Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05924


This item is only available as the following downloads:


Full Text


Anno de 1845.
Terca feira 25
0 DIARIO publira-sc todos os das que
lulo foiem 'le guarda: q preco da assigna-
turhede i/fr. por quartel pagos adlanla-
dos. .O annuucios dos assignantes sao inje-
rido a razo te 20 res por linlia, 40 rs. cm
ivno differente, e ai repetirles pela mrtadr.
por linha, e 160 ein typo dlB'erente.
PHSES DA LA NO MEZ DE NOVEMBRO.
Crescente a6 as 3 h. e 55 minutos da tard.
La cbeia a 13 as 10'lior. e 35 min. da tard.
Meogoante a 22 as 2 hor. e6 m. daiarde.
La ora a"29 as 9 h. e 22 min. da manha.
PARTIDAS DOS CORREIOS. -
Coianna. Parahjba, e Rio Crande do Korte
_ Segundas e Sextas feiras.
Cabo, Serinhaem, RiAFormoso, Porto Cal-
vo, e Macey, no.l." 11 e21 de cada me.
Garanhuns e Honito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores' a 13 e28.
Victoria as Quintas feiras.
Olinda todos o* dias. -
PREAMAR DE HOJE.
Primeira a 1 h. e 18 min. da tarde.
Segunda a 1 h. e 42 minutos da manqaa. *
de IVovcmbro.
das da semana.
Segunda S. Porciano, aud.do Vdosorp*.
odoJ.doC.da2. v.. c o l.iliW|
Terta S. Jucunda, aud. do J. do-civjljl
Anno XJLl N. 354,
CAMBIOS NO DA 24 DE NOVEMBRO.
Cathb. sobre I.ondr
l.p.UaOOd.
- .rAis'por franco.
25 Terta S. Jucunda, aud. do3. do-civj- Etat* IJWJ c. pr. p. m.
1. vV, e do J. de paz do 2, dist: di t. Desc. de Ict. de bou firmas 1 ?/, p. / mes
2.'v.,cdo J.depai do Sfditl. 27 Quinta S. Auxilio, aud. do J^dacpla. e
doJ.M. dal. v.
28 Sexta S. Papiaiio, aud. do J. do-civ. d
1. v., edo J. depu do 1. dist de tard.
29 Sabbado S. Saturnino, audWoJ. do civ.
da I." v., e do J. de pai doTL'dist. de t.
30 Domingo S. Troyauo. -
Moed.i de ti4t)0 vel. 16*400 a I6"800
de eaW^ndv. 16*200 a 161400
de 4>000 9/000 a 9#200
Praa-Palacoes .... 1/880 a 1/920
Pesos Columnares. 1^20 a 1/940
Ditos Mcricauos 1/840 a 188U
Pratamiuda. 1/660 a I/76J
Acces da C do Uebcribe de 50/000ao par.
DIARIO DE PERWAMBUCO
PARTE OFFCIAt.
Governo da provincia,
SXPBDIKNTB DO DA 49 DO CBRENTE.
OlloioAo encarregado da agencia das barcas do va-
por, para que pelo cummandanlo do ,S'. Snbastido man-
de receber na-lhesoiiraria da hienda os20:000,000 roa,
qneeni nula inutilitadas vi ser remettid an theson-
rn. Comrounioou-se ao inspector da luciunnra da fa-
icnda.
DitoAo commandanlo das armas, ordonando a sol*
tura do remita Antonio de Castro. Parlicipou-se ao
cliefe de polica.
DitoA' administraos dos estabeleoimentos de cari-
dade, doclarandit, que deixa de mandar droitlr no oiil-
lego dos orphioi o expostn Tlieodoro Jos de Suuta,
por estar proencbdo u numero dos educandos do mesmo
collegi.
PortaraNomoando subdelegados a Antonio Barbota
Cordeiro do GusiaSo o Tliomat Cavaleante daSilreira
Lint; este para a fregueii de Una, a aquello pira o se-
gundo distrioto da de Igiiarats.Cominunioou-te ao
chefe dn polica, sobro cujas propostas sensorio estas
nomoaefie*.
dem do oa 20.
OfficiAo commandnnto das armas, tranimttind
copia do eiigajamenl, porque o oirurgio Joto Domin-
gos da Silra nbngou-se a servir no acampamento.
DitoA mesmo, oxigiiidoo seu parecer sobre a prc-
tencio do elfere* da exliiicla segunda liuha, Filippo Jo-
s da Exaltacio Manir, prreepcao do suido de alfa
res de nraiilario do primeira linha.
DiloA mesmo, determinando, em onmprimento.de
ordem imperial, faca inspeccionar por uiua junta de
sade todo* os oflioi.'iet da exmela segunda linha, que
nesta provincia veneerem toldo, e remeta a secretaria
de estado dos negocios da guerra o resultado desta int-
pecci, acompanliadn da f d'uQioio de cada uui dos
mencionado irfljciac.
. DitoAo juii de direito do crine da comarca do Bo-
nito, ordenando, que, averiguados os factos, de que na
represeulacio, que Ihe enva, he acensad pelo respec-
tivo promotor publico o juit municipal Mipplonlo d'a
quelie termo, Joaquim Jos de Oliveira Calatae, pro-
ceda contra eale nos termos da le. Oflionu-se a res-
ucito ao promotor publico do terrau d Bonito.
DitoAo juil dos feilos da fatenda, devolveiidn, pa-
ra seren por ello menino eneaminhadss, doas prccalo-
riai ioi juitoa municipaca do Soriiihaein e Rio-Frmo-
so; e prcvciiinilu-o do hiver recuinmendadu a todos o
juitea munittipae da provincia o pronipla exi'cucfto das
proraloriat, que purS. S.* Ibes forrtu dirigidas.
Dito Ao engenheiro* em ebefo das obras publica,
approvando a umita do despendido com os reparo* da
ponto el" Afogados na importancia ile 2:480,000 rs.; V
aiiloritando o rerebmento proviaori dos meamos re-
parot. Ptrticipnurse o inspector da tliesouraria das
rendas provnciaes e ao inanector-fiscal das obras pu-
blicas.
PortaraReformando o lenle do primeiro batalbio
da guarda nacional do municipio de Olinda, Jos Joa-
quini Jorge.Prtioipou-se au ohefe. da legio de Olin-
da, por rujo intermedio foi esta reforma prupusla pelo
coiuuiandanle do mencin id batalli.
Comraando das Armas.
BXPBDIEHTB DO DU 6 DO CORIIENTE.
OITlcioAo coronel eommjndante do segundo bata-
Ihtode arlilfaaria p, enviando-lbe as 9 pocas aecu-
satoras dol toldados do contingente da provincia da l'a
rahiba, addidoa ao batalbio do teu commando, pura
proceder como julgar conveniente.
Dito Ao tnesmo, dizendo, que havia regrcsiado,-
ler incorporado ao respectivo batalbio, o primeiro cade-
te Maiimiano Henrique da Silva Santiago, que le acha-
ta destacado na provincia das Alsgoat, vindo pago de
A RAINHA MARGOT. (*)
por ftltxanbit duinae,
PRIMEIRO VOLUME.
CAPITULO II.
A CMARA DA BA1MHA DB KAVABHA.
O duque.deGuise aconipanhou sou cunhada, aduque-
ta de Nevera, sua rcsidcueia, que era em urna grande
tasa nolire sita na ra do Cbaumc cm frente da ra do
Brae, e logo que ella com as suas criadas se retirou ao
seu aposento, foi elle para o seu a mudar de falo, lo-
mar uro capoto armar-se de um desses punhaes curto!
e puntiagudo que chamarlo urna f degenlilhoniem,
e que oarregavao sem a espada ; no momento purm em
que o lomaa sobre a meta, vio um bilhctinhu metido
entre a folha e baiuha.
Abriu-o, c leo o que se arge !
Espero que M. de Guise au volla.ru esta noile ao
Louvro, oii, se o fier, que turnar au menos a pre-
() Vido DUtrit uS 263.
lodosos teus vencimentos ale 31 do mez proiimo fin-
do, eque pela tbesouraria daquella provincia le Ihe ha-
via abonado o toldo do mez, que corre.
DiloAo tenenle-coronel commandante do quarto
balalhao deartilbaria p. ditendo, que em preienca
do que pondera em seu oAlcio de hontem (4) a cerca
do toldado Jos Marques, actualmente considerado com
praga em duas companbias do batalbio de teu comman
do, cumpria, que te Ihe averb'aisem as olas convenien-
tes no livro do regitlro, e que te eliminaste d'umadas
companhiat; fazendo-te-lbe ai declaracSea precitas,
tendentes aos obienomes das duas pracas, queconbece
etlarem trocado!.
DiloAo coronol commandante do trgundo bala-
lhao de artitharia p, oxgimi a guia de toccorrimen-
(o do toldado da provincia da Parabiba addido ao bata-
lbio de teu commando, Jat Antonio de Moura, ex-
cluindo-o naquella data do referido balalhao.
DitoAo mesmo, para fazer apresentar no quartel
general um interior, a fim de aeguir em diligencia ao
acampamento, onde te aeha o major Joaquim Caetano
de Souza Couceiro.
PortaraAo tenenle-coronel commandante do quar-
to batalbio de arlilhana p, para lazer receber no
hospital regimental, e tratar daenfermidade, que pade
ce, o cabo invalido do sexto batalbio de catadores, So-
tero Flix dot Sanios, procedendo em tempo compe-
tente, na pagadoria dat tropai, o descont firmado em
lei.
flicioAo coronel commiatario pagador, commu
nicimlo-lhe o contedo na portara cima.
dem do da 6.
OfficioAo pretidenlo da provincia da Parabiba, di-
tendo, que lata aeguir para aquella provincia o toldado
desertor do corpo provisorio da metma, Jos Antonio
de Moura, capturado em II de agosto ultimo, como
constata da guia, queannexa ee Ibeenviava.
DitoAo presidente da provincia, enderezando o re-
querimento, competentemente informado, do lente da
quarta clatte do exercito. Carlos Martina de Almeida,
que pedia licenca para ir a corte tratar de teus nego-
cio.
DiloAo mesmo, remetiendo a relacio nominal dos
individuos, que voluntaiamente e recrutadot aiseot-
rio praca em o mez prximo lindo.
DitoAo mesmo, dizendo, queum dot quartos de
miater para arreeadacio do quarto batalbio deartilba-
ria i p precsava de concert ; e assim rogava a S. Exc
aa convenientes ordem nesle tentido.
DitoAo coronel commandante do primeiro bata-
lbio de ca{adorea, para fazer addir so mesmo comman-
do o toldado desertor do primeiro balalhao de artilharn
i p, conservando-o preso at segunda ordem.
dem do di \ 8.
Oleio Aocorooel commandante do tegundo bata-
lbio de arlilbaria h p, dando etclarecimentoa i corea
doa toldados desertoret da provincia da Parabiba, que a
15 do correle lorio addidos ao dito batslhio.
DiloAo tenente-coronel commandante do quarto
balalbi i d'artilbara p, devolvendo as (olbas dos ven-
cimentos dot empregadot no hospital regimental, de-
corridos do primeiro ao ultimo do mez lindo, e co-
herlot com o offici o do coronel commitsario paga-
dor, enderecado a presidencia desta provincia, eem que,
denuncia o excesso, na importancia de n. 174, na parle
re.pecliva i grstificacio do cirurgiio ajudanledo bata-
Ihio do seu commando, encarrogado do hospital regi-
mental, para que as houvesse de reformar, abonando a
gralficar.io mental de ra. 8 ao dito cirurgiio, que Ihe
compote mediante o disposto no artigo 32 dat inslruc-
c5et approvudat pelo decreto de lOde janeirode 1843,
e que txigcm do agente do mesmo hospital una deca
racio,por eteripto, dasoecurreneaa havidas por occaio
de proceder se ao exame sobre os vencimentot conlidos
nat ditas folhas naquella reparticio, especalsaodo o
motivo, que o inolnnu, ou convencoo i deixar as refer -
das folbas em poder d mesmo coronel commissaro pa-
gador, tem que se livesse realisado o pagamento : e
porque compete acautelar para o futuro semelhanle des-
cuido, que poder nduxir 4 revelacSes destituidas do
criterio anle a presidencia, como se evidencia do facto
am queilio, mandar prender.at segunda ordem.o di-
to agente.
Continuando da reinado nominal dos offlciaes da quar-
ta claiie do exercito, publicada no numero antece-
dente.
Alferet.Antonio Caetano da Costa Montoiro, An-
tonio Clemente Estevet de Larraz, Antonio Faustino
de Miranda, Antonio de Hollanda Cavalcanti de Albu-
querque, Antonio de Albuquorque Maranhio, Antonio
Egidio da Silva, Antonio Carlot Pessoa de Saboia. An-
tonio Manoel Lobo, AlJonsode Almeida o Alhuquerque,
Alexandrno Caetano de Olinda, Canuto Jos Velloso
da Silveira. Chrittovio de Barros Wanderley, Flix Mi-
gue, Francisco Marques da Silva, Francisco Ferreir
de Alcntara, Francitco de Paula Carneiro Leio, Fran-
cisco Joaquim Pereira Lobo, Francisco Pedro do Reg
Harreto. Fraociaco Caetano Velloso, Flix Peixoto de
Brto e Mello, Filippe Servlo Be/erra Cavaleante, Joio
Jos de Miranda, Joio Gomet de Mello, Joio Mont-iro
de Andrade Malvina, Joio Dias Martina, Joio Antonio
da Silva Couto Valenle. Joio Alves Prayana, Joio An-
tonio Villa-Secc,Joio Franeitco dot Santos, Joio Luiz
da Serra, Jos Francisco dot Santos, Joio Rodrigues
da Silva, Joio Pi Pereira Campos, Joi do Monte de
Jezut, Joio Nunet da Fonseca Galvio. Joio Arceno
Barbota, Jos de Barros Pimente, Jos Fernandes Bra-
sil, Jote Rahcllo Padilba. Jos Pedro da Silva, Jos da
Trindade Grvala, Jote Joaquim do Natcimento, Joa-
quim dot Santos Nevos, Joaqun Manoel do Reg Bar-
bos, Ignacio Antonio Borges, Joaquim Pedro de Souza
Magalhies, Louronco Jos Romio, Manoel Correia da
Silva, Manoel Pedro da Fonseca, Miguel Aflonso Fer-
reira, Miguel dos Anjos de Mendonca. Silvestre Henr'
quodePinho, Simio Goncalves de Miranda Telesfero
Marques da Silva, Raymundo Jos de Souza Lobo, Joa-
quim Knaciode Carvalha Mendonca, Manoel Leocadjc
de Mira Wanderley.
Ajudanles Francisco Goncalves de Arruda, Fer-
nando Francisco de Aguiar Montarroos, Joio Ignacio
Ribiiro Roma, Joaquim Jos de Souza. Joaquim Au-
relio Pereira de Cervalho, Manoel de Souza Tuixeira.
(uarteis-mestres.Jos Rogerio Marcellno, Tbo-
maz Pereira Pinto.
Secretario.Ignacio dos RcisCampello.
CirurgiSes. Francisco de Paula Dutra Malvinas.
Jos Vieira do Mello.
INTERIOR.
caucan de se armar de urna ba cota de nialha o de nina
boa espada,
Ab ah! disse o duque vollandn-se para o seu guar-
da-ropa, eis-aqui um aviso iingular, mestre Robn.
Agora fiii-me o favor de me diier quaes forio as pessoas
que vierio i este quarto durante a niinha ausencia?
. llmn s, mousriihur.
Qual ?
M. Du Gatl.
Ab oh! Com effuilo, bem me pareca a sua letra.
E ealia ccrlo que Du Gas! vcioaqui? tu vislc-o?
Fi mais, monsenhur, fallei com elle.
llom; en'tio srguirci o consclbo. Minba voslia, e
niinha espada.
O guarda-roupa, acosluniodu a estas mtitacAes du ves-
tuario, tronce ambas as nousas. O duque tomou cnlio o
vesta qne era de futs do malha lio flexiiei, quejtur-
didura d'nr nSo era mait capess.i que taludo, paacni
por cima una especie de jaijuela com persas, o an toixa
gibio ciiiionlo bordado lo pr.ila, que crio as suacote
favoritas, calcou as bolas que Iho vnhio ao rucio d
ooxa, poi naoleca um gorro de teludoaem pluma
pedraria meleo o puiihal na cintura, passou capada is
inaos do um pagem, uuia escolta de quO qui aBompa-
nhar-se, ombuCou-se n'uiii capote escuro, e tomou o ca-
iii i iiI]<> do Louvro.
Quando-elle traiispiinlia aporta de cata, da va una-
hora da manliaa o relugio do Sainl-Germalas-rAuxera
roa.
Apetar de laet desliurat, e de serem as roas naquelle
lempo tiu mal seguras, nada occorreo pelo caniinh
a temerario principe, que chegou slo e salvo anle a
masa colottal do velho Louvre, cujas luzca ao haviio
RIO-GRANDL DO NORTE.
Correipondencia do Exm. Sr presidente da provincia
com osjuize-. de direito eche/e de polica di mesma.
N. 29. Fico de posso do teu officio de 12 do cor-
rente, com o qual me remetteo a relacio indicativa das
petsoat do termo desta capital, que esli no caso de
ter considerada miseravoia, e como taes n.ereced iras
do favor que S. M o Imperador se dignou fazer,
mandando destribuir-lbes a porcio de frinbs,que lti-
mamente foi enviada da corle na barca do vapor S-
Salvador; e como o mesmo favor se deva estender aos
individuos dos termos de S Joi.Goianninha, S. Gon-
?alo, e Estremor, qus seacharem em iguaes circums-
tancias, cumpre que Vmc. com urgencia exija urna
MMjMiu_*iijiijitfiiliiii sai au iium'wiSSwit3sra
iiccesaivaniento apagado, e que esa hora so moslrava
formid.i vel pelo silencio e ohicnridudc.
Pela frente do real caatrll corria um profundo fosso,
para o qual davio a roaior parto das cmaras dos princi-
pes alojado no palacio. O aposento do Margando ficava
no primeiro andar.
Mas i-aso primeiro andar, alus milito acccssivel, so
nlo existiro o fosso, schava-se, grocas a enlrncheira-
mento, na altura do Bfit quarcnla oanlos palmos, o por
oonseguinte frj do oleonco do amonte o l.idrrtes, o que
lo imped que o duquo do Guise dcscesse resoluto ao
fosa.
No roesroo instante ouviii-so o bulha de janolla que
ce obria ao re do chin. Tinha esta janella grado de fer-
ro ; mas ah opparceeo una mo, que lirou un doa sa-
rdes,ja d'anio mi arrancad, c deitou pela aberta urna
tranca de seda.
Sois vos, Gillonne? perguntuu o duque cm voi
outra relacio das p?sioat dos sobreditoi termos, que
oilejio as mesmss cireumttancias, e me a remeta
com a maior possivel brevidade Deot guarde a Vmc.
Palacio do governo do Rii-Graude-do-Norte, 14 da
maio de 18l5.-z*>r. Casimiro Jos de Vlorast Sarniento.
Sr. chefe de polica desta provincia.
N. 30. Acquesoendo i requisicio, que Vme. me
dirigi em teu officio de hoje, cumpro-me tigoifiear-
Ihe, que teoho exunerado do cargo de subdelegado de
polica, do districto da villa de Extremoe a Gabriel
Sores Raposo da Cmara, e nomeado em seu lugar a
Rento Jos Taveira.por Vine, proposto em primeiro lu-
gar ; bem como tenho exonerado do cargo de subde-
legado de polica do districto de Muri a Dionisio da
Costa Soares, e nomeado para o tubttituir a Vicente
Ferreira Nobre Jnior, tambem por Vmc. propotto.
Deot guarde a Vmc. Palaoio do governo do Rio-Gran-
de-do-Norte, 14 de iao de 1845 Di. Caimiro
Jos de Moraes Sarment. Sr. chefe de polica des-
ata provincia.
N. 31. Recusando-se o encarregado da distribu-
crio da farinha de usar da faculdade, que Ihe conced,
de fazer a mencionada distribuirlo por aquellas nea-
soas.que.apezar de senio acharem inscripta na relacio,
que Vmc. me remetteo com o seu officio de 12 do cor-
rente, lossem pelo mesmo encsrrenado ulgsdat dignas
le merecer aquello acto de beneficencia, que S. M. O
Imperador leve em lista repartir por todos os pobres
necessitados da provincia, convern que Vmc expepa
suas ordens ao delegado de polica,a fim de que teja or-
ganisada urna nova relacio dos individuos, que na pr -
meira escaprio de ser mencionados, eme a remeta
com urgencia, para ser enviada ao referido eneaire-
gido. Dos guarde a Vme. Palacio do governo
do Rio Crande-do Norte, 15 de maio de 1845. Dr.
Casimiro Jos de Maraes Sarment. Sr. chele de
dolicia ile-i.i provincia.
N. 32.Amesmo, exigndo urna relacio de todos
os officiaes de justica de sua comarca com todaa asde-
claracOes.quolhesdissefem respeito, como determina o
aviso imperial de23 de abril ultimo.
N. 33. Ao mesmo, parlicipando a nomacio doa
1.e 3. suppleotes do subdelegado do districto da Pi-
cada.
N. 3i. Em resposla ao seu officio, hontem data-
do, tenho adizer-lheque annuo ao altitre por Vme.
proposlo, e de que alias ji tamhem me bavia lembrado,
podendo por isso Vmc. ou o seu delegado dar aoi m-
snraveis.nio incluidos na lista,que Vmc. me remetteo,
eampetenle blhete.a fim de que o cidadio encarregado
da distriducio da farinha Ibis possa lornecer a quola
marcada, e que t deve ser concedida aoa que se acha-
rem na mais urgente necessdade; atiento ao que re-
commendo-lhe o maior escrpulo na concetslo dos re-
feridos bilbetes.para que nio te venhio a burlar ai ge-
nerosas intencScsdo governo imperial. Dos guar-
de a Vmc. Palacio do goierno do Rio-Grande-do-
Norle, 16 de maio de 1845.-.-0r. Casimiro Jos t
Maraes Sarment. Sr. doutor Joio Paulo de Miran-
da, chefe de polica desta provincia.
N- 35. Tendo de ser submeltido por appellaclo
ao conhecimento da junta de rovisio o pracesio feilo
pelo conaelho criminal conlra o cabo do corpo de po-
lica da provincia, Jos Alves de Mello, e devendo Vme.
lazor parle da mesma junla como relator, nos termos do
ailigo 51 do regulamento provincial do 30 de maio de
1837; transmiti a Vmc. o referido processo para pro-
ceder como lor de direito ; prevenindo-o de que se
acba marcado o dio 20 do correte ao meio da para
ter lugar a reuniao da sqbredita junta oeste palacio.
Doo garde a Vmc. Palacio do governo do Rio-
Grande-do-Norte, 17 de maio de 1845. Dr. Cali-
miro Jos de Maraes Sarment. Sr. juit de direito
__ Sin, inunsenlior, responde uina vot de mulher,
ovni aom anda mais baixo.
E Margarid?
Ella tot espero, monsenhor.
Bem.
A'titas palavrasn duquo fetsigual ao icn pagem, quo,
brindo o capote, desenrolou una cacada de corda. O
jrincipe atou nina dos pona da escada tranca quo
penda da janella ; Gillonno pucho-, amarran-a bem,
o o principe, depoi de roetler eipada no buldri, en
mrcuu a eicatada queacabou sem accidenlf. A pos del-
ta, o vario vultou a seu lugar, a janella feohou-se, e .
pagem, depoi de ver a teu senhor entrar tranquilla-
tnenic no Louvf,-- a cujas janellat niuitat vetea o tiuba
acompanhad da mesma inanoira, foi deitar-se, embru-
Ihado no seu capoto, subre a berva du fusao e suiubra
da muralha.
Era a imite escura, c algumas goliat d'agoa, grossas
e lepidat oahiiu dat nuveni carregadaa deeleelrici-
dado.
O duque de Guita acompanhou a conductora que nio
ara nada menos d que a filba do Jaquel de Malignon,
iu.irccli.il de Franco! Era a particular ounRdente de
Margarida, que nenhum icgred linha par ella, e ditia-
se quo no numero dos myslerios quo guardara a na in-
cnrruplivel fidelidade, alguui havia lio teriiveia, que
era elle que a forgavS a guardar os uulrui.
Neiibuma lu te havia conservad nein no quarto de
baixo, neni nos corredores; s de vex eiu quando algum
relmpago derramava urna inslanlanea claridade noa
aniiihri aposeuloi.
O duque, sempre guiado pela sua conductora, que O
levara pela mi, altiiigio em fim uina oseada em api-
ral, esiabcleeida na grossura de urna parede, e que a
dar por moa p'>rta secreta e iuvisivel na ante-oamara do
apusentu de Margarida.
Easa ante-camara, bein como aa salas de baixo, oorre-
dore e esoad.is eslava coiupleaiiiciito nu eicura.
Gill-uinc parou ah.
Truucestei vos o que a rainha deseja? perfillas
ella devagarinho.
Troueo, responde o duque de Guise ; mas loo
enlregarei a S inngeatade em pessoa.
Entio vinde trin perda de um inilanle. diaae nu
mei da bseuriddo um visa que fea estremecer o dn-
que, porque a reoonheceo aer de Margarid.
E ao memo tempo, correo-ae um repottoiro Jera-


*.
da comarca do Natal, e chefe de policia da provin-
cia.
a reltcJo do
^
N. 36 Ao tneimo, remetiendo Ibe
dadlos Horneados para 4.'suppiente do delegado do
termo da vilra de S. Gcdjcalo, dos 3.', 4 #%<^ sup-
plentes do subdelegado da mesma villa, o dos, 3.e 4.*
do da Utinga.
N. 37.Attendendot'fequisic.aoque Vmc. pe*
riaio em seua offcos datado em 16 do correritMcom-
panhados da pr postas para >upplentes do subdelegado
de policia do districto da villa de Goianninba, e para
o da povoacio de Are', tenbo comeado por portara
deita data oicidadioi, por Vmc. propoito, como ver
da relacoea inclusa, o que Ibe communiro para ua
intclligencia e em respofta ao seui citado oflicios. Dos
guarde a Vmc. Palacio do governo do Rio-Grando-do-
Norte, 19 de maio de 1845 Dr. Casimiro Jos de
Moran Sarment. Sr. cbefe de policia deila pro-
vincia.
Relafo dos C'dadaos nomeados para o cargo de sup -
penle di subdelegado de policia do dislricloi da
villa de Goianmnha, e Atez.
Urtelo da mesma villa.
1. David Manoel da Silva Leitio Jnior.
2. Jote Bernardo do Figuoiredo.
3. Antonio Lopes de Uliveira Galvio.
4. Francisco Marcellmo Das Vianna.
5. Joio Moreira Cordeiro Castellobranco.
U. Manoel Antonio de Mando.
I)ni/icio de Arez.
1.. Manoel Pegado Cortez.
2. Jos Pire Correia.
3. Domingo Barbosa de Almeida Reg.
4. Jos Barbosa de Goveia.
5. Manoel Jos Luis.
ti. Manoel Flix Ferreira.
Secretaria do governo do Rio Grende-do-Norte, 17
do maio de 1845. JoUo Cario* Wanderley, corola-
rio do governo.
N. 38.Acquiescendo l.rcquisicac, que Vmc me
dirigi em seu oflicio datado em 14 do corrento, tenbo
nomeado por portara desta d l o cidadios, por Vmc.
propostoa para o cargo de supplentes do subdelegado de
polica do districto do Muri.como veri da relajo in-
clusa, issignada pelo secretario desta presidencia. Oque
Ibecommunico jara ua inlelligencia, e em rosposta
ao seu citado oflicio. Ueos guarde a Vmc. Palacio do
governo do Rio-Grande-do-Norle 19 de maio de
1845.- Dr. Casimiro Jpsc de Maraes Saimenlo.
Sr. cbefe de policia delta provincia.
J.elacao das cidodo nomtadoi por portara detla da-
la paa supilenies do subdelegado dt policia do
ditiricio de Muri.
\. Antonio de Barros Pcreira
2. Francisco Xavier de Goes.
3 Manoel Teiseira da Silva.
4. Manoel Joaquim Pereira do Amaral.
5 Francisco de Amujo Vianna.
6. Joaquim Francisco de Paula Brilo.
Secretaria do governo do Rio Grande-do-Nortc, 19
de maio de 1845 O secretario da prsidt ncia, JoUo
Carlos Wandtrley.
N. 59.Sobr'esleja Vmc. de boje em diento na con-
cfsso dos bilbetes. que por oflicio n. 36 de 16 do cor-
rente Ibe autorisei, quo passasse ao pobre, que, nao
Icndo sido alistados, se Ibe approsentassem,devendo ou-
iro tanto ordenar ao seu delegado Dos guarde a 1 me.
Palacio do inverna do Rio-Grande-do-Norte, 20 de
maio de 1843 Pr. Caiimiio Jos de A/oiats Sa-
nenlo.- Sr. cbefe do | olicia d<6ta pioviutia.
ASSEMUL. LLCISLATIVA
P1AUHY.
BELATOMU, COM QUE O EXM. PaESWENTE Ua PROVINCIA A-
BBIO A SES5A OUUIKAIA DA
PE 1845.
(Conlinuaclo do numero 260)
AdministracO da fazenda da provincia
Nodia 28 do mez passado inslallou se a tbesouraria
provincial, que pela le do sua creacao devra dar prin-
cipio aos respectivos trabalhos no 1." de outubro de
1844. O meu antecessor nao deo prompta execucSo
es*a le, porque encontrou duvidas, que o embartcaa-
sem, asquaes confu me um documento, que live em
vista, te reduiem as seguidle : '". nio merecer a sua
confianca a maioria do empregados noineados; 2.a, ter
sido dada a nomeacio pelo seu antecessor em lempo
que ja sabia acbar-se deiniltido da adromistraco desta
provincia; 3.a, haver o seu antecessor horneado para
thesouraria provincial tres empregados da Ueaouraria
geral, anles de obterem do governo geral suas demis-
sOei. Apreciando eslasduvida, conlieci logo, que a pri
meira nio poda proceder, porque,teodo a le,que creou
a thesouraria provincial, assegurado aos cinpregadtoe a
vitaliciedade do scus empregos, be claro, que nio quiz
que eliea ossem empregados de mera confianca do go-
verno. Menos ponderosa anda me paraba a segunda dif-
fiouldsde, porque nio beda dativa noticia da demissio,
que lies realmente exonerado daTOministracio um presi-
dente, senao do momento em quo, conforme as ordena
imperiaea, pasta o governo a aeu uccessor, poden.lo
antea diiso faier nouieages, que sio to validas, como
se noticia nio bouvesse de estar demittido. A terceira
duvi-li, porm, echei justa, porque, sendo incompati-
vois os empregos da tbesouraria provincial com os da
geral, parece, que nio se podiio pastar ttulos para a
tbesouraria provincial a empregados, quo eitavio ser-
tindo na geral, e que nio haviin alcancado sua demis-
tao do governo supremo'; mas esss duvida eu remov,
paitando novo titulo a ettet empregadot, quo desde
fevereiroeatio demittido! da thesouraria geral, e conto-
guintemente sem embaraco para servir na reparlicio
provincial.
Nada possb por ora dizer da thesouraria provin-
cial, quimlii aos bens quedclla se agunrdiio, porque
acaba apenas de installar-se ; mas estou persuadido
quo corresponder s esperances do legislador, e
que a presidencia, na falla que dirigir esta asscm-
bla no anuo vndouro, Ibe dar cunta de grandes
mrlhoramcntos introduzidos as mancasda provin-
cia, em virtudc da nova instituirlo.
Agora, Senbores, consent que exponha alguinas
consideraces acerca do regulamento de 23 de agos-
to de 1844, que organisou a repartido,dp que se tra-
ta. F.s.so rcgulamcnto, segundo o meu modo dp
pensar, cai no mesmo defeito, que se arga le de
5 de setembrode 1836, que princiro tratuu da creu-
cSo de una repartico de fazenda exclusivamente
provincial A le diz, noart. 3, que o administra-
dor lie o chefe da repartico, mas accrescentando lo-
go que o contador e procurador fiscal assistirO ao
despacho, leudo todos voto deliberativo; ponderou-
se com muita razilo, que a natureza do voto, que
competa ao procurador fiscal e ao contador, conlra-
riava emsua essencia a qualidade de chefe dada ao
administrador, ehavia portanto urna incoherencia na
quelle artigo, consistente em chamar chefe a quem
realmente nao era. O rcgulamcnto j citado, que
trata da administrado da fazenda da provincia, es-
tabelecc, no art. 7", que o inspector he o chefe da
repartieiio, havendo, noart. 3, determinado, que
lodos os negocios de fazenda da provincia sero tra-
tados e resolvidos por una junta, composta do pre-
sidente da provincia, que sera o presidente della,
com voto deliberativo, e do inspector, contador c fis-
cal, com voto consultivo smente.
Se compartir com outros o direto de resolver os
negocios da repartico importa a peda da qualidade
de chefe; parece-me, Senhorcs, que por maioria de
razilo ufo) pode esla graduacfio competir aquello,
que sbreos negocios de fazenda da provincia se li-
mita um vol consultivo, lie ndubtavel, vista
do regulampiito, que o chufo da rcparlicSo denomi-
da administracoda fazenda he o presidente da
provincia e da junta, que tem voto deliberativo, e
nilo o inspector com o seu voto consultivo smente.
A lei era mal pensada, mas o regulamcnto nesta
parte lambem nao me parece bom.
NSo con ve m que o inspector possa ser contrariado
e vencido pelos votos do contador e fiscal, nem tain-
bem que a primeira autoridade da provincia v as
sessflesda reparticSo resolver, como presidente del-
la, os negocios de fazenda, sem ter o inspector mais
que o voto consultivo. Eu entendo, Senhores, que
o presidente da provincia deve ser exonerado de
presidir a junta da administracHo de fazenda, cojo
verdadeiro chefe cumpre, seja o seu inspector, sendo
os negocios da mesma decididos em mesa pelo di-
to inspector; com o voto consultivo do contador e
procurador fiscal, que devem dar cunta ao governo
quando asdecisoes forein em desservico o prejuizo
da fazenda, leudo todos os que se julgarcm ofiendi-
dos por laes decisOes direito de recorrer ao presi-
dente da provincia. Creta que as seguintes razOes
aboiiilo o Jsystema, que julgo preferivel: 1.a, o ex-
pediente do governo nio permute ao presidente ser fre-
quente as sessos da junta da administrado da la/en-
da; 2.a, nio convem expr a primeira autoridade da
provincia a discutir com os memhros da junta. Se a po-
lides carecteriaa os actuaes empregados, que compdem a
junta, nem sernpre sen astm : lembrai-vos, Senhores,
quo pela lei < lie- sio vitalicios; 3.a, a maior considera-
do, que su da o inspector, estimula-o fortomenle
distinguir-so em seu emprego, atienta a certeza que
tem de que msior louvor, ou censura Ibe ha de tocar;
4 ', no aystema de organisacao, que julgo preferivel,ai
te a vantagein do recurso, que be ordinariamente urna
garanta de inadureza o reflexao, pois se j o nspectoi
conbeceode um negocio eui mesa, e o resolveo, haven-
do o presidente da provincia do lomar cont, deste des-
pacho para reforma lo, so assim for de ustieu, be na
(oral, que proceda com o maior cuidado, e averigua-
cio possiiel. Nio sei, porm, se se poder sernpre dizer
o mesmo da deeisio tmida pelo presidente em junta
no tropel dos negocios, lendo apenas os outros incm
bros o vol consultivo nobreautor do regulamento,
por tos approvado, que lao dignamente vos dirigi a pa-
,
ludo rnxo bordado de Surca do lia do curo, o o duque
ilillingniu n.iiombra a propria, que impaciente viera ao
ten rnroiilro.
Ei me aqu, Srnlioia, diste entilo o duque.
E tr.intpoi rpidamente o repoilciro que orraneou-se
j'n delle.
Enll foi Margnrida de Vnloie qnem tervio de (;n.i ao
])i"inri|ic nenie npnaento, ali ilelle inuilo oonhccidu,
em qiiaiilu (illoniie, quericra porta, tranquillianvn
sua ama, Icvnndo dedo a Lera.
Condoli Mnrganda o duque, cuino to cnmprclien-
detac a ana ciota inqnictacau, ot o sen quarto de dor-
mir; eahi pama.
F.nifto! csIab contente duque? ditso ella.
Contente, Senliori..... perguntou esto, e de que?
Drttn provn que vot don, replico* Mar^arida com
nlgum dr>|iritii, deque iicrtenc a um liumcn quo ni
iioile du aeu casamento, ua mesma imite de auna nup-
cias, lio ponen coa fat de mini, que nem veiu agrade-
cer-moa honra que llic fit, iiAu de o cafullier, mas de u
aceitar puretposo.
Oh! S., ditse tristemente o duque, tranqiiilli-
ini-TO, elle vira, subreludii se o drarjardes.
Eaoitvi quem diseia isso, HriiriqueP csclamou
Miirgarida, vos que innis quo todo sabis u contrario
du une disois ? Se cu l i vene n drsejo que me up|iuude>,
tcr-ri-bia rollo pedido que viestei ao LnuvroP
Vos, Morgnridn, pedislra-me que vietao cu ao
Luuvro, porque dearjai apagar tndu n vestigio do nosav
jiataad, c pirque ente pnaiwlo ex istia iiito t no meu
corapio, maa neate cofre de pnta que vus trago.
llcnriquc, quercis que toa diga ama cousa? re-
plieuu Margarida litando oa olhos no duquo, lie que vs
preteocio dos supplicantes. tanto porque nio ensle no
local requerido terrenosufrlciente parase formar praea,
como porque seria mai conveniente, que esseterrenu
fotte reservado para logradouro publico, e nio dado a
ama corporacio particular; e que neste sentido se in-
Pernambuco, 30 de aetembro de
ri9i>.
Publicacoes a pedido.
nao me parerci mais um principe, [mrom un um es-
ludanle. En, ni'gnr que un unc! Eu, querer extinguir
nina climiima, que taltci morra, mascujo reflexo minen
nuil re Dlu, nio, meu duque! (Ja amorra iln pea-
soas da ininliii plana Iluminan, e .I;iiiuii vetea devora
lodo ii poca que llic* l)e eonleinpuranca. Podida guar-
dar a carias da mu Margarida c o Cofro que vos ello
den. Deaaaa carina que couim n cofre, um.i o vos pede
ella, e ioI.i ini'snio porque cssa earta lio to penguta
para \t'is enilio para ella.
Tudo lie nato, disso o duque; esuolbei pois alu
cssa que quercis aniiiquilar.
ftl.iri;nrida revolvo vivainento o rofre aborto, e rom
Iremula iiio pegou nina aps oulra urna dusia de car-
las, das qnoe ae (-unlinl.no de ler Somciito osiobres-
criptoa, como ae a nica inapeccao dclles b.iatnsso para
rccnrdar-llii) memoria duque taca cartas cunlinli4" ;
roas chegadn a<> flu du came, encarou o duquo, c tuda
paluda, diaae:
Sr. duque, a queco procuro nfli cela aqu. Te-
la-hci par acaso perdido? pina que qnaiilo n liavu-lo
entregue.....
E quo carta prncuraia va, Senh'ora? I
Aquella cui que vos eu dina quo vos casasteis sem
demora.
Para exentar a vossa inRdelidude ? _
Margoridu crguoii oa humbros.
N", ni.ii. pura Vos salvar a vida. Aquella cu que
vos eu dina, que el-rci o ver u nosao amor c os esfur-
fna que en lo por romper a voaaa fnluia iiniin com
aint'ania do Fdnugal, Hiera vir aeu irihSo o bastardo
d'Aiigulenie, e Mi'-dissera, moatrando llie duaa eapa-
fauadeatacadeir. o.nno p.M.do. leve em vi.U. ae- Parecer que. ra/,e '-P.
gundo leio em seu relatorio, dar unidade reparlicio. A' comm.sslo de ed.fioacio foi presente i W"-
e.ubjeit. I.ainteir. e effiz in.paefio do presidente ^too*****^*^**^***"-
nbio em dia cam os negocios da fazenda da provincia
Maa, Senhores, he claro, que a unidade Uo estancia! I
reparlicio nio se quebra, dando ao tntpeclor o direitoj
de decidir os negocios em mesa 'coan voto consultivo dos
ourrot memhros na lrma ja exposta. -
Quanto inspec?.o,que"tWo governo da provtn- forme ao governo Per
cia le sobre a renarticft de fkenda, ponderaroi qufc 188. J. It.de Uliteti
os empregados da thesouraria sio rtsponsaveis, e
consecuentemente n3o podem com o seu voto con-,
trariar os planos o ordens da presidencia, que se
contivereni na rbita de suas lgaes attribuicocs,
ombora o presidente j)3a soja quem presida a junta;
mas dado ocaso que os empregados da thesouraria
seobstinem a contrariar o*overno, esquecidos_da
lei, que Ibes impOe o dever da obediencia,e Ibes ful-
mina penas, no caso de infracQilo, ser por ventura a
presenca do presidente na repartico capaz de cha-
ma-Ios ao suave jugo da lei, sendo pontuaes em cum-
prr suas ordens, e conformar-se aosseus planos?
Certo que n1o. O presidente da provincia, sem ser
membro, e presidente da junta da administrado da
fazenda, pode ter noticia exacta de qualquer as-
sumplo, que corra por essa reparliQilo, e formar um
juizo mui seguro acerca do'estado da fazenda publica
provincial com o direito irrecusavel, que Ihecompo-
te como primeira autoridade da provincia, que-ins-
pecciona todas as repartieres nella existentes, de
exigir da thesouraria quantos eselarecimentos lite
parccilo necessaris. Fallo, Srs., do presidente acti-
vo, c enrgico, porque do que o no fosse dira lam-
bem que pouco adianta assistindo aos despachos e
presidndoa mesa. Se o presidente da provincia de-
ve ter entrada naadministraclo da fazenda provin-
cial como presidente da mesa, a lim de melhor co-
nhecer os negocios respectivos, entilo no ha repar-
tido na provincia, a cujos trabalhos nflo deva elle
presidir.porque como primeira autoridade da provin-
cia tem obrigaeflo da conhecer o estado de todas as
reparticoes.
Taes silo as observar0es, que me occorrem a cerca
do regulamento na parte em que faz'o presidente da
provincia presidente da junta, e Ibe confere o direito
de decidir todos os negocios da fazenda provincial,
dando ao inspector.smentc em nome.a qualidade de
chefe da repartico com voto consultivo.
As ideias.quc acabo de expendcr.me parecem con-
formes orgnnisacilo das thesourarias de mu i las pro-
vincias, e doutrina da lei de 4 de outubro de 1831.
Como.porm,possa acontecer que eu esleja em erro,
desejo que nilo tomis a este respeito deliberarlo al-
guma sem aturado c maduro exame da materia, pois
subjeito setnpreomeu juiso a mais prudente con-
selho.
. (C*finuar-f-na.)
PERNAMB'vCO.
CAMAIIA MUNICIPAL DO RECIFE.
SBSSAO BXTKAOHDIN \bia AOS 30 DE OUTUBRO DE 1845.
Presidencia do Sr. llego' .lbuquerque.
Presentes os Sr. Cintra, Ramos, Mello Lavalcanli o
Carneiru Monteiro, faltando com participaco oa ou-
tros Srs., abio-se asestio, approvando-io a acta da an-
^ocedente.
U secretario deo conta de um oflicio do procurador
la cmara, acompanbado da nota dos (albos, que, ape-
zardehaverem sido arrematados, se devem considerar
vagos, por na i haverem os arrematanlet satisfeito os pre-
rosdas arrematagdes. Mandou-se aflixar novos edi-
isi's pura o dia 8 do novembro, votando contra o Sr.
Cintra.
Foi approvado o parecer ds commissio de ediiieacio,
dado solne o requ rimento do espala/, do porto das ca-
udas do Recile, sobre o qual mandou informar o Exm.
presidente da provincia.
Procedeo se arrematacio doa rendimentot da aferi-
i.'io o lotisiodos pesos emedidat, o, comparecendo dous
ancadoret, foi arrematante Antonio Gongalves de Mo-
ris por 10:308*000 rs. Delibcrou a cmara, que se
nio lavrasse o competente tormo, sem quo fosse appro-
vsda a ai rematado pelo Exm. presidente da provincia.
Despacbirio-se os requerimentos de Jos Carlos Ma -
rink da Silva Ferrio, de l/al.el Joaquina Velloso d'Aie-
vedo, de Joio llernardino de Sena e do Manoel da Cu-
nba Soares Guimaries.
Designou-se odia 6 de novembro para principiar
4.asetsio ordinaria. E eu Judo Jos Ferreira de A-
guiar, secretario o escrevi.
Em lempo.Foi approvado a planta da Cspunga.e ae
mandou tirar a limpo, depois de lelatas necessariat al-
tetacoes. Dia e era ulsupra.Aguiar.
llegt Albuquerque, presidente Cintra. liamos.
Mello Cavalcanti. Carneiro Monteiro.
Eata carta
nu com aquella ruatnr-tc-hci cu niu.iuliia. >
onde esla ?
Ei-la aqui, diste o duque de Guise tirando-a do
arito.
M.ir;;orida quosi que Ib'n arraneou daa mina, nbrio-a
vinlenlaiucnlc, certifioou-tc que era com effoito n qu
icclunava, iitou um grito de alegra, c ebegou-a .
cliaiuma da bugia. O papel iifl.inunou-te. immediala-
nienle eu'iini inalanto cr.nsumio-te ; depon, como se ro-
ciaste que ato ma ciutoa ae fuate procurar o impruden-
te avian, Margarida detet coiu ot pt ua retios queima
doa do pnpel.
Todo calo febril mnviniento da sua amante acoropn-
nhrn coiu o olhos o duque do Guise.
Ora bom I Margarida, disto elle quando ella aca-
bnu, ettaia poniente agora ?
Siiu, Dgruue ngnra quo etlaia casado' com a prin-
ceia. de Poro#n*?liieu irilio perdoar-me-ha Votau amor;
i ntralonto qm- me niu perdoana o rcvelcao de um ae
gredo como case qncni misHin triiquesa pur vos uto
lite o poder de vo-lo-occollar.
11c rerdade, disto o duque de Guise ; neate lempo
me amaseis vt3t.
E vos* oiuo oiuda, Hcnrique, tanto e mais que
nunca.
Vos?.
Sim, cu; porque jamis como boje tire tanta ne-
ceaaidade dir um ami(o sincero e devntpdu. Son rainha
iin iciili ihrono ; sea catada, e nm lenbo marido.
U joven priuri| e inencoii a cnucea Insinenle.
Digo-vii-lo, e repito, llenrique, que meu marido
Aviso de 3 de stlembro de 1854, respeito do paga-
mento da multa pela falla de genero, mencionado no
respectivo manifest.
Ao ministro doa negocios estrsogeiros, participando
que foi indeferido o requerimento de John Msckellar,
espilio do briguo ingles Cor delta, que acompsnhouo
seu avi^o de 18 do mez lindo, no qual pedia a reslitui-
cio da quantia de 225O0O rs., que pagou de mulla
na alfandega da corle, pela falta de 60 barricas docer-
veja, que bavia manifestado; por isso que osupplican-
te, no aclo de dar entrada, nio fes doclaracio slguma,
antes urou ser verdico o seu manifest, e (era bordo
ludo quanto n'elle aedeclarava: nao merecendo alin-
elo o que depois allegtva de nfio baver embarcado a dila
cerveja, pretendendo provir cooi um aUetlado doa pro-
prios consignatarios.
DECRETO
Convindo obviar ot inconvenientes, a que dio lugar
as disposicoes do $ 6 do artigo 145 do regulamento
de 22 de junho de 1836, na parte relativa aa declara-
c5esdo sccrescimos e diininuieoes aos manifettot: -hei
por bem ordenar que aa dilss declaracea, que, em vir-
lude do referido paragrapho,"devem ser leitas dentro de
vinte equatro horas depois da visita da alfandega, o te-
ji no seto da mesma visita Os mestres das embarea-
V,5ea de commercio.que vierem da Europa,e coala orien-
tal d'America occidental d'A frica,(icio subjeitoss dia-
posico desle decreto,depois de (indos nove mezes, con-
tados da sua dala, e dezoito mezes as que viereiu d'alm
dos eaboa de Bo-Epernc e Horn.
O vi conde d'Abrantes, etc. ele.Palacio do Rio-
de- Janeiro em '22 ilejulbo de 1842, vigsimo da inde-
pendencia e do imperio.
Com a rubrica de S. M. o Imperador. Vitcondi
branles.
AVISO.
O visconde d'Abrantes, presidente do thesooro pu-
blico nacional, ordena ao Sr. inspector da tbesouraria
da provincia do Ceari que faca cobsIsi ao inspector da
allandega da cidade, mi resposla ao cilicio por elle di-
rigido ao tbesouro, na data de 14 de julbo desle anoo,
aob n 2, que as penal,que devem ter impostas, quando
o commandanta da embarcarlo declara traier a seu bor-
do mais ou menos mercadorias do que as constantes dos.
ma infestos, maa nao justifica nio ter havidointeneio de
fraudar,nio podem ter outras aenio as duiarligos 155 e
156; por quanto. sinda que nelles se exceplu-m aa
rnercadoriis.cujo accrescimo ou falta for declarada pelo
commandanle, be obvio que taes declarares, nio sen-
do devidamente justificadas e attendidas, como esige o
artigo 148, se deteot reputsr como so (eitas nio fos-
sem. As disposicoes dos ditos arligos teem lugar e (icio
em teu vigor depois mesmo do decreto de 22 de julbo
ultimo, quo nio fez mais do que exigir que aa declara-
cues dos commandantes fossem fetas antea da visita, de
entrada no porto Tbesouro publico nacional em 9 de
selembro de 1842 Visconded' branle.
Um. Sem. Sr.
Dos dous oflicios juntos, dos juiet de facto Jos dos
Santos Silva Medeiros e Francisco Antonio daCoita
Cabral, ver V. Etc. a difficuldade, em que me acho, de
rounir o concelhn do jury desta comarca por causa da
perseguirlo, que o delegad*suppiente, o coronel Heo-
rique Pereira de Lucena, com o subdelegado suppiente
Joaquim Tbeodoro de Vasconcelos Aragio, perpetrio
contra cidadioa innocentes, ocursos na sua desafetelo,
familias inteiras, como a do pacifico cidadio Joio Cor-
rea de Amorim, so por ette motivo, sio atropelsdss pe-
lo delegado suppiente, que, na visinhanca desta lamilla,
conserva ostensivamente um reo de policia.de nome Jo
Joaquim da Valentina, faiendo os maiores intuitos e
pritdes arbitrarias, deque teem tido victimas, e eslo
sendo, cidadios innocentoa desta familia, como o alfa-
res Francisco Corris de Amorim e otitro, una presos e
outros forsgidos ; de mancira que, se nio lossa a cor-
rectivo da lei, com que este juizo previne tantas pnsoes
escsndalosas, no carcere nio caberia mais gente, e a co-
das : Coas esta matars esta nuile llenrique de Guita, | o t me nio ama, cono me aborrece, me deapresa; e
iiSn he bem tiara prova detae odio, desse deapreso, a
votan prrtenca na eoinnra em que elle devie aidiar-aer*
Ainda nao lie tarde, niiolin Srn. cl-rei de Navar-
ra tinlia de deapedir oa aeu gentis-bomens, e te ainda
nio veio, n.'n, tardar a cliegar.
E eu vos digo, replicn Margarida cada tes uiaia
dcspeituva, digo-voseu que elle nio vira.
Seiiluu a, exi-lainou Gillunne obrindo a porta, e er-
guendo o rrpotloiro ; Senhora, el-rci de Navarra sai du
ten aposento.
Ob! cu bem sabia queelle bnvia de vir acudi o
duque de (juiac.
llenrique, date Morgorida rom vos breve, e tra-
vaudo da mao do duque, llenrique, va idea ver so suu
niiillier de palavra, c ao te pife contar cora oque eu
digo, llenrique, cntrai para eate gnbineto.
Senhora, deno-iuo ir cnibora. te l.e lempo anda;
rellecli, poja que ao primeiro aigual de amor que voa
elle der, sahirei eu deaae gabinete, e eutto, cuitado
ilelle 1
Etlaia louco; cntrai, digo-vos eu, cntrai, quo cu
reti-ondo por ludo.
( empiirrou-o para o gabinete.
Era lempo. Apenas a porta do gabinrle se fechara
nps do principe, que el-rci de Navarra, acompanbado
de dous pngeut, armado do dona candelabros oom oito
velas de cora cor de rota, ae aprcientou nsoiiho a porta
da enmara.
Margarida para occultar a sua perturbado fes una
profuuda reverencio.
(Canfinuar-M-Aa.)


miro estara despovoada. Hoje mesmo terei de conce- Aracaty.; 20diaa, sumaca braiileira F'lor-d'Angelim,
der dous habtat curpui com a maior justica. Tenho de do 90 tonelada, capitio Bernardo de Souze, equi-
respontabilisar este ernpregado pblicos, porque ai pagem 9. carga couroa, tola e algodlo, ao mesmo ca-
suas prevariceedea j nao podem admitlir indulgencia pitao. Paaiageiroi, Jos Marques Moreira, Malbeus
sem compromettimento do meu rfever ; e, sendo este, Jos Theodoro, Joi Joaquim Ferreira, edoui escr
ineio uuaii mproficuo perante urna tal deimonlincto, ^ roa, sendo uro entregar
seria melbor que V. Exc, eom aquella facilidade e de- tt^BBOBBaf^aamasBsmB^eBSiWB^ammBmmB
ver que a le Ibe incumbe, alliviuse os toffrimontoi e I L)et:laraC sustos continuo doi dadlo innocentes, e que sio a _-------- ,. -------------------------------------------
cid bora criminosos arbitrio de autoridades, que pa-j; Convida-SC aos Srs. socios do gabi-
roeem nio ser encarregadaida polica tenfio para ierem o
verdugo daquelles peccidore politics, que 180 avessos
sua amizade.
Um estado ti o perseguidor o deiorde i ro nlo pode con
tinutr ; tenho agotado iquelles meiot miis brindo e
polticos, que lei permute a preveni-lo; tenho em
parte o conseguido pela docilidade dette booi povo ; as
s compungen) .0 cornejo estes o ootro escndalo
cada patio, que tenho de participar a V. Exc., por me
ver obrigado a importuna-lo, afim de que me ajude a
preveni-loi ; diipensando-me de relatar infinitos laclo
do actual anarebisamento policial da comarca, onde
nioguem est seguro de nSo ir a cadeia. e de sorer in-
sultos e perseguirles dos agentes da Torca publica, em-
pregada mais para este misler do que o do bem publico ;
estado elle muito peior do que o da Turqua.
Dos guarde a V Etc. Limoeiro, 18 de novembro
de 1845.. Mu. Exm Sr.roncelheiru Antonio finio
Cbicborro da Cama, presidente da provincia. Joto
Mauricio Catalcanli da liocha Wanderley, juie dedi-
reito do crime da comarca.
lllm. Sr. Participo 1 V. S., que deixo de
comparecer na presente ionio do jury,' marcada para
o (lia 17 do crrente, para a qual lui torteado, se-
gundo me foi participado pelo Sr. doutor juiz mu
cipal do termo, por saber quo o subdelegado do dil-
uido da villa, Joaquim Tneodoro de \ asconcellos
Aragao, initauroo urn processo cootra mim e outrai
petioa dette lugar, tem uber-se qual sua origem; poii
a perieguicio aqu tem chegado ao eu auge, a pontos
de atada ela semana ter-ae cercado na villa a catado
pacifico cidadio Jos doi Santos Silva Medeiros, que
somenie tem o crime de nio perloncer a certa sucia, e
trarer o diitmctivo de urna pera; a vista do exposlo,
baja V.. S de relevar esta miiiba falta, filliu (rnente
da perieguicio dos mandd's do dia, servio lo V. S.
convidar para supprir eita minha falta a uiu oulro Sr.
juiz defacto, que perlenca a esta sucia; porque este,
anda que sejo criminosos de morte, esli habilitados
para todo o empregos pblicos desta comarca, como
V. S. bem sabe. Dos guarde a V. S por dilatado
annos. Piraukira, 17 de novembro de 184o. lllm.
Sr. doutor Joio Mauricio Civalcante da Rocha Wan-
derley, a.u digno juiz de direilo e presidente do jury.
Franciico Antonio da Coila Cabra!, juiz de fado
tortea-Jo.
*lllm. Sr Recebi o olicio de V S.,datado de ho-
je, para que eu comparece, como juiz de fado, para
poder tiabalbar a presente scsso do jury: tou muilo
e muito pr .milo a pretlar-me ao servico publico; mas
acho-me imposibilitado de comparecer, porque; logo
que da minha viagem do Brejo-da-Madrc-de-Deos
cheguei, a minha caaa j foi cercada na noble de quar-
ta para quinta-feira, por ordem do Sr. delegado sup
pente Henrique Perene de Lu;eoa, tem que eu ten lia
crime algum, e iou aviaado que be para na cadeia te
raspar a pera, estando j para to, presos preparados:
acho me portento acautelado para nio paitar por esta
deifeila, e lirva-ae V. S. attender a este impedimento,
cerro de que os empreados do polica doita comarca
actualmente,lobre o pretexto de pronder a torio ea di-
reilo, vio peneguimlo, e detfeitando a quantoi cida-
doi nio parlilho do partido dos oncarregado>: eis o
crime em que me acho iocurio. Dos guarde a V, S.
per muitoi annoi. Limoeiro, 17 de novembro de
18 45 lllm. Sr. doutor Joio Mauricio Cavalcante da
Rocha Wanderloy, muito digno juiz de direito do cri-
me, e presidente do jury. Joi dot Sanloi Silva Ue-
dtiroi, juir de laclo.
nete Iliterario para hojej as 4 horas e
oieia da larde, lepuirem-se em assem-
TOa geral, aHm de ae nomear a nova di-
reccao,e de se tomar algtuna medida cer-
ca da existencia dojmesmo gabinete.
_---------------
COMPANHIA DE BEBKRIBE.
A administracao dacornembia de Beberibe faz ci-
ento aos Sri. accionista, que em leuio de 20 do cor-
rente resolveo espasiar at o dia SO dedeiembro prxi-
mo futuro o recolhimento das prestiedes em atraso ;
que, (iodo esle prazo, perders o direiio d'accion islas
t dos aquellei, que nio tivercm realitado as preslaces
de 60 por cento al agora exigidas, revertendo as suas
entradas em beneficio da companhia, deconformidi.de
com a disposKo do artigo 9 dos estatutos. Adverte,
outro sim, que nio baveri proroguc.au do praio, oem
contempL/co com pessoa alguma. Escriptorio da com-
panbia, 24 de Novembro de 1845.O secretario, B.
J. 'trnandti de Barros.
na Alegos; est prompla deludo; be nova ; anda
nio fe viagem alguma, excepclo da em que vejo de-
poi de acabada ; o he milito boa de vela: quemorqu-a
ier, procoro a Antonio da Hlva Gusmao, na ru do
Queimado, n. 39, e, na sua hita, seu caixeiro Maia
Para o Aracaty seguir;!, com a maior brevdade, o
bem conbecido biate Noto-OUnda : quem nclle pre-
tender carregar, te entender com Antonio Rodrigues
Lima, na proca do Commerco, ou na ra da Cadeia-
Velha, n. 1, I. andar.
Para o Rio-de-Janeiro seguir em breve o pa-
tacho Felicidad : quem no mesmo quizer carregar, ou da provincia o eui escravo pardo, de Dome Miguel
embarcar eicravo, pode tratar com Amorim Irruios,
ra da Cadeia, n. 45.
1 reta-se para qualqucr porto do imperio, ou da
Europa, o brigue braiilero lndependente, de lote de 12
mil arrobi prompto a receber carga : a tratar com
Manoel Alvea Guerra. .
..raaarw wobmbapanw
PESTES A POLKA.
Moda da edrtt.
|/ Na praca da Independencia n. .31 feitos palo Sa-
mico : ests pentei lio feitos com todo o gealo e per-
feico, que se pode encontrar, e irftn disso tem a com-
modidade que faz a lenhoras 'bor ser de tamanbo
aufCeiente e de muito bonito modelo : na meima tam-
ben! so eonrpra troca-te e concerta-se toda e qual-
quer qualidade de obra de tartaruga, admittiodo ai
mesmai seu concertos.
Jote Mara de Barros Brrelo embarca para lora
Leiles.
EWGlUgAd.
fcF* Um peridico de Hamburgo diz, que, durante
o ultimo anno, emigrrio da Alleuianha par a Ameri-
ca 43,661 pessoas. Em Bremen embarcrio 19,863,
no Havre 16,660, e o resto em Hamburgo, e outroi
porto da Hollando e Blgica. A maior parle destes
emigrado forio estabelecer-ie nos Estados Unidos e no
Brasil.
COI.I.I'CTOIIIA DA CIDADE DE OLINDA.
O collector da decima e mais irnposloi da cidade de
Onda faz publiro a lodos os teus collectadot, com
prehendidos nos limites marcados desde oannode!839,
que do dia 1 de dezembro prximo futuro principia a
vencer-se o prazo de O das uteis. determinados 00
artigo20 do capitulo 6 do regulrmelo de 16 de abril
de 1842, par a cohranca, a Loica do colre, na cata da
cmara da dita cidade, do 1.* lemeitre do correte
inno de 1843 a 1846) da decima urbana; e que
neste meimo praio arrecadar a inait impoii(Oes,
qu" estio ti teu cargo pertencentei ao mesmo anno
financeir.; (indo o qual, incorrerd na multa de 3 por
cento, determinada no l.'do j citado artigo i, alm
de seren execulados. Uutrosiin, fas constar todos
os devedores dos impoilos dos annos anteriores, que
vio ser quinto antes remedidas as retardes de seus
dbitos ao uizo doi feitoa da Faionda, para seren exe-
culados; at quats j esli exlrabidaa e piomptas: e paro
que ebegue noticia lodos, manda fazer publico pela
presente. (Jollectoria de Olinda, 15 de novembro de
184S.O eicrivo, Joo Goncave Hodriguei Franca.
- O vapor Correio-Braiileiro recebo a malas para
o porlos do Sul no di 26, as 9 bura da manhia im-
preteriveln.entu ; as caita, que vierem depois delta ho-
ra, pagatO o poile dobrado.
- O eterivio e administrador da mesa de rendas in
lernas proviociaei desta cidade avila 1 todos os pro-
pietarios de cstabeleciuienlo de industria, que pagio
imposicOi'S provmciaei, taet como serraras, otaras,
fabriers de chapeos e do charutos, cam de camino,
de modas, e do leilSes, que anda te achio dever ai
referidas mpoticoet, que vii proceder executivamente
contra todo 01 collecladoi, que leem deixido de pa-
gar, nao l os dbitos correspondentes aos annot ante-
riores, como ao torrente anno financeiro. E para que
ebegue noticia de todos maodei afiliar o presente c
publica-lo pela imprenta. Meta de rendas internas
proviociaes do Pernambuco, 20 de novembro de 1845.
Lu; Francisco de Mello Cavalcanli.
COMMERCO
Alfandega.
Rkndimemto do du 21................11:1111341
Deicarregad hoje 23
SumacaNova-Auroi a\\xmo.
EtcunaS. Joitibatatal.
lirinue=('ejnriaoLacniliao.
BrigueLoperfarinba, barrica abltida u potisia.
IlrigueJuhantaboado.
Brigue AaAA//bicalbo
BarcaIitmacbnismo e carvSo.
IlijjueSxoord- Fuh mercidoriis.
Consulado.
REMDIMEMTO DO DIA 22.
Geral510*581 Provincial-66j063
A companhia italiana dar a repeti-
r o da applandidi.ssiina opera sentimen-
tal LUCA E LAMMERMOOU em
tres actos, chele d' obra de Donizzetti,
quinta feira, 27 do correte. A geral
acceilifSo, com que foi recebidoeste lin-
dissimo drama trgico, faz esperar a
toda a companhia um numeroso concurso.
Os bilhetes de cama 1 otes., e platea ven-
dem-se em casa do director, na ra No-
va, n. 7.
Na quinta-feira, 27 do corrente, s 11 horas,
porta do armazem do Sr Francisco Das Ferreira, no
caes da Alfandega, Bolli & Cbavannes farao leilio de
urna porcio de licores e de vinbo champagne.
Ocorretor Uliveira fjt6 leilio de boa porcio de
mobilia nova.vinda do Porto pelo Kn(ura-/'"e//z.capi
loSantiis.c nsistindo em commodas,mesas,marque>as,
sofas, loucadores, e cadeiras, etc. tanto de Jacaranda,
pao d'olho, como de cidrera; o que ludo so vender
pelo que der : quarta-feira, 6 do crranlo ai 10 ho
rada manbia, no armazem da casa o. 27, ra de
Apollo quasi defronte do desembarque do Porto
das-Canoas.
Pelo juizo de ausentes faz-se leilio dos bens do
fallecido Manoel Jos Machado Malbeiros. no da 27
do torrente, pela 11 boras da manhai, no escriptorio
do dito fallecido, ra da Madre -de-Ueos, n. 5; cujo
escriplo acba-se em mi do porleiro do juizo, ecujos
bens sio quatro escravos marinheiros, doui ditoi do
servido de ru, metide do brigue Feliz, forrado de
cobre e prompto a navegar, um carro de duas rodas,
um cava I lo do dito, ums cadeirinha do arruar, trinta
e sete saccas de farinha de mandioca.
Joio KclliT & C Istia leilio, por intervencio do
correlor Oliveira, de bello sortimenlo de fazendas pro-
prias deslo mercado, e a maior parlo prximamente
iinp riadas : boje, 25 do correnle, is 10 boras da ma-
nhia, no seu armajoT, ra da Cruz.
usos diversos.
Avi
isos manlinios.
lIoviiiH'iito do Porto.
Navioi enlradoi no dia 21.
Maranbo, peloCeara, Rio-Grande-do-Norte e Para-
byba ; 17 das, e 3 boras do ultimo porto, vapor de
guerra Correio frasileiro, cominandante o i.* te-
nenle Joaquim Salom Ramos, equipageo 33 ; pas-
Mgeiro Francisco Fidele Birroao o um escrivo,
'I'homaz dos ^antos Ro/a, para eit provincia e pa-
ra o Sul, o eacrivio da armada Manuel Joaquim de
Queroz, brasileiros ; 4 recrulas para a marinbi, e 1
eterno entregar.
Acarar ; 2o din, patacho braiileiro EmulacHo, de 122
tooeladaa, capitio Antonio Gomes Pereira, cqoipa-
gem 13, carga tola, a Manuel Goocalveida Silva.
PaMxgeiros Kr. Joi de S. Lorenco o um criado
padre Jo. o Francisco Da Nogueira e um eicravo,
Fraoritou Ferreira da Rooba, e Luir Jos de Franca,
Braeileiro.
Para o Rio-Grande tegua c< m brevidade o biigue
Jpiter ; recebe alguma carga & frele, assim como ei-
cravo : pde-e tratar com Jos Xavier Vianna, ra da
Cruz, ou na loja de cabo do Sr. Mamedc, ru do Viga-
rio, o. 7.
- Para Litbo pretende iabir, no dia 15 de derem
bro, o brigue portuguez T'iutnpkante, capillo Silveiio
Manoel do Beit ; quem no mesmo quizer carregar, ou
ir de peisagem, dirjate ao seus consignatarios Uliveira
rmeos & C., oa ra da Crui, n. 9, ou ao referido ca-
pitio, na praca do Commerco.
Vende-se o brigue americano (.'urie, de luto de
218 toneladas, muilo bom de vela, forrado e encavi
Ihado de cotilo : o pretendemos dii ijao-so aos consig-
natarios Henry Forster 4 C., na ra do Trapiche-Novo,
n.8.
A sumaca Flor-da -Cvtinguiba, torrada e prega-
da de cobre, capilio /tntonio Siniiio dos Reii, leudo
de regressar pera a Babia por ettn dial, receber car-
ga a Iretes baratos, e pasiugeiroi : irata-iu com Ma-
noel Duarte Rodriguei, ra do Trapiche,, n. ti.
Para 1 Babia tabe.com a maior brevidade postvel,o
patacho ntcional Fpatio-Santo : quem no mesmo
quizer carregar < u ir de passagnm, pira o que tem es-
colenles coininudos, dirija-te a owe 4 C. ,_rua do
Trapiche, 34.
Para o Aracaty tegue, em pouco dias.H lutnaca
Santo-Antonio-de-Padua, por j ter parte de seu car-
regamento prompto: c pretndeme dirijao-se 1 ra
do Vigario, n. 5.
= Para Genova ett a nbir o brigue Ilota: quem
nelle quizer eirregar, ou ir de paiiagem, dirija-se a
seus conaignatarioi Nascioienlo Scbaeflerd: Companhia.
. = Vende-te urna barraca, que pega em 24 caixat
de astucar goto, construid de boa madeirai, e feila
A CARRANCA.
Sahir.i hoje o n.146, e achar-ie-ba i vonda, as 3 bo-
rai da tardo, na praca da Independencia, livraria nu-
mero* 6 e 8.
B Aderte-ie ao Sr. Manoel Simplicio Carnetro
Leal, qaevenha, no prazo de oito das, romir o seus
penhores, visto que nio deo resposta a carta de aviso,
qo% se Ibe inandou ; o nio o fazendo no dito lempo,
serio vendidos para pagamento, e o mesmo Sr. lloar o
brigado pelo restante.
= Precisa-so alugar, por mez, alguna e?cravoi para
servico de litio, aoi quaca se dar do comer, e o joroal
que se Cunvenciunar : procurom na ra da Cadeia do
Kecife. o. 52, aonde adiar com quem tratar.
sr Permuta-s um terreno proprio, com 75 palmos
de frenle e mil o tanto de fundo, at a baixa mar do
rioCapibaribe, (endo tu frente da ra Imperial grande
obra principiada, em (oda a largura, para dua grandes
propriedades. com oito vio, ludo de pedra decantara,
capaz de levanlarem-se bous edificios, por algum litio
perto da praca, cujo valor nio exceda d quatro contos;
convindu a alguem, procure fallar nal Cmco-Pontas, n.
50, ao Sr.Jot Marlint da Cruz, ou no Itemedio, sobra-
do que tem olana.
A pessoa, que annunciou, tabbado, 22 do cor-
renle, querer comprar um moinho do moer inilbo, com
caixa ou tem ella, querendo um encaixado em urna me
, apparepa atraz do llieatru publico, n.20: na mes-
ma casi tambem se vende urna cadeirinha, forrada de
damasco de seda amarello, em bom oslado e por-preco
com modo.
= Aluga se, pelo lempo da fesla, para alguma fami-
lia pequea, urna casa terrea na ra do Jogo-da-Bolu,
em Olinda, pi.r preco razoavel; a qual esl pintada <
caiada de noto : quem a pretender, dirija se a Olinda,
loja nova da ra de S. Bento ; e no Kecife, ru de Apol-
lo, n.' 28.
Roga-se ao Sr. Manoel Rodrigues do Passo, por-
teiro do curso jurdico do Olinda, queira iraoBecife,
ra de Apollo, n. 31, queselbequer fallar a negocio
de seu inlereise, do meio-dia it Ire borai da tarde doi
das uleis.
- Precisa-ie fallar aos Sri Francisco Jos Alve Ga-
ma, Bernardino Jos Lopes, M noel Goncalvcs da Silva
Quoiroz, Joio Leile Torres Galindo e Joio Capistrsno
Torres Galindo : na ra do Queimado, n 25.
- Alugad-ie duas excedentes casal, para le paissr a
fesla, em Olinda, na ra de S. Bento, defront'.- da la-
deira do Varadouro, parede-meias i cata do Sr. Icnon-
le-coronel Manoel Ignacio ; quem as pretender, diri-
ja-se mesma cidade, ladeira da Misericordia, n. 3.
Precisase de urna ama de bons eos tu mes, que
liba cn^ommar, para o servico interno de urna casa de
pouca familia ; quem se ju'lgar neitai circumst niciss,
dirija se a Fra-de-Portas, ra do Pilar,-n. 145, pri-
meiro andar.
Joaquim Pereira Arantes pretende comprar a ar-
mario e fazendaa dat loja ni. 11, 13 e 15 da prafa da
Independencia, quo foraode Joio Baplita Marque da
Silva, e boje perlencem Joio Bernardino de Sena.
- 0 abiixo assignado avisa ao publico, que tem des
pedido ocateiro de sua loja de lorra^em, Joio Fer-
eandes Prente Vianna, e por isso est inhabilitado pa-
ra recebar qualquer divida, ou outra qualquer transac-
clo. Jote Luit Pereira,
= Alugi-se um sitio na margem do ro, entre a Ca-
punga e a Psuager, no lugar mais bonito, com caa as
lobradidi, czinha, quartoi para pretoie estribara fu-
ra, tiixa para capim e bol agoa de beber ; quem o
pretender, dirija-e ao Aterro-da-Boa-Vista, no tan-
que d'agoa.
- Aluga se o primeiro andar do sobrado da traves-
a dos Expostoi, o. 18, com commodo pira um* gran-
de familia: quero o pretender, dirija-te ao
ndir do mesma
Bernardo.
= Prreisa-se de um moco portugnez que tiiba
tribilbar em padaria e tomar conta de una Iregue-
zia de vender peo aqu meimo na praca; nal Cinco-
Ponas n. 30.
= Precisa-so de urna ama de leile que nSo tenba
llbo que seja sadia a tenba muito e bom leile ; na
ra das Cruzes n. 22, segundo andar.
Da se muilo bom po de vendagem a 60 rs. por
pataca, fabricado com s melhores fsriohs. que ha no
mercado; tambem precita te do um homem, que enteo-
da peritamente do servico de padaria para administrar
os escravos, paga-se bem: naiCinco-Ponlti, padaria,
n. 63.
Aluga-se um sobradinho com commodo para pou-
ca familia, na ra da Praia-do-Santa-Hita, n. 22: quwn
o pretender, procure as Cinco-Pool, padaria, nu-
mero 63.
Antonio \ eir Coelho embarca para o Rio-de-
Janero seu escravo de nooe Joaquim, de naci An-
gola.
Na ra do padre Florianr.o. caa, n. 39, coxe-ie,
com multa perfeicio, costuras cbia, bordado, velli-
dos, carnizas, enfeites para casticaes e bandeijas, ludo
por muito mdico preco
Precisase alugar um moloque par* servir a urna
pessoa, cujo servico consisto em ir buscar fre a caixa
do almoco o janlar, varrer a caa e botar sentido a ella:
na ra do Collegio, n. 4.
Precisa- alugar urna cicrava ptr* o tervico de
casa o ra, de pouca familia : na ra do Queimado,
n. li, segundo andar.
Aluga-ie loja da ru do Queimado, n. 14 : a
tratar no segundo andar da meim caa.
O abano atugnado faz scieote o Sr. credore
cunts na casa do abaixo assignado, junto a venda do
mesmo Ferreira, na Soledade, n. 20.
Franciico SimOei a Silva.
= Precsa-se, para criado, de um rapaz desimpedi-
do que teja Trance', inglez, allemao, ou americano ;
no Aterro-da-Boa-Vista n. 36.
= Aluga-se urna boa casa para si pastar a (esta,
com duas salas 4 quarlos cozioha (ora graoda
quintal com rio dentro ; em Olinda a fallar na co-
da conlronlo a bica de S. Pedro.
= Uflerece se um mojo portugus chegado ha
pouco de Portugal para amassador de padaria do
que tem bastante pralica tanlo de Portugal como
di.qui : quem (Je seu prestimo so quizer ulilisar di-
rija-so la larga do Itozario padaria n. 18.
= Precisa-se alugar um moleque que taiba bem
cozinbar ; quem o titer dirija-so o ra do Queima-
do loja demiudezas, n. 67 para tratar do ajuste.
Precisa-se saber, se existo Domingo da Coala Oli-
veira flhode D Anua Monteiro Salgado, que do
anno de I8^7e mudou para a p >voaceo de S. Luzia
de Motsor ou de cus herdelros, para negocio de
seu interesso ; na Iravessa da Madio-de-Deos n. 8 ,
echaraS quem explique o fm desta exigencia.
Quem echar um lenco de meo para Mnhora, ren-
dado e bordado, desde o buirro do Uejkb.ao da Boa-
Visla, querendo restituir a sua donjtfjbve na Boa-
Vista, ra da Gloria, sobrado de dout (ndires, D.
87, queso Ibe ralilicara com i.OtJfj r. pelo aebado.
0 padre Venancio Henrique de Resende ba-
vendo mudado a aua residencia para o sobrado, o. 33 ,
da ra do Roiario da Boa-Vista, contina a dar all
ices de laiiin, lrance< e inglez mesmo durante ai
ferias : as petsoas, que le quizerem ulilisar Je luaa li-
ccs, ah o adiar, das 8 at as ti lioril da minbii ,
e dal 3 al as (ida tarde.
Preciii-se de um crudo portugus, ou hespa-
nhol, dos ehegadui ltimamente da Europa, e que d
liador a sua conducta. Dirigir se a ra estrella do Bo-
snio n. 30, lerceiro andar.
* 0 Srs. G, A. de B. J. M. S. J. F. C. F.,
B C. J. e A B. (J. (ueirao quanto ante tiafa-
zer o que devem na ra da Cooceitio da Boa-Vista,
n. 8, do contrario se publicar seu nomes por exlento,
o o procedente de tuai divid que de certo nio hon-
rar muito a S. Ss.
Um moco de idade do 24 innoi, que escreve
conta bem ', se oflerece pira caixeiro de engenbo ou
adminilridor, e meimo pira outra qualquer arru-
madlo fura da praca : quem de seu prestimo precisar ,
dirija-ie a ra do Rangel, n. 54 a tratar com Vic-
torino Francisco do Santo.
= Aluga se urna rasa terrea muila larga na roa
da Soledade com duas salas 6 quarto corredor
ao lado cozinba fura com um grande quintal mu-
rado e outro dito cercado : e tratar na roa da Aurora ,
n. 68.
m l'erdeo-se na noule do 22 do correte na
la Formse da Boa-Vista um lenco de cambraia
de linho bordado: roga-se a pessoa que o acbou o
obsequio de mandar levara ra da Cadeia de S. Anto-
nio n. 5, junto a sociedade Apollinea.
Joio Rufino de Sou/a Peixe rdira-te para fura
dtta cidade, a tratar deiua laude.
= Precisa se alugar um preto forro, ou eterno ,
que entend do arranjo de urna cata e teja fiel : ni
tu da Cru n. 2
Aluga se urna caa terrea na roa Bella eom
duis salas 4 ilcova umi dispensa cozinba fra ,
ludo grande quintal cacimba e porta para um gran-
de aterro que tem pegado a mesma can : a tratar na
ra do Collegio, n. 15. segundo andir.
Manoel Feneira Ramos embarca para o Rio-de-
Janeiro um escravo pardo, por nomo Antonio, e orna
prela de Angola, de nome Josepba.
Aluga se urna casa de sobrado de qua-
tro andares, na ra do Trapiche-Novo,
eafundl mu'l fresca, e com muito boa vista pa-
ira o mar: trata-sena ra da A urora,n. 58.


m
: "-J-^.f
a-
Quem precisar de urna ami cora muilo bom lei-
tepara criar, dirija-so a ruado Caldeireiro por detras
doi Marlyrios n. 11, ou annuncie. -
= Aluga-se urna caa terrea nova com muitos
commodos eum grande lolfio quintal e cacimba ,
na ruada Palma ., n. 17 : a tratar na praca da Inde-
pendencia loja, n. 3.
= Aluga-sc urna meia agoa na campia da ra da
Alegra: a tratar na ra Velba Quem aanunciou querer cobrar dividas dando
fiador a su conduca, dirija-so a ra de S. Rita, D 15.
Compras.
= Compra-se o primeiro tomo da biitoria de Vc-
tor ou o menino da Selva ; na roa Nova, n. 29.
Compra-se um armacSo usada anda que nlo
leja glande ; ni ra das Larangerai, sobrado de um
andar n. 2.
* Compra-se o resumo de rhetorica por Francisco
Freir de Cartel bo ; na ra do Crespo, n 10, primei-
ro andar.
= Compra-se um braco, do Romin & Companbia,
para balance debalcao ; ni ra Nova, venda n. 65.
Vendas.
FOLHINIIAS
DE
ALMANAK
PARA O ANIMO DE 4846,
contendo os nomes de todos os emprega-
dos pblicos da provincia, dos cnsules,
negociantes, mdicos, cirurgiSe's, liotica-
rios, e dos principaes oiciaes da guarda
nacional, &c &c ; vendem-se na praca
da Independencia, livraria, n. 6 eS.
Vende-se a casa terrea da
ra das Cinco-Ponias, n. 43: na
ruadas Larangeiras, n. 12, segun-
do andar.
= Na ra das Cruies, loja de encadernadbr, n. 39,
vendem-se os siguiles livros :
Diccionarios de M orees da terceira edicio
Viagena de Antenor 4 v.
O Robiison de doze annoi, 2 v.
Elementos de civilidade compjeloi, 1 v.
P. Virgilii Maronis opera, so o3. volume.
Historia do Cubras, 4 v.
Historia Sagrada, so o segundo volunte
Historia de Carlos Vil 1 v.
Joanninba so o segundo volume
Viagens de Gulliver 1.*, 2.o e 3." v.
Noutei de interno
Ordeneclo do Reino 3 v.
Historia da antiga Grecia
Repertorio gcral das leiseslravagantcs por Manoel
Fernandos I homat 2 t.
== Vendem-se dous canarios de imperio ; um bicu-
do ; urna patativa d~a Parabiba ; na ra das Cru/cs ,
loja de encedernador n. 39.
Pela medida velha
vende-so farioha, ebegadu ltimamente de S. Ma-
tbeui, de superior qualidade, e por menos do quo em
uutra qualquer paite, bordo do patacho Venus, de-
fronte do caes do Collegio, e na ra da Crur, n. 54, a
fallar com Manoel Antonio Pinto da Silva.
RIJA DO COLLEGIO,
Loja n. I.
Vendem se superiores gravera de selim preto a 500
n.j casimiras, dai maii modernss, a 1,200 e 1,400 n.
ocovado; panno fino, preto e azul, a2,600 r.; meias
desenhora a 280 n. o par; chiles de lodaias qualida-
dei, de 1-20 a 500 n.; madapolocs, de 40 280 n.
cortes de chitas de todas as qualidades, do melbor
gusto superiores riscadoa Irancezes, i polka, a 360 rs.
10*000
5000
2000
1600
1000
400O
1000
1000
1000
2000
2000
tindo-se que se vende por este preco por
se adiar em barris grandes : etn casa de
.1. J. Tasso Jnior.
ATERRO l>A-IiOA-\ ISTA,
LOJA,N. 14.
= Vende-ie panno preto superior, cor fila a 4f
rs. ; algodio americano trancado, de liitrai, muilo
forte para pntos pelo barato preco de 240 n. o co-
riscados francezet a polka a 360 rs. o covado;
^
vad
e outrai muites fazendas por preco commodo.
- Vende-se vinagre branco
nacional, a 400 ris a caada ve-
lba: na ra do Aterro-dos-A lo-
gados n. 7 ; no Aterro-da-Boa-
Vista, fabrica de licores de Fre
derico Chaves; e na ra Di
reita venda n 55.
= Vende-io urna escrava para todo o servido por
preco commodo ; na ra Nova n. 33.
= Vende se um pardo escuro com principios de
oflicio dealfaiate ; na ra dasCincos-Pootas n. 42.
Atiendo !
= Vende-se leite sem mistura as 6 horas da ma-
nha ; as Cinco-Pontos n. 50.
Aos pintores.
= Vende-se colla superior, da Baha em porfi
de arrobas e as libras mais borato que em partea!
guma ; na rus da Senzalla-Velha n. 110.
= Vendem-se 3 escravas protas para todo o servico;
urna parda cose, engomma cuzinha e fai todo o
servico de urna casa; dous pretos para o servico de cam-
po ; dous pardos sendo um sapateiro e outro para
pagem ; um mulatinho de 12 annoi ; a tratar com
Antonio Rodrigue! Lima.
= Vende-se um banheiro de lolba, bom feilo, com
leu carro de madeira ludo novo ; na ra do Amo
n m n. 41.
= Vende-se um cavallo ruco, de bons andares,
muito furte e grande ; na estrilara da ra da Floren-
tina.
= Vendem-se bezerros de lustro para spalos, liem
lustroso e e nuci por prego commodo : na ra No-
va loja n. 28 de Autonio Ferreira da Costa Braga.
= Vende-se, a p' so urna porefio de eco e de fer-
ro batido em varias obras; na ra do Collegio so-
brado o. 4.
es Vendem-se carnes de angico ; ditas de arnarello;
marque/es de angico dos moldes tnais modernos que
ha ; cadeiras de dito; jogos de bancas de angico ; ditos
de Jacaranda; commodas de angico ; ditas de arnarel-
lo ; cadeiras para meninas ; puebadores e laidos para
gavetas ; tudo por preco commodo : na ra da Cam-
boa-do-Carmo, n. 8.
= Vende-se, na loja de cirgueiro na esquina d
ra do Cabug rap princeza de Lisboa chagado no
brigue Triumpkante a 4* rs. a libra.
sa Vendem-se jacuzes cum carne secca do serto ,
de mu o boa qualidade por preco commodo e com
i arrobas cada um ; no trapiche noto, a fallar com
Francisco Augusto da Cosa Guimaries, ou com An-
tonio Rodrigues Lima no largo do Corpo Sao|o.
=Vendcm-se sellins ingleses de patente promptos;
ditos fraocezesde regala-a-hunda; talinse cananas para
offjciacs de guarda nacional lano para oflicial monta-
do como do p ; espadas de roca e sem ella prateadas;
barretinas paraofllciaei ; ditas para guardas naeionaes;
curreiames de couro de lustro pera os ditos: na ra No-
va, o. 28, loja de Antonio Ferreira da Costa braga.
= Vendem-se chapees de teda de cores para senbu-
ra a 12* e 14, rs: muilo linos, delicados e de gos-
lus os mais modernos por serem chegados prxima-
mente de Franca : na ra da Cadeia do Recile. n. 41.
Vende-so tapioca de S. Cetharina muito alta ,
a2400rs ; tabaco tmi, da Babia: noarmazemdo
Braguez ao p da botica do arco da Conceicio.
Casa da l-'orluna, ra Dircita, n.ia.
Vcndem-ie caulellesda lotera do theatro que cor-
re imprelerivelmente a 25 do corrento.
= Vende-se cera de carnauba e aourelja, por pro
qo commodu ; na ra larga do Rozerio, n. 29.
Rap princeza de Ltskoa.
ss Vende-se na praca da liide|endencia o. 4,
e r.scaao a.. ., -, ... fc p,0Jliln8menle 4000 rs. o bote,
nutras muitas fa . = Vende-se urna canuca para um bol,
o covado; e
neite Diario : na mesma loja cima.
= Vondein-se coi tes de linissimas chitas a polka, e
aveludadas a At ra. ; linas da Ku.-sia n 1 a 880
r. a vara ; ditas n. 2 a 480 rs. : na ra do Ctcepo .
n. 16, segunda loja para quem vem da ra dea Cau-
tas.
- Vende-se cha hjsson em caitas de 13 libras, em
porcoes earelalho; e potasa americana ltimamente
ebegada ; meias barricas de farioba de trigo da marca
gallego : em casade MalbeusAuslin & C., na ra da
Alfaodaga Velba *n36.
em
bou
&

CHA HYSON
o DE BOM GObTO,
g E SUPERIOR QUALIDADE g
q Yende-se a 2s'56o ris cada libra:
0 na ra Larga do Kozario n. il\. O
O H
= Yenue-to por preco mais que barato um pe
queno sitio a mar'gem do rio com casa de vivenda
propoicio para viveiro, muilo perlo da praca por o la-
do da Psssegem ; na ra de Agoas-Verdes, n. 21, para
tratar.
= Vendem-se saccas com milbo a 3600 rs., a al-
queire oiedido a320rs. jna ra da Cadeia de S.J
Antonio o, 19. deposito de larinba.
__Vende-te nm eelum com lodos o mais arraiot,
em muito bom etUdo, ou quasi novo : na ra da Ca-
deia do Recile, n. 60.
__Vende-se a verdadeira potassa rus-
siana da mlhore mais nova.quese acha
ueste mercado, a a50 r. a libra, adver-
COZI-
rua do
para
uso; no Corredor- do-Rispo o. 8.
= Vende-ie urna cama de condur com armaco,
propria para meninos, por ser omito larga e baita dos
pi, n.ea duzia do cadeiras americanas um jogo de
henquinnai ludo em muito bom uso, por preco com-
modo ; na ra Formosa n. 1.
Vende-se urna faca de punta apparelbada de pra
ta propria para viagem *, uiu sellim com arreioi em
bom uso : na ra du Rangel, luja n. 45.
\ ende-se um cavado em hoas carnes, e ptimo de
tiagem novo e com alguna andares ; na preca da
Independencia, liyraria, ns. 6o8.
= Vende-se um escrato de naci, de idade de 20
annos bom cozinheiro ; duas negrinlias de idade de
14 a 18 annos cosem, e engommio ; duas ditas la-
vedeiras equitanderas ; 4 escravos de naci com bo-
nitas figuras, mocos e ptimos para todo o servico ;
dous moloques de idade de 13 a 17 annoi: na n
Direta n. 3.
= Vende-ieum carrinbo de dual rodal, em muito
bom estado ; e um cavallo muito bom para carro: na
ruaeslreitado Rozario n. 43, segundo andar, das
6 as 9 horas e meia da manhia.
= Vende-se feriuba de mandioca pela medi
Iba pelo meimo preco que a bordo dos barcui
Iboootu, tanto em saccaieomo a retalbo : no
zcn do pateo da Penba n. 10.
Vende-se um piano.noto, inglez, do melbor au-
tor, com su-S competentes cadeirM : a tratar na ra
da Cadeia do Recile, n. 34.
= Vendem-ie 8 escratoi mocos, bons par o tra-
balbo de campo ; doui casaes de ditos (casados) bons
para o trabalbo do campo por a iito. estarem acoslu
madoi; o eacravas mocas, engommio, a coiionio ;
duas ditas boai quitandeiras; 3 pardas, o urna he boa
para ama de casa; na ruado Crespo, n. 10, primei-
ro andar.
n.
Vende-se urna etcellenle casa,toda de pedra a tal,
com oit6es dobradoa om um dos melhores lugares da
ra do Amparo em Olinda defrontodb eobrado de
Joaquim Jos Rabello com 3 talas, 5 quarloi
nba quintal e mais arranjos : a tratar
Crespo loja, n. 10.
: Vende-se um preto.de 18 mnos de bot figB
; urna pardo, de 20 annos com otficio de carreira
o ambos proprios do todo o sertico de fl ^^mpo
umapreta, de 22 annos, pouo mvHi S tatitos, bo
figura e com habilidades, que so difj comprador;
na ruada t^adeia de S. Antonio n.JB.' i
Vende-se potassa muilo nova e de superior quali-J
dade, em barra pequeos: na Usa d Cadeia do Ra
cilc, armazem de assucar, *n. II.
= Vende-se azcle de earrfj kl cinco pataca!^
caada ; no Alterro-doi-AfW t 7-
= Vende-se urna linda pratld*. Angola de 19 an-
nos coinha, lata o engomma ;-lfeasal de escravos
de naci com urna cria dd 2 Janoa por 70O# it.,
em razio de seu lenbor retirar-ie par, tora : na ra da
Senzalla-Velha n. 110.
= Vende-se um sobrado com muito commodos pa-
ra umi familia grande de um andar a loUo lojts
lepertidas, quintal, cacimba, ou aluga-te; a tra-
tar na ra do Cahug loja de miudetat, n. I D ou
na ra da Praia de S. Rita lobrado do Mendonca ,
primeiro andar.
= Vende-so vinagre de vinho tinto de superior
qualidade a 500 rs. a caada em pipes a rs ci
das; na ra da Senzalla- Velba n. 110.
= Em casa do abaizo asignado tendem-se chpeos
dmol, deaeda de todat as qualidades dot melbo-
rei goslos e oimaii luperorai em qualidade; cbapeo de
tol, de seda a 5/ ra.; assim como um lortimento de
chapeos de sol, de panninho : na mesma cata conti-
nuio-se a cohrir chapeos de tol com sedal furta-cre
edelodasaiquahdadei e tambem de penoinbo de
todas as core* ; tudo por mais commodo preco do que
em oulra qualquer parte : na ruado Pasieio-Publico,
loja de chapeos de tol. Joo Loubit.
s= Vende-se um estallo alatio cachito, novo de
5 annos, com buns andares e muito manco at
proprio para muotaria de senhora ; as Cinco-Pontas ,
padaria, n. 03
Vende-se urna caa t rrea construida de novo .
com sala independente 5 anerios, lita na ra da
Alegra : na ruada S. Cruz na Boa-Vista n 38.
j= Vendem le laccoi de milho ; ditos de arrot de
casca ; tudo novo : tambem se vendo medido a vunta-
de do comprador : na ra da Cadeia do Recila ar-
mazem n. 8.
= Vendem-ie 18 eicravot, sendo 4 moloques pe
cas, de 12 a 18 annos, bonitos; dous pelos coti-
heiroi, de 20 annos; 3 pardas, de 20 annos, com
habilidades; 9 pretas, de 18 a 25 annos, com habi-
lidades; um fardamento para inferior de guarda na-
cional, completo: na ra das Flores, n. 21.
^ Vende-se urna venda no pateo do Hospital
14 : a tratar na mesma venda.
= Vende-se urna porcio de larinba do Maranbio ,
em arrobas e libras da melbor que tem apparecido no
mercado por preco commodo ; na ra Nova, venda ,
n. 65. .
= Vendem-se os pertences de um deposito de pa-
daria sitonaruadoAragio ; um caiiio duaa La-
hincas urna grande o outra pequea um balciocom
sua gaveta um terno de pesos de urna arrob
meia libra ; tudo por preco muito
doLitramento padaria, n. 32,
psito.
= Vendem-se20 caitas vasias pora assucar
1008 rs. ; na ra da Piaia serrara do Cardeal.
= Vende-te urna escrava de naci de boa figura,
de 24 annos, ptima quitandeira ; um*scravo de na-
ci de2aannos, ptimocerregador do palanquim ;
um crioulo para o servico de campo : na ra dat Cru-
ios, n. 22, segundo andar.
= Vendem-se algumas pipas, quartolas a barra
vasios de azeile arqueados de ferro ; na ra da Sen-
zalla-Volha n. ItO
= Vende-se urna firma, moca, de boa figura,en-
gomma e cozinba perleramente ; no arco de S. Anto-
nio, n. 2.
= Vende-se um escravo.de 22 annos de idade,
bom carreiro e proprio para todo o servigo de campo;
na ra da Conceicio da Boa-Vista n. 58.
= Vende-ae um lindo molequo de naci Angola o
de ptima conducta; na ra estrella do Ro/ario, n. 31,
primeiro andar. .
='Vendem-so saceal com Blqueire de farmba de boa
qualidade, por preco commodo; na ra Direta n 9.
= Vende se ferinha de mandioca muito superior,
a 3600 rs. cadasacca ; charutos da Babia em gran-
des porc8es e nio sio lora de preco; no largo do Cor-
do Santo n. 4.
No novo deposito de padaria a refinacao, na ra
larga do Rotario n. 23 vende-se pi muito bem
trabalbado ; boleta; bolaiiflbae biicouto doce; dito
agoado ; fatiai proprias para chi; awucar branoo re-
finado mascatado e branco ero caroc,o ; caf moido ;
tudo muito em cunta.
nm Vende-se por 20 rs. o diccionario de Mo-
raei, da quarta edicto ; na ra Nova loja n 58.
Vende-te urna porfi de cavernas grandet de si-
cupira propriai para canoa aberta ou de conduzir
agoa ; na ra de Apollo n. 28 a tratar
Estoves da Silva.
Vendem-ie ancorelat de ateitonat ; urna cor-
rente de ferro de ancora de navio ; coeirot de algo-
dio ; retroz tortido ; chapeo de tol, de leda ; urna
bomba grande de cobre e guarnicio de bronze ; urna
glande porfi de brome em obra usada ; fechaduras
grandes para*portas ; sapaloe ordinarios para horneen;
tudo se vende por preco commodo : na ra do Viga-
rio n. 9.
Vende-se, a dinbeiro, ou a p'rato conforme se
conveocionar a linda casa a moderm de dout anda-
res e sotio com verandas de ferro e em cbiot pro-
prioi lita na travessa de Madre-do-Deot n. 7 : a
trater com o correlor Oliveira.
Vendem-ie, por preco commodo, duai hincas de
Jacaranda ; um caoap; duzia e meia de cadeiras ; tu-
do em muito bom usu : na ra dot Marlyrios n. 7.
Vende-se tinta deescrever em polet pequeos,
ingleza bem preta a 120 rt. o pote; na ra larga
do Rozario loja de miudezat, n. 35.
Veiidem-ae luvat da teda prala, de peso, para w-
oSkra e meninai; aapatot da duraque preto e da co-
riV, de Lisboa ; ditoade lustro botina, butet.e ta-
ita de bezerro e de lustro para bomom e meninos ;
tinas de duraque coro pona, de lustro para meninoi
ninas ; pontea da marim granM.. para tirar
Iho de superior qualidade ; meias e luvas de lia
lar doonte ; Ulberea para cnanpas; rap de Lisboa ;
idros com superior calda da tomates; mermelada: na
ua da Cadeia loja do Bourgard.
__Vende-se um escravo de 20 a lntoi annos, de
bonita figura ; na ruadoQueimado loja n. 19.
__ Vende-te um terreno com 60 palrooa de frente,
a 260 de fundo com caei de pedra serrarla e um
quarto de madeira ; um preto serrador, que aabe ap-
parelbar lano tarramenta como madeira: na roa de
g. Rita n. 16, segundo andar.
Vende-se, para fra da provincia ou para o
matto urna bonita escrata da naci por preeo bai-
lante commodo ; na ra das Trincbeirai, n. 25.
Escravos Fgidos.
ate
commodo: na ra
ou no meimo de-
por
Fugio o preto crioulo Izidoro alfaiate e bo-
lieiro ; loi escravo do Eim. bario de Itamaraci ; he
muito condecido neita cidtde : quam o levar a roa da
ienzalla-Velha o. 110 recebora de leu leohor ,
A Ivs Vianns, generosa gralificacao.
Fugio, no da 9 do correle um preto de naci
Costa ; corpo regular, estatura alta bastante retinto,
com muitos sigoaes de becbigaa no rosto, p< grossoa :
quem o pegar, leve ao escriptorio de Joiu Pinto de L-
caos # Eillio ou a ruada Aurora n. 8, que aor<
recompensado.
Fugio, no dia 13 do correte, urna preta de no-
me Mara do naci Cae.nge representa ter 30an-
nos estatura regular car bechigota, nariz chato ,
denles alvo psapalbotado ; levou vestido de chitt
azul de flores amarellas ni de metim preto usad,
panno da Costa /ul com matames brancos as pon-
tas e he vendedeira de frotas; coituma andar pelos su-
burbios.desla cdade vendendo e comprando: quem
a pegar, leve a ra do Queimado, n. 21, que sera re-
compensado.
Fugio, na noulo de 20 do correte um caval-
lo pequeo caslanho com o talho da cauda branco ,
com sellim ja usado, e eitriboi de afo : quem o pegar,
leve ao litio de Francisco Antonio da Oliveira, na
Ponle-dc-Ucbda, que aera generosamente recom-
pensado.
Fugio no dia 22 do cqrrcnte um molequo de
non.o Joo de afio Mocambique repreteuta ter
18 annoi de idade ; lem urna roda na testa dente
abarlo de forquilba cara* redonda, nariz chato ,
orelhaa furada; levou camisa de brim luja caifas de
dito trancado; quem o pegar, leveem I'ra-de-Porta,
ctaa de Thomat Jos Nevvt, que recompensar.
SOrOOOr. de gralificacao
a quem pegar o escravo de nomo Jos de necio Mo-
cambique marinheiro de bordo do brigue Jpiter;
cujo escravo veio para larra na noute de 23 para 24 do
crrente com os signaei leguintes; estatura regular ,
cor preta, nariz grande e muito chato, com marca
Je bechiga; levou caifas e camisa de algodio azul
trancado e barrete a ingleza na oabeca ; quem o
pegar, leve na ra da Cruz cata de Jos Xavier Viao-
na ou na ra do Vigario loja de maitamei de Fran-
cisco Mamede de Almeida n. 1.
' Fugio, no dia 7 de outtibro p. p.,
um cabra de noiue Luiz; representa ter
ao a q5 annos de idade, estatura baixa,
sem baiba, cara redonda; levou urna
trouxa de roupa : provavelmente elle ha
de ignorar os- caminhos daqui, e ha de
perguntar a alguem por elle, por nao
ser daqui, mas sira do Gear, de onde
veio, ha tres semanas, contadas do lem-
po, em que elle fugio: quem o pegar, le-
ve- o 1 na da Cruz, n. 10, que ser re-
compensado..
Fugio, no dia 11 de outubro urna preta de no-
me Joaquina, de nafao Cacange repioii nta ter 30
annot, estatura baita ebeia do corpo, cor lu* com
falla de cabello no meio da caneca de carregar paso ,
com csrne sobre os olbos urna pequea costura na fa-
ce esquerda nariz chato com lalta de dous denles oa
frente de cima sendo um de cada lado Leicos e fei-
coes grosseirsa peitos pequeos, e mundos; tem nal
costas algumas cicalrize de telho ; bo bem fallante ;
levou pann > da t osla e vestido de ganga azul e
mais roupa quo se nio sabe de qual usara ; tem tido
vista para aa bandas da matriz da Varzea,vendenducocos
e coutea em um panicum e suppoe-se que toda por
ah: rogase as autoridades policiaca campeabas, ou
qualquer pessoa deapprehende-la e leva-I ao seu sa-
ri bor, Domingos da Silva Campos, na ra duCruzes, n.
que generosamente recompensar.
= Fugio, no dia 19 do corrento um preto de no-
mu Paulo de naci Cuita ; sem talhos 00 rosto re-
presenta ter 25 annos, alto, ebeio do corpo cor fule ,
rostu comprido e de feuSes linas ; lem todo 01 den-
lo na frente e sio miudos e alto anda be um Unlo
bucal ps um tanto incoado e o calcaohare racha-
dos e alguma cousa feridus ; levou ceroulas e camisa.de
algodio da Ierra e um bonete ordinario com lislras
encarnadas : roga-se as autoridades policiaes, campa-
nhas ou qualquer pessoa, o prendi ou faci pren-
der e levar a sua senhora Clara Mara da Conceicio ,
no engenbo Goiabeira ou a Joio Jacintho Moreira ,
na ra das Cruzes, n. 2, que generosamente recompon-
dr.
= Fugio, no dia 20 do correte, um preta, que
representa ler 50 e 35 annoi de idade de uonie Joan-
na de nafao Mocambique altura regular secca do
corpo com alguns calombos desde a testa at o quei-
to ; levou um vestido desbutado e urna saia azul, pan-
no da Costa atul argolai lisas nal orelba : quem a
pegar, lavo ra Direta 0. 41, que lera recompen-
sado generosamente.
PERN. i NA TYP OE M, F OE FAMA 1845 .


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERJKOMXY4_VC8MEJ INGEST_TIME 2013-04-13T03:13:45Z PACKAGE AA00011611_05924
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES