Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05881


This item is only available as the following downloads:


Full Text

A nao de 184.
8a
bbad 4
O DIARIO publlca-se todos os di
nao forem de guarda: o preco da|
tura he de 4/rs. por quartel pojo
do. O annuncios dos assignantcs .
rido a raio de 20 ria por linha, 4
tvpo dlHercn te, c as repetir oes pela .,
O que nao foreut assimantes paga
dor linha, e 160 em typo differente.
PBASES DA LA NO MEZ DE SE
La ora a 1 as 7 h c 15 mln. da mal
Cresceute a 9as 3 h. e 4 minutos da tard.
I.ua cheia a 15 as 7 hor. e 54 ruin, da man.
Mengoante a 23 as 10 hor. e 6 m. datarde.
PABTIDAS DOS COB.REIOS.
na, Parahyba, e Rio Crande do Norte
rundas c Sextas Oirs.
Srrlnhaem, Rio Formoso, Corto Cal-
f, e Mace yo, no l.. lie 21 de cada mei.
inhuns e bonito a 10 e 24.
Vista e Flores a 13 e28.
ria as Quintas feirat.
Olinda todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira aa 7 h. e 42 min. da manha.
Segunda as 8 h. e t minutos da tarde.
77-----
de QtiUibra
""HSbP?""""""
l>IA>
EMANA.
><) Segunda S. Miguel Alchanjo s. Fra-
terno, s. Gudella.
30.TercaS. Jeronvino aud. do J. do civ. da
1.* v., e do J. de pai do 1. dist. de tardo.
1 QuartaS. Verissiino, aud do J. do civ.
da2.* v.,cdo J. de pai do2.dist. de t.
2 Quinta S. I.eodegaro, aud. do J.deurph.
o do J.-M.'da 1. v.
3 Sexta S. ('andido aud. do J. do civ. da
1. v., e do J. de pai do 1. dist, de tard.
4 Sabbado S. Francisco de Assls, aud. do
J. do civ. da 1. v., e do J. de paz do 2.
dist. de tarde.
5 Domingo ^Placido
ArinpL
JV. MI.
CAMBIOS NO DTA'3 DlfroUTUBRO.
Cambio sobre hoirtVe*. 26 d. p. If a 60 d.
* MaTi 370 ris por franco.
Lisboa 120a 125p.c.nr.p. m.
Desc. de let. de boas firmas 1 V, 1 '/, p. Va-
Oiiro-Oncas hespanholas 3I600 a 32#000
Moeda de 6/400 vel. 17/900 a 18*000
.. de 6/400 nov. 170200 a 17500
,> de 4/000 9/300 a S/o-Ot)
PrattS- Patacos .... WM0 a 1/970
Pesos Colum nares. 1#980 a 2/000
Ditos Mexicanos 1/920 l/*HO
Moedas de 2 patac. 1/280 a 1/3'JO
Accoe da C. do Beberibe de 50/)00ao par.
I-T-lCE
DIARIO DE PERN AMBUCO
PARTE OFFCIAL.
Governo da provincia.
ESrEOtETB DO DA 27 DO PAsSADO.
(Conclueio.)
PnrtariiReformi-ndo, na guarda nacional de Pao-
do-Alho. os seguimos ofTioioes : porto-bandeira Ale-
xandrr dn Multo Canto Cavnlcanti; papila* FrancisnoCa-
valcauti de Albuqurrque e Joisjlrla dos Santos Caval-
oanti; tenenlc Francisco de Hallatida Chacn Cav.-ilcan
ti e Jos de Arnujo Nune;' 11 fe res Ai Hfto Barbosa da
Sijvst, Profiro da Silva Tu vares e FUI 0eo da Multa Ca-
IDEM DO DA 30.
OfcioAo inspector da thesouraria das renda pro-
vinciae, validando a arromatscln dos imposto provn-
ciaesa cargo da collectoria do LiiDooiro, pela quantia
annual de767,925 ris.
DitoAo cumniandonlc superior da guarda nacional
do municipio do Recifo, ordenando, mande dispensar de
todo o servioo o guarda do lerceiro batalhlu Candido
Casimiro Guedes Alcanforado, o o do segundo Jos Go-
mes do Reg, actualmente empregados na secretaria de
polica.Pariopon-se no ohefe de polioia interino.
DitoA' A. Sommier, designando o da 2 de outubrn
(currcnte),-para, as 10 horas da manilla, receber da pre-
sidencia a audiencia, que dola solicitud.
DitoAo chefe de policio interino, oienlifioando-o
de luver ordenada, que pela thesouraria dus rendas pro-
vinciacs se pague ao desembargador Antonio Joaqun) do
Siqucira o que despenden com o sustento dus presos po-
bres, quando enoarregado da polica.
teralmcnlo exprimido, o obler que se adoptnisein medi-
da* rpate* determinar inteiramente a guerra, ornis
deprrssa possivel, o de assegtirnr para o futuro a dura-
cao da pas, />u intervindu coro armas na lucia, ou por
oolros qoaosquer meios, legitimar e honrosos ; cuidando
alternamente de que em nada le menascabaese a absoluta
independencia da repblica, nem ee compromelteue a toa
amitade com outrat nacOee.
Estas pourasliuhns, escripias em 11 do agosto du 1S43,
ser ludo o que o poder cxerulito vos dir, para marcar
ooni o'lAdelevel sello do despreto aquclles que, dentro o
fra da republiea, derramarlo a calumnia do que n go-
verno, encarrilado de defender a sua independencia,
buscava Dolencias etlrsngeiras a quom a vendesso. Isto,
e nadkfmai, Srt. ; porque o patriotismo, a prottidade
poltica do exeeutvu e das honradas cmaras, sem cuja
concurrencia nada pode pactear com oeitraiigeiro.fillu
em maior altura que as desses fabricantes de calumnias
absurdas e ridicula*.
Por meio de seus agentes no exterior, as suas rela-
vos immediala* com os que residen! acreditados na re-
publica, fomentando, e as vetes dirigindo tempendas e
opporluuas publcicc, rmpregando, em uina palavra,
todos os meios honrosos de que poda dspr, trabslliou
o governo sem descanco ora conquistar as ayupalhas
das potencias cojo apoio solicitara ; em periuadr-lhes
que alucia presente nao era urna guerra civil, ooni quau-
tonat fileiras dogovernador do Buenos-A y res seencon-
trassem algnns fillios da repblica, que, abdicando a sus
uacionalidade as mos daquefie vainhu ambicioso, so
tinhlo alistado debaixo de anas bandeiras e a sold sen -.
quo era esl urna guerra de invaslo e de conquiat, di-
rigida essencislmente contra a independencia nacional;
urna guerra quo alalhava o desonvolvimcntu da eivilisa
cao, que tenda a substituir o principio da ordom legal
pelo systema do facilidades extraordinaria, os gover-
no* de cleiclo'Ijvre por caudilhoa deassuada; oque
continuada em termo, snniquilaria proipjit.imenle o pa-
ra sempre, nesla regan, todo o elemento de cstobilda-
de, toda a fonte de comniercio e de riqueza.
Muito Iriballiou o governo nosle sentido ; milito tevo
que luclar contra a natural detconfanca untn que se ro
cebiao as suas palanas o a deseus agentes; muitos des-
engao* recebro, e frequentcs motivos teve para deses-
perar. Perseverou, comtudo, em seu proposito, certo
do que o lempo e os successos roiiquisiarlau por flu a
conviccio uuverial.
Ossuccessvs, Srs., vos ao perfcilamcnte conlieoidos.
Sustentado por eso extwlo, pasmosa creacao do pa-
triotismo ; apoiado nq opinin nacional, na decidida
cooperacio dos cidudaos, em ardenle* e eflioatcs ij'iii-
patbial da pupiilacao estrangeira, e robustecida asna
arelo com a que a seu lado desenvolvern sempio as
honradas cmaras, o govcrnn presidio com indmita
constancia a defensa da repblica ; re frente as enor-
mes necessidndrs que olla exige; desbaratuu rciihnacSe
prfidas, e, alteriiativnmcuto venuedor o vencido, nem
manchn a victoria com as crueldades a quo seu inini-
gi. o provocata ; nem abaleo na derrota as bandeiras da
naci ueni u cnlhiisiasmo de seus fllios.
Esta lucia deu lempo o que se fossem gradualmente
oomprehendeiido as grandes vcidadet quo rcvclava.
Tornou-se perceplivel para todo o contraste entro os
rincipios jberues do governo o o ayslema arruinador
de seu inimigo comprehendeu-io o perigo queameaca
"i independeiii'ia da rcpublicn, ao locsrau iein| o que
neiro qo 4841, para obler a medtacau da Inglaterra i ii<^-sj nntoirn sufrriiuenlo do comniercio, e a* ruinas de vo-
Fraoca na Iota actual, c para pedir o ajioK>,j(e*ra^tl tiuM turtunas estrangeira* c nacionae* eapcrlurao i
exislcnle* ihe da vio o dircito dejaiernr da pafle delsi s itencao do poyos e dus (ovemos, inleresdo* un paz
- na [irosperidude, na civilisaclo destat regidea.
Comma
QUARTEL GENRBAL
unas.
BECIFB, DB 0D-
13.
ortfaiTiLnnrii.* 53.
Declara-ie ausenle, por excesso delicenca, aoSr. capi-
llo Pranciico de Paula de Albuquerque Grillo, do 1.'
balalhlo de caladores do exordio-: o que, na'corformida-
de do artigo 3. da lei de 26 de mato de 1845, ae faz
publico. Antonio Coma Sira, brigadeiro com-
uiandante da* arma*.
EXTEBI0
r
REPBLICA ARGENTINA.
lUKSACeM DO PODE* EJECUTIVO As HONRADA! CMARA* EM
1 1 DB AGOSTO OF. 1845.
Honrada asseinbla geral. Nunca desde o principio
desta efoea de dor e de gloria, comparrreo o eieiutivo
em vossa presenca por motivo mai* grave nem mai*
plausivcl que aquello que hojo o trax ao vosso augusto
recinto.
Deve-vos conla do negocio mai* delicado que cilio
incumbi quando eencarreguu da defensa daarepblica;
veiu dar-vo-la, completa, anda que embrete palavra*.
Oir-vo.-b o que fes e o que icncimia fater. Pedir-vo-
lia vossa approvaclo do primeiro, e vossa franca coopc
relo para segundo.
Ao Hrg*nisar-e a ndminislracSo do fcverero do 1S43,
enciiiitiou peiideulcs negociavocs, priiicipiada JfiM
atacarla pelo gover-
km o gaverno a
['enipcnlio. Ti ii 11 o mi-
nas corles de Porii
rrmitlindo a sltuacio do
Sler na de Londres,
hoo em carcter par-
rio sempre do perfeito
potencias c do imperio do lir
dependencia nacional, berta
n.ulor de Bueuu-A*/re*. M
Acceitamlo gi'loOj^
iieguciacea cun nsnidu
nislros |ileiiipi>teiiriarj|
e du Rii.-dc-Jjiniiii,
thesouro acreditar u
entiuu all uin oiinit
ticulsr. Estes tres a
acoordo.
As primeira inilmecne* que a adminiatraeflo defeve
rero den obre o assumpto tinhlo por objeclo, assim lit-
'$ folhetimT
AlROVOADA.f)


Adoptou-se cntlo h resolllo de aialhar e.la trrenlo]
de sangue que afoga, ha lanos anuos, as usnas desven-
turadas p. pulaces. As tres potencias que mai uu me-
nos directamente concorrrlo para eslabebcer e goron-
lir a independencia da repblica nos Halado de 1326' o
1840, furto n> que tomarlo a seu cargo ess* obra sania
de pai u do regvncracio.
(j Brasil, ruis immediala o directamente ntfrcssado
ncllu, cunviduu a Franca ea lnglateira, em fins de 1844,
a cncorrerom ooiu elle; e estas duas uaces, de coja
sympatluas edesiiileresscs tiulia j o goierno repetidas
provas, aceitarlo nobremeule o convito.
lis vi* a converjacao traiido ao pcntamenlo de Ame-
lia, ruu grado siu, Mr. do Forlis, o desla vet ella se
agoniou de u ver ervir de objeclo aasoiubarias do man-
cebo senlio-so disto hiuilhada, pois que em fin havia
quasi ooBseulid.i cid esputa-Jo ou pelo menos cid conlie-
ce-io nene intuito, c a ser ello tiu ridiculo, nao poda
ella deixar de o ser uiu puuco. Ansolmu que pareca ig-
nurar os projeotoa de Mr. Dsllois, engauuu-so sem du-1
jrca da causa do mau bumor d'Am'clia, e rea- va.....
ra despedir Mr. Ferou.parou vendn-lhu nuroslo urna ex-
presslo do verdadeiru petar : tfio timidoi e lio triste
Ihe divulgou usolhos, que receiou havo-lo otfcndido, o
respoiideu-lhe cora mais brandura.
_ Duu-lhe as dovidas gracas, meu Sr. perdoc-me
o que he sem duvida un capricho, mas prefiro flear.
Anselmo comer vou-io immovel, o Amelia ropliouu:
Exigencia! posteriores do sua poltica delivorSo ao go-
verno imperial, e raiem qne o Brasil nlo aeompanhe
anda a Inglaterra o a Franca na obra para que as conv
dou. O governo deve esperar quo prompiamentc as a-
niiinpanliarn. Mas v comprehendorcis, Srs. que, em-
quanlo negocios desla naturea nlo esto inteiramente
resol vidos, niio seria conveniente nem utl oominuncar
vos o oslado em que se aohio. O que podo diirr-vos o
eteoativo ho que cultiva boa* e franca* rolacoe* com o
imperio, eque nenhum motivo tero para duvnlar de que
uteu vinho prceneher lealmculea obrigac5e que o*
tratadoa Ihe imporni.o deque oceupar o posto que asna
posiclo Ihe aiiignala e que os seus verdadero* inlcrc*-
ses Iho aconsclhlu. Reservando para a devid opportu-
nidade inatrur-voi da parle que o imperio tome na u-
cficacSo da republiea. pa o governo a diter-val a
parte que a Inglaterra e a Franca leem tomado al ete
memento.
No dia 8 do maio p. p. receben o governo, em urna
noli do Sr. Adolfo Turner, encarregado do negocios do
S. M. B. u priiiieiro annuncio ollicial do que o Sr.
GoreOutelcy, ministro plenipotenciario do Inglaterra
junto Repblica Argentina, eslava enoarregado do
promover, cm unido com o representante do Franja, a
modiaglo do ambas as potencias para obler a tcriunajao
da guerra. O Sr. Turner mauifestuu a conftanca com
que o governo da sua oberana esperaya quo o da rep-
blica accedera aos meios honrosos c justos que os mi-
nistro mediadore Iho propotessem pora obterem a pa-
cificaclo.
O governo npressou-ie a agradocar, em respoala, o
senlioieulos e disposices do gabinete de S. M. Britan-
ne.a, en prumctler quoocceitari com guslo quaesquer
termos honrosos e justo quo, assegurando a absoluta
independencia da repblica, deiscm em resultado a ter-
minaclo do urna guerra que ella nlo pruvocou, a na
permanente paeincaciu oo rcsubelecimonlo dassiia ro-
lacocs cun todo o mundo.
0 governo vos aprsenla, com us nmeros 1 o 2, csso
correspondencia.
Posteriormente thegou a etaagcns o Sr. bario Dcf-
faudi, enviado extraordinario e ministro plenipoten-
ciario do S. M. o lei dos Franceics; e em 8 de julho p.
p. este funecionario fl o su collega o Sr. Ouseley din
girlo ao governo da coplul de Uuenos-Ayres, duns
x>..n...uo.ec, onnunoiH<<.-lli o .bjeolu da na
miando om termo* ubslancialuicule iguocs aos da nota
do Sr. Turner.
U governu respondeo, reprodi.tiudo a acguranv'aa
quo ja linha dad- do que acoeitava a mediaclo com inui-
lu sincera saliafaelu.
Ao mcMiio lempo que a anteriores, recebeo- mitra
oprhmunicacft do Sr. barln Dclfaudis, datada *9 deju-
llio, annunoando q-ic os dous ministros mediadores li-
nhio exigido du governador do Bncnus-Ayresu retirada
das suas tropa* e da sua esqusdra do territorio o costas
da rep ublica, e promctlido-lhe que so lomarilo siraul-
laiicameiilo medidas para quo cessasse tuda a particpa-
las) do cidudlo franeexe que linliiu lomado armas
nos negocios interiore doetludo.
OSr. burlo exprima a esperanca que tnba do que o
governu ouncorreriu com elle para o cumprmeulo dos-
is di e a i .-c ni.
O governo a8BPguron novamenle, cin retpoiia, que
eslava promplo a coadjuvar o designios do Sr. bario,
0 manfestou o desejo que tinha de que, chegando u ca-
so, ic fixasscdrvidanieiite o modo o o lempo da retirada
das tropas de Ierra, para evitar B drstruiclo da pro-
pried.ide* ruraos da repblica.
Aullareis, Srs., cla correspondencia as uotas nme-
ros 3 u 8.
Os honrosos ciforgua do plenipolencrio medado-
fe qucbrarlo-se contra a lenacidadc altiva do governo
de Huenu-Ayres. Negado por ello a temporaria sus-
penso de hostilidades que primero se Iho pedio, c re- |
pclldu dcpois a exigencia de que rclirassc as suas tro
pas c a sua esqusdra, os ministros mediadores liverlu
d. retirar-so de Buenus-Ayrcs, o a captol da repblica
leve a fortuna de receber hospedes lio recunimen-
daveis.
Lugo depuis leve o governo a grande salisroclo de re-
ceber a ola culleuliva que os duus Srs. iiiinislru- '
- ----- ------ .......
lio-
vida a cerca
pondeo.
Se aSra. tero o menor receiu, turnemos qualquer
outro mcio de irausporlr.
Singular impaciencia agilava Amelia, que respondeo
esforcaudc-se ero baldo, por oeculla-la :
He escusado ; decididamente oreio qne nlo irei ao
campo, he tard, o lempo torna-so oada vet peior, ser,
bcui triste divcrliotenw ; nao, fioarei em eaaa. i
E tssim fallando havia-lirado o chapeo, encuatado
guarda-chuva, descalcado as luvos; mas ao vulur-o p-
) Vide Dimri u. 218.
1.
o di
Nlo se esqueca que o esperlu.
Anselmo, cuiuu qnem faiia gratide esforco, responden
com urna vot que havia perdido a ligereiu o facilidade
habitual, o denotara inoommoda timidet.
E uiu eiquece a Sra. qne a esperto ? Que drei eu,
quando me pergunlarem, porque nlo foi Vm.?
Porque eu nlo quii..... porque livemedo daebu-
..... uu mesnio du cominlio de ferro.....
__ Nlo raeacrcditarO, Sra., e acousar-me-hlo.
E de que podem accusa-luP
He que, v Vm., proseguo Anselmo deixando so
ir alegra que Iho era natural, he que eu lenhu muito
mi repotacio.
Que chama o Sr. in'repulaclo?
Mr. Cambe! e Mr. Dallis pretender que eu sou
m deslindad.., uro ralladur, que digo en reparo lo-
*t ai loucuras que me vem cabeca, e que mullas vo-
tes nlo slo as mais convenientes. Se a Sra nlo ror, sup-
porlo....... euseiea? que nlo me-honvu eotn pelidet,
que ana Iratei eom retpciio, que Vm. leve insxh) de ir
conmigo.
A ingenuidade d'Ansolmu ao fallar desla surte iran-
luilliton iiileiramcnlo Amelia ; niu pareca elle mais um
bello mancebo, seguro da sua pesana, mas sim un me-
droso estudanlo ; demsnera que ella orrio-sc, o res-
pondeo*. *
_ Nio leuba cuidado; dare du Vm. I.oni teslemu-
ubo a M. Dsllois.
__ O melhor do lodos sena a sua presenca.
__ Perroilta-me, que Ih'o recuse, disso Amelia, tenhu
luinbas rases,
Pensava em Mr. de I-oriis, mas conlinnou:
__ "Sa rerdado > lempo est muito mi.
_ Fat um sol admiraveJ.
Vm. tetu uiuilu a peilu oondutir-me?
_ Tenho rouilo a peito tilo ser mol acolhido. Digo
Srs., que me hlo de acensar, se Vm. nlo tur; serlo
baldadas todas as luinbas explicocoes; as suas mesmas
nlo mu etcusar ; sabem todos quo hoa Sra. tiu boa o
indulgente, que allribuir oque poderi diter sua
delicada gencrosidade, o chegar al a crer quo cu
f.illci. ,
_ Fallou de que, mcu Sr. r
, __ ol! de nada..... de nada, luinba Sra., respondeo
Aniclmo prompumeote.
Era Amelia agora qnem eslava admirada; imaginou
que havia snyslero occullo na sua visita a Saint-Ger-
ntain, que se Ihe preparara urna sorprcta, que deviaalli
saber alguma grande nolioia; o nao querendo quo por
sua ausencia talbask-an arranju*, cm que Mr. Dalloi te-
[tia talvet prater redondeo:
4
dirigirlo cm 4 do agosto, o quo o poder execulivn vo*
aprsenlo como o mais honroso o mais folii resultado do
negocio do que vos falla. -
esse documento, dictado pelo niaa nobr desinlere*"
se, o concebido em termos d* rusia limitada franqnexa,
encunlrarcii, Seuhoret, a etartB clasiifi.-ooAo da polili-
ca c das vistas do dictador de Bllenos-Ayres; a proposi-
clu mai explcita de respeilo u abmdula independencia
da repblica; a aegur.uica mai completa de que eu* in-
dependencia nlo perecer na mo* de un viainho m-
biniosii; a declaraciu, capa por sua franoa sinoeridade
do Iranqnilliaar o animo mais susceptivel, deque as
grandes potencia mediadoras ndo qucrem.par* *i a m-
nima parto dessa influencia dominadora o Ilegitimo que
combalein o oombatero sempre no govornadur de Bue-
no Ayrc; e einfim, n desojo ardente dessus potencias o
los seus dgiiiis representantei,*" ver reunido todos os
fillin da repblica debaixo da Mica bildeira da consti-
tuirlo e da ordeiu legal, e torthilwla* o* cruei* dissen-
sfie* quo compromeltem" a propria existencia da pa-
tria.
O governo aprcssuii-so a agradecer, em nomo da ni-
elo, ana nobre pi-ogramma, oem promelter o sus inlei-
ra adheslo, e som uondicio ulgiima, s vistas o para o*
Sn expreiiadoa naquella nota, que, assim oomo a rei-
poala, fie.-iu em noaia* miot com o numero* 9 e 10. Os
faoto* i|iic te at-guirn a esta declaracio al cite moineii-
lo sao a ilcleiie.io c oompleto dosarmamenlo, effeclusdo
pelas f.ircas inglcxas o franccias, da eiquadrilha do go-
vernador do Buenos-Ayre; o deiembarque de todos os
individuos do ambas os norSes que a Iripnlavlo, a ro-
messa paro Buenos-Ayres do resto das iripolaces, oom
seu ehrfee i.lucaos, o bloqueio effeotivo do Buceo, eo
annuncio oflioal de que brovemente so bloqueiar to-
dos o mais portns o costa da repblica qne le acharen]
occtipadoi pelo inimigo. Escusado ho dtvr-vot qu et-
le entre o governo o os agentes diplomtico e militaros
da Franca o da Inglaterra a mais estreita communidade
de vistas o de*a<'(lo-par.) levar-so ao Ato aobraj oo-
mecada. Porm, comprclicndercis faeilinenlo que nlo be
perraittido entrar ssW esto ponto en* pormenores aU
guus.
Al aqu, Senhnros, o rt-a-aV exocutivo vos tem int-
imido do (|iic tem feilo e du poni a que tem chegadu a
mi-diai,:.!. pora pacifiosr a repblica. O Iriumpho da in-
d-p.-iideiii ni nacional cslil g.ir.i completamente assegu-
rado; assim vo-lo annoiicia o governo com intuir con-
Banea.
Anda temos do Indar; mas por certo lempo e ooni a
certea de veucermo. Sos, lomo cuntido durante iriu-
loineoi todo n poder do ambicioso dictador. Como se
piide duvidar do que o annn-oilaremos cm pouoo tein-
liojc que ciinlamos com alliados poderoioa? O go-
verno se compra/ era repel lo : a independencia nacio-
nal esl inteiramente segura : o termo da luuta esli per-
to e nan podo deixar de ser fovorsvel.
Porm abre se, honrado legisladoras, urna poca in-
leiramente nova paro a repblica, poca que a lodo* im-
pon novo* e inui erio devores. A acerbissima lelo da
quo ora acaba nos roana o espirito quo ha de presidir
o que coiurca. So nada livessemns aprendido oom o lon-
go infortunio da | oira, pomo iiiereeeriamoa o nosio
Iriumphn o as sympalbias dos que mis judio.
Nlo basto reparar o* males quo offrooa repblica; ho
indispemavel asegurar-nas de que nao tornars a re-
novar-se.
Milito ha qne faier |iara obter-sc esto duplo resulta.
do; masa larefa nao lio diQi|jWc parliuios de dous pon-
to csscneiie, iniircado, oumn nica compeiiaajlu que
de mis uniros so e|irra, lia,nol oollecliv.i do plcnipu-
tenciarios cucan i Dflc,fio*v3.i da repblica .- a
unido di.radoura c sinceriilf Nbdiui o rienlae* o a fran-
ca u religiosa observancia da conilituigdo Jalsxtjpdo.
Ambas ascouso promelteo o governo omnome da re-
blico; proinetteo-as, porque so ihu pedirlo em nomo
da rallo, da jo.tic-i e.da honra; porque nlo poda naya-
la sem quebr da primeira cundilo da ana existencia;
promeitco-a, porque o seu primoiro dever be ouidar
telosaincnte na observancia e franca apploiclo du ds-
posees conslituciunaea, e coniorvar-so lera partido
al,;nni, iiiperiur a todo clles, iiioderaudo-os todoi e do-
niinando-o* lambcm em nomo da le*. Proroeltao-as a
lio neces-
in.
L- .1
Pniabem! visto quo a miiilia prfjHaca
saria he ua justBaclo, irei a Saint-verm
Anda bcinl ckcjamou alegremente Anselmo, e vai
pelo eaminho do farro?
Sej.i pelo eaminho de forra.
E cutio puderemus ambos toinbar de Mr. do
Forlis.
Ah exelamou Amelia com verdadeiro moviraento
de mo humor, Mr. de Fortii! sempre Mr. da Fortia !
Mcu Dos Olho Sr., dcixe-o la em pat com as tuaa r-
dicularias.
Queira perdor, miiilia Sra. replioon Ansel-
mo com urigiml franqucia, mas cu deteito-o cordial-
mente.
E dit mal dolle!
Ah! juro-lho que nlo disto o quarto do qne)
pens.
Em todo o cato, wi provavelmonte maia do qna
ello a cito respeito.
Nlo por certo, Sra.; so o poupo na lusencia, na
preteufa nlo tenho a menor alinelo. Elle piga-m'o
bom ; ha entre n* guerra declarada.
Na qoal be Vm. sem dnvida o vencedor ?
Aluda assim, nlo he sempre.
Elle tem muito espirito, me disse Vm. r
E tem cincoento anno*. he urna grande vanUgomi
pode diter tudo, e eu nlo posto responder-lhe i ludo.
Mas cm fim, porque o delesU tinto Vm.r
Porque elle he fri, cgoiita, odenlo, pfpque do-
tetU ludo que be moco, porque pareos invojar ao* on-
SSM


at4Jtw

oonla, Senliore, con (i toiln eflica auxilio pan cum-
pri-la. >
AS'""n '" lempo ile chamar 4 ra?lo tmloi ni homen
extravidmele lembrar tmlna o que cada um deve
na patria, do convida-loa a guiar da poca do paa que
le appmxima.
Qunndn jy ncnliiima cilada pude por eni risco a inde-
pendencia da patria; qoando oa quo abuianera da gene-
rosidad-' ooiu quo ella oa chama estara" cerina de uchar
ininicc, j castigo ana temeridade e teriio < nutra, ai a
maiorin da naci o a '"polea moral daa potencial que
esiogurln a pin; quan a necraaidade de repeinan de
reparacao arrancara ontrrtal annthema contri oa per-
torbadorc d nrdem | ublioa; milito cerina deveis ratar,
Scnliorcs, de que nda aventuris em abrir larga porta a
tocloi ni extraviado, ein clmii/vr ao gremio da patria
"S todna oa iciii nlhoi, ein prometler-llnts o ioteini eique-
ciiuento doa icui erro, fraternal o lincern aoolhimento,
- urna vci que prumctllo rcipcitir rcligiojajpeiite aa lea
que o amparan e ai autoridadei pnr el Apnsagmdai.
A ialu voa nonvida o exe.cuiivn. N^E ^f" distantes
osdiiii ein que a repuUica lera quefraejanier o delica-
do ilever do ele-per O clii'fc lupremo de eu go verno ; to-
do! o que quercm ter Oricnlaca c viver na familia ori-
ental, dvtrem c.oncorrcr para preparar eata menme elei-
V,lo. Mingiienf'tenha pretexto para diior quo ao llio fc-
cliou o caoiinliii que a lei I he i liria; lodo! aojan doide ja
prevenido! e convidado!. So alguna peraiatem ein pro-
Jungar cita guerra assnladra; aeo voida patria o dude-
ver nio ii'iu eolio < ni iciii coraefies, e preferem perma-
necer as filriraidn julio depredador du ten paii; cutio,
Senliore, nio icreii vn iicm o execulivn, queni o pri-
va doi iciii direitot; serio cllci meimoi que o renun
unirlo para lenipre, lubinoltendo-ie a participar eia tu
do do enro quo lica aoi itivaioroi, cuja allianca lerlo
rallo jurado.
All tendoi, Senhore, o pemnmento aberlo e fraucu
do execulivu : a vl toca dar-lhn realidadc, converle-lo
em um menme e ger.il indulto, re volido de toda a roa-
geilade que convm situaoio.
Dado eite palio, leremoi aborta a senda para applicar
livremenle ai noilai leia oonilituoionaei quandu chegue
a poca da eleifo do magistrado supremo; e tercios
feito q iianlo dependa de mi para que na gcrmrm mor-
tfero dai discordias eiiii Hquem aofTocadoa para lem-
pre no langue que por deigraca ao derrainou.
Nao vu detenha, Senliore, a insensata provocado
eoni que o diere doi invaaorea pe a prova neate mo-
mento a voaia moderngio e os viiaaos pnnnipiui. A es
a barbara cipnliacfiu quoelleauaba do juntar ao m-u c-
digo de exterminio, pclu iou decrelu de 28 de julho,
correipondei, teni vaeillar, com a gencroaa rcsolucao,
que o eiecutivo vm propOo.
Asiini sera mail grandioio o len effcilu : aiiiin farcia
urna lioniriingciii digna ce vacio e deuntereiso dai na-
cei que iliracin a cama da independencia nacional; o
aiiiin enllocareis, Senliore, a republiea no lugar que
Ihe lie de ido entre ni povoi civilisadui da trra.
Tem preeucliido o governo o objectu para que recla-
men a vusa alinelo : pede-voi, cuuiu unioa recom
peina do seus esforcos, a appruvac du que al agora
tem feito, no negocio principal de que vus nalroioj a
exprsalo do que citis satisfeilos com a iitiinclo das
consas, e a cooperarlo de que nei essila para levar ao
cabo a ana minio do lalvaci e do pai.
Montevideo, H de agosto de do45.Joaquim Soarex,
Santiago Fasq-iei.hofino Bausa. Santiago Sayo-
ye. {(aceta Mercantil.)
tj. do Commercio.
"o qual este paii tem
Contino a reeeber do toda at potencias estran
geirai prova da sua amigavel disposicio para com el
paiz. '
Confio que a convenci recentemente concluida por
mim com o rei doi Franceies para mais eflicaz ropres-
sio do trafico d'escravos, estabeleeendo urna cordial e
activa cooperario entre aa duas potencial, ofierecera
maior perspectiva do que tcmaMaMui existido,de com-
pleta eonsecucio Vum objec^^Rli
feito tantoi sacrificios.
i. Senbore dacaaa doicommum
Agradeco-voi a generosidade com que votasle o
suppnmenios para o lervico do correte auno.
Mylorda e Senbore
u Na voaia volta para ai vossas diveraai provincial, oa
devere que se devolvem sobre vos, sao quaii tao im-
portantes como aquellos de cuja execugao vos dispenso
agora.
a Estou certa de qne promoveris e fortificareis pela
vossa influencia e pelo vossu ejercicio aquolle espirito
de lealdadee contentamento, que geralmente bavois de
encontrar por todo o paiz.
No desempenho de todas as fuacgoei que voltio
confiadas para a felicidade publica, podis contar com
o tneu cordial apoio; e imploro a bencio da divioa pro-
videncia sobre os nonos esforcos reunidoi para alentar
a industria, augmentara! cotnmodidades do tneu povo,
e inculcar aquellos principios religiosos e moraes, que
formio o mais firme fundamento da nossa seguranca e
felicidade.
(Times.)
INTERIOR.
Falla
INGLATERRA.
com qui a rainha adtuu o parlamento, no da
9 ai agosto de 1845.
Mylords e *enbores
Folgo de que o estado dos negocioi pblicos me
permita dispensar-tos de conlinuardes a anitlir ao par-
lamento.
Ao encerrar esta laboriosa sessio devo eipressar-
voi os meui ainceroi agradeetmentoa pelo relo e pela ai-
siduidade, com que vos applicasles contemplscio de
mullos asiumptos, queaflectio profundamente a felici
dotl publica.
e I enho prestado cordialmente a minha senecio aos
bilis, que me aprsenoslos para reduzir os direilus so-
bre muitos artigoa de imporlacio, e para remover as
restricedes sobre o livreemprego do capital eapplicacio
da industria a certos ramos dai nossai manulacluras.
A redcelo da impoiiiio ba do necesariamente
produ/ir desfalque immedialo as rendas mas, confio
que o seu efieito de estimular as empreas commerciaes,
e de augmentar o meioa de consumo, servir lti-
mamente d'ampla compedteclo por qualquer sacrificio
temporario.
Tenbo lestemonhado Uom particular falislaeao a
incamavel attenclo, que r^realates as medidas, por mim
recomaendadas a \osia consideracao no principio da
sessio, para melboratdei e amplisrdei os nietos de odu-
caeao acauemica na Irlanda.
Podis estar certos da minka resoluciode evira
effeilo essai medidas da maneira a tnais bem concerta-
da para inspirar confianca nal insiiluices, que teem
merecido a vossa approvaco, e realisar o vosso ardente
desejo de promover a felicidade d'aquella parle doa meus
dominios.
iroi aa esperanzas que elle nio tem maii, o diipoiifio
que nunca terir) porque escarnece.ale todoi oienlliuii-
namoa, Jiorqno d una raio odiosa e delcitavel lodos
o buns scntiiuentoa porque icen, que au aou maii do
que o fillio orphlo de um liomcm honrado, amaise urna
iniilber maia rica e do lucidor naacimentu du que cu, el-
le dira, quo era pnr iulcreaie e vaidndp.
Elle odiise, eheverdade? replicou Amelia rindu.
Verdade o quo, pergunlou Anselmo cuinmovidu,
que amo pur inlercue baixo e lordido, que amo or
yaidade? '
Nio, Sr., nio, reipondeo Amelia acalmando com
aorrlio novo a indignacAo dAmelmu, u que eu queru
diter, he que visto haver elle tao mal explicado oa aena
aenlimenloi, lie por que estes exiilem.
Anselmo como, Amalia continuou.
He que nio ha duvida que Vm. ama urna roulher.
Suppunha. disie Anielmo balbucanle, que faria-
moi bem e apeoveitar o bom lempo.
Mai nio v que agora chove a polea?
He rerdade, parece de propoailo.
. Sin, Sr. j parece que u ceo nio quer que cu va a
Saint-Germain.
Oh! leja o co loovado, diaie Amelino com ar de
quem abafa um grande legredo, ao he para impedi-la de
oaaar com Mr. de Forlii.
Senbor meu, diae Mma. deLeurlal em tom de of-
fendida.jlo entendoo que Vm. querdiaer.
RIO-GRANDE-O-NORTE.
GOVEBNO DA PROVINCIA
Correspondencia do Exm. Sr. doutoi Casimiro Jos d
Maraes Sarment com a thesouraria provincial.
Abril 50.
N. 3. Respondendo o oflicio que acompanbou o
bataneo da recetta e despea da semana (inda.
N. 4.Cumpre que V S. a vista do pret que Ihe
for apresentado pelo comtnandante do crpo de polica,
mande abonar o sidos, que se estiverem adeveras
pracas do mesmo crpo, de II do correte em dianle;
h'cando V. S. na inteligencia de que, independente de
ordem positiva deila presidencia, devo nio i mandar
pagar nos devidoi lempos as soldadas que bouverem de
vencer as pregas do referido crpo, como determinar
todos os ni a i* pagamentos ordenados por lei, sempre
que baja para isio possibilidade : licando nesta parte
se un clleilo a ordem da presidencia, de 12de setembto
do anno prximo pastado. Dos guarde a V. S.
Palacio do governo do Rio Grande-do-Norte 30 de
abril de 1845 Dr. C. J. di M. Sarment. Sr.
iuspector da tbesouraria provincial.
N. 5. Determinando o artigo 6. 10 da lei pro-
vincial n. 10, de 29 de outubro de 1838, que no dia
8 de cada mea seja enviado a presidencia o batanete da
receita e despeza provincial, edectuadas no mes ante-
cedente, e bem auim o orcamento para o mezseguin-
te; cumpre que V. S. laca observar d'ora em diante
aquella disposicao, cessaodo na remessa dos balancetea
emanaes, como at agora se tem praticado, visto que
nonhuma utilidad publica resulta do aer alterada a
disposicao da cilada lei. Dos guarde a V. S. Pala-
cio do governo do Rto-Grande-do-Norte, 50 de abril
de 1846. ~Dr. Castmiio Jos de Moraes Sarniento.-
Sr. inspector da tbesouraria provincial.
Maio 5.
N. 6. Em resposta ao oflicio que V. S. me diri-
gi nesta data, sob n. 86, acompanhado da relacio dos
objectoi, que sobraiio da obra do Baldo, e que, por
(alta de licitantes, deixtio de ser arrematados; ordeno
a V. S. que os 119a novamente oflerecer em baila pu-
blica, acceitando qualquer lanco. que sobre elle lr
dado, o qual ficara dependente da approvagao definiti-
va desta presidencia. E como alguna d'aquelles objec-
toi, pelo seu mo estado c insignificancia, nio mere-
ci valor algum, V. S. os Tara excluir da arremata-
do, como sejio potes quebrados e furados, caixoes
desmanchados, tinas abatidas.Dos guarde a V. S.
Palacio do governo do Rio-Grande-do Norte, 5 de
maio de 1845. Dr. Casimiro Josi de Maraes Sar-
ment. Sr. inspector da tbesouraria provincial.
Dia 6.
N. 7. Cumpre que V. S. me informe com ur-
gencia qual o motivo porque deide o da 10 do mei
passado abandonou 01 trabaiboi, de que eita presiden-
cia o encarregra por portara de 5 de mareo do corren
te anno. Dos guarde a V. S. Palacio do governo do
Ro-Grande-do-Norle, Gdemiiode 18\H.Ur. Ca mi-
ro Jos di Moraes Sarment Sr. inspector da tbesou-
raria provincial.
N. 8.Mandando pagar urna cavalgadura, para a
villa da Maioridade,ao alfares Miguel l'orfiro de Sousa
Caldas.
N. 9. Tenbo por portara desta dala ordenado a
nsskMBaaaaiaaaaeaaraxsasji^aBMe^e^asiaB
-e
o! poia nio v aabia ? replicou Anselmo com como o icx,
extrema volubilidade; tambein a engaarlo'' Eu bem
descunfiava, nao poda crer quo urna mullier como 11
Sra. que urna mulher..... um anjo, cuino Vm. con
louiisse 0111 sacrificar-ie i aemelhaiile hoiucm : ablle-
la unida fealdade, a mucidado vclliiee, aa graca, o
espirito, a blindado u ridiculo, ao cgoiimu uiuligui-
dade, ulo era pnasivel.
Perdue, dine com frieta madama de Leurt.il, que
llie observo quo se d.gua occupar-io do iiiluresaei que
lio lio sen.
Que nio lio meua!..... replicn Anselmo depois
continuou em tu reipeitoio, lio lubmisau tom que quj
ai abrandou Mina. deLeurlal: Perdoe-mo por quein lie,
minha Sra., quo nio lenliu rallo, bou um dondo, um
desmiolado, como dii Mr. Dallois; don inuito ouvido u
seniiiuentoi irreflectidns, tiu iuiige vou que me tom,,
njuilu e iiiio. Llisse-lliv mal de Mr. do Furlii, pinlei-
lli'u ridioulo. Puno asnui avalia-Iu com u meu geni
arrebatado, cum u meu cornean que mida cumprrlicnde
desapaiiunadainentc; nio teulio purera o direilo do o
ealoniiiiar. Mr. de Fortii lie um homeui debum be a
probidade o a honra ein peasoa. A mulher que truucer
leu niiine, nunca lera de que envergunliar-sc, o olio
fax um nubre mo da fortuna quganhuu com Irabalhos
os mala diitinctus e honroiua.
Eitahi o une he ama retraetaclo to honroaa para
elle cuno para Vm. Mae peranilla-me que llio pondero,
quo ae aabia dos projeoloa de Mr. Dalioia, nio era cor-
responder a aua conhanca, lallar-aa Je Mr. de fortis,
recio do professor Jote Granano de Goei Lira
lira de primeirai lettraa da povoacio de rea,[de
qu havia sido illegalmente removido, e ao professor
que a oceupra,Primo Filiciano Martyr.para a da villa
de Angicos: asiim o communico, a V. S. para seu co-
nbecmento. Dos guarde a V. S. Palacio do
governo do Rio-Grande-do-Norte, 6 de maio de
de 1845. Dr. Casimiro Jos di Moraes Sarment.
Sr. inspector da tbesouraria provincial.
Dia 7.
N. 10.Mandando abonar adiantadamente 01 tol-
dos que houver de vencer ateo ultimo do correte me
o alferes Miguel Porfiro de Sousa Caldea.
N. 11. Em resposta ao oflicio que V. S. me diri-
gi nesta data,sob n. 88, cumprc-me dizer-lbe que ap-
provo a arremalacio dos objecioe que aobrirao da obra
do Baldo, pelo preco de 7,800 n.; viito nio ter appa-
recido quem maior lanco offerecesse, como V. S. me
commnnica no dito seu oflicio. Dos guarde a V.
S. Palacio do governo do Rio-Grande-do-Norte,
7 de maio' de 184S. Dr. Casimiio Jos de Mo-
ran Sarment. Sr. inspector da tbesouraria provin-
cial.
Dia 8.
N. 12. Accusando o recebimento da certidio do
poolo dos empregados.
Dia 9.
N. 13.Em consequencia do que V. S. represeo-
tou a esta presidencia em seu oflicio o. 137, de 10 de
dezembro do anno lindo, tenbo netia data dispensado
SilverioMartiosdeOliveira doemprego de adminis-
trador da mesa de arrecadafio da povoacio de Maoiu,
e nomeado e Manoel Jos Fernandos, por V. S. pro
posto em teu dito oflicio, para o substituir naqoelle em-
prego ; cumpriodo que V. S d o conveniente desu-
no as duas incluaas partariat, e expeca at precisas or-
dens, para o que o administrador nomeado entre no
eiercicio do teu emprego. Deo guarde a V. S.*Palacio
do governo doBio-Graode-do-Norte, 9 de maio de
1845.Dr. Casimiro Jos di Moran Sarment,
Sr. inspector da tbesouraria provincial.
N. 14.Para poder deliberar convenientemente
cerca da arrematado dos diflerentes mpoilot provin-
ciaes, que teem de ser arrematados no dia 14 do cor-
rente, releva que V. S., ouvindo o parecer dos de mait
membroi da conlerencia dessa tbesouraria, me inlorme
se ser! mais conveniente aos interesses da fatenda pro-
vincial eflecturar aquella arremetacio no dia, para ella
ji designado, ou te adiar a metma arrematacio para
outra poea ; pudendo V. S. indicar quaesquer medi-
dos, que a ette respe i lo julgar proficuas aot iuteretso
da provincia. Dos guarde a V. S. Palacio do governo
do Rio-Grande-do-Norte, 9 de maio de 1845. r.
Casimiro Jos di Moraes Sarniento.S. inspector
da tbeiouraria provincial.
Dia 10.
N. 1 "i. Accusando o recebimento do balancete da
receita e despeza, e orcamento.
Dia 14.
N. 16.A vista da informe opioiio dos membrot
da conferencia dessa tbesouraria, transmitida por V. S.
em seu oflicio n. 94, boje datado, cumpre-me dizer-
lbe que deve mandar proceder boje mesmo i arrema -
lacao dos diflerenlet impostos provinciaet, inclusive o
dirimo do gado vaceum e cavallar; salvo te bouverem lio
puucui licitantes, que occasioncm urna quebr vnivel
no rendimento que este ramo de receita contina a pro-
duzir: o que enlio devera eommunicar a pretidencia
ra esta resolver como julgar conveniente eoi interet-
ses da provincia. Cjuanto.porm, a ultima parte do seu
citado oflicio, na qual pergunta se deve mandar apre-
goar o dizimo do gado vaceum e cavallar, primeramen-
te em globo, ou se logo porcaueca, tenho de signifi-
car-lbe que deve mandar por em leilio do primeiro
modo indicado,por ser elle conlorme com o disposto no
artigo 3." da lei provincial n. 76, de 11 de novembro
de 1841; e se assim nio spparecerem leos que corres-
pondi aoi que forlo oflerecidot nos tonos anteriores,
eolio me o participar, para t I be iranimittiremei
ultimat ordent a este reipeilo. Dos guarde a V. S.
Palacio do governo do Rio-Grande-do-Norte, 14 de
maio de i845. Dr. Casimiro Jos de Moran Sar-
ment.Sr. inspector da tbesouraria provincial.
;
Multas decidida**........ 14:318,823
%> Interior.
Sello Co do plpel........ 820,480
Dito proporcional........ 451,367 971,847
Impottode 5 p.JE na compra
o venda daslmbarcacdes
nacionaes. *....... 460,000
dem de 15 p.C.'-na compra
e venda das etnbarcacoee
ettrangeirat........... 300,000 760.000
Diterias provincias.
Dizimo do assucar dai Ala-
go................. 385,082
Dito do algodio do Cear... ,235 385,317
20:186,300
Provincial.
Dizimo do auucar.. ..... 3:396,382
> algodio........ 2:319.932
caf........... 13.855
fumo.......... 23,286
Taxa de 40 rs. por tacca de
elgodio.............. 66,240
Dita de 160 rt. por ctia de
tttueer............... 27,680
Dita de 40 n. poi fecbo de
dito........'&*" '04
Dita de 20 rt. por barrica de
dito................. 23,600
Dita de 20 rt. por tacco de
dito................. 108,100 8:976,113
26:162,413
__________
Meta do consulado de Pernambuco, 3 de outubro de
1844
O administrador,
JoitoXaviir Carneiro da Cunha.
Publicatjo a pedido.
Illas, e Exm. Sr. Tendo-me nomeado V. Exc.
major da legiio deila comarca, apresso-me em pedir a
minha escusa, para que com tempo V Exc. etcolba
pessoa, que te honre com tal nomeacio. Conbecen-
do bem a minha policio, erevestido de nobre orgulbo,
repillo com indignseao o ultraje que se me quis fazer.
Deot guarde a V. Exc, Pao-do-Alho, 30 de agoato
de 1848.Illm. e Exm. Sr. concelbeiro Antonio Pin-
to Chichorro da Gama, pietidenle de Pernambuco.
J.ourenco Bixirra Carmiro da Cunha.
COMMERCIO.
1 .
Alfandega.
Rendimento do du 3................11:871*820
DescarregaO hojt 4.
BrigueHozamercidoriai.
BrigueImportadordem.
Galera Colu mbus dem.
Barca /Jar liquencarvio.
PERNAMBUCO.

Jlendimento arrecadado pila mesa do consulado, nomiz
di setembro prximo paseado.
a sabes :
Despachos martimos.
Ancoragem para fra do im-
perio..........'......
Dita para dentro do dito...
ExportacHo.
Dinitos de 7 p. e.........
>. de 2 ........ ,
de '/ de ouro e
prjta amodado.......... 7,653
Emolumentos de cerliddei. 0,660
2:056,384
1:603,929
14:301,710
3:750,313
Dir-llic-hei prinieiraincnte, aainha Sra. que puis
que Mr. Dallois nada me eontiou, eu o nio trahi.
Ao nienni era erapeoe-lu nos seus pr ojee tos.
He o qne mo acontece, todas aa vesea que eu creio
que elle obra nial em alguma oousa. Km oasa, e quando
ac Iraln de negocios, ha tre poderes bem distinclu:
Mr. Cambe! de urna parte, que representa a resistencia,
que combate contra toda a idea nova, Indo u negocio
quo ie nio Futa de lempo iiumomnrial ; de outra parte,
ou cu, Sra., que represento o prugreno, que grito
senipro adame, que i tenlio f nai ideiaa actuaos ;
depois, Mr. Oalloii lio o governo, he o pudor modera-
dor, que marcha entre a mulla irapetuuiidade, e a im-
inobilidade de Mr. Canibet, qao pucha por um braco a
eite, e me relem por nutro.
Tudo irao he milito direilo, mal rio vejo o qu*
tenlin coin'o mea calamento com Mr. de Fortie-
Tem qoe he tima idea do Mr. Cambe!, urna ideia
liorriveliiienie retrograda, que elle insiillnu a Mr. Dal-
lois sem me prevenir, acm me chamar i eomelho.
E he pur espirito de nppoaicin a Mr. Cimbel que
Vm. a acha mi, diaio Amelia rindo-ie; he por amor du
prugreno quo Vm. ae Ihe opp6e.
Pur minha fe, Sra., creiu que a abulicio doa ea
smenlos desproporcionado! aeria em graufe progrea-
u social.
Consulado.
Geral103*585
BENDIIIENTO DO DIA 2.
Provincial9* 10a
ti
Moviaiento do Porto.
Navio entrado no dia 3.
Antuerpia 44 diat, patacho blgico tosalii, de 188
toneladas, capito Jobo Reicke, equipagem 10, car-
ga fatendas e carvio de pedra ; a N. 0. Bieber &
Companhia.
tocto laA/a'o no mesmo dia.
Alcobaca ; lancha bratileira ^V. S. da Jjuia, capitio
Marlinianno doi Santos Miranda, carga lijlo.
Edital.
O Illm. Sr. inspector da tbesouraria daa rendaa
Srovinciaes maoda (azor publico, que, em virlude da or-
em do Exm. presidente da provincia, ir de novo i
praca, para ser arrematado a quem mais der, o rendi-
mento das aolleeloriat dot municipios abaixo descriptos,
por tempo de 2 abnot e 9 meies, a contar do 1." de Ja-
neiro de 1816, lobatavaliicoeiennuiesiegnintes :
Bonito.........................1:000.000
Flore.......................... 9/l .000
Roa-Vina....................... 627.000
O licitantes,debidamente babililados.deveraocompa-
recer na aala das sestOet da metma tbeiouraria, nos diat
17,10 e21 de novembro prximo vindouro ao meiodia.
Secretaria da tbeiouraria dai readat provinciaet de
es do que aquellos que sbaselo em pretendidas pai-
x6es, que bem de prena se desvsneceni.
Tamben) estou cundemnadu deila vex, minha Sra.
nanea tenho rulo ; e mais hiva eu prumetlido a Mr.
Cimbel nao Ihe fallar de Mr. de Fortii.
Para que enlio oumecou P
He porque quandu acejiei a minio de aoompa-
nhar a Sra. mase cu conidflg : Vou a oaa de Mina,
de IjOurl.il, arho-a proinpta, partmm. Mclter-nos-lie-
iiioi em mu fiaere, fallaremos dnj fiaoBa, us ha ere. si o
urnas carrnagens sempre lio inii qu%ha lail inaneiras
do quoixar-ie a genle dellai. Chegamoe ao caminho de
ferro: all aelin-se bastantes o hjeotoa de admiraclo e
ennversacin. Ha ialu de capera, rampas para descer,
vvagom, macbinal, mil couaas que eu houvera podido
explicar-lhe, poiique auu eiigenheirn, auinha Sra ea-
ludanle da escola pulyteohnici. Trminos oonveriado,
em arcadas, ero bombaa, em trilhoi, e chegariainoa a
Saint-Genoain, sem que viene i proposito Mr. de For-
lia. Mai nada mceedeu auim, minliaa previsei furto
fruitrada; no momento em que de sismos partir, eis
que chove. Vm. inlerroga-iue a ocrea das peaaoai que
frequenlio a caa decampo de Mr. Dallnii, eu sou fur-
,do a reipondcr-lhc porgouta-ute o quo pomo a rei-
litodellc, ou nio puno como honiem de bem, enoo-
rir o que sabia. Eita fui a minha talla. Dixeiu que) au
eituiivido e inconsecuente. Sou inteln, he u caes*.....
Ai mai expreaadea lio bem tocantes, meu Sr., Idesigradei a Sra., o lio por ceno a maior desraja que
dille Amelia euro aeveridade. O que Vm. chama can-1 poda aobrevir-me.
mcutoi deiproporcionadoa fio muitaa vetee mait feli-J [C*ntinur-m-ka).
*


Pernambuco, 3 de setembro de 1845. Qiecretirlo,
Luitda Cotia PorJoeai retro.
Declarac
O patacho S. Jos Americana,
a ilbi de Fernando, no da 7 do CQT
(arde.
ieoo a mala para
Je, asboras da
A sumaca For-do-AngelimJElike a mala para o
Aracaty. terca (eir, 7 do crrante.
Adminitraco do patrimonio dot orphtos.
Parante aadminiatracfio do patrimoniodoa orphios se
La de arrematar a qnem mais der, e pelo lempo que ha
de correr dodia d'arremalacio at o Gm dejunbode
J849, a renda da casa o, 4, lita no largo do Hospital
doParaizo: ai pessoas que se propoztrom a arrematar
dita renda, poderd comparecer nacaaa das seisoes da
mesraa administrado, osdias 9, 12, e 16 do correte
mei, lo meio dia, com ieui fiadores.
Sula das seno d'administracio do patrimonio dos
orphoi, 3 de outubro de 1845.
J. M. da Crux.
Esciipturario.
Administradlo dot eit'abelecimtntot de caridad.
Peranle a administrado dos eitabelecimenlos de ca-
rid das caas da ra Direita n. 8 ; neja do Floriaooo na.
17, 47 e 49 ; no buceo da Caneaba n. 5 ; na ra do
Fagundes ns. 32 e 3i ; na ra de 5. Jos ns. 5 e II
na ra da Cacada n. 51 ; na ro da Hoda ns. 3 e 7
na ra Novan. 43; por detrs da dita n. 18; na ra
da Moeda o. 31 ; na ra de Fre-de-PorUi n. 73, t
no fuudo da mesma n. 70 ; na ra de S. Thereza ns.
4e7; nasCinco-Pontai ns. 70e 98; na ra de Hortas
n. 33, e na ra da Gloria n 65.
Oa licitantes poderad comparecer na casa das suas les-
soes, na ra do Cabug numero 5, nos das 10 e 17 do
corrente mei, pelas 10 horas da manhia, munidos de
seus fiadores idneos.
Sala das sesso'8 da administracio dos estabelecimen-
tos decaridade.em o 1.a de outubro de 1843. O es-
cripturario. A. A. de talda Brandtto.
O arsenal de gu- rra compra aieite de carrapato,
dito de coco e fio de algodio: quem estes gneros tiver,
quizei fornecr, mandar suas propostal com seus l-
timos precos,em earta fechada,a directora do mesmo ar-
senal, at o da 4 do corrente inex. Directora do arse-
nal de guerra, t. de outubro do 1845. No impedi-
mento do escripturario, o amanuense, Jodo Ricardo da
Silva.
n,
Companhia Italiana.
loje 4 de outubro ser represen-
tada pela primeira vez a opera lindissima
ELIXIR DE AMURem beneficio do di-
rector da companhia Jos Marina ngel i ;
elle ludo espera da inteligencia deste res-
peitarel publico. Os Tldelos (em versos
portnguezes ) da peca., vendem-se por
3ao ris na casa do director, ra Nova
n. 7, segundo andar, como tajnbem os
btlhetes de camarotes e platea. No dia
da representadlo achao-se no botiquim
do Theatro.
Avisos martimos.
que julga nada dever nesta | r:..a; maa, m alg
soa se julgar sua credora, baja de eprrientar su1
tas oo prazo de 3 dias, depois que eite veja, para serem
pagas, em F'ra-de-Portas, n.147. Bernardino de
Atevedo Hamos. ,
= Urna senhora solteira propoe-ie a entinar me-
ninas a lr, escrever e contar, grammatica portuguesa,
bordar de ouro, de matiz, de froco, de seda, de lacada e
de susto, lavarinto pussado e cheio, marcar de quatro
qualidades, azer costura chfla e vestidos da moda, cha-
peos e tocados para senbor.-s, toquinbss para meninos;
assim como tomar algumas meninas, que morarem
longe para assistirem em casa, por proco raioavel, e na
mesma caa cose-se,para!ra, toda qualidade decostura,
por preon commodo : quem do seu prestimo sequiter
utisar, dirijn-se a ra da Manguoirs, n.9.
0 REGENERADOR BRASILEIRON. 14
est a venda na ra estreita do Rosario, cas da le, e
praca da Independencia, loja do Sr. Themoteo.
Precisa-se alugar urna ama de leite que tenba
bom leite : no Altar ro-da-Boa-Vista, n. 36.
Mara Magdalena de Luna, curadora de seu mari-
do L-zequiel Jos de Carvulbo, obteve licencado respec-
tivo juizo, para permutar a parte, que lem, no engenlio
denominado Una, na (reguezia de S. Anlfio da cidade
da Victoria, moenle e corrente d'agoa, com boas (er-
ras, no valor de 28:000# rs cuja parto he da quantia
de2t:497258 rs queseseba arrendado por 1:100.)
rs. : quem quizer laier este contrato, dirija-se a an-
nunciante na casa de sua residencia, na esquina da roa
larga do Kozario n. 39 primeiro andar do sobrado, que
faz esquina defronte da igreja, que receber em per-
muta propriedades nesta cidade, e a desobriga de pou-
co mais de 2:000j rs., que o seu casal so acha a dever.
= Aluga-se, para se paisar a festa, urna casa terrea,
tita na povoacio do Monteiro, com duas talas mui gran
des, austro qua'tos, cozinha lora, com dous quintaes
muradla, cacimba e portiocom sabida para o rio, es-
tribara para dous cavallos e quartos para negros: quem
o pretender, dirija se a Boa-Vista, travesa do Veras,
sobrado n. 15.
= Precisa-se de un fuitor que saiba tratar de po-
mar enchertai e de borla : no Atterro-da-Boa-Vis-
ta -n. 45.
Precisa-se de um rapas para caiieiro de
filada Guia,
Segu viagem para o Assu'.empoucos diai.obri-
gue-escuna Ueiberacdo : quem oo mesroo quiercirre-
gae, entenda-se na ra da Cadeia do Rccile, n. 40.
<- Para o Aracaty seguir nfalvelmente, no dia 16
do correle, o biate Novo-Olmda, estando j tratada
quasi toda a sua carga : quem anda pretender car re-
gar, podera entender-so, com lempo, com Antonio Ro-
drigues Lima, na piaea do Commercio, ou oa ruada
Cadeia-Velha, n. 1, 1. andar.
Obrgue nacional A ovo-Bom-Fim tegua para o
Rio-de-Jaoeiro.impreterivelmente boje, 4 do corren-
te; ainda recebo alguma carga uiiude.pasiegeiros.oues-
cravos afreleUrata-secomocepitoedono Joaquim Fer-
nandos Coelho, ou com Manoel Joi Machado Malbei-
ros, na rus da Madre-de Dos, o. 5, primeiro andar.
= Para a Babia sai, nesles 4 dias, a sumaca S. An-
ua : para carga e passageiros, trata-se com Novaes
Companhia, na ra do Trapiche n 34.
Para Liverpool sabir com (oda a brevidado, por
j ler a maor parte da carga prompta.e bem conhecida
e veleira galera inglesa Colambus capitio Daniel
Creen: quem na mesma quizer esrregar ou ir de pai-
sagem, dirija-se sos consignatarios M.c Calmont &
C, praca do Commorcio n. 11.
= Para o Bio-de-Janeiro^pretende sahir imprete
rivelmente boje, 4 do corrente a sumaca nacional
Ptrola: quem oa mesma quizer ir de pasiagem, ou em-
barcar rscravos, dirija-se ao seu consignatario Manoel
Ignacio de Uliveira, na ra de Appollo n. 18, ou ao ca-
pitfio a bordo. alisto*
Le.ia.
= Hoje, 4docorrente, pel-s 10 da nianhaa, tem de
se proceder a jcjlio judicial perante o doutor jufl de
orpbos de orna porfi de barricas de fariuba do
reino, dous barra d^e manleiga arruinada e um por-
co de eiucar j objectos estes arrematado! a reque-
rimentu de Joi da SKa Saiaiva leilamenteiro e in-
venlariaote dos bens do tallecido Bento Antonio Do-
mingues : oilpitanles compareci na ra Nova na
p'adaria que foi do dito fallecido, ai indicadas boras.
Avisos diversos.
= Pitcisa-se alugar urna negra, ou negro, sem vi-
cio, que entenda bem de.coiinba, e saiba comprar na
ra; paga-ie prompUmenle lOf rs mensaes: oa ra
da Conceicao la Boa-Vista o. 8.
=Seguoda-(eira. 6 do corrrente, pelas 4 borasda
larde, s ha de arrematar, em hasta publica a cesej
13 da ra da Matriz da Boa-Vista, na porta do
urna
venda que tenha 16 anoos de idade e juctament
de um leitor para um sillo que entenda de planta-
rles: na ra da Concordia n. 15.
= Aluga-se um preto para qualquer servico e al
para planlacdei listar de gado e tirar leite ; quem o
pretender, dirija se a ra do Rozario da Boa-Vista ,
o. 32.
= Na serrara da ra Cadeia de S. Antonio o.
17 precisa-se de serradores forros ou captivos.
A peisua, que tirou do correio geral deita cida-
de urna carta, por engao vioda do Kio-Grande-do-
Norte para o Sr. Jos de Torres Baodeira queira
eotrega-la a Anlonio Jos Gomes do Correio, ou a
Manoel Cerdoso Ayres oa ra da Cadeia.
= Quem tiver 3 serventes de pedreiro, eos quizer
alugar dirija-se a Antonio Jos Gomes do Correio.
Precisa-se alugar um moloque : quem tiver, di -
rja-se a praca da Independencia n. 2.
= O padre Francisco Coelbo de Lemos e Silva con
tioa a teceber alumnos para a sua aula particular de
grammatica latioa na ra de S. Francisco anliga-
mente Mundo-Novo, n 66.
= Alugao-se os terceiros andares dos sobrados ns.
4 e 6 do Atterro-da-Boa-Vista ; a casa terrea na ra da
Soledade n. 35, com quintal, cacimba ecommodos
para grande familia por M rs. mensaes : quem as
pretender dirija-se ao escriptorio de Francisco Anto-
nio de Oliveira & Filho narun da Aurora, n. 26.
= Bento de Bairos Falco de Lacerda por si
como tutor de seus filhos menores declara, que nen-
huma pessoa arremate o terreno da travessa do Mon-
dego que se acha em praca a requerimento de IV-
lornilia Florentina da Soledade pela segunda vara do
civel; porque protesta o baver, por meio de aefio com-
petente, do poder de quem se achar.
AlugSo-se 3 sitios, por anno ou para passar a
lesta, com grandes casas de vivenda, cocheira, estriba-
ra com porto de desembarque e banbo no rio Cepi-
baribe na Ponte de-Ucl oa, deronte do sitio de Fran-
cisco Antonio de Oliveira a quem qualquer preten-
denlese dever dirigir.
= Quem annunciou querer compiar urna cadeira
de arruar dirija-se as Cioco-Ponlas o. 160.
= Aluga-so o terceiro andar do sobrado da ra do
Queimado n 32: a tratar oa loja do mesmo sobrado.
= Na ooute de 50 de setembro para o primeiro de
outubro coireote, furtarao, do quiotal da caan. 16
da ra do Horario da Boa-Vista urna baca de rame,
grande em muito bom estado : roga-ie a quem e
lor oflerecida baja de apprebeode-la e leva-la a mes-
ma casa ou annunciar que se promette guardar se-
gredo e se recompensar a quem a entregar.
Aviso publico.
= D. Francisca da Cunha Bandeira de Mello, viuva
do sluado Joao Callos Pereira de Murgos, e seus filbos ,
pelo presente avislo aos devedores da casa ou a quaes-
quer outias pesioas que lenbao transaccOes com os
inclines que despedio de seu caixeiro s e procurador
em combranras ao ir. Manoel Luiz Vieira ; e para que
nio occorra algum inconveniente, per falta deste aviso a
lempo se fas o presente, boje, 2 de oulubro do 1815
asa (Jfleiece-so um homeui para feilor de obras
fra desta praca ou para sitios e mesmo para
levar cartas e papis de circunstancias fra da praca ;
assim como se ollerece para administrador de eogenbo:
quem de seu prestimo se quizer u ti I isa r, dirija- ae ao
largo do Terco n. 11.
A pessoa, que foi a caa o. 57, terceiro andar, do
Atierro da-Boa Vista, para alugar a casa do Mooteiio,
queira decidir, se quer, ou nio.
se Precisa-se de um feilor para um ailio na Magda-
leba por cspar;o de um mei: na praca do Corpo San-
to n. 11.
Nos abaixo assignados declaramos ao respeitavel
publico, qun de boje em diante est dissolvida a locie-
dade.que linhamos debaixoda firma Beiione & Castro;
c nlmuando o tocio Manoel Alejandrino de Castro
com o gyro do mesmo negocio, e ficando o dito Castro
responsavel por lodas as transacces fritas al esta
ala. Pernt-mbuco, 26 de setembro de 1845.
doutor |uiz de orphaos, peloprefode 1:700.000 rs.,
por concordata dos herdeiros proprietanos daquella Antonio Marn Bestom. Manotl Altxandrino de
casa. Castro.
0 abaixo assigoado avisa ao respeitavel publico, Quem precisar de una ama de eile, subjeite,
- Precisa-se alugar pretas para venderem azeite de
carrapato : na ra do AUerro-dos- A logados, n. 7.
Aluga-se urna boa casa para e paisar a fesla,
caiada, pintada de novo, com commodos para grande
familia, com grande quintal todo murado, com portSo
de Ierro, na ra dtj^jpunga, quem vai para o rio de
Capibaribe, no terceiro por'.io de ferro ; tambem (em
boa agoa de beber, eitribaria para dous cavallos: quem
a pretender, dirija-so ao becco da Lingoeta, sobrado
por cima da venda do Sr. Ayres.
=Aviss>se ao publico, e em particular aos fregue-
zes.que a nova fabrica e loja do chapeos que existia na
ras do Passeio-Pubiico, transferio-se para o largo do
Collegio, confronte a casa amarclla da Magalbies Bas-
to; aonde continua-se a vender toda a qualidado de
chapeos de massa, franceses, de castor, do Chile, e
de seda, bonetes para homens e meninos, a precos com-
modos.
= AlugSo-se as casas terreas do pateo de palacio do
governo ns. 7 e 9; e o segundo andar do sobrado da
ra da Crux, o. 60 : a tratar na ra da Cadeia do Re-
cife o. 40.
= Precisa-sede um moco que entenda de pada-
ria e tambem de oulro que nada entenda ; pois se
ensina com tanto que seja robusta ; profere-se dos
negados ltimamente de Portugal: no becco do Pei-
xe-Frito, n. 3.
= Alugao-se os primeiro segundo o terceiro an-
dares do sobrado da ra do Queimado, n. 14, com bas-
tantes commodos e pintados de pouco lempo ; o ter
ceiro lem um solio com bastantes commodos : a tra-
tar no segundo andar do mesmo sobrado.
ae Precisa-se do um bomem que entenda de mos-
tr e casa de caldeira para ir para Alrica ou Mara-
nbio ; no principio do Atierro dos-Afogados, n 31,
= Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 1 do
Atierro da-Boa-Vista ao pe da ponte: a tratar com
o seu proprietario, Joaquim de Oliveira e Souza ou
na loja de lou(a.
= Precisa-se de um cozinheiro ou cozinbeira
forro, ou captivo; e tambem de una ama, ou mu-
!her captiva que saiba ceser lavar, enRommar
queira faier o servico de urna casa de pouca familia : oa
ra da Cruz, oo Kccifo n. 40.
,lg(iic'ui depassaportes.
Narua doRanel, sobrado o. 9, tirio se passapor
le para dentro e (ora do imperio, e despachao-se escra-
vos; ludo com muita brevidado e por preco mais
commodo do que em outra qualquer parte.
= B. J. Fernandas Barros gratificara generosamen-
te quem I lie fizer entrega, em sua cssa defronte da
igreja de S. Francisco, de um mulalinho, cujos sig-
naos sao os seguintcs : -chama se Jos, be filho do
serlio do Cear, representa ter de idade ll 12 anoos,
de cor entre fusca eamarellaca, cabellos enroscados e
bem pretos, olhos grandes, vivse na flor do rosto, oa-
riz apapagaiado, bocea grande o labios linos, denles al-
vos, largos e separados, pescoco curto e grosso, peitos
largos, veotre saliente e opillado, pernas grossas, ps
apalbetidos e dedos cambados, falla expreisiva, regris-
ta e cantaroleiro de toadilhas do serlio; cosluma inti-
tular- se forro e orphio: fugio no dia 23 do agosto pr-
ximo panado, levando camisa comprida do algodio da
trra.
Aluga-se o segundo andar do so-
brado sito na ra Direita, com buns com-
modos : a tratar na ra do Collegio, se-
gundo andar n. i \.
Casa da Fe\
Ra estrellado Rozario c. 43.
= O abaixo assignado tondo estabelccido, oa for-
ma da lei e decreto n. 357, de 27 de abril de 1844,
artigo 35 urna casa do vender bilhetcs e caulellas
de todas as loteras desta provincia pnatando pur es-
ta venda llanca como marca o mesmo artigo 35; con-
vida a todos os que goslio deste jogo a comprarem
as suas caulellas ; cujas se acbio garantidas com a sua
fianca a fim de que os premios que cada um tiver
de tirar, seja no dia marcado pagos a visla das mes-
mas caulellas e na mesma casa.
Presentemente as cautellas que se acbio a venda
sio as do Ibeatro publico por ser a primeira lotera ,
que est garantida com a lei cima na qual nio ha-
ver nullidade por ser o seu tbesoureiro responsavel
por qualquer abuso ou falta que bouver de apparecer.
Brevemente se annunciar o dia em que devom andar
as rodas, pela grande extrac(io,que esli (endo as cau-
tellas por serem de diminuto preco que a todos
convida a sua compra. Os precos testas caulellas sio
decimos a 1/000 rs. e vigsimos a 600 rs.
Lourenco Jos HomSo de Lunna.
= Entinase grammatica latina com toda a perlei-
cio e em breve lempo ; e da mesma sorte philosopbia
e rbelorica : na ra Nova n. 52, primeiro andar.
O abaixo assignado, fabricante de chapeos de sol,
no Passeio-Pblico, previne ao respeitavel pblico, que
ello acaba de recebar um sortimento completo de cha-
pos de sol, de todas as qualidades, tanto de soda, co-
mo d'algodo; elle tein tambem chape os de sol para
senhorai e mooinos Adverte igualmente, que, ten
do as sedas, as mais ricas, de barra lavrada, furta cores,
isas, 6c., &c., est no caso de satisfazer qual-
quer eneommenda, com toda a presteza ; elle possue
tambem algodio trancado, liso, e de todas as qualida-
des dos padrOes mais modernos: elle, om fim, coLre,
concerta todos osebapos deso, com a maior perfei
$o, e promplidio. Joo Loubtt.
Anattacio Francisco Cnbral morador na Casa-
Forte, embarca para o Rio-de-Janeiro urna sua escra-
Vd de nome Jusepha de afio Angola e do servigo
de campo.
= Precisa-se de urna ama de qu'lquer cor e de
idade avancada que abone a sua conduela e cozinbe,
engomme e ensaboe para casa de um homem viuvo de
pouca familia : na praca da S. Cru* padariade urna
tO porta, j unto ao sobrado da ma Velba.
= Faz-se todo o negocio que couber no possivel ,
com o traipasso da padaria da ra da Gloria, n. 55:
as pessoas, que se quizereo aproveitar da occasiio, pro-
curem oa padaria de urna so p ra oa praca da S.
Cruz. JJJC
= Um sactoJKa desocupado oflerece-ae para d
V
zer mssa em alguma capellana, mais ou menos distan-
tedeitacidade ; as missasda prxima festa do Natal,
deide o principio de de/embro at o fim de Janeiro ,
ou como coovier : quem delle precisar aoouocie ou
procure oa ra da Cadeia do Recife, botica do Sr. An-
tonio Pedro das Neves.
Precisa-se de um Porluguez para caixeiro de casa
de purgar ;'cm casado Antonio da Silva GusmSo na
ra do Queimado.
Precisi-se de um homem que enlonda de todo
o servico de padaria ; na na Direita padaria o. 24.
Hoje sabio o o. 4 do Liberal A/ogadente esl
muito nteressante. A elles rapazes ; acha-se a veoda
na praca da Independencia livraria ni. 6 e 8.
Lina mulher so ollerece para ama de umacasa de.fr
homem solleiro e da Dador a sua conducta : quem de
seu prestimo le quirer utilisar, dirija-se a ra da Ale-
gra, o. 26^1*
(^uera precisar de urna ama de bons coslumes,
dirija -io a ru larga do Kozario o. 10.
Aluga se urna casa torrea no becco do Dique ,
com muito bons commedos corintia lora quiotal e
cacimba : a tratar na ra do Crespo, rOSt.
OsSrs. Manoel de S>uta Araujo, e Luic de
Araujo tenbio s^bondade de annunciar sua reiidencia ,
para le Ibes fallar a negocio de leus interesses.
Aluga-se, para se pa>iar a festa, um sitio oa Cruz-
de-Alma de Ponte-de-Ucboa com muito boa cas*
para grande familia cocheira, estribara quartoa pi-
ra pretos grande pomar de larangeirai com bou li-
langeiras, e nutras muilas fruteiras, horta e jardn,
cacimba do agoa de beber e banbo muito perto :
fallar no hospital de polica com o infermeiro do
mesmo hospital.
Precisa-se de um moco Portuguez de idade de
16 a 20 annos, que saiha trabalbar em padaria, a tomar
conla de urna freguezia de vender r_io aqu mesmo na
prac;a : as Cinco-Ponas n. 30.
Precsa-ao de urna pessoa, que entenda de refi-
nado de assucar edo um pequeo de 10 a 12 aoooi
para te empregar em um negoeio ; oa Boa-Vista ra
da Mangueira por delraz iia* ribeira o. 5
JohnWilson dono do relogio que fra fur-
tado e annunciado por este Diarto ba poucos dias ,
leclara, que foi furlado por um preto moco de ida-
dade pouco mais ou menos de 16 annos, gordo,
sem barba ; levou chapeo novo preto um par de cal-
cas brancas e camisa limpa ; o qual viera a foja do
mesmo para comprar dous pares de sapatos para o
quo trouxe medidas, e estas urna amarella e oulra
branca ; sendo urna para senbora e oulra para homem:
tambem costuma fumar. Boga-sea quem Ibo for offe-
recido. tanto aos Srs. relojoeiroi, ou peisoas partcu-
la re< Ibe apprehendio ou onnunciem que se d
a quantia de lOj rs. alm de se ficar summamente
agradecido.
Para amanbia haver carne de carneiro muito
goida p r preco commodo ; na ra larga do Rozario,
acougue n 38.
O abaixo auignado avisa aos Snrs. negociante!
do trapiche, qviswirmio est em negocio com
venda da Sor." Anna Joaquina de S. Aooa e como
talie/ o dito seu irmao queira valer-se nesta praca de
dizer, que.be irmio do abaixo assignado para poder
acreditar sua firma e como o abaixo assigoado oio o
acha com capacidade nem elle nem seu socio. Je dar
contadas lazendas alheias ; por isso faz scitmtt, para
quo nonbum so chame a ignorancia : o logo ha do de-
clarar mais alguma cousa. Manoel Fetnkt^ F*a-
Aluga-se um segundo andar com bastaste*com-
modos para familia, por loj rs. mensaes': ni ra lar-
ga do Rozario o. 35.
= Quem quizer alugar duas casas terreai, sitas oa
ra da Gloria, os. 85 o 106 dirija-se a mesma ra,
sobrado de dous andares, com varanda de ferro, o. 87,
quo achar com quem tratar.
ajs Prccisa-se do 450f rs. a premio sobre hypo-
Ibeca em urna escrava : a tratar no pateo da S. Cruz,
loja de funileiro n 14.
Compras.
^oi Srs. di engenho.
Angelo Franciuo Carneiro compra safras do
niel, ou qualquer quanlidade posto na fabrica de
Navarro: paga se a 3200 r. por barril de 22 caadas:
os barris para conducid fj^fo fornecidos da fadjuci.
i .omprio se, para fra di provincia roscravos
de 13 a 20 annos ; sendo do bonitas figuras pagio-se
bem: na ra da Cadeia de S. Anlooio sobrado do
um andar do varanda de pi n. 20.
bb Comprio-se dous escravos um pedreiro o ou-
lro carpina. para urna eneommenda do Kio-Graode-do-
Sul ; sendo bonitas figuras, pagio-se bem : na ra
do-Collegio armazem n. 19.
= Compra-so um lerno de pesos de um arroba li
urna quarta ; no Atterro-da Boa-Vista o. 14.
Compra-so lia de frecba, ou suoimi ou lia
de Angola ; na ri)> Nova n ti.
=s Compra-se urna varanda de ferro, de 24 palmoi
escassos de eomprimentu, e 2 de largura ; na praca
da Independencia livraria ni. 6 e 8.
Comprio-se dous pares de casticaei de prala, que
teji de gosto moderno e obra de Lisboa ou Porto ;
na loja de Antonio da Silva Gusmlo, oa ra do Quil-
ma do.
= Compra-se palha de louca ; oa ra Nova nu-
mero 5
= Compra-se um methodo de rabeca em bom
uso ; quem tiver aonuncie.
Vendas.
Vende-sc um muito sof-
frivcl piano inglez horizontal,
pelo mdico preco de 90,^000
ris: ra do Crespo,loja n. 16<
= Vende-se ou aluga-se um sitio para se pinar
a lesta 'no lugar dos Remedios defroole di igreja ,
com urna grande casi e maii duas caiiobaj teodo
I famoso baoho perto de can por preco cmodo: a
tratar oa ra das Flores o. 21.


Vende-se, por commpdo
prego, urna duzia de cadeiras
de Jacaranda, um par de ban-
cas da mesma madeira, dous
pares de lanternas, e um par
de jarros de louca, grandes,
mu ricos e de muito bom gos-
to. Para ver, na ra da Con-
cordia, sobrado nico de um
andar, em que morn o Sr.
Manoel Eugenio, e cuja frente
fica confronte a ponte da Boa-
vista: para tratar, nesta typo-
graphia, das 6 as 8 horas da
manha e das tres da tarde
em (liante.
Bom e barato !
=Vendem-se ri'quissiraos cortes de riscado binoz ,
de 16 covados, a 4500 rs. o corte; riscados francezes ,
muito finos, a 220 o 300 rs. o covado ; superiores cor-
tes de chites muito linas, de 13 covados das mais mo-
dernas a 3200, 5500, 3800 e 4500 rs.; cortes de
ditas com 10 covados, escuras a 100, 1800 e 2000
rs.; lindssimos corles de tarlatana muito superior, a
4300 rs degostoo mais moderno
padroes de cassa-ebitas transparentes
cortes de novos
de muito bom
gosto a 2400 e 2500 n. ; casimiras de muito bom
gosto para calcas, de superior qualidade de quadros
elistras, a 1200 e 1400 rs. o covado; bretanbas de
rolo, a 1600. 1800 e 2000 rs. peca ; esguiio de
superior qualidade e de puro linbo muito lino u 1500
rs. a vara ; bretanba de 6 varas de linbo puro lina,
a 2800 e 5200 rs. ; superior lustao branco a i rs. o
covado ; pecas de bretanba do Franca de 4 palmos
e meio de largura de qualidade a mais superior sen-
do de linbo puro, de 6 varas e meia a 0500 rs. a
peca, muito fina, tal e qual ao esguiio ; bretanba de
linbo muito fina a 500. 6W e720 rs. a vara ; su-
perior brim trancado branco de puro linbo mullo fi-
no a 1000 e 1400 rs. a vara ; panno lino aiul e pre-
to a2500rs. o covado; selim de Uacao prelo para
collete de superior qualidade, a 3200 e 4500 rs. o
covado ; chitas a 120, 140. 160 e 180 rs. o covado ;
ditas finas escuras a 220 e 240 ris o covado ;
pocas de chitas, a 4500, 5200, 5500, tiOO e 6500 rs.,
escuras ; madtpolao, a 150, 160 e 180 rs a vara ; di-
to fino a 200, 220 e 240 rs. a vara ; madrasto lino ,
a 280 rs. a vara, e a peca muito lino, a 5200, 54U0 e
5500 rs. ; superior madapolio enleslado a 5800 rs.
a peca ; madapolio a 2800, 3200e.340 rs a peca;
dito fino a 4000, 4200 e 4600 rs. I peca ; chales de
13a e soda muito finos e grandes, a 4500, 4S00 e 5000
rs. ; chadrez do linbo, de muito boa qualidjdo e pro-
prio para aqueta h 320 rs. o covado ;"alm destaa a-
zendas, ha outras muitas de superior qualidade por
barato prego: na ra do Cellogio, loja n. 1, de An-
tonio de Azevedo Villarouco & Irino.
- Veode-se ch > hvsson em canas de 15 libras, em
porgeie aretallio; em cesa de MalbcusAusliii & C. na
ra da Ifandega \ filia n. 36.
= Veodoni-se e alugao-se muito boas bichas d
llamburgo "muito grandes, e as melbores que ha na
trra ; e vao-se applicar para mais commudidade dos
prctondontes: na ra estrella do lio/ario delronle
da ra das Larangeiras loja de barbeiro, n. l'J.
= Vemie-se superior tinta (rancea em garrafas
grandes; dita de marcar roupa ; eslojos de navallias,
acontento ; capachos redundes e coinpridos ; supatos
de borracha ; riquissimos corles de cambraia etiega-
dos ltimamente; superiores caixas de lailaruga o mas-
sa ; as mais modernas abotuaduras douradas para ca-
sacas ; medidas para alfaiate pelo diminuto preco de
80 rs. ;. ludo mijito barato : na ra largado Rozario ,
o. 2 i.
VunJein-so 4 escravos pecas para o trabalbo de
campo e da praga ; um dito liom canoeiro ; um di-
to bom ferreiro do toda obra de engenho ; um dito bom
cozinbeiro ; dous ditos de mla idade, por 2o0f rs. ca-
da um bons para trabalbirem e i> larem senti-
do a um silio por a isto esfarem acostumados ; dous
mulatinhos de 10 a 12 anuos ; duas protas de 20 ali-
os, recolbidas, cosem, engommau o cozinhao; duas
ditas por 500* rs. cada urna cozinbio lavio roupa
e vendem na ra ; duas negrinbas de 12 a 16 annos:
na ra do Crespo n. 10, primeiro andar.
= Veode-se um calis de prata com patena e co-
lher, e duas pedras duras; na ra de Hortas, n. 140.
Vende-se urna parda, que sabe eogommar e co-
ser por preco commodo : na ra estreila do Rozario ,
loja de chapeos defronte do sobrado de Antonio Jos
de Magalbes Basto.
= Vende-se um carneiro grande e muito mango ,
com sellim, proprio para carregar menino : na ra dos
Quarleis, padaria n. 18.
= Vtndem-se jogosde bancas de angico ditas de
Jacaranda mesas de meio de sala camas marque-
zai, cadeiras urna mesa grande propria para car-
torio ou tribunal, cadeiras para meninas pucha-
dores, ou boles para obras de marcineiro ; ludo por
prego commodo : na Cimboa-do-Carmo, n. 8.
jfc,= \ ende se um preto de 20 annos de bonita fi-
gura uom possante para fura da provincia; as
Cinco-Pon las o. 71.
= Vende-se urna boa flauta de bano ; urna cartel-
ra propria para se escrever ; dous Telemacos; um
relogio ; urna escrivaninha ; ludo por preco commodo
oe ra do Nogueira, n. 48.
= Vendem se 10 escravos; sendo duas protas la-
vadetras e cozinbeiras; urna parda que eogomma ,
cose e co/rnlia ; um preto sapateiro ; um dito canoei-
ro ; dous moleqoes de 14 a 16 anuos; 3 pretos para
u suruco de campo : a tratar com Antonio Rodrigues
Lima no largo do Corpo Santo, n. 23.
= Vendem-se, por barato prego, 200 barricas va-
sias ja com algum deleito.; porm servern para re-
ceber asaacar ; ni rus larga do Rozario, padaria o. 18.
= Veodem-te duai prelas mogas de todo o servico ,
sendo urna muito boacozinbeira e lavadeira de sab 0
e virrelli ; urna dita do 18 a 20 annos de bonita fi-
gura, propria pira mucama : ni rui largado Hr,li-
rio, n. 46 segundo andar. .
=Vende-seumescravode naci, de meia i'Jade
ptimo para sitio c entende de padaria : na r ua D
reiti, n. 18.
Vende-se um sellim fraoea/gam boro uso, por
prego commodo ; no Atterro-da-Boa-Vista n. 14.
= Vendem-se 60 a 80 terrones sitos nn ra nova
por detraz da ra da Concordia, que partf.m com ai
travflssas do Monteiro e Caldeireiro ; esle terrenos of-
lerecom urna grande vantagem pelo eommcdo que teero
para se descarregar os materiaes mesmo dentro doi
ditos, e lugar ero que os mesmo se acb So situados;
os quaes se vendejn por muito mdico preco: i tratar
na rui larga do Hozario junto io quirtel de polica
n. 18. ._
= Vendem-ie 18 escravos; sendo um preto de a
annos mestre de marcineiro e carpina de profissao ,
de bonita figura; 3 bonitos moloques de 13 a 14 annoi,
6 negrinbas de 12 a 15 annos c m alguinas habilida-
des ; 4 pretas de 20 a 22 annos de benitas figuras ,
corinhio e engommfio ; 4 pretos de 22 annos: na ra
das Flores, n. 21.
=. Vende-se urna escrava moga e de boa hgura, por
preco commodo, por n&o ter habilidades): a tratar com
Manoel Gomes Viegas na ra do Crespo.
__ Vende se, por commodo prego um eicellenle
escravo crioulo com principios deolTicial de pedreiro,
possante. sadio fiel o sem vicios; ao comprador se
dir o' motivo da venda : na ra do Vigario, n. 23 ,
segundo andar. >
= Vendem-se taboasde pinho daSuecia, mais lar-
gas das que costumio a vir, e da rr.elbor qualidade, por
ser de pinho branco o sem nos pioprias para enverni-
sar { sendo costado, cosladinbo, assoalbo lorro e pa-
ra fundos de barricas; asiim como americano de toda
as larguras e coinprimentos com as mesmas dimen-
ces cima e mais bsrato que outro qoalquer ven-
der : atraz do theilro velho armazem da Joaquim Lo-
pes de Almeida caixeiro do Sr. JoSo Matheus.
as Vende-se urna fsrda nov de guarda nacional,por
12* rs. ; urna barretina de pello com pluma e cor-
des. por 8* rs. ; urna dita de oleado por 2500 rs.;
talim e canana por 10/ rs. ; grvala por 500 rs. :
na ra do Nogueira n. 27.
= Vendem se dous escravos de boss figuras, mui-
to robustos o proprios para o servigo de campo ; na
ra da Cadeia do Recife, n. 40.
= Vende-se urna secretaria por prego commodo;
na ra da Cadeia, o. 14.
= Vende se urna lacba do muito bom gosto in-
trincada e de muito bonita vista piri inspector do
quarteirio, por preco muito commodo ; na ra do
Rangel, loja n. 3.
= Vende se, na travesa di Madre-de-Deos, o so-
brado n. 7, de dous andares e solio, em chaos pro-
prios, adinheiro ou a prazo : a tratar na ra da Cruz,
n. 50.
= Vende-se urna prela do gento inda moga e
em conta ; a vista do comprador, se dir o motivo da
venda : no principio -lo Atterro-do-Afogadoi, o.31.
= Vendo se urna porgio de barricas, que lorio de
farinba de trigo; no becco do Peise-Frito n. 3
Cheguem ao barato I
Na bom acreditada loja da ra do Crespo n. 14,
de Jos Francisco Dias vende se um novo sortimen-
t de Calendas limpas ; a saber: chitas de ramagens pa-
ra coherla muito finas e de cures fizas pelo barato
preco de 200 rs. o covado ; liscadose chitas para ves-
tido, a 200 e 240 rs. ; cortes de chitas, de lindos
padrti, com 15 covados a 3000 rs. ; ditas (rane-
las muito largas, de quadros o listras, a 280 rs. o co-
vado ; chitas escuras ; ditas pretal, a 160 rs. o covado;
riscados Irancezes, miudos e muito largos proprios
para sesudos jaquetas e camisas, a 200 rs. ; ditos
largos a 300 rs. ; brins francezes de quadros mu i
lo encorpados a 320 e 360 rs. ; dito branco muito
encorpado e Irangado de puro linbo pelo barato
piego de 560 rs. a vara; dito muito fino, a 880 e
1280 rs. do misturado de algodo a 480 rs. a vara;
cassa chitas muito largas e de lindos padroes, a 400 rs.
avara; castores escuios muilo encorpados, para cal-
gas pelo barato p'ego de 200 rs. ; madapolio en-
cestado muito fino, a 5800 rs. ; camisas de meia mu i
to linas n. 80 ; merino de duas larguras muito fi-
no a 2800 rs ; dito de superior qualidade a 4
n. ; cambraias lisas transparentes, a 3000 rs.; tar-
lalana com 9 varas a 4000 rs. ; chales de lia muito
encorpados, a 1000 rs. ; lengos finos para tabaco a
480 rs. ; algodfio americano, muito encorpado a 220
ri. ; meias para meninos e meninas, a 200 rs. ; di-
tas para homein a 200 e 240 rs.; ditas pan senho-
ra a 320 rs. ; e outras muitas fazeodas por bmto
prego.
= Vende-se urna preta crioula, de 20 annos de ida-
de de bonita figura sem vicio algum cosinhi o
diario de urna casa ensaboa, e tem alguna principios
do engommar; o molivo da venda se dir ao compra-
dor : no Alterro-da-Boa-Vista n. 2 primeiro an
dar.
=s Vendem-se as seguiotes obras : Aujour le jour
par Frederieo Souli ; La Comtesse de Rudolslsdzpar
Geo. Sand 10 v. ; llistoire de laLelle Cordire et
dases troisamoureux, Fv.; La plus heureuse femme du
mond par Charlotte de Sor ; Annaes de el-rei D. Joio
111 de fre l.ui/de Sou/.a ; Pedreid poema heroico
da liberdade portuguesa ; La maison rustique ; Pascal
Bruno romance de 1) un as; llistoire genrale par
Millot Callando-li e dous voluntes ; urna porgio d
Jornaes do Commercto ; tudo por barato preco : na
ra do Crespo, n. 17.
= Vende-se Carelo de muito boa qualidade novo
e o melbor que ha presentemente nests praga pelo
prego de 2560 rs. cada sacca ; na ra da Cruz no Re-
cife o. 2(1, primeiro andar.
= Vendein-ie roseiras peilo de Venus, a 2000 rs.
um casal de rolas de llamburgo brancas e com oros
por l6 rs. : ni ra da Alegria, n. 8.
Veodem-se 5 escravas de naci de idade de 18
a 22 annoi, muile linda ptimas para mucamas
cozinhao o diario de urna cass; um moleque de idade
de 18 annos : na ra Direita n. 3.
Vende-se um sobrado novo de um andar solio ,
em chios proprios, sito na ra doEogo, n. 27 pro-
prio para algum senbor de engeojMljJtritir ni rui
estreita do Rozario o. 10 teroeWfidar.
[asa da Fortuna, ra Direita, n. ia.
Vendem-ie cautellai, e meios bilheles da lote-
ra do Seminirio.
= Noi Arrombadoicootinuio-se vender travos de
26, 32 e 40 palmos de palmo i coito e palmo em
quadro e de maiores grossuras ; enchameis de 20 a
40 palmos de diversas grossuras; corrimaos o mios
travessas de 30; caibros de 25 a 40 palmos; e recebem-
se encommendas a ventado dos compradores: a tratar
no mesmo lugar com Manoel Pereira de Azevedo ou
no Recife ra do Rozario com Joio Jacintho Ca-
bral.
= Vende-se urna parda muito boa engommadeiraa
lavadeira com urna cria de dous mezes j na ra do
Sebo, n. 18, primeira casa, passando a venda.
= Vendem-seexcellentes vinhos de diilerentes qua-
lidades e de bom g sto; cerveja branca e prela de Lon-
dres ( d Barcia; & Compinbia ) da melbor que ba ,
eem meias garrafas ; ago'ardente de Franca, muito
superior, cor palbete e escura em cascos e engarra-
fada ; para os freguec.es ha amostras no escriptorio ;
e um resto de salitre refinado em porcio ou por bar-
rica : na ra do Trapiche, o. 40, casa de Cbrulopbers
& Donaldsoo.
Vendem-se saceos de tipete e couro pan levar
roupa em vigem por prego commodo; ni ra da
Cadeia, loja de Joio da Silva Braga n. 49 e na ra
Nova, n. 5.
Ao bom e barato !
\ = Vendem-se mantas de seda muito ricas, a 12000
ri. ; tedas de crese escocezas, a 1500 rs. o covado;
.cortes de cambraia de listras e quadros a 4200 rs. ;
ditos de tarlatana de lindos padroes, a 4500 rs.; la-
vas de seda a 2500 rs.; ditas para meninas. a 1280
rs. o per ; sellins francezes muito bem feitos, a 11500
rs. ; ditoi elsticos i 33* rs. ; lengos de cambraia ,
a 400 rs. ; ditos de panninho, 320 rs. ; aarteirai
de mirroquim a 1(30 rs.; pentei de tartaruga para
marrafa a 1440 rs. o par ; lencos de teda pin grva-
la do melbor gosto, a 3f ri.; ditoi pin mi, a
1440 rs. ; chapeos de sol, de seda com barra a 8000
rs. ; ditos de algodio a 2400 rs. ; chitas muito fi-
nal, 160, 200e 240n. o covado; riscados france-
zes a 300 rs. o covado; flores do melbor gosto possivel
para chapeos a 3500 rs. o ramo ; peotes de tartaruga
com dourado para prender cabello a 5* rs.; espar-
tilbos para tenbera a 2500 ri. ; nii da Cbina pin
formar cadeiras, a 8500 rs. uniformes para meninos,
a 7500 n. garrafal de cristal pan violio a 3500
rs. ; globos de vidro para candieiros, a 2800 e 3000
n. : litas para cinto a 440 rs. f ditas de seda para
enfeitar chapeos, a600, 800 e 1000 rs. ; esporus de
go para salto i 1000 rs.; picideini a 800 n.;
meias de algodio para senbora a 560 rs. ; ditas pin
homem, 220 rs. ; ditss de sedi pira lenhora, a 2a ;
ditas pretas para homem a 1800 rs. ; e outns muitss
fazendas por preco muito commodo : na roa Nova, loja
de M. A. Caj o. 18.
>=Vende-se um carrinho de duas rodas em muito
bom estado ; um cavallo para carro muito bom ;
urna cadeira nova de irruir feiti ni Babia ; um mo-
leque de idade de 16 annos de muito bonita (gura :
na ra estreita do Rozario n. 43 segundo andir ,
das 6 as 9 horai e meii di manbia.
= Vendem-se dous mulatinhos de 12 a 14 annos ;
um moleque de 12 annoi : no becco do Peixe-Frito ,
d. 1, primeiro andar.
= Vonde-se urna flauta de bano, com quitro cha-
ves e apparelbada de prita; na ra da Cadeii de S.
Antonio, n. 24.
= Vende-se umi rica cima de irmsgio ; camas de
vento ; um jogo de bancas ; tudo bem feito e por
prego commodo : na ra do Aragio., n. 33.
Vende-se urna canoa de cirreira propria para
conduzir familia ; em Fra-de-Portss rui dos Gua-
ra rapes n. 69.
-' LO.A DA ESTRELLA
Ulia (loQueilFIrldo V.'U.'r
CUILHiiKMt SETTE.
Vendeiii-so retalhos de duraque, trankliui, princezi,
e brim Irangado por menoi de leu valor.
- Vende-se um piano-forte inglez do melbor
e maii acreditado aulor novoeebegado ltimamente
de Inglaterra ; ni ra da Cadeia do Recife n. 34.
Vende-se urna casa meia-agoa na trsvessa dos
Marlyrios n. 2 por prego commodo para te pagar
urna divid que se dave : a tratar na ra dai Cinco-
Pontai, o. 15.
Vendem-se superiores esleirs de Angola ; ditu
de palba de carnauba chegada prximamente do
Aracaty ; ditai de perpiri ; superior doce de larsoja ,
em cauoes; dito de arissi ; dito de goiaba ; tudo por
prego commodo : oa ra estreita do Rozario venda
o.8.
= Vende-se urna toalha de bretanba todi iberia
de lavirinto por prego commodo ; ni ra de S. Bita,
n. 27.
Vendem-se duiiii de pralus ritos de soupa a 880
n. ; assucar miscavado a 1920 n. a arroba e de 8
libras pin cim pelo mesmo prego ; cbi byison
2210 e 2560 rse a libra; dito ucbim a 1140 rs. ; di-
to parola, 2240 n. ; e todos os maii gneros de
vend por prego commodo : na rui Direita vond
n. 43.
Vende-ie urna preti do meio de idade de 25
annoi, luz todo o servigo de umi cssa: oa ra das
Cinco-Pon tai, n 71.
Yende-se cera em velas, chegiida
prximamente do Rio de Janeiro, tendo
o sortimento de 3 at 16 velas em li-
bra, e por preco mais commodo do que
em nutra qualquer parte : ero casa de
Manoel Jos Machado Malheiro, na ra
da Madre de l)eo n 5, primeiro andar.
Vendem-se meios bilhetes da lo-
tera do seminario que corre sem falta
algnma no dia 9 do crtenle: na ra do
Collegio, loja n i.
Venderse, na loja n. 4 d Pra9a da
Indepfndencia% rap princeza de Lisboa,
em botes, eilneos.botes, ao preco de
5sW ris: fste rap he muito fresco e
efiegado tillimamente de Lisboa.
__ Venderse farelo em saccas pelo
mdico preco de st'56o, 3i6o, e 4^000:
na ra da Senzallo-velha n i3'8
Na ra Nova d. 16, loja de ferra-
gens de Jos Luiz Pereira, vendem-se
panellas, cassarollas e chaleiras de ferro,
ltimamente cliegadas e nunca aquiap-
parecidas, pela elegante qualidade de que
sSo feitas e da melhor invencSo que at
hoje se tem empregado na manufactura
das ditas, pelos melhores fabricantes da
Europa. Estes objectos se tem tornade
recommendave8 pela boa qualidade de
que sao feitos, como para a saude, por
nunca em si criarem ferrugem, seja qual
fr o uso que selhes d, assim como rap
meuron em libras e mei| ditas a ifo^o
a libra. >
Vende-se fpnl em velas, da melhor
fabrica do 11 io di^tieiro, eeOs.caixinhas
pequeas de loojfiSras, com o sortimento
seguinte:
6 libras de 3 em libra.
8
12
14 "
16
30
a4 >'
too libras
5
8
10
12
4
16




pelo mdico preco de i'44<> ri cada li-
bra: na ruada Senzala-velha n no
Vende-se vinagre bran-
co nacional a 400 ris a ca-
ada velha: na ra do aterro
dos Afogados n. 7.
- Vendem-se lonas da Rus-
sia n. com um pequeo to-
que de avaria, inuito recom-
mendaveis para encerados ,
camas, de vento e outros usos
semelbanics, pelo barato pre-
co de 500 ris a vara: na ra
do Crespo n. 1 ti segunda lo-
ja, quem vem da ra das Gru-
zes.
= Vende-se,por600s"rs., 1 terreno enlreiiduiipontei
da estrada Magdalena, o segundo do lado direito, que
estove aforado a Joio Thomai Pereira e onde anda
hoje existe a casinlia por elle leita e que ainda Ihe
perlence ; mas que esta obrigado a vender por senten
ga contra elle proferida e passada em julgado ; o ter-
reno tem cem palmos de frente na boira da estrada ,
e 500 de fundo e neste 75 palmos, sendo todas as
desperas leitas a cusa do comprador: a tratar na ra
Imperial, n. 04. Todos os ttulos serSoapreseotadoi
e entregues so comprador.
Escravos Fgidos
= FugirSo, no dia 29 de letembro p. p. do enge-
nho Coquoiro, dous escravos um de nome Manoel ,
crioulo bem pireeido, de bonita guri, com um
pequeo talboem um doi cintos ds bocci Je idade
de 26 annos ; o oulro de nome Denedicto de nagio
Rebolo, bem parecido e de bonita figura de idade de
24 annos : quem os pegar, leve a ra da Cruz n. 43,
que ser generosamente recompensado
= Fugio dos Arrumbados, em aviado do tnez p.
p., um preto de nome Jos, de dado de 20 annos pou-
co mais ou menos, de estatura regular cor lula tem
um marc =0' no lado direito ; livou roupa bran-
ca chapeo de couro ; he" bem conbecido por andir
sempre tirando ireia Das cordal di Paugem ; seu sa-
nbor be Jos Antunes Guimaries: quem o pegar le-
ve ao dito lugar dos Arrombados, a cata do dito An-
tunes ou no Uecifo, no Forte-do-Mat|o ao Sr. Ma-
noel Joaquim Perein ; que sera recompensado.
= Fugio ou lurlrao no dia 28 de setembro
p. p., pelas 8 horas da noute um eseravo c Su ,
lo nome Antonio estatura regular denla tmidos ,
um tanto desapartado uns dos outroin |o, corpo
regular, de idade de 40 annos, pouda mata ou me-
noi, olhoi vermelhoi, cin redonSa^fc descarnada ,
falla pouco no andar abre um poucoaH pernas no
p direito tem urna grossura proveniem* d un biino
que tirou aonde ippirecem ilgumii aireas de osa-
turas ; tem um dedo doi pes torio umi cov no em*
bigo que parece quebrado ; be emboto pouca barba;
tem em urna das pi um corte de fouce ; levou urna
tina de despejo camisa de riscado izul com listras
brancas, caigas de macadonia bastante sujas. Roga-
se as autoridades polieiaes de verem seo prendem e
pessoas particulares que delle souberem, de o levi-
rem a leu lenbor ni rui da Cadeia de S. Antonio ,
a. 19 primeiro andar, que serio generosamente re-
compensadas.
IpERN. y NATVP. DE M. F. DE FAMAl84&*
*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EI5610FVH_UQLLGH INGEST_TIME 2013-04-13T02:35:54Z PACKAGE AA00011611_05881
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES