100 ditos ditos.....2'5oo 9
I 1. groza al G grozas .... 3|soo fl
S de 6 ditas ate 12 ditaa. 3sooo a
.i.. -Sendo muito bem acondicionadas e pro- S
*> piias para se levaren) para dentro e fra da pro- 9
* viocia, sem perigo algum; assim como se con- s
* tina a vender de outros, como dantet a 2*560 S
a groza: no acougue de Joio Dubois, ra dos 5>
fOuiirleis, n. 1 I, casa pintada. *
MECHA. PHO^HHOKIAS.
No Aterro-do-loa-Vista, na fabrica
de licores n. aG, de Frederico Chaves,
acba-se estabelecida a fabrica de inedias
|)lio.N|>lioi iciis aonde acbaro sempre
gmnde porcao de macos de 100 a i5o
mecbas, pelo diminuto preco de 3o ris
cada um, a relalbo, e em porco a ao ris:
lambn ha caixas que conten dentro 100
macos, e outras mais, muito boas para
se transportaiem pea o centro, e para es
outras provincias por seren bem acn ti-
cionadas, e se afianca a qualidade do lo-
go, por ser feito com toda a perfeirao.
= Vende-se superior cerveja branca, da melbor que;
existe no mercado, tanto em porcCes como a relalbo
em casa de Jones Patn & C., ra do Tiapiclie, n. 10.
Vende-se superior essencia de aniz
em garrafas de ao oncas, por preco com-
modo: no Aterro-da-Boa-Vista, na fabrica
de licores n. aG.
Vendem-se as verdadeiras pilulas
vegetaes do Dr. Brandretb, e agoa-raz a
3ao ris a libra: na ra do Cabug, botica
de Joo Moreira Marques.
Vende-se uma canoa de carregai
agoa em muito bom estado, por preco
muito commodb ; e tambem se aluga :
qneui a pretender, dirija-se ra Nova,
venda, n 65.
Vende-se um relogio patente suisso,
com cadeias, tudo de ouro, muito bom
regulador, por preco commodo : na ra
Litiga do Bozario, n. 5o.
- Vende-se laranja da Ierra ; no sitio
grande envidracado da estrada do Mon-
teiro
Vende-se una mulatinba du bonita figura de
dude de 12 a 14 anno*; n* ru* da Cadeia-Velha ,
n. 60.
> Vende-te lia de todat as cires com ti compe-
tentes pecas do taligaica e padies pan bordar ; po-
dras de filtrar agoa ; na ra da l ruz o 38.
= V endem-se 186 meius de sola e 590 couro* Ju-
dos ; na ra do Qurimado loja, o. 19
= Vendem se efectivamente da*9 borasdimi-
nhja ate i* 5 da tardo na casi o. 66 da ra de S
Francisco antignmente chamada Mundo-Novo, os se-
guinies livro : lodos os clasicos latios de rbetorica,
fibilo.opbia e muites outros que se deiiio den-
nuncu.r. por nio fazer extenso o auouncio tanto no-
ves como tuado*.
doria.
= Vendem-se dout preto* de naci de idade de
SO a 30 anno* em vicio* nem acliaques proprio*
para u iervico de campo, ou par* ganho; um ca-
lillo rozirho-foveiro murte bom de sella eirreg*-
dor bsixo at meio; todo por preco commodo, por ter
o dono de retinr-ie : 00 Aterro-da-Boa-Visla, n. 26,
primeiro andar.
= Vende-se um preto moco de bonita figura, por
preco commodo ; oa roa do Livramento, n 21.
Escravos Fgidos.
= Fugio, no dia 20 do correte uma preta, que
represente ter 30 e 35 annos de idade de nome Joan-
na de naci Mocambique altura regular, lacea do
corpo, con algum ealomboi desde a teste at o qoei-
10; levou um vestido dwbotedo e uma saia azul, pia-
no da Coste azul irgolat lint nu orelhas : quem a
pegar, levo a ra Direita o. 41, que lera recotnpen-
tldo generosamente.
*> Fugio, no dia 13 do correte, orna preta de 00-
me Mara de naci Cae mge represente ter 30 an
nos, estatura regular car* bechigosa, nurii chato ,
denles alvos ps apalhetados ; levou vestido de chite
azul de flore* amarellas, saia de metim preto usada ,
psnno d* Costa arul com maUmes brancos as pon-
as e be vendedeira de frutes; costuma andar pelos su-
burbios desls cidade vendendo e comprando: quem
a pegar, leve a ra do Queimado, n. 21, que ser re-
compensado.
Fugio o preto crioulo Izidoro *lf*i*te e bo-
lieiro ; foi escravo do Exm. bario de Ilamaraci ; be
muito conhecido nette cdsde : quem o levar a ru* da
Senzalla-Velha n. 110 receberi de lea enhor ,
A Ivs Visnna, generosa gratificacao.
Fugio, no da 9 do correte um preto de naci
Costa ; corpo regular, estatura alta bastante retinto,
com muiloi lignae* de bechigat no.rosto, p s grossos :
quem o pegar, leve ao eicriplorio de Joio Pinto de Le-
aos cY Filho ou roa da Aurora n. 8, que tara
recompensado.
Fugio, no di* 19 do corrente om preto de Do-
me Piulo, de afio Coste ; sem talbos no rodo, re-
presenta ter 25 annos, alto, ebeio do corpo cor fula,
rosto compr ido e de feicdes finas; tem todos os den-
tes na frente e sio miudos e alvos anda be um tanto
bucal, ps um tanto inchado* e os calcanhire* racha-
dos e alguma couta feridos; levou ceroulas e cmisa de
algodio da trra e um bonete ordinario com listras
encarnadas: rogi-se a* autoridades policise*, campa*
nbas ou qualquer pesaos, o prendi ou faci pren-
der e levar a sus senbora Clara Mara da Conceicio ,
no engenbo Goiabeira ou a Joio Jacinlho Moreira ,
oa ra das Cruzes, n. 2, que generosamente recompen-
sar*.
50*000 rs. de gratificacao
I quem pegar o escravo de nome Jos de naci Mo-
cambique marinbeiro de bordo do brigue Jupuer ;
eujo escravo veio para trra na noute de 23 para 24 do
crrente, com os signse* seguintes; estatura regular ,
cor preta nariz grande e muilo chato com miroai
,ie bechigat; levou calcas e citik de algodio azul
trancado, e barrete 1 ingleza ni oabeca ; quem o
pegar, leve na ra da Cruz can de Jos Xavier Vian-
m ou ni rui do Vigario loja de masisme* de Frsn-
cisco Mamede de Almeida n. 1.
Fugio, uo dia 7 de outtibro p. p.,
um cabra de nome Luiz; representa ter
ao a a5 annos de idade, estatura baixa,
sem baiba, cara
trouxa de roupa : pt
de ignorar os caminhos daqui, e ba de
redonda ; levou uma
iroviiveliiiente elle ha
perguntar a alguem por elle, por nao
ser daqui, mas sira do Cear, de onde
veio, ha tres semanas, contadas do lem-
po, em que elle fugio: quem o pegar, le-
v- o ra da Cruz, n. 10, que ser re-
compensado
- Fugirio, do litio do abaixo issignsdo no Ar-
riiil Uoui escravos aioda bucaes de naci Costa ,
um de nome Francisco utro de nome Manoel am-
bos de estatura Ha sabirio junto*; levario camisa e
ceroulas de estopa tendo a camisa do Francisco um
remend as costil, e cliapeos de couro j; machucados;
tendo o Francisco uma coatura proveniente de um ti- .
Iho na taboa do pescoco e o Maooel outra costura em
um hombro : quem ospegtr, leve 10 dito litio ou oa
roa disFlores, n. 33, quesera gratificado.
Jote Antonio Corre a Jnior.
oa Anda fgido, ba 8 annos um eteravo de oome
Joio llorges bem preto, desdentado adiaute de es-
tatura grande andar cambaleado bem barbado e
rasgado de peinas ; tem um dedo do p direito turto
pin dentro; quindn fugio, cooservava 1 barba im-
perial ; tem sido visto, ha pouco tempn, as Cinco-
Puntas e Boa-Visti, onde se intitula lorro: quem o
pegar traga a esta typograpbia que seu senbor re-
compensar com 50* ri.
Fugio, no dil 2-2 do corrente 1 preta Mirla de
oicioCongo, de idide de 18 1 20 annos, altura e
corpo regulares alguma cousa mafira cor bem pre-
ta olbos avermelhados beicos grossos dantas al-
vos peitos pequeos e em p, mios grandes p*
anda maiores grossos e le. s falla muito explica-
do e be algum tanto regrisla ; letou vestido deslio-
tadoquasi bran:o e panno da Cjsta novo embanha-
do ; julga-ae ter levado mais roupa e por isso talvex
teoba mudado de traje ; mesma andavt vendendo pi
di padaria do Sr. Moiira d'onde levou urna toalha :
quem a pegar leve ao sobrado novo da esquina da rui
da Palma logo ao sahir do Pociubo, que ser recom-
pensado.
PHHN. ; NA TVP. DE M. F DE FABlAlfeZj.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQJZOFBLE_H43YG6 INGEST_TIME 2013-04-13T02:11:01Z PACKAGE AA00011611_05925
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES