Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05916


This item is only available as the following downloads:


Full Text
innode 184$.
Sabbado l
0 DIARIO publica-se todos osdiaiqne
5o forcm de guarda: o praco da assigua-
ira be de 4/rs. Por quartel pagoi adianla-
II. Os annuncios dqs asslgnantes nao inse-
ridos a raxo de 20 reta por linha, 40 r*. em
Ijpo dierente, e as repet?oes pela metade.
B/)s que nao forem asslgnantes pagao 80 r.
Ipor linha, e 100 em typo difireme. '
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Coianna. Parahfba, e Rio Grande do Korlc
Segundas e Sextas feiras.
Cabo, Serinhaem, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, I Macer, no 1.", 11 e 21 de cada me*.
Garanhuus e Sonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e28.
Victoria as Quintas feiras.
Olinda todos os dias.
Ipil ASES DA LA NO MEZ DE NOVEMBRO
Lescente a 6a 3 he 'n PEAMAR DE HOJE.
tua cheiaa I.! as lObor. c 35 ma. da tard. I
Mrneoante a 22 as 2 hor. c f u. da tarde. jPriraelra as 5 h. e 18 uiin. da manhaa.
na nova a 29 aa 9 h. e 22 min. da manhaa. J Segunda as 5 b. e 42 minutos da tarde.
da
ce IVvemhro.
DAS DA SEMANA.
10 Segunda S. Ninfa, aud. do J. dos orph.
e do J. do C da 2. v.*i. da 2.v. do J.
11 Terca S. Martlnho aud. do.I. dociv. da I.
v., c do I. de paz do 2.dis t. de t.
12 Quarla S. Diogo, and do J do civ. da
2.'v.,edo J. de paz do2.8 dist.de t.
13 Quinta S. Eugenio, aud. do J. de orph.
e do J. M. da 1. v.
14 Sexta S. Jucundo, aud. do J. do civ. da
1. v., edo J. de par do 1. dlst. de tard.
15 Sabbado S. Alberto, aud. do J.do civ. da
1.' v., e do J. de pai do 1. dlst. de tarde.
16 Domingo S. Goncalo.
Annb MI N. *!M.
CAMIOS NO DA 14 DE NOVEMBRO.
Cambio sobre Londres. 27 d. p. lf a 60 d.
Par 355 res por (Vaneo.
Lisboa 120 a 125p.cpr.pni.
Desc. de let. de boas firmal 1 '/, p. /# me
Ouro -Oncas hrspanhola 3l#000 a !fl,&00
Moeda de #400 vel. 17flH a 17/208
.. de 6#400 nov. 16*500 a 17*000
>. de 4/000 000 a 9/20U
Prora-Pa taces .... 1/S80 a 1/920
Pesos Columnares. ljftiO a 1/946
Ditos Mejicanos 1/900 a 1/9
Piala miuda. *. 1/700 a 1/720
Accfles da C do Beberibe de 50/)00ao par.
PARTE OFF.CIAL.
Governo da provincia.
eXPEOIENTB DO DU i? DO CORRERTE.
PortaraReformando no posto d coronel cliefe da
trrreir legiio da guarda nauionil do municipio do Re-
fb Manuel Franciaon do Paula Cavalnnnti de- Albn-
qneruiie.___________________
EXTERIOR.
ESTADOS-UNIDOS.
Waihmgion, 16 de agosto.
Ai tropii dos Estidos Unidos, que inarebrio piral
rooleiri d Texas, recebflro ordena de acamparen)
Mi posicSe tniii coorenientei; e o general Tiylor, que
eommanda a infsnlaris, ebegou a Corpui-Christi, pre-
todendo-o O coronel Twigg, que eom algumi lores
iiincou j^ at ilm da Auitralia, nis immodiac5jt da
Alimos- AlTirina-ie que a tropas texanat estivo em
aircba pira cooperar eom ai imericsnsi. Ai instruc-
com dadas pelos Estados :UniJos sao para se coniervi-
riro restriotamenta na defensiva, em quinto o Mexioi-
101 ponnanecerem tranquillos.
O presidente Polk adoptou (i ilgumn medidas, ai
quaes indioio que espera.se rompi n hoililidadei por
parto di repblica de 'Ji; mas oio se descuida de
mandar lornecer de toda MTmunicdei de guerra os pon-
tos, que podem set inais fcilmente atacados.
As medidas adoptadas pelo governo de Washington
lio justificadas pela conducta, cada da mais hostil, que
w obseni no governo mmicino, o qual, como ja diise-
moi, te prepara para a guerra.
No dia 7 de agosto constou em Nova -Orleins. que o
leado mexicano declarara a guern i umio; e em con-
tenencia o seu cnsul, Mr.de Arrangion, j tin'ia fei-
to isber ti autoridades, que ceitavio ai iuii funccSes
olciies.
O negociiotes di Nova-York, linda que distantes do
teatro da guerra, esli mu inquietoi eom estas noti-
cias. Nio teem ellea nenhum temor doi exercitos nem
da mirinhi do Mxico, poiibem labem, que o seui ini-
migos se achio arruinados a ponto de nao poderem rei-
lissr um emprestimo de do/e milbes de pesos, que, bi
muito lempo, le eslorcSo por negociar; mal pomio eom
raiio, que lio tintos oiinleresse europeos, que le com-
promettem nesta guerra, que indubitivelmente bio de
dabi resultar complicacoes, que boje oio be lacil pre-
tor.
Entretanto, por ordem dnautorididei.se (rvorou no
dia 26 de julbo a bandeira americana no territorio de
Tena, (Courrier d'Elats-Ume.)
glezei so eom urna funga proviiorii, e o pnio deiti
termina a3l dedesembrode 1845. He natural que o
ingieres faci todoi o eiforcoi possiveis para obter do
governo cbim a caticessio da toberinii da ilhi, ou. em
ciio contrario, aproveitir-ie da occisiao pira exigi-la.
Algun ataques imprudentes feitoa pela populicio chi
n, como o que se verificou em Maco contra i peiso
de Mr. Davii, commimrio inglez, e em Cantio contra
Mm. Montwmery, Martina Stanton, e dos quaes o In-
gieres, talvez eom designio permeditado. teem oiflerido
reclamar a devida reprtelo. Ibes icilitar obter o
que tanto desejio. Em quinto nao chegar esta poca,
vio o Inglese fizendn em Cbusaan gnodei despegas, e
lineando ai biiei de um oitabelecimento duradouro.
(Commeree )
(Diario do Governo.)
Communicados.
CHINA.
O ultimo correio do Levante e da India trouxe mui
ioleressantei pormenores sobre o estado doi ettabeleci-
rnenlos inglezes da China. Parece, quo a ilha de Hong-
Koog, cuja soberana foi cedida a Inglaterra, nio tem
correspondido at boje as esperances que delia le ha-
viio concebido. Esta i lia he mui insalubre e estril,
poi nio produz em um anno o neceasario pan alin.en-
tar o sfus habitantes oito lias, e sendo um lugar pro-
prio para a concurrencia dos mercadore de opio, uun-
ci le podera lazer della urna boa praca decommercio.
A lilla de taei inconvenientei parece n/oatel a noticia,
que circula, de que os Ingieres ja se lembrio de abio-
dona-la. Itto tem tanto maior fondamelo,, quanto be
ceo que elles teem boje em leu poder ilha de Chut
*"i, posicio siudatel e frtil, i qual o extraordinario
jJMenvolvioieolo docommeroio eatrangeiro em Kang-
">> urna grinde importancia martima, militar e
totnmercial. Mas Cbumn cita boje en poder doi In-
UN CAPRICHO DE PRINCIPE. (*)
IX.
Feto canded'Artois chamar o sen medico, eagasa-
jar Carlota em um lof. S, o pe da pobre doniell,
^nteniplavi-a o principe em silencio; nio Ihe parece-1
I" Ha Un formula romo nene instante em que t *um-
"a da niorie ouino quu ja se eitendi&o sobre a aua pura
innocente fronte.
Pallida, inanimada, rom o roto meio oncoberlo pelo
"bel( olios, tiuha Carila o semblante lo casto, lio
''''"", quo locou o coiido profundamente senlio-se a-
ladci vida de tanta eandura, anas tambem a mciliila
I**MtnlcrHeria, ia-sc mudando m verdadeira paislo
ca|>ric|io pasaagriro que so principio o alrahira para a
r'ulongava-se o desmaio de Carila ; o principe pos-
' "giadu pela ca, parava de ves em quando para
carar a rapariga, e conauliar-llie ai piilsc6>'S do rora-
j "' n'"* Curila Dio dna signal de vida, linha os labio
Nenrailaia), as mfioi friaa a brancas como o marmure.
niu appareoeu o medico; era um pralico Imbil.
'nrui un Lonbanca, e todo devuladu ao condu d'Ar-
AIRIBAD*. DO PAQUETE DF. VAPOR SRASILKI RO S. SEBATIA.
O paquete S. Sebattio, eemmandante M. S. Or-
nellas. tondo sabido deste porto para os do Sul, i moia
noute de 10 do correte, foi navegando as dun pri-
meiras borai ao rumo de Sul quarta de Sueste, e depois
aodeSul at montar o cabo de S. Agostinho, a einco
ouseismilba ao mar. Montando o cabo, mandou o
commandinte navegar ao rumo de Sutudotite, crner-
vau lo-se lerepre na tolda, de quirto A'a 4 horai e 10
minutos, lentindo arrutar o cateo do paquete, mandou
parar a machina, o que nio foi bastante por ir nave-
gando eom grande velocidad, pira evitar, que batesse
a enealhais no rerife ao Sul de Maucabype junto da
nonti de Sirmmbi. Irnmediitimente ocommandanto
fe todos o esforcos pan salar o navio, mandando usar
da machina em sentido contrario, mu nada consigui
por causa da mir, qu>< ja entio vaiava coin muita lor-
es, e tratou de tomir outras medidas a liin de nlva-lo,
mandando,para alliviar.queie lancassem ao mar seis to-
neladas de carvio e alguma agoada. alm da bagagem
dos Srs. passageiroi, aos quaes, por peJido destes,
eoncedeo desembarca-la, eom oqueobteve, que o pa-
quete ficasse desembaracado, e a nado, i-duas horas e
um quarlo da tarde de 11.
Coobecendoocommandante, que o navio podia se-
guir aoseu destino, por ter apenas soffrido urna pe-
quena avaria no casco, e a perda do leme, que foi logo
substituids por urna esparrella, mandou convidar os
Sn. psssageiros, que le ichavio em trra, e tinbio a-
bandonado o paquete, eom receio de que nio fosse poi-
livel slvalo; mas, oio querendo annuir elles so seu
convite, principiou a la derrota. Tendo-se, porm,
quebrado logo a esparrella, e nio sendo posiivel nave-
gar ntsse estado, dirigio-se o commandante eom o pa-
quete pan este porto, onde ebegou ni noute de 12 de
selembro, e entrou bontem (13) pin o fundeidouro.
Nenbum desastre ha a lamentar, o Sri. pissageiros
ttio saos a salvos, e a maior parte nesta cidade, para
onde vierto por Ierra; a carga e quantias recebidas a-
ebio-se a bordo sem o mais pequeo toqe ou desvio;
a machina est perfeita, e Dio soflreo na mais peque
na pee; e o paquete apenas fai a insignificante quanti-
dade de meia polegada d'agoa por hora. Estando em
andamento o reparo dessas pequenai aserias, contase,
que o S. Stbalido poder sabir pan o seu destino al
o dia 21 do correte.
0 commandante nao pode (tribuir elle detagradi-
tel icontecimento a outra cousa mai.isenio i viriicio
d'agulha; pois que, navegando ao longo da costa, o pi-
quete encalbou na direccio de C'eite quort de Sudo-
este.
A ENPERMIDADE DO SR. DR. GOMES.
Te moi a fortuna de annunciar, que eite Ilustrado e
benemrito enfermo eal totalmente fra de perigo, e
que a sus molestia, entrando completamente em ai vial
regulares e ordinarias, caminba, sem estrvo e eom
promptidio, a urna lerminacio feliz.
rala, poil, salva do inminente perigo, que a amea-
civi eis exiatencii precio; est nlvo esse zelozo ami-
go doi Pernimbucoi, ou antes da bumanidade. A Pro-
videncia ouvio eom bondade as preces tao fervoro! e
repetid, qu Ihe dirigirio os amigos do Ilustre enfor
oio; m ellas nio tiverio a necessaria effJcacia e valia
para evitar-lhe ai dore e pad/cimentos. por que pasta-
ra, ao menos Ihe terso por certo servido de consolarlo
tanta angustia, e lana (ribulacio. Oala nunc mais
seji elle victima de tio crueit soffrimentoi, e iui v'd
sej pelo Co guirdidi para o bem da bumanidade
Por um amtgo.
Publcacao a pedido.
I Um. Sr.Ncste momento acaba de chegar a minha
caa, corrido pelo doutor juiz municipal Fernando Al-
lomo de Mello, o esenvio deste termo de Seriobiem,
Minoel Antonio Colho de Oveira Jnior, por que-
rer o meamo juiz, que elle eterivio Ihe pistatse urna
certidio falta, em coma Ihe oio entregou oprocesso,
deiipparecido de aeu cartorio, de Antonio Evaristo da
Uocha contra Antonio Jos do Rocha,eiim i parte.ten-
do-o o mesmo esenvio entregado a elle juiz, o que tal-
vez tej pira defender-te da queixa, que del le deo o
dvogido Jos Luiz di Silva Guimariei, como V. S."
melhor veri da representacio do referido escrivio, que
inclusa remello a V. S.' para providenciar rospeito;
visto poder o referido juiz processs-lo por ter abandona-
do o cartorio, efazer-lbe, por esta ausencia,algum mal,
quando por elle dito juiz foi dito, que nio faza audien-
cia : por isso, nio me lembrando de outra providencia,
e mesmo por nio oslar ao meu alcance, s me lembrei
levar o expendido io conhecimento de V. S., pira deli
berar como lor justo; ftcando o escrivio em minha casa,
at ultima decisio de V. S., 'a quem Dos guarde por
mujtoi innoi, &c. Subdolegatura do termo de Seri-
nhaem, no engenho Cuneira, 8 de Novembro de 1845.
Mm. Sr, l)r. Joaquim Aires de Almeida Freitas, juiz
de (Iirrito do crinan da comarca. 'aelano Francisco
(/# Barros Wanderley, subdelegado.
Illm Sr. Dr. juiz de direito do crime. Manoel An-
tonio Ceibo de Oliveira Jnior, tabelliio vitalicio, e es-
crivio do crime ecivel du termo de erinhem delta co-
marca, vem pela presente representar a V. S ', que o
Sr. Dr. juiz municipal detta dita comarca, Fernando
Adorno de Mello, para poder defender-so da queixa,
que delle deo.ao Eim. presidente da provincia, o advo-
gado Jos Luiz da Silva Guimaries. quer obrgar ao
tupplicantea pastar i frct, por urna iua portaria, urna
certidio flade ter entregado ao prnprio autor Antonio
Etaristo da Rocha, o procesto crime de furto de escro-
vos, conforme a denuncia, que deo de Antonio Jos da
Rocha, leudo-o osupplicante entregado ao mesmo Sr
Dr., que foi por elle entregue ao dito autor, como este
fez ver ao supplicante em seu cartorio peuoalmente,
quando me achava morando nessa villa; e como o sup-
plicante nio quizeite passar a relenda certidio, e fosse
pelo dito Sr. Dr. ameacado, (emendo, que o fizessem
prender, retirou-me boje mesmo da villa de Serinbiem
para cata do Sr. subdelegado do dito termo, aonde me
acho, e donde face etta representacio a V. S.a, pan me
determinar o que for justo, a lim de me livrar dequal-
quer proeesso, que se me pona organisar, a protesto de
ter abandonado o cartorio, (cando a espera da decisio
de V. S." para meu governo e direccio. Deo guarde a
V. S." muitos annos, etc. Engenho Caioeira de Seri-
nbiem, 8 de novembro de 1845. Manoel Antonio
Coelko de Oliveira Jnior
N. B. Depoii de dida esta parte ao Sr. juiz de direi-
to do crime, chegou a noticia da tutpeniio, por ter a-
bandonado o cartorio, e faltado a audiencia, que de no-
vo fez ver ao mesmo Sr. Dr., levando tambem todo o
acontecido ao conhecimento do Kim. Sr presidente;
e o Sr. subdelegado tambem fez guaet participacooi aoa
Sn. delegado do termo e ebefe de polica.
COMMEmiO.
Alfandega.
Rendihekto dodia 14.................8:834*850
Desearrega hoje 16
Brigue Coicperlhwailemercado! iai.
IM PORTA QAO.
ESK, barca ingleta, vioda da Terri-Nova, entrada
no correte me, consignacio de Latbam & Hibbert,
mam festn O seguinle :
2,628 barricas eom 2,G28quinlaei de bacalbio; aoa
consignatario!.
Gil ATI A, brigue ioglez, vindo de Terra -Nova, en-
trado no cor re oto inei, a contigoacio deJameiCri-
blree & CompanhJa, manifestou o teguiote :
2.224 barric eom 2,224 quiotaea de bacilbio; *M
cooiigmtiriot.
Consulado.
BENDIMKNTO DO DU 13.
Geni1:54I375 Provinciil474 j 483
Movimento do Porto.
Varios entrados no dia H.
Rio-ele-Janeiro; 19 diai, barca heipanhola Bariolonet,
de 255 toneladai.cipitio Joao Mariitamy.oquipagem
15, carga taboado: a Manoel Joaquim Ramosa
Silva.
Liverpool; 43 dias, barca ingleza Irt. de 215 tonela-
das capitao John Poionhy, equipagem 12, carga
fazenda: Harriion Latbam & Hibbert.
Falmutb. llba-da-Madeira e Canarias 35 diai,
paquete inglez Express, commandante Horrick
Desembarcou o lenlo coronel heipanbol Boader
eom tuasenbora, que est alguma couta enferma,
pan consultar o medico.
.Vario iaA ido no metmo dia.
Havre; brigue francei Armoriquo, capitio Virtet: car-
pa assucar e courot.
Editaes.
T
(*J Vide Uiarit a.' 255.
luis; porm, cousa anda mais adniiravel, era ao memo
lempo una alma nobre.
Veiilia, venlia, Sr. meu, diste llie o principe ao
aviarf-lo; chegue deprcsia, esta menina est luorrendo.
O medico sem promineiar urna palavr, sem manifes-
tar nem admiracio, nem curiusidade, aproximou-ae do
aof em que Carlota repooaava, encostuu-lhe o ouvido
ao peito, e vnltindo-se para u eonde :
Nio ha de ser nada......... dase elle, un simples
desmaio *
Porm est ferida, aeodio o conde, eferida na ca-
neca Ora veja, eu eston cuberto de snngue.
E em pouen palivrasonton-llie o iado ; a lyneopo de Carlota, o tiro, aeus temores, las
agonil durante a viagem da Verrires a lingilelle.
Uuvio-o atiento o inrdico ; levantou eabega de Car-
lota, apartou oioabrllu tinto de langue, e depois de
lavada a ferida, nlo em inquietac.au:
Seja Deo Inundo inurmurou elle : V. alleta fe-
me mrdo, inoiiienlior; nina nio ha deque ter susto, rslj
ftida nio he perigoaa ; eatende-ie de alio a bnizo por
urna superficie de seis t oito linhas. Esta menina, ajun-
tou elle eom medidas palavr, em lom iluutoral, tahio
sobre o ngulo de algum jicdra ou muvel; ha be-
morrhogia local, ea perda de urna grande quanlid.ide de
aligue prolongiui o aeu deirolin.
Oh I ubrigado, doutor, obrigado, vosi me reili-
lue ida, eiclamou o conde que anciino mi vira ai rr-
flesoei do medico........ Von esta certo qua ciio acci-
dente nke lera conscqueiicia 'i
Ao ineiio a.aini o espero ; mal um repvuao aluo-
lulo he neceaaanu.
Em quinto aaaim cnnvemvao ambos em voz baica, o
conde nonti entre os bracos a eabeca de Carlota, e o me-
dico fatia-lhe rheirar aei.
Eiu fim o enfurto do doutor fiero voltar ai facea da
doniella nina apparencia de vida.
O administrador do correio geni deiti cidade, por
urna segunda vez, loma ae novo a fuer publico, para
conhecimento de quem convier, o edilal abaiio trans-
cripto, a fim deque, por insciencii de tuos disposiedet,
nio venbao a soflrer alguma pena.
Artigos do novo regulamento, que j estdo em vigor,
sobre a marcha e regula'idade do servigo, e deque
trata a primara parle do edital.
Artigo 27. Ao agente do mar eom teu ajudante coa-
pete :
1 Ir a bordo de lodosos navios, receber dos com-
mandantes ou mestrel as mal, cartas avulias, e mlil
pipis subjeitoi aporte, que elles, os pissageiros, ou
qualquer di tripolacao trouierem, devendo urnas e ou-
tras, que vierem de dentro do imperio, Mr devidameote
selladas,
Art. 77. A caa da adminittracio do correio da cor-
te estar aberta todoi ot di, anda que teji domin-
go, diai tanto! de guarda ou feriadoi, deide al 8 borw
di manhia at, pelo menoi, it 7 di uoule, diodo o ad-
ministrador necesarias provideociu, para que o en-
luta a dar lignaes de vida: appareorio raovianento
nervosos que Ihe agitarlo o rorpo ; o coracio foi pone*
a pouco batendo nmn maia torca ', oa descorados libia
desrerrrlo-se ; duaa lacrimal Ibe entumeicrio M Ca>
e.hadni palpebras, brilhrao nm momento naa loagaa
Ella torna li! oh! como hu bella! Diga, doutor, I pestaas, e em fin ae eacorregru pelas facea. Era
ja vio oouaa maia linda que eila menina p
O medien deitmi alguma gottaa de ether sobre a testa
e f untes de Carlota ; depois, dirigimlo-ao ao eonde d'Ar
toia, diase-lhe:
Segundo o que V. alteza me conloo, receio ni
hija algum perigo para e*ta rapariga, e ao tornar si
der eom o olbos era V. altea, e pur isso cria Lom que
se retirasso.
Ma talvct exagere voss o mal! objectou o con-
de ; e no caso contrario, nio pusso deixar cita menina
sem saber ao certo o que devn fazer.
Monsenliur, eu facu o meu dever.
Esti bem, agradcco-llie.
Um auipiro, que mal ae ouvio, se exhaloo dos labios
de Curila.
Ella ae reanima eontinuou o conde, eheio deale-
gril. Muito bem, doutor, mas nio se retire. Espere al-
l minina ordena, diise designando o medico um
porla itom repoaleiro de veluda. Se livor ueceaaidade
de Vosa loeare.
Eite retirou-se, deiando aiuda urna ves oiulhu i
enferma, e disae ao retirar-se
A" menos, Monsenhor, nao Ihe appareca em quin-
to ella nao hunver recobrado iiiieiramuote os aeu ieii-
tidoi.
Apen vollou i seu logar o reposteiro, coniecou Car-
termo dra longa nriie.
Como o conde quera a todo o coito evitar doonta
urna emocSo perigo em aemelliante momento, e nem
podia entreunto decidir-ie a ir-e ombora, oonwrvou-
e retirado em p, enrollado i chamio.
A rlaridade mitigada pelatcortin de aetira dv (ira-.
mnenlo no roil de Carlota ; ma cata meama punca loa
doaliimbrou oa ulho da repariga, porque ae abri-loa,
nio pode reiiitr-lhe. e o cobrio eom a ralo. Ma logo
e acoilumou euro branda claridade, e correo ora ln-
guido olhar em torno de li. l'intirSo-se-lhe auoooaaiva-
mente no aemblanle perturbado a lorpreza, a dr, o mo-
do ; depoii como que se recolheo por alguna initantea.
Onde eatuu eu ? raurmurou ella em fim; que ae
paaxiuP
E levou fronte urna desfallecida mi, que loga re-
tirou hmida e fra ; fez um catorro doloroio, seotonie
a grande cuito, o idroirou-se de se ver vestida. Volla-
va-lhe a memoria pouco a pouco.
Parene-me que me ia deitar, disse ella entre li;
que depoi cahi.....
Em quanto reuna a u lembnnc, Janeara admi-
rado olhna aobre ludo que a rodeara.
O ao la ero que drirancava eitava circldo da flore aa
maia rara, que encobriio a madeira do muvel, que
tornavio como urna curbelha embalumada. Era usa
! .


c*gdoi di recepto, e entrega
UA mido da venda do sello, te ,
50 da correspondencia
-j substilulo por forma,
.. T WM de'" publico ProD,Pu mmediaU-
menie tenido.
Art. 78. Oaorrioda etcripturaclo e mais expedi-
ente do correio er lagar todos o di.,, que io fre,n
domingos, d... santos de guarda, ou feriados, da. 9 ho
ras da manhia s 2 da tarde.
l!i"79* Fn*w horM d0 ,rti 78' e a!m do em-
pregado, marcado, no artigo 77, existirs na c... d.
edmin.stracio, pelo meno., dou. olTic.aes de escriptura-
Cit>. ao mais graduado do. quaes. 0U do caso de igual-
dade,.qe||equeo administrador escolher. incumbir
L2* !er"?<\" d,r "Picote qualquer oc-
ZZTa tuU"luoio-' o de urgencia, por
cbeg.d.de n.*,o ou qualquer outro motivo, a cono-
r^i* *J"*"^f *,"/>re5"**. que deverS comparecer sem
laita. dando elle ao mesmo lempo parte, ao administra-
dor,dessa occurrencia.
Estes empreados servirte por turma., das 8 at us 10
nonada manhia, edas2 at 7 da noule.
Art. 80. Nos domingos, das santo, de guarda, ou le-
ado., o administrador providenciar para que estejo
sempre na casa dousdos ofDciaes da escripturacio para
qualquer occurrencia do ierr.o.
Art. 6*. Ainda alm daa 7 boras da noule, e at a-
quellas qua lr necesario para o serviSo publico. deve-
rS conservar-se na casa os empregados. tanto os da tur-
nia, como os que hnuverem sido chamados, conforme o
administrador o eligir.
Art. 85. Abrir-se-ba a casa do correio extraordina
mente, todas as vetes que o administrador o ordenar
para se receher. ou expedir alguma mala, ou por oulro
algum motivo do servico publico.
Art 91. Quandoo enlregador da carta, impresso,
ou qualquer maco, exigir que o carimbo seja lancado
perante elle sari prompta e infallivelmente satisfeito.
(J carimbo contar i o dia, mez e anno da entrega da
carta, e o nome da administracio ou agencia.
Art 118. O administrador, ou agente lera todo o
cuidado em que a entrega das cartas e maia papeia teja
leila 00 correio com a possivel regularidad, sem pre-
ferencia entre as pessoas que as procuraren), e provi-
denciar para que nio baja altercares a rixas dentro
das respectivas casas.
Art 120. As cariase maia papis remeltidos de u
pin oulro poolo do imperio com o devido sello, serio,
logo que se conclua sua teparacio e subdivislo. en-
tregues na residencia das pessoas, a quem lorem dirigi-
das, urna vea que baja della conbecimenlo.
Con/'den-seeonhecida a residenciada pessoa a quem
be dirigida urna carta, se be designada no sobre-escrip-
lo a ra e numero da casa que habita, ou se essa pes-
oa fez na administracio ou agencia tal declaradlo, que
ser* transcripta em livro proprio.
Art. 121 A entrega de cartas na residencia das pro-
pnas pessoas lera lugar nio so na corte, como as ca-
pilaes das provincias, e em todas aquellas cidades e vil-
fas.em que o governo julxar conveniente crear carteiros
Art. 122. Quandoniofrconbecidaapessoa.aquem
he dirigida urna carta, ou qualquer papel, nem sua re
sidenc.a. ou ella declarar, que nio quer que sua corres-
pondencia Iheseja enviada casa, ser laucad, na lista
geral das mais cartas.
Art. 127. As pessoas residentes dentro da corte 011
cidades, quequierem receber immediatamente e.n suss
casas nao so as referida cari, como tambem a corres-
pondencia, que Ibe for dirigida de lora do imperio ,.
(leras ronvencionar se a ee respeito com o administra-
dor do correio, pue evigir por esaa .signatura urna
gral.ficaco annual de 10 a 20" rs., regulada pela dis
tancia da residencia e numero de cartas, que costuma
receher. e paga adiantada ao thesoureiro, aos trimestres
simestres, ou annualmente.
Art. 128. Oa administradores (icio autorisados
mandar entregar, sem sua responsabilidade, as caria
perlencente aos eslrangeiros residentes ras cepitaes,
aos agentes, que os cnsules respectivos nomearcm, sen-
do por estes abonados, e competentemente afiancados
por pessoa de mesma capital, idnea, em relacio aua
conduela e garanlia, que por elle ofivrecem, do que
guardars a mviolablid.de dosegredo das carias, que
se entrgame fiel e promptamenle.
Art. 129. Guardar-se-bio nocorreio asearlas da-
quelles estrangeiros. que declararem, apezar da creaco
de taes agentea. preferir o recebe-las do mesmo correio
iicaao arbitrio dos administradores, edebaixo de su'
responsabilidade, estabeleccr a forma por que os sobre
ditos agentes devem fazer eleclivo
porte.
2
Art. 135. O. carteiros, que nio derem eonta da* car-
ta e papis, que Ibe Orem entregues no correio para
distribuir, e os que sodeixarem aluciar, ou corrom-
per para as entregar indevidamente, seraO punidos com
tres mem de pri.io, e despedidos.
Art. 136. A lista especial das cartas sem sello, ou
com sello inferior ao devido, que tem lugar em oon-
formidsdedoart. 115. ser, findoumme, publicada
pela iroprensa, sendo possivel, e, passados mais tres me-
e, incluida oa l. lista das cartas atrasadas, que tiver
de ser impressa. lancando-te naquelas urna nota, que
designe a quantia, que devem pagar.
As cartas e mais papis, de que trata este artigo, se-
ra8. depois de notadas na forma sobredila, reunidas s
atrasadas.
Art. 137. Das cartas, impressos, e mais papis de
cada mei, que nio houveretn sido procurado., se for-
mar, as administraedea dos correio da corta e capilaes
das provincia,urna liata geral nos primeiros das do mez
depois do seguinte, sob a denominado delisia geral
de cartas atrasadaa do mei de... e aasim ser posta
ao publico 00 lugar proprio,que se annunciar pelas fo-
Ibaa.e, passados tres metes, se reformar, mandando-se
imprimir, dando o administrador todas as providencias
para que taes listas tcnbo a maior publicidade possivel.
Art. 138. Um anno depois dessa impressio, asear-
las, que nio bouverem sido procuradas, seri inven-
tariadas, e queimadas publicamente porta do correio,
lavrando-se um termo, a que acompaohir a relacio
das referidas cartas.
O termo e relacio seraO assignados pelo administra-
dor e seu ajudante, e pelo thesoureiro. Quando, po-
rm, o numero das cartas nio chegar a 100, aerad em-
macadas por mores at prefaterem o mesmo numero,
para entlo ter lugar o que dispoe este artigo.
Att. 140. Os agentes dos correio. enviars aosad
ministradores da respectiva capital, no principio de ca-
da trimestre, as cartas e mais papis, que tiverem de
poderC fazer, lineando-os nis canas com o sello afi-
lado, que ser de melada do dos correios da Ierra.
Art. 189. Os administradores ou ageoles doteor-
reios, logo que acbarem, as respectivascaisas, carias,
pipis ouquaesquer macos pan a mesma povoacio,
com sellos na forma cima ordenada, Ihesdarao mes-
mo destino que s recebidas pelas malas.
das cartaa e mais papis ae declarar qua! a embarca-
cio, por quedevem ser conducidas, so lera lugar se-esta
nio (itera viagem ou niocondutir a mala.
Art. 181. Os commandante, capilies, ou mestres
levars as malas no sitio mais bam resguardado da c-
mara, sempre lestes para serem Impidas ao mar em
lempo de guerra.
Art. 183. Os portes das cartas condutidas por cor-
Arligos que altero a/gumai laxas, impoem mullas, jreiot de trra e mar, sio fixados pela maoeiri se-
ele., como menciona a legunda par do edial. Igulnte :
Art. US. Asearlas e mais papisacbadoa na caixaI Comi d* Ierra.
n Im All e l\tt\ tolln inlaarim- mn i4aaiirri ai* ma nn
o pagamento do
Art. 130. Nio poder algoem ser compellido a tirar
ou receber quaesquer cartas, e ser mesmo permiltidu
receber urnas e deixar outras.
Art. 132. Os carteiros negligentes na entrega das
carta, e mais papis seraS punidos com tres dias de pri-
**o, e oa reincidencia com oito, e despedidos.
deas, diablica. invencSes, cojo requinte era bem
no de., epoe. He .more, faeeia, e .lea.a licencio. ,,,_
r.d O. cmbr.ag.d,.rea perfume, que te cxh.lavio de.-
sa abobad, de fW. cilavio a..bre roaneirn e ,,erKo-
aameme o cerebro, tornando .I,. lnguida, e lca-
vl em ludo. .,. temido, um venen., aubiil, conlr
qual a m.11 firme oor.gem, a mais aulida virlude ficava,,
em furca.
O f..rro e aanefas erlo eobcrtns de fgnr., engorad.
cm ana n.esma impudicicia; todo que nei.t- del.cio...
6 mezes para mais de retardadas, aoompanhando-as
de urna lista, que o administrador far incluir na pri-
meira lista geral das cartas atrasadas, que se imprimir,
seguindo respeito a ellas, o processo marcado no artigo
antecedente
Art. 144. Nadminislric6es e agencias se admilti-
r6 seguros so de cartas e mais papis, escreunloo
segurador no sobrescripto, do lado do fecho, o seu no-
me, e antes desle ra'rasegura, coincidindo
sempre opome do segurador, abi mencionado, como
queso eacrever no cunheeimenlps respectivos.
Arl.pis SeraS guardadas com a dovida caulella as
cariaste mais papis seguros com urna relacio dos
mesmos. e sseraS entregues, 00 acto de fechar as res-
pectivas malas, ao empregado encarregado desso expe-
diente, que declarar na,relacio os que receber.
Arl. 148. Dcada um seguro se lavrarsS dous co-
nhecimentos, os quaes serio cortados de livro de (alio,
e aasignados nasaiiminislracdes dos correiros pelos em-
pregados, a quem estiver encarregado esse trabalho, e
as agencias pelos respectivos agentes : um desses dous
conhecimenlos, que ter o titulo de cautella, ser en-
tregue an segurador, para com ella poder haver, em o
devido lempo, o recibo da entrega do seguro n> lugar
do seu|destioo, e o outro se ajuolai ai seguro,que so-
r lancado na guias, que acompaobarem, que serS as
mesmas dos officioa.
Arl. 151. A entrega dos seguros so podar aer (ita
s proprias pessoas, a quem forem dirigidos, e, no caso
de impeilimenlo destas, seus bsstantes procuradores,
legalmenle nom*ados ; passando quem os receber os
competentes recibos nos conbecimentos.queos acompa-
obarem. os quaeshero devolvidos aos correios, aonde
liverem sido felos 01 seguros.
Art. 152. No aso de se extraviar alguma carta, ou
outro papel seguro, sem que a mala, que scunduzisse
fosse roubada, ou perdida, examinado esse objeclo a
pedido do segurador, pelo administrador respectivo, e
por elle reconhecido esse filo, ser logo paga ao se-
eurador, 1 vista do conhecimento, a indemnisecio de
SaOOO rs. custa do despachante da mala respectiva,
se da relacio competente se reconhecer que elle rece
beo o seguro para o lancur na mesma, e no caso contra
no, do issignsUrio do conbecimenlo.
Quando por qualquer jnotivo estes empregados nio
possio logo satisfacer essa ouantia, ser ella adiantada
do corre, e deducida imniediatamente dos seus venci-
mentos, ou arrecadada ajudicialmente por intermedio
do |uit municipal, a quem seofficiar, quando o que
lem de soflrer a multa nao formis empregado da
rapar icio ou deix.r de o ser sem a haver silisfeito.
Art. isa O empregado.que de proposito liver extra-
viado um seguro, sera immodiatamentedemiltido, e,
tendo o fetu por di
por 3 a G metes, por
Art. 188. As pessoas, qje quizerem enviar car
naeiquer mapoaou papis para dentro da mesma ei-
nlla ou povoifio, por intermedio do correio, o
sem sello, ou com sello inferior to devido, 00 que no
mesmo estado se encotrarem fra das malas, serS
lascadas em lisia especial com essa declaracio, eso
sarS entregues ou remetlidss, pago o dobro do porte
em sellos
Art. 116. Quando dentro de peridicos ou impres-
os forem encontradas cartas ou ootros ohjectos, se pro-
ceder,como est determinado no art. II5,devendo ser
calculado o porte, como se fossem cartas os impressos e
oulros objeclo*.
Art. 131 As cartas rindas de paizes estrangeiros,
que forem adiadas na caixa,. ou entregues sem paga-
mento, seraS porteadas com porte simples, como as
mais vindss das mesmas nacSe, e teraS o mosmo ex-
pediente.
Art. 134- As pessoas,que receberem calis, fiogiodo-
se as proprias, a quem devem ser entregues que alli-
ciarem ou corromperem os carteiros para ai oblar, ou
que, por violencia, as tirarem ios mesmo.nao Ibes per-
tancendo, .ofTrerid a multa de 100,000 rs., e 5 mezes
de prisio.
Quando as carias, que violentamente lomarem, Ibes
forem dirigidas.soflrerS lmente a multa.
Art. 135. Os que maltratarem oscirteiros no acto
da entrega das cartas, deixarS de gozar do direito de
Ibes serem as mesmas dirigidas s suas casas, fazendo-ae
para tal (im nota conveniente, a sers ellas lancadit 01
'istt geral.
Esta nota poder ficar semeffaito, sea pessoi.de
que ella trata,apresentar ao administrador ritSes itten-
diveis.
Art 172. Por todos os navios nioionaes de guer-
ra, ou mercantes, bem como pelos estrangeiros, com
cujos governos tiver o do Brasil estipulado a este res-
peito, seraS remettidas malas para os portos, a que se
dirigem, ou em que tiverem de tocar.
Art. 173. Os capilies o meslres de qualquer em-
barcado, cuja viagem lor de longo curso, quitro dias
antes da sua partida,declarar iO,na casa d'administrar;io
do correio, o dia da sua sahida, o porto do seu deslino,
e aquella, em que devem locar, e esta declarado ser
lancada em urna pauta afiliada em lugar proprio.
Entre 24 e 26 horasantes da sabida apresentarS, na
mesma administrado,o bilbeta de corrate do consula
do.e o administrador, ou agente,Ibes marcar a hora em
que drvero ir recebar as malas, qual ira o capitio ou
mestee, ou pessoa por elle autorisada por escripto, re -
cebe-las, assignando recibo em um livro para tal fjm
por descuido Ou omissio, ser suspenso
r ord do director geral.
dade.
O
.i.I
camariui nao crl flore
licio.
ou pinlurat, era dourado 011
c6r de roa. Um magnifico eapclho. ricamente ornado
.leaOre.ep..ri>.,reflecli nraoradoa todoae.tea vh-
jectoa. Ha va ah volupiuo.idadu al 110 ar.
tLTT? ""n"U"8 en,^"brt'-. petar da.ua re-
encia, elevuu-a pRr o mft
Dopoi. con,., ella prcur..e aiuda e.c.p.r-ilie, ajoe-
IHoo-ae junt,. a ell.,-p.11.|he ,,.bra5na,ediaael|h ao
"':;"" P""'" -". *i.l-r.....dorapeitoao pru
leal,., qile me.mo ... ,.ro.i0n0ia-lo. violava
der Lu "T""' me"int' ,hedi,i" elle mo-'e r*r-
rfe/ojuis. Soppua que te sae .maaa, ei.aqui lodo.,
meuonme. N4u me rrrlrW.. 8..ifn; 4., /,, "
destinado.
Art. 174. A mesma obrig.cio bo imposta s em-
barcaefiasde cabolagem. com a differonca de que po-
der ser oprato de 24 horas entre a declaracio ea
sabida.
Art. 177. Aos capilies ou mestres dos navios mercan
les se passtr, na adminitt/acio, um bilbele declarando
o seu nome, e o do navio, os portos do seu destino, e
quantas males conduz. e se nio tiver de conduzii
nenhuma, esta mesma declaracio ser feila no bilbele
.asignado pelo administrador ou seu ajudante.
Este bilbele ser apresentado. no regalo do porto,
sem o que nio poder sabir nenhum desses navios.
Art. 178. Immediatamenteque o navio tiver che
gado ao porto do seu destino, o capitio ou mestre
mandar entregaras malas no correio, e cobrar reci
bo dessa entrega pin sua descarga ; excepto nos por-
tos, em que houver agentes de mar, ou em que esso,
recetimentos forem incumbidos aos officiaes de sade e
policil, ou aos d'alfandega.
Art. 179. Todo o capillo, ou mettre de navio roer
cante, que deixar de cumprircomo disposto oosarti-
gos precedentes, ser multado na quantia de 100 000
Mn00^0nr; ,end0 de 'i8em de lonB "<>. de
50 a 100.000 rs.. sendo de cabolagem.
Esla mulla ser imposta pelo administrador respec-
tivo, e arrendada pela mesma maneira, pela qual as
mesas de diversas rendas srreesdio as que impoem.
Arl. 180. O administrador do correio be autorisado
a guardar asearlas, e mais papis, que bouverem na
administrado para os portos dos destinos dos releridos
navios, a (ni de serem remedidos pelo 1. paquete
ou barca de vapor, urna vet que seja notorio leverem
estes lazar a viagem com mais brevidade. sendo os com-
mandante., capilla., ou mestre. desses paquetes ou
barca., subjeitos s mesmas obrigscSese mullas astabe-
lecidas nesle capitulo aos dos navios mercantes.
Esti autorisacio, porm, quando nos sobrescript
dirse o
reapondeo o
me repjll,, Cnrl-.l, c.i le aui.. tanto!
vi. 1 ."'" C".m "'^ "0^,," n"d' ". "d ou-
via, abundante, lagrimal Ibe jurravJo entre oa dedo,
gr..,,..balad.,. Ibe quebavi. ujmiu., nl.a oabre,
""> fogu ;.!,,. .I.,,., que .i,,,,' .,rn.0 7*
temido; tinli.i niedo e
A.tuttadu o
que
Iremia.
E.trei en .onh.ndo ? dia.e Carlota, mi. de re-
pente deo con. a figura do ende reflectida no e.pellm
eaoenc.r.-lo aultou um grito l.s.im.,., ergueoJemaiald d.m. Tc,,en,e"ci ^^ dor, admira-
rp,d. do que ., pen..n.en.o. vei c.hir SS.TZIZ'Z^^'.' VW M,r"ta nl" "** n<"""-
pwdopnncipe. H.vi. entu recobrado de ,du Va.. li! rJ "l! ''" el8 '""oa. n... Iev.l..-.e
branc. leln ">H rmo ae bou vera lomado
Deixe-a Monaenlior, dcixo-a V. alteta, quo me-
inur he que ella e.teja a.aira.
Salve-a, duutor! por quem lio, aalre-a
ao principo.
Tiremo. primeiramente e.laa florea,
medico, aqu be que eal o mal.
O principa preoipitou-ao .ubre o .ola. donde raa'ao
arrancou a fl.,rea ; no enlamo, o medico abri a ianel-
., eoarpuru o fre.co da m.ile anbalituio en, ,..,
lempo o queme e carregad. de perfume, que 1.a i
c.iuarira. '
Agora tranquilliie-e, Monsenlior, prnaeguio o
medico, e.t. ,.oa cri.o i,|,c, .j, ,,;, f,Turtte) do
-V. ItaasvpaiMaataaobre indar a. rNer o .,uo ihr eu di^r
filie, que he precito fitter?
torrtio di mar.
Al 4 oitavat ... 60 .....120
6 .... 90 .....180
8 .120 .....240
e aisim progressivsmente, aecrescenlando-se em cid
doaj oitavas, aos portes de torra 30 rs., e ios de mar
60 rs.
Art. 184. Os autos e msis papis do foro pagar
ttde do porte marcado no artigo antecedente.
Arl. 185 Os livros, folbetos 0 papis imi
tbogrepbados ou gravados, lei, regulndolos, 1
ministeriaes, peridicos e macos de amostras, pagars a
quarta parte do porte dis cartal, urna vez que eateiio
lechados.de modo que se reconheci nio conterem carta
alguma,
Art. 186. O mnimo peso para as oartss, livros, au-
to* e otis papis, ser de 4 oitavas ; e o porta menor
que se poder receber nos correios,ser o de 30 n.
Art 187. As cartas e mais papis, que, para chega-
rem ao seu destino, lorem condutidas por correios de
mar e trra, pagars dous portes, um da mar e oulro
de terrt.
Art. 190. Os portes serio pagos sempre adi.olado.
e em sellos fizados as cartas de dentro e fra do im-
perio, de valor de 30. 60. 90 rt., e por diante, na nies-
ma progressio, se o gorerno julgar conveniente baie-
rem sellos de maior valor.
Art, 191. Considera-ae sufliciente o sello par se dar
a devdi direcego s carta, e mais pipis aubjeitos 1 por-
tes, ainda quando seja inferime 1/8, urna ves que es-
ta diflerenca nio exced de 30 rs.
rt. 197. De uns pira outros lugires, entre os qu.es
houver correios regularmente estabelecidos, be prohibi-
do mandar cartas lechadas por conductores 00 expressos,
sem que deltas lenha sido prevismente pago o devido*
porte, por meio do sallo, como se fossem remettidas pe-
lo oorreio. r
As pessoas,que condutirem cartas e mais papis, con-
tra a disposicio deste artigo, soffrerS urna mulla de JO
verea o valor do sello que os me.mos deviio pagar, e,
alm disto, a caria ser recolbida ao correio, e por'elle'
dirigida ao lugar do seu deslino.
Arl. 198. As carias, papis impressos, lithographi-
dos u gravadoa, livros. folhelos, e quaesquer macos,
que nio forem enviados pelo correio, nio sio luhjeitos
ao porte, urna vet que nio vio lechados ou lacrados, e
te conheca que nio levio.cart < alguma fechada.
Art. 200. Sio isentas de portes ss cartas, que condu -
zirem os boiadeiroi.tropeiros, arreiadores,capilies,met-
Ires ou arraes de baicos, urna ver. que sejo ellas per-
tencentet t pessoa, a quem forem os objecrot, que
conduxem, e que o peto dat mesmas nio exceda a 12
oilavat.
Art. 201. Sio isenlat de porle, not correiot do im-
perio,as cartas,que os colonos dirigirem s pessoas resi
dente, no paiz d'onde emigrarlo, urna ves que tenhio
nndo por eonta do governo, e ainda nio tenbio estabe-
r.elecimento proprio iodependente. ou faci parle de
alguma companbia ou estabelecimento aulorisado pe-
lo governo. ou a taes compsnhiss ou estabelecimentos se
sebem adstrictose subordinados.
Arl. 202. S gozsrS do beneficio do artigo antece-
dente a. carta, levadas ao correio do lugar da residencia
dos colonos, marcadas com um csrimbo privativo da
companbia ou estabelecimento, os quaes se bio da ter
leilo eonhecer anteriormente aos administradores e a-
gentes respectivos: e bem assim ai entregues aoseolo-
nos,que fizerem ver que esli nal circunstancias men-
cionadas.
art. 203. As carita e mais papis enviados por par-
ticulares, que forem seguros, deverS, alm do respec-
tivo sello, pagar orna retribu icio de muris, da qual
ten a eommiasio de 10 por cento o confeccionarlo da
mala respectiva, que por esso seguro se tornar reipon-
nvel. r
Ait. 204. Os autos crimes, em que lr parte a j usti-
ct, e que por ella forem remedidos de unta oulros jui-
tos. ou tribunaes, sers recebidos nos correioa sem pa-
gamento adiantado dos portes, para o que os escrivles
ou secretarios dos juiros. ou tribumeg donde fOrem ox-
pedidos, faraS no sobrescripto urna declaracio, por al-
ies assignada, de que nio pagio o porte adiantado, em
virlude desla disposicio
O mesmo ter lugar qoando os autos forem enviados
em virtude do recurso de reos notoriamente pobres, de-
vendo aue caso os escrivles, ou secretarios declarar
que he este o motivo da isengao.
- Por favor! pe| ur de Oo, Mnn,onn
da,.., ella abneando-lho o.joelho., bandada em la-
gniuaa.
Sr|.reao principe pelo imprento movinicnto, ea-
forceva-ae ,.r levanl.-U, e nio poda dc.prender-.e do
eu coiiv.nl.iv aperl.i.
NI receie de mira nada. Carlota, lome en ai n.i-
- moni.-, ni nha
(Carlota; que quer que f(a ? i.c-me.. r
MaaCarloU, coja energa h.v.a-ae e.gotado com esto M^Ztll^*0 **' P"'ell':
noro eaforeo, aoiucara aaeua pea, e nio o ouvi. I"" le'",t'-1'- l"^0 madici
. eaperar aa aoaa ordena, Ihe diaae:
.--------- una enrgica reaoluCi...
...u-i n"'V,me,"1 Ci,rl'" un. de.ordem que
m..n. d'7'ed" """""'idaHrdse.m.r.. ....
ma.. o. enad recan; ep..r om aent.menlo da adr.
Ih. .'oh r'wrU,"U '" br"t",obre'H^. "'"^jo<'-
r en,. '"*"'" e tn.lern.clo ; e como o Stand*
.S. T "e ''"" "' "" '," ""' """ ('"
u,"'"". cldenovoii..,.iIUad. aobre
f peta,
c ja te abai-
que entrara aem
Primeiramenie reiir.r-.e, depni. prometter-me
que ni (urnra a appareoer <,u ,Cm rainha autori.a-
jau, e o qnandoo eu chamar.
Snbacrevo a ludo, eu me retiro; n|u tabirei d
meu aiioMoio, aeuio quando voa.4 irieduer; Ve-
nha. E.t aaUaalu P
f>nr n.a.agur..ca, M.iMnhor, V. alteza obra-
Que! vi..t quer?.....
i.ho^..E.U: MoM,e"h"r' ni 1ufro "da, V. .liosa he ae-
ir.6",1''0'"1^- ,W,,, '"' qo vo..exige; e
Ver le'!6'M* I""' n,,,n, ""'. l' pa
Ver.,llea. Ma. ia I0 ttHUV(t e ,fc TecumJlu^
Deo Igun. p...o. para a porta, e voliou.
Ia-mee.quecei.du, diaieelle; de hora em hora
voaa expedir um portador. Quero aabor ludo, en-
tender r '
E depni. de haver feit.. ainda novaa recommeudacSea
a medico, retiron-ae. *^
Alguna minutoa depia rulara a aua carroaaem nela
ettrada de Varaaillea. p
Quando aeacl.oua o doulor torno a campainha e
dua criada, anda mocaa ae apreaenlrio. '
- O quarlo da Sra. eali pn.mpl? prrgunloq elle.
^Con. a re.po.t. aflirmaliv, fea-ll.o g.l deaeche-
4t di.at innll.erc
com .nfin.ta. prer.ocSe. tomro
Carlota noa brajoa. tran.porta.ao-a ao quarlo Wslabo
de.p.ro- eumo a ...na crianja, e depoia de deitareru'
rel.r.rlo-ae aem dter p.|avra. '
Cartilla, reetiiaida segunda ve. i vida, quit fallar O
med.oo tentado a aua cabeceira p. n.n dedo na booca
e diite-llic deiagarinl.o ouvido :
Nada reiii-ie, ininlia menina, eu vl n Sra
Vencida pal dr. ab.li.la pela fd.g. enfraq'uecida
pe., aangue quehavia p-rdid. Carlota adormeceo
Qoa..lo ... iny.ter..... pal.vra de prolerc..' quo
tranquilinas um ,..,0 Carl.ua, era fWm.la habi-
tual de que en. laet na.... .e ,,rv, ,|utr, e rom
quinte n.. figura.. e... R.r.m.la n.. rrce.ln.ri diB-
n In.nie.n prnuimi.va eatai palarraa cn. l| bo fe
-lile*." ^ue"enbl,n' I-fo clmame era 11J
(Cantinuar-M-Ae,)


Art 207. O eserivlet e seereleros dos juizot e Iri-
bunses.em que se terminirem 01 proeessos.nloextrahi-
rd dalle* sentenga favor da parles, oem Ibei dr8
dai meamos quaeequer documento, sem que mostrem
bter pago o* portel nai admoistrssoes, ou igeocias
do* correios respectivos, podendo o pagamento total
azer-se no oorreio do lagar, a viste da certidlo, que o
eurivio, ou aeoretario dar parte, de qual a quantia
por que 01 meimo auto le acbio obrigadoi aoi oor-
reioe,
Art. 311. Quairdo alguem tiver de mandar eartai por
fra do oorreio, daa quaea deva pagar porte, e nio es-
tiver aberta a can delle, ou a em que te vendara 01
elloi, dever lancar nal costal dos sobrescriptos a se-
guinto nota:
Vai pagar o porte ni agencia de... ( primeirs
eitrada porque ba de pesssr), declarar o lugar, e da-
lar ; e o conductor be abrigado a pagar a importancia
do ello na primeira agencia do oorreio, ou estacio fia
cal fiscal, e nene cafo o agente fiara o sello, ou o exae-
tor lancera a cota retebi lano do porte desta caria, da-
tando e rubrioando; e enviar eita quantia para a agen-
cia do orreio raaif prximo, na primeira occaailo, que
loflerecer,
Os que nio apresentarem 01 papis, que aasim con-
duzirem, seaO punidos com a multa do art. 197.
(Contiituar-se-ha.)
__O Illm. Sr. inspector da thesouiaria de faienda
mana fazer publica, para eonhecimenlo dos intercssa
dos, a ordem do tribunal do thesouro publico nacional
do 9deselembro ultimo, abaixo transcripta, que mar-
ca o primeiro de abril do anno futuro para comedero
descont gradual, na lrma da le de 6 de outubro de
1835. as notas de cem mil rii da 2' estampa (verde),
actualmente em eubstiluicio na corle; e convida aoi
poasuidores das mesmas notas, para que quanto antes as
faci trocar por outras na mesmi tbesourara, viato ea-
tar prxima a poca em que vio deixar de aer recebdas
as ettac,6ee publica da provincia. Secretaria da the-
souraria de faienda de Pernambuco, 16 de outubro de
18.45. O official-maior, Ignacio dos Santos da Fon-
He
Ordem a que *e refere o edital supra.
N.* 124 A. Manoel Alvea Brenca, preiidente do
tribunal do tbesouro publico nacioqal, participa ao Sr.
inspector da tbesourara da provincia de Pernambuco,
que, por portara desta data, oWeoou, que se marcea-
se o primeiro de abril do anno futuro para comecar o
deaconto gradual, na forma da lei de 6 de outubro de
1835. as notas de cem mil res da 2.' eitimpa (verde),
actualmente em suhslituieio neata corte, a fim de que
mande faer publico por editaei, e noi peridicos por
repetidas veres,para eonhecimenlo doa interessados.The-
souro publico nacional, em 9 de letembro de 1845.
Manoel A ves Branca.
Innocmcio da Cunha Gaianna, fiscal da freguesia di
S. Jos do Recife, tic.
Feco saber, pelo presente edital, a qunm inleressari
3ue no ultimo de dezembro linda-se o prazo* conced -
o para a aflericio dos pesos t medidas no mercado
desta cidade, e bem astim das regoas de medir madei-
ra, pedras,. terrenos, e outros objeetos, segundo aa
posturai o regulamentos da cmara.
E para que se nao cbamem a ignorancia, mandei pu-
blicar o presente.
Becife, 13 de novembro de 1845.
Innocencwdi Cunha Goianna.
de 9 ditas, duaa ditas de ditas de 6 ditaa, doas ditas de
ditaade 4 ditaa, duas ditaa de limetQeade 10 ditas, duas
ditas de ditos de 4 ditas, dous lencas de cbapa de ferro
fino com 2 arrobas, e duaserrobasd'aremede ferro fino:
quera estes gneros tiver, mandar suas propostas (in-
dicando o lugar em que elles se scblo para se mandar
examinar), em caria fechada, a directora do mesmo ar-
senal, at o dia 15 do crrante mez. Directora do
arsenal de guerra, 12 de novembro de 1845. No im-
pedimento do eicripturario, o amanuense, Joio Ricar-
do da Silva.
O administrador da mesa de recebedoria de ren-
das geraea internas avisa pela ultima vei aoi collecta-
doa dos bairroa do Recife, S.Antonio e Boa-Vistf. que,
do dia 17 do crrante mez, mandar o agente de/ta re-
partido cm conhecimentes assignados para recebar o
impoeto do banco elaxa de eacravos, o aquelles que se
oegarem pagar aerio remeltidoa pira juizo para se pro-
ceder a ejecutivo. Recebedoria. 15 de novembro de
1846.Francisco Xavier Cavalcanti de Albuquerque.
Administrado do'patrimonio dos orpkdos.
NSo tendo concorrido licitantes arremataclo das
rendaa da casa n. 4, fita no largo do Paraizo; a mesma
administrarlo manda faier publico, que anda vai no-
vamente a praca, no dia lodo correte mes, ao meio
dia, pelo preco dr 400* rs. annuaes! aa pessoss.que
se propozerem dita arrematado, podero compare
cer na casados eesos da dita administragSo, com seui
fisdores. Recife, 10 de novembro de 1845.7. M.
da Crux, escripturario.
COMPANHIA DE BEBIRIBE.
Nio tendo comparecido, no dia 13, numero sufficien-
tede accionilas, ficou tranaferida a reunilo da compa-
nhia de Bebiribe para aegunda-feir, 17 do correte,
is 9 horas da manhia: roga-se eos Sr*. accionistas, ha-
jio de nio fallar a reunilo; e adverle-se que se a-
brrl aessio, na bora marcada, com os que se acharem
presentes. Recile, 14 de novembro de 1845.
O director,
Jos Harnea d'Otiveira.
Avisos martimos.
Deeiaraces.
H. B. Constanca lemette para ra da proncijempresU diobeiro sobre penbores de ouro
(SUesorava parda. Gertradei.
S. Exo. Reverendiaiiraa tem marcado o dia 23
do corrente para a solemnissima procissio do Corpo de
Dos, devendo sabir, pelas 4 horas da tarde, da igreja
matriz do SS. Sacramento do bairro de Santo Anto-
nio, e seguir impreterivelmente pelas ras do Cabug,
daa Cruies, da Cadeia, do Colleg d'abi pracinHa
e ra do Livramento, ra Direita at a igreja do Ter-
?i>, ra de Agoas-Verdes em direccio ao pateo do S
'edro, e largo do Carmo, d'este as ras estreits e
larga do Rozario, e d'esta finalmente a ra do Cabug
em direitura a referida matrit.
S. Exc. Reverendissima, espera, que o moradures
das mencionadaa ruaa se esmerem, como louvayelmeole
costumio. no esseio d'ellas, e no ornato daa janellas.
Recife, 14 de novembro de 184.
O padre Francisco Joi Tacares da Gama,
Secretario de Exc. Reverendissima.
O Illm. Sr. coronel director do arienal de guerra
tem de mandar manufacturar urna bandeira imperial de
seda para o 1. batalblo da guarda nacional deOlinda :
a quem convier contratar a dita obra, comparece na di-
rectora do mesmo arsenal, ate o dia 17 do corrente
mez. Directora do arsenal de guerra, 13 de novembro
de 1845. No impedimento do escripturario,o, amanu-
ense, Joio Ricardo da Silva.
==. O arsenal de guerra precisa comprar seis duxias
de taboas de assoalho de louro de 30 palmos, com 12 a
16 polegada de largura, quatro dutai de taboas de aa-
soalbo deamarello de 30 palmos, com 10 18 polega-
daa de largura, e ums dusia de costadoa de amarello de
50 palmos, com 16 18 polegada de largura, sete
ps de ferro, sete csdeirai de palhinha, urna torradei-
ra pitra cal um pleo : quem estes gneros tiver,
mandar auaa propostas a directora do meamo.arsenal,
at o dia 17 do corrente mez. Directora do arsensl de
guerra, 13 de novembro de 1845. No impedimento do
escripturario, o amanuense, Joto Ricardo da Silva.
O Illm. Sr. coronel director do araenal de guerra
pertende contratar o concert, de que precisa um dos
quar'tos do quartel do Hospicio, de mister para arreca-
dacio do 4.' bitalhao de arlilbaria a p, constando das
obras de pedreiru, ecarpirtteiro; a quem convnr con-
tratar urna, e outra obra, comparecer na directora do
mesmo arsenal,al o dia 15 do correte mez (hoje).para
ae Ibe mandar mostrar o referido concert,a fim dse la-
leremoa convenientes ajustes. Directora do arsenal
de guerra, 12 de novembro de 1845. No impedi-
mento do escripturario, o smanuense, Jodu Ricardo
da Silva.
O arsenal de guerra precisa comprar deisses
quinlaea de ferro sueco sortido, des ditos de dito inglez
sortido, quatro Julias de limas chatas de 14 polegadas
duas ditas de ditas de 12 ditaa, duaa ditaa de ditas de 9
ditaa, duas ditas de ditas de 6 ditas, duas ditas de ditas
de 4 ditaa, duas ditaa de ditas de meias canaa de 14 di
tai, duas ditaa de ditas de 12 ditas, dual ditas de ditas
= Para o Rio-de-Janetro sahir impreterivelmente,
at o fim do corrente mez, o brigue D. Affbn>o, com a
carga-que tiver : quem nellequier canegsr, ou ir de
psisagem, para o que tem excellentes commodos, diri-
ja-se ao capillo, ou a ra da Cruz, n.45, em casa de
Nsscimento Scbaeffer & C*
= Vende-se urna barcaca, que pega em 24 canas
de assucar gosto, construida de boas madeiraa, e feila
naa Alagoas; est prompU deludo; be nova; anda
nio fes viagem alguma, excepelo da em que veio de-
pois-de acabada ; e he muito boa de vela: quem a qui-
ter, procure a Antonio da *lia Gusmio, na ra do
Queimado. n. 39, e, na sua falta, seu caxeiro Maia
= Para o Aracaly sabe a sumaca S.-Anlonio-de-Pa-
dua, forrada e pregada de cobre: quem quizer ane-
gar ou ir de passagem,dirija-se ao capillo, ou a ra do
Vigario, armaiem, n. 8.
Para Maralo aabe, com a maior brevidade
possivel o brigue-escune nacional Laura, capillo
Antonio Ferreira Silva Sanloa : para carga e piaiagei-
ros, psra o que tem excellentes commodos, tratase
com o dito capillo qu com Novaes & Companbia na
ra do Trapiche, n. 34.
Para o Rio-de Janeiro segu com brevidade o
bem condecido brigue Bom-Jesus, capillo Pedro Jo-
s de Saltea: para carga, passageiroi, e escravos a frete,
justar com Gaudino Agostinho de Barros, pracioha
do Corpo Santo, n. 66.
__ Para o Cear sabe com muita brevidade o bri-
gue brasileiro I/dependente : quem quiser carregar ,
ou r de passagem dirija-fe a loja de cabos, de Fran-
oiico Mamede de Almeida na ra do Vigario ou a
fallar com Manoel Alvea Guerra.
= Para o Aracaly segu com toda a brevidade o hu-
le Novo-Olinda : os pretendentea a eairegar se pode
r5 entender com Antonio Rodrigues Lima, na praca
do Commercio, ou na ra da Cadeia-Velba, n. 1, pri-
meiro andar.
Para t> Rio-de-Janeiro sahir al odia 18 do
corrente o brigue americano Cotepethtcaile ; tem
commodos psra dous passsgeiroi: trata-se com os
consignatarios Mtbeuf Auttio & Companbia.
Lelno.
Ocorretor livera far leilio de variado forti-
mento de farendas inglezas francesas, suissas e alle-
mies deseda, lia, linbo e algodio, propriaido mer
cado e as quaes team de ser venddss sem reserva
algumas a praio e outras a dinhero a vista: terca-
leira 18 do corrente as 10 horas da manbia em ponto*
no seu eicriptorio ra da Cadeia.
Avisos diversos.
O CLAMOR PUBLICO.
Sabio hoje o o.' 60 e acba-ae a venda, na praca da
Independencia, Imaria na. 6e8.
A CARRANCA.
Sahio hoje o n.* 43 e acha-se a venda, na praca da
ndependenca, livrara nmeros 6 e 8.
a Joto Alves de Sousa responde ao Sr. Antonio
Fraocisco dos Ssotos e Silva, e ao Sr. tim que assignou,
que em seu poder existe docun ento, com que compro-
ve haver elle entregado a represeotacio, de que falilo.
Se alguem, poia, abuaou da sua boa f,usando de frau-
de, paia o (Iludir, nio deve essa carga ser Ibe langa
porque, nem poda suppor um tal deslecho, i
tantas mos, devesie olba-lacom o fogosagrado, a sos
cata o templo de Vesta, e elle alguma das te-iaei, pete
gar ao fim, a que ae pretende, esforcos que o deviio
por acobertado de qualquer presumpejo ; e sobretudo
__ Jos Soares de Azevedo, profeaor franca do lyceu nm aberto em sua cass ra es-
trella do Rozario, n. O. terceiro andar um curso da
Geographia e outro de Lingoa Francesa. Ar pessoai
que desejsrem seguir urna ou outra destas disciplinas
podem dirigir-ie indicada residencia, de manhia
at ai 10 horas, e de tarde a qualquer hora.
Precisa-se de urna ama que saiba perfeitamen-
tecoiinhar, ensaboar, eogommar e coser psra urna
casa de pequea familia : quem estiver nestas circuns-
tancias dirija-searua da Praia, n. 49 segundo an-
dar
Precisa-se de um caxeiro para venda que da
meims tenha alguma pritica : na ra do Amorim ,
n. 17. .
__ Quem precisar de um moco para padaria ou
outra qualquer oceupaelo aonuncie ou dinja-se a
ra do Amorim n. 17.
AlugaS-se os segundo e terceiro andares da casa
da ra da C.ruz do Recife n. 49: a tratar no arma-
zera da mesma cass.
__ Precisa-se alugar um preto por mez, para an-
dar vendando fazendas com um rapaz : quem o tiver,
dirija sea ra Nova, n.21.
Alug* se urna casa terrea no largo de S. Jos : a
tratar no Atterro-da Boa-Vista n. 2, primeiro an-
dar.
__ Aluga-se um preto bom cacoeiro sendo baa-
tante humilde ; quem o pretender, dirija-se a ra do
Amorim sobrado n. 2.
A pessoa, que annunciou querer fallar a Fran-
cisco de AssisOlivera dirija-se a ra do Sol, n. 23.
Alugio-se os segundo e terceiro andares da casa
n. 12 di rus do Queimado os quaes sio muito
frescos e teem bstanles commodos : os prelendenles
dirijio-sea mesmarua loja de Antonio Jos Rodri-
gues de Souza.
Na ra estreita do Rosario n, 28, segundo an-
dar, ensinlo-se as disciplinas seguintes: geometra e
inglez.
__ Aluga-se urna sala na ruando Queimado pro
pria paraalgum rapar sultero on paira escrptoro de
advogudo ; urna cocheira para 3 0P|4 carros ^ ni
da Praia : a tratar na ra do Qu^hWido o. 2.
Preciaa-se alugar um pretidoso, para tratar de
um cavallo ; na praca da Independencia .Jurara ns.
6e8.
__ Precisa-se de um caxeiro portugueijie 16 a 18
annoa para urna venda e que da mesma lenha pra-
tica : na ra da Aurora n. 48.
Desappareceo, no dia 7 do corrente, ama ca-
nda de carreira pequen e aberta com os signaes
teguinles : sem paneiro com IravessSes para o mes-
mo, de tirare per; tem cavilhas de cobre na caverna de
proa e popa pintada de einzento ja dosbolada, quas
hrs'aco : quem souber da dita canoa queira leva-la a
Fra de-Poilas, venda n. 92 que ora recompen-
ado.
O abaixo augnado declara ao respciUvel publi-
co que tem despedido o seu caxeiro Manuel Pereira
de S e Silva dassuas lojaa de louca da ra Nova; e por
issu Ml inhabilitado para receber qualquer divida per-
lencente as mesmas lujas, ou outra qualquer transaccio.
Jooquim Altes dosReis.
Sahirio os nueceros do nazareno 133 e 134
os quaes se acbio a venda na casa da F na ra es-
trcila do Bosaro. n. 43 : e tem materias ioteressanles.
Precisa-se de umeaixeiro ; na ra do Vigario,
n-33' .* n
O Dr. Alexndre de bouza Pereira
do Carmo, lendo che gado da viagem que
fez a provincia das Alagoas, contina no
exercicio de sua profissio.
= O baebarel formado Fernando Poreira de Castro
Jnior retira-se na aura.com sua senbora;para Mara-
obio, e leva em sua comaenhia cinco escravos seus.de
nomes Bernab. Clementina, Leopoldina, Luiz. e
Joaquina; e igualmente os escravos de Antonio Cesar
de Berredo, de oome Jofefa. Isidro, e Amencia.
= Jos Goncalvea Farrera e Silva embarca para a
Bsbis os escravos Jos, e Francisca, para serem entre-
gues a leu senhor, o doutor Cssimiro de Sena Madu-
reira.
CONVENIENCIA.
Faiem-se pinturas por preco mais commodo do que
em outra qualquer parte, tanto na praca como no mal-
lo, por haver para este e fie i lo um completo sortimentn
de tintas, leos, vernizrs, papel psra orrer salas, e vi-
drosde todos os tamaitos ; queesquer destea objectos se
vendem a relalbo, e em as porcSes que se precisaren!:
trocio-so imagens as mais perfeitaa; assim como se
vndem calungas grandes para presepios, e um lindo
presepio: na loja de drogas, de pintor e vidraceiro,
ra das Cruzes, n.28, junto typograpbia deste Oro-
ro.
Aluga-se o segundo andar do sobra-
do sito na ra Direita, n. 20, com bons
commodos: a tralar na ra do Collegio,
eegundq andar n. i4>
Casa da Fe\
BA ESTREITA DO ROZARIO, N. 45.
Tendo de correr a lotera do Ibealro, conforme se
marcou, no dia 25 docorrente, o caulellisla da casa da
F, de novo convida aosamsntes de um jogo Uo inte-
of
K.
rala:
Aluga-se um sobrsdo de um sndsr com |ojs.
com muito bons commodos, no principio do Aterro-
dos-Afogados, defronto do viveiro do fallecido Muoiz,
n. 49; quem o pretender, dirija-se a ruado Livramen-
to. loja, o. 18.
PUBLICACA JURDICA.
A livrara da esquina do Collegio, re-
cebeo e tem i venda o Manual de Appellutoese Ag-
gravos, por Gouva Pinto, edicio fluminense maueor-
recte, consideravetmente augmentada, a expresaamen-
te acerescentada de toda a legislado bruileira, at boje
publicada.
PUBLICACA MEDICA.
Na misma livrara contina a subscre-
ver-se para a 2.* edicto do Formulario,ou Guia Medi-
ca do doutor Chernovis. a razio de 4f 000 rs. por cada
ejemplar, pagos adiantados: formar* 1 volunte am 12
de 600 paginas, essbir luz no prximo dezembro;
advarlindo-se. quedepois da pubhcacio cuatera 6# rs.
He desnecessurio fallar sobre o merecimento e ulili-
dade de urna obra, como esta, tao ventajosamente aco-
Ihida p lo geral dos (acultativoa; por isso limitarmo-
nos a dizer, que esta 2.' edicio contem importantes
melboramentos, que a tornio um trabalh quasi inta-
ramente novo ; e aera de particular inieresse a peatoas,
que possuem odiccionario de medicina popular do mes-
mo autor.
Adolphe Boorgeoi faz cente ao reepeita-
vel publico, e principalmente a seus fregue-
zes, que elle mudou a aua coxeira, da ra da
Aurora para a ra Nova aonde o acbarO sempre
promplo a qualquer bora, tendo para este fim bons
carroa e bonscavellos; asim como recolhe, na mesma,
cavados e carros, ludo por preco commodo.
= Jos Goncalves Maia de Azevedo retira-te para
fra do imperio, a tratar da sua aade.
*m O Sr. Francisco de Assiz livera queira decla-s
rar sus morada, que se Ibe precisa fallar.
Roga-se a pessoa que deixou de penbor na
ra Nova n. 22 um relogo de ouro eom vidro e
machina de platina, um trancelim e urna correnta atra-
vessada para relogo, de vir resgstar no prazo de 3
das, se nio, serin vendidos psra se pagar do dinhero,
que ella ficou de levar no mesmo dis.
= Dio-se 300* rs. a juros com penbores de ouro OU
prata ; na ra Direita o 9.
Aluga-se urna escrava para fazer o lervico inter-
no de urna casa : quem a pretender dirija-se ao ar-
co deS. Antonio n. 2.
1 E. Alves Vianna remelle para lora da pro-
vincia a aua escrava Anglica crioula.
Aluga se um sobrado de um andar, com 5 qusr-
(os e terrado para recreii; no principio do Aterrodof-
Afogados, h. 31.
Precisa-se de um hbil fomeiro : na ra estrella
do Roiano, pdaria o. 13.
Da-se dinhero a juroa, com penhoret de ouro e
prata, mesmo em pequeas quaoaiei ; na ra da Praia,
n. 2.
= Na ra do Mondego, casa 0^*7, preciae-te de
unta preta, que aaiba com pcrfeii|ii*ngominar, lavar o
coiinhar.
km Aluga-se o segundo andar de um sobrado, por
10,000 rs mensaer: a tratar na rus estreita do Rosa-
rio, n. 10, lerceiro andar, ou na botica do Paranhoa,
na mesma ra.
da, porque, nem poda suppor um lai aeiieono, ueiu te,"""" !T? .....
migar que, derois de ter pssssdo a representaclo por resssnte acontinuarem om mais promplidio na com-
^. i.__ -il 1______/-..__.,v Cllu ... .in i.ilhoi.t b Hu ana cautelas: visto aue o en-
erados blbeles, e dss suas cautelles ; visto que o an-
damento das rodal deve ser infallivel. O inieresse, que
casa o templo ae resta, e ene alguma aa him, yim lunm ..-'"- -------- --------------t
oque.soosm todos, nio tem as habililacoes precisas, sepodetirardestejogo.eatenabrevidade.com que an-
LameoU o resultado de seus eslor^os, que. os assigna- darem as rodas: e acbando-ae designado odia, os am-
tenos igualmente ssbem, forlo excessivos psra ae che- 'dores devem reconbecer lacilmente que qusnto mais se
.. _____..... ..r...... ... A..i.. j.,,.r..n n. .nmnn Hn lulhuie na einectativa do o
lemoraremna compra dos bheles, na expectativa de o
faterem nos diaa prximos annunciadot, tanto msis
por acoberlado de qualquer presumpr;ao ; e sooretuao laterem nu> |iiuiu.. ..--.------
fiear-lbe-ha o pezar de nio descobrr o autor de tal ma- concorrem para o empate.e retardarlo da estraecio. A01
roteira, que o pos em duvida pesante os seus co-re- bilbetes. e as cautellaa, pois: cootem com boa felicida-
representsntes. Qusnto ao lolo que corre, deixa es- de, se tiverem f.
se julgameoto s pessoae sensatas, que farad justipa a Acha-se aberto o novo esUbelecimento de hvroa
aquelles que nelle se envolvtm, mesmo porque essss lrsnce;es. e outraa liogoas, bem como obiaa de pr.ta e
pessoas nio teem por coatume acreditar Uo leviana-louro contrastadaa, miudezaa, e rap de todas es quali
menle n'aquelUs cousas, que se lite contio, e menoildades. e outros genero! : no meimo eitabelecimenlo
anda ii/aorm-s de apparecer em publico, sem pro- Ise recebe commissio. para vender nelle. qualquer ge-
cederem i averiguado necesssria. |nero, que teja na primeira ou na segunda mo, e te
LOTERA
DO
THEATRO.
Acba-se designado o dia 25 do presente mez para
terem as rodas desta lotera o seu imprelerivel anda*
ment. Este andamento tem de aer realisado na for-
ma do novo regulamenlo dado as loteras, e alm dalo
o credito.de que esta mesma lotera sempre gorou, deve
animar osainadore a conoorrerem para a prompta venda
dos respectivos bilbetes.que se acbio expoatos na loja do
Ihei 'ureiro, ra do Queimado, o. 39; na do Sr Me-
neiei Jnior, ra d-> Collegio; na botica do Sr. Mo-
n-ira, ra do Cabug; e no bairro do Recile, as lojaa
de cambio dos Srs Viers, e Manoel Gomes.
Cumpri'eo tbesoureiro advertir que oplano, que re-
gula ella lotera, be novo, j com este loi transcrip-
to, e por elle terio viilo os interessadot, que os pre-
mioi, que Ibes couberem em lorie. Ibes serio pagos tem
descont algum, a escpelo amenla doa doua primeiroa
premios grandes, que na lorma da lei esli subjeitos
ao descont do 8 por cento a favor do tbesouro publico.
Arrenda-se um sitio no lugar do Caldaireiro, com
boa casa de sobrado, muito fr.sca e com todas ae com-
modidedes, cocheira, estribara, casa para pretos, boa
cacimba, ec<>nt Iruteiras de todas aa quilidadet; quem
o pretender, dirija-se ao armatem de capim da ra da
Concordia, n. 23, que achara' eom quem tratar : 00
mesmo armaiem vendem-se 40 e tantas oilavas de ouro,
em obres.
=*corretor Olivera acha-se encenagado da anda
de um mulato, com prinoipio deofficio de carpinteiro,
bom trabalhador, e propno para todo o aervico ; aos
pretrndentes se dir o motivo da venda.
= Aluga-se, por anno, ums boa casa tenca, com
grande quintal, e encllente agoa de beber, murado na
frente e cercado doa lados, tem boae laudas de otaracu-
j.assemeirim, parreirae, figueirase outras srvorea,
j dando fruto, ao pedo sitio da Sra. D Lauriaoa, no
principio da estrada dos Alictos ; com a ccndicio de o
morador ser obligado a entrgala, ns sus isbida, cosa
as mesmaa bemleilorias, com que a recebeo ; trata-se
na ra da Cadeia-Velba, n. 28.
= Antonio Gomes da Silva, piloto examinado do
alto mar, lat pul Neo, queensme a arte de pil to, prati-
ca e theorica, assim como aponte agulbaa de manar
por novo metbodo, e concert varios instrumentos nao-
ticos : lo ios os senhores, que qui'erem. dinjao-ie a
Sanie Amaro, ao pe da igreja. ou a praca do Com-
mercio, desde o meio dia al lf duas hora* da Urda.


Alugi-so, por 10* rs. mensaes. o legando ao-
dsr do sobrado da ra eitreita do Rozario o. 18 : t
tratar na roa 8o Nogueira n. 27.
Deieja-ie fallar aoSr. Miguel Ferreira de Mello,
ou peisoa, gue suas vezes lata, negocio de seu nte-
resse; na ra da Cadeia de S. Antonio, n. 14.
Urna mulher de bona costumes le encarrega da
criacio de meninos de peito impedido* e desimpedi-
dos e timben) recebe meninot para desmamar no
que promette esmerar-se: quem de leu presumo
se quier ulilisar, dirija-se ao patea de Terco n. 26,
segundo andar.
= Antonia Miria retira-se para (ora da provincia ,
levando em sua companhia sua tubrinba e um Gibo.
Deseje-ie saber se slo tiros, cu morios os Srs.
Jlo Nogueira Freir e Francisco de Sousa Pinto que
assiitiio na ra da Soledade i roga-se a quem souber
noticias de algum dos ditos Srs. o lavor de dirigir-se
a ra do Queimado loja n. 13, de Antonio Jos Bo-
drigues de Souza.
Alugs-se urna muito boa casa com sea sitio no
Monleiro com fundos para o rio, do lado da sombra,
seta visinbaca junto e do lado opposto a igreja com
muitas commodidades muito fresca com estribara
para 3 cavados, e todas as mais proporcSes: a tratar
com Jos Mauricio de Oliveira Maciel.
- ge
Compras.
bitidades, de 13 a 20 anuos, de bonitas figuras; 2 mor
lequea de 12 a 1 i annos, mu lindos ;.l mulata de 2Q
mnoi, com habilidades; pardo, ofucial de al.'aiale,
de 23 iones; e 5 pretas, de elegantes figuras: na ru
das Floros, n. 21.
= Vende-se vinagre tinto, de superior qualidade,
em quartolas; na ra da Senzalla-Velha, n.,110. -
= Vende-se firinha muito nova, do Rio-de-S. Fro*
cisco, a 3,000 rs. a sacca : na ra de S. Bita, n. 7.
Pela medida vellia
vende-se farinba, cbegida ltimamente de S. Mi*
ibeui, de superior qualidade, e por menos do que em
outra qualquer parte, bordo do patacho Vinu, de-i
fronte do caes doCollegio, e na ruada Cruz, n. 54, a
tallar com Manoel Antonio Pinto da Silva.
= Vende-se urna casa torrea, nova, feita a moderna,
na Passagem-da-Magdalena, aopda ponte grande, o
29 : quem a pretender, dirija-se a estrada dos Afile-
los, ao sitio defronte do Sr. mejor Moraes, que achara
com quem tratar.
Vende-se um preto de 40 annos, bom canoeiro e
peleador de tsrrafa : quem o pretender, dirija-se a ra
da Cooceicio do Recite, n. 53, segundo andar.
-e](MBsVeV-C
RAPE' AMERICANO. *
a8#n.; ditos (raneles da ultima moda, a 7* rs.; Joaqum Duarte, TUa do Cabug;
superiores obapeos de mana de elegantes formas, a vr. i /~<
6 rs.; e de todas as mais qualidades, a precos com-
modos; chapeos finos de palba do Chile ,' e de quali-
des mais bailas at o diminuto prego de 3 rs. ; boae
tes tanto para hornera como para meninos, da glli-
m
Com este pomposo titulo se apresenta no mer

Compra-se urna meis-commoda, anda que nio
esteja nova ; na botica da praca da Boa Vista, do falle-
cido Victorino Ferreira de Carvalho.
Compra-se um macaco do Par, Maranbio ou
Angola sendo manco e da raga mais pequea, que
ba ; um methodo para volio por Carulle em bom
estado por preco commodo ; quem liver, annuncie.
Comprao-se duas quartolas, ou tons; quem
tiver, annuncie.
Compra-se um ornamento completo para mina;
na ra do Queimado n. 4.
Compra-se um escala de fagote nova, ou usa-
da em bom estado ; na ra da Cruz do Recife n. 21,
ou annuncie.
Comprao-se, psra fra da provincia, esc rs vos de
ambos os sesos; endode 12 a 20 annos, e do boas fi-
guras, pagio-se bem : na ra Nova, loja de ferrageos,
n. 16.
r eado um excedente rap, digno por certo da at- j
** li'ni'OA rtnc nrprQHnrnE Ha itmi hn* misil* )t
tenefio dos apreciadores de urna boa pitada. Os

vendedores se olirigao a entregar o dinheiro a
* qualquer pessoa, que, tendo-lbes comprado des- &
F te rap, Ibesinta algum defeito.
Vehde-se no Alerro-.da-Boa-Vsta, ni. 10 v _
" 36; Aterro-dos-Afogados, n. 209 ; praca da In- j
Arantes; ra larga do Rozario,
5 dependencia, Arantes; ra larga
j' Lodi; ra do Crespo, Guimaries, Serafim & C ;
5 ra do Collegio, Meneies; Cadeia-VeJha, Cu-
P nba di Amorim ; e na Liogoeta, Joaqun) Jos
Vendas.
nba & Amorim
Babello.
FOLHINHAS
DE
Porta e Algibeira
PARA
1846.
Vendem-se na praga da In-
dependencia, loja de livros n. G
e 8; na ra da Madre de Dos,
venda da esquina defionle da
igreja; na Boa-Vista, def. onte da
matriz, botica do Sr. JVloreira;
no pateo do Collegio, loja de li-
vros da esquina; e lio largo do
Terco, venda n. 7; em Olinda,
botica da ru do Amparo, e loja
do Sr. Domingos, nos Quatro
Cantos.
Vende-se a casa terrea da
ra das Cinco-Pontas, n. 43: na
ruad; s Larangeiras, n. 12, segun-
do andar.
Ka ra des Larangeiras, n. n
a. aiidkr, vende-se, por muito mdico
preco, nm ptimo sitio no pateo da Faz,
povoaco dos Afogados, com urna bella,
nova, e espacosa casa, e diversos arvo-
redos de fruto, bem como larangeiras,
coqueiros, mangueiras, jambeiros, tres
cacimbas, urna das quaes lie feita ba mui-
to poueo lempo, e d'ngoa potare!.
= Veade-se, na ruada Senzalla-Velha, armayom n.
2i, azeite de cerrapato, a 1,800 rs. a caada.
- A ende-ie farioba,de superior qualidade, por me-
nos preco do que coi outra qualquer parte ; dita mais
trlguera propria para estraves : na ra da Cruz, o
54, a fallar coa Manoel Antonio Pinto da Silva.
- Vende-se cha ovasen .em caiaa de 13 libras, em
porcese aretalho; e potassa americana ltimamente
chegftda ; oieaes barricas de farinba de trigo da marca
gallego : eep casa de Malbeus Ausltn & C., na ra da
Alfaodeg Veifaa o. 36.
= Vende-se farinba de mandioca muito nova de
Santa Catharine e S. Melbeus, por menos preco
que e) outra qualquer parte em laceas ou medula
velba ; no caes do Collegio armazem de porta larga.
Vende-se um relogio de ouro muito bonito e
regulador; na ra do Hangel o. 3.
==Vea(im-se riquissioios chapeos de seda d6 todas
as cores pata senbora bem afeitados com riquissi
mas fitai e flores ; estes chapeos teem a comruodidade
de se abrirem e fechare*-)-, riquisaimos encerados a,
polka, pera caslicaes, mangas e oulros objeotos ; um
sorlrrento efe caj achoi: na ra larga do Rosario! de 14annoa
n. U.
= Veode-w. up Btceo-La/go n. 70, azeite de-
terrjalo a 1440 ri. a caada e em porfo por
minos al juma rousa.
== Veodeni-se 17 escravos, nodo 8 pretal, com ha-
ma moda ; loados de setim hespanhol, pelo barato
preco de 2j ri.: oo largo do Collegio loja de cha-
peos n. 6,
= Vende-se o deposito de charutos da ra de
Agoas- Verdes; um relogio de caisa de prata ; umci-
vallo bom oarregador baizo e meio de cor rodada ;
ludo muito barato : na ra de Agoas- Verdes, o. 27.
"Ha para vender oa ruado Trapiche, n. 40, um sor-
Umeoto.de baos o escolenla/ vinhos, para uso partieu-i
lar ; tambem mu luperior ago'ardeote de Francae cor-
veje branca e prela, de Londres (de Herelay & C), 4
melbor que pode baver : estes gneros veeni em cascos
a engarrafados, e vendem-se em porcSo ou por barrica
por presos muito commodo*, emquanto nio entrar o
mez da feita, em caa de Chnstopbers & Donaldson.
s Vende-se urna boa propriedade de casa de 3 an-
dares na ruado Vigario n. 23 contigua a do Sr.
Jos Ramos de Oliyeira ; tem grande fuado e largura:
a tratar na loja da esquina da ra do Crespo que volt
pra a do Queimado.
=\ endem-se uos bons embonos para urna barcsia,
por preco commodo; oa ruada Madre-de-Deos, o. 98.
= Vende-se urna escrava de idade de 24 annos ,
com urna cria muito linda, de um anno ; urna negri-
nba, de idade de 1-4 annos, ptima para mucama;
outra dita de idade de 20 annos ertgomma e cosi-
nba ; 3 ditas quitandeiraa; um escravo de naci do
idade de 20 snnos, cozioba bem ; um dito canoeiro e
camaroeiro ; um moleque, de idade de 14 annos; ou-
(ro dito de 18; 3 eicravos de naci, ptimos para
servico de campo : na ra Direita, p. 3.
SARCA-PARR1LHA.
Vendem-se 10 rolos com 10 arrobas, de eirel-
lente qualidade chegada do Para oo ultimo vapor :
oa livraria da esquina doCollegio.
= Vende te nm escravo de 25 ennos, cozioha ,
eaia e pinta caas perleito canoeiro fst todo p maii
em
*-b>-s---"'8
Vende-se o sip.que foi do fallecido Penlo, na
estrada de Belm.; a tratar na ra da Sensalla-Velha,
n. 131), ou na loja da ra da Cadeia-Velha, n. 43.
= Vende-se, por 20,000 rs., urna bonita cama de
angico, para casal; oa ra Nova, loja o. 58.
RIJA OO COLLEGIO,
Loja n. I.*
Vendeos se superiores grvalas de selim preto* 600
rs ; casimiras, das mais moderse, a 1,200 e 1,400 ra.
ocovado; panno fino, preto e azul, a-2,.')U rs.; meiai
de senbora a 280 .rs. o par; chitas de todas ai qualida-
des, de 120 a 300 rs.; madapoldes, de 140 a 280 rs.;
cortes de cliitss de todas as qualidades, e do melbor
gosto superiores risoadot ifiocezei, polka, a-3t}0 rs.
o covado ; e outras aullas fazendas, ja aqnuociada
oeste Diario: na mesma leja cima.
Tambem se vende
novo rap, ebegado de Lisboa, na loja de mudetai do
Fortunato, na praca da Independencia, em botes,
4*500 rs.
= Vende-se, por 50,000 rs., o diccionario de Mo-
raes da quarta edigo : na ra Nova, loja n. 58.
80M E BARATO.
Vende-se um breviario benedictino, com os Sanios
novos da ordem de S. lenlo ; Noules de invern, por
preco commodo : na ra das Cruzes, n. 38,
\ endem-se sementes de repolho, de rbanos, ra-
banetas, salsa, alfaev! coentro de toceira, e de cebolla
deSetubal, ebegadas no brigue Triutnphanle, de Lis
boa, muito novas ; no Recife, ra da Ciui, n. 62.
= Na venda nova de tres portas, delronte do becco
do Trem, contina-te a vender arroz branco bom, a 8
rs. oalqueire, e tambem se vende por arroba, a 1*440
ri., assim como lodos os mai; gneros de venda, por
precos muito commodos e dinheiro a' vista : na mesma
le comprlo garrafas vasias, limpas, e pagio-se bem.
= Vende-se.urna bonita mulata, de 18annos.com u.^8,t
algumas habilidades, e propria para criar, por ter uzna
cria de 5 metes, e muito nutrida ; no principio do A-
terro-dos-Afogados, n. 31.
Vende-se, no Aterro-dos -Afogados, um moleque
de 15 ennos, bonita figura, e proprio para lodo o ser-
vico.
CHA HYSON I
o DE BOM GOSTO, 1
g E SUPERIOR QUALIDADE g
^ Vende-se a 2s'56o ris cada libra:
O na ra Larga do Hoza rio n. nl\. 0
5> Q
= V ende se um carrinbo de duas rodas, em muito
bom catado ; e um cavallo muito bom para carro: na
ra estreita do Rozario n. 43, segundo andar dai
6 as 9 horas e meia damanbia.
= Vende-se on aluga-se urna canoa aberta, de car-
ga de 650 lijlos de alveniria grossa, fabricada de pr-
ximo: quem a pretender, dirija-te ruada Aurora,
n. 12.
= Vende-se, com rebate, urna divida de 3:448,853
rs., e mus o juros decorridos desde 6 de derembro de
1840 : i vista do negociador se dir quem be o devdor
M. I'*. P. =, e se Ibe apresentarafi todos os docu-
mentos : a quem convier, annuncie para ser procurado
Vende-se um moleque de 12 a 14 annos, de
bonita figura muito proprio para pagem ou qu
quer offieio ; na ra da Cadeia-Velba, loja, o. 60.
Veode-se um alambique de cobre, que leva 12
cacadas; quem pretender, annuncie.
= Vendem-se duss pretas mocas, de bonitas figu-
ras ; um moleque de 13 snnoi ; um preto muito ro-
busto : na roa Bella n. 28.
Vende-se urna escrava de naci de 24 annoa ,
.ptima quitandeire ; um moleque de nario Moeam-
bique de 15 annos; um dito de nefao Angola,'
um escravo de necio Costa de 26 an-
noa dr bonita figura proprio para carregar palan-
ojuian : n ruadas Crean, n. 22, aegundo andar.
s= Vende-se um relogio de parede muito bom re-
gulador ; no patio do Terco, o. 26, segundo andar.
\endem-eecbspeos de caslor, do ultimo goito,1
servico be muito civihsado de bonita figura e
afianca-se a conducta, a viita do comprador se dir o
motivo da venda: na ra do Mondego, n 85.
= Vende-se urna negrinha de 9 a 10 annos ; na
ra da Penha n. 23 aegundo andar, antea de che-
gar a igreja entrando pelo Livramento.
= Vendem-ie duai eicrava, mocil e recolhida,
teodo urna as qualidades decemibir bem retinar a-
cuoar, fazer pio-de-l bolos, e engommar lorlriyel ;
a outra be boa para mucama bastante vigorosa e li-
dia : na ra estreita do Rozario n. 31 primeiro
andar.
= Vende-ie um preto de naci com principios
de coiinheiro, muito bom srveme de pedreiro 'por
trabalbar oesseservico ha mais de 6 annos, e be bom
carregador de palanqun para o que est muito pro-
prio por ser bastante alto e de muito bonita figura :
na ra de Crespo loja o. 12 de Jos Joaquim da
Silva Maia.
= \ endem-se cinco pires de brincos de diverso ta-
manbos ; urna formidavel olla para pescoco de senbo-
ra ; dous alfinetes para senbora ; 4 canas de prata dou-
radas para rap ; tudo novo e ltimamente chegado do
Rio de-Janeiro ; um cordio grotsode bom ouro, com
36 oitavas de peso proprio para homem sem feitio;
um relogio horisonlal, com urna correotinba ; ludo
por preco commodo : na ra da Praia, n. 22.
Vende-se um cliz de prata com patena ecolher,
para sacerdote diter misia ; na ra slo Rangel o. 17.
= Veode-se, sem feitio, urna garganlilha com 24 '/
oitavas; um traocelim, com pasiadpr, com 29 oitavas;'
um cordio, com um coracio, com 6 '/ oitavas; tres
anneis, com um diamante cada um ; um dito de bri-
Ibantes; seia colheres de prata, com 91 oitavas ; um
adereco moderno ; um relogio de ouro, patente inglet;
um dito de dito horizontal, com correte e traocelim
= Vende-se superior cerveja branca, da melbor que
zisto no mercado, tanto em porcoes como a retalbo;
em casa de Jones Patn & C, ra do Trapiche, o 10.
MECAS PHOSPHORCaS.
No Aterro-da-Boa-Vista, na fabrica
de licores n. a6, de Frederico Chaves
arlia-se estabelecida a fabrica de mechas
phosphoricas, aonde acharad sempre
grnnde porcSo de macos de too a i5o
mechas, pelo diminuto preco de 3o ris
cada um, a retalho, e em porcao a ao ris:
tambem ha CBixas'Ciue contm dentro ioo
macos, e outras mais, muito boas para
se Iransportarem paia o centro, e para as
oulras provincias, por seren bem acondi-
Victorino d Castro Moura, ra
dos Quarteis; Gomes &.Carva
Iho, ra do Crespo; Domingos
Ferreira, escadinha c?a ra do
Crespo ; Ferreira 8c liveira,
pracinha do Livramento; Tho-
maz de Moraes Pereira Estima,
e Caetano Aterro-da-Boa-Vis-
ta; Guedes & Mello, ra da Ca-
deia no Becife: preco 2^000
ris a libra e 30 ris a oitava.
Vende-se na loja de
Cardoso Ayres, ra da Cadeia
Recife, urna obra publicada ei
1843, intitulada Diccionario
de medicina popular, ou a Medi-
cina ao alcance de todas as claa>
ses da sociedade, pelo pr. Cher-
novis: dos volumes em 4., c'ijfci
tendo 950 paginas; preco 10^000
ris brochada, e 12^000 enca-
dernada.
Vende-se carnauba muito
boa, urna pofcao de qirtco arro-
bas por preco commodo: na
ra da Cruz n. 26, primeiro an-
dar.
Yende-se' urna porco de 335 coa-
ros cortidos, miados: na ra do Crespo,
"lotera
o Rio de Janeiro.
= Vodem-ie bilhetei ,a 24i n. ; meioi, a 12
n. ; quarlos a 6 n. ; e oitavoi, i S, rs.; que tem
da correr ueste mei: oa ra da Cadeia loja de cam-
bio o. 38 : oa mesma pagio-se 01 bi I heles, que sa-
brem premiados.
= Vendem-se cortes do finissimas chitas a polka e
aveludadas, a 4< n. ; l>nas da Rosiia, n I a 880
n. a vara; ditaa 2 a 80 rs. : oa roa do Crespo,
a. 16 leguodo loja para quem vem da rea dai Cru-
sei.
= Veode-se um bom cavallo de carro lem acha-
ques por preco commodo ; na ra Nova, n. 35.
= Vendem-se 200 garra fas com viobo velbo, o me-
lbor poasivel com maia de' 16 annos para quem tem
bom gosto : no psteo da S. Cruz, botica do Gameiro.
= Vende-se umjmoinbo de- moer milbe muito
bom com seu ceiiio e prompto de tudo ; na travesa
da Gloria pira a Alegra o. 11.
== Vendem-ie duas quartolas, que lervirio de de-
posito de aseite ; na ra Nova, o. 16.
= Vrode-se oleo do linbaca em grandes e peque-
as uon/ues por preco muito commodo : a tratar com
Firmino Jos Flix da Rosa & Irmio, na ra do Viga-
rio o. 23, segundo indar.
= Veode-se urna canoa de carreira nova piola-
da quecarrega 10a l2pessoas muito bonita e bem
feila : a tratar com Miooel Froiioo Ferreira oa ira-
vessa do (jueimado n. 3.
- MU.'. DA ESTR1
Hh;i fio (Jiici ittfttln \ ''.';)
CutLKEBME SETTE.
Vesulom-se esguiO'es finis'simos de"jYiibiJ paia ja-
queiai;biins trancados, mnito superiore ; pannos
Boos de todas as cores e qualidades; merinos; dura-
quei ; princesas ; casimiras elsticas de oovos pa-
dies ; chalet e mantel de leda; los de linho ; brini
de quadroi, novoi; e outras muitas azeodas por me-
os d o q oe outrn partes,
= Vendem-se resmas de papel meia bollaoda da
cionadas, e se afia.nca a qualidade do fo- ^"'V'.t: Si de LW0 ,ib de re,ro1
M _____'__f.^____* \___r. P'o asol-lerrete e sortido ; phosphoroi amencaooi
do melbor autor que ba : oa praca da Independen-
cia, loja de miudeas, o. 4.
= Veode-n boa orehita feita de pevide de me-
lancia, para refresco; oaroa Direita, refinacio, o. 10.
= Vende-se a refinacio da roa Direita o. 22 ,
com lodosos utenciliot, juntamente 3 escravos que
sabem trabalbar perleramente; e um bom cavallo de
ella com honi aodares sellado e prompto de tudo :
a tratar oa mesma com Braga & Campos.
Vende-se urna preta de idade de 16 annos ; na
ruadas Trinebeiras o. 9.
= Vende-se por estar-se a retirar leu dooo para
Portugal, urna venda na ra do Collegio o. 17 ; a
qual ib a;be bem afregmzada: a tratar oa mesma
tienda.
go, por ser feito com toda a pereicao.
Vende-ae a verdad eir potassa rtis-
siana da meihore mais nova,qu se cha
neste mercado, a a50 rs. a libra, adver-
tindo-se que se vende por este preco por
se achar em barris grandes : em casa de
J J. Tasso Jnior.
Vende-se vinagre branco
nacional, a 400 ris a caada ve-
lba : na ra do Aterro-dos-Afo-
gados n. 7, e no Aterro-da-Boa-
Vista, fabrica de licores de Fre-
derico Chaves.
RAPE' IMPEUAL.
Este rap, imitando ao Prince.
za de Lisboa, vende-se em libras,
meias libras e oitavas, as lojasi
eguintes: dos rs. Fk'ttlfctcbf
fiacrvos Fgidos.
Fugioopretocrioul Izidoro alfaiale e bo-
lieiro ; foi eicravo do Em. bario de Itamaraca ; be
muito conhecdo nesta cidide : quem o levar a roa da
>enialla-Velba o) 110 receber de seu senhor ,
Alves Vianns, geoeross gratificacio. *
PBBM. } NATTP DE H. F. DB FAM* 1845.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGQOWBOB5_JYC8G0 INGEST_TIME 2013-04-12T21:42:25Z PACKAGE AA00011611_05916
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES