Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05860


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
mm
tino de 1843,
Quarta fe ira 10
i\ MARIO publica-se lodos o da qne
-"torc de guarda: o preco da asslgna-
" he de igtt. por quartel pago adianto
'.'fo, aimunoios dos assignanles sao >ne-
"I';', razio de 20 rls por l.uha. 40 rs. em
. odiflerente, c as repetices pela metade.
P me mo (orem assittnantes pagao 80 rs.
Jur linha, c 100 em typo difireme. .
PIIASKS DA LA NO MF.Z DE SETEHHRO.
nova a 1 as 7 h. c 15 uiin. d, Uianlia.
l.\euie a 9as 3 h. e 4 ...utos da Urd.
P*rtac a a 15 as 7 l.or. e 54 mi... da man.
1U1 al te a 23 as 10 hor. e 6 m. dalarde.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Goianna, Parahyba, e Rio Craude do rorte
. Segundas c Sextas felias.
Cabo, Serinhaem, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macej, no 1., 11 e 21 de cada inri.
Garanhuns e Honito a 10 e 24.
Boa-Vlata c Flores a 13 c28.
Victoria as Quintas fciras.
Olinda todos os dias.
PR^AMAR DE UOJE.
Prinicira at 11 h. e 42 mln. da manhaa.
Segunda ai 2 h. c G minutos da tarde.
do Sctcmbro.
Ann XX N. 200.
DAS DA SEMANA.
8 Segunda ** Nativldade de N. Se-
nliora. ."'. m
!) Terca S. Sergio, aud. do J. de D.
da 1 v. edo J. dos reltos.
10 Quarta S. Nicolao, aud. do J. de D.
da 3. vara.
11 Quinta S. Jaclntho, aud. do Juii de D.
da 2. vara, e do ;. M. da 1. e 2. v
12 Sexta S. Juvencio, aud. do J. de D. da
1, v. do civel, e do J. dos Feltos.
13 Sabbado S. Filippe, aud. do i. de D.
da 3. vara.
14 Domingo S. Salustia
CAMBIOS NO DA 9 DE SETEMBRO.
Cambio sobre Londres. 25'/, d. por 1 j a 60 d.
> Pars 370 res por franco.
o Lisboa 120a 125n.c.|>r. p. ra.
Dse. de. let. de boa Armas 1 V, 1 '/, p. /.
Curo (Incas despalilllas 3I500 a 31/80U
.. Moedade #400 vel. I8|u00 a 18/10C
>. de 6/400 nov. 17,1600 a 17#80f
.. ., de 4O00 9/B0O a 9/700
Praa-Palacocs .... 1/960 a 1/980
Pesos Colmnnare. 1/980 a 2/00C
Mitos Mexicana 1/950 a 1/960
Moedas de 2 patac. 1/780 a l/BOO
Acces da C do Beberlbe de 30/MW ao par.
Wx*
DIARIO DE PERUTAMBUCO,
PARTC FPCIAL.
Gi-vento da provincia.
EXPEDIENTE DO t/|A 3 DO CORRERTE.
OfllMO- A.. F.x.n.Z.rari. do Ces e V.o.inclln..c-
osana* rrcebid.i seu ..fllei, em que enmmunicoto
,,r tomado posse da preside (1" Piauhvi ecompm-
Mif.di.-se a prealar-sMhe, seropre que ass.m o cx.jlo
servco iH.bl.ro, e o particular lia S. ElC).
Dito-A"ju* de P (, ",B"ndo d'tr,nln d fregue-
d. B-V*iio, declarando, qnea duvida. em que la-
bora ubre a compctencii do furo ouiioiliati.rio.oareec de
dcoi.ao do governo imperial; e que de.to he que deve
inlii'ilar. ... i j
Dilo-A cmara municipal du Limoeiro, sgrodecendo
a. felioilacf.es, queIhedirigi por achar-oe na admi.us-
irsc&o d |.r..vii.eia e promeltendo coadjuvo-la a bem
cuiuprir n en encargo.
Diu>A n.esm, validando a arrematamos dos im-
poiins do cepo e currae dos freguexios da repeelif
rilla c liom-Jardim.
DiluAo ootnmandaiile das nnnas, exig.ndo proposta
Jo un. cirnrgao.par substituir o quo elov na illia de
Fernando, o pedio dispensa.
DitoAo n.esmo. deterniinndo, designe o ofliciae
epraca de pri.neiro batalhau de caendores, que deven.
partir para as Alagas; vitto, segundo informa, nSo ser
possvel, que por urna s vex para all siga todo o bata-
Ihio. Expeilirao-so as precisa orden, para quo te
paisauem guias ios ofliciie e procaa enpranirnoiouo-
doi.e ulliciou-se reipeito ao vice-preidente da Alo-
(.
Dito Ao delegado do 1. dislriclo do termo deata
riilade, recommendando, que no alicatado, quo agora
vai darn arremanste da illnminacan publica de a. ci-
da.lo, tenha en. vista a fallas mencionada na relaco,
que Ihc remelle.
DitoAo inspector da ll.esouraria da faienda, orde-
nando, que faca por a dispo.ico do conceibo geral de
salubridado o torrean da alfandcga, onde ottevo a osso-
c..ir.".o i-iin.intTt'ial, a fin. de, por umquanlo, all toxer as
reipectivis sessCcs. Partioipou-se ao presidente do
conoell.o.
EXTERIOR.
NEGOCIOS DO BIO-D.i-PRATA.
INTERVENCA ANGLO-FRANCEIA.
Montevideo, 4 de agotto de 1845.
Ogoverno da Repblica Oriental neceitoo, desde odia
11 dcjill.o, con. una promptido e conBanca quo pro-
vio o senlimentus uiais louvaveis de conciliacao, a me-
diario cmprehendida pel|FronCB e Inglaterra iP'""16
rem termii guerra que o guverno de buenos-Ayres an-
da boje fas a esta repblica.
0|overnii de Bueniit-Ayres, pelo contrario, repellio
iiit.'lumi'iite [tola as i.isiiiunc'e e proposicOcs quo Ihe
Bicro na aban assignadu ministros jilcnipetenciariot
i de Inglaterra e da Franca,
(ta Franca v da Inglaterra
diiieao obre ba*c auiigaveis. Recnson desde logo urna
h.-| en..i,i tli' linsiilidadi-a, estabelecida, em semelliantea
cireutnsUnoiai, pelos usos inlcrnacionnes coa principios
dr liuuir.nidade. Depois rceusou igoalmenle a exigencia
que e llic fes de iill'.isiai- do territorio o da cusa do
Drugay as tropas eaesqMOilra argentina, cuja allianca
cun oertu numer de Orieutae o estraugeiros a seu
nido, iinii o ti tu patente o recn.iheuido de iiupr,
pur uieia da fnrea, uu.a ...udai.cn do guverno a es-
te paii, constitua un alaque directo contra a sus in-
dependencia. Kniiciaiihi esta ultima exigencia funda-
v-e eiu artigo cvprrisus de tratados assigi.'dot pelo
Napriii Jim i un de Buenos-Ayres, etn cuja conclutio
ilnglaierr. ea Franca, i^^ uw |lirt, .i, ,
la li.mr,, 0 a Inglaterra ( *
menos directa, e que Cunaagrrio da innncira a mais
explcita a indrpeudenoia perfeita e absoluta do Uru-
guay.
Neile eutnilo de cnusas, os abaixo assignados julgao
Decenario entrar em algumas explioaces mais extensas
do qut* a que trfrrau honra de apresei.tar a S. Ex. u
Sr, ministro do negocio eatrangeiro da Repblica
Oriental, sobre o nbjuctu e espritu da missau que esli
encarn-gado de preencher de ouuira.im accordo.
0 olijeclo deata missau he o que .udiet o tratados
ie 1S8 e 1840, iito lie, a independencia perfeita a ailo-
luia rio Urugay. Asiim pois, para que esta independen-
cia exista, ho necessario que us tropas, aesquadra,
coiu ellas teda a especie de influencias argentinas, des-
Ppsri'cio du pait, e que cnlao o povo oriental pos-a
"'" plena liberdade e pelos roeiiisque tracao as suas leis
coiistiiucioi.nea, eleger o ohefe que deva presidir a seo
deslios,
Tcn.-se querido justificar os ataque persistentes do
gnyeriiu do Due.iua-Ayre contra o Uruguay, com a
Mtiur un menor parte que os estraugeiros teeiu tomado
"* dcfea deste pas. Mas estes estraugeiros nflo peg-
" en. arma lento depois da invaslo da repblica pe-
la tropo i argentinas; nao as enipuuharlo como estas
,rapa, por orden, do sen governo, nCm para curopri-
oienl deprojectus ambiciosos,inas sim espontneamente
cl">ra preiervarem sua. pestoa, uas familias o suas
propriedades, das violencias e das espuliacoo quo as
oieacavao, Emfiii, todo estes estraugeiros neiibum
eiejo iccni maia ardentc que o do vultar a seus pacficos
e "leis trabalbu, logo quo o resubclecin.entu da Ropu-
llca Oriental e.u sua inleira independencia Ibes perml-
a laie-ln com seguranza.
0,
espritu da missau que foi confiada Jios dous pleni-
PlSj^I^h..^tau..
mais perfeito. i abaixo assignadu nao descer are-
fular as absurdas calumnias que altrbncn lis duas po-
tencias mediadoras prfidos pn-jecto de invaslo. Mas
declarao de oommuiB accordo que ni pretendem, de
neahuma maneira, reservar para o* seus governo m-
nima parte desa influencia dominadora e Ilegitima que
enmbatem o cnmbsterS empre, da parte du governo
de Buenos-Ayres. Quilquer quo seja o ohefe que apuro
oriental julge a proposito por sua frente, cumtanto
que possa eleg-lo em plena liberdade e pela applinacu
franca de us Iris cnnitilucunae, os abaixo assigna-
du estn proraplus a reounhec-lo e sauda-lo em nomo
ida Inglaterra e da Franca,
j da Franca e da Inglaterra *
A .mica especio do influencia qne o absixo assigna-
dos dcaej Jo exercer na repblica he urna influencia du
pax e de eoncilco. Qoereriao persuadir auiOrieniae
do todo o partidos que potessem termo a cruei dis-
cordia, que podem aprovcilar ao eu nimigo com-
uium, o quo devem precipitar a ua patria em um aby-
mo de mle. Os abaixo assiguado nuceaito, por oulrn
parte, do concurso sincero e sera reserva do governo o-
riental, para preenobercm esta obra santa da recuneilia-
cfto, e crem conhecer demasiadamente bem ua inleii-
96c patritica a este respeito. para nip tcmerem pc-
dir-lhe aqu a legurnnja solemne da sua inteira a-
dheiio.
Os abaixo assignado* aproveitao com proxer esta oc-
casiJn para renuvsr a S. Ex. a seguranzas da sua alta
considerarn, *...
W. Ouieley.Bardo Deffaudit.
BLOjJUEIO DO DU8F.O, ETC.
Montevidio, 3 da agallo 1845.
O governo da repblica recebeo boje as oommnnica-
cOes dos Sr. encarregado de negocio de S. M. Uritan-
nica e gercnle do cunsulado geral de Franca, cujo teor
he o seguinte :
a O abaixo assignado, encarregado de negocios de5.
M. Britn.inica, tem a honra de communicar a S. Ex. o
Sr. D. Santiago Vasquc, minslro dos negocios estrau-
geiros, que fui informado telo contra-almirauto Ingle-
Hcld, commandante das for9s navaes deS. M. Brilanu-
ca na costa oriental da America Meridional, que, en.
conscqnenoa de 1er recitado o general Oribe cumprir
a intmacao que lliofoteta pelos almirantes inglex e
francs, exgindo-lhe quo,uspendesBe ashoslilidades.so
cstabeleccra un. rigoroso bloqueio en. todo o porto
la Repblica Oriental, que ostao ou venl.ao a estar oc-
cupudo pelas trnpss no serv90 do governo argentino,
e que no dia de buje foi ettabelccido o bloqueio do por-
to de Busco.
A' embarcacSe neutras no porto do Busco, se per-
millir com ludo tahir daquelle porto alo u da 12 do
oorreute.
O abaixo assignado aproveila.elo.Adolfo lurntr.
Montevideo, 1. de agosto do 184o.
- Montevideo, 1. de agosto de 184o.
o Sr. ministro. Em onsequencia do ter-so recusado
o general Oribe a acceder inlimacao que Burlo o
Srs. olmiranlOB francoi e ingles para suspender us.bosli-
lidades, tcnbu o honra do annunciar a V. Ex. que vai e-
tabelecer-se um bloqueio absoluto de todos os purtos da
Repblica Oriental, que eslo ou venbao a estar oceu-
padus pela tropa no servido do governo argentino
que, a datar de hoje, existo esle bloqueio no porto do
"c"'
NSo obslanto, onneedeo-se um praio al o dia 12 do
crreme para a sabida das euibareacoes neutras que se
acliao' no porto do Busoo.
Sou com respeito, Sr. ministro, etc. O gerente
do cumulado geral, Maccllino enoit.
0 governu o cominunica ao publico para seu conlie-
cimento. _, ,
(Nacional).
Montevideo, 30 rf;'u/no da 1815.
0 Patriota Francs, de liuiitem, fai o seguinte impor-
linle publiciicu:
Buents-Ayre, 26 dejulho de 1S45.
Urna deputncau du uegouianles inglese foi recebida
boirtem pe Sr. W. OuseUy, minialru de S. M. Uri-
taunica, qual fcx a deputacu a eguinto relaSa.. so-
bre o eilado actual -da ueguciaCiSes cum o geveruo ar
gcnlinu:
Que desdo o principio da ncguoiacao collectiva, os
ministro do Franca c Inglaterra exigirao do governo
argentino que acceuesse a ouia sutpenaau temporaria de
hoslilidade, afim de puder uunlitMiar a u.guciaces
sen. o saoiieiu intil dosiingue humano.
Esta proposiciu i.Jo foi adnitdda pelo governo ar-
gentino : pelo contrario, pedio o reconheoiiueiito do
bloqueio absoluto do Montevideo, em quanto o general
Oribe sitise rigorosamente aquella euladc
Por motivo da negativa da suspen.ao temporaria de
liottilidades. passarao o dous ministros urna uta exi-
giiido a retirada da tropa argentinas do territunu on-
enUl, bem romo a da esquadra quo esta cu frente de
Mual'cf ideo iobrigando-so o ininutru, ao mvsmo lem-
pu, a desarmar os eslrangeiro que lomario parlo as
disae.iccs do Estado Ononlal i deixaudo o uacionaes
livre para elegorem o seu proprio goremo.
Nesta alternotiva fixnrao o dia 31 do oorreute para
que expedio as ordeus de retirada as forcaa argentinas.
0 governo deBucnos-Ayro fui prevenido quo, se ao
dia 31, ouaoles, no tive.o expedido tae orden, o
ministro francs o inglex te retirrio desta cidede.
. E fica entendido quo adoplar posteriormente as
medida necestaras para obtereni asexgenoia dos go-
verno ingl.x o francs, obre a excou9o do tra-
Udo. _
O Sr. Oueley dcoUrou mais que a Inglaterra e a fran-
ca desapprovao mutua e lolalmonto lodaaideia de ac-
quisico territorial uo Rio-da-Prota.
Terminad esta entrevista, adopulacio pedio io sr.
Ootcley que lite dtic a sua opnio obro a conducta
que deverifio eguir o residentes ingleses no caso do e
interromperem a relncfies diplomtica com o governo
argentino. O Sr. Outeley dis.e: Que a inlerropcao
da rolacoc diplomtica nSo implieava neccssnamcn-
te a guerra; ma que em lodo o caso Ibes recommenda-
va, evitassem toda a demontlracao irritante, bem como
tuda a necasio de disputas com a genio do pais; que
obedecessem as leis du pait, e quo onfiassem un sua
proteccao e no dircilu da.gentes, e nos estipulacies do
tratado relativamente seguranca das pessoas c das pro-
priedade.
OSr. Ouseley accrescentoii qne.como tinh tomado
a delermin9&o de faier sahir a sua familia de Bueno-
Ayre, julgava do seu dever offerecer as u.csmas foili-
dtides aquellas quoquisossetu embaroar-sc. "
(dem).
A esqi.adra de Bosas, depnis de ler arreiado a sua
bandeira, foi oondniida para dentro de.to porto, onde
existe desoparelhad o guardada pela for?as do mar in-
glesas e franecta. 0 nobre almirante Browu continua
a eitar a burdo do cu navio, onde tem sido visitado por
pessoas disimulas. O general Brown he mu cnvalleiro
eslimavel.
__ lloiilein pela ui.ii.liaa foi detida pela forras inter-
ventoras a oscuua Euphracia, que vinha de liuenos-Ay-
re para o Buceo. Traxia a sen burdo algn emigrados
orientaos, e um chele de csvallaria inimigo. Regrcssou
depoi pira Buenos-Ayres.
He inmensa aemigraco da noss campanba pai
o territorio limilrophc. A populaCio oriental antes quer
u pao da emigracao do quo submetler-se ao fero eslran-
geiro. Em toda a fronleira cxislem barraca onde se a-
briglo mili tas familia emigrada.
Algumas cartas annuncio um pronunciamento no
Paragey oonlra Rosas, o ccresecnta-e que o governo
paraguayo pl dex mil hnnieiis as orden do general Pax,
dos quas achio-so ijualro mil em Itapu. Veremo o
so coiifiriua esta noticia.
Hojo 2 hora da tai de comecno a desembarcar
parte da tripolacio estrongeira que exislia a bordo dos
navio de Rosas'. Malta genio concorreo par presonciar
esto acto, sem que o menor insulto nem o menor desor-
den, desmentisse o elevado conecito que sempre raerc-
eeo o uubre povo montevideano pelo ana moderucao e
pela, sua virtudr. (Coi/i<.csooO.
Parecc-n.o indubilavcl quo Oribe, o nimigo mais
funesto do povo oriental, deo oideiu para que todas as
familias que se achJo em tuda a extensas) du terreno quo
domina em frente de Montevid-J, rorchem com o seus
proprio recursus para Duraxno; e que esta ordem esH
revestida da correspondente ouacgSo, no qne nao des-
lente Oribe ns seu sanguinolentos antecedentes. Va-
ina ter a dor de presenciar anda eto alrui violencia,
que nao ser exercida subre hornea robuito, que em
liin pudem resistir s fudiga c incuminudo do serae-
Ihanto peregrinacao, na qual he preciso marchar sob a
influencia desmo'raliandoru de um ejercito que se retira,
e de un. exercilo tal como oque Oribe trouxe a este pas,
o que e.u dous anuos o devaslou e devoren alo aep.der-
me a terreno. [Nactonalj.
I)eeinbarcr5n hontem sete soldado e iim lente
Sosa, pcrlcnocntt a divisan Silva, que, felos prisiune-
ro pelo iniuigo, pennaneoiJo bordo da esquadra de
Rosas. OleuenleSo, que conln 17 mese de perm-
ncucia na esquadr, falla cum elogio e gratdo du mo-
do com qne em todo esto lempo foi tratado pelo almi-
rante Browu e tunibem por Toll.
Temos ouvidi. diier quo devem tambera desembarcar
20 numen de cor pericncenlcs a emigrado argenluio,
que Rosa havin deslinadu ao .crvifo da etquadro. O
re.lu di. tripolagu parece que sera remetndo para Bue-
nos.Ayres, se fr esa voniade du cada individuo.
* (6onrieona).
_ 5 de agosto.
.COMMISSXO rERMAKENTE.
A commis.So periuaiiento uuviu as explicaces que o
ministro das relnce exler.ures deu na sessau de hunT
leu. sobre o estado em que se acliJo a negociacoe eu-
tabuladas pelo ministro plenipotenciarios da Inglaterra
da Franca a espeitu do governo deBueno-Ayre para
ai.f..c> desta repblica. Considcrou larobom a que
deu sobre as rcckmacfle feitas pelu noo mi.i.slro ple-
ii.pola ..ciarlo
6 de agosto.
Disscrao-no quo hontom desembaroiro de bordo
dos navios oulr'ora pcrlcnoente a Rom algan homen
com um ofllcinl, que estarlo prisionoi, hai bailante
lempo. Segundo fumo informados, elle individuos sio
Orieniaes e Argentinos. Alera disto, defembarcirao aU
guns lioiuriis pertencenle aquellas IripolacAe.
Ouvimus diier que o general Brown, com a tripoli
cao argentina doi naviut que cominandava, ashio par
Buenus-Avrcs a bordo do vapor ingle Firebrani,
(U*m).
rndenle na corle du Rio do Janeiro oun-
ira a deleucao du Exm. Sr. brigadeiru-general D. Fruc-
tuoao Rivera, general em clu-fe dos exercilos da rep-
blica, directu da guerra, e subre a iluta quo por osle
motivo dirige aud.tu ministril plenipotenciario, aj.pro-
vanUo a sua c.unducta.
A commissau permanente tem vislo confirmadas as
osperancas que sempre fundou no saber e no patriotis-
mo com que o poder exeoulivo condui os negocio que
Iheestaocunfiidu. Porm ficou particularmente lis-
feila da energa com que, por nielo do seu ministro ple-
nipotenciario, euubolou e mienta juslas reclainaces
peranle o governo de S. M. 1. conlia un. faci quo lao
vivamente fero os interesie. c a honra da repblica. A
comaiiiiao permsnenle espera que as continuara com
igual icio al conseguir que tenhao um culo completo,
u quo sem duvida hu de e.perar da rectidao e lealdado do
gabincto do S. M. 1. Confia Uiubeiu que o poder exeou-
livo empregara o muimo icio cm favor de urna grande
raassa da nussa populscao que se ada uini.iada no ler-
ritorio brasleiro, para o que o poder execulvo, quo
cncontrou sempre no corpo legislativo o apoio neoesaa-
ria para fortalecer a su aeco em iodos os casos oui que
o tem reclamado o bem gerol do pan, dove contar mu
especialmente com lio .mando, como na cirenmston-
cias actuaes, est elle esireiUraenle ligado com o que
exige a gloria e a honra da navio.
Dos guarde a V.Ex. inuitoi annot.
Montevideo, i do agotto de ls4S-
Lobenio J. I'krbx, vioe-presidente.
J. A. abandera, secretario.
'Ase sena'?.
NACriUGIO HORROROSO DA ESCURA BtUlILtlIU
FEtlCIDADB.
Sabe-ie por um carta viuda da illn da Aleoslo,
datad em 25 de abril, do errivel denilre que oflreo
o negreiro brwilciro felicidad, aprewatado pelo
Wosp. e a cujo bordo, como j distemos, tollo mal
sinados o aspirante Harmer e o der booiem encarrega-
doi de conduzir esta prea a Serra Leda. Stbe-se tam-
ben) que o prisioneiro, lenbore do afio, legulrlo
no rumo do Brasil; mi que doui diss depoii loi ootrs
vez lomtdo o navio pe cortet 5iar, cujo ssguodo
commtndinle, o Sr. Wilion, tee ordem de conduii-lo
s Serrs Leus.
Depois jle dez diss de visgem, eabio um sgosoeiro
sobre o negieiro, que o fez sossobrsr a duxeotsi mi-
Ihas, pouco mai ou manos, distante do Cabo dss Tres
Pontsi. O tenente Wilioo, dous suriobeiios prstos,
slgui doi piratas tomsdot a bordo do negreiro, e cinco
marinheiros couieguiio fsier ums jangada, quo ficou
prompta eisetamente no momento em que a escuna ia
a pique. Nio tiverio tempo psra salvar mintimento
algum ; levarlo nicamente comiigo urna poueod gon
que le gaitou em pouco tempo. O dous preto bebe-
ro enlio agoa talgsds. e monrio ; o quirtel-meitra
e os pirstsi fallecrSo pela mesma causa, tendo-iems-
nileiltdo a bydropbobis no primeiro, antes de iuc-
eumbir.
* llava vinte dias que o outros tinblo abindonido a
escuna e eitsvlo na jsngsda, quaodo o brigue de guerra
inglez Cygml os recolheo a bsrlsvenlo do Wyndib.
Ellos desgricsdos oflerecilo o msii horroroso espect-
culo : o eu corpo ers todo urna ebaga. Forlo Irtta-
dos com tsnlo desvelos quinta prudencia, e depois
trsmferidoi psrs bordo do fVatp, que oideiembsrcou,
inteirtmente reitabelecidoi, na ilha da AicenUo.
(Courrier du Hmvn.)
-------- (J. do Ctmmercio.)
AMERICl DO NORTE.
Ai relnc&es do Eiiidoi-llnido cora o Metico a res-
peito de Tex eitavlo em muila co.nplcaclo. Deseo-
brio-ie que o poder exeoulivo de Texa liara- etnpe-
nhado n'uina negociacao tecrota para o fim de obler o
reconhecimento da tu independencia da parle do M-
xico, por va da influencia da Inglaterra e da Franca, ao
passo que o povo daquellarepiiblioa tem estado a prepa-
ra r-e para a annexacao. 0 conflicto entre movimen-
los diplomatioos da Inglaterra, Franca e do Mexoo do
nma parte, o da oulra o povo de Texa, lena lugar den-
tro em pouca emana na rCunio do oongreo texi-
ano. ...
O reiullado dene conflicto era imponivcl de prever-
se. Miigue.ii poda diier quo brado de indignacao rom-
pera dentro o povo de Texaa, o o do Estados-Unidas ao
verigoar-se cnroplelanienln, nat.ireaa da interfolelo,
que a Gram-Brelanha e a Fran$> havilo tentado a ree-
pelo do negocio daquelle continente, anda a favor do
Mxico.
Emquanlo, estes diplmala estavo ocoopado nes-
a negoeiace ecreta, poroebia-te que o meinio po-
vo do Texa preprava-e rapidimeute para a Snnexacao,
anda que foe olala de um inovimento retoluuiooa-
rio. limo eonsa ji pareca bem cerla; e era que ie baria
empregado groueira Ilusa., cerca deste negocio em
toda a orcumferenci do E.tados-IJnidos.
A cALiroaaii o eacaoa.
AnlliinanoiioidaCliforniadiaio, que aquella
pait declamo a sua independencia do governu mexicano,
e coustituio se em republioa. Sabia-se que o governo da
Washington tombrm recebara parlioipacoe. oonniman-
,1o lodos os purroenore. desta iutereiite notioU. S
as.ini tor he prorarel que baja em mu breve tempo
ama quesllo cerca da Californio, em addioao I da Ta-
xi o du Orcgon. Imincmo numero de era grados ja
alroveisavi.) o. Estadoi Occidentaec e os sorras, em co-
minho para o Orcgon; muiloa delle seno sen dar ida
attral.ido para o Sul da California; e baria pr.babilid-
de de que em mono do 5 anuo catara aquella joven re-
pblica com o eu numerlo e bello porto, con o
ten ferlil lo, e opraaivel clima bateado a porta da Uni-
os diplmala inglese e frncete, por multo anuos,
bailante que faier naquello coiiiiuenie.
l.'.ua carta de Maullan, publicada u'una follia da
Vera-Crut, diiia:
A iisurraican da California contra o general Micha!
Turen foi bem luocedida, triumpbou a sonta causa da
berdade, estamos ndopendeulei.
(NoV'Ytrk-Nortld.)
megouo ainucANos.
0 Mxico estsva n'umesUdo de perturbas** aam lar
poltico Sxa, ou horneo que dirij o uegoeisj do seu
guverno. OesUdet deTobsco o Pueblo j oanMari*
rio ara sovor ola eonstiluiclo federal; e o cidadae h-
viao celebrado asa Vera-Crus um meeltng geral, ponaos
dio ante da partida deSotner para e oeanio fin; mas
impeiidrlo medida activos ara deferenoio oo pe-
dido do governo, que era muito popular entre toon os
soasa
rs:


partidos. T|iU! blica, muiliyi prNoot do ollioi.-ics iiiililarer, a quem se
iinpu'.avau priijoMA* rvvuliwinnario*, u chogou a tu-
i ...ir.'io d'.uiiias. Suppnnlw-se ijuc n
terio eustcnlar-se ur rouito hias
mt le didtii.".i-*e guerra contra Esta-
Htv acoln.L, i.uuium alg.mii pi'imii-
taJ*-' i.io cimento i!,i cundirn actual ila-
'pm?
xrrcitu actual dtt Mxico constara de
iaft o menos de 20,000 sul.l.li s Sanl'An-
[>rc*0 ni) camello de Pcrula, mas srin Hn-
; .1 soltu brevemente. *o lio que ja nao tinlia a li-
nio ir pura onde lliu apicinenac. lintrotinia-se
Kialiuentft .1 oiiinian de uno ell* aeri nutra
grado no poder, c muito peiua^ao cjne isto teria lugar
mcii'' Quaudo oa negociante inglcic* de
\ ora-Cruz aanbern da partida il Seor Caneci, fro-
liilninvia cacona para New-Orlean, a qual fez-ie do
w!i 10 de oplenle niain na nnute segiiiule eliegou
u iimteri. pie |istou perto das 8 hura por un navio
nmito cmelli.Mite a ella
nava ao trmpo da morte do Guerrier. O negocio es-
t inuito parado pelo estado de perlurbicio em que
te aclis o paiz. O deposito do provitOc americanas
foi inais diminuto durante o mez pastado; mas agora
ba um bom supprimonto, eetperio-se todos os diat 3
carrogameatos. O cal subi nutra vez a 13 ',' sm con-
sequuncia da distraerlo do bracos da colheita para o
exercito e he muito esessso podendo poucot navios
oblcr cargas comiiletos. ,
(JVeckly Jltrald.)
NTEAIOA.
na apparcncia o que segua o
mcanio mino.
Mr. Sliaunnn, ox-minisim americano, tinlia aguatado
a sua poisagcro n'uin navio americano, e darla a vela pa-
ra N*>l>-York perto do di 15. Parece que ello nao pos
na iniilicciiiicnlo algnin do iicgncii. poltico do c:i
ni lici do Mxico, c nJo era considerado a ulgtun uiilni
n>|jiito nona do une cuino un obscuro cidadan aniori-
caii.i, cojo nunie nunca fui mencionado cuino criando
mi ril.ifSo prxima ou remota eom oa aconteninientn
do din. Comec.iva a ajiparecer a febre niuarella cm Ve-
ra-Om; n que parece, que acniprc aconteci nota osta-
cao d> auno.
[Carta de Pentecola de 17 do tnaio.)
NOTICIA MUITO IMPORTARTE DO TEXAS.
Snlda-sc quo npreiidcniu junes convocar* urna oon-
vi'iiciio para reunir-neo 4 di* jmilio, a lim de lomar cm
2 nsidcraciiu a qursl&u da annexacio.
A Dolicia mai importante dnquclla repblica contcm-
seno soguinle
l'i aclamadlo da residente da repblica de Tetas.
Vittu quo o povu de Tesis* teiu uianifvsudo un de
nejo decidido, deque e trate prompa e dcfiuitivnnicu-
i.- da crupoaiclo para a annexaCAo, ultimanicnle soln n-
tida polognu roo don listados Unido a ole ynverno e
que se rena urna convenci para este fin.
'. Visto que so ao novo compete tomar urna decisao
final sobre a proposta de aiiiirxucSn; o ao depois reuni-
dos em couvencSo compele adoptar una cunslilnirlo,
(no lenlia coi vistas a adinissfio de i'cxas nu numero dos
estados da nilu Americana.
V itto quo uenliuma aulorisacf.o be dada pela
constituirn d'etla repblica a algum d. s ramos do go-
verno para contocar urna convenci e mudar a le or-
gnica, sui.lo esto direilo reservado o mesmo | ovo ,
o qutl nica e propriamcnlepde exer<-lo :
.Saiba se,pois, que eu Ansun Jones, presidente da
repblica de Texas desejosode dar direccao e eTsilo
a opiniao publica j lio cahalmcute manifestada ,
rocommendo aot cidadios de Texas que procedi a
oleicio de deputadot para urna convenci nasdifleten-
tet provincias da repblica, cm o dia 4 de junbo p. I. ,
sobre a seguinte base : cada provincia da lepublica ele-
ger um deputado sem respeito ao numero dos votan-.
ti t quo continlia as ultimas eleices annuaes. (ls
ditos deputndos assim eleitos se rcunira em convenci
na cidsxtede Austin a 4 do julho p. f. para o fin de
toiiiarem cm consideradlo a proposta para a anncxao
de Texas aos Estadot-Unidot equal(|uer outra que
M-ia^a a respeito da nocionalidude da repubtiet ; i
idoplarein provisoriamente 8" o julgarcirt convenien-
te* o proprio, utna constiluicao que devera ser sub
iiilli'l a sinccao do povo lenco em vistas a admitido
de Texas na UniSo Americana, como um dos seus es-
tados, deconlonnidadecom as condices da proposta
pura a annexio j submotlida a este governo pelo dos
Estados Unidos. Os respectivos presidentes das pro-
vincias farao annunciar oppoi tunamente as ditas elei-
yoes e nomeart urna autoridade que presida a el-
las nos diversos circuitos, a qual r.otnear 0sjui7.es c
.secretarios das niesinas eleices e as dirigir, con-
.tofmoa constiluicao e as Icis, que icgulao os eleices ,
.ilando de tudo a devida (onta.
11 Em Icsipmunho do quo, mandei sellar esta com o
-grande sello da repblica.
Pascada em Washington aos 5 diat do 11.ez do
inuio do auno do Senlior 18 e decano primeiro da
independencia da lepublica.
Anson Jones.
RIO-DE-JANEIH.
O Sr. Ilerculano Ferreira Penna acaba de ser
nomeado presidente da provincia do Etpirito-Santo.
NOTICtA 'MFIti SSAMI: DO HAVTI.
A caria junta foi publicada na {/. S. (Jazelle :
a Cabn Haytienso 2Sdomaiode I8ib. O p*esi-
"dento Pieffot.chegoii aqu esta tardo do Poito-du Prin-
fipc apenas com utna pequea escolla ; o a julgar-
se pelos boslot, que acompanliiao a su 1 vulla a
qual 01 icoi duvida inesperada e piecipilada a tua
visita oTici a I a capital eslava beni longe de ser satisfac-
toria. Na sua tbegada ao Porto-do-Priucipu dizeui,
qUe elle ordenara t Iropat d'aquella prava que mar-
ceasen! sobre as frnnteiras hi spanli.das dando o com-
mando d'ellas ao general litrho, que, era como elle,
antjgo genual do lempo de Cbristovo. As tiopas
Tertisaro marchar, o o presiden te deo ordem para se
Te dacimadtt. Ilicbo tamben) recusou cumprir esta
nideui o na confusao, que se seguio di/ein que se
disparara um tiro contra o prcsidenlo. Conta-se mais,
que n'u:ia ctilrevisla quo o cnsul gerol francez ti-
vera com o pretidenlo pouco depois do sua chegada a
respailo dat reclamacoes (rancezas dasquaes, lia al-
gun lempo que so devein muilos pagamentos disse-
ra osle quelle, quo, como a actual desunio uo Leste
o do Ueslo bavia sido grandemente promovida pelo (o-
verno francez, nao se feria mais pagamento alguin,
emquaiilonao so unissem outra vex ai parles france-
i e bespanhola da ilba ; pelo quo dizem que o
dnsul francez pedir os seus passapoites. As roela
uiacci Iraocezat monlao presetilemcr.te a pouco
n.enoid 13 milhesdo potos betponbes. A desaf-
felca o presidente tem sido aiuda mais augmentada no
Port-do-Princpe pelo peisuasu de que elle nulrv um
' injusta parcialidadc pela]ujte,o pelo leceodeque elle
Menciona remover a sede do governo para o Cabo llay-
tiet. lio eiidcnlo que existe umita perturbacao e
n.uito descontenl imeiito e que o presidente nada leui
ue popular no Porlo-do-Principe. Pierrot nao foi da
useolba do povn ou entes da do eoncelbo de eslado
i* do< ofliciaesuperiore do excrcilo do Porto-do-Prin-
oipe: porem deve a sfll elcicilo principalmente ao alar-
ma d'utna invasao da parte de llerard que predo'mi-
A commiaHo rotpectiva apretenlou, a 17 de agosto,
cmara dot de putadt s o teguinle parecer, que foi a
imprimir:
i A primeira commissSo de oreamento examinou a
proposta do izoverno, apresentada a esta augusta cma-
ra, ern 31 de julho do corrento anno, e em quo pede
utn crdito da quantia de 760:76ji65 para pagamen-
to da divida de exercicios lindos, desde oanno de 1827
al junho de 1844. liquidada ateo ultimo de jucho de
1845, o leconbecida polos ministerios a que pertenes.
He esle o segundo crdito quo so (em pedido para exer
ciciot lindos, depois da adopcio o execuyao do novo sys-
lema do encerrameiito das cuntas por exercicios.
Antes de entrar na apreciacao dos documentos com
quo foi instruida a proposla, cumpre allender a asser-
f5o do governo, do que nesto credilo agora pedido nio
vi* 111 incluida divida alguma das comprehendidas no pri-
meiro crdito dado pela les n. 313, de 18 de outuhro
de 1813, que foi lixado cm 2.083:i27(J77, as quaes
contnuao a ser pagas al verificarse a prescripco le-
gal, so as nao reclamaren) em lempo os diversos credo-
re ; c pola tabella n. II, que acompanbou o relatorio
do ministerio do fazenda, apresentado em 8 de mino do
trrenle anno, be p.itente que no 1." de abril anda
restava desse crdito 853:775*104.
A propona actual do governo acha-tc hateada na
1lr1111n1.il ni Tin da divida do exercicios lindos, que se li-
quidou depois do primeiro crdito, concedido pela re-
soluto n. 313. Ye se a distinecao das dividas por mi-
nisterios, e cm cadaumdollis tu apresenlao as tabel-
las, conlendo o noine dos individuos, e as quantias,
com dcsigns(ao dos exercicios, em que se deixou de
pagar, ou por nao baver sulliciontes fundos, ou porque
os crodores nio procurrao scu embJso cm devido
lempo, ou por qualquer nutra razan ; ba comtudo al-
gumas quantias, que nao eslao nomiualmente determi-
nadas, o que acontece principalmente no ministerio du
guerra, e para a provincia do Hio-rando-de-.-Pe-
dro-do-Sul. Faz a cummissao esla observacao, nao
tanlo porque deixe do dar crcdito'aos 001 unientes que
instiuiro a proposla, e a outros que seguramente exis-
ten) na respectiva rcparticSo, e aos quaes aquellesse
remellen), como porque scmcltianlo deleito cuida ella
que deve sor evitado pa'a o futuro, por occasiio da upro-
sautacao das lab*'Has demonstrativas dos eruditos para
1 x reicios lindos ; por quanlo, nao sendo estes pedidos,
e ou tul isados sean para pagamentos de dividas que lemu
sido liquidadas as competentes reparticoet, em vista
do osenlamentos ou ordent legitimas, nao he do pre-
sumir, que as nao rcclainasseui pessoas compctenle-
mento habililadas, e cujos nomos deicm constar dos
tormos remcltiJos pelas llicsourarias ou reparlicoes que
concluirao enai liquidaces. Paia o corpo legislativo
be tanto mais importante a decluraco da qualidadeda
divida e do nome dos ere Jures, quanlo he cerlo que nao
tem em scu poder outros documentos para decretar os
crditos do exercicios lindos senSo os quo acooipanho
as propostas, e por isso nelles deve achar todos os oscla-
recimentOl quo o guielii com seguranca para nao equi-
vocar se em ol jecto do tamanha consideragao. Em urna
pala ira, se os crditos para exercicios lind s sao a con-
signago de fundos o a autonsaeao para solver dividas
deservicos ja prestados e reconliecidos, e nto pura o
simples decrelaco do meios para despe/.us de servidos
futuros, tem o corpo legislativo uui direilu ioqueslio-
navel de saber o nome de todos os credores que pela li-
quidado de suas dividas se mostiao habilitados para re-
clamar o seu pagamento. Sassim, er a cummissao,
he que as deetses a tal respeito serao liilius de urna
consciencia bem esclarecida.
Alm destas observares, muito estimara a com-
missao poder apresentar utna demonstracao do estado
de todos os crditos extraordinarios o suppletorios que
leoin sido al o ptesenlo conoedidos, a qual, sendo com-
parada com os balancos dos respectivos exercicios, po-
desso habilitar a cmara a reconbecer corn a necessaria
clare/a, qual a parte daquelles que tem licado annul-
lad.i, ao menos nos anuos em que a utcripluraco ja te
achava rslahelccida por exercicios.
a Al ccilo ponto poda recorrer aos relatnos, aos
balancos e a varios documentos dispersos; mas o scu
ti,.'ili.":730il73 rs. alm da despera (izada para o mes
mo anoo na respectiva bi do oreamento, No artigo 10
desla resolucao muito providentemente se determinoo
que o governo informaste o corpo legislativo na primei-
ra sessSo : 1., qua* 01 saldos em dinbeiro, quedo
anno' (inancoiro de 1838 a 1839 passassem para o se-
guinte no thesouro, em Londres, e cm todas as Ibe-
sourarias ; 2.o, qual a divida passiva existente no lim
daquelle anno, e proveniente de dotpezas proprias del-
le, com declarncio da origem da que provienen); 3..
qual a sornnia paga nelle de conta dos annot anteriores.
Estas ioformacues rSo tanlo mais precisas, quanlo be
sabido que a este exercicio erio ja anplicadas a> disnosi-
coes do decreto do 20 de fevereiro de 1840, quetinb*
preferido o systema dos exercicios ao de gestao, e orde-
nado o encerramento e btlanco do exercicio de 1859 a
1840, tegundo as regrat nelle prescriptas. Esforcava-
seenlio o corpo legislativo, por ter um conheeimentc
exacto de toda a divida passiva em atraso.
O quinto credilo foi concedido pela resolucSo n.
158, de 18 de outubro de 1840 na importancia de
9.804:467^817 n. sendo 5,687:062713 rs. para
pagamento da divida passiva pertencento ao anno fi-
nanceiro de 1839 a 1840 e anteriores, liquidada at
junbo de 1840, e nio paga, e o resto para supprimen-
soldo, tem por n'gumi forma reanimado es operi/ju
docommereio, e feito desappsrecer aquelle etlid
orpor e languidez em que antes tlisso elle seacht, !
mas nem esse attomo de vitalidade pode ser durado''
ro, nem lio pouco podem baver vantagen quecomrJ
sem os resultados do menotpreso dalei. com oqud'
habita o povo a infringir e recalcitrar contra la '
as mais que bem quizer. So esta t consideraco h"
muito poderosa, ainda mesc.o nos paixes em qoet '
na a pureza dot cotame, e a fflrca moral do govern'"
maiores e muito mais teriat altencOe* deve mi*recD'
entro nos, onde ainda lio recentes te achio ai era "
tas icenat de catmibaltsmo, desenvolvida por oawj*
da revolta de "deabril de ^831, com especialid'"
aqui, no Para, e em Malto Grotso.
Sabemos bem ser a riquuxa dos particulares on
conalitue a dot estadot, o temos a esse reipeito em n -
la lembranca o pensamnto da celebre rainba Isahel*>
Inglaterra ; mas.se alguma applicaeio pode oler,,
lativamente ao commercio, nio acontece oulro ti
a respeito da enorme quantidade de diamantes atnk
dos das lavrat do interior, que tem aido parii|b*S|
elusiva de urna fraccao, pela maior parte cooiposti di
eslrangeiros.que.quando Ibes*praz,retirio-iesem ci,n.
Jos saudades para fra do imperio bm os capit*ei Qu|
Irabalho ficaria ainda assim incompleto, nao s porque
do alguns dos crditos ainda so nao pnstrao asconlas,
como porque, alm do balanco doliniltvo de 1841 a
1842, e tem por ora cm seu poder a commissao o pro-
visorio de 1842a 1843, e nosdocumenlos jsoc'om-
piebendc a liquidacu de dividas do exercicio do 1813 a
1844.
Para qualquer convencer-so da conveniencia des
tes exanns basta I lujar oso! los sobro os varios crditos
extraordinarios o supplemcntarcs quo diversas leis leetn
autonsado, j para occorrer a delicioncia dos orcamen-
tos e das rcccitis, c ja para pagamento do utrasade* li-
quidados.'
o He o primeiro credilo o complementar, concedido
pela resolucao n. 'o, de 17 de outubro de 1836, n*
Importancia do 2 000:000* para occorrer as deapezas
extraordinarias, fcilas com a pacificacao das provincias
du Par, e S.-Pedro-do-Sul, em os annos finaDceiros
dc!83ja 185, cdol8:ialS37.
A resolucao n. 74, do 6 de outubro do 1837, con-
ceden o segundo crdito de -i.588:000. de rs. para sup-
prir o delicit do anno ile 18;7 a 1838.
Foi o tereeiro oda nsolucao n. 58, de 12 de ou
labr de 1838, que autorisou o governo a despender
quantia de 3 780:000jr rs. alm da despeza xada para
o anno financeiro de 1838 a 1839
O quarto (oi o concedido pela resolucao n. 90, de
23 de outubro de 1839, quo auionsou o governo a des
to da deficiencia das rendas, e da insufficiencia do or-1 nelle adquirirlo, xombeteando, ainda em ciis, doda*.
camenla nos annos financeirs de 1839 a 1840 e dejgoverno que Ibes peimittio esta acquisicio; nio itH
'-- do tamben) pastar desapercehido o principio annur**
do pelo historiador Turpin que tout elat aprorhiii
la ruine lon'qut la /ortune accumule tous tet dom...
la lite de quelques particulieri.
E nio be urna prova de tamanha verdade o qoej,(
tente e experimenta no mximum da populacao* Oj
tributos conliouio como se nio bouveste asta idnirml
riquexa phisiocratica ; as class s jomaleirat por abi v;-
gueiio, tem acharem trabalbo ern que teempreguem
01 gneros deprimeira necessidado eicesieaoditriimenie
e sobem de preco, pela emigracio de tnuitot bnco
que te paitio da cultura dos cereies para a dosdiam.
tes, que te lites antolha menot trabalbosa e mais loera-
tiva; ecomoseislo a nio foste mais que fligellante
dasipparecrio tambem da circulacao as ceduln mosfr!
Urias de pequeos valores, por serem vidamente r4
crutadas para a Chapada Diamantina, difcultindo-M I
a ohtencao de alguma' do valor de 1,000 a 20,000ti.
ainda mesmo com o premio do 10'/
Temos uuvido a cerca disto continuadas censurue
crimlnaces ao minitteiio, por ser omisso, e indife-
rente anle semclbantcsmales.deixando de obvia los com
nova emissio de cdulas daquelle valor ; mas (era elle
sido competentemente inleirado do que por c te pis-
ta ? A propria razio parece que penuade a negativa,
ao altender-setmente que seria preciso revelar fsltu
e omissocs imperdoaveia, alm de que, subsistitiiloi
franqueza actual de somelliaole commereio, qualquer
nova emissio de moeda papel, embora destas ceulai
de pequeos valores, apeoai vem produzir damuoi,inil-
tando os quarenta e dous mil cootos da ris que jieiis-
tem em circulacao pelo imperio, e sem outra viotagem
que nio seja em favor dos que por menor cambio con-
seguirlo dar-lhe a direccao que leetn ttdo as outns 1
das lavraa diamantinas (").
No entando, porm, que tudo isto se pana i vitlt di
todos, e que ja se conbece, que o governo proviocial nio
tem meios psra impedir o progretto de tal commercio
e de tal mineracio, nio falta quem, levado pela laolsi-
rnagoria' de algumas das exterioridades seductoras, 1110-
gure que nunca a provincia aprosenlou um aspecto mais
brilbante, nunca estove lio rica lirilbantu quaodoi
a forca moral de sua adminittracio s be inconlroieru
miquillo, que nio pasta de meros formularios olliciaes,
ou em queslet de batlidores do theatro : e rica quiodo
vemos o banco coinmercial, i testa de cuja direccao l-
guriu verdadeiras capacidades na extensao da palana,
acabar de redu/ir o fundo do seu capital metade, lo
be, a mil contos de ris, e ter penas no espaco de sta)
mezet podido adquinr.de 144 accin islas, 2ti8:000i 11.!
Verdade be, que urna celebre evolufao militar de-
senvolvida pela presidencia d reudiao para lal estibe-
linimento em odia 10 de Janeiro, com a rapidez de
qualquer das 19 manobra! du caladores, quo demaiidio
avancar-se em dubiado ligeiro, ou a marcA-maicA, 1/-
fugeutpu logo bastantes accionistas, e cuniorieo piral
diminuicio das subscripcoes de muilos, que alias que-
nao enlrar com grandes quantias, encarando essa evo-
lucio como um agouro simtlro: tambem be verdade,
que o esquadrio dos sectarios da oozena hebrea deven
augmentar surdamente taes preconceitos; mas. scji cu-
ino lor, o que nao admiti duvida be, quonoipaiie
onde tuperabundio os cepita es, os bancos ciescem gi-
gantescamente, e tmenle este estado estacionario bu-
lara a desfazer a illuiao dessa preconisada actushdadt
de venturas, qual a igurio os seus apologistas, se mul-
tas outras repercutses moraes, que te expornneniia,
1840a 1841. Dettecrdito foiannullado a quanti*
de 5.644:803*462 n. pelo art.8 "da lei n. 231, do 13
denovembrode 1841 correspondente! as sommos es-
pecialmente applicadas queima do papel moeda e
que lorio desviadas do seu destino e caucio de
um semestre de juros e amortisacio da divida externa.
Ella inesmn lei n. 231 foi quo autoriaou o lexlo
ereililo rir 32:703,68U n. para o dofioit do exeroiciu do
I.Vill a 1 S-'j l, de 1 116:201,883 n. para a defioieocia do
orcnmenlo do 1841 a 1842, e de 2.841:473.471 r. para
ili-lii-ieiieia dn reeeilo do meainn exercicio.
o O stimo crdito foi roncedido pela reoluc-Hn n.
283, de 7 do jnnlio de 1843, que autorisou o governo a
ilei.peniliT,alcin do crdito ordinario,;n*> :>. 1111:718,454
rs. no exercicio de 1842* 1843.
A reolucio n. 313, de 18 do outubro dn mesmo ati-
no, cundedeu o ultimo crdito, que leve a npplicacto es-
pecial par pagamento do exercicioi< rindo*.
i. Pur osla rpida exjiosicSo das resuluces que leem
coneedido crditos, parlo dos quaes leni aido para' p
;:niM'iiti, de dividas de exrreicius lindo deido 1827,
V-ro que nio lie iiidillerenlo ao corpo legillalivo ter
a dcmnuslracaii do estado do lodos elle* quaudo
ii-ni de decretar iiovua crditos para axereicios lin-
dos, o a nao faz a cnniiiiissao pelan ravoes que acuna
expoz, e emendo que luto te deio demorar por mais
lempo a auiorisaco pedida pelo governo, porque o* di-
verso credoro deste exercicios nilo podem por hus
lempo esperar a ileerelacio do* fundo* iudispentnveis
para eu pagamento, sem que dalii resulto descrdito
para o Ibesouru publico, mal que sobro tudo Se deve e-
vilar. Por todas esta* constdsracc*, he a cummistan de
parecer :,
Que a propusta do g-overno tejo convertida em pro
celo de lei eom as emendas propnstoa pela coitiiiiissau.
A asiembla eral legislulivj resol ve ;
Arl. 2. Pagar o governo u referida divida, ou
1:0111 o produelo de apoiiee* dn divida publica, que He
.iiit.iii.-nilo a ennllir, ou dundo-as directainenlu o* ere-
dores pelo preo quo com ello* convencional'.
PCo du cunara, 14 de gusto do 1845. Joaquim
Atildo t'emutidet LeSo. Sairnino d .Sonsa e Utivei-
ra.Bernardo de Santa Franco. >
Sr. Perras propot que *euraca*>e urna, deputacao
par requerer a reuniiiu das duas entilaras, a fim de tra-
lar lia einenila do senado a proposla do governo sobre
hxac'io das loicas do innr. Esta ni nodo foi reiuctlida 11
Oomtnissta n que esl alelo este uegomo.
Continuando depoi* a diseussao da pernio b.irone-
za de Taquury, aiuda licuu adiada.
(Jornal doCom.)
baha.
O sobren libo poltico que j comer a entrever-sc
em nosso horisonte, por clleiios da permissio virtual se-
nao etpressa concedida pela administrafao provincial,
em despeito da lei e ordeus do govctno imperial, para
a t'Xtraccio de diamantes as lavras do interior, que
forniao boje urna especie de ilalunin statu, urna lal e
qual republiqueta aproximadamente polyarcbica, ao
passo que iocute muito serios roceios a qualquer que,
laucando as vistas para o futuro,nio compartir o desva-
lido de urna actualidade fascinante faz tambem recor-
dar o pensamnto do sabio hispo pbilosopho A/eredo
Coutinho, quando,referiudo-se ao Kgypto a respeito
da tirecia,tiesta a respeito da Italia, e da mesma Italia
sobre l ida a Europa, para comprovar a tendencia dos
paizis civilisadns em relrocedercm para o seu primiti-
vo eslado, acciesceuU: Os corpos moraes leem urna
certa analoga com os corpos phyticos : quando um
corpo corre com certo grao de telocidade e so eoconlra
com oulro no estado de inercia, Irocio-se os estados ;
o inerte corre ; o o que corre, para o relrocode.
A experiencia de lodos os lempos (enisobejamente
demonstrado nio ter o trabalbo das .minas, ainda met-
1110 abundantes e riquisinias, quem eleva at naces ao
fastigio do una prosperidad diulurna, mas sim o da
industria agrieola, coinmercial e fabril. Se as provin-
cias de Minas-Geraet, (Joyaz e Matlo-Grosso, nio hou-
ve.-sem largado de mi esta mania de nnneracao do
ouro, paitndote para a agricultura e outros difTe-
rentes ramos de industria,ellas avultariao ainda a maior
excesso ot montoc de ruina de teus anligoi povoadot,
ora desertos e abandonados,que all te enconlriojaieo-
do por alguma lrma atsociir i ideia do seu viajor esses
grandes reinos o imperios da ntiguidadeoode foi in
flexitel a colera divina, como not aconleceo ao paisar-
mos por grandes arraiaes, que, apretentando o exterior
de urna florescencia pasmosa durante os trabalbos au-
rferos, somonte agora oliereccm a solido e o deinio-
ronamento de edificios que deixio sps de si oscita-
clysmoi.
Todava,poim, bastantes annot te volverlo nessas
provincias para que seuielhanlo estado de transicao ap-
parecette ; mis na Baha,decorridot apenas cinco an-
uos, ja semelhsuloi elidios se loruao sensiteis, e nem
podja acontecer o contrario, atienta a declinarlo em
que boje se acbio o* eostumei, e quando as palanas
patriotismo e bem publiconio pass&o de meras expes-
soes poticas, o tmenle poticas.
Concordamos no principio do que a franqueza quo
ora como nunca se di no laboratorio deis** lavras, pa-
ra ts quaes al se ha concedido lieenca a empregadoi
(') Devemospreencber aqui um dever de juslict, bem
que de alguma torta ocioto, altelo o reconhecido e ge-
rol concello de que muito meritoria mente gozoos Sn.
major Francisco los Godiuho, e Wanoel Pinto Le"-
(guando trabalbava no theatro publico a compii*
francesa, queja seguio para a ilba de Uourbon, recebe-
mos duas correspondencias em igual sentido desst, '!"
trata em teu n.u 119 o illustre conteniporaneodoovay'
cur, increpando desapiedadanicnte aqucllet hooridot
negociantes de augmentaren), mediante um estratage-
ma acoberlado com exleiiordades patriticas, o nuo">-
ro dos quo monopolisao com a acquisicao das cdulas
de pequeos valores, e recusan.o-nos adir pubjiciM-
de a taet correspondencias, urna dat qutet aindiwW
avaocava, ji por acbarmo-nos inleirameote convenci-
do do contrario, j porque nosso jornal nunca servir
de vehculo a olleosasde pessoas tats, como os ''y*
dinho, e Pinto Lei te. Nio lorio por ellos compridu*
os quatro espectculos daquella compenhia, como w
quera persuadir : o pagamento de 1,500 franco! p
cada um efleetuou-so. nao cm cdulas de grandes"-
lores, mas em moeda de prala, por ser a que a B"*
eompan'uia ajuslou receber, e nao se pude com ve
rdade
dulas
pender, no nny Oaanceiiode 183911840, a quantia de'pblicos, e 1 oulcilet de" policii.vfneendo seu respectiro
dizer verificada a receita total dos camarotes em pequeas, quando cada um delles era vendido por 1U
tro noutes, o por quantia excedente a tiOl rs, <""c
dulas, de cujo valor tambem erio pagot. Seosfli"^
mos Srt. Godmho, e Pinto Leile, levados den"*1""
tutal bonhomia, nio fssem tlio promplot a faitri
ladee, nio 16 evitariio tomelhanles increpicofSi
tambem a perda de 379*730 rs., confrmete -""L
demonttrativo publicado na Gazeta Commercial de
do inex pastsdo.
ILEGIVEL


i0 forneceMem ja irgomentos ortissimoi smuitos po-
1 ,ai a dar poflPrra com camera ptica do .vio
Til dos desvaneioi e das dcccpc6es.
por noticias chRada boolem(2de agoslo)do interior,
,1a ter sido assassinado em Jacobin. cora doui liros
Ti,*!-! marl**, oalferes de linha Constantino Jos de
ietn (Mercantil da Bakia.)
Arsujo. V_. ,____,
r
oTTHO l)E PmAllliCO.
* AGOA O PHATA NO RCIFi:.
Esto en lim realisadoi os otos d'umo populac&o tiio
numerosa como a da nossa cidade, que desdo que foi
tddda em povoacao, ha hoje tres seculoi, ainda no
"n mu seu seio um s aqueduclo, por meiquino que
!' UL, virsto salisfazer a prisneira das necessdaes
o,'limar: agoa Pur* e pulavel. distribuida a todo
ovo Era umi vergonha para os carecermos anda
j guia coinmodidade de que boje parlicipo a mais pe-
uenis villas do mundo, em quonto por outro lado tan-
to, (nilhues e tanta loica temo ompromeltido em pro-
etlos de segunda ordom. 'actvidado entre nos lio
La a lubilidade d*dneoc.io r. diremos meimo ao pa-
tetismo d'alguns cidadic.t no>sos,qut le associario pa-
,a icnlar urna euipreza de tantq proveito e gloria, ee
boje sem duvida o Kectfe a realisaco d'um to grande
A compsnhia de Bebiribe fundada com efleito em
1839 p" ornecer o Recite d'agoa, tete de lutar em
u principio com todo o genero d'embaracos, Dio obs-
unte o auxilio e a influencia creadora da administracao
provincial d-'entio : tova que vemr repugnancias,
Le quebrar preconceitos, que estabeleeer sympalliias,
sque desconcertar mesmo alguna planos ignobeis d'uma
utriga baia e eitreita, que pretenda desmoronar e
eolravar a emprea : boje, sao felizmente o factoa que
espondeo) a toda ai bypotbeiei: be a ideia d'agoa ei-
cellente e abundante tornida vina o real entre ni; be
uini encarnado vinvel dos esforcos da companbia em
,esnnosdediiiculdades. Oito cbafarizei que vio ier
latmtados nos principaea ponto de eada baiiro", noi
rio em breve a agoa suflciente para abaitecer o Re-
lie todo e os seus suburbios, e nos livrarao por urna
ei das perniciosas immundiciei que bebemos com a
igoi das canoa, transportada para a cidade. Ja a agoa
companbia se acba na Ponte d'Ucba, correndo
o muro em abundancia por varia bien, e j abi a vio
tomprar a maior parte doi aguadeiros, que boje foroo-
em a cidade da agoa do Prata.
Na analyse a que s.i procedeo das diflerentes agoas
tainas prximas ao Recite, desde o Bebiribe at o Mon-
eiro, lu a do l'rata reconhecida como a mais leve, mais
puta, e de modo algum impregnada das materias be-
uminosase insalubres que apparecrio as outns, su-
eltas ao estudo dos respectivos engenheiros. O l'rata
be um riacbo precioso, que tem s sua origen) n'um pe-
queo vale cercado de monte, ao S. da nossss pla-
nicies, tao risonbas e to lerteis: por muito lempo se
suppoi que urna s erlente I lie enriqueca lodo o leito,
mas as ultimas esploracea da companbia mostrarlo que
mudos e copiossimos sio os olbos d'agoa que le re-
nen) a essa fonte, e a torno por isio obranceira a to-
das as previsoes da sciencia, em caso de qualquer cala-
uiidade natural. .
Ao menor dos acudes que esse valle encerra, e que
n'outro lempo j lora separado do maior, chamado do
Apipucos por um largo aterro, liga a tradicio popu-
lar a infausta historia da colebre judia D. Braoca Uias,
aoliga proprielaria de varios engenhoi na trra que
boje sao suburbios do Recite. Parece que do pequeo
acude do Prata parta urna levada d'agoa pela margem
esquerda do grande, e ia moer um dos engenho detia
desudes* mulber, que tuda banbada em lagrimal, na
occaiiao deser presa, e entregue ao familiares do dan-
to Oflicio, mandou as escondidas por um seu escravo
liel Logar grande copia de ouro e outras preciosidades
nesse acudo, que lenf immensa profondidade, para que
ninguem dolas se utilisasse : muitas porin cabirio as
oaos dos familiares, que as remeltro logo para Lis-
boa com a jodia; e a Inquisicio la aplaouu toda as
didiculdadesdo direito sobra o'espolio, enviando a con-
loma a fugueira. Assim. a to cristalina e fra agoa
do Puta que nos iremos consummindo d'ora em dien-
te, alm de nos vigorar a saude pela sua excellencia, re-
cordar-nos-ha tambem a cada matante o cantar da le-
genda doseculo XVII, que offeiece um campo de ricos
niovimentos a> illuntracous modernas, para a compo-
"icau d um bom drama ou romance nacional.
Consta-nos que a companhi adquiri a proprieda-
") do pequeo acude o d'uma orla'de leireno em redor
''He, e ja abi vimos pralioado um largo e mu lindo
Ptfccio, no qual se eslo plantando arvores de sombra,
ese tem leito e conlinuio a faieroutras obras desum-
ma miportuncia para a regularidad e solidez dos aqu-
jelos, desde a elegante caisa d'agoa do Prata at o
caes* Ponte d'Ucba, onde ora e echa o oncan^men-
l0, e donde lera de leguir para o Recife, com a mesuia
PMfwcao e iystema de trabalbo. A baca que lorma o
Peu,ui no acude do Prata, quando as agoas se elevao a
llura do sangrador, he d'uma formosura inexplicavel;
cu d'agoa da Boa-Vista, que ja se acba prompla,
16 cu"*iderada como a incitar obra d'alvenaria queoxis-
na cidade ; nem nos aqui conhecemos abobada tao
'* ensa nem lio bom construida como a que fecha esse
O ultimo relatorio que lomos appresentado pela d-
*co da coBipanbia, publicado nesle Diario, fez-no
Jber que eisa direccio tinba at l5Ue maio ultimo ma-
ejado um capital de porto de 230 con tos de ris, que
nt> a sua dsposicao o mais que Ihe fsso misler, quan-
0 exigisse dos accionistas, e que os seu. trabalboa es-
ll eni mu grande parte coroados. Desdo essa da-
pnncipalmenle desdo quo a agoa se acba lio perto
tlecife, tem crescido consideravelmente afdopu-
10 n' empresa : as apolices sao mais que nunca pro-
rts, o be de crr quo dentro em pouco ellos subo
UlUl,lo de valor.
Consta-110S que por todo o mez de Kciembro fara a
J'"psnhia chegar praca da Boa-Vista a agoa do Pra-
i se pouco lempo antes ella recebar de Londres, como
^ 'sperar, parte dos canos de ferro que para all en -
"mondara; e ,e, '""b601 nessa praca que primei-
veremos erguido o primeiro chalariz de marmore
1 q co,npani.ia mandou vir de Genova.
Icm ,' ,l P'mambuc nao podia \t por mais
mpo o, honrados esloryo da companbia do Bebiribe
-!,
tem Ihe tributar ao menos urna palavra d'admiracSo, o
em apontar s fulurar emprozas, que Pernambuco re-
clama esta escolenle lii;5o de riqqeza, como um oobre
e til exempto a seguir.
*~
O Jornal do Commercio, alm das nnlc.is, que
respailo du Muntovldu cnllieo na> gniulafi e cm cartas
dirigidas respectiva redacj6o, podo nbtrr, decirlas
particulares,, aa 'guiles :
a 0 medindorc denembarcrJo 1.G0O boii-.ens, qi
piiicrSn dispoaicao il governo oriental. Se Oribe ni
levantar o sitio pur estes das, parece que ser atacarlo
as auna ]ioaic6<*s.
, \J Minili U cinitiiiuoHSO a fuer fugo sobre a cidade, lomariS seme-
Ihautc jiroi'cdimun cuino um acto de hostilidade feit
s siias baodeiraa. Nto obstante cana intimiciu, nio tem
cesando o fg; nas presuma se quo Gribo obra ilestc
modo par* encubrir os sens inovimentos, que, sejjiiinlo
setdz, indicio urna retirada.
Asirgura se quo Hosas mnnilmi mrtler a pique al-
giimai embiiri aren nu canal la i I lia de Martin Garca
par* o turnar inaucessivcl. Nada, porin, ao sabe ile po-
sitivo, o rsperainns com impaciencia a clirgada do vapur
Firrbrand par* veril)* com o gvneiul Rosas renrbeo a
noticia Jo* actos praticailo* nqm felos mediadorc*, o
da medidas que tonino. O rrsiilflltes ingleses e trn-
cele em Bueno A; ii spernvii por cas* noticia para
decidirum sedcviiu abandonar aquella capital; por ora
ni ebegrio aqui seuo sciiboras e crian(as, cm nume-
ro de setenta nu todo.
O paquelu ityioW.auliid do Rio.cliegoua Mmilevidn
no da 7. O briguc de guerra ingles Hacer, com n mala
parn u paquete da Europa, eslava uiiiuiicindu para sa
Inr para o Riu no din 0.
CGMMEBCIO.
Alfandega.
Reniiisiento oo du 9.................2:l2ji48(>
etcarregaO hoje 10.
BrigueAlbinacebollas.
Briguetelinafarinba.
BriguePaquelt'do-liiomercadorii.
SumacaVentura-Flixidem.
IMPORTAtA.
SELINA, brigue americano, vindo de Ricbmond,
entrado oocorrenle mez, consignado a L. G. Fcrreira
& Companbia, maoifestou o seguinte :
1.(554 barricas e 182 meias Jilas farinba do trigo ; a
L. G. l'erreira & Companbia.
ALWISA, brigue dinamarquoz, vindo de Cope-
nhague, entrado no crrante mez, consignado a Ro-
thes & Bidoulac, manilestou o seguinte :
29000 lijlo, 12S '/t duiiaa-de tahuas de pinbo, 25
barril ilcitrio, 12 ditos pise, 35(5,500 cebollas; -
(hes & Bidoulac.
Ro-
Rendimento
Geral043*710
Consulado.
DO DU C.
Provincial450*371
lovimeiilo do Porto.
Vatio entrado no dia 9.
S. Catbsrina ; ludas, brigue brasileiro l). Aumo,
de 234 toneladas, capilo Bento Jos Vieira, equi-
pagem 12* carga larinha;a Nascimento Sbellle cVC*
Navio tahido no meimo dia.
Ais ; brigue brasileiro Sociedad, capilio Damiao da
Costa Boza, em lastro.
Edital.
Nao tendo concurrido li:itantaoles n arremata-
ccs das rendas provmciaes a cargo dos municipios a-
baiso declarados, o lllm. Sr. inspector, manda fazer
pblico, que continuar a praca das mesmas arremata
(5es no da 12 do correnlo, a saber:
Cibo 798,000
Seriobiem 254.000
Bonito 1:000,00
Brejo 339,000
Cimbre 278,000
Garanbuns 426,000
Flores 951,000
Boa-Vista 527,000
Secretaria da tbesouraria das rendas provincia de
Pernambuco, 6 desetembro de 1845. O secretario,
su da Coila Forloca retro.
Detilarages.
Pelo juizo dos leitus da lazenda, e na porta do
respectivo juiz, so bao de arrematar na lardo do dia 11
do crranle mez, por venda, a casa mua-agua, n. 2,
na ra'lo Caldeireiro, avaluada por 500*000 rs.; dita
n. 4, na mesma ra, por 500*000 rs. ; dita n. 6, por
600*000rs ; dita, na mesma ra, n. 1, por 150*000
rs.; eoutradita, em dita ra, n., por 150*000 rs.;
urna escrava, por 350*000 n ; oulra dita, por 300$
rs.; e outra com 10 annos, por 200j000 rs. ; ludo pe-
nborado a Jos Mara d'Amorim Jnior, para paga-
mento da fszenda provincial. Asiim man se ha de ar-
rematar de renda annual a casa no pateo do Hospital,
n. 36, avaluada em 60$ rs. poranno; outra dita no
becco dos Quartei, ti. 2, avaluada em 60* rs.; outra
dita, na rui do Motocolomb nos Aliogados, n. 02,
valuada em 38*400 rs., e o sobrado de 2 andares,
no paleo do Carmo, avaluado por 490* rs,: tudo por
execucao da fazenda provincial.
O arsenal de guerra compra laceas d'arrz, assa-
car braneo, azeite doce, bolaxas finas, lelria tamben)
lina, gomma d'araruta, cera em velas, eipirito dovi-
nho, ungento do altheia, sementcs de linhaca, e hi-
driodato de potassa : quem estes gneros tiver, man-
de sua propostas, em carta fechada, a directora do mei-
mo arsenal, at odia 1 Ido corrente mei. Directora
do arsenal de guerra, t da setembro de 184o.No im-
pedimento do cscripturario O amanuense, Joto Ri-
cardo da Siha.
CoPAHHU DO BeBBIBE.
O director da companbia do Bebiribe convocaoiSrs.
accionistas, para que bajo de se reunir em aisembla
eral extraordinaria, boje 10 do corrente, as 9 ho-
ras da manbia, no escriptorio da companbia, a lim de
se deliberar sobra ama proposta de inleresie di meima.
Rceile, 3 de setembro de 1845. O director, J. B.
d'livcira.
Avisos marilimos.
Vende-so um mastarco novo ; oexcellenles an-
coras c mai ferrar/enssalvadas do incendio da barca
ingleza Ciaar, quemada periodo Cear: a tratar com
J. J. Tasso Jnior.
- Para a Babia sahira, at o dia 14 do corrente a
sumaca Ventura- Feliz torrada e pregada de cobre;
tem parte de seu carregainento prompto : para o resto
e passasairos IrstB-secnrn M. D. Rodrigues na rna
do Trapichen. 26.
O brigue Hobim pretende sabir para Lisboa ,
20 do corrente por ter quasi a sua carga completa ;
recebe o resto a frote e passageiros: Irata-se com o
eapilao. na praca ou com o consignatario Tbomsz do
Aquino Fonseca ," na ra do Vigario, n. 19.
Para o tlio-de-Juneiro sahir infallivelmenle
no dia 11 do corrente, a sumaca Amiiade o que
so participa as pessoas que teem a embarcar escravos:
trata-secom Gaudino Agoslinho de Barros, alraz do
CorpoSanto n. lili.
Para o Aracaty sai com minia hrovidade a suma-
ca Flor- do -Angeltm, por lera maior parle da carga
prompla: quem na mesma qui/er carregar ouirde
passagem, dirija se ao mcslre, Bernardo de Souza, ou
a Lu/. Jos de Sii Araujo, ra da Cruz, n. 20.
Vende-se urna barcaca nova, bem construida,
que pega em 24 caixas, o que apenas Icm urna viagem,
na qual provou ser decxcellenlo vela: quem a quizer
comprar, entenda socom o propiietarioda mesma, no
Furto-do-Matlo, onde ella seacha eocalhada.
Para a Babia seguo brevo o brigue Generoio
podo receber alguma carga ; quem pretender, pode
enlender-se com Amoriiu fruaos, ra da Cadeia,
n. 45.
Para a Babia segu com brevidade o brigue Pht-
dro; quem no mesmo quizer carregar, p le entender-
se com Amorim lrrr.uos, ra da Cadeia n. 45.
Leiles.
Kalkminn S Rosemund faraS leilfio, por nter-
venci do corretor Oliveira de grando sorlimenlo de
fazendas ingieras francesas, esuissas, tanto do seda,
lia e linbo como de algodio recenteniento impor-
tadas : hoje, 1U do crrente, as 10 horas da manbia,
no seu armaron ra da Crur.
Me Calmont & Compaubia far leilio por
intervenco do corretor Olivcira, do mais esplendido
sorlimenlo de fazendas inglorss, todas proprias do mer-
cado : quinta-feira 11 do correnlc as iO horas da
manhia cm poni no seu armazcui largo do Cor-
po Ss'nlo.
Avisos diversos.
O CLAMOR PUliLICO
O numero.42 acba-sea venda na praca da Indepen-
dencia livraria ns 6 e 8.
O-MDADOR
smbmBe
Sabio boje on.'49, e acha-se venda na praca da
Independencia livraria ns. 0 e 8.
= Jos Domingues Codeceira presume nada deveri
esta praca; todava, tendo do retirar-se para o Rio-de-
Janeiro, convida pelo presento a quem io julgar seu
credor, a dirigir-so a casa de sua residencia na praiado
Santa Rita o. 45 que ser previamente indemui-
sado.
=A pessoa que quizer lazer sociedade em urna pa-
daria nesla praca, falle na praca da Independencia,
n. 19.
=A pessoa que quer comprar os utensilios de urna
refinacio, pude fallar no Corredor-do-Bispo, n 8.
- Roga-m ao lllm. Sr. Joao Marnho Pac Brre-
lo o obsequio de entregar na ra de detraz da matriz da
Boa-Vista n. 11, em casa do coronel Joscde Barros
Falcio du Lacerda, urna carta que (em cm seu poder
para Henriquo Cavalcanti de Albuquerque, vinda do
Rio-de-Janeiro, ou declarar a sua morada para ser pro-
curado.
= Peraoteo doulor juide orphios Se ba de arrema-
tar os gneros e armacio da venda aita na ra do l.ivra-
mento, quo foi du finado Manuel Mu/ do Sou/a Bor-
ges; quem a pretender cumpareca nos dias da praca do
mesmo juiro.
=Precisa-scdedousconlos daris a premio, dan-
do-se porgsrantia hypotheca em predios nesla prac,a ;
a quem convier, pode dirigirse a ra da Conceicio n.
2, das 3 as 5 horas da tarde.
= annos, de bonita ligura, sern vicios, e que sabe bem
lavar e engommar; dirija so a barca dos binbo, que
i sabera quem a tem para vender.
Precisarse comprar um diccionario portuguez. j
usado; quem o tiver annuncie.
O NAZARENO N. 125
est a venda na praca da Independencia, e casa da f
na ra estrella do Rosario. Varios arligos sobre a po-
ltica do dia; o U.-novo na opposicao, e resposta ao
Azorragut n. 54, enseri o n. O Varella licara muilo
salisfeilo cortamente.
Tendo alguns irmaos censurado a mesa regado-
ra da irmandade de S. Benedicto, erecta na reja de
S. Francisco, por ter mudado a (esta do dito San-
to, para a quarta domioga de oulubro : o abaiso assig-
nado, na qualidade deescrivio, responde i essas pes-
soas, que o motivo dessa mu langa nao fui outro, senio
a grande divida de um cont e 400* rs., que as tran-
sactas mesa transmittirao presente ; pois s ao ceriei-
ro, junto a V. S. do Terco, ficou devando 300* rs.;
aodapracinha do Livramento, 112*; decima de mi
morta e viva, 190* rs., &c., te.; e nio obstante se
achar assim sobrecarregada, sempre tem ido satisfaien-
do aos credbres da relerida irmandade. Talvezaejio
os proprio censores a base principal desla mudan-
ca ; pois que, concorrendo para semelbante divida, dei-
xarao a mesa actual na colisio de nio poder faier a fes-
ta do seu Santo JoSo da tona Palma, escrivao da
irmandande.
Domingo, 7 do correte, pola manhia, desap-
pireceo da casa do desembargador Poixoto, ni ra da
matriz di Boa-Vista, n. 20, o caboclinbo Jerooymo,
grosso do corpo, de idade 11 para 12annoi; levou
vestido calca azul, camisa de madapolio ralo ; tem um
signa I na maca do rosto, prov nienle do urna queda ;
e quando assenla os ps no cbio, abre bastante os de-
dos grandes: quem o pegar leve-o caa cima, que
icr recompensado.
Do dia sexta (eir para tabbado da souiaoa pana-
da, furtario da casa do doulor francisco Joio Caroei-
ro da Cunba, no Atierro da Boa-Vista, uru dedal de-
ouro, lavrado, que [ miera valer 13* rs ; por quem o entregar d-se a quaatia de 20* a. ; protes-
lnilo su nao se proceder p"f frm* lguma-f.nntr
pessoa que o lenha por ventura comprado.
Perderio-se os seguinles meios bilhetes da lote-
ra do seminario, ns 3806,3803, 2709, 2701, e 308;
os quaes esli assignados por M. G. Cselo a quem
somonte poderi ser pago qualquer premio, que por
ventura possa sabir nos referidos ns., para o que so pre-
vine ao Sr. tbesoureiro da mencionada lotera, cujas
rodas se acbio annunciadas para andarem boje, 10 do
correnlc.
Antonio Francisco da Viobi, subido Portuguez,
retira-se para lora da provincia.
Antonio Pereira (az sciente ao rospoitavcl publi-
co, que, por haver outro de igual nomo, do boje em
diante se asiigna Antonio Pereira do Santos.
A pessoa que liver para vender,
ou alugar, una refinacao de a ss ti car com
todos os (erlences: annuncie por esta l'o-
lli'a.
Aluga-se, na ruado Amonta, um
casa de Ires andares, e um mirante, com
excellente vista,- a qual tem mullos cotn-
moilos, e he inuito fresca: os pretenden-
tes l'allem no terreno andar n. 3"} do a-
trro da Hoa-Vista, assim como podem
ir i na do Amorim examinar a mesma
aLerta das 8 horas do
casa, a ([tiul est
as 4
da larde,
por
casa os pintores
se achareiu
que a eslao
dia at
na mesma
pintando.
O abaixo assignado, fabricante de chapeos de sol,
no Passeio-Pblico, provine ao respetavel pblico, quu
elle acaba de receber um sortimeoto completo de cba-
I eos de sol, de todas ai qualidades, tanto do seda, co-
mo dtlgodio; ello tem tanibcm cbapios de sol para
senboras o meninos. Advette igualmente, que, ten-
do us sedas, as mais ricas, de barra lavrada, furia coros,
lisas, 4c., &c., esl no caso de satislazer qual-
quer encommenda, com tuda a presteza ; ello potsue
tamben) algodio trancado, liso, e de todas as qualida-
des dos padrees mais modernos: elle, em fim, cobre, o
concerta todos os chpeos deso, com a maior perfei-
(io, e protnptidao. Joo I.oubtt.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio,botica n. 10,e no Atierro-da-
Boa-Visla luja n. 48, tirio-se passaporle para dentro e
forado imperio,assim como despacbio-sc escravos: tudo
com brevidade.
l\oga-se a pessoa que tiver dado
acolhimento ou que tenha noticia do mu-
a tinlio por nonie Agostinho, e que lti-
mamente se achava em casa do 5r. Jos
Lazary no aterro da Boa-vista, o qual
se inculca forro e de nome Manoel, idade
14 annos pouco mais ou menos, beiQ lei-
to de corpo, e bonito, tendo as pernas
um pouco arqueadas ; cantarolleiro e ex-
rcssivo : haja de o mandar ra da
rui n. 9, onde ser genorosamente re-
compensada.
Arrenda-se, para passar a festa, um sitio em Cruz-
das-Almas, de Ponte'd'Ucbda, com boa casa para grao-
de familia, coclieira, estribara, e quartos para pretos,
I oin pomar de laraogeiras, de boas laranjas, omito
caf, e oulras mais fruteras, com baobo oo rio de Ca-
pibaribe, e muilo perto : & tallar no hospilal de poli-
ca, com o eufermeiro do mesmo.
Lotera
Hoje io do mez de setembro andao
imprcterivelmente as rodas desta lotera:
o restante dos bilhetes est a veada nos
lugares j annunciados.
Manoel de Araujo Cavalcanti de Albuquerque
Lins, propretario do engenho Mutsupinho sito na
riheira de Araripe, termo de Iguarac faz certo
Joio Alves da Nobrega morador no serlio da Ep-
nbaras na fazenda Trincheiras, que a 20 do mes de
agosto p. p. Ihe appareceo um seu escravo cabra de
nome Goncalo procurando-o para o comprar; e ten-
do o annbpciante conbecimento com o dono do dito
escravo o fez demorar a fim de se nio extraviar;
pelo que queira o sobredito tenhor do escravo appare-
cer, ou mandar a fim de fazer negocio ou condu-
zi-lo ; Picando certo que o annunciante te nio res-
ponsahilisa pelo escravo caso faca nova fuga.
Jos Francisco Colares ruga ao Sr. J. M B. que
baja de vir tirara cadeirinba, que se acba em seu poder,
pertencenle a tua mulber pagando o que a mesma es-
ta devendo ; e nio o fazendo dentro de (i dial conta-
dos da publicacio deste, se pasta a vonder para o paga-
mento tem que possao baver mais reclamaces.
= Furtario no dia 24 do correte pelas 3 ho-
ras e nieia da larde da botica de Jos Hygino de Sou-
za Peixe na ra Direila um eaisio com man, com
o peso de urna arroba : e o mesmo pede a qualquer Sr.
botieatio ou outra qualquer pessoa a quem for olTe-
recido haja de o apprcbeoder, e leva-lo a mesma boti-
ca que ser gratificado.
Quem quizer comprar, oo arrendar a proprieda-
de Casa-Caiada no lugar do rio Doce, (alie com o
propretario Jos Francisco Belem ; cuja propriedade
principia no rio Tapado, at o sitio do Alicario, pe-
gado a capella de Santa-Anua.
' >. -.^4|
^nV9


i i II ==ss=
RAMALHETE DAS DAMAS.
Jornal muiical t potico publicado no Hi o-de-Janei-
ro di 15 em lo dio.
Trar. msica para piano e para piano e> canto, estam-
pas einterassantesartgos deleitara.
Subscreve-se na ra do Crespo, n. 9. loja de Gomes
& Carvalbo, por anuo 13a rs., porsem itro 7500 ra. ,
adiantados : remellidos os jornaes pelo correio.
.los Moreira Martina Fonseca U i cente que
dcixou desercaixeiro de Ilenriqucs& C omnanhia, des-
do o da 9 do correute mex ; e o meso io rctira-se pa-
ta lora da provincia.
= Furtrio da tribuna junio ao coro do convento
de N. S. da Penha no dia 7 do con ente urna ta-
lo* de livaruto bico muiio rica coma marca J.
J. S. M. e consta que no menino dia lora olio
recida a diversaa pessoa*, na ra do Rangel; quem da
- meima souber leve-a ao convento da Penha que.
ser gratificado.
= Precisa-sede 9 trsve do 50 palmos de compri-
men to e que tenhlo grossura de 10 a 12 polegadas
em quadro de muito boas qualida -ra Direita n. 1S, segundo andar.
= Precisa-se de um bomem que seiba tirar leite ,
e tratar de bortalica para trabalhar em um sitio to-
mando conta delle : na ra da S. Cruz n. 38,
= Quem |(>e fallar urna cadella, que parece atra-
vesada dirija-ae a ruada S. Cruz n. 38.
=s Antonio Gongalvea Fontcs rctira-se para o Rio-
da-Janeiro.
e= Precisa-se de urna ama de leite que seja par
da de um al 3 mezes, preerindo-se forra : a ti atar na
ra Velos da Boa-Vista n. 55. at as duaa horas da
tarde, ou no sitio do D. Roza Franciscade Miranda
junto a igreja de S. Jos do Hanguinho, i qualquer
hora.
Quem precisar de urna ama para casa de poooa
lamilia, dirijo-se a ra de Hortas, esquina da deS.
Tbere/a o. 52, que se dara ioformaces de sua con-
ducta.
Antonio Casimiro fax sciente ao respeitavel pu-
blico, quo. por haver outro de igual nome do boje
em diante ae assignar Antonio Casemiro Gova.
Precisa-se de um bomem para trabalhar em 1 si-
tio perto da praca.que e tenhaconbecimentos para o por
em ordem : quem estiver nestas circumstanciaa diri-
ja-*e ao secundo andar do sobrado n. 16, defronte do
tbeatro velbo.
A pessoa, que, no Diario de 6 do corrente se
offereceo para ser feitor de engenbo ou sitio e que
entendede todas as plantacSee dirija-ae a ra do Li
vramento, r>. 33, segundo andar.
Hoje, aa 4 horas da tarde aporta do Sr. dou-
torjuizdocivel da segunda vara, JoaTbomat Nabu-
co de Araujo Jnior se bao de arrematar os bens se-
guintes: um sobrado de um andar, a ilbarga de N. S
do Terco quo faz esquina para o boceo que vai pa-
ra oa Martjrio* ; urna casa na ra da Calcada de pe-
dra e cal ; urna dita tambem de pedra e cal, no Pco-
da-Panella na ra da Mangueira ; 300 palmos de
terreno no lugar dos Coelbos por aforamenlo ; cu-
jos bens alo pertenceotes a Jos Claudioo Leite.e se ar-
rematas por execuciode Thom Pereira Lagos.
=s Aluga-ae una boa casa terrea com grande so-
lio acabada de pouco tempo com grande quintal,
cacimba e muito liona comntodos para urna graude fa-
milia por preco muito commodo a vista da casa ,
sita na ra da Palma n. 17; os protendentes, dirjao-
sle a ra larga do Rozario, n. 44.
= Aluga-se urna caaa terrea com commodos
para urna familia na ra da Alegra n. 38 : a tra-
tar na ra da Cadeia do Recito, loja de ferragens ,
0.44.
= Aluga-se a loja do sobrado da ra da Scnzalla-
Velba n. 52 : a tratar na ra Direita, o. 42 onde
tem nicho.
= Aluga-se urna casa terrea, por commodo pre?o ,
na ruaatraz da matriz da Boa-Vista com duaa salas ,
(i quartos cozinba fura corredor ao lado quintal
murado : a tratar na ra da Aurora, n. 58.
Arrenda-se una casa terrea na Soledade, n. 17,
a qual se acba pintada com asseio; quem pretender,
dirija-se ao pateo do Carmo n. 17, a fallar com Ga-
briel Antonio.
I'ede-se a Senbora Anglica Filippa do Sacra-
mento ou seua berdeiros, baja declarar a sua mora-
da para ae Ihe fallar a negocio de seu interesse.
^
botes e meios boles, ebegados
prximamente em o navio
Rohim
Bom e I) a rato !
Compras.
L
Compra-se por qualquer preco, a obra Com-
pendio de theplogia moral, pelo padre Manuel do Mon-
te Rodriguea de Araujo : oa ra do Vigario, o. 23 ,
ou ennuncie.
oa Compra-se urna rabeca em bom estado e de boas
vozes ; nasCinco-Pontas, n. 160.
= Compra-se urna ou duas travs que tenba pe-
lo menos 50 palmos de comprimento e que seja de
boa qualidade : na ra da Praia serrara n. 21.
= Compra-se umavenda, sendo em bom lugar;
e urna cas terrea sendo em boa ra : a tratar na
ra da Cadeia-Velha, armaxem n. 8.
jj= Compra-se urna escrava que seja perfeita cos-
tureira e engominadeira; paga-se bem : na ra do
Trapiche, n. 26.
= Comprio-seescravoscom ofCcio esem elle, que
sejao mogos e sem defleilos principalmente um fer-
reiro que entenda do trabalbo de forja e lima, e de
compr machados e freios; na ra da Cadeia do fie-
cife, os. 12 e 14.
= Comprio se pennas de rabo-de-junco ; no Cor-
redor-do-Bispo o. 8.
- Comprou-se, por conta de Reverendo Joio Car-
los de Souza Caldea da cidade do Natal nielo bilhete
da primeira parte da 18.' loleriu do seminario de Dun-
da, o. 3965.
Compra-ae um taboleiro de gamio e damas,
ou oiesmo o gamio so ou damas em bom estado
quem tiver, annuueie.___ ____________
=Vendem-se riqussimos cortes de riscado cbioez ,
de 16 corados, a 4500 rs. o corte; riscados francezea ,
muito finos, a 220 o 300 rs. o covado; superiores cor-
tea de chitas muito fioaa, de i3 covados, das mais mo-
dernas a 3200, 3500, 3800 e 4500 ra.; cortes de
ditas com 10 covados, escuras a 1600, 1800 e 2000
rs. ; lindissimos cortes de terlatana muito auperior, a
4500 rs. de gosto o mais moderno cortes de rovos
padrdes de caaaa chitas transparentes, de muito bom
gosto, 2400 e 2500 rs. ; casimiras de muito bom
goato para calcas, de superior qualidade de quadroa
estres, a 1200e 1400 rs. o covado; bretanhas de
rolo, a 1600, 1800 e 2000 rs. a peca ; esguiio da
superior qualidade e de puro linbo muito lino a 1500
ra. a vara ; bretanba de 6 taras, de linbo puro fina,
a 2800 e 3200 rs. ; superior lusto braneo a 1' rs. o
covado; pecas de bretanba de Franca, de 4 palmos
e meio de largura de qualidade a mais auperior sen-
do de lindo puro de varas e meia a 6500 ra. a
peca muito fina tal e qual ao caguiio ; bretanba de
linbo muito fina a 560, 640 e 720 rs. a vara ; su-
perior brim trancado braneo de puro linbo muito fi-
no a 1000 e i 400 rs. a vara ; panno fino aiul e pre-
to a2500rs. o covado; selim de Maco preto para
collete de auperior qualidade, a 3200 e 4500 rs. o
covado ; chitas, u i z, 140,160 e 180 rs. o covado ;
ditas finas escuras a 220 e 240 ria o covado ;
pecas de chitas, a 4500, 5200, 5500, 6000 e 6500 ra.,
escuras ; madtpolio, a 150, 160 o 180 ra a vara ; di-
to lino a 200, 220 e 240 rs. a vara ; medraste fino ,
a 280 rs. a vara, e a peca muito lino, a 5200, 5400
5500 rs. ; superior madapolio entestado a 5800 rs.
a peca ; madapolao a 2800, 3200 e 3400 rs. a peca;
dito fino a 4000, 4200 e 4600 rs. a peca ; chales de
lia e seda muito finos e grandes, a 4500, 4B0O e 5000
rs. ; chadrez delinhu, de muito boa qualidade e pro-
prio para aqueta a 320 rs. o covado ; alm destaa le-
rendas ha outras muitaa de superior qualidade por
barato preco : na ra do Collogio, loja o. i, de An-
tonio de Arevedp Villaroucoi lrmio.
as Vende-se um famoso carro inglez, de 4 rodas,
novo, o muiio em conta ; a dinbeiro ou praio : oa
rua doCtaemado loja p. 18.
= Vende-se umacadeira desjrruar; dous pares de
conchas proprias para bravo de batanea grande; todo
o negocio se (ar : as Cinco-Pon tus n. 160.
= Vendem-se 8 escravos ; sendo urna preta, urna
cabra 3 pelos e 3 moleques; lodos de bonitas figu-
ras : a tratar com Antonio Rodrigues Lima do largo
do Corpo Santo.
Alten rao !
eeza a 2000 rs. ; camisas da meia muito fioaa
1280 rs. ; e outras muitas fazendas por barato preco:
na ra do Crespo n. 14, loja de Jos Francisco Diaa,
Vendem-se travs de 40 palmos de muito boa
qualidade ; na ra da Praia serrara, n. 21.
= Vende-se um eacravo do naci Angola de 18 a
20 annos com principios do pedreiro e sabe cozi-
nlmr; oa ra de Hortas, o. 94.
de um Renegado ; LicSes de direilo publico ; tv.
ma politic ; Contrato aocial; Guaida-livros mJ
3 v. ; um par de malas em bom uso
no
rui
Vendas.
Na loja n. 4 da praca
da Independencia, vende-se
rap princeza de Lisboa emj
Continua-se a vender o muito superior rsp deno-
minado Princeza-Movo-Lisboa ; as lujas dos
Srs. : (iuilherme hette, ra do CJueimado; Victorino
& Guimaries ra dos (uarteis ; Antonio Domnguez
Ferreira ra do Crespo; e no deposito ra de
Apollo, n. 18. Preco de cada libra 1000 rs.
= V endo-se um moleque de naci de bonita fi-
gura ; na ra Augusta, o. 3.
= Vendem-su cinco fiteiros e urna porcio de ta-
boas de pinbo por preco commodo ; na ra larga do
Itozario, n. 24.
Vende se, na praia do Collegio as barcaras'.
Benedicto e JYovo-eitino larinha superior, pelo
barato preco de 3800 rs. o alqueire e saccas de mais
de 3 quarlas e meia a 3500 rs. e anda se dar por
menos alguma cousa a quem quizer comprar (oda a
porcio.
= Vende-se potassB muito nova e de superior qua-
lidade em barris pequeos: na ra da Cadeia do
Recife srmaiem de assucar, n. 12.
Vendem-se dous moleques com bonitas figuras,
ptimos para todo o sertico ; dous escravos de navio ,
de idade de 22 a 24 annos ; dous mulatinbos ptimos
para pageos de idade de 14 a 18 annos; urna negn-
nba de idade de 13 annos; 5 escravas de naci, de
idade de 28 a 30 annos: na ra Direita, n. 3.
No escriptorio de Francisco Severianno Rabello
& Filho no largo da Assembla, vende-se cal virgein,
chegada prximamente de Lisboa em cairas pe-
queas, e barricas.
= Vende-se caf moido, cevada, assucar refinado de
diflerentes qualidadea, peneirasde rame novas, e um
torrador de caf em bom uso; na ra da Cadeia do
Recife venda n. 1.
= Vende-se muito boa cera para igreja chegada
ltimamente do Rio-de-Janeiro ; na ra da Senzalla-
Velba n. 110.
= Vendem-se saccas com milho novo a 4500 rs.;
no armazem do caes da alfandega de Vieira Guima-
raes e na ra da Cadeia de 8. Antonio deposito de
larinha, n. 19.
= Vende-se no armazem de porta larga do caes
do Collegio farinba de mandioca grossa e fina, por
menor preco do que a bordo visto que nio sy; tcm de
pagar o onorme tributo da intitulada mandinga aos
pretos canoeiros; tambem se mede pela medida velha ,
ou em aacess como melbor agradar aos fregueses.
Vende-se cha fayston em caixas de 13 libras, em
porcoese a retalbo; em casa de Matbeus Autin & C. na
ra da Ifandega Velha n. 36.
= Vendem-se saccas com muito boa farinba de Ma-
g a 4500 rs. ; oa ra da Cadeia de S. Antonio ,
n, 19. deposito da mesma.
= Vendem-se riqussimos cortes de tarlstanas de
todaa as cores, de gestos modernos e com 9 varas
4200 rs ; (szenda cbineza de quadroa, muito fina de
lindos padroes e muito larga para vestidos de senbora
a 280 rs. o covado ; castores de lislras muito encoba-
dos, proprios para roupa de escravos, pelo barato pre-
(o de 200 rs. o covado ; superiores casimiras de qua-
droa e listras, muito encorpada padroes modernos, e
de todaa es cures, pelo barato preco de 1600 rs. o co-
rado ; pecas de caoibraia lisa transparente com 6 va-
ras e meia pelo barato preco de 3200 rs. ; brins fran
cezos de quadroa largos ditos do cora*, a 400 rs. o co
vado ; casimiras de algodao muito ancorpadas, a 480
rs o covado; cortea deeassa-ebitas de lindos padrdes,
a 2000 rs. ; pecas de cambraia adamascada a 4000
rs. ; meias para meninos e meninas, a 200 rs. o par;
chapeo* brancos sem pello; dito* preto* de mas** fran-
= Vondem-se saccas de milho ditas de farinba ,
ditas de feijio mulatinho ; tudo de alqueire da medi-
da velha : oa ra da Cadeia do Recife armazem n. 8.
= Vende-se urna preta recolbida de 20 annos,
boa costureira e engommadeira ; 3 ditas com boas ha-
bilidades ; duas pardas de 20 annos. d* bets (guras,
cosom eogommio, coxinbio e faiem todo o servi-
co de urna casa; dous pretos, por 250/ r. cada um.
muito fortes para servirem a urna casa > ou trabalba-
rem e botarem sentido a um aitio por a isto estarem
acostumados; 3 ditos para o trabalbo de campo; um
mulatinho de 10 annos: na ra do Crespo n. 10,
primeiro andar.
= Vende-se farinba de mandioca, a granel, a bor-
do daa sumseas S. Joaquim, e Flor-da- Lotinguilta ,
fundeadas na praia do Collegio, o ensaccada, em trra,
por preco muito commodo : a tratar com Manoel D.
Rodrigues, na ra do Trapiche, n. 26.
-= Vndese ptima carne do sertio pelo preco
commodo de 3200 rs. a arroba; na ra da Paja, arma-
zem o. 1, que faz esquioa e frente para o becco do
Virginio.
Vende-se um braco de balance grande, eutor
inglez com conchas de cabo do liobo ; na ra Direi-
ta sobrado de um andar n, 42, ao p do nicho.
= Vendem-se saccas com larinha a 3400 rs. ; oa
venda da esquina da ra larga do Rosario n. 21.
= Vende-so um moinho, torrjdor e fogio, tu-
do prompto para moer caf ; na Boa-Vista ra da S.
Crux n. 3.
= Vende-se um moleque de idade de 15 annos,
babil para todo o servio ; dous pretos, sendo um ser
rader : no Forte-do-Mallo, ra de Jos da Cesta,o.
= Vende-se um cabra-negro, de Looita figura ;
oa ra da Ciux, n. 10.
Vendem-se seis escravos de idade de lG a 20 an-
nos com algumas habilidades; um moleque e urna
oegrinha de 12 annos de bonitas figuras; urna mu-
uta de bonita gura costureira e engommadeira, de
idade de 18 annos ; cera de carnauba; bexerros; cou-
ros de cabra; e pennas de ema ; por preco commo-
do : na ra da Cruz, o. 51.
= Vende-se um ebronometro ingles, novo ; na ra
do Trapiche, armazem de Dousley Reymond Pritiz,
ra do Trapiche-Novo.
= Vendem-se lindss mantaide seda a 12000 ri. ;
ditas para meninas a 3500 rs. ; chalea de leda, a 14)
e 16000 rs.; cortes da lia e seda a 16500 rs.; seda es-
cocesa a 2000 rs. o covado ; aedas lavradat e furta-
edres, a 1600 rs.; cortes de cambraia de lislras e
quadros a 4500 rs.; lindissimos cortes de tarlatana ,
a 5000 rs. cana-chitas muito moderna? a 5500 rs.
o corte ; chitas unas, a 220 e 240 rs. o covado ; len-
cos de seda a 1600 e 2000 rs. ; lusas e meiaa de al-
godao e seda, globos pa'aeandieiros, a 3000 r*. ; cha-
peos de mansa, a 7000 rs. ; ditos de castor a 9000
rs ; ditos de sol, de seda a 7000 e 8000 ra. ; pau-
tes de tartaruga para marra la., a 1440 rs. o par; ditos
para prender cabello a 5000 rs. ; riscados oscuros de
lia a .r>00 rs. o covado ; e muitas fazendas de gosto ,
por preco muito razoavel : na ra Nova, n."!8.
= Vende-se urna cama de condur, oova, bem
feita.e por mdico preco: na rus d'Agoas-Verdes, n. 38
Attencdo ao bom t barato !
= Vendem-se, na travesa da matriz, n. 14, em
baixo, obras de ouro de toque de 14 e 16 quilatea ,
vindas do Rio-de-Janeiro bem como brincos, alGoe-
tes um grande sortimento de anneis, meios adere-
eos flores de cabeca botes, corseos, alfinetes pa-
ra bomem, conloes', trancelins, tudo de bom gosto ;
tambem se troci por ouro e preta velba e vendem-se
tanto em porcio como a retalbo, por prego commodo ,
por ser para liquidacio de contas : est aberlo desde
de munlia at as 5 horas da tarde.
= Vende-se urna escrava do gento de muito boa
conducta, a qual tem duas crias, e com bastante leite
sabendo cozinhar, engommar, e lavar, tanto de aabo
como de nrrella : na ra do Livramenlo, n. 22.
= Vende-se larinha de superior qualidade e mili-
to torrada preferida para guardar a 3200 r*. o al-
queire medida velha isto at sabbado dia em que
so ha de entregar o navio : a bordo do biate S.-Joa-
quim-Imperador-doi-Anjos, fundeado defronte da
escadinba do caes do Collegio.
= Vende-se uuia moeda guarnecida ; 3 botdes de
abertura ; 3 relogioa de ouro ; 3 pares de rosetas para
menina: na ra do Rangel, o. 11, ou 3; primeiro
andar.
= Vendem-se lindos chales do lia e seda a 5000
rs.; corles de cambraia de listras, de corea muito mo-
dernas, a 4000 rs. ; tarlatanas de goslos modernos
a 4400 r. ; cortes de linissimos riscados e dos mais
modernos padroes a 3200 e 38oO rs ; bonitos corlea
de gorgurio de quadros para collete a 2400 r*. ; len-
cos de cassa para grtala ; corles de cassa-ebitas de
quadros e listras de cores, a 3800 rs.; lindera de listras
e quadros, de bonitos padrdes, a 320 rs. o covado; ca-
simiras fraocezas de listras a 1280 rs. o covado ; su-
perior breUnha de rolo a 1600 e 2000 ra. ; lia de
quadros para calcas a 300 ra o covado ; linissimos
madapoldes eofaslados, a 7000 e 10 rs. a peca; su
periores meias cruas para bomem a 2800 e 3600 rs.;
lencos de catsa com llore* de cor, a 120 rs.; e outras
muitas fazendas por muito commodos precos: na ra
do Crespo o. 8 loja de Campo* & Maia.
=Vende-se um cabrinha muito esperto, de idade de
12 annos pouco mais ou menos ptimo para pa
gem por saber bem montar a cava lio, e tambem tem
principios de bolieiro ; ns roa das Florea, n. 23.
= Vende-se um escravo crioulo de idade de 25 an-
nos de bonita figura ollicial de alfaiate e ptimo
bolieiro e coebeiro ; na ra de Horlas, o. 140, sa di-
r quem o vende e o motivo.
= Vende-se urna mulatinna de idade de 18 a 20
annos, sem vicio; na ra do Cabuga, o. 3, segundo
andar. i
a Vende-se um piano em bom uto e moderno ; I
na ra da* Florea, n. 19. I
= Vendem-se os seguinles linos : Costease dEg-j
mon, 2?. ; Le coate L Asrdig* 2 t. ; Aieotura*| PKWt. ; HA tvp
Direita n. 9.
= Vende-se azeile decarrapalo de meia cm i
para cima, a 2240 rs. : na praca da Boa-Vista, n> !?
=Vende se urna pardiotia ta figura engomma, cose, las renda co/inha e i
roupa; Orn escrava de 24 annos, de boa figura c"'
algumas habilidades coro um filho moleque de 7* *
nos ; duas escravas de 20 annos, eugommio eJ
nhio e lavio ; 3 escravas mocas para lodo ossrcn
urna cabrinha da 13 annos cose e faz renda- UJ
negrnhd<7s!; Jcus.ra!HuBa ue ioaano- |
escravo peca de 20 annos ptimo caooeiro ; 2 ^
de 22 annos para todo o aervico de campo: ai r"
dasCruzes, n. 22, segundo andar.
Vende-se milbonovo a 4800 rs. o
medida velha ; oa roa do Rangel, o. 25.
Veode-seum moleque de idade de 14 a 16
dos crioulo, de bonita figura por preco coaoa.
do ; oa ra das Cruzes, no segundo andar do lokrnl
que vira para o beco da Pol
Vende-se urna escrava de idi de de 30 aoaos ca,
xinheira : na ra Nova, 13.
Iqueinjj
Vende-se vinagre bran-
eo nacional a 400 res a ca-
ada velha: na rua do aterr
dos Afogados n. 7.
Farelo em saccas grandes chen-
do ltimamente: no armazem dp Guinji.
raes, confronte ao caes da alfandega,
Vendem-se bilhetes e meios ditos
da lotera do Rio de Janeiro que tem de
correr por todo este mez, sendo o maior
premio de 20:000x000: na rua da Cadeii
velha, loja de cambio n. 38.
Vendem-se ricos oculos, de grand*
tom, para tbeatro, de qualidade mui su-
perior: no Recife, rua da-Cruz n. 7.
Vendem-se barris com potassa, da
mais nova que ha no mercado ; na nu do
Vigario n. 11.
Escravos Fgidos
= Fugio, 00 dia 27 de agosto paseado, um preto
de idade de 30 annos, pouco mais ou menos; ba col
do braco esquerdo : quem o pegar, leve na rui das
Cruxes, bairro de S. Antonio n. 33, quo sera ben
recompensado.
= Em o dia segunda-feira do Espirito Sanio, do
anno passado, fugio a preta Catbarina de naci An-
gola, ladina, alta, bastante secca do corpo seio pe-
queo cor muito preta bem feita de rosto
grandes e vermelhos com todos os denles na frente,
ps grande*, e um tanto mettidos para dentro, muiio
converaadeira e risonba de idade, pouco mais ou me-
nos, de 22 annoi; tem sido encontrada na estrada ora
da Magdalena, e no Atterro-dos-Afogados vendendo ver-
duras e aos domiogos he quasi constante 00 aurt-
cat dos coqueiros em dito Atterro-dos-Afogbdos: bi
poucos diaa loi ella vista por pessoa coobecida u-
bindo da casa, que algum lempo foi palacio do goieroo
em Olinda para onde toroou a entrar; be muito pro-
vavel que por alia eateja oceulta visto estar devolutoo
dito palacio : a dita esorava perlence a Manoel Fran-
cisco da Silva morador na rua estreita do Kozrio
n. 10, terceiro andar, ou em aeu sitio em S. Amiio,
junto a igreja ; o qual gratificara
quem Ihe apresentar dita escrava.
= Tendo-se mandado, no dia'4 do correnle cetem-
bro aos Afogados um moleque buscar urna canoa con
lijlo esle sabio da olaria com ella e encalbando-i
junto dos Afogados sallou para a trra: e como nio
seja a pparecido al boje julga-se fgido ou seduci-
da do que ba todas aa auspeilas. Este escravo ten 01
signaos seguinles : de nome Joaquim, de naci Ci-
cange representa 18 annoa, pouco mais ou menos,
de boa figura sern ponta de barba nio be bem pra-
io ; tem urna cicatriz no meio do rosto que lie toni
urna grande parte delle a do nariz procedente de ubi
i|ueimadura ; be alguma cousa picado de be. higa;
levou camisa e ceroula* de algodio de lora e cbipeode
palha pintado de verde : roga-se a todas as autorida-
des policiaca e pesioa* particulares por quein poM
sor encontrado, o favor de o mandarem pegar, e Isjsr
ao aeu seonor, Manoel Antonio de Jess, mora-
dor o* rua larga do Rosario junto ao quartel de po-
lica, n. 18, oode se recompensan com geoerosdsde
lodo o trabalbo que bouvercom elle.
= Fugio, no da 30 de agosto p. p. om estu-
vo cabra de cor escura do nome Co me, de idids
de20 annos, pouco mais ou menos, reloreido do
corpo, boa altura cabello de negro; levou cale'
camisa muito sujaa; quando talla quer gaguejar a '"
cara de riso, e outras ve/es ba muito sobranceiro;pi'i|(D'
ce ao Luiz Pistor : quem o pegar leve a rua do
Trapiche, o. 3 casa de pasto que ser bem recon-
pensado.
= Fugio, no dia 7 do corrente, um preto de now
Domingos, de naci Costa da Mina de idade de 10
annos pouco maiW menos estatura regular, bw
cose olhos grandes ; tem algumas feridas na cabeC >
corpo secco; levou camisa de nscadinbo trancado "> <
calcas de estopa, curias por cima dos joelbos, e uro P'"
acode estopa amarrada na cintura por cima da* calca',
fingindo tanga : quem o pegar, leve a rua eslr il*
Rozario, n. 43, segundo andar, que scri gratifica o
da seu trabalhn.
No dia 4 do correnle, fugio urna preta n,onj
Maria ; levou vestido azul, usado psnno da w*
tambem usado, eamiss de algodio trancado ; bjij
olhos grande* rosto curto falla de denles na en"
la, ja idos* ; quem a pegar, leve ao Atierro-da-Boa-
Vieta, loja de ourivea, .0. 69, que era bem com'
pensado.
DE M. f,. DE FAMA
I45'
-=-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQC7SV5A6_U06SQ9 INGEST_TIME 2013-04-13T01:05:05Z PACKAGE AA00011611_05860
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES