Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05896


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 184.
QunrU fcra 4L
:
O til ARIO publica-* todos os diaiqne
nao forem de guarda: o pre^ da asigna-
tura he de adianla-
do O annunclo9 dos asignantes 30 inse-
rido a rarfo de 20 rls por llnha, 40 n. em
tvno dulciente, c as rcnelires pela metadc.
s que nao forem asaicnantes pagao 80 xs.
dor linha, e 60 cm typo Jiffercnte.
PITASES DA LA NO MEZ DE OUTUBRO.
T ua ora a 1 a 8 h. e 39 inin. da inanhaa.
Cresccntt a8 a. 9 h. e 13 minuto, da man.
i,. chela a 15 as 7 hor. e 37 min. da man.
yengoante a 23 a. 5 hor. e 55 m. da tarde.
PARTIDAS DOS COR1EIOS, .
Coianna, Parahyba, c Rio Crande do Norte
Segundas c Sextas loiras.
Cabo, Serinhaem, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macey, no 1. 11 e 21 de cada mes.
Oaranhuns e Sonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flore a 13 e28.
Victoria as Quintas friras.
Olinda todos o (lias.
PRE AMAR DE HOJE.
I'rimrii-a as 10 h. e 0 min. da manha.
Segunda as 10 h. e 30 minutos da Urde.
de Oltlibro.
Auno XX N. 2S6.
DAS DA SEMANA.
20 Segundas. Aurelio,aud. do 1. dosorph.
e do J. do C. da 2. v. do J. .da 2. v.
21 Terca S.rsula, aud. do J, do civ. da
1.' v., c do J. de paz do I. dist. de tarde.
22 (luana S. Cordilla, and do J do civ.
da2.'v.,edo J. de paz do 2. dist. de t.
23 Quinta S. Ramio, aud. do J. de orph.
e do J. M. da 1. v.
24 Sexta S. Rapliael, aurf. do J. do civ. da
1. v., cdo J. de paz do 1. dist. detard.
25 Sabbado S. Crisolo), aud. do ->. do civ.
da 1. v., e doJ. de paz do 2.dist. de t.
2G Domingo S. Evaristo.
CAMBIOS NO DA 21 DE OUTUBRO.
Cambio sobre Londres. 27 d. p. 1J a 60 d.
Pariz 370 ris por franco.
Lisboa 120 a 125p. c. pr. p. ni.
Desc. de let. de boas firmas 1 '/i P< % mes
Ouro-Oncas hespanholas 31*000 a 31*500
Moeda de (1*400 vel. 17*400 a 17/000
de 6/400 nov. 17*000 a 17*500
ii de 4/000 9/300 a 9#500
Prafa-Pat.icfics .... 1/950 a 1/070
Pesos Columuares. 1/970 a 1/900
Ditos Mexicano 1/930 a 1/960
Moedas de 2 patac. 1/760 a 1/800
Acedes da C do Beberibc de 50/000ao par.
FEMJAMBUCO

PARTE flFFCCIAL.
LE N 369 DE 18 DE SETEMBRO DE 1845.
Filando a desp'sa e orQandp a receila para o exerci-
oio de 1845 a 1840.
Abaixn achirifl ninoiam tritures aquellas das lis ii-
ic6> d*t lfi. cnj-i conheoimento entendcrani. qui-
i!" lhe poda interinar, por venaren) sobre objeotin
que miiaoV perfil Ihe torio.
capitulo ni. DUpeticOee gttaet.
Arl. 11. Mu romprehendido n teroeir* elmie da ta-
bella annex le de 21 de oiiliibrn de 1843, mi titu-
lo, que cnnoedeio refirma, apoenldi>rii, prniei.
tenca e mei.. nido, e quariquer mitra merc pcon-
niar'u; e bem aisim o titulo do empegados da c-
mara rannieipars qnP teneeiM ordenado.
Arl..12. O sello de 1|8 por rento do valor das pli-
ce de srgurn e riten fio substituido por 2 porecnto d
importancia do prcmi estipulado na apnlioe.
Art. JV. O ello prnpgroional do oonhecimentos fi-
ca asibstituidn por um sello fixo de 80 r. em cada vil de
Cunheeimento.
Art 14. Fira rgnilmente abolido o ello proporcio-
nal de 1|10 e 1|20 mu deipaohoi feitul pela alfaudegaa,
oomnladoi e moa le renda.
Art. 15. Fio igualmente abolido o iodo proporcio-
nal da lettr accada fra do imperio, e que tenhio
de ser icneitaa e negociada nelle.
Art. 16. O tello proporcional do crdito ier igual
*<> dai lellri, eteriptn nrdem e nota* prnmitsoriai,
conforme a tabelli annexa preicnte lei. pela qual fien
substituida tabella A, 1.' olao, aunexa i lei de 21 de
outiibrn de 1843.
Art. 17. Fiean iaentos do impoalo do ello fixo o li-
vroi das ramarai ninnicipne e m da casas de caridode.
Art. 18. Nnijeiioi de par ro c pagar o impoitu
dn lell, nem o 2 por cento do valor da eaua.
Art 19. A armixenagem da alfaudegaa do 1|4 por
cento ilu valnr-dn genero lira substituida por 1|100
do direito de impnrtacio laucado na tarifa, oontinu-
ando a ua arreen da cSo rnmo o acliaeilabelecido no de-
creto de 12 de agosto de 1844, quinto ao praiot.
I *ejfr20 Em cada acmesiro de demora,qno tiverem a
mernadurias na altVndcga. ilm dm praio livre con-
cedido pelo rrKiiInmenln, pagarifi a ditas mercadura
mal 1|4 por rento por semestre, alm do quartu men
sal, c tmente at qno o quarto addicinnnl rhegue a 2
por cent, dn que nin paaaar
Art. 21. Conlinur-c-ho cobrar as alfandegas do
imperio o expediente, que iiella learrecaduvn obre o
genero otrangeiro* navegado rom carta de guia, que
era de t 1|2 por cento, e que fiea obsiiluidn por 1(20
ou 5 por cento da importancia do direitoa^le oontuiuo
laucados na tarifa, que os mesmm gneros tcrilo de p-
gnr. se nao levatiem a carta de guia.
Arl. 22. O genero eslrangeirn despachado para
reexportado ou baldcagan para n Costa d'Africa paga
r8 5 por eruto do direitu de tramito.
Arl. 23. O direiiii de reexpurtncln c baldeacao dn
plvora ealrangcira para n frica Oca elevado ao menino
que pagnva ante do regnlameiilo de 12 de agosto de
1844. /
Art 24. Os ouuro migados, que pela alfandega di
Rio GrHilile-do.iul. ou de qualquer outru porto di> iui
peiiu, frem exportado para porto eslrangeims, lerin
un ilc,emito de 20 r. em cada un no direitu. que ti-
verem de pagar na exportarn, como retitoicao do di-
reitm do importaran do nal empreg.nl,. na lg delle.
Art 25. Os cuiiro charque k iiini producto do ga-
do vaicum inipurtado. pelo interior da provincia do
Riii-firniide-do-Snl de qualquer ponto do Estado-Ori-
ental, ou do nutro estados liiuitroplir, aeran conside-
rados romo nacional-a. e subjeito ao pagamento do
niriiu direitu que estes pagao. A mesilla disposiyo
h extensiva ao genero que treni intrudusidnl pelo
interior na provincia do Para, de qualquer punto doa
territorio rdmugriro que limitan cuoi a mesnia pro-
vincia, e que frem de prnduegan do dito territorios
liniitroplics; iilu ,e ruin-rdendo reexportarlo irnlo Ja
merradoria catraiigeira. que entrarero e soliireni pela
barra do- p..rio,,eiu que h.ja ulf-nilrga.
Art 26 Pica elevado a 400,000 r. o valor doi dei-
]iachm na Ifandrgaa para a admisslu de assiguados; o
despacho a iim deste valor erflo pago, una qusrta
parte em dinheiro a viata, e o reato em un o aignado
com o prazo de qu.itro mete, e tnm o premio ctubelc-
cido ti lei de 23 de uutubro de 1827.
COII MMII.1 ITALIANA.
SICWBA IirPBESZJlITAIJAO
ELIXIR D AMOR.
Ella ligrir uperello de Doninetli, que pe segunda
vez pz cm sceua a actual companhia italiana, quinta
reir pasuda, fui uui vrrdadeiro prugiesau de execucio
para a mor parte dos olores. O Sr. Fnnohi, logo que
despi.ntou no fundo do polco, fui colindo por toda a
platea coui eatrunduao appliuio, que o nao deixrao
comecar senSu d'ahi a algn segundos a lindiaima ca-
vatina (JJiti, Miiri, rustid, no interemnte pipcl de
Art. 27. 0 despachnnlc dn alfandega ierln clas-
ificidoi iinieanieute por primeira eaegunda nrdem; na
alfandega da corle o imposto annual de soas patentes se-
r de 200.000 rs para os de primeirn nrdem, edo 100
mitris para os de segunda; as alfandega di Baha,
Pernambuco, Miranhao o Rio-Grande-do-Snl er de
100 mil rei para o de primeir.i ordem, e de 50 mil r
aro o de segunda; na mai alfandega do imperio ae-
ra de 50 mil ria par o de primeira ordero, o do 25
mil ria para o de segunda. Alem desle, ninguem ier
dimitido como despachante as alfandega cnSo o pro-
prio dono, consignatario das mercaduras ou leus cni-
xeiro, romo ine renoiihecidu.
Art. 28. Sao appmvado u decreto do 20 de jolln e
16 de uuvembro de 1844. que alterarlo o quantitalivoa
> modo de nrrrc.adacan dn imposto de anonrngem, fican-
d-i o guverno luloriado para diminuir este impmto, e
parecer conveniente.
Art. 29. Fioa prorogada a aotorisacio concedida ao
gnverne para alterar a tarifa dn alfandega. mandada exe-
colar pelo decreto de 12 de agosto de 1844, ot que a
mesnia tarifa srja definitivaruento appruvada por lei;
pudendo desde ja nltora-la para ruis ou para menos.
Art. 30. 0 governo ncaaulnrisado para reformaros
regulamentoa das alfandega, mesas do consulado, de
rendas e rcrebed.iriaa.
Arl. 31. He igualmente puturisido o governo p.irn
nlterar, durante o excrcicio desta lei, os regulnmcnlus
expedidos pelo ministerio da fatenda para execucao de
diversos artigos da lei de 21 de outubro de 1843.
Art. 32. O governo fiea mai autorisado para arro
matar por um a tres anuos ilgum ramos di renda pu-
blica em quo este systema possa ser mai vautajoso oos
interesses fiaeaei.
Art. 33. O governo he tambem autorisado para esta
helecer i.lixas de deposito publico lias thc-sourarias de
ludas as provincias, e arreeadir nellis n mesiuo premio
de deposito que se airecada no Riu-de-Janeiro o ni Ba-
dil.
Arl. 34. Ser emittida ni niroulicao, como receita
extraordinaria, a quaiilia do 129:143,900 II cm moeda
do cobro, que existe no lliesouro, oque havia sobrado
da operaclo do ultimo resgate.
Ait. 35. O governo poder applicor o saldos da ly-
pogrsphia nacional e as sobras de outros artigos do dcs-
sw, a asaatpre ate m prolu mecnico o de novu ty-
po; e fie autoriaailo pia expedir o regulnniento neeo-
aario para faier rfft-clivo o privilegio da iiopresaao daa
lei, decreto e nutro arlos governativos, para seren
vendido em colleere,iinpondoo lrausgresurea pe-
na de confiten,para a nacflii.dii vo!umes,quu frem op-
prehendido, e do multa igual oo valor delle; etla pena
poriu nao ser extensiva s nollccce ja iinpressaa de
le e acto ato agora publicado.
Art. 36. Ao propnetano brailciro do todo o navio
que d'nra em dianta fr nonslroidn, armado e equipado
no ettaloiro nicionaea. cujn irqneacn oliegue un ex
ceda a 200 toneladas, aendo capujo, piloto, ounlrames-
tre c don terco da marinhagom brasileirm, ser abo-
nada a qusntia do 10 mil ri por tonelada, por itidem-
nisaco dos direito sobro as materias cstrangeiras t-m-
pregada na na contrucc,!o e ariuamentu.
Art. 37. O empreados da inslilutcao vacciniea, no
municipio da corte, U-ro asaentimeoto no lliesouro
publico, e abi cobrarn seus vencimentoi, como quaes-
quer outros empregado.
Arl. 38. Osempregidos da cootidorii geni derevi-
so do tbeiouro publico lero de ordenado, suppri-
midas is gralilicaces, que perccliilo, a saber: o ofli-
ciil maior, 2:400j000; cada prirneiro escnplurartu,
liOOOiOOO ; e cada legundo 1:400*000.
Arl. 39. OsolTiciiesmaiores das diversas secretarias
de estado percrberO urna parte e meiados emolumen
tos, I excepcio do oflicial maior da secretaria de estado
doa negocios do imperio, que continuara a perceber o
que ora tem, emquaoto existir o actual : devendo o
seu successor recebar parte e meta, como os outros Di-
fciles maiores.
Arl. 40. Os magistrados, que forem removidos, e
se ipresentarem em sous oovos lugares, dentro, do pra-
i marcado em lei ou decielo do governo, vencerlo
sem interrupcao os ordenados dos lugares,que deixario,
at que enlrem em eiercicio.
Art. 41. O governo fiea autorissdo pira reformar
a aula docomntercio estibelecid na corte, dando-lbe
ornis conveniente plano d estudos, e conservando o
numero de duus prolessorese um substituto. Os len-
""'""'' ..MM...MMrii;iaaa^sai
Dulcamara, que elle reprcienlou. O Sr. Tosielli osten-
tou o talento e vocscuu idmiravel, quo todo j lhe co-
uheciamos, no papel do sargento Belcnre. O Sr. Mari-
nangeli, em todas a parle em que entrou como tenor,
encarregado do aingelo ma dirtieil carcter de Namori-
no, pi-ie sem duvida a par do prirneiro artistas que
iieste genero oonheceino na Europa. No duelo thiedi
o/i' oiir lusinghiera do 1. acto, o no Eiultipur la bar-
bara do 2., apreenlou-e cjle d'uui muvime-nto pue-
tico incxplicivel. Queremos fallar da Sra. Marietla Ma-
rinangeli cm ultimo lugar, purquo no parece que ex-
ceder a toda a expoi tacao. No Quanlo amore do 3.0 ao.
to, c na lio saudosa barcarola a doa vosos le ou riooo
etu m bella bouve lenta bellcsa, lauto amor melancli-
co, que ai gneis di linda anilla pleiteavSo aqui o iu-
blime volatas que ella alleava: tambero o platea nio
pode conler-st): a accUmo^e foro unnime e mu
prolongada. Pena fui que a platea, especialmente a su-
perior, nSo estivesso lio obela esta noule como na pri-
meira, em que nem mais urna peasoa podia entrar: a
execucao niereoia-o, e na continuo! cf torcos dos artii-
lis rectamio alent e recempenia d'um publico como o
noiso. ,
tes da dita aula docommercio terSo os mesmos venct-
raentos, que os da academia das Bellas Artes.
Art. 42. Fiea sem vigor a lutorisscio dada ao go-
verno pela segunda parte do J 2 do artigo da lei de 15
de novembro de 18)1, para fazer na escola mili ar a
reforma no systoma de estudos para as dilK-renles ar-
mas do exercito; e regerS a mnsma encola os estatutos
que ultililimente lhe forao dados pelo governo, at- que
a assembla geni legislativa delibere como convier.
Art. 43. Fiei sem efleito aparte do artigo 5. da
lei de 15 de outubro de 1851, que diz respeito ao aju-
dante de ordens do ministro da marinha : e bem assim
i pirte do artigo 1. do decreto de 11 de Janeiro de
183|., que inclue no ordenado do intendente da mari-
nha qualquer outro vencimento, que possa ter pela fa-
zenda publica.
Art. 44. He permittido a quaesquer corporales
de tnio mors permutar seas bens de rail por apolices
da divida publica interna fundada, as quaes serlo in-
transeriveis, ficando Ihes desde ja concedido um sba-
limento de metade da sisa devida pelas ditas permula-
coes.
Art. 45. Os hospicios e mais bens sequestrados aos
|.esmolereB da Terra Santa, por ordem do governo, se
rao entregues ao commisssrio geral dos mesmos santos
lugires; aquellas edificios, porm, de cujo uso estiver
de posse o governo, e que tenhlo sido beneficiados e
uccrescentados a custi da fazendi publica, serio consi
derados proprios nocionaes, salva a indemnisaclo, que
deve ser regulada na conlormidade das leis, o calcula-
da sobre o estado em que so achavSo os mesmos edifi-
cios, ao tempo em que foro sequestrados; e o produc-
to dessas ndemnisacoes licar no Ihesouro publico na-
cional para ser remetlido aos santos lugares, na forma
da portara de 15 de marco de 1825.
Art. 46. 0 governo he autorisado para trocar por
proprios nacinaes, que nSo sejio precisos psra o ser
vigo publico, os edificios que fr mister demolir para
a abertura de urna nova ra em fronte da academia das
Bellas Artes at la da Lampadosa ; ou para despon
der da quintil consignada para obras publicas o neces-
sirio para a compra dos mesmos edificios.
Art AT. He concedido o governo um crdito do
80:0008000 para pagamenlo das despeas foifal com o
baptisado e reconhecimeoto de S. A. o Principe Im-
perial.
Arl. 48. He gualmonte concedido ao governo um
oredito de 200:000j000, par sorem despendidos com
a importaco de colonos, devendo ser havida por emis-
sio de apolices i quanlia especialmenio applicada para
esto Gm, e rehavida dos locatarios cm pra/os conven-
cionados, excepto a respeito dos filhcs menores de doze
annos, cuja pBSsagem nSo ser rehavids.
Art. 49. A cmara municipal do municipio neutro
be autorisada para contrahir um emprestimo de 30
contos, cujo producto sei exclusivamente empregado
na construcclo do novo matadouro, projectado na ch-
cara denominada do Corlume ou em outro lugar
mais conveniente, applicando o rendimento do mesmo
matadouro, e as sobras da receita da dita cmara, 10
pagamento dos juros e amortiaco do referido em-
prestimo.
Art 50. As apolices do emprestimo decretado pela
assembla legislativa da provincia do Rio-de-Janeiro
para a abertura do canal do Campos a Macah goiarao
dos mesmos privilegios de que gozao as dos empres-
timos anteriormente decretados pola mesma assem-
bla.
Art. 51. Os documentos comprobatorios das dividas
militares provenientes de venda de gneros e de quaes-
quer fornecimentos atropa, contnbidas de agora em
diante, serio apresenlados as contadonas d guerra,
onde si bouver, e na sua falta, rus thesourarias das
provincias ou no Ihesouro publico nacional, dentro de
umannodidita da traosaccio ou contrato, sob pena
deserem hividis por peroidis A respoito das divids
contnbidis antes delta lei, o anno sera contado da da-
ta da sua publicacio. A liquidacio de umaeoutra
divida ser feita administrativamente com recurso para
o conceibo de estado, quando a parte se julgar prejudi-
caJa, precedendo, porm, a revisio do Ihesouro publico
nacional.
Art. 52. FicS desde j prohibidas as loterias addi-
das s loterias concedidas por lei.
Art 53. Ficlo em vigor todas as disposicoei das
leis de orcimonto antecedentes, que nlo versaren) par-
ticularmente sobre Iliaca i di receita e despesa, e nio
liverem sido expresssmente revogadss.
Art. 54. Ficao revogadas as leis e disposic5es aro
contrario.
Tabella a qut se refere o artigo 16.
De 100*000 a 400*000. . 200
De 400.000 a 1:000*000 . 500
D> l:OOOS000a 2:000 jOOO. . IjOO
De g:06 De 4:0O0s00Q.a 10:000*000. . 58000
De 10:000*000 a 20:000*000. . 10*000
De 20:0005000 para cima mais 5*000 dcada
10:000*000.
EXTERIOR.
Mas o espirito do poeta? mas os nmeros tacetoi de
Doiiiiieiti ? estarn elle d'accordo com o pensamento
do seculo? Eis-ahi o que tentaremos investigar.
O theslro lyrico, que he urna das formas superiores
da arte, deve reflectir no universo, cm que vivemos, o
Ire caractere di vida locial, o pinado, o presente,
o o purvir; e tanto roiii real ser boje o theatro lyrico,
quinto elle agitar o desenvolver a seu modo as questes
jialpilinteichelas de vida, que jihilosophin actual ar-
rojou aterra, e que prometiera a humiuidide abaorta
ama nova e glorioi cirrcin. Ora nlO era poinvel que
o genio rdcnle o religioio de Doniwetli deconhecee
a nobre iniao a que era chamado, e quiene acceitar um
papel iniigniticante, e nlo obscuro, ainda niisun mai
fugitiva ooinpotice. Aim, no Elixir a"Amor dom
grande pemaraentot dominio a scena inteira : guer-
ra neoeasiria ao preconceito, culto devido mu-
Iher. 0 charlalle de todaa especies, liltenrioi e
cientfico, politioo e religioio, ao abi todo fi-
undui com um ridiculo de iiieslrc na pessoa do Dr.
ulcamara:
LE DO PARLAMENTO IHc.J.r.7. 80nRR O JULGAMENTO DOS NA-
VIOS DKASILEinoa EMI'lUX.AIl'iS HO TRAFICO, SANCCIOoTA-
DA EM 8 DE AGOSTO L'LflMo.
Lei para emendar urna lei, intitulada lei para pe
em execucao urna conrenrda entre S. M. o Imperad ir
do Brasil, para a regulacdo e final aboliedo do tratad
africano de escrutas.
l'orqiianto ae concluio urna convenci entre lu fal-
lecida magestade el-rei Jorge IV e o Imperador do Bra-
sil, para a rcgulacao o final abolican do trafico africano
de escravo, nssgnaila no Rio -de-Janeiro aos 23 din do
novembro de 182G c porquaotn poli dita convenci le
eatipnlou entre ai alta parte contratante adoptar, pa-
ra o fin o pelo periodo ulli ineneioii ido, o iliffercntea
artigna e eslipulace dos tratados concluidos entro Sua
dita fallecida Magealndc o el rci do Portugal a este rei-
pcitu,no 22 dias do Janeiro de 1S15 e aos 28 (lias do ju-
iliu de 1S17, bem como os diveraoi artigo explicativos
que lhe torio aniiexot com a inatrnccei, regulamento
o instrumentu anncxoi oo tratado do dia 28 de julho de
1M/ nomeando-ie immediatamente oommiii&ei mixtas
para adjudicarem o ciu doa navio dolido em virtu-
lle da csiipul.icfie da referida coiiveiifio do 23 de no-
voiubro de 1S2C : e p'-rquantii tan eumuiissc forjo
i:onsri|uenlcniento iiumeada : c porqumto urna lei pro-
mulgada no oitavo auno do reinado do Sua dita falleci-
da Magcalade, para proquclla convenci em ciccucio,
intitulada : Lei para por em execuclo urna convenci
enlru Su Magntade e o Imperador do Brasil, para a re-
gulnelo e final aholicio do trafico de eicravoi: u epor-
qiianto ao 12 da do marco dn 1845 notificoa o gover-
no imperial do Brasil mi go varan de Sua Magestade que
as commisse mixla inglea R brasileir eslobelccidn
no Uiii-de-Janeirn c em Sorra-Lea ceariio nn dia 13
do dito mes de marco; ma quo o governo imperial
noni ordnria em quo aa ditas coiiiinssc mixta onnti-
niiaasein por mai ei meic. para o nico fin) de adju-
dicar o caso pendentes e aqnellcs que podessem ter un-
corrido inte do dito da 13 de margo : e porquanto so
toruno necesario prover .idjudioaclo del navio do-
lidos em virludc da eslipulace d dita convenci de
23 de novembro do 182C, e que oativio pendente! ante
a ditas commisae ou qualquer dola, e fiuro por de-
cidir no dito dia 13 de marco, e de todo o mai navios
pie psalo ter nlo deudos coi viriudu da dita conven
cito antes do dito da 13 de marco, ma que entio nio
tinao sid-i apresentados a jol;aiiienlo. Deercla-ie por-
Mfltu porS. M. a rainha, por cnoaellio e conaenlimentn
lo lord espiriloaes e teinpnrae e do eommuns, reu-
nido un presento parlainentu, e por auturidade do mea-
no : Quo aer licito dita commisse mixta eita-
beleeida no Rio-de-Janeiro e em Serra-Lea proceder
at o din 13 do elcmbro i\<> auno crreme- i adjudicaclo
dos navio deudo cm virludo da dita cbiivencJo de 23
le novembro de 1820, cujo julgamento etvlo pen-
dentes ante ella ou qualquer dola e nio frio decidi-
dos al o dito dia 13 de margo, e de lodo o mais na-
vio quo possao ter sido dolidos em virtude da dita con-
venci ante do dito din 13 de margo, ma que entio nio
linliau ido levidoi a julgamento, da mearas miasiri e
com os meamos poder* e auturidade a todoa os reipei-
tos, cuino pussuile exerciio em virtude da dita con-
i eiir.iu o do dito acto do parlamento.
11. E declara-so e decreta-so que qualquer decreto ou
cnlcoga que pona ter sido ou venda ser dado por
qualquer da ditas coiumioea mixta* inglesa e braii-
leira, eslabeleoidas no Rio-de-Janeiro e em Serra-Lea,
. Ouvi-me, ouvi-mealdoies! (*)
ltenlo,, nem reipirei:
Ko uppoiilin, OU imlgino
Quedo un ni saber ddveil
Que ou essu grande medieo,
K doutor cncyclopedioo.
Que me chamo DulcamaN,
Coja virtude preclara,
Milagro indefinido,
J hadante condecido
Sio no mundo..... o..... indauaii:
Bcmfeilor da humanidade,
Mitigador de eu ai,
Faser pono em piuco dial
L ina limpa em hoipitiei.
Assim, ven leudo taude,
Pelo mundo andando vou :
Comprai-a v poia, cnrapral-a,
Quo barato vo-la dou.
(*) rrorfuccdoporiMauesa <# Sr. Dr. do Sinoni
MUTILADO
U^H


-re-
sobre qualquer navio mi navios capturado e Icvadoa
iterante qualquer da* el i tas commi*0>*, denlo o dili di
13 de saaxju ultimo ule u iit di* 13 de etombro pr-
ximo futuro inolniive. por qualquer nevera tu* pcus
ao aervic de S. M., que nbrein pin virtude dp ordem ou
autoritario onnn r. firido fu:, lie o ser boni valido pa-
je tml ni intento e fint.
III. E pimpianlo pilo vembro de 1856 c accordou p ajustn entro aa alias
pirtri contratantes que n<> fin He tro anmn, contado
do troca das ratificac/ics da dita convenc!", nnu cria
licite, lu (iibdilus do Impprador do Brsil einpregftrem-
ae ou faterem o lrafie.ii de ranravue africano, por qual-
quer pretexto nu maneira qno foaie. e que (al trntiro,
feitn dppnia daquclli- periodo, por qualquer pesan*, ub-
dilu de S. ,V. I., cria considerado e tratado rooio pira-
(aria : e porquantu se tornou oeceasario, para o fim do
levar a effeito n dita conicncin, que aquella parle do
dilo arlo du uitavo anuo do reinado de Sua fallecida M.
il-rei Jorge IV, que prohibe o alio tribunal do aliui-
rantadue oa tribunaes do viee-almirantadodc exercerem
juriidiccao obre navios rapiuradoa po virtude da dita
centcueaii, soja rpvoga/la; ducrcla->c, que toda a paite
de dito acto que prohibe o alto tribunal do aliiiiraiitadu
00 qualquer tribunal de viee-almirantado, cin qualquer
parte dos dominio de Sua Magealado, dr adjudicar so-
bre qualquer reclamncSo, aceto ou caan nasrida de di-
ta convenci, ou que encerr alguma eatipillacto para
inlprdiirr urna tal rpclamacao, ai'clu ou caima ou pro-
ci'iliniciitu nu alto tribunal do alinirantado ou ein qual-
quer dos ditos tribiuiac de vicc-almti notado, fina revu-
Bd^
IV. E decrcta-se que ser licito ao alio tribunal do I-
iiiir.iiii.itln e a qualquer tribunal de vici-aluiirantado de
Sua Magestade dentro do seus dominios, tomar coiihc-
cimt'iito e adjudicar qualquer navio que fa911 11 trafico
de cscravos africanos em pnnlravcncto da dita conven
cao de 23 du iiovembi'o de 1826, e que tur dolido u cap-
turado pur aquelle motivo depoia do dito Jia IS le mar-
co, uor qualquer pessna ou pcaaoa ao servico de Sua
Magestade, que para sao tcnliio ordem oii autoriaaeto
do lord grande almirante, no dos coiumiasarios, que
exercem o cargo de lord grande almirante, ou de mu dos
secretario le otado do S. M., bem como oa cscravos r
carga nelle ciicootrados, pela inraua maiieirn e segundo
as locsm.i rogrn e r. golameiitusquc eooteoha qualquer
arlo do parlamento ora rm vigor, em relaca repres-
sao do trafico de eci avo em navio di' prwpricdado in-
glesa, Un inleirameiitc para lodosos intentse fins, co-
mo se taes actos fossem re decretados neste acto, quan-
to a tac navios c a lal alto tribunal do almirantado, u
a taea tribunaes de vice-almiranlado.
V. E decreta-spqno todas a pesaoaa que obraren) em
virtude de una Ul ordeiii ou nuloridade do lord grande
almirante, nu don roiuiuissarios que exercrreiu uquellc
cargo, uu de un dos secretarios de e.tado de Sua Ma-
geilade, ficio iscntas e serio indeniiiisadas do todos oa
mandados, accOes, causase procpdinienlus quaesquer. r
de todo e qualquer acto judicial penas, por ter tido
parlo em tal busca, delenco, captura 011 condcmuacAo
de qualquer navio quo teuha sido encontrado a fnirr
traoo do rscravos africano*, em noiilraveucau da dita
convengan de 23 de novcinbro de 1826, ou na pristo 011
detpiclo de qualquer pessua encontrada a bordo do lal
navio ou por rauta da sua carga ou qualquer uulru mo-
tivo que com isso trulla rrlacan, e quo nenhuma Meci,
causa, insudado ou procedimenlii qual |iicr aesiitpnla-
r ou ser susteniavel em qualquer tribunal, em qual-
quer parte dos dominio de Sua Magvslade, contra qnal-
quer pessua, por qualquer acto que praliqueeiu virtude
de tal ordem ou nntorisacin, como tica dito.
VI. E riccreta-se quo qualquer navio quo for detido
era virtude du lal ordem 011 amoniaca, como rica dito,
a for ciiiidcninndo pelo alto tribunal du almiraolado, un
por qualquer tribunal ile vioe-alniiraiilado de Sua Ma-
gostado, poder ser comprado para o aervico de Sua M.i
grstade, pagandu-ie por elle a mesma somiiia quon lord
grande almirante,ou os couimiss.irios. que exercerem a-
quelle cargo, julgareiii er u prego justo do ineamo na-
vio; c se aim nao for comprado, rr dcsm.iiii liad .
eoniplelamente c os seus muirme vendidos em leiln
oro lotes separados.
VII. E decreta-te que lodos 01 tribunaes de vice-
almiranlado commuoicario, de lempo a lempos, como
exigir o lord grande almirante ou os commisiarios, que
exercerem aquello cargo, ao dito lord grande almirante
0D ao! commissarios, que exercerem aquelle cargo, o
nome de cada navio condemnado em tul tribunal de
vice-almiranlado em virtude dota lei, e a dala da tua
condemnacao ; eo dito lord grande almirante ou os
commissarios comuiunicaro urna ve* por anno a Sua
Magostado quaes os navios condemnados no dito alto
tribunal do almirantado, ou em qualquer tribunal de
vice-almiranlado em virtude desta lei, que foro com-
prados para o servico de Sua Mageilade, e quaes os que
forao desmanchados, e em cada caso a soturna do ousto
dos meamos, ou a tomma, pur que lorio vendidos o>
materiaea; e urna copia de cada urna dessas communi-
cicdes sera apresentada a ambas as cmaras do parla-
mento dentro de seis semanas, depois que a mesma fr
receida, se o parlamento estiver reunido, e nao cs-
tivor, enlio dentro de seis semanas depois da primara
reuniiodo parlamento.
VIII. E decreta se que todas as clausulas cootidas
em um aclo promulgado no quinto auno de Sua falle-
cidsde Mageilade el-rei Jorge IV intitulado Acto
para emendar e consolidar as leis relativa abolicao do
trafico do escravos e em um acto promulgado no
primeiro anno de Sua lallecida Magestade, intitulado
' Acto para redutir o valor dos premios pagaveis por
apresameotosde escravos, asa un acto promulgado
no primeiro anno do reinado de Sua aclusl Magestade,
intitulado Acto para melhore mais aflicaimeote levar
a elTeilo os tratados e convencSes leitos cm potencias
estraniteiras para reprimir o trafico de escravos no
que diz respailo a iucorrerem as penss de perjurio as
pessoas que derem depoimentos falsos ; a manler e
prover 1 s escravos capturados durante a adjudicecio;
a condemnar os escravos como adjudicacio ao fisco ; a
recompensar os captores com um premio pela lomada
do navio bem como dos rscravos ; a autorizar os com-
missarios do Ihesouro de Sua Magestade, nos casos em
que o julgarem conveniente, a mandar pagar metade
do premio, quando nao se tenbfto condemnado ou en-
tregado escravos, em consequencta de morte, molestis
ou oulra circumstancia inevitavei; a maneira de nbter
taes premios ; a autorisar o alto tribunal do almiran-
tado a resolver sobre as reclamacOes duvidosss de pre-
mio, e lambem sobre qualquer queslio de captura por
mais de um vaso de guerra ; e para por em vigor qual-
quer decreto ou sentones de qualquer tribunal d" vice-
almirantado; e lambem todo 0 aclo promulgado ao
sexto anno do reinado de Sua Magestade, intitulado
Acto para emendar um acto dos segundo e lerceiro
annos de Sus Magestade. para a reprrssio do trafico
de escravos, serio apnlieados. mulalit mulandi,
ludes os casos de navios detidos e capturados por fa/e-
rem o trafico de escravos africanos em coDtraveoclo da
dita convenc.
IX. E decreta se que ete acto puder ser emendado
ou revocado por qualquer acto quosa promulgue nesta
sessio do parlamento.
(J. do Commercio.)
Correspondencia.
Eis-aqui um odontlgico,
Liquido maravilhaa,
Doa rato o peraevejoa
Dealruidor poderoso.
Certificados authenticos,
Reecnhecidos, sellados,
Farei que por todo sejao
Vistos, lidu*%apalpado.
Por eate man epecifico,
Que be ayiupathico e prolifico
Usa homem srptnagpnario,
Muito valetudinario,
Consrguio sera muito* puxos
Ser pai de de* pequerrueho*.
Com cate remedio santo
N'uma seuiaua bebido,
Deixou lufa* d'uma viuva
De chorar a*K seu marido.
O*, I tos, matronas duraiia!
Sedeaejai remogar,
Voisas importuna rugas
Cuso ella podis tirar.
\ y, oh duuxell**, querei

Srt. lUdaitortt. Lendo, em o seu Diario de 8 de
agosto do correte anno, um cilicio do doutor Luy
Gomaga de brito Guerra, juiz munripal do As. di-
rigido ao presideote da provincia, nio mepudesub-
trahir a um movimento de indigoscio e horror, vendo
as injusticas e graves acrusacoes contidas contra o dou-
tor l.uiz Francisco da Silva, juiz municipal dos ter-
mos do Sendo e Acsn tanto mais quanto erio ellas
enderezados pelo Sr. Gonzaga, que longe esta por certo
de tocar ao grao de merecimento, que todos reconhe-
cem no doutor Luiz francisco, e que em balde oSr.
Gonraga e outros que taes tentars deslustrar.
Com quanto tenha eu a mais profunda conviccio,
deque he atrozmente falso e calumnioso quanto du
em seu oflicio o Sr. Gontaga, aperar da seguranca, ou
antes despej', com que elle ludo affirms ; nio be por
ora meu intento por a salvo de to torpes aecusagOes ao
doutor Luir. Francisco ; nio ostou munido doa docu-
mentos, que, contrariando 01 appresentados pelo Sr.
Gomaga, provio com evidencia a fslsidade de sua asier-
1 Oes; e de mais i aquelle, e nio a mim compete o de-
fender se : ello o fari vicloriosamenle (estou certo*
Pela micha parte, porm, nao posso deixar de estra-
nhar ozelo, que em leu oflicio aflecla o Sr. Gonzaga
pela boa administracio da justica, e pelo cumprimento
das leis; elle, que tantas vezesas tem poslergsdo, vio-
lando-as de maneira inslita, com barbaridade mesmo !
Al-strahindo, pois, de ludo mais, vou dsr urna peque-
a tdeia do carcter do !>r. Gonxaga, do seu eiprito
jusliceiro, de sua probidad, para o que contare bre-
vemente urnas bistoriaszinhas, i fim de que nio se ufa-
ne o Sr. Gonzaga, de que contra elle nio mais ha que
fofas declamac oes. Pelo correr do anno de 1813 lo-
ra cond -ruados i pena ultima pelo jury doSerid2
escravos, quo haviio atssssinado a senhora, e um ca-
boclo de nome Jos Francisco, comprebendido no mes-
mo crime. A' respeito desle ultimo ojui< dedireito
appellou para a relacio, como Ibe incumba peloart
79 2, da lei de 3 de dezembro de J.841. e art. 449.
2. do regulamento de 31 de janeiio de 1842, e os 2
escravos lorio pelo presidente ds provincia mandados
execuiar. Ora, o Sr. Gonzaga, que era interesado na
causa contra o reos, p r ser prenle prximo da assss-
stnada, e que, sequioso de sangue e de vinganca, nio
poda mais supportar a exislencis d'aquelles infeliies.
aproveilou-se d'essa ordem do presidente, que alias so
di/is respailo aos escravos, e de envolta com estes foz
execuiar o Caboclo, acezar da appellacio interposla, a
deipeilo >)o artigo 59 do cdigo criminal, que termi-
nantemente dispe, que a pena de morte l ser eje-
cutada, desos que se liver tomado irretogavel s sen
tenga,e do artigo 83 de 3 dei-mbro de 1841, queda ef-
feito suspensivo i appellagio interposla da sentenga con-
demnatoria; e o contrario serta absurdo, principalmen-
te respeito da pena de morte. A' este proposito per-
guntamos ao Sr. Gonzaga, que contss dar desse reo,
visto que a relagio mandou-o submetter a novo julga-
menlo ?
He clsro, que nio bouve ah urna execuco da sen-
tenga ; ma* um verdadeirn assassinio, do qual o Sr.
Gonraga be responsavel. Vamos agora (com bastante
repugnancia) ao modo d'essas execuces.que, sobre ser
Ilegitimo, foi brbaro, atroz e espantoso Ora, o Sr.
Gonsaga oio contenlou-se com o meio indicado na lei
criminal para a execuco da pena de morte; para saciar
seu odio, o morrer era pouco anda! Com elTeilobe
diflicillimo decrer ; mas, sino* mal, que be verdade :
os penitentes forio arrastrados publicamente, e no meto
do borror de urna populacio consternada, aresbusados
pouco i pouco, para que seus dolorosos soflrimentosse
prolongtssem mais e mais, e, depois de bcrrivet tratos,
e muilo padecer, morressomnlio I A' este aangui
nolento espectculo, qua| outro general guerrfjiro, im-
pvido assistio e dirigi o Sr. Gonxaga, saciando assim
sua atrot vinganca, que de outra maneira seria incom-
pleta I Teuios, pois, torno a dier< oio exe cuides le-
ga es ; mas sssassinios crueis e horrorosos, dos quaes o
Sr.Gonzaga, mais que ninguem, he o responsavel Ima
gine o publico alm de tio abomina veis qujli dades. que
principalmente caracterisio o Sr. Gonzaga, o egosmo o
mais apurado, a vileza em seu summo grso, e faca
urna ideia, apenas aproximada, do carcter baixo e infa-
me desse botnemiinho, capar de sacrificar ao mais mes
quinbo inleresse seu a jus.iga e o bem ger.sl ; eapat
em una palavra de ludo O aeguinte (acto bm o pro-
va. Ten 10 o doutor Ay res do Nascroento, juiz dedi-
reito d'aquella comarca, deixado o lugar psra iroecu-
par o de ebefe de polica oa provincia da Parabiba, e
eonstando islo mesmo ao Sr. Gonxaga, que na qualida-
de de juiz municipal devia lubstituir aquelle no exer-
cicio do juizado de direilo, deixou por muito lempo de
o faier, com nolavel prejuizo das partes, e atropello da
administracio da justica, apezar de repetidas reciama-
cet, e isto smente psra nio perder os lucros, que es-
perava dedous inventarios, que, como, juiz de orpbios
tinha entre mios, nos quaes tem o Sr. Gonzaga a regra
de os ir fazer lora da villa para poder extorquir dos or
phaos extraordinarias lommii decaminho, eestada, e
succedendo, que n'um inventario se Ihe requrase pa-
ra nio o ir fazer lora da villa, o Sr. Gonxaga indelerio,
dixendo, que a beneficio dos orphioa o ia fazer (ora,
como de faci loi e a pe.
Lis o homem, que agora se inculca Uozelador dosin-
teresses. e que quer ostentar tanta exaccio no cumpri-
mento das leis, accussndo ao dr. Luiz Francisco de ir-
regularidades no cumprimento de seus deveres; aquelle
mesmo,que.lia bem pouco lempo, oacaba deprocesiar por
lacios semelbanti 8 Mas quetp devidamenle apreciar os
es andelusos procedimentosdo Sr.Goozaga.que vimosde
narrar,conhecer csbalmente, que nio intengoes puras,
mas mesquinhos delejos de vinganca, e louco desabafo, o
induzirio a fazer aquella aecusaco, que por isso mes
mo nenbum peso merece. As columnas do seu Diario,
Srs. Redactores, seniopoucas para inserirem urna com-
pleta anslyse das injusligas e arbitrariedades do Sr Gon
zaga, juiz municipal do Ass; e por isso contento-me,
por esta vez, com o que levo dilo, com cuja insercio
muito sgradeeido Ibe ficar.
O mparcial.
imposto* mMieipae. d'eerlfjo e lalhos de agougue. no
dia 18 do crvenle, declaraba i quem eonvier. que di-
ta arrematagio lera lugar boje 1,22) ao meto da, 01 sala
das sessdes da cmara.
C'ompankia di Bibirib*.
__ Os Srs. accionistas da companhia de Bebirihe
queirio realisar urna prestado de 4 p. c. no praio de
30 das, contados desta date em diante. Escriotorio d*
companbie. 20 de outubro de 1845. 0 secretario,
B J. Fernanda Barrot.
COMIYIEHCIO
Alfandega.
Rhnmmento do da 21.................8:555*705
Deicarrega koje 22.
BrigueCamSesmercadoriaa.
P* tachoSlavottrirfarinha.
Gera I114*524
Consulado.
BENDIUKNTO DO DIA 20.
Provincial*725
Alovimenlu do Porto.
A'acio mirado no dia 21.
S. Csthsrina ; 24 dias, brigue brasileiro Soarn, de
187 toneladas, cspitio Jos Antonio Csbral, equi-
pagem ib, carga Isrinba ; a Gaudino Agoslioho de
Barros
[yavio lahido no mesmo dia.
Babia; sumaca brasileira '. Joaguim, capitio Luiz Vi-
eira de Mello, carga varios genero* Passageiros,
Antonio Claudino Alves Gomes. Pedro Coelbo de
Alberga, Francisco Joaquim Anlero, Porluguezes.
Editaes.
Vossa culis lisa ver?.....
V, mancebo iianioradn,
Scmpre amantes queris ter ?.....
Cosnprai do meu licortiiiho.
Que vos vendo baratiabo.
Elle move osparalytiroi.
Diabtico*, byalrino*;
Tambeni cura as timpanite*,
A prrrias, as rachite*,
E lambem ashepatites,
Qu'eslio hoje tanto em voga.
Comprai do meu lioorsinho.
Que vos vendo baratiohu.
Ocoragio generoso da mulher, Ul como ella be real-
mente, tem abi um lypo a natural na pessoa d'Adiaa.
que he urna excellenle rendeira n'uma deveza da Italia.
A aria Pnnii. per mt $ti lihtro, em que aSra. Mariett
Marinangrli. fatendo o papel d'Adina, resgala daa mi
do argento Belcore o contrato de praga asiente que
pi-r aiLr della havia asaiguado Nemurino, ea este o en
traga toda teroura, foi d'uma exeoucao sublime. As fa-
Uiguel Archanjo Monltiro de Andradt,offieial da i'm-
peiial ordem da Bota, cavalitiro da de t'tirulo e
inspector da alfandega de Pernambuco, por S. M.
Imperial. oSenkor O. Pedro ll.queUeot guarde,$c.
Fas saber, que no dia 22 do correle (boje) ao meio
dia, e na porta d'al'andega, se biode arrematar 8 cai-
xas com 240 ca vinotes, no valor de 1:080a000, im-
pugnados pelo amanuence Gongalo Jos da Costa e S;
Jnior, no despsebo por faclura de N. O. Bieber & C,
sendo dila arrematsgio suhjeita ao pagamento dos di-
reilo.
Far saber, que no dia 22 do correte (boje) ao
meio dia, na porla da mesma, e ha de arrematar em
basta publica o aeguinte: 13 duzias de oculoi de grao.no
valor de 00*000. 25 ditas de lencos de cambraia de
lgodio.no de 140*000, e 5 caixascom 150 i-lavinole,
no de 675*000, impugnadas pelo amatiuense Domin-
gos da Silva Guimaries, nos despachos por factura da
Avrisl Frres eKalckman &Bosemund,ns. 1259*1273;
sendo a arrema lacio subjeita a direitos.
Alfsndega, 21 de outubro de 1845.
/Miguel Archanjo Monleiro de Andrade
L)ei larages.
Nio se lendo podido eOectusr a arrematagio dos
cea, oa ollm*, ni labios, a mmica da Sr*. Mariuangeli
denunciavau ludo qtrauto n'aquella alma de mulher se
passaia
A tua pessoa o vida..... (*)
A' minba alma ludo be grato
Eu rogale de Beleore
Este funeato contrato.
Toma-o poi, por miio s livre,
Fica no leu niiiho rudc;
Nio ha surte, por mais triste.
Que algn di* ae niujuude
Conelaso da Hela eral da carias entradas em lodo
o mee de utembro de 1845. .
Jos Marinbo da Silva P JosNegreiro A. S.. Jo*4|
Pimentei, Jos Pereira Gome*. Jos Pereira da Silva, 1
Jos Pinto d* Silva. Jos Revero Bemos. los do Son ]
zaMeoezes, Jos Tarara Reis. JoiVieira.
Luiz Eduardo Leopoldino, Luciano Antonio Maciel,
Luis Fernandea Belem, Luis Gonzaga Viterbo, Luiz
Jos de Soaxa, Luiz Pedro Tbomas.
Maris da Conceicio, Maria da Coneeigio de Th-
maz, Maria Eugenia d'Oliveira, Maria Rila da Con-
eeigio, Mathias Jos Alvae de Araojo, Marcellino Ro-
drigues Lopes Miguel Goncalves Rodrigues. Miguel
Munix da Costa Ribeiro. ManoeHe Almeida Bixo, Ma-
noel Antonio Coelbo. Manoel da Costa. Manoel Cae-
lano Mota, Manoel Coelbo Thomax. Manoel Dial de
Carvalbo, Manoel Ferreira da Silva, Manoel Fraacisoo
de Bastos, Manoel Gomes Moreira. Manoel Gomes
Vieira. Manoel GongalvM Ferreira, Manuel Goncal-
ves Netto, Manoel Joaquim, Manoel Joaquim Barbo-
sa, Manoel Joaquim Dias de Castro, Manoel Joaqu.S
GoncalveseSilva. Man el Joaquim da Rocha, Manoel
Joaquim Rodrigues. Manoel Jos da Costa Araujo,
Manoel Jos Carneiro, Manoel los Coelho, Manoel
Jos de Rezende, Msnoel Jos Gomes Braga, Monoel
Jos Lopes dos Santos Jnior, Manoel Jos Nanea Gui-
maries, Manoel Jos* de Oliveire Couto, Manoel Jos
Pereira, Manoel Jos Pereira Pinto de Lanos, Ma-
noel Jos Rodrigues de Oliveira, Manoel Lourengo de
Mallos, Manoel Lucio da Silva, Msnoel Moreira de
Mondonga. Manoel Nunes da Coala, Manoel do as-
cimento Medeiros, Manoel Pereira de Moraes, Ma-
noel Pereira da Silva, Manoel de Oliveira, Manoel
Pinto Cavelhio, Manoel Pililo Fernsndes da Malta,
Manoel Pereira da Silva Maia, Manoel Pacheco Tei-
xetra, Manoel Rodrigues Pinto, Manoel da Silva Ga-
meleiro, Manoel de Sousa de Menexes, Manoel da
Sampaio Araujo M.. Manoel de Souia Guimaries. Ma-
noel da Silva Nogueira, Manoel dos Santos da Silva,
Manoel T. Vieira, Manoel Vicente Bonifacio.
Narciso Jos Francisco.
Paulo Jos Gomes, Patricio da Silva, Pedro de Cou-
to, Pedro Herculano de Araujo B.
Bodriuues Francisco.
Sebastiio Antonio de Mello Reg, Sebastilo Rotado,
Silvestre Martins Ferreira.
Tbeodoro da Silva Damas. Themotheo Ferreira.de
Medeiros. Tbeolonio Francisco Ferreira, Tbomaz Joa-
quim de Castro, Thomaz Rodrigues Ferreira.
Umbelioo de Mello Muoiz.
Venancio Peixoto da Sdveira, Vicente Jos Wan-
derley, Vicente Jos da Silva Tavares.
Zelerino Domingues Moreira
m________________ ____afcjI
Avisos martimos.
Para Porto-Alegre e Bio-Crande-do Sol, a-
hiri, com muita brevidade, o patacho Olivena : quem
quizer carregar escravos a ir- lo enlenda-se com Jlo
Vas de Oliveira, na ra da Cruz, n. 51, primeiro
andar.
1 Para S. Matbeus sgue, at o dia 25 do trrenla,
o hiote nacional Flor-do feeife ; anda pode receber
alguma carga a frele e passageiros : os prelendrotes
dirijio-se a bordo do mesmo, a tratar com o capillo.
Vndese a garopeira Senhor-do- Bom- Fim ,
prompta a fazer viagem, fundeada defronte do caes do
Collegio ; i tratar com Manoel Jos de Msgalhies Bea-
to.
Para a Bsbis seguir breva o hiate Conceicio-O-
liveira : quem na mesmo quizer carregar, pode tratar
com Amorim IrmBos, ruada Cadeia, n. 45.
= Para a Babia aai impreterivelmente no dia 25
do corrente, o biigue Anua e Lonsianca recebe
carga a frete commodo e passsgeiros, at o dia 44 :
quem pretender, entenda se com o consignatario Mar
noel Ignacio de Oliveira, na ra de Ap lio, n. 18.
Para o Ass segu com brevidade o bergantn]
nacional Echo; anda pode receber alguma carga a
frele e passageiros. para o que tem muito bont commo-
dos: os prelendentes pod'em traUr com o capillo Ma-
noel Jos de Asevedo Santos, ou oa ra da Cadeia do
Becife, ns. 12 e H.
Para o Bio Grand'-do-Sul segu em poucos dias
o veleiro patacho Emeliana : quem no mesmo quirer
embsrcar escravos.para que o tem bons eommodos.pde
entender-se com Amorim Iruiios, ra da Cadeia, o.
45.
Previne-se aos Srs passageiros do
patacho nacional JSiwo-Saraiva, que -
quelle navio segu impreterivelmente pi-
ra a Baha hoje, 22 do crtenle-
Se crs ero leu corelo,
Vers como todu inleiro
Te dou o meu por paixfto.
A**im furto tratadas sb u eantu aeduetor d'uma mo-
desta operetta cmica dua grandes ideiaa da aniual se-
clo, que ser sera dunda chamado por nussos filhu* o
I*) Traducco portuguesa do Sr. Dr, de Simeni.
seeulo da* reforma* pacifica nsliuraciu da cien-
cia obre as ruina da credulidade, lio altamente ensi-
llada pelo racionalismo que noabafejuu u beroo, e a e-
mannipacao da mulher, como um mijo de ooneiliaci,
lio forlemenie exigida por alguna utopistas, e ttu popu-
larizada hoje pelo illuatradu autor do Jujeo Errant*>
No* desejariaun* anda ver repetido alguma vetea o
Eligir d'Amor pela arlual ooinpauliia, nio so porque
auppoinus que grande parte da populacao Ihe n >oi
pos.ivcl asaislir a nciihuraa das reprcaeulacAe j dadas,
como porque entendemos quo semelhantea repelieres
eslo na raslo directa da perfeifio artstica da compa-
nhia, que os amadores reaes desejlo scmpre aconipa-
nhar. Eji que fallamos rm perfeifio, nio fecharemos
este artigo em manifetarinn companhia o* voto
que fateiuus para que o Sr. Giacomo Bonanni, que exe-
cuiuu o papel deiannrllo. consiga deplro em breve
lempo oa luuro* da tren* a que ae dedica : ata p-uco
niaia de patudo, ajudado de boa vonlade, tarto surgir no
muido artista todu o talento que nelle eal em germen.


-
Leiles.
=s Kelk'mann & RniemunJ farad leiio. por ioler
venci do eorrelor Oliveira, de variedade de fatendas
nglaiia, francesas, euistat a allemfes, de teda, 14, l-
nho e de algodio as mais iropriat do mercado : texta-
f, re, 24 do correte, ti 10 hora da manilla no teu
armas*) na ra da Cruz.
\= O eorrelor Oliveira far leilaodo grande porcio
de fatendas, todaa de le, e proprias do mercado con
aillindo em cbilai. madapoles de arias qualidades,
setmi lencos de aeda linhaa em novellos ditas em
meadas reros c apeos, meias, fitas calcado para
hornero esenliora bonetes, pentes, &c ; cujaa fazen-
(Iai serio vendidas sem reserva par* liquidacio de
contal: quinta-fera 23 do oorrente as 10 horas
da ananbla em ponto, no seu eseriptorio ra da Ca-
deii.
* visos diversos.
A CARRANCA.
Sahir boje o n. 35. e acbar-ae-ba venda as 10 llo-
ras do dia na praca da Independencia livraria nume
ros 6*8.
O LIDADOR.
Sihiri boje o n 60, e achar-ie-ba venda as 4 ho
ni da tarde na praca di Independencia, livraria n-
meros 6 e 8.
Ao advogado Francisco de Paula Gomes dos San-
tos eslava coru nata um procnte eivel de appellacio
entre parles, appellanles Francisco Jos Yelbo de Mello
e sua mulher, e appellados o provedor mesarlos da
Mota casa da Misericordia de Goianna, para faxer a mi-
nuta da revista para o supremo tribunal de jttttica, por
parte do recorrente, oappellante: e como tiveiso falle-
cido o dito advogado, sem estar (indo o termo, em que
os deveria entregar, pede o escrivfio J. J. Kerreira de
Cartalbo, a eujo artorio perteoce o dito proceno, ao
Sr. Ribo do mesmo fallecido, ou a qualquer outra pes-
aos, que ficasseentregue dos autos, que ao dito falleci-
do eslavio com vista, de Ibe faier entrega do processo
cima mencionado.
Pretende-se eflectaar i compra de orna caa tar-
rea, lita no berco do Ouiaho n. 4, do bairro da Boa-
Vula, perteocenle ao filbo do fallecido Joaquim Jos
doi Reii: a. pessoa que se acharcoin direito aobre a dita
casa, podar comparecer no praio de oito das, do con-
trario perder o seu direito contra ella.
Nicolaa Lacrois, subdito Belga, e Pirre Massom
subdito Francez. retiro-ie para Lisboa ; levando o 1 *
em aua companhia sua mulher, Mariana da Jess, Por-
tugus!.
No dia 18 do correte, appareceoum boi deten
caminhado: quem for sen dono, dirija-se a Soledade,
caa n, 7, que la ae dir quem o lein. e dando os sig-
naos e pasando ai deepesai, Ibe sera entregue.
Aluga-le por preco commodo a luja o a cochei-
ra do sobrado a. 12 da ra do Arago : a tratar no
mesmo sobrado.
es Desencaminbou-se, da loja do abaixo atsign
ama lellra da quanlia de 169j60 ra., sacada em 18 de
elembro p. p a 60 das, pelo annuneianle e accei-
ta por Ibus & Companbia : o acceitante j est sciente
de nlo pagar senSo ao abaixo aisignaJo. JoaoLcite
de Atettdo.
es Aluga se urna preto que teja fiel para o tr-
rico interno e rilernode urna casa de familia dando-
se-lbeo suitenloe dormida, pagndose por mes o
que teconvencionar: na ra da Semilla-Velbe o,
48, segundo ailar, ou annunrie,
== Aluga se por commodo preco urna boa casa,
com duas salas 6 quirtus enzinha copiare quin
(al murado sita na ru Imperial annexa ao sitio do
finado Machado : a tratar na ra Direita n. 82, pr
meiro andar
= Precisa i* alugar utn moleque para servir a urna
casa ; na prga da Independencia n. 2
Precisa-se de um hornern loiro sendo de boa
conducta a que d fiador a mesma saliendo traUr
de' vacca e plantacOes de um sitio perto dcsta praca
urna legos ; na ra Direita ni. 100 e 113, ou na ra
do Caldeireiro, n. 84. .
Perdeo-se, no dia 20 do correte pelas 3 horas
da tarde urna cdula de BOf ra. desde a ra do
Aniorim at o caea da Allandega ; roga-se a peisoa ,
que a acbou e a quiter entregar o faca a Francisco
Xavier Pereira Braga ouajoaquim Goncalvea Vieira
Guimarie, no armaxem o. 1, defronte da escadinba
da Alfandega que recehero 20 rs. de gratificacio.
LTEKIA THKATRO.
As rodea Jrsla lotera andio impreterivelmente no
dia 25 de dovembro prximo futuro visto ter-ie rea
tinado o andamento das do seminario Os respectivos
bilheles acbao-se a venda na loja do thesoureiro, na ra
do Qurimado a. 99; na do Snr. Meneret Jnior ,
ra do Collegio ; na botica do Sr. Mor ira, ra do
Cabugi ; o no bairro do Recife naa tojas de cambio
doa Srs Viejra e Manoel Gomes
Aluga-se o segundo andar do sobrado atraz da
matriz da Boa-Vi.ta n. 26, muito (ruco poner da
parte di sombra com 3 salas e 9 quirtoi: a tratar na
mesma ra, n. 22.
D. Mara Rosa de Atiumpcio viuvi de Manoel
Rodriguea do Patio declara que de boje em diante
beaeu procurador tanto em juizo corno fura delle ,
o Sr. Manoel Antonio de Andrada ; ficando aem vigor
lodos os poderet dadot aot oulros lem procuradoret li,
bojenmeados.
Hoje, 22 do crrante, pela segunda vira do ci-
val ae bao de arrematar alguna eacravot, e oulros
bena panhoradoa por Antonio Francisco de Moura aoa
berdeiros do fallecido Joaquim Joto da Cotti a Oli-
veira.
Aluga-ae 1 tegundo andar e totea com boni com-
modoi, sendo eate novo, e feito ba poucot tempot;
Direita pedera n. 24.
-- Aluga-te urna eata propria para te ptuar afeita,
da outra banda do Caldeireiro ao sitio Tnpicbe :
a tratar com Antelmo Jos Pinto de Mello, no mes-
mo litio.
Precia-se de um cont de rii a premio sobre
bjpotkeca, ou firmal; quem tivar, aonuncie.
Antonio Joaquim Rebello Peitoi embarca para 0
Rio de Janeiro o ten eteravo croulo de nome Fa-
bianno de idadede 10 sanos.
= No dia 20 do crranle, 4eti,ppareceo da ra Au-
gusta urna cabr (bicho) com duas cabritas ten-
do a cabra amarella com ai oratbas cortadat, urna ca-
brita da mesma cor, e a outra preta : quem aa acbouj
querendo rettitui-at dirija-te a dita ra Augusta ',
n. 46, que te gratificar.
ac Raymundo Pintada Abreo embarca o leu etera-
v o crioulo de nome Pedro para fra da provincia.
= Quem quizer dar de um at doua contoa de rea ,
com boat firmat ou bypolheca em um tobrado em
um dos melbores luga re delta cidade pelo lempo que
te convencionir dirija-te a ra do Araglo, n. 7
= Preciss-ae ilugar urna ama para o trrico inter-
no de urna can: no Atterro-da-Boa-Vitta, n. 36.
Os Srs., queencommeodrlo mergulhot de par-
reiras, na ra do Rosario da Boa-Vista n. 2, podemos
ir buscar, por j te acharem promptot.
Precisa-so de um feitor para tratar de um litio
iqui mesmo ni praca: procure na rui Nova, o. 57, que
ebar eom quem tratar.
= Precisa se de um rapar de 10 12annoi, para
eaixeiro de urna venda : na ra Imperial, n. 145.
=A abaiio astgnada.viuva do finado Victorino Fer-
reira deCarvalho, acha-te procedendo inventario dos
bena do seu casal, pelo juiso de orphioi, esenvo Pe
reir ; e por isso roga aludos oa credoret do dito fi-
nado, bajo de apretentar Ibe as tuaa contal, no prazo
de 8 dial, contados di publiraein deste.
Mana Carolina Ferreira ie Carvalko.
= Desappareceo.do largo do Carmo, um cavallo pe-
queo, eattanho, frente aberta. cauda curt, com urna
queimadora desde a tarneia at o caico da mi direita;
levou cangalba com inquerideras e irroso d embira
vermelha : quem o pegar, leve-o ao dito largo do Car-
mo, venda n. 1, queier recompensado.
Aluga-te, para eata da familia francera, urna es
crava, queiabeengommir hem, coie, entahoa eeo-
inha, la/ todo o arranjo de una cata, com muita per-
leicao a aiteio : trata-te na ra Imperial, n. 63.
Ainda te precita de um moco Portugus, que
ttiba trahalbarem padaria, e tomar conla de urna fre-
guezia de vender pi iqui mesmo ni prar;a: nat Cin-
co-Pontat, n. 30.
Preciu-te de um ortelio, que entend de orta, e
precisa-te de outro para traballiar debaiso da adminit-
tracio deste, que he para engenho perto detta praca,
paga-te bem : a tratar na ra Direita, venda n. 23.
Oflerece-se um rapaz Portugus para caseiro do
venda, o qual j tem bastante pralica do metmo nego-
cio, ou metmo pira qualquer arrumacio; o qual aabe
ler eetcrevertoflrivelmente: quem do seu piestimo se
quizer utilitar, dirija-te ra do Noguein n. 29, ou
aonuncietui morada.
Perdeo-te, no dia 19 do correte, di ra do Quri-
mado at ao embarque da ra Nova, quatro ollas de
cordio fino com urna cruz, tendo lettrai em ambaa as
facet: quem tver echado e quizer restituir, dirija-sr a
ra do Qurimado loja n. 33, ou casa da mesma ra
n.8 segundo andar, que aeri recompemado.
Alugio-se as segunda e lerceira caiat da ra da
Mangueira do Poco-da Panella. indo detle lugar para
Caldeireiro, lado direito, optimai para ae paitar a letla
vaauat. qoam as pretender, dirija-se a ra das Cru-
etn. 6, 2.* andar.
= Jos Antonio de Abreo e tua fi I lia Izabcl Marga-
rid retirio lepan fon do imperio.
Roga-se a pessoa, que icou de vir
sabbado, i S do corrente, na uta do Cres-
po n. 16, buscar um piano, de o fazei
quanto anles, visto que tem outros pre-
tendenles.
Preciu-te de urna ama tecca que uiha cozi-
nhar preferindo-se algumo que lenha estado em rata
Mtrangeira ; na ra do Brum na lundicio ingiera,
ae dir quem precita.
O abaixo assignado scieu-
tiGcaaoSr que garanti urna
le tira de M. ,1. A. 31.
Arrendase urna oloria a margem do rio, e pora e fazrr oulros concert as moendas com toda a bre-
delras do recolbimenlo da Gloria, por preco muitolvidade; e como tem porto de embarque com guindas-
commodo : a fallar na roa do Rangel, n. 59, primeiro I le porttil, gyrendoiobre caminho de ferro, objectoa
andar. I pesados sio carregadon e detcarregadoi tem demora a
Na praca da Independencia, livraria ni. 6 e8, tem causar despea ao dono.
cuja
Ir tira se a cha t tu poder do a-
baixo assignado, vencida em
9 de agosto prximo passado,
queira, at o dia *15 do corren
te, resgalara di la lettra; fican-
do certo o fi>r. garante, que
se assiin o nao (izer, ver seu
nome ueste Diario, e o modo
porque foi feito o negocio;
pois o annuneianle sabe, que
o Sr. acceitante deixou quan-
lia sulieiente para pagamento
da dita lettra, co Sr. garante
nao tem cuidado em a pagar,
valen do se da amizade ou co-
nhecimento do annunciante
para andar com empalliacoes;
porm fique.o Sr. garante
cerloque de empalliacoes bas-
ta, e nao se ter mais atten-
eao com quem a nao merece.
J. O. Campos.
Aluga-te urna excedente caa terrea na ra doa
Peleadores, n. 9, na esquina da travesa que vai para
a mar, com 2 portaa e I janella na Irente, 1 porta a
I janella nooilio, 2 talas, -1 alcova com vdraca, 3
quartoa, 1 diapente, cosinba fra, quintal murado
com porteo para a mai, cacimba, soleo com urna
janella para o oitaO, 1 sala, 2 quartot, toda concerta
pintada de novo : na ra do Queimido, loja
precisa ae fallar aoSr. Trajino, que foi profettor de
primeirat lettru em Ilamarac.
Aluga-se urna cata para o lempo da festn, ou
mesmo todo o anno, no Poco-da-Panella, a margem do
rio. tendo a primeira qurm vai do Recife embarcado,
com douacopiaret, um na frente e outro ao lado, quin-
tal com bstanles arorei de fruto : quem a preten-
der, procure na ra Direita, tobrado de duut indaret,
n 137, confronte ao lado do Tergo
Sr. L. A. M. de C. quoira mandar pagar a
qusntia do 100j920rs que romprou em fevereiro de
1839, err.uma loja netti praca; alit ie declarar o teu
nome por extento.
- Um moco te oflerece a algum Sr negociante para
eaixeiro de ra ou de escripia; poit tem muito boa let-
tra: quem precitar annuncie.
.Joaquim do Etpirito Santo Paaioi retira-ie pin o
Maranhio. a tratar de seu negocio.
= Manoel Peres Heipanhol chegado a esta ci-
dade em 26 de tetembro ultimo retira-ie para Por-
lo-Rico.
O abaixo aisignsdo pelo presente declara ao Sr.
Joio Luiz Salgado, que, nio vindo nestet 6 ou 8 dias
pagara divida, que deveao annunciante ou ao me-
nos dar porconta o que tratou continuar com a tua
execugio ; poit j te acba tentenca extrahida : espera
portento o annunciante que o Sr. Joio Luiz Salga-
do cumprir oque tratou a fim de nlo dar lugar a
maioret despezar Joio Gomei Mariint.
- Aluea-to umiilio cometa bailante reica c
decente para ie paliar a (esta o sitio he lodo cercado
de limio, com cacimba de boa agoa e perto do banbo,
na Capunga : a tratar na ra do Mondego botica
n.64.
'- Aluga-te o tegundo indar da propriedade da ra
da Aurora, n. 8. com battanlet commodot e ttteio : a
tratar na ra da Cruz n. 13 eseriptorio de Ridguiy
Jaminon & Companbia.
Precisa-ie de dous canneiros forros ; no princi-
pio do Atterro-dos-Angados n. Si.
= Engomma-te roupa nio svinda lavada como
para lavar eengommar ; na ra de S. Rila, casa ter-
rea, n. 72.
D-te dinbeiro a premio tobre penboros: na ra
Nova n. 63.
Precisa-te de um rapas Portugus, chegado
prximamente para eaixeiro de venda ainda met-
mo tem (erpratica mat que d conhecimento de tua
conducta, ou metmo de um pequeo do H a 16 annot;
na ra do Cotovello n. 49.
= Aluga-ie pela feta urna caa ao p da ponte
do Cachang com irte quaitoa duat grandes talas ,
urna ante-sala estribara coxinha e um armazem
de despejo ; na ra da Cadeia n. 3, por cima da cata.
da guarda.
Aluga-se, no lugar da Capunga muito freica ,
e com frente para rio urna caa com grande! cummo-
doi cozinha fra cocheira estribara casa para
pretos cacimba com boa agoa : a tratar na ra da
Madre-de-Deot n. 36. tegundo andar.
Henrique de Bord subdito Francez, retira-te
delta provincia com aua aenbora.
Dentista.
M S. Mawson cirurgo dentista a instancia
de varios amigoi, reaolveo-te a demorar por ora a la
viagrm para o Sul ; entretanto faz sciente que rece-
ben um complrtotortimenlo de denles aitificiaei de no-
va invencio ; lambem contina a limpar dentei, e.
chumbar com ourn e prala e las todas as maii ope-
ratdea pertenccnles a tui arte : na ra Nova n 2 ,
egundo andar.
= Na ra do Atterro-doi-Afogadoi, n. 7 d-se
azeite de carrapato de venda, a 2000 n. a caada.
Roga-se ao Sr. J. O. (lampos, se
airva declararse o seu atinuncio inserto
no Diario de Pernambuco n. 235, se
entende com Manoel Jos de Araujo Ma-
chado.
A pessoa, qne no numero a35ltMte
Diario 8tinunciou querer comprar urna
cusa terrea neste bairro de Santo Vntonio,
ou no da oa-Vista, baja de dirigir-se a
ra das Larangeiras, n. 12, segundo an-
dar.
O engenlviro Bowman, socio detta fabrica corres-
pondente directamente com urna dal principaes fund-
t Oes em Inglaterra recebe encommendas para machi-
nas de vapor, rodal d'agoa, de ferro, com moendtt ou
sem ellai, e lodot os mais objectos detti natureza ga-
rantindo a perfeicio da mao d'obra e boa qualidade
dot materiaet, aiiim como a exacta conformidadeeom
o modelo dado ou pprovado pela petio que fizar a
encommenda podando tambem encarrrgar-ta da di-
reocSo do seu atsento. Por itio reipeitoiamente con-
vida, aot tenboret de engenho ou teut corresponden-
tes a virem examinar a machina de vapor construida na
dita lundicio de Inglaterra montada para mover c
tornoi e outrot apparelhot da fabrica da ra do Brum ;
poit be de Torva propria para engenho e de modelo ,
que tem ai vantagens de 1er muito tinglo, forte e ae-
guro e fcilmente adaptado as moenda 10 presente
movidas por bestai.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio,botica n lO.eno Atierro da-
Roa-Vsta loja n. 48, tirio-te passaportes para dentro a
fra do imperio, attim como deiptchio-se etcravoi: ludo
com brevidade.
Compras.
ra-ieuma porcio da cera de carnauba,
alva ; quem liver, annuncie.
livor, annuncie.
Compra se um tellim inglez, em bom altado ;
na ra do liangel n. 54,- onde efectivamente com-
piio-se botijas e garrafal aliar
= Compro-so para lora da provincia eteuvo
de 13 a 211 annos ; lendo do honilat figurar pigio-ia
bem: na ra da Cadia de,S. Antonio, tobrado da
um andar de varanda da pao n. 20.
= Compr8o-se.douiescravoi, um pedreiro o ou-
tro carpina para urna encommenda do Rio-Grande-
do-Sul; tendo bonitat figuras, pagio se bem: na
ra do Collegio, trmitem n. 19.
Comprio-te quartoitt e barril riliol : oa ra
Direita, n. 9.
Comprao-se l bancos de bottr imoitnt am loja
de fazendas: na esquina do Livramento n. 62.
Compra-so coliro veril ha funda por matada do
seu antgo valor; na ra do Cabug, loja de miudezai,
n. ID.
. Comprio-to dout eieravot pretoi, marinheirot,
ou proprios para isso, de 18 a 25 annot de dada: oa
ra da Crus, n. 45.
Comprio-ie dout eteravoa, peritot officiiei de
pedreiro, e dous carpinas ; na ra da Seosilla-Velba,
n. 110.
Vendas.
da
o. i 3.
Casa da Fe9.
Ra ettreila do Rosario n, 43.
= O abaixo attignado tondo ettahelecido, na for-
ma da le e decreto n. 357, de 27 de abril de 1844
artigo 35 urna cata do vender bilbetea, e cautellat
de todts ai loteras detta provincia prestando por ra-
la venda fianca como marca o metmo artigo 35; con-
vida a todoiotque gottio deste jogo a comprarem
ai tuaiciulellat ; cujas te achio garaolida com a tua
flanea a fim de quu 01 premios, que cada um tiver
da tirar, teji no dia marcado pagos a villa dat met-
mas cautellat, e na mesma casa.
Presentemente as cautellat que te achio a venda
tio ai do tbeatro publico por ter a primeira lotera ,
que etl garantida coco a lei cima na qual nio ba-
ver nulldade por ler o teu (betoureiro reipontavel
por qualquer abuto ou falta que houver de a| parecer.
Brevemente te annunciar o dia em que devem andar
1 rodil, pela grande extracc,io,que esto tendo at cau-
tellat por terem de diminuto preco que a todot
convida a la compra. O precoi deitat cautellat tio
decimos a 1/000 rt. e vigetimos a 500 n.
Lourenco Jote ftomdo de Lunna.
Aluga-se o segundo andar do sobra-
do sito 11a ra Direita, n. 20, com bons
commodos: a tratar na ra do Collegio,
segundo andar n. 4-
M.'Callum & Companhia acabio da receber na
sua fabrica de macbinat, di rut do Brum um torli-
inenlo de tambores para moeodit de canna fundidos
em Inglaterra 01 quaei armiocora aguilhdei, rodas
e demaii pertenec a vonlade do comprador. Cooli-
nuo lambem a tornear de oovo tamborea a aguilhei,
Vende-te um excellento relogio de repeticio, a
caxa de ouro, por preco commodo; vende-io, porque
o dono retira-te para fra da (erra : na praca da Inde-
pendencia, livraria n 6 e 8.
Vndese a casa terrea
do pateo do Paraizo n. 24:
na ra das Larangeiras, n. 12,
segundo andar.
Vende-so urna preta moca de naci, ptima pa-
ra lodo o sei vico, a vista do comprador se dir o moti-
vo, por (|uevse vende : na ra Direita, n. 120.
Vende-te urna venda com poucot fundo!, na ra
Direita n. 12(1. cuja tem moradia para aruadaiA-
g'ias-Verdes: a tratar na meima.
Vende-te urna mesa de jantar, com aba dn
tandil por pnco Commodo : oa ra iraita, o. 120, te
dir quem t- m para vender.
- Vende-ie urna prela de naci Cacange, de vate
e tantot annot, boa figura, eotaboa bem e faz todo o
trrico de casa, menot co'inbar, e vende na ra: quem
a pretender, tanto para a Ierra como para fra. dirija-
n a ra da Out o. 46, que te Ibe dir o motivo, por-
que se vende.
-- Vndese urna armac-o
de urna loja, propria para
qualquer estabelecimento, na
ra .n ova n. 65: trata-se na
mesma.
Veniiem-te pentei de tartaruga da moda, abar-
los e lisos; ditos de marrafa, a 1000, 1600a 2000n.;
lambem ie fazem quaeeejuer obrat dette genero tanto
nova como do concert qur tejad lisas, qur abertal;
deamancbo se prntee ialhoi e fiiem-te ootoi : aa
loja de tartarugueira na pateo do Carmo, loja do
tobrado da esquina da ra dat Trincbeiraa.
Vendrm-se paraai da eoqueiro para banheiroi,
no sitio do Cajueiro, fanto to do Sr. Frioeitoo R-
beiro de Bailo: na loja de tarlarugueiro, oo pateo do
Carmo esquina da ra dat Trincheim, o. 3.
Vende-te ou troci-ie urna olaria oca Coelhoi,
por um litio bom, perto di pnca : a tratar oa ra da
Gloria sobrado o. 7.
Veadem-te retmn de pipel de moia bollanda,
ditat de peso, bicot braocoa de um a oito dadot da
largura, potes de tinta ingleza para oscrever, 120 n,,
e gro/as de phoiphorot a marica noi, pelo preco da 5/500
ria grosa, e 40 ris o mattioho, oa praca da Inde-
pendencia, n. 4.
= Vendem te chapeot de culac, bnocot, muito fi-
nos, qualidade e ultima moda do prncipe Alaarto, au-
tos de mista franceses do ultimo goito a polka, a da ax-
cellonie qualidade, ditos de palba do Chile,muito finca,
e oefrlai mullas qualidadet de ebapeo de bom gaato,
por preco miii commodo do que em outra qualquer
parle: na fabrica de chapeot, de Joaquim de Olivaira
Maia, oa praca da Independencia, na, 24 a 26.



-r
T
= Na rui dai Croles, loj de encsdernsdor, n. 39,
vendem-se os 8i'guinlea livros :
Visgena de Antenor 4 5000
O Itol.issH de doui innin, 2 f. 2O0
Selestina ou oa esposos aem o seren 4 v. 4000
Nova Heloia, 4 5000
Elementos de citilidade 1 v. 1500
1*. Virgil Muronis opera, tu o3.' Totume. 2000
Dous Robissons, 3. 2800
Historia de Gilbras, 4 v. 4000
Y iagens de Gulliver 3 2000
Historia Sagrada, s o segundo volumo 1000
Obras do marque* de Rombal, 1 v. 1300
Historia de Carlos Vil 1 f. 1000
Orlando lurioio s o segundo volume 1000
Josoninba s o segundo volunte 1000
Manual do cidadlo brasileiro, por Joiino do Nal-
cimento Silva eom a constituido do imperio
por F. L. de Carvalbo Horcira 5000
= Vendem-se 150 caibroa, maia ou menos, que lo-
rio de andaimes eservem para coberta por sercm
de qualidade : na ra Bella sjbrado n. 37.
= Vendem-se 3 pretos de naci proprios para o
servico de campo, ou para ganharem jornal, sem vicios
nom achaques ; o motivo da venda be o senbor tor de
relirar-se : no Atierro da Roa-Vista n. 26, primei-
ro aodar.
c= Vende-se urna preta da Costa de meia idade ,
por muito commodo preco ; na ra Nova n. G3.
= Vende-se um pardo moco proprio para lodo o
servico, e becarreiro : a tratar com Joio Jos de Car-
valbo Moraes no Recite.
= Vendem-se duas escrava do 20 a 22 annos ,
de bonitai figuras, engmenlo cozinhao lavSo de
sabo e varrella ; urna oegrinha e urna mulslinha ,
muito bonitas de 10 a 12 annos^ proprias para se
educarem : na ra larga do Rozarlo n. 46, segundo
andar.
= Vende-w cobre e pregospara forro de embarca-
res, de todas as grossuras; na loja e fabrica decal-
deireiro na ra do lirum no necife de Mesquita
Dutra & Companhia. .
= Vende-se um moleque de bonita figura de ida-
de de 14 a 16 annos; no principio do Atierro-doi-A fu-
gados n. 31.
Rape de Cate.
Ha chegadn recentemente a estf deposito, vinda do
Rio-de-Janeiro pela barca Firmeza urna superior
fornada do muito acreditado rap yrosso e meio-grosso,
talvez o fnais genuino em qualidade que al aqu lem
vindo a esta .cidade c ochase a venda en. libras, tnein
ditase oilavas nss lojas dos Srs.: J aquim Candido
Leal do Barros Thomaz Pereira de Mallos Estima ,
Manoel Francisco Rodrigues e Caetano Luiz Fcrrei-
ra no Atterru-da-Moa-Vista ; Jos Thomaz de Cam-
pos Quaresma e Teixeira & Andrade ra Nova ;
FranciscoJoaquim Duarto ruado Cabuga ; Victori-
no de Castro Moura Victorino & Guimaries e Vi-
cente Jos Gomes ra dos Cjuarleis ; Antonio Do-
mingos Ferreira ejoio Henriqueda Silva, ra do
Crespo ; Joaquim Jos l.ody e Joaquim Dias Fernan-
des, na ra larga do Uozario ; Jos Jorge du Rozaiio ,
ra do Livramenlo ; Jos Joaquim Lopes Uoreira, ra
Direita ; Silveira & Freitas, ra do Queimado; Gue-
des & Mello f'onles & Mello e Antonio Gomes da
('unlia e Silva ra da Cadeia do Recife.
= No deposito de rap de Gasse ra da Cruz no
Recife, n. 38, acha-se a venda o muito superior rap
do Principe, chegado recentemente do Rio-de-Janei-
ro a preco do 1400 rs. a libra.
= Vende-se superior Champagne novsmente che-
gada ; em casa de Avrial Irroios, na ra de Cruz ,
n. 20.
=3 Vende-ie una porcio do camnhai dos melhcres
phosphoros, que aqu leem vindo por preco commo-
do tanto caixa por caiga como em porfi ; assim
como urna porfi de saccas com farinha de mandioca
de superior qualidade : na ra da Cruz armazeiii n.
54, a fallar com Manoel Antonio Pinto da Silva.
Vonde-se farinba de mandioca de boa quali-
dade a 3200 rs. a sacca ; na ra do Crespo luja n.
15 de Antonio da Cunha Soares Guimaries.
= Vende-so cobre de forro sortido e piegos do
mosmo ; cm casa de L. G. Ferreira & Companhia.
= Vende-se azeite de carrapato, de caada para
cima a seii patacas; na ra de Apollo armazem
n. 4.
= Vcnde-se potasia nova da Russia ; cal virgem ,
de Lisboa, por preco commodo: na ra de Apollo,
n. 18.
Vende-so potassa muito nova de superior qua-
lidade em barris pequeos; na ra da Cadeia do Re-
cife armazem de assucar n. 12.
Vendem sealampada, navetas, tburibulos, caldci-
rai de agoa benta, campas esinetas para igrejas e ca-
pellas,candieiros e escrivaninbas,ferros para engommar,
baeias de lodos ostamanhos. e muitatoulras obras de
lati, blese cafeteiras de metal do principe, facas e
garlos com cabos de marfim c de verda feiro viado, e
trinchantes do mesmo e de outras qualidades, colheres
para sopa a cha, terrina e aasucareiro, de verdadeira
casquinba imitando perfeitamente as do prata, ricas
nivalhis de barba, fins pedral para aliar as mesmas,
caivetes tinos para pennas, pennas de ac, mombos
grandes para fabrica de caf, pequeos para casas par-
ticulares, ptimos bromos para balance tinteiros e fa -
niosas ccringai de eslanbo e teda* as obras de laloeiro.
caldairairo e funileiro a preco ssuilo baratos: no de-
posito de tiesquta, Dutra & C. na ra da. Cadeia do
Recile.n (J; assim como todos o objectos'de lerragcns.
*Vtndem-se dous pares de caiticaes para lanlemas,
de prata obra da, muito bom gosto, ebegada do Por-
to ; assim como diversas salvas e casticaes para dentro
de manga* ; faqueiros colheres para soupa e cha,
afolase; paliteiros ; apparelbos para cba ; escrivani-
ludo obra do Porto, e de muito bom gosto ;
recoi de brilhintcae diamante ; anneisde brilban-
I ; alfinetea e bolOes ; adreteos de ouro e pulseiras ;
antas de ouro para senhora; correnles e trancelim
para bomem e senhora, muito modernos; e outris di-
venas obra de oure e prata por preco commodo : na
foa do Cabbg, loja ti. 3, de Manoel Antonio Gon-
calsas,
=- Vende-se a dinbeiro oa metide a praz%com
firmas, que o cambio rehala urna venda em muito
bom local sortida e bem afreguezada por motivo
do dono ser obrigido relirar-se para Portugal, em
razio do mo estado de laude ; oused sociedade por
dous annos a qualquer pessoa que entenda do nego-
tio e que de fiador: na ra do Collrgio venda o.
12, de Sebsstiao Jos Gomes Panna, se dir.
= Vende-se um terreno itterrado com 30 palmos
de frente com fundos at a baixa-mar, na ra da
Praia de S. ltila poucoadianle do deposito de car-
vio : a tratar com Jos Hegino de Miranda.
= Vende-se urna grande casa terrea de pedra e cal,
com grandea commodos e um bom quintal na ra do
Amparo em Olioda : a tratar na ra do Crespo loja
n. 10.
=: Vende-se um alambique de cobre com esquen-
(a-garapas eos oais objectos peiteocentes a urna est-
llelo ludo de ptima cunslruceao, e com muito pou-
co uso ; na ra da Aurora n. 42, segundo andar ,
se dir.
= Vende-se um escravo de naci bom canoeiro ;
3 ditos mocos, com bonitas figuras ; um mulatiohu de
idade de 12annos com bastante pratica de servico de
campo ; urna negrinha de idade de 14 annos com
principios de costura ptima para mucama por sor
recolbida ; urna escrava de naci de idade de 22 an-
nos com bonita figura perita engommadeira ; duas
ditas da mesma idade, cosem, cosinbio e lavio desa-
bio e varrella ; 3 ditas de idade de 30 annos, sendo
urna cozinh.-ira e duas lavideiras e quitandeiras ; to-
das por preco commodo : na ra Direita n. 3.
= Vendem-se 18 escravos ; seodu pretas de 13 a 22
annos, com habilidades moleques, de 12 a 15 an-
nos todos de bonitai Gguras: na ra das Flore,
n. 21.
=Vende-se urna muitinba de idade de 18 a 20 an -
noi de bonita figura sem viciu algum ; na rui do
Cabugi n 3. segundo andar.
= Vendem se saceos de milbo e barris do mol ,
ludo muito nuvo ; ni ra da Cadeia do Recife n. 8.
= \ ende-se a armaclo di loja da ra Nova n. 18:
a casa, onde ella est, tem commodos para urna peque-
a familia : a tratar na mesma roa n. 32.
= Vende-se urna excellente rebeca com sua cai-
xa ; na ra de Horlas n. 140.
=Vendem-se,por 500 rs.. os cen palmos de (erro-
no que ja se oflerecrio a venda neste mesmo jornal ,
por 600 rs. entre as duas puntes da estrada da Mag-
dalena o qual pertenceo outr'ora ao Sor. Jos Joa-
quim Bezerre Cavalcanti, e esteve alorado ao Sr Jofto
Tbomaz Pereira e boje perteoce a Manoel Zefirino
dos Santos aquemse poder dirigir quem o quizer
comprar.
= Vende-se urna casa Icrrea em chaos proprios, na
povoaciodos Afogedos, ra do >. Miguel, o. 70, com
fruida de pedra cal e oites meieiros quintal murado
e cacimba : a tratar na ra alraz da matriz da Boa-Vis-
ta sobrado de um indar, n. 11.
Faxenda mutlo bnratai, que convido aot compradores
* = Vcndom-se brins de linho brinco muito supe-
riores a 500 rs. a vara panno de linho a 600 rs.
dita, e querendo peca de 15 varase meia por 8700 rs.;
esguiio superior, a 1280 rs. a vara, e a peca de 12
jardas e meia, a lOj rs. ; casia lisa muito fina, a 400,
480 e 64(1 rs. a vara ; lencos do camhraia de cercadu-
ra a 240 e 320 rs, ; chales pequeos a 500 o 600
rs. ; pannos azues proprios para lardamenlo de pre
tos de acompanbarem enturros pelo barato preco de
\ e 2 rs. o covado ; dito pretq_bom, a 3300 rs, ; ris-
cados para escravos, a ICO, 180 e 240 rs. o covado ;
cortes de tarlatana do muito bom gosto, a 4000 rs. ;
coi les de eassas as mais modernas, a polka a 4000 ,
5000 e 6000 rs. ; colina de quidros e listras de todas as
cores, os mais modernos para calcas, a 2.i0, 400 480 e
300 rs.; chales de seda a 3500 rs. sendo os melbores
que leem vindo ; lencos de seda a 800 e 1600 n. ; e
oulrai muitas fazendas por preco muito commoejo ;
advertindo que ludo esta em bom estado : no Atierro
da-Bo-Vista loja n. 14.
=\ ende-se larinha da Ierra o alqueire raso, a
3500 rs., ea sacca a 5000 rs. ; na ra do Rangel ,
n. 25.
= Vende-se um lindo preto cozinbeiro, e outro
ganbador de linda figura ; na ra da Scnzalla-Velbn,
n. 110.
- Vende-se cha hysson em cuijas de 13 libras, em
poredese a retalho; e potassa americana ltimamente
chegada : em casa de Malbeus Austin & C., na ra da
ifandega Velha n. 36. {
Veude-se cera em velas, da melhor
fabrica do IIio de Janeiro, e em caixinhas
pequeas de 100 libras, com o sortimento
seguinte :
ibras de 3 em libra.
5
8
cada urna sacca : na
ru da Cruz
do Re-
cife n. 26 iirimeifo andar.
MECHAS POSPHORICAS.
6
8
13
14
l6
30
34
100 libras
10
13
i4
16

u

pelo mdico preco de 1 '44 IC''S cat'a ''"
liia: na ruada Senzalla-veJha n 110
Vende-se o excellente doce de goia-
ba, em taixSeszinhos, muito bem feilo :
na ra do Crespo, sobrado n. iq, do 3."
andar.
RES 3s'8oo
A' bordo do brigue Le3o alqueites
pela medida velha.
Vende-se farinba de mandioca chegada
ltimamente de S Cutiiarina de superior
qualidade tanto em gosto como na cor, em
porcao e a retalbo ; os pretendentes diri-
jSo-se a bordo do mesmo brigue, ou ra
da Cruz n. 54, ou ra de Apollo arma-
zem n. ai.
No Aterro-d)l-Boa-VisT!^ia" fabrica
de licores n. 36,. de Frederico Chaves^
acha-se e.stalielecida a fabrica de mechas
phosphoricas, aonde acharad sempre
grande por rao de- macos de 100 a 15o
mechas, pelo diminuto preco de 3o ris
cada um, a retalho, e em porcao a 30 ris:
tambem ha caixas que contm dentro 100
macos, e outras mais, muito boas para
se transportaren! paia o centro, e para as
outras provincias, por serem bem acondi-
cionadas, e se afianca a qualidade do lo-
go, por ser l'eito com toda a perfeicao.
Vende-se cera em velas, chegada
prximamente do Rio-de-Janeiro, tendo
o sortimento de 3 at 16 velas em libra,
e por preco mais commodo do que em ou-
tra quiquer parte : em casa de Manoel
Jos Machado Malheiros, ra da Madre-
de-Deos, n. 5, primeiro andar.
Rap imperial.
Este rap, imitando ao rap princeza
de Lisboa, vende-fe em libras, meias li-
bras e oitavas as lojas seguintes: na
ra dos Quarleis Victorino de Castro
Moura ; ra do Crespo, Domingos An-
tonio Ferreira (na escadinha) e Gomes
&c Carvalho ; prcinha do Livramenlo ,
Ferreira e Oliveira ; Atterro-da-Boa-
Vista, Thomaz de Mattos Pereira Esti-
ma, e Caetano ; ra da Cadeia do He-
cile, Guedes e Mello. O pr*?o he de 3,
rs. a libra c 3o rs. a oitava.
Na loja da pra"ca fia In-
dependencia n. 4 vende-se o
excellente rap princeza de
Lisboa, pelo muito mdico
pre$o de 5^500 ris cada bote.
Desneeessario he tecer enco-
mios a< sobredito rap; por-
que sua primorosa qualidade
he assaz bem condecida pelos
amantes da pitada luzitana;
restando ao vendedor dizer,
que afianca aos compradores
a boa qualidade do tabaco, e
que at nao duvida tornar a
recbelo depois de aberto,
urna vez que se Ihe ache al-
gum pequeo deleito.
--* Vende-se vinagre bran-
co nacional, a 400 ris a ca-
ada velha: na ra do Aterro-
dos- Afogados, n. 7. e noAlter-
ro-da-Boa-Vista, fabrica de li-
cores de Frederico Chaves
lleios bilbetes, quarlos e
oitavos da lotera do llio-de
Janeiro, os meios a 12,? rs.
na ruada Cadeia, loja de cam-
bio, n. I5fl.
=Y ende-se agoa a tO rs. o caneco dos sanos do
rio di Prita ; no sitio por detraz do sobrado do falle-
cido Honteiro.
ss Vendem-se, na praca da Independencia lina-
ria ni. 6 e 8 os seguintes linos em Irsncez por pre-
co muito barato : obras polticas de Bignon mem-
oro da cmara dos debutados 4 v.; obras completas
do ibbade Mibly 12 y.; obras completas da Madama
de Souta 12 v.
= Veode-se um relogio, sabonete de prata, bori-
sontal bom regulador, comoseu competente tran-
celim de ouro por preco mdico ; na ra larga do
Uozario n. 29.
= Vendem se dous pretos bons trabilbadores de
enchadas, e um delles be bom cirreiro ; na ra da
Cruz D. 5.
Para a fesla.
Vendem-se chapeos de palha para senbora e me-
ninas enfeitados e por enleilir por preco commo-
do ; na ra do Collegio n. 10, terceiro andar.
= Vende-se um banheiro com ps de roda, de
amarello ; um pretepe pequeo do Menino Dos; urna
mesa de amarello usada ; urna marquesa de condu-
r i ludo por preco commedo : na ra do Rangel ,
o. n.
= Vende-se urna tanda na ra da Senialla-Nofa, o.
2, com poucos fundos, e muito afreguetada: a tratar na
mesma venda.
Vende-se ou arrenda-se urna eicellente casa ,
feita a moderna aisobradada com grandes commo-
dos esta pintada de noo, sita na ra da Alegra : a
tratar com Manoel Ferreira Chaves Jnior morador
LOJ '
Rtiadi
CUILHERME SETTE.
Vendeiii-ae cortes de casimiras ntasca oe liuuus pa-
drOes, ohi gadas ltimamente pelo brigue /irmorique ,
a 6000 rs.; luvas de seds de todas Ves, a 200 rs.; di-
tas de pellica branca a 320 rs. o par.
v= Vendem-se oneguintei litros: diccionario de.
Fonteci.em francez,6; Prosodia de Pereira em latim,
6000 rs. ; Virgilio 3. 2680 rs.; Horacio I ,
800 rs. ; Sintaxe 640 rs. ; Selecta latina 1000 rs.;
Ciceronis, 1 t. 640 rs. ; Cornelio 1 1000 rs. ;
grsmmatica latina 640 rs. ; dita Irancezi 1* ; his-
toria da Grecia, 2 ., 2# rs.; Lettrea de Sevigne.2 v. ,
2000 n.: Letatiur, I ?., 640 rs. ; historia de Prilly ,
1 v., 2000 ri. : na ra do Nogueira n. 27.
=Vendem-se duas duriaa de facaa e garios para so-
bre-mesa com cabo de marfim e folba prateada gar-
ios so, de diversos timanhos, todos de prata ; coiberas
de dita ; um apparelho de lampas di metal para pra-
tos ; cacao preparado; ludo de superiqr qualidade :
na ruada Cadeia do Recife n. 39.
= Vende-se, por preso muito commodo, urna
canoa de carreira nova e bem construida armada em
cter, com rsinos duas velas, 3 b.ndeiras, e todos
os mais pertences; carrega 8 pessoss, muito s vontada,
propria para patseio tanto no mar como no rio ; a
qnal se acha defronte da escadinba do.Collegio : a tra-
tar no armazem de farinba defronte do Passeio.
=Vende-se azeite de carrapato a seis patacas a c-
nida ; na roa do Atterro-dos-Mogadns n. 7.
Vende-se leite puro as 6 horas e'meii da tna-
nha ; no' spbrsdo da esquina da ra das Cruies; vem
fechado com eadeado a 200 rs. a
es
avos Fu
nos Coelbns.
- Fardo muito novo e o melhor que = Veode_ w poif.io de praU w|fct. M, ^
ha presentemente nesta prara, a a^DOO|esquina dobecco da Congregaclo, n. 41.
- Fugio do lugar dai (ueiaadn, rreguezia do
Bom-Jsfdim 4 um preto de nomo Luis cnoulo de
30 annos, bol'estatura reforcado do corpo, testa
pequea ventas esburracbdas. beigudo pouca bar
ba peres*rosts, ps grandes ; este preto consta
queohegou este Recife no dia quarta-fein 16 do
correte, e que se acha oceulto : quem o oegar, leve
a ra da Cooceiclo da Boa-Vista armazem do iil, a
fallar com Vicente Joaquim de Brito Jnior que gra-
tificara generosamente ; e depois do dii 28 do torrente,
o podero levar ao dito lugar daa Queimadas.
Ha tn-z para quitro mei<-s, que est funido um
preto pertenconte a Joio Rufino de Souza Pene, que
o bouve por beranes de seu finado pai, Jlo 1 rancisco
de Souta Peixe ; cujo preto tem os signaes seguintes:
de nielo Coila, falta de cabellos na corda da cabeca ,
rosto redondo alguna talhos grandes e expolados as
macies olhos grandes, esperto! e vermelbos nariz
afilado mos grossas, e os dedos bastantes curtos, pe
curtos grossos e comidos de bichos a roda ; masca fu-
mo ; falla mal e com difficuldade no movimento da
lingoa: o andar be declinando o corpo para traz : tem-
se recommendsoo particularmente a alguns espilles de
campo e por meio deste se Ibes recommenda nova-
mente, e a qualquer aolordade ,'que o peguem le-
vando-o no pateo do Carmo o. 18 segundo andar ,
que la pagar toda a despezs, recompeosando-se gene-
rosamente.
Fugio ou furtrao, no dia 11 do corrente, um
moleque de nome Caetano de nielo Rebolo de ida-
de do 16 a 18 annos, beicos grotsoi.cdr relinta.com
cicitrizes as pernas, pur.ba um Unto pela perna di-
reita ps grandes; levou camisa e calcas de algodio
trancado de sueco : quem o pegar, leve a ra da Ca-
deia do Recife n. 13, ou a ra da Sentalla-\elba ,
n 114.
Fugirlo no dia 17 do crranle dous escravos;
sendo um preto de navio Baca representa ter 40 an-
nos altura regular, com falta de un, dedo nnmn>o no
pe esquerdo e na uieioia perna tem duas feridas ja
velha; levou ceroulai e camisa de algodio e chapeo de
couro : um pardo, de idade de 20 anuos, baizo e groa-
so do corpo com principios de usrba eom uns pan-
nos pelo pescoco; levou caifas de algodio trancado ,
camisa de algodio da Ierra eebapeo de couro; estes
escravos he provayel, que seguitsetn o cannnbo do Icii,
ou Sobral, pelo preto ter sido raptivo, no lc, de Ma-
noel Jos da Silva Freiie, e o pardo ser lilho de Sobial:
quem os pegar, leve a ra da Cru/, no Recife venda
n, 61, que ser! gratificado.
= Fugio, no dia 15 do corrente um preto de no-
me Joaquim de naci Angols representa ter 18 a
20 annos de idade pouco mais ou menos baiso ,
pouca barba olhos grande; levou canisa e ceroulai
de algodio da Ierra ; tam sido visto na Boa-Visli e S.
Antonio pelas Uberois de garapa : quem o pegir,
leve a ra da Cadeia-Velba, n. 1 que ser recom-
pensado.
, 50#000rs.
= Fugio, na manbia de9 do corrente, de bordo
da sumaca S Anna a subir no seguinte da para a
Babia, o escravo Agottinbo, crioulo official de pe-
dreiro cor fula de idade de 35 annos, natural do
Cear altura regular, bastante reforcado rosto re-
dondo e esperto ; levou camisa de dula encarnada ,
calcas brsncss chapeo de palba e um sur rio de cou-
ro com urna rede dentro : quem o pegar, leve a Jos Pe-
reira da Cunha no Recife que entregar a quantii
cima.
Fugio, no dia 18 do correle, pelas 9 horas da
manbia, um preto de nome Domingos, que represen-
ta 30 annos de idsde pouco mais ou menos, eom os
signaeaaeguintes : bastante alto, cor fula, um enfei-
te redondo na testa e alguns talbus as fontes denles
ds frente- todos quebrados, de naci Gabio ; levou
camisa e ceioulas de algodioznho fino, calcas azues;
foi visto no measno dia as 7 huras da Urde na eida-
de de Olinda noVaradouro : quem o pegar, leve ao
sitio do Mondego, junto do Sr. Luis Gomes Ferrrsira,
que ser generosamente gratificado.
PERM. ; NA TYP. DE H. F. DE FAMA846-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESEWNLEO6_YKD4KB INGEST_TIME 2013-04-12T21:44:30Z PACKAGE AA00011611_05896
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES