Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05920


This item is only available as the following downloads:


Full Text
m

<..
Jlnnodc 184.
"_______L------J-.-^.JJ
O DIARIO puulica-sc todos
nao forem de guarda: o preco
inra he de igti. por quartel npac
dot. vjj uuuuucloados assignantes sao
ridota raiio de SO ris por Hnlia, 40 i
typo dtlfererite.eas repet^rtes p*W metade.
Os que nao forem assigawttes paffo 80 ra,
jmrlinha, e 160 era tyi>o differente.
rHASES DA LA NO MEZ DE NOVEMBRO.
Creicente a 6 as 3 h. e 55 minutos da tard.
I.ua chela a 13 as 10 hor. e 35 ma. da tara.
Mengoante a 22a2 hor. e 6 m. da tarde.
I.ua nova a 29 as 9 h. e 29 min. da raanhaa.
Coianna, Parahyfca, e Rio O rae de do [Vor
Segundas e Sciuu f>
Cabo, Srrinliacni, mo^BBp, Porto Cal
vo, e Maccy, no 1:* ty*21 de cada mes
Oaranhuns e Sonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e28.
Victoria as Quintas feiras.
Olinda todos os das.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira, as 9 h. e 18 min. da manhaa.
Segunda as 9 b. e 42 minutos da tarde.
ile Rfrembro.
Anno Mi ^. f.

das da semana.
17 SegundaS. Gregorio, aud. do J.dosorp.
edoJ.doC. da 2. v., do J.M. da2. v.
18 Ter$a fe. Rnmo, and. do 1. do civ. da 1.
v., e do J. de pai do 2. disL de t.
19 Quarta S. babel, aud do J do civ. da
2.* v., e do. J. de pa do 2.' ditt. de t.
20 Quinta S. Flix, aud. do J. de orpli. e
doJ.M. da i. v.
21 Sexta S. Gelaiio, aud. do J. do civ. da
1. v., edo J. depat do 1. ditt. de tard.
22 Sabbado S. Clcllia, aud. do I. do civ. da
1.' v., e do J. de par do 1. dist. de urde.
23 Domingo S. Lucrecia.
CAMBIOS NO DA 19 DE OVEMBRO.
Cambio sobre Londres. 27 d. p. laflOd.
Parb 355 ris por franco.
>. Lisboa 120a 125 p.c.pr.p.m.
Desc. de fet. de boas firmas 1 '/, p. / raes
Ouro -Oncas hespanholas 3I#000 a 3l#500
.. Moeda de 6/400 ve!. I6^H)0 a ti
de 6/400 nov. 1
de 4/000 .
Praa-Patacde -.b+.
' Pesos 'ofiinnares.
Ditos Mexicanosr*.
Prata miada. .MM
a.l7IB00
1/940
lO a 1/880
roo a .1/760
Acedes da C." do Beberibe'^fO/JOOao par
DIARIO DE PERNAMBUCO
t '
PARTE FHCIAL.
GoVerno da provincia.
BtrimimTe v ni* 18 do cbrente.
Officio Ao inspector da Ihesourtria da faienda, n
tlli;enciindn-o de ha ver nomesdo o guarda d'alfande-
ga Antonio Francisco Xavier para o lugar de igual ca-
tbegoria, quetgou na mes do consulado.
DitoA o mesmo, determinando, que com os doui
conloa de ris. marcados pelo tribunal do thesourn para
osconcertos da caa da relelo desta provincia, mande
proceder aos reparos, de que ella precisa.
DitoAo commamiante superior d guarda nacional
da Boa-Viits, recommehdando a expedidlo de suas or-
deei, para que quinto antes lolicitem ai reipeetivn pa-
tente! aquelles d officiae* da mesma guarda nacional,
que ana* ai nlo teem.vwtoser muilo necenirio so ser-
vico, que ellei entrem em eiercicio. e ni poder islo
verifiear-ie, sen que eitejio munidos PortarjaOrdenando, que a Joaqoim Canuto de Fi-
gu'iredo te pane patente de coronel ebefe da terceira le-
giio da guarda nacional do municipio do Recife. Pir-
cipou-ie io respectivo commmdante luperior.
DitaReformando a Joio Yieira de Mello no posto
demejordo tereeiro batalhio da guarda nacional do
municipio do Bonito.Para substituir*o reformado no
meoa se Joio Francisco Florencio e communicou-se ao
cbsfe da legiio do Bonito e ao nomesdo.
Com man do das Armas.
CircularEm virtud do convite.que S Efe. Reve-
rendsima, o Sr. bispo D. Joto da Purificarlo Marques
Per.digio, dignou-se dirigir ao brigadeiro commandsn-
te dit irmn pira acompinbir, conjuntamente ot Srg.
oliciies, a solemniasima procinao Corpus-Chriiti.
traoimitteomeimo brigadeiroaseus carneradas eiti eJi
ficante diiposirio do nosso virtuoso prelado, desojando,
que compareci na igreja matriz de Santo Antonio, pu
las 4 boraa da tarde do dia 23 do correte mez, em dei-
empenlto da religioiidade. que Ibes be inherente. Quar;
tel general ni cidade do Becife, 18denovembro de
1845.Amonio Cor rea Stara.

EXTERIOR.
REVISTA POLTICA.
Hespanha. A familia real permaneca em Ma-
drid sem novidade alguma, cdizia-se que fariauma
viagem Sevilha, onde se demorara at primave-
ra. Ajunta-se, que por esta occasilo a familia real
dcllcspanha ter urna entrevista com a falimia real
de Portugal.
Diz-se achar-se decididamente accordado entre a
Hespanha, a Franca e a Inglaterra, o casamento da
rainha de Hespanha com o principe Leopoldo de Sa-
xonia-Coburgo.
Tinhao-se trocado as ratificacOes do tratado de paz
o amizade concluido entre a repblica do Chili e a
Hespanha.
Diz-se que em breve se publicar a nomeac.lo do
pessoal do concelho de estado, e regulamento deste
tribunal.
. Segundo asseverro alguns iornaes, tinha parti-
do para Roma um correio de gabinete com a respos-
ta do govorno hespanhol s ultimas propostas do pa-
pa.- Parece que o gabinete de Madrid quer ter urna
resoIu^So das suas negoctacOes com Roma, antes de
se abrir o parlamento.
O governo hespanhol publicou urna nova lei de
inslrucfito primaria, que, segundo a opiniloda im-
prensa conservadora, satisfaz todos os desejos e ne-
cessidades; e um decreto, regulando a maneira,
por que hilo de ser remunerados os servicos feitos
pelos membros da magistratura.
A autoridade superior administrativa de Madrid
mandou que se procedesse rigorosamente contra as
casas de jogos e individuos, que as frequento, em
consequencia do escndalo, que estavflo dando,e ler-
riveis resultados, que d'ahi provm.
Promulgu-se a nova divislo -territorial de Ma-
drid, dividindo aquella capital em dez districlos.
SBlMtSBiMMifSMsT~i"ir i "ni Jan mmmmm*mmm
FOL
UM CAPRICHO DE PRINCIPE. (*)
OOWTOfUA
9A
DO CAPITULO X.
(N. B. Oprtienle artigo devia ter Ai publicado anlti
do cap Hulo XI. oqut por engao ten&ofes. fideiat'tu
de 17 do con ente. I __________^___
A verdade era que no meio datuniefoiai nrccou-
puCV da ana prnea niu lutna, liavia o jiiincipefntoira-
nienle riqueciilo as pnlavrai ll rninlia; o Mr. de Besen-
val pelo nontrariu s liavia recordado, e ilcsde a veapera
que apremava eons- tndna $ seua votos etae ninnieuio
cera tantu ardor draejailn. A palavras de Marie-Auoi-
nclie llieesiavlo vravadaa m memoria em ceractcrc >-
delevetl 1 nemdT)alde Imvia ella deixado eahir deaeiis
subi-raiiui labios essaa palavras mgicas, que Iba presa-
() Vide DUrU n.* 257.
Em todo o reino constava haver completo socego,
achando-se os animo orcupados com as prximas
eleicOes municipaes; nasquaes se julga triumpliara
o partido conservador, apezar dos esforcos, que fa-
zem os eus contrarios para Ihe disputar a victoria.
O arcebjspo de Tarragona, que se achava emigra-
do em Roma, havia regressado Hespanha, presta-
do o juramento a rainha e constituicSo, e tomado
posse da sua diocese, onde j comecou a esercer a
autoridade, que Ihe fdra delegada peto papa, substi-
tuindo algumas autoridades ecclesiasticas, que para
all tinhSo sido nomoadas pelo governo, por outras
por elle nomeadas. Este proced ment he altamen-
te reprovado pela impreosa da opposico.
Corra em Madrid o rumor de que, no dia dos an-
nos da rainha, se publicara urna amnista ampia e
completa.
Franca. A familia real continuava a residir no
palacio de Eu. ,.','
O ministerio francez j tinha vencido duas elei-
cOes das dez, a que se devia proceder para supprir
os lugares vagos na cmara dos deputauos.
Diz-se, que o marechal Bugeaud se reconcilou
completamente com o ministro da guerra, ejque, re-
nunciando o seu systema de colonisacflo militar, he
provavel que o marechal volte outra vez ao governo
de Argelia. ,
Corra em Londres o rumor, de que a rainha fara
urna viagem irlanda.
Tambemaedizia queS.M. Brtannca,na prxima
primavera, far urna visita S. M. Fidolissma a rai-
nha de Portugal. Ajuntava-se que em breve chegara
Londres, de caminho para Lisboa, o duque Fer-
nando de SaxoniarCoburgo, c seu filho o principe
Leopoldo, que se anhio actualmente em Vienria.
Diz-se que esta viagem nao ho estranha ao projecto
de casamento da rainha de Hespanha com um prin-
cipe unido pelos vnculos do sangue com as familias
reaes de Inglaterra, Franca, Portugal o Blgica.
O l'himet aecusa fortemente o ministerio inglez
Eela 9ua falta de resolucSo as relaces com a Repu-
lica Argentina.
O Monitor Belga publica um decreto, nomoamlo
urna commissfio para averiguar o estado das classs
operaras, e propor os meios de o melhorar.
O frrfto-concelho de fcooeeoa fixou om 03:00 lf-
bTas sussas a somma total.que devem pagar de mul-
ta aspessoas do cantao implicadas nos ltimos acon-
tec mentos.
0 papa assistio funccjto da Natvidade de Nossa
Senhora na igreja de Santa Mara de Populo. S. San-
tidade pareca gozar de boa saude.
A agitacno contina as legacOes pontificias.
O governo do Hanover acaba de prohibir os desa-
fos, entregando aos tribunacs os cmplices desle de-
licio.
NaSaxonia os acontec mentos de Lcipsich parece
que scriao objecto de deliberares das cmaras.
Diz-se, que o ministerio ter a luctar com urna lorie
opposic3o'.
O grao-duque e a grSa-duqueza de Oldemburgo ti-
nhfio chegado Venna. Esperava-sc em Trieste a
rainha da Grecia.
Assegura-se quo o Imperador da Russia vira reu-
nir-sc a sua esposa,logo que esta estabeleca a sua re-
sidencia na Sicilia.
As noticias de Constaritinopla dizem, que Ilalil-
Pach fra nomeado ministro do commercio ; Mus-
tapha Nourri, pacha de Broussa, Saida-I'ach, reti-
rado dos negocios ha oito annos, ministro do conce-
lho imperial. Attribue-se este rctrocesso influen-
cias do serralho.
Alguns ministros achavo-se. ausentes de Pariz.
0 das obrar, publicas tinha ido inspeccionar os traba-
Ihos dos caminhos de ferro do Meio-dia ; os do rei-
no e marinha estavflo em Eu ; e o da guerra perma-
nece na su propriedade de Soulterbcrg. Esta dis-
persaodos membros do gabinete indica que a reu-
niffo dos ministros nao he necessaria, e que nao se
estem vesperas de grandes acontecimentos polti-
cos, nem de importantes medidas governativas.
Teem-se publcadoe vaopublicar-se muitosperi-
dicos novos, annunciando-se cada um como repre-
sentante de urna nova fraccao dos partidos existen-
tes : sobre tudo uns repellem a poltica do gabinete
Guizot, outros rejeitSo a dictadura que Mr. Thiers
exerce na opposicSo. Tudo islo augmenta o inte-
resse, com que se espera a prxima legislatura, que
deve reunir-se em dezembro. Todos ostflo impa-
cientes por ver, em presonga um do outro, o partido
conservador ou ministerial, o o purtidu daopposi-
cuq, composto le tantas frac qcs polticas, para en-
fSo conhecer a forca numrica de cada um, e poder
ajuizar do futuro que espera o actual gabinete. FWO
se renovarO as quesWes de Tahti e dodireito de
visita, mas, em vez destas, ventilar-se-hao as ques-
tss de Argel, do tratado com Maocos, e do mono-
polio dos caminhos de ferro, sobre a ultima das
quites, o ministerio ser vivamente interpello, e
especialmente pela adjudicacao que fez de um dessos
caminhos casa do Rothscluld, a respeito da qual a
imprensa tem sustentado activa polmica.
Segundo diz um peridico francez, os Inglezes
lentSo apoderar-se do estreito de Maga I hiles e de
urna parte da Patagonia.
l'elo ministerio da marinha se nomoou urna com-
misso para lixar o trabalho e salario dos operarios
do araenal esta commissaoso oceupara Umbem de
preparar os orcamentos da despeza do material e
milod'obra de cada artigo.
Assegura-se que 1). Carlos e sua esposa ja recebo-
rao os passaportes para se relirarem para a Italia,
niz-se que estes principes visilarad pnmeiro algu-
mas cidades daquelle paiz, o s fixarau a sua resi-
dencia cm Roma para a quaresma.
Inglaterra. A corte de Inglaterra permaneco na
ilha de Whigt.
A rainha Victoria mostrou-se, na sua volta a In-
glaterra, muito satisfeita do acolhimento que rece-
bra da familia de seu esposo, e ltimamente da do
rai Luiz Philippe; e diz-se que annunciara ao rei
dos Francezes fazer-lhe urna visita em Pariz para o
annoque vem, cumprindo assim a promessa feita ao
duque de Nemours, quando esteve em Inglaterra.
I)uvda-se, porm, que o ministerio deixe de con-
trariar esta viagem; porque a alfeicilo docidida que
a rainha mostra pelas excursoes a diversos paizes
tem assustado os homens influentes do partido lory
que temem, ate ceno ponto com fundamento, os po-
ngos, a que, em tilo frequentes viagens, se expe a
rainha, c com ella a soi te do paiz.
Na Irlanda continuao os orangistas a agitar-se ; c
o ministerio, constante no seu systema de impaicia-
litbvtie, tum doiiiittido o luneoionnrio impliearfo,
qut-rsejaoorangistas-, qur revogadores, em quanto
n3o chega a poca da reuniilo do parlamento, e se
torne a por em vigora lei, que prohiba asdemons-
coes dos orangistas. Estas quesies teem tido a van-
tagem de fa/.eresquecer um pouco 0' Connell, cujos
actos j n3o chamilo tanto aattencao.
Blgica. A abertura da sessfio extraordinaria
das cmaras belgas verilicou-se no dia lOdesctem-
bro ; mas nao houve discurso do throiio, apresen-
tando o governo apenas urna declaracao dos motivos,
que foziilo necessaria a reuniilo extraordinaria das
cmaras. O ministro da fazciula leo tamhem, de-
pois desta declaracao, um projecto de le, pedindo
um crdito extraordinario de dous milhesde fran-
cos; uue se declare livre a importacSo, mediante
um simples direito de batane., e ate ao 1." dejulho
de 18>6, de todos os cereaes ; e que se prohiba a sua
exportado durante a mesma poca, visto sentir-se
j urna grande escassez dcstes gneros. O senado
reunio-se no mesmo dia.
Hollando. As negociacOes, quo se entabolanlo
para facilitar as relceles commerciacs entre a liga
das alaiidegas allemaes e o governo dos Paizcs-ltai-
xos, parece tereiu-se mallogrado completamente.
ste resultado, tao contrario ao que geralmente se
esperava, attribue-se a influencia combinada de al-
gumas potencias estrangeiras.
Suissa. Diz-se que na Suissa se descubrir urna
vasta conspirado cm sentido radical, tramada pelos
membros da Joven Allemanha, sociedade secreta mul-
to numerosa no territorio suisso, e que conta ramili-
cacOes na Allemanha e Franca.
O governo de Berna obleve o voto de confianca,
que solicitava, por urna maioria de 138 votos cpn-
tra 2\ Ograo-conselho declarou que, attendendo ao
estado do paiz, approvava os principios da proposta
do governo para, se se seguir um progresan inva-
riavel, conservaras vias legaes, e combater com for-
ca toda a tendencia Ilegal.'
Saxonia. Os estados gernes da Saxonia abrirao-se
em Dresda no dia 14 de setembro, com todas as for-
malidades do costume. O rei Fredcrico Augusto, ac-
giiivJo um fnluro do ventora e de gloria: O.cunde
d'Artnis alnioca amanhaa eraTrinnOn, vos tnmbein v-
rei, Mr. de Betenvul, e deveis cliegar primeiro nao
fallis.
A fiilil iinnginoco do vellio oorlesao havia interpre-
tado estas palavras. no senlidi> mai favoravel ni lena
desejos. Era realisar-se o soiih de toda a sua vida; era
tocir os hombrees da suprema felicidad ; era nadar ero
plena alegra. '
Por issn, lego pela manilla, Mr. de Besenval, enfci-
lado, pentodo, oliniai arado, appcllon para todaiaisiiaa
aedueces; liavia ello passad urna reviala ao arsenal,
11 m pono deiiisad, dems armas galantes ecorleiias ;
ensaiado > seus niai engracilo utriaoi, e preparad
as suas oais Miiirar.-idns scrusaborias. Ero na palavra
havia tomado toda aa suas dispmicfies para o ataque,
decisivo desse coraciu rebeldo, que lia tanto lempo pro-
eurava inbnieller; pois, que romo se sabe. Mr. de Bc-
xenval havia misado levantar olhm at pera rainha.
Por exeeaso de ftuidade, ou lalve de precaueti.'an-
I elide ir para Trianon, Mr. de Besen val qis certificar-
te por si suesnio da presenca ito consle d'Artois eraVer-
saillea. Eapi rava, aln| dislo, seWr da bocea do proprio
principe alguna pormenores sobre es acautecinieoto
da niiile, pormenores que elle ijqorsvo cuoiplctameule.
A preienca de Mr. de rurges, porein, na antecmara do
companhado dos principes Jo3o o Alberto,presen-
tou-se na sala das sessOes, e leo o discurso do thro-
110, que foi accolhido com unnimes applausos na c-
mara, o recebido com viva satisfacau por toda a Saxo-
nia. O rei nomeou presidente da cmara alta o con-
celheiro Mr. de Carlowitz, e d segnnd cmara Mr.
Brann, deptitado.
Nolava-se alguma ugita^ao nos nimos; mas es-
perava-seque a polica conciliadora do rei Frederico
Augusto acalmara a effervescencia das paixei.
Allemanha.O rei de Dinamarca tinua chegMO a
Ausburgo. ,
Torna a fallar-se muito de negoeaOes.^endentos
entre a Franca o a Allemanha, para um tratado ae
commercio.
Torna novamente a fallar-se do projecto de cons-
tituicao, que, segundo se diz, o rei de l'russia tem
em vista outhorgar ao seu povo; e, se devenios a-
creditar a Gazeta Je Augsbourg, a prxima convoca-
cao dos estados geraes deve veriflear-se em breve.
Segundo diz outro peridico allemio, as sessoes dos
estados provinciaos se verilicarfl em Berlim, para
recchorem a communicacilo da nova carta. Emfim
um peridico sueco assegura estar j inteirado da or-
ganisacao da primeira e segunda cmara.
America-ilo-Norle.O congresso do Mxico ap-
provou o emprestimo de 13 milhes de duros, para a
despeza da guerra ; porm julgava-se esta somma
insufliciente, e por isso se assegurava, que nSo se
romperiao as hostilidades. Entreunto o governo
mexicano preparava-se para a guerra : tinha manda-
do fortificar e artilhar o forte de S. Jo3o-de-l'lla, e
ordenado a marcha de Bustamonte com 10 mil ho-
mens contra Texas : porm, quando estas forcas pi-
sarem o territorio toxano, j o acharo cheio de tro-
pas dos Estados-Unidos. ,
Diz-se, que a repblica do Yucatn recusara fazer
causa commura com o Mxico contra os Estados-Uni-
dos. ....
O novo presidente do Mxico ja deve estar eleito, e
todas as probabilidades erfio a favor do gera! Al-
monte.
Em Texas receiou-se que rebenlasse um alboroto,
cujo objecto devia ser apoderar-so dos membros da
convencao, no momento de eslarem reunidos.
va calirornla pareeoquo so orgausou um governo
independente, o que se considera como o preludio da
sua ulterior admissao na Uni5o Americana.
Ksawrr'g
eundo d'Artois, e a phyionomia trate e severa do velho
geiitillioiiiein, revclirio-lhe ludo quanto elle quera
aaber.
Ao entrir no apoiento do prinoipe, Mr. de Besenval
contuvo bastante com as tadigas do una noite de vigilia,
e com a natural negligencia do conde, para antever qoe
iria s ao convite da rainha ; o por isso, quando elle llie
eommnnicou a sua intencao, u astuto curlesio nio in-
sisti.
Bavia-se o conde abandonado ao seu criado grave
que. o penteava, quando Mr. deBeienvnl, depoia de ter-
so 1I1 pi-dido, tolln e disse com a maia bcn fingida in-
differenea:
Ora eu que me esquecia a fe de gentilhoniem ia
eoninietier o luaiur descuido : Monacnhor, na antc-na-
mar.n de V. allesa est um pebre diabo, que le doepe-
ra, e que os criados nao querer* dcixar entrar. He na
verdade 1:01 encargo de consciencin, porque o honjem
coro etfeito tem Indos os ares de fidalgo de ba raja, e
que pode ser recebido.
Queendiabrado solicitador? responden negligen-
temente o conde d'Artois, dirigindo-ne 00 criado.
Melhor do quo isso, Monacnhor, niclhor do que
issn, disse o barto cm um surriso cheiu de malicia i e
agora que tenbo drseiiipeiihado a ininlia coinmiasao, eu
me retiro, Monscnhor.
HESPANHA.
Peridicos de Madiid al 2 do pasudo (outubro).
Na gateta de 1 se puhhoario o decretoi, ptloi quae* -
foro nomeados.a 27 do passado.trinla concelbeiroi re-
gios, oa eluse de ordinarios.
Por nrdem de S. M. se ir.indou satisfa/er 10 cnsul
de liespinha no Porto toda is despezas molivada pela
iprebemtio dos reos profusos, que se linhio evadido
para Portugal, a fim de se subtrahirem ao quinto, cuja
importancia seria tirada dos bensdos referidos reos.
Na mencionada olba se da ebnti de se terern leito
durante a primeira semana de setembro de 79 ipreben-
-oi's de contrabando, capturando-ie 58 roi
Pelo ministerio da guerra se acaba de organiltr um
esqusdrSo decavallaria ligeira, composto de 108 pracil
e de 90 cavallos, denominadoFiquadro de Mallor-
cao qual be destinado 10 lervico da dita liba, contri-
buindo para a formayJo do referido eiquadrio, com 6
homeni e S cavallos, cada um dos 18 regiment* de ca-
vsllirii do reino.
Igualmente se publicao varia diipoiicfies relativas ao
aovo plano ae eitudoi.
O duque Riansares recolbco-sea Madrid a 30 do p*l-
sido, de volta di sua digresso ai provincia* vatconga-
ds.
OduquedeGloksberg, primeiro secretario daembai-
tada franceza na curte de Hespinbi, chegon a Madrid.
A commissao militar de Barcelona tem procedido eom
grande energia ao ulgimento das causas de vario* cri-
minosos, tendo sido enlenciido* 12 renta peni ultima,
os quaesforio passsdos pelas armes a 27, e oulrot coo-
demnido a diflerentes annos de pritlo ou degredo.
Do Madrid uhirao Umbem 1 eumprir ss seotencu de
degredo, em que foio condemmdos pelo concelho de
-, ri|----------^^i^MM.ala^aaassssttlsitgl*l
E dina estas palavras deo ineia volta a direita a la-
bio. ...
__ Que he enlo isso, perguuiou o conde 10 criado,
porque me nao prevenirio ?
Monsenhor, esse horoem est ahi desde pela ma-
nhaa, e V. allesa nao quera recebar ninguem.
_ Que me quer elle?
_ Ignuro, Monsenhor.
O seu nome?
S o quer diser a V. atiesa.
Mas que homem be esse?
__ Re um homem de idade, vestido de preto, com os
cabellos braneos ; o seu trajo tem nao sei que de esqui-
cio que me admiruu. Trai de baxu do braco uro cha-
peo de tres biuos agaloado de ouro, e V. alten ole* ig-
110ra que be de muito roo gosto Injar casaca preta cooa
chapeo agaloado.
E.la bem, dsse o conde rindo-se da observaolo de
criado; va diter a Mr. de Saint-Grrmain que me falle.
O geiitilhoiuem deite nome entrou alguna insume*
Mr. de Saint-Genuain, dina o conde, or. ha de
encontrar na ante-eamara um homem que lera negocio
eoiomigo, veja por favor d qoe elle quer. A proposito,
sabe e seaehou chapeo que perd esta noite?
Nio, Monsenhor.


-------

Guerra, cinco presos implicados oas occuifencui di oou-
*e de 5 do pistado.
Os ettaheleeimentos de educado primaria de Madrid
tohem 230, dos quaes si o destinados a meninos 127,
e 123 meninas, recebendo nellei instruccdes 13021
criancei do ambos os sesos, entrando oeste numero
8241, que a receben) gratuitamente.
A praca da capital contina n'um estado pouco satis-
factorio : o commcrcio contervi-se parausado.
a> Ijem at 4.
'I'endo-se estabelecido o collegio militar naval, a lien
deque a meriobs de guerra besptnhola adquira nelle
os competente conhecimentos, determinou outro sim
S. H. que no departamento de Cdiz se orginiaise
umacompanbia denominada Eicola de Condestateis
onde se obtenbao os necesiarios conhecimentos na-
yaei tbeoricoa e pratic. s.
Na E'peranza de 5 se le, que em Madrid corre boa-
to, de que vai baer mudanca no ministerio, indican-
do-se para faier parte do novo gabinete eos duques de
Rianzares o de Veraguas, ao marques de Viluma, e aos
cavalbeiros Pyjadas, Meer, e Egana.
A imprenta peridica, continuando a oceupar-se da
queslo do casamento de S M publica, que alguna dos
ministros apoiao a candidatura do conde deTrapani:
entretanto geralmente he ella reputada impopular, por-
que este principe au tem as sympalhiaa oa H'-ipanba.
Por ooliciasde Roma de 16 do passado consta, que os
negocios de Hespanha naquelia corle continuio apre-
lentando um aspecto pouco lavoravel.
O ministro de estado, Monsenhnr Lambruschin, te-
ve urna conlerencia com o enviado bespanbol Castilbo e
Ayeoza, na qual expresiara, que S. Santidade nao esla-
va determinado a confirmar a venda dos bens nacionaes,
echndote consequentemente no fim de um anno a
questio entre estas duas corlea no mesiso oslado do que
quando fra encelada, o que se attribuecomo urna cau
sa primaria a inaptidio do enviado de llespanha.
A munieipalidade constitucional de Madrid acaba de
augmentar coniideravelmente aa rondas municipaes da
capital, melhorando por este meio o servido publico, em
consequencia de urna polica activa.
A 19 do corrente sabira luz em Cordova um peri-
dico de litteratura e artes, intitulado oVergel de An-
daluzaredigido esseocialmente por urna sociedade de
seoboras.
A praca de Madrid, sem apresentar um aspecto com
pletamente satisfactorio, com ludo d.i etperancas de qu
o commercio cobrar novo alent, lendo-se ultimado
algumas operaedes n ercantis de um modo mais ventajo
so do que as anteriores, o que presagia benfica altera-
do no mercado.
[Da lieslauracHo.)

de maio de 1845.O secretarlo do goveroo Jo
Carlot Wanderley.
N. 26. Ao chele de polica, ^arJMcpando a demis*
sSo do subdelegado de Utinga, J^ise jOantBS Corris,
e a nomea(io do Manoel Modesto Pefeira do Lago para
o mesmo lugar.
INTERIOR.
RIO-GRANUL DO-NORTE.
Correepondencia do Exm. Sr. presidente da provincia
con o juiui de direilo i che/e de polica di mesma.
N. 24. Allendendo repreientacio, que Vine
me dirigi em seu officio desta data, tenho dispensado
do cargo de subdelegado do distnclo da Utinga a Jos
Dantas Concia, e nomcado para o substituir a Ma-
noel Modesto Pereira do Lago, por Vmc. proposto em
primeiro lugar: o que Ibe communico para seu conbe-
cimenlo. e em resposta ao seu citado officio. eosgusr-
de a Vmc. Palacio do governo do Rio-Grande-do-
Norle, 8 de maio de 1845.--Dr. Casimiro los de
Moraei Sarment. Sr. chelo Je polica desia provin-
cia.
N. 25.Em resposta ao offjcio, que Vmc. me di-
rigi em data de 5 do corrento me/., trazando inclusa
a lista dos cidadaos, por Vmc. propostot para servirem
de supplcntes do delegado de policia do termo da vil-
la de S Jos, e do subdelegado do dislricto da mesma
villa.cumpre me declarar, que tenho por portara desta
data d alo a minba approvatio a referida proposta, no-
meando os enfadaos constantes das r lacoes juntas,as-
signadas pelosecrelnrio desta presidencia. Dos guarde
a Vmc. Palacio do governo do Rio-Graude -do-Norte,8 de
maiode 185.-/Jr. CamiroJuide 1/oran Sarniento
Sr. ebefe de polica desta provincia.
fteiocHo do$ cidaddos nomtados po portara detta da-
ta para os empregos de .-upplentei do delegado e
subdelegado de polica de S. Jos.
Supplentts do delegado.
1. Ignacio da Rociia de A/evodo Pinto.
2. Joio Patricio da Silva Jubo.
3. Joio Duarte da Silva.
4. Jos Ribeiro Dantas.
5. Manoel Duarte da Silva.
8. Antonio Freir de Amorim Navarro.
Suppltntes do subdelegado.
1. Jorge Tararea Guerreiro.
2. Antonio Garca da Triodade.
3. Jos Joaquim da Silva Carneiro.
4. Vicente Ferreira Alves.
>. Manoel Alexandre da Cruz.
6. Jos dos Santos Gesteira
Secretaria do governo do Rio Grande-do-Norte, 8
Tanto peior, porque aem duvida ficou n.i jardiin,
e recrio beni.....
V. ni lea 11.I0 sabe que todoa oa chapeos se pa-
recer ?
OSr. auppe? pode ser; mas veja a pesaoa de
quera llie fallo; e se o negocio ti ver alguma rclnclb
com a aventura desln noite, arraiga itio como entender,
que seja pelo melliur; lubrcludu seja prudenle.
No momelo eiu que Mr. de Sainl-Genuain sabia por
uro lado para eumprir aa ordena do conde d'Artoia, o
criad* entroa pelo nutro odiase ao principe:
Momenlior, alii chegou agora un portador de Ba-
galelle.
E eolio?
Da elle, que so
cartas.
Onde est cita correio?
Fi-lo subir pela escada interior ; e.-t all, respon-
den criado apuntando a porta pela qual ello niesmo
baria entrado.
Puii eolio que entre, disse o principe coro impa-
ciencia.
A porta abno-tc de repente e Gaalon entrn.
Eatava o mancebo muito pallido; em una mo tinha
o chapeo, que penda ao longo da cxt, e coiu a uulr.i,
PIAUHY.
REL TOMO, COM QUE O EXM. PRESIDENTE OA PRVVISCIA A-
lilllo A SF.SSA6 ORDINARIA DA ASSEMBLA LEGISLATIVA
DE 1845.
Senkores da astembla legislativa provincial.
(Continuado do numero antecedente. )
Typographia provincial.
O estado actual desta typographia bedeploravel; nio
tem typos suflicieotes, eos que ha esli ja gastos. A
folba, que o anno paisado se imprima, e que sem do-
vida era de alguma utilidade, desappareceo. Ha com
ludo esperanca de alguma melhora nesta parte, por
quinta o administrador da tvpographia, competente-
mente autorissdo, fez, ha muito lempo, encommenda de
typoi e tinta, para que a le do orcamento vigente con-
signou 1:000* rs., e he de luppor. que em breve ebe-
guem esses objectos encommendados. Tambefn espero,
que de novo se imprima urna folba peridica, na qual
sx publiquen) os actos legislativos d'astemblia provin-
cial I pelo que se escusa a publicado do Correio d'as-
sombla) ; e mesmo a summa dns aens trabalhos e dis-
cu>sdes, os actos da a.lniini-tracao, e regulamentos do
governo provincial, dando tambero noticia dos sconte-
cimentos do uosso paiz, ou dos estrangeiros mais im-
portantes, sompre com exclusio do que nlo fot serio,
e digno de urna folba oflicial.
Urna folba escrita acate sentido,alm de ser mais am-
pia sem duvida que o pequeo Correio, a que se ha
reduzido at boje na provincia a publicidade de actos,
que tanto Ihe interessa saber, pode dar alguma renda
aoi colres prqvinciaea, e tei a vantagem deauviliaro
desenvolvan-uto do rgimen representativo nesta pro-
vincia, por diversas razSes mais atrasada neste assumplo
que as outrsa, poia que em fim esse systema de governo
precisa de publicidade, como o homcm necessita de ar
para viver. Urna lei do anno passado autorisou a presi-
dencia a dar um regulamcnto para t administrado e
rgimen da typographia, subjeitando-a a inipeceo do
chele e administrador das rendas da provincia. Eu o
darei em terr.po opportuno, pos que o meu antecessor
o nio (ar.
Estradas, ponles, ranchos, etc.
O melhoramento das estradas, sempre til em qual
quer parle, porque equivale a urna diminuirlo no cus-
i da produjo dos gneros, que se transportado, em
beneficio do consumidor, e sem prejuizo, antes com
proveito, do productor, merece mais a solicitudo do le-
gislador piauhyense do que o de muitas oulras provin-
cias, porque, Srs. daqui tudo tai, e para aqui ludo
entra, s costas de animaes. Entretanto o pessimo es-
tado das estradas da provincia prova se com o clamor ge
ral. Eu nao lenho experiencia de todas, mas, avalian-
do-as pelo que sei da de Canas para esta capital, que
be a mais frequentada, e importante da provincia, cicio
em verdado poder assuverar, que nio temos estradas,
senio Irilbos, em que ora o chapeo do viandante, ora
o seu lato bate, ou rasga-te nos ramos das arvoies.
Compre, pois, melhorur as estradas, esto diaejado
melhoramento deve consistir em extinguir aloleiros,
que nellas haja, arredar pedral, que asemb. raco, em
corlar o malo, que deum eoutro lado incommoda o
riejaote, e finalmente em mudar man. ou maosa di-
reccio de algumas, ou lornandu-ai um pouco mais
compridus para evitar subidas speras, ou f.aendo a*
mais curtas nos casos, em que sem necessidadeieguem
por grandes rodeios. Na deficiencia actual do thesouro
provincial, e completa indigencia dos colres munici-
paes, esperar i delles o hem, que i deseja, be urna
chimera. Na minba opiniio o melhor expediente, em
laei circumslancias, he lancat urna contribuirlo, nao
de dinheiro, mas de n rvicos de que ninguem seja sen-
t, eque le applique a coniervacao e melboramento uta
estradas. Eu explico o meu pensamenlo. lodo ho-
mem livre, que vive do seu jornal, ou do producto do
seu Irabalho, pode prestar em seu municipio, ou ao
menos m.s limites di sua freguezia, um dia de servico
cada mez a beneficio das estradas : o fazendeiro, la
vrador, ou propietario de escravos, esta no caso de
concorrer pata o mesmo fim, e n. s mesmos limites,
com das de servico de seus escravo, trabalbnndo cada
um, por mez, um dia. Os servicos reunidos de tanto*
Domea disposicau de individuos encarregedoa pelo
administrador da provincia de dirigir o Irabalho das es-
tradas devem dar um grande resultarlo. O cofre mu-
nicipaes, eo tbesouro provincial nio lico dispemados,
segundo o que proponho, de concorrer cada um na ra-
raodesuas posses, oque smente desejo, he, que se-
jao poderosamente auxiliados, na trela do melhora-
mento das estradas, por lodos aquelles. que estiverem
as circumslancias de prestar seu conligente. O expe-
diente, que acabo de propr, sendo por vi tomado em
comideracio, e recebendo de urna le e seu respectivo
regulamento o desenvolvimento, de que be suscepti-
vo!, me parece o nico capaz de dar impulso ao melho-
ramento das estradas. Medilai, e resolvei, o que vos
parecer melhor.
Nio basta, Srs., que baja boas estradas, be ainda
mister, que o viandante encontr, em distancia de urna
regular jornada, ranchos, em quedeseance, eiedefen-
da das injurias do lempo; be mister, alm diiso, que
ao menos em alguoi riachos mais nolaveii, que atra-
vessio as estradas, fapio-ie pequea! pontea, coramo-
das if peisoas, e ainda maii uleis aos gneros, que sem
lias correm perigo de avariar-se. A cmara munici-
pal desta cidade dirigi ao meu antecessor um officio,
com data de 2 de maio do correte anno.em o qual, do-
pois de faier sentir a urgente neceisidade de cuidar-so
quanto antes de taes pootei e ranchos a bem doi via -
jantei e comboil, que tramitlo pelas diversas estradas
de teu municipio, conduiindo objectoi de commercio
delta cidade, pede-lhe com instancia baja de dar auai
ordem, e imtruccdes a tal respeitu. Estas medidas,
porm, lembrida peta cmara municipal, forio adia-
das pela presidencia para tempo mais opportuno, fisto
que entio nio baria quantia alguma diiponiveL Pela
minba parte eitou persuadido, que o melhodo, ja lem-
brado relativamente i estradas, pode applicar-ie com
vantagem aos ranchos e ponles, e geralmente a outros
melho'amentus materiaes, como sejao fontei e calcada!
Na Mahia,provincia mais rica e adiantada do que esta,
acaba a assomblaproviocialdeadoptaroiystemade con-
tribuirlo de servico.para obras da nalureza desque tenho
refeiido, a instancias do mui experimentado adminis-
trador o tenenle-general Francisco Jos de Sousa Sta-
res de Andrea, e creio, que assim conseguir oque
por outro modo jaman pode alcancar. He todava mis-
ter, que consigneii urna quantia para essas diversas
obras, e me parece mais que suficiente a decretada no
6.a do art. 1." da lei de 8 de setembio de 1844. As-
sim ella te realiie.
O rio Parnahiba.
Quem me ouvir fallar do rio Parnahiba talvez penie,
que vou oceupar-me de algum plano relativo la na-
vegacio. Nio. Senhores, outro be o meu designio. Bem
sei que a navegacio deise grande rio, que boje corre
desprendo, sendo estabelecida com regularidade, pode
algum dia mudar a face dai coj i la riquera, e prosperidade. Mas por ora nio se po-
den) levantar a esse ponto as nossas esperance!, quando
sabemos, que os votos dos municipio! eda provincia,
ainda a cerca de objectoi de pequeo diipondio, eilio
por se eumprir. Quero smeoto lembrar a oecessidade
de enllocar nos principaes ponlos de paisagem do Par-
nabil a barcas, como si que j bouve, masque infeliz-
mente le arruinrio, e forio ao fundo no tempo da re-
helliio da provincia do Maraobio. Essai barcal, alm
de ocicceri'm ai pesson, que leem de alraveiiar o rio,
menos pengoia passagem do que ai mal teguraa canOai
ora empregada neise mister, evilio aoi animaes um
grande nado, no qual nio poucm morrem, e o que
chegao margem opposla te'em perdido boa parte de
las forcai. Ordinariamente aa boiada, que vio delta
provincia para a do Maranbio, comeeao a dar prejuiso
a seus respectivos donos ao passarem o Parnahiba. As
barcas previnem lodos esses males, e ninguem bavera
que dcixu de pagar com satisfacio o suave imposto, que
se baja de exigir por tao commoda passagem. Se as bar-
cas, que u arruinara >, estiverem no caso de ser con-
certadas, convem despender com o concert o que fr
necessario, se nio.cumpre mandar faier oulras. He urna
ilessai daapeaas sempre juslilcaveis, porque lio produc-
tivas.
Direi tambem, porque emfim aos representante di
provincia nada do que diz respeitu ios interesses publi
eos pode ser indillerente, que, sendo pratica de muitos
.-iunos arrecvdar-se como renda desta provincia o impos-
to da passagem do Parnahiba em ambas anuii inar-
gens, ue certo tempo para ci cobra-ie pelu do Mara-
nhio o i tu | oslo na margem esquerda do rio. Esta in-
novacao, que lalvez tenha em seu favor ra'dei plausi-
vos, deve com ludoier tomada por vs em seria comi-
deracSo, porque em oicamunio pobre qualquer desfal-
que be tensivel.
Obras do municipio de eiras.
Ni falta absoluta de repieienticdei das outrai cma-
ras, dirigidas preiidencia depoii de vossa ultima reu-
mio.a cerca de obras publicas, occupar-ine-hei lmen-
te dasiolicitagoei, que acamara municipal deita cida-
endererjou ao governo da provincia a eise respeilo.
neroi.dilTiculti afraude tio frequente na fixacio do.pre-
co dai mereadorias, quando poucos cmapradore te
aebio na presenca de muitos rendedore, oq poucoi en-
dedore na preienca de muitoi ompiadores. quando,
prmitli-me estas exprei5ei, a loota d concurrencia,
em ver de ler guerra feita em campo raid, degenera em
goerrilhii. Eta casa, mediante urna ligeira impoii-
cio, pode dar alguma renda.
Urna outra obra que a cmara sempre solicita em
promover a prosperidade doi seui municipios, julga in-
disponsavel, he o entulbo da ra do Norte. Segundo
o ornamento, que tenbo presente, deve importar em rii
1:934*000. Eu deixo sobre a meu entregue voasa
comideracio a planta, e orcamento deua obra. _,
Tambem enviou a cmara presidencia o orcamento
da punte sobreo riacho Pouea-Vergonha.a qual tem n'do
a V. alteta doro entregar aa
C.im um geslo ebeio de orgulho, designava n porta ao
--iado, eitupefacto do tanta audacia.
criado entendeo-u sem duvida; porque olhoii pa-
ra o principo como quem Ibe interrogara, ac dara obe-
decer. O conde fez uoiu a mao uui igual, e o criado
oaliiu.
Apenaa eilo desappareceo, Gastn correo o ferrulbo
lourado da porta.
Que fm Vni. ? exclaiuou o principe.
Tomo moa pacoaucao para quo nos nio venho
iiiterroinper.
Como he iiso ? Eo cunda d'Artoia levou a mi ai
punbo da espada.
Ol I Momenhor, nio receie nada, en nao quero
as Quem he o Sr. ? niu o cimbreo.
E eu coulieco-o muito btuu tenho a vantagem,
V. alieta perniiitirn que eu a conserve.
I mole o le!
Ol! nlo ii"i arrebtenlo, Momenlior, que com
imo nada g.iuliuri-uiii, oini V. ltela, iiem en.
Km hu que quer o Sr. ?
Canea pouea, Mmiaenlior..... um minuto d'atlen-
(io ; bem v V. alioia que nao >ou exi Pui fallo, que esculo.
O principe, singularmente intrigado pelo geito extra-
l'retendendo a cmara municipal vender em hasta pu-
blica a caa denominada' Cadeia-velba pedio, na
forma da lei do 1 de outubro de 1828, autoritario ao
presidente da provincia; o qual acbou conveniente, pa-
ra dar o leu aisentimento, exigir o .ttulos, por que a
mesma cmara suppe ter dominio naquelia can. Os
ttulos apresentados pela cmara ao meu antecessor pro-
vio exuberantemente, oa minba opiniin, que a Cadeia-
velba be propriedade indisputavel da munieipalidade de
Oeirai, e certo files t.nio impellido o govtrno a dar a
devida autoritario, se a cmara, mudando de resoluto,
a villa do que Ibe expoi o leu fiscal, nio julgaue mus
conveniente concertar a casa, de que se traa, para ser-
vir de mercado publico, como pirticipou i presidencia
em officio de 28 de fevereiro deite anno.
Esla obra, Senbores, me parece de grande utilidade,
e por isso digna da vossa proteceo. Urna casa de mer-
cado publico recolhe, e abriga o objectoi de consu-
mo da cidade, e chama a um i lugar os 'compradores
e vendedores;-de lorie que, ao passo que preserva os ge-
vagante que pareca dever tomar esta converaacio, sen-
tou-ie em urna poltrona, faicndo eiforcua excessivu
por oonlcr-se.
Gastn de coilas para a porta cunservou-ie do p, di-
rciio e com u rollo carregado, oa ulboa Klos no sem-
blante dii conde, espinndo-lhe todos os movimentos,
uomo so lito quifera ler o peuiaiuenlos.
Vamos, Sr meu, avic-sc, diste com aspereta o
ronde d'Artoia, procurando tublrahir-tu aoolhariiu-
porluno quo linb.i obro si.
Teiilm paciencia, Montonliur, que eu terei breve.
Enlftu eonieee.
Pois bem, Momenlior, cu vou direilo ao meu fim.
Que f.ma V. aliei.i lionteiu, a uiuia noile, no eattello de
Vernret?
U cunde etlremecou, nial voltau n ti prumptanienta.
, V. eom quo dircitn me interroga oSrP Acho-o
Ix'in aodaciyau em tu inlrodiizr a|ui por turprea,
inmto affouto cin f.m r pcrguuiai, a quo nio me aprai
retponiler.
keapondcrei eu entio por V. alto, Monsenhor,
e dir-lhe-Uei, o que sabe V. nltea tanta ouinl eu,
|ue V allria eatava lioatem, u mein Uoile, no ratlello
le Vernret paa ubi raptar urna uiocn, que V. alivia
quena aedutf e deshonrar.
jaobejecto de dsposices legislativa! desta casa, nio
reproduzidn, porm. na lei do orcamento vigente. A
despera com esta ponte be oreada em 404tf40O.
Oeoncertoda cata,que serve de cadeia.e tambem para
sessdes do jury, eda cantara, beapontado como oe-
cessidade urgente.
A commisiio, encarregada eite anno dai visitas das
prisdei para informar de leu estado, e doi melbonmen-
los, de que neceuilio, mostra que a rasa, de que se
traa, precisa de prompto concert, e faz urna pintura
tio viva da falta de aiseio e de outros ncommodos.a que
esto all eipostos o infelizes presos, que excita com-
paixio em quem a l, compaixfio s inferior liquea
que a todos devem merecer ai victimas detses que as
prisdes espo seus crimes. Eu nio me deicuidarei de
dar as providencias necessarias e posiiveii para o esteio e
concert da casa da'cadeia.
Entre as obras, de que carece esta cidade, m ereee es-
pecial silencio a da fonte do Padre- Andr. No tim-
podeinvern quando as enebentesdo Riacho da-Mocha
torno suai agn lodosas e inmundas, h eiti fonto o
recuno dos habitantes da capital. A cmara, pois,
insta pela conclusio da obrada fonte do Padre-Andr,
pedindo meios, visto que ella os nio tem.
Vede,Senbores quaes 3o as obras de que necessita a
municipio de Oeiras, calculai quintas lio precisas nos
diversos municipios da provincia, e dizei le no actual
estado doscolre publico!, nao cibe a vos como legisla-
dores, e tinim.como adaiinislrador da provincia, re-
solver um problema insoluvel a ferer o maior numero
de obras que be possivel com a menor lommi que pode
ter um colre. Entretanto,te nio be possivel faier tudo,
espero ao menos diier-vos na sessio vindoura, le anda
me couber a honra de vir i esta cadeira, que alguma
cousa se (ei.
Secretaria da presidencia.
A secretarla do governo compOe-ie, deum secre-
tario, tjm official-maior, tre odiciaes e um porteiro
com a incumbencia de archivista. Nunca leve lei ou
regulamento, que marcaste a cada um dos empregados
seus deveres e attribuirOes : tudo se gorernava pelo uso
ecostume. Era, pois, indispensavel, para introdnzir or-
dem e regularidade nesta repaiticio, dar-lbu um regu-
lamento, e vos, conscios desta necessidade, autorisastes
o governo, por lei do anno passado de 22 de agosto, a
organisar um regulamento para a secretaria, annexan-
do-lbe urna tabella dos emolumento!, que nella le de-
vem cobnr. O meu antecessor lez i tabella, nio orga-
nisou, porm, o regiment. Eu dou me actualmente a
este trabalbo, que espero submeltcr a vossa approracio
com muita brevidade. O pestoal da secretaria nio me
parece sulTiciente, quando vejo que arha-se atracado o
rcgislo deide le'.embro de 1840 al o fim de 1843, da
administracio do Sr. viiconde da Parnahiba, e urna
parte do da ultima adminitracio. Basta ponderar, que
um doi olficiiei da secretaria be ao mesmo lempo em-
pregado na typographia provincial, em qualidade de im-
prestor, o que deve por cerlo obriga-lo a fallar, nao
poucas veres i repartico, quando crescem os trabalhos
da typographia, onde elle he necessario, pois nio bi a-
qui quem entenda da arle para lervir em leu lugar. As
obrigaces de archivista estio confiadas ao poiteiro da
secretaria, que (rala de todos osarranjos da repartirlo,
e serve de continuo : bem fcil be de comprehender,
que tal empiegado nio pode detempenhar o lugar de
archivista. Parece-me, pois, indispensavel cresr-ie
mais um emprego na secretaria, o de eteripturario sei-
vindo de archivista, que poder ter o ordenado de 408
rs. Se o secretario passar a perceber o seu ordenado pe-
lo tbesouro geral, como be provavel, pois que se consi-
dera empregado geral, o emprego, cuja creacao propo-
nho, de nenhum peso seii aos cofres provinciaei. ,
(Corr r'nuar-se- Aa.)
DIARIO IIE l'MIUIIIiiqi.
Tivemos pela escuna 5. Js folbu de Lisboa al 11
de outubro ultimo.
Continuava agozar-ie de tranquillidade em todo o
reino de Portugal.
SS. MM. e AA., tendo regresudo de Cintra ao pala-
cio de B'-lm. all permanecido sem incommodo algim.
O governo tinba promulgado algumas medidas admi-
nistrativas de pouca importancia.
Ai ultimii noticin de Madrid erio de 4, ai quaes
traoicrevemot em lugar competente.
PM||i!S|!aaBaiBBBBaiBHBBBapMssseHs^
Quem lli'o ilite?
Que importa quem m'o diise, se en o sei ? E tam-
bem ei quo V. alleti esoaloa o janelln da pobre rapari-
ga, e que por pouoo niu pagou em a vida urna acciu
indigna de mn genlilliomeiu e de um principe.
Com cffi'ito o Sr. pareco bem informado, e foilit-
imo eni moral lubretudo; mil advirtu-lhe que niu
gilo nada doa inuralitlaa em geral, e anda menot em
particular, quando elle fallan no lom em que o Sr. a
f.u. Abreviemoa o negocio, o que quer de iiiim ? Ana-
be com illo, que eiti acea ino mcoinnaoda a dea-
grada.
Acabarei, Momenhor, logo qae aproo ver a V. l-
tela usa inlerroinper-me, porque lenlio pretta de aca-
bar, ao menos tanto como y. alteza. Hwntero quaai quo
o mato ; de mim nlo depeudro que o ooulrario ucontc-
eeete. A uoile o o acato he ojala o talviirlu ; inaa telicilo-
iui: boj doiueu detato, porquo etpero que nos hare-
mos de entender.
Onde quer elle ir ter? ditia entre ti Momenlior. eu amo Carila, e riccin etpota-la.....
Ali! eotendo, he um rival, pemou u cunde.
. Hojo. oontidero-n mimo minha irina, o honro a
teu pa, minio te u iiiru fura. Ilint he aiuda muilu mo-
ca, u ontrn lie ja batanlo velho ; elle nio tem neni a-
puio neiu protector, cabe-mu prolege-loi e defend


^~
"21
z-
Le-se 01 Reilauracode 11 oteguinte:
Por noticia! dellnniburgo, de 20 do pastado consta,
que aquella cidade cbegira o duque do brante, o
qual se dirigi ao llra.il por Inglaterra, a fim do dar
corita ao seu goerno da mistio de que fra incumbido
para a corte de Berln, cujo atitn (ora desfatoravel
Pubicaao a pedido.
Cnniti-not, que a Ilustre directora da aociedade
Phil'Orphenica do Rio-de-Janeiro, em sessao do dia
6 de agoilo p p., nomeara para leu tocio honororio
correspondente o compositor de msica Juaeph Fa-
cbinelte
COMMEftCIO.
Alfandega.
BBtownrro ob da 19................12:558976
DeecarregaO koje 20.
BrigueLopermercadoriat.
BarcaZiltaidem.
Barca/riidem.
BrigueAragadem.
BrigueGraliabacal bao.
Harcaa?i*dem.
nteresse da eompanbia. He.'poit, indiipensatel, quo_
esta reuniSo tenba lugar; emim como o director nlu
pode prescindir de a confocar na poca ((da pelot et-
tatutot, tambem ot Sn. accionista nio te devem dis-
pensar de a ella comparecerem, sendo que o abandono
deste direito, ainda mesmo por barer plena confianca na
administrado, pode prejudiear e preterir oa negocio*
da associacio Espero, por tanto, que desta tez nao se-
ja frustrada a convocarlo, e que bora marcada te pos-
sa abrir a tettio, tem que unt tenhao o inconimodo Je
esperar por outrot. ou de tornar ainda para o met'to
fim Recife, 17 de novembro de 184." O director,
Jote Hamos de (Jliveira.
Cera I96*065
Consulado.
RENDIMENT0 UO DIA 18.
Provincial74a774
AinviiucMito do Porto.
Navio entrado no dia 19.
Alcoba?; garopeira bratileira S. Anna-do-Sacramen-
to, de 30 toneladas, mestre Miguel Joio de Medei
ro Chaves, equipagem 7, carga arinha ; ao mestre.
Navio sahido no mtimo dia
Arac'alv ; brigue-escuna bratileiro llenriquela, capi-
llo Jote Rodrigues Pinheiro, carga farinha, milbo
e tnel Paitageiroi, Jote Francisco Ramos, Eduardo
HenriqueGirao. e 1 escravo, Bratileirot; Bonifacio
Pereira da Costa, Portuguez.
Declaracoes.
O artenal de guerra compra cem arcbotes de es-
parto: quem eate genero tiver, mandan tua propotta,
em carta fechada,a directora do mesmo artenal,at o dia
20 d.i correte (hoje). Directora do artenal de guerra,
17 de eotembro de 1845.No impedimento do escri-
turario 0 amanuense,
Jo<-> Ricardo da Silva.
COMPAMHIA BRAS1LBIBA DE PA QUISTES AE VAPOR.
O paquete S. Sebatlillo, commandante Manoel dos
Santos Ornellai, tegue viagem dette porto para ot do
Sul, qunta-leira, 20 do correte, pelat 5 borat da
Urde wpreterivelmetite ; e fecba a mala.no correio.as
2 borat. Agencia de Peroambuco, ra da Cruz, n.
7, aos 19 de novembro de 184?.
AdminitlraiHo do* estabelecimentoi de car idade.
Perante a admioittracio dos eslabelecimentos de ca-
ridade, te bao de arrematar, por (re annos, a quem
man der, ti rendat dat catat seguinles: numerot 17,
47 e 49, da ra do padre Florianno ; numero 5, do
Laceo da Carvalba ; ns. 32 e 34, da ra do I agundes;
n. ll, da ra de S. Jos, e 5 da travetsa do mesmo ;
ni 30, 34 e8, da ra da Calcada ; o. 18, por de-
trada ra Nova; n. 31, da ra da Moda; B.,70, da
ra das Cinco-Pontas; n.7, da ra de S. Tbereza ;
n. 33, da ra de Hortat; n. 65, da ra da Gloria ; o.
8, da travetsa dos Kxpotloi, e 7, da ra da Virarlo.
O licitantes pode rao dirigir-te a cita das sessdei,
na ra do Cabug, n. 5, ai 10 borat da manbia do dia
21 do correte mes, munidos de teut fiadores idoneoi.
Sala dat leudes da administrarlo dos eitabelecimen-
tot de caridade, em 18 de novembro de 1845. O et-
crptorario, A. A de t'alda HrandOo.
O 1.* batalb&o de caladores de linba precisa con-
tratar um mestre para a banda de msica do mesmo;
outro dito para a banda de corneta!, tocando corneta
de chave, ou pitton : quem estiver naicircumitaaciat,
e te queira engajar, dirija te ao quaitel do Hospicio,
que acbar com quem tratar.
CUMI'AMIlA DE BEI1IRIBE.
Convocacto para koje, 20 do crtenle.
Teodo-ie marcado successivamente ot dial 13 e 17
do coirente pata a segunda reuoiio ordinaria desle
annq, determinada no artigo 17 dot estatuto!, e nao
tendo, na bora marcada, comparecido accionittti, que
completauem o numero de 2i) votos, que, pelo artigo
16, se fazen precitot para haver leisio em astembla
geral; sao pela tercera vez convocados ot Sn. atcie-
nistas, para que bajio de reunir-te irnpreterivelmente
no da 20 do correte, at 10 borat da manbia, no es-
criptorio da eompanbia ; i fim de que a duiinitlracio.
diodo conlt dot negocio! a teu cargo durante ot u I ti-
mos seis mezet, leja habilitada a fazer progredir a om-
preza.de Janeiro em dianle, com a spprovacio da rcoai-
ta e despea para o semestre prximo futuro, e se to
mem outrss medidas, que se julgaiem convenientes aos
. COUPAlll ITALIANA.
Hoje, ao de novembro de i8^5,
EM BENEFICIO DO BAIX0-J0COSO
Paulo Franchi,
Ser representada, pela premeira vez,
a lindissima pera em tres actos, chefe
d'obra do Sr. Cav. Donizzetti,
lucia lie lmieriiior.
N. t^ Esta representaeflo nilo entra no numero
das assignaturas. Os bilhetes de camarote e platea
vendem-se em casa do director, ra Nova n. 7. Os
bilhetes se achara0 no botiquim do theatro. Princi
piar as 8 horas.
ivisos marilmios.
O CLAMOR PUBLICO.
Para o Araeaty tegue, em poucot das, a sumaca
Sanio-Antonio-de-Padua, por ja ter parte de teu ctr-
regamento prompto: ct pretendentes dirijio-ie a ra
do Vigario, n, 5.
= Para Genova est a tabir o brigue Rota: quem
nelle quier carregar, ou ir de pattagem, dirija-se a
teu consignatario Nascimento Sclmefler & Companhia.
Para Lisboa tai com brevidade o brigue poitugue;
Tarujol.0: para carga e pastageirot, para o que leo
os mais excellentei commodos, Irata-se com Firmioo
Jos Flix da Boza & Irmio, ou com o capillo Manoel
deOliveira Fanco.
Para Lisboa segu viagem com brevidade a escu-
na portuguesa Tarujo l Ftlkoe: para carga e ptsaagei-
ros Irsta-se com os consignatarios Firmioo Jote Feliz
da Roza di Irmio, ou com o capillo Francisco Antonio
de Almeida.
Para Lisboa tegue viagem o patacho portuguez
Reitau-acdo:para cargae pastageirot trata-te com Fir-
mioo Jos Feliz da Roa i Irmio, ou com o capillo
Alezandre Jos Correia.
= Vende-te urna barcaca, que pega em 24 caizai
de istucar i gosto, conitruida de boat madeirat, e feita
as Alagoas; est prompta detudo; be nova ; ainda
ilo le viagem alguma, a excepcio da ern que veio de-
poit de acabada ; e be muito boa de vela : quem a qui-
cr, procure a Antonio da > I a Gutmlo, na ra do
Queimado, n. 39, e, na tua falta, i seu caixeiro Maia
Para o Rio-de-Janeiro tegue com brevidade o,
bem con1 acido hriguu tom-Jeiue, capillo Pedro Jo-
s de Salles: para carga, pastageirot, e eteravos a frea,
ajuitar com Gaudino Agottinho de Barros, pracioba
do Corpo Santo, n. 66.
Leil
a o.
Adamtoo Howie&C. fario leilio, por interven
co do correlor O'livrira, de variedade de fazendas in-
glezat propriat do mercado : boje, 20 do crrante, as
10 liorcs da maubja, no teu arumem, ra da Alfa o
degt-Velba.
Avisos diversos.
lm. Monaonbor, eu vendo pedir-lhe que me reatitna
Carila.
Maa ainda uma vei, quem o fat peniar que eiaa
rapariga eateja eiu meu poder?
J dase que me achava preiente na ocotito do
rapto. Duaa boraa depoii eiiava em Bagalelle ; V. lleta
aoabava de aahir, o agora don na soa preaenca ; bem
v que aei ludo, Munaeiihnr. Pmiera eu aem duvida di-
ter-llie muitaa oousai, o primeiro quo ludo, que ena
nina lio loda pura o candida, e que seria um rrime
nudoar, h'uiii momento delououra, tanta innocencia c
purea; que aeu pai lie unt velhu soldado liberto de c-
oalrue, e eipernncuudo em viole Tialalhaa ; que aeu
jioine lie alijado a maia ill.iatres familiaa da Franca, e
que o ullrngo que Ihe fosie Ifciio, recahiria sobre uma
provincia iuleira ; que te V. lien, apeiar de ludaa esta
cunslderacca, me roensaate juilica, cu me queivaria I
el-rei, dirigir-me-hia au sarlaiiiniito, ao pan inleiru,
para uble-la. Slo r.uea, e eu lenho aimla onlraa ; mas
(irefiro aiiecorier-iiio aoineute generusidadr deV. al
lew, ceno (ionio ealou d'anlcntao deque um principe,
de quem lana aegaba a aaelicaueta elionra, lia do ru-
ten, ler a linguagriii de um geiililliomciu; e agora lea V.
allexa.
Alno grado ten cedia o conde a allraolim detaa pa-
lavra enrgica aealraa; olhou euleado para Gatton, eja
-Tendo concorrido, at bojo, apenat um pequeo
oumero de pessoas solicitarema afencao.o arrematan-
te da mesuia, abaixo aitignido, de n vo convida a to-
doi, que precitarem de aferir, I compareceremquanlo
antei; visto que, se inais so demorarem, aguardando
ot ultimot diai, nio lera postivel sai em todos aviados,
em razio de te nao poder vencer lao petado trabalbo
em curto espaco de teu.po. A mcima recommendacio
fttaosSri. de engenbo e mait petioai de fura da cida-
de, que precitarem de farer ancoras, proteitaodo o a-
baixo aitignado desde j nio ter reipontavel pela falla
de afericaod'aquellet, que por virem tarde, nio pode
rem ser dalla prvido! ; poii que o mesmo abaixo at-
signado nio beobrigado a lazer impottifeit. Keoife,
19 de novembro de 1843.
Antonio Goncalvt de Morati.
- Pretende-te taber quem teja-netta praca o pro-
curador bastante por parle da tanta casa de misericor-
dia de Loanda, para se Ihe fallar a interesse d'ella.
O Nazareno n. 134, que, por incommodos de
tadedo teu redactor, ci pode apparecer not diat pi-
ra que fui aonunciado, esta finalmente a venda oa ci-
ta da F. O respectivo distribuidor, va all recbe-
lo, pin Ibe dar deslino.
abalado stendeo a mo para receber oa papis que o
mancebo llieapreienlava.
0 principe leu:
TXBCXIHA CARTA
* MOMENHOB O CONDE D ARTH.
Da sua barraca de Bagalelle
at 5 Aerai da manhd:
MONSENHOR,
Tremendo eiorevo a V. lleta, porque trata-ae da
ua honra e da,vidn de uma menina. A rapariga a
quem V.alle chaina Carlota acaba de travar, aem
que es li vesi.i lempo de me oppof a iaso, de uma lan-
ceta, que para o que podeaae acontecer liavia eu pos-
to em eima de uma mesa junto aolriio, es) que ella
rcpouaava, e ameac roatar-se, se V. altes* a nao po-
ein liLerdade ; nao chora maia, nao implora, or-
dea, u rapara tranquilla a decisio d V. alela, oerta
como ftfdi ella, de eaeapar em todo o oaao dea-
honra pela mora !.....
Que nobre coracAu! etulamou o principe deixan
do cahir a cana que acabara de ler.
Sabio hoje o oV 62, e acba-se a venda, na praca da
Independencia, lvrana otimeroi 6 e 8.
> Ocirurgiio F. J. da Silva mudou a tua residen-
cia para a ra do Vigario, sobrado de 5 andares, n. 21.
= Precisare de urna eterava para todo oservico de
urna casa : quem quizar alugar, dirija-se a baica doi
banbos.
= AlugsO te ot 1." e 2 andaretda casa, n. 14, da
roa do Amorim no Recife, por preco muito commodo:
a tratar na ra do Queimado, o. 14, teguodo andar, ou
na ra da S. Cruz, n. 80.
ATTENgAO!
Manoel Pereira Qaaretma, lendo no Diario dt Per-
nambuco de hontem, 19 do corren te, um annur.cio, em
o qual te dii.que elle venda bolacha a 24560 n .astim
eomo outrat coutii, declara, que tal annuncio nio foi
por elle mandado inferir, mas bo obra de algum ocio-
so, mettido a engracado. Tambem declara o annunci-
ante, que elle nio he rasado, e por isso nio 'em togro.
O annuncianle s cuida em teu negocio, e esticerto,
que em quanlo o teu comportamento or difiranlo do
dos invejosot e intrigantei, que se oceupario com o
tal annuncio, ba de merecer concrito dos teut credoret,
edopublicu, i quem deseja bem tervir.
= JoioGualberto, lobdito bratileiro, retira-se pa-
ra fra da provincia.
Deaa| pareceo um oculo de ver ao longo, de den-
tro de uma baliejra, recolnida dabaixo de um telheiro
em Fra-de-Portal, o qual lem a caixa de pi, e be
de um s canudo,e usudo : quem o aliar,ou Ibe for
eflorecido, queira aprehendc-lo, e levar ao mesa.o lu-
gar, caa do pratico Antonio Jos dot Rcit Caraca,
que ter generosamente recompemado.
>Ofierece-te um rapaz portuguez, de idade de 18
annos, para caixeiro de venda, do que jl lem bailan-
te pratica, tanto de vendar na praca, como para o mal-
lo, ou inetmo para padaria : quem precisar, dirija-se
a ra Direila, n. 135.
Precisa-te de um rapaz para caixeiro de uma
venda oa cidade da Victoria; paga-se bem seu ordena-
do : oa ra da Penba, venda por ba'xo do sobrado do
coronel Joaquim bernardo.
Quem anouociou querer comprar as obras de Fi
lintho Elisio, declare a sua morada para ter procura-
do, ou dirija-te a ra do Atterro-da-Boa-Vista, o.
34.
Preciaa-te do um servente brinco no hospital de
caiidade : a tratar com o respectivo regento
Engomma-8e com parleno por preco commodc:
na ra de Uanoel-Cco, o. 9.
Precisa-te de um bom caixeiro portuguez, de 20
annos poucomait ou menos, que eoleoda de loja de fa-
zendas,e de cobranca.e que leja fiel; paga-te bem : na
lujado Si. Merozreiojoeiro.oa praca da Independencia,
te dir quem precisa.
Permuta-se um papagaio contraleito,que falla tof-
fn el ni a nte, por um caial de rolas brancat hambur-
guesas; a quem convier, duija-ie at Cinco-Pootat,
o. 33 : oa metma ba para vender granue porcio de
papal para cmbrulho, de lolba grande, tanto para ven-
da e re'jnates.como para lujas de farendas e lorragans,
e venda-te a peso por commodo prego.
O abaixo antiguado faz iciente to publico, qu
oioguein receba duat latir,saccadas por Jos Coelbo
Nev, ou que se achio ern teu poder, da quaotia de
15,500 n. cada urna, a vencer-se uma no fim deja
oeiro, e outra oo fim de abril de 1846, bem como
uma ordem ou obrigacio de 12,000 n., ji vencida,
por le acliareiii embargadas.
Trujano Baptisla da Silveira
Aluga-seuma caa de sobrado com commodos
para uma grande familia em Olinda delronte de S.
Sebasliio ladeira do Varadouro : a tratar na d:ia la
deira refinacio de attucar ou na ra da Cadeia do
Recife n 50.
Precisa-so de um homem que enteoda do ser-
vido de uma padaria que saiba perfeitamente amastar,
buhare cortar para administrar os eicravot; ttmbem
te da pi de vendagem a prelos e pretal, Picando seu*
eohures reipontavuit: n3i Cinco-Pontas, n. 63.
O prelendenle a urna cpula e pao de tipoia ,
querendo uma lipoia em bom estado, e tambem cu
pula e pao dirija-tea ra da Cruz o 51, primeiro
andar, at ai 9 borat da manbia, e de tarde dat 2
A pestoa, que quer comprar ai obraa de Filinto
Elisio, dirija se ao paleo do Carmo o. 22, dat 6
ai 9 borat da manbaa.
Aluga-ie uma cata terrea nova com bstanles
commodos, uta na ra da Palma n. 17 : a tratar na
praca da Independencia loja, o. 3.
Precisa sa de um homem lorro pardo ou preto ,
que teja intelligenle e cuidadoso para criado de uma
cata de pouca familia e que d fiador a tua conducta.
Dirigir-te t ra ettreita do Rorario o. 30 terceiro
andar.
Pre;isa-to alugar um moleque ou negro feito ,
para o servico externo de una cala de pouca familia ,
mas qua teja intrlligenteesem vicios. Dirigir-ie a ra
ettreita do (lozano o. 30, terceiro andar.
Precita-ie de uma ama de idade. que le encerr
gue de cuidar de unt meninos com todo o disvello, i-
Kenlau? perguntuu Gastn.
Espere, reapondeo o conde d'Artoii, cerniendo a
emocSo quo o domina va ; e lomando uma penna ei-
ereveu
.Sr. Doutor,
Eu nio quero a morte de ninguem ; entregue ao
< portador desle billiele a rapariga que hontem confiei
tua guarda. Tculiiu-se com ella e cun o pesaoaa
a que a aooiupauhareiu oa maia reaguardos.
Conde d'Artoii.
feriaille 10 hora* da munhd.
Feito o bilhete, vollou para Gatton, e apreieutoo-lhe
o billiele que acabava de eicrever.
Etl satiefeilo?
Motyenbur, reapondeo Gasten depnii de o haver
lido, fel V. aliea o aeu dever, romo verdadeiro genli-
ltioiuein, e como principe. Eu nao esperara meuoa de
T. lleta.
Espero que agora me dir como Ihe fui ler eala
oarla aa mos.
rigir-te a roa eitreita do Rozario n. 30, (erceiro an-
dar.
- AlugaOie duat prela? para o tervico interno de
uma can ; uma sabe cozinhar, lavar de iab|o engom-
mar ebe muito babil ptra tratar de meninos; oa pra-
ca da Boa-Boa-Vista o. 7. .
Os annuncios, insertos nos Dianos
de Pernambuco de 17 e 18 do corrente,
com as lettras M. L. V., nao selentendem
com o Sr. Manoel Luiz Viraes.
= Alugi-se, por preco commodo uma casa no
Poco-da-Panel la pelo lempo de fetta ou por anno,
com bastantes commodos muito fresca por ser do
lado da sombra : a tratar com Jlo Ignacio do Reg ,
na ra do Livrameoto, o. 2.
Precisa-se de um leitor pira um sitio parto da
prac,a ; na ra Nova n. 57.
- Aluga-ae um grande armazem na ra da Moeda,
em quo o Marcolioo leve armazem de assucar junto a
errara do Joaquim : a tratar oa ra da Cadeia do Re-
cife loja, n. 48.
= Aluge-te, parase paitar a fetta uma ca oa
biquinba de S. Pedro Marlyr. na cidade de Olioda ,
n. 2, com 4 quarlot, cacimba e tanque para te tomar
hanbo, com um minte, quintal murado, o be
bailante freica : a tratar na mesma casa.
Quem quizer comprar ou
arrendar a propriedade da Casa
Caiada, no Kio-l)oce, falle com o
seu proprietario Jos Francisco
Belm.
aa Dte ja-ie fallar ao Sr. Franciico Jote Aires Gama:
na ruada Cadeia-Velha. n. 60.
Alugad-seos piimeiro e teguodo andares da catada
ra larga do Rosario, o 23, com bistantes commo-
dos; para ver, no armazem do mesmo sobro do ; pira
tratar no Atterro-da-Boa-Viita,n. 43.
O Sr. doutor Manoel Nunes Babiento queira ao -
nunciar tua morada, que te Ihe piecia fallar.
= Francisco Ferreira Bastot, tubdito portugus, re-
tira-te para Hacei.
Aluga-teo primeiro andar do sobrado da travs-
11 dos Expoitot, n. 18 : a tratar no segundo andar
do mesmo sobrado.
Precisa te de um caixeiro Portuguez, de 16 a
18 annos,para venda, que da metma tenba pratica : oa
ra da Aurora, n. 48, ou na ra Formla, o. 1.
Jos Francisco Mari ns de Almeida retira-te para
lora da provincia.
Na fabrica decharulot, no Atterro-a-Boa-Vii-
ta loja n. 12, precita-se de bom oflicites cbaruteirot;
elambem na metma te vendem excellenlet charutos de
regalia por preco commodo tanto em porcio como
aretalbo.
Antonio Comes da Silva, piloto eliminado do
alto mar, laz pul Meo, queensina a arte de piloto, prati-
ca e tbeorica, astim como apona agulbat de manar
por novo methodo, e concerta varios inttrumentot nu-
ticos : lo ios ot tenborct, que qui'erem. dirijao-se a
Santn Amato, ao p d ig'j". ou P'9 "* Cots-
mercio, desle o meio diu al as dual borat da Urde.
lotera do theatho
Acha-se designado o dia 25 do presente mrz para
terein as rodas desle lotera o seu imprelerivel anda-
mento. Este andamento tem de ter retundo oa for-
ma do novo regulamenio dado ai loteriat, e alm disto
o credito.de que esta mesms lotera semine go;ou. dele
animar osamadore a c ncorrerem para a prompta venda
dos retpectivoi bilhetes,que se achio expottol na loja do
ibes 'ureiio, rus do Queimado, n 39; na do Sr Me-
neiei Jnior, ra di Collegio; na botica do Sr. Ho-
roira, ra do Cabugi; e no bairro do Recife, as lojss
de cambio dot Sn Vieira, e Manoel Gomes.
Cumpreao thetoureiro advertir que oplano, que re-
gula ella lotera, be novo, ja com eite foi transcrip-
to, e por elle terio visto 01 interesttdos, quo os pre-
mios, que lites couberetn em torte, Ibes serio pagot tem
descont algum, a excepcio tmenle dot dout primeiro*
premios grandes, que na forma da le etilo subjeitot
ao detconto de 8 por cento a favor do theiouro publico.
Manoel Luiz da Veiga avisa os
amadores do Iresco, que tem terrenos
nara aforar, livres das agoas do mar,
promf)lo8 a edificar e receber qualquer
cultura, com frente para a estrada, que se
iciliou, a quiil vai para Olinda, e tambem
com frente para uma das melbores ras j
marcadas pela cmara que atraves-
.i da ra da Aurora para a de Luiz do
Mego: a tratar na ra da Madre de-De-
os, n. 36, 1.' andar, nos dias uteis, das
6 as 8 huras da manhSa, e nos dias san-
tos, no sitio do seu fallecido pai, do mes-
mo nome, em Santo Amaro.
11 1- ni ivai 1 !ainss 11.
Seria longo o contar-lb'u, Moniesbor, e Carlota
eapera.
Poia va, Sr., di aso o conde crguendo-se, e para
que neiihunia demora haja, vou dar ordem a que te po-
lilla aun diapiiaic,ao minba carruajera. Parta, 0 teja
reparado todo o mal que lenho feito.
Gatton en lio inclinou-se, aaudou o principe com uma
graca cheia de dignidade, e como eate corresponda ao
eu cor tejo com benvolo torriao:
Keenba V. alten, Moncnhor, meui tinotroe a-
gradecimrnloa, e arredile no recjinhecimenl dooar-
quc Galln de Sombrcuil. E detapparoceo.
Ah nio importa, pentou o conde d'Artoia, quas-
do turuou a ti do embairoento em que o poten eaae ne-
me bem conhecido; nao importa, ella be muito bo-
nita.
Mae a chegada de Mr. de Saint-Gerroain veio de re-
pente desviar o cuno de teut peonmentoa.
E enlto, Sr. diplmala, ea aua roiaaloP
M< naenlior a Hiilc-camara eal deaerla. Cancsdo
do raperar, o aeu homem tutnou o partido de retirar-te.
Mate momento toarlo drt horas.
Oro agora, ditae o principe aullando aem sentido
um suspiro, o que do tnelhor potto fater be ir almocar
Tnanon.
(Continuar h km.)


**r
sr
Aluga-se por 10/n. mensaes o segundo an-
dar do obrado da ra estreita do Rozario n. 18 : a
tratar na ra do Nogucira o 27.
Quem precisar de um aacerdote para as mi isa de
Natal, para fura, principalmente para o sertio an-
DQncie.
= Otlerece se uma pessoa capaz para recebar divi-
das pagando se-lhe a porcentagem que le conven-
cionar, e que promelte tuda a diligencia possivel para
a cobrinca : quem este negocio quizer, annuncie.
Aloga-se uma canoa que esteja bem estanque,
para conduzir agoa : quem a tiver, dirija-se a ra No-
va venda n. 3 de Antonio Feneira Lima.
Perdeo-se uma carta dirigida por Manoel Anto-
nio da Silva Goulart do Paccde-Camaregibe, Jo-
s de Oliveira Campos desta praca : quem a tiver
achado e a quizar restituir dirija-ae a roa doQoeima-
do, o, 4 que se Ibe ficar agradecido.
= Na ruado Oueimado o. A precia-se fallar ao
Sr. Lino Alves de tirito a negocio de interresse.
Caetano Domingos Pereira avisa aos Sri. Ale-
jandre Lopes Ribeiro Jos Raymundo Ferreira, Ma-
noel Eugenio do Patrocinio Manoel Antonio Tri-
xeira Fanciseo Flix das Mercs, que, da data deste
a oitb diai, venbo resgatar os nus penbores, que
teem empenbadns na ra dasCruies n. 42, do con-
trario serio vendidos ficando os mesmos Srs. obriga-
dos a repr em o que (altar.
- Severino Jote de Carvalbo, subdito brasilci-
10 ret'ra-se para fura da provincia.
Um moto purtuguez chegado, ba pouco lem-
po se oflerece para caixeiro de escripia, ou armazem:
quem do mesmo precisar dirija-se aiua do Queima-
do loja de ferrare ns n 30.
' a ra das Trincheiras, n. 25 continua-se a
dar almoco, jantare ceia com muito assoio e preco
com nodo.
= Precisa-se de um caixeiro para venda, de 12 ;
14 annoi preferindo-se dos cbegsdos de prximo a
na ra da S. Cruz n. 3.
Compras.
- Compra-se uma preta de naci, de idade de 18
a 20 annos, queseja de bonita figura, e n8o tenba
vicios nem achaques de qualidade alguma que saiba
engommar e coinhar perfeitamente ao p do arco da
Conccicao armazem de Fernando Jos Braguez.
Compra-se uma porefm de cravos brancos ; na
ra da Praia, armazem n. 27.
Vendas.
-i Vende-se, por muito m-
dico prego, a casa lerrea da na
do Rimgel, n. 49, com vintee
cinco palmos de frente, e setenta
e sete de fundo, cozinha lora,
quintal murado, e outros muitos
commodos, e tjue rende mensal-
menle I'O/OOO ris. Est\ casa
acha-se hypolhecada; mas o hypo
thecario nenlium bice poe a sua
venda. Os pretendentes dirijo-se
ra das Larangeiras, n. 12, se-
gundo andar, a qualquer hoia
do dia.
* Vende-se a casa terrea da
ra das CincoPontas, n. 43: na
ruad, s Larangeiras, n. 12, segun-
do andar.
O barato !
= Vendem-se 01 livros seguintcs : um jogo de dic
cioaarios frincrzes dos grandes ; Kelly, le Camba-
te universel; Senebier, Traites de chxnge ; Colonia
Cbretienne ; Duchesse de Monlmorenc) ; .solidao por
Zimmerman : Hiiloire de Napolen com retrato ;
Aritbmetioa e analyse logique ; Guarda livros moder-
no ; Marqueta de Punlange; Partidas Dohradas ; Te-
nue des livres ; Tratado lie operafSn de cambio ; Sci-
enciaa do Guarda-livros por Jaclot : na ra das Cru-
zei loja de encadernador n. 39.
=Vendem-ie cantigas paraos presepes por-00 rs.:
na Imaria, ns. 6e 8, da prafa da Independencia
Pela medida velha
venda-se fsrinha, chegada ltimamente de S. Ma-
tbeus, de superior qualidade, e por menos do que em
ooira qualquer parte, bordo do patacho Vrnu, de-
fronTe do caes do Collegio, e na ra da Cruz, n. 54, a
fallar com Manoel Antonio Pinto da Silva.
RA DO COLLEGIO,
Loja n. I
Vendem se superiores gravstas de setim preto a 500
rs.; casimiras, das mais modernis, a 1,200 o 1,400 rs.
ocovado; panno fino, prato e azul, a 2,600 rs.: meias
desenbora a 280 rs. opar; chitas de todas ss qualida-
des, de 120 a 300rs.; medepoldes, de 140a 280 rs.;
cortes de ditas de todas as qualidades, t do melbor
gosto superiores rrscados Iraneexes, a polka, a 360 rs.
o oovado ; e ootras multas fazendas, ja annunciadas
neate Diario : na mesma loja cima.
= Vendsn-se cortes de linissimas chitas a polka e
aveludadas i rs. ; lonas da Russia n 1 a 880
rs. a vara ; ditas n. 2 a 480 r. : na ra do Crespo,
n. 16 segunda loja para quem vem da ra das Cui-
ca Vendem-se casaes de pombos, a 640 800 e 18
rs., e burrsebos, a 340 rs.; no pateo da S. Pedro ,
m. 3.
= Vendem-se 4 eserevss mogas de boas figuras ,
com ,-engammioe ewmhao ; A ditas boas quitan
deiris ; 3 pardas' mooas, de boa figuras urna tem
boas habilidades para mucama de uma casa ; 6 escra-
voi bori para o trabalho de campo e da praca ; um dilu
oflkial de pedreiro ; um enulatioho do 16 annos ,1
n. 10, primei-
hom para pagem : na ra do Crespo
ro andar.
CHA HYSOISk
DE BOM GOSTO,
E SUPE MOR QUALIDADE
Vende-se a as 56o ris cada libra: 0
na ra Larga do Rozario n. a4- & fundos, a 880 rs. a duzis; copos, a 100 a 120 rs.
0
= Vende-se um carrinho deduas rodas em muito
bom estado ; e um cavallo muito l.om para carro : na
ra estreita do Rozarlo, n. 43, segundo andar, daa
6 aa 9 horas e meia da manba.
LOTERA
do Itio de Janeiro.
= Vendem-se bilbeles ,a 2ig rs. ; mcios a 12*
rs. ; quartos, a 6i rs. ; e oitavos, a 3,. rs.; que tem
de correr neste mei : na ra da Cadeia loja de rarn
bio n. 38 : na mesma pagio-se os bilhetes que sa
birem premiados.
=- Vende-se um escravo de bonita figura de ida-
de de 22 a 23 annos, sem vicios ; na ra larga do Ho-
xario n. 29.
= Vende-se um piano hamburguez eotti boas vo-
tes pelo barato preto de 90 rs. ; na ra do Crespo,
loja, n. 13.
se Vende-se um bom escravo muito sadio e ro-
busto nao tem vicios ; nao bebe qualidade de espiri-
to alguma, o que se assegura he proprio para todo o
servico de ra e de casa, por ser cozinheiio; be caiador;
nio se importa ser para fura da provincia ou sertio ,
pois ja esteve em fa/enda de gado ; uma estrave perita
engommadeira de vestidos de senbora, e detod roupa de
homem cozinheira, faz todo o srranjo de orna caa
com perfeicio : na ra do Collegio n. 25, venda da
esquina.
=Vende-se um moleque peta de 18 annos pou-
co mais ou menos ; um pardo moro carreiro ; uma
preta propna de todo o servico de uma casa : na ra
da Cadeia do S. Antonio n 25.
= Vende-se uma porfo d<' doce de goiaba muito
fino ; paisas; figos; farinha de mstsrana e araruta
tapioca ; cevada ; manteiga inglesa e francesa, muito
superior ; presuntos ; paios ; hnguicas ; chocolate de
Lisboa; macarrio; talharim; letria ; a/eite doce, car-
rapato e de coco ; sal de Lisboa ; che hysson muito
superior ; queijos novos uma porteo da fio para velas
c redo ludo por preto commodo : na ra Nova ,
venda n. 65.
asa Vende-se uma pequea porfi de cera de car-
nauba ; em Fra-de-Portas ra do Pilar, vende
n. 157.
* Vende-so ums parda de 17 annos de idade ,
boa costureira e com principios de bordado, saai vi-
cios ; na ra do Hospicio n 26
ss Vondem-se thermomelros do azougue e espirito,
por preco muito commodo ; na praca da independen-
cia, tifiara, ns. 6 e 8.
- Vende-se cha hysion em caitas de 13 libras, em
porcOeso aretalho; e potassa americana ltimamente
chegada ; meias barricas de farinha do trigo da marca
gallego: em casa de Malheus Austin & C., na ra da
Alfandega Velba n. 36.
= Vende se farinhs de mandioca muito nova de
Santa Catbarina e S. Matheus, por menos preto
queem oulra qualquer parle em laceas ou medida
velha ; no caes do Collegio armazem de porta larga.
NAVALHAS DA CHINA.
= Vendem-se as admiraveis navalhss de ato da Chi-
na, que teem a vantagem de cortar o cabello sem dien-
ta da pelle deixando a cara parecendo estar na sua
brilbante mocidade : este afo vem exclusivamente da
China, eso nelle trabalhio dous dos melbores e mais
ahalisadoscutileiros da nunca excedida e rica cidadede
Pekim capital do imperio da China. Autor Sbore
N. B. He recommendado o uso destss navalbas
maravillosas por todas as sociedades das sciencisi me-
dico-cirurgicas tanto da Europa como da America ,
Asia e frica, nSo s para prevenir as molestias de cu-
tis mas tambem corro um meio cosmtico : vendem-
se nicamente na ra do Crespo loja, n. 15.
ss Vendem-se chapeos de seda de cores para senbo-
ra cbegsdos prximamente de Franca dos padrees
mais modernos e delicados; na ra da Cadeia do Bu-
tilo n. 41.
= Vendem-se casimiras de quadros e listrai das
mais modernas a 600 rs. o covado ; ditas lisas de su-
perior quslidsde e muito encerpadas a 1600 rs. ;
ditas de cores escuras proprius para sobre-casacas de
montara a 360 rs. o covido; bros trancados de
quadros de cores, a 700 rs a vara ; dito de palba e
luilio, a 500 rs. ; dito pardo, de puro linbo, a 480 rs
a vara ; dito chadrez, de muito bom gosto a 400 e
480 rs. ocovado; coites de lanzioba fina para meni-
nas a 2000 rs ; ditos para senbora a 6200 n. ;
ditos de chitas Mitradas de muito magnficos goslos,
com 13covados, a 3000 rs, ; ditas de cor rouxa, que
fingem seda a 3400 rs. ; riscadinboi de quadros ,
franceses de superior qnalidade a 260 rs. o covado;
cortes de georgina de quadros, de algodao e seda, com
15 covados a 4400 rs. ; zuarte da India, bstanle lar-
go a 220 rs. o covado; pecas de ganga azul da India,
com 14 covados a 1280 rs ; e outras muitas latea-
das de algodao linho e seda de invito bom gosto e
por barato preco ; na ra do Crespo loja, o. 10 da
viuva Cunba Guimaraes.
= Vende-se um farda para guarda nacional de
panno fino novo ; urna barretina iom plumae conloes;
uma dita de oleado ; talim e canana : na ra do No-
gueira, n. 27.
= Vende-se, por preco mais que barato um pa
queno sitio a msrgem do rio com casa de vivenda ,
propongo para viveiro, muito perto da praca por o la-
do da Paisagem ; na ra de Agoas-Verdes, o 21, para
tratar.
= Vende-se uma casa meia-agoa na travesa do
Sengado que rende 7000 rs. mcnsaes e da-se por
preco Commodo ; na ra da Praia venda, na trrvessa
do Carioca.
= Vende-ie orna eierava moca bastante sadia,
muito boa vendedeira de pi as manhSas e po-de-
l as tardes, do que tem grande Ireguezia ; tambem
engomma liso, eniaboa e cozinha aoffrivelmente: na
ra de Agoas-Verdes, n. 96.
= Vende-se, sem faitio um collar de ouro ; urna
moeda guarnecida ; 2 piral de brincos; 3 annelbes;
Aeorddes; dus cruzes; lObotdesde punbos; 5 di-
tos de abertura ; um alfinele de peito ; 2 relogios ;
uma caixa de pruta para rap ; 20 colhere de dita ;
casticaes de vidro a 1440 rs. o par; pratos rasos e
alqueires de feijio mulatinho ; cera amarella a 240
rs. a libra; e oulroi muitos objectos perteneentes a
louca e venda por preco commodo : na roa do Ran-
gel n. 11.
= Vende-se um preto mogo robusto para qual-
quer servico ; na ra do Collegio, o. 16.
Vende-se um ce vallo bem gordo e de muito bo-
nita figura carrega bem de baixo a meio e esquipa
muito, por preco commodo ; no tanqued'agoa junto
do theatro velho.
= Vendase um realojo de figuras moderno por
commodo preto ; na ra da S. Cruz, venda de cal
cada de pedra n. 3.
= Vendem-se muito bons casaes de pombos por
prece commodo ; na travessa do Calabouco n. 2.
= Vendem-se uvas brsncas de superior qualidade ,
tirio-se da parrtira a vista do comprador ; na ra da S.
Cruz, n. 3.
= Vendem-se dous molecotes de muito boa figura ,
e muito bons para todo o servico ; na ra da Cadeia
do Recite n. 13.
= Vendem-se bichas do Hamburgo ltimamente
chegadas em porfi e a ret-lbo ; na ra di Cruz ,
o 38.
Vendem-se 20 escravoa ; sendo 3 pardas mocas e
de bonitas figuras com habilidades ; 3 moleques pe-
gas de 13 a 17 annos ; 2 pretos de 22 annos ; um
pardo alaiate de 20 annos; 11 pretas de 12 a 25
annos, de bonitas figuras, e com difieren tes habilida-
des : na ra das Flores, n. 21.
= Vende-se um preto cri ulo muito lidio e sem
vicio algum, por preto commodo ; no Atterro-da-Boa-
Vista fabrica de licores, n. 26.
sa Vendem-se relogios de ouro, patente inglez ; na
ra da Cruz n. 13, casa de Ridgwav Jamisson &
Compaohia.
Vende-se um moleque per;a de bonita figura de
17 annos, bom canoeiro trabalba muito bem de p,
nunca fugio nao bebe agurdente he muito fiel .
coiinba muito bem o diario de uma casa ; o motivo da
venda se dir ao comprador ; uma canoa nova pin-
tada a oleo, muito forte que conduz 25 a 30 pessoas,
propria para nella embarcaremsennoras medrosas de ca-
noas pequeas; tanto a canoa omoto moleque se acba
expostos no porto da ra Nova paia seren examina-
dos pelos Srs pretendentes: na ra estreita do Roza-
rio n. 10, terceiro andar lodos os dias uteis das 6
at as 9 horas da manhaa, e das 3 as 6 da tarde.
= Vendem-se saccas com mil lio a 3600 n e al-
queire medido a 3200 rs.; na ra da Cadeia de S
Antonio n. 19, deposito de larinba.
s= Vende-se azeite de carrapato a cinco patacas a
caada ; no Atierro-dos-A (ogodos n. 7.
= Vendem se couros miudos de diversas qualida-
des; bezerrds; caixas de tartaruga feitas no Ancaty :
na ra da Cruz, n. L2t.
= Vendem-se camas de venlo e ums cama de ar-
macio de oleo ; dous jogos de bancas da amarelln ;
uma mesade jonlar ; um estrado de louro ; um berco
de Jacaranda ; tudo | or prefo muito commodo : na
ra do Aragao, o. 33.
= Vnde-se vinagre de vinbo tinto, de superior
qualidade a 500 rs. a caada em pipas e as cana-
das ; na ra da Senzalla-Velba n. 110
= Vende-se uma boa casa em Olinda ; ni ra da
Gloria, n. 1, onde tambem ha exc. liento vinbo velho
de caj engarrafado.
Vende-ie neite doce a 360 rs. a garrafa ; oleo
em botija a 1900 rs. o galio e em libra a 280 rs. :
chi ciquim a 1600 n. ; dito hysson a 2|0 rs. ;
vinbo da Figueira a 240 rs, a garrafa ; e todoi os
mais gneros por preco commodo : no largo do Tergo,
venda, n. 7.
= Vendem-se oculos de rmaeio para todas as ida-
des e tambem do vidraga para doentesdos olbos: na
tua larga do Rosario loja de miudezas n. 35.
Vendem-se camas de angieo ; ditas de amarello;
marquezasde angico, do* moldes os mais modernos
que ba ; cadeirai de dito ; jogos dn bancas de dito ;
ditos de Jacaranda ; commodas de angico e amarello ;
cadeiras para meninas ; puehadores e laidos para gave-
tas ; tudo por prefo muito commodo: na ra da Cato-
boa-do-Carmo n. 8.
Vmde-se potassa muito nova e de superior quali-
dade, em barris pequinos: na ra da Cadeia do Re-
cite, armazem de assucar, n. 12.
= Vende-se, ou aluga-se ums canOs de conduzir
agoa muito bem construida : a tratar com Manoel
Antonio da Silva Molla na ra de Apollo.
= Vende-se uma linda preta de Angola de 19 an-
nos coziaba, lava e engomma ; um casal de escravos
de nar;io com uma cria de 2 annos por 700* la ,
em razio de leu senbor rotirar-se para (ora : na ra da
Seozalld-Velba o. 110.
Atteneao!
A' nova, fabrica de superior chocolate de
saude, e medicamentoso, d Frederi
ro Chaves, no Aterro-da-Boa-Vista,
n. a6.
De lempo immemorial, desde que o homem teve a
lortuna de descobrir o cacao, e de conhecer ai tuas pre-
ciosas virtudes, nio tem cissadode fazer delli um uso
geral, nio Ibe serviodo tio lmenle da, principal ali-
mento como sendo tambem muito oicuaiario a sua
saude, poi ser uma substancia nutritiva tnica, sa-
boresa e sadia deoominada depoii de fabricada por
- chocolate de saude.
A medida que a noticia do uso oVisa inapieciavel
substaoease eepelbou por todo o mundo ionuntera-
veis paasoas, que tomailo caf o deiiarao prefirin-
"o o ebucolate pelel suas indulntaveis quafidadrs ; at
muslos Srs. mdicos afamados, o receitio mullas e
ujuitei veza, por ser um dos meihores eslomicbicoj ,
e por nio atacar o syitema nervoso, como o caf ; con-
vem para todas ai idade*, saja para albos, adolescentes,
ou meninos.
Na mesma fabrica ba o chocolate da canella bauni-
Iha e ferruginoso este que bojeseacha Uo vanglo-
riado por toda Europa, pelas suas qualidades tnicas.
Baunilba )
Saude [ a 400 rs. alibra.
Canella )
Ferruginoso,a 1000 rs. dita.
N. B. Comprando de a rroba para cima le fari um
abite muito raioavel. Para maior lacilidade dos com-
pradores acba-se um deposito na roa da Cadeia do
Becile, loja da chapeos n. 46 de Candido Jos de
Salles.
Vende-se ama porfi de iarinba, chegada, do dia
19 do corrente, no biata S. Antonio, que te acba ao -
corado ao p do caei novo ; da-se por menos preco do
que em outro qualquer barco, lendo toda a porfo
medida : na ru Direita loja, o. 5.
Vende-se, para fra da provincia ou para o
matto ama bonita escrava de nicio por preco bai-
lante commodo ; na ra das Trincheiras, n. 25.
=Vende-se vinbo de Champagne em gigoi, da me-
lbor qualidade ltimamente chegado, dito de Bor-
desux em quarlolai, muito bem acondicionado ;
ago'ardenle de Kranfa ( chamado de prora ) ; m'o>Ur-
da preparada em potes; tudo novo e muito fresco : em
casa de Avrial Irmao ra da Cruz n. 20.
= Vendem-se chitas francezai muito superiores ,
tanto por ser muito largaa como da muito bonitos gos-
tos; asiim como ricos cortes de seda para cohetes, mui-
to proprios para a testa ; bou lazenda para caifas;
cortes de cambraia para vestidos; e outras muitai fa-
zendas ; ludo por barato preco: na ra do Crespo, lo.
j, n. 12, de Jos Joaquim da Silva Maia.
Vende-se cera em velas, chegada
prximamente do Kio-de-Janeiro, pti-
mo sortimento, e por preco mais barato
do que em outra qualquer parte: na ra
da Madre-de-Deo, n. 5., primeiro an-
dar.
Vende-se a verdadeira pota$sa rus-
siana da melhore mais nova,que se acha
neste mercado, a a50 rs. a libra, adver-
tindo-se que se vende por este preco por
se achar em barris grandes : em casa de
J. J. fa.sso Jnior.
Vendem-se quatro colxas, senda
duas de seda e duas de toquim por
to.s ris : na ra do Encantamento, ar-
mazem de molhados, por baixo do sobra-
do do Reverendo vigano do Kecife.
Vende-se pllucia de seda para cha-
peos, de todos as qualidades : em casa de
Kalkmann Se Kosemunnd, ra da Cruz
n. io.
- Vende-se vinagre branco
nacional, a 400 ris a caada ve-
lba : na ra do Aterro-dos-A fo-
cados n. 7, e no Alerro-da-Boa>
Vista, "fabrica de licores de Fre-
derico Chaves ; c na ra Di-
reita venda n 55.
Escravos Fgidos.
Fugio o preto crioulo Izidoro alfaiate e bo-
ieiro ; loi escravo do Exm. baiio de llamarse* ; be
muito conhecido nesla cidade : quem o levar a ra da
Senzalla-Velba n. 110 receberi de leu senbor ,
Alves Vianna, generosa gralilicm.au.
Fugio, no dia 9 do corrnte um preto do nome
Manoel, com os signaes seguintes: estatura baixa ,
corpo secco rosto comprido, beicos grossos, com-pin-
nos esbranquiado, que Ibe manchaO o peito pesco-
to e rosto ; tem por coslume embriagar-se e bo co-
ndecido por Canzanza : quem o pegar, leve ao sitio dos
Afilelos que ser gratificado por seu lenbor Anto-
nio Manoel de Moraei da Mesquila Pimenlel.
= Fugio no dia 15 do corrente, uma pela criou-
la de nome Tbereza da idade de 40 anuos, com
alguns cabellos brancos alta cara larga ; levou saia
preta e panno da Costa azul j velho com um tabo-
leiiode bolos : quem a pegar leve a ra do Jura-
mento n. 35, que sari recompensado.
Fugio, no dia 9 do corrente um prelo de afio
Coila ; corpo regular, estatura alia bastante retinto,
com muilos signaes de bechigss no rosto, p< s grosso:
quem o pegar, leve ao esenptorio de Joio Pinto de Le-
aos #Flho ou a ruada Aurora n. 8, que ser
recompensado.
= Signaes dos escravos fgidos, que sio quilro ,
a lio o seguiotes : Bufino pardo, de idade de 30 an-
nos pouco maisou menos estatura ordinaria, ebeio
do carpo pernal proporcionadas com cabellos, ca-
beca ordinaria, nariz afilado olbos algum Unto pe-
queos cabellos bem crespos (alia um tanto apres-
tada e explicada ; tem um dente de menos na "frente '
Lucianca parda estatura ordinaria secca do cor-
po cabefa ordinaria cabellos prelos e estirados, ca-
ra um tanto comprida ttariz afilado e comprido ; tom
de uma parte do queno um bulio de carne, de idade
de 25 annos, pouco mais ou menos: Virgina parda,
de idade de 8 auno*1, cor murena cabello fino e ao-
nelados nio bem pretos ; tem uma cicatriz de um ta-
Ibo que foi de um couoe, cima de sobrancellia, que
Ibe parti a mesma : Adi ..eittura ordinaria sec-
oo da corpo cor prela a afulada nariz chato o som
da falla retine sobre o peito f quem os pegar, leve ao
Sr. doutor Candido Autran da Malta Albuquerque ,
em Pernambuco que pasari bem pago ou na Pa-
rabiha, ao Sr. Francisco de Aisis Pereira Rocha que
tambem gratificar,
PBHH.
} HATYP E M. F. DE FAB14Ittl.
tu


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWKTSRPB9_Z5AR89 INGEST_TIME 2013-04-13T02:26:41Z PACKAGE AA00011611_05920
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES