Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05892


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Annode,fft4S.
Sexta feira 17
O DIARIO publica-se todos os dias qne
nao forcm de guarda: o preco da asigna-
tura he de 1/rs. por quartel pagos adianto-
do''. Os annuncios do assignanles ao inse-
rido* ratJo d.- 20 ris por linlia, 40 r9. em
tvpo difireme, e as repetlcps pela metade.
Os que .nao forein asslsna te pagao 80 rs.
tlor linha, e 160 em typo ferente.
------------ '.*
PHASES DA LA NO IffZ DE OTJTUHRO.
La nova a las8h e39 inin. da inanhaa.
Crescente a8 a 9 h. o 13 minutos da man.
La chela a 15 as 7hor. c 37 min. da man.
Mcngoaate a 23 as 5 hor. e 55 m. da tarde.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Coianna, Parahvba, e Rio Grande do Norte
Segundas e Sexlaffeiras.
Cabo, Serinhacm, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macoy, no 1." 11 e 21 de cada mes.
Caranhuns p Monito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 c28.
Victoria as Quintas feiras.
Olinda todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Prime ira as G 1). e 6 min. da manha.
Segunda as 6 h. e30 minuto; da larde.
de Otituhro.
DIAS DA SEMANA.
13 Segunda S. Eduardo, and. do J. dos orph.
^ e do .1. do C. da 2. v. do J. M, da 2. v.
14 Trrca S. Calisto, and. do I. do civ. da
l.1 v-i e do .1. de pai do 1. dist. de tarde.
15 Qnarla S. Therria, and do .1 do civ.
da 2." V., edo .!. de paz. do2.dist. de t.
10 Quinta S. dallo aud. do J. de orph.
e do J. M. da I. v.
17 Sexta S. Mariano, aud. do I. do civ. la
I. v., edo J. depru do 1. dist. de tard.
18 Sabbado S. Lunas, aud. do J. do civ.
da 1. v., e do.I. le pai do 2.dist. de t.
1!) Domingo S. Pedro d'Alcantara
Atin XX N. 9M;
CAMBIOS NO DA 10 DE OTUBRO.
Cambio It5re Londres. 27 d. p. Ija60d.
u Par* 370 ris por franco.
.. Lisboa 120 a 125 p. c. pr. p. m.
Desc. delet. de boas urinas 1 y, p. / me
Ouro -Oncas hespanhola 31*60!) a 32<"00'i
Jlordade (i - de 6/100 nov. 17*200 a 17500
, de 4#000 9/30'> a 9/500
I'raa-Pataces 1/360 a 1/970
Pesos Columnares. 1^170 a 2,1)00
Ditos Mexicanos l'9-> a 1/950
Moedas de 2 patac. 1/760 a 1/800
Accoes da C* do Ilebcribc de 50/D00ao par.
DIARIO DE PERMAMBUCO.
PARTE OFFgCIAL-
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO nlA 10 D" CORBE^TE.
OfilrioAicoronel rrfonnnd Lurencn Cavnloant
de Albuqnfri]iic, declarando, que, para aalvnr-ee da re-
pnosnlnlidade da dtitenln arman, eartuxnme e mais ob-
ject"i. que reeebei, qnnndo eomninndaiile do bntalhio
de guan nacinnaei da villa do Po-du Albo, miter se
fax. i|ne exib recibo dos commandantc da cumpa nliia,
por queni > dislrilmio, mi que os baja da poseas, a
quero n entregiru.
1 >11 iAo ci.mmnndante npprir da guarda nacional
deie municipio, determinando, mnnde poblar, na ma-
nilla d.i dia 12 dote me, em a frente da i|reja de S.
Fr. Pedro Goncalvrs, urna guarda de honra do respecti-
vo quart batalliiln. enm l.andeira o mosic, para turnar
mitin p<>nipa a feata do Scnlior do Pauso.
DitoAo commandanto toperior interino da guarda
nacional de Serinhnrm e Rio-Forniono. leienlifieondo-o
Ip hver approtado a proposla, que aoompanhou o p
nfflein do 18 le seleisbru nllimo. para quartel-meilree
cirorgiln mor dn respectiva rgnnd legil.
Dito A" tenente-coronel reformado Francisco do
Pais Snts Lelo, urdenaiido, que, apenas llie ete r.he-
gar i min,faca pntregaao eomniandantedo 1. batalh.i
de Olinda do armamento, bandeira e mai objeelo, i
elle pprteneeiile, que lem em sen podpr; o deelaramln-
Ihe, que, te neo cumpriresla ordem, ser rcspomabili-
sado.
DitoA" jnit de direito Franeiicn de Arruda Cma-
ra, secutando reeebido 11 en Uleio em qne lava parlo
de liaver paad.> a sdiuinittraclo da policio ao ri-pccli-
vo chote; loiivnnd -llio o serviC". que prealnu, em-
quaulo della esleveencarrpgailo; CBsrgiirnnlo-lhe, que
o lia de fater tnler perante o governo do S. M o Inipr-
rador.OUleiou-te ap raesmo jnit de direito em reapos-
ta no sen nfflnio, em qne eommiinieava. que, por doen-
te, deixsva de seguir para a comarca da Bos-Visti.
PortaraDesonerando do cargo de director do col-
legio dos nrphlns de Ohnds So padre 'n FrsnOSOO do
Espirito Santo.- Nnmeou-se para o referido logar a.Vi-
cente Ferreira Gome : e comiiiiinicou-iie ndruinislra-
ci do patrimonio do orphios, ao dciniltido e ao Ho-
rneado.
dem no Dil II.
OITieinA enmara municipal do Brejo, acensando re-
ceptan do en Uleio do 1. do mei prximamente finilo,
em que participa ter creado um ditlricto do pama Ju-
rema.
DiioAo cninmandaule das armas, recommendand
a exococio da mdeni imperial, que m3iidou despeilird
servico > soldado do prinvirn baiallilo de acadnre di'
prinieira iinha, Jos de Almridn Lima.Cominunicou-
e ao vice-proidente da Alagiiss.
DiiuA emnarB municipal de Caranlinn. ordenando,
que serluna regularmente, para que nilo drixo de lar
om lempo o atlestado, deque prerfM o jnit de direito
ilaipi' lia e.iiniarc. para poder cobrar ol m ordenados.
Pnrtii'ipoii-e aojuil le direito le Garantios, que a
enielhinie respailo representrn presidencia.
PortaraA" director d> arsenal de guerra, determi-
nando, que no lenenie-coronel do trneiro batalha da
guarda nac, nal desle municipio mande fornecer 120 ar-
ma flora corroame, e 12 -upada eom Lninha. Pnru-
|pSJMBSWt9
O EQUILIBhIO IEMIMNO. (*)
111.
meCi.iu a e > almar-s, Benedieto, qne nao podora deixer
de rr pi.rimilacao, volluu-se pora tua niulbcr, e d-
se-lbe:
Minha chara amiga; c queris continuar, contai-
not ao menos uros parle do voo segredo.
Ni, nlo, r|.....de Jnscpliine, rontendo em fim o
eo riso; fui una lembranc!..... urna nmieira !..... Fi-
que bi m entendido que nenlluin do Sr. lem parte algu-
na nislo, e nlo e falle mais em tal..... A proposito, ao-
crescenlou mudando de tota, e Vollsodo-M de repente
para aaint-ASSSnd, paraqneni olhava c<-m malicia: o Sr.
lrinbra e da nossa disoii! d outro da ; poi vi an-
da agora desenlio eniquesilo, enao oL.ianle asna opi-
nilo, declaro que elle medenagrada .oLeranamenle.
A elarepota clara e directa, que ello espcrsTa
em particular, e de modo nlg........stu .entid, o conde
jiilg...i-.o de.prriado.e 61.....estupefacto. Apelar da ana
experiencia de iluacoe difliceis e imprrvisUs, olliou
para a dama e-mar aparvalbsdu, e bocea aborto, e nlo
achou que responder.
Julio, que depoi do acretso ds intempestiva alegns
de J..scphina. eslava agitado de um falal prc.enlimeiilo;
comprehendeo da sus parle, a que objeelo alludia o de-
rnho em queatlo.
Entau quedeenho? perguntou Benedicto com bo-
nlionua. Se fui elle quero vusesu.....a alegra quo en-
liste ha poueo, der ser orna excelh ule caricatura.
Que desenlio? repello lo-chiiialniriilo o conde,
sinda mal restabilecido do choque quo o fuere perder a
sella.
(8) Vide ZMorie n. 231.
cipou-toaocommandnnte superior da guarda nacional
do municipio do Becife.
DEM DO DIA 13.
OITieinAo inspector da lliesnnra/ia da fatenda, or-
denando, que remella para o O.ir pelo 8. Srbastiila os
5:000 000 ri, qnn a ordem do lheouro n. 137 de-
terminou, e mnndanto para aquella provincia.
Commando (Jas Arm;.s.
QUARTEL GENERAL NA CIDADE DO RECIFE, 10 DE O-
TUBRO DE 1845.
Ordem do dia n." 67.
D'ordem do Sr. general commsndanto das armss pu-
blica-se o aviso abaixo transcripto, enderecado pels re-
particaoda guerra a presidencis, que em oflloio de 26
do prximo panado mex loi transinittido a este com-
mando, para que os Srs. cotnmaniiantes dos corpos li-
quen na inlelligencia, deque em breve o metmo Sr
general terl de dar o devido cumprimenlo, como Ihe
cumpre, somellianle disposicao.
Segunda eccao. lllm. t Exm. Sr. Sendo
necessario saber o estado em que se acbo os corpos do
ejercito, relativamente a disciplina e economa, e 16 a
escripturacio tem sido feita com regularidade: determi-
na S. M. 0 Imperador, que V. Exc. expena as suas or-
den, fim de que seja inspeccionada a forca de prima-
ra linba. existente nessa provincia (o que devera repetir
annualmente no metde julho ) rcmelteodo V. Exc. o
resultado da mesma inspeccSo a esta secretaria doestado,
a fim de se providenciar sobre as faltas.que occorrerem.
a Dos guardes V. Exc. Palacio do Bio-de-Janeiro,
em 27 de julho de I85. entorno [-'rancheo de Pau-
la IIllanda Catalcanti de Albuquerque. Sr. presiden-
te da provincia de I'ernambuco. Cumpra-se. Palacio
de Pernambuco, 26 de seterobro de 185 Pinto
( hukorro. Conforme. Francisco Xavier da Silva,
official da secretaria.
Jos da Silva GuimarUtt,
Ajudante d'ordens.
INTERIOR.
RIO-DE-JANEIRO.
CRDITO SUPI'LEMEMAR DE 1,5't 1:920,056 PAR* 0
EXERCICIO DE 1844 A 1845.
Pelo artigo 50 da lei de 21 de outubro de 1843, que
fixoii a reeeila e despcia do imperio para o anuo finnn-
eciro do 1843 a 1S44, o exerciem de 1844 a 1845 f" re-
gido pela un disposee, o om Millo igualado ao nnic-
rior, excepto a respeitodas dspota esaencialmcnteper-
leneente a ete.
Fiterlo-te todas as drpet.ia de 1843 a 1844 com o
ereililo ordinario, concedido pela citada lei. I^n maiiolia
houve a economia de 58o695,620. a saber 434:759 994
ris, qne e dealinrlo por emprestinm pagamento
le .ln nas do exerricio anterior, e 130:935,620 r., que
e ileliniirSo, e rcioctlrlo para a Europa, para a acqui-
lijlo de srtilhsriss Paixhsnt. lito esiao f"' cuufcsia-
do pelo Sr. Coelho no eu relatorio dn marinlia, apre-
eniailo em 1844.
Pedio o aetnnl gabinete um crdito para o pagamento
de divida de excreirio findo. lquid.idas al junho le
1844, e nello apenas inbli dividas do exereu lo de 1843
_ Nlo he n ni la! urna aqunrelln de Simen.
lima pnisagem! etelnmou Demnais rom infantil
iirpiea......... Agora emendo a votsa admravel ale-
gra.........
lima paiajem Inlvet bem cmica; ito depende
do ponto de vala, dit a miilher olhando de novo para
Sainl-Amnnd.
_ Depende antes do senlimento qne a obra inspira,
responde ele minio arrio, ja rom lodo o cu aligue fro,
e |ierunilido de que esli torobando dille.
Qoando a tempestarle do riso de Mina. Dcprnnais co4. Nao importa ; c cu enfeudo a tal liilai idade, pro-
rcdiila de um uioinho a tre palo, a iiiiin roe pellero,
dit aiegremenle Benedieto.
Don inoinlios e sei patos quofossem! mas ero
fim nao toi o tal desenlio, que mo fet rir, die Jotephi-
nn, milito admirada de pie o conde nlo pereeba niellior
una ideia.
lo he ilillii rule, responde tranquillnmentc Des-
rmiai.
Ero fim elle no me fet rir; na deo-mo que pen-
sar por alguna minutos, do quo roe censuro, porque a
eonsa nlo inercria ttencto algunia, proseguiu Josephi-
nj laiieaiiilo ulna olliadella a furto para o tillio do no-
lirio.
Mas Simen lie ura artista de mrito, obn-rvou
Dearmiai.
Sem duvida, dit Sant-Aronnd um punco picado ;
nn a Sra. Icm lauto espirito quo rrecia coufcar o teu
bom irnm, e quer alunins vetes dialiuiuir-sc dos ou-
tro por urna (ingular urigiualidade no modo de avahar
cousas.
Di pin que JiiHeplina por intigac*ie de Snint-Aroand
consullra o eu lbum, tsentara, que o conde, longe
de i ral .ulur naqurlle dia por ua cunta, romo ella anlet
iippotera^ tendo por acaso deicoberto o bilhete de Ju-
lio, quitera provooa-la a dar com elle, para depoi nju-
da-laa divertirte expensa do dcgrnjado rapas, ti-
rou por tantu cada vet mai admirarla do lom do seu
pareeiro. e de que elle lio ponen a ajiidasse.
Originalidade replica ella, procurando ler na
phyionomia do conde oa seus verdarleiros nliniinloa.
tn sustento que todo o conhcceJoret senio da imiiha
opiniiii : he eniphelico, hcaffectado, he..... ^
Palos emphaticus inoinho offectadoj- atrrem-
pco Benedicto rindo-w.
a 1844, na importancia de nao mais do 40 contos.
Nenhum outro crdito sopplemeiitar se pedio para cs-
e exercicio, o ea economia do 454:759 994 ris, ap-
plioada ao psgararnto da divida da repartieli da mari
tilia do anm. de 1842 a 1843, ni. foi compensada pelo
crdito prsenle, neni nello mencionada.
No exereieio de 1843 a 1844. 7 metes dirigi o pait 0
gabinete de 20 de Janeiro : ea economa f. obra sua,
por meio dril eensefuio i psis que o crdito ordina-
rio fose mai que si.fJieienle para os servicos daquelle
anno.
No exercicio teguinte de 1844 1S45 o crcdilo era o
memo, a ineamas circomstancia xlltittr, o meino
exercto, os meemos servipo; ra.prm, miro o minis-
terio, e por tanto V crdito ordinario nlo Rii sulTieieiite;
..lem do crdito ordinario de 23 797:248.327 r... exi-
g. i-e mai i. aupidementar de 1,541:910 9.i0 rs Por
certa o ministerio do 2 de fevereiro est lo harmona
eoin en pnniipios; pois que pa ifieada a provincia do
Bio-Graiide-do-Sul, exlineto caso sorvedouro dos di-
nheiros publico, para o exereieio bem exigi, e Ihe Fui decretado > crediio ordinario de
24,769:758,497 rs. t! E pela nossa sida asseguramos,
que um crdito aiipplemeutar pan esse exercicio ainda
l.a vemos de ler! !
Em que, porcm, se funda esse crdito, que pasin na
cmara do depatadosf Vejamo:
Ministerio do imperio.
Tabello o. 1.
Cmara dos senadores. Subsidio de don
mines de sesito que accrcscorio neslo
exercicio
Cmara dos deputados.dem
.\jmas do cuita ile linda da 0." leg.
7S-.300.000
104:204 516
fi(). 000.000
Total. 242:o04,o 10
Nada piulen m..s di;.! a respeilo da robrloedo seon-
do. tal lio-nos oa dados necetssrios, que ilevem exialir
no tlieiouio; rale-no, purm, nlurna conga diter sobre
s cantara loa deputndo.
A loi do ureaiiieiiii; cunsigiioii para a c-
mara dos deputadoc o sua secretaria 2.19:'29,000
Gastuu-se no exercicio fiudo de 1844 a
1845, inclusive ludas a desperas, men-
ino a de uiiiiifsrii, etc. 332:012,737
Dficit
Pedio o governo
Pedio por tanlo de mais
73:183,737
104:2t4,olfl
31:080.979
Offereromo. aquein quirr ver, O* documento que
temo, exlralndo da rutilas da amara dos.depulados.
O meslo uceedera com a rubrica da cmara dos Srs.
leadores*
Para certeza do quanlo aflii mamo aqui damos a coil-
la daa ile,peas feira limante o auno niianeeiro Hndo
eom a refalara dos depulados.
Ei-la :
.lullio. Folhs do empregndos 2:194.0/8
A|ofo.Una 944.078
Setemhro.- Dita 943 39H
Outubro.-Dta 2:194,07
Noveiul.ro.Dita 943.39
i), ienil.ru.-Dita 944,07
1845.
Janeiro. Fo.hi do uLsidio 43:400,000
Dita los empregndos 4:710,807
Anda que mullo me desconsol, iieliar-me de dlf
{rente opinilo da na, miolia Sra. (disse o conde, em
encaso vexado, apetar da ua trauqiiillidade exterior e
mam ira pulidas) levo Contestar que nesla circiimstnn-
cia me apsrtir Inleirsmenie della. ,
E eu lamlein. sjuntou Detroosil di senscando gra-
vemente urna ni.ijjllltien pera.
Pois bem! into niuio, dit promplainentc Jose-
pbina, lembriido-se que talret o conde eom case ar r
rio pretenda ailingir i una ironin mai pieantu do que a
sua.
E lem rssat minha Sra. replica o conde despel-
lejo, soiu poder uteiraiiienle dissimular-so ; porque de-
poi de todas us relleioes, he clan, que o seu juisu deve
empro er o niellior. .
Eu tambero aim o opero, dit Josepliina aiuda
mais desnorleada pelo tum eom que folio dn eslM pa-
lavrns. Ma, proseguiu ella, creio que a materia nao tu-
lla a pena de lio l"Oga ilm........ e.....
Oh raeu Deo. exclama Benedicto iinlinando-ae
par o sen viiinho da eaquerda, Olio pobre Julio dcs-
lunia.
Cum effeilo, no un.um momento o filho do notario
rabia ii.liado sobro as cosas da cadeira, soltando um
profundo gemido.
He de crer qne todos lenlio ndcviuliado o motivo des-
la ayncopo. Desde que Josepliina fallava, que cada pa-
lavra sua era una tortura para o curaclo du degra;ado
mancebo. To temo, lio tmido, lio receloso, e nir o
eeu amor despreiadu assim ns claras e eom tanta cru-
cldade! e deite modo flngellado em prcaenva de tcate-
niunlias, que o privio de exhalar asna Iftr! niarljnta-
rem-o, c probibireni-llic oagiito que ador arranca!
upliortar todo, vergonha, remoraos, esperanca frustra-
da, c anda em cima aorrir autora de suns mortifican-
tes agonas I La muito !
Por isso depoi dealguns esforcos im rivei para mos-
trr-e mhlltreiite ao que se ditia, senlio afrouxar-se-
|de a voolade, e desinoruiiiir-sc a sua hinuta ficticia. O
golpes eran muito rudr para a ua corageia, pnvio-
ae no seu interior trrriveis revuluCfle; Qsaugue e os
nervus horrivelmente excitado, lees abales Haerio sof-
frer a esa eompleifo delicada, que nlo pode resistir.
Tcve una convuUio, o objeelo andsrio-lhe n ruda,
parcceu-lhe jue ia perder o equilibrio, o com elicito le-
Fevcrciro.Dita do subsidio
Dita dos empregados
Marco. Dita do sobiidio
Dita dos empregados
Abril. Dita do subsidio
.i Dita do empregados
Main. Dita do subsidio
a Dita dos empregados
Junho. Dita do subsidie
. a Dita do empregado
I'ollia dos iniproasoa dirlypographia
de maio do 1S44 ale mareo de 184
Dita do metes de abril, maive junho
Snmioa
losde 3

do 184o
47:000,000
2:940,838
52:440,000
2:944 678
52:800,009
5:308.395
52:064 516
3:235.260
51:000.000
3:201,729
1:002.400
718.600
332:912.737
Nada, pois, resta a prnvar qnanto ao excesso do pe-
dirlo do governo pela repartir,!?! do imperio, no que to-
ea esla verba, e repetimos, pie o mesmo necessaria-
i......te se deve dar quanto cmara dos senadores.
Vamos agora examinar o pedido do ministra da guerra.
Este pedido importen em 1.299:350,440 ri B cita
qusntia he exigida para fiter tace ao dficit, quo te dis
iian-r nostegniiiesscrvieus :
Cominundo) de armas, arsenaea de guerra, eitado
maior general, corpo de engenheiros, lores de linba,
liospitaes, officiaes bonorarios, reformados,siylo de in-
vlidos, obras militares, presidio da ilba de Fernando,
guarda nacional destacada no Rio-Grande-do-Sul, e-
tape e eslas do bagagem. O dficit calculado pelo
governo bode 1,-f 4:7G9i385, o qual pelas reduccei
propostas,na importancia de l4l:412$945,veio a redu-
zir-se referidaquanliadel,t>'.)9:3568M0.Examine-
mos a causa desse augmento, sua necessidade, e posai-
bilidade da sua existencia, e ludo nos confirmara que
ficticio be esse dficit cm quasi toda a sua totalidade.
C'HIV'Mio HK ARMAS.
Deeifit nesla verba 28; 12Gj660 ris.
O ministerio de 23 de narco, na primeiri seisio de
1813, pedio para este servico a quantia de 30:649*920
ris, mais do que o decretado para o anno de 1842 a
1843 C:613j90 ris. Este augmento parti dos
dous commandos de armas, novatnente creados em Mi-
nas c S. Paulo, em virtude doeslado convulsivo das
mesmas provincias o da permanencia de nao pequeoas
(urcas militares no seu territorio. Nao se inclua lin-
da nessa verba a despeza do servico do estado maior do
exercilodo llio Grande-do-Sul, que ento constara de
16,000 e lanas praess. Entrando o ministerio de 20
de Janeiro na gerencia dos negocios publico, apretwo-
lou em 18 de abril de 1813 um pedido addicional, ea
crlin de commando desarmas leve o augmento
de23:728j320 ris, en. consequencia de nella te in-
cluir a despeza referida doestado maior do exercito do
Sol, aposentando em virtude dilto esta verba a j
grande cilra de 60 contos de ris. Este servico se fez
com essa quantia no anno de 1813 a 1814, segundo a
lei do orcamento respectiva e pedido do ministerio de
20 de Janeiro, sem que soflresse mingoa ou tranatorno
o exercilo, e a prova temos em nio ter le pedido ere -
dito alj;ii tu snppl.menl ir
ministerio do 2 de levereiro, ( para o estado
maior do exercito do Sul, pedio U0 con loi 1! E por-
que? Augmentarla por ventura o exercito emforess?
ra pai lido a cabera nos ladrilhos da sala, so nSo cahitse
obre a costa da cadeira.
Desrunais aludido do un criado conduti-o para a sa-
la, drilou-o sobre um canap, c fet abrir as janellas.
ar fresco rcaiiimoii o rapat, que volteo os olhos es-
pantado em redor de si, e perguntou onde etava.
Saint-Aman.1 a eu lado enchugava-lhe o roato eom um
ieni;; Dctronail fntia-lhe respirar al amoniaco ; Jose-
pliina, um pouco dist uno olhava para elle, e seu sem-
blante nada mai conacrvnva da sua anterior exprctslo
aarcastiea; so Contrario pareca como que confusa e
qoasi arrependda. Urna vista d'olhos obreeitas perto-
nagens fui bstanle para rreordar ao Blho do notario o
que ge havia passado. O eu primeiro moviniento fui
todo de orgullio. Ergueo-e de prompto, pot-so em pe,
deo slgans pasan, declarou ainda um pouco balbucan-
lo que se si uti.i niuilobooi, e pedio que nio tivestem
mai cuidado delle.
Bem Ihe dna eu, ha pouco, que Vro. bavis exce-
dido as ua forca viudo aqui ap, disse cutio Benedic-
to ; esta inilipoi(ao be o resultado da sua viageui pelo
sol.....
__ l'.u o ereio......... podo cr, responoo Jylio, sem
onsar lev amar os olhos, e Ihe pe{o escusa, Sr. Desro-
naia.......
__ Eutaodeque, meu charo menino? Nt estamos
minio petaroaoa do que houve. Ma vou mauda-lo con-
dutir em carruaf-ein, porque o repouto Ihe he mais
que tudo necesiariu capero que amlnhia nio lera mais
onda.
I 111 quanto Benedicto fallava, Saiut-Aniand tomava o
aeu chapeo c o seu chiculc.
Eolio o Sr. lamben! nnsdeixa? Nio jugamos esta
noile a notta partida dexadret? pcrguntou-lhe o pro-
pietario da herdade vendo estes preparativos de via-
geiu.
Nio, meu charo, son obrigadoadeixa-lo..... Tra-
te* achar-me em casa eta hora para consultar os ad-
vogado de Manes sobre um negocio. Bem v qaanto
devo preferir a conversacio daquelle Srs. a sua, sc-
erescentou elle rind.-se.
E ajiroxiiiiando-.o do Jo.ophina, ssudou-s eom a sua
eoatumada graca, e como so nada se houvesse pastado, e
desaiipareceo. '
' (Cantintutr-ss-ka).


11 ~
NSo, caitamente. Em 184" a 1844 tnha 16,009 e
tantas prunas (vejud-se os relat nos de enlio). Em
1814 a 1845. segundo reconhcceo a propria commis-
sao da cmara dos deputados, no man mu leve 10,822
e no mnimo 16 6>4
Nao estara por ventura anda organisado o exercilo
do sol, e o loi em 1844 a 1845 ? Tambem nio O
eiercito eslava convenientemente organisado, ln.li,, ha
muito entrado em campanhai' adquinduluuros immar-
cessiieis n > balba do Poncbe-Vcrde.que levou o desani-
mo as filen s rebeldes.
Lugo, pois, donde proveio este augmeolo de despea
oeste aervico ? Nos o diremos i vista do podido minis-
terio!.
O ministerio de 2 de fevereiro nSo augmenlou as
(urcas do exercito era o seu material, no deo maior.
nem melhor disciplina, nem no seu lempo melhores
louros collieo, que os de I'oncho-\ erde, excepto a vic-
toria a dinheiro; mas dotou-o com 71 officiaes do es-
tado maior general, inclusive 3 commandantes da di-
visio, 10 commandantes de brigada. 10 mejores idem.
28 |udantes de ordens e deempo I &c. &c., &c.
Dnr..ule o ministerio de 20 de Janeiro, lodo o pessoal
desse estado maior era al menor do que o numero ac-
tual des ajudantes de carneo Andava apenas por 24
officiaes ao lodo Que difirenos I Eis, pois, a razio
do dficit, eis a economa dos Senbores de 2 de feve-
reiro !!
AUSENTES DE GUERRA E ARMAZENS HK A UTICOS BELLICOS.
>/c/3!5.774j540r/j.'!!
A cargo da consignacio para os arsenaes de guerra fi-
crao sempre as despezas de compra de armamento e de
outros artigos bellicos, o fardamenlo extraordinario do
eiercito om campanba, <&c. At o anno de 1845 a 44
nunca se pedio consignacio especial para lardamento
extraordinario, ludo corra pelos lundos consignados
para as despe/as destes arsenaes. Tambem al esse an-
no se calculou sempre o lardamento de cada prega de
infanlara na importancia de 18$250 ris, e paro de
cavallaria em 21 200, quando, cuino recunbeceo o
ministerio de 2 de levereiio, se gastava niais; a saber :
para urna praca de infanlaria o fardar, nlo orcuvaem
29*860, e para a de cavallaria em 32*670. Uia, o
Cargamento, qur ordinario, qur estraordinario, ern
tempo de gueira, fica sempre a cargo dos arsenaes de
guerra, o que na cmara dos deputados se leconbeceo
sempre, e ultimamenle o iidiiinou oSr. iiirechal San-
tos Balelo ; j se v por tanto que, nao obstante se
consignarem fundos [>ra o f.rdamenlo ordinario dos
soldados em campanba, os arsanaes do guerra lan.bem
carregavio com a dillerenca resultante o erro desse
calculo.
No anno de 1840 a 1841, comprebendida a despeza
de armamento fardamenlo, &c. gastou se dille Ira*
zenlos e un conlo cenlo e quarenla mil qualrocenlos e
setenta e um r is. Em 1841 a 42, 1,4*4:675*614
ris. Em1842 a 43 (segundo o balanto provisorio)
1,389:777**68 ris
E devenios nao esqueccr que, nos anuos referidos,
tivcrSo lugar despeas extraordinarias, em consequen-
ca das desordens apparecidas em Minas e S. Puulo, e
em outras provincias, o que no empenho de acabar
Cornelias, no ; uno de 1842, O gov. rno nao poupou
sacrificio algum ; o arsenal da coi te Irabalbava de um
modo extraordinario, os salarios lorio elevados, e looo
o armamento que bavia na prara desta corle loi rom
prado. Vejamos agora o que le o ministerio de 2 je
fevereiro. 'leve para estas despezas a quanlia de ris
488:870*240; leve mais para armamento 100:000*000
de ris.
Para compra de sellins para C companbias de cavalla-
ria. que se devio crear, e nao se crearSo, conforme o
pedido addieional, feilo pelo ministerio de 20 de Janei-
ro, em 18 de abril de 1843 10:056* n., aqual
quanlia (oi englobada na verba (Orea oe liulia
como consta da tabella n. 2, que instruid o iiietmo pe
dido. Total 608-326*210 rs. Pedio o ministerio de 2
de fevereiro n.ais, agora, neste crdito supplemenla
3l5:774g5(0 rs. e, sol o (nulo de fardamenlo extra-
ordinario, -238.800*000 rs. e sob a rubrica de difle-
renca entre o preco calculado e o real do lardamen
lo de cade urna prar'a 229:852*790 rs. Assirn pois. e
total deta despeza, no anno de 1844 a 1845, loi do
1,392.(153*570 rs.
Com o mesmo exercilo, com iguaes necessidades, e
as mesmas circumslancias, no anno anterior de 1843 a
1844, se gastou apenas a quanlia lixada na le do uita
ment, e nao so pedio crdito supplementar : outro,
pnrem, era o ministerio : erSo i s homens de it) de Ja-
neiro, que entau estavio lista dos negocios pblicos.
Eis a economa apregoada pelos ministros de 2 de leve-
reiro
i i
F.STAOO MAIOR CRNKRAL, 1." E 2 CLASSE.
Dficit 52:340*000 rs.
Este dficit provem do grande numero de officiaes
que tivero accesso nesla classe, ou para ella pessrio
A differenca em consequencia do movimei.to, que
bouve nesla classe, durante a existencia do ministerio
dual, fni a seguinle, comparando-se o or(amt-nto de
1844 a 45, com a tabellan. 1, que instruio estecrc-
dilo:
Augmento. Um marechal, um brigadeiro. 1
i classe do estado maior : onze coronis, seis tenenles-
coroneis, dez ma|ores, Irez capiUes, qua.lro lenles,
seis alferes. 2.1 classe: oilo mejores, sele alteres,
qualro cirurgies-mores. Total 61 officiaes.
Um augmento lio consideravel, na classe do estado
maior, revela o maior cuidado do ministerio em ecSno-
misar o dinheiros pblicos! A este respeito rnuilo
prazer temos em copiarmos aqui o seguinle Irecbo do
parecer da commissio da cmara dos deputados :
Observa todava a commissio, que a tabella, pela
qual ae pede este crdito, he em ludo igual que vem
no nrcaniento presentado para o exercino de !8i(i ,.
1847. e e-ejia poder conhecer, de algum modo, se tile
mesmo numero j rxittia no anno, para que o governo
ptdw o crdito, tillo que, pelo mnppa gerat demons-
traltvo dai /orcat exiitentei em todo o imperio, recapi-
tulado em 30 de su vembro de 1844, < 911a foi apreien-
fadu ao carpo legislativo, da pr metra sendo aula le-
gislatura, pelo ministerio da guerra, alguma di/feren
ca sela para minos no numero dut officiaes rio esta-
do maioi general, e de p-imeira e segumla c aise net^e
annu, a a outro mappa aposentado >,a eguiuia sesillo
e /(capitulado no I.* de maio de 1845, com'quanio d
maior pessoal do que m trmetro, anda conserva al-
gn* (Uffbrtufa. ^ j
Al aqui a commissio, co.nposta doi Sis. Anlio
Souza Franco e Saturnino. E ludo quanlo roleriro
estesSrs. he cvaclissimo, cono assamos demonstrar.
No mappa feto em abril de 18 44 o total dos
officiaes destas classesera 169-: no feilo om no-
vembro do inusmo anno, depois da prime.ra promocio
do Sr Coelbo, era de 178, no de abril de 18i5
era de 195. O crdito menciona ser o total em 1844
1846207 I! !
Se em abril do coi rente anno era apenas o total 193
se em novembro de 18Vi era 178 como no anno
financeiro de 1844 a 1845 poden a ser de 207 ? Eis o
que nio podemos coinprebender.
O excelso he grande, e( bein notou a commissio da
cmara dos deputados) o pedido be inexacto. E as-
sirn se fazern taes pedidos!! Para que tses excessos ?
Nos o mostraremos mais a liante.
Corpodeengenheiros dficit 14:343*800 rs.
O gobern di como existentes, nesse anno, desta
elasse. cinco coronis, de tenenles-coroneis, dez maju
res, dezoilo espities, o>to pnmoiros lenles e trila e
Uous alf es. Total, 85 ifliciaes.
No orcamonto de 1844 a 1815. aprsentelo as c-
maras legislativas, o tolal desses offjciaesera 69.
No mappa, feilo em novembro de 1844, o tolal era
de 67.
No de maio de 1845, o mesmo tolal se acha.
He por isso, que a commissio spplicou a esta verba as
mesmas reflexes que fez a espeilo do eslado maior ge-
neral. D'onde | revir esse augmento ? Sio segredos
que lodos ignoramos.
FOR(A DE I.I.MIA
Dficit 468:652*790 n.
Existir este dficit? He isso provavel? Nio o eremos.
U ministerio de 23 de marco, na primeira sessio do
anno de 1843. fez o pedido de 2 9SI -237*640 rs. pa-
ra este servico, o qual correspundia a I6,0o0 prcaa
1I0 pret, pedidas para o anno financeiro de 1843 A
1844
U ministerio de 20 d Janeiro apresentou um pedi-
do addieional, equivalente a mais 4,000 pr (as, que se
volrio nessa sessio. na le da filaba de (oreas de Ier-
ra. Este pedido addieional, em que incluirio-se aa
luantiaa de 18:720* rs. para a compra de 468 cavallos,
para montar sei companliias de cavallaria ligeira, que
e deviio crear, e l9:05t8 rs. para a de 468 sellins e
seus perlences, imporluu em 690:939*800 rs. As-
sirn veto a dei retar se. para este sei vico, a quanlia de
5,388:449* 440 rs. fazendo-se apenas umaieducr;io
de 289:728* is. no lotal pedido, pelas razes oflereci-
das pela commissao da cmara dos deputados, deque
era relator o Sr. Jeronymo Francisco Coelbo.
No calculo do governu e da commissio, as (orragens
forao avaliadas i-m 4M) is., e as lerragens em <0rs
diarios, ion o se \Ca pag. 8 do mesmo paiecer.
A importancia das (oira>ens e feriagens andou em
724:401*840 rs., a sabor: pritneiro pedido na ra-
zio de suppOr-se a fOica de 16,000 pracas de pret
428:0^9*080 rs.; segundo pedido, dado o augmen-
to de 4.000 piscas, e elevndo-so assim o exeieilo a
20,000 pracas, 276:520*320 rs. ; terceiro, lorra-
gens e Terragens para os i.fliciaes do exercito, conlor
me a tabella 12Cque instruio o orcameolo de
lls43a 1844 19:851*840 rs.
I>.do-estes e-c,ircciii cnios, vejamos se be possivel
o difcil, que ,-ipMcntou, neste servn.-o, o uiinisteiio
aclual.
O exercilo em abril de 1844, segundo o mappa, que
anda annexo ao relalono do Sr. I .oeliio, apresenlado
as cmaras em 10 de maio de l844,conslava de 16.032
pracas de pret. Em uovembio do mesmo anno, segun-
do oulio mappa, que insiruio o relalono do mesmo Sr.
Cuelho, piesenladu em I 4 de Janeiro desle anno, li-
nda 16 486. Em naio desle mesmo anno, conforme o
mappa, que acompanliou o ultimo relalono do mesn o
Sr. Coelbo, lulo na cunara dos deputados em 14 do
mesmo me/., imita 16,822 prava.
Daqui se segu prtenlo, prme i'ii, que nunca, no
lempo decoinoo desde Janeiro de 1843 at maio ue
1845, o exercilo esleve cmplelo, nem leve 20 000 pra
es, conforme loi decreladu ; segundo, que no anno
financeiro de 1844 a I84, o m i.mo de sua l0ri;a lu
10.822 pracas.
Sendo assim, neeess. riamenle na verba desle servieo
devia appnrecer urna sobra equivalente as despezas or-
eadas pala 3,178 piaras, que sio asque (altaiio para o
estado con pelo dn eaeicilo. Esta sobra nio deia ser
inen r de tj(),.:(!()() j de rs.
Alm desta sobra, devia de existir em ser, polo me-
nos, 400:000* rs. da consignacio para lorragv na e ler-
ragens, pelo que pasamos a expr
Cuno ja mnslrainos, deslinrao-se para esta despe/a
724:401*840 rs., ecalculou-se na razio de 520 rs
por cada praca, a saber : 480 rs. de lorragens e 40 rs.
de lerisgens. Nunca se gasla o lotal calculado paia este
servico : isto se demonstra a vista dos balances existen-
tes, incluidas as da guarda nacional.
Em 1817 a 1838 o exercilo linba 10,900 e tantos bo
mens, gaslou-se 51:000* rs.
Em 1838 i 1839 lu La 12,000 e tantas pracas, gas-
lou-se 75:000* rs
Em 1839 a 1840 linba 15,000 pracas, gastou-se
129.000* rs.
Em 1840 1841 linba mais de 16.000 pracas, gas-
lou-se 138:0110* rs.
Km 1841 a 1842 linba 16,127 pracas, gaslou-se
168:000* rs.
A' vala destes dados, dizia o Sr. Coelbo na cmara
dos deputados, na sessio de 27 de maio de 1843, que
se orcava de mais, e'que o exercilo nao poda neale ob-
jeiio ga-tar mais de 300:000* de rs. .tanto mais quan-
lo, 110 (iio-Crande do ul, se forrageava lie campo, e
por consegtinle esla d.spezi se nao lazia.
As-i (i. puis, temi em 1844 i 1845 o exercilo semen-
t 16.822 pracas, no mximo, deveria sobrar pelo me-
nos, nesla verba, 1,000.000* rs., como temos di iioni-
Irado. O que succ< de, porm, he que, em vez do so-
bra, se dio o dficit de 468:652*790 rs. !.' /
D'onde provira esto dficit? Vejamos.
Provm : primeiro, da diferenca entre o preco cal-
culado do fardamenlo de cada prava e o que cflecliva-
mente se gasta, e que monta em 229:852*790 rs. ; se-
gundo-, da impoilancia de fa que anda eu>'38:8008000 rs. considerado o exer-
cilo no Mg ksupl lo de 20,000 praca! !
Eis uimM[ Incm 1843 a 1844 com iguJ for-
?i e coa ig(MlPSigns9io nio bouve defeit: bou-
*e-o porm em 1844 a 1845!! Que segredos rio
estes ?
Domis, seo exercilo nio leve maior numero de pra-
cas do que 16,822 em 1844 a 1845, corri no ere-
dito pedir-se a quanlia neceasaria para 20,000 pra-
cas ? *
Isto he lio calvo que a commissio da cmara dos de-
putados spiesentou urna emenda de reduccio, quanlo ao
lardamento ordinario e extraordinario fundida na se
guinlo razio: A respeito do fardamenlo (dsse a com
uiissio), pedido par 20.000 pracas de prel, pensa a
commissio que alguma reduccio se poderia farer, lnni-
laudo o ciedito nicamente para fardamenlo daquellas
pracas de pret, de que eflactivamcate se compoz
o exercilo nesse anno financeiro.
Se a commissio reconbeceo que menor do que a
decretada foi nesse anno a (orea do exercilo porque
nio (ez reduccio tambem as etapas. 00 fsrdameo
tu que j se tinha dado e no suido corresponden-
te s 3,178 pracas que deixrio de existir nesse
anno !
He segredo que tambem nio podemos desco-
rr r.
S. pois. nesia verba tem o governo dispooiveis mais
de 1,600:000*000 rs. E que deslino leria lio gran-
de somma ? A historia o revelar.
Deixaromos ludo o mais do crdito e por amo'
da brevidade, limrlar-nos-bemos consideral-o nica-
mente sobre a verbaguarda nacional destacada no
Rio-Grande-do-Sul.
Dficit 376:874*040 rs. Donde provira estededicit?
Vejamos. t
No orcamento de 1843 a 1844, que regeo o ejercicio
de 1844 a 1845, se calculou esta despea na rario de
3.600 pracas, compondo doze corpos de cavallaria. Pe
dio se para este servido 1,107:921*640 rs. inclusive
241047*600 rs. para furragenseferragens, 33:379*200
rs. cara Lenas de bagagem.
Pela rrflexio, apresentada pelo Sr.Coelbo, de que no
Rio-Grande-do--ul se nao laz a despeza de (orragens,
reduzo se esse pedido a 886:874*010 rs.
Eis as palavras do Sr, Coelbo :Pelo que respaila i
cilra desta despera, a commissio nos 1.107:000*000
rs., que pede o governo, teduzio 24l*:0O0*OO0rs. que
be a impoitancia das forragens das pracas de piel da
guarda nacional : creio que o Sr. ministro conviri na
reduccio, pelas cnsideracOes, que ja expuz, quando tra
tei das lorragens do eiercito
Ora, ninguem contesta a verdade de que tal despexa
de (orragens nio se faz no Sul: todos o sflirmio ; mas
o ministerio aclual pede no seu crdito, para esta
despeza, 298:586*800 ris.! Veja-ie a tabelU
n. 29.
Nio para ah o escndalo ; o governo computou as
(onagens para bestas do baeagem na razio de 400 rs ,
para a tropa de primeira linha a 480 rs., para a guarda
nacional a Hit) rs. e. o que he mais, os officiaes da
guarda nacional leem 400 rs porcada besla de bagagem
e 460 rs. para cada cavado de sua montara Que
diderenca Oucamos ainda a esle respeito o Sr.Coe-
lbo em 1843.
11 Tambem se nota umadesigualdade no arbitramen-
to das lorragens para a guarda nacional: o governo ores
em 200 rs. diarios por praca ; mas, quando ores para o
exercilo, pede 480ra. Ora. a maior parle da clficialidade
do exercilo est na campanba du Sul, e por lano, em
grande parle, a fuiragem deveria ler sido tambem orea-
da e 111 y00 rs. ..
Do que fica demonstrado conbece-se que nesla verba
o governodeve de terdisponivel pelo menos298:000*000
rs (l|.
E de ludo quanlo bavemos dito resulta que esse d-
ficit lie ficticio, que esse crdito tem um fin oceulto: e
qual o lin. ? Dr/em que he para o cumplimento da
convenci feila entre o ministerio e os rebeldes do Rio
Grande do Sul......
Alm das quanlias cima referidas lem mais o gover-
no, i sua diiposicio, parte da consignacio das obras
publicas, que, cono conlessou o sr Jos Carlos, firou
inlacia, a da colonisacio, a das minas de carvio, parle
da de catheibese e melade da consignacio para o sup-
primento das provincias, conforme o ailigo 7 31 da
le de 21 de aelembio de 1843 ; o que ludo somma em
300:0008000 rs. E assim. nenhuma duvj.la resta ,
q ue ogoveinolemdisponiveisniaisde2.000:000*000 rs.
para o cumprunento do seu empenho com os rebeldes
do Rio-Graode-do-Sul! Osaciificio por cerlo nio foi
pequeo ....
So porm, como pamente acreditamos, tio grande
somma nio fr applicada a esse empenho. cabecrer que
nislo li a'goma Isigmada. Ob que be da boa senti-
nelln do Ihesouio 1 oh! que he do Sr. padre Marinho I
J nio esli c m a bayoneta calada em (avor dos dinhei-
ros pblicos ? Muito pode o pio-de-ln ministerial !
c..mo as agota do Lethes tem a (orea de faier esquecer
os deveres e as promestas dos homens do grande parti-
do nacional! ('^ Branl.)
BAHA.
L'mprezas do Sr. presidente Andreas,
Qnatrocoolos de lis forio dados para o comeen da
mais que importante estrada de Camau villa do Rio-
Pardo em Minas: esta estrada, como eremos baver dilo.
Iornan.10 mais commodo trarer para a Babia do que le-
var para" Rio, pela diminuico das distancias, aspro-
durces ii'aquella primeira provincia, pode conseguir
nos grandes vaotageos lazi mo desta praca o centro de
todas as suas IransaccOes. Mais qua'.ro conloa de ris
se deslinte a oulra estrada que de Valenca v encon
Irar-se com aquella na sua passagem pilo rio de Cootas
ou pouco antes.
" ------U------' 1
des e proveiloias, ohra alguma conaideracio, sem (al"
lermov, de diverso' delicados planos e trabalhns lopn-
graphicos e cstatislieo que ah exislem rr.nfiados aos
engenbeiros a juizes de direitn da provincia ? !
O lugar para n aldeas* Indios j se arha es-
colhido e fixado as margeos do bello rio Mucurl,
hsixo da Cacho'-ira-Grande : o mesmo siifteede a cer-
ca do ponto em que. conforme a ileterminr8s da as-
emMea provincial, lus-.i ,,s pela presidencia, se lem
do igualmente tancar as l.--v re urna colonia militar
com o fim da proteger aquella aUeamentn Para esses
trabalbos. pnr ordem do governo, -leve o juiz de direi-
to, acompaohado do misionario encarregado da ea-
ihenuese, d frplorjr cerss de 30 lesos pelo rio Mu-
-url cima, e por esea /xplorario reeonheeeo ser elle
navegavel por grandes canoas al le se acha por trra a amas 15 legoas de heira mar,
e a 30 pelo rio i cima. As demarrarles e derrocados
para a colonia m li'.ar se acblo feilo. e roidno-te lo-
go de convenientes plantarles de milho, feijio, irrox
e mandioca.
Ealaempreza deve preparar seguras enmmunieacOr-s
com a comarca de Minas-Novas da provincia de Minas
por meio de urna picada mandada abrir, pelo mesmo
actual presidente, qusndo o era de Minas, desde o
quartel do Piauhy al delronte da barra do rio Todos-
os-Saolos, onde se julga que a navegacio desse rio ha
franca por meio de pequeas canoas.
Taes sio as empresas, seguramente de reeonhecida
ulilidade, que euida em levar a efleto a preaidencia
da provincia. (Do Qommercio.
1 )
PERNAIYIBUCO.

COMISANDO .Sl'l-EIIIOK DA Gl'ARUA NACIONAL DO MUNI-
CIPIO DO BECIFB.
Um. Sr. deceb o officio, que V S. me en-
derecoa em 7. cobrindo os do tenante-coronel eom-
mandante do 2. hatalbio, e du alteres 'lo mesmo Fran-
cisco Antonio da Roza, que servio de ajudsnte da para-
la no dia 28 do mes lindo ; e tomando em conaidera-
cio oque elle reprsenla, determino, que fique sem
efieito 4 ordem de prisio, que Ihe foi intimada ; deven-
do V. S lazar constar ao referido commandanle, que,
luando acontece faltar o ajudanle do'batalhlo a parada
da guarnicioda prage, deve o oficial, que o substituir,
ser instruido dos deveres, que tem a cumprir, a fim de
que nio appare(io latas, e seexeculem as ordens des-
te commandu superior.
Dos guarde a V. S. Quarlel do commando supe-
rior da guarda nacional do municipio do Recile, 9 de
outubro de 1845. Francisco Jacintho Peieira, com-
mandanle superior. lllm. Sr. coronel Francisco Ma-
mede de Almeida, chele da 1.* legiio.
lllm. Sr. Nio pode prevalecer a escusa; que
diio os tenenles-coroneis commandantes dos 1.*e 2 *
batallioes nos ollicios" que acompanhirioo de V. S.,de
bonlem datado, pela falla de cumi rmenlo da ordem do
dia desle commando superior,de 3 du corrente ; por
qusnlo se alguma inteligencia se podesse dar a essa
ordem (ora da que claramente delta se deduz, e na
que foi ejecutada pelos commanJantes do esquadrio
de cavallaria, e 4.' batalhio, nunca seria a que Ihe de-
rio os referidos commandantes: pelo queeumpre, que
V. S. Ibes estranhe, em ordem do dia, aquelle procedi-
mento, que nio pode ser justificado por urna nteipre-
tecio arbitraria.
V. S. ordenari ao commandanle do 2.* batalhio,
que fac pissar a promplos os officiaes do dito hatalbio,
que, estanlo com parles de doente, vagarem .pelas russ
no gyro de seus negocios; podendo o mesmo comman-
danle, aliento o desfalque dos officiaes, chsmar para o
servieo da fileira o alferes porta-bandeira, na cunlormi
dade do impela! aviso de 27 de abril de 1836, visto nio
U r sido anda approvada a proposta dus officiaes para o
referido b talbio.
Dos guarde a V. S. Quarlel do cnmmandosuperior
da guarda nacional do municipio do Iteeile. 10 de ou-
tubro de 1845. Francisco Jacmtho Vertir, com-
mandanle superior. lllm. >r. Francisco Mamede de
Alenla. coronel chele da I.1 legiio.
lllm elixm. Sr -Paia poder informara V. Exc.
cerca dos inclusos officius do inspector do arsenal de
marinha, que V. Exc. se dignou enviar me com seus
despachos de 22 e 26 do renle, mandei ouvir o co-
ronel chele d 2.'legiio sobre a luga aos recrulas do
marinha, de quo se queixa o releridu inspector ; e ol-
ferei;o a V. Exea resposla inclusa do cnnimandante do
4. balalhlo, a que pertencem oa guardas, que frzerao
all a guambio no dia 21 do mes passado. Ecoono,
nio obstante as raides dadas pelo dito commandanle,
bouve omissio da parle do commandanle da guarda, e
dealeixo em toda ella, a fiz de punir com Irez das de
prisio.
.' Dos guarde a V. Exc. Quartel do commando supe-
rior da guarda nacional do Recile, 12 daoulubro de
485. lllm. Exm: Sr. ccncelheiro Antonio Pinto Chi-
ohorroda Gama, presidente da provincia. Franei'sii
Jacinto Pereira. commandanle superior.
COMMEhiIO
Alatsdeija.
Bbndimbnto D3 da 16................11:437*746
Descarrega koje 17
BriguePri matramercaduras.
BrigueCumberland (arnba.
Por sollicitacdes reiteradas do Exm- Sr. Andreas,
acaba o governo gerat de conceder 10 conloa de ris ao
mesmo fim applicados, e essa quantia j nos consta que
se de.tina ao aperfeicoaniento da importante e longa es
Irada geral que desta cidade se dirige ae Joazeiro e as
provincias ceotrses do Norte.Nio valerao estas gran-
(1) Examinandu os balancus encontramos a respeito u
seguinle:
babor... d- 1840 a 1S41, pag. 108.
S. Pedro. Guarda imri..tial doataoada.
F-rragena. 2S:I18$859 rs.
BlaiiC" de 1841 a 1842, pag. 164.
S. Cedro. Guarda Mr.iunal destacado.
Forragens, 58:371 $400 rs
te-e que 1 furya era quasi a mesnia de 3,600 pra-
eren^a
> 1
Consulado.
ItENDIMENTO UO DIA 14.
Gerat834*470
Provincial344*010
JHusiiuentu do Porlo.
vatio sakido no dia 16,
Aracaty ; biate brasileiro Noto-CMinda, maslre Anto-
nio Jos Visons, carga farinlia a mais gneros. Pas-
sageiros, Eduardo Gonfalvea Vlenle, Joaquim de
Souza Ribeiro, Antonio Pereira da Graca, Jos Es-
trella Cabial, Rrasileiros ; Kuzebio Antonio l.isba,
Porlusuez: Pedro D-mell. Ingle/..
Editacs.
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria de faxenda


^
mana fuer publica, p,.> conheelmento dos inleressa-
dos; a ordem do tribunal do tbesouro puMico ntciunal
do 9 de selemhro ultimo, abaixo irHfteripta, que ni8r-
ci o primrirn do abril do uno lulu'o' para coniecar o
dMnnto grad"af, n iS da lei de 6 de outubro de
1835, ni ola, i| re* da 2 estampa (\fiide).
actualmente, un substituido na cOrte; e convida aos
possuidores das inesmi* colas, para quoquanto anlrt as
faci trocar por outrai na mesma thesoiiraria, visto es-
tar prxima a poca oiii que vio deixar de ser recebidas
as el.ii5tfs puMica da provincia. Secretaria da ibe
Sourana de f-zenda de Plrnambuco. 16 de outubro de
1818.J-Q officlel-maior, Ignacio dos Santos da Fon-
neo.
Or.lim a que tt refer o tdilal tupra.
N.# 124 A. Mauoel Alses Branco, presidente do
tribunal do thesouro publico nac nal, participa ao Sr.
inspector da tbesouraria da provincia de l'ernambuco,
que, por portara deitadata, ordenou, que se marcss-
se o prnnein do abril do anno futuro para comecar o
descont gradual, na forma da le de 6 de outubru de
18.(5. n*s notas de cein mil ris da 2.' estampa (verde),
actualmente em snlisliluica i nesta corte, a fin de que
mande a/.er publico por editaea, e nos peridico* por
repetidas ve/es,para conkecimento ilos interaliado.Tbe-
aouro publico naciual, em 9 de bro de 1815.
A/anoil Altes franco.
Pirante a cmara municipal desla cidade, na ma-
nhia de 18 do correte, se ha de arrematar por lem-
po de um anno, contado do 1.'do dito mez, orendi-
inento da afencao e revisio, de conformidade com o re-
galamente de 12 de marco do anno prximo passado i
quom mai der sobre 13.633,660 rs., rendioiento do
anno lindo.
As pessoas que Se propoterem a arremala-lo, pode-
res coni'Otrer na indicada praca munidas das ne-
cesarias habilitarles, e fiadores idneos. L para que
cheque ao conhecimento de lodos s" uiandou fater pu -
blico pela imprensa. Recife, ti de oulubro de 1845
Laix Frtnnisco d* Mello Cavalcanti, pro-prtsideo-
te.Joio Jote h'irreifa de //guiar, secretario.
fio arrematar os srguintes penhore de ouro: 1 relogio
de ouro patente, 2 ditos orizonlaes desabnete, 2 di-
to ditos de vidro, um dito dito par toucador, urna
torrente para relogio, trez tranceln! paia ditos, um
par de pulc iras do fila-grana,um cordio com urna redo-
ma, 2 ditos rom duas cruzei, um par de iivelas para
ligas, urna caita para rap, um slfioelu do brilhena>.
una correle para senhora; por execueao, que move
Joaquim Jos deMoura contra JoSo Francisco dos San-
tos Siqueira, nos das marcados na mesma execucfin.
Joaquim Pe reir Arantes faz scen
te a seus devedores, que Jos Mara Tei-
xeira de Novaes Villasboas, deixou de set
cobrador de suas dividas desde o dia id
do corrente, e que dessa data em diante1?.perfei-o : ">bemse f*zeOI bolos de (odas as qua-
lidades. e rm8o-se bandejas de delicados bulinbos ;
a qoanlia de 14900 rs. para entregar no botiquim da
ra dos Quarteis, baja de no praio de, oito das, man-
dar enlregor na ra Bella n. 21 do contrario pt-
plicar-se-b seu nomo por esta lolba.
Aluga-te por prego coinmodo o (ercciroan-
dar do sobrado da ra do ^ueimado n. 52 : a tratar
na loja do mesmo sobrado.
Quem piecisur de urna ama do leile dirija-se
a ra do Aragio loja de sapaleiro por bailo do sobra-
do deTbomai da Silva Gu'..i'.io.
Precisa-se fallar ao Sr. lente Jos Francisco dos
S. n'o-, que moiou na ra do Caldeireiro por i.so
queia annunciarsua morada.
falla poaco; no andar abre um pouco as pernea; no
p direito lem urna grossura proveniente de um bicho
quetirou, sonde apparccem algumas marcas de coi-
turas; lum um dedo dos ps lorto, urna cova noeai-
bign, que parece quebrado; becanbolo, pouca barba;
tein em urna das pas um corte de louce; levou urna
lina de despejo, camisa de riicado azul com lislras
brancas, calvas de matedo.tia, bstanlo sujas. Roga-
se as autoridades policiaes de verem se o spprebeodem.e
pessoas particulares, que delle soubereni, de o leva-
rein a seu senbor. na tua da Cadria de Santo Aotooio,
n. 19, priuieiro andar, que recebarlo 50 is.
- Precsa-se de um pequeo Portuguez para caiiei-
Na ra das Tiincheiras, casa terrea n. 2b con- ro de urna padaiia : trata-se na ra larga do Rosario,
tnua sa a da- almocos janlares oceias com todoasseio
De, laiacoes.
AdminutraiHo dos ttlabelecimenlos decaridade.
Perante a administrarlo dos estabelecimentos da cs-
ridade.se l>3o de arrematar, a quem niais der, as ron Jas
das casas da ra Direita n, 8 ; na ra do Florianno ns.
17, 47 e 49 ; no becco da Caivalha n. 5 ; na ra do
Fagundes ns. 52 34 ; na ra de S. Jos ns. 5 e 11 ;
na ra da Caica,la n. 54 ; na ra da Roda ns. 5 e 7 ;
na ra Nova n. 43 ; por delraz da dita n. 18; na ra
da Moeda n. 51 ; na ra do Fra-de-Portas n. 73, e
no fundo da mesma n. 70 ; na ra de S. Therea ns.
4e7; nasCinco-Pontas ns. 70e 98; na ruadeHortas
n. 35, e na ra da Gloria n 65.
Os licitantes poderuo comparecer na casa das suas ses-
sSes, na ra do Cabug numero 5, no dia 17 do cor-
rente mes (boje1, pelas 10 horas da manhaa, munidos
de seus fiadores idneos.
Sala das sesstVs da administracao dos estabelecimen-
tos de caridade, em o 1.' de outubro de 1845. O es-
cripturario, A. A. de toldas frandao.
A administrarlo dos eslabelecimenlos de csridade
convida a todas as pessoas, que quizerem visitar o hos-
pital de caridade no dia domingo 19 du corrente,
dia em que ha revista geral, a fiin.de tornar-se o co
mais publico e importante, para o que estar aberlo at
9 horas d noute. O escriturario, Alexandre Ame-
rteo de C'alda Brando.
i visos maiiltmos.
__Pura a Rabia sahir em pouroi das a sumaca 5.
Joaquim. mestre Luis Vieira de Mello, forrada e pre
gada de cobre paia carga a Ireiei commodos, e pai-
sageiros* Irata se com M. D. Rodrigues, ra du Ta
piche, n. 26.
Para a cidade do I'..rio egue viagem com brevi-
dade o liergintim porluguez Importado', capilao Jo>
Francisco Carneiro : quem no mesmo quizer carregai
ou ir de passxgem, diriji-se eo meimo capitao ou ao
leu consignatario Manuel J aquiui Ramos eSila.
U patacho u\CoihI JSovoSaraiva
pedido de alguna cirregadores, demo-
ar-se-lia al ao da a a do crreme. en>
que Slr impreterivelmente ; anda re-
cebe algiim i cargn e. passageiros : trata-se
com o captSo M H. Pntenla da Cunda,
ou com .Manuel Jone Macdado Maldeiros,
na ra da* iMadie-de-Dos, n. 5, primeiro
andar.
*= A sumaca Sania-Matia-Bva-Sorle principia
recebar carga para o Arecaty, segunda feua 20 do
corrente, p r lera maior parle de seu carregamento
prompta: os prelendenles dirijb se ao capilioa bordo,
ou ao Victoiino Teixeira Leite na ra larga do ito-
laro, n. 24, I.* andar.
=Segue iagem para o Ass com a maior brevida-
de possivel.por se adiar ja promplo e recebendo carga,
o brigue nacional Jupier: quem do mesmo quizei
carrejar ou ir de passagem. entenda-se com Jos Mo-
Veira Viann, ou com Jos \ellozo Soares, ruada
Ctuz, n. 54. H
=. Para a Batira sai impreterivelmente no dia 25
do corrente, o brigue Anno. e ( oniianca recebe
carga a felo commodo e passa^ciros, al o da 24 :
quem pretender, entenda se com o consignatario Ma-
nel Ignacio de Oliveira, na ra de Ap.llo, n. 18.
^\isos diversos.
__ Precisase de urna pessua forra, ou captiva, qu<
sirva de portas para fura : na ra de Hurtas, casa nu
mero 5. ___
Sabira boje o n. 50, e acbar-se-ha a venda ao meio
dia na praca da Independencia livraria ns. 6 e 8.
OOerece-se um bomem para administrar urna pa-
daria : quem quier, annuncie.
= Pelo juizo do civel da 2 vari, eicrivio Souza, le
nao levar em conta recibo algum passado
pelo mesmo.
Aluga-se urna loja de urna porta,
com armaco prompta e nova, para miu-
dezas, sita na praca da Boa-Vina, por
commodo preco: tratar na venda da
esquina mesma praca ao \ ollar para a ra
detraz da Mal iz.
=Nodia 15 do corrente mes, foi um bomem branco
de altura regular, com cabello cacheado o comprido, de
jequela preta de Juraque, cbapodo Chile preto.e calt,a
alugar um cavallo, em nome do Sr. doutor Nabuco, e
com urna carta, diiendo que era do mesmo Sr. cuja
era falsa, dizendo que la o Catanga, o qual levou
um cavallo castanbo claro, lanianbo regular: e como
nao tonda entregado dito cavallo, descontia-se queso
ja ladreo, segundo as mlormacoes que hs. Roga-se a
quem o encontrar, turne dito cavallo; aasiai corno se
recommenda a todas as autoridades, pagando-se todas
as despezas que se li/er para dita apprebensao.
us aba xo assignados laxemos sciente ao publi-
co, que temos dissolvido anugaveluiente a sociedade,
que Imitamos na loja de ferragens do Atierro-da-Moa-
Visla, n. 76, cuja sociedade gyrava dehaiso da tirina de
Rizado & Foncesa; licandu o socio Rozado abrigado as
transaecdov que at esta datas- lenhio feto ebaiio
dasohredita lirma. Recife, 16 de outubro do 1845.
Joaquim Alvet da Fonseca Jnior. Jeiont/mo Ribeiro
Hozado.
= A peiioa, que annunciou por esse Diario, ns..
228 e 2z9, querer fallar a Tbeopbilo de Suma Jardim
pdedir gir-se ao sitio do uiesmo, a qjalqmr hora do
da, pouco adimle da povoaco dos Afogados, lugar
do atierro do Giquii, aonde mora, ba Ti annoi, e he
bem conltecido.
= Joaquim Jos da Costa Fajoies faz sciente ao pu-
blico, que quem liver penboree de ouro ou prata em
sua mi, os vi tirar no prazo de oito das : do con
liar io nao se responsabilisa mus por ellos; pois que
alguns j nao cbegso para o principal e juros.
=Rento Joaquim de Carvalbo tai scienlc a lodosos
seus credoies que tirein, suas contas no prazo de tres
das, para bem de se entenderem com elle.
=Furlaro, do botiquim Irancez da ra Nova, n.
C9, ba cinco para seis das, um grupo de brome repre-
sentando Abrabad repudiando Itebecca e seu liibo ;
quem louber do dito grupo, avisando o dono do dito
botiquim, ser generosamente recompensado: ou mes-
mo se ilguma pessoa o tiver comprado, querendo resti-
lui-lo, lite sera entregue o importe que por elle liver
dado, c p omele-se guardar segiedo.
O altano assi^nado arrenda ou vende o seu sitioda
estrada de Joio de Barros, esquina do becco do Kspi-
nbeiio, lodo ou a relalbo; com casa de taipa arruinada,
ceicado do limao em roda, boa agoa de beber, boas
Irutetras, e ja tom bastantes cajs e inelancias; e da
mesma lrma urna casa de laipa -na encruz Iluda de
Belin, com o r ni cao de venda: a tratar no sitio a
cima, Patricio Antonio de 'J'ortti Uanaetra.
es= Um bou em Purlugues que lem sobeja pralica
de venda e da conbecimenlo de sua conducta se
ofleiece para lomar cunta de al^uuta por balanco pa
r.i administrar compromeltendo-se a dar iguaes lucios
aos fundos, que a n.e.-inj her cun a luii.ncuo Ues-
tes seren divididos a molo com o propiieinriu da ven
da, e os fundos nao seroin menores de hoOUl is sem
que da mesma venda se laca pagamentos a praca, por
espaeo de 12mezes: este ii.esmu negocio se lora com
qualquer pessoa que des. ja por do novo tal negocio ,
nao se escolbendo aqu nacionalidaue ou qualidaoe
le pessoa : a quem cuovier annuncie para ser pro-
curado e melbor se eipdr as vanlageasdu o g ci.
s Precisa-se alugar um pelo coznbeiro e que
tambem seja capaz de lazer as com pas necessarios : oes-
te typograp. la se dul quem precita.
ees Aluga-se um segundo andar com bstanles com-
modos na ra larga do Rosario n 55 por H# ti.
rentaes: a tratar na loja di miudezas por bsixo du
mesmo sobrado.
= Precisa se de 500j rs. a juros por tempo de um
anno bypolbecaodo-se urna escrava cO'inltvira e d.
lodo o sei vico de urna casa ; sendo o juro do dinbeiru
o sei vico da escrava : quem quirerdar, annuncie.
= Precisa-se de urna mulber forra para coziobar
para pouca familia : na ra da Praia, n. 22.
Ua-se diobeiro a premio com ptnborcs do ouro
e prata mesmo em pequeas quantias; na ra da
Praia, n. 22.
ac Ollerece-se um moco de 14 a l fuos para
caiseiro de luja de lerragens utiudozas ou botica :
quem de seu prestidlo precisar dirija-se a ra do
Lollegio, n. 16.
Lina mulber parda ou preta que souber co-
lindar e quizer ir para urna casa de pequea familia,
dando se-lbe de comer e vestir dirija-su ao bairro da
Boa-Vista ra dos Pires n. 4 casa de Luis Man-
guind.
Joaquim Victorino Coelbo vai para o Rio-de-Ja-
oeiro.
Aluga-se im moleque coznbeiro ; quem o pre-
tender, dirija-se a ra Direita,'o. 23.
- Prelende-se comprar a casa terrea da roa do
Mondego, pertencenle aoi cinco Glhos da fallecida Ma-
ris Joaquina #e S. Anna ; qualquer pessoa que se
aehar com direito a dita casa ba de dirigir-se, do pra
io da 8 das, a ra do Crespo loja n. 4.
O Sr. seminarista que recebeo
Jos Paulino de Figueiredo, ni protio
crdWrahil
tor
iba,
ludo por preco muitomais commodo do que em oulra
qualquer parte.
Oflerece se urna ama com muilo l> ni leite, para
criar em sua casa algum menino : quem de seu presu-
mo se quizer utilisar dirija sea ra da Roda, n. 60.
Aluga se o segundo andar do sobrado atraz da
matriz da lloa-\ isla u 26, muito Iresco, por ser da
parte da s nutra com 3 salas e 9 quartos; quem o
pretender, dirija-se a momia ra n 22.
Mano> I Joaquim Pascual Ramos embarca para o
Rio-Orande-do-Sul os escravos Domingos, e lioza am-
bos Africanos, a entregar a seu senbor, Joio Antonio
Jorge.
LOTEItIA DO SKHI.VMUO.
As rodas d'est;; lotera, rujo amla-
mento teria tido lugar t5, como eslava
promettido, se o jtnz, destinado para pre-
sidil-la, o contrario nao douvesse deter-
minado, aniJyo im relerivelmente no dia
2 i d'este mez. Poneos sao os hildetes,
que anda restao: e quem os pretender,
tele procura-Ios nos lugares j annun-
ciados, al as 11
Precisa-se de um caixeiro para ven-
da, que a tome por bilanco, e tic* (ador a
sua conducta : na ra do Mundo-Novo,
n. 16, casa de Nicolao Rodrigues da Cu-
tida.
Aluga-se o segundo andar do sobra-
do sito na ra ieita, n. ao, com Lons
commodos : a tratar na ra do Collegiu,
segundo andar n. i/j.
Alugio-se as casas lerieas ns. 7 e i), defronte do
ibeatro novo; bem com o segundo andar do sobrado
n. 60 da ra da Cruz do Recile: quem as pretender,
dirija-se a ra da Cadeia do Reeile, n. '<().
Roga-se a pesfoa, a quem lr oflerecida urna peca
de brim de Hamburgu, embrulhada em um lonco de
seda, baja de publicar pera ser procurada, ou dirigir-
se a ra do CJueimado, loja delouca n. 32, que ser
gratificada.
=e=Pretende-8e effectuor a compra do urna casa ter-
lea, sita no becco do (uiabo n 4, do bairro da Hoa-
Visla; a pissoa que se acbar cun direito sotre a dita
casa, poder comparecer no praio deste emdianlo ; seno peidei o seu direito contra
ella.
Despja-se fallar com o Sr. Jos do Reg Barros,
ou com o seu procurador; por isso pede-so que annun-
cie a la morada, ou diiijo-se a ra da Alegra no bair-
ro da lio i -\ isla, n. 13.
Precisa-se fallar ao Sr. Joaquim de Albuquerque
Mello, que leve loja ; queiru annunciar sua morada.
= Au^uslin Sommier, cidadao Francez lem de
fater urna viagem a Babia.
Jos Morona da Costa faz sciente que d'ora em
dianle lica a-signando-se Jos Moreira du Costa iWaia ;
islo por haver pessoa de igual nome.
= OITci't-ce-se. para lora desta praca um rapa;
Rrasileiro branco casado coro pouca familia pa
ra ensillar pnmviras iettras, grammalica e Iranc z, poi
lerjt oceupodo esl'-mesmo lugar ; u qual ensnu o-
seus alumnos com o it.oltor /elu possivel: queni de seu
preslnno se quizer utilisar dirija-se a ra do Ran-
gel n. 5 a tratar com mesmo que dar condec
ment de ua conducta c do tralamento aos seus
alumnos.
Di su dinbeiro a premio com penhores de ou-
ro mesmo em pequeas quantias, na ra do Ran-
gel, n. 11
Na tua do Rangel, ba um cano em um ter
redo, logo quem entia da prncinba do Livramcnlo ,
por onde se bola quanlo agoa purea ba : o como as pos
turas da cmara municipal probibem esses canos ro-
ga-se ao Sr fiscal respectivo que baja de lomar islo
sobie as suas vistas, a fin de que a visinbanca nao con
tinueaser incommodada com osmauscbeiios das agoas,
que sahem pelo dito cano.
SOCIEDADE THEATRAL
THALIENSE.
O primeiro secretario avisa aosSn. socios, que os
bilheles para a recita do dia 18 uo correle distri-
buein-se nos dial 17 e 18, em casa do respectivo
ibesuuteiro na ra du Queirnadu n 67. O con-
ceibo administrativo se rene no da 17 do corrente,
pelas 7 horas da noute para approvacao de convi-
dados.
Sociedade llelporaencnse.
O primeiro secretario avisa aos >rs. tocios que os
bilbeles paia o ispectaculo do dia 18 do corrente se
distribuem em casa do Sr. tbesoureiro, na ra da Cruz,
n. 43 en os das 17 e 18.
D-se sobre penhores de ouro al a quantia de
100* rs ; na ra das Cruies n. 39.
Precisa-se de um caixeiro para urna venda na ci-
dade da Victoria : na ra da Penda venda por baixo
do sobrado do coronel Joaquim Bernardo.
Fugio, ou furlarao, no dia 28 de setembro
p. p. peas 8 horas da noute, Ujp^wavo da Costa,
de nome Antonio, estatura rtm HP"* limados,
um tanto desapartados uns dos ouH B^onho, corpo
regular, de idade de 40 annos, pWto mais ou me
nos, olbos vermelhos, cara redonda e descarnad;
n. 23.
= Aluga-se urna casa terrea na ra da Gloria, o.
37. concertada de novo : a tratar ao piteo da S. Cras,
padaria n. 6.
e= Qualquer Sr negocenlo que precisar de um
moco para caixeiro de escnptorio,niuilo cipas, e que d
fiador a sua conducta, dirija-se a Boa- Vista fil-
iar com o padre Bacalbio ou annuncie.
ss Aluga-se um pequeo armazem no becco do
Goncalves: a tratar na ra da Cadeia do Recife, n. 43.
= D. Mara de Pinbo Borges faz cerioao respeita-
i el pul lico e a quem convier, que um lica. que Ihe
paisou o fallecido Jus Pereira Campos, de l:(500ji
rs, em cobre no anno de 1835 por compra de urna
casa que Ibe veodeo Ihe foi pago pelo dito fal-
lecido ba muito : e como consta que dito vil foi
furtado do poder do mesmo e que indio a querer la-
zer negocio com elle p> lo presente annuncio faz cer-
to que est paga e satisfeita delle, e nada Ibe deve
o dito tallecido ou seus hordeiros quem fez pu-
blica declaraci,em presenta do Sr. doutor juiz di pri-
meira vara dj civel de um tabelleio publico, e de
teslemunbas, licandu mutisado o dito lica ou val ; e
quem o tiver oio o podera apreseotsr que nio teoba
a pena eo rigor da le.
= Madama Millochau que teve urna loja de mo-
das na ra Mova n. 5!), acal a de mudar se pin o
Atterri-da-Boa-Vista n. 3.
=s= Joiio Froderico de Adreo Reg lemette pin o
Rio-de Janeiro, a entregar a Antonio Rodrigues di
Silva Vianna a escrava crioula, de nome Andrezi.
Kamalhete das damas.
Peridico musical e poelico publicado no Bio-de-Js-
nero.
Traz msica para piano e para piano e cinto es-
tampas e ineressantesartigosde leitura.
Subicreve-se na ra do Crespo n. 2, lojt de Go-
mes (i Carvalho por anno 15/ e por semestre
7500 rs. adiantados, reraettidos os nmeros pelo cor-
reio.
Preciss se de urna ama de leite que seja livre ,
tenba boin leite, e de regular conducta : quem se acbar
neslas circunstancias, dirija-se a ra da Aurora o.
8, primeiro andar.
Alinalo !
Furlio, antes do honlem pelas 7 horas di noute ,
do paleo de S. Pedro casa n. li, tendo entrado o rou-
bador pela janella penetndo pel alcova da mesma
casa e aberto as gavetas, urna eaixinha envernindi,
contendo um alfintle de senhora, com um grande bri-
Ihante ; um annelio com a firma J. M.; um brin-
co de placa com brildantes; urna m eda de 6400 rs. ;
oulra de 4y rs. eui unta argola ; 5s' ri. em cdulas ;
dous patacoes ; cabello encasloado em ouro ; um galio
de dito; e diversas obras de ouro. Ruga-se a psima
quem for oflereuido qualquer destes objectos de dar
parle na mesma casa, que le gratificar e se promet-
i guardar segiedo : (aiiittem roga-se aos Srs. inspec-
tores dequarleiiio toda a vigilancia e pesquisa ; poil
ha quem visse e conhecesse o vulto, na occaso da sua
sabida.
Aluga-se o primeiro andar, loja comarmacioe
dependencias da casa, sita na ra Nova, n. 7.
Na ra do Mundo-Novo n. 44. engommi-se e
cose se toda a quahdado de roupa tanto de bomem
como de seobora e por preco commodo.
= Na ra do Atteiro dos-Afogadoi, d. 7 d-se
azeite de carrapalo de venda, a 2000 rs. a caada.
A'uga-so o segundo andar do sobrado sito na
U4 da Pcnini n. _'.(, com bons commodos, e mui-
to fresco por pceo de \ij rs. inensses : a tratar na
mesma ra venda por baixo du sobrsdo do Sr. coro-
nel Joaquim Hernaido.
Precisa-se de 30 e 40 borneas forros, ou deri-
vos robustos e acostumados ao trabalbo de ps, para
fazerem urna levada de 300 bracas de exteosio a le-
gua e o.em distante desta praca : quem quizer eogajar-
o para esse lim dirija so ao engenho Ucba, fregue-
sa dos Alegados ou no lerceiro andar da casa do so-
nador Manoel de Carvalho, sita na rus do Collegio,
o-tde achara com quem tratar, das 6 ss 9 horas da
iii.inli.ia e as 5 ai 6 da larde.
Compras.
ees Compra-so urna canoa de carreira, liada que
seja em meio uso por preco commodo ; ni rui do
Y gario n. 13, primeiro andir.
__ Compra se urna rede de trermalho ou aanei-
ra ; quem tiver, annuncie.
= Comprio-se para lora da provincii, esenvoe
de 13 a 20 annos ; sendo do bonitas figuras, pagio-se
bem : na ra da Cadeia de S. Antonio sobrado de
um andar de veranda de pao n 20.
= Comprao-se dous escravos um pedreiro e fil-
tro earpina para urna encommenda do Rio-Grande-
do-Sul; sendo bonitas figuras pagio-se bem: na
ra do Collegio, irmaiem n. 19.
Compra-se um tronco que esteja em bom ti-
do ; na ra das Larangeiras o. 18.
Comprio-se dous escravos peritos oficias* de
dreiro, o dous carpioas; ni ra di Seoulla-Velha,
n. 110.
C mpra se um lorndor de cif estsndo em
bom estado; na ra da Penha venda por baiso do
sobrado do coronel Joaquim Bernardo. '
Vendas.
ess Vendo-so. muito superior cbi hjsson da India; di
ra do Crespo loja de B. J. Silva Magalbios, o. lt.
=3 Veade-se um prelo caooeiro de bonita figura ,
sem vicios) e.jMm achaques ; na rui di Cadeia do Re-
cife teja o. SO.


==*=*
*J9r
= Yende-se na pitea di Independencia, Imana 01.
6 e 8, o
METHODOFACILLIMO
para aprender a ler, taoto a letlra redunda como a ma-
nuscrijiti, no mais curto espaco de lempo pussivel por
Kmilio Acbllei Monleverde nove ed'.ao.
Esta obra se acba ja adoptada na niaior parte dai
aulas, aisim de Portugal como do Brasil; econtem
os principios de leitura com muitos esercicios.no fian de
cada lii-o de syllabas, para acielei-ar os progressos
dos principiantes i grande copia de boan maviinas, sen-
tencas e pensamentos moraes varias nocOes subre as
artes escirncias, explicadas com maior clareza ; al-
gumas regras de civilidade, descobrimeoto, e mais Tac-
tos memorareis do imperio do Brasil com urna noti-
cia geograpbica do mesme imperio e da sua dynastia ,
*c., &e.
= Vende-se orna tipoia em moilo bom estado, por
preco commodo ; na ra do Passeio loja de fazenda*,
n. 11.
= Vende se una preta moca recolbida mui bom
parecida ba eogommadeira cuiinba cose cbSo ,
lava de sabio e faz todo o mais servico de urna casa ;
na ra do Arago n. 1, segundo andar.
Vendem-se tamarindo* a alqueires; na praja
da Boa-Vista sobrado n 1, ou na botica n. 8.
ss Vende-se urna venda em muito bom lugar, e
bem afreguezada para a trra ; no Mundo-Novo ra
de S. Francisco n. 68.
= Emcasa de Auguslo Corbelt, na ra da Cadeia
do Recite n. 46 sempre ba um esplendido sorli-
mento dos melbores vinbos que ba a saber : Porto,
muito velbo ; Xerry ; Madeira ; Bucellas; Clarete ;
Champagne ; incluindo um existencia de superiores
agoss ardentes de Franca cm porches de urna duiia
para cima por precos ra/oavei*.
= Vendem-se os Mysterio de Parir 5 volu-
mes bem encadernados por prego commodo ; na ra
doQueimado n. 2.
= Vende-se superior cerveja branca da melhur, que
esisle no mercado tanto em porcio como a retalbo ;
em casa de Jones Patn & Companhia na ra do Tra-
piche, n. 10.
= Vende-se arinha de mandioca, de boa quali-
dade a 3200 rs. a sacca ; na ra do Crespo,, lu|a n.
'' 15, de Antonio da Cunha Soares Guimaries.
= Vende-so cobre de forro sortido e piejos do
mesmo ; em casa de L. G. Ferreira & Companhia.
= Vendem-se 3 escravos ; sendo um preto peca ,
do 18 a 20 annos um mdeque de 14 annos e um
pardo carreiro de 20 annos; loilos sem icios nem
achaques e proprios de qualquer servico de casa e
campo : na ruada Cadeia de S. Antonio n. 2a
= Vende-se azeite de carrapato de caada para
cima a seis patacas; na ra de Apollo armazem
n. 4.
= Vendem-se 4 escravos de naci mocos de bo-
nitas figuras sen id um Imm canoeiro e camaroeiro ;
5 escravas de ida de de 14 a 22 annos de boas con-
ductas sendo duas peritas engominadeiras cozmbo
bem o diario de urna casa e lavio de sabao e varrella;
um mulatinbo, de ida de de 12 annos : na ra Direita ,
n. 3.
= Vende-se, a borlo do brigue Fiel, sal do As ,
de superior qualidade por preco commodo: a tratar
com Firmino Jos Flix da Hoza & lruio na ra da
Moeda n. 23 segund j andar.
\as Vendem-se os verdadeiros chapeos de castor, da
mais acreditada fabrica de Lisboa, de elegantes formas,
pelo barato preco de 9# rs ; chapeos Irancezes do ulti-
mo gosto de Pariz a 7000 rs. ; superiores chapeos de
massa e de abas largis, a 6000 rs. ; e de todas as mais
quelidades at o diminuto prego de 2000 r. ; chapeos
de castor sem pello, proprios pera montara pelo tem-
podefesla a4000rs.'; chapeos de palha do Chile ,
pelo commodo preco de 3000 a 4000 rs.; chapeo de
todas as mais qualidades para bom'em, senhora e me-
nino por precos muito h< ratos; lencos de setun hes-
panbol de bonitos padroe a 2000 rs : na nova fa-
brica e loja de chapeos, no larg.. do Collegio deron-
to da casa do Sr. Magalhaeg Basto.
Vende-se poiaasa nova da Rusta ; cal virgem ,
de Lisboa, por preco commodo: na ra de Apollo,
n. 18.
= Vendem-se dous moleques, de idade de 15 an-
nos de bonitas, figuras; um mulatinbo da mesma
idade ptimo par* pagem : no armaiein de loriaba ,
de porta larga delronle do caes do Collegio.
Vende-se um escravo pardo de idade 30 annos,
olTeial de carpina e proprio para o servico de enue
nho; na ra do Qeimado loja n 51 ou na ra Di-
reita n. 88. ,. ., .
=Vende-se um extenso sitio em liebinue, ou Agoa-
Fria diatanle urna legua em frente daquelle rio ,
cootendo um extenso cercado para conservar 16 a 20
meas, trra* proprias, que produzem melhor lavou-
ra com perlo de trez mil ps de coqueiros ptimas
mangueirss, e oulras arvores: na ra da Florentina ,
n. 16.
Vende-se urna excellente propriedade no centro
desta cidade contendo urna fabrica e terreno para
se edificar 3 propnedades ; a qual se acba arrendada :
n ra da Florentina n 16, para ver e ajusfar.
- Vende-se urna preta de bonita figura de naci
Costa de idade de 22 annos, muito diligente, sabe
cotinhar o diario de urna casa muito limpa em seus
senteos e be boa quitandeira : na ra do Queima-
do, n. 32, primeiro andar.
Vend e-se um excellente escravo de idade de 22
annoa, saAe tratar de gado eheoptimo para o ser-
rico de sitio por preco commodo : na ra do Colle
gio n. 14 primeiro andar.
Vende-se um bicudo urna patativa e um higo-
de par* quem gasta de goxar de aua bella cantona,
porque io muito bons; na ra da Florentina, n. IG.
ss Veodem se 4 escravas mogas de boas figuras |e
sao recol tridas cosem engommao e, cn/inl So ; 3 di-
ta* com habilidades e sao quitandeir.s ; 6 escravoi
mocos, muito robustos e oftiniorpara o trabalho de
campo: na ra do Crespo ti. H), primeiro andar.
__Vende-se a armaco da loja da ra Nova n. 18 :
a caa onde ella esta tem enmm dos para urna peque-
a familia : a traUr na mesma loja.
s Vende-*e potassa muito n*)va de superior qua-
lidade na harria pequeos; na ra da Cadeia do Re-
cita armazem de asauesr n. 12.
ara Vende se urna enda na ra da 5. Cruz, n. 6 : a
tratar na mesma renda.
= Vende-se superior Champagne, novameote ebe-
gada ; emcasa de Avrial Irruios na ra da Cruz,
n. 20.
= Vendem-se 16 escravos: prrtss com habilida-
des, de 12 a 20 annos, de bonitas figuras ; molequei,
de 13 a 15annoa, muito lindos; um pardo e urna
parda com habilidades, de 20 a 22 ancos: na ra dai
Flores, n. 21.
= Vende-se urna cama do armacao ; 18 cadeiras;
duas bancas ; urna comrnoda ; un toucador ; urna me-
sa de ineodesala ; um sopba ; urna mesa de jantar ;
tudo de madeira de Jacaranda obra feta no Porto ,
e de muito bom gosto : na ra da Cadeia do Recite ,
loja n. 54.
= Vende-se, ou arrenda-sf i um sitio em S. Amaro,
com mais de mil palmos de frente e 3000 do fundo, casa
de vivenda, exccllentea fruteiras, boa agoa, e capacida-
desulTicienle para dar pasto a 8 vaccasde leite : a tra-
tar na ra do Crespo n. 17, loja de Santos Neves &
Guimaries.
as Vende-se urna escrava, de idsde de 13 a Han-
nos cote en^onuiia, cotinha e lava de sabio ; na
ra da Cadeia do Recile n. 59.
=Vende-se urna rt-sa com aitio de multas fruteiras,
na cidade de Olmda, ra de S. Francisco : a tratar na
ra do Brum do Recile n. 22, fabrica de Mesquila
Duira & Cumpaobia.
= \en lern-se duas escravos de naci de honitaa
figuras, urna dellas de 18 annos, cozinba e lavado
sabio, o outra de 24 annos, ptima quitandeira ; urna
i rumia, de 14 annos; u ma dita de 24 annos cose ,
engomara cozinha e lam com um filho moleque, do
7 annos; um muiatinbo de 18 annos, de bonita fi-
gura ptimo para pagem ; um escravo de natao de
2o annos, pura lod o servico na ra das Cruzei ,
n. 22 segundo andar.
= Vendem-se cortes de casia do ultimo gosto por
preco commodo ; na ra do LJueimado, n. 2, loja de
.Manuel Jos Goncalves.
^= Vende-se superior tabaco simonte da Cachoeira
da Babia om latas de duas libras ; urna poico de to-
ros de madeira de angico ; urna pouca de cera de car-
nauba por preco comino lo : na ra do Crespo lo-
ja de Gomes & Carvalhe.
se Vende-se cera de carnauba de primeira qualida
de em porcio e a retalbo por preco muito cura mo-
do por se querer dar a cuntu de venda; na ra da Ca-
deia delronle do beco do Capim loja de ferragens ,
o. 59.
1/tiifo btalo!
as Vendem-se chitas claras e escuras, de bonitos pa
droes, a i50, 160, 180 e 200 rs. ; risesdoa da moda ,
e chitas francezas, rnuilo finas a 220, 240 e 280 rs
orovado; corles de cassa pintada dos man lindos pa-
dres, que actualmente cxi-tem a 3500 e 4000 rs.;
cassa lisa rnuilo lina a 400 e 560 rs. a vara; caminan
lisa fina u 180 c 800 rs. a vara; panninbo fino, a
320 rs. ; panno de linbo a 520 rs.; bros de cores de
puro 11 nlio para calcas a 640 rs. ; ditos pardos, a 560
r6. ; ditos brancos trancados, muito supenores a 680,
e 1000 rs. a vara ; chapeos de sol, de panninbo a 960
u 1100 rs. ; cambraias de ln.tr, s para vestidos com va -
ra de largura rnuilo fina a 1)00 rs.; ditas mais es-
trellas a 640 rs ; lencos de seda para algibeira e de
setm. para grvala a 1600 rs. ; ditos de cambraia de
cercadura, a 360 rs., litas de diversas cures e larguras ,
chamadas de cinteiro, a 60 rs. a vara ; ditas mais es-
trella a 20 e 40 rs. a vara ; e oulras muitas latea-
das por preco commodo: no Alterro-da-Boa-\isla ,
loja de Calendas n. 10.
= Vende-se 1 piano, por 40; rs,; urna cama de tr-
magao barato ; na ra do Crespo loja n. 11, le dir
quem vende.
= Vende-se sal do Ass a bordo do patacho O/s-
ifira : o iiiesino patacho, depois que detcarregar o tal,
l' ni de seguir para qualquer porto do Norte : quem o
quizer Iretar, ou carrejar a Irele, emenda-s com Joio
Val de liveira na ra da Cruz, u. 57, primeiro
andar.
= Vende se urna guarnigio de movis de mogno ,
para sala; urn bergo de Jacaranda ; mesas; cadenas;
camas; e vaiioa outros > bjectos : na ra Nova, n. 7.
v Vende-se panno de linbo aberto ou tr. rucia de
todas as larguras para babados e snalos de borracha ;
na ra larga do Boiario n. 24.
= Vndese um luido preto cozinheiro, e outro
ganbador de linda figura ; na ra da Sensalla-Velba,
o. 110.
- Vende-se cha bvsson em caixas de 13 libias, em
porcoese a retalbo; e poUssa americana ltimamente
chegada : ern casa de Matbeus Auslm & C., na ra da
/llfandega Velba n. 36..
= Vende-se urna excellente rabeca com sua ci
xa ; na ra de Hortas n. 140.
= Vende-se farinha de mandioca muito fina de
Mag em saces* e de S. Calharina, e 8. Matbeus,
p !a medida velba ; tudo por meos preco do que a
bordo, visto nio se ter de pagar o enorme tributo in-
titulado mandinga, aos pretus eanoeiros : no caes
do Collegio, armazem de porta larga n. 15.
V INde se um cairo de 4 rodas, que est novo ,
e smente com as pinturas estragadas, por prego com-
modo ; na ra das Flore*, cocheira de Jos Mara.
Cheguem ao barato I
* Na bem acreditada loja da ra do Crespo n. 14,
de Jos Francisco Das vendem-se riquisimot cortes
de cambraia transparente de lodasas cores, de quadros
largos e chadrezes do ultimo gosto a 4800 rs. ; ditos
de superior chita de liilr* de luda* a* cures, aveludadas
e do ultimo gosto a 4500 rs ; um sorlimento de bi-
cose rendas, rnuilo finas e d* todas ai larguras pero
baralo preco de 100, 160 e 240 rs. a vara ; peca* de
Cambraia loa transparente, a 3200 rt. e a vara a 560
rs.; finissimos corles de Im latina, com 9 varal,' a 4*
ri. ; cortei de cassa-tintas a 2j rs ; lencos borda
dos de trex ponas a 320 rs. ; e outra* n>uits futen-
d jl *nnunciadasnos Dianoi n%. 221 ,222, 223 e
224.
= Vende se urna morada de casa de sobrado de 2
andares sita no Alterro-da-Boa-Vista n. 22 com
muito bons commodos e bem construida : no aito do
Hospicio, o. 21, ou na ra de Hprtis, n. 140.
= Vende-se um escravo trioulo de20aonol, de
bonita figura>jjBja* Cinco Pontis a. 71.
= Vendern se 6 cofdei ; 4 anneloes ; urna moe
da guarnecida ; om colar. ; duas ciuzes ; 8 botOes de
punho ; 6 dito* di abertura ; doui pires de bnncoi;
4 dito* d rozetai para menioii; 5 relogioi, tudo de
ouro; IBcoIbereadeprata : naru do Raogel o. H.
=V ende-se um colelo de marroquim para urna
pesso, novo, pois nunca servio ; na praca da Boa-Vis
ta venda n. 18. >
A livroria da esquina do Collegio
recebeo a nteressante obra Manual do
Agricultor Brasileiro de que restfio a
venda poucos exemplares; tambero o Manual dos col-
leclore e collectados ; o Boteirodos orphios. ou guia
pratica da orphaoologia com sua legialacao al o pre-
sente 2 *. ; grammatiea de Sevene( restio poucos
exemplares) ; cooslituicao e cdigo criminal, addicto-
nados de legislacio respectiva dio.
= Na sumaca ebegada ltimamente do Ass, S.-
Maria-Bna-Sorle, fundeada defronle do trapiche
novo vende-io sal por commodo prego : a tratar
com o capillo, a bordo.
Rap di Cat.se.
Ha cbeado recentemente a este deposito, viada do
Rio-de-Janeiro pela barca Firmeza urna superior
tornada do muito acreditado rap grosso e meio-groiso
talvez o mais genuino em qualidade que at aqu tem
vindo a esta cidade, e acba se a venda em libras, meii*
dilase oitava. nes lojai doi Sn.: Joaquim Cindido
Leal do Barroi Thomaz Pereira de Mallos Estima ,
Manoel Fnnciico Bodriguei, e Caetano Luz Ferrei
ra no Atterro-da-Koa-Viila : Joi Thomaz de Cam-
po* Quaresma e Teixeira & Andrade ra Nova ;
Franciiuo Joaquim Dusrle ra do Cabug ; Victori-
oo de Castro Moura Victorino & Guimaries e Vi-
cente Jos Gomes ra dos Quarteis ;'Antonio Do-
mingos Ferreira ejoio Henriqueda Silva, ra do
Crespo; Joaquim Jos Lody e Joaquim Dis* Fernan-
des, na ra larga do Roza rio ; Jo Jorge do Bozaiio ,
ra do Livramento ; Jos Joaquim Lopes Moreira, ra
Direita ; Silveiraft Freita* ra do Queimado; Gue-
des & Mello Ponte* di Mello e Antonio Gome* da
Cunha e Silva ra da Cadeia do Recife.
= No deposito de rap de Gasse ra da Crui, no
Reeife, o. 38, *cha-*e a vend o muito uperior rap
do Principe, chegado recentemente do Rio-de-Janei-
ro a preco de 1400 r*. a libra.
= Vende-se fannha da Ierra a 3 rs. a sacca e
medida a 3500 rs. : na ra do Rangel, n. 25.
Vendem-se as verdadeiras pilulas
vegetaes do dr Brandreth, chegadas re-
centemente : na ra do Cabug, bilica de
Joo Moreira Alarques.
Vende-se rnuilo superior potassa da
lAussia chrgAda ltimamente, e cal vir-
gem de Lisboa por preco commodo :
na ra do Trapiche, armazem de assucar,
n 17.
Vende-se cera em velas, da melhor
fabrica do 11 o de Janeiro, e em caixinhas
pequeas de 100 libias, com o sortimento
seguinte:
6 libras de 3 em libra.
8 ;i 5
12 8
4 n 10
iG n 11
30 i) 4
*4 M 16
100 libras
pelo mdico preco de i|44 ''s C)da li-
bra: na rueda Senzalla-velha n 110
Vendem-se saccas grandes de fardo,
chegadas iiltimamente: no armazem d
Guimares no caes da alfandega em
casa de Costa ck Onofre ra do Amorin
n.35.
Vende-se potassa russiana nova-
mente cheguda: a tiatar com J. J. Tasso
Jnior.
Vende-se a famigerada champanhe
marca C C, que nunca se vendeo por me-
nos de a^'ooo rs o gigo de duzia
a aSs'ooo rs., para ha ver prompta extrac-
dio : em casa de Me. Calmont & C
Vende-sc urna boa escrava, a qual
acha-se no Kio-de-Janeiro, e serve para
algum Sr. negociante dessa fazenda que
a queira vender, ou para o Ivio-de-Janei-
ou para o Rio-Grande-do-Sul: o motivo
da venda verdadeiro, e ser aftancadu
ao comprador, o qual deve annunciar sua
morada para ser procurado.
Coniii.ua-.se a vender o excellente
doce de goiaba, em caixeszinhos, muito
hein feito: na ra do Crespn, i/i.
REIS 3s8oo
A' bordo do brigue Le3o alqueires
pela medida velha.
Vende-se farinha de mandioca chegada
ltimamente de S d(harina de superior
qualidade tanto em gosto como na cor, em
porco e a relalho : os pretendentes diri-
jo-se a bordo do mesmo brigue, ou ra
da Cruz n 54, ou ra de Apollo arma-
zem n. si.
Na ra Nova n, 36, loja de alfaia-
te, acha-se um completo sortimento de
lirios para caltas, de bom gosto, casimi-
ras, bretanhus muito finas, esguides, len-J
eos-para gravta dglir. .'js padres, meias
de seda prestas aglezas para homens ;
assim como chipeos de cantor inglexes
brancos e prelos da ultima moda, chega-
dos ltimamente, e de superior qualida-
de a i3sooo cada um, ricos cortes de col-
etes de todas as qualidade*.
Vende-se vinagre forn-
eo nacional, a 400 ris a ca-
ada velha: na ra do Aterro-
dos-Abgados, n. 7.
-- Vndese farelo muito
novo, chegado ltimamente,
pelos mod icos precos d e HjtWbO,
5^200 e 4.^000 a sacca ; na
ra da feenzalla-Velha n.
158.
Bilhetes, meios bilhetes,
quartos e oilavos da lotera do
Kio-dc Janeiro, a 24^ rs os bi-
lhetes, e os meios a l'i^rs.:
na ruada Cadeia, loja de cam-
bio, n. 58.
S loja da praca da In-
dependencia n. 4 vende-se o
excellente rap princeza de
Lisboa, pelo muito mdico
prre-o de 5,^500 ris cada bote.
Dcsneeessario he tecer enco-
mios ao sobredito rap; por-
que sua primorosa qualidade
he assaz bem condecida pelos
amantes da pitada luzitana;
restando ao vendedor dizer,
que aianca aos compradores
a boa qualidade do tabaco, e
que al nao duvida tornar a
recebe-lo depois de aberto,
urna vez que se Ihc ache al-
gum pequeo deleito.
Vendem-se garralas valias em ggoi; na ra da
Cruz. n. 10.
Yende-se om benito piano de armario, noto, com
muito boa* totes, chegado ltimamente: na ra da
Cruz, n. 10.
= Vende-se urna parda moca de bonita figura, com
um lilbo de 6 a 7 annos de idade, a qual co/inha ,
Taz perleilamenle doces de toda* a* qualidade*, engom-
ma cose, borda de suslo e faz renda ; o motilo da
venda te dir ao comprador: na ra da Cruz n. 34 ,
primeiro e segundo andares.
= Vende-ae urna escrava crinula de 13 annos de
idade com principios de costura propria para mu-
cama ; na ra Augusta n. 50.
= No tanque de agpa, no fim do Becco-targo. ha
continuadamente candas d'agoa do Monleiio, do Pra-
la e ua cidade as qu.es se venden, para navio* li-
sio) como em pipas, a 520 rs. e quorlulas, a 240 is,
es Vende-se sal de Liiboa pela medida velba a
1200 ra. em porcio de elqueire para cima urna pub
ci de breo a 1400 r*. a arroba; um* purcao de gar-
rafa* vasias e botijas por preco conimudo; rroi
pilado branco e vermelbo ; dito com casca : na ra da
Praia venda ao entrar no becco do Carioca, por bai-
lo do sobrado.
Escravos Fgidos

l'Bgio no dia 13 do correnle, de un sitio nu Gi-
quii. urna preta crioula de m.me Escolstica, que re-
presenta ter 24 annos de idade; cuja preta loi escrava
do Sr. Juio Francisco Bastos, em poder de qu.m ven-
da fazenda e vendida por Joio Frederico de Abreu
liego a Jos Goncalves dos Santos: quem a pegar ou
dellatuer ooticia, dirija-ie.no largo do Collegio, loja
de cbapos, o. 27, que sera recompensado.
lugi, oo dia 7 do correnle, um catira de no-
mo 1.uii, representa ter 20 a 25 annos de idade. esta-
tura baixa sem barba alguma cara radon da ; levou
urna trouia de roupa ; piuvavelmenteeMe ha de igno-
rar oicaminbos d'aqui, e ha de pergeniar a alguem
porelles, por nio ser d'aqui e sin. do Ceari don-
de veio, ba 3 semanas : quem o pegar, leve a ra dk
Cruz n. 10 que seri recompensado;*
Roga-se ai autoridades policiaca e capitiei de
campo apprehentio da escrava Leonor.com us aignael
eguinle: bana secca do corpo com una peque-
a tielida no olbo eiquerdo, a qual a prohibe de ler o
dito olho aberto ; levou vellido de chita deibolado e
panno da Coila velbo; fui eterava da Senhora Do-
lores, mora lora na ra da Semalla-Velba e hoja
perteoce a Manoel Marques do Amaral, urgento al-
mochanfe da fortaleza do Bruoi ; a qual. escrava des-
apparcceu no dia 14 do correte : quem a pegar leve
a dita fortaleza que era recompensado.
Fugio ou furtario, no da 11 do correte, om
moleque de nome Caetano de naci Bebolo de ida-
de de 16 a 18 anuos beicos grosso*. cor retinta, com
cicatrize* as pernas pucha un Unto pela pern di-
reita ps grande*; levou camisa e calca* de algodio
trancado de *>cco : quem o pegar, leve a ra da Ca-
deia do Recife n. 13, ou a ra da Seoza Ha-Velba ,
n 114.
~ T" g '
PEHM. } KATYP. DE M. F. DE FAMA.ltt/,5.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYJVQ8TVG_GUXZPQ INGEST_TIME 2013-04-13T00:48:37Z PACKAGE AA00011611_05892
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES