Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05919


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Annode I Mil.
0 DIARIO publica-ae todos os das
nao forein do guarda: o i.rego da
tura 1 i iiuartel pagoi
don O nuuncios- dos assignaiite sa
10 de 20 reis por linlia, 40 rs. etn
me, eas repelieres pela inetade.
Os que nao forem assignanlcs pago 80 rs.
por linha, e 160 em typo dlTerentc.
PHASES DA LA NO MKZ DE NOVEMBRO.
Crescente a6 as 3 h. e 55 minutos da tard.
La cheia a 13 as 10 hor. e 35 niin. da tard.
Mengoante a 22 as2 hor. e 6 m. di tarde.
La ndVa a 29 as 9 h c 22 inin. da man lia a.
'
Mrt*
i ni, Rio Birmoso, P^rto (Si
JJ no 1." 11 r 21 de cada mea
^^Buat e onito a 10 c 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e28.
Victoria na9 Quintas fciras.
llnda todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Prlmelra as 8 h. e 30 mln. da manha.
Segunda as 8 b. e 54 minutos da tarde.
de Wvembro.
Anuo *tf V. fS9.
DAS DA SEMANA.
17 Segunda S. Gregorio, aud. do. J.dosorp.
edoJ. doC. da2. v.M. da2. Y.doJ.
18 Terca S. Homfio, aud. do 1. do civ. da 1.
v., c do J. de pai do 2.dis t. de t.
19 Quarla S. hbil, aud do J do civ. da
2." v., e do J. de paz do 2. dist. de t.
20 Quinta S. Flix, aud. do J. de orph. e
doJ. M. dal. v.
21 Sexta S. Gelazlo, aud. do J.do civ. da
1. v., edo J. depai do 1. dlst. de tard.
22 Sabbado S. Cicllia, aud. do J. do civ. da
1.' v., e do i. de pai do 1. dist. de tarde.
23 Domingo S. Lucrecia.
CAMBIOS NO DA 17 DE NOVEMBRO.
Cambio obre Londres. 27 d. p. ljaGOd.
Par* 355 ris por franco.
i) Lisboa 120,a 125 p.c.pr.p.m.
Pese, de let. de boas firmas 1 '/ P- '/ lnei
Ouro-Oncas hespanholas 31/000 a 31/500
Moeda de 6/400 ve). 161U00 a 17/100
de 6/400 nov. I6>j"
ii de 4/000
Vrala Patacoes *
Pesos ColuinnarcsJ
Ditos Mexicanos
Prata iniuda. .
Accea da C do Beberibc
#>--'>-"JLL *W' IBB

1/880
DOOao par.
" i*ir asa
PERIVAMBUCO
Hi
AVISO.
LE como producto das signaturas de um jornal,
que ose proprielarodevesuppriras nao pequeas des-
pezis.quo oxigem as empresas deste genero. Nfio be is-
tu, porm, oque tem succedido mo Diario de Per-
nambueo, do qusl alguns subscriptores, nao satiifeitoi
com deixarem de pagar a astignatura de um quarlel, a -
penas principia este a correr, como se acha estipulado
nss reipectivas condicoes, demoroem seu poder, com
gravoprejuizo do emprezario, e nao leve descrdito seu,
a importancia de seis, doso e mais mezes. A' estes,
poi, te dirige o mesmo emprezario, rogando-Ibes ba-
jo de quanto antes indemniss-lo do que se acbio a de-
ver-lbe, entregando ao cobrador deste folba as mentali-
dades, cujos recibos Ihe lorem por elle presentados, ou
traiendo-as praca da Independencia, Itvraria, nmeros
6eS.
INTERIOR.
1>ART FRCIAL.
Governo da provincia,
EXPEDIENTE DO DA hl DO CORRENTK.
(Concluan )
OfficiosAo eommandante das arma* e ao comroissa-
rio pagador, iotelligenciandc-os de terS. M o Impera-
dor resolvido. que aos offciaes da quarta clisse do ex-
ercito, que sio reputados com accesso em graduadlo ou
posto, o percebem augmento de sold, eoi que laea ac-
cesso e toldo estejBo marcados nss respectivas patentes
pelo concelho supremo militar, se pague tmente o
sold, A que tinbo direito antes da reforma, e nlo a-
quelle, como consta haver-se abusivamente leito em al-
gamas provincias; e procurando saber, se tal abuso se
vorificou aqui, a favor de quem, c por que razio.
DEM DO DA 13,
UlcioAo eommandante das armas,uutorisando-o a
contratar um oulrocirurgiio para substituir no acampa-
meato o que desla commitsSo foi dispensado; e recom-
mendando, submetta o contrato approvacao da presi
dencia.
DitoAo iospector da tbetouraria da fazenda, deca
raudo, que, para verificar-so o asaentamento do praca
de um corneta engajado no primeiro batalhio de Flo-
res, cumpre, que a respectiva filiacio venha ter as maos
da presidencia por intermedio do cmmando superior
d'aquelle municipio, e por ella Ibe seja transmittida.
DitoAo inspector do arsenal de marinba, recom-
mendando a execucSo do imperial aviso de 8 de outu-
bro ultimo, que determina, so nao demorem nesta pro-
vincia, senio por causa de molestia, o| officiaes o pravas
de marinba, que nella aportarem ou desembarcaren.
DitoAo.mesmo, ordenando, satisfaca qualquer pe-
dido, que, para o fim de habilitar o vapor 5. Sebattido
a seguir para os portosdo seu destino, Ibe dirigir o en-
carregado da respectiva agencia nesta cidade; e preve-
nindo-o de que devem ser por eate indemnisadas as des-
pe/as, que por sua repartirlo se fi/erem com o mencio
nado vapor.Participou-se ao encarregedo da agencia
das barcas de vapor nesta cidade.
DEM DO da 14.
QuicioAo juit relator da junta de justica, trans-
mittindo, para mesma ser presenta, o processo do sol-
dado da cmpanbia de guardas nacionaes destacada,
IMnnoel Angelo de Sanl'Anna.
PortaraDemittindoaJosquim Jos de Luna Freir
do lugar de prolessor dacadeira de l.M leltras da po-
voagio de Goianoinha, em consequencia de a ter aban-
donado por mais de 8 meses.Participou-se ao inspec-
tor da thesouraria das rendas provinciaes, a cmara mu-
nicipal de Goienna, c ao director do lyco, cuja opi-
niio acerca da supprestio ou remocio da referida ca-
deira foi pela presidencia solicitada.
Commando das Armas.
CircularEm virtude do convite,que S. Exc. Reve-
rendissima, o Sr. bispo D. Joio da Punficecio Marques
Perdiglo, dignou-se dirigir ao brigadeiro eommandan-
te des armas para acompanbar, coojunctemente os Srs.
officiaes, a solemnissima proeissio Corpus-Ckiitti,
transmita o mesmu brigadeiroaseus carneradas esta edi-
ficante dispoticao do noiso virluoso prelado, desecando,
que compareci na groja matrii de Santo Antonio, pe
las A horas da tarde do da 23 do correle mez, em des-
empenbo da religiosidade.que Ibes he inherente. Quar-
tel general na cidade do Becife, 18 de novembro do
1845. Antonio Coritia Seara.

.*
.?
QUARTEL GENERAL A CIDADB DO RECITE, 18 DB N0-
jtVEMBRO DE 1845.
Ordem do da n." 04. ?
Na conformida'de do regulamentode 176*4, dar-te-ha
o toque de recolher as 9 horas: o que se (ti publico de
ordem do Sr. general commandsnta des arma,para a
devida execucao.
Jos da Silva (iuimataes,
Ajudante d'ordeni.
RIO-GRANDE- DO-NORTE.
Correipondencio do Exm. Sr. pretidmtt da provincia
com os juizei do direito eche/e de polica di mesma.
N. 15. Tomando em consideraco as razOes, por
Vmc, expostas em seu officio desta data, tenho exone-
rado do cargo de subdelegado de polica, do diitricto
de Ares a Alexsndre Rodrigues de Carvalbo, e no-
meado para o substituir a Manoel Rodrigues Correia,
por Vmc. proposto para o mencionado cargo, eosguar-
de a Vmc. Palacio do governo do Rio-Grande-do-
Norte, 5 do maio de 1845.--0r. Catimiro Jos de
Moran Sarment. Sr. chelo de polica jda provincia.
N. 16.Para poder executar o aviso imperial de 2
do mor ultimo, que acompanbou a remessa ie 200 tac-
cat de farinha, a fim de serem distribuidas pelfcs pissoas
pobres detta cidade e seus contornos, ou de outrot
quaetquer pontos da provincia, que estejio urgente-
mente oecessitados do sobredito soccorro, cumpre
que Vmc. com urgencia me remetta urna lista de todos
os individuos desta capital e seus suburbios, que esti-
vetem no caso da merecer o indulto imperial; devemlo
Vmc. incluir na referida lista o numero de pessoas
deoada Ismiha. Dos guarde a Vmc Palacio do governo
do Rio-Crande-do Norte, 5 do maio de 1845. Ur.
Catimiro Jos de Moraet Sarment. Sr. chefa de
polica.
N. 17.Ten do por portara desta dala dispensado
do cargo de promotor publico detsa comarca a Leandro
Francisco Cavalcenti de Albuquerque, que o exercia :
essim o communico a Vmc. para seu conliecimento.
Dos guarde a Vmc. Palacio do governo do Rio-Gran-
de-do-Norte. 5 de snaio de 1845 Di. Cahimtro
Jote de Morars Sarment. Sr. juiz de direito da co-
marca da Maiordade.
N. 18.Communcando-me o juiz municipal o or-
phaos da villa de S. Jos, que o escrivao do geral a
orpliSos de Villa -Flor,Sebasliio Policarpo deOliveira,
abandonara o seu emprego tem previa licenca do legi-
mo superior, cumpre que Vmc. proceda contra elle na
forma da le, visto chmr ae incurso no artilfn itST (10
cdigo criminal; devendo Vmc. dar parto a esta presi-
dencia doresultado.que tiver o processo,que hs de Vmc.
organisar centra o referido escrivao. Dos guarde a Vmc.
Pelacodo governo doRi-Graude-do-Norte, 6 de maio
de 1845 Dr. Catimiro Jote de Voraii armenio. ~
Sr. juiz de direito da comarca do Natal, e ebefe de
polica desta provincia.
N. 19.Attendendo ao que Vmc. me representou
em seu ofliin de hontem, tenho netta data dispensado
dos cargos de 1. e 6." suppleotes do subdelegado
de polica do districto de l'apary a Malinas Marinbo
de Carvalho, e Kstevao Jos de Carvalbo; e nomeado
para os substituir a David Manoel da Silva Leilao, e
Bernardo de Castro Leito.por Vmc. proposlos em seu
citado odicio Dos guarde a Vmc. Palacio do governo
doRio-Grande-do-Noile,6de maio de 1845. Dr.Ca-
timiro Jos de Moraes Sai ment. -Sr. chefe de po-
lica desta provincia.
N. 20. Cumpre que Vmc. me informo com. a
maior possivel brevidade, queexecuyio tem tido nesta
provincia o artigo 185, e seus respectivos os ai-
nos 186. 187, 190 e 191 do regulamento n. 120 de
31 do Janeiro de 1842. Daos guarde a Vmc. Palacio do
governo do Rio-Grande-do Norte, 6de maio de 1846
Ur. Casimiro Jote de Moraet Sarment. Sr. ebefo
de polica desta provincia.
N. 21.Em additamento ao meu officio, sob n. 19,
hontem datado, em que Ihe communioava ha ver de-
mettido o promotor d'essa comarca, Leandro Francisco
Cavalcanti de Albuquerque, tenbo a diser-lhe, que
deve Vmc. nomear nos termos do artigo 218 do re-
glamento n. 120 de 51 de Janeiro de 1842, quem in-
terinamente o substitua, coinpilindo-lhe igualmente
deferir juramento ao nomeado por Vm., conformo o
aviso o. 69 de 14 de junho de 1842. Dos guarde
a Vmc. Palacio do governo do Rio-Grande-do Norte,
7 de maio de 1845. Dr. Casimiro Jos de Moraet
Sarment. Sr. juiz de direito da comarca da Maior-
dade.
N. 22. Acquiescendo requisicio que Vmc. me
dirigi em seu officio de bontem, cumpre me signifi-
car-Ibe que tenbo nesta mesma dala exonerado do cargo
de subdelegado da Picada-do-Cear-Merim a Custo-
dio Domingos Codeceira, e nomeado para o substituir
a Andr de Paiva Ferrera e Albuquerque, por Vmc.
propotto em primeiro lug.r; o que ludo Ihe com-
munico para sua inteligencia, o em resposta ao seu
citado officio. Dos guarde a Vmc. Palacio do governo do
Rio-Grande-do-Norte 7 de maio de 1845. Dr.
Catimiro Jos de Mraet Sarment. Sr. chefe de
polica desla provincia.
. N. 23. Ao mesmo, ordenando-lhe, que expeca
suss ordens as autoridades policiaes de S. Goncalo, a
fim de ser capturado o desertor Joio Fernandes Vieira.
PIAUHY.
RELATORIO, COM QUE O EIM. PRESIDEKTB d"a VRVV1NCIA *-
bro a sessa6 ordmaria da assbmbta llcisiativa
eb1645.
Senkores da antmblca legislativa provincial.
(Continuado do numero antecedente. )
Forca publica.
k loica publica netta provincia comp6e-io : 1., do
corpo lixo "de cacadores de primeira linha: 2.', da
guarda nacional: 3., da polica municipal : 4*. da
polica provincial. Nada tenho a proagr vos quanto ao
corpo fixo de cacadores, porque, porWscendo i admi-
nistradlo geral, nio podis resolver a seu resp ito cousa
alguma : direi smente que lem contntrt#l a prestar
destacamentos a diversos mUnicirijoa^JMhando-se pre-
sentemente em Campo-Maior um aapilao.com 35 pra-
cas, em S. Goncalo um lente com 4 pracas, no mu-
nicipio do Principe-Imperial um sargento com 8 pra-
vas, em Jaicaz um cabo o duas praQas. Cites destaca-
mentos, porm, irregulares, como he faeil ditconlif-
cer-se, deyem ser quanto antes rocolbfos a capital,
porque o corpo perde em sua disciplina com se conser-
var assim por muito tempo fraccionado.
O aviso imperial de 26 de junho do 1815, dirigido
& esta presidencia, declara laes destacamentos contra-
rios a disciplina militar, e s os permitte em casos im-
previstos, e quando sao insulucentes os recursos da
forca policial, e da guarda nacional.
Sintodizer-vos que a guarda nacional da provincia
contina em estado bem pouco lisongviro O meu an
tceessor, que o anno passado assislio a abertura detta
assembla, dapois de expr-vos o atraso, em que se a-
cbava na provincia lio importante iustiluicio, equasi.
nenbuma Otilidado que ainda prettava, depois de in-
niciar-vos as medidas, que tomia para seu melhora-
menlo, declarou que tinba esperanca de na vossa 2."
reunio dar mais grata nformaco da guarda nacio-
nal. Essa esperanca, Srs., quo me ra to lisongeira
annunciar-vos realisada, esvaeceo-se. Alm das causas,
que ordinariamente entorpecen)o molboramento do ser-
vivo publico nesta parte, apparecro medidas da admi-
nistrado,que,em meu entender, fi/ero retrogradar a
guarda nacional daprovincia A le provincial^.28, que,
na presenta da leid'assembla geral de 12 de maio de
I840,estapor ora em pleno vigor nesta provincia,atto-
gura aos officiaes da guarda nacional a vilaliceilade de
seus postos. Entretanto o meu antecessor, o Exm. Sr
conde do Rio-Pardo, por motivos que julgou mni pon-
derosos, exonerou 30 officiaes, nomeaudo outros para
oc icub lug.r.i, alAm dn rnmnwar o m..H*.i.. **?
gar vagos diversos postos a pretexto do demora na soli-
cilacio das patent s. Em todos estes sentidos b8o de
pparecer reclamacSes, e eu estou disposto a faier jut-
tica a quem a tiver, tomando todas as providencias ao
meu alcance, para que se execute fielmente a lei,
guarda nacional caminhe desempeada pura o
melhoramento.
O artigo 3.' da lei provincial n. 172 snspendao a
concetso de postos e patentes para os corpos de polica
municipal, al que a assemblea,sobre circumslenciadas
informaedes, e mappas da forca o officialidado respoc-
tiv, apresentados pela presdenoia em sua primeira
reuniao, retolveste nova organisacao. Declaro-vos,
Srs., que nada achei na secretaria a tal respeito, nem
mesmo consta que se exigistem dos diversos municipios
os necessarius esclarecimentos. Esta falta, porm, he,
em minba opiniio, pouco scntivol ; porque nao l-
mente julgo quo foi mui discretea ditpoticao citada,
que sutpende a concesso de postot o patentes para os
corpos do polica municipal, como pens que nao de-
veis curar mais de taes corpos, e que al os deveis ex-
tinguir. Em verdade, Srs., ot corpos de polica mu-
nicipal, como se achio organisados na provincia, eu
os nio sei qusliRcar ; por quanto o fim da sUa creacio,
seguodoa le respectiva n. 51. becoadjuvar o servico
da polica provincial, e da guarda nacional, ao passo
que devem ser alistados nesses corpos todos >s indii-
duosque por falta de renda, islo be, por neo terem
100,000 rs. lquidos por anno, sao excluidos da guar-
da nacional; de maneira que ot corpos de polica muni-
cipal compoe-se, permitli-me a eipreisao, do (pDota-
Iho da populac.au da provincia; sendo por conseguate
a dtlesa dos dreitos do cidadio confiada kquelles, que
nio ouerecem garanta, nem pela ditciplna como a
polica provincial, nem pela propriedade como a guar-
da nacional. A missao dos corpos de polica munici-
pal ha quasi a mesma que a da guarda naoional, com
a diflerence, poim, que nesta da-so escolba, e apura-
cio. nuquella, neo. Tambem nio he pequeo incon-
veniente detses corpos de polica municipal o extraor-
dinario numero de officiaes vitalicios que Irouxerio i
provincia ; a multiplicidade de postos serve smente
para desaprecia-los, e cumpre ponderar que os legis-
ladores devem ter mu parcos em concestes desta na -
tureta, porque, importio urna especie delributo, que
leanla sobie a populacao, tributo de homenagem o
respeito tanto mais difficil de tatisfazer, quanto he pa-
go cuita do orgulbo, e amor proprio dos horneas.
Tantos officiaes de polica municipal untos aos da
guarda nacional, polioia provincial,- e lorca de linba
dio provincia urna tai abundancia de postos, que
nio pode deixar de ser um mal. Ponderarei por ul-
timo, que em lace do acto addiemnal me parece nio
estis autoritados para legislar sobie Ul objecto pois
que o artigo 11 jj 2 ', nico que pode ter citado netta
materia, d s stsemblas provinciaes a altribuicio de
fixar,iolte informacio do presidente da provinciaa for-
va policial respectiva. Ora, a forca doi corpos de poli-
oa municipal, segundo a organisacio.que, Ihe be dada
pelo cdigo das leis pisuhyeoses, nio be forca que ad-
mits fix.'cdo, segundo o acto addicional.
Pasto agora a tratar da lorca policial da provincia.
Segundo a lei vigente deve esta forc, constar de 176
pracas de pret, e 4 officiaes, que formio urna compa-
nbia composta de um capitao eommandante, um l-
ente, dous alfares, um primeiro, e dous segundos
argentoi, um furriel, 2 cornetat, e 170 soldados. Se-
gundo os esclarecimentos, que pude obler, nio mui
circutnstanciados, porque sabis que o eommandante'
dacompanbia da forca policial, que m'os devia forne-
cer, acha-se destacado, ha mais de um anno na cidade
da Parnabiba, estando de mais a polica esptlhada pe-
los diversos municipios em consideravel distancia, o
que difficulta o exacto conhecimento do seu estado-ef-
fectiv; segundo esss esclarecimentos, digo, falli
mais de 30 pracas para levar a companbia a seu estado
completo. Como o aviso imperial cima citado prohi-
ba destacamentos do corpo fizo nos casos ordinarios,
o nio seja permiltido contar com elle na lixaco da
forca policial, parece conveniente, se assinv o permit-
tir o estado das inanct da provincia fszer na forca
policial alguma altcracao. Convem elevar a torca ao
numero total de 225 pracas, de 180 que sio pola lei
em vigor, para lornecor destacamentos as diflerentes
villas da provincia. Veris do mappa sob n. 1, quaes
s8o as pracas queso devem augmentar, e o modo di
distribuicuoda forca pelos municipios. Em vende urna
companbia de lio grande numero de pracas. como a
que deve existir pela lei quo est em vigor, parece
melhor quo se (ormem duas mais regulares. Em lodo
caso deve cessar o abuso do acbar-se na Parnabiba o
eommandante da forga, que sempro deve estar na ca-
pital como centro donde se d movimento a polica
Em muitas provincias do imperio a polica compSe-
se de individuos engajado! para servirem por tempo
determinado, que sojao de boa conducta moral e ci-
vil, condicao esta indispensavol a quem te emprega em
manter a seguranca interna,amparando a vida e os bens
dos cidadios das lesOes, que os mos nio cesso do pre-
parar-Ibes. Hecoslume dar & forca de polica venci-
inentos diflerentes dos da forca do primeira linha, e
subjeta-la a regulamentos mais brandos.pois que, exi-
gindo-se dos individuos que a compoem certa morali-
dade, he consequenle rata-U. com mais blandura, a
nfhMCar ataii ani8<" pecuniaria.
As leis piaubyensei. porm, adoptio o recrutameoto
para formar a lorca policial, o regulamento do conde
deLippopara disciplina-la, e para remunera-la os ven-
cimentos da tropa de linha. A vos per ence decidir ao
taes ditposicSes sio dictadas pelas necessidades, e cir-
cunstancias peculiares da provincia, ou te tio tuscep-
tiveis derolorma. Eu jamis desejarei que a philan-
tropia teja attendida em prejuizo da seguranca, mal
nio posso deixar de diier que aquellas duposiyes me
nio psrecem conformes ao espirito da legislado brasi-
leira nesta parle.
nttruccdo publica.
I. Entino primario.
0 entino primario, essa grande necestidade social,
deve merecer a vossa solicitude e coosideracio. Ha m
toda a provincia 21 cadeiras de primeiras leltras, 18 pa-
ra o sexo masculino, e tros para o feminino, das quaea
esli vagas 7. Nio achei na secretaria, nem poda toli-
tar em 34 dias du edniinistraco, que taotoi ha decorri-
do, depois que tomei poste da presidencia desta provin-
cia, mappas de todos os professures, que me babilitu-
sem para conhecer o numero dos alumnos, e avahar o
seu progresso. Recebi do prolessor d Juromenha o map-
pa de julh > de 1814 a julho do 1815, que mostra ter
sido a aula (requemada por 39 discpulos, dos quaes
maior parte nio deo faltas, 5, porm, faltrio de 4 a 9
mezes. A aula de Valenca foi frequentada nosemeatra
de Janeiro a junbo deste anno por S9 discpulos. Q pro-
fessor da capital pelo mappa, que enviou, mostra ter 65
discpulos de frequencia irregularissima, pois noetpaco
de 6 mezei, decorridos de Janeiro a junho, s 3 meninos
nio faltrio, todos os outros, porm, derio de 3 e meia
a 84 faltas A escola de meninas desta cidade, segundo
o mappa de Janeiro a junho do correte anno, quema
remetteo a respectiva professora, conta 34 aiumnas. A
professora queixava-seda pouca frequencia dssdiicipu-
las, attribuindo-a em grande parle a falta de utensilio!,
e commodos da casa em que dava aula. Poucos dias de-
pois da remeta desse mappa falleceo a professora, o tan-1
do um grande mal a interrupcio do entino das meni-
nas, dei logo ordem para se por em concurso a cadeira.
Devo declarar aqui. em abono do bello sexo de Oeiras,
|ue, secundo as inlorinacdVs que tenho, nio falli se-
nboras com as habilita oes necessarias, que se propo-
nbao tirar em conourso a cadeira. Eu lolgarei de astis-
tir a este crtame litteraiio por ter occasiao de fazer jua-
ti(a ao mrito.
A segunda cadeira de primeiras lettras.cieada por lei
provincial, sob n." 86. ainda nfio foi provida, tendo te-
me lmente apreientado um requerimento de Francisco
Luis de Carvalbo e Silva, em que pedia fosse removido
da villa de Marvio (por nfio baver all o numero de me-
ninos, que a lei exige) para a segunda cadeira desta ci-
dade, respeito do que ekigi informacio da cmara da-
quella villa, que ainda nio recebi.
No meu entender, Senhores, be digns de ser revoga-
da a lei provincial n. 40 de 29 de agosto de 1836, que
nega ordenado aos prufessores das cidades, villas, ou po-
voaedes, que nio mostrarem.por attestados das camarts,
ou juizeade par, ter 12 discpulos. He sem duvida etri-
gacio do legislador nao crear indiscretamente cadeirai
de primoiras leltras para ol mais insignificantes povoa-
dos; ui, urna vex que em sua sabedoria reoln cria-
J ILEGVEL



c8o da umi cadeira, alo pode fi/er depender o ordena-
do do prulftsor de Tactos independenle de sua vontade,
peloi quaes jamis deve responder. Nenbum individuo,
eicepto ae lor inteiramente sem mrito, querer* expr-
ae aos ineommodos do magisterio, e emprehender ama
viagem, as veses bem longa, para o lugar do ensino, na
contingencia "de rollar em breve, ou porque nao baja re
almente abundancia de meninos, que frequentem a es-
cola,j)Oppr^ueos pas, incapares de apreciar asvanta-
gensda)Mapio de sous filhos, recusem envia-los au-
la; comejaelismenle aconteco.
I)e maise uoi lutar, por pequeo que seja,merece a
cathegoria de villa, nao sei como possa elle ser privado
dea vanlagens de urna cadaira de primeiras ledras : essa
despea beqa honra da provincia faxe- la aob pena de
notar-se-lbe a incoherencia de elevar por um lado certa
parte de seu territorio a graduaclo de villa, e abate-la
por outro lado a ponto de pegar-lhe essas noces pri-
marias, em as quaes o homem pouco cima est do bru
to. Julgo, pois, que a lei n. 40 deve aer revogada ao
monos pelo que toca as ciJadese ai villaa, ou eolio fa-
xer-se depender a cnbraoca dos ordenados de um menor
numero de discpulos, do que o exigido naqueila lei.
Anda chamo para outro ponto vossa esclarecida at-
lengao. As leis desta provincia, relativas ao ensino pri-
mario, fluctuando entre a excellencia, que mostro re
conhecer no ensino mutuo, e as difficuldades de aqui
eslabelece-lo convenientemente, a maior das quaes, he
sem duvida a falta de pessoas entendidas no metbodo de
Lencastre, mandao prover interinamente diversas ca-
deiras como teji as de Juromenha, S. Goncalo, S
Raymundo Nonnato, Bom-Jess, Estanhado, Campo-
Maior, Parnabiba, e as tres desta cidade, em profeiso-
ros do ensino, que as mesmaa eis chamSo simples, at
que appsrecio candidatos do ensino mutuo, ou medidas
legislativas regulem a forma do provimenlo, o a manei-
ra do ensino. O enaino, Seohores, deve quanto antes
sabir desse estado provisorio, Uo fatal ao seu piogresso.
umpre, que o legislador se decida, eicolbendo um dos
methodos, e eitaelecendo-o em toda a provincia, ou
determinando, que as escolas em cortos lugares maii
importantes sejio de ensino mutuo, e nos oulros de en-
tino simultaneo. Dando minba opioiio francamente
i;sio respeito, declaro, que nao pusso considerar grande
mal para a provincia a privacio do ensino mutuo, quen-
do vejo, que esse methodo de instruir a mocidade. ou-
tr'ora Uo gahado, vai hoje perdendo a estima dos bo-
mens illustrados. ejuixes competentes rusta questo.
Para nao abusar de vossa paciencia, deixo de allegar
muitasconsiderar/des em abono de minha asiercio, ci-
tando smente as seguintes palavras de um illustre es-
criptor: Oensino mutuo, que offerece o espectculo
de classes innumeraveis dirigidas por um s inestre com
o auxilio do pequeos monitores, tirados d'entre os dis-
cpulos, nao da educarlo propriamente dita, mas ins-
truccio, e eta lio superficial, e de certo modo tio ma-
terial, que verdaderamente nao be cultura do espirito.
Ponderal ainda. Senhores, que na Hollaoda, e na Al-
lemanba, paites classicos em materia de educacao da
mocidade, esta em desuso o ensino mutuo ; e di/ei-me
so parece bem que nos mostremos sentido) pela falta de
um methodo, que as nacei cultas ahandonao.
Creio, que tambem empreareis ptimamente o vos-
so lempo formulando urna lei sobre o ensino primario
^u J,u,n,inam aa u> jtuii., uua pi-
le deve con ter, as horas oo ensino. asterias, o provi-
mcrito das cadeiras, os deverrs dos prolessore, os annos
neressarios para a sua jubilucao, etc.
Talvet fosse conveniente consignar nessa lei a ideia
de constrangeros pais a mandar seus filhot s escolas,
subjeilando a una multa aquellos, que o nio fi/eicm
sem justo motivo: a sociedade est em seu direito, tin-
gando todo cidadio a instruir se, noque pe vm pra-
tica urna grande medida de polica, pois a ignorancia
be meio caminbo para o crime. Faz-se ainda sentir na
provincia a falla de urna lei desta otdem : ella ma pare-
ce digna de vossa illuslrecio.
II. Entino itcundario,
Se eu dissesse, que a provincia carece irrteirnmente de
ensino secundario, nao sena exagerado, porque sabis,
que se acba suspenso por lei o provimenlo das cadeiras
de rhetonca, geometra e pbilosophia, que desde a aua
creaclo nunca folio preenc idas, e das de latim. e
francez vanas, e o das de latim que vagarcm, exceptu-
ando smente a da capital. Assim, havendo do en.mu
secundario s tres cadeiras actualmente prvidas, que
sao as de latim desta cidade, do Principe-Imperial, e
Parnagu, o estas mesmaa, afora a da capital, aineaga-
du de exlinccio, pode-se afloulanientu asseverer, que
nio ha ensino secundario na piovincia. Estou em per-
feilo accordo com aquelles, que ulgio escusdo eipa-
Ibar cadeiraa de latim pelos municipios da provioeis ; e
pensando, que por muito tempo nao seiio ellas ecos
sarita, par>ce-me justa a sua exmelo : mas, Senbores,
privara provincia de ter em sua capital um curso de
humanidades, em que os mocos desta cidade, e os dos
outros municipios, que leem de seguir eitudos supero
rea, le possio habilitar, be, no meu modo de pensar
urna medida, cuja conservacio de certo modo deslustra
a provincia, e que consequenlemente deve ser revoge-
da, anioae fundar em raides de insuperavel necessida-
de. As raides, que podern apoiar a suspenso do ensino
secundario, derrelada por lei desta ossembla, reduxem-
se, no meu modo de pensar, as seguintes : 1.", falla de
diacipulos.qne frequentem aa aulas; 2.', falta de pessoas
habilitadas, que se incumbi do ensino; 3., penuria
dos cofres provinciaes.. A primeira nio pode ser muito
procedente, quando considero, que esta provincia nio
cessa de mandar mocos para atdiversaa academias do
imperio., tendo actualmente um no Rio-de-Janeiro, ou-
tro na Baha, eo.ou mais em linda, e ainda menos
parece admisaivel a primeira raigo, quando be sabido,
que em Jaicox o Reverendo padre Marcos de Araujo Cos-
ta, esse cidadio prestante, que tanta honra faz i sua
provincia, tem constantemente,em sua fazenda Boa-Es-
peranca, nio pequeo numero de mogos aos quaead
licas de latim, francez, rhelorica e philosopbia. Quan-
to i segunda reiio, em que se pode basear a disposi-
cio legislativa, que suspende o provimenlo das cadeiras
do entino secundario, creio, que ella em breve perdu-
ra o tea supposto valor com a vinda desees mocos filhos
da provincia, que eslo concluiodo seus estudos as
academias, alm de que nio be impraticavcl, nem mes-
mo dicil attrabir por urna justa remuneracio mocos
de outrat provincias, que venbo aqui exercer o magis-
terio. He coalume dos paiiei, que apreciio a civiliaa-
cio, principalmente em quanto nio leem abundancia de
capacidades, convidar talento etlranhot, que se co-
csrreguem da instruccio publica. A*penuria actual
cofrea da provincia opponbo as seguinTeJ consideraron,
que nio me parocem sem importancia ; 1.', a berr
fundada esperanza de augmentar a sua renda com-*
creacio da thesouraria provincial, de que logo trata-
rei : 2.*, a exlinccio daa cadeiras de latim da Parna-
biba, Campo-Maior, Principe-Imperial e Parnagu,
applicando te ao entino tecuodario da capital o diobei-
ro queae devera gastar com aquellaa cadeiras: 3.', o
arbitrio de confiar a m t individuo o entino de dons
mvi| ^_
munieipaldesta cidade, em oflloio, que dirigi*
aoteeesaor, com data de2demaio docorrentt?mo,
pedio-lbe instantemente tuas ordena, para qne H exe-
outasse aquella lei, que manda /azar proWeonamenle
pelos oolret provinciaes, em quanto os muoicipaes nio
leem renda sufRciente pita sem-lbante fim, as despezas
da lluminsgio. Esse olTicio achef eu no meio de oulros
da mesma cmara coucernentes a obraa publicas com a
seguinte oota:-Para resolver em lempo opporlono,visto
preparatorio!, porque dout ordenado! reunidos, por pe, nio haver quintil alguma ditponivel. Nio obiUnU es-
- vaDlagem, e aa consideracio, expedio o meu antecessor orden, da -
quenot que teji, j offerecem alguma vantage
excitio a concurrencia. Sei, que, assim como a diviao
do trabalho material produz aa maravilhaa da industria
moderna, tambem a divisio do trabalho da iutelligen-
cii he a condicio do progreaso das tciencitt; mu,
Srs cumpre comecar, te nio como fra melbor, ao
menoa como be potsivel. O entino tecuodario deve
constar, atteotat ai circunstancias da provincia, daa te-
guintes cadeiras : latim, fraocet, rhelorica, pbiloso-
phia, geometra e geograpbia. A lei provincial n. i
le 29 do maio de 1835, que adopta para uso das aulas
de pbilosophia da provincia os compendios de lgica,
metaphytica e etlica de Mr. Edme Ponelle, nio pude
escapar a vossa critica, como digna de aer revogada,
pois ba livros elementares d aquellas materias mais a-
creditados, oujatjjicolha deve reservar-ae ao professor,
ou i quem tenha inspeccio sobre o ensino, nao deven-
do jamis ser objecto de urna disposicio legislativa.
Culto publico
Aa 15 Ireguetiat da provincia continuio nodeplora-
vel estado, que detereveo o relalario da pretidencit na
sessio do anoo panado. Houve smente de mais, quan
t ao pessoal, vaga da fregue/a da villa de Faroa-
gui, provida no sacerdote Manoel Quintno de Brito,
brbaramente assaisinado nesta cidade, como cima fi-
el dito, de mineira que existem 8 Ireguezitt com vi-
garios confirmados, 5 com parocbos encommendadot,
e 2 vagat, ambat da comarca de Parnagu i. Quanto i
matnzes, te pdedizer tem conteslarao, que ai nio ba
abaolulamente, ou se existem sebio-se poracabar, ou
ja arruinadas, sendo excepeo desta regra a matriz de
Jaicoz, quo se acba acabada, e em bom estado. A det-
peta necessaria i este ramo doservico publico, sobe a
urna cifra superior, naa actuaes circumstancias, as (oreas
do thesouro provincial, porque s para os reparos de al-
gumas malrires, eujos parocbos envirio orQamentoa
presidencia, pede e urna quantia maior de 15:000* ra.
Nos lempos do egosmo, em que vivemos, ludo se
quer faier pelos col'es pblicos, e como estes este|io
aempre exhaustos, d'ah vem, que nao podemos, j nao
digo fazor iguaes, mas conservar as obraa dos ooasoe
antepaisados. Pela minha parte eslou perleramente
convencido de que nio leremos matrzes. dignas desse
nome, em quanto a piedade dos fiis, essa piedade, que
bem dirigida he capaz de prodigios, nio lr estimulada
i coadjuvar o thesouro publico, na construegio e reparo
dos templos. Abi esta oexemplode Jaicoz: a sua ma-
triz, queimportou em mais de 1(5:000* rs., s reca-
teo do colre da provincia 4:000i rs. e pode-se dizer,
que toda a obra se deve a piedade de seus habitantes.
Entretanto he sempre indispensavel, que no orcanienlo
se consigne urna quantia par despezas desti ordem, e
me parece razoavel a que vem na lei vigente.
Anlesde passar a outro assumpto direi. que, havendo
a lei n ISj de 8 de selcmuro oe loiV, autoritado o
governo da provincia a solicitar do central dous missi-
onarioscapuchiobos, que seempreguem na catbequese
dos Indios, e predica do evangelbo, onde e quando o
inesmo governo de accordo com o prolado da diocese
julgar indispensavel.nenbum pasto deu meu antecessor,
para que essa lei se cumprisse, talvez embaracado por
oulras occupardes. Convencido da ulilidade, que pres-
tan tses missionarios, fiz a solicitacio, para que eslava
autorisado por lei, em oflicio ao governo tupremo, da-
tado de 21 do mes de julho.
Hospital de caridade.
O botpiltl desta cidade, em que se cutio enfermos
indigentes, os presos, os soldados do corpo fixo, e de
policia provincial, eos escravosdas (izendat nacionaes,
he, como aabeis, o nico estabelecimento de caridade,
que i qui existe. A committio, nomeada este anno pela
cmara municipal, na forma do artigo 56 da lei do 1.
de outubro de 1828, ecncairegada da visita daa pri-
soes e cstaln lecimenlos pblicos para informar do seu
estado, o dos melhorainenlos, que precisio, disseem
ua infi'rmagfto a cerca do hospital, que este estabele-
cimento.mesquinhoemsuas dimvntOet, pouco accetsi-
vel ao ar, e a luz, carece de lodos os coinmodoi, e he
incapax de melhoramcnto. Knlrelanlo o medic do
partido publico, dequim exigi inlormacdea relativatao
mesmotslabelecimento, respondeo-meem oflicio de 12
de julbo, que o hospital, como se acba montado, tem
o material sufficiente, e o servico astaz regular, neces
litando tomento o edificio da conslruccio de um muro
circular para aegurar a eflicacia da policia interna, e de
se abalaren) paredes dos repartimenlos pura luverem sa-
las espacosas ean jadas, t'.ollo.-ando-nie no meio destas
opinos extremas julgoconveniento curar demelborar
o hospital existente na lrma, que indica o respectivo
medico, sem perder de vista o cumprimento da lei n."
19 de 4de julbo de 1835, que orcnou bouvesse nes-
ta cidade um hospital do caridade. Comidero como um
dosprimoiros deveres da administrado levar a efleito
essa dispoaicio legislativa, o declaro ios, que nao po-
der haver part mim maior prazer, do que o de dar im
pulso e concorrer, para quo se levante 6 humanidade en-
ferma um abrigo, em que receba da caridade o allivio
de seus males. O mtppa n.' 2 moitra quanlos enfer-
mos se recolhrio ao hospital no semestre de Janeiro a
junbo deste anno, o numero dot que morrrio, e dos
que te reitabelecerio.
Vaccina.
A vaccina, esse efficaz preservativo datbexigat, nio
tem aido empregada na provincia, como ho inditpenta-
vel, nio por descuido da adminittraco, poit que os
meus antecesaorea moslrarao-se solcitos em mandar vir
de oulras provincias o necessario pux, senio porque es
lo ebega sempre em estado de produzir pouco efleito.
Pretendo lomar providencias sobre a vaccina, e insistir
sempre em sua propagagao; porque neste caso a tena-
cidade be um dever. Pelo correio, que daqui sabio no
da 21 do paasado, olTiciei ao presidente da Babia, pe-
itindo-me remetesse algumaa laminas de puz vaccinieo,
que, espero, me serio enviadas.
Illumtnacao publico.
A llurjiinacio desta capital, e da cidade da Parna-
biba nao pusuu,pr muito lempo,de palavras escritai na
Udi de 20 de junbo, io inspector da thesouraria para
ae lavrar termo de contrato com Joio Bernardo de A-
zevedo Brag, fim de mandar vir os limpefiei preciaoa
para a llumioacio deata cidade. Assim, be de eapersr,
que brevemente chegue o dia, em que o povo nio aeja
mais privado deite beneficio.
(Cbni'riiior-ia-Ad.)
DIARIO DE PERVUBUCIi.
(Conlinuaco das nvliciat do paqueli.)
Tambem recebemos pela barca Zilia joroaes fran-
ceses que alcangio smente a 3 de outubro ; e por con-
siguite nada adianlio ao que extraamos dos ingle-
LU
~ AsfoIbiideMidrid, recebidaa em Londre at
a ultima data, chegavio a 29 desetembro.
Ai de 26 diaiao. que se tinba deacoberto 2t em
Saragossa um deposito de plvora, armas, e provisea;
e que baviio sido preos dous mancebos, que moravio
na casa.
A 27 tinha partido para Franca o general Maxarre-
do, capiliogeneral do Madrid, e loi succedido no seo
commando pelo general Cordova. Progrediio lenta-
mente as negociaedes com a corte de Roma. N'aquel-
le dia tambem o ministro dos negocios estrangeiros
expedio um proprio com deipacho para o enviado bea-
panbol i Santa S. A 26 troerio-se finalmente as ri-
lificacSes de um tratado de pn ede imizide concluido
entre a Hespanha e o Chili.
Havia a final apparacido na Gaula o decreto, ba
muito esperado, para a orgaoitacio do concelho real
Os direitos dos membros dests corporacio erio a quaai
todos os respeitos aemelbantes aoa dos concelheiroi de
estado de Franca. Tinba havido urna reuniio dosdi-
rectore do banco de S. Fernando para deliberaren),
ieconvinba quecontinuasiem os avancoi ao ministro
da fazenda. Nio tinba transpirado o resultado da de
liberal ao; mai cria- se que continuariio.
A (junta tambem publicou es mstrucces para -a
organiacio das univenidades de accordo com a lei pu
blicada para este fim um ou dous dial antea. Os nito-
res das universidadea de Barcelona, Granada, Madrid,
Oviedo, Salamanca, Santiago, Sevilba, Valencia,
Vallad did, e Saragossa, e osdireclore da laculdade
de medicina deviio entregar inmediatamente os seus
respectivos estahelecimenloi aoa cheles polticos daa
provinciaa onde estavio situadas as univenidades, e
impender o exercicio das suas funeces. Oa oliefei po-
lticos erio os encarregadoa da reorgaoisacio, confor-
me o novo plano de instruccio.
El ffsro/r/oconvidava os seus amigos polticos a rom
apiosontar as suas levlamav^09 As iinmuniJodoa eleito
raes ; e publicou a actual lei de eleices, a rim de que
nio houvesse engao a (al respeito.
El Castellano tambem exborlava os seus amigos po-
lticos a nada desprexarem n'aquella occasiio para aa-
segurar ao seu partido o (riumpbo nal eleices. Va-
rios deputados, que linhio acceitedo empregos ou con
uecornces do governo, leriio do pasaar por proras para
a reeleicio.
Carlas de Barcelona, com data de 27,*menciona-
vio que 12 mancebos que tinbio fgido de suas cuas
pira evitar a conscrpcio, e virio-ie obrigados pela ne-
cessidade i faierem-se salteadores, lorio fusilados na
manhaa d'aquelle dia, na esplanada da cidadella. S
Ibes concederlo 2i horas para so disprem a ir para a
etoi r.idade. O mais velho tinba menos de 21 anuos de
idide.
O Fomento de Barcelona da mesma data tambero
annunciou urna execucio que leve lugar no dia ante-
cedente em Gerona, a de Pedro Vinela. binddo que
era ha muilo o terror da provincia, tinba 24 annos de
idade. Havendo fgido para a Franca foi reclamado
pelo capitio-goneral, e entregue a este pelas autorida-
des francezaa a 24 de julbo, em virtude dos tratados
existentes. Confessou na capilla (oratorio) ter matadj
nove pessoaa, e ferido muilas mais. Tinbi-ie unido
aui bandos carlistas na dade de 14 annos, e desde
eolio a sua viada fra um lecido de crimes.
S.A. R. a princeza.herdeira presumptiva dacora de
Hanover.deo i luz um principe no dia 21 de setembro.
Por circunstancias particulares inherentes successio
do tbrono de Hanover, foi aquella acontecimento ap-
plauddo com a mais viva alegra. Ajufltario-se os ci-
dadios disole do palacio do re, a cantarn o bymno,
Nun dankel alie lioll ; depois do que resoario os
mais entusisticos vivas i prosperidade da caaa real.
A cidade de Hanover esteve esplndidamente Ilumina-
da durante a noute.
A ultima noticia de Conatanlinopla era datada de 17.
Cbekib Eflendi tinha seguido para Beyrout a 9. N'u-
ma nota dirigida aos embaixadores estrangeiros por oc-
casiio da sua missao i Syria, prometteo a porta pagar
as 10,000 boleas que os Di usos deviio aos Maronilaa,
como indemnisscio das perdas solTridat por estes em
1841. Metade d'aquella somma devia aer pagaem
Beyrout i ebegada detlukib Efiendi, e 0 reato de-
pois da applicacio das rriedidas.que tornrio necessaria
a sua presenca na Syria. Edheni Pacha havia sido
nomeado preaidente do concelho do almirantado.
Os jomaos de Smyrna de 19 mencionavio um novo
acto de piralaria, commetlido perto de Slanchio, onde
um navio de Latakia, destinado para Smyrna, tinha
sido saqueado no valor de 60,000 piastras. Um cor-
respondente de Alesandria eicrevia a 19, que o vice-
rei tinha estado levemente indisposlo. Elle devia par-
tir para ot Cairo em principios do mez de outubro
Scherifl Pacha, ministro da fasenda, havia aido sus-
penso do leu emprego por 3 mezes, e dixia-se, que
(icaria encerrado na cidadella durante aquello periodo,
em connequencia de ter ello tomado parte em algu-
mas Iransaccea fraudulentai, que muito baviio eican-
dalisadoopachi. Seyd lli'' lilbodo Imaum de Mus
cat, embarcou para Iog.vierra a bordo do vapor Ori-
ental. Fazllo-se no Cairo grandei prepariWrjs pata
a celebracb do casimenlo di filba do pacb com
kiamil Pacha.
Uma carta de Alhenas, com data de 20, refera qne
tinba sido-restabeleoida a tranqoillidade em Maina,
onde os ohfes de duas familias poderosas, o MMro -
mjcbaele e o Ple.rracos, rivies e inimigos ba 15 an
os, haviio armado os aeus respectivos partidario*. O
governo tinha aido obrigado a faxer marchar tropas
contri elles, e o Monitor grego inouncuvi, que ha-
viio capitulado. .
A Gaztta de Augtburao diiii.^que o principe Fer-
nindo de Sixe-Cpburgo tencionivi partir brevemente
com leu filbo, o principe Leopoldo, de Viencji, pri-
meiro pin a loglitern, e depoii pin Portugal. A
mesma gazeta tambem annunciou a volla do principe
Metternich a Vienna, a 26 ; e mencionara que M. de
Tatiscbefl, ex-embaixador da edrte de S. Petersburgo,
oqusliesidi em Vienm, estivi tio perigoiimente
enfermo, que se lee tinhafi perdido as esperaneai
vidi.
A Gauta i* Manheim, de 27, innuncuvi i cbigi-
di de M. Ronge i Heodelberg, e iccreicenUva que as
autoridades Ihe haviio prohibido formalmente que
pregaase em alguma das igrejaa ou que proferiste dit-
curso algum em publico. O meinao jornil diyi o se-
guinte como causa de ter el-rei da Prussia sabido re-
pentinsmente de Municbe depois do baptismn do filbo
de principe real: aTendo o bispo, quo officiave, con-
vidado as testemunbss pira porem as mios tobreo real
iofante.segundo as formalidades preieriplai pela Ingla-
terra, el-rei obedeci, mu obispo retirou inmedia-
tamente a sua mi. O rei deo u costil, e logo de-
poii pirtio de Munich. __________________..
COMMEBCIO.
Alfandega.
BtMniMBirro oo du 18.................5:337#522
Deicar regad hoje 19
IlarcaEikbacalbao.
BrigueGratnidem.
BarcaZiliamercadoriu.
BircaIrtidem.
BrigueAraaoidem.
IMPORTACAO.
IRT baroa ingleza vinda de Liverpool entrada
no correte mei, e consignado de Latham & Hibbert,
manifestou o seguinte :
103'/ toneladas de carvio de pedra ; a Joaquim
Baptiata Moreiri.
16 barricas tinta, 2 caixai ohjectos de botica 2 ditas
drogaa, 1 fardo lundas; Veilch Bnvo & Compi-
obia.
1 ciixi e gnnel miebinismo ; i Johmton & Nub.
41 barrito 2ciixulerngens, 30 firdos e 3 ca-
xaa faxendu de algodio 6 caixat miudezai, 5 ditas
liobaa de algodio, 2 embrulhot ignora se; a G.
Kenworthy & C.
100 barris piche, 10 Isrdos laxendas de algodio; a J.
J. Monteiro.
1 cana miudeist, 6 ditas e 19 lardna fatendat de al-
udi 14 barrat de ferro 1 embrulho roupa e ou-
lros objeeloa : a Rcdgway &C
3 barril pregot, 1 oaixa fio de linho ;|a J. F. Pe-
reira Vianna.
5 caixas lenceade cobre 2 lencude chumbo, 27
ciixas folha de Flandres ; a Andrade & Irmio.
50 barricas cerve|a 48 fardos fasendas de algodio ,
3 ditos ditas de lia 8 caixas Telendas da liobo ; a
Jones Pitn & Compiobn.
9 ciixas lazendaa de lioho 2 ditai ditas de lii .
ditas lencos de seda 10 fardoa ditos de algodio ;
Me Calmont&C.
10fardosfazendas de algodio; a Latbim & Hib-
bert.
25 fardos e 5 caixis faxendu de algodio, 1 dita ditu
de linho ; a James Crablree Si C.
1 embrulho toucinbo 4 fardoi fitendu de algodio,
2 embrulbos papel e livros, 2 ditos pertenec psn es-
criplorio 1 cesto p pira limpar meties, 1 barril car-
ne salgada 1 caixa um queijo ; a ordem.
5 taixas de ferro 24 fexea dito ; a Marr & C.
10 fardos e 15 caixas faxendu de algodio, 12 ditas
ditas de linho dual barricaa drogaa 41 barra pre-
go! 25 barril enxada, 1 barril colbore de metal; a
J. Pater & C.
23 fardos o 13 caixas fueodaa de algodio ; a Adam-
son & C.
12 barril oleo de linbaca 150 ditos maoteiga ; a
N. O. Bieber & C.
9 caixas biicoulo ; ao capitio Green.
43 fardos e 10 caixas fazendas de algodio, 1 dita
lencos de seda ; a Ruisell Mellora Si G.
10 fardos e 4 caixaa fasendas de algodio 1 dita di-
tas de lia, 1 fardo faiendaa de lia e algodio ; a Bous
Braga & C.
2 caixas faxendu de lii e ilgodio ; a B. Rojli
&C.
31 firdos fasendas de algodio ; a W. E. Smith.
4 lardos e 4acaixu lazendaa de algodio ; a Oeane
Youle & C.
I caixa roupa ; a Ruop di C.
1 dita dita i a Snow.
1 embrulho livroi e papeii; a* livraria ingleza.
12 embrulbos amostras; divinos.
3
Consulado.
BENDIMKMTO DO DU 17.
Geni883*751
Provincial339#766
Movimento jjo Porlo.
Vacio entrado no dia 18.
Philadelphia ; 44 dial, escuc americana II. F. Loptr,
de 167 toneladas, capillo Josepb Farrell, equipa-
gcm8, carga (arinha, barricas vuiai, cha e falin-
das : Matheus Austim & Companbia.
Navioe tahidoi no metmo dia.
Rio-de-anoiro ; brigue americano Joeeph- Coto per -
tktoait, capillo Andrew D. Evana, carga fasendas.
Pauageiro, Digo H. Brown, Americano,
Buenos- Ayres ; patach sardo .untanc,' espitio Bar-
tholomeo de Assore, carga essucaf 8 ago'irdente.


Edital.
O Illm. Sr. inspector da (heso'urera das rends
provineiaes minda later publico, que, em virtude da or-
den) do .Exm. presidente da provincia, ir dejiovo a
praca, para aer arrematado a quem maii der, o rendi-
inen'o das collectorias dos municipio abaixo deicriplos,
por lempo de 2 anuos o 9 metes, a contar do 1. de Ja-
neiro de 1816, aob ai avahares annuaei segointea :
Bonito.........................1:000.000
Flor........................... 951.000
Boa-Vista...............*....... 627,000
Os licitantes,devidamento habilitados,devercompa-
reeer na tala das eessoe da niesina thesouraria, noa das
10 [boje), e21 de novembro prximo vindouroaomeio
dia.
Secretaria da thesouraria dai ren'da provineiaes de
Pernambuco, 3 de setembro de 1848, O aecretario,
Luit imCoilaPortocaireiro.

Dec-laraces.
= O arsenal de guerra precisa comprar 263 parea
, desapatos para a tropa, o 2380 veraa debrim ; quem
taea gneros titer, mandar auas propoilaa em carta fe-
chada,' junto com as amostras, a directora do ni es m o
arsenal, at o dia 19 do correte mei. Directora do ar
tenal de guerra, 15 de novembro da 1846. No impe-
dimento do escripturario O amanuense,
Joio ficanlo da Silva.
O arienal de guerra compra cem archotet de ca-
parlo: quem este genero tiver, mandar sua proposte,
em carta fechada,a directora do metmo arsenal,aleo da
20 du corrente mez. Directora do arsenal de guerra,
17 de novembro de 1846.No impedimento do escrip-
turario O amanuense,
Jod-i Ricardo da Silva.
O vapor S.Sebattitto recebe as malas para oa por-
tOidoSul hoje^19)es 2 horas da tarde imprelerivel-
mente: e as cartas, que vieren) depois dessa hora, pa-
garlo" o porte dobrado.
COMPANIIIA DE BEBIRIBE.
Co*vocaco para quinta feira, 20 do crtente.
Tendo-se marcado euceessvamente- os das 13 e 17
do correte para a segunda reunio ordinaria deste
anno, determinada no artigo 17 dos estatutos, e nio
tendu, na hora marcada, comparecido acoionistaa, que
completassem o numero de 200 votos, que, pelo artigo
16, ae fazem precisos para haver sessio em assembla
geral ; sio pela lercera vez convocados os Srs. accio-
nistas, para que bajo de reunir-ae improterivel mente
no da 20 do correte, as 10 horas damanhia. no es-
criptorio da compaobia ; a fim de que a administraclo,
dando coota doa negocios a seu cargo durante os lti-
mos seis mezes, seja habilitada a fazer progredir a om-
preza.de Janeiro em diante, com a approvacio da recei-
ta e despea para o semestre prosimo futuro, e se to-
men) outras medidas, que se julgarem convenientes aos
ititeresses da companhie. He, puis, indispensavel, que
esta reunio tenba lugar; e assim como o director nio
pode prescindir de a convocar na poca linda pelos es-
tatutos, tambem os Srs. accionistas nio se deven) dis-
pensar de a ella oompareoerem, sendo que o abandono
deste direito,anda mesmo por baver plena conlianca na
administraclo, pode prejudicar e preterir os negocios
da associaeio Espero, por tanto, que desta vez nio se-
ja frustrada a convocacio, e que hora marcada se pos-
ta, abrir a sessio, sem que una tenbio o incommodo de
esperar por outros, ou de tornar anda para o mes-co
fim. Becife, 17 de ooveuibro de 1845 O director,
Jote Hamos de Olivara.
COMPANHU ITALIANA
Quinta feira, qo de novembro de i845,
EH BENEFICIO DO BAIXO-JOCOSO
Paulo Franchi,
. Ser representada, pela premeira vez,
a lindissima peca em tres actos, chefe
d'obra do Sr. Cav. Donizzetti,
LUCA DE LHIdIIIIIIIK.
N. B. Esta representadlo nflo entra no numero
das assignaturas. Oa bilhetes de camarote e platea
vendem-se em casa do director, ra Nova n. 7. Os
senhores, que fizerfio inscrever os nomes para esta
funccilo, tenhilo a bondade de mandar buscar os
bilhetes at hoje que no dia 20 s se achar no
botiquim do theatro. Principiar as 8 horas.
Avisos martimos.
ba segu viagem o patactxtf} portugura
jipara caiga e panageiros trata-se com F>r-
Eulii da Roa k Irmio, ou com o eapiUa
Jas* Corris. jji
i-so urna bareaca, que pega em 24 caias
de assucar i gosto, construida de boas madeiras, e feila
as Alagss; esli .prompte*de ludo; he nova ; anda
nio le viagem alguma, exoepcio da em que veiu de-
pois de acabada ; e be muito boa de vela : quem a qui
ter, proeure a Antonio da >ilva Gusmio, oa ra do
Queimado, n. 39, e, na sua falta, i seu caiieiro Maia
Para Maranhio sabe com a maior brevidad
possivel o brigue-escuna nacional Laura, apitio
Antonio Ferreira da Silva Santo: para carga e psssagei-
ros, para o que tem eicellenles commodos trata-se
eom o dito oapitio ou com Novaes & Compaobia, oa
ra do Trapiche, o. 34. >
,Para o Rio-de Janeiro segu eom brevidad o
bem condecido brigue Bom-Jetut, capillo Pedro Jo-
s de Salles: para carga, peasageiros, eeacravos a frele,
ajustar com Gaudoo Agostihho de Barros, pracioha
do Corpo Santo, n. 66.
Leilao.
O correlor Oliveira transiere, por causa de incom-
modo de saude o seu leilio de fazendas anouaciado ,
para seita-feira 31 do correte as 10 horas da ma-
nbSa no seu escriptorio ra da Cadeia.
Avisos diversos.
.O paquete brasileiro de vapor S. Sebaslido, com-
mandante Monoel dos Santos (huellas, segu viagem
deste porto psra os doSul, boje, 19 do novembro,
pelas 6 huras da tarde, e fecha as malas no correio as
2. Rogase aos Srs passageiro, que teociooio voltar
no dito paquete, queirio vir declsra-lo oa agencia at
esta ultima hora, Do Recife, ra da Crus, o. 7, 2.'
andar.
Para o Aracaty aegue, em poucos dias, a sumaca
Sanio- Antonio-de- Padua, por ja ter parte de seu ear-
regamenlo prompto: es pretndanles dirijio-si. a ra
do Vigario, o. 6.
= Para Genova est a ssbir o brigue Roa: quem
nelle quier carregar, ou ir de patsagem, dirija-se a
seu consignatario Nascimento Schxefler & Companbia.
Para o Ass parle.no dia 19 do correle,o bergan-
tn) nacional Fiel, capillo Manoel Marcianno Ferreira,
recebe nicamente passageiro,para o que tem os mais
escolenles commodos;,. a tratar com os consignatarios
Firmiuo Jos Flix da Roa & Irmio, ou com o refe-
rido capillo. ,
' Para Lisboa si eom brevidad o brigue portuguei
Taiujo.*: para carga e passageroa,\flra o que tem
os mai excellentea commodos, IrataSe com Firmino
Jos Feliz da Boia & Irmio, ou com ocapilio Manoel
de Oliveira Fanco.
=Para Lisboa segu viagem com brevidad a escu-
na portuguesa Tarujo A/ Filkor. para carga e passsgei
ros trata-se com os consignatarios Firmino Jos Felii
da Roza 4 Irmio, ou com o capillo Francisco Antonio
de Almeida.
= Vende-se urna laneba nova vinda do Porto ; os
pretendentes enteodio-se com Antonio Joaqun de
Souza Bibeiro. .
= Achando-se quasi completo n almansk para o
anno de 1846, roga-so aos Srs. doutoreseni medicina,
cirurgiSes, e pbamarceulicos, cujos nomes nio se a-
chip contemplados no do anno presente, sedignem
mandar seus nomes e morsdas, na praca da Indepen-
dencia, livraria, ns. 6 e 8
O annuncios, insertos no Diario de Pernambuco
de 17 e 18 do correte, eom as lettrss M. L. V., nao
se ontendem com os Srs. Manoel Luis Vieira.e Manoel
Luiz da Veiga.
=Deseja-se fallar ao Sr. Francisco Jos Alves Gama:
na ra da Cadeia-Velba, n. 60.
-Precisa-sedeum rapas de 12 a 16 senos de ida-
de para servieo de lypographia : quem quier isso
preslar-ie, dirija-se a casa da t,que acbar com quem
tratar : adverte-se que, alm do ordenado, por que se
poder ajustar, d-se esta para morar, e mesmo me
ssda.
A senbora D. Anna Joaquina de Figueiredo, viu-
va de Manoel Cavares dos Passos, mande procurar urna
carta na ra dos Copiares,n.14, ou annuncie a sua mo-
rada,para ser procurada.
Aluga6-se os primeiro e segundoandares da casa da
ra larga do Roiario, n 23, com bastantes commo-
dos; para ver, do armasem do mesmo sobrado ; para
tratar oo Atterro-da-Boa-Vate, n. 43.
A pessoa, que annunciou querer receber dividas,
pagando se os porcentos, querendo, pode apparecer
na ra Nova, n, 28, que achar com quem tratar.
Preciss-se fallar aos Srs. Bernsrdino Jos Lopes.
Jlo Bernsrdino de Carvalho Pinto, Joaquim Jos
Ferreira da Gama, e Francisco Jos Alves Gama: na
ra do Queimado, n. 26.
O Sr. doutor Manoel Nunes Bahiensn queira ao-
nuaciarsua morada, que se Ihe precisa fallar.
= Roga-se aoscarregadores do brigue Fiel, quei-
rio presentar hoje as 9 boras em ponto os despachos,
que ezistem em seu poder, na ra do Vigario, n. 6.
Di-se dinheiro a premio com penbores de ouro,
mesmo em pequeas quantias: na ra do Rangel, n 11.
= Francisco Ferreira Bastos, subdito portugus, re
tira-se para Macei.
>0 af T. I. L. baja de comparecer no dia 23 do
correte para o negocio,que nao ignora, na ra Direita,
psdaria, n. 69: e, nio comparecendo, se por o seu
nome por extenso, e o negocio que se fes.
Precisa-se alugar urna casa, que tenba commo-
dos para urna pequea familia, e que seja as seguinles
ras : de Hurtas, do Roiario larga, ou estreita, das
Aguas-Verdes;cujo aluguel nio exceda de 10 a 12^000
rs. : quem tiver annuncie.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da traves-
ss dos Expostos, n. 18: a tratar no segundo andar
do mesmo sobrado.
Aluga-se urna loja oom armaclo propria para
miudeas com urna porta ; na ma do Queimado o.
43 : o aluguel he barato.
=m Quem precisar de urna ama de le te dirija-se a
ra da Penha sobrado, n. 2.
= D-se dinheiro a juros com penhores de ouro
prata mesmo em pequeas quantias ; oa ra da
Praia, n. 22.
Amesa regedora da irmandade do Sr. Bom Je-
ss das Dores, em S. Goncalo da lloa-Vista, laz sciente
ao respeitavel publico, que, tendode b-stejsr a mila
grosa imagom do Sr. Bom Jess doa Pobres Afilelos,
no dia 28 de novembro e nio Ihe sendo possivel,
transferio para o da 7 de detembro ; o que avisa a
lodos oa fiis devotos para que hajio de concorrer com
a tua asmla.
Precisa se d um eaixeiro Portugus, de 16 a
18 annos.para venda, que da mesma tenba pratica : oa
ra da Aurora, n. 48, ou oa ra Formse, n. 1.
Jos Francisco Martina de Almeida retira-se para
lora da provincia.
= Aluga-se, por preco commodo urna casa no
Poco-da-Paoella pelo lempo de festa ou por anno,
com bastantes commodos muito fresca por ser do
lado da sombra : a tralar com Joio Ignatio do Reg ,
oa ra do Livrameoto, n. 2.
Julo Goncalves Evangelista mestie alfaiate ,
mudou seu estabelecimerrlo, da ra da Cadeia para urna
casa de urna andar na mesma ra n. 32, por cima da
loja de sapateiro.
Precisa-se alugar um quarlo ou meia-agoa ,
menos de ribeira que tenba entrada p' la ra e nio
pelo interior da casa ; quem tiver, annuncie.
Precis-se de um leitor psra um sitio perto da
prar;a ; na ra Nova n. 57*. -^
Aluga-se um grande armazem oa ra da Moeda,
em que o Marcolino leve armazem dsvassucsr junto a
serrera do Joaquim : a tratar oa roa da Cadeia do Re-
ife loja, o. 48.
Precisase de um oHicial de cbaruteiro para ir
trahalbar oo Mooteiro ; paga-te bem : ou ra Direita,
0.6.
= AlugVae, pira se passar a festa urna casa na
biquinba deSPPdroMarlyr, na cidade de Olinda ,
n 2, com 4 quarloa, cacimba e tanque para se tomar
hanbo com um mirante quintal murado e be
bstanle Iresea : a tralar na mesma caaa.
O Sr. J. F. P. G. queira quanto antes ir satisfa-
zer, m rus da Cadeia do Recife, 60, o que deve; aliis,
ser o seu nome publicado por exteoso e a qualidade de
seu debito.
== Arrenda-se urna casa de sobrado na ra de S.
Rita n. 14, sendo loja primeiro andar e solio ,
ludo junto ou separado: os pretendentrs dinjio-se
a praca do Corpo Santo a fallar com Jos Manoel
Finia
Quem quizer comprar ou
arrendar a propriedade da Casa
Caiada, no Rio-Doce, falle com o
seu proprietario Jos Francisco
Belm.
Manoel Luiz da Veiga avisa aos
amadores do Iresco, que tem terrenos
para aforar, livres das agoas do mar,
promptos a edificar e receber qualquer
cultura, com frente para a estrada, que se
tcabou, a qual vai para Olinda, e tambem
com frente para urna das melhores ras j
marcadas pela cmara que atraves-
sa da ra da Uirora para a de Luiz do
llego: a tratar na ra da Madre de-De-
os, n. 36, i. andar, nos dias uteis, das
6 as 8 horas da manliaa, e nos dias san-
tos, no sitio do seu fallecido pai, do mes-
mo nome, em Santo Amaro.
Aluga se um sobradinho na ra da Praia-de-San-
ta-Rita, o 22, delronte do Sr. Mendonca : nasCinco-
PooUs. o. 63.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado sito por
d otraa da casa que serve de tbeatro publico, muito
fresco com frente para u rio: a tratar na ra larga
do Roiario n. 18.
= Aluga-se urna casa com muitoa commodos no
Poco-da-Fanella, junto ao sobrado do Sr. Joio Prea :
a tratar na ra do Queimado !o|a, n. 8.
Antonio Marcellino Nunea Gongalves retira-se
para o Maranhio levando em sua companbia o seu
eseravo Vicente.
Aluga-se um moleque para servir a um homem
sem familia : na ra do Queimado loja, n. 8.
F. N. Culeco pretende abrir no da 10 um cur-
so de geometra e outro de arithmetica, oa quaes pode-
ro ser Irequentados simultneamente : aquelles, pois,
quem slo convier entendi se com o annunciante
em a ra da S. Gru na Boa-Vista n. 38.
- Aluga se, por 128 rs mensaes o rrimeiro an-
dar do sobrado da ra Direita n. 43: a tratar na
mesma ra venda n. 23.
= Francisco Alus Veiga deixou de ser csixeiro do
Sr. Domingos < Jarcia Paramio da sua venda da ra
da Roda o. 48 : leodo de relirar-se para (ora da
provincia, fas sciente a todas as pessoss que liverem
penbores de ouro prata e panno queirio ir lira-loa
no prazo de 8 dias; e, nio comparecendo, perderlo to-
do o direito.
Precisa-se de urna ama secca para se oceupar com
particularidade em tratar meninos ; na ra das Cru-
zas, loja de drogaa n. 38.
Arrenda-se um grande armazem com quintal,
estribara cacimba e porlio para a ra da Gua por
preco commodo ; quem o pretender, dirija-se a ra do
Queimado, o. 10, terceiroaodar.
Na fabrica de charutos, do Atlerro-o'a-Doa-\ is-
la loja o. 12, precisa-se de bons ociaes charuleiros ;
tambem na mesma se vendem escolenles charutos de
regala, por preco commodo taoloem porjio como
a retalbo.
Na ra estreita do Rosario o. 28, segundo an-
dar, enainio-se as disciplinas seguintes : geometra e
ingles.
= Anlonio Gomes da Silva, pillo examinado do
alto mar, las pul lico, que ensina a arte de piloto, prati-
ca e tbeorica, ussim como apona aiiulbas de mariar
por novo melbodo, e concerta varios instrumentos au
ticos: lodos os senhores, que qui'erem, dirijao-se a
Santo Amaro, ao p da igreja, ou a praca do Com-
mercio, desde omeiodia al s duss boras da tarde.
Aluga-se o segundo andar do sobra-
do sito na ra Direita, n. 20, com bons
commodos: a tratar na ra do Collegio,
segundo andar n. i4
Casa da Fe9.
RA ESTREITA DO ROZARIO, N. 43.
Tendo de correr a lotera do tbeatro, cooforme se
marcou, oo dia 25 docorreole, o cautellista da cass da
F, de dovo convida aos amantes de um jogo lio inle-
ressante a continuaren) pra dos bilhetes, e das suas cautellas; visto que o an-
damento das rodas deve ser inallivel O interesse, que
se pode tirar deste jugo,est na brevidad, com que an-
darem as rodas: e achando-se designado o dia, os ama-
dores devem reconbecer lacilmente que quanto mais re
demorarem na compra doa bilhetes, na expectativa de o
fa/erem nos dias prximos nnuociados, tanto mais
coocorrem para o empate,e retardarlo da ettraeco Aos
bilhetes, e as cautellas, pois: cootem com boa felicida-
de, se liverem f.
lotera dotheatko
Acha-se designado o dia 25 do presente mrz para
terem as rodea desta lotera o seu imprelerivel anda
ment. Este andamento tem de ser realisado na for-
ma do oovo regulameolo dado as loteras, e alm disto
o credito.de que esta mesma lotera sempre goiou, deve
animar os amadores a concorrerem para apromptavend*
dos respectivos bilhetes,que se acblo expostos na loja do
Jbesoureiro, ra do Queimado, o 39; na do Sr Me-
neies Jnior, ruado Collegin; na botica do Sr. Mo-
reira, ra do Cabugl; e no bairro do Recite, as tojas
de cambio doa Sra Viera, e Manuel Gomes.
Cumpreao thesouteiro advertir que o plano, que re-
gula esta lotera, be novo, j com este o transcrip-
to, e por elle terio visto os interessados, que 01 pre-
mios, que Ibes couberem em sorle, Ibes serafi pagos sem
descont algum, a excepcio smente dos dous prisneiros
premios grandes,, que na forma da tai esto subjeitos
ao descont de 8 por cento a favor do tbesouro publico.
A profesaora particular, que mora em osjgundo
andar do sobrado, n. 16, delronte do tbeatro velho,
avisa aos pas de suss alumnas, e a quero convier,- que,
aecedendo ao pedido dealgumas pessqaai^toif rso I vi -
doacceitar meninas pensionistas: qusjaj]VfN|pdr,. di-
rija-se a meama caaa para o ajuste. jfc
Domingos Alves da Costa, mor|*r na."ra da
Crut, laz saber ao publico, que mudou J^eu nome para
Domingoe Alveada CosU Bodrigaas,*$^naver outro
deizual nome.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio,botica n lffrner AtUrro da-
Boa-Vista loja d. 48, lirio-se pasaportes para dentro e
forado imperio,assim como despacbio-seescravos:ludo
com brevidad.
V=,Madama Millocbau, que leve urna mu de modas
Irancesas ns ra Nova, acaba de abrir urna loja de mo-
das francerss em geral, na ra do Atlerro-da-Boa-
Vista, n. 3, aonde se acbar sempre um sortimento
dos melhure* ohjeetos de modas : lies como chpeos de
senbora e menins di.s padrde mais moderos, dese-
tim, tafetaes, chamelotes, crep, ele flores e pennas
das mais finas, para cabellos e chapeos, urna porcio
consideravel dos mais bonitos bicos, tanto brancos como
pretos todos verdadeiros, bicos o rendas de blonde, tam-
bem verdadeiros, bicos muito largos para babados de
vestidos, objeclos de bom gosto para vestidos, cambraia
delioho, jaconas, cassa lisa e bordada, bareges, ehi-
lis, talataoa, madapolio fraoeet, goimgamp, cassa,
fil de lino, dita de seda braoca e preta, liso e borda-
alo, mantas de cassas, de tafetaes, e de fil, fitas de se-
tim, e tafetaes de todas as larguras, grvalas de easaa,
tafetaes e cambraias de linbo bordadas, lencos de bre-
tanba para algibera, ditos de linho, de cambraia lisa,
e bordada, ditos de linho d'Escocia, lisos e bordados,
vestidos para seohora.de cassa, file cambraia bordada,
espartilhos para senbora e meninas, luvas do pellica,
de fil liso e bordado, com dedos ou sem elles, passe-
menterias, e mais objeclos de miudezas para aa mo-
distas e modas francesas, ludo por preco ra-oavel. Ma-
dama Millocbau se eocarrega de fazer chapeos e vesti-
dos com promplidio, bom gosto, e por preco muito
barato.
= Aluga-se um sobrado de um aodar oom tres quar-
tos, um solio lambemeom dous quartos, de muito
bonita vista, terrado para recreio, no principio da ra
Imperial : quem pretender dirija-sel mesma rus, nu-
mero 31.
Compras.
= Compra-se urna casa terrea, que seja na ra Di-
reita N. S. do Terco ou mesmo as Cfuco-PoDlas:
quem tiver, annuncie.
Compra-so urna cpula de tipoia eom com-
petente pao e que esteja em bom uso ; na sua do Pa-
dre Horianno sobrado da esquine, toatoetU 'fcae.
co do Serigado.
Compra-se um escala de legle nova, ou usa-
da em bom estado ; na ra da Crui do Recife n. 21,
ou annuncie.
Compra-se a Escade Mystica de Jacob ou to-
ma-se emprestada por pouco lempo ; quem a tiver o a
quizer emprestar se Ibe ficar obrigado alm do
ser recompensado : na travessa da Madre-de-Deoa ,
n. 9. _
Vendas.
Vendem-se 20 arrobas de boa cera amarella ; oa
ruada Madre-de Dos I ja o. 7.
= Na botica da ra do Rangel vendem-se o re-
medios seguinles dos quaes a experiencia tem confir-
mado os melhores elleiloa : dentifico que tem a pro-
priedade de limpar o denles cariado? a reatituir-lhee
a cor esmellada em muito poucos dias ; o uso do dito
remedio fortifica as gengivaa e tira o meo cheiro da
bocea proveniente nio s de carie como do trtaro,
que se une ao pescoco destea orgioa ; o remedio he
designado pelos nmeros 1 e 2 orchata purgativa ,
mui til as criancas e as pessoaa de toda e qualquer ida-
de
he composta de substancias vegetaea nio contera
mercurio, nem droga alguma que possa prejadicar;
remedio para curar calos em poucos das ; dito para
curar dores venreas antigs e que leem resistido ao
tratameoto geralmente applicado; dito para provocar
1 menstruacio e accelerar a ac?o do tero nos partos
isturaes em que nio se precisa daa manobra* seien-
ificat da arte ; dito para resolver lumorea lymphitieoa ,
ulgo glndulas; dito psra curar bbaa e crasos Me-
cos o mais eflicaz que se conhece at aqui; dito oji-
mel de ferro muito til oae chlorose*. vulgarmente
chamadas frialdades ;. pos anli-biliosos de Manoel Lo-
pes ; capsolas de gelstina contando balsamo de cu-
pabiba ; ditas de oleo-de recinos purificado ; ditas de
cubebas em p fino; ditas de assafetida ; diUstom pos
purgantea ; ditas de ruibarbo da Chita ; ditas de sul-
phato dequinno de 1 e2 groa cada capsola ; alga-
leas velinhes elsticas; pilulss de sal de cabacinho ;
agoa das Caldas, cbegsda prximamente ; remedio que
cura a fraldade dentro em 40 dias mesmo estando
ochado ; macella nova a 240 rs. a libra: o preco de
lodos estes remedios be mui rszoavel e os bons re-
sultados da sua applicacfo he que devem fazer a sua
apologa.
- Vende-se cha hyssoo em canas de 13 libras, em
porcSese aretalho; e potassa americana ltimamente
ebegada ; meias barricas de farinba de trigo da marea
gallego : em casa de MatheusAustin & C., na toa da
ilfandega Velha n. 36.
= Vende-se farioha de mandioca muito nova do
Santa Calharna e S. Matheus, por meos preco
que em outra qualquer parte em aaeeas ou medida
velba ; oo caes do Collegio armszem de porta larga.
Vende-se superior essencia de aniz
em garrafas de ao ncos, por preco com-
modo: no Aterro-da-Boa-Vista, na fabrica
de licores n. a6.



MECHAS PHOSPHORCaS.
No AtBrro-da-Boa-Vsta, na fabrica
de licores n. a6, de Federico Chaves,
acha-se estabelecida a fabrica de mechas
phosphoricas, aonde acharad sempre
grande porcao de macos de 100 a i5o
mechas, pelo diminuto preco de 3o res
cada*dmfni rclalho^e ein porco a ao ris:
tambet^ha c&jxas jue conten dentro ioo
macos, cjntras mais, muito boas para
se transpoWrfrem pqia o centro, e para es
outras p/bvincias, por serem bem acondi-
cionadas, ese afianca a qualidade do io-
go, por Ser feito com toda a perfeico.
Vende-se a casa terrea da
ra das Cinco-Ponas, n. 43: na
ruadas Larangeiras, n. 12, segun-
do andar.
Na ra das Larangeiras, n. ia,
a." andar, vende-se, por muito mdico
pxeco, un ptimo sitio no pateo da Faz,
povoaco dos Afogados, com urna bella,
nova, e espaciosa casa, c diversos arvo-
redos de fruto, bem como larangeiras,
coqueiros, niangueiras, jambeiros, tres
cacimbas, urna das quaes he feita ha mui-
to pouco lempo, e d'agoa potavel.
=Vendem-le cantiga! par os presepcs por 400 .:
di linaria, os. 6e 8, da-praca da Independencia
Venderte carnauba muito boa.em porcdes e i re-
talho: na ra da Senzalla-Velha, n. "0.
Pela medida vellia
vende-se ferinba, cbegada ltimamente de S. Ma-
tbeua, de superior qualidade, e por menos do que em
outra qualquer parle, bordo do patacho Vtnut, de-
fronle do caes do Collegio, e na ra da Cruz, n. 64, a
(aliar com Manuel Antonio Pinto da Silva.
RA DO COLLEGIO,
Loja n. I.
Venden) se superiores grvalas de setim preto a 500
rs ; casimiras, daa mais modernii, a 1,200 e 1,400 rs.
ocovado; panno lino, preto e azul, a2,500r.; meias
deienbora a 280 rs. o par; cbilaade todas as qualida-
de!, de 120 a 300 rs.; madapoiacs, de 140a 280 rs.;
corle de chitis de todaa ai qualidadei, e do melbor
gesto superiore riscados francezes, polka, a 360 ra.
o covado ; e oulraa multas farenda, j annuociadaa
neste Diario : na mesma loja cima.
= Vendem-se cortes do linissimas chitas a polka e
aveludadaa, a 4* rs. ; lonas da Russia, n I a 880
n. i vara ; ditas n. 2 a 480 rs. : na ra do Crespo,
n. 16, tegundo luja para quem vem da ra dai Cru-
zes.
6 RAPE' AMERICANO. 1
m
* Com este pomposo titulo se aprsenla no mer- ^
^ csdo un excellenle rap, digno por cerlo da al- J
tenyao dos apreciadore do urna boa pitada. O
T vendedor se obrigao entregar o dinheiro i!
^ qualquer pesioa, que, tendo-lbet comprado des-
f le rap, Ibe sinla algum deleito,
Vende-se no Aterro-da-Boa-Visla, ni. 10 e
T 36; Aterro dos-Afogados, n. 209 ; praca da In-
jjj dependencia, Arantes; ra larga do Rozario,
Bucellas o Bordeaux, tanto em barriiapMO" engarrafa-
do ; muito boa cerve|a branca e re**)'-, rap roldo;
panfilas de ferro de3 ps ; pi de ierro f urna machi-
na pan copiar cartas, com os livros competentes re-'
cebida ltimamente : na ra do Trapicne-No*o n.
16 escriptorio do Frederico Rdbilliard.
= Vondem-se caiaes de pombos, a 640 800 e 1$
rs., e burracbos, a 240 rs.; no piteo de S. Pedro I
a. o,
-* Vendem-se dun metas novn de Jacaranda por
preco commodo ; na ra da Sentalla-Velhe, arroazem
n. 144.
= Vendem-se 4 eternas mocil, de boat figuras ,
cosem enjrommioe cozinho ; 4 ditas bou quiln
deirai; 3 pardii mocil, de boas (guras, urna tom
bou habilidades pira mucama de urna cata ; 6 escra-
vos bons para o trabalbo de campo e da praca ; um dito
official de pedreiro ; ui mulatinbo de 16 anuos ,
bom para pagom : na ra ao Crespo n. 10, primei-
ro andaf.
= No deposito de ittucir e de caf moido no Ai
lerm-da-Roa-Vista defronte do Sr. deiembirgador
soitimenttjle bont e excellentet vi
ticulir; tambera mu i'tjf||rior ago'ari,
ecerveja preta-e braaica ( de Barclay o
que pode biver : estes giperoi veeat o
girrafados e vendem-se em portio, oJ" r barrica ,
por precoseommodos, em quanto po bWMSd moz de
Vita em casa de Cbristopben & DonifdioiT
= Vendem-se muito bom casas de pontboi por
prece commodo ; na travesa do Calabouoo n. 9.
= Vendem-se uvas brancas de superior qualidade,
tirao-se da psrriira a vistt do comprador ; na ra da S.
Cruz, n. 3.
san Precisa-so de ara caixeiro para venda de 12 a
14 mnot preferindo-se doi cbegadoi de prximo ;
na ra da S. Cruz n. 3.
= Vendem-se doui molecolet de muito boa figura ,
e muito boni para todo o servico ; ai ra di Cadeia
do Recife n. 13.
Vendem-se bienal de Himburgo ltimamente
chegada em porcao e i retalbo ; na ra da Cruz,
o .38.
Veode-ie um preto mojo robusto para qual-
Serqueira Lima, vende-te aisucar de todas u quBlida-|querimiro na ra do Collegio, n. 16.
det, refinado, a HOelOOri. a libra ; dito brinco, __ Vende-i
6
=" ra do Collegio, Menezei; Cadeia-Vclha, Cu-
nba & Amorim ; e na Lingoeta, Joaquim Jos 1
O
lu Kabello.
? U
S|4MMM4iMiVi
Vende-ie superior ceneja branca, da melbor que
existe no mercado, tanto em porcoei como a retalbo;
em cata de Jones Paln & C., ra do Trapiche, n 10.
= Vende-se farinba muito nova, do Rio-de-S. Frm-
eiico, a 8,000 n. a tacca : na rui de S. Bita, n. 7.
Tambeni se ende
novo rap, ebegado de Lisboa, na loja de miudezas do
Fortunato, na (iraca da Independencia, em botei, a
4*500 r.
* CHA HYSON 1
DE BOM GOSTO, I
E SUPERIOR QUALIDADE |
Vende-se a q'56o ris cada libra: %
O na roa Larga do Rozario n. 24.
GCOtrOOOeOOOGOOGG&&t&O
-= Vende te um carnnbu de duas rodas, em muito
bom estallo ; e um cava lio muito bom para carro : na
ra estreita do Rozario n. 43, segundo andar, dai
6 ai 9 borai e en da manha.
LOTERA
do Rio de Janeiro.
-* Vendem-se bilhetes ,a 24* n. ; meioi a 12*
ra. ; quinos a 6* ra. ; e oitivoi, a 3rf ra.; que lem
de correr neste mex : na ra da Cadeia loja de cam-
bio o, 38 : na mesma pegao-se o bilhetes quesa
birem premiadot.
Vande-se a Vida de S. Francisco Xavier, 4 v. ,
10/ n. f*4ita de Fr. Barlholomeo dos Ma.rljres, 2 v.,
6* ri ; Horat di temana santa, com ettimpu 2*
ra, : na travesa da Medre de-Deot, o. 9.
=^=. Vende-te farinba da Ierra a 3200 n a ucea ,
e medida o alqueire riso, a 3500 r. ; na ra do Rio-
gel, o 25.
a Veode-ie por preco razoaval para (ecbar con-
tal i Champagne ; vinbo de Lisboi, em barra pe-
bueno* de un qualidade muito superior; viobo de
i 80, 90e 100 rs. a libra ; dito candi a 320 n
f moido a 160 rs. e lamben as arrabal.
Vende-ie um preto. de idade de 35 annoi, bom
etnoeiro ; na ra da Concci zenda, ri. 57.
= No armazem do Dias Ferreira defronle di ai-
fandega vende-ie espermacete du 6 em libra, ameri-
cano ebegado ltimamente por preco razoavel.
O barato !
= Vendem-se os livroi leguintet: um jogo de dic-
cionarios fnncpzes dos grandes ; Kelly le Cambis-
ta univcrsel; Senebier Traites de cbtnge ; Colonie
Lbretienne ; Ducbesse de Montmorencj ; Solideo por
Zirtmerman ; Histoire de Napolen com retrato ;
Aritbmetica e analyse logique ; Guarda-livros moder-
no ; Marqueta do Ponlangcs; Partidat Dobridat ; Te-
nue des livres ; Tratado de operacfiti de cambio ; Sci-
encias do Guarda-livros por Jaclot : ni ra dai Cru-
zes loja de encadernador o. 39.
Vendem se 4 escrava mocil, de bonitas figuras ,
sendo urna perleila cozinheira de lornoe fogio que
se dar a contento sendo seu servico muito limpo;
umi mulalinha e urna negrinba, muito b.nita : na
ra larga do Rozario o, 46, segundo andar.
= Vende-se um itcravode bonita figura de ida-
de de 22 a 23 annot, tem vicios ; na ra larga do Ho-
zarlo n. 29.
= Vende-ie um piano bimburguei com bou vo-
zet, pelo barato preco de 90* ra. ; na rira do Cretpo,
loja, n. 13.
se Vende-se um bom eteravo muito tadio e ro-
busto nao tem vicios ; nao bebe qualidade de espiri-
to alguma, o que se assegura be proprio para todo o
servico de ra e de casa, ror ter cotinbeiro; be caiidor;
nio 6e importa ser para fura da provincia ou sertio ,
pois j esteve em fa/enda de gado ; urna escrava perita
engomnndeira de vestidos de senhora, e detodaroupa de
liiiiiiui, cozinheira, faz todo o arianjo de urna esta
com perfeicio : na ra do Collegio n. 25, venda da
esquina.
=Vende-te um moleque peca de 18 annot, pou-
co maii ou menos; um pardo moco carreiro ; urna
preta propria de lodo o servico de urna casa : na ra
da Cadeia de S. Antonio n. 25.
= Vende-ic urna porcao de doce de goiaba muito
fino; passas ; figos; farinha de matarana e aramia;
tapioca; covada ; manteiga ingleza e francesa, muito
tuperior ; presuntoi ; piios ; linguica; chocolate de
Lisboa; macarrio; talbarim ; letria ; azeite doce, cir-
rapalo e do coco ; tal do Lisboa ; cha bjsion muito
superior ; queijos novos urna porcio do fio para velai
o redo ludo por preco commodo : na ra Nova,
venda n. 65.
== Vende-te una pequea porcao de cera de car-
nauba ; em Fra-do-Portas, ra do Pilar, venda
n. 157.
= Vendc-se um moleque pefa de bonita figura de
17 annot bom canooiro trabalha mu.lo bom de pa,
nuuca fugio no bebe ego'ardente be muito fiel,
cozinba muito bem o diario de una casa ; o motivo da
venda se dir ao comprador ; urna canoa nova pin-
tada a oleo, muito forte que condux 25 a 30 pessoas,
propria para nella embarcaren)senhoras medrosas de ca-
noas pequeas; tanto a canoa c>mo*o moleque se acba
exposlos no porto da ra Nova pea serem examina-
dos pelos Sn pretendentei: na ra estrellado Roza-
rio n. (0, terceiru andar todos ot din uteis dn6
at ai 9 borat da manba, e dai 3 as G na tarde.
= Vende-so urna parda, de 17 annoi de idide
boa costureira e com principios de bordado, tem vi-
cios ; na ra do Hospicio n 26
= Vendem- te thermometroi de ixougue e eipinto,
por preco muito commodo ; na praca di Independen-
cia, livrara, ni. 6 e 8.
= Vendem-se ucca com milbo a 3600 n e al-
queire medido a 3200 rt.; na ra di Cideia de S
Antonio n. 19, deposito de larioba.
= Vende-se azeite de carrapato a cinco pataca a
cnida ; no Atterro-dos-Afogodoa n. 7.
= Vendem te couros rniudoi de diverts qualida-
det ; bezerrot; caixas de tartaruga feitat no Ancily :
na ra da Crux, n. 26.
= \ endcm-ie 20 eteravo ; tendo 3 pardal mogas e
de booitis bgurai, com habilidadei; 3 molequei pe-
gas de 13 a 17 annoi; 2 prelot de 22 annoi; um
pardo allante de20annos; ti pretal de 12 a 25
annoi, do booitat figuras, e com diflerentet habilida-
des : na ra dat I' lores, n. 21.
= Vendo-se um escravo de naci do idade de 20
annoi, bom cozinbeiro ; um dito bom carreiro; dous
molequei, de idade de 14 a 18 annoi; um dito opli
mo para enxada ; urna negrinba de idade de 14 annos,
com principioi de costura e engommado; outra dita
de 18 annoi, cose ecoiinba ; 3 ditas de nicio de
idade de 25 a 30 annoi, co/inho e lavlo de aabio
V
Vende-ie um cavillo bem gordo e de muito bo-
nita figura carreg bem de baixo a meio e esqoipa
muito por preco commodo ; no tanque d'agoa junto
do theatro velbo.
m Vende-te um realejo de figuras, moderno por
commodo preco ; oa ra da S. Crux venda de cal
cada de pedra n. 3.
= Vende-se, sem foilio um collar de ouro ; urna
moeda guarnecida ; 2 pires de hrincot ; 3 inneldei!
4cord0et; dun cruxet; lOboldetde punhot; 6 di-
tos de abertura ; um alfinele de peito ; 2 relogios
urna caixa de prota para rap ; 20 colberes de dita
cailicacs de vidro a 1440 rs. o par; pratoi rasos e
fundos, a 880 ri. a duzit ; copoi, a 100 e 120 rs. ;
alqueiretde feijo mulatinho ; cera amarella a 240
ra. a libra ; e outroi mu i tos objectot perteneentet a
louc e venda por preco commodo : na ra do Ran-
n. II.
= Vende-se umi cata meia-agoa na travesa do
Serigado que rende 7000 rs. mensaes, e di-ie por
preco commodo ; na ra da Praia vend, na traveisa
do Cirioca.
= Vende-se urna escrava moca bailante ladia ,
muito boi vendedeira de pao as manliau e po-de-j
16 nat lardet, do .que tem grande Ireguetia ; tambera
engomma lito, entaboa e cozinba toffrivelmente ; oa
ra de Agoit-Verdet, n. 96.
= Vende-ie por preco mait que barato um pe
queno litio i margem do rio com casa de vivenda ,
propongo para viveiro, muito pertoda praca por o la-
do da Paisagem ; na ra de Agoai-Verdes, n, 24, para
tratar.
Altcncio I
Manoel Pereira Quirenna acha-ie eitibelecido
com una padaria as Cinco-Pontas n. HG, de so-
ciedadecomo seu logro Manoel Franciico onde ven
de bolacha a 2560 n. a arroba ; po a teis por 80
rs.; biscoulo e bolaunbt ; ludo da melbor farinha,
que existe no mercado : lambem recebe gratuitamente,
para atsar om leu forno existente no litio do dito seu
togro qualquer eocommeoda dos teui freguezet : no
metmo litio vende-se agoa a 10 rs, o caneco e d-
se dinheiro a juros a um por cento ao mex tobre pe-
nhores de ouro e prata.
N = Vendem-te casimiras de quadrot e littrai dai
mait moderan ,.a QOO ri. o covado ; ditat lisas de su-
perior quilidide e muito encopada! a 1600 rt.
ditas de cores escurat proprin para sobre-casacas de
montara, a 360 rs. o covtdo; brina trancado* de
quadrot de cores, a 700 rs. a vara ; dito da pilba e
lnilio, a 500 rs. ; dito pardo, de puro linbo, a 480 rs
avara; dilo cbidrex, de muito bom gosto a 469 e
480 rt. ocovado; cortes de lan/inha fina para meni-
nas a 2000 rs. ; ditoi pan tenbora a 5200 ri. ;
ditos de chitas liilradsi, de muito magnifico! gostoi,
com 13covadoi, 3000 rs. ; ditas de cor rouxa, que
fiogein teda a 3400 rs. ; riscadfnhot de quadrot,
Irance/es de tuperior qualidade a 260 n. ocovado;
corle de georgina de quadrot, de algodao e seda, com
l5covados a 4400 rs. ; ruarte da ladia, bailante lar-
go a 220 n. o covado; peen de ganga azul da India,
com 14 covadoi a 1280 ri ; e outraa muitas faxen-
tst Venden
sport-Bes ,
Firmino Jos
rio o. 23, ii
= Vende
aj) linbic m gnndei e pat|ue-
muito commodo : a tratar com
p>dt Irmln. naruadoViga-
i>pros do seda do core! para tenbo-
ra chegadoi proximaoMte 4e Trinca doi padrdei
maii moderos e delioados ; na roa da Cadeii lio Re-
cite n. 41.
Vende-se cera em velas, chegada
prximamente do Rio-de-Janeiro, pti-
mo sortimento, e por preco mais barato
do que em outra qualquer parte: na rna
da Madre-de-Deos, n. 5., primeiro an-
dar.
varrelli; todoi por preco commodo : na ra Oireita
n. 3.
= Vende-se um preto criulo muito sidio e se,
vicio algum, por preco commodo ; no Allerro-da-Iioa-
Viita fabrica de licore, o. 26.
= Vendem-se relogioi de ouro, patente ingls ; na
ra da Crux n. 13 caa de Ridgwiy Jimtiion cY
Compinhii.
= pir vender na ra do Trapiche, n. 40 um
dai de algodo linbo e teda de muito bom gotto
por barato preco ; na ra do Cretpo loj, n. 10 da
viuva Cunha GuiniaiSes.
Vendem-se velas de carnauba a 9000 rs. a ar-
roba e a libra a 320 rs. : oa ra do Rangel n. 52.
Vende-te um ptimo pardo ; na loja de Ge mes
& Carvalho ao p do ireo de S. Autonio.
Vende-te um par de adragnnai para oficial da
guarda nacional vindaa ltimamente do Rio-de-Ja-
neiro ; na ra do CJueimado loja de chapeleiro ,
n. 33.
= Vende-ie um farda para guarda nacional, de
pinno fino novo; urna birretina com plumae eordOei;
urna dila de oleado ; talim e canana : na ra do No-
gueira, n. 27.
= Vende-se, ou permula-se por casia, eteravos e
linda mesmo por lijlos .e timbem se aluga para se
ira lesla um sitio no lugar dos Remedios tendo
urna grande casa bem construida e mait duas cni-
fhas lugar de bom limbo sendo a casa defronte da
8rej* por preco commodo : a tratar naa Cinco-Pon-
tas, sobrado,'n. 160.
= Vende-se um par de oculoi de armicao de ouro
de lei, com 4viJroi verdes, tendo 01 doua di frente
Je grao para viita curta ; na roa Nova n. 38.
NA VALAS DA CHINA.
= Vendem-se as idmiraveis navalbas de ac da Chi-
na, que leem a vintigem de co;tar o cabello sem offen-
ca da pelle demando a cara parecendo estar na sus
brilbante moeidade : esteigo vem excluiivamenle da
China ei nelle trabalhio dout dot melbore e mais
balitados cutileiros da nunca excedida e rica cidadede
Pekim capital do imperio da Cbioa. Autor Shore.
N. II. lie recoio >Mdsdo o uso deittf navalhit
maraviluosaipOfgpH Hkdadea das tcieocin me-
dico-cirurgicu ,^ZMHP5lropa como da America ,
Asia e frica, nao lo para prevenir at molestias de cu-
tis mu tambera como um meto coimetico : vendem-
se nicamente na ra do Creipo loja, n. 15.
Vendem-te dous relos coiinbeiroi de idade de
.30 annos, por preco confodo ; na ra da Cru/, ven-
da o. 51.
Vende-se a verdadeira potasa.ras.-
siana da melhore mais nova,que se acha
neste mercado, a a50 rs. a libra, ndyer-
tindo-se que se vende por,este preco por
se adiar em barris grandes : em casa de
J. J. Tasso Jnior.
Vendem-se quatro colxas, sendo
duas de seda e duas de toquim por
os ris : na ra do Encantamento, ar-
mazem de molhados, por haixo do sobra-
do do Reverendo vigano do Recife.
Vende-se pellucia de seda para cha-
peos, de todos as qualidades: em casa de
Kaikmann & Rosemunnd, ra da Cruz
n. 10.
Vende-se vinagre branco
nacional, a 400 ris a caada ve-
Iha : na ra do Aterro*dos-Afo-
gados n. 7, e no Aterro-da-Boa-
Vista, fabrica de licores de Fre-
derico Chaves.
RAPE' IMPERIAL.
Este rap, imitando ao Prince^
za de Lisboa, vende-se em libras,
meias libras e oitavas, as lojas
seguintes: dos Srs. Francisco
Joaquim Duarle, ra do Cabug,
Victorino de Castro Moura, ra
dos Quarteis; Gomes & Carva-
lho, ra do Crespo; Domingos
Ferreira, escadinha da ra do
Crespo ; Ferreira & Oliveira,
pracinha do Livramento; Tho-
maz de Moraes Pereira Estima,
e Caetano Aterro-da-Boa-Vis-
ta; Guedes & Mello, ra da C*
deia no Recife: prego 2^000
ris a libra e 30 ris a oitava.
* Vende-se na loja de J.
Cardoso Ayres, ra da Cadeia do
Recite, urna obra publicada em
1843, intitulada Diccionario
de medicina popular, ou a Medi-
cina ao alcance de todas as clas-
ses da sociedade, pelo Dr. Cuer-
no vis: dos volumes em 4., con-
tendo 950 paginas; preco 10^000
ris brochada, e 12^000 enea-
dernada.
Vende-se carnauba muito
boa, urna porcao de cinco arro-
bas por prego commodo: na
ra da Ciuz n. 26, primeiro an-
dar.
Kscravos Fgidos.
t Fugio o preto crioulo Izidoro alfiate e bo-
lieiro ; foi escravo do Eim. bario de Itamaraca ; be
muito conbecido nesta cidade : quem o levar a ra da
Senxalla-Velha n. 110 recebera de seu tenbor ,
A Ivs Van na, generosa gralificecSo.
Fugio, no dia 9 do correte um preto de nome
Manoel, com oa sigoaes seguintei: eitaturs baixa ,
corpo tecco rotto comprido, beicoi grostos, com pan-
nos esbrinquicado*. que Ibe manchad o peito pesco-
co e rosto; tem por cotlume embriagar-te, e he co-
nbecido por Caozanza : quem o pegar, leve ao litio dos
Afilelos que ser gratificado por seu senbor, Anto-
nio Manoel de Moraes da Metquita Pimental.
= Fugio no dia 15 do correte, urna piala criou-
la de nome Thereza de idade de 40 annoi, com
ilguns cibelloi breacos alta cara larga ; levou saia
preta'e panno da Cttta azul j velbo com um Jabo-
lenu de bolos : quem a pegar leve a ra do Livra-
mento n. 35, qp ser recompensado.
Fugjp, no aia9 do correte um preto de afio
Coila ; corpMKgulir, eitalura alia baitante retinto,
com muitos lignaes de Lethigai no rollo, pi grossot:
quem o ^egar, leve ao escriptorio de Joiu Pinto de Le-
os A/ Filho ou a ruada Aurora, o. 8, que ser
compensado.
j NATYP. DE M. F. DE FAB14- I fc/,6.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM1XRA95V_IF355J INGEST_TIME 2013-04-12T22:49:18Z PACKAGE AA00011611_05919
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES